Você está na página 1de 239

Editora Poisson

Tópicos em Administração
Volume 11

1ª Edição

Belo Horizonte
Poisson
2018
Editor Chefe: Dr. Darly Fernando Andrade

Conselho Editorial
Dr. Antônio Artur de Souza – Universidade Federal de Minas Gerais
Dr. José Eduardo Ferreira Lopes – Universidade Federal de Uberlândia
Dr. Otaviano Francisco Neves – Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
Dr. Luiz Cláudio de Lima – Universidade FUMEC
Dr. Nelson Ferreira Filho – Faculdades Kennedy
Msc. Valdiney Alves de Oliveira – Universidade Federal de Uberlândia

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)


T674
Tópicos em Administração – Volume 11/
Organização Editora Poisson – Belo
Horizonte - MG : Poisson, 2018
239p

Formato: PDF
ISBN: 978-85-7042-017-6
DOI: 10.5935/978-85-7042-017-6.2018B001

Modo de acesso: World Wide Web


Inclui bibliografia

1. Administração 2. Gestão. I. Título

CDD-658

O conteúdo dos artigos e seus dados em sua forma, correção e confiabilidade são
de responsabilidade exclusiva dos seus respectivos autores.

www.poisson.com.br

contato@poisson.com.br
Sumário
Capítulo 1: Planejamento estratégico de uma empresa do ramo
Farmacêutico: Um estudo de Caso no município de Cantagalo- PR ............................................
7
Andrea Rodrigues, Maria Helena Prestes, Vanuza Stefanski Buskievicz, Ceyça Lia Pelorosi
Borges

Capítulo 2: Diferencial competitivo de uma rizicultura: Um estudo de caso na


visão do produtor de arroz irrigado ...............................................................................................
20
Keila Prates Rolão, Pedro Affonso Andries de Barros Santa Lucci, Yasmin Gomes
Casagranda, Rodrigo Ruas de Jesus Silva, Renato de Oliveira Rosa

Capítulo 3: Gestão do conhecimento: Um estudo de caso em um


empreendimento hoteleiro no Pantanal Sul-Mato-Grossense .......................................................
33
Keila Prates Rolão, Pedro Affonso Andries de Barros Santa Lucci, Yasmin Gomes
Casagranda, Rodrigo Ruas de Jesus Silva, Renato de Oliveira Rosa

Capítulo 4: Inteligência Organizacional: produção acadêmica entre 2007-


2017 ..............................................................................................................................................
47
Byanca Neumann Salerno, Paulo Sergio da Conceição Moreira, Rafaela Wille de Aguiar,
Edelvino Razzolini Filho

Capítulo 5: Empreendedorismo no campo da saúde no Brasil.....................................................


54
Evandro Rodrigues, Robson Paz Vieira, Andrea Bottoni

Capítulo 6: Habilidades e competências empreendedoras - O caso de um


diretor executivo de uma indústria e comércio de chás do município de
Guarapuava...................................................................................................................................
62
Josiane Poczynek

Capítulo 7: Estudo das Práticas do Sistema Organizacional da Gestão


Pública e a Qualidade do Serviço Prestado: Caso da Prefeitura de
Paranaguá .....................................................................................................................................
71
Luciane Silva Franco, Antonio Carlos Franco

Capítulo 8: As contribuições do endomarketing para melhoria da imagem de


uma instituição de ensino superior ................................................................................................
81
Luciana Aparecida Rocha, Nara Ferreira Fernandes
Sumário
Capítulo 9: Segmentação de mercado de uma farmácia localizada no oeste
do Paraná. .....................................................................................................................................
93
Barbara Peres Da Silva, Larissa Sonda Rigon

Capítulo 10: Análise do composto mercadológico de uma pousada


ecológica em Miranda - MS: Um estudo de caso da Fazenda Caimam .......................................
101
Keila Prates Rolão, Pedro Affonso Andries de Barros Santa Lucci, Yasmin Gomes
Casagranda, Rodrigo Ruas de Jesus Silva, Renato de Oliveira Rosa

Capítulo 11: Fatores determinantes para o sucesso escolar: Uma análise


com base nos resultados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios -
PNAD .............................................................................................................................................
107
Gisela Marques Araújo, João Pinheiro de Barros Neto

Capítulo 12: Densidade e centralidade dos relacionamentos sociais a partir


da análise de redes: Estudo com alunos do curso de Administração da
Unicentro .......................................................................................................................................
119
Anne Thays Siroca, Josiane Poczynek, Marcos de Castro

Capítulo 13: Responsabilidade social do empreendedor e acidentes de


trabalho: Estudo de caso na indústria frigorifica de aves .............................................................
127
Silvana Duarte, Eliane Duarte Petri, Jusceni de Fatima Aparecida Queiroz, Arthur Lopes
Ferreira Silva, Rosa de Barros Ferreira de Almeida, Aline Duarte dos Santos

Capítulo 14: Convenção-Quadro para o controle do tabaco: A cooperação


internacional e a participação brasileira .......................................................................................
142
Rodrigo Luis Melz, Gabriel Borges da Cunha, Octavio de Castilhos Badia

Capítulo 15: Processo Administrativo e a Engenharia ..................................................................


151
Jaqueline Brandt, Tiago Milani Zambianco, Nelson Malta Callegari

Capítulo 16: Análise de investimento econômico e financeiro de um sistema


de captação de água da chuva: Estudo de caso de uma rizicultura ...........................................
160
Keila Prates Rolão, Pedro Affonso Andries de Barros Santa Lucci, Yasmin Gomes
Casagranda, Rodrigo Ruas de Jesus Silva, Renato de Oliveira Rosa
Sumário
Capítulo 17: Econometria e inteligência artificial: criação de portfólio de
ações rentáveis. ............................................................................................................................
173
Wagner Igarashi, Lucas Fernando Martioli, Deisy Cristina Corrêa Igarashi

Capítulo 18: Modelo multivariado para predição do preço dos imóveis


residenciais urbanos no município de Paranaíba/MS ...................................................................
184
Elton Gean Araújo, Júlio César Pereira, Vinícius Renan Araújo, João Paulo Risso, Ricardo
André Hornburg

Capítulo 19: A importância da acurácia na gestão de estoque ....................................................


193
Luis Gabriel Fidélis Evaristo da Silva, Waldemar Mathias Neto

Capítulo 20: Gestão de estoques: estudo de caso em uma loja de


bicicletas e peças .........................................................................................................................
203
Alan Diniz de Almeida, João Inácio Roos Netto

Capítulo 21: A gestão da cadeia de suprimentos: um estudo de caso na


rizicultura no município de Miranda-MS ........................................................................................
212
Keila Prates Rolão, Pedro Affonso Andries de Barros Santa Lucci. Yasmin Gomes
Casagranda, Rodrigo Ruas de Jesus Silva, Renato de Oliveira Rosa

Capítulo 22: Aplicação da logística reversa em uma recicladora do


município de Guarapuava .............................................................................................................
221
Josiane Poczynek, Elaine Maria dos Santos

Autores......... .................................................................................................................................
229
Capítulo 1

Andrea Rodrigues
Maria Helena Prestes
Vanuza Stefanski Buskievicz
Ceyça Lia Pelorosi Borges

Resumo: Ao passar do tempo à gestão estratégica deixou de ser uma opção para
as empresas, tornando-se uma ferramenta obrigatória para que a mesma possa se
manter no Mercado. As vantagens competitivas em um universo altamente
interativo/globalizado é um fator importante para a sobrevivência da organização no
segmento em que ela opera. Logo, a existência de alguns mecanismos, passa a ser
fundamental para o alcance dessas vantagens. Verifica-se a importância da gestão
estratégica, no entanto, é visível que muitas empresas, principalmente,
microempresas não conseguem realizá-la. Portanto, o objetivo desse trabalho é
realizar um planejamento estratégico para a farmácia Bom Jesus situada no
município de Cantagalo - PR. Pois se entende que este é um passo fundamental
para uma gestão que abranja todas as áreas da organização. Para isso realizou-se
uma análise dos ambientes que envolvem a farmácia, possibilitando o diagnóstico
das ameaças, oportunidades, forças e fraquezas, para posteriormente ser realizado
o levantamento das estratégias. A metodologia utilizada foi de forma aplicada,
documental e para explanação dos resultados utilizou-se a matriz SWOT, matriz
cruzada, matriz de posicionamento e por fim a ferramenta 5W2H para elaboração
das estratégias. Os resultados mostram que a farmácia segue uma característica
dos empreendimentos locais que é possuir pouco ou nenhum controle e as áreas
que compõem a organização são vistas como preocupações secundárias.

Palavras-chave: Planejamento. Segmento farmacêutico. Competitividade.


8

1 INTRODUÇÃO Além desta seção o trabalho também


apresenta o Referencial Teórico que está
As organizações atualmente têm enfrentado
dividido em: Ambientes Mercadológicos e
muitos desafios para continuarem atuando no
Organizacional, Gestão e Planejamento
segmento de mercado em que estão
Estratégico, As Cinco Forças Competitivas de
inseridas. A concorrência em relação a
Porter; Metodologia; Resultados e Discussões
períodos anteriores é maior e mais forte, além
e a Conclusão.
de fatores relacionados com os ambientes em
que as organizações estão inseridas podem
influenciar em seu bom desenvolvimento ao
2. REFERENCIAL TEÓRICO
longo do tempo. Por isso é importante que as
organizações se mantenham atualizadas, ou Nesta etapa do trabalho será apresentada a
seja, estejam cientes das mudanças que fundamentação teórica do trabalho.
ocorrem em seu ramo. Diante disso, Porter
(1989) relata que é extremamente necessário,
as organizações criarem vantagens 2.1 AMBIENTES MERCADOLÓGICO E
competitivas, de maneira, que possam ORGANIZACIONAL
sustentar um desempenho melhor.
As organizações não estão sozinhas no
Outro ponto extremamente importante é que mercado e tão pouco no segmento em que
as empresas precisam estar alinhadas com trabalham, por este motivo sofrem influencia
uma gestão estratégica, possibilitando o e/ou influenciam mudanças nas demais
gerenciamento de todas as áreas de uma organizações. Essa troca de informações é
organização. Conforme Campos (2009), a proporcionada porque todas as organizações
gestão estratégica permite a elaboração, estão inseridas em um único sistema. Essas
sistematização e implantação de estratégias trocas podem ser benéficas ou prejudiciais. A
de forma sistemática e continuada, percepção das mudanças causadas pelas
possibilitando o avanço de toda a influencias depende da distância em que elas
organização. acontecem.
Contudo, mesmo com a importância da Visto isto, Bateman e Snell (2011) apresentam
gestão estratégica ela nem sempre foi uma três divisões de ambientes que podem
preocupação nas organizações para a determinar a velocidade que certas
formação de estratégias. Segundo Mainardes mudanças chegam até a organização. Para
et. al. (2011), foi a partir da Segunda Guerra os autores, portanto, pode-se dividir em:
Mundial que a estratégia que era usada nos Macroambiente, ambiente externo, ambiente
campos militares, passa para as empresas competitivo.
como uma ferramenta, que possui como
Para estes autores o macroambiente é mais
objetivo principal proporcionar à organização,
geral e mais longe da organização, mas pode
vantagens competitivas.
causar grandes mudanças como, por
Todavia, muitas empresas não se deram exemplo, quando ocorrem alterações nos
conta da importância dessa ferramenta, já aspectos econômicos, políticos-legais,
que com ela é possível a realização de muitos socioculturais, etc. estes aspectos podem
instrumentos de aporte à organização, dentre influenciar diretamente ou indiretamente as
eles podemos citar: planejamento estratégico, atividades que a organização realiza. O
diagnóstico estratégico, entre outro ambiente externo e o competitivo estão
(CAMPOS, 2009). Todos demonstram a relacionados com os agentes que interagem
importância de se conhecer o ambiente em mais diretamente com a organização, assim
que a organização está inserida. influenciam e sofrem influencias mais
rapidamente. O ambiente competitivo é o
Sendo assim, o objetivo do presente trabalho
próprio ambiente da organização, as
é analisar o ambiente de uma empresa do
mudanças ocorridas são logo percebidas, e
segmento farmacêutico e traçar um
as iniciativas tomadas são mais eficazes do
planejamento estratégico para obter
que nos demais (BATEMAN e SNELL, 2011).
vantagens competitivas. A importância deste
trabalho está na contribuição potencial para a Daft (2010) considera os três ambientes,
farmácia estudada, assim como, o como: ambiente organizacional, ambiente
enriquecimento da literatura com estudos externo que para o autor pode ser dividido em
como este. dois ambientes: ambiente geral, ambiente
operacional e por último o ambiente interno. A
Tópicos em Administração - Volume 11
9

figura 1, a seguir demonstra como o autor operacional e interno da organização.


considera a localização dos ambientes geral,

Figura 1- Circulo representativo dos ambientes que cercam uma organização

Fonte: DAFT, R. L., 2010, p. 82.

Percebe-se, a partir da figura apresentada organizacional o qual incluiu empregados,


por Daft, dentro do ambiente geral há fatores administração e cultura organizacional.
que influenciam direta ou indiretamente no
Segundo Silva et. al. (2010) a analise do
desenvolvimento da organização. Dentre
ambiente interno é de suma relevância, pois a
esses fatores como visto na imagem,
empresa poderá verificar quais pontos ela
podemos citar os aspectos tecnológicos,
possui como força e quais seus pontos
socioculturais, econômicos, legal/políticos e
fracos, se relacionados com outras
internacional. Recentemente, alguns autores
organizações concorrentes. Ao obter essas
acrescentaram além destas dimensões, a
informações, a mesma poderá elaborar
questão ambiental, envolvendo diretrizes de
estratégias para potencializar seus pontos
sustentabilidade. Os gestores devem estar
fortes minimizando seus fracos e assim obter
atentos a esses fatores para que se
vantagens competitivas frente a concorrência,
mantenham fortes nos mercados
como também poderá elaborar estratégias
competitivos.
que minimizem suas fraquezas, visando
Batemam e Snell (2007) relatam que sempre aumentar sua participação no
independente do segmento todas as mercado.
organizações trabalham em um
Para que a organização esteja a par dos
macroambiente parecido, contudo as
acontecimentos é necessário que ela possua
condições estabelecidas e os acontecimentos
uma boa gestão a qual irá refletir em um bom
deste ambiente afetem de maneira
planejamento estratégico, possibilitando o
diferenciada. Mas todos deverão analisar e
alcance das metas estabelecidas. Assim, o
refletir sobre essas questões, e realizarem
próximo tópico deste trabalho debaterá sobre
estratégias, pois uma boa analise desse
estes aspectos.
ambiente e do ambiente operacional poderão
responder quais são as oportunidades e
ameaças que a organização possui.
2.2 GESTÃO E PLANEJAMENTO
Em relação ao modelo apresentado por Daft, ESTRATÉGICO
ele considera como ambiente operacional;
As organizações estão sujeitas há constantes
aqueles setores que possuem relação direta
mudanças, há diversos fatores como citado
com a organização, como os clientes,
no tópico anterior que poderão influenciar
concorrentes, mercado de trabalho e
positiva ou negativamente no andamento da
fornecedores. O ambiente interno de acordo
empresa, havendo a necessidade, portanto,
com o autor é o próprio ambiente
Tópicos em Administração - Volume 11
10

de merecerem atenção para que a coerente, eficiente, eficaz (OLIVEIRA, 1987,


organização não seja pega de surpresa. Para apud TERENCE, 2002, p.3).
possuir um controle da situação da
Podemos perceber que o planejamento
organização e não correr o risco da mesma
estratégico é de suma relevância, é uma
estar desprevenida é de suma importância
ferramenta que demonstrará se a organização
que ela possua uma gestão qualificada que
é eficaz ou não. Quando um administrador
desenvolva e atualize os pontos necessários
e/ou gestor elabora seu planejamento
do Planejamento Estratégico.
estratégico, ele deve ter firme seu objetivo,
Para Valeriano (2001) possuir uma boa gestão pois tudo que for informado no planejamento
de algo é possuir uma visão de conjunto, visa alcançar o seu objetivo no período
olhando para os aspectos particulares de proposto. Possibilitando assim uma visão de
cada departamento de uma organização, onde a organização está e para onde quer
utilizando-se deste método a empresa chegar.
conseguirá formar uma base forte, para todas
Alday (2010) em seus trabalhos evidencia que
as decisões tomadas.
o planejamento deve ser elaborado
Araujo (2001) considera como sendo gestão abordando tanto o curto prazo como o longo
estratégica um “processo contínuo de prazo. O autor mostra também que muitas
integração da estrutura da empresa ao meio empresas fazem o planejamento estratégico
ambiente a partir da análise do ambiente, de maneira errônea, pois pensam ou realizam
estabelecimento de diretrizes, formulação, o planejamento somente para a organização e
implantação e controle de ações estratégicas” não abordam os fatores que estão em
(ARAUJO, 2001, pg. 10). Por este motivo que constante mudança e que afetam as
Kaplan (2004) afirma que só é possível haver organizações elaboram um planejamento,
gestão daquilo que se mede. mas sem interligar com o objetivo central da
organização.
O planejamento é uma ferramenta muito
utilizada nas organizações nos dias de hoje. Para se alcançar o objetivo proposto, além de
Essa ferramenta começou a ser utilizada elaborar e sempre estar reestruturando o
segundo Terence (2002), em meados da planejamento estratégico, o gestor deve
década de 70, em que houve a necessidade praticar uma administração ou gestão
de voltar os olhares para o ambiente externo. estratégica na empresa, caso contrário de
Desse modo, foram introduzidos novos nada vale a elaboração do planejamento
instrumentos de gestão para o planejamento estratégico. A organização que realize uma
estratégico. Assim, a competitividade e o gestão estratégica pode se beneficiar de
dinamismo encontrado no meio empresarial maneira significativa, pois de acordo com
vêm criando novos instrumentos de gestão Alday (2010) a organização sempre se
que são adequados de acordo com as manterá integrada ao ambiente em que está
necessidades de cada organização. inserida.
Assim, podemos definir o planejamento A realização desse planejamento necessita
estratégico como sendo “uma metodologia de alguns passos que devem ser seguidos,
gerencial que permite estabelecer a direção a que seria “1º a Projeção de Cenários, 2º
ser seguida pela organização, visando o Definição de objetivos a serem seguidos, 3º
melhor grau de interação com o ambiente, Avaliação das ameaças e oportunidades
considerando a capacitação da organização ambientais, 4º Formulação e avaliação de
para este processo de adequação”. planos alternativos e 5º a Escolha e
(OLIVEIRA, 1987, apud TERENCE, 2002, p.3) implementação do melhor plano alternativo”
(OLIVEIRA, 1991 apud MASCARENHAS et. al.
Em relação aos propósitos do planejamento
2009).
estratégico ele pode ser definido como:
O primeiro passo da administração
O desenvolvimento de processos, técnicas e
estratégica inicia-se com a análise do
atitudes administrativas, que proporcione uma
ambiente, para identificar os possíveis riscos
situação viável para avaliar as implicações
e quais serão as oportunidades futuras para o
futuras das decisões presentes em função
negócio. É necessário que os gestores
dos objetivos organizacionais previamente
compreendam a finalidade dessa análise. O
estabelecidos, que facilitarão a tomada de
segundo seria identificar seu objetivo, suas
decisão, no futuro, de modo mais rápido,
metas e a missão da organização, há também
a visão e os valores. O terceiro passo seria
Tópicos em Administração - Volume 11
11

formar estratégias para garantir o sucesso da retorno de mercado livre” (PONTES, 2009, p.
organização. A quarta etapa seria colocar em 17).
ação as estratégias, implementá-las, pois sem
É através do conhecimento da pressão
isso, não seria possível obter os benefícios da
competitiva que é possível construir pilares
realização da análise organizacional, do
estratégicos para a ação. Essas forças
estabelecimento dos fatores chave (objetivo,
conforme Pontes (2009) realçam os pontos
metas, visão, etc.) e da formulação das
fortes e fracos mais relevantes de uma
estratégias. E por fim, o último passo seria o
organização, evidenciando as áreas que
controle de todas essas atividades, ou
necessitam de mudanças estratégicas para
controle estratégico, que é responsável pela
proporcionarem maior retorno.
monitoração e avaliação do processo,
buscando a melhora contínua e a otimização Cada uma das forças deve ser estudada de
da organização. maneira considerável, pois para que a
organização elabore estratégias competitivas
A realização continuada da gestão
ela deve estar em conformidade com tal
estratégica possibilita à empresa o
estrutura. As cinco influências que Porter
conhecimento das vantagens e desvantagens
(1986) define são:
relacionadas com o segmento que ela
trabalha. Mas para que estes dados tenham  As ameaças de novos entrantes;
validade é necessário que a organização os  O poder de negociação dos
analise e uma ferramenta que pode ser fornecedores;
utilizada, são as cinco forças competitivas de  O poder de negociação dos
Porter, por isso que a próxima seção irá compradores;
apresentar a descrição e explanação a  As ameaças de serviços substitutos;
respeito das forças.  A rivalidade entre as empresas existentes.

Pode-se notar que ao analisar estes aspectos


2.3 AS CINCO FORÇAS COMPETITIVAS DE
que envolvem a organização é possível
PORTER
estabelecer estratégias. No entanto, para as
Como já visto e discutido anteriormente, uma estratégias serem eficazes é necessário
empresa que não possui uma gestão utilizar outros métodos de análise. Assim,
estratégica não consegue se manter no após a Metodologia que é a próxima seção é
mercado de forma competitiva, deve ter claro apresentado os Resultados e Discussões,
seus objetivos e atuar de maneira a atingi-los demonstrando os demais instrumentos que
conforme sua missão e visão e identificar o serão utilizados para posterior formação de
que deve ser feito para que não seja estratégias para a empresa estudada.
substituída por seus concorrentes.
Um elemento significativo que auxilia os
3. METODOLOGIA
gestores na tomada de decisão e numa
melhor gestão estratégica são as cinco forças A finalidade da pesquisa é aplicada, pois está
de Porter. De acordo com Armanino (2005), é intimamente relacionada com a realidade. A
uma ferramenta que descreve quais as pesquisa utilizou-se do método qualitativo, de
influências que atuam sobre as empresas e acordo com Gil (2008), é um método que não
auxilia na determinação de quais formas de se utiliza de instrumentos estatísticos para a
trabalho são mais adequadas conforme cada análise dos dados. A pesquisa será
caso. Determina também a rentabilidade que descritiva, pois irá descrever e relacionar os
pode ser esperada do conjunto de empresas ambientes organizacionais de uma empresa
de um mesmo ramo em longo prazo. Essa farmacêutica.
ferramenta leva em consideração tanto o
Uma vez que o objeto da pesquisa é
ambiente externo como o interno.
exploratório, que de acordo com Gil;
Conforme Pontes (2009) “o modelo de Porter
Têm como principal finalidade desenvolver,
se sustenta na ideia de que as forças que
esclarecer e modificar conceitos e ideias. [...]
atuam no sentido de aumentar a concorrência
Habitualmente envolvem levantamento
em um dado setor interferem na taxa de
bibliográfico e documental, entrevistas não
retorno sobre o capital investido,
padronizadas e estudos de caso. [...] Este
aproximando-o da taxa competitiva básica, ou
tipo de pesquisa é realizado especialmente
quando o tema escolhido é pouco explorado
Tópicos em Administração - Volume 11
12

e torna-se difícil sobre ele formular hipóteses 4.1 HISTÓRICO DA EMPRESA


precisas e operacionalizáveis ( GIL, 2008,
O Marco Inicial da Farmácia Bom Jesus se dá
p.27).
no próprio município de Cantagalo PR, onde
Para a coleta de dados foram usadas anteriormente era administrada pela
informações de fontes primárias e Farmacêutica Helena Klossoski e João de
secundárias. As fontes primárias Oliveira Lima. Sendo seu principal ramo de
correspondem aos dados obtidos a partir da atividade o atendimento ao público e a
pesquisa realizada. Já os dados secundários comercialização de medicamentos e
foram adquiridos em sites governamentais, perfumaria em geral.
artigos e teses utilizando como meio de
Após alguns anos, a farmácia Bom Jesus,
acesso a internet, para obter dados referentes
atualmente razão social (Muzzolon &
a fatores externos à organização e que
Dombroski),foi adquirida pelo farmacêutico
podem afetá-la. Possibilitou o levantamento
Daniel Dombroski e o advogado Jean Carlos
de um diagnóstico referente ao ambiente
Muzzolon, em fevereiro de 2012. A farmácia
macroeconômico e microeconômico do setor
está localizada na Rua Alzira de Abreu,
que a organização está inserida.
número 615,no centro do município de
O primeiro passo realizado foi o levantamento Cantagalo -Pr. Tendo como comércio de
dos dados secundários, com o objetivo de referência o banco Bradesco e a Loja Arco-
verificar e identificar dados relevantes íris.
referentes ao mercado farmacêutico,
Sendo assim, a farmácia Muzzolon &
possibilitando o conhecimento do ambiente
Dombroski, está no mercado a mais de 4
externo e interno da organização. Para esta
anos, oferecendo produtos de qualidade e
etapa a internet foi à ferramenta utilizada. O
bom atendimento. Isso é possível devido ao
segundo passo realizado foi a elaboração de
trabalho e à dedicação de seus proprietários
duas entrevistas a serem aplicadas para o
e colaboradores, que prezam sempre pelo
gestor e o/a auxiliar da Farmácia Bom Jesus,
bem estar de seus clientes.
com o objetivo de conhecer o ambiente da
tarefa, o qual engloba aspectos como:
Marketing, Financeiro, Produção/vendas e
4.2 CINCO FORÇAS DE PORTER
Recursos Humanos.
Com o objetivo de iniciar as interpretações
Para analise dos dados coletados e posterior
dos dados alcançados será apresentado as
elaboração de estratégias, foram utilizados:
cinco forças de Porter, relacionando-as com
análise das 5 Forças de Porter, Matriz Fofa,
as características levantadas da farmácia
Matriz Cruzada, Matriz de Posicionamento
Bom Jesus de Cantagalo - PR.
Estratégico. Ao possuir os resultados será
possível realizar planos táticos, operacionais 1) As ameaças de novos entrantes: Através
e funcionais e utilizou-se para a elaboração da análise realizada do ambiente interno
destas o método 5W2H. Os resultados são percebeu-se que não há grande entrada de
como se seguem no referencial seguinte. novos concorrentes no ambiente em que a
farmácia está inserida, pois o município é de
pequeno porte de maneira que a entrada de
4 RESULTADOS E DISCUSSÕES muitas farmácias torna-se inviável.
A seguir serão apresentados os resultados 2) O poder de negociação dos fornecedores:
obtidos através da pesquisa realizada. Há um grande número de fornecedores,
Inicialmente será apresentado um breve contudo, como a farmácia compra em
histórico da organização e posteriormente pequenas quantidades não consegue
como visto é apresentada as cinco forças de barganhar o preço como empresas de rede
Porter identificadas no trabalho, assim como a que compram em uma maior quantidade.
elaboração da matriz SWOT, matriz cruzada e
3) O poder de negociação dos compradores:
de posicionamento realizadas a partir dos
O proprietário da farmácia é maleável em
dados obtidos na elaboração do
relação às negociações que os clientes
planejamento estratégico.
requerem, um exemplo muito comum em
relação a isso é que ele dos descontos
proporcionais ao valor pago ao fornecedor
quando os clientes pedem, de maneira a
agradá-los e fidelizá-los.
Tópicos em Administração - Volume 11
13

4) As ameaças de serviços e/ou produtos 5) A rivalidade entre as empresas existentes:


substitutos: Em relação às ameaças quanto Não há rivalidade entre as empresas, pois
aos produtos e/ou serviços substitutos, pode- quando um produto está em falta, é sugerido
se dizer que é baixa ou inexistente. Todas que seja procurado em outra empresa exceto
comercializam os mesmos produtos, ou que quando a mesma não consegue o produto.
tenham a mesma finalidade. Um substituto
A analise das Cinco Forças de Porter permite
seria os produtos manipulados, mas como
que possamos dar valores as dados
visto, nenhuma das organizações é
encontrados podendo variar entre alta, média
responsável pela sua fabricação, apenas
e baixa a influência da força na organização,
fazem o pedido e comercializam.
sendo que, estas analises estão
sistematizadas no quadro 1 a seguir.

Quadro 1- Explanação dos cincos forças de Porter na organização

Forças Alta Média Baixa

1 X

2 X

3 X

4 X

5 X
Fonte: Elaboração Própria, 2016.

Após a analise das Forças de Porter As forças e fraquezas são determinadas pela
juntamente com os diagnósticos externos e posição atual da empresa e condizem a
internos, para que assim seja possível a fatores internos. O ambiente interno pode ser
elaboração de estratégias adequadas é controlado pelos gestores da empresa, pois é
apresentado a seguir a analise da matriz o resultado obtido das estratégias definidas
SWOT. pela própria organização. Ao se identificar um
ponto forte, o mesmo deve ser ressaltado, e
caso seja identificado fraquezas ou pontos
4.3 MATRIZ SWOT fracos, a organização deve procurar realizar
ações para diminuir seu efeito ou controlá-lo.
De acordo com Mintzberg, Alhstrand e
Lampel (2010) a utilização da análise SWOT O ambiente externo, por sua vez, a
foi introduzida pela Escola do Design e para a organização não consegue controlá-lo.
sua elaboração é necessário que seja Mesmo não controlando-a, a organização
realizado analises dos ambientes externos e deve se manter atenta às mudanças das
internos da organização, sendo que, o mesmas, e procurar aproveitar as
primeiro possibilita o entendimento das oportunidades que surgem, mas também
ameaças e oportunidades e o segundo das evitar as ameaças.
forças e fraquezas. Os pressupostos dessa
Os resultados da SWOT da farmácia Bom
Escola visam primeiramente a análise, para
Jesus de Cantagalo - PR são os apresentados
que em seguida, possa ser feita a
abaixo no quadro 2:
implementação de estratégias adequadas a
realidade em que a organização se encontra.

Tópicos em Administração - Volume 11


14

Quadro 2- Matriz SWOT da Farmácia Bom Jesus de Catagalo - PR

Forças Oportunidades

Descontos nos medicamentos quando requerido pelo cliente. Aumento na venda de genéricos (4)
(nota: 1)

Boa localização. (4) Aumento nos preços dos medicamentos (2)

Tradição no mercado. (4) Existência de uma agência reguladora (2)

Parceria com a prefeitura e com borracharia (4) Elaboração de resoluções que visem as Boas Práticas
Farmacêuticas (4)

Várias formas de pagamento (2) Existência de Programas Sociais ( Programa Farmácia Popular)
(4)

Programa Farmácia Popular (4) Existência de legislação para garantir a qualidade e


comercialização da organização (4)

Possuir controle de medicamentos vencidos (4) Aumento no consumo de medicamentos devido a hábitos
inadequados.(4)

Realiza outras atividades além da comercialização de Aumento no publico -alvo consumidor (idosos e crianças) (4)
medicamentos. (4)

Política de prazos de venda definido. (2) Cultura de automedicação (4)

Boa relação de negociação com os fornecedores. (4)

Algumas ferramentas de Marketing principalmente a


propaganda. (2)

Utilização de software para o controle de estoque. (4)

Fidelidade de alguns clientes. (2)

Fraquezas Ameaças

Não oferta serviços agregados (4) Boas práticas na alimentação e atividades físicas. (2)

Não realiza manipulação (2) Instabilidade econômica. (4)

Concorrentes com maior quantidade e variedade de produtos. Aumento da procura por medicamentos manipulados.(2)
(4)

Concorrente nova com maior espaço interno da farmácia. (2) Venda de medicamentos com prescrição médica (2)

Concorrentes que comercializam suprimentos relacionados


com atividades físicas. (2)

Não possui um controle de entradas e saídas da farmácia. (4)

Não possui um planejamento relacionado com o marketing. (2)

Não há uma política de estoque mínimo definida. (2)

Não é realizado um estudo referente a satisfação dos clientes.(4)

Não possui controle de inadimplência.(4)

Falta de monitoramento do Software de controle dos estoques. (4)

Desmotivação do recurso humano. (4)

Não há uma política de cargo e salários.(4)

Fonte: Elaboração dos autores através dos dados coletados pelo estudo de campo, 2016.

Tópicos em Administração - Volume 11


15

Posteriormente a elaboração e identificação 4.3.1 MATRIZ CRUZADA


dos componentes da Matriz SWOT, é
Os itens da Matriz SWOT foram enumerados e
necessário cruzar esses dados, ou seja,
classificados com determinada nota,
cruzar as Oportunidades com as Forças e as
conforme o grau de importância, como pôde
Fragilidades com as Ameaças, e assim
ser verificado no quadro 02 do item anterior.
estabelecer estratégias que minimizem e
Sendo que as notas podem ser: (4) muito
monitorem os aspectos negativos e
importante; (2) importante; (1) pouco
maximizem as potencialidades, visando a
importante. Através dessa pontuação e
capitalização, o crescimento, a manutenção e
classificação é possível elaborar a Matriz
a sobrevivência da organização. Isso
cruzada, sendo o próximo passo de análise.
possibilitará a análise da real situação interna
e externa da empresa em relação às Ao cruzar os pontos fortes, fracos, ameaças e
possibilidades de implementação de oportunidades numa matriz é possível
estratégias que proporcionem o determinar em que fase e/ou posicionamento
desenvolvimento da mesma. a organização se encontra no atual momento.
Portanto, a seguir será apresentada a matriz
cruzada da análise Swot, para posteriormente
ser identificado em que fase a mesma se
encontra e ser elencada as estratégias que
serão propostas para essa organização.

Quadro 3- Explanação da Matriz cruzada conforme informações da Matriz Swot

Fonte: Elaboração Própria, 2016.

Através da elaboração da matriz cruzada foi desenvolvimento da organização. Deve-se


dado um grau de importância para cada item levar em consideração o atual ciclo de vida
que estava na matriz SWOT, ao ser feito o do empreendimento ou mesmo do segmento
cruzamento entre os dados, foi possível obter produtivo como um todo. E essa informação
um total para cada quadrante e assim, pode ser observada através da matriz
identificar a fase em que a empresa se abordada pelo quadro 04 abaixo, que de
encontra. forma esquemática irá mostrar os possíveis
resultados da análise, onde cada quadrante
A partir da predominância de pontos fortes e
representa uma fase de vida da organização.
fracos, ameaças e oportunidades, podem-se
Segue abaixo a matriz de posicionamento
adotar estratégias que busquem a
estratégico da Farmácia Bom Jesus:
sobrevivência, manutenção, crescimento ou
Tópicos em Administração - Volume 11
16

Quadro 4- Matriz de posicionamento da Farmácia Bom Jesus, município de Cantagalo

Fonte: Elaboração Própria, 2016.

A análise da presente tabela se dá da desenvolver estratégias para diminuir esses


seguinte forma: pontos negativos e ao mesmo tempo
aproveitar as oportunidades.
 Desenvolvimento: Corresponde ao
cruzamento dos pontos fortes com as Conforme Pagano (2003), quando a
oportunidades, ou seja, a estratégia realizada organização se encontra nesse quadrante, é
deve ser relacionada com tirar ao máximo de porque ela já está no mercado há algum
proveito dos pontos fortes para aproveitar ao tempo, e com o sucesso que possui vai se
máximo as oportunidades. acomodando, e isso faz com que fique
 Crescimento: Corresponde aos dados desatenta aos movimentos dos concorrentes
correspondentes aos pontos fracos cruzados e às novas necessidades dos clientes, e aos
com os dados das oportunidades, nesse poucos está se desorganizando internamente,
ponto é necessário desenvolver estratégias por isso há mais pontos fracos que fortes.
que minimizam os efeitos negativos dos Portanto as estratégias elaboradas visão
pontos fracos e que simultaneamente minimizar essas problemáticas, conforme
aproveitem as oportunidades. pode ser verificado no item a seguir.
 Manutenção: Se dá pelo cruzamento
entre os pontos fortes e as ameaças, ou seja,
deve-se tirar o máximo de proveito dos pontos 4.4 ESTRATÉGIAS DESENVOLVIDAS
fortes para minimizar os efeitos das ameaças.
A partir do diagnóstico realizado foi possível
 Sobrevivência: Corresponde ao
verificar a situação atual da organização e
cruzamento dos pontos fracos versus os
com base nas informações obtidas elencar
dados das ameaças: elaborar estratégias que
estratégias através de planos estratégicos,
sejam desenvolvidas com o intuito de
táticos e operacionais para minimizar as
minimizar ou ultrapassar os pontos fracos e,
fraquezas e proporcionar ao estabelecimento
tanto quanto possível, fazer face às ameaças.
realizar as ações adequadas conforme suas
 Como visto, através da matriz de
deficiências.
posicionamento estratégico, foi possível
verificar que os quadrantes com maior Utilizou-se como ferramenta de análise e
pontuação foram desenvolvimento e elaboração das estratégias a planilha 5W2H,
crescimento, mas deve-se considerar apenas que segundo Silva et. al. (2013), o uso desta
o quadrante mais relevante, ou seja, apenas o ferramenta permite a explanação clara e
quadrante do crescimento, que obteve um precisa das ações que serão desenvolvidas,
montante maior que o citado anteriormente. permitindo que qualquer pessoa ao analisá-
Nesse quadrante, aponta pontos em que o las possa compreende-las e dar sequência
cenário externo é propício, conforme visto nos nas ações propostas. Pode-se ainda dividi-las
itens que contemplam as oportunidades, mas em táticas e operacionais, possibilitando uma
a organização possui algumas fraquezas melhor divisão e compreensão. A seguir está
internas, que foram mencionadas no quadro descrito as estratégias propostas.
02 da análise SWOT. Sendo assim, precisará
Tópicos em Administração - Volume 11
17

4.4.1 PLANOS ESTRATÉGICOS, TÁTICOS E Para a organização estudada, os planos


OPERACIONAIS táticos propostos à ela foram: 1.1) Análise de
Mercado e do público - alvo; 1.2) Analisar
Através do diagnóstico e das análises
possíveis ferramentas utilizadas para realizar
realizadas e posterior sistematização que está
o controle; 2.1) Identificar a ferramenta mais
apresentada na Matriz SWOT (FOFA), foi
adequada para realizar o controle; 2.2)
possível verificar os principais gargalos
Analisar como esse controle poderá ser
relacionados com a organização, sendo que
realizado; 3.1) Verificar a melhor forma de se
estes podem diminuir a sua competitividade
realizar política de controles (entrada e saída);
diante de seus concorrentes e diminuir
4.1) Identificar necessidades dos
também a eficiência no atendimento aos
colaboradores; 5.1) Diversificar os produtos
clientes.
vendidos e procurar novos investimentos na
A divisão das ações em estratégico, tático e estrutura produtiva; 5.2) Para identificar a
operacional, foi realizado a partir da eficiência financeira analisar as entradas e
ferramenta 5W2H, utilizando como software o saídas e se as margens sobre os produtos
programa do Windows, o Excel. Ao analisar estão correntes; 6.1) Elaborar o planejamento
os resultados obtidos percebeu-se que havia estratégico.
6 pontos que careciam de estratégias, sendo
O ultimo plano é conhecido como
que, ao realizar estratégias para estes pontos
operacional. Santos (2010) evidencia que “o
é possível englobar todas as áreas que
planejamento operacional pode ser definido
existem dentro de uma organização em
como a materialização prática para a
algumas mais nítidas do que em outras.
realização dos objetivos definidos no
Os planos estratégicos são amplos e planejamento estratégico.”.A autora nos
abrangem toda a organização. De acordo mostra que esse plano é elaborado com foco
com Bezerra (2014, p. 02) “[...] colabora com nas atividades do dia-a-dia, corresponde a
a concepção dos objetivos (metas), e da um conjunto de partes do planejamento tático.
análise dos fatores internos e externos da
Como pode ser verificado seis planos
companhia”. Vem a ser um processo
estratégicos foram ramificados em outras
contínuo, em que deve ter um olhar para o
vários táticos. Já os planos operacionais são
futuro, deve compreender ações com
os que se seguem em seguida: 1)Elaboração
racionalidade para a tomada de decisão e a
de pesquisa mercadológica; 2)Realizar o
melhor alocação dos recursos,
controle de entradas e saídas; 3)Realizar o
proporcionando a organização agirem com
controle de periodicidade de compras e
eficiência, ocasionando mudanças e
vendas; 4)Realização de cursos para
inovação.
aperfeiçoar o conhecimento sobre o
Nesse contexto, as estratégias sugeridas a programa escolhido; 5)Elaboração de fluxos
nível estratégico foram: 1) Implementação de de caixas; 6)Aplicação de uma gestão de
marketing como uma ferramenta estratégica; pessoas efetivas na organização; 7) Capacitar
2) Implantação de sistemas de controle de e instruir os colaboradores e gestor;
entradas e saídas; 3) Implantação de uma 8)Comercializar produtos diferenciados e
política de controle de vendas e compras; 4) expandir o ponto de distribuição; 9)Por em
Implantar Sistema de Gestão de Pessoas; 5) prática os estudos levantados; 10)
Analisar possíveis investimentos e eficiência Desenvolver o planejamento estipulado.
financeira, e por fim; 6) Posicionamento de
Os conjuntos dessas ações estratégicas
mercado. Percebeu-se a partir dos estudos,
poderão auxiliar o gestor a melhorar pontos
que a organização é carente de muitas
essenciais na organização. Ao entender a
etapas necessárias para o aumento da
importância do planejamento estratégico o
competitividade, visto que o desenvolvimento
gestor pode otimizar os processos que
dessas estratégias pode ajudar a diminuir
compõem as atividade da organização.
esta carência.
5. CONSIDERAÇÕES FINAIS
Os planos táticos e operacionais funcionam
como degraus que possuem como objetivo É de suma relevância que seja despertado
ajudar a desenvolver os planos estratégicos. nos gestores locais a necessidade de se
Para Bezerra (2014) esse plano é responsável realizar o planejamento estratégico da
por realizar uma intermediação entre o nível organização. Planejar pode tornar a rotina das
citado anteriormente e o nível operacional, é organizações mais eficiente e mais
projetado em médio prazo. interessante. Para se manter no mercado é
Tópicos em Administração - Volume 11
18

necessário que a organização tenha aos concorrentes, caso contrário a


conhecimento quanto às tendências e organização pode vir a falir.
mudanças que vem ocorrendo na sociedade,
Além de planejar é necessário se elencar
pois caso contrário se tornará ultrapassada.
metas e estratégias para que a organização
O planejamento vem a ser uma preparação se mantenha com potencial e vantagens no
para qualquer empreendimento, em que mercado. Pois como visto, é através da
devem ser estabelecidos os objetivos. Para a realização do planejamento que é possível
realização adequada do mesmo é de suma identificar as oportunidades e forças,
relevância considerar o Ambiente Externo, o otimizando-as e diminuindo seus custos e
ambiente interno e o Micro ambiente, pois os fraquezas. Através do mesmo é possível
mesmos poderão influenciar o negócio, otimizar os recursos disponíveis e ter uma
gerando-lhes possibilidades, como também visão geral da organização, sendo permitido
desafios. desenvolver métodos e estratégias eficientes
para o crescimento e desenvolvimento da
No trabalho realizado foi possível identificar a
empresa.
necessidade da realização e implantação de
um planejamento estratégico, assim como de Conclui-se que a organização estudada tem
uma gestão estratégica. Pois como potencial e domínio de mercado, mas como
observado, a organização em estudo tem visto caso não implante estratégias
potencial, e oportunidades que favorecem adequadas e não realize planejamento, assim
seu desenvolvimento. Mas, além disso, é como a gestão estratégica, seus concorrentes
necessário se manter atento as mudanças passarão a ter vantagens quanto à ela e a
para obter vantagens competitivas em relação mesma estará comprometendo seu futuro.

REFERÊNCIAS [8] Daft, R.L. Administração. 2º ed. Traduzido


norte-americana. ed. Cengage Learning, /2010.
[1] Alday, H. E. C. O Planejamento
Estratégico dentro do Conceito de Administração [9] Galvão, N. S.D . Sousa, R. M. O método
Estratégica. Revista FAE. Curitiba. V.3, n.2, p 9-16, de análise SWOT como ferramenta para promover
2000. o diagnóstico turístico de um local: o caso do
município de Itabaiana / PB. Universidade Federal
[2] Araujo, A. O. Contribuição ao Estudo de do Rio de Janeiro. Caderno Virtual de Turismo, vol.
Indicadores de Desempenho Hoteleiros, sob o 8, núm. 1, 2008, pp. 118-130. RJ.
Enfoque da Gestão Estratégica. USP. São Paulo,
2001. [10] Gil, A. C. Métodos e Técnicas de Pesquisa
Social. São Paulo, ed. Atlas, 6º edição, 2008.
[3] Armanino, P. Estudo da Evolução Histórica
e das Visões do Modelo das Cinco Forças de [11] Lakatos, E. M.; Marconi, M. A.
Porter: Uma Aplicação à Indústria da Publicidade. Fundamentos da Metodologia Científica. 5 ed.
Escola de Administração de Empresas de São Atlas, São Paulo. 2003, p. 301.
Paulo. Fundação Getúlio Vargas. SP. 2005.p. 1-
[12] Kaplan, R. Mapa Estratégico. 2004.
187.
Disponível em:
[4] Batemam, T. S. e Snell, S. A. <http://www.mcs.org.br/mbc/uploads/biblioteca/11
Administração: novo cenário competitivo. 2 º ed. 64633716.8169A.pdf>. Acesso: abril de 2016.
São Paulo: ed. Atlas, 2011.
[13] Mascarenhas, R.A.D, et al. Planejamento
[5] Bezerra, F. Planejamento Estratégico, Estratégico: Uma ferramenta de Gestão para as
Tático e Operacional. Portal Administração. 2014. Micro e Pequenas Empresas. Disponível em:
Disponível em: <http://www.portal- http://www.inicepg.univap.br/cd/INIC_2009/anais/ar
administracao.com/2014/07/planejamento- quivos/1251_1423_01.pdf. XIII Encontro latino
estrategico-tatico-operacional.html> Acessado em Americano de Iniciação Científica e IX Encontro
junho de 2016. Latico Americado de Pós Graduação. Universidade
do Vale do Paraíba. Acesso em Maio 2016.
[6] ___________________. Administração:
Liderança e Colaboração no Mundo Competitivo. [14] Mainardes, E. W.; Fereirra, J. Raposo, M.
7º edição, São Paulo: McGraw-Hill, 2007. Conceitos de Estratégia e Gestão Estratégica: Qual
é o Nível de Conhecimento Adquirido pelos
[7] Campos, W. O que é gestão estratégica?, Estudantes de Gestão?. Facef Pesquisa, Franca,
2009. Disponível em: v.14, n.3, p. 278-298, set./out./nov./dez. 2011.
<http://www.administradores.com.br/artigos/market
ing/o-que-e-a-gestao-estrategica/28653/>. Acesso: [15] Mintzberg. H. Alhstrand B. e Lampel, J.
maio 2016. Safári de Estratégia. 2º edição- Porto Alegre-
Tópicos em Administração - Volume 11
19

Bookman, 2010. Capítulo: 2 Escola do Design. p. [20] Silva, A. A. et al. A Utilização da Matriz
35 - 53. Swot como Ferramenta Estratégica – um Estudo de
Caso em uma Escola de Idioma de São Paulo. VIII
[16] Oviedo, F. L. V.Z. et al.Planejamento
SIMPÓSIO DE Excelência em Gestão e Tecnologia.
Estratégico no Setor Farmacêutico. Pato Branco-
2010.
PR. 2010. Disponível em:
<http://www.administradores.com.br/artigos/market [21] Silva, A. O., et al. Gestão da Qualidade:
ing/planejamento-estrategico-no-setor- Aplicação da Ferramenta 5W2H como Plano de
farmaceutico/49863/>. Acessado em abril de 2016. ação para Projeto de Abertura de uma Empresa. 3ª
Semana Internacional das Engenharias da FAHOR
[17] Pagano, R. A. Diretrizes Gerais para
. Horizontina - RS.2013. Disponível em:
Formulação Estratégica: qual a postura estratégica
<http://www.fahor.com.br/publicacoes/sief/2013/ge
adequada? Inteligentia - Assessoria Empresarial.
stao_de_qualidade.pdf> Acessado em junho de
2003. Disponível em:
2016.
<https://www.google.com/url?q=http://www.intellige
ntia.com.br/novidades/artigos/ensaio_rap0311- [22] Santos, A. A Importância do Planejamento
1.pdf&sa=D&ust=1467308355736000&usg=AFQjC nas Empresas de Micro, Pequeno e Médio Portes.
NFg3vfmxpP4b9YCZ9IAkrHWsOZQcw>. Acesso: Monografia para Pós Graduação em Gestão
junho 2016 Empresarial. Universidade Cândido Mendes. RJ.
2010
[18] Pontes, L.C.R. Análise da Estratégia do
Setor Supermercadista do Estado do Pará: Uma [23] Terence. A. C.F. Planejamento Estratégico
Aplicação do Modelo de Cinco Forças como Ferramenta de Competitividade na Pequena
Competitivas de Michael Porter. Universidade Empresa: Desenvolvimento e Avaliação de um
Federal do Pará. Instituto de Ciências Sociais Roteiro Prático para o Processo de Elaboração do
Aplicadas- ICSA. Dissertação de Mestrado em Planejamento. Universidade de São Paulo. São
Economia. Programa de Pós-Graduação em Carlos - SP, 2002.
Economia. Belém. 2009.
[24] Valeriano, D. L. Gerenciamento
[19] Porter, M. Vantagem Competitiva: Criando Estratégico e Administração por projetos. Makron
e Sustentando um Desempenho Superior. Rio de Books, São Paulo, 2001.
Janeiro: Elsevier, 1989.

Tópicos em Administração - Volume 11


20

Capítulo 2

Keila Prates Rolão


Pedro Affonso Andries de Barros Santa Lucci
Yasmin Gomes Casagranda
Rodrigo Ruas de Jesus Silva
Renato de Oliveira Rosa

Resumo: O objetivo desse estudo consiste em explorar os diferenciais competitivos


baseados na teoria de vantagem competitiva, visão baseada em recursos e
competências essenciais de uma rizicultura no município de Miranda – MS. A
metodologia empregada é a qualitativa, mediante o estudo de caso de uma
rizicultura. Para a coleta de dados utilizou-se um roteiro de entrevista semi-
estruturado e pesquisa bibliográfica em bancos de dados da empresa. A entrevista
foi realizada com o representante da empresa e um engenheiro agrônomo
responsável pelo desempenho da produção de arroz. A análise de dados foi
norteada por um modelo analítico. Constatou-se que a rizicultura pesquisada
apresenta 26 vantagens competitivas, e permitiu estabelecer 10 recursos
estratégicos. Essa investigação possibilitou a constatação de três conjuntos de
habilidades e tecnologia, que concede a rizicultura em estudo um dos maiores
rendimentos da média do Brasil por hectares plantados e a colheita de arroz da
fazenda ser uma das primeiras no território brasileiro. Esse estudo traz
considerações relevantes tanto para a academia como para a comunidade
empresarial. Primeiro, por mostrar o elo entre a teoria e a prática em um contexto
particular, em segundo, por buscar identificar os fatores-chaves de sucesso de
uma rizicultura.

Palavras-chave: Rizicultura; Produtor de arroz; Estratégias; Modelo analítico.

Tópicos em Administração - Volume 11


21

1 INTRODUÇÃO proposta de pesquisa analisar, por meio de


um estudo de caso, quais os principais
A agricultura brasileira destaca-se no cenário
diferenciais competitivos e estratégicos
global devido às potencialidades de
utilizados pelos rizicultores?
competição no mercado internacional, e
aplicações técnico-científicas para atender a Dessa forma, o objetivo deste estudo consiste
demanda nacional e, conseqüentemente, a em explorar os diferenciais competitivos de
exportação da produção em grãos ou de uma rizicultura baseados na teoria de
produtos industrializados. Segundo o Instituto vantagem competitivas, visão baseada em
Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE recursos e competências essenciais. Com
(2017), a safra de 2016/2017 de cereais, esta pesquisa, pretende-se: i) discutir as
leguminosas e oleaginosas atingiu uma marca escolhas estratégicas que formam o
na produção de 230,3 milhões de toneladas, diferencial competitivo de uma rizicultura; ii)
em particular, a produção de arroz brasileira identificar os fatores de sucesso de uma
puxou esse acréscimo, com uma produção rizicultura; iii) investigar por meio de um
11.639.426 milhões de toneladas. Esse modelo analítico proposto a aplicação da
desempenho foi possível devido ao aumento teoria na prática.
da produtividade do setor que atingiu em
O presente artigo foi estruturado da seguinte
média 5.840 Kg/hectare.
maneira: na primeira seção destina-se a
Os produtores de arroz empregam várias contextualização do trabalho, bem como o
estratégias, a maioria está associada ao problema, a justificativa e os objetivos da
custeio de produção por linhas de pesquisa; na segunda seção, o referencial
financiamentos de terceiros, aumento da teórico utilizado para o embasamento da
produção por arrendamento de terras, novas pesquisa; na terceira seção, destina-se a
técnicas de cultivo, uso da água e metodologia a ser empregada na realização
sazonalidade de comercialização do trabalho; na quarta seção, apresenta um
(COUTINHO & CHAVES, 2009). De certa estudo de caso realizado em uma rizicultura
forma, os procedimentos estratégicos localizada em Miranda, no pantanal sul-mato-
estabelecidos para agricultores correlacionam grossense, e posteriormente na mesma seção
índices agronômicos com a capacitação os resultados trazidos de acordo com a
técnica empregada, ocasionando a exclusão fundamentação teórica; na quinta seção, as
de um plano para diagnóstico da considerações finais e finalmente na última
competitividade e de concorrência na visão seção as referências bibliográficas.
do produtor. (MIRANDA et al., 2007).
A maioria dos estudos realizados sobre
2 REVISÃO DA LITERATURA
rizicultura (lavoura de arroz) tem ênfase sobre
a competitividade da cadeia produtiva do Esta seção apresenta uma contextualização
arroz no Brasil e o crescimento da produção das abordagens: vantagens competitivas,
(LUDWING, 2004), apresentado apenas visão baseada em recursos, competências
poucos estudos referentes à tomada de essenciais e a incorporação para o produtor
decisão e medidas estratégicas entre de arroz irrigado. O objetivo desta seção é
produtores rurais (COUTINHO & CHAVES, demonstrar como esses conceitos podem ser
2009). Questões relativas à figura da gestão aplicados na adoção de estratégias em
estratégica entre produtores rurais ainda rizicultura.
permanecem sem resposta (BERNARDES et
al.,2008). Necessitando, uma demanda por
estudos que retratem a adoção de estratégias 2.1 RIZICULTURA
entre produtor de arroz (EMBRAPA, 2013).
O arroz é um cereal mais consumido e
Este artigo científico aborda a caracterização produzido mundialmente, apresenta-se como
estratégica de uma rizicultura mediante um o principal alimento de mais da metade das
retrato minucioso dos diferenciais pessoas existentes no planeta (FAO, 2004).
competitivos de uma empresa, elaborados Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e
por Porter (1989), Barney (1991), Hamel e Estatística a safra brasileira de arroz 2017,
Prahalad (1995), a ser desenvolvido ancorado aponta uma área de colheita de 1.963.019
nas seguintes teorias: vantagem competitiva, hectares, com uma produtividade de
visão baseada em recursos e competências 11.639.426t e rendimento médio previsto de 5
essenciais. Diante do exposto, surge como

Tópicos em Administração - Volume 11


22

929 kg/ha, 8,8% superior à safra de 2016. O estimam-se uma produção de 1.078.015t,
rendimento médio previsto é de 5.840 kg/ha. numa área de 147.581 hectares e rendimento
médio de 7.305 kg/ha, maiores índices em
A Região Sul deve corresponder por 82,1%
relação à safra anterior.
da produção do território brasileiro. Segundo
IBGE (2017) o Rio Grande do Sul, detentor Segundo o Centro de Estudos Avançados em
nacional de maior produtor de arroz, Economia Aplicada - CEPEA (2016) a
configura no território brasileiro com uma produção mundial 2016/2017 estima-se em
participação de 71,4%, deve colher 496.7 milhões de toneladas de arroz, volume
8.315.795t, numa área de 1.089.608 hectares 1,96% maior em relação à safra anterior
e um rendimento médio de 7.632 kg/ha, 2015/2016, caracterizando o aumento da
aumento de 8,2% em relação aos dados da área. Quanto ao consumo mundial, poderá
safra anterior. alcançar 500,0 milhões de toneladas,
aumento de 1,1% em relação à safra
O estado de Santa Catarina ocupa a segunda
2015/2016, conforme demonstrado na Figura
posição de produtor de arroz nacional,
1.

Figura 1: Produção, Consumo e Estoque Final Mundial de Arroz

Fonte: Bradesco, 2017.

A Organização das Nações Unidas para a 1) Rivalidade entre concorrentes: o nível de


Alimentação e a Agricultura (2004) vem competição de um setor é medido pela
incentivando esforços na inovação de rivalidade existente entre os competidores. A
estratégia global para aperfeiçoamento das existência de muitas empresas competindo
estatísticas agrícolas, que une os aspectos: entre si, consecutivamente, reduz
econômicos, ambientais e sociais na drasticamente os custos para manter a
agricultura. Conseqüentemente, objetivando vantagem. Única maneira dos rivais
contribuição de segurança alimentar e valor melhorarem os resultados é copiar as
nutricional, redução de instabilidade nos empresas concorrentes. Os custos fixos
preços de alimentos, melhoria de ambiente relativamente são altos associa-a a
rural, favorecendo uma prosperidade de administração da empresa, como os salários
políticas públicas de sustentabilidade dos funcionários, feriados, férias
ambiental. remuneradas, seguros, entre outros. Restrição
no tempo de venda do produto. Geralmente,
os custos com estoques de produtos
2.2 VANTAGENS COMPETITIVAS acabados são altos, as empresas são
submetidas a reduzir preços para giro de
Segundo Porter (2004), atribuí à rentabilidade
estoque. O produto e/ou serviço é visto como
de uma empresa há condição de
uma commodity, diversas possibilidades, a
desempenho de atração entre os setores e os
troca da marca ou fornecedor para o
demais concorrentes, dessa forma, a uma
comprador relativamente é baixo. As barreiras
interferência de cinco forças competitivas
de saída são altas, tais como: equipamentos
determinantes ao grau de competição.
de alto valor sendo difícil se desfazer, romper
Aponta o autor, o detalhamento específico de
acordo de trabalho ocasionando altos custos,
cada força:
sentimento agregado ao negócio por parte
dos colaboradores e proprietários, restrições

Tópicos em Administração - Volume 11


23

quanto à demissão de funcionários e quanto desempenham as mesmas atividades de um


ao fechamento de indústrias. produto fabricado no setor.
Segundo Porter (1991), a partir destas
2) Poder de barganha dos clientes: os
variaveis é possivel identificar e caracterizar
clientes buscam-se melhores preços, melhor
as principais forças atuantes no ambiente
qualidade ou mais serviços, no entanto,
competitivo de cada indústria. Após realizar
colocam em jogo os concorrentes uns contra
esta análise, a descrição das forças e
os outros. De outro lado, os fornecedores
fraquezas permite a empresa se posicionar
exercem poder negociador sobre as firmas de
estrategicamente de maneira defensiva das
uma indústria ameaçando o aumento de
forças identificadas.
preços ou redução na qualidade dos bens
e/ou serviços ofertados. Segundo Porter Aponta o autor, a rentabilidade da empresa
(1989), a importância do grupo comprador: está condicionada ao posicionamento, ou
concentração de compradores ou seja, se a empresa estiver em posição
quantidades volumosas de compras, favorável será capaz de obter retornos
padronização dos produtos adquiridos, expressivos, mesmo configurando uma
cartela de fornecedores alternativos, entre estrutura desfavorável e rentabilidade média.
outros. Os clientes adquirem maior poder de O desempenho da indústria em longo prazo é
negociação quando são exclusivos ou a vantagem competitiva sustentável podem
quando os produtos ofertados são citar dois tipos: baixo custo e diferenciação. A
insignificantes para eles. origem da vantagem de custo e a
diferenciação estão na estrutura industrial e
3) Poder de barganha dos fornecedores: habilidade da empresa em saber lidar com as
assemelha-se ao poder de barganha dos cinco forças competitivas na rivalidade.
compradores. Segundo Porter, os poderes
A tipologia de Porter (1986) destaca três
dos grupos de fornecedores associam-se a
estratégias genéricas para enfrentar as cinco
existência de fatores contribuintes:
forças competitivas e obter desempenho
independência do fornecedor em relação ao
superior aos dos concorrentes, para assim
comprador em efetuar uma parcela das
consquistar a vantagem competitiva, sendo
vendas; dominância de algumas empresas e
assim: (1) liderança no custo; (2)
concentração de setor, por tanto a pouca
diferenciação; (3) enfoque (custo ou
probabilidade dos compradores agruparem
diferenciação). A escolha de uma destas
para exigência de melhor preço, qualidade ou
estratégias na implementação exigem
prazos; não há preocupação de lutar contra
comprometimento integral da organização. A
produtos substitutos vendidos ao setor; as
especificação das estratégias genéricas,
ofertas dos produtos dos fornecedores são
segundo Porter (1991):
exclusivas, de certa forma, agrega alto valor
ou problemático ao comprador encontrar um 6) Liderança no custo: elaboração de
produto substituto; produtos aceitáveis pelo mercado, com
menores custos, atingindo assim uma
4) Novos entrantes: trata-se da entrada de um vantagem significativa perante seus
novo concorrente a fazer negócios em um concorrentes. Ao adotar esse método
setor, podendo ter facilidade ou dificuldade. estratégico a uma convergência na redução
Conseqüentemente, a lucratividade está de custos nas áreas de produção, pesquisa e
associada ao modo de entrada, quanto mais desenvolvimento, publicidade e vendas. A
difícil, menor será a concorrência e maior os administração relaciona-se com intensos
lucros em longo prazo. Segundo Porter controles de gestão;
(1991), sete barreiras que dificultam a entrada
de novos concorrentes do mercado: 7) Diferenciação: a base desta estratégia é
economias de escala, diferenciação de diferenciar o produto ou serviço dos demais
produto, exigências de capital, custos de oferecidos pelo mercado segmentado. Essa
troca, acesso aos canais de distribuição, diferenciação pode ser de várias maneiras:
desvantagens de custo independente da marca, tecnologia, serviços incrementados,
escala e política governamental. redes de atendimento, entre outros. Há uma
busca da fidelização do consumidor, o que
5)Produtos substitutos: relaciona-se à maneira permitirá alcançar retornos sem necessidade
com a qual o comprador pode substituir de redução de custos;
facilmente um tipo de produto ou serviço,

Tópicos em Administração - Volume 11


24

8) Enfoque: o núcleo desta estratégia é estratégicos estão partilhados


escolher um segmento específico para a harmoniosamente entre as empresas e não
empresa predominar, exemplificando: podem ser copiados com facilidade, sendo
clientes-alvo, tipo de produto, região assim responsáveis pela vantagem
geográfica. Concentra-se o empenho em competitiva. Relativamente, a estratégia
atingir a vantagem no segmento especificado. competitiva por menor custo total necessita
Ao atender uma camada do mercado de tecnologias para alcançar economias de
proporciona a diferenciação para este escala, matérias primas e mão de obra de
público, conseqüentemente, liderança em econômica. Destaca o autor que os recursos
custo dentro desse segmento, todavia não em de uma firma podem ser apontados em três
relação à totalidade deste mercado. categorias distintas:
1) Capital físico: refere-se à tecnologia
9) Meio - termo: a abordagem de nenhuma
utilizada em uma firma, equipamentos,
dessas três estratégias mencionadas ou a
localização geográfica ou aquisição de
sincronia em duas ou três estratégias
insumos.
ocasiona posição relativamente frágil em
relação às forças de competição. Geralmente,
2) Capital humano: engloba o raciocínio
a empresa neste cenário possui baixa parcela
criativo de gestores e colaboradores, além de
de mercado e falta de investimento de capital.
treinamento, know-how e convivência entre as
Apresentando um quadro de baixa
pessoas.
rentabilidade.
Segundo Porter (1991), a empresa deve 3) Capital organizacional: baseia-se na
identificar as forças atuantes no ambiente estrutura formal empresarial, organização,
competitivo e escolher a estratégia que coordenação, controle, e a conexão informal
melhor se adapte à empresa evitando assim o entre grupos internos e externos.
meio-termo. Sugere o autor, a cadeia de valor
Barney (1991) enfatiza um modelo para
para análise estratégica detalhada e escolha.
identificação dos recursos não inclusos
Desta forma, empregam-se atividades que
nessas categorias sendo considerados
podem ser classificadas como primárias e de
estratégicos e fundamenta-se em quatro
apoio, sendo cinco categorias genéricas de
características de vantagem competitiva
atividades primárias: a) Logística de entrada;
sustentável: a) valioso, capacidade de
b) Operações; c) Logística externa; d)
procedência da empresa em relação ao
Marketing e vendas; e) Serviços. A vantagem
ambiente explorando oportunidades e
competitiva muda em relação à indústria. No
paralisar ameaças; b) raro, de forma que uma
entanto, a cadeia de valor configura quatro
firma esteja implementando uma idéia ou
categorias de atividades de apoio: a)
ação e não esteja implementadas pelas
Aquisição; b) Desenvolvimento da tecnologia;
demais firmas; c) difícil de imitar, replicação
c) Gestão de recursos humanos; d) Infra
em dificuldades por outras firmas pois aquela
estrutura da empresa.
apresenta condições estratégicas; d) difícil
Neste sentido Porter (1989) salienta a substituição, pois caso um produto similar
relevância dos elos entre as atividades de possa ser substituído por outro produto similar
valor inseridas em uma cadeia de valor. ele não deverá ser considerado um recurso.
Regularmente, certas atividades ocasionam o
desempenho de custo ou diferenciação de
outra atividade de valor. A gestão desses elos 2.4 COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS
pode caracterizar um princípio sustentável de
Segundo Costa (2011) as competências
vantagem competitiva. Os elos podem ser
essenciais podem produzir a almejada
ocorrer entre cadeias de valor de empresa e
vantagem competitiva, fazendo parte de
fornecedores, também nos canais,
elementos indispensáveis para a organização,
denominados pelo autor de elos verticais.
como a manutenção e conservação de sua
existência. Há pontos que devem ser
considerados para mapeamento das
2.3 VISÃO BASEADA EM RECURSOS
competências essenciais: cultura, estrutura e
Segundo Barney (1991), a escolha estratégica modelo de gestão, história e desafios
é uma visão baseada em recursos (VBR) do enfrentados e superados, dinâmica de
ponto de vista estratégico a interpretação da mercado, tecnologia, ambiente social, entre
vantagem competitiva. Afirma ele, os recursos outros. Todos esses aspectos são importantes
Tópicos em Administração - Volume 11
25

nas decisões estratégicas da organização, no 2.5 A INCORPORAÇÃO DE ABORDAGENS


entanto, como elemento de suas PARA ANÁLISE DO PRODUTOR DE ARROZ
competências essenciais. O autor menciona o IRRIGADO
exemplo do Grupo Martins cuja competência
Um novo ambiente no sistema agro alimentar
estava relacionada à logística,
está surgindo, devido aos intensos processos
simultaneamente ao seu ramo atacadista
de mudanças influenciados por variáveis
oferece serviços que transporta cerca de 20
ambientais (COUTINHO & CHAVES, 2009).
mil itens para todo território brasileiro.
Segundo Chiavenato (2010), aponta um
Hamel e Prahalad (1995) preconizam que as conjunto complexo de variáveis atuantes no
competências essências são abertura de ambiente geral, a saber: tecnologias,
futuras viabilidades. Desta maneira, o que políticas, econômicas, legais, sociais,
alavanca o sistema de crescimento de demográficas e ecológicas. Entre essas
competências é o anseio de conduzir o setor voláteis estão à entrada de novos
ao ofertar um privilégio ao cliente. Depois de consumidores de alimentos e aumento da
realizada essa identificação desse privilégio, renda, provenientes de países emergentes.
é preciso buscar na organização as
Conseqüentemente, mercados mundiais
competências para beneficiá-la. Segundo os
preocupados com a segurança do alimento
autores, a certa possibilidade das pessoas
entendem-se como valor nutritivo e
que contenham as competências para
procedência, tornando-os mais saudáveis e
desempenhar determinada atividade esteja
um diferencial de muitos segmentos
distribuída por várias unidades. Portanto, a
(LEONELLI; AZEVEDO, 2001).
ausência de foco da organização no termo de
competências essenciais conseqüentemente Outro aspecto é legislação governamental e
pode ocasionar a não alocação dessas instrução normativa (MAPA, 2009). A maioria
habilidades no espaço de oportunidades. dos produtores são arrendatários, sofrem com
restrições impostas, principalmente, o Estudo
De acordo com Hamel e Prahalad (1995) a
de Impacto Ambiental – EIA e o Relatório de
identificação de competências essenciais é
Impacto Ambiental – RIMA (PORTALETE et
uma tarefa árdua de compreender o negócio
al .,2013).
e uma avaliação que determinará as
habilidades e tecnologia primordial. Para ser Diante ao panorama exposto, a
apontada uma competência característica da simultaneidade de duas ou mais dessas
organização, uma habilidade precisa: a) valor formas de influências ambientais, demanda
auferido pelo cliente; b) diferença entre dos empreendedores rurais complexidade no
concorrentes; e c) capacidade de entendimento agrícola, acontecimentos que
crescimento; As competências essenciais não afetam seus negócios e investimento na
podem ser mensuradas na contabilidade, no gestão estratégica de melhoria. A teoria
entanto, com maior freqüência que é utilizada desenvolvida por Porter (1989) configura a
mais precisa e mais preciosa se torna, importância da escolha de uma estratégia
ressalta-se que não são imortais. genérica (Figura 2) bem definida e para
alcançá-la é necessário que a empresa faça
uma escolha, sendo uma metodologia
diferenciada de criação e sustentação da
vantagem competitiva.

