Você está na página 1de 241

Editora Poisson

Gestão da Produção em Foco


Volume 19

1ª Edição

Belo Horizonte
Poisson
2018
Editor Chefe: Dr. Darly Fernando Andrade

Conselho Editorial
Dr. Antônio Artur de Souza – Universidade Federal de Minas Gerais
Dra. Cacilda Nacur Lorentz – Universidade do Estado de Minas Gerais
Dr. José Eduardo Ferreira Lopes – Universidade Federal de Uberlândia
Dr. Otaviano Francisco Neves – Pontifícia Universidade Católica de Minas
Gerais
Dr. Luiz Cláudio de Lima – Universidade FUMEC
Dr. Nelson Ferreira Filho – Faculdades Kennedy

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)


G393
Gestão da Produção em Foco – Volume 19/
Organização Editora Poisson – Belo
Horizonte - MG : Poisson, 2018
241p

Formato: PDF
ISBN: 978-85-93729-95-9
DOI: 10.5935/978-85-93729-95-9.2018B001

Modo de acesso: World Wide Web


Inclui bibliografia

1. Gestão da Produção 2. Engenharia de


Produção. I. Título

CDD-658

O conteúdo dos artigos e seus dados em sua forma, correção e confiabilidade


são de responsabilidade exclusiva dos seus respectivos autores.

www.poisson.com.br

contato@poisson.com.br
Sumário
Capítulo 1: Implantação da metodologia Workload Control (WLC) para
redução do tempo de lead time do setor de corte e dobra do processo
de fabricação de uma indústria do setor metal-mecânico.............................................................
7
Juan Pablo Silva Moreira, Saulo Fonseca Soares, Célio Adriano Lopes, Janaína
Aparecida Pereira

Capítulo 2: Métodos de previsão de demanda: Um estudo de caso com


dados de vendas de três produtos de um laticínio de pequeno porte ..........................................
19
Alyne Resende Piassi, Bruna Beatriz Lara Moreira, Eliene Aparecida Chagas, Rosiane
Gonçalves dos Santos, Carlos Roberto de Sousa Costa

Capítulo 3: Planejamento operacional em minas a céu aberto: Uma


revisão teórico-conceitual ..............................................................................................................
31
Ana Clara Soares Bicalho, Stella Jacyszyn Bachega, Rita de Cássia Pedrosa Santos

Capítulo 4: Análise da automação do processo produtivo do petróleo:


Um estudo de caso em um poço com BCS ...................................................................................
47

Gilberto Horácio de França, André Pedro Fernandes Neto

Capítulo 5: Estudo do requisito de usabilidade com enfoque em


sistemas ERP para implementação em uma biblioteca de requisitos. ..........................................
59
Roberta Alvarenga dos Santos, Mariana Abreu Gualhano, Bruno Lima Souza,
Aline Pires Vieira de Vasconcelos, Rogério Atem de Carvalho

Capítulo 6: Desafios de produção de biodiesel utilizando catalisador


óxido de cálcio derivado da casca de ovo ....................................................................................
69
Luciene da Silva Castro, Audrei Giménez Barañano

Capítulo 7: Manutenção produtiva total: Avaliação da adequação aos


pilares da TPM em uma empresa de vidros no estado de Pernambuco .......................................
77
Simone Correia de Lima, Nadia Heloisa Barbosa Goulart, Jacinta de Fátima Pereira
Raposo

Capítulo 8: Modelagem e simulação do processo de atendimento


médico hospitalar para exames de ultrassonografia em Passos/MG ............................................
94
Ana Paula Bueno Lopes, Nájylla Cecília Pereira Costa, José da Silva Ferreira Junior
Sumário
Capítulo 9: A importância da implementação do sistema RT/ESD
(Registro de Testes de Descargas Eletrostáticas) como redução de
custos nos processos ....................................................................................................................
107
Jefferson Brandão da Costa, José Roberto Lira Pinto Júnior, Mauro Cezar Aparício de
Souza, Marcos Bandeira Amorim, Rafhael Lage de Farias

Capítulo 10: Processo de ensino a partir da metodologia para o


desenvolvimento de produtos: A experiência da disciplina de Projeto
de Objetos 1...................................................................................................................................
120
Layane Nascimento de Araújo, Steffane Luiza Costa Neves, Anderson Elias Silva de
Melo, Sandro Alisson Neris dos Santos, Juliana Donato de Almeida Cantalice

Capítulo 11: Aplicação do Projeto Kaizen em uma empresa de pequeno


134
porte: Um estudo de caso..............................................................................................................
Jéssica Alves Justo Mendes, Carlos Alberto Chaves, Thiago Bittencourt Leite

Capítulo 12: Melhorias implantadas para atender as exigencias da NR


12 em uma empresa no polo industrial de Manaus (PIM)..............................................................
149
Charles Ribeiro de Brito, Wesley Gomes Feitosa, Welleson Feitosa Gazel, Delmar
Leda de Ataide, Jorge Luiz Oliveira Regal, Mesaque Silva de Oliveira

Capítulo 13: UGV solutions: UGVs e suas aplicações para cidades


inteligentes ............................................................................................................................
157
Daniel Rodrigues Ferraz Izario, Carlos Nazareth Motta Marins

Capítulo 14: Análise comparativa dos sistemas de produção just in time


(JIT) e manufacturing resource planning (MRP) .......................................................................
172
Natália Varela da Rocha Kloeckner

Capítulo 15: Lógica nebulosa aplicada ao gerenciamento de inventário


- minimizando incertezas de demanda e suprimento ...............................................................
183
Ramon Cunha de Farias, Giovane Quadrelli, Carlos Eduardo Antunes da Silva
Sumário
Capítulo 16: Modelo de previsão de demanda baseado em redes
neurais: otimizando a cadeia de suprimentos ..........................................................................
193
Ramon Cunha de Farias, Giovane Quadrelli, Carlos Eduardo Antunes da Silva

Capítulo 17: Design e metodologias de projeto de produto para uma


proposta de abrigo urbano .....................................................................................................
202
Layanne Ferreira dos Santos, Uberlany Freire Damascena, Juliana Donato Cantalice
de Almeida

Capítulo 18: Avaliação de confiabilidade através de simulações


baseadas em teoria de filas....................................................................................................
208
André Luiz Alves, Agamenon Lima do Vale, Maria José Pereira Dantas, Clarimar José
Coelho

Capítulo 19: Proposta de um jogo de empresa, utilizando os conceitos


de desenvolvimento e projeto de produto ...............................................................................
220
Joice Maria Alves dos Anjos, Robson Rodrigues, Carlos Eduardo Francischetti, Ivan
Correr

229
Autores: ..........................................................................................................................................
Capítulo 1

Juan Pablo Silva Moreira


Saulo Fonseca Soares
Célio Adriano Lopes
Janaína Aparecida Pereira

Resumo: A crescente pressão competitiva tem impulsionado os


empreendimentos em sua busca por alternativas que propiciem tanto a
redução nos prazos de entrega quanto à mitigação dos custos em todos os
processos da cadeia produtiva (MASON-JONES & TOWILL, 2000). Desta
maneira, o objetivo desta pesquisa é utilizar a união da metodologia FMEA e a
WLC em uma empresa do setor metal-mecânico, que para fins de
confidencialidade, será considerada no presente artigo como Empresa Alfa,
identificando os problemas que elevam o tempo de lead-time do processo
produtivo e com o auxílio da metodologia WLC, analisar as cargas de trabalho
realizadas na linha de produção para que seja possível fazer o controle da
produção. Por isso, a fim de tornar a concretização visível aos colaboradores
da empresa, nessa análise foi utilizado formulários de maneira descritiva e
qualitativa, pois essas formas pesquisa permitem maior interação com o
cotidiano da linha de produção organizacional. Através desta pesquisa foi
possível analisar que as metodologias WLC e FMEA trazem para a empresa
em que ela foi implantada. Já que com uma visualização das possíveis falhas,
identificadas através da metodologia FMEA, a empresa pode desenvolver um
plano de ações corretivas para prevenir contra as eventuais falhas listadas.
Além disso, a utilização da metodologia WLC possibilitou a visualização das
cargas de trabalhos dos colaboradores, e tornou possível a visualização dos
colaboradores que estavam sofrendo de fadiga e que estavam trabalhando de
forma exaustiva.
8
1 INTRODUÇÃO o planejamento da produção em baixas
quantidades e alta customização dos
A crescente pressão competitiva tem
produtos, o que exige a elaboração de
impulsionado os empreendimentos em sua
abordagens estocásticas para apoio à
busca por alternativas que propiciem tanto
tomada de decisão e redução das
a redução nos prazos de entrega quanto à
incertezas. O autor informa também que a
mitigação dos custos em todos os
“utilização de métodos mais robustos para
processos da cadeia produtiva (MASON-
controlar centros de trabalhos pode
JONES & TOWILL, 2000). Em virtude disso,
melhorar a produtividade da manufatura”,
com o processo de inovações
contribuindo para a redução do tempo de
tecnológicas, se tornou muito importante
lead-time do processo produtivo.
que os empreendimentos desenvolvam
periodicamente a implantação de Selitto et al. (2008) salienta que apesar de
procedimentos que auxiliem a dar um não ser muito discutida nas indústrias
direcionamento ao processo de tomada de brasileiras, a metodologia WLC é
decisão, garantindo, que seus produtos considerada uma importante aliada para
não entrem em declínio. as empresas do tipo MTO, pois permite
desenvolver aprimoramentos no controle
De acordo com Gonçalves (2000) “o futuro
da produção, por meio de uma melhoria no
vai pertencer às empresas que
desempenho das atividades produtivas da
conseguirem explorar o potencial da
organização.
centralização das prioridades, as ações e
os recursos nos seus processos”. Logo, Desta maneira, o objetivo desta pesquisa é
para garantir melhores posições no utilizar a união da metodologia FMEA e a
mercado, basta que estes WLC em uma empresa do setor metal-
empreendimentos adquiram um mecânico, que para fins de
posicionamento que lhe promova um confidencialidade, será considerada no
processo de melhoria contínua, não presente artigo como Empresa Alfa,
somente para sobreviver, mas para identificando os problemas que elevam o
obterem destaque nesse novo ambiente tempo de lead-time do processo produtivo
de extrema competitividade. e com o auxílio da metodologia WLC,
analisar as cargas de trabalho realizadas
Chiavenato (1990) salienta que os
na linha de produção para que seja
estoques têm como principal objetivo
possível fazer o controle da produção.
auxiliar na garantia de um bom
funcionamento da empresa, mitigando os Deste modo, com o objetivo de analisar o
efeitos que a demora ou o atraso no tema abordado com uma maior exatidão,
fornecimento de determinado suprimento desenvolveu-se um estudo sistemático dos
ocasionam na lucratividade, confiabilidade conteúdos disponíveis em métodos,
e na flexibilidade do processo produtivo de técnicas e procedimentos de caráter
uma organização. cientifico. Assim, quanto aos objetivos,
esta pesquisa foi caracterizada como
Segundo Wiendahl & Breithaupt (2001), o
descritiva, pois de acordo com Gil (2002) a
uso do Workload Control (WLC) ou Load-
pesquisa descritiva é “a descrição das
Oriented Control (LOC) tem o objetivo de
características de determinada população
realizar o controle das cargas de trabalho
ou fenômeno, ou, então, o estabelecimento
realizadas no processo de manufatura,
de relação entre as variáveis”.
servindo como indicador de capacidade
produtiva e instrumento que permite a Além disso, a fim de que se efetuasse um
realização de um ajuste que esteja em gerenciamento de estoques eficientes para
conformidade com o nível de inventário, garantir uma maior produtividade dos
com as ordens de fabricação, reduzindo, sidecars desenvolvidos pela Empresa Alfa,
desta forma, os tempos de atravessamento o autor deste trabalho, faz uso de uma
sem que isso comprometa a flexibilidade abordagem qualitativa. Essa abordagem
do processo produtivo. possibilita uma relação direta entre o
mundo real e o ambiente pesquisado, já
Segundo Haskose et al. (2004), a
que permite analisar, questionar e
discussão em torno desta metodologia
interpretar determinado fato sem a
está levando como base o estilo de
necessidade de analisar os recursos
produção make-to-order (MTO), em que
numéricos ou estatísticos. Silva e Menezes
são exigidas aplicações de métodos para

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


9
(2005) explanam que a abordagem de como uma aprimoramento organizacional
caráter qualitativo permite a percepção de dos níveis de qualidade, pois é possível
um fato relacionado às pessoas: atitudes, obter um poder maior de rigor quando se
hábitos ou comportamentos. fabrica itens a partir de pequenos pedidos.

2 LEAN MANUFACTURING 2.1 LEAD TIME


De acordo com Black (1998, p. 121), o Segundo Pollick (2010) o Lead time
“sistema de manufatura deve entregar compreende o período (tempo) realizado
produtos de qualidade ao preço mais entre a solicitação de uma ordem de
baixo possível dentro do menor período de compra de um consumidor e termina na
tempo possível” e é neste ambiente que se entrega do produto final, entretanto o
origina a mentalidade de produção enxuta tempo de entrega de um produto depende
que, segundo o Lean Institute Brasil (2012) de uma série de fatores que podem, de
consiste em “uma estratégia de negócios acordo com a necessidade do
para aumentar a satisfação dos clientes empreendimento, podendo ser modificado
através da melhor utilização dos recursos”. em temporadas, feriados ou através da
A finalidade desta filosofia é fornecer valor demanda do produto.
aos consumidores com custos baixos,
Christopher (2009) salienta que um ponto
através da melhoria dos fluxos dos
de partida para a minimização do tempo
processos.
pode ser a identificação de todos os
A produção enxuta pode ser interpretada processos, bem como o tempo de duração
como o pilar de um sistema de um controle de cada uma delas, pois ao diminuir as
de operações que procura sempre a incertezas, torna-se possível a criação de
coordenação ou sincronismo do processo parcerias estáveis de longo prazo, em um
produtivo com a demanda específica de ambiente de confiança, em que todos os
produtos acabados fabricados pela integrantes tenham algum benefício nesta
empresa, para tanto, otimiza-se todos os relação.
leadtimes intrínsecos à fabricação,
Pollick (2010) acrescenta ainda que o
montagem e disponibilização dos bens
Lead time pode ser interpretado também
e/ou serviços, priorizando o controle de
como a diferença entre a realização de
qualidade presente nos processos e
uma venda e a visualização de um
produtos, flexibilizando e integrando os
concorrente assinar um contrato e entregar
processos de manufatura através do
o produto antecipadamente para um
atendimento as conformidades referentes
cliente com alto poder aquisitivo, pois se o
ao custo, a qualidade e aos prazos
empreendimento conseguir realizar a
estabelecidos pelos clientes internos e
entrega algumas semanas antes de seus
externos ao empreendimento (YUSUF e
concorrentes, esta tem a melhor chance
ADELEYE, 2002).
de receber encomendas futuras.
Oliveira (2008) salienta ainda que a
Considerando que o lead time é uma
filosofia do pensamento enxuto tem a
medida de tempo, é possível torná-lo mais
finalidade de identificar e eliminar todos os
flexível ao sistema produtivo de forma a
desperdícios existentes na linha de
atender as solicitações do cliente, isto,
produção, focando especialmente nas
quanto menor o tempo de transformação
atividades que agregam algum tipo valor
das matérias-primas em produtos
para o consumidor. Por esse motivo, a
acabados, menores serão os custos do
redução destes desperdícios pode elevar
sistema produtivo com o atendimento as
a eficiência da operação por uma ampla
necessidades dos consumidores finais
margem, ou seja, deve-se produzir apenas
(TUBINO, 1999).
a quantidade necessária que supri a
demanda, liberando assim, a força de 2.2 PRODUÇÃO MAKE-TO-ORDER
trabalho extra e desnecessária (OHNO,
A chegada de uma ordem de pedido do
1997). Desta forma, Womack et al. (2004)
cliente provoca o início da produção dos
salientam ainda que a redução dos custos
produtos desejados. Ao optar pelo tipo de
de fabricação de produtos em lotes
produção Make-to-Order (MTO), a
menos, em comparação com a produção
empresa garante algumas vantagens
em larga escala, pode ser interpretada

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


10
como a realização de um estilo de 2.3 FMEA
produção com baixos estoques de
A Análise de Modos e Efeitos de Falhas, ou
produtos acabados, sendo adequado para
FMEA (Failure Mode and Effects Analysis)
os estilos de produtos com demanda
é um instrumento de caráter analítico que
pouco frequente e que possuem alto custo
possibilita “identificar e documentar de
de estocagem (itens classe A) ou que são
forma sistemática falhas em potencial, de
perecíveis (SELITTO et al., 2008). Esta
maneira a eliminá-las ou reduzir suas
estratégia, entretanto, torna o lead-time do
ocorrências por meio de um processo de
produto igual ao lead-time da atividade
aplicação estruturado” (ROMEIRO FILHO
mais demorada do processo de fabricação
et. al, 2010).
do produto. Este particular pode tornar o
prazo de entrega estrategicamente Miguel (2001) informa também que a partir
indesejável, especialmente em mercado da utilização deste método tornando
no qual o fator velocidade de entrega é possível evidenciar os possíveis gargalos
vital. que ocorrem da linha de produção, tal
como a decorrência de suas causas e,
Segundo Machado Neto (2003) na
com isso é possível definir atividades que
produção dos produtos do estilo MTO, não
servem de prevenção contra acidentes.
são realizados trabalho com estoques de
produtos acabados. Esta técnica é Para a realização do calculo que está
adequada para produtos com demanda relacionado com a implantação do FMEA
reduzida, ou cuja previsão se torne muito nas organizações, Stamatis (2003)
complexa, já que possuem alto custo de considera três vertentes para identificar o
estocagem, sendo desaconselhável a grau de significância dos gargalos, sendo
produção cujo mercado tem um fator de eles: o grau de Severidade (S) das falhas,
velocidade e de atendimento como um a incidência ou a Ocorrência (O) das
fator de vital importância para garantir um mesmas e como elas podem ser
fator que garante a competitividade entre Detectadas (D).
as organizações.
Palady (1997) evidencia que a severidade
Darú e Lacerda (2005) salientam que ao geralmente é quantificada através de uma
evitar os custos de armazenagem, torna-se escala que varia entre 1 a 10. Para Moreira
possível a realização de uma redução (2017) “esta escala dissemina a magnitude
considerável dos desperdícios de dos valores aumenta à medida que há um
estocagem e de superprodução, já que o aumento na gravidade do gargalo”,
item entra, é processado e na sequência conforme é registrado por Palady (1997)
já é expedido para um consumidor final já no quadro 1.
estabelecido.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


11
Quadro 1 – Demonstração da Escala de Severidade

Fonte: Palady (1997)

Para Miguel (2001) é uma relação entre a quadro 2 demonstra a escala de


ocorrência das estimativas entre as percepção da ocorrência, que também
probabilidades combinadas às varia em uma escala de 1 a 10.
ocorrências de um determinado gargalo. O

Quadro 2 – Escala de Avaliação de Ocorrências.

Fonte: Palady (1997)

Entretanto, Miguel (2001) destaca que ocorrência, foi desenvolvida, por Palady
estes índices permitem que as (1997), uma estimativa que explana a
organizações visualizem imperfeições que escala de ocorrência (quadro 3), fazendo
não refletem nos níveis de qualidade reais com que seja possível demonstrar que a
ou de alguns setores da organização. Para incidência de uma determinada falha. Este
tanto, a fim de identificar o percentual de

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


12
percentual pode variar em uma escala de 1 a 10.
Quadro 3 – Escala Percentual de Ocorrências

Fonte: Palady (1997)

Com base nestas três variáveis priorização é a multiplicação dos valores


(Severidade, Ocorrência e Detecção), é obtidos para os três índices (NPR=SxDxO)
possível a realizar de um parâmetro que e, a partir deste resultado é calculado o
permita seguir os modos de falha que RPN (Risk Priority Number) ou NPR
causam mais risco à linha de produção (Número de Prioridade de Risco)”. O
(STAMATIS, 2003). De acordo com Moreira quadro 4, exemplifica a avaliação do NPR.
(2017) “o método utilizado para obter essa

Quadro 4 – Pontuação do NPR

Fonte: Adaptado de Miguel (2001)

Para Miguel (2001) a aplicação do FMEA demanda do consumidor, é necessário


garante um maior poder de evidência dos analisar se a capacidade produtiva está
gargalos existentes no processo produtivo, seguindo a carga de trabalho total
já que permite demonstrar os modos de admitida no processo (entrada) para
risco/falhas que ocorrem, ou que poderão nunca exceder à capacidade de execução
ocorrer no processo em evidência. das operações (saída), caso isso ocorra,
há consequências como a conclusão
atrasada das ordens de produção e o
2.4 WORKLOAD CONTROL (WLC) “congestionamento” entre elas, o que
ocasionará em uma recorrência de horas-
Chase et al. (2006) conceitua o Workload
extras de produção, tornando o processo
Control (WLC) como uma metodologia
de trabalho ineficiente.
desenhada para ambientes produtivos
com um nicho específico de manufatura, já No sistema WLC, a sequência de trabalho
que possuem os conceitos de entrada da ocorre com a ordem de produção dos
matéria-prima e saída do produto final bem clientes, ou seja, os clientes “dão início” à
definidos. Em se tratando de uma entrada de pedidos e a liberação de
produção que é definida de acordo com a ordens para produção. Essas ordens serão

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


13
tratadas, priorizadas e sequenciadas, capacidade de produção (STEVENSON,
respeitando-se regras de produção 2006). A figura 1 demonstra, de maneira
definidas pelo empreendimento, além esquematizada, a hierarquia de
disso, essas etapas a execução dessas planejamento e controle do sistema WLC,
etapas devem estar acompanhadas de um indicando atividades-chave de controle da
gerenciamento adequado sobre a sua produção.

Figura 1 – Hierarquia de planejamento e controle do sistema WLC

Fonte: Stevenson (2006)

A carga de trabalho planejada é maior eficiência à pesquisa


controlada pela emissão do pedido de desenvolveram-se dois formulários,
produção do cliente, que dá suporte e compostos por questões abertas e
determina as datas de entrega, bem como fechadas, aplicados a todos os doze (12)
a possibilidade de aquisição de novos colaboradores da organização. Os dados
pedidos de fabricação, o que fornece à posteriores deste estudo foram adquiridos
organização um diferencial competitivo através de consulta a sites, artigos de
frente aos seus concorrentes (DUENYAS; caráter técnico-científicos, livros,
HOPP, 1995). Kingsman e Mercer (1997) monografias e dissertações.
salientam ainda que a carga de trabalho
As questões contidas nos formulários
do chão de fábrica é controlada através de
tratam sobre a organização estratégica do
mecanismos permitem a visualização dos
empreendimento, sobre a produção dos
processos de produção, bem como os
equipamentos, a missão, a visão e os
possíveis gargalos e deficiências que
objetivos da empresa. Além disso, os
ocorrem durante a fabricação de
formulários serviram também para
determinado produto.
identificar os possíveis fatores que
influenciam no gargalo do processo
produtivo, bem como, avaliar a opinião dos
3 METODOLOGIA
envolvidos no processo de melhoria e
Para iniciar o processo de implantação da monitorar os resultados obtidos em todo o
metodologia Workload Control (WLC) em processo de fabricação dos sidecars
conjunto com a metodologia FMEA, foi fabricados pelo empreendimento em
realizado um estudo teórico quanto à análise.
utilização destes instrumentos como
impulsionadores para o processo de
melhoria contínua dos sidecars fabricados
pela Empresa Alfa. Em seguida, para dar

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


14
4 ANÁLISE DOS RESULTADOS um produto vantajoso para o
empreendimento se os clientes não
Com base nas informações coletadas, foi
consumirem esses produtos.
desenvolvida uma proposta para a
aplicação das metodologias WLC e FMEA Holcomb e Hitt (2007) a primeira medida a
no processo de fabricação dos sidecars ser tomada para garantir a eficiência desta
da Empresa Alfa. O primeiro passo análise é a definição de uma equipe que
relatado nesta análise foi à realização de deverá analisar todo o processo a fim de
uma reunião para que gestores e verificar todos os custos necessários para
colaboradores pudessem esclarecer as fabricar o produto internamente e quanto
informações sobre o funcionamento do custará para uma empresa terceirizada
triciclo e como é a realizada a fabricação fabricá-lo. Assim, foi definida a equipe que
do semieixo da organização. realizará o controle das cargas de trabalho
realizadas no processo de corte e dobra
Desta forma, com base nos
dos sidecars.
esclarecimentos adquiridos, foi possível
definir os objetivos estratégicos para a Para melhor evidenciar o desenvolvimento
elaboração de uma análise eficiente e que de qualquer atividade no contexto
beneficiasse tanto colaboradores como os organizacional, é importante demonstrar
clientes que consomem os produtos do todos os procedimentos necessários para
empreendimento analisado. Para Moreira se compreender a sequência lógica das
et al. (2015) uma análise que ocorre no atividades que o compõem (GRIMALDI &
setor produtivo de um empreendimento só MANCUSO, 1994). Em virtude disso, a fim
se torna bem sucedido quando são de realizar uma melhor análise desta
considerados fatores que são vantajosos metodologia, foi elaborado um fluxograma
tanto para a organização (incluindo os com a finalidade de demonstrar todas as
colaboradores e os gestores) quanto para etapas desenvolvidas no processo de
os clientes, pois nada adianta desenvolver corte e dobra dos sidecars (figura 2).

Figura 2 – Fluxograma do processo de corte e dobra dos sidecars

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


15
Atuam no processo de laminação dos informações sobre as possíveis causas e
sidecars dois colaboradores, eles ficam modos de falhas existentes no processo
responsáveis por todas as atividades, produtivo organizacional. Neste sentido, a
desde o recebimento da ordem de primeira etapa do desenvolvimento desta
produção até a rebarba dos sidecars melhoria foi a de analisar, através do
semiacabados. Entretanto, para identificar método FMEA, todos os dados de falhas
a carga de trabalho realizada por cada contidos na linha de produção. Esta
operador torna-se necessário a elaboração análise FMEA foi adquirida através de um
de um banco de dados com informações levantamento realizado com a colaboração
sobre as possíveis causas e modos de dos funcionários e gestores (quadro 5).
falhas existentes nessa etapa do processo Todos os fatores observados foram
produtivo. inseridos em um quadro que os classifica
de acordo com a sua Severidade (S),
Para desenvolver este estudo e aplicar a
Ocorrência (O), Detecção (D) e o Número
metodologia WLC torna-se indispensável à
Prioridade de Risco (NPR) – obtido através
elaboração de um banco de dados com
da equação NPR = S x O x D.

Quadro 5 – Análise FMEA do processo de fabricação dos sidecars


PRIORIDADE
RISCO (S) S O D (NPR) (GRAU)
DE RISCO

1. Incoerência nas especificações dos clientes 5 4 1 20 BAIXO RISCO

RISCO
2. Falha na união das peças dobradas 7 4 3 84
MODERADO

3. Incidência de trincas longitudinais durante o RISCO


9 4 2 72
processo de corte e dobras MODERADO

4. Incidência de porosidades/impurezas no RISCO


8 4 2 96
processo de corte e dobra do chassi MODERADO

5. Quebra do chassi semiacabado 9 6 6 324 ALTO RISCO

6. Quebra do esmeril 9 5 6 270 ALTO RISCO

7. Falta de Matéria Prima 4 4 1 16 BAIXO RISCO

8. Erro de comunicação na fabricação do


4 5 1 20 BAIXO RISCO
sidecar

Com a visualização das possíveis falhas, máquina para se analisar as cargas de


torna-se possível identificar as ocasiões trabalhado realizadas pelos equipamentos
em que é necessária uma maior atenção e por cada colaborador (apêndice A).
dos colaboradores, mas não é possível
Através do apêndice A foi possível
estimar a colaboração de cada
evidenciar que há uma grande carga de
colaborador nas etapas de trabalho. Desta
trabalho em cada um dos colaboradores
maneira, para evidenciar de maneira mais
do setor de corte e dobra (percentual
eficiente a atuação de cada colaborador,
superior a 90%), o que poderá resultar em
foi elaborado um diagrama homem-
um grande desgaste dos funcionários e,

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


16
consequentemente na redução da das falhas listadas no grupo 5 venham a
produtividade da organização. Além disso, ocorrer, outro fator, muito importante
foi possível observar que os colaboradores analisado através da implantação destas é
tem seu tempo de descanso muito que com a redução das cargas de
escasso em virtude da alta demanda da trabalho os colaboradores estão menos
empresa. sobrecarregados e motivados para auxiliar
outros colaboradores que estão
Desta maneira, com a finalidade de reduzir
necessitando de ajuda.
a carga de trabalho dos colaboradores,
optou-se pela retirada de um colaborador
da etapa de laminação – setor que
5 CONSIDERAÇÕES FINAIS
apresentava as menores taxas de cargas
de trabalho – e inseri-lo no processo de Através desta pesquisa foi possível
corte e dobra para que ele pudesse analisar que as metodologias WLC e FMEA
auxiliar os colaboradores e reduzir desta trazem para a empresa em que ela foi
maneira as cargas de trabalho desta etapa implantada. Já que com uma visualização
do processo produtivo no ao mesmo passo das possíveis falhas, identificadas através
que eleva a produtividade do da metodologia FMEA, a empresa pode
empreendimento. desenvolver um plano de ações corretivas
para prevenir contra as eventuais falhas
Após a realização do turnover do
listadas. Além disso, a utilização da
colaborador e da reestruturação do layout
metodologia WLC possibilitou a
(por questões de confidencialidade com a
visualização das cargas de trabalhos dos
empresa este layout não será ser
colaboradores, e tornou possível a
informado) desta etapa realizou-se um
visualização dos colaboradores que
novo diagrama homem-máquina para
estavam sofrendo de fadiga e que estavam
analisar ocorreria à redução nas cargas de
trabalhando de forma exaustiva.
trabalho dos colaboradores do setor de
corte e dobra da Empresa Alfa (apêndice Na empresa Alfa, a utilização das
B). O apêndice B demostra que houve metodologias SMED possibilitou, dentre
uma redução significativa nas cargas de outros fatores, a inserção de uma atividade
trabalho e esses colaboradores não ficarão que irá realizar a inspeção de qualidade
ociosos, porque foram definidos nas chapas fabricadas, elevando a
parâmetros e indicadores que irão auxiliar qualidade dos produtos fabricados pelo
colaboradores e gestores na realização de empreendimento, além de possibilitar um
trocas temporárias de setores para que melhor direcionamento quanto à utilização
dessa forma nenhum colaborador fique da matéria prima e reduzir o risco de falta
ocioso ou com trabalho extra e como eles de matéria prima na linha de produção. Foi
tem elevados índices de produção o possível relatar também que com esta
tempo “parado” observado pelo apêndice nova metodologia os funcionários estão
B será utilizado para iniciar a etapa de mais preparados para a inserção de
corte e dobra em uma nova chapa de aço. estratégias que favoreçam uma melhoria
no ambiente de trabalho e um aumento na
Além disso, através da análise FMEA a
qualidade dos produtos oferecidos aos
organização realizou um planejamento de
seus consumidores.
ações corretivas que serve parâmetros
para serem seguidos assim que alguma

REFERÊNCIAS
[1]. BLACK, J. T. O Projeto da Fábrica com [4]. CHRISTOPHER, M. Logística e
Futuro. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998. gerenciamento da cadeia de suprimentos:
criando redes que agregam valor. 2.ed. São
[2]. CHASE, R.; JACOBS, F. R.;
Paulo: Cengage Learning, 2009.
AQUILIANO, N. Administração da Produção
para a Vantagem Competitiva. 10 ed. Porto [5]. DARÚ, G. H.; LACERDA, V. C.
Alegre: Bookman, 2006. Utilização de Programação Dinâmica
Multirotulada para Balanceamento do Uso de
[3]. CHIAVENATO, Idalberto. Iniciação ao
Ferramenta. In: Congresso Nacional de
Planejamento e Controle da Produção. São Matemática Aplicada e Computacional, 28. São
Paulo: Mcgraw-Hill, 1990.
Paulo. SENAC, 2005.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


17
[6]. DUENYAS, I.; HOPP, W. J. Quoting de uma indústria de sidecar. In: XXXV Encontro
Customer Lead Times. Management Science, v. Nacional de Engenharia de Produção,
41, n. 1, p. 43-57, 1995. Fortaleza/CE. 2015.
[7]. GIL, Antônio Carlos. Técnicas de [19]. OHNO, T. O sistema Toyota de
pesquisa em economia e elaboração de produção. São Paulo: Artes Médicas,1997.
monografias. 4ª ed. São Paulo: Atlas, 2002.
[20]. OLIVEIRA, C. S. Aplicação de
[8]. GONÇALVES, José Ernesto Lima. As Técnicas de Simulação em Projetos de
empresas são grandes coleções de processos. Manufatura Enxuta. Universidade Federal de
RAE – Revista de Administração de empresas. Minas Gerais, Estudos Tecnológicos, v. 4, n. 3,
São Paulo, v.40, n.1, p. 6-19, jan/mar, 2000. p. 204-217, 2008.
[9]. GRIMALDI, R. e MANCUSO, J.H. [21]. PALADY, P. FMEA: Análise dos Modos
Qualidade Total. Folha de SP e Sebrae, 6º e 7º de Falha e Efeitos: prevendo e prevenindo
fascículos, 1994. problemas antes que ocorra. São Paulo: IMAM,
1997.
[10]. HASKOSE, A., KINGSMAN, B.,
WORTHINGTON, D. Performance analysis of [22]. POLLICK, Michael. What is Lead time?.
make-toorder manufacturing systems under Wise Geek. Disponível em:
different workload control regimes. International <http://www.wisegeek.org/what-is-lead-
Journal of Production Economics, 2004, vol. 90, time.htm>. Acesso em 20 ago. 2016.
no. 2, p. 169–186.
[23]. ROMEIRO FILHO, E. et al. Projeto do
[11]. HENDRY, L. C.; KINGSMAN, B. G.; produto. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.
CHEUNG, P. The effect of workload control
[24]. SELLITTO, M., BORCHARDT, M.,
(WLC) on performance in make-to-order
PEREIRA, G. Medição de tempo de
companies. Journal of Operations Management,
atravessamento e inventário em processo em
v. 16, p. 63-75, 1998.
manufatura controlada por ordens de
[12]. HOLCOMB, T. R.; HITT, M. A. Toward a fabricação. Produção, 2008, vol. 18, no. 3, p.
model of strategic outsourcing. Journal of 493-507.
Operations Management, v. 25, n. 2, p. 464-
[25]. SILVA, E. L.; MENEZES, E. M.
481, 2007.
Metodologia da pesquisa e elaboração de
[13]. LEAN INSTITUTE BRASIL. Lean na dissertação. 4. ed. rev. atual. Florianópolis/SC:
Manufatura. 2012. Disponível em: < Laboratório de Ensino a Distância da UFSC,
http://www.lean.org.br/>. Acesso em 04 mar. 2005.
2017.
[26]. STAMATIS, D. H. Failure mode and
[14]. MACHADO NETO, R. G. effect analysis: FMEA from theory to execution.
Dimensionamento de lotes de produção, 2. ed. rev. e atual. United States: ASQ, 2003.
estocagem e transporte ao longo de uma
[27]. STEVENSON, M. Refining a Workload
cadeia de suprimentos geral multiestágio,
Control (WLC) concept: a case study.
sujeita a restrições de capacidade de
International Journal of Production Research, v.
produção. Dissertação (Mestrado em
44, n. 4, p. 767-790, 2006.
Engenharia de Produção). Curitiba: PUC/PR,
2003. [28]. TUBINO, D. F. Sistemas de Produção:
a produtividade no chão de fábrica. Porto
[15]. MASON-JONES, R & TOWILL, D.R.:
Alegre: Bookman, 1999.
“Lean, agile or leagile? Matching your supply
chain to the marketplace”; International J. of [29]. WIENDAHL, H.P., BREITHAUPT, J.W.
Prod. Research; vol 38; n. 17; 4061-4070; 2000. Backlog-oriented automatic production control.
CIRP Annals - Manufacturing Technology, 2001,
[16]. MIGUEL, P. A. C. Qualidade: enfoques
vol. 50, no. 1, p. 331–334.
e ferramentas. São Paulo: Artliber Editora, 2001.
[30]. WOMACK, J.P.; et al.. A máquina que
[17]. MOREIRA, J. P. S. Análise de falhas
mudou o mundo. 11.ed. Rio de Janeiro:
com base na metodologia Troubleshooting: um
Campus, 2004.
estudo de caso em uma empresa do setor
industrial. In: Encontro Nacional de Engenharia [31]. YUSUF, Y. Y.; ADELEYE, E. O. A
de Produção, Joinville/SC. 2017. comparative study of lean and agile
manufacturing with a related survey of practices
[18]. MOREIRA, J. P. S. et al. Implantação
in the UK. International Journal of Production
das Metodologias MASP e 5S no almoxarifado
Research, v. 40, n. 17, p. 4545-4562, 2002.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


18

APENDICES
Apêndice A – Representação do Diagrama homem-máquina do setor de corte e dobra com dois
colaboradores
Setor Corte e Dobra
Homem Máquinas
Tempo Tempo Máquina 1 - Tempo Máquina 2 - Tempo
Operador 1 Operador 2
(min) (min) Guilhotina (min) Dobradeira (min)
Selecionar Chapa 2 Selecionar Chapa 2 Parado 2 Parado 2
Transporte da Transporte da
3 3 Parado 3 Parado 3
Chapa Chapa
Marcação do Corte 1,5 Parado 1,5 Parado 1,5 Parado 1,5
Corte da
Corte da Chapa 0,5 Parado 0,5 0,5 Parado 0,5
Chapa
Marcação da
Parado 0,4 0,4 Parado 0,4 Parado 0,4
Dobra
Dobrar a Peça 3 Dobrar a Peça 3 Dobrar a Peça 3 Dobrar a Peça 3
Encaminhar para Encaminhar para
2,5 2,5 Parado 2,5 Parado 2,5
Montagem Montagem
Percentual 93,02 Percentual 92,24 Percentual Percentual 23,25
3,87%
Trabalhado % Trabalhado % Trabalhado Trabalhado %

Apêndice B – Representação do Diagrama homem-máquina do setor de corte e dobra com três


colaboradores
Setor Corte e Dobra
Homem Máquinas
Máquina 2
Temp Máquina 1
Operador Tempo Operador Tempo Tempo - Tempo
Operador 3 o -
1 (min) 2 (min) (min) Dobradeir (min)
(min) Guilhotina
a
Selecionar Selecionar Selecionar
1 1 1 Parado 1 Parado 1
Chapa Chapa Chapa
Transporte
Parado 2 Parado 2 2 Parado 2 Parado 2
da Chapa
Marcação
1,5 Parado 1,5 Parado 1,5 Parado 1,5 Parado 1,5
do Corte
Corte da Corte da
0,5 Parado 0,5 Parado 0,5 0,5 Parado 0,5
Chapa Chapa
Marcação
Parado 0,5 0,5 Parado 0,5 Parado 0,5 Parado 0,5
da Dobra
Dobrar a Dobrar a Dobrar a Dobrar a
3 3 Parado 3 3 3
Peça Peça Peça Peça
Inspeção Inspeção Inspeção Inspeção Inspeção
de 3 de 3 de 3 de de 3
Qualidade Qualidade Qualidade Qualidade Qualidade
Encaminha
Parado 1,5 Parado 1,5 r para 1,5 Parado 1,5 Parado 1,5
Montagem
Percentual Percentual Percentual Percentual
65,38 65,38 Percentual 23,07
Trabalhad Trabalhad 57,7% Trabalhad 3,84% Trabalhad
% % Trabalhado %
o o o o

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


19

Capítulo 2

Alyne Resende Piassi


Bruna Beatriz Lara Moreira
Eliene Aparecida Chagas
Rosiane Gonçalves dos Santos
Carlos Roberto de Sousa Costa

Resumo: Este trabalho trata-se de um estudo de técnicas de previsão de demanda


e tem como objetivo realizar projeções de vendas futuras através da análise de
dados de três produtos de um laticínio de pequeno porte, situado na cidade de
Passa Tempo no Centro-Oeste de MG. É caracterizado como um estudo de caso,
no qual se utilizou ferramentas quantitativas juntamente com as fases do ciclo de
vida do produto. A previsão de demanda foi executada com auxílio de métodos
estatísticos, tais como: Regressão linear, Média Móvel Simples, Coeficiente de
Correlação e Determinação, entre outros. Pôde-se verificar que cada produto
analisado se encontra em uma fase distinta do ciclo de vida. Com base nos dados
obtidos acredita-se que o iogurte de morango se encontra na fase de crescimento,
devido ao aumento constante de suas vendas. Já o iogurte de salada de frutas é
um produto que foi introduzido recentemente no mercado e apresenta lento
crescimento, sendo assim pressupõe que ele esteja na fase de introdução do ciclo
de vida. Por fim,o leite pasteurizado apresenta um comportamento estacionário em
suas vendas, o que faz acreditar que ele esteja na fase de maturidade. Contudo, os
métodos utilizados para calcular as previsões de demanda se mostraram
satisfatórios, sendo assim recomenda-se que a empresa os implemente, com intuito
de se obter um bom planejamento nas vendas, evitando custos desnecessários.

Palavras-Chave: Previsão de demanda, Ciclo de Vida, Vendas.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


20

1 INTRODUÇÃO 1.2 OBJETIVO ESPECÍFICO


Diante do atual cenário mundial a economia Determinar os produtos relevantes para o
se encontra fortemente influenciada pela estudo;
tecnologia criando um mercado altamente
Determinar o comportamento de cada
competitivo, assim as empresas buscam
produto;
diversas alternativas para melhor atender
seus consumidores. Determinar a fase do ciclo de vida de cada
produto;
Um dos principais meios utilizados para
superar essa competitividade consiste em Traçar a previsão de demanda para cada
compreender as expectativas do mercado produto durante 1 ano ;
futuro através de previsão de demanda, com
isso se pode ter uma aproximação mais exata
entre oferta e demanda. 2 REFERENCIAL TEÓRICO
Para Kotler (1991), a demanda de um produto O ato de planejar é uma atividade comum
é o “volume total que seria comprado por um para qualquer tipo de empresa,
grupo definido de consumidores em uma área independentemente de tamanho ou ramo a
geográfica definida, em um período de tempo que se dedique (MOREIRA, 2014).
definido, em um ambiente de mercado
As previsões de demanda são fundamentais
definido e mediante um programa definido de
para todo planejamento, pois auxiliam na
marketing”.
determinação dos recursos necessários, na
Existem dois tipos de técnicas de previsão de programação dos recursos existentes,
demanda, as técnicas qualitativas que se aquisição de recursos adicionais e permite
baseiam em dados subjetivos e as técnicas diminuir estoques ao longo de cadeias
quantitativas que envolvem análise numérica produtivas (VOLLMANN et al., 2006).
de modelos matemáticos. O principal objetivo
Para se conceituar previsão de demanda é
deste artigo é projetar a demanda futura por
preciso inicialmente entender o conceito de
meio do uso de técnicas quantitativas aliadas
demanda. Para Kotler e Armstrong (2007),
ao ciclo de vida dos produtos.
“demandas são desejos por produtos
O ciclo de vida do produto trata-se de um específicos, respaldados pela habilidade e
modelo que define o comportamento das pela disposição de comprá-los”.
vendas de um produto ao decorrer do tempo.
Segundo Lustosa et al (2008), o processo de
(KAYO, 2014)
demanda é importante para a empresa, pois
O presente artigo tem como principal objetivo com base nessa informação são tomadas
traçar uma previsão de demanda para três decisões financeiras, comerciais e
produtos com fases distintas do ciclo de vida. operacionais. Dessa forma, uma previsão
Promovendo uma otimização no sistema de eficiente tem impacto direto no resultado
produção de um laticínio de pequeno porte, a econômico da empresa.
fim de reduzir custos relacionados à falta de
De acordo com Ritzman e Krajewski (2008), a
planejamento da produção. A empresa
previsão é a avaliação de acontecimentos
produz aproximadamente 18 produtos,
futuros, utilizada para fins de planejamento e
todavia foram selecionados o iogurte de
gerenciamento de recursos.
morango, iogurte de salada de frutas e o leite
pasteurizado. Uma forma eficiente para escolher o método a
ser utilizado na previsão de demanda de um
produto, consiste em analisar a fase do seu
1.1 OBJETIVO GERAL ciclo de vida e através do seu comportamento
tendencial, ajustá-lo à uma técnica de
O objetivo do artigo é criar previsões de
previsão especifica.
vendas para três produtos de um laticínio de
pequeno porte utilizando de técnicas Um produto passa por quatro etapas em seu
quantitativas de previsões de venda desenvolvimento, que consiste em:
juntamente com as fases do ciclo de vida do Introdução, crescimento, maturidade e
produto. declínio.
Segundo Filho (2006) as características de
cada estágio são:

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


21

Etapa Introdutória: caracteriza-se pelas estabilizar, pois o consumidor já se


elevadas despesas de promoção e pelo acostumou ao produto e começa a pressionar
grande esforço por tornar a marca por redução de preços. É um momento em
reconhecida pelo mercado. Nesta etapa, os que as vendas brutas se mantêm no nível do
preços costumam ser mais altos em razão da crescimento do mercado.
baixa produtividade e custos tecnológicos de
Etapa de Declínio: esta etapa marca o
produção e as margens são apertadas em
processo de desaparecimento do produto no
função do valor que o mercado se dispõe a
mercado em função do declínio insustentável
pagar.
nas vendas. A velocidade com que isso
Etapa de Crescimento: ocorre a partir do ocorre depende de características do
momento em que a demanda pelo produto produto. Produtos que incorporam muita
aumenta. A relação entre promoção e vendas tecnologia tendem a decair mais rapidamente
melhora em função do aumento de vendas. e normalmente são retirados do mercado pelo
fabricante.
Etapa de Maturidade: neste estágio, a taxa de
crescimento das vendas diminui e tende a se

Figura 1- Fases do ciclo de vida de um produto

Fonte: Romeiro Filho ( 2006)

Para se calcular a previsão de demanda Métodos causais: a demanda de um item ou


futura, é necessário construir modelos conjunto de itens é relacionada a uma ou mais
matemáticos a partir de dados disponíveis. A variáveis internas ou externas à empresa.
construção destes modelos depende do
Séries temporais: a análise de séries
comportamento da série ou método que eles
temporais nada exige além do conhecimento
se encontram.
de valores passados da demanda. O termo
Segundo Moreira (2014), os métodos de série temporal indica apenas uma coleção de
previsão podem ser divididos em dois grupos: valores da demanda tomados em instantes
específicos de tempo, geralmente com igual
Qualitativos (ou baseados no julgamento): são
espaçamento.
métodos que repousam basicamente no
julgamento de pessoas que, de forma direta Uma das técnicas mais conhecida dentro da
ou indireta, tenham condições de opinar classe de modelos causais é a Regressão
sobre a demanda futura, tais como gerentes, linear.
vendedores, clientes, fornecedores, etc.
Na Regressão linear há um relacionamento
Quantitativos (ou Matemáticos): são aqueles funcional entre variáveis correlacionadas,
que utilizam modelos matemáticos para se onde a variável dependente está ligada
chegar aos valores previstos. Permitem somente a uma variável independente.
controle de erro, mas exigem informações (MOREIRA, 2014)Segue abaixo a fórmula da
quantitativas preliminares. Os métodos Regressão Linear:
quantitativos subdividem-se em:

𝑌 = 𝑎 + 𝑏𝑋 (Equação 1)

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


22

Na qual Para se obter os valores de a e b é necessário


fazer uso de um método analítico. O mais
𝑌 = variável dependente;
utilizado dos métodos existentes é o chamado
𝑎 = intersecção no eixo Y; Método dos Mínimos Quadrados ou MMQ. Tal
método se baseia nas seguintes equações
𝑏= inclinação; e
normais:
𝑋 = variável independente.

∑ ⋎= 𝑛𝑎 + 𝑏∑𝑋 (Equação 2)

∑𝑋 ⋎= 𝑎∑𝑋 + 𝑏∑𝑋 2 (Equação 3)

Nota-se que todos os valores presentes nas ∑𝑋 2= somatório do número de períodos t ao


equações normais, exceto a e b, são quadrado.
conhecidos, sendo:
No entanto, obter a Regressão Linear não é o
n= o número de períodos t; bastante para saber se foi possível realizar
uma boa previsão. Para se ter maior
∑ ⋎= somatório das vendas realizadas no
confiabilidade é preciso analisar o Coeficiente
período t.
de Correlação.
∑𝑋= somatório do número de períodos t;
O Coeficiente de Correlação (𝑟) determina a
∑𝑋 ⋎=somatório do produto das vendas pelo relação entre as variáveis dependente e
período t; independente. (BUSSAB, 1998). Pode ser
calculado por meio da seguinte equação.

(Equação 4)

Segundo Moreira (2014) o coeficiente de


correlação pode ser interpretado a partir dos
seguintes intervalos:
Tabela 1-Correlação dos valores r
r Correlação
0 a 0,2 Muito baixa
0,2 a 0,4 Baixa
0,4 a 0,6 Média
0,6 a 0,8 Alta
0,8 a 1,0 Muito Alta
Fonte: Autores (2016)

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


23

Outros indicadores da qualidade da linha de regressão. É a diferença entre a


Regressão Linear são o Erro-Padrão e o demanda real e a previsão. (MOREIRA,2014)
Coeficiente de Determinação.
Pode ser calculado a partir da Equação 5.
O Erro-Padrão 𝑆𝑦 mede a proximidade dos
valores da variável dependente, ao redor da

∑(⋎−Ŷ)²
𝑆𝑦= √ (Equação 5)
n−2

Na qual
𝑆𝑦 = desvio padrão correspondente à área sob a curva normal;
Ŷ= valores previstos para o período t;
⋎= valores reais do período t;
n= o número de períodos t;

O Coeficiente de Determinação pode ser


calculado a partir da Equação 6:

2
∑(Ŷ−Ӯ)
𝐶𝑜𝑒𝑓𝑖𝑐𝑖𝑒𝑛𝑡𝑒 𝑑𝑒 𝑑𝑒𝑡𝑒𝑟𝑚𝑖𝑛𝑎çã𝑜 = 𝑜𝑢 𝑟 2 (Equação 6)
∑(⋎−Ӯ)2

Onde:
Ӯ = média dos valores reais da demanda;
Ŷ= valores previstos da demanda para o período t;
⋎= valores reais da demanda do período t;

Uma série temporal é uma sequência de O método da média móvel simples é utilizado
observações da demanda ao longo do tempo. para estimar a média de uma série temporal.
Em geral, as observações são espaçadas É um método eficiente quando a demanda é
igualmente (dias, semanas, meses, trimestres, estacionária, ou seja, quando ela varia em
anos etc.) A hipótese básica no uso de séries torno de um valor médio. (MOREIRA, 2014)
temporais é a de que os valores futuros das
Calcula-se a média para os n períodos de
séries podem ser estimados com base nos
tempo mais recentes, como mostrado na
valores passados. (MOREIRA, 2014)
Equação 7:

𝐷𝑡 +𝐷𝑡−1 +𝐷𝑡−2 +⋯+𝐷𝑡−2 +𝐷𝑡−𝑛+1


𝐹𝑡+1= (Equação 7)
𝑛
Na qual
𝐷𝑡 = Demanda real no período t;
n= número total de períodos;
𝐹𝑡+1= Previsão para o período t+1.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


24

Assim como na Regressão Linear, é Simples. O Desvio Absoluto Médio (MAD), o


necessário fazer alguns cálculos estatísticos Erro Médio Quadrático (MSE) e o Sinal de
para verificar a precisão e exatidão da Monitoramento são alguns indicadores que
previsão encontrada pela Média Móvel testam a confiabilidade das previsões.

∑ ⃒⋎−𝐷⃒
𝑀𝐴𝐷 = (Equação 8)
𝑛
∑(⋎−𝐷)²
𝑀𝑆𝐸 = (Equação 9)
𝑛−1

∑ ⃒⋎−𝐷⃒
𝑆𝑖𝑛𝑎𝑙 𝑑𝑒 𝑀𝑜𝑛𝑖𝑡𝑜𝑟𝑎𝑚𝑒𝑛𝑡𝑜 = (Equação 10)
𝑀𝐴𝐷

Onde:
n= o número de períodos t;
⋎=demanda real;
D= demanda prevista.

3 MATERIAIS E MÉTODOS são tomados como se constituíssem um


retrato real de toda a população alvo da
O presente trabalho foi realizado em um
pesquisa. A pesquisa quantitativa se centra
laticínio de pequeno porte situado na cidade
na objetividade. Influenciada pelo positivismo,
de Passa Tempo na região centro-oeste de
considera que a realidade só pode ser
Minas Gerais. Trata-se de um estudo de caso
compreendida com base na análise de dados
pautado em uma pesquisa quantitativa onde
brutos, recolhidos com o auxilio de
objetiva-se quantificar e medir informações.
instrumentos padronizados e neutros. A
De acordo com Fonseca (2002): pesquisa quantitativa recorre à linguagem
matemática para descrever as causas de um
Diferentemente da pesquisa qualitativa, os
fenômeno, as relações entre as variáveis, etc.
resultados da pesquisa quantitativa podem
ser quantificados. Como as amostras A metodologia utilizada neste trabalho segue
geralmente são grandes e consideradas as etapas seguintes:
representativas da população, os resultados

Figura 2- Passos para realizar a previsão de demanda

Fonte: Autores (2016)

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


25

Primeiramente foram definidos os objetivos


geral e específico para realização da coleta e
4 RESULTADOS E DISCUSSÃO
análise dos dados.
O objetivo do trabalho consiste em realizar
Posteriormente foi possível coletar os dados
previsões de vendas para três produtos de
relacionados a cada produto e assim
um laticínio. A partir da verificação das
identificar as técnicas de previsão que melhor
vendas dos produtos da empresa durante o
se ajustam a eles. Os dados foram coletados
período de Junho de 2015 a Junho de 2016
no período de 17 a 19 de Junho de 2016, em
pôde-se selecionar três produtos com fases
visitas agendadas com os responsáveis pelo
do ciclo de vida distintas.
setor da produção.
O primeiro produto selecionado é o iogurte de
Em seguida, selecionou-se a técnica de
morango. Com base nos dados analisados
previsão quantitativa para realização deste
acredita-se que ele está na fase de
estudo.
crescimento, uma vez que o mesmo
Por fim, através de modelos matemáticos apresenta um comportamento de vendas
adequados foi possível calcular as previsões crescente. O gráfico abaixo apresenta as
de demanda para cada produto e realizar vendas do produto.
uma análise crítica sobre os valores
encontrados.

Gráfico 1- Venda do iogurte de morango

Optou-se pelo uso do método de Regressão relacionados à venda do produto foi possível
Linear Simples e a partir dos dados se obter a equação 11.

Y = 581,92 + 21X (Equação 11)

Os valores dos Coeficientes de Correlação (r),


Determinação (r²) e o Erro Padrão (Sy) são
apresentados na tabela abaixo:

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


26

Tabela 2- Coeficientes de Correlação, Determinação e Erro Padrão


Indicadores Valores
R 0,83
r² 0,67
Sy 170
Fonte: Autores (2016)

Com o uso da Equação 11 foi possível obter seguinte. Tais valores são apresentados na
previsões mensais de vendas para o ano tabela a seguir.

Tabela 3-Previsão de Demanda para o iogurte de morango


Mês Limite Superior Valor Central Limite Inferior
jul/16 752 582 412
ago/16 773 603 433
set/16 794 624 454
out/16 815 645 475
nov/16 836 666 496
dez/16 857 687 517
jan/17 878 708 538
fev/17 899 729 559
mar/17 920 750 580
abr/17 941 771 601
mai/17 962 792 622
jun/17 983 813 643
jul/17 1004 834 664
Fonte: Autores (2016)

Para este produto que se encontra na fase de O segundo produto analisado foi o iogurte de
crescimento, o método de Regressão Linear salada de frutas. Por ser um produto que foi
se mostrou satisfatório e adequado. Esta introduzido no mercado há pouco tempo e
satisfação ao modelo pode ser comprovada apresentar lento crescimento de vendas
por meio da análise do Coeficiente de acredita-se que ele está na fase de
Correlação, que apresentou um valor entre 0,8 introdução. Suas vendas podem ser
a 1 indicando uma correlação muito alta das observadas através do gráfico a seguir.
variáveis.
Para se ter uma melhor estimativa calculou-se
os limites inferior e superior da previsão de
demanda.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


27

Gráfico 2-Vendas do iogurte de salada de frutas

Fonte: Autores (2016

Para estimar a previsão de venda para este Regressão Linear Simples. De acordo com
produto também foi utilizado o método de esse método obteve-se a equação 12:

𝑌 = 40,25 + 14,51𝑋 (Equação 12)

Os valores dos Coeficientes de Correlação (r),


Determinação (r²) e o Erro Padrão (Sy) são
apresentados na tabela abaixo:

Tabela 4-Coeficientes de correlação, determinação e erro padrão


Indicadores Valores
R 0,84
r² 0,71
Sy 108
Fonte: Autores (2016)

Fazendo projeções mensais de vendas, Regressão Linear Simples, pois mesmo que o
obteve-se a relação dos resultados ta Tabela crescimento das vendas seja lento ele ocorre
5. gradativamente. A eficiência dos dados pode
ser comprovada devido à alta correlação
De acordo com a análise para utilização de
obtida entre as variáveis.
possíveis métodos verificou-se que o mais
adequado à situação é o método de

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


28

Tabela 5- Previsão de demanda para o iogurte de salada de frutas


Mês Limite Superior Limite Central Limite Inferior
jul/16 149 41 -67
ago/16 163 55 -53
set/16 178 70 -38
out/16 192 84 -24
nov/16 207 99 -9
dez/16 221 113 5
jan/17 236 128 20
fev/17 250 142 34
mar/17 265 157 49
abr/17 279 171 63
mai/17 294 186 78
jun/17 308 200 92
jul/17 323 215 107
Fonte: Autores (2016)

O terceiro produto analisado, é o Leite comportamento de suas vendas que se


Pasteurizado. Acredita-se que este produto apresentam de forma estacionária, como
esteja na fase de maturidade, devido ao pode ser observado no gráfico abaixo:

Gráfico 3- Variação das vendas do leite pasteurizado

Fonte: Autores (2016)

Para realização dos cálculos de previsão de Os dados coletados são referentes ao período
demanda do leite pasteurizado, optou-se por entre julho de 2015 a junho de 2016.
utilizar o Método Estatístico da Média móvel
Calculou-se a previsão de demanda
Simples, pois trata-se de um método eficiente
utilizando-se os valores n=2, n=3, n=4 e n=5,
quando a demanda é estacionária, ou seja,
conforme apresentado no gráfico seguinte:
quando ela varia em torno de um valor médio.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


29

Gráfico 4-Simulação da Média Móvel Simples

2900

2800
Previsão de Vendas

2700
n=2
2600
n=3
2500
n=4
2400 n=5
2300

2200
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10

Fonte: Autores (2016)

Através da Simulação da Média Móvel indicadores, os quais podem verificar a


Simples realizada para os determinados acuracidade de técnicas de previsão. Essas
valores de n, pôde-se verificar que os informações são estabelecidas na tabela a
melhores resultados são para n=5. Esse fato seguir:
pode ser comprovado a partir de análises de

Tabela 6-Resultados de indicadores para n=5


Indicador Valor
MAD 107,37
MSE 30853,25
Sinal de Monitoramento 12
Fonte: Autores (2016)

A Média Móvel Simples se mostrou bastante 5 CONCLUSÃO


eficiente, uma vez que os resultados obtidos
Através da realização deste trabalho pôde-se
para previsão de demanda com n=5 não
verificar a importância da aplicação de
sofreram variações significativas em relação à
métodos estatísticos para obtenção da
demanda real.
previsão de demanda e preparação contra
O laticínio em estudo não faz o uso de eventuais acontecimentos, uma vez que
nenhum método estatístico para previsão de alguns fatores como a saturação do mercado
demanda, o que ocasiona a elevação de e o comportamento dos concorrentes podem
custos que podem estar relacionados a comprometer as vendas de uma empresa.
estoques estagnados por um grande período
O presente estudo foi de extrema importância,
de tempo, mão de obra, matéria prima, entre
pois permitiu validar a conformidade dos
outros.
métodos estatísticos utilizados aos produtos
Os métodos analisados para os devidos determinados e principalmente pela
produtos devem ser implementados possibilidade de instruir a empresa a adotar
gradualmente na empresa estudada, já que a esses métodos, já que a mesma não faz o uso
previsão de demanda é de suma importância de nenhuma técnica de previsão.
para um bom planejamento.
Sendo assim, a execução de métodos de
previsão de demanda permite a empresa
melhor se direcionar na sua produção e nas
suas vendas, reduzir seus custos, controlar de
maneira eficiente seus estoques, além de uma
série de outros itens necessários.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


30

REFERÊNCIAS
[1]. BUSSAB, W. Análise de variância e de [7]. LUSTOSA, L. et al. Planejamento e
regressão. S. Paulo: Atual, 1998. Controle da Produção. Rio de Janeiro: Elsevier,
2008.
[2]. FILHO, E.R. Projeto do Produto - Apostila.
8ª Ed. Belo Horizonte: LIDEP/DEP/EE/UFMG, 2006. [8]. MOREIRA, D. A. Administração da
produção e operações. 2. ed. rev. e ampl. São
[3]. FONSECA, J. J. S. Metodologia da
Paulo: Cengage Learning, 2014.
pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002. Apostila.
[9]. RITZMAN, L. P.; KRAJEWSKI, L. J.
[4]. KAIO, R. O que é o Ciclo de Vida do
Administração da produção e operações. São
Produto. Disponível em: <
Paulo: Pearson Prentice Hall, 2008.
http://ramonkayo.com/conceitos-e-metodos/o-que-
e-o-ciclo-de-vida-do-produto-cvp>Acesso em: 24 [10]. VOLLMANN, T.; BERRY, W.; WHyBARK,
jun. 2016. D.; JACOBS, F. Sistemas de planejamento &
controle da produção para o gerenciamento da
[5]. KOTLER, P. Administração de marketing. cadeia de suprimentos. Porto Alegre: Bookman,
São Paulo: Ediouro, 1991.
2006.
[6]. KOTLER, P.; ARMSTRONG, G. Princípios
de Marketing. 12 ed. São Paulo: Prentice-Hall,
2007.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


31

Capítulo 3

Ana Clara Soares Bicalho


Stella Jacyszyn Bachega
Rita de Cássia Pedrosa Santos

Resumo: Um dos principais desafios durante o planejamento operacional de lavra


na mineração é fornecer planos de lavra que sejam exequíveis e que levem em
conta as mudanças operacionais em minas à céu aberto. Planos de lavra com
baixa confiabilidade acarretam a tomada de decisões operacionais, intuitivas,
prejudicando o atendimento das metas de longo prazo. O objetivo deste trabalho é
realizar uma revisão teórico conceitual sobre o tema planejamento operacional em
mina a céu aberto. Foi possível verificar a influência do sistema de despacho dentro
do planejamento operacional de lavra, juntamente com os indicadores de
desempenho utilizados para avaliar os índices de aderência e cumprimento de
lavra, validando, assim, a viabilidade do planejamento operacional de lavra,
juntamente a sua eficiência para suporte na agilidade à tomada de decisões em
minas à céu aberto.

