Você está na página 1de 2

Teste Economia Portuguesa Europeia:

Pergunta 2
Defina e explique:
• Economias de escala internas
• Economias de oportunidade internas ou externas
Exemplifique situações em que se podem encontrar este tipo de economias.
Pergunta 4
Enumere alguns problemas estruturais da Economia Portuguesa. Porque se
consideram tais problemas como problemas estruturais?
Pergunta 6
Que tipos de politicas conjunturais conhece? Distinga-as e escolha uma delas para
explicar em detalhe.
Pergunta 8
Quais os limites de uma desvalorização da moeda?
As economias de escala são aquelas em que o aumento na produção resulta em uma queda do custo
médio do produto. Para aumentar sua produção, é comum que a empresa tenha de aumentar também os
fatores produtivos utilizados no processo, como sua quantidade de máquinas e seu número de
trabalhadores. A economia de escala acontece quando o custo desse investimento cresce menos do que a
produção resultante dele. O conceito de economia de escala é, portanto, uma relação não proporcional
entre os custos médios dos produtos e o volume de produção. Um exemplo de indústria que trabalha com
economia de escala é a de softwares. Nela, o maior custo é o de desenvolvimento do programa. Como o
custo associado à produção de cópias desse programa é ínfimo, o aumento na produção resultará na
diluição do custo de desenvolvimento, resultando em um custo médio menor por produto comercializado.
2

Elevado endividamento privado: Em Portugal, as empresas não financeiras têm-se endividado


cada vez mais. Sistema financeiro debilitado: Os problemas da banca portuguesa baseiam-se em
parte na dívida profunda, mas também na morosidade dos processos bancários, na baixa
rentabilidade destes, e nos grandes custos operacionais. Ajuste fiscal insuficiente: Acertar o
défice continua a ser uma das grandes prioridades de Portugal, e o esforço ainda não acabou. A
necessidade de continuar a fazer esforços orçamentais para equilibrar o défice, puxa para baixo
as previsões de crescimento económico em Portugal. A Incerteza da política económica: Não
saber o que vem aí em termos de políticas económicas deixa as empresas inseguras — investem
menos e também pedem menos crédito, o que debilita o crescimento do país. 4

As políticas conjunturais são medidas que têm como objetivo promover a estabilização da economia,
corrigindo os desequilíbrios existentes no curto prazo, num período inferior a um ano. Tipos de políticas
conjunturais: Política Monetária, Política Fiscal, Política Orçamental. A política monetária consiste num
conjunto de decisões tomadas pelo Estado com a finalidade de controlar a massa monetária em
circulação para a manutenção da estabilidade de preços, ou seja, a manutenção do poder de compra da
moeda. A política fiscal incide sobre os impostos, que são a principal fonte de financiamento das
despesas públicas e um instrumento fundamental da política de redistribuição. A politica orçamental
define o orçamento e seus componentes como ferramentas de controlo para garantir e manter
estabilidade económica. Principal objetivo desta política é equilibrar o ciclo económico. Tipos Política
Orçamental: Politica orçamental retracionista: Neste tipo o objetivo é diminuir a
procura agregada, por exemplo quando a economia está em um período de expansão excessiva e há
necessidade de retração económica para diminuir inflação provocada por
este cenário; orçamental expansionista Neste tipo o objetivo é exatamente o contrário, estimulara
procura agregada, por exemplo quando a economia está atravessando um
período de recessão. 6

A queda das taxas de câmbio torna a moeda nacional mais barata face às restantes. A
desvalorização da moeda tem um efeito benéfico sobre as exportações, que se tornam mais
baratas e competitivas; consequentemente, tem um efeito nefasto sobre as importações,
funcionando como instrumento corretor de desequilíbrios da balança de pagamentos. Neste
raciocínio, está sempre implícita uma aceitável elasticidade das exportações e importações à
taxa de câmbio, o que depende não só das condições do mercado externo mas
fundamentalmente da estrutura econômica nacional. Se um Estado não produz um determinado
bem essencial, a sua importação não diminui, mesmo quando há um aumento das taxas de
câmbio. É preciso ter em conta que, a longo prazo, em Estados com baixa elasticidade e elevada
dependência das importações, a queda das taxas de câmbio é geradora de inflação. No âmbito
internacional, o FMI tem competências na fiscalização e controle de abusos de manipulação
deste instrumento. Os Estados não podem sistematicamente socorrer-se de instrumentos
conjunturais como este para corrigir atrasos e défices estruturais da sua economia. 8