Você está na página 1de 15

Gestão da informação como suporte à redução de incerteza no processo decisório: estudo de caso do Instituto

Federal de Minas Gerais - IFMG

Gestão da informação como suporte à redução de incerteza no


processo decisório: estudo de caso do Instituto Federal de Minas
Gerais - IFMG

Renata Maria Abrantes Baracho Porto


Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Brasil. E-mail:
renatambaracho@gmail.com
Amarildo Martins de Magalhães
Instituto Federal Minas Gerais (UFMG), Brasil. E-mail: amarildo@gmail.com

Resumo
Estamos perpassando o processo de aumento de produção e disponibilização de informação
paralelamente com a velocidade de processamento e transmissão que dispara a necessidade de
desenvolver e aprimorar metodologias e processos de gestão da informação. Apresenta-se uma
fundamentação teórica baseada em conceitos clássicos de gestão da informação, arquitetura e
recuperação da informação, conceitos de lógica difusa como suporte ao processo decisório. É uma
pesquisa aplicada com o desenvolvimento de um modelo de redução de incerteza no processo de
tomada de decisão baseado em lógica difusa. Em seguida mostra os resultados obtidos por meio da
validação desse modelo em um estudo de caso no Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG), no
problema de monitoramento de cursos superiores com indicadores de processo. Pode-se concluir que o
modelo proporciona aos avaliadores um instrumento para monitorar os resultados, constitui meios para
uma avaliação constante baseada em regras de desempenho e programas de monitoramento. Esses
parâmetros tem a premissa de propor a redução dos pontos de imprecisão inerentes aos processos de
avaliação de sistemas educacionais.
Palavras-chave: Gestão da informação. Recuperação da Informação. Arquitetura da Informação.
Organização da Informação. Processo Decisório.

1 Introdução Segundo Barbosa (2009) a gestão do


conhecimento é um conjunto de processos
Atualmente, a velocidade de produção por meio dos quais as organizações buscam,
de informação e o grande volume desta, organizam, disponibilizam, compartilham e
trazem inúmeros benefícios e, ao mesmo usam a informação e conhecimento com
tempo, geram problemas de recuperação e vistas à melhoria do seu desempenho.
tratamento que os cientistas da informação A tomada de decisões é uma tarefa que
propõem resolver (BARACHO, 2007). exige do indivíduo análise de todas as
O cenário atual apresenta consolidado alternativas disponíveis, sendo que o mesmo
à aplicação de sistemas de informação em dispõe de racionalidade limitada
diferentes contextos. O desafio é tornar os principalmente em sua capacidade mental,
sistemas de informação, as bases de dado seus hábitos e reflexos, pela extensão do
integradas e considerar a participação conhecimento, das informações que possui e
humana mais intrínseca ao processo. por valores e conceitos que podem divergir
É premente o desafio de utilizar dos objetivos da organização. As
adequadamente a informação, muitas vezes a organizações podem mudar o ambiente do
falta de informação leva pessoas a tomar indivíduo para tomada de decisão criando
decisões baseadas unicamente em intuições. mecanismos que possibilitem o indivíduo se

81
Informação & Tecnologia (ITEC): Marília/João Pessoa, 1(1): 81-95, jan./jun., 2014
Gestão da informação como suporte à redução de incerteza no processo decisório: estudo de caso do Instituto
Federal de Minas Gerais - IFMG

aproximar mais de sua racionalidade nas imensurável e às vezes passar despercebida


decisões (CHOO, 2006, p. 41-42). pelo sujeito. Nas organizações, geralmente
Dentro do contexto da gestão da os indivíduos tomam decisões buscando a
informação e do conhecimento apresenta-se alternativa satisfatória e não a melhor
uma pesquisa aplicada com a proposta de um alternativa. (CHOO , 2006, p.256).
modelo e protótipo para auxiliar processos
decisórios em diferentes domínios. 2.2 Arquitetura da informação
Arquitetura da informação une a
2 Fundamentação teórica criatividade e a técnica no planejamento de
propostas a serem implementadas para
2.1 Gestão da informação resolver problemas informacionais. O
Gestão da informação inclui o processo de planejamento da arquitetura
planejamento dos processos de organização e envolve o levantamento das necessidades
recuperação da informação atendendo as humanas que precisam ser compatibilizadas
necessidades de informação para tomada de com os recursos e técnicas existentes para
decisão nos mais variados contextos. O que a informação representada seja
planejamento dos processos de organização e transmitida, construída e utilizada.
recuperação da informação é composto pelo Arquiteto da informação precisa
levantamento das necessidades, planejar estruturas de informação para
dimensionamento e execução das ações contextos específicos.
incluindo pessoas, processos e tecnologias A arquitetura da informação ocorre em nível
necessárias para implementação. tático e operacional e fornece o arcabouço
A capacidade de utilizar a informação através de um modelo metodológico e
correta no tempo certo é um diferencial funcional para dar suporte à tomada de
significativo e proporciona para a empresa decisão (LIMA-MARQUES; MACEDO,
vantagem competitiva, ou seja, a gestão da 2006, p. 250).
informação e do conhecimento (GIC) é uma A interoperabilidade é tema
das premissas para a eficiência fundamental para integrar sistemas de
organizacional. A gestão da informação informação. A arquitetura da informação tem
contém as etapas de determinação das os requisitos necessários para pesquisar,
exigências, obtenção (exploração, propor e desenvolver essa interoperabilidade.
classificação, formatação e estruturação), Parte da necessidade dos usuários, faz
distribuição e utilização (DAVENPORT, levantamento de todos os processos e
1998, p.175). sistemas participantes de uma organização,
Com a existência imensurável de conhece a tecnologia existente e as
informação, recurso escasso não é a possibilidades de propostas. Com
informação e sim a necessidade constante de criatividade e tecnologia tem a base para o
conhecer e dar atenção a informação correta planejamento de soluções.
(CHOO, 2006, p.278). O gerenciamento da O planejamento incluiu as etapas de
informação nas empresas é visto como levantamento, organização, tratamento,
vantagem competitiva estratégica e recuperação e disponibilização da
possibilita benefícios à empresa como: informação.
redução de custos, redução de incerteza ou O objetivo da organização da
riscos, adição de valores aos produtos e informação é dar suporte ao fluxo de
serviços da empresa, criação de novos tratamento e recuperação dos objetos
valores através de novas informações informacionais (VICTORINO;
(CHOO, 2006, p.37). BRASCHER, 2009, p.2).
A diferença entre a certeza e a 2.3 Recuperação da Informação
incerteza no processo decisório pode ser
82
Informação & Tecnologia (ITEC): Marília/João Pessoa, 1(1): 81-95, jan./jun., 2014
Gestão da informação como suporte à redução de incerteza no processo decisório: estudo de caso do Instituto
Federal de Minas Gerais - IFMG

Recuperação de informação é o De acordo com Baeza e Ribeiro-Neto


processo de pesquisar uma coleção de (2011), o objetivo chave de um sistema de
documentos a fim de identificar aqueles recuperação da informação é recuperar todos
documentos que tratam de um determinado os itens que sejam relevantes a uma consulta
assunto. Qualquer sistema destinado a do usuário, além de recuperar o mínimo
facilitar essa atividade de busca de possível de itens que não sejam relevantes.
informação pode ser legitimamente chamado Os sistemas de recuperação da informação
de sistema de recuperação de informação verificam quais os termos colocados nas
(LANCASTER, 1993). consultas são iguais aos termos colocados na
Segundo Turban (2003), um sistema de indexação do documento para recuperar os
informação é um conjunto de componentes documentos que possuem o termo numa
relacionados entre si, que coleta, processa, ordem definida por um esquema de
armazena, analisa e dissemina informação, classificação conforme Figura 1.
com um propósito específico para usuários
interessados.
Figura 1 - Processo de recuperação da informação

Fonte: Baeza-Yates, Ribeiro-Neto (2011)

O usuário é fundamental para o destaque para a participação do usuário


desenvolvimento do sistema de recuperação desde a entrada até a recuperação da
da informação. A Figura 2 apresenta o informação.
sistema de recuperação da informação com

83
Informação & Tecnologia (ITEC): Marília/João Pessoa, 1(1): 81-95, jan./jun., 2014
Gestão da informação como suporte à redução de incerteza no processo decisório: estudo de caso do Instituto
Federal de Minas Gerais - IFMG

Figura 2 - Processo de recuperação da informação

Fonte: Baeza-Yates, Ribeiro-Neto (2011)

Importante considerar a sintonia entre destas estratégias são baseadas na exploração


a representação e recuperação da informação das informações semânticas intrínsecas aos
para avançar na performance dos sistemas de documentos, nas novas possibilidades de
informação. marcação semântica, desenvolvimento de
Dentro da busca por melhores soluções estratégias de apresentação da informação,
para recuperação da informação destaca-se a permitindo aos usuários um refinamento dos
necessidade de mudar o foco para resultados.
representação da informação como princípio Outro ponto importante para o
básico para orientar a recuperação. De desempenho dos sistemas de recuperação da
acordo com Alvarenga (2003) a informação é a interface. Importante que a
representação da informação consiste na interface seja amigável com recursos diretos
identificação dos conceitos fundamentais de e de fácil interpretação.
documentos ou conteúdos para a escolha de
pontos de acesso que garantam sua 2.4 Conceitos de lógica difusa como
recuperação num sistema de informação e suporte ao processo decisório
utiliza-se de instrumentos de representação, Os sistemas de suporte a decisão no
como tesauros, esquema de classificação e que tange os sistemas especialistas são
taxonomias. conceituados dentro da área da Ciência da
Um caminho para a evolução de Informação no campo da ciência cognitiva e
sistemas antes baseados puramente na na área da Ciência da Computação, no
imitação das heurísticas intelectuais campo da Inteligência Artificial. Esses
humanas buscam-se hoje estratégias sistemas, contextualizados no âmbito da
diferenciadas, possíveis graças aos inteligência artificial ou ciência cognitiva
ambientes com poder computacional são caracterizados como Inteligência
extremo (SOUZA, 2006, p. 168). Algumas
84
Informação & Tecnologia (ITEC): Marília/João Pessoa, 1(1): 81-95, jan./jun., 2014
Gestão da informação como suporte à redução de incerteza no processo decisório: estudo de caso do Instituto
Federal de Minas Gerais - IFMG

Artificial fraca. Em uma discussão mais A avaliação de cursos superiores em


filosófica, a Inteligência Artificial forte seria qualquer contexto é um problema complexo
definida como um tipo de epistemologia e está presente na maioria das instituições de
experimental: o que é o conhecimento? ensino superior do país. A educação nacional
Como pode o conhecimento ser representado impacta diretamente o avanço da economia
no computador – ou na mente? É possível as do país. O resultado da qualidade da
máquinas pensarem? (SARACEVIC, 1996, educação e, especificamente dos cursos
p. 52). superiores impacta diretamente no setor
Para classificar operações e decisões em produtivo por meio de profissionais mais
sistemas de informação são utilizados capacitados atuando nas organizações,
modelos. Um método tradicional utilizado portanto, profissionais bem capacitados no
nos sistemas é a lógica booleana que mercado promovem o desenvolvimento
considera as afirmações verdadeiras ou econômico e sustentável do país.
falsas e atribui valores numéricos de 1 e 0, A Rede Federal - EPCT tem o objetivo
respectivamente, para afirmações de oferecer cursos profissionalizantes em
verdadeiras e afirmações falsas. O modelo nível superior ou técnico com o propósito
booleano não apresenta margem para social de inserir seus alunos diretamente no
incertezas ou valores aproximados. Um mercado de trabalho, portanto, é necessário
determinado fenômeno é ou não é, existe ou que exista uma maneira de avaliar e
não existe, está inserido em um conjunto A monitorar o desempenho dos cursos e
ou B, só existe duas possibilidades de verificar se estão atendendo a proposta e
classificação. Para ampliar os modelos planejamento governamentais.
tradicionais surgem opções que tratam A avaliação externa de cursos é
valores intermediários com diferentes realizada pelo governo com o propósito de
parâmetros com variações de valores ter parâmetros para avaliar e oferecer
positivos e negativos surgindo modelos recursos para um nível mínimo de qualidade
estendidos. de oferta dos cursos superiores.
Um dos modelos estendidos é baseado Existem quatro formas de avaliação da
em lógica difusa que nos anos 80 foi muito educação sendo três externas e uma interna:
utilizada, principalmente na Europa, em 1) Exame Nacional de Desempenho dos
aplicações de apoio à decisão e análise de Estudantes - ENADE (Avaliação de
informações. educação externa) é um componente
A lógica difusa (fuzzy) é uma extensão curricular obrigatório, ao final de cada
curso, os alunos devem obrigatoriamente
da lógica booleana que admite valores
realizar o ENADE cujo objetivo é avaliar
diferentes de zero (0) ou um (1). Possui a o desempenho dos estudantes com
capacidade de modelar dados com valores relação aos conteúdos programáticos
incertos e trabalha com informações vagas e previstos nas diretrizes curriculares dos
incertas as quais podem ser traduzidas por cursos de graduação, o desenvolvimento
de competências e habilidades
expressões de maioria, mais ou menos e
necessárias ao aprofundamento da
talvez. formação profissional;
A lógica difusa pode tornar possível a 2) Conceito Preliminar de Curso - CPC
concepção de sistemas com um maior (Avaliação de educação externa) consiste
quociente de inteligência em comparação de uma análise inicial classificando os
cursos superiores em uma escala de 1 a 5
com aqueles que podem ser concebidos por
em ordem crescente de desempenho;
meio de métodos tradicionais (ZADEH, 3) Autorização de cursos (Avaliação de
1994, p.192). educação externa) é utilizada quando o
curso não é contemplado no ENADE,
2.5 Avaliação de cursos superiores mas deseja passar pela avaliação, é
necessária a avaliação inloco obrigatória
com base no “Instrumento de Avaliação
85
Informação & Tecnologia (ITEC): Marília/João Pessoa, 1(1): 81-95, jan./jun., 2014
Gestão da informação como suporte à redução de incerteza no processo decisório: estudo de caso do Instituto
Federal de Minas Gerais - IFMG

de Cursos de Graduação presencial e a O IFMG oferta mais de 60 cursos,


distância” do INEP, SINAES, 2012; divididos entre as modalidades de FIC,
4) Comissão permanente de avaliação – CPA Ensino Técnico (integrado ao Ensino Médio,
(Avaliação de educação interna) é
utilizada para que as Instituições de Concomitante, Subsequente e Educação de
Ensino Superior - IES desenvolvam Jovens e Adultos), Ensino Superior
métodos sistêmicos de avaliação interna (Bacharelado, Licenciatura e Tecnologia) e
dos seus cursos; incorpora parâmetros Pós-Graduação Lato Sensu. São promovidas
como qualidade e indicadores. também parcerias entre o IFMG e outras
Uma opção para avaliação da instituições de Ensino Superior para a
qualidade das instituições é utilizar realização de programas de Mestrado e
indicadores de qualidade. Surge a questão de Doutorado Interinstitucional (Minter e
como definir os indicadores. Jacob, (2003, Dinter).
p.144) atribui como pontos difíceis da O instituto decidiu aperfeiçoar a gestão
análise por indicadores, a falta de consenso da informação e do conhecimento
entre os gestores da instituição perante seu institucionais através da implantação de um
aspecto social e a dificuldade na obtenção de Sistema de Gestão Integrado (ERP), uma
informações de forma sistemática para ação pioneira na educação pública federal
avaliação. O trabalho de Jacob (2003) é até então.
voltado para a avaliação da qualidade das Uma das grandes dificuldades da
instituições de ensino superior. avaliação de cursos é a indefinição de
conceitos, falta de consenso e metas
3 Modelo e Protótipo - Validação no estipuladas pelo governo para a Rede
Instituto Federal de Minas Gerais Federal – EPCT.
(IFMG) Com a padronização de processos e
implantação do ERP no IFMG, tornou-se
O desenvolvimento dessa pesquisa é possível implementar uma ferramenta que
realizado em duas fases. Na primeira fase, o retornasse o desempenho dos cursos de
modelo e protótipo difuso MPD foi forma online e confiável.
construído de forma genérica a ser utilizado Este artigo apresenta um modelo de redução
em qualquer processo de decisão. Em da incerteza em processos decisórios
seguida, o caso de avaliação de cursos baseado em lógica difusa, com aplicação e
superiores do IFMG é aplicado no MPD para validação no problema de avaliação e
validação do protótipo. monitoramento de cursos no Instituto
Integrante da Rede Federal – EPCT, o Federal de Minas Gerais (IFMG).
IFMG é uma autarquia que foi formada pela O modelo é baseado em lógica difusa
incorporação da Escola Agrotécnica Federal com o objetivo de reduzir a imprecisão e a
de São João Evangelista, Cefets de Ouro subjetividade na avaliação de parâmetros. O
Preto e Bambuí e suas respectivas Unidades modelo propõe extrair o conhecimento do
De Educação Descentralizadas (UNEDs) especialista e representar a forma desse
Congonhas e Formiga. Atualmente o IFMG processamento humano enquanto analisa os
é composto por doze campi: Bambuí, Betim, parâmetros e direciona a tomada de decisão.
Congonhas, Formiga, Governador O modelo e o desenvolvimento do protótipo
Valadