Você está na página 1de 10

Vol.29,n.1,pp.

227-236 (Jan – Mar 2017) Revista UNINGÁ Review

PLASMA RICO EM PLAQUETAS NO


REJUVENESCIMENTO CUTÂNEO FACIAL: UMA
REVISÃO DE LITERATURA
PLATELET-RICH PLASMA IN FACIAL REJUVENATION SKIN: A LITERATURE REVIEW

ANDRESSA APARECIDA PAVANI1, TALMA REIS LEAL FERNANDES2*


1. Aluna do curso de Farmácia da UNICESUMAR; 2. Professora Doutora do Curso de Farmácia da UNICESUMAR.
* Curso de Farmácia, Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Centro Universitário de Maringá – Unicesumar - Av. Guedner, 1610, Jardim Aclima-
ção, Maringá, Paraná. Brasil. CEP: 87050-390. Talma.fernandes@unicesumar.edu.br

Recebido em 05/10/2016. Aceito para publicação em 16/12/2016

RESUMO thus leading to skin rejuvenation. This review was con-


ducted in order to identify technical sourcing and bio-
Plasma rico em plaquetas (PRP) é um hemoderivado autó- logical bases reacting to the performance and clinical
logo caracterizado por elevadas concentrações de plaquetas, application of platelet-rich plasma in skin rejuvenation.
seus fatores de crescimento (FC) e proteínas em um pe- Several studies have shown promising results in the aes-
queno volume de plasma. Estimulam processos celulares thetic area; however, some issues require further clarifi-
como quimiotaxia, mitogênese, diferenciação celular e an- cation so that the PRP can be adopted definitively, in
giogênese. Devido essas comprovadas ações, o PRP tem
clinical practice, such as dermal stimulator. Clinical re-
atraído a atenção para a área de estética, uma vez que tem
sido demonstrado que pode induzir a síntese de colágeno e search regarding the efficacy and safety of long-term
outros componentes da matriz extracelular através da ati- process should be developed. It is highly necessary to
vação de fibroblastos, assim levando ao rejuvenescimento standardize source protocols and define the optimal
cutâneo. A presente revisão foi realizada com o objetivo de concentration of platelets by evaluating their viability,
identificar a técnica de obtenção e as bases biológicas que investigating, as well as, standardizing the ideal plan of
regem a atuação e aplicação clínica do Plasma Rico em the PRP application, referring to volume, layer of the
Plaquetas no rejuvenescimento da pele. Vários estudos skin, number and range of applications.
demonstraram resultados promissores na área estética;
entretanto algumas questões necessitam de mais esclareci-
KEYWORDS: Dermatology, skin aging, platelet-rich
mentos para que o PRP possa ser adotado definitivamente,
na prática clínica, como estimulador dérmico. Deve-se de- plasma.
senvolver pesquisas clínicas quanto à eficácia e segurança
do processo a longo prazo. Há necessidade de se padronizar
os protocolos de obtenção e definir a concentração ideal de 1. INTRODUÇÃO
plaquetas, avaliando sua viabilidade e investigar e padro-
nizar o plano ideal de aplicação do PRP, referente ao volu- O plasma rico em plaquetas (PRP) é um produto de-
me, camada da pele, número e intervalo das aplicações. rivado de sangue total obtido por processo laboratorial
simples e de baixo custo, caracterizado por elevadas
PALAVRAS-CHAVE: Dermatologia, envelhecimento concentrações de plaquetas, seus fatores de crescimento
da pele, plasma rico em plaquetas. (FC) e proteínas em um pequeno volume de plasma.
Tem a vantagem de ser um produto autólogo sendo então
orgânico, atóxico e não imunorreativo1-4.
ABSTRACT Os fatores de crescimento derivados de plaquetas
atuam como agentes reguladores e estimuladores dos
Platelet-rich plasma (PRP) is an autologous blood prod-
processos celulares de mitogênese, quimiotaxia, diferen-
uct characterized by high concentrations of platelets,
ciação e metabolismo. As proteínas plaquetárias apre-
their growth factors (GF) and proteins in a small volume
sentam efeitos sobre vários tipos de células induzindo
of plasma. They stimulate cellular processes such as
processos de migração, multiplicação, diferenciação,
chemotaxis, mitogenesis, cell differentiation and angio-
sobrevivência e produção de material extracelular 3-6.
genesis. Due to these actions, PRP has attracted attention
Essas propriedades das plaquetas conferem ao PRP
for the cosmetic area, since it has been shown that it can
uma potencialidade em melhorar a integração de enxer-
induce the synthesis of collagen and other extracellular
tos cutâneos, ósseos, cartilaginosos ou de gordura, pro-
matrix components through the activation of fibroblasts,

ISSN online 2178-2571


Pavani & Fernandes / Uningá Review V.29,n.1,pp.227-236 (Jan - Mar 2017)

