Você está na página 1de 46

Materiais nobres

REGRA DA ALAVANCA

O primeiro homem a estudar o Ouro e Prata Tecnicamente foi também o


primeiro a usar alavancas em muitos experimentos,
Conhecido como um dos primeiros engenheiros, foi dele grandes inventos e
aplicações mecânicas; desde uma peça simples até complexas engenhocas
são de sua autoria, exemplo: o parafuso de Arquimedes (criado para elevar
água para níveis mais altos, catapultas, grandes espelhos côncavos feitos de
latão para concentrar calor em embarcações inimigas próximas até incendiar, e
usou e abusou de roldanas e alavancas, diminuindo o uso de força humana em
muitos trabalhos.

É dele aquela celebre frase: “Dei-me uma alavanca especial e um ponto de


apoio ideal, que movimentarei o mundo” mas sua maior fama não é por esta
frase e sim por uma palavra.

EURÉCA, dita por Arquimedes ao encontrar a solução de uma tarefa muito


importante envolvendo o metal nobre mais famoso o OURO. Imaginem a sena
Arquimedes correndo pelado gritando EURÉCA é mesmo pra ficar na história.

Esta tarefa passada pelo rei Ieron de uma ilha hoje atual Sicília pertencente a
Itália, mais de 200 anos antes de Cristo, que após ter fornecido um a certa
quantidade de ouro a um artesão para que fosse confeccionado uma nova
coroa para o rei. Ao receber a coroa no prazo correto, com a qualidade
especificada e pelo preço acordado, pairou uma dúvida; estava tudo certinho
de mais, e provavelmente o artesão teria misturado prata com o ouro e
embolçado uma certa quantidade do metal nobre e precioso.

Coube a Arquimedes desvendar este misterioso problema, e a solução foi


encontrada pelo gênio enquanto se banhava numa banheira. Coisa que ele não
fazia com frequência, muitas vezes era levado a força para banheira; mesmo
depois de velho, tudo por que vivia concentrado em projetos e cálculo; é dele a
descoberta da constante PI = 3,14...... e o primeiro cálculo do perímetro da
terra mais próximo do real 43.000km.

Ao entrar na banheira ele notou que o volume de água que saia da banheira
era equivalente ao volume do seu corpo e que a água o empurrava para cima
dando origem ao princípio de Arquimedes que determina a força de empuxo e
que no futuro poderá até produzir energia de forma contínua e de graça através
de usinas elevatórias.

Depois de associar o volume do corpo dentro da água com seu volume


corporal; ele saiu gritando a palavra que o colocaria na história, ele correu até o
rei para informar a solução que hoje é simples porém na época seria quase
impossível descobrir fisicamente.
Ele simplesmente mergulhou em um recipiente com água, o mesmo peso
fornecido pelo rei para a produção da coroa, e marcou o volume aumentado da
água, depois pegou o mesmo peso em prata e fez a mesma comparação,
marcando o nível novamente que obviamente foi superior ao do ouro e por
último ele mergulhou a coroa que tinha o mesmo peso, e que mostrava um
volume intermediário. Com esses resultado ele calculou até quantidade de
prata acrescentada no ouro.

Tecnicamente ele comparou a densidade do ouro com a da prata que por ser
menor tinha maior volume, já que o peso era o mesmo, como se trata de uma
mistura ISOMORFA, até hoje esta mistura é muito usada, para reduzir custo de
joias ou para melhorar as qualidades mecânicas do ouro (endurecendo o
mesmo)

Comercialmente o Ouro é conhecido pelo seu quilates ou seja sua pureza;


cada quilates valem 1000/24, e a mistura de ouro e prata com 75% ou mais de
ouro é conhecido como ouro 18 k e mais puro tem 24k, esta faixa de 18k a 24k
é usada como reserva monetária.

A prata também é conhecida por ser Nobre pois como todos os metais nobres
não se oxidam, já tem um valor bem mais baixo que o ouro, enquanto o grama
do ouro custa +- 2500,00 a prata custa só 11,00 o grama, Porém houve uma
época em que até a fortuna de uma pessoa era medida pela quantidade de
prata em arroba(@), foi numa época que a prata ajudou até demarcar novas
fronteiras brasileira.

No período em que Brasil e Portugal ficaram sob o mesmo domínio espanhol,


final do século XVI e início do XVII, toda a riqueza produzida pelos países
andinos eram escoada para o rio da prata na Argentina (que quer dizer prata
em Grego) de onde eram embarcada para a Espanha. Porém neste período
por motivos religiosos (expulsão dos Judeus da Espanha e Portugal) o Reino
espanhol passou a sofrer boicotes comerciais e seus carregamentos eram
saqueados no início das viagens.

Para minimizar estes prejuízo a Espanha decide criar bandeiras em São Paulo,
para criar novas rotas de escoamento da prata produzida nos andes. Amador
Bueno (avô de Fernão Dias) foi um dos primeiros neste negócio; que ao chegar
nos andes e voltar ao brasil com comitivas (quase todos índios chegando a ter
mais de 2000), com o concentimento da Espanha acabou estendendo a
fronteira brasileira e acabando com o tratado de Tordesilhas.
Você está aquiMundo EducaçãoQuímicaQuímica GeralTabela periódicaMetais
nobres
Metais nobres
Metais nobres são elementos químicos cujos átomos apresentam grande
dificuldade de reagir quimicamente com outros elementos.
Publicado por: Diogo Lopes Dias em Tabela periódica

A confecção de joias é uma aplicação dos metais nobres

Metais nobres são elementos químicos que apresentam uma menor


reatividade quando comparados a outros elementos químicos de natureza
metálica. O ferro, por exemplo, reage facilmente com o oxigênio, o que
não acontece com o elemento ouro. Por esse motivo, o ouro é considerado
mais nobre que o ferro.
Como os metais nobres apresentam reatividade pequena, eles possuem
uma maior resistência a sofrer oxidação (perda de elétrons)
e redução (ganho de elétrons). É muito comum vermos uma palha de aço
oxidar (corroer-se, mudar de cor) na cozinha, mas dificilmente vemos isso
acontecer com uma aliança de ouro.
Os elementos que são considerados metais nobres são: ouro, prata,
platina, paládio e cobre. Veja suas principais características e
aplicações:
→ Ouro

Pequenas pepitas de ouro

Características atômicas do Ouro:


 Seu símbolo é Au;

 O número atômico é 79;

 Sua massa atômica é 196,96 g/mol;

 Núcleo possui 79 prótons;


 Níveis de energia possuem 79 elétrons;

 O número de nêutrons no núcleo é 118, pois existe apenas um isótopo


natural desse elemento;
 Pertence ao 6o período da família IB da Tabela Periódica;
 Possui tendência de perder um ou três elétrons, formando, então, cátions
monovalentes (Au1+) e trivalentes (Au3+).
Distribuição eletrônica:

 Subnível mais externo é o 6s2


 Subnível mais energético é o 5d9
Características físicas do Ouro
 Seu ponto de fusão é 1064 oC;
 Seu ponto de ebulição é 2970 oC;
 Sua densidade é de 19,3 g/cm3;
 Apresenta coloração amarelada;

 Não é solúvel em água;

 É solúvel em mercúrio e em água*régia (mistura formada pelos ácidos


nítrico e clorídrico).

Formas de obtenção
É um elemento que está amplamente distribuído na crosta terrestre. Pode
ser encontrado também no fundo dos oceanos (estudos apontam que
existe uma grande quantidade de ouro nos mares).
Por ser um material inerte, o ouro pode ser encontrado livre na natureza
ou associado a alguns minérios, como quartzo e piririta. Na forma mineral,
é encontrado em grande quantidade no minério calverita.

Principais utilizações
 Construção de barras de ouro para reservas monetárias dos países;

 Produção de joias;

 Cobre janelas em edifícios para refletir a radiação infravermelha e evitar


o aquecimento do cômodo;
 Em computadores, em virtude da alta capacidade de condução de
corrente elétrica;

 Nas restaurações dentárias;

 Dispositivos para diagnóstico de gravidez;

 Tratamento de alguns tipos de câncer.

→ Prata

Talheres confeccionados com o metal prata

Características atômicas
 Seu símbolo é Ag;

 O número atômico é 47;

 Sua massa atômica é 107,88 g/mol;

 Núcleo possui 47 prótons;

 Níveis de energia possuem 47 elétrons;

 O número de nêutrons no núcleo pode variar de 60 a 62, pois existem


apenas dois isótopos naturais desse elemento;

 Pertence ao quinto período da família IB da Tabela Periódica;

 Possui a tendência de perder um elétron, formando, então, cátions


monovalentes (Ag1+).
Distribuição eletrônica

 Subnível mais externo é o 5s2


 Subnível mais energético é o 4d9
Características físicas
 Seu ponto de fusão é 960,8 oC;
 Seu ponto de ebulição é 2210 oC;
 Sua densidade é 10,5 g/cm3
 Apresenta coloração prateada;

 Não é solúvel em água;

 É solúvel em ácido nítrico.

Formas de obtenção
A prata é um metal abundante na crosta terrestre e está presente em mais
de 60 tipos de minérios diferentes, como a argentita.

Principais utilizações
 Produção de fios condutores de eletricidade;

 Produção de joias;

 Produção de utensílios de cozinha;

 Produção de instrumentos musicais;

 Produção de alguns medicamentos;

 Produção de baterias de alta capacidade;

 Produção de explosivos.

→ Platina
Minério com platina

Características atômicas
 Seu símbolo é Pt;

 O número atômico é 78;

 Sua massa atômica é 195,08 g/mol;

 Núcleo possui 78 prótons;

 Níveis de energia possuem 78 elétrons;

 O número de nêutrons no núcleo pode variar de 112 a 120, pois a platina


apresenta seis isótopos naturais;

 Pertence ao sexto período da família VIIIB da Tabela Periódica;

 Possui tendência de perder 2 ou 4 elétrons, formando cátions bivalentes


(Pt2+) e tetravalentes (Pt4+).
Distribuição eletrônica

 Subnível mais externo é o 6s2


 Subnível mais energético é o 5d8
Características físicas
 Seu ponto de fusão é 1769 oC;
 Seu ponto de ebulição é 3825 oC;
 Sua densidade é 21,45 g/cm3;
 Apresenta coloração prateada;

 Não é solúvel em água;

 É solúvel em água-régia.

Formas de obtenção
A platina é um metal pouco abundante na crosta terrestre, estando mais
associada a alguns minérios que apresentam os metais cobre e níquel.
Porém, o principal minério que apresenta platina é a chamada sperrilita
(PtAs2). A separação da platina dos minérios onde é encontrada ocorre
geralmente por meio de um processo denominado de refinamento
eletrolítico.
Principais utilizações
 Confecção de joias;

 Produção de catalisadores (substância que acelera a reação) de reações


orgânicas;

 Indústria petroquímica;

 Produção de materiais para restauração dentária;

 Fabricação de alguns medicamentos.

→ Mercúrio
Gotas do metal líquido mercúrio

Características atômicas
 Seu símbolo é Hg;

 O número atômico é 80;

 Sua massa atômica é 200,59 g/mol;

 Núcleo possui 80 prótons;

 Níveis de energia possuem 80 elétrons;

 O número de nêutrons no núcleo pode variar de 116 a 124, pois


apresentar sete isótopos naturais;
 Pertence ao sexto período da família IIB da Tabela Periódica;

 Possui tendência de perder 1 ou 2 elétrons, formando cátions


monovalentes (Hg21+) e bivalentes (Hg2+).
Distribuição eletrônica

 Subnível mais externo é o 6s2


 Subnível mais energético é o 5d10
Características físicas
 Seu ponto de fusão é -38,8 oC;
 Seu ponto de ebulição é 356,7 oC;
 Sua densidade é 13 g/cm3;
 Apresenta coloração prateada;

 Não é solúvel em água.

Formas de obtenção
O mercúrio é um metal abundante na natureza, estando muitas vezes
associado ao enxofre, formando o minério cinabre. A obtenção do
mercúrio a partir do cinabre ocorre pelo simples aquecimento do mineral.

Principais utilizações
 Aparelhos de medição, como termômetros, barômetros etc.;

 Produção de agentes resfriantes para componentes eletrônicos;

 Produção de cloro e soda cáustica.

 Na produção de

→ Paládio
Barras confeccionadas com o metal paládio

Características atômicas
 Seu símbolo é Pd;

 O número atômico é 46;

 Sua massa atômica é 106,42 g/mol;

 Núcleo possui 46 prótons;

 Níveis de energia possuem 46 elétrons;

 O número de nêutrons no núcleo pode variar de 56 a 64, pois o paládio


apresentar seis isótopos naturais;
 Pertence ao quinto período da família VIIIB da Tabela Periódica;

 Possui tendência de perder 1, 2 ou 4 elétrons, formando cátions


monovalentes (Pd1+), bivalentes (Pd2+) e tetravalentes (Pd4+).
Distribuição eletrônica

 Subnível mais externo é o 5s2


 Subnível mais energético é o 4d8
Características físicas
 Seu ponto de fusão é 1554 oC;
 Seu ponto de ebulição é 2963 oC;
 Sua densidade é 12,02 g/cm3;
 Apresenta coloração branca prateada

 Não é solúvel em água;

 É solúvel em alguns ácidos e bases inorgânicos, assim como na água-


régia

Formas de obtenção
O paládio é um metal bastante escasso na crosta terrestre, sendo
encontrado em minérios de níquel, platina e cobre. Sua separação dos
minérios onde é encontrado é feita por purificação eletrolítica.

Principais utilizações
 Produção de catalisadores para reações orgânicas;

 Produção de joias;

 Produção de componentes eletrônicos para computadores, televisores,


celulares etc.

 Produção dos ácidos nítrico e tereftálico.

→ Cobre
Fios elétricos feitos com cobre

Características atômicas
 Seu símbolo é o Cu;

 O número atômico é 29;

 Sua massa atômica é 63,546 g/mol;

 Núcleo possui 29 prótons;

 Níveis de energia possuem 29 elétrons;

 O número de nêutrons no núcleo pode variar de 34 a 36;

 Pertence ao quarto período da família IB da Tabela Periódica;

 Possui tendência de perder 1 ou 2 elétrons, formando cátions


monovalentes (Cu1+) e bivalentes (Cu2+).
Distribuição eletrônica

 Subnível mais externo é o 4s2


 Subnível mais energético é o 3d9
Características físicas
 Seu ponto de fusão é 1085 ºC

 Seu ponto de ebulição é 2562 ºC;


 Sua densidade é 8,98 g/cm3;
 Apresenta coloração avermelhada;

 Não é solúvel em água;

 É solúvel em diferentes ácidos inorgânicos.

Formas de obtenção
O cobre é encontrado geralmente nos minérios calcocita, calcopirita e
malaquita e na pedra preciosa turquesa. Sua obtenção é feita pela
eletrólise desses materiais e, em seguida, um aquecimento para provocar
sua fusão.

Principais utilizações
 Produção de fios condutores de eletricidade;

 Confecção de moedas;

 Confecção de obras de arte;

 Confecção de joias;

 Confecção de peças de automóveis, carros e aviões;

 Produção de geradores, transformadores e outros equipamentos para


sistemas elétricos;

 Produção de proteínas e enzimas no organismo humano.

Você está aquiMundo EducaçãoQuímicaQuímica GeralTabela periódicaMetais


nobres
Metais nobres
Metais nobres são elementos químicos cujos átomos apresentam grande
dificuldade de reagir quimicamente com outros elementos.
Publicado por: Diogo Lopes Dias em Tabela periódica

A confecção de joias é uma aplicação dos metais nobres

Metais nobres são elementos químicos que apresentam uma menor


reatividade quando comparados a outros elementos químicos de natureza
metálica. O ferro, por exemplo, reage facilmente com o oxigênio, o que
não acontece com o elemento ouro. Por esse motivo, o ouro é considerado
mais nobre que o ferro.
Como os metais nobres apresentam reatividade pequena, eles possuem
uma maior resistência a sofrer oxidação (perda de elétrons)
e redução (ganho de elétrons). É muito comum vermos uma palha de aço
oxidar (corroer-se, mudar de cor) na cozinha, mas dificilmente vemos isso
acontecer com uma aliança de ouro.
Os elementos que são considerados metais nobres são: ouro, prata,
platina, paládio e cobre. Veja suas principais características e
aplicações:
→ Ouro
Pequenas pepitas de ouro

Características atômicas do Ouro:


 Seu símbolo é Au;

 O número atômico é 79;

 Sua massa atômica é 196,96 g/mol;

 Núcleo possui 79 prótons;


 Níveis de energia possuem 79 elétrons;

 O número de nêutrons no núcleo é 118, pois existe apenas um isótopo


natural desse elemento;

 Pertence ao 6o período da família IB da Tabela Periódica;


 Possui tendência de perder um ou três elétrons, formando, então, cátions
monovalentes (Au1+) e trivalentes (Au3+).
Distribuição eletrônica:
 Subnível mais externo é o 6s2
 Subnível mais energético é o 5d9
Características físicas do Ouro
 Seu ponto de fusão é 1064 oC;
 Seu ponto de ebulição é 2970 oC;
 Sua densidade é de 19,3 g/cm3;
 Apresenta coloração amarelada;

 Não é solúvel em água;

 É solúvel em mercúrio e em água*régia (mistura formada pelos ácidos


nítrico e clorídrico).

Formas de obtenção
É um elemento que está amplamente distribuído na crosta terrestre. Pode
ser encontrado também no fundo dos oceanos (estudos apontam que
existe uma grande quantidade de ouro nos mares).
Por ser um material inerte, o ouro pode ser encontrado livre na natureza
ou associado a alguns minérios, como quartzo e piririta. Na forma mineral,
é encontrado em grande quantidade no minério calverita.

Principais utilizações
 Construção de barras de ouro para reservas monetárias dos países;

 Produção de joias;

 Cobre janelas em edifícios para refletir a radiação infravermelha e evitar


o aquecimento do cômodo;

 Em computadores, em virtude da alta capacidade de condução de


corrente elétrica;

 Nas restaurações dentárias;


 Dispositivos para diagnóstico de gravidez;

 Tratamento de alguns tipos de câncer.

→ Prata

Talheres confeccionados com o metal prata

Características atômicas
 Seu símbolo é Ag;

 O número atômico é 47;

 Sua massa atômica é 107,88 g/mol;

 Núcleo possui 47 prótons;

 Níveis de energia possuem 47 elétrons;

 O número de nêutrons no núcleo pode variar de 60 a 62, pois existem


apenas dois isótopos naturais desse elemento;

 Pertence ao quinto período da família IB da Tabela Periódica;

 Possui a tendência de perder um elétron, formando, então, cátions


monovalentes (Ag1+).
Distribuição eletrônica
 Subnível mais externo é o 5s2
 Subnível mais energético é o 4d9
Características físicas
 Seu ponto de fusão é 960,8 oC;
 Seu ponto de ebulição é 2210 oC;
 Sua densidade é 10,5 g/cm3
 Apresenta coloração prateada;

 Não é solúvel em água;

 É solúvel em ácido nítrico.

Formas de obtenção
A prata é um metal abundante na crosta terrestre e está presente em mais
de 60 tipos de minérios diferentes, como a argentita.

Principais utilizações
 Produção de fios condutores de eletricidade;

 Produção de joias;

 Produção de utensílios de cozinha;

 Produção de instrumentos musicais;

 Produção de alguns medicamentos;

 Produção de baterias de alta capacidade;

 Produção de explosivos.

→ Platina
Minério com platina

Características atômicas
 Seu símbolo é Pt;

 O número atômico é 78;

 Sua massa atômica é 195,08 g/mol;

 Núcleo possui 78 prótons;

 Níveis de energia possuem 78 elétrons;

 O número de nêutrons no núcleo pode variar de 112 a 120, pois a platina


apresenta seis isótopos naturais;

 Pertence ao sexto período da família VIIIB da Tabela Periódica;

 Possui tendência de perder 2 ou 4 elétrons, formando cátions bivalentes


(Pt2+) e tetravalentes (Pt4+).
Distribuição eletrônica

 Subnível mais externo é o 6s2


 Subnível mais energético é o 5d8
Características físicas
 Seu ponto de fusão é 1769 oC;
 Seu ponto de ebulição é 3825 oC;
 Sua densidade é 21,45 g/cm3;
 Apresenta coloração prateada;

 Não é solúvel em água;

 É solúvel em água-régia.

Formas de obtenção
A platina é um metal pouco abundante na crosta terrestre, estando mais
associada a alguns minérios que apresentam os metais cobre e níquel.
Porém, o principal minério que apresenta platina é a chamada sperrilita
(PtAs2). A separação da platina dos minérios onde é encontrada ocorre
geralmente por meio de um processo denominado de refinamento
eletrolítico.
Principais utilizações
 Confecção de joias;

 Produção de catalisadores (substância que acelera a reação) de reações


orgânicas;

 Indústria petroquímica;

 Produção de materiais para restauração dentária;

 Fabricação de alguns medicamentos.

→ Mercúrio
Gotas do metal líquido mercúrio

Características atômicas
 Seu símbolo é Hg;

 O número atômico é 80;

 Sua massa atômica é 200,59 g/mol;

 Núcleo possui 80 prótons;

 Níveis de energia possuem 80 elétrons;

 O número de nêutrons no núcleo pode variar de 116 a 124, pois


apresentar sete isótopos naturais;
 Pertence ao sexto período da família IIB da Tabela Periódica;

 Possui tendência de perder 1 ou 2 elétrons, formando cátions


monovalentes (Hg21+) e bivalentes (Hg2+).
Distribuição eletrônica

 Subnível mais externo é o 6s2


 Subnível mais energético é o 5d10
Características físicas
 Seu ponto de fusão é -38,8 oC;
 Seu ponto de ebulição é 356,7 oC;
 Sua densidade é 13 g/cm3;
 Apresenta coloração prateada;

 Não é solúvel em água.

Formas de obtenção
O mercúrio é um metal abundante na natureza, estando muitas vezes
associado ao enxofre, formando o minério cinabre. A obtenção do
mercúrio a partir do cinabre ocorre pelo simples aquecimento do mineral.

Principais utilizações
 Aparelhos de medição, como termômetros, barômetros etc.;

 Produção de agentes resfriantes para componentes eletrônicos;

 Produção de cloro e soda cáustica.

 Na produção de

→ Paládio
Barras confeccionadas com o metal paládio

Características atômicas
 Seu símbolo é Pd;

 O número atômico é 46;

 Sua massa atômica é 106,42 g/mol;

 Núcleo possui 46 prótons;

 Níveis de energia possuem 46 elétrons;

 O número de nêutrons no núcleo pode variar de 56 a 64, pois o paládio


apresentar seis isótopos naturais;
 Pertence ao quinto período da família VIIIB da Tabela Periódica;

 Possui tendência de perder 1, 2 ou 4 elétrons, formando cátions


monovalentes (Pd1+), bivalentes (Pd2+) e tetravalentes (Pd4+).
Distribuição eletrônica

 Subnível mais externo é o 5s2


 Subnível mais energético é o 4d8
Características físicas
 Seu ponto de fusão é 1554 oC;
 Seu ponto de ebulição é 2963 oC;
 Sua densidade é 12,02 g/cm3;
 Apresenta coloração branca prateada

 Não é solúvel em água;

 É solúvel em alguns ácidos e bases inorgânicos, assim como na água-


régia

Formas de obtenção
O paládio é um metal bastante escasso na crosta terrestre, sendo
encontrado em minérios de níquel, platina e cobre. Sua separação dos
minérios onde é encontrado é feita por purificação eletrolítica.

Principais utilizações
 Produção de catalisadores para reações orgânicas;

 Produção de joias;

 Produção de componentes eletrônicos para computadores, televisores,


celulares etc.

 Produção dos ácidos nítrico e tereftálico.

→ Cobre
Fios elétricos feitos com cobre

Características atômicas
 Seu símbolo é o Cu;

 O número atômico é 29;

 Sua massa atômica é 63,546 g/mol;

 Núcleo possui 29 prótons;

 Níveis de energia possuem 29 elétrons;

 O número de nêutrons no núcleo pode variar de 34 a 36;

 Pertence ao quarto período da família IB da Tabela Periódica;

 Possui tendência de perder 1 ou 2 elétrons, formando cátions


monovalentes (Cu1+) e bivalentes (Cu2+).
Distribuição eletrônica

 Subnível mais externo é o 4s2


 Subnível mais energético é o 3d9
Características físicas
 Seu ponto de fusão é 1085 ºC

 Seu ponto de ebulição é 2562 ºC;


 Sua densidade é 8,98 g/cm3;
 Apresenta coloração avermelhada;

 Não é solúvel em água;

 É solúvel em diferentes ácidos inorgânicos.

Formas de obtenção
O cobre é encontrado geralmente nos minérios calcocita, calcopirita e
malaquita e na pedra preciosa turquesa. Sua obtenção é feita pela
eletrólise desses materiais e, em seguida, um aquecimento para provocar
sua fusão.

Principais utilizações
 Produção de fios condutores de eletricidade;

 Confecção de moedas;

 Confecção de obras de arte;

 Confecção de joias;

 Confecção de peças de automóveis, carros e aviões;

 Produção de geradores, transformadores e outros equipamentos para


sistemas elétricos;

 Produção de proteínas e enzimas no organismo humano.

Nota: Se procura pela banda brasileira de metal cristão, veja Metal Nobre (banda).
Metal nobre é um metal resistente à corrosão e oxidação, ao contrário da maior parte dos
chamados metais vis, tais como ferro, níquel, chumbo e zinco. Os metais nobres não
devem ser confundidos com os metais preciosos, embora muitos metais nobres sejam
preciosos.
Alguns dos metais nobres podem ser dissolvidos em água régia - uma mistura
concentrada de ácidos.
Os metais nobres são (em ordem crescente do número atômico):[1]

 rutênio
 ródio
 paládio
 prata
 ósmio
 irídio
 platina
 ouro
Outras fontes incluem o mercúrio[2][3][4] ou o rênio[5] como metal nobre. O titânio, o nióbio e
o tântalo não são chamados metais nobres, apesar de serem muito resistentes à corrosão.

Referências
1. Ir para cima↑ A. Holleman, N. Wiberg, Lehrbuch der Anorganischen Chemie; de Gruyter,
1985, 33ª ed., p. 1486.
2. Ir para cima↑ Die Adresse für Ausbildung, Studium und Beruf
3. Ir para cima↑ Dictionary of Mining, Mineral, and Related Terms, compilado pelo American
Geological Institute, 2ª ed., 1997
4. Ir para cima↑ Scoullos, M.J., Vonkeman, G.H., Thornton, I., Makuch, Z., Mercury - Cadmium
- Lead: Handbook for Sustainable Heavy Metals Policy and Regulation. Série Environment
& Policy, v. 31, Springer-Verlag, 2002.
5. Ir para cima↑ The New Encyclopedia Britannica, 15ª ed., v. VII, 1976.

Ver também[editar | editar código-fonte]


 Gases nobres
 Corrosão
 Oxidação
 Oxirredução
 Semimetal
 Transmutação

[Esconder]Tabela periódica

Li Be

Na Mg

K Ca Sc Ti V C

Rb Sr Y Zr Nb M

Cs Ba La Ce Pr Nd Pm Sm Eu Gd Tb Dy Ho Er Tm Yb Lu Hf Ta W
Fr Ra Ac Th Pa U Np Pu Am Cm Bk Cf Es Fm Md No Lr Rf Db S

Metais alcalino- Metais


Metais alcalinos Lantanídeos Actinídeos Metais de transição S
terrosos representativos

1. álio, Metal Líquido 20 Gramas

o
R$ 9900
12x R$ 940
o Produto novo
o 18 vendidos
o São Paulo
2. Barra De Ouro 18k Com Certificado - 20 Gramas

o
R$ 2.57000
12x R$ 214 sem jurosF
17

1. etal Prata Para Unhas 1mm Com 20 Gramas

o
R$ 1100
Gálio é um elemento químico de símbolo Ga, de número atômico 31 (31 prótons e
31 elétrons) e massa atómica igual a 69,7 u. É um metal pertencente ao grupo 13 (IIIA)
da classificação periódica dos elementos. A temperaturas um pouco mais altas do que
a temperatura ambiente encontra-se no estado líquido.
Foi descoberto em 1875 por Lecoq de Boisbaudran. Na forma metálica é utilizado para a
produção de espelhos, ligas metálicas de baixos pontos de fusão e termômetros. O seu
composto arsenieto de gálio é empregado na produção de circuitos integrados e diodos.

Índice
[esconder]

 1Características principais
 2Aplicações
 3História
 4Abundância e obtenção
 5Isótopos
 6Precauções
 7Referências
 8Ligações externas

Características principais[editar | editar código-fonte]


O gálio é um metal mole, grisáceo no estado líquido e prateado brilhante ao solidificar.
Quando sólido desagrega a baixas temperaturas pois funde ao redor da temperatura
ambiente (como o césio, mercúrio e rubídio), inclusive quando colocado nas mãos, devido
ao seu baixo ponto de fusão (28,76 °C). A faixa de temperatura na qual permanece no
estado líquido é um dos mais altos entre os metais (2.174 °C separam seus pontos de
fusão e ebulição) e sua pressão de vapor é baixa mesmo a altas temperaturas. O gálio se
expande aproximadamente 3,1% ao solidificar e flutua no seu líquido do mesmo modo que
o gelo na água.
Apresenta uma forte tendência a permanecer no estado líquido abaixo do seu ponto de
fusão, sendo necessário um grão (pequeno sólido adicionado ao líquido) para ocorrer a
solidificação. A cristalização não produz nenhuma das estruturas cristalinas simples. A
fase estável nas condições normais é ortorrômbica com 8 átomos em cada célula unitária,
na qual cada átomo apresenta um único átomo na vizinhança a uma distância de 2,44 Å, e
com demais seis a 2,83 Å. Nesta estrutura a ligação química formada entre os átomos
mais próximos é do tipo covalente sendo a molécula Ga2 a que realmente forma o retículo
cristalino.
Em outras condições de pressão e temperatura se tem encontrado numerosas fases
estáveis e metaestáveis diferentes.
O gálio corroí outros metais quando se difunde em suas redes cristalinas[carece de fontes].

Aplicações[editar | editar código-fonte]


A principal aplicação do gálio, na forma de arsenieto de gálio, é na construção de circuitos
integrados e dispositivos optoeletrônicos como diodos de laser e diodos LED.

 Devido ao seu intenso aspecto prateado brilhante e a capacidade de impregnar


superfícies de vidro e porcelana é utilizado na construção de espelhos.
 Se emprega para dopar materiais semicondutores e construir dispositivos diversos
como transístores
 Em termômetros de alta temperatura por seu baixo ponto de fusão, que o mantém em
estado líquido, e seu alto ponto de ebulição, que o permite medir elevadas
temperaturas.
 O gálio forma facilmente ligas metálicas com a maioria dos metais produzindo ligas de
baixos pontos de fusão.
 O isótopo radioactivo Ga-67 é empregado em medicina nuclear como análogo
fisiológico do ion Ferro 3+.
 Descobriu-se recentemente que ligas de gálio-alumínio em contato com água
produzem uma reação química dando como resultado hidrogênio, por impedir a
formação de camada protetora (passivadora) de óxido de alumínio e fazendo o
alumínio se comportar similarmente a um metal alcalino como o sódio ou
o potássio.[1][2] Tal propriedade é pesquisada como fonte de hidrogênio para motores,
em substituição aos derivados de petróleo e outros combustíveis de motores
de combustão interna.

História[editar | editar código-fonte]


O gálio (do latim Gallia, França), foi descoberto através da espectroscopia por Lecoq de
Boisbaudran em 1875 por seu espectro característico (duas linhas no ultravioleta) ao
examinar uma blenda de zinco procedente dos Pirenéus. No mesmo ano foi isolado pelo
próprio Lecoq através do processo de eletrólise do hidróxido numa solução de hidróxido de
potássio (KOH) dando ao novo elemento o nome do seu país natal: Gallia. Como era do
gosto dos cientistas dos finais do século XIX, O descobridor utilizou um jogo de palavras
com seu próprio nome para nomear o elemento: gallus significa galo, coq em francês.
Antes da descoberta da maioria das propriedades do elemento, estas já haviam sido
previstas e descritas por Mendeleyev — que o chamou de eka-aluminio — baseando-se na
posição que este elemento deveria ocupar na tabela periódica.

(Redirecionado de Titanio)

Este artigo ou seção está a ser traduzido. Ajude e colabore com a tradução.
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde novembro de 2014). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo
referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.

Titânio

Escândio ← Titânio → Vanádio

↑ Ti
22
Ti

Zr

Tabela completa • Tabela estendida

Aparência
prateado

Informações gerais

Nome, símbolo, número Titânio, Ti, 22

metais de
Série química
transição

Grupo, período, bloco 4 (IVB), 4, d

Densidade, dureza 4507 kg/m3, 6

Propriedade atómicas

Massa atômica 47,867(1) u

Raio atómico (calculado) 140 (176) pm

Raio covalente 136 pm

Configuração electrónica [Ar] 3d2 4s2

2, 8, 10, 2 (ver
Elétrons (por nível de energia)
imagem)

Estado(s) de oxidação 4 (anfótero)

Estrutura cristalina hexagonal

Propriedades físicas

Estado da matéria sólido

Ponto de fusão 1941 K

Ponto de ebulição 3560 K

Entalpia de fusão 15,45 kJ/mol


Entalpia de vaporização 421 kJ/mol

Pressão de vapor 0,49 Pa a 1933 K

Velocidade do som 4140 m/s a 20 °C

Diversos

Eletronegatividade (Pauling) 1,54

Calor específico 520 J/(kg·K)

Condutividade elétrica 2,34×106 S/m

Condutividade térmica 21,9 W/(m·K)

1º Potencial de ionização 658,8 kJ/mol

2º Potencial de ionização 1309,8 kJ/mol

3º Potencial de ionização 2652,5 kJ/mol

4º Potencial de ionização 4174,6 kJ/mol

5º Potencial de ionização 9581 kJ/mol

6º Potencial de ionização 11533 kJ/mol

7º Potencial de ionização 13590 kJ/mol

8º Potencial de ionização 16440 kJ/mol

9º Potencial de ionização 18530 kJ/mol

10º Potencial de ionização 20833 kJ/mol

Isótopos mais estáveis

Ed
iso AN Meia-vida MD PD
MeV
44
Ti sintético 63 anos ε 0,268 44
Sc
estável
46
Ti 8,0% com
24 neutrões
estável
47
Ti 7,3% com
25 neutrões
estável
48
Ti 73,8% com
26 neutrões
estável
49
Ti 5,5% com
27 neutrões
estável
50
Ti 5,4% com
28 neutrões

Unidades do SI & CNTP, salvo indicação contrária.

v•e

O titânio é um elemento químico de símbolo Ti, número atômico 22 (22 prótons e


22 elétrons) com massa atômica 47,90 u. Trata-se de um metal de transição leve,
forte, cor branca metálica, lustroso e resistente à corrosão, sólido na temperatura
ambiente. O titânio é muito utilizado em ligas leves e em pigmento branco.
O titânio foi descoberto em Cornualha por William Justin Gregor em 1791 e nomeado
por Martin Heinrich Klaproth pela proximidade das características do filho mitológico do
céu (Uranus) e da terra (Gaia), gigantes considerados personificações das forças da
natureza para a mitologia grega. Este elemento encontra-se em vários minerais, em
especial no rutilo e na Ilmenita que são geralmente encontrados na litosfera, e é
encontrado em quase todos os tipos de rochas, solos e corpos de água.[1] O metal
produzido comercialmente é extraído do rutilo e da ilmenita e fabricado pelo processo
Kroll ou pelo processo Hunter. O composto mais comum do titânio é o dióxido de
titânio que é um popular fotocatalisador e útil na produção de tinta com coloração
branca.[2] Outros compostos incluem o tetracloreto de titânio (TiCl4), uma substância
utilizada para a produção de catalisadores e fumos para fins militares e o cloreto de titânio
(III) (TiCl3), que é uma substância catalisadora para a produção de polipropileno.[1]
O titânio pode ser utilizado para a produção de ligas
com ferro, alumínio, vanádio e molibdênio, entre outros elementos, para aumentar a
resistência mecânica, utilizada na indústria aeroespacial (motores, mísseis e foguetes).
Também é utilizado para a produção de catalisadores na indústria química e petroquímica,
automobilística, agrícola, médica (para a produção de implantes ortopédicos, próteses e
instrumentos odontológicos), em produtos esportivos, jóias, telefones celulares, entre
outros.[1]
A duas propriedades mais utilizadas do titânio são: a resistência à corrosão e a maior
relação densidade/força se comparado com outros elementos químicos.[3] Nas ligas, o
titânio é forte como o ferro, porém sua densidade é aproximadamente 45% menor se
comparado ao ferro.[4] Na natureza encontra-se duas formações alotrópicas [5] e cinco
isótopos deste elemento, sendo eles: 46Ti até 50Ti, com 48Ti, sendo o último o mais
abundante na natureza, cerca de 73,8%.[6] As propriedades físicas e químicas do titânio
são similares às do zircônio, porque ambos têm o mesmo número de valência e
encontram-se no mesmo grupo da tabela periódica.

Índice
[esconder]

 1Características principais
o 1.1Abundância e obtenção
o 1.2Isótopos
o 1.3Propriedades físicas
o 1.4Propriedades Químicas
 2Compostos
o 2.1Compostos organometálicos
o 2.2Haletos
o 2.3Óxidos, sulfetos e alcóxidos
o 2.4Nitretos e carbonetos
 3Produção e fabricação
 4Aplicações
o 4.1Indústria aeroespacial e naval
o 4.2Pigmentos, aditivos e revestimentos
o 4.3Produtos industriais
o 4.4Armazenagem de lixo nuclear
o 4.5Na engenharia
o 4.6Outras Aplicações
 5História
 6Precauções
 7Bioremediação
 8Veja também
 9Referências
 10Ligações externas

Características principais[editar | editar código-fonte]


Abundância e obtenção[editar | editar código-fonte]
Na natureza, o titânio em seu estado nativo está sempre ligado a outros elementos
químicos da natureza. É o nono elemento mais abundante da crosta terrestre (0,63% de
sua massa) [7] e o sétimo metal mais abundante. Está presente na maioria das rochas
ígneas e nos sedimentos delas derivados(como também nos organismo e nos corpos
hídricos naturais).[1][8] Dos 801 tipos de rochas ígneas analisadas pelo Serviço Geológico
dos Estados Unidos, 784 contêm titânio. Sua razão nos solos é de aproximadamente de
0,5% até 1,5%. [7]

Produção mundial de rutilo e ilmenita em 2011[9]

Toneladas
País Participação produtiva(%)
(milhares)

