Você está na página 1de 250

Editora Poisson

Gestão da Produção em Foco


Volume 14

1ª Edição

Belo Horizonte
Poisson
2018
Editor Chefe: Dr. Darly Fernando Andrade

Conselho Editorial
Dr. Antônio Artur de Souza – Universidade Federal de Minas Gerais
Dra. Cacilda Nacur Lorentz – Universidade do Estado de Minas Gerais
Dr. José Eduardo Ferreira Lopes – Universidade Federal de Uberlândia
Dr. Otaviano Francisco Neves – Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
Dr. Luiz Cláudio de Lima – Universidade FUMEC
Dr. Nelson Ferreira Filho – Faculdades Kennedy

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)


G393
Gestão da Produção em Foco– Volume 14/
Organização Editora Poisson – Belo
Horizonte - MG : Poisson, 2018
250p
Formato: PDF
ISBN: 978-85-93729-55-3
DOI: 10.5935/978-85-93729-55-3.2018B001

Modo de acesso: World Wide Web


Inclui bibliografia

1. Gestão da Produção 2. Engenharia de


Produção. I. Título

CDD-658.8

O conteúdo dos artigos e seus dados em sua forma, correção e confiabilidade são
de responsabilidade exclusiva dos seus respectivos autores.

www.poisson.com.br

contato@poisson.com.br
SUMÁRIO
Capítulo 1: Um panorama da produção científica sobre o Problema de
Dimensionamento e Sequenciamento de Lotes Multinível ................................... 7
(Talita Mariana Pinho Schimidt, Nathália Cristina Ortiz da Silva, Cassius Tadeu Scarpin, Deidson
Vitório Kurpel, Matheus Bazo do Nascimento)

Capítulo 2: Estudo de viabilidade da implantação de lixeiras ecológicas feitas de


garrafas pet em duas escolas públicas ............................................................... 21
(Raimundo Lázaro de Oliveira Júnior, Nilson Rodrigues Barreiros)

Capítulo 3: Análise da gestão da qualidade em uma indústria de cosméticos de


pequeno porte à luz do Total Quality Management ............................................. 28
(Paulo Renato Pakes, Brena Bezerra Silva, Bruna Cristina Facirolli, Gustavo Roberto Goss de
Oliveira, Amanda Silva Lemes, Gabriela Dias Viana)

Capítulo 4: Uma análise exploratória das dificuldades logísticas na produção de


café no interior do Estado de São Paulo .............................................................. 38
(Paulo Renato Pakes, Brena Bezerra Silva, Fernando Pimenta Rodrigues, Guilherme de Melo
Godoy, Willian Pereira Turqueti, Gabriela Dias Viana)

Capítulo 5: Aplicação de ferramentas da qualidade para o descarte de residuos


sólidos no aeroporto de Guarulhos . .................................................................... 45
(Elisabeth Granzoto Pacheco, Marcelo A.S.Fernandes, Vagner de Oliveira Mourão, Celso
Jacubavicius, Wanny Arantes Bongiovanni Di Giorgi)

Capítulo 6: Governança de ti e ti verde: uma coesão possível ............................ 58


(Michel de Jesul Borges, Libório de Oliveira Jùnior)

Capítulo 7: A competitividade brasileira sob a ótica do global competitiveness


index (GCI): um estudo empírico ......................................................................... 67
(Clarisse Ferrao, Edson Walmir Cazarini)

Capítulo 8: Aplicação do programa 5S em uma oficina veicular ......................... 77


(Gabriel Willians de Souza Aguiar, Stella Jacyszyn Bachega, Nilson José Fernandes, Rogério
Santana Peruchi)
SUMÁRIO
Capítulo 9: Logística do transporte varejista: uma análise da valorização da
venda de produtos do vestuário feminino através do e-commerce..................... 87
(Thais Rodrigues Pinheiro, Míriam Carmen Maciel da Nóbrega Pacheco, Francisco de Assis
Bandeira Alves, Willer Firmiano da Silva)

Capítulo 10: Mudanças Organizacionais Pós-Implantação do Sistema de


Informação em Supermercados ........................................................................... 97
(Carlaile Largura do Vale, Sabrina Fêlix Custódio, Taiana Mercedes Ruiz Ferreira, Ademir Luiz
Vidigal Filho, Lucélia Largura do Vale Vidigal)

Capítulo 11: A qualidade em serviços e a vantagem competitiva: determinantes


para os Processos Primários de Serviço (PPS).................................................... 107
(Marcelo Alexandre Siqueira De Luca, Fabiano Barreto Romanel, Rafael Pires Machado )

Capítulo 12: Análise comparativa entre estilos de liderança abordados pelas


literaturas acadêmica e empresarial .................................................................... 116
(Caio Marcelo Lourenço, Raquel Lazzarini Dos Santos Françoso, Fernando César Almada Santos,
Mateus Cecílio Gerolamo)

Capítulo 13: Planejamento de traços de concreto de pós reativos para


recuperação de estruturas com redução no consumo de cimento ..................... 127
(João Vitor Brunelli Lemes, Antônio Cleber Gonçalves Tibiriçá, Deise Mara Garcia Alves
Tressmann, Roziani Maria Gomes, Luana De Oliveira Gomes )

Capítulo 14: Estratégia de produção apoiada por big data: proposta de


framework............................................................................................................. 135
(Alceu Gomes Alves Filho, Fernando Celso De Campos)

Capítulo 15: Potencialidades no uso de um jogo de tabuleiro no ensino de


Engenharia de Produção ..................................................................................... 145
(Leilane de Araújo Santos, Miriane Siqueira dos Santos, Patricia Dias de Souza Costa, Samantha
Castelari, Marcio Eugen K. Lopes Santos)

Capítulo 16: JIT: Um estudo de caso em uma escola de ensino profissionalizante


o Sudeste Goiano ................................................................................................. 158
(Gustavo Henrique Correia Rosa Leandro, Karine de Jesus Rodrigues Santana, Rodrigo Pereira
Costa)
SUMÁRIO
Capítulo 17: Gestão de operações em serviços securitários: foco no ciclo
produtivo ............................................................................................................. 167
(Fernanda Santos Lima, Evaldo Cesar Cavalcante Rodrigues, Roberto Bernardo da Silva,
Glaucemária da Silva Rodrigues, Ronan Cruz Amoras)

Capítulo 18: Análise da viabilidade da utilização do software Warehouse


Management System na gestão de armazenagem de produtos e materiais....... 177
(Maurício Massami Kuroda, José Tomadon Júnior)

Capítulo 19: Implantação do Sistema Kanban para o controle do almoxarifado em


uma empresa do setor industrial. ......................................................................... 188
(Juan Pablo Silva Moreira, Célio Adriano Lopes, Igor Caetano Silva, Janaína Aparecida Pereira.)

Capítulo 20: Estudo comparativo entre fachada ventilada e fachada convencional


em duas obras na cidade de Manaus ................................................................. 198
(Wesley Gomes Feitosa, Charles Ribeiro de Brito, Welleson Feitosa Gazel, Mesaque Silva de
Oliveira, Mª do Perpetuo Socorro Lamego Oliveira, Raimundo Nonato Alves da Silva)

Capítulo 21: Aplicação de engenharia reversa em uma de fresa para usinagem


de madeira ........................................................................................................... 206
(Giuliano Cesar Breda De Souza, Jéssica Bruna Perussi, Nailyn Andrade Moço, Rafael Machado
Guimarães)

Capítulo 22: Melhoria da Qualidade do Processo Produtivo em uma Indústria de


Artefatos de Borracha de Silicone, decorrente da Silicose em trabalhadores .... 216
(Rafaela Rodrigues Caldas, Wagner Costa Botelho, Renata Maciel Botelho)

Capítulo 23: O Ensino de Empreendedorismo no Curso de Engenharia de


Produção: Um estudo de caso em uma Instituição de Ensino Privada ............... 223
(Rodrigo José de Moraes Vasconcelos, Gilciara Paula dos Santos, Danielle Mayumi Campos
Tamaki)

Autores: ................................................................................................................ 231


Capítulo 1

Talita Mariana Pinho Schimidt


Nathália Cristina Ortiz da Silva
Cassius Tadeu Scarpin
Deidson Vitório Kurpel
Matheus Bazo do Nascimento

Resumo: Certos ambientes produtivos possuem múltiplos níveis de produção em


seu processo. Esta configuração requer sincronia entre estes níveis, o que exige a
realização de forma simultânea do dimensionamento e sequenciamento de lotes. O
objetivo desta pesquisa é analisar de forma quantitativa a produção científica sobre
o Problema de Dimensionamento e Sequenciamento de Lotes Multinível. A
abordagem metodológica utilizada é de revisão sistemática da literatura, tendo
como base a teoria bibliométrica e análise de redes. Utiliza-se como base de dados
a plataforma ISI Web of Science, para o tratamento dos dados utiliza-se os
softwares Bibexcel® e Pajek®. Para obtenção da amostra as expressões-chave
utilizadas foram “multi-level” AND “lot sizing” AND “scheduling”, gerando uma
amostra final de 46 publicações. São apresentados neste artigo, resultados sobre
os mais importantes autores, trabalhos, países de origem e periódicos de
publicações. Este estudo contribui para consolidação do conhecimento e
desenvolvimento de novas pesquisas acerca do problema em estudo.

Palavras chave: Multinível. Dimensionamento de Lotes. Sequenciamento. Análise


Bibliométrica. Análise em Redes.
8

1. INTRODUÇÃO estudo. Por exemplo, Ferreira (2006)


apresenta abordagens matemáticas para a
O planejamento da produção é uma atividade
produção de bebidas que ocorre em mais de
que considera a melhor forma de se utilizar os
um nível. Além disso, aplica-se também a
recursos produtivos, com o objetivo de
indústrias alimentícias e eletrônicas, como
satisfazer suas metas em um certo período,
pode ser observado em [6] e [7].
chamado horizonte de planejamento. O
dimensionamento de lotes é um dos mais Diante deste contexto, o objetivo desta
importantes e difíceis problemas no pesquisa é analisar a produção científica
planejamento da produção [1]. De acordo sobre Problemas de Dimensionamento e
com Brahimi et al. (2006), modelos Sequenciamento de Lotes Multinível. A
matemáticos que envolvem dimensionamento abordagem metodológica utilizada é de
de lotes (Lot Sizing) tem por objetivo revisão sistemática da literatura, tendo como
determinar o tamanho dos lotes a serem base a teoria bibliométrica e análise de redes.
produzidos em um determinado horizonte de
planejamento. Buscam desta forma, minimizar
custos de produção e estoque, atender às 2. REVISÃO DA LITERATURA
demandas e respeitar as limitações de
2.1 MODELOS INTEGRADOS DE
capacidade.
DIMENSIONAMENTO E SEQUENCIAMENTO
Para Pinedo (2005), a programação da DE LOTES
produção pode ser definida como a decisão
Nos últimos anos os modelos matemáticos
de quando e como cada tarefa deve ser
aplicados à programação da produção
realizada, para que certos objetivos sejam
evoluíram quanto às suas formulações,
cumpridos, podendo estes ser: redução de
visando o objetivo comum de atender as
estoques, entregas realizadas no tempo
necessidades reais das indústrias. Isto posto,
correto, realização da produção no menor
na literatura são encontrados modelos
tempo possível ou então, minimização de
matemáticos que abrangem de forma
ociosidade dos recursos na execução das
simultânea o dimensionamento de lotes e o
tarefas de produção. O sequenciamento é um
sequenciamento da produção. Trabalhos
problema de programação da produção, em
importantes, que apresentam modelos
que uma ordenação dos postos de trabalho
matemáticos que realizam estas duas
determina completamente uma sequência. O
atividades simultaneamente podem ser
problema mais simples de sequenciamento é
citados, como Fleischmann (1990), Drexl e
aquele que possui um único recurso e todos
Haase (1995), Fleischmann e Meyr (1997),
os tempos de processamento são
Drexl e Kimms (1997), Haase e Kimms (2000),
determinísticos [4].
Meyr (2000), Meyr (2002), Fabiano e Toledo
O presente trabalho trata especificamente de (2006), Ferreira (2006), FERREIRA et al.
ambientes de produção que possuem mais (2009).
de um nível (ou estágio) produtivo. Tratam-se
De acordo com Ferreira (2006), “estes
de cenários produtivos encontrados na
modelos pretendem responder questões
prática industrial atual. Esta configuração
como: Quanto, quando e em que sequência
requer sincronia entre os estágios, o que
produzir os itens, de forma a minimizar custos
exige a realização de forma simultânea do
tais como custo de estoque, atrasos e
dimensionamento e sequenciamento de lotes.
preparação? Se forem consideradas várias
Modelos matemáticos para Dimensionamento máquinas, deve-se ainda determinar quais
e Sequenciamento de Lotes Multinível (Multi- itens serão produzidos em cada máquina”.
level lot sizing and scheduling) têm sido Drexl e Kimms (1997) apresenta de forma
bastante explorados pela comunidade cronológica a evolução destes modelos, que
acadêmica recentemente, visto que, tratam-se está ilustrada de forma simplificada na Figura
de modelos muito próximos da realidade 1. Estes modelos servem como base para o
produtiva. Sendo assim, importantes entendimento do problema em estudo nesta
aplicações industriais têm sido publicadas, o pesquisa.
que evidencia a importância e relevância do

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


9

Figura 1. Evolução dos modelos matemáticos de acordo com (DREXL; KIMMS, 1997).

Fonte: Os Autores (2016)

O modelo EOQ, (Economic Order Quantity) proposto por Harris (1913), é apresentado como um
modelo pioneiro no estudo de dimensionamento de lotes. Permite determinar tamanhos de lotes com
objetivo de minimizar custos de produção de um único item levando em consideração custos de
estocagem, e custos de preparação de máquina, sem considerar restrições de capacidade. Nesse
sentido, apresenta-se também o CLSP, Problema Capacitado de Dimensionamento de Lotes
(Capacited Lot Sizing Problem), que se caracteriza por permitir a partição do horizonte de
planejamento em períodos de tamanho suficiente, possibilitando a produção de múltiplos itens em
um mesmo período.
Fleischmann (1990) apresenta o modelo DLSP, Problema Discreto de Dimensionamento e
Programação de Lotes (Discrete Lot Sizing and Scheduling Problem). Segundo Drexl e Kimms
(1997), a formulação matemática apresentada no DLSP é muito rigorosa. Este modelo se caracteriza
pela divisão dos períodos e também por restringir a produção ao máximo de um item por período.
De acordo com Pilkington e Meredith (2009), o DLSP possui complexidade NP-difícil e quando são
considerados tempos de preparo ou máquinas paralelas torna-se um problema NP-completo.
No trabalho de Drexl e Haase (1995) propõe-se o PLSP (Proportional Lot Sizing and Scheduling
Problem). Fleischmann e Meyr (1997) apresentam o Modelo GLSP, Problema Geral de
Dimensionamento e Sequenciamento de Lotes (General Lot Sizing and Scheduling Problem), onde
cada período é dividido em subperíodos sendo que em cada um dos subperíodos permite-se a
produção do lote de um único tipo de item.
Meyr (2000) apresenta o GLSP-ST, Problema Geral de Dimensionamento e Sequenciamento de
Lotes – Tempos de Setup (General Lotsizing and Scheduling Problem - Setup Times). Trata-se de
uma variação do GLSP, que considera tempos de setup, sendo uma abordagem que se aproxima
mais da realidade encontrada nas indústrias.
Ainda sobre a evolução dos modelos, Meyr (2002), apresenta uma extensão dos modelos GLSP e
GLSP-ST. O modelo GLSPPL, Problema Geral de Dimensionamento e Sequenciamento de Lotes
para Linhas de Produção em Paralelo (General Lotsizing and Scheduling Problem for Parallel
Production Lines). O GLSPPL é um modelo que leva em consideração o fato de se trabalhar com
máquinas paralelas distintas.

2.2 MODELOS DE PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO EM MULTINÍVEIS


De acordo com Ferreira et al. (2013), “Certos ambientes produtivos exigem, além da programação, a
sincronia de mais de um estágio ou nível da produção, tornando esta programação ainda mais
complexa. Em determinados cenários de produção, é desejável ainda que, em cada estágio, o
dimensionamento e o sequenciamento dos lotes de produção sejam definidos simultaneamente,
uma vez que estas decisões são dependentes uma da outra e ambas podem consumir altos níveis
de utilização de capacidade de produção”.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


10

Em busca de satisfazer tais necessidades, Drexl e Kimms (1997) apresentam Modelo Geral para
Dimensionamento e Sequenciamento de Lotes Multinível ( Multi-level lot sizing and scheduling). Este
modelo considera que a produção de um item final requer a produção de itens intermediários, os
quais são produzidos em estágios anteriores.
Ambientes de produção que necessitam de mais de um nível produtivo vêm sendo estudados
recentemente, uma vez que diversos trabalhos neste seguimento têm sido publicados nos últimos
anos. Desta forma, pode-se citar trabalhos como: Araujo et al. (2007), Seeanner e Meyr (2013),
Mohammad et al. (2009), Ferreira et al. (2009), Ferreira et al. (2008), Toledo et al. (2009), Helber
(2010), Transchel et al (2011), Ferreira et al. (2013), Ulbricht (2015b), Ulbricht (2015a), Ferreira
(2006) e Boonmee e Sethanan (2016). Estes trabalhos tratam de diferentes abordagens e aplicações
para o Problema de Produção em Multiníveis.
Como por exemplo, pode se destacar, por serem artigos recentes para a literatura, Ferreira et al.
(2013) onde propõe-se reformulações matemáticas para o problema Multiestágio aplicado à uma
produção de bebidas proposto por Ferreira et al. (2009).
Ulbricht (2015a) também pode ser citado como trabalho recente sobre esta abordagem. Neste
trabalho são apresentadas formulações matemáticas para resolução de problemas Multiestágios,
aplicado à uma indústria que produz placas eletrônicas. No caso do processo para a indústria de
placas eletrônicas, existem dois níveis produtivos e entre estes um estoque intermediário com tempo
mínimo de permanência. Sendo assim, este trabalho trata-se de uma variação do Problema de
Produção em Multiníveis, explorado nesta pesquisa.
Boonmee e Sethanan (2016) tratam de um importante e atual trabalho, onde é realizada uma
aplicação do problema capacitado para programação da produção em múltiplos níveis à uma
indústria alimentícia. Neste trabalho faz-se uso da Programação Inteira Mista (PIM), na resolução de
problemas de pequeno porte. Para resolução de problemas de grande porte utiliza-se a Otimização
por Enxame de Partículas (PSO), no entanto a aplicação tradicional não foi o suficiente. Os autores
apresentam, portanto, uma variação da PSO, que permitiu chegar à solução ótima do problema e
apresentou resultados satisfatórios quando comparadas a outras heurísticas.

2.3 MÉTODOS DE RESOLUÇÃO


Modelos matemáticos que tratam da produção em mais de um nível são problemas complexos e de
difícil resolução. Sendo assim, recorre-se a métodos de resoluções não exatos.
Estes problemas fazem uso da PIM e podem ser resolvidos por métodos exatos (como por exemplo
Branch and Cut e Branch and Bound), heurísticos ou meta-heurísticos. No entanto, segundo Ferreira
(2006), à medida que os problemas aumentam, e se aproximam da realidade, aumenta também a
complexidade de resolução.
De acordo com Ferreira et al. (2008), “[...] modelos de otimização inteira mista são difíceis de serem
resolvidos, mesmo aqueles que considerem apenas o dimensionamento de lotes. Alguns deles
pertencem à classe de problemas NP-difícil”. Já para Meyr (2002), “ para alguns problemas, até o
fato de encontrar uma solução factível para iniciar a pesquisa de melhores soluções, é uma difícil
tarefa. Muitos pesquisadores têm recorrido a heurísticas, abordagens meta-heurísticas, hibridização
ou um método de relaxação do modelo, para tratar da complexidade de encontrar soluções ótimas
ou quase ótimas em tempo computacional razoável”.
A maior parte dos métodos para resolver modelos que realizam o dimensionamento e
sequenciamento da produção de forma integrada utilizam métodos híbridos que combinam
heurísticas e relaxações [13].

3. METODOLOGIA
3.1 BIBLIOMETRIA –MÉTODO UTILIZADO
De acordo com Pilkington e Meredith (2009), a bibliometria pode ser definida como o emprego de
padrões de escrita, publicações e de literatura pela aplicação de diversas análises estatísticas.
Outra definição de análise bibliométrica apresentada por estes mesmos autores é: “a técnica de

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


11

investigação que tem por fim a análise do tamanho, crescimento e distribuição da bibliografia num
determinado campo do conhecimento”. Desse modo, é essencial compreender as três leis básicas
da bibliometria, que tem relação direta com presente trabalho e proporciona melhor entendimento
dos dados. i) Lei de Zipf: Mensura a frequência de ocorrência de palavras; ii) Lei de Lotka: Trata da
produtividade de autores; e iii) Lei de Bradford: Diz respeito à produtividade de periódicos
(BUFREM; PRATES, 2005).
As leis bibliométricas fazem uso da análise matemática e estatística de dados para investigar e
quantificar a produção científica sobre determinado assunto. A análise de redes sociais é uma
técnica interdisciplinar desenvolvida sob forte influência matemática, com a teoria dos grafos e da
ciência da computação. No estudo bibliométrico vem se consolidando como ferramenta fundamental
de estudo de interação entre autores e temas relacionados, como as redes de citações e de
cocitações (OTTE; ROUSSEAU, 2002). Seu uso se justifica, quando por meio desta, torna-se
possível identificar um conjunto de autores e suas respectivas ligações, acerca de determinado
tema ou área.
Análises quanto à citação possibilitam a identificação de padrões como autores mais citados, mais
produtivos e procedência geográfica (ARAÚJO, 2006). Partem da premissa de que autores citam
artigos que consideram importantes no desenvolvimento de suas pesquisas e, segundo Bufrem e
Prates (2005), qualquer ato de citar o autor de artigo anterior é sempre significativo. Sendo assim, os
trabalhos mais citados teriam maior influência sobre a área do que aqueles menos citados (A. TAHAI
AND M. J. MEYER, 1999).
Já a rede de cocitação verifica o grau de ligação entre dois ou mais artigos pelo número de
documentos que os citam (ARAÚJO, 2006). Esta análise tem como premissa fundamental que,
quanto mais dois documentos são cocitados conjuntamente, maior é a probabilidade de que tenham
conteúdos relacionados (SPINAK, 1996). Logo, se justifica à medida que possibilita a identificação
de grupos de ciência acerca de um tema em estudo, estabelecidos por conjuntos de autores que
frequentemente se referenciam (ENDLER et al., 2015).

3.2 DEFINIÇÃO DA BASE DE DADOS


No que diz respeito à determinação da base de dados, optou-se por utilizar a plataforma ISI Web of
Science (WoS), por incluir revistas com fator de impacto calculado pelo JCR ( Journal Citation
Report), recurso que permite avaliar e comparar os periódicos e sua relevância em uma
determinada área. Além de fornecer um conjunto relevante de informações para a análise
bibliométrica (M. CARVALHO, A. FLEURY, 2013).
A base ISI – Web of Science, integrante do grupo Thomson Scientific, se trata da base mais antiga
que existe no contexto da literatura internacional, e por consequência, a que possui o maior número
de dados para a realização da análise bibliométrica. Além disso, abrange revistas com maior fator
de impacto se comparada com bases como a da Scopus (CHADEGANI et al., 2013).

3.3 DEFINIÇÃO DA AMOSTRA


A amostra de artigos foi definida a partir da escolha da base de dados, da identificação das
palavras-chave, da determinação das áreas de pesquisa e dos tipos de documentos publicados. A
pesquisa e definição da amostra foram restringidas até a data de 29/02/2016, data de realização da
pesquisa na base selecionada. O processo de determinação da amostra e seus respectivos
resultados quanto ao número de trabalhos está ilustrado na
Figura 2.
Figura 2. Processo de definição da amostra.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


12

Fonte: Os Autores (2016).

3.4 TRATAMENTO BIBLIOMÉTRICO DOS A partir desta análise foi possível identificar
DADOS COLETADOS que a primeira publicação que abordou um
ambiente de produção em mais de um nível
O tratamento bibliométrico dos registros
ou estágio ocorreu no ano de 1993 (SUM e
coletados foi realizado em três etapas, sendo
HILL, 1993).
estas:
Sum e Hill (1993) apresentam uma nova
Etapa I) Estatística descritiva, onde foram
estrutura para tratar de Problemas de
realizadas análises como: Distribuição das
Planejamento e Controle da Produção em
publicações sobre o tema ao longo dos anos,
tempo contínuo. Considera-se parâmetros e
autores que mais publicam sobre o tema em
variáveis como: capacidade, custo total,
pesquisa, periódicos que mais publicam e por
tamanhos de lotes, data de entrega,
fim realizou-se análise do número de citações
sequência das tarefas, múltiplos níveis de
dos trabalhos e como estas se têm sido
produção, horizonte finito de planejamento,
citadas ao longo do tempo.
atraso e uma demanda dinâmica.
Etapa II) Análise de redes sociais. Construiu-
A evolução quanto ao volume de publicações,
se uma rede de cocitação, com o objetivo de
de acordo com o gráfico, apresenta caráter
identificar bases teóricas e grupos de autores
cíclico com picos nos anos de 1993, 1996,
que publicam sobre o assunto abordado pela
2010, 2011 e 2013, intercalados por períodos
pesquisa. Para organização dos registros
com menor ou volume ou nenhuma
coletados na base de dados WoS, fez-se uso
publicação, como os anos de 2000, 2001 e
do software Bibexcel (PERSSON e DANELL,
2014. O ano de 2013 apresentou o maior
2009) e para a construção da rede de
número de publicações com seis trabalhos no
cocitação utilizou-se o software Pajek
total, o que mostra que é um tema ainda
(BATAGELJ, 1998).
pouco publicado. Esta análise permitiu
constatar que o tema abordado no presente
estudo é um tema recente, devido à primeira
4. ANÁLISE DOS RESULTADOS
publicação que trata de um ambiente de
A primeira análise descritiva realizada foi produção que considera mais de um estágio
quanto à evolução das publicações ao longo ou nível produtivo ter ocorrido no ano 1993, e
dos anos. Esta análise busca identificar por conter um número pequeno de
tendências de crescimento ou declinação no publicações ainda hoje, quando comparado a
desenvolvimento de estudos na área que trata outras abordagens relacionadas à
de modelos matemáticos para Problemas de Programação da Produção, como por
Produção que envolvem Multiestágios, exemplo Scheduling ou Sequenciamento da
classificando os artigos da amostra de acordo Produção.
com o ano de publicação (Figura 3).

Figura 3. Evolução das publicações da amostra ao longo dos anos.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


13

Fonte: Os Autores (2016)


Uma segunda análise, que tem por objetivo mais publicam sobre o tema abordado. Sendo
identificar os principais autores, países de que o autor que possui maior volume de
origem e periódicos quando se trata de publicações é o autor A. Kimms, com 5
volume de publicação, está apresentada nas trabalhos publicados. Em seguida encontram-
figuras: se os autores S. Helber, J. Jeunet e H.
Tempelmeier em segundo lugar, com 3
A partir da análise representada pela Figura 4,
publicações cada.
foi possível identificar os dez autores que

Figura 4. Dez autores com maior número de publicação da amostra.

Fonte: Os Autores (2016)

A estratificação das publicações por país de 6. A pesquisa foi realizada para todos os
origem demonstra um predomínio acentuado países da amostra e a análise para os 10 que
de publicações originárias da Alemanha, que mais publicam. Vale ressaltar que o Brasil
conta com 15 trabalhos publicados, enquanto aparece em 6º lugar nesta análise, com 2
os Estados Unidos, que aparece em segundo artigos publicados.
lugar tem 7 trabalhos publicados e a França

Figura 5. Distribuição das publicações da amostra por país de origem.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


14

Fonte: Os Autores (2016)

Além disso, analisou-se também a distribuição classificando como a revista que mais publica
dos artigos da amostra por periódico de sobre o tema, e em seguida, International
publicação, observa-se na Figura 6 os Journal of Production Economics, International
periódicos com no mínimo duas publicações. Journal of Production Research e OR
A revista European Journal of Operational SPECTRUM (ou OR SPEKTRUM) com 6
Research apresenta 8 publicações, se publicações cada.

Figura 6. Comparativo da distribuição das publicações da amostra pelos principais periódicos.

Quanto ao número de citações referente aos , mostra o quanto estes artigos foram citados
10 trabalhos mais citados, foram realizadas ao longo dos anos, destacando a importância,
sob duas diferentes perspectivas. A primeira por exemplo, de artigos mais antigos, mas
apresenta de forma detalhada os dados de que servem de referência para as
cada um dos dez trabalhos que se destacam publicações mais recentes.
quanto ao número de citações e seus Em relação ao número de citações, o artigo
respectivos periódicos de publicação. A Drexl e Kimms (1997) destaca-se em relação
segunda análise apresentada na aos demais, com 239 citações. Este trabalho
apresenta uma revisão da literatura de todos
os modelos matemáticos que tratam da

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


15

programação da produção, aplicando de dos mesmos, até o ano de publicação (1997),


forma integrada o dimensionamento e os autores propõem um modelo que envolve a
sequenciamento de lotes. Além de apresentar situação real da produção em Múltiplos Níveis
os modelos clássicos existentes e a evolução (ou estágios).

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


16

Tabela 1. Classificação Dos Artigos Quanto Ao Número De Citações

Fonte: Os Autores (2016)

No que concerne a distribuição dos trabalhos pretende pesquisar sobre Problemas de


mais citados ao longo dos anos. Analisar Produção em Múltiplos Níveis.
como a curva de citações dos artigos
Esta análise dá destaque também para o
apontados como mais importantes devido à
artigo Drexl e Kimms (1997), publicado no
quantidade de vezes que foram citados por
periódico European Journal of Operational
outros autores é uma análise relevante. A
Research. Este foi apontado como o trabalho
partir desta é possível identificar artigos
que possui o maior número de citações, além
importantes para o estudo do tema abordado,
disso, a análise dos resultados representados
como por exemplo, um artigo que é citado
pela Figura 7 mostra que este é o trabalho
mesmo que por menos autores, porém por um
que foi mais citado no decorrer dos anos,
tempo significativo em relação ao tempo em
desde que o que mesmo foi publicado até o
que este tema está sendo pesquisado, trata-
ano de 2014, sendo que em 2011 foi citado
se de um trabalho importante para o assunto,
29 vezes. Trata-se de um trabalho relevante
uma vez que o mesmo continua sendo citado
para a literatura, uma vez que o mesmo tem
com o passar dos anos e com a evolução dos
sido citado em trabalhos recentes. De acordo
modelos matemáticos.
com o gráfico, este trabalho somente não foi o
A distribuição temporal dos 10 artigos mais mais citado por outros autores no ano de
citados revela que a primeira citação ocorreu 2015, ficando em 2º lugar. Em 2015, pode-se
em 1995, de Sum e Hill (1993) que tem como destacar o trabalho Buschkühl et al. (2010)
título “A New Framework for Manufacturing que se trata de uma revisão da literatura, um
Planning and Control-Systems”, trabalho que Review que traz diferentes perspectivas e
apareceu na análise de evolução das abordagens do Dimensionamento de Lotes
publicações ao longo do tempo como o Capacitado, assunto que serve como
primeiro a ser publicado, sobre o tema referência teórica para o tema em pesquisa,
abordado. Além disso, observa-se que o uma vez que a partir destes modelos que
mesmo continuou sendo citado até o ano de surgiram os modelos clássicos em que o
2012. Sendo assim, pode-se dizer que esta é modelo para Problemas em Múltiplos níveis
uma importante produção quando se (Multilevel Problem) se baseia.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


17

Figura 7. Distribuição temporal das citações aos 10 artigos mais citados na base WoS.

Fonte: Os Autores (2016)

Com o objetivo de identificar bases teóricas revisão em abordagens para o


sobre as quais os artigos da amostra foram dimensionamento de lotes no planejamento
desenvolvidos e a relação que estes têm entre da produção capacitado. A partir desta
si, construiu-se uma Rede de Cocitação revisão, os autores concluem que a limitação
(Figura 6). Esta rede relaciona as citações e de capacidade, assim como imprecisão na
as referências utilizadas por pelo menos 8 data de entrega, demandas incertas e outras
artigos da amostra. realidades presentes nas indústrias são os
pontos críticos do problema, tornando-o mais
Para a análise dos assuntos sobre os quais se
difícil de resolver.
referem os trabalhos mais utilizados como
referência a rede de cocitação foi dividida em Drexl e Kimms (1997) apresentam uma
quatro clusters (agrupamentos de cocitações revisão de modelos matemáticos que tratam
de um mesmo tema). do dimensionamento e sequenciamento da
produção de forma simultânea. A evolução
O cluster 1 aponta artigos que tratam de
dos modelos é apresentada e suas
temas que servem como base para o
características discutidas e com base nos
entendimento do problema em pesquisa
modelos discutidos é proposto um Modelo
(Dimensionamento de Lotes e
Multinível. Pode-se destacar este artigo, pois,
Sequenciamento da Produção envolvendo
além de ser apontado pela análise de número
Múltiplos Níveis). Por exemplo, o trabalho
de citações como o trabalho mais citado
Whitin (1958) trata de uma abordagem para
sobre o tema em estudo, está entre os artigos
Lote Econômico, onde é apresentado um
mais utilizados como referência pelos
modelo dinâmico baseado em EOQ
trabalhos da amostra. O último trabalho que
(Economic Order Quantity), o qual é
constitui este cluster apresenta uma revisão
considerado como um modelo pioneiro no
dos modelos e algoritmos aplicados ao
seguimento do tema desta pesquisa. Martin
problema do dimensionamento de lotes
(1987) apresenta formulações de
capacitado (KARIMI et. al., 2003).
Programação Inteira e Mista (PIM) aplicada à
Programação da Produção. Por fim, O terceiro cluster possui quatro trabalhos que
Segerstedt (1996) propõe abordagens de apresentam diferentes perspectivas do
programação matemática e formulações de dimensionamento de lotes dinâmico. Maes
redução do problema para sistemas (1991) aborda um problema de
produtivos que possuem limitação de dimensionamento de lotes capacitado para
capacidade. múltiplos itens em um ambiente de produção
sob condições de demanda dinâmica.
O cluster 2 é constituído por Reviews, ou seja,
Propõe-se neste trabalho uma heurística nível-
artigos que apresentam uma revisão
a-nível, testada e comparada à solução ótima.
bibliográfica acerca de um assunto. O
Tempelmeier e Helber (1994) também
trabalho de Bahl (1987) dispõe de uma

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


18

apresenta uma abordagem para o problema agrupamento, Pochet e Wolsey (2006), se


de dimensionamento de lotes capacitado, trata de um livro que apresenta abordagens,
neste caso para múltiplos itens e níveis formulações e otimizações por meio de MIP e
produtivos. Neste trabalho propõe-se uma algoritmos para Planejamento e Programação
modificação de uma heurística já apresentada da Produção. Essa referência pode ser
para a resolução do problema. A heurística utilizada como base teórica para o estudo do
proposta busca encontrar de forma problema e métodos de resolução a serem
simplificada uma sequência de utilizados.
dimensionamento de lotes capacitado com
O último cluster, que conta com apenas um
apenas um nível e múltiplos itens. Derstroff
artigo representa uma abordagem para a
(1996) apresenta uma abordagem heurística
resolução do problema que aborda de forma
para o problema de dimensionamento de
integrada o Dimensionamento e
lotes capacitado dinâmico envolvendo
Sequenciamento de Lotes. Fleischmann
múltiplos itens e níveis. Com o uso da
(1990) propõe o modelo DLSP, Problema
Relaxação Lagrangeana o problema é
Discreto de Dimensionamento e
decomposto em vários problemas de
Sequenciamento de Lotes (Discrete Lot Sizing
dimensionamento para apenas um item e
and Scheduling Problem).
incapacitado. E o último trabalho deste

Figura 8. Rede de cocitação.

Fonte: Os Autores (2016)


5. CONCLUSÃO publicações que podem ser relevantes para o
tema, provenientes da América Latina, ou em
A detecção dos principais autores, artigos,
línguas que não sejam inglesas como
periódicos de publicações, países de origem
espanhol, português e o francês, não
dos autores e palavras-chave sobre o tema
necessariamente pertencem a amostra
em estudo contribuem demasiadamente para
utilizada.
a consolidação do conhecimento disponível e
para o desenvolvimento de novas pesquisas e Uma sugestão para pesquisas futuras pode
conceitos da área. Além disso, análises de ser uma avaliação sistemática do tema, uma
cocitação que apontam trabalhos que servem vez que ficou evidente pelos resultados
como base para o entendimento do assunto encontrados que, trata-se de um problema
podem significar um ponto de partida para muito complexo quando se aproxima dos
que estudiosos sobre o assunto. problemas reais encontrados no cotidiano das
indústrias. Caberia neste caso uma avaliação
Uma limitação quanto a pesquisar realizada é
que classificasse os trabalhos por: métodos
a escolha de uma plataforma para realização
de resolução; ambientes produtivos mais
da mesma. Apesar da Web of Science se
encontrados; aplicações mais frequentes;
tratar da plataforma mais antiga e que possui
tipos de função objetivo; critério de
o maior número de publicações e com maior
desempenho adotado; presença de estoque
fator de impacto quando comparada as
intermediário entre os níveis; existência ou
outras, a mesma tem predominância de
não de setups dependentes da sequência.
publicações em língua inglesa. Sendo assim,

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


19

REFERÊNCIAS
[1]. ARAÚJO, C. A. Bibliometria: evolução [15]. FANDEL, G.; STAMMEN-HEGENE, C.
história e questões atuais. Em Questão, v. 12, n. 1, Simultaneous lot sizing and scheduling for multi-
p. 11–32, 2006. product multi-level production. International Journal
of Production Economics, v. 104, n. 2, p. 308–316,
[2]. BAKER, K. R.; TRIETSCH, D. Principles of
2006.
Sequencing and Scheduling. [s.l: s.n.].
[16]. FEINBERG, J. Wordle. 2014. Disponível
[3]. BILLINGTON, P. J; MCCLAIN, J. O. . T. L.
em: <http://www.wordle. net>. Acesso em: abril de
J. Mathematical programming approaches to
2016.
capacity-constrained mrp systems: review,
formulation and problem reduction. Management [17]. FERREIRA, D. Abordagens para o
Science, v. 29, n. 10, p. 1126–1141, 1983. Problema Integrado de Dimensionamento e
Sequenciamento de Lotes da Produção de
[4]. BOONMEE, A.; SETHANAN, K. A GLNPSO
Bebidas. Tese de doutorado, p. 247, 2006.
for multi-level capacitated lot-sizing and scheduling
problem in the poultry industry. European Journal of [18]. FERREIRA, D.; ALMADA-LOBO, B.;
Operational Research, v. 250, n. 2, p. 652–665, MORABITO, R. Formulações monoestágio para o
2016. problema de programação da produção de
bebidas dois estágios com sincronia. Produção, v.
[5]. BRAHIMI, N. et al. Single item lot sizing
23, n. 1, p. 107–119, 2013.
problems. European Journal of Operational
Research, v. 168, n. 1, p. 1–16, 2006. [19]. FERREIRA, D.; MORABITO, R.; RANGEL,
S. Um modelo de otimização inteira mista e
[6]. BUFREM, L.; PRATES, Y. O saber
heurísticas relax and fix para a programação da
científico registrado e as práticas de mensuração
produção de fábricas de refrigerantes de pequeno
da informação. Ciência da Informação, v. 34, n. 2,
porte. Produção, v. 18, n. 1, p. 76–88, 2008.
p. 9–25, 2005.
[20]. FERREIRA, D.; MORABITO, R.; RANGEL,
[7]. BUSCHKÜHL, L. et al. Dynamic
S. Solution approaches for the soft drink integrated
capacitated lot-sizing problems : a classification
production lot sizing and scheduling problem.
and review of solution approaches. [s.l: s.n.]. European Journal of Operational Research, v. 196,
[8]. CHADEGANI, A. A. et al. A Comparison n. 2, p. 697–706, 2009.
between Two Main Academic Literature [21]. FLEISCHMANN, B. The discrete lot-sizing
Collections : Web of Science and Scopus and scheduling problem. European Journal of
Databases. v. 9, n. 5, p. 18–26, 2013. Operational Research, p. 337–348, 1990.
[9]. DE ARAUJO, S. A.; ARENALES, M. N.; [22]. FLEISCHMANN, B.; MEYR, H. The general
CLARK, A. R. Joint rolling-horizon scheduling of lotsizing and scheduling problem. OR Spektrum, v.
materials processing and lot-sizing with sequence- 19, n. 1, p. 11–21, 1997.
dependent setups. Journal of Heuristics, v. 13, n. 4,
p. 337–358, 2007. [23]. H. C. BAHL, L. E. R. AND J. N. D. G.
Determining lot sizes and resource requirements: a
[10]. DERSTROFF, H. T. AND M. A Lagrangean- review. Operations Research, v. 35, p. 329–345,
Based Heuristic for Dynamic Multilevel Multiitem 1987.
Constrained Lotsizing with Setup Times.
Management Science, v. 42, p. 738–757, 1996. [24]. H. TEMPELMEIER AND S. HELBER. A
heuristic for dynamic multi-item multi-level
[11]. DREXL, A., HAASE, K. Proportional capacitated lotsizing for general product structures.
lotsizing and scheduling. International Journal of European Journal of Operational Research, v. 75, n.
Production Economics, v. 40, p. 73–87, 1995. 2, p. 296–311, 1994.
[12]. DREXL, A.; KIMMS, A. Lot sizing and [25]. HAASE, K.; KIMMS, A. Lot sizing and
scheduling — Survey and extensions. European scheduling with sequence-dependent setup costs
Journal of Operational Research, v. 99, n. 2, p. and times and efficient rescheduling opportunities.
221–235, 1997. International Journal of Production Economics, v.
[13]. ENDLER, K. D. et al. Operations 66, p. 159–169, 2000.
Scheduling in Permutation Flow Shop Systems : a [26]. HARRIS, F. W. art12. Factory the Magazine
Bibliometric Contribution. IEEE LATIN AMERICA of Management, v. 10, p. 135–152, 1913.
TRANSACTIONS, v. 13, n. 12, p. 3966–3973, 2015.
[27]. HELBER, S.; Ã, F. S. Int . J . Production
[14]. FABIANO, C.; TOLEDO, M. Resolução de Economics A fix-and-optimize approach for the
um Problema Integrado de Dimensionamento de multi-level capacitated lot sizing problem. Intern.
Lotes e Programação da Produção utilizando Journal of Production Economics, v. 123, n. 2, p.
Algoritmo Genético. Encontro Nacional de 247–256, 2010.
Engenharia de Produção, p. 1–10, 2006.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


20

[28]. J. MAES, L. N. V. W. Capacitated dynamic Information Sciences. Journal of Information


lotsizing heuristics for serial systems. International Science, v. 28, n. 6, p. 441–453, 2002.
Journal of Production Research, v. 29, n. 6, p.
[42]. PILKINGTON A. e MEREDITH J. The
1235–1249, 1991.
evolution of the intellectual structure of operations
[29]. Journal Citation Reports - JCR. New York: management – 1980-2006: a citation/co- citation
Thomson Reuters. analysis. Journal of Operations Management, v. 27,
p. 185–202, 2009.
[30]. KARIMI, B.; FATEMI GHOMI, S. M. T.;
WILSON, J. M. The capacitated lot sizing problem: [43]. PINEDO, M. L. Planning and scheduling in
a review of models and algorithms. Omega, v. 31, manufacturing and services, 2005.
n. 5, p. 365–378, 2003.
[44]. SEEANNER, F.; MEYR, H. Multi-stage
[31]. KIMMS, A. Multi-level, single-machine lot simultaneous lot-sizing and scheduling for flow line
sizing and scheduling (with initial inventory). production. OR Spectrum, v. 35, p. 33–73, 2013.
European Journal of Operational Research, v. 89, n.
[45]. SEGERSTEDT, A. A capacity-constrained
1, p. 86–99, 1996.
multi-level inventory and production control
[32]. KIMMS, A. A genetic algorithm for multi- problem. International Journal of Production
level , multi-machine lot sizing and scheduling. v. Economics, v. 45, n. 1-3, p. 449–461, 1996.
26, 1999.
[46]. SPINAK, E. Diccionario Enciclopédico de
[33]. LEE, D.; XIROUCHAKIS, P.; ZUST, R. Bibliometría, Cienciometría e Informetría. [s.l: s.n.].
Disassembly scheduling with capacity constraints.
[47]. SUM A. V. HILL, C. C. A New Framework
CIRP Annals-Manufacturing Technology, v. 51, n. 1,
for Manufacturing Planning and Control-Systems.
p. 387–390, 2002.
Decision Sciences, 1993.
[34]. M. CARVALHO, A. FLEURY, A. P. L. An
[48]. TAHAI A.; MEYER M. J. A revealed
overview of the literature on technology
preference study of management journals’ direct
roadmapping (TRM): contributions and trends.
influences. Strategic Management Journal, v. 20, n.
Technological Forecasting and Social Change, v.
3, p. 279–296, 1999.
80, n. 7, p. 1418–1437, 2013.
[49]. TANG, O. Simulated annealing in lot sizing
[35]. M.WHITIN, H. M. W. AND T. Dynamic
problems $. v. 88, p. 173–181, 2004.
version of the economic lot size model.
Management Science, v. 5, 1958. [50]. TOLEDO, C. F. M.; FRANÇA P. M.;
MORABITO, R. A. Multi-population genetic
[36]. MARTIN, G. D. E. AND R. K. Solving multi-
algorithm to solve the synchronized and integrated
item capacitated lot-sizing problems using variable
two-level lot sizing and scheduling problem. Int J
redefinition. Operations Research, v. 35, p. 832–
Prod Res, v. 47, n. 11, p. 3097–3119, 2009.
848, 1987.
[51]. TRANSCHEL, S. et al. A hybrid general lot-
[37]. MEYR, H. Simultaneous Lotsizing and
sizing and scheduling formulation for a production
Scheduling by Combining Local Search with Dual
process with a two-stage product structure.
Reoptimization. European Journal of Operational
International Journal of Production Research, v. 49,
Research, v. 120, p. 311–326, 2000.
n. 9, p. 2463–2480, 2011.
[38]. MEYR, H. Simultaneous lotsizing and
[52]. ULBRICHT, G. Um Modelo De
scheduling on parallel machines. European Journal
Planejamento Da Produção Multiestágio Com
of Operational Research, v. 139, n. 2, p. 277–292,
Estoques Intermediários Limitados. [s.l.]
2002.
Universidade Federal do Paraná, 2015a.
[39]. MOHAMMAD M; FATEMI S. M. T., KARIMI
[53]. ULBRICHT, G. A Production Programming
B., T. S. A. Development of heuristics for
Model Multistage with Intermediate Stocks. v. 9, n.
multiproduct multi-level capacitated lotsizing
43, p. 2111–2124, 2015b.
problem with sequence-dependent setups. J Appl
Sci, v. 9, n. 2, p. 296–303, 2009. [54]. V. BATAGELJ, A. M. Pajek – program for
large network analysis. Connections, p. 47–57,
[40]. O. PERSSON, R. DANELL, J. W. S. How to
1998.
use Bibexcel for various types of bibliometric
analysis. Celebrating scholarly communication [55]. Y. POCHET AND L.A. WOLSEY.
studies, p. 9–24, 2009. Production Planning by Mixed Integer
Programming. Springer Series in Operations
[41]. OTTE, E.; ROUSSEAU, R. Social Network
Research and Financial Engineering, 2006.
Analysis: A Powerful Strategy, also for the

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


21

Capítulo 2

Raimundo Lázaro de Oliveira Júnior


Nilson Rodrigues Barreiros

Resumo: A proposta deste estudo é avaliar a viabilidade da implantação de lixeiras


ecológicas feitas de garrafas PET em duas escolas públicas, uma localizada em
Manaus e a outra no município de Maués, com a finalidade de promover e
incentivar a reutilização e reciclagem, além de inserir a educação ambiental dentro
do ambiente escolar. Na escola de Manaus, foram desenvolvidas palestras aos
alunos sobre sustentabilidade, coleta seletiva e a importância dos 3Rs, além de
oficinas para ensiná-los a confeccionar as lixeiras ecológicas. E em seguida, foi
feito um levantamento dos custos dos materiais utilizados na sua confecção. Como
as lixeiras já tinham sido implantadas no município de Maués, apenas aplicou-se
um questionário para saber se as lixeiras ecológicas feitas de garrafa PET eram
mais viáveis do que as industrializadas, levando em consideração os custos, a sua
durabilidade e a sua estética, contribuindo assim para os resultados do estudo.

Palavras-chave: Coleta seletiva. Educação Ambiental. Viabilidade. Reutilização.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


22

1 INTRODUÇÃO É preciso despertar-se para a educação


ambiental e a conscientização sobre a
A garrafa PET já faz parte do nosso cotidiano,
problemática do lixo urbano e de seus
uma vez que é utilizada para embalar
impactos ambientais negativos, sendo a
praticamente todos os líquidos, de remédios a
lixeira ecológica uma dentre várias
bebidas. Pode também ser encontrada em
possibilidades do reaproveitamento de
outros tipos de embalagens e em outros
materiais recicláveis.
setores da indústria, como o têxtil, que usa o
material como matéria-prima para a Desta forma, o objetivo deste trabalho é
fabricação de tecidos. analisar um caso onde as garrafas PET foram
utilizadas para a criação de lixeiras
Mas, apesar de ser um produto 100%
ecológicas como forma de reutilização e
reciclável e de baixo custo de produção, a
educação ambiental, já que envolveu alunos
fabricação e o descarte inadequado faz com
de uma escola pública. Na Escola Estadual
que a garrafa PET represente um enorme
Cacilda Braule Pinto foi desenvolvida palestra,
perigo para o meio ambiente e para a saúde
oficinas e em seguida um levantamento dos
humana. O acúmulo de lixo pode ser
custos dos materiais utilizados na confecção
observado nos centros urbanos e cada vez
dessas lixeiras feitas de garrafa PET. Na
em maior quantidade. Desse modo, há
Escola Estadual Prefeito Donga Michiles,
necessidade de se entender e praticar os 3Rs
aplicou-se apenas um questionário aos
(Reduzir, Reutilizar e Reciclar) nunca foi tão
alunos, pois as lixeiras feitas de garrafa PET já
importante.
tinham sido implantadas, pretendia-se assim,
De acordo com Sherman (1989), a reutilização através do questionário, verificar a viabilidade
e reciclagem são as melhores alternativas das mesmas com relação às lixeiras
para os resíduos plásticos. Os problemas industrializadas, bem como a satisfação dos
mais comuns para a reciclagem dos resíduos membros da escola, como alunos,
plásticos pós-consumo estão relacionados à professores e funcionários, quanto ao seu uso
implantação de um sistema de coleta seletiva e confecção.
e a processos para a adequada separação de
O trabalho é composto pela introdução do
materiais plásticos do lixo (PINTO, 1997).
estudo, onde é apresentado o problema. No
Diante dos problemas ambientais no mundo, segundo tópico é abordada a revisão da
é importante que as novas gerações possam literatura sob a visão de alguns autores sobre
ter assuntos como este em seus currículos questões ambientais como a reciclagem e
escolares, despertando nos alunos a cultura reutilização de garrafas PET. Contempla-se no
da reutilização das garrafas PET. Seu terceiro tópico a metodologia, seguida do
descarte quando bem trabalhado, tratado e quarto tópico que são os resultados e
acabado apresenta um resultado de discussões. E no quinto tópico, finaliza-se o
qualidade para diversos fins. presente estudo com as considerações finais.
As garrafas PET contribuem para a
contaminação do solo, além de serem
2 REVISÃO DA LITERÁRIA
responsáveis por grandes volumes nos
aterros sanitários e lixões. Assim, a ideia da 2.1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: PRÁTICA QUE
criação de lixeiras ecológicas com o DEVE SER INICIADA EM NÍVEL PRÉ-
reaproveitamento de materiais recicláveis ESCOLAR
como as garrafas PET, a ser realizada em
Um dos graves problemas ambientais
uma escola pública na cidade de Manaus, é
urbanos da atualidade são os resíduos sólidos
de extrema importância uma vez que diminui
que devido a sua importância e abrangência,
a quantidade de plásticos descartáveis, dá
tem sido tema central de muitos projetos de
nova vida aos materiais e contribui para a
educação ambiental. A educação ambiental é
educação ambiental. Apesar de ser um
definida por Guimarães (2003) como uma
assunto de grande discussão devido à
ação educativa que seja capaz de contribuir
crescente preocupação com o meio
para a transformação de uma realidade que
ambiente, vale ressaltar que poucos são os
se coloca em grave crise socioambiental.
artigos relacionados à viabilidade da
implantação de lixeiras ecológicas feitas de A questão dos resíduos sólidos domiciliares
garrafas PET. permanece sem solução adequada, o que
indica a necessidade de que tanto gestores
quanto educadores revejam suas atuações

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


23

nesse contexto (LOGAREZZI, 2006). Nós 2.2 A RECICLAGEM E REUTILIZAÇÃO DE


como produtores de lixo, devemos pensar em GARRAFAS PET
maneiras que minimizem tal produção e
No Brasil a inserção de embalagens PET
estudar alternativas para sua coleta e
ocorreu em 1988, trazendo inúmeras
destinação (PITOLLI, 2006).
vantagens ao consumidor mas também o
Educação ambiental é uma disciplina que desafio de sua reciclagem. Quando deixadas
evidencia a relação do homem com o em aterro sanitário, as garrafas PET
ambiente natural, as formas de conservá-lo, impermeabilizam as camadas em
preservá-lo e de administrar seus recursos de decomposição, prejudicando a circulação de
maneira adequada (UNESCO, 2005). Em 1992 gases e líquidos, sendo que quando
os Ministérios do Ambiente, da Educação, da devidamente separadas, elas proporcionam
Cultura e da Ciência e Tecnologia instituíram o para a cadeia de reciclagem o segundo
PRONEA (Programa Nacional de Educação melhor rendimento no comércio de sucata
Ambiental), e o IBAMA como responsável pelo (ABIPET, 2016).
cumprimento de suas determinações,
O modo mais convencional para se recuperar
elaborou diretrizes pela implementação desse
o valor agregado do PET é através da
programa, incluindo a educação ambiental no
reciclagem, no qual os produtos plásticos são
processo de gestão ambiental, tornando-a
moídos, lavados, submetidos à secagem e
presente em quase todas áreas de atuação
reprocessados, dando origem a novos
(IBAMA,1998).
produtos (ZANIN; MANCINI, 2004).
A educação ambiental deve ser iniciada em
É importante que os resíduos cujo destino
nível pré- escolar, estendendo-se por todas as
final são aterros sanitários, sejam o mínimo
etapas da educação sendo um processo
possível, pois quando estes não puderem ser
contínuo e permanente (GUIMARÃES, 2004).
evitados a melhor solução é que sejam
Muitas iniciativas já vêm sendo desenvolvidas
reciclados por reutilização ou recuperação
nas instituições de ensino, sendo a temática
(MANZINI; VEZZOLI, 2002).
do meio ambiente inserida nos currículos
escolares. Mas é importante que além das Ainda que parecidos por se tratarem de
informações e conceitos, a escola se processos que visam contribuir para a
disponha a trabalhar com atitudes, com sustentabilidade e a gestão de resíduos, os
formação de valores e com ações práticas conceitos de reciclar e reutilizar não são
para que o aluno possa aprender a respeitar e sinônimos. Segundo Mandarino (2002),
praticar ações voltadas à conservação reciclar envolve a transformação de algo
ambiental (MEDEIROS, A.B et al., 2011). novo, é colocar um material em um novo ciclo
de produção transformando-o em outro
No caminho de oferecer alternativas para a
produto com uma nova utilidade, como
formação de pessoas que construam um
exemplo a garrafa PET pode se transformar
futuro melhor, a educação e a
em fibra de poliéster.
ambientalização são importantes elementos,
tendo os professores papel essencial no Na reutilização o material não é colocado em
estímulo às transformações de uma educação um novo ciclo de produção, mas sim
que assuma um compromisso com a reaproveitado para outras finalidades, dando
formação de valores de sustentabilidade. A uma nova função para um material, como
educação ambiental abre espaço para que se exemplo a lixeira feita de garrafas PET. A
repense as práticas sociais e a importância criação de lixeiras ecológicas fundamenta-se
dos professores como mediadores e em princípios de desenvolvimento de
transmissores de conhecimento, no qual este produtos com visão sustentável, buscando a
é necessário para que os alunos adquiram redução do desperdício e do impacto
compreensão essencial do meio ambiente ambiental, sendo muito importante para o
global e local, e da importância da desenvolvimento sustentável (PENA;
responsabilidade de cada um para construir RODRIGUES; SCORTEGAGNA; UHDE, 2015).
uma sociedade ambientalmente sustentável
Sabe-se que o tempo de decomposição de
(JACOBI, 2004).
uma garrafa PET é de no mínimo 100 anos,
variando de acordo com o ambiente. Assim as
lixeiras ecológicas surgem como uma
alternativa no sentido de gerar uma nova
possibilidade em desenvolver um produto,

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


24

minimizando os impactos ambientais ao diversas atividades recreativas para os


substituir a matéria prima e a tecnologia por alunos.
materiais reutilizáveis (PENA; RODRIGUES;
Terceira fase: No dia 11 de agosto, foi
SCORTEGAGNA; UHDE, 2015).
realizada outra reunião com a diretora da
escola para escolhermos qual turma iria
confeccionar as lixeiras ecológicas. A turma
3 METODOLOGIA
escolhida foi o 8º ano 1, turno Vespertino.
Inicialmente o trabalho foi desenvolvido tendo Logo após, foi feita uma reunião com a
como principal fonte de apoio, pesquisas professora Jackeline Tavares, professora de
bibliográficas feitas em consulta a trabalhos e Ciências dos alunos do 8º ano 1, e foi
artigos científicos, além de sites de empresas decidido que a professora iria ceder os
e associações relacionadas ao tema em tempos de ciências para a confecção das
questão. Os tipos de pesquisas propostas lixeiras. E que a mesma iria atribuir pontos
foram duas: a pesquisa exploratória, fazendo para os alunos dependendo dos seus
com que os alunos conheçam um pouco mais desempenhos.
sobre a questão da sustentabilidade que é um
Quarta fase: Foi promovida uma palestra para
assunto que vem sido muito abordado
os alunos no dia 13 de setembro de 2016 no
recentemente. E o outro tipo de pesquisa
auditório da Escola Estadual Cacilda Braule
utilizada foi à pesquisa qualitativa, uma vez
Pinto iniciada às 15 h, na qual foi apresentado
que foram aplicados questionários aos alunos
o trabalho de estudo de viabilidade, além de
da Escola Estadual Prefeito Donga Michiles,
abordarmos outros assuntos como:
localizada no município de Maués, fazendo
Sustentabilidade, coleta seletiva, a
uma breve comparação sobre as lixeiras
importância dos 3Rs, entre outros assuntos
feitas de garrafas PET e as lixeiras
em questão. A palestra foi ministrada pela
industrializadas. Depois de escolher os tipos
professora Jackeline Tavares e teve término
de pesquisas utilizadas, o estudo de
às 17h 30 min.
viabilidade foi dividido em sete fases.
Quinta fase: No dia 9 de setembro de 2016,
A primeira fase: Foi feita uma reunião, no dia
foi aplicado um questionário aos alunos da
25 de julho de 2016 com a Senhora Maria do
Escola Estadual Prefeito Donga Michiles,
Carmo que é a diretora da Escola Estadual
localizada no município de Maués, para uma
Cacilda Braule Pinto, localizada em Manaus.
maior contribuição para os resultados do
A reunião tinha como objetivo apresentar a
estudo. Como as lixeiras ecológicas feitas de
proposta do presente trabalho e verificar a
garrafas PET foram implantadas nessa escola
aceitação da implantação das lixeiras
há cerca três meses e levando em
ecológicas feitas de garrafas PET. Para isso
consideração que nenhum estudo foi feito em
foi apresentado todas as etapas do projeto
cima dele, o questionário representava uma
bem como os custos e benefícios para a
forma de saber se os alunos estavam
escola, além de esclarecer dúvidas e
satisfeitos com o resultado da confecção das
conquistar novos adeptos a ideias. A diretora
lixeiras, bem como uma forma de avaliar a sua
concordou com a proposta e solicitou um
viabilidade, durabilidade e estética. O
cronograma para apresentar aos alunos.
questionário consistia em responder 10
A segunda fase: No dia 10 e 11 de agosto de perguntas, sendo 9 objetivas e 1 subjetiva,
2016, foi realizado uma Gincana sendo entregue aos 40 alunos do 1° Ensino
Interdisciplinar na Escola Estadual Cacilda Médio “1” do turno Matutino, que
Braule Pinto, para os alunos da manhã e da confeccionaram as lixeiras no período do dia
tarde, cada um nos seus respectivos turnos. A 10 de Junho de 2016.
Gincana teve início no dia 10 de agosto, com
Sexta fase: No dia 14 de setembro de 2016,
a primeira prova que foi a coleta de garrafas
foi realizada a confecção das lixeiras na
PET, na qual cada equipe teria que entregar a
Escola Estadual Cacilda Braule Pinto. Os
maior quantidade de garrafas PET de 2 litros.
materiais utilizados foram o arame recozido
A equipe que entregasse o maior número de
comprado pelo próprio autor, resto de tinta de
garrafas ganhava a prova. No turno da manhã
parede da cor branca doada pelo professor
foram coletadas 378 garrafas PET, enquanto o
Doutor Nilson Rodrigues Barreiros, 4 corantes
turno da tarde conseguiu coletar 633 garrafas.
líquido xadrez das cores: azul, amarelo,
Totalizando 1011 garrafas. No dia 11 de
vermelho, e marrom comprada pela diretora
agosto, a Gincana teve continuidade com
da escola e as garrafas PET coletadas na

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


25

Gincana Interdisciplinar. Os alunos foram Sétima fase: Após a confecção, foi feito uma
divididos em grupos para realizar as tabela comparando o preço dos materiais
seguintes tarefas: Lavar e secar as garrafas, utilizados na confecção das lixeiras
pintar por dentro as garrafas e colocá-las para ecológicas feitas de garrafa PET e das lixeiras
secar, furar as garrafas para encaixá-las umas industrializadas. Além de fazer a análise dos
nas outras e por fim, colocar o arame recozido resultados do questionário aplicado aos
para segurar as garrafas na vertical. alunos da Escola Estadual Prefeito Donga
Michiles.
A confecção teve início ás 13 h e prolongou-
se até as 17 h e 30 min. Os alunos foram
liberados das suas atividades escolares,
4 RESULTADOS E DISCUSSÕES
ficando assim livres para confeccionar as
lixeiras ecológicas à vontade. O modelo Levando em consideração a grande
escolhido pelos alunos foi a de colocar as quantidade de garrafas PET coletadas na
garrafas na vertical, pois acharam mais Gincana Interdisciplinar e o esforço de toda a
acessíveis para a confecção. comunidade escolar da Escola Estadual
Cacilda Braule Pinto, a oficina de construção
Foram confeccionadas 6 lixeiras, sendo 5
da lixeira, que teve como principal matéria-
para a escola e 1 para a apresentação do
prima as garrafas PET recicláveis, foi viável
presente estudo. Após a confecção, as
economicamente e proveitosa para todos da
lixeiras foram colocadas no fim do corredor da
escola. Podendo ser observada na tabela
escola, na qual era um local onde os alunos
abaixo.
jogavam muito lixo e no primeiro momento foi
aprovada por todos da escola.

TABELA 1. Custo dos materiais utilizados na confecção das lixeiras ecológicas.


Materiais utilizados na confecção das lixeiras
Custo (R$)
ecológicas feitas de garrafa PET

1 kg de arame recozido (50 m) 7,00

4 corantes líquido xadrez das cores: azul, amarela,


12 reais (R$3,00 reais a unidade)
vermelha e marrom

Total 19,00

Desta forma, podemos observar que foram  Você se preocupa com as questões
gasto apenas R$19,00 reais na confecção de ambientais?
6 lixeiras, o que prova que o seu material é
mais barato comparado ao preço de uma  Você sabe o significado dos 3Rs?
lixeira industrializada, uma vez que a mesma  Você acredita que a implantação de
custa em torno R$ 443,00, fazendo com que a lixeiras ecológicas é uma ideia
escola economizasse R$ 424,00 que poderia sustentável?
ser gastos em outros materiais, como matérias
de limpeza, por exemplo.  Você acredita que as lixeiras feitas de
garrafas PET são mais econômicas
Como as lixeiras ecológicas feitas de garrafas que as industrializadas?
PET já tinham sido implantadas na Escola
Estadual Prefeito Donga Michiles em Maués,  A reutilização de garrafas PET na
no entanto, ainda não tinha nenhum estudo confecção de lixeiras despertou-lhe a
para saber se as mesmas eram viáveis. De cultura de reutilizar resíduos sólidos?
acordo com o questionário que os 40 alunos
responderam, tiveram-se os seguintes
 Em sua opinião, as lixeiras feitas de
garrafa PET são viáveis?
resultados:
Perguntas com alternativas sim ou não:  Você recomendaria a implantação da
ideia de lixeiras feitas de garrafa PET
em outras escolas e instituições?

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


26

GRÁFICO 1. Resultado do questionário aplicado aos alunos com alternativas de SIM ou NÃO.

Perguntas com alternativas excelente, bom,  Classifique as lixeiras feitas de


razoável, péssimo: garrafas PET em relação a sua
durabilidade
 Classifique as lixeiras feitas de
garrafas PET em relação a sua
estética

GRÁFICO 2. Resultado do questionário aplicado aos alunos com alternativas de EXCELENTE, BOM,
RAZOÁVEL OU PÉSSIMO.

A última pergunta era subjetiva, consistia em mais da metade dos alunos não tinham
saber quais as medidas os alunos conhecimento da importância sobre a coleta
começaram a tomar para a redução dos seletiva e menos ainda sobre os danos
impactos ambientais depois da implantação provocados pelo descarte inadequado das
das lixeiras feitas de garrafa PET. Foram embalagens plásticas, entre outros resíduos
muitas as medidas tomadas, mas a principal sólidos. No entanto, obtivemos nessa
delas foi à questão de não jogar lixo no chão, pesquisa um resultado satisfatório, onde os
levando em conta a existência de lixeiras. alunos demonstraram com prática a
Além disso, os alunos passaram a ter outra relevância do descarte adequado das
postura dentro da escola, além de abandonar garrafas PET.
atitudes prejudiciais ao meio ambiente.
A proposta do estudo de viabilidade da
implantação de lixeiras ecológicas feitas de
garrafas PET provou que as lixeiras são
5 CONSIDERAÇÕES FINAIS
viáveis tanto na questão da durabilidade, da
Diante de observações durante a palestra estética quanto do seu custo. Os alunos das
feita na Escola Estadual Cacilda Braule Pinto, duas escolas ficaram mais motivados a
foi possível diagnosticar nessa pesquisa que participar de projetos voltados às questões

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


27

ambientais e passaram a ter outra postura A criação de lixeiras feitas de garrafa PET se
sobre o ambiente em que vivem. Vale apresenta como uma alternativa para a
ressaltar que a educação ambiental foi população no sentido de gerar uma nova
essencial para o sucesso do estudo, pois possibilidade em desenvolver um produto
mostrou aos alunos sua verdadeira minimizando o impacto ambiental. Também
responsabilidade com o meio ambiente, representa uma possibilidade de geração de
incentivando-os a reutilizar resíduos sólidos, emprego e renda há muitas pessoas
sendo a oficina da confecção das lixeiras principalmente para aqueles que participam
apenas uma das formas de incentivo em de Associações de Catadores de Lixo, além
descobrir um mundo novo a partir dos de ser uma dentre várias possibilidades de
resíduos descartados por eles. reaproveitamento de materiais recicláveis.