porcionam uma proteção natural contra processos infec- Google Acadêmicos e Portal Periódicos CAPES. A pes-
ciosos e/ou alérgicos, estimulam neovascularização e quisa foi limitada aos artigos publicados em língua por-
cicatrização, diminuindo complicações e danos resultan- tuguesa, espanhola e inglesa, compreendendo um inter-
tes de cirurgias. Assim o PRP tem proporcionado benefí- valo de publicação entre os anos de 2005 a 2015.
cios há uma gama de procedimentos cirúrgicos, clínicos
e tratamentos1,2,7,8. 3. DESENVOLVIMENTO
Devido essas comprovadas ações, a maioria das pu-
blicações sobre PRP estão relacionadas as áreas de Or- O aumento da expectativa de vida e a redução da ta-
topedia, Medicina Esportiva e Odontologia. Na área de xa de natalidade estão levando o mundo contemporâneo
estética poucos trabalhos são produzidos e estão mais a “era do envelhecimento”. No Brasil este fato não é
envolvidos em utilizar o PRP com o intuito de promover diferente, prevendo-se que em 2020, 34 milhões de bra-
a aceleração de cicatrização de feridas, como tratamento sileiros estarão acima de 60 anos. Como o envelheci-
coadjuvante de rejuvenescimento, alopecias e mesmo mento se contrapõe ao padrão estético imposto, consta-
após sessões de laser para redução de seus efeitos nega- ta-se também um intenso movimento no sentido de adiar
tivos9. ou tentar evitar esse processo por meio de iniciativas que
Mas a temática do envelhecimento, com consequente objetivem a manutenção de uma aparência jovial. A esté-
preocupação com a aparência, vem ganhando destaque tica passa a tramitar no âmbito científico, tendo na bio-
devido ao aumento da expectativa de vida da população e tecnologia um campo crescente e uma ferramenta para
pela busca incansável por procedimentos que resultem adiar o processo do envelhecimento e consequentemente
em rejuvenescimento facial que sejam seguros, toleráveis os sinais dos tempos. Para eficiência desse processo
e pouco invasivos. Nesses quesitos o PRP autólogo é uma tem-se estimulado o estudo dos mecanismos bioquími-
nova abordagem mais natural na redução do processo de cos, moleculares e celulares do envelhecimento cutâ-
envelhecimento da pele, podendo induzir a síntese de neo14-16.
colágeno e outros componentes da matriz extracelular A pele Jovem
(MEC) através da ativação de fibroblastos com conse-
quente melhora na sua aparência clínica3,4,10,11,12. A pele é o revestimento externo do corpo humano,
A maioria dos estudos sobre o uso de PRP no reju- sendo seu maior órgão, cuja principal função é a interfa-
venescimento facial envolvem métodos de avaliação com ce dinâmica para manutenção da homeostasia, funcio-
imagens fotográficas e impressões subjetivas dos pes- nando como barreira física entre o ambiente e o meio
quisadores e pacientes, não há conclusões definitivas interno. Impede a perda de fluídos corpóreos essenciais,
sobre sua eficácia e estímulo à formação tecidual no prevenindo desequilíbrios hidroeletrolíticos, protegendo
tratamento de rugas e sulcos faciais. As evidências iden- contra a desidratação e atuando na regulação do calor.
tificadas na literatura mostram que o mecanismo de Reduz a penetração de micro-organismos patogênicos,
ação, as interações com os componentes da pele, eficácia produtos químicos e quantidades excessivas de radiação
e segurança a longo prazo, a técnica de obtenção e for- ultravioleta, protegendo contracorrentes elétricas e for-
mas de tratamento com PRP em relação ao rejuvenesci- ças mecânicas. Além disso, tem também funções nervo-
mento cutâneo não estão totalmente esclarecidos4,9,13. sas que detectam estímulos táteis, vibratórios, pressóri-
Nesse contexto, o objetivo deste trabalho é desen- cos, térmicos, dolorosos e pruriginosos13,15,17.
volver uma revisão que identifique na literatura científi- As funções descritas da pele são mediadas princi-
ca a técnica de obtenção e as bases biológicas que regem palmente pela estrutura das camadas da epiderme e da
a atuação e aplicação clínica do Plasma Rico em Pla- derme. A epiderme normal é altamente celular e avascu-
quetas no rejuvenescimento da pele; fornecendo subsí- lar, caracterizada por um epitélio estratificado escamoso
dios para o desenvolvimento de novos estudos de alta em constante renovação formado em sua maior parte por
qualidade metodológica necessários para validar seu uso queratinócitos e, em menor proporção, por outros tipos
como prática clínica nesta área. celulares, como melanócitos, células de Langerhans e
células de Merkel. As camadas que compõem a epider-
me são: basal, espinhosa, granulosa e córnea. Zonas su-
2. MATERIAL E MÉTODOS
jeitas a maior atrito como palmas das mãos e pés apre-
sentam uma camada adicional denominada lúcida, entre
Foram pesquisados artigos científicos e livros rela-
as camadas córnea e granulosa, constituída por uma fina
cionados ao assunto utilizando-se as bases de dados
camada de células achatadas parcialmente preenchidas
on-line, nacionais e internacionais como Medline (Me-
por queratina e sobre elas existe uma cobertura glicoli-
dical Literature Analysis and Retrieval System Online) da
pídica, ambas conferindo impermeabilidade a membrana
National Library of Medicine (EUA), a LILACS (Lite-
plasmática13,18,19.
ratura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da
A camada basal é a mais profunda da epiderme es-
Saúde) e SCIELO (Scientific Eletronic Library Online),
tando em contato com a derme. É constituída por uma

ISSN online 2178-2571


Pavani & Fernandes / Uningá Review V.29,n.1,pp.227-236 (Jan - Mar 2017)

única camada de células cuboides pouco diferenciadas Envelhecimento Cutâneo


que se dividem continuamente, dando origem a todas as
O envelhecimento cutâneo é um processo biológico
outras camadas. Algumas destas células diferenciam-se e
de degradação, complexo e progressivo, caracterizado
passam para as camadas mais superficiais, enquanto ou-
por modificações nas células epiteliais no aspecto mor-
tras permanecem na camada basal e continuam a se divi-
fológico, funcional e bioquímico, decorrentes de uma
dir. Os melanócitos estão distribuídos nesta camada,
coleção de eventos universais e dinâmicos mediados por
sendo células formadoras de pigmentos. As células de
fatores endógenos (envelhecimento intrínseco) e, por
Merkel são terminações nervosas modificadas, também
fatores ambientais (envelhecimento extrínseco), que
podem ser encontradas na camada basal, sendo conside-
atuam de forma independente, distinta e simultânea, afe-
radas importantes células mecanorreceptoras. Sobre essa
tando a estrutura e aparência da pele17,18,20,21,22,23,24.
camada encontra-se a espinhosa, composta por várias
Embora não haja consenso em relação a uma única
camadas de células poligonais que produzem queratina e
teoria que possa explicar completamente o envelheci-
se unem por ligações intercelulares (desmossomos) entre
mento biológico ou intrínseco da pele, sabe-se que é
os queraticócitos adjacentes. As células de Langerhans aí
inevitável e ocorre naturalmente com o avanço da idade,
presentes são especializadas de vigilância do sistema
podendo ser disparado ou agravado por alterações bio-
imunológico e apresentadoras de antígenos. Acima desta
químicas delineadas pelo próprio genoma, fatores hor-
tem-se a camada granulosa, composta por duas a quatro
monais e devido a diminuição progressiva da capacidade
camadas de células achatadas com grânulos de queratina
de homeostase tecidual, levando a senescência e morte
no citoplasma, produzem também grânulos de substância
celular. Pequenas alterações genéticas (mutações) de
fosfolipídica associada à glicosaminoglicanos que são
forma cumulativa podem desencadear múltiplos proces-
expulsos das células formando uma barreira proteica que
sos e serem responsáveis pelo aparecimento fenotípico
confere grande resistência às células. A camada córnea, a
de marcas da idade. Clinicamente pode-se observar afi-
mais externa da pele, é formada por queratinócitos que
namento, xerose, flacidez, rugas e atrofia da pele, o que
perderam suas organelas e núcleo, apresentam forma
resulta na proeminência dos vasos sanguíneos e perda da
achatada e destacam-se da pele no processo de renova-
elasticidade. Alterações nos músculos, perda da gordura
ção celular (descamação). As células que a compõem são
subcutânea e perda de substância dos ossos faciais e car-
constituídas predominantemente por queratina, uma
tilagens também contribuem para agravar o proces-
proteína que confere elasticidade e resistência13,17,18,19.
so15,17,20,22,25,26.
A derme é o tecido conjuntivo onde está apoiada a
Três eventos bioquímicos são considerados caracte-
epiderme. Em contraste a esta, a derme é vascularizada,
rísticos do processo de envelhecimento intrínseco da
responsável pela nutrição da pele e pela termorregulação,
pele: diminuição da capacidade de divisão celular; redu-
composta por duas regiões distintas, porções papilares e
ção da síntese da matriz dérmica e aumento do número
reticulares. A derme papilar é justaposta à epiderme so-
de enzimas capazes de destruírem a matriz de colágeno.
brejacente e é composta por feixes frouxamente organi-
O encurtamento dos telômeros, que são as porções ter-
zados de colágeno, fibras elásticas, fibrócitos, capilares e
minais dos cromossomos, conduzem a diminuição da
terminações nervosas. A derme reticular contém fibras
capacidade de divisão celular. Os telômeros têm a fun-
de colágeno compacto, fibras elásticas grossas, parte
ção de proteger os cromossomos e a replicação do DNA,
profunda de anexos epidérmicos e, redes vasculares e
mantendo íntegra as atividades de reparação e funciona-
nervosas. O colágeno é o principal constituinte da derme
lidade das células, mas ao longo do tempo, com as su-
e é sintetizado pelos fibroblastos. Mais de 90% de fibras
cessivas divisões mitóticas e inativação das enzimas
dérmicas são feitas de colágeno intersticial, principal-
telomerases, essa extremidade cromossomal é corroída,
mente dos tipos I e III, proporcionando resistência à tra-
encurtando-se, perdendo assim informações genéticas,
ção mecânica. As fibras elásticas são responsáveis pela
gerando instabilidades genômicas e perda de capacidade
elasticidade da pele e se estendem da lâmina densa da
de regeneração tecidual que está associada diretamente a
junção dermo-epidérmica à derme reticular. As fibrilas
senescência celular15,17,21,26,27,28,29.
especiais de colágeno inserem-se na membrana basal de
A redução da síntese da matriz dérmica está relacio-
um lado a outro e penetram profundamente na derme,
nada a diminuição do número de fibroblastos, bem como
ajudando na sua fixação à epiderme, além de facilitar a
de colágeno e elastina; perda da microvasculatura dér-
nutrição das células da epiderme devido sua vasculari-
mica; perda de glândulas sebáceas e alterações das fibras
zação. Na derme encontra-se a MEC, a qual é basica-
elásticas. Alterações epidérmicas também são encontra-
mente constituída por uma rede complexa de fibras pro-
das, como diminuição progressiva da renovação das cé-
teicas, sintetizadas pelos fibroblastos e fibras elásticas
lulas epidérmicas, achatamento da inserção da epiderme
submersas em outro tipo de proteína, os glicosaminogli-
com a derme (junção dermoepidérmica), redução no
canos13,18,19,20.
número de melanócitos e atipia de queracinócitos. O
aumento da produção de metaloproteinases de matriz

ISSN online 2178-2571


Pavani & Fernandes / Uningá Review V.29,n.1,pp.227-236 (Jan - Mar 2017)

(MMPs) contribuem para o processo de envelhecimento cerbando a degradação da matriz extracelular pelas
devido a degradação de colágeno e de outras proteínas MMPs, também reduzem a síntese do colágeno por in-
da matriz extracelular4,25. duzir a transcrição do fator AP-1 e a redução dos recep-
O declínio hormonal que ocorre com o avanço da tores do fator de crescimento β (TGF-β) tipo II dimi-
idade também contribui para o envelhecimento cutâneo, nuindo a expressão do gene dos protocolágenos tipo I e
observa-se a diminuição dos níveis de produção de es- III, que levam a formação diminuída e/ou alterada de
trogênios, testosterona, dehidroepiandrosterona (DHEA), colágeno I. O colágeno alterado tem pouca adesão aos
cortisol, melatonina, tiroxina, hormônio do crescimento fibroblastos, reduzindo mais uma vez a neocolagênese,
e insulina, que justificam alterações ao nível celular e bem como alterando a organização das fibrilas de colá-
estrutural da pele. O sistema tegumentar possui em cada geno, levando ao fotoenvelhecimento17,20,23,26,28.
uma das suas camadas (derme, epiderme e anexos cutâ- A nicotina é a segunda causa mais frequente de en-
neos) receptores hormonais estrogênicos e androgênicos, velhecimento cutâneo. Esta diminui o fluxo sanguíneo,
principalmente no estrato granuloso, para estimulação de devido a uma vasoconstrição importante, que leva à falta
síntese de fibras de colágeno e de mucopolissacarídeos de nutrientes e oxigênio, dificultando a síntese de fibras
como o ácido hialurônico, que promove maior hidrata- elásticas e favorecendo a formação de radicais livres.
ção cutânea e controle da secreção sebácea. Estudos Além disso, o tabaco estimula a síntese de RNA mensa-
comprovam que após a menopausa há um decréscimo de geiro que codifica para a colagenase (MMP-1), aumen-
cerca de 2% ao ano do conteúdo em colágeno, devido a tando a atividade das MMPs que promovem a destruição
interrupção quase total de produção de estrógenos, le- de colágeno17,28.
vando a perda de elasticidade e firmeza, ocorrendo sur- O quadro 1 apresenta os principais fatores relacio-
gimento de rugas, flacidez e escurecimento dos lá- nados ao envelhecimento cutâneo, tanto intrínseco como
bios17,26,28,29. extrínseco4,17,18,21,23,24,25,26,27,28,29.
Outro evento que pode estar envolvido no envelhe- Quadro 1. Fatores relacionados ao envelhecimento cutâneo
cimento da pele é o estresse oxidativo, o qual ocorre Envelhecimento In-
quando a homeostase intracelular redox é alterada. Há trínseco: Processo
associado ao avanço
desequilíbrio entre a produção e neutralização de Radi- da idade, progressivo
cais Livres (RLs), os quais incluem espécies reativas de e irreversível.
ORIGEM  Envelhecimento Ex-
oxigênio (EROs) e espécies reativas de nitrogênio trínseco: Processo
(ERNs). Embora a formação de RLs possa ocorrer no associado a fatores
citoplasma, nas mitocôndrias e na membrana celular e externos, principal-
mente radiação solar
em diferentes situações metabólicas; acredita-se que sua e tabagismo.
principal fonte endógena seja a respiração celular mito-  Alterações bioquí-
micas programadas
condrial. As espécies oxidativas formadas nesse proces- pelo próprio geno-
so irão reagir com componentes nucleares e citoplasmá- ma.
ticos das células (principalmente DNA e RNA), com  Alterações genéticas
(mutações).
proteínas, lipídios, enzimas, colágenos e hormônios,  Modificação da ex-
induzindo modificações orgânicas dos tecidos e do có- pressão genética
FATORES BIOLÓ- através de agentes
digo genético, e por consequência ocasionando as defi- GICOS ambientais.
ciências fisiológicas características do avanço da ida-  Encurtamento dos
de17,26,27,29. telômeros.
 Estresse oxidativo.
O envelhecimento extrínseco é dependente de fatores  Alterações hormo-
externos ao organismo, cuja exposição diária a estes, nais.
aumenta a produção de radicas livres, danificando lipí-  Expressão desregu-
lada das metalopro-
dios, proteínas e DNA, resultando na incapacidade das teinases de matriz.
células em manter sua integridade e função. Entre os  Diminuição da ca-
pacidade de renova-
principais fatores temos: radiações solares (fotoenve- ção celular.
lhecimento), poluição ambiental, exposição as substân-  Menos células de
cias químicas e estilo de vida (sedentarismo, alimentação, Langerhans (menos
defesa).
estresse, consumo de álcool e tabagismo)15,17,18,25,26.  Redução do número
CARACTERÍSTICAS
A exposição ao sol é responsável por 80 a 90% do HISTOLÓGICAS E
de melanócitos.
 Diminuição da es-
envelhecimento da pele. Os raios ultravioleta – UVA e BIOQUÍMICAS
pessura e da vascu-
UVB, sob ações direta e indireta, provocam mutações larização da derme.
danificando o DNA mitocondrial de fibroblastos, levan-  Achatamento da
junção der-
do à diminuição de colágeno e elastina, ativa a proteína mo-epidérmica.
1 (AP-1) e o fator de transcrição nuclear (NF-kB) exa-  Menor capacidade
mitótica da camada

ISSN online 2178-2571


Pavani & Fernandes / Uningá Review V.29,n.1,pp.227-236 (Jan - Mar 2017)

basal. dade antigênica. Ocorre comprometimento de fibroblas-


 Diminuição da sín-
tese da matriz dér- tos e consequentemente da síntese de elastina, colágeno
mica. e proteoglicanas, responsáveis respectivamente pela
 Perda de glândulas
sebáceas.
elasticidade, resistência e hidratação da pe-
 Atipia de queratinó- le17,20,24,25,26,30,31,32.
citos. Clinicamente é observado o aparecimento de rugas,
 Redução do número
e da capacidade de flacidez, manchas, diminuição da capacidade de regene-
biossíntese de fi- ração dos tecidos, perda do tônus, perda do brilho, au-
broblastos, com di-
minuição de fibras
mento da fragilidade capilar, aspereza e espessamento
de colágeno e elas- actínico (devido redução de descamação)20.
tina.
 Alteração na orga- Plasma Rico em Plaquetas e Fatores de Cres-
nização de colágeno
fibrilar e elastina.
cimento
 Hiperplasia do tecido
elástico.
Em 1975 foi publicado um artigo que relatava o uso
 Diminuição da es- de uma mistura de plaquetas-fibrinogênio-trombina co-
pessura da epiderme. mo um adesivo córneo, iniciando o conceito de “gel de
 Perda progressiva
dos lipídios que plaquetas”. Em 1979 relatava-se o uso de espuma de gel
constituem o estrato em anastomose nervosa sem sutura. Nos anos seguintes
córneo.
foram realizadas pesquisas em modelos animais de-
 Espessamento cutâ-
neo, com menor monstrando que plaquetas e fibrina auxiliavam na cica-
permeabilidade. trização de lesões. Mas foi em meados da década de
 Cicatrização tecidual
deficiente. 1980, após a publicação de Kingthon et al., em 1986,
 Xerose, flacidez, que iniciou-se a aplicação de plaquetas no tratamento de
rugas e atrofia. feridas. Um marco importante no final dos anos 1990
 Alteração na pig-
mentação. foram publicações sobre a utilização de gel de plaquetas
MANIFESTAÇÕES
 Proeminência de na regeneração óssea em cirurgias maxilo-faciais, sur-
vasos sanguíneos.
CLÍNICAS
 Perda da elasticida-
gindo o termo plasma rico em plaquetas. A partir deste
de; elastose solar. período o PRP vem sendo amplamente utilizado em di-
 Alteração da cor e ferentes áreas da medicina devido a sua capacidade de
textura da pele;
maior rugosidade. auxiliar na regeneração tecidual4.
 Queratose; Telan- O PRP também é conhecido como plasma enrique-
giectasia; Púrpuras.
 Aumento da susceti-
cido de plaquetas (PeRP), concentrado rico em plaquetas
bilidade a traumas e (PRC) ou gel de plaquetas autólogas. Pode ser definido
infecções. como um hemoderivado autólogo contendo concentra-
O sinergismo entre os eventos biológicos do enve- ções de plaquetas superiores aos níveis basais em pe-
lhecimento intrínseco e extrínseco, principalmente sob quena quantidade de plasma, sendo fonte de variados
efeito do fotoenvelhecimento, resulta nas seguintes ca- fatores de crescimento e proteínas. Além de plasma e
racterísticas histológicas: adelgaçamento da camada es- plaquetas, leucócitos também compõem o PRP lhe con-
pinhosa e achatamento da junção dermo-epidérmica ferindo resistência natural3,4,8,9,12,13,33,35,36,37.
(aspecto de excesso de pele), que pode levar ao apareci- As plaquetas são pequenos fragmentos discoides
mento de atrofia, acúmulo de degradação de fibrina elas- anucleados de megacariócitos fisiologicamente funda-
tina amorfa sob a junção dermoepidérmica, hiperplasia do mentais para manutenção da hemostasia e para formação
tecido elástico que apresenta aumento do número de do coágulo de fibrina, sendo os primeiros componentes a
fibras elásticas grossas, curvas e emaranhadas, presença aderirem ao local da lesão do vaso, agregando-se entre si,
de fibras colágenas reduzidas, delgadas, achatadas e de- promovendo a restauração do dano através de sua ativa-
sorganizadas. Há uma redução dos precursores de colá- ção e degranulação, com liberação de FC, citocinas, mo-
geno tipos I e III, redução de fibroblastos e um aumento léculas de adesão, integrinas e proteínas da coagulação.
de depósito dos glicosaminoglicanos no tecido elastótico Estes componentes estimulam, através de uma rede de
e não nas fibras de colágeno e elastina, onde é responsá- vias inter e intracelular de sinalização, a quimiotaxia e
vel pela rigidez17,20,24,25,26,30,31,32. angiogênese, promovendo crescimento vascular e proli-
Os queratinócitos envelhecidos tornam-se resistentes feração de fibroblastos que atuam nos processos celula-
a apoptose ficando susceptíveis ao desenvolvimento de res essenciais para reparo e cicatrização de feridas e
carcinogênese. Alterações dos melanócitos, com surgi- re-epitelização, aumentando a síntese de coláge-
mento de manchas senis. As células de Langerhans tam- no2,4,5,6,9,13,38.
bém diminuem com avanço da idade, perdendo capaci- Dois tipos de grânulos estão presentes nas plaquetas,

ISSN online 2178-2571


Pavani & Fernandes / Uningá Review V.29,n.1,pp.227-236 (Jan - Mar 2017)

os densos e alfa (α). Os primeiros secretam adenosina proliferação de fibroblastos e estimu-