Palavras-chave: planejamento operacional; minas a céu aberto; revisão teórico-


conceitual.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


32

1 INTRODUÇÃO e oscilações no tempo de ciclo, induzindo o


processo a não realização das metas de
O cenário econômico mundial tem se
produção previstas no plano [4].
mostrado cada vez mais competitivo, em
busca de redução de custos, aumento de Durante a rotina operacional das atividades
produção e eficiência, sem comprometer a de lavra é fundamental acompanhar o
qualidade e a segurança nas operações. desempenho das operações realizadas
Nessa perspectiva, a tomada de decisão durante o turno, analisando por meio de
entra como importante fator de auxílio aos indicadores operacionais que medem a
gestores das empresas, seja em âmbito eficiência de um processo. Utiliza ferramentas
financeiro, seja operacional [1]. como gráficos de controle, representando o
perfil de perdas, trazendo informações das
Nesse cenário, as empresas têm buscado
maiores perdas em horas ociosas, ciclo
métodos e técnicas que contribuam para seus
detalhado por equipamento com informações
tomadores de decisão. Com o avanço dos
de tempos de carregamento, manobra,
recursos tecnológicos e a automatização dos
basculamento, velocidade média, distância
processos operacionais houve a necessidade
média de transporte, fator caçamba, dentre
de garantir e mensurar indicadores
outros. Por meio destes dados se monitoram a
operacionais positivos e sustentáveis, por
variabilidade e a estabilidade de um
meio da aplicação de técnicas de
processo, analisando o rendimento
planejamento operacional e gestão do
operacional dos equipamentos. Esta análise é
processo produtivo. Foram desenvolvidos a
alcançada por meio dos indicadores
partir da necessidade de otimizar as
operacionais, como a reconciliação,
operações, vários programas e modelos que
aderência nas lavras, relação estéril/minério,
auxiliam na tomada de decisões na rotina dos
disponibilidade física, utilização dos
trabalhos de alocação de equipamentos, a fim
equipamentos, produtividade, aderência
de melhorar o desempenho dos processos no
econômica, entre outros [5].
setor mineral [2].
No planejamento operacional, pode-se optar
O planejamento de lavra se apresenta como
pelo uso da alocação dinâmica de caminhões
uma das atividades mais importantes para
em minas a céu aberto, visando a redução de
previsão do ritmo produtivo do
ociosidade dos equipamentos de carga das
empreendimento, orçamentos e produção
filas geradas. Neste tipo de alocação há a
detalhada. As operações de lavra consistem
necessidade de se utilizar sistemas de
em metas de produção executáveis e
despacho, devido à complexidade envolvida
compatíveis com a capacidade do sistema.
no processo [5].
Partindo desse ponto, um plano de lavra deve
contar com o auxílio de um sistema de Com base neste contexto o presente trabalho
simulação de operações que são criadas por tem como objetivo realizar uma revisão teórica
meio da alimentação de um banco de dados conceitual sobre o tema planejamento
onde devem ser registrados todos as operacional em minas a céu aberto,
atividades associadas ao ciclo produtivo. E abordando técnicas e estratégias importantes
então, são obtidos indicadores de dentro de um planejamento de lavra, com
produtividade horária das operações de enfoque no sistema de despacho para
carga e transporte, além da disponibilidade e alocação dinâmica de caminhões.
utilização física das frotas, gerando os dados
necessários para a elaboração de um plano
mensal de lavra [3]. 2 METODOLOGIA
Durante a preparação de um plano de lavra, é O presente trabalho utiliza a abordagem de
necessário levar em consideração a oscilação pesquisa qualitativa e o procedimento de
de possíveis ocorrências que influenciam pesquisa teórico-conceitual. A abordagem
diretamente na produtividade horária dos qualitativa foi empregada pela necessidade
equipamentos, como a variação da distância de se manter proximidade com o fenômeno
média de transporte (DMT), tempo de observado. Ainda, deve-se pela forma como
manobra, tempo de carregamento, e outras os dados coletados foram tratados [6,7].
variáveis são desconsideradas. Assim, o
Quanto ao procedimento de pesquisa, na
plano de lavra não considera essas prováveis
pesquisa teórico-conceitual há reflexões
interferências que podem prejudicar sua
baseadas em fato observado ou explicitado
efetividade, como possíveis reduções de DMT
Gestão da Produção em Foco - Volume 19
33

pela literatura. Ainda, há a possibilidade de se e alocação de frota facilitaram e melhoraram o


fazer modelagem e simulação teórica e/ou a desempenho das operações na mineração
reunião de ideias e opiniões de vários autores mundial.
[8]. Neste procedimento é realizado um
Mesmo com as vantagens e ganho em
levantamento bibliográfico para servir como
desempenho nas operações, grande parte
base teórica para um novo estudo e que este
das minas a céu aberto, não existe um
também pode ser conhecido como revisão da
planejamento adequado de acordo com o
literatura. Assim, no presente trabalho utilizou-
porte da operação e tamanho de
se o referido procedimento almejando a pré-
equipamentos de perfuração, escavação,
orientação teórica sobre o tema sistema de
carregamento e transporte. Apenas algumas
despacho em minas a céu aberto [9].
minas conseguem adequar essa relação,
gerando ociosidade nas operações, atraso
operacional, queda na produtividade e
3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA
aumento dos custos variáveis das operações
Nesta seção, são abordadas algumas de lavra. Então, um pequeno erro no
considerações importantes para um dimensionamento dos equipamentos pode
planejamento de lavra em mina a céu aberto e levar a empresa a subestimar os mesmos,
os termos da literatura disponíveis sobre o acarretando uma perda de produtividade e
assunto, como, o crescente uso do sistema de aumento de custos [12].
despacho nas mineradoras e variáveis que
A escolha e a utilização dos equipamentos
interferem no plano de lavra, bem como a
podem tornar a operação de lavra lucrativa ou
importância da análise dos indicadores
se tornar inviável, ou em outros casos tornar
operacionais nesse contexto. Ainda é
uma operação insustentável. Para a escolha
apresentado o processo técnico de
do tipo de equipamentos e sistemas a serem
planejamento de lavra e sua relação direta
utilizados para o manuseio de minério, a
com o cumprimento dos planos de lavra e
média ou longa distância, deve ser analisado
índices de desempenho dos equipamentos.
criteriosamente diversos aspectos que
influenciam diretamente no processo, entre os
quais, capacidade média, distância média de
3.1 PLANEJAMENTO OPERACIONAL DE
transporte, topografia do terreno,
LAVRA
infraestrutura disponível na região,
A busca pelo aumento da produtividade e interferências com o meio ambiente,
pela redução de custos tem sido crescente no sazonalidade, condições climáticas e
setor mineral nos últimos anos, juntamente ao economia de mercado. Um dimensionamento
cenário atual do mercado mundial de bens otimizado da frota de equipamentos de lavra
minerais, que favorece e impulsiona o tem-se grande importância, já que os custos
desenvolvimento e aprimoramento de envolvidos, de capital ou de operação,
ferramentas e métodos que contribuem a constituem aproximadamente uma parcela
tomada de decisão na rotina das atividades considerável dos custos de uma mina [13].
de planejamento e operações na mineração
Tem aumentado recentemente o número de
[10].
estudos de métodos, técnicas e ferramentas
A lavra em mina a céu aberto é considerada para dimensionamento e seleção de
uma atividade de alto custo de investimento, equipamentos. A estimativa da capacidade
fazendo do processo de tomada de decisão de produção através dos indicadores de
uma ação de elevada complexidade devido produção pertinentes a um processo e/ou
às variáveis estocásticas do sistema [11]. operação específica vem sendo muito
Com a demanda crescente das commodities utilizados na indústria mineira, auxiliando na
no mercado e com a intensa industrialização, realização da estimativa e cálculo do
novas tecnologias, sistemas e softwares de dimensionamento da frota necessária para
avaliação de reservas e planejamento de lavra cumprimento de uma determinada meta de
foram desenvolvidos, com contínua produção. Se utilizados de forma correta,
atualização e melhoria de desempenho para estes indicadores de produção, podem
as operações monitoradas. Inúmeros estimar e relacionar, juntamente com o
softwares de planejamento de lavra, sistema de despacho, diferentes cenários de
algoritmos de otimização de cava, avaliação produção e custos e selecionar aquela opção
geoestatística de depósitos, dimensionamento

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


34

que potencialize os resultados da empresa de equipamento possível; iv) movimentar


[13]. material com a menor quantidade de
operador possível; v) movimentar material
Diante disto, a estimativa da capacidade
com o menor tempo possível.
produtiva com o uso de indicadores de
produção é um método simplificado onde A finalidade do planejamento de lavra é
representa o desempenho das operações de decidir e identificar quando e onde devem
lavra, possibilitando uma avaliação de começar as operações de lavra minério ou
diversos cenários com diferentes tipos e estéril. O planejamento de lavra deve
portes de equipamentos de transporte, a fim determinar o ritmo produtivo do
de analisar a viabilidade operacional do empreendimento mineral assim como a escala
sistema de carregamento e transporte, de produção, salientando a oscilação de
tornando o processo de tomada de decisão ocorrências que interferem na produtividade
sustentado à veracidade da operação, como disponibilidade física, utilização dos
reduzindo os custos operacionais [10]. equipamentos, distância média de transporte,
carregamento, descarregamento, tempo de
Diversas mineradoras segmentam o
manobra etc. [17].
planejamento de lavra em longo prazo, curto
prazo e sequência da produção. Não há uma Dentro do planejamento de lavra, é enfatizado
definição formal para o planejamento de longo a importância de se planejar, estudar e
prazo. É comum o longo prazo dar ênfase a executar cuidadosamente a lavra a céu
toda a vida de uma mina ou a maior parte aberto, minimizando assim o custo unitário
dela. O planejamento de curto prazo descreve [14, 16].
uma sequência de lavra que determina o que
Dentro do planejamento de lavra devem ser
será lavrado mensalmente. A sequência de
considerados alguns fatores principais [14]: i)
produção é geralmente usada na produção
naturais e geológicos como a topografia; ii)
horária, turno a turno, ou seja, para períodos
características metalúrgicas; iii) teores do
menores que um mês. Portanto, no
minério, clima, ambiente; iv) econômicos
sequenciamento de produção o minério
como massa e teor do minério, custo
lavrado é destinado a diferentes plantas para
operacional e investimento, taxa de produção,
diferentes produtos [14].
relação estéril minério; v) tecnológicos como o
Algumas pesquisas tratam o planejamento limite da cava, altura e ângulos de taludes,
longo prazo como um processo para se equipamentos.
determinar o melhor projeto ou
sequenciamento de lavra. Quando um plano
de lavra é elaborado espera-se que ele seja 3.2 DESAFIOS DURANTE O PLANEJAMENTO
executado pela equipe de operação, pois o DE LAVRA
plano não executado pode prejudicar a
O setor mineral ainda está se recuperando de
estratégia de longo prazo definida pelo
um conjunto de fatores críticos no mercado
planejamento. O planejamento de longo prazo
financeiro após o pico de commodities em
tem como objetivo determinar as reservas,
2011. Um cenário com condições voláteis de
elaborar o sequenciamento de lavra até a
mercado, junto à escassez de recursos e
cava final, maximizando o retorno financeiro e
legislações ambientais, com esses desafios
a vida útil da mina [15].
enfrentados pela indústria de mineração
O planejamento de médio prazo tem como forçou as mineradoras a repensar sua
função dividir os planos do longo prazo em maneira de operar [18,19].
planos anuais, em geral os próximos cinco
Foram analisados alguns dos principais
anos [15]. O planejamento curto prazo integra
desafios com os quais a indústria de
os aspectos operacionais a começar dos
mineração está lidando, como a volatilidade
planos de longo prazo de forma semestral,
da economia de mercado, a escassez e
trimestral, mensal e semanal [3, 15].
qualidade dos recursos, a escassez e
São consideradas algumas regras básicas de qualidade de mão de obra, e regulamento e
movimentação de mina importante no legislação de recursos [19].
planejamento de lavra [16]: i) movimentar a
Quanto a volatilidade da Economia de
quantidade mínima de material; ii) movimentar
Mercado boom global de commodities no
material por uma menor distância possível; iii)
início dos anos 2000 foi impulsionado
movimentar material com a menor quantidade
principalmente pela rápida expansão da
Gestão da Produção em Foco - Volume 19
35

economia chinesa. No entanto, como a aumentando os custos de retenção de


economia chinesa se afastou gradualmente talentos existentes [19].
da manufatura intensiva em recursos, houve
Quanto ao regulamento e legislação de
uma desaceleração no crescimento da
recursos, o nacionalismo de recursos refere-
demanda e consequente queda nos preços
se às políticas e regulamentações impostas
das commodities e nos lucros da mineração.
pelo governo de um país para maximizar os
O aumento na demanda por metais e minerais
benefícios obtidos com os recursos naturais
durante a primeira década do século
de um país, em detrimento de empresas
encorajou investimentos maciços de capital
privadas. No setor de mineração, isso pode
para aumentar os volumes de produção. Uma
variar de impostos crescentes, taxas de
proporção significativa de projetos iniciados
permissão, impostos de exportação etc.
durante os anos de expansão não atingiu a
Embora esse não seja um fenômeno novo
capacidade de produção até que os preços
enfrentado pelo setor de mineração, ele vem
caíssem. As mudanças nas condições de
aumentando devido à desaceleração
mercado e o lento crescimento da demanda
econômica nos últimos anos [19].
resultaram em um forte declínio nos lucros do
setor de mineração [19]. As empresas de mineração também estão
sujeitas a requisitos regulamentares mais
No que tange a escassez e qualidade dos
rigorosos e mais dispendiosos em todas as
recursos, um dos principais desafios que a
áreas de operações. À medida que
indústria de mineração enfrenta atualmente é
comunidades e grupos sociais continuam a
a escassez de depósitos de minério de alta
levantar preocupações sobre o impacto
qualidade e novos depósitos existem
ambiental das operações de extração e
principalmente em áreas remotas e de difícil
processamento, ganhar uma licença social
acesso, com uma relação alta estéril minério
para operar aumenta ainda mais os custos
(REM). Consequentemente, os custos, prazos
para as empresas [19].
e riscos associados ao desenvolvimento e
operação de novas minas tem aumentado Ao redor do mundo, especialmente no Brasil,
bastante. Muitas minas existentes estão sendo não é possível conduzir novos projetos de
forçada a otimizar as operações e ter mais mineração nos mesmos moldes praticados a
rapidez nas tomadas de decisões frente as 30 ou 40 anos atrás. Minas de classe mundial,
mudanças, devido a extração de teores de voltadas para o mercado internacional, devem
minério mais baixos e maiores distâncias de obrigatoriamente atender a uma série de
transporte (DMT). À medida que os teores de procedimentos de qualidade, segurança,
minério diminuem, os custos de produção governança, eficiência das operações,
para cada tonelada aumentam reserva e recursos minerais. Projetos de
significativamente. De acordo com um mineração compatíveis com as respectivas
relatório do Fórum Econômico Mundial em operações e planos de lavra aderentes e
2017, o custo médio de produção de cobre exequíveis no âmbito técnico e econômico
aumentou em mais de 300% nos últimos 15 permeiam toda a cadeia de valor. Dessa
anos, enquanto o preço caiu 30% [19]. forma um aspecto básico das cadeias de
valor é o acompanhamento e análise de
A escassez de mão-de-obra tecnicamente
controle dos custos, tanto de capital quanto
qualificada (incluindo projetistas, geólogos e
operacionais [20].
engenheiros de minas) é uma das
preocupações da indústria de mineração. O efetivo controle na geração e gestão dos
Uma alta porcentagem de pessoas dados operacionais, associado ao banco de
experientes na área e com muitos anos de dados geológico, topográfico e de processos
empresa estão envelhecendo e saindo do faz parte do chamado big data, big data é um
mercado. E embora os trabalhadores termo utilizado para definir grandes e
experientes possam ter alto conhecimento na complexos conjuntos de dados gerados, a
área, eles se sentem menos confortáveis em mineração de dados e big data estão sendo
adaptar-se às inovações digitais e ao trabalho usadas para auxiliar nas tomadas de
colaborativo. A escassez de trabalhadores decisões baseado em dados. objetivo é
qualificados para assumir trabalhos de extrair dados e transformá-los em informação
mineração complexos pressiona a equipe útil, gerando valor para o negócio. Com a
existente a fazer mais com menos, reduzindo mineração de dados e big data as máquinas
a produtividade dos funcionários e processam dados e as pessoas buscam
soluções para os problemas usando a
Gestão da Produção em Foco - Volume 19
36

informação gerada, e então com este banco devida representatividade dos fundamentais
de dados promove um novo processo de componentes críticos envolvidos (técnicos,
tomada de decisões, e, por consequência, econômicos e operacionais);
exige elevados padrões de confiabilidade
A versatilidade necessária para adaptar as
para os planos de lavra [21].
suas variações;
Sustentado nesta nova dimensão das técnicas
A agilidade de resposta para identificar,
de planejamento de lavra, diante dos projetos
controlar, monitorar e apresentar soluções
de mineração atuais, é indispensável
alternativas, caso estas sejam necessárias,
conhecer os conceitos e inovações na área
independentemente de estarem estas
de planejamento de lavra. Os profissionais
associadas a distinção de valores entre os
empenhados à projetos de mineração, gestão
teores esperados e os teores reais,
de operações mineiras e planejamento de
modificações da escala de produção, ou
lavra carecem de atualização frequente ciente
mesmo oscilações dos preços dos produtos.
que novas práticas vêm sendo implantadas
na indústria com urgência nos últimos anos. Novas tecnologias têm sido amplamente
Empreendimentos de médio e pequeno porte reconhecidas como a chave para alcançar
em médio prazo necessitam implantar novos melhores índices de competitividade na
procedimentos ligados ao planejamento de indústria da mineração, garantindo, entre
lavra [20]. outros benefícios, a redução de custos, além
de ganhos em flexibilidade e produtividade.
Entretanto, o período para a aceitação e
3.3 TÉCNICAS ESTRATÉGICAS NO mesmo a capacidade de identificar e
PLANEJAMENTO DE LAVRA assimilar os benefícios oriundos de novas
tecnologias é significativamente maior na
O princípio do sucesso na gestão de uma
indústria da mineração, em comparação com
empresa de mineração, evidenciada pela
indústrias de outras atividades. Em grande
competitividade presente na economia de
parte, isto se deve à dificuldade de se avaliar
mercado, está vinculada a eficientes métodos
projetos de naturezas tão distintas, que
de auxílio a tomada de decisões estratégicas,
contém índices de incertezas e riscos,
as quais sistematicamente demandam
incomuns em outras atividades industriais
significativos níveis de experiência prática e
[23].
conhecimento científico. De uma maneira
geral, a palavra estratégia implica, em Dentro do processo de planejamento de lavra
processo, criatividade, equipe, flexibilidade e foi sugerido que deve ser desenvolvido
objetivos [22]. segundo o enfoque de três horizontes
distintos [24]:
Os teores e propriedades físicas estão
distribuídas, de uma maneira pouco Planejamento da vida da mina: representa o
consolidada por toda extensão do corpo primeiro passo do processo de planejamento
mineralizado. Isto, frequentemente, dificulta de lavra e visa os seguintes objetivos: definir o
considerações na sua categorização, inventário das reservas lavráveis de minério,
descrição e previsão. A partir de informações segundo os parâmetros econômicos
normalmente escassas, projeções são assumidos; definir a capacidade de produção
realizadas sobre a composição, quantidade e para a vida da mina remanescente; definir os
disposição dos corpos mineralizados. As requisitos de infraestrutura; determinar os
imprecisões e os riscos potenciais desta custos de capital fixos e fornecer informações
conjuntura, precisam ser compreendidas e para tomadas de decisão estratégicas.
suas consequências devem ser
Planejamento de longo prazo: elabora a
cuidadosamente gerenciadas [22]. Se por um
estratégia de lavra e operação, visando os
lado, a tecnologia atual permite que sejam
seguintes objetivos: maximizar o retorno
mais fáceis e rápidas a modelagem geológica
financeiro para os investidores; minimizar o
e a criação de projetos de minas em três
risco para os investidores; e maximizar a vida
dimensões, esta também traz consigo os
útil da mina.
seguintes desafios para a criação de um
adequado planejamento estratégico de lavra Planejamento de curto prazo: define uma
[22]: restrição pelos objetivos do planejamento de
longo prazo, onde se busca que os objetivos
A urgência de elaborar projetos que
traçados no longo prazo possam ser
contenham mecanismos que assegurem a
Gestão da Produção em Foco - Volume 19
37

traduzidos para as bases mensais, semanais abrangentes, o que deve plenamente ser
e diárias. Possui entre os principais objetivos: alcançado a partir de um bem elaborado
o controle de qualidade do material lavrado; o planejamento estratégico da lavra [27].
controle de custos; a utilização de
Com o cenário no setor mineral de ampla
equipamentos e a produtividade operacional.
competitividade e incertezas, a agilidade
Desde a Segunda Guerra Mundial e a partir operacional e a capacidade de adaptação a
da gradual redução das reservas mais mudanças, são reconhecidamente fatores
acessíveis, contendo teores mais altos, a críticos para o sucesso do empreendimento
indústria da mineração vem sendo de mineração. A agilidade e flexibilidade deve
pressionada a ter que trabalhar com reservas ser parte integrante do projeto e planejamento
contendo teores em declínio e com maior de lavra. Possibilidades de melhoria na
complexidade para a sua extração e viabilidade e otimização das operações
beneficiamento [25]. As consequências devem ser avaliadas e planos de
desses desafios têm apresentado três contingências devem ser criados, onde sejam
aspectos da tecnologia mineral, se tornando considerados necessários. A avaliação da
cada vez mais críticos: i) aperfeiçoamento dos flexibilidade operacional nas minas pode ser
métodos de lavra; ii) tecnologia mais eficiente conduzida por meio da comparação de
aplicada na recuperação metalúrgica; iii) cenários diferentes, em que as
planejamento estratégico de lavra mais consequências podem ser medidas para
sofisticado e abrangente. cada cenário específico, fundamentados na
produção da mina e no conjunto de custos
No entanto, o planejamento estratégico de
operacionais de cada cenário [28].
lavra consiste numa atividade que configura
uma complexidade diretamente proporcional
à sua importância, ou seja, advogam que um
3.4 TOMADA DE DECISÃO
estudo amplo do planejamento de lavra
abrange diversas questões e restrições [26]. Um processo de decisão envolve a escolha
Dentre estas, podemos relacionar: i) entre, no mínimo, duas alternativas para a
restrições da capacidade da usina de solução de um problema que terá
beneficiamento; ii) restrições geotécnicas; iii) consequências para o futuro, podendo ser:
restrições ambientais; iv) múltiplos destinos, imediato, de curto prazo, longo prazo ou a
com capacidades, taxas de produção e combinação entre as anteriores. Para a
custos operacionais distintos; v) restrições de tomada de decisão, a análise de cenários se
acessos e equipamentos; vi) pilhas de faz necessária para avaliação de alternativas
estocagem para acomodar múltiplos possíveis de serem implementadas de acordo
materiais; vii) preços variáveis dos produtos; com diferentes estratégias envolvidas na
viii) questões de mistura do material a ser decorrência de sua aplicação. Como a
lavrado, de modo a alcançar o teor objetivo elaboração de estratégias é, em sua
para a alimentação da usina de essência, um processo que envolve
beneficiamento; ix) incertezas na composição consequências em várias áreas, elas devem
e quantidade do corpo mineralizado; x) ser avaliadas em diferentes e complexas
variações dos preços dos produtos, entre áreas, tais como: tecnologias, humanas,
outros. sociais, econômicas, jurídicas, políticas e
institucionais, que muitas vezes tratam de
A estimativa de lucro potencial de um
fatores tanto qualitativos (que dependem do
investimento proposto para um projeto de
julgamento do tomador de decisão) quanto
mineração, particularmente no
quantitativos (que podem ser expressos em
desenvolvimento de novos depósitos, vem
unidades de medida monetária, peso, volume,
gradualmente recebendo maior atenção por
entre outros) [29].
parte de investidores e acionistas. Deve-se se
atentar que este tipo de empreendimento Após as etapas de dimensionamento da frota
demanda o comprometimento irreversível de necessária para movimentação da massa
considerável montante de capital, um planejada a cada ano, estimativa dos custos
julgamento pouco aprofundado pode conduzir operacionais e estratificação destes para
a uma grande perda financeira. Como melhor análise e comparativo dos cenários,
consequência disso, os investidores buscam cabe ao tomador de decisão a escolha do
projetos que contenham estimativas de cenário mais economicamente viável,
ganhos e riscos melhor elaboradas e mais considerando e ponderando os riscos de

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


38

cada alternativa, como mudanças no cenário que com essa tática proporciona uma maior
externo, possíveis perdas de produção no produtividade da frota e tomada de decisão
período de transição entre um processo e de forma mais rápida e eficaz. Com o
outro, erros de planejamento que possam aumento de produtividade pode resultar em
acarretar aumento dos custos de produção, um aumento na produção da mina ou até
entre outros. É de extrema importância mesmo influenciar no dimensionamento da
identificar, mensurar e analisar todos os riscos frota. Com um sistema de despacho eficiente,
envolvidos na mudança de qualquer processo junto a uma equipe de controle empenhada
produtivo, para que se possam tomar as em utilizar o recurso nas frotas de
devidas ações mitigadoras [29]. equipamento pode se obter ótimos resultados
relacionados a otimização das operações da
mina. Esse método fornece o número de
3.5 SISTEMA DE DESPACHO viagens e a produtividade efetiva por
equipamento, em diferentes frente de
O transporte de minério é uma das atividades
carregamento, através de um sistema de
mais importantes na operação de minas a céu
comunicação entre os equipamentos da mina
aberto [30]. As operações de transporte
e uma central de comandos, onde são
implicam grande investimento de capital e
contabilizadas as ocorrências apontadas pelo
recursos [31]. O minério é transportado da
próprio operador do equipamento no decorrer
mina até a britagem, e o estéril para os
da operação. Para que o sistema de
depósitos de estéril. O foco principal é
despacho seja eficiente é importante realizar
otimizar essas operações de modo a
treinamentos com a equipe envolvida antes
minimizar os custos de deslocamento, como
da implantação, salientando a importância da
consumo de diesel, manutenção de
colaboração de todos para o funcionamento
equipamentos, uma vez que o custo está
eficiente do sistema, gerando as informações
associado à distância média de transporte do
com precisão e confiabilidade, otimizando as
local de origem do material, as figuras (frentes
operações da mina em tempo real [35].
de lavra) demarcadas para lavrar e seu
destino final [32].
São utilizados os seguintes critérios no 3.6 INDICADORES DE DESEMPENHO
transporte de material por caminhões em
Indicador é o resultado de uma ou mais
minas a céu aberto: alocação estática e
medidas, tornando possível avaliar a evolução
alocação dinâmica. Na alocação estática, os
das operações a começar dos limites
equipamentos de transporte têm uma
estabelecidos. Diversos indicadores são
trajetória fixa entre um ponto de carga e outro
necessários para conseguir avaliar o
de descarga, ou seja, dessa forma ficam fixos
desempenho global ou atividade de uma
a esses dois pontos no decorrer de dado empresa, pois o indicador a ser analisado
período de tempo. Retratando agora a representa uma parte da empresa [36].
alocação dinâmica, os equipamentos de Algumas pesquisas enfatizam a importância
transporte não ficam alocados a um mesmo dos indicadores de desempenho, define
trajeto; dessa forma, caso aconteça alguma como um agrupamento de medidas que gera
mudança na operação alterando o ponto de informações a respeito do desempenho de
carga e descarga, o caminhão é colocado processos e produtos, contribuindo na
rapidamente para a nova rota Souza [33]. tomada de decisões. No entanto, a escolha
Ainda, a alocação estática é um método muito dos indicadores a serem utilizados deve ser
utilizado nas minerações de pequeno e médio feita com atenção, pois são fundamentais
porte devido a não ter a necessidade da para avaliar o desempenho do processo [37].
implantação de um sistema automático de Estudos ressaltam a importância de se
alocação, divulgado atualmente como sistema monitorar o desempenho de uma empresa por
de despacho. Este recurso, entretanto, meio dos indicadores de desempenho, com a
acarreta uma perda de produtividade devido função de medir os resultados, para posterior
à demora na tomada de decisão no decorrer comparação das metas aos possíveis desvios
das mudanças na operação, gerando filas de de performance [38]. É contínua a
caminhões nas praças de carregamento e necessidade de gerir informações de
ociosidade dos equipamentos de carga [34]. performance e ainda serem capazes de
O ganho com o uso do método da alocação realizarem o monitoramento. Tem sido
dinâmica de equipamentos de transporte é crescente a uso de indicadores, elemento
Gestão da Produção em Foco - Volume 19
39

essencial para analisar novos indicadores [50]. A sigla KPI tem origem no
comportamentos de gestão e deve-se idioma inglês, mas está popularizada na
reconhecer que falar de desempenho refere- mineração brasileira [45]. São os mais
se a uma medição e utilização de indicadores importantes indicadores definidos por uma
[39]. Os mesmos auxiliam a gestão pela empresa [38].
qualidade total como uma forma, não como
Os KPI não devem ser alterados com
um meio e através deles pode-se acompanhar
frequência. Qualquer mudança ocorrerá
os resultados alcançados no processo [40-
quando a empresa está se aproximando da
41]. O passo inicial para se obter a excelência
realização da meta ou quando forem
é determinar um sistema de análise com base
alterados os seus objetivos. Todos os
em indicadores de desempenho [42].
resultados dos KPI são comparados às metas
Dentro dos indicadores de performance, são e daí calculam-se as variações e os
citados quatro tipos [43]: i) indicador chave resultados visualizados em gráficos. Estes
de resultado (key result indicator - KRI); ii) devem ser de fácil acesso aos funcionários da
Indicador de resultado (result indicator - RI); empresa divulgando semanalmente ou
iii) Indicador de performance (performance mensalmente [47].
indicator - PI); iv) Indicador chave de
Algumas unidades da mineradora Vale em
performance (key performance indicator -
Minas Gerais monitoram os indicadores de
KPI).
performance em áreas como manutenção de
Uma avaliação, programa ou plano de equipamentos, planejamento de lavra,
operação pode ser considerado um indicador. beneficiamento de minério, saúde e
Ao escolhê-lo devem-se comparar os segurança, operação de mina entre outras
resultados realizados com os programados ou áreas [52]. Estes são classificados em KPI e
previstos e medir o desvio. Os indicadores PI de acordo com a sua relevância. PI é uma
são porcentagem de cumprimento real e medida importante de gestão, mas não é
porcentagem do desvio [44]. As chave para o negócio, sendo um
características de um indicador devem ser: i) complemento para o KPI. As unidades de
fácil identificação; ii) medição do que é ferrosos próximas a Belo Horizonte controlam
importante; iii) fácil compreensão [41,44]. diversos tipos de indicadores que são
separados por itens de controles e variáveis,
Estudos ressaltam a necessidade de
estes sendo KPI ou PI [52]. Os controles feitos
determinar quais os indicadores de
pela área de manutenção de equipamentos
desempenho permitem medir a performance
são disponibilizados em painéis de
para o propósito da empresa, por referência
indicadores operacionais e cada KPI ou PI
de como está a gestão dos meios necessários
com a sua meta.
para atingir esse objetivo [41,44]. Importante
que os empregados sejam treinados e tenham Os KPI e PI são divididos por tipos de
conhecimento de todos os indicadores de indicadores [52]:
desempenho utilizados na empresa [40].
Operação (Disponibilidade física - DF): DF é o
quociente entre a soma das horas trabalhadas
e as horas paradas sobre o total de horas - de
3.7 INDICADORES CHAVE DE DESEMPENHO
equipamentos de carregamento, perfuração,
(KPI)
transporte e infraestrutura por equipamento.
Os Indicadores chave de desempenho (KPI) Esta medida é apresentada em porcentagem.
são definidos como uma associação de
Operação (Massa produzida de minério e
medidas que sucedem sobre as variáveis do
movimentação total de mina em um mês): A
desempenho organizacional, que são os mais
medida é apresentada em toneladas. Esse
preocupantes para o êxito atual e futuro de
controle afeta na remuneração variável.
uma empresa [43]. São variáveis métricas que
devem viabilizar a conferência de melhorias São ressaltados outros controles com
nos processos por meio de medidas do indicadores de desempenho feitos pela
desempenho no decorrer de processo, mineradora Vale em diversas áreas [52]:
analisando os objetivos da empresa, alguns
Planejamento de lavra (Aderência ao plano
autores salientam esses indicadores como
anual, IA e IC; aderência ao plano mensal, IA
taxas, proporções, porcentagens ou médias,
e IC; minério liberado): medidas apresentadas
nunca são como somente números [45-48].
KPI é um conceito que se retrata nos
Gestão da Produção em Foco - Volume 19
40

em porcentagem para as aderências e mês de blendagem, porém com grande potencial


para o minério liberado. para aplicações na programação da
produção e no sequenciamento de lavra [57].
Mina (movimentação total de mina; relação
estéril minério -REM; distância média de Com um cenário de uma operação diária de
transporte - DMT): medidas apresentadas em lavra, tem-se as informações referentes a
tonelada para a movimentação, tonelada por quantidade de rotas possíveis que os
tonelada para a REM e quilômetro para a caminhões podem seguir para as várias áreas
DMT. de carregamento e depósito. Foi apresentado
um sistema computadorizado de despacho
Usina (massa produzida no beneficiamento
que analisa as necessidades de alteração e
tanto da mina quanto da barragem;
rearranjo das rotas com o objetivo de otimizar
recuperação em massa; compra de minério):
a produção. Esse sistema considera o tempo
medidas apresentadas em tonelada para a
de ciclo num sistema de alocação estática
massa produzida e compra de minério e
como a soma de: tempo de viagem do
porcentagem para a recuperação.
caminhão carregado, tempo de descarga,
Transporte (massa expedida): medida tempo de viagem do caminhão descarregado
apresentada em tonelada. e tempo de carregamento do caminhão.
Assim, a quantidade de caminhões
necessários é dada pela divisão do tempo de
3.8 APLICAÇÃO DO SISTEMA DE ciclo pelo tempo de carregamento do
DESPACHO caminhão, evitando assim horas de atraso
operacional e filas de espera [54].
Nesta seção será apresentada uma discussão
sobre o uso do sistema de despacho, Alguns autores discorrem sobre os aspectos
comentado ao longo do trabalho. Será dos sistemas de despacho computadorizados
abordada a aplicação dos sistemas de em minas com objetivos de operação
despacho usados em minas à céu aberto, sincrônica, ou seja, que almejam resolver,
suas bases e procedimentos para simultaneamente, o problema da
implantação na operação em mina à céu produtividade da frota de equipamentos.
aberto, bem como os principais algoritmos Seguindo a linha de abordagem desses
dentro do sistema despacho. autores, a aplicação da programação linear
em sistemas de despacho é mais adequada
Os cálculos internos computadorizados nos
quando a densidade é moderadamente
sistemas de despacho abrangem
constante para qualquer tipo de material e
programação linear, um método matemático
todos os caminhões têm a mesma
usado para solucionar uma variedade de
capacidade. Relataram sobre um modelo
problemas em várias áreas [54].
baseado em dois passos – programação
A área de aplicação de programação linear linear e programação dinâmica –
com êxito na mineração, tem sido nos implementado para controlar as operações no
desafios de blendagem/produção. Sugerem planejamento operacional [58].
que a partir do momento que a técnica de
No despacho a otimização por programação
blendagem for usada em uma mina, deve-se
linear é dividida em duas partes: a primeira
modelar matematicamente a situação com
soluciona o problema de otimização geral,
frequência para garantir a blendagem ótima
enquanto que a segunda potencializa a
[55]. Diversos autores vêm sugerindo
produção. Já a programação dinâmica segue
algoritmos/metodologias para sistemas de
o Princípio da Otimalidade de Bellman’s,
despacho/controle de caminhões objetivando
envolve, no caso de despacho de
à otimização da produção nas minerações
caminhões/escavadeiras, alocações ótimas
[54-69].
de todos os caminhões que aguardam a ação
Foi apresentado um modelo de programação de serem direcionados para uma
linear com intuito de otimizar a subsequência escavadeira, atendendo ao ótimo previamente
das operações em mina a céu aberto. Os definido rotas selecionadas [58].
autores afirmam que a programação linear
Sugeriram em pesquisas uma metodologia
tem sido usada para solucionar diversos
para solucionar o problema de despacho
problemas na mineração. A maioria das
constituída em três fases: a primeira fase –
aplicações com êxito na indústria da
escolha do equipamento – envolve a seleção
mineração pode ser observada em problemas
da localização dos equipamento de carga,
Gestão da Produção em Foco - Volume 19
41

escavadeira; a segunda – planejamento linear clássica onde usaram função-objetivo


operacional – estabelece uma estratégia secundária para reduzir a soma dos desvios
ótima (um plano de produção), para um certo absolutos das medidas individuais de
período de tempo, solucionando um problema qualidade, bem como das tonelagens, quanto
de rede com custos não-lineares associados a um conjunto de objetivos [55].
ao tempo de espera de caminhões e
Outros autores aplicaram um sistema de
equipamentos de carga e aos objetivos de
alocação dinâmica de caminhões objetivando
qualidade, com a solução deste problema
minimizar a variabilidade dos teores dos
proporciona a especificação dos
minérios produzidos, viabilizando ganhos de
equipamentos de carga e trajeto dos
produtividade no sistema de transporte da
caminhões; e a última fase – despacho –aloca
Mina do Pico do Itabirito. A atenção com a
cada caminhão, em tempo real, resolvendo
qualidade é fundamental nesta mina, devido à
um problema de atribuição [59].
complexidade geológica da reserva da
Aplicaram a Heurística de Busca Tabu para mesma [61].
solucionar um problema de despacho
Foi criado um método que pode ser marcado
dinâmico de caminhões com diversas opções
como um exemplo de teste de utilização dos
de origens e destinos. Retrataram sobre um
dois critérios de despacho (qualidade e
algoritmo composto por duas fases para a
produtividade), porém, não leva em
aplicação em um problema real nas rotas dos
consideração as políticas simultaneamente.
caminhões durante os carregamentos. Na
Uma condição assumida pelo sistema é que
primeira fase, o algoritmo define a sequência
[61]:
de rotas usando um método de
decomposição. Na segunda, as rotas iniciais a) Em áreas com controle de qualidade: o
são desenvolvidas usando um método de parâmetro de qualidade é um critério de
Busca Tabu, o qual é fundamentado em decisão forte, que desconsidera qualquer
movimentos específicos de introdução e outro. Assim, para essas áreas, o despacho é
extração de arcos em um gráfico do realizado de acordo com a política de
problema, de modo a melhorar as rotas em qualidade. Em caso decisório, o tempo em
cada passo. Os testes realizados fila, um dos fatores ligados diretamente a
expressaram que o algoritmo proporciona, produtividade será considerado como critério
rapidamente, resultados bem próximos do de desempate. Persistindo a dúvida na
ótimo. Os autores indicaram que um dos decisão, o controlador do sistema
pontos positivos deste algoritmo é a determinará– entre tempo de ciclo total,
flexibilidade, possibilitando, entre outras, prioridade de produção e melhor
ações estratégicas como a mudança do ponto equipamento de carregamento para o
de origem de um veículo. Utilizando a mesma caminhão a ser alocado – a sequência de
técnica, é provável adaptar o algoritmo para fatores de desempate.
diferentes cenários. Assim, levando em
b) Em áreas sem controle de qualidade:
consideração as frentes de lavras como as
ignora-se o parâmetro de qualidade, usando
origens e o britador como o destino, o
diretamente o Tempo em Fila. Em caso de
algoritmo pode ser moldado para a definição
empate, o despacho é definido utilizando o
do despacho de caminhões sob a política de
mesmo seguimento de decisão utilizado em
produtividade [60].
áreas com controle de qualidade.
Estudos realizados por alguns autores
Modelos matemáticos foram demonstrados
demonstraram uma formulação conhecida
para o planejamento operacional de lavra de
como “Programação Linear por Metas”, que
mina, baseando a qualidade do minério em
compreende dois critérios de otimização na
cada frente, a relação estéril/minério
função-objetivo: a maximização de um critério
desejada, a produção requerida, as
econômico e a minimização da soma dos
características específicas dos equipamentos
desvios absolutos dos teores e das
de carga e de transporte, e os fatores
tonelagens em relação a suas metas.
operacionais da mina, seus modelos definem
Variáveis de desvio foram utilizadas para
o ritmo de lavra a ser implementado em cada
calcular penalidades ou premiações
frente de lavra, considerando a eventualidade
relacionadas ao não atendimento das
de alocação estática e dinâmica dos
especificações de qualidade. A vantagem
caminhões. Contudo, somente no caso de
desta programação, definida pelo método
alocação estática, em que os caminhões
Simplex, considerada uma programação
Gestão da Produção em Foco - Volume 19
42

atendem sempre à mesma frente, o modelo dois tipos: heuristc rule-driven, que despacha
faz alocação dos caminhões à frente [65]. o caminhão com base em uma regra
heurística; e plan-driven, que despacha o
caminhão com base em programação
Um modelo de programação linear por metas
matemática. Nesse trabalho, também retratam
foi considerado em uma pesquisa, alterando
sobre o sistema comercial “dispatch” [70].
as restrições não-lineares por restrições
lineares equivalentes, de forma a certificar a Fizeram uma pesquisa das principais
confiabilidade da solução gerada [67,55]. estratégias (1-caminhão para n-equipamentos
Esse modelo tem como objetivo resolver o de carga; m-caminhões para 1-equipamento
problema de alocação de equipamento de de carga; e m-caminhões para n-
cargas a frentes de lavra, o qual envolve os equipamentos de carga) utilizadas em
problemas de mistura de minérios e de sistemas de despacho de caminhões em
alocação de equipamentos. Apesar do minas de céu aberto, averiguando as
atendimento das metas de produção vantagens e desvantagens de cada uma [30].
requeridas nos testes desse modelo, pode-se Foi realizado uma avaliação comparativa das
dizer que sua definição consiste, inúmeras metodologias empregadas em tais
principalmente, na política de qualidade [67]. sistemas, determinando as metodologias
baseadas em Programação Linear e Dinâmica
Estudos apresentaram um modelo parecido
e em Heurística [32].
em 2004, porém usado à alocação estática de
caminhões [69]. Este modelo, que também se O sistema “dispatch”, desenvolvido pela
constitui na política de qualidade, teve bons Modular Mining Systems, este é um dos
resultados quanto ao atendimento das metas sistemas de despacho mais eficientes e
de produção e qualidade, nos testes utilizado em diversas minas a céu aberto [70-
realizados, porém com uma pequena redução 72].
de produtividade, apresentando que é
O sistema de despacho, assim como a
possível atingir as metas requeridas e otimizar
Modular Mining Systems, visa maximizar a
as operações de transporte e carregamento
produtividade com os equipamentos
[69].
disponíveis ou minimizar os equipamentos
Foi proposto juntamente com outros autores, necessários para atingir a produção
modelos de programação matemática para o desejada, de forma a minimizar as filas de
problema da blindagem de minério oriundo de caminhões nas carregadeiras e minimizar o
diversas frentes de lavra, com alocação tempo ocioso das carregadeiras (pode-se
dinâmica e estática de caminhões, dizer que define o despacho de acordo com a
objetivando ao atendimento de metas de política de produtividade), além de ajudar a
produção e qualidade, modelou o mesmo atingir os objetivos de blendagem das
problema com uma metodologia de operações. Para isso, o “dispatch” realiza um
otimização baseada na meta heurística despacho dinâmico, com monitoramento
Método de Pesquisa em Vizinhança Variável. constante da seleção da rota e da localização
Por meio desse estudo, mostraram que a e do status do caminhão e da carregadeira
heurística desenvolvida é eficaz ao encontrar [71-73].
soluções finais de qualidade mais
Esse sistema objetiva maximizar a
rapidamente que os métodos baseados em
produtividade com equipamentos disponíveis
programação matemática [69]. Foi realizada
ou minimizar o uso de equipamentos sem
uma revisão acerca das principais
necessidade, otimizando assim as operações
metodologias e estratégias utilizadas em
para atingir a produção orçada, minimizando
sistemas de despacho de caminhões em
filas de caminhões e ociosidade das
minas a céu aberto. Os sistemas
escavadeiras. Utilizando o sistema de
computadorizados de despacho estão em
despacho, o motorista do caminhão solicita
maior utilização, em minas a céu aberto, para
uma alocação no início do trajeto, ao iniciar as
melhorar a utilização e produtividade dos
operações, e o sistema indica quando o
equipamentos [30-34].
caminhão chega e quando ele é carregado,
Elaboraram uma revisão das principais através da apropriação do operador no
estratégias utilizadas em sistemas sistema dentro do seu equipamento [71]. O
computadorizados de despacho, analisando “dispatch” utiliza uma lógica de alocação por
detalhes da formulação matemática de cada programação dinâmica e consiste de três
uma. Dividem os sistemas de despacho em subsistemas: determinação do melhor
Gestão da Produção em Foco - Volume 19
43

caminho para cada mudança na topografia, de mão de obra qualificada além da


“Programação Linear” para cada alteração regulamento e legislação de recursos. Estes
significativa nas variáveis dependentes das desafios provocam nas mineradoras a
condições de tempo, e “Programação necessidade de se aproveitar às
Dinâmica” para alocações em tempo real [73]. oportunidades oferecidas pelas tecnologias
White [74] relatou melhorias em torno de 10% digitais para aumentar a produtividade e
na produtividade das minas que implantaram cortar custos. Sendo assim, a transformação
o sistema “dispatch”. digital tem um papel fundamental na sua
solução destes desafios. Atualmente é
A mineradora Copebrás, da CMOC (Chyna
indispensável conhecer os conceitos e
Molibdenum Corporation), Mina Chapadão,
inovações na área de planejamento de lavra
em Ouvidor (GO), possui 70% dos processos
para justificar projetos, estabelecer padrão de
automatizados e terá 100% até 2019,
segurança, eficiência operacional e
incluindo as áreas de britagem, empilhamento
sustentabilidade.
e concentração. Na outra unidade da CMOC,
na mineradora Niobrás, produtora de nióbio, Uma atividade de extrema importância nas
parte este ano para a implantação e operações mineiras é o transporte de minério,
automação do sistema de despacho. Na mina a qual incide grandes investimentos de capital
de Vazante, teve a moagem e flotação e recursos. O estudo comparativo dos
automatizadas em 2006, a empresa já está sistemas de alocação estático e dinâmico
em fase de validação de um projeto de gestão permite um entendimento de tendências
de ativos e monitoramento dos processos dentro do processo. A alocação estática é um
[74]. método ainda bastante utilizado nas
minerações de pequeno e médio porte devido
a não ter a necessidade da implantação de
4 CONSIDERAÇÕES FINAIS um sistema automático de alocação. No
entanto, acarreta uma perda de produtividade
Diante da competitividade do mercado
devido à demora na tomada de decisão no
econômico a busca por redução de custos e
decorrer das mudanças na operação,
consequente melhoria nos resultados
gerando filas de caminhões nas praças de
operacionais da empresa é uma necessidade
carregamento e, também, ociosidade dos
constante. Mas a preocupação vai além,
equipamentos de carga. Já o método
almejando também aumento de produção e
dinâmico proporciona uma maior
eficiência operacional, não podendo
produtividade da frota e tomada de decisão
comprometer a qualidade e a segurança nas
de forma mais rápida e eficaz. Com o
operações. Sendo assim, novas metodologias
aumento de produtividade pode resultar em
são essenciais para alcançar este objetivo.
um aumento na produção da mina ou até
Com base nisto o presente trabalho cumpriu o
mesmo influenciar no dimensionamento da
objetivo que coube em realizar uma revisão
frota.
teórica conceitual sobre o planejamento
operacional em minas a céu aberto O crescente uso do sistema de despacho nas
abordando as técnicas e estratégias mineradoras e suas variáveis interferem no
importantes para um planejamento de lavra, plano de lavra, bem como a importância da
com enfoque no sistema de despacho, análise dos indicadores operacionais dentro
apontando a importância do conhecimento do do processo. Diante disso a estimativa da
processo e tomada de decisão baseada nos capacidade produtiva com o uso de
índices de performance (KPI). indicadores de produção é um método
simplificado onde representa o desempenho
Este trabalho descreveu pontos importantes
das operações de lavra, possibilitando uma
para um planejamento de lavra em mina a céu
avaliação de diversos cenários com diferentes
aberto e os termos da literatura disponíveis
tipos e portes de equipamentos de transporte,
sobre este assunto, apontando desafios e
a fim de analisar a viabilidade operacional do
apresentando conceitos acessíveis as
sistema de carregamento e transporte,
empresas para torna-las mais competitivas no
tornando o processo de tomada de decisão
mercado.
sustentado à veracidade da operação,
Muitos são os desafios atuais durante o reduzindo os custos operacionais.
planejamento de lavra onde tem-se a
Para trabalhos futuros é importante que sejam
volatilidade da economia de mercado;
feitos os estudos dentro da empresa
escassez e qualidade dos recursos; escassez
Gestão da Produção em Foco - Volume 19
44

aplicando a teoria à prática. O que produtividade e econômicos.


proporciona mensurar os ganhos em

REFERÊNCIAS
[1]. HILLIER, F. S., LIEBERMAN, G. J., (2013) [12]. KOPPE, J., (2007) A lavra e a indústria
Introdução à pesquisa operacional. 9. ed. São mineral no Brasil-estado da arte e tendências
Paulo: McGraw-Hill. tecnológicas. Tendências - Brasil 2015 -
Geociências e Tecnologia Mineral, Parte II -
[2]. RACIA, I.M., (2016) Desenvolvimento de
Tecnologia Mineral, CETEM-Centro de Tecnologia
um modelo de dimensionamento de equipamento Mineral, Rio de Janeiro.
de escavação e de transporte em mineração. Porto
Alegre: Universidade Federal Do Rio Grande Do [13]. SILVA, V. C., (2009) Carregamento e
Sul,2016. transporte de rochas. Escola de Minas da
Universidade Federal de Ouro Preto. Ouro Preto.
[3]. RODOVALHO, E. C.(2013) Aplicação de
Ferramentas de Simulação em Operações Mineiras [14]. HARTMAN, H.L; MUTMANSKY, J.M.,
para Determinação de Índices Operacionais (2002) Introductory Mining Engineering.
Utilizados em Planos de Lavra Adaptados ao John Wiley & Sons.570 pág.
Estudo de Caso da Mineração Casa de Pedra -
[15]. SOUZA, R. A., (2013) Análise e Controle
CSN. 2013. 111 p. Dissertação (Mestrado). Escola
dos Índices de Aderência e Cumprimento para
de Minas, Universidade Federal de Ouro Preto,
Planos de Lavra. 2013. 41 p. Universidade Federal
Ouro Preto.
de Goiás, Catalão.
[4]. MARIN, T., (2009) Impacto da
[16]. WEBER, K. J. (1990) Mine Capital and
Variabilidade Operacional na Execução do Plano
Operating Cost. In: KENNEDY, B. A.. Surface
de Lavra. Escola Politécnica da Universidade de
Mining. 2nd ed. Englewood: SME.
São Paulo, 88 p.
[17]. CÂMARA, T. R., et al., (2014)
[5]. COSTA, F.V., (2015) Análise dos Principais
Reconciliação: Ferramentas de Avaliação do Fator
Indicadores de Desempenho Usados no
Mina / Usina. 8º Congresso Brasileiro de Mina a
Planejamento de Lavra. Departamento de
Céu Aberto / 8º Congresso Brasileiro de Mina
Engenharia de Minas da Escola de Minas da
Subterrânea. Belo Horizonte.
Universidade Federal de Ouro Preto, UFOP, Ouro
Preto. [18]. CAMPOS, V. C., (1992) Controle de
Qualidade Total. Belo Horizonte: FCO.
[6]. BRYMAN, A., (1989) Research methods
and organization studies. London: Uniwin Hyman, [19]. NIJU, B., (2017) Top 4 Challenges Facing
224 p. The Mining Industry Disponível em:
<https://www.rapidbizapps.com/top-4-challenges-
[7]. CRESWELL, J. W., (1994) Research
facing-the-mining-industry/> Acesso em: 06 de
design: qualitative & quantitative approaches.
abril de 2018.
London: Sage.
[20]. RODOVALHO, E.C., (2017) O
[8]. BERTO, R. M. V. S.; NAKANO, D. N.,
protagonismo do planejamento de lavra nos
(2000) Metodologia da pesquisa e a engenharia de
projetos de mineração do século XXI. Disponível
produção. Produção. ano 5. v. 9, nº 2, p. 65-75, jul.
em:< http://www.institutominere.com.br/blog/o-
Disponível em:
protagonismo-do-planejamento-de-lavra-nos-
<http://www.scielo.br/pdf/prod/v9n2/v9n2a05.pdf>.
projetos-de-mineracao> Acesso em: 06 de abril de
Acesso em: 11 nov. 2014.
2018.
[9]. HEERDT, M. L.; LEONEL, V. (2007)
[21]. SANTANA, F., (2017) Mineração de
Metodologia Científica e da Pesquisa: livro
Dados. Disponível em:
didático. 5 ed. Palhoça: UnisulVisual, 266 p.
http://minerandodados.com.br/index.php/2017/02/0
[10]. BORGES,T.C., (2013) Análise Dos Custos 8/oque-big-data-mineracao-de-dados/ Acesso em:
Operacionais De Produção No Dimensionamento 05 de abril de 2018.
de Frotas de Carregamento e Transporte em
[22]. SILVA,N. C. S., (2008) Metodologia de
Mineração. Departamento de Engenharia de Minas
planejamento estratégico de lavra incorporando
da Escola de Minas da Universidade Federal de
riscos e incertezas para a obtenção de resultados
Ouro Preto, UFOP, Ouro Preto.
operacionais. Departamento de Engenharia de
[11]. PINTO, E.B.,(2007) Despacho de Minas e de Petróleo-Escola Politécnica da
caminhões em mineração usando lógica nebulosa, Universidade de São Paulo, São Paulo.
visando ao atendimento simultâneo de políticas
[23]. Dessurealt, S.; Scoble, M.J., (2000) Capital
excludentes. Universidade Federal de Minas
Investment Appraisal for the Integration of New
Gerais, 120 p.
Gestão da Produção em Foco - Volume 19
45

Technology into Mining Systems. In:Trans. Instn concurrent operating objetives. Mining Engineering,
Min. Metall. (Sect.A: Min. technol.), 109p. v. 38, n. 11, p. 1045–1054
[24]. STEFFEN, O., (2005) Planning of Open Pit [36]. FERREIRA, A. B. H., (1986) Novo
Mines.In: Australian Centre for Geomechanics., Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. 2ª ed. Rio
CSIRO, Curtin University and University of Western de Janeiro: Nova Fronteira.
Australia, Austrália.
[37]. LIMA, H. M. R., (2005) Concepção e
[25]. JEREZ, R.; Featherstone, R. & Scheepers, Implementação de Sistema de Indicadores de
L.; Strategic., (2003) Planning Model using Desempenho em Empresas Construtoras de
Mathematical Programming Techniques. In: Empreendimentos Habitacionais de Baixa Renda.
Canadian Institute of Mining, Metallurgy and 2005. 171 p. Universidade Federal do Rio Grande
Petroleum (CIM). do Sul, Porto Alegre.
[26]. GOODWIN, G.C.; SERON, M.M.; [38]. CALDEIRA, J., (2012) Indicadores da
MIDDLETON, R.H.; ZHANG, M.; HENNESSY, B. F.; Gestão: Key Performance Indicators. 1ª ed.
STONE, P.M.; MENABDE, M., (2006) Receding Coimbra: Actual.
Horizon Control Applied to Optimal Mining
Planning. In: Centre for Complex Dynamic Systems [39]. VOYER, P., (2006) Tableaux de Bord de
Gestion: et indicateurs de performance. 2 éd.
and Control, School of Electrical Engineering and
SainteFoy: Université du Québec.
Computer Science, The University of Newcastle,
Callaghan, Australia. [40]. MARTINS, R. A., COSTA NETO, P. L. O.,
(1998) Indicadores de Desempenho para a Gestão
[27]. Mohnot, J.K.; Singh, U.K.; Dube, A.K.,
pela Qualidade Total: uma proposta de
(2001) Formulation of a Model for Determining the
Optimum Investment, Operating Cost and Mine Life sistematização. Revista Gestão & Produção, São
Carlos, v. 5, n. 3, 311 p.
to Achieve Planned Profitabiity. In: The Institution of
Mining and Metallurgy, London, UK, A129-A132. [41]. PINHEIRO, J. P. C., (2011) Indicadores-
chave de Desempenho (Key Performance
[28]. Kazakidis, V.N.; Scoble, M., (2003)
Indicators) Aplicados à Construção: desempenho e
Planning for Flexibility in Underground Mine
benchmarking do sector. Instituto Superior Técnico
Production Systems. In: Mining Engineering
magazine 55 Number 8. - Universidade Técnica de Lisboa, Lisboa,121 p.
[42]. MONTENEGRO, I., (2007) Excelência
[29]. GOMES, L. F. A. M.; GOMES, C. F. S. &
Operacional: o desafio da melhoria contínua. São
ALMEIDA, A. T., (2009) Tomada de decisão
gerencial: enfoque multicritério. 3 ed. São Paulo: Paulo: Sobratema.
Atlas. [43]. PARMENTER, D., (2010) Key Performance
Indicators: developing, implementing and using
[30]. ALARIE, S., GAMACHE, M., (2002)
Overview of Solution Strategies Used in Truck winning KPIs. 1st ed. New Jersey: John Wiley &
Sons.
Dispatching Systems for Open Pit Mines.
International Journal of Surface Mining, [44]. ANABITARTE, A. S. (2001) Indicadores de
Reclamation and Environment, v. 16, p. 59-76. Gestión y Cuadro de Mando. 1ª ed. Madrid: Diaz
de Santos.
[31]. MARAN, J., TOPUZ, E., (1988) Simulation
of truck haulage systems in surface mines. [45]. NADER, B.; TOMI, G.; PASSOS, A. O.,
International Journal of Surface Mining, v. 2, p. 43- (2012) Indicadores-chave de Desempenho e a
49. Gestão Integrada da Mineração. Revista da Escola
de Minas - REM, Ouro Preto.
[32]. FEDER, G., (1983) On Exports and
Economic Growth. Journal of Developing [46]. ATOM SAIL., (2013). Disponível em
Economics, vol. 12, n. 1/2, fevereiro/abril . <http://www.atomsail.com/pt/o-que-e-kpi-
saasatomsail.php>. Acesso em: 29 mar. De 2013.
[33]. SOUZA, M. J. F. COELHO, I. M., RIBAS,
S., SANTOS, H. G., MERSCHMANN, L. H. C., [47]. CAVAGNOLI, I., (2013) Gestão e
(2011) A hybrid heuristic algorithm for the open-pit- Inovação. Indicadores de Desempenho (Key
mining operational planning problem. European PerformanceIndicators-KPI). 2009. Disponível em:
Journal of Operational Research, v. 207, 1051 p. <http://gestaoeinovacao.com/?p=1089> Acesso
em: 28 mar. de 2018.
[34]. RODRIGUES, L. F., (2006) Análise
comparativa de metodologias utilizadas no [48]. COELHO, L. C., (2011) Logística
despacho de caminhões em minas a céu aberto. Descomplicada. Indicadores de Desempenho
Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Logístico (KPI). Disponível em:
Produção - Escola de Engenharia, UFMG, Belo <http://www.logisticadescomplicada.com/indicador
Horizonte. es-dedesempenho-kpi/> Acesso em 20 mar. de
2018.
[35]. WHITE, J. W.; OLSON, J. P.,(1986)
Computer based dispatching in mines with [49]. PETERSON, E. T., (2006) The Big Book of
Key Performance Indicators. Disponível
Gestão da Produção em Foco - Volume 19
46

em:<http://design4interaction.com/wpcontent/uploa [62]. ALVARENGA, G.B., Despacho ótimo de


ds/2012/09/The_Big_Book_of_Key_Performance_In caminhões numa mineração de ferro utilizando
dicators_by_Eric_Peterson.pdf> . Acesso em 4 nov. algoritmo genético com processamento paralelo.
2014. (1997) Universidade Federal de Minas Gerais, Belo
Horizonte.
[50]. SCHLÜTER, M. R., (2009) Indicadores
Chave de Performance. Disponível em: [63]. BONATES, E., LIZOTTE, Y., (1998) A
<http://www.intelog.com.br/site/default.asp?TroncoI combined approach to solve truck dispatching
D=907492&SecaoID=508074&Su problems. First Canadian Conference on Computer
bsecaoID=091451&Template=../artigosnoticias/use Applications in the Mineral Industry, 403-410 p.
r_exibir.asp&ID=461903&Titulo=INDICADORES%2
[64]. LI, Z., (1990) A methodology for the
0CHAVE%20DE%20PERFORMANCE%20%u2013
optimum control of shovel and truck operations in
%20KPI%20%28parte%20I%29>. Acesso em: 05
openpit mining. Mining Science and Technology,
abril de 2018.
10, 337-340 p.
[51]. VALE, (2014). Disponível em
[65]. PINTO, L.R., (2001) MERSCHMANN,
<www.vale.com>. Acesso em: 21 de dezembro de
L.H.C. Planejamento Operacional de Lavra de Mina
2014.
usando modelos matemáticos. Revista Escola de
[52]. SOUZA, G. P., (2014) Correio eletrônico, Minas, 54:3, 211-214.
entrevista concedida a Flávio Vieira Costa.
[66]. ZHANG, B.G., (2002) Dispatching
Brumadinho, Brasil, 11 de novembro.
algorithm in open-pit mine truck dispatching
[53]. BIRRO, G. M., (2014) Entrevista concedida system. Metallurgy Mining, 315, 35-38 p.
a Flávio Vieira Costa. Correio Eletronico, Itagibá,
[67]. COSTA, F.P., SOUZA, M.J.F., PINTO, L.R.
Brasil, 4 nov.
(2004) Um modelo de alocação dinâmica de
[54]. CHIRONIS, N.P., (1985) Computer caminhões. Brasil Mineral, 231, 26-31.
monitors and controls all Truck-Shovel operations.
[68]. TA, C.H., KRESTA, J.V., FORBES, J.F.,
Coal Age, 50-55 p.
MARQUEZ, H.J., (2005) A stochastic optimization
[55]. CHANDA, E.K.C., DAGDELEN, K. (1995) approach to mine truck allocation. International
Optimal blending of mining production using goal Journal of Surface Mining, Reclamation and
programming and interactive graphics systems. Environment, 19:3, 162-175 p.
International Journal of Surface Mining,
[69]. COSTA, F.P., SOUZA, M.J.F., PINTO, L.R.,
Reclamation and Environment, 9, 203-208 p.
(2005) Um modelo de programação matemática
[56]. HAUCK, R.F., (1973) A real-time para alocação estática de caminhões visando ao
dispatching algorithm for maximizing open-pit mine atendimento de metas de produção e qualidade.
production under processing and blending Revista Escola de Minas, 58:1, 77-81.
requirements. Proceedings, Seminar on Scheduling
[70]. MUNIRATHINAM, M., YINGLING, J.C.,
in Mining, Smelting and Steelmaking.
(1994) A review of computer-based truck
[57]. GERSHON, M. (1982) A linear dispatching strategies of surface mining
programming approach to mine scheduling operations. International Journal of Surface Mining,
optimization”. Proceedings of the 17th Application Reclamation and Environment, 8, 1-15 p.
of Computers and Operation Research in the
[71]. ÇETIN, N., (2004) Open-Pit truck/shovel
Mineral Industry, 483-493 p.
haulage system simulation. School of Natural and
[58]. WHITE, J.W., OLSON, J.P., VOHNOUT, Applied Science of Middle East Technical
S.I., (1993) On improving truck/shovel productivity University.
in open pit mines. CIM Bulletin, 9, 43-49.
[72]. WANG, Q., ZHANG, Y., CHEN, C., XU, W.
[59]. SOUMIS, F., ETHIER, J., ELBROND, J. “Open-pit mine truck real-time principle under
(1989) Truck dispatching in an open pit mine. macroscopic control”. Proceedings of the First
International Journal of Surface Mining, 3, 115-119 International Conference on Innovative Computing,
p. Information and Control, 2006.
[60]. REGO, C., ROUCAIROL, C. (1995) Using [73]. WHITE, J.W., OLSON, J.P., VOHNOUT,
Tabu Search for solving a dynamic multi-terminal S.I., (1993) On improving truck/shovel productivity
truck dispatching problem. European Journal of in open pit mines. CIM Bulletin, 9, 43-49.
Operation Research, 83, 411-
[74]. OLIVEIRA, T. (2017). Mineração Autônoma
[61]. EZAWA, L., SILVA, K.S., (1995) Alocação Disponível em:
dinâmica de caminhões visando qualidade, VI <http://inthemine.com.br/site/mineracao-
Congresso Brasileiro de Mineração, 15-22 p. autonoma/> Acesso em 04 abril de 2018.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


47

Capítulo 4

Gilberto Horácio de França


André Pedro Fernandes Neto

Resumo: Este trabalho mostra a implantação da automação em um poço de


petróleo que utiliza o bombeio centrífugo submerso (BCS) como método de
elevação, em uma área de extração de petróleo terrestre de uma grande empresa
petrolífera do país. O trabalho foi desenvolvido com o objetivo de comparar o
processo antes e depois da implantação da automação e mostrar quais são as
principais vantagens que podem ser obtidas com o uso da automação em
processos de produção contínua. Também mostra como a automação ajuda
aumentar produção de forma substancial. Um sistema supervisório foi desenvolvido
com base nos dados necessários para um bom acompanhamento da operação do
poço utilizando toda estrutura existente para controle de outros processos já
existentes, com isso o custo de implantação foi diminuído e o tempo de
implantação reduzido. A implantação da automação no poço do estudo levou a
empresa a um aumento da produção do petróleo, diminuição dos custos com mão-
de-obra, garantiu um aumento de receita, além de aumentar a quantidade de
variáveis monitoradas do processo.

Palavras-chave: Petróleo. Automação Industrial. SCADA.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


48

1. INTRODUÇÃO com o processo indiretamente através do


hardware de controle.
A crescente utilização do petróleo como fonte
de energia é um dos fatores que tem Este trabalho descreve como foi
contribuído para a evolução tecnológica implementada a automação do processo de
industrial. Atualmente, com o advento da extração do petróleo em poços, onshore, que
petroquímica, a utilização dos derivados do utilizam o método do bombeio centrífugo
petróleo tornaram-se cada vez mais comum. submerso (BCS), de uma grande empresa de
Além disso, centenas de novos compostos petróleo do país, a partir do sistema
utilizados diariamente passaram a ser supervisório (SCADA) que empresa já possui,
produzidos, como plásticos, tintas, corantes, para permitir o monitoramento remoto destes
adesivos, solventes, detergentes, etc... Assim, poços.
o petróleo passou a ser indispensável às
comodidades da vida moderna, além de ser
utilizado como combustível (SOUZA, 2009). 2. OBJETIVO
O petróleo é extraído por equipamentos Este artigo tem como objetivo geral descrever
instalados nos poços em terra (onshore) ou no a implantação da automação no controle do
mar (offshore). O fato dos poços serem processo de extração de petróleo dos poços
distribuídos geograficamente em grandes que utilizam o bombeio centrífugo submerso
extensões e da sua produção exigir uma (BCS) remotamente. Para isto, pretende-se
máxima continuidade operacional torna a delimitar quais as variáreis pertinentes ao
automação uma ferramenta de fundamental processo que precisam ser monitoradas, bem
importância, pois as empresas modernas têm como verificar os instrumentos necessários
na automação o suporte necessário para para coleta e transmissão dos dados das
melhorar a utilização da matéria-prima, variáveis e por fim desenvolver uma interface
reduzindo os custos de produção, na sala de controle da produção para o
melhorarando a qualidade dos produtos e monitoramento dos poços à distância.
desenvolvendo planos de manutenção que
minimizem o número de paralizações do
processo produtivo. 3. METODOLOGIA
Segundo Assmann (2008), é de grande valor A questão da pesquisa converge os esforços
um sistema local de controle do processo de do trabalho no sentido de descrever o
elevação do petróleo capaz de mantê-lo no processo de automação para em seguida
ponto ideal de operação, identificando as expor os benefícios oriundos de um processo
descontinuidade operacionais e retornando com BCS. Para que fosse possível a
rapidamente ao ponto de operação após uma mensuração de tais benefícios, foi essencial a
pertubação de forma a recuperar a produção abertura do processo em duas etapas e o
da forma mais rápida possível, bem como fornecimento de informações de cunho
diagnosticar a causa de algum problema, reservado sobre o tempo acumulado de
transmitindo ao sistema de supervisão sinais paralisação de produção e o layout do seu
de alerta a serem tomadas, tais como processo. O trabalho em questão trata-se de
intervenção de limpeza, manutenção em uma análise comparativa da automação sobre
equipamentos e outros. a produção de petróleo em um poço com
BCS.
Os sistemas supervisórios suprem esta
necessidade, pois permitem coletar dados do Miguel (2010), fala que o estudo de caso é um
processo, além de monitorá-lo e atuar sobre trabalho de caráter empírico que investiga um
ele com algum controle em nível de dado fenômeno dentro de um contexto real
supervisão. Segundo Alves (2005), os contemporâneo por meio da análise
sistemas supervisórios tipo SCADA são aprofundada de um ou mais objetos de
destinados ao controle de processos onde análise. Então, para que seja feito um trabalho
predominam grupos de poucas variáveis que utilize o estudo o autor tem que conhecer
contínuas e discretas, dispersos em uma de forma ampla o tema a ser tratado.
grande área geográfica. Para executar essas
A maior utilidade do estudo de caso é
tarefas o sistema supervisório deve utilizar
verificada nas pesquisas exploratórias. Por
algum sistema computacional, ou software de
sua flexibilidade, é recomendável nas fases
supervisão, que seja capaz de se comunicar
iniciais de uma investigação sobre temas
Gestão da Produção em Foco - Volume 19
49

complexos, para a construção de hipóteses como deverá ser desenvolvida a pesquisa,


ou reformulação do problema. Também se pois cada caso vai exigir uma estrutura
aplica com pertinência nas situações em que apropriada. Miguel (2010) mostra um modelo
o objeto de estudo já é suficientemente a ser seguido para condução do estudo de
conhecido a ponto de ser enquadrado em caso com seis etapas. Mas neste trabalho
determinado tipo ideal. estas seis etapas serão resumidas em apenas
quatro: delimitação da unidade-caso, coleta
Conforme exposto, o estudo de caso
de dados, análise e interpretação dos dados
caracteriza-se por grande flexibilidade. Isto
e conclusão do relatório, conforme figura 1 a
significa que é impossível estabelecer um
seguir:
roteiro rígido que determine com precisão

Figura 1: Estudo de caso no poço BCS

Fonte: Adaptado de Miguel, 2010.

4. EXTRAÇÃO DO PETRÓLEO
Até que seja possível extrair o petróleo do 4.2. PERFURAÇÃO DE POÇOS
subsolo é preciso seguir várias etapas que
Com o auxílio das informações obtidas na
garantem a existência de petróleo numa
fase de prospecção, são escolhidas as
determinada região e viabilizam física e
localizações dos poços que são perfurados
economicamente a extração do fluido. Alguns
utilizando-se um equipamento denominado
passos devem ser seguidos para extração,
sonda. No método de perfuração atualmente
essas etapas consistem na prospecção do
utilizado na indústria, chamado de perfuração
petróleo, perfuração dos poços, completação
rotativa, as rochas são perfuradas pela ação
dos poços e aplicação dos métodos de
da rotação e peso aplicados a uma broca
elevação (THOMAS, 2004).
posicionada na extremidade inferior de uma
coluna de perfuração.
4.1. PROSPECÇÃO DO PETRÓLEO Os fragmentos da rocha são removidos
continuamente através de um fluido de
A busca de novas jazidas de petróleo,
perfuração ou lama. Ao atingir determinada
chamada de programa de prospecção de
profundidade, a coluna de perfuração é
petróleo, tem como objetivos fundamentais
retirada do poço e uma coluna de
localizar dentro de uma bacia sedimentar as
revestimento de aço é descida no poço com
situações geológicas que tenham condições
objetivo inicial de evitar o desmoronamento
para a acumulação de petróleo e verificar
das paredes do poço.
qual, dentre essas situações, apresenta maior
possibilidade de conter petróleo. A existência O espaço entre os tubos de revestimento e as
ou não de petróleo não pode ser prevista, paredes do poço são cimentados a fim de
porém é possível determinar regiões onde a isolar as rochas atravessadas e garantir maior
probabilidade de existir seja maior. As regiões segurança na perfuração. Após a cimentação,
de provável acúmulo de petróleo são a coluna de perfuração é descida novamente,
identificadas através de métodos geológicos agora com uma broca de diâmetro menor que
e geofísicos. Assim, o programa de a largura da coluna de revestimento, até
prospecção disponibiliza uma série de determinada profundidade para a inserção de
informações técnicas que indicam a uma nova coluna de revestimento, de
localização mais propícia para a perfuração diâmetro menor que a anterior, procedendo-
dos poços. É importante ressaltar que os se a uma nova cimentação. Esse processo se
custos com a prospecção são relativamente repete até que seja alcançada a profundidade
pequenos se comparados com os custos de desejada para o poço. Assim, é possível
perfuração, o que torna o programa de perceber que o processo de perfuração se dá
prospecção indispensável. em diversas fases, caracterizadas pelo
Gestão da Produção em Foco - Volume 19
50

diâmetro das brocas de perfuração, que é região e viabilizam física e economicamente a


reduzido em cada uma delas. extração do fluido. Alguns passos devem ser
seguidos para extração, essas etapas
Segundo Thomas (2004), o poço de petróleo
consistem na prospecção do petróleo,
é uma amostra pontual das características da
perfuração dos poços, completação dos
subsuperfície na área da pesquisa por
poços e aplicação dos métodos de elevação.
petróleo. Para extrair o petróleo do subsolo é
A seguir a figura 2 identifica as etapas da
necessário seguir várias etapas que garantem
construção de um poço.
a existência de petróleo numa determinada

Figura 2 - Etapas da construção de um poço

Fonte: autor
4.3. APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE areia nem com fluidos viscosos mas não
ELEVAÇÃO podem ser utilizados em poços muito
profundos e com altas vazões (THOMAS,
Atualmente as empresas de petróleo usam
2004).
três tipos de métodos de elevação por
bombeio: O Bombeio Centrífugo Submerso (BCS) é um
método de elevação cuja aplicação teve início
Bombeio Mecânico (BM);
em 1928 e mostra-se desde então uma
Bombeio por Cavidades Progressivas (BCP); tecnologia viável e amplamente aplicada na
produção de petróleo. A aplicação típica
Bombeio Centrífugo Submerso (BCS).
consiste de um motor elétrico de fundo, seção
A escolha do tipo de bombeio fica por conta de selagem, seção de admissão da bomba,
da característica do poço após a bomba centrífuga de fundo de múltiplos
completação, pois os dados como vazão, estágios, coluna de produção, cabo elétrico
pressão, o tipo do petróleo encontrado e a de subsuperfície e equipamentos de
profundidade do poço. O BM é o mais superfície, tais como caixa de junção, painel
utilizado por se enquadrar em quase todas as elétrico e transformador, ver figura 3.
situações encontradas. A limitação do uso é
O equipamento de fundo é instalado na
em poços com profundidades maiores que 1
extremidade da coluna de produção com o
quilômetro, que apresentem muita areia no
motor abaixo da sucção da bomba para que o
fluido extraído e também a presença de gás.
fluido admitido sirva de fluido de refrigeração
O BCP é o segundo método mais utilizado,
do motor. Por esta necessidade, este método
por não ter problemas com a presença de
de elevação não concorre, em condições
Gestão da Produção em Foco - Volume 19
51

normais, com o bombeio mecânico e o poços com alto dog-leg (cuvas ou juntas na
bombeio de cavidades progressivas quando coluna de produção dos poços).
se trata de poços com baixa vazão, pois estes
O aspecto mais importante a se considerar no
podem não fornecer convecção forçada
projeto, instalação e operação do sistema é
suficiente para refrigerar o motor de fundo.
relativo aos equipamentos elétricos e à sua
O método, da mesma maneira que os temperatura de operação.
sistemas de elevação por ação de bombeio,
A figura 3 a seguir, mostra uma instalação
tem limitações quando se trata de poços com
típica, identificando o motor de subsuperfície,
quantidade significativa de gás ou de sólidos.
o protetor ou selo do motor, a admissão ou
Relativamente ao BCP, não consegue
sucção da bomba, a bomba centrífuga
concorrer em eficácia quando se trata de
composta de diversos estágios, o cabo
poços com fluido de alta viscosidade ou de
elétrico chato, a árvore de natal ou cabeça do
alto teor de areia. Sua aplicação é
poço, linha de produção, caixa de ventilação,
particularmente eficaz em poços desviados
quadro de comando e transformador
por independer de coluna de hastes,
(ASSMANN, 2008).
trabalhando com elevada durabilidade em

Figura 3 – Esquema típico de instalação de um BCS.

Fonte: adpatado de Assmann, 2008


4.4. EXTRAÇÃO DO PETRÓLEO POR BCS método e sim mais aplicado ao BCP. O
acionamento do BCS ocorre quando o quadro
Na completação do poço é definido qual tipo
de comando ou painel elétrico é acionado,
de método de elevação vai ser utilizado em
então um motor elétrico de subsuperfície
função da profundidade do poço, vazão e a
transforma energia elétrica em mecânica e
viscosidade do fluido, presença de areia e
uma bomba centrífuga converte a energia
presença de gás. De acordo com Thomas
mecânica do motor em energia cinética,
(2004), a utilização do BCS está se
elevando o fluido à superfície. Na superfície o
expandindo na elevação artificial pela
fluido é transportado pela linha de produção
crescente flexibilidade e evolução dos
até uma estação coletora de óleo para
equipamentos disponíveis para este método.
armazenamento e depois será transportado
Tanto em aplicações onshore como offshore,
para o refino.
em condições adversas de temperatura,
fluidos viscosos e ambientes gaseificados.
Conforme outros métodos de elevação, o BCS
também possui algumas limitações, por
exemplo: poços com grande presença de
areia não são indicados para o uso deste
Gestão da Produção em Foco - Volume 19
52

5. AUTOMAÇÃO DE PROCESSOS sistemas centralizados anteriormente


INDUSTRIAIS utilizados.
Ocorreu uma verdadeira revolução Entende-se por automação qualquer sistema,
tecnológica baseada na introdução em larga apoiado em computadores, que substitua o
escala dos microcomputadores nos diversos trabalho humano em favor da segurança das
processos produtivos. Os processos pessoas, da qualidade dos produtos, da
industriais, que eram acompanhados pelos rapidez da produção ou da redução dos
operadores em grandes painéis contendo custos, assim aperfeiçoando os complexos
gráficos, instrumentos, botões acionadores e objetivos das indústrias (MORAES e
lâmpadas, passaram a ser monitorados CASTRUCCI, 2007).
através de telas de microcomputadores. Num
Para Yamaguchi (2006), os sistemas
segundo momento, os operadores passaram
automatizados de monitoração e controle
a operar as plantas através do teclado dos
modernos são constituídos por redes de
microcomputadores. Também os antigos
comunicação, dispositivos de campo,
instrumentos começaram a ser substituídos
diversos tipos de equipamentos e
por outros contendo microprocessadores, que
computadores.
têm a mesma base dos microcomputadores,
capazes de realizar tarefas e tomar decisões Os processos automatizados utilizam técnicas
de forma automática, nascendo assim o que permitem, através do uso de
conceito de automação industrial (ALVES, controladores e algoritmos de controle,
2005). Para Lugli e Santos (2010), a utilização armazenar suas informações, calcular o valor
de todas estas ferramentas e métodos torna desejado para as informações armazenadas
possível desenvolver sistemas de automação e, se necessário, tomar alguma ação corretiva
compostos por uma série de sensores, (SOUZA, 2005). Este artigo baseia-se na
atuadores, controladores e outros dispositivos pirâmide da automação, ver figura 4, para
conectados entre si por uma rede, os quais explicar como é a integração dos dispositivos
cooperam para realização de tarefas. Isso traz que formam a estrutura da automação e como
uma série de vantagens quanto a ela foi implantada nos poços que utilizam
confiabilidade, modularidade, facilidade de BCS. Com isto foi possível integrar os dados
compreensão e custo em comparação com gerados nos poços, com o sistema
supervisório existente.

Figura 4: Níveis da Automação Implantada no BCS

Fonte: autor
5.1. SISTEMA DE PRODUÇÃO gestão da produção. Essas técnicas se
encaixam em diferentes classificações dos
Segundo (Moreira, 2001) sistema de
sistemas de produção, e esses sistemas são
produção se define como “conjunto de
divididos em três, tendo cada um sua
atividades e operações inter-relacionadas
particularidade e definição, e sendo eles:
envolvidas na produção de bens (caso de
indústrias) ou serviços”. Sistema de produção - Sistemas de produção contínua: Os
é uma unidade abstrata, porém é essencial produtos geralmente são bastante
para se ter uma idéia de totalidade de automatizados e fluem de um posto de
processo. Refere-se também a classificação serviço para outro em uma sequência a pré-
dos sistemas de produção, podendo ser feita estabelecida, possuem um alto grau de
a partir do fluxo do produto, pois assim, padronização, os fluxo de produção deve
facilitaria diversas técnicas de planejamento e
Gestão da Produção em Foco - Volume 19
53

possuir etapas bem definidas para que uma 5.2. SISTEMA DE PRODUÇÃO AUTOMÁTICA
etapa não retarde a outra.
Para implemnetação da automação foram
- Sistemas de produção intermitente: A criadas telas no supervisório, com uso do
produção geralmente é feita em lotes ou software Intouch, versão 7.1, para permitir ao
bateladas, tendo que ocorrer o término de um operador visualizar os principais dados do
processo para que outro possa começar a ser processo. A tela principal, figura 5, mostra
feito. Esse sistema é classificado intermitente uma relação de todos os poços da área
por que outro produto toma o lugar nas geográfica onde foi implantada, com os
máquinas sendo assim, o produto original só seguintes dados:
voltará a ser feito depois de algum tempo.
Identificação de cada poço, pois cada poço
- Sistemas de produção para projetos: Nesse recebe um nome que é um link para ver
caso cada projeto é único, diferenciando-se maiores detalhes de cada poço
bastante e/ou até totalmente do último não individualmente;
havendo ao certo um fluxo de produção, uma
O relógio do CLP do painel elétrico do poço
característica dos sistemas de projeto são os
para facilitar o registro do momento da
altos custos e complexo gerenciamento.
ocorrência de um evento;
Para Gaither e Frazier (2007), a produção
Status da bomba, se ligada ou desligada;
focalizada no produto também pode ser
chamada de linha de produção ou produção Corrente média do motor;
contínua, pois os dois termos descrevem a
Pressão da cabeça do poço;
trajetória do produto ao longo do processo.
Na produção contínua o produto ou serviço Pressão da linha de produção;
tende a seguir a linha de produção de forma
Status da comunicação entre o CLP do
linear, sem sofrer grandes alterações ou
supervisório (UTC) e o CLP do poço (Rede
interrupções em sua rota. Já na produção ou
Modbus);
manufatura discreta, o produto se caracteriza
por se manter único, distinto, como por Matriz de causa e efeito que é um link para
exemplo, automóvel, máquina de lavar etc. uma tela que mostra uma tabela com a
Eles podem ser fabricados por lotes, o que explicação de cada conjunto de ações e suas
exige a modificação do sistema caso outro consequências; e
lote entre no processo produtivo.
Histórico dos eventos ocorridos nos poços
que é um link para visualizar os todos os
eventos ocorridos no poço.

Figura 5 – Tela do supervisório mostrando todos os poços de BCS automatizados.

Fonte: autor.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


54

A coleta dos dados dos poços e a O controle e a aquisição de dados se iniciam


visualização na estação de operação só foi nas estações remotas, que são compostas
possível após a interligação dos sensores de pelos CLPs (Controladores Lógico
fundo do poço, transmissores de pressão e o Programáveis). Inicialmente é feita a leitura
relé UNICONN montarem uma rede de campo dos valores nos dispositivos que a eles estão
interligados via cabos ao CLP. Este solicita e associados para, em seguida, ser realizado o
registra os dados destes elementos para controle. A rede de comunicação é
quando um cliente solicitar uma informação responsável pelo tráfego das informações a
ao CLP mestre, ele repasse este pedido para partir dos CLPs para o sistema SCADA e do
o CLP escravo do poço e retorne a sistema ao usuário. As estações de
informação ao cliente. monitoramento central são as unidades
principais dos sistemas SCADA, sendo
responsáveis por recolher a informação
5.3. SCADA – SUPERVISORY CONTROL AND gerada pelas estações remotas e agir em
DATA ACQUISITION (AQUISIÇÃO DE DADOS conformidade com os eventos detectados,
E CONTROLE SUPERVISÓRIO) podendo ser centralizadas num único
computador ou distribuídas por uma rede de
Os sistemas de supervisão e controle
computadores, de modo a permitir o
comumente chamados de SCADA são
compartilhamento das informações coletadas
sistemas configuráveis, destinados à
(COSTA, SOUZA e MAITELLI, 2008).
supervisão, ao controle e à aquisição de
dados de plantas industriais. O sistema 6. COLETA DE DADOS
SCADA foi criado para supervisão e controle
Os poços de petróleo trabalham de forma
de quantidade elevadas de variáveis de
contínua, o que justifica a utilização da
entrada e saída. Sua aplicação tem sido
automação neste processo. A extração de
implementada tanto na área civil quanto na
petróleo dos poços demanda que seja feita
industrial. Esses sistemas visam à integridade
uma coleta de dados, e esta era feita de
física das pessoas, equipamentos e
forma manual, contando com apenas uma
produção, consistindo muitas vezes em
pessoa para acompanhar 11 poços
sistemas redundantes de hardware e meio
distribuídos em uma área dispersa
físico (canal de informação) e permitindo
geograficamente, que variam de 1km a 20km
pronta identificação de falhas. O SCADA
de distância da sala de controle onde ficam
permite a interação do operador com
os operadores.
processo através de interfaces gráficas que
permitem uma interação amigável. A base de A coleta de dados foi feita por meio de
hardware pode ser um PC comum, que facilita entrevistas com o supervisor da produção e
e otimiza os custos com hardware (MORAES; tem o objetivo de avaliar as vantagens obtidas
CASTRUCCI, 2007). pelo poço com a instalação da automação, e
confrontá-los com os resultados obtidos com
Um sistema SCADA pode ainda verificar
o mesmo poço de forma manual, durante seu
condições de alarmes baseadas nestas
processo de produção de petróleo, a
variáveis, armazenando seus históricos em
pesquisa teve como base os dados referentes
bancos de dados e envio mensagens de
ao segundo semestre de 2011, mais
alerta por e-mail, por exemplo. Um sistema de
especificamente o mês de Agosto. Como
supervisão é composto, basicamente, por um
propósito de calcular as receitas, mostrar
conjunto de sensores e atuadores, uma rede
como a produção foi aumentada e identificar
de comunicação, estações remotas para
quais os fatores que afetaram a
aquisição e controle, e uma estação de
disponibilidade do poço.
monitoramento central para distribuição dos
dados SCADA. Os sensores são dispositivos Disponibilidade é capacidade de um
conectados aos equipamentos controlados e equipamento, mediante manutenção
monitorados pelos sistemas SCADA, que apropriada, de desempenhar sua função
convertem dados físicos tais como vazão, requerida em um determinado instante de
pressão e temperatura, em sinais analógicos tempo ou em um período de tempo
e digitais para estação remota. Os atuadores predeterminado. Refere-se ao percentual de
são responsáveis pela atuação direta sobre o tempo em que a o poço esteve disponível
processo físico, ligando e desligando para operar à plena capacidade. Para Slack,
equipamentos, se necessário. Chambers e Johnston (2008), a

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


55

disponibilidade é o grau em que a produção oleodutos para uma refinaria para receberem
está pronta para funcionar. o tratamento necessário para se tornarem
produtos acabados. Os poços com BM e BCP
Sendo obtido por meio da formula a seguir:
já apresentam uma automação definida e
𝑻𝑴𝑬𝑭
D = 𝑻𝑴𝑬𝑭+𝑻𝑴𝑫𝑹 implantada de forma bem intensa. Mas os
poços com BCS o processo iniciou este ano.
D – disponibilidade do equipamento;
Por isso uma análise prévia em relação a esta
TMEF – tempo médio entre falhas; implantação é importante, pois permitirá
analisar os ganhos e melhorias que devem ser
TMDR – tempo médio de reparo.
feitas para tornar o processo eficaz.
6.1. CARACTERIZAÇÃO DO ESTUDO DE
CASO
7. ANÁLISE E RESULTADOS
A pesquisa foi realizada em uma das
unidades operacionais de extração de O início do processo é por meio de
petróleo da PETROBRAS no estado do Rio acionamento do painel elétrico deve ser
Grande do Norte, na cidade de Mossoró. Esta acionado para que a energia elétrica possa
cidade tem dois principais campos de acionar o motor no interior do poço. O motor
produção de petróleo em terra: Canto do faz com que a bomba mande petróleo para a
Amaro e Riacho da Forquilha. Estes campos superfície. O inversor de frequência (VSD) é
são chamados de campos maduros, que são responsável pelo controle da velocidade do
caracterizados pela redução do petróleo motor e da bomba e tem uma pequena
disponível, exigindo-se técnicas mais eficazes interação homem máquina para
e poços cada vez mais profundos. O poço parametrização, o modelo do inversor
estudado fica no campo de produção de utilizado nos paineis é o CFW-09 da WEG. A
Riacho da Forquilha, onde a automação foi ligação do painel ao motor é feita através do
feita pela primeira vez. O poço disponibilizado cabo elétrico, que também liga os sensores
para o estudo foi o RFQ-41 e trabalha com o de temperatura e pressão de fundo; estes
BCS para extração do petróleo. O BCS é sensores formam uma única peça acoplada
método mais adequado para poços com altas conforme demonstrada na figura 6 para o
profundidades. Toda produção de petróleo processo de extração de petróleo por BCS do
destes campos são transportados via RFQ-41.

Figura 6 - Mapa do processo do poço RFQ-41 com automação.

Fonte: autor
O funcionamento automático do poço permitiu mestre, faz para coleta de dados de todos os
o monitoramento remoto de cinco variáveis a poços durante todo período de operação.
mais que da forma manual. O monitoramento Esta rotina só é quebrada quando um usuário
do poço é feito por polling, que é a rotina de do sistema supervisório solicita alguma
monitoramento que o servidor, através do informação de um determinado poço. Usa-se
Gestão da Produção em Foco - Volume 19
56

uma topologia tipo mestre escravo com corrente, tensão, frequência, pressões,
tecnologia de comunicação com rádios temperatura e se o poço estar ligado ou
analógicos do fabricante MDS, modelo desligado. Como o polling é feito
4710C, com velocidade de 9600bps e continuamente, a quantidade de dados
frequência de 450Hz. As taxas de transmissão coletados é muito grande e permite ao
variam em trono de 2-5kbs em intervalos de 8- operador avaliar e criar um perfil de
12min, que é o tempo do polling. funcionamento do poço. O SCADA permitiu
que dados de datas anteriores fossem
O sensor de fundo de poço, os indicadores e
consultados a qualquer momento sem
transmissores de pressão da cabeça de poço
dificuldades por causa do banco de dados
e linha de produção são os sensores do
criado para cada poço.
sistema. Já o inversor de frequência e o relé
UNICONN são os atuadores, pois com eles
pode-se parar ou alterar dados do processo.
8. INTERPRETAÇÃO DOS DADOS
O CLP é responsável pela integração dos
sensores e atuadores compilação dos dados Na tabela 1 apresentam-se os dados
a serem enviados quando o mestre solicitar; e coletados na empresa, objetivando a geração
recebeu uma programação com uma rotina de gráficos para análises. A seguir foram
conforme mostrado na figura 5. Na sala de resumidos os dados mais significativos para
controle uma interface gráfica permite ao avaliar o processo.
operador visualizar os dados online de

Tabela 1 – Comparação de dados no poço manual (AA) versus poço automatizado (DA)

Poço AA Poço DA
Quantidade de variáveis monitoradas 1 6
Custos com mão de obra do operador por mês 4000 0
Produção m/mês 2400 3375,00
Disponibilidade do poço (%) 66,67 93,75
Receita (US$/d) 8800 12375,00
Fonte: Autor

A automação do poço tornou possível poço apresentasse algum problema que não
monitorar remotamente um número maior de fosse possível resolver na sala de operação, o
variáveis que são fundamentais para o operador aciona a manutenção para verificar
processo de poços com BCS. Antes da o problema.
automação apenas a pressão era a variável
Observa-se no gráfico 1 que os custos com a
monitora pelo operador do poço, que tinha
mão-de-obra do operador foi eliminada, pois
que passar duas vezes por dia para anotar
os dados que antes ele coletava estavam à
em uma planilha. Após a automação o
disposição remotamente na sala da operação.
operador não precisa sair da sala de controle
Além disso, outras variáveis como tensão e
da produção para ir ao poço verificar
corrente não tinha como ele conseguir
variáveis, pois agora é possível observar as
manualmente porque não sabia operar o
variações de pressão na tela do supervisório.
painel elétrico agora era possível de
Além disso, outras variáveis como tensão e
acompanhar. Bem como no grafico 2 que, a
corrente do inversor do painel elétrico que
relação entre a produção ideal e a produção
alimenta o motor, pressão e temperatura do
efetuada de forma manual e prudução ideal e
fundo do poço e por fim pressão da linha de
a produção efetuada de forma automatizada
produção e da cabeça do poço. Com o
do poço RFQ-41. Observa-se que sem
monitoramento remoto todos os dados
automação o poço produz apenas 66,67% da
gerados pelas variáveis puderam se
sua capacidade ideal. Isto ocasiona uma
transformar em informações para o setor de
perda de produção pelo tempo em que o
produção da empresa, pois agora eles tinham
poço durante a noite, de acordo com o
dados suficientes para analisar e planejar
supervisor da produção fica 8 horas parado,
metas de produção e de atendimento as
pois neste período o poço não é visitado. Já
demandas de forma mais confiáveis. Se o
Gestão da Produção em Foco - Volume 19
57

com a automação a produção passa para coberta pelo sistema supervisório. Não tem
93,75% da capacidade ideal, pois na sala de como a produção ficar igual a ideal por
controle da produção fica um operador de perturbações e perdas inerentes ao processo.
plantão, que monitora todo o sistema da área

Gráfico 1: Custos com o a mão-de-obra Gráfico 2: Comparativo da produção

Fonte: autor Fonte: autor

Além disso, a receita no poço automatizado Um segundo benefício a ser considerado,


aumentou em torno de US$ 107.250,00 em após a integração do poço com a sala de
relação ao processo manual. Essa diferença controle, foi uma identificação mais rápida
faz a empresa ter ganhos substanciais a dos vazamentos, o que garante uma melhor
longo prazo e é resultado do aumento da solução para um dos maiores problemas no
produção. setor petrolífero, o desgaste ambiental,
ocasionado quando acontece um
derramamento de óleo nas áreas por onde
9. CONCLUSÕES passam os dutos ou linha de produção para
escoamento do petróleo que ligam o poço a
A análise dos sistemas supervisórios
estação coletora de óleo. Se com a
efetuados por meio de gráficos e indicadores
automação consegue identificar o vazamento
de qualidade garantiu ao processo
de forma rápida e precisa, consequentemente
estabilidade, mais confiabilidade e redução
soluciona-se o problema rapidamente,
dos custos com pessoal. A monitoração dos
diminuindo assim o impacto ambiental.
poços de petróleo que utilizam o BCS como
método de elevação permitiu a empresa Por fim, obteve-se um ganho na manutenção,
aumento da produção devido a o aumento pois com a automação foi possível
considerável da disponibilidade do poço. Em desenvolver um planejamento para
relação à variável disponibilidade, verificou-se manutenções preventivas, o que não era
que o controle automático efetua ganhos em possível antes da automação, pois só eram
torno de 27% em relação ao controle manual. feitas manutenções corretivas após a visita do
operador.

REFERÊNCIAS
[1]. ALVES, J. L. L. Instrumentação, Controle e [3]. COSTA, R. O.; SOUZA, R. B.; MAITELLI, A.
Automação de Processos. Rio de Janeiro: Livros L. Supervisão na Elevação Artificial: Uma Solução
Técnicos e Científicos (LTC), 2005. Aplicada com Sucesso em 3000 Poços de
Petróleo. In: Rio Oil & Gas Expo and Conference,
[2]. ASSMANN, B. W. Estudo de Estratégias
2008.
de Otimização para Poços de Petróleo com
Elevação por Bombeio de Cavidades Progressivas. [4]. GAITHER, Norman; FRAZIER, Greg.
Tese de Doutorado. Universidade Federal do Rio Administração da produção e operações. São
Grande do Norte, 2008. Paulo: Thomson Learning, 2007.
Gestão da Produção em Foco - Volume 19
58

[5]. LUGLI, A. B.; SANTOS, M. M. D. Redes [9]. SLACK, N.; CHAMBERS, S.; JOHNSTON,
Industriais para Automação Industrial: AS-I, R. Administração da Produção. 2 ed. São Paulo:
PROFIBUS E PROFINET. 1ed. São Paulo, 2010. Atlas, 2008.
[6]. MIGUEL, P. A. C. et al. Metodologia de [10]. SOUZA, R. B. Uma Arquitetura para
Pesquisa em Engenharia de Produção e Gestão de Sistemas Supervisórios Industriais e sua Aplicação
Operações. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010. em Processos de Elevação Artificial de Petróleo.
Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do
[7]. MORAES, C. C.; CASTRUCCI, P. L.
Rio Grande do Norte, 2005.
Engenharia de Automação Industrial. 2 ed. Rio de
Janeiro: Livros Técnicos e Científicos (LTC), 2007. [11]. THOMAS, J. E. Fundamentos de
Engenharia de Petróleo. Interciência, 2004.
[8]. MOREIRA, Daniel Augusto. Administração
da produção e operações. São Paulo: Pioneira [12]. YAMAGUCHI, M. Y. Sincronização das
Thompson Learning, 2001. Bases de Tempode CLPs Distribuídos numa Rede
de Automação de Processo Industrial. Dissertação
de Mestrado. Escola Politécnica da Universidade
de São Paulo, 2006.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


59

CAPÍTULO 5

Roberta Alvarenga dos Santos


Mariana Abreu Gualhano
Bruno Lima Souza
Aline Pires Vieira de Vasconcelos
Rogério Atem de Carvalho

Resumo: Com o rápido desenvolvimento das tecnologias de informação, a


implantação de sistemas integrados de gestão (Enterprise Resource Planning -
ERP) pelas empresas que desejam se desenvolver ou mesmo se manter dentro do
mercado em que atuam, tem se tornado inevitável. É necessário selecionar um
sistema ERP de forma que atenda ao máximo os requisitos da empresa, sejam eles
funcionais ou não funcionais. O objetivo desse trabalho é elaborar uma proposta de
engenharia de requisitos de sistemas, baseados na elicitação de requisito de
usabilidade, considerando as suas diferentes taxonomias e a metodologia orientada
a aspectos. Para tanto, pretende-se realizar um estudo do requisito de usabilidade
(definição, especificação e avaliação), com enfoque em sistemas ERP, para
implementá-lo na ferramenta FGR (Ferramenta de Gerenciamento de Requisitos).
Verificou-se que o estudo e a escrita de bons requisitos podem auxiliar as
organizações na aquisição mais eficiente de um ERP, e que após esse trabalho é
possível implementar o requisito da usabilidade na ferramenta supracitada.

Palavras-chave: Sistemas ERP; Engenharia de Requisitos; Usabilidade.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


60

1. INTRODUÇÃO razões para isso, segundo Berenbach et al.


(2009), são óbvias, pois se os requisitos forem
Considerando que a velocidade das
inválidos, então mesmo na implantação mais
mudanças no setor tecnológico mundial é
cuidadosa o sistema não resultará em um
elevada e a necessidade de adaptação a
produto que seja útil. Um requisito é uma
essas é cada vez maior, fica difícil imaginar
condição ou capacidade que deve ter ou
uma empresa de médio e grande porte que
possuir um sistema, produto, serviço,
não faça uso de algum Sistema de Informação
resultado ou componente para satisfazer um
(SI) automatizado e integrado para processar
contrato, padrão, especificação ou outro
e gerenciar todos os dados relacionados ao
documento formalmente imposto. Requisitos
seu negócio. Esses sistemas são conhecidos
incluem necessidades quantificadas e
como sistemas integrados de gestão ou ERP
documentadas, desejos e expectativas de
(Enterprise Resource Planning).
patrocinadores, clientes e outros stakeholders
No atual cenário de mercado, as empresas se (ISO/IEC, 2010). Para Martins (2013), os
deparam, no dia a dia, com uma série de requisitos definem as funcionalidades que o
desafios: aumentar a produtividade sem sistema deve fornecer e sob quais condições
elevar os custos de produção, reduzir o o sistema deve operar. Em outras palavras,
estoque, gerir folha de pagamento, podemos dizer que os requisitos são
acompanhar os avanços tecnológicos do responsáveis por estabelecer as funções que
mercado, administrar o balanço financeiro, o sistema deve possuir e as restrições que
gerenciar em forma integrada e com deve satisfazer.
facilidade as informações produzidas, e
Os requisitos representam a essência de um
diversas outras dificuldades. No intuito de
sistema de software e podem ser funcionais
solucionar estes problemas aparecem os
ou não funcionais. Um requisito funcional,
ERPs.
segundo Dennis, Haley e Roth (2005), se
Os sistemas ERP fornecem suporte às regras relaciona diretamente a um processo que o
de negócio, integrando os dados da empresa sistema tem que executar ou às informações
em um único banco de dados, mas o custo do que ele precisa conter e fluem diretamente
investimento e a usabilidade são aspectos para as próximas etapas do processo de
que devem ser considerados na implantação análise (casos de uso, modelos de processos
desse sistema. Carvalho e Campos (2009) e modelo de dados). De acordo com Pinto
afirmam que a seleção de um ERP é um (2011), os requisitos não funcionais se
processo complexo, uma vez que se trata de referem às propriedades comportamentais
um importante componente empresarial que que o sistema deve possuir como
causa impactos financeiros e no entendimento desempenho e usabilidade, e são usados
da organização. principalmente na fase de projeto, quando
são tomadas as decisões sobre a interface
Monteiro (2007) ressalta que a decisão de
com o usuário, o hardware e o software e a
implantar um sistema ERP deve ser
arquitetura subjacente do sistema.
fundamentada em um consistente estudo de
viabilidade, conhecido como business case, o Para Ventura (2016), os requisitos não
qual serve de apoio para a seleção do funcionais são tão importantes quanto os
sistema. O conhecimento e análise do requisitos funcionais ou regras de negócio, e
processo e o levantamento de requisitos são não considerá-los pode levar ao fracasso
atividades essenciais para o sucesso da muitos projetos de software nas empresas.
etapa de pré-implantação do sistema. Os Uma das principais causas que justificam a
sistemas ERP devem ser adaptados para pouca importância que esses requisitos têm
requisitos, que podem ser alterados de uma na maioria dos levantamentos para
empresa para outra e também estão sujeitos a implantação de um sistema é que as
alterações até mesmo dentro da própria empresas/clientes não sabem o que é um
empresa, de acordo com muitos fatores, tais requisito não funcional. Kanwal et al. (2015),
como: processos de negócios, mudanças nas afirmam que os requisitos não funcionais
estratégias, usabilidade ou planos da como parte da engenharia de requisitos, são
empresa (ALI, NASR E GHEITH, 2016). definidos para especificar os atributos de
qualidade do sistema a ser desenvolvido. Um
A engenharia de requisitos é uma das
desses atributos de qualidade é a usabilidade
atividades críticas para o desenvolvimento
do sistema, que é a facilidade com que o
bem-sucedido de sistemas de software. As
usuário interage com a interface do sistema

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


61

para a realização de uma determinada tarefa. informações para proporcionar um


Para que um sistema ERP possua uma boa mecanismo de realimentação para atingir um
usabilidade, ele deve facilitar o processo de objetivo (STAIR, 1998).
aprendizagem e atender as necessidades dos
Davenport (1998) afirma que o sistema ERP é
seus usuários, auxiliando-os a realizar as
um software que garante a integração das
tarefas de forma objetiva e simples de acordo
informações que fluem pela empresa. Esse
com os processos empresariais (MELO,
sistema impõe sua própria lógica à estratégia,
2015).
à cultura e à organização da empresa. É uma
As empresas que desenvolvem um sistema solução genérica que procura atender a todo
ERP e os implementam em clientes com tipo de empresa e seu projeto reflete uma
diferentes necessidades, se deparam, série de hipóteses sobre como operam as
segundo Silveira (2006), com alguns organizações.
problemas de engenharia de requisitos,
Segundo Quintale (2015), durante a
como: conseguir que a informação de
implantação de um ERP o desenvolvedor
requisitos e suas configurações estejam
focaliza a maior parte de seu empenho para
facilmente disponíveis para suportar a tomada
garantir o comportamento correto do sistema
de decisões relativas à implantação do
e também que as informações se mantenham
produto por parte do cliente.
consistentes ao longo da utilização. Com isso,
A Ferramenta de Gerenciamento de a interface e interação do usuário
Requisitos (FGR), desenvolvida em Gualhano, (usabilidade) são colocadas em segundo
Medeiros Jr. e Vera (2015), possui plano já que não impactam diretamente no
implementada uma listagem de requisitos comportamento funcional do sistema. De
(biblioteca), construída a partir do uso da modo geral, a usabilidade está relacionada à
metodologia orientada a aspectos. A análise da qualidade do sistema em promover
biblioteca em questão já tem cadastrado o o seu manuseio e sua aprendizagem pelo
requisito de segurança computacional e seus usuário.
aspectos fundamentais, e carece do estudo,
O requisito de usabilidade é definido na NBR
como também de cadastramento de outros
ISO/IEC 9126-1 como a “capacidade do
requisitos.
produto de software de ser compreendido,
De acordo com Sommerville (2011), um aprendido, operado e atraente ao usuário,
aspecto contém a definição de um ponto de quando usado sob condições especificadas”.
corte e do adendo associado. Desta forma, Segundo a NBR ISO 9241-11, “usabilidade é
aspectos tornam-se abstrações totalmente a medida na qual um produto pode ser usado
distintas de outras existentes, porque incluem por usuários específicos para alcançar
formalmente a especificação das condições objetivos específicos com eficácia, eficiência
que devem estar associadas ao sistema. e satisfação em um contexto específico de
uso”. Rocha e Baranauskas (2000)
Nesse contexto, o presente trabalho tem
evidenciam que é preciso medir o impacto do
como objetivo elaborar uma proposta de
sistema junto ao usuário, ou seja, sua
engenharia de requisitos de sistemas
usabilidade. Isso inclui considerar aspectos
baseados na elicitação do requisito de
tais como: avaliar quão fácil é aprender a usar
usabilidade, considerando as suas diferentes
o sistema; a atitude do usuário com relação
taxonomias e a metodologia orientada a
ao sistema; identificar áreas do design as
aspectos. Em uma visão macro, pretende-se
quais sobrecarregam o usuário de alguma
realizar um estudo do requisito da usabilidade
forma, por exemplo, exigindo que uma série
(definição, especificação e avaliação), com
de informações sejam relembradas.
enfoque em sistemas ERP, para implementá-
lo na ferramenta FGR, com a finalidade de Segundo Faisal et al (2011), pequenas
auxiliar as organizações na aquisição mais melhorias na usabilidade do sistema ERP
eficiente desse sistema. podem trazer grandes benefícios, incluindo
economia de custos, redução de erros e
treinamento, que suportam os usuários a
2. OS SISTEMAS ERP E A USABILIDADE aumentar sua produtividade com maior
satisfação no trabalho. Os autores ressaltam
Um sistema de informação é um conjunto de
que o objetivo básico da usabilidade é ter
componentes interligados que coletam,
certeza de que o sistema funciona bem e um
manipulam e disseminam dados e
usuário com capacidade média pode

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


62

facilmente usá-lo ou operá-lo sem qualquer pode-se criar usuários administradores e


frustração. habilitar novas opções para os usuários
comuns.
A avaliação do requisito de usabilidade, de
acordo com a NBR ISO 9241-11, é realizada A ferramenta possui uma tela inicial, com uma
por meio da eficácia, eficiência e satisfação. interface simples que possibilita o acesso ao
Na eficácia é avaliada a precisão com que os sistema, no qual é feito o cadastro do usuário.
usuários atingem objetivos específicos, Dentre suas funcionalidades, a ferramenta
acessando a informação correta ou gerando possui uma área para gerenciamento de
os resultados esperados. Na eficiência é projetos, no qual o usuário tem a
avaliada a precisão com que os usuários possibilidade de cadastrar projetos, incluir
atingem seus objetivos em relação à integrantes (pessoas já cadastradas na FGR)
quantidade de recursos gastos, e na e gerenciá-los, e uma área para
satisfação é avaliado o conforto e gerenciamento de requisitos, em que o
aceitabilidade do produto, medidos por meio usuário pode criar, editar e visualizar seus
de métodos subjetivos e/ou objetivos. próprios requisitos, ou seja, os requisitos que
não encontrar na listagem de requisitos
É importante observar que o processo de
(biblioteca).
implantação de um sistema ERP pode ser
analisado sob dois aspectos distintos: do A FGR possui implementada uma biblioteca
especialista e do usuário. A dificuldade é que de requisitos que já tem disponível o requisito
a articulação dos dois ocorre em um nível de segurança computacional, em que são
muito superficial, pois o usuário final é visto considerados os aspectos fundamentais da
como se fosse um especialista, confiando que segurança: disponibilidade, confiabilidade e
um dia ele aprenderá a utilizar esse artefato integridade para sistemas computacionais,
independente da lógica subjacente a seu utilizando a tecnologia de aspecto.
manuseio (ABRAHÃO; SILVINO; SARMET,
2005).
4. METODOLOGIA
Nesse trabalho a metodologia utilizada foi
3. BIBLIOTECA DE REQUISITOS
composta por três partes: Inicialmente, foi
A Ferramenta de Gerenciamento de feita uma pesquisa bibliográfica relacionada
Requisitos (FGR) é um sistema de com aspectos fundamentais de engenharia de
gerenciamento de requisitos, desenvolvido software, engenharia de requisitos, sistema
por Gualhano, Medeiros Jr. e Vera (2015), que ERP e o requisito de usabilidade. Na segunda
foi projetado com a finalidade de auxiliar os parte, foi escolhido o domínio ERP, e foram
usuários no gerenciamento dos projetos, considerados os seus componentes, e a partir
principalmente na fase de elicitação de disto, iniciou-se o estudo do domínio (ERP),
requisitos. relacionado com o aspecto transversal
(usabilidade). A metodologia de construção
Segundo Gualhano, Medeiros Jr. e Vera
da biblioteca baseada em domínios e
(2015), o sistema tem como objetivo prover
aspectos transversais foi a AORE (Aspect
aos usuários gerenciamento coletivo dos seus
Oriented Requirements Engineering), utilizada
projetos na fase da elicitação de requisitos e
em Gualhano, Medeiros Jr. e Vera (2015),
tem em sua constituição um painel de
adaptada de Sommerville (2011), a qual é
gerenciamento das informações, na qual
apresentada na Figura 1.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


63

Figura 1: Metodologia de análise de requisitos

Fonte: Elaboração própria.

A metodologia apresentada pode ser descrita Fazer a coleta de requisitos para cada
da seguinte forma: componente: Para esta etapa a metodologia
utilizada para aquisição dos requisitos é livre
Determinar o Aspecto Transversal: Na
(entrevista, laddering, workshop), porém é
primeira etapa, após a compreensão do
necessário que o aspecto transversal
Domínio (Sistema ERP), foi determinado o
escolhido seja utilizado em todo o
aspecto transversal utilizado em um domínio
levantamento de requisitos. Por exemplo, a
de requisitos. Se necessário, de acordo com a
coleta de requisitos, considerada nesse
Figura 2, finalizando o processo, pode se
trabalho atende apenas ao aspecto
escolher um novo aspecto transversal e iniciar
usabilidade. Para outras propriedades como
novamente as etapas. Nesta proposta, foi
portabilidade e desempenho, deverá ser
escolhido como aspecto transversal o
repetido o processo (realizar outra coleta).
requisito de usabilidade para o Sistema ERP.
Definir cada requisito: É necessária uma
O domínio de requisitos é um sistema ou um
definição completa e correta de cada
conjunto de requisitos, que pode ser
requisito do sistema, para que a
particionado em conjuntos menores e
documentação dos mesmos no sistema seja
precisam ter as seguintes características: Ser
gerada de forma satisfatória e possibilite o
completo e independente (a falta de qualquer
bom funcionamento da biblioteca.
componente do sistema torna impossível a
existência do mesmo); Ser bem definido (é Especificar cada requisito: Na última etapa,
necessário que exista um esquema formal, no cada requisito que foi definido anteriormente é
qual todos os componentes sejam bem especificado e detalhado de forma que não
definidos, possuam uma propriedade em sejam entendidos de formas diferentes por
comum (aspecto transversal) e não sejam stakeholders distintos. Nesta etapa devem ser
ambíguos); Ser único (cada requisito deve considerados o aspecto transversal e o
pertencer a um único componente, para que domínio de requisitos, impreterivelmente.
não haja duplicação de requisitos do mesmo
domínio) (GUALHANO; MEDEIROS JR.; VERA,
2015). 5. REVISÃO DA LITERATURA
Determinar os componentes do domínio: A A necessidade do Sistema de Informação (SI)
classificação e atribuição dos requisitos fica nas empresas surgiu devido ao grande e
facilitada quando o mesmo é dividido em crescente volume de informações que uma
pequenos conjuntos independentes, este organização possui. Os temas sistema ERP e
particionamento foi feito nesta etapa. engenharia de requisitos têm sido
amplamente estudados, haja vista que

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


64

enriquecer a capacidade de informação e base de dados SCOPUS, percebe-se na


conhecimento não só melhoram a intersecção dos assuntos sistema ERP,
colaboração dos processos de negócios engenharia de requisitos e o requisito da
como também fortalecem a capacidade de usabilidade que se trata de uma abordagem
tomada de decisão. No entanto, considerando ainda pouco explorada, conforme mostrado
apenas um levantamento bibliométrico na na Figura 2.

Figura 2: Pesquisa realizada na base SCOPUS

Fonte: Elaboração própria.

Sen et. al (2010) apresentaram um estudo engenharia como uma preocupação


sobre um sistema de apoio à decisão para importante.
selecionar um software ERP de uma empresa
Johansson e Andersson (2014), utilizando
eletrônica, utilizando um procedimento de
uma base teórica sobre o gerenciamento de
tomada de decisão multicritério. De acordo
requisitos, mostraram como é feita a
com o modelo proposto, a empresa pode
engenharia de requisitos na implantação de
selecionar o software certo para adequar os
quatro sistemas ERP diferentes. Os autores
seus processos de negócio, em vez de
constataram que a elicitação de requisitos é
adaptar os seus processos de negócio ao
feita como uma coleção concentrada de
software.
requisitos no início do desenvolvimento do
Faisal et al (2011), realizaram um estudo para projeto, seguido de uma coleta simultânea de
avaliar a capacidade de usabilidade e requisitos menos extensivos durante o mesmo
eficiência da aplicação financeira em e que há também uma reutilização de
sistemas ERP relativos às indústrias requisitos de projetos anteriores.
corporativas, a partir do nível de satisfação
Para analisar as partes dos requisitos e a sua
dos usuários, utilizando uma pesquisa
relação com a modelagem de processos de
empírica de cinco indústrias têxteis, baseada
negócios, Khaleel et al. (2016) apresentaram
no levantamento do grupo de gerentes de
um estudo com conceitos básicos sobre o
nível corporativo.
tema e também um método de análise e
Para avaliar as razões do sucesso e fracasso modelagem de processos, utilizando os
na implementação de sistemas ERP e as requisitos identificados a fim de produzir
metodologias adotadas pelas equipes de funções de sistema ERP adequadas para as
consultoria, Almeida e Teixeira (2012) empresas.
realizaram uma pesquisa submetendo um
Mamoghlia, Goeppb e Botta-Genoulaz (2017),
formulário às empresas e às equipes de
ressaltaram em sua pesquisa que os sistemas
consultoria, a fim de confirmar os principais
ERP oferecem funcionalidades padrão que
erros, a cobertura dos sistemas ERP, a
precisam ser configuradas e personalizadas
resposta da qualidade dos processos de
por uma empresa específica, dependendo de
negócio e a avaliação dos requisitos de

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


65

seus próprios requisitos. Um levantamento que a maioria dos problemas não resolvidos
consistente é, portanto, um fator de sucesso estavam relacionados com usabilidade e
essencial para os projetos ERP. Para gerir confiabilidade.
este levantamento, as autoras propõem um
método fundamentado no modelo
operacional, baseando-se na concepção e na 6. RESULTADOS
correspondência de modelos e em
Inicialmente, foi escolhido o domínio ERP.
conformidade com as instruções dos padrões
Após a escolha deste domínio, foram
empresariais.
considerados os seus componentes, e a partir
Visando auxiliar a compreensão sobre os disto, foi especificado o requisito de acordo
pensamentos reais e as necessidades dos com o aspecto transversal (usabilidade). Este
desenvolvedores de sistemas, Zou et. al. domínio está formado pelos seguintes
(2017) realizaram um estudo empírico numa componentes e funcionalidades: Serviços,
base de dados com cerca de 21,7 milhões de Finanças, Recursos Humanos, Tecnologia,
postagens e 32,5 milhões de comentários Vendas e Manufatura, conforme mostrado na
sobre dúvidas e problemas com requisitos Figura 3.
não funcionais. Os resultados constataram

Figura 3: Domínio de Requisitos

Fonte: Elaboração própria.

Na especificação do requisito, conforme domínio ERP e o aspecto transversal em


apresentado na Tabela 1, foram considerados estudo.
os componentes e funcionalidades do

Tabela 1: Especificação do requisito associado aos componentes do domínio ERP.


Componente Definição Especificação do Requisito

Um participante inexperiente no uso de


tecnologias do sistema ERP deve
É necessário que um participante
executar o acesso ao sistema em um
experiente, tenha mais domínio no uso de
tempo limite, e um participante experiente
Tecnologia tecnologias do sistema ERP do que um
deve ser capaz de executar essa mesma
participante inexperiente.
tarefa, pelo menos na metade do tempo
limite.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


66

(continuação...)
Componente Definição Especificação do Requisito

A integração de todas as informações


relevantes para o RH, deve ser de fácil O acesso e a facilidade para acessar
Recursos acesso, e ter um número mínimo de informações que integram todo o RH em um
Humanos operações feitas pelo usuário (funcionário tempo pequeno é primordial para a
do RH) em um curto período de tempo. usabilidade do sistema ERP.

A organização do processo de vendas,


principalmente processos internos devem As informações sobre os processos de
ser dinâmicos e ágeis por cada setor, ou vendas devem fluir por todo o sistema ERP
seja, as operações devem ser de forma automatizada e rápida, a fim de
Vendas
efetivamente utilizadas e/ou consideradas toda equipe estar integrada, mais
úteis pelos usuários. organizada, o que consequentemente
beneficia o processo de venda.

A atualização do sistema, de acordo com as


movimentações financeiras auxiliam, além
da confiabilidade das informações, o
O ERP deve facilitar a visualização de acesso mais ágil, uma vez que estão
informações sobre as finanças da sempre atualizadas. E os relatórios gerados,
organização, gerando relatórios de forma diminuem consideravelmente o tempo, o
Finanças rápida e precisa, além de atualizar as qual seria gasto para fazer o levantamento
informações com o menor tempo possível, de todas os dados manualmente.
conforme as movimentações lançadas no
sistema.

Os serviços das empresas necessitam de


estrutura enxuta e eficiente. Sendo assim, o
sistema ERP deverá ser responsável por
gerir as informações internas de maneira
Os serviços no sistema ERP devem essencial para que essas empresas se
responder às necessidades do mercado mantenham competitivas e superem as
e serem integrados de forma a melhor expectativas do mercado. A rapidez e
Serviços
gerir a resposta das organizações a seus qualidade em seus processos devem ser
clientes, com intuito de concluir essas priorizadas. Através dessa base gerencial
tarefas com sucesso. (ERP), o usuário deve ser capaz de realizar
todo o controle de serviços de uma
empresa e atingir seus objetivos.

O ERP deverá propor à empresa maior


O ERP deve garantir a eficiência, redução facilidade no controle de sua produção, e
de custos e qualidade dos processos de auxilio quanto à identificação de seus erros
manufatura, organizando a gestão da e quanto à aplicação das devidas medidas
Manufatura operação e consequentemente corretivas, que objetivam a melhor utilização
otimizando a produtividade. de seus recursos (máquinas e
colaboradores).