REFERÊNCIAS
[1]. ABIPET. Site corporativo. Disponível em: Revista Faculdade Montes Belos, v. 4, n. 1, set.
<http://www.abipet.org.br>. Acesso em: 15 ago. 2011. Disponível em:
2016. <http://www.terrabrasilis.org.br/ecotecadigital/pdf/a
-importancia-da-educacao ambiental-na-escola-
[2]. GUIMARÃES, M. Educação ambiental e a
nas-series-iniciais.pdf> Acesso em: 17 ago. 2016.
gestão para a sustentabilidade. In: SANTOS, J. E;
SATO, M. A. Contribuição da educação ambiental [10]. PENA, F.P; RODRIGUES, C. A;
à esperança de pandora. 2.Ed. São Carlos: RiMa, SCORTEGAGNA, P. E; UHDE, L.T. Apropiação de
2003. p. 183-195. tecnologia social na criação de lixeiras ecológicas
em ação extensionista no município de Itabaiana
[3]. GUIMARÃES, M. A formação de
(PB) – Operação Porta do Sol – Projeto Rondon.
educadores ambienteis. Campinas: Papirus, 2004.
Revista Gestão e Desenvolvimento em Contexto-
[4]. IBAMA. Educação ambiental: as grandes Gedecon vol.3, nº. 01, 2015. Ijuí, 2015.
orientações na Conferência de Tbilisi. Especidal –
[11]. PINTO, A.G. Lixo Municipal: Manual de
ed. Brasília: IBAMA. 1998. Disponível em:
Gerenciamento Integrado. São Paulo, 1997. p.181-
<http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/
192.
me001647.pdf>. Acesso em: 17 ago. 2016.
[12]. PITOLLI, A. M. S. O lixo diário e os modos
[5]. JACOBI, P. Educação e meio ambiente –
de (con)viver com ele. In: CINQUETTI, H. C. S.;
transformando as práticas. Revista Brasileira de
LOGAREZZI, A. (Orgs.). Consumo e resíduo:
Educação Ambiental. Brasília: Rebea, 2004. p. 28-
Consumo e resíduo: fundamentos para o trabalho
35.
educativo. 1. ed. São Carlos, EdUFSCar, 2006. p.
[6]. LOGAREZZI, A. Educação ambiental em 171.
resíduo: uma proposta de terminologia. In:
[13]. SHERMAN, S. P. Trashing a $150 billion
CINQUETTI, H. C. S.; LOGAREZZI, A. (Orgs.).
business, Fortune, 1989. p. 64 – 68.
Consumo e resíduo: fundamentos para o trabalho
educativo. São Carlos: EdUFSCar, 2006. p. 85-118. [14]. UNESCO. Década da Educação das
Nações Unidas para um Desenvolvimento
[7]. MANDARINO, A. Produção crescente de
Sustentável, 2005-2014: documento final do
resíduos sólidos: pode ser sustentável esse
esquema internacional de implementação, Brasília,
processo? Rio de Janeiro: Garamond, 2002. p.
Brasil, 2005. 120 p. Disponível em:
213-224.
<http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001399/1
[8]. MANZINI, E; VEZZOLI, C. O 39937por.pdf>. Acesso em: 17 ago. 2016.
desenvolvimento de produtos sustentáveis: os
[15]. ZANIN, M; MANCINI, S. Resíduos
requisitos ambientais dos produtos industriais. São
Plásticos e reciclagem: aspectos gerais e
Paulo: Edusp, 2002.
tecnologia. São Carlos: Edusfcar, 2004.
[9]. MEDEIROS, A.B et al. A Importância da
educação ambiental na escola nas séries iniciais.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


28

Capítulo 3

Paulo Renato Pakes


Brena Bezerra Silva
Bruna Cristina Facirolli
Gustavo Roberto Goss de Oliveira
Amanda Silva Lemes
Gabriela Dias Viana.

Resumo: Devido ao aumento da competitividade, as organizações vêm buscando


ferramentas para incrementar seus ganhos por meio de estratégias competitivas.
Um dos principais fatores para o ótimo desempenho da organização está
relacionado à qualidade.. a filosofia da gestão da qualidade total utiliza o princípio
da melhoria dos produtos e processos, visando satisfazer as expectativas de todos
os clientes, de todas as fases do ciclo de vida dos produtos, com relação à
qualidade, custos, entrega de serviços etc. com base nesse contexto, esta
pesquisa buscou compreender a aplicação do tqm em uma empresa de
cosméticos. Para isso, realizou-se um estudo de caso único. Dentre os resultados,
verificou-se que gqt promove a satisfação e maior confiança dos consumidores;
estimula o crescimento da produtividade; minimiza os custos internos e fornece
uma melhora contínua aos produtos e processos.

Palavras-chave: Gestão da qualidade total; Gestão da qualidade; Empresa de


cosméticos.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


29

1 INTRODUÇÃO apenas a qualidade stricto sensu do produto


(TOLEDO et al., 2014).
Devido ao mercado cada vez mais
competitivo, as organizações vêm buscando Com base nesse contexto, o problema de
ferramentas para objetivar incrementar seus pesquisa deste artigo é definido como: Quais
ganhos por meio de estratégias competitivas. os benefícios alcançados na indústria de
Um dos principais fatores para o ótimo cosméticos com a implantação da Gestão da
desempenho da organização está relacionado Qualidade total (TQM)?
à qualidade. Ela se faz presente em
Sendo assim, este artigo teve como objetivo
organizações de diversos setores e é de
caracterizar as práticas adotadas em gestão
grande importância para que a empresa
da qualidade total por uma indústria de
cresça de maneira sustentável.
cosméticos, que passou por uma
Segundo Toledo et al. (2014), a qualidade reestruturação produtivano ano de 2016. Para
necessária e/ou planejada para um produto isso, utilizou-se como método um estudo de
seja ele um bem ou um serviço é obtido por caso único.
meio de práticas associadas ao que se
2 QUALIDADE
chama de Gestão da Qualidade.
Existem duas dimensões associadas à
Atuar com uma Gestão da Qualidade melhora
qualidade: uma dimensão objetiva (qualidade
o desempenho de uma organização como um
primária), que se refere à qualidade intrínseca
todo, não somente à qualidade relacionada ao
da substância e a dimensão subjetiva
produto final, mas também à qualidade dos
(qualidade secundária), que se refere à
processos desenvolvidos, atividades
percepção que as pessoas têm das
executadas em cada departamento, melhoria
características objetivas e subjetivas
em questões financeiras, ausência de custos
(SHEWHART,1986).
com produtos defeituosos ou retrabalhos
entre outros. O foco da qualidade está em Até o início dos anos 50, o conceito da
atender as exigências e necessidades do qualidade para os técnicos e engenheiros era
cliente. associada a visão objetiva da qualidade como
o desempenho técnico, durabilidade,
A importância da gestão da qualidade da
ausência de defeitos, ou seja, para que haja
organização levou ao desenvolvimento das
satisfação de todas as partes, seja empresa
teorias e práticas mais evoluídas, da chamada
ou cliente, é necessário ausência de defeitos
Gestão da Qualidade Total (GQT) ou, em
(TOLEDO et al., 2014).
inglês, Total Quality Management (TQM). Essa
filosofia de gestão é baseada no princípio de Houve uma mudança no conceito da
melhoria contínua de produtos e processos qualidade nas décadas de 1950 a 1960, um
visando satisfazer as expectativas de todos os marco na história da qualidade, quando novos
clientes, de todas as fases do ciclo de vida autores – os Gurus da Qualidade – passaram
dos produtos, com relação à qualidade, a ter como foco a satisfação dos clientes,
custos, entrega serviços etc., à medida que conforme é destacado no Quadro 1.
se passa a considerar a qualidade total e não

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


30

Quadro 1: Definições dos Gurus da Gestão da Qualidade

Fonte: Elaborado a partir de Toledo et al. (2014).

Garvin (1992) infere que o termo qualidade no usuário, baseado na fabricação ebaseado
pode possuir cinco enfoques, sendo eles: no valor, conforme quadro 2.
transcendental, baseado no produto, baseado

Quadro 2: Abordagens da qualidade

Fonte: Garvin (2002)

Os enfoques da qualidade que se aplicam qualidade intrínseca, qualidade de


mais comumente na atividade produtiva são conformação e preço compatível com o poder
os do usuário, do produto, da fabricação e do de compra do mercado.
valor. Estabelecer uma hierarquia de
3 ERAS DA GESTÃO DA QUALIDADE
importância para esses enfoques seria uma
atividade bastante complexa. Todos devem Pode-se se dizer que existem muitas
ser vistos como importantes e definições para gestão da qualidade. De uma
complementares, e estão associados a pontos forma geral, resumem-se em um conjunto de
de vista de áreas específicas da empresa e a atividades, planejadas e executadas, no ciclo
segmentos do ciclo de produção. Na área de de produção e na cadeia de produção,
Marketing, tende a prevalecer o enfoque do necessárias para obter a qualidade
usuário, na área de Desenvolvimento e planejada, com o menor custo possível.
Projeto, o enfoque do produto, e na área de
Para Toledo (2014), a gestão da qualidade é
Produção, o enfoque da fabricação. São
uma abordagem adotada e um conjunto de
complementares, pois, de um ponto de vista
práticas utilizadas pela empresa para obter,
global, o produto deve satisfazer o cliente, ter

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


31

de forma eficiente e eficaz, a qualidade qualidade dos produtos. O que antes passava
pretendida para o produto. por uma verificação de qualidadesó no
término do produto no final do processo, por
Definições e abordagens atuais de gestão da
meio da inspeção e controle da qualidade.
qualidade são frutos de décadas de
Observou-se a necessidade de adicionar
aperfeiçoamento das práticas de
mais verificações ao longo do processo de
gerenciamento da qualidade, que foram
fabricação, sendo assim, com base nos
discutidas na época por grandes autores nos
conceitos das Eras da Qualidade descrita por
Estados Unidos e Japão. Sendo assim,
Gavin, define-se quatro fases de verificação:
obteve-se o resultado natural da evolução dos
A Era da Inspeção da Qualidade; A Era do
objetivos, focos e métodos para a qualidade.
Controle da Qualidade do Processo; A Era da
Segundo Toledo et al. (2014), houve uma Garantia da Qualidade; A Era do
evolução no modo de verificação de Gerenciamento Estratégico.

Quadro 3- Eras da Qualidade

Fonte: Toledo et al. (2014) adaptada pelo autor

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


32

A Gestão da Qualidade Total é uma totalidade Sadikoglu e Olcay (2014), a TQM é um


das funções envolvidas na determinação e sistema de gestão com a filosofia de melhorar
obtenção da qualidade. Um conjunto de todas continuamente a qualidade dos produtos,
as atividades de todas as funções gerenciais serviços e processos, focando a atenção nos
que determina a política da qualidade, clientes, atendendo as necessidades e
objetivos e responsabilidades e os expectativas para melhorar a satisfação do
implementa por meio do planejamento da cliente e o desempenho da empresa.
qualidade, garantia da qualidade, controle da
Conforme Aquilaniet al. (2017), a ideia central
qualidade e melhorias contínuas da qualidade
da abordagem de TQM é que a qualidade
como parte do sistema da qualidade
esteja presente no gerenciamento
(PRAZERES, 1996).
organizacional como um todo, não se
A figura 1 representa a melhoria contínua do limitando às atividades inerentes ao controle
sistema de Gestão da Qualidade Total da qualidade. Além disso, compreende o
interligando todos os departamentos, onde gerenciamento das relações entre todos os
desde o início até o final o foco está sempre envolvidos com a existência da empresa, não
no cliente – coletar informações sobre os se restringindo ao relacionamento como
requisitos do cliente e ao final do processo o cliente, o que inclui os colaboradores, os
objetivo é alcançar a satisfação do cliente. fornecedores e a própria sociedade, em
sentido local e amplo.
De acordo com Bon e Mustafa (2013), a TQM
se refere a um conjunto de métodos e Destacam-se então os princípios
técnicas para sustentar a melhoria contínua e fundamentais da TQM, para o sucesso na
satisfazer as demandas dos clientes. Já para gestão da qualidade total da empresa.

4 MÉTODO DE PESQUISA

Os métodos de pesquisa devem ser sobre um conjunto contemporâneo de


pensados como uma estrutura e orientação acontecimentos. A essência de um estudo de
geral para condução de uma investigação caso é esclarecer uma decisão ou um
(BRYMAN, 1989). Para esta pesquisa o conjunto de decisões.
método escolhido em função de sua
Ainda segundo Yin (2010), o estudo de caso é
adequação com a abordagem e
uma forma de se fazer pesquisa social
contingências da pesquisa foi o estudo de
empírica ao investigar-se um fenômeno atual
caso.
dentro do contexto de vida-real, onde as
Segundo Yin (2010), o estudo de caso é uma fronteiras entre o fenômeno e o contexto são
forma de investigação empírica que busca claramente definidas na situação em que
responder as perguntas “Como” ou “Porque” fontes de evidências são usadas.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


33

Figura 2 – Etapas realizadas no estudo de caso

Fonte: Elaboração própria

A Figura 2 apresenta o os passos seguidos elaboraram-se sete hipóteses acerca da


neste estudo de caso, que serão descritas a prática da TQM:
seguir.
H1: Se a empresa adotou a TQM, é provável
que tenha adotado práticas de gestão
voltadas ao foco no cliente;
Revisão de Literatura
H2: Se a empresa adotou a TQM, é provável
Primeiramente, para a elaboração deste
que tenha adotado práticas voltadas à
artigo, foi pesquisado e estudado sobre a
liderança e apoio da alta administração;
teoria existente a respeito do tema de
pesquisa. A construção do arcabouço teórico H3: Se a empresa adotou a TQM, é provável
compreendeu o estudo sobre qualidade, que tenha adotado práticas voltadas ao
gestão da qualidade e Gestão da Qualidade envolvimento de pessoas;
Total (GQT), em bases de dados online, livros
H4: Se a empresa adotou a TQM, é provável
e revistas.
que tenha adotado a abordagem de
O objetivo principal dessa fase é conhecer o processos;
tema a ser aplicado no estudo de caso para
H5: Se a empresa adotou a TQM, é provável
condução do estudo de caso, bem como
que tenha adotado a melhoria contínua;
justificar os resultados obtidos.
H6: Se a empresa adotou a TQM, é provável
que tenha adotado a abordagem factual de
Pesquisa de Campo tomada de decisão;
Após a revisão de literatura, um protocolo H7: Se a empresa adotou a TQM, é provável
com tópicos a serem abordados na empresa que tenha adotado práticas na relação com
foi elaborado para a pesquisa de campo. As fornecedores.
informações foram coletadas por meio de
Considerações
tópicos estruturados aplicados ao setor de
produção da empresa. Foi possível comentar Nessa etapa, foram feitas as considerações
com liberdade sobre as informações da relevantes sobre o resultado do trabalho,
empresa, de forma ética e aceita pela elaboração e publicação do artigo.
empresa. A visita à empresa foi acompanhada
pelo Gerente de Produção da empresa, sendo
este o responsável por responder as 4 RESULTADOS
perguntas.
4.1 APRESENTAÇÃO DO CASO
Este estudo de caso foi realizado em uma
Análise dos resultados empresa de cosméticos de médio porte, que
fabrica produtos para cabelo (linha
Com posse dos dados necessários, foram
profissional e varejo) com atendimento via
realizadas as análises necessárias e
distribuidores. A empresa possui 28 anos,
apresentação dos resultados encontrados. A
tendo como prioridades competitivas,
análise foi conduzida por meio da
segundo o entrevistado, a qualidade dos
comparação das respostas com a teoria, que
produtos, o desenvolvimento de embalagens
foi elencada por meio de hipóteses.
exclusivas e de design inovador.
A elaboração das hipóteses do estudo de
Com parque industrial próprio, a empresa
caso foi construída com base no problema de
produz inteiramente sua linha de produtos
pesquisa, apresentado na seção 1 deste
para todos os tipos de cabelos. Para se
artigo. Com base em Toledo et al. (2014),

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


34

manter competitiva no mercado, a empresa Esta pesquisa teve como foco a análise das
estruturou um laboratório microbiológico de práticas gerenciais adotadas em gestão da
análises e um departamento de Pesquisa & qualidade após uma reestruturação produtiva
Desenvolvimento. realizada na empresa.
Quadro 5 - Quadro de funcionários

Fonte: elaborada pelo autor (2017)


Houve uma redução da quantidade de Portanto, pressupondo-se que a melhoria
funcionários. Em 2016, havia 50 funcionários. contínua deve decorrer de práticas de
Após a reestruturação produtiva, houve uma planejamento, execução, controle e melhoria,
redução significativa no quadro de no discurso do entrevistado é possível
funcionários, sendo que hoje trabalham em perceber traços referentes às quatro práticas.
uma equipe de 28 funcionários. Desta forma, esta hipótese foi considerada
válida, pois a empresa passou a adotar a
satisfação do cliente como fator norteador da
4.2 ANÁLISE DAS HIPÓTESES gestão da qualidade.
H1: Se a empresa adotou a TQM, é provável Porém, ressalva-se que a tentativa de
que tenha adotado práticas de gestão recolhimento dos produtos no mercado de
voltadas ao foco no cliente. maneira mais rápida ainda é decorrente da
ocorrência de falhas, o que pode denotar a
De acordo com o entrevistado:
empresa como na era do controle de
“Diante das exigências e reclamações dos qualidade – com foco sobre qualidade no
clientes, a empresa passou a adotar técnicas processo - e não da GQT – que se embasa na
que primassem pelo atendimento das garantia da qualidade e coordenação da
necessidades e expectativas dos clientes. A qualidade na cadeia para garantir a
empresa passou a planejar e fazer o controle satisfação do cliente.
de qualidade para que seus produtos
H2: Se a empresa adotou a TQM, é provável
chegassem dentro das especificações e
que tenha adotado práticas voltadas à
passou atender as avarias e problemas
liderança e apoio da alta administração.
relacionados aos produtos imediatamente
com acompanhamento, por meio das De acordo com o entrevistado:
reclamações direcionadas ao SAC e e-mail,
“Os líderes de todos os setores foram
onde se faz um levantamento das ocorrências
treinados e devidamente qualificados com
considerando a frequência e a gravidade
base nas especificações de qualidade. O
destas reclamações. Além disso, passamos a
envolvimento da alta gerência foi de suma
buscar pela melhoria contínua. Em alguns
importância, pois eles passaram a
casos, se notarmos o problema antes dos
acompanhar o processo mais de perto e a
clientes, tentamos antecipar o recolhimento
entender o processo como um todo,
dos produtos do mercado.”
buscando conscientizar os funcionários da

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


35

importância da melhoria contínua. Essa possa exercer a flexibilidade, criatividade e


estratégia é utilizada pelo setor de capacidade de ver à frente.”.
administração para que todos tenham
Desta forma, esta hipótese foi considerada
consciência de agregar qualidade aos
válida, pois a empresa passou a adotar
processos organizacionais.”
práticas de empoderamento, tais como a
Observa-se que a empresa realizou conscientização da contribuição do trabalho
treinamentos com todos os funcionários, além individual para o todo, o aumento da
de ter havido o envolvimento da alta autonomia dos funcionários para reparar o
administração no processo de implantação da processo produtivo, e o incentivo da prática
filosofia da melhoria contínua na empresa. da melhoria contínua, acompanhada da
Desta forma, esta hipótese foi considerada mudança no comportamento dos funcionários
válida. no intuito de implantar o conceito de
qualidade na fonte.
H3: Se a empresa adotou a TQM, é provável
que tenha adotado práticas voltadas ao H4: Se a empresa adotou a TQM, é provável
envolvimento de pessoas. que tenha adotado a abordagem de
processos.
De acordo com o entrevistado:
Esta hipótese foi considerada válida, pois
“a gerência conscientizou os funcionários
durante a reestruturação a empresa
sobre a importância que seu trabalho tem em
desenvolveu uma engenharia de processos. A
relação ao processo como um todo. Uma
partir disso, o fluxo dos processos foi
falha em parte do processo, se não corrigida
modificado de forma a simplificar as
no momento, ocasiona em sérias perdas
atividades, excluindo aquelas consideradas
futuramente. Dessa forma, os funcionários
desnecessárias (que não agregam valor para
passaram a ter autonomia na tomada de
a empresa, cliente ou produto em si) e
decisão do seu próprio trabalho, podendo
agrupando atividades semelhantes, das quais
corrigir falhas e erros no momento em que são
um mesmo funcionário pode executar duas ou
detectadas, sanando o problema, evitando
mais atividades sozinho. Dessa forma, houve
que volte a ocorrer posteriormente. Além
uma redução no quadro de funcionários de 50
disso, demonstraram maior interesse em
para 28 e foi possível manter a mesma
entender a importância de cada parte do
produtividade e qualidade dos processos e
processo. A participação leva ao
produto final.
envolvimento e ao comprometimento das
pessoas, permitindo que cada funcionário A seguir, o fluxograma atual da empresa:

Figura 3 – Fluxograma atual da empresa

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


36

H5: Se a empresa adotou a TQM, é provável SAC. A análise critica é feita através de vários
que tenha adotado a melhoria contínua. colaboradores, são definidos onde precisa
melhorar, e através disso entramos em ação.
De acordo com o entrevistado:
Foram traçadas estratégias que maximizaram
“a melhoria continua não é mais vista como a satisfação do cliente. Além disso, através
uma vantagem e sim uma obrigação. Dentro dos registros foi possível notar que a empresa
da organização foi definida como principal está com melhor efetividade interna,
objetivo a satisfação do cliente, tanto para os consequentemente refletindo em maior
clientes internos e externos. Os processos competitividade no mercado em que atua.
foram reestruturados com base na melhoria Uma vez a responsável pelo CQ passou uma
contínua buscando aplicar práticas de palestra falando sobre o 5S e a partir daí
conscientização que é preciso melhorar e passou periodicamente em cada setor
aprimorar sempre, pois o mercado é cada vez verificando e depois mostrava o antes e o
mais exigente. São realizadas reuniões de depois... Ela também classifica cada setor
conscientização dos colabores mensalmente. com um adesivo, os adesivos eram ruim, bom
O controle de qualidade sempre passa as e ótimo, conforme o padrão de qualidade,
avarias para o Gerente de Produção e com organização e limpeza do setor visitado. “
base nessas avarias a reunião é planejada. A
Portanto, esta hipótese foi considerada válida,
mesma é voltada a explicar o que aconteceu
pois a empresa passou a realizar registros em
de errado e como melhorar, utilizando fotos
um sistema no intuito de auxiliar a tomada de
geralmente para evidenciar o problema.
decisão, o que passou a facilitar a
Nessa reunião são apresentadas possíveis
identificação de atividades que necessitavam
soluções tanto da gerência quanto dos
de melhoria bem como permitiu avaliar a
funcionários do chão de fábrica, que tem
evolução da empresa na realização de suas
autonomia para realizar sugestões, e muitas
atividades. Ademais, o entrevistado relata que
vezes estas são as melhores. Os funcionários
foi possível aumentar a eficiência interna em
possuem liberdade na tomada de decisão
decorrência da utilização de registros, o que
para solucionar problemas no processo
caracteriza a utilização eficaz da abordagem
produtivo e acionam o gerente de produção
factual de tomada de decisões.
em último caso, quando o problema foge da
alçada deles. Eles se reúnem e tentam H7: Se a empresa adotou a TQM, é provável
solucionar o problema imediatamente, e que tenha adotado práticas na relação com
sempre me relatam o que foi que aconteceu, fornecedores.
e o que eles fizeram pra melhorar ou corrigir.”
De acordo com o entrevistado:
Ademais, a alta gerência implantou
“A empresa melhorou consideravelmente sua
programas a fim de ouvir sugestões de
relação com os fornecedores. Isso teve um
melhorias de todos os setores, com intuito de
impacto positivo na precisão das datas de
melhorar a qualidade dentro da empresa.
entrega de matérias primas, sem atrasos e
Portanto, esta hipótese foi considerada válida.
com mais rapidez. Dessa forma, a empresa
H6: Se a empresa adotou a TQM, é provável passou a se programar para pedidos com
que tenha adotado a abordagem factual de entrega imediata ao cliente e podia confiar
tomada de decisão. que seus fornecedores entregariam a matéria
prima dentro do prazo necessário. Além
De acordo com o entrevistado:
disso, foi possível conquistar melhores
“Com base no histórico de registros da negociações, com preços mais baixos.
empresa feitos em sistema foi possível auxiliar Portanto, a empresa conseguiu atender os
a tomada de decisão, facilitando identificar clientes com mais rapidez na entrega,
quais os pontos que precisavam de melhoria inclusive aqueles que exigiam que o produto
e correção. Atualmente apenas uma pessoa é fosse entregue quase que de imediato. A
responsável por registrar as informações no escolha do fornecedor é feita com base na
sistema, essa pessoa é responsável pelo necessidade, escolhemos um ou mais
controle de qualidade. Após uma analise fornecedores que fornecem o mesmo insumo,
crítica, com objetivo de identificar a raiz dos matéria-prima e etc pedimos amostras e com
problemas, constatou-se que houve uma base nas amostras, preço qualidade e etc
melhora expressiva na relação empresa x decidimos qual escolher”
cliente, devido aos feedbacks de clientes
Portanto, esta hipótese foi considerada válida,
coletados através do setor de pós-vendas e
pois a empresa passou a adotar práticas de

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


37

gestão da qualidade na cadeia de serviços de melhor qualidade, ocorrendo de


suprimentos, de maneira que houve redução maneira mais assídua à cooperação entre
no prazo de entrega de matérias primas, todos para a que a melhoria contínua esteja
inclusive naqueles insumos de maior sempre presente no ambiente de trabalho. A
urgência, cujo impacto incrementou o nível de empresa se tornou mais competitiva no
atendimento ao cliente. Ademais, a empresa mercado, mais fortalecida para enfrentar os
realiza testes de qualidade referentes aos obstáculos e inovadora nos seus processos e
insumos dos fornecedores no intuito de serviços, obtendo a satisfação do cliente, que
garantir a qualidade. é um dos fatores mais relevantes ao
desempenho da empresa.
Entre as vantagens da Gestão da Qualidade
5 CONSIDERAÇÕES FINAIS
Total, podem-se enumerar as principais:
Este artigo teve como objetivo a análise da
Faz crescer a satisfação e a confiança dos
adoção de práticas de TQM em uma empresa
consumidores;
de cosméticos que passou por uma
reestruturação produtiva. Estimula o crescimento da produtividade;
Com base nos dados coletados, foi possível Minimiza exponencialmente os custos
verificar que o TQM e suas ferramentas, internos;
quando aplicadas de forma correta,
Proporciona uma melhora contínua aos
proporciona a empresa uma satisfação interna
produtos e processos;
dos cooperados e satisfação externa dos
fornecedores e clientes e, consequentemente, É possível acessar cada vez mais mercados
obtém melhorias no processo, produto e de modo eficaz.
serviços prestados, podendo trazer de
A TQM serve ainda para que seja
maneira satisfatória a redução de custos e
implementada em uma empresa a política de
melhor aproveitamento dos funcionários e
gestão voltada para a “qualidade total”, a qual
suas habilidades.
deve ser reavaliada periodicamente para
Observou-se que tanto os colaboradores dos surtir os efeitos desejados. Em última
níveis estratégicos quanto os de nível instância, a implantação da GQT serve para
operacional, presenciando tais melhorias que os proprietários, administradores e
acontecendo, sentem-se motivados a acionistas estejam envolvidos com uma
cooperar com a empresa, se comprometem empresa competitiva e diferenciada no
mais com os resultados satisfatórios e mercado.

REFERÊNCIAS
[1]. AQUILANI, B.; SILVESTRI, C.; RUGGIERI, [6]. INDUSTRIA HOJE. O que é TQM.
A.; GATTI, C.A systematic literature review on total Disponível em:
quality management critical success factors and <http://www.industriahoje.com.br/tqm-total-quality-
the identification of new avenues of research ", The management> Acesso em: 28/05/2017
TQM Journal, v. 29, n. 1, p. 184 – 213, 2017.
[7]. PRAZERES, P. M. Dicionário de Termos da
[2]. BON, A. T.; MUSTAFA, E. M. A. Impact of Qualidade. 1 ed. São Paulo: Atlas, 1996.
total quality management on innovation in service
[8]. SADIKOGLU, E.; OLCAY, H.The effects of
organizations: Literature review and new
total quality management practices on performance
conceptual framework. Elsevier: Malaysia, 2013.
and the reasons of and the barriers to TQM
[3]. BRASIL. Decreto nº 6.523, de 31 de julho practices in Turkey.Advances in DecisionSciences,
de 2008.Serviço de Atendimento ao Consumidor – v. 1, n.1, 2014.
SAC. Brasília, 2008.Disponível em:
[9]. TOLEDO, J.C.; BORRÁS, M.Á.;
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-
MERGULHÃO, R.C.; MENDES, G.H.S. Qualidade:
2010/2008/decreto/d6523.htm> Acesso em: 17
Gestão e Métodos. Rio de Janeiro: LTC, 2014.
abril de 2017.
[10]. YIN, R. K. Estudo de caso:
[4]. BRYMAN, A. Research methods and
Planejamentose Métodos. 3ªEd. Porto Alegre:
organization studies. London: Unwin Hyman,
Bookman, 2005.
London, 1989. 283 p.
[5]. GARVIN, D. Gerenciando a qualidade. Rio
de Janeiro: Qualitymark, 1992.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


38

Capítulo 4

Paulo Renato Pakes


Brena Bezerra Silva
Fernando Pimenta Rodrigues
Guilherme de Melo Godoy
Willian Pereira Turqueti
Gabriela Dias Viana

Resumo: O café, por ser um produto muito consumido é um dos principais produtos de
exportação do Brasil, contribuindo de maneira relevante para a economia do país. O
objetivo desta pesquisa é verificar e analisar as dificuldades relacionadas ao transporte
e armazenamento do café e os desafios encontrados por um produtor que atua na
exportação e no comércio doméstico para escoar o café. Para isso, realizou-se um
estudo de caso único que visou analisar as dificuldades logísticas de escoamento do
café em uma fazenda situada no município de Itirapuã/SP. A pesquisa apontou que é de
suma importância a melhoria da infraestrutura logística para o aumento da
competitividade das empresas brasileiras no mercado internacional. Cabe ao poder
público investir em todos os modais, mas principalmente no rodoviário, que é o principal
meio de transporte do café, para que o transporte seja feito com maior segurança e
agilidade.

Palavras-chave: Logística, Armazenagem, Café.


39

1 INTRODUÇÃO financiamento da produção. Posteriormente, o


café avançou para o Vale do Paraíba paulista
Segundo a Associação Brasileira da Indústria
e para a Zona da Mata mineira, ainda
de Café (2017) o café teve seu plantio iniciado
atrelados à praça de comércio do Rio de
no Brasil em Belém por volta de 1727. O
Janeiro. A partir das décadas de 1870/80, as
cultivo no Brasil se deu pelas propícias
áreas de cultivo deslocaram-se do Vale do
condições climáticas, proporcionando um
Paraíba para o Planalto Ocidental Paulista. O
rápido crescimento, com sua produção
crescimento da área plantada estava
focada no mercado doméstico, seu
associado à disponibilidade de terras e à
desenvolvimento no Brasil, abrangeu estados
difusão das ferrovias e do telégrafo, além da
como Bahia, São Paulo, Paraná, Maranhão,
racionalização da produção, o que permitiu,
Minas Gerais e Rio de Janeiro, passando
ao mesmo tempo, o aumento da
rapidamente de uma posição secundária na
produtividade. Em 1930, a produção paulista
economia, atingindo a posição de produto-
respondia por 66,5% da produção nacional,
base da economia do país. O café foi
Minas Gerais era responsável por 20%,
responsável pela produção de riquezas para
seguidos pelo Espírito Santo e Rio de Janeiro,
o país, pelo motivo de ter sido um produto
respectivamente, com 7,2% e 5,6% (PIRES,
consolidado somente com recursos nacionais,
2007; BACHA, 1988).
mantendo esse patamar por quase um século
e ajudou o desenvolvimento do país com as Conforme dados apresentados na Fig. (1)
divisas geradas pela economia cafeeira, pela ABIC (2017), o consumo de café no
proporcionando relações internacionais de Brasil mostrou um leve acréscimo em 2015. A
comércio. recuperação de +1,24% em 2014, atingindo
20,333 milhões de sacas, foi seguida de um
Até 1925 o café alcançava cerca de 40% do
novo aumento de 0,86% nos doze meses
valor das exportações brasileiras (FURTADO,
compreendidos entre Novembro/2014 e
2000), apresentando-se como o principal
Outubro/2015, completando 20,508 milhões
produto de exportação do país. Nas décadas
de sacas. O consumo per capita também
seguintes, o cultivo continuou a crescer,
aumentou ligeiramente, passando a 4,90
devido ao aumento da demanda provocado
kg/habitante.ano de café torrado e
pelo avanço da industrialização na América
moído (6,12 kg de café verde em grão), o
do Norte e Europa. A produção concentrava-
equivalente a 81 litros/habitante.ano.
se nas regiões serranas próximas à capital do
Enquanto o consumo total registrou aumento
país – Rio de Janeiro – que, além de
médio de 0,86%, o volume exclusivo das
condições naturais propícias, centralizava as
empresas associadas da ABIC apresentou
principais estruturas (armazenamento,
crescimento de 1,33%.
distribuição, embarque e exportação), além
do poder de decisão e regulação acerca do
comércio, consumo, distribuição e

Figura 1: Evolução do consumo interno de café no Brasil (Fonte: ABIC, 2017)

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


40

O café, por ser um produto muito consumido, outras importantes mercadorias. O café trouxe
se torna um dos principais produtos de grandes contingentes de imigrantes,
exportação do Brasil, contribuindo muito para consolidou a expansão da classe média, a
a economia do país. Cabe ressaltar que o diversificação de investimentos e até mesmo
mercado internacional é muito exigente e os intensificou movimentos culturais. A partir de
produtores de café necessitam de uma então o café e o povo brasileiro passam a ser
excelente infraestrutura de qualidade que indissociáveis (ABIC, 2017).
possa contribuir para a competitividade do
O café brasileiro é uma potência a nível
produto brasileiro. No entanto, a evolução do
mundial, chegando a exportar 35 milhões de
setor logístico brasileiro é lenta e ineficiente
saca no último ano (safra de julho de 2015 à
diante da demanda por transportes de maior
junho de 2016) gerando uma receita de
qualidade, menor custo e maior eficiência. O
US$5,3 bilhões para a economia brasileira,
setor ainda carece de evolução no setor
sendo consumido por 127 países no último
logístico, iniciando pelas obras nas rodovias
ano, onde os EUA lidera o ranking de países
dos estados e cidades onde haja produção
que mais importa o café produzido aqui, com
de café, pois o produto precisa escoar a sua
mais de 7 milhões de sacas comparadas de
produção até os principais portos do país
nossos produtores, vindo em seguida a
para que possam ser exportados (SILVEIRA et
Alemanha que já é a maior consumidora do
al, 2016).
café brasileiro no ano safra de 2016, ficando
Destarte, o objetivo desta pesquisa é verificar em terceiro lugar a Itália com a com a compra
e analisar as barreiras relacionados ao de 2,9 milhões de sacas compradas e assim o
transporte e armazenamento do café e os Japão vem aumento seu consumo do café
desafios encontrados por um produtor que brasileiro e importou mais de 1 milhão de
atua na exportação e no comércio doméstico saca no último ano (ABIC, 2017).
para escoar o café, desde a sua origem até o
A produção brasileira de café da safra de
destino final.
2016 deverá ficar entre 49,13 e 51,94 milhões
Portanto, a presente pesquisa visou de sacas de produto beneficiado. Se
responder a seguinte questão: Quais os considerado a média de produção (50,5
principais desafios no processo de milhões), essa pode ser a segunda maior
distribuição do café produzido no interior de safra da história, ficando atrás apenas da
São Paulo? safra de 2002 (50,8 milhões). A previsão
indica acréscimo de 13,6% à 20,1% em
Para isso, realizou-se um estudo de caso
relação a produção de 43,24 milhões de
único que visou analisar as dificuldades
sacas obtidas em 2015 (EMBRAPA, 2016).
logísticas de escoamento do café em uma
fazenda situada no município de Itirapuã/SP.
Ao final, apresentam-se possíveis propostas
2.2 MODAIS DE TRANSPORTE
para minimizar os problemas encontrados no
transporte e armazenagem do café no caso Um sistema de transporte é fundamental no
selecionado. desenvolvimento da economia de qualquer
país, contribuindo significativamente para
uma maior competitividade, pois diminui as
2 REVISÃO DE LITERATURA distâncias por meio da disponibilização de
bens mais baratos. Um bom exemplo a ser
2.1 CAFÉ DO BRASIL
citado é a expansão da penetração dos
Por quase um século, o café foi a grande produtos chineses em todo o mundo,
riqueza brasileira, e as divisas geradas pela trazendo benefícios para toda a sociedade
economia cafeeira aceleraram o (SENA; OLIVEIRA, 2007).
desenvolvimento do Brasil e o inseriram nas
Atualmente, o transporte de cargas aquece a
relações internacionais de comércio. A cultura
economia por meio dos seguintes modais:
do café ocupou vales e montanhas,
ferrovia, rodovia, hidrovia, dutos e aerovias. A
possibilitando o surgimento de cidades e
escolha do modal ideal ou a combinação
dinamização de importantes centros urbanos
entre eles depende muito do custo,
por todo o interior do Estado de São Paulo, sul
velocidade e confiabilidade que possam
de Minas Gerais e norte do Paraná. Ferrovias
atender às necessidades de uma
foram construídas para permitir o escoamento
organização, que, por sua vez, possui perfil
da produção, substituindo o transporte animal
diferenciado, o que também influencia na
e impulsionando o comércio inter-regional de

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


41

decisão da forma de transporte (BALLOU, De acordo com Nogueira Júnior e Nogueira


1993). (2007), os armazéns são depósitos ou
indústrias construídos segundo as normas e
O modal ferroviário é caracterizado pela sua
padrões já estabelecidos para a disposição
lentidão e, por este fator, realiza transporte em
do produto ou insumo, permitindo o fluxo
longos trechos de matérias-primas ou
eficiente do produto e preservação de sua
manufaturados com baixo valor agregado. Já
qualidade. Deve-se destacar que a qualidade
o transporte aeroviário aumentou
intrínseca do café verde é o principal ponto
consideravelmente sua participação no
que os proprietários de armazém de café
mercado a partir dos anos 1960, proveniente
precisam garantir, pois qualquer que seja o
de seu grande diferencial competitivo que é a
motivo que influencie a qualidade do café, é
velocidade, além da vasta disponibilidade de
motivo de diminuição no valor do produto.
horários oferecidos pela aviação. Porém, o
alto custo e a capacidade limitada nos Além disso, é importante ressaltar a
bagageiros de avião, de certa forma, o importância da logística de transporte na
comprometem como alternativa para a operacionalização do café desde sua origem
distribuição ampla de produtos (BALLOU, (na lavoura) até o destino final (em contêiner
1993). nos portos do país). No quesito qualidade, a
logística, também, tem papel fundamental,
Por se tratar de um dos modais mais
principalmente em cargas graneleiras, onde é
independentes, o mesmo possibilita uma
imprescindível que os veículos estejam
grande movimentação de diversos materiais,
completamente limpos para não alterar a
independentemente do destino, atingindo
qualidade do café adquirido (NOGUEIRA
assim um grau de flexibilidade elevado,
JÚNIOR; NOGUEIRA, 2007).
atendendo entregas de pequenas
encomendas, podendo elas serem de curta,
média ou longa distância, entregando de
3 MÉTODO
ponto a ponto de um país, complementando
ainda os diferentes tipos de modais Os métodos de pesquisa devem ser
existentes, auxiliando no embarque e pensados como uma estrutura e orientação
desembarque, tendo como grande geral para condução de uma investigação
desvantagem o custo do frete, fazendo com (BRYMAN, 1989). Para esta pesquisa o
que outros tipos de modais entrem no método escolhido em função de sua
mercado competidor. No Brasil são estimados adequação com a abordagem e
que 60% do volume transportado é realizado contingências da pesquisa foi o estudo de
pelo modal rodoviário (BERTAGLIA, 2009). caso.
Segundo Bertaglia (2009), o investimento em Segundo Yin (2010), o estudo de caso é uma
infraestrutura das rodovias e as privatizações forma de investigação empírica que busca
das mesmas, proporcionam uma melhoria no responder as perguntas “Como” ou “Porque”
meio competitivo do modal rodoviário. sobre um conjunto contemporâneo de
acontecimentos. A essência de um estudo de
caso é esclarecer uma decisão ou um
2.3 ARMAZENAGEM TEMPORÁRIA EM conjunto de decisões.
COOPERATIVAS
Ainda segundo Yin (2010), o estudo de caso é
Armazéns de café podem ser administrados uma forma de se fazer pesquisa social
pela iniciativa privada ou administrados pela empírica ao investigar-se um fenômeno atual
administração públicas sendo (Conab, dentro do contexto de vida-real, onde as
Cooperativas), em ambos os casos, deve-se fronteiras entre o fenômeno e o contexto são
manter o cumprimento rigoroso de normas, claramente definidas na situação em que
objetivando garantir com eficiência e fontes de evidências são usadas.
segurança o sistema de armazenagem do
café (ABIC, 2017).

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


42

Figura 1 – Etapas realizadas no estudo de caso

Fonte: Elaboração própria

A Figura 1 apresenta os passos seguidos


neste estudo de caso, que serão descritas a
4 RESULTADOS
seguir.
4.1APRESENTAÇÃO DO CASO
3.1 REVISÃO DE LITERATURA
O estudo de caso foi realizado em uma
Primeiramente, para a elaboração deste
fazenda situada no município de Itirapuã/SP.
artigo, foi pesquisado e estudado sobre a
Nesta fazenda o café é produzido, colhido,
teoria existente a respeito do tema de
ensacado e então transportado para a
pesquisa. A construção do arcabouço teórico
cooperativa a qual o produtor é cooperado.
compreendeu o estudo sobre a cultura do
café, modais de transporte e armazenagem O processo se inicia da seguinte forma: a
em cooperativas, em bases de dados online, colheita é realizada por máquinas
livros e revistas. colhedeiras terceirizadas, passando por um
processo de lavagem dos grãos. Na
O objetivo principal dessa fase é conhecer o
sequência, os grãos são colocados em
tema a ser aplicado no estudo de caso para
terrenos chamados de “terreirões” para
condução do estudo de caso, bem como
secagem. Em seguida os grãos vão para a
justificar os resultados obtidos.
máquina de limpeza, onde a casca do café é
retirada e separam-se os grãos que vão ser
ensacados e transportados para as
3.2 PESQUISA DE CAMPO
cooperativas.
Após a revisão de literatura, um protocolo
O café após ser ensacado fica em um
com tópicos a serem abordados na empresa
armazém temporário até completar a
foi elaborado para a pesquisa de campo. As
quantidade necessária do produto. O
informações foram coletadas por meio de
produtor contrata um transporte terceirizado
tópicos estruturados aplicado ao produtor
para que o produto seja levado para a
rural de café. Foi possível comentar com
cooperativa. Isso é realizado por meio de um
liberdade sobre as informações da empresa,
frete e o mesmo é cobrado por saca
de forma ética e aceita pela empresa. A visita
transportada.
à empresa foi acompanhada pelo
coordenador de logística e transportes da A questão do transporte é um problema
empresa, sendo este o responsável por encontrado pelo produtor: o café ensacado
responder as perguntas. vai se acumulando no armazém temporário à
espera do transporte, que muitas das vezes
não mantém uma confiabilidade. A
3.3 ANÁLISE DOS RESULTADOS inconstância da confiabilidade se deve ao fato
da grande demanda deste serviço de
Com posse dos dados necessários, foram
transporte terceirizado na época de safra do
realizadas as análises necessárias e
café. Isto vai gerando ao produtor atrasos na
apresentação dos resultados encontrados. A
coleta das sacas e consequentemente vai
análise foi conduzida por meio da
atrasando a embalagem do café limpo,
comparação das respostas com a teoria.
devido ao alto estoque nos armazéns
temporários. Isto gera uma grande
insegurança tanto ao produtor quanto os
3.4 CONSIDERAÇÕES
colaboradores da fazenda e com grandes
Nessa etapa, foram feitas as considerações riscos de roubos que se tornam mais
relevantes sobre o resultado do trabalho e frequentes na época de safra.
recomendações de melhoria.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


43

O café estocado fica armazenado até que o O estudo feito na propriedade mostrou que o
produtor decida o melhor momento de sua café depois de ensacado fica guardado em
venda. Esse tempo de armazenagem gera um um armazém aonde se paga R$1,15 por saca
custo de estoque ao produtor que é calculado de café estocada. O mesmo fica o tempo
por saca estocada, sendo assim o café é necessário para que o produtor encontre o
vendido para a própria cooperativa. melhor momento para venda de seu produto.
No caso estudado a escolha do local de
armazenagem foi feita pela própria
4.2 DIFICULDADES NA LOGÍSTICA DO cooperativa que compra o café.
CAFÉ
Conforme a proposta de Zago (2006), a
5 CONSIDERAÇÕES FINAIS
logística objetiva reduzir o tempo entre o
pedido e a entrega de acordo com a O artigo buscou avaliar os principais entraves
configuração solicitada pelo cliente no menor encontrados pelo um produtor de café em
custo possível, facilitando assim um uma fazenda na cidade de Itirapuã-SP em seu
planejamento e ajudando a quantificação dos sistema logístico de armazenagem e
dados, melhorando, assim, todo o processo transporte.
de logística analisado.
Para o levantamento dos dados foi realizada
Nos dias atuais o modal mais utilizado para uma pesquisa de campo por meio de
transporte em distâncias curta com questionários com perguntas abertas que
aproximadamente 300 quilômetros é o permitiram a análise qualitativa com a
rodoviário. Atuaria assim, nas chamadas finalidade de se entender os desafios
pontas - do local de origem (nesse caso logísticos para o escoamento de sua
fazendas produtoras) até os armazéns ou produção de café e armazenagem.
terminais ferroviários ou hidroviários, sendo
De acordo com os dados coletados, notaram-
estes responsáveis pelo transporte de longas
se os problemas e algumas dificuldades no
distâncias e com um maior índice de
sistema logístico na propriedade, visto que o
capacidade de carga e possibilitando reduzir
sistema de transporte do café ensacado para
custos e perdas (HIJJAR, 2004).
a cooperativa tem restrições ligadas à
A partir dos dados coletados do produtor , segurança e confiabilidade. No entanto, o
evidenciou-se que o transporte da produção principal problema do produtor é o alto custo
do café é feito por meio de um frete de de armazenagem e transporte necessário
caminhão com uma quantidade de carga de para atendimento da demanda.
240 sacas. Neste paga-se um valor de R$1,00
Foi feita uma sugestão de melhoria quanto ao
por saca até sua chegada ao
sistema utilizado, tal melhoria proposta já
armazenamento.
utilizada em algumas regiões do país, em que
Observou-se que o pagamento do transporte os cafeicultores podem fazer um parceria com
não tem seguro contra problemas que a cooperativa, onde a mesma disponibiliza um
poderão ocorrer em seu caminho como roubo frete grátis para buscar as sacas de café nas
ou furto de carga. Ademais, o estado das propriedades, custando apenas 1 real por
vias de transporte podem gerar também saca, relacionado com o seguro da carga e
atrasos de entrega e na época de safra ocorre com isso obtendo benefício para a
uma grande demanda de fretes, fatores que cooperativa. Dessa forma, assegurando que a
geram uma falta de confiança do produtor no venda e o estoque sejam feitos pela empresa
sistema de transporte contratado garantindo assim a fidelidade dos seus
clientes e para o agricultor estabelecendo
O armazém ou depósito tem um papel muito
confiabilidade ao serviço utilizado, sem
importante na logística por se considerar um
preocupações relacionadas a contratação do
fator importante na distribuição, porque se
frete e segurança de seu produto.
torna uma base de apoio, não só por estocar,
armazenar, distribuir e controlar todo o O estudo feito direcionou de acordo com os
processo de estocagem, mas como ponto de problemas encontrados que a confiança e o
partida na referência de roteirização para contato direto com a cadeia de suprimentos
entrega, pois “reflete a natureza dos serviços possibilitam melhorias para ambas as partes
que são: abrigo, consolidação, transferência, envolvidas.
transbordo e agrupamento ou composição”
(Ballou, 2011, p.158).

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


44

Verifica-se a necessidade de investimento da maioria das mercadorias que são


pelo Poder Público investir em todos os produzidas no país, para que o transporte
modais, mas principalmente no rodoviário, seja feito com maior segurança e agilidade.
que é o principal meio de transporte do café e

REFERÊNCIAS
[1]. ABIC, História do Café. Disponível em [10]. HIJJAR, M. F. Logística, soja e comércio
<http://www.abic.com.br/publique/cgi/cgilua.exe/sy internacional. Centro de Estudo em
s/start.htm?sid=38>. Acesso em 14 de junho de Logística. COPPEAD, UFRJ, Rio de Janeiro, 2004.
2017. Disponível em:
<http://www.centrodelogistica.com.br/new/fs-
[2]. BACHA, C.J.C. Evolução recente da
public.htm>. Acesso em: 10 fevereiro de 2017.
cafeicultura mineira: determinantes e impactos.
1988. 440 f. Tese (Doutorado em Economia). [11]. NOGUEIRA JUNIOR, S.; NOGUEIRA, E. A.
Faculdade de Economia e Administração da Centrais Regionais de Armazenagem como apoio à
Universidade de São Paulo, São Paulo. Comercialização de Grãos: Panorama do Mercado
Agrícola. Instituto de Economia Agrícola.
[3]. BALLOU, Ronald H. Logística Empresarial:
Informações Econômicas, SP, V.37, n.7, Julho de
transportes, administração de materiais e
2007. Disponível em:
distribuição física. Tradução de Hugo T. Y.
<ftp://ftp.sp.gov.br/ftpiea/publicacoes/tec30707.pdf
Yoshizaki. São Paulo: Atlas, 1993.
>. Acesso em 02 de abril 2017.
[4]. BALLOU, Ronald H. Logística empresarial:
[12]. PIRES, Anderson. Minas Gerais e a cadeia
transportes, administração de materiais e
global da commodity cafeeira – 1850/1930. Revista
distribuição física. São Paulo: Atlas, 2011.
Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional,
[5]. BERTAGLIA, Paulo Roberto. Logística e v.3, n.2, p.139-194, maio-ago/2007.
gerenciamento de cadeia de abastecimento/ Paulo
[13]. SENA, Reginaldo Vasconcelos; OLIVEIRA,
Roberto Bertaglia. 2. ed. ver. E atual. – São Paulo:
Luciel Henrique de. Impacto da sofisticação no
Saraiva, 2009.
padrão de prestação de serviços logísticos
[6]. BRYMAN, A. Research methods and oferecidos pelas empresas de transporte de
organization studies. London: Unwin Hyman, cargas de Minas Gerais. In: ENANPAD, 2007.
London, 1989. 283 p.
[14]. Silveira, D. R.; Souza, R. S.; Silva, F. M. C.;
[7]. Empresa Brasileira de Pesquisa Silva, M. R. J. D.; Pereira, G. M. Os desafios
Agropecuária - EMBRAPA. Safra de café poderá logísticos para o escoamento do café produzido no
ser a segunda maior do Brasil em 2016. Disponível sul de Minas Gerais. In: XIII Semana de Excelência
em: <https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/- em Gestão e Tecnologia “Desenvolvimento de
/noticia/9165154/safra-de-cafe-podera-ser-a- competências frente aos desafios de amanhã”.
segunda-maior-do-brasil-em-2016>.Acesso em 15 Disponível em
de junho de 2017. <http://www.aedb.br/seget/arquivos/artigos16/2032
4191.pdf>. Acesso em 15 de junho de 2017.
[8]. FURTADO, C. Formação econômica do
Brasil. 27 ed. São Paulo: Cia Editora Nacional: [15]. YIN, R. K. Estudo de caso: Planejamentos
Publifolha, 2000. 273p. (Coleção Grandes Nomes e Métodos. 3ªEd. Porto Alegre: Bookman, 2005.
do Pensamento Brasileiro)
[16]. ZAGO, Camila Avozani. Avaliação de
[9]. GIL, Antônio Carlos. Como elaborar Desempenho de Sistemas Logísticos: um estudo
projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002. na América Latina Logística. In: ENEGEP, 2006.
[17]. DIREITOS AUTORAIS

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


45

Capítulo 5

Elisabeth Granzoto Pacheco


Marcelo A.S.Fernandes
Vagner de Oliveira Mourão
Celso Jacubavicius
Wanny Arantes Bongiovanni Di Giorgi

Resumo: No contexto atual de valorização da questão ambiental, os objetivos deste


trabalho mostra indicadores para avaliar o gerenciamento de resíduos sólidos e
aplicar um projeto de melhoria continua na coleta do lixo no aeroporto, apresentar
alternativas para minimizar os impactos causados pelo descarte inadequado, com
isso integrar a reciclagem nos processos a fim de explorar e proporcionar
alternativas na redução de custos com as coletas e o aproveitamento do material
reciclado e aperfeiçoar os processos existentes, legislação ambiental aplicável ao
processo de coleta e destinação dos resíduos sólidos gerados. Neste artigo
mostramos os tipos de resíduos descartados, sugerimos a educação ambiental e
explicamos as condições especiais e as particularidades do setor aeroportuário. O
artigo trata da importância de reciclar resíduos sólidos gerados pelo aeroporto e
por meio da aplicação de métodos de solução de problemas como ser
reaproveitados, diminuindo a perda de recursos financeiros, por causa do descarte
inadequado.

Palavras-Chave: Gestão de projetos; Inovação; Reciclagem; Aeroporto; Impactos;


Gestão ambiental.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


46

1. INTRODUÇÃO desenvolver e valorizar a educação ambiental


como ação prioritária, com aplicação de um
O presente trabalho tem por objetivo analisar
projeto estruturado e integrado voltado a
os processos de reciclagem de resíduos
facilitar e desenvolver a sustentabilidade de
sólidos compreendendo o planejamento,
maneira fácil e divertida. Neste contexto, e
controle da geração de resíduos,
mediante a complexidade do aeroporto
acondicionamento, tratamento e destinação
entende-se a priori.
final, a fim de reduzir os custos com o
descarte. E dessa maneira, verificar como A viabilidade de destinar adequadamente os
otimizar os processos com a aplicação das resíduos produzidos, a fim de promover a
ferramentas da qualidade. A principal sustentabilidade em seu entorno e devido à
contribuição do trabalho é de apresentar a amplitude do tema, o foco deste trabalho
utilização das ferramentas da qualidade, as consiste em avaliar se os procedimentos
quais são consagradas na Literatura e aplicar adotados atendem a legislação ambiental
no ambiente do Aeroporto de Guarulhos. aplicável ao processo de coleta e destinação
dos resíduos sólidos gerados. A metodologia
Segundo Maximiano (1995, p. 160), a
abrangeu pesquisa bibliográficas, consulta a
qualidade é um problema de todos e abrange
teses e a artigos científicos, realização de
todos os aspectos da operação de uma
pesquisa de campo e coleta de dados.
empresa, ou seja, a qualidade é uma questão
sistêmica. Garantindo a qualidade do sistema, Para quantificar o descarte de resíduos
garante a qualidade dos produtos e serviços. sólidos foram utilizados dados das planilhas
Esta mudança de filosofia significa a evolução da empresa que faz a coleta de resíduos
para a era da qualidade total. sólidos no aeroporto, com objetivo de
comparar os dados da reciclagem realizada
Conforme Carpinetti (2012), a melhoria
no período de 2 anos e verificar seu
contínua se caracteriza por um processo
crescimento e continuidade.
cíclico, a partir de resultados obtidos por
avaliação, controle, investigação de um objeto
de estudo, a fim de propor ações de
2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA
melhorias, para o autor o processo mais
genérico desse tipo de processo é o ciclo 2.1 TEORIA DA QUALIDADE
PDCA, no qual as atividades se agrupam em:
A teoria da qualidade tem a interpretação de
atividades intelectuais, identificação de
vários autores de acordo com Garvin (2002,
problemas, proposição de soluções,
pág.53), praticamente todas as definições
atividades práticas, coleta de dados e
baseadas na produção identificaram a
implementação de soluções. As implantações
qualidade como “conformidade com as
desses processos podem resultar em redução
especificações”. Uma vez estabelecido um
de custos com a retirada dos resíduos sólidos
projeto ou uma especificação, qualquer
do meio ambiente, por meio da venda dos
desvio implica uma queda da qualidade e
materiais recicláveis, que significa um
conforme Marshall (2003, p. 75), o controle da
aumento nos ganhos da empresa em um
qualidade é o processo para assegurar o
curto período de tempo.
cumprimento dos objetivos da qualidade
Entende- se que projetos voltados à gestão durante as operações, o controle consiste em
ambiental, também oferece outras vantagens avaliar o desempenho da qualidade total,
para a empresa; Entre as vantagens para a comparar o desempenho real com as metas
empresa está a criação de uma imagem da qualidade e atuar a partir das diferenças.
“verde”; acesso a novos mercados; redução Dentre as metodologias da qualidade, impõe-
e/ou eliminação de acidentes ambientais, se como imprescindível, a PDCA, a qual foi
evitando, com isso custos de remediação; desenvolvida por Walter A. Shewart, na
incentivo ao uso racional de energia e dos década de 30, e consagrada por William
recursos naturais; redução do risco de Edward Deming, a partir da década de 50,
sanções do poder público, com multas, empregada com sucesso nas empresas
redução nos impostos e facilidade ao acesso japonesas para aumentar a qualidade dos
a algumas linhas de crédito. Para se ter processos (PALADINI, 2004).
acesso a esses benefícios da reciclagem é
De acordo com Falconi (2004), o método
necessário modernizar os instrumentos de
PDCA permite a participação de todas as
controle e fiscalização, agregando a
pessoas da empresa em seu efet ivo
tecnologia da informação e principalmente
gerenciamento (melhoria e estabilização de

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


47

resultados); a uniformização da linguagem e a Conforme Carpinetti(2012), a melhoria


melhoria da comunicação; o entendimento do contínua se caracteriza por um processo
papel de cada um no esforço empresarial; o cíclico, a partir de resultados obtidos por
aprendizado contínuo; a utilização das várias avaliação, controle, investigação de um objeto
áreas da ciência para a obtenção de de estudo, a fim de propor ações de
resultados; a melhoria da absorção das melhorias, para o autor o processo mais
melhores práticas empresariais. genérico desse tipo de processo é o ciclo
PDCA, no qual as atividades se agrupam em :
Conforme Vicente Falconi (2004, p.06),
atividades intelectuais, identificação de
enfatiza a melhoria de processos, onde o
problemas, proposição de soluções,
problema é um resultado indesejável de um
atividades práticas, coleta de dados e
trabalho e pela definição do mesmo, em todas
implementação de soluções. Nesse sentido
as vezes que o trabalho não alcançou o
na figura abaixo mostra, após a fase de
seu resultado esperado, houve um problema
elaboração dos padrões e da documentação
e complementando, este problema foi
do sistema de qualidade, a sua elaboração
ocorrido por uma ou mais causas. Uma vez
deve ser feita de acordo com o ciclo PDCA,
conhecidas as causas são executadas ações
que deve ser repassado a todos os
para a contenção, correção e prevenção de
colaboradores da empresa.
retorno da ocorrência destas causas.

Figura 1: Ciclo PDCA na melhoria dos processos

Fonte: CAMPOS, Vicente Falconi (1996).

Após a fase de planejamento ou adequada do seu acondicionamento em


padronização do processo temos a etapa de sacos identificados, principalmente na
educação e treinamento do processo de identificação dos sacos por número de lacre
melhoria dos padrões. A seguir os processos nos resíduos recolhidos no RX na área restrita,
implantados são controlados e checados para no armazenamento em containers
obtenção dos resultados, através de itens de apropriados para os respectivos tipos de lixos
controle da qualidade nos processos de e da disposição dos recipientes no local
acordo com os padrões estabelecidos. O destinado ao compactador, com dia e
ciclo PDCA se retroalimenta os padrões e a horários mais frequentes para separação e
documentação de qualidade, podendo sofrer coleta dos recicláveis devem ser
alterações e revisões nos processos estabelecidos pela gerência de operações da
padronizados. administradora do aeroporto.
Conforme Carpinetti (2012), a utilização das
ferramentas da qualidade é feita em sua
2.2. FERRAMENTAS MAIS PROPÍCIAS PARA
maioria, por meio de levantamento de ideias e
UTILIZAÇÃO NO CASO
opiniões em um trabalho de equipe conhecido
A qualidade na operação de coleta e no como brainstorming, mapeamento dos
transporte de lixo depende da forma processos e gráficos de controle. Uma das

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


48

ferramentas utilizadas nesse artigo o analisamos as relações existentes entre um


diagrama de causa e efeito o Diagrama de problema ou efeito indesejável do resultado
Ishikawa, através dessa ferramenta do processo de descarte de resíduos sólidos.

TABELA 1: Mapeamento do processo de melhorias

ETAPA
OBJETIVO FERRAMENTAS

1. Mapeamento do Determinar a sequência de atividades do Formulário específico de


processo processo adicionamento
2. Elaboração do - Formulário específico
Representar graficamente o processo
fluxograma
3. Monitoramento do Estabelecer forma proativa de
- Formulário específico
processo acompanhamento do processo
Analisar o processo e -Amostragem e estratificação
4. Identificando problemas
Identificar falhas na sua operação -Mapeamento do processo
Matriz GUT
5. Priorizando problemas Selecionar os problemas mais relevantes Diagrama de Pareto
Folha de verificação

6.Identificando as causas Diagrama de Ishikawa


Determinar os pontos a serem enfrentados
dos problemas Brainstorming

Matriz GUT
7. Priorizando as causas
Selecionar as causas mais relevantes Diagrama de Pareto
dos problemas
Folha de verificação

8. Identificando alternativas Elaborar planos de ação com as soluções Plano de ação


de solução. encontradas 5S -5W1H

9. Normatização do -Gráfico de tendência


Elaborar procedimento operacional padrão
processo -Gráfico de controle
Fonte: SCARTEZINI, Luiz M.Bessa .Análise e melhoria de processos, goiania,2009.

2.3. O SETOR AEROPORTUÁRIO E SUAS escritórios de companhias aéreas, empresas


PARTICULARIDADES terceirizadas, áreas de check in, áreas de
carrosséis e esteiras de bagagens e
A segurança aeroportuária é a primeira
concessionárias muitas vezes não têm
prioridade para os aeroportos. É importante
grandes quantidades de espaço adicional
assegurar que em todos os elementos do
para caixas e áreas de estágio são limitados à
programa são consistentes com os requisitos
pista de pouso geralmente tem limitações de
de segurança. Incluindo um elemento de
espaço, bem como, deixando pouco espaço
reciclagem em seu plano de gestão de
para caixas adicionais.
resíduos pode exigir pessoal adicional em
áreas seguras do aeroporto e no aeródromo. No aeroporto, todas as áreas precisam estar
cientes ter a preocupação, de que os galpões
Conforme OACI(1996), os bins e containers
de armazenamento e os locais de reciclagem
precisam ser adicionalmente protegidos e
precisam estar longe da pista de decolagem,
inspecionados, ainda os recipientes à prova
a fim de diminuir os detritos, ou seja objetos
de bombas podem ser necessários fora das
estranhos que causam acidentes na pista
áreas seguras. Contudo, temos de lidar com
(F.O.D. Foreign Object Damage), atrativos
as restrições de espaço, pois os aeroportos
animais e contaminação de águas pluviais. No
têm considerações de espaço únicos, como
entanto, um programa de reciclagem de
as áreas portões (píeres de embarque e
sucesso vai reduzir a quantidade de lixo
desembarque internacionais), espaço
gerada e o número de recipientes para
inquilino de lojistas e de alimentação,
armazenar lixo. Este espaço pode ser usado
autoridades e órgãos públicos, lojas e
para materiais recicláveis.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


49

As companhias aéreas se envolvendo com o Conforme a legislação vigente no Congresso


programa de reciclagem, os funcionários das Nacional entende-se por resíduo
companhias aéreas, junto aos prestadores de aeroportuário, que é também denominado de
serviços da limpeza têm um tempo limitado resíduo de transportes, todo aquele sólido ou
para limpar uma aeronave, antes que ela seja semissólido que resulta de atividades
marcada para outra partida. Um programa específicas de origens diversas (industrial,
com recipientes de coleta facilmente visíveis e doméstica, hospitalar, comercial de serviços e
acessíveis (caçambas, coletores, limpeza).
compactadores, etc.) e instruções claras
A Organização Internacional da Aviação Civil
tornam mais fácil, para todos os envolvidos, a
(OACI, 1996), define como resíduos
participar ativamente da reciclagem de forma
aeroportuários aqueles que são
mais eficaz. Um programa de reciclagem bem
desenvolvidos dentro dos limites de um
estabelecido beneficia na compreensão da
aeroporto ou a bordo de aeronaves que a eles
avaliação de resíduos, seus pontos fortes e
se destinam por ser um ponto no qual, além
fracos para instalação e a separação do lixo,
da passagem, ocorre o armazenamento de
sendo útil a avaliação para estabelecer metas
resíduos oriundos de áreas distantes, os
mais precisas do programa e melhor medir os
aeroportos são locais estratégicos dos pontos
impactos.
de vista sanitário e ambiental.
Assim, o gerenciamento de resíduos sólidos
2.4. TIPOS DE RESÍDUOS DESCARTADOS em aeroportos possui grande complexidade
e, se não for bem realizado, pode gerar
Resíduos Sólidos, segundo a Associação
diversos impactos negativos, tais como a
Brasileira de Normas Técnicas (ABNT, 2004),
contaminação do solo e da água, a
resíduos sólidos são:
veiculação de doenças e os elevados custos
“(...) Todos aqueles resíduos nos estados para reversão dos problemas.
sólidos e semissólidos que resultam das
De acordo com a NBR 10.004 da
atividades industriais, domésticas,
ABNT(2004), os resíduos sólidos são
hospitalares, comerciais, agrícolas e de
classificados em : a) resíduos classe I -
serviço de varrição. Incluem-se também os
Perigosos; b) resíduos classe II – não
lodos das Estações de Tratamento de Água
perigosos; – resíduos classe II A – não inertes.
(...)”.
– resíduos classe II B – Inertes.
A Associação Brasileira de Normas Técnicas
Os resíduos aeroportuários são classificados
( ABNT, 2004),ainda define o lixo como:
em cinco grupos, conforme os riscos gerados
“(...) O resto das atividades humanas, e o respectivo tipo/local de geração, a saber:
considerado inútil, indesejável ou descartável
pelos seus geradores. Pode apresentar-se no
Grupo A: apresentam risco biológico (gerado
estado sólido, semissólido (no caso todos
a bordo de aeronaves, ambulatórios e
aqueles resíduos com teor de umidade inferior
terminais de carga);
a 85%) ou líquido, sendo esse último válido
somente para resíduos industriais Grupo B: apresentam risco químico (gerado
perigosos(...)”. em áreas industriais e de manobras como
óleos, lâmpadas de mercúrio e baterias);
No mesmo contexto, Ribeiro & Lima (2000)
definem o lixo como: Grupo C: materiais radioativos ou
contaminados com radioisótopos;
“ (...)O conjunto heterogêneo de elementos
desprezados durante um dado processo e Grupo D: resíduo comum;
pela forma como ele é tratado, assume um
Grupo E: perfurocortante (lâminas, agulhas,
caráter depreciativo, sendo associado à
ampolas de vidro e escalpes).
sujeira, repugnância, pobreza, falta de
educação e outras considerações Nas figuras abaixo constatamos o descarte de
negativas(...)”. resíduos sólidos de maneira irregular em
alguns pontos:

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


50

Figura 2 e 3: Lixo descartado de maneira irregular no subsolo do terminal 3.

Fonte: Próprios autores, (2014).


3 ESTUDO DE CASO Com a melhoria dos processos nessas áreas
específicas, podemos alcançar um aumento
Conforme pesquisa de campo realizada foi
considerável de recursos financeiros, já que
constatado que o aeroporto gera mais de 7
são descartados, mas de 7 toneladas ano de
(sete) toneladas de lixo por ano e desse lixo
resíduos e o aproveitamento é de 0,1% em
menos de 0,5 toneladas é reaproveitado; ou
2014.
seja mais de 6(seis) toneladas de recicláveis
é descartado da mesma forma que o resíduo Segue no gráfico a seguir alguns dos
comum; ou seja a empresa deixa de ganhar materiais encontrados no setor aeroportuário,
com a venda desse material e ainda gasta com isso podemos verificar onde e que tipo
recurso financeiro para retirada do mesmo. de material reciclável temos no aeroporto, em
específico Guarulhos, onde são retiradas as
A análise feita por meio de coleta de dados
toneladas de material que poderiam ser
obtidos mostra que, o aeroporto tem setores
reaproveitados, contudo os resíduos são
onde se têm, o número de descarte de
descartados por não ter um processo
resíduos maior e 0% de aproveitamento dos
estruturado de coleta seletiva.
resíduos; ou seja, há uma falha nos
processos, ou até mesmo nenhum tipo de
aproveitamento da reciclagem nessas áreas.

Gráfico1: Materiais recicláveis encontrados na área do aeroporto.

Fonte: Próprios autores, (2014).

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


51

3.1 PROBLEMATIZAÇÃO E DESCARTE adequada do seu acondicionamento em


INADEQUADO DE LIXO sacos identificados, no armazenamento em
containers apropriados para os respectivos
O aeroporto é um grande polo gerador de
tipos de lixos e da disposição dos recipientes
lixo, esses resíduos sólidos são gerados das
no local destinado ao compactador, com dia
aeronaves, dos terminais de passageiros,
e horários mais frequentes para separação e
escritórios, check in, lojas, restaurantes,
coleta dos recicláveis devem ser
hotéis, banheiros, enfim de toda a área
estabelecidos pela gerência de operações da
comercial e operacional, a partir de
administradora do aeroporto e todos inquilinos
operações de carga, manutenção de áreas,
que utilizam o compactador e containers para
hangares, paisagismo, construção civil e
descarte, portanto, devem seguir as regras
demolição.
para essa operação funcionar corretamente.
Cada uma destas zonas cria resíduos
A importância do acondicionamento
distintos tornando-se mais complicado
adequado está em evitar acidentes; utilizar os
estabelecer um programa de reciclagem em
Epi’s obrigatórios, evitar a proliferação de
todo o aeroporto, o que se faz necessário
vetores; com descarte no chão do lixo,
desenvolver o projeto em três partes
minimizar o impacto visual e olfativo;
importantes, a do planejamento estratégico, a
aumentando a frequência da limpeza no local
implantação, a manutenção e a obtenção dos
de descarte, a heterogeneidade dos resíduos;
resultados.
melhorar a coleta seletiva no local e facilitar a
A visão estratégica da operação de descarte realização da etapa da coleta e do descarte
do lixo impacta diretamente na sua com melhorias de informativos sobre como
lucratividade e na economia dos seus utilizar o compactador.
recursos financeiros e na gestão de pessoas,
O que se verificou foi o ponto de acumulação
para organizar uma equipe verde que
de lixo, próximo ao compactador e containers
desenvolverá o planejamento estratégico, o
de descarte e na maioria das vezes, aberto
controle na logística de armazenagem dos
com lixo exposto e indevidamente
recicláveis e no monitoramento para o
acondicionados, o que prejudica o ambiente.
comprimento das metas do programa.
No estudo de caso se analisou a necessidade
Nesse sentido se melhora a sustentabilidade
do mapeando das prioridades, urgências e
e economia das operações; preservação a
tendências nos processos do descarte de
qualidade de vida dos colaboradores e
resíduos sólidos, através da ferramenta de
prestadores de serviço; contribuição para a
qualidade matriz GUT, onde identificamos e
solução dos aspectos sociais envolvidos com
utilizamos a partir desta análise o ciclo PDCA
a questão e em todos aspectos desse sistema
para propor melhorias nos processos
deverão ser escolhidas alternativas que
operacionais do descarte de resíduos.
atendam simultaneamente as duas condições
fundamentais, que seja tecnicamente correta Segue abaixo o mapeamento dos processos
para o ambiente e para a saúde de todos. de descarte e a análise das prioridades
encontradas:
A qualidade na operação de coleta e no
transporte de lixo depende da forma

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


52

Tabela 2: Mapeamento dos problemas encontrados e as prioridades de resolução


Lista de Problemas G U T
Lixeiras e caixas coletoras para reciclagem fora do padrão adequado. 3 4 4
Local de armazenagem inadequado 5 5 5
Coleta seletiva não realizada 4 3 3
Educação ambiental para os colaboradores 5 4 2
Maquinas compactadoras pequenas 2 3 3
Aumentar o número de compradores 2 1 2
Adquirir parceiros 1 2 1
Colaboradores desmotivados 4 3 3
Containers insuficientes 5 5 4
Procedimento de retirada do lixo inadequado 4 5 5
Controle do material descartado 4 4 4
Transporte dos materiais recicláveis 2 3 3
Maquinário indisponível 5 4 5
Material necessário disponível 5 4 3

Pontos Gravidade G Urgência U Tendência T


Se nada for feito, o agravamento da
5 Extremamente graves Necessária ação imediata
situação será imediato
4 Muito Graves Com alguma urgência Vai piorar em curto prazo
3 Graves O mais cedo possível Vai piorar em médio prazo
2 Pouco graves Pode esperar um pouco Vai piorar em longo prazo
1 Sem gravidade Não tem pressa Não vai piorar

Fonte: próprios autores, ( 2016)

4 MÉTODOS E PROCEDIMENTOS – Conhecer a gestão de aeroportos;


PROPOSIÇÃO
Recolher a informação necessária para
4.1 APLICAÇÃO E PLANEJAMENTO E projetar e implementar o programa;
IMPLEMENTAÇÃO DA RECICLAGEM
Treinar e educar os lojistas e concessionários;
As pessoas têm um papel fundamental na
Acompanhamento do programa, através da
implantação e colaboração deste programa,
educação ambiental;
incluindo pessoas de todos os setores do
aeroporto: agentes de terminais, funcionários Incentivar a participação de outros
do administrativo, escritórios, hangares, funcionários;
terminal de carga(teca), fornecedores,
De acordo com Carbonari (2011), o foco
companhias aéreas, empresas terceirizadas.
principal do staff em relação a implantação do
Ao selecionar a equipe um princípio básico é
programa é a prática e a mudança de hábito
definir as responsabilidades e funções do
de todo o aeroporto em relação ao programa
staff, quem define é o gerente, sendo cada
de reciclagem, o que se dará por meio da
função e responsabilidade, a descrição
educação ambiental como hábitos de
detalhada de cada cargo. Entretanto todo
consumo e mudanças culturais, com
staff deve ter conhecimento de algumas
abordagem preventiva aos desafios
particularidades para o programa:
ambientais e desenvolver a sustentabilidade.
“(...)sustentabilidade pode ser definida como por tempo indeterminado(...)”(Carbonari,2011,
a característica de um processo ou sistema p.74).
que permite que ele exista por certo tempo ou

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


53

O aeroporto, assim como todos os indivíduos, trabalho. Avaliar os resíduos e se basear no


aprende continuamente, por sofrer influências tamanho do aeroporto, no conhecimento
desse ambiente, e desenvolve mecanismos existente de seu fluxo de resíduos, os
por intermédio de procedimentos e rotinas objetivos do programa e os recursos
que passam a fazer parte da cultura; assim disponíveis.
todos aprendem. Sabemos que toda
Reverter despesas com retirada de lixo
mudança exige comprometimento,
descartada de maneira incorreta e gerar
envolvimento e objetivos claramente definidos
receita com o ganho com a reciclagem. Um
e difundidos entre todos os envolvidos no
registro com informações sobre a quantidade
processo.
de resíduos gerados, bem como os custos de
A mudança, quando envolve conhecimento mão de obra, equipamentos, eliminação de
individual, é relativamente simples e demanda registros e avaliar os desperdícios com
poucos recursos. No entanto, quando se contratos de terceiros, compras, estoques,
almeja mudança de comportamento em grupo manutenção e registros operacionais; um
é preciso que se considere que tanto grau de sistema centralizado de gestão de resíduos,
dificuldade, quanto o tempo envolvido no tentar compilar todos os dados resíduos dos
processo são maiores. diferentes transportadores que prestam
serviço ao o aeroporto para fazer o transporte
Para se ter sucesso no processo é necessário
da reciclagem para o mercado.
alinhar as ações ao objetivo e ao
planejamento organizacional, e ainda é No andamento do processo de reciclagem,
imprescindível que a liderança seja capaz de alguns fatores tais como, o número de
conquistar o comprometimento e estimular a passageiros que passam por suas instalações
responsabilidade para com os resultados por todos os dias, o tamanho do aeroporto e as
parte de todos os agentes. A avaliação de características do tráfego influenciam no
resíduos fornece dados qualitativos e processo e afetam a escala e o âmbito do
quantitativos uma linha de base para medir o programa de reciclagem, por isso a avaliação
progresso no futuro, essa avaliação de dos resíduos para identificar suas
resíduos de maneira diferenciada nos gera necessidades críticas são importantes e, em
melhor recurso a nos dar uma direção de qual Guarulhos tem uma área de alto tráfego de
melhor caminho, que devemos seguir. carga pode ser necessário sistemas de coleta
especial para paletes de madeira. E no
A segurança é uma estratégia que assegura
aeroporto temos os "cinco grandes" materiais
a base de recursos e alguns pontos
recicláveis-papel, plástico, vidro, papelão
operacionais da empresa, ou seja desenvolve
ondulado e alumínio, então expandir seu
informações eficazes o suficiente para evitar
programa de reciclagem de paletes de
surpresas, a partir disso podemos
madeira, resíduos de alimentos, eletrônicos,
desenvolver toda operação logística e
pneus usados e outros materiais.
estender a base de recursos, ou seja verificar
quais são as áreas do aeroporto geram E inicialmente, esses materiais seriam mais
resíduos, se o material reciclável é gerado e fáceis para coletar e elaborar um plano de
que tipo de resíduo é gerado em cada área expansão para outros materiais, o alumínio e
do aeroporto mensurar o desperdício que é papelão ondulados são bons materiais iniciais
gerado por cada área do aeroporto (píers de com substanciais e benefícios ambientais e
embarque e desembarque internacionais, retorno financeiro possível.
espaço inquilino de lojistas e de alimentação,
autoridades e órgãos públicos, lojas e
escritórios de companhias aéreas, empresas 4.2 EDUCAÇÃO AMBIENTAL
terceirizadas, áreas de check in, áreas de
Esse projeto de melhoria no descarte de
carrosséis e esteiras de bagagens e
resíduos propõe uma melhor viabilidade de
concessionárias).
economizar os recursos da empresa e além
A flexibilidade na direção de recursos, dessa economia de recursos a implantação
capacidade reservada, manobras planejadas do sistema de melhoria continua de
e reposicionamento permitem o uso mínimo reciclagem, as documentações pertinentes
de recursos, por isso se inteirar de quais são serão formalizadas e monitoradas, através de
os custos relacionados com os resíduos para planilhas e checklists. Contudo integrar e
os recipientes de lixo, armazenagem, inserir na empresa um processo de educação
transporte, reciclagem e disposição de ambiental, por meio de cartilhas educativas e

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


54

programas de reeducação no descarte gastos enfrentados diariamente com descarte


irregular do lixo no setor aeroportuário adequado do lixo serão minimizados e a partir
reduzindo de certa forma, os impactos da inserção da educação ambiental de
ambientais causados por esse tipo de maneira eficaz, conceder e aplicar os
descarte irregular do lixo e aplicar o conjunto recursos humanos, materiais e tecnológicos
de conhecimentos e técnicas.Nesse contexto, necessários para a execução nas atividades
segundo Reigota (1998), a educação do projeto de melhoria na forma de descarte
ambiental aponta para propostas do lixo e no planejamento da sustentabilidade
pedagógicas centradas na conscientização, no setor aeroportuário.
mudança de comportamento,
desenvolvimento de competências,
capacidade de avaliação e participação dos 5. ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS
colaboradores. RESULTADOS
Para Pádua e Tabanez (1998), a educação 5.1 COMPARATIVO DA COLETA SELETIVA
ambiental propicia o aumento de
O índice da reciclagem demonstrado, por
conhecimentos, mudança de valores e
meio da coleta de dados realizada no primeiro
aperfeiçoamento de habilidades, condições
semestre de 2014 indicou, que das quase 6
básicas para estimular maior integração e
toneladas recolhidas de lixo cerca de
harmonia dos indivíduos com o meio
5.740831,71 quilos retirados, apenas 3 % foi
ambiente. Criar um plano de ação, tendo por
reciclado e apenas utilizados 2 materiais para
objetivo principal demonstrar algumas
reciclagem a princípio, o papelão e o plástico
irregularidades encontradas e a partir disso
como demonstra o gráfico a seguir:
sugerir melhorias, tendo em vista que, através
da execução desse projeto os problemas e

Gráfico 2: Reciclagem realizada em 2014.

Fonte: Próprios autores, 2014.

No primeiro semestre de 2016, realizada nova reciclagem, com 3 materiais utilizados o


coleta de dados verificamos que, das 5(cinco) papelão, o plástico e o vidro como mostra o
toneladas, 5.40825,50 quilos de lixo gráfico a seguir:
recolhidos 5,5% foi reaproveitado na

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


55

Gráfico 3 Reciclagem realizada em 2016.

Fonte: Próprios autores 2016

Esta análise indicou, que em 2 anos de início Nesse aspecto, a produção de resíduos
a reciclagem de resíduos no aeroporto de sólidos no aeroporto internacional de São
Guarulhos, houve um crescimento de apenas Paulo, destaca-se como um enorme potencial
2%, mesmo com uma diminuição pequena no de geração de renda e economia nos
descarte de resíduos e o acréscimo somente recursos financeiros da empresa que
de um item a reciclagem, o vidro, ainda se administra o aeroporto.
observa um desperdício de resíduos que
Este estudo de caso teve por objetivo analisar
poderiam ser reciclados como o alumínio,
os processos de reciclagem dos resíduos
sucatas em geral, descarte de placas
sólidos compreendendo o planejamento,
indicativas e informativas que poderiam ser
controle da geração de resíduos,
reaproveitadas.
acondicionamento, tratamento e destinação
A implantação da melhoria continua no final, a fim de propor melhorias utilizando as
processo de reciclagem aliada a novas ferramentas da qualidade, com isso foi
tecnologias, educação ambiental, checklists alcançado a melhoria no processo de
diários, controle dos processos e a análise de descarte de resíduos sólidos,
resultados semestrais teríamos um aumento acondicionamento e a inserção de mais um
na reciclagem de resíduos e o aumento do item para reciclagem “o vidro”, dado que a
tipo de material reciclado. implantação de novos itens para reciclagem
como madeira, pallets, tonners de impressora
Segundo Barbieri apud Bianconi (1999), esta
entre outros ainda precisa ser inseridos na
fase de soluções envolve a procura de
reciclagem.
inovações de produtos e procedimentos para
que se possa usufruir destes materiais A reciclagem é um processo, que não apenas
descartados. As inovações tecnológicas são resulta em economia de recursos financeiros,
hoje fundamentais à expansão das atividades mas principalmente, se têm a redução dos
produtivas, pois são elas que atuam no materiais descartados no meio ambiente e
sentido de superar as crises e os problemas. consecutivamente na economia dos recursos
Nestas situações, elas substituem as técnicas naturais, assim como cria a conscientização
já obsoletas. (Coelho apud Hiwatashi, 1998). dos colaboradores, passageiros e de toda a
sociedades que vive nos arredores do
aeroporto uma cultura de reaproveitamento de
6. CONSIDERAÇÕES FINAIS materiais e combate ao desperdício, contudo
esse tipo de cultura de reaproveitamento de
Este artigo abordou um dos temas mais
materiais e economia dos recursos naturais
relevantes na atualidade, a reciclagem;
gera a criação de valor para empresa.
propõe a melhoria no descarte de resíduos
sólidos no setor aeroportuário, na forma de O foco deste trabalho consistiu em avaliar se
como são produzidos, tratados e os procedimentos adotados, atendem a
descartados, e como podem ser legislação ambiental aplicável ao processo de
reaproveitados. coleta e destinação dos resíduos sólidos

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


56

gerados eram devidamente cumpridos no tornaram reais na prática. Houve uma


Aeroporto internacional de Guarulhos. melhoria considerável como demonstramos
ao decorrer do trabalho com o aumento de
O conhecimento do fluxo de resíduos é
2% dos materiais reciclados e a inserção de
importante, a liderança coordenada e
um novo item, porém quando se trata de
comprometida, avaliação do espaço e
investimentos e gastos fora do orçamento
equipamentos disponíveis para o
previsto para ampliar e atingir uma gama
armazenamento dos resíduos existentes, o
maior, encontramos barreiras políticas da
processamento de materiais recicláveis, e
empresa que limitam as práticas propostas.
outras tarefas de coleta. Além disso, com a
conscientização a educação ambiental,
através de cartilhas educativas para os
“O(s) autor(es) autoriza(m) a publicação do
funcionários sobre a sua geração de resíduos
artigo na revista“.
e os hábitos de eliminação.
“O(s) autor(es) garante(m) que a contribuição
Cabe ressaltar mesmo diante de tantas
é original e inédita e que não está em
ferramentas de melhoria e controle na
processo de avaliação em outra(s) revista(s)”.
qualidade dos processos, das vantagens e
benefícios trazidos para a empresa, o sistema “A revista não se responsabiliza pelas
de gestão ambiental ainda é pouco praticado opiniões, ideias e conceitos emitidos nos
no meio organizacional, tendo como textos, por serem de inteira responsabilidade
percepção retroativa das práticas mitigadoras de seu(s) autor(es)”.
de impactos gerados e as quão tais medidas
“ É reservado aos editores o direito de
podem ser benéficas.
proceder ajustes textuais e de adequação do
Dificuldades também foram encontradas artigo às normas da publicação”.
quando a implementação destas ações se

REFERÊNCIAS
[1]. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS experiências e habilidades. Valinhos: Anhanguera
TÉCNICAS. NBR 14.004 – Sistemas de gestão publicações Ltda, 2011, p.74.
Ambiental – Diretrizes gerais sobre precipícios,
[8]. CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à
sistemas e técnicas de apoio. Rio de Janeiro:
Teoria Geral da Administração. 7.ed. Rio de
ABNT; 2004. BRASIL. Ministério do Meio Ambiente.
Janeiro: Campus, 2007.
[2]. ___________,NBR 10.004 – Classificação
[9]. ___________, Idalberto . Gestão de
de resíduos sólidos. Rio de Janeiro: ABNT; 1987.
pessoas.Rio de Janeiro:Elsevier,2004.
[3]. BIANCONI, CÉSAR (1999). Economia
[10]. FRANCO, Maria de Assunção Ribeiro.
Verde. Revista Inovação Empresarial. Ano IX, 111,
Planejamento ambiental para a cidade sustentável.
Agosto. Calderoni, Sabetai. (1997). Os Bilhões
São Paulo: Annablume: FAPESP, 2001.
Perdidos no Lixo. São Paulo. Humanitas
Editora/FFLCH/USP. [11]. GARVIN, David A. Gerenciamento a
qualidade; Avisão estratégica e competitiva, Rio de
[4]. BRASIL. (2010) Congresso Nacional. Lei
Janeiro : Qualitymark, 2002.
nº 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a
Política Nacional de Resíduos Sólidos, Diário Ofiial [12]. HIWATASHI, Erica (1998). O Processo de
da União, Brasília. Reciclagem dos Resíduos Sólidos
Inorgânicos Domiciliares em Porto Alegre.
[5]. CAMPOS, Vicente Falconi. Como definir os
Dissertação (Mestrado em Administração)
seus problemas. In: Gerenciamento da rotina do
Programa de Pós-Graduação em Administração,
trabalho do dia-a-dia. Nova Lima: INDG Tecnologia
Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto
e Serviços Ltda., 2004, pg. 106.
Alegre.
[6]. CARPINETTI,Luiz Cesar Ribeiro.Gestão da
[13]. JURAN, J. M. Joseph M; Godfrey, A.
qualidade : Conceito e técnicas.2ª ed, SP:Atlas,
Blanton. Quality control-Handbooks, manuals.1998.
2012.
CASTRO, Newton de. A questão ambiental: o que [14]. ___________, Planejamento para
todo empresário precisa saber. Brasília: SEBRAE, qualidade; 2ª Ed.São Paulo: Pioneira, 1992.
1996 p.71.
[15]. Lei Federal n.º 12.305, de 02 de Agosto de
[7]. CARBONARI, Maria Elisa E. 2010, que institui a Política Nacional de Resíduos
Sustentabilidade na prática, fundamentos, Sólidos. (2010).

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


57

[16]. MAXIMIANO, Antonio Cesar Amaru.Teoria [23]. RIBEIRO, T.F.; LIMA, S. do C. Coleta
Geral da Administração.2.ed.São Paulo: Atlas, seletiva do lixo domiciliar - Estudos de casos.
2012. Caminhos de Geografia, Universidade Federal de
Uberlândia – UFU, Programa de Pós-Graduação
[17]. MARSHALL, Island Junior(org); Gestão da
em Geografia, v.1, n.2, p.50-69, dez, 2000.
Qualidade. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003.
[24]. Resolução CONAMA n.º 358, de 29 de
[18]. OACI – Organização Internacional da
Abril de 2005, que dispõe sobre o tratamento e a
Aviação Civil. (1996) Manual –Guia de Proteção
disposição final dos resíduos dos serviços de
Ambiental para Aeroportos. Projeto PNUD
saúde. (2005).
OACI,RLA/92/031, Versão preliminar.
[25]. _______ n.º 307, de 05 de Julho, que
[19]. PÁDUA, S.; TABANEZ, M. (orgs.).
estabelece diretrizes, critérios e procedimentos
Educação ambiental: caminhos trilhados no Brasil.
para a gestão dos resíduos de construção civil.
São Paulo: Ipê, 1998.
(2002).
[20]. PACHECO, A. P. R. et al. O ciclo PDCA na
[26]. ______ n.5, de 5 de agosto de 1993.
gestão do conhecimento: uma abordagem
Dispõe sobre definição de normas mínimas para
sistêmica.
tratamento de resíduos oriundos de serviços de
Disponível :<http://www.isssbrasil.usp.br/pdfs2/ana
saúde, portos e aeroportos e terminais ferroviários
.pdf> Acesso em: 14 mar 2017.
e rodoviários.
[21]. PALADINI, Edson Pacheco;Gestão da
[27]. SCARTEZINI, Luís Maurício Bessa. Análise
qualidade: teoria e prática, 2ª Ed. São Paulo:Atlas,
e Melhoria de Processos / Luís Maurício Bessa
2004.
Scartezini. –. Goiânia, 2009. 54 p. Apostila.
[22]. REIGOTA, M. Desafios à educação 1. Processos; 2.
ambiental escolar. In: JACOBI, P. et al. (orgs.).
Educação, meio ambiente e cidadania: reflexões e
experiências. São Paulo: SMA, 1998. p.43-50.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


58

Capítulo 6

Michel de Jesul Borges


Libório de Oliveira Jùnior

Resumo: O objetivo do presente artigo é investigar os benefícios proporcionados


pelo alinhamento da TI verde e a governança de TI. O procedimento adotado foi a
revisão da literatura, que considerou 3 pilares, sendo eles: governança de TI, TI
verde e ferramentas de resultado, proporcionando a seleção de 40 artigos, filtrados
pela relevância ao objetivo desta pesquisa. Constatou-se na pesquisa que o
alinhamento da TI verde com a governança de TI, satisfaz a necessidade das
organizações que almejam ser mais competitivas e cada vez mais sustentáveis,
proporcionando benefícios econômicos e uma economia de baixa emissão de
gases.

Palavras-chave: Governança de TI; TI Verde; Sustentabilidade; Governança de TI


Verde.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


59

1. INTRODUÇÃO Como procedimentos metodológicos, têm-se


a pesquisa exploratória/descritiva e a
A governança da tecnologia da informação
pesquisa bibliográfica (como meio de
(GTI) é de responsabilidade dos executivos e
investigação), baseando-se em literaturas
da alta direção, sendo constituída por
pertinentes ao tema proposto. Pretende-se ao
aspectos de liderança, estruturas
término, obter uma resposta significativa ao
organizacionais e processos que permitam à
propósito deste estudo.
área de tecnologia da informação (TI) suportar
e estender os objetivos corporativos.
O gestor e o diretor de TI, primordialmente, 2. GOVERNANÇA DA TECNOLOGIA DA
precisam alinhar a TI com o negócio da INFORMAÇÃO
organização para agregar valor a mesma.
Após o governo federal norte-americano criar
Além disto, são responsáveis pelo
a lei Sarbanes-Oxley, apelidada de SOX, com
gerenciamento das informações através dos
o intuito de garantir confiabilidade,
meios tecnológicos com responsabilidades e
transparência e um sistema de auditoria, a TI
hierarquias diferentes (NETO, 2013).
foi afetada diretamente, uma vez que todas as
A TI, juntamente com o estudo da GTI, vem informações são lançadas e armazenadas em
agregando valor ao negócio das sistemas de informação, permitindo assim,
organizações, utilizando bibliotecas e que a GTI ganhasse foco (ASSIS, 2011).
frameworks capazes de medir os níveis de
A governança é uma forma das organizações
maturidade da governança, melhoria dos
terem certeza de que as metas estratégicas
processos e o aproveitamento de todos os
serão definidas, monitoradas e atingidas.
recursos. Compreendendo a necessidade
Ainda, quando a governança é aplicada na TI,
crescente das organizações utilizarem melhor
esta denomina-se GTI e significa a maneira
as informações produzidas, agregar valor à
como os gestores de todos os setores
área de TI e utilizar métodos sustentáveis, os
presentes na organização, interagem e
gestores e diretores de TI são acionados,
comunicam-se com a área de TI (RAU, 2004).
trazendo consigo experiências e
metodologias já estudadas. Nesse sentido, para que a TI integre o nível
estratégico, de modo a alinhar suas ações
Ainda assim, de acordo com Monte (2009)
com as metas de desempenho da
com o constante crescimento do uso da TI,
organização, atribuindo responsabilidades
gerando aumento na produção de
por essas ações e resultados, implementa-se
equipamentos eletrônicos, diretores e
a GTI (WEILL; ROSS, 2004).
executivos estão cada vez mais preocupados
com os impactos ambientais. E é com este A GTI é de responsabilidade dos executivos e
pensamento sustentável na busca da da alta direção, sendo que ela, constitui
obtenção do alinhamento entre os três pilares: aspectos de liderança, estruturas
econômico, social e ambiental, na qual surge organizacionais e de processos que permitam
a área da tecnologia da informação à área de TI suportar e estender os objetivos
denominada como TI Verde. corporativos (ITGI, 2007).
Segundo Bose e Luo (2012), a TI Verde é a Ainda, segundo o ITGI (2007), a GTI possui
tecnologia da informação que dispõe de três elementos chave: necessidade da
infraestrutura, hardware e softwares avaliação do valor da TI; gestão dos riscos;
ambientalmente amigáveis, desde sua necessidades cada vez maiores de controle
produção até a aplicação de padrões das informações.
ecológicos. Diante deste cenário, empresas
passam a adotar práticas de TI Verde, em
busca de obter melhores aspectos 2.1 OBJETIVOS DA GOVERNANÇA DA TI
ambientais, econômicos e sociais.
A governança de TI possui dois grandes
Tendo em vista que tanto a GTI como a TI objetivos: a entrega de valor, garantida com o
Verde proporcionam benefícios à alinhamento da TI aos negócios, e a mitigação
organização, este trabalho aborda tais de riscos, segura pela atribuição de
temáticas com o objetivo principal de responsabilidades corporativas (ITGI, 2007).
interpretar o viés da TI Verde no
Ainda, outros objetivos são citados por
relacionamento com a GTI.
Fernandes e Abreu (2012), tais como:
interação clara entre a TI e às demais áreas

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


60

de negócios; atribuição de responsabilidades dos dirigentes máximos, desenvolvimento


à decisões críticas de TI; e a promoção de incompleto ou falho dos instrumentos de
uma estrutura de processos e controles, planejamento e gestão, além de uma má
capazes de gerenciar os riscos e compliance. capacitação dos dirigentes e gestores de TI.
Para obter uma Governança de TI eficaz,
segundo Weil e Rosss (2004), é necessário
2.2 EFICÁCIA DA GTI tratar três questões: as decisões inter-
relacionadas de TI, os arquétipos decisórios e
Webb et.al. (2006) afirma que para uma
os mecanismos para a tomada de decisão.
organização garantir uma GTI eficaz, é
necessário obter eficácia em seus processos As decisões inter-relacionadas de TI
relacionados às ferramentas de priorização de compreendem os princípios, arquitetura,
investimentos e orçamentos de TI, à infraestrutura, necessidades de aplicações de
estruturação dos comitês específicos e às negócios e a priorização/investimento de TI.
aquisições em TI. Os arquétipos decisórios são decisões
tomadas por grupos organizados de pessoas,
Assis (2015), em sua obra, evidencia que a
que podem ser enquadrados em arquétipos
baixa eficácia da GTI pode ser provocada por
políticos, ilustrados no Quadro 1 (WEILL;
falta de engajamento da alta administração e
ROSS, 2004).

Quadro 1 – Arquétipos decisórios em TI


Arquétipo Componentes
Monarquia de negócio Alta gerência da corporação
Monarquia de TI Especialistas de TI
Feudalismo Unidades de Negócio
Federalismo Combinação entre o Centro Corporativo e as Unidades de Negócios
Duopólio de TI Grupo de TI e algum outro grupo
Anarquia Grupo isolado que toma decisões individuais

Fonte: Neto (2013).

2.3 ÁREAS DE FOCO DA GOVERNANÇA DE essenciais para os executivos direcionarem a


TI TI dentro de suas organizações:
Segundo o ITGI (2007), as áreas de foco em
GTI são cinco e representam os pontos
Figura 1 - Áreas de foco da Governança de TI.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


61

Alinhamento Estratégico: está focado em O conceito mais popular sobre


correlacionar a área de TI aos planos de sustentabilidade segundo World Commission
negócio e alinhar as operações de TI com as on Environment and Development - WCED -
operações do negócio, definindo, mantendo e (1987, p. 43), surgiu com o relatório Our
validando a proposta de valor da TI. Common Future, divulgado pela Comissão
Mundial sobre o Meio Ambiente e o
Entrega de Valor: realiza a execução da
Desenvolvimento (CMMAD) da Organização
proposta de valor de TI, com foco na redução
das Nações Unidas (ONU) em 1987, em que
dos custos e garantia dos benefícios
definiu a sustentabilidade como sendo “a
acordados com a estratégia da organização.
capacidade de satisfazer as necessidades do
Gestão de Recursos: objetiva um presente sem comprometer a capacidade das
gerenciamento efetivo dos recursos críticos gerações futuras de satisfazerem suas
de TI (aplicativos, informações, infraestrutura próprias necessidades”.
e pessoas) e a otimização dos investimentos,
Segundo Elkington (2001), para que uma
do conhecimento e de sua infraestrutura.
organização garanta uma boa gestão,
Gestão de Riscos: compreende a atingindo a sustentabilidade, esta deverá
preocupação da alta direção com os riscos, o garantir ações nos seguintes âmbitos:
gerenciamento destes nas atividades econômico, social e ambiental, que são
organizacionais e o comprometimento da considerados os pilares da sustentabilidade,
empresa em identificar e transparecer os presentes no conceito da Triple Bottom Line.
riscos significantes.
O pilar econômico refere-se às ações que
Mensuração de Desempenho: objetiva visam a rentabilidade financeira, retorno de
monitorar a estratégia, o desenvolvimento do investimentos e estratégias econômicas. Por
projeto, o uso dos recursos, o desempenho outro lado, o pilar social, faz referência aos
dos processos e a entrega dos serviços (ITGI, impactos sociais proporcionados por ações
2007). estratégicas de uma organização. Por fim, o
pilar ambiental está ligado na visão da
Ademais, será mencionado sobre a
empresa e de seus funcionários sobre os
sustentabilidade, Governança de TI Verde, TI
impactos e ações ambientais presentes em
Verde e suas práticas, afim de compreender
seu ambiente (SALLES et al., 2016).
os impactos que a TI gera ao meio ambiente e
o modo como o relacionamento entre a TI e a Diante destes, verifica-se que a união dos
Sustentabilidade, alinhadas com uma boa pilares gera alguns conceitos, tais como: a
gestão proporcionam. ecoeficiência, que surge da fusão de
econômico e ambiental, à socioeconômica,
oriunda da combinação do econômico e
3. SUSTENTABILIDADE social, e a socioambiental, caracterizada pela
união de social e ambiental (RICHTER, 2013).
Diante dos avanços tecnológicos, inovações e
novas formas de produção descontroladas, Ainda com base no conceito de Elkington, um
diversas consequências surgiram, tais como: estudo realizado por Salles et al. (2016),
impactos nos recursos naturais, escassez de utilizou os pilares da sustentabilidade no
recursos, desigualdades sociais, garantindo sentido de dimensões para atingir a
um desenvolvimento insustentável, distante do sustentabilidade, identificando a necessidade
contexto de sustentabilidade econômica, de uma nova dimensão, denominada legal.
social e ambiental (OLIVEIRA et al., 2012).
Segundo Salles et al. (2016), a dimensão legal
Nos anos de 1970, o movimento ecológico foi necessária devido a algumas práticas em
desenvolveu-se na esfera pública, com a que as organizações governamentais
criação dos partidos políticos verdes, nos interferem diretamente, estabelecendo ou
países europeus. Em 1972, a declaração de alterando regulamentações que obrigam as
Estocolmo inseriu o contexto ambiental no instituições a repensarem as estratégias em
modelo de crescimento econômico, tornando prol de uma maior competitividade e
um marco importante na evolução dos autenticidade.
conceitos de sustentabilidade (OLIVEIRA,
Sendo assim, de acordo com as pesquisas de
2010). Ainda, no mesmo ano, assuntos
Salles et al. (2016), para que uma instituição
ecológicos tiveram ênfase maior no cenário
atinja a sustentabilidade, é necessário possuir
mundial, impulsionando debates e fóruns
o alinhamento de quatro dimensões, as quais
globais.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


62

são: econômico, social, ambiental e legal. Segundo Aguilar (2009), em menos de dois
Obtendo este alinhamento, surge uma postura anos após a aquisição de um computador, o
mais responsável e ambientalmente correta consumidor volta às lojas a procura de
frente aos stakeholders (Watson et al., 2010). máquinas com novas tecnologias e maior
capacidade de processamento, promovendo
assim, o consumismo supérfluo.
4. GOVERNANÇA DA TECNOLOGIA DA
Salles et al. (2016) cita que a revolução
INFORMAÇÃO VERDE
tecnológica viabilizou o desenvolvimento do
Segundo Mansur (2011), a Governança de TI contexto de consumismo supérfluo,
Verde garante o desenvolvimento e a provocando um comportamento social repleto
manutenção das metas do negócio, além de de desperdícios, consumismo exagerado de
proporcionar suporte a governança recursos e omissão dos efeitos causados ao
corporativa e minimizar os impactos meio ambiente.
financeiros/ambientais que surgem nas Nesse sentido, Smaal (2009), afirma que os
atividades internas. resíduos eletrônicos representam 5% do lixo
no planeta, cerca de 50 milhões de toneladas.
Lankoski (2008) apresenta que as
Desses, só o Brasil produz 2,6kg de lixo
organizações que possuem uma visão
eletrônico por habitante. Ainda, Viktor (2011),
superficial sobre a TI Verde, tendem a
afirma que os 50 milhões de toneladas de lixo
acreditar que suas práticas aumentarão os
eletrônico produzidos pela população mundial
custos, impossibilitando os resultados
são suficientes para compor vagões de trem
financeiros. No entanto, as diferentes obras
com a capacidade de abraçar o planeta na
presentes no meio científico e em revistas
altura do Equador.
comerciais, afirmam que estas práticas
podem gerar resultados financeiros positivos, O lixo eletrônico prejudica a saúde e o meio
diante de riscos e perdas minimizadas, ambiente, se não forem descartados e
benefícios fiscais e oportunidades tratados de forma correta, pois seus resíduos
proporcionadas as organizações verdes. contêm metais pesados, como chumbo,
cádmio, mercúrio e outros tóxicos (FAVERA,
Sendo assim, para que as organizações
2008).
desfrutem de bons resultados com a
Governança de TI Verde, faz-se necessário Outro fator importante relacionado aos
que todo o negócio organizacional seja impactos da tecnologia da informação no
transparente, incluindo os principais atores meio ambiente, diz respeito às indústrias de
(investidores, clientes, fornecedores, TI, as quais são responsáveis por 2% da
colaboradores e empresa). Nesse sentido, a emissão de CO², gases que provocam o
transparência estabelecida, deve atender aos aquecimento global no mundo (IDG NOW,
códigos de conduta, definidos para a 2009).
obtenção de uma visão mais clara dos
De modo igual, a consultoria Gartner (2007)
compromissos com a sustentabilidade, meio
menciona que esta quantidade de emissão de
ambiente e lucro (MANSUR, 2011).
CO² por parte dos equipamentos de TI,
Ainda segundo Mansur (2011), as direções equivale à quantidade emitida por todos os
para a Governança de TI Verde são traçadas aviões existentes. Contudo, os datacenters
com base nos princípios da governança são responsáveis por 23% desta emissão,
corporativa e na sustentabilidade da nova TI, enquanto que os computadores e monitores
considerando os produtos e serviços que alcançam 40%.
atendam os pilares da sustentabilidade.
Assim, constata a importância de obter
políticas, estratégias e normas em todo o ciclo
de vida dos equipamentos. Essas estratégias
5. TI VERDE
utilizadas em busca da sustentabilidade e da
Parte da influência dos estudos da consciência dos impactos ambientais
sustentabilidade no âmbito da TI, originou-se oriundos das atividades operacionais, surge
devido ao avanço crescente da tecnologia, na área de TI como TI Verde. Segundo Molla
produzindo novos computadores, celulares, (2009), estas são direcionadas principalmente
notebooks e diversas outras tecnologias, pelos negócios, sendo uma das principais
preocupando-se exclusivamente com preocupações dos CIOs (Chief Information
aspectos relacionados à inovação, qualidade Officer).
e uma melhor experiência do usuário.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


63

Molla et al. (2008) cita que a TI Verde pode Ainda segundo Pinto e Savoine (2011), as
ser compreendida como uma abordagem práticas de TI Verde dividem-se em três
holística e sistemática, que tem o intuito de níveis, que são listados a seguir:
reduzir os impactos ambientais causados por
TI Verde de incrementação tática: Neste nível,
atividades de TI, participando ativamente na
a infraestrutura de TI não sofre alterações,
economia de baixa emissão de gases. O
nem as políticas internas da empresa. Propõe-
ambiente sustentável, a busca pela economia
se medidas de redução de gastos elétricos,
com eficiência energética e o custo total de
com medidas que não geram custos.
propriedade (incluindo o custo de descarte e
reciclagem), sãos as dimensões consideradas TI Verde estratégico: Este exige uma auditoria
no contexto da TI Verde (MURUGESAN, para mudança na infraestrutura de TI, em
2008). busca do desenvolvimento de novos meios de
produção e serviço de forma ecológica. Cita-
se como exemplo, uma nova infraestrutura
5.1 PRÁTICAS DE TI VERDE elétrica e sistemas computacionais de menor
consumo.
Diante desta visão da TI Verde, focada em
resultados e considerando as dimensões TI Verde a fundo: Por vez, garante-se os dois
econômica, social e ambiental, são definidas níveis anteriores e requer maiores
práticas relacionadas a área de tecnologia da investimentos para implementação das
informação - denominadas práticas de TI mudanças nas instalações e no aumento de
verde. Segundo Pinto e Savoine (2011), as desempenho com menor gasto (inclui
práticas são aplicadas conforme o perfil de sistemas de refrigeração e iluminação).
cada organização, sendo necessário uma
Buscando identificar as práticas de TI Verde
análise estrutural da empresa, buscando
que são realizadas pelas empresas, Lunardi,
identificar as melhores práticas a serem
Simões e Frio (2014) em sua pesquisa,
implementadas, com o intuito desta aplicação
identificam 37 práticas, sendo 9 as mais
alcançar benefícios ao meio ambiente e
disseminadas e apresentadas no Quadro 2.
empresa.

Quadro 2 – Arquétipos decisórios em TI


Práticas de TI Verde Frequência
Consolidação de servidores 39
Equipamentos mais eficientes 25
Reciclagem de peças, cartuchos e equipamentos 16
Campanhas de conscientização 15
Consolidação de desktops 15
Modernização do datacenter 15
Fornecedores verdes 13
Política de sustentabilidade 13
Descarte correto 13
Fonte: Adaptado de Lunardi, Simões e Frio (2014).

Destaca-se então, a consolidação de pesados em sua composição (LUNARDI,


servidores, que deixa de utilizar vários SIMÕES E FRIO, 2014).
servidores e consiste no investimento em um
Identifica-se, além destas práticas, que a
único servidor, que trabalhe com máquinas
utilização da nuvem pode proporcionar uma
virtuais, dando suporte a diversos serviços.
economia de baixa emissão de CO², além de
Em seguida, a procura por produtos mais
evitar custos elétricos, de estrutura e de uma
eficientes, que garantam a eficiência
equipe relativamente maior. Um relatório
energética e a menor utilização de metais
divulgado pela CARBON DISCLOSURE
PROJECT em 2011, afirmou que a adoção da

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


64

computação em nuvem, permitirá uma nos resultados relacionados à


aceleração na redução de emissão de responsabilidade social e corporativa
carbono anual de 10% para 69% até 2020, (HARMON; AUSEKLIS, 2009).
equivalente a 200 milhões de barris de
Sendo assim, compreende-se que a TI Verde
petróleo.
alinhada com suas práticas, garante
Por fim, para que uma organização possa resultados satisfatórios as organizações,
obter resultados com a TI Verde, é necessário permitindo que estas sejam sustentáveis, ao
que ela tenha consciência da necessidade de mesmo tempo em que atentam-se as
tratar questões ambientais, de modo a dimensões econômicas e sociais. Lankoski
proteger o meio ambiente, enquanto reduz (2008) cita que as práticas de TI Verde
seus impactos negativos sobre ele (KO et al., podem gerar resultados financeiros positivos,
2011). reduzindo os riscos e perdas, ganhos de
benefícios fiscais e oportunidades
proporcionadas as organizações verde.
6. CONSIDERAÇÕES FINAIS
Conclui-se, que de fato, o viés da TI Verde no
A Governança de TI Verde garante o relacionamento com a governança de TI
desenvolvimento e a manutenção das metas satisfaz a necessidade das organizações, que
do negócio, além de proporcionar suporte a almejam ser mais competitivas e cada vez
governança corporativa, minimizando os mais sustentáveis. Este viés ocorre, com a
impactos financeiros/ambientais que surgem inserção de temáticas sustentáveis às
(MANSUR, 2011). estratégias de negócios da organização,
alinhadas com as estratégias de TI.
Observa-se assim, que os pensamentos que
relacionam a Governança de TI com a A literatura ainda apresenta, que a alta
sustentabilidade, em busca de uma direção está preocupada e buscando alinhar
Governança de TI Verde, que proporcione processos sustentáveis a organização, com
ganhos nos pilares da sustentabilidade, ênfase na redução dos impactos ambientais,
garantem o alinhamento entre as estratégias principalmente na área de TI que busca uma
de TI e do negócio, tornando-se um ponto de economia de baixa emissão de CO². Teve-se
atenção da alta direção. Segundo a como fatores limitantes deste estudo, a
consultoria Gartner (2010), a sustentabilidade escassez de obras referentes a temática de
tem adquirido forças na área de TI, sendo Governança de TI Verde.
pauta na reunião de diretores executivos,
Enfim, ressalva-se a pretensão deste trabalho
gerentes, CEOs (Chief Executive Officer) e
de cunho investigativo e que se ateve à
CIOs.
interpretação desse viés e não em decidir ou
As empresas que optam por uma estratégia propor soluções. Finaliza-se então o estudo,
de TI Sustentável, obtêm grande melhora na contemplando mais um aprendizado sobre a
infraestrutura e em todos os processos de Governança de TI Verde.
negócio, proporcionando a influência direta

REFERÊNCIAS
[1]. AGUILAR, Fábio Pacheco. Tecnologia da Centro Universitário de Brasília – UNICEUB/ICPD.
Informação Verde: Uma abordagem sobre Brasília. 2015.
investimentos e atitudes das empresas para tornar
[4]. BOSE, Ranjit; LUO, Xin. Green IT adoption:
socialmente sustentável o meio ambiente. São
a process management approach. International
Paulo, p. 2009-2, 2009.
Journal of Accounting & Information Management ,
[2]. ASSIS, C.B. Governança e gestão da v.20, n.1, p.63-77, 2012.
tecnologia da informação: diferenças na aplicação
[5]. CARBON DISCLOSURE PROJECT STUDY
em empresas brasileiras. 212 f. Dissertação
(2011). Cloud Computing: The IT Solution for the
(Mestrado em Engenharia de Produção) -
21st Century. Recuperado em:
Universidade de São Paulo – USP, São Paulo,
<http://ericksonstrategies.com/wp-
2011.
content/uploads/2014/06/2011_Cloud-Computing-
[3]. ASSIS, W. Governança de TI na The-IT-Solution-for-the-21st-Century.pdf>.
administração Pública Federal: aprimorando a Acessado em 30 de Jul. de 2017.
governança de TI no setor público brasileiro .

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


65

[6]. ELKINGTON, J. Canibais com garfo e [19]. MANSUR, Ricardo. Governança de TI


faca. São Paulo: Makron Books, 2001. verde: o ouro verde da nova TI. Rio de Janeiro:
Ciência Moderna, 2011.
[7]. FAVERA, Eduardo Ceretta Dalla. Lixo
eletrônico e a sociedade. 2008, 8 f. Trabalho como [20]. MOLLA, A. Organizational Motivations for
requisito parcial para aprovação na disciplina de Green IT: Exploring Green IT Matrix and Motivation
Computadores e Sociedade (Graduação em Models. PACIS 2009 Proceedings, 2009.
Ciência da Computação), Universidade Federal de
[21]. Molla, A., Cooper, V., Corbitt, B., Deng, H.,
Santa Maria, Santa Maria, 2008. Disponível em: .
Peszynski, K., Pittayachawan, S., & Teoh, S. (2008).
Acesso em: 08 mar. 2013.
E-readiness to G-readiness: developing a green
[8]. FERNANDES, A. A; ABREU, V. F. information technology readiness framework.
Implantando a governança de TI: da estratégia à Proceedings of the Australasian Conference on
gestão de processos e serviços. Rio de Janeiro: Information Systems, 19, Christchurch, New
Brasport, 2012. Zealand.
[9]. GARTNER, Inc. (2010, April). Gartner [22]. MONTE, F. 51% das empresas brasileiras
estimates ICT industry accounts for 2 percent of já implementaram TI Verde. Computerworld. 2009.
global CO2 emissions. Recuperado em 24 Junho, Disponível em:
2017, de <http://computerworld.com.br/gestao/2009/08/19/5
http://www.gartner.com/it/page.jsp?id=503867 1-das-empresas-brasileiras-ja-implantaram-ti-
verde>. Acessado em: 28/07/2017.
[10]. GARTNER. Gartner: Data Centres Account
for 23% of Global ICT C02 Emissions. [23]. Murugesan, S. (2008). Harnessing green
2007.Disponível em: http://www.gartner.com/it. IT: principles and practices. IT Professional, 10(1),
Acessado em: 25/06/2017. 24-33. DOI: 10.1109/MITP.2008.10
[11]. IDG NOW. Câmara analisa Projeto com [24]. NETO, Antônio Palmeira de Araujo.
regras para descarte de lixo eletrônico. Disponível Impactos dos conceitos da sustentabilidade na
em: < http://idgnow.com.br/ti- governança da tecnologia da informação . 57 f.
pessoal/2008/01/29/camara-analisa-projeto-com- Dissertação (Mestrado em Engenharia de
regras-para-descarte-de-lixo-eletronico/>. Acesso Produção) - Universidade Paulista – UNIP, Sao
em: 18/06/2017. Paulo, 2013.
[12]. ITGI, I. G. I. Cobit 4.1. Illinois, USA: ITGI – [25]. OECD. (2010). Eco-Innovation in Industry:
IT Governance Institute. Disponível em: Enabling Green Growth. Organisation for Economic
<http://www.itgi.org>. Acessado em: 24/06/2017. Co-operation and Development, Paris:
ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-
[13]. ITGI. IT Governance Implementation
OPERATION AND DEVELOPMENT, 2010.
Guide:“How do I use COBIT to implement IT
governance?”, IT Governance Institute. 2003. 58p. [26]. OLIVEIRA, A. E. M. Sustentabilidade e
equilíbrio do crescimento: uma abordagem
[14]. Keeble, J. J., Topiol, S., & Berkeley, S.
contábil-financeira. 2010. 131 f. Tese (Doutorado
(2003). Using indicators to measure sustainability
em Administração de Empresas) – Escola de
performance at a corporate and project level.
Administração de Empresas de São Paulo,
Journal of Business Ethics, 44(2-3), 149–158.
Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, 2010.
[15]. Ko, M., Clark, J., & Ko, D. (2011).
[27]. OLIVEIRA, L. R.; MEDEIROS, R. M.;
Investigating the impact of “green” information
TERRA, P. B.; QUELHAS, O. L. G. .
technology innovators on firm performance. Journal
Sustentabilidade: da evolução dos conceitos à
of Information Technology Management, 22(2), 1-
implementação como estratégia nas organizações.
12.
Produção, v. 22, n. 1, p.70-82, 2012.
[16]. LANKOSKI, L. Corporate responsibility
[28]. PINTO, T. M. C.; SAVOINE, M. M. (2011)
activities and economic performance: a theory of
Estudo Sobre TI Verde e sua aplicabilidade em
why and how they are connected. Business
Araguaína. Revista Científica do Itpac, v. 4, n. 2.
Strategy and the Environment, v. 17, n. 8, 2008, p.
536-547. [29]. RAU, K. G. Effective Governance of IT:
Design Objectives, Roles, and Relationships.
[17]. Levett, R. (1998). Sustainability
Information Systems Management, v.21, n.4, p.35-
indicators—integrating quality of life and
42, 2004.
environmental protection. Journal of the Royal
Statistical Society: Series A (Statistics in Society), [30]. RICHTER, R. M. TI Verde: Sustentabilidade
161(3),291–302. http://doi.org/10.1111/1467- por meio da Computação em Nuvem. Centro
985X.00109 Estadual de Ensino Tecnológico Paula Souza –
CEETPS, São Paulo, 2013.
[18]. LUNARDI, Guilherme Lerch; SIMÕES,
Renata; FRIO, Ricardo Saraiva. TI Verde: Uma [31]. SALLES, A. C.; et al ALVES, A. P. F.;
análise dos principais benefícios e práticas DOLCI, D. B.; LUNARDI, G. L. Tecnologia da
utilizadas pelas organizações. 2014. informação verde: um estudo sobre sua adoção

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


66

nas organizações. RAC-Revista de Administração informatics and new directions for the IS
Contemporânea, v. 20, n. 1, 2016. community. MIS Quarterly, 2010, p. 34(1), 23-38
[32]. SMAAL, Beatriz. Lixo eletrônico: o que [35]. WEBB, P.; POLLARD, C.; RIDLEY, G.
fazer após o término da vida útil dos seus Attempting to define IT governance: Wisdom or
aparelhos. Tec Mundo. 11 ago. 2009. Disponível folly?. In: System Sciences, 2006. HICSS'06.
em: <http://www.tecmundo.com.br/2570-lixo- Proceedings of the 39th Annual Hawaii International
eletronico-o-que-fazer-apos-o-termino-da-vida-util- Conference on. IEEE, 2006. p. 194a-194a.
dos-seus-aparelhos-.htm>. Acesso em:
[36]. WEILL, P.; ROSS, J. W. IT governance:
17/06/2017.
How top performers manage IT decision rights for
[33]. VIKTOR, Mariana. Onde os eletrônicos vão superior results. Harvard Business Press, 2004.
morrer (e matar). Revista Galileu. Disponível
[37]. ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS -
em:<http://revistagalileu.globo.com/Revista/Galileu/
ONU. Report of the World Commission on
0,,EDG87014-7943-217,00-
ONDE+OS+ELETRONICOS+VAO+MORRER+E+M
Enviroment and Development: Our common future.
Disponível em: <
ATAR.html>. Acesso em: 17/06/2017.
http://www.exteriores.gob.es/Portal/es/PoliticaExteri
[34]. WATSON, R. T.;, BOUDREAU, M. C.;, orCooperacion/Desarrollosostenible/Documents/Inf
HEN, A. J. (2010). Information systems and orme%20Brundtland%20(En%20ingl%C3%A9s).pd
environmentally sustainable development: energy f>. Acesso em: 10/06/2017.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


67

Capítulo 7

Clarisse Ferrao
Edson Walmir Cazarini

Resumo: Em época de crise, economias podem emergir, estagnar ou imergir.


dependendo do grau de prontidão ameaças podem tornar oportunidades de
negócio. Para o Brasil, converter risco em vantagem competitiva é algo que ainda
enfrenta barreiras como regulamentações tributárias, infraestrutura e outros. Esta
pesquisa objetiva analisar os indicadores de competividade publicados pelo global
competitiveness report (GCR) no período de 2008 a 2016, visando descrever o
comportamento dos indicadores relacionados ao Brasil antes, durante e após a
crise econômica de 2008, focando inovação. Este estudo se utilizou de dados
secundários, internacionais, compilados pela base de dados disponibilizado pelo
World Economic Forum (WEF) no período de 2008 a 2016. Os resultados
corroboram a relação entre inovação tecnológica e competitividade, medidos a
partir das variáveis inovação (12º pilar) e prontidão tecnológica (9º pilar),
apresentando grau de significância de 99% , teste R2 com correlação positiva do
modelo em 77,9%, e com o Teste F, negando a hipótese nula.

Palavras-Chave: Competitividade; Global Competitiveness Report; Inovação, Brasil.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


68

1. INTRODUÇÃO (2010) como exemplo, o agravamento da


situação fiscal européia corrobora com o
A crise financeira iniciada nos EUA em 15 de
entendimento que cautela é a palavra chave
setembro de 2008 em decorrência da
para avaliações desta magnitude.
declaração de falência do banco de
investimento Lehman Brothers se tornou um Com intuito de acompanhar e analisar o
marco na história, sendo considerada a pior desempenho individual e coletivo das
crise desde a Grande Depressão de 1929, economias mundiais, surgem relatórios
com impacto econômico global e sistêmico. desenvolvidos por entidades como o Fórum
Econômico Mundial (World Economic Forum -
Entretanto, mesmo impactando na economia
WEF), que em parceria com o Instituto
mundial, atingindo ativos financeiros,
Internacional para Desenvolvimento de
compromentendo o desempenho do comércio
Gestão (International Institute for Management
internacional, tanto das economias avançadas
Development - IMD) vem disponibilizando
quanto das emergentes, a percepção é que a
índices padronizados que comparam os
partir de pacotes de ajuda financeira e
níveis de avanço e capacidade de países
medidas fiscais, seus efeitos foram
(CHO; MOON, 2005).
minimizados, evitando assim um quadro
similar ao ocorrido em 1929 (ALMUNIA et al, A primeira publicação do Relatório de
2009). Competitividade Global (Global
Competitiveness Report - GCR) publicado
O período compreendido entre o segundo
pelo WEF data de 2005, onde foi lançado o
semestre de 2008 e início de 2009 foi
Índice de Competitividade Global (Global
marcado pela retração da economia mundial,
Competitiveness Index - GCI), que
e o Brasil acompanhou este cenário.
posteriormente torna-se referência e um
Aos poucos uma parcela importante da poderoso instrumento de pesquisa. Este
economia mundial, especialmente os países relatório é composto tanto por dados macro
emergentes, retomam os níveis de atividade quanto microencômicos, que avaliam a
pós crise. Passado mais de 5 anos, o cenário competitividade dos países (GCR, 2017).
econômico global vem apresentando
O GCI no decorrer dos anos vem sendo
recuperação gradual, colaborando com
atualizado para acompanhar a dinâmica do
análises econômicas que afirmavam que “o
mercado internacional. Em sua última versão
pior já passou”.
disponibilizada na íntegra referente ao ano de
Entretanto, cabe salientar que avaliar o 2016, apresenta a composição do índice
restalebelecimento econômico requer subdividido em 3 áreas, e estas, constituídas
prudência diante de diagnósticos otimistas, por 12 pilares (GCR, 2017).
pois conforme afirmado por IMF (2010) e IIF

Tabela 1 – Descrição das áreas


Área Descrição
englobam os indicadores relacionados as necessidades básicas, primárias,
basic requirement
para um país possa competir eficientemente.
efficiency enhancer englobam os indicadores de eficiência gerando aumento da produtividade.
innovation and sophistication englobam os indicadores de inovação vitais para o desenvolvimento e
factors transposição da barreiras tecnológicas.
Fonte: Adaptado de GCR (2017)

Assim, com esta dinâmica imposta pela uma perspectiva de longo prazo impõe ao
globalização e internacionalização dos pesquisador e sua pesquisa uma ameaça.
mercados, além de um cenário de crise,
Esta pesquisa visou analisar a
previsões tendem a ser cada vez mais frágeis
competitividade brasileira com foco em
quão maior o horizonte temporal sugerido. Em
inovação pós crise de 2008. Para atingir o
outras palavras, antever cenários futuros em
objetivo foram analisadas as bases de dados

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


69

secundárias disponibilizados pelo GCR dos entendimento amplo acerca da rapidez e


anos de 2008 a 2016. dinamismo no qual ocorrem mudanças e
delas traçar prospecções de cenários futuros.
Metodologicamente caracterizando-se quanto
aos objetivos como uma pesquisa Logicamente os dados disponíveis revelam
exploratória, descritiva, com abordagem que não há uniformidade entre o crescimento
quantitativa, inferindo suas observações dos países, havendo um hiato econômico
através de modelo econométrico utilizando os entre aqueles mais pobres e o mais ricos.
mínimos quadrados ordinários (MQO) Desta maneira tratá-las como igual seria um
dispostos em série temporal. erro.
É fato que estes índices não são mutualmente Este modelo é conhecido como efeito de
excludentes e sim complementares. Uma convergência condicional onde o ponto
visão simplista acarretaria em um viés de principal é que países com baixa renda per
pesquisa, pois diversos fatores contribuem e capita tendem a crescer mais rapidamente
influenciam a produtividade e crescimento que países com alta renda em um
econômico como insvestimento em pesquisa determinado período (DE LONG, SUMMERS,
e desenvolvimento, formação básica, tempo 1988; BARRO, SALA-I-MARTIM (1991). Em
médio no ensino básico, infraestrutura suma, o hiato entre os países ricos e pobres
escolar, formação continuada dentre tantos diminuiriam ao longo do tempo.
outros.
Se este modelo se confirmasse, Solow (1956)
Desta forma, o presente trabalho foi afirma que, nas mesmas condições, “países
estruturado em seções. A primeira é pobres deveriam crescer mais rápido do que
composta pela introdução com apresentação os países ricos.”. Assim, a diferença de renda
do objetivo central, o método utilizado e entre países ricos e pobres iria reduzir e os
alguns resultados; a segunda constitui uma padrões de vida iriam convergir ao longo
revisão dos principais construtos teóricos prazo. Entretanto a renda e minimização da
relevantes a pesquisa; a terceira apresenta os desigualdade não se expressa no modelo
resultados gerados a partir da análise das pois esta relação não é linear. Não implica
bases de dados secundárias. Para concluir, a contudo que o modelo é falho mas sim que
quarta seção segue as considerações finais “outras coisas” não são iguais como o nível de
onde são apresentadas conclusões do produtividade ou a competitividade, tal como
estudo, frente ao objeto da pesquisa bem definido pelo Fórum Econômico Mundial
como considerações apontadas pelos autores (GCR, 2017).
como relevantes.
Assim, com o objetivo de minimizar estes
erros, o GCR propos um critério conforme
figura 2 baseado na teoria dos estágios de
2. REFERENCIAL TEÓRICO
Porter (1990), sugerindo 5 estágios de
2.1 A ECONOMIA MUNDIAL PÓS 2008 crescimento de acordo com o Produto Interno
Bruto per capita (GDP per capita US$), a
Analisar a economia mundial requer o
saber:
desenvolvimento de um complexo sistema
onde inúmeras variáveis devem ser
acompanhadas para que possa criar um

Figura 1 – Estágio de desenvolvimento.

Fonte: GCR (2017)

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


70

Desde 2011 o Brasil encontra-se no estágio desemprego e consequentemente queda na


de transição entre o Estágio 2 e Estágio 3. produção industrial, instaurando pessimismo
Entretanto, é sabido que a economia mundial nos diversos setores econômicos.
encontra-se contraída e em compasso de
Passado a sensação que “o fim está por vir”,
cautela pós 2008 já que o modelo econômico
a produção é retomada com contratações,
americano não mais consiste em algo
minimizando os efeitos colaterais que em
palpável e sustentável. Dentre os motivos,
grande parte foi atenuada pela China com a
podemos citar a instabilidade da economia
compra de commodities como soja, café,
chinesa com a fuga de ativos e queda nas
laranja, minério de ferro, petróleo e outros.
bolsas de valores que em agosto de 2015
apresentou queda diária de mais de 8%, Mas mesmo com este apoio, a ineficácia da
maior indicador desde o auge da crise gestão pública no que relaciona seus ativos e
financeira desencadeada pelos Estados financiamentos começaram a transformar uma
Unidos. realidade positiva em projeções pouco
agradáveis.
Contudo os países emergentes agradecem a
China pois, no ápice da crise de 2008, serviu Posteriormente estas projeções foram
como amortecedor, enfraquecendo as ondas confirmadas através de dados publicados por
de instabilidade dos mercados, impedindo organismos internacionais como o Banco
que a crise resultasse em um cenário de Mundial, FMI, WEF que retratam a realidade
proporções similares ao de 1929. de uma economia em estágio embrionário no
que tange corrupção, controle cambial e
Ao assumir o papel de contenção da crise,
taxas de juros, pouco estímulo a investimento
ganhou tempo, convertendo-se rapidamente
direto estrangeiro, insignificantes números de
na segunda economia mundial, primeira
parcerias público privadas, pesquisa
produtor e consumidor mundial de aço,
excessivamente “teórica”, raras ações de
terceiro emissor de inversão estrangeira
investimento público em P&D (parques
direta, maior possuidor do mundo de reservas
tecnológicos, escritórios para transferência de
em moeda estrangeira e recente fundador do
tecnologia, incubadoras de empresas e
Banco Asiático de investimento em
operações com capital de risco), baixos
infraestrutura (BAII) já aderido por 45 países
números de marcas e patentes, limitado
como o Reino Unido, Alemanha e França.
acesso a informação e tecnologias de ponta,
A expansão chinesa, com a consolidação de estrutura educacional defasada e sem
um mercado consumidor de mais de 500 qualidade, incipiente estímulo a formação
milhões de pessoas, gerou demanda intensiva contínuada, baixa taxa de permanência na
por produtos fornecidos por diversos países. escola, insvestimentos em inovação atrelados
Contudo com a crise e menor crescimento do a empresas de classe mundial com filiais no
PIB, a demanda por commodities como Brasil, deficiente gestão do conhecimento e
petróleo, soja, açúcar, café vem sendo ineficiente transição escola-trabalho para citar
reduzidas afetando principalmente os países alguns.
emergentes como o Brasil, que tem a China
Segundo o estudo publicado pelo Banco
como principal destino de suas exportações.
Mundial (GCR, 2017) para que o Brasil torne-
Uma outra consideração encontra-se na
se sustentável e competitivo na economia do
diminuição de recursos vindos de investidores
conhecimento se faz necessário amplicar
internacionais em países como o Brasil.
reformas que estimulem os investimentos,
expansão e incentivos a inovação e melhoria
no sistema educacional.
2.2 RETRATO DA ECONOMIA BRASILEIRA
Já o GCR (2015 p. 12) afirmou que “não
Como já relatado anteriormente, a crise
obstante estes desafios, o Brasil se beneficia
mundial iniciada nos Estados Unidos em
com importantes vantagens como seu
meados de 2008 teve reflexos capilares em
tamanho do mercado e sofisticada
todos os países com intensidades distintas
comunidade de negócios (47º), com diversas
porém amargas.
áreas de excelência em inovação (44º) com
Especificamente para o Brasil, o último atividades de alto valor agregado dedicados
semestre de 2008 foi marcado por à investigação.”

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


71

No período de 2003 a 2013 o Brasil vivenciou Este processo técnico é o que diferencia as
uma década de progresso econômico. Dados empresas pois maiores índices de processo
deste período revelam que mais de 26 técnico tendem a garantir melhores posições
milhões de pessoas sairam da probreza e a competitivas .
desigualdade social decaíram
Desta forma, Nelson apud Haguenauer (2012)
significativamente segundo o coeficiente GINI
revela o processo técnico como elemento
de 6% em 2013 para 0,54 em 2014. Entretanto
central da eficiência produtiva, declarando
cabe salientar que desde 2013 os índices de
que “há duas formas básicas de difusão do
desigualdade e probleza vem apresentando
progresso técnico na economia: através do
sinais de estagnação (GCR, 2015). No que
crescimento da firma que adota a inovação –
relaciona renda, no período de 2002 a 2012,
caso em que aumentaria a competitividade da
da polulação classificada como de baixa
firma, permanecendo o resto da indústria na
renda, 40% tiveram seus rendimentos
tecnologia antiga, aumentado a
ampliados em média de 6,1% em
heterogeneidade industrial; e através da
contrapartida ao crescimento de 3,5% da
difusão entre firmas – caso em que se reduz a
renda da população total.
distância entre a média e a melhor prática,
O déficit da balança comercial foi ampliado aumentando a competitividade de toda a
de 2,1% do PIB em 2011 para 4,2% em 2014, indústria.”
refletindo o agravamento condições
Para Takahashi e Takahashi (2007) uma das
comerciais e o declínio das exportações de
mais relevantes competências no mundo atual
bens manufaturados. Conjuntamente, o PIB
é a inovação pois ela é capaz de alterar as
desacelerou de 4,5% em 2006-10 para 2,1%
regras da gerando vantagem competitiva e
em relação a 2011-14 e 0,1% em 2014, com a
sustentável.
inflação em alta, encerrando 2014 com
valores reais de 6,4%. Para a OCDE (2005), inovação é conceituada
como “uma inovação é a implementação de
um produto (bem ou serviço) novo ou
2.3 COMPETITIVIDADE, DESENVOLVIMENTO significativamente melhorado, ou um
E INOVAÇÃO processo, ou novo método de marketing, ou
um novo método organizacional nas práticas
A fundamentação para compreensão dos
de negócios, na organização do local de
vetores condicionantes que estimulam a
trabalho ou nas relações externas”.
investigação sobre os temas competitividade
e desenvolvimento relacionados a inovação Segundo Rodrigues et al (2008) inovação
está longe de ser esgotada, pois com o pode ser considerada melhoria em produtos
dinamismo dos mercados internacionais, e/ou serviços, processos ou modelos de
países apontados com alto grau de negócio. Todavia medir e validar inovação
competitividade poderão tornar-se obsoletos baseado apenas em indicadores voltados
da noite para o dia, e previsões tendem a ser para pesquisa e desenvolvimento (P&D) não
cada vez mais frágeis quão maior o horizonte atendem a nova economia conhecida também
temporal sugerido. Em outras palavras, como economia do conhecimento. O autor
antever cenários futuros em uma perspectiva afirma que “não se deve pensar apenas em
de longo prazo impõe ao pesquisador e sua P&D e criação de conhecimento mas sim
pesquisa uma ameaça. atentar para os detalhes da sua aquisição,
adaptação, difusão e uso nos diversos
O concenso acerca do conceito de
ambientes.”
competitividade vem sendo discutido nas
diversas esferas do saber com contribuições O mesmo autor corrobora complementando
de diversos autores como Fajnzylber (1988, p. fazendo menção a pluralidade sócio
13) que afirma “a competitividade consiste na econômica e padrões comportamentais
capacidade de um país para manter e (cultura) de uma nação, sugerindo com isso
expandir sua participação nos mercados que o respeito as diferenças seja um fator
internacionais e elevar simultaneamente o crítico de sucesso ao desenvolvimento de um
padrão de vida de sua população”. ambiente propício que estimule à inovação.
Complementa ainda que a competitividade
Outros autores como Cantner; Joel; Schmidt
“autêntica” exige aumento de produditividade,
(2009, p.187) declaram que empresas
o que só é obtido através da incorporação de
industrializadas compõem a economia do
progresso técnico.
conhecimento.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


72

Complementando, O´regan; Ghobadian; Sims não se trata da caracterização de uma ciência


(2006, p. 251) inferem que por estarem (as adicional, mas de uma forma científica de
empresas) em ambientes pré dispostos a traduzir o modelo teórico para uma
instabilidade, dinamismo e complexidade, a formulação empiricamente testável.
tecnologia, a globalização e o conhecimento
A linha de pensamento seguida neste trabalho
influenciam a performance das mesmas,
é a de Hendry (1987) que se constitui a
obrigando-as a buscar novas alternativas para
atitude inversa a teoria tradicional de
a geração de riqueza. É o processo de
Koopmans (1957) que é norteada por
desconstrução do cenário óbvio e previsível,
"partindo-se dos dados existentes, tenta-se
para o imprevisível e instável.
montar um modelo o mais adequado possível
Com isso as empresas são obrigadas a à "história" representada pelos dados. A
garantir vantagem sustentável através do regressão linear múltipla acontece quando o
conhecimento, ativo que, ao contrário dos valor da variável dependente é função linear
recursos materiais que diminuem quão maior de duas ou mais variáveis independentes.
for o tempo de uso, já que “idéias geram
O Modelo estatístico de uma regressão linear
novas idéias e o conhecimento compartilhado
múltipla com k variáveis independentes é:
permanece com o doador ao mesmo tempo
em que o enriquece o receptor”
(DAVENPORT; PRUSAK, 1998, p. 20)
Yj = 0 + 1 Xkj + 2 Xkj+2 + ... + k Xkj+n
+  (1)
3. METODOLOGIA E TRATAMENTO DOS Onde:
DADOS
• Yj indica a j-ésima observação da variável
A análise feita pelo GCR (2017) revelou que dependente.
“países que apresentam deficiências
• Xkj indica a j-ésima observação da
estruturais, pós crise de 2008 têm se
variável independente k.
mostrado menos competitivos (produtivos) e
que durante a crise, as economias mais • βk indica o coeficiente referente a variável
competitivas sistematicamente superou as independente k.
menos competitivas em termos de
crescimento econômico pois "ou resistiu à • j indica uma variável aleatória com média
crise melhor ou recuperou mais zero e variância constante.
rapidamente". Com as seguintes pressuposições:
Assim, para efeito deste estudo foram 1. A variável dependente Yj é função linear
analisado os 2 pilares que relacionam das variáveis independentes.
diretamente inovação tecnológica (12º pilar)
bem como seu uso, disponibilidade e acesso 2. Os valores das variáveis independentes
(9º pilar). Seus pesos foram mantidos de são fixos.
acordo com a metodologia utilizada para 3. 𝐸(𝑢𝑖 ) = 0
cálculo do GCI.
4. Os erros são homocedásticos, isto é,
Assim os pilares 9 e 12 são complementares e 𝐸(𝑢𝑗2 ) = 𝜎 2
representam o problema desta pesquisa que
pretende analisar a influencia da inovação na 5. Os erros são não-correlacionados entre
competitividade internacional (GCR, 2017). si, isto é, E(ujuh) = 0 para j ≠ h.
A metodologia aplicada tem abordagem 6. Os erros tem distribuição normal.
quantitativa onde observações foram
analisadas através do modelo econométrico
dos mínimos quadrados ordinários (MQO) e Para validação das variáveis e o quanto
dados dispostos em série temporal. podem ser explicadas são calculados os
coeficientes de determinação R2. No caso de
Conforme descrito por Barossi Filho, Braga uma regressão simples, ou seja, k=1, o
(2000), a aplicação de métodos matemáticos quadrado do coeficiente de correlação de
e estatísticos à de conjuntos de dados Pearson é chamado de coeficiente de
econômicos, com o objetivo de prover suporte determinação ou simplesmente R2. No caso
empírico as teorias econômicas, constitui-se geral definimos R como:
no ponto fundamental da Econometria mas

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


73

não deixa claro como foi feito este caminho de


forma a concluir que o efeito positivo
acontecesse nestes 2 pilares estudados.
(2) Assim, este ensaio tentou comprovar através
Modelo e variáveis da estimação utilizando o MQO para analisar
e validar esta relação dita como linear.
O objetivo central desta pesquisa é validar a
relação direta existente entre inovação e Desta forma, são declaradas as varáveis:
competitividade no Brasil no período de 2008 variável dependente (y) – GCI e variáveis
a 2016 (WEF, 2016) buscando responder ao independentes (x) – INOVACAO e BCONH.
seguinte problema de pesquisa: Como a Além dos parâmetros para as variáveis
inovação influencia a competitividade independentes das equações de regressão e
brasileira? suas respectivas significâncias, também
A hipóteses deste projeto foram: foram calculados os valores de R2
(coeficiente de determinação) e a
a) Como a inovação influencia a significância da equação de regressão (p-
competitividade brasileira? valor).
H0: Não há correlação positiva entre Foi aplicado também o teste de White para
COMPETITIVIDADE e INOVAÇÃO. avaliar a heterocedasticidade dos resíduos
H1: Há correlação positiva entre (WHITE, 1980) e o teste LM para avaliar a
COMPETITIVIDADE e INOVAÇÃO. autocorrelação dos resíduos e teste de
normalidade dos resíduos (GREENE, 2000).
O estudo parte do pressuposto que as Considera-se que um modelo válido deve
equações de estimação foram desenhadas apresentar resíduos homocedásticos, não
mesmo tendo ciência que outras variáveis autocorrelacionados e com distribuição
podem vir a influenciar a competitividade. normal.
Entretanto para simplificação para fins de
modelagem, foi admitido que a inovação A justificativa desta análise é verificar se há
impacta positivamente na competitividade. relação de significância entre as variáveis e a
partir dos resultados encontrados apontar
A relação a ser testada via MQO por esta fatores que porventura influenciam a
seção será a capacidade de ajuste entre os competitividade brasileira.
indicadores de inovação (tecnológica e
baseada em conhecimento) e os seus O conceito de cada uma das varáveis
impactos sobre a competitividade. analisadas encontram-se no GCR (2017). O
estudo contou com o auxílio dos softwares
Microsoft Excel 2013 e GRETL 1.9.7.
Logo: GCIt,p = β1 + β2INOVACAOi,p,t +
β3BCONHi,p,t + ε (3)
4. ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS
Onde: RESULTADOS
GCIt,p = Índice global de competitividade Como a inovação influencia a competitividade
para o país p no ano t brasileira?
INOVACAOi,p,t = Índice de inovação A análise econométrica proposta por este
tecnológica i para o país p no ano t estudo, a partir da série temporal avaliada no
período de 2008 a 2016, relacionando o GCI
BCONHi,p,t = Índice de inovação
como variável dependente aos 2 pilares de
baseada em conhecimento i para o país p
base tecnológica (9º e 12º) apresentou um
no ano t
grau de significância de 99% tanto para a
variável Inovação (12º pilar), quanto para
Prontidão Técnológica (9º pilar).
Para o GCI (GCR, 2017) há uma alta
correlação entre os indicadores que É importante salientar que as variáveis
compõem os 12 pilares e o GCI. Em linhas independentes analisadas possuem relação
gerais fica entendido que quão maior dentro do modelo. Ou seja, o grau de
apresente-se o indicador de INOVAÇÃO e/ou significância mesmo que aparente aquém é
TECNOLOGIA maior será seu impacto validado pelo teste R2 que comprova que há
positivo no GCI. Entretanto esta publicação sim uma correlação positiva do modelo

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


74

representado em 77,9% e com o Teste F, Modelo 1: MQO, usando as observações


negando a hipótese nula e confirmando que 2007-2016 (T = 10) / Variável dependente:
há correlação positiva entre GCI
COMPETITIVIDADE e INOVAÇÃO.

Coeficiente Erro Padrão razão-t p-valor


const −0,664052 1,00071 −0,6636 0,5282
i_Innovation 0,921931 0,209842 4,3935 0,0032***
e_Technological_readiness 0,43195 0,0937388 4,6080 0,0025***
D.P. var.
Média var. dependente 4,215138 0,142004
dependente
Soma resíd. quadrados 0,040089 E.P. da regressão 0,075677
R-quadrado
R-quadrado 0,779105 0,715992
ajustado
F(2, 7) 12,34462 P-valor(F) 0,005066
Log da verossimilhança 13,40678 Critério de Akaike −20,81357
Critério Hannan-
Critério de Schwarz −19,90581 −21,80937
Quinn
rô −0,074619 Durbin-Watson 2,117722

Hipótese nula: a especificação é adequada


Teste RESET para especificação Estatística de teste: F(2, 5) = 0,486392
com p-valor = P(F(2, 5) > 0,486392) = 0,641184
Hipótese nula: sem heteroscedasticidade
Teste de White para a
Estatística de teste: LM = 3,66223
heteroscedasticidade
com p-valor = P(Qui-quadrado(5) > 3,66223) = 0,598995
Hipótese nula: sem autocorrelação
Teste LM para autocorrelação
Estatística de teste: LMF = 0,0387149
até a ordem 1
com p-valor = P(F(1, 6) > 0,0387149) = 0,85051
Hipótese nula: sem autocorrelação
Teste LM para autocorrelação
Estatística de teste: LMF = 0,405586
até a ordem 2
com p-valor = P(F(2, 5) > 0,405586) = 0,686698
Fatores de Inflacionamento da Variância (VIF) / Valor mínimo
possível = 1,0
Fatores de Inflacionamento da
Variância (VIF) Valores > 10,0 podem indicar um problema de colinearidade
(Multicolinearidade)* i_Innovation 1,713
Technological_readiness 1,713
GCI = −0,664052+ 0,921931*GCIC12 + 0,43195*GCIB09
Equação
R-quadrado = 0,779**
* GRETL assume que Valores > 10,0 podem indicar um problema de colinearidade.
** Erros padrão entre parênteses.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


75

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS É fato que a estabilidade econômica


alavancou investimentos, mas ainda são
A retomada do crescimento do Brasil a partir
poucos face a necessidade de aceleração do
dos anos 2000 tem aparentemente
crescimento. Para isso, eficiência nos gastos
contribuido para minimizar o hiato encontrado
governamentais, redução da dívida pública,
entre a desigualdade de renda. Um dos
melhoria da qualidade de vida, ajuste fiscal
fatores foi a implementação de programas e
são alguns pontos que devem ser objetivados
ações direcionadas para ascender parte da
pelo governo a fim de estimular investimentos
população que encontrava-se na linha de
externos.
pobreza. Estas ações além de socialmente
serem corretas, justas e obrigatórias pelo Com um mercado ainda focado no consumo
Governo, favorecem sobremaneira a interno, o horizonte de atuação do Brasil
economia, injetando recursos que torna-se limitado e com isso, limitante a
anteriormente não estavam disponíveis. investidores internacionais que almejam novos
negócios em economias emergentes. Com o
Este ciclo virtuoso poderia e deveria ser
olhar para o GCR, a competitividade brasileira
melhor gerenciado caso houvesse políticas
vem apresentando um crescimento bastante
públicas suficientemente fortes para ajustar o
inferior aos prospectados desde a abertura de
gargalo produtivo que existe e persiste no
mercado.
Brasil relacionado a altas taxas e tributações,
impedindo o crescimento econômico de Muitos destes indicadores e a dependência
maneira mais agressiva. Estas barreiras entre eles respondem questões sobre a
causam letargia a economia impedindo que o competitividade brasileira, pois como é
Brasil se transforme em uma economia de possível que um país seja competitivo se há
classe mundial. Um outro ponto que merece falta de credibilidade nas instituições
atenção é com relação as exportações de governamentais, o ambiente economico e de
commodities e produtos manufaturados que negócios é alicerçado pela falta de ética,
segundo o GCR (2017) permanecerá por mais baixos índices de investimentos em
alguns anos. Esta afirmação assume a infraestrutura, pouca utilização de tecnologia
contramão do crescimento sustentável. em setores produtivos considerados
Todavia é sabido que a base produtiva prioritários e desigualdade na distribuição de
brasileira encontra-se desafada renda. Estes desafios deverão ser
comparativamente aos países avançados no ultrapassados com esforços concentrados
que relaciona inovação, atrelando pouca tanto na estabilidade interna quando na
tecnologia de ponta e inovação aos consolidação competitiva no mercado externo
processos produtivos, em diversos setores com oferta de produtos e serviços com alto
econômicos. valor agregado, custos competitivos,
qualidade e inovação. Para tal, investimentos
Isso faz com que a economia tenda a
em inovação através de parceiras público
estagnação, diminuindo a competitividade a
privadas, formação de pesquisadores e
nível internacional pela oferta mundial de
engenheiros além de estímulo a investimentos
produtos e serviços com pouco valor
externos são fatores que contribuirão para a
agregado.
alavancagem economica do Brasil.

REFERÊNCIAS
[1]. ALMUNIA, M., BÉNÉTRIX, Agustín S., 15/08/entenda-o-que-esta-acontecendo-na-china-
EICHENGREEN, B., O'ROURKE, K.H., NBER, G. e-os-reflexos-nos-mercados.html. Acesso em 03
From Great Depression to Great Credit Crisis: jan. 2016.
Similarities, Differences and Lessons. Working
[3]. BARRO, R. J. AND SALA-I-MARTIN, X.
Paper No. 15524 November 2009 JEL No. E63,
(1991). Convergence across States and Regions.
F16, N10, N27. Disponível em:
Brooking Papers on Economic Activity, 1: 107-182.
http://www.nber.org/papers/w15524.pdf. Acesso
em 10 fev. 2017. [4]. BAROSSI FILHO, M.; BRAGA, M. B.
Metodologia da econometria. In: VASCONCELLOS,
[2]. ALVARENGA, D. LAPORTA, T. Entenda o
M. A. S.; ALVES, D. (cord.). Manual de
que está acontecendo na China e os reflexos nos
econometria. São Paulo: Atlas, 2000.
mercados. Disponível em:
http://g1.globo.com/economia/mercados/noticia/20

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


76

[5]. BUSSAB, W., MORETTIN, P. A. Estatíıstica [17]. KOOPMANS, T. C. Three essays on the
básica. São Paulo: Saraiva, 2013. state of economics science. New York: McGraw-
Hill, 1957.
[6]. CANTNER, U, JOEL, K, SCHMIDT, T.
(2009). The use of knowledge management by [18]. LONG, J. B., SUMMERS, L. H. How Does
German innovators. Journal of knowledge Macroeconomic Policy Affect Output?. Disponível
management , 13(4), 187-203. em:
http://www.brookings.edu/~/media/Projects/BPEA/1
[7]. CHO, D. S., H. C. MOON. 2005. National 988-
competitiveness: Implications for different groups 2/1988b_bpea_delong_summers_mankiw_romer.P
and strategies. International Journal of Global DF. Acesso em 12 jan. 2016.
Business and Competitiveness 1 (1): 1-11.
[19]. OCDE. Oslo Manual: Guidelines for
[8]. DAVENPORT, T., H.; PRUSAK, L. Collecting and Interpreting Innovation Data.OCDE
Conhecimento empresarial: como as organizações publishing, 3rd Edition, Paris, 2005.
gerenciam o seu capital intelectual. Rio de Janeiro:
Campus, 1998 [20]. PORTER, M. E. 1998. On competition.
Boston: Harvard Business School Publishing.
[9]. FAJNZYLBER, F. Competitividad
Internacional: evolución y lecciones. Revista de la [21]. O'REGAN, N., GHOBADIAN, A.,
CEPAL, n. 36, Santiago, 1988. GALLEAR, D. In search of the drivers of high
growth in manufacturing SMEs. Technovation,
[10]. GCR. The Global Competitiviness report (2006) 26(1): 30-41. Disponível em:
2016-2017. Disponível em: http://bura.brunel.ac.uk/bitstream/2438/1309/1/Driv
http://www3.weforum.org/docs/GCR2016- ersSMEs06.pdf. Acesso em 15 fev. 2016.
2017/05FullReport/TheGlobalCompetitivenessRepo
rt2016-2017_FINAL.pdf. Acesso em 15 jun. 2017. [22]. PORTER, M. E. 1990. The competitive
advantage of nations. New York: The Free Press.
[11]. GREENE, W. Econometric Analysis. 5ª
Edição, Prentice Hall, 2003. [23]. RODRIGUEZ, A., DAHLMAN, C., SALMI, J.
Knowledge and innovation for competitiveness in
[12]. HAGUENAUER, L. Competitividade: Brazil. Washington, DC: The International Bank for
conceitos e medidas: uma resenha da bibliografia Reconstruction and Development; World Bank,
recente com ênfase no caso brasileiro. Rev. econ. 2008. ISBN 978-0-8213-7438-2.
contemp., Rio de Janeiro , v. 16, n. 1, p. 146-
176, Apr. 2012 . Available from [24]. SOLOW, R. M. (1956). A Contribution to
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext the Theory of Economic Growth. Quarterly Journal
&pid=S1415- of Economics, 70 (5), 65-94.
98482012000100008&lng=en&nrm=iso>. access
[25]. TAKAHASHI, S., TAKAHASHI, V. P. Gestão
on 14 Feb. 2016. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-
de inovação de produtos. São Paulo: Campus,
98482012000100008.
2007
[13]. HENDRY, D. F. Econometric methodology:
[26]. WHITE, H. A Heteroskedasticity-Consistent
a personal perspective. In: BEWLEY, T. F.
Covariance Matrix Estimator and a Direct Test for
Advances in econometrics. Cambridge: Cambridge
Heteroskedasticity. Econometrica, 1980, vol. 48,
University, 1987.
issue 4, pages 817-38. Disponível em:
[14]. IIF – Institute of International Finance. http://www.jstor.org/stable/1912934?seq=1#page_s
Capital Flows to Emerging Market Economies, jan., can_tab_contents. Acesso em 16 jan. 2016.
[15]. 2010. [27]. World Bank. 2014. World Development
Indicators 2014 database. Disponível em:
[16]. IMF – International Monetary Fund. http://data.worldbank.org/products/wdi.Acesso em
Economic Outlook, abr., 2010. 26 jn. 2016.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


77

Capítulo 8

Gabriel Willians de Souza Aguiar


Stella Jacyszyn Bachega
Nilson José Fernandes
Rogério Santana Peruchi

Resumo: O setor automotivo vem apresentando um grande crescimento ao longo


do tempo, o que decorre em uma série de oportunidades ao setor de manutenção e
reparo. Aliado ao aumento deste mercado encontra-se também o crescimento das
exigências por parte de seus consumidores, como por exemplo, a busca pela maior
qualidade dos serviços e menores custos. Nesse contexto, a implementação de
programas de Qualidade Total contribui para elevar o nível de satisfação dos
clientes. Dentro desta abordagem destaca-se o programa 5S, devido a sua baixa
taxa de investimento, característico deste tipo de seguimento, e também devido ao
potencial de altas taxas de retorno em relação à produtividade e qualidade. Este
trabalho teve como objetivo a implementação do programa 5S em uma pequena
oficina de reparos e manutenção veicular. Para tanto, foi empregada a abordagem
de pesquisa qualitativa e os procedimentos de pesquisa estudo de caso e teórico-
conceitual. A implementação do programa promoveu uma nova abordagem
comportamental ao ambiente de trabalho observado. Dentre as melhorias
observadas pode-se citar: maior limpeza e organização da oficina, layout
aprimorado para os processos de retífica, maior comprometimento dos
funcionários, entre outras.

Palavras chave: Programa 5S, Oficina de carros, Estudo de caso.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


78

1. INTRODUÇÃO Neste contexto, o presente trabalho teve


como objetivo implementar o programa 5S
Dados emitidos pela Confederação Nacional
no ambiente produtivo de uma pequena
da Indústria (2014) afirmam que a intenção
oficina de reparos e manutenção veicular,
de consumo de veículos automotores por
localizada em uma cidade do entorno do
brasileiros apresenta um crescimento de
Distrito Federal. O programa 5S foi
21%. Dados do Sindicato da Indústria de
escolhido devido a suas características de
Reparação de Veículos e Acessórios do
baixa taxa de investimento e alto retorno
Estado de São Paulo (2014) indicam que,
em relação à produtividade e qualidade.
com um crescimento anual médio de 7,4%
da frota veicular, até o final do ano de 2015 Para cumprir este objetivo, o trabalho foi
haverá uma totalidade de 46,5 milhões de estruturado da seguinte forma: na segunda
veículos rodando no país. seção há o referencial teórico utilizado para
guiar o estudo de caso; a terceira seção
De acordo com Peregrino (2014), a grande
apresenta os métodos de pesquisa
quantidade de marcas e modelos
utilizados; a quarta seção expõe os resultado
produzidos direcionam as concessionárias
e discussões; e na quinta seção há as
em focar suas atividades no segmento de
considerações finais.
vendas. Com isto há uma crescente abertura
de mercados no segmento de reparo e
manutenção veicular, realizado por oficinas
2 REFERENCIAL TEÓRICO
independentes.
Após a Segunda Guerra Mundial, o
Aliado ao crescimento deste mercado,
ambiente de destruição era compartilhado
aumenta-se também a concorrência, o que
por vários países, sendo um destes o Japão.
tem levado as oficinas mecânicas a
O Programa 5s surgiu com objetivo de
buscarem formas de alcançar um diferencial
combater a desorganização das fábricas
competitivo em relação aos concorrentes.
japonesas (RIBEIRO, 1994).
Antonio Fiola, presidente do Sindirepa
Nacional (Assossiação das Entidade Oficiais Campos (1999) define o programa 5S como
da Reparação de Veículos do Brasil) afirma uma ferramenta que visa mudar a maneira
que, “a especialização em determinados de pensar das pessoas. Além disso, é uma
serviços é uma prática que vem sendo nova maneira de conduzir a empresa a
adotada por várias empresas como forma de ganhos efetivos de produtividade. De forma
aperfeiçoar os resultados, garantir a geral, o programa 5S trata da arrumação, da
qualidade dos serviços e obter maior ordem, da limpeza, do asseio e da
rentabilidade no negócio” (NUNES; MARTINS, autodisciplina dos funcionários de uma
2014). organização (REBELLO, 2005).
A implementação de programas de A implementação do Programa 5S
qualidade total leva a uma significativa proporciona melhoria no ambiente de
melhoria de produtos, serviços e/ou trabalho, maior produtividade, segurança,
processos (GISMONTI; MONTEIRO JUNIOR; motivação dos funcionários e aumento, tanto
MENEZES, 2009). Diante este fato, a na competitividade, quanto na organização do
implementação de um programa 5S em ambiente. Dentre as principais metas do
uma oficina de manutenção e reparos programa estão a satisfação do cliente, a
automotivos certamente pode significar uma motivação dos funcionários, a melhora do
expressiva diferenciação diante um novo ambiente de trabalho e a economia dos
cenário empresarial. recursos escassos (VANTI, 1999).
Para Silva et al. (2001), o programa 5S é
caracterizado por profundas mudanças nos
Nessa mesma linha, Alvarez (2001) apresenta
espaços físico (organização geral) e mental
os principais objetivos do programa 5S:
(mudança na maneira de pensar e agir das
melhoria física do ambiente de trabalho;
pessoas nas relações com o ambiente de
prevenção e redução de acidentes durante a
trabalho). Aplicações de 5S podem ser
execução do trabalho; incentivo à criatividade
verificadas em Warwood e Knowles (2004),
das pessoas envolvidas na área de trabalho;
Khanna (2009), Rahman et al. (2010),
redução dos custos de instalações;
Mauricio, Leal e Sousa (2014), Gazel, Salles e
eliminação do desperdício de materiais e
Feitosa (2014) e Costa et al. (2014), entre
esforços humanos; desenvolvimento do
outros.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


79

trabalho em equipe; melhoria nas relações maneira de conduzir a empresa a ganhos


humanas; e melhoria da qualidade de efetivos de produtividade (FALCONI, 2004).
produtos e serviços.
De acordo com Ribeiro (2006), os três
Falconi (2004) explica que o programa 5S primeiros sensos são considerados
possui esse nome devido à cinco palavras mecânicos, pois as pessoas utilizam os
japonesas, ou também chamadas de sensos. sentidos para praticá-los sendo, portanto,
Elas são: Seiri (Separação); Seiton mais fáceis de serem compreendidos. Ao
(Ordenação); Seiso (Limpeza); Seiketsu contrário dos últimos dois sensos (saúde e
(Padronização); Shitsuke (Disciplina). autodisciplina) que são de ordem
psicológica e, por isso, mais difíceis de serem
Ribeiro (1999) descreve o significado de cada
assimilados.
senso como:
Dentre outros autores que tratam do
SEIRI (Senso de Utilização, Seleção,
assunto 5s estão: Osada (1992), Silva
Classificação): trata-se de saber utilizar sem
(1994), Ho e Cicmil (1996), Oliveira (1997) e
desperdiçar. Separar as coisas necessárias
Ribeiro (1999).
das desnecessárias. Seus benefícios são a
redução (ou eliminação) do desperdício e a
melhor utilização dos espaços.
3 MÉTODO DE PESQUISA
SEITON (Senso de Ordenação, Arrumação,
A abordagem de pesquisa qualitativa foi
Organização): trata-se de organizar para
utilizada neste trabalho, pois apresenta as
facilitar o acesso e a reposição, ou seja,
seguintes características descritas por Bryman
definir o lugar das coisas. Tem como
(1989):
benefícios a redução do tempo e os
desgastes físicos e mentais para acessar  o pesquisador precisou assumir uma
aquilo que se deseja. postura de membro da organização,
SEISO (Senso de Limpeza, Inspeção, Zelo): que influencia na interpretação da
neste senso o usuário de um local passa a natureza da organização;
ser responsável por sua limpeza,  a pesquisa apresentou um forte senso
verificando o que provoca sujeira, buscando de contexto;
soluções para eliminá-la, atenuá-la ou
bloqueá-la. Neste senso há benefícios para a  existia uma ênfase no processo,
saúde das pessoas e para a vida útil das com desdobramentos de eventos
instalações. durante o tempo da pesquisa;

SEIKETSU (Senso de Asseio, Saúde, Higiene,  havia a necessidade de uma


Padronização): trata-se de ter o asseio do aproximação sem uma forte pré-
ambiente, do corpo e da mente como um orientação teórica e hipóteses
hábito. Tem como benefício a construção de formuladas;
um ambiente voltado para o bem-estar e pela
 a investigação necessitava de três
busca da melhoria contínua.
fontes de dados: a observação do
SHITSUKE (Senso de Autodisciplina, participante, a transcrição de
Autocontrole, Respeito): neste senso busca-se entrevistas e a observação de
cumprir rigorosamente o que foi estabelecido documentos;
nos outros sensos. A Autodisciplina é o
estágio mais elevado do ser humano, pois
 havia uma nítida concepção da
realidade organizacional;
representa a educação comportamental e é
constituída por grandes valores. Tem como  havia uma estreita proximidade entre o
benefícios o desenvolvimento do espírito de pesquisador e o fenômeno estudado.
equipe, sinergia entre as pessoas e o
cumprimento das normas, procedimentos, Como procedimentos de pesquisa, foram
prazos e horários. utilizados o estudo de caso e a pesquisa
teórico- conceitual. O estudo de caso é um
Uma das grandes dificuldades encontradas método de pesquisa definido como uma
na implementação do programa 5S é a forma de se fazer pesquisa social empírica ao
modificação de comportamento. O investigar um fenômeno atual dentro de seu
programa 5S não é somente um evento contexto de vida real, em que as fronteiras
episódico de limpeza, mas uma nova entre o fenômeno e o contexto não são

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


80

claramente definidas e na situação em que alcançaram-se as informações pertinentes


múltiplas fontes de evidência são usadas (YIN, para o desenvolvimento do trabalho.
1990). Este procedimento foi utilizado para o
entendimento da realidade da empresa de
reparos e manutenção veicular, e para 4 RESULTADOS E DISCUSSÕES
aquisição de dados e informações
Durante a implementação do programa 5S
necessárias para a execução da pesquisa.
foram realizados treinamentos com o
A pesquisa teórico-conceitual, para Berto e proprietário e com os funcionários da
Nakano (1998), é fruto de uma série de empresa, com o objetivo de conscientizar
reflexões fundamentadas e um fato observado sobre a importância da ferramenta. Para um
ou exposto pela literatura, reunião de opiniões melhor esclarecimento sobre os sensos, os
e ideias de diversos autores ou mesmo pela treinamentos foram realizados durante um
simulação e modelagem teórica. Este serviço de retificação de cabeçote. As
procedimento foi utilizado para a pré- observações realizadas foram registradas
orientação teórica sobre o tema da pesquisa. conforme exposto nas próximas subseções.
A empresa estudada atua como oficina de 4.1 SEIRI
reparos e manutenção veicular e está
Antes do início da retífica, foi realizada uma
localizada em uma cidade do entorno do
visita ao local de trabalho, onde os
Distrito Federal. É caracterizada como
funcionários explicaram a função de cada
empresa familiar de pequeno porte. O estudo
máquina e ferramenta. Diante das
foi realizado no setor de retificação da referida
explicações e observações foi possível uma
empresa.
exemplificação da importância do primeiro
A coleta de dados foi procedida por meio senso aos funcionários.
de observação participante, análise
Materiais e ferramentas não utilizadas foram
documental e entrevistas, utilizando um
encontrados em diversos locais da empresa.
questionário pré-determinado com questões
Os funcionários declararam que as mesmas
abertas. Parasuraman (1991) define
seriam utilizadas, no entanto, não sabiam
questionário como um conjunto de
dizer em qual momento. Diante da
questões construídas para a geração de
contradição, com base no primeiro “S”,
dados pertinentes com o fim de se alcançar
elucidou-se sobre o posicionamento
os objetivos do estudo. O questionário
inadequado dos objetos.
utilizado neste trabalho é apresentado no
Anexo 1. Informa-se que a partir das Foi constatada inicialmente uma expressiva
questões principais foram realizados resistência, inclusive por parte do
desdobramentos das questões durante a proprietário, que acompanhava o
entrevista, para aprofundamento do treinamento. No entanto, diante uma
conhecimento sobre os processos da exposição mais detalhada sobre o senso,
empresa. tanto o proprietário, quanto os funcionários,
passaram a notar a quantidade de materiais
Foram entrevistados o proprietário e os
desnecessários que se encontravam na
funcionários da empresa. Foi permitida a
empresa. A Figura 1 apresenta a situação
gravação das entrevistas. A partir da análise
observada.
e interpretação dos dados coletados

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


81

Figura 1 – Disposição de materiais e ferramentas no ambiente de trabalho

Em uma segunda abordagem realizada no (Senso de Organização) ocorrem de uma


local (dia seguinte) foi possível observar forma mais receptiva que o primeiro senso.
várias adequações quanto às observações
Durante algumas etapas do processo de
realizadas no primeiro dia.
retificação, foram necessárias interrupções
Durante a semana, o levantamento que foi no processo de retificação devido a
realizado em cada setor, segundo os necessidade de se procurar alguma
funcionários, estava sendo gradativamente ferramenta. Segundo o proprietário, a falta de
respeitado. Salientaram ainda que a organização era um dos maiores problemas
implementação do primeiro senso estava enfrentados na oficina.
sendo muito útil, pois havia reduzido muito
A partir das observações, foi realizado um
o tempo de procura por itens na oficina.
levantamento de materiais e ferramentas
utilizadas no processo de retificação. Esse
levantamento foi feito com o auxílio de placas
4.2 SEITON OU SENSO DE ORGANIZAÇÃO
coloridas, em que cada cor representava a
Após o reconhecimento do local de frequência de utilização dos materiais e/ou
trabalho, foi iniciado o serviço de ferramentas. As cores e significados das
retificação de um cabeçote. Os placas são apresentados no Quadro 1.
esclarecimentos sobre o segundo senso

Quadro 1 – Significado e utilização das cores para implementação do programa 5S

Durante a implementação do programa 5S foi guardadas. Neste local também ficaram


disponibilizada uma prateleira (Figura 2) para disponibilizadas as informações referentes ao
organização da área de trabalho observada, produto, como: cliente, tipo, modelo, serviço
o qual foi posicionada juntamente com a que será realizado, organização, entre outras.
mobília onde as peças de retificação eram

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


82

Figura 2 – Prateleira de organização das peças para retífica

Fonte: Bobra (2015)

De início, o investimento foi previsto apenas deixar limpo se, na próxima vez que formos
para o ambiente de retífica. No entanto, usar, ao final do uso, ficará sujo novamente?”.
observada a importância deste senso pelo
Foi notória a observação de sujeira por todo o
proprietário, este estendeu o investimento
ambiente de trabalho. Foi constatado ainda
para todos os setores da empresa, como
que não haviam depósitos de lixo adequados,
estoque, escritório etc.
e em quantidade, para o descarte dos
A partir das observações, verificou-se que diferentes tipos de lixo observados.
algumas peças e ferramentas eram
Durante a implementação do senso foram
essenciais em mais de um processo. Por se
adquiridas algumas lixeiras. Já no início foi
tratar de uma pequena empresa, não foi
possível observar melhorias no ambiente de
possível considerar a opção de se ter várias
trabalho. No entanto, verificou-se que havia
ferramentas à disposição. A recomendação
a necessidade de ainda mais lixeiras, com a
apresentada ao proprietário foi a confecção
devida classificação de descarte. O item foi
de um quadro de ferramentas, em que as
recomendado ao proprietário do local.
peças são encaixadas de várias formas
diferentes. A Figura 3 apresenta um modelo de
quadro de ferramenta.
4.4 SEIKETSU OU SENSO DE SAÚDE OU
PADRONIZAÇÃO
4.3 SEISO OU SENSO DE CONSERVAÇÃO Durante os treinamentos, a cada senso que
OU DE LIMPEZA era implementado, a receptividade do
proprietário e funcionários eram cada vez
No treinamento e implementação do terceiro
maiores. Entretanto, houve dificuldades para
senso foi notavelmente observada uma
implementação do quarto senso, devido a falta
maior receptividade quanto ao programa 5S
da padronização das atividades.
por todos os integrantes da empresa.
Durante o treinamento sobre o senso, o A falta de padronização ocorria devido a
proprietário afirmou que já eram realizados especificidade das atividades realizadas na
diálogos com os funcionários sobre a oficina, ou seja, cada serviço decorria em
importância da limpeza. No entanto, essas ações diferentes para se realizar o processo
iniciativas até então não tinham alcançado de retificação. Outro ponto importante foi a
sucesso. busca pela limpeza fora do ambiente da
oficina, ou seja, a busca da limpeza e
Ainda de acordo com o proprietário, em um
organização como valor pessoal para os
desses diálogos, um dos funcionários teria
funcionários.
feito a seguinte pergunta: “Para que vamos

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


83

Ao final dos treinamentos, foi solicitado ao envolvidos, as melhorias com o programa 5S


proprietário e funcionários que multiplicassem foram significativas.
os conceitos do programa 5S para alguns
No cenário pós-implementação, além das
outros integrantes da empresa. Para isto,
adequações citadas na implementação de
houve uma mobilização para se manter a
cada senso, houve também uma separação
limpeza e organização do local de trabalho,
entre o local de retífica e a recepção. Essa
de acordo com os três primeiros sensos.
separação foi realizada por uma grade que,
Posteriormente, foram apresentadas
de acordo com o proprietário, contribuiu
algumas recomendações para a
para que os clientes não se deslocassem
manutenção do quarto senso como, por
da área de espera para o ambiente de
exemplo, a instalação de avisos informativos
serviços, o que possibilitaria a ocorrência
com lembretes de “não sujar”, ou “se sujou
de acidentes. A grade servia como um
limpe”, entre outros.
limite para os clientes, onde somente
Durante a implementação do programa, funcionários e pessoas autorizadas poderiam
constatou-se que houve a instalação dos adentrar.
avisos informativos. Foi possível encontrá-los
Outra melhoria percebida foi em relação à
em quase todos os locais da empresa.
limpeza, não apenas no ambiente de trabalho,
mas em toda a empresa. Lixeiras extras
foram instaladas em diversos lugares. Antes,
4.5 SHITSUKE OU SENSO DE DISCIPLINA
os equipamentos só eram limpos algumas
Notoriamente a maior dificuldade encontrada vezes no mês e, após implementação do
durante a implementação do Programa 5S foi programa 5S, as máquinas e ferramentas
a modificação de comportamento. No eram limpas sempre quando algum
treinamento do quinto senso, a citação de retificador estava ocioso ou então no fim do
Falconi (2004) foi apresentada aos turno, onde, segundo o proprietário, a
proprietários da empresa: o programa 5S não quantidade de serviços era menor. Após a
deve ser somente um evento episódico de implementação do programa, passou-se a
limpeza, mas uma nova maneira de conduzir realizar diariamente uma organização geral
a empresa com ganhos efetivos de na empresa.
produtividade (FALCONI, 2004). Foi
Distante da primeira abordagem, onde um
recomendado que houvessem reuniões
funcionário declarou que seria
periódicas para reforçar a ideia do programa.
desnecessária a limpeza do local, pois o
Um dos dados coletados nas entrevistas foi sujaria e acumularia novamente, os
que a empresa possuía uma produção diária funcionários perceberam que trabalhar em
de oito cabeçotes, o que significa em um ambiente limpo e organizado era bem mais
média dois cabeçotes por funcionário. A agradável. As pessoas passaram a se
partir dessa informação, outra comprometer mais com os sensos. Isso foi
recomendação apresentada ao proprietário importante, pois houve indicativos de que
foi que, caso a produtividade aumentasse assimilaram os conceitos também para suas
após o programa 5S, que houvesse retorno vidas pessoais.
em benefícios financeiros aos funcionários.
Outra observação considerável foi a
Durante a implementação do quinto senso, relocação de algumas estações de trabalho
de acordo com o proprietário, seriam de forma a melhorar o fluxo do processo de
realizados reuniões mensais sobre o retificação. Essas alterações foram
programa, em que se reciclaria todos importantes no contexto do ambiente de
conceitos implementados. Ainda nestas trabalho, pois foi diminuída a distância entre
reuniões, espaços seriam abertos aos as estações e, portanto, reduziu o tempo de
funcionários para propostas de melhorias. carregamento de peso pelos funcionários.

4.6 ASPECTOS GERAIS 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS


Posteriormente à implementação do programa Neste trabalho foi exposta a implementação
5S, realizou-se uma comparação de cenários do programa 5S em uma oficina veicular
a fim de certificar as melhorias alcançadas de pequeno porte. Portanto, o objetivo
na empresa. Conforme relatos dos almejado foi atingido. A implementação do
programa promoveu uma nova abordagem

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


84

comportamental ao ambiente de trabalho, Este trabalho contribui para a área


apresentando ainda indicativos da acadêmica, por ser mais uma fonte
incorporação da cultura 5S nos valores bibliográfica sobre aplicação do programa
pessoais dos membros da equipe. 5S. Ainda, contribui para a área
empresarial, ao mostrar a possibilidade de
Dentre as melhorias observadas em relação
implementação deste programa em
ao programa 5S pode-se citar: limpeza e
pequenos negócios, principalmente em
organização do ambiente de trabalho, layout
atividades envolvendo a área de prestação
aprimorado nos processos de retificação,
de serviços. Sugere-se a realização de
maior comprometimento dos funcionários,
pesquisas futuras sobre o tema aqui
entre outras.
abordado, principalmente no setor de
prestação de serviços.

REFERÊNCIAS
[1]. ALVAREZ, M. E. B. Administração da Nacional de Engenharia de Produção, XXIX, Anais...
Qualidade e da Produtividade: Abordagem do Salvador: ABEPRO, Salvador, 2009.
processo administrativo. 1ª ed. São Paulo: Atlas,
[11]. HO, S. K.; CICMIL, S. Japanese 5-S
2001.
practice. The TQM Magazine, vol. 8, n. 1, pp. 45-53,
[2]. BERTO, R.M.V.S.; NAKANO, D.N. 1996.
Metodologia da pesquisa e a engenharia de
[12]. KHANNA, V. K. 5 “S” and TQM status in
produção. In: Encontro Nacional de Engenharia de
Indian organizations. The TQM Magazine, vol. 21,
Produção, XVIII, Anais...Niterói: ABEPRO. Niterói,
n. 5, pp. 486- 501, 2009.
1998.
[13]. MAURICIO, T. B.; LEAL, F.; SOUSA, V. A.
[3]. BOBRA. Quadro de Ferramentas.
L. Implementação do SMED em uma empresa de
Disponível em: <
autopeças: um caso francês. In: Encontro Nacional
http://www.bobra.com.br/mariauto/equip.html>.
de Engenharia de Produção, XXXIV,
Acesso em: 02 fev. 2015.
Anais...Curitiba: ABEPRO, Curitiba, 2014.
[4]. BRYMAN, A. Research methods and
[14]. NUNES, W.; MARTINS, C. Ajustando
organization studies. London: UniwinHyman, 1989.
o foco. Revista Mercado Automotivo.
224 p.
Disponível em:
[5]. CAMPOS, V. F. TQC - Controle da <http://www.revistamercadoautomotivo.com.br/Revi
Qualidade Total (no estilo japonês). Belo Horizonte: sta-Mercado-Automotivo.php?e=12> 214ª ed.
Editora de Desenvolvimento Gerencial, 1999. Acesso em: 09 de Abr. 2014.
[6]. CNI. Confederação Nacional da Indústria. [15]. OLIVEIRA, J. R. C. Aspectos humanos dos
Retratos da Sociedade Brasileira : hábitos de 5 sensos: uma experiência prática. 2. ed. Rio de
consumo e endividamento. Apresentação em Janeiro: Qualitymark, 1997.
formato PDF. Disponível em:
[16]. OSADA, T. Housekeeping 5S’s Seiri,
<http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conte
Seiton, Seiso, Seiketsu, Shitsuke: cinco pontos-
udo_24/2012/12/12/344/20121212110724299049o.p
chaves para o ambiente da Qualidade Total. São
df>. Acessoem: 07 de Abr. 2014.
Paulo: Instituto IMAM, 1992.
[7]. COSTA et al. Aplicação dos princípios do
[17]. PARASURAMAN, A. Marketing research. 2.
programa 5S em uma loja de materiais de
ed. Addison Wesley Publishing Company, 1991.
construção de Mãe do Rio/Pará. In: Encontro
Nacional de Engenharia de Produção, XXXIV, [18]. PEREGRINO, F. Automec: Tendências
Anais...Curitiba: ABEPRO, Curitiba, 2014. para o setor de reparação automotiva.
Disponível em:
[8]. FALCONI, V. TQC – Controle Total da
<http://www.sebrae.com.br/customizado/acesso-a-
Qualidade. 2ª.ed. Minas Gerais: INDG, 2004. 256 p.
mercados/conheca-seu-mercado/inteligencia-de-
[9]. GAZEL, W. F.; SALLES, J. A., FEITOSA, mercado/inteligencia-em-feiras/23156-automec-
W. G. Manutenção estratégica: integração entre tendencias-para-o-setor-de-reparacao-
as áreas de produção e manutenção. In: automo/BIA_23156>. Acesso em: 09 de Abr. 2014.
Encontro Nacional de Engenharia de Produção,
[19]. RAHMAN et al. Implementation of 5S
XXXIV, Anais...Curitiba: ABEPRO, Curitiba, 2014.
Practices in the Manufacturing Companies: A
[10]. GISMONTI, W.R.; MONTEIRO JUNIOR, Case Study. American Journal of Applied Sciences,
A.S.; MENEZES, J.O.R. Aplicação de uma vol. 7, n. 8, pp.1182-1189, 2010.
metodologia do programa 5s para empresas de
[20]. REBELLO, M.A.F.R. Implantação do
reparadores automotivos: um estudo de caso na
programa 5S para a conquista de um ambiente de
região metropolitana do Rio de Janeiro. In: Encontro

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


85

qualidade na biblioteca do Hospital Universitário <http://www.abepro.org.br/biblioteca/ENEGEP2001_


da Universidade de São Paulo. Revista Digital TR26_0526.pdf>. Acesso em: 21 de Mai. 2014.
de Biblioteconomia e Ciência da Informação,
[24]. SINDIREPA-SP. Sindicato da Indústria de
Campinas, v. 3, n. 1, p. 165-182, jul./dez. 2005.
Reparação de Veículos e Acessórios do Estado de
Disponível em:
São Paulo. Considerações sobre o mercado da
<http://www.aprendersempre.org.br/arqs/10%20-
reparação de veículos. Apresentação em formato
%205Ss_HU.pdf>. Acesso em: 10 de Mai. 2014.
PDF. Disponível em: < http://www.sindirepa-
[21]. RIBEIRO, H. 5S A base para a Qualidade sp.org.br/pdfs/Consid-Fiola.pdf >. Acesso em: 20
Total: um roteiro para uma implantação bem de Abr. 2014.
sucedida. Salvador: Casa da Qualidade, 1994.
[25]. VANTI, N. Ambiente de qualidade em uma
[22]. RIBEIRO, H. 5S administrativo. São Paulo: biblioteca universitária: aplicação do 5S e de um
PDCA Consultoria em Qualidade, 1999. RIBEIRO, estilo participativo de administração. CI. Inf, v.28, n.
H. A bíblia do 5S, da implantação a excelência. 3, p. 333-339, set/dez. Brasília. 1999.
Salvador: Casa da Qualidade, 2006. SILVA, J. M.
[26]. WARWOOD, S. F.; KNOWLES, G. A. An
5S: O ambiente da qualidade. Belo Horizonte:
investigation into Japanese 5-S practice in UK
Fundação Cristiano Otoni, 1994.
industry. The TQM Magazine, vol. 16, n. 5, pp. 347-
[23]. SILVA, C.; SILVA, D.; NETO, M.; SOUZA, 35, 32004.
L. 5S - Um programa passageiro ou
[27]. YIN, R.K. Case study research: design and
permanente?. XXI Encontro Nacional de Engenharia
methods. Newbury Park, California: Sage
de Produção. Salvador, Bahia, 2001. Disponível em:
Publications, 1990.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


86

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO UTILIZADO PARA IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA 5S

Questionário

1 – Quando a empresa iniciou as atividades?


2 – Quais os dias de funcionamento?
3 – Qual o horário de funcionamento?
4 – Qual a quantidade de funcionários e qual a função de cada um?
5 - Qual o tipo de serviço é oferecido?
6 – Qual o tempo de entrega de cada serviço?
7 – Qual o tamanho total da empresa?
8 – A empresa disponibiliza EPIs para os funcionários? Há algum tipo de cobrança em relação a
esse uso?
9 – Qual a taxa de chegada de produtos com defeito?
10 – Qual é a demanda diária?
11 – Qual a quantidade de produtos processados por dia?

Em relação às máquinas e equipamentos

1 – Para que serve cada máquina/equipamento?


2 – Qual a frequência de utilização?
3 – Por quem é utilizada?
4 – O material/equipamento utilizado é o mais adequado?
5 – As ferramentas que são utilizadas nos processos, encontram- se arrumadas em seu local
adequado, ou que facilite a sua utilização?
6 – O material/equipamento que é classificado como inútil em determinada operação é utilizado
em outro processo?
7 – Qual material/ equipamento/objeto pode ser retirado sem que haja prejuízo durante a realização
da operação?
8 – O material eliminado será armazenado em outro local, destruído ou descartado de
maneira correta?

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


87

Capítulo 9

Thais Rodrigues Pinheiro


Míriam Carmen Maciel da Nóbrega Pacheco
Francisco de Assis Bandeira Alves
Willer Firmiano da Silva

Resumo: Este trabalho versa sobre a gestão logística do transporte rodoviário e


aéreo de produtos do varejo eletrônico no Brasil, analisando os problemas mais
comuns que ocorrem no transporte dos produtos do vestuário feminino, como
atrasos na entrega, que afetam diretamente o consumidor final, influenciando na
valorização da venda destes produtos e, consequentemente na avaliação do
cliente quanto a imagem da empresa. Foi efetuado um estudo comparando o
comércio eletrônico com o comércio tradicional, apresentando as estratégias,
vantagens e desvantagens e o funcionamento do comércio eletrônico no Brasil,
desde o processamento de pedidos até o envio do pedido ao cliente final,
baseando-se na excelência tanto no atendimento ao cliente quanto na política de
vendas on-line e a política de entrega. A partir deste estudo, aborda-se o serviço
logístico voltado ao cliente e as estratégias do transporte, apresentando os fatores
que levam ao sucesso ou ao fracasso de empresas no varejo eletrônico e os fatores
que devem ser considerados para otimização do transporte de empresas varejistas
do vestuário feminino.

Palavras-Chave: Logística Empresarial; Transporte de Mercadorias; Comércio


Eletrônico; Roupas Femininas.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


88

1. INTRODUÇÃO É importante, portanto, analisar a logística do


transporte varejista de produtos do vestuário
O transporte de produtos do vestuário
no Brasil, partindo da premissa de que uma
feminino no Brasil através do comércio
má logística poderá impactar diretamente na
eletrônico (CE) é feito principalmente pelos
valorização da venda desse produto ao
modais rodoviário, para distribuição entre
cliente e consequentemente na avaliação da
estados ou cidades e pelo modal aéreo,
empresa pelo cliente. Este estudo irá analisar
quando distribuídos internacionalmente. Este
uma empresa alfa como exemplo de sucesso
projeto aborda estes dois modais, dando
do setor de vestuário feminino que exerce
enfoque maior para o modal rodoviário, por
forte liderança em vendas no mercado através
ser o modal mais utilizado no Brasil para o
do CE, mas também irá apresentar fatores de
transporte de produtos do vestuário.
sucesso e fracasso no CE varejista, bem
O comércio eletrônico B2C (business-to- como propor a otimização para o setor de
consumer), onde a venda é feita diretamente transporte de produtos do vestuário no futuro.
ao cliente final, quando comparado ao
Através de levantamento bibliográfico e de
comércio tradicional, fornece muitas
análise documental analisou-se os principais
vantagens ao consumidor na compra de um
modais de transporte utilizados no setor
produto. No setor do vestuário, as vendas on-
varejista de produtos do vestuário no Brasil e
line cresceram muito ao longo dos anos e
como é feito esse transporte nas empresas
consequentemente a concorrência entre as
varejistas; apresentando também o
empresas varejistas que praticam o comércio
gerenciamento do serviço de transporte
eletrônico também aumentaram.
varejista e os principais fatores que devem ser
Estas empresas para concorrerem no analisados pelas empresas para oferecer um
mercado, precisam utilizar estratégias de serviço de qualidade ao cliente.
vendas e marketing, atrair clientes e
A Gestão logística do transporte de produtos
principalmente procurar fidelizá-los. Para isso,
do vestuário feminino em empresas varejistas
precisam entender as necessidades dos
através do e-commerce, aborda as
clientes e procurar atender essas
estratégias utilizadas pelas empresas de CE,
necessidades, oferecendo um serviço de
as vantagens e desvantagens do comércio
atendimento eficiente, desde a pré-venda,
B2C; o funcionamento do processamento de
esclarecendo dúvidas e exercendo o poder
pedidos no CE, analisando uma empresa alfa
de persuasão para a compra de seus
como exemplo de sucesso nas vendas on-
produtos, até o pós-venda, contribuindo para
line; bem como a importância do serviço
que o produto seja entregue dentro do prazo
logístico ao cliente, analisando a qualidade
e em perfeitas condições.
total percebida pelo cliente que poderá
Porém, muitos problemas ocorrem ao longo influenciar na venda do produto.
do transporte destes produtos, como danos,
avarias, perdas, extravios, atrasos na entrega,
dentre outros associados, impactando no 2. O TRANSPORTE DE PRODUTOS DO
serviço de entrega ao cliente e aumentando VESTUÁRIO FEMININO NO BRASIL
também os custos logísticos da empresa que
A logística de transporte no setor de vestuário
irão refletir no preço final do produto
feminino envolve um ciclo de transporte
transportado. Sendo assim, para que as
rápido e constante. Os modais mais utilizados
empresas consigam oferecer eficiência na
para este tipo de segmento são os transportes
entrega de seus produtos ao consumidor é
rodoviário e aéreo, por apresentarem
importante possuir uma infraestrutura
vantagens quanto a velocidade e facilidades
adequada no setor de transporte.
de acesso por todo o Brasil.
O cliente, como peça fundamental para o
crescimento da empresa, exerce maior poder
de decisão na compra de um produto no CE e 3. MODAIS DE TRANSPORTE
ao comprar esse produto, espera que suas
A escolha do modal de transporte é um fator
expectativas sejam atendidas, tanto no ponto
de decisão muito importante para a logística
de vista da qualidade do produto quanto na
externa de uma empresa, pois irá garantir a
qualidade do serviço de atendimento e
entrega do produto ao cliente, com
entrega deste produto.
segurança, rapidez e qualidade.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


89

A definição do tipo de modal a ser utilizado no utilizados no Brasil por empresas varejistas do
transporte de vestuário depende das setor de vestuário são o transporte rodoviário
características físicas do produto, grau de no qual os produtos são transportados pelas
manuseio que o produto requer e seu valor; rodovias através de veículos como
do local de origem ao local de destino caminhões, carretas, dentre outros; e o
(infraestrutura disponível) e do prazo transporte aéreo no qual os produtos são
estipulado para entrega. Dependendo do transportados em aviões.
modal escolhido, o "transit time" poderá variar
A Tabela 1 demonstra a distribuição da matriz
em dias.
de transportes de cargas no Brasil em 2014,
Conforme citado anteriormente, os tipos de conforme dados da CNT:
modais de transporte mais comuns a serem

Tabela 2: Transporte tonelada - Quilômetro Útil


Matriz do transporte de cargas no Brasil - 2014
Modal Milhões (TKU*) Participação (%)
Rodoviário 485.625 61,1
Ferroviário 164.809 20,7
Aquaviário 108.000 13,6
Dutoviário 33.300 4,2
Aéreo 3.169 0,4
Total 794.903 100
Fonte: Adaptado de CNT (2014)

Segundo dados do Ministério dos Transportes


por modais, a tendência para o ano de 2025
da distribuição por modal será a seguinte:

Tabela 3: Matriz de Transporte no Brasil


Matriz do transporte de cargas no Brasil - 2025
Modal Participação (%)
Rodoviário 30
Ferroviário 35
Aquaviário 29
Dutoviário 5
Aéreo 1
Total 100
Fonte: Ministério dos Transportes/Secretaria de Política Nacional de Transportes

As principais causas que afetam a eficiência Na tabela 3 apresentamos as principais


no transporte de cargas brasileiro são: o características que envolvem esses
desbalanceamento da matriz de transportes; transportes: confiabilidade, velocidade,
a legislação e fiscalização inadequadas; a disponibilidade, capacidade e frequência.
deficiência da infraestrutura de apoio e a
insegurança nas vias.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


90

Tabela 4: Características operacionais dos modais de transporte (a menor pontuação indica uma
melhor classificação)
Características
Ferroviário Rodoviário Aquaviário Dutoviário Aéreo
operacionais
Velocidade 3 2 4 5 1
Disponibilidade 2 1 4 5 3
Confiabilidade 3 2 4 1 5
Capacidade 2 3 1 5 4
Frequência 4 2 5 1 3
Resultado 14 10 18 17 16
Fonte: Adaptado de Fleury (2000)

Com enfoque nos modais rodoviário e aéreo, multimodais e intermodais serem utilizadas de
ao escolher o tipo de modal, essas forma mais racional. Isto é reflexo do baixo
características devem ser avaliadas a fim de nível de investimentos verificado nos últimos
garantir o sucesso da entrega ao consumidor anos com relação à conservação, ampliação
final. e integração dos sistemas de transporte.
No que se refere a velocidade, tempo Segundo dados da CNT (2014), o setor de
decorrido de movimentação em uma dada transporte de cargas brasileiro sofre com a
rota, o modal aéreo é o mais rápido de todos. ausência de uma política abrangente de
E quanto a disponibilidade, capacidade que coleta e análise contínua dos seus principais
um modal tem de atender qualquer par indicadores de desempenho.
origem-destino de localidades, as
transportadoras rodoviárias apresentam a Conforme pode ser verificado na tabela 4,
maior disponibilidade já que conseguem existe uma grande deficiência de dados
dirigir-se diretamente para os pontos de estatísticos sobre o setor.
origem e destino, caracterizando um serviço Esta deficiência é causada, principalmente
porta-a-porta. pela ausência de uma entidade que seja
O resultado da tabela 3 explica em parte a responsável pela coleta de estatísticas e
preferência pelo transporte rodoviário no análises abrangentes e contínuas sobre o
Brasil devido sua classificação comparado transporte de cargas e seus efeitos no
aos demais modais. As transportadoras desenvolvimento do País.
rodoviárias que operam sistemas de classe Para que o Brasil melhore seus índices de
mundial ocupam o primeiro ou segundo lugar eficiência nos transportes é indispensável que
em todas as categorias, exceto pelo item
o setor passe por um processo de
capacidade (possibilidade de lidar com
modernização. É preciso viabilizar a adoção de
qualquer requisito de transporte, como
novas tecnologias, criar infraestruturas
tamanho e tipo de carga).
necessárias para a intermodalidade que
No Brasil ainda existe uma série de barreiras permitam maior agilidade nas operações.
que impedem todas as alternativas modais,

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


91

Tabela 5: Estatísticas do setor de transporte


ESTATÍSTICAS DE EUA BRASIL
Alocação de recursos governamentais e
Disponível Parcialmente disponível
privados
Consumo de energia do setor de transporte Disponível Parcialmente disponível
Infraestrutura por modal Disponível Parcialmente disponível
Quilometragem percorrida Disponível Parcialmente disponível
Toneladas transportadas Disponível Parcialmente disponível
Produção de transporte (TKU) Disponível Parcialmente disponível
Contribuição do transporte (% do PIB) Disponível Parcialmente disponível
Faturamento do setor de transporte Disponível Parcialmente disponível
Empregos do setor de transporte Disponível Parcialmente disponível
Nível de estoque na indústria Disponível Parcialmente disponível
Registro de equipamentos de transporte Disponível Indisponível
Roubo de carga Parcialmente disponível Parcialmente disponível
Acidentes e mortes de trânsito Disponível Parcialmente disponível
Emissões de poluentes no transporte Disponível Indisponível
Desastres ambientais Disponível Indisponível
Fonte: Adaptado de CNT (2014)

4.COMO É FEITO O TRANSPORTE DE condições especiais de armazenagem e


PRODUTOS DO VESTUÁRIO FEMININO NO embalagem.
BRASIL?
Quanto a necessidade ou não de
Segundo Felippi Perez, diretor de projetos da equipamentos e sistemas especiais nestes
Keepers Logística, os cuidados com o segmentos isso costuma variar. Para algumas
transporte de produtos do vestuário são mais empresas não há necessidade, porque a
rigorosos, existindo estruturas e encomenda é de fácil movimentação,
equipamentos dedicados a este tipo de fracionada e com boa ergonomia. Para outras,
operação. Além disto, é requerido um alto há necessidade de equipamentos e
grau de desenvolvimento e treinamento dos tecnologia que garantam a eficácia da
colaboradores e terceiros. operação de distribuição, como: tecnologia
embarcada para dar suporte a um
Segundo Daniel Mayo, diretor geral da Linx
gerenciamento de risco eficaz – frota
Logística, o setor de vestuário se caracteriza
rastreada, sensores de portas, travamento de
por quantidade muito grande de SKUs
carretas/baús e baixa remota na frota de
(Unidade de Manutenção de Estoque), onde
distribuição via celular conectadas a
cada modelo de produto é multiplicada por 5
ferramentas para tracking de pedidos on-line
tamanhos e por 3 ou 4 cores em geral. As
para os clientes e equipamentos de
operações de Pickingi são feitas geralmente
movimentação automatizados.
por SKU, através de um código de
identificação para cada produto e modelo, Alguns até utilizam equipamentos especiais e
ocasionando um exaustivo trabalho específicos, atrelados à alta tecnologia de
operacional. informação, através do transporte em
caminhões com sistema de cabideiros
Os produtos são normalmente transportados
automatizados ou manuais.
em caixas conforme o pedido de cada cliente.
As condições do transporte desses produtos
As peças de vestuário são consideradas
irão impactar nos demais processos
frágeis e requerem, além de uma mão de obra
produtivos, e diretamente na satisfação do
mais qualificada para não danificar o produto,

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


92

cliente, que espera receber um produto em Outro problema que ocorre com frequência
boas condições e dentro do prazo estipulado. nos atrasos das entregas está relacionado as
deficiências nas operações do armazém ou
A tendência do transporte no setor de
depósito, devido a inadequação ou falta de
vestuário é o crescimento, com a contratação
equipamentos e de pessoal, problemas no
de parceiros logísticos para obter aumento da
fluxo de informações (demora em processar
produtividade operacional, redução de custos
ou transmitir os pedidos).
e despesas com pessoal, diminuição do
tempo de entrega aos clientes, aumento de
vendas e compras, além de maior
5.COMÉRCIO ELETRÔNICO DE PRODUTOS
confiabilidade nos processos.
DO VESTUÁRIO FEMININO
A demanda por serviços logísticos para o
“O CE é um meio pelo qual as empresas
segmento têxtil está crescendo muito, devido
podem se relacionar comercialmente com
principalmente à profissionalização do setor,
seus fornecedores, clientes e consumidores
às fusões e aquisições das grifes nacionais.
em uma escala global.” (BERTAGLIA, 2009,
O transporte eficiente deve ser capaz de p.508).
respeitar prazos de entrega, com o objetivo
A capacidade de adaptação e a flexibilidade
de reduzir custos logísticos. Produtos que são
dos funcionários, em todos os níveis, são
entregues antes ou após a data prometida
fundamentais para que a organização adote o
podem provocar elevação dos custos, por
comércio eletrônico e tenha sucesso na
causa da necessidade de armazenamento e
reorganização dos negócios. Uma empresa
da redefinição da programação de produção
virtual deve ajustar-se às condições impostas
das empresas. (CAIXETA-FILHO, 2011, p.97)
pelo negócio e ter capacidade para
Há ainda que considerar o fator de responder rapidamente às necessidades dos
variabilidade que consiste na incerteza clientes e efetuar modificações no ambiente
quanto ao tempo de transporte efetivo, que de negócios.
pode ser influenciado pelo clima, pelo
O desenvolvimento do comércio eletrônico
congestionamento de tráfego, paralisações e
voltado para o consumidor (B2C) está
greves, etc. Por vezes, como defendem
influenciando significativamente as atividades
Costa, Dias e Godinho (2010 apud SOARES,
de mercado e tem contribuído muito para o
2012), a obtenção de uma baixa variabilidade
aumento das vendas de produtos, pois
é mais importante do que a obtenção de um
através da Internet, o cliente pode pesquisar
tempo médio de transporte reduzido, pois
sobre determinados produtos de seu
uma forte variabilidade dificulta o
interesse, ter uma certa comodidade para
planejamento dos transportes, podendo
comprar, pagar e receber os produtos sem
provocar rupturas no serviço ao cliente e criar
sair de casa.
expectativas que podem vir a ser frustradas.
Assim, como afirma Ballou (2001), “a Porém, para que uma empresa tenha sucesso
variabilidade do tempo de viagem é uma com as vendas através do e-commerce, é
medida da incerteza no desempenho do preciso ter uma visão estratégica voltada para
transporte”. o cliente, atraindo seus clientes pela
linguagem visual de sites eficientes e ter
Os roteiros de entrega no transporte
habilidade para inovar tanto os produtos
rodoviário também apresentam oscilações no
quanto processos e criatividade. Além disso,
tempo de viagem, porque são constituídos
é preciso também ter um planejamento
por inúmeros segmentos: percurso desde o
estratégico voltado para análise de mercado,
armazém até a zona, tempo de parada em
através do que Turban (2004) chama de
cada cliente, percursos entre pontos de
inteligência competitiva, isto é, a coleta de
parada sucessivos, retorno ao depósito.
informações referentes à concorrência no
Algumas vezes por deficiência na
mercado.
programação ou demora excessiva na
recepção das mercadorias, o veículo retorna As empresas investem com frequência em
ao depósito com parte da carga não pesquisa e desenvolvimento, voltados
entregue, significando atrasos nos prazos de principalmente para tecnologias de
entrega e insatisfação dos clientes, além do informação e de comunicação. Esse
aumento de custos, em razão das tentativas investimento em P&D é direcionado para o
de entrega sem sucesso. entendimento das demandas do consumidor
para melhor atender as suas necessidades.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


93

O e-commerce também existe como Turban (2004) avalia que nem sempre é
atividade complementar de uma rede de lojas necessária uma estratégia formal, pois exige
ou serviços, que além de oferecer o comércio um planejamento muito caro para pequenas e
on-line através do site nacional e médias empresas, porém no CE a falta de
internacional, também possui lojas físicas. estratégia poderá trazer consequências
graves devido as rápidas mudanças que
Para garantir segurança nas compras e atrair
ocorrem nos ambientes empresariais e
mais consumidores é importante para a
tecnológicos, assim como as oportunidades e
empresa que trabalha com o e-commerce, ter
ameaças podem mudar a qualquer instante.
uma política clara para trocas e devoluções,
informar os direitos e deveres de cada uma Para definir a estratégia a ser utilizada numa
das partes, seguindo as exigências do empresa deve-se definir primeiro sua visão,
Código de Defesa do Consumidor. sua missão e o propósito e contribuição que o
CE pode lhe dar, analisando a posição que a
Segundo Andrade (2009), os itens
empresa ocupa no setor em relação à
indispensáveis para que a política de troca
concorrência, depois formular a estratégia a
atenda as principais exigências legais são:
partir da identificação das aplicações de CE,
informações sobre prazos para desistência da
análise de custo/benefício e análise de risco.
compra e para trocas de produtos com e sem
Após isso, a implementação da estratégia é
defeito; condições do produto no caso de
feita analisando os recursos da organização e
eventual desistência ou troca; condições para
desenvolvendo um plano para alcançar suas
análise técnica de produtos com defeito e
metas. E a avaliação da estratégia é feita com
indicar como será a restituição dos valores
base nos resultados onde são tomadas
pagos.
providências para propor melhorias.
De acordo com a lei, o cliente que realiza
Segundo Bertaglia (2009), o comércio
compras através de lojas virtuais tem até 7
eletrônico é uma transação que requer
dias após a entrega para desistir, sem a
planejamento detalhado suportado por
necessidade de justificativa. Para
objetivos estratégicos e táticos. Análises de
mercadorias com defeito, o prazo é de 90
como a construção do site pode afetar os
dias quando se trata de produtos duráveis,
negócios, tanto nos limites internos como
como do vestuário por exemplo. Em casos de
externos e como a infraestrutura deve ser
produtos sem defeito, o lojista não tem, por
adaptada são fatores fundamentais no
lei, obrigação de troca, mas é frequente, para
processo.
agradar o cliente, encontrar marcas que
concedam 30 dias para a substituição do O comércio eletrônico deve ser visto como
produto. uma estratégia de negócio e não como uma
ferramenta de tecnologia da informação. A
Bertaglia (2009), define os fatores importantes
empresa deve pensar na segurança e
na competição do mercado eletrônico: a
privacidade das informações dos clientes
capacidade de criar marcas fortes; organizar
obtidas pelos sites. Além disso, a
comunidades de usuários; atrair
infraestrutura tecnológica (comunicação,
propagandas; fornecer serviços e valor
aplicativos e equipamentos) deve atender as
agregado, incluindo suporte, funcionalidade e
necessidades da empresa, uma vez que se
qualidade; estabelecer alianças estratégicas
tornará dependente desse processo.
e expandir-se em mercados locais e
internacionais. “A competição na rede mundial é orientada
por três tipos de estratégia: definição da
tecnologia padrão, aquisição de informações
6. ESTRATÉGIAS DO E-COMMERCE dos clientes, e segmentação do mercado
para explorar um nicho”. (BERTAGLIA, 2009,
A Estratégia empresarial é um caminho
p. 511)
definido por uma empresa, definindo planos e
políticas para alcançar suas metas e É importante para a empresa que trabalha
concorrer no mercado. Diferentes empresas com CE, sair na frente da rede para se
usam diferentes estratégias de comércio adaptar rapidamente ao novo ambiente,
eletrônico (CE), usando uma única aplicação especialmente para estabelecer uma
de CE – como um canal de vendas adicional reputação para a marca, definir os padrões e
ou para finalidades intrabusiness, ou muitas explorar novos mercados.
aplicações de CE – comum em empresas de
grande porte.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


94

Fazer alianças estratégicas é a melhor Outra grande desvantagem do comércio


maneira para enfrentar os riscos, pois permite eletrônico em relação as empresas
promover competências e os recursos tradicionais que possuem lojas físicas, é a
necessários, focalizando aspectos essenciais falta de acesso físico ao produto, pois muitas
como: envolvimento de um número maior de vezes a imagem do produto na internet
organizações, coordenação de mecanismos oferece uma falsa impressão quanto a
nas relações dos negócios diferentes dos qualidade do material, tamanho, forma e cor,
convencionais, liderança de poucas além das estratégias de marketing utilizadas
empresas e que possa oferecer atrativos, nas imagens ao colocar modelos vestindo as
incentivando outras organizações a fazerem peças de roupa. Isso já não acontece quando
parte do grupo. o cliente tem o produto nas mãos numa loja
física no qual poderá experimentar a peça e
As vantagens do comércio eletrônico são
tirar suas dúvidas antes de efetuar o
grandes e em determinados momentos
pagamento. Por essa razão, quando ocorre a
podem superar a dos lojistas, devido a maior
entrega do produto, é muito comum trocas ou
comodidade na compra de produtos,
devoluções de peças que não atenderam as
disponibilidade de acesso 24 horas em
expectativas do cliente.
qualquer lugar com acesso à internet,
facilidade de pesquisa e comparação de
preços com concorrentes, rapidez nas
7.ESTRATÉGIAS DO TRANSPORTE
respostas ao cliente através de atendimento
online para dúvidas, redução dos custos O transporte tem papel fundamental no
totais, já que possibilita a eliminação de desempenho de diversas dimensões do
barreiras existentes no comércio tradicional, serviço ao cliente. Suas principais funções
agilidade no fluxo de informações, maior estão associadas às dimensões de tempo e
flexibilidade e eficiência no atendimento às utilidade do lugar.
necessidades dos clientes e maior
Segundo Fleury (2000), o impacto do
proximidade com os fornecedores.
transporte no serviço ao cliente é um dos mais
Diagnosticar o perfil de cada usuário significativos e as principais exigências do
separadamente, identificando, por exemplo, mercado geralmente estão ligadas à
suas preferências de acordo com buscas no pontualidade do serviço (além do próprio
seu site, é uma ferramenta excelente para tempo de viagem), à capacidade de prover
auxiliar no relacionamento com o público, um serviço porta-a-porta; à flexibilidade, no
deixando mais pessoal e personalizado o que diz respeito ao manuseio de uma grande
contato com os clientes. O Mobile Marketing é variedade de produtos; ao gerenciamento dos
uma modalidade de e-commerce que começa riscos associados a roubos, danos e avarias e
a ganhar mais espaço e permite esse contato à capacidade do transportador oferecer mais
pessoal do cliente com alguns de seus que um serviço básico de transporte,
aplicativos. O segredo é uma estratégia bem tornando-se capaz de executar outras
elaborada e voltada para um público sem funções logísticas. As respostas para cada
fronteiras, mas que tende por exclusividade. uma destas exigências estão vinculadas ao
desempenho e às características de cada
As desvantagens são a vulnerabilidade de
modal de transporte, tanto no que diz respeito
hackers para dados de cartões e senhas
às suas dimensões estruturais, quanto à sua
bancários; falta de informações essenciais de
estrutura de custos.
algumas empresas varejistas quanto a grade
de tamanhos das roupas, composição do Para que o objetivo logístico de entregar o
tecido ou material utilizado; possíveis danos produto solicitado pelo cliente conforme a
ao produto ou atrasos na entrega devido ao quantidade, local e ao menor custo possível,
transporte; procedimentos burocráticos na seja alcançado é necessário o
execução do pedido, tais como cadastro, desenvolvimento de estratégias no serviço de
informações pessoais e dados do cliente para transportes.
pagamento e entrega, que muitas vezes
A Internet, como tecnologia de informação no
dificultam a agilidade da compra do produto e
comércio eletrônico tem não apenas gerado
só tende a aumentar conforme o fluxo de
necessidades específicas, mas também
acessos para compra no site, e são muito
criado novas oportunidades para o
comuns em épocas de promoção, podendo
planejamento, controle e operação das
ocorrer o congestionamento do site.
atividades de transporte. Lambert (1998) cita

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


95

como necessidades e oportunidades para o Mosso (2007), existem quatro fatores que
transporte, a crescente demanda por podem influenciar: comunicação boca a boca,
entregas mais pulverizadas, o surgimento de necessidades pessoais, experiência anterior e
portais de transporte e o potencial para comunicação externa ou de mercado.
rastreamento de veículos em tempo real.
A comparação entre a qualidade percebida e
A qualidade esperada refere-se aquilo que o a qualidade esperada será o resultado final,
cliente espera receber por aquele produto, ou ou seja, a qualidade total percebida pelo
seja, a expectativa do cliente, que segundo cliente, conforme descrito na figura 25.

FIGURA 1: Qualidade Total Percebida Fonte: Mosso (2007)

O transporte de um produto é um serviço que Uma política de otimização para o transporte


exige o cumprimento de um prazo e rapidez visa trazer benefícios para a empresa e
na entrega, normalmente estabelecido entre a também para o cliente final. Nesse sentido, a
empresa e o serviço de transporte, conforme empresa de CE deve escolher
as políticas de frete que será escolhido pelo cuidadosamente o sistema de transporte de
cliente. As empresas buscam diminuir o efeito seus produtos e controlar todo procedimento
do tempo, mantendo o cliente sempre do mesmo, mantendo uma boa relação entre
informado sobre a localização de seu produto os demais setores quanto recebimento de
para que se sinta mais seguro, tornando a informações sobre o andamento do pedido e
entrega na percepção dele, mais rápida definir estratégias para que possa oferecer
possível. Logo, a qualidade total percebida um atendimento eficiente ao cliente e
pelo cliente será positiva se o produto satisfazer suas necessidades.
recebido atender a todas suas expectativas.
O transporte permite a ligação da empresa
com o cliente através da entrega do produto,
contribuindo assim para atender as
8.CONSIDERAÇÕES FINAIS
necessidades de ambos e para a valorização
Tanto o transporte rodoviário quanto o da venda, visto que, o mesmo será avaliado
transporte aéreo apresentam prós e contras pelo cliente. esta avaliação reflete tanto para a
no transporte de produtos e necessitam de visão que o cliente vai ter com relação à
melhorias para garantir no futuro a segurança, imagem da empresa, ao analisar se o produto
integridade dos produtos transportados, é de qualidade, se veio com defeito de
redução de problemas com danos e extravios, fabricação, se o valor pago pelo produto foi
riscos de devolução da mercadoria, dentre justo, se a propaganda do produto on-line
outros que acarretam em custos adicionais confere com o produto real, dentre outras;
para a empresa e o aumento do custo final do quanto para a visão com relação ao
produto. transporte, ao analisar se o produto chegou
dentro do prazo, se não sofreu danos no

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


96

transporte e se não foi extraviado. em ambos Por tratar-se de um serviço que representa
os casos, a qualidade total percebida pelo 60% dos custos logísticos e uma parte do
cliente com relação ao produto recebido irá faturamento de uma empresa, o transporte é
impactar diretamente na imagem da empresa. um setor fundamental para o crescimento dos
negócios de uma empresa do varejo
Conclui-se que o gerenciamento e os custos
eletrônico e, portanto, deve ser investido e
logísticos de transportes da empresa terão
avaliado de forma a contribuir no futuro para o
grande competitividade diante do mercado
sucesso da organização. Reduzir custos e
pelo fato de saber utilizar seus recursos de
manter a qualidade são tarefas que a
forma a agregar valores no gerenciamento de
empresa deverá buscar para agregar valores
custos que afetam na jornada de trabalho,
profissionais.
utilizando ferramentas estratégicas para obter
ganhos positivos diante de seus custos
logísticos.

REFERÊNCIAS
[1]. ALVARENGA, Antonio Carlos; NOVAES, empresarial: a perspectiva brasileira. 1 ed. São
Antonio Galvão N. Logística Aplicada: Suprimento Paulo: Atlas, 2000.
e Distribuição Física. 3 ed. São Paulo: Blucher,
[9]. LAMBERT, D.M., STOCK, J.R., ELLRAM,
2000.
L.M. Administração Estratégica da Logística. São
[2]. ANDRADE, Regina; SCARTEZZINI, Paulo. Paulo: Vantine Consultoria, 1998.
Comércio eletrônico. 2009. Disponível em:
[10]. MOSSO, Mario Manhães. Transporte:
<http://exame.abril.com.br/revista-exame-
Gestão de Serviços e de Alianças Estratégicas. Rio
pme/noticias/comercio-eletronico-451680>. Acesso
de Janeiro: Interciência, 2010. 206 p.
em: 10 mar. 2016.
[11]. RODRIGUES, Paulo Roberto Ambrosio.
[3]. BALLOU, Ronald H. Gerenciamento da
Introdução aos Sistemas de Transporte no Brasil e
Cadeia de Suprimentos/Logística Empresarial. 5
à Logística Internacional. 4. ed. São Paulo:
ed. Porto Alegre: Bookman, 2006. 616 p.
Aduaneiras, 2011. 248 p.
[4]. BERTAGLIA, Paulo Roberto. Logística e
[12]. SADEK, Adel W.; HOEL, Lester A.;
Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento. 2 ed.
GARBER, Nicholas J. Engenharia de Infraestrutura
Rev. e atual. São Paulo: Saraiva, 2009.
de Transporte: Uma Integração Multimodal. São
[5]. CAIXETA-FILHO, José Vicente; MARTINS, Paulo: Cengage Learning, 2012. 616 p.
Ricardo Silveira. Gestão Logística do Transporte de
[13]. Site Oficial da Marca. Disponível em: <
Cargas. São Paulo: Atlas, 2011. 296 p.
http://www.labellamafia.com.br>. Acesso em: 20
[6]. E-BIT. E-commerce cresce 24% e vende mar. 2016.
35,8 bilhões em 2014. Rio de Janeiro. 1999.
[14]. SOARES, Madeline Pompeu. Dissertação
Disponível em:
de Mestrado: Gestão de Transportes – LKW
http://www.profissionaldeecommerce.com.br/e-
WALTER. Internationale Transportorganisation AG –
commerce-cresce-24-e-vende-358-bilhoes-em-
Universidade de Coimbra, 2012.
2014/. Acesso em: 10 mar. 2016.
[15]. TURBAN, Efraim; KING, David. Comércio
[7]. FERREIRA, Mariana; BASSI, Cristina
Eletrônico: Estratégia e Gestão. São Paulo: Prentice
Mantovani. A História dos Transportes no Brasil.
Hall, 2004. 436p.
São Paulo: Horizonte, 2011. 132 p.
[16]. WANKE, Peter F. Logística e Transporte
[8]. FLEURY, Paulo Fernando; WANKE, Peter;
de Cargas no Brasil. São Paulo: Atlas, 2010
FIGUEIREDO, Kleber Fossati. Logística

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


97

Capítulo 10

Carlaile Largura do Vale


Sabrina Fêlix Custódio
Taiana Mercedes Ruiz Ferreira
Ademir Luiz Vidigal Filho
Lucélia Largura do Vale Vidigal

Resumo: O setor de supermercadista vem sofrendo inúmeras transformações que


fazem com que ocorra um aumento da competitividade, de forma que a utilização
do sistema de informação (SI) seja cada vez mais indispensável para o
funcionamento, permanência e evolução da organização. O objetivo dessa
pesquisa é analisar os impactos da utilização do sistema de informação nos
mercados localizado no município de Presidente Médici/RO. A metodologia
utilizada foi classificada como descritiva com abordagem qualitativa e o método
dedutivo, sendo que na primeira etapa foi efetuado um levantamento bibliográfico e
na segunda etapa com base no referencial teórico foi elaborado um questionário
estruturado a ser aplicada aos proprietários dos supermercados. Os sujeitos da
pesquisa serão três mercados denominados A, B e C do município de Presidente
Médici. Foram escolhidos somente três supermercados devido à facilidade ao
acesso a organização. Os aspectos éticos da pesquisa em relação aos informantes
serão mantidos em sigilo. De acordo com a visita nas empresas estudas pode-se
percebe que as mesmas utilizam parcialmente dos seus sistemas de informações
devido a não realização de treinamentos por parte do responsável pelo sistema.
Muitas mudanças ocorrem ao implantar os sistemas de informações nas
organizações, e essas mudanças traz para a empresa muitas vantagens, sendo
algumas delas: otimização do fluxo de informação permitindo maior agilidade e
organização, informação são dadas mais rápidas e de forma seguras, redução de
custos operacionais e administrativos e ganho de produtividade, maior integridade
e veracidade da informação, maior estabilidade, maior segurança de acesso a
informação e maior competitividade para as organizações.

Palavras-chave: Sistema de Informação, Mudanças e Impactos, Supermercado.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


98

1 INTRODUÇÃO e seu histórico; Sistema de informação nas


organizações; Característica do sistema de
Com o avanço da tecnologia as empresas
informação; Benefícios e dificuldades do uso
foram obrigadas a seguir as exigências de um
de sistema de informação; Mudanças
novo mercado que surgia. A globalização
estruturais relacionadas com o sistema de
trouxe grande modernidade para as
informação e Mudanças tecnológicas, com
empresas, levando-as a rever seus processos
intuito de explanar sobre o tema proposto
e a darem mais atenção à qualidade dos
pelo artigo.
produtos e serviços oferecidos aos clientes.
Também foi uma das razões que mais
impulsionou a competitividade global
2.1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E SEU
(PACHECO; AGUIAR; TORRE, 2013).
HISTÓRICO
Para que as empresas consigam acompanhar
O sistema é visto como algo constituído em
as mudanças dos consumidores e ampliar a
uma série de componentes interdependentes
sua competitividade no ambiente empresarial,
em constantes interações, com o intuito de
é necessário que elas façam adequações nos
efetuar a consecução de um ou mais objetivos
processos de coleta de dados,
ou metas (COSTA 2001). Segundo O’ Brien
armazenamento, análise e disseminação da
(2004), sistema possui três componentes
informação, além de investimentos na
básicos em interação: entrada,
implantação de tecnologias, a fim de obterem
processamento e saída.
maior suporte em suas resoluções (GOMES;
MOURA ; ROCHA, 2013). O sistema de informação recebe recursos de
dados como entrada e os processa em
Todavia, falar de sistemas de informações e
produtos de informação como saída. Os
tecnologia de informações, é falar do
sistemas de informação (SI) pode ser definido
tratamento das informações que circulam no
como um conjunto de componentes que
ambiente da empresa, seja ele interno ou
coletam, processam, armazenam e distribuem
externo. A informação é vista como recurso
informações destinadas a apoiar a tomada de
essencial para o desenrolar de todas as
decisões, a coordenação e o controle de uma
atividades, principalmente, em cada fase do
organização, com a finalidade de dar suporte
processo de tomada de decisões gerenciais
às atividades (LAUDON e LAUDON, 2010).
(PACHECO; AGUIAR; TORRE, 2013).
Para O’ Brien (2004), o sistema de informação
A utilização de sistema de informação no é um conjunto organizado de pessoas,
setor supermercadista tem se tornado cada hardware, redes de comunicações e recursos
vez mais indispensável para a gestão do de dados que coleta, transforma e dissemina
negócio. Isto se deve a vários fatores como, informações em uma organização.
por exemplo: a busca por maior eficiência em
Segundo Batista (2004), os sistemas de
suas operações, redução de custos, as
informação podem ser entendidos como
crescentes exigências legais, fiscais,
processos administrativos que envolvem
tributárias e o ambiente altamente competitivo
processos menores que interagem entre si,
vivido pelo setor, gerando assim informações
integrando-se para armazenarem dados e
com valor agregado (CARVALHO;
gerar informações para contribuir nas
GALEGALE, 2006).
decisões. Os sistemas de informação são
Neste contexto, o objetivo da pesquisa criados utilizando os conceitos da tecnologia
analisou os impactos da utilização do sistema da informação e fornecem condições para
de informação nos mercados localizado no que a empresa possa tomar decisões corretas
município de Presidente Médici/RO, de e exatas, propiciando que a mesma venha
maneira que a empresa consiga atuar de sempre a atingir um bom desempenho
maneira mais eficiente no cenário competitivo (MARTINS et. al, 2012).
do mercado.
De acordo Laudon e Laudon (2010, p. 13),
para compreender totalmente os sistemas de
informação, você precisa conhecer suas
2 REFERENCIAL TEÓRICO
dimensões mais amplas, a organizacional, a
Nos tópicos abaixo foram descritos o humana e a tecnológica bem como seu poder
referencial teórico da pesquisa no que diz de fornecer soluções para os desafios e os
respeito a Sistema de Informação. O artigo irá problemas no ambiente empresarial.
contextualizar sobre: Sistemas de informação

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


99

Numa perspectiva histórica, os sistemas de estão revolucionando as operações e a


informação evoluíram de acordo com as administração das empresas de negócios da
necessidades organizacionais. Até os anos atualidade, além de mudar as tradicionais
1960, o papel dos sistemas de informações maneiras de interagir com os clientes (O’
era simples: processamento de transações, BRIEN, 2004).
manutenção de registros e contabilidade (O’
No mundo atual conhecer os sistemas de
BRIEN 2004). Mais tarde começaram a ser
informação é essencial, pois muitas
desenvolvidos os primeiros conceitos de
organizações precisam deles para sobreviver
sistemas de informações gerenciais (SIG), e
e prosperar (MARTINS et. al (2012). Esses
outro papel foi adicionado, onde eram
sistemas podem auxiliar as empresas a
fornecidos aos usuários finais gerenciais
estender seu alcance a locais distantes,
relatórios administrativos predefinidos que
oferecer novos produtos e serviços,
dariam aos gerentes a informação de que
reorganizar fluxos de tarefas e trabalho e,
necessitavam para apoiar a tomada de
talvez, transformar radicalmente o modo como
decisão (O’ BRIEN 2004).
conduzem os negócios (LAUDON e LAUDON,
De acordo com O’ Brien (2004), na década de 2010).
1980 com o surgimento dos
microcomputadores, pacotes de software de
aplicativos e redes de telecomunicações 2.2 SISTEMA DE INFORMAÇÃO NAS
deram origem ao fenômeno da computação ORGANIZAÇÕES
pelo usuário final, onde os mesmos puderam
Em um mundo com mudanças rápidas, os
usar seus próprios recursos de computação
sistemas e tecnologias da informação são
em apoio as suas exigências de trabalho em
vitais para o desempenho das organizações.
vez de esperar pelo apoio indireto dos
Segundo Batista (2004, p. 39), “... o objetivo
departamentos de serviços de informação da
de usar os sistemas de informação é a
empresa.
criação de um ambiente empresarial em que
Buscando solucionar as dificuldades as informações sejam confiáveis e possam
encontradas na gestão interna dos processos fluir na estrutura organizacional”.
organizacionais, foram introduzidos os
A forma de organizar o sistema de informação
primeiros sistemas integrados de gestão
e de utilizá-lo é que irá diferenciar uma
(SIG), que dentre outras facilidades,
empresa da outra. Segundo Costa (2001), o
forneciam um controle automatizado dos
êxito está relacionado com a utilização eficaz
processos, integrando todos os setores da
dos sistemas de informação disponível na
organização (TONI, 2004).
empresa.
Com o aumento competitivo, houve uma
Segundo Laudon e Laudon (2010), as
necessidade de estar à frente dos
empresas investem na área de sistema de
concorrentes, com isso foi introduzido a
informação a fim de atender a certos
tecnologia conhecida como sistemas de
objetivos, que são eles:
informação executiva (TONI 2004). Segundo
O’ Brien (2004), o sistema de informação Busca de excelência nas operações para
executiva propicia aos altos executivos uma obter produtividade, eficiência e rapidez;
maneira fácil de obter as informações críticas
Desenvolvimento de novos produtos e
que eles desejam, quando as desejam e
serviços;
elaboradas nos formatos desejados por eles.
Este sistema é destinado a satisfazer as Aproximar a relação com os clientes,
necessidades de informação dos executivos, atendendo-os melhor;
visando eliminar a necessidade de
Agilidade na tomada de decisões com
intermediários.
informações mais precisas.
Entre os anos de 1990 a 2000, a um rápido
Para Laudon e Laudon (2010) com o sistema
crescimento da internet, intranets, extranets e
de informação implantado, as empresas
outras redes globais interconectadas, onde
podem aumentar seu grau de participação no
alterou radicalmente a visão das empresas
mercado, oferecer novos produtos, ajustar-se
em relação aos sistemas de informações nos
internamente e muitas vezes transformar
negócios (O’ BRIEN (2004). As empresas
radicalmente o modo como conduzem seus
interconectada a internet e os sistemas
negócios.
globalizados de e-business e de e-commerce,

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


100

Laudon e Laudon (2005) apontam que os SI  Confiáveis - o grau de confiabilidade


adicionam valor à empresa de várias formas, necessário para a tomada de decisão;
aumentando a produtividade, os lucros, ou
 Geradas em tempo hábil - a
melhorando a capacidade competitiva. Os
informação deve estar nas mãos de
mesmos autores apontam cinco atividades
seu usuário no momento em que ele
principais dos SI dentro das organizações:
precisa dela;
 Aumento de eficiência operacional da
Por nível de detalhe adequado - as
empresa;
informações nos níveis gerenciais devem ser
 Processamento de transações detalhadas para não causar desconforto em
básicas; seu estudo;
 Coleta e transmissão de informações Por exceção - as informações devem ser
gerenciais; selecionadas levando em consideração o que
realmente é relevante.
 Monitoramento e registro do
desempenho dos empregados e De acordo com Rezende e Abreu (2000), o
setores; sistema de informação apresenta algumas
características, que são:
 Manutenção do registro de status e
mudanças nas funções centrais do  Grande volume de dados e
negócio da empresa. informações;
Para Laudon e Laudon (2010, p. 29) os  Complexidade de processamentos;
sistemas de informação podem facilitar a
 Muitos clientes e/ou usuários
sobrevivência e a prosperidade das
envolvidos;
empresas, e conhecê-lo é essencial para os
administradores. Segundo Carvalho e  Contexto abrangente, mutável e
Galegale (2006), a utilização de um sistema dinâmico;
de informação no setor supermercadista tem
 Ambiente organização, entrada
aumentado e se tornado cada vez mais
processamento, saída e
indispensável para a gestão do negócio. De
realimentação;
acordo com os mesmos autores, isto se deve
a vários fatores, dentre os quais se podem  Interligação de diversas técnicas e
destacar a busca pela maior eficiência no tecnologias;
desempenho operacional, a redução de
 Suporte à tomada de decisões
custos, a necessidade de integração com a
empresariais;
cadeia logística, imposta pelos fornecedores,
as crescentes exigências legais, fiscais,  Auxilio na qualidade, produtividade e
tributárias e o ambiente de grande competitividade organizacional.
competitividade do setor.
Diante desse contexto os sistemas de
informação contribuem para que as empresas
se tornem competitivas, dando suporte para a
2.2.1 CARACTERÍSTICA DO SISTEMA DE
tomada de decisão, aumentando sua
INFORMAÇÃO
qualidade no serviço e aumentando as
Os sistemas de informações podem ser informações disponíveis pela a empresa,
classificados de várias formas, apresentando informações que são dadas de forma mais
características distintas uns dos outros. De rápidas e de forma mais precisa.
acordo com Padilha e Marins (2005) uma das
características do sistema de informação é a
integração de todas as áreas da empresa, 2.3 BENEFÍCIOS E DIFICULDADES DO USO
sendo este um grande ganho na utilização DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO
destas ferramentas.
Os sistemas, quando utilizados de maneira
Para Bastista (2005) as informações correta, podem trazer uma melhor adequação
gerenciais podem ser caracterizadas como: das orientações que uma organização deve
seguir em busca de uma melhoria dos
 Comparativas - comparação dos
processos e da sua posição no mercado,
planos de execução;
frente às suas forças competitivas. Ele deve
oferecer o devido suporte às fases de gestão,

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


101

planejamento, execução e controle das processos; alteração do tipo da estrutura da


atividades desenvolvidas nas empresas organização. A mudança na organização
(LEAL, 2011). envolve várias alterações possíveis, podendo
se deslocar de uma de posição para outra
Fica claro que a utilização de um sistema de
posição, mudar a direção, arrumar de outro
informação eficiente pode ter um significativo
jeito, etc. (Laudon e Laudon, 2010).
impacto no desenvolvimento da empresa.
Alguns benefícios encontrados com a Em relação as mudanças estruturais
aplicação desses recursos tecnológicos relacionadas com o sistema de informação
podem ser: a redução dos custos nas organizações, elas podem abrange
operacionais; informações mais seguras e recurso e a sua integração na operação,
acessíveis; facilidade tanto nas tomadas de podendo ocorrer no layout da organização,
decisões como no sucesso da empresa e nas instalações físicas do maquinário, dos
aquisição de vantagem competitiva em equipamentos e dos elementos usados no
relação à concorrência, (PACHECO; AGUIAR; sistema de informação da organização,
TORRE, 2013). mudanças essas necessárias para o
desenvolvimento adequado do sistema
Contudo, o sucesso do uso de um sistema de
utilizado na organização (Laudon e Laudon,
informação não deve se limitar apenas a
2010).
esses benefícios, ele deve ser avaliado
também pela eficácia da tecnologia no apoio Essas alterações podem gerar custos iniciais,
das estratégicas organizacionais, facilitando logo, antes de qualquer mudança é
nos processos de negócios, ampliando suas necessário analisar e encontrar as mudanças
estruturas e cultura organizacionais, além de que geram ou geraram mudanças estruturais
incrementar o valor da empresa para o cliente no ambiente externo e interno da organização
e para os negócios, (PACHECO; AGUIAR; (Laudon e Laudon, 2010).
TORRE, 2013).
Com o uso do sistema de informação nas
2.5 MUDANÇAS TECNOLÓGICAS
organizações, as organizações encontram
dificuldades que podem interferir no A partir da revolução industrial, em meados
desenvolvimento da empresa, essas da década de 70, as empresas passaram a
dificuldades podem ser: dificuldade no investir em tecnologia visando agilizar o
envolvimento da alta e média gestão da trabalho por meio dos conhecidos
empresa; falta de competência pelas pessoas computadores. Como não era muito comum,
envolvidas no uso do sistema de informação; naquela época, empresas adquirirem este
falta de um planejamento mestre do uso do tipo de tecnologia, sua aquisição se tornava
sistema de informação; mudanças estruturais; onerosa, pois, seu custo era elevado e
mudanças tecnológicas; mudanças de cultura necessitava de pessoal especializado para
e organizacional (LEAL, 2011). sua utilização (REZENDE; ABREU, 2011).
Portanto,o sistema de informação contribuem Segundo Laudon e Laudon (2010), o que faz
para o desenvolvimento das organizações em do sistema de informação gerencial o assunto
gerar informações rápidas, precisas e mais excitante nos negócios é a mudança
fundamentais para o processo de tomada de contínua em tecnologia, gestão do uso da
decisão, garantido assim, uma estruturação tecnologia e o impacto no sucesso dos
diferenciada, ocasionando em vantagem negócios. Novos negócios e setores
competitiva em relação as outras aparecem enquanto os antigos desaparecem,
organizações (FRANCISCO, 2011). e empresas bem-sucedidas são aquelas que
aprendem como usar as novas tecnologias.
O uso do sistema de informação já representa
2.4 MUDANÇAS ESTRUTURAIS
uma mudança tecnológica, pois estar
RELACIONADAS COM O SISTEMA DE
correlacionada com outras mudanças dentro
INFORMAÇÃO
da organização, sendo que o conhecimento
As mudanças estruturais organizacionais humano, hardware e software são
podem ocorrer em relação a alteração do fundamentais para a mudança tecnológica,
nível de tomada de decisão; criação de novas assim, deve-se considerar além das
estruturas organizacionais; eliminação de mudanças tecnológicas as mudanças no
estruturas organizacionais; reorganização de arranjo do trabalho, no processo de trabalho,

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


102

na qualificação dos colaboradores, estrutura colaboradores. A empresa B, foi fundada no


física, equipamentos, etc., objetivando o ano de 2003, atua no mercado há 12 anos,
envolvimento de novas ferramentas e tendo em seu quadro de funcionários 5
mudanças na forma como a organização colaboradores. E a empresa C, foi fundada no
trabalha (Laudon e Laudon, 2010). ano de 2008, trabalhando no mercado há 7
anos, tendo em seu quadro de funcionários 6
Logo, as mudanças tecnológicas, partem do
colaboradores. Ambas são empresas
entendimento básico que se conheça a
familiares, que sempre atuaram no mesmo
tecnologia, saiba pra que serve e onde será
segmento, estando consolidadas no mercado
utilizada, analisando a necessidade da
no município em que estão inseridas.
organização e da funcionalidade e uso da
tecnologia. Portanto a mudança tecnológica é
constante e não só a organização necessita
5 ANALISE DOS RESULTADOS E
acompanhar a evolução tecnológica, é
DISCUSSÕES
esperado que todos os membros da
organização busquem manter um nível de A análise e apresentação dos dados foram
aprendizado constante do meio que estão realizadas com base na interpretação das
inseridos (Laudon e Laudon, 2010). informações coletadas nas empresas,
buscando-se relatar as entre linhas da
investigação, informações obtidas durante o
3 METODOLOGIA processo de pesquisa.
O método de pesquisa utilizado foi a pesquisa
descritiva, dedutivo e qualitativa, onde realiza-
5.1 APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS
se o estudo, a análise, o registro e a
interpretação das informações. Pode ser observado após realização da
pesquisa que as empresas utilizam os
A pesquisa foi dividida em três etapas, sendo
sistemas de informações, porém nenhumas
a primeira composta pelo levantamento
das empresas entrevistadas utilizam o sistema
bibliográfico, feitas em livros, artigos,
para gerenciar todas suas operações,
dissertações e teses. A segunda etapa com
gerenciam apenas algumas de suas
base no referencial teórico foi elaborado um
operações internas. As empresas A e C
questionário semiestruturado a ser aplicado
utilizam o mesmo sistema, escolheram o
aos donos dos supermercados. O
sistema Trade, pois era o único sistema
questionário será composto por questões 13
oferecido para as empresas, depois de sua
questões, com perguntas abertas e será
implantação, surgiram novos tipos de
elaborado no Google drive. A terceira etapa
sistemas mais atuais e com melhores
foi realizada a tabulação dos dados e
recursos, no entanto devido as empresas
posteriormente à análise e discussão com
estarem habituadas aos sistemas antigos,
base nas premissas dos objetivos da
optaram por não realizar a troca do sistemas
pesquisa.
por um mais atual.
Os sujeitos da pesquisa serão três
As empresas A e B utilizam como o sistema o
supermercados denominados A, B e C do
Trade, que atua na empresa para controlar o
município de Presidente Médici-RO, foi
estoque (entrada e saída) e as vendas. A
escolhido somente três supermercado devido
empresa B o sistema utilizado é o Data Sol, foi
a facilidade ao acesso a organização. Os
escolhido por ter a assistência técnica no
aspectos éticos da pesquisa em relação aos
município, facilitando quando a empresa tem
informantes serão mantidos em sigilo para
alguma dúvida e quando acontece algum tipo
não expor a integridade da empresa e dos
de problema no sistema, e devido ser um
informantes.
sistema online, que foi exigido pelo governo
(que são as notas fiscais online). O sistema
atua na empresa para controlar o estoque
4 DESCRIÇÃO DAS EMPRESAS
(entrada e saída), para as vendas, controle de
A pesquisa foi realizada em 3 supermercados, vendas e para controlar o fluxo de caixa,
sendo denominado Empresa A, B e C. A cadastro de clientes e funcionários, controle
empresa A foi fundada no ano de 1996, das dividas da empresa e dos clientes.
atuando no mercado há 19 anos, seu quadro
Pode-se notar uma sub utilização do sistema
de funcionários é composto de 5
onde apenas algumas funções especificas

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


103

dos mesmos são utilizadas, fator gerado Empresa C: houve muita mudança, antes da
devido ao não conhecimento de todas as implantação era difícil para controlar o
funcionalidades do sistema. Ambas as estoque e as vendas, pois não tinha isso em
empresas sofrem com o mesmo problema, registro, com a implantação facilitou o
por causa da falta de treinamentos mais controle de estoque e as compras.
aprofundados. Em relação ao processo de
Segundo Rezende e Abreu (2000), se ambas
aprendizado, a empresa responsável pelo
as empresas aplicar corretamente o sistema
programa disponibilizou um simples
de informação, se beneficiará com aumento
treinamento para as empresas, ensinando as
da qualidade de serviços, facilidade na
funções básicas do programa.
tomada de decisão, devido à confiabilidade
Devido às empresas não receber um das informações geradas pelos sistemas,
treinamento aprofundado, os colaboradores aumenta a produtividade e competitividade
das empresas não fazem uso de todas as organizacional.
funções do sistema, com isso a empresa
Diante isso para as empresas que buscam se
deixa de melhorar a qualidade do serviço
manter competitivas no mercado, precisam
prestado, com isso diminui a rapidez na
aplicar corretamente os sistemas de
informação, deixando de interligar o sistema
informação, e buscar aplicar todas as funções
com outras áreas.
disponíveis no sistema, garantindo assim
As empresas precisam estar preparadas para informações rápidas e precisas, no tempo e
lidar com os problemas internos e externos do no momento desejado pela empresa,
ambiente em que estão inseridas, para tanto facilitando dessa forma a tomada de decisão.
buscam no desenvolvimento de sistemas de
informações suporte para a resolução desses
problemas. Os sistemas de informação 6 CONCLUSÃO
auxiliam as empresas no processo de tomada
Como conclusão do estudo pode se observar
de decisão de quanto e quando comprar. O
a importância de se aplicar corretamente o
sistema é alimentado todas as vezes que
sistema de informação, pois com ele a
chega mercadoria na empresa, através da
empresa consegue informações pertinentes,
entrada em estoque, e quando são feito
rápidas e seguras, aumentando a qualidade
vendas, através da saída.
do serviço, melhorando o desempenho da
Durante a implantação do sistema pode-se organização e rompendo barreiras, com isso
observar relatos de uma grande resistência aumentando sua competitividade.
por partes dos funcionários.
As empresas precisam estar atentas ao
Analisando a implantação do sistema antes e mercado, procurando adaptar-se às
depois da implantação do sistema na mudanças, buscando obter um diferencial
empresa, quando as empresas: competitivo que proporcione sua
continuidade. Tomar decisões corretas, na
Empresa A: houve muita mudança, antes da
hora certa, baseadas em informações
implantação era difícil para controlar o
precisas, é algo que permite à organização
estoque e as vendas, pois não tinha isso em
manter-se ativa no mercado.
registro, com a implantação facilitou o
controle de estoque e as compras. Benefícios: Os sistemas e a tecnologia da informação são
facilidade para fazer os pedidos, pois sabem imprescindíveis para que a organização tenha
as quantidades certas a ser pedidas, maior uma qualidade em sua tomada de decisões,
controle de estoque, maiores controle das além de criar uma vantagem competitiva para
vendas. a empresa. Os sistemas de informação e o
SIG são ferramentas fundamentais na tomada
Empresa B: houve muitas mudanças, pois
de decisão, pois possibilitam ao gerente e aos
antes não tinha o controle certo do estoque, e
donos um feedback de todas as operações,
das vendas, nem caixa, com a implantação a
embasando assim as futuras decisões.
empresa passou a ter o controle de estoque
de entrada e saída, controle das compras e Desta forma, pode-se perceber a importância
controle do fluxo de caixa, do que sai e do do sistema de informação para as
que entra. Benefícios: Facilidade nas organizações e sem seu uso a um impacto
compras; controle do estoque; facilidade para significativo para as organizações. Um fator
gerenciar o dinheiro, devido o controle de de extrema relevância ao implantar os
fluxo de caixa. sistemas de informações em uma empresa

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


104

são os treinamentos, não adianta ter a mais custos operacionais, administrativos e ganho
sofisticada tecnologia se não ter profissionais de produtividade, maior integridade e
qualificados para operar o sistema, diante veracidade da informação, maior estabilidade
disso vê-se a importante dos treinamentos em e maior segurança de acesso a informação.
uma organização.
Desta forma, compreender como os sistemas
Nesse contexto vê-se a importância de aplicar de informações e suas ferramentas causam
corretamente os sistemas de informações nas impactos em uma organização e saber avaliar
organizações, na qual muitas mudanças a contribuição que essas inovações podem
ocorrem, trazendo varias vantagens para a oferecer para atingir os objetivos propostos
organização, sendo algumas delas: pelas empresas torna-se um requisito
otimização do fluxo de informação permitindo necessário para os empreendedores que
maior agilidade e organização, redução de buscam competitividade no mercado.

REFERÊNCIAS
[1]. BATISTA, Emerson de Oliveira. Sistema de [7]. LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane
Informação: o uso consciente da tecnologia para o Price. Gerenciamento de sistemas de informação.
gerenciamento. São Paulo: Saraiva, 2004. 3. ed. LTC: Rio de Janeiro, 2005.
[2]. BEUREN, M. I.; Martins, W. L. Sistema de [8]. LAUDON, Kenneth. Sistemas de
informações executivas: suas características e informação gerenciais/ kennethLaudon; tradução
reflexões sobre sua aplicação no processo de Luciana do Amaral Teixeira; revisão técnica
gestão. 2001. Revista Contabilidade e Finanças. Belmiro Nascimento -- 9 ed – São Paulo: Pearson
Disponível em: Prentice Hall, 2010.
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext
[9]. LEAL, Leiane Caminha. O uso da
&pid=S1519-70772001000200001>. Acessado no
tecnologia da informação como instrumento de
dia 24/11/2015.
apoio à gestão: Um estudo de caso na empresa
[3]. CARVALHO, Alexey. ; GALEGALE, Tecno-Graf. Picos, 2013. Disponível em:
Napoleão Verardi. ; Tecnologia da informação no <http://www.ufpi.br/subsiteFiles/admpicos/arquivos/
setor supermercadista: um estudo exploratório no files/monografia%20totalmente%20completa.pdf>.
interior de São Paulo. XIII SIMPEP: Simpósio de Acesso em 20 de novembro de 2015.
Engenharia de Produção - Universidade Estadual
[10]. MARTINS, Pablo Luiz ; MELO, Bruna
Paulista. Bauru – SP, 2006.
Martins ; QUEIROZ, Danilo Lemos; SOUZA,
[4]. COSTA, B. A. S. L. Tecnologia da Mariana Silva; Borges, Rodrigo de
informação: uma analise de sua implementação em Oliveira.Tecnologia e Sistemas de Informação e
organizações. 2001. Dissertação apresentada ao Suas Influências na Gestão e Contabilidade. Artigo
curso de Mestrado em Administração do Centro de apresentado simpósio de excelência em gestão e
Pós-Graduação e Pesquisas em Administração da tecnologia, 2012.
Faculdade de Ciências Econômicas da
[11]. O’BRIEN, James A. Sistemas de
Universidade Federal de Minas Gerais.
informação e as decisões gerenciais na era da
[5]. FRANCISCO, Leonardo de Lima. A internet. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2004.
importância do sistema de informação como
[12]. PACHECO, Ana Gabriela S. de M.;
ferramenta gerencial para minimercados. 2011.
AGUIAR, Emanuela Macedo de; TORRES, Elvia
Disponível em:
Florêncio. A Aplicabilidade do Sistema de
<http://www.administradores.com.br/artigos/econo
Informação na Gestão de Estoque de
mia-e-financas/a-importancia-do-sistema-de-
Supermercados: um estudo multicasos em
informacao-como-ferramenta-gerencial-para-
Picos/PI. Picos, 2013. Disponível em:
minimercados/57188/>.Acesso em 20 de
<http://www.ufpi.br/subsiteFiles/admpicos/arquivos/
novembro de 2015.
files/Artigo%20-
[6]. GOMES, Jairo de Pontes; MOURA, Elton %20Gabriela%20e%20Emanuela.pdf>. Acesso em
Oliveira de; ROCHA, Elaine de Lima. Sistema de 20 de novembro de 2015.
informação como ferramenta de apoio à decisão
[13]. PADILHA, C. C. T.; Marins, S. A. F.
varejista: Um estudo de caso em uma pequena
Sistemas ERP: características, custos e tendências.
empresa do brejo Paraibano, 2013. Disponível em:
2005. Disponível em:
<http://www.abepro.org.br/biblioteca/enegep2013_
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext
TN_STO_184_049_22597.pdf>Acesso em 10 de
&pid=S0103-65132005000100009> . Acessado no
fevereiro de 2016.
dia 24/11/2015.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


105

[14]. PEROTTONI (R.), OLIVEIRA (M.), [17]. REZENDE, Denis Alcides; ABREU, Aline
LUCIANO (E.M.) e FREITAS (H.). Sistemas de França de. Tecnologia da informação aplicada a
informações: um estudo comparativo das sistemas de informação empresariais: o papel
características tradicionais às atuais. Porto estratégico da informação e dos sistemas de
Alegre/RS: Artigo disponível em: informação nas empresas. São Paulo: Atlas, 2000.
(http://read.adm.ufrgs.br), PPGA/EA/UFRGS, v.7, n.
[18]. REZENDE, Denis Alcides. Tecnologia da
3, 2001.
informação aplicada a sistemas de informações
[15]. PUC-RIO, disponível em: empresariais: o papel estratégico da informação e
<http://www.maxwell.vrac.puc- dos sistemas de informação nas empresas/ Denis
rio.br/7164/7164_3.PDF>. Acessado no dia Alcides Rezende, Aline França de Abreu. – 8. Ed. –
25/11/2015. São Paulo: Atlas, 2011.
[16]. POLLONI, Enrico G. F.. Administrando [19]. TONI, A. J. A evolução dos sistemas de
Sistemas de Informação – Estudo de Viabilidade. informação. 2004. Disponível em: <http://www.e-
São Paulo: Futura, 2000. Tirado do artigo: A combr.com.br/artigos/19-a-evolucao-dos-sistemas-
importância dos sistemas de informação para a de-informacao.html> . Acessado no dia
controladoria no processo de gestão. V Encontro 25/11/2015.
Paranaense de Pesquisa e Extensão em Ciências
Sociais Aplicadas e VII Seminário do Centro de
Ciências Sociais Aplicadas de cascavel.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


106

APÊNDICE A - QUESTIONÁRIO

Quando foi fundada a empresa?


Quantos funcionários?
1 a 20
20 a 30
30 a 40
40 a 50
Outros: _______

A empresa sempre atuou no mesmo segmento de mercado ou já atuou em outro?


Sim
Não

A empresa utiliza sistemas informação para gerenciar suas rotinas internas?


Sim
Não

Qual o sistema de informação e como ele atua dentro da empresa?


Quais funcionalidades esse sistema oferece, ele se interliga com outras áreas?
A empresa faz uso de todas as funções oferecidas pelo sistema?
Como o sistema de informação auxilia a empresa no processo administrativo?
Como é alimentado o sistema? Existe manutenção? Quando acontece?
Por que a empresa escolheu exatamente esse sistema?
Houve alguma resistência por parte dos funcionários da empresa quanto à implementação do
sistema?
Como aconteceu o processo de aprendizado?
Como você avalia o antes e depois da implantação do sistema na empresa? Quais os benefícios.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


107

Capítulo 11

Marcelo Alexandre Siqueira De Luca


Fabiano Barreto Romanel
Rafael Pires Machado

Resumo: Os mercados estão cada vez mais competitivos e a sobrevivência


mercadológica está ficando mais acirrada. Empresas dividem clientes em um
mesmo setor e, assim, buscam conquistar fatias de mercado cada vez maiores. Os
clientes dão preferência a produtos e serviços que julgam ter melhor qualidade,
usando para tal a avaliação subjetiva sob os determinantes da qualidade. No caso
dos processos primários de serviço, os clientes são mais críticos na avaliação pelo
alto contato que tem com os mesmos. A motivação da pesquisa dá-se sob a
problemática: Que determinantes da qualidade em serviços podem possibilitar
vantagem competitiva em processos primários de serviços? Justifica-se a pesquisa
pelos impactos positivos que seus resultados podem trazer à sociedade, ciência,
educação, empresas e estado atual do conhecimento. Metodologicamente é
desenvolvida sob procedimentos bibliográficos, com coleta de dados sobre fontes
secundárias e seu tratamento crítico dissertativo. A análise dos dados é qualitativa,
e a inspiração é dada sobre o método dedutivo. O objetivo do estudo é identificar
que determinantes da qualidade em serviços podem possibilitar vantagens
competitivas nos processos primários de serviço. Como resultado principal da
pesquisa, identificou-se que os determinantes buscados são: flexibilidade,
competência, cortesia e confiabilidade. O estudo não esgotou o assunto.

Palavras-chave: Lean constrution, Qualidade em Serviços, Construção civil,


Otimização.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


108

1 INTRODUÇÃO dedutivo (LAKATOS, MARCONI, 2001). Dentre


as principais obras utilizadas estão Lovelock e
Os mercados estão ficando cada vez mais
Wright (2001); Miguel (2001); Zeithaml e Bitner
competitivos e acirrados, exigindo assim dos
(2003); Las Casas (2004); Marshall Junior
empresários aperfeiçoamento para
(2005) e De Luca (2007).
sobrevivência mercadológica. Técnicas
produtivas, estratégias, redução de custos e Estruturalmente o estudo é apresentado em
afins estão sendo observados, e tudo numa seis seções, incluindo a introdução e as
constante de aprimoramento e direção de considerações finais. A seção “qualidade”
gestão científica de negócios (CHIAVENATO; identifica os principais conceitos de qualidade
SAPIRO, 2004). Tentativas de redução de e suas particularidades com relação a
custos e ampliação dos canais de distribuição percepção e avaliação por parte do cliente ou
têm tido atenção dos gestores, numa intenção consumidor. Traz a mostra os aspectos
de aumento de redução de despesas e qualitativos e comportamentais do
aumento de receitas (KOTLER; ARMSTRONG, consumidor a este respeito. A seção
2004). Por fim, observa-se uma preocupação “serviços” reconhece os serviços pela
a favor da sobrevivência mercadológica. concepção intangível e pelas suas principais
características, identificando também os
Neste sentido, e unindo os pilares da
principais tipos de processos de serviços, ou
qualidade em serviços, da vantagem
seja, serviços profissionais, lojas de serviço,
competitiva e dos processos primários de
serviços em massa e indústria de serviços. A
serviço que são processos nos quais o
quarta seção, denominada “Qualidade em
observador possui julgamento crítico por suas
serviços”, faz a conjuntura entre os termos
características, desenvolve-se o presente
“ Qualidade” e “Serviços’ de forma a mostrar
estudo. Sua motivação está na problemática:
como esse conceito é entendido aos
que determinantes da qualidade em serviços
intangíveis. A quinta seção, intitulada “A
podem possibilitar vantagem competitiva em
Qualidade em serviços para a vantagem
processos primários de serviços? Trata-se de
competitiva nos processos primários de
uma questão importante e relevante visto que
serviço”, cumpre o objetivo geral do estudo,
seus resultados poderão impactar
pois apresenta os conceitos de vantagem
positivamente sobre a sociedade, educação,
competitiva e de processos primários de
ciência e estado atual do conhecimento.
serviço e, na sequência, mostra como a
O objetivo geral do estudo é identificar que qualidade em serviços pode ser usada para
determinantes da qualidade em serviços melhorar a vantagem competitiva nesses
podem possibilitar vantagens competitivas processos. As “considerações finais” mostram
nos processos primários de serviço. E os o cumprimento dos objetivos específicos e
objetivos específicos são: (a) identificar o que geral da pesquisa, também as dificuldades
é qualidade, por meio de suas encontradas, além de apontar sugestões para
particularidades e características; (b) trabalhos futuros.
reconhecer o que são serviços e quais seus
principais processos; (c) verificar o que é
qualidade em serviços; (d) verificar o que são 2 QUALIDADE
processos primários de serviço e vantagem
A Qualidade pode ser entendida como um
competitiva. Este estudo representa uma
conceito incremental evolutivo que, ao longo
crescente cumulativa de conhecimentos, a
do tempo e desde aproximadamente 1900,
saber um incremento não inédito, porém
vem tendo conotações e impactos diferentes
original, para a ciência.
junto à sociedade (MARSHALL JÚNIOR,
Metodologicamente, a pesquisa possui 2005). Sofre adaptabilidades devido
objetivo explicativo-analítico e caráter básico. principalmente a novas formas de se encarar
A coleta de dados é feita sobre fontes e entender o comportamento do consumidor,
secundárias, como artigos, livros, periódicos e e isso juntamente de um sistema de
materiais científicos disponibilizados na influências mercadológicas, produtivas e de
internet, de tal sorte que sua organização e negócios (MIGUEL, 2001). Inicialmente seu
tratamento é feito de maneira crítico- conceito foi calcado no tecnicismo com o
dissertativa, ou seja, por meio de consultor americano Philip Crosby, o qual
agrupamentos segundo palavras-chave e dizia e disseminava que um produto era de
ideias principais. A análise dos dados é qualidade se ele estava de acordo com os
qualitativa e tem a inspiração do método requerimentos dele esperados (C onformance

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


109

to requeriments). Crosby lançou então o comportamentais. Considera que o ser


conceito técnico e métrico para a qualidade humano é único, e como tal percebe a mesma
(CROSBY, 1994). coisa de formas diferentes (para um mesmo
produto ou serviço, uns ficam satisfeitos e
Por volta da década de 1940 e já com o
outros insatisfeitos com o que observam).
incremento sócio técnico do conceito, o
também professor e consultor americano, Por tudo, e entendendo-se a Qualidade como
Joseph Juran, partindo de concepções que um conjunto de atributos de processos,
os produtos e serviços devem ser adequados estruturas, produtos e serviços (SMITH, 1993)
para as finalidades a que se destinam, a que buscam satisfazer as necessidades
saber seu uso, disse que um produto ou presentes e futuras, implícitas e explícitas dos
serviço é de Qualidade se ele for adequado usuários (DEMING, 1992), de forma sistêmica
ao uso (Fitness for use) (JURAN; GRYNA, (ISO 8402, 1986 apud AOKLAND, 1994;
1991). Considerou aspectos qualitativos e de AMERICAN SOCIETY FOR QUALITY
comportamento do consumidor, numa CONTROL apud KOTLER, 1998); fecha-se o
crescente de valorização das entedimento da qualidade conforme a norma
heterogeneidades e aspectos subjetivos a ISO 9000/2000. Por ela, a Qualidade é
favor da percepção do cliente, um conceito entendida como o grau com que as
aplicado na reconstrução do Japão após a características permanentes de algo
segunda guerra mundial, que tomou satisfazem a requisitos (ASSOCIAÇÃO
proporções pela valorização do sentimento de BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, 2000).
uso pelo consumidor (JURAN; GRYNA, 1993).
Para a avaliação da Qualidade em produtos
Nestes termos, o conceito evolutivo da são utilizadas dimensões específicas. Estas
Qualidade não considera tão e simplesmente podem ser vistas como sobre atributos de
os aspectos técnicos do produto, mas, tão e produtos, serviços ou processos, os quais são
principalmente, os aspectos de uso e utilizadas pelos clientes, consciente ou
comodidade do usuário. Um incremento inconsciente, para a avaliação da qualidade
“ergonômico” ao conceito, de modo eu o dos mesmos. Envolvem aspectos tangíveis e
consumidor começa a ser o foco e centro das intangíveis, ambientais, de valores agregados
atenções (OAKLAND, 1994). Por este, se um e afins, numa correlação crítico-subjetiva
produto atender as métricas e não for (SIQUEIRA, 2006), que começam a ser
adequado ao uso, ele não é considerado de estudadas em meados do século XX, e
Qualidade. Os conceitos de Qualidade foram segundo Garvin (1984), são:
evoluindo e incrementados, de modo a
considerar-se que cada autor que escreve  desempenho - operações primárias
sobre o tema dá sua contribuição qualitativa a de um produto
respeito (SMITH, 1993).  funções - características secundárias
Por volta da década de 1980, os estudiosos que suplementam os funcionamentos
da Qualidade passam a ressaltar o ser básicos do produto
humano como um complexo mutante entre  confiabilidade - probabilidade de uma
razões e emoções, com comportamentos, falha do produto dentro de um
percepções e expectativas diferentes e, período especificado de tempo
então, correlacionam a qualidade de um
produto ou serviço com a satisfação que  conformidade - desenho e as
geram no consumidor/cliente (DEMING, características de um produto de
1992). Dizem que um produto ou serviço é de acordo com padrões pré-
Qualidade se o consumidor está satisfeito estabelecidos
com ele.
 durabilidade - medida de vida de um
Nesta época (1980), e sob a linha de produto, considerando as dimensões
satisfação x qualidade, chega-se ao enfoque econômicas e técnicas
conceitual que se estende até os dias de hoje.
Dentre seus precursores destaca-se o
 atendimento - velocidade,
competência e cortesia de reparo
consultor e professor Edward Deming, que
ampliou o conceito, tendo uma gama  estética - julgamento pessoal e
relevante de publicações (DEMING, 1992). reflexões de preferências individuais
Instituições passam a usar estes conceitos,
numa evolução com base em aspectos  qualidade percebida - avaliação
subjetiva dos consumidores acerca

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


110

de produtos. Estes aspectos podem com os clientes, como é o caso os fast food
ser utilizados isoladamente ou em “McDonalds” (SCHMENNER, 1999).
com junto, tendo maior ou menor uso
Nestes termos, e considerando os processos
de acordo com o caso (GARVIN,
de serviços, nota-se que pessoas vivem
1984).
usufruindo direta ou indiretamente dos
mesmos, dia após dia (LAS CASAS, 2004). A
concorrência é cada vez maior e a
3 SERVIÇOS
necessidade de estratégias de mercado nos
Os serviços são execuções de tarefas ou serviços é requerida. A qualidade em serviços
ações realizadas por um usuário ou é um dos fatores explorados a favor da
organização. Podem ser mais ou menos vantagem competitiva no setor (LOVELOCK;
tangíveis, valendo-se de facilitadores ou não WRIGHT, 2001).
(PRAZERES, 1996); podendo ser vistos como
ações prestadas por algo ou alguém a um
terceirio e a benefício deste (DE LUCA, 2007). 4 QUALIDADE EM SERVIÇOS
Apresentam características de
A Qualidade em serviços pode ser vista como
heterogeneidade, perecibilidade,
uma aplicação dos conceitos da qualidade
simultaneidade e flexibilidade, de tal sorte que
nas ações “serviços”, e isso sob uma
não é possível prestar um serviço exatamente
avaliação pessoal, subjetiva, abstrata e
da mesma maneira duas vezes (COOPER;
mutante (LAS CASAS, 2004). Envolve
ARGYRIS, 2003), (ZEITHAML; BITNER, 2003).
concepções de percepção, expectativas e
Surgem como resultados de processos de
satisfações geradas nos clientes, levando-se
uma cadeia de incrementos e
em conta a consideração da intangibilidade e
beneficiamentos (LAS CASAS, 2004), que
flexibilidade dos serviços. Um montante de
podem ser às vistas dos clientes (front office)
especificidades voltadas à avaliação da
ou fora destas vistas destes (backroom)
qualidade nas ações, a saber uma avaliação
(SCHMENNER, 1999). No total, um conjunto
parcial ou sistêmica complexa que pode
de esforços intangíveis que podem ser
rotular, mesmo que momentaneamente, um
classificados conforme o grau de
serviço como de qualidade ou não
personalização e contato com os clientes, em
(ZEITHAML; PARASURAMAN; BERRY, 1990
categorias como serviços profissionais, lojas
apud SCHIFFMAN; KANUK, 2000).
de serviço, serviços em massa e indústria de
serviços (GIANESI; CORRÊA, 1994; Nestes termos, e tendo em vista que os
SCHMENNER, 1999). clientes participam dos processos de
serviços, também os julgando, vem a
Os serviços profissionais são prestados por
dicotomia de influências e instabilidades na
profissionais liberais, como médicos,
avaliação (MIGUEL, 2001). Fatores pessoais e
engenheiros, dentistas e outros, apresentando
humanos entram neste contexto, podendo
alta personalização e tempo junto aos
inclusive mudar o resultado do serviço.
clientes. Dão prioridade a flexibilidade para
Necessidades, capacidades, interesses,
atendimento dos desejos/vontades dos
estado emocional, condições
clientes. Nas lojas de serviços, os serviços
socioeconômicas e intercorrências
são prestados por empresas (grupo de
momentâneas acabam interferindo na maneira
pessoas/profissionais), atendendo várias
pontual de pensar e ver os processos, de
pessoas ao mesmo tempo. O atendimento aos
modo que o mesmo prestador de serviço,
clientes segue um certo padrão, com uma
com o mesmo cliente, pode gerar uma gama
maior produtividade e atendimento de clientes
de resultados e avaliações diferentes (DE
na unidade de tempo, como cursos livres, as
LUCA, 2007). Um todo complexo de saberes,
copiadoras, os restaurantes a la carte e
ações e agires, numa construção interativa de
correlatos. Os serviços em massa são os
valores e atendimento de necessidades.
oferecidos ao grande público e com grau
Aspectos qualitativos influenciando o
mínimo de personalização, como é caso do
julgamento da avaliação da qualidade
transporte coletivo “ônibus” (GIANESI;
influenciando na desconfirmação de Oliver
CORRÊA, 1994). As indústrias de serviço
(1980) são demonstrados no Quadro 1:
oferecem personalização e contatos mínimos

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


111

QUADRO 1 – Teoria da desconfirmação.


Percepção Melhor Expectativas Satisfeito Serviço de qualidade
Percepção Igual Expectativas Neutro Neutro
Percepção Pior Expectativas Insatisfeito Serviço sem qualidade
Fonte: Adaptado de Oliver (1980)

O Quadro 1 demonstra que se leva em conta Limpeza: A limpeza e a aparência clara e


que a satisfação surge como uma atraente dos componentes tangíveis do
discrepância entre a percepção e a pacote de serviços, incluindo o ambiente, as
expectativa dos clientes, num caráter instalações, os bens e o pessoal de contato;
personalíssimo na avaliação (OLIVER, 1980).
Conforto: O conforto físico do ambiente e das
Faz-se necessário ter o cuidado com as
instalações do serviço;
tomadas de decisão a respeito, não se
rotulando aleatoriamente um serviço como de Flexibilidade: Uma disposição por parte dos
qualidade ou não pela opinião de alguns funcionários em alterar ou completar a
clientes (DE LUCA, 2007). Afinal, suas natureza do serviço segundo as
opiniões sobre um mesmo serviço podem necessidades do cliente;
mudar durante o próprio dia. Basta o cliente
Disponibilidade: A disponibilidade das
no mesmo dia conhecer um serviço pior do
instalações do serviço dos funcionários e dos
que aquele que julgou, que talvez ele mude a
bens oferecidos ao cliente. No caso do
sua opinião sobre o primeiro (SCHIFFMAN;
pessoal de contato, isso significa o índice
KANUK, 2000).
funcionários/clientes e o tempo que cada
Por tudo, e ressaltando que a “Qualidade em funcionário dispõe para passar com o cliente
serviços é o atendimento eficaz das individual. No caso da disponibilidade de
necessidades e expectativasdos clientes” bens, inclui a quantidade e variedade de
(PRAZERES, 1996, p. 340), pode ser vista produtos disponibilizados ao cliente;
como a lacuna entre o que o consumidor
Comunicação: A habilidade de comunicar o
espera do serviço e suas percepções com o
serviço ao cliente de maneira inteligível. Isso
mesmo (PARASURAMAN et al., 1985) ou
inclui a clareza, a totalidade e a precisão da
como um constructo baseado no
informação verbal e escrita transmitida ao
desempenho do serviço (CRONIN; TAYLOR,
cliente e sua habilidade de ouvi-la e entendê-
1992), chega-se ao entendimento que a
la;
qualidade em serviços é a capacidade que
uma experiência, ou qualquer outro fator Competência: A habilidade, a expertise e o
tenha para satisfazer uma necessidade, profissionalismo com que o serviço é
resolver um problema ou fornecer benefícios a executado. Isso inclui a adoção de
alguém (ALBRECHT,1992). Tem-se que os procedimentos corretos, a execução correta
clientes usam dos determinantes da das instruções do cliente, o grau de
qualidade em serviços para avaliados (até conhecimento do serviço mostrado pelo
mesmo de forma intuitiva) (GIANESI; pessoal de contato, a entrega de produtos
CORRÊA, 1996) e, então, chega-se a estes finos, a orientação consistente e a habilidade
determinantes / atributos pela sustentação de de fazer bem o trabalho;
Parasuraman, Zeithaml e Berry (1985);
Cortesia: A educação, o respeito e a
Gianesi e Corrêa (1996), Siqueira (2006) apud
experiência mostrados pelo pessoal da
De Luca (2007, p.70-71). São eles:
organização de serviço, principalmente o
Acesso: A acessibilidade da localização do pessoal de contato. Isso inclui a habilidade
serviço, incluindo a facilidade de encontrar o dos funcionários em não serem
ambiente de sua prestação e a clareza do desagradáveis e intrusivos;
projeto;
Integridade: A honestidade, a justiça, a
Estética: A extensão em que os componentes imparcialidade e a confiabilidade com que os
do pacote de serviços estão de acordo ou ao clientes são tratados no serviço;
agrado do cliente, incluindo a aparência e a
Confiabilidade: A confiabilidade e a
atmosfera do ambiente, as instalações, os
consistência do desempenho das instalações,
artigos genuínos e os funcionários;

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


112

dos produtos e do pessoal da organização de dos clientes que são incorporados aos
serviço. Isso inclui pontualidade de entrega e produtos / serviços para melhor satisfazê-los.
manutenção dos acordos com o cliente;
Com o ponto de partida, considera-se que os
Agilidade: Velocidade e pontualidade na serviços são prestados a pessoas e que as
entrega do serviço. Isso inclui a velocidade da pessoas são únicas, de pensamento
produção e a habilidade em responder heterogêneo e de comportamentos diversos.
prontamente às solicitações do cliente, com Possuem culturas, tradições, costumes,
tempo de espera mínimo; necessidades, capacidades, níveis de
instrução e modos diferentes de ver a vida
Segurança: Segurança pessoal do cliente e
(devido inclusive a condições sócio-
de suas posses enquanto participa ou
econômicas), de modo que é difícil satisfazer
beneficia-se do processo de serviço. Isso
a todas (SCHMENNER, 1999). São complexas
inclui a manutenção da confidencialidade.
e de pensamento mutante, entretanto julgam
Esses determinantes não são os únicos, nem serviços e produtos. Utilizam para isso os
mesmos esgotam o assunto. São resultados determinantes da qualidade / qualidade em
de pesquisas a respeito, num montante de serviços, numa forma construtiva de
ações e pensamentos afim de melhor a discrepâncias entre percepções e
qualidade em serviços. expectativas a favor da satisfação. Por isso, e
para a vantagem competitiva (diferenciais e
valores agregados), os determinantes da
5 A QUALIDADE EM SERVIÇOS PARA A qualidade devem ser observados e
VANTAGEM COMPETITIVA NOS trabalhados (LAS CASAS, 2004).
PROCESSOS PRIMÁRIOS DE SERVIÇO
Observando os determinantes da qualidade
Visto os entendimentos de qualidade em de Siqueira (2006, apud DE LUCA, 2007), e
serviços, e se considerando que a vantagem considerando os processos primários de
competitiva constitui-se em uma estratégia serviços possuem alto grau de conta com os
sustentada por diferenciais e valores clientes (aplicados diretamente sobre o corpo
agregados para a sobrevivência deles), tais como serviços de cabelereiro,
mercadológica (BARNEY; HESTERLY, 2007); maquiagem e afins, busca-se os
toma-se que os processos primários de determinantes da qualidade em serviços que
serviço tocam os clientes externos e entregam podem possibilitar, ao mesmo tempo,
serviços a eles (HRONEC, 1994), com “alto diferenciais e valores agregados nos serviços.
contato com o cliente” (GIANESI; CORRÊA, Chega-se ao Quadro 2. Para a elaboração
1994, p. 42), vai-se ao alinhamento da deste quadro tem-se em mente o serviço de
solução da problemática. Parte-se da corte de cabelo e, então, pergunta-se: Esse
premissa que os diferenciais são inovações determinante pode trazer diferenciais e
ou formas diferentes / requeridas pelos valores agregados para o serviço ao mesmo
clientes de se entregar produtos e serviços, tempo?
ainda que os valores agregados são desejos

QUADRO 2 – Determinantes da qualidade a favor da vantagem competiviva.


Derterminante Diferenciais Valor Agregado Considrações
Acesso
Estética
Limpeza 
Conforto 
O cliente pode pedir algo de diferente para o
Flexibilidade   prestador de serviços e sabe qu este vai
buscar atendê-lo.
Disponibilidade 
Comunicação

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


113

(continuação...)
Derterminante Diferenciais Valor Agregado Considrações
O cliente acredita na capacidade e competencia
do prestador de serviços, de modo que fixca
Competência  
seguro em demonstrar seus desejos e crer que vai
ser atendido a contento.
O cliente, quando em presença de um prestador
Cortesia   de serviços cortez, sente-se a vontade para
expressar seus desejos.
Integridade
O Cliente tem confiança em trocar ideias com o
Confiabilidade   prestador de serviços, sobre seus desejos, e crê
que o combinado será executado.
Agilidade 
Segurança 
Fonte: Os autores.

Pelo exposto, nota-se que os determinantes momento que o cliente tem a possibilidade de
da qualidade em serviços que respondem a fazer solicitaçãoes de personalizqação ao
problemática de pesquisa são: Flexibilidade, prestador de serviços, sem possibilidades de
competencia, cortesia e confiabilidade. acabar sendo mal tratado por tal prestador.
Considera-se que a flexibilidade, como uma
Por fim e sobre a confiabilidade, tem-se que
característica dos serviços, dá a possibilidade
agrega valor ao serviço a partir do momento
de uma personalização dos mesmos. O
que, de maneira direta, o cliente sabe que
cliente pode fazer solicitações de como quer
não está sujeito a amadores no assunto
que o serviço prestado, atendendo assim
(possibilidadede mínima de lhe dar “prejuízos’
seus reequerimentos com personalização.
facilmente observados pelos outros). Oiu seja,
Contribui para a satisfação do cliente, numa
ele confia no desempenho do prestador, de
customização que conduz a valores
modo a ficar tranquilo com relação ao
agregados. Leva assim a vantagem
resultado do processo.
competitiva.
Assim, tem-se a identificação dos
Com relação à competência, tem-se que o
determinantes da qualidade em serviços que,
cliente sente-se seguro ao estar participando
de maneira direta ou indireta, colaboram para
de um processo com um profissional que tem
diferenciais e valores agregados nos
habilidades e capacidades no que faz.
processos peimários de serviço (vantagem
Observa-se ainda que deve fazer o serviço da
competitiva). Ressalta-se a importância de
melhor maneira e mais correta possível e que
seguir os determinantes indicados para este
tem possibilidade de resolução de possíveis
fim, visto que nestes a criticidade de
problemas que ocorram, ainda que demonstre
julgamento dos clientes é maior. Afinal, o
esse conhecimento ao cliente deixando-o
serviço é prestado sobre seu corpo e,
tranquilo. Dessa forma, o cliente sente-se à
qualquer erro, pode causar transtornos e
vontade em fazer solicitações de
aborrecimentos de dificil reparação.
personalização, o que se traduz em valores
agregados, sem correr o risco de ter
resultados ruins e inesperados no sistema.
6 CONSIDERAÇÕES FINAIS
Mais um ponto favorável a vantagem
competitiva por esse atributo. Por todo o exposto e argumentado, chega-se
ao final do estudo com os objetivos
Sobre a cortesia, tem-se um ponto
cumpridos. Identificou-se que a Qualidade,
interessante a favor da vantagem competitiva.
numa evolução histórica construtivista, é um
Quando o processo está sendo realizado no
conceito mutante que, desde a década de
corpo da pessoa, por exemplo, faz-se
1990, vem permeando no ambiente
necessáriuo que ela se sinta à vontade com o
mercadológico e acadêmico. Começou sob o
prestador de serviços. Desta forma, a cortesia
entendimento técnico, indo na sequência para
facilita a vantagem competitiva a partir do

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


114

o sociotécnico. Na atualidade, segunda clientes por meio dos determinantes da


década do século XXI, relaciona-se com a qualidade em serviços.
satisfação do cliente. Deste modo, entende-se
Com relação aos processos primários de
que se um cliente está satisfeito com um
serviço e a vantagem competitiva, identificou-
produto ou serviço, este produto ou serviço
se que os primeiros são processos de serviço
são de qualidade para ele.
com alto grau de contato com os clientes
Com relação aos serviços, reconheceu-se que (aplicados sobre o cliente), e que a vantagem
são ações prestadas por algo ou alguém a um competitiva faz parte de uma estratégica de
terceiro e a benefício deste. Possuem sobrevivência mercadológica pela oferta, ao
características de intangibilidade, mercado e aos clientes, de diferenciais e
simultaneidade, heterogeneidade e correlatas, valores agregados nos produtos e serviços.
dando-se por processos. Dentre estes, tem-se Entende-se os diferenciais sob o aspecto
os serviços profissionais, lojas de serviços, inovador, tendo-se que os valores agregados
serviços em massa e indústrias de serviço, e valor agregado são os atributos que os
variando um a um pela personalização e clientes desejam, e dão valor, nos produtos /
tempo dispendido com os clientes (clientes serviços que consomem.
atendidos na unidade de tempo). Cada
Por fim, e sobre a correlação entre a
processo tem suas particularidades, mas
qualidade em serviços e a vantagem
todos têm a finalidade de atender o cliente /
competitiva, nos processos primários de
consumidor em suas necessidades.
serviço, identificou-se que a qualidade em
Sobre a Qualidade em serviços, identificou-se serviços pode ser usada, nestes processos e
que pode ser entendida como a conjunção a favor da vantagem competitiva, através do
entre os conceitos de Qualidade e serviços, uso de determinantes específicos
numa aplicabilidade cercada de (flexibilidade, competencia, cortesia e
subjetividades, pessoalidades e influencias confiabilidade). Assim, e tendo-se que estes
de comportamentos. Considera a determinantes podem possibilitar
heterogeneidade de consumidores, em simultaneamente diferenciais e valores
termos culturais, de tradições, costumes, agregados nos processos primários de
níveis de formação / instrução, condições serviço, chegou-se ao resultado principal da
sócias econômicas e experiências de pesquisa (cumprimento do objetivo geral).
consumo, levando-se em conta que clientes Ressalta-se que houve dificuldades durante a
diferentes vão avaliar a qualidade de um pesqusia, e que esta não veio esgotar o
mesmo serviço de maneiras diferentes. O que assunto. Sugere-se que a pesquisa seja
é de qualidade para um pode não ser de refeita, por outro autor e a outro tempo,
qualidade para outro. Reconheceu-se utilizando-se procedimentos de levantamento,
também que a qualidade em serviços, de afim de verificar ou refutar os resultados
maneira direta ou indireta, é avaliada pelos encontrados.

REFERÊNCIAS
[1]. ALBRECHT, Karl. Revolução nos serviços. [5]. COOPER, Cary L.; ARGYRIS, Chris.
São Paulo: Pioneira, 1992. Dicionário Enciclopédico de Administração. São
Paulo: Altas, 2003.
[2]. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS
TÉCNICAS. NBR ISO 9000: Sistemas de Gestão da [6]. CROSBY, Philip B. Qualidade é
Qualidade – Fundamentos e Vocabulário. Rio de Investimento. 6. ed. Rio de Janeiro: José Olympio,
Janeiro: ABNT, 2000. 1994.
26 p.
[7]. DE LUCA, Marcelo Alexandre Siqueira. A
[3]. BARNEY, J.B.; HESTERLY, W. S. gestão da qualidade em processos primários de
Administração estratégica e vantagem competitiva. serviço: uma proposta de ferramenta aplicada ao
São Paulo: 2007. processamento com pessoas. 2007. 271 f.
Dissertação (Mestrado em Engenharia de
[4]. CHIAVENATO, I.; SAPIRO, A.
Produção e Sistemas) Pontifícia Universidade
Planejamento Estratégico. Rio de Janeiro: Elsevier,
Católica do Paraná, Curitiba, 2007
2004.
[8]. DEMING, W. Edwards. Out of the crisis:
quality, productivity and competitive position.
Cambridge: Cambridge University Press, 1992.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


115

[9]. GARVIN, D. A. What Does ‘Product MOTA,. Edmarson Bacelar; LEUSIN,


Quality’ Mean? Sloan Management Review, Sérgio. Gestão da Qualidade. 5. ed. Rio de Janeiro:
ABI/INFORM Global, (pre-1986), 26, 1, p. 25-43, FGV, 2005.
1984.
[19]. MIGUEL, Paulo Augusto Cauchick.
[10]. HRONEC, Steven M. Sinais vitais: usando Qualidade: enfoques e ferramentas. São Paulo:
medidas do desempenho da qualidade, tempo e Artliber, 2001.
custo para traçar a rota para o futuro de sua
[20]. OAKLAND, John S. Gerenciamento da
empresa. Tradução Kátia Aparecida Roque. São
qualidade total. Tradução de Adalberto Guedes
Paulo: Makron Books, 1994
Pereira. São Paulo: Nobel, 1994.
[11]. JURAN, J. M.; GRYNA, F. M. Controle da
[21]. PARASURAMAN, A.; ZEITHAML, V. A.;
qualidade handbook: conceitos políticos e filosofia
BERRY, L. L. A conceptual model of service quality
da qualidade. v. 1. São Paulo: Makron Books, 1991.
and its implications for future research. Journal of
[12]. __________. Quality planning and analysis: Marketing, v. 49, p. 41-50, 1985.
from product. development through use. 3. ed. New
[22]. PRAZERES, Paulo Mundin. Dicionário de
York: McGraw-Hill, 1993.
termos da qualidade. 1. ed. São Paulo: Atlas, 1996.
[13]. KOTLER, P.; ARMSTRONG, G. Princípios
[23]. SCHIFFMAN, Leona G.; KANUK, Leslie
de Marketing. 9 ed. São Paulo: Prentice Hall do
Lazar. Comportamento do consumidor. 6. ed.
Brasil, 2004.
Tradução Vicente Ambrósio. São Paulo: LTC, 2000.
[14]. KOTLER, Philip. Administração de
[24]. SIQUEIRA, Daniel Madureira Rodrigues.
marketing: análise, planejamento, implementação e
Avaliação da qualidade em serviços: uma proposta
controle. São Paulo: Atlas, 1998.
metodológica. Florianópolis, 2006. Tese (Doutorado
[15]. LAS CASAS, Alexandre Luzzi. Qualidade em Engenharia de Produção) Universidade Federal
total em serviços: conceitos, exercícios, casos de Santa Catarina.
práticos. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2004.
[25]. SMITH, Gerald F. The meaning of quality.
[16]. LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina Total Quality management, v. 4, n. 3, p. 235-244,
de Andrade. Fundamentos de metodologia 1993.
científica. 4.ed. rev. e ampl. São Paulo: Atlas, 2001.
[26]. ZEITHAML, Valarie A.; BITNER, May Jo.
[17]. LOVELOCK, C.; WRIGHT, Lauren. Marketing de serviços: a empresa com foco no
Serviços: marketing e gestão. Tradução Cid Knipel cliente. Tradução Martin Albert Haag e Carlos
Moreira. São Paulo: Saraiva, 2001. Alberto Silveira Netto Soares. 2. ed. Porto Alegre:
Bookman, 2003.
[18]. MARSHALL JÚNIOR, Isnard; CIERCO,
Agliberto Alves; ROCHA, Alexandre Varanda;

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


116

Capítulo 12

Caio Marcelo Lourenço


Raquel Lazzarini Dos Santos Françoso
Fernando César Almada Santos
Mateus Cecílio Gerolamo

Resumo: O tema da liderança está presente entre os mais estudados pela área de
comportamento organizacional. Tanto a academia quanto a área empresarial têm
buscado identificar os diferentes estilos de liderança presentes nas
organizações. Entretantto, mesmo sendo um tema de destaque, novos
resultados e questionamentos relacionados à melhor forma de liderar ainda
continuam surgindo. Além disso, não há indícios de materiais acadêmicos que
contenham análises comparativas entre estilos de liderança propostos pela
academia e aqueles encontrados na literatura destinada à área de negócios.
Sendo assim, o presente estudo tem como objetivo realizar uma análise
comparativa entre estilos de liderança descritos na literatura acadêmica e na
literatura empresarial, analisando assim, se há compatibilidade entre os estilos
encontrados. Para tanto, foi realizada uma pesquisa bibliográfica a partir do
levantamento de referências teóricas já analisadas, de caráter exploratório
qualitativo. Foram observadas semelhanças entre o estilo transformacional com o
confiável e conselheiro, entre o transacional com o agressivo e alguns
elementos do coercivo e entre o estilo servidor com os de conselheiro e
agregador. O estilo autêntico e o democrático, por sua vez, apresentam
determinadas características que os aproximam de outros estilos. Contudo, não
é possível afirmar semelhanças tão claras quanto nos demais

Palavras-chave: estilos de liderança; liderança transformacional; liderança


transacional; liderança servidora; liderança autêntica.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


117

1 INTRODUÇÃO 2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA


Tendo por base estudos que apontam a Na literatura acadêmica, foram encontrados
importância da liderança no diversos estilos de liderança. Dinh et al.
comprometimento dos indivíduos em favor do (2014) elencaram mais de 60 tipos de
desempenho organizacional, diversos liderança divididos em 17 categorias. Nesta
autores têm buscado identificar diferentes seção, serão discutidos os estilos:
estilos de liderança presentes nas Transformacional, Transacional, Servidor e
organizações (DINH et al., 2014). Com o Autêntico.
objetivo de alcançar o melhor desempenho
traçado, as empresas passam a adotar
estratégias para a implementação de novos 2.1 ESTILOS DE LIDERANÇA DA
tipos de liderança, segundo seu contexto LITERATURA ACADÊMICA
(REGO, 2014).
2.1.1 LIDERANÇA TRANSFORMACIONAL
Segundo Almeida e Faro (2016), o tema da
Segundo Estevinha (2015), a liderança
liderança se configura como um dos mais
transformacional possui o potencial de
estudados pela área de comportamento
inspirar e incentivar seus seguidores em
organizacional. Contudo, mesmo
direção ao entusiasmo, dedicação e
representando um tema bastante
compromisso que tornarão a organização
investigado, novos resultados e
mais flexível e adaptativa às transformações
questionamentos relacionados à melhor
exigidas pelas mudanças que a cercam. De
forma de liderar continuam surgindo.
acordo com Carvalho Neto et al. (2012), o
Fonseca, Porto e Barroso (2012) afirmam
líder transformacional é aquele que busca
que a liderança configura um tema
proporcionar ao liderado um ambiental
intensamente pesquisado. Entretanto, “ainda
organizacional harmonioso e incentiva seu
há limitada coesão conceitual e empírica nas
desenvolvimento. Além disso, esse líder
pesquisas realizadas” (FONSECA; PORTO;
procura alinhar as expectativas individuais
BARROSO, 2012, p. 124).
e organizacionais de seu seguidor
A partir da observação dos estilos de estimulando seu crescimento individual. Os
liderança encontrados na literatura destinada primeiros estudos sobre liderança
ao contexto empresarial e na literatura transformacional identificaram a
acadêmica, é possível identificar predominância desse tipo de líder entre os
incompatibilidade de termos empregados níveis mais altos da organização e,
aos estilos de liderança. Dessa forma, o principalmente, entre empresas que
presente estudo tem como objetivo realizar necessitavam de líderes preparados para
uma análise comparativa entre estilos de conduzirem mudanças.
liderança. A partir de uma revisão de
Na visão de Batista (2015), líderes
literatura, serão comparados artigos
transformacionais são indivíduos confiáveis e
acadêmicos e material empresarial, ou
respeitados, que valorizam as necessidades
seja, desenvolvido a profissionais da área de
de seus seguidores. Promovem o consenso
negócios. Na bibliografia acadêmica, serão
entre a equipe e desenvolvem em seus
utilizados os estilos de liderança
membros a habilidade de enxergarem a
Transformacional, Transacional, Servidora e
organização além de seus próprios
Autêntica (DINH et al., 2014). Já na literatura
interesses. Para Carvalho Neto et al.
empresarial, serão estudados aqueles
(2012), esses líderes devem apresentar
propostos por Goleman (2000): Coercivo,
empatia em relação a seus seguidores, ou
Confiável, Agregador, Democrático, Agressivo
seja, demonstrar respeito e construir uma
e Conselheiro.
relação de confiança com seus liderados.
Bass e Avolio (1997) e Dias e Borges
(2015), indicam que o líder transformacional
normalmente apresenta as seguintes
características descritas no Quadro 1.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


118

Quadro 1 - Principais características do líder transformacional

O líder é visto como um modelo para seus seguidores, além de incentivar o


Influência
compartilhamento de visões e objetivos comuns para a construção de um forte senso
idealizada
de propósito entre seus liderados.
Enfatiza a importância dos objetivos e dos níveis de expectativas e proporciona a
Motivação seus seguidores significado e desafios com o trabalho. Avolio, Waldman e
inspiradora Yammarino (1991) destacam que esse líder é capaz de compartilhar uma nova visão
de uma maneira que atraia os liderados.
O líder desafia seus liderados a pensarem e refletirem na solução de determinados
problemas. De acordo com Carvalho Neto et al. (2012), há o aumento do nível de
Estímulo intelectual
criatividade do liderado, uma vez que este passa a ser guiado a pensar de diferentes
maneiras e a conviver com novos elementos.
O líder direciona boa parte de seu tempo ensinando e treinando seus
seguidores de forma individualizada. Carvalho Neto et al. (2012) afirmam que o
Consideração
líder delega e oferece críticas construtivas e feedback. O líder conhece bem seus
individualizada
liderados, ouve ativamente suas preocupações e ideias, incentiva a troca de pontos
de vista e promove o autodesenvolvimento.
Fonte: próprios autores.

2.1.2 LIDERANÇA TRANSACIONAL transmitindo claramente a seus seguidores


as tarefas a serem executadas e a maneira
Sant’Anna, Campos e Lótfi (2012) afirmam
correta de fazê-lo. Contudo, o líder
que a teoria da liderança transacional veio a
transacional enxerga seus liderados como
ter grande influência em diversas abordagens
indivíduos passivos, estabelecendo uma
desenvolvidas no final do século XX.
relação de simples troca por meio de um
“A liderança transacional se localiza em um vínculo mais fraco e passageiro.
intercâmbio entre líder e seguidores, com
De acordo com Oliveira, Possamai e
recompensas aos seguidores, por
Valentina (2015), o líder transacional busca
promoverem melhor desempenho na tarefa. A
motivar seus seguidores por meio de
troca pode ser de ordem econômica, política
promessas e recompensas e corrigindo seus
ou psicológica, mas sem ligação duradoura
comportamentos com feedbacks,
entre as partes” (SANT’ANNA; CAMPOS;
reprovações ou ações disciplinares. A
LÓTFI, 2012, p.55).
liderança transacional está fortemente
Fonseca, Porto e Barroso (2012, p.129 apud relacionada à autoridade burocrática e pode
BERGAMINI, 2009) reforçam que, ao buscar ser expressa de acordo com os aspectos
atingir os objetivos organizacionais, o líder apresentados no Quadro 2.
transacional exerce sua liderança

Quadro 2 – Principais características do líder transacional


Recompensa O líder indica a seus seguidores o que deve ser feito e oferece uma
contingencial recompensa em troca de uma execução satisfatória.
Gerenciamento ativo
O líder monitora o desempenho dos funcionários e corrige os erros encontrados.
por exceção
Gerenciamento O líder aguarda passivamente por erros cometidos por seus liderados para então
passivo por exceção corrigi-los por meio de feedbacks negativos ou repreensões.
Carvalho Neto et. al (2012) definem que o foco da liderança transacional laissez-
Laissez-faire faire está em deixar os funcionários se auto liderarem, construindo seus próprios
talentos e motivações.
Fonte: próprios autores.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


119

2.1.3 LIDERANÇA SERVIDORA incorporar na organização conceitos de visão


compartilhada, emancipação, formação de
De acordo com Greenleaf (2002), uma
equipes, gestão participativa e valorização
maneira de seguir a tendência de produzir
do ato de servir.
mais com menos sustentavelmente se dá
pelo empoderamento das pessoas. Isso Ainda de acordo com Almeida e Faro (2016),
acontece por meio de culturas que favorecem o termo liderança servidora no contexto
a confiança e que são construídas por líderes organizacional refere-se à ideia de
servidores. abnegação e dedicação, ou seja, o líder
apresenta um comportamento altruísta em
Segundo Almeida e Faro (2016), a liderança
prol daqueles que atuam na organização.
servidora corresponde ao líder que é visto
Como afirma Spears (2010), trata-se de uma
como um servo que se dedica aos liderados.
abordagem de liderança em que há senso
Russell e Stone (2002) afirmam que a
de comunidade e compartilhamento das
liderança servidora é expressa quando
tomadas de decisão.
líderes assumem a posição de servos em
seus relacionamentos com aqueles que Liden et al. (2008) elencam nove
estão sob seu comando. O líder servidor é componentes que representam os principais
aquele que proporciona crescimento pessoal, atributos de um líder servidor, conforme
autoconsciência e identificação, além de indicado no Quadro 3.

Quadro 3 – Principais características do líder servidor


Empatia O líder procura entender e simpatizar com os interesses dos liderados.
Criação de valor para a O líder servidor busca criar relações saudáveis entre a organização e
comunidade a sociedade.
Possui conhecimento da organização e das tarefas a serem
Habilidades conceituais
realizadas, auxiliando em sua execução.
Encoraja seus subordinados na identificação e solução de
Empoderamento
problemas, além de determinar prazos e processos.
Comprometimento com o O líder se mostra profundamente comprometido com o crescimento
crescimento dos liderados pessoal e profissional de cada indivíduo.
Utiliza ações e palavras para enfatizar que as necessidades de seus
Subordinados em primeiro lugar
subordinados são prioridade de sua gestão.
Comportamento ético Interage abertamente, justamente e honestamente com subordinados.
Esforça-se para conhecer, compreender e apoiar seus liderados,
Ênfase nos relacionamentos
construindo relacionamentos de longo prazo.
Fonte: próprios autores.

2.14 LIDERANÇA AUTÊNTICA O líder autêntico se caracteriza por sua


transparência e integridade, agindo segundo
Esper e Cunha (2015) afirmam que o líder
seus valores, crenças e opiniões. Trata-se de
que assume o estilo de liderança autêntica
um indivíduo visto por seus liderados como
se propõe a construir um ambiente
uma referência de caráter, e que lhes
organizacional autêntico, buscando
proporciona um clima ético positivo e de
estabelecer relações mais transparentes e
comprometimento e responsabilidade com o
éticas com seus seguidores.
atingimento de metas e objetivos (REGO,
A postura exigida para um líder autêntico 2014).
deve priorizar aspectos como “confiança,
Segundo Avolio, Walumbwa e Weber (2009),
esperança, otimismo, resiliência,
quatro são os componentes desse estilo de
honestidade, justiça e significação” (CUNHA
liderança: processos balanceados,
et al., 2014, p.7) Não basta ao líder parecer
perspectiva moral internalizada,
ético, ele deve demonstrar de forma autêntica
transparência em relacionamentos e
em seu comportamento de liderança.
autoconsciência. Esses componentes estão
descritos no Quadro 4.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


120

Quadro 4 – Principais características do líder autêntico


Processos balanceados Análise objetiva de dados antes das tomadas de decisão.
O líder é guiado por padrões morais internos que serão expostos na
Perspectiva moral internalizada
conduta diária.
Transparência em Grande abertura para o compartilhamento de informações e
relacionamentos emoções de forma coerente.
O líder apresenta consciência sobre possíveis forças e fraquezas
Autoconsciência
tanto próprias como de seus companheiros.
Fonte: próprios autores.

Com base na análise comparativa, é possível O Quadro 5 apresenta uma síntese da


afirmar que há características em comum principal característica de cada um deles.
entre os estilos de liderança acadêmicos.

Quadro 5 – Síntese dos estilos de liderança acadêmicos


Estilo Transformacional Transacional Servidor Autêntico
Desenvolvimento por
Principal meio do Foco na execução Pessoas em Comportamento
característica compartilhamento de de tarefas. primeiro lugar. ético.
visão de futuro.
Fonte: próprios autores.

2.2 ESTILOS DE LIDERANÇA DA 2.2.2 LÍDER CONFIÁVEL


LITERATURA EMPRESARIAL
Goleman (2000) indica que o estilo de
Para este trabalho, foram estudados os liderança confiável pode ser considerado o
estilos propostos por Goleman (2000): mais eficaz entre aqueles por ele apontados.
Coercivo, Confiável, Agregador, Democrático, As características desse estilo envolvem
Agressivo e Conselheiro. motivação por meio do esclarecimento das
tarefas a serem executadas e sua
importância para o alcance de uma visão
2.2.1 LÍDER COERCIVO compartilhada por todos. Os líderes
confiáveis oferecem a seus liderados a
Segundo Goleman (2000), o líder que
liberdade necessária para inovarem em
assume o estilo coercivo apresenta uma
suas ideias e a oportunidade de assumirem
postura de alta rigidez em relação a seus
riscos e aprenderem com suas próprias
subordinados. Trata-se de um estilo de
experiências, aumentando assim, o senso de
liderança considerado como o menos eficaz
responsabilidade de todos os membros da
em muitas situações. Deve-se isso ao fato
equipe.
de que não há abertura e incentivo a
construção de novas ideias, além de não
promover o compartilhamento de um senso
2.2.3 LÍDER AGREGADOR
de responsabilidade entre os membros do
grupo. Contudo, Goleman (2000) afirma que O líder agregador é aquele que busca
esse estilo pode ser importante em construir um relacionamento harmônico por
determinadas situações, se praticado com meio da construção de fortes laços
cautela. Por exemplo, em casos de emocionais, os quais proporcionam maior
mudanças drásticas ou em momentos de lealdade por parte de seus liderados. Trata-
crise, há a necessidade de comportamentos se de um líder que incentiva a inovação,
mais incisivos e enérgicos. mediante o compartilhamento de ideias,
inspirações e amplo feedback positivo
(GOLEMAN, 2000). Esse estilo pode
representar uma boa abordagem quando há
a necessidade de criação de um ambiente

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


121

de harmonia entre seus liderados, expectativas estabelecidas pelo líder são


aumentando o moral, melhorando a prontamente substituídos. Apesar de
comunicação e recuperando a confiança apresentar desvantagens, o estilo agressivo
perdida. pode ser considerado positivo quando há
funcionários automotivados, altamente
competentes e necessitam de pouca direção
2.2.4 LÍDER DEMOCRÁTICO ou coordenação. Em equipes com tais
características, um líder agressivo é capaz
O líder democrático assume um
de obter trabalhos prontos no tempo
comportamento de incentivo a participação,
determinado ou até mesmo antes do prazo
criando um ambiente de confiança, respeito e
(GOLEMAN, 2000).
compromisso. Esse líder conduz à elevada
flexibilidade e responsabilidade, além de
permitir que os liderados construam seus
2.2.6 LÍDER CONSELHEIRO
próprios objetivos e padrões, tornando-os
realistas a respeito do que é possível ser Goleman (2000) finaliza seus estilos de
executado (GOLEMAN, 2000). Em liderança apresentando o líder conselheiro.
contrapartida, o estilo democrático Segundo o autor, trata-se do estilo menos
apresenta desvantagens, entre elas a frequente encontrado em suas pesquisas. As
dificuldade de estabelecer um consenso principais características desse líder
entre todos os envolvidos em uma decisão, envolvem a identificação das forças e
uma vez que há elevado grau de participação fraquezas de seus liderados e o
e argumentação. encorajamento na criação de planos a
longo prazo em conformidade com as
aspirações pessoais e de carreira de cada
2.2.5 LÍDER AGRESSIVO indivíduo. O autor ressalta que há um
paradoxo no efeito gerado pela atuação do
De acordo com Goleman (2000), o estilo de
líder conselheiro, uma vez que mesmo
liderança agressivo é praticado por aquele
aceitando falhas no curto prazo ao priorizar o
que estabelece altos padrões de
desenvolvimento de seus liderados, o
desempenho e utiliza suas próprias
desempenho a longo prazo apresentado por
realizações como um exemplo a ser seguido.
sua equipe mostra-se favorável à
Os membros da equipe são altamente
organização.
exigidos e possuem espaço para
demonstrarem seu trabalho. Contudo, No Quadro 6, sintetizam-se os estilos
aqueles que não corresponderem às propostos por Goleman (2000).

Quadro 6 – Principais características dos estilos de Goleman (2000)


Coercivo Confiável Agregador Democrático Agressivo Conselheiro

Estabelece
Busca altos
Exige Mobiliza Desenvolve
Modos de Cria harmonia e consenso por padrões
imediata pessoas rumo pessoas para o
ação constrói laços. meio da de
obediência. a uma visão. futuro.
participação. desempen
ho.
“Faça
Discurso “Faça o que “Venha “As pessoas “O que você como eu
“Tente isto”.
padrão digo”. comigo”. vêm primeiro”. pensa?”. faço,
agora”.
Consciênci
Conduz à Autoconfiança, Empatia, Colaboração,
a, conduz Desenvolvimento,
Característic execução, empatia e construção de liderança de
à empatia e
as principais iniciativa e mudança relacionamentos equipe e
execução autoconsciência.
autocontrole. estimulante. e comunicação. comunicação.
e iniciativa.
Necessidade Necessidade Necessida
Rupturas ou Desenvolvimento
Situações Momentos de nova visão de de de alto
fases de força a longo
favoráveis de crise. ou clara consolidação desempen
estressantes. prazo.
direção. ou consenso. ho.

Fonte: Adaptado de Goleman (2000, p.15).

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


122

3 METODOLOGIA das fontes bibliográficas adequadas ao


desenvolvimento da pesquisa. Foram
Desenvolveu-se neste artigo uma pesquisa
pesquisados livros, teses e dissertações,
bibliográfica a partir do levantamento de
obras de referência e periódicos.
referências teóricas já analisadas, de caráter
exploratório qualitativo (GERHARDT; Posteriormente, realizou-se a leitura e
SILVEIRA 2009). fichamento do material, com o objetivo de
identificar, selecionar, analisar e comparar os
Com base nos procedimentos de pesquisa
dados encontrados. Por fim, organizaram-se
bibliográfica propostos por Gil (2002),
as ideias a partir do material fichado, a fim de
realizou-se uma metodologia de pesquisa
realizar a construção lógica do trabalho.
composta pelas seguintes etapas: escolha
do tema; levantamento bibliográfico
preliminar; formulação do problema;
4 RESULTADOS E DISCUSSÕES
elaboração do plano provisório de assunto;
busca das fontes; leitura do material; Nesta seção, serão discutidos os
fichamento; organização lógica do assunto; e relacionamentos encontrados entre os estilos
redação do texto. da literatura acadêmica e da empresarial
apresentados na revisão realizada neste
O presente trabalho aborda o tema de
estudo. Com exceção do estilo democrático,
Liderança com foco nos estilos
todos os outros apresentaram
Transformacional, Transacional, Servidor,
correspondências entre as áreas.
Autêntico e Carismático e nos seis tipos
apresentados por Goleman (2000). Segundo
Almeida e Faro (2016), as definições de
4.1 LÍDER TRANSFORMACIONAL VERSUS
liderança encontradas na literatura
LÍDER CONFIÁVEL E CONSELHEIRO
apresentam arbitrariedade pelo fato de
estarem relacionadas a abordagens que Liderança transformacional é aquela que
podem possuir controvérsias. Com o consegue estimular intelectualmente seus
objetivo de minimizar confusões e subordinados por meio de uma visão de
divergências trazidas na literatura em futuro compartilhada (KIRKMAN et al., 2009).
relação a essas abordagens, o presente Esses líderes conseguem ir além das
artigo traz um levantamento dos principais relações de troca, motivando os membros
tipos de liderança encontrados na literatura e para alcançar objetivos maiores do que eles
as relações e semelhanças existentes entre pensavam ser possível (ARNOLD et al.,
eles. 2007). Assim como o líder transformacional, o
confiável busca mobilizar os liderados em
Durante o levantamento bibliográfico
direção a uma visão. Isso se dá por meio do
preliminar, foi realizada uma pesquisa por
compartilhamento da estratégia da
artigos em base dados e portais de
organização e da liberdade de ação para
periódicos, sendo eles: Web of Science,
que os liderados desenvolvam seus próprios
Scopus, Scielo, ScienceDirect e Google
meios de trabalho (GOLEMAN, 2000).
Scholar.
Segundo Bass (1990), a liderança
Formulou-se o seguinte problema de
transformacional possui quatro
pesquisa: Os estilos de liderança
características essenciais. A primeira é o
apresentados pela área de negócios são
carisma, em que o líder consegue estimular
equivalentes aos estilos tratados por materiais
visão e senso de missão em sua equipe.
acadêmicos?
Esse estilo de liderança promove inspiração
A partir da formulação do problema de em seus liderados, conseguindo comunicar
pesquisa, foi criada uma estrutura para o altas expectativas e importantes propósitos
artigo, sendo este composto por: descrição de maneira simples. Ele consegue
dos estilos de liderança abordados; estimular intelectualmente sua equipe,
apresentação da metodologia utilizada; proporcionando a solução cuidadosa de
resultados dos estudos comparativos entre problemas. Por fim, esse líder considera cada
os estilos; e conclusões apresentando membro individualmente, dando conselhos e
argumentos finais, restrições de pesquisa e atenção pessoal.
possíveis futuras abordagens.
De maneira análoga, Goleman (2000) afirma
Após a elaboração do plano provisório de que o líder conselheiro oferece aos seus
assunto, iniciou-se a busca e identificação liderados tarefas desafiadoras estimulando-

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


123

os intelectualmente, além de demonstrar Segundo Tziner et al. (2011), o foco da


interesse no desenvolvimento pessoal e liderança transacional está no esclarecimento
profissional de cada indivíduo. Em outras do papel dos funcionários e no cumprimento
palavras, ele considera individualmente as de tarefas por meio do levantamento de
aspirações particulares e de carreira dos metas. Trata-se de uma relação de poder
membros de sua equipe, buscando assim, baseada na autoridade do líder. São
delegar atividades que proporcionem estabelecidos padrões de desempenho
crescimento a longo prazo. extremamente altos, o que aproxima o líder
transacional ao estilo coercivo, já que este se
caracteriza por atuar de forma imperativa em
4.2 LÍDER TRANSACIONAL VERSUS LÍDER relação a seus subordinados.
AGRESSIVO E COERCIVO
Liderança transacional faz parte do mesmo
4.3 LÍDER SERVIDOR VERSUS LÍDER
arcabouço teórico do estilo
CONSELHEIRO E AGREGADOR
transformacional. Essa liderança faz um
contraponto ao estilo anterior. Sua principal A principal característica do líder servidor é ir
característica está baseada em uma relação além do interesse próprio. Ele ajuda os
de troca, na qual o líder é claro sobre o que membros de sua equipe a crescerem,
espera dos membros de sua equipe possui forte compromisso com auxiliar
(PIETERSE et al., 2010). seus subordinados e, por isso, são
fortemente apoiados por eles, pois são
Na liderança transacional, a característica
vistos como comprometidos e confiáveis
central é a relação de troca estabelecida
(VAN DIERENDONCK, 2011). Do mesmo
entre líderes e subordinados. Nesse
modo, o líder conselheiro demonstra
sentido, o líder transacional esclarece os
comprometimento com o desenvolvimento a
objetivos que devem ser alcançados e
longo prazo dos membros de sua equipe.
enfatiza que a realização bem-sucedida
Assim como na liderança servidora,
dessas metas implicará em recompensas,
prevalece nesse estilo o trabalho de
enquanto que a não conformidade com os
ensinar pessoas e ajudá-las a crescer
alvos implicará em punições. Na liderança
(GOLEMAN, 2000).
agressiva, tem-se essa mesma abordagem,
uma vez que aqueles que não alcançam os Liden et al., (2008) identificaram nove
objetivos determinados, ou seja, que não dimensões do líder servidor: empatia
apresentam desempenho satisfatório, são emocional, criam valor para a comunidade,
substituídos por indivíduos que possam fazê- possuem habilidades conceituais,
lo (GOLEMAN, 2000). empoderamento de subordinados, auxiliam
subordinados a crescerem e terem sucesso,
Segundo Bass (1990), a liderança
colocam os subordinados em primeiro lugar,
transacional possui quatro características
agem eticamente, dão ênfase aos
fundamentais: recompensa, gestão pela
relacionamentos, e são marcados por servir
exceção (ativa e passiva) e laissez-faire.
os outros, mesmo quando é necessário se
Como dito, esse estilo é baseado em um
sacrificar para isso.
contrato de trocas de recompensa de
acordo com o esforço, portanto essa é sua A mesma ênfase que é dada ao
principal característica. A gestão pela empoderamento de subordinados pelo líder
exceção é feita de maneira ativa quando o servidor, é aplicada também pelo líder
líder procura por desvios nas regras e agregador. Goleman (2000, p.19) afirma que
padrões, tomando ações corretivas. E de esses líderes “dão às pessoas a liberdade de
maneira passiva quando intervém apenas fazer seu trabalho da forma que elas pensam
quando os padrões não são alcançados. Os ser a mais eficaz”. Além disso, a valorização
líderes desse estilo comumente abdicam de dos relacionamentos também pode ser
certas responsabilidades e evitam tomar encontrada na liderança agregadora. O líder
decisões. agregador “controla por meio da construção
de fortes laços emocionais e, então, colhe os
O líder agressivo está intimamente ligado ao
benefícios dessa abordagem denominada
gerenciamento ativo por exceção, já que
intensa lealdade. O estilo também tem um
“com rapidez ele aponta, com exatidão, os
efeito acentuadamente positivo na
desempenhos medíocres e exige mais
comunicação” (GOLEMAN, 2000, p.19).
dessas pessoas” (GOLEMAN, 2000, p. 24).

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


124

4.4 LÍDER AUTÊNTICO que haja consciência das forças e fraquezas


tanto próprias quanto de seus liderados.
Líderes autênticos são aqueles que agem em
Dessa forma, encontra-se semelhança com
sintonia com suas crenças, assim, eles são
a liderança conselheira, por haver também
capazes de gerar confiança e desenvolver
incentivo a identificação de forças e fraquezas
relações genuínas com outros (GEORGE et
a fim de desenvolver seus subordinados.
al. 2007). Esses líderes possuem um padrão
de comportamento que é capaz de Apesar das relações encontradas, é possível
promover tanto capacidades psicológicas observar que as características apresentadas
quanto um clima ético (WALUMBWA et al., pela liderança agregadora e conselheira
2008). estão mais ligadas a aspectos secundários
da liderança autêntica, uma vez que sua
Com base no estudo de Avolio, Walumbwa e
característica fundamental está ligada à ética
Weber (2009), há na liderança autêntica uma
no ambiente de trabalho. Sendo assim, não se
abertura a relacionamentos por meio do
pode afirmar com exatidão se há realmente
compartilhamento de informações e
semelhanças diretas entre os estilos citados.
emoções, aproximando-a ao estilo
agregador. Ainda afirmam que a No Quadro 7, relacionam-se os estilos de
autoconsciência do líder autêntico permite liderança acadêmicos e empresariais.

Quadro 7 – Relacionamentos entre estilos de liderança acadêmicos e empresariais


Estilos Acadêmicos Estilos empresariais Relacionamentos
Líder Confiável Compartilhamento de uma visão de futuro.
Líder
Transformacional Desenvolvimento pessoal e profissional dos membros da
Líder Conselheiro
equipe.
Punição para desempenhos insatisfatórios em tarefas
Líder Agressivo
Líder Transacional determinadas.
Líder Coercivo Relação de poder com base na autoridade do líder.
Líder Conselheiro Foco em ensinar pessoas e ajudá-las a crescer.
Líder Servidor Valorização dos relacionamentos entre os membros da
Líder Agregador
equipe.

Não há relação direta entre sua característica central e a


Líder Autêntico
– literatura empresarial.

Não há relação direta entre sua característica central e a


– Líder Democrático
academia
Fonte: próprios autores.

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS conselheiro. Contudo, não é possível afirmar


semelhanças tão claras quanto nos demais.
Neste artigo, discutimos a relação existente
Em relação ao democrático, não foram
entre alguns estilos de liderança presentes na
identificadas semelhanças que
literatura acadêmica (transformacional,
proporcionassem argumentos relevantes.
transacional, servidor e autêntico) e na
empresarial, em especial, aqueles Pode-se observar, portanto, que há
apresentados por Goleman (2000). compatibilidade entre a literatura acadêmica
e de negócios no que se refere a identificar
Foram observadas semelhanças entre o
diferentes estilos de liderança que podem ser
estilo transformacional com o confiável e
adotados em uma organização. Dessa
conselheiro, entre o transacional com o
forma, esta pesquisa contribui para
agressivo e alguns elementos do coercivo e
aproximar as teorias desenvolvidas dentro
entre o estilo servidor com os de conselheiro
das universidades à realidade de líderes
e agregador. O estilo autêntico, por sua vez,
empresariais e traz um alinhamento entre
apresenta determinadas características que
diferentes abordagens para um mesmo tema.
o aproximam dos tipos agregador e

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


125

Além disso, conclui-se que o líder atua de deles foram discutidos neste artigo. Ainda
diversas maneiras de acordo com as que os estilos escolhidos estejam entre os
necessidades do ambiente. Diferentes mais citados, eles não representam a
papeis e estilos de liderança podem ser totalidade de teoria desenvolvida na área.
adotados e aplicados por um mesmo
Há, portanto, muito a ser explicado,
indivíduo, segundo a urgência de cada
descoberto, desenvolvido e experimentado.
situação.
Como sugestão de pesquisas futuras,
Como a maioria dos estudos acadêmicos, propõe-se a expansão deste estudo
esta pesquisa também sofre com certas abordando estilos que não foram explorados
limitações. Conforme apresentado por Dinh nesta pesquisa.
et al. (2014), há mais de 60 estilos de
Os autores agradecem o apoio da CAPES e
liderança documentados na literatura
do CNPq.
acadêmica. Entretanto, somente quatro

REFERÊNCIAS deificado da liderança transformacional. Revista de


Ciências da Administração, v. 14, n. 32, 2012.
[1]. ALMEIDA, S. P.; FARO, A. Tradução,
adaptação e validação do Servant Leadership [10]. CUNHA, C. J. C. de A.; GÜNTHER H. F.;
Questionnaire (Escala de Liderança Servidora). VICENTINI, L. C.; ESPER, A. Liderança Autêntica:
Revista Psicologia Organizações e Trabalho, v. 16, Um Estudo Bibliométrico. Espacios, Caracas, v. 36,
n. 3, p. 285-297, 2016. n. 1, p.7-7, 3 dez. 2015.

[2]. ARNOLD, K. A.; TURNER, N.; BARLING, [11]. DINH, J. E.; LORD, R. G.; GARDNER, W.
J.; KELLOWAY, E. K.; MCKEE, M. C. L.; MEUSER, J. D.; LIDEN, R. C.; HU, J. Leadership
Transformational leadership and psychological theory and research in the new millennium: Current
well-being: the mediating role of meaningful work. theoretical trends and changing perspectives. The
Journal of occupational health psychology, v. 12, Leadership Quarterly, v. 25, n. 1, p. 36-62, 2014.
n. 3, p. 193, 2007. ESPER, A. J. F.; CUNHA, C. J. C. A. Liderança
autêntica: uma revisão integrativa. Navus: Revista
[3]. AVOLIO, B. J.; WALUMBWA, F. O.; de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, v. 5, n. 2,
WEBER, T. J. Leadership: Current theories, p.60-72, 2015.
research, and future directions. Annual review of
psychology, v. 60, p. 421-449, 2009. [12]. ESTEVINHA, P. A. S. Influência da
liderança transformacional e da cultura
[4]. AVOLIO, B.; WALDMAN, D.; organizacional na confiança organizacional.
YAMMARINO, F. Leading in the 1990s: The four Logrono: Universidad de La Rioja, 2015.
I’s of transformational leadership.
[13]. FONSECA, A. M. O.; PORTO, J. B.;
[5]. Journal of European Industrial Training. BARROSO, A. C. O efeito de valores pessoais
UK, v. 25, n. 4, p. 9-16, 1991. nas atitudes perante estilos de liderança. RAM.
[6]. BASS, B. M. From transactional to Revista de Administração Mackenzie, v. 13, n. 3,
transformational leadership: Learning to share the 2012.
vision. Organizational dynamics, v. 18, n. 3, p. 19- [14]. GEORGE, B.; SIMS, P.; MCLEAN, A. N.;
31, 1990. MAYER, D. Discovering your authentic leadership.
[7]. BASS, B. M.; AVOLIO, B. J. Full-Range Harvard business review, v. 85, n. 2, p. 129, 2007.
Leadership Development: Manual for the [15]. GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D. T.
Multifactor Leadership Questionnaire. Palo Alto: Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora da
Consulting Psychologists Press, 1997. Universidade Federal do Rio Grande do Sul
[8]. BATISTA, N. P. D. O.Estilos de (UFRGS), 2009.
liderança e satisfação no trabalho dos liderados [16]. GIL, A. C. Como elaborar projetos de
em associação com desempenho e pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002.
comunicação: um estudo em uma entidade de
fins não econômicos, instituída por iniciativa de [17]. GOLEMAN, D. Leadership that gets
uma federação de Minas Gerais. Belo Horizonte: results. Harvard business review, v. 78, n. 2, p. 4-
Universidade FUMEC – Fundação Mineira de 17, 2000.
Educação e Cultura, 2015.
[18]. GREENLEAF, R. K. Servant Leadership: A
[9]. CARVALHO NETO, A.; TANURE, B.; journey into the nature of legitimate power. New
MOTA SANTOS, C. M.; SIMÃO LIMA, G. Jersey: Paulist Press, 2002. JORGE DIAS, M. A.
Executivos brasileiros: na contramão do perfil M.; GUIMARÃES E BORGES, R. S. Estilos de
liderança e desempenho de equipes no setor

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


126

público. REAd-Revista Eletrônica de Administração , [24]. RUSSELL, R. F.; STONE, A. G. A review


v. 21, n. 1, 2015. of servant leadership attributes: Developing a
practical model. Leadership & Organization
[19]. KIRKMAN, B. L.; CHEN, G.; FARH, J. L.;
Development Journal, v. 23, n. 3, p. 145-157, 2002.
CHEN, Z. X.; LOWE, K. B. Individual power
distance orientation and follower reactions to [25]. SANT’ANNA, A. S.; CAMPOS, M. S.;
transformational leaders: A cross-level, cross- LÓTFI, S. Liderança: o que pensam executivos
cultural examination. Academy of Management brasileiros sobre o tema?. RAM. Revista de
Journal, v. 52, n. 4, p. 744-764, 2009. Administração Mackenzie, v. 13, n. 6, 2012.
[20]. LIDEN, R. C.; WAYNE, S. J.; ZHAO, H.; [26]. SPEARS, L. C. Character and servant
HENDERSON, D. Servant leadership: leadership: Ten characteristics of effective, caring
Development of a multidimensional measure and leaders. The Journal of Virtues & Leadership, v. 1,
multi-level assessment. The leadership quarterly, v. n. 1, p. 25-30, 2010.
19, n. 2, p. 161-177, 2008.
[27]. TZINER, A. KAUFMANN, R. VASILIU, C.
[21]. OLIVEIRA, M. A.; POSSAMAI, O.; TORDERA, N. Organizational perceptions,
VALENTINA, L. V. O. D. Perfil e tendências da leadership and performance in work settings.
liderança em uma empresa brasileira líder mundial Revista de Psicología del Trabajo y de las
de mercado. Production, v. 25, n. 2, p. 379-390, Organizaciones, v. 27, n. 3, p. 205, 2011.
2015.
[28]. VAN DIERENDONCK, D. Servant
[22]. PIETERSE, A. N.; VAN KNIPPENBERG, leadership: A review and synthesis. Journal of
D.; SCHIPPERS, M.; STAM, D. Transformational management, v. 37, n. 4, p. 1228-1261, 2011.
and transactional leadership and innovative
[29]. WALUMBWA, F. O.; AVOLIO, B. J.;
behavior: The moderating role of psychological
GARDNER, W. L.; WERNSING, T. S.; PETERSON,
empowerment. Journal of Organizational Behavior,
S. J. Authentic leadership:
v. 31, n. 4, p. 609-623, 2010.
[30]. Development and validation of a theory-
[23]. REGO, P. J. R. Liderança Autêntica e
based measure. Journal of management, v. 34, n.
Comprometimento Organizacional: O papel
1, p. 89-126, 2008.
mediador do Capital Psicológico Positivo. Lisboa:
Universidade de Lisboa, 2014.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


127

Capítulo 13

João Vitor Brunelli Lemes


Antônio Cleber Gonçalves Tibiriçá
Deise Mara Garcia Alves Tressmann
Roziani Maria Gomes
Luana de Oliveira Gomes

Resumo: Muitas vezes, antes mesmo de atingir seu tempo de vida útil, a estrutura
pode apresentar manifestações patológicas que comprometam seu desempenho e
durabilidade. Para corrigir esse problema, é necessária intervenção para recuperar
a estrutuura, sendo a escolha dos materiais um dos fatores mais importantes para
que a recuperação da estrutura tenha sucesso. Um material que tem sido utilizado
com eficácia na recuperação de estruturas é o concreto de pós reativos (cpr).
Dado esse contexto, o objetivo deste trabalho foi planejar traços de cpr reduzindo a
quantidade de cimento na mistura, visto que para produzir uma tonelada da
principal matéria-prima do cimento, são emitidos entre 800-1000kg de co2 na
atmosfera. Para o desenvolvimento dos traços foi utilizado o método de
empacotamento das partículas. Com isso, foi possível manter a durabilidade e a
baixa permeabilidade do material, que são características fundamentais de
materiais utilizados na recuperação de estruturas, o que contribui para menos
emissão de co2 na atmosfera.

Palavras-chave: concreto de pós reativos; cpr; manifestações patológicas;


recuperação de estruturas.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


128

1 INTRODUÇÃO reparos e, consequentemente, o consumo de


cimento (SOUZA; RIPPER, 1998, p. 7).
A estabilidade das estruturas é a área de
estudo que na Engenharia Civil engloba o Atualmente, a redução do consumo de
conjunto de conceitos aplicáveis ao projeto cimento é uma tendência, uma vez que
das estruturas. Ou seja, o conceito de para cada tonelada produzida de clínquer,
estabilidade usualmente é visto apenas para o matéria-prima principal do cimento, estima-
dimensionamento dos elementos que se que são emitidos entre 800-1000kg de
compõem a estrutura. CO2 na atmosfera (PILEGGI, 2013).
A esse conceito de estabilidade, que tem Um material produzido com cimento e
sido questionado, está se incorporando o com pós que reagem sob determinadas
conceito de durabilidade, pois de nada serve condições, conhecido como Concreto de
uma estrutura estável apenas por um período Pós Reativos (CPR), possui características
de tempo curto que a torne economicamente como baixa permeabilidade e elevada
inviável (SOUZA; RIPPER, 1998, p. 6). resistência, e tem sido utilizado com
bastante eficácia na recuperação de
Sem dúvida, ao se tratar da estabilidade
estruturas (BINA, 1999). Comparando com
das estruturas atenção deve ser dada às
um concreto convencional, o CPR consome
possibilidades de manifestações
uma quantidade de cimento bastante inferior
patológicas, uma vez que tais
para se obter cada megapascal -MPa- de
manifestações nas estruturas podem indicar
resistência à compressão (kg/MPa).
falhas de concepção, de construção e ou
de uso, comprometendo o desempenho e a Com base nisso, o trabalho objetivou o
durabilidade da estrutura. planejamento do traço de CPR utilizando o
Método do Empacotamento, reduzindo o
A NBR 15575-1 (Associação Brasileira de
máximo possível o consumo de cimento na
Normas Técnicas - ABNT, 2013) define
mistura e compensando isso com a adição
desempenho como o comportamento em uso
de maiores teores de sílica ativa, de forma
de uma edificação e de seus sistemas, e
a obter um produto homogêneo com baixa
durabilidade da estrutura como a
permeabilidade e maior durabilidade que
capacidade da edificação, ou de seus
possa ser aplicado em casos de recuperação
sistemas, de desempenharem suas funções
de um elemento de concreto armado cuja
ao longo do tempo sob condições de uso e
armadura esteja exposta.
manutenção especificadas.
Quando o produto deixa de cumprir as
funções que lhe forem atribuídas, quer seja 2 REFERENCIAL TEÓRICO
pela degradação que o conduz a um
2.1 TRABALHOS DESENVOLVIDOS
estado insatisfatório de desempenho, quer
seja por obsolescência funcional, significa Diab et al. (2017) estudaram as forças de
que sua durabilidade se extinguiu. cisalhamento atuantes na ligação entre um
concreto antigo e um concreto novo
Se por um lado os desenvolvedores de
autoadensável, verificando a utilização
projetos de estruturas de concreto dispõem
deste material para reparo de estruturas de
de normas técnicas e vasta literatura
concreto avariadas. Constataram que essa
técnico-científica, de outro há poucas
resistência ao cisalhamento é afetada
referências normativas e publicações
diretamente pela diferença de resistência à
científicas quando se trata de projetos de
compressão de ambos os concretos,
reforço, recuperação ou restauração de
estruturas de concreto (SOUZA; RIPPER, Saldanha et al. (2013) apresentam três
1998, p. 7). mecanismos de transferência de carga que
contribuem para a resistência a cisalhamento
A escolha correta de materiais para
da interface entre o concreto antigo e o novo:
construções novas pode evitar o surgimento
prematuro de sintomas patológicos, sendo  adesão: entendida como a conexão
isto também um dos fatores principais para química entre os concretos;
que um trabalho de recuperação ou reforço
numa estrutura tenha sucesso, reduzindo
 aderência: garantida com a
rugosidade da interface;
assim o consumo de concreto em futuros

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


129

 efeito de pino: resultante da originado nas fases de planejamento e


deformação dos reforços que projeto. Porém, mesmo que essas etapas
atravessam a interface devido ao tenham sido bem executadas, a estrutura
deslizamento relativo entre camadas pode vir a apresentar problemas patológicos
de concreto. originados da utilização errônea ou da falta de
uma manutenção adequada (ARIVABENE,
2015).
2.2 RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS DE
Vaysburd e Emmons (2000) apresentam o
CONCRETO ARMADO
seguinte modelo holístico demonstrando o
Um elevado percentual dos problemas de processo de falha de um reparo (Figura 1).
manifestações patológicas nas edificações é

FIGURA 1 – Modelo holístico de uma falha de reparo. Fonte: VAYSBURD e EMMONS (2000)
(Tradução autores).

Portanto, ao definir a execução do reparo, as Dentre os materiais usados nos serviços de


características de desempenho desejadas e reforço ou de recuperação estrutural, o
os custos devem guiar a seleção de materiais maior destaque vai para os concretos e
e misturas (REIS, 2001, p.15). argamassas. Para abordá-los como materiais

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


130

de recuperação, é necessário estudar os materiais finos, com partículas de tamanho


seus componentes, com enfoque em algo inferior a 2mm, como cimento, areia de
diferente do tradicional, explorando as várias quartzo, cimento Portland, pó de quartzo,
vantagens desses materiais, o que deve ser sílica ativa, aditivo superplastificante e uma
feito de forma consciente e específica para relação água/cimento muito baixa.
cada caso, considerando sempre a
A utilização da sílica ativa para a produção
constante minimização dos riscos com a
do CPR é recomendada devido à forma de
utilização destes materiais (SOUZA; RIPPER,
suas partículas, bem arredondadas, e cujo
1998, p.83).
tamanho pode ser 100 vezes menor do
O concreto com sílica ativa é um dos que o cimento (TUTIKIAN; ISAIA; HELENE,
materiais citados por Souza e Ripper 2011, p.34).
(1998). Devido à forma das partículas e à
Cheyrezy (1999 apud VANDERLEI, 2004,
sua extrema finura, a sílica ativa modifica
p.9) afirma que o CPR tem como
várias propriedades do concreto.
fundamento ser um material com o mínimo de
Comparados aos concretos comuns, os
defeitos, como microfissuras e poros
concretos com sílica ativa apresentam as
capilares, obtidos pelo aumento da
seguintes vantagens:
compacidade e resistência dos materiais
 maiores resistências à compressão e constituintes da matriz do concreto. Para sua
à tração; obtenção, é conveniente seguir alguns
princípios:
 menor permeabilidade, porosidade e
absorção;  aumento da homogeneidade pela
eliminação do agregado graúdo;
 maiores resistências à abrasão e à
erosão;  aumento da compacidade pela
otimização granulométrica; e
 maior resistência a ataques químicos,
como de sulfatos e de cloretos;  manutenção dos procedimentos de
mistura e moldagem tão próximos
 maior aderência concreto novo-
quanto possível dos padrões
concreto antigo.
existente, considerando a NBR 5738
(ABNT, 2015).
2.3 SÍLICA ATIVA Devido às suas características de reduzida
permeabilidade, este material está sendo
A produção de um megapascal de resistência
usado para a confecção de contendores de
à compressão aos 28 dias de um concreto de
alta integridade -caixas destinadas a
alta resistência utilizando sílica ativa
armazenamento de rejeitos radioativos
apresenta menor quantidade de CO2, em
(baixa permeabilidade à radioatividade e
quilogramas, em relação aos concretos
longa durabilidade quanto à emissão)-.
usuais. À medida que se aumenta o teor de
sílica ativa e se reduz a relação Além disso, o CPR está sendo utilizado
água/aglomerante, ocorre a redução desses com bastante eficácia na recuperação de
índices de CO2 (BIANCHINI, 2010, p. 140). estruturas, pontes, viadutos, em obras de
distribuição de águas, de tratamento de
Entre os concretos produzidos com sílica
rejeitos, de exploração mineral, em
ativa tem-se o CPR, um material pouco
equipamentos hidráulicos, em indústrias de
conhecido no Brasil. Pesquisas relacionadas
vários segmentos (BINA, 1999; MOURA,
ao desenvolvimento deste concreto se
2009).
resumem a poucas universidades.
É um material relativamente novo no
Brasil, cujo uso ainda não está muito bem
2.4 CONCRETO DE PÓS REATIVOS (CPR) definido (MOURA, 2009). Não há um domínio
das técnicas de produção e execução,
Em pesquisas realizadas no Canadá e na
tornando necessário um estudo para que se
França desde 1990, foi desenvolvido o CPR,
alcance o domínio dessas, de forma a
um Concreto de Ultra-Alto Desempenho
explorar todo o potencial desse material de
(CUAD) que atinge resistências à
maneira eficiente e economicamente viável.
compressão superiores a 200MPa (BINA,
1999). O CPR é composto basicamente de

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


131

Consequentemente, o estudo dos métodos NBR NM 248 (ABNT, 2003). As faixas de


de dosagem do CPR ainda não é algo granulometria obtidas de cada material base
consolidado, sendo feito de modo foi a seguinte:
empírico. Como ainda não há normas
especificando a metodologia da dosagem,
 cimento: tamanhos de partícula na
faixa 0,167µm -91,14µm;
as dosagens ideais restringem-se a
algumas obras específicas e pesquisas  areia quartzosa: tamanhos de
acadêmicas. partícula na faixa 0,561µm -807,40µm;
A distribuição granulométrica dos grãos  pó de quartzo: tamanhos de partícula
que compõem o CPR é de extrema na faixa 0,212µm -116,10µm;
importância na produção desse concreto, no
qual os espaços entre as partículas maiores
 sílica ativa: tamanhos de partícula na
faixa 1,479µm -240,30µm.
são preenchidos pela classe de partículas
imediatamente menor e assim O modelo de dosagem adotado para a
sucessivamente, formando o chamado produção do CPR foi o de Andreassen
empacotamento das partículas. Devido a Modificado (equação 2), para obter um
isso, a utilização do método do material homogêneo com baixa
empacotamento é válida para desenvolver o permeabilidade. Foram testados alguns
traço do CPR. traços de concreto reduzindo a quantidade
de cimento e aumentando a quantidade de
Existem alguns modelos matemáticos para
sílica ativa, procurando manter a curva de
realizar o empacotamento de partículas. De
empacotamento o mais próximo possível da
acordo com Vanderlei (2004, p.43), tem-se a
curva ideal.
equação (1) proposta por Andreassen e
Andersen e a equação (2) uma versão
modificada por Dinger e Funk.
4.2 MÉTODOS
Para a produção do CPR, os materiais
devem ser misturados num saco plástico,
de forma a homogeneizar a mistura. Após
realizar essa etapa, o material
homogeneizado deve ser colocado no
misturador de argamassa. A água utilizada
pode ser gelada, uma vez que o processo
de mistura libera muito calor, tendo que ser
CPTF é o percentual acumulado de finos misturada junto com o aditivo
menor que “d”, em volume; superplastificante e adicionados à mistura.

d é o tamanho da partícula; O misturador deve ser ligada na velocidade


baixa por um minuto; depois a velocidade
dm é o menor tamanho de partícula da deve ser aumentada e permanecer nessa
distribuição; velocidade por dez a vinte minutos, até a
D é o maior tamanho de partícula de mistura obter boa trabalhabilidade, ou seja,
distribuição; e até um ponto em que o material possa ser
manuseado e aplicado no elemento a ser
q é o coeficiente de distribuição, sendo na reparado.
literatura adotado o valor empírico de 0,37.

5 RESULTADOS
4 MATERIAL E MÉTODOS
Para fins comparativos, o primeiro traço foi
4.1 MATERIAL planejado considerando o dobro de consumo
Todos os materiais base utilizados foram de cimento em relação ao consumo de sílica
caracterizados de acordo com normas da ativa. O resultado do empacotamento das
ABNT, com destaque para a determinação partículas com esse traço é mostrado na
da composição granulométrica dos materiais, figura 2.
tomando como base as especificações da

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


132

FIGURA 2 – Empacotamento das partículas no traço com o dobro da quantidade de cimento em


relação à sílica ativa.

Nota-se que nas faixas inferiores a 100µm de possível desenvolver um CPR com esse traço
tamanho de partícula o empacotamento no qual o material já apresenta uma
experimental difere um pouco do resistência à compressão superior aos
empacotamento ideal. Isso se deve ao fato concretos convencionais, durabilidade e
de os tamanhos das partículas nessa faixa baixa permeabilidade.
não se complementarem, ou seja, os
A figura 3 mostra o resultado do
materiais base utilizados possuem
empacotamento das partículas do segundo
granulometria semelhante nessa faixa de
traço, planejado considerando iguais
tamanho de partículas. Mesmo assim, é
quantidades de cimento e de sílica ativa.

FIGURA 3 – Empacotamento das partículas no traço com a mesma quantidade de cimento e sílica
ativa.

Percebe-se que o empacotamento O último traço foi planejado considerando


experimental desse traço não difere de forma uma quantidade de cimento 25% menor que a
significativa do primeiro. Apenas nas quantidade de sílica ativa, apresentando o
menores faixas de tamanho de partículas é resultado mostrado na figura 4.
possível notar uma aproximação da curva
experimental com a curva ideal.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


133

FIGURA 4 – Empacotamento das partículas no traço com uma quantidade de cimento 25% menor
que a quantidade de sílica ativa.

É possível observar uma pequena consequentemente, reduzir a quantidade de


aproximação com a curva ideal, CO2 emitido na atmosfera. Como
principalmente nas menores faixas de consequência dessa redução, o CPR não
tamanhos de partículas. A redução de atingirá resistências à compressão superiores
cimento implica numa redução da à 200MPa, porém, por se tratar da
resistência à compressão do CPR dos outros recuperação de um elemento estrutural com
traços, porém ainda é possível manter o armadura exposta, as características
material com uma resistência superior ao fundamentais nesse caso são a baixa
elemento a ser restaurado, maior durabilidade permeabilidade e durabilidade,
e baixa permeabilidade. características estas garantidas com o
empacotamento das partículas.
Apesar de ser possível reduzir ainda mais a
6 CONSIDERAÇÕES FINAIS
quantidade de cimento do traço mantendo a
Ao se planejar um material como o CPR, o curva de empacotamento, deve-se ficar
processo de escolha dos materiais base é atento ao fato de que o cimento é o material
fundamental, com foco principalmente na base aglomerante do CPR, ou seja, é ele que
granulometria. Como se pôde ver, quando os reage com o aditivo superplastificante,
materiais possuem faixas granulométricas permitindo que o material tenha uma
semelhantes, a curva experimental de determinada trabalhabilidade para poder ser
empacotamento difere um pouco da curva manuseado e aplicado Além disso, é o
ideal. O ideal é que as faixas cimento que garante a resistência mecânica
granulométricas dos materiais base sejam do material.
diferentes entre si e que se complementem,
Utilizando o CPR na recuperação de
ou seja, onde termina a faixa de um material
estruturas, reduz-se a permeabilidade do
base deve começar a faixa de outro. Com
elemento estrutural reparado e aumenta-se
isso, é possível obter um melhor
a sua durabilidade, diminuindo-se as
empacotamento das partículas.
perdas do reparo e, consequentemente, não
É possível reduzir a quantidade de cimento há necessidade de outros reparos, o que
do traço de um CPR sem prejudicar o reduz o consumo de cimento na construção
empacotamento das partículas e, civil.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


134

REFERÊNCIAS
[1]. ARIVABENE, A. C. Patologias em [7]. PILEGGI, R. G. Cimento - Produção
Estruturas de Concreto Armado: Estudo de Caso. mundial pode dobrar sem aumentar CO2. Escola
Revista Especialize On- line IPOG, v. 1, n. 10, p. 1- Politécnica Universidade de São Paulo, abr.
22, 2015.BARBIERI, J.C. Gestão ambiental 2013. Disponível em
empresarial. São Paulo: Saraiva, 2004. <http://www.poli.usp.br/pt/comunicacao/noticias/ar
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS quivo-de- noticias/1200-cimento-producao-
TÉCNICAS. NBR NM 248: Agregados – mundial-pode-dobrar-sem-aumentar-co2.html>.
Determinação da composição granulométrica. Acesso em: 01 jun. 2017. REIS, L. S. N. Sobre a
1ed. Rio de Janeiro, 2003. 6 p. Recuperação e Reforço de Estruturas de
Concreto Armado. 2001. 114 f. Dissertação
[2]. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE
(Mestrado em Engenharia de Estruturas) – Escola
N O R M A S T É C N I C A S . NBR 5738: Concreto
de Engenharia da Universidade Federal de Minas
– Procedimento p a r a moldagem e cura de
Gerais, Belo Horizonte, 2001.
corpos de prova. 2ed. Rio de Janeiro, 2015. 9 p.
[8]. SALDANHA, R. et al. A modified slant
[3]. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE
shear test designed to enforce adhesive failure.
NORMAS TÉCNICAS. NBR 15575-1:
Construction and Building Materials, v. 41, n. 1, p.
Edificações H a b i t a c i o n a i s – Desempenho –
673-680, 2013.
Parte 1: Requisitos gerais. 4ed. Rio de Janeiro,
2013. 60 p. [9]. SOUZA, V. C.; RIPPER, T. Patologia,
Recuperação e Reforço de Estruturas de Concreto .
[4]. BIANCHINI, M. Análise da Influência dos
1 ed. São Paulo: Ed. Pini, 1998. 255 p.
Teores de Sílica Ativa na Produção de Concretos
de Alta Resistência em Central Dosadora de [10]. TUTIKIAN, B. F.; ISAIA, G. C.; HELENE,
Concreto. 2010. 148 f. Dissertação (Pós- P. Concreto de alto e ultra-alto desempenho. In:
Graduação em Construção Civil) – Universidade ISAIA G.C. Concreto: ciência e tecnologia - 2 vol.
Federal do Paraná, Curitiba, 2010. 1. ed. São Paulo: Ibracon - Instituto Brasileiro de
Concreto, 2011. Cap. 36.
[5]. BINA, P. Concretos de Pós Reativos: uma
revolução no conceito do concreto. Revista [11]. VANDERLEI, R. D. Análise Experimental
Téchne, n.38, jan. 1999. Disponível em do Concreto de Pós Reativos: Dosagem e
<http://techne.pini.com.br/engenharia- Propriedades Mecânicas. 2004. 168 f. Tese
civil/38/artigo287168-1.aspx>. Acesso em: 18 mai. (Doutorado em Engenharia Civil) – Escola de
2017. DIAB, A. M. et al. Slant shear bond strength Engenharia de São Carlos da Universidade de São
between self compacting concrete and old Paulo, São Carlos, 2004.
concrete. Construction and Building Materials, v.
[12]. VAYSBURD, A. M.; EMMONS, P. H.
130, n. 1, p. 73-82, 2017.
How to make today’s repairs durable for
[6]. MOURA, E. Ultrafinos. Revista Téchne, tomorrow — corrosion protection in concrete
n.150, set. 2009. Disponível em < repair. Construction and Building Materials, v. 14, n.
http://techne.pini.com.br/engenharia- 1, p. 189-197, 2000.
civil/150/artigo285469-2.aspx>. Acesso em: 07 jul.
2017.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


135

Capítulo 14

Alceu Gomes Alves Filho


Fernando Celso De Campos

Resumo: A estratégia de produção é o padrão global de decisões e ações que


define o papel, os objetivos e as atividades da produção apoiando a estratégia de
negócios da organização visando atingir os mercados de modo competitivo. A
compreensão dos mercados ou visão externa pode ser apoiada pela utilização do
que vem sendo convencionalmente chamado de big data, termo genérico para
dados que não podem ser contidos nos repositórios usuais; refere-se a dados
volumosos demais para caber em um único servidor; não estruturados demais para
se adequar a um banco de dados organizado em linhas e colunas; ou fluido demais
para serem armazenados em um data warehouse estático. O objetivo do artigo é
propor um framework que apoie a estratégia de produção via big data. O método
de pesquisa foi composto de duas etapas: pesquisa bibliográfica e elaboração do
framework teórico-conceitual. Resultou em proposta téorico-conceitual na qual
buscou-se a simplificação da estrutura além de não prescrever nenhum tipo de
ferramental tecnológico prévio ficando isso a cargo da situação de análise prevista
e da expertise da equipe envolvida. A contribuição principal foi a sistematização de
uma proposta utilizando-se um referencial teórico bem consolidado de autores de
estratégia de produção e por outro lado o referencial mais recente acerca de big
data e de suas possibilidades a serem exploradas.

Palavras-chave: Big data; estratégia de produção; framework; matriz; 5v’s.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


136

1 INTRODUÇÃO Data, na sequência o método de pesquisa


adotado e alguns achados bibliográficos, a
Lira, Gomes, e Cavalcanti (2015) consideram
proposta é discutida brevemente a título de
a igualdade de terminologia entre estratégia
uma apresentação teórico-conceitual
de produção, estratégia de operações e
preliminar e as considerações finais são
estratégia de manufatura; e a definem
feitas.
como “um esforço sistêmico de alinhar os
objetivos internos de produção com os
interesses competitivos da empresa em
2 ESTRATÉGIA DE PRODUÇÃO E BIG DATA:
relação ao seu mercado de atuação. Para
ELEMENTOS ESTRUTURANTES DE UM
Slack et al. (1995), a estratégia de
FRAMEWORK
produção é o padrão global de decisões e
ações que define o papel, os objetivos e as É importante considerar a hierarquia das
atividades da produção apoiando a estratégias como apresentada por Hayes e
estratégia de negócios da organização. Wheelwright (1984), Mills, Platts, e Gregory
Definição que foi ampliada em Slack e Lewis (1995), Hayes et al. (2008), Johnson,
(2002) como um padrão geral das decisões Scholes, Whittington (2009): a estratégia
que determina as competências a longo corporativa (grupo de empresas), a
prazo e suas contribuições para a estratégia estratégia competitiva ou de negócios
global, de qualquer tipo de operação, por (empresa ou unidade de negócios do
meio da conciliação dos requisitos de grupo) e a estratégia funcional (função ou
mercado com os recursos de operações. setor de uma empresa: produção, marketing,
Ou seja, essa conciliação é, na prática, tecnologia, finanças, entre outros). No âmbito
denominada de processo ou a forma como da estratégia competitiva, Porter (1980)
a estratégia de operação é formulada. Já o propôs que, para enfrentar as cinco forças
conteúdo significa o conjunto de decisões competitivas de um segmento industrial
que são tomadas (deliberada ou (poder de barganha de clientes, poder de
automaticamente) dentro do domínio da barganha dos fornecedores, concorrentes,
estratégia de operações, visando sinergia e ameaça de produtos substitutos, ameaça de
harmonização entre a compreensão dos novos entrantes), uma empresa pode utilizar
mercados (visão externa) e a compreensão uma estratégia competitiva genérica
dos recursos e processos (visão interna). Isso conforme os tipos: liderança por custo,
relaciona o desempenho requerido via os diferenciação e enfoque. Hörte, Lindberg, e
objetivos de desempenho e as decisões Tunälv (1987) reforçam que as decisões da
estratégicas que formatam e desenvolvem a estratégia competitiva devem se basear em
direção da operação a longo prazo, em análise cuidadosa do ambiente e das
relação à alocação dos recursos, pelo que é forças/fraquezas da própria empresa. A
denominado de áreas de decisão. perspectiva dos requisitos de mercado
sobre a estratégia de produção tem a
A compreensão dos mercados ou visão
avaliação de seu desempenho requerido
externa pode ser apoiada pela utilização
pelos objetivos de desempenho, propostos
do que vem sendo convencionalmente
por diversos autores. Meyer, Nakane e
chamado de Big Data, “um termo genérico
Ferdows (1989), Hill (1993), Slack et al.
para dados que não podem ser contidos nos
(1995), Slack e Lewis (2002), apontam os
repositórios usuais; refere-se a dados
seguintes objetivos de desempenho
volumosos demais para caber em um único
genéricos: qualidade, entrega (velocidade e
servidor; não estruturados demais para se
confiabilidade), flexibilidade e custo. Hill
adequar a um banco de dados organizado
(1995) propõe 5 passos para a formulação da
em linhas e colunas; ou fluido demais para
estratégia de produção: i) Passo 1: definição
serem armazenados em um data warehouse
dos objetivos corporativos; ii) Passo 2:
estático”, na visão de Davenport (2014).
definição e de marketing; iii) Passo 3:
Portanto, o objetivo desse artigo é apresentar definição dos critérios qualificadores e
uma proposta de framework que suporte a ganhadores de pedidos; iv) Passo 4: escolha
estratégia de produção via Big Data. do processo para produzir e entregar os
produtos; v) Passo 5: definição da
A próxima seção apresenta a fundamentação
infraestrutura necessária.
teórica dos principais elementos a serem
utilizados na composição do framework De outro lado, DAVENPORT, BARTH e
envolvendo estratégia de produção e Big BEAN (2012), afirmam que o termo Big

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


137

Data é utilizado de forma distorcida por fluxo contínuo de informação e processos,


provedores de soluções para classificar analisando os dados à medida que esses
sistemas de análise de dados, quando na são gerados, ao invés de apenas armazená-
realidade é mais do que isso, permitindo o los em grandes bancos de dados para
surgimento de novas possibilidades e análise posterior. Variedade conforme NOVO
serviços, favorecendo às empresas (2014) aponta refere-se às diversas fontes de
responderem às novas demandas de forma dados: mensagens, leitura de sensores,
mais ágil e mais assertiva, competindo de câmeras de segurança, aparelhos GPS;
forma mais eficiente no mercado. O principal telefones celulares, RFID, entre outros, que
objetivo da análise de Big Data é contribuir podem ser utilizados para análise e posterior
para que as empresas tomem melhores extração de informação pertinente aos
decisões de negócio. Cientistas de dados e negócios. As fontes para o Big Data
outros usuários analisam grandes podem englobar tudo, desde dados de
quantidades de dados de transações, bem voz de call centers, até dados de genoma
como outras fontes de dados que podem ser obtidos pelas pesquisas biológicas e
ignorados pelo software tradicional de medicinais, e podem ainda ser provenientes
business intelligence, como logs de servidor das mais diversas origens, como uma
web, relatórios de atividade de mídia social, copiadora ou mesmo um motor a jato
registros de telefone celular e dados (DAVENPORT; BARTH; BEAN, 2012; BROWN;
obtidos por meio de sensores. As análises de CHUI; MANYIKA, 2011). Veracidade tem a ver
dados podem permitir uma abordagem de com a qualidade dos dados e informações,
marketing direcionado que dá à empresa e são características essenciais para que
uma melhor compreensão de seus clientes. os usuários interessados (executivos,
Um entendimento que influenciará os gestores públicos e sociedade em geral)
processos internos e, em última análise, usem e reusem esses dados de maneira real
aumentará o lucro, o que proporciona a e apropriada, gerando informações úteis e
vantagem competitiva que a maioria das verídicas para eles mesmos. A verificação
empresas está buscando (ISACA, 2016). A dos dados coletados para adequação e
justificativa para o estudo e a aplicação do relevância ao propósito da análise é um
Big Data é procurar atender a crescente ponto chave para se obter dados que
busca de eficiência e eficácia no uso de agreguem valor ao processo (HALPER E
ferramentas de TI, para obter recompensa KRISHNAN, 2014). Valor imediato da maioria
significativa e se diferenciar dos dos dados é evidente para aqueles que os
concorrentes. É relevante que os líderes das coletam, na constatação de MAYER-
organizações, principalmente os profissionais SCHÖNBERGER e CUKIER (2013). Eles
de TI, se concentrem na demanda de discutem tal característica do Big Data,
informações que constituem o Big Data. dizendo que o valor dos dados, passa de
uso primário para uso potencial no futuro,
De acordo com a IBM (2016), o Big Data,
gerando profundas consequências: afeta a
pode ser caracterizado por “5V’s”: Volume;
forma como os negócios valorizam seus
Velocidade; Variedade; Veracidade; Valor.
dados e a quem conferem acesso a eles.
Volume refere-se à maior quantidade de
Isso permite, e talvez até obrigue, as
dados sendo gerados a partir de uma
empresas a mudar seus modelos de
variedade de fontes, sendo que para NOVO
negócios e altera a forma como elas
(2014) não há uma definição precisa dessa
enxergam e utilizam os dados.
medida, e para Olofson et al. (2016) essa
questão do volume depende do caso e da Para Agrawal et al. (2011) há um pipeline de
natureza do dado. Velocidade de análise Big Data composto por 5 fases em
processamento das informações, em que se fluxo: i) Fase 1: aquisição e registro dos
permite a análise quase instantânea dos dados; ii) Fase 2: Extração – Limpeza –
dados, possibilitando à empresa ser mais Anotações sobre os dados; iii) Fase 3:
ágil, trazendo perspectivas rápidas, as quais Integração – Agregação – Representação
podem permitir que uma rede de desses dados; iv) Fase 4: Análise e
supermercados, por exemplo, crie ofertas de Modelagem; v) Fase 5: Interpretação.
marketing em tempo real para seus Porém, esses autores destacam que em
consumidores (MCAFEE; BRYNJOLFSSON, cada uma dessas Fases há necessidades
2012). Segundo DAVENPORT, BARTH e que tornam essas tarefas desafiadoras.
BEAN (2012), torna-se necessário que as
empresas passem a pensar e considerar o

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


138

Davenport (2014) apresentou 3 dimensões a situações: Conservador? Moderadamente


serem consideradas na estratégia de agressivo? Muito agressivo?).
implantação e utilização de Big Data: i)
Dimensão 1: “focar em um problema!” com
sentido duplo: sentido um 3 MÉTODO DE PESQUISA
– do ambiente interno para o Big Data Foram realizadas duas etapas metodológicas:
(“situação nova interna – inovação ou pesquisa bibliográfica em 6 passos e
alteração que despertaria interesses?”) e elaboração de um framework teórico-
sentido dois – do Big Data para o ambiente conceitual até a presente data.
interno (“situação nova ou inovação externa
Etapa 1: a etapa da pesquisa bibliográfica foi
– novidades externas que deveríamos ter
realizada em 6 passos, a saber:
conhecimento?”; ii) Dimensão 2: matriz de
objetivos e estágios de aplicação. Objetivos 1° Passo: Definição de strings de busca no
de valor a partir do Big Data: baixar custos, Portal de Periódicos da CAPES.
decisões mais rápidas (tempo), decisões
Foram definidas as seguintes strings de
melhores (foco – objetividade), inovação de
busca, a estratégia de busca nessas strings
produto ou serviço. Estágios de aplicação:
também foram definidas e o montante de
descobertas (o que? Quem?) e produção
artigos encontrados foram registrados no
(o que? Quem?); iii) Dimensão 3: Rapidez &
Quadro 1.
Agressividade em relação à concorrência
para adotar o Big Data (propõe analisar 3

Quadro 1: overview da busca no Portal CAPES.


String de busca I String de busca II String de busca III String de busca IV

big data AND big data AND operations Big data AND
big data AND strategy
framework strategy manufacturing strategy

Big data (título), Big data (título),


Big data (título), Big data (título),
operations manufacturing
framework (qualquer) strategy(qualquer)
strategy(qualquer) strategy(qualquer)
714 artigos 235 artigos 79 artigos 464 artigos

Para esse Passo 1 foram utilizados três filtros 2º Passo: elaboração das 7 principais
de pesquisa: i) período: dos últimos 10 anos: bases de dados que mais tinham
2007 a janeiro/2017; ii) tipo de publicação: publicações de artigos nessa temática.
somente artigos; iii) artigos revisados por
pares.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


139

3º Passo: elaboração dos 12 principais artigos nessa temática.


periódicos que mais tinham publicações de

4º Passo: os nove principais autores que quando houvesse somente em duas strings
publicaram nessa temática. Destaque-se que privilegiou-se a string 2 e string 4 devido ao
o critério foi ter pelo menos publicações recorte temático buscado.
encontradas em três das strings de busca e

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


140

5° Passo: análise e seleção dos artigos dos Passo 1 – Compreensão do framework de


quatro principais autores estratégia de operações proposto por Slack et
al. (2013), Slack e Lewis (2009),
Nesse passo foi realizada a leitura e análise
complementado por Jacobs e Chase (2009).
dos artigos levantados no Passo 4, com um
recorte adicional dos quatro primeiros autores Depreende-se quatro grandes blocos,
(Akter, Gunasekaran, Dubey e Wamba) mais analisados por esses autores, a serem
encontrados nas buscas. Foi considerado o considerados na estratégia de operações (ou
resumo, introdução e conclusão. Após esse produção), são eles: i) requisitos de mercado
procedimento houve uma decisão de (desempenho requerido para atuar); ii)
seleção (ou não) do artigo e passou-se a recursos de operações (decisões
registrar em planilha própria algumas estratégicas, competências e processos); iii)
informações a seu respeito. Por razões de interpretação da estratégia do nível mais alto
limitação de espaço não será apresentada (corporativo e negócio); iv) experiência
esta planilha própria com as considerações operacional (sentido emergente do que a
feitas. estratégia deveria ser).
Etapa 2: elaboração de um framework Passo 2 – Pesquisas acerca de frameworks
teórico-conceitual foi realizada em 5 passos que operacionalizam Big Data de modo geral.
descritos de modo geral na sequência e que Foram encontrados alguns frameworks, a
serão detalhados na seção de Resultados e saber: Liu (2015) propõe um CRM analítico
discussão. via Big Data, Campos (2015) propõe um
framework para gestão da inovação em
Passo 1 – Compreensão do framework de
serviços intensivos em conhecimento, Seo;
estratégia de operações proposto por Slack et
Kim; e Choi (2014) propõem um framework
al. (2013), Slack e Lewis (2009),
de Big Data para patentes, cujo objetivo é
complementado por Jacobs e Chase (2009).
apoiar o planejamento estratégico de P&D,
Passo 2 – Pesquisas acerca de frameworks os autores JELINEK e BERGEY (2013),
que operacionalizam Big Data de modo geral. propõem um framework de Big Data analítico
interligando um modelo teórico de orientação
Passo 3 – Busca de oportunidades de
de mercado e Visão Baseada em Recursos
utilização do Big Data no framework do Passo
(RBV) aliado à Visão Baseada em
1.
Conhecimento (KBV).
Passo 4 – Elaboração de framework híbrido
Passo 3 – Busca de oportunidades de
a partir das pesquisas e das oportunidades
utilização do Big Data no framework do Passo
encontradas.
1 Analisando-se nos quatro grandes
Passo 5 – Apresentação de um framework blocos analisados pelos autores,
teórico-conceitual para utilização e suporte à identificou-se algumas oportunidades de
estratégia de produção. incursão do Big Data nos processos
decisórios de planejamento e
operacionalização relacionados com a
3 RESULTADOS E DISCUSSÃO estratégia de operações (ou produção),
apresentadas no Quadro 2.
A seguir são detalhados os passos da
elaboração do framework teórico-conceitual
híbrido proposto:

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


141

Quadro 2: oportunidades de incursão de Big Data na estratégia de produção


Aspectos da Estratégia de Produção Oportunidades de Incursão de Big Data
Análises para avaliar desempenho de produtos e
serviços; CRM analítico para identificação de novas
necessidades dos já clientes – marketing ativo;
Requisitos de mercado Análises de novos clientes em potencial – marketing
prospectivo;
Análises da concorrência em relação a produtos e
serviços existentes ou novos lançamentos.
Informações em relação a procurement e
Recursos de operações
homologação de novos fornecedores
- análises em relação ao que foi feito e deu certo,
Interpretação da estratégia de mais alto nível a novas tendências, a inovações, diretrizes para
novos projetos e novas estratégias.
- dinâmica das lições aprendidas com todas
Experiência operacional as informações captadas e conhecimento adquirido
com as análises de dados do Big Data

Passo 4 – Elaboração de framework híbrido possibilidades existentes dependendo


a partir das pesquisas e das oportunidades exclusivamente DO QUE se necessita analisar
encontradas. ou pesquisar no Big Data. Daí a alta
importância do Modelo de Análise Dados
A partir do levantamento feito e das
(ou Data Model), que é o centro de todo o
reflexões realizadas com as experiências
processo decisório decorrente a partir dele,
relatadas pelos outros frameworks propostos
ou seja, Modelo inadequado então resultado
uma tendência ficou comprovada: é preciso
inadequado.
buscar a simplicidade, a regularidade de
análise, em meio ao caos e à diversidade A partir da adaptação das 5 Fases de
de fontes de dados do Big Data. Também, Agrawal et al. (2011) chega-se a um
uma outra constatação, é que não há um esquema geral, ilustrado no Quadro 3.
impeditivo tecnológico devido às várias

Quadro 3: Visão geral das camadas de composição de um framework de Big Data.


Fase I Fase II Fase III Fase IV Fase V
Integração, E
Extração, Limpeza e Análise e
Aquisição e Registro Agregação Interpretação
Anotações Modelagem
Representação
Colaboração para
Heterogeneidade e Privacidade dos
Temporalidade dos Humana Análise
Incompleteza dos Dados em Escala Dados e Origem das
Dados e Interpretação
dados Fontes
dos Dados
Camada de Fonte Camada De Camada de
Camada ETL Camada de Análise
dos Dados Armazenagem Usuários

Adaptando-se também a estratégia de Big considerações relevantes, ilustradas no


Data pelas Dimensões mencionadas por Quadro 4.
Davenport (2014), chega-se a algumas

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


142

Quadro 4: Adaptação da estratégia de Big Data nas Dimensões propostas por Davenport (2014).
Sentido 1: captar do Big Data
Problema de inovação ou alteração
de produto ou serviço internos?
Foco no problema analisando-o em (situação nova interna)
Dimensão 1
dois sentidos Sentido 2: tratar dados do Big Data
Problema de novidades externas
concorrenciais?
(situação externa nova ou inovação)
Adaptação dessa Matriz com
Matriz de objetivo e estágios de aspectos da Estratégia Competitiva
Dimensão 2
aplicação (descoberta x produção) de Porter (1980) e os passos 1 e 2,
do Modelo de Hill (1995).
Adaptação de critérios de decisão a
partir de Paiva, Carvalho Jr.,
Rapidez e Agressividade das
Dimensão 3 Fensterseifer (2009) no conjunto das
implantações de projetos Big Data
atividades da Rede de Valor e
Operações (RVO).

É necessário fazer uma consideração a partir O Quadro 5, apresenta apenas uma visão
dos 5V’s do Big Data propondo uma geral, a título de exemplo e, pelo fato de
tabulação geral das fontes e suas possíveis haver uma enorme diversidade de
características para direcionar a utilização de ferramentas computacionais elas não foram
ferramentas/aplicativos específicos conforme mencionadas neste quadro propositalmente,
o caso e a necessidade do Modelo de Análise pois isto depende do problema a ser
de Dados. pesquisado no Big Data.

Quadro 5: Visão geral dos formatos e fontes de dados x características 5V’s do Big Data.
Estruturado Semi Estruturado Não Estruturado
Formato Tele
Formulário Matéria Matéria Redes
Fonte 5V’s 0800 SAC Ombusdman WhatsApp Jorn
Online Jornal Revista Sociais
al
Volume
Variedade
Velocidade
Veracidade
Valor

Passo 5 – Apresentação de um framework A Figura 1, ilustra o formato geral do


teórico-conceitual para utilização e suporte à framework ora proposto, em seus 3 níveis
estratégia de produção. (estratégico, operacional e técnico) e suas 5
camadas, utilizando as 5 fases do pipeline.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


143

Figura 1: overview da proposta de framework teórico-conceitual.

4 CONSIDERAÇÕES FINAIS ajustes, no entanto, buscou-se a


simplificação de sua estrutura para
Este artigo buscou analisar a literatura sobre
favorecer a compreensão além de não
estratégia de produção e cruzá-la com as
prescrever nenhum tipo de ferramental
publicações acerca de Big Data com o
tecnológico prévio ficando isso a cargo da
intuito de se chegar a uma proposta de
situação de análise prevista e da expertise da
um framework teórico- conceitual.
equipe envolvida.
Para isso foram realizados 5 passos de
A contribuição principal foi a sistematização
pesquisa e análise bibliográfica direcionada
de uma proposta utilizando-se um referencial
bem como 5 passos para elaboração do
teórico bem consolidado de autores de
referido framework.
estratégia de produção e por outro lado o
É ainda uma proposta téorico-conceitual que referencial mais recente acerca de Big Data e
carece de aplicação de campo e possíveis de suas possibilidades a serem exploradas.

REFERÊNCIAS
[1]. BROWN, B.; CHUI, M.; MANYIKA, J. Are [4]. DAVENPORT, T. H.; BARTH, P.; BEAN, R.
you ready for the era of ‘big data’?. McKinsey How big data is different. MIT Sloan Management
Quarterly, v. 4, n. 1, p. 24-35, 2011. Review, v. 54, n. 1, p. 43, 2012.
[2]. CAMPOS, F. R. A gestão da inovação em [5]. HALPER, F.; KRISHNAN, K. TDWI Big Data
serviços intensivos em conhecimento: Maturity Model Guide: Interpreting Your
oportunidades e desafios do Big Data. 2015. 124 Assessment Score. TDWI Benchmark Guide 2013-
p. Dissertação (Mestrado em Política Científica e 2014. 2013. 20 p.
Tecnológica) – Instituto de Geociências,
[6]. HAYES, R.H.; PISANO, G.; UPTON, D.;
Universidade Estadual de Campinas, Campinas,
WHELLWRIGHT, S.C.. Produção, estratégia e
2015.
tecnologia: em busca da vantatem competitiva.
[3]. DAVENPORT, T.H.. Big Data no trabalho – Porto Alegre: Bookman, 2008.
derrubando mitos e descobrindo oportunidades. 1ª
[7]. HAYES, R.H.; WHELLWRIGHT, S.C..
ed., Rio de Janeiro: Elsevier, 2014.
Restoring our competitive edge: competing
through manufacturing. New York: Free, 1984.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


144

[8]. HILL, T. Manufacturing Strategy: text and [19]. MCAFEE, A.; BRYNJOLFSSON, E. Big
cases, London: MacMillan Business, 1995. Data: The Management Revolution: Exploiting vast
new flows of information can radically improve
[9]. HöRTE, S.A.; LINDBERG, P.; TUNALV,
your company’s performance. But first you’ll have
C. Manufacturing strategies in Sweden.
to change your decision making culture. Harvard
International Journal of Production Business Review, 2012.
Research, v.25, n.11, p.1573-1586, 1987.
[20]. MILLS, J.; PLATTS, K.; GREGORY, M. A
[10]. IBM. What is Big Data? Bringing Big Data
framework for the design of manufacturing
to enterprise. Disponível em:
strategy processes: a contingency approach.
<www.ibm.com/software/data/bigdata>. Acesso
International Journal of Operations and Production
em: março de 2016.
Management, v.15, n.4, p.17-49, 1995. NOVO, R.
[11]. ISACA. Big Data: Impactos e Benefícios. F. Melhoria nas dimensões competitivas das
Disponível em: <http://www.isaca.org/Knowledge- empresas por meio do uso do Big Data. São
Center/Research/ResearchDeliverables/Pages/Big- Paulo: CEETPS, 2014.
Data-Impacts-and-Benefits.aspx>. Acesso em:
[21]. OLOFSON, Carl W; VILLARS, Richard L.;
março/2016. JACOBS, F.R.; CHASE, R.B..
EASTWOOD, Mathew. Big data: What it is and why
Administração da produção e operações: o
you should care.
essencial. Porto Alegre: Bookman, 2009. JELINEK,
M.; BERGEY, P.. Innovation as the strategic driver [22]. Paper, IDC Analyze the Future, 2011.
of sustainability: big data knowledge for profit and Disponível em: <www.idc.com>. Acesso em: março
survival. IEEE Engineering Management Review, 2016.
41(2):14-22, 2013.
[23]. PAIVA, E.L.; CARVALHO JR., J.M.;
[12]. JOHNSON,G; SCHOLES, K.; FENSTERSEIFER,J.E.. Estratégia de produção e
st de operações: Conceitos, melhores práticas, visão
WHITTINGTON, R.. Fundamentals of strategy. 1
de futuro. 2ª ed.. Porto Alegre: Bookman. 2009.
ed.. Prentice Hall, 2009.
[13]. MEYER,A. de; NAKANE, J.; FERDOWS, [24]. SLACK N.; CHAMBERS, S.; HARLAND, C.;
K.. Flexibility: the next competitive battle: the HARRISON, A.; JOHNSTON, H.. Operations
manufacturing survey. Strategic Management
management. Pitman Publishing London, 1995.
Journal, v. 10, n. 2, p. 135-144, Mar./Apr., 1989. [25]. SLACK N.; CHAMBERS, S.;
[14]. LIRA, A.C.Q.; GOMES, M.L.B.; JOHNSTON, H.; BETTS, A.. Gerenciamento de
CAVALCANTI, V.Y.S.L.. Modelo de alinhamento
operações e de processos – princípios e
estratégico de produção – MAP: contribuição
práticas de impacto estratégico. Porto Alegre:
teórica para a área de estratégia de produção. Bookman. 2ª ed. 2013.
Production, v.25, n.2, p.416-427, 2015. [26]. SLACK N.; LEWIS,M. Operations strategy.
nd
[15]. LIU, C-H. A Conceptual Framework of 2 ed.. Pearson Education Lt., 2002.
Analytical CRM in Big Data Age. International
[27]. SLACK N.; LEWIS,M. Estratégia de
Journal of Advanced Computer Science &
Applications, v. 1, n. 6, p. 149-152. 2015. Operações. Porto Alegre: Bookman, 2009.
[28]. SEO, W.; KIM, N. CHOI, S. Big Data
[16]. PORTER, M.E.. Competitive strategy:
Framework for Analyzing Patents to Support
techniques for analyzing industries and
Strategic R&D Planning. In: DEPENDABLE,
competitors. New York: Free Press, 1980.
AUTONOMIC AND SECURE COMPUTING, 14TH
[17]. MAYER-SCHÖNBERGER, V.; CUKIER, K. INTL CONFERENCE ON PERVASIVE
Big data: A revolution that will transform how we INTELLIGENCE AND COMPUTING, 2ND INTL
live, work, and think. Reino Unido: Houghton Mifflin CONF ON BIG DATA INTELLIGENCE AND
Harcourt, 2013. 252 p. COMPUTING AND CYBER
SCIENCE AND TECHNOLOGY
[18]. MAYER-SCHÖNBERGER, V.; CUKIER, K.
CONGRESS
Big Data: como extrair volume, variedade,
velocidade e valor da avalanche de informação [29]. (DASC/PiCom/DataCom/CyberSciTech),
cotidiana, 1. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013. 163 2016. Anais… 14th Intl C. IEEE, 2016. p. 746-753.
p.

AGRADECIMENTO
Registramos nossos agradecimentos às Instituições, nas quais atuamos, que propiciaram os
resultados parciais dessa pesquisa, por meio de licença sabática e autorização de orientação, em
estágio de pós-doutoramento.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


145

Capítulo 15

Leilane de Araújo Santos


Miriane Siqueira dos Santos
Patricia Dias de Souza Costa
Samantha Castelari
Marcio Eugen K. Lopes Santos

Resumo: Estudar e aprender conteúdos na graduação de engenharia de produção


por diversas vezes torna-se um desafio, pois em muitas ocasiões a complexidade
de alguns assuntos lecionados abstrai-se do cotidiano do aluno, o que dificulta o
grau de compreensão e aprendizagem. A utilização das mesmas metodologias de
ensino utilizadas há anos, baseadas em teorias e repetições de exercícios, podem
distanciar ainda mais a prática desejada e exigida pelo mercado de trabalho. O
jogo como um recurso didático torna-se uma alternativa no processo de ensino-
aprendizagem. A proposta deste artigo é apresentar o jogo de tabuleiro, Lean
Board Game, que configura-se como uma solução de laboratório no curso de
engenharia de produção, propondo o alinhamento da teoria aplicada a prática, por
meio do aprendizado baseado em problemas, em conformidade com a dinâmica
que o jogo expõe os estudantes, fazendo com que haja engajamento nas
resoluções de adversidades e os desafia a rápidas tomadas de decisões.
Palavras chave: Ensino-aprendizagem, Engenharia de Produção, Jogos e Lean
Board Game.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


146

1. INTRODUÇÃO no contexto escolar e na própria organização


da escola como um todo.
Cogita-se com frequência os impactos que a
inovação tem gerado no ensino, e mediante a Conforme Suhr e Silva (2012), esse conceito
esse fato discute-se a importância de de ensino “tradicional”, apesar de marcar
alternativas eficientes para dinamizar o traços no século XIX e início do século XX, se
método de aprendizagem tradicional. Em faz presente na atualidade. Pode-se observar
meio a essa nova proposta, os jogos têm se este cenário no próprio ensino superior onde
destacado de forma extremamente positiva. parte dos alunos age de forma passiva
atribuindo toda a responsabilidade ao
Visando mostrar um dos jogos que tem
professor como, por exemplo, esperar do
conquistado considerável espaço no âmbito
professor uma atitude autoritária, de
acadêmico, a pesquisa realizada aborda as
imposição da disciplina em sala, a
potencialidades do Lean Board Game, um
transmissão oral, a cobrança de silêncio, a
método didático que mostra-se eficaz no
obediência e até mesmo sobre definir quando
quesito ensino-aprendizagem, desenvolvido
e o que estudar.
com a proposta de ensinar de forma lúdica e
com funcionamento teoricamente simples. Tal contexto, remete a importância da
inovação na educação. Segundo Rocha
Com o auxílio do jogo, torna-se possível
(2009), inovar representa ter ideias
absorver o conteúdo apresentado em formato
inovadoras, criar coisas novas ou rearranjar
teórico de maneira prática, contribuindo para
com eficácia as coisas antigas de maneira
o desenvolvimento do aluno, a fim de que as
original.
universidades formem profissionais que
atendam às exigências do atual mercado de De acordo com a Lei n° 13.243, segue o
trabalho. conceito de inovação:
Inovação: introdução de novidade ou
aperfeiçoamento no ambiente produtivo e
1.1. OBJETIVO
social que resulte em novos produtos,
Diante do proposto, o objetivo deste estudo é serviços ou processos ou que compreenda a
apontar as potencialidades do uso de jogos, e agregação de novas funcionalidades ou
assim mostrar em detalhes seus diferenciais. características a produto, serviço ou processo
já existente que possa resultar em melhorias e
em efetivo ganho de qualidade ou
2. INOVAÇÕES NO ENSINO E desempenho (Diário Oficial da República
APRENDIZADO Federativa do Brasil, Brasília, DF, n. 7, p. 8, 12
jan. 2016. Seção 1).
Nota-se na sociedade, transformações nas
relações entre aquele que domina o No âmbito educacional, Suhr e Silva (2012),
conhecimento e aquele que o recebe. No observa-se que, com as mudanças na
contexto do ensino superior: sociedade, na produção, na ciência e
tecnologia, a educação também sofre
“[...] embora as universidades existam desde
mudanças, apesar de estarem presentes
a Idade Média, assumiram nova configuração
fortemente as práticas e conceitos herdados
a partir da Idade Moderna, visando à difusão
historicamente. Ainda, indica a orientação de
da ciência e à formação profissional. A partir
práticas pedagógicas no ensino superior no
deste momento histórico passa a existir a
sentido de contribuir para a relação professor-
preocupação com “o que ensinar, como
aluno com objetivo de adequação viva e
ensinar, como avaliar”, já que não se tratava
significativa dos conteúdos (conceituais,
mais de atender apenas aos jovens filhos da
procedimentais e atitudinais) pelo estudante.
realeza em busca do deleite intelectual e sim,
Sendo assim, a utilização de jogos como
aos filhos da burguesia que buscavam o
metodologia de ensino vem ao encontro das
conhecimento como ferramenta de
mudanças e inovações que se fazem
compreensão científica do mundo e,
necessárias ao longo tempo, para adaptar-se
consequência, como ascensão social.” (SUHR
às novas realidades.
E SILVA, 2012, p. 24).
As mudanças sociais e a manipulação do
ensino permanecem em ascensão. Essa
modificação atinge diretamente as relações

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


147

3. ABP – APRENDIZAGEM BASEADA EM conhecimento através das indagações e


PROBLEMAS análises, de forma que possam trazer
soluções aos problemas identificados.
Com as modificações sociopolítico-
econômicas vivenciadas nas décadas Leite e Esteves (2005) conceituam a ABP
recentes, o ambiente universitário precisa se como um método que leva o aluno ao
“reinventar”, criando uma capacidade de caminho da aprendizagem. Nessa trajetória, o
transformação para que se destaque e forme aluno busca a resolução dos problemas
profissionais alinhados com as exigências do pertinentes à sua área de conhecimento,
mundo atual. tendo como objetivo a aprendizagem, sempre
visando desenvolver um papel ativo durante a
Libâneo (2011) diz que as instituições de
apuração e análise da situação investigada.
ensino mais atentas às necessidades de
aprendizado, num mundo que se encontra em Observando as literaturas, nota-se que existe
constante mudança, precisam reavaliar seus um consenso acerca das características
objetivos e padrões de ensino, de maneira básicas da ABP. De forma geral, todos
que forneçam aos seus alunos recursos assumem que o método estimula a busca
cognitivos e instrumentais que propiciem pelo conhecimento, desenvolvendo e
entender e lidar com as situações propostas estimulando competências e habilidades
por essa nova realidade. durante o processo de aprendizado,
favorecendo a aplicação dos conhecimentos
Acerca disso, o autor aponta que:
adquiridos em situações reais. Sendo assim, o
O principal para se chegar a esses objetivos é método promove a interação entre teoria e
o ensino que promove o desenvolvimento das realidade através da exposição de situações
capacidades e habilidades de pensamento problemas e resolução das mesmas,
dos estudantes. Na sala de aula, isso significa alinhando-se a necessidade de transformação
juntar o conhecimento teórico-cientifico e as educacional exigida pelo mundo moderno.
ações mentais próprias desse conhecimento “Promover a formação profissional e
(LIBÂNEO, 2011, p.189). acadêmica por meio da aprendizagem
baseada em problemas (ABP) é uma das
Com base nessa necessidade de
abordagens inovadoras surgidas nos últimos
transformação, um método que se mostra
anos, que vem ocupando espaço cada vez
adequado à realidade é o ABP –
maior em algumas das principais
Aprendizagem Baseada em Problemas ou do
universidades de todo o mundo.” (ARAÚJO U.
Inglês PBL – Problem Based Learning. É um
F.; SASTRE G. 2009, p.7).
modelo pedagógico que consiste em ensinar
através da apresentação de um determinado
problema, seja ele real ou simulado. A
4. JOGOS
situação é exposta pelo docente antes da
teoria; e para solucionar o problema, os Ao pensar em jogos, a primeira ideia da
estudantes recorrem a conhecimentos maioria das pessoas é que eles são uma
prévios, conceitos, teorias e ferramentas que forma de divertimento e distração, “um
os auxiliem a atingir o objetivo. passatempo”. Mas não se resume a isso; nos
jogos podem-se encontrar formas de
Alguns benefícios promovidos pelo ABP são:
simulações, estratégias, técnicas,
integração entre universidade e empresa,
habilidades, expertise e raciocínio lógico em
integração entre ensino e pesquisa, soluções
variadas situações; visto que em quaisquer
interdisciplinares, atualização dos docentes,
jogos tem-se um perdedor e um ganhador,
aprendizado eficaz, habilidades como
onde o objetivo principal é ganhar.
criatividade, inovação e comunicação.
Nesse contexto também sobre jogo, Huizinga
Segundo Delisle (2000, p. 5), a ABP é “uma
(1993) esclarece que existem regras a serem
técnica de ensino que educa apresentando
seguidas. No entanto, proporciona um
aos alunos uma situação que leva a um
momento alegre e participativo; sendo assim
problema que tem de ser resolvido”. Já Barell
enriquecedor por ser “diferente da vida
(2007) compreende a ABP como algo que
cotidiana”. Segundo o mesmo:
motiva a ação de fazer pergunta, mediante o
surgimento de dúvidas sobre as Jogo, “é uma atividade ou ocupação
manifestações do mundo e da vida cotidiana. voluntária, exercida dentro de certos e
Ele mostra que utilizando esse método, os determinados limites de tempo e espaço,
estudantes são motivados a buscar o segundo regras livremente consentidas, mas

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


148

absolutamente obrigatórias, dotado de um fim organizacionais antes mesmo de ingressar no


em si mesmo, acompanhado de um acirrado mercado de trabalho, pois o âmbito
sentimento de tensão e alegria e de uma empresarial exige decisões/soluções
consciência de ser diferente da vida imediatas. Em consequência disso, nota-se a
cotidiana.” (HUIZINGA, 1993, p. 33). importância dos jogos, já que o estudante é
convidado a participar de um cenário que
A aplicação de jogos em grupos proporciona
exige planejamento, metas, análise de tempo
a cooperação mútua e reciprocidade entre os
e recursos, negociações e decisões.
jogadores. Entre inúmeros jogos já
conhecidos citam-se vários tipos e formas, Através dos jogos, o aluno pode observar em
tais como: jogos de dominó, de bola, de um único plano a aplicação de diversas
cartas, de memória e tabuleiro como dama e matérias, analisar cada ponto como um todo.
xadrez. Atualmente os que têm grande poder Por exemplo: o arranjo físico, fatores
de absorção e abrangência entre as pessoas ambientais, fluxo de informação e materiais,
são os jogos computacionais/eletrônicos que condições de trabalho, entre outros. Um
possuem alcances ilimitados entre pessoas e importante ponto a destacar é a possibilidade
tecnologias, principalmente em meio a de antecipação frente às situações criadas;
globalização. Logo, cada jogo com suas isto é, eles permitem que sejam realizadas
peculiaridades pode ser utilizado no processo experiências possibilitando analisar as
de ensino-aprendizagem. O que se propõe é consequências geradas, trazendo a
a utilização dessa metodologia como uma perspectiva de melhoria nos processos de
ferramenta benéfica e um modelo de tomada de decisão.
construção e demonstração de assuntos
Pensando-se no cenário de jogos presenciais
apresentados em sala de aula.
e as transformações que o ambiente
acadêmico vivencia, juntamente com as
mudanças metodológicas que necessitam
4.1. JOGOS COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO
ocorrer para auxiliar na formação do novo
A busca pelo conhecimento é constante nos profissional requisitado pelo mercado,
dias atuais, e muitas tecnologias têm sido observa-se que a metodologia ABP e os jogos
alicerce para um novo modelo de são procedimentos equivalentes, uma vez que
aprendizagem e assimilação do conteúdo ambos oferecem a oportunidade de situar o
proposto nas universidades. A respeito disso, aluno frente à realidade. Considerando os
cogita-se com certa frequência a utilização de dois métodos aliados, temos como potencial
jogos como possível metodologia de ensino. recurso de auxílio aos alunos, docentes e
Pode-se dizer que os mesmos são uma instituições, o jogo Lean Board Game. O
poderosa ferramenta de aprendizagem, pois é mesmo é voltado ao curso de engenharia de
possível aplicá-los em situações onde o aluno produção, e permite ao estudante vivenciar
será capaz de aprender e solucionar um ambiente empresarial.
problemas, melhorando o seu
autoconhecimento e competências.
5 LEAN BOARD GAME
Para Schwartz (2014): "o uso dos games
surge na medida em que percebemos o Inicialmente, o Lean Board Game (LBG) foi
potencial de recorrer às novas tecnologias criado e desenvolvido com o propósito de ser
para desenvolver práticas pedagógicas utilizado em empresas. Posteriormente, o jogo
capazes de combinar o pensar, o fazer e o foi aprimorado para o ambiente acadêmico, e
brincar”. a partir de então o Grupo Engenho passou a
administrá-lo, grupo este que trabalha com
Ligados às tecnologias, os jogos aplicados ao
vários segmentos de mercado, consultorias
ensino facilitam a assimilação do conceito,
voltadas às áreas de otimizações,
tornando possível a aplicação da teoria na
treinamentos, tributos e negócios.
forma prática, através da interação com
pessoas, participação e contato com a O LBG é um jogo de tabuleiro, com intuito de
realidade organizacional. Como meio tornar prática a utilização das ferramentas e
educativo, estes têm o intuito de estimular o filosofia Lean Manufacturing, baseado na
raciocínio, criatividade, inovação, trabalho em metodologia de ensino ABP – Aprendizado
equipe, dinamismo e cooperação dos Baseado em Problemas. Seu objetivo é
envolvidos. É de extrema importância que o proporcionar ao aluno a vivência do ambiente
aluno vivencie situações/problemas profissional, de forma com que a teoria possa

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


149

ser visualizada na prática, ampliando o grau ensino e realização de trabalhos nas áreas
de aprendizado. correlatas. O mesmo é composto por
tabuleiro, computadores equipados com
Sendo um método inovador, o jogo não se
simulador, além da estrutura necessária para
restringe apenas a um tabuleiro, mas
ministração de aulas. Além disso, contempla
apresenta uma solução de laboratório de
outras vertentes, como demonstrado na figura
engenharia de produção, que oferece
a seguir:
infraestrutura necessária para pesquisa,

Figura 4 - Solução de Laboratório

Fonte: Elaborada pelos autores

Figura 5 – Laboratório

Fonte: Todos os direitos reservados ao Grupo Engenho

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


150

Desafio Lean Simulation: desafio nacional de realizado pela Abepro. Seu objetivo é
elaboração de exercícios associados à estimular estudantes a desenvolver projetos,
Gestão e Engenharia de Produção, utilizando analisando situações reais ou fictícias,
o jogo Lean Board Game e um software de promovendo uma metodologia de ensino
simulação. Sua primeira edição ocorreu no diferenciada.
ENEGEP 2016, um grande evento anual

Figura 6 - Minicurso ENEGEP

Fonte: Todos os direitos reservados ao Grupo Engenho

LBG – Lean Board Game: é composto por um empilhadeira, bancada, estoque e áreas de
tabuleiro principal de tamanho A0 e peças suporte. Essas peças permitem que o jogador
soltas que simulam componentes de uma monte o layout e o adapte conforme
empresa, sendo eles: mão de obra, máquinas, necessário.

Figura 7 - Tabuleiro A0

Fonte: Todos os direitos reservados ao Grupo Engenho

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


151

O jogo contém ainda: aquisição, tempo de setup, tempo de ciclo,


custo em geral, vida útil do equipamento
Cartas de Murphy: cada carta possui um
(dado em anos), prazo de entrega (dado em
desafio a ser adicionado ao case trazendo
meses), e automação (se houver).
uma nova dinâmica, simulando situações do
cotidiano profissional, forçando o jogador a ter Cases: descrevem a situação problema,
uma maior expertise em relação a tomadas de apresenta-se o histórico da “empresa”,
decisões. cenário atual, e dados como tipos e
quantidades de máquinas utilizadas,
Catálogo de Máquinas: é possível verificar
quantidade de mão de obra, estoque, atual
informações específicas de cada máquina,
layout e situação financeira.
tais como: tipo de máquina, valor de
Figura 8 - Cases do Jogo

Fonte: Todos os direitos reservados ao Grupo Engenho

Dados para Variação: são utilizados para criar empenhar-se para atender ao um novo
a variação da demanda do cliente sobre os volume.
produtos que a fábrica produz. Por exemplo,
Gestão Visual: este item é utilizado para
inicia-se o case com uma demanda de x
colocação de quadros Kanban, sistema de
unidades; em outra rodada, joga-se os dados
produção puxada, que auxilia o operador a
para diminuir ou aumentar essa demanda.
tomar as decisões sobre qual peça fazer e
Com essa variação, os times devem
quantidade.
Figura 9 - Componentes do Jogo

Fonte: Todos os direitos reservados ao Grupo Engenho

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


152

Figura 10 - Simulação de Montagem

Fonte: Todos os direitos reservados ao Grupo Engenho

Figura 11 - Simulação do Jogo

Fonte: Todos os direitos reservados ao Grupo Engenho

Portal LBG: mantém os usuários atualizados Aplicativo: é um novo lançamento do grupo,


em relação ao cases do Lean Board Game e em fase de desenvolvimento e atualizações.
suas novidades. Seu maior intuito é facilitar o acesso às
informações necessárias ao decorrer do jogo;
Disciplinas com LBG: o jogo abrange
já possui dados como: catálogo de máquinas,
disciplinas como Projeto de Fábrica, Gestão
cartas de Murphy, dados para variação da
de Processos, Planejamento e Controle da
demanda e o tabuleiro do jogo. Futuramente
Produção, Otimizações, Tópicos Integradores,
tem-se a pretensão de disponibilizar o
Logística, Melhoria de Processos
material dos cases do jogo, acesso ao portal
Administrativos, entre outras. Dispõe ainda de
para que professores tenham a disposição
aulas prontas utilizadas pelos professores.
outros cases e a solução dos mesmos,

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


153

disponibilizando, inclusive, outros jogos do esta nova técnica e que ela faria a diferença.
grupo como: o Supply Board Game e o Porém, para a criação do jogo em si nós não
Process Board Game. tivemos dificuldades, pois conhecíamos o
assunto e tivemos bastante tempo para a
Simulador: é utilizado um software de
criação.
simulação em eventos discretos em 3D, que
contribui e possibilita maior visualização por Como você vê o cenário atual de jogos
parte do usuário, fornecendo uma visão relacionados ao ensino? O que você acha
dimensionada que auxilia alunos e que está faltando para que esse cenário
professores a solucionar problemas em amadureça e evolua ainda mais?
ambientes dinâmicos, realizando
É difícil criar um jogo nessa complexidade; é
experimentos, para gerar diferentes cenários
mais fácil criar uma dinâmica curta, como um
e alternativas de análise de um processo real.
jogo de carta. Jogos de negócios demandam
tempo, então talvez não haja muito mais jogos
porque depois é difícil viabilizar, mas nós
5.1. ENTREVISTA
vemos esse cenário com muitas
Com o intuito de interar-se melhor sobre o oportunidades. O que falta para que esse
Lean Board Game, ferramenta que despertou cenário evolua são os professores quererem
grande interesse por sua estratégia mudar o método de ensino, sendo assim
diferenciada, realizou-se como técnica de existirá uma demanda maior.
coleta de dados uma entrevista de caráter
O Grupo Engenho pretende criar outros jogos
exploratório e estruturada com perguntas pré-
que possam ser utilizados como metodologia
definidas. A mesma sucedeu-se com o Sr.
de ensino?
Gustavo Casarini Landgraf, um dos
idealizadores do jogo, Engenheiro Mecânico, Dentro do próprio Lean Board Game já
com especialização em Produção, MBA em existem variações, usando os conceitos do
finanças, Mestrado em Engenharia de Lean Manufacturing em outras disciplinas.
Produção e Manufatura na área de Pesquisa Temos também jogos focados em outros
Operacional e Gestão de Processos e com ramos da engenharia, como: logística e
grande experiência nas áreas de produção, melhoria de processos administrativos.
logística e afins. A entrevista foi realizada
Qual a proposta do Desafio Lean Simulation?
recentemente em uma reunião no escritório do
O que acharam do desempenho dos
Grupo Engenho – Campinas/SP, onde teve-se
participantes em 2016? O que esperavam
maiores esclarecimentos sobre o jogo
para 2017?
didático. Em uma mediação clara e objetiva
abordou-se o máximo de assuntos pertinentes No desafio de 2016 tivemos uma adesão até
à condução, desenvolvimento e futuro do razoável; e nosso objetivo é fazer essa
jogo, por meio das seguintes perguntas: ferramenta (LBG) “ficar viva”, é mais uma
forma do professor poder utilizar. Quem
Como surgiu a ideia de criar o Lean Board
compra o jogo, além de poder aplicar na
Game?
disciplina, pode motivar os alunos a pesquisar
O jogo partiu da ideia de trazer uma nova mais sobre o tema. Em 2017 a quantidade de
forma para transferir conhecimento; ou seja, trabalhos submetidos aumentou e de acordo
modificar a forma tradicional de com nossas observações, a qualidade está
aprendizagem onde os alunos colocassem a melhor.
“mão na massa”, discutissem em grupo e
Quais adaptações seriam necessárias por
pudessem expor suas ideias. Isso fez com
parte das universidades, referente a
que nós pensássemos em um jogo, onde
professores e alunos?
houvesse lúdica e interação, fatores que
favorecem o aprendizado. Em relação aos professores, acredito que os
mesmos devem formular um método a fim de
Quais foram os maiores desafios para criar o
integrar o conteúdo da disciplina ao jogo. Em
jogo? Existiu alguma dificuldade?
relação aos alunos, acredito que não existem
A maior dificuldade foi sair do modelo muitos empecilhos, pois quando o professor
tradicional e montar um case que não passa as regras do jogo, o aluno geralmente
deixasse de abordar a teoria. A divulgação e não tem dificuldades para entender e seguir.
a venda também foram difíceis no início, afinal
Quais as maiores resistências/empecilhos que
tínhamos que convencer as pessoas a utilizar
há para buscar implantação de jogos em

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


154

universidades? Por que a maioria ainda não Posteriormente aos esclarecimentos feitos
aderiu? nesta entrevista sobre o Lean Board Game, e
mediante todo contexto abordado sobre o uso
Acredito que a questão financeira e a
de jogos como ferramenta de ensino-
mudança de métodos. Mas em contrapartida,
aprendizagem, verificou-se sua cooperação
quando você adere a um produto que surte
no cenário acadêmico atual, indicando a
efeito positivo, como no caso do Lean Board
possibilidade de sua utilização e inserção em
Game, com base no feedback dos alunos, o
outras instituições.
fator mudança de métodos fica em primeiro
lugar.
Em relação ao MEC, houve apoio? 5.2. LEAN BOARD GAME NA PRÁTICA
Resistência?
Buscando aprimorar a cognição a respeito da
Não fomos avaliados pelo MEC, mas após a aplicabilidade e efetividade do jogo, obteve-
implantação do primeiro laboratório se a oportunidade de viver uma experiência
recebemos a avaliação de uma professora prática. Através de um convite do Grupo
que participava da comissão do MEC, ela Engenho, realizou-se um workshop
como parte da comissão gostou e aprovou. direcionado a conhecer a didática
proporcionada pelo Lean Board Game, o
Como é o funcionamento/preparação do Lean
mesmo ocorreu recentemente na universidade
Board Game?
PUC – Campus Campinas/SP, com duração
O funcionamento tem como base o PBL – de aproximadamente 3 horas. O workshop foi
Problem Based Learning, que faz a ministrado a um pequeno grupo de pessoas e
transferência de conhecimento através de um orientado pelo Sr. Fábio Schroeder,
case, apresentando um problema. Então colaborador da organização.
propõe-se uma solução e discute-se a
O evento iniciou-se pela apresentação da
mesma, e assim são feitas perguntas, como:
empresa e do jogo, em seguida das peças
“Poderia ser diferente? Poderia ir além?
que compõe o jogo (tabuleiro, dados,
Poderia ter pontos para melhorar? “. Com
catálogos, cartas de Murphy, entre outros), e
base nas respostas levantamos a
na sequência a demonstração do aplicativo
possibilidade de aplicar algumas
Lean Board Game que seria para auxiliar o
metodologias para ir além e construir um
desafio. Posteriormente o Sr. Fábio
cenário futuro diferente daquele proposto pelo
apresentou uma situação problema existente
grupo e embasar uma solução mais enxuta,
em uma empresa fictícia, mostrou a situação
mais produtiva, com base teórica. A
atual da empresa, as dificuldades
preparação é em relação ao professor; ou
enfrentadas, os objetivos a serem alcançados
seja, transferir o conhecimento para o
e os recursos disponíveis, para assim iniciar a
professor, capacitá-lo para que ele possa
parte prática. O desafio começou com a
usar a ferramenta.
proposta da montagem do layout da fábrica
Qual a percepção em relação aos alunos e pelos componentes do grupo, o mesmo foi
docentes? apresentado através de foto, e o objetivo seria
reproduzi-lo de forma fiel ao que estava sendo
Nós sempre distribuímos uma avaliação nos
visto, respeitando medidas de corredores,
cursos que realizamos e nossa média é de 9,5
distância entre máquinas, informações essas
de aprovação dos alunos. Sempre escutamos
passadas pelo orientador, o que proporcionou
comentários como: “enquanto jogava não vi o
uma maior interação do grupo, visto que
tempo passar, não sentimos vontade de
precisou-se trabalhar em equipe para a
mexer no celular, entre outros”. Em relação
montagem. Em seguida, a proposta era
aos professores a avaliação também é
alcançar os objetivos da empresa, que no
positiva, pois os mesmos veem a motivação
case em questão era a otimização de layout
dos alunos em jogar e os comentários de que
atual para a implantação de um novo produto,
com o novo método podem aprender muito
e através da mesma medida conseguir uma
mais, incentivando o educador.
redução de custo considerável para aumento
Existe uma diferença em relação à adesão ao de lucro, resgatando a empresa do “lucro
jogo entre universidades públicas e privadas? negativo” em que se encontrava, tendo como
recurso apenas o espaço disponível na
Sim, hoje 75% dos nossos clientes são
empresa e a mão de obra já existente. Para a
universidades privadas, e 25% universidades
solução dos problemas, foram expostas
públicas.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


155

algumas informações como custo de mão de Acompanhamento (p. 3), que o


obra, custo de estoque, custo de programa/curso deve demonstrar como
manutenções, tempo de ciclo, tempo de resultados, que os graduados tenham
setup, entre outras. capacidade para projetar e conduzir
experimentos, assim como analisar e
O grupo iniciou os trabalhos pensando em
interpretar resultados, capacidade para
conjunto, expondo opiniões, realocando
identificar, formular e resolver problemas de
máquinas, reduzindo estoques e cortando
engenharia, engajamento no processo de
custos, para que o objetivo fosse alcançado.
aprendizagem permanente, capacidade para
Isso de forma “intuitiva”, uma vez que nem
usar técnicas e ferramentas modernas para o
todos do grupo possuíam conhecimentos
exercício da prática da engenharia. Nestes
prévios sobre o assunto. Logo, isso comprova
pontos, o jogo pode ser de grande auxílio,
que o jogo é instrutivo, não necessitando
visto que permite a vivência da “experiência
conhecer o assunto para jogá-lo. Ao término
profissional” antes mesmo da atuação do
do tempo proposto, o grupo apresentou os
estudante no mercado de trabalho, ampliando
resultados obtidos, e assim seguiu-se a
assim suas capacidades de solucionar
segunda parte do desafio, que é resolver os
problemas, envolvendo-o no processo de
problemas com as ferramentas do Lean. Ou
aprendizagem de forma ativa.
seja, o orientador mostra e ensina de forma
muito didática, como solucionar o caso de Outro ponto que se destaca neste documento
uma forma mais consistente, através das é o item Instalações (p.4), que orienta “Salas
ferramentas que seriam utilizadas no cotidiano de aula, laboratórios, biblioteca e demais
profissional, chegando assim a um melhor equipamentos complementares devem ser
resultado do que havia-se obtido utilizando o adequados para cumprir os objetivos do
“instinto”. programa e prover uma atmosfera favorável à
aprendizagem”. Novamente, o Lean Board
Ao término do case, o feedback dos
Game demonstra seu potencial, pelo fato de
componentes do grupo foi satisfatório, e
oferecer um laboratório que fornece esse
mesmo aqueles que não conviviam com as
ambiente para alunos de engenharia de
disciplinas abordadas no jogo foram capazes
produção.
de absorver a dinâmica do método.
O Exame Nacional de Desempenho dos
Estudantes (ENADE), principal avaliação dos
5.3. LEAN BOARD GAME E SUA INFLUÊNCIA cursos de graduação, abrange no
NAS AVALIAÇÕES MEC E ENADE Questionário do Estudante (Portal INEP, 2015)
perguntas como:
Até o presente momento notou-se que, a
metodologia que dispõe o aluno frente a XXIX. As metodologias de ensino utilizadas no
situações problemas enrique o processo de curso desafiaram você a aprofundar
aprender, em virtude de transferir o aluno conhecimentos e desenvolver competências
para o núcleo do processo educativo, reflexivas e críticas?
oferecendo-lhe autonomia. Pode-se constatar
XXX. O curso propiciou experiências de
que o Lean Board Game une dois desses
aprendizagem inovadoras?
métodos, o ABP e os jogos, tornando-o uma
ferramenta poderosa no progresso do XXXII. No curso você teve oportunidade de
conhecimento. aprender a trabalhar em equipe?
Dois dos importantes métodos de avaliação XLVII. O curso favoreceu a articulação do
do ensino superior, MEC e ENADE, citam e conhecimento teórico com atividades
questionam em suas diretrizes e provas, práticas?
respectivamente, assuntos relacionados ao
XLVIII. As atividades práticas foram
aprendizado, o que o jogo estudado é capaz
suficientes para relacionar os conteúdos do
de atender.
curso com a prática, contribuindo para sua
O Ministério da Educação (MEC), órgão que formação profissional?
gere as diretrizes acadêmicas, dispõe de
Mediante a solução de laboratório disponível
diretrizes no que se refere à estrutura dos
no método é possível responde-las. Ao longo
cursos de engenharia. O documento Padrões
do jogo, o aluno se auto desafia através dos
de Qualidade para Cursos de Graduação em
cases, buscando conhecimentos para
Engenharia (Portal MEC) cita em seu tópico
solucionar os problemas. O método se
Resultado do Processo de Formação e seu

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


156

comporta de forma inovadora, por ser estimula e contribui para o desenvolvimento


diferenciado e pouco conhecido nas de uma formação sólida da atividade
universidades. Os usuários são incentivados a profissional.
trabalhar em equipe, uma vez que a resolução
Em síntese, o mecanismo situa o aluno no
dos cases deve ser feita em grupo. A
cerne do processo educativo, dando-lhe
principal dinâmica do LBG é propor situações
autonomia e responsabilidades por meio do
onde o aluno possa aplicar o conhecimento
próprio aprendizado, tornando o ensino
teórico à prática.
desafiador e motivador, tanto para aluno
quanto para docente.
6. CONSIDERAÇÕES FINAIS Embora disponham de benefícios evidentes,
algumas instituições não aderem ao método.
Segundo pesquisa realizada, pode-se
Na entrevista, um dos criadores do jogo cita
observar que o uso de jogos como
que tais motivos podem ter duas vertentes,
metodologia de ensino, detém grandes
financeira ou mudança cultural. Salienta ainda
potencialidades no processo de
que o maior desafio é mudar o método de
aprendizagem, sabendo que, transferem o
ensinar; ou seja, quebrar o paradigma do
conhecimento através da prática. Como visto,
ensino tradicional. É importante ressaltar que,
os impactos da globalização interferem
apesar das resistencias, é notavel o empenho
significativamente no mercado de trabalho,
para melhoria do método tradicional de
que exige profissionais mais qualificados. O
ensino, e este interesse é impressindivel para
meio acadêmico não passa imune a essas
garantir o êxito no uso de novas
transformações, sendo necessário reinventar-
metodologias.
se para acompanhar o progresso de inovação
na mesma proporção. Tendo em vista os aspectos apresentados,
consegue-se atender o objetivo de indicar as
O presente estudo apresentou o Lean Board
potencialidades e benefícios do uso de jogos
Game como uma alternativa para inovar o
no âmbiente acadêmico. Através do
método de ensino, auxiliando na formação de
apresentado, o método mostra-se como uma
profissionais que se alinhem à nova
inovadora ferramenta de ensino,
perspectiva. O mesmo é estruturado com
configurando-se como viável auxílio para
base no método de aprendizagem baseada
formação de profissionais alinhados às
em problemas, ferramenta que através das
exigências da sociedade moderna.
pesquisas realizadas, mostra-se eficaz, uma
vez que sua finalidade é posicionar o aluno Sabendo-se que há muito a se fazer para
frente a situações adversas. equiparar o grau de aprendizagem dos alunos
às exigências do mercado, propõe-se a
Uma condição relevante é a possibilidade de
criação de outros jogos com a mesma
auxiliar as instituições a atender requisitos do
didatica, que abordem variadadas áreas da
MEC quanto a “Resultados de Aprendizado”
engenharia. Recomenda-se pesquisas futuras
que os cursos de engenharia devem oferecer.
acerca do tema, levando em consideração
Além disso, acatar a diretriz “Instalações”
resultados de mudanças dos métodos
referente ao fornecimento de laboratório que
educacionais e assimilação dos docentes, ou
ofereça um ambiente de aprendizado
ainda, estudos que relacionem a visão do
benéfico.
aluno quanto ao método atual, sua percepção
Pode-se mencionar ainda, como iminente em relação às inovações ocorridas no mundo
competência do Lean Board Game, o e seus impactos no meio acadêmico. Sugere-
Workshop vivenciado pelo grupo, que se a busca de informações referentes a
possibilitou ver o jogo em sua forma sensorial. experiências correlatas, considerando o
Notou-se que o método cumpre o objetivo de grande trabalho que se tem pela frente, na
aprender através de situações problemas, questão reinvenção do ensino universitário.
alinhando teoria e prática. Constatou-se que a
Pode-se concluir, baseado em Berbel, “As
absorção do conhecimento é maior quando
verdadeiras inovações são resultantes das
se vivencia um problema e propõe-se a
características, necessidades e imaginação
resolvê-lo efetivamente.
de quem as faz... A mudança é parte do
Outra faceta elementar é o fato do jogo processo educacional. Os métodos vão
assumir situações reais como ponto de melhorando e continuaremos aprendendo.”
“largada” para a aprendizagem, o que (BERBEL apud VENTURELLI, 1998, p. 153).

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


157

REFERÊNCIAS
[1]. ARAÚJO, U. F.; SASTRE, G. (orgs) 2009 [8]. HUIZINGA, J. Homo Ludens: O jogo como
Aprendizagem baseada em problemas no ensino elemento da cultura. 4. Ed. Tradução João Paulo
superior – São Paulo: Summus, 2009. Monteiro. São Paulo: Perspectiva, 1993.
[2]. BARELL, J. Problem-Based Learning. An [9]. LEITE, L.; ESTEVES, E. Ensino orientado
Inquiry Approach. Thousand Oaks: Corwin Press. para a Aprendizagem Baseada na Resolução de
2007. Problemas na Licenciatura em Ensino da Física e
Química. In: Bento Silva e Leandro Almeida (Eds.).
[3]. BERBEL, N. A. N. Metodologia da
Comunicação apresentada no VIII Congresso
Problematização: Experiências com questões no
Galaico-Português de Psicopedagogia. Braga:
ensino superior. Londrina: Eduel, 1998.
CIED - Universidade do Minho, p. 1751-1768, 2005.
[4]. BRASIL. Constituição (1988). Emenda
[10]. LIBÂNEO, J. C. Adeus professor, adeus
Constitucional nº 85, de 26 fevereiro de 2015.
professora? Novas exigências educacionais e
Dispõe sobre estímulos ao desenvolvimento
profissão docente. 13 ed. São Paulo: Cortez, 2011.
científico, à pesquisa, à capacitação científica e
tecnológica e a inovação e altera a Lei n° 10.973, [11]. MANACORDA, M. A. História da
de 2 de dezembro de 2004 e sanciona a Lei ° educação: da Antiguidade aos nossos dias. São
13.243, de 11 de Janeiro de 2016. Diário Oficial da Paulo: Cortez, 1999.
República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 12 jan.
[12]. ROCHA, L. C. Criatividade e Inovação:
2016. Seção 1, p. 8.
como adaptar-se às mudanças. Rio de Janeiro:
[5]. BRASIL. Questionário do Estudante, p.. 6- LTC, 2009.
8 disponível em:
[13]. SAVIANI, D. Escola e democracias: teorias
http://portal.inep.gov.br/questionario-do-estudante
da educação, curvature da vara, onze teses sobre
Acesso em 06 de setembro de 2017.
educação e política. 22 ed. São Paulo: Cortez:
[6]. BRASIL. Ministério da Educação. Padrões Autores Associados, 1989.
de Qualidade para Cursos de Graduação em
[14]. SCHWARTZ, G. Brinco, logo aprendo:
Engenharia, p.. 3-4 disponível em:
educação, videogames e moralidades pós-
http://portal.mec.gov.br/sesu/arquivos/pdf/eng_pad
modernas. São Paulo: Paulus, 2014.
.pdf Acesso em 06 de setembro de 2017.
[15]. SUHR, I. R. F.; SILVA, S. Z. da Relação
[7]. DELISLE, R. Como realizar a
Professor-Aluno-Conhecimento. [livro eletrônico].
Aprendizagem Baseada em Problemas. Porto:
Curitiba Editora Intersaberes, 2012.
ASA, 2000.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


158

Capítulo 16

Gustavo Henrique Correia Rosa Leandro


Karine de Jesus Rodrigues Santana
Rodrigo Pereira Costa
Janice Rodrigues da Silva

Resumo: Este artigo tem como função, observar como uma escola de ensino
profissionalizante do Sudeste Goiano poderia utilizar a ferramenta de produção Just
in time, como estratégia competitiva, explorando a possibilidade de atender as
exigências do mercado e uma melhor experiência para os alunos contratantes do
seu serviço, alcançando assim a liderança do mercado e rentabilidade. Por meio de
um estudo de caso, que gerou visitas e questionários com os funcionários da
instituição e uma abordagem qualitativa de pesquisa documental de fontes
secundárias. Analisou-se, no estudo que é de suma importância para a Escola X, a
implementação das hipóteses propostas, como forma estratégia competitiva,
explorando a possibilidade de atender as exigências e uma melhor experiência
para os alunos contratantes do seu serviço, alcançando assim a liderança do
mercado e rentabilidade. A partir da ativação desta ferramenta o estoque será
melhor administrado, aumentando a eficiência produtiva, diminuindo o tempo
ocioso de máquina e tornando mais claros os erros existentes dentro da unidade.

Palavras chave: Just in Time, Estoque, Produção.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


159

1. INTRODUÇÃO A problemática deste artigo é voltada para a


aplicação da ferramenta de produção Just in
Nota-se no atual segmento da indústria uma
time como técnica competitiva e
crescente na competitividade, reunido a
administrativa da produção em uma escola de
diversos fatores, sejam eles internos ou
ensino profissionalizante no Sudeste Goiano.
externos que exercem influência nas
organizações. Dentre os mais influentes O objetivo geral deste estudo é observar
fatores que interferem no trabalho como uma escola de ensino profissionalizante
organizacional, destacam-se o controle do poderia utilizar a ferramenta de produção Just
estoque e da demanda, onde existe a in time como estratégia competitiva,
necessidade de material para produção e explorando a possibilidade de atender as
também da adaptação de acordo com o que exigências e uma melhor experiência para os
o comércio exige. alunos contratantes do seu serviço,
alcançando assim a liderança do mercado e
Porém o estoque excessivo, por vezes, vem a
rentabilidade. Para tal fim, este artigo é
prejudicar o controle de gastos, pois se o
qualificado como pesquisa descritiva e
mercado sofrer mudanças repentinas, a
qualitativa, uma vez que aconteceu uma
empresa ainda terá produtos que serão
investigação bibliográfica e que foi
ultrapassados e ficarão estocados em seus
estabelecida a teoria sobre a ferramenta.
depósitos. Também deve-se levar em conta
que as matérias-primas podem conter data de Em síntese, realizou-se visitas técnicas
validade, que ao serem ultrapassadas, devem regulares a empresa pretendendo analisar as
ser imediatamente extraviadas pela equipe de técnicas e ferramentas utilizadas pela Escola
gerenciamento de estoque, evitando com que X, possibilitando assim uma análise para a
a qualidade dos produtos seja reduzida ou implantação do Just in time na instituição.
até mesmo perdida, entregando assim um
produto final de qualidade para o mercado
consumidor. 2 REFERENCIAL TEÓRICO
Juntamente com este enorme grau de 2.1 JUST IN TIME (JIT)
competitividade, gera-se a necessidade de
A principal característica da filosofia Just in
ser diferenciar das demais empresas, seja
time, é a produção “puxada”, ao longo do
destacando-se pela geração de lucro que
processo. Sendo assim o material solicitado
sucessivamente permite um maior
apenas quando houver a necessidade de sua
investimento em outras áreas da organização,
utilização, pelas linhas de produção.
ou ao mesmo tempo, um aumento da
Enquanto oposto a essa filosofia a produção
capacidade produtiva que finalmente
“empurrada” acumula estoques e custos,
possibilita a ascensão da empresa no
perdendo dinheiro e espaço, além de
ambiente econômico.
provocar a desmotivação dos clientes
Lembre-se que uma formatação correta é internos.
essencial para uma boa avaliação do seu
De acordo com Santos (2014, et. al.,
trabalho. Artigos fora da formatação serão
MARTINS, 1998, p. 3)
retirados do processo de avaliação.
O sistema Just in time, foi desenvolvido na
O presente artigo tem como função a análise
Toyota Motor Company, no Japão, pelo srº
da ferramenta de produção Just in time um
Taiichi Ono. Pode-se dizer que a técnica foi
estudo de caso que foi feito em uma escola
desenvolvida para combater o desperdício.
de ensino profissionalizante do Sudeste
Posteriormente o conceito de Just in time se
Goiano. No estudo será apresentado o
expandiu, e hoje é mais uma filosofia
conceito da ferramenta em questão. Esta é
gerencial, que procura não apenas eliminar os
utilizada, entre outras, para a administração
desperdícios, mas também colocar o
estratégica do estoque com foco na redução
componente certo, no lugar certo e na hora
do desperdício e adaptabilidade dos
certa.
materiais armazenados, onde
consequentemente percebe-se um aumento Castiglioni (2012, p. 145) descreve Just in
do lucro da empresa. Nota-se que a utilização Time como [...] “um sistema de produção cuja
desta ferramenta atualmente é considerada ideia principal é fabricar produtos na
um fator importante no crescimento e quantidade necessária, no momento exato em
desenvolvimento organizacional da empresa. que o item é requisitado.” Um significado mais
simplificado desta ferramenta é: “Produz-se o

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


160

que for necessário, quando for necessário e O sistema JIT visa otimizar os processos e
apenas o necessário. (CASTIGLIONI 2012, p. procedimentos por meio da redução continua
145). de desperdícios, que devem ser analisados e
ponderados porque estão inter-relacionados e
Para Slack (2002, p. 482),
são facilmente encobertos pela complexidade
O Just in time significa produzir bens e de uma grande organização. (CASTIGLIONI
serviços exatamente no momento em que os 2012, p. 146)
bens são necessários – não antes para que
Afirma Castiglioni (2012, p. 146) que o foco da
não forme estoques, e não depois para que
ferramenta
seus clientes não tenham que esperar.
[...] tem como principal objetivo a melhoria
Slack (2002, p. 482), afirmam que em uma
continua do processo produtivo. A busca
definição mais completa está ferramenta é:
desses objetivos acontece por meio de um
[...] uma abordagem disciplinada, que visa mecanismo de redução dos estoques, os
aprimorar a produtividade global e eliminar os quais são utilizados para evitar
desperdícios. Ele possibilita a produção descontinuidade no processo produtivo.
eficaz em termos de custo, assim como o
Segundo Paoleschi (2012, p. 153) para que o
fornecimento apenas da quantidade correta,
Just in Time funcione completamente “É
no momento e locais corretos, utilizando o
preciso treinar constantemente e investir
mínimo de instalações, equipamentos,
pesado na qualificação e na capacitação dos
materiais e recursos humanos.
funcionários, tornando-os aptos a
“Essa filosofia inclui aspectos ligados à desempenhar diversas funções no processo
administração de matérias, gestão da produtivo sem necessidade de
qualidade, arranjo físico, projeto do produto, acompanhamento.”
organização do trabalho e gestão de
Segundo Chang (2008, p. 38):
pessoas” (PAOLESCHI 2012, p. 153).
A ferramenta Just in Time “visa atender a
Já conforme Slack (1999, p. 355), em um
demanda rapidamente com qualidade e sem
aspecto mais sucinto:
perdas. Ela possibilita a produção eficaz em
Em seu aspecto mais básico, pode se tomar o termos de custo, assim como o fornecimento
conceito literal do JIT – o JIT significa produzir da quantidade necessária de componentes,
bens e serviços exatamente no momento em no momento e em locais corretos, utilizando o
que são necessários – não antes para que mínimo de recursos.
não se transformem em estoque, e não depois
Afirma Chang (2008, p. 38) representado no
para que seus clientes não tenham que
Quadro 1 que o Just in time requer os
esperar. Além desse elemento temporal do
seguintes princípios para sua perfeita atuação
JIT, podemos adicionar as necessidades de
dentro de uma empresa:
qualidade e eficiência.