difosfato (ADP), adenosina trifosfato (ATP), serotonina, lando estas células a sintetizarem nova
matriz extracelular e aumentarem a
cálcio, pirofosfato, P-selectina, fator de transformação secreção de colagenase. São potentes
do crescimento β, catecolaminas e guanosina di e tri mitógenos para fibroblastos, células do
fosfato. Já os grânulos alfa secretam FC que constituem músculo liso arterial, condrócitos,
um grupo de polipeptídeos com ação importante em di- células epiteliais e endoteliais. Atuam
ainda estimulando a angiogênese e
versas etapas do reparo tecidual, que incluem uma série ação de outros fatores de crescimento.
de proteínas denominadas genericamente de fatores de TGF-α (Transforming Apresenta semelhança ao EGF, ligan-
crescimento derivados de plaquetas4,5,6,13,35,38,39,40,41. Growth Factor α) do-se ao mesmo receptor; entretanto
Entre os fatores de crescimento presentes nos grânu- estimulando a proliferação de células
endoteliais de forma mais potente que
los α, destacam-se: três isômeros do fator de crescimento este.
derivado de plaquetas (Platelet Derivated Growth Fac- TGF-β (Transforming Apresentam três isômeros, TGFβ-1,
tors - PDGF) – PDGFaa, PDGFbb e PDGFab; fatores Growth Factor β) TGFβ-2 e TGFβ-3. Estimulam os
de crescimento transformadores α e β (Transforming fibroblastos a produzirem colágeno,
favorecendo a cicatrização de feridas e
Growth Factors); fator de crescimento epitelial (Epi- reparo de tecido conjuntivo. Também
thelial Growth Factor - EGF); dois isômeros do fator de favorece a regeneração de tecido ós-
crescimento semelhante a insulina (Insulin-like Growth seo, uma vez que melhoram a osteo-
Factor - IGF-1 e IGF-2); fator de crescimento endotelial gênese.
EGF (Epidermal Growth Peptídeo que induz a regeneração de
vascular (Vascular Endothelial Growth Factor - VEGF); Factor) células da epiderme, desempenhando
fator de angiogênese derivado da plaqueta (Plate- importante papel no processo de cica-
let-derived Angiogenesis Factor – PDAF) e fator pla- trização cutânea através da estimulação
quetário 4 (Platelet factor 4 - PF-4)4,5,6,13,35,38,39,40,41. de proliferação de células epidérmicas
epiteliais e fibroblastos, estimulando e
Adicionalmente as propriedades dos fatores de cres- acelerando diretamente a reepiteliza-
cimento estão os efeitos das demais proteínas contidas ção. Juntamente com os demais fatores
nos grânulos alfa. São cerca de 800 proteínas plaquetá- de crescimento plaquetários, realiza
rias que apresentam efeitos sobre vários tipos de células quimiotaxia de células mesenquimais
e epiteliais, atraindo-as para o local
como os osteoblastos, condrócitos, fibroblastos, células lesionado e induzindo-as a mitogêne-
endoteliais, células-tronco mesenquimais de diferentes se, estimula a síntese de matriz extra-
origens, miócitos e células de tendão3,4,6. celular e colágeno, dessa forma bene-
In vivo os fatores plaquetários são armazenados nos ficiando a cicatrização de tecido epite-
lial.
grânulos na sua forma incompleta o que proporciona que
IGF (Insulin-like Growth São peptídeos que se assemelham
as plaquetas no estado de repouso normalmente não es- Factors) estruturalmente a pró-insulina, pro-
tejam ativadas. Alguns mecanismos podem levar a ati- movem a síntese de colagenase e
vação das plaquetas, por exemplo a exposição de molé- prostaglandina E2 em fibroblastos,
culas de adesão no endotélio lesado, tais como Fator de sendo também responsáveis pela mi-
tose destas células.
Von Willebrant, colágeno, fibronectina e laminina ou VEGF (Vascular Endothe- Potente indutor de neovascularização,
pela ação de agonistas fisiológicos como a trombina, lial Growth Factor) quimiotaxia e proliferação de células
ADP, colágeno, tromboxano A2 e epinefrina que intera- endoteliais. Aumenta a permeabilidade
gem com receptores específicos da membrana celular e vascular.
PDAF (Platelet-derived Estimula angiogênese.
outros mecanismos induzem a sinalização celular. Uma Angiogenesis Factor)
vez ocorrendo a ativação plaquetária, os fatores são PF-4 (Platelet Factor 4) Ação quimiotática sobre leucócitos
transformados em seu estado bioativo e são ativamente polimorfonucleares e monócitos.
secretados, captados por outras células aumentando a
Clinicamente a reprodução deste processo pode
mitose celular e produção de colágeno, recrutando célu-
ocorrer utilizando-se um ativador para o PRP, como a
las para o local da injúria e induzindo a diferenciação
trombina ou CaCl2, resultando na formação do gel de
celular13,33.
plaquetas. Uma vez que as plaquetas são ativadas, dentro
As atividades biológicas dos principais fatores de
de 10 minutos inicia-se a secreção de seus grânulos e
crescimento plaquetários são descritas no Quadro
95% dos fatores de crescimento são secretados dentro de
24,5,6,13,35,38,39,40,41.
uma hora. Esses FC se unem a receptores da superfície
Quadro 2. Atividades biológicas dos principais Fatores de Crescimen- celular e servem como mensageiros químicos, mediando
to Plaquetários vias de sinalização inter e intracelulares que controlam o
Fator de Crescimento Funções Biológicas crescimento celular, proliferação e diferenciação. Sendo
PDGF (Platelet Deri- Na fase inicial do processo de ci- importante ressaltar que a eficiência do processo se deve
vated Growth Factors) catrização, atraem neutrófilos e monó-
as interações entre proteínas da matriz extracelular e os
citos, promovendo a síntese de colá-
geno e proteoglicanos, induzindo a fatores de crescimento e não apenas pela ação isolada

ISSN online 2178-2571


Pavani & Fernandes / Uningá Review V.29,n.1,pp.227-236 (Jan - Mar 2017)

desses fatores13,33,34,38. matoscopia, pré e pós-tratamento. Os pacientes experi-