Fonte: Elaboração Própria

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


67

É importante notar que a arquitetura do reconhecer seus benefícios e o quanto a


sistema ERP tem um papel de suma interface dos softwares / interação com o
importância, visto que as informações serão usuário são colocados em segundo plano
trocadas entre componentes do sistema e pelos próprios desenvolvedores desses
entre estes e o usuário, fluindo através de sistemas. Uma revisão da literatura também
conectores da arquitetura. A usabilidade do foi realizada com o objetivo de conferir os
sistema deve ser considerada em todo o ciclo trabalhos relacionados e verificar a
de vida do mesmo a fim de facilitar e trazer necessidade de desenvolvimento do estudo.
satisfação aos seus usuários, para o benefício Por meio dessa revisão, foi possível identificar
da produtividade de suas respectivas na intersecção dos temas “sistema ERP”,
empresas (MELO, 2015). “engenharia de requisitos” e “requisito da
usabilidade”, que se trata de uma abordagem
A partir desse estudo, será possível
pouco explorada.
implementar o requisito de usabilidade
voltado para sistema ERP na biblioteca de Sendo assim, de acordo com a metodologia
requisitos disponível na ferramenta FGR. de análise de requisitos “AORE”, o domínio
escolhido foi devidamente compreendido, no
que diz respeito à suas características e
7. CONCLUSÃO necessidades, e dele foram extraídos os
respectivos requisitos, fundamentados no
Os requisitos são cada vez mais um elemento
aspecto transversal em questão. Foram
essencial à construção de bons produtos de
considerados os principais componentes e as
software. A inclusão das tarefas de
funcionalidades do domínio ERP, os mesmos
engenharia de requisitos no processo de
foram definidos e deles extraídos os requisitos
implantação de um sistema ERP deve ser
exigidos por cada componente. Esses
sempre considerada. Nesse trabalho, como
requisitos, por sua vez, foram definidos e
definições iniciais, foram escolhidos um
especificados a fim de serem acrescentados
domínio (sistema ERP) e um aspecto
à Ferramenta de Gerenciamento de
transversal (usabilidade) para elaborar uma
Requisitos (FGR). Dessa forma, a proposta de
proposta de engenharia de requisitos de
elicitação de requisitos baseada no aspecto
sistemas baseada na elicitação do requisito
transversal (usabilidade) para o domínio ERP
de usabilidade.
foi realizada a contento, ressaltando que a
Para melhor entendimento dos conceitos implementação do requisito de usabilidade na
envolvidos no estudo e conhecimento do ferramenta FGR tem o intuito de facilitar a
estado da arte, foi realizada uma pesquisa produção de documentação de requisitos não
bibliográfica sobre engenharia de software, funcionais e especificações detalhadas
engenharia de requisitos, sistema ERP e aplicadas a sistemas ERP.
requisito de usabilidade. A pesquisa apontou
Para trabalhos futuros, sugere-se o estudo de
claramente a importância da integração das
outros requisitos não funcionais, tais como
informações nas empresas. Integração essa,
portabilidade, manutenibilidade,
que pode ser garantida através da
confiabilidade, desempenho e reusabilidade
implementação de um sistema ERP. A
para sistemas ERP, e implementá-los na
usabilidade foi um requisito não funcional
biblioteca modelada.
expressivamente valorizado, sendo possível

REFERÊNCIAS
[1]. ABRAHÃO, J. I.; SILVINO, A. M. D.; [3]. ALMEIDA, R.; TEIXEIRA, M. N. DE O.
SARMET, M. M. Ergonomics, cognition and Evaluating the Success of ERP Systems’
informatizated job. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. Implementation: A Study About Portugal.
21, n. 2, p. 163–171, 2005. Organizational Integration of Enterprise Systems
and Resources: Advancements and Applications,
[2]. ALI, M.; NASR, E. S.; GHEITH, M. H. A
IGI Global, 2012.
Requirements Elicitation Approach for Cloud Based
Software Product Line ERPs. In: Proceedings of the [4]. BERENBACH, B. et al. Software & Systems
2nd Africa and Middle East Conference on Requirements Engineering In Practice. New York:
Software Engineering. Cairo, Egypt: ACM Press, The Mc Graw Hill, 2009.
2016.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


68

[5]. CARVALHO, R. A. DE; CAMPOS, R. DE. [17]. MONTEIRO, A. Implantação de um


Uma análise de aspectos relacionados ao sistema ERP - Proposta de metodologia para
desenvolvimento e adoção de Enterprise implantação em empresas de pequeno e médio
Resources Planning livre de código aberto. Gestão porte. Trabalho de Conclusão de Curso -
& Produção, p. 667–678, 2009. Lajeado/RS: Centro Universitário Univates, 2007.
[6]. DAVENPORT, T. H. Putting the enterprise [18]. NBR ISO 9126-1. Engenharia de software -
into the enterprise system. Harvard business Qualidade de produto. Parte 1: Modelo de
review, v. 76, n. 4, 1998. qualidade. ABNT - Associação Brasileira de
Normas Técnicas, 2003.
[7]. DENNIS, A.; HALEY, B.; ROTH, R. M.
Análise e Projeto de Sistemas. 5a ed. Rio de [19]. NBR ISO 9241-11. Requisitos
Janeiro/RJ: LTC, 2005. Ergonômicos para Trabalho de Escritórios com
Computadores Parte 11 – Orientações sobre
[8]. FAISAL, C. M. N.; FARIDI, M. S.; JAVED, Z. Usabilidade. ABNT - Associação Brasileira de
Usability evaluation of in-housed developed ERP
Normas Técnicas, 1998.
system. Cairo, Egypt: 2011. Disponível em:
<http://dx.doi.org/10.1117/12.913212>. Acesso em: [20]. PINTO, K. A. DA C. A Engenharia de
2 abr. 2017. Software no Aperfeiçoamento do Sistema de
Gerenciamento de Empresas Parceiras do Hospital
[9]. GUALHANO, M. A.; MEDEIROS JR., R. C.;
de Câncer de Barretos: Estudo de Caso. In: VIII
VERA, A. S. C. Uma ferramenta para SEGET – Simpósio de Excelência em Gestão e
Gerenciamento de Requisitos de Segurança. In: VII
Tecnologia. Resende/RJ: 2011. Disponível em:
Congreso Internacional de Computación y
<http://eng.aedb.br/seget/artigos11/28614274.pdf>
Telecomunicaciones. Lima, Peru: Fondo Editorial . Acesso em: 27 mar. 2017
de la UIGV, 2015.
[21]. QUINTALE, D. H. Uma abordagem
[10]. ISO/IEC 10. 24765 - System and Software
orientada a modelos para desenvolvimento de
Engineering- Vocabulary. IEEE, 2010. sistemas ERP de varejo na Web utilizando
[11]. JOHANSSON, B.; ANDERSSON, B. características funcionais de usabilidade.
Requirements Engineering in Open Source ERP. In: Dissertação (Mestrado) - Sorocaba/SP:
7TH IADIS International Conference Information Universidade Federal de São Carlos, 2015.
Systems. Lund, Sweden: International Association
[22]. ROCHA, H. V. DA; BARANAUSKAS, M. C.
for Development of the Information Society (IADIS),
C. Design e Avaliação de Interface Homem-
2014. Computador. São Paulo/SP: UME-USP, 2000.
[12]. KANWAL, H. T.; ARIF, F.; ZAIDI, A. M.
[23]. ŞEN, C. G.; BARAÇLI, H. Fuzzy Quality
“Software requirement engineering”, a new leave
Function Deployment Based Methodology for
towards the silver bullet. In: Science and
Acquiring Enterprise Software Selection
Information Conference (SAI), 2015. London, UK:
Requirements. Expert Systems with Applications, v.
IEEE, 2015. Disponível em:
37, n. 4, p. 3415–3426, 2010.
<http://ieeexplore.ieee.org/abstract/document/7237
144/>. Acesso em: 5 maio. 2017 [24]. SILVEIRA, M. C. DOS S. P. A Reutilização
de Requisitos no Desenvolvimento e Adaptação de
[13]. KHALEEL, Y. et al. Components and
Produtos de Software. Tese (Doutorado) - Portugal:
Analysis Method of Enterprise Resource Planning
Universidade do Porto, 2006.
(ERP) Requirements in Small and Medium
Enterprises (SMEs). International Journal of [25]. SOMMERVILLE, I. Engenharia de
Electrical and Computer Engineering (IJECE), v. 6, Software. 9o edição ed. São Paulo/SP: Pearson
n. 2, p. 682, 1 abr. 2016. Education do Brasil, 2011.
[14]. MAMOGHLI, S.; GOEPP, V.; BOTTA- [26]. STAIR, R. M. Princípios de sistemas de
GENOULAZ, V. Aligning ERP systems with informação. Rio de Janeiro/RJ: LTC, 1998.
companies’ real needs: an “Operational Model
Based” method. Enterprise Information Systems, v. [27]. VENTURA, P. Requisitos de software: uma
11, n. 2, p. 185–222, 2017. visão detalhada sobre requisitos Funcionais,
requisitos não-funcionais e regras de negócio. Belo
[15]. MARTINS, R. D. Proposta de um processo Horizonte/MG: Indtech, 2016.
de engenharia de requisitos para o NUSIS. Caxias
do Sul, RS: Universidade de Caxias do Sul, 2013. [28]. ZOU, J. et al. Towards comprehending the
non-functional requirements through Developers’
[16]. MELO, E. L. P. DE. Boa usabilidade e eyes: An exploration of Stack Overflow using topic
comunicação eficiente de tarefas: dois aliados na analysis. Information and Software Technology, v.
execução de processos em sistemas integrados de 84, p. 19–32, 2017.
gestão. Dissertação (Mestrado) - Recife:
Universidade Federal de Pernambuco, 2015.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


69

Capítulo 6

Luciene da Silva Castro


Audrei Giménez Barañano

Resumo: A busca por fontes alternativas aos combustíveis fósseis em virtude da


elevada demanda energética principalmente devido ao crescimento populacional, a
redução da reserva petrolíferas já que mesma são recursos não renováveis e a
redução do impacto ambiental surgiu a necessidade de desenvolvimento de novas
tecnologias para produção de combustíveis como o biodiesel. O biodiesel é uma
energia limpa proveniente da transesterificação de óleos vegetais ou de gordura
animal. A purificação de biodiesel obtido via catálise homogênea geralmente é
realizada por meio lavagem úmida, que gera elevada quantidade efluentes
poluentes. Essa purificação é complexa, desse modo pode elevar o custo do
processo. Diante disso, surgiu o uso de catalisador heterogêneo que simplifica a
etapa de purificação. No presente artigo aborda um estudo de caso sobre a
produção de biodiesel de óleo de soja utilizando como catalisador heterogêneo
CaO oriundo do processo de calcinação da casca de ovo galináceo. O biodiesel
de óleo de soja foi produzido com êxito, evidenciando que o catalisador CaO é
promissor na síntese de biodiesel. O biodiesel obtido foi purificado devido a
lixiviação do cálcio para o meio reacional. A lixiviação é um grande desafio para a
produção de biodiesel utilizando esse catalisador. O biodiesel foi purificado com
resina de troca iônica, desse modo não houve geração efluentes, mostrando que o
processo de biodiesel via catálise heterogênea é sustentável.

Palavras-chave: Biodiesel; Casca de ovo; Sustentabilidade.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


70

1. INTRODUÇÃO apresenta dificuldade de separação do


produto, devido ser solúvel no meio reacional,
A busca por fonte alternativa aos
sendo assim esse não pode ser facilmente
combustíveis fósseis devido a diminuição das
recuperado. Portanto, a purificação via
reservas petrolíferas, o aumento da demanda
lavagem úmida é complexa podem elevar o
energética e a redução do impacto ambiental
custo do processo. (ZABETI, DAUD e AROUA,
surgiu o biodiesel (KAFUKU e MBARAWA,
2009).
2010). O biodiesel é um combustível
renovável, pois é produzido a partir de A purificação do biodiesel é geralmente
gordura animal ou de óleo vegetal. O uso realizada por lavagem com água. Já que a
desse combustível reduz a emissão de glicerina e o álcool remanescente são solúveis
materiais particulados, de monóxido de em água, portanto é uma técnica eficaz na
carbono, de dióxido de carbono, de remoção desses contaminantes. Além disso, a
poliaromáticos, de enxofre, de lavagem com água é responsável pela
hidrocarbonetos, de fumaça e de ruídos. Além eliminação dos restos do próprio catalisador e
disso, o biodiesel apresenta um elevado teor dos sabões. A purificação do biodiesel
de oxigênio comparado ao óleo diesel requer várias lavagens, geralmente utilizam
derivado do petróleo. A queima do biodiesel um volume de água três vezes superior ao
não contribui com a geração de CO2 para volume de biodiesel. A lavagem é realizada
atmosfera. O biodiesel é promissor como até obtenção da fase aquosa clara, que
combustível substituto ao óleo diesel (PUNA evidencia que todos os contaminantes foram
et al., 2010). removidos. A separação entre o biodiesel e a
fase aquosa é realizada geralmente através
O uso e a produção desse biocombustível é
de funis de separação ou por centrifugação.
vantajoso devido ao uso das redes de
Após a separação, o biodiesel contém ainda
distribuição instaladas atuais, ao uso da
água, sendo necessário aquecimento do
tecnologia de motores atuais e à possibilidade
biodiesel para realizar a passagem em
de redução de importação de petróleo. O uso
Na2SO4, que geralmente utiliza uma
desse biocombustíveis é uma fonte de
proporção 25% da quantidade de ésteres.
geração de emprego, renda para os
Esse método de purificação apresenta
agricultores e ainda é maneira de produzir de
inúmeras desvantagens tais como geração de
energia para áreas rurais. O biodiesel pode
efluentes líquidos poluentes, elevado custo,
ser aplicado em diversos setores tais como:
longo tempo produção, perda de produto e
no transporte, na mineração, na silvicultura,
ainda formação de emulsão (LEUNG, WU e
na construção civil e na marinha (RINCÓN,
LEUNG, 2010).
JARAMILLO e CARDONA, 2014).
Diante dessas dificuldades surgiu interesse
O biodiesel pode ser obtido a partir de
no uso do catalisador heterogêneo. De acordo
diversos métodos tais como microemulsão,
Vujicic et al. (2010) existem inúmeras
esterificação, craqueamento e
vantagens do catalisador heterogêneo em
transesterificação. A transesterificação é o
relação ao catalisador homogêneo. Estas
método mais utilizado na produção de
vantagens podem ser classificadas em:
biodiesel (LIN et al., 2011), é um processo
químico que ocorre entre o óleo ou gordura e - Ecológica: eliminação da etapa de lavagem,
o álcool na presença de catalisador formando consequentemente evita a geração de águas
ésteres conhecido como biodiesel e glicerol residuais; facilidade no descarte do
(glicerina) (KHAN et al., 2014). catalisador sólido usado, devido a não
toxicidade do catalisador;
O catalisador auxilia no processo com
objetivo de acelerar a reação (KAFUKU e - Econômica: o catalisador por ser reutilizado,
MBARAWA, 2010). Os catalisadores utilizados que se torna mais barato e produz biodiesel
na síntese de biodiesel podem classificados de elevada pureza;
como homogêneos e heterogêneos
- Tipo de investimento: Simplificação do
(ATADASHI, AROUA e AZIZ, 2010). O
processo ou até mesmo eliminação de etapa
catalisador homogêneo é o mais difundido
inteira do processo.
industrialmente. Na transesterificação via
catálise homogênea requer várias lavagens Os catalisadores heterogêneos tais como
do biodiesel com intuito de eliminar os óxidos de metais alcalino terrosos, os
sabões, a glicerina e o catalisador heteropoliácidos e as zeólitas têm sido
remanescente. O catalisador homogêneo investigados para a produção de biodiesel.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


71

Entre esses óxidos de metais alcalino excelente qualidade, pois as cascas de ovos
terrosos, destaca-se o óxido de cálcio não apresentam elementos tóxicos
(KHEMTHONG et al., 2012). (MURAKAMI et al., 2007).
O óxido de cálcio pode ser obtido de diversas A casca de ovo é fonte promissora para a
fontes tais como: da calcita (rocha calcária), obtenção de óxido de cálcio através da
das carapaças de caranguejo, das conchas calcinação. O óxido de cálcio derivado da
de ostras, das conchas de caracóis, dos casca de ovo tem sido investigado como
ossos, das cascas de ovos de avestruz e das catalisador na produção de biodiesel e
cascas de ovos de galinha (SHAN et al., mostrou promissor como catalisador na
2016). produção de biodiesel (BORO, DEKA e
THAKURB, 2012). Portanto, o uso da casca
O presente artigo tem como objetivo produzir
de ovo como precursora na obtenção de
biodiesel de soja utilizando como catalisador
catalisador para síntese de biodiesel é uma
o óxido de cálcio proveniente das cascas de
maneira agregar valor a esse resíduo.
ovo e ainda abordar o desafio para a
produção de biodiesel.
2.2 PRODUÇÃO DE BIODIESEL
2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Segundo o Parente (2003), o processo de
produção de biodiesel é composto por várias
2.1 CASCA DE OVO
etapas tais como:
A casca de ovo é um subproduto pouco
- Preparação da matéria: A preparação da
valorizado dos processos industriais, mas as
matéria prima tem como objetivo proporcionar
cascas de ovos apresentam um elevado
condições para obtenção de máximo de
potencial econômico. Na valorização das
ésteres através da efetivação da reação de
cascas de ovos são levados em consideração
transesterificação. A matéria prima deve
os aspectos ambientais, o elevado teor de
possuir o mínimo de acidez e umidade para
proteínas, sais minerais e uso como fonte
evitar a formação de sabões que afetam a
alternativa de CaCO3 (OLIVEIRA, BENELLI e
eficiência de conversão. Caso a matéria prima
AMANTE, 2009).
que apresenta o índice acidez acima do
A casca de ovo é um resíduo significativo desejado para o processo de produção, é
gerado pelas indústrias alimentícias. De necessário passar por uma etapa de
acordo com a Associação Brasileira de neutralização para tornar aceitáveis ao
Proteína Animal (ABPA, 2016), estima-se que processo. A neutralização da matéria prima
240 mil ton. de cascas de ovos foram geradas ocorre através da lavagem com uma solução
em 2015. As indústrias alimentícias alcalina de NaOH ou KOH, em seguida passa
apresentam dificuldades na destinação pela secagem ou desumidificação. Ainda
correta das cascas de ovos, que são nesta etapa, os compostos presentes na
geralmente descartadas em aterro sanitário matéria prima tais como: partícula, pigmentos,
sem nenhum tratamento. A gestão desses materiais coloidais e resíduos da extração são
resíduos eram uma prática indesejável devido indesejáveis a reação de transesterificação
ao odor em decorrência da biodegradação podem ser removidas através filtração.
das cascas de ovos (TSAI et al., 2008). A
- Reação de transesterificação: É a etapa de
disposição adequada desse resíduo evita
conversão dos triglicerídeos em ésteres;
poluição ambiental e risco para a saúde
pública (WITOON, 2011), no entanto implica - Separação de fases: O produto da reação
em um elevado custo para a indústrias apresenta uma fase pesada e outra leve que
(GUEDES, 2014). podem ser separadas por decantação ou
centrifugação. A fase pesada é composta
O uso do carbonato de cálcio oriundo das
pela glicerina bruta, excessos de água, álcool
cascas de ovos é uma maneira de minimizar
e impurezas enquanto a fase leve formada
os impactos causados pela exploração de
pela mistura de ésteres e ainda excessos de
reservas naturais de rocha calcária
álcool e impurezas;
(OLIVEIRA, BENELLI e AMANTE, 2009). Além
disso, evita a disposição de quantidade - Recuperação e desidratação do álcool: O
significativa de carbonato de cálcio em aterro álcool é recuperado da fase pesada e da fase
sanitário, elimina custo da disposição desse leve através da evaporação, e é utilizado
resíduo e ainda obtém carbonato de cálcio de novamente no processo. O álcool recuperado

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


72

ainda contém quantidade significativa de  Destilação da glicerina: A glicerina


água, sendo necessário realizar uma etapa de bruta proveniente do processo ainda possui
desidratação por destilação; água, álcool e impurezas. Portanto, a glicerina
pode ser purificada para melhorar o valor no
 Purificação dos ésteres e da glicerina:
mercado. Essa purificação é realizada por
A purificação dos ésteres é realizada através
destilação a vácuo, e assim obter um produto
da lavagem, o biodiesel em seguida passa
límpido e transparente conhecida como
pela etapa de desumidificação. Esta etapa é
glicerina comercial.
necessária pela remoção contaminante como
catalisador, álcool e glicerol que possam A Figura 1 ilustra o processo de produção de
ainda está presente no biodiesel; biodiesel.

FIGURA 1 – Fluxograma de produção de biodiesel

Fonte: Adaptada a partir de Parente (2003)

3. METODOLOGIA 3.1 PROCESSO DE PRODUÇÃO DE


BIODIESEL DE ÓLEO DE SOJA UTILIZANDO
O experimento de produção biodiesel e
ÓXIDO DE CÁLCIO DERIVADO DA CASCA
preparação da casca de ovo foram realizados
DE OVO COMO CATALISADOR
no Laboratório de Engenharia Química da
HETEROGÊNEO.
Universidade Federal do Espírito Santo,
Campus de Alegre – ES. A síntese do O biodiesel de óleo de soja foi produzido num
catalisador foi realizada no Laboratório de sistema em batelada, que era composto por
Química Aplicada do Instituto Federal do um reator encamisado de 500 mL equipado
Espírito Santo, Campus de Alegre – ES. com um agitador mecânico, por um sistema
de condensação e por um circulador de água
termostatizado que mantinha a temperatura
constante, conforme ilustrado na Figura 2.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


73

FIGURA 2 – Produção de biodiesel de óleo de soja utilizando catalisador heterogêneo CaO oriundo
da casca de ovo.

Fonte: Autor.

O catalisador (CaO) foi adicionado ao metanol de 9:1, uma concentração de 3% de


sob agitação constante durante 1,5 h à catalisador (razão em massa
temperatura ambiente. As condições catalisador/óleo). Após o término da reação,
experimentais de síntese de biodiesel transferiu-se a mistura para o funil de
seguiram a metodologia descrita por Wei, Xu decantação, para promover a separação das
e Li (2009). Após essa etapa, a solução fases e deixou-se em repouso por 24 h. Após
catalisadora foi adicionada ao reator contendo esse tempo de repouso foi a retirada a
óleo aquecido a 60 ºC (alterada a temperatura glicerina e o catalisador do funil de
de reação para evitar perda de metanol em separação, permanecendo apenas o
razão da temperatura escolhida por Wei, Xu e biodiesel. O rendimento de éster foi calculado
Li (2009), ser a temperatura de ebulição deste por meio da gravimetria através da Equação
álcool) sob agitação constante durante 3 h, 1.
utilizando uma razão molar de metanol:óleo

𝑚
%𝑅 = 𝑚𝑏 ∗ 100 (1)
𝑜

Nessa equação, 𝑚𝑏 é a massa do biodiesel


de óleo de soja (g) e 𝑚𝑜 é a massa do óleo de
4. RESULTADOS E DISCUSSÕES
soja (g).
O produto obtido foi analisado por
A análise qualitativa da conversão do óleo em
cromatografia em camada delgada. Esta
biodiesel foi realizada através da
análise qualitativa é uma maneira rápida e
cromatografia em camada delgada (CCD).

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


74

efetiva para verificar a conversão de óleo em é, a formação de biodiesel. Além disso,


ésteres durante uma reação. observa-se manchas restantes que podem ser
relacionados aos coprodutos da reação, as
O material de partida é óleo podemos
impurezas, materiais de partida, os produtos
observar que houve formação de mancha em
intermediários tais como mono, di,
Rf =0,5, região específica de triglicerídeos e
triglicerídeos, ácidos graxos. Não houve uma
enquanto a mancha de biodiesel foi formada
conversão completa dos triglicerídeos em
em Rf = 0,8, no qual é a região especifica
ésteres, conforme observando na figura. Isso
para formação de éster. A Figura 3 mostram
evidencia que é necessário melhoria no
que houve reação química de
processo para aumentar o rendimento do
transesterificação, devido surgimento de
biodiesel.
mancha na região dos ésteres alquílicos, isto

FIGURA 3 – Cromatograma das amostras (a) óleo de soja, (b) biodiesel metílico de soja utilizando
catalisador heterogêneo de CaO oriundo da casca de ovo.

O aspecto da mistura formada durante a conforme pode observar na Figura 4, devido à


reação de transesterificação era leitoso, coloração óxido de cálcio.

FIGURA 4: Mistura reacional após a reação de transesterificação.

A Figura 5 mostra a separação de fases da reagido e álcool e na fase inferior a glicerina e


mistura. Observa-se que houve separação de catalisador.
fase, na parte superior ésteres, óleo não

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


75

FIGURA 5 – A separação de fases da mistura reacional.

O rendimento de éster foi em torno de 85 %, 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS


isso indica que este catalisador é promissor
A produção de biodiesel é fonte de energia
para síntese de biodiesel. O biodiesel
limpa já que a mesmo é proveniente fonte
formado apresentava um aspecto um pouco
renovável. Visto que é um combustível verde
turvo. Após alguns dias, o biodiesel
pois evita emissão de gases poluentes
apresentou um aspecto gelatinoso devido a
comparado ao óleo diesel, portanto é uma
lixiviação do cálcio durante a reação de
energia promissora para futuro.
transesterificação (GRANADOS et al., 2009).
A produção de biodiesel via catálise
A lixiviação é o principal restrição para uso do
homogênea existem inúmeras desvantagens
CaO como catalisador. Somente a
entre essas está a geração de elevada
decantação não foi suficiente para sedimentar
quantidade de efluente. O uso de catalisador
todo o cálcio lixiviado. Em busca em melhoria
heterogêneo permitiu não geração de
para o processo foram realizada uma
efluentes líquidos.
centrifugação da mistura reacional e
posteriormente foi realizada a decantação, O uso da casca de ovo como matéria prima
observou que o biodiesel ainda apresentava precursora para síntese de catalisador é uma
teor de cálcio acima da especificação da maneira de agregar valor ao resíduo e ainda
ANP. minimizar a disposição em aterro sanitário de
grande quantidade de casca de ovo.
Após a centrifugação e decantação, o
Portanto, é uma solução para a indústria
biodiesel foi purificado utilizando uma resina
alimentícias e ainda pode ser uma fonte de
de troca iônica. O teor de cálcio do biodiesel
renda para a indústria, já as cascas de ovos
foi reduzido e apresentou conforme ao
podem ser comercializadas para produção de
desejado pela especificação da ANP. A resina
CaO.
pode ser regenerado utilizando uma lavagem
com etanol sem perda significativa na O CaO da casca de ovo mostrou-se promissor
estabilidade. na catálise para a síntese de biodiesel. O
rendimento ésteres obtido foi de 85%, visto
que é uma atividade catalítica significativa
para este catalisador.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


76

A partir de resíduos foi possível obter um porém a purificação com resina de troca
catalisador de baixo para aplicação na iônica foi eficaz na remoção do cálcio.
indústria de biodiesel, visto que a maioria dos
A produção de biodiesel utilizando como
catalisadores heterogêneos apresentam um
catalisador um resíduo pode tornar o
alto para o processo. A qualidade do
processo mais sustentável.
biodiesel é afetada pela lixiviação do cálcio,

REFERÊNCIAS
[1]. Associação Brasileira de Proteína Animal. [10]. Oliveira, D. A., Benelli, P., & Amante, E. R.
(2016). ABPA MÍDIA. Acesso em 05 de FEVEREIRO (2009). Valorização de Resíduos Sólidos: Casca de
de 2016, disponível em ABPA - Associação Ovos como Matéria-Prima no Desenvolvimento de
Brasileira de Proteína Animal: http://abpa- Novos Produtos (Vols. 20th-22nd). São Paulo: KEY
br.com.br/noticia/producao-de-ovos-do-brasil- ELEMENTS FOR A SUSTAINABLE WORLD:
cresce-61-e-chega-a-395-bilhoes-de-unidades- ENERGY, WATER AND CLIMATE CHANGE.
1550
[11]. Oliveira, D., Benelli, P., & Amante, E.
[2]. Atadashi, I., Aroua, M., & Aziz, A. A. (2013). A literature review on adding value to solid
(2010). High quality biodiesel and its diesel engine residues: egg shells. Journal of Cleaner Production,
application: A review. Renewable and Sustainable pp. 42-47.
Energy Reviews, 14, 1999–2008.
[12]. Parente, E. J. (2003). BIODIESEL: Uma
[3]. Atadashi, I., Aroua, M., & Aziz, A. A. Aventura num País Engraçado. Tecbio.
(2011). Biodiesel separation and purification: A
review. Renewable Energy , 36, 437 - 443. [13]. Puna, J., Gomes, J., Correia, M. J., Dias,
A. S., & Bordado, J. (2010). Advances on the
[4]. Boro, J., Deka, D., & Thakurb, A. J. (2012). development of novel heterogeneous catalysts for
A review on solid oxide derived from waste shells transesterification of triglycerides in biodiesel. Fuel,
as catalyst for biodiesel production. Renewable 89, 3602–3606.
and Sustainable Energy Reviews, 16, 904– 910.
[14]. Rincón, L., Jaramillo, J., & Cardona, C.
[5]. Granados, M. L., Alonso, D. M., Sádaba, I., (2014). Comparison of feedstocks and technologies
Mariscal, R., & Ocón, P. (2009 ). Leaching and for biodiesel production:An environmental and
homogeneous contribution in liquid phase reaction techno-economic evaluation. Renewable Energy, p.
catalysed by solids: The case of triglycerides 69 .
methanolysis using CaO. Applied Catalysis B:
[15]. Tsai, W.-T., Hsien, K.-J., Hsu, H.-C., Lin,
Environmental, 89, 265–272.
C.-M., Lin, K.-Y., & Chiu, C.-H. (2008). Utilization of
[6]. GUEDES, F. H. (2014). Reaproveitamento ground eggshell waste as an adsorbent for the
de resíduo de casca de ovo e chamote na removal of dyes from aqueous solution.
produção de material cerâmico para isolação Bioresource Technology , pp. 1623–1629.
térmica (Vol. 170 f). Campos dos Goytacazes:
[16]. Vujicic, D., Comic, D., Zarubica, A., Micic,
Dissertação Mestrado (Engenharia e Ciências dos
R., & Boskovic, G. (2010). Kinetics of biodiesel
Materiais) - Programa de Pós - Graduação em
synthesis from sunflower oil over CaO
Engenharia e Ciências dos Materiais, Universidade
heterogeneous catalyst. Fuel(89), 2054–2061.
Estadual Norte Fluminense.
[17]. Wei, Z., Xu, C., & Li, B. (2009). Application
[7]. Kafuku, G., & Mbarawa, M. (2010).
Biodiesel production from Croton megalocarpus oil of waste eggshell as low-cost solid catalyst for
biodiesel production. Bioresource Technology , pp.
and its process optimization. Fuel, 89, 2556–2560.
2883–2885.
[8]. khan, T., A.E.Atabani, Badruddin, I. A.,
[18]. Witoon, T. (2011). Characterization of
Badarudin, A., Khayoon, M., & S.Triwahyono.
calcium oxide derived from waste eggshell and its
(2014). Recent scenario and technologies to utilize
application as CO2 sorbent. Ceramics International,
non-edible oils for biodiesel production. Renewable
pp. 3291–3298.
and Sustainable Energy Reviews, 37, 840–851.
[19]. Zabeti, M., Daud, W. M., & Aroua, M. K.
[9]. Leung, D. Y., Wu, X., & Leung, M. (2010).
(2009). Activity of solid catalysts for biodiesel
A review on biodiesel production using catalyzed
production: A review. Fuel Processing Technology,
transesterification. Applied Energy, 87, 1083–1095.
90, 770–777.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


77

Capítulo 7

Simone Correia de Lima


Nadia Heloisa Barbosa Goulart
Jacinta de Fátima Pereira Raposo

Resumo: A Manutenção Produtiva Total (TPM) compreende um abrangente


conjunto de atividades de manutenção que visam melhorar o desempenho e a
produtividade dos equipamentos de uma fábrica com vista no desenvolvimento de
uma cultura organizacional voltada para atividades de aperfeiçoamento com a
participação de todos. Este artigo propõe uma avaliação da adequação aos pilares
da TPM em uma fábrica de transformação de vidros no estado de Pernambuco,
como pré-requisito para sua implementação futura. Para tanto, empregou-se, como
metodologia, uma pesquisa bibliográfica descritiva com auxilio de um estudo de
caso, utilizando-se como ferramentas para coleta de dados a observação direta e o
questionário estruturado. Foi possível, após tratamento dos dados, identificar
pontos negativos em relação a adequação de ações da empresa aos pilares da
TPM, sendo para estes, proposto ações de melhorias, para que assim, possam ser
realinhados e estabilizados com aqueles já consolidados.

Palavras-Chave: Manutenção Produtiva Total, Empresa de Vidros, Adequação aos


pilares da TPM.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


78

1. INTRODUÇÃO estudo de caso, utilizando-se como


ferramenta para coleta de dados a
O conceito de Manutenção Produtiva Total,
observação direta e aplicação de questionário
conhecido pela sigla TPM (Total Productive
estruturado.
Maintenance), inclui programas de
manutenção preventiva e preditiva. É a A seguir o leitor depara-se com o trabalho
melhoria na estrutura da empresa em termos dividido em 6 seções, além desta introdutória.
materiais e em termos humanos, alcançando A seção 2 apresenta uma breve revisão
um rendimento operacional global. teórica sobre a TPM. A seção 3 expõe os
métodos adotados para construção do
A TPM se baseia na execução de oito pilares,
trabalho. Na seção 4 tem-se a descrição da
os chamados “Pilares da TPM”, são eles:
empresa objeto do estudo de caso e a
Educação e Treinamento; Manutenção
caracterização do estudo aplicado. A seção 5
Autônoma; Manutenção Planejada; Melhoria
descreve os resultados e discussões que se
Específica; Controle Inicial; Manutenção da
traduzem no diagnóstico situacional e
Qualidade; Gestão Administrativa ou TPM da
propostas de ações. E por fim, a seção 6 com
administração e; Segurança e Meio Ambiente
as considerações finais.
ou TPM da Segurança e Meio Ambiente.
A base para a implementação dos pilares da
TPM é a busca, da empresa, em adquirir 2. MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL
vantagens, como progressos na sua estrutura
A Manutenção Produtiva Total conhecida
a partir da reestruturação e melhorias das
abreviadamente por TPM (Total Productive
pessoas e dos equipamentos com
Maintenance) tem como objetivo reunir
envolvimento de todos os níveis hierárquicos,
diversas atividades com a convenção voltada
bem como, estruturação de uma manutenção
para o resultado.
espontânea, objetivando eliminar erros,
quebras e custos adicionais, entre outros Moubray (1996) afirmou que a atividade de
fatores. gestão da manutenção, nas empresas, tem
procurado novos modos de pensar, tanto
Partindo-se destas observações e admitindo-
tecnicamente como gerencialmente, já que as
se a dificuldade que muitas empresas
novas exigências de mercado tornaram
possuem em sistematizar e verificar sua
visíveis as limitações dos atuais sistemas de
performance em relação as práticas de
gestão.
manutenção adotadas, este trabalho propõe
uma avaliação da adequação aos pilares da Complementando a ideia exposta Tsarouhas
TPM em uma fábrica de Vidros no Estado de (2007) cita que a TPM define a relação entre a
Pernambuco, como pré- requisito para sua produção e a manutenção, para
implementação futura. melhoramento contínuo da qualidade dos
produtos, eficiência operacional,
Este trabalho se justifica pelo fato de que a
capacidades, garantias e segurança.
empresa, objeto de estudo, mostrou-se
interessada em buscar melhorias para seu Sendo assim, pode-se concluir que a TPM
sistema produtivo, e que estas podem ser pode ser vista como uma filosofia de
alcançadas com a implementação da filosofia manufatura, que promove a capacitação do
da TPM. Porém, é sabido que as vantagens potencial de seus operadores para efetuar
oferecidas pela TPM só serão alcançadas atividades básicas de conservação, que
com sua apropriada implementação, ou seja, geralmente é executado pelo setor específico
se faz necessário um planejamento para de manutenção, ou seja, proporcionar a
execução dos pressupostos da TPM, autonomia para os colaboradores na
planejamento este que facilite e subsidie a execução de reparos básicos como: limpeza,
introdução da manutenção como uma das re-lubrificação, reaperto, etc.
atividades fundamentais de um processo
Nakajima (1988) defende que essa filosofia de
produtivo e que esta seja enfrentada como
manufatura que enfoca e valoriza o
uma função proativa.
relacionamento efetivo dos operadores com o
Cabe classificar esta pesquisa como de equipamento e suas funções podem ser
natureza aplicada, pois têm como objetivo efetivadas através da construção de oito
gerar conhecimentos para aplicações pilares e estes por sua vez, devem sustentar a
práticas, bem como uma pesquisa TPM. Os pilares com seus objetivos e
bibliográfica descritiva com auxilio de um vantagens estão disposto na Tabela 1.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


79

Tabela 1 – Os oito pilares da TPM: Objetivos e Vantagens


PILAR OBJETIVO VANTAGENS
Capacitar os operadores para Tornar os operadores aptos a promoverem, nos seus
Manutenção supervisão e atuação como ambientes de trabalho, mudanças que venham a garantir
autônoma mantenedores de primeiro aumento de produtividade e satisfação em atuar no seu
nível. posto de trabalho.
Aplicar todas as ações Auxiliar na tomada de decisão tanto na produção como
Manutenção
preventivas incorporadas nas nos negócios, visto que somente a manutenção garante
Planejada
técnicas de Manutenção. o perfil e a disponibilidade dos equipamentos.
Permiti que o equipamento possa ser consertado com a
Controle Inicial Prevenir a manutenção.
rapidez e qualidade requeridas.
Reduzir tempos operacionais; Aumentar segurança;
Deixar de lado as diferenças
Reduzir tempos de setup (período em que a produção é
Melhoria Específica naturais do ser humano e
interrompida para consertos); Aumentar a
trabalhar em conjunto.
disponibilidade de um ativo.
Os mantenedores devem
conhecer tecnicamente Aumentar a produtividade, para isso é necessário que os
Educação &
equipamentos para que operadores saibam manusear ferramentas de montagem
Treinamento
realizem ajustes e os e operar equipamentos simples ou complexos.
consertos necessários.
Respeitar à saúde e a
Segurança e Meio integridade física das
Evitar multas por fiscalização e penalidades.
Ambiente pessoas, e a preservação do
meio ambiente.
Definir o setor e estabelecer
metas com base em 3 pilares:
TPM em áreas KAIZEN no setor e entre os Eliminar desperdício e perdas geradas pelo trabalho de
administrativas setores;Manutenção escritório.
Autônoma para escritório e
Educação & Treinamento.
Prevenir defeitos através de
verificação e medição Garantir que equipamentos não produzirão defeitos no
Qualidade
periódicas das condições dos produto.
equipamentos.
Fonte: Adaptado de Pereira (2011)

Em resumo, de acordo com Pereira (2011) a este trabalho como uma pesquisa aplicada,
implementação dos oito pilares da TPM, no pois têm como objetivo gerar conhecimentos
sistema produtivo de uma empresa, pode para aplicações práticas, já em observância
resultar na eliminação total de perdas, na aos objetivos, este se classifica como
eficiência dos ativos através da redução de exploratório por utilizar um estudo de caso e
quebras de máquinas, na melhor utilização bibliográfico por fazer uso de revisões em
dos equipamentos disponíveis e redução de livros e artigos sobre o tema escolhido.
perdas nas diversas etapas e/ou áreas dos
Para melhor compreensão da metodologia
processos produtivos.
utilizada preferiu-se dividir as ações nela
desenvolvidas em fases, como mostra a
Figura1:
3. METODOLOGIA UTILIZADA
De acordo com Silva e Menezes (2005), do
ponto de vista da sua natureza, considera-se

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


80

Figura 1 – Estrutura da metodologia da pesquisa

De acordo com a Figura 1 os procedimentos é verificado como a empresa se adequa a


metodológicos sucederam da seguinte cada pilar da TPM, quais os pontos fortes que
maneira: possibilitam a implementação de uma TPM na
empresa, bem como, quais os pontos fracos
Fase 1: Pesquisa bibliográfica: Baseia-se em
que precisam ser melhorados para essa
leitura em livros e artigos que tratam sobre
futura ação;
manutenção produtiva total e escolha dos
pontos principais para compor o trabalho, Fase 4: Propostas de ações - A partir da
estes foram apresentados na seção 2 deste verificação de adequação ao pilares da TPM
artigo; na fase anterior, foi realizada propostas de
ações que possibilitem a implementação da
Fase 2: Estudo de caso: O estudo de caso
manutenção produtiva total futura.
examina um dado fenômeno em seu meio
natural, a partir de fontes de evidências e pelo
emprego de ferramentas de coleta de dados.
4. ESTUDO DE CASO
Neste trabalho foi investigado a performance
da empresa, objeto de estudo, em relação as 4.1. A EMPRESA E CARACTERIZAÇÃO DO
práticas operacionais adotadas para verificar ESTUDO
a adequação de suas ações para futura
A empresa que subsidiou a realização desta
implementação de uma gestão de
pesquisa situa-se na região metropolitana de
manutenção produtiva total. Nesta fase, para
Pernambuco e atua no ramo de transformação
a coleta de dados foi utilizada observações
de vidros, tendo como principais produtos os
diretas e aplicação de questionários com a
vidros dos tipos: Box padrão; Espelho, Vidro
participação da gerência e do pessoal do
engenharia e Vidro laminado.
chão de fábrica;
Em sua linha de produção tem-se 12
Fase 3: Diagnóstico situacional – Nessa fase
máquinas que encontram-se arranjadas na
as perguntas que compuseram o questionário
seguinte sequência de operações: ponte,
aplicado foram separadas por pilares da TPM
corte, lapidação, furação, acabamento,
(Educação e Treinamento; Manutenção
lavagem e tempera.
Autônoma; Manutenção Planejada; Melhoria
Específica; Controle Inicial; Manutenção da A Figura 2 mostra de forma simplificada a
Qualidade; Gestão Administrativa e disposição dos estoques, equipamentos e
Segurança e Meio Ambiente) e foi realizada a máquinas do setor produtivo da empresa.
interpretação dos resultados. No diagnóstico

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


81

Figura 2 – Disposição de estoques, equipamentos e maquinário no chão de fábrica.

Atualmente a capacidade disponível da da empresa em termos materiais e em termos


empresa é de 20.000 m² por dia, porém, sua humanos, para que daí sejam traçadas as
capacidade utilizada é em média de 10.000 ações de melhoria operacional.
m² por dia. Tal dado remeteu a busca por
Neste sentido, foi sugerida uma avaliação da
informações que estariam ocasionando o não
adequação das ações realizadas no chão de
aproveitamento da capacidade disponível da
fabrica da empresa com os pilares da TPM,
empresa.
para que assim a gerência possa planejar a
A coleta de dados por observação direta futura implementação da mesma, e com uso
revelou informações iniciais importantes, da TPM alcançar reformulação na postura de
como: toda empresa, com vista em eliminar
desperdícios, falhas, acidentes, defeitos, etc.
Foi verificado que no sistema produtivo
ocorria com frequência problemas mecânicos Então, seguiu-se com a avaliação da
e elétricos, desperdício de matéria prima, falta adequação aos pilares da TPM através da
de controle no estoque, ausência de aplicação de questionários, como descrito em
treinamento, riscos físicos e ergonômicos ao sequência.
trabalhador, ausência de um setor específico
para a qualidade, uso de manutenção reativa,
entre outros fatores negativos; 4.2. APLICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO
Em conversa com a gerência da empresa Inicialmente o questionário foi estruturado
percebeu-se o interesse pela implantação de conforme os problemas observados no chão
melhorias com intuito de diminuir custos e de fábrica da empresa. O Quadro 1 mostra
eliminar desperdícios, bem como, aumentar a parte do questionário de 48 questões, que foi
produtividade e o rendimento operacional. aplicado na oportunidade da realização de
uma palestra sobre a filosofia Kaizen com
Dado as observações, notou-se a
participação de 19 colaboradores do setor
necessidade de uma avaliação da estrutura
produtivo.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


82

Quadro 1 – Parte do questionário aplicado


Prática Operacional
Resposta
Responder as seguintes perguntas marcando um "X"
SIM NÃO
1) É comum a toma de decisão no chão de fabrica?
2) No caso de novas idéias sobre melhorias, estas são valorizadas pela empresa?
3) O objetivo estratégico da empresa é divulgado/conhecido?
4) Todas as informações sobre operações são compartilhadas entre os colaboradores?
5) Resultados em termos de qualidade do processo ou das operações são divulgados?
Antes que as pessoas tratem o problema (quando existir) é investigada a causa do
6)
mesmo?
7) As pessoas admitem quando falham?
8) Os equipamentos de trabalho suprem sua necessidade?
No surgimento de opiniões contrárias sobre melhorias para a operação são
9)
compartilhadas?
No surgimento de opiniões contrárias sobre melhorias para a operação são bem
10)
aceitas?
11) A sua tarefa é padronizada?

As perguntas envolveram assuntos referentes respostas apontadas como positivas ou


à gestão da manutenção, gestão da negativas.
qualidade, higiene, saúde e segurança do
Os Quadros de 2 ao 9 apresentam os
trabalho, inspeções, gestão de pessoas,
resultados obtidos para os questionamentos
disposição do arranjo físico e práticas
de acordo com os oitos pilares da TPM e
motivacionais.
subsequentes aos quadros, são apresentadas
as discussões sobre a adequação das ações
da empresa para aderir aos conceitos da TPM
5. DIAGNÓSTICO SITUACIONAL
por pilar.
Nessa fase, com o resultado dos
O Quadro 2 apresenta os questionamentos
questionários em mãos, foram identificadas as
selecionados para análise da adequação da
perguntas que se relacionam aos objetivos de
empresa ao pilar da TPM “manutenção
cada pilar da TPM com suas respectivas
autônoma”.

Quadro 2 – Resultado sobre o pilar da TPM, manutenção autônoma.


Manutenção Autônoma
Respostas
Questionamento
Positivas Negativas
Novas ideias relacionadas a melhoria da empresa são
3 13
valorizadas?
Os equipamentos da empresa suprem as suas necessidades? 9 7
Há um padrão na execução da sua tarefa? 10 5
Todas as informações, sobre falhas no geral, são
7 8
compartilhadas entre os funcionários?
As pessoas admitem quando falham? 4 10
A disposição do maquinário contribui para o surgimento de
11 5
quebras?
Numa falha o primeiro ato é não determinar de quem é culpa e
10 4
sim procurar soluções?
Os funcionários participam de atividades de melhorias de
7 8
processos, produtos e serviços?
A empresa tem programas de treinamento operacional? 5 9

De acordo com o Quadro 2, percebe-se que a associado a este pilar, como: ausência de
empresa não se adéqua ao pilar manutenção programas de incentivo aos colaboradores na
autônoma da TPM. Isso se torna evidente pela busca por melhorias para o sistema produtivo;
presença de alguns pontos negativos no falta de comunicação, por parte de alguns
resultado do questionário aplicado e colaboradores, sobre falhas; ocorrência de

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


83

falhas no produto por disposição inadequada tarefas e presença de equipamentos que


dos maquinários (arranjo físico não favorece o suprem a necessidade operacional dos
deslocamento dos colaboradores entre as colaboradores no chão de fábrica.
máquinas); e inexistência de treinamentos
Da mesma forma que o Quadro anterior, o
para uma gestão da manutenção.
Quadro 3 exibe os questionamentos
Por outro lado, observa-se a vista de alguns selecionados para análise da adequação da
pontos positivos que podem vir a contribuir na empresa ao pilar da TPM “manutenção
busca pela adequação ao pilar em questão. planejada”.
Sendo estes: padronização na execução das

Quadro 3 – Resultados sobre o pilar da TPM, manutenção planejada.


Manutenção Planejada
Respostas
Questionamento
Positivas Negativas
Há um histórico de reparos das máquinas? 10 5
Você acha que a manutenção efetuada atualmente está
8 12
suprindo suas necessidades?
A manutenção ocorre apenas com a quebra do equipamento? 10 2
O uso da manutenção de reparação afeta a qualidade do
10 2
produto final?
Os funcionários participam de atividades de solução de
8 10
problemas?
Numa falha o primeiro ato é não determinar de quem é culpa e
10 4
sim procurar soluções?
A empresa apoia atividades de grupos que promovem a
7 8
aprendizagem mútua?

O pilar “manutenção planejada” diz respeito à Contudo, a presença de pontos positivos


aplicação de ações preventivas incorporadas como a utilização dos históricos dos últimos
a técnicas de manutenção. Logo, em reparos e a cultura de procurar solucionar
observância aos resultados apresentados no problemas, se incorporadas as ações
Quadro 3 entende-se que a fábrica de vidros corretivas para os pontos negativos citados
não opera com manutenção preventiva em anteriormente, poderão contribuir para a
sua totalidade. Alguns dos resultados introdução deste pilar no meio operacional.
apresentados indicam esse fato, como: a
Dando continuidade ao diagnóstico, o Quadro
utilização de uma manutenção corretiva, ou
4 expõe os questionamentos selecionados
seja, só ocorre a manutenção quando o
para análise de adequação ao pilar da TPM
equipamento quebra, bem como, o fato deste
“melhoria específica”.
tipo de manutenção ser considerada pelos
colaboradores insuficiente.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


84

Quadro 4 – Resultados sobre o pilar da TPM, melhoria específica.


Melhorias Específicas
Respostas
Questionamento
Positivas Negativas
O objetivo principal da empresa é amplamente
14 2
divulgado/conhecido?
Todas as informações são bem compartilhadas entre os
7 8
funcionários?
Antes que as pessoas tratem dos problemas, elas consideram
10 2
o contexto geral no qual o problema ocorreu?
As pessoas admitem quando falham? 4 10
Na empresa as opiniões contrárias são oportunidades para
14 3
aprender?
Numa falha o primeiro ato é não determinar de quem é culpa e
10 4
sim procurar soluções?
Quando há um grande sucesso, conversa-se sobre os
7 7
resultados?
A empresa apoia atividades de grupos que promovem a
7 8
aprendizagem mútua?
A empresa reconhece a sua contribuição individual para a
5 8
empresa, reconhecendo o autor da ideia ?
A empresa procura maneiras de remover barreias impostas ao
8 7
compartilhamento de conhecimento?
O compartilhamento de conhecimento é reconhecido
3 10
publicamente?
Os funcionários participam de atividades de melhorias de
7 8
processos, produtos e serviços?

Para adequação ao pilar “melhoria para a importância de se admitir erros e


específica”, os resultados do Quadro 4 buscar encontrar suas causas e ainda
apontam para necessidade que a empresa programas de motivação e reconhecimentos
tem em implantar programas para dos mesmos.
conscientização dos colaboradores para o
Para análise de adequação das ações da
trabalho em grupo; para o desenvolvimento
empresa ao pilar “educação e treinamento”
de atividades de melhorias com
observou-se os resultados do questionário
compartilhamento de conhecimento mútuo,
aplicado dispostos no Quadro 5.

Quadro 5 – Resultados sobre o pilar da TPM, educação e treinamento


Educação e Treinamento
Respostas
Questionamento
Positivas Negativas
Você acha que o número de colaboradores que
desempenham a sua função é suficiente para execução da 8 8
operação?
O incentivo ao treinamento e ao desenvolvimento profissional é
6 10
elevado?
A rotatividade de colaboradores entre as funções é baixa? 13 0
A empresa tem programas de treinamento operacional? 5 9
A empresa apoia atividades em grupos que estimulem a troca
7 8
de conhecimento?
Geralmente ocorrem reorganizações na produção visando
3 12
melhores resultados?
Antes que as pessoas tratem dos problemas, elas consideram
10 4
o contexto geral no qual o problema ocorreu?

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


85

Diante dos resultados apresentados no adequação da empresa ao pilar em questão,


Quadro 5, constata-se que a empresa não se este se refere à preocupação que os
adéqua ao pilar “educação e treinamento”, colaboradores têm em considerar o contexto
pois a mesma demonstra não possuir ações geral dos problemas ocorridos antes de
que seriam relevantes para a correta procurar a solução; este fato pode introduzir a
adequação, como: baixa rotatividade entre os importância que se deve ter em investigar as
colaboradores, que garanta a polivalência causas dos problemas impedindo que as
entre eles; ausência de rearranjo na produção mesmas venham a ocorrer posteriormente.
visando melhores resultados; e o baixo
Já para analisar a adequação das ações da
incentivo ao desenvolvimento profissional dos
empresa ao pilar “controle inicial” ressalvam-
colaboradores.
se os resultados do questionário aplicado
Sobre tudo, há um ponto que deve ser dispostos no Quadro 6.
ressaltado que poderá auxiliar na busca pela

Quadro 6 – Resultados sobre o pilar da TPM, controle inicial


Controle Inicial
Respostas
Questionamento
Positivas Negativas
O objetivo principal da empresa é amplamente
14 2
divulgado/conhecido?
Os funcionários participam de atividades de melhorias de
7 8
processos, produtos e serviços?
O layout contribui para o surgimento de quebras? 11 5
O layout contribui para o surgimento de arranhões? 10 5
O layout contribui para outros defeitos? 11 4
O maquinário permite uma boa movimentação? 4 13
Geralmente ocorrem organizações na produção visando
3 12
melhores resultados?

De acordo com o que é apresentado no empresa em estudo, que não contribuem para
Quadro 6, pode-se notar que o pilar de a devida adequação ao pilar mencionado, são
“controle inicial” não é praticado na sua elas: inexistência de reorganização do layout
totalidade. Vale lembrar que esse tipo de gerando avarias nos produtos e falta de
“controle inicial” tem como objetivo consolidar treinamento para identificação de
uma sistemática para levantamento das necessidades de melhorias no processo
dificuldades e irregularidades no meio como todo.
operacional ligado a manutenção de
O Quadro 7 apresenta os questionamentos
equipamentos, e na busca de melhorias no
selecionados para análise da adequação da
processo como todo. Contudo, verificam-se
empresa ao pilar da TPM “Segurança e meio
algumas ações no chão de fábrica, da
ambiente”.

Quadro 7 – Resultados sobre o pilar da TPM, segurança e meio ambiente


Segurança e Meio Ambiente
Respostas
Questionamentos
Positivas Negativas
Os ambientes da empresa são limpos e agradáveis? 5 8
A empresa possui boas condições para repouso (No horário
de almoço) e o barulho na sua concepção, esta dentro dos 9 5
limites suportáveis?
A empresa informa quais os riscos em relação à saúde que
8 5
os funcionários estão sendo submetidos?
Você sente falta de algum espaço de apoio ou material que o
10 4
ajudaria na execução de sua atividade?
O maquinário permite uma boa movimentação? 4 13

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


86

Ao estudar os resultados do questionário identificadas para “segurança e meio


relacionado ao pilar “segurança e meio ambiente” configuram a inadequação ao pilar
ambiente”, nota-se que a empresa não em questão.
proporciona a segurança esperada ao
Para análise de adequação das ações da
colaborador, e mesmo que informe os riscos
empresa ao pilar “manutenção da qualidade”
existentes, a mesma não toma atitudes para
observou-se os resultados do questionário
prevenção de acidentes. Portanto, as ações
aplicado dispostos no Quadro 8.

Quadro 8 – Resultados sobre o pilar da TPM, manutenção da qualidade.


Manutenção da Qualidade
Respostas
Questionamentos
Positivas Negativas
Atualmente a empresa demonstra compromisso com a
11 3
qualidade?
Atualmente a empresa faz inspeção do produto final? 10 3
A empresa possui programa de qualidade? 8 0

Observou- se que a empresa caminha para a sistêmica de processos, pelo


adequação a este pilar, pois a mesma comprometimento e envolvimento de todos,
mostrou-se bastante preocupada com a pela melhoria contínua e por decisões
qualidade dos seus produtos e compromisso baseadas em fatos, e observa-se, no decorrer
com os seus clientes. A empresa entre outras do diagnóstico, que estes pontos não são
ações para qualidade realiza inspeções atendidos em sua totalidade, sendo
durante o seu processo produtivo para necessário realinhamento de ações para este
eliminar possíveis falhas. fim.
Entretanto, é sabido que para se obter Para análise de adequação das ações da
qualidade no serviço/produto ofertado se faz empresa ao último pilar da TPM, “gestão
necessário não só o foco no cliente, como administrativa” foi observado os resultados
também que a empresa prese por uma visão dispostos no Quadro 9.

Quadro 9 – Resultados sobre o pilar da TPM, gestão administrativa


Gestão Administrativa
Respostas
Questionamentos
Positivas Negativas
O objetivo principal da empresa é amplamente
14 2
divulgado/conhecido?
É incentivado que o colaborador ao determinar a falha
10 4
solucione e procure a causa?
São realizadas atividades de melhorias? Como palestras
7 8
sobre filosofias de zero defeito?
A empresa tem programas de treinamento operacional? 5 9

Para adequação ao pilar “gestão incentivo a manutenção autônoma para


administrativa” a empresa precisa definir escritório e a educação e treinamento.
metas com base em 3 pilares, são eles: o
Pode-se observar, não só a partir dos
“Kaizen”, que significa “mudar para melhor”; o
resultados do questionário, como também

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


87

pela observação direta, que a empresa tem treinamentos, falta de incentivo para
interesse em divulgar a filosofia japonesa do estudos/cursos aos colaboradores,
Kaizen. A empresa solicitou aos autores deste inexistência de programa zero defeito ou para
trabalho a divulgação através de uma palestra melhoria contínua em execução ou a ser
sobre a filosofia e após a realização, planejada.
percebeu-se que o assunto foi bem visto entre
Para finalizar o diagnóstico de adequação das
os colaboradores.
ações, da empresa objeto de estudo, aos
Já para as metas a serem definidas sobre pilares da TPM, o Quadro 10 apresenta o
incentivo à manutenção pode-se observar quantitativo de respostas positivas e
alguns pontos que incorrem na inadequação negativas, obtidas através da aplicação do
das ações da empresa, como: ausência de questionário, para cada pilar.

Quadro 10 – Quantitativo de respostas positivas e negativas para cada pilar da TPM


PILAR Pontos Positivos Pontos Negativos
1 Manutenção Autônoma 3 6
2 Manutenção Planejada 2 5
3 Melhoria Específica 5 6
4 Educação e Treinamento 5 1
5 Controle Inicial 1 6
6 Segurança e Meio Ambiente 2 3
7 Manutenção da Qualidade 3 0
8 Gestão Administrativa 2 2

Em linhas gerais, os resultados apresentados empresa em relação a alguns pilares, foi


no Quadro 10, mostram que para a possível aplicar a ferramenta 5W1H para
implantação da TPM se faz necessário que a descrição de ações de melhorias para estes
empresa desenvolva ações de ordem pontos.
corretiva, buscando, principalmente, realinhar
A 5W1H consiste na elaboração de
e estabilizar atividades direcionadas aos
um checklist de atividades específicas que
pilares de manutenção autônoma,
devem ser desenvolvidas com o máximo de
manutenção planejada, melhoria específica,
clareza e eficiência por todos os envolvidos
controle inicial e segurança e meio ambiente.
em um projeto. Essa lista de atividades deve
Para os demais pilares, gestão administrativa,
ser elaborada a partir de seis
manutenção da qualidade e educação e
questionamentos, são eles: What (o que será
treinamento, deve-se ter um planejamento
feito?), Why (por que será feito?), Where (onde
para ações voltadas a melhorias contínuas.
será feito?), When (quando?), Who (por quem
será feito?) e How (como será feito?).
6. PROPOSTAS DE AÇÕES O Quadro 11 mostra o 5W1H elaborado para
a empresa.
Após constatação da existência de pontos
passíveis de melhoria para adequação da

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


88

Quadro 11 – Propostas de ações de melhorias pelo 5W1H: Manutenção Autônoma


Manutenção Autônoma

What Why Where When Who How

Valorizar novas Através de


Para que o
idéias reuniões para
colaborador sinta à Ambiente
relacionadas à No dia-a-dia Nível Tático solicitar
vontade em expor operacional
melhoria da contribuição dos
sua idéia.
empresa. colaboradores.

Os colaboradores
irão formar
equipes de 4 a 5
pessoas e discutir
Propor a Para que os problemas que
implantação de colabores Nível estão ocorrendo
Ambiente Uma vez por
círculos de percebam a operacional e no seu setor,
operacional semana.
controle da importância do Nível Tático. assim cada
qualidade. trabalho em equipe. colaborador irá
propor uma
solução para o
problema do
outro.

Através de
palestras que
mostram o quanto
Incentivar os
Para garantir é importante
colaboradores a Ambiente
transparência nas Sempre Nível Tático admitir o seu erro,
admitirem seus operacional
ocorrências. obtendo a
erros.
possibilidade de
reforçar sempre a
filosofia KAIZEN.

A gestão deverá
buscar
Melhorar a informações do
disposição dos chão de fábrica
Nível Tático e
Planejar maquinários, para Ambiente Quando sobre
Nível
rearranjo físico. diminuir/eliminar o operacional necessário. inadequações do
Estratégico.
surgimento de arranjo físico, para
quebras. se planejar os
ajustes
necessários.

Promover a
participação dos Através de
Para permear a
colaboradores treinamentos de
importância de uma
em atividades Empresa. Sempre Nível Tático qualidade e a
visão sistêmica de
de melhoria de prática de
processos.
processos, brainstormings.
produtos.

Realizar
Nível Através de
programas de Buscar eficácia Ambiente A ser
operacional programas de
treinamento operacional. operacional. definido.
e/ou tático. treinamento.
operacional.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


89

Quadro 11 – Propostas de ações de melhorias pelo 5W1H: Manutenção Planejada


Manutenção Planejada

What Why Where When Who How


Para suprir as Discutir as
necessidades dos necessidades
Elaborar um A ser definido
colabores, e Ambiente Nível Tático e das máquinas,
plano de plano de
diminuir/eliminar operacional operacional. e com isso
manutenção. manutenção.
avarias no processo elaborar o plano
produtivo. de manutenção.

Gradualmente,
Discutir as
pois a
Para diminuir custos necessidades
Implantar a manutenção
de produção, e Ambiente Nível tático e das máquinas,
manutenção preventiva é
maximizar a operacional operacional. e com isso
preventiva implantada na
produtividade. elaborar o plano
empresa de
de manutenção.
forma gradual.

Quadro 11 – Continuação: Propostas de ações de melhorias pelo 5W1H: Melhorias Específicas


Melhorias Específicas

What Why Where When Who How


Os colaboradores irão
formar equipes de 4 a
Para que os
5 pessoas e discutir os
Propor a colabores Nível
problemas que estão
implantação de percebam a Ambiente Uma vez por operacional
ocorrendo no seu
círculos de controle importância do operacional semana. e Nível
setor, assim cada
da qualidade. trabalho em Tático.
colaborador irá propor
equipe.
uma solução para o
problema do outro.

Para que haja o


entendimento de
que errar é
Incentivar os normal e estarem
colaboradores a abertos para Ambiente
Sempre Nível Tático Treinamentos Kaizen.
admitirem seus quando isso operacional
erros. acontecer
procurar ajuda
para solucionar a
situação.

Reconhecer Reuniões no De acordo


Para motivar Através de
colaboradores ambiente com a Nível Tático
colaboradores. brainstormings.
participativos. operacional. necessidade

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


90

Quadro 11 – Continuação: Propostas de ações de melhorias pelo 5W1H: Educação e Treinamento


Educação e Treinamento

What Why Where When Who How

Promover
De acordo
programas de Garantir
com a
motivação e eficiência e Ambiente A ser determinado pela
necessidade Nível Tático.
treinamento eficácia nas operacional gerência.
do setor
(desenvolvimento operações.
operacional.
profissional)

Preparar a Em todos
organização os setores
Desenvolver a Nível tático
para atribuir que o nível No dia-a-dia Treinamento para o
pratica do e
poder de Tático de trabalho. empowerment.
empowerment. operacional.
decisão em achar
tarefas variadas. necessário.

Incentivar a prática Para se obter


da melhoria bons resultados Empresa Sempre. Nível Tático Treinamento PDCA.
contínua. sempre.

Quadro 11 – Continuação: Propostas de ações de melhorias pelo 5W1H: Controle Inicial,


Controle Inicial

What Why Where When Who How


Promover a
participação dos
Para permear a Através de
colaboradores
importância de uma treinamentos de
em atividades de Empresa. Sempre Nível Tático
visão sistêmica de qualidade e a prática
melhoria de
processos. de brainstormings.
processos,
produtos.

A gestão deverá
Melhorar a
buscar informações do
disposição dos
Nível Tático chão de fábrica sobre
Planejar um maquinários, para Ambiente Quando
e Nível inadequações do
rearranjo físico. diminuir/eliminar o operacional necessário.
Estratégico. arranjo físico, para se
surgimento de
planejar os ajustes
quebras.
necessários.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


91

Quadro 11 – Continuação: Propostas de ações de melhorias pelo 5W1H: Segurança e Meio


Ambiente
Segurança e Meio Ambiente

What Why Where When Who How

Para garantir
Realizar limpeza Todos os
ambiente de
dos ambientes Empresa Sempre níveis da Praticar o 5S.
trabalho limpo e
adequadamente. empresa
agradável.

De acordo com
Dispor materiais
Ambiente o planejamento
próximos aos Otimizar operações. Nível Tático. A ser definido.
operacional para rearranjo
colaboradores
na fábrica.

A gestão
deverá buscar
informações do
Melhorar a
chão de fábrica
disposição dos
Nível Tático e sobre
Planejar um maquinários, para Ambiente Quando
Nível inadequações
rearranjo físico. diminuir/eliminar o operacional necessário.
Estratégico. do arranjo
surgimento de
físico, para se
quebras.
planejar os
ajustes
necessários.

Quadro 11 – Continuação: Propostas de ações de melhorias pelo 5W1H: Gestão Administrativa.


Gestão Administrativa

What Why Where When Who How


Promover palestras Para buscar
sobre filosofias de eficiência e Nível
Empresa À definir. À definir.
zero defeito, 5S e eficácia Tático
Kaizen. operacional

As propostas de ações de melhorias servirá como guia para futura implementação


dispostas no Quadro 11 podem ser utilizadas da TPM.
como um mapa de atividades que vai ajudar a
O guia refere-se a realização de 12 etapas de
empresa na adequação de suas ações aos
um processo de implementação da TPM por
pilares da TPM.
Nakajima, citado em Kardec e Pinto(1999).
Em sequência a elaboração do 5W1H, foi Estas 12 etapas estão apresentadas na Figura
indicado a empresa um instrumento que 4.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


92

Figura 4 - Fases de implantação do TPM

Fonte: Adaptado de Kardec e Pinto (1999)

A efetivação das etapas propostas por 7. CONSIDERAÇÕES FINAIS


Nakajima, citado em Kardec e Pinto (1999),
Pode-se concluir que o objetivo deste trabalho
nada mais é que a realização de um
foi alcançado, em vista que foi possível
planejamento e controle adequado para a
realizar uma avaliação da adequação da
implementação do TPM, não rígido e visto por
empresa aos pilares da TPM e, através dela,
muitas empresas como uma ferramenta de
propor ações de melhorias para os pontos
apoio para poder guiar as pessoas envolvidas
verificados como impróprios.
no processo.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


93

A construção deste estudo de caso Para as ações identificadas no diagnóstico


fundamentou-se no interesse da empresa como inadequadas foi possível propor um
avaliada em buscar melhorias para seu checklist de atividades específicas, através
sistema produtivo, e, portanto, realizado da ferramenta 5W1H, que devem ser
visitas in locu, foi constatado que a TPM desenvolvidas com o máximo de clareza e
poderia ser aplicada proporcionando o eficiência por todos os envolvidos na busca
desenvolvimento de um conjunto de pela implementação futura da TPM. Foi
atividades de manutenção que visam também proposto um guia para o processo de
melhorar o desempenho e a produtividade da implantação da TPM ditado por Nakajima para
empresa. garantir que a filosofia seja enfrentada como
uma função proativa e não reativa nas
Através de observações diretas e aplicação
práticas operacionais.
de questionários no ambiente fabril foi
realizado um diagnóstico das ações Por fim, pode-se afirmar que o trabalho
praticadas em relação aos pilares da TPM, mostrou-se de grande valia não só por
como: Educação e Treinamento; Manutenção permitir o alcance do objetivo traçado, como
Autônoma; Manutenção Planejada; Melhoria também, por proporcionar oportunidade de
Específica; Controle Inicial; Manutenção da desenvolvimento de novos trabalhos na
Qualidade; Gestão Administrativa ou TPM da empresa, em vista de suas necessidades até
administração e; Segurança e Meio Ambiente então verificadas. Portanto, propõem-se para
ou TPM da Segurança e Meio Ambiente trabalhos futuros estudos sobre layout,
ergonomia e gestão de materiais.

REFERÊNCIAS
[1]. KARDEC, A.; PINTO, N. Manutenção: [5]. SEBRAE – Critérios de classificação de
Função estratégica. Rio de Janeiro: Qualitimark, empresas: MEI - ME – EPP. Disponível em:
1999. <http://www.sebrae-
sc.com.br/leis/default.asp?vcdtexto=4154>Acesso
[2]. MOUBRAY, J. Introdução à Manutenção
em: 15 jan. 2017
Centrada na Confiabilidade. São Paulo: Aladon,
1996. [6]. SILVA, E. L.; MENEZES, E. M. Metodologia
de Pesquisa e Elaboração de Dissertação. 4 ed.
[3]. NAKAJIMA, S. Introduction to Total
Florianópolis: Laboratório de Ensino a Distância da
Productive Maintenance (TPM). Cambridge:
UFSC, 2005.
Productivity Press, 1988.
[7]. TSAROUHAS, P. Implementation of total
[4]. PEREIRA, Mário Jorge. Engenharia de
productive maintenance in food industry: a case
manutenção: teoria e prática. Ciência Moderna
study. Journal of Quality in Maintenance
2011. Engineering. Reviews and Case Studies. Vol. 13,
n.1, p. 5-18, 2007.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


94

Capítulo 8

Ana Paula Bueno Lopes


Nájylla Cecília Pereira Costa
José da Silva Ferreira Junior

Resumo: A simulação a eventos discretos vem sendo utilizada de forma mais


crescente para o auxílio de tomada de decisão. Um dos principais problemas das
policlínicas públicas é a geração de filas para agendamentos e atendimentos,
considerando que a demanda por serviços médico-hospitalares ocorre de forma
involuntária e não programada. Este artigo faz uma aplicação de um projeto de
simulação em um ambiente de saúde, com isso, a simulação foi à ferramenta
utilizada para atingir os objetivos deste trabalho. O propósito da pesquisa e a
metodologia utilizada é a Modelagem e Simulação com a elaboração do
mapeamento IDEF-Sim, com as três etapas do projeto de simulação foram
seguidas, concepção, implementação e análise. A simulação foi feita com a ajuda
do software Pro-Model®. Como resultados, a proposição de melhorias no setor de
agendamentos e atendimentos de serviços médico-hospitalares é esperada,
também visualizando a capacidade das atendentes e do setor estudado. Com o
software Promodel foi possível visualizar, que a demora para o atendimento vem
crescendo no decorrer do processo, devido a necessidade do exame. A melhoria
em questão analisada foi a implantação de um novo funcionário, para que possa
diminuir a espera e o diagnóstico esperado seja mais ágil. Pois antes o paciente
demoraria cerca de 12 meses para a realização do exame, se implantar um novo
funcionário, poderia diminuir a metade com 50% de melhora.

Palavras-chave: Filas; IDEF-SIM; Policlínica; Simulação.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


95

1 INTRODUÇÃO gestão é a modelagem e simulação a eventos


discretos, a qual está sendo cada vez mais
Nos tempos atuais, um dos principais
utilizada em diversos ambientes, como
problemas dos hospitais e policlínicas é o
manufatura, serviços, logística, saúde, dentre
tamanho das filas, tanto para agendamentos,
outros para a tomada de decisão (BANKS et
quanto para o atendimento em si. Tanto em
al., 2005).
meios público quanto particulares, tal
problema persiste e desgasta a imagem da A simulação computacional permite estudar
saúde perante os pacientes. Considerando os passos e as maneiras de um processo e
que a demanda por serviços médico- seus devidos efeitos. Podem ser criados
hospitalares ocorre, na maioria das vezes, de vários tipos de cenários e suas respostas,
forma involuntária, as filas consequentemente assim auxiliando na tomada de decisão, e
se formam com maior frequência. desta maneira fornecer as informações
necessárias e de como o sistema reagira com
Segundo Fitzsimmons e Fitzsimmons (2005, p.
a modificação. Segundo Chwif e Medina
288) “(...) fila é uma linha de clientes
(2010), o modelo de simulação computacional
esperando no momento em que necessitam
é utilizado, principalmente, como uma
de serviços de um ou mais prestadores”.
ferramenta para obter respostas e sentenças.
Basicamente, as filas se formam quando a
demanda de clientes é maior do que a Hoje em dia a simulação a eventos discretos,
capacidade de atendimento daquele vem sido usada de uma forma intensa para
momento, geradas normalmente pela falta de auxiliar a tomada de decisão por meio de:
gestão do ambiente em questão. modelagem, análise e projetos de sistemas,
para que possa visualizar o impacto causado
Todo e qualquer ambiente que presta
devido mudanças de paramentos no
serviços na área da saúde, deve se
desempenho desses sistemas (BANKS et. al.,
apresentar tais preocupações com a
2005; CHO, 2005; GARZA-REYES et. al, 2010;
qualidade de vida, mostrando um
SARGENT, 2011). De acordo com Nance
atendimento eficaz, independente da classe
(1993) a investigação do desempenho dos
social. Nas instituições privadas, a incidência
sistemas de saúde pública, tem-se notando
de grandes filas pode ser solucionada por
grandes avanços com a introdução de
meio da diminuição de demanda, uma vez
tecnologia de simulação, para o auxilio de
que as mesmas tem a capacidade de
soluções de problemas, um deles as filas
controlar a demanda de pacientes,
geradas involuntariamente.
diminuindo ou aumentando o valor dos
serviços prestados. Já as instituições públicas A pesquisa buscou atender a primeira etapa
não possuem a mesma capacidade, devido à do projeto de simulação, que é a concepção,
gratuidade dos serviços, sendo assim é mapeando o processo pela técnica IDEF-SIM
necessário preocupar-se com a inserção de e executar sua validação e verificação para
novas estratégias, que visem à melhoria na com o meio real, com o foco de atender a
infraestrutura e no desempenho técnico do capacidade de atendimento em um centro de
serviço de saúde como um todo. Diante disto, especialidades secundarias nos municípios,
percebe-se que é extremamente diagnosticando as filas de esperas e a
recomendável a aplicação de ferramentas de insatisfação da população. Será utilizado para
mapeamento de processos na organização, a simulação o software Pro-Model®. ro-model,
oferecendo o importante papel de reforçar o que é um programa capaz de simular
planejamento público e as ações preventivas. eventos, modificando partes do trabalho de
uma empresa sem que necessite aplicar em
Corroborando com isto, Sabbadini, Gonçalves
vida real.
e Oliveira (2006) afirmam que o
gerenciamento das filas é fundamental, pois O trabalho pode-se justificar pelo motivo de
as filas estão relacionadas diretamente à que a Policlínica se encontra com um dos
percepção dos clientes a respeito do serviço principais alvos da rede pública de Passos-
prestado e da necessidade de esperar por MG. Hoje a SRS Passos (Superintendências
ele. Regional de Saúde de Passos - MG) conta
com uma população em habitantes por cerca
Várias são as técnicas para o suprimento
de 111000 sendo que grande parte destes
desta gestão, passando desde formulações
utilizam a rede publica de saúde.
da Gestão de filas até melhoras qualitativas
nos ambientes geradores das mesmas. Um Corroborando com isto, o objeto geral deste
dos métodos atualmente utilizados para esta trabalho trata-se da elaboração de um

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


96

mapeamento de processos por meio da pesquisa” nos revela a forma como a


técnica IDEF-Sim em uma Policlínica, a fim de pesquisa foi executada gradualmente e quais
indicar as necessidades encontradas em os dados obtidos durante este processo. Por
cada setor e os tempos e métodos de cada fim, o capitulo 5, intitulado “Conclusão”, expõe
processo, além de propor medidas de um resumo geral sobre a pesquisa, realizando
gerenciamento de filas buscando assim um check- list dos objetivos a fim de garantir
melhoria na qualidade de vida. Já os objetivos que foram alcançados. Neste resumo, aponta-
específicos estão elencados abaixo: se também quais as dificuldades e facilidades
encontradas no processo, sua contribuição
 Conhecer os processos de trabalho e cientifica e algumas propostas para a
o funcionamento da Policlínica estudada;
realização de trabalhos futuros a partir deste
 Descrever a importância do tema.
mapeamento de processos para a Policlínica
estudada em específico;
2 REVISÃO TEÓRICA
 Analisar as necessidades e estudar
medidas adequadas de gerenciamento de A simulação pode ser definida segundo
filas por meio de um diagnóstico; Vaccaro (1999), como um modelo de
recriação em um ambiente controlado, de
 Utilizar-se do conhecimento dos modo que possa ser possível aplicar
colaboradores e pacientes situações que lhes modificações, compreender resultados,
causem desconforto para tornar o manipular e verificar seus comportamento de
mapeamento eficiente e veraz; forma segura e reduzir custos. Para Harrel,
Ghosh e Bowden (2000) a simulação pode ser
 Listar as especialidades nos
atendimentos, exames realizados no entendida como a representação do mundo
organizacional virtual de um sistema de vida
ambulatório e a demanda de pacientes em
real por meio de um modelo, tornando
cada função;
possível o estudo de um sem que seja
 Sugerir medidas e ações relacionadas necessário construí-lo na realidade, ou ate
com atendimento rápido, eficaz e satisfatório, fazer modificações. Já para Banks (1998), a
eliminando e neutralizando a indignação dos simulação pode ser considerada como a
pacientes; imitação de um processo ou sistema do
mundo real ao longo do tempo.
 Utilizar as normas como guia para a
elaboração do mapeamento IDEF-SIM e Segundo Banks (1998), a simulação inclui a
coletar os dados; geração de uma história artificial de um
sistema e a observação desta própria historia,
 Simular o projeto do software para a fim de se criar um modelo com
ProModel, para os devidos resultados. características operacionais do sistema real
 Validar e verificar o modelo; que será apresentado. Permitindo-nos assim
avaliar e analisar sistemas reais em meios de
 Análise dos resultados e conclusão. construção de modelos computacionais
Além desta Introdução, que faz uma (CHWIF; MEDINA, 2010)
apresentação sintetizada do tema abordado e BANKS et al. (2005), cita ainda que a
sua contextualização com a realidade, modelagem de simulação era utilizada cada
menciona os objetivos, indica sua relevância e vez mais como uma ferramenta para o auxilio
sintetiza o conteúdo dos capítulos de tomada de decisão, auxiliando assim seus
subsequentes, compõe-se este trabalho em gerentes e colaboradores. Com isso,
mais capítulos, onde o 2º capitulo é intitulado Sandanayake, Oduoza e Proverbs (2008),
“Revisão Teórica” e aborda a definição e destacam que se tornaram mais importantes
contexto de simulação, bem como as nas últimas décadas a modelagem e
ferramentas utilizadas como base para a simulação devido estarem aliados à analise
execução da simulação. Já o capítulo 3, é de sistemas de produção, visando a melhoria
denominado “Método de pesquisa” e disserta de desempenho.
sobre a forma de metodologia proposta para
executar a pesquisa em questão, bem como o A simulação é composta por três grandes
seu passo a passo para alcançar os fases, sendo elas: concepção, implementação
resultados desejados. A seguir, o capitulo 4, e análise.
conhecido como “Desenvolvimento da

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


97

2.1 CONCEPÇÃO junto aos especialistas; Contribuir para


documentação do projeto de simulação,
A fase de concepção é onde se inicia o ciclo,
deixando registradas as logicas utilizadas;
no qual os pesquisadores devem conhecer o
Permitir um maior entendimento do modelo
processo a ser simulado, delimitar o sistema,
por parte dos futuros leitores do projeto.
definir os objetivos da pesquisa, o escopo e o
nível de detalhamento para o modelo A fim de corroborar com isto, usaremos o
(ROBINSON, 2008). Ao longo desta etapa é método do IDEF-Sim para desenvolver esta
construído o corpo do modelo conceitual, que simulação.
segundo Law (1991), Robinson (2008) e
Pereira, Montevechi e Friend (2012) é
provavelmente, a parte mais difícil do 2.1.1 IDEF-SIM
processo de desenvolvimento e uso de
A técnica IDEF-Sim, desenvolvida por Leal,
modelos de simulação, e deve estar bem
Almeida e Montevechi (2008), tem como
definido para que erros futuros sejam
principal meta oferecer suporte específico
evitados.
para a modelagem conceitual em projetos de
De acordo com Sakurada e Miyake (2009), a simulação. Contudo, considerando que os
formulação do modelo conceitual elementos lógicos estabelecidos nesta
compreende o levantamento de suposições técnica são fundamentados na sintaxe e
sobre os componentes e a estrutura do diagramação do IDEFØ e IDEF3, como
sistema (inclusive as interações entre os também no uso figurado da ação
componentes) e as hipóteses sobre os ‘movimentação’ do fluxograma (ANSI), a
parâmetros e variáveis envolvidas. Existem mesma também poderá ser utilizada em
várias formas de se construir um corpo de outros estudos de modelagem.
modelo conceitual, dentre elas estão as
A Figura 1 a seguir apresenta de forma
técnicas conhecidas como IDEF (Integrated
estruturada os elementos e simbologias
Definition Methods). As mais utilizadas são
aplicados no IDEF-Sim, bem como as
definidas como:
técnicas originárias que foram adaptadas as
IDEF0: utilizada para produzir um modelo necessidades da modelagem conceitual de
funcional. Um modelo funcional é uma projetos de simulação.
representação estruturada de funções,
A seguir a identificação das funções de cada
atividades ou processos dentro de um
elemento referente à Figura 1:
sistema modelado ou definida área;
Entidade: Itens que serão processados pelo
IDEF1: utilizada para produzir um modelo de
sistema, demonstrando matéria-prima,
informações. Um modelo de informações
produtos, pessoas, documentos, entre outros;
representa a estrutura e a semântica das
informações dentro de um sistema modelado Funções: Locais onde as entidades sofrerão
ou definida área; alguma ação;
IDEF2: utilizada para produzir um modelo Fluxo de entidade: É como ou onde a
dinâmico. Um modelo dinâmico representa o entidade se movera dentro do modelo;
comportamento, variando no tempo, das
Recursos: São os elementos utilizados para a
características de um sistema modelado ou
movimentação das entidades e executar suas
definida área;
determinadas funções pré-estabelecidas.
IDEF3: utilizada para capturar e representar Podem ser representados por pessoas ou
com elementos gráficos, tanto para a equipamentos;
transição de estados em um sistema de
Controles: São as regras utilizadas nas
eventos discretos, como para a representação
funções, como por exemplo: os
das atividades associadas com cada estado
sequenciamentos, regras das filas,
de transição.
programações e entre outros;
Para tanto, a técnica IDEF-Sim proposta por
Regras para fluxos paralelos e/ou alternativos:
Leal, Almeida e Montevechi (2008) utiliza uma
Utilizado no IDEF3 que são as junções;
combinação de três técnicas: IDEF-0, IDEF-3
e o fluxograma, proporcionando benefícios Movimentação: Andamento da entidade, no
como: Redução do tempo gasto na qual se acredita possuir efeito de facilitar o
modelagem computacional; Ajudar no entendimento do modelo;
processo de validação do modelo conceitual

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


98

Informação explicativa: Explicação do Ponto final do sistema: Fim do caminho dentro


modelo, como se fosse uma legenda; do fluxo modelado;
Fluxo de entrada no sistema modelado: Define Conexão com outra figura: Utilizado para
as entradas ou as criações das entidades do dividir o modelo.
modelo;

Figura 1 – Simbologia utilizada na técnica IDEF-SIM

Fonte: Leal, Almeida e Montevechi (2008)

2 2 IMPLEMENTAÇÃO etapa do projeto de simulação, a etapa de


analise.
Nesta fase, é construída o modelo
computacional, a partir do modelo conceitual
(SARGENT, 2010), no qual os analistas
2.2.1 PRO-MODEL
utilizam um software para construir o modelo.
Com a construção do modelo computacional, Stiebitz (2001) relatou a evolução dos pacotes
é preciso verificar e validar a eficiência do de simulação no mercado internacional
modelo. Os passos de validação e verificação aumentou no decorrer dos anos, esse
são importantes para pesquisa de simulação desenvolvimento tornou o uso mais frequente
(SARGENT, 2010). Um modelo é considerado pelos interessados, os quais não
validado quando possui a exatidão necessária necessariamente precisam ser especialistas
para cumprir as metas do modelo. Após a em software. Com isso nota-se o uso do
verificação e a validação, os resultados do ProModel desenvolvido pela empresa
modelo são analisados chegadas à última Promodel Corporation.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


99

A empresa Belge Engenharia é focada em atendimento. A demora em ser realizado um


projetos por simulação, para empresas de atendimento eletivo vem aumentando cada
diversos segmentos no mercado, e utilizam o vez mais no decorrer dos anos, causando
Promodel como ferramenta há vários anos, assim problemas difíceis de solucionar, um
adquirindo uma experiência quanto ao seu desses é a geração de filas involuntária.
uso. O ProModel, é um software de simulação
Segundo Bonato (2011), hospitais são
de eventos discretos, que se encontra locais,
instituições prestadoras de serviços de uma
entidades, processos, entre outros, ele
alta relevância social, possuindo alta
permite fazer a modelagem de um sistema,
complexidade e peculiaridade, portanto a
incorporando suas variabilidades e
prática da “Qualidade” adquire enfoque e
interdependências para possibilitar a analise
diferencial específicos. Conhecer a história,
de uma sugestiva mudança, e a assim
evolução e funcionamento dos hospitais
otimizar sistemas e melhoria nos indicadores.
permite delinear o cenário em que se
Segundo Cardoso e Joaquim Junior configuram as ações da “Qualidade”, que
(2016) basicamente, ele pode ser realizado deram início às práticas que tiveram suas
por meio de ícones e imagens, sendo um primeiras iniciativas nos setores voltados a
modelo computacional obtendo assim uma produtos, e se aproximando posteriormente
computação gráfica. da área de prestação de serviços, como
saúde, educação e outros. Com a ajuda da
qualidade e da modelagem pode-se diminuir
2.3 ANÁLISE as filas.
Nessa fase, os resultados obtidos são
analisados e encontram-se aptos a apoiarem
3 MÉTODO DE PESQUISA
a tomada de decisões. Caso necessário o
modelo pode ser alterado e o ciclo reiniciado Segundo Chung (2004), a modelagem e
(CHWIF; MEDINA, 2010). Por último, com os simulação é o processo de criar e
resultados da analise é gerado o relatório final experimentar um sistema físico através de um
constando todo o processo e as dificuldades modelo matemático computadorizado. Um
do projeto. sistema pode ser definido como um conjunto
de componentes ou processos que se
interagem e que recebem entradas e
2.4 ATENDIMENTO – MEDICO HOSPITALAR oferecem resultados para algum propósito.
É função do ministério da saúde dispor de O propósito desta pesquisa é a elaboração do
condições para a proteção e recuperação da mapeamento IDEF-Sim para uma Policlínica
saúde da população, reduzindo as na rede pública com o objetivo de verificar
enfermidades, controlando as doenças como o sistema opera, desenvolver praticas
endêmicas e parasitárias e melhorando a operacionais e os recursos para aperfeiçoar o
vigilância à saúde, dando, assim, mais desempenho do sistema, testar novos
qualidade de vida ao brasileiro, segundo site. conceitos e/ou sistemas antes de implementá-
O atendimento médico hospitalar pode ser los, além de obter informações sem interferir
considerado humanitário, porém o “descaso no funcionamento do sistema atual. Sendo
com a saúde publica” no Brasil vem assim, optou-se por utilizar o método de
aumentando frequentemente, envolvendo modelagem e simulação, cujo modelo é
desde a falta de medicamentos ate o apresentado na figura 2.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


100

Figura 2 – Modelo de Pesquisa para Modelagem e Simulação

Fonte: CHWIF e MEDINA (2007)

No ciclo de Mitroff et al. (1974) na fase de modelo computacional utilizando o software


concepção, o pesquisador deve compreender ProModel que define as relações causais
claramente o sistema a fim de desenvolve um entre as variáveis selecionadas na primeira
modelo conceitual do problema que gostaria fase. Já na fase de análise, utiliza-se o modelo
de estudar. A técnica escolhida para a computacional está pronto para a realização
criação deste modelo conceitual foi o IDEF- do experimento, dando origem ao modelo
Sim que foi uma técnica desenvolvida por experimental ou modelo operacional. Nesta
Leal, Almeida, Montevechi, (2008), definida etapa são efetuadas várias rodadas do
como uma técnica conceitual, possuindo uma modelo e os resultados da simulação são
característica marcante, a identificação lógica analisados e documentados.
de aplicação. Alguns benefícios desta técnica
A partir dos resultados das simulações,
são:
algumas conclusões e recomendações sobre
 Reduzir o tempo gasto na modelagem o sistema podem ser geradas. Caso o
computacional; resultado não seja satisfatório, o uso do
software ProModel, nos possibilitar modificar o
 Ajudar no processo de validação do modelo e reiniciar o ciclo de simulações e
modelo junto com os especialistas; teste. E finalmente, na fase de
 Contribui para a documentação do implementação, os resultados do modelo são
projeto de simulação, deixando registradas as aplicados.
lógicas utilizadas no processo; Tais passos estão dispostos na Figura 3 e
 Permite melhor entendimento do serão a base para metodológica desta
modelo por parte dos futuros leitores; pesquisa, enfatizando a modelagem e
simulação de um ambiente médico hospitalar
 Define as variáveis relevantes do dentro de uma pesquisa axiomática
problema. descritiva, buscando os objetivos já citados.
Em seguida, na fase de Modelagem, o
modelo conceitual é convergido em um

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


101

Figura 3 - Etapas de um projeto de simulação

Fonte: Montevechi et al. (2010)

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


102

4 DESENVOLVIMENTO Para a construção do IDEF-Sim foi coletado os


seguintes dados: O paciente chega à
4.1 CONSTRUÇÃO DO MODELO
policlínica São Lucas, com dia e hora
CONCEITUAL
marcada via PSF se for primeira consulta ou
Para o desenvolvimento foi seguido os três se for retorno é marcado na própria
passos da simulação. O primeiro é a fase de policlínica, para ser atendido demora cerca
concepção, que cita um pouco sobre a de uma hora dependendo de sua ordem, pois
instituição estuda e como foi desenhado o é colocada em ordem de chegada, depois de
IDEF-Sim. realizado a consulta e o medico ter solicitado
o exame de ultrassonografia, o paciente
A policlínica do sudoeste mineiro é
escolhe se ira pagar para a realização ou
respectivamente uma Unidade de Atenção
entrar na fila (fila que hoje demora cerca de
Secundária à Saúde e de Apoio Diagnóstico,
um ano mais o menos dependendo do
que integram a rede de atenção à saúde do
ultrassom), se ele optar por entra na fila é
município de Passos-MG. O papel assistencial
gerado um número de protocolo e colocado
desses serviços é de oferecer consultas
em sua devida ordem, quando chegada sua
médicas especializadas e exames
vez ele é agendado (são agendado mais o
especializados, tais como ultrassonografias,
menos 25 atendimentos pela policlínica ao
eletrocardiograma, radiografias, pequenas
mês, sendo 10 por dia, os PSF também
cirurgias, punção de tireoide e coleta de
agendam ultrassons porém a maioria é
material para biópsia. Realizados na própria
obstétrico que geralmente não tem uma
policlínica. Os atendimentos são realizados a
demanda tão grande quanto as dos outros
partir de agendamento prévio pelas unidades
tipos de ultrassons), com isso é realizado o
de saúde via sistema de informatização de
ultrassom na data marcada, cada tipo de
gestão, e o usuário comparece com dia e
ultrassom demora em medica de 3 a 10
hora já definidos, pois se trata de
minutos, dependendo da complexidade do
atendimentos eletivos. Retornos às consultas
exame e o diagnostico do paciente, os tipos
especializadas são agendados geralmente no
de ultrassom analisados, são: Ultrassom do
dia vinte e oito do mês para mês
abdome total, vias urinarias que é realizados
subsequente.
por um médico, e o outro medico realiza os
Para a aplicação do método, foi escolhida ultrassons de partes ósseas, por fim é gerado
para o estudo a fila de ultrassonografia, por o resultado que demora cerca de 7 dias uteis
ser um dos setores onde hoje se encontra para estar pronto. A figura 4 mostra todos os
com maior geração de filas, e com somente passos citados antes, foi modelado o IDF-SIM
dois médicos para a realização. no programa DIA.

Figura 4 – Representação gráfica do processo da fila de ultrassonografia

Fonte: do Autor

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


103

4.2 CONSTRUÇÃO DO MODELO desenvolvimento do modelo computacional foi


COMPUTACIONAL o software ProModel, o qual é um dos mais
utilizados no Brasil (BATEMAN et al.. 2013). A
A fim de explorar a capacidade de adaptação
figura 5 demonstra como foi elaborado o
da técnica de modelagem conceitual IDEF-
layout dentro do programa, representando
Sim, o software escolhido para o
assim o modelo computacional.

Figura 5 – Modelo computacional da fila de ultrassonografia

Fonte: do autor
Ao executar o modelo computacional, foram
observados alguns resultados, como mostra a
figura 6.

Figura 6 – Resultado obtidos

Fonte: do autor

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


104

Notou-se que o paciente fica um bom tempo funcionário, é possível se pensar em


em espera para a realização do ultrassom, melhorias, se contratar mais um funcionário
sendo que o estes exames deveriam ser para a solução do ponto de espera para ser
realizados com certa urgência para o fim do realizado o exame. Também poderia sugerir o
diagnostico clinico. Como se encontra aumento da jornada de trabalho do
somente um funcionário acredita-se que este funcionário. Porém a um grande empecilho,
seria o gargalo do sistema, não foi possível por ser uma rede publica de saúde, depende-
visualizar a capacidade do sistema. se de verbas para assim possa realizar o
problema estudado.

4.3 MELHORIA DO PROCESSO


Mesmo não podem avaliar a capacidade do
processo, devido ser ter somente um

Figura 7 – Discussão com mais de um médico

Fonte: do autor

Tabela 1: Comparação de resultados


Com 1 médico Com 2 médicos
Tempo no sistema 54006402 27726404
Médicos 100% ocioso 100% ocioso
Locais 100% ocioso 100% ocioso
Entre de exame (local) Somente 2,5% em operação Somente 5% em operação
Fila de espera 2,5% vazio 5% vazio

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


105

5. CONCLUSÃO Os resultados apresentados que o paciente


demora cerca de um ano na fila de ultrassom
O presenta trabalho teve como objetivo utilizar
para a possível realização do exame, e
a ferramenta, simulação a eventos discretos, a
quando este é realizado e o paciente fica
fim de apresentar possíveis soluções para a
menos de cinco minutos se movimentando
fila de ultrassonografia, objeto deste trabalho
dentro do processo. Foi notado também que o
tratou-se da elaboração de um mapeamento
setor de atendimento aonde o paciente chega
de processos por meio da técnica IDEF-Sim
para a realização da consulta deve-se ter um
em uma Policlínica e fazendo sua devida
atenção especial para este local, pois se os
simulação, foi indicado a necessidade
prontuários fossem somente um, os médicos
encontrada no setor, onde leva o paciente a
poderiam diminuir a quantidade de exames
ficar quase um ano em fila esperando para a
pedidos, pois muitas às vezes o paciente
realização do exame, a solução proposta foi a
tinha mais de um ultrassom com a mesma
contratação ou o aumento da jornada de
finalidade. Alterações neste local certamente
trabalho do operador, porem essa solução
irão trazer grandes contribuições para a
depende de verbas do estado por ser tratar
melhoria do sistema.
da rede publica de saúde.
Este trabalho apresentou a aplicação da
A pesquisa foi iniciada com a aplicação da
modelagem e simulação a eventos discreto no
simulação no objeto de estudo, por meio de
atendimento médico-hospitalar, ressaltando
entrevistas, cronometragem do tempo de
assim, a importância que a simulação vem
duração de cada exame, coleta de dados,
ganhando em sua aplicação em diversos
para a compreensão do processo que seria
setores e áreas. O uso do objeto de estudo
simulado, onde se adapta a primeira fase de
permitiu analisar o processo e apresentou
simulação. Em seguida, foi possível construir
alguns resultados importantes, que desta
o modelo conceitual pela técnica de IDEF-
maneira, pode realizar alterações no sistema,
Sim.
a fim de melhorar o tempo de espera para a
Seguindo para a segunda fase do projeto de realização do exame, sem alterar a qualidade
simulação, já com todos os dados em mão, foi da policlínica. O trabalho é sugerido para
possível construir o modelo o modelo futuras pesquisa sobre a melhoria do tema,
computacional pelo ProModel. Foi realizada a pois é possível realizar varias mudanças no
verificação do modelo e feita a validação. processo.
Após algumas rodadas do modelo
computacional, podem-se analisar os dados
obtidos da simulação e propor melhorias.

REFERÊNCIAS
[1]. BALCI, O. Verification, validation, and coprocessamneto de pneus inservíveis por meio de
certification of modeling and simulation modelagem e simulação computacional. In: SESC
applications. In: Winter Simulation Conference, Mineiro de Grussai, São João da Barra – Rio de
Proceedings WSC, New Orleans Louisiana, USA, Janeiro, 2015. Anais do I Encontro interestadual de
2003. engenharia de produção, Rio de Janeiro 2015.
[2]. BANKS, J. Handbook of simulation: [6]. CHO, S. A distributed time driven
Principles, Methodology, Advances, Applications, simulation method for enabling real time
and Practice. New York: John Wiley & Sons, Inc., manufacturing shop floor control. Computers &
1998. 864p. Industrial Engineering, n. 49, p. 572-590, 2005.
[3]. BANKS, J.; CARSON II, J. S.; NELSON, B. [7]. CHWIF, L.; MEDINA, A.C. Modelagem e
L. e NICOL, D. M. Discrete-event Simulation. 4. Ed. Simulação de Eventos Discretos: Teoria e
New Jersey: Prentice-Hall, 2005. Aplicações. São Paulo: Bravarte, 2010, 309p.
[4]. BONATO, V. L. Gestão de qualidade em [8]. GARZA-REYES, J.A.; ELDRIDGE, S.;
saúde: melhorando assistência ao cliente. Revista BARBER, K.D.; SORIANO-MEIER, H. Overall
O Mundo da Saúde. São Paulo-SP 23 de maio de equipment effectiveness (OEE) and process
2011. capability (PC) measures: a relationship analysis.
International Journal of Quality & Reliability
[5]. BORGES, E. S.; FIDELIS, F. G.; MORAES.
Management, v.27, n.1, p. 48-62, 2010.
M. V.; VILELA. T. G.; JUNIOR. J. S. F.;
Determinação da capacidade de um setor de

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


106

[9]. HARREL, C. R.; GHOSH, B. K. E [16]. PEREIRA, T. F.; MONTEVECHI, J. A. B.;


BOWDEN, R. Simulation using promodel. 2. ed. FRIEND, J. D. Análise do impacto dos tempos de
New York: McGraw-Hill, 2004. inspeção e capacidade produtiva através da
simulação a eventos discretos em uma empresa
[10]. JEONG, K.Y. Conceptual frame for
automobilística. In: Simpósio Brasileiro de Pesquisa
development of optimized simulation based
Operacional, 36, Rio de Janeiro, 2012. Anais do
scheduling systems. Expert Systems with
XLIV SBPO, Rio de Janeiro, 2012.
Applications, v.18, n.4, p. 299–306, 2000.
[17]. PERERA, T.; LIYANAGE, K. Methodology
[11]. LEAL, F.; ALMEIDA, D.A; MONTEVECHI,
for rapid identification and collection of input data
J.A.B. (2008) Uma Proposta de Técnica de in the simulation of the manufacturing systems.
Modelagem Conceitual para a Simulação através
Simulation Practice and Theory, n.7, p. 645–56,
de elementos do IDEF. in: Anais do XL Simpósio
2000.
Brasileiro de Pesquisa Operacional, João Pessoa,
PB. 2008. [18]. SAKURADA, N.; MIYAKE, D.I. Aplicação
de simuladores de eventos discretos no processo
[12]. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Disponível em:
de modelagem de sistemas de operações de
http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/o-
serviços. Gestão da Produção, São Carlos, v. 16, n.
ministerio#58. Acesso: 19/11/2016.nn
1, p. 25-43, 2009.
[13]. MITROFF, I. I.; BETZ, F.; PONDY, L. R.;
[19]. SANDANAYAKE, Y. G.; ODUOZA, C. F.;
SAGASTI, F. On managing science in the system
PROVERBS, D. G. A systematic modelin and
age: two schemas for the study of science as a
simulation approach fo JIT performance
whole system phenomenon. Interfaces, v.4, n.3,
optimization. Robotics and Computer-Integraded
p.46-58, 1974.
Manufacturing, v. 24, n. 6, p. 735-743, 2008.
[14]. MONTEVECHI, J. A. B.; PINHO, COSTA, R.
[20]. SARGERNT, R. G. Verification and
F. S.; OLIVEIRA, M.L; SILVA, A.L.F. Conceptual
validation of simulation models. In Winter simulation
Modeling in Simulation Projects by Mean Adapted
conference. Proceeding WSC, Phoenix, AZ, USA,
IDEF: an Application a Brazilian Tech Company. In:
2011.
WINTER SIMULATION CONFERENCE, Baltimore,
MD, USA, 2010. [21]. STIEBITZ, P. H., The future of Simulation
Ain´t What it Used To Be, Rochester Inst. Of
[15]. NANCE, R. E. A history of discrete event
Technology – Center for Industrial Excellence,
simulation programming languages, New York:
Promodel Users Conference (Utah-EUA), 2001.
ACM press, 1993.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


107

Capítulo 9

Jefferson Brandão da Costa


José Roberto Lira Pinto Júnior
Mauro Cezar Aparício de Souza
Marcos Bandeira Amorim
Rafhael Lage de Farias

Resumo: O artigo abordar aspectos que norteiam a importância da implementação


do sistema RT/ESD (Registro de testes de descargas eletrostáticas) como redução
de custos nos processos. Além de apresentar a forma obsoleta de como era
realizado estes registros. Constatou-se durante a pesquisa que a falta de disciplina
de alguns colaboradores em não realizar os testes antiestáticos corretamente,
gerava grandes prejuízos e custos desnecessários para a organização. A
implementação do sistema RT/ESD apresentou resultados significativos,
transformando dados em informações geradas, para auxiliar na tomada de decisão.
Por fim, os resultados apresentados por esta pesquisa, foram de grande relevância
para a empresa em estudo, para ajudar registrar todas as ações de não-
conformidade, bem como eliminar desperdícios, erros, ociosidade e gerando
gráficos estatísticos na apresentação de seus resultados. Para o desenvolvimento
do presente artigo, foram utilizadas as principais metodologias de pesquisa, tais
como: Pesquisa bibliográfica, pesquisa de campo e estudo de caso.

Palavras-Chave: Sistema RT/ ESD; Testes ESD; Custos; Melhoria Contínua.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


108

1. INTRODUÇÃO estratégias para crescerem ou se manterem


diante da globalização que se configura como
Em busca de redução de custo as empresas
uma nova ordem econômica.
enfrentam desafios de controlar os custos
operacionais, gerenciais, administrativos,
comerciais, industriais ou de qualquer
2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA
natureza, mas que compõe a integração de
seus processos. 2.1 FATORES QUE INFLUENCIAM PARA UMA
BOA GESTÃO NA PRODUÇÃO
Os Sistemas de Informação se apresentam
como a melhor proposta para integrar, Entende-se que a função deste
controlar, distribuir e gerenciar todo fluxo de gerenciamento além de manter os resultados
informações presentes numa organização ou satisfatórios. Tem a preocupação de obter a
dentro das muitas etapas do processo. O satisfação financeira da empresa. Por meio de
RT/ESD (Electrostatic Discharge) é um normas e procedimentos, que se atendam os
sistema que quando implementado no objetivos esperados. Envolvendo o supervisor
processo produtivo ajuda a registrar todas as da operação sobre a responsabilidade pelos
ações de não conformidade de seus usuários, erros e defeitos assim como a correção deste
eliminando desperdícios, erros, ociosidade e problema. E mantendo os operadores bem
gerando gráficos estatísticos na apresentação informados sobre as técnicas e método de
de seus resultados. controle facilitando o conhecimento das
causas que possam comprometer a
O estudo foi realizado na empresa DBI
qualidade dos produtos.
componentes LTDA, Fundada desde a
década de 70 na cidade de Nova Taipé, Para Martins (2015), produzir não se configura
Taiwan. Possui uma planta no polo Industrial apenas em aproveitar conhecimentos bem
de Manaus, localizada no Distrito Industrial, fundamentados. Devem-se integrar diversos
que atua no mercado na produção de fatores tais como ter foco nos critérios de
produtos Set-Top box. Por motivos éticos, qualidade, produtividade, custos,
optou-se por um nome é fictício. responsabilidade social ”. Ou seja, cabe ao
gestor e sua equipe entender a importância
Entretanto, através do estudo foi possível
de estabelecer desafios constantes para o
detectar algumas falhas no processo
sistema produtivo. De modo que seja possível
produtivo, tais falhas, pode-se mencionar a
alcançar níveis melhores que terão impactos
falta de disciplina de alguns funcionários em
positivos em todas as dimensões de seu
não realizar os testes antiestáticos
sistema produtivo.
corretamente, utilizando apenas um formulário
obsoleto para controlar o registro destes
testes, gerando assim, prejuízos expressivos,
2.2 REDUÇÃO DE CUSTOS E AUMENTO DA
além de comprometer a imagem da
PRODUTIVIDADE
companhia junto aos seus clientes. Com as
observações realizadas, surgiu a seguinte Toda empresa quer aumentar o desempenho
questão. Como eliminar este problema e de sua produção, lucro, sem precisar
como reduzir os custos gerados pelo o aumentar custos. Para isso são grandes os
mesmo? esforços que elas precisam para influenciar
positivamente em seus negócios. A
O objetivo geral deste artigo é apresentar
produtividade está ligada com a
uma proposta simples e eficiente na redução
transformação de entradas e saídas. Os
de custos operacionais causados pela ESD
processos das organizações que transformam
(Através da implementação do sistema
matérias primas em pacotes de valor a serem
RT/ESD. Tendo como objetivos específicos:
entregues aos clientes se tornam mais
Avaliar a principal não conformidade do
produtivas quando passam a utilizar menos
processo e demonstrar o sistema antiestático;
recurso para produzir um mesmo produto,
Analisar os indicadores operacionais; Propor
com as mesmas características.
um método simples e eficaz para a melhoria
dos processos. Segundo Alencar (2016), a capacidade de
uma companhia atender os requisitos de
Este artigo destaca a importância dos
qualidade de produtos e serviços, prazos de
sistemas, na automação, controle e alcance
entrega e preços que garantem atender as
de resultados. O mercado atual é formado por
demandas e expectativas dos clientes é de
indústrias que inovam diariamente como
suma importância para seu futuro. No

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


109

processo de redução de custo o argumento  Melhoria na produtividade;


bastante utilizado é: Os gastos estão no limite,
não há mais o que reduzir. Toda corporação Isto é, assegurando o fortalecimento do
que já enfrentou e venceu uma crise processo de gestão da corporação para obter
financeira, sabe que não existem despesas o diferencial de atuação, e vantagem
irredutíveis. A forma mais eficiente para competitiva. Afirma Lee (2008), geralmente na
retenção de consumo é a diminuição do integração de sistemas segue-se o padrão
estoque da dívida. Porém, isto só é possível Develop-Build-Fix o qual é realizado a
quando a geração do caixa for suficiente. customização de uma funcionalidade
específica, caso apresente algum problema, é
Atualmente, não existe nenhuma grande feita a correção.
empresa que não possua um sistema ou
equipe de melhoria. Focar esforços cada vez
mais com objetivo de melhorar a 2.3.1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI
produtividade e qualidade dos produtos de
uma organização, geralmente resulta em O sistema de informação tem como objetivo
maior satisfação interna e externa. Isto é, principal coletar, processar e transformar
garantindo melhores resultados na produção, dados em informações que são geradas para
diminuição de defeitos, menores atrasos e a tomada de decisões. Possuem cinco
redução de custos. principais recursos:

De acordo com Alencar (2016), os  Recursos humanos;


colaboradores de uma companhia são o  Recursos de hardware;
recurso mais valioso que ela possui. Portanto,
ressalta-se a importância de mantê-los  Recursos de software;
sempre motivados, pois, caso o contrário, o
 Recursos de dados;
desempenho deles se torna ameaçado. Na
procura de bens e serviços a velocidade das  Recursos de rede;
decisões do gestor, se torna importante. De
Para Oliveira (2008), na maioria das
modo que as oportunidades de negócios
organizações que utilizam sistemas. Os
podem ser perdidas para outros
programas gerenciais são de suma
concorrentes.
importância para estas companhias, pelo fato
de existir muitos dados com a necessidade
de interpretá-los para que se tornem
2.3. INTEGRAÇÃO DE SISTEMA
informação.
A integração entre sistemas de informação é
Com o grande crescimento do volume de
um dos tópicos mais importante no processo
informação que as empresas veem
de desenvolvimento de software adaptando
adquirindo durante os anos. Surgiu a
componentes, plataforma de desenvolvimento
necessidade de informatizar seus processos.
ou subsistemas para identificação de
Os sistemas de informação desempenham
problemas com interação. Embora seja uma
papéis importantes em qualquer entidade.
atividade muito comum. Ainda se tem muitas
Eles apoiam na tomada de decisão de seus
dificuldades mesmo com existência de
funcionários e gerentes, na estratégia em
técnicas, ferramentas e melhores práticas.
busca de vantagem competitiva.
Para Sommerville (2005), os prazos de
entrega de um projeto podem ser
comprometidos durante a negociação da 2.3.2 SISTEMAS WEB
solução de problemas, quando os
A tecnologia Web tem ganhado bastante
programadores de sistema identificar algo de
espaço no mercado como mecanismo de
errado na interação entre subsistemas.
acesso a vários tipos de sistemas de
Porém, um programa em determinadas
informação.
condições pode trazer muitos benefícios para
as empresas: O funcionamento da tecnologia Web é
relativamente muito simples. O repositório, ou
 Redução dos custos das operações;
seja, documentos armazenados no servidor.
 Melhoria no acesso às informações; Podem ser acessados a partir de qualquer
computador ligado à rede. Seja uma rede
 Relatórios mais precisos com menor local ou pela rede mundial de computadores,
esforço;

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


110

a internet. Com este avanço, podem-se Coletas de requisitos, análise de requisitos,


realizar tarefas sem sair de casa. Como modelagem de UML (Unifeld Modeling
realizar uma transação bancária, efetuar Language), desenvolvimento, testes e
compras, pagamentos, matrículas, inscrições, implementação.
cursos online, notícias e etc..
A característica básica necessária para definir
Para Bottentuit et al (2008), objetivo principal os critérios de aceitação de um projeto de
através da Web 2.0, é fazer com que a Web construção de sistema são os requisitos. Pois,
se torne um ambiente social e acessível a através da coleta de requisitos que são
todos os usuários. Ou seja, onde cada um definidas as necessidades mais importantes
possa selecionar e controlar informações de da empresa, para que possa ser identificada
acordo com que precisa. O desenvolvimento as solicitações e o valor agregado pelo
de um sistema envolve as seguintes fases: sistema.

Figura 1 – Processo de prototipação

Fonte – Adaptado pelo autor

Caso não atenda os requisitos pretendidos, acordo com Paula Filho (2011), na iteração
novas iterações são realizadas produzindo em fases posteriores, existe sempre a
novos protótipos. As iterações são finalizadas necessidade de revisão e alteração em fases
quando os requisitos forem atendidos. “De anteriores”.

Figura 2 – Diagrama de fluxo de Dados (DFD)

Fonte – Adaptado pelo autor

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


111

2.4 SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO - Dados de comércio eletrônico;


DE DADOS - SGBD
- Dados de navegação de internet;
Um banco de dados é uma coleção de
- Dados de compras de clientes em grandes
tabelas relacionadas que são geralmente
lojas de departamentos, supermercados;
integradas, vinculadas ou referenciadas a
outro. Os registros contidos nas tabelas - Dados de transações bancárias, ou de
podem ser facilmente organizados e cartão de crédito;
recuperados utilizando software de gestão
Segundo Mendes e Maciel (2006), um SGBD
especializado chamado de sistema
desempenha funções importantes como:
gerenciador de banco de dados (SGBD).
Processamento e otimização de consultas, e
Um sistema de gerenciamento de banco de também atua no processamento de
dados é um conjunto de programas que transações e na recuperação. A figura abaixo
permite aos usuários criar, editar, atualizar, mostra um exemplo do funcionamento de um
armazenar e recuperar dados de uma tabela. banco de dados:
Dados em um banco de dados também
chamados de tuplas. Podem ser
acrescentados, apagados, alterados.

Figura 3 – Exemplo simplificado do funcionamento de um banco de dados

Fonte – Adaptado pelo autor

3 ESD – DESCARGA ELETROSTÁTICA comprometido, expectativa de vida útil


reduzida ou produzir erros de operação.
ESD (Electrostatic Discharge) ou Descarga
Eletrostática é a súbita e rápida transferência 4 METODOLOGIA
de carga elétrica de um objeto para outro
Definir-se a pesquisa como um procedimento
com diferentes potenciais eletrostáticos. Essa
sistemático e racional para oportunizar
descarga também pode ocorrer quando os
respostas aos problemas que são propostos.
corpos estão muito próximos ou quando estão
A pesquisa é estruturada através de processo
em contato direto. Os danos decorrentes são
de inúmeras fases, adequando a formulação
uns dos problemas mais sérios na indústria
do problema à satisfatória apresentação dos
de eletrônicos.
resultados.
Segundo Braga (2014) os efeitos da ESD
Para o desenvolvimento do presente artigo,
sobre componentes eletrônicos são
foram utilizadas as principais metodologias de
absolutamente nocivos. Um componente
pesquisa, tais como: Pesquisa bibliográfica,
pode apresentar falha total, desempenho
pesquisa de campo e estudo de caso. De

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


112

acordo com Gil (2008), afirma que uma utilizar um jaleco especial quando estiver em
pesquisa bibliográfica é desenvolvida com um espaço de trabalho sensível à ESD.
base em material que já tem sido elaborado,
Depois de vestirem as calcanheiras ou
constituído principalmente de livros e artigos
sapatos, a pulseira e o jaleco. Toda pessoa
científicos.
que entrar na área sensível à ESD deve testar
No entanto, afirma Gil (2008), uma pesquisa o funcionamento de seus equipamentos em
de campo, procura o aprofundamento de uma uma estação de teste. Se o teste falhar, será
realidade específica. Isto é, basicamente necessário verificar se a pulseira ou sapatos
realizada através da observação direta das estão em bons estados e vestidos de maneira
atividades do grupo estudado e de adequada e corrigir o problema antes de
entrevistas para se obter explicações e prosseguir.
interpretações
Conforme mencionado anteriormente, a falta
de disciplina de alguns colaboradores em não
realizar os testes antiestáticos corretamente,
5 RESULTADOS
utilizando apenas um formulário obsoleto para
5.1 AVALIAR A PRINCIPAL NÃO controlar o registro destes testes, gera
CONFORMIDADE DO PROCESSO prejuízos expressivos, além de comprometer
a imagem da companhia junto aos seus
Visto que, para uma empresa é de bom senso
clientes. Pois o formulário era ineficaz como
econômico assegurar que cada trabalhador
garantia segura de que os colaboradores
tenha e use ferramentas essenciais na
estavam realizando seus testes. O que gerava
prevenção contra ESD. Pois antes de
grandes desperdícios com impressão de
entrarem em qualquer área sensível a estas
papel e toner de impressora. Além do
descargas, eles devem usar calcanheira
acúmulo de fila gerada para realização dos
antiestático em cada sapato, ou como
testes, tempo de espera que era bastante
alternativa também pode-se usar sapatos
alto, principalmente quando se precisavam
para ESD. Deve-se usar uma pulseira de
imprimir mais formulários, ou seja, a produção
aterramento durante o manuseio de produtos
era prejudica não apenas com as descargas
eletrônicos. E por fim, o colaborador deve
ESD, mas também o tempo perdido.

Figura 4 – Modelo do Formulário utilizado para registro dos testes ESD

Fonte – Pesquisa de campo (2016)

Integrado com um equipamento de teste ESD Abaixo as figuras demonstram o


usado para testar pulseiras e calcanheiras, o funcionamento do fluxo de teste através da
sistema realiza os testes em tempo real, integração do sistema com testador ESD
capitando as informações do resultado do
testador.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


113

Figura 5 – Tela inicial para realização dos testes ESD

Fonte – Pesquisa de campo (2016)

Figura 6– Tela teste pulseira (Testando e aguardando envio do sinal do testador com resultado do
teste)

Fonte – Pesquisa de Campo (2016)

Figura 7 – Tela status do teste (Resultado do teste. Testador enviou sinal. Teste aprovado)

Fonte – Pesquisa de Campo (2016)

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


114

Figura 8 – Tela teste calcanheira (Testando e aguardando envio do sinal do testador com resultado
do teste)

Fonte – Pesquisa de Campo (2016)

Figura 9 – Tela status do teste (Resultado do teste. Testador não enviou sinal. Teste falhou )

Fonte – Pesquisa de Campo (2016)

Figura 10 – Tela inicial para realização dos testes ESD (Após concluído teste. Retorna para tela
inicial)

Fonte – Pesquisa de Campo (2016

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


115

O colaborador pode realizar apenas o teste denomina-se como indicador, ou seja, os


da pulseira, ou somente calcanheira ou os indicadores devem demonstrar as oscilações
dois. Isto depende da necessidade e função dos dados em um determinado período.
de cada colaborador. E pode ser definido na
tela de cadastro dos colaboradores como
mostrado na figura. Com a utilização do 5.3 PROPOR AS PRINCIPAIS MELHORIAS DO
Software é notório o controle para identificar PROCESSO
os colaboradores que estão realizados o teste
O impacto financeiro, e os danos à reputação
corretamente, como também reduz a
da empresa, podem ser evitados, por meio de
utilização de impressão e papel.
práticas bem implementadas como um
sistema para gerenciar e controlar os
registros de testes antiestáticos.
5.2 ANALISAR OS INDICADORES
OPERACIONAIS Visto que a fabricante gasta mais dinheiro em
suporte ao cliente, custos de entrega, e
Para chegar a uma conclusão, foi possível
gastos com testes de depuração na fábrica.
analisar os indicadores de não conformidade
Conforme mostra o gráfico 1, dependendo da
do processo, no entanto, o investimento no
fase do uso do item, os prejuízos causados
Sistema de Informação se apresenta como a
por um dano devido à este fenômeno podem
melhor proposta para integrar, controlar,
variar do custo do componente quando ele é
distribuir e gerenciar todo fluxo de
afetado antes do uso a mais de 1000 vezes
informações presentes numa organização ou
esse custo, se ele ocorrer quando o
dentro das muitas etapas do processo.
componente já estiver sendo usado numa
Um instrumento que propicia a mensurar as aplicação instalada.
variações nas características de um sistema

Gráfico 1 – Comparação dos prejuízos causados pelos danos (ESD) antes ou depois do uso

Fonte: Dispinível em: http://www.newtoncbraga.com.br/index.php/eletronica/52-artigos-diversos/7375-


cuidados-com-a-esd-art1084 acesso em: 23 de set.2016

Como base de ideia do efeito acumulativo decorrência dos efeitos causados por estas
deste dano, que aumenta ao longo do tempo. descargas. Exemplo: Onde um fabricante
A figura 16 abaixo mostra um exemplo de pode enviar 1000 placas por semana, com
valores em dólar que são perdidos em uma taxa de precipitação radioativa de 1%.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


116

Figura 11 – Prejuízos causados em decorrência da (ESD)

Fonte – Elaborada pelo autor

Com isso, é de grande importância que a resultados. Atuando em nível operacional


administração tenha o compromisso para 'dando suporte aos gerentes operacionais
garantir o sucesso contra estas descargas para atender atividade de monitoração,
responsáveis pelo declínio produtivo e controle e tomada de decisão nos testes ESD.
financeiro da empresa.
Utilizando um usuário e senha os líderes de
O Sistema RT/ESD conforme citado na produção, equipe de qualidade poderão fazer
introdução é um sistema que quando o cadastro dos colaboradores para
implementado no processo produtivo ajuda a informatização dos testes ESD. Bem como
registrar todas as ações de não conformidade realizar o acompanhamento dos resultados. A
de seus usuários, eliminando desperdícios, figura 17 mostra o endereço do sistema em
erros, ociosidade e gerando gráficos uma rede local e a tela de login.
estatísticos na apresentação de seus

Figura 12 – Tela de Login

Fonte – Pesquisa de Campo (2016)

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


117

Figura 13 – Tela Cadastro de funcionário para realizar teste ESD

Fonte – Pesquisa de Campo (2016)

Figura 14 – Tela Consulta de teste ESD não realizados (Para acompanhar se funcionário está
realizando teste)

Fonte – Pesquisa de Campo (2016)


Figura 15 – Tela Relatório de falhas nos testes por funcionário

Fonte – Pesquisa de Campo (2016)

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


118

Figura 16 – Exemplo de um relatório de falhas nos testes ESD por funcionário, exportado do sistema
para excel

Fonte – Pesquisa de Campo (2016)

6 CONSIDERAÇÕES FINAIS de ter acesso às áreas sensíveis à ESD.


Precisa fazer a verificação do funcionamento
Como objetivo geral de apresentar uma
dos equipamentos antiestáticos.
proposta simples e eficiente na redução de
custos operacionais causados pela ESD. Visto que, o registro destes testes, é
Através da implementação do sistema fundamental para garantir que eles estão
RT/ESD no processo produtivo. Com objetivo sendo feitos de maneira correta ou que não
de ajudar registrar todas as ações de não há nenhum problema com os equipamentos
conformidade de seus usuários, eliminar testados, tais como: Pulseiras, sapatos e
desperdícios, erros, ociosidade e gerando calcanheiras.
gráficos estatísticos para apresentação dos
Com isso, destaca-se a importância dos
resultados.
sistemas de informação na automação,
Pois constatou-se que os danos decorrentes controle e alcance de resultados. Uma vez
de ESD trazem prejuízos muito significativos que, a integração do sistema RT/ESD com
para as indústrias de eletrônicos. Sabendo- testador trouxe resultados bastantes
se, que é de suma importância para a satisfatórios para a companhia.
produção da empresa, que toda pessoa antes

REFERÊNCIAS
[1] Alencar. J.C, Aumentar a produtividade, [4] GIL, Antonio Carlos. Como elaborar
diminuir custos. Isso é possível? Disponível em: projetos de pesquisa. 4. Ed. São Paulo: Atlas,
<http://www.techoje.com.br/site/techoje/categoria/d 2008.
etalhe_artigo/631>, Acessado em 10 de outubro de
[5] Lee, K. A. The Buildmeister´s Guide:
2016.
Achieving Agile Software Delivery. Raleigh:
[2] Braga C. Newton. Cuidados com a ESD Lulu.com. 2008. 192 p. p.
(ART1080). Guarulhos, 2014. Disponível em:
[6] Martins. A. O processo de melhoria
<http://www.newtoncbraga.com.br/index.php/eletro
contínua. Disponíve em:
nica/52-artigos-diversos/7375-cuidados-com-a-
esd-art1084>,acessado em: 23/09/2016. <http://www.administradores.com.br/artigos/tecnol
ogia/o-processo-de-melhoria-continua/29794/>,
[3] Bottentuit Junior, J.B.; Coutinho, C.M. P. Acessado em 10 de outubro de 2016.
As Ferramentas da Web 2.0 no apoio à Tutoria na
Formação em E-learning. In: Association [7] Mendes, Marcelo; Maciel, Paulo. Análise
de Desempenho de Sistemas OLTP utilizando o
Francophone Internationale de Recherche
Benchmark TPC-C. Disponível em: Acesso em
Scientifique em Education (AFIRSE),2008
21/10/2016.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


119

[8] Oliveira, Djalma de Pinho Rebouças de. [9] Paula Filho, Wilson de Pádua. (2011)
Sistemas de Informações Gerenciais: Estratégicas “Engenharia de Sofware: Fundamentos, Métodos e
Táticas Operacionais. 12ª Ed. São Paulo: Editora Padrões ”. Editora: LTC. Rio de Janeiro - RJ
Atlas, 2008, 299 páginas. Sommerville, I. Ingeniería del Software. Madrid:
Pearson Addison Wesley. 2005. 667 p. p

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


120

Capítulo 10

Layane Nascimento de Araújo


Steffane Luiza Costa Neves
Anderson Elias Silva de Melo
Sandro Alisson Neris dos Santos
Juliana Donato de Almeida Cantalice

Resumo: Para desenvolver produtos inovadores e solucionar problemas com


eficácia, pode-se afirmar que o planejamento do processo projetual se faz bastante
necessário. No design, o mercado competitivo exige a capacidade de projetar
soluções inovadoras em espaços de tempo cada vez mais curtos, sendo a
metodologia um item essencial para auxiliar e nortear esse processo. Ao longo do
tempo, diversos teóricos do design e de outras áreas, publicaram propostas
metodológicas para a concepção de novos produtos e essas propostas encontram-
se em constante evolução. Assim, o presente artigo busca analisar metodologias
em design, visando compreender e assimilar como se dá o processo de concepção
de diversos autores. A pesquisa apresenta um caráter bibliográfico, e é seguida de
uma aplicação prática onde serão expostas as técnicas, métodos e ferramentas
utilizadas para o desenvolvimento de dois produtos, com o objetivo de possibilitar o
entendimento do uso da metodologia para se chegar a determinadas soluções.