Figura 2: Três Estratégias Genéricas

Fonte: Porter, 1986.


Tópicos em Administração - Volume 11
26

Porter definiu, o posicionamento da empresa competências essenciais à maneira de


é dividido sob três orientações de estratégia conduzir um setor proporcionando um
competitiva genérica. A primeira, a liderança benefício ao cliente. Um exemplo é o trabalho
em custo, ênfase em toda produção de Coutinho & Chaves (2009) que enfatizam
padronizada demanda ao público suscetível essa relação no sentido estratégia-rizicultor.
ao preço. Assim sendo, poder de negociação
pelo menor preço (menor custo-produção),
eliminando concorrentes e obtendo lucros em 3 METODOLOGIA
alta de preços. A segunda estratégia a
Esta pesquisa científica configura-se como
diferenciação do produto ou serviço, refere-se
uma abordagem teórico-conceitual, é um
a algo único em toda empresa. A terceira
estudo oriundo de dados primários e
estratégia o foco, orientação em atender os
secundários extraídos de uma rizicultura,
anseios de um determinado grupo particular
empregando a cultura de arroz irrigado e
ocupante de uma pequena parcela de dentro
análise bibliográfica. Segundo Gil (1999),
da empresa.
resulta-se na demonstração de pontos
Os produtores de arroz empregam várias importantes para o planejamento e
estratégias, sendo assim, a maioria destas direcionamento de um estudo de caso único.
estratégias estão associadas ao custeio de
Segundo Yin (1989), o estudo de caso
produção por linhas de financiamentos de
investiga um fenômeno contemporâneo
terceiros, aumento da produção por
dentro de um contexto na realidade, recorre a
arrendamento de terras, novas técnicas de
essa metodologia em casos onde os dados
cultivo, uso da água e sazonalidade de
não podem ser manipulados, e
comercialização (COUTINHO & CHAVES,
conseqüentemente, a possibilidade de
2009).
realizar observações diretas e considera-se
Segundo Chiavenato (2010) preconiza as uma pequena amostra apresentada. Esse tipo
estratégias competitivas são elaboradas para de estudo deve-se ao fato de compreender e
aumentar a competitividade da empresa em entender a relação existente entre teoria e
relação aos concorrentes, manutenção e prática.
defesa de mercado, aumento na participação
A coleta de dados realizou-se mediante
de mercado ou novos mercados.
entrevista, pesquisa em documentos
A interação estratégia-rizicultor pode ser (Embrapa e Conab) e banco de dados da
analisada utilizando as três perspectivas empresa entre os dias 20 de maio e 23 de
teóricas, levando em consideração a junho de 2017. A entrevista foi realizada com
dinâmica competitiva mantendo-se em razão o representante da empresa e um engenheiro
dessa proposição. Porter (1989) apresenta as agrônomo responsável pelo desempenho da
cinco forças competitivas e três estratégias produção de arroz. Elaborou-se um roteiro de
genéricas no contexto de vantagem entrevista (Figura 3), com itens das cinco
competitiva. Barney (1991) preconiza a visão forças influenciadoras descritos por Porter
baseada em recursos com dificuldade de ser (1989), que identifica as vantagens
duplicados. Segundo Costa (2011) e Hamel e competitivas.
Prahalad (1995), apresentam as

Tópicos em Administração - Volume 11


27

Figura 3: Roteiro de entrevista

Fonte: Autora adaptado de Coutinho & Chaves (2009).

A análise de dados será norteado por Santos baseada em recursos, e proporcionar


et al.(2016) que propõe, que após ter segundo Costa (2011), Hamel e Phahalad
caracterizado às vantagens competitivas, (1995) uma série de dimensão de habilidades
estabeleceu a segunda etapa com a e tecnologias que configura uma competência
finalidade de compreensão dos fundamentos essencial, estabelecendo uma seqüência
que estão ancoradas. Esse diagnóstico metodológica mediante um modelo analítico
permite apontar os recursos estratégicos (Figura 4).
empregados segundo Barney (1991) visão

Figura 4: Modelo Analítico

Fonte: Santos et al.(2016)

Segundo o autor as interações dessas três 4 DISCUSSÃO E ANÁLISE DOS DADOS


categorias de abordagens desenvolvidas
A rizicultura em estudo atua na produção de
formam um modelo analítico. No sentido de
arroz irrigado desde 1984, fica a 36 km da
estabelecer um conjunto único que
cidade de Miranda, distante 198 km da
compreende as vantagens competitivas, visão
capital do estado de Mato Grosso do Sul. A
baseada em recurso e competências
Fazenda San Francisco é a maior produtora
essências, concluí um modelo de
de arroz irrigado de MS. A predominância de
apontamento das competências essenciais.
Tópicos em Administração - Volume 11
28

terras com alta fertilidade natural, condição Melhoria no cultivo: melhoramento genético
de clima excepcional, recursos hídricos desenvolvido EPAGRI 107; EPAGRI 108;
abundantes foram fatores críticos de sucesso EPAGRI 109;
para implantação do projeto de arroz irrigado. Desenvolvimento de variedades de arroz
irrigado, adaptados às condições da região;
Na Fazenda San Francisco anualmente é
Tecnologia na lavoura na produção de arroz
cultivada 4.000 hectares, a produtividade
orgânico: possui uma área piloto de 1
pode atingir cerca de 10.000 toneladas por
hectares com o cultivo;
hectares plantadas. Uma parcela de
A área de cultivo é sistematizada com
produção está condicionada a sementes de
tecnologia computadorizada a raio laser:
alto padrão. Estima-se a produção anual da
permite nivelamento, facilitando a produção e
fazenda é de 480.000 sacos, abastece parte
menos custo da lavoura e conseqüentemente
da cidade de Campo Grande, capital do
elimina a erosão e o desperdício de água.
estado, com população de 700.000
Produção de sementes de arroz selecionadas
habitantes. Os impostos municipais e
e certificadas pelo Ministério da Agricultura;
estaduais chegam atingir R$ 2.400.000,00 por
Campo Experimental para Avaliação de
ano e empregam efetivamente 100
Cultivares: convênio com a EMBRAPA,
trabalhadores e cerca de 300 empregos
CNPAF - Centro Nacional de Pesquisa Arroz e
indiretos ligados aos setores suprimentos,
Feijão e EPAGRI - Empresa de Pesquisa
transporte, mecânica e armazenagem.
Agropecuária e Extensão Rural de Santa
Este estudo apontou 26 vantagens Catarina S.A.
competitivas na produção de arroz irrigado da
Fazenda San Francisco, se apresentam:  Aquisição:
Compras em larga escala permitem redução
 Infraestrutura:
custos de insumos;
Gestão financeira integrada com quatro
Produção de sementes de arroz própria: o
produtores de arroz: dois de Santa Catarina,
arroz Piracema é reservado para semente,
um de Mato Grosso do Sul e um de Rio
não há dispêndios em relação a sementes.
Grande do Sul;
Certificação de fornecedores eleva custos de
São sócios da terra em troca da infra estrutura
insumos;
repassam parte do lucro da produção para os
proprietários da terra.
 Logística:
Carregado em caminhões, o arroz é levado ao
 Suporte bem conectado;
Armazém para limpeza dos grãos;
Sistema de captação de água de chuva: em
Localização adequada à margem da BR 262,
períodos de seca, com pouca chuva os
para escoamento da produção;
produtores não dependem da água do rio, se
Operações:
tornam auto-suficientes;
Padronização e desenvolvimento de
Reutilização de recursos hídricos: toda água
processos;
utilizada na lavoura é reaproveitada, as
Segurança ambiental e reaproveitamento de
bombas fazem essa drenagem e água retorna
nutrientes contidos na água reutilizada;
aos reservatórios;
Secagem, beneficiamento e armazenagem
 Marketing e Vendas:
própria;
Disputa pelas indústrias empacotadoras de
Mato Grosso do Sul, São Paulo e Goiânia pelo
 Recursos Humanos:
arroz tipo 1;
Capacitação de funcionários periodicamente;
Marca consolidada na região: as embalagens
Comissão de acordo com a produtividade: a
do Tio João, Tio Jorge, Cristalino e entre
cada 100 hectares há um profissional
outras;
devidamente qualificado responsável pela
Investimento em marketing e propaganda: a
irrigação na lavoura, estímulo financeiro para
mídia local é acionada na abertura da colheita
utilizar o desempenho deles;
de cada safra;
Motivação entre os colaboradores;
Produto é comercializado nas redes de
Proprietário da propriedade: orgulho da
supermercados locais, regionais;
estrutura montada e de trabalhar produzindo
alimentos;
Ao examiná-las é possível observar o foco da
 Desenvolvimento de tecnologia: rizicultura da Fazenda San Francisco em
seguir a estratégia genérica de diferenciação.
Tópicos em Administração - Volume 11
29

As seguintes vantagens competitivas Nesse sentido a rizicultura aposta na


confirmam essa tese: (03) Sistema de segurança ambiental (22), a lavoura possui
captação de água de chuva; (04) Reutilização licenciamento ambiental onde é renovado a
de recursos hídricos; (06) Secagem, cada quatro anos, monitoramento anualmente
beneficiamento e armazenagem própria; (07) e inspecionado pelos órgãos pertinentes. A
Comissão de acordo com a produtividade; vantagem competitiva (3) sistema de
(10) Melhoria no cultivo; (11) Desenvolvimento captação de água de chuva e (4) reutilização
de variedades de arroz irrigado, adaptados de recursos hídricos, ambas colaboram com
às condições da região; (12) Tecnologia na esse aspecto ambiental.
lavoura na produção de arroz orgânico; (13) A
Dessa forma, após ser identificada a
área de cultivo é sistematizada com
estratégia competitiva teve como premissa
tecnologia computadorizada a raio laser; (14)
buscar os atributos de fundamentação que
Produção de sementes de arroz selecionadas
sustentam as vantagens competitivas
e certificadas pelo Ministério da Agricultura;
segundo Barney (1991): capital físico, capital
(15) Campo Experimental para Avaliação de
humano e capital organizacional (Figura 5).
Cultivares; (17) Produção de sementes de
Essas categorias foram inseridas em um
arroz própria; (20) Localização adequada à
gráfico com notas de avaliação 5 a 10 para
margem da BR 262, para escoamento da
cada uma das especificações mencionadas
produção; (22) Segurança ambiental e
pelo mesmo autor: valioso, raro, difícil imitar e
reaproveitamento de nutrientes contidos na
difícil substituir.
água reutilizada; (25) Investimento em
marketing e propaganda.
Figura 5: Mapeamento segundo Barney

Fonte: Elaborado pela Autora, 2017.

A verificação de recursos de acordo com essenciais, ocasionou a determinação de três


Barney (1991) resultou no apontamento da que se apresentam:
afinidade entre eles que estabelece os
1) Inovação em Desenvolvimento de
conjuntos complexos que consolida o
Cultivares
processo de diferenciação competitiva da
A inovação em cultivares (manejo de plantio)
rizicultura em estudo. De acordo com Hamel e
possibilita a rizicultura se situar em
Phahalad (1995), esses reconhecimentos
segmentos não explorados pela região como:
foram designados mediante os parâmetros
arroz orgânico, arroz integral, produção de
que estabelecem as competências
sementes de arroz, entre outras. Além de
manter uma parceria com o EMBRAPA-
Tópicos em Administração - Volume 11
30

Empresa Brasileira de Pesquisa competência pode ser retratada nas


Agropecuária, CNPAF - Centro Nacional de seguintes vantagens competitivas: (23)
Pesquisa Arroz e Feijão e EPAGRI - Empresa Disputa pelas indústrias empacotadoras de
de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural Mato Grosso do Sul, São Paulo e Goiânia pelo
de Santa Catarina S.A. Os concorrentes arroz tipo 1 ; (24) Marca consolidada na
regionais possuem riziculturas com menores região; (25) Investimento em marketing e
dimensões, inviabilizando a entrada nessa propaganda; (26) Produto é distribuído nas
área. Essa competência pode ser redes de supermercados locais, regionais e
evidenciada mediante as seguintes vantagens atacadistas.
competitivas: (12) Tecnologia na lavoura na
produção de arroz orgânico; (13) A área de
cultivo é sistematizada com tecnologia 5 CONCLUSÕES
computadorizada a raio laser; (14) Produção
O termo estratégia apresenta diversos
de sementes de arroz selecionadas e
segmentos teóricos para análise, diante disso,
certificadas pelo Ministério da Agricultura;
este estudo teve foco em apenas três, a
(15) Campo Experimental para Avaliação de
saber: vantagem competitiva, visão baseada
Cultivares;
em recursos e competências essenciais. Esse
2) Desenvolvimento Sustentável e Operações embasamento da teoria serviu na aplicação
A rizicultura apresenta um conjunto de de um estudo de caso que tem como
habilidades e tecnologias que facilita o propósito demonstrar o elo entre a teoria e a
desenvolvimento sustentável na produção de prática.
arroz irrigado, ponderando-se a localização
A questão central percorrida pelo texto é a
geográfica do empreendimento, que se
formação de um complexo único para
encontra à margem da bacia pantaneira,
avaliação do negócio, mediante a teoria da
compreendendo parte do vale do Rio
vantagem competitiva, com elo na
Miranda, na encosta da Serra da Bodoquena.
organização industrial e essência no ambiente
Na propriedade em estudo há um sistema de
externo da empresa. No entanto, a visão
captação de água de chuva que se torna
baseada em recursos apresenta uma figura
referência no assunto sustentabilidade,
mais categórica do que as competências
possibilitando aos produtores mesmo em
essenciais. Cabe ressaltar, em virtude da
períodos de estiagem se tornar autos-
complexidade do termo estratégia, as demais
suficientes na irrigação de arroz. Toda água
abordagens teóricas também possam
utilizada é reaproveitada onde permite
incorporar relevância a esse respeito.
ganhos com nutrientes. As bombas têm
função de realizar a drenagem da água para A pesquisa identificou 26 vantagens
assim retornar aos reservatórios. Esse competitivas, que foram fundamentadas nas
procedimento somente é empregado nessa cinco forças influenciadoras de Porter (1989),
rizicultura da região em análise, ocasionando e permitiu estabelecer 10 recursos
significativa vantagem competitiva ao praticar estratégicos mediante a análise na rizicultura.
a integração da lavoura com desenvolvimento Essa investigação possibilitou a constatação
sustentável. Essa competência é decorrente de três conjuntos de habilidades e tecnologia,
das seguintes atividades vantagens que concede a rizicultura em estudo um dos
competitiva: (3) Sistema de captação de água maiores rendimentos da média do Brasil por
de chuva; (4) Reutilização de recursos hectares plantados e a colheita de arroz da
hídricos; (21) Padronização e fazenda ser uma das primeiras no território
desenvolvimento de processos; (22) brasileiro.
Segurança ambiental e reaproveitamento de
A contribuição deste presente estudo é a
nutrientes contidos na água reutilizada;
conexão entre a teoria e a prática, e ao
3) Modelo de Expansão Regional mesmo tempo buscar identificar os fatores
chaves de sucesso de uma rizicultura.
Esse modelo é evidenciado pelo consumo na
Entretanto, de acordo com Santos et al.(2016)
região, disputa das indústrias arrozeiras de
a formação analítica baseada na teoria
Mato Grosso do Sul, São Paulo e Goiânia. E
possibilita o entendimento e compreensão de
também no investimento de marketing e
escolhas estruturadas e resolução no
propaganda, esse padrão possibilitou a
processo decisório real. Desta forma, é uma
empresa expandir sua mercadoria para
maneira de aprofundar a discussão teórica
demais cidades como: Campo Grande,
entre produtores de arroz irrigado em relação
Sidrolândia, São Paulo e Goiânia. Essa
Tópicos em Administração - Volume 11
31

às estratégias empregadas. Sugere-se para outras abordagens teóricas e,


pesquisas futuras um detalhamento em conseqüentemente, o emprego mediante um
virtude do modelo analítico, inserção de estudo de caso.

REFERÊNCIAS [12] Conab. Companhia Nacional de


Abastecimento. Mapa de produção agrícola de
[1] Barney, J. Firm Resources and Sustained arroz. 2016. Disponível em:
Competitive Advantage. Journal of Management. v. <http://www.conab.gov.br/OlalaCMS/uploads/arqui
17, n. 1, p. 99-120, 1991. vos/16_01_12_09_00_46_boletim_graos_janeiro_20
[2] Bernades, A. C. et al. Planejamento 16.pdf>. Acesso em: 30 de junho, 2017.
Estratégico em Organizações Agrícolas no [13] Conab. Companhia Nacional de
Sudoeste Goiano. In: XLVI Congresso da Abastecimento. A cultura do arroz. 2015.
Sociedade Brasileira de Economia, Administração Disponível em:
e Sociologia Rural, Sober, 2008, Rio Branco. <http://www.conab.gov.br/OlalaCMS/uploads/arqui
Anais... Rio Branco-AC: SOBER, 2008. Disponível vos/16_03_01_16_56_00_a_cultura_do_arroz_-
em: <http://www.sober.org.br/palestra/9/124.pdf>. _conab.pdf>. Acesso em: 27 de junho, 2017.
Acesso em: 26 de junho, 2017.
[14] Hamel, G.; Prahalad, C. Competindo pelo
[3] Bradesco. Produção, Consumo e Estoque futuro. Estratégias inovadoras para obter o controle
Final Mundial de Arroz. 2017. Disponível em: do seu setor e criar os mercados de amanhã. Rio
<https://www.economiaemdia.com.br/EconomiaEm de Janeiro: Ed. Campus, 1995.
Dia/pdf/infset_arroz.pdf> Acesso em: 29 de junho,
2017. [15] Gil, A. C. Como elaborar projetos de
pesquisa. São Paulo: Atlas, 1999.
[4] Chiavenato, I., Administração.Rio de
Janeiro: Elsevier, 2010. [16] Leonelli, F.C.V.; Azevedo, P.F.; Sistemas
de Identidade Preservada em Cadeias
[5] Creswell, J. W. Projeto de pesquisa:
métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2. ed. [17] Agroindustriais: o caso de produtos não
Porto Alegre: Artmed, 2007. geneticamente modificados. In: III Workshop
[6] Coutinho, A. R.; Chaves, M.O.; Estratégia [18] Brasileiro de Gestão de Sistemas
e Planejamento de Mercado para produtor de arroz Agroalimentares (Egna), 3, 2001. Ribeirão Preto:
irrigado tropical. Disponível em: USP, 2001. Disponível em:
<https://www.embrapa.br/arroz-e-feijao/busca-de- <http://www.fearp.usp.br/egna/resumos/Leonelli&A
publicacoes/-/publicacao/658698/estrategia-e- zevedo%20.pdf>. Acesso em: 10 de junho, 2017.
planejamento-de-mercado-para-produtor-de-arroz-
[19] Ludwig, Vanelli Salati. A Agroindústria
irrigado-tropical>. Acesso em: 14 de junho, 2017.
Processadora do Arroz: um estudo das principais
[7] Costa, E. A., Estratégia e dinâmica características organizacionais e estratégicas das
competitiva. São Paulo: Saraiva 2011. empresas líderes gaúchas. Dissertação de
Mestrado. Porto Alegre, UFRGS, 2004. Disponível
[8] Ibge. Instituto Brasileiro de Geografia e em:
Estatística. Indicadores IBGE. Disponível em: <http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/5938>.
<ftp://ftp.ibge.gov.br/Producao_Agricola/Fasciculo_ Acesso em: 27de junho, 2017.
Indicadores_IBGE/estProdAgr_201701.pdf>.
Acesso em: 30 de junho, 2017. [20] Mapa. Ministério da Agricultura, Pecuária
e Abastecimento. Instrução Normativa nº 6, de 16
[9] Ibge. Instituto Brasileiro de Geografia e de fevereiro de 2009. Disponível em:
Estatística. Indicadores IBGE. Disponível em: <http://www.codapar.pr.gov.br/arquivos/File/pdf/Arr
<http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/ ozInstrucaoNormativa06_09.pdf>. Acesso em: 17
2017-04/estimativa-de-producao-cresce-e-safra- de junho, 2017.
recorde-de-2017-sera-251-maior>. Acesso em: 10
de julho, 2017. [21] Portalete, L. C., Neto, R. A., Azambuja, D.,
Ferreira, C. M., Caracterização e Diagnóstico da
[10] FAO. Food And Agriculture Organization. Cadeia Produtiva do Arroz no Estado de Mato
International year of rice. 2004. Disponível em: Grosso do Sul. Disponível
<http://www.fao.org/rice2004/en/rice-us.htm>. <http://www.cnpaf.embrapa.br/transferencia/inform
Acesso em: 29 de junho, 2017. acoestecnicas/publicacoesonline/manualilustrado_
[11] Cepea. Centro de Estudos Avançados em 11.pdf>. Acesso em: 14 de junho, 2017.
Economia Aplicada. 2017. ARROZ/CEPEA: Colheita [22] Porter, M. Estratégia competitiva: Técnicas
deve pressionar valor no 1º semestre, mas estoque para a análise da indústria e da concorrência. Rio
pode sustentar no 2º. Disponível em: de Janeiro: Campus, 1986.
<www.cepea.esalq.usp.br/.../arroz-perspec-2017-
colheita-deve-pressionar-valor-no-1-s>. Acesso
em: 29 de junho, 2017.

Tópicos em Administração - Volume 11


32

[23] Porter, M. Vantagem Competitivas: [26] Santos, J.V.F; Júnior, A.F.S; Diferenciais
Criando e sustentando um desempenho superior. Competitivos de uma Franquia: um estudo de caso
Rio de Janeiro: Campus, 1989. no segmento de alimentação. In: XIX Seminário EM
Administração, Semead, 2016, São Paulo. Anais...
[24] Porter, Michael. Towards a dynamic theory
São Paulo-SP: Semead, 2016. Disponível em:
of strategy. Strategic Management Journal, Baffins
<http://login.semead.com.br/19semead/anais/arqui
Lane – England, v. 12, 1991.
vos/883.pdf>. Acesso em: 10 de junho, 2017.
[25] Porter, M. Estratégia Competitiva:
[27] Yin, R.K. - Case Study Research - Design
Técnicas para análise de indústrias e da
and Methods. USA: Sage Publications Inc., 1989.
concorrência. Rio de Janeiro: Campus, 2004.

Tópicos em Administração - Volume 11


33

Capítulo 3

Keila Prates Rolão


Pedro Affonso Andries de Barros Santa Lucci
Yasmin Gomes Casagranda
Rodrigo Ruas de Jesus Silva
Renato de Oliveira Rosa

Resumo: O objetivo desse estudo é analisar as conformidades e não


conformidades com a ABNT/NBR 15401 Meios de Hospedagem - Sistema de
Gestão da Sustentabilidade em um hotel fazenda no município de Miranda - MS. A
metodologia empregada é a qualitativa, exploratória e descritiva, mediante o estudo
de caso de um hotel fazenda. Para a coleta de dados utilizou-se um roteiro de
entrevista semi-estruturado, observação in loco e pesquisa bibliográfica de dados
primários e secundários. A entrevistada foi realizada com a gerente administrativa
do hotel fazenda. A análise de dados consistiu em um Gap Analysis com base nas
três dimensões: ambiental, social e econômica. Constatou-se que o empreendimento
hoteleiro apresenta alta conformidade com a norma ABNT/NBR 15401. Nota-se no decorrer

da pesquisa, que a sustentabilidade está intimamente relacionada com o que à lei


regulamenta e ainda proporciona economia financeira além de ser uma chave de
sucesso nas mãos dos gestores de empreendimentos hoteleiros. Esse estudo traz
considerações relevantes tanto para a academia como para a comunidade
empresarial. Primeiro, por mostrar aplicação da teoria ABNT/NBR 15401 em um
contexto particular, em segundo, por mostrar as ações e práticas sustentáveis por
empreendimento hoteleiro nas dimensões ambientais, sociais e econômicas.

Palavras-chave: Dimensão; Sustentabilidade; Certificação; Hotel fazenda.

Tópicos em Administração - Volume 11


34

1 INTRODUÇÃO facilitando o acesso aos mercados nacionais


e internacionais; c) social e cultural, incentiva
A Associação Brasileira de Empresa de
um ambiente favorável de trabalho,
Eventos - ABEOC BRASIL (2017) informou,
conservação do patrimônio cultural e
conforme dados do World Travel and Tourism
proporciona garantia aos direitos dos
Council, que o setor de viagens e turismo
trabalhadores, povos indígenas e
contribuiu com 3,2% de todo montante do
comunidades regionais; d) política, enfatiza o
Produto Interno Bruto (PIB). No decorrer dos
respeito à lei e a cidadania. (ABNT/NBR
tempos, empregou-se cerca de 2,5 milhões
15401, 2006).
de pessoas no Brasil. O turismo permanecerá
como um ramo importante na economia Diante do exposto, surge como proposta de
nacional. De acordo com Malta et al.(2015), pesquisa analisar e identificar, por meio de
mediante a relevância socioeconômica do um estudo de caso, as conformidades com
turismo, observa-se que a sustentabilidade é Meios de Hospedagem - Sistema de Gestão
fundamental no desenvolvimento desta da Sustentabilidade NBR 15401 em uma
atividade, sendo que sua forma pousada. O hotel fazenda em estudo é
desgovernada acarreta danos ao meio localizado entre a cidade de Miranda e
ambiente e, particularmente, acaba afetando Corumbá, mais precisamente no pantanal/MS.
o turismo. Este estudo é de suma importância pelo fato
da localidade estar inserida na Estrada
As empresas hoteleiras devem se integrar a
Parque Pantanal, reconhecida mundialmente
concepção de práticas de sustentabilidade e
como o 4° melhor destino selvagem do
basearem-se na preservação dos recursos
mundo na demanda internacional de
naturais, tais como: diminuição da poluição,
ecoturismo e aventura (FUNDTUR, 2016).
redução dos custos, minimização de
Sendo assim, questiona-se: Quais as ações e
desperdícios (MALTA ET AL., 2015); Desta
práticas de sustentabilidade utilizadas no
forma, a abordagem da sustentabilidade do
segmento hoteleiro no pantanal sul-mato-
turismo mediante normas colabora com os
grossense?
meios de hospedagem a desempenhar
atividades sustentáveis comunicando esse Dessa forma, o objetivo deste estudo é
fato aos clientes e a população em geral analisar as conformidades e não
(ABNT/NBR 15401, 2006). conformidades com a norma ABNT/NBR
15401 em um hotel fazenda no pantanal/MS,
A Associação Brasileira de Normas Técnicas
de forma a mensurar sua real situação e
– ABNT publicou em outubro de 2006, a NBR
verificar suas potencialidades sustentáveis
15401 que propõe o fortalecimento do setor
perante esta norma. Com este trabalho,
turístico, tanto no âmbito nacional ou
pretende-se: i) propagar as ações
internacional. Essa norma prevê uma
sustentáveis da atividade turismo na área
sucessão de práticas, tais como: preparação
pesquisada; ii) conservar os recursos naturais
e atendimento a emergências ambientais;
na localidade;
áreas naturais, flora e fauna; arquitetura e
impactos da construção no local; paisagismo; No próximo capítulo, é apresentada a
emissões, efluentes e resíduos sólidos; fundamentação teórica do artigo discutindo-
eficiência energética; conservação e gestão se a Sustentabilidade e Organização, Gestão
do uso de água; seleção de insumos; da Qualidade, Sistema de Gestão Ambiental e
comunidades locais; trabalho e renda; Sistema de Gestão da Sustentabilidade –
condições de trabalho; aspectos culturais; Meios de Hospedagem. No terceiro capítulo,
saúde e educação; populações tradicionais; é descrito a metodologia utilizada neste
Viabilidade econômica; qualidade e artigo, que consiste na elaboração de dados
satisfação do cliente; saúde e segurança no primários e secundários através da discussão
trabalho e dos clientes (ABNT/NBR 15401, teórica, aplicando-se a um estudo de caso em
2006). um hotel fazenda. No quarto capítulo, é
apresentada a descrição do empreendimento,
O Sistema de Gestão da Sustentabilidade -
análise de conformidades e não
NBR 15401contribuí nas dimensões: a)
conformidades e os resultados perante a
ambiental, preservação da biodiversidade
norma NBR 15401. No quinto capítulo, refere-
através da conservação da qualidade
se às conclusões e por último, traz as
ambiental perante as atrações turísticas; b)
referências bibliográficas.
econômica, agrega o diferencial competitivo
de marketing e viabiliza áreas do turismo

Tópicos em Administração - Volume 11


35

indicadores de sustentabilidade no âmbito


empresarial. Pode mencionar: Global
2 REVISÃO DA LITERATURA
Reporting Initiative (GRI), o Dow Jones
Esta seção apresenta o arcabouço teórico Sustainability Indexes (DJSI), o Índice de
que sustentarão a pesquisa, como: Sustentabilidade Empresarial (ISE) e os
Sustentabilidade e Organização, Gestão da Environmental Performance Indicators (EPI’s).
Qualidade, Sistema de Gestão Ambiental e Ressalta-se que pode incluir como
Sistema de Gestão da Sustentabilidade – indicadores de sustentabilidade a Gestão da
Meios de Hospedagem. Qualidade (ISO 9001), Gestão Ambiental (ISO
14001), Gerenciamento Social (AS 8000),
Gestão da Responsabilidade Social
2.1 SUSTENTABILIDADE E ORGANIZAÇÃO (ABNT/NBR 16001). Todos esses indicadores
tem a finalidade de orientar na implementação
Segundo Malta et al. (2015), a definição do
e manutenção da sustentabilidade ancorada
termo sustentabilidade foi introduzida por
nas dimensões: social, econômica e
World Business Council for Sustainable
ambiental.
Development (WBCSD), com o propósito de
alcançar o equilíbrio de três dimensão, que
apresentam: a econômica, a ambiental e a
2.2 GESTÃO DA QUALIDADE
social. Para a autora, essas três dimensões
influíram na totalidade da cadeia produtiva da Segundo Falconi (2004), o controle da
organização e não somente uma determinada qualidade total foi aperfeiçoado no Japão, a
empresa. Considera-se o ambiente natural e partir de ideias surgidas após a Segunda
cultural mediante a tecnologia e o Guerra Mundial, e ficou conhecido pela sigla
conhecimento de seus funcionários (BUYSSE TQC (Total Quality Control). De acordo com
& VERBEKE, 2003). Toledo et al. (2014), o controle de qualidade
era de forma simples que consistia na
Sachs (2002) propôs cinco dimensões de
verificação do produto finalizado. Com o
sustentabilidade, a saber: social, econômica,
passar dos tempos, diversas ferramentas
ecológica, espacial e cultural. A diminuição
colaboraram para melhorar e transformar o
desses termos conforme sugerido de Sachs
conceito de gestão da qualidade.
(2002) não consistiu perda de interpretação
de conceito, mas conseqüentemente facilita a Em 1987, a Internacional Organization for
sistematização de práticas sustentáveis Standardization, publicou um modelo
(BARBIERI & CAJAZEIRA, 2009). normativo de Gestão da Qualidade – Sistemas
de Garantia da Qualidade (ISO 9000). Várias
A importância com o meio ambiente e com a
ferramentas foram desenvolvidas e
sociedade passou a abranger a organização
aperfeiçoadas para implantação e
no sentido de gestão (Malta et al.,2015). De
manutenção de sistemas de gestão. Falconi
acordo com Gonçalves (2004) houve uma
(2004) apresenta na Figura 1 o método de
mobilização ética e social para obedecer aos
melhorias conhecido como PDCA (Plan, Do,
pontos normativos, institucionais e produtivos.
Check, Action).
De acordo com Malta et al. (2015), no cenário
nacional e internacional são aplicados

Tópicos em Administração - Volume 11


36

Figura 1: Ciclo PDCA

Fonte: Falconi, 2004.


O ciclo PDCA é composto de quatro fases de acordo com a meta estabelecida; Atuação
controle, cada qual com uma finalidade: Corretiva (Action), depois de detectado as
Planejamento (Plan) consiste em estabelecer falhas agirá no sentido de fazer as correções
metas de controle e estabelecer a maneira concretas, de certa maneira que o problema
para alcançar essas metas; Execução (Do), a não voltará a acontecer.
realização das atividades conforme proposta
De acordo com Falconi (2004), a chave de
no plano e coleta de dados para averiguar o
sucesso de melhorias contínuas nos
método; Verificação (Check), mediante os
processos é de harmonizar dois tipos de
dados obtidos na execução faz uma
gerenciamento: manutenção e melhorias
comparação dos resultados alcançados de
(Figura 2).
Figura 2: Melhoramento contínuo

Fonte: Adaptado de Falconi, 2004.


Conforme o autor, melhorar um processo responsabilidade com o meio ambiente e a
significa em melhorar constantemente os sustentabilidade mediante as práticas
padrões (equipamentos, materiais, técnicos, industriais desencadeou na elaboração da
procedimento, produtos e entre outros). Cada ABNT NBR 14000:2004, que configura os
melhoria corresponde individualmente à requesitos para implantação de um Sistema
introdução de um novo nível de controle, de Gestão Ambiental – SGA.
sendo assim, cada melhoria estabelece uma
Segundo a United States Environmental
nova diretriz de controle.
Protection Agency (2004), o Sistema de
Gestão Ambiental é uma sincronia de
processos e atividades que certificam uma
2.3 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL
organização a analisar, controlar e reduzir
De acordo com a evolução do mercado impactos ambientais ocasionados de seu
industrial surgiu à exigência de ir além das exercício, serviços e produtos de tal forma a
questões relacionadas com a qualidade. A propiciar o rendimento operacional. Moraes
Tópicos em Administração - Volume 11
37

(2012) enfatiza que a norma ABNT NBR ISO ABNT NBR ISO 14001, e posteriormente
14001evidencia os requesitos de um sistema revisada e atualizada em 2004. Esses
de gestão ambiental com a finalidade de requesitos determinados pela norma são
certificação possibilitando a organização apresentados na Figura 3, que segundo
aperfeiçoar uma política ambiental. Orben et al.(2016) mantém um vínculo de
aproximação com as quatro fases do ciclo
Os requesitos do Sistema de Gestão
PDCA.
Ambiental foram divulgados no ano de 1996

Figura 3: Requisitos do Sistema de Gestão Ambiental –ISO14001

Fonte: Orben et al.(2016).


De acordo com a demonstração, nota-se que ligados à sustentabilidade: 1)Medidas
o planejamento (Plan) engloba a 4.2 políticas permanentes para redução do consumo de
ambiental e o 4.3 planejamento; execução energia elétrica; 2) Medidas permanentes
(Do), 4.4 implementação e operação; para redução do consumo de água; 3)
verificação (Check), 4.5 verificação; e Medidas permanentes para o gerenciamento
Atuação Corretiva (Action), 4.6 Avaliação pela dos resíduos sólidos, com foco na redução,
direção; além de seus respectivos subitens. reuso e reciclagem; 4)Monitoramento das
expectativas e impressões do hóspede em
relação ao serviços ofertados, incluindo meios
2.4 SISTEMA DE GESTÃO DA para pesquisar opiniões, reclamações e
SUSTENTABILIDADE – MEIOS DE solucioná-las; 5)Programa de treinamento
HOSPEDAGEM para empregados; 6)Medidas permanentes
de seleção de fornecedores (critérios
Malta et al. (2015) preconiza que o turismo
ambientais, socioculturais e econômicos) para
sustentável é um procedimento que requisita
promover a sustentabilidade; 7)Medidas
um acompanhamento constante dos
permanentes de sensibilização para os
impactos, que incluem ações de precauções
hóspedes em relação à sustentabilidade;
ou medidas corretivas. De acordo com
8)Medidas permanentes para valorizar a
Gonçalves (2004), o turismo e a hotelaria são
cultura local; 9)Medidas permanentes para
responsáveis pela ética ambiental, uma vez
geração de trabalho e renda, para a
visto, que a gestão de sucesso do seu
comunidade local; 10)Medidas permanentes
empreendimento depende do bem estar do
para promover produção associada ao
meio ambiente. Desta forma, a abordagem
turismo; 11)Medidas permanentes para
da sustentabilidade do turismo mediante
minimizar a emissão de ruídos das
normas colabora com os meios de
instalações, maquinário e equipamentos, das
hospedagem a desempenhar atividades
atividades de lazer e entretenimento de modo
sustentáveis comunicando esse fato aos
a não perturbar o ambiente natural, o conforto
clientes e a população em geral (ABNT/NBR
dos hóspedes e a comunidade local;
15401, 2006).
12)Medidas permanentes para tratamento de
O Ministério do Turismo (2011) estabelece efluentes;13)Medidas permanentes para
uma Matriz de Classificação de Meios de minimizar a emissão de gases e odores
Hospedagem apresentam 13 requisitos
Tópicos em Administração - Volume 11
38

provenientes de veículos, instalações e saúde e segurança no trabalho e dos clientes


equipamentos. (ABNT/NBR 15401, 2006).
Embora essa Matriz de Classificação de Segundo a Associação Brasileira da Indústria
Meios de Hospedagem é estabelecida por um de Hotéis da Bahia – ABIH (2014), no Brasil
órgão federal, a adesão é voluntária. No apenas dez hotéis conseguiram o selo de
entanto, para conseguir a classificação, o sustentabilidade, são eles: Hotel Canto das
negócio deve estar cadastrado regularmente Águas (BA), Hotel Lençóis (BA); Hotel Ville La
no Ministério do Turismo, mediante o sistema Plage, em Búzios (RJ); Mabu Resort, em Foz
de cadastro de pessoas físicas e jurídicas do Iguaçu (PR); Spa Don Ramon, Hotel
que operam na cadeia produtiva do turismo Pousada Encantos da Terra e Pousada
exercido pelo Ministério do Turismo – Blumenberg, em Canela (RS); Summerville
CADASTUR (CONTO ET AL.,2015). Beach Resort e Mar Hotel, em Recife (PE).
A Associação Brasileira de Normas Técnicas O Sistema de Gestão da Sustentabilidade -
– ABNT publicou em outubro de 2006, Meios NBR 15401contribuí nas esferas: a) ambiental,
de Hospedagem- Sistema de Gestão da preservação da biodiversidade através da
Sustentabilidade NBR 15401 que propõe o conservação da qualidade ambiental perante
fortalecimento do setor turístico, tanto no as atrações turísticas; b) econômica, agrega o
cenário nacional ou internacional, onde o diferencial competitivo de marketing e
público (turistas) está cada vez mais rigoroso viabiliza áreas do turismo facilitando o acesso
e competitivo. aos mercados nacionais e internacionais; c)
social e cultural, incentiva um ambiente
Essa norma prevê uma sucessão de práticas,
favorável de trabalho, conservação do
a saber: preparação e atendimento a
patrimônio cultural e proporciona garantia aos
emergências ambientais; áreas naturais, flora
direitos dos trabalhadores, povos indígenas e
e fauna; arquitetura e impactos da construção
comunidades regionais; d) política, enfatiza o
no local; paisagismo; emissões, efluentes e
respeito à lei e a cidadania. (ABNT/NBR
resíduos sólidos; eficiência energética;
15401, 2006).
conservação e gestão do uso de água;
seleção de insumos; comunidades locais; A série de procedimentos para
trabalho e renda; condições de trabalho; implementação do Sistema de Gestão da
aspectos culturais; saúde e educação; Sustentabilidade- NBR 15401 pode ser
populações tradicionais; Viabilidade observado na Figura 4.
econômica; qualidade e satisfação do cliente;

Figura 4: Etapas para implementação de Sistema de Gestão da Sustentabilidade - Meios de


Hospedagem.

Fonte: ABNT/NBR 15401, 2006.

Tópicos em Administração - Volume 11


39

As seqüências demonstradas para dias 10 de abril e 10 de julho de 2017,


implementação foram estabelecidas por meio utilizando de método observacional, in loco e
da experiência de sistemas de gestão da entrevista com a representante da fazenda.
sustentabilidade em meio de hospedagem no
A análise de dados consistiu em um Gap
decorrer dos anos (ABNT/NBR 15401).
Analysis, esse método é muito empregado
Segundo Oliveira e Rossetto (2014) a
para calcular o nível de Sistema de Gestão
sustentabilidade nos meios de hospedagens
relacionando com as normas de
agrega a vantagem competitiva através de
regulamentação (IFM, 2016). Para indicar
práticas sustentáveis, conseqüentemente,
conformidades e não conformidades com a
resulta na melhoria da capacidade
NBR 15401 foi realizado um check list com as
operacional, nos indicadores ambientais,
três dimensões: ambiental, social e
sociais e econômicos.
econômica. Conforme proposto por Orben et
al.(2016), as respostas poderiam ser: sim,
quando há conformidade com a norma; não,
3 METODOLOGIA
quando não há conformidade com a norma; e
O presente estudo utilizou método parcial, quando atende parcialmente a norma.
exploratório e descritivo com a finalidade de Para fins de geração de gráfico, atribuiu-se
promover uma visão ampla em relação ao notas para o sistema da empresa, podendo
tema. De acordo com Cooper e Schindler alcançar a pontuação máxima de 800 pontos.
(2004), a pesquisa empregada tem destaque Finalmente, realizou-se a média aritmética dos
em resolver um dilema, mediante condução valores atingidos para obtenção de nível de
para resolução de respostas para as conformidade com a norma.
indagações relacionadas. Neste caso,
buscou-se a análise e identificação de
conformidades com as normas Meios de 4 DISCUSSÃO E ANÁLISE DOS DADOS
Hospedagem - Sistema de Gestão Ambiental
A pousada pesquisada está localizada no
(ABNT/NBR 15401, 2006).
pantanal do Rio Miranda, Mato Grosso do Sul.
De acordo com Gil (1999), a pesquisa A fazenda San Francisco Agro Ecoturismo
exploratória viabiliza maior afinidade com o Pousada e passeios constituem uma área de
problema, uma vez visto, que é descritiva no 9.000 mil hectares, apresenta aos seus
sentido de destacar as evidências do hóspedes um real funcionamento de uma vida
acontecimento em estudo. Essa pesquisa se no campo, como: cultivo de arroz, manejo
enquadra nessas duas categorias. com o gado, e demais obrigações de uma
propriedade rural. A Fazenda San Francisco é
Segundo Yin (2010), o estudo de caso
referência na qualidade ambiental ofertada
configura uma inquirição empírica, que
aos turistas. Desde o princípio das atividades
averigua um fenômeno contemporâneo,
na fazenda, a uma preocupação de
dentro da perspectiva da realidade,
conservação ecológica.
principalmente quando as demarcações entre
o fenômeno e o contexto não estão Possui uma diversidade de fauna e flora, que
visivelmente delineados. O caso em estudo é podem ser explorados mediante: Birding in
um hotel fazenda, localizado no pantanal de Pantanal, Chalana, Jaguar in Pantanal,
Mato Grosso do Sul. Focagem Noturna, Safári Ecológico (Figura 5).
A coleta de dados foi composta de dados
primários e secundários realizado entre os

Tópicos em Administração - Volume 11


40

Figura 5: Passeios pela fazenda

Fonte: Imagens cedidas pelos proprietários, 2017.

A pousada é composta por 18 apartamentos podem ser encontrados diferentes temas,


simples, equipados com ar condicionado, como o lendário Sasha Siemel – onça pintada,
ventilador de teto, chuveiro com água quente, histórico da família fundadora da fazenda,
frigobar, luzes de emergência e banheiros livros, fotos e informações de animais com
privativos. exposição de crânios dos principais animais
do Pantanal. Há também um restaurante com
Enfatiza-se que na propriedade a um mini-
capacidade para atender uma demanda de
museu equipado com ar condicionado,
grupos turísticos, ofertando desde o café da
ventilador, cadeiras confortáveis. Onde
manhã (quebra - torto) até ao jantar (Figura 6).

Figura 6: Museu e restaurante

Fonte: Imagens cedidas pelos proprietários, 2016.

No entanto, a Fazenda San Franciso recebeu Ressalta-se que na fazenda San Francisco, já
o título de Criador Conservacionista, CRAS – foram catalogadas 352 espécies de aves,
Centro de Reabilitação de Animais Silvestres, conseqüentemente, foram implantadas trilhas
cujo objetivo é a reabilitação de reintrodução para observação de avio fauna (Figura 7).
de animais silvestres oriundos do comércio Essa atividade é pouca conhecida e
ilegal. Há também na propriedade, o praticada no Brasil, mas atraí um público de
monitoramento estabelecido em longo prazo, 80 milhões de pessoas ao redor do mundo.
o Projeto Arara Azul (1996) e Projeto Papagaio Outro fator relevante é a abundância de
Verdadeiro (2001). Além de ser sede do espécies ameaçadas de extinção em outras
Projeto Gadonça (2003), que consiste no regiões do Brasil, no entanto, na propriedade
estudo da caçada do gado por onça pintada pesquisada foram catalogadas 33 das 40
(Pantera onca) e onça parda (Puma concolor). espécies de mamíferos de médio e grande

Tópicos em Administração - Volume 11


41

porte registradas no pantanal. Apóia o Projeto répteis encontradas no pantanal, como


Herpetofauna, nos anos de 2007 e 2008 serpentes e lagartos.
realizou o levantamento de espécies de

Figura 7: Trilha observação de aves e observação noturna de animais silvestres

Fonte: Imagens cedidas pelos proprietários, 2016.

Entretanto, além dos estudos referentes à pesquisadores. Existe outra iniciativa na


fauna e flora possui um Programa de educação ambiental, o Programa de Estudo
Educação Ambiental mediante palestras do Meio, é efetuado com crianças de escolas
sobre o pantanal, como o Projeto Gadonça, brasileiras com materiais didáticos
Projeto Papagaio Verdadeiro, que são produzidos para aulas por equipe de biólogos
apresentadas aos turistas ou visitas pelos e turismólogos da propriedade (Figura 8).

Figura 8: Educação ambiental

Fonte: Imagens cedidas pelos proprietários, 2016.

O quadro 1 apresenta a primeira etapa do de forma clara e objetiva, com três


Gap analysis realizado no sistema de gestão alternativas de possibilidades de respostas:
da sustentabilidade da pousada pesquisada. sim, não e parcial.
Todos os requisitos listados são apresentados

Tópicos em Administração - Volume 11


42

Quadro 1: Primeira etapa do Gap analysis

Fonte: Adaptado de ABNT NBR 15401(2006).

Conforme, os resultados obtidos perante o demonstram que os requisitos ambientais


check list, a Figura 6 apresenta o gráfico que apresentam 75% de conformidades com a
possibilita apontar os percentuais de norma, o requisito social configura 85% e o
atendimento à norma ABNT NBR 15401(2006) último item (econômica) com 90% de
perante cada um dos três requisitos conformidades (Figura 9).
analisados. Os resultados obtidos

Figura 9: Gráfico segunda etapa Gap Analysis

Fonte: Elaborado pela Autora, 2017.

Após essa etapa, foi utilizada à elaboração de comprometimento da direção, política


um gráfico radar que permite estabelecer os sustentáveis, planejamento sustentáveis,
indicadores de implementação do sistema de implementação e operações, verificação
gestão da sustentabilidade - ABNT NBR (Figura 10)
15401 através de seis itens: requisitos gerais,

Tópicos em Administração - Volume 11


43

Figura 10: Gráfico terceira etapa Gap Analysis

Fonte: Adaptado de Orben et al, 2016.

Os melhores indicadores obtidos em relação resíduos sólidos, consumo de energia e


à conformidade ABNT NBR 15401 foram os seleção de insumos. No entanto, a baixa
itens referentes ao comprometimento da conformidade com a implementação e
direção (92,5%), política sustentáveis (90,5%) operações e verificação são pontos
e planejamento sustentáveis (85%). Ter significantes de estudo. Ao analisar a
índices relativamente altos com estrutura de implementação da norma ABNT
comprometimento da direção fortifica os NBR 15401(Figura 5), Meios de Hospedagem-
resultados positivamente, no sentido de Sistema de Gestão da Sustentabilidade, nota-
avançar no programa e na melhoria contínua. se que a implementação e operações e
Segundo preconiza Barbieri (2011), o primeiro verificação estão contidos dentro desse
passo é a alta direção estar envolvida método e também no ciclo PDCA,
totalmente para implementar um sistema de implementar a mudança e estudar os
gestão. resultados.
Os piores indicadores obtidos para A verificação de percentual em relação à
conformidades foram observadas nos itens conformidade com Meios de Hospedagem-
referentes aos requisitos gerais (78,5%), Sistema de Gestão da Sustentabilidade foi
implementação e operações (74%) e obtida mediante a média aritmética dos
verificação (82%). A baixa conformidade com indicadores de implementação e o resultado
os requisitos gerais era aguardada, em será demonstrado na Figura 11, onde se
virtude que este indicador trata também da observa que o atendimento à norma ABNT
dimensão ambiental, e alguns itens desta NBR 15401 é de 84%.
categoria não é realidade na pousada, como:

Tópicos em Administração - Volume 11


44

Figura 11: Gráfico do Gap Analysis Total em conformidade com a ABNT NBR 15401

Fonte: Elaborado pela Autora, 2017.

Nota-se que há muito itens sendo atendidos 5 CONCLUSÕES


pela pousada neste presente momento, para
Por meio de um estudo de caso, em um hotel
implementação de Meios de Hospedagem-
fazenda localizado no pantanal sul-mato-
Sistema de Gestão da Sustentabilidade ABNT
grossense, este artigo apresentou os
NBR 15401, sendo que apenas dois
resultados perante as conformidades Meios
indicadores ficaram abaixo de 80% em
de Hospedagem-Sistema de Gestão da
relação à conformidade.
Sustentabilidade ABNT NBR 15401,
No entanto, cabe ressaltar que o Sistema de considerando que o empreendimento
Gestão Ambiental – ISO 14001 e Meios de hoteleiro possui um Programa de Educação
Hospedagem-Sistema de Gestão da Ambiental, Programa de Estudo do Meio,
Sustentabilidade ABNT NBR 15401, além do Projeto Arara Azul, Projeto Gadonça
constituem uma relação de semelhança e o Projeto Papagaio Verdadeiro. Por tanto, foi
estrutural. O gap analysis indicou os menores realizada uma revisão na literatura, coleta de
índices nos requisitos gerais (78,5%), dados e gap analysis para indicar percentuais
implementação e operações (74%) e de conformidade em relação à norma.
verificação (82%), que conseqüentemente,
De acordo com os percentuais obtidos,
fazem parte da elaboração estrutural e
constatou-se que o empreendimento hoteleiro
processo do ciclo PDCA. Entretanto, fica
apresentou alta conformidade cerca de 84%
evidente a possibilidade da pousada melhorar
com a norma ABNT NBR 15401. Entretanto,
esses percentuais, uma vez visto que
apresentou uma baixa conformidade com os
apresenta um Sistema de Gestão Integrado
requisitos gerais, em virtude da dimensão
consolidado.
ambiental, e alguns itens desta categoria não
Evidência uma importância ao requisito é realidade na pousada, como: resíduos
implementação e operações, apresentou sólidos, consumos de energia e seleção de
índices com menores percentuais, pois é insumos. Evidência a possibilidade melhorar
responsável por colocar as ações em prática. esses percentuais, uma vez visto que
Além de ser um passo essencial para configura um Sistema de Gestão Integrado
execução do sistema. Quanto ao item consolidado.
verificação, constata-se que a um
Percebeu-se no decorrer da pesquisa, que a
contratempo em manter o funcionamento do
sustentabilidade está intimamente relacionada
sistema ABNT NBR 15401.
com o que à lei regulamenta e ainda
Portanto, é necessário ser divulgadas proporciona economia financeira. Nota-se que
informações referentes ao sistema ABNT NBR é uma chave de sucesso nas mãos dos
15401 para prosperar o desempenho e gestores de empreendimentos hoteleiros,
responsabilidade dos funcionários e demais além das políticas públicas apontarem uma
envolvidos no programa. Toledo et al.(2014) direção à sustentabilidade.
enfatiza que a mudança organizacional em
A contribuição deste presente trabalho é
toda hierarquia é a chave de sucesso para a
mostrar as ações e práticas sustentáveis por
Qualidade Total.
empreendimento hoteleiro em região

Tópicos em Administração - Volume 11


45

pantaneira nas dimensões ambientais, sociais para pesquisas futuras, o aperfeiçoamento da


e econômicas, para fins de certificação de metodologia objetivando-se maior
Meios de Hospedagem-Sistema de Gestão da aproximação da realidade com o Sistema de
Sustentabilidade. O fator limite deste estudo Gestão da Sustentabilidade - NBR 15401.
refere à comparação com um sistema Neste sentido, Toledo et al. (2014) afirma a
baseado nos requisitos da ABNT NBR 15401, importância de elaborar um sistema com
provavelmente, com a finalidade de parâmetros, processos, práticas habituais,
certificação estabelece uma complexidade e documentação, para finalidade de controle e
uma configuração estrutural rígida. Sugere-se melhoria contínua.

REFERÊNCIAS [10] Epa. Environmental Protection Agency.


Environmental Management Systems (EMS)
[1] Abeoc Brasil. Associação Brasileira de Handbook for wastewater utilities. 2004.
Empresa de Eventos. 2017. PIB direto do turismo
+0,5%. 2017. Disponível em: [11] Falconi, Vicente. TQC Controle Da
<http://www.abeoc.org.br/2017/05/2017-pib-direto- Qualidade Total: no estilo japonês. Minas Gerais:
do-turismo-05/>. Acesso em: 15 de junho, 2017. Campos, 2004.
[2] Associação Brasileira da Indústria de [12] Fundtur. Fundação de Turismo de Mato
Hotéis da Bahia. 2014. Disponível em: Grosso do Sul. Brasil é o primeiro no ranking
<http://www.abesrs.org.br/centraldeeventos/_arqTr turismo de aventura e MS é referência no
abalhos/trab_20150504171828000000887.pdf>. segmento. 2016. Disponível em:
Acesso em: 10 de julho, 2017. <http://www.turismo.ms.gov.br/brasil-e-o-primeiro-
no-ranking-turismo-de-aventura-e-ms-e-referencia-
[3] Abnt. Associação Brasileira de Normas no-segmento/>. Acesso em: 10 de junho, 2017.
Técnicas. 2006. NBR 15401: Meios de
hospedagem – Sistema de gestão da [13] Iso. International Organization For
sustentabilidade – Requisitos. Rio de Janeiro: Standardization. The ISO Surveyof Management
ABNT. Disponível em: System Standard Certifications. 2014. Disponível
<http://abnt.org.br/paginampe/biblioteca/files/uploa em:
d/anexos/pdf/7515428786c2ed12564fc0f36afbc2a <https://www.iso.org/files/live/sites/isoorg/files/archi
5.pdf>. Acesso em: 15 de junho, 2017. ve/pdf/en/iso_survey_executive-summary.pdf>.
Acesso em: 15 de junho, 2017.
[4] Abnt. Associação Brasileira de Normas
Técnicas. NBR ISO 14001: Sistema de Gestão [14] Gil, A. C. Como elaborar projetos de
Ambiental - requisitos com orientação para uso. 2 pesquisa. São Paulo: Atlas, 1999.
ed. Rio de Janeiro,2004. 35 p.
[15] Gonçalves, L.C. Gestão Ambiental em
[5] Barbieri, J. C. Gestão ambiental Meios de Hospedagem. São Paulo: Aleph, 2004.
empresarial: Conceitos, Modelos e Instrumentos. 3.
[16] Malta, M.C.M. et al.; Sustentabilidade e
Ed. São Paulo: Saraiva, 2011. 376 p.
Gestão de Empreendimentos Hoteleiros:
[6] Barbieri, J.C.; Cajazeira, J.E.R. Analisando Hotéis de Campo Grande, Mato Grosso
Responsabilidade social empresarial e empresa Do Sul. 2015. Revista: Rosa dos Ventos. Vol.7, n.3.
sustentável: da teoria à prática. São Paulo: Saraiva, Disponível em:
2009. <http://www.ucs.br/etc/revistas/index.php/rosadosv
entos/article/view/3233>. Acesso em: 02 de julho,
[7] Buysse, K.; Verbeke, A. (2003) Proactive 2017.
environmental strategies: a stakeholder
management perspective. Strategic Management [17] Ministério do Turismo. Matriz de
Journal, V.24(5), pp. 453-470. Classificação de Meios de Hospedagem. 2011.
Disponível em:
[8] Conto, S. M. et al.; Gestão Da <http://www.classificacao.turismo.gov.br/MTURclas
Sustentabilidade em Meios de Hospedagem sificacao/mtursite/downloadCartilha.action?tipo=3>
Certificados Pela Nbr 15401. In: II Simpósio . Acesso em: 10 de julho, 2017.
Nacional Sobre Gestão Ambiental de
Empreendimentos Turísticos - Ambientur, 2015, [18] Oliveira, M.A.S.; Rossetto, A.M.; Modelo
Canela. Anais... Canela - RS: Ambientur, 2015. integrado de sustentabilidade e competitividade
Disponível em: em meios de hospedagem. Revista Rosa dos
<http://www.abesrs.org.br/centraldeeventos/_arqTr Ventos – Turismo e Hospitalidade, V.6(4), pp.546-
abalhos/trab_20150504171828000000887.pdf>. 563.2014.
Acesso em: 10 de junho, 2017.
[19] Orben, E.W. et al., Identificação e Análise
[9] Cooper, D. R.; Schindler, P. S. Métodos de de Conformidades para implementação de um
Pesquisa em Administração. 7. ed. Porto Alegre: sistema de gestão de energia: um estudo de caso.
Bookman, 2003. In: XVIII- Encontro Internacional Sobre Gestão
Empresarial e Meio Ambiente - ENGEMA, 18.,2016,
Tópicos em Administração - Volume 11
46

São Paulo. Anais... São Paulo- SP: ENGEMA, 2016. [21] Sachs, I..Caminhos para o
Disponível em: desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro:
<http://engemausp.submissao.com.br/18/anais/arq Garamond, 2002.
uivos/287.pdf>. Acesso em: 16 de junho, 2017.
[22] Yin, R. K. Estudo de caso: planejamento
[20] Toledo, J. C. de et al. Qualidade: gestão e de método. Porto Alegre: Bookman, 2010.
métodos. Rio de Janeiro: Ltc, 2014. 397 p. ISBN
9788521621171.

Tópicos em Administração - Volume 11


47

Capítulo 4

Byanca Neumann Salerno


Paulo Sergio da Conceição Moreira
Rafaela Wille de Aguiar
Edelvino Razzolini Filho

Resumo: Investiga a Inteligência Organizacional por meio de análise bibliométrica


feita a partir de 252 registros válidos recuperados nas bases de dados Web of
Science, Scopus e Capes entre os anos de 2007 a 2017 nos idiomas português,
inglês, espanhol, francês e italiano. Caracteriza a produção científica do período em
relação a autoria, coautoria, palavras chave, publicações e editoras. Constata que
dentre os assuntos abordados nas publicações destacam-se os temas de gestão
do conhecimento e negócios. A produção de IO manteve-se constante durante o
período analisado, com média de 20 publicações por ano e desvio padrão de 2,47,
tendo seu auge entre 2015 e 2016 e o formato preponderante de artigo. Propõe-se
que pesquisas futuras busquem investigar o contexto dos trabalhos publicados
sobre o tema, os países, instituições e redes de autores.

Palavras-chave: Bibliometria, Produção Científica, Gestão do Conhecimento,


Competitividade, Informação para competitividade.

Tópicos em Administração - Volume 11


48

1. INTRODUÇÃO Para atender às novas demandas, a criação e


o compartilhamento de conhecimentos
As organizações do século XXI procuram se
tornaram-se um desafio para garantir a
manter competitivas no mercado frente às
inovação nas organizações. A criação de
expectativas dos consumidores associadas
conhecimento depende da aquisição e
ao fenômeno da globalização e do
transformação da informação, que se tornou
desenvolvimento tecnológico. Isso se reflete
um ativo estratégico capaz de gerar
na iniciativa pública e na privada, seja na
vantagem competitiva para as organizações
indústria ou nos serviços. Cada vez mais se
(SANTO, 2013). Segundo Razzolini Filho
buscam formas eficazes e eficientes de
(2004), esse processo ocorre da seguinte
utilização de recursos, tempo e custos na
forma:
realização de processos organizacionais
(MÜLLER, 2013).

Figura 1: O Conhecimento Transformado Vantagem Competitiva

Fonte: Razzolini Filho (2004)

O que define o sucesso de uma organização constantemente”. Para Toni e Alvares (2016,
é a forma como ela responde às mudanças p. 236) a IO é uma “habilidade da
dos ambientes interno e externo. Para organização em mobilizar recursos e
acompanhar as mudanças do mundo capacidades para transformar informação em
moderno é preciso monitorar, gerenciar conhecimento, e utilizar este conhecimento no
informações, criar conhecimentos e tomar auxílio à tomada de decisão e resolução de
decisões. Para isso, é necessário ter problemas”.
Inteligência Organizacional (IO).
Há 2.500 anos, Sun Tzu propunha o
Esta pesquisa surge pelo interesse em conhecimento como vantagem estratégica em
compreender a produção científica sobre IO e seu livro A Arte da Guerra ao dizer que uma
fornecer um insight a outros pesquisadores batalha só alcança um bom resultado quando
interessados em analisar o tema em virtude se conhece o inimigo. Essas mesmas
de sua relevância crescente. Bases de dados batalhas são enfrentadas no século XXI pelas
como Web of Science (WOS), Scopus e organizações (MORESI, 2001). O “inimigo”
Capes não retornam pesquisas bibliométricas referido pelo autor e filósofo chinês contempla
voltadas para a IO. as incertezas do ambiente interno e externo
das organizações e a IO proporciona insights
Assim, esta pesquisa tem como objetivo
para a tomada de decisão a partir de dados,
geral: investigar a produção científica sobre
informações e conhecimentos.
IO nos últimos 10 anos. Entre os objetivos
específicos estão: identificar os autores mais Müller e Castilho Júnior (2012) apontam que o
produtivos; identificar a presença ou não de termo “inteligência organizacional” tenha
colaboração em trabalhos na área; identificar surgido em meados de 1960. Moresi (2001)
os temas correlatos à IO. afirma que o conceito de IO surgiu dentro
deste contexto de necessidade de informação
e conhecimento, visto que as organizações
2. INTELIGÊNCIA ORGANIZACIONAL são sistemas que interagem com o ambiente
a todo instante e, da mesma forma que geram
O conceito de inteligência é abordado por
informação como produto de seus processos,
Santo (2013, p. 22) como “a habilidade de
adquirem informação como recurso
adquirir novos conhecimentos, ou seja, o
estratégico.
desenvolvimento do aprender a aprender

Tópicos em Administração - Volume 11


49

Tarapanoff (2006, p. 30) aborda que nas monitoramento. A percepção é a identificação


organizações “[...] informação, conhecimento de eventos a partir da memória. A memória é
e inteligência estão presentes nos seus resultado das experiências e interações
processos de gestão, que alimentam o expressa formalmente em documentos ou
processo de tomada de decisão e o informalmente na cultura. A interpretação é
planejamento estratégico.” Para a autora, a descoberta de significado e a atribuição de
inteligência é criada por meio dos processos sentido. Por fim, o comportamento adaptativo
de gestão da informação e do conhecimento é a retroalimentação do ciclo a partir do
e o planejamento estratégico se vale desses aprendizado.
esforços para subsidiar a tomada de decisão.
O estudo realizado por Müller e Castilho
Para Moresi (2001) e Matsuda (1992, apud Júnior (2012) mostra que as pesquisas sobre
MÜLLER; CASTILHO JÚNIOR, 2012) ela pode IO abordam os seguintes temas: gestão da
ser entendida sob duas perspectivas: como informação, gestão do conhecimento,
produto e como processo. Como produto ela aprendizagem organizacional, monitoramento
é a totalidade de dados, informações e ambiental, cultura organizacional, visão
conhecimentos gerados pela própria sistêmica e adaptação estratégica. Conforme
organização como resultado de suas aborda Tarapanoff (2006) todas essas áreas
atividades e interação com os sistemas de dão suporte para a IO e são
informação. Como processo ela é entendida interdependentes. Dessa forma, a IO se
como a coordenação da inteligência humana revela um campo atual e amplo de estudo
e de máquina em direção a processos e que pode ser pesquisado sob diferentes
fluxos de trabalho e divide-se em abordagens e focos.
subprocessos.
Para Matsuda (1992, apud MÜLLER;
3. METODOLOGIA
CASTILHO JÚNIOR, 2012) esses
subprocessos são: comunicação; memória; A metodologia escolhida para esta pesquisa
aprendizagem; cognição; e raciocínio. A permite classificá-la quanto aos objetivos
comunicação refere-se à troca de como descritiva e quanto aos procedimentos
informações por meios formais ou informais como bibliométrica. A bibliometria é a
que proporciona a criação do conhecimento. aplicação da matemática e estatística para
A memória é o registro de experiências quantificar o processo de comunicação
individuais e coletivas de maneira explícita, escrita (PRITCHARD, 1969 apud BUFREM;
bem como a cultura da organização. A PRATES, 2005) e tem como objeto de estudo
aprendizagem é a troca de experiências e a livros, revistas, autores e documentos, sendo
aquisição de novos conhecimentos a partir da relacionada à análise da comunicação formal
execução de procedimentos. A cognição é a (BUFREM; PRATES, 2005) e bastante
percepção do ambiente em função de difundida para a medição do conhecimento
experiências ou memórias passadas. Por fim, científico (VANTI, 2002).
o raciocínio é a inferência ou dedução, a
A coleta de dados se deu pela busca do
partir de informações existentes, para a
termo “organizational intelligence” utilizando-
tomada de decisão.
se o filtro de tempo delimitado de 2007 a 2017
Para Choo (1998 apud TONI; ALVARES, 2016) nas bases de dados Web of Science, Scopus
o processo de IO consiste nas etapas de: e Capes, com delimitação de idioma:
sensoriamento; percepção; memória; Português; Inglês; Espanhol; Francês; e
interpretação; e comportamento adaptativo. O Italiano. Na Tabela 1 é apresentada a relação
sensoriamento é a coleta de informações do entre a quantidade de trabalhos encontrados
ambiente interno e externo por meio do e as bases onde se fez a busca.

Tabela 1 – Relação da quantidade de trabalhos por base


Base Quantidade recuperada
Web of Science 73
Scopus 107
Capes 422
Fonte: Os autores (2017)

Tópicos em Administração - Volume 11


50

Depois de recuperados, os dados foram estava com valor nulo (todos os dados
tabulados, tratados e filtrados no Microsoft completos) e depois de retiradas as
Excel, sendo mantidas as colunas com os duplicatas. Apresentam-se na seção seguinte
seguintes indicadores: autores, título, ano, as figuras e tabelas geradas por meio do
nome da publicação, tipo da publicação, Microsoft Excel e suas respectivas análises.
palavras-chave dos autores e editoras.
Para compreensão das nomenclaturas
4. ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS
utilizadas pela Web of Science utilizou-se a
RESULTADOS
lista de siglas disponível no Web of Science
Core Collection Field Tags (WEB OF A primeira análise corresponde às palavras-
SCIENCE, sem data.). Desses 602 trabalhos, chave utilizadas nos trabalhos. Ao todo, 131
apenas 252 deles eram adequados às palavras-chave foram empregadas. Na
análises a serem feitas, entendendo-se por Tabela 2 demonstra-se o ranking das 15
adequados aqueles em que nenhuma variável palavras-chave mais utilizadas.
Tabela 2 - Ranking de palavras chaves das publicações
Palavra-chave Quantidade
Knowledge Management 52
Organizational Intelligence 40
Business 40
Studies 20
Organizational Learning 15
Experimental/Theoretical 15
Communications & Information Management 11
Information Management 9
Decision Making 9
Social Sciences 8
Knowledge 8
Research 7
Intellectual Capital 7
Library & Information Science 7
Information Systems 7
Fonte: Os autores (2017)
Pela análise da Tabela 2, observa-se que há Destaca-se o uso de Information Management
três palavras que se destacam em relação às (Gestão da Informação) - sozinha ou junto de
demais: Knowledge Management (52 vezes); Communications - aparecendo 20 vezes.
Organizational Intelligence (40 vezes) e Além disso, apesar de existirem trabalhos em
Business (40 vezes). Neste cenário, verifica- língua portuguesa, nas 15 primeiras posições
se que as três palavras apresentam, no nenhuma palavra neste idioma aparece. No
mínimo, o dobro de aparições da quarta que tange aos autores da área, identificaram-
palavra-chave mais utilizada, demonstrando se 551 autores, dos quais se listam na Tabela
que estas três são conceitos chave para 3 os 15 mais produtivos.
aqueles com interesse em pesquisar na área
de IO.
Tabela 3 - Autores que mais publicam sobre o tema
Palavra-chave Quantidade
Ensslin, Leonardo 3
Gottschalk, Petter 3
Espedal, Bjarne 3
Söderholm, Anders 2
Seidl, David 2
Tadeu de Oliveira Lacerda, Rogério 2
Leovaridis, Cristina 2
Silvius, A. J. Gilbert 2
Oviedo, JL 2
Stevens, Kathleen R. 2
Rolim Ensslin, Sandra 2
Schwaninger, Markus 2
Vatamanescu, Elena-Madalina 2
Hogberg, K 2
Giorgi, G 2
Fonte: Os autores (2017)
Tópicos em Administração - Volume 11
51

Analisando-se a Tabela 3, percebe-se a quantidade de trabalhos publicados


inexistência de autores com grande anualmente, com uma média de
quantidade de trabalhos, sendo os mais aproximadamente 20 publicações por ano e
produtivos aqueles com três produções. desvio padrão de 2,47. Em 2015 e 2016
Outro ponto identificado consiste no fato de houve um pico na produção com queda em
que a área apresenta mais trabalhos 2017. Essa queda, no entanto, pode ser
realizados com coautoria - mais de um autor - explicada em função desta pesquisa ter sido
do que trabalhos com apenas um único autor. feita no segundo semestre de 2017 e
Ao todo, 172 trabalhos foram realizados por determinadas publicações enviadas para
dois ou mais autores - sendo o maior número periódicos durante esse semestre podem não
de autores em um único artigo igual a sete - ter sido aceitas até o momento em que os
contra 84 trabalhos realizados somente por dados foram coletados. A relação da
um autor. produção de 2007 a 2017 pode ser
observada na Figura 2.
Por meio das análises realizadas percebeu-se
que de 2007 até 2014 há uma estabilidade na

Figura 2 - Quantidade de trabalhos produzidos por ano

Fonte: Os autores (2017)

Desses 252 trabalhos aproximadamente 52% Ao todo 12 publicações, com o total de 28


(133) foram publicados por cinco editoras, trabalhos, explicitam através de seu nome sua
enquanto os 123 restantes, aproximadamente relação com o conhecimento e, embora
48%, são responsabilidade de outras 88. aparentemente seja uma quantidade
Entretanto, identificou-se que as cinco que pequena, é interessante perceber que ao
mais publicam já são grandes empresas no compararmos a proporção de 28 para 12 é de
mercado, o que pode explicar essa aproximadamente 2,33 trabalhos por
concentração de trabalhos. São elas: Emerald publicação, enquanto se observamos o do
Group Publishing Ltd. com 64 trabalhos restante, 214 para 184, a proporção é de
publicados; Elsevier com 31; SAGE 1,16. Sendo assim, proporcionalmente, sem
Publications com 26; e a Springer com 12. considerarmos o desvio padrão, essas 12
publicações são uma quantidade relevante.
Em relação às publicações identificou-se que
a com maior quantidade de trabalhos é o Verificou-se também a distribuição da
Journal of Knowledge Management com nove, quantidade de trabalhos em relação ao
seguido pelo VINE: Journal of Information and formato da publicação, entretanto os registros
Knowledge Management Systems com cinco. recuperados da CAPES vieram com esses
Os outros 242 estão distribuídos em 196 dados em específico codificados. Dessa
publicações, resultando em uma média de forma a Figura 3 apresenta essa distribuição
aproximadamente 1,23 trabalhos por abrangendo somente o total de trabalhos (48)
publicação, com desvio padrão de 0,63. da Scopus e da Web of Science.

Tópicos em Administração - Volume 11


52

Figura 3 - Distribuição da quantidade de trabalhos em relação ao formato da publicação

Fonte: Os autores (2017)

O formato de artigo é o mais número, com 32 principalmente por integrar a teoria


aparições, seguido de proceedings papers acadêmica com a prática dos negócios e ter
(7) e conference papers (5), e embora levante importância estratégica para gestores que
questionamentos sobre quais as razões para busquem informações científicas e
estes valores não se cogita pressupor motivos fundamentadas sobre a área.
para este fato nesta pesquisa em questão.
Outro ponto interessante observado nos
resultados foi a identificação dos periódicos
que mais publicam artigos relacionados à IO,
5. CONSIDERAÇÕES FINAIS
sendo relevante para pesquisadores em
A Inteligência Organizacional é apresentada busca de periódicos nessa área para publicar
na literatura como uma área relacionada suas pesquisas. Embora tenha apresentado
diretamente ao conhecimento e aos negócios. esses insights, esta pesquisa teve algumas
A geração de informações em grandes limitações pelo fato de as bases escolhidas
quantidades torna essa área essencial para nem sempre apresentarem os mesmos
os gestores das organizações devido ao seu atributos, impossibilitando uma análise mais
caráter estratégico de tomada de decisão. aprofundada.
Essa relação com os negócios e o
Enfrentaram-se também problemas em
conhecimento é comprovada ao se observar
relação à indexação de dois trabalhos na
a quantidade de palavras-chave sobre esse
base da Capes, que não estavam incluídos
tema em trabalhos de IO e também pela
nos filtros estabelecidos para os anos, mas
presença de publicações da área.
ainda assim foram recuperados. Outra
Entende-se que a Inteligência Organizacional dificuldade foi a recuperação das referências
é fundamental para ampliar a competitividade na Capes não poder ser feita em formato .xls
organizacional e, por isso, é essencial que ou .csv, mas só em formatos específicos para
sejam implantados processos para geração o armazenamento de dados referenciais, o
dessa inteligência a partir das ferramentas de que dificulta as análises por exigirem que eles
gestão do conhecimento. sejam convertidos, tendo em vista que as
outras bases disponibilizam ao menos o
Os resultados mostraram que a maioria das
formato .csv para download.
pesquisas sobre o tema (67,18%) foram
realizadas em coautoria. Um estudo mais Levantaram-se alguns questionamentos
aprofundado seria necessário para verificar durante a pesquisa como, por exemplo, o
se a coautoria foi feita entre a mesma motivo por trás da grande quantidade de
universidade ou universidades distintas. trabalhos no formato de artigos quando
comparados àqueles de conferências e
Observou-se, também, o crescimento de
capítulos de livros. Propõe-se, então, que
pesquisas na área, o que torna esse tema
pesquisas futuras aprofundem-se sobre o
atual e relevante para as áreas da gestão da
tema e busquem compreender o contexto por
informação e da administração,
trás das publicações de Inteligência
Tópicos em Administração - Volume 11
53

Organizacional e como isso afeta o desenvolvimento dessa área.

REFERÊNCIAS [7] Santo, G. C. O. Inteligência organizacional


nos processos de tomada de decisão nas
[1] Bufrem, L.; Prates, Y. O saber científico indústrias de grande porte da região dos campos
registrado e as práticas de mensuração da gerais no estado do Paraná. 2013. 122 f.
informação. Ciência da Informação, v. 34, n. 2, p. Dissertação (Mestrado) - Curso de Engenharia de
9-25, 2005. Disponível em Produção, Universidade Federal do Paraná,
<http://www.scielo.br/pdf/ci/v34n2/28551>. Acesso Curitiba, 2013. Disponível em:
em: 19 jul. 2016. <https://goo.gl/TGZjd6>. Acesso em: 02 nov. 2017.
[2] Choo, C. W. Information management for [8] Tarapanoff, K. Inteligência, informação e
the intelligent organization: the art of scanning the conhecimento em corporações. Brasília: Instituto
environment. 2ª ed. Medford, NJ: Information Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia
Today, Inc., 1998. (IBICT), 2006. Disponível em:
[3] Moresi, E. A. D. Inteligência <http://unesdoc.unesco.org/images/0014/001469/1
organizacional: um referencial integrado. Ciência 46980por.pdf>. Acesso em: 30 out. 2017.
da Informação, v. 30, n. 2, p. 35-46, 2001. [9] Toni, K. C. W.; Alvares, L. M. A. R.
Disponível em: Educação corporativa na perspectiva da
<http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/923/960>. inteligência organizacional. Informação &
Acesso em: 30 out. 2017. Informação, Londrina, v. 21, n. 3, p.228-257, dez.
[4] Müller, R.; Castilho Júnior, N. C. 2016. Disponível em:
Inteligência organizacional como ferramenta de <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informaca
gestão: um referencial teórico integrado. Revista o/article/view/21728/20737>. Acesso em: 02 nov.
Expectativa, v. 11, n. 11, p. 83-102, 2012. 2017.
Disponível em: <http://e- [10] Vanti, N. A. P. Da bibliometria à
revista.unioeste.br/index.php/expectativa/article/vie webometria: uma exploração conceitual dos
wFile/7276/5323>. Acesso em: 31 out. 2017. mecanismos utilizados para medir o registro da
[5] Müller, R. Inteligência organizacional: uma informação e a difusão do conhecimento. Ciência
visão setorial. 2013. 137 f. Dissertação (Mestrado) - da Informação, Brasília, v. 32, n. 2, p.152-162,
Programa de Pós-Graduação em Ciência, Gestão e maio/ago. 2002. Disponível em:
Tecnologia da Informação, Universidade Federal <https://goo.gl/BzN3Jq>. Acesso em: 13 jul. 2016.
do Paraná, Curitiba, 2013. Disponível em: [11] Web of Science. Web of Science Core
<https://goo.gl/T2DeFZ>. Acesso em: 02 nov. Collection Field Tags. Disponível em:
2017. <https://images.webofknowledge.com/WOKRS53B
[6] Razzolini Filho, E. Como transformar 4/help/WOS/hs_wos_fieldtags.html>. Acesso em:
conhecimento individual em conhecimento 23 nov. 2017.
organizacional, como vantagem competitiva.
Revista Educação e Utopia, v. II, p. 39-49. Curitiba:
Bagozzi, 2004.

Tópicos em Administração - Volume 11


54

Capítulo 5

Evandro Rodrigues
Robson Paz Vieira
Andrea Bottoni

Resumo: Este artigo apresenta uma análise crítica a cerca do enfoque


empreendedorismo no campo da saúde, no Brasil. Para tanto, utilizou-se de revisão
bibliográfica e o método de pesquisa documental através da análise do IBGE,
SERASA Experian e o GEM no período de 1997 a 2017. Consequentemente
observou-se que as condições foram favoráveis ao empreendedorismo no país,
aspectos denotados nos resultados apresentados neste estudo.

Palavras-chave: Empreenderismo, Saúde, Estratégia, Negócio, Mercado.

Tópicos em Administração - Volume 11


55

1. INTRODUÇÃO tempo e o esforço necessário para fazer a


empresa crescer; e por fim, o
O nascimento do termo empreendedorismo
empreendedorismo requer ousadia, que se
está conectado ao desenvolvimento da
assumam riscos calculados, que se tomem
palavra francesa entre-preneur, que na Idade
decisões críticas e que não se desanime com
Média, em uma operação militar destinava-se
as falhas e erros.
à responsabilidade de coordenação para um
soldado (VERIN, 1982 apud FILION, 1999). Leite (2000) afirma que empreender significa
Reis (2012) adota a técnica do esquartejador ter capacidade de iniciativa, imaginação fértil
de ir por partes para o desmembramento para conceber as ideias, flexibilidade para
desta forte palavra em três componentes: adaptá-las, criatividade para transformá-las
entre-pre-neur. Entre significa entre; pre, em uma oportunidade de negócio.
primeiro e neur, centro nervoso.
Para Schumpeter (1997), o papel do
2. MATERIAL E MÉTODO
empreendedor na economia é de extrema
importância, devido à introdução de novas A metodologia adotada neste artigo trata-se
combinações no mercado e ao de uma revisão da literatura narrativa, a qual
desenvolvimento econômico. viabilizou a compreensão de estudos
Empreendedorismo é a busca de novas experimentais e não experimentais, com o
direções, buscando diferenciais competitivos objetivo de proporcionar uma análise de
e de novas oportunidades de negócios, como se dá empreendedorismo no Brasil. As
relacionadas à inovação, no desejo de fundar relações de dados da literatura, teórica e
empreendimentos, na euforia de criar, de empírica, propiciaram a incorporação de um
fazer as coisas e de praticar a eficácia com amplo leque de propósitos: definição de
criatividade. conceitos, revisão de teorias e evidências e
análise de problemas metodológicos
Já Gimenez e Inácio Junior (2006) definem
(CORDEIRO, 2007).
empreendedorismo como “o estudo da
criação e da administração de negócios A revisão da literatura narrativa, comparada à
novos, pequenos e familiares”, ou seja, para revisão sistemática, expõe uma temática mais
esses autores o empreendedorismo é a busca aberta, jamais exigindo um protocolo firme
de oportunidades e o domínio dos ativos para sua elaboração. A busca das fontes não
tangíveis. é pré-determinada e específica, e isso a torna
constantemente menos abrangente. A
A população não pode mais esperar das
seleção dos artigos é arbitrária, provendo o
grandes empresas a solução para o
autor de informações sujeitas a viés de
desemprego. O empreendedor, como
seleção (CORDEIRO, 2007).
gerador de novas empresas, passa a ser o
eixo central da criação de novos postos de
trabalho, intensificando transações
2.1 CONSIDERAÇÕES ÉTICAS
econômicas e contribuindo para a
competitividade de uma nação (PANTZIER, Por ser uma pesquisa que utiliza dados
2008). secundários, não foi necessária a apreciação
de um Comitê de Ética em Pesquisa.
Os empreendedores precisam aproveitar
condições favoráveis ao seu 2.2 ESTRATÉGIAS DE BUSCA
desenvolvimento, através de sua liderança,
Foram utilizadas as bases Scielo, Lilacs e
capacidade e de seu perfil, para que iniciem
Pubmed.
e coordenem o processo de desenvolvimento,
cujas raízes estão, sobretudo, em valores  SCIELO – Scientific Eletronic Library
culturais, na forma de ver o mundo. Diante de Online é um projeto consolidado de
fatores de inovação tecnológica, o publicação eletrônica de periódicos
empreendedor cria e aloca valores para científicos seguindo o padrão de Open
indivíduos e para a sociedade (DOLABELA, Access, que concede de modo gratuito, na
1999). Internet, os textos completos dos artigos de
mais de 209 revistas cientificas do Brasil,
Para Dornelas (2001), o empreendedorismo
Chile, Cuba, Espanha, Venezuela e outros
envolve, primeiramente, o processo de
países da América Latina.
criação de algo novo, de valor; em segundo,
requer a devoção, o comprometimento de  LILACS que é uma base de dados

Tópicos em Administração - Volume 11


56

cooperativa da Rede BVS que entende a Brasil a pesquisa é conduzida pelo Instituto
literatura relativa ás ciências da saúde, Brasileiro da Qualidade e Produtividade
publicada nos países da América Latina e (IBQP) e conta com o apoio técnico e
Caribe. financeiro do Serviço Brasileiro de Apoio às
Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), um
 PUBMED é uma ferramenta de busca de
serviço social autônomo brasileiro, que
livre acesso á base de dados MEDLINE que é
objetiva auxiliar o desenvolvimento de micro e
uma base de dados da literatura internacional
pequenas empresas, estimulando o
da área médica e biomédica, produzida pela
empreendedorismo no país (Sebrae, 2017).
NLM (National Library od Medicine, USA) e
que contém referênciasbibliográficas e
resumos de mais de 5.000 títulos de revistas
2.3 DESCRITORES UTILIZADOS
publicadas nos Estados Unidos e em outros
70 países. As pesquisas foram realizadas utilizando os
seguintes descritores de forma cruzada
O eixo inicial desta pesquisa foi selecionar
como: Entrepreneurship Brazil, Brazilian
artigos relacionados ao Empreendedorismo,
entrepreneur, Health entrepreneurship Brazil,
Empreendedor por Necessidade e
Entrepreneurship necessity Brazil,
Empreendedor por Oportunidade nas áreas
Entrepreneurship opportunity Brazil, Crisis
relacionada a saúde. Após a localização do
unemployment Brazil.
material proposto, houve uma nova busca
com intuito de obter material científico para
elaboração do referencial teórico com
2.4 CRITÉRIOS DE ELEGIBILIDADE
definições, estratégias, ferramentas
apropriadas ao tema Empreendedorismo. Para atender a elegibilidade da pesquisa
foram utilizados como critérios os seguintes
Com o objetivo de comparar a evolução do
itens: o ano de publicação (textos no período
empreendedorismo no Brasil entre os anos de
de março de 1997 a 2017), textos
2002 a 2016, a pesquisa foi realizada com
relacionados com o tema em estudo, textos
base em dados secundários originários de
selecionados de artigos científicos publicados
três fontes distintas, IBGE - Instituto Brasileiro
na língua estrangeira, textos completos, textos
de Geografia e Estatística, SERASA Experian
que estavam disponíveis gratuitamente.
e o GEM - Global Entreprenuership Monitor.
O IBGE se estabelece como fornecedor de
dados e informações do País, que respondem 3. RESULTADOS E DISCUSSÃO
às necessidades dos mais variados
No caso brasileiro, a preocupação com a
segmentos da sociedade civil, bem como dos
criação de pequenas empresas duradouras e
órgãos das esferas Governamentais Federal,
a necessidade da diminuição das altas taxas
Estadual e Municipal (IBGE, 2017).
de mortalidade desses empreendimentos são,
A Serasa Experian é uma empresa brasileira sem dúvida, motivos para a popularidade do
de análises e informações para decisões de termo empreendedorismo, que tem recebido
crédito e apoio a negócios. Faz parte do especial atenção por parte do governo e de
grupo Experian. A Serasa Experian age por entidades de classe. Após várias tentativas
meio de tratativas com empresas de de estabilização da economia e da imposição
informações de todos os continentes advinda do fenômeno da globalização,
(SERASA, 2017). empresas no Brasil tiveram de procurar
alternativas para aumentar a competitividade,
O GEM é o maior projeto de pesquisa
reduzir os custos e manter-se no mercado
internacional que pretende medir e analisar a
(DORNELAS, 2008).
orientação dos indivíduos de um país para a
atividade empresarial e que condições O empreendedorismo é progressivamente
favorecem o aumento e desenvolvimento do uma opção para a nação brasileira em dois
Empreendedorismo. É o maior estudo anual aspectos, colocar em prática a ideia visionaria
sobre a dinâmica empresarial no mundo. O por conta própria ou para os afetados com a
primeiro relatório foi produzido em 1999, com presente crise econômica.
a análise de 10 países apenas. Desde então,
A globalização, agindo como um processo
quase cem países se associaram ao projeto,
econômico e social que institui a integração
que constitui o maior estudo em andamento
entre os países e as pessoas do mundo todo,
sobre o empreendedorismo no mundo. No
viabilizou a geração de empresas
Tópicos em Administração - Volume 11
57

capacitadas em vários seguimentos, O gerenciamento de um consultório médico


fornecendo suporte para as de grande porte pode ser considerado como a gestão de uma
(LISBOA, 2012). empresa. Qualquer negócio, ou ramo de
atividade, ou empresa, recebe um insumo ou
uma informação, depois a analisa ou
3.1 EMPREENDEDORISMO NA ÁREA DA processa, e ao final fornece um produto ou
SAÚDE um serviço, caracterizando assim, a
participação de um fluxo de valor
Para Becker (2004) não existe a visão de que
(MONT´ALVÃO, 2010).
esta empresa prestadora de serviços em
saúde, que executa exames e procedimentos
clínicos não tenha apenas dificuldades
3.2 ANÁLISE DE DADOS
financeiras, também podem ser observadas
deficiências no que tange a uma postura O gráfico 1 demonstra os dados estatísticos
empreendedora e também a falta de dos institutos IBGE e Serasa Experian,
planejamento estratégico. realizados nos períodos de 2010 a 2016.
Apontam para um crescente aumento de
Pode-se dizer, portanto, que a abertura de um
Micro-empreendedores Individuais no Brasil,
consultório tem muito a ver com a visão de
chegando a 80% no ano de 2016,
oportunidade para negócio. No caso de um
aproximadamente o dobro, se comparado a
novo médico, a oportunidade gira em torno de
2010, que foi de 44%. Entre os períodos de
criar uma base de pacientes. Já um médico,
2012 a 2016, as pesquisas apresentam, com
que esteja estabelecido na profissão, tudo
precisão, a grande procura de pessoas
gira em torno de refinar sua proposta de valor
buscando alternativas para trabalhar como
ao longo do tempo, a qual implica em manter
MEI.
seus pacientes, valendo-se de sua crescente
experiência, (HIDOCTOR, 2016).

Gráfico 1: Porcentagem dos MEIs no total de janeiro a junho entre os anos de 2010 a 2016

Fonte: Adaptado de IBGE, Serasa (2016)

A crise financeira força indivíduos sem opção trimestres anteriores até 2012. Houve um
de emprego a partir para negócios próprios, o declínio de trabalhadores sem carteira
gráfico 2 demonstra a comparação entre o assinada, ocorrendo um leve aumento para o
primeiro trimestre de 2016 com os primeiros segundo trimestre de 2016.

Gráfico 2: Posição na ocupação (como % do total de trabalhadores) – Empregado sem carteira


assinada

Fonte: Adaptado de IBGE, Serasa (2016)

Tópicos em Administração - Volume 11


58

Para a Serasa (2016), a porcentagem dos 2012, aumentou em 25,6%, enquanto nos
trabalhadores por conta própria, entre o anos anteriores manteve-se em uma média de
primeiro semestre de 2016 aos primeiros e 23%, como mostra o gráfico 3.
segundos semestres dos anos anteriores até

Gráfico 3: Posição na ocupação (como % do total de trabalhadores) – Conta própria

Fonte: Adaptado de IBGE, Serasa (2016)

De acordo com Afit (2016), do Sebrae, o de 2015 para 4,1% entre abril e junho de
gráfico 4 mostra o declínio de 4,4% do total 2016.
da população ocupada no terceiro trimestre

Gráfico 4: Posição na ocupação (como % do total de trabalhadores) – Empregador

Fonte: Adaptado de IBGE, Serasa (2016)

A pesquisa do GEM demostrou que as taxas corresponde a empreendedores novos, ou


de empreendedorismo segundo o estágio dos seja, com menos de três anos e meio de
empreendimentos no Brasil entre os anos de atividade, e a outra metade aos donos de
2014 e 2015 aumentaram conforme negócios estabelecidos há mais tempo, como
apontados na tabela 1. Deste total, metade mostra a tabela 1.

Tabela 1 – Taxas de empreendedorismo segundo o estágio dos empreendimentos no Brasil entre os


anos de 2014 e 2015
Estágio 2014 2015
Iniciantes 17,2 21
Nascentes 3,7 6,7
Novos 13,8 14,9
Estabelecidos 17,5 18,9
Total de Empreendedores 34,4 39,3
Fonte: GEM Brasil 2015, adaptado. (Percentual da população de 18 a 64 anos).

Tópicos em Administração - Volume 11


59

De uma forma geral, é hora de começar a caracteriza custos operacionais e capital


desenvolver, implantar e viabilizar o projeto parado, em contrapartida, níveis baixos de
de acordo com as necessidades específicas estoque podem originar perdas de economias
de cada cliente. No entanto, para que todos e custos elevados devido à falta de produtos.
esses passos possam se efetivar com
 Estrutura Organizacional deve-se avaliar
sucesso, a proposta é treinar o empreendedor
essa estrutura no todo, identificar se o espaço
a ter um pensamento fora da caixa, ou seja,
físico é agradável e aconchegante para o
quebrar paradigmas e sair do comodismo.
cliente. E não apenas os aspectos físicos,
O empreendedor de sucesso precisa mas deve-se avaliar também se as tarefas e metas
autoavaliar-se diariamente e diagnosticar de desempenho estão claramente entendidas
corretamente sua empresa, com o objetivo de pelos colaboradores.
saber separar dentro do ambiente interno
Salientamos que a preocupação com o
suas forças e fraquezas e acompanhar o
ambiente interno, identificando as forças e as
ambiente externo nas oportunidades e
fraquezas, ainda não é o suficiente para o
ameaças.
sucesso empreendedor, se faz necessário
No ambiente interno é necessário avaliar conhecer também o ambiente externo,
todos os departamentos da sua empresa, verificar como este está se comportando,
como por exemplo: saber e identificar suas oportunidades e
ameaças. Essa é uma estratégia de quem
 Departamento de Recursos Humanos,
pensa e age “fora da caixa”. Vejamos alguns
cuja falha é enxergá-lo apenas como um
exemplos:
departamento para Admissão e Demissão de
funcionários. Para otimizar esse setor, é  Clientes: na área da saúde, muitas vezes o
necessário desenvolver todas as ferramentas identificamos como a pacientes, mas,
de gestão em RH, desde Recrutamento, estrategicamente, devemos tratá-los como
Seleção, Treinamento e Desenvolvimento clientes e entender suas necessidades,
Corporativo, Gestão de Carreira, Qualidade desejos e demandas. Indispensável o
de Vida no Trabalho, Remuneração, paciente sentir-se acolhido a partir do
Benéficios e Saúde e Segurança do Trabalho. primeiro contato, demostrar que estão
preocupados com ele e seu bem-estar.
 Departamento de Marketing, cujo ponto
fraco consiste em vê-lo apenas para  Fornecedores: o ideal é que se tenha mais
propaganda do negócio. Esse departamento de um fornecedor, pois dessa forma, o poder
tem como responsabilidade criar e entregar de negociação estará a favor do
valor para satisfazer as necessidades de um empreendedor, trazendo a oportunidade de
mercado-alvo, obtendo lucro para a empresa. comparar preços/qualidade, exigir descontos,
Para que isso aconteça, esse setor deve prazos de pagamento/entrega. Deve- se
identificar necessidades e desejos não construir um relacionamento do tipo “ganha-
realizados através de segmentação de ganha”, isso significa que muitas vezes, o
mercado, adotando estratégia para venda do empreendedor poderá negociar a compra de
produto, estratégia do preço, estratégia da uma grande quantidade de certo produto e o
promoção, estratégia de distribuição (praça), estoque fica na responsabilidade do
pós-venda e como fidelizar o cliente. fornecedor, que apenas entregará a
quantidade que o empreendedor estiver
 Departamento Financeiro é usado
necessitando.
somente para alinhamento dos custos em
razão dos lucros. Ele se tornaria eficiente se  Concorrentes: deve-se pesquisar o
pudesse compreender e acompanhar toda concorrente, pois quanto mais informações se
análise do ponto de equilíbrio, trazendo obter dele melhor será a tomada de decisão.
estabilidade para saúde do negócio, além de Muitas vezes, o concorrente está cobrando
trabalhar toda a lucratividade em menos porque compra mais barato, portanto,
oportunidade de investimentos e aplicação a é necessário melhorar a vinculação com o
longo prazo. Isso ajudaria na geração de fornecedor. Espontaneamente, eles entram
maiores lucros no futuro. como uma ameaça, o empreendedor deve
estudar claramente as qualidades desse
 Departamento de Estoque, a missão
concorrente para transformá-las em
deste setor é encontrar exatamente a
oportunidades ao seu negócio. Outro fator
quantidade necessária de produto ou matéria-
importante é descobrir os pontos fracos deste
prima a ser estocada. O excesso de estoque
concorrente e procurar fortalecer essas
Tópicos em Administração - Volume 11
60

particularidades na própria organização. foco e acompanhando seus resultados.


 Economia: o empreendedor deve estar 4. CONCLUSÃO
atento ao cenário atual da economia do país,
O aumento do desemprego vem gerando um
tendo em vista que as informações obtidas
declínio nas vendas em diversos setores.
são importantes para analisar as ameaças e
Muitas organizações estão lucrando menos,
oportunidades para a empresa, seja na
outras têm conseguido se manter no mercado
utilização de créditos e altas taxas de juros,
e até aumentar suas receitas.
que arrastam as organizações no Brasil a
realidades distintas, ou seja, as organizações Nestes casos de sucesso, ao empreendedor
que necessitam utilizar crédito nos bancos ou brasileiro são atribuídas características
financiadoras e as que não precisam do diferentes quanto ao seu perfil de lidar com os
crédito para seu capital de giro. negócios e suas percepções. O
empreendedorismo tem ganhado atenção
 Legislações: será necessário entender as
como parâmetro para o surgimento de
legislações na qual a empresa se enquadra e
diversas empresas de ramos diferentes no
ainda se atentar para as novas leis e normas
Brasil, gerando renda, emprego e sendo um
que possam aparecer, para que o
fator essencial para a economia do país.
desconhecimento delas não ameace o
andamento da empresa. No ramo da saúde é O surgimento de pequenas empresas, seja
essencial os prestadores de serviços médicos por oportunidade ou por necessidade, exige
e hospitalares possuirem o registro no que elas apresentem qualidade de seus
Cadastro Nacional de Estabelecimentos de produtos ou serviços, buscando atender a
Saúde (CNES), sem o mesmo não conseguem satisfação de seus clientes.
credenciamento médico em Operadoras de
Fracassos ocorrem quando o prestador e sua
Planos de Saúde.
equipe lançam no mercado serviços ou
 Tecnologia: existe ou surgiu no mercado produtos, sem consultar o cliente. Isso
tecnologia que seja um processo inovador? acontece porque o prestador de serviço ou
Se a resposta for „sim‟, a empresa precisa vendedor de produtos leva em consideração
atentar se essa nova tecnologia de ponta somente sua maneira de pensar e a opinião
atende sua real necessidade e ainda estudar de sua equipe em relação ao negócio.
relação custo/benefício. É necessário verificar
Para resolver essa demanda, o
se a evolução rápida da tecnologia pode
empreendimento de clínica médica é
estar afetando sua posição dentro do
indispensável utilizar estratégias para efetuar
mercado.
uma pesquisa prévia com um grupo de
Criar uma base de conhecimentos para um pacientes, a fim de buscar informações sobre
planejamento a curto, médio e longo prazo falhas casuais, sugestões e ainda se o cliente
trará vantagens para o empreendedor compraria e/ou indicaria esse serviço a outras
classificar suas metas e estabelecer prazos, pessoas.
com o intuito de cumpri-las, controlando seu

REFERÊNCIAS [4] Dornelas, J. C. A. Empreendedorismo:


transformando ideias em negócios. Rio de Janeiro:
[1] Becker, A., A. Gestão do Laboratório de Campos, 2001.
Análises Clinicas por meio de indicadores de
desempenho através da utilização do Balanced [5] Dornelas, J. C. A. Empreendedorismo:
Scoreard. 2004. 121 f. Dissertação apresentada ao Transformando Ideias em Negócios. Rio de
programa de Pós-Graduação da Universidade Janeiro: Editora Elsevier, 2008.
Federal do Rio Grande do Sul como parte dos
[6] Filion, L. Do Empreendedorismo à
requisitos para obtenção do grau de Mestre em
Empreendedologia. Montreal: Journal of
Engenharia. Porto Alegre, 2004.
Enterprising Culture, v.6, 1998. Tradução e
[2] Cordeiro, A.M. Revisão sitemática: uma adaptação Jovino Moreira da Silva, M. Sc. Vitória
revisão narrativa. Revista do Colégio Brasileiro de da Conquista.
Cirurgiões, v. 34, n. 6, p.79-83, 1994.
[7] Gimenez, F.; Inácio JR., E. Validação do
[3] Dolabela, F. Oficina do empreendedor. instrumento Team Factors Inventory em empresas
São Paulo: Cultura, 1999a. brasileiras. Revista de Administração
Contemporânea, edição especial,p.10. 2006.

Tópicos em Administração - Volume 11


61

[8] Hidoctor. Como médicos podem ser [14] Schumpeter, J. A. Teoria do


empreendedores. HiDoctor, São Paulo, 17/03/16. Desenvolvimento Econômico: Uma Investigação
Artigo. Disponível em: sobre Lucros, Capital, Crédito, Juro e Ciclo
http://hidoctor.com.br/p/montar-consultorio- Econômico. Coleção Os Economistas. São Paulo:
medico/822799/como+medicos+podem+ser+empr Nova Cultural, 1997.
eendedores.htm. Acesso em: 18 mar. 2017.
[15] Sebrae. Pesquisa. São Paulo, 2017.
[9] INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA Disponível em:
E ESTATÍSTICA. O IBGE. RIO DE JANEIRO, 2017. http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/estud
os_pesquisas/pesquisa-gem- empreendedorismo-
[10] Leite, E. O Fenômeno do
no-brasil-e-no-mundo. Acesso em: 25. Jun. 2017,
empreendedorismo: criando riquezas. Recife:
19:45:00
Bagaço, 2000.
[16] Sebrae. Estudo de Mercado. São Paulo,
[11] Lisboa, T. C. Administração
2017. Disponível em:
Empreendedora. São Paulo: Évora, 2015.
https://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/ufs/s
[12] Mont´Alvão, R. A. Planejamento e Gestão p/sebraeaz/pequenos-negocios- em-numeros.
de Consultórios Médicos. 2010. 79f. Acesso em 14. Mar. 2017, 17:30:00

[13] PANTZIER, R. D. Formação [17] Serasa experian. Visão Geral. São


empreendedora no ensino de graduação em Paulo, 2017. Disponível
Administração: um estudo de caso. Brusque: em:<https://www.serasaexperian.com.br/quem-
Fundação Educacional de Brusque, 2008. somos/>. Acesso em: 25. Jun. 2017,19: 30:00

Tópicos em Administração - Volume 11


62

Capítulo 6

Josiane Poczynek

Resumo: O presente estudo teve como objetivo identificar as habilidades e


competências empreendedoras presentes no diretor executivo de uma indústria e
comércio de chás no município de Guarapuava - PR. Para isso, realizou-se uma
coleta de dados por meio de um questionário composto por 17 perguntas fechadas
e 2 abertas, caracterizando a pesquisa como de caráter qualitativo. Após análise,
fez-se a divisão dos resultados em três seções, sendo que, na primeira seção do
questionário visou à identificação das características empreendedoras antes de
iniciar o empreendimento. Na segunda seção, o objetivo foi observar a maneira que
a empresa atualmente é gerenciada e por fim, a terceira seção teve a finalidade de
identificar o que o empreendedor espera para o futuro e sucessão do negócio.

Palavras-chave: Responsabilidade, Competitividade, Oportunidade.

Tópicos em Administração - Volume 11


63

1. INTRODUÇÃO que muitos empreendedores podem falhar


acarretando consequências severas, como:
Empreendedorismo como o nome já remete é
perda de clientes, gastos desnecessários,
o ato de empreender, ou seja, é aquele
baixa produtividade, prejuízos e o pior
indivíduo que assume responsabilidades e
aumento da taxa de mortalidade das
tem interesse de buscar algo novo.
empresas.
Atualmente, o país está passando por um
período onde as pessoas estão se tornando Além disso, é importante ressaltar que o ato
cada vez mais independentes e procurando de empreender demanda adequar os
por alternativas para se sobressair em modelos antigos de gestão e adquirir uma
decorrência da crise econômica, e também visão real do atual cenário que predomina o
devido ao desemprego o que vem afetando mercado, e se adaptar as novas tendências e
uma boa fatia da população brasileira, dado exigências dos clientes bem como da
que pode ser frisado de acordo com Cimar economia.
Azeredo, coordenador de trabalho e
rendimento do IBGE (Instituto Brasileiro de
Geografia e Estatística), declarado ao site G1 2. REFERENCIAL TEÓRICO
Economia (2017, p. 1). “O mercado de
Empreendedor pode ser definido por
trabalho continua a apresentar deterioração.
Schumpeter reforçado por Dornelas (2001, p.
Perdemos mais de 1,8 milhão de postos de
37) como:
trabalho, sendo que cerca de 70% dessa
perda foi de empregos com carteira “[...] aquele que destrói a ordem econômica
assinada”. existente pela introdução de novos produtos e
serviços, pela criação de novas formas de
No entanto, em meio à recessão econômica e
organização ou pela exploração de novos
o cenário político desequilibrado, este
recursos materiais”.
momento de instabilidade para muitas
pessoas se torna uma oportunidade de abrir Portanto, entre as várias definições de
seu próprio negócio, o que antes era visto empreendedor, pode-se frisar que um sujeito
como uma necessidade hoje é tratada como empreendedor é aquele o qual se destaca
oportunidade. A partir disso, começam a através do espírito inovador, que apresenta
surgir às empresas de um só indivíduo, ou habilidades técnicas, bem como gerenciais,
seja, empreendedores, que normalmente que proporciona segurança na tomada de
abrem suas micro e pequenas empresas decisão, criação de um novo produto e novos
voltadas para ramo de produtos ou serviços, negócios.
sendo tais empresas que atualmente mais
Chiavenato (2006, p.3) vai mais além,
empregam e contribuem para o
reiterando que o empreendedor é à força da
desenvolvimento local das regiões.
economia, não é apenas um fundador de
Em contrapartida, para se tornar novas empresas ou novos negócios, “ele é a
empreendedor não basta apenas ter uma energia da economia, a alavanca de recursos,
nova ideia e lançar ao mercado, há muitos o impulso de talentos, a dinâmica de ideias”.
desafios no processo, e devido a este fato Além disso, segundo o mesmo autor: “ele é
que muitos possuem receios em abrir um quem fareja as oportunidades fortuitas, antes
negócio próprio, pois além de não possuir que outros aventureiros o façam”.
experiência e formação específica na área de
De acordo com Moraes (2003, p. 4)
gestão de empresas, é predominante a
“Atualmente os empreendedores são vistos
carência de orientação técnica especializada.
como ícones da cultura moderna, heróis do
A partir dessa perspectiva, é importante capitalismo, responsáveis pela criação e
evidenciar a necessidade de obter manutenção de empresas lucrativas.”
habilidades e competências empreendedoras Buscando transformar o momento de crise
essenciais, sendo umas delas a persistência que para muitos é algo ameaçador em
em alcançar os objetivos e manter-se firme oportunidade de abrir seu negócio e tornar-se
nos negócios, pois o cenário econômico a independentes, além disso, fornecem
cada dia se torna mais competitivo, as empregos, introduzem inovações e
tendências alteram-se rapidamente, diante tecnologias que proporcionam o crescimento
disso, é preciso estar preparado e motivado da economia, assumem riscos inerentes em
para superar um ambiente empresarial um mercado e economia mutante, buscando
mutante, e ao deparar-se com esta realidade por transformações e crescimentos.

Tópicos em Administração - Volume 11


64

Atualmente são as micro e pequenas empreendedor por oportunidade versus


empresas que geram empregos para diversas necessidade. Segundo Portal Brasil (2007),
pessoas com carteira assinada, o que define como empreendedor por necessidade
contribui positivamente para o aquele que inicia uma atividade autônoma por
desenvolvimento dos municípios, além de não encontrar melhores opções no mercado
alavancar a economia e aumentar o PIB de trabalho, necessitam abrir seu próprio
(Produto Interno Bruto). Isso pode ser negócio a fim de obter renda para família.
reforçado por uma pesquisa desenvolvida
Já os empreendedores por oportunidade
pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e
iniciam um novo negócio, mesmo quando
Pequenas Empresas (SEBRAE) (2017, p. 1):
encontram melhores opções no mercado de
Os pequenos negócios empresariais são trabalho, possuem níveis de capacitação mais
formados pelas micro e pequenas empresas elevados e empreendem para que possam
(MPE) e pelos microempreendedores aumentar a renda familiar ou em grande parte
individuais (MEI). No Brasil existem 6,4 pelo desejo de independência.
milhões de estabelecimentos. Desse total,
Ainda segundo Portal Brasil (2007, p. 2)
99% são micro e pequenas empresas (MPE).
“Enquanto o empreendedorismo por
As MPEs respondem por 52% dos empregos
necessidade está mais suscetível à
com carteira assinada no setor privado (16,1
conjuntura econômica dos países e tende a
milhões). De acordo com o Portal do
diminuir quando a oferta de emprego é maior,
Empreendedor, no Brasil existem 3,7 milhões
o empreendedorismo por oportunidade tem
de MEI.
maiores chance de sucesso e tem um forte
Com os dados apresentados acima, é impacto sobre o crescimento econômico de
possível observar o desenvolvimento de um país”.
novas micro e pequenas empresas no Brasil,
No entanto, grandes são as dificuldades e
fator altamente benéfico para o crescimento
desafios que os empreendedores devem
da economia, mas, em contrapartida, serve
encarar para manter a competitividade e
como um alerta para as pessoas devido a
desenvolvimento do empreendimento, seja
falta de emprego e a necessidade de se
ela por necessidade ou oportunidade, e estar
tornar independentes, possuindo como
preparado e ter persistência são grandes
alternativa expandir um negócio próprio.
aliados na obtenção de sucesso.
No país como o Brasil segundo dados do
No Brasil segundo Oliveira e Machado apud
SEBRAE (2017, p. 1) “11,1 milhões de
Mello e Mairins (2011, p. 2) “O Brasil ocupa a
empresas foram criadas por necessidade nos
127ª posição no ranking de facilidade de
últimos 3,5 anos no Brasil”. Isso é reflexo da
fazer negócios, segundo dados do Banco
crise, e a falta de empregos com carteira
Mundial (2011), além de aparecer entre os
assinada, que no ano de 2017 obteve novo
mais complicados na hora de se iniciar um
recorde, o que comprova estes dados é uma
empreendimento, ocupando a 128ª posição
pesquisa realizada pelo Jornal Folha de S.
no ranking”. Tais dificuldades são em
Paulo (2017, p. 2):
decorrência as altas taxas de juros e carga
A taxa de desemprego bateu novo recorde no tributária elevada, burocracia, a não
primeiro trimestre de 2017 e chegou a 13,7%, persistência, falta de recursos financeiros,
informou o IBGE. De acordo com o instituto, o capacidade profissional, vulnerabilidade
desemprego já atinge 14,2 milhões de perante a grande concorrência do mercado,
brasileiros. O número representa uma alta de etc.
14,9% ou 1,8 milhão de pessoas, com relação
Ainda segundo Oliveira e Machado (2014, p.
ao período entre outubro e dezembro, quando
2) “De acordo com essas informações, é
a taxa foi 12%. O desemprego aumentou
possível afirmar que saber lidar com as
também na comparação anual do indicador.
dificuldades e barreiras impostas pela própria
No trimestre encerrado em março de 2017, a
burocracia do país (carga tributária alta,
taxa estava em 10,9%. Isso significa que, em
infraestrutura precária, burocracia excessiva
um ano, mais de 3,1 milhões de pessoas
para iniciar um negócio) pode ser
passaram a procurar trabalho no país.
considerado um pré-requisito para quem
E é diante desse cenário instável de almeja ser um empreendedor no Brasil”.
desemprego e crise econômica que se abre
Vale ressaltar ainda que outro grande vilão
espaço para criação de novas empresas, e a
das micro e pequenas empresas são as altas
partir disso que surge o conceito de
Tópicos em Administração - Volume 11
65

taxas de mortalidade dos empreendimentos, promovem o convívio entre a sociedade.


tudo isso devido à falta de qualificação, Diante disso, competências são formas de
noções de gestão de negócio, espírito parâmetros de desempenho que podem
inovador, orientações técnicas melhorar os comportamentos e habilidades
especializadas, formação em área voltada alinhando com o contexto estratégico
para gestão, problemas financeiros, empresarial proporcionando uma gestão com
nepotismo, falhas gerenciais, entre outros eficiência e eficácia para melhora do
fatores aos quais impactam ambiente organizacional.
consideravelmente no desempenho dos
Segundo Ruas (2000) tais competências são
novos empreendedores.
colocadas em prova no dia a dia das
De acordo com Portal Brasil (2012, p. 1) “de empresas, através dos desafios que precisam
cada 100 micro e pequenas empresas (MPEs) enfrentar, projetos e novas ações, além dos
abertas no Brasil, 73 permanecem em diversos percalços e variáveis internas e
atividade após os primeiros dois anos de externas que influenciam o cotidiano tanto
existência. Segundo o estudo “taxa de profissional quanto pessoal. Na visão de
sobrevivência das empresas no Brasil”, feito Dutra (2001), para os indivíduos, as
pelo SEBRAE, estes são os anos mais críticos competências estão relacionadas através do
para uma empresa”. conjunto sinérgico de conhecimentos,
habilidades ações e atitudes, que destinada
Em contrapartida, devido toda a crise,
ao aumento do desempenho profissional em
desemprego, desequilíbrio econômico e
determinado contexto empresarial, auxiliam
político, a realidade dos empreendedores
na geração de valor às organizações, visão
vem mudando, muitos estão aperfeiçoando
de novas oportunidades, relacionamento em
sua forma de gerir, buscando aprimorar os
rede, comprometimento, etc.
conhecimentos procurando por cursos
técnicos, palestra, feiras e eventos voltados As competências empreendedoras podem
para a área, em especial no curso de ser consideradas como habilidades e atitudes
administração onde proporciona um que contribui para que um indivíduo possa
embasamento amplo, além de consultorias, expandir sua visão, traçando novas
proporcionando traçar habilidades e estratégias e ações na busca agregar
competências necessárias para melhorar maiores valores tangíveis e intangíveis para
desempenho nas empresas. sociedade.
Lenzi (2008, p. 46) afirma que “assim como
uma pessoa pode lapidar suas próprias
2.1 COMPETÊNCIAS EMPREENDEDORAS
competências, um empreendedor pode
No contexto da nova economia observa-se construir e adequar suas individualidades a
um cenário cada vez mais transformador, fim de criar uma competência
alertando que os empreendedores devem empreendedora”.
adaptar-se com eficiência e eficácia para dar
De acordo com Schmitz (2012, p. 73), adotou
continuidade ao seu desenvolvimento,
como conceito de competência
buscando um contínuo trabalho e exercendo
empreendedora sendo “comportamento,
competências, em vista da satisfação interna
habilidade e atitude de um indivíduo que,
e externa.
diante de situações críticas de trabalho,
Segundo Zarifian (2001), para ser identificada motiva-se à busca de soluções, que irão
e compreendida, a competência de cada resultar em benefício institucional e satisfação
indivíduo é necessário observar a ação, ou da necessidade de realização do indivíduo”.
seja, a maneira a qual o sujeito articula os
Existem ainda formas de competências que
recursos que possui para enfrentar situações
estão associadas à postura do empreendedor
de trabalho e de sua vida familiar resultando
fato que contribui positivamente no
na expressão da mesma.
entendimento de atributos fornecedores de
De acordo com Alves (2009), a competência respostas como também na interação com
comportamental, é a integração de redes internas e externas frente à
competências psicológicas no que diz organização.
respeito a sentimentos e emoções e a forma
Diante do exposto, alguns autores tiveram a
como se trabalha com elas, bem como das
preocupação, de apresentar tipologias que
competências sociais, que são habilidades
auxiliasse a identificação e entendimento das
adquiridas desde a infância, as quais
Tópicos em Administração - Volume 11
66

competências empreendedoras que são e norteiam os indivíduos para tomar as


necessárias para desenvolvimento do melhores decisões, e consequentemente,
trabalho nas organizações. No quadro 1 logo atingir um equilíbrio no mercado, mantendo-
abaixo, demonstra o trabalho realizado por se estável, com diferencial competitivo
Lenzi (2008), onde apresenta dez perante seus concorrentes e obter sucesso
características de comportamento também em seu empreendimento. As tipologias foram
podendo ser chamado de competências agrupadas em 3 conjuntos conforme
empreendedoras, que utilizadas de forma apresentado abaixo:
correta com planejamento e controle, auxiliam

Quadro 1: Competências Empreendedoras

Fonte: Lenzi (2008)

Atualmente este trabalho é utilizado pelo realização de capacitações de


Programa das Nações Unidas para o empreendedores, e futuros empresários que
Desenvolvimento (PNUD), bem como pelo necessitam de aperfeiçoamento e com isso
Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e alcançar o sucesso empresarial.
Pequenas Empresas (SEBRAE), para

Tópicos em Administração - Volume 11


67

Dentro desse contexto, o estudo teve como A pesquisa qualitativa segundo Silva e
objetivo principal identificar as habilidades e Menezes (2005, p. 20):
competências empreendedoras presentes no
[...] é dinâmica entre o mundo real e o sujeito,
diretor executivo de uma indústria e comércio
isto é, um vínculo indissociável entre o mundo
de chás no município de Guarapuava,
objetivo e a subjetividade do sujeito que não
evidenciando suas ações no início do
pode ser traduzido em números. A
empreendimento, como seu negócio
interpretação dos fenômenos e a atribuição
atualmente é gerenciado e seus planos e
de significados são básicas no processo de
metas para o futuro e sucessão da empresa.
pesquisa qualitativa. Não requer o uso de
métodos e técnicas estatísticas. O ambiente
natural é a fonte direta para coleta de dados e
3. MATERIAIS E MÉTODOS
o pesquisador é o instrumento chave. É
O presente estudo é considerado uma descritiva. Os pesquisadores tendem a
pesquisa qualitativa classificada como analisar seus dados indutivamente. O
descritiva, foi utilizado levantamento de processo e seu significado são os focos
informações em artigos de revista periódicos, principais de abordagem.
livros acadêmicos e material eletrônico que
auxiliaram na composição do referencial
teórico da pesquisa. Além disso, foi realizada 4. RESULTADOS E DISCUSSÕES
uma coleta de dados através da aplicação de
O presente estudo foi realizado em uma
um questionário semiestruturado o qual
Indústria e Comércio de Chás Gourmet no
proporcionou uma forma de auto avaliação
Município de Guarapuava, onde o
sobre as competências e habilidades
responsável pelas informações foi o diretor
empreendedoras presentes no diretor
executivo da indústria.
executivo, cada questão solicitava que as
respostas fossem respondidas de maneira Fundada no ano de 2013, como uma
que se aproximasse ao máximo da realidade empresa familiar de médio porte, possuía
do negócio, e de acordo com todo intuito inicial de terceirizar seus serviços
planejamento e ações. Composto por 17 dedicando-se à fabricação de chás
perguntas fechadas e 2 abertas, o encartelados e compostos de chimarrão para
questionário foi aplicado ao diretor executivo terceiros. Com o passar do tempo à empresa
de uma Indústria e Comércio de Chás do desenvolveu e lançou sua marca própria,
Município de Guarapuava, caracterizando um conquistando mercados em todo o sul do
estudo de caso. Brasil, possuindo como missão “Fabricar e
fornecer chás e bebidas prontas para
Após coleta, realizou-se a divisão das
consumo com blends diferenciados, que
questões em três seções, sendo que, na
proporcionem satisfação e bem estar aos
primeira seção do questionário visou
consumidores com a máxima qualidade”.
identificar as características e habilidades
empreendedoras antes de iniciar o negócio. Por meio de um questionário foi realizada a
Na segunda seção o objetivo foi observar a coleta de dados, posteriormente realizou-se a
maneira que a empresa atualmente é divisão em três seções, sendo que, na
gerenciada. Por fim, a terceira seção tem primeira seção visou identificar as
finalidade de identificar o que o características e habilidades
empreendedor espera para o futuro e empreendedoras antes de iniciar o negócio.
sucessão do negócio. Na segunda seção o objetivo foi observar a
maneira que a empresa atualmente é
Segundo Gil (2007, p. 42) uma pesquisa
gerenciada. Por fim, a terceira seção tem
descritiva tem como objetivo “a descrição das
finalidade de identificar o que o
características de determinada população ou
empreendedor espera para o futuro e
fenômeno ou, então, o estabelecimento de
sucessão do negócio.
relações entre variáveis”.
Na primeira seção do questionário após
Ainda segundo o mesmo autor (2007, p. 44)
análise das respostas, pode-se identificar que
uma pesquisa bibliográfica é “desenvolvida
as principais características do
com base em material já elaborado,
empreendedor na abertura da empresa,
constituído principalmente de livros e artigos
foram que o mesmo se considerava criativo,
científicos”.
declarando que em dias de muita inspiração
conseguia obter ideias que possivelmente
Tópicos em Administração - Volume 11
68

trariam bons resultados, a partir disso, visando à satisfação dos clientes e o aumento
buscava por oportunidades e iniciativas para da competitividade da empresa.
implantar seu empreendimento, sempre
O empresário possui ainda um plano de
procurava observar profissionais à sua volta,
marketing definido, mas de acordo com o
principalmente os mais experientes, a fim de
mesmo necessita de aprimoramento. Por fim,
acumular conhecimentos e obter informações
são adotadas práticas sustentáveis visando
necessárias que o fizesse crescer.
redução de custos, aumento da produtividade
Após identificar as oportunidades no mercado e lucro cujo propósito principal é reduzir os
e conhecer novas tendências, realizou um impactos ambientais mantendo a
planejamento estabelecendo metas e responsabilidade socioambiental, fator
calculando possíveis riscos, acreditava ainda importante para ganho de competitividade e
que se houvesse algum erro no projeto imagem perante os clientes.
profissional e empresarial, seria possível
Por fim, na terceira e última seção a respeito
resolvê-lo da melhor maneira, mas para isso
do futuro e sucessão da empresa, percebe-se
demandava trabalhar muito e manter-se
que o empreendedor acredita que com
persistente para que a melhoria surtisse
persistência é possível encarar os desafios e
efeitos positivos. Além disso, participava de
ultrapassar as dificuldades que surge devido
feiras e eventos do ramo, com intuito de
o constante acirramento da concorrência,
conhecer tendências e obter informações
desta forma, obtém um planejamento traçado
referentes ao comércio de chás, mantendo
para o futuro da empresa, visto que o ramo de
uma rede de contatos, procurava
produtos naturais e saudáveis teve uma
acompanhar os desejos de seu público-alvo
demanda crescente atualmente
para que na abertura de seu negócio
principalmente pelo público feminino jovem
pudesse ofertar produtos e serviços que
que praticam atividades físicas diariamente.
atendesse as necessidades de seus
No entanto, o diretor ainda não possui um
potenciais clientes.
plano de sucessão definido, porém está
Na segunda seção do questionário, voltada adotando práticas de excelência afim de que
para investigação de como é realidade do a empresa seja conduzida conforme
negócio atualmente, verificou-se que o planejado, além de possuir bem definido
empreendedor atualiza-se constantemente a aquilo que o diferencia de seus concorrentes,
respeito da economia, concorrência e o transmitindo uma imagem independente e
mundo dos negócios, habitualmente autoconfiante, calculando os riscos, utilizando
determina novos objetivos e metas para o de redes de contatos para sempre estar em
cenário político e econômico mutante, planeja constante atualização e trazer novas
ações para alcançá-los, traçando novas tecnologias e inovações para seu
estratégias e missões para a organização, empreendimento, sendo um dos aspectos de
buscando estabelecer novos rumos e a diferencial competitivo de seus concorrentes.
melhor tomada de decisão.
No planejamento da produção dos chás foi
5. CONSIDERAÇÕES FINAIS
possível identificar que o diretor adota
medidas que contribui para melhoria contínua Com este estudo pode-se aferir que para
da empresa, como por exemplo, organização ultrapassar os problemas em relação à crise é
do layout e ambiente o que facilita a fundamental ao empreendedor adquirir
movimentação de entrada de insumos para habilidades, competências e traçar um perfil
produção e saída de produtos acabados. capaz de direcionar a melhor tomada de
Rotineiramente, são oferecidos treinamentos decisão, obter espírito inovador para que a
para a equipe prezando pela qualidade e cada dia seus produtos e serviços prestados
eficiência e bom atendimento aos clientes, em prol da satisfação dos desejos e
bem como fornecedores e comerciantes, necessidades do consumidor possuam
além de manter controle e monitoramento diferencial atrativo, além do mais preparar e
sistemático dos processos como estratégia bem direcionar a equipe de trabalho, pois são
de vendas, e o desempenho da empresa, os principais responsáveis pelo andamento
prezado o comprometimento com a da empresa.
sociedade. Além disso, há um planejamento e
De acordo com a coleta de dados realizada
controle estruturado da produção, possuindo
na indústria de chás do município de
um processo para gestão da qualidade,
Guarapuava, identificamos várias habilidades

Tópicos em Administração - Volume 11


69

e competências empreendedoras no diretor está a par dos riscos em um ambiente


executivo, sendo as características mais competitivo, onde diariamente permanece
presentes: busca de oportunidade e iniciativa, exposto, procurar estabelecer novas metas e
persistência, planejamento e monitoramento, objetivos em busca de motivar a equipe, bem
calcular riscos, estabelecer metas, busca como capacitá-las para isso, preserva o
pela qualidade e eficiência, compromisso com os clientes e seus
comprometimento, rede de contatos. colaboradores mantendo firme uma rede de
contatos onde permeia a troca de
Desde o início do empreendimento, o diretor
informações necessárias para manter-se
se mostra confiante e comprometido com o
atualizado das novas tendências. Além de
ramo de atuação, o mesmo ressalta que
promover melhoria contínua nos processos
possui boas perspectivas de crescimento,
ajustando melhor o layout e o ambiente para
devido também ao fato do aumento pela
melhor movimentação de mercadorias e
procura de produtos naturais e saudáveis. O
produtos.
empresário participa de feiras e eventos onde
busca por informações, identifica novas De acordo com as perspectivas futuras, o
oportunidades para implantar na empresa, e empresário comentou que está investindo em
utiliza disso para inovar seus produtos e infraestrutura para aumentar a produção e a
torná-los atrativos, como é o caso do chá de variedade dos produtos, além de chás,
quentão que fez muito sucesso conforme dito produzir também temperos para alimentos. Já
pelo empresário, principalmente na região sul está em fase de construção do novo local
onde o frio predomina. Antes de abrir as onde serão produzidos chás prontos para
portas da empresa, as habilidades mais consumo. Diante disso, observa-se a busca
predominantes foram: busca de oportunidade por inovação e melhoria nos processos, fator
e iniciativa, planejamento e monitoramento, essencial para manter a empresa competitiva
calcular risco, criatividade, estabelecimento e atrativa para os consumidores, foi possível
de metas, busca de informações. identificar a presença de independência e
autoconfiança no empresário, onde afirma
Após abertura das portas da empresa,
entender o que diferencia de seus
percebe-se que as habilidades e
concorrentes e transmite persistência e
competências utilizadas antes do início do
engajamento total com o ramo de atuação,
empreendimento se manteve, mas de forma
sendo estas as características e habilidades
robusta e melhor estruturada, o diretor
empreendedoras presentes no empresário
mantém constantemente a busca por novas
desde o início do projeto da empresa, forma
oportunidades, realiza planejamento e
da gestão atual e expectativas e percepções
monitoramento da produção para garantir
para o futuro.
excelência nos produtos e qualidade, sempre

REFERÊNCIAS [5] Folha DE S.Paulo. Desemprego chega a


13,7% e já atinge 14 milhões de pessoas no Brasil.
[1] Alves, L. Competências individuais em 2017. Disponível em:
organizações do conhecimento: um estudo nas http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2017/04/187
instituições particulares e comunitárias de Santa 9416-numero-de-desempregados-ja-passa-de-14-
Catarina. Dissertação, 2009 (Mestrado em milhoes-no-brasil.shtml. Acesso em 28 de fevereiro
Engenharia e Gestão do Conhecimento) - Centro de 2018.
Tecnológico, Universidade Federal de Santa
Catarina, Florianópolis, 2009. [6] Gil, A. C. Como elaborar projetos de
pesquisa. Atlas: São Paulo, 2007.
[2] Cavallini, M.; Silveira, D. Desemprego fica
em 13,7% no 1º trimestre de 2017 e atinge 14,2 [7] Lenzi, F. C. Os empreendedores
milhões. G1 Economia. Disponível em: corporativos nas empresas de grande porte: um
http://g1.globo.com/economia/noticia/desemprego- estudo da associação entre tipos psicológicos e
fica-em-137-no-1-trimestre-de-2017.ghtm. Acesso competências empreendedoras. 2008. 182 f. Tese
em 26 de fevereiro de 2018. (Doutorado em Administração), Faculdade de
Economia, Administração e Contabilidade da
[3] Chiavenato, I. Empreendedorismo: dando Universidade de São Paulo FEA/USP, 2008.
asas ao espírito empreendedor:
empreendedorismo e viabilidade de novas [8] Moraes, M. M. I. Empreendedorismo e
empresas. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2006. Resiliência: mapeamento das competências
técnicas e comportamentais exigidas na
[4] Dornelas, J. C. A. Empreendedorismo: atualidade. São Paulo, 2013.
transformando ideias em negócios. – Rio de
Janeiro: Elsevier, 2001 - 11ª reimpressão.
Tópicos em Administração - Volume 11
70

[9] Oliveira, N. R. S.; Machado, M. V. V. 2000.