Embora os métodos de aplicação do PRP em relação mentaram uma significativa melhora da micropigmenta-
ao rejuvenescimento cutâneo ainda estejam sob investi- ção, na textura e homogeneidade da pele, com redução
gação, se tópico ou injeção, normalmente é realizada na nas pequenas rugas. Nas imagens com dermatoscópio
face e pescoço. Para o método injetável, a aplicação de- observou-se uma boa melhoria da textura e elasticidade
pende do efeito desejado. Para a estimulação superficial, da pele. Um aumento de volume no local da injeção das
a injeção deve ser feita na derme superficial, caso se pregas nasolabiais foi detectada em 65% dos pacientes.
deseje atingir a camada profunda da pele como material A técnica foi bem tolerada sem efeitos colaterais graves
de preenchimento, deve-se aplicá-lo na derme profunda e persistentes e a satisfação dos pacientes foi muito ele-
ou tecidos subcutâneos4. vada7.
Ao ser injetado no tecido alvo, o PRP ativado pro- Dae et al. (2011)10 na Coréia desenvolveram um es-
move aumento da capacidade de regeneração tecidual ao tudo com PRP com o objetivo de avaliar seus efeitos in
secretar o conteúdo dos grânulos plaquetários, estimu- vitro sobre fibroblastos e remodelação dos componentes
lando a migração, proliferação e diferenciação de células da matriz extracelular com consequente contribuição
endoteliais, epiteliais e mesenquimais, quimiotaxia de para o rejuvenescimento da pele. Esses autores observa-
neutrófilos e monócitos. Os FC ainda aumentam a per- ram um aumento da expressão de colágeno tipo I, de
meabilidade vascular e ativam a angiogênese, melho- MMP-1 e de RNAm em fibroblastos humanos, conclu-
rando a vascularização do tecido, que é reduzida com o indo que o PRP pode promover a remodelação da EMC
avanço da idade e, induzem a síntese de colágeno através na pele envelhecida. Esses autores também concluíram
da estimulação dos fibroblastos3,11,42. que o PRP pode ser utilizado como adjuvante no trata-
Conde Montero, Fernàndez Santos, Suárez Fer- mento a laser para rejuvenescimento da pele.
nàndez (2015)42 descreveram que o PRP também esti- Ainda na Coréia, Na et al. (2011)43 desenvolveram
mula aumento de inibidores de MMPs, diminuindo a análise histológica da pele com cicatrizes após trata-
atividade dessas proteínas, estabilizando a matriz extra- mento com associação de PRP ativado e laser de CO2
celular. Contrariamente outros estudos relataram que fracionado. Os resultados foram a recuperação significa-
aplicação do PRP ativado pode aumentar a expressão de tivamente mais rápida das lesões, feixes de colágeno
alguns tipos de MMPs, alguns trabalhos afirmam o au- mais espessos, menor eritema e índice de melanina em
mento da expressão de MMP-1 e MMP-3, enquanto ou- relação ao controle (associação de salina com laser de
tros, das MMP-1 e MMP-2. Essas proteínas embora es- CO2 fracionado). Estudo semelhante foi realizado na
tejam envolvidas no processo de envelhecimento devido China demonstrando que o PRP combinado com a tera-
a degradação de colágeno e de outras proteínas da MEC, pia a laser fracionado é uma abordagem eficaz e segura
poderiam utilizar essa característica para beneficiar o para o tratamento de cicatrizes de acne, com efeitos co-
rejuvenescimento. Isto se daria pela remodelação da ma- laterais mínimos, reforçando a recuperação dos efeitos
triz extracelular através da estimulação de remoção de negativos do laser34.
componentes danificados dessa matriz e indução de sín- No Peru, fora feita uma descrição do procedimento de
tese de novo colágeno pelos fibroblastos4. microlipoenxerto facial com a utilização de PRP. A
Outro mecanismo antienvelhecimento do PRP, seria técnica consiste em injetar micro alíquotas de gordura
através da aceleração da produção de ácido hialurôni- autóloga dentro dos músculos faciais em vários pontos,
co. Este componente absorve a água, sua matriz incha e para se obter o rejuvenescimento através do aumento de
preenche os espaços entre as células, aumentando o vo- volume, porém essa gordura foi combinada com um
lume da MEC, dando firmeza, turgor e hidratação à pe- preparado de PRP. Os pacientes expressaram satisfação
le. Além disso, contribui para o ajustamento do diâmetro com os resultados e com a vantagem de não ser um pro-
das fibras de colágeno4,42. cedimento invasivo44.
Monteiro (2013)9 realizou uma revisão envolvendo o
Ensaios clínicos com uso de PRP na área da
Plasma Rico em Plaquetas para fins de rejuvenescimen-
estética
to. Nesse estudo obteve dados de que o PRP quando
Vários artigos científicos, em diversas partes do introduzido ao meio de cultura de fibroblastos dérmicos
mundo, têm demonstrado os benefícios do PRP autólogo humanos levou a maior proliferação dessas células, bem
para o rejuvenescimento cutâneo. Na Itália, a fim de como aumentou sua produção de colágeno em compara-
demonstrar seu efeito clínico na revitalização da face e ção às culturas-controle. Da mesma forma, a adição de
pescoço, realizou-se um estudo em 23 pacientes que PRP em cultura de células-tronco derivadas de tecido
foram tratados com uma injeção mensal de PRP ativado adiposo proporcionou aumento da proliferação dessas
com cloreto de cálcio por 3 meses consecutivos. Os re- células. Esse achado reforça a possibilidade do PRP in-
sultados foram avaliados um mês após a última sessão terferir na biologia das células-tronco presentes na pele.
através da comparação de fotografias digitais e por der-

ISSN online 2178-2571


Pavani & Fernandes / Uningá Review V.29,n.1,pp.227-236 (Jan - Mar 2017)

No Egito foi desenvolvido um estudo em 20 pacientes do PRP dos eritrócitos restantes, cuidando para evitar a
do sexo feminino, com idade entre 30 e 55 anos, as quais fragmentação das plaquetas durante o processo, o que
foram tratadas com sessões de injeção de PRP autólogo poderia causar sua ativação precoce (2 o Estágio). Em
ativado com cloreto de cálcio, aplicado na pele do rosto e seguida, a fração sobrenadante que é rica em plaquetas é
pescoço. As pacientes foram acompanhadas por 6 meses. coletada e transferida para outro tubo, onde na maioria
As avaliações médicas e das fotografias digitais pré e dos métodos é realizada a ativação plaquetária com clo-
pós-procedimento, revelou uma percentagem média de reto ou gluconato de cálcio a 10%. Algumas vezes
melhora de 58,3%, com boa satisfação na auto avaliação acrescenta-se trombina12,38,39.
das pacientes12. O Quadro 3 apresenta alguns métodos de obtenção
Também na Coréia, Oh, Kim, Kim (2014)45 avalia- de PRP, quanto ao volume de sangue, número e tempo
ram os efeitos adicionais do PRP à Fototerapia de LED de centrifugações e componente ativador de plaquetas.
em 830 nm para a redução de cicatrizes faciais. O trata- Em todos os casos exibidos, o anticoagulante de escolha
mento causou uma substancial melhora da lesão e sin- para a coleta de sangue foi o citrato de sódio.
tomas, com bons resultados cosméticos e com resolução Quadro 3. Protocolos de obtenção do PRP segundo diferentes autores
rápida de efeitos pós-laser. Volume Ativação
de san- Centrifugação das Pla- Referência
Obtenção do Plasma rico em plaquetas gue quetas
Volume 1º Estágio: 7 min Mistura de Dae et al. 10
O PRP é obtido através de um processo de centrifu- de sangue a 3.000 rpm Cloreto de
gação de gradiente de densidade do sangue total do pa- não cita- 2º Estágio 5 min Cálcio e
ciente, onde há concentração de plaquetas. O processo do. a 4.000 rpm Trombina
de obtenção é relativamente fácil e de baixo custo, mi- 10 mL de 1o Estágio: 10 Cloreto de Na et al. 43
nimamente invasivo, porém deve ser de forma estéril e sangue min a 160 g Cálcio
2o Estágio: 10
de precisão. Deve-se observar não apenas o aspecto min a 400 g
quantitativo (concentração de plaquetas), mas também 40 mL de 1o Estágio: 10 Gluconato Zhu et al. 34
aspectos qualitativos, crucial manter a integridade das sangue min a 1.500 rpm de Cálcio
plaquetas, para não perder as funções dos fatores de 2o. estágio: 20
min a 3.000 rpm
crescimento35,46. 30-60 mL 1o Estágio: 3.200 Dado não Jimenez-Canizales;
A concentração ideal de plaquetas não é definida, os de sangue rpm por 15 citado Montoya-Canón;
métodos atuais pelos quais o PRP é preparado relatam minutos Sepúlveda-Arias 47
um enriquecimento de 300 a 700%, atingindo concen- 10 mL de 1º Estágio: 6 min Cloreto de Mikhael; El-Esawy.
sangue a 1.100 rpm Cálcio 12
trações superiores a um milhão de plaquetas por μl, po- 2º Estágio 10
dendo chegar de 5 a 10 vezes a concentração normal das min a 3.000 rpm
plaquetas no sangue. Entretanto, ainda permanece obs- 20 mL de 1o Estágio: 10 Dado não Guerreiro et al. 37
cura a relação entre o benefício clínico e a concentração sangue min a 1.200 rpm citado
2o Estágio: 5 min
de plaquetas, devido a variabilidade interindividual e a
a 1.200 rpm.
influência de fatores próprios de cada caso10,38,39.
Há vários protocolos de centrifugação que concen-
tram e capturam as plaquetas, visando a obtenção do 5. CONCLUSÃO
PRP, estes diferem em número, tempo e velocidades de
centrifugação a que o sangue total é submetido, volume O envelhecimento é uma fase de declínio funcional de
da amostra inicial de sangue e os tipos de tubos coletores qualquer organismo, ocorrendo alterações moleculares
e anticoagulantes utilizados4,9,39. que desencadeiam mudanças orgânicas. A pele também é
Em geral a técnica consiste em submeter o sangue afetada pelo envelhecimento e suas alterações envolvem
coletado com anticoagulante (EDTA ou Citrato de Sódio) o processo intrínseco ou biológico, geneticamente pre-
a uma centrifugação que separa e concentra os eritrócitos, determinado e progressivo com a idade, o qual pode ser
obtendo-se três camadas distintas de acordo com a den- acelerado por fatores ambientais ou extrínsecos, princi-
sidade (1o Estágio). A camada inferior (densidade 1,09) é palmente radiação solar e consumo de tabaco.
composta por células vermelhas; a camada média (den- Com a compreensão melhor desses mecanismos
sidade 1,06) é composta por glóbulos brancos e plaque- houve um significativo progresso nas técnicas que bus-
tas e, a camada superior (densidade 1,03) composta por cam prevenir e reverter os sinais visíveis do envelheci-
plasma pobre em plaquetas (PPP). Algumas técnicas mento cutâneo. A biotecnologia tornou o corpo cada vez
simplesmente separam a camada superior das demais mais manipulável e os fatores de crescimento vem-se
obtendo um plasma rico em plaquetas; enquanto em ou- mostrando substâncias importantes nas estratégias de
tros métodos, retira-se a camada superior, e a retorna a rejuvenescimento. Nesse sentido, vários estudos de-
outro tubo para centrifugação para a separação precisa monstraram resultados promissores na área estética, com
aplicação do Plasma Rico em Plaquetas na face e pes-