Austrália 1300 19,4

África do Sul 1160 17,3

Canadá 700 10,4

Índia 574 8,6

Moçambique 516 7,7


China 500 7,5

Vietnã 490 7,3

Ucrânia 357 5,3

Produção Mundial 6700 100

É encontrado principalmente
nos minerais anatase (TiO2), brookita (TiO2), ilmenita (FeTiO3), perovskita (CaTiO3), rutilo (
TiO2) e titanita (CaTiSiO5); também como titanato em minas de ferro.).[10] Destes minerais,
somente a ilmenita e o rutilo têm importância econômica, justificada pela sua concentração
de titânio e a facilidade de refino. Cerca de 6,0 e 0,7 milhões de toneladas tinham sido
extraídas em 2011, respectivamente.[9] Depósitos eminentes de ilmenita são encontrados
na Austrália, no Canadá, na China, na Índia, na Nova Zelândia, na Noruega, na Ucrânia e
na África do Sul.[10]Cerca de 186000 toneladas da esponja foram produzidas em 2011,
sendo a maior produtora a China (60,0 ton), o Japão (56,0 ton), a Rússia (40,0 ton), os
Estados Unidos da América (32,0 ton) e o Casaquistão (20,7 ton). Estimam que todas as
reservas de titânio excedem 600 milhões de toneladas. [9]
A concentração de Ti é de aproximadamente 4 picomolar no oceano. Sob temperatura de
100 °C, a concentração de titânio é estimada por ser menor do que 10−7 M sob pH 7. A
identidade das espécies de titânio em soluções aquosas continua desconhecida por causa
da sua baixa solubilidade e a falta de métodos de espectroscopia precisos, embora o
número de oxidação 4+ é estável na atmosfera. Não existe evidência de papel biológico
para titânio, além disso, são conhecidas poucas espécies que têm elevadas
concentrações. [11]

Isótopos[editar | editar código-fonte]


São encontrados 5 isótopos estáveis na natureza: Ti-46, Ti-47, Ti-48, Ti-49 e Ti-50, sendo
o Ti-48 o mais abundante (73,8%). Têm-se caracterizados 11 radioisótopos, sendo os mais
estáveis o Ti-44, com uma meia-vida de 5,76 minutos e o Ti-52, de 1,7 minutos. Para os
demais, suas meia-vidas são de menos de 33 segundos, e a maioria destes com menos
de meio segundo.
A massa atómica dos isótopos varia desde 39,99 u (Ti-40) até 57,966 u (Ti-58). O
primeiro modo de decaimento antes do isótopo mais estável, o Ti-48, é a captura
eletrônica, e após este é a emissão beta. Os isótopos do elemento 21 (escândio) são os
principais produtos do decaimento antes do Ti-48, os posteriores são os isótopos do
elemento 23 (vanádio).

Propriedades físicas[editar | editar código-fonte]


Titânio (mineral concentrado)

O titânio é um elemento metálico muito conhecido por sua excelente resistência


à corrosão (quase tão resistente quanto a platina) e por sua grande resistência mecânica.
Possui baixa condutividade térmica e elétrica. É um metal leve, forte e de fácil fabricação
com baixa densidade (40% da densidade do aço). Quando puro é bem dúctil e fácil de
trabalhar. O ponto de fusão relativamente alto faz com que seja útil como um
metal refratário. Ele é mais forte que o aço, porém 45% mais leve. É 60% mais pesado que
o alumínio, porém duas vezes mais forte. Tais características fazem com que o titânio seja
muito resistente contra os tipos usuais de fadiga. Esse metal forma uma camada passiva
de óxido quando exposto ao ar, mas quando está em um ambiente livre de oxigênio ele é
dúctil. Ele queima quando aquecido e é capaz de queimar imerso em nitrogênio gasoso. É
resistente à dissolução nos ácidos sulfúrico e clorídrico, assim como à maioria dos ácidos
orgânicos.
Experimentos têm mostrado que titânio natural se torna notavelmente radioativo após ser
bombardeado por deutério, emitindo principalmente pósitrons e raios gama. O metal é
dimórfico com a forma hexagonal alfa mudando para um cúbico beta muito lentamente por
volta dos 800 °C. Quando incandescente ele se combina com oxigênio, e ao alcançar
550 °C é capaz de combinar com o cloro.
Quanto à fabricação do titânio metálico, existem atualmente seis tipos de processos
disponíveis: "Kroll", "Hunter", redução eletrolítica, redução gasosa, redução com plasma e
redução metalotérmica. Dentre estes, destaca-se o processo Kroll, que é o responsável,
até hoje, pela maioria do titânio metálico produzido no mundo ocidental.
Na forma de metal e suas ligas, cerca de 60% do titânio são utilizados nas indústrias
aeronáuticas e aeroespaciais, sendo aplicados na fabricação de peças para motores e
turbinas, fuselagem de aviões e foguetes.

Propriedades Químicas[editar | editar código-fonte]

O diagrama de Pourbaix para o titânio em água pura, ácido percloreto ou hidróxido de sódio[12]

Como as superfícies metálicas do alumínio e do magnésio, o titânio metálico e suas ligas


oxidam imediatamente após a exposição no ar. O nitrogênio atua de forma similar
produzindo uma superfície de nitreto. O titânio reage rapidamente com o oxigênio sob
1 200 °C (2 190 °F<) no ar e em 610 °C (1 130 °F<) sob oxigênio puro produzindo o
dióxido de titânio.[5]Contudo, sob contato do ar com água ele reage lentamente, passando
em um processo chamado de passivação e a superfície de óxidos que protege mais o
volume da oxidação.[1]Quando há esta reação, este tem uma camada de proteção de 1–
2 nm porém a sua camada aumenta lentamente, podendo chegar até a 25 nm durante
quatro anos.[10]

Compostos[editar | editar código-fonte]


Ver também: Categoria:Compostos de titânio e Categoria:Minerais de titânio
O estado de oxidação +4 domina as substâncias química que contêm titânio,[13] apesar dos
compostos com +3 também serem comum.[14]Normalmente, o titânio adota uma geometria
molecular octaédrica nos seus complexos, a geometria molecular tetraédrica TiCl4 é uma
notável exceção. Por causa do seu alto estado de oxidação, os compostos de titânio (IV)
apresentam uma elevado grau de ligações covalentes. Ao contrário da maioria
dos metaloides, desconhecem complexos metálicos.

Compostos organometálicos[editar | editar código-fonte]


Devido a importância dos compostos organometálicos com titânio na produção de
catalisadores para polimerização, os compostos com as ligações Ti-C tem sidos
intensivamente estudados. O complexo mais comum dos organometálicos é o dicloreto de
titanoceno ((C5H5)2TiCl2). Estes compostos são relatados nos reagentes de Tebbe e
nos reagentes de Petasis. Os complexos de carbonila com titânio estão no
(C5H5)2Ti(CO)2.[15]

Haletos[editar | editar código-fonte]


O tetracloreto de titânio (cloreto de titânio (IV) - TiCl4[16]) é um líquido volátil e incolor
(comercialmente são amostras amareladas) que no ar se hidrolisa com uma emissão
espetacular de vapores brancos. Via processo Kroll, o TiCl4 é produzido pela conversão
dos minérios de titânio para o dióxido de titânio, como por exemplo na produção de
tintas.[17] Ele é geralmente usado na química orgânica como um ácido de Lewis, como por
exemplo nas reações aldólicas de Mukaiyama .[18] No processo de van Arkel, o tetraiodeto
de titânio (TiI4) é utilizado na produção de titânio metálico de alta pureza.
O titânio(III) e o titânio (II) também formam cloretos estáveis. Um exemplo notável é
o cloreto de titânio (III)(TiCl3), que é utilizado como um catalisador para a produção
de poliolefinas (ver catalisador Ziegler-Natta) e um agente redutor na química orgânica.