Palavras-Chave: Metodologia. Processo. Design. Concepção. Produto

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


121

1. INTRODUÇÃO Objetos 1 do Curso de Design da


Universidade Federal de Alagoas, onde serão
Ao longo das décadas, diversos autores
expostas as técnicas, métodos e ferramentas
publicaram propostas metodológicas para a
utilizadas para a concepção destes, tendo
elaboração de projetos relacionados ao
como foco principal apresentar
desenvolvimento de produtos e soluções
embasamentos teóricos acerca de diversas
inovadoras. Esse processo encontra-se em
metodologias para se chegar a soluções
constante evolução, de forma que podemos
inovadoras.
perceber mudanças nessas propostas
metodológicas. Nesse contexto, analisando
as mesmas a partir da década de 60, pode-se
2. O PROCESSO DE CRIAÇÃO E AS
perceber que o design agrega para si
DIFERENTES METODOLOGIAS
metodologias de outras áreas, adaptando-as
para seu campo. Diversas metodologias de teóricos de design
baseiam-se em ferramentas e técnicas que
Segundo Löbach (2001), o conceito de
estimulam o processo criativo para o
design compreende-se na concretização de
desenvolvimento de novos produtos. No
uma ideia em forma de projetos ou modelos,
entanto, em sua maioria, a estrutura do
mediante sua construção e configuração,
processo de criação e produção é baseado
resultando em um produto industrial passível
especificamente em cinco fases: Identificação
de produção. Em sua metodologia, Löbach
da necessidade, Análise dos dados, Geração
visa conhecer o usuário, fazendo uma grande
de Alternativas, Avaliação e Detalhamento da
pesquisa, um dos pontos altos da sua
solução.
metodologia, onde faz-se necessário ter
conhecimento desde as preferências do As metodologias abordadas para a
usuário, até produtos concorrentes, locais de concepção dos projetos apresentados neste
venda e fabricação em série. artigo, foram propostas por Bruno Munari
(2002) e Gui Bonsiepe (1983), ambas
Nessa perspectiva, existe uma relação
metodologias lineares, mescladas com a
contínua e estreita entre o usuário e o
utilização de ferramentas sugeridas por
produto, desencadeando um processo de
Baxter (2015) e pelo Design Thinking (Tim
identificação, em que o usuário toma parte no
Brown, 2008). Tais abordagens serão
processo de desenvolvimento do respectivo
apresentadas a seguir:
produto, e consegue assim, se identificar no
mesmo. Sabendo que design é a concepção A metodologia de Bruno Munari (2002), é
de um projeto que tem como principal composta por um conjunto consecutivo de
objetivo solucionar problemas, pode-se dizer fases, atuando de forma prescritiva, de forma
que o planejamento se faz bastante que as fases propostas devem ser seguidas a
necessário, já que precisa-se definir um risca para obter o melhor resultado. Contudo,
caminho a ser seguido: o processo de design. Munari defende que as fases podem ser
modificadas caso o designer encontre outros
Durante o processo de concepção, reúnem-
métodos que auxiliem no processo projetual.
se as informações sobre o problema, que são
Essa metodologia linear, prescritiva e
analisadas e relacionadas criativamente.
atemporal, diferenciou-se das demais por dar
Depois, criam-se alternativas de soluções
ênfase a criatividade com o uso do método. A
para o problema, que são julgadas segundo
metodologia proposta por Munari contém 10
critérios estabelecidos, e por fim desenvolve-
fases, sendo apresentadas de forma lógica
se a alternativa mais adequada. Para tanto, o
para leitor, e criadas por meio da
emprego da metodologia e do planejamento é
experimentação. Ele menciona que usar a
um item essencial para organizar, auxiliar e
criatividade sem seguir métodos e de forma
nortear o projetista durante esse processo.
impulsiva é um equívoco que pode resultar
Nesse aspecto, através de uma pesquisa em falhas durante o processo. Desse modo,
bibliográfica aliada à experiência prática, o seguir etapas não anula a personalidade de
presente artigo busca analisar e assimilar quem projeta, e sim, o incentiva e ajuda a
metodologias propostas por diversos autores, solucionar problemas de uma forma mais
visando compreender como se dá o processo eficaz.
de concepção através de diferentes
Munari também faz uma crítica para muitos
perspectivas. A pesquisa é seguida de uma
designers que ainda projetam apenas para o
aplicação prática de dois produtos
sentido visão. Ele mostra a importância de
desenvolvidos na disciplina de Projeto de

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


122

projetar para todos os sentidos, deixando um propõe solucionar problemas, criar e melhorar
apelo para que os futuros projetos levem em produtos, é dividida em cinco fases: I)
conta que as pessoas, gradativamente, irão Descoberta, onde constata-se um problema;
se habituar à experiência de que existem II) Interpretação, onde interpreta-se o
muitos receptores sensoriais para conhecer o problema de acordo com assuntos
mundo em que vivemos. aprendidos anteriormente; III) Ideação, a qual
permite a possibilidade de criação; IV)
Algumas dessas metodologias foram
Experimentação, onde há a possibilidade de
criticadas pelo autor Gui Bonsiepe (1983),
tornar a ideia em algo real; e V) Evolução,
pois ele acreditava que a metodologia
fase de aprimoramento de uma ideia já
projetual não deve ser utilizada exatamente à
experimentada.
risca, como dito anteriormente em relação a
metodologia de Munari. Sua metodologia é Em razão disso, é permitido feedback entre
caracteristicamente acadêmica e divide-se as fases, onde assim o designer pensa no
em fases que subdivide-se em diversos problema do usuário para depois criar um
métodos que visam auxiliar o projetista produto ou solução adequada. Tim Brown,
durante o processo projetual, são elas: I) CEO e presidente da IDEO, uma empresa de
Problematização; II) Análise; Definição do inovação e design, afirma que o design não
Problema; IV) Anteprojeto e Geração de deve ser encarado como uma profissão de
Alternativas; V) Avaliação, Decisão e Escolha; decoradores, concedendo apenas uma
e por fim, VI) Apresentação do Projeto. aparência atrativa ao produto final, e sim um
Bonsiepe desenvolveu seus métodos de ramo estratégico, que unido a outras áreas
desenvolvimento de produtos descrevendo pode conceder soluções inovadoras e
técnicas e processos de criação de produto a criativas aos problemas encontrados nos
fim de resolver problemas existentes. Em sua projetos, atuando através do Design Thinking,
metodologia, o autor defende que através de no caso do produto desde a sua concepção,
projetos experimentais, o desenhista projetual criando ideias que correspondam melhor às
tenha uma liberdade relativa na seleção de necessidades e aos desejos do público-alvo,
alternativas, podendo categorizar quais são daí a importância de defini-lo e observá-lo
os problemas mais influentes do produto. desde a fase de interpretação. Dessa forma, é
possível constatar que o Design Thinking é
Baxter (2015), no entanto, aborda questões
uma metodologia altamente sensível e
vinculadas ao mercado e ao sucesso do
empática às necessidades do consumidor, é
produto projetado. O diferencial do autor
prescritiva pois existem etapas a serem
consiste em articular design e marketing com
seguidas para se concretizar o projeto,
a proposta de alcançar a diferenciação em
cíclica, cuja as macrofases Inspiração,
um projeto de caráter inovador. Em suas
Ideação e Implementação dialogam entre si
obras, o autor elenca uma série de
permitindo feedbacks flexíveis entre as fases,
ferramentas a serem empregadas em um
e atemporal, onde as fases podem acontecer
projeto de design. O autor ainda afirma que a
ao mesmo tempo, não sendo necessário que
inovação é um ingrediente vital para o
uma termine antes que a outra comece.
sucesso do projeto e consequentemente dos
negócios. Segundo ele, o planejamento do É por conta da forte presença de uma
projeto deve ser pautado em 6 etapas, sendo preocupação com o ser humano que o design
elas: I) Identificação da oportunidade, II) thinking vêm se destacando entre os
Pesquisa de Marketing, III) Análise de designers mais jovens. A princípio pode
produtos concorrentes, IV) Proposta do novo parecer confuso, mas o uso de suas
produto, V) Elaboração das especificações da ferramentas auxiliam na construção e
oportunidade, e VI) Especificação do projeto. desenvolvimento de um projeto, além de, por
As 32 ferramentas propostas tornam o muitas vezes, possuírem a capacidade de ser
processo bastante interativo, possibilitando a utilizadas junto a outras metodologias.
potencialização da aquisição de informações
e resultados em cada etapa.
3. APLICAÇÃO PRÁTICA DA METODOLOGIA
Diferentemente das metodologias
DURANTE A DISCIPLINA DE PROJETO DE
supracitadas, o Design Thinking
OBJETOS 1 DO CURSO DE DESIGN - UFAL
sistematizado e publicado por Tim Brown,
ganhou notoriedade apenas em 2008 após Seguindo os preceitos metodológicos e
uma publicação na revista Harvard Business análises apresentadas anteriormente, foram
Review. Sendo uma metodologia flexível que realizadas aplicações práticas para a

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


123

concepção de um produto conceitual na pesquisa. Para complementar as etapas


classe de utensílios de cozinha, para a metodológicas, foram utilizadas também
disciplina de Projeto de Objetos 1, do 4º técnicas de criatividade e ferramentas
período do curso de Design Bacharelado da propostas por Baxter (2015), Design Thinking
Universidade Federal de Alagoas, com a (2008), .
temática relacionada ao fun design e design
Assim, integrando a criatividade e a inovação,
emocional.
o foco da aplicação prática em questão
Para tanto, os projetos tiveram foco no consiste em apresentar as fases
detalhamento do processo metodológico metodológicas utilizadas para a geração de
projetual, bem como nas técnicas, métodos e um novo produto prático e atrativo para o
ferramentas utilizadas para o desenvolvimento mercado, que proporcionasse uma
dos objetos. Aqui, serão apresentadas duas experiência prazerosa aos usuários, bem
experiências: uma Panela Multifuncional e um como atender a uma demanda de produtos
Ralador de Alimentos, ambos com foco no que ofereçam maior praticidade e segurança
Fun Design e no Design Emocional. A seguir, durante a sua manipulação.
serão descritas as etapas projetuais utilizadas
para o desenvolvimento de cada produto de
acordo as metodologias anteriormente 3.1.1 MATERIAIS E MÉTODOS
apresentadas.
As macro etapas que guiaram o processo de
concepção projetual com base na
metodologia proposta por Bonsiepe (1983),
3.1. APLICAÇÃO PRÁTICA: PANELA
foram: I) problematização; II) análise; III)
MULTIFUNCIONAL
definição do problema; IV) anteprojeto e
A metodologia utilizada como base para o geração de alternativas; V) avaliação e VI)
desenvolvimento do referido produto, foi a decisão, escolha e apresentação do projeto.
Metodologia de Projeto de Produto adaptada
Na primeira etapa de problematização,
de Bonsiepe (1983), que fornece uma
identificação e definição da
orientação para o processo de concepção e
necessidade/problema, foram traçadas as
desenvolvimento de produtos através da
metas gerais do projeto: desenvolver uma
experimentação, onde o desenhista projetual
Panela Multifuncional, que através da
tem liberdade na seleção de alternativas para
inovação proporcione praticidade, qualidade
o projeto, tal como a possibilidade de
e experiências prazerosas para o usuário.
feedbacks, isto é, de retornar a fase projetual
Assim, foi desenvolvido um Mapa Mental,
anterior, ou aquela que apresente
proposto por Buzan (2005), Figura 1.
necessidade de alterações pertinentes à

Figura 1 - Mapa Mental adaptado de Buzan (2005)

Fonte: Autores (2016)


Em seguida, foi feito um diagrama adaptado observou-se o principal problema, a limitação
de Kaoru Ishikawa (1943) a partir deste, para a inovação, como mostra a figura 2.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


124

Figura 2 - Diagrama adaptado de Ishikawa (1943)

Fonte: Autores (2016)

Para a etapa de análise e preparação do isso, foi elaborada uma tabela comparativa,
campo de trabalho, foi realizado um proposta por Baxter (2015), que serviu como
levantamento preliminar através de uma base para uma análise do produto e análise
análise de dados de produtos similares. Para de mercado, ilustrada na Tabela 1.

Tabela 1 - Análise de Similares proposta por Baxter (2015)

Fonte: Autores (2016)

Para conhecer as características, conhecer características e desejos do público


necessidades e desejos do público-alvo, para assim, elaborar uma persona, ferramenta
também foi realizada uma análise de usuário proposta pelo Design Thinking (2008). (Figura
através de uma entrevista informal com 10 3).
pessoas (16 e 35 anos). Nela, foi possível

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


125

Figura 3 - Persona adaptada de Design Thinking (2008)

Fonte: Autores (2016)

Na etapa de anteprojeto e geração de foram: a) Panela Planeta (referência


alternativas, foram geradas possibilidades de ludicamente um planeta, através do grafismo,
solução através das técnicas: Brainstorming da forma arredondada e pegas semelhantes a
(Osborn, A. 1953), Analogias (Baxter, 2015), um anel planetário); b) Panela Polvo
Método 635 (Rohrbach, B. 1969), bem como a (inspirada nas formas biomórficas do polvo,
elaboração de Dirty Prototyping (Brown, com pegas que representam tentáculos e as
2010). projeções táteis no cabo fazem alusão as
ventosas desse); e c) Panela Fatia de Bolo
Após esse processo, as alternativas foram
(referência o lúdico e o Fun Design através de
aprimoradas para que melhor atendessem às
forma semelhante a uma fatia de bolo).
diretrizes do projeto. As alternativas geradas

Figura 4 - Geração de alternativas

Fonte: Autores (2016)

Na fase de avaliação, decisão e escolha, as geradas comparando-os com uma referência,


propostas definidas foram revisadas. Para ou seja, um melhor concorrente atual do
tanto, fez-se uma avaliação das alternativas produto proposto, conforme a Tabela 2.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


126

Tabela 2 - Matriz de seleção de oportunidades.

Fonte: Autores (2016).

Esta etapa foi realizada com o auxílio da análises que a proposta metodológica
Matriz de Seleção de Oportunidades, apresentada pelo designer Bruno Munari
proposta por Baxter (2015). No processo (2002), conseguiu atender aos requisitos do
decisório e de escolha, percebeu-se que a projeto, por ser sistemática e cíclica além de
alternativa 2 destacou-se entre os conceitos apresentar feedback entre as fases, estando
analisados. Nos pontos em que não ganhou a mesma divididas em 12 etapas. Contudo,
destaque, foram propostas melhorias. Após o para esse projeto, foi feita uma adaptação
detalhamento da alternativa escolhida, foi feita para que a metodologia se tornasse
a modelagem tridimensional digital e uma adequada a necessidade identificada e ao
apresentação final da concepção detalhada tempo do semestre letivo para a conclusão da
do produto final através de desenhos técnicos disciplina de projeto de objetos 1, reduzindo
com vistas, perspectiva explodida, assim, o número de 12 para 8 etapas. Na
detalhamentos de estrutura, materiais e figura 5, é possível visualizar cada etapa, e o
encaixes da parte estrutural. emprego de ferramentas elencadas pelo
grupo e pela docente da disciplina, para que
os resultados de cada etapa pudessem ser
3.2. APLICAÇÃO PRÁTICA: RALADOR DE potencializados.
LEGUMES
Nesta outra experiência de concepção de
produto aqui apresentada, percebeu-se após

Figura 5 – Metodologia adaptada de Bruno Munari (2002).

Fonte: Autores (2016)

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


127

.
3.2.1 MATERIAIS E MÉTODOS produto e com isso, posteriormente foi
possível setorizar as necessidades do mesmo
Inicia-se o processo projetual com a
através do Mapa Mental de Buzan (2005),
aplicação do Brainstorming (Osborn, 1953
conforme a figura 6.
apud Baxter, 2015), para estimular a
criatividade dos designers e acumular o
máximo de ideias sobre o contexto do

Figura 6 - Mapa Mental , adaptado de Tony Buzan (2005)

Fonte: Autores (2016)


Com o resultado do mapa mental, foi criado o problemas centrais de cada área, conforme
diagrama de Ishikawa (1943) elencando os pode ser observado na figura 7.

Figura 7 - Diagrama de Ishikawa - Adaptado de Kaoru Ishikawa (1943)

Fonte: Autores (2016)


A partir dos dados obtidos, foi realizada uma usuários. Os mais comuns são fabricados a
análise do produto, e através de pesquisas e partir de uma folha de metal reta presa a um
entrevistas, verifica-se que o mesmo está suporte de plástico e alguns específicos,
presente na maioria das cozinhas domésticas possuem de duas a quatro faces de lâminas
sua função consiste em ralar determinados proporcionando tipos de cortes diferentes. A
alimentos que fazem parte da rotina dos conclusão da pesquisa supracitada resultou

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


128

na tabela 3 e no mapa de empatia, na figura 8.

Tabela 3 - Especificações do produto.

Fonte: Autores (2016)


Em seguida, foi desenvolvido o mapa de contribuiu para uma análise centrada na
empatia de Scott Matthews (2005) que experiência do usuário com o produto:

Figura 8 - Mapa de Empatia, adaptado de Scott Matthews (2005)

Fonte: Autores (2016)


Considerando o design como um processo para a concepção de soluções, foi aplicada a
amplamente criativo, que pode ser ferramenta de Baxter (2015) método, 6
apresentado de várias maneiras, Baxter pessoas, 3 ideias em 5 minutos, com o
(2015) afirma que a criatividade é o coração objetivo de gerar ideias, independentes de
de todo processo projetual. Sendo assim, serem executáveis, ilustradas na figura 9.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


129

Figura 9 - Ferramenta 635, adaptado de Baxter (2015)

Fonte: Autores (2016)


Com os resultados auferidos nas etapas alinhadas ao conceito do Fun Design,
anteriores, foram esboçadas 10 alternativas, apresentadas na figura 10.

Figura 10 - Esboço gráfico

Fonte: Autores (2016)


Das alternativas geradas verificaram-se dos requisitos do projeto, e foram
quesitos de: segurança, travas, limpeza, prototipadas com materiais simples, através
conforto, pegas, dimensões, usabilidade, da ferramenta Dirty Prototyping (Brown, 2010),
cores e formas lúdicas. Assim, foram conforme demonstrado na figura 11.
escolhidas as três que mais se aproximaram

Figura 11 - Prototipagem rápida, adaptada de Brown, (2010)

Fonte: Autores (2016)

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


130

A prototipação resultou na tabela 4, gerando parâmetros para a etapa posterior.

Tabela 4 - Pontos positivos e negativos das alternativas.

Fonte: Autores (2016).


Nesta etapa foi aplicada a ferramenta Matriz produto existente no mercado com as
de Convergência Controlada, de Pugh (1991, alternativas do seu projeto, o resultado da
apud Baxter, 2015), conforme tabela 5, que tabela demonstrou que seria necessário a
proporciona ao designer comparar um aplicação de mais uma etapa projetual.

Tabela 5 - Matriz de Convergência Controlada. Adaptado de Pugh (1991, apud Baxter, 2015).

Fonte: Autores (2016)


Na fase final do processo, foi aplicada a preparo de alimentos. Em sua base possui
ferramenta MESCRAI (Baxter, 2015), com o uma frigideira de aço Inox e ao desacoplar
objetivo de corrigir alguns pequenos seu cabo, poderá servir como uma forma para
problemas de usabilidade e estrutura do assar alimentos. A tampa da panela possuirá
produto. Sendo assim, após essas um motor que também servirá como pega
verificações, foi possível finalizar o processo para a tampa, assim como para rotacionar
através da modelagem tridimensional virtual. uma espátula que mexerá o alimento no
interior da panela.
Em seu corpo principal (que deve ser
4. RESULTADOS DAS EXPERIÊNCIAS DOS
acoplado na frigideira para utilização), os
PROJETOS APRESENTADOS EM SALA DE
alimentos poderão ser cozidos. O mesmo
AULA
utiliza como matéria prima o vidro, pois este
O resultado do primeiro produto apresentado, permite visualizar a preparação do alimento
Panela Multifuncional (denominada Panela sem a necessidade de contato durante o uso
Fatia de Bolo), consiste em que a mesma ainda quente (figura 12).
poderá desenvolver 3 funções principais de

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


131

Figura 12 - Panela Fatia de Bolo, Detalhamento das peças

Fonte: Autores (2016)


Denominado pelos projetistas de Ralador Sendo assim, fazendo uso da modelagem
disco voador, o segundo produto aqui computacional, o produto final tem sua
apresentado, faz analogia a um disco voador, configuração conforme pode ser verificado na
sua estrutura é composta por partes figura 13, a partir do seu detalhamento
acopláveis, sua tigela foi projetada para ser técnico.
usada no ato da atividade proposta, ralar
alimentos, ou à parte como um elemento
estético que compõe a mesa.

Figura 13 - Detalhamento da modelagem tridimensional no 3ds MAX® da Autodesk

Fonte: Autores (2016)


Dessa forma, o produto foi divido em 4
partes, explicitadas na figura 14.

Figura 14 - Partes do produto, com respectivas legendas de uso

Fonte: Autores (2016)

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


132

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS propostas por Bonsiepe (1983) e Bruno


Munari (2002) com a inserção de ferramentas,
Segundo Romeiro et al. (2010) há três
métodos e técnicas propostas pelo Design
conhecimentos básicos necessários para
Thinking (2008) e Baxter (2015), ressaltou a
projetar: conhecimentos para gerar ideias,
importância da utilização de uma metodologia
para avaliar conceitos e conhecimentos para
flexível e híbrida, que permitiu a presença de
a estruturação do processo de projeto. Além
feedbacks atemporais, adaptando-se ao
disso, ainda segundo o autor, a progressão
problema e gerando uma solução adequada
do projeto pode ser vista como uma coleção
aos requisitos projetuais definidos no início do
de estágios sucessivos nos quais ideias
projeto.
abstratas se transformam na especificação
detalhada de um produto. De fato, as metodologias que foram
apresentadas conseguiram solucionar
Assim, durante a concepção da Panela
problemas de design, e consequentemente
Multifuncional, observou-se que inicialmente,
chegar a soluções inovadoras. O emprego da
foram geradas alternativas com formas
metodologia proposta por Bonsiepe (1983)
similares às panelas tradicionais, e com isso,
conduziu o projetista a analisar o usuário a
foi realizado um feedback para as etapas de
partir do meio social, considerando a
anteprojeto e geração de alternativas e foram
experiência do mesmo, onde cada etapa
feitas mudanças significativas na forma.
projetual foi definida em consonância com o
Sendo assim, desconstruiu-se a ideia de uma
usuário final. Já a metodologia proposta por
panela arredondada, atendendo ao conceito
Munari (2002), trabalhou com o usuário a
do Fun Design e ao Design Emocional,
partir do lúdico, tornando o todo o processo
através de um formato lúdico, proporcionando
experimental, validando a metodologia em
uma experiência prazerosa ao usuário.
três focos: 1) Imersão no contexto dos objetos
No desenvolvimento do ralador, por de uso, através de Löbach (2001); 2) Estímulo
intermédio da adaptação feita pelos autores dos projetistas por meio das ferramentas
para o processo metodológico de Munari criativas de Baxter (2015) alinhado ao Fun
(2002) e a aplicação de técnicas, ferramentas Design e 3) Interação com o usuário
e métodos propostos por: Baxter (2015), (Questionários e entrevistas com o público
Ishikawa (1943), Buzan (2005), Scott alvo). Assim, observa-se que quando o
Matthews (2005) e Pugh (1991) viabilizou-se a projetista alia os três focos supracitados,
construção do modelo tridimensional, consegue obter resultados inovadores na
desenvolvendo assim, um ralador diferente e concepção de produtos, tornando evidente a
que proporcione ao usuário uma experiência importância do conhecimento dessas
prazerosa, seja funcional ou estética. abordagens por parte do designer (e
estudantes de design), que frente aos
Logo, através de pesquisas bibliográficas e
desafios contemporâneos podem contar com
do emprego das fases metodológicas que
esse rico conjunto de conceitos e ferramentas
subsidiaram o projeto, foi possível perceber a
a seu favor e também a favor da sociedade
importância da experimentação e da
atingida pelo seu trabalho.
liberdade na seleção de alternativas para se
chegar a uma determinada solução. A
experiência da adaptação das metodologias

REFERÊNCIAS
[1] Baxter, M. R. Projeto de Produto: Guia [4] Brown, Tim. Design Thinking: uma
Prático para o Design de Novos Produtos. São metodologia poderosa para decretar o fim das
Paulo: Editora blücher, 2015. velhas ideias. Rio de Janeiro. Elsevier, 2010.
[2] BONSIEPE, G. A Tecnologia da [5] Buzan, Tony. Mapas mentais e sua
Tecnologia. São Paulo: Ed. Blücher, 1983. elaboração. São Paulo: Editora Cultrix. 2005.
[3] Bonsiepe, G. Um Experimento em Projeto [6] Ishikawa, K. Introduction to Quality Control.
de Produto: Desenho Industrial. Brasília: ; Translator: J. H. Loftus. 448 p; 1990. ISBN 4-
CNPq/Coordenação Editorial, 1983. 906224-61-X OCLC 61341428.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


133

[7] Löbach, B. Design Industrial: Bases para a [9] Mont ́Alvão, C., Damazio, V. Design,
configuração dos produtos industriais. São Paulo: Ergonomia e Emoção. Rio de Janeiro: Mauad
Edgard Blucher, 2001. X.FAPERJ, 2008.
[8] Martins, R. F. F. A gestão de design como [10] Munari, Bruno. Das coisas nascem coisas.
estratégia organizacional: um modelo de São Paulo: Martins Fontes, 2002.
integração do design em organizações. Tese
[11] Romeiro, E., Ferreira, C., Miguel, P.,
(Doutorado em Engenharia de Produção). 205 f.
Gouvinhas, R., Naveiro, R. Projeto de Produto. 1
Universidade Federal de Santa Catarina,
ed, Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.
Florianópolis: 2004.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


134

Capítulo 11

Jéssica Alves Justo Mendes


Carlos Alberto Chaves
Thiago Bittencourt Leite

Resumo: Este artigo tem por objetivo apresentar a implementação e os resultados


da realização de um Projeto Kaizen em uma empresa de pequeno porte,
fornecedora para indústria aeronáutica, localizada na cidade de Cruzeiro, Estado
de São Paulo, Brasil. A metodologia utilizada foi pesquisa bibliográfica,
principalmente sobre os seguintes temas: Empresa de Pequeno Porte, Filosofia
Lean e Melhoria Contínua. Também, foi realizada uma pesquisa de campo, para
levantamento de dados na empresa, principalmente na área de estoque de
componentes. Concluiu-se que a implementação do Projeto Kaizen trouxe como
benefícios a redução de desperdícios nos processos aplicados.

Palavras Chave: Empresa de Pequeno Porte; Filosofia Lean; Melhoria Contínua,


Projeto Kaizen.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


135

1. INTRODUÇÃO de pequeno porte e decidiu dar início a


implantação da Filosofia Lean através de um
As micro e pequenas empresas proporcionam
projeto Kaizen, visando benefícios de curto e
um aumento de oportunidades de emprego e
longo prazo para a mesma.
dos níveis de consumo e de renda, sendo
uma grande fonte de crescimento econômico O Objetivo Geral do estudo foi a implantação
para um país. Entretanto, cerca de 60% de um Projeto Kaizen, realizado na área de
destas empresas não sobrevivem mais que Estoque de uma empresa de pequeno porte,
cinco anos no mercado (SEBRAE-SP, 2014). fabricante de conjuntos-mangueira, tubos e
cabos de comando para aviões. O Projeto
Nota-se, então, a necessidade das micro e
Kaizen teve como base os conceitos de Lean
pequenas empresas estarem em constante
Manufacturing, e seus objetivos específicos
aprimoramento, buscando sempre apresentar
foram: apresentação de melhorias no layout
altos níveis de qualidade e produtividade,
do Estoque, redução de desperdícios do
aumentando assim, suas chances de
processo e introdução da mentalidade Lean
sucesso.
para os funcionários da empresa.
Para alcançar este fim, é necessária uma
A metodologia utilizada para a elaboração
gestão competente, que invista na qualidade
deste trabalho foi a de um Estudo de Caso e
de seus produtos, e no aperfeiçoamento de
apoiado por uma pesquisa bibliográfica sobre
seus processos, reduzindo desperdícios e
o tema Manufatura Enxuta e Kaizen.
aumentando sua produtividade (MCLEAN,
2015).
A Filosofia Lean (também conhecida como 2. REFERENCIAL TEÓRICO
Lean Manufacturing ou Produção Enxuta) traz
2.1 EMPRESAS DE PEQUENO PORTE
grandes vantagens para empresas de
pequeno porte, podendo ser utilizada em Microempresas e empresas de pequeno
todas as áreas de uma empresa (marketing, porte, doravante chamadas de MPE’s neste
vendas, produção, etc.), impulsionando o trabalho, existem em todo o mundo e atuam
crescimento das mesmas (ELBERT, 2013). nos mais diversos ramos, apresentando
grande importância econômica e uma ampla
A Filosofia Lean pode ser definida como um
variedade de produtos e serviços.
sistema que disponibiliza, para todas pessoas
de todos os níveis de uma empresa, formas As MPE’s apresentam características
de pensar e ferramentas, visando a próprias, como altas taxas de natalidade e de
eliminação de desperdícios que acontecem mortalidade, a gestão informal, estrutura
durante os processos, aliado a introdução de simples, escassez de recursos, mão-de-obra
programas de melhoria contínua (CHIARINI, pouco qualificada, forte presença de
2013) proprietários, sócios e membros da família em
seu quadro de funcionários, baixo
Uma Organização Lean baseia-se
investimento em inovação tecnológica e uma
principalmente em projetos de melhorias
relação de complementaridade e
rápidas, chamados de projetos ou eventos
subordinação com as empresas de grande
Kaizen. Estes projetos são movidos pelo
porte. (INSTITUTO BRASILEIRO DE
esforço em equipe, disciplina e mentalidade
GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA, 2001; LEONE,
de eliminação de desperdícios. A aplicação
1999).
destes projetos é de baixo custo, de curta
duração e procura-se: desenvolver ou No Brasil, as MPE’s são classificadas
melhorar processos, produtos e serviços, conforme sua receita bruta, segundo a
aumentar a produtividade, reduzir legislação do Simples (Lei 123 de 15 de
desperdícios e custos (CHIARINI, 2013, IMAI, dezembro de 2006) em: Microempresa (ME) e
2011). Empresa de Pequeno Porte (EPP), conforme
demonstrado na Tabela 1 abaixo.
A empresa estudada é classificada, segundo
sua receita bruta anual, como uma empresa

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


136

Tabela 1: Classificação de Micro e Pequena Empresa (MPE) segundo a Lei Complementar Federal
123/2006 (critério: receita bruta).
Porte Classificação Faturamento Bruto Anual
Microempresa (ME) Até R$ 360 mil
MPE
Empresa de pequeno porte (EPP) Acima de R$ 360 mil até R$ 3,6 milhões
Ref.: Lei Complementar Federal 123/2006

A importância das MPE’s para a economia tabela 2:


brasileira pode ser analisada segundo a

Tabela 2: Percentual de atuação das MPE’s nos setores de Serviços, Comércio e Industrial.
PIB gerado Empresas Empregados Remuneração de
empregados (%)
(%) (%) (%)
Setor de Serviços 36,30 98,10 43,50 27,80
Setor de Comércio 53,40 99,20 69,50 49,70
Setor Industrial 22,50 95,50 42 25,70
Ref.: SEBRAE, 2014
Apesar da grande atuação e importância das Motor Corporation (WOMACK; JONES, 1998).
MPE’s, cerca de 58% dessas empresas não
O STP surgiu através da colaboração do
sobrevivem mais do que cinco anos no
engenheiro mecânico Taiichi Ohno com o
mercado (SEBRAE-SP, 2014).
engenheiro Shigeo Shingo, criador da técnica
Segundo pesquisas realizadas pelo SEBRAE- Single Minute Exchange of Die (SMED) ou
SP (2014) as causas de insucesso das MPE’s Troca Rápida de Ferramentas. Foi então
costumam envolver os seguintes fatores: desenvolvido o Sistema Toyota de Produção ,
comportamento empreendedor pouco que tem como pilares: o JIT (Just-In-Time);
desenvolvido, ausência do planejamento Jidoka (Autonomação); 5S (housekeeping);
prévio, gestão deficiente do negócio, Kaizen (melhoria contínua); TPM (Total
insuficiência de políticas de apoio, flutuações Productive Maintenance); TQM (Total Quality
na conjuntura econômica, ausência de Management); SMED (Single Minute
técnicas de marketing, de avaliação de Exchange of Die); VSM (Value Stream
custos, fluxo de caixa e problemas “pessoais” Mapping); Andon (Quadro Luminoso de
dos proprietários. Alarmes); Kanban (cartões de ordem da
produção); e Poka-Yoke (dispositivo à prova
As MPE’s que procuram aperfeiçoar seus
de erros) (SHINGO, 1996; SLACK ET. AL.,
produtos e serviços, inovar em processos e
2010)
procedimentos, investir em capacitação de
pessoal e qualidade, mantendo-se atualizada O STP, tal qual a Filosofia Lean, tem como
às tecnologias do setor, tendem a sobreviver foco a eliminação de desperdícios a fim de
mais no mercado (SEBRAE-SP, 2014). reduzir o custo de capital e ao mesmo tempo,
entregar máximo valor para o cliente (OHNO,
O investimento na área de qualidade,
1997).
realizado através da implantação da Filosofia
Lean, juntamente aos princípios de melhoria A Filosofia Lean, conhecida por Lean Thinking
contínua, serve como um diferencial (mentalidade enxuta / pensamento enxuto), foi
competitivo nas MPE’s (MCLEAN, 2015). difundida por Womack & Jones (1998), e
amplia os conceitos de Lean Production
(Produção Enxuta) para toda a empresa.
2.2 FILOSOFIA LEAN
O objetivo da Filosofia é proporcionar
Lean é um sistema de gerenciamento que orientações que abranjam todos os processos
teve como base o Sistema Toyota de da organização, sendo o conceito de melhoria
Produção (STP), originário da empresa Toyota contínua extremamente importante, criando

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


137

uma cultura que se baseia no envolvimento de independente da empresa ou da área onde


todos os funcionários da organização ocorra esta eliminação (SLACK ET. AL., 2010).
(ROTHER, 2010; SLACK et. al., 2010).
Os ensinamentos Lean, divulgados por
2.2.2 O PROGRAMA 5S
diversos livros e consultores, tem como foco a
implantação de conceitos Lean em grandes Os Cinco Sensos (5S’s) constitue um
empresas. Porém, usando uma abordagem programa utilizado para reduzir as folgas
diferenciada para a aplicação e aprendizado organizacionais (desperdícios), reduzindo
destes conceitos que leve em consideração assim as atividades que contribuem para
as características próprias das empresas de erros, defeitos e lesões, além de contribuir
pequeno porte e sua cultura empresarial, para a melhoria do trabalho em equipe
estas empresas podem usufruir dos (LIKER, 2004).
benefícios da Filosofia Lean, aumentando
O primeiro S é o Senso de Seleção ou
assim sua produtividade e adquirindo um
descarte (seiri), que procura separar os itens
diferencial competitivo. (MCLEAN, 2015)
que são necessários dos desnecessários e
eliminar estes (SLACK ET. AL., 2010).
2.2.1 OS SETE TIPOS DE PERDAS O segundo S ou Senso de Ordenação (seiton)
(DESPERDÍCIOS LEAN) é uma continuação do primeiro e se traduz na
ação de alocar os itens necessários nos
A Filosofia Lean tem em sua essência a
lugares apropriados. (IMAI, 2012).
identificação e mitigação de desperdícios,
que, segundo os critérios do STP, são O terceiro S, Senso de Limpeza (seiso) traz
divididos em sete tipos de perdas, a saber consigo a filosofia de limpeza e organização
(MONDEN, 1994; SLACK ET. AL., 2010): (SLACK ET. AL., 2010; SELEME; STADLER,
2012).
1 Superprodução. Produzir mais do que é
imediatamente necessário para o próximo A premissa do quarto S ou Senso de Higiene
processo na operação; e Padronização (seiketsu), é manter os
2 Espera. Períodos onde ocorre ociosidade, padrões de limpeza e a ordem, incorporando-
devido à fluxos mal planejados. os na rotina da empresa (SLACK ET. AL.,
3 Transporte. Movimentação desnecessárias 2010).
de itens, pessoas e informações em torno da
O quinto S é o Senso de Auto-disciplina
operação, o que não agrega valor;
(shitsuke), onde o trabalhador é incentivado a
4 Processamento em si. O processo em si
desenvolver o compromisso de manter os
pode ser uma fonte de desperdícios, pois
padrões alcançados através dos 5S’s (LIKER,
algumas operações só existem por causa do
2004).
design de componente ruins, ou pela falta de
manutenção; As vantagens geradas pela aplicação dos
5 Estoque (Inventário). Todo estoque deve 5S’s são muitas. Chiarini (2013) cita: aumento
tornar-se um alvo de eliminação, pois altos de produtividade, melhoria da qualidade,
níveis de estoque ocultam os desperdícios redução de desperdícios (custos), melhoria
ocorridos em outras áreas, custa caro para a de layout, além de um aumento de segurança
empresa além de representar a ocupação de e bem-estar dos funcionários.
grandes áreas.
6 Movimentação. Um trabalhador pode estar
realizando movimentos desnecessários, onde 2.3 KAIZEN, O MELHORAMENTO
nenhum valor está sendo agregado ao CONTÍNUO.
trabalho;
A abordagem usada pela melhoria contínua,
7 Produtos defeituosos. Desperdícios por má
conhecida no Japão por Kaizen (Kai= mudar
qualidade ( fabricação de produtos
e Zen=melhor) tem como elemento essencial
defeituosos) costumam ser muito significantes
o trabalho em equipe onde todos trabalham
nas operações, pois trazem custos de
juntos para que, a partir de pequenos passos
retrabalho e descarte de materiais que não
incrementais, melhorias ocorram, desafiando
podem ser reutilizados.
assim, a ideia de que problemas na qualidade
A eliminação destes desperdícios, ou perdas, representam algo imutável (JURAN, 2000;
gera aumento de eficiência, redução de ROTHER, 2010). A Tabela 3 resume as
custos e otimização de processos,

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


138

principais características do Kaizen segundo Imai (2011).

Tabela 3: Características do Kaizen.


Kaizen
Efeito A longo prazo e duradouro, porém monótono
Ritmo Pequenos progressos
Estrutura de tempo Contínua e incremental
Mudança Gradual e constante
Envolvimento Todos (trabalho em equipe)
Enfoque Coletivismo, esforços em grupo, enfoque sistêmico
Método Manutenção e melhoramento
Estímulo "Know-how" e atualizações convencionais
Exigências práticas Exige pouco investimento financeiro, porém grande esforço para mantê-lo
Vantagem É útil na economia de crescimento lento
Informações Abertas, compartilhadas
Tecnologia Baseia-se na tecnologia existente
"Feedback" Amplo
Ref.: Imai, 2011, p.21 e p.28
2.3.1 APLICAÇÃO DO KAIZEN melhorias, que são então padronizadas;
7 Verificação dos resultados obtidos;
Segundo Chiarini (2013), as empresas que
8 Os resultados obtidos são apresentados aos
implementam a metodologia Kaizen
demais membros da empresa;
geralmente o fazem através de Workshops
9 Os resultados obtidos são mantidos.
Kaizen, também conhecidos como Projetos
Kaizen ou Eventos Kaizen.
3. DESCRIÇÃO DA EMPRESA
Projetos Kaizen são projetos de melhoria de
curto prazo utilizados para aperfeiçoar um A empresa estudada possui sede em
processo através da metodologia Kaizen. Cruzeiro, cidade do Vale do Paraíba Paulista,
Estes projetos apresentam baixo custo e e possui uma receita bruta de até R$ 3,6
enfatizam o trabalho em equipe e os esforços milhões, o que a classifica como empresa de
realizados pela equipe, englobando diversas pequeno porte. A Empresa apresenta
ferramentas da qualidade, como algumas características típicas das MPE’s,
Brainstorming, 5S e 5W2H. (CHIARINI, 2013; tais como: gestão informal, estrutura simples,
IMAI, 2011). escassez de recursos, baixa intensidade de
capital e forte presença dos proprietários.
Para Chiarini (2013), Projetos Kaizen são
realizados de acordo com as seguintes nove A Empresa está no mercado há mais de vinte
etapas: anos e trabalha com a fabricação de
conjuntos-mangueira, tubos e cabos de
1 Programa e preparação do evento;
comando para aviões, além de projetar e
2 Os líderes, co-lideres e membros do time
montar equipamentos de apoio ao solo para a
são escolhidos;
indústria aeronáutica. Esta empresa também
3 Treinamento sobre Kaizen;
opera como representante comercial para
4 Realização de coleta e análise de dados;
grandes fornecedores, fabricantes e
5 Decisão sobre quais as melhorias serão
distribuidores da área aeroespacial.
implementadas;
6 Execução da semana Kaizen, onde ocorre a A figura abaixo (figura 1) representa a
implementação das melhorias; durante esta empresa onde o Projeto Kaizen foi realizado.
semana, todos os dias, implementam-se

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


139

Figura 1: Empresa Analisada.

O Projeto Kaizen foi implantado pela iniciativa continua, e tendo como primeira área de
do Setor de Qualidade e pelo interesse da alta implantação do Projeto Kaizen, a área de
gerência. O projeto busca a transformação Estoque.
gradual da cultura da empresa através da
A figura a seguir mostra o layout do primeiro
introdução de conceitos Lean, começando
andar da empresa, onde se situa o Estoque.
pela implantação dos conceitos de melhoria

Figura 2: Layout da Empresa Analisada.

4. METODOLOGIA seguintes etapas: Elaboração e Realização de


Treinamentos Lean e Kaizen; Definição da
O procedimento escolhido para a realização
Área e Equipe Kaizen; Coleta de Dados e
da pesquisa foi o Estudo de Caso, o qual,
Aplicação do Kaizen.
segundo Santos (2007), envolve a seleção de
um objeto de pesquisa restrito, tendo como
objetivo o aprofundamento de seus aspectos
4.1 ELABORAÇÃO E REALIZAÇÃO DE
característicos.
TREINAMENTOS LEAN
A coleta dos dados relevantes foi realizada
Primeiramente, a equipe de Qualidade
em um período de dois meses, durante o
desenvolveu e aplicou treinamentos relativos
segundo semestre de 2015.
aos conceitos Lean, tendo como foco a
Ao término da coleta dos dados, foi aplicação de Projetos Kaizen, adaptados à
desenvolvido um Projeto Kaizen Piloto, com as realidade da empresa.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


140

Ao final do treinamento a equipe de qualidade Projeto Kaizen Piloto (figura 3).


apresentou o cronograma a ser seguido pelo

Figura 3: Cronograma Projeto Kaizen Piloto.

4.2 DEFINIÇÃO DA ÁREA E EQUIPE KAIZEN Após a definição das metas foi usada a
técnica de brainstorming, uma das
Após o treinamento realizou-se um
ferramentas da qualidade, para sugestões de
Brainstorming com todos os participantes
melhorias. As melhorias escolhidas a serem
para que fosse definida a área de aplicação
aplicadas foram então definidas.
do Projeto Kaizen Piloto. Percebeu-se que o
Setor Estoque era uma área que necessitava Durante a realização das melhorias as
de várias melhorias em processos seguintes ferramentas da qualidade foram
considerados simples, e em que a alta utilizadas: Diagrama de Ishikawa, 5W2H, 5S’s
gerencia tinha muito interesse em aprimorar, e Padronização. Os resultados foram
sendo então, a área escolhida para a padronizados através de fluxogramas e
aplicação do Projeto. anotados segundo o relatório A3, um
documento que apresenta como informações:
Definida a área criou-se uma equipe Kaizen,
o problema estudado, sua análise e as ações
formada por um líder, um co-líder e demais
corretivas tomadas pela empresa (SHOOK,
participantes. Toda a equipe de Qualidade
2009).
integrou a equipe Kaizen, assim como o
funcionário responsável pelo Estoque. O
engenheiro responsável pela produção
5. APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS
também foi incluído nesta equipe Kaizen.
RESULTADOS
5.1 MELHORIAS NO PROCESSO DE
4.3 COLETA DE DADOS E APLICAÇÃO DO ARQUIVAMENTO DE DOCUMENTOS
PROJETO KAIZEN PILOTO
Existem situações de rastreabilidade em que
Diversos processos realizados no estoque são necessários acesso aos documentos:
foram analisados. Destes processos, dois faturas (invoices) e certificados de qualidade
foram escolhidos pelo líder da equipe para das matérias-primas. São exemplos de
integrar o Projeto Kaizen Piloto. Foram eles: atividades que precisam consultar os
arquivamento de documentos e documentos: recall, elaboração de relatórios
armazenagem de matérias primas. da qualidade e solicitação de clientes e
fornecedores.
Realizou-se então uma análise completa de
cada um desses processos, onde foi A execução dessa atividade é de baixo valor
verificado o estado atual dos mesmos. Os agregado, ou seja, é necessário ser realizada
dados coletados foram analisadose as metas de forma rápida e eficaz. Para que isso ocorra
a serem alcançadas foram definidas. Estas os documentos devem ser organizados
metas consideraram a situação da empresa corretamente e fáceis de serem acessados.
estudada, que conta com poucos funcionários
O arquivamento de documentos na Empresa
e não pode parar seus processos para a
A não seguia um padrão claro e sua
realização do Kaizen, ou seja, o projeto foi
armazenagem (em pastas superlotadas
realizado concomitantemente com as demais
dentro de um armário e de outros pontos
atividades da empresa.
aleatórios do estoque) não era de fácil
acesso, levando um tempo médio para

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


141

procura de um documento específico de Foi feita uma coleta e análise dos dados do
cerca de 20 minutos. processo através de um diagrama de
Ishikawa, mostrado na Figura 4.

Figura 4: Diagrama de Ishikawa para o processo de arquivamento de documentos do Estoque.

Realizou-se então a técnica do Brainstorming documentos de “Requisição de


onde os funcionários propuseram soluções Material”;
para a melhoria do processo. As ideias  - Determinar um máximo de
escolhidas para serem aplicadas foram: documentos por pastas e gavetas;
 - Trocar armário atual por um armário  - Identificar as pastas/gavetas;
de gaveta;  - Checar a legibilidade dos
 - Organizar as gavetas por documentos.
fornecedor;  Logo após o Brainstorming a Equipe
 - Arquivar em intervalos (espaços) estabeleceu como meta um tempo
menores de documentos; médio de procura de um documento
específico em 2 minutos.
 - Padronizar a identificação do
armário, pastas e gavetas; A Equipe registrou as medidas a serem
 - Organizar os documentos em ordem realizadas através do método dos “5W2H”,
crescente; apresentado a seguir (Figura 5).
 - Eliminar os papéis desnecessários;
 - Colocar em outro lugar os

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


142

Figura 5: Plano de Ação do processo de arquivamento de documentos (5W2H).

Após a realização destas medidas o processo 5.2 MELHORIAS NO PROCESSO DE


de armazenagem de documentos conseguiu ARMAZENAMENTO DE MATÉRIA PRIMA
ser organizado, padronizado e a meta de
Para realizar o processo de armazenamento
realizar a procura de documentos em 2
de matéria prima eram necessárias diversas
minutos foi superada. (Tem-se como nova
movimentações pois as áreas de recebimento
média um tempo de 1 minuto e 41 segundos).
e armazenamento não são próximas. O
Os benefícios conseguidos pelas melhorias funcionário carregava a matéria prima à mão,
realizadas foram listados abaixo: o que causava desgaste e desperdício de
tempo. O número médio de “viagens”
 Devido a atividade possuir baixo valor
realizadas no processo de armazenamento de
agregado o funcionário responsável não irá
matéria prima era de 10 viagens. Quando o
mais "perder" tempo na sua execução e,
funcionário ia armazenar a matéria prima
consequentemente, não atrasará suas
ocorria uma demora para identificar em qual
atividades de maior valor agregado.
prateleira ela deveria ser colocada. O tempo
 O desgaste que o funcionário
de processo foi estimado em 40 minutos.
enfrentava ao procurar um documento onde
não existia padronização foi eliminado. A apresentação dos problemas da
armazenagem de matéria prima está
Para registrar de uma maneira clara o que foi
demonstrada no Diagrama de Ishikawa
feito e quais benefícios atingidos pelo Projeto
(Espinha de Peixe), Figura 6.
Kaizen a Equipe criou um relatório A3, que foi
passado para os demais funcionários da
empresa.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


143

Figura 6: Diagrama de Ishikawa para o processo de armazenamento de matérias primas.

Após a realização do diagrama de espinha de - Melhoria no layout do estoque para que


peixe o time fez um Brainstorming e as ideias fosse possível transportar todo o material na
escolhidas foram: bancada em uma única viagem.
A Equipe Kaizen definiu como meta a
- Desocupação de uma bancada móvel do
realização de um máximo de duas viagens
estoque (que era usada como mesa e
para a armazenagem de matéria prima e
armazenava diversos objetos) para ser usada
execução do processo em 20 minutos. Para
como instrumento de apoio do funcionário;
isso, o layout do estoque necessitava ser
- Endereçamento dos PN’s (part numbers da
melhorado. A figura a seguir (figura 7)
matéria prima) nas prateleiras;
representa o estoque antes do Projeto Kaizen.

Figura 7: Representação do Estoque antes do Projeto Kaizen Piloto.

Para melhorar o layout do Estoque, tornar A Equipe Kaizen fez o registro das medidas a
possível a identificação correta de cada serem tomadas através do método “5W2H”,
matéria prima e realizar a desocupação da apresentado aseguir (Figura 8).
bancada móvel necessária para o transporte
da matéria prima o time se propôs a aplicar os
5S’s no Estoque.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


144

Figura 8: Plano de Ação do processo de armazenamento de matérias primas (5W2H).

As metas dos 5S’s foram: melhoria do layout e compras. Muitos materiais de limpeza e de
desocupação de uma bancada móvel. uso diário (como pastas, grampeadores,
canetas, etc.) tinham sido comprados sem
As ações dos 5S’s realizadas na Empresa A
necessidade pois já tinham no estoque (em
foram:
grande quantidade, vale adicionar), só que a
1. Ações para Seiri (Senso de Seleção) – má organização fazia com que o funcionário
Foram retirados do local: lixo, materiais que não encontrasse esses itens. Também se
estavam guardados no local incorreto, encontrou matéria-prima que tinha sido
materiais que não eram mais utilizados. Com “esquecida” pela má organização do estoque.
isso foi possível desocupar 4 armários, uma
Ou seja, a aplicação dos 5S’s demonstrou a
mesa e uma bancada móvel.
grande necessidade de uma organização
2. Ações para Seiton (Senso de
padronizada. Essa padronização foi realizada,
Ordenação) – Quanto aos objetos restantes
evitando assim futuras compras incorretas e
estes foram organizados corretamente e
desperdício de matéria-prima.
depois devidamente identificados.
3. Ações para Seiso (Senso de Limpeza) A realização das medidas de melhoria gerou
– O local provou conter muita sujeira. Devido uma otimização do processo de
a isto durante e após os 5S’s, foi realizada a armazenamento de matérias primas, que se
limpeza do local. encontra devidamente organizado e
4. Ações para Seiketsu (Senso de padronizado. A meta de realizar uma média
Higiene) – Foi feita uma padronização quanto de duas “viagens” foi cumprida e a meta de
à arrumação e limpeza do local, disponível diminuir o tempo do processo em 50% foi
para os funcionários. Cada prateleira foi superada. O processo de armazenagem de
devidamente identificada. matéria prima, que antes demorava em média
5. Ações para Shitsuke (Senso de Auto- 40 minutos, hoje apresenta uma média de 17
Disciplina) – Os funcionários foram minutos.
incentivados pela Equipe Kaizen a manter a
Os benefícios conseguidos pelas melhorias
ordem e a limpeza do local e a dar sugestões
realizadas no processo de armazenagem de
de melhoria sempre que necessário. Esta
matéria-prima estão listados abaixo:
ação deve sempre se manter com rigor.
- Aumento significativo do espaço útil do
Durante a aplicação dos 5S’s foi possível
estoque (houve um aumento de
realizar as ações de melhoria decididas no
aproximadamente 30% do espaço útil);
Brainstorming. Os 5S’s também mostraram
possibilidade de locomoção da bancada
que a má organização do Estoque
móvel;
influenciava outros processos, como o de
- Padronização do processo;

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


145

- Padronização da organização do estoque; - Diminuição do desgaste do funcionário


- Aumento da sensação de bem-estar dos responsável pela armazenagem da matéria
funcionários, pois o local ficou mais limpo, prima.
espaçoso e organizado;
A figura a seguir (figura 9) representa o
- Redução do desperdício de tempo em
estoque após as melhorias do Projeto Kaizen
57,5% e de movimentação em 80%;

Figura 9: Representação do Estoque Após o Projeto Kaizen Piloto.

Durante a melhoria do Layout, o funcionário Kaizen. Mas, após a implantação do mesmo,


responsável pela inspeção da matéria prima a Equipe de Qualidade notou uma mudança
sugeriu que a área de inspeção fosse de atitude e os funcionários passaram a
demarcada (bem como a área de incorporar alguns dos conceitos ensinados
“quarentena” dos produtos). A Equipe Kaizen em sua rotina de trabalho.
viu essa sugestão com bons olhos, e
O cronograma idealizado pela Empresa A
implementou-a, como é possível ver na figura
diferiu da teoria estudada pois a equipe
acima.
Kaizen flexibilizou o tempo do mesmo. O
O registro deste Kaizen também foi feito em cronograma foi cumprido, mas com
um relatório A3 e passado para os demais dificuldade, pois o Projeto Kaizen Piloto
funcionários da empresa. enfrentou imprevistos que trouxeram atraso,
tais como: absenteísmo, auditoria externa,
mercadoria retida no porto, etc.
5.3 ANALISE DOS RESULTADOS
Em virtude dos imprevistos citados a Equipe
Durante a execução do Projeto Kaizen Piloto Kaizen não conseguia se reunir diariamente,
os funcionários foram encorajados a pensar como planejado, conforme preconizado na
quais dos sete desperdícios Lean faziam teoria estudada. Apesar disso, todas as metas
parte dos processos analisados e o que foram cumpridas e os funcionários se
poderia ser melhorado com a mitigação dos familiarizaram com a metodologia e ideias do
mesmos. A importância de pequenas Kaizen e da cultura Lean que lhes foram
melhorias também foi muito discutida por toda apresentados.
a equipe Kaizen.
O comprometimento com o projeto, o trabalho
A metodologia Kaizen é simples, porém, para em equipe e a habilidade de analisar
ser bem-sucedida exige determinação, pois o logicamente os problemas apresentados
Kaizen deve representar uma mudança de foram os fatores que influenciaram o sucesso
cultura da empresa (IMAI, 2011). da aplicação do Projeto Kaizen Piloto.
Esta definição condiz com a implantação do Quanto ao programa 5S, realizado durante a
Kaizen na Empresa A. Inicialmente, a Equipe melhoria do processo de armazenagem de
de Qualidade encontrou dificuldades para matéria prima, cabe ressaltar que os
convencer os funcionários dos benefícios do resultados foram muito positivos.Entretanto,

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


146

para que estes resultados sejam mantidos a rotineiros, bem como os conceitos de
longo prazo é necessária muita disciplina. padronização e redução de desperdícios.
Após a realização do Projeto Kaizen Piloto Após um ano e meio, os processos aqui
outras áreas da empresa (como as áreas de descritos foram analisados novamente,
Logística e de Compras), que não procurava-se saber se os resultados positivos
participaram da execução e treinamentos foram mantidos, e se novos Kaizen foram
Kaizen mas viram os resultados do mesmo, realizados, dando continuidade à filosofia
solicitaram que fossem realizados eventos Lean baseada na melhoria contínua.
Kaizen para as mesmas.
Os processos melhorados mantiveram o
A alta gerencia se sentiu satisfeita com o conceito de padronização, e hoje, apresentam
resultado o que levou a área de Qualidade da os seguintes resultados:
Empresa a criar como metas: a manutenção
dos resultados alcançados pelo Projeto
 - Tempo de processo de
arquivamento de documentos: média
Kaizen Piloto, a realização de mais quatro
Projetos Kaizen e a aplicação do Projeto de 1 minuto e 15 segundos;
Kaizen em processos produtivos mais  - Tempo de processo de
complexos, procurando reduzir custos. armazenamento de matéria prima:
média de 15 minutos;
 - Número de viagens do processo de
5.3.1 ANALISE DA MANUTENÇÃO DA armazenamento de matéria prima:
FILOSOFIA LEAN, UM ANO E MEIO APÓS A média de duas viagens;
APLICAÇÃO DO PROJETO KAIZEN PILOTO É possível perceber uma pequena melhora no
Apesar dos resultados positivos, para afirmar- tempo destes dois processos. A imagem a
se como uma empresa Lean, que segue uma seguir (figura 10) demonstra claramente a
filosofia de melhoria contínua, a Empresa A melhoria do layout do estoque,
precisa de anos de prática, até que os representando-o antes do Kaizen, logo após
Projetos Kaizen se tornem comuns e as melhorias aplicadas pelo Kaizen, e um ano
e meio após a aplicação do Projeto Kaizen
Piloto.

Figura 10: Representação do Estoque antes do Projeto Kaizen Piloto, logo após o Kaizen e Um ano e
meio após o Kaizen.

A empresa continua a se empenhar na busca 6. CONCLUSÃO


por uma cultura Lean, e para isso, usa-se o
Com base na análise dos resultados pode-se
Kaizen como base, aplicando-o hoje tanto nas
considerar que a aplicação do Projeto Kaizen
áreas administrativas quanto produtivas.
foi bem-sucedida, os objetivos propostos
Percebe-se, portanto, que a empresa
foram atingidos e houve uma melhoria
conseguiu transformar sua cultura, aderindo a
considerável do processo de estocagem,
mesma aos princípios da filosofia Lean.
gerando muitos benefícios para a empresa e
o bem-estar de seus funcionários.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


147

A aplicação do Projeto Kaizen no setor de Analisando o cenário da empresa um ano e


Estoque proporcionou os seguintes ganhos: meio após a aplicação do Kaizen Piloto, pode-
aumento da eficiência do processo de se dizer que a mesma caminha a passos
estocagem, melhoria do layout da área do largos para ser bem-sucedida em sua
estoque e redução dos desperdícios de manutenção da cultura Lean. Adiciona-se
tempo e de movimentação em cerca de 50%. que a combinação do 5S’s e das ferramentas
O projeto também proporcionou uma de qualidade utilizadas (Diagrama de
mudança na mentalidade dos funcionários da Ishikawa, Técnica de Brainstorming, 5W2H,
empresa, trazendo uma aceitação a cultura Fluxograma e Relatório A3) facilitam o
Lean, que se mantem até o presente desenvolvimento de projetos de melhoria
momento. contínua, sendo incentivado o uso das
mesmas.

REFERÊNCIAS
[1] Brasil. Lei Complementar Nº 123, de 14 de Management Principles From The World’s Greatest
Dezembro de 2006. Disponível em: Manufacturer. International Edition, McGraw-Hill.
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/LCP/Lcp 2004
123.htm>. Acesso em: 26 de agosto, 2015
[10] Mclean, Timothy. Grow Your Factory, Grow
[2] Chiarini, Andrea. Lean Organization: From Your Profits. Lean For Small And Medium Sized
The Tools Of The Toyota Production System To Manufacturing Enterprises. CRC Press. 2015.
Lean Office, Volume 3. Published by Springer
[11] Monden, Yasuhiro. Toyota Production
Milan. 2013.
System An Integrated Approach To Just-In-Time.
[3] Elbert, Mike. Lean Production for The Small Second Edition. CHAPMAN & HALL. Institute of
Company. Published by CRC Press Taylor & Industrial Engineers. 1994.
Francis Group. 2013.
[12] Ohno, Taiichi. O Sistema Toyota de
[4] Imai, Masaaki. Gemba Kaizen: A Common Produção. Porto Alegre: Bookman, 1997.
Sense Approach To A Continuous Improvement
[13] Rother, Mike. Toyota Kata Managing
Strategy, Second Edition. McGraw-Hill Professional
Publishing. 2012. People For Improvement, Adaptiveness, And
Superior Results. Publishe by McGrawl-Hill. 2010
[5] IMAI, Masaaki. Kaizen A Estratégia Para O
[14] Santos, Antonio Raimundo dos.
Sucesso Competitivo, 7ª Edição. Editora IMAM.
2011 Metodologia Científica: A Construção Do
Conhecimento. Rio de Janeiro: Lamparina, 2007. 7ª
[6] Instituto Brasileiro de Geografia e Edição.
Estatística (IBGE). As Micro e Pequenas Empresas
Comerciais e de Serviços no Brasil. 2001. [15] Seleme, Robson; Stadler, Humberto.
Controle Da Qualidade, as Ferramentas Essenciais.
Disponível em
Editora IBPEX Dialógica. 2ª Edição. Curitiba, 2012.
<http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia
/microempresa/microempresa2001.pdf> Acesso [16] Serviço Brasileiro DE Apoio ÀS Micro E
em 19 jun. 2015. Pequenas Empresas (Sebrae). Causa Mortis. O
sucesso e o fracasso nos primeiros 5 anos de vida.
[7] Juran, Joseph M. Juran’s Quality
Handbook, Fifth Edition. McGraw-Hill International SEBRAE-SP, 2014. Disponível em:
<http://www.sebraesp.com.br/arquivos_site/bibliote
Editions: Industrial Engineering Series. USA. New
York, 2000. ca/EstudosPesquisas/mortalidade/causa_mortis_20
14.pdf>. Acesso em 23 de ago. 2016.
[8] Leone, N.M. As especificidades das
[17] Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e
pequenas e médias empresas. São Paulo: Revista
de Administração, v.34, n.2, p.91-94, abril/junho Pequenas Empresas (Sebrae). Unidade de Gestão
Estratégica – UGE. Participação das Micro e
1999. Disponível em
Pequenas Empresas na Economia Brasileira, 2014.
<https://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&es
Disponível em:
rc=s&source=web&cd=1&cad=rja&uact=8&ved=0
<http://www.sebrae.com.br/Sebrae/Portal%20Sebra
CB0QFjAA&url=http%3A%2F%2Fwww.rausp.usp.b
e/Estudos%20e%20Pesquisas/Participacao%20das
r%2Fdownload.asp%3Ffile%3D3402091.pdf&ei=0k
- %20micro%20e%20pequenas%20empresas.pdf>.
Acesso em 29 jul. 2016
VVcnWIYmigwTnzbmgCg&usg=AFQjCNFTcD3ohX
mqER50LeBYCTyvDPLsLg&sig2=MEXAGkr5Gp- [18] Shingo, Shigeo. O Sistema Toyota de
cQtnIaxrRgg> Acesso em 18 jun. 2016. Produção do Ponto de Vista da Engenharia de
Produção. Porto Alegre: Bookman, 1996.
[9] Liker, Jeffrey K. The Toyota Way: 14

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


148

[19] Slack, Nigel; Chambers, Stuart; Johnston, [20] Womack, James P.; Jones, Daniel T. A
Robert. Operations Management. Published by mentalidade enxuta nas empresas: elimine o
Prentice Hall financial Times. Sixth Edition, 2010. desperdício e crie riqueza. Rio de Janeiro:
Campus, 1998.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


149

Capítulo 12

Charles Ribeiro de Brito


Wesley Gomes Feitosa
Welleson Feitosa Gazel
Delmar Leda de Ataide
Jorge Luiz Oliveira Regal
Mesaque Silva de Oliveira

Resumo: Esta pesquisa está sendo realizada a fim de obter melhorias significativas
no equipamento em questão em termos de produção, segurança e automação.
Atendendo todos os requisitos solicitados na NR 12 para com os operadores.
Atribuindo os aspectos ergonômicos redigida na norma e suprindo as
necessidades exigidas, a mesma. Também de maneira tal que venha a contribuir
na elevação da produção diária sem colocar em risco a integridade física dos
operadores que nela trabalham. Tendo em vista os problemas anteriores as
melhorias, o intuito é mostrar que com todas as melhorias feitas na máquina é
possível ainda traçar sempre novas perspectivas ainda que essas seja apenas as
primeiras de muitas que ainda viram no decorrer dos anos, sempre em busca da
alta produção com qualidade nos produtos e a máxima segurança para com os
operadores que trabalham diariamente na máquina.

Palavras Chave: Segurança solicitada pela NR12, produção com qualidade.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


150

1.INTRODUÇÃO chapas de aço podem ter diversos tamanhos


de acordo com a necessidade do cliente, em
Iremos abordar a área de automação,
seguida a chapa é distribuída em cima dos
segurança e produção em uma máquina de
carros coletores, os mesmos são
grande porte, uma desbobinadeira, em
responsáveis a transportar as chapas
atendimento a NR 12 com análise profunda
cortadas para seu respectivo local
de adequação da mesma nos padrões
aguardando sua retirada para o estoque,
técnicos recomendados pela norma
fazendo assim um processo repetitivo durante
regulamentadora.
todo o turno de trabalho. A máquina possui
Todas as maquinas e os equipamentos com uma estrutura em aço (1020) aço de baixa
acionamento repetitivo, que não tenham usinabilidade e de baixo custo financeiro, a
proteção adequada oferecendo risco ao mesma possui uma base especifica,
operador, devem ter dispositivos apropriados atendendo as obrigatoriedades técnicas
de segurança. (NR 12, 2012). exigidas.
Sobre a questão de segurança, sabemos que No equipamento em que estamos estudando
a norma NR 12 determina que máquinas e analisando possíveis modificações estão
desse porte como a que estamos estudando sendo propostas diversas melhorias, sendo
tem que está com uma proteção adequada e uma delas relacionadas à implantação de
com dispositivos de segurança apropriados sensores de segurança; No mercado há
para tal operação. Sempre buscando diversos disponíveis que podem atender o
maneiras que possam vim a atender o que se problema, mas especificamente para esse
pede na norma regulamentadora. caso propomos o sistema de relés de
segurança modelos FWS 1205, 301, 324
A desbobinadeira 16.3 é um equipamento
devido à baixa complexidade do sistema a
utilizado no setor industrial metal mecânico,
ser implantado, tendo eles diversas funções
tendo como estrutura cinco roletes acoplados
como o de bloquear e desbloquear as travas
em suas extremidades em uma caixa com
existentes nas grades de proteção.
engrenagens girada pelo motor da esteira de
50 cvs de potência, é alimentado com energia O relé FWS 1205 tem como função monitorar
de 380 volts trifásico, no equipamento temos uma parada segura da máquina e para o
uma guilhotina de ferro fundido com 1200 mm controle de travamento de segurança, quando
de comprimento, cortando chapas de aço relé detecta a parada o travamento de
com espessura de ¼” de polegada, a mesma segurança e acionado através desses relés. A
também é composta por um “pé” e um figura a seguir destaca-os.
cilindro pneumático, que quando é acionada
A Figura 1 demonstra os relés FWS 1205, SRB
a esteira, o mesmo prende a bobina e a
301MC e o SRB 324 ST utilizados na
guilhotina baixa fazendo um corte preciso na
desbobinadeira.
chapa de aço, após o corte o “pé” libera a
chapa que segue na esteira dando
continuidade no processo, os cortes das

Figura 3: Relés de Segurança FWS 1205/ 301/ 324

Fonte: ACERVO FOTOGRÁFICO (2015).

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


151

Nosso equipamento tem seus sensores tem uma lógica simples e seu custo benefício
compostos por relés de segurança como compensa mais o uso do relé.
indica a figura 1 acima, sendo os mesmos
Todas essas modificações estão sendo
instalados no painel de operação, devido às
estudadas e mensuradas de maneira que
portas de segurança e a cortina de luz que
venha a atender os requisitos da NBR 13852.
serão instaladas no equipamento, não iremos
usar CLP (computer logic program), devido à Seguindo no mesmo propósito, solicitamos
baixa complexidade do sistema, lógicas muito também as portas com chave eletrônica tipo
complexas utilizam os CLP, na máquina em dois com bloqueio, como mostra a Figura 2
estudo não será necessário, pois a mesma abaixo.

Figura 2: Chave eletrônica tipo dois com bloqueio

Fonte: ACERVO FOTOGRÁFICO (2015).

A utilização da chave eletrônica tipo dois com citados no estudo irão contribuir de forma
bloqueio é determinada pela norma, sendo as positiva para todas as áreas do equipamento
mesmas controladas por um relé FWS 301 MC e da área que o cerca, desta forma iremos
com alimentação de 24 volts, baixas tensão utilizar os métodos teóricos, experimentais e
determinada pela norma, “atendendo os dedutivos.
requisitos da norma regulamentadora onde se
Os métodos teóricos compreendem a coleta
pede que trabalhem com fusíveis em baixa
de dados e informações sobre o equipamento
tensão entre 12 a 30 volts. (NR12, 2012).
em estudo, buscando qual a ferramenta mais
“Como observamos essa chave e do tipo dois apropriada para a resolução do problema
que trava automaticamente, para o existente na máquina, qual a melhor forma de
destravamento auxiliar É necessário girar a ser implantado e de que forma esse método
chave triangular (M5) disponibilizado pelo venha a ser executado no menor tempo
fabricante como acessório, e executar o possível. Contaremos com o uso de fotos para
destravamento de forma manual”. analisarmos o contexto em que se encontra o
(SCHMERSAL, 2015). equipamento e com projeções do mesmo
com o uso de todas as melhorias que estão
O outro relé utilizado no equipamento é o FWS
sendo proposta nesse estudo.
1205, o mesmo é específico para momento de
inércia da máquina, tendo também como O método experimental mensurou os dados
função monitorar dois sensores do eixo coletados do equipamento e apresentou-se
principal do motor detectando o movimento através de tabelas ou gráficos, realizaram-se
dos eixos. os experimentos físicos como forma de teste,
como exemplo foram realizados testes nos
carros coletores de chapas, no que se
2.METODOLOGIA referenciou o tempo de trajeto e sua produção
em transportes das chapas, todos os outros
Para a elaboração e construção desse
experimentos tiveram a mesma abordagem,
trabalho teremos que usar diversas formas de
sendo eles registrados com fotos do antes e
metodologia buscando responder os
depois desses experimentos.
questionamentos citados na introdução do
mesmo, propondo através desses métodos No método dedutivo foram analisadas as
que todas as melhorias e experimentos melhorias no equipamento e todos os

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


152

métodos empregados anteriormente, levando possam ser evitadas situações de perigo


em consideração ganho no tempo de latentes e existentes. (NR 12 – 2012).
produção, qualidade final do produto e
“Os dispositivos de parada de emergência
opinião dos colaboradores e clientes, para
devem estar posicionados em locais de fácil
que juntamente com os outros métodos
acesso e visualização pelos trabalhadores em
teóricos e experimentais tenhamos uma
seus locais de trabalho e também por outras
dedução de como será o projeto na sua forma
pessoas, sempre mantidos desobstruídos”.
final.
(SALVADOR, 2012).
Esse item da norma refere-se se maneira
3.REFERENCIAL TEÓRICO clara e objetiva para os dispositivos de
parada de emergência alertando e explicando
No estágio foi abordado trabalho como
sobre sua posição e sempre manter-los
objetivo abordar sobre a área de segurança
desobstruídos de maneira que em uma
do trabalho, especificamente falando sobre a
emergência possa ser acionado, lembrando
NR 12, e também sobre a área de automação
que o mesmo não pode ser usado como
industrial na máquina foi implantada melhorias
dispositivo de reiniciar a operação da
sendo estudadas de maneira que venham a
máquina, cabe a empresa se atualizar e
ser implantadas o mais breve possível.
respeitar o que a norma determina.
Assegurando todos os requisitos pedidos na
norma. Podemos observar que são muitos os
acidentes com máquinas em geral,
No Brasil, em 1978 foi publicada a portaria nº
conhecemos as soluções para que estas
3.214, de 08 de junho, que aprova as normas
situações não ocorram com tanta frequência,
regulamentadoras – NR. Hoje existem 33 NRs,
basta pô-las em prática, sem que haja
constantemente revisadas e atualizadas. (NR
exceções.
12, 2012).
Acidentes com máquinas podem ocorrer não
Falando dos aspectos de sistemas de
apenas durante a sua operação, mas também
segurança temos anexos na norma
quando as atividades de manutenção ou
específicos explicando todos os métodos e
limpeza são executadas. (NUNES, 2011)
meios para sua implantação e normatização.
Em um desses anexos descreve que: Como podemos observar, Nunes descreve de
forma coerente sobre os fatos que levam a
Consideram-se como dispositivos de
acontecer acidentes de trabalho, destacando
segurança os componentes que por si só ou
que não necessariamente precisamos ter um
interligados ou associados a proteções,
equipamento ligado para acontecê-lo, basta
reduzam os riscos de acidentes e de outros
apenas um pequeno descuido na execução
agravos a saúde. (SALVADOR, 2012).
de uma manutenção seja ela de que tipo for
Como nosso equipamento em estudo se trata como preventiva ou corretiva ou até mesmo
de grande porte, existem diversos tipos de na simples limpeza diária geralmente feita
proteção para com os operadores como os pelo próprio operador da máquina. Todos
de segurança, como os uso de sensores de esses serviços podem proporcionar um
presença, cortinas de luz para impedir a grande risco de acontecer acidentes sejam
aproximação dos trabalhadores em áreas de eles de natureza leves ou até mesmo fatais.
riscos com a máquina em funcionamento,
Em relação às manutenções, inspeções,
proteções fixas como o emprego de grades
ajustes e reparos a norma determina que:
no perímetro que cerca a máquina sendo que
a maioria das grades com sistema de As máquinas e equipamentos devem ser
bloqueio por meio de chaves eletrônicas que submetidos à manutenção preventiva e
ao serem destravadas desligam a máquina corretiva, na forma e periodicidade
imediatamente evitando assim acidentes determinada pelo fabricante, conforme as
graves com os operadores, e sem dúvida normas técnicas oficiais nacionais vigentes,
todas essas máquinas de grande porte na falta destas, as normas técnicas
devem conter um dispositivo de parada de internacionais. (SALVADOR, 2012).
emergência como determina a norma.
Nesse caso o equipamento em estudo tem
Sendo elas equipadas com um ou mais sua manutenção realizada conforme a
dispositivos de parada, por meio dos quais determinação do fabricante, sendo ela
realizada por terceiros mais com toda

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


153

garantia necessária imposta pela empresa movimentados manualmente com o emprego


contratante. Visto que é um equipamento de de força de no mínimo quatro operadores,
grande porte trabalhando praticamente todas podendo traze serias complicações aos
as horas certamente precisa de uma mesmos em caso de um possível acidente ou
manutenção preventiva adequada, até mesmo o risco ergonômico pelo excesso
organizada, planejada com bastante atenção de forca que os mesmos tinham que
para a fim de evitar problemas na mesma, empregar para deslocar os carros que
podendo assim trazer prejuízo a empresa e carregados de produto acabado pesam cerca
aos seus clientes. de cinco toneladas. Sendo essa operação
realizada constantemente no decorrer do
turno.
4. RESULTADOS
Com essa melhoria elaborada e implantada,
Nosso projeto trata-se de melhorias para um diversos benefícios foram agregados a
equipamento industrial chamado empresa sendo eles o ganho no tempo de
desbobinadeira 16.3. Durante o estudo deste produção, ganho de tempo e qualidade na
trabalho abordamos diversos métodos para a parte operacional, essa melhoria foi realizada
possível conclusão do mesmo. Foram afim de que os operadores não precisem
realizadas coletas de dados, utilizamos mais exercer grande esforço físico para
algumas ferramentas para mensurar os realizar o deslocamento dos carros coletores
resultados obtidos, foram realizados após os mesmos estarem carregados de
experimentos físicos na máquina com as material beneficiado, observando que antes
possíveis mudanças e também no período de os carros coletores tinham seu carregamento
pesquisa do projeto, obtivemos figuras e de no máximo cinco toneladas, hoje em dia
gráficos das melhorias implantadas, tudo isso com a melhoria implantada esse mesmo carro
foi feito a fim de obter-se um resultado transporta até 15 toneladas de produto final.
esperado das melhorias no equipamento. Com a implantação desse motor o operador
Nossa pesquisa dividiu-se em três métodos controla o carro através de uma botoeira.
ou resultados de pesquisa sendo eles;
Abaixo temos uma Figura 3 demonstrando a
resultados teóricos, experimentais e
cortina de luz em parte, nesse caso mostra a
dedutivos, onde cada um deles aborda de
parte do emissor de feixe de luz.
sua maneira ao mensurar os resultados.
Até a melhoria ser implantada, os carros
coletores de chapas citados acima eram

Figura 3: Cortina de luz com o emissor e receptor de feixe de luz

Fonte: Próprio autor, 2015.


Conforme a Figura 3 acima tem a esquerda O receptor de luz através de laser
da imagem o emissor de feixe de luz da infravermelho tem como função a operação
cortina responsável em transmitir sinais para de que no momento em que qualquer objeto
um espelho que fica a sua frente onde o transpassa esses feixes ocorre o bloqueio e
mesmo converge esses feixes de luzes para paralisação da máquina, e o mesmo só volta
outro espelho que fica paralelo a ele tem a funcionar se o operador fizer o reset no
função de convergir esses feixes ao receptor equipamento e a condição de circuito
de luz que fica paralelo ao emissor como fechado do feixe for restabelecida.
mostra a figura acima. Observamos que o mesmo e fixado ao chão
com quatro parafusos ajustados e um nível

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


154

para mantê-lo alinhado para que não haja seguir temos a figura 4 indicando o receptor
problema na sua resolução obedecendo a do feixe de luz.
distância estabelecida pelo fabricante. A

Figura 4- Receptor do feixe de luz.

Fonte: Próprio autor, 2015.

Tendo observado as melhorias serem antes eram atingidas facilmente mais sem
implantadas foi constatado que conforme as qualquer segurança e se expondo a um sério
mesmas estavam sendo realizadas, risco de sofrer graves acidentes. Apesar de
aperfeiçoadas e em fase de teste notou-se todas essas adversidades do passado em
uma leve queda de produção devida os termos de segurança e automação, a
operadores estarem se adaptando as novas empresa teve poucos casos de acidentes
regras e procedimentos de operação. Obs. com afastamento e bastante lucro.
Toda a implementação realizada no
Com a implantação das melhorias obtivemos
equipamento trata-se de cumprimento de
melhoras em todos os aspectos sejam eles de
normas exigidas pela ABNT.
segurança ou de automação, a empresa
Não demorou muito para que os todos os retornou atingíveis suas metas de produção
colaboradores se adequassem aos novos
e com um produto final de melhor qualidade,
procedimentos, através de treinamento e
conforme os gráficos estão mensurando
aperfeiçoamento oferecidos pela empresa,
abaixo.
trazendo consigo novamente as metas que

Gráfico 1: Análise de resultados desbobinadeira ano 2013.

Fonte: Relatório Gerencial (2013)

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


155

No primeiro gráfico temos a análise de produção respectivamente, ritmo e


resultados obtidos no ano de 2013, dando acumulado no decorrer do mesmo ano.
todos os meses do ano e sua média de

Gráfico 2: Análise de resultados desbobinadeira ano 2014

Fonte: Relatório Gerencial (2014)


No segundo gráfico de 2014, temos as Conclui-se que no método teórico
mesmas referências do gráfico de 2013, obtiveram-se bons resultados dentro do
com a diferença que obtivemos melhores e que se esperava com as diversas
maiores produções e consequentemente implantações, citamos como exemplo as
melhores resultados. Observando que grades de proteção que cercam a
todos os aperfeiçoamentos da máquina máquina e a cortina de luz dos carros
foram realizados no decorrer do ano de coletores de chapa. Com essas
2013. Podemos atribuir isso ao resultado implantações finalizadas a empresa teve
de que novos clientes surgiram seu procedimento de segurança
acreditando nas melhorias implantadas na atualizado trazendo consigo todos os
empresa visto que buscamos a máxima benefícios que o mesmo lhe proporciona
qualidade em nossos produtos e como a melhoria no trabalho dos
satisfação do cliente. Sem esquecer o operadores no que se refere à segurança
empenho de todos os colaboradores que e comodidade. Para essas duas melhorias
operam tal equipamento, que com serem implantadas houve a elaboração de
treinamento e adaptação as melhorias nos layouts da planta onde situa-se a máquina
deram tais resultados. Nossa média de para a implantação da barreira física e
produção foi maior que no ano anterior e outros layouts do sistema de circuitos
com certeza deve-se esse fato as elétricos das portas de segurança e dos
automatizações dos carros coletores de sensores de luz para ter todos os
chapa e do carro hidráulico que posiciona procedimentos realizados de forma correta
as bobinas até o equipamento. Não e segura.
podemos esquecer que todos esses
No método experimental obteve-se como
procedimentos eram realizados de
conclusão de que com a implantação do
maneira manual, sem ajuda de qualquer
motor no carro coletor de chapas
equipamento.
resultaram em ótimos resultados na parte
de produção e também na ergonomia dos
trabalhadores, pois os mesmos tinham que
5.CONCLUSÃO deslocar os carros com grande quantidade
Na elaboração desse trabalho obteve-se de produto acabado exigindo um enorme
três tipos de resultados como definição esforço físico dos mesmos. No momento
sendo eles; teóricos, experimentais e os carros coletores são compostos por
dedutivos de onde podemos relatar as dois motores elétricos de dois cvs cada,
seguintes conclusões. sendo o mesmo controlado pelo operador
através de um sistema que envolve uma
botoeira, fazendo o acionamento do motor

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


156

deslocando o carro até o seu local de No método dedutivo mensuramos dois


parada. Outro procedimento de ótima gráficos demonstrando o nível de
conclusão foi à implantação de dois produção do antes e depois das melhorias
motores de 1,5 cvs no carro hidráulico de serem implantadas relatando suas etapas
elevação das bobinas levando as mesmas e o porquê de tais resultados serem bons
até o equipamento onde inicia-se a ou ruins para a empresa.
produção, onde cada carro tem é
controlado por uma botoeira situada na
barreira física.

REFERÊNCIAS
[1] Abnt Nbr NM-ISSO 13852:2003 - NR [5] Nunes, Antonio Barbosa Filho –
12 - Segurança de máquinas, p. 20,21. Segurança do Trabalho & Gestão Ambiental;
Disponível em: São Paulo, Ed. Atlas 2011/ 4º edição, p. 121,
http://portal.mte.gov.br/data/anexoI. Acesso em 122.
12 de março de 2015.
[6] Ramos, Fabrício da F. – Introdução a
[2] Capelli, Alexandre - Automação Sensores, 2006 p.1, 2. Disponível em: http://
Industrial; São Paulo, Ed. Érica 2012/ 2º edição, http://www.ebah.com.br/content/Abaaabjuiaa/se
p. 15. nsores. Acesso em 11 de abril de 2015.
[3] Norma Regulamentadora – NR 12, [7] Rogério, Paulo da Silveira/ Santos,
Máquinas e Equipamentos, p. 1, 4, 6, 7, Winderson E. - Automação e controle discreto;
Disponível em: http://portal.mte.Gov.br. Acesso São Paulo, Ed. Érica 2012 / 9º edição, p. 11, 12,
em 12 de março de 2015. 23, 24.
[4] Norma Regulamentadora - NR 12, [8] Salvador, Roberto Reis - Segurança e
Aspectos Ergonômicos/ portaria SIT num. 197/ saúde do trabalho; Normas regulamentadoras,
item 12.94 sub. Item g, p. 12. Disponível em: São Caetano do Sul, Ed. Yendis 2012 / anexo
http://portal.mte.gov.br/data/atualizada2103. 14, 9º edição, p. 2, 156, 157, 163.
Acesso em 15 março de 2015.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


157

Capítulo 13

Daniel Rodrigues Ferraz Izario


Carlos Nazareth Motta Marins

Resumo: Existe uma crescente demanda por sistemas robóticos, entre eles
encontram-se os veículos terrestres não-tripulados (VTNT) que são robôs terrestres
desenvolvidos para serem utilizados como uma extensão dos recursos humanos. O
desenvolvimento de um veículo controlado remotamente envolve, principalmente, o
controle de seus mecanismos básicos de condução: aceleração, frenagem e
direção. O objetivo é mostrar a implementação dos projetos UGV Solutions, em um
sistema de sensoriamento, monitoramento em tempo real e aplicabilidades para
uso em cidades inteligentes, utilizando a ideia dos VTNTs. Toda essa ideação é
desenvolvida em um diagrama que apresenta como o sistema pode ser aplicado
nas cidades inteligentes.

Palavras Chave: UGVs - Cidades Inteligentes - Arduino - Monitoramento -


Sensoriamento.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


158

1. INTRODUÇÃO sistemas anteriores. Na automação são


aplicadas técnicas computadorizadas ou
O desenvolvimento de Veículos Terrestres
mecânicas para diminuir riscos ao ser
Não-Tripulados (VTNT), em inglês, Unmanned
humano e deixar o projeto viável para sua
Ground Vehicles (UGV) é dividido em sistema
aplicação.
automático de controle, pelo qual os
mecanismos recebem comandos para Baseado na necessidade de monitorar áreas
funcionamento e efetuam medições, sistema remotas, de alto risco, ou até mesmo auxiliar
mecânico, sistema de comunicação que no monitoramento de condomínios, foram
envolve os sistemas de transmissão e desenvolvidos os projetos apresentados na
recepção de dados, e o sistema elétrico, que Figura 4. São 4 projetos: Bender UGV, Military
em geral proporciona toda a alimentação dos UGV, Robotic Arm e RF Remote Control.
Figura 4: Projetos UGV Solutions.

Existem diversas aplicações para os projetos, veículo de modo que todo o trajeto do veículo
porém será apresentado aplicabilidades para seja acompanhado em tempo real.
uso em cidades inteligentes, onde a gestão
O restante desse artigo é organizado como se
deve estar presente para que toda a
segue, no tópico 2, foi feita a explicação
sociedade possa estar integrada com a
sobre os 4 projetos desenvolvidos, no 3, um
tecnologia.
detalhamento sobre a comunicação RF, no 4,
Esses veículos possuem sensores que podem o website é analisado com suas abas de
monitorar e alertar, por exemplo, que desenvolvimento; em 5 é apresentado o
determinada região está sobre risco de diagrama de gestão e integração do sistema
alagamento ou incêndio. Tudo isso só é na sociedade, e pôr fim à conclusão.
possível devido a sensores integrados aos
veículos que enviam dados como
temperatura, luminosidade, nível de gás 2. UGV SOLUTIONS
carbônico, humidade, em tempo real.
2.1. BENDER UGV
É possível acoplar, caso necessário, um
O primeiro projeto desenvolvido foi o
braço robótico ao veículo, observando que
Bender UGV, apresentado na
nesse trabalho será demonstrado a parte de
software para essa funcionalidade e um Figura 5, tendo como principal desafio criar
protótipo visual em acrílico. um veículo capaz de proporcionar uma
relação autonomia x peso viável para as
Todo o controle dos veículos é feito por um
aplicações de monitoramento.
controle remoto via rádio frequência (RF). Um
suporte de câmera foi instalado na frente do

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


159

Figura 5: Bender UGV.

Deste modo, o chassi foi construído em possibilitando que o risco de morte ao


alumínio (material resistente e ao mesmo necessitar monitorar uma área de risco seja
tempo leve), com 6 motores DC. Cada roda mitigado, ou seja, o veículo substitui o ser
tem seu aro fabricado em plástico resistente e humano e proporciona a ele uma visão mais
pneus emborrachados com um certo grau de afastada do local.
robustez.
Para viabilizar o controle do veículo foi
O conjunto de rodas/motor foi fixado à necessário buscar informações para fazer
estrutura do veículo em uma placa utilizando todo o levantamento de dados e assim,
parafuso e porca, sendo utilizadas tiras de desenvolver um sistema de controle capaz de
alumínio para proteger a carenagem do executar o as ações. Tal levantamento serviu
motor. A fixação foi feita de forma a permitir como incentivo para a identificação e
um deslocamento do conjunto em 360º. Tal determinação da melhor forma de controle e
deslocamento permite a rotação do veículo para a escolha dos recursos de hardware
por direções distintas, conforme comando necessários para a sua construção e
dado pelo controle remoto RF (PAULI, 1996). automação (SANTOS, 2011).
Todos os motores foram conectados por meio A construção e automação do sistema foi feita
de uma Shield L293d - Driver Ponte H, que faz em duas etapas, sendo desenvolvidas em
o controle dos motores do veículo e do paralelo. A construção do hardware integrado
suporte da câmera, este circuito/shield foi o à plataforma arduino e a elaboração de vários
que apresentou as melhores características algoritmos, baseados na linguagem C, foram
de acionamento. Sendo adequado para o mais adequados ao propósito do projeto. Para
controle de velocidade e direção dos motores maior autonomia de energia foi utilizada uma
utilizados, facilitando sua mobilidade durante bateria recarregável de 12V / 7A.
a realização dos movimentos nas diferentes
Todo esse conceito de hardware é
direções e ângulos: frente, ré, direita e
apresentado na
esquerda.
Figura 6, sendo possível observar todas as
Este veículo possui uma câmera que envia
interligações existentes entre os componentes
imagens em tempo real a um software que
e o microcontrolador.
auxilia na segurança do ser humano,

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


160

Figura 6: Ilustrativo do hardware - Bender UGV.

2.2. MILITARY UGV criando assim, um veículo UGV para uma


única função, que é fazer a medição de gases
No desenvolvimento do Military UGV,
tóxicos em um local e trazer um alerta para o
apresentado na Figura 7, foi feito um estudo
usuário por meio de um farol LED de
para diminuir o tamanho e funções do projeto,
emergência acoplado ao veículo.
Figura 7: Military UGV.

Gases tóxicos e inflamáveis podem gerar como esteiras, que são as rodas do tanque
grandes explosões, como são comprovadas de guerra, foram desenvolvidas para atuarem
por experiências já realizadas em em vários tipos de terreno, tendo uma melhor
laboratórios, transcorridos de vazamentos que aderência ao solo.
geraram nuvens tóxicas ou explosivas no
A fixação dos motores foi feita na parte de
ambiente. Levando essa ideia em
trás do veículo para prender as esteiras
consideração, foi desenvolvido esse modelo
permitindo um deslocamento do conjunto em
de UGV. Nesse veículo, não foram feitos
360º, tudo controlado via comando dado pelo
estudos para acionamento do circuito sem
controle remoto RF. Isso só foi possível por
gerar faísca, para implementação deve-se
meio da utilização da Shield L298n - Driver
levar em conta esse fato (LOPES, 2012).
Ponte H, que faz o controle dos motores do
Com a diminuição das funcionalidades, foi veículo, este circuito/shield foi o que
possível diminuir a bateria para 7,2V / apresentou as melhores características de
2500mA. O chassi é de polímero, que é um acionamento.
material resistente, com apenas 2 motores
Todo o conceito de hardware desenvolvido no
DC, utilizando lagartas, também conhecidas
protótipo é apresentado na

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


161

Figura 8, nele é possível observar todas as e o microcontrolador.


interligações existentes entre os componentes

Figura 8: Ilustrativo do hardware - Military UGV.

2.3. ROBOTIC ARM grande variação nos eixos X, Y e Z. Além


disso, permite que o mesmo possa pegar
O Robotic Arm, apresentado na
objetos pequenos no ambiente onde se
Figura 9, foi criado com o intuito de poder ser encontra o veículo.
anexado aos veículos UGVs ou não, essa
O controle de forma sincronizada, tendo uma
possibilidade depende da utilização do
resposta adequada, só foi possível devido a
mesmo no ambiente. Um arduino UNO tem a
Shield Controladora Servo 16 canais, nela é
função de fazer o total controle do braço
possível o envio do sinal apenas uma vez e o
robótico, recebendo comandos enviados pelo
canal mantém a posição PWM escolhida
controle remoto RF.
enquanto desejar, facilitando assim, o arduino
O Braço Robótico faz uso de 4 Micro-Servos identificar a qual servo deveria funcionar e em
TowerPro MG90s, que possibilitam uma qual ângulo.

Figura 9: Robotic Arm.

Para conseguir que os servos estivessem nas correr o risco de ter movimentos limitados,
posições solicitadas, foi preciso fazer um com isso, foi necessário desenvolver um
estudo, eles podem ser danificados se não for algoritmo, capaz de adaptar cada servo a um
aplicada uma tensão de controle correta ou ângulo inicial, utilizando como base as

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


162

bibliotecas do arduino, “Wire” e “Adafruit_PWMServoDriver” (MONK, 2014).

Figura 10: Ilustrativo do hardware - Robotic Arm.

Um servo se move aproximadamente 180 de desenvolvimento do Robotic Arm, mas de


graus, variando de um modelo para o outro. forma geral acabou sendo útil para entender
Portanto, para centralizar a posição é possível qual é o processo de comunicação de uma
adotar 90 graus. Os pulsos mínimos shield interligada com o arduino.
(ANGULOMIN) e máximos (ANGULOMAX)
Todo o conceito de hardware desenvolvido no
são definidos como fixos para adequar e
protótipo do braço robótico é apresentado na
simplificar o código, mas isso, vai depender
Figura 10, nele é possível observar todas as
da necessidade do braço robótico. O código
interligações existentes entre os componentes
lê uma informação de entrada pela porta
e o microcontrolador.
serial do arduino, que é o canal onde o servo
está conectado e a sua posição, avaliada
2.4. RF REMOTE CONTROL
pelo ângulo desejado (de 0 a 180) e
comandos para ligar ou encerrar, no caso, O RF Remote Control, apresentado na Figura
“ON” e “OFF”. 11 foi criado para a comunicação com os
UGVs, nele é possível dar comandos
Todo esse conceito foi viabilizado por meio de
específicos via um transmissor RF, e os
muitos testes para chegar a um código mais
veículos contendo um receptor RF interpretam
resumido e capaz de realizar todas as
essa informação e executam.
necessidades levantadas durante o processo

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


163

Figura 11: RF Remote Control.

Para o arduino ser capaz de interpretar as Todo o conceito de hardware desenvolvido no


informações dos inputs dos botões e depois protótipo é apresentado na Figura 12, nele é
enviar esse dado via um transmissor RF em possível observar todas as interligações
forma de uma variável int que controla qual o existentes entre os botões e o
movimento o veículo deverá executar, microcontrolador, além da conexão com o
utilizando como base a biblioteca transmissor de sinal RF.
“VirtualWire” (MONK, 2014).
Figura 12: Ilustrativo do hardware - RF Remote Control.

3. COMUNICAÇÃO RF remotamente, mas esse envio só funciona


para curtas distâncias, o alcance do módulo
Existem várias maneiras de fazer a
segue o padrão bluetooth, que é de
comunicação entre sistemas que envolvem
aproximadamente 10 metros (RIBEIRO, 2012).
arduino, as mais comuns são o uso de
shields: bluetooth e de RF (Rádio Frequência). Devido a essa limitação do Shield Bluetooth,
A comunicação via bluetooth é amplamente os projetos do UGV Solutions, utilizam o
utilizada no arduino, ela é uma forma simples Módulo RF Transmissor + Receptor 433 MHz,
e barata de enviar e receber informações apresentado na Figura 13.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


164

Figura 13: RF Transmissor + Receptor 433 MHz.

Existem vários modelos de antenas, todas onda foi escolhido para ser colocada nos
elas executam uma tarefa importante nas projetos da UGV Solutions, devido ao seu
redes de transmissão/recepção de sinal. É padrão de radiação omnidirecional, com isso,
com elas, que acontece a transferência da quando há alguma mudança em seu
energia a partir do transmissor para o meio posicionamento, não precisa estar orientada a
onde se propagará, e daquele meio ao algum ponto para manter constantes os
receptor. A eficiência desse sistema depende sinais. A antena monopolo de quarto de onda
do desempenho dos fatores irradiantes ou deve estar em um plano Terra, como
das recepções a ele conectado, por isso se apresentado na Figura 11, é deste que deriva
desenvolveram vários modelos de antenas, a sua polarização. A monopolo deve
dentre estas, podem ser citadas as mais necessariamente estar polarizada em relação
comuns: a monopolo e a dipolo (RIBEIRO, ao seu plano de Terra, verticalmente
2012). (RIBEIRO, 2012).
A antena monopolo é muito utilizada
atualmente, o modelo monopolo de quarto de

Figura 14: Ilustrativo da Antena.

No uso com os projetos da UGV Solutions, foi certo espaço de tempo para a execução,
preciso desenvolver um código capaz de obtidas no osciloscópio AGILENT 1000MHz
executar mais de um movimento, então, a DSO3102A, como apresentado na Figura 15 e
cada direção será enviado um número Figura 16, nelas são visualizados dois sinais
representado por um conjunto de bits. Cada diferentes retirados da saída da porta de
execução é gerada por meio de um tempo dados do arduino, a primeira imagem tem
dado em milissegundos e o demodulador uma direção específica e a segunda é a
interpretará essa duração como sendo um ausência de movimentos.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


165

Figura 15: Osciloscópio apresentando um conjunto de bits.

Figura 16: Osciloscópio com ausência de movimento (bits).

3.1. CÁLCULO DA ANTENA antena monopolo de quarto de onda então: L


= λ/4, resultando então em: 0,1732m.
Utilizando a formula: λ = C/F, que tem os
4. WEBSITE
significados: λ é o comprimento da onda em
metros, F é a frequência da onda disposta em Durante a ideação do projeto, foi pensado em
Hz e C é a velocidade da luz no vácuo como facilitar o uso de todos os recursos e
expressa em 300.000.000 m/s (RIBEIRO, passar aos usuários a melhor comodidade de
2012). acesso, com isso, foi criado um website
responsivo, como apresentado na Figura 17.
Desse modo, aplicando a frequência de
O website muda a sua aparência e disposição
operação usada de 433MHz e também o valor
dos elementos com base no tamanho da tela
da velocidade da luz (C) na fórmula, resulta
em que o site é exibido, além disso, é
em λ = 0.69m (metros). Como foi utilizado
totalmente em inglês para uma melhor
compreensão global.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


166

Figura 17: Website responsivo - UGV Solutions.

Nas linhas de código, apresentado na especificada pelo comando width, que


Figura 18, é demonstrado como foi significa largura em português, utilizando os
desenvolvido o CSS (Cascading Style Sheets) padrões de mercado dos produtos, foi
para cada forma responsiva da tela, tendo testado para chegar a uma melhor qualidade
como base o tamanho que essa tela vai ter para o uso dos usuários, utilizando o website.
em pixels. Cada tela tem sua medida

Figura 18: CSS responsivo da página.

Em todo o seu desenvolvimento, foi utilizado a “Contact”, nela encontram-se as formas de


linguagem de marcação HTML5 (HyperText contato com os membros e o mapa de
Markup Language), a de estilização CSS3 e a localização da região de desenvolvimento do
de programação JavaScript. A primeira aba é UGV Solutions.
a “Home”, nela é possível observar um
Como apresentado na Figura 19, pode-se
SlideShow com os projetos da UGV Solutions,
observar a aba “Project”, nela contém as
um resumo geral do projeto e páginas sociais.
principais ações do projeto, que são: “Real
A próxima aba é a “About” nela existe um
Time Video”, e “Remote Data” utilizando PLX-
texto explicando sobre o projeto e sobre
DAQ.
todos os membros. Em seguida vem a aba

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


167

Figura 19: Página UGV Solutions.

4.1. REAL TIME VIDEO diretório do computador do usuário, esse


arquivo é um software pré-instalado na
A primeira ação da aba “Project” é a de “Real
máquina para poder ser utilizado juntamente
Time Video”. Nessa aba é possível assistir em
com o arduino e com as informações obtidas
tempo real o percurso feito pelo UGV e
por sensores instalados nos UGVs. O arduino
quando necessário deslocar a posição da
é carregado com um código que realiza
câmera em até 180 graus para observar o
continuamente medidas e as envia por meio
ambiente. O sistema visual humano possui
de uma saída USB (Universal Serial Bus) a um
uma notável capacidade de reconhecer
computador conectado à placa, que pode
padrões. Contudo, ele dificilmente é capaz de
capturar essas medidas e mostrar os dados
processar o enorme volume de informação
numéricos na interface de software arduino
presente numa imagem. Vários tipos de
(“Serial Monitor”) (DWORAKOWSKI, 2016).
degradações e distorções, inerentes aos
processos de aquisição, transmissão e Ao invés desse, utilizasse o software PLX-
visualização de imagens, contribuem para DAQ, que permite enviar os dados para uma
limitar ainda mais essa capacidade do olho planilha excel. Com os dados na planilha, é
humano. Levando em consideração esse fato, possível utilizar as facilidades deste software
além de poder assistir, é possível salvar todo e construir, por exemplo, um gráfico com as
esse conteúdo do vídeo para uma análise informações recebidas dos sensores
mais profunda (SOLOMON, 2013). (temperatura, luminosidade, nível de gás
carbônico, humidade, entre outros), por meio
4.2. REMOTE DATA do arduino e do software da Parallax2, como
apresentado na
Ao clicar nessa opção o website interpreta a
informação e busca um arquivo especifico no Figura 20.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


168

Figura 20: PLX-DAQ (Parallax Data Acquisition tool).

4.2.1. OUTRAS OPÇÕES isso, é preciso escrever um byte de cada vez,


a leitura e escrita dessa memória requer uma
Existem outras possibilidades para armazenar
biblioteca chamada “EEPROM” pré-instalada
esses dados e mostrar depois em uma
no IDE (Integrated Development Environment
planilha, isso pode ser feito por meio de uma
ou Ambiente de Desenvolvimento Integrado).
saída USB ou envio remotamente por meio do
No código, apresentado na
próprio RF.
Figura 21, é demonstrado um exemplo de
A primeira opção de armazenagem é a de leitura e escrita desses dados (MONK, 2014).
utilizar a memória EEPROM do arduino, para

Figura 21: Exemplo de leitura e escrita na EEPROM.

Quando é utilizado o comando read, é só que, existem alguns problemas, ele só


passado o endereço da EEPROM, no caso, aceita em torno de 10.000 escritas, e nela
no exemplo é utilizado endereço 0. O contém o programa que está sendo
problema dessa opção, é que a leitura e a executado, com isso, qualquer dado inválido
escrita são lentas (aproximadamente 3 ms), e pode acarretar em mal funcionamento do
também, só existe a garantia de ser confiável mesmo. Utilizando a biblioteca
os dados de até 100.000 escritas. “AVR/PGMSPACE” foi desenvolvido o código,
apresentado na
Outra memória possível para utilizar no
projeto seria a FLASH, o arduino tem muito Figura 22, que escreve e faz a leitura da
mais dessa memória do que qualquer outra, memória (MONK, 2014).

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


169

Figura 22: Exemplo de leitura e escrita na FLASH.

O parâmetro da função “pgm_read_word” usa capazes de suprir essa necessidade, como


o símbolo & na frente do nome do array, por exemplo, a Shield Ethernet. Para utilizar o
porque é necessário utilizar o endereço da SD é preciso adicionar ao código do arduino
memória FLASH. a biblioteca “SD”, que já vem pré-instalada no
IDE. Para realizar a escrita e a leitura no
A última solução apresentada é a utilização
cartão é preciso seguir o exemplo,
de um cartão SD, embora as placas de
apresentado na
arduino não tenham soquetes para esse
Figura 23 (MONK, 2014).
modelo de memória, existem várias shields

Figura 23: Exemplo de leitura e escrita no cartão SD.

Essas maneiras mostradas de gravações em disponíveis e necessários para a etapa (2).


memória com os dados dos sensores são Na etapa subsequente, a sociedade é ouvida
possíveis caso desejar envia-los depois para e o UGV de melhor aplicação deve ser
uma planilha excel. utilizado para atender a necessidade do
público alvo da região. A etapa (3), etapa de
integração, garante que os erros serão
5. DIAGRAMA DE GESTÃO E INTEGRAÇÃO mitigados se o fluxo de integração for
DO SISTEMA NA SOCIEDADE seguido, permitindo que um plano de ação
seja estabelecido. E por último, etapa (4), é a
Para que as cidades junto com os órgãos
implantação do projeto, fase onde o projeto é
públicos possam transformar uma cidade
construído e integrado a rede TICs
tradicional em uma cidade inteligente, e seja
(tecnologia da informação e comunicação),
capaz de gerenciar todos os recursos em prol
tendo a sociedade integrada a rede pública
de seus habitantes, o diagrama da Figura 24
de serviços através da internet e através do
foi desenvolvido e é composto de 4 etapas
website acompanhar todos os dados em
sequenciais.
tempo real do que está sendo capturado e
A primeira etapa, referenciada com (1), é a monitorado pelos veículos.
base onde serão avaliados os recursos

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


170

Figura 24: Diagrama de Gestão e Integração.

6. CONCLUSÕES A aplicação em cidades inteligentes


proporcionou um avanço para os veículos de
Durante o desenvolvimento destes veículos
modo que torne um ambiente mais
foram encontradas algumas dificuldades
sustentável, capaz de existir uma gerencia
técnicas, tais como, criação de um hardware
das cidades para atender com ética toda a
capaz de economizar energia durante todos
sociedade. A utilização dos projetos pode ser
os comandos e ações realizadas por ele, com
aplicada em pontos estratégicos que
isso, foram levantados todos os consumos
necessitam ser monitorados. Trazer maior
das shields e como seria construído as
segurança para a sociedade sem colocar a
ligações de VCC e GND para não direcionar
vida das mesmas em risco.
carga para somente um lado do circuito.
Poder gerenciar toda a aplicação
Existe a possibilidade da criação de outros
remotamente e mostrar em tempo real o que
projetos, envolvendo maior qualidade no
está ocorrendo, traz a sociedade maior
desenvolvimento de protótipos e robustez
satisfação em residir na cidade.
para qualquer tipo de terreno, para isso,
estudos voltados para a área militar,
doméstica, hospitalar e empresarial estão
sendo levantados.

REFERÊNCIAS [3] Monk, Simon. Programação com arduino


II: Passos Avançados com Sketches. Bookman,
[1] Dworakowski, Luiz Antonio; Hartmann, 2014. 247 p.
Ângela Maria; Kakuno, Edson Massayuki; Dorneles,
Pedro Fernando Teixeira. Uso da plataforma [4] Pauli, Evandro Armini de; Uliana, Fernando
arduino e do software PLX-DAQ para construção Saulo. Senai / Cst (Companhia Siderúrgica de
de gráficos de movimento em tempo real. Revista Tubarão). Mecânica: Noções Básicas de
Brasileira - Ensino Física. vol.38, no.3, São Paulo, Elementos de Máquinas. 1996. Disponível em:
2016. Disponível em: <http://www.abraman. org.br/arquivos/72/72.pdf>.
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext Acesso em: fevereiro de 2017.
&pid=S1806-11 172016000300603>. Acesso em: [5] Ribeiro, José Antônio Justino. Engenharia
março de 2017.
de Antenas: Fundamentos, Projetos e Aplicações.
[2] Lopes, Edimilson da Silva; Lima, Isis Érica, 2012. 584 p.
Marcelly Souza; Gonçalves, Tayná Cardoso. A
[6] Santos, Tiago Argentino Matos. ROVIM -
Importância de Detecção de Gases para
Robô de Vigilância de Instalações Militares -
Prevenção de Danos à Segurança, Meio Ambiente
Comunicações e Posto de Controle. 2011.
e Saúde. Revista de divulgação do Projeto
Disponível em:
Universidade Petrobras e IF Fluminense, v. 2, n. 1,
<https://fenix.tecnico.ulisboa.pt/downloadFile/3951
p. 301-304, 2012. Disponível em: <http://
43 514515/dissertação.pdf>. Acesso em: fevereiro
essentiaeditora.iff.edu.br/index.php/BolsistaDeValo
de 2017.
r/article/viewFile/2431/1319>. Acesso em: março
de 2017. [7] Solomon, Chris. Fundamentos de
Processamento Digital de Imagens: Uma

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


171

Abordagem Prática com Exemplos em MATLAB.


LTC, 2013. 281 p.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


172

Capítulo 14

Natália Varela da Rocha Kloeckner

Resumo: Cada sistema de produção reflete em sua origem o atendimento as


necessidades impostas pelo cenário mercadológico no qual a organização
fundadora estava inserida. No sistema MRP – Manufacturing Resource Planning ,
por exemplo, a organização precursora dispunha de elevada estrutura e
investimento em equipamentos, alcançando altíssimas taxas de produção. Já no
caso do sistema JIT – Just In Time, por exemplo, a organização pioneira dispunha
de estrutura pequena e com baixo nível de automação, bem como reduzidos níveis
de investimentos e volumes de produção. De forma geral, em mercados cada vez
mais competitivos, as organizações buscam incessantemente sua sobrevivência
por meio de adoção de sistemas produtivos de gestão e organização que
propiciem maior qualidade dos seus processos e produtividade. Este estudo tem
como objetivo abordar e analisar as similaridades e particularidades de dois dos
sistemas de produção mais utilizados na atualidade, MRP e JIT. Para tanto, foi
realizada uma revisão de literatura. Por fim, o presente artigo resultou na
comparação dos dois sistemas evidenciando características consistentes quanto a
eficiência de cada um.

Palavras chave: Just In Time, Manufacturing Resource Planning , Planejamento das


Necessidades de Materiais.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


173

1. INTRODUÇÃO somente quando requeridos seu uso, tem por


propósito aumentar a eficiência da
O sucesso de uma empresa está relacionado
produtividade, garantindo que o cliente tenha
diretamente à capacidade que a organização
sua necessidade atendida, tal como
possui de otimizar os seus recursos e
esperado.
atividades para aumentar a produtividade e
satisfazer eficientemente à demanda do Mediante ao exposto, este estudo objetiva-se
mercado (SERRA et al., 2004). a analisar, por meio de levantamento
bibliográfico, como os sistemas se
Para Kotler e Keller (2016), essa busca por
diferenciam entre si, pontuando as posturas
eficiência prevalece em todas as atividades e
sobre as falhas no processo, bem como
processos da empresa, principalmente nas
indicando as particularidades para aplicação
funções chaves da Cadeia de Valor da
de cada um. Para isso, as próximas seções
organização, formada pela logística interna,
desse artigo estão estruturadas da seguinte
operações, logística externa, marketing e
forma: na segunda seção é apresentada as
vendas, serviços e demais atividades de
principais considerações sobre sistemas de
apoio, como contábil-financeira e recursos
produção MRP e JIT; a terceira seção
humanos.
contempla a análise e discussão quantos as
Contudo, uma função em especial que características de cada sistema de produção
demanda muito a atenção das empresas e de em estudo; já na quarta seção é apresentada
estudiosos, sendo inclusive considerada por a conclusão do levantamento proposto, e; na
estes o coração da organização, é a função quinta seção, por fim, são apresentadas as
produção. Segundo Slack et al. (2008), a considerações finais e recomendações para
função produção assume um papel central na estudos futuros.
organização, pois produz os bens e serviços
que são a razão de sua existência.
Evidenciando assim, sua importância frente à 2. SISTEMAS DE PRODUÇÃO
estratégia da organização.
Os sistemas de produção constituem-se por
No decorrer da história é possível identificar um conjunto de operações e atividades que
diversas mudanças decorridas nos sistemas se interagem na realização das funções. De
de produção, provenientes da evolução das forma geral, as organizações modernas,
tecnologias dos equipamentos, da inseridas em um ambiente extremamente
informação, e principalmente nos sistemas e competitivo, global e tecnológico, podem ser
técnicas adotadas na sua gestão. Tais descritas como compostas por três funções
mudanças refletem a busca constante das centrais e duas funções de apoio, são elas:
organizações pela eficiência dos seus marketing e vendas; desenvolvimento de
recursos e da produção de bens e serviços, e produtos; produção; e, contábil-financeira e
tem por objetivo a satisfação de seus recursos humanos, respectivamente (KOTLER
consumidores e a sua consequente e KELLER, 2016) . Entre estas, a função
sobrevivência em longo prazo, via a vantagem produção apresenta-se em estudos, como
competitiva sobre seus rivais (SLACK et al., Carraro (2005), Slack et al. (2009) e Kotler e
2008). Keller (2016), como sendo a mais importante
para uma organização, uma vez que dela
Atualmente, dois importantes sistemas
provém os produtos e serviços a serem
imperam nas organizações, são eles: o
comercializados em prol da lucratividade e,
sistema Manufacturing Resourse Planning
por conseguinte, da sobrevivência da
(MRP) e o Sistema Just In Time (JIT). Os
empresa.
benefícios e as particularidades de
abordagens que cada um proporciona às Segundo Davis et al. (2001), a função
organizações que os implantam, geram produção pode ser abordada sob duas
grande discussão no meio acadêmico e perspectivas: corporativa e operacional. A
empresarial, principalmente no que se refere perspectiva corporativa define o planejamento
a decisão de qual dos dois se demonstra da organização visando atender a
mais eficiente na gestão da função produção. necessidade do mercado consumidor, já a
De fato, tanto o Sistema MRP, que se justifica perspectiva operacional concentra-se em um
pelo planejamento das necessidades de conjunto de componentes voltados a
materiais, quanto o JIT que se refere à pronta conversão de insumos específicos em
entrega de materiais necessários à produção resultados determinados.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


174

Neste âmbito, Davis et al. (2001), atrela a antecipadas as decisões quanto à gestão dos
perspectiva corporativa a um conceito recursos da produção em determinados
estratégico onde são desenvolvidos planos períodos. (LUTOSA et al., 2008).
visando o crescimento futuro da organização
O sistema MRP remete suas origens ao Plano
nos níveis de decisões gerenciais estratégico
Mestre de Produção (PMP). Originalmente
(longo prazo), tático (médio prazo) e de
implementado pela empresa norte-americana
planejamento operacional (curto prazo). Já a
Ford, o MRP reflete o cenário de produção
perspectiva operacional é caracterizada pelo
intensiva, com grande investimento em
processo de transformação onde ocorrem
equipamentos. Neste âmbito, encontra no
algumas transformações do tipo: Física
PMP o plano periódico que especifica a
(manufatura); de Local (Transporte); de Troca
quantidade e o momento em que a empresa
(Varejo); de Estocagem (Armazenamento);
planeja produzir cada um dos itens finais
Fisiológica (Programas de Saúde) e
(DAVIS et al.,2008).
Informacional (Telecomunicação).
Desta forma, o MRP objetiva-se a gerenciar os
No cenário produtivo atual, evidencia-se a
estoques de materiais e componentes a
preocupação da eficiência operacional da
serem utilizados pela produção em um
função produção, bem como sua concepção
determinado tempo, ocorrendo a partir do
como função estratégica e integrada as
PMP, a separação dos itens a serem
demais funções da organização. Conforme
empregados nas várias etapas da fabricação,
afirmação de Slack et al. (2008), mediante
elaborando-se a partir daí um cronograma de
mercados cada vez mais concorrenciais, as
abastecimento e de produção, o que
organizações devem buscar a vantagem
proporciona a redução de interrupções do
competitiva aumentando o seu desempenho
fluxo produtivo (MOURA, 2006).
ao longo de todas as funções da cadeia de
valor. Para isso, devem centrar seus esforços Pela separação do produto em seus
ao atendimento aos objetivos de respectivos componentes e materiais, torna-
desempenho: qualidade, rapidez, se possível a projeção futura para compra de
confiabilidade, flexibilidade e custos cada um dos componentes, nas quantidades
produtivos. e nos prazos específicos, de forma a garantir
a entrega do produto ao cliente no prazo
Perante tal explanação, pode-se concluir que
determinado. (LUTOSA et al., 2008). A
existe uma relação entre a eficiência da
projeção é direcionada pelo cálculo para
produção e sua capacidade de produzir com
determinação da demanda dos componentes
qualidade, ao menor custo desejável,
de cada nível, realizado por meio da
utilizando para isto o menor capital possível.
Programação Detalhada da Produção, sendo
Logo, diante destas informações esta seção
somente emitida, a partir desta etapa, as
apresenta em suas subseções os dois
diversas ordens de compra e produção para
sistemas que tiveram sua origem motivada
os setores responsáveis (MOURA, 2006).
por uma necessidade imposta pela realidade
do mercado a qual estavam inseridas. São A etapa da Programação Detalhada de
eles, o MRP, o qual foi implantado em um Produção é caracterizada pela tomada de
sistema de produção em massa (SLACK et al, decisão de onde e por quem cada tarefa será
2009) e, o JIT, o qual tem sua identidade realizada, evidenciando o compromisso
atribuida ao Sistema Toyota de Produção quanto a entrega no prazo acordado com o
(CORRÊA e GIANESI, 2011). cliente. Logo, objetiva-se a realização das
atividades no menor tempo possível, na
redução dos estoques ao longo do processo,
2.1 O SISTEMA DE PRODUÇÃO MRP bem como na redução da ociosidade dos
recursos disponíveis para a produção.
A sistemática de funcionamento do sistema
(LUTOSA et al, 2008).
MRP parte de um planejamento hierárquico
das necessidades de produção onde está Assim, o sistema MRP tem como premissa o
contido os programas produtivos que controle de inventário e produção de forma a
abrangem uma visão futura de produção, a minimizar os custos do processo produtivo,
um determinado intervalo e a um determinado otimizando os níveis de materiais
grau de detalhamento. Este planejamento vai impressindíveis a produção.
desde o nível estratégico da organização até
o seu nível operacional, de modo que sejam

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


175

2.2 O SISTEMA DE PRODUÇÃO JIT a lotes menores, porém, o tempo não vem a
ser o único fator desta filosofia. No fator
O Just In Time, trata-se de um sistema para
produto, o JIT proporciona linha de produtos
gerenciamento da produção, conhecido como
limitada, produção repetitiva, produtos
um dos pilares da filosofia da produção
padronizados e não complexos, uma vez que
enxuta. Tal sistema foi originado na
objetiva mercados estáveis. Já no fator
organização japonesa Toyota, na década de
processo, o JIT impulsiona a mão de obra
1950, com o propósito de acompanhar as
multifuncional, processo de alta qualidade,
necessidades e a realidade na região, quanto
máquinas operatrizes simples e universais,
a falta de recursos para investimento em
uma vez que requer alta confiabilidade e
capital (CORRÊA e GIANESI, 2011).
flexibilidade do equipamento, bem como
Assim, a eficiência deste sistema foi baseada arranjo físico em fluxo unitário ou grupo de
na atuação das pessoas envolvidas no peças, o que impacta na redução dos setups
processo, e não nas máquinas e estruturas da produção e propicia pequenos lotes de
presentes nas fábricas. Sua produção passou movimentação.
a ser caracterizada pelo processamento de
pequenos lotes, com trocas rápidas de
ferramentas, ao contrário do modelo 3. ANÁLISE E DISCUSSÃO QUANTO AOS
americano da empresa Ford (produção em SISTEMAS JIT E MRP
massa), onde primava pela produção em
Apesar dos sistemas MRP e JIT primarem
larga escala (DENNIS, 2008).
pela eficiência do processo por meio da
O JIT configura-se como um sistema de otimização dos estoques, o que possibilita a
gestão de produção considerado puro. No organização ampliar sua eficácia em relação
entanto, verifica-se que este sistema vai muito ao atendimento ao cliente, eles também
além desta fronteira, pois o mesmo não pode centralizam sua atenção sobre o fluxo de
ser visto somente como sendo um conjunto de materiais ao longo da cadeia de produção.
técnicas de administração da produção, mas Contudo, percebe-se a existência de
sim uma filosofia que abrange aspectos particularidades em ambos os sistemas,
voltados à administração de materiais, arranjo quanto à sua atuação sobre os estoques,
físico, gestão da qualidade, organização do gerando assim um grande diferencial entre
trabalho, projeto do produto e gestão de empresas que atuam sob estes sistemas. Tais
pessoas (CORRÊA e GIANESI, 2011). particularidades são o foco de análise desta
seção, precisamente no que concerne a
De acordo com Dennis (2008), a metodologia
origem e métodos de produção, influências
Lean Manufaturing, também chamado de
nas demandas externas e internas, bem como
produção enxuta, foi concebido na
a aplicação de ambos os sistemas para
estabilidade e padronização dos processos,
solução de problemas.
onde por meio da entrega de peças e
produtos no momento necessário para
produção, representados pelos sistemas Just
3.1 ORIGEM DA PRODUÇÃO: PUXADA OU
in Time e Jidoka, respectivamente, possui o
EMPURRADA
foco centrado na automação das pessoas, e
não das máquinas, como no MRP. Uma importante diferença existente entre
estes dois sistemas está na origem da sua
Assim, o sistema JIT é um dos pilares da
produção, pois para que a organização possa
metodologia Lean, sendo descrito por Davis
produzir, faz-se necessário, quase sempre,
et al. (2001), como o conjunto de atividades
que haja uma demanda a ser atendida. Logo,
projetadas para atingir produções em alto
esta subseção busca analisar a origem do
volume, utilizando capacidades mínimas de
fluxo de materiais e produtos ao longo da
matéria prima, estoques intermediários e
logística externa e interna da organização
produtos acabados. Já Dennis (2008), o
para ambos os sistemas em estudo.
descreve como um método racional, o qual
tem como propósito eliminar todos os tipos de Segundo Christopher (2015), a cadeia de
desperdícios, aumentando assim a suprimentos é caracterizada por organizações
competitividade da organização. que dispostas em rede são conectadas entre
si e interdependentes. O objetivo é controlar e
Lutosa et al. (2008), associa o JIT a uma
gerenciar o fluxo de materiais e informações
política de redução de estoques de matérias
desde os fornecedores até os usuários finais,
primas, partindo-se da entrega em intervalos

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


176

de forma a gerar valor por meio dos produtos foram sendo capazes de atender aos pedidos
e serviços disponibilizados e entregues ao fechados em um menor intervalo de tempo, tal
consumidor. Desta forma, todas as atividades fato, juntamente com a evolução da
relacionadas com o fluxo de transformação do tecnologia, em relação a maquinários e
produto, bem como ao fluxo de informações e processos, fez com que a capacidade de
financeiro são abrangidas pela cadeia de oferta das empresas superasse a demanda
suprimentos. Isso resulta em uma dinâmica apresentada, levando assim à formação e
onde todas as etapas estão ligadas direta ou acumulação de estoques pelas empresas
indiretamente a um pedido, partindo-se dos (ZATTAR, 2003).
fornecedores até aos clientes.
Com este novo comportamento do mercado,
Assim, pode-se imaginar um fluxo de as empresas tiveram que alterar sua forma de
materiais/produtos ao longo da cadeia de operar para atender à demanda, pois com o
suprimento, pode-se ainda, considerar que excesso de produção, estas estariam sujeitas
este fluxo tem sua origem tanto no início da a elevados custos de oportunidades,
cadeia, quanto no seu final, ou seja, os decorridos de estoques parados em suas
produtos podem ser empurrados ao longo da fábricas. (ZATTAR, 2003).
cadeia, quanto puxados por ela.
Deste modo, para que fosse possível a estas
A depender da origem deste fluxo de empresas planejar a sua produção futura, as
materiais, a produção pode ser denominada organizações passaram a desenvolver
puxada (quando iniciada no cliente) ou técnicas de previsão de demanda, através
empurrada (quando iniciada no fornecedor). das quais, os departamentos comerciais
Segundo Nicodemo (2009), a produção estimavam as vendas futuras, para que a
empurrada foi desenvolvida no período inicial produção pudesse se antecipar a estas
da era industrial, onde a demanda de vendas. De acordo com Lutosa et al. (2008)
mercado era quase ilimitada e a competição estas previsões para demandas futuras
quase inexistente. O preço era quem ditava o podem ser classificadas em dois grupos,
lucro (Preço = Custo + Lucro), e visava-se onde no primeiro as empresas realizam a
somente a quantidade produzida e não a previsão baseando-se nas opiniões e
qualidade. Já a produção puxada, segundo o julgamentos das pessoas, conhecidos por
mesmo autor, surgiu em um período pós- métodos qualitativos, e, no secundo grupo
guerra e estão presentes na economia atual estão os métodos baseados em dados
as características do motivo de sua origem: quantitativos e técnicas estatísticas,
custo quem dita o lucro (Lucro = Preço – conhecidos por modelos quantitativos.
Custo) e a qualidade como fator relevante na
Contudo, destaca-se que apesar de alguns
escolha do produto pelo cliente, tendo a
estudos, como o de Lutosa et al. (2008) e
demanda não mais a tendência de ser infinita.
Slack et al. (2009), considerar o sistema MRP
No cenário de aplicação do MRP pela como adepto ao sistema de demanda
empresa precursora, Ford Inc., os Estado empurrada, o presente trabalho contesta tal
Unidos estavam passando por uma fase onde posicionamento. O argumento baseia-se no
a demanda era muito maior que a capacidade fato das organizações e empresas como a
de oferta das empresas (ZATTAR, 2003). Ford Inc., no período econômico em que a
Desde modo, as empresas ali residentes demanda superava a oferta, adotavam um
produziam o máximo que eram capazes, sistema empurrado, pois havia a expectativa
empurrando os produtos ao mercado para de que o que fosse produzido seria
que o cliente o absorvesse. Logo, no início do comercializado. Contudo, nos períodos
MRP as organizações não precisavam se seguintes, com mercados mais incertos
preocupar com estoque, pois seu (ZATTAR, 2003), as organizações adodantes
planejamento futuro era voltado a atender do sistema MRP, passaram a estimar e
vendas já confirmadas, ou seja, tais empresas calcular a produção para que atendesse uma
somente se programavam para atender aos possível demanda futura, planejando e
pedidos já efetuados. reduzindo os custos com estoques de peças
e produtos finalizados. Logo, este estudo
Neste período não havia a realização de
defende que ambos os sistemas, MRP e JIT,
previsão de vendas futura, porém com o
são baseados em um sistema puxado uma
passar do tempo, esta demanda por parte do
vez que ambos visualizam o futuro antes de
mercado, começou a decrescer de modo,
produzir.
que as organizações com suas capacidades,

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


177

Assim, pode-se concluir que tanto no MRP utilizar suas matérias primas para fabricar
quanto no JIT os planejamentos futuros de outro produto e consequentemente comprar
produção, ou programas mestres de novos materiais junto a seus fornecedores,
produção, partem de um determinado futuro, como um efeito dominó.
retrocedendo o cronograma até a data
Conforme já discutido neste estudo, a
presente, sendo ali identificadas as
demanda futura no sistema MRP provém da
necessidades e recursos para que estes
junção dos pedidos futuros fechados e da
programas sejam atendidos. Porém, no caso
previsão futura de vendas, enquanto que no
do MRP, para que possa montar seu
JIT somente se emprega os pedidos futuros
programa mestre, o mesmo faz uso de
fechados. Tal condição impacta de forma
informações relativas a vendas futuras
diferente no comportamento do fluxo de
confirmadas e previsões de vendas futuras.
produtos ao longo da cadeia de suprimentos,
Já no JIT a previsão de demanda futura
resultando na minimização ou maximização
basea-se somente nos pedidos já
de um problema relacionado à oscilação da
confirmados, não havendo, portanto, nenhum
demanda ao longo dos elos da cadeia,
tipo de estimativa para analisar a demanda
conhecido por Efeito Forrester ou Chicote
provável, uma vez que a realização de
(FORRESTER, 1961).
previsões muitas vezes acarreta no
aparecimento de erros. O efeito Chicote está relacionado à flutuação
na demanda ao longo das organizações e é
caracterizado pelo impacto negativo na
3.2 INFLUÊNCIAS NAS DEMANDAS estabilidade dos pedidos, advindos de
EXTERNAS DOS SISTEMAS MRP E JIT clientes que se encontram no final da cadeia
de abastecimento, que ao mudarem suas
Lutosa et al. (2008), aborda dois tipos de
preferências de produto, criam uma “onda” ao
demanda, a dependente e a independente. A
longo desta cadeia. Tal onda afeta no atraso
primeira, depende da demanda de outro
de informação e culmina na variação da
produto, por exemplo, para uma empresa
procura de pedidos que atinge novamente o
fabricar cinco carros demanda vinte pneus. Já
início da cadeia (FORRESTER, 1961).
a independente refere-se a não demanda de
outro item para produção, como por exemplo, No caso do MRP, existe um fator, de certa
o fato da demanda de carros não depender forma, agravante para tal problema. Ao se
da demanda de fogões. utilizar uma previsão de demanda futura,
gera-se um impacto direto sobre a demanda
No caso da demanda dependente, pelo fato
do fornecedor situado no elo antecessor da
dos produtos estarem interligados, com a
cadeia. Assim, em um cenário de três
comercialização, ou consumo de um
fornecedores e um cliente, por exemplo, ao
produto/componente localizado no primeiro
realizar a previsão de demanda futura, seja
elo, ou seja, na ponta, os demais terão seu
por métodos qualitativos ou quantitativos,
consumo puxado por este produto, segundo a
fornecedor número 1 corre o risco desta
sua relação para com o primeiro produto. Por
produção não ser capaz de atender a
exemplo, em um processo produtivo de uma
demanda futura real ou de atendê-la e ainda
empresa, com a fabricação e comercialização
gerar estoques. Este efeito tende a se agravar
de um produto acabado, os componentes e
conforme o fluxo de informações avança em
materiais utilizados nas etapas antecedentes
sentido aos fornecedores dois e três, pois
serão puxados ao longo da cadeia produtiva
com esta possível variação entre a demanda
para que se possa fabricar outros produtos.
futura estimada e a demanda real, pode haver
A mesma coisa acontece na cadeia de o crescimento dos estoques, quanto a sua
suprimentos, pois ao realizar a venda de um insuficiência em atender seu cliente (Figura
produto ao consumidor, a organização deverá 1).

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


178

Figura 1 – Fatores de determinação da demanda ao longo da cadeia no MRP

Fonte: Elaborada pela autora

Já no caso do sistema JIT, as demandas são considerado qualquer tipo de estimativa


somente determinadas com base nos pedidos (Figura 2).
futuros já confirmados, não sendo aqui

Figura 2 – Fatores de determinação da demanda ao longo da cadeia no JIT

Fonte: Elaborada pela autora

De acordo com Burbidge (1983) se a 3.3 INFLUÊNCIAS NAS DEMANDAS


demanda por produtos ocorre por meio de EXTERNAS DOS SISTEMAS MRP E JIT
uma série de estoques, a variação da
Da mesma forma que ocorre nos fluxos
demanda pode aumentar a cada
externos às oscilações nas demandas ao
transferência. Assim, no decorrer da
longo da cadeia de suprimentos, o mesmo
realização da previsão de demanda futura do
pode ser visto na logística interna da
mercado existe uma grande possibilidade de
organização, ou seja, ao longo das etapas do
a incorrer em erros, os quais podem se
processo produtivo. No caso do sistema MRP,
propagar e se amplificar ao longo da cadeia
o estoque tem por função minimizar o impacto
de suprimentos, entre os fornecedores.
dos problemas existentes ao longo do
No caso do MRP, ocorre uma maior processo, por isto os mesmos são
variabilidade do fluxo de produtos ao longo dimensionados segundo a necessidade de
da cadeia, provenientes dos erros de cada etapa. Cria-se assim uma relação de
previsão. Já no caso do JIT, ocorre uma independência entre cada etapa do processo,
homogeneização e estabilização ao longo da o que não vem a ser algo bom, pois cada uma
cadeia, minimizando a ocorrência de excesso se preocupa com seu desempenho e os
de estoques ou de insuficiência. Assim, ao estoques de segurança que existem entre
contrário do ocorrido no MRP, no JIT o efeito elas mascaram suas falhas.
Forrester é reduzido por meio da integração
Já no caso do JIT ocorre o contrário, pois
forçada ao longo da cadeia de suprimentos.
como a demanda é totalmente puxada pelo
Isso ocorre pois a empresa somente irá
cliente, não se produz o que não está
produzir um item que o cliente já tenha
vendido, logo, ocorre a formação de um
comprado, bem como somente irá adquirir
relacionamento de dependência entre as
material para fabricar um item em seu
etapas. Desta forma, cada etapa somente
fornecedor, se for destinado para um pedido
produz se sua antecessora assim necessitar.
confirmado, não havendo estimativa no JIT.
Os estoques existentes são mínimos, voltados
a cobrir somente o tempo determinado para
que outras peças sejam confeccionadas.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


179

Outra análise importante é a referente a MRP, como visto, o sistema que determina as
diferença relacionada ao tamanho dos lotes atividades tem por base os fluxos de
processados em cada uma das etapas da recursos.
produção. No caso do MRP costuma-se
Segundo Corrêa e Gianesi (2011), o sistema
processar lotes grandes, com o propósito de
MRP busca resolver os problemas
aproveitar ao máximo a eficiência do
decorrentes da produção a um nível mais
equipamento e dos operadores e que tenderá
superficial, pois sua preocupação está
a cair com a mudança de produto na
voltada para a coordenação entre a demanda
produção. A maior dimensão no lote acarreta
e obtenção de índices, aceitando as
no aumento do consumo de materiais, e,
incertezas (passivo), ou seja, busca minimizar
consequentemente, no aumento dos estoques
o impacto dos problemas existentes no
e do tempo de entrega do produto, pois para
processo produtivo.
que o produto seja entregue, deverá ser
terminada a produção de todo o lote ao qual Logo, o MRP não objetiva uma solução para
ele pertence. os problemas existentes, mas sim uma
maneira de minimizar seus impactos sobre a
Quanto ao caso do JIT, as peças são
eficiência e eficácia do processo,
processadas de forma unitária, ou seja, uma
principalmente em relação à otimização do
de cada vez. Assim, somente serão
tempo de uso dos recursos e dos estoques,
produzidos produtos já vendidos. Com este
partindo-se de ferramentas, técnicas e
sistema, reduzem-se os estoques
sistemas gerenciais. Já o JIT caminha em
intermediários, homogeneizando-o ao longo
sentido contrário, pois seu propósito está em
da produção.
envolver os indivíduos para buscarem
Outra importante característica está na soluções para os problemas em definitivo,
redução do tempo de entrega do produto, atacando assim as causas dos problemas
pois se faz apenas um para que o mesmo (CORREA E GIANESI, 2011).
seja entregue.
Enquanto que no MRP, o estoque é utilizado
Importante também destacar que o fluxo de para regular o fluxo de materiais, com
materiais e processo ao longo da produção, propósito de estabilizá-lo, mantendo-o
no caso do sistema MRP é gerenciado por um constante, de modo a evitar que haja
sistema de informação informatizado, onde interrupções na produção, que prejudiquem a
são emitidas as respectivas ordens de entrega dos produtos. O JIT atua em sentido
produção baseadas no programa mestre. contrário, pois sua preocupação está no
combate às causas dos problemas, para isto
Já no JIT, de acordo com Dennis (2008), seu
busca minimizar os estoques, como forma de
funcionamento está baseado no uso de
evidenciar os problemas existentes (LEITE,
cartões conhecidos por Kanbans, sendo este
2006).
um sistema de ferramentas visuais,
normalmente cartões de sinalização ou
quadros, que sincronizam e fornecem
3.4.1 A EFICIÊNCIA FRENTE AS DIMENSÕES
instruções aos fornecedores e clientes tanto
FÍSICAS, INTELECTUAIS E SOCIAIS
dentro quanto fora da empresa. Os kanban
são autorizações para a produção ou sua De acordo com Campos et al. (2005), uma
parada, estando neles inclusas informações organização possui três dimensões, sendo
descritivas do produto ou componente como: uma dimensão física (equipamentos,
fornecedor da peça ou do produto, o cliente, estruturas e materiais), uma dimensão
local de armazenamento do produto ou intelectual (relacionada a realização das
componente, sistema de transporte utilizado. tarefas) e uma dimensão social (referente aos
relacionamentos do dia-a-dia). A eficiência da
empresa é influenciada por estas três
3.4 SISTEMAS JIT E MRP NA SOLUÇÃO DOS dimensões, as quais encontram-se inter-
PROBLEMAS relacionadas e interdependentes, de modo
que a ocorrência de melhorias em uma delas,
Uma importante diferença existente entre
acarreta em melhorias para as outras duas.
ambos os sistemas está na forma como estes
atuam sobre os problemas decorrentes nos No caso do sistema MRP, sua base se apoia
processos, tanto na questão dos estoques, quase que exclusivamente na dimensão física
quanto no uso dos equipamentos. No caso do da organização, tentando por meio do seu

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


180

controle físico, influenciar as dimensões de um ambiente de trabalho agradável;


intelectuais e sociais, para que a produção prevenção de quebras e acidentes; melhoria
alcance maior eficiência. Já no JIT, há três nas relações humanas; desenvolvimento do
dimensões, com propósito de realizar não espírito em equipe; desenvolvimento da
somente pequenas alterações, mas sim uma autodisciplina; gestão do serviço de forma
mudança completa na empresa, colocando flexível; aumento da confiabilidade dos dados
sua maior atenção sobre as pessoas e não de controle; administração participativa e
nas máquinas e materiais. (SANTOS et al, descentralização do conhecimento.
2006).
Assim, nas duas abordagens e perspectivas
O caso do JIT trata-se de uma metodologia adotadas por ambos os sistemas, verificou-se
apoiada nas práticas cotidianas. Segundo que enquanto o JIT está preocupado em
Araújo (2009), o JIT objetiva-se a permitir mudar a organização como um todo, o MRP
desde a execução de serviços manuais está voltado a trazer soluções que minimizem
simples de forma organizada, até a qualidade seus problemas, sendo esta uma atuação
na autodisciplina da equipe, fator este bem mais superficial, em relação ao JIT.
relacionado à cultura da empresa. Seus
objetivos não estão somente ligados à
eficiência e eficácia dos processos, mas 4. CONCLUSÃO
também a eficiência e qualidade das pessoas
Com base nas análises comparativas dos dois
envolvidas, almejando assim os
sistemas de produção expostos neste
direcionamentos de: eliminação de
trabalho, o Quadro 1 evidencia as
desperdício; otimização do espaço; criação
características de cada um.

Quadro 1 – Características do sistemas de produção JIT e MRP


Fatores MRP JIT
Aumentar a eficiência no uso dos
Aumentar a eficiência de todos os ativos
recursos físicos empregados no
Objetivo utilizados no processo (equipamentos,
processo (materiais, equipamentos e
estruturas, pessoas, informação, materiais)
estrutura)
Objetivo para os Minimizar os estoques, desde que não Reduzir o estoque a zero, para que as falhas
Estoques deixe o processo sensível a falhas. sejam identificadas e solucionadas.
Falhas no Estas são minimizadas pelo Estas são corrigidas a partir de suas causas
Processo dimensionamento dos estoques principais.
Entregar o produto ao cliente na data, Entregar os produtos ao cliente na qualidade,
Eficácia quantidade e qualidade certa, com quantidade e data certa, sem a existência de
redução dos estoques. estoques.
Tipo Produção Produtos fabricados em lote Produtos fabricados de forma unitária
Controle de
Fluxo de Baseado em sistema informatizado Baseado em sistemas visuais tipo Kanban
Produção
Trabalha sobre a ação das pessoas, buscando
Trabalha sobre o fluxo de materiais,
Foco da melhorias através de uma atuação sobre as três
onde busca-se melhoria pela atuação na
Melhoria dimensões (Física, Intelectual e Social da
dimensão física da organização.
organização.
Voltado a produções com maior grau de Voltado a produções com menor grau de
Flexibilidade
flexibilidade. (Mix de produtos maior) flexibilidade. (Mix de produtos menor)
Fonte: Elaborada pela autora

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS E organizar todas as operações realizadas ao


PROPOSIÇÕES PARA ESTUDOS FUTUROS longo da produção, com o propósito de
aumentar sua produtividade, eficiência e
Os sistemas JIT e MRP são utilizados por
eficácia, aumentando desta forma o valor
diversas organizações, sejam multinacionais
entregue ao cliente, e consequentemente
ou de pequeno porte, apoiando a sua função
reduzindo os custos.
produção na obtenção de maiores e melhores
desempenhos. Estes sistemas englobam um Este estudo evidenciou que cada sistema teve
conjunto de técnicas e ferramentas voltadas a sua origem motivada por uma necessidade

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


181

imposta pela realidade do mercado onde a Muitas diferenças puderam ser identificadas
organização fundadora estava inserida. No ao longo do presente estudo, podendo as
caso do MRP, a organização dispunha de mesmas ser divididas em dois principais
uma elevada estrutura, com um grande tópicos, primeiramente na forma que ela
investimento em equipamentos, sendo a busca aumentar sua eficiência, e
mesma capaz de alcançar altíssimas taxas de posteriormente em quais fatores este sistema
produção, sistema caracterizada pela se apoia para aumentar sua eficiência.
Produção em Massa, desenvolvida por Ford.
No contexto da eficiência, este estudo
Já no caso do JIT, a organização criadora do
estimou que a organização ao adotar o JIT
sistema não dispunha de uma estrutura
deve buscar aumentar cada vez mais sua
grande, ao contrário, esta era pequena e com
produtividade, empregando cada vez menos
baixo grau de automação, com baixo nível de
recursos. Como recursos são considerados
capital para a realização de grandes
todos os ativos que a organização
investimentos, e pouca capacidade para um
disponibiliza para a realização das suas
grande volume de produção, caso japonês da
operações. Inclui-se aqui não somente os
montadora Toyota, caracterizada pela
materiais, mas sim os equipamentos, a
Produção Flexível ou Enxuta.
estrutura e as pessoas envolvidas. No caso
Neste caso, ao desenvolver o MRP, a do MRP, seu foco, como já visto está na
montadora Ford buscou aumentar a eficiência otimização do fluxo de materiais, para que a
dos processos por meio do aumento do empresa possa atender a seus pedidos, com
planejamento e do controle das operações a o menor estoque possível. Viu-se, portanto,
serem realizadas, amenizando os impactos que sua intenção não é acabar com os
das falhas existentes sobre o desempenho. Já estoques, mas sim minimizá-los, desde que
no caso do JIT, o modelo japonês, buscou a os mesmos não parem de encobrir as falhas
eficiência através da otimização do uso dos existentes no processo.
recursos disponíveis, por meio do combate as
Para estudos futuros, sugere-se um estudo de
falhas existentes ao longo do processo.
caso com levantamento de informações
Assim, o JIP se sobrepôs ao MRP, ao
qualitativas e quantitativas, de modo a
disponibilizar o aumento do controle das
observar quais são as aplicações de ambos
atividades desempenhadas.
os sistemas de produção na atualidade.

REFERÊNCIAS
[1]. ARAUJO, A.C.J. A Contribuição do [6]. CORRÊA, H. L.; GIANESI, I.G.N. Just in
Sistema da Qualidade para Melhoria na Gestão time, MRP II e OPT: um enfoque estratégico . 2.ed.
dos Arquivos: UM Estudo de Caso da EMBASA. São Paulo: Atlas, 2001.
Salvador – BH. 2009. 66p. Universidade Federal da
[7]. CORRÊA, H. L.; GIANESI, I. G. N.; CAON,
Bahia.
M. Planejamento, Programacao e Controle da
[2]. BURBIDGE, J. L. Planejamento e Controle Producao MRP II/ERP: conceitos, uso e
da Produção.São Paulo: Atlas, 1983. implantacao . 2. ed. Sao Paulo: Atlas, 1999. 411p.
[3]. CAMPOS, R.; OLIVEIRA, L. C. Q.; [8]. DAVIS, M. M.; AQUILANO, N. J.; CHASE,
SILVESTRE, B.S.; FERREIRA, A.S. A Ferramenta 5’S R. B. Fundamentos da Administração da Produção.
e suas Implicações na Gestão da Qualidade Total. Tradução SCHAAN Eduardo D’Agord et al. 3° ed.
In: SIMPÓSIO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. Porto Alegre. Editora Bookman. 2001.
12., 2005, São Paulo. Anais. 2005, 12p.
[9]. DENNIS, P. Produção Lean Simplificada.
[4]. CARRARO, R.V. Avaliação de um Tradução GARCIA, Rosália Angelita Neumann. 2°
Processo de Implantação da Mentalidade Enxuta e ed. Porto Alegre. Editora Bookman. 2008.
seu Desempenho no Fluxo de Valor: Um Estudo de
[10]. DI BELLO, B. C. Uma Metodologia de
Caso. Departamento de Economia, Contabilidade e
Planejamento Aplicado à Cadeia de Suprimentos
Administração da Universidade de Taubaté –
de Construções Prediais. 2007, 184p. Faculdade
UNITAU. Taubaté – SP. 2005. 152p.
de Engenharia da Universidade do Estado do Rio
[5]. CHRISTOPHER, M. Logística e de Janeiro – UERJ. Rio de Janeiro – RJ.
Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. São
[11]. FORRESTER, J.W. Industrial dynamics.
Paulo: Cengage, 2015.
Cambridge, MA: MIT Press, 1961. ISBN 978-0-262-
56001-6

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


182

[12]. KOTLER, P.; KELLER, K.L. Administração [17]. SANTOS, N. C. R., et al. Implantação do
de Marketing: A Bíblia do Marketing. 12° ed. São 5Ss para qualidade nas empresas de pequeno
Paulo. tradução: Monica Rosemberg; Brasil Ramos porte na região central do Rio Grande do Sul. 2006.
Fernandes; Cláudia Freire. editora Pearson Prentice Trabalho apresentado ao 14° Simpósio de
Hall. 2006. Produção, Bauru, 2006.
[13]. LEITE, W.R. Sistema de Administração da [18]. SERRA, F.; TORRES, M.C.S.; TORRES,
Produção Just in Time (JIT). Belo Horizonte – MG. A.P.; Administração Estratégica – Conceitos,
IETEC – Instituto de Educação Tecnológica Roteiro Prático e Casos; Rio de Janeiro; editora
Continuada. agosto de 2006. 16p. Reichmann & Affonso; 2004.
[14]. LUTOSA, L.; MESQUITA, M.A.; QUELHAS, [19]. SLACK, N.; CHAMBERS, S.; JOHNSTON,
O.; OLIVEIRA, R. Planejamento e Controle da R. Administração da Produção. Tradução
Produção. Rio de Janeiro: Elsevier.2008. OLIVEIRA, Maria Tereza Corrêa. 2° ed. São Paulo.
Editora Atlas. 2008.
[15]. MOURA, V.M.G. Análise do Atendimento e
Estoques Influenciados pela Mudança do Método [20]. SLACK, N.; CHAMBERS, S.; JOHNSTON,
de Planejamento: Uso do MRP Versus um Sistema R. Administração de Produção. 3 ed. São Paulo:
Puxado com Uso do KAMBAN. 2006. 78p. Atlas, 2009.
Universidade do Estado de Santa Catarina –
[21]. ZATTAR, I.C. Metodologia para
UDESC. Joinville – SC.
Implantação de um Sistema de Programação da
[16]. NICODEMO, L.G. Sistema de Produção Produção com a Capacidade Finita em Empresas
Puxado. Disponível em Prestadoras de Serviços. Instituto Superior de
http://www.soartigos.com/articles/1823/1/ O- Tecnologia – Sociedade Educacional de Santa
Sistema-de-Producao-Puxado/Page1.html. Catarina. Joinville – SC. Agosto de 2003. 116p.
Acessado em 20/01/2015.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


183

Capítulo 15

Ramon Cunha de Farias


Giovane Quadrelli
Carlos Eduardo Antunes da Silva

Resumo – O propósito deste estudo é a elaboração de um sistema de controle


nebuloso aplicado ao gerenciamento de inventário, esta ferramenta de controle
será denominada GIF, “Gestão de Inventário Fuzzy”. O GIF tem por objetivo lidar
com incertezas de demanda e disponibilidade de fornecimento. Métodos
estocásticos convencionais podem determinar apenas a demanda, porém a
indisponibilidade do fornecimento de determinado material pode acontecer muitas
vezes em um sistema de manufatura e um método convencional não irá contemplar
este tipo de incerteza em seus cálculos. No estudo proposto, demanda e
fornecimento de material serão descritos por termos linguísticos e aplicados através
de regras Fuzzy que apontarão a demanda necessária e o ponto de ressuprimento
para que não haja indisponibilidade do material e nem excesso de inventário. O
modelo Fuzzy tende a ser mais flexível que o convencional (via métodos
estocásticos) devido aos ajustes feitos na demanda e ponto de ressuprimento,
enquanto o método convencional abre mão do uso de estoques de segurança fixo,
que tende a elevar os custos relacionados ao inventário. Uma simulação será feita
para que sejam apresentados resultados que comprovem que o custo do
gerenciamento de inventário através do uso do GIF é menor que o método de
gerenciamento convencional por modelos estocásticos.

Palavras-chave: Gestão de Inventário. Controle Nebuloso. Incerteza de Demanda e


Ressuprimento.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


184

1. INTRODUÇÃO A modelagem Fuzzy originalmente introduzida


por Zadeh [ref bibliográfica 4] desde a
A gestão de estoques é uma prática de
década de 80, provê uma estrutura para a
fundamental importância para o sucesso de
consideração de parâmetros que são
empresas nos mais variados segmentos.
vagamente conhecidos, definidos de forma
Empresas que operam com baixos índices de
subjectiva baseados em experiencia
lucratividade dependem de uma gestão de
individual e/ou onde os valores são incertos.
estoques eficiente, sob pena de perderem
Alguns trabalhos aplicaram as teorias Fuzzy
competitividade. A manutenção eficiente de
para determinação de incertezas de demanda
estoques não se caracteriza pela existência
e ressuprimento [5].
de grandes lotes de produtos para pronto
atendimento aos clientes ou, pelo contrário, Um exemplo claro desta aplicação deu-se
pela inexistência de estoques na tentativa de através do trabalho de Roi e Maiti [ref bibl8-9]
minimizar custos de manutenção. Os onde um problema típico de quantidade
estoques devem ser gerenciados de maneira econômica de encomenda (EOQ) foi resolvido
equilibrada para garantir um nível de serviço usando um método não linear Fuzzy. A
adequado aos clientes e gerar lucros (SILVER quantidade econômica de encomenda nada
et al., 1998). mais é do que um modelo de gestão de
estoques que envolve a aquisição de uma
Decisões ligadas ao gerenciamento de
quantia fixa de produto. O montante exato do
Inventario geram riscos e ao mesmo tempo
produto a ser encomendado depende da
benefícios à empresa. Um atraso ou um não
relevância do inventário transportado, das
ressuprimento de determinado material pode
características de custo e procura dos
gerar diversos inconvenientes, desde a
produtos, assim como dos custos envolvidos
interrupção da produção até multas
de uma nova encomenda.
contratuais por não entrega do produto final.
A tarefa mais importante no gerenciamento de Outros métodos para determinação dessas
inventário é o balanceamento entre a incertezas são a cadeia de Markov e métodos
minimização dos custos e a maximização da matemáticos [10-11]. Ambos métodos
satisfação do cliente. Em casos reais, este determinam o tempo de espera até a próxima
objetivo é muito difícil de ser atingido devido ordem, porém são métodos muito complexos
ao grande número de fatores envolvidos e de difícil entendimento.
como: incerteza de demandas e
O GIF foi escolhido para uso neste estudo
ressuprimento.
para tratar das incertezas relacionadas a
O gerenciamento do inventário define com demanda e ressuprimento em um modelo de
que frequência o nível do estoque é revisado gerenciamento de inventário contínuo. Para
para que seja determinado quando e quanto isso será utilizado o software MATLAB (Fuzzy
deverá ser o ressuprimento. Em um modelo Toolbox) para representar este sistema de
de gerenciamento de inventário continuo, uma controle continuo. A demanda, ressuprimento,
ordem de ressuprimento é gerada toda vez quantidade econômica de encomenda e
que os níveis do inventário caem, enquanto ponto de ressuprimento serão descritos por
em um modelo periódico esta mesma ordem é variáveis linguísticas. O principal objetivo será
gerada através de um intervalo de avaliar a quantidade econômica de
ressuprimento pré-determinado. encomenda e o ponto de ressuprimento para
cada período tomando em consideração as
Um modelo convencional assume certezas ou
incertezas na demanda e suprimento.
incertezas de demanda e ressuprimento,
porem na realidade, demanda e
ressuprimento são incertos devido a
2. O SISTEMA DE INVENTÁRIO
mudanças de ordens, restrição de
capacidade de fornecedores e/ou eventos 2.1 GERENCIAMENTO DE INVENTÁRIO
imprevisíveis. Uma vez que algumas
A gestão de inventário, independentemente
incertezas não podem ser gerenciadas de
da empresa que a pratica, consiste numa
forma a se ter um resultado mais próximo da
série de processos com múltiplas funções
realidade fazendo o uso do modelo
referentes ao acompanhamento,
convencional que utiliza os métodos
manuseamento e gestão de materiais em
probabilísticos para calculo, a teoria Fuzzy
estoque. Uma gestão de inventário eficiente
auxilia na modelagem de um sistema de
confere sempre vantagem competitiva às
gerenciamento de inventário.
empresas, seja qual for a natureza do seu

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


185

negócio. Além de reduzir os custos de renda. Este custo varia de acordo com o
operacionais, uma boa gestão do inventário tempo que o material fica estocado.
também dá origem a clientes satisfeitos, que
“Ordering Costs” são custos de encomendar
continuarão a procurar a empresa no futuro,
um novo lote de material. Estes incluem o
gerando assim mais negócio. No entanto,
custo de colocar uma ordem de compra,
actualmente, a gestão de inventários não é
custos de inspeção de lotes recebidos, custos
tão simples como pode parecer à primeira
de documentação, etc. Estes custos variam
vista.
inversamente com os custos de transporte.
O primeiro passo (e também o mais Isso significa que quanto mais pedidos de
importante) para iniciar a gestão de inventário, lugares e fornecedores diferentes, maior
consiste em recolher dados fidedignos em serão os custos de pedidos. No entanto, mais
termos de detalhes e de valores. encomendas significa níveis de estoque
Seguidamente, há que implementar regras menores e consequentemente “Carrying
para proteger e guardar a informação de Costs” menores. Portanto, o mais importante
forma eficiente. Esta informação poderá para uma empresa é minimizar a soma destes
tornar-se a base para a introdução de custos, para isso aplica-se o modelo de
melhorias em termos operacionais, de quantidade de ordem econômica (EOC).
estratégia e de produtividade.
“Shortage Costs” é o custo que incide em um
Adicionalmente à monitorização física dos produto/projeto devido a falta de determinado
materiais que entram e que saem do material. Isto ocorre quando a demanda do
armazém, e às reconciliações dos balanços cliente não pode ser atendida devido a
de inventário, existem outras tarefas que insuficiência de material. Essa ausência de
podem estar envolvidas na gestão de material pode incidir na perda de vendas e
inventário, nomeadamente o consequentemente perda dos lucros. Este
acompanhamento e reporting de técnicas de custo tem um relacionamento inverso ao custo
reposição de produtos, análises relativas ao de manutenção do inventário, ou seja, quanto
estado actual e projectado do inventário, ou o mais material no estoque maior o custo de
estabelecimento de objectivos periódicos e manutenção de inventário porem menor será
reengenharia da forma de trabalhar. o custo da falta de material.
Em um sistema de Gerenciamento de
Inventário Contínuo uma gama de dados é
2.3 MODELO DE INVENTÁRIO COM
gravada e utilizada como base para pontos
DEMANDA VARIÁVEL
de ressuprimento. Logo, toda vez que os
níveis de determinado material diminuem no O Modelo Estocástico de Gerenciamento de
estoque, uma ordem de ressuprimento é Inventário é um dos mais fundamentais
liberada. Esta ordem por consequência, é modelos de gerenciamento de inventário, isto
uma ordem que visa minimizar o custo total de se dá por ser o mais utilizado pelas industrias
inventário (EOQ). e por servir de base para os modelos mais
sofisticados. Este modelo trata as incertezas
de modo randômico e manipulado de forma
2.2 CUSTOS DE INVENTÁRIO probabilística. Assumindo que, a demanda é
representada por uma distribuição normal,
Normalmente três tipos de custo são
estimada pela média da demanda de um
pertinentes ao modelo de gerenciamento de
determinado material para um período e seu
inventário continuo: custo de manutenção do
respectivo desvio padrão.
estoque (carrying cost), custo de encomenda
(ordering cost) e custo de falta de material A quantidade da ordem a ser liberada pode
(shortage cost). ser determinada pela seguinte equação da
EOC:
“Carrying Costs” é o custo que uma empresa
incorre ao longo de um determinado período
de tempo para manter e armazenar o seu
inventário. As empresas utilizam este número
para ajudá-las a determinar o quanto de lucro
pode ser feito com estoque atual. Ela também
ajuda a descobrir se há uma necessidade de
produzir mais ou menos, a fim de manter-se
com as despesas ou manter o mesmo fluxo

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


186

3. LÓGICA FUZZY
̅
2𝐶𝑜𝐻𝑑 (𝐶ℎ+𝐶𝑠) 3.1 CONCEITUAÇÃO
𝐸𝑂𝐶 = √ (1)
𝐶ℎ𝐶𝑠
A Lógica Fuzzy (Nebulosa) é a lógica que
Onde: suporta os modos de raciocínio que são
EOC: Quantidade de Ordem Econômica aproximados ao invés de exatos. Modelagem
e controle fuzzy de sistemas são técnicas
Co: Custo de ressuprimento por período para o tratamento de informações qualitativas
Ch: Custo de manutenção do inventário de uma forma rigorosa. Derivada do conceito
por período de conjuntos fuzzy, a lógica fuzzy constitui a
base para o desenvolvimento de métodos e
Cs: Custo de escassez do material por
período
algoritmos de modelagem e controle de
processos, permitindo a redução da
d ̅: Média semanal da demanda complexidade de projeto e implementação,
H: Horizonte de análise (número de tornando-se a solução para problemas de
semanas em análise) controle até então intratáveis por técnicas
clássicas.
Ela difere dos sistemas lógicos tradicionais
A determinação de quando este em suas características e seus detalhes.
ressuprimento deverá ocorrer em um sistema Nesta lógica, o raciocínio exato corresponde a
de gerenciamento de inventário contínuo é um caso limite do raciocínio aproximado,
denominado ponto de ressuprimento, isto é, o sendo interpretado como um processo de
exato momento que uma nova ordem deve ser composição de relações nebulosas. Na lógica
liberada. Neste modelo, se a demanda é fuzzy, o valor verdade de uma proposição
incerta, deve-se somar o estoque de pode ser um subconjunto fuzzy de qualquer
segurança. Isto se dá pela equação a seguir: conjunto parcialmente ordenado, ao contrário
dos sistemas lógicos binários, onde o valor
verdade só pode assumir dois valores:
verdadeiro (1) ou falso (0).
𝑅 = 𝑑̅𝑇 + 𝐸𝑆 (2)
3.2 SISTEMA DE CONTROLE DE
𝐸𝑆 = 𝑍𝜎√𝑇 (3) INVENTÁRIO FUZZY (GIF)
No Sistema de controle de Inventário Fuzzy
Onde: (GIF) proposto neste estudo, existem 3
componentes: os Inputs, as regras e os
outputs. O GIF é estruturado através do
R: Qtde a ser ressuprida
programa MATLAB onde o calculo das
ES: Estoque de Segurança
quantidades das ordens econômicas serão
T: Lead Time
gerados, juntamente com o período em que
∂: Desvio Padrão da demanda semanal deve ser ressuprido o material. Os elementos
z: Nível de serviço desta análise são estruturados de acordo com
o sistema de inferência montado no Toolbox
de Fuzzy do MATLAB, conforme figura 1:

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


187

Figura 1 – Sistema de Controle de Inventário utilizando Matlab

As variáveis de entrada deste trabalho são suprimento fuzzy são baseadas nos dados
demanda e disponibilidade de suprimento, históricos, experiência da gestão e na análise
enquanto as variáveis de saída ficam sendo a de montecarlo das mesmas. Para a variável
quantidade econômica para suprir a demanda demanda se assumiu que 5 variáveis
e o respectivo período de ressuprimento. As linguísticas serão usadas: Muito Baixo, Baixo,
funções utilizadas para fuzzificar as variáveis Médio, Alto e Muito Alto.
de entrada e saída são denotadas por O universo de discurso da variável demanda
funções triangulares e trapezoidais. é dado pela função de pertinência (figura 2)
baseado nos parâmetros [0 d ̅ – σ d ̅ d ̅ + σ
3.3 VARIÁVEIS DE ENTRADA Maxd ]. Os parâmetros foram desenvolvidos
de acordo com as características observadas
Como visto no tópico acima, as variáveis de através da análise de montecarlo (distribuição
entrada são Demanda e Disponibilidade de normal) e a situação atual de incerteza de
Suprimento que estão descritos pelas demanda.
“membership functions” ou funções de
pertinência: Demanda e Suprimento. A
demanda fuzzy e a disponibilidade de

Figura 2- Função de Pertinência Demanda

Já quando falamos do suprimento, ou seja, da consideradas as variáveis linguísticas: Baixo,


disponibilidade do que o fornecedor possui Médio e Alto com parâmetros [ 0 SS Smax]
para suprir em determinado período, um
determinado tipo de material, foram

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


188

Figura 3- Função de Pertinência Suprimentos

3.4. VARIÁVEIS DE SAÍDA representadas por Quantidade e Período, que


indicam o quanto deve ser comprado e
Um sistema convencional de gerenciamento
quando este ressuprimento deve acontecer
de Inventário usa valores fixo de quantidades
afim de que não haja falta de material, nem
e períodos de ressuprimento para
excesso do mesmo no estoque. Assumiu-se
determinado material, entretanto a situação
que Quantidade terá 3 variáveis de
real difere bem dos modelos teóricos, isto
linguísticas: Baixo, Médio e Alto, enquanto o
porque muitos materiais podem não estar
Período terá 5 variáveis linguisticas: Muito
disponíveis quando é mais preciso. Com isso,
Baixo, Baixo, Médio, Alto e Muito Alto. Ambas
por muitas vezes os “gestores” do inventário
serão baseadas na utilização do método da
decidem, por dados históricos, atribuir
distribuição normal, onde o desvio padrão
estoques de segurança para mitigarem
ajuda a delimitar as variáveis.
impactos devido a falta de material, porem
com isso tendem a aumentar os custos de se Quantidade (0 q̅ qmax) e Periodo (0 p ̅ -σ p
̅
ter o material no estoque (Carrying costs). ̅ +σ pmax).
p
O modelo proposto possui duas variáveis de
saída, descritas pelas funções de pertinência

Figura 4- Função de Pertinência Quantidade

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


189

Figura 5- Função de Pertinência Período

3.5. REGRAS DE FUZZIFICAÇÃO entrada Demanda e Suprimento, tais como as


variáveis de saída Quantidade e Período se
O modelo de inferência Fuzzy utilizado foi o
dão pelas regras a seguir:
Mandani, logo a relação entre as variáveis de

R1. If (DEMANDA is MUITO_BAIXO) and (SUPRIMENTO is BAIXO) then ("QUANTIDADE" is MEDIO)(PERIODO is BAIXO) (1)
R2. If (DEMANDA is MUITO_BAIXO) and (SUPRIMENTO is MEDIO) then ("QUANTIDADE" is BAIXO)(PERIODO is MEDIO) (1)
R2. If (DEMANDA is MUITO_BAIXO) and (SUPRIMENTO is MEDIO) then ("QUANTIDADE" is BAIXO)(PERIODO is MEDIO) (1)
R4. If (DEMANDA is BAIXO) and (SUPRIMENTO is BAIXO) then ("QUANTIDADE" is MEDIO)(PERIODO is BAIXO) (1)
R5. If (DEMANDA is BAIXO) and (SUPRIMENTO is MEDIO) then ("QUANTIDADE" is BAIXO)(PERIODO is MEDIO) (1)
R6. If (DEMANDA is BAIXO) and (SUPRIMENTO is ALTO) then ("QUANTIDADE" is BAIXO)(PERIODO is MUITO_ALTO) (1)
R7. If (DEMANDA is MEDIO) and (SUPRIMENTO is BAIXO) then ("QUANTIDADE" is MEDIO)(PERIODO is MUITO_BAIXO) (1)
R8. If (DEMANDA is MEDIO) and (SUPRIMENTO is MEDIO) then ("QUANTIDADE" is MEDIO)(PERIODO is MEDIO) (1)
R9. If (DEMANDA is MEDIO) and (SUPRIMENTO is ALTO) then ("QUANTIDADE" is MEDIO)(PERIODO is ALTO) (1)
R10. If (DEMANDA is ALTO) and (SUPRIMENTO is BAIXO) then ("QUANTIDADE" is ALTO)(PERIODO is MUITO_BAIXO) (1)
R11. If (DEMANDA is ALTO) and (SUPRIMENTO is MEDIO) then ("QUANTIDADE" is ALTO)(PERIODO is MEDIO) (1)
R12. If (DEMANDA is ALTO) and (SUPRIMENTO is ALTO) then ("QUANTIDADE" is BAIXO)(PERIODO is MEDIO) (1)
R13. If (DEMANDA is MUITO_ALTO) and (SUPRIMENTO is BAIXO) then ("QUANTIDADE" is ALTO)(PERIODO is
MUITO_BAIXO) (1)
R14. If (DEMANDA is MUITO_ALTO) and (SUPRIMENTO is MEDIO) then ("QUANTIDADE" is ALTO)(PERIODO is
MUITO_BAIXO) (1)
R15. If (DEMANDA is MUITO_ALTO) and (SUPRIMENTO is ALTO) then ("QUANTIDADE" is ALTO)(PERIODO is MEDIO) (1)

impactam diretamente na manufatura.


3.6 EXEMPLO NUMÉRICO Demanda e suprimento podem facilmente ser
representados por uma distribuição normal, e
Dados históricos de um determinado material estoques de segurança tem sido
A (material denominado como A por motivo de considerados para evitar uma possível falta
confidencialidade) de uma indústria de óleo e de material. Apesar disso, a falta de material
gás, mostram que a empresa sofre com este acaba acontecendo em alguns períodos do
material diversos problemas relacionados a ano e o custo total do gerenciamento do
demandas inesperadas, devido a danos na inventário também é alto.
montagem e/ou problemas de não O sistema de controle de inventário proposto
conformidade e adicionalmente com tem por objetivo reduzir os custos de
problemas de suprimento em alguns períodos inventário e os níveis de material em estoque,
do ano. Mesmo sendo uma empresa considerando a colocação de ordens
Engineer-to-order, determinados econômicas em períodos menos espaçados
equipamentos tendem a ser tratado como do que o praticado.
make-to-stock pelos clientes internos, logo
demanda e suprimento são variáveis que

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


190

Um exemplo desta variação entre demanda e


suprimento se dá pela figura a seguir:

Figura 6- Gráfico Demanda x Suprimento

Observa-se a partir da figura 6 que o


suprimento (disponibilidade de material no [1] A primeira comparação relacionada a
fornecedor) varia bastante ao longo de um
demanda x quantidade de ressuprimento,
ano, ocasionando para alguns períodos,
indisponibilidade de material. utilizando o método convencional e o sistema
Para testarmos a funcionalidade do sistema de controle Fuzzy;
de controle, efetuamos duas comparações:

Figura 6- Gráfico Demanda x Quantidade pelo método convencional

Figura 7- Gráfico Demanda x Quantidade pelo sistema de controle Fuzzy

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


191

[2] A segunda comparando os custos de método convencional e o sistema de controle


inventário: Ordering cost (R$150,00/ordem), Fuzzy.
carrying cost (R$0.05/unidade) e shortage
cost (R$50,00 unidade/período), utilizando o

Figura 8- Gráfico comparação de custos entre métodos

A figura 8 mostra que o modelo convencional O maior custo identificado foi o custo devido a
possui custo de abertura de ordem menor que falta de material, que no modelo convencional
o modelo regido .pelo sistema de controle é evidente por não conseguir gerenciar as
fuzzy, isso se dá pois o metodo convencional , incertezas de suprimentos, quando o mesmo
considera lotes fixos e acima da demanda, no sistema de controle fuzzy é bem próximo
fazendo com que o numero de ordens de de zero por apresentar pontos de
ressuprimento seja menor do que o gerado ressuprimento em todos os períodos porem
pelo sistema de controle fuzzy que sugere em níveis menores.
ordens economicas a cada período.
Por fim, fica nitido que com o uso do sistema
Tambem se é notado que os custos de de controle de inventário fuzzy, o custo total
manutenção do inventário é bem menor de gerenciamento do estoque é menor que o
quando utilizado o sistema de controle fuzzy gerado pelo modelo convencional.
pois comparado ao metodo convencional
possui níveis de inventário inferior.

Tabela I – Comparação dos Custos e Economia de Custos

Conforme apresentado na tabela acima, o demanda e suprimento, usou se o programa


resultado confirma que a utilização do sistema MATLAB para que o modelo fosse
de controle Fuzzy é bem mais eficiente em implementado.
redução de custos que o modelo Os resultados obtidos claramente mostraram
convencional. que o sistema de controle de inventário Fuzzy
apresentou uma economia dos custos de
4. CONCLUSÃO gerenciamento de inventário maiores que o
Neste estudo, o sistema de controle de método convencional. O sistema também se
inventário Fuzzy considerou incertezas de mostrou mais flexível que o modelo

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


192

convencional, pois as variáveis de saída controle de inventário Fuzzy a um modelo com


podem ser reavaliadas continuamente, além aprendizado, utilizando assim redes
de permitir o usuário que mude os valores de neurônios.
input ou reajustar os parâmetros de forma
fácil, quando a situação assim o solicitar.
Sendo assim, pode-se estender o sistema de

REFERÊNCIAS [4] L.A. Zadeh, “Fuzzy Sets – Information and


Control”, vol. 8. 1965
[1] http://www.lokad.com/ Em 27/09/2015, 23:30h.
[5] T.Q. Roy, M. Maiti, “A Fuzzy EOQ model
[2] https://www.instituteforsupplymanagement.org with demand dependent unit cost under limited
Em 25/09/2015, 22:30h. storage capacity.” European Journal of Production
[2] T. Tanthatemee e B. Phruksaphanrat Economics, 1997
“Fuzzy Inventory System Control for uncertanties”. [6] C-H. Wang. “Some remarks on an optimal
International Multiconference of Engineers, Hong order quantity and reorder point when supply and
Kong, 2012. demand are uncertain” Computers & Industrial
[3] S. Russel e W. Taylor III. “Operations Engineering, vol. 58, 2010.
Management quality and competittiveness in a
global enviroment”.5ª Edição Willey, 2006

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


193

Capítulo 16

Ramon Cunha de Farias


Giovane Quadrelli
Carlos Eduardo Antunes da Silva

Resumo: Uma previsão exata da demanda em uma cadeia de suprimentos é a chave para redução
dos custos relacionados ao inventário. Baseado em redes neurais artificiais se propõe um modelo de
previsão de demanda para auxilio a cadeia de suprimentos. Um algoritmo de aprendizagem é
proposto para que auxilie em séries temporais futuras, a fim de validar o estudo feito e seu
desempenho, os dados simulados serão comparados diretamente com os dados reais de demanda,
logo ao comparar os dados desta previsão usando uma rede do tipo Mult Layer Perceptron (MLP) e
redes neurais recorrentes, pode-se mostrar que as redes neurais recorrentes tendem a ajudar na
precisão das previsões.

Palavras-chave: Redes neurais artificiais. Previsão de demandas. Cadeia de suprimentos.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


194

1. INTRODUÇÃO 2. O SISTEMA DE INVENTÁRIO


A gestão de estoques é uma prática de A gestão de inventário, independentemente
fundamental importância para o sucesso de da empresa que a pratica, consiste numa
empresas nos mais variados segmentos. série de processos com múltiplas funções
Empresas que operam com baixos índices de referentes ao acompanhamento,
lucratividade dependem de uma gestão de manuseamento e gestão de materiais em
estoques eficiente, sob pena de perderem estoque. Uma gestão de inventário eficiente
competitividade. A manutenção eficiente de confere sempre vantagem competitiva às
estoques não se caracteriza pela existência empresas, seja qual for à natureza do seu
de grandes lotes de produtos para pronto negócio. Além de reduzir os custos
atendimento aos clientes ou, pelo contrário, operacionais, uma boa gestão do inventário
pela inexistência de estoques na tentativa de também dá origem a clientes satisfeitos, que
minimizar custos de manutenção. Os continuarão a procurar a empresa no futuro,
estoques devem ser gerenciados de maneira gerando assim mais negócio. No entanto,
equilibrada para garantir um nível de serviço atualmente, a gestão de inventários não é tão
adequado aos clientes e gerar lucros (SILVER simples como pode parecer à primeira vista.
et al., 1998) [1].
O primeiro passo (e também o mais
Uma empresa pode deter estoques de importante) para iniciar a gestão de inventário,
matéria prima, peças, materiais em processo consiste em recolher dados fidedignos em
ou produtos acabados por uma variedade de termos de detalhes e de valores, são as
razões, e decisões ligadas ao gerenciamento chamadas variáveis do processo.
de Inventario geram riscos e ao mesmo tempo Seguidamente, há que implementar regras
benefícios à empresa. A criação de zonas de para proteger e guardar a informação de
tampão contra as incertezas da oferta e forma eficiente. Esta informação poderá
procura, os atrativos de custos baixos de tornar-se a base para a introdução de
aquisição e transporte, o proveito em melhorias em termos operacionais, de
economias de escala na compre de grandes estratégia e de produtividade.
lotes, acumulo de reservas para demandas
Adicionalmente à monitorização física dos
sazonais, são motivos para um aumento
materiais que entram e que saem do
considerável dos estoques nas organizações.
armazém, e às reconciliações dos balanços
Hoje, o principal no gerenciamento de
de inventário, existem outras tarefas que
inventário é o balanceamento entre a
podem estar envolvidas na gestão de
minimização dos custos e a maximização da
inventário, nomeadamente o
satisfação do cliente.
acompanhamento e reporte de técnicas de
Recentemente, a atenção centrou-se sobre o reposição de produtos, análises relativas ao
desenvolvimento de melhores modelos de estado atual e projetado do inventário, ou o
previsão que reduzem ou eliminam os estabelecimento de objetivos periódicos e
estoques, o que reflete no custo da gestão de reengenharia da forma de trabalhar.
inventário e na cadeia de suprimentos como
Em um sistema de Gerenciamento de
um todo. Redes Neurais Artificiais (RNA),
Inventário Contínuo uma gama de dados é
surge então, como uma ferramenta, no campo
gravada e utilizada como base para pontos
de previsão devido à sua capacidade de
de ressuprimento. Logo, toda vez que os
aprender funções complicadas.
níveis de determinado material diminuem no
Em 2000, Chaoting Xuan [2] propôs o uso de estoque, uma ordem de ressuprimento é
redes neurais artificiais para resolver o liberada (Quantidade de Ordem Econômica -
problema do inventário e otimizou as EOQ). Esta ordem por consequência é uma
aplicações na gestão da cadeia de ordem que visa minimizar o custo total de
suprimentos como um todo, incluindo uma inventário.
modelagem mais sofisticada. Este artigo
propõe o uso de redes neurais recorrentes, tal
como Xiang Dong et Guangrui Wen [3] para
reduzir a incerteza de gerenciamento do
inventário.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


195

3. MODELO DE PREVISÃO BASEADO EM


RNAS DO TIPO FEEDFORWARD E SÉRIES
TEMPORAIS FEEDFORWARD 𝑑

Normalmente os modelos de redes neurais 𝑥(𝑘 + 1) = ∑ 𝑓𝑖(𝑥)𝑥(𝑘 − 𝑖) + 𝜀 𝑖 = 𝑜, … , 𝑑 (2)


mais utilizados são do tipo feedfoward, onde 𝑖

cada camada se conecta a próxima camada,


porém sem caminho de volta, todas as
conexões possuem uma mesma direção, Onde Fi(x) é a função não linear da variável
partindo da camada de entrada para a de entrada e d+1 é o numero de nós na rede
camada de saída. Este modelo, geralmente, de previsão.
com um algoritmo de backpropagation,
De acordo com o modelo de previsão do tipo
constrói múltiplas camadas de que efetuam a
mult-step descrito na figura 1, o resultado de
previsão de forma similar a uma série
varias etapas podem ser obtidos passo a
temporal (Função F na eq. 1). Estes modelos,
passo. Neste tipo de processo de previsão de
consistem em um modelo auto regressivo não
múltiplos passos, quando um único passo é
linear assim como mostra a equação (1).
previsto tende-se a apresentar um erro de
Neste caso, o valor em k+1 desta série
previsão do tipo, mostrado na equação (3):
temporal é representado repetidamente por
valores da série D+1como segue:
1
∑ [𝑥(𝑘 + 1) − 𝑥̂ (𝑘 + 1)]2 (3)
2
𝑥(𝑘 + 1) = 𝐹(𝑥(𝑘), … , 𝑥(𝑘 − 𝐷) (1) 𝑘+1

Onde: k é a variação do tempo e F é uma Durante o processamento, usando-se x̂(k + 1)


função não linear que define a série temporal. como o valor previsor de entrada da rede, o
erro de entrada torna-se perceptível. Com o
O método de previsão baseado em uma RNA, aumento dos valores de previsão, o erro
do tipo single step, configura o modelo de acumulado aumenta rapidamente, o que leva
previsão, pré-definido por Yanxiang He [4] a imprecisão na previsão. A figura 1 mostra
onde a equação de previsão é descrita da este modelo de RNA para previsões utilizando
seguinte forma na equação (2): modelo de múltiplos passos:

Figura 1: Modelo de RNA de previsão tradicional

Fonte: Feedfoward Neural Network Methodology

4. MODELO DE PREVISÃO BASEADO EM informação permite a criação de


RNAS RECORRENTES E ALGORITMO DE representações internas e dispositivos de
APRENDIZADO memória capazes de processar e armazenar
informações temporais e sinais sequenciais. A
As RNAs recorrentes são estruturas de
disponibilidade de redes neurais recorrentes
processamento capazes de representar uma
de importância prática está associada à
grande variedade de comportamentos
existência de algoritmos de otimização
dinâmicos, a presença da realimentação da
eficientes para o ajuste de parâmetros, uma

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


196

rede neural do tipo perceptron com uma


camada intermediária é um caso particular da
Caso o vetor de parâmetros seja constante ao
rede recorrente apresentada na figura 1.
longo do tempo, é possível substituir θ(t) por θ
De outra forma, as RNAs não recorrentes nas equações (4) e (5). Com isso, fica claro
podem ser interpretadas como poderosos que, ao contrário do modelo de rede neural
operadores de transformação de não-recorrente, o modelo de rede neural
representação, mas não são capazes de recorrente é uma função composta de θ.
reutilizar a informação transformada, Logo, a análise variacional dos modelos com
produzindo apenas mapas estáticos, esta é a recorrência (eq. 6) e sem recorrência (eq. 7)
principal razão para que este tipo de RNA produz os seguintes resultados:
encontre dificuldade em representar
comportamento dinâmico, já que o vetor de
saída da RNA, denominado ŝ(t), depende  Rede Neural Não-Recorrente:
apenas do valor de entrada definido no
𝑠̂ (𝑡) = 𝑅𝑁(𝑥(𝑡), 𝜃) (6)
mesmo instante, denominado x(t). Isto
conduz a mapeamentos do tipo representado 𝜕𝑠̂ (𝑡) 𝜕𝑅𝑁
na equação (4) abaixo: =
𝜕𝜃 𝜕𝜃

𝑠̂ (𝑡) = 𝑅𝑁(𝑥(𝑡), 𝜃(𝑡)) (4)  Rede Neural Recorrente:


𝑠̂ (𝑡) = 𝑅𝑁𝑔𝑟𝑎𝑣 (𝑥(𝑡), 𝑠̂ (𝑡 − 1), 𝜃) (7)

Onde 𝜃 denota o vetor de parâmetro no 𝜕𝑠̂ (𝑡) 𝜕̅ 𝑅𝑁𝑔𝑟𝑎𝑣 𝜕̅𝑅𝑁𝑔𝑟𝑎𝑣 𝜕̅𝑅𝑁𝑔𝑟𝑎𝑣 𝜕̅ 𝑠̂ (𝑡 − 1)


= = +
instante t, sendo de dimensão fixa no caso de 𝜕𝜃 𝜕̅ 𝜃 𝜕̅𝜃 𝜕̅𝑠̂ (𝑡 − 1) 𝜕̅ 𝜃
RNAs paramétricas e dimensão variável no
caso de RNAs não paramétricas. A ideia básica deste processo numérico é
Por outro lado, em RNAs recorrentes o tempo realizar ajustes iterativos no vetor de
é representado pelo seu efeito real no parâmetros θ sempre em direções em que a
processamento. Considerando apenas a função objetivo decresça, atingindo o máximo
existência de recorrência externa, ou seja, de otimização possível no processo.
realimentação de informação de saída da A RNA recorrente é construída a partir de uma
RNA, isto resulta em modelos expressos pela rede neural de múltiplas camadas com
equação (5). alimentação de entrada e adicionando
conexões de realimentação a partir de saída
𝑠̂ (𝑡) = 𝑅𝑁𝑟𝑒𝑐 (𝑥(𝑡), 𝑠̂ (𝑡 − 1), 𝜃(𝑡)) (5) do neurônio da camada de entrada como
mostrado na figura 2 a seguir:

Figura 2: RNA Recorrente

Fonte: Feedfoward Neural Network Methodology

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


197

A RNA é dividida em 3 partes: camada de Abaixo será descrito o modelo de treinamento


entrada (input layer), camada intermediária utilizado para este sistema de previsão
(hidden layer) e camada de saída (output considerando várias etapas, em cada instante
layer), onde 𝑥̂ representa a saída da RNA começando com k=d:
(previsão) e 𝑍 −𝑖 é um operador que O número de neurônios inicia-se em zero. A
representa por por i termos o atraso no entrada d+1 será gravada pelo neurônio para
domínio do tempo da sequencia de saídas da dar partida a série temporal x(k),...,(x(k-d). A
RNA. A camada de inputs é dividida por dois saída se dará pela equação (10):
grupos de neurônios, onde o primeiro grupo
age como os insumos externos à rede de
𝑥̂(𝑘 + 1) = 𝐹̂(𝑥(𝑘), … , 𝑥(𝑘 − 𝑑), 𝑊2 ) (10)
coleta de dados de séries temporais originais
ou medidos. O segundo grupo é formado
pelos neurônios que memorizam previamente
a saída da rede. Introduzindo o vetor a seguir: O número de neurônios passa a ganhar uma
unidade e o número de saídas,
consequentemente, diminuído em uma
𝐶(𝑘) 𝑜𝑛𝑑𝑒 (𝐶(𝑘) = (𝐶1 (𝑘), … , 𝐶ℎ (𝑘)) unidade. Assim, o nerônio memoriza a saída
da RNA calculada anteriormente 𝑥̂(𝑘 + 1).
Logo, a previsão no momento k+2 é dada
Tal vetor serve para indicar a ativação dos pela equação (11):
neurônios, cada componente é calculado pela
equação (8): 𝑥̂(𝑘 + 1) = 𝐹̂(𝑥(𝑘 + 1), 𝑥(𝑘), … , 𝑥(𝑘 − 𝑑 + 1), 𝑊2 ) (11)

𝐶𝑖 (𝑘) = 𝑍 −𝑖 (𝑥̂(𝑘 + ℎ + 1) = 𝑥̂(𝑘 + ℎ + 1 − 𝑖)


𝑖 = 1, … , ℎ (8) O passo anterior se repetirá sucessivamente
até o neurônio atinja h. A saída do modelo nos
instantes k+3,..., k+h+1, será dada a partir
Neste artigo irá se assumir que o modelo de das equações (12) e (13):
previsão será fixo em h, logo em h temos um
instante k, como o objetivo é prever usando
𝑥̂(𝑘 + 3) = 𝐹̂(𝑥(𝑘 + 2), 𝑥̂(𝑘 + 1), 𝑥(𝑘) … , 𝑥(𝑘 − 𝑑 + 2), 𝑊2 )
séries temporais será usado os instantes (12)
k+1,k+2, ..., k+h+1, assim sendo, o número
de entradas decresce constantemente em
d+1 até d+h+1 e o número de neurônios E analogamente, tem-se:
aumenta de 0 ate h, respectivamente.
𝑥̂(𝑘 + ℎ + 1) = 𝐹̂ (𝑥(𝑘 + ℎ), 𝑥̂(𝑘 + 1),
Portanto, as sequencias recebidas pelas 𝑥(𝑘) … , 𝑥(𝑘 − 𝑑 + ℎ), 𝑊2 )
entradas do sistema e os neurônios operantes (13)
em cada instante k, é dado pela seguinte
sequencia:
O parâmetro estabelecido para o modelo
O número de neurônios partirá do zero, o que
baseado em W2 é atualizado e segue a
torna o sistema em conformidade a partir das
direção do gradiente negativo da função de
entradas;
erro, tal como mostrado pela equação (14):
Os instantes k+i para i=2,..., h+1 não serão
reais mais sim simulados. As entradas 1

receberão os vetores x(k+1),..., x(k-d-1) e (i-1) 𝑒(𝑘 + 1) =


2
∑(𝑥(𝑘 + 𝑖 + 1) − 𝑥̂(𝑘 + 𝑖 + 1))2 (14)
será o neurônio que memorizará os valores i-1 𝑖=1

das saídas da RNA proposta, conforme


exemplo a seguir da equação (9):
A fim de evitar um longo tempo de
𝐶1 = 𝑥̂(𝑘 + 𝑖 − 1) … 𝐶1 (𝑘) = 𝑥̂(𝑘 + 1) … (9) processamento que se exige através do uso
de back propagation dinâmico, as alterações
do sistema do modelo proposto usam a regra
A seguir, as entradas e os neurônios são de back propagation tradicional.
reinstalados. Neste passo a variável de tempo k é
aumentada em uma unidade e o

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


198

processamento do sistema volta ao passo 1. demanda incerta, pois o cliente pode tem uma
Este procedimento é seguido tantas quanto gama infinita de fornecedores, as mudanças
forem necessárias as vezes, até que o de ciclo de produção são constantes devido a
conjunto atinja a convergência e/ou resultados redução de pessoal e de fornecedores
esperados. qualificados. Também vale considerar que a
cadeia de suprimentos (CS) como um todo
não trabalha linearmente, pois recebe
5. SIMULAÇÕES DO MODELO PROPOSTO influencia do mercado e da situação caótica
econômica mundial. Logo, estes pontos de
A simulação do sistema é dada pela seguinte
incerteza no tempo, testam as variáveis de
equação (15):
entrada tal como, o desempenho do modelo
de previsão proposto.
𝑥(𝑘 + 1) = 𝜆𝑥(𝑘)(1 − 𝑥(𝑘)) (15)
Se inicializa a simulação em k=0 chegando a
k=52, onde o período de 1 ano será
analisado.
Onde será adotado o valor de λ = 4.25 e
x(0)=0.5 devido as restrições relacionadas ao A tabela 1 apresenta os erros de previsão
estoque de segurança do produto e tempo sobre os dados de treinamento e a tabela 2
inicial de transporte, respectivamente. por consequência aponta os erros em cima
da previsão.
A equação acima descreve um sistema atual,
onde a concorrência torna a previsão de

Tabela 1- Serie Temporal da CS: erros de previsão sobre dados de treinamento

Tabela 2- Serie Temporal da CS: erros de previsão

As figuras 3 e 4, abaixo, mostram os erros


para RNAs Tradicional e recorrente,
respectivamente.

Figura 3 - RNA Tradicional: Metodo Single Step em h=0

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


199

Figura 4 - RNA Recorrente: Metodo Single Step em h=0

A seguir as figuras 5 e 6 mostram os erros os


erros ocorridos em RNAs Tradicional e
Recorrente em h=7.

Figura 5 - RNA Tradicional: Metodo Single Step em h=7

Figura 6 - RNA Recorrente: Metodo Single Step em h=7

6. APLICAÇÃO em colapso e incertezas relacionados a


matéria prima de fabricação influenciam no
Este artigo faz sua aplicação em uma
resultado final.
indústria de Óleo e Gás onde em um
ambiente caótico, as demandas são incertas, Destes fatores apenas falta de matéria prima
o modelo proposto simula como o suprimento e incertezas de demanda serão considerados
do material "A" será feito para que a cadeia de neste estudo.
suprimentos não fique desabastecida. De
Primeiramente, serão mostrados os dados
acordo com a conjuntura atual do mercado,
para um período de um ano, representados
fatores como: baixa do mercado, economia
em semanas.

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


200

Em segundo lugar, o modelo de RNA Em terceiro lugar, a fim de se melhorar a taxa


recorrente recebe duas camadas a mais, o das convergências das RNAs foram
que inclui na camada de entrada quatro nós, normalizadas os dados das 46 semanas de
por ser considerada a influência de diferentes treinamento e utilizado a metodologia de
períodos do ano. A camada de saída possui treinamento em lotes, para se chegar a um
apenas um nó e a camada oculta possui 10 lote econômico de ressuprimento.
nós. Foram usadas 46 semanas com dados
A tabela 3 apresentada logo abaixo, mostra
de amostras para treinamento e as demais 6
os possíveis erros, a maioria dos erros são
semanas com dados de teste que serão
controlados abaixo de 0.12, logo a tendência
usados como amostras para construção do
de suprimento esta baseada na atual situação
modelo de previsão de suprimento (compra
de mercado. Abaixo a figura 7 mostra os
material).
dados de treinamento e previsão.

Figura 7 - Treinamento e testes de previsão de ressuprimento Material "A"

Na figura 7, os dados entre semana 46 e 52 A tabela 3 apresentada abaixo, mostram


apontam os resultados da previsão para detalhadamente os resultados da área de
suprimento (em vermelho) e os dados em azul teste apresentada pela figura 7, mostrando
representam os dados reais do sistema. que os erros entre o Real e o Previsto não
ultrapassaram a casa de 0,2%.

Tabela 3- Comparação entre Real x Previsto com apresentação do erro

7. CONCLUSÃO de material. Logo, os custo relacionados ao


gerenciamento de inventário também
Neste estudo, um novo modelo de previsão
diminuem. A simulação dos dados como vista
para suporte a gestão de inventário é
pode beneficiar também reduzindo os custos
apresentado, baseado em RNAs recorrentes
relacionados a colocação de pedido, os
pois tem vantagens por ter maior precisão e
chamados "Ordering Costs", atua diretamente
robustez através de RNAs feedfoward. Os
na redução de custos de inventário, os
resultados da previsão mostram que a
chamados "Carrying Costs".
implementação de tal modelo tende a
minimizar as incertezas no que diz respeito ao Através da figura 7 também fica claro que o
ressuprimento do material "A", podendo ser modelo de previsão testado aponta uma
estendido analogamente para qualquer tipo aderência grande a necessidade real do

Gestão da Produção em Foco - Volume 19


201

material "A" no período relacionado, logo os tomadas de decisão, a fim de diminuir os


custos relacionados a falta de material podem níveis de inventário ao ponto mínimo sem
ser excluídos da análise gerencial. riscos de escassez de material, resultando em
redução de custos relacionados ao inventário.
Este modelo também traz muitos benefícios
para os gestores auxiliando-os em suas

REFERÊNCIAS [5] FINE, Terrence L. Feedforward Neural


Network Methodology, Statistics for Engineering
[1] Silver, E. A., D. F. Pyke, R. Peterson. 1998. and Information Science. Ed. Springer, 1999.
Inventory Management and Production Planning
and Scheduling, John Wiley & Sons, New York. [6] M.G. Ines and I. Pedro, Multi-step learning