ISSN online 2178-2571


Pavani & Fernandes / Uningá Review V.29,n.1,pp.227-236 (Jan - Mar 2017)

coço, havendo melhora do aspecto e textura da pele, [13] Donadussi M. Revisão Sistemática da Literatura sobre a
minimizando rugas e flacidez. Efetividade Clínica do Plasma Rico em Plaquetas para o
Entretanto algumas questões necessitam de mais es- Tratamento Dermatológico Estético [tese]. Porto Alegre
clarecimentos para que o PRP possa ser adotado defini- (RS): Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do
Sul; 2012. 99 p.
tivamente, na prática clínica, como estimulador dérmico. [14] Moreira V, Nogueira FNN. Do indesejável ao inevitável: a
Deve-se desenvolver pesquisas clínicas quanto à eficácia experiência vivida do estigma de envelhecer na contem-
e segurança do processo a longo prazo. Há necessidade poraneidade. Psicol. USP. 2008;19(1):59-79.
de se padronizar os protocolos de obtenção e definir a [15] Dieamant G, Costa A, Bechelli L, Checon JT, Pereira C.
concentração ideal de plaquetas, avaliando sua viabili- Avaliação in vitro do perfil de segurança de cosmecêuti-
dade; pois, como são produtos sintetizados biologica- cos contendo fatores de crescimento e seus análogos. Surg
mente existe variação em sua composição e qualidade. Cosmet Dermatol. 2012;4(3):229-36.
Outro critério importante que deve ser investigado e pa- [16] Santos LA, Zoboli F, Correia ES. Estética/beleza e anti-
dronizado é o plano ideal de aplicação do PRP, referente envelhecimento Feminino: Biotecnologia e potencializa-
ção do corpo. Praxia. 2013;1(4):48-61.
ao volume, camada da pele, número e intervalo das [17] Ruivo AP. Envelhecimento Cutâneo: fatores influentes,
aplicações. ingredientes ativos e estratégias de veiculação [tese].
Porto (PT): Universidade Fernando Pessoa; 2014. 112 p.
REFERÊNCIAS [18] Naylor EC, Watson REB, Sherratt MJ. Molecular aspects
of skin ageing. Maturitas. 2011;69:249-56.
[01] Garcia RLL, Costa JRS, Pinheiro SS, Torriani, MA.
[19] Anderson BE. Sistema tegumentar. 2ª ed. Rio de Janeiro:
Plasma rico em plaquetas: uma revisão de literatura. Rev
Elsevier Editora Ltda, 2014.
Bras Implantodont Prótese Implant. [20] Vieira ACQM, Medeiros LA, Palácio SB, Lyra MAM,
2005;12(47/48):216-9. Alves LDS, Rolim LA et al. Fatores de crescimento: uma
[02] Vendramin FS, Franco D, Nogueira CM, Pereira MS,
nova abordagem cosmecêutica para o cuidado antienve-
Franco TR. Plasma Rico em Plaquetas e Fatores de Cres-
lhecimento. Rev. Bras. Farm. 2011:92(3):80-9.
cimento: Técnica de Preparo e Utilização em Cirurgia [21] Silva WJM, Ferrari CKB. Metabolismo Mitocondrial,
Plástica. Rev. Col. Bras. Cir. 2006; 33(1): 24-8. Radicais Livres e Envelhecimento. Rev. Bras. Geriatr.
[03] Ganceviciene R, Liakou AI, Theodoridis A, Makranto-
Gerontol. 2011;14(3):441-51.
naki E, Zouboulis CC. Skin anti-aging strate-
[22] Silva VN. Tratamento das rugas periorbiculares em idosos
gies. Dermato-endocrinology. 2012;4(3):308-19. através da laser terapia 650 nm [trabalho de conclusão de
[04] Banihashemi M, Nakhaeizadeh S. An introduction to curso]. Campina Grande (PB): Universidade Estadual da
application of platelet rich plasma (PRP) in skin rejuve-
Paraíba; 2013. 19 p.
nation. Rev Clin Med. 2014;1(2):38-43.
[23] Parrinha ARG. Novas Tendências em Cosmética An-
[05] Dusse LMS, Macedo AP, Batschauer AP, Carvalho MG. ti-envelhecimento [tese]. Lisboa (PT): Universidade Lu-
Plasma Rico em Plaquetas (PRP) e sua aplicação em sófona de Humanidades e Tecnologias / Escola de Ciên-
Odontologia. RBAC. 2008;40(3):193-7. cias e Tecnologia da Saúde; 2014. 53 p.
[06] Zenker S. Platelet rich plasma (PRP) for facial rejuvena-
[24] Charles-de-Sá L, Gontijo-de-Amorim NF, Takiya CM,
tion. J. Méd. Esth. et Chir. Derm.
Borojevic R, Benati D, Bernardi P et al. Antiaging
2010;XXXVII(148):179-83. treatment of the facial skin by fat graft and adi-
[07] Redaelli A, Romano D, Marcianó A. Face and neck revi- pose-derived stem cells. Plastic and Reconstructive Sur-
talization with platelet rich plasma (PRP): clinical out-
gery. 2015;135(4):999-1009.
come in a series of 23 consecutively treated patients. J
[25] Santos JLM. Novas abordagens terapêuticas no combate
Drugs Dermatol. 2010;9(5):466-72. ao envelhecimento cutâneo [tese]. Porto (PT): Universi-
[08] Taylor DW, Petrera M, Hendry M, Theodoropoulos JS. A dade Fernando Pessoa; 2011. 71 p.
Systematic review of the use of platelet-rich plasma in
[26] Alves R, Castro Esteves T, Trelles MA. Factores intrín-
sports medicine as a new treatment for tendon and liga-
secos y extrínsecos implicados em el envejecimiento cu-
ment Injuries. Clin J Sport Med. 2011;21:344–52. tâneo. Cir. plást. Iberolatinoam. 2013;39(1):89-102.
[09] Monteiro MR. Platelet­rich plasma in dermatology. Surg [27] Teixeira INDO, Guariento ME. Biologia do envelheci-
Cosmet Dermatol 2013;5(2):1559.
mento: teorias, mecanismos e perspectivas. Ciência &
[10] Dae HK, Young JJ, Chang DK, Young HL, Young JS,
Saúde Coletiva. 2010;15(6):2845-57.
Jeung HL et al. Can platelet-rich plasma be used for kin [28] Lozada SM, Rueda R. Envejecimiento cutáneo. Rev Asoc
rejuvenation? Evaluation of effects of platelet-rich plasma Colomb Dermatol. 2010;18:10-7.
on human dermal fibroblast. Ann Dermatol.
[29] Fries AT, Pereira DC. Teorias do envelhecimento hu-
2011;23(4):424-31.
mano. Revista Contexto & Saúde. 2011;10(20):507-14.
[11] El-Domyati M, Medhat W. Minimally invasive facial [30] Ferolla AC, Tamura BM, Cucé LC. Rejuvenescimento
rejuvenation: current concepts and future expectations. com terapia fotodinâmica: melhora clínica e análise do
Expert Rev Dermatol. 2013;8(5):565-580.
colágeno e das fibras elásticas. Surg Cosmet Dermatol.
[12] Mikhael NW, El-Esawy FM. Skin rejuvenation with
2010;2(2):87-92.
autologous concentrated platelet-rich plasma. Egyptian [31] Mukherjee PK, Maity N, Nema NK, Sarkar BK. Bioac-
Journal of Dermatology and Venereology. 2014; 34:5–9 tive compounds from natural resources against skin ag-
ing. Phytomedicine. 2011;19:64-73.