Óxidos, sulfetos e alcóxidos[editar | editar código-fonte]


O óxido mais importante do titânio é o TiO2, o qual existe na forma de
três formas minerais: anatase,brookita e a rutilo. Todas as formas são sólidos brancos
diamagnéticos, embora as amostras do mineral aparentem ser pretas. Os óxidos adotam
as estruturas cristalinas onde o titânio (Ti) é rodeado por seis ligantes que se ligam a
outros núcleos do titânio.
Os titanatos referem-se geralmente aos compostos de titânio, como por exemplo o titanato
de bário (BaTiO3). Assim como na estrutura de uma perovskita, este material apresenta
propriedades piezoelétricas e é utilizado como um transdutor de interconversão
de som e eletricidade.[5] Muitos minerais são titanatos, como a ilmenita (FeTiO3). As
estrelas de safira e as de rubis apresentam seu asterismo (brilho em forma de estrela)
devido a presença de impurezas do dióxido de titânio.[10]
Uma variedade de óxidos redutores de titânio são conhecidos. O Ti3O5, descrito como uma
espécie de Ti(IV)-Ti(III), é um semicondutor roxo produzido pela redução de TiO2 com
hidrogênio sob altas temperaturas,[19] e é utilizado na indústria quando os revestimentos
precisam ser aditivados com dióxido de titânio: ele evapora TiO puro enquanto o
TiO2evapora sob uma mistura de óxidos e depósitos de revestimentos com um índice
variável refrativo.[20] Também são conhecidas as seguintes substâncias: o trióxido de
titânio Ti2O3, sob a estrutura do carborundum e o monóxido de titânio, com uma estrutura
de rochas salinas, que frequentemente encontra-se de forma não- estequiométrica.[21]
Uma broca de furadeira de TiN.

O alcóxido de titânio (IV), produz pela reação de TiCl4 com álcool são compostos incolores
que convertem os dióxidos a partir da reação de hidratação. Eles são utilizados
industrialmente para precipitar os sólidos pelo processo de sol-gel. O isopropóxido de
titânio é utilizado na síntese de compostos orgânicos quirais via a epoxidação.
O titânio forma uma variedade de sulfetos, porém somente o dissulfeto de titânio (TiS2)
desperta a atenção, graças a sua propriedade de atração. Ele adota uma estrutura em
camadas e foi utilizado com um cátodo no desenvolvimento de baterias de lítio. Desde
a Teoria HSAB, sabe que os sulfetos de titânio são instáveis e tendem a hidrolisar ao óxido
com a liberação do sulfeto de hidrogênio.

Nitretos e carbonetos[editar | editar código-fonte]


O nitreto de titânio (TiN) tem uma dureza equivalente a safira e o carbeto de silício (9,0
na escala de Mohs)[22] e é utilizado na produção de ferramentas de corte, como
as brocas.[23] Também é útil em acabamentos decorativos pela cor dourada e como
uma barreira de metal na fabricação de semicondutores.[24] O carbeto de titânio, graças a
sua alta dureza, é utilizado nas ferramentas de corte e nos revestimentos.

Produção e fabricação[editar | editar código-fonte]


O processamento do titânio metálico ocorre em quatro etapas importantes, sendo elas:[25]

 A redução do minério de titânio em uma esponja, ou seja produz poros no metal de


titânio;
 o aquecimento desta esponja, ou dela ser adicionada uma liga superior para a
fabricação dos lingotes;
 a fabricação primária, onde um lingote é transformado chapas, placas, barras, arames,
forjamentos e lingotes e;
 a fabricação secundária dos quais os produtos desta fabricação primária é
transformada nos mais diversos produtos.
Como é inviável a produção do titânio a partir da redução do dióxido de titânio,[26] a
obtenção do titânio metálico ocorre pelo Processo Kroll. Este processo ocorre pela
redução do tetracloreto de titânio (TiCl4) com magnésio metálico. A complexidade de
conseguir produzir por lotes elucida o valor de mercado relativamente alto do
titânio.[27] Para produzir o TiCl4 requisitado pelo processo Kroll, o dióxido é submetido a
redução carbotérmica com o gás cloro. Este processo, o cloro em estado gasoso entra em
contato com uma mistura quente avermelhada de rutila e ilmenita com carbono. Depois de
uma trabalhosa purificação por destilação fracionada, o TiCl4 é reduzido sob temperatura
de 800 °C com magnésio fundido e sob atmosfera modificada, do qual é acionado o
gás argônio.[5] O metal pode ser também purificado pelo processo de van Arkel–de Boer,
que envolve a decomposição térmica de tetraiodeto de titânio.
Em um método de fabricação mais recente, o processo FFC de Cambridge,[28][29] converte
o pó de dióxido de titânio (uma forma refinada de rutila) como um estoque para a produção
de titânio metálico, qualquer um dos produtos, o pó ou a esponja. A mistura do pó de óxido
também é possível fabricar ligas.
Geralmente a liga de titânio são feitos via a redução. Por exemplo, o cobretitânio
(produzido pela redução da rutila com cobre), o ferrocarbono de titânio (produzida pela
redução da ilmenita com coque em uma caldeira elétrica) e o manganotitânio (rutila com
manganês ou óxidos de manganês) são reduzidos.[30]
2 FeTiO3 + 7 Cl2 + 6 C → 2 TiCl4 + 2 FeCl3 + 6 CO (900 °C)
TiCl4 + 2 Mg → 2 MgCl2 + Ti (1100 °C)
Sobre as cinquentas ligas de titânio e sua ligas são projetada e atualmente apenas
um dúzia de ligas são disponível no comércio.[31] A ASTM reconhecem trinta e
uma ligas avaliadas na escala de 1 a 4 que são comercialmente puras. Estas
quatro são classificadas pela sua diferença de resistência à tensão, como a sua
concentração de oxigênio, com o nível 1 sendo o mais dúctil (baixa resistência à
tensão com concentração de oxigênio na faixa de 0,18%) até o nível 4, o menos
dúctil (elevada resistência à tensão com concentração de oxigênio na faixa de
0,40%).[10] São avaliados nas ligas, cada um projetado para suas aplicações
específicas, seja pela sua ductilidade, força, dureza, resistividade
elétrica, fluência ,resistência à corrosão para determinadas condições e as
combinações entre estas propriedades .[32]
As ligas de titânio circunscreveu pela ASTM e outras ligas são também produzidas
para reunir as Especificações Aeroespaciais e Militares (SAE-AMS, MIL-T), os
padrões da ISO, e as especificações de cada país e das indústrias aeroespaciais,
militares, médicas e para aplicações industriais.[33]
Em termos de fabricação, toda a solda de titânio deve ser feita sob atmosfera
inerte de argônio ou hélio para evitar a sua contaminação com gases atmosféricos
com o oxigênio, o nitrogênio ou hidrogênio.[34] A contaminação do nióbio pode
causar uma variedade de condições, como a perda da ductilidade, que pode
reduzir a integridade das uniões por solda e conduzir a falha da junta.
Os produtos de titânio puro comercialmente (chapas, lâminas) podem ser
prontamente formadas, porém o processamento deve ser feito considerando que
ele tenha uma "memória" e tende a saltar para trás. Esta é uma condição real para
as ligas com alta resistência.[35][36]Ele não pode ser soldado sem o processo de
galvanoplastia.[37] O metal pode ser manufaturado utilizando o mesmo
equipamento e sendo processado da mesma forma dos aços inoxidáveis.[34]

Aplicações[editar | editar código-fonte]


Um cilindro de titânio.

O titânio é utilizado no aço como um elemento de liga metálica (ferro-titânio) para


redução do grão e como desoxidante, além de auxiliar na redução da
concentração de carbono nos aços inoxidáveis.[1] O titânio também é aplicado para
a produção de ligas com o alumínio (para refinar o grão), vanádio, cobre (para
endurecer), ferro, manganês, molibdênio e outros metais, que proporciona
qualidades superiores aos produtos. Outra aplicação, que se dá somente com a
rutila está no revestimento de eletrodos de soldar.[38] As aplicações industriais do
titânio (chapas, placas, barras, arames, forjamentos e lingotes) podem ser úteis na
indústria, no setor aeroespacial, recreativo e nos mercados emergentes. Também
é aplicado na pirotécnica como um recurso para geração de luz e calor.