Análise do estudo da administração para o
[13] Schmitz, A. L. F. Competências
desenvolvimento de competências
empreendedoras: os desafios dos gestores de
empreendedoras em micro e pequenas empresas.
instituições de ensino superior como agentes de
Ceará, 2014.
mudanças. 2012. 385 f. Tese (Doutorado em
[10] Portal Brasil. Necessidade e Engenharia e Gestão do Conhecimento), Centro
Oportunidade. 2007. Disponível em: Tecnológico, Universidade Federal de Santa
http://www.brasil.gov.br/economia-e- Catarina, Florianópolis, 2012.
emprego/2012/02/oportunidade-e-necessidade.
[14] Sebrae, Crise faz empreendedorismo por
Acesso em 08 de fevereiro de 2018.
necessidade voltar a crescer no Brasil. 2017.
[11] Portal Brasil. Sobrevivência e Mortalidade. Disponível em:
2012. Disponível em: http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/ufs/sp
http://www.brasil.gov.br/economia-e- /sebraeaz/pequenos-,
emprego/2012/02/sobrevivencia-e-mortalidade. 12e8794363447510VgnVCM1000004c00210aRCR
Acesso em: 28 de fevereiro de 2018. D. Acesso em 06 de fevereiro de 2018.
[12] Ruas, R. L. Desenvolvimento de [15] Silva, E. L.; Menezes, E. M. Metodologia
competências gerenciais e contribuição da da Pesquisa e Elaboração de Dissertação. 4. ed.
aprendizagem organizacional. In: Fleury, M. T. L. & Rev. Atual. Florianópolis: UFSC, 2005.
Oliveira Jr. M. DE M. (Org). Gestão Estratégia do
[16] Zarifian, P. Objetivo competência: por uma
conhecimento: integrando aprendizagem,
nova lógica. São Paulo: Atlas, 2001.
conhecimento e competências. São Paulo: Atlas,

Tópicos em Administração - Volume 11


71

Capítulo 7

Luciane Silva Franco


Antonio Carlos Franco

Resumo: A gestão pública é um termo utilizado continuamente no ambiente


acadêmico para constituir um conjunto de conhecimentos relacionado à formação
das políticas voltadas ao atendimento de demandas da sociedade. O presente
artigo buscou analisar as práticas no sistema organizacional da gestão pública
demonstrando a qualidade do serviço prestado. O método utilizado foi exploratório-
descritivo, onde o principal objetivo é o aprimoramento de ideias. Foram realizadas
duas pesquisas, a primeira foi um estudo de caso realizado na Prefeitura do
município de Paranaguá, situada na região do litoral do Paraná. Para ressaltar o
tema em questão, na segunda pesquisa foi realizada também uma aplicação de
questionário sob a perspectiva da satisfação dos cidadãos que utilizam os serviços
da prefeitura. Conforme os resultados da pesquisa o atual sistema de gestão
pública da Prefeitura apresenta muitas falhas como a carência de comunicação
entre os departamentos, excesso de formalismo que proporciona rotina nas
atividades e um processo lento, o que repercute na insatisfação para o cidadão no
atendimento.

Palavras-chave: Gestão Pública, Satisfação, Cidadão.

Tópicos em Administração - Volume 11


72

1. INTRODUÇÃO ocasionados por suas dificuldades de origem


econômica e social que foram pautados de
No Brasil, atualmente, é usada a expressão
forma instável por direções políticas sem um
gestão pública para relacionar as práticas
adequado planejamento. Evidentemente,
que são destinadas ao meio público ou aos
nesse ambiente, as falhas na gestão também
conhecimentos que nele são utilizados. A
foram responsáveis pelos prejuízos no
gestão pública é um termo utilizado
progresso e evolução do país.
continuamente no ambiente acadêmico para
constituir um conjunto de conhecimentos A seguir descreve-se o objetivo geral e os
relacionado à formação das políticas voltadas objetivos específicos propostos que foram
ao atendimento de demandas da sociedade. utilizados para o desenvolvimento deste
A expressão Administração Pública artigo. O objetivo geral é analisar as práticas
representa os elementos das ações que são no sistema organizacional da gestão pública
direcionadas à realização efetiva dos deveres demonstrando a qualidade do serviço
considerados de importância pública em uma prestado. Os objetivos específicos propostos
organização estatal. são:
O modelo da Administração Pública foi  Identificar as práticas desenvolvidas
inicialmente implantado pela Inglaterra e no sistema organizacional da gestão pública;
pelos Estados Unidos, e este processo foi
 Analisar o sistema da gestão pública
ampliado para outros países como a Nova
e quais as suas implicações nos processos
Zelândia e Austrália, sendo considerado
de atendimento ao público;
como exemplo para a sociedade brasileira.
Foi inserida no Brasil a forma de  Discutir as implicações da realidade
administração pública contemporaneamente observada nos procedimentos
na segunda metade da década de 90, com administrativos, visando o aperfeiçoamento
isso tornou-se extremamente necessário as das necessidades de agilidade e eficiência
pessoas conhecerem a estrutura da gestão presentes na sociedade moderna.
pública. O Brasil passou por três fases
O estudo apresenta o seguinte problema de
durante o desenvolvimento da gestão pública:
pesquisa: as práticas no sistema
a administração patrimonialista, a
organizacional da gestão pública influenciam
administração burocrática e a administração
na qualidade do serviço prestado? A
gerencial. Atualmente esses três modelos não
justificativa deste estudo baseou-se no
foram completamente excluídos, o que
ambiente público onde é conveniente a
ocorreu foi a eliminação das práticas
existência de leis e normas que devem ser
improdutivas e a melhoria e o avanço das
empregadas, mas isto não justifica uma longa
práticas efetivas.
duração de tempo nos processos
As ações elaboradas pelo governo estão administrativos. O excesso de normas pode
relacionadas ao benefício da sociedade, ser interpretado em razão da insegurança das
tendo como elemento principal a prestação pessoas à mudança, ao comodismo aos
de serviço que atenda os deveres de maneira regulamentos impostos, o que acaba por
eficiente e eficaz. Sendo assim, a eficiência e gerar falta de determinação no que diz
a eficácia dentro da gestão pública são respeito à execução de um trabalho eficiente
fundamentais para o crescimento social, e eficaz.
promovendo melhorias no serviço público
prestado à população. A qualidade da
prestação do serviço público precisa ter como 2. ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
referência o cidadão, e deve ser determinada
Para Farah (2000) o sistema administrativo
pelos princípios da impessoalidade, da
está presente na sociedade desde a origem
legalidade, da moralidade, da publicidade e
da nossa humanidade, porém com
da eficiência. O que ocorre é que a qualidade
características diferentes do que conhecemos
do serviço público oferecido não está
atualmente por Administração Pública,
acompanhando o crescente avanço da
sistema próprio do Estado Moderno,
modernidade, ficando estagnado e com isso
proveniente a partir do século XV. É o sistema
gerando queda na qualidade.
onde é executada a distinção do que é
No entanto o Brasil, no decorrer de sua público, ou seja, de domínio estatal, daquilo
história, não fez o uso adequado de suas que é de propriedade privada. Até então, os
excelentes possibilidades e capacidades, representantes do governo não faziam a

Tópicos em Administração - Volume 11


73

distinção entre o público e o privado. A Burocracia foi fundamental na


Administração Pública, pois possibilitou o
Weber (1984) define que o conceito de
término do patrimonialismo, com as
dominação significa estabelecer uma
vantagens e favorecimentos individuais.
perspectiva para que uma ordem seja
Conforme Weber (2003) as características da
seguida e respeitada, através de uma
Burocracia são: padronização dos
legalidade. Deste modo, a dominação pode
regulamentos, formalidade na comunicação,
ser compreendida como sendo um tipo
divisão do trabalho racional, impessoalidade
específico de poder. O autor ainda discorre
nas relações, autoridade hierárquica,
que são três tipos de dominação existentes: a
procedimentos e rotinas, meritocracia e
tradicional, a carismática e a legal. A
competência profissionalizante.
dominação carismática tem como origem de
legalização de poder, a confiança no carisma Existe uma disfunção das características da
que um indivíduo dispõe. A dominação burocracia, e o autor Merton (1978)
tradicional é baseada no entendimento dos argumenta que de uma forma precipitada, as
costumes obtidos de vários anos, o dominado normas em excesso são associados pelo
acredita no poder do dominante. A dominação senso comum à Teoria da Burocracia, devido
legal é a legalização dos vínculos de ordem e a sua ancestralidade na administração
respeito que são determinadas pela pública, causados pelo uso improcedente de
convicção em normas e estatuto legal e suas definições e características. Merton
formal. (1978) ainda discorre que a principal
preocupação é romper estes “obstáculos
Baseada na dominação tradicional é definida
culturais” que se instituíram e proporcionar
a Administração Pública Patrimonialista, onde
uma reestruturação de procedimentos, que
todas as funções de trabalho do governo que
não deve apresentar inflexibilidade em seus
organizam sua formação administrativa estão
aspectos.
sob comando exclusivo de um chefe.
Conforme Medeiros (2006) a contratação dos Com o término da Segunda Guerra Mundial
servidores iniciou através dos vínculos de no século XX, o Estado percebeu imposição
confiabilidade e respeito a um superior. A de restabelecer a sociedade, a economia e a
atividade de um governo é exclusivamente política. O neoliberalismo apresentou ideias
centralizada e submissa a uma economia para que a economia e o mercado tivessem
fundamentada em funções comerciais, normas exclusivas. Baseado nesse
administradas estas diretamente pelo pensamento é que Estado foi progredindo
principal representante. para o sistema gerencial. Assim, de acordo
com Lima (2007) é evidente que o surgimento
Matias-Pereira (2008) aponta que na
da administração gerencial foi indispensável,
Administração Pública Patrimonialista o
advindo de problemas não só de
sistema do Estado trabalha como uma
desenvolvimento e mudança das condições
magnitude do poder do soberano. Os
impostas pela sociedade, mas também das
servidores públicos detêm prestígio de virtude
incertezas relacionadas à legalidade diante
real, e os cargos trabalham com gratificações,
das necessidades da sociedade.
acarretando o nepotismo. Todos esses fatores
auxiliam para o exercício do adultério e do
domínio da organização pública em função
2.1 QUALIDADE NO SERVIÇO PÚBLICO
do supremo.
No Brasil o sistema de gerenciamento do
A partir do século XVIII ocorre a mudança
setor público está passando por mudanças
para Administração Pública Burocrática.
em seu propósito: da burocracia, organização
Ramos (1983) descreve a necessidade da
e legitimidade dos procedimentos, para uma
submissão fundamentada no princípio da
transformação do exercício e dos princípios
legalidade ou a presença de regras
na prática. Segundo Medeiros (2006) esses
permanentes que normatizam a relação de
princípios na prática estão relacionados com
dominação e subordinação como essenciais
os indivíduos em um período em que se
para o amparo de transformações que
ressalta o conhecimento, principalmente nas
aconteceram, como a Revolução Francesa, a
organizações privadas, a importância da
Revolução Industrial e a mudança para a
capacidade e da eficiêncianão só pessoal,
sociedade capitalista. A dominação
mas também organizacional.
tradicional era inércia ao aperfeiçoamento e
as mudanças sociais que ocorriam na época. A compreensão da função do setor público é

Tópicos em Administração - Volume 11


74

de extrema importância para o gerenciamento Farah (2000) descreve que esse novo sistema
no setor. Barzelay (2005) evidencia que a da gestão pública propõe um considerável
finalidade e o desempenho dos planos e das processo de mudança de visão sobre a forma
propostas públicas progridem continuamente de atingir o objetivo final no ambiente público,
baseados na aprendizagem organizacional, auxiliando com informações, critérios e
na evolução tecnológica e nas mudanças no procedimentos.
ambiente do governo.
Matias-Pereira (1999) enaltece que um dos
É fundamental o entendimento da função da principais objetivos da nova gestão pública é o
Administração Pública e o comprometimento aumento da accountability. Atualmente o termo
dos gestores nessa função. O autor Lima accountability é empregado constantemente
(2007, p.57), cita os princípios da na administração pública no Brasil, apesar de
administração pública, que são: “legalidade, não possuir uma tradução exata para a língua
moralidade, impessoalidade, publicidade, portuguesa, está associado à
eficiência e, mais recentemente incluído, o responsabilidade e prestação de contas. O
princípio da excelência dirigida ao cidadão”. mesmo autor presume accountability em duas
Todos esses princípios devem ser baseados atribuições, uma que transfere autoridade e
na qualidade. outra responsável por gerenciar recursos. Na
prática este é um processo ainda em fase de
A qualidade é essencial na gestão pública, o
implantação, que com os avanços da nossa
termo “qualidade” possui diversos
sociedade já deveria estar na fase de
significados, não existindo unanimidade entre
resultados.
os autores. Entre os vários significados,
Rocha, Lima e Rocha, (2009) conceituam Conforme Rocha, Lima e Rocha (2009) o
qualidade como um aspecto de excelência, critério de conduta da nova administração
inerente ao produto, especificamente pública é aprimorar nos funcionários um
relacionado à marca. Neste caso a qualidade envolvimento com o crescimento de uma
será fundamentada no usuário, pois o objetivo sociedade mais capacitada, para saber lidar
maior é a satisfação do atendimento ao com as novas exigências impostas pela
público. Matias-Pereira (2008) afirma que sociedade em uma era que está em
analisar a qualidade de um serviço exige um constantes transformações. O grande desafio
trabalho que não é tão fácil como analisar a a ser superado abrange a reformulação dos
qualidade de um produto. Isto acontece pelo processos de atendimento ao público, com o
simples fato dos serviços apresentarem propósito de atingir uma maior eficácia aliada
alguns aspectos específicos: a subjetividade, à socialização. Para isso é preciso rever
a produção e o consumo serem simultâneos. seriamente os sistema organizacionais que se
encontram em vigor.

2.2 TENDÊNCIA À NOVA GESTÃO PÚBLICA


3. METODOLOGIA
Segundo Saraiva (2002) o sistema gerencial é
baseado em mecanismos que visam Neste capítulo é descrita a metodologia
aperfeiçoar os procedimentos administrativos. responsável para dar suporte a constatação
Porém, a demanda apenas pela efetividade dos objetivos de pesquisa propostos. O
pode causar dificuldades e prejudicar método utilizado foi exploratório- descritivo,
gravemente o gerenciamento público. No conforme Gil (2010) onde o principal objetivo é
entanto, origina-se uma tendência que o aprimoramento de ideias, na maioria das
acrescenta valores nas ideias que são vezes complementando na forma de pesquisa
fundamentais para a questão da “nova gestão bibliográfica e estudo de caso.
pública”.
O período realizado da coleta de dados foi
O autor Lima (2007) discorre que a nova junho de 2015 a junho de 2016. Foram
administração pública busca reconhecer o realizadas duas pesquisas, a primeira trata-se
cidadão e o comprometimento na prestação da aplicação de um questionário para avaliar a
de serviço, adequando-se à realidade da satisfação dos cidadãos de Paranaguá que
sociedade. Como técnica, utiliza-se a utilizam ou já utilizaram algum serviço
descentralização e o estímulo a um sistema ofertado pela prefeitura. Conforme dados do
que envolve inovação. Para isso a estrutura Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística
administrativa precisa ser reformulada, com (2010) a cidade fica localizada no litoral do
destaque para a delegação de autoridade. Paraná e conta com 140.469 habitantes. Foi

Tópicos em Administração - Volume 11


75

aplicado um questionário semiestruturado 0,07%, nível de confiança de 0,95% e


com uma amostragem de 196 habitantes de proporção 0,5% utilizada na formulação
forma aleatória. simplificada quando não há informação prévia
do resultado esperado. Baseado na seguinte
Considerando Vieira (2012) o tamanho da
fórmula:
amostra foi definido com um erro padrão de

Onde: N = O tamanho da amostra a calcular; Z = Desvio do valor médio aceitável para atingir o nível
de confiança esperado. O valor é dado pela distribuição de Gauss. Os valores mais utilizados são:
Nível de confiança 90% -> Z=1,645. Nível de confiança 95% -> Z=1,96. Nível de confiança 99% ->
Z=2,575; e = A margem de erro máximo (e = 0,07%); p = A proporção do evento da população.

Foi elaborada uma matriz de impacto, maneira coletiva, deve ser dada uma maior
conforme Anacleto (2009) a matriz estabelece prioridade de aperfeiçoamento nas questões
valores de 0 a 100 nas opiniões expressadas que obtiverem um maior índice de relevância.
pelos cidadãos sobre a qualidade no Este índice de relevância pode ser obtido
atendimento prestado pela Prefeitura de pela seguinte equação:
Paranaguá. Os elementos são cruzados de

IR= Índice de Relevância da situação avaliada; InRn = Índices de influência recebida;


Inpn = Índices de influência provocada;
Slsp= Somatória dos índices (InRn* InPn) de todas as questões analisadas pelas participantes.

A técnica de análise de cenários é um método o mais explícito para a construção de


de prospecção sobre os eventuais arranjos alternativas para um atendimento eficaz. Dos
futuros de um processo. Um dos métodos de 29 (vinte e nove) funcionários responsáveis
maior relevância para este tipo de estudo é a pela gestão 18 (dezoito) propuseram-se a
Matriz de Impacto. O método consiste na responder a pesquisa.
definição de um tema ou sistema de interesse
As duas pesquisas possuem caráter quanti-
de um grupo de profissionais, com o objetivo
qualitativo, assim foi possível agrupar
de analisar o comportamento para uma
aspectos de ambas as perspectivas.
previsão futura (GUERRERO, 2003).
Segundo Barros e Lehfeld (2003) no campo
A segunda pesquisa trate-se de um estudo de de pesquisa da administração, existe um
caso na Prefeitura de Paranaguá, Yin (2002) ambiente que convém a aplicação de
define o estudo caso como a principal metodologias de pesquisa que assumam um
estratégia que auxilia no desenvolvimento de aspecto diversificado. Em ambas as etapas
questões relacionadas ao “como” e o “porquê” da pesquisa foram utilizadas a escala do tipo
determinados fatos ocorrem. Foram realizadas likert de pontos que vão de 1 a
entrevistas semiestruturadas com os
5. A tabulação foi realizada com base na
funcionários públicos responsáveis pela
ferramenta Microsoft Excel a fim de
gestão de cada secretaria ou órgão da
proporcionar uma análise estatística. A
prefeitura, tendo como objetivo proporcionar
apresentação dos resultados foi colocada na
mais familiaridade com o problema, tornando-
forma de gráficos e tabelas.
Tópicos em Administração - Volume 11
76

4. DISCUSSÃO DOS RESULTADOS 4.1 PRIMEIRA PESQUISA


A primeira pesquisa apresenta a satisfação No gráfico 1, é demonstrada a análise da
dos cidadãos que utilizam ou já utilizaram os satisfação de três fatores que, segundo Farah
serviços da prefeitura de Paranaguá. A (2000), influenciam na qualidade do serviço
segunda foi análise dos gestores com relação prestado: o tempo de resposta ao solicitar um
à qualidade do serviço que é oferecido a serviço, atenção dos funcionários e condições
população. de estrutura.

Gráfico 1: Análise da Satisfação dos Fatores que Influenciam na Qualidade do Serviço Prestado

Fonte: Dados coletados pelos autores (2015)

É considerado como atribuição do Estado dar 18,9% concordam totalmente, 37,8%


primordialidade para seus deveres com a concordam, 16,8% indecisos, 14,8%
sociedade, mas atualmente as demandas não discordam e 11,7% discordam totalmente.
são executadas para atender seu principal Partindo do pressuposto que a disfunção da
objetivo que é a satisfação da população. burocracia trouxe o excesso de formalismo
Esta postura ocorre porque as organizações nas organizações, os funcionários trabalham
públicas não acatam as necessidades em para atender as necessidades internas e não
comum da sociedade. A maioria dos sistemas as necessidades da população. Isso
de gestão soluciona os aspectos de interesse proporciona atrasos nos atendimentos já que
particular, isto é, o público a serviço do as particularidades das pessoas não são
privado. Uma estrutura sem condições levadas em consideração.
mínimas de qualidade influenciam
A seguir a tabela 1, com os resultados da
diretamente no atendimento, principalmente
matriz de impacto cruzado onde, obtiveram-
no público pertencente ao atendimento
se os fatores a serem aperfeiçoados no
prioritário (idosos, gestantes, deficientes).
atendimento ao público. Foram discutidos os
Foi questionado se o excesso de formalismo é três itens com maior índice de relevância, que
um fator que influencia no atendimento foram ineficácia, falta de rapidez e gestão
prestado. Como resultado obteve-se que desqualificada.

Tópicos em Administração - Volume 11


77

Tabela 1: Análise Swot da Qualidade do Atendimento na Concepção do Cidadão de Paranaguá


Ameaças IR
Ineficácia no atendimento 16,4
Falta de rapidez no atendimento 12,8
Gestão desqualificada 11,8
Falhas na fiscalização dos serviços 9,8
Atendimento aos idosos precário 8,9
Desqualificação dos funcionários 6,6
Excesso de burocracia no atendimento 6,6
Desconsideração da ouvidoria com a opinião pública 5,3
Desrespeito dos funcionários 5,3
Falta de atendimento das necessidades da população 4,3
IR = índice de relevância
Fonte: Dados coletados pelos autores (2015)
É importante salientar que a ineficácia no entrevista semiestruturada que teve como
atendimento está atrelada a falta de público-alvo os gestores da Prefeitura
valorização do cliente. A nova gestão pública Municipal de Paranaguá. A pesquisa obteve
não é limitada somente na mudança de um total de 18 (dezoito) entrevistados.
procedimentos, mas sim na evolução das
De acordo com o gráfico 2, a maioria dos
pessoas que irão administrar esta
gestores concorda que há predominância do
reestruturação. A demora no atendimento é
formalismo em excesso. Os mesmos
um fator extremamente prejudicial, visto as
relataram que seu trabalho é focado no
condições escassas de tempo que todos nós
público. O formalismo em excesso pode
temos, a população precisa ser valorizada e
provocar uma abundância de papelório
sentir-se importante. Esses dois itens que
desnecessário, devido a uma necessidade que
foram discutidos são resultados de uma
se criou de documentar tudo. A Burocracia na
gestão desqualificada, terceiro aspecto mais
concepção weberiana está atrelada para a
citado. Para que uma organização pública
eficiência da organização, portanto os
cumpra seu papel perante a sociedade,
regulamentos têm como objetivo facilitar a
necessita de uma gestão que esteja
comunicação. Porém, na maioria das vezes o
qualificada proporcional a responsabilidade
objetivo dos regulamentos impostos acaba
que irá exercer.
sendo alterado quando os funcionários
utilizam-se dessa imposição para trabalhar
baseado em um processo lento que na
4.2 SEGUNDA PESQUISA
realidade poderia ser agilizado.
Na segunda pesquisa foi realizada uma

Gráfico 2: Análise do Trabalho Prestado pela Prefeitura na Percepção dos Gestores

Fonte: Dados coletados pelos autores (2016)

O gráfico 3 mostra que a maioria discorda no público são transmitidas com rapidez.
que os setores se comunicam de maneira Auxiliar a organização a solucionar
eficaz entre si, e que as informações focadas problemas, fornecer informações que estejam
Tópicos em Administração - Volume 11
78

ao seu alcance mesmo que não faça parte do colaboradores, como assim é vista pelo senso
seu setor, são dois reais princípios da comum. A troca de informações entre
proposta de Weber. A impessoalidade nas colaboradores de diversos setores é
relações é voltada para a distribuição de essencial para se obter uma visão holística,
cargos e não para uma relação de atingindo assim a proposta de Weber que é a
comunicação impessoal entre os excelência da organização.

Gráfico 3: Análise da Comunicação na Prefeitura de Paranaguá

Dados coletados pelos autores (2016)

Na tabela 2 foram questionados quais os entre os departamentos, consequentemente


aspectos que precisam ser aperfeiçoados no haveria a necessidade de um treinamento
ponto de vista dos gestores. O conhecimento para implantação de uma mudança
em tecnologia é essencial em função das tecnológica. Essa mudança influenciaria no
rápidas transformações da nossa sociedade. atendimento do cidadão que seria mais ágil e
O acesso à informatização dos processos preciso.
possibilitaria uma comunicação mais eficiente

Tabela 2: Aspectos que Influenciam na Eficiência da Gestão da Prefeitura


Maior comunicação entre departamentos 14
Maior treinamento da gestão 9
Informatização nos processos 7
Fonte: Dados coletados pelos autores (2016)
A tabela 3 demonstra quais aspectos a gestão Prefeitura de Paranaguá ainda carece de uma
poderia melhorar no atendimento ao público. rigidez onde os próprios gestores citaram
Apesar da Prefeitura de Paranaguá ter como um aspecto que necessita de uma
realizado um treinamento intensivo no ano de maior relevância. O aumento da accountability
2015 com seus funcionários, a formação nas organizações determina um maior grau
continuada foi o item mais citado pelos de importância na prestação de contas das
gestores. Mesmo com a existência do portal ações para a sociedade, consequentemente
da transparência, decretado em 1988 na lei nº há mais austeridade nas fiscalizações
9.755 de 16 de dezembro, a fiscalização na
.

Tópicos em Administração - Volume 11


79

Tabela 3: Processos para Melhorar a Qualidade do Atendimento ao Público


Formação continuada dos profissionais 12
Fiscalização mais rígida nos processos 11
Agilidade para solucionar problemas 9
Fonte: Dados coletados pelos autores (2016)
Relacionando ambas as pesquisas, pode-se serviço é destinado essencialmente ao
perceber que a população da cidade de usuário, e que ele é motivo do funcionamento
Paranaguá demonstrou insatisfação quanto à da organização.
atenção dada pelos funcionários, no entanto,
O atual sistema de gestão pública da
os gestores afirmam que seu trabalho é
Prefeitura apresenta muitas falhas como a
focado no público. Ficou aparente que há
carência de comunicação entre os
uma contradição de informações, onde os
departamentos, excesso de formalismo que
gestores parecem estar aquém da realidade
proporciona rotina nas atividades e um
da população e de um atendimento com base
processo lento, o que repercute na ineficácia
em nas necessidades pessoais do cidadão.
do atendimento ao cidadão. Estes problemas
Discutindo o caso em estudo, a partir do acabam delegados ao sistema burocrático da
momento que a implementação do organização pública, ocorre então a
planejamento passar a ser vista com o disfunção da burocracia.
interesse na população, as propostas
A Prefeitura de Paranaguá começou a realizar
começam a “sair do papel” e cumprir seu
o treinamento de seus funcionários com foco
objetivo. Para isso é preciso aperfeiçoamento
no público, contudo estas e outras práticas já
dos recursos humanos e equipamentos,
deveriam ter sido implantadas há muito
sendo que algumas organizações já estão
tempo. Os avanços do setor público
capacitadas ou começaram a capacitar-se
comparado ao privado estão ultrapassados.
neste nível, como a Prefeitura de Paranaguá
Isto se deve ao fato que não há motivação
que realizou treinamento intensivo com seus
para implantar mudanças. Discutir sobre
funcionários no ano de 2015 com foco em um
capacitação para agregar valor no
melhor atendimento. Mas muitas vezes é o
atendimento ao público é um assunto quase
Estado que carece no planejamento e na
omisso nas organizações, no setor público é
relação entre as organizações. Para que as
como se esses comportamentos fossem
coisas aconteçam é preciso que haja
indiferentes.
interação dos stakeholders com um único
objetivo que é a qualidade de vida da Para um aperfeiçoamento desses serviços
sociedade. cabe a implantação de uma política de metas
para desenvolvimento do trabalho em equipe e
capacitação contínua. Assim é possível
5.CONSIDERAÇÕES FINAIS alcançar o principal objetivo das
organizações públicas que é excelência
O estudo na Prefeitura de Paranaguá
dirigida ao cidadão. Temos que evoluir muito
enfatizou as práticas desenvolvidas no
e para isso deve haver uma interação de
sistema organizacional da gestão pública.
todos os envolvidos, vale ressaltar que são os
Buscou-se ressaltar o tema em questão,
cidadãos quem mantém os ganhos da
analisando também a perspectiva da
organização, nada mais justo que recebam um
satisfação dos cidadãos que utilizam os
atendimento baseado na qualidade, respeito,
serviços da prefeitura. Toda organização
ética e transparência.
pública deve ter a percepção de que o seu

REFERÊNCIAS [3] Barzelay, M. Gestão pública na prática.


Entrevista. sp.gov (versão eletrônica),São Paulo, n.
[1] Anacleto, A. Bromélias no Paraná: cultivo, 6, set. 2005. Disponível em:
extrativismo e comercialização. 2009. 173f. Tese <http://www.revista.fundap. sp.gov.br
(Doutorado em Agronomia – Produção Vegetal) - /revista6/paginas/6entrevista.htm>. Acesso em: 10
Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR. jun. 2016.
[2] Barros, A. de J. P; Lehfeld, N. A. de S. [4] Brasil. Decreto nº 9.755 de 16 de
Projeto de pesquisa: propostas metodológicas. Dezembro de 1998.
Petrópolis: Vozes, 2003.

Tópicos em Administração - Volume 11


80

[5] Farah, M. F. S. Governo Local, Políticas [13] Merton, R. K. Estrutura burocrática e


Públicas e Novas Formas de Gestão Pública no personalidade. Sociologia da Burocracia. Rio de
Brasil. O&S – v.7 – n 17 – Janeiro/Abril de 2000. Janeiro: Zahar Editores, 1978.
[6] Guerrero, G. de las N. S. Técnicas [14] Prefeitura de Paranaguá. Secretarias e
Participativas para la Planeación. México: Órgãos. Disponível
Fundación Ica, 2003. em:<http://www.paranagua.pr.gov.br/>. Acesso
em: 5 de junho de 2015.
[7] Gil, A. C. Como Elaborar Projetos de
Pesquisa. 5 ed. São Paulo: Atlas, 2010. [15] Ramos, G. Administração e contexto
brasileiro esboço de uma teoria geral da
[8] Ibge. Instituto Brasileiro de Geografia e
administração. São Paulo: Fundação Getúlio
Estatística. População da Cidade de Paranaguá.
Vargas, 1983.
2010. Disponível em: <
http://cidades.ibge.gov.br/painel/painel.php? [16] Rocha, J. R. V; Lima, M. A. M; Rocha.
codmun=411820> Acesso em agosto de 2015. Qualidade de Atendimento na Autarquia Municipal
de Trânsito, Serviços Públicos e de Cidadania de
[9] Lima, A. C. Organizações modernas e a
Fortaleza (Amc). Análise à Luz do Modelo
burocracia: uma “afinidade eletiva”?. RAE-
Servqual. Revista da FA7, nº 7, vol. 1 / janeiro-julho
eletrônica, v. 6, n. 2, art. 7, p. 1-11, 2007.
de 2009.
[10] Matias-Pereira, J. Administração pública
[17] Saraiva, L. A. S. Cultura organizacional em
comparada: uma avaliação das reformas
ambiente burocrático. Rev. adm. contemp. [online].
administrativas no Brasil, EUA e União Europeia.
2002, vol.6, n.1, pp. 187-207. ISSN 1982-7849.
Rev. Adm. Pública, v. 42, n. 1, p. 61-82, jan./fev.
2008 [18] Vieira, S. Elementos da Estatística. 5 ed.
São Paulo: Atlas, 2012.
[11] Finanças Públicas: A Política
Orçamentária no Brasil. São Paulo: Atlas, 1999. [19] Weber, M. Ciência e política, duas
vocações. São Paulo: Cultrix, 2003.
[12] Medeiros, P. H R. Do Modelo Racional-
Legal ao Paradigma Pós-Burocrático: Reflexões [20] Ensaios de sociologia. 5. ed. Rio de
sobre a Burocracia Estatal. O & S - v.13 - n.37 - Janeiro: LTC Editora, 1984.
Abril/Junho – 2006
[21] YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e
métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2002.

Tópicos em Administração - Volume 11


81

Capítulo 8

Luciana Aparecida Rocha


Nara Ferreira Fernandes

Resumo: O presente artigo tem como finalidade demonstrar os principais fatores


que podem influenciar as ações e alavancar a divulgação do marketing através do
endomarketing. Considerando a relevância do marketing, a definição, origem e os
fundamentos do endomarketing, tal como a importância do comprometimento e
motivação dos discentes junto à instituição. Os objetivos propostos, além da revisão
bibliográfica, expõem um estudo de caso em uma instituição de ensino superior do
interior, no noroeste paulista. A partir das informações analisadas foi possível a
identificação da presença do endomarketing na instituição, considerado um ponto
positivo para melhoria de imagem e marketing “boca a boca” ao público externo.

Palavras Chave: Comprometimento. Motivação. Endomarketing. Comunicação


interna. Marketing boca a boca.

Tópicos em Administração - Volume 11


82

1 INTRODUÇÃO 2. O QUE É E QUAL A IMPORTÂNCIA DO


MARKETING
Atualmente, a exigência dos clientes para
com as organizações, no atendimento de 2.1 CONCEITUAÇÃO
suas necessidades, tem apresentado um
O Marketing nada mais é que a identificação
aumento exponencial, não só em relação a
das necessidades sociais e humanas
clientes externos, mas também dos seus
transformadas em satisfação, ou seja,
próprios colaboradores. Com um público mais
transformar essas necessidades, particulares
rigoroso, estudiosos e organizações voltaram
ou sociais, em oportunidade de lucratividade.
seus olhares para dentro da empresa e, a
partir dessa necessidade, foi descoberta uma Marketing é o conjunto de processos de
ferramenta que mudaria totalmente a visão criação, comunicação e função
sobre os clientes: o Endomarketing. organizacional para atender e suprir as
necessidades identificadas e entregar ao
A ferramenta não só deve ser utilizada em
consumidor/cliente valores, criando um
empresas, mas em toda e qualquer
vínculo de relacionamento positivo que traga,
organização e, no caso das instituições de
tanto para organização quanto para o cliente,
ensino, levar os discentes a praticar o
benefícios e rentabilidade.
Marketing “boca a boca” é algo muito
complexo se não for condizente com a (..) o objetivo do marketing é tornar supérfluo
realidade interna da instituição, ou seja, tudo o esforço de venda. O objetivo do marketing é
que é realizado para os mesmos, de maneira conhecer e entender o cliente tão bem que o
indireta, acaba por refletir no público alvo produto ou o serviço seja adequado a ele e se
externo, os discentes em potencial. venda sozinho. Idealmente, o marketing
deveria resultar em um cliente disposto a
Para alcance das estratégias de fidelização e
comprar. A única coisa necessária então seria
encantamento dos discentes, isto é, êxito nas
tornar o produto ou o serviço disponível
estratégias de Marketing, é preciso que a
(KELLER; KOTLER, 2006, p.4).
instituição fortaleça seu Endomarketing. As
práticas de endomarketing são importantes Muitas vezes, para que uma organização
para reestruturação e qualificação da obtenha sucesso financeiro ela dependerá
comunicação interna, sejam elas aplicadas das habilidades do Marketing. Sendo assim,
em qualquer momento, mostrando-se como nenhuma função contábil, financeira ou
caminho para satisfação dos discentes. qualquer operação, terá a rentabilidade
necessária para lucrar se não houver uma
Segundo Bekin (2004, p.6) para melhores
demanda a ser atendida, portanto, deve-se
resultados você precisa mobilizar seu público
ter uma demanda para produtos/serviços
interno, dar-lhe uma razão pela qual trabalhe.
suficiente.
Essa reestruturação fará com que os
discentes já ingressantes tenham o Por fim, o marketing tem como principal
verdadeiro conhecimento da missão, visão e função alavancar o alcance desses resultados
dos valores que um ensino superior público de demanda por produto/serviço, e é a chave
proporciona. para o andamento ideal da instituição,
resultando na obtenção de lucro.
Tais considerações levam ao seguinte
questionamento: “Quais os principais fatores
que influenciam as ações e alavacam a
2.2 ENDORMARKETING
divulgação do marketing da instituição
através do endomarketing?”. Para responder Com o passar do tempo, a organização,
a essa questão foi realizado um levantamento independentemente de seu ramo de negócio,
sobre o grau de comprometimento e o grau vem se moldando e dando mais valia aos
de satisfação dos discentes com a instituição. recursos humanos, tendo em conta a
importância de motivar o trabalho de seus
Portanto, o grande diferencial para qualquer
colaboradores e stakeholders, pertecebendo
gestor, nesse mercado tão competitivo, são
a influência direta de tal prática na
as pessoas e a forma com que enxergam a
produtividade. A partir daí, surge o
instituição. Tal percepção tem um valor
endomarketing ou marketing interno, que tem
incalculável no comprometimento e na
como finalidade auxiliar as organizações a
somatória de resultados positivos para
aprimorar o modo de abordagem ao se
engajamento.
comunicar com seus colaboradores,
resultando que, de maneira entusiasta, vistam
Tópicos em Administração - Volume 11
83

a camisa da organização/instituição. Nesse


contexto, organização e colaboradores
O endomarketing tem como foco atrair e
aproximam-se, estreitando seu vínculo e,
manter seus clientes internos, para obtenção
automaticamente, a produtividade apresenta
de resultados positivos, onde não se muda a
melhorias, o que reflete no consumidor
cultura em si e sim o contexto na qual as
externo, tornando o colaborador um grande
ações que ocorrem sejam positivas. Segundo
aliado.
Bekin (2004) o endomarketing parte de três
O endomarketing consiste em ações de informações básicas e essenciais:
marketing dirigidas ao público interno da
 Cliente deve e só pode ser
empresa ou organização. Sua finalidade é
conquistado com serviço de excelência;
promover entre os funcionários e os
departamentos os valores destinados a servir  Os colaboradores da organização são
cliente ou, dependendo do caso, o valiosos e formam o primeiro mercado da
consumidor. Essa noção de cliente, por sua organização, por isso devem ser valorizados
vez, transfere-se para o tratamento dado aos e tratados como os clientes;
funcionários comprometidos de modo integral
 A excelência em serviços significa um
com os objetivos da empresa (BEKIN, 2004,
gerenciamento de recursos humanos que
p.03)
envolve e compromete os funcionários com os
objetivos e decisões da empresa.
2.2.1 ENDOMARKETING: ORIGEM E Tais informações básicas desencadeiam o
DEFINIÇÃO princípio de que este processo de
envolvimento e valorização dos colaboradores
O Endomarketing surgiu a partir de um
tem a necessidade de anteceder ou ser
estudo para gestão de conflitos internos por
correlacionado ao marketing conduzido ao
Saul Fainsgaus Bekin, na década de 70, mas
mercado.
foi patenteado apenas em 1990, com a
publicação de seu livro chamado Alves (2002) diz, ainda, que se tem a
“Fundamentos do Endomarketing”. Segundo percepção de que o endomarketing é a chave
Bekin (2004), a palavra endomarketing surgiu para atingir o diferencial competitivo, sendo
da junção das palavras endo e marketing. O uma ferramenta poderosa para visão interna
prefixo endo é originário do grego éndon que da organização e de seu mercado alvo.
significa “em; para dentro de” e traduz uma
ação interior, ou seja, é uma ferramenta
atribuída ao marketing que uma organização 2.2.2 A IMPORTÂNCIA DO
dirige aos seus colaboradores para criar e ENDOMARKETING
fortalecer uma relação harmoniosa.
A importância do endomarketing para
De acordo com Mendes (2004), a semente qualquer organização é fixar a ideia de que
conceitual para o endomarketing foi a leitura os colaboradores são um fator de somatória
do artigo de Levitt (1970) por Bekin: incalculável, sendo peças importantes para
construção da marca e, principalmente, de
Para atrair clientes, toda empresa deve ser
sua reputação. Tendo ciência do propósito da
considerada um organismo destinado a criar
organização, o que ela quer fazer, como vai
e atender clientes. A administração não deve
ser feito, para quem será e porque será feito,
julgar que sua tarefa é fabricar produtos, mas,
de modo que passam a fazer parte do
sim, proporcionar satisfações que conquistem
processo construtivo de forma participativa.
os clientes. Devem propagar essa ideia (e
tudo que ela significa e exige) por todos os Pode-se afirmar que o endomarketing
cantos da organização. Deve fazer isso sem influencia positivamente na melhoria dos
parar, com vontade, de forma a motivar e índices de problemas, como: a rotatividade
estimular as pessoas que fazem parte dela de colaboradores; absenteísmo;
(...). Em resumo, a organização precisa relacionamentos interpessoais; baixa
aprender a considerar que sua função reside produtividade; qualidade do serviço prestado
não na produção de bens e serviços, mas na e, até mesmo, no resultado final. Para Filho,
aquisição e retenção de clientes, na Pereira e Passos (2013, p. 3), o
realização de coisas que levem as pessoas a endomarketing busca enfatizar a diferença -
querer trabalhar com ela. (LEVITT,1970, p. que muitas vezes não parece ser tão óbvia -
147). entre empregado e máquina, além de permitir

Tópicos em Administração - Volume 11


84

que se enxergue, de fato, a colaboração que desenvolvendo um vínculo de lealdade entre


todos podem dar nos processos colaborador e organização, o que resulta no
organizacionais. seu fortalecimento, destacando a organização
em relação à concorrência e aumentando seu
Buscar a valorização dos colaboradores é
valor no mercado.
buscar diferenciais para se posicionar no
mercado. Assim, o Endomarketing é uma
ferramenta que procura capacitar seus
2.2.3 FUNDAMENTOS DO ENDOMARKETING
colaboradores de forma democrática,
distribuindo responsabilidades, melhorando a Segundo Bekin (2004, p. 47) o endomarketing
comunicação do real objetivo da organização, parte de 4 fundamentos:
construindo relacionamentos internos e

Tabela 1 – Os fundamentos do Endomarketing


Definição: Ações gerenciais de marketing eticamente dirigidas ao público interno (funcionários) das
organizações e empresas focadas no lucro, das organizações não-lucrativas e governamentais e das do
terceiro setor, observando condutas de responsabilidade comunitária e ambiental.
Conceito: Um processo cujo foco é alinhar, sintonizar e sincronizar, para implementar e operacionalizar a
estrutura organizacional de marketing da empresa ou organização, que visa e depende da ação para o
mercado e a sociedade. Apoiado em B2E e ERM, como opções empregam-se comunicação interna pessoal,
impressa, telefônica, eletrônica ou digital. Objetivo: Facilitar e realizar trocas, construindo lealdade no
relacionamento com o público interno, compartilhando os objetivos empresariais e sociais da organização,
cativando e cultivando para harmonizar e fortalecer essas relações e melhoramento, assim, sua imagem e seu
valor de mercado.
Função: Integrar a noção de ‘cliente’ e seus valores - aplicando-se recursos B2E, ERM, branding interno – nos
processos internos da estrutura organizacional, propiciando uma melhoria na qualidade de produtos e serviços,
com produtividade pessoal e de processos.

Fonte: Adaptado de Bekin (2004)


O primeiro fundamento citado por Bekin forma a harmonizar o objetivo do funcionário
(2004) ‘Definição’ indica que as organizações com o objetivo global da empresa (BEKIN,
utilizem o endomarketing para obtenção de 200, p.49).
resultados somatórios, contudo, deve-se
O quarto e não menos importante fundamento
planejar cautelosamente antes da ação,
‘Função’ é deixar explicitamente claro para
definindo as prioridades a serem atendidas
toda a organização, independentemente do
de forma clara e então coloque em
grau do setor discriminado pela função, que
implementação de forma pratica. ‘Deve-se
os colaboradores são clientes e que este têm
buscar envolver, persuadir e convencer as
seu valor para a mesma. Conseguindo atingir
pessoas de que o objetivo daquela ação
a eficácia desse fundamento atingirá
condiz simultaneamente com a proposta do
melhorias na qualidade do produto ou serviço
negócio da empresa e do trabalho
a ser prestado para o cliente externo.
profissional do grupo’ (BEKIN, 2004, p. 48). O
segundo fundamento ‘Conceito’ indica a Estes fundamentos foram criados por Bekin
preocupação que uma organização precisa com o intuito de ampliar a visão sobre a
ter em relação a comunicação, utilizando o compreensão de modo mais criterioso, para
conjunto de instrumentos para ampliar os que as organizações atendam suas
efeitos positivos que uma boa comunicação necessidades diante de seu público externo e
interna tem. interno.
O terceiro fundamento ‘Objetivo’ é a forma de
como deve tornar-se de fácil absorção para
2.3 ENDOMARKETING X MARKETING DE
os colaboradores o verdadeiro objetivo que a
RELACIONAMENTO
organização tem, portanto, a organização
precisa conhecer seu público interno para É substancial prezar o inter-relacionamento
que possa, de maneira adequada, passar entre seus colaboradores dentro da
esses objetivos aos mesmos. ‘O objetivo do organização, independentemente de setores
endomarketing é tornar transparente ao ou funções, fazendo com que haja a quebra
funcionário os objetivos da organização, de

Tópicos em Administração - Volume 11


85

de paradigmas e amenização de conflitos, Mendes (2004) descreve que independente


para elevar a concentração no processo. da comunicação a ser utilizada, deve haver
transparência, eficácia e comprometimento,
Para atingir este parâmetro de forma
que é algo crucial, um elemento
ordenada e conseguir a cooperação
indispensável, para o estreitamento entre
interfuncional é preciso desenvolver a noção
colaborador-organização. A organização que
de cliente interno para os colaboradores e,
procura comprometimento/engajamento de
consequentemente, melhorar as relações
seus colaboradores deve reconhecer a
interpessoais.
importância de uma comunicação, levando ao
Segundo GUMMESSON (1999 apud Alves, rescimento e grandes resultados financeiros.
2002, p.3) afim de que seja atingida essa
Bekin (2004, p.98) cita que “a maioria das
noção de cliente interno, é necessário que os
empresas informa, mas não comunica”, sendo
colaboradores vejam seus companheiros
assim, as organizações, ao transmitir a
como clientes, qualquer que seja a atividade:
informação, nem sempre estão se
entrega do produto final, na prestação de
comunicando ou mesmo fazendo a troca de
serviço ou mesmo uma simples entrega de
conhecimento com seus colaboradores. Uma
documentação para conferência. Portanto um
comunicação eficaz necessita de um
colaborador/cliente interno deve ser um valor
feedback, ou seja, de um retorno sobre a
adicionável para outro, quando os clientes
forma como a mensagem/informação está
internos estão satisfeitos é que um trabalho
sendo recebida e se esta somando ou não, o
fica repleto de envolvimento.
que acarreta a troca e o crescimento pessoal
O endomarketing tem como objetivo, dentro e organizacional, desprendendo-se do
do marketing de relacionamento, criar processo tradicional de apenas informar.
relações duradouras entre todos os setores e
A importância da comunicação deve ser
funções internos da organização. Os
sempre valorizada, não só no sentido
colaboradores devem ser vistos como um
hierárquico, verticalizado, mas também na
mercado interno que devem ser preparados
própria estrutura organizacional, no sentido
de forma eficaz a contatar e atender o
horizontal. A conectividade com as novas
mercado externo, sendo assim, o
tecnologias de telecomunicação deve ser
endomarketing eficaz torna-se um
usada para a disseminação interna de
antecedente ao marketing externo.
informações e conhecimento (BEKIN, 2004, p.
Técnicas de marketing externo podem ser 46).
aplicadas internamente, principalmente nas
O processo vai além da transmissão da
áreas de promoção e comunicações. Neste
informação para os clientes internos, deve
sentido, podem ocorrer premiações internas
transcender, a comunicação precisa ser de
com viagens, escolha do funcionário do mês,
forma que possa facilitar a realização de uma
distribuição de brindes diversos, entre outras
verdadeira troca de conhecimento e
(ALVES, 2002, p. 4).
informações satisfatoriamente.
No endomarketing a comunicação vai além
2.4 O PAPEL DA COMUNICAÇÃO INTERNA de apenas propagar a informação, tem a
essência de criar e sustentar o
A comunicação interna é um meio de
relacionamento interpessoal que
interação e convívio entre colaboradores e a
automaticamente desenvolve positivamente a
organização, permite a troca de
autoestima dos colaboradores. Portanto, o
conhecimento e também a circulação de
endomarketing acarreta uma reação positiva
informações, o que é algo fundamental na
dos colaboradores e gestores que constrói a
busca de aprimorar os conhecimentos,
boa imagem da organização para o público
ignorar o mesmo é colocar em risco a
externo, além da obtenção de resultados.
sobrevivência da organização.
Tão ou mais importante que a comunicação
Sabe-se que, desde os primórdios, existem
em uma mesma área entre o superior e seus
diversas maneiras de comunicação, a partir
subordinados diretos é a comunicação entre
da fala ou não, por meio de gestos, imagens,
pares – isto é, entre os diretores, gerentes
escritas, enfim, esses meios são
entre si, supervisores entre si, que possam
considerados formas de comunicação e
assim otimizar informações e resultados. Isso
quem detém esses recursos são as pessoas.
assegura que na empresa se fale sempre a
mesma língua. Não é demais ressaltar que
Tópicos em Administração - Volume 11
86

comunicação e informação são elementos necessidade, que estando satisfeita, o motivo


fundamentais nesse processo, já que cessa. Algumas necessidades podem ser
favorecem a formação de imagem no consideradas instantâneas, como saciar a
ambiente interno como um todo (BEKIN, 2004, sede, e outras consideradas longas, como
p.47) saciar a necessidade de poder, fazendo com
que o motivo se intensifique cada vez mais.
Abraham Maslow foi um psicólogo americano
2.5 A TEORIA DE ABRAHAM MASLOW
que se doou a estudar o comportamento das
Cada indivíduo possui necessidades distintas, necessidades humanas, ele desenvolveu a
sejam elas psicológicas, fisiológicas ou teoria de que há uma hierarquia, da mais
sociais, que se tornam motivos para que o urgente para a com menos urgência, a ser
indivíduo busque executar tarefas a fim de satisfeita e que se dividem em cinco grupos,
suprir essas necessidades. De forma que, os a saber:
indivíduos são motivados a partir de uma

Figura 1 – Hierarquia das necessidades humanas, segundo Maslow.

Fonte: Keller e Kotler (2012, p.174)

Keller e Kotler (2012) descrevem que, a teoria do qual várias necessidades fundamentais
de Maslow afirma que as necessidades podem ser expressas ou satisfeitas
básicas são as primeiras a se manifestarem e conjuntamente. Portanto, qualquer indicio de
serem satisfeitas, antes de qualquer outra frustação é uma ameaça psicológica, o que
necessidade de nível superior. Desse modo, a produz reações gerais de emergência no
necessidade de qualquer nível deve ser comportamento humano.
atendida para que a próxima, superior na
As pessoas estão em um processo constante
ordem hierárquica, possa se tornar motivo a
de desenvolvimento, e a cada satisfação de
ser satisfeita.
uma necessidade há uma evolução, fazendo
Quanto mais elevado o nível da necessidade, com que o indivíduo alcance a
mais saudável o indivíduo se torna. A autorrealização, que é a última necessidade
irresponsabilidade de um indivíduo na da hierarquia de Maslow.
organização está ligada à privação das
Maximiano (2008) descreve que a
necessidades sociais e estima, ou seja, a má
necessidade de autorrealização não é
conduta de um colaborador está ligada à má
supostamente alcançada apenas quando
administração da organização.
todas as necessidades da hierarquia de
Segundo Bueno (2002, p.13): Maslow forem atingidas, mas ela pode ser
alcançada a qualquer momento
As necessidades atuam sempre em conjunto,
independentemente do nível da necessidade
prevalecendo a mais elevada, desde que as
ou até mesmo da motivação, ou seja, o
inferiores estejam satisfeitas. Assim, uma
indivíduo quem vai determinar seu estado,
reação comportamental é um canal, através
Tópicos em Administração - Volume 11
87

seja ele satisfazendo uma necessidade quais o trabalho é realizado. Quanto


básica, estima, social ou segurança. melhores, por exemplo, as relações entre
colegas e o tratamento recebido do
supervisor, melhor será esse clima – mais
2.6 A TEORIA DE FREDERICK HERZBERG higiênico o ambiente. Quanto mais contente a
pessoa estiver com seu salário, menor será a
Frederick Herzberg, americano, psicólogo,
sua disposição para reclamar desse aspecto
professor universitário e consultor, foi o
de sua relação com a empresa.
criador da Teoria dos dois fatores, na qual
Consequentemente, maior a satisfação do
afirma que o comportamento de indivíduo no
trabalhador com o ambiente de trabalho.
desempenho de seu trabalho está ligado aos
fatores higiênicos e aos motivacionais. Os fatores motivacionais que são intrínsecos
(realização, reconhecimento,
Os fatores Higiênicos/extrínsecos (salário,
responsabilidade, progresso e
condições de trabalho, relações
desenvolvimento) considerado por Herzberg
interpessoais, tipos de supervisão,
como Satisfacientes, são fatores ligados ao
segurança, política e administração da
cargo de um indivíduo e até mesmo à tarefa
organização) considerados por Herzberg
que desempenha e envolvem o indivíduo,
como Insatisfacientes, fogem do controle dos
estando sob seu controle. Estes fatores ao
colaboradores e de sua tarefa a ser
contrário dos fatores higiênicos, quando bons,
desempenhada.
levam a satisfação do indivíduo, mas quando
São fatores que não causam satisfação, mas não, podem bloquear/evitar a satisfação.
podem prevenir a insatisfação, ou seja, se os
Bueno (2002) afirma que Herzberg descobriu
fatores higiênicos forem bons,
em sua pesquisa que as pessoas gostam
consequentemente será um fator de
mais do seu trabalho a ser desempenhado,
prevenção, mas não um fator de aumento da
do que o próprio ambiente, e que os mesmos
satisfação.
se mostram mais satisfeitos com os fatores
Segundo Maximiano (2008, p. 268): motivacionais e insatisfeitos com os fatores
higiênicos.
Os fatores higiênicos criam o clima
psicológico e material saudável e influenciam
a satisfação com as condições dentro das

Figura 2 – Satisfação e insatisfação, segundo Herzberg, representam duas dimensões


independentes da motivação.

Fonte: MAXIMIANO, 2008, p. 269

Sendo assim, a teoria dos dois fatores leva à a partir do próprio. Maximiano (2008) afirma
consolidação de que a motivação, em sí, vem que os fatores higiênicos estão relacionados a
do trabalho a contribuir e não do ambiente, satisfação e os motivacionais à motivação.
onde o indivíduo desenvolve a autorrealização

Tópicos em Administração - Volume 11


88

Figura 3 - Comparação entre a teoria dos dois fatores de Herzberg e a teoria da hierarquia das
necessidades de Maslow.

Fonte: BONETTI, 2010, p. 25.

A teoria de Herzberg complementa a teoria de descrever os fatores e conceitos relevantes


Maslow. Quanto mais se sobe na hierarquia sobre o assunto.
das necessidades maior é a importância dos
O procedimento metodológico utilizado no
fatores motivacionais. Quando mais se desce
trabalho foi a pesquisa de natureza
na hierarquia de Maslow, mais importantes se
exploratória, onde exaltando a ideia de
tornam os fatores higiênicos (MAXIMIANO,
proporcionar maior familiaridade ao problema
2008, p.270).
através de levantamentos e entrevistas, de
Segundo Bonetti (2010) os fatores higiênicos modo que a pesquisa possa apresentar uma
estão ligados às necessidades primárias, maior compreensão e precisão. O intuito
como as básicas, sociais e fisiológicas, desse tipo de estudo é procurar padrões,
enquanto os fatores motivacionais estão ideias ou hipóteses.
ligados às necessidades secundárias, como
O método de pesquisa utilizado foi o estudo
as de estima e autorrealização. Ainda que
de caso, sendo definido como pesquisa
para Chiavenato (2004 apud Bonetti, 2010,
qualitativa, que nada mais é que um estudo
p.25) a teoria de Herzberg não é sobre
empírico que busca determinar ou testar uma
motivação adequadamente, dado que está
teoria e que tem as entrevistas como uma das
relacionado à satisfação e insatisfação, no
fontes de informação mais importantes.
entanto, é uma teoria de fácil aplicabilidade e
de muita importância assim como a teoria das O universo da pesquisa é de 100% e se dá
necessidades de Maslow. por meio dos discentes dos cursos
presenciais de Gestão Empresarial,
Portanto, a teoria de Herzberg propõe motivar
Agronegócio, Sistemas para Internet e Análise
o enriquecimento das tarefas para que possa
e Desenvolvimento de Sistemas, do período
alcançar a satisfação do indivíduo junto ao
diurno e noturno, de todos os semestres de
seu cargo ocupado, só assim conseguirá
uma instituição de ensino superior localizada
fazer com que desenvolva vontade de realizar
no interior do noroeste paulista. O Método de
tais tarefas de seu cargo, consequentemente
coleta de dados foi por meio de questionários
lhe trazendo satisfação.
aplicados aos discentes de forma impressa,
contendo 14 questões, sendo 13 de múltipla
escolha e 1 semiaberta, recolhidos para a
3 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS
tabulação dos dados necessários e posterior
A presente pesquisa tem como base a realização da análise.
pesquisa bibliográfica, onde os dados são
As técnicas de amostragem utilizadas foram a
secundários fundamentados em bibliografias
não probabilística (amostra intencional), pois
específicas com a utilização de livros, e-
escolhem pessoas que podem ajudar na
books, artigos acadêmicos e sites
pesquisa por já conhecerem o assunto, assim
acadêmicos da internet para desenvolvimento
foi possível a coleta de dados primários, onde
do tema e os objetivos propostos, para
Tópicos em Administração - Volume 11
89

o número total de questionários aplicados foi demonstra uma intenção em se manter


de 437, o que corresponde à totalidade de próxima de seus discentes, utilizando-se das
discentes ativos. O período de coleta de ferramentas citadas acima.
informações deu-se entre 07/08/2017 e
18/08/2017.
4.1. COMPARATIVO DOS GRÁFICOS 2 E 3:
A análise dos dados foi realizada por meio de
inserção em planilha excel, posterior Quando foi questionado aos discentes se
confecção de gráficos e análise dos tinham conhecimento sobre endomarketing,
resultados apurados, considerando os exposto no primeiro gráfico, 30% afirmaram
resultado obtidos pelos questionários, bem que sim, 24% afirmaram não conhecer, 34%
como a comparação com as referências afirmaram não saber e outros 12% não se
bibliográficas abordadas na pesquisa. lembravam. Já no segundo gráfico foi
questionado se percebiam se a instituição
trabalhava o endomarketing, 34% afirmaram
4 RESULTADOS que sim, 28% afirmaram que não e 38%
afirmaram não saber. Comparando os dois
Para discorrer sobre o estudo e responder à
gráficos, atenta-se que mais de 60%
questão problema do presente trabalho
afirmaram não saber o que é endomarketing e
utilizou-se o estudo de caso de uma
muito menos que a instituição o pratica,
instituição de ensino superior pública,
apesar disso, analisando os gráficos acima
localizada no interior do noroeste paulista, a
separadamente, o quadro mostra-se positivo.
partir das informações disponibilizadas pela
Ressaltando que a instituição possui
instituição, que possui um sistema de
discentes ativos de diferentes graus de
disseminação de informativos por meio de e-
educação, alguns na segunda graduação e
mail, site e redes sociais, ou seja, conta com
outros recém-ingressados após formação de
sistema de comunicação interna ativa entre
ensino médio. Subentende-se, então, que a
discentes e coordenação, incluindo, também,
instituição trabalha o endomarketing como
docentes e corpo administrativo. Com base
uma ferramenta de estratégia, assim como é
nesta informação e observando os dados
possível observar nos gráficos 2 e 3.
obtidos na pesquisa nota-se que a instituição

Figura 4: Gráfico 2 Figura 5: Gráfico 3

Fonte: Pesquisa de campo (2017)

4.2. COMPARATIVO DOS GRÁFICOS 4, 7 E 8: não, não faz diferença. Quanto ao segundo
gráfico o questionamento foi se tinham
Questionados se a ferramenta utilizada na
conhecimento sobre as ações sociais
comunicação interna possibilita interação
desenvolvidas pela instituição, 68% afirmaram
entre a instituição e o discente, no primeiro
que sim e 32% afirmaram que não. Quanto ao
gráfico, 33% afirmaram que sim, oferece total
terceiro gráfico, o questionamento foi se a
aproximação, 38% afirmaram que sim, mas
instituição procura meios para preparar seus
que poderia ser melhor e 27% afirmaram que
discentes para possíveis mudanças através
Tópicos em Administração - Volume 11
90

dos recursos de comunicação disponíveis, de informação para com seus discentes, deve
59% afirmaram que sim, 36% afirmaram que se preocupar com a porcentagem de
talvez e 5% afirmaram que não. Lembrando discentes que não são alcançados pela
que é uma instituição numerosa, o que informação ou que talvez não saibam opinar
dificuldade que sejam ouvidas opiniões e sobre tal utilização, contando que possa ser
ideias de todos seus discentes. Analisando considerado subjetivo para um e para outro
juntamente os três gráficos, percebe-se que a não, como é possível observar nos gráficos 4,
instituição, por mais que esteja utilizando os 7 e 8.
canais de comunicação para disseminação

Figura 6: Gráfico 4 Figura 7: Gráfico 7

Figura 8: gráfico 8

Fonte: Pesquisa de campo (2017)


4.3. COMPARATIVO DOS GRÁFICOS 10 E 11: causa das relações interpessoais com os
colegas, 16% relações interpessoais com os
Sobre os discentes se sentirem motivados a
docentes, 18% insatisfação no atendimento
“vestir a camisa” da instituição, representado
de suas necessidades acadêmicas e 16%
no primeiro gráfico, 62% afirmaram
nas expectativas não atendidas do curso.
motivados, 24% afirmaram totalmente
Equiparando-se os dois gráficos acima nota-
motivados e 12% indiferentes. O segundo
se que, apesar dos discentes sentirem-se
gráfico representa os motivos dos discentes
motivados, fica nítido que aqueles que se
que responderam negativamente ou
declararam indiferentes ou desmotivados
indiferentes sobre o questionamento do
representam uma porcentagem de fatores
primeiro gráfico, sendo perceptível que houve
que podem influenciar no aumento do índice
diversidade de respostas, 17% afirmaram não
de evadidos ou, até mesmo, no índice de
se sentirem motivos por causa do ambiente,
dependentes, como é possível observar nos
17% por causa das instalações, 16% por
gráficos 10 e 11.

Tópicos em Administração - Volume 11


91

Figura 9: Gráfico 10 Figura 10: Gráfico 11

Fonte: Pesquisa de campo (2017)


Em relação à questão semiaberta, foi clima, a comunicação interna e,
disponibilizado que, livremente, sugerissem principalmente, o despertar do
melhorias, ressaltando os principais pontos. comprometimento de seus colaboradores, de
Os resultados apontam pela necessidade de maneira a atender as necessidades de
maior flexibilidade de horários para reforço; acordo com cada caso e, consequentemente,
em relação aos docentes reivindicaram disseminar de forma indireta a boa imagem e
melhoria dos métodos de ensino em sala de objetivos ao público alvo externo.
aula, mais aulas práticas; implantação de
Entende-se, então, que a instituição de ensino
cantina para eliminar o deslocamento dos
superior estudada, de acordo com os seus
discentes; intercalasses para melhorar a
discentes, está a praticar o endomarketing,
interação entre os cursos da instituição; mais
utilizando-se dos meios de comunicação
alternativas de cursos de extensão e
interna como forma de extensão para expor
flexibilidade de horário dos mesmos;
as ações e semear seus reais objetivos e
máquinas de xerox para alunos; melhoria no
ações sociais, fazendo com que haja uma
número de vagas de estágio; incentivos aos
troca de informação e conhecimento.
discentes para publicação de artigos
científicos; disseminação de informativos
impressos internamente para divulgação de
6 CONSIDERAÇÕES FINAIS
notícias sobre a instituição para os discentes;
dar oportunidade além da prova substitutiva Conclui-se, portanto, que é imprescindível a
para os discentes que apresentam valorização do capital humano interno,
dificuldade em assimilar o aprendizado; utilizando-se desta ferramenta estratégica
comunicar com antecedência sobre as aulas para alavancar o nível competitivo no
substitutivas; mais visitas técnicas; implantar mercado, o que nem sempre se aplica ou se
um programa de reciclagem e reverter a tem conhecimento e a percepção sobre o
verba para itens de recreação e interação dos potencial que essa ferramenta oferece. Não
discentes; aumentar prazo de solicitação de há uma fórmula padrão ou ideal de se aplicar,
dispensa da disciplina; melhoria no pois cada um tem suas características e
atendimento da coordenação para com o necessidades específicas, mas, ainda assim,
discente. tal ferramenta nos permite encontrar meios
para seguir, avaliar as condições e recursos
disponíveis para aperfeiçoar.
5 DISCUSSÃO
A visão de colocar o discente como um
No decorrer deste estudo, levando como potencial cliente interno, utilizando-se da
base as referências bibliográficas e os ferramenta de comunicação para disseminar
resultados obtidos, é notório o quanto o as informações, faz com que a instituição se
endomarketing propicia uma nova forma de destaque no meio educacional de ensino
aproximação e gerenciamento da superior na região onde atua e,
comunicação, de maneira a assegurar e substancialmente, satisfaça as necessidades
motivar seus colaboradores. Tal ferramenta dos discentes para que, também eles,
faz com que se transforme o ambiente, o apresentem melhoria no desempenho,
Tópicos em Administração - Volume 11
92

compondo e atendendo as necessidades dos alavanque a melhoria do marketing “boca a


futuros discentes e, principalmente, boca” externamente.

REFERÊNCIAS [5] Filho, E. P. F.; Pereira, F. A.; Passos, G. S.


A Influência do Endomarketing e da Comunicação
[1] Alves, F. L. P. Endomarketing como Interna na Cultura Organizacional. In: Simposio de
Ferramenta de Estratégia Empresarial. Enegep – Excelencia em Gestao E Tecnologia, X, 2013.
Encontro Nacional de Engenharia de Produção, Disponível
XXII, 2002. Disponível em: em:<http://www.aedb.br/seget/arquivos/artigos13/4
<http://abepro.org.br/biblioteca/ENEGEP2002_TR7 3318476.pdf>. Acesso em: 13 de mar. 2017.
5_0651.pdf>.Acesso em: 13 de mar. 2017.
[6] Keller, K.L; Kotler, P. Administração de
[2] Bekin, S.F. Edomarketing: como praticá-lo Marketing. 14. Ed, São Paulo: Pearson Education
com sucesso. São Paulo: Pearson Prentice Hall, do Brasil, 2012.
2004.
[7] Levitt, Theodore. Miopia em Marketing.,
[3] Bonetti, G. Motivação dos funcionários em jul.1960. Disponível em:
um escritório de contabilidade: aplicação do <https://bsf.org.br/wpcontent/uploads/2015/08/levit
modelo dos dois fatores de Frederick Herzberg. _1960_miopia-em-marketing.pdf>. Acesso em: 14
Universidade Federal de Santa Catarina, 2010. de abr. 2017.
Disponível em:
<Http://tcc.bu.ufsc.br/Contabeis283965.pdf>. [8] Maximiano, A.T.A. Teoria geral da
Acesso em: 16 abr. 2017. administração: da revolução urbana a revolução
digital. 6. Ed, 3. reimpr. São Paulo: Atlas, 2008.
[4] Bueno, Marcos. As Teorias de motivação
humana e sua contribuição para a empresa [9] Mendes, R. S. A. D. Endomarketing como
humanizada: um tributo a Abraham Maslow. In: ferramenta de comunicação com o público interno.
Revista do Centro de Ensino Superior de Catalão – Universidade Federal de Juiz de Fora, nov. 2004.
CESUC – Ano IV – nº 06 – 1º Semestre, 2002. Disponível em:
Disponível em:
[10] <Http://endomarketing.com/wp-
<http://sinop.unemat.br/site_antigo/prof/foto_p_dow
content/uploads/2014/10/artigo-endomarketing-
nloads/fot_10529as_teobias_de_motivay
comoferramenta-de-comunicacao-com-o-publico-
yo_humana_e_sua_contbibuiyyo_paba_a_empbesa
interno.pdf>. Acesso em: 13 de mar. 2017.
_humanizada_pdf>. Acesso em: 14 abr. 2017.

Tópicos em Administração - Volume 11


93

Capítulo 9

Barbara Peres da Silva


Larissa Sonda Rigon

Resumo: O presente trabalho apresenta uma pesquisa realizada em uma farmácia


de pequeno porte, localizada na cidade de Cascavel, no Paraná, com o intuito de
analisar a segmentação de mercado adotada pela mesma. Desta forma, utilizou-se
informações fornecidas pelo gerente da farmácia, de modo que classificou-se quais
são os tipos de marketing que a mesma utiliza e assim sugeriu-se algumas
melhorias no mesmo ramo.

Palavras-chave: segmentação de mercado, marketing de nicho, marketing de


massa, marketing diferenciado.

Tópicos em Administração - Volume 11


94

1. INTRODUÇÃO está relacionado às farmácias e drogarias


também vem sofrendo fortes mudanças e
Com a chegada de um mercado consumidor
passando por momentos conturbados, diante
cada vez mais exigente junto com a crescente
disso que o presente artigo analisará a
procura de novos produtos no mercado e
segmentação de mercado em uma Farmácia,
com uma grande concorrência, as empresas
localizada na região Oeste do Paraná, na
necessitam abranger outras estratégias de
cidade de Cascavel, na qual será abordado
marketing com o objetivo de se sobressair e
os segmentos de mercados utilizados pela
se destacar das demais para então alcançar
mesma.
suas metas e seu sucesso operacional. Mas
para isso basta serem destacados dois
pontos fundamentais. O primeiro: quem é seu
2. REFERENCIAL TEÓRICO
cliente e o segundo: por qual motivo alguém
deve escolher o seu produto em vez do 2.1 CONCEITO DE SEGMENTAÇÃO DE
produto do concorrente. MERCADO
“A satisfação do cliente é derivada da Segundo Lamb (2004, p.206):
proximidade entre as expectativas do
“Segmento de mercado é um subgrupo de
comprador e desempenho percebido do
pessoas ou organizações que compartilhem
produto. Se o desempenho não alcançar
uma ou mais características e que tenham as
totalmente as expectativas, o cliente fica
mesmas necessidades de produtos.[...] O
desapontado; se alcançar as expectativas,
processo de divisão de um mercado em
ele fica satisfeito, e se exceder a s
segmentos ou grupos significativos,
expectativas ele fica encantado. Esses
relativamente homogêneos e identificáveis, é
sentimentos definem se o cliente voltará a
chamado segmentação de mercado.”
comprar o produto e se ele falará favorável ou
desfavoravelmente sobre ele para outras O conceito de Segmentação de mercado
pessoas.” (KOTLER, 2000, p.205) surgiu nos meados da década de 50, a partir
de uma publicação de um artigo escrito pelo
Conhecer bem seus clientes procurando uma
autor Wendell Smith, no qual em seus estudos
melhor forma para atendê-los conforme suas
propõe uma noção de segmentação de
necessidades e desejos e estar bem definido
mercado sendo uma atividade desenvolvida
quais os tipos de produtos que vão satisfazer
a partir das distintas combinações de
essas necessidades, como já dito, são os
propostas de marketing , tendo como objetivo
primeiros passos para alcançar um
alcançar as inúmeras necessidades dos
planejamento de negócio e para isso pode-se
consumidores para melhor satisfazê-los.
utilizar como ferramenta a segmentação do
Segundo o autor a definição de Segmentação
mercado, que trata-se de uma estratégia de
de Mercado,“consiste em uma visão de
marketing que vem gerando uma grande
mercado heterogêneo, caracterizado por
vantagem competitiva em época de crise,
demandas divergentes, em alguns pequenos
fazendo com que as empresas se
mercados homogêneos em termos de
sobressaem sobre as concorrências e
respostas às preferências de diversos
garantam a sobrevivência de sua empresa em
produtos para diferentes segmentos de
momentos conturbados.
mercado”. ( SMITH, p.4).
Segundo Fernandes (2007):
Segundo a definição feita pelo autor Wendell
“As empresas devem considerar os desejos e Smith fica claro reconhecer que segmentar
necessidades dos consumidores para que um mercado nada mais é do que separá-los,
sua estratégia de diferenciação seja eficaz. ou melhor dividi-los em grupos de
Estes atributos diferenciadores serão bem consumidores que apresentam uma
avaliados e aceitos pelos consumidores necessidade, característica e preferência
apenas após perceberem as mudanças que homogênea, isto é, que apresentam
eles proporcionaram. (FERNANDES, 2007).” concepções iguais ou semelhantes. Fazendo
essas divisões dentro do mercado, fica muito
Nesses momentos conturbados e de
mais fácil identificar os desejos e as
constantes modificações, onde as exigências
necessidades de seus clientes e o mais
e atitudes dos clientes em relação aos
importante permitir maior contato entre cliente
produtos e serviços ofertados mudaram
e fornecedor ,aliás são os clientes que fazem
sensivelmente e a concorrência está cada vez
com que o sucesso operacional de sua
mais acirrada, o ramo farmacêutico, no qual
empresa seja sempre constante.
Tópicos em Administração - Volume 11
95

“Uma empresa não pode atender a todos os “Normalmente, o marketing é visto como a
clientes em mercados amplos como os de tarefa de criar, promover e fornecer bens e
computadores ou refrigerantes. São muitos os serviços a clientes, sejam estes pessoas
clientes, e eles se diversificam em suas físicas ou jurídicas. Na verdade, os
exigências de compra. A empresa precisa profissionais de marketing envolvem-se no
identificar os segmentos de mercado que marketing de bens, serviços, experiências,
poderá atender com eficácia.” (KOTLER, eventos, pessoas, lugares, propriedades,
2000, p.278). organizações, informações e idéias.”
(KOTLER, 2000,p. 25) .
“Um segmento de mercado consiste em um
grande grupo que é identificado a partir de As definições de marketing vem tomando
suas preferências, poder de compra, novas formas com o passar dos tempos, pois
localização geográfica, atitudes de compra e tende a acompanhar as mudanças do
hábitos de compra similares.” (KOTLER, 2000, mercado, em relação às exigências do
p.278). consumidor e em relação aos ambientes
organizacionais. Umas das primeiras
“Um modo de descobrir novos segmentos é
definições de marketing foi a da American
investigar a hierarquia dos atributos que os
Marketing Association (AMA), na qual salienta
clientes procuram antes de escolher uma
que marketing nada mais é do que atividades
marca. Esse procedimento é chamado de
comerciais que direcionam o fluxo de bens e
fracionamento de mercado.[...] As empresas
serviços do produtor ao consumidor ou
devem monitorar as mudanças potenciais na
usuário. Mas essa definição foi proposta há
hierarquia de atributos dos clientes e ajustar-
mais de 25 anos por uma comissão
se a essas novas prioridades.” (KOTLER,
especializada em desenvolver definições de
2000, p.284) .
marketing. Em 1985, a AMA substituir a
A fim de facilitar o conhecimento das definição por outra mais abrangente e
necessidades, dos desejos e das atualizada, em que segundo o autor (BOONE,
concepções de seus clientes é recomendado 1998):
seguir um procedimento de segmentação de
“Marketing é o processo de planejamento e
mercado, na qual segundo (KOTLER, 2000,
execução da concepção, preço, promoção e
p.284):
distribuição de ideias, bens e serviços,
“O pesquisador conduz entrevistas e grupos organizações e eventos para criar trocas que
de foco para ter uma perspectiva das venham a satisfazer objetivos individuais e
motivações, das atitudes e comportamentos organizacionais.”
dos consumidores. Depois, prepara um
questionário e coleta dados sobre atributos e
suas classificações de importância; 2.3 MARKETINGS DE MASSA
percepção de marca; padrão de marca; Segundo o autor (José Roberto, 2017):
padrão de utilização de produtos; atitudes em
torno da categoria de produtos, e “O Marketing de Massa está associado à
características demográficas, geográficas, produção, distribuição e promoção de
psicográficas e de preferência de mídia dos produtos para um grande número de
pesquisados. pessoas. O intuito desta estratégia é atrair o
maior número possível de compradores,
mantendo o consumidor fiel e fortemente
2.2 CONCEITO DE MARKETING interessado pelo seu produto. Com isso, as
empresas garantem que seus revendedores
Para Casas (2007, p.15) : continuem a expor sua marca e mantenham o
“Marketing é a área do conhecimento que estoque com seus produtos.”
engloba todas as atividades concernentes às Quando um vendedor engaja-se em
relações de troca, orientadas para a produção, distribuição e promoção de massa
satisfação dos desejos e necessidades dos de um produto para todos os compradores,
consumidores, visando alcançar nesta situação estamos nos deparando com o
determinados objetivos da organização ou marketing de massa.
indivíduo e considerando sempre o meio
ambiente de atuação e o impacto que estas Segundo Kotler (1998):” O argumento
relações causam no bem-estar da tradicional para marketing de massa é que ele
sociedade.” cria maior potencial de mercado, leva a

Tópicos em Administração - Volume 11


96

custos menores que, por sua vez representam O fator fundamental para o sucesso de uma
preços mais baixos ou margens maiores.” boa implementação de estratégia de
marketing voltada para a segmentação de
mercado é a escolha da base, na qual serão
2.4 MARKETING DIFERENCIADO (MULTI- capazes de identificar e categorizar seus
SEGMENTO) consumidores de acordo com suas diversas
características e comportamentos.
O marketing diferenciado, também denotado
de multi-segmento, atribui-se a estratégia de “Bases são variáveis usadas para segmentar
trabalhar em diversos setores além do foco mercados. [...] é um critério de acordo com o
principal da empresa. Desta maneira, a qual os consumidores potenciais são
instituição propoem-se a elaborar ações de agrupados, enquanto descritor de um
marketing específicas para cada segmento segmento é uma variável ou característica
operado pela mesma. Esse marketing leva a que está ligada ao segmento-alvo e é
vantagem competitiva pois gera mais vendas, relevante para a formulação da estratégia de
porém, juntamente apresenta desvantagens, marketing”. Siqueira (1999, p. 103).
como segundo Ferreira (p. 11):
As bases usadas na segmentação de
“Marketing diferenciado normalmente gera mercados podem ser agrupadas em três
mais vendas, mas também custos, tais como: classes, sendo elas, classe demográfica,
custos de modificação do produto; custos de classe geográfica e classe psicográfica dos
produção; administrativos; de estoque, e de clientes. (HOOLEY, 2005).
promoção.”
“Os mercados empresariais podem ser
segmentados usando algumas variáveis
empregadas na segmentação do mercado
2.5 MARKETING DE NICHO
consumidor, como as variáveis geográficas,
Segundo Kotler (1998): “Nicho é um grupo os benefícios procurados e os 60 índices de
mais restrito de compradores não tipicamente utilização. Os mercados empresariais podem
um pequeno mercado cujas necessidades ainda utilizar várias outras variáveis.”
não estão sendo bem atendidas”. (KOTLER, 2000, p. 293).
Marketing de nicho refere-se à segmentos “Dois grupos gerais de variáveis são usados
menores e mais distintos, na qual podem ser para segmentar mercados consumidores.
atendido de uma forma mais exclusiva, isto é, Alguns pesquisadores tentam formar
um mercado que aplica o marketing de nicho, segmentos observando as características dos
tem como objetivo dividir os grupos de uma consumidores: geográficas, demográficas e
forma mais distinta e menores possíveis tendo psicográficas. Depois, examinam se esses
um maior contato e maior facilidade de segmentos de clientes possuem diferentes
satisfazer todas as necessidades de tal necessidades ou respostas em respostas em
grupo. relação ao produto. Por exemplo, eles
examinam as diferentes atitudes de
profissionais liberais, operários e outros
2.5.1 BASES PARA A SEGMENTAÇÃO DE grupos em relação a um benefício do carro,
MERCADO como por exemplo, ‘segurança’.” (KOTLER,
Segundo Siqueira (1999, p.20): 2000, p.285).

O objetivo da segmentação é analisar


mercados, encontrar nichos e oportunidades 2.5.2 SEGMENTAÇÃO DEMOGRÁFICA
e capitalizar por meio de uma posição
Segundo Kotler (2002, p.285):
competitiva superior. Esse objetivo pode ser
conseguido pela seleção de um ou mais “Na segmentação demográfica, o mercado é
grupos de consumidores como alvos para a dividido em grupos de variáveis básicas,
atividade de marketing e pelo como idade, tamanho da família, ciclo de vida
desenvolvimento de programas de marketing da família, sexo, rendimentos, ocupação, nível
únicos para atingir esses grupos potenciais. de instrução, religião, raça, geração,
[...] o desafio de marketing é não só atender nacionalidade e classe social”.
eficientemente às 20 necessidades dos
As bases mais usadas para distinguir os
consumidores-alvo, como também estar à
grupos de consumidores são as bases
frente dos competidores.
demográficas, pois são essas bases que

Tópicos em Administração - Volume 11


97

estão frequentemente associadas às consciente do comprador entre a chegada do


necessidades, aos desejos e aos índices de estímulo externo e a decisão de compra.”
utilização dos consumidores. (KOTLER, 2000, p.182)
Para KOTLER (2000, P.285), uma outra razão Em relação ao processo de decisão de
para qual a base demográfica é a mais usada compra segundo (KOTLER, 2000, p.198:
é que elas são mais fáceis de serem medidas.
“Os profissionais de marketing devem ir além
Mesmo quando o mercado-alvo não é
das influências sobre os compradores e
descrito em termos demográficos (como o
desenvolver uma compreensão de como os
tipo de personalidade), é necessário voltar
consumidores realmente tomam suas
para as características demográficas para
decisões de compra. Especificamente, os
que se possa estimar o tamanho do mercado-
profissionais de marketing devem identificar
alvo e o meio de comunicação que deverá ser
quem é responsável pela decisão de compra,
usado para atingi-lo de modo eficiente.
os tipos de decisões de compra e os passos
no processo de compra.”
2.5.3 SEGMENTAÇÃO PSICOGRÁFICA O comportamento de compra segundo Kotler
“Na segmentação psicográfica, os (2000), envolve-se através de três passos.
compradores são divididos em diferentes Primeiro, o consumidor desenvolve
grupos, com base em seu estilo de vida, sua concepções sobre o produto. Segundo, ele
personalidade e seus valores. Pessoas do adianta uma atitude em relação à esse
mesmo grupo demográfico podem ter perfis produto e terceiro, ele acaba fazendo uma
psicográficas diferentes.” (KOTLER, 2000, escolha refletida.
p.288). “O profissional de marketing precisa
Segundo (Luciana Xavier 2006 p. 26): desenvolver estratégias que ajudem o
comprador a obter informações sobre os
“As variáveis psicográficas ajudam na atributos do produto e sua importância
compreensão do porque as pessoas relativa. Além disso, deve chamar a atenção
compram determinado produto ou se dirigem para a alta reputação da marca da empresa
a determinada loja. A compreensão destas nos atributos mais importantes. O profissional
características ajuda na escolha de alguns de marketing precisa diferenciar os aspectos
aspectos do produto como o desenho, a da marca, usar a mídia impressa para
forma, o padrão, o preço, a publicidade a ser descrever seus benefícios e motivar os
usada, os canais de distribuição entre outras vendedores da loja e os conhecidos do
características.” comprador e influenciar a escolha finalmente
A segmentação psicográfica tem como da marca.” (KOTLER, 2000, p.199).
objetivo observar de uma forma bem “Após comprar o produto, o consumidor
complexa e detalhada os comportamentos de experimenta algum nível de satisfação ou
seus clientes, onde será bem definido suas insatisfação. O trabalho do profissional de
motivações, suas percepções em relação às marketing não termina quando o produto é
variáveis deste segmento. Na qual estas comprado. Ele deve monitorar a satisfação, as
variáveis podem estar relacionadas aos ações e a utilização em relação ao produto
valores, aos estilos de vida, às depois de efetuada a compra.” (KOTLER,
personalidades de cada dos envolvidos desta 2000, p.204).
segmentação.
“A importância da satisfação pós-compra do
consumidor sugere que o apelo do produto
2.5.4 COMPORTAMENTO DE COMPRA represente fidedignamente seu provável
“O comportamento de compra do consumidor desempenho. Algumas empresas deveriam
é influenciado por fatores culturais, sociais, minimizar os níveis de desempenho para que
pessoais e psicológicos. Os fatores culturais os consumidores pudessem experimentar
exercem a maior e mais profunda influência.” satisfação maior do que a esperada em
(KOTLER, 2000, p.183) relação ao produto.” (KOTLER, 2000, p.205)

“As características do comprador e seus Fica claro identificar que o comportamento de


processos de decisão levam a certas compra sofre influências sociais, de marketing
decisões de compra. A tarefa do profissional e situacionais na qual a partir de reconhecer
de marketing é entender o que acontece no as necessidade de compra de determinado
produto, o cliente em uma primeira etapa irá
Tópicos em Administração - Volume 11
98

buscar informações sobre o produto seguida mais profundo das relações dos processos e
de avaliar possíveis alternativas e por fim dos fenômenos que não podem ser reduzidos
obter a decisão de compra. Mas não acaba à operacionalização de variáveis”.
por aí, adiante de decidir o que realmente irá
Ao estabelecer esse tipo de pesquisa como
comprar, o cliente faz uma avaliação pós-
metodologia de uma atividade prática, que no
compra , na qual tem forte importância para a
caso do presente artigo refere-se ao estudo
empresa, pois é a partir dessa avaliação pós
da Segmentação de Mercado em uma
compra feita pelo cliente que a empresa irá
Farmácia , analisaremos como sendo um
reconhecer se seu trabalho, seu produto está
dado qualitativo às definições de
satisfazendo às necessidades de tal e se
Segmentação de Mercado, quais são os tipos
caso contrário, buscar alternativas de
de segmentação e suas principais
melhorias, o autor Kotler( 2000, p.205), visa
características e o impacto que ela causa em
bem sobre essa importância de avaliação
relação ao mercado, aos consumidores, aos
pós-compra, onde defende que : “A
concorrentes entre outros fatores.
importância da satisfação pós-compra do
consumidor sugere que o apelo do produto
represente fidedignamente seu provável 3.2 QUANTO À NATUREZA
desempenho. Algumas empresas deveriam
minimizar os níveis de desempenho para que Segundo Adelaide University (2008), a
os consumidores pudessem experimentar pesquisa aplicada trata-se de uma pesquisa
satisfação maior do que a esperada em voltada à aquisição de conhecimentos com
relação ao produto.” vista à aplicação numa situação específica.
Tendo em vista esta definição, abordou-se
neste artigo esse tipo de pesquisa na qual
3 METODOLOGIA adquiriu-se conhecimento sobre como é
aplicada a segmentação de mercado em uma
Inicialmente vale destacar que o termo farmácia localizada no Oeste do Paraná.
“metodologia” significa “[...] estudos dos
caminhos, dos instrumentos usados para
fazer ciência” (DEMO,1995, p. 11). Assim 3.3 QUANTO AO OBJETIVO
sendo, a correta metodologia de pesquisa O presente artigo tem como objetivo averiguar
acaba sendo um ponto de extrema a Segmentação de Mercado em uma
importância para o resultado preciso de Farmácia com base na pesquisa descritiva,
estudo. que Segundo Gil (2000) trata-se de uma
“O método de pesquisa é um conjunto de pesquisa que busca descrever as
procedimentos e técnicas utilizadas para características de uma determinada
coletar e analisar dados. O método fornece os população ou fenômeno visando estabelecer
meios para alcançar o objetivo proposto, ou relações entre as variáveis. A utilização de
seja, são as “ferramentas” das quais fazemos técnicas padronizadas para uma coleta de
uso na pesquisa, a fim de responder nossa dados tais como a observação sistemática,
questão”. (STRAUSS & CORBIN, 1998, p.84) tratam-se das características mais
significantes deste tipo de pesquisa.

3.1 QUANTO À ABORDAGEM “Entre as pesquisas descritivas, salientam-se


aquelas que têm por objetivo estudar as
A abordagem do presente artigo refere-se à características de um grupo: sua distribuição
uma pesquisa qualitativa, na qual não tem por idade, sexo, procedência, nível de
como objetivo contabilizar quantidades como escolaridade, estado de saúde física e
resultado, mas sim analisar e compreender os mental”. Gil (2000).
comportamentos de um determinado grupo.
Segundo Minayo (1995 p.21-22):
3.4 QUANTO AOS PROCEDIMENTOS
“A pesquisa qualitativa responde a questões
muitos particulares.Ela se preocupa, nas Quantos aos procedimentos utilizados para o
ciências sociais, com um nível de realidade desenvolvimento deste artigo, analisou-se em
que não pode ser quantificado, ou seja, ela uma primeira etapa a aplicação da pesquisa
trabalha com o universo de significados, bibliográfica na qual segundo Gil(2000), trata-
motivos, aspirações, crenças, valores e se de uma pesquisa desenvolvida com base
atitudes, o que corresponde a um espaço em materiais já elaborados como artigos

Tópicos em Administração - Volume 11


99

científicos, livros e que permite a análise das Simultaneamente, em algumas épocas do


diversas posições acerca de um problema. ano, identifica-se o marketing de nicho na
Em uma segunda etapa abordou-se o Farmácia localizada no Oeste do Paraná,
responsável pela farmácia localizada no desta forma, o responsável pela mesma foca
Oeste do Paraná, iniciando uma pesquisa de em um mercado alvo que está em alta no
estudo de campo que segundo Gil (2000):” A período desejado.
pesquisa de estudo de campo tende a
No segmento demográfico, destaca-se no
estudar um único grupo ou comunidade em
mês de Outubro, por meio de preço, praça,
termos de sua estrutura social, ou seja,
produto e promoção, os itens específicos
ressaltando a interação entre seus
para mulheres, devido a campanha nacional
componentes. Assim dessa forma este estudo
“Outubro rosa”. De mesma forma, todo mês,
tende a utilizar muito mais técnicas de
durante a primeira semana, promove-se os
observação do que de interrogação”, sendo
anticoncepcionais em geral, dessa maneira,
assim tendo como finalidade conhecer os
atinge-se um público feminino, com idade a
segmentos de marketing utilizado por esta
cima de 10 anos, de todas as etnias e classes
farmácia, na qual analisou-se e depreendeu-
financeiras.
se quais deles eram necessários para o bom
desenvolvimento mercadológico da empresa. Já no segmento psicográfico, com o
marketing de mono segmento, enfatiza-se o
cliente voltado a atitudes de estilo de vida
4 RESULTADOS E DISCUSSÕES saudável com a promoção de produtos que
visam esses comportamentos. Dessa
Dentro da Farmácia localizada no Oeste do
maneira, durante todas as segundas-feiras
Paraná, identifica-se o marketing de massa
esses produtos recebem um desconto ao
quando a empresa aborda seus produtos
serem adquiridos, bem como uma
principais, sendo eles os remédios em geral,
propaganda que os viabilizam melhor.
diariamente, por meio da divulgação em
mídias sociais, bem como televisão, rádio e Esses produtos que direcionam-se a pessoas
panfletos. Dentro disso atinge-se de modo de atitudes saudáveis, abrangem os diversos
total seus clientes, sendo eles de todas as fragmentos dentro da Farmácia, incluindo o
idades, sexo, classe social, raça, entre outros ramo farmacêutico em si, com remédios para
da segmentação demográfica e psicográfica. acelerar o metabolismo por exemplo e
também os sub-segmentos, como alimentos
Desta forma, escolhe-se nesse marketing os
com suplementação protéica e cremes
produtos que atingem diversas áreas de
auxiliadores de redução de medidas.
aplicabilidade dentro da principal seção da
Farmácia, como remédios anti-inflamatórios,
descongestionantes nasais, anti-diabéticos,
5 CONCLUSÃO
analgésicos e antipiréticos.
Conclui-se, com o presente artigo, que dentro
Porém, com o avanço do ramo farmacêutico
de uma única empresa como a Farmácia,
em geral em outros segmentos, a Farmácia
pode-se trabalhar com o marketing de massa,
localizada no Oeste do Paraná também
negociando com o consumidor em geral. Em
possui um marketing diferenciado, desta
paralelo a isso, explora-se o marketing de
forma, investe-se em produtos que saem da
nicho, aperfeiçoando seu enfoque em
linha farmacêutica e focam, juntamente, nas
determinadas datas e épocas do ano, dessa
mercadorias do ramo estético e alimentício.
maneira segmentando o público alvo
Assim sendo, mantém-se no estoque da demograficamente e psicograficamente.
Farmácia itens para venda como cremes
Pode-se concluir também que, para se
corporais, perfumes, maquiagens, produtos
adaptar às necessidades do mercado
para as unhas em geral, bem como produtos
farmacêutico, a companhia deve operar em
diversos para cabelo. De mesma maneira,
vários segmentos além do principal, utilizando
alimentos lacrados como chocolates, geléias,
assim o marketing diferenciado e atingindo
chás, energéticos, suplementos alimentares,
um público comprador bem maior.
tornando assim multi-segmental seu
entreposto.

Tópicos em Administração - Volume 11


100

REFERÊNCIAS [4]. Haime, Francis Giacomelli Ferreira.


Segmentação de mercado. p. 11. Disponível em:
[1]. Assunção, Luciana Xavier Alves. <http://www.bibliotecas.sebrae.com.br/chronus/AR
Segmentação de mercado como estratégia de QUIVOS_CHRONUS/bds/bds.
marketing: caso gvt. Novembro de 2006. nsf/D96040554BFAFB9B03256D520059AE80/$File/
Disponível em: NT00001D12.pdf> Acesso em: 20 nov. 2017
<http://repositorio.uniceub.br/bitstream/123456789/
867/2/20301330.pdf>. Acesso em: 09 nov. 2017. [5]. Kotler, Philip. Administração de marketing:
Análise, Planejamento Implementação e Controle.
[2]. Christóvão, Maria Carmen. Segmentação 5ª Edição. ed. São Paulo: Atlas S.A, 1998. 725 p.
de mercado e diferenciação de produto. Dois de
Junho de 2011. Disponível em: [6]. Ribeiro Gomes Junior, Wagner.
<http://www.administradores.com.br/artigos/market Segmentação Demográfica. 29 de Novembro de
ing/segmentacao-de-mercado-e-diferenciacao-de- 2009. Disponível em:
produto/55570/>. Acesso em: 13 nov. 2017. <http://www.administradores.com.br/artigos/market
ing/segmentacao-demografica/36304/>. Acesso
[3]. Gil, Antônio Carlos. Como Elaborar em: 13 nov. 2017.
Projetos de Pesquisa. 4ª Edição. ed. São Paulo:
Atlas S.A, 2000. 176 p. Disponível em: [7]. Viana Pereira Kotler, Marisa.
<http://www.urca.br/itec/images/pdfs/modulo%20v Administração de marketing. 2000. Disponível em:
%20-%20como_elaborar_projeto_de_pesquisa_- <http://www.sintracoopsc.com.br/wp-
_antonio_carlos_gil.pdf>. Acesso em: 14 nov. 2017 content/uploads/2009/03/PDF-Marketing-Kotler-
2000.pdf>. Acesso em: 13 nov. 2017.

Tópicos em Administração - Volume 11


101

Capítulo 10

Keila Prates Rolão


Pedro Affonso Andries de Barros Santa Lucci
Yasmin Gomes Casagranda
Rodrigo Ruas de Jesus Silva
Renato de Oliveira Rosa

Resumo: Esse estudo tem como objetivo analisar uma das principais pousadas
ecológicas do município de Miranda/MS, por meio de um estudo de caso, quanto à
aplicação de estratégias mercadológicas em suas práticas comerciais. Este estudo
é de suma importância pela localidade estar inserida na Estrada Parque Pantanal,
reconhecida mundialmente como o 4° melhor destino selvagem do mundo na
demanda internacional de ecoturismo e aventura. Diante do exposto, questiona-se:
Quais as estratégias de marketing utilizadas no segmento hoteleiro no pantanal sul-
mato-grossense? Dessa forma, busca-se identificar as estratégias de marketing nas
atividades desenvolvidas pela pousada ecológica mediante um estudo de caso em
Miranda/MS.·.

Palavras Chave: Pousada ecólogica; Variáveis de marketing; Hotelaria; Serviços.

Tópicos em Administração - Volume 11


102

1 INTRODUÇÃO busca-se identificar as estratégias de


marketing nas atividades desenvolvidas pela
As empresas se tornam competitivas quando
pousada ecológica mediante um estudo de
estabelecem metas que direcionam as
caso em Miranda/MS.
necessidades e satisfação dos clientes.
Segundo Kotler (1995) enfatiza que para Na próxima seção, é apresentado o
alcançar as metas organizacionais devem-se referencial teórico da pesquisa discutindo-se
apontar as necessidades, anseios do o marketing, marketing de serviços e
mercado-alvo e ofertar a satisfação almejada hotelaria. Na terceira seção, é descrita a
de forma eficiente em relação aos metodologia utilizada neste artigo, onde parte
concorrentes. do levantamento bibliográfico, discussão
teórica, empregando-se a um estudo de caso
Segundo Kotler (1995) as ferramentas que
em uma pousada ecológica. Na quarta seção,
constituem o composto de marketing, se
é destinada a descrição da empresa,
apresentam: produto, preço, place e
estratégias frente ao composto de marketing
promoção. Aponta Kotler e Armistrong (2007),
e os resultados mediante as variáveis de
o mix de marketing estabelece os métodos de
marketing. Na quinta seção, traz as
posicionamento dos mercados alvos.
conclusões e finalmente apresentam-se as
A maioria dos estudos realizados sobre referências bibliográficas.
hotelaria e o marketing demonstram o
desconhecimento e despreparo de um
planejamento de marketing, com a finalidade 2 REFERENCIAL TEÓRICO
de alcançar as metas e objetivos da
Esta seção apresenta uma revisão literária:
organização mediante a gestão estratégica.
marketing, marketing de serviços e hotelaria.
(FREIRE ET. AL 2005; ÁVILA 2006).
O objetivo desta seção é demonstrar como
Esse estudo tem como objetivo analisar uma esses conceitos podem ser aplicados na
das principais pousadas ecológicas do adoção de estratégias mercadológicas na
município de Miranda/MS, por meio de um rede hoteleira em suas práticas comerciais.
estudo de caso, quanto à aplicação de
estratégias mercadológicas em suas práticas
comerciais. Este estudo é de suma 2.1 MARKETING
importância pela localidade estar inserida na
Churchill e Peter (2005), Casteli (2001), Las
Estrada Parque Pantanal, reconhecida
Casas (2000), Kotler (1995) apresentam as
mundialmente como o 4° melhor destino
variáveis mercadológicas: preço, produto,
selvagem do mundo na demanda
promoção e distribuição (Figura 1). De acordo
internacional de ecoturismo e aventura
com Churchill e Peter (2005), cada elemento
(FUNDTUR, 2016). Diante do exposto,
do composto de marketing é formado de
questiona-se: Quais as estratégias de
potencialidades que pode afetar o processo
marketing utilizadas no segmento hoteleiro no
decisório de compra.
pantanal sul-mato-grossense? Dessa forma,

Figura 1: Variáveis de marketing


Variáveis de Definição Autor
Marketing
Combinação de bens e serviços que a empresa oferece para o KOTLER;
mercado-alvo. No marketing um produto inclui bens ou serviços, ARMISTRONG, (2007).
Produto
marcas, embalagens e outras características que acrescentem CHURCHILL; PETER
valor ao cliente. (2005).
É a quantia de dinheiro que os clientes têm de pagar para obter o KOTLER;
Preço
produto. ARMISTRONG, (2007).
Envolve as atividades da empresa que disponibilizam o produto
aos consumidores-alvos.
KOTLER;
Praça ou Canais de distribuição envolve levar os produtos até os
ARMISTRONG, (2007).
Distribuição clientes de forma eficiente e eficaz.
CHURCHILL; PETER
Os profissionais de marketing devem tornar os produtos
(2005).
disponíveis para os clientes, quando e onde eles querem comprá-
los, a fim de criar trocas que ofereçam valor.
Envolve as atividades que comunicam os pontos fortes do produto KOTLER;
Promoção
e convencem os clientes-alvo a comprá-lo. ARMISTRONG, (2007).
Fonte: Mendonça et al., 2009.

Tópicos em Administração - Volume 11


103

Churchill e Peter (2005) enfatizam que o 2.2 MARKETING DE SERVIÇOS


marketing é o processo de trocas realizadas
Segundo Kotler (1996) o serviço é um ato ou
entre empresas e clientes de forma voluntária
desempenho de uma parte em relação à outra
com propósito de beneficiar ambos, e
parte vinculado a intangibilidade não
caracterizam da seguinte maneira: a) produto,
resultando na propriedade de absolutamente
trocas tangíveis; b) serviço, trocas intangíveis;
nada. Para Lara (2001), o serviço é visto
c) pessoa, movimentos favoráveis
como uma atividade ou benefício intangível
relacionados às pessoas; d) lugar, atração de
de uma parte a outra, não caracterizando
pessoas a lugares; e) causa, apoiar idéias ou
como posse de bem material. As principais
ações com finalidade de mudar
características dos serviços estão reunidas na
comportamentos sociais; f) organização, atrair
Figura 2.
doadores, membros, participantes ou
voluntários.

Figura 2: Quadro de características de serviços

Os serviços são intangíveis, ou seja, não poem ser experimentados através dos
Intangibilidade
sentidos (visão, audição, tato, olfato e paladar) antes de serem comprados

São primeir vendidos, depois produzidos e consumidos ao msmo tempo, diferente de


produtos físicos que são estocados, para mais tarde serem vendidos e consumidos.
Inseparabilidade
Sendo inseparáveis daqueles que os forneceu, um hoteleiro por exmplo, presta serviço
e ele é parte desse serviço

A qualidade está liada a quem, quando, onde e como são proporcionados, podendo
Variabilidade variar de acordo com o grau de problema pessoais, energia ou disposição de um
funcionário por exemplo

Os serviços não poem ser estocados para vendas futursa, num hotel, por exemplo, um
Perecibilidade apartamento reservado no qual o cliente não compareceu, não poderá ser vendido
novamente
Fonte: Mendonça et al., 2009

Aponta Lovelock e Wright (2006) a existência relacionada ao requisito avaliação dos


de nove diferenças na distinção de serviços clientes; g) ausência de estoque; h) o tempo e
relacionados ao marketing que envolve os a entrega envolver canais eletrônicos e
bens físicos: a) clientes não possuem domínio físicos.
sobre os serviços; b) produtos dos serviços
De acordo com Zeithaml e Bitner (2003) apud
são caracterizados intangíveis; c) demais
Freire et. al. (2005), o complexo de marketing
pessoas podem integrar parte do produto; d)
de serviços pondera além dos 4 P’s outros
envolvimentos dos clientes na produção; e)
três pontos: pessoas, evidência física e
variação de insumos e produtos operacionais;
processos (Figura 3).
f) serviços apresentam dificuldade

Tópicos em Administração - Volume 11


104

Figura 3: Complexo de marketing de serviços

Fonte: Mendonça et al., 2009.

Segundo Zeithaml e Bitner (2003) apud Freire 3. METODOLOGIA


et. al. (2005), pessoas são seres humanos
Neste capítulo, destina-se a apresentação
que realizam um serviço. Evidência física
dos procedimentos metodológicos
pode ser o ambiente onde os serviços são
empregados no decurso de desenvolvimento
realizados e finalmente processos, técnicas,
da pesquisa com finalidade de alcançar os
métodos por meio dos quais o serviço é
objetivos inicialmente propostos.
concretizado.

3.1 MÉTODO, TIPO E TÉCNICA DE


2.3 HOTELARIA
PESQUISA
Segundo Feijó (2002) a hotelaria apresenta a
Andrade (2003, p. 121) evidência como
finalidade de fornecer a hospedagem,
pesquisa científica o “conjunto de
alimentação, segurança, atividade de
procedimentos sistemáticos, baseado no
recreação e lazer e demais serviços ligados a
raciocínio lógico, que tem por objetivo
condição de recepcionar bem o hóspede.
encontrar soluções para problemas
Para Freire et. al. (2005), o hotel é visto como
propostos, mediante a utilização de métodos
uma empresa prestadora de serviços e,
científicos”.
conseqüentemente, os fatores externos
encantam e satisfazem o cliente sendo que a Os métodos podem ser classificados em dois
falha no atendimento de um setor pode ser grandes grupos: (i) Abordagem quantitativa –
sentido imediatamente no empreendimento “caracteriza-se pelo emprego da
hoteleiro. quantificação tanto nas modalidades de
coleta de informações, quanto no tratamento
Entre os estudos que trabalham a hotelaria e
delas por meio de técnicas estatísticas”
o marketing encontrou-se o estudo de
(RICHARDSON, 1999, p. 70); (ii) Abordagem
Mendonça et al. (2009) que trata das
qualitativa – trabalha com o conjunto de
estratégias de marketing nos meios de
informações coletadas pelo pesquisador onde
Hospedagem em Água Clara - MS. O estudo
os dados não são expressos em números, ou
teve como objetivo geral, identificar se havia
se estimados, estes não expressam função
visão estratégica de marketing nas atividades
essencial na pesquisa (DALFOVO et al.,
comerciais desenvolvidas pela rede hoteleira
2008).
da cidade. A metodologia utilizada nesse
estudo foi qualitativa e entrevista com os
responsáveis dos hotéis. A pesquisa
3.2 UNIDADE DE ANÁLISE
apresenta um referencial teórico sobre o
marketing, marketing de serviços e a O presente estudo investiga pousadas
importância de sua utilização no setor ecológicas no Pantanal Sul-Mato-Grossense.
hoteleiro. Como resultado apresentou que os Os municípios constituintes do pantanal/MS
hotéis de Água Clara/MS utilizam algumas são eles: Anastácio, Aquidauana, Bela Vista,
variáveis de marketing de modo intuitivo, Bodoquena, Bonito, Caracol, Corguinho,
percebeu-se que essas ações são praticadas Corumbá, Coxim, Ladário, Miranda, Porto
sem prévio planejamento e avaliação dos Murtinho, Rio Negro, Rio Verde de Mato
resultados obtidos. Grosso e Sonora (IBGE, 2011). No entanto,
Tópicos em Administração - Volume 11
105

esta pesquisa limita-se aos municípios de manipulados. Esse tipo de pesquisa deve-se
Bodoquena, Corumbá, Miranda e Ladário, ao fato de compreender o elo entre a teoria e
devido que geograficamente está situada a a prática.
Estrada Parque do Pantanal (IMASUL, 2017).
O estudo de caso abordou a análise de uma
pousada ecológica localizada no município
de Miranda/MS. Na coleta de dados
3.3 TIPO E COLETA DE DADOS
empregou-se a observação direta e a
A coleta de dados subdivide-se em dados realização de entrevista com o administrador
primários e dados secundários. Os dados da pousada de modo a identificar as
primários foram adquiridos através de principais estratégias mercadológicas
entrevistas semiestruturadas (COOPER E utilizada na gestão do empreendimento
SHINDLER, 2003), gravados mediante um mediante um roteiro semi-estruturado a partir
aparelho celular in loco, realizadas com os de estudos realizados por Mendonça et. al
administradores das fazendas produtoras de (2009) que buscou verificar as estratégias de
arroz irrigado no Pantanal/MS. A coleta de marketing utilizada na rede hoteleira de Água
dados dar-se-á em duas etapas: (1) Contato Clara – MS.
com o proprietário/administrador explanando
A análise dos dados constituiu na análise de
o propósito da pesquisa, tempo necessário
conteúdo. Segundo Bardin (1994) apud Silva
para realizar a entrevista, e solicitar a
et. al (2005), refere-se a um conjunto de
disponibilidade da gravação da entrevista; (2)
procedimento de análise de comunicações,
Visita in loco e a coleta de dados.
que emprega métodos sistemáticos e
Segundo Yin (1989), o estudo de caso descritivos das mensagens, faz-se a
averigua um acontecimento dentro de um inferência de conhecimentos relacionados a
contexto particular real, esse procedimento é produção e recebimento de mensagens.
adotado quando os dados não podem ser

REFERÊNCIAS <www.facef.br/rea/edicao10/ed10_art02.pdf.>.
Acesso em: 16 de julho, 2018.
[1]. Bunchaft, A. F.; Gondin, S.M.G. Grupos
focais na investigação qualitativa da identidade [8]. Kotler, Philip. Administração de Marketing.
organizacional: exemplo de aplicação. Rev. São Paulo: Editora Atlas, 1995.
Estudos de Psicologia, Campinas, v. 21, n. 2, p. 63-
[9]. Kotler, Philip. Administração de Marketing.
77, 2004.
São Paulo: Editora Atlas, 1996.
[2]. Castelli, Geraldo. Administração Hoteleira.
[10]. Kotler, Philip. ARMSTRONG, Gary.
9.ed. Caxias do Sul: Educs, 2001.
Princípios de Marketing. 12ª Edição. São Paulo:
[3]. Churchill, Gilbert A. Marketing: criando Person Prentice Hall, 2007.
valor para os clientes. São Paulo: Saraiva, 2005.
[11]. Lara, Simone B. Marketing & vendas na
[4]. Churchill, Gilbert A.; Peter, J.P. Marketing: Hotelaria. São Paulo: Futura, 2001. 2ª ed.
criando valor para os clientes. 2.ed. São Paulo:
[12]. Las Casas, Alexandre L. Novos Rumos do
Saraiva,2000.
Marketing. 1ª Ed. São Paulo: Editora Atlas: 2000.
[5]. Feijó, Fernando. Curso de hotelaria. 2002.
[13]. Lovelock, Christopher & Wright, Lauren.
Disponível em:
Serviços: marketing e gestão. 1ª Edição.São Paulo:
<http://www.fernandofeijo.com/mkt_hotelaria.pdf.>.
Saraiva, 2001. 6ª tiragem, 2006.
Acesso em: 16 de julho, 2018.
[14]. Mendonça, Iara T., Mendonça, Marilza T.,
[6]. Fundtur. Fundação de Turismo de Mato
Silva, Vera F. da, Spanhol, Caroline P., Lima-Filho,
Grosso do Sul. Brasil é o primeiro no ranking
Dario de O. Estratégias mercadológicas: um
Turismo de Aventura e MS é referência no
estudo multicasos em hotéis no município de Água
segmento. 2016. Disponível em:
Clara/MS. In: Seget - Simpósio de Excelência em
<http://www.turismo.ms.gov.br/brasil-e-o-primeiro-
Gestão e Tecnologia, 2009, Rio de Janeiro. SEGeT
no-ranking-turismo-de-aventura-e-ms-e-referencia-
? Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia,
no-segmento/>. Acesso em: 10 de junho, 2018.
2009, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro – RJ:
[7]. Freire, Solange Maria S. Barros Neto, José SEGET, 2009. Disponível em:
de Paula. Santos, Sandra Maria dos. Estratégias de http://www.aedb.br/seget/arquivos/artigos09/165_A
marketing como ferramenta de gestão estratégica rtigo%20hotelaria.pdf Acesso em: 16 de junho,
na pequena hotelaria: estudo de caso em hotéis de 2018.
fortaleza/CE. REA, nº 10. Ed. 10, v.6, Ano 2005.
[15]. Silva, Cristiane R. Gobbi, Beatriz C. Simão,
Disponível em
Ana Adalgilsa. O uso da análise de conteúdo como
Tópicos em Administração - Volume 11
106

uma ferramenta para a pesquisa qualitativa: evista_v7_n1_janabr_2005_6.pdf.>. Acesso em: 01


descrição e aplicação do método. Organ. rurais de junho, 2018.
agroind., Lavras, v. 7, n. 1, p. 70-81, 2005.
[16]. Yin, R. K. Estudo de caso: planejamento
Disponível em:
de método. Porto Alegre: Bookman, 2010.
<http://ageconsearch.umn.edu/bitstream/44035/2/r

Tópicos em Administração - Volume 11


107

Capítulo 11

Gisela Marques Araújo


João Pinheiro de Barros Neto

Resumo: O objetivo deste trabalho é identificar e relacionar fatores determinantes


relacionados ao aprendizado e desempenho escolar de crianças e jovens. Atributos
econômicos já foram extensivamente estudados e identificados como de baixa
relevância sobre o desempenho. O ambiente familiar e a comunidade em que a
criança está inserida são os fatores de maior impacto no desempenho escolar,
apesar de serem menos estudados devido a sua difícil identificação e pelo fato de
não serem diretamente atingidos por políticas públicas. Há anos, a sociologia da
educação vem demonstrando que fatores socioculturais são mais relevantes que os
econômicos na educação. Características do ambiente familiar e comunidade são
quantitativamente de maior impacto que os atributos econômicos e escolares. Para
o bom desempenho escolar fatores de diferentes dimensões foram analisados
tendo por base os resultados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios –
PNAD, concluindo-se que embora diversos fatores isolados sejam condições
favoráveis à escolaridade, nenhum fator sozinho é determinante para o sucesso
escolar.

Palavras-chave: Sucesso escolar. Educação. Desempenho escolar. Ambiente


familiar. Gestão Pública.

Tópicos em Administração - Volume 11


108

1. INTRODUÇÃO A educação é fundamental para que as


pessoas consigam enfrentar os desafios de
A disparidade no nível de escolaridade no
um mundo cada vez mais globalizado e
Brasil entre ricos e pobres é grande e
tecnológico, pois é por ela que será possível,
bastante evidenciada por censos e pesquisas
de forma robusta e consistente, reduzir o
de nível nacional como o PNAD – Pesquisa
disparate socioeconômico existente no Brasil.
Nacional de Amostra de Domicílios, realizada
Ainda, de forma mais profunda melhorar o
pelo IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e
ambiente familiar, uma vez que, independente
Estatística.
da classe social, os pais têm ciência que
Apesar de avanços socioeconômicos maior nível de escolaridade traz mais
significativos nas últimas duas décadas oportunidades na vida adulta da criança e
(elevação da renda média, queda da até, de forma subjetiva, aumenta a autoestima
desigualdade e da pobreza e aumento da de cada indivíduo.
escolaridade), os números mostram que o
Diversos estudos apontam baixa renda
Brasil ainda apresenta necessidade de novos
familiar e baixo nível de escolaridade dos pais
esforços de políticas, para alcançar os níveis
(FERREIRA, 1999; BARROS, 2001; CASTRO,
de desenvolvimento social compatíveis com a
2009) como fatores limitantes ao sucesso
potencialidade e riquezas do país (DE
escolar. Mas o que acontece com as famílias
MARTINO, 2016).
de baixa renda que veem a educação como
Considerando que o nível de educação formal uma forma de sair do círculo vicioso da
da população está intimamente ligado ao pobreza, e que efetivamente apoiam e
desenvolvimento econômico de uma nação, participam da vida escolar de seus filhos?
este é um claro reflexo da diferença de Apoio e participação serão suficientes para
escolaridade entre mais ricos e mais pobres, romper este ciclo?
ademais, diversos estudos comprovam que a
Estudo feito por Santos e Graminha (2005)
elevação de renda é consequência de um
mostra que a renda familiar não parece ser o
maior nível de escolarização da população
único fator determinante para o sucesso
(CASTRO, 2009; CURI, 2009; SOUZA, 2014).
escolar. Foi comparado um grupo de crianças
A desigualdade social enfrentada pela com alto rendimento escolar com um grupo
população brasileira tem como uma, de suas de crianças com baixo rendimento escolar e
principais causas, a disparidade no nível foi observado que o ambiente familiar das
educacional da população. A educação crianças do grupo com baixo rendimento
formal desenvolve nas pessoas suas apresentava um número maior de
potencialidades ao prover capacitação para o adversidades. Já no grupo das crianças com
trabalho e seu preparo para o exercício da alto rendimento escolar não necessariamente
cidadania, tornando o cidadão ciente de o nível socioeconômico era maior, mas foi
todos os seus direitos. visto que as famílias desse grupo ofereciam
mais materiais e estímulos para o
Segundo Souza (2014) as mudanças
desenvolvimento das crianças.
ocorridas no perfil educacional da força de
trabalho brasileira na última década (queda Tanto a escola quanto a família
da desigualdade) foram em grande parte desempenham papéis cruciais no
causada por mudanças que aumentaram o desenvolvimento emocional, social e
nível de escolaridade e deixaram a força de intelectual das crianças e jovens e a interação
trabalho mais homogênea em termos próxima entre estas duas instituições é
educacionais. O avanço educacional benéfica e complementar.
contribuiu de forma muito mais relevante para
O ambiente familiar e o escolar são os dois
queda na desigualdade do que as mudanças
principais ambientes de desenvolvimento
nas demais dimensões, como demanda de
humano na cultura contemporânea. O
trabalho e acesso a propriedade.
fortalecimento do relacionamento família-
Além de toda questão da educação formal escola propicia relações mais próximas
como preparação para o mercado de trabalho beneficiando tanto a escola quanto a família.
há também questões de cunho social, uma De acordo com Dessen (2007), a família tem
vez que a educação propicia o conhecimento forte impacto e forte influência no
e desenvolvimento necessário para que os comportamento dos indivíduos,
indivíduos atuem como cidadãos e especialmente das crianças, que aprendem
protagonistas da história e da sociedade.

Tópicos em Administração - Volume 11


109

as diferentes formas de existir, de ver o da educação brasileira, quanto buscas em


mundo e de construir suas relações sociais. bases de dados de artigos científicos, através
de combinações de palavras-chave da área
Por outro lado, a escola é uma instituição em
de Educação de acordo com o Thesaurus
que se priorizam as atividades educativas
Brasileiro da Educação.
formais, sendo identificada como um espaço
de desenvolvimento e aprendizagem, que O sujeito ou população abordado na pesquisa
deve considerar os padrões relacionais, são crianças e jovens, da educação infantil
aspectos culturais, cognitivos, afetivos, até o ensino médio, buscando-se aqui utilizar
sociais e históricos que estão presentes nas os limites etários estabelecidos para níveis de
interações e relações entre as pessoas. ensino: educação infantil (creche para
crianças de 0 a 3 anos de idade e pré-escola
A escola tem uma grande parcela de
para crianças de 4 e 5 anos de idade), ensino
contribuição no desenvolvimento do indivíduo,
fundamental (para crianças de 6 a 14 anos de
uma vez que o atendimento das
idade) e ensino médio (para jovens de 15 a
necessidades cognitivas, psicológicas,
17 anos de idade).
sociais e culturais é realizado de maneira
mais estruturada e pedagógica do que dentro Foram utilizados dados provenientes da
do ambiente familiar. Além do ambiente PNAD - Pesquisa Nacional por Amostra de
familiar, outros fatores parecem influenciar o Domicílios - IBGE, Síntese de Indicadores
desempenho acadêmico e o futuro das Sociais de 2015, publicada em 2016, e
crianças. Síntese de Indicadores Sociais de 2014,
publicada em 2015, com foco nos dados
Este trabalho se propõe a estudar os fatores
relacionados à Educação, Família e Trabalho.
determinantes para o sucesso escolar
independente do nível socioeconômico Os resultados do PNAD de 2015 são os mais
familiar e identificar os principais fatores que atuais divulgados até o momento, porém os
contribuem para alto nível de escolaridade resultados do PNAD de 2014 trazem
das crianças e jovens. informações mais detalhadas na área de
educação, do que os resultados de 2015, por
O trabalho de Barbosa e Randall (2004)
isso foram analisados em conjunto.
menciona que há anos a sociologia da
educação vem demonstrando que fatores Apesar dos dados obtidos através do PNAD
socioculturais são, em geral, mais relevantes possibilitarem o estabelecimento do estado
que os econômicos na educação das da arte da Educação no Brasil com relação à
crianças e jovens. A estrutura familiar em que renda familiar, região demográfica, raça e
o aluno está inserido tem grande impacto na gênero, eles não trazem os fatores que
permanência e continuidade deste aluno na podem afetar o desempenho escolar, além
escola. dos já citados e extensivamente explicados
em diferentes estudos (CASTRO, 2009;
Para atender aos objetivos propostos na
SOUZA, 2014; SPERS, 2017), por isso,
pesquisa, o levantamento bibliográfico foi feito
adicionalmente, foram pesquisados artigos
em duas etapas. A primeira etapa visava
acadêmicos recentes e relevantes ao tema,
estabelecer o estado da arte na área de
que podem ser mais específicos nas causas e
educação brasileira e identificar fatores que
fatores do desempenho escolar de crianças e
possam influenciar o desempenho escolar. A
jovens no Brasil.
segunda etapa tratou de identificar, entender
e relacionar fatores não tão claros e visíveis Através da associação dos diferentes
que podem fazer a diferença na vida de indicadores governamentais e das
crianças e jovens com relação ao informações fornecidas por diferentes artigos
desempenho escolar, independente, por técnicos foi possível, além de se estabelecer
exemplo, da renda familiar, que é hoje o fator o cenário atual da educação brasileira,
mais evidente que afeta o nível de entender e destacar fatores pouco estudados,
escolaridade. (BARROS, 2001; CASTRO, mas de grande impacto no desempenho
2009; ANDRADE, 2007; COSTA; PAVÃO, escolar de crianças e jovens. Foram feitas
2013). comparações com dados históricos desde
2004 até 2015 de modo a se estabelecer a
A coleta de dados seguiu um roteiro de
evolução da educação brasileira neste
análise de documentos e bibliografia na área
período de tempo.
de educação, utilizando-se tanto indicadores
governamentais, que fornecem um panorama

Tópicos em Administração - Volume 11


110

A seguir será apresentado um breve cenário 2.1. RELAÇÃO ENTRE EDUCAÇÃO E RENDA
atual da educação brasileira e os fatores mais
A queda da desigualdade de renda per
apontados como sendo os de maior impacto
capita observada no Brasil na última década
ao sucesso escolar.
reflete melhoria nas condições de vida da
população. Essa queda pode ser explicada
em parte pelo crescimento econômico,
2. CENÁRIO ATUAL DA EDUCAÇÃO
medidas políticas de transferência de renda e
BRASILEIRA
aumento do nível de escolarização da
A educação é reconhecidamente a principal população (SOUZA, 2014).
responsável pelo aumento dos rendimentos
Mas apesar da diminuição da desigualdade
obtidos pelos trabalhadores e pela melhoria
na renda, o Brasil ainda ocupa lugar de
do nível socioeconômico da população. A
destaque quando comparado com outros
educação é um bem coletivo essencial para a
países do mundo e mesmo da América Latina
promoção da cidadania e apresenta um
(IBGE, 2014). Em uma sociedade
impacto visível nas condições gerais de vida
perfeitamente igualitária, cada décimo da
da população, o que a torna imprescindível
população teria 10% dos rendimentos. Apesar
para a inserção social plena (IBGE, 2014).
de evidências de queda na desigualdade de
O Estatuto da criança e do adolescente - distribuição de renda, na última década, a
ECA, Lei Federal no. 8.069, de 13.07.1990 desigualdade ainda continua alta, sendo que
dispõem sobre as condições de vida e bem- em 2013, os 10% mais ricos da população
estar das crianças e adolescentes, visando concentravam 41,7% da renda familiar per
sua proteção integral e garantindo-lhe seus capita.
direitos. A efetivação desses direitos é dever
A desigualdade na distribuição de renda
da família, da comunidade, da sociedade e
brasileira se reflete em desigualdade no nível
do poder público (IBGE, 2014). A ECA dispõe
de escolaridade entre os diferentes estratos
que a criança e o adolescente tem direito a
econômicos da sociedade. A evolução dos
educação, visando seu pleno
anos de estudo acumulados, permite
desenvolvimento, preparo para o exercício da
acompanhar o processo de democratização
cidadania e qualificação para o mercado de
escolar, ou seja, das oportunidade de acesso
trabalho.
ao ensino. A escolaridade média da
Além do interesse da sociedade pelo nível de população com 25 anos ou mais aumentou de
escolaridade, existe também grande interesse 6,4 anos em 2004 para 7,7 anos em 2013.
por parte dos responsáveis governamentais,
A análise também mostra que o incremento
uma vez que nível de escolaridade e sucesso
em anos totais de estudo foi maior para o
escolar está relacionado ao desenvolvimento
quinto inferior (mais pobre) da população.
econômico e social da nação. Nesse sentido,
Este pode ser um indicativo que a
a elevação do nível educacional da
desigualdade está diminuindo cada vez mais,
população e a maior igualdade no acesso à
mas ainda é muito grande. Os dados são
educação de qualidade devem ser objetivos
apresentados na Figura 1.
prioritários da sociedade e governo.

Tópicos em Administração - Volume 11


111

Figura 1: Média de anos de estudo de pessoas de 25 nos ou mais, segundo os quintos do


rendimento mensal familiar per capita - Brasil - 2004/2013.

Fonte: PNAD (IBGE, 2014, p. 111).

Além da desigualdade no nível educacional, oferecidos e gerenciados pelos municípios,


para a população mais pobre, existe um enquanto o Ensino Médio é de
círculo vicioso a ser quebrado. Jovens de responsabilidade dos estados.
famílias com maior renda tem maior chance
A região Sudeste é a que apresenta a maior
de terminar os estudos do que jovens de
população entre as regiões brasileiras,
famílias mais pobres que precocemente
seguida pela região Nordeste. Entretanto, a
entram no mercado de trabalho,
região Nordeste é a região que apresenta a
abandonando os estudos, para ajudar a
menor taxa de urbanização, e estudos
família na geração de renda
mostram que o nível de escolaridade é menor
(SCHWARTZMAN, 2007; COSTA; PAVÃO,
em regiões rurais do que regiões urbanas
2013). Há também evidências da relação de
(COSTA; PAVÃO, 2013).
anos de estudo x salários. Quanto maior o
número total de anos estudados, maior é o Todos estes fatores afetam o nível de
salário recebido pelo indivíduo (IBGE, 2014). escolaridade da população das diferentes
regiões. Mesmo com o aumento no número
total de anos de estudo de 2004 a 2015,
2.2. RELAÇÃO ENTRE EDUCAÇÃO E ainda existem diferenças significativas entre
DIFERENÇAS REGIONAIS as regiões, sendo que a região Nordeste é a
região com menor número de anos total de
Um grande desafio da educação brasileira é
estudo (6,7 anos), e a região Sudeste é a
universalizar o acesso e a qualidade da
região com maior índice (8,3 anos). A Figura 2
educação entre as diferentes regiões do país.
mostra o número médio de anos de estudo
Esta tarefa é dificultada pelo fato de que o
das pessoas de 10 anos ou mais de idade,
sistema de educação brasileiro é
por Grandes Regiões, nos anos de 2004 e
descentralizado, sendo que a Educação
2015.
Infantil e o Ensino Fundamental são

Tópicos em Administração - Volume 11


112

Figura 2: Número médio de anos de estudo das pessoas de 10 anos ou mais de idade, por Grandes
Regiões - 2004/2015.

Fonte: Adaptado de PNAD (IBGE, 2015, p. 49).

3. CENÁRIO GERAL E POLÍTICAS PÚBLICAS de produção educacional” à relação existente


entre uma série de “insumos” ao processo
Indicadores como renda familiar e aspectos
educacional e o seu “produto” (ALBERNAZ,
regionais estão bem mapeados através de
FERREIRA, FRANCO, 2002), em que o
estudos, como fatores que afetam o nível de
desempenho dos alunos é função de uma
escolaridade e o sucesso escolar de crianças
série de fatores agrupados da seguinte forma:
e jovens. Isto sem mencionar outras
características clássicas da sociologia como  Características pessoais do aluno
gênero e raça/cor (ANDRADE, 2007). (ex.: raça e gênero)
Estes fatores são normalmente os pontos  Características familiares (ex.: nível
levados em conta e os mais estudados no socioeconômico, renda).
estabelecimento do panorama geral da
 Características do ambiente escolar
educação brasileira e no desenvolvimento de
políticas públicas e metas para melhoria da  Características dos professores (ex.:
educação no Brasil, uma vez que sucesso formação, experiência).
escolar está fortemente relacionados ao
 Outras características escolares
desenvolvimento econômico e social do país.
É senso comum a importância que a família
O grande desafio dos estudiosos da área é
tem no desenvolvimento de crianças e jovens
entender como a dinâmica social e as
e consequentemente seu impacto na vida
políticas educacionais se relacionam com a
escolar.
evolução dos indicadores sociais. Além disso,
estes fatores podem ser influenciados por A importância dos atributos escolares sobre o
políticas educacionais, o que faz com que desempenho de crianças e jovens ainda é um
sejam de maior interesse pelos formuladores assunto controverso. Existe vasta literatura e
de políticas públicas. com conclusões diversas sobre este ponto.
Mas de modo geral, o impacto dos atributos
O gestor público escolhe os fatores escolares
escolares tem relevância baixa sobre o
que terão maior impacto nos resultados de
desempenho, especialmente quando
níveis de aprendizado para direcionamento
comparado ao impacto do ambiente familiar
dos investimentos e determinação de políticas
(FELICIO, 2005).
na área. Isto justifica a persistência na
investigação sobre o tema. Estudos (ALBERNAZ, FERREIRA, FRANCO,
2002; FELICIO, 2005; FELICIO, 2008) indicam
Porém, existem outros fatores não tão óbvios
que a parcela do desempenho escolar
e visíveis que também afetam o desempenho
influenciada pela família, mais
escolar e que não são tão facilmente
especificamente pelos indicadores: nível de
atingidos pelas políticas educacionais. São os
escolaridade dos pais e nível sócioeconômico
fatores ligados ao ambiente familiar e a
familiar, é de 70%, enquanto a parcela do
comunidade em que a criança ou jovem está
desempenho escolar relacionada a atributos
inserido. Economistas dão o nome de “função
escolares é de apenas 30%.
Tópicos em Administração - Volume 11
113

4. ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS 4.1. O SUCESSO ESCOLAR E OS FATORES


RESULTADOS DA PESQUISA APONTADOS COMO DE MAIOR INFLUÊNCIA
A segunda etapa deste trabalho tratou de Os diversos documentos encontrados foram
identificar, entender e relacionar fatores que analisados e a consolidação dos resultados
mais fazem diferença na vida de crianças e encontrados destaca os fatores a seguir como
jovens com relação ao aprendizado e sendo os mais importantes para um bom
desempenho escolar. desempenho escolar, tanto atributos
escolares como do ambiente familiar.

Figura 3: Parcela do desempenho escolar influenciada por atributos escolares e familiares.

Fonte: Adaptado de Felício (2008, p. 15).

Foi apontado que a influência do ambiente e c) Escolha do diretor por meritocracia e via
características familiares tem maior impacto eleição
sobre o aprendizado e desempenho escolar
do que atributos escolares, portanto será
4.2.1. EDUCAÇÃO INFANTIL
dada maior ênfase a estes aspectos.
Pesquisas mostram que a educação pré-
Atributos escolares referem-se à infraestrutura
primária e infantil tem impacto positivo no
e recursos e capacitação de professores e
desenvolvimento cognitivo dos alunos e no
diretores e são quantitativamente de menor
desempenho com relação ao maior número
impacto, apesar de serem muito mais
de anos totais estudados e futuramente até
estudados devido a serem norteadores de
mesmo em nível salarial (ALVES, 2008; CURI,
políticas públicas.
2009; CURI, 2014). Estes estudos mostram
Características do ambiente familiar e que crianças que frequentaram a creche ou
comunidade são variáveis quantitativamente pré-escola completaram mais anos de
de maior impacto e muito menos estudados, estudos do que crianças que iniciaram os
devido a serem de difícil identificação a estudos no ensino fundamental. Além disso,
relação entre estas características e após ingresso no mercado de trabalho os
desempenho escolar, além de não serem salários dos indivíduos que começaram a vida
diretamente atingidos por políticas públicas. escolar entre 4 e 6 anos eram, em média,
maiores do que o salário dos indivíduos que
começaram a vida escolar após os 6 anos.
4.2. A INFLUÊNCIA DOS ATRIBUTOS
Além disso, Ramos (2015) menciona
ESCOLARES NO DESEMPENHO DE
evidências de que a frequência de crianças
CRIANÇAS E JOVENS
em creches e pré-escolas tem impacto
Estudos (ALVES, 2008; FELÍCIO, 2008) positivo sobre a renda na fase adulta. Quanto
apontam os seguintes atributos escolares mais desfavorecido for o ambiente em que a
como sendo os de maior impacto positivo criança vive, maior será o retorno. A
sobre o desempenho escolar dos alunos: amplitude dos benefícios alcançados é
notória uma vez que perdura no tempo (até a
a) Atendimento à Educação Infantil
idade adulta), passando por retornos
b) Formação superior do corpo docente
acadêmicos, ganhos no mercado de trabalho,

Tópicos em Administração - Volume 11


114

atingindo até mesmo queda na incidência de a) Nível socioeconômico familiar mais elevado
crimes e delinquência. b) Maior nível de escolaridade dos pais e
c) Práticas e cultura familiares voltados para
criação de ambiente acolhedor e motivador
4.2.2. CORPO DOCENTE
Alunos de professores com formação em nível 4.3.2. NÍVEL SOCIOECONÔMICO FAMILIAR
superior tem, em média, desempenho escolar MAIS ELEVADO
melhor que os demais (ALVES, 2008;
Apesar de expressiva associação entre os
FELÍCIO, 2008). Por outro lado, a
níveis socioeconômico familiar e o
inexperiência dos professores tem efeito
desempenho escolar dos alunos, o impacto
negativo sobre os alunos. Estudo aponta que
do nível socioeconômico é geralmente menor
alunos de professores com menos de 3 anos
do que o apontado pelos indicadores e pela
de experiência em sala de aula tem, em
literatura. As antigas teorias em que o meio
média, desempenho inferior aos demais
social de origem é tomado de maneira global
(RIVKIN, 2005).
e as atividades familiares deduzidas de sua
condição social estão dando lugar a estudos
mais recentes onde há um reconhecimento da
4.2.3. ESCOLHA DO DIRETOR POR
heterogeneidade das famílias das camadas
MERITOCRACIA E ELEIÇÃO
mais pobres e uma análise não determinística
As escolas públicas com melhor desempenho da realidade social (ZAGO, 2000).
na rede de ensino mostram que a escolha do
Mesmo assim, o nível socioeconômico familiar
diretor por processo de meritocracia e via
ainda é fator que afeta o desempenho do
eleição tem resultados positivos na escola
aluno, assim como o nível socioeconômico da
como um todo e no desempenho dos alunos
escola frequentada. Como a escolarização
quando comparadas com escolas onde o
envolve dinâmicas sociais, o aluno de menor
diretor era indicado por técnicos da área
nível socioeconômico acaba sendo punido.
(ALVES, 2008). A forma de escolha do diretor
Devido às condições de sua família a
afeta sua aceitação pelo grupo de
probabilidade de estudar em escolas de
convivência e trabalho, os interesses com os
baixa qualidade é maior, quando comparado
quais está comprometido e o estilo de gestão
a um aluno de maior nível socioeconômico
escolar a ser implementado.
que tem maiores chances de frequentar uma
escola onde a clientela possui nível
socioeconômico superior e o ensino é de
4.3. A INFLUÊNCIA DO AMBIENTE FAMILIAR
melhor qualidade.
NO DESEMPENHO DE CRIANÇAS E JOVENS
Pode-se traduzir este ponto para a rede de
Os fatores ligados ao ambiente familiar
ensino à qual a escola pertence, pública ou
apesar de serem quantitativamente de maior
privada, que está diretamente ligada ao nível
impacto no desempenho são menos
socioeconômico familiar. Famílias de maior
estudados, devido a serem de difícil
poder aquisitivo conseguem manter suas
identificação e além de não serem
crianças em escolas particulares, ditas de
diretamente atingidos por políticas públicas.
melhor qualidade de ensino.
Apesar de termos casos de sucesso em
4.3.1. INFLUÊNCIA DO AMBIENTE FAMILIAR escolas públicas e escolas particulares de
NO DESEMPENHO DE CRIANÇAS E JOVENS qualidade ruim, de um modo geral, estudos
(Felício, 2008) apontam para uma relação
O ambiente familiar e a comunidade em que a
negativa entre desempenho escolar e rede
criança está inserida é o fator da maior
pública de ensino.
impacto no desempenho escolar, apesar de
pouco estudado. De maneira geral, podemos atribuir estes
resultados a características de infraestrutura e
Aprofundar-nos-emos neste tema,
corpo docente das escolas. Maior
relacionando diferentes estudos (ZAGO,
disponibilização de recursos e conforto físico
2000; BARROS, 2001; FERREIRA, 2002;
afeta positivamente o desempenho dos
ALVES, 2008; FELÍCIO, 2008) que apontam os
alunos assim como escolas que pagam
seguintes elementos do ambiente familiar
maiores salários a seus professores tendem a
como sendo os de maior impacto positivo
atrair profissionais mais qualificados.
sobre o desempenho escolar dos alunos:
Tópicos em Administração - Volume 11
115

O IDEB – Índice de Desenvolvimento da desempenho de alunos de escolas públicas e


Educação Básica, que é o principal indicador privadas, fortalecendo as conclusões sobre
de resultados educacionais para a educação influência do nível socioeconômico e maior
básica, de 2013 aponta diferenças entre o qualidade do ensino na rede particular.

Figura 4: Índice de desenvolvimento da educação básica – IDEB, Brasil 2013.

Fonte: Adaptado de PNAD (IBGE, 2014, p. 107).

4.3.3. NÍVEL DE ESCOLARIDADE DOS PAIS Muito provavelmente este fato se deve por,
normalmente, ser a mãe quem acompanha as
O nível de escolaridade dos pais e os níveis
tarefas escolares e frequentam reuniões com
socioeconômico familiar, juntos, são os
professores, o que favorece a identificação de
responsáveis por criar o ambiente adequado
qualquer dificuldade que possa surgir e
ao desenvolvimento das crianças e jovens.
ações para mitigar o problema.
Quando as práticas familiares não são
favoráveis ao desenvolvimento e A figura 5 abaixo mostra que o nível de
acompanhamento escolar, por questões escolaridade da mãe é fator de maior impacto
diversas, o nível de escolaridade dos pais ao desempenho da criança do que o nível de
passa a ter maior peso no sucesso escolar. A escolaridade do pai (FELÍCIO, 2008).
escolaridade dos pais, e em particular a da
O nível de escolaridade da mãe medido em
mãe, é o fator mais determinante do
diferentes estudos teve impacto positivo e
desempenho escolar, e tem maior impacto do
estatisticamente significativo no desempenho
que a renda familiar per capita (BARROS,
escolar das crianças em 78% dos casos
2001).
estudados em comparação com 60% do
impacto dos pais.

Figura 5: Comparação entre nível de escolaridade do pai e da mãe e impacto no desempenho


escolar das crianças.

Fonte: Adaptado de Felício (2008, p. 29).

Ainda em relação ao nível de escolaridade da para um grupo de crianças com alto


mãe, um estudo (BARBOSA, 2004) mostrou desempenho e outro grupo de crianças com
as diferenças entre anos de escolaridade baixo desempenho.
Tópicos em Administração - Volume 11
116

Enquanto que para o grupo de alto condições ambientais que estimulem e


desempenho o valor médio de anos de motivem a vida escolar. Há evidências de que
estudo acumulados pela mãe era de 7,8 anos, crianças sem problemas de comportamento
no grupo de baixo desempenho este valor era na escola e bom desempenho são
de 2,7 anos, o que evidencia ainda mais a favorecidas por ambientes familiares
influência da escolaridade materna no apoiadores e acolhedores, ao contrário de
desempenho escolar dos filhos. crianças com problemas de comportamento e
baixo desempenho (FERREIRA, 2002).
O nível de escolaridade dos pais se acumula
ao longo de vários anos e está associado com Alunos de baixo desempenho, comparados a
rendas maiores e permanentes, pouco alunos de alto desempenho, se mostraram
sujeitas a variações ao longo do tempo. Uma sensíveis e mais propensos as seguintes
vez que o nível de escolaridade dos pais está situações: contexto familiar adverso (morar
mais associado à renda permanente da com ambos os pais é mais positivo do que
família também está fortemente relacionada à morar somente com um ou com nenhum
escolaridade dos filhos. deles); menor renda familiar e menor conforto
físico, nível baixo de escolaridade dos pais;
A escolaridade dos pais não apenas eleva a
menor acesso a materiais de leitura e
renda, mas pode também ser fator importante
materiais educativos e menor frequência dos
na redução de custo da educação, pois
pais em reuniões escolares, o que pode ser
quanto maior a escolaridade dos pais, menor
traduzido em menor participação dos
são as dificuldades e custo de aprendizagem
responsáveis na vida escolar da criança
dos filhos. Pais de crianças com baixo
(SANTOS, 2005).
desempenho escolar apresentam nível de
escolaridade inferior aos de crianças com alto Aos poucos vem sendo desmistificado a
desempenho (SANTOS, 2005). percepção de que as crianças com baixo
desempenho são em sua maioria
A baixa escolaridade dos pais não favorece a
provenientes de famílias de baixa renda. O
escolaridade dos filhos uma vez que este tem
que mais importa no desenvolvimento das
maiores dificuldades em orientar e
crianças são as práticas familiares com
acompanhar os filhos nos assuntos escolares.
relação aos estudos, ou seja, a educação e
Ao mesmo tempo, estes pais tem pouca
conhecimento dos pais que favoreçam o
expectativa em relação ao futuro dos filhos
envolvimento deles nas atividades escolares
sobre escolarização futura e mesmo
dos filhos.
graduação em um curso de nível superior.
Importante dizer que as desigualdades
Quando os pais conseguem passar aos filhos
sociais afetam o desempenho escolar dos
a importância dos estudos, estes
alunos, mas isso se dá através das
desenvolvem comportamentos que os levam
expectativas familiares onde é possível captar
ao sucesso escolar. Diferente dos pais de
tendências a reprodução da desigualdade ou
baixa escolaridade, os pais com maior
não, quanto mais baixa for à condição social
escolaridade percebem a educação como um
do aluno (BARBOSA, 2004). Famílias de baixa
investimento e como forma de aumentar a
renda e de pais com baixa escolaridade
produtividade e renda futura dos filhos.
tendem a ter poucas expectativas em relação
ao futuro educacional e profissional dos filhos.
4.3.4. PRÁTICAS E CULTURA FAMILIAR Para compreender mais a fundo o processo
de aprendizagem e desenvolvimento é
Evidências apontam que práticas familiares
necessário considerar os vários ambientes em
de escolarização como elementos de
que o aluno vive e conhecer os processos
trajetórias bem sucedidas, independem do
envolvidos em cada contexto e suas inter-
nível socioeconômico. A família pode
relações (POLÔNIA, 2005).
acompanhar de forma positiva a escolaridade
da criança através de presença constante, Considerando-se os diversos fatores que
apoio moral e afetivo. influenciam o desempenho escolar é de
extrema importância a interação entre família
Partindo-se deste ponto de vista, estas
e escola para o desenvolvimento do aluno e
práticas não estão voltadas para domínios
da aprendizagem. Quando família e escola
escolares, mas para domínios periféricos, isto
mantêm boas relações as condições para o
é, práticas não diretamente ligadas à
aprendizado e desenvolvimento da criança,
educação, mas voltadas a criação de
são otimizadas. Pais e professores
Tópicos em Administração - Volume 11
117

trabalhando juntos resultam em soluções A melhoria dos níveis de escolaridade


melhores e específicas aos papéis de cada brasileira demanda maior capacidade de
um na educação e evolução das crianças. análise pelos gestores sobre temas que tem
grande influência sobre o desempenho, como
o impacto do ambiente familiar e comunidade
5. CONSIDERAÇÕES FINAIS e coragem para quebrar o círculo vicioso da
desigualdade e pobreza focando
A educação, ou a falta desta, é hoje o
principalmente nas famílias de baixíssimo
argumento de maior poder explicativo para as
nível de escolaridade, investindo-se na
desigualdades de renda observadas no
educação de todos, pais e alunos.
Brasil.
As políticas públicas seriam mais efetivas se
É de interesse da sociedade e da gestão
tivessem como alvo principal ao invés de
pública diminuir as desigualdades e para isto
famílias de baixa renda, famílias de baixo
está sendo dado foco à universalização do
nível de escolaridade dos pais ou provedores.
acesso escolar e as políticas educacionais.
A grande maioria dos estudos na área foca
O Brasil é um país muito grande e complexo,
em fatores de pouco impacto no
com fortes características regionais. Políticas
desempenho, porém fatores que podem ser
que funcionam em outros países podem não
atingidos por políticas públicas. É preciso
ser efetivas para a realidade brasileira que
estabelecer novas diretrizes políticas que
demanda diversidade, inovação e avaliação
comtemplem e estimulem a relação família-
constante das políticas educacionais
escola em benefício dos alunos e da
praticadas.
educação.
O cruzamento de diferentes dimensões,
Para uma mudança efetiva e diminuição da
desde práticas familiares, qualidade da rede
desigualdade educacional deveria ser dado
de ensino e até vontade e esforços dirigidos
maior atenção aos fatores periféricos que
para o sucesso são todos fatores importantes
influenciam sucesso escolar como nível
para o bom desempenho escolar.
socioeconômico familiar, nível de
Todos estes fatores precisam ser analisados escolaridade dos pais e cultura familiar que
em uma relação de interdependência. incentive e valorize educação e estudos.
Embora diversos fatores isolados sejam Estes são os fatores identificados como de
condições favoráveis à escolaridade, nenhum maior impacto no desempenho educacional,
fator sozinho é determinante para o sucesso porém demandam mais esforços por parte de
escolar. políticas públicas para que possam ser
positivamente influenciados.

REFERÊNCIAS [4] Barros, Ricardo Paes et al. Determinantes


no desempenho educacional no Brasil. Pesquisa
[1] Albernaz, Ângela; Ferreira, Francisco HG; Plano Econômico. Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, p. 1-42
Franco, Creso. Qualidade e equidade no ensino abril 2001.
fundamental brasileiro. 2002. Disponível em: <
http://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/4340>. [5] Castro, Jorge Abrahão. Educação e
Acesso em: 22 fev. 2017. Desigualdade na Educação Brasileira. Educação
Social, Campinas, v. 30, n.108, p.673-697, 2009.
[2] Alves, Fátima. Políticas educacionais e
desempenho escolar nas capitais brasileiras. [6] Costa, Jaqueline; Becker, Kalinca; Pavão
Cadernos de Pesquisa, v. 38, n. 134, p. 413-440, Andressa. Influência da renda domiciliar per capita
2013. na alocação do tempo dos jovens no Brasil. Revista
de Economia, Paraíba, v. 39, n. 1 (ano 37), p.7-24,
[3] Andrade, Cibele Yahn; Dachs, Norberto 2013.
W. Acesso a Educação por faixas etárias segundo
renda e raça/cor. Núcleo de estudos de políticas [7] Curi, Andréa Zaitune; Menezes-Filho,
públicas da Universidade Estadual de Campinas. Naércio Aquino. A relação entre educação pré-
Cadernos de Pesquisa, Campinas, v. 37, n. 131, p. primária, salários, escolaridade e proficiência
399-422, maio/ago 2007. escolar no Brasil. Estudos Econômicos, São Paulo,
Barbosa, Maria L. O; Randall, Laura. Desigualdade v. 39, n. 4, p. 811-850, 2009.
social e a formação de expectativas familiares e de
[8] Curi, Andréa Zaitune; Menezes-Filho,
professores. Caderno CRH, Salvador, v. 17, n. 41,
Naercio Aquino. The relationship between school
p. 299-308. Mai-Ago 2004.

Tópicos em Administração - Volume 11


118

performance and future wages in Brazil. Economia, 2015. Disponível em:


v. 15, n. 3, p. 261-274, 2014. <http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv
98887.pdf>. Acesso em: 2 fev. 2017.
[9] De Martino, Paulo Jannuzzi. Pobreza,
Desigualdade e Mudança Social: trajetória no [17] Inep, Instituto Nacional de Estudos e
Brasil recente (1992 a 2014). Revista de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. IDEB:
Pesquisas sobre as Américas, v. 10, n. 3, p. 29, Índice de desenvolvimento da educação básica.
2016. Brasília/DF: MEC - Ministério da Educação e
Cultura; INEP - Instituto Nacional de Estudos e
[10] Dessen, Maria Auxiliadora; Polonia, Ana
Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2017.
da Costa. A Família e a Escola como contextos de
Disponível em <http://ideb.inep.gov.br/>; Acesso
desenvolvimento humano. Paidéia, v. 17, n. 36, p.
em 01/12/2017.
21-32, 2007.
[18] Polonia, Ana da Costa; DESSEN, Maria
[11] Felicio, Fabiana de. Fatores Associados
Auxiliadora. Em busca de uma compreensão das
ao Sucesso Escolar: Levantamento, Classificação e
relações entre família escola. Psicologia escolar e
Análise dos Estudos Realizados no Brasil. São
educacional, v. 9, n. 2, p. 303-312, 2005.
Paulo: Fundação Itaú Social, 2008. Disponível em:
< [19] Ramos, Carlos Alberto. Introdução a
http://200.196.152.249/_arquivosestaticos/FIS/pdf/f Economia da Educação. 1. ed. São Paulo, Alta
ase_ultima_versao.pdf>. Acesso em: 22 fev. 2017 Books, p. 55. 2015.
[12] Felício, Fabiana; Fernandes, Reynaldo. O [20] Rivkin, Steven G.; Hanushek, Eric A.; Kain,
efeito da qualidade da escola sobre o desempenho John F. Teachers, Schools, and Academic
escolar: uma avaliação do ensino fundamental no Achievement. Econométrica. v. 73, n. 2, p. 417-58,
estado de São Paulo. Anais do XXXIII Encontro 2005.
Nacional de Economia, 2005. Disponível em: <
[21] Santos, Patricia Leila; Graminha, Sonia
http://www.anpec.org.br/encontro2005/artigos/A05
Santa V. Estudo Comparativo das características
A157.pdf>. Acesso em: 22 fev. 2017.
do ambiente familiar de crianças com alto e baixo
[13] Ferreira, Francisco G. Desigualdade e rendimento acadêmico. Paidéia, v. 15, n. 31, p.
pobreza no Brasil. Os determinantes na 217-226, 2005.
desigualdade de renda no Brasil: luta de classes
[22] Schwartzman, S.; Cossio, M. B. Juventude,
ou heterogeneidade educacional. Rio de Janeiro,
educação e emprego no Brasil. Cadernos
Seminário sobre Desigualdade e Pobreza no Brasil,
Adenauer - Geração Futuro, Rio de Janeiro. v. 7, n.
Cap. 5 p. 131 – 158. 1999. Disponível em: <
2, p. 51-65, 2007.
http://www.empreende.org.br/pdf/Programas%20e
%20Pol%C3%ADticas%20Sociais/Desigualdade%2 [23] Souza, Pedro Herculano Guimarães
0de%20renda%20no%20Brasil.pdf>>. Acesso em: Ferreira de; Carvalhaes, Flavio Alex de Oliveira.
22 fev.2017. Estrutura de Classes, Educação e Queda da
Desigualdade de Renda (2002-2011). Revista de
[14] Ferreira, Marlene de Cássia Trivellato;
Ciências Sociais. Rio de Janeiro, v. 57, n. 1, p. 101-
MARTURANO, Edna Maria. Ambiente familiar e os
128, Mar. 2014
problemas de comportamento apresentados por
crianças com baixo desempenho escolar. [24] SPERS, Renata Giovinazzo; Nakandakare,
Psicologia: Reflexão e crítica, v. 15, n. 1, p. 35-44, Luciana Tiemi. Geração de Renda e Educação na
2002. Base da Pirâmide Populacional: um estudo no
município de São Paulo. Revista de Ciências da
[15] Ibge, Instituto Brasileiro de Geografia e
Administração, Florianópolis, p. 52-64, dez. 2013.
Estatística – Ibge. PNAD – Pesquisa Nacional de
ISSN 2175-8077. Disponível em:
Amostra de Domicílios Síntese de Indicadores
<https://periodicos.ufsc.br/index.php/adm/article/vi
2014. Disponível em:
ew/2175-8077.2013v15n37p52/26102>. Acesso
<http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv
em: 24 jan. 2017.
91983.pdf>. Acesso em: 2 fev. 2017.
[25] Zago, N. Quando os dados contrariam as
[16] Ibge, Instituto Brasileiro de Geografia e
previsões estatísticas: os casos de êxito escolar
Estatística – IBGE. PNAD – Pesquisa Nacional de
nas camadas socialmente desfavorecidas. Paidéia,
Amostra de Domicílios Síntese de Indicadores
v. 10, n. 18, p. 70-80, 2000.

Tópicos em Administração - Volume 11


119

Capítulo 12

Anne Thays Siroca


Josiane Poczynek
Marcos de Castro

Resumo: O presente estudo teve como objetivo caracterizar a densidade e


centralidade dos relacionamentos entre os alunos do curso de administração da
Unicentro, a partir da abordagem das redes sociais. Sabe-se que redes são
consideradas como interconexões, relacionamento entre pessoas, empresa ou
grupos, que em dado momento se relacionam formando o que se chama de rede.
Desta forma, foi adotada uma abordagem quantitativa por meio de uma estratégia
de levantamento. A população considerada é composta pelos alunos do curso de
administração matriculados no campus Santa Cruz da Unicentro, em Guarapuava.
Por meio da pesquisa, obteve-se que o grau de densidade é de 0,007,
representando que do total de contatos possíveis ocorre 7% de ligações entre os
alunos pesquisados, possivelmente por se tratar de uma rede “grande” (277
respondentes). Sobre o aspecto de centralidade, verificou-se que às turmas
possuem tendência de contatos essencialmente dentro das próprias turmas,
apresentando baixa frequência de relacionamento com alunos de outras salas,
constituindo uma rede fechada.

Palavras-chave: Relacionamentos, Redes Sociais, Centralidade, Densidade,


Coesão.

*Este trabalho é parte dos resultados de projeto de pesquisa vinculado ao programa de Iniciação
Científica da UNICENTRO, com apoio da Fundação Araucária

Tópicos em Administração - Volume 11


120

1. INTRODUÇÃO social. A rede vem influenciando muitos


estudos no âmbito da estratégia e da teoria
A ideia da aplicação dos conceitos de redes
das organizações.
no estudo dos fenômenos organizacionais
tem sido utilizada por diversas áreas do Por fim, o posicionamento estrutural e
conhecimento, fato que também se observa relacional dos atores em uma determinada
no campo das ciências sociais, mais rede compreende diferentes configurações
especificamente na área dos estudos possíveis dos processos de troca. É possível
organizacionais. Neste caso, a perspectiva participar de uma rede altamente conectada
das redes emergiu, principalmente, na com relações de longo prazo, mas também é
tentativa de compreender os fenômenos possível participar de uma rede difusa e
interorganizacionais em toda sua conseguir informações novas. Dimensionar
complexidade de maneira que essa estas propriedades permite compreender
perspectiva surge alternativa para a qual é o posicionamento estrutural e
compreensão dos relacionamentos entre as relacional mais adequado ao contexto de uma
organizações. organização. Assim, esses conceitos são
essenciais para o estudo das redes de
Assim, de acordo com Souza (2009, p. 3) o
fornecimento e suas respectivas formas de
conceito de redes parte da idéia de:
coordenação.
(...) interconexão, de relacionamentos entre
nós, que podem ser pessoas, empresas,
grupos, países ou quaisquer outras unidades 2. REFERENCIAL TEÓRICO
discretas. A partir do momento em que estes
No Brasil, o tema “redes de cooperação” vem
nós estão interligados por meio de relações,
recebendo um grande destaque na área
pode-se dizer que eles formam uma rede.
universitária e contando com o apoio do setor
Ou seja, indivíduos dentro de um conjunto de público. O exemplo das experiências
redes devem permanecer entrelaçados e internacionais bem sucedidas de redes de
ligados entre si. Isso remete que rede forma cooperação, e a pressão de setores do
uma espécie de malha onde inclui todos os empresariado evidenciam medidas para
participantes de um grupo. estimular a produção e estabelecer critérios
mais vantajosos para o país nas relações
O conceito de redes parte também do
comerciais com o mercado internacional, o
princípio de que o homem é um ser
que vem motivando estudos e pesquisas na
totalmente social e precisa manter diversos
área acadêmica e influenciando a formulação
tipos de relacionamentos durante sua
de políticas governamentais de apoio e
existência.
incentivo a cooperação e ao associativismo.
Neste sentido, que a utilização do conceito de No setor comércio, em 1999, com a função de
redes tem se expandido a vários campos de elaborar uma nova política industrial para o
estudo como a antropologia, ciência política, país e que, na formulação das diretrizes de
psicologia, sociologia e aos estudos apoio à micro e pequenas empresas, que
organizacionais. As análises das redes são recebeu tratamento diferenciado ao entrar em
empregadas para compreender relações vigor o estatuto específico desse segmento,
entre organizações e/ou instituições, à em 2000. (SILVA, 2005).
medida que há um maior interesse do papel e
O conceito de redes de cooperação parte do
consequências das redes no sistema
princípio de que o homem é um ser
econômico. Atualmente existem metodologias
eminentemente social e necessita durante
sofisticadas para a análise das redes
toda sua vida manter diversos tipos de
(SACOMANO, 2004).
relacionamentos e interações com outras
De acordo com Neto (2004, p. 2): pessoas. Esse tipo de comportamento social
pode ser entendido para os grupos sociais,
A rede como forma analítica teve grande
dentro do princípio de que esses grupos são
influência da antropologia e da sociologia na
formados por pessoas. Assim, os princípios
análise das redes de afiliação. Os estudiosos
fundamentais da aplicação dos conceitos de
buscavam compreender como os indivíduos
redes são: interação, relacionamento, ajuda
são ligados uns aos outros e como estas
mútua, compartilhamento, integração e a
relações funcionam como um facilitador para
complementaridade (CÂNDIDO; ABREU,
as realizações e ainda como uma “cola” que
2000).
proporciona ordem e significado para a vida

Tópicos em Administração - Volume 11


121

O tema redes de cooperação surge como As redes de empresas atrelam-se a


uma nova forma de organização do trabalho e administração das operações estratégicas e a
relações entre indivíduos e empresas. Este busca do posicionamento competitivo para
novo modelo propõe maior competitividade toda a rede coletiva, pressupondo forte
entre as organizações, aliando a flexibilidade integração interorganizacional e coesão
presente no sistema de redes. massiva dos processos de negócios das
empresas. Nas redes prevalece à focalização
Para Amato (1998), “a formação de redes de
dos negócios e a flexibilidade coletiva,
cooperação surge como uma alternativa
incrementando-se, continuamente, a
inovadora e estratégica nas empresas,
rentabilidade das empresas, através de uma
opondo-se à concepção verticalizada e
gama estreita de processos, tecnologia de
fragmentada da cadeia produtiva”.
produto e core business. (BARBOSA E
Segundo Garcia (2000), as redes são como SACOMANO, 2001).
um conjunto de organizações que atuam de
Segundo Gandori e Soda (1995), no início
maneira articulada/coordenada, e cujos
atribuiu-se o surgimento das redes de
processos decisórios estariam
cooperações como oportunidades nas folhas
primordialmente ligados a existência da rede.
de mercado ou consequência de folha
As redes não nascem necessariamente sob
burocrática. As principais dificuldades
algum contrato, pois estes podem dificultar a
surgiram nos estudos organizacionais em:
troca de vantagens competitivas. Como ações
importantes, tem a convergência de a) Como alcançar alguns resultados em redes
interesses, independência dos agentes, de cooperação;
engajamento mútuo, durabilidade das b) Como alcançar a estabilidade de acordos;
relações, fidelidade e a cooperação. c) Como esboçar um grau de estrutura e
formalização de redes.
As redes de cooperação podem ser
traduzidas como uma relação de cooperação Os tipos de redes segundo os autores é o
mantendo uma interdependência entre as estudo da tipologia de redes que é relevante
empresas, que se unem por objetivos para focalizar o tipo de relações entre
lucrativos em comum, como por exemplo, empresa que está analisando indicando quais
financiar uma pesquisa, introdução de novo os mecanismos aplicados. Redes são formas
produto no mercado, realizar alianças de organizações que podem regular a
oportunistas, entre outros. É importante cooperação entre as empresas, são
ressaltar que deve haver uma relação de combinações particulares entre os
confiança, já que essas empresas interagem mecanismos já descritos. As formas de redes
não só nos negócios, como também sofrem que utilizam uma comparação entre formas
influências sociais e comportamentais. existentes são características pelos seguintes
indicadores:
Nohria (1992) considera que existem três
razões principais para o aumento do interesse a) Grau de formalidade;
pela perspectiva das redes para o estudo dos b) Centralização;
fenômenos organizacionais: c) Combinação de mecanismos de
coordenação.
a) Aumento da competição que redefiniu o
relacionamento entre clientes, fornecedores e De acordo com Emirbayer e Goodwin (1994),
até mesmo competidores; a análise de redes emergiu como uma nova
b) Desenvolvimento tecnológico, pois, entre abordagem nas ciências sociais ainda em
outras consequências, as novas tecnologias meados da década de 1970, trazendo
da informação tem possibilitado uma maior consigo metodologias diversas
eficiência e novas formas de organização do cuidadosamente distinguidas a partir de três
processo por meio das redes perspectivas principais: cultura, agência e
interorganizacionais; estrutura. Em outro trabalho, Emirbayer (1997)
c) Amadurecimento da análise de redes que define a abordagem de redes nas ciências
fez com que essa perspectiva passasse a sociais não como uma teoria ou um conjunto
ocupar lugar de destaque nos estudos complexo de técnicas de pesquisa, mas
organizacionais, além dos outros campos da como uma nova perspectiva analítica para o
ciência como a sociologia, a antropologia e a estudo de como recursos, bens, e mesmo
psicologia. posições fluem por meio de figurações
particulares do social.

Tópicos em Administração - Volume 11


122

No entanto para melhor compreensão das colocadas por Wasserman e Faust (1994)
redes, existem diferentes estruturas que são: centralidade, equivalência estrutural,
facilitam os analistas a desvendar as autonomia estrutural, densidade e coesão.
complexas relações entre os atores e Todas essas propriedades estão ilustradas no
promovem melhor entendimento dos dados quadro 01 abaixo.
coletados. As propriedades estruturais

Quadro 01 - Propriedades de Rede

Fonte: Sacomano (2004)

No que se diz respeito à propriedade de UNICENTRO, a partir da abordagem das


centralidade da rede, um ator centraliza a redes sociais.
relação com outros atores da rede. Assim,
3. MATERIAIS E MÉTODOS
esse ator tem acesso a recursos, poder e
informações. Na autonomia estrutural um ator Neste estudo foi adotada uma abordagem
intermedia a relação entre outros dois atores, quantitativa por meio de uma estratégia de
gerando os mesmos efeitos da estrutura levantamento, pois permite coletar dados
centralizada, tais como: acesso a precisos e analisar as respectivas relações
informações, poder, recursos, status, entre objetivas com distintas variáveis
outros aspectos. (WASSERMAN; FAUST, 1994). A população
considerada para este estudo foi composta
No que se refere à propriedade de densidade
por alunos do 1º ao 4º ano (manhã e noite), do
em estudos de redes, volta-se o foco ao grau
curso de administração matriculados no
de conectividade entre os atores da rede.
campus Santa Cruz da UNICENTRO, em
Assim, a densidade reforça à razão entre o
Guarapuava. Para a coleta dos dados foi
número de laços observados entre os atores
adotada a técnica de levantamento, em que
sobre o número total possível de laços entre
os atores foram convidados a indicar de 3 a 5
eles.
pessoas que mais possuem contato dentro
A partir disso, o presente estudo teve como das turmas do curso de administração.
objetivo caracterizar a densidade e Compondo 277 alunos entrevistados.
centralidade dos relacionamentos entre os
Para a análise, os dados levantados foram
alunos do curso de administração da
tabulados com o auxílio da ferramenta Excel
Tópicos em Administração - Volume 11
123

posteriormente, foram transportados para o Na visão de Brass et al. (2004), na


aplicativo específico denominado Ucinet, perspectiva das redes sociais, os atores estão
sistema que normalmente é utilizado por imersos em redes de relacionamentos
pesquisadores e empresários para o interconectados que oferecem oportunidades
desenvolvimento do estudo de redes sociais, e moldam o comportamento de seus
especialmente nos estudos organizacionais, o membros. Na equivalência estrutural dois
qual forneceu as propriedades necessárias atores ocupam posições similares na
para o entendimento da estrutura dos estrutura da rede. Esse fato gera
relacionamentos dos atores estudados, em comportamentos similares entre esses atores.
especial os aspectos de densidade e
A análise posicional considera os aspectos
centralidade.
estruturais e relacionais das redes. Qualquer
Segundo Silva e Menezes (2005, p. 20) tipo de rede encerra uma estrutura e
considera a pesquisa quantitativa como: determinadas relações entre os atores. A
presença de regularidades nas relações é
[...] tudo que pode ser quantificável, o que
denominada de estrutura. (WASSERMAN &
significa traduzir em números opiniões e
FAUST, 1994).
informações para classificá-las e analisá-las.
Requer o uso de recursos e de técnicas A estrutura contém canais onde os atores
estatísticas (percentagem, média, moda, trocam bens e serviços, transferem recursos e
mediana, desvio-padrão, coeficiente de informações. Estão presentes na estrutura a
correlação, análise de regressão, etc.). relação de poder, a confiança, o oportunismo,
o controle social, os sistemas de alinhamentos
Ainda segundo a mesma autora, uma
de interesses, as formas de negociação e as
estratégia de levantamento “envolve a
formas de seleção de fornecedores, entre
interrogação direta das pessoas cujo
outros aspectos.
comportamento se deseja conhecer”.
A partir disso, dos resultados obtidos e
utilização do software se formou a rede de
4. RESULTADOS E DISCUSSÕES relacionamento completa entre os alunos,
conforme ilustrado na imagem abaixo.

Figura 1 - Visão geral da rede

Tópicos em Administração - Volume 11


124

Nesta imagem, podemos observar de forma tais conexões são importantes e como
generalizada os diversos tipos de ligações e influenciam atitudes e ações entre pessoas de
relacionamentos presentes entre todos os diferentes grupos proporcionando benefícios
acadêmicos matriculados no curso de de cunho social e profissional.
Administração, sendo alunos do 1º, 2º, 3º e 4º
ano da manhã e da noite do campus Santa
Cruz em Guarapuava-PR. A formação 4.1 PROPRIEDADE DE DENSIDADE
completa da rede remete ligações
Como tratar de redes é analisar e estudar
homogêneas, verifica-se que há poucos
diversos fenômenos referentes a
alunos fora da rede, maioria das pessoas
relacionamentos entre pessoas deve-se
estão conectadas, observa-se na figura que
compreender que esta formação de
as conexões onde possuem quadrados azuis
relacionamento, existirá relações de poder,
maiores, caracteriza que tais indivíduos no
confiança, oportunismo, controle social,
decorrer da pesquisa foram citados várias
alinhamento de interesses entre os mesmos,
vezes no questionário preenchido por colegas
etc. Seja dentro do ambiente empresarial,
distintos, podendo ser considerados como os
quanto no ambiente escolar, sempre haverá
alunos “populares”, que possivelmente se deu
motivos que determinaram as ligações entre
pelo fato de obter mais amizades formando
os atores, como: finalidade, amizade,
seus grupos, ou por questões de interesses
popularismo, interesses diversos. Devido a
em comum, influência, inclusive por
isso se forma as conhecidas “panelinhas”.
permanecer mais tempo no ambiente
acadêmico desenvolvendo atividades no Após análise dos dados, chegou-se ao grau
contra turno de aulas, mantendo diversos de densidade de 0,007 representando que do
tipos de relações com outros acadêmicos, total de contatos possíveis ocorre 7% de
etc. ligações entre os alunos pesquisados, o que
indica um número relativamente pequeno,
Entender este tipo de relações e ligações é
permitindo aferir que se trata de uma rede
de extrema importância, redes é um conceito
fechada, fato que possivelmente é causado
que gradativamente está se inserindo também
devido à existência de uma rede “grande”
no ambiente empresarial e demais grupos
(277 respondentes). Abaixo segue os
para analisar os fatos, identificar e observar
resultados obtidos posterior tabulação e
as formas de relacionamentos e interações
leitura do sistema UNICET:
entre os indivíduos, bem como a forma que

Figura 2 - Visão compacta da rede

Importante ressaltar que no decorrer da 4.2 PROPRIEDADE DE CENTRALIDADE


pesquisa, um fato interessante foi de que as
Primeiramente após análise das oito turmas
redes mais fechada normalmente são
de administração, buscando conhecer o
compostas de acadêmicos que estão
fenômeno da centralidade e densidade da
iniciando o curso (calouros), por se tratarem
rede por inteira, foi possível perceber que
de novos alunos na Universidade, desta
das oito salas do curso de administração
forma, há apenas relações e conexões com a
questionadas, observou-se que há grupos
turma “original” caracterizando baixa ligação
isolados dentro das próprias turmas. Além
com pessoas de outras salas.
disso, identificou -se que há quatro
indivíduos nas oito salas que se destacam
e são centrais na rede, esse fenômeno
Tópicos em Administração - Volume 11
125

pode ocorrer devido alguns alunos realizar relacionando com os acadêmicos da sala
dependência no contra turno, este evento anterior. Abaixo a imagem apresenta a rede
proporciona interação em diferentes turmas de forma compacta, nota-se rapidamente
e pessoas, bem como, quando o indivíduo os atores principais, e que possuem maior
solicita alteração de turno, mas continua se destaque.

Figura 2 - Visão compacta da rede

A rede acima permite evidenciar que Nos relacionamentos e conexões dos alunos
raramente uma turma se relaciona com do curso de Administração da Unicentro,
outra, e que seu nível de centralidade observam-se que as relações são bem
se encontra entre os próprios alunos. A centrais entre os alunos pesquisados, sendo
imagem demonstra os atores centrais da número da densidade 0,007 um número baixo
rede, os quadrados azuis maiores de ligações, o que remete que as turmas não
representam os indivíduos que no decorrer da possui grande relacionamento com as
pesquisa foram citados várias vezes por demais, formando uma rede fechada onde as
seus colegas, deste modo foi possível relações ocorrem entre os colegas da mesma
identificar quatro atores principais na rede. turma, exceto quando há acadêmicos
irregulares.
Pode-se ainda observar que existem muitas
5. CONSIDERAÇÕES FINAIS
“panelinhas” entre as turmas, há maiores
Como este estudo pode-se aferir a relacionamentos entre as pessoas
importância e a significância que tem em consideradas “populares” isso pode se dar
compreender o termo de redes e suas por interesses em comum, além disso, as
aplicações no ambiente escolar, bem como conexões são maiores entre acadêmicos do
no empresarial aonde vem se expandindo. A mesmo período dentro do curso,
necessidade dos homens de manter diversos possivelmente pela necessidade em obter
relacionamentos durante sua existência é de informações sobre provas e trabalhos que os
extrema importância, dentro das redes é professores aplicam nas turmas, mas em
indispensável à troca de informações, para turnos diferentes (manhã/noite).
que se criem laços de confiança entre os
Redes se aplicam em todos os lugares, seja
envolvidos, que consequentemente
no ambiente escolar, no local de trabalho, no
proporcionará maior interação entre as partes
grupo de futebol, entre outros. A todo o
para desenvolvimento de atividades que
momento iniciam-se relações e ligações com
facilitem a organização e cooperação.
diferentes pessoas. Haverá sempre os grupos
Reiterando que redes podem se formar por
mais fechados, e aqueles mais receptivos.
interesses em comum, grau de afinidade e
Observa-se muito isso dentro de sala de aula,
amizade entre os atores, isso se dá pelo
as famosas “panelinhas” são extremamente
desenvolvimento de confiança mútua e
fechadas e resistentes na entrada de pessoas
parceria.
novas ao grupo, como também há turmas
fechadas que na chegada de novos
Tópicos em Administração - Volume 11
126

acadêmicos dificultam os relacionamentos e interação.

REFERÊNCIAS [8] Neto, M. S. Morfologia, propriedades e


posicionamentos das redes: contribuições às
[1] Amato, J. N. Tercerização e mudança análises Interfirmas. XI SIMPEP – Bauru, 2004.
organizacional: o desafio de um novo padrão de
relacionamento entre empresas. Anais CLADEA- [9] Nohria, N. Is a network perspective a
1995: Administração de serviços. São Paulo-Brasil, useful way of studying organizations? In: NOHRIA,
1998. N.; ECCLES, R. G. (Eds.) Networks and
organizations: structure, form and action. Boston:
[2] Barbosa, F. A.; Sacomano, J. B. As redes Harvard Business School Press, Massachusetts, p.
de negócios e as cadeias de suprimentos: um 1-22, 1992.
estudo de caso para compreensão conceitual. XXI
Encontro Nacional Engenharia de Produção: [10] Powell, W. W.; Smith-Doerr, L. Networks
ENEGEP. Salvador- BA, 2001. and economic life. In: SMELSER, N. J. R.;
SWEDBERG, R. Handbook of Economic Sociology.
[3] Brass, D. J.; Butterfield, K. D.; Skaggs, B. Princepton: Russell Jage Foundation, cap. 15, p.
C. Relationships and unethical behavior: a social 367-402, 1994.
network perspective. Academy of Management
Review, vol. 23, n. 1, p. 14-31, 2004. [11] Sacomano, M. Morfologia, propriedades e
posicionamentos das redes: contribuições às
[4] Candido, G. Abreu, A. F. Os conceitos de análises interfirmas. XI SIMEP, Bauru, 2004.
redes e as relações interorganizacionais: um
estudo exploratório. In: Encontro Nacional da [12] silva, C. A. V. Redes de Cooperação no
Associação dos Programas de Pós-Graduação em Brasil e no Mundo: uma abordagem reflexiva In:
Administração, 24º, Florianópolis. Anais. Anpad, Egepe Encontro de Estudos sobre
CD-ROM, 2000. Empreendedorismo e Gestão de Pequenas
Empreesas. 4º, Curitiba, p. 1279-1288, 2005.
[5] Emirbayer, M.; Goodwin, J. Network
analysis, culture and the problem of agency. The [13] Silva, E. L.; Menezes, E. M. Metodologia
American Journal of Sociology, v. 99, n. 6, p. 1411- da Pesquisa e Elaboração de Dissertação. 4. ed.
1454, may, 1994. Rev. Atual. Florianópolis: UFSC, 2005.
[6] Garcia, L. M. B. Uma análise sobre a [14] Sousa, A. C. Redes interorganizacionais –
adequação da gestão estratégica de custos na implicações para a gestão das Organizações
formação e gerencia de empresas visuais. participantes. VI CONVIBRA, 2009.
Dissertação - Escola de Engenharia de São Paulo,
[15] Wasserman, S.; Faust, K. Social network
USP, 2000.
analysis. Cambridge: Cambridge University Press,
[7] Grandori, A,; Soda, G. Inter-firm network: 1994.
antercedents, mechanisms and forms. Organization
Studies, 1995.

Tópicos em Administração - Volume 11


127

Capítulo 13

Silvana Duarte
Eliane Duarte Petri
Jusceni de Fatima Aparecida
Queiroz Arthur Lopes Ferreira Silva
Rosa de Barros Ferreira de Almeida
Aline Duarte dos Santos

Resumo: A utilização intensiva de mão-de-obra é uma das características do setor


de frigoríficos de aves. A responsabilidade social, que abrange a proteção à saúde
e segurança dos trabalhadores, é um tema bastante atual no empreendedorismo. O
estudo teve como objetivo estimar os custos dos afastamentos associados aos
acidentes de trabalho. Os resultados obtidos indicam que o afastamento típico
pode ser definido como: proveniente de mulheres (82,3%), com funções de PCO
Frigorífico (54,22%), no setor de Sala de corte de aves (79,13%), devido à doença
F32 - Episódios depressivos (30,6%). Quanto à distribuição dos custos, 60% são
absorvidos pela empresa e o restante pelo INSS. Os resultados obtidos fazem parte
do projeto de tese apresentado ao programa de pós-graduação em nível de
doutorado em engenharia de produção – ergonomia. Relevância para a indústria: O
estudo pode servir como elemento motivador para que osempreendedores do setor
industrial adotem medidas protetivas à saúde e segurança dos trabalhadores afim
de evitar a ocorrência de acidentes.

Palavras Chave: Acidentes de Trabalho; Empreendedorismo; Custos.

Tópicos em Administração - Volume 11


128

1 INTRODUÇÃO ambiente laboral, os custos financeiros para o


sistema público de saúde, o impacto social e
A indústria de abate e processamento de
a perda de vidas humanas (JENKINS;
aves é um dos mais vigorosos setores da
RICKARDS, 2001; JENSEN, 2002;
indústria nacional. A utilização intensiva de
CRAWFORD, 2005; DRIESSEN et al.,2008;
tecnologia de ponta e um sistema integrado
SANTANA et al., 2012; CARNERO e
de produção permitem ao setor alcançar
PEDREGAL, 2010).
resultados econômicos positivos. Estima-se
que, em 2013, o setor de frigorifico de aves Os empreendedores estão mais propensos a
produziu 12,30 milhões de toneladas de carne adotar medidas protetivas aos trabalhadores
de frango, principal espécie de ave abatida e quando embasados por argumentos
processada. O Brasil é o terceiro maior financeiros que indiquem o custo-benefício
produtor e o principal exportador mundial de dessas medidas.Trabalhos desenvolvidos por
carne de frango – 3,918 milhões de toneladas. Rikhardsson (2004) e pela OSHA-UE (2014)
O setor avícola é responsável por 3,6 milhões enfatizam que é relevante compreender que a
de empregos diretos e indiretos que agregam maneira mais eficaz de sensibilizar os
produtos, frigoríficos e exportadores, gerando gestores da indústria quanto à importância de
mais de 300.000 empregos nas indústrias oferecer um ambiente laboral
frigoríficas de abate e processamento de ergonomicamente apropriado passa pela
aves. O Estado de Santa Catarina foi demonstração do efetivo dano financeiro
responsável por 16,6% dos abates e 24,07% causado pelo detrimento das condições de
das exportações brasileiras ou 936.849 saúde dos trabalhadores.
toneladas de carne de frango e o setor gera
A importância econômica e social do
no Estado, cerca de 40.000 empregos diretos
segmento de abate e processamento de aves
(UBABEF, 2014).
para a economia do Estado de Santa Catarina
Nesse segmento a utilização intensiva de mão justifica o aprofundamento de estudos no
de obra é uma realidade em todas as fases sentido de mensurar o impacto financeiro dos
de produção (BARZOTTO,2013). Como acidentes de trabalho.
consequência, o setor apresenta índices
Dessa forma, o estudo tem como objetivo
preocupantes de acidentes de trabalho,
estimar os custos dos afastamentos
incluídos os acidentes típicos e as doenças
associados a acidentes de trabalho no setor
ocupacionais. Estudos realizados no Brasil
frigorífico de aves. Espera-se que os
relatam um ambiente de trabalho nos
resultados incentivem os empreendedores do
frigoríficos marcado pelo sofrimento físico e
setor a adotar medidas de proteção à saúde e
psicológico materializado na alta incidência
segurança de seus trabalhadores.
de acidentes e lesões musculoesqueléticas
(ALENCAR, 2005; TOKARS, 2012; REIS,
2012). No mesmo sentido, Musolinet al.,
2 REFERENCIAL TEÓRICO
(2014a); De Perioet al., (2013); Rosenbaumet
al., (2013); Schulz et al., (2013) afirmam que 2.1 ADIZES E O CICLO DE VIDA DAS
no segmento de frigorífico de aves os ORGANIZAÇÕES
trabalhadores estão expostos a fatores de
Na visão de Adizes (2002), as organizações
risco que afetam sua integridade física e
podem ser comparadas aos organismos
psicológica.
vivos. Por esse ângulo, as empresas crescem
O bem estar e a segurança dos trabalhadores e envelhecem. Esses dois fatores:
são apontados como elementos fundamentais crescimento e envelhecimento tem relação
na gestão dos negócios na indústria. com as características de flexibilidade e
Entretanto, nas últimas décadas os acidentes controle dessas organizações. As empresas
e lesões decorrentes do trabalho tornaram-se quando jovens tendem a ser altamente
uma das maiores preocupações das flexíveis e pouco controláveis, quando
empresas e órgãos oficiais de saúde. Os envelhecem, há uma inversão, tornando-se
acidentes repercutem na produtividade e mais controláveis e menos flexíveis.
equilíbrio financeiro (FERNÁNDEZ-MUÑIZ,
Ao contrário do que se poderia supor o
MONTES-PEÓN e VÁZQUEZ-ORDÁS, 2009).
tamanho e o tempo de existência da
Mas estes não são os únicos malefícios a
organização não têm relação direta com o
serem contabilizados. Igualmente prejudicial
crescimento e envelhecimento . A juventude
é a queda da qualidade dos produtos e
de uma organização é determinada pela sua
serviços, o retrabalho, a deterioração do
Tópicos em Administração - Volume 11
129

capacidade de adaptar-se às mudanças com e possibilidades. É um período marcado pelo


relativa facilidade, ainda que o baixo nível de diálogo e pouca efetividade nas ações.
controle torne suas ações relativamente
Na infância, o diálogo e os planos são
imprevisíveis. De outro lado, o envelhecimento
substituídos pela ação. Nesse estágio há
de uma empresa é determinado pelo
escassez de diretrizes, sistemas,
comportamento controlável, mas inflexível,
procedimentos e orçamento. Há uma forte
pouco afeito à mudanças tão indispensáveis à
centralização e desconhecimento acerca dos
longevidade (ADIZES, 2002).
pontos fortes e das vulnerabilidades da
Há, porém, um meio termo entre a juventude e organização. O ambiente é marcado pela
a velhice, onde asorganizações desfrutam pessoalidade e tentativa de satisfazer os
das vantagens inerentes à controlabilidade e clientes. Na gestão, inexiste um processo
flexibilidade. Nesse degrau de evolução, ordenado para contratação de colaboradores
denominado plenitude, a empresa mostra e não se avalia ainda o desempenho da
capacidade de equilibrar o autocontrole e a organização. Nesse estágio a possibilidade
flexibilidade. Nesse estágio, a empresa que erros sejam cometidos é muito elevada
possui sistemas e estrutura organizacionais (ADIZES, 2002).
funcionais definidos; visão e criatividade
No estágio posterior, a organização começa a
institucionalizadas; orientação para os
colher os frutos do trabalho. Na fase toca-
resultados; planejamento; superação das
toca, o fluxo de caixa foi equacionado e a
expectativas de desempenho e manutenção
movimentação de mercadorias (vendas)
do crescimento das vendas (ADIZES, 2002).
aumenta. O foco se desloca do produto para
No decorrer de sua existência, as o mercado. Há um risco de que a
organizações se vêm diante de problemas. As organização se torne arrogante, devido ao
dificuldades podem surgir como uma sucesso inicial. A arrogância aliada à
consequência natural de seu desenvolvimento excessiva orientação para vendas pode
ou nos momentos de transição de uma fase provocar o descuido nos investimentos.
para outra. A capacidade da organização em
Na adolescência, há o descolamento da
resolver os problemas reduz-se com o
figura do fundadores (família) e a empresa. O
envelhecimento. Nesse contexto, o
conflito e a inconsciência são características
empreendedor deve demonstrar capacidade
desse estágio. O fundador se vê obrigado a
em distinguir os problemas normais,
delegar autoridade, oferecendo a seus
decorrência natural do crescimento ou
colaboradores a oportunidade de mostrar sua
mudança de estágio dos problemas
capacidade.
patológicos ou anormais que podem decretar
a interrupção dos negócios. São apontados Na última fase do crescimento, alcança-se a
dois tipos de tratamento que objetivam evitar plenitude. Nesse estágio as empresas tem
o envelhecimento da organização. A uma noção clara do que estão fazendo e o
intervenção curativa tem como objetivo caminho a se seguido. É o ápice da curva de
eliminar os problemas patológicos e assim crescimento, ponto ideal que merece esforços
permitir que a empresa progrida para a fase para sua manutenção. Para Adizes, a
subsequente e volte a enfrentar os problemas plenitude não é o ponto de chegada da
normais. A intervenção preventiva consiste organização, seu destino final. A organização
em desenvolver a capacidade da empresa de plena tem como principal desafio permanecer
evitar dificuldades anormais nos estágios na plenitude, fomentando seu próprio
subsequentes do ciclo de vida. Pretende-se crescimento.
evitar o surgimento de novas patologias ou
No processo de envelhecimento, a primeiro
complexidades (ADIZES, 2002).
estágio é a estabilidade. A empresa
Para o autor, o ciclo de vida das organizações demonstra força, mas vai perdendo a
obedece a vários estágios, cada uma com flexibilidade. A disposição à mudanças e
características e peculiaridades próprias. inovação vão sendo perdidas. As
Esses estágios fazem parte do organizações estáveis são caracterizadas
desenvolvimento da organização pelas expectativas mais modestas de
(crescimento e envelhecimento). crescimento; pouca ambição em conquistar
novos mercados e tecnologias; temor às
No estágio pré-inicial das atividades,
mudanças; valorização e recompensa
denominada de “namoro”, a empresa ainda
àqueles que cumprem as ordens de forma
não nasceu. Subsiste tão somente uma ideia
estrita e desinteresse pelos riscos.
Tópicos em Administração - Volume 11
130

Na aristocracia a redução da flexibilidade acidentados. O sofrimento imposto pelos


gera consequências em longo prazo, como a acidentes de trabalho não atinge
diminuição da capacidade de obter exclusivamente os trabalhadores e seus
resultados. O padrão de comportamento das familiares. Oneram as empresas
organizações nesse estágio se caracteriza economicamente com as despesas de
pela aplicação de recursos em sistemas e tratamento, com as reparações indenizatórias,
modelos de controle, benefícios e instalações; com a desagregação do ambiente de
foco em como as coisas são feitas e não no produção e risco de repetição dos acidentes.
que é e por que é feito; excesso de Há, dessa forma, um evidente prejuízo
formalismo e baixo nível de inovação interna. material ocasionado pelos danos ao
patrimônio da empresa e à sua imagem
Na fase seguinte, a burocracia incipiente, a
(RAMOS; AZEVEDO, 2012).Os acidentes de
empresa preocupa-se com os causadores
trabalho e as doenças ocupacionais têm
dos problemas e não nas soluções. Os
ainda outras consequências que atingem o
conflitos internos são bastante intensos e o
empreendimento: a estabilidade adquirida
cliente e suas necessidades são relegados ao
pelos funcionários, as reclamações
segundo plano. Importam mais as regras
trabalhistas, os direitos à reintegração ao
internas que os clientes.
emprego, indenizações compensatórias,
Na fase terminal, a burocracia ou morte, a autuações dos órgãos de fiscalização e as
empresa está alienada do seu ambiente de ações regressivas propostas pelo órgão
negócios, concentrando-se em si mesma. Os previdenciário(ALBUQUERK, 2009).De forma
clientes são obrigados a criar mecanismo conjuntural, pode-se afirmar que os acidentes
complexos para poderem trabalhar com a de trabalho refletem suas consequências
empresa. Nesse estágio, a organização não sobre todos os elementos que possuem
pensa em resultados, não há perspectiva de alguma relação de dependência com o
mudanças ou trabalho em equipe. Há ênfase empreendimento. São afetados os demais
nos sistemas, nas estruturas, normas e rituais empregados não envolvidos diretamente no
(ADIZES, 2002). Para Chiavenato (2011), Na acidente, os clientes, o município e a
organização burocrática, as diretrizes depender da importância da empresa, toda
emanadas por meio de regulamentos e uma região econômica.
normas tendem a adquirir um valor próprio,
A responsabilidade social surge na literatura a
passando a substituir gradativamente os
partir do sáculo XIX e, desde então, tem
próprios objetivos da empresa. Os
adquirido maior expressão, atenção e
colaboradores tem sua visão encurtada e
interesse por parte dos estudiosos,
esquecem que a flexibilidade é uma das
empresários e o público em geral. A
características mais importantes das
responsabilidade social tem tido nas últimas
atividades empreendedoras. O funcionário
décadas uma forte expansão que se tem
burocrata tende a se tornar um especialista,
traduzido na sua aplicabilidade estratégica no
não por possuir conhecimento profundo de
mundo dos negócios (FERNÁNDEZ; BOGA;
suas tarefas, mas por conhecer perfeitamente
DA SILVA FARIA, 2014).
as normas da organização.
As definições sobre o empreendedorismo e a
Os estágios do ciclo de vida organizacional
figura do empreendedor ressaltam em maior
caracterizam-se pela repetitividade e
ou menor grau a responsabilidade social da
previsibilidade. Dessa forma, o conhecimento
atividade produtiva. Para Schumpeter
da posição ou estágio da organização nesse
(1982),empreendedor é o agente de
ciclo permite que o empreendedor antecipe
mudanças capaz de gerar constantemente
decisões preventivas, enfrentando
novos produtos, novos métodos de produção
precocemente os possíveis problemas
e novos mercados. Para Dolabela (1999), o
característicos de cada estágio.
empreendedor deve conduzir seu negócio ao
desenvolvimento econômico, gerando e
distribuindo riquezas e benefícios para a
2.2 RESPONSABILIDADE SOCIAL DO
sociedade.
EMPREENDEDOR E BEM ESTAR DOS
TRABALHADORES Pode-se conceituar a responsabilidade social
como um conjunto de princípios, politicas e
No Brasil, há uma aparente contradição entre
programas nos âmbitos econômico, social e
o crescimento econômico vivido na última
ambientalque objetiva incorporar na
década e elevado número de trabalhadores
estratégia empresarial valores dos públicos
Tópicos em Administração - Volume 11
131

internos e externos (MARTINEZ et al., 2005).A financeiros, a decisão dos empreendedores


responsabilidade social engloba um conjunto em matéria de proteção à saúde dos
de ações que atingem diversos elementos da trabalhadores.
sociedade, como os empregados, os
acionistas, os fornecedores, os consumidores
e a sociedade. Em relação aos empregados, 2.3 RESPONSABILIDADE SOCIAL NA
as empresas são responsáveis dentre outras PRECAUÇÃO DE ACIDENTES NA INDÚSTRIA
coisas, em proporcionar adequadas FRIGORÍFICA DE AVES
condições de trabalho (COWPER-SMITH;
Na condução dos negócios, desde a
GROSBOIS, 2011).
fundação a até etapas mais evoluídas em
No entanto, a mera responsabilidade moral ou termos de tamanho e complexidade, os
social não parece servir por si própria, como empreendedores se deparam com desafios
elemento que incentive o empreendedor a característicos a cada um dos estágios
tomar decisões no sentido de salvaguardar o alcançados (DELLA BRUNA JR. et al., 2013;
bem estar e a saúde dos trabalhadores. O ADIZES, 2002). A organização, cenário deste
aspecto financeiro é fundamental na decisão. estudo, pode ser enquadrada no estágio de
plenitude, no modelo de ciclo de vida
A questão do gerenciamento dos custos dos
organizacional (CVO) proposto por Adizes
acidentes de trabalho ainda é um assunto
(2002). Nesse estágio, a organização possui
pouco explorado no setor empresarial
capacidade de controlar seu próprio destino e
brasileiro, sobretudo industrial. Inúmeros
a manutenção de seu crescimento está
fatores, como a dificuldade na sua
associada à capacidade de lidar com
mensuração, sistema previdenciário que
problemas maiores e mais complexos. Para
absorve fatia considerável destes custos e o
Della Bruna Jr. et al., (2013), nesse estágio, o
despreparo dos empreendedores, devem ser
objetivo da organização é consolidar e
considerados. Lezana (1995) afirma que,
controlar os lucros advindos do crescimento
dentre os diversos tipos de conhecimentos,
e, simultaneamente, manter o espirito
os empreendedores devem entender dos
empreendedor e a flexibilidade diante dos
aspectos técnicos do negócio, principalmente
desafios do mercado. Assim, a redução dos
o produto e o processo de produção.Dessa
desperdícios e o uso eficiente dos recursos
forma, os empreendedores devem estar
são objetivos da gestão.
atentos às condições de trabalho oferecidas a
seus colaboradores. Saúde e bem-estar são valores humanos
básicos que devem ser vistos como um valor
Os custos com afastamentos de
de negócio e um valor para os funcionários.
trabalhadores por acidentes de trabalho tem
Configuram-se em elementos essenciais para
sido uma preocupação crescente para o setor
o aumento ou manutenção do desempenho
industrial, motivando a adoção de medidas
do empregado, a produtividade, satisfação e
que reduzam os acidentes no trabalho.
o engajamento dentro do ambiente de
Acidentes representam uma despesa
trabalho (GERVAIS, 2014).Os resultados na
substancial para a sociedade, para os
prevenção dos acidentes de trabalho mostra
sistemas de seguridade social e para as
relação direta com a capacidade do
empresas individualmente, afetando,
empreendedor em oferecer boas condições
sobretudo sua produtividade e
ergonômicas aos seus colaboradores. Para
competitividade. Nesse sentido, a redução
Pinder (2015), a ergonomia pode melhorar a
dos custos financeiros é um fator importante a
segurança, o bem estar e o conforto dos
ser considerado quando da análise dos
trabalhadores. Deve ser aplicada a saúde e
custos acidentários (KLEN, 1989;
segurança do trabalho como forma de
RIKHARDSSON, 2004; MACEDO e SILVA,
garantir que os riscos serão eliminados na
2005). Intervenções que melhorem os
fase de concepção, em uma fase posterior
aspectos ergonômicos, a saúde e o ambiente
ou, na impossibilidade de eliminação, sejam
de trabalho, ainda que de baixo custo e baixa
ao menos, controladose reduzidos.
tecnologia, geralmente são bastante
benéficas para as empresas (TOMPA; As condições de trabalho no setor industrial
DOLINSCHI; NATALE, 2013). têm motivado numerosos estudos sobre os
impactos da ergonomia no desempenho
Nesse sentido, o estudo pretende preencher
financeiro dessas organizações. As boas
uma importante lacuna na literatura nacional,
condições ergonômicas estão
carente de estudos que subsidiem, em termos
intrinsecamente associadas à satisfação dos
Tópicos em Administração - Volume 11
132

empregados, altos índices de produtividade e pouco explorado, carente de estudos mais


redução de custos com afastamentos por aprofundados que sejam capazes de estimar
acidentes ou doenças ocupacionais. Há na o seu montante.
literatura especializada consistente acervo de
estudos que demonstram os benefícios da
ergonomia para o desempenho 3 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS
organizacional (BEEVIS; SLADE, 2003;
Nessa etapa, serão apresentados os
GUIMARÃES et al.,2014). Os benefícios
procedimentos metodológicos utilizados para
financeiros decorrentes da implantação de
a identificação e estimativa dos custos dos
programas ergonômicos são visíveis tanto em
acidentes de trabalho, especificamente
países industrialmente desenvolvidos como
aqueles custos incidentes sobre a folha de
naqueles em processo de industrialização.
salários.
Nestes últimos, os efeitos benéficos da
ergonomia são mais visíveis (SCOTT, 2008).
Especificamente na indústria frigorifica de 3.1 CENÁRIO DE ESTUDO
aves são numerosos os estudos que
Este Em 2013 o Brasil produziu 12,30 milhões
evidenciam o desrespeito às normas de
de toneladas de carne de frango, principal
saúde e segurança do trabalho. Nesses
espécie de ave abatida e processada. O
ambientes, os acidentes de trabalho típicos,
Brasil é o terceiro maior produtor e o principal
as lesões musculoesqueléticas, notadamente
exportador mundial de carne de frango –
LER/DORT e distúrbios mentais são
3,918 milhões de toneladas. Estima-se que o
provenientes de um ambiente onde os
setor avícola seja responsável por 3,6 milhões
trabalhadores são submetidos às regras mais
de empregos diretos e indiretos que agregam
primitivas do gerencialismo, da gestão
produtos, frigoríficos e exportadores, gerando
performática, supervisão abusiva e do
mais de 300.000 empregos nas indústrias
sistemático desrespeito às normas e
frigoríficas de abate e processamento de
recomendações ergonômicas, conforme
aves. O Estado de Santa Catarina foi
atestam os estudos de Walter (2012);
responsável por 16,6% dos abates e 24,07%
Grzywaczet al., 2012; Marin et al., 2009.
das exportações brasileiras ou 936.849
Complementarmente, a literatura também toneladas de carne de frango e o setor gera
oferece consistente acervo de estudos aproximadamente 40.000 empregos diretos
indicam a elevada ocorrência de acidentes e (UBABEF, 2014). O estudo foi desenvolvido
doenças do trabalho e os consequentes junto à unidade industrial de Capinzal (SC),
afastamentos em frigoríficos de aves integrante de uma das maiores companhias
(KYEREMATENG‐AMOAHet al., 2014; MARIN brasileiras do ramo alimentício. Atualmente, a
et al., 2009). Ao contrário do que ocorre em unidade industrial abate 430 mil aves por dia,
outros setores, como a construção civil, por distribuídas em dois turnos de trabalho. Conta
exemplo, não há trabalhos dirigidos para a com um quadro de 5.470 funcionários. Do
identificação e estimativa dos custos destes produto final, uma parte é industrializada e
afastamentos no setor frigorifico. Estudos outra comercializada na forma de cortes. A
nessa área tendem a centralizar seus produção total chega a 926 toneladas ao dia,
esforços na identificação das principais sendo destinada em sua maior parte à
categorias de acidentes e adoecimentos e exportação (79%). As exportações são
suas consequências físicas e psicossociais destinadas a 34 países (BRUSCHI, 2014).
sem, no entanto, adentrar à seara financeira.
Os acidentes de trabalho são uma temática
3.1.1 TÉCNICAS DE PESQUISA
atual de grande relevância no meio
acadêmico e empresarial. É entendimento Pacheco Junior; Pereira; Pereira Filho (2007)
que os efeitos financeiros ocasionados pelos definem as técnicas de pesquisa como os
acidentes de trabalho podem acarretar procedimentos operativos de coleta,
importante aumento nos custos de produção, tratamento e análise de dados, com o objetivo
principalmente em pagamentos salariais e de avaliação e apresentação dos resultados.
encargos trabalhistas durante o período de Coleta de dados pode ser definida como a
afastamento, diminuindo consideravelmente a forma que se obtêm os dados indispensáveis
competitividade da indústria. A boa gestão para responder ao problema da pesquisa
desses custos no âmbito da avaliação de (VERGARA, 2000).
desempenho na indústria é um tema ainda
Tópicos em Administração - Volume 11
133

Quanto aos instrumentos ou técnicas de maior atenção do pesquisador, visto que os


coleta de dados, utilizar-se-á a pesquisa documentos não passaram anteriormente por
bibliográfica e a pesquisa documental. A qualquer tratamento cientifico (SÁ-SILVA;
coleta de dados ocorrerá a partir de dados ALMEIDA; GUINDANI, 2009).
primários e secundários. Os dados primários
O estudo ora desenvolvido se apoiará,
serão obtidos por meio de análise de dados
primariamente, na pesquisa documental. Os
internos da empresa – atestados médicos
documentos analisados consistirão em
com CID 10 e demonstrativo da folha de
atestados médicos e folha de salários
pagamento da entidade pesquisada, no caso,
relativos aos trabalhadores afastados na
a indústria frigorífica de aves em um recorte
indústria frigorifica de aves. Para Sá-Silva;
de 3 anos. Os dados secundários a serem
Almeida; Guindani (2009), quando um
utilizados na presente pesquisa serão os
pesquisador extrai informações de
artigos científicos relevantes sobre o tema.
documentos primários, ele o faz investigando,
Apesar da proximidade conceitual entre a examinando, utilizando tecnicas próprias para
pesquisa bibliográfica e a pesquisa seu manuseio e análise. Além disso, ele deve
documental ambas não se confundem por seguir etapas e procedimentos, organizar
possuirem fontes de dados de natureza informações por categoria para posterior
diferente. Enquanto a pesquisa bibliografica análise e, ao final elaborar sínteses. Todo
faz uso das contribuições de diferentes esse processo de análise documental está
autores sobre o tema, ou seja, fontes incutido de aspectos metodológicos, técnicos
secundárias, apesquisa documental, por sua e analíticos.
vez, se utiliza de fontes primárias –
O estudo foi realizado em 4 etapas: coleta,
documentos em sentido amplo -, ou seja, de
análise e organização dos atestados médicos;
materiais ainda não tratados analiticamente.
definição e estimativa dos componentes de
São matérias-primas a partir da qual o
custos; estudo piloto e análise estatística dos
pesquisador desenvolverá sua investigação e
resultados. Na figura 1 são apresentadas as
análise. Na pesquisa documental é requerida
etapas do estudo de forma resumida.

Figura 1: Etapas da pesquisa

Fonte: Elaborado pelos autores

3.2 PARTICIPANTES DO ESTUDO os principais autores responsáveis por estes


temas.
No estudo foram analisados os afastamentos
de trabalhadores na unidade industrial em um 4 RESULTADOS E DISCUSSÃO
período de 03 anos. Foram identificados
4.1 ANÁLISE DESCRITIVA
56.291 afastamentos de ao menos 01 dia do
trabalho. Destes, 20.709 afastamentos foram As Tabelas 1 a 6 apresentam a frequência
motivados por CIDsem que se reconhece o absoluta e relativa das variáveis de perfil da
NTEP entre a entidade mórbida e a CNAE amostra de afastamentos. Pode-se definir o
10.12-1-01, abate de aves.Para os outros afastamento típico como: proveniente de
temas que se encontram no referencial teórico mulheres (82,3%), com funções de PCO
não foram utilizados os procedimentos Frigorífico (54,22%), no setor de Sala de corte
descritos anteriormente, por se tratarem de de aves (79,13%), devido à doença F32 -
definições teóricas. Para tanto, foram Episódios depressivos (30,6%).
utilizados livros, pesquisas e periódicos com

Tópicos em Administração - Volume 11


134

É representativa também a função de setores, incluem o Departamento mat/sup


Ajudante Frigorifico com 41,15% dos frigorífico, Estação Trat/abast água,
afastamentos. A variável “Outros” é formada, Estocagem e Carregamento Frigorífico,
no caso das funções, pelos Ajudantes Túnel Fabricação Farinhas e subprodutos,
Congelamento, Auxiliares Administrativos, Manutenção frigorífico aves e Processamento
Auxiliares Controle de Produção II, de ovos de aves. A variável “Ausente” se
Conferentes carga/Desc. II, Meio Oficiais refere aos afastamentos nos quais não foi
Carpinteiros, Operadores Empilhadeira II, possível identificar a função ou setor onde o
Operadores ETA/ETE II, Operadores Máquina trabalhador afastado desempenhava suas
Frigorífico I, Operadores Máquina Frigorífico funções.
II, PCO Serviços Gerais II e no caso dos

Tabela 1: Sexo
n % % %
válida acumulativa
Feminino 2903 82,3 82,3 82,3
Masculino 623 17,7 17,7 100,0
Total 3526 100,0 100,0
Fonte: Dados da pesquisa

Tabela 2: Função
n % % %
válida acumulativa
PCO Frigorífico 1523 43,19 54,22 54,22
Ajudante Frigorífico 1156 32,79 41,15 95,37
Outros 85 2,41 3,03 98,40
Técnico de produção 18 0,51 0,64 99,04
Ajudante Produção 15 0,43 0,53 99,57
Frigorífico
PCO Túnel Congelamento 12 0,34 0,43 100,00
Total 2809 79,67 100,00
Ausente 717 20,33
3526 100,00
Fonte: Dados da pesquisa

Tabela 3: Setor
n % % válida % acumulativa
Sala de corte de aves 2218 62,90 79,13 79,13
Industrializado 246 6,98 8,78 87,91
Abate e Evisceracao Aves 215 6,10 7,67 95,58
Inspeção Federal 64 1,82 2,28 97,86
Túneis e Câmaras Aves 26 0,74 0,93 98,79
Limpeza e Higienização de 25 0,71 0,89 99,68
aves
Outros 9 0,26 0,32 100,00
Total 2803 79,50 100,00
Ausente 723 20,50
3526 100,00
Fonte: Dados da Pesquisa

Tópicos em Administração - Volume 11


135

Tabela 4: Doenças
n % % válida % acumulativa
F32 1079 30,60 30,60 30,60
G560 480 13,61 13,61 44,21
G569 408 11,57 11,57 55,79
F329 353 10,01 10,01 65,80
F322 270 7,66 7,66 73,45
F332 139 3,94 3,94 77,40
F333 124 3,52 3,52 80,91
F321 116 3,29 3,29 84,20
F31 100 2,84 2,84 87,04
G54 81 2,30 2,30 89,34
F323 79 2,24 2,24 91,58
F320 68 1,93 1,93 93,51
F (Outros) 53 1,50 1,50 95,01
F33 46 1,30 1,30 96,31
F328 35 0,99 0,99 97,31
F13-F30 29 0,82 0,82 98,13
G (Outros) 26 0,74 0,74 98,87
G56 22 0,62 0,62 99,49
F10 18 0,51 0,51 100,00
Total 3526 100,0 100,0
Fonte: Dados da pesquisa
A Tabela 5 apresenta as principais Benefícios do INSS com média de R$ 179,79
estatísticas descritivas das variáveis do e desvio-padrão de R$ 799,50 (Coeficiente de
estudo tendo por base que todas possuem variação = 445%). Esses indícios mostram
nível de mensuração escalar. Note-se alta forte ausência de normalidade nos dados, o
variabilidade em praticamente todas elas, que é comprovado pelos testes de
com o desvio-padrão superando, quase normalidade Komogorov-Sminorv e Shapiro-
sempre, o valor da média. Destacam-se os Wilk.

Figura 5: Estatística descritiva das variáveis relacionadas com o custo do afastamento


n Mínimo Máximo Média Desvio padrão
Dias de afastamentos não 3514 0,00 15,00 4,94 5,18
segurados
Dias de afastamento segurado 3522 0,00 447,00 8,03 33,57
Proporção de dias afastados em 3512 0,00 0,50 0,16 0,17
um mês
Salário 3526 113,39 2.389,86 714,05 199,28
Custo salarial 3526 0,00 1.194,93 120,48 141,52
Recebimentos 3526 0,00 222,00 23,01 26,98
Compensação do empregado 3526 0,00 336,14 34,56 40,55
Impostos/Obrigações 3526 0,00 438,55 38,14 44,94
trabalhistas
Custo com treinamentos 3526 0,00 189,29 18,92 22,20
Custos gerenciais 3526 0,00 283,93 28,38 33,31
Custo total da empresa 3526 0,00 2.664,84 263,49 309,18
Benefícios INSS 3526 0,00 13.867,67 179,79 799,50
Fonte: Dados da pesquisa
Em média, cada afastamento resultou em 4, sob a responsabilidade do INSS, recebendo
94 dias de afastamento cuja responsabilidade auxilio doença acidentário. Os afastamentos
pelos pagamentos dos salários ficou a cargo que apresentam dias segurados decorrem de
da empresa (dias não segurados) e 8,03 dias acidentes que demandam afastamentos
nos quais os trabalhadores afastados ficaram superiores a 15 dias, portanto, em tese, de
Tópicos em Administração - Volume 11
136

maior gravidade. Como os acidentes que trabalho custa em média R$ 263,49 às


resultam em afastamentos superiores a 15 empresas e R$ 179,79 para o INSS, por meio
dias são uma pequena parcela do total de do pagamento de auxilio doença acidentário.
afastamentos, e, ao mesmo tempo
representam situações mais graves ou
crônicas, demandam o auxílio do INSS por 4.2 ANÁLISE BIVARIADA
períodos também mais longos.
Nessa seção analisaremos a relação entre as
Destaque-se também que cada afastamento variáveis escalares relacionadas com os
custou em média R$ 263,49 à empresa, custos dos afastamentos (dias, salários e
sendo que o item mais representativo foi o custos), que constam na Tabela 7, e as
custo com pagamento de salários com media variáveis de perfil (sexo, função, frigorífico,
de R$ 120,48 por afastamento. O custo com setor e doença). Não vemos sentido analisar o
pagamentos de salários já era apontadoem cruzamento entre as próprias variáveis
diversos estudos como a parcela mais escalares, até porque a maioria é uma
representativa dos custos das empresas com combinação linear de outras, e entre as
afastamentos de trabalhadores. Dessa forma, próprias variáveis de perfil, por não contribuir
pode-se concluir que, um acidente de para os objetivos do trabalho.

Tabela 6: Dias, salários e custos dos afastamentos por gênero


Feminino Masculino
N Média Desvio N Média Desvio
válido padrão válido padrão
Dias de afastamentos não segurados 2893 4,90 5,16 621 5,12 5,28
Dias de afastamento segurado 2901 8,09 33,57 621 7,74 33,57
Proporção de dias afastados em um 2892 , 16 , 17 620 , 17 , 18
mês
Salário 2903 696,43 163,96 623 796,14 302,37
Custo salarial 2903 117,03 135,79 623 136,58 164,82
Recebimentos 2903 22,33 25,87 623 26,20 31,51
Compensação do empregado 2903 33,52 38,86 623 39,37 47,39
Impostos/Obrigações trabalhistas 2903 36,94 42,82 623 43,74 53,41
Custo com treinamentos 2903 18,35 21,26 623 21,57 26,01
Custos gerenciais 2903 27,53 31,89 623 32,36 39,02
Custo total da empresa 2903 255,69 296,21 623 299,82 361,62
Benefícios INSS 2903 171,83 743,90 623 216,91 1.019,28
Fonte: Dados da pesquisa
Pelo teste Mann-Whitney, considerando 5% total maior para empresa, do que as
de confiança, encontramos diferenças entre i) mulheres. Se considerarmos 10% de
o gênero e os salários pagos às pessoas que confiança, abrangemos essas evidências
foram afastadas (Z = -6,363; p-valor = 0,000); também para as variáveis de custo salarial,
ii) o gênero e impostos/obrigações recebimentos, compensação do empregado,
trabalhistas para a empresa (Z = -2,016; p- custo de treinamento e custo gerencial. Os
valor = 0,044); e iii) o gênero e o custo total homens, em média, apresentam maior
para empresas (Z = -1,981; p-valor = 0,048). quantidade de dias de afastamento sob
Isso indica que, estatisticamente, os homens responsabilidade da empresa ou não
afastados recebem mais e, segurados (5,12 dias) do que as mulheres
consequentemente, produzem (4,90 dias). conforme tabela 6.
impostos/obrigações trabalhistas e um custo

Tópicos em Administração - Volume 11


137

Tabela 7: Dias, salários e custos dos afastamentos por função


Outros Ajudante Ajudante PCO PCO Túnel Técnico de
Frigorífico Produção Frigorífic Congelamen produção
Frigorífico o to

Dias de N válido 85 1155 15 1518 12 18


afastament
os não Média 7,01 4,54 5,13 5,76 9,17 2,06
segurados Desvio 6,07 4,94 5,64 5,60 6,01 3,70
padrão
Dias de Média 12,27 9,15 2,73 8,07 18,50 22,39
afastament
o segurado Desvio 58,28 33,06 7,62 33,87 60,41 53,83
padrão
Proporção Média ,23 ,15 ,17 ,19 ,31 ,07
de dias
afastados Desvio ,20 ,16 ,19 ,19 ,20 ,12
em um mês padrão

Salário Média 1.086,44 581,87 717,31 826,91 1.020,45 1.904,47


Desvio 219,58 58,16 171,30 171,54 118,32 191,61
padrão
Custo Média 253,38 88,51 115,27 158,45 303,78 144,80
salarial
Desvio 228,73 99,15 124,13 164,37 201,82 289,96
padrão
Recebimen Média 48,10 16,88 21,90 30,25 57,72 27,00
tos
Desvio 43,40 18,86 23,57 31,33 38,32 53,91
padrão
Compensa Média 72,29 25,35 32,90 45,43 86,73 40,80
ção do
empregado Desvio 65,24 28,35 35,41 47,07 57,59 81,61
padrão
Impostos/O Média 79,64 27,92 36,20 50,15 95,49 49,78
brigações
trabalhistas Desvio 71,88 31,21 38,96 52,03 63,44 105,32
padrão
Custo com Média 39,51 13,88 17,99 24,88 47,42 22,64
treinamento
s Desvio 35,65 15,51 19,37 25,77 31,48 45,81
padrão
Custos Média 59,27 20,81 26,99 37,32 71,14 33,97
gerenciais
Desvio 53,48 23,26 29,06 38,65 47,22 68,72
padrão
Custo total Média 552,19 193,35 251,25 346,47 662,27 318,99
da
empresa Desvio 498,38 216,24 270,51 358,97 439,86 645,25
padrão
Benefícios Média 421,02 164,04 61,88 203,53 536,92 1.253,04
INSS
Desvio 1.958,84 590,38 176,37 856,29 1.747,25 2.976,72
padrão
Fonte: Dados da pesquisa
A função PCO Túnel Congelamento responsabilidade do INSS (18,5 dias), o maior
apresentou em média, o maior período de custo salarial (R$ 303,78) e o maior custo total
afastamento sob responsabilidade da para a empresa (662,27) por afastamento,
empresa dentre as funções (9,17 dias) e a conforme tabela 7. No entanto, deve-se
segunda maior média de dias afastados sob considerar areduzida quantidade de
Tópicos em Administração - Volume 11
138

acidentes registrados para essa função, o média de dias de afastamento segurados e


que pode ocasionar certa distorção na análise não segurados. A diferença dos valores
dos resultados. salariais médios em favor da função PCO
Frigorifico justifica os valores médios mais
Quando analisamos as funções PCO
elevados em todas os componentes de
Frigorífico e Ajudante Frigorífico,
custos, inclusive no custo total dos
representativas de 95,36% dos afastamentos,
afastamentos para a empresa e nos custos
observa-se certa equivalência naquantidade
para o INSS.

Tabela 8: Dias, salários e custos dos afastamentos por setor


Outros Abate e Industrializad Inspeção Limpeza Sala Túneis e
Evisceração o Federal e de Câmara
Aves Higieniza corte s Aves
ção de de
aves aves
Dias de N 9 215 246 64 25 2212 26
afastamento válido
s não Média 9,00 5,86 5,78 6,86 6,40 5,09 6,96
segurados Desvio 6,58 5,73 5,82 6,04 5,99 5,26 6,02
padrão
Dias de Média 21,44 5,48 9,22 13,25 5,96 8,84 8,81
afastamento Desvio 35,40 22,86 33,46 65,79 15,28 34,67 41,11
segurado padrão
Proporção Média ,30 ,20 ,19 ,23 ,21 ,17 ,23
de dias Desvio ,22 ,19 ,19 ,20 ,20 ,18 ,20
afastados padrão
em um mês
Salário Média 1.249, 763,47 854,64 1.088,42 862,49 711,52 884,15
76
Desvio 269,33 217,57 327,77 164,84 357,21 179,13 166,00
padrão
Custo Média 373,79 152,47 161,01 247,13 185,46 122,30 211,63
salarial Desvio 275,78 162,06 174,61 225,44 219,89 138,71 192,55
padrão
Recebiment Média 70,90 28,96 30,59 46,91 35,19 23,37 40,21
os Desvio 52,31 30,77 33,18 42,77 41,66 26,45 36,57
padrão
Compensaç Média 106,59 43,52 45,97 70,51 52,89 35,09 60,42
ão do Desvio 78,64 46,24 49,85 64,30 62,66 39,74 54,96
empregado padrão
Impostos/Ob Média 117,52 48,19 50,70 77,67 59,46 38,72 66,51
rigações Desvio 86,60 51,45 55,02 70,85 71,79 44,07 60,52
trabalhistas padrão
Custo com Média 58,24 23,84 25,15 38,54 29,06 19,21 33,04
treinamentos Desvio 42,96 25,34 27,27 35,14 34,53 21,77 30,05
padrão
Custos Média 87,36 35,75 37,73 57,81 43,59 28,82 49,57
gerenciais Desvio 64,44 38,01 40,91 52,70 51,80 32,65 45,07
padrão
Custo total Média 814,40 332,73 351,15 538,56 405,65 267,50 461,39
da empresa Desvio 600,72 353,84 380,84 491,21 482,25 303,14 419,71
padrão
Benefícios Média 776,34 135,57 259,47 449,30 169,31 191,08 254,71
INSS Desvio 1.225, 583,30 1.097,99 2.207,55 444,61 770,14 1.189,5
padrão 57 3
Fonte: Dados da pesquisa
A sala de cortes de aves foi o setor com maior dias não segurados e 8,84 dias segurados. O
incidência de afastamentos (79%) do total, setor possui a menor média salarial
conforme tabela 8. Os afastamentos ocorridos (R$ 711,52) e menor custo médio total para
nesse setor resultaram em média em 5,09 empresa por afastamento.

Tópicos em Administração - Volume 11


139

Em uma visão global, os custos dos acidentes custos de produção, procurando diminuir os
de trabalho foram absorvidos em sua maior gastos com insumos, máquinas e
parcela pelas empresas (60%), enquanto o funcionários. As ações voltadas para a
INSS absorveu os demais 40%. redução dos riscos de acidentes no ambiente
laboral, sobretudo nos frigoríficos de aves,
podem representam importante redução nos
5 CONSIDERAÇÕES FINAIS custos de produção. No mesmo sentido,
concluiu-se que a maior parcela dos custos
Nesse estudo, evidenciou-se que os custos
dos acidentes de trabalho (60%) é absorvida
dos acidentes de trabalho devem ser
pela empresa, gerando impacto sobre a
considerados pelo empreendedor quando a
gestão financeira. Dentro dos componentes
tomada de decisões que afetem a segurança
de custos avaliados, o custo com
e saúde de seus colaboradores. O
pagamentos salariais ao trabalhador afastado
desenvolvimento econômico, sob a ótica de
por acidente é o mais representativo para as
Schumpeter (1982) defende a redução dos
organizações.

REFERÊNCIAS
[1] Adizes, I. Os Ciclos de Vida das [10] De Perio, M.A.; Niemeier, R.T. Levine, S.J.;
Organizações: como e por que asorganizações Gruszynski, K.; Gibbins, J.D; Campylobacter
crescem e morrem e o que fazer a respeito. São infection in poultry-processing workers, Virginia,
Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002. USA, 2008 a 2011. Emerging infectious diseases,
19(2), 286, 2013.
[2] Albuquerk, L. A. A. A prevenção dos
acidentes de trabalho como meio de contenção de [11] Driessen, M. T.; Anema, J. R.; Proper, K. I.;
custos nas empresas. 2009. Disponível em: Bongers, P. M.; Beek, A. J. Stay@ Work:
<http://www.igf.com.br/aprende/dicas/dicasResp.a Participatory Ergonomics to prevent low back and
spx?dica_Id=8768> Acesso em: 18 ago. 2015. neck pain among workers: design of a randomised
controlled trial to evaluate the (cost-) effectiveness.
[3] Alencar, M. C. B.. Associações entre
BMC Musculoskeletal Disorders, v. 9(1), p.145,
crenças relacionadas ao trabalho e suas
2008.
influencias na saude dos trabalhadores e na
produtividade, no setor de produção de frangos de [12] Cowper-Smith, A., Grosbois, D. 2011. The
corte: Uma abordagem ergonômica. 2005. 142f. adoption of corporate social responsibility practices
Tese (Doutorado) - Programa de Pós-graduação in the airline Industry. JournalofSustainableTourism
em Engenharia de Produção, Universidade Federal 19 (1): 59-77
de Santa Catarina,Florianópolis, 2005.
[13] Tokars, E. Abordagem ergonômica do
[4] Barzotto. P. C. Estudo de riscos afastamento por adoecimento de trabalhadores na
ambientais na indústria frigorífica: processos abate indústria de processamentod e frango e suíno.
frango. 2013. 2012. 226f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-
graduação em Engenharia de Produção,
[5] Beevis, D.; Slade, I. M. Ergonomics-costs
Universidade Federal de Santa
and benefits.Applied ergonomics, v. 34, n. 5, p.
Catarina,Florianópolis, 2012.
413-418, 2003.
[14] REIS, P. F. O trabalho repetitivo em
[6] Bruschi, A. M. Relatório de estágio
frigorífico: utilização da estesiometria da mão como
curricular. 2014. Universidade Federal de Santa
proposta para avaliação dos níveis de LER/DORT
Catarina, Ufsc. Departamento de Engenharia
nas síndromes compressivas dos membros
Quimica e Engenharia de Alimentos–GDC.
superiores. 2012. 186f. Tese (Doutorado) -
[7] Carnero, M.C.; Pedregal, D.J. Modelling Programa de Pós-graduação em Engenharia de
and forecasting occupational accidents of different Produção, Universidade Federal de Santa
severity levels in Spain.ReliabilityEngineering& Catarina,Florianópolis, 2012.
System Safety, v. 95(11), p. 1134-1141, 2010.
[15] Musolin, K; Ramsey, J. G.; Wassell, J.T.;
[8] Chiavenato, I. Introdução à Teoria Geral Hard, D.L.; Mueller, C. Health hazard evaluation
da Administração. 8 ed. Rio de Janeiro:Elsevier, report: evaluation of musculoskeletal disorders and
2011. traumatic injuries among employees at a poultry
processing plant. U.S. Department of Health and
[9] Crawford, J. O. Working until 70, Human Services. 2014a. Disponivelem:
government policy, economic need and the role of http://www.cdc.gov/niosh/hhe/reports/pdfs/2012-
ergonomics and occupational health. International 0125- 3204.pdf. Acessoem: 5 jan.2015.
congress series. Elsevier, p. 29-34. 2005.

Tópicos em Administração - Volume 11


140

[16] Rosenbaum, D. A.; Grzywacz, J. G.; Chen, sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo
H.; Arcury, T.A.; Schulz, M.R.; Blocker, J.N; Quandt, econômico. São Paulo: Abril Cultural, 1982.
S.A. Prevalence of epicondylitis, rotator cuff
[27] Dolabela, F.. Oficina do empreendedor: a
syndrome, and low back pain in Latino poultry
metodologia de ensino que ajuda a transformar
workers and manual laborers. American journal of
conhecimento em riqueza. São Paulo: Cultura
industrial medicine, v. 56(2), p. 226-234, 2013.
Editores Associados, 1999.
[17] Schulz, M. R.; Grywacz,, J. G.; Chen, H.;
[28] Martínez, V. A., Boga, O. J., Orosa, J.,
Mora, D. C.; Arcury, T. A., Marin, A. J.; Quandt, S.
Rodriguez Campo, L. 2005. Estrategias de
A. Upper body musculoskeletal symptoms of Latino
comunicaciónenlagestión de laresponsabilidad
poultry processing workers and a comparison
social de la empresa. Fisec-estrategias I (1): 23-46.
group of Latino manual workers. American journal
of industrial medicine, v. 56(2), p. 197-205, 2013. [29] Lezana, A. G. R. Desarrollo Regional a
través del estímulo a las empresas de
[18] Fernández-Muñiz, B.; Montes-Peón, J.
pequeñadimensión.Una puestaenpráctica de
M.;Vázquez-Ordás, C. J. Relation between
programas de promoción. 1995. Tese (Doutorado)
occupational safety management and firm
– Universidad Politécnica de Madrid, Espanha.
performance. Safety science, v. 47(7), p. 980-991,
2009. [30] Klen, T. Costs of occupational accidents in
forestry.Journal of Safety Research, v. 20, n. 1, p.
[19] Jenkins, S.; Rickards, J. Justifying
31-40, 1989.
investments in ergonomics—pre-intervention. In:
SELF-ACE Conference—Ergonomics for Changing [31] Macedo, A. C.; Silva, I. L. Analysis of
Work, Montreal, Canada. 2001. occupational accidents in Portugal between 1992
and 2001. Safety Science, 43(5), 269-286. 2005.
[20] JENSEN, P. L. Human factors and
ergonomics in the planning of [32] Tompa, E.; Dolinschi, R.; Natale, J.
production.InternationalJournal of Industrial Economic evaluation of a participatory ergonomics
Ergonomics, v. 29(3), p. 121-131, 2002. intervention in a textile plant.Applied ergonomics, v.
44, n. 3, p. 480-487, 2013.
[21] Santana, V. S.; Villaveces, A.; Bangdiwala,
S. I.; Runyan, C. W.; Albuquerque-Oliveira, P. R. [33] Della Bruna Junior, E., Ensslin, L., Ensslin,
Workdays lost due to occupational injuries among S. R., Lezana, Á. G. R., Garcia, J. R. 2013. Um
young workers in Brazil. American journal of diagnóstico empresarial sob a perspectiva do ciclo
industrial medicine, v. 55(10), p. 917-925, 2012. de vida organizacional e comportamento do
empreendedor. Revista GEPROS, (4), 25.
[22] Rikhardsson, P. M. Accounting for the cost
of occupational accidents. Corporate Social [34] Gervais, R. L., Health and wellbeing. 2014.
Responsibility and Environmental Management, v. Disponível em:
11(2), p. 63-70, 2004. <http://oshwiki.eu/index.php?title=Health_and_well
being&oldid=242390>. Acesso em: 16 ago. 2015.
[23] Osha UE.European Agency For Safety And
Health AT Work.Calculating the costs of work- [35] Pinder, A. "Ergonomics." 2015 Disponível
related stress and psychosocial risks – A literature em:
review.2014. Disponível em: <http://oshwiki.eu/index.php?title=Ergonomics&oldi
<https://osha.europa.eu/en/tools-and- d=244335>.Acessoem: 17 ago. 2015.
publications/publications/literature_reviews/calculat
ing-the-cost-of-work-related-stress-and- [36] Guimarães, L. D. M.; Ribeiro, J. L. D.;
psychosocial-risks>. Acesso em: 01 de mai. 2015. Renner, J. S.; de Oliveira, P. A. B. Worker
evaluation of a macroergonomic intervention in a
[24] Ramos, B. S.; Azevedo, M.F., Programa de Brazilian footwear company. Applied ergonomics,
Prevenção de Acidentes de Trabalho do TST: O v. 45(4), p. 923-935. 2014.
empreendedorismo social da Justiça do Trabalho.
2012. Disponível em: [37] Scott, P. A. Global inequality, and the
<http://www.anamatra.org.br/index.php/artigos/pro challenge for ergonomics to take a more dynamic
grama-nacional-de-prevencao-de-acidentes-de- role to redress the situation.AppliedErgonomics, v.
trabalho-do-tst-o-empreendedorismo-social-da- 39, n. 4, p. 495-499, 2008.
justica-do-trabalho-e-as-a>. Acesso em 15 de ago. [38] Walter, L. I. A saúde por um fio”:
2015. submissão voluntária de afastados de frigoríficos
[25] Fernández, V. A. M.; Boga, O. J.; da Silva de aves. 2012.
Faria, M. J.. Impacto da responsabilidade social [39] Grzywacz, J. G.; Arcury, T. A.; Mora, D.;
sob a óptica empresarial do norte litoral de Anderson, A. M.; Chen, H.; Rosenbaum, D.
Portugal. Contaduría y Administración, v. 59, n. 3, A.;QUANDTT, S. A. Work organization and
p. 89-135, 2014. musculoskeletal health: Clinical findings from
[26] SCHUMPETER, J. A. Teoria do immigrant Latino poultry processing and other
desenvolvimento econômico: uma investigação manual workers. Journal of Occupational and
Environmental Medicine, v. 54(8), p. 995-1001,
2012.
Tópicos em Administração - Volume 11
141

[40] Marin, A. J.; Grzywacz, J. G., Arcury, T. A.; [42] Ubabef. União Brasileira de Avicultura.
Carrillo, L.; Coates, M. L.; Quandt, S. A. (2009). Relatório Anual. 2014. Disponivel em:
Evidence of organizational injustice in poultry <http://www.brazilianchicken.com.br/home/publica
processing plants: Possible effects on occupational coes> Acesso em: 05 ago. 2015.
health and safety among Latino workers in North
[43] Vergara S. C. Projetos e relatórios de
Carolina. American journal of industrial medicine, v.
pesquisa em administração. 3. ed. 2000.
52(1), p. 37-48, 2009.
[44] Sá-Silva, J. R.; Almeida, C.D.; Guindani, J.
[41] Kyeremateng‐Amoah, E.; Nowell, J., Lutty,
F. Pesquisa documental: pistas teóricas e
A., LESS, P. S.; Silvergeld, E. K. Laceration injuries
metodológicas. Revista Brasileira de História &
and infections among workers in the poultry
Ciências Sociais, v. 1, n. 1, p. 1-15, 2009.
processing and pork meatpacking industries.
American journalof industrial medicine, v. 57, n. 6,
p. 669-682, 2014.

Tópicos em Administração - Volume 11


142

Capítulo 14

Rodrigo Luis Melz


Gabriel Borges da Cunha
Octavio de Castilhos Badia

Resumo:O presente estudo aborda o tema da cooperação internacional no âmbito


da Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco, tratado internacional idealizado
pela Organização Mundial de Saúde em conjunto com os Países-Membros da
Organização das Nações Unidas. Buscou-se analisar, a partir de sua adesão, se
houve respeito à soberania brasileira nesses processos, bem como o respeito do
Brasil à autonomia dos demais países nas cooperações internacionais dadas como
desdobramentos do Tratado. Para tanto, buscou-se informações desde o processo
de ratificação do Brasil à Convenção-Quadro, que se deu em meio a interesses
conflitantes, tendo em vista a importância econômica do tabaco para o país.
Concluiu-se que houve o respeito à soberania brasileira e que o País também
observou a soberania nas instâncias de cooperação em que participou:
Conferência das Partes e Comissão Intergovernamental para o Controle do Tabaco
do Mercosul. Foi utilizada a metodologia de pesquisa bibliográfica e exploratória
para o embasamento teórico e busca de dados.
Palavras-chave: Tabagismo; Fumicultura; Convenção-Quadro para o Controle do
Tabaco (CQCT); Conferência das Partes (COP); Cooperação Internacional do
Mercosul.

Tópicos em Administração - Volume 11


143

1.INTRODUÇÃO unanimidade na 56ª Assembleia Mundial de


Saúde, no ano de 2003 (BRASIL, 2004). O
Em seus primórdios, o tabaco era utilizado
tratado é composto por 38 artigos, que
pelos indígenas, que atribuíam a ele caráter
preveem medidas conjuntas de redução da
sagrado, geralmente limitado a cerimônias
oferta e, principalmente, da demanda por
religiosas. A hipótese mais provável é que a
produtos originados do tabaco. Esse tratado
planta tenha surgido nos vales orientais dos
de saúde pública consiste em um instrumento
Andes bolivianos, difundindo-se pelo território
de cooperação internacional para atuar sobre
brasileiro através das migrações indígenas.
os determinantes transnacionais da expansão
No período colonial, o tabaco começou a ser
do tabagismo (OMS, 2003).
produzido como mercadoria de troca e,
exportado rapidamente, se popularizou na Conforme Troian, Eichler e Dal Soglio (2014),
Europa (PRADO JUNIOR, 1949; BUAINAIN e as ações de combate ao tabagismo adotadas
SOUZA FILHO, 2009). Atualmente, o Brasil é o pelos governos incluem restrições ao ato de
maior exportador de fumo e o segundo maior fumar em locais públicos e à propaganda de
produtor do mundo. Com sua produção cigarro; aumento da carga tributária sobre
concentrada essencialmente na região sul do produtos derivados do tabaco; campanhas de
país, é responsável pela geração de 697.158 conscientização; além da redução de
empregos diretos, em sua maioria na subsídios à fumicultura e apoio à
agricultura familiar, além dos indiretos, diversificação produtiva em áreas de cultivo
estimados em outros 1.440.000. Essa cultura de tabaco. A cooperação prevista na CQCT
também aparece com papel de destaque no visa produzir impactos sobre as realidades
ranking de exportação brasileira, sendo que produtivas locais, elevar os padrões de
cerca de 90% da produção é destinada a qualidade de vida, promover o crescimento
mercados externos, principalmente o europeu sustentável e contribuir para o
e o chinês e é uma das maiores fontes de desenvolvimento social dos países signatários
arrecadação de impostos do país (AFUBRA, e, conjuntamente, dos seus cooperantes
2018). (OMS, 2003). O presente estudo buscou
analisar, a partir da ratificação brasileira à
Apesar dos significativos resultados
CCQT do Tabaco da OMS, a participação
econômicos gerados pela cultura, é sabido
brasileira na cooperação internacional no
que o consumo e exposição à fumaça de
âmbito da Convenção-Quadro.
produtos derivados de tabaco trazem
malefícios à saúde humana, sendo o Partindo deste objetivo, buscou-se analisar se
tabagismo reconhecido como uma doença houve o respeito da autonomia do Estado
crônica pela Organização Mundial da Saúde Soberano, a exemplo do que se espera das
(OMS). O cigarro é apontado como causador Cooperações Sul-Sul (CSS), onde países
de cerca de 90% dos casos de câncer de periféricos e semiperiféricos oferecem ajuda
pulmão, sendo um fator de risco significativo de maneira oposta à Cooperação Norte-Sul
para acidentes cerebrovasculares e ataques (CNS), na qual os países centrais atuam como
cardíacos, além de estar associado a outros doadores através da imposição de suas
mais de 50 malefícios à saúde humana condicionalidades (Carion, 2014). Conforme
(BRASIL, 2018). Carion (2014), a modalidade de CSS defende
relações de cooperação com base no
O reconhecimento de que a expansão do
compartilhamento solidário de recursos de
tabagismo havia se tornado um problema
distintas naturezas, tanto técnica quanto
mundial fez com que, em 1999, durante a 52ª
financeira, propiciando um ambiente de
Assembleia Mundial da Saúde, a OMS,
igualdade entre parceiros e sem hierarquias.
juntamente com os Estados Membros das
Ou seja, um ambiente de não intervenção,
Nações Unidas, propusesse a adoção do
não ingerência e de respeito à soberania dos
primeiro tratado internacional de saúde
países envolvidos. Sendo assim, foram
pública da história. O tratado teve por objetivo
analisadas nessa pesquisa as cooperações
proteger as gerações presentes e futuras das
multilaterais que tiveram participação direta
consequências geradas pelo consumo e
do Brasil no âmbito da Convenção-Quadro: a
exposição à fumaça do tabaco. Durante
Conferência das Partes (COP) e a Comissão
quatro anos, 192 países trabalharam de
Intergovernamental para o Controle do
maneira conjunta com a OMS em várias
Tabaco do Mercosul (CICT/Mercosul). O
redações, até chegarem a um consenso do
Mercado Comum do Sul (MERCOSUL) é um
que seria o texto da Convenção-Quadro para
bloco de integração regional conformado
o Controle do Tabaco (CQCT), aprovado por
Tópicos em Administração - Volume 11
144

inicialmente pela Argentina, Brasil, Paraguai e à ratificação. Após avaliações, o relator da


Uruguai com ingresso posterior da Venezuela, comissão argumentou:
que no momento encontra-se suspensa, e da
Em todas essas visitas, ficou clara a
Bolívia que está em processo de adesão
preocupação dos pequenos produtores
(MERCOSUR, 2018).
familiares com a aprovação desta
O trabalho consistiu em uma pesquisa Convenção-Quadro. [...]. E foi no contato
bibliográfica e exploratória, recorrendo a direto com milhares daqueles agricultores que
livros, periódicos, dissertações e teses, além percebi o outro lado da questão. Verifiquei
da utilização de outras fontes de dados que que, se o vício do tabaco causa a morte, a
permitiram uma melhor contextualização do cultura do fumo é o ganha-pão de muitas
assunto, constantes principalmente em sítios famílias, ou seja, promove a vida. Não se
eletrônicos de instituições governamentais. pode retirar o meio de sustento dessas
Através da análise das informações famílias de uma hora para outra, sem
evidenciadas, foi realizada uma discussão oferecer-lhes alternativas com rentabilidade
sobre seus aspectos, a fim de responder ao econômica compatível.[...]
objetivo da pesquisa.
Por esse motivo, realizamos diversas reuniões
com representantes do Governo, que também
participaram das Audiências Públicas,
2. A RATIFICAÇÃO BRASILEIRA À
clamando por uma sinalização de que os
CONVENÇÃO-QUADRO PARA CONTROLE
produtores de fumo não seriam prejudicados
DO TABACO E OS EMBATES INTERNOS
pela aprovação da Convenção-Quadro
De acordo com Milani e Pinheiro (2013), as (BRASIL, 2005, p. 6).
relações internacionais na atualidade, além
Após o parecer favorável do relator da
de englobarem um leque mais amplo de
Comissão de Agricultura e Reforma Agrária, a
questões, exigindo conhecimentos e
ratificação foi aprovada pelo plenário do
expertises particulares, implicam, de forma
Senado Federal. O Legislativo aceitou ratificar
cada vez mais densa e institucionalizada, em
a Convenção a partir do comprometimento do
uma diversidade de atores, que agora estão
Poder Executivo de desenvolver o Programa
envolvidos nos assuntos internacionais. Nesse
Nacional de Diversificação das Áreas
sentido, é imprescindível que se reconheça a
Cultivadas com Tabaco, sob coordenação do
inegável conexão entre os problemas
Ministério do Desenvolvimento Agrário. Para
internacionais e as causas domésticas.
cumprir com as principais reivindicações e
Na formulação da CQCT o Brasil receios internos, juntamente com o depósito
desempenhou papel de liderança, sendo o da ratificação nas Nações Unidas, o Brasil,
segundo país a assinar o texto da Convenção. assim como outros países que procederam
A expectativa da OMS e da comunidade de forma semelhante, mas em outros termos,
internacional era a de que o país ratificaria apresentou uma declaração de interpretação
com rapidez a convenção, fato que não do tratado, manifestando os seguintes
ocorreu devido às divergências internas entendimentos:
quando a matéria entrou em trâmite no
O tratado não proíbe a produção de fumo e
Senado Federal. Entidades representantes
não haverá restrições às políticas
dos fumicultores e da indústria exerceram
nacionais de apoio aos agricultores que se
forte pressão sobre a decisão, alegando a
dedicam à fumicultura.
importância socioeconômica da cultura e os
possíveis impactos que o Tratado poderia É imperativo que a Convenção-Quadro seja
trazer para as regiões produtoras (MENGEL E um instrumento de mobilização internacional
DIESEL, 2009). de recursos técnicos e financeiros para
apoiar países em desenvolvimento a
Em meio às controvérsias geradas sobre a
desenvolverem alternativas econômicas
CQCT, o Senado Federal brasileiro requereu
viáveis à produção agrícola de tabaco, como
parecer da Comissão de Agricultura e
parte de suas estratégias nacionais de
Reforma Agrária, que passou a realizar várias
desenvolvimento sustentável (BRASIL, 2005,
audiências públicas, tanto na capital
p. 10).
federativa quanto nas regiões fumageiras, a
fim de proporcionar o debate que serviria de Conforme Sogocio (2008), o papel de
subsídio para a decisão a ser tomada quanto liderança do Brasil na formulação da
Convenção-Quadro foi perfeitamente

Tópicos em Administração - Volume 11


145

justificável pelas medidas adotadas em capacidades em cumprir com as obrigações


âmbito nacional no combate ao tabagismo do tratado, considerando as necessidades
desde a década de 1980, trazendo esse das Partes que se tratam de países
tratado ao quadro doméstico uma mudança periféricos. Essa cooperação deve promover
incremental e não uma ruptura. Além de ficar a transferência de conhecimentos técnicos,
evidente no texto da CQCT e ser reforçado científicos e jurídicos especializados e de
pela declaração interpretativa acima, o tecnologia, decididos de comum acordo entre
tratado não prevê a proibição do cultivo de os signatários, para fortalecer estratégias,
fumo, mas sim a ajuda internacional aos planos e programas nacionais de controle do
agricultores que queiram diversificar seu tabaco (OMS, 2003).
cultivo. Sob essa ótica, não havia dúvidas
O artigo da CQCT acima mencionado ainda
quanto à conveniência da ratificação uma vez
previu em quais aspectos principais se darão
que, em caso contrário, perderia o direito de
essas ações de cooperação, estabelecendo
beneficiar-se desse apoio.
também que a Conferência das Partes (COP)
deve ser responsável por promover e facilitar
a transferência de conhecimento técnico,
3. A CQCT COMO INSTRUMENTO PARA
científico e jurídico especializado e de
PROPICIAR A COOPERAÇÃO
tecnologia, com apoio financeiro garantido
INTERNACIONAL EM COMBATE AO
nos termos do tratado.
TABAGISMO
Ainda que a legislação e as políticas internas
de vários países já tenham previsto medidas 3.1 CONFERÊNCIA DAS PARTES (COP)
antitabagistas, percebeu-se a necessidade
A Conferência das Partes é a instância
da cooperação para avançar nesse sentido
deliberativa da Convenção-Quadro, formada
em escala mundial, possibilitando o
por todos os Estados Parte que ratificaram o
financiamento dessas ações principalmente
acordo. A COP tem por principal função
em países periféricos. Após a coleta de
viabilizar a cooperação internacional, através
dados dessa pesquisa, foi possível notar o
da tomada de decisões sobre aspectos
grande empenho da OMS para fomentar as
técnicos, processuais e financeiros da
práticas de cooperação internacional no
implementação do tratado nos países
intuito de fortalecer as ações de controle do
signatários, conforme as informações
tabaco.
disponibilizadas no sítio eletrônico do Instituto
Em junho de 2012, a OMS promoveu em Nacional do Câncer (INCA). Ela também tem
Genebra uma Reunião de Cooperação Sul-Sul o poder de estabelecer órgãos subsidiários
para implementação da CQCT. Esse evento para atingir os objetivos da Convenção.
teve o objetivo de estabelecer uma
A COP vem sendo realizada em diferentes
cooperação internacional para ajudar países
países membros da CQCT. Durante suas
do Sul a desenvolver atividades de controle
sessões, as delegações dos Estados Parte
do tabagismo e buscar reduzir as possíveis
analisam a implementação do Tratado,
implicações econômicas de longo prazo que
avaliam resultados de grupos de trabalho,
poderiam impedir o sucesso da
aprovam diretrizes de melhores práticas para
implementação da Convenção-Quadro. O
disseminá-las entre os países e discutem
principal resultado desse encontro foi
aspectos administrativos. Ficou estabelecido
propiciar a troca de experiências das
que os encontros serão realizados a cada
principais recomendações políticas adotadas
dois anos, sendo que até o momento deste
por esses países nessa esfera e seus
estudo, haviam sido realizadas sete sessões
resultados, tendo o debate se centrado em
da Conferência das Partes. Segundo relatório
torno da observação das melhores práticas
realizado pelo INCA (BRASIL, 2018) as
que podem conduzir a uma diminuição da
principais decisões e avanços de cada
prevalência do tabagismo (BRASIL, 2014).
sessão foram as seguintes:
O 22º artigo da CQCT previu o incentivo à
01ª Sessão da Conferência das Partes (COP
Cooperação científica, técnica e jurídica, além
01): A primeira conferência das partes foi
da prestação de assistência especializada.
realizada em fevereiro de 2006 na cidade de
Nessa esfera, o documento indicou que as
Genebra, na Suíça, contando com 113 países
partes devem cooperar diretamente ou
que haviam ratificado a Convenção-Quadro
através de organismos internacionais
até então, sendo que o Brasil foi o 100º.
competentes, a fim de fortalecer suas
Tópicos em Administração - Volume 11
146

Nessa reunião foram definidas as regras de 05ª Sessão da Conferência das Partes (COP
procedimento e de financiamento para a 05): Essa sessão foi realizada na cidade de
COP. Também se decidiu pela existência de Seul, república da Coréia, em 2012, e contou
um secretariado permanente, dentro da OMS com uma ampla delegação brasileira,
e com sede em Genebra. composta por representantes do alto escalão
de vários ministérios, tendo como uma de
02ª Sessão da Conferência das Partes (COP
suas principais missões o redirecionamento
02): Foi realizada no mês de julho de 2007 na
dos rumos da minuta de recomendações e
Tailândia, e já contou com 146 Estados
opções de políticas para implementações dos
Partes. Nessa sessão foram aprovadas as
artigos 17 e 18 da Convenção que tratam,
diretrizes para implementação do 8º artigo da
respectivamente, de alternativas
Convenção, que trata da adoção de
economicamente viáveis à produção de
ambientes livres de fumo, uma vez que,
tabaco e riscos inerentes a essa atividade.
conforme estudos, a inalação da fumaça do
tabaco, o chamado “fumo passivo”, é tão As principais decisões dessa COP foram a
nocivo à saúde humana quanto o ato de adoção do Protocolo para eliminar o comércio
fumar. Além disso, decidiu-se pelo ilícito de produtos de tabaco; a manutenção
estabelecimento de um Órgão de Negociação de grupos de trabalho sobre os artigos 9 e 10,
Intergovernamental (ONI) para elaboração de que tratam, respectivamente, da
um protocolo sobre o mercado ilícito de regulamentação do conteúdo dos produtos
produtos do tabaco. de tabaco e das informações públicas sobre
esses produtos; criação de um grupo aberto
03ª Sessão da Conferência das Partes (COP
de redação das diretrizes do artigo 06, sobre
03): Realizada em novembro de 2008 na
preços e impostos; a criação de um grupo de
África do Sul, teve como principais resultados
experts para discussão do artigo 19, que
a aprovação de diretrizes para a
aborda responsabilidade civil e litígios; e de
implementação de outros três artigos que
um grupo de trabalho sobre medidas
tratam da proteção das políticas de saúde
sustentáveis para fortalecimento da
dos interesses da indústria fumageira,
implementação da Convenção-Quadro. Além
embalagem e etiquetagem dos produtos de
disso, se tratou da manutenção de grupos de
tabaco, além da publicidade, promoção e
trabalho sobre os artigos 17 e 18, de
patrocínio do cigarro. Nessa edição, os
preocupação da comitiva brasileira.
Estados Partes aprovaram o status de
observador para o Mercosul, o que elevou a 06ª Sessão da Conferência das Partes (COP
visibilização do Bloco quanto às políticas 06): A sexta edição da conferência das partes
antitabagistas frente a OMS. foi realizada em Moscou, no final de 2014.
Uma das suas decisões mais importantes foi
04ª Sessão da Conferência das Partes (COP
a aprovação do documento “Opções de
04): Em Punta Del Leste, no Uruguai, ao final
Políticas e Recomendações para Orientar a
de 2010, foi realizada a 4ª sessão, que
Implementação dos Artigos 17 e 18 da
aprovou diretrizes parciais para os artigos 9 e
Convenção-Quadro”, resultado de um grande
10, acerca da regulamentação do conteúdo e
esforço do Brasil, que trabalhou durante 07
da divulgação de informações sobre os
anos na elaboração da minuta desse
produtos de tabaco; para o artigo 12, sobre
documento, ocorrendo também a aprovação
educação, comunicação, treinamento e
das diretrizes de melhores práticas para
conscientização do público; e para o artigo
implementação do artigo 06 da CQCT, que
14, sobre o tratamento da dependência do
trata das políticas nacionais sobre preços e
tabaco. Nessa conferência também foi
impostos para reduzir o consumo de produtos
aprovada a “Declaração de Punta Del Este
oriundos do tabaco.
sobre a Implementação da Convenção-
Quadro para o Controle do Tabaco”, que Durante a realização dessa COP, foi
representou uma resposta da comissão aos solicitado, para que fosse avaliada na 7ª
desafios que as grandes transnacionais de sessão da Conferência das Partes, a ser
fumo vêm impondo aos progressos do realizada em 2016, a confecção de um
tratado, confrontando suas medidas com relatório sobre a implementação da
acordos internacionais de comércio. A Convenção-Quadro e sua relação com as
principal reivindicação da declaração é a disputas de controvérsias nos fóruns de
observância dos Estados Partes quanto às comércio e investimento internacionais.
determinações da Convenção nesse sentido. Também ficou definida a criação de um painel
de especialistas sobre o Protocolo de
Tópicos em Administração - Volume 11
147

Combate ao Comércio Ilícito de Produtos de tabagismo (RODRIGUES, 2015). Os demais