Tabela 01 - Princípios do Just in time


Princípios Características
Deve ser alta porque distúrbios na produção por erros de qualidade
Qualidade
reduzirão o fluxo de materiais
Essencial em caso de se pretender atender à demanda dos clientes
Velocidade diretamente conectados com a produção, em vez de por meios de
estoque
Confiabilidade Pré-requisito para se ter um fluxo rápido de produção
Importante para que se consiga produzir em lotes pequenos, atingir
Flexibilidade
fluxo rápido e lead time curtos
Essencial comprometimento entre fornecedor e comprador de modo
que o cliente receba sua mercadoria no prazo e local determinado
Compromisso
sem que haja qualquer tipo de problema em seu processo de entrada
de mercadorias para venda
Fonte: CHANG (2008, p. 38)

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


161

Chang (2008, p. 39) diz que, no Just in Time: gerencial de controle da produção por meio
de cartões.” (CASTIGLIONI 2012, p. 157). Já
O produto é solicitado quando necessário, e o
conforme Slack, Chambers e Johnston (2002,
material é movimentado para produção
p. 494) “o controle Kanban é um método de
quando e onde é necessário. É um sistema de
operacionalizar o sistema de planejamento e
produção ligado a make to order (sob
controle puxado.” Sendo controle ou
encomenda). O planejamento é realizado em
produção puxada uma técnica onde a
direção para trás e puxado pelo cliente e não
demanda criada pelo cliente é o começo da
realizado em direção para a frente e
produção, dessa forma cada parte do
empurrado para o acumulo de estoque.
processo “puxa” as peças do processo
Para Slack (1999, p. 356), no Just in Time: anterior, evitando o acúmulo de estoque.
A abordagem tradicional assume que cada Paoleschi (2012, p. 154-155) diz que Kanban
estágio no processo de manufatura envia os é
componentes que produz para um estoque, o
Uma ferramenta do JIT que significa cartão no
qual “isola” aquele estágio do próximo estágio
sentido de avisar, mandar fazer, cobrar.
do processo. Este próximo estágio irá
Utilizada para controlar células de fabricação,
(eventualmente) suprir-se dos componentes
estoques no almoxarifado, reposição de
desse estoque, processá-los e enviá-los para
produtos acabados para venda etc. Isso
o próximo estoque isolador. [...] Este estoque
significa não produzir antes para não formar
faz com que cada estágio seja independente,
estoques e onerar os custos, nem depois
de modo que, por exemplo, se o estágio A
deixando o cliente insatisfeito, perdendo
interrompe sua produção por alguma razão,
faturamento e oportunidade de melhorar o
[...] o estágio B deve continuar trabalhando,
fluxo de caixa. Portanto, “JIT visa atender à
ao menos por algum tempo.
demanda instantaneamente com qualidade
Chang (2008, p. 39) afirma, perfeita e sem desperdícios”.
Just in time é uma atividade de valor Como dito por Slack (1999, p. 368) “Kanban é
agregado para a organização à medida que: a palavra japonesa para cartão ou sinal. Ele é
identifica e ataca os problemas fundamentais algumas vezes chamado de ‘correia invisível’,
e gargalos, elimina perda e desperdícios, que controla a transferência de material de
elimina processos complexos e implementa um estágio a outra da operação.”
sistemas e procedimentos.
Para Castiglioni (2012, p. 157)
Outra possível definição para esta ferramenta
Trata-se de uma técnica de gestão de
é: “O JIT visa atender à demanda
matérias no momento exato (Just In Time),
instantaneamente, com qualidade perfeita e
controlado pelo movimento do cartão
sem desperdícios.” (SLACK, 2002, p. 482).
(Kanban). O sistema Kanban é um método de
Finalizando, em uma visão mais ampla do Just puxar as necessidades de produtos
in Time, segundo Castiglioni (2012, p. 145), acabados e, portanto, é oposto aos sistemas
está ferramenta: de produção tradicionais. É um sistema
simples, de autocontrole fabril, independente
É muito mais do que uma técnica ou um
de gestões paralelas e controles
conjunto de técnicas de administração, sendo
computacionais.
considerado uma completa “filosofia”, a qual
inclui aspectos de administração de matérias, Paoleschi (2012, p. 155) afirma que “Podemos
gestão da qualidade, arranjo físico, projeto do usar o Kanban para programar e controlar
produto, organização do trabalho e gestão de células de produção de produtos fabricados
recursos humanos. repetitivamente.”
2.2 Estoques Apesar de existirem diferentes tipos de
Kanban, afirma Slack (1999, p. 368-369) que:
Grande parte do Just in Time gira em torno do
controle e movimentação do estoque ao redor Qualquer que seja o tipo de kanban utilizado,
da empresa. Segundo Slack (1999, p. 278) o princípio é sempre o mesmo; isto é, o
“Estoque é definido aqui como a acumulação recebimento de um kanban dispara o
armazenada de recursos materiais em um transporte, a produção ou o fornecimento de
sistema de transformação.” uma unidade ou de um contenedor-padrão de
unidades. [...] Os kanbans são apenas meios
Dentro do JIT utiliza-se de um sistema
chamado Kanban, que é “[...] uma ferramenta

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


162

através dos quais o transporte, a produção ou fenômeno como também suas essências,
o fornecimento podem ser autorizados. procurando explicar sua origem, relações e
mudanças, e tentando intuir as
De acordo com Castiglioni (2012, p. 158-159)
consequências.
as principais vantagens de um sistema de
controle da produção por meio do Kanban Martins (2017, p. 21. Et al GIL, 2007) comenta
podem ser identificadas como: que “A pesquisa é descritiva em relação aos
objetivos pretendidos quando tem por
a) Eliminação do estoque de material em
finalidade descrever as características de
processo;
uma população, de um dado fenômeno ou de
b) Os setores produtivos são mais bem uma experiência.” O observador deve
aproveitados, resultando em maior descrever e classificar seu objeto de estudo
capacidade total das linhas produtiOs tempos através de técnicas padronizadas sem que
de obtenção [...] são reduzidos, quer em itens ele se intrometa no mesmo. Ou seja, é banido
individuais ou em termos de produto final. ao investigador alterar a situação ou omitir
Assim sendo, é possível antecipar os prazos dados.
de entrega.;
Assim, a pesquisa descritiva procura
c) Como se trabalha em um sistema de relacionar variáveis umas com as outras,
produção árduo, o nível de existência de como quantidade, classificação e ou medida.
produtos finais pode ser reduzido ou até Após, busca-se comparar os dados com
mesmo deixar de existir. É preciso lembrar indicadores ou com ponto de vista de
que o cliente é quem determina o ritmo de especialistas para uniformizar técnicas ou
produção, portanto se todo o sistema autenticar o conteúdo. (Martins, 2017. Et al
funcionar corretamente, quando o produto THOMAS, 2012)
estiver terminado, basta entregá-lo, não
O artigo se encaixa na categoria de um
necessitando permanecer em armazém à
estudo de caso de cunho qualitativo pois
espera de entrega.
ressalta a evidenciação de ideias para facilitar
Paoleschi (2012, p. 155) comenta que “é a criação de hipóteses. Foi feito um
necessário identificar com clareza a célula, as levantamento de dados bibliográficos para
embalagens, os equipamentos, e até o que houvesse conhecimento suficiente sobre
uniforme de seus funcionários” para que haja o assunto, o que possibilitou a análise do
completa coordenação na produção, e ambiente e de seu funcionamento de forma
também comenta que “é necessário treinar o crítica.
pessoal envolvido para que conheçam as
Além disso, foi realizada uma visita a Escola X
responsabilidades e a importância de cada
onde o responsável pela aquisição e
um no sistema”. (PAOLESCHI 2012, p. 155).
estocagem de materiais foi questionado sobre
o funcionamento da mesma. No mesmo plano,
a coleta de dados foi feita a partir de uma
3 METODOLOGIA
análise dos ambientes em conjunto com
Com relação à abordagem do problema, busca nos arquivos da escola para a
trata-se de uma pesquisa qualitativa, tendo aplicação do projeto, possibilitando a
em vista a coleta de dados sobre Just in Time percepção dos pontos a serem melhorados
na Escola X. dentro de parte da instituição.
O conceito de pesquisa qualitativa envolve Com essa análise, as informações obtidas
cinco características básicas que configuram viabilizaram a criação de hipóteses coerentes
este tipo de estudo: ambiente natural, dados e coesas para a resolução dos problemas
descritivos, preocupação com o processo, encontrados dentro da Escola X.
preocupação com o significado e processo
Yin (2001, p. 32.) afirma que um estudo de
de análise indutivo. (BOGDAN & BIKLEN
caso é uma investigação baseada na
2003, P. 148).
experiência que averigua um evento moderno
Segundo Triviños (1987), a abordagem de dentro de suas circunstancias e que os limites
cunho qualitativo trabalha os dados buscando desse evento e das circunstancias não são
seu significado, tendo como base a fixos. O método de estudo de caso é utilizado
percepção do fenômeno dentro do seu quando se deseja lidar com contextos
contexto. O uso da descrição qualitativa específicos e considerar esses contextos
procura captar não só a aparência do altamente relevantes ao objeto de estudo.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


163

Arilda (1995, p. 25) diz que a aplicação do aprendizagem básico e técnico, qualificação
estudo de caso é analisar intensivamente um e aperfeiçoamento profissional e habilitação
dado setor social, que no caso é a Escola X. técnica. Outra modalidade de atendimento
Pode-se ressaltar também que essa pesquisa são os serviços de assessoria e assistência
aconselha a evidenciação de ideias para técnica e tecnológica que auxiliam no
facilitar a criação de conjecturas. desenvolvimento de produtos, na absorção de
novas tecnologias, melhoria da qualidade e
“A principal tendência em todos os tipos de
da produtividade das linhas de produção.
estudo de caso, é que ela tenta esclarecer
uma decisão ou um conjunto de decisões: o A empresa apresenta características que a
motivo pelo qual foram tomadas, como foram diferencia da demais escolas do mercado, tal
implementadas e com quais resultados.” (Yin, como, métodos de ensino dinâmico,
2001, p. 31. Et al Schramm, 1971). modernos laboratórios, recursos didáticos
com materiais multimídia, e também a alta
Martins (2017, p. 24. Et al GIL, 2007) conta
qualificação de seus funcionários e docentes,
que estudo de caso relaciona-se a um tipo de
além de promover a educação profissional
pesquisa bem distinta, pois se resume a um
com diversificados eventos e também emite
estudo intrínseco de um único ou de poucos
certificados reconhecidos pelo ministério de
objetos, permitindo alcançar um
educação e reconhecidos mundialmente.
conhecimento bastante detalhado, porém,
seus frutos não podem ser considerados
genéricos, são específicos ao estudo em
4.2 OBJETO ESPECÍFICO DE ANÁLISE
caso.
Para possibilitar um estudo mais profundo
Dessa forma, o estudo de caso não é apenas
sobre o tema decidiu-se dar foco na área
uma tática para coleta de dados nem do
específica da metalmecânica, onde acontece
planejamento sem si, como é confundido, mas
parte dos processos de fabricação na
sim uma estratégia de pesquisa abrangente,
instituição paralelamente com as aulas
incluindo casos únicos ou casos múltiplos.
práticas realizadas pelos estudantes. Neste
(Yin, 2001, p. 33.)
ambiente encontram-se máquinas operatrizes
Triviños (1987, p. 111) diz que quando se tem como, tornos, fresadoras e retíficas, todas as
um estudo de caso, os resultados são quais necessitam de materiais, como por
notáveis só para aquele caso em específico. exemplo, corpos de usinagem em aço,
Não pode-se utilizar os frutos da pesquisa em bronze, alumínio, polímeros, ferramentas de
um restaurante, por exemplo, a outros corte, óleos lubrificantes, líquidos
restaurantes. Apesar de parecer uma falha, é refrigerantes, lixas metálicas, instrumentos de
a grande especialidade do estudo de caso: medição como paquímetros, micrômetros,
proporcionar o conhecimento profundo de um goniômetros, escalas, níveis etc. Também
fato determinado onde as conclusões existem ferramentas para manutenção em
atingidas proporcionam o espaço para geral, tal como alicates, limas e chaves dos
formulação de hipóteses para encaminhar mais diversos tipos. Isso tudo para uma
outras apurações. melhor simulação de um cotidiano de trabalho
empresarial, o que gera um melhor
aprendizado do estudante e faz com que ele
4 RESULTADOS E DISCUSSÕES consiga chegar na sua vaga de emprego com
um diferencial de mercado por ter estudado
4.1 EMPRESA OBJETO DO ESTUDO
na instituição.
Para a estruturação deste estudo de caso foi
feita uma pesquisa de campo em uma escola
de educação profissional do Sudeste Goiano, 4.3 PROCESSO DE REQUISIÇÃO DE
que será nomeada como Escola X. A MATERIAIS
empresa oferece seus serviços há 29 anos,
A coleta de dados realizada a partir da visita
fundada a partir da parceria entre, prefeitura e
na Escola X, juntamente com um
empresas regionais e multinacionais
questionamento ao funcionário responsável
presentes na cidade, como indústrias
pela requisição e aquisição dos materiais
automobilísticas, mineradoras, montadoras,
utilizados na área de metalmecânica,
da área da agricultura e outras inúmeras
denominado como Técnico de Laboratório. No
áreas de atuação. Atualmente, a escola
mesmo plano, foi feito um reconhecimento da
oferece educação profissional nos níveis de
área de estudo, possibilitando uma

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


164

verificação exata do que ocorre dentro da alguns acabam desistindo do curso, o que
instituição. Gerando um estudo de caso sem deixa os materiais sem uso momentâneo.
omissão, expondo a realidade.
Visto que essa situação ocasiona em diversas
Dentro da Escola X o processo de aquisição complicações, uma forma de amenizá-la é
de um material é feito a partir do processo de vista como necessária pela Escola X. Uma
licitação, que ocorre semestralmente. O possível hipótese é a aquisição mensal, uma
pedido é realizado de acordo com as vez que esporadicamente, quando existe a
necessidades dos cursos, que é calculada necessidade, se consegue fazer pedido em
através de um levantamento que é feito a um intervalo entre o primeiro e o décimo dia,
partir da quantidade de aulas práticas com valores que não ultrapassem três mil
juntamente aos professores. Sendo que neste reais, diminuindo assim a chance de
processo são necessárias toneladas de desperdício imediato de material, sendo que a
burocracia, porque a maioria das compras quantidade de material por aluno será melhor
ultrapassa o valor máximo de aquisição controlada. Simultaneamente, parcerias com
independente da instituição, o que cria a fornecedores confiáveis é uma boa opção
necessidade de que haja uma licitação para a para que a compra seja facilitada e a entrega
sede principal, sendo que todas as escolas garantida no tempo correto. Além de que
do estado passam pelo mesmo procedimento devido à complexidade de uma grande
de compra, a qual tem que fazer um organização nacional, torna-se complicado
orçamento levando em conta no mínimo três ver pequenas falhas em tão diversos
fornecedores de materiais. Isso acaba processos, e com a redução dos estoques é
dificultando e atrasando a obtenção dos facilitada a percepção de tais imprecisões.
materiais necessários, visto que as vezes os Como por exemplo, se o número de quebra
produtos não chegam a tempo para o de ferramentas tiver um ápice, a mesma será
semestre, podendo demorar até mais de seis perceptível, pois a quantidade de materiais
meses após o pedido. está reduzida. Isso é perceptível através da
analogia do lago que demostra por meio de
Essa lentidão no processo acarreta diversas
um barco a produção, que veleja por um rio
problemáticas, como a falta de previsão de
que é comparado com o controle do estoque
chegada dos produtos, e quando finalmente
e as pedras como falhas ou problemas.
chegam, podem não ser mais necessárias.
Sendo assim, a grande quantidade de
Pelo fato da maioria das compras serem
estoque acoberta as falhas existentes na linha
semestrais, os produtos vêm em massa, o que
de produção, fazendo metáfora com um
gera enormes estoques, uma vez que os
barco que não consegue ver as pedras
mesmos são adquiridos de acordo com a
submergidas pela água do lago.
demanda de alunos inicias e, as vezes,

Figura 9 - Analogia do Lago

4.4 ESTOQUE guardado material de usinagem, solda,


manutenção e equipamento de proteção
Os estoques de consumo, em sua maioria,
individual. Os principais produtos comprados
são armazenados em um galpão, onde é
são barras de aço 1020 de diâmetro de ½ até

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


165

3 polegadas, ferramentas soldadas para armazenados dentro da oficina de


desbaste interno, externo e rasgo, óleos metalomecânica, como por exemplo, em um
lubrificantes em geral, máscaras de solda, armário. Sendo assim, quando houvesse
máscaras respiratórias, consumíveis, como necessidade de uma ferramenta Y, seria
por exemplo, eletrodo revestido, arame de colocado um cartão Kanban especifico no
solda, chapas de metal, equipamentos de local em que o consumível fica armazenado,
proteção individual, ferramentas e kits em um espaço pré-designado. Existiria uma
didáticos de manutenção, aparato de pessoa designada para cuidar do transporte
etiquetação e limpeza. de materiais entre o almoxarifado e a área de
processos, agilizando todo a produção, a qual
Dentro deste contexto é necessário perceber
se atentaria a quantidade mínima e máxima
que existe uma grande distância entre este
que o armário deve conter, possibilitando um
galpão e a área de processamento de
disponibilidade continua. Assim, além de
materiais, o que dificulta o transporte de
haver mais organização nas áreas de
materiais e ferramentas aumentando o tempo
trabalho, pois não existiria acúmulo de
de máquina parada. Apesar de que na Escola
material, seria muito mais fácil controlar o que
X ter sido adquirido um carrinho de
entra e o que sai do armazenamento, pois
transporte, pelo fato das barras de aço serem
somente uma pessoa irá administrar todo o
relativamente extensas, elas são
estoque. O kanban a seguir é o que poderá
transportadas manualmente, por alunos e
ser utilizado para as funções de transferência
instrutores, o que gera outra problemática,
de materiais, o qual contém os dados de
porque para chegar até a oficina, é
identificação de cada material, onde ele é
necessário se deslocar pelo pátio principal, o
armazenado e para onde ele deve ser
que pode gerar transtornos para os
transportado. Além disso apresenta o número,
frequentadores da instituição.
nome, quantidade, responsável, fornecedor e
Em frente desta circunstância, uma forma de outros.
atenuar esta inconveniência é necessária.
Uma suposição é um dos pilares do Just in
Time, a diminuição da distância entre o 4.6 ORGANIZAÇÃO
armazenamento e a produção, sendo assim, a
Dentro do método atual de estoque de
criação de um almoxarifado próximo a linha
materiais consumíveis, a desorganização é
de produção é recomendável, diminuindo o
um ponto que afeta o desenvolvimento ideal
tempo ocioso de máquina e os transtornos
da produção. Uns dos maiores empecilhos é
ocasionados pelo transporte.
a procura de materiais, devido a forma que
são depositados, sendo que não há nada
para particionar, classificar ou dar nome para
4.5 CONTROLE
os equipamentos. Sendo assim, grandes
Devido a irregularidade de entregas e a falta parcelas de tempo podem ser perdidas na
de controle que o Técnico de Laboratório tem hora de procurar algo no depósito,
sobre a movimentação de material, ocorre o aumentando assim o tempo de máquina
uso deliberado de equipamentos que parada e proporcionando um ensino de
poderiam ter função prévia. Além disso, no menor qualidade aos contratantes do serviço
armazém do galpão não existe nenhuma na Escola X. No mesmo plano, não existem
identificação nos materiais, o que pode gerar suportes e prateleiras ideais para cada
transtornos em relação ao uso das matérias- material, sendo em sua maioria
primas, uma vez que o material de improvisações, podendo levar a danificação
determinada aula pode ser desviado de sua dos materiais guardados.
função.
A partir destas afirmações, uma maneira de
Dito isso, um prognóstico para conseguir minuir esta situação é necessária. A partir do
mitigar essa demanda é preciso. A aplicação almoxarifado citado anteriormente, mais
da ferramenta Kanban conseguirá organizar e próximo da área de produção, e da compra
proporcionar menos transtornos frente a ou fabricação de novos suportes para as
necessidade de transporte de materiais e de barras de metal, tanto quanto prateleiras para
sua regulagem. Seriam criados cartões a disposição correta dos materiais,
específicos para o transporte de cada proporcionando segurança. Além disso a
material ou ferramenta necessárias, os quais organização seria feita através de etiquetas
ficariam dispostos no local no qual são que dariam nome para o local destinado aos

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


166

objetos específicos, que deveriam estar ferramenta o estoque será melhor


separados segundo suas funções, seja administrado, aumentando a eficiência
tornearia, solda, fresagem ou equipamentos produtiva, diminuindo o tempo ocioso de
de proteção individual, diminuindo assim o máquina e tornando mais claros os erros
tempo de procura dos materiais e facilitando a existentes dentro da unidade.
procura dos mesmos.
Sendo assim os nossos objetivos foram
atendidos, pois foi possível observar e
analisar como a ferramenta Just in Time pode
5. CONSIDERAÇÕES FINAIS
ser utilizada para uma melhora significativa da
No estudo de caso da Escola X, é de enorme administração da produção e
importância a implementação das hipóteses consequentemente do estoque. Isso
propostas, como forma estratégia competitiva, possibilitou a melhora de diversos pontos que
explorando a possibilidade de atender as deixam a desejar dentro da Escola X.
exigências e uma melhor experiência Finalizando é possível perceber que tal
para os alunos contratantes do seu serviço, ferramenta faz jus a sua fama, pois possibilita
alcançando assim a liderança do mercado e diversas melhorias para a instituição que
rentabilidade. A partir da ativação desta optar por sua utilização.

REFERÊNCIAS
[1]. BOGDAN, R. S.; BIKEN, S. Investigação [8]. PAOLESCHI, Bruno. Logística Industrial
qualitativa em educação: uma introdução à teoria e Integrada: Do Planejamento, Produção, Custo e
aos métodos. 12.ed. Porto: Porto, 2003. Qualidade à Satisfação do Cliente. 3. ed. São
Paulo: Érica, 2011. 264 p.
[2]. CASTIGLIONI, José. Logística
operacional: Guia Prático. 2. ed. São Paulo: Érica, [9]. SANTOS, Valerio. A FILOSOFIA JUST IN
2009. 218 p. TIME COMO OTIMIZAÇÃO DO MÉTODO DE
PRODUÇÃO. 2014. 13 p.
[3]. CHING, Hong Y. Gestão de Estoques na
Cadeia Logística Integrada – Supply Chain. 3. ed. [10]. SLACK, Nigel; CHAMBERS, Stuart;
São Paulo: Atlas, 2008. 220 p. HARLAND, Christine; HARRISON, Alan;
JOHNSTON, Robert. Administração da Produção:
[4]. GODOY, Arilda S. Pesquisa qualitativa
Edição compacta. 1. ed. São Paulo: Atlas, 1999.
tipos fundamentais. Revista de Administração de
526 p.
Empresas, São Paulo, v. 35, n. 3, p 20-29. Mai./Jun.
1995. [11]. SLACK, Nigel; CHAMBERS, Stuart;
JOHNSTON, Robert. Administração da Produção.
[5]. https://civilizacaoengenheira.wordpress.co
2. ed. São Paulo: Atlas, 2002. 747 p.
m/2015/09/29/lean-construction-historia-rincipios-e-
exemplos. Acesso em Set/2017 [12]. TRIVIÑOS, Augusto N. S., Introdução à
pesquisa em ciências sociais: a pesquisa
[6]. http://www.ebah.com.br/content/ABAAAej
qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.
UQAC/curso-votorantim-metais-programacao-
planejamento-controle-manutencao-parte-01-04. [13]. YIN, Robert K. Estudo de Caso:
Acesso em Set/2017 Planejamento e Métodos. 2. ed. Porto Alegre:
Bookman, 2001. 205 p.
[7]. MARTINS, Júlio. Metodologia da pesquisa
científica. 1. ed. Editora Dowbis, 2017. 81 p.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


167

Capítulo 17

Fernanda Santos Lima


Evaldo Cesar Cavalcante Rodrigues
Roberto Bernardo da Silva
Glaucemária da Silva Rodrigues
Ronan Cruz Amoras

Resumo: O presente trabalho tem por objetivo estabelecer uma análise resultante
da realização de estudo de caso em uma empresa de grande porte atuante no
mercado de seguros brasileiro desde 1973. Com o intuito de examinar o ciclo de
produção de serviços da organização, foi realizada uma pesquisa de caráter
descritivo, por meio de estudo de caso bem como uma breve revisão de literatura –
tendo em vista a apresentação de algumas das principais variáveis do estudo –
realização de entrevistas semiestruturadas e observação formal do ambiente. Pode-
se observar que apesar de a organização analisada demonstrar que – em linhas
gerais – opera de modo eficiente, existe a necessidade de implementação de
melhorias no processo no que tange ao transporte de documentos e contratos à
unidade de destino – Seguradora – cuja finalidade principal se remete à tentativa
em se evitar atrasos no processo de emissão – devido à extrapolação do tempo –
que converge em ônus tanto para a empresa quanto para o cliente.

Palavras chave: Administração da Produção; Seguros; Seguradora; Desempenho


Organizacional; Produtividade.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


168

1. INTRODUÇÃO de modo que este participa – ainda que de


forma passiva – de seu processo de criação.
Apesar de o presente momento ser marcado
Para uma distinção entre bens e serviços,
por forte instabilidade econômica atribuída à
Slack et al. (2006) afirma a necessidade de
crise, o mercado de seguros continua
avaliação de cinco características básicas –
apresentando – ainda que em passos curtos –
tangibilidade, estocabilidade,
crescimento no cenário brasileiro. Este é o
transportabilidade, simultaneidade e contato
resultado de uma mudança de visão do
com o consumidor.
brasileiro com relação à forma de lidar com
possibilidades de perda – está mais avesso Kotler e Armstrong (1998) reforçam esta
ao risco. assertiva ao relacionar o conceito de serviço a
atividades que possuem como característica
Magalhães da Silva et al. (2003) afirmam que
principal a intangibilidade, de modo que, uma
o mercado de seguros brasileiro possui ampla
parte oferece a outra uma espécie de
capacidade de crescimento. Além disso,
aquisição sem de fato resultar na posse de
caracterizam a indústria de seguros como um
um bem. Isso significa que a prestação de
modo de investimento em que o investidor
serviço pode ou não estar associada a um
apresenta características de investimento de
produto físico. Desse modo, os serviços são
longo prazo. Segundo Contador et al. (2000),
também intangíveis, inseparáveis, variáveis e
a concorrência permanece em constante
perecíveis.
transformação, já que as mudanças ocorridas
no mercado impactam diretamente no modo Mello e Salgado (2005) exemplificam que, no
como as empresas do setor definem sua caso de uma empresa prestadora de
atuação, de modo que as organizações serviços, a atuação do funcionário se reflete
possuem uma necessidade de constante na manutenção de um contato direto com o
aperfeiçoamento em seus modelos cliente – já que este é responsável pelo
gerenciais. processo de atendimento, venda, e em alguns
casos, pós-venda – em caso de problemas
Nesse aspecto, a Administração da Produção
posteriores a aquisição - chamada linha de
tem por objeto apreender a despeito de como
frente.
são produzidos bens e serviços em uma
organização – do momento em que há Já a retaguarda – partindo-se do pressuposto
entrada de insumos na planta produtiva até o da existência de uma linha de visibilidade – se
momento em que há entrega do produto ao refere às operações que não se colocam em
consumidor final. Slack et al. (2006) afirma contato direto com o cliente. Um exemplo
que a produção está associada a um conjunto prático no processo de venda de um seguro
de recursos utilizados para a transformação refere-se aos processos burocráticos
de algo ou, que sofrem transformação de relacionados ao encaminhamento de
modo a convertê-los em bens/ serviços. Para documentos do contratante e proposta para a
que uma organização opere de maneira seguradora, que tem um prazo para aprová-la
eficiente e traduza ao cliente uma boa ou não. Esse processo não está visível ao
prestação de serviços e oferta de produtos, é cliente, sendo, portanto, uma operação de
necessário que estes conceitos estejam retaguarda.
alinhados pelo setor de produção.
O objetivo desta pesquisa está pautado na
2.1. RESISTÊNCIA À MUDANÇA
análise do processo de produção de serviços
de uma empresa do ramo securitário, tendo Segundo Oliveira (2010, p. 447), as mudanças
em vista a identificação de possíveis falhas organizacionais podem causar efeitos sobre
organização com o intuito de melhor atender as pessoas, mas essas mudanças muitas
ao consumidor. vezes não chegam a provocar o real efeito
sobre as pessoas, o que acontece é que a
expectativa desse efeito ocasiona a
2. ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO resistência.
Mello e Salgado (2005) afirmam que todo Alguns efeitos que podem ocasionar a
produto/serviço antes de ser entregue ao resistência às mudanças são os efeitos
cliente necessita antes de um processo para econômicos, organizacionais ou sociais, que
sua elaboração. De acordo com Gianesi & podem ser de características pessoais ou do
Corrêa (1996), a definição de serviços estaria grau de poder do indivíduo (OLIVEIRA, 2010,
associada à questão da vivência do usuário, p.447).

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


169

Chiavenato (2003, p. 376) mostra que existem eles possam aceitar as mudanças,
forças que impulsionam a mudança entendendo que é necessário mudar, pois a
organizacional, e forças que levam a mudança seja ela no âmbito pessoal ou
resistência dessas mudanças, e que essas profissional faz parte da vida de todos.
foças devem ser analisadas com o objetivo de
Segundo Chiavenato (1998, p. 245), antes de
remover ou neutralizar as forças que impedem
pretender fazer qualquer tipo de mudança
e incentivar as que impulsionam.
deve-se preparar as pessoas, mudar a
De acordo com Campos (1998, p.24), o cabeça das pessoas para a mudança,
gerenciamento da rotina é baseado no preparar o ambiente psicológico fazendo com
método e no humanismo, para ele algumas que as pessoas aprendam a aprender e a
pessoas costumam dizer que é melhor inovar.
padronizar primeiro para depois melhorar o
Toda mudança em uma organização
resto, na linguagem da resistência às
representa alguma modificação nas
mudanças o primeiro significa: bem devagar,
atividades cotidianas, nas relações de
e o depois quer dizer: nunca.
trabalho, nas responsabilidades, nos hábitos
A resistência à mudança é um fenômeno tão e comportamentos das pessoas que são os
antigo quanto à própria história. Em seu cerne membros da organização. Enquanto a não
ela reflete alguns princípios humanos mudança requer significativo volume de
universais, afinal as pessoas são criaturas de acomodação e de ajustamento das pessoas à
hábitos e o mesmo ocorre com as rotina diária, a mudança significa variações e
organizações que elas ocupam. É uma alterações nessa rotina. Contudo, não são as
tendência natural resistir, o novo, mais ainda mudanças que impactam as pessoas. É que
os seres humanos tendem a fazer escolhas as pessoas têm um limiar de sensibilidade às
racionais e antes que aceitem a mudança mudanças (CHIAVENATO, 1998, p.247-248).
devem estar convictos de que esta os
Ainda de acordo com Chiavenato (1998, p.
beneficiara, na falta de tal certeza eles
251), a resistência à mudança pode ser
sempre optarão pelo conhecido quando
consequência de aspectos lógicos,
confrontados entre este e o desconhecido. O
psicológicos ou sociológicos.
hábito, a segurança, os fatores econômicos e
o processo seletivo de informações Aspectos lógicos: são as objeções racionais e
constituem fontes de resistência à mudança lógicas como interesses pessoais, o desejo
(COHEN, 1999, p. 340 apud LIMA, 2005, p. de não perder condições conquistadas,
14). esforço extra para ajustar-se a mudança,
custos econômicos da mudança entre outras;
A resistência não significa rejeição, mas uma
fase necessária no processo de mudança. As Aspectos psicológicos: são as atitudes
razões dessa resistência variam de acordo emocionais e psicológicas como o medo do
como a mudança afetara a pessoa ou da desconhecido, dificuldade de compreender a
influência de um grupo, podendo ser, por mudança, gerente ou agente de mudança
exemplo, medo (não aceitação ou resistem antipático ou até mesmo falta de confiança
uma inovação), ressentimento (resistência a nos outros;
mudanças impostas, especialmente se esta
Aspectos sociológicos: são interesses de
significa alteração radical na forma como o
grupos e fatores sociológicos como valores
trabalho é realizado) ou considerações
sociais opostos, visão estreita, coalizões
técnicas (é a percepção da avaliação que a
políticas e desejo de reter colegas atuais.
pessoa realiza se essa inovação será útil ao
seu trabalho). Esse tipo de resistência é um Para Chiavenato (1998, p.252) “o gerente não
ressentimento que ocorre quando a pode subestimar as reações das pessoas
administração superior exigiu coisas no nem desprezar o fato de como elas podem
passado que não funcionaram; passaram pela influenciar positiva ou negativamente outros
experiência de terem grandes esperanças de indivíduos e grupos durante a implantação da
que, desta vez a alta administração levará o mudança”.
programa a sério, vendo mais uma vez
cancelado! (CAR, 1992, apud FELICIO, 2008,
p.18-19).
As organizações devem preparar seus
colaboradores de forma adequada para que

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


170

2.1.1. SUPERANDO A RESISTÊNCIA À Apresente a mudança como significativa: o


MUDANÇA agente de mudança precisa convencer os
funcionários sobre a importância e a
Robbins (2005, p.425), sugeri seis táticas que
necessidade da mudança;
podem ser usadas para enfrentar a
resistência. Introduza a mudança em uma série de passos
de alcance médio: mudanças abrangentes
Educação e comunicação: a comunicação
representam grandes ameaça para as
com os colaboradores pode minimizar a
pessoas.
resistência, se os funcionários forem
informados sobre todos os fatos e tiverem
suas dúvidas esclarecidas não haverá
2.2. CULTURA ORGANIZACIONAL
resistência.
De acordo com Robbins (2009, p. 288),
Participação: devem-se inserir as pessoas
cultura organizacional diz respeito a um
que se opõem a mudança no processo
sistema de significados comuns, um conjunto
decisório, quando elas participam das
de características fundamentais valorizadas
decisões dificilmente resistem à mudança.
pela organização. Segundo Chiavenato (2009,
Facilitação e Apoio: os agentes de mudança p. 87), cada organização tem sua própria
oferecem uma série de esforços apoiadores cultura organizacional, para que se conheça a
para reduzir a resistência, porem pode levar organização é importante que conheça a
tempo e não garante sucesso. cultura de cada uma, a cultura organizacional
é representada por normas informais que
Negociação: se a resistência estiver
direcionam as ações e o comportamento dos
centralizada em alguns indivíduos pode se
indivíduos no dia a dia da organização, são os
negociar recompensas que atenda às suas
hábitos, os valores e atitudes dos membros
necessidades, a desvantagem dessa
da organização, cultura organizacional
negociação é que podem ocorrer chantagens
representa a maneira tradicional e o costume
por parte de indivíduos em posição de poder.
de pensar e fazer as coisas.
Manipulação e Cooptação: a manipulação se
Para Araújo (2014, p. 360), a cultura
refere à tentativa de influência, distorcer fatos,
organizacional é uma ferramenta essencial
sonegar informações para induzir os
para o sucesso da organização, e esta por
colaboradores a aceitar as mudanças. A
sua vez definira a missão e estabelecera os
cooptação é uma mistura de manipulação
objetivos da mesma.
com participação, é uma tentativa de
conquistar os líderes dos grupos de De acordo com Chiavenato (2003, p. 373)
resistência oferecendo papéis-chaves nas existem culturas conservadoras e rígidas,
decisões. para que uma organização atinja maior
eficiência e eficácia é preciso que adotem
Coerção: uso de ameaças diretas ou de força
culturas flexíveis e adaptativas. Para ele a
sobre os resistentes, ameaças de
organização tem que ter capacidade
transferências e perdas de promoções por
inovadora para mudar a cultura, ou seja, deve
exemplo.
ter:
Estratégias para Reduzir a Resistência
Adaptabilidade: ter capacidade de resolver
Robbins (2009, p. 463), sugeri algumas problemas, ser adaptável, ser receptiva e
estratégias que os gestores podem adotar transparente;
para reduzir os traumas da mudança:
Senso de identidade: conhecimento e
Realizar uma auditoria de identidade compreensão do passado e do presente da
organizacional antes de empreender qualquer organização; ter comprometimento do
mudança importante: isso deve acontecer participante;
com todos os departamentos que serão
Perspectiva exta do meio ambiente:
afetados pela mudança;
capacidade de investigar, diagnosticar e
Dê à mudança o efeito adequado à compreender o meio ambiente;
organização: organizações e subunidades
Interação entre os participantes:
diferentes possuem preocupações diferentes
comportamento orgânico e integrado.
e identidades diferentes;
Para Silva (2005, p. 421), uma maneira de
compreender a cultura da organização é

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


171

através da análise dos símbolos que são não perder condições conquistadas e visão
nomes, logomarcas e características físicas estreita, enquanto a não mudança requer
da organização, os rituais que são as ações significativo volume de acomodação e de
costumeiras e repetidas e as ideologias que ajustamento das pessoas à rotina diária, a
são as crenças, os princípios morais e os mudança significa variações e alterações
valores da organização. Gil (2014, p. 43) nessa rotina.
considera que as organizações que
A pesquisa mostra ainda que 91% dos
conseguem ajustar sua cultura com as
colaboradores concordam plenamente que
mudanças ambientais são melhores para
para mudar é necessário estabelecer o
desenvolver-se, isso se comparado às
objetivo da transformação que se pretende
organizações mais rígidas.
alcançar, já 9% dos entrevistados concordam
parcialmente. O objetivo é fundamental e
precisa ser comunicado aos colaboradores,
2.3. DISCUSSÕES TEÓRICAS ENTRE
pois a mudança sem planejamento e objetivos
IMPLEMENTAÇÃO DE PROGRAMAS DE
definidos não será bem-sucedida e não
QUALIDADE E RESISTÊNCIA À MUDANÇA
atingirá os resultados esperados (SOUZA;
Hoje, parece que não existem mais dúvidas TEIXEIRA, 2016).
sobre se a implantação de um programa de
Segundo Chiavenato (2003), para que haja
qualidade é boa ou não. Boa parte das
mudança é preciso analisar as forças
organizações, nos mais variados setores, já
externas e internas, observando as
adotou alguma forma de círculo de qualidade,
necessidades da organização, ou seja, não
qualidade total, gestão baseada em equipes,
podem ser feitas por acaso, devem ser
ou em alguma combinação entre estes
planejadas.
modelos (SILVA, 1998, p. 17-18).
Na pesquisa de Souza e Teixeira (2010),
Todo projeto, independente dos softwares ou
verificou-se que mais da metade dos
ferramentas a serem utilizadas, depende de
colaboradores pesquisados (64%) afirma que
pessoas para ser executado, na verdade os
as mudanças pretendidas pela organização
projetos nascem visando atender demandas
não são comunicadas a todos os membros da
específicas e são criados e executados por
equipe, já 18% concordaram plenamente e os
pessoas que planejam todo o processo
outros 18% concordaram parcialmente.
buscando atingir um objetivo para a
Mediante os dados obtidos, foi solicitado que
organização. Muitas vezes é comum em
os colaboradores explicassem sobre a
certos ambientes organizacionais
importância da comunicação antes, durante e
encontrarmos resistência à implantação de
após o processo de implantação de
novas tecnologias de gerenciamento, pois
mudanças. Segundo os colaboradores, a
essas tecnologias na maioria das vezes
comunicação faz com que eles se programem
trazem mudanças nos processos já existentes
para as mudanças, pois sem ela a
em uma organização (SILVEIRA, 2010).
implantação não ocorre de forma sucedida.
De acordo com Souza e Teixeira (2016), Afirmaram também que ela é fundamental
pessoas com mais tempo de serviço porque os colaboradores estarão atentos e
costumam resistir mais as mudanças, pois preparados psicologicamente para realizarem
estão acostumadas com tarefas rotineiras e treinamento caso necessite.
esse fator tem gerado desmotivação e
estagnação levando-os a caírem na zona de
conforto, em sua pesquisa foi possível 3. MÉTODO DE PESQUISA
identificar que 37% dos colaboradores têm
Para a análise do processo de produção do
até 5 anos de tempo de serviço na empresa e
serviço proposto, foi realizada uma pesquisa
que 63% dos colaboradores têm entre 5 a 15
de caráter empírico, por meio de estudo de
anos. Por estar a vários anos na mesma
caso. Inicialmente foi realizada uma breve
empresa e desempenhando a mesma função,
revisão de literatura em periódicos, artigos e
os colaboradores tendem a se opor contra as
livros, tendo em vista a explanação de
inovações propostas pela organização
algumas das principais variáveis do estudo.
executando apenas o que lhe é imposto.
Nesse sentido, Vergara (2009) afirma que a
Isso tudo pode ser consequência dos
pesquisa bibliográfica disponibiliza
aspectos lógicos ou sociológicos que,
ferramental que torna possível a realização de
segundo Chiavenato (1998), é o desejo de
análises sob diversos aspectos; e, Marconi e

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


172

Lakatos (2003) definem este momento como empresas para se trabalhar na região Centro-
de suma importância, já que o pesquisador se Oeste.
coloca em contato com todo o conhecimento
já produzido acerca do assunto objeto de
análise. Quanto ao delineamento da 4.2 ANÁLISE DO PROCESSO PRODUTIVO
pesquisa, caracteriza-se como descritiva, já ORGANIZACIONAL
que esta se baseia na descrição do
A principal atividade desenvolvida pela
fenômeno/objeto, cujo cerne está pautado na
organização objeto de estudo refere-se à
observação das características, propriedades
comercialização de produtos de seguros de
e perfil do objeto de análise.
um banco de grande destaque no cenário
Ademais, os dados foram coletados em brasileiro, voltado para o atendimento de
caráter primário com base em observação pessoa física e jurídica. O modelo utilizado
formal do ambiente em visita a uma das encontra-se presente em aproximadamente
agências onde se aplica o modelo de 900 agências em todo o território brasileiro, de
atendimento e realização de entrevista modo que se pode afirmar a existência de
semiestruturada – por meio de roteiro de uma grande quantidade de funcionários no
questões – aplicada ao gestor responsável setor produtivo – cada agência possui de um
por gerenciar a equipe de vendas. a dois representantes comerciais, somando-
se uma equipe de aproximadamente 1000
O método utilizado para análise dos dados foi
funcionários.
o qualitativo, que, conforme Oliveira (2007)
pode ser definido como o detalhamento do Um dos problemas enfrentados neste
estudo de determinado fenômeno, objeto, segmento se refere à possibilidade de
atores sociais, entre outros; e tem por existência de fraudes por parte do cliente na
preocupação capturar o significado das tentativa de resgate do prêmio, já que um dos
informações adquiridas por meio da aplicação principais elementos que permeia esta
de questionários e entrevistas, sem a contratação se refere questão da boa fé entre
realização de uma mensuração quantitativa as partes.
dessas características ou comportamentos. O
Outro fator – do ponto de vista interno –, que
procedimento utilizado no tratamento dos
poderia ser considerado como uma
dados foi de análise de conteúdo.
dificuldade em relação ao processo de
geração de produtos/resultados para a
organização refere-se – do ponto de vista
4. CONTESTO DA ORGANIZAÇÃO
gerencial – a questões geográficas, de modo
A seguir, será realizada uma explanação que este é um dos fatores que impossibilita
quanto à estrutura de funcionamento da em alguns casos a realização de
organização bem como uma análise dos acompanhamento direto da equipe de modo
fatores de maior relevância no contexto de mais individualizado, apesar da utilização de
aplicação para a Administração da Produção. ferramentas tecnológicas de comunicação de
apoio. Do ponto de vista operacional, um dos
problemas de maior relevância está
4.1. HISTÓRICO E ESTRUTURA DE associado a utilização dos sistemas da
FUNCIONAMENTO agência – em muitos casos apresentam
falhas, de modo a impossibilitar a efetivação
A empresa foi criada em 1973, com a função
do processo.
de intermediar o processo de contratação de
seguros entre cliente – Pessoa Física ou
Jurídica – e Seguradora. O sistema de vendas
4.3. ANÁLISE DO VOLUME, VARIAÇÃO DE
de balcão na agência bancária foi implantado
DEMANDA E CONTATO COM O
a partir de 1982, mas somente em 2003 houve
CONSUMIDOR
a implementação do modelo atual, seguido
em 2009 pela mudança da marca, o que Apesar de estruturalmente se configurar a
gerou também uma mudança na cultura e partir de um layout por processos, o que traz
clima organizacional – que contribuiu para consigo por definição um volume e variação
sua configuração atual e estabelecimento de da demanda no ponto médio.
novos objetivos. Em 2015, foi eleita pelo Great
No caso do ponto de vendas observado, o
Place To Work como uma das melhores
volume de atendimento demonstrou uma
tendência maior, dado o fluxo diário de

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


173

clientes em virtude de uma relativa variedade a noção de que – conforme afirmação de


de produtos ofertados, dado que se trabalha Slack et al. (2006) – o usufruto do serviço pelo
com uma carteira de produtos diversificada cliente se dá em momento simultâneo ao qual
tendo-se por objetivo atender a um público este é prestado.
com diferentes características.
A demanda pode ser considerada média, já
4.4. ANÁLISE DO PROCESSO DE
que, embora haja um alto volume de
CONVERSÃO
circulação de pessoas, nem todos
demonstram interesse na contratação de Para melhor compreensão do processo de
seguros. O serviço prestado depreende alto conversão, a Figura 02 apresenta o Fluxo de
grau de contato com o consumidor, trazendo Produtivo da organização, a seguir:

Figura 1 – Fluxo de Produção da organização

Fonte: Elaboração própria (2016)

A abordagem ao cliente ocorre no momento Nesta etapa do processo verificou-se um


em que este chega à agência, em geral após problema no transporte destes contratos à
a realização do procedimento de abertura de Seguradora e o período não tem sido
conta corrente ou atendimento similar onde os atendido. Pelo menos 5% não são efetivados
produtos são apresentados e é realizada uma devido a não conclusão do processo de
cotação, onde se realiza a simulação de entrega ou ainda por conta da entrega na
preços. Neste momento o cliente demonstra data limite; o que inviabiliza a análise
se possui ou não interesse em contratar. Caso documental em tempo hábil.
haja interesse, é realizada a assinatura da
proposta e a agência se responsabiliza em
encaminhar à Seguradora para análise, onde 4.5 ANÁLISE DO ARRANJO FÍSICO
existe um prazo de até quinze dias para
A estrutura utilizada pode ser definida como
aprovação. Caso a proposta e documentos
por processos. Segundo Slack et al. (2006),
apresentados sejam aceitos, a emissão e
este arranjo configura-se pela disposição de
contratação são efetivadas e; realiza-se o
processos similares, ou processos com
primeiro desconto de pagamento na conta
necessidades similares, que são localizados
autorizada pelo cliente.
juntos um do outro, tendo em vista a

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


174

disposição dos elementos da agência Isto não significa que deva ser
bancária. desconsiderado pela área de produção.
O arranjo pode ser considerado como Foi possível identificar desse modo que a
panorâmico, já que se utilizam estações de organização apresenta como itens
trabalho e, quanto ao tipo de produção, pode qualificadores e menos importantes a questão
se afirmar que se caracteriza como Puxada I, do atendimento diferenciado, em primeiro
onde os insumos encontram à disposição no lugar, pois a empresa preza pelo
espaço da agência e para que se possa dar esclarecimento das cláusulas contratuais da
início ao processo é necessário apenas que o apólice de seguro ao cliente no momento
cliente deseje contratar o serviço. anterior à contratação.
Já com relação à identificação de critérios
menos importantes, o tempo de atendimento
4.5.1 APRESENTAÇÃO DE LINHA DE FRENTE
pode ser considerado de maior
E RETAGUARDA
preponderância, já que, tendo em vista a
De acordo com Ribeiro (2009), a atividade de disposição do cliente para realizar algum tipo
retaguarda tem como função principal prestar de contratação, apesar de ser de grande
a realização de atividades que demandam importância e não menos relevante para a
contato com o cliente de modo que estas área de produção, não será tão relevante para
ocorram de maneira eficiente, tendo em vista o cliente, devido à existência da necessidade
ainda a redução de custos e o aumento da de esclarecimento de cláusulas contratuais
lucratividade da empresa. Já em relação às anteriormente referidas.
atividades de linha de frente caracterizam-se
pelo alto grau de contato com o cliente.
4.7. PREVISÃO E PROGRAMAÇÃO DE
Nesse sentido, em relação à organização, a
DEMANDA
linha de frente caracteriza-se pelo
atendimento direto realizado nas estações de De acordo com Slack et. al. (2006), a
trabalho. Já a retaguarda caracteriza-se pelos capacidade do projeto refere-se às condições
processos administrativos posteriores, até a ideias de operação, onde se pode obter o
efetivação da contratação. máximo ganho produtivo. No caso da
organização estudada, existe uma política de
estabelecimento de metas ao mês por meio
4.6. ANÁLISE DOS ITENS GANHADORES, de média móvel ponderada dos três meses
QUALIFICADORES E MENOS IMPORTANTES anteriores. A capacidade do projeto
DO PEDIDO apresenta uma tendência sazonal, onde se
pode mensurar que está em torno da venda
De acordo com Slack et al. (2006), os itens
de 60 ao mês.
ganhadores de pedido se associam a
contribuição que se dá de direta e de grande Tendo em vista que a capacidade efetiva está
significação para o desempenho do negócio. associada a situações de perdas
consideradas normais, mensurou-se que no
É possível observar em relação a empresa
caso estudado, está se encontra atrelada à
objeto de análise que a confiabilidade é o
meta. No mês de abril a meta estabelecida foi
fator que se sobressai nesse quesito, já que
de 210 contratações – em torno de 9,54/dia.
após o processo de contratação, no momento
Já a capacidade real refere-se ao resultado
em que o cliente apresenta a necessidade em
real que pode ser obtido pela pratica da
acionar o seguro, apresenta a garantia de que
produção. Nesse caso, a capacidade do
poderá receber o prêmio, de modo menos
Representante de Vendas – em torno de 198
desgastante quanto possível.
vendas ao mês e 9/dia.
Ainda de acordo com os autores, os critérios
Cabe salientar ainda a importância da
qualificadores tratam-se de aspectos
utilização do suporte utilizado para Gestão da
observados em segunda instância, onde a
Tecnologia para a realização de
empresa pode deixar de ser considerada
acompanhamento de desempenho da equipe.
fornecedora potencial por muitos
Entre eles, utiliza-se softwares como
consumidores. Já os critérios menos
Qlickwiew, SalesForce, Microsoft Excel, e
importantes partem da prerrogativa de que
CRM – captação de clientes.
não apresentam nenhum tipo de influência
para o cliente no momento de contratação.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


175

5. CONCLUSÃO estratégias de captação de vendas mais


efetivas.
Um primeiro ponto a ser considerado em
relação a esta análise refere-se à dificuldade Além disso, identificou-se que existe um
de aplicação dos conceitos, já que o problema operacional no transporte dos
processo está pautado na produção de contratos de seguro assinados pelos clientes
serviços. Trazer esta abordagem sob enfoque e sujeitos a análise e aprovação da
de produção baseado em serviços não é Seguradora – que dispõe de um prazo de até
nada trivial e apresenta uma série de 15 dias para aprovação. Pelo menos 5% dos
implicações. Além disso, existe uma contratos não são recebidos em tempo hábil e
dificuldade de observação no sentido de que a contratação não é efetivada, gerando um
os elementos se apresentam de maneira ônus considerável, tanto para a Corretora
híbrida, o que torna esta separação e quanto para a Seguradora.
ordenamento conceitual mais complexo.
Como sugestão foi proposta a realização de
Em relação ao funcionamento da organização um estudo para identificação do real
analisada, observa-se que esta demonstra problema que tem gerado estes atrasos e
operar de maneira eficiente da maneira que aplicação de melhorias no processo de
opera, muito embora se perceba uma encaminhamento destas apólices à
capacidade produtiva superior a qual tem Seguradora, tendo em vista reduzir as perdas
sido utilizada, devido a não utilização de em virtude desta estrapolação do tempo.

REFERÊNCIAS
[1]. CONTADOR, C. R.; COSENZA, C. A. N.; [9]. KOTLER, P; ARMSTRONG, G. Princípios
LINS, M. E.; GONÇALVES NETO, A. C. Avaliação de Marketing. 7. Ed. Rio de Janeiro: Prentice-Hall,
da Performence do Mercado Segurador .Brasileiro 1998.
através do método DEA (Data Envelopment
[10]. LIMA, Cícero Adriano de; SAMPAIO,
Analysis) no primeiro semestre de 1999. In:
Renata Lima; SIMÕES, Tatiana de Jesus. Gestão
SIMPOSIOBRASILEIRO DE PJ;:SQUISA
da mudança organizacional – Universidade Federal
OPERACIONAL, 32, 2000. Viçosa/MG. Anais do
da Bahia 2005.
XXXII SBPO. Viço~a: SOBRAPO, ;WOO.
[11]. MARCONI, M.A; LAKATOS, E.M.
[2]. CHIAVENATO, Idalberto. Os novos
Fundamentos de Metodologia Científica. 5 ed. São
paradigmas: como as mudanças estão mexendo
Paulo, Editora Atlas, 2003.
com as empresas – São Paulo: Atlas, 1998.
[12]. MAGALHÃES DA SILVA, A. C.; NEVES, C.;
[3]. ________________. Introdução à teoria
GONÇALVES NETO, A. C. Avaliação da
geral da administração: uma visão abrangente da
Eficiência'das Companhias de Seguro no ano de
moderna administração das organizações. 7. Ed.
2002: uma abordagem através da Análise
Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.
Envoltória de Dados. In: CONGRESSO
[4]. ________________. Administração nos BRASILEIRO DE CUSTOS, 10,2003; Guarapari/ES.
novos tempos. 2.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004. Anais do X . Congresso Brasileiro de Custos.
Guarapari: ABC, 2003.
[5]. ________________. Recursos humanos: o
capital humano das organizações / 9 ed. Rio de [13]. MELLO, C.H.P.; SALGADO, E.G.
Janeiro: Elsevier, 2009. Mapeamento dos processos em serviços: estudo
de caso em duas pequenas empresas da área de
[6]. ________________. Gestão de pessoas: o
saúde. In: XXV Encontro Nacional de Engenharia
novo papel dos recursos humanos nas
de Produção, 25, 2015, Porto Alegre.
organizações. 4.ed. Barueri, SP: Manole, 2014.
[14]. OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças de.
[7]. FELICIO, Delma. Implantação de um
Sistemas, organização e métodos: uma abordagem
sistema de gestão da qualidade: estudo de caso
gerencial. 19.ed. São Paulo: Atlas, 2010.
em uma organização pública de pesquisa e
desenvolvimento. Universidade de Taubaté – SP, [15]. Qualidade em Serviços. 2015. Disponível
2008. em:
<http://www.abepro.org.br/biblioteca/enegep2005_
[8]. GIANESI, I. G. N.; CORRÊA, H. L.
enegep0207_0556.pdf>. Acesso em: 29 mar. 2016.
Administração estratégica de serviços: operações
para a satisfação do cliente. São Paulo: Atlas, [16]. RIBEIRO, F. M. A. Relevância da gestão
1994. dos processos de trabalho de reatguarda na
satisfação do consumidor: Um estudo de caso no

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


176

varejo de Móveis. In: Revista Foco, , v. 1, n.1, p. 1- de-gerenciamento-de-projetos/47533/>.


16, set. 1995. 25/08/2010. Acesso em 05/10/2016.
[17]. ROBBINS, Stephen P. Comportamento [22]. SOUZA, Pâmela Thariele Silva de;
organizacional. São Paulo: Pearson Prentice Hall, TEIXEIRA, Márcia Cristina. Resistência à mudança
2005. como fator restritivo ao desenvolvimento
organizacional – Estudo de caso em um laboratório
[18]. ___________________. Fundamentos do
de análises clínicas. Revista Científica
Comportamento Organizacional. São Paulo:
Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento, Ano 1.
Pearson Prentice Hall, 2009.
Vol. 8, 2016.
[19]. SILVA, Reinaldo Oliveira da. Teorias da
[23]. SLACK, N.; CHAMBERS, S.; HARLAND,
Administração – São Paulo: Pioneira Thomson
C.; HARRISON, A.; JOHNSTON, R. Administração
Learning, 2005.
da Produção (Edição Compacta). 1° ed. São Paulo:
[20]. SILVA, Veronice Schreiner. Programa 5S. Atlas, 2006.
Universidade do Estado de Santa Catarina.
[24]. VERGARA, S. C. Projetos e Relatórios de
Florianópolis, 1998.
Pesquisa em Administração. 11 ed. Editora Atlas,
[21]. SILVEIRA, Ângelo Antônio. Comunidade São Paulo, 2009.
ADM: Importância da implantação de uma
[25]. ARAUJO, Luís César G. de Gestão de
estrutura de gerenciamento de projetos. Disponível
pessoas: Estratégias e integração organizacional /
em
Garcia, Adriana Amadeu 3 ed. São Paulo: Atlas,
<http://www.administradores.com.br/artigos/carreir
2014.
a/importancia-da-implantacao-de-uma-estrutura-

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


177

Capítulo 18

Maurício Massami Kuroda


José Tomadon Júnior

Resumo: Neste trabalho, foi realizada uma análise da viabilidade da utilização de


software Warehouse Management System (WMS) na gestão de armazenagem de
produtos e materiais, por meio da revisão sistemática da literatura. Para a
realização da análise foram selecionados dois trabalhos, uma dissertação e um
artigo, contendo em ambos os estudos de casos com ótimos dados sobre a
implantação do WMS em empresas e sobre desenvolvedores do WMS. Dos
trabalhos selecionados foram estudadas duas empresas desenvolvedoras do WMS
e cinco empresas usuárias do WMS, na qual, foram analisados e comparados os
motivos que levaram as empresas a implantar o WMS, as dificuldades do processo
de implantação do WMS segundo os usuários e os desenvolvedores, as
funcionalidades do WMS implantado por cada empresa e desenvolvidas por cada
desenvolvedor e os benefícios oferecidos pelo WMS tanto das empresas usuárias
quando dos desenvolvedores. A realização da análise possibilitou confirmar a
viabilidade do uso do WMS por empresas principalmente as de grande porte que
trabalham com uma grande quantidade de mercadorias em seus armazéns. Tal
afirmação se deve a resolução dos problemas contida nos motivos de cada
empresa e de muitos outros benefícios obtidos pelas empresas com a implantação
do WMS.

Palavras chave: WMS, Armazenagem, Empresa.

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


178

1. INTRODUÇÃO de equipamentos, otimizar o uso do armazém,


atender rapidamente o cliente e a linha de
Muitos empresários se questionam se há
produção, reduzir material obsoleto, etc.
agregação de valor ao produto na
Assim,existe a possibilidade de reduzir os
armazenagem ou se há somente agregação
custos, melhorar a integração do processo de
de custos envolvidos no processo. Para um
armazenagem com outros processos, assim
melhor entendimento imaginemos uma
como, melhorar o atendimento ao cliente.
geladeira que pode ser considerada como um
armazém onde as pessoas utilizam para Devido à complexidade da gestão de
armazenar os produtos adquiridos num armazenagem uma solução foi encontrada na
supermercado e fazem retiradas para o tecnologia da informação (TI), por meio da
consumo. Qual seria o valor de possuir um utilização de sistemas como o Sistema de
litro de leite para consumir no momento em Gestão de Armazenagem (WMS, do inglês
que lhe der vontade? Se não houvesse o leite Warehouse Management System), que são
armazenado, toda vez que a pessoa basicamente softwares que recebem
desejasse tomar um copo de leite haveria a informações relacionadas ao armazém e
necessidade de se deslocar até o conforme as necessidades da organização o
supermercado ou padaria para então tomar o software retorna um feedback para uma
seu copo de leite. E qual seria o custo disso, melhor movimentação, armazenagem,
do deslocamento até o supermercado toda separação e expedição dos produtos
vez que se deseja beber um copo de leite? (VERÍSSIMO; MUSETTI, 2003).
Pode-se assim ter a percepção do nível de
Este trabalho tem como objetivo principal
importância do processo de armazenagem e
verificar a viabilidade da utilização do WMS
a redução dos custos que o processo
por meio de uma análise comparativa entre
produziria principalmente para uma empresa
empresas usuárias do sistema WMS. Para que
(TOMPKINS; SMITH, 1998). Ter o produto
o objetivo principal seja alcançado é
certo, no lugar certo e no momento certo é os
necessária atingir alguns objetivos específicos
fatores que agregam valor ao produto no
como: Analisar os motivos que levaram as
processo de armazenagem (JUNIOR;
empresas a implantarem o WMS; Analisar as
SPEJORIM, 2012).
dificuldades encontradas durante a
O processo de armazenagem está incluído implantação do WMS; Analisar as
dentro da logística de distribuição e de funcionalidades do WMS utilizado por cada
suprimento que por muito tempo foi alocado empresa e analisar os benefícios obtidos
em locais inadequados, pois a armazenagem pelas empresas após a implantação do WMS.
não era visto como uma estratégia de logística Para auxiliar as análises foram utilizadas
para as empresas (BRAGA et al., 2008). Com também informações obtidas de
o passar do tempo, foi apurado que o desenvolvedores do WMS.
processo de armazenagem gerava altos
custos às empresas (MOURA, 1997). A partir
dessas verificações o processo de 2. REFERENCIAL TEÓRICO
armazenagem começou a ganhar sua devida
2.1. ARMAZENAGEM
importância nas estratégias das organizações
principalmente na redução de custo dos A armazenagem é definida como a gestão
produtos. econômica do espaço disponível e necessário
da organização para estocar produtos
Segundo Moura (1997), a maior parte dos
incluindo atividades de localização,
custos de armazenagem continuará
dimensionamento da área, disposição dos
ocorrendo, pois a maior parte deles está
produtos e materiais, recuperação de
ligada ao ambiente físico, a movimentação
estoque, projetos de carga e descarga e a
dos equipamentos, aos colaboradores e a
organização do armazém (RODRIGUES et al.,
tecnologia. Assim, é possível compreender a
2010).
necessidade da otimização do espaço físico
por meio de estratégias e ferramentas Segundo Paoleschi (2014), o processo de
facilitando a identificação do local de cada armazenagem é uma das atividades que mais
produto (BRAGA et al., 2008). agrega valor ao produto na cadeia de
suprimentos, pois conta com um sistema de
Para Musetti e Veríssimo (2003), com uma
armazenamento racional tanto de matérias
eficiente gestão de armazenagem é possível
primas quanto de produtos. Na produção, a
reduzir estoques, aperfeiçoar a movimentação
armazenagem movimenta e controla a

Gestão da Produção em Foco - Volume 14


179

estocagem dos produtos acabados e semi e precisão do inventário (BANZATO, 2004).


acabados da forma mais eficiente possível Segundo o referido autor, estas informações
gerando um melhor atendimento aos clientes. gerenciadas são obtidas das transportadoras,
fabricantes, sistemas de informação de
Diversas empresas buscam reduzir custos e
negócios, clientes e fornecedores, que são
aumentar a produtividade em seus armazéns
utilizadas para realizar de forma eficiente as
e centros de distribuição, sendo um dos
atividades de receber, inspecionar, estocar,
principais motivos dos estudos da gestão de
separar, embalar e expedir mercadorias.
armazenagem dentro das organizações, que
além de contribuir na competitividade De acordo com Rodrigues (1999) sistema
estratégica da organização também contribui WMS é uma combinação de equipamentos e
agregando valor ao cliente final (KOSTER et sistemas de controle que tem como função
al., 2007). deslocar, armazenar e coletar produtos com
exatidão e velocidade dependendo do nível
A principal função da armazenagem é
de automação do armazém, além disso, estes
gerenciar os elementos, espaço e tempo
sistemas reduzem o tempo de movimentação
disponível, visando o uso desses dois fatores
dos operadores e o uso de leitores ópticos e
da forma mais eficiente possível que engloba
códigos de barras, reduzem o tempo gasto na
os sistemas de fluxos materiais, informações e
procura e na documentação dos pedidos.
pessoas (BANZATO et al., 2010).
Para sucupira (2004) os objetivos do sistema
Segundo Moura (1998), são dez as atividades
WMS são: Aumentar a acurácia das
da armazenagem: Recebimento do produto;
informações de estoque; Aumentar a
Identificação e endereçamento do produto
agilidade e a qualidade das atividades e
para estoque; Envio do produto para o
Aumentar a produtividade do pessoal e dos
estoque; Localização do produto no estoque;
equipamentos do armazém.
Separação dos produtos para atender aos
pedidos; Agrupamento dos pedidos para Sucupira (2004) também cita as principais
conferência final; Embalagem dos pedidos funções de um sistema WMS: Rastrear as
para expedição; Carregamento dos pedidos; operações; Gerar inventários físicos e
Expedição dos pedidos e Registrar as rotativos; Planejar e controlar a capacidade
atividades da armazenagem. dos armazéns; Determinar as características
de uso de cada local de armazenagem;
Segundo Moura (1997) o objetivo principal da
Classificar os itens; Controlar lotes; Controlar
armazenagem é potencializar a efetiva
datas de liberação das quarentenas e
utilização dos recursos. Sendo que para o
situações de controle da qualidade; Separar
autor os objetivos básicos são: Potencializar o
pedidos; Interface com clientes e
uso de mão de obra, o uso de equipamentos,
fornecedores; Calcular o número de
o uso de espaço disponível, o uso de energia,
embalagens de despacho e listas de
o giro de estoque, guarda segura de todos os
conteúdo; Auxiliar no controle rotas e no
itens, o controle contra perdas, o atendimento
carregamento de veículos.
ao consumidor, a produtividade e reduzir
custos. Devido à complexidade da parte operacional
do processo de armazenagem há a
Moura (1997) classifica os armazéns de
necessidade de uso da tecnologia de suporte
acordo com o seu ciclo, ou seja, armazém de
para possibilitar uma maior eficiência na
produção e armazém de distribuição.
operação (MOELLER, 2011).Algumas
Segundo Fiegenbaum (2009) o armazém de
tecnologias que podem ser utilizadas para
produção tem como objetivo a estocagem do
auxiliar as atividades da armazenagem são:
material designado ao ciclo de produção e o
Código de barras que possibilita guardar
armazém de distribuição tem como objetivo a
diversas informações do produtos; Coletores
estocagem de produtos destinados a venda.
de código de barras que fazem a leitura das
informações contidas nos códigos de barras;