Indústria aeroespacial e naval[editar | editar código-fonte]


Devido a sua alta resistência à tração e à corrosão por sua densidade relativa[5], a
resistência à fadiga e impacto [39] e a capacidade de resistir moderadamente as
altas temperaturas sem deformar, as ligas de titânio são utilizadas nas aeronaves,
navios e veículos e militares, naves espaciais e em mísseis .[2][8]Pra estas
aplicações, as ligas de titânio com alumínio, zircônio, níquel [40], vanádio e outros
elementos químicos são aplicadas em uma variedade de componentes incluindo
partes críticas das estruturas, sendo elas: as paredes corta-fogo, os trens de
pouso, os dutos de exaustão de helicópteros e os sistemas hidráulicos. Na
realidade, cerca de dois terços de toda a produção de ligas de titânios é utilizada
nos motores e nas estruturas dos aviões.[41] O SR-71 "Blackbird" foi um dos
primeiros aviões a utilizar em grande quantidade o titânio em sua estrutura,
principiando o seu uso nos aviões comerciais e militares. Cerca de 59 toneladas
de titânio são empregadas no Boeing 777, 45 toneladas no Boeing 747, 18
toneladas no Boeing 737, 32 toneladas no Airbus A340, 18 toneladas no Airbus
A330 e 12 toneladas no Airbus A320. O Airbus A380 deve empregar cerca de 77
toneladas, com cerca de 11 toneladas de titânio nos motores.[42] Nos motores, o
titânio é útil na produção de rotores, nos compressores axiais, nos componentes
hidráulicos e nos naceles. As ligas de titânio do tipo titanium 6AL-4V
correspondem a cerca de metade do consumo de todas as ligas utilizadas nas
aeronaves.[43]
Devido a sua grande resistência a corrosão da água do mar, o titânio é utilizada
para fazer os eixos cardã, nos aparelhos náuticos, nos trocadores de calor das
plantas de dessalinização;[8] , nos chillers de aquecimento de água salgada
nos aquários, nas linhas de pesca e nos condutores e nas facas de mergulho. O
titânio é utilizado na produção de alojamentos e em outros componentes de
sobrevivência no oceano e nos aparelhos de monitoramento para fins militares e
científicos. A antiga União Soviética desenvolveu técnicas para produção de
submarinos com casco de ligas de titânio. [44] Esta técnicas forjam o titânio em
tubos a vácuo gigantes.[40]

Pigmentos, aditivos e revestimentos[editar | editar código-


fonte]
A substância mais utilizada no dia-a-dia que contém o elemento químico titânio é o
dióxido de titânio TiO2.

Ver artigo principal: Dióxido de titânio


Cerca de 95% do minério de titânio extraído da Terra é destinado para a
produção dióxido de titânio (TiO2), um pigmento branco permanente utilizado
nas tintas para edificações e na astronomia , nos refletores de radiação
infravermelha, nos papeis, nas pastas de creme dental, nos plásticos e nos
protetores solares graças a propriedade de reflexão dos raios ultravioleta.[9] Ele é
também utilizado como um dos aditivos do cimento, nas gemas, como um
opacificante óptico em papeis [45]
O TiO2 é uma substância quimicamente inerte, resistente à luz solar e opaca: esta
liga confere uma coloração branca, pura e brilhante para as substâncias químicas
marrom e roxa que formam a maioria dos utensílios domésticos de plástico.[2] Na
natureza, este composto é encontrado nos minerais anatase, na brookita e na
rutila.[1] Pinturas feitas com dióxido de titânio são resistentes à temperaturas
severas e ambientes marinhos.[2] O dióxido de titânio puro tem um índice de
refração muito elevado e uma dispersão óptica superior a do diamante.[8] O dióxido
de titânio é um pigmento importante também utilizado nos protetores solares
conforme a sua propriedade de proteger a pele da radiação
ultravioleta.[26] Recentemente, tem sido utilizado nos purificadores de ar (como um
revestimento do filtro) ou em filmes utilizados para revestir janelas nas edificações
pois quando a substância é exposta aos raios ultravioletas (seja ela luz solar ou
artificial) e sob a combinação do ar, as espécies redox reativos como por exemplo
os radicais de hidroxila atuam como purificante de ar e na manutenção das
superfícies de janelas limpas.[46]

Produtos industriais[editar | editar código-fonte]

Um placa de titânio cristalino de alta pureza com cerca de 99.999%.

Tubulações com soldas de titânio e os equipamentos de processos industriais


(trocadores de calor, tanques, vasos de processo, válvulas) são utilizados na
indústria química e petroquímica por causa de sua resistência à corrosão. Ligas
específicas são utilizadas nos fundos dos poços e nas aplicações nas aplicações
de hidrometarlurgia com níquel devido a sua grande resistência mecânica, sua
resistência à corrosão, ou pela combinação de ambas as características. A
indústria do papel e de celulose utiliza o titânio nos equipamentos industriais pela
exposição das substâncias química como o hidróxido de sódio e do gás cloro (no
clareamento).[47] Outras aplicações incluem: nas soldas ultrassônicas, em soldas
ondulatórias[48] e nos alvos de pulverização catódica.[49]
O Tetracloreto de titânio (TiCl4), um líquido incolor, é importante como um
intermediário nos processos de fabricação de TiO2, utilizado como catalisador no
processo Ziegler-Natta, na iridização de vidro e para a produção de fumos para
fins militares.[26]

Armazenagem de lixo nuclear[editar | editar código-fonte]


Devido a sua extrema resistência à corrosão, os contêineres de titânio de acordo
com diversos estudos tem uma grande meia-vida (que segundo estimativas eles
podem durar cerca de 100 milênios observando a aplicação de todos os meios de
evitar defeitos de fabricação).[50]

Na engenharia[editar | editar código-fonte]

Relógio de pulso com tampa de titânio

1. Indústria química, devido à sua resistência à corrosão e ao ataque


químico;
2. Indústria nuclear: é empregado na fabricação de recuperadores de calor
em usinas de energia nuclear;
3. Indústria bélica: o titânio metálico é sempre empregado na fabricação
de mísseis e peças de artilharia;
4. Também é usado na condutividade Térmica nos computadores.
Outras Aplicações[editar | editar código-fonte]
1. Aplicações em produtos para consumo como bicicletas, óculos,
instrumentos musicais e computadores estão se tornando bem comuns.
As ligas mais comuns são com alumínio, ferro, manganês, molibdênio e
outros metais;
2. Tetra cloreto de titânio (TiCl4), um líquido incolor, é usado para
iridizar vidro e na produção de bombas de fumaça;[51]
3. Por ser considerado fisiologicamente inerte, o metal é utilizado em
implantes.

História[editar | editar código-fonte]


Martin Heinrich Klaproth deu o nome de titânio por causa das características
dos titãs da mitologia grega.

O titânio (chamado assim pelos Titãs, filhos de Urano e Gaia da mitologia grega)
foi descoberto na Inglaterra por William Justin Gregor em 1791, a partir
do mineral conhecido como ilmenita (FeTiO3). Este elemento foi novamente
descoberto mais tarde pelo químico alemão Heinrich Klaproth, desta vez no
mineral rutilo (TiO2), que o denominou de titânio em 1795.
Matthew A. Hunter preparou pela primeira vez o titânio metálico puro (com uma
pureza de 99,9%) aquecendo tetra cloreto de titânio (TiCl4) com sódio a 700-
800 °C num reator de aço.
O titânio como metal não foi utilizado fora do laboratório até 1946, quando William
J. Kroll desenvolveu um método para produzi-lo comercialmente. O processo
Kroll consiste na redução do TiCl4 com magnésio, método que continua sendo
utilizado atualmente.
Em 2006, a Agência de Defesa dos Estados Unidos da América premiou um
consórcio de duas companhias com a remuneração de 5,7 milhões de dólares
pelo desenvolvimento de um novo processo pela fabricação via metalurgia do
pó de titânio metálico. Sob pressão e calor, o pó pode ser utilizado graças a sua
resistência e leveza, diversificando suas aplicações desde a blindagem até na
produção de componentes na indústria aeronaútica, logística e química .[52]

Precauções[editar | editar código-fonte]

Urtica dioica contêm cerca de 80 partes por milhão de titânio.

O pó metálico é pirofórico. Por outro lado, acredita-se que seus sais não sejam
especialmente perigosos. Entretanto, seus cloretos, como TiCl3 e TiCl4, são
considerados corrosivos. O titânio tem a tendência de acumular-se nos tecidos
biológicos.
Em princípio, não se conhece nenhum papel biológico.
Bioremediação[editar | editar código-fonte]