Tabaco, a fim de oferecer apoio aos países países do Mercosul também demonstraram
que desejam ratificá-lo, para que seu texto interesse em fazer pesquisas sobre a
entre em vigor. população dependente do tabaco com a
mesma metodologia adotada no Brasil, o que
Todas as sessões descritas acima, contaram
permitirá comparações e fornecerá um retrato
com a presença da delegação brasileira, que
da situação na região.
sempre se fez ativa nas discussões
promovidas e também na implementação das No ano de 2003, em meio às discussões para
ações propostas e cumprimento de metas. ratificação da CQCT, foi estabelecida a
Conforme Silva et al (2014), o Brasil é Comissão Intergovernamental para o Controle
referência mundial no combate ao tabagismo do Tabaco no Mercosul (CICT/Mercosul). Sua
e as áreas de destaque de seu programa são criação, que ocorreu durante a 15ª Reunião
as ações de regulação do mercado, como a de Ministros da Saúde do Mercosul, no
proibição de divulgação e alta carga de Uruguai, foi fundamental para um maior
impostos, dentre outros. impulso do tema na região, propiciando a
cooperação internacional para o controle do
07ª Sessão da Conferência das Partes (COP
tabagismo na América do Sul e resultando em
07): Realizada em novembro de 2016 em
vários acordos entre os Ministérios da Saúde
Noida, cidade indiana, contou com uma
desses países. Dentre as principais
ampla delegação brasileira. Dentre as
discussões das reuniões da CICT/Mercosul,
principais reiterações feitas nessa sessão,
pode-se destacar alguns dos acordos e seus
receberam destaque: o combate à
objetos, tais como o Acordo Mercosul/XVII
interferência da indústria do tabaco; combate
RMSMBCH nº 17/04, em que se aprovou a
à emergência de novos produtos de tabaco
política de controle do tabaco e seu plano de
ou nicotina, inclusive tabaco sem fumaça;
trabalho, além do apoio dos ministros de
promoção de meios alternativos de
saúde à CCQT; o Acordo Mercosul/XVIII
subsistência para produtores e trabalhadores
RMSMBCH nº 05/05, que definiu as ações
do setor tabaco através de cooperação
para implementação da politica para o
regional e internacional; necessidade de
controle do tabaco no Mercosul e Estados
financiamento e outras medidas que assegure
associados; e o Acordo Mercosul/XXIX RMS
sustentabilidade para a implementação da
nº 08/10, referente à implementação da
CQCT/OMS; adoção de medidas para
CCQT, reafirmando o poder dos Estados
eliminar o comércio ilícito dos produtos de
Parte e Associados do Bloco para
tabaco.
implementar medidas destinadas a proteger a
A oitava sessão da Conferência das Partes população das consequências nocivas do
está prevista para ocorrer nos primeiros dias consumo de tabaco ou da exposição à
do mês de outubro de 2018 em Genebra, na fumaça (BRASIL, 2012).
Suíça. A expectativa sobre essa COP seja de
Vários têm sido os avanços nas políticas de
que enfim seja firmado o Protocolo que atenta
controle do tabagismo nos Estados Membros
ao comércio ilícito de produtos oriundos do
e Associados do Bloco, que se tratam de
tabaco.
desdobramentos dos acordos listados na
Tabela I, provenientes dos encontros da
CICT/Mercosul. Um exemplo disso é o Banco
3.2 COOPERAÇÃO INTERNACIONAL DO
de Advertências Sanitárias, que conta com
MERCOSUL E PARCEIROS SUL-
imagens que são impressas nas carteiras de
AMERICANOS
cigarro com a finalidade de desestimular o
Desde a composição da CQCT, as consumo de tabaco. Essas fotos são
discussões dos ministros da saúde dos selecionadas com base na evidência
Estados Membros do Mercosul e seus disponível sobre efetividade das imagens já
parceiros sul-americanos vêm incluindo implementadas; nas recomendações do
pesquisa e debates sobre o controle do artigo 11 da CQCT; e nas diretrizes
tabaco, sendo que a maioria dessas nações aprovadas na COP3. Na terceira COP os
aderiu à Convenção-Quadro. O INCA, países cooperados acordaram utilizar a
sediado em Brasília, é designado pela OMS coleção de imagens, bem como a
como Centro Colaborador para o Controle do metodologia de estudo compartilhada para
Tabaco na América do Sul, assessorando desenvolver advertências mais efetivas para
todos os Estados da região no combate ao as suas populações. A proibição total do fumo

Tópicos em Administração - Volume 11


148

em ambientes fechados foi a medida da tinha sua delegação representando a


Convenção-Quadro que mais apresentou presidência Pro Tempore do Mercosul. A
evolução significativa no Bloco, através da premiação se deu, em especial, devido à
aprovação de leis nacionais (BRASIL, 2013). inclusão do controle do tabaco na agenda de
desenvolvimento pela cooperação regional na
A adesão dos países à CQCT também é um
implementação da CQCT, e por priorizar a
constante tema de pauta desde o início das
saúde acima do comércio (BRASIL, 2013a).
reuniões, sendo que, no momento, apenas a
Argentina não é nação signatária, sendo o
mercado ilegal um problema que aflige quase
4. DISCUSSÕES FINAIS
todos os países do Mercosul e cujo controle
depende de uma ação integrada entre os Notou-se, através dos dados apresentados e
governos (BRASIL, 2013). respectivas análises, a característica
brasileira de ter representação e atuar em
Outro resultado positivo observado nessa
eventos de cooperação internacional. Essa
cooperação (CICT/Mercosul), foi o
atuação, no caso do controle do tabaco se
desenvolvimento de uma metodologia de
deu, principalmente, através de órgãos
estudo, que tem por objetivo o
governamentais da área da saúde, sem
acompanhamento de grupos de fumantes e o
interferência ou gestão das instâncias
monitoramento de sua saúde nos diferentes
diplomáticas. Pode-se destacar, dentre
países do Mercosul e Associados com o
outros, a presença do INCA.
auxílio de um software desenvolvido para tal
pesquisa. Além da relação tabaco-saúde, Essa forma de participação nas relações de
também é realizado o levantamento do custo cooperações internacionais do Brasil também
para tratamento desses pacientes, permitindo é apontada por Milani e Lopes (2014, p. 62):
a comparação entre os países, sendo assim “no campo da saúde, muitos atores situados
um importante instrumento de aprimoramento além dos muros institucionais do Itamaraty
de estratégias de controle do tabagismo têm relevância central nas agendas da CSS e
(BRASIL, 2013). no processo de transferência internacional de
políticas públicas”. Sobre uma possível
Durante as reuniões de cúpula do Mercosul
interpretação de imposição de legislação
foi dada a devida importância à pauta de
externa através da ratificação da Convenção-
discussão envolvendo o controle do tabaco.
Quadro e da COP, vale ressaltar a discussão
Pode-se exemplificar a XLVI Cúpula de
de Mengel e Diesel (2009), os quais lembram
Chefes de Estado do Mercosul e Estados
que os tratados são construídos com base em
Associados, realizada em Caracas, em julho
consensos, e que para estes sejam
de 2014, onde se evidencia a inclusão desse
alcançados, os termos devem ser brandos e
assunto. Nesse encontro foi ratificado o apoio
genéricos, possibilitando certa flexibilidade
ao Uruguai em face de qualquer interferência
de interpretação. Esse fato pôde ser
das empresas multinacionais de fumo que
observado no caso do Brasil, que foi um
venham a impedir as políticas de controle do
grande contribuinte na construção do
tabagismo, intervindo no direito soberano dos
Tratado, um dos primeiros a aprovarem sua
Estados de definirem suas políticas de saúde,
redação, e se viu em meio a disputas internas
conforme aponta o artigo V da CQCT
de interesse no ato de sua ratificação. Os
(BRASIL, 2014a).
posicionamentos conflitantes envolviam, de
O reconhecimento da comunidade um lado, a indústria, em sua maioria
internacional quanto ao trabalho conjunto multinacional, com poder de influência, e os
desenvolvido pelos países do Mercosul fumicultores, que tinham na atividade muitas
conferiu ao bloco o status de observador. vezes sua única fonte de renda, e, de outro
Isso garante ao grupo de países o poder de lado, os órgãos governamentais ligados à
manifestação durante as Conferências das saúde, além das pressões da sociedade civil,
Partes da Convenção-Quadro e atividades de que viam na Convenção-Quadro uma
seus órgãos subsidiários. Vale salientar que o possibilidade de agir em face às
Mercosul recebeu o Prêmio Orquídea, consequências nocivas da epidemia do
conferido a nações ou regiões que tabagismo. O processo de adesão percorreu
apresentaram destaque em seus avanços na dois anos, possibilitando o diálogo com todas
área, em função do relato dos resultados as partes, estabelecendo medidas e
atingidos pela região descritos no programas internos a serem implementados,
pronunciamento realizado pelo Brasil, que além da culminância em um “termo

Tópicos em Administração - Volume 11


149

interpretativo” da CQCT, depositado junto à políticas de controle do tabaco no Mercosul e


OMS no ato da ratificação brasileira, tornando Estados Associados, todos os acordos e
clara a posição do país quanto à decisões tomadas no âmbito da Comissão
preocupação com as consequências Intergovernamental para o Controle do
socioeconômicas que enfrentaria Tabaco no Mercosul foram discutidos durante
internamente. reuniões que contavam com a presença de
todos os envolvidos, decididas em comum
Apesar dessa preocupação, que ganhou vulto
acordo. Também se observa o respeito às
essencialmente na tramitação da ratificação
legislações e especificidades de cada
pelo Senado Federal, o poder executivo
Estado.
demonstrou, desde o início das discussões,
uma posição muito favorável à Convenção- A pesquisa demonstrou o respeito por parte
Quadro. Isso pode, dentre outros motivos, do Brasil à soberania dos países do Mercosul
estar relacionado com outras políticas e na cooperação analisada, sem a imposição
cooperações internacionais, impulsionadas no de condicionalidades. Também se pôde
período do mandato do ex-presidente Luiz perceber no processo de ratificação brasileira
Inácio Lula da Silva (2003 – 2010), quando o à CQCT e na Conferência das Partes a
Brasil apresentava uma retomada do possibilidade de discussões de embates
crescimento econômico, porém carecia de internos e ressalvas, demonstrando a
representatividade e reconhecimento na autonomia do estado brasileiro nessas
arena global. questões. Ficou evidente a ação direta de
instituições ligadas à saúde e agricultura na
Já nas sessões da Conferência das Partes,
cooperação, sem intervenção e dos órgãos
pôde-se notar que, embora a existência de
diplomáticos, como o Itamaraty ou a Agência
flexibilidade seja uma característica
Brasileira de Cooperação (ABC), sendo a
observada na Convenção-Quadro, em alguns
inclusão da pauta da Convenção-Quadro na
casos há divergência de opiniões, causadas
carteira da ABC uma alternativa trazer
pela heterogeneidade e pelas especificidades
melhores resultados à esse campo de
de cada país. Um exemplo foi a COP 5, na
cooperação.
qual havia sido formulada uma minuta que
previa medidas restritivas à produção de Muito tem se avançado nas ações para frear
tabaco, que foi contestada e levada à o tabagismo em todo o mundo. Boa parte
discussão pela comitiva brasileira, onde as desse sucesso, sem dúvida, deu-se em
Partes chegaram a um acordo prevendo função da cooperação internacional, prevista
maior auxilio para a diversificação aos na Convenção-Quadro exposta neste
produtores, ao invés de restrições. A própria trabalho. Essa cooperação técnica, que
CQCT em sua redação prevê que as medidas envolve a troca de boas práticas e
de cooperação internacional sejam tomadas tecnologias traz avanços para as políticas das
mediante consenso entre as partes diferentes nações envolvidas, respeitando a
envolvidas: “essa cooperação promoverá a soberania de cada um dos países envolvidos.
transferência de conhecimentos técnicos, O Brasil, desde a formulação do tratado, vem
científicos e jurídicos especializados, e de tendo papel de destaque tanto na
tecnologia, segundo decidido de comum participação em discussões quanto na
acordo, com o objetivo de estabelecer e aplicação das medidas nele previstas, tendo
fortalecer estratégias, planos e programas reduzido em mais de 30% o número de
nacionais de controle de tabaco (...)” (OMS, fumantes no país desde que o trabalho no
2003, p. 17). âmbito da CQCT iniciou (Laboissière, 2015).
Pela particularidade brasileira em ser o maior
No caso da cooperação internacional
exportador de tabaco do mundo e a
existente no Mercosul para o controle do
dependência socioeconômica do país a essa
tabaco, fica nítida a posição de destaque do
atividade, o Brasil deve continuar atento às
Brasil sendo o INCA, pelo reconhecimento
ações previstas referentes aos artigos do
internacional de seu trabalho na área,
documento que tratam da redução da oferta,
designado pela OMS como Centro
alternativas economicamente viáveis ao
Colaborador para o Controle do Tabagismo
cultivo e da proteção à saúde dos
na América do Sul. Embora seja possível
fumicultores.
observar certa liderança do Brasil nas

Tópicos em Administração - Volume 11


150

REFERÊNCIAS [10] Laboissière, P. Número de fumantes no


país cai 30,7% em nove anos. Agência Brasil.
[1] Associação dos Fumicultores do Brasil 2015. Acesso em 07 abril 2018. Disponível em:
(Afubra). Fumicultura no Brasil. Acesso em 07 <http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2015
fevereiro, 2018. Disponível em: -05/estudo-indica-que-10-dos-brasileiros-mantem-
<https://afubra.com.br/fumicultura-brasil.html> habito-de-fumar>
[2] Brasil. Comissão de Agricultura e Reforma [11] Mengel, A. A.; Diesel, V. Globalização,
Agrária (CRA). Parecer n. de 2005. [...] sobre o Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco e
Projeto de Decreto Legislativo nº 602, de 2004, que as Disputas pelos Rumos dos Territórios
aprova o texto da Convenção-Quadro sobre Fumicultores - Rio de Janeiro-RJ. Revista IDeAS –
Controle e Uso do Tabaco, assinada pelo Brasil em Interfaces em Desenvolvimento, Agricultura e
16 de junho de 2003. Brasília, 2005. Acesso em 02 Sociedade, v. 3, n. 2, p. 226-255, 2009.
fevereiro de 2018. Disponível em:
<http://www.senado.gov.br/atividade/materia/getP [12] Mercado Común Del sur (Mercosur).
DF.asp?t=25214&tp=1> Institucional. Acesso em 07 de Abril de 2018.
Disponível em:
[3] ______. Mercosul x Tabagismo. Revista <http://www.mercosur.int/innovaportal/v/8001/2/inn
Rede Câncer: Rio de Janeiro. 21ª ed. 2013. Pgs 18- ova.front/institucional>
20. Acesso em 23 Fevereiro, 2018. Disponível em:
http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/0fe6c78 [13] Milani, C. R. S.; E Lopes, R. N.
04f8f67668e23bec4e690703c/rc21_integra.pdf?MO Cooperação Sul-Sul e Policy Transfer em Saúde
D=AJPERES Pública: análise das relações entre Brasil e
Moçambique entre 2003 e 2012. Revista Carta
[4] ______. Instituto Nacional do Câncer internacional Vol. 9, n. 1, jan. -jun. p. 59 - 78, 2014.
(INCA). Comissão Nacional para a Implementação
da Convenção-Quadro para Controle do Tabaco – [14] Milani, C.; E Pinheiro, L. Política Externa
(CONICQ). Quinta Sessão da Conferência das Brasileira: Os Desafios de sua Caracterização
Partes da Convenção-Quadro para Controle do como Política Pública. Rio de Janeiro Revista
Tabaco da Organização Mundial de Saúde: Contexto Internacional, vol. 35, no 1, p. 11-41,
Relatório e Decisões. Rio de Janeiro, 2013a. 2013.
[5] ______. Ministério da Saúde (MS). Política [15] Organização Mundial da Saúde (OMS).
Nacional de Controle do Tabaco: Relatório de Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco.
Gestão e Progresso 2011-2012: Rio de Janeiro/RJ, Genebra, 2003. Acesso em 07 Março de 2018.
2014. Acesso em 25 Fevereiro, 2018. Disponível Disponível em:
em: <http://portal.anvisa.gov.br/wps/wcm/connect/a5ad
<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politic 860041bd11af96b3d79d63c1a945/Conven%C3%A
a_nacional_controle_tabaco_relatorio_gestao.pdf> 7%C3%A3o+Quadro-
Texto+Publicado_Portugu%C3%AAs.pdf?MOD=AJ
[6] ______. Ministério das Relações Exteriores PERES>
(MRE). Documentos aprovados na XLVI Cúpula de
Chefes de Estado do MERCOSUL e Estados [16] Prado Júnior, CAIO. 2ª ed. História
Associados - Caracas, 29 de Julho de 2014b. econômica do Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1949.
Acesso em 25 Fevereiro, 2018. Disponível em: [17] Silva, S. T. DA; Martins, M. C.; Faria, F. R.
http://www.itamaraty.gov.br/index.php?option=com de; Cotta, R. M. M. Combate ao Tabagismo no
_content&view=article&id=5768:documentos- Brasil: a importância estratégica das ações
aprovados-na-xlvi-cupula-de-chefes-de-estado-do- governamentais. Ciênc. saúde
mercosul-e-estados-associados-caracas-29-de- coletiva vol.19 n.2 Rio de Janeiro, 2014.
julho-de-2014&catid=42&Itemid=280&lang=pt-BR
[18] Rodrigues, R. Cooperação Sul-Sul e a
[7] ______. Instituto Nacional do Câncer Diplomacia da Saúde. Carta Capital. 2015. Acesso
(INCA). Observatório da Política Nacional de em 07 Abril 2018. Disponível em: <
Controle do Tabaco. Brasília, 2018. Acesso em 07 http://politike.cartacapital.com.br/cooperacao-sul-
Fevereiro de 2018. Disponível em: sul-e-a-diplomacia-da-saude>.
<http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/observ
[19] Sogocio, M. P. S. C. O Brasil Adverte:
atorio_controle_tabaco/site/home>.
Fumar é Prejudicial à Saúde: Análise do Processo
[8] Buainain, A. M.; Souza Filho, H. M. de Ratificação da Convenção-Quadro para o
Organização e funcionamento do mercado de Controle do Tabaco. Dissertação de Mestrado.
tabaco no Sul do Brasil. Campinas: Editora Instituto Rio Branco, Brasília, DF, Brasil, 2008.
Unicamp, 2009.
[20] Troian, A., Eichler, M. L., dal Soglio, F. K. A
[9] Carrion, R. A Nova Arquitetura da Ajuda e Convenção Quadro para Controle do Tabaco
a Cooperação Triangular para o Desenvolvimento: (CQCT) nas percepções de produtores de tabaco
Motivação, Desafios E Perspectivas. IN: XVIII ISA e agentes de desenvolvimento. Revista Brasileira
World Congress. Research Committee 18: Political de Gestão e Desenvolvimento Regional, v. 10, n. 1,
Sociology. Session: Regional Powers And Their p. 281-304, 2014.
Partners: Bilateralism, Regionalism, Cooperation
And Hegemony. Yokohama. Japão, 2014.

Tópicos em Administração - Volume 11


151

Capítulo 15
Jaqueline Brandt
Tiago Milani Zambianco
Nelson Malta Callegari

Resumo: Este artigo apresenta de forma clara e simplificada a importância da


aplicação da administração para a engenharia e suas áreas, buscando expor a
importância do processo administrativo, com ênfase na qualidade, para um melhor
dia a dia do profissional de engenharia. A fim de que este ao fazer seus projetos e
posteriormente executa-los, possua o conhecimento acerca de gestão com foco na
qualidade, desempenhando com eficiência e eficácia sua profissão. Percebe-se
que a administração e a qualidade dos processos e atividades na engenharia,
cumprem um papel importante de despertar no engenheiro, cidadãos com valores
humanos e gerenciais mais completos. Sempre com a busca constante de
aprimoramento, capacidade crítica elevada como meta a ser alcançada.

Palavras-chave: Administração, engenharia, qualidade.

Tópicos em Administração - Volume 11


152

1. INTRODUÇÃO 2. DESENVOLVIMENTO
A formação de um engenheiro bem 2.1 ADMINISTRAÇÃO CONCEITOS E
qualificado é um desafio para a sociedade, DEFINIÇÕES
pois atualmente se espera que o profissional
O processo de administrar surgiu mediante a
de engenharia não tenha somente
necessidade do homem se organizar em
conhecimento técnico propriamente dito, já
grupos, fazendo com que houvesse uma
que isso é uma condição inerente do
determinada organização naquilo que faziam
profissional com uma boa formação, mas sim
para que as atividades ocorressem com certa
um conhecimento de ciências humanas,
facilidade e com melhor resultado, sem que
sociais e gerenciais, unificando uma formação
causassem qualquer prejuízo ou perca de
generalista.
recursos. A partir daí o ser humano começa a
O estudo da engenharia e da administração perceber a importância de se organizar e
permitiu o enorme desenvolvimento da planejar suas atividades, surgindo novas
humanidade no decorrer dos séculos ideias e aparecendo os primeiros pensadores
provocando o aumento da qualidade de vida da época.
das pessoas, com os avanços tecnológicos
O marco da administração é a revolução
ficou evidente a importância desses
industrial, pois a produção deixa de ser
profissionais para o desenvolvimento
artesanal e passa a ser feita por máquinas,
socioeconômico permitindo transformar
surge nesse instante a necessidade de se
invenções cientificas em produtos e serviços
organizar as produções e o trabalho,
disponíveis para população.
aumentando a eficiência e a produtividade.
O objetivo deste trabalho é apresentar a Desta forma, com a junção de outras ciências
importância da administração e gestão da como a engenharia e o direito, surge a
qualidade para os engenheiros e suas administração que conhecemos hoje.
atividades, tendo como objetivo específico
Segundo Maximiano (2000 p.25):
comentar sobre o papel da administração
para que os engenheiros tenham um A administração é o processo ou atividade
desempenho melhor nas suas funções dinâmica, que consiste em tornar decisões
independente de sua área de atuação, sobre objetivos e recursos. O processo de
demonstrando como as ferramentas de administração (ou processo administrativo) é
gestão e qualidade podem ser úteis no dia-a- inerente a qualquer situação em que haja
dia do engenheiro, com ênfase na melhoria pessoas utilizando recursos para atingir
continua. algum tipo de objetivo. A finalidade última do
processo de administrar é garantir a
Este trabalho também busca orientar e
realização de objetos por meio da aplicação
demonstrar para o profissional de engenharia
de recursos.
o quanto sua profissão é abrangente e
necessita de um conhecimento técnico e As teorias administrativas surgem, com o
humano mais elaborado e aprofundado, objetivo de melhorar a produtividade nas
devido a essa vasta área de atuação é organizações, essas desenvolvidas
imprescindível que ele conheça os assuntos inicialmente por dois engenheiros, o primeiro
acerca de qualidade e processos Frederick Taylor que desenvolveu a
administrativos. administração científica que é embasada na
racionalização do trabalho no nível
O engenheiro deve possuir o conhecimento e
operacional, já Henry Fayol tem a base de sua
habilidades em diversas áreas, entre elas, a
teoria a organização formal,
de gestão de pessoas, formando uma equipe
com competências adequadas para auxiliá-lo Processos administrativos e funções do
na administração e gerenciamento da administrador, as teorias que seguem logo em
organização em que atua. Além de utilizar seguida são mais focadas nas relações
ferramentas que auxiliam na redução de humanas, visando motivações e
custos, com responsabilidade social e com desenvolvimento na gestão de pessoas. A
desenvolvimento sustentável. administração é o processo que nos ajuda a
ter mais organização, tanto dentro de uma
empresa, indústria ou em nosso cotidiano,
fazendo com que possamos ter uma melhoria
e ganho de tempo nas atividades que vamos
exercer.
Tópicos em Administração - Volume 11
153

Segundo Megginson (1998 p.13): capacidade transformar ideias em projetos


por meio de desenhos e modelos com o
Administração pode ser definida como
conhecimento proveniente das ciências
trabalho com recursos humanos, financeiros e
fazendo com que se torne real, com o passar
materiais, para atingir objetivos
do tempo as coisas se modificam e
organizacionais através do desempenho das
transformam-se cada vez mais rápido e
funções de planejar, organizar, liderar e
ficam cada vez mais modernas com a
controlar. Deve-se notar que a finalidade da
tecnologia, com foco em buscar a satisfazer
administração é estabelecer e alcançar o
as necessidades humanas, elevando e
objetivo, ou objetivos, da organização.
melhorando a qualidade de vida.
Diante da amplitude da administração é
A engenharia pode ser dividida em dois
necessário que o administrador que irá
momentos a engenharia antiga e a
praticar e utilizar os processos administrativos
engenharia moderna. A engenharia antiga é
no seu dia-a-dia, possua o conhecimento
aquela que o homem criava e aperfeiçoava
inerente dessa área de atuação, seja ele
artefatos, já a engenharia moderna é marcada
obtido por meio de graduação, pós-
por uma forte aplicação científica e
graduação ou MBA, é necessário também
tecnológica. Engenharia é a soma de ciência,
que o profissional dessa área tenha bom
arte, técnica, experiência e bom senso
relacionamento interpessoal, liderança,
(Bazzo, 2016).
atitude e que goste de inovar, sempre com
foco na melhoria continua e na satisfação dos O profissional de engenharia é responsável
clientes. por buscar soluções para problemas, além de
desenvolver, criar e executar projetos
A administração, assim como a engenharia é
inerentes de sua área de atuação, o
uma ciência que busca alinhar e conduzir as
engenheiro deve estar sempre atualizado
organizações levando em conta aspectos
para aplicar seus conhecimentos com
humanos e organizacionais buscando a
eficiência e eficácia, além de proporcionar ao
qualidade total em seus processos internos e
ser humano uma vida mais digna.
externos, atribuindo melhoria dos processos
para alcançar excelência em suas ações e Segundo Holtzapple (2006 p.01).
operações, essas habilidades técnicas devem
Engenheiros são indivíduos que combinam
estar sempre com foco nos resultados, muitas
conhecimentos da ciência, da matemática e
das vezes para se alcançar resultados não
da economia para solucionar problemas
há os materiais necessários para isto, então o
técnicos com os quais a sociedade se
administrador ou o engenheiro devem utilizar
depara. Assim, engenheiros podem ser vistos
os recursos que dispõe, fazendo com que o
como pessoas que solucionam problemas e
pouco que possuem seja transformado em
reúnem os recursos necessários para
competências e efeitos extraordinários.
alcançar um objetivo técnico claramente
definido.
2.2 A ENGENHARIA O engenheiro deve trabalhar empregando
novas teorias, por meio da investigação ou
A engenharia é uma ciência que está
busca de novas técnicas, projeção,
presente na sociedade desde os primórdios
desenvolvimento, construção, produção e
da humanidade, nossos primeiros ancestrais
operação, contemplando os mais diversos
projetavam facas de pedra e outras
ramos da engenharia. Ele também busca a
ferramentas primitivas para atender suas
praticidade e objetividade em seus trabalhos
necessidades básicas. Com o passar dos
e projetos, conseguindo obter as melhores
séculos o ser humano foi se aperfeiçoando no
soluções para os problemas encontrados,
desenvolvimento de equipamentos que
com melhor aproveitamento dos recuros
facilitassem a vida das pessoas. A engenharia
materiais e financeiros. Tendo assim
é dividida em duas fases a engenharia antiga
oportunidade de contribuir significativamente
e a engenharia moderna, o marco da
para o desenvolvimento da profissão e
engenharia moderna é o surgimento das
avanço da sociedade.
escolas de engenharia na França no século
XVIII. Além de possuir essas habilidades o
engenheiro deve ser opinativo, pois ele dirige
O engenheiro imagina, cria, planeja, fiscaliza
equipes e apresenta ideias inovadoras, sendo
e constrói vários projetos como máquinas,
independente e sabendo agir de forma
prédios, sistemas, dentre outros. Só ele tem a
Tópicos em Administração - Volume 11
154

eficiente com tarefas e prazos, tendo símbolos), por meio de um determinado canal
versatilidade, dominando tecnologia e sendo (ar, fios, papel) a um receptor da mensagem
sempre comprometido, indo além das que a decodifica e interpreta seu significado.
expectativas das organizações, esse é o
Com aplicação dos conhecimentos da
profissional que o mercado de trabalho
administração, que tem por finalidade ajudar
espera.
no processo de gerenciamento, fazendo com
O estudo da engenharia e da administração que as organizações se desenvolvam cada
permitiu o enorme desenvolvimento da vez mais, sem que haja custos excessivos,
humanidade no decorrer dos séculos ajudando a ter boa economia para obter um
provocando o aumento da qualidade de vida lucro maior, onde o engenheiro atuante terá
das pessoas, com os avanços tecnológicos mais assertividade em seus projetos.
ficou evidente a importância desses
O administrador e o engenheiro moderno
profissionais para o desenvolvimento da
precisam ter velocidade, flexibilidade e
humanidade permitindo transformar
criatividade sempre com uma visão ética e
invenções cientificas em produtos e serviços
humanistas, em atendimento às demandas da
disponíveis para população.
sociedade. Em suma, a engenharia é a
ciência, a arte e a profissão de adquirir e de
aplicar os conhecimentos matemáticos,
2.3 ADMINISTRAÇÃO E ENGENHARIA
técnicos e científicos na criação,
A administração pode ser aplicada às mais aperfeiçoamento e implementação de
diversas e variadas atividades do trabalho utilidades, tais como materiais, estruturas,
humano, com aspectos multidisciplinares, máquinas, aparelhos, sistemas ou processos,
devido variedade das áreas de que realizem uma determinada função ou
conhecimentos envolvidas, como gestão de objetivo (CREA-RN, 2016).
pessoas, gestão de finanças, gestão da
Essas duas ciências têm competências
produção entre outras, revelando-se como
interpessoais, comunicativas, organizacionais,
algo complexo diante as proporções que o
criativas e com envolvimento com a
mesmo assume no ponto de vista do
comunidade, além de buscarem soluções
conhecimento humano.
criativas e com fiabilidade, diante disso pode-
Diante das atribuições e da amplitude das se notar a importância da junção dessas duas
atividades que os engenheiros podem ciências para um gerenciamento eficaz e
exercer, sabendo que na execução das eficiente de uma determinada organização.
mesmas, normalmente, estão envolvidas
pessoas, recursos financeiras e materiais, não
há dúvidas da necessidade de 2.4 IMPACTOS DA ADMINISTRAÇÃO NA
conhecimentos significativos de ATIVIDADE DA ENGENHARIA
administração.
Com aplicação dos processos administrativos
Tanto a administração quanto a engenharia na engenharia, esta pode ter um melhor
buscam soluções para a resolução de um desenvolvimento na sua área de atuação com
problema e execução de projetos. Muitas das muito mais eficiência e eficácia, pois a
vezes engenheiros ocupam cargos administração é um conjunto de ações que
administrativos, mas sem formação específica podem possibilitar a melhora na atividade da
de gestão, algumas vezes obtendo sucesso engenharia. Segundo Ulrich (1953, p. 16): O
outros nem tanto. Para isso é preciso que o conjunto integrado de ações gerenciais
profissional busque aperfeiçoamento por meio representa as capacidades de que uma
de cursos e especializações na área empresa necessita para obter sucesso.
administrativa.
As capacidades gerenciais são
Para Chiavenato (1999 p.271): indispensáveis para um bom engenheiro, pois
normalmente ele passa a maior parte de seu
Comunicação é a troca de informações entre
tempo cuidando e orientando pessoas, assim
indivíduos, por isso constitui um dos
fica evidente a importância do engenheiro
processos fundamentais da experiencia
possuir capacidades intelectuais bem
humana e da organização social. A
desenvolvidas.
comunicação requer um código para formular
uma mensagem e a envia na forma de um A administração e a engenharia são sempre
sinal (como ondas sonoras, letras impressas, sujeitas as mudanças, pois com o

Tópicos em Administração - Volume 11


155

desenvolvimento rápido do mundo em que humanos, mercadológicos, financeiros,


vivemos esses profissionais precisam estar materiais e tecnológicos. Com a aplicação
cada vez mais atualizados e trabalhando de dos recursos da administração o engenheiro
forma conjunta ou quando o engenheiro desenvolve suas habilidades fundamentais de
exercer o papel de administrador conhecer e maneira mais assertiva e com qualidade,
aplicar as ferramentas administrativas. sempre com responsabilidade social.
Segundo Chiavenato (2010, p. 328):
A formação prática de um engenheiro
2.5 QUAIS AS DIFICULDADES DE O
independentemente da área de
ENGENHEIRO APLICAR O PROCESSO DA
especialização o torna um profissional com as
ADMINISTRAÇÃO
características ideal para se tornar um gestor
bem-sucedido, já que os cursos de Para que o engenheiro consiga aplicar a
engenharia ensinam a fazer algo prático. Seja administração no seu dia-a-dia, ele precisa do
a construção de edifícios, produção de conhecimento dessa área, o que às vezes, se
medicamentos ou máquinas, a orientação dos torna um empecilho para a aplicação eficiente
engenheiros é para a criação de algo que da gestão na engenharia. As principais
funcione e ajude a resolver os problemas da dificuldades de aplicar a administração na
sociedade. engenharia é a gama de conhecimento que o
engenheiro deve possuir, pois ele precisa
A formação do engenheiro é embasada em
desenvolver conhecimento nas áreas de
conhecimentos técnicos e científicos, que
gestão de recursos humanos, qualidade,
desenvolve um profissional com habilidades
finanças, dentre outros aspectos
de relacionamento em diferentes áreas,
administrativos.
preocupando-se com o desenvolvimento
econômico e social, que são os enfoques da Para Chiavenato (2000 p.11):
sociedade moderna e do mundo globalizado.
O administrador é um profissional cuja a
Com a aplicação dos conhecimentos de
formação é ampla e variada: precisa
gestão o profissional de engenharia pode
conhecer disciplinas heterogêneas (como
melhorar ainda mais seu desempenho
matemática, direito, psicologia, sociologia,
independente da sua área de atuação,
estatística etc.); precisa lidar com pessoas
buscando inovação e melhoria continua.
(que executam tarefas ou que planejam,
O engenheiro que aplica a administração em organizam, controlam, assessoram,
seus processos possui uma vantagem pesquisam etc.)
competitiva, diante de outros engenheiros que
Administração é um processo que está
não conhecem ou não aplicam a
presente no nosso cotidiano fazendo com que
administração no seu cotidiano, o engenheiro
o profissional tenha uma melhor organização,
que utiliza a administração possui as
por isso é uma matéria indispensável em
habilidades do administrador que são:
qualquer curso nos dias de hoje, pois nos
Habilidade técnicas (capacidade de usar
ajuda a ter um controle maior em todas as
procedimentos, técnicas, e conhecimentos);
atividades que vamos desenvolver. Com isso
Habilidade Humana (capacidade de trabalhar
o administrador ou o engenheiro que vai
com as pessoas , motivá-las e entendê-las );
trabalhar na área administrativa precisa
Habilidade conceitual (capacidade de
possuir conhecimento amplo e heterogêneo.
integrar e coordenar os interesses e
atividades de uma organização ). Essas É necessário que o engenheiro esteja sempre
habilidades são competências pessoais de atualizado, buscando inovações, como por
um bom administrador. exemplo, ter um segundo ou até terceiro
idioma. Aplicar seus conhecimentos técnicos
Diante desse pressuposto, pode-se notar que
e aprender mais assuntos pode-se tornar algo
o impacto da administração na engenharia é
trabalhoso para esse profissional que já deve
algo positivo e benéfico para a profissão,
deter tantos conhecimentos, por isso muitas
propiciando ao profissional de engenharia um
vezes aplicar os processos de administração
melhor desenvolvimento na sua área de
seja algo complicado e difícil para a maioria
atuação, aplicando os processos
dos engenheiros, pois a administração
administrativos: planejamento, organização,
também necessita que o administrador
direção e controle, utilizando de forma
possua um conhecimento amplo e
eficiente e eficaz os recursos organizacionais
multidisciplinar.
sendo eles compostos por: recursos

Tópicos em Administração - Volume 11


156

Segundo Bazzo (2016 p.112): ociosidade de produtos, serviços e


processos, proporcionando maior
A engenharia moderna depende cada vez
credibilidade a esse profissional. Kwasnicka,
mais dos conhecimentos científicos e do
(1995) afirma que: “A engenharia tem
desenvolvimento tecnológico. Os cursos de
auxiliado significativamente no processo de
engenharia, pós-graduação, seminários,
integrar as condições físicas de trabalho à
congressos e feiras estão aí para confirmar
capacidade humana”. O engenheiro deve ser
essa ideia. E quem quiser ser reconhecido
um profissional que motiva e lidera equipes,
como engenheiro deve buscar com afinco
aumentando assim a capacidade de trabalho
dominar técnicas, processos, conceitos e
e interação entre os envolvidos no processo
teorias de sua área de atuação.
de engenharia.
A engenharia é uma área que necessita de
A atuação dos engenheiros na administração
muito embasamento teórico, prático, técnico e
de uma obra, por exemplo, pode gerar
cientifico, o engenheiro é o profissional
economias, dentre elas desperdícios de
responsável por desenvolver, criar, ampliar e
matérias e mão de obra, ou seja, o
fiscalizar projetos, sempre com preocupação
engenheiro deve ter tanto suas habilidades
de responsabilidade social e sustentável para
técnicas como administrativas aproveitadas
que suas ações não tenham impactos
na obra. Para Holtzapple, (2013) “As
negativos no meio em que vive, por isso é
características de um engenheiro de sucesso
trabalhoso para o engenheiro aplicar a
são: aptidão interpessoal, liderança,
administração que é uma área heterogênea e
competência, organização, criatividade,
ampla.
pensamento lógico e educação continuada. ’’
Pode-se perceber que o engenheiro tem
No mundo atual precisa-se de um profissional
algumas dificuldades para aplicar a
multiqualificado que tenha competências que
administração em seu dia-a-dia, mas que se
o ajude trabalhar com uma visão sistêmica,
ele conseguir deter esses conhecimentos de
atuando e interagindo entre equipes em
gestão será algo muito importante e de
diferentes setores, visando um só objetivo
grande valia para o desenvolvimento dos
aplicando o papel de líder que tem a função
projetos de engenharia, pois serão feitos com
de absorver o conhecimento acumulado entre
mais assertividade e qualidade, com foco no
a equipe e disseminar esse conhecimento
resultado final seja ele um produto ou serviço,
para todos, buscando a eficiência, a
além de estar inovando e melhorando a
qualidade e a inovação.
qualidade de vida da sociedade.
Segundo Gil (2014 p.19):
As relações humanas constituem um
2.6 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO
processo de integração de indivíduos numa
PARA ENGENHEIROS E A ENGENHARIA
situação de trabalho, de modo a fazer com
A administração tem como objetivo orientar, que os trabalhadores colaborem com a
direcionar e garantir aos engenheiros empresa e até encontrem satisfação de suas
conhecimentos, habilidades e técnicas necessidades sociais e psicológicas.
necessárias para a gestão corporativa,
É importante que os indivíduos se sintam
buscando orientá-los a participarem de todo
parte da equipe em que estão atuando, desse
processo administrativo, capacitando-os nas
modo se sentirá à vontade e terá uma maior
técnicas mais atuais da gestão de pessoas,
participação mantendo-se ocupado com as
de uma maneira interativa e moderna. Para
atividades coerentes a sua função, estando
Chiavenato (2010): “As competências de um
motivado e com melhor desenvolvimento, isso
administrador são: conhecimento, atitude,
tudo é possível com a gestão da qualidade e
habilidades e liderança”.
da gestão de pessoas, quando há uma
O administrador deve ser um profissional que aplicação eficiente da qualidade dentro das
busca inovações intelectuais, comunicativas, organizações, as relações humanas ficam
sociais, comportamentais e organizacionais, mais acessíveis e descomplicadas, sendo
sempre com foco em melhorias continuas. assim, um processo indispensável para o
sucesso de qualquer organização.
Para o curso de engenharia é importante
termos a disciplina de administração, pois As duas carreiras apresentam conteúdos
auxilia os engenheiros a realizarem atividades multidisciplinares, isto é, distribuem-se por
pensando na economia sem que haja várias disciplinas e pesquisas, pois os

Tópicos em Administração - Volume 11


157

profissionais devem ter um conhecimento É necessário que o engenheiro tenha noções


amplo, entender de vários assuntos dentro de da filosofia da qualidade que é elencada de
sua área de atuação. Percebe-se também forma simplificada em 6 pontos importantes,
como essas duas áreas possuem maiores detalhes sobre esse tema podem ser
conhecimentos parecidos ou até mesmo encontrados em Maximiano (2000):
iguais, isto nos mostra como é importante a
 Excelência: qualidade significa o
gestão em uma ciência exata.
melhor que se pode fazer, o padrão mais
Tendo em vista os aspectos e competências elevado de desempenho;
dessas carreiras, percebe-se a importância
 Valor: qualidade significa ter mais
da implementação da gestão da qualidade
atributos, usar materiais ou serviços raros que
total que busca melhorar a competitividade ,a
custam mais caros;
eficácia e a flexibilidade da organização ,uma
vez que está relacionada com a maneira de  Especificações: qualidade planejada,
planejar, organizar e compreender as definição de como o produto ou serviço pode
atividades de cada indivíduo, dentro da ser;
organização, fornecendo conceitos
 Conformidade: qualidade significa o
relacionados a melhoria continua, já que sua
produto ou serviço estar de acordo com as
filosofia contém sistemática perspectiva que
especificações do projeto;
envolve a participação de pessoas em
equipes multifuncionais, priorizando as  Regularidade: qualidade significa
relações interpessoais. uniformidade, ou seja, os produtos ou
serviços serem idênticos;
 Adequação ao uso: qualidade
2.7 ADMINISTRAÇÃO, ENGENHARIA E
significa que no projeto não existe
QUALIDADE
deficiências quanto ao uso.
O engenheiro possui um campo de atuação
 A qualidade possibilita que o
vasto, ele pode exercer funções ligadas ao
profissional independente da área de atuação
desenvolvimento, criação, execução e análise
diminua erros de gestão, pessoas e serviços,
de sistemas, além de exercer funções
pois ela trata de buscar a resolução de
administrativas e de relacionamentos
problemas evitando repeti-los, sendo assim a
interpessoais, pois esse profissional
qualidade pode ser tratada como uma
normalmente é responsável por liderar
ferramenta de melhoria contínua que tem foco
equipes nas empresas em que atua, tendo
a excelência.
que ser um profissional proativo e ter uma
proficiência com idiomas. Segundo Campos (1999,p.22):
Além de possuir essas habilidades é Saber localizar o problema, analisar o
importante que o engenheiro tenha os processo, padronizar e estabelecer itens de
conhecimentos de qualidade, pois esta controle de tal forma que problema nunca
possibilita que por meio de suas ferramentas, mais ocorra [...] As pessoas são
o profissional desempenhe de maneira mais inerentemente boas e sentem satisfação por
coesiva e acertiva suas funções independente um bom trabalho realizado, quando um
de sua área de atuação. Pode-se definir problema ocorre, não existe culpado! Existem
qualidade total como sendo um processo pelo causas que devem ser buscadas por todas as
qual um produto, serviço ou organização pessoas da empresa de forma voluntaria.
passa para atingir excelência e eficácia,
Levando em consideração esses aspectos
objetivando a satisfação dos clientes, sempre
vê-se o quanto a qualidade é importante e
com o menor custo, com um conjunto de
imprescindível para o profissional de
métodos, programas e ferramentas
engenharia, pois o engenheiro é responsável
multidisciplinares.
por resolver problemas e a qualidade possui
A Qualidade pode ser definida como sendo métodos que possibilitam a resolução de
um produto ou serviço de qualidade, aquele problemas com ações corretivas que evitam
que atende perfeitamente, de forma retrabalho, expondo as causas do ocorrido,
confiável,de forma acessível,de forma segura assim como é na engenharia que não procura
e no tempo certo atedendo as necessidades um culpado do problema e sim a causa e
dos clientes. Campos (1999). logo em seguida apresenta a solução. Uma
ferramenta muito conhecida da qualidade é o

Tópicos em Administração - Volume 11


158

método do PDCA: Planejar, Fazer, Verificar e dessas competências para desempenharem


Agir, que consiste numa metodologia com eficiência e eficácia sua função.
interativa de gestão em quatro passos,
Como o engenheiro passa maior parte do
utilizado para controle e melhoria continua de
tempo falando é importante que ele tenha um
processos e produtos, além disso o PDCA
domínio da comunicação oral e escrita, mas
sempre busca abordar as habilidades e
muitas vezes não é isso que acontece, pois, a
talentos do profisisonal envolvido, sendo uma
maioria dos cursos de engenharia não se
ferramenta muito útil no dia-a-dia do
atentam a área comunicativa e de gestão, o
engenheiro que sempre se depara com
curso fica mais voltado para a área de
situações que necessitam de grande
cálculos e raciocínio lógico e resolução de
dedicação e empenho.
problemas, diante disso o engenheiro fica
Diante desse pressuposto o engenheiro deve com uma dificuldade na comunicação social.
conhecer conceitos à cerca de qualidade Portanto é importante incentivar a oratória e a
sempre com ênfase no cliente visando ainda comunicação seja oral ou escrita nos cursos
inovações tecnológicas e ecologia, pois essa de engenharia.
é a filosofia da qualidade total.
As ferramentas da engenharia estão mais
baseadas em métodos quantitativos do que
os métodos qualitativos usados na
2.8 COMO INSERIR A ADMINISTRAÇÃO E A
administração, o engenheiro tem um enfoque
QUALIDADE NA ENGENHARIA E NO DIA A
mais direcionado a projetos e o administrador
DIA DO ENGENHEIRO
possui um foco maior nos campos de gestão.
A administração visa que os engenheiros Holtzapple, (2013) afirma que: ‘’Embora o
entendam o funcionamento do sistema currículo de engenharia enfatize ciência e
dinâmico e complexo que caracteriza uma matemática, alguns engenheiros relatam
empresa moderna, abordando trabalhos que gastar 80% de seu tempo em comunicações
envolvem questões legais, financeiras, orais ou escritas’’
econômicas, relacionadas a superintender
Percebe-se que tanto a administração quanto
pessoas envolvidas nos processos. Nota-se a
engenharia têm maior parte de seu tempo
relevância e aplicação dos conhecimentos de
utilizado em relações interpessoais, as duas
administração, organização, planejamento,
profissões exigem uma demanda
controle e gerenciamento de projetos com
comunicativa vasta da profissão. Vale
qualidade e produtividade obedecendo as
salientar que a inserção da administração na
normas de conformidade nos sistemas
engenharia possibilita que o engenheiro,
produtivos objetivando a aplicação pratica
desenvolva um conhecimento embasado em
dos conceitos e técnicas administrativas
planejamento, organização, direção e
diante de um contexto social e econômico.
controle, utilizando ferramentas da qualidade
Para Daft, (1999) ‘’Os administradores gerais
como a PDCA, Just in time, método que
gastam aproximadamente 75% de seu tempo
procura reduzir ao mínimo o tempo de
falando com outras pessoas’’. Por esse motivo
fabricação, princípio de Pareto que é uma
é necessário que o administrador possua
técnica que permite selecionar prioridades
facilidade para se comunicar, sempre com
quando se enfrenta um grande número de
proficiência na sua área de atuação.
problemas a serem resolvidos e também os
Daft (1999 p.15) afirma também que: métodos mais avançados de gestão de
pessoas e processos, sendo assim o
Os administradores bem-sucedidos do futuro
engenheiro que busca aperfeiçoamento nas
estarão aptos a cruzar fronteiras, serão bons
áreas administrativas e de qualidade torna-se
em idiomas e saberão entender as diferenças
um profissional requisitado no mercado de
culturais. Nesse momento, as empresas de
trabalho.
recrutamento de executivos estão, no mundo
inteiro, em busca de administradores para
assumirem cargo em organizações globais.
3. CONCLUSÃO
É importante que os administradores do futuro
Conclui-se que administração e a qualidade
tenham essas habilidades técnicas e
cumprem um papel importante na engenharia,
humanas para se destacarem em sua
que é despertar no engenheiro cidadãos com
profissão, os engenheiros que atuam na área
valores humanos e gerenciais mais
de gestão também devem possuir o domínio
completos. A busca constante de

Tópicos em Administração - Volume 11


159

aprimoramento é meta a ser alcançada em desempenho do engenheiro nas tomadas de


todas as áreas de atuação, com capacidade decisão, e nos objetivos a serem traçados
crítica e reflexiva elevada. antes de iniciar o planejamento de um projeto,
quanto mais conhecimentos de qualidade e
Devido à grande amplitude dessa profissão
maiores técnicas nessa área o engenheiro
quanto mais conhecimentos de gestão esse
possuir melhor será seu desempenho ao final
engenheiro possuir melhor será seu currículo
da entrega de um projeto.
e sem dúvidas um diferencial competitivo
para ele. A administração é algo O enfoque da engenharia deve estar no fator
indispensável para qualquer profissional pois humano, com práticas de relações humanas e
ela possibilita que com base nos processos dinâmicas de grupo, com concentração e
administrativos tenhamos um desempenho aplicação de conteúdos pertencentes a área
melhor e com o máximo de acuracidade. de gestão, sendo indispensável uma boa
oratória, uma vez que as relações
Diante desse pressuposto vê-se a
interpessoais e de liderança são
necessidade da aplicação do processo
características de um engenheiro nato. Sendo
administrativo com ênfase na gestão da
assim, com a aplicação de novas tecnologias
qualidade dentro da engenharia,
e qualidade total, o engenheiro torna-se um
desenvolvendo um conhecimento amplo, para
profissional requisitado e valorizado no
os engenheiros estarem aptos a resolver
mundo globalizado.
problemas, para trabalharem em equipe com
pessoas de diferentes perfis, trabalhando Atualmente se espera que o profissional de
para que a organização consiga engenharia não tenha somente conhecimento
fazer/produzir cada vez mais, de forma técnico propriamente dito, pois isso é uma
econômica e satisfazendo seus clientes. condição inerente do profissional com uma
boa formação, mas sim um conhecimento de
Além da administração, as ferramentas da
ciências humanas, sociais e gerenciais,
qualidade total, como o PDCA, Just in time,
unificando uma formação generalista.
análise de Pareto, ajudam a melhorar o

REFERÊNCIAS [8] Gil, Antonio Carlos. Gestão de pessoas


enfoque nos papéis profissionais, Ed 1 2001;
[1] Bazzo, Walter Antonio. Introdução a reimpressão 2014,São Paulo, Editora Atlas 2014.
Engenharia: Conceitos, ferramentas e
comportamentos. 4 Ed rev. Florianopolis, Editora [9] Holtzapple, Mark Thomas. Introdução a
da UFSC, 2016. Engenharia 1. Ed Rio de Janeiro, Editora LTC 2013.
[2] Campos, Vicente Falconi. TQC-Controle [10] Maximiano, Antonio Cesar Amaru. Teoria
da Qualidade Total no Estilo Japonês. 8 Ed Belo Geral da Administração. 2. Ed São Paulo, Editora
Horizonte Editora de Desenvolvimento Gerencial Atlas 2000.
,1999.
[11] Meggison Leon C; Mosley Donald C; Jr
[3] Chiavenato, Idalberto. Administração. 1 Ed Paul H. Pietri. Administração Conceitos e
São Paulo, Editora Elsevier 2007. Aplicações. 4. Ed São Paulo, Editora Harbra 1998.
[4] Chiavenato, Idalberto. Administração nos [12] Porter, Michael E. Vantagem competitiva
novos tempos,2 Ed Rio de Janeiro, Editora Elsevier criando e sustentando um desempenho superior.
2010. 27 Ed São Paulo, Editora Campos 1989.
[5] Chiavenato, Idalberto. Teoria Geral da [13] Ulrich, Dave. Recursos Humanos
Administração, 5 Ed Rio de Janeiro, Editora Estratégicos ,1 Ed São Paulo, Editora Futura,2000.
Campus 1999.
[14] http://www.crea-rn.org.br/site_crearn/home
[6] Chiavenato, Idalberto. Teoria Geral da acesso em 20/03/2017 Hora: 16h00min.
Administração, 4 Ed Rio de Janeiro, Editora
[15] www.blogdaqualidade.com.br/gestao-da-
Campus 2000.
qualidade-total-tqm acesso em 22/03/17 Hora:
[7] Daft, Richard I. Administração 4 Ed Rio de 15h20min.
Janeiro, Editora LTC 1999.

Tópicos em Administração - Volume 11


160

Capítulo 16

Keila Prates Rolão


Pedro Affonso Andries de Barros Santa Lucci
Yasmin Gomes Casagranda
Rodrigo Ruas de Jesus Silva
Renato de Oliveira Rosa

Resumo: O objetivo deste estudo baseia-se na análise da viabilidade econômica e


financeira de um sistema de captação e reutilização da água da chuva em uma
rizicultura no município de Miranda - MS. A metodologia empregada é a qualitativa
e quantitativa, mediante o estudo de caso de uma rizicultura. Para a coleta de
dados utilizou-se um roteiro de entrevista semi-estruturado e observação in loco. Os
entrevistados foram os responsáveis pela produção de arroz, a gerente
administrativa e o engenheiro agrônomo. A análise de dados foi baseada nas
técnicas de investimento: Valor Presente Líquido /VPL e a Taxa Interna de
Retorno/TIR. Constatou-se que a rizicultura pesquisada apresenta um eficiente
sistema de captação de água de chuva, que surgiu em virtude aos impactos
ambientais causados pela retirada de água do Rio Salobra. Nota-se que às
ferramentas de análise de investimentos, tanto o VPL quanto a TIR confirmam a
viabilidade econômica e financeira do negócio. Esse estudo traz considerações
relevantes tanto para a academia como para a comunidade empresarial. Primeiro,
por mostrar a aplicação das técnicas de análise de investimento em um contexto
particular, em segundo, por assessorar na determinação de metas a curto e em
longo prazo, principalmente para produtores rurais.

Palavras-chave: Água da chuva; Técnicas de investimento; Riziculturas.

Tópicos em Administração - Volume 11


161

1 INTRODUÇÃO Miranda/Mato Grosso do Sul, mais


precisamente no pantanal. Este estudo é de
A água é essencial para o desenvolvimento
suma importância pelo fato do território
das plantas e dos seres humanos,
brasileiro ser farto de recursos hídricos,
aproximadamente 75% da água doce do
porém não acessíveis a todos devido à
planeta é utilizada pela agricultura. De acordo
topografia que varia de região e condições
com a Organização das Nações Unidas para
climáticas. No entanto, cabe afirmar que há
a Alimentação e a Agricultura - FAO, em 2050
uma má distribuição de recursos hídricos e
serão necessários mais de 60% de alimentos
um aumento na quantidade de demanda.
usados para alimentação mundialmente e a
Sendo assim, questiona-se: Qual a viabilidade
agricultura permanecerá detentora da maior
econômica e financeira de um sistema de
parte de consumo de água. A escassez
captação de água de chuva na rizicultura?
atualmente afeta mais de 40% das pessoas
no mundo, alcançando 2/3 em 2050. Dessa forma, o objetivo deste trabalho é
analisar a viabilidade econômica e financeira
Na cultura do arroz irrigado, segundo a
captando e reutilizando a água da chuva em
Empresa de Pesquisa Agropecuária e
uma rizicultura no pantanal sul-mato-
Extensão Rural de Santa Catarina – EPAGRI
grossense de forma a mensurar sua real
(2005) necessita aproximadamente 8.000m3
situação e verificar suas perspectivas futuras
de água por hectare. Segundo o Instituto
em relação a este método. Com este trabalho,
Brasileiro de Geografia e Estatística- IBGE
pretende-se: i) descrever as técnicas
(2017), no Brasil são produzidos,
empregadas para análise de investimento
aproximadamente 11.639.426 milhões de
financeiro, bem como proceder com
toneladas de arroz estimados na safra
simulação destas técnicas na empresa; e ii)
2016/2017. A região sul do Brasil é
analisar a situação da empresa em estudo
responsável pela maior parte de produção de
com relação as suas perspectivas de
arroz, sendo que no Rio Grande do Sul são
negócios em um cenário de expansão do
cultivados aproximadamente 1.089.608
projeto de captação de água de chuva.
hectares, a maioria em cultivo no sistema pré-
geminado. Este método consiste onde as Na próxima seção, é apresentada a
sementes de arroz são germinadas e depois fundamentação teórica do artigo discutindo-
semeadas em quadros nivelados e alagados. se os recursos hídricos, consumo da água na
Conseqüentemente, essas águas são agricultura bem como na irrigação de arroz e
retiradas de rios, lagos ou barragens sendo técnicas de análise de investimento. Na
direcionadas até a lavoura (EMBRAPA, 2005). terceira seção, é descrita a metodologia
utilizada neste artigo, onde parte da
Segundo Epagri (2005) a armazenagem de
construção de dados primários e secundários
água por produtores via açudes, represas,
elaborados a partir da discussão teórica,
captação da água da chuva, seria uma saída
empregando-se em um estudo de caso em
viável na produção de arroz minimizando os
uma rizicultura. Na quarta seção, é destinada
impactos ambientais. Preconiza Tomaz (2011)
a descrição da empresa, simulação das
há diversos benefícios na implantação de um
técnicas de análise de investimentos e os
sistema de captação de água de chuva, indo
resultados mediante os métodos de
desde a suprir a falta de recurso hídrico até
viabilidade econômico-financeiros. Na quinta
aos requisitos financeiros como a geração de
seção, traz as considerações finais e
receita originária da economia no custo da
finalmente apresentam-se as referências
água, podendo atingir 30%
bibliográficas.
aproximadamente. Aponta Greatti (2004), a
análise de investimento é uma ferramenta que
avalia o planejamento de sucesso de um
2 REVISÃO DA LITERATURA
projeto e o valor no mercado, evitando a
regressão da empresa e permitindo alcançar Este capítulo apresenta o arcabouço teórico
seus objetivos. que sustentarão a pesquisa, como: recursos
hídricos, consumos da água na agricultura
Diante do exposto, surge como proposta de
bem como na irrigação de arroz e técnicas de
pesquisa analisar, por meio de um estudo de
análise de investimento.
caso, a viabilidade econômica e financeira de
um sistema de captação de água da chuva
na produção de arroz irrigado. A rizicultura
(lavoura de arroz) em estudo é localizada em

Tópicos em Administração - Volume 11


162

2.1 RECURSOS HÍDRICOS considerada de domínio público e recurso


natural limitado; b) proporciona os usos
A Lei Federal nº 9.433/1997, popularmente
múltiplos das águas; c) prioridade da água é
conhecida como Lei das Águas, instituiu a
de consumo humano e de animais, em caso
Política Nacional de Recursos Hídricos -
de escassez; d) a bacia hidrográfica cabe ao
PNRH e criou o Sistema Nacional de
SINGREH à forma de atuação e da
Gerenciamento de Recursos Hídricos –
implementação da PNRH (Figura 1).
SINGREH. E regulamenta: a) a água é

Figura 1: Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos

Fonte: Ministério do Meio Ambiente, 1997.

De acordo com a figura 1, os representantes por pessoa 19 vezes superior a quantidade


sociais são escolhidos por sua efetiva mínima estabelecida pela Organização das
participação na sociedade civil organizada, Nações Unidas que é de 1.700 m³/s por
definidos por entidades públicas ou privadas. pessoa por ano, segundo dados do próprio
O sistema nacional de gerenciamento de ministério.
recursos hídricos expõe uma classificação
Ainda que, a fartura desses recursos hídricos
nos âmbitos nacional, estadual e de bacia, e
brasileiros, não há acessibilidade perante
este é a menor jurisdição de tomada de
todos devido às características de topografia
decisão referente aos seus usuários.
de cada região e variações climáticas. Além
O Plano Nacional de Recursos Hídricos disso, a água se tornou escassa devido ao
(PNRH), instituído pela Lei nº 9.433/1997, uso inadequado pelo homem tanto pela
orienta a gestão das águas no território agricultura como também pela indústria.
brasileiro. Estabelece um pacto de políticas Desta maneira, a gestão integrada de todos
direcionadas a melhoria da disponibilidade da tem o objetivo de preservar e dar manutenção
água, em quantidade, qualidade, aos recursos naturais.
considerando a água um elemento
indispensável pela implementação de
políticas setoriais, na visão do 2.2 CONSUMOS DA ÁGUA NA
desenvolvimento sustentável e da inclusão AGRICULTURA E NA IRRIGAÇÃO DE ARROZ
social.
De acordo com a Organização das Nações
De acordo com o Ministério do Meio Ambiente Unidas para a Alimentação e a Agricultura
(2017) o Brasil apresenta cerca de 12% de (FAO), em 2050 serão necessários mais de
toda a água doce do planeta. São 200 mil 60% de alimentos usados para alimentação
micro bacias espalhadas em 12 regiões mundialmente e a agricultura permanecerá
hidrográficas, destacam-se as bacias do São detentora da maioria parte de consumo de
Francisco, do Paraná e a Amazônia. Salienta- água. A escassez atualmente afeta mais de
se no estado da Amazônia encontra a bacia 40% das pessoas no mundo, alcançando 2/3
de maior extensão mundial e 60% está no em 2050. Essa parcela é composta pelo
território brasileiro. Configura-se potencial consumo excessivo de água na produção.
hídrico significante, com capacidade de
propiciar um volume de água estabelecido
Tópicos em Administração - Volume 11
163

Verifica-se pela figura 2, segundo a Agência não deve ser comparado ao consumo
Nacional de Águas - ANA (2016), a irrigação é industrial, ou até mesmo ao consumo
a atividade responsável por 75% do consumo humano. Por sua vez, partindo do princípio
no território brasileiro. Afirma o Ministério do que a água utilizada no campo retorna ao
Meio Ambiente, embora pareça bastante, meio ambiente.
esse consumo precisa ser restabelecido e

Figura 2: Gráfico de dimensionamento da água

Fonte: ANA, 2016.

De acordo com a Figura 2, a irrigação maneira viável na produção de arroz


demanda maior taxa de consumo de água. minimizando os impactos ambientais.
Nesse contexto, a produção de arroz, precisa Segundo United Nations Enviroment
racionalizar o uso da água, demandando uma Programme (2009) preconiza o método de
distribuição pela produção da propriedade, captação de água de chuvas é mais viável no
cuidando-se com a qualidade da água, na conflito da falta de água.
entrada ou saída da lavoura. Atrelado, a
qualidade está relacionada à salinidade e
toxicidade da água, uma vez visto que são 2.3 TÉCNICAS DE ANÁLISE DE
empregados agrotóxicos para combater INVESTIMENTO
pragas e doenças. Aponta Viera (2014), uma
Segundo Olívio (2012) basicamente há duas
parte dos agrotóxicos empregados na lâmina
modalidades de projetos de investimento: a)
de água pode acabar escoando para os rios,
projetos únicos, num sentido de ser exclusivo
sendo levados pelas chuvas.
não tendo alternativa tomando decisão se o
Segundo a Empresa Brasileira de Pesquisa projeto tem viabilidade ou não; b) projetos
Agropecuária - Embrapa (2005), a cultura do concorrentes, tem alternativas inviabilizando a
arroz irrigado demanda uma grande quantia outra a decisão é mediante viabilidade de
de água para ser cultivado, no caso do cultivo cada projeto concorrente, optando-se pelo de
pré - geminado, tanto a planta quanto a maior ganho para a empresa.
semente necessita de água. Segundo a
Aponta Souza e Clemente (2004), todo o
Epagri (2005), o cultivo do arroz necessita
investimento empregado por uma empresa
aproximadamente 8.000m3 por hectare, leva-
visa à geração de fluxos benéficos futuros.
se em conta o ciclo produtivo, considerando a
Segundo o autor, nesse sentido a análise de
precipitação pluvial de 20 a 40% da
investimentos é utilizada na avaliação de
totalidade.
empresas nas operações de curto prazo, em
A baixa precipitação pluvial em localidades compras à vista e a prazo.
onde os recursos hídricos são utilizados tanto
A análise de investimento é uma ferramenta
pela lavoura de arroz e o consumo humano,
imensa, que permite a avaliação de
certos conflitos são gerados, ocasionando o
operações básicas até análise complexa de
direcionamento para a população em relação
valor da empresa. Segundo Olívio (2012)
à atividade agrícola.
enfatiza que existem diversas técnicas de
Aponta Epagri (2005) à armazenagem de análise de investimento, indos das mais
água por produtores via açudes, represas, simples às mais complicadas destacam-se
captação da água da chuva, seria uma três mais utilizadas:
Tópicos em Administração - Volume 11
164

1) Período de retorno (payback): esse método em valores numéricos. Conhecido pelo nome
permite avaliar o tempo que o projeto em inglês Internal Rate of Return – IRR.
retornará a totalidade do investimento inicial, Preconiza Gitman (2003) o cálculo é exige
mensurado em dias, meses, semanas, anos. maior complexidade, no entanto, o emprego
Considerando o menor tempo de retorno mais de uso da TIR é conveniente para avaliação
significante ao investimento. Consiste em uma de diversas maneiras de investimento. É
forma simples de cálculo, sendo a mais importante construir o fluxo de caixa do
utilizada devido a essa simplicidade, no projeto para utilizar a TIR adotando-se uma
entanto o payback pode induzir a falha graves taxa mínima de atratividade para verificação
de avaliação de investimento: a) não leva em se o resultado da TIR é conciliável com as