ISSN online 2178-2571


Pavani & Fernandes / Uningá Review V.29,n.1,pp.227-236 (Jan - Mar 2017)

[32] Sparavigna A, Tenconi B, De Ponti I. Antiaging, photo-


protective, and brightening activity in biorevitalization: a
new solution for aging skin. Clinical, Cosmetic and In-
vestigational Dermatology. 2015;8:57–65.
[33] Sommeling CE, Heyneman A, Hoeksema J, Verbelen J,
Stillaert FB, Monstrey S. The use of platelet-rich plasma
in plastic surgery: a systematic review. Journal of Plastic,
Reconstructive & Aesthetic Surgery. 2013;66(3):301-12.
[34] Zhu JT, Xuan M, Zhang YN, Liu HW, Cai JH, Wu YH et
al. The efficacy of autologous platelet-rich plasma com-
bined with erbium fractional laser therapy for facial acne
scars or acne. Molecular Medicine Reports. 2013;8:233-7.
[35] Spezzia S. O Uso do plasma rico em plaquetas para re-
generação óssea na osteoporose. Revista Saúde e Pes-
quisa. 2014;7(1):163-8.
[36] Souza MV, Pinto JO, Costa MBM, Alves MS, Silva MO,
Martinho KO et al. Expressão gênica do colágeno em fe-
rida cutânea de equinos tratada com plasma rico em pla-
quetas. Pesq Vet Bras. 2014;34(3):233-40.
[37] Guerreiro JPF, Danieli MV, Queiroz AO, Deffune E,
Ferreira RR. Plasma rico em plaquetas (PRP) aplicado na
artroplastia total do joelho. Rev Bras Ortop.
2015;50(2):186-94.
[38] Fabi S, Sundaram H. The Potential of topical and inject-
able growth factors and cytokines for skin rejuvenation.
Facial Plastic Surgery. 2014;30(2):157-71.
[39] Flores JR, Gallego MAP, García-Denche JT. Plasma rico
en plaquetas: fundamentos biológicos y aplicaciones en
cirugía maxillofacial y estética facial. Rev Esp de Cir
Oral y Maxilofacial. 2012;34(1):8-17.
[40] Travi-Carneiro MC, Carneiro-Travi MI, Bock PM. Fato-
res de crescimento na cicatrização de úlceras diabéticas.
RBCS.2013;11(38):64-73.
[41] Camargo FF. Efeito do plasma rico em plaquetas e da
fibrina rica em plaquetas na cicatrização de feridas cutâ-
neas em ratos [tese]. Porto Alegre (RS): Pontifícia
Universidade Católica do Rio Grande do Sul; 2013. 184
p.
[42] Conde Montero E, Fernández Santos ME, Suárez Fer-
nández R. Platelet-rich plasma: applications in dermato-
logy. Actas Dermosifiliogr. 2015;106(2):104-11.
[43] Na JI, Choi JW, Choi HR, Jeong JB, Park KC, Youn SW
et al. Rapid healing and reduced erythema after ablative
fractional carbon dioxide laser resurfacing combined
with the application of autologous platelet-rich plasma.
Dermatol Surg. 2011;37(4):463-8.
[44] Montalván-Bustamante LE. Microlipoinjerto autólogo
facial intramuscular: descripción de la técnica. Dermatol
Peru. 2012;22(1):21-8.
[45] Oh IY, Kim BJ, Kim MN. Depressed facial scars suc-
cessfully treated with autologous platelet-rich plasma and
light-emitting diode phototherapy at 830 nm. Annals of
Dermatology. 2014;26(3):417-418
[46] Carvalho PK. Análise bioquímica por espectroscopia
Raman e histomorfométrica do tendão calcâneo de ratos
submetidos à laserterapia e PRP [tese]. São José dos
Campos (SP): Universidade Camilo Castelo Branco;
2014. 57 p.
[47] Jiménez-Canizales CE, Montoya-Cañon M, Sepúlve-
da-Arias JC. Uso de plasma rico en plaquetas em la prác-
tica clínica. Rev. Méd. Risaralda. 2014;20(2):138.

ISSN online 2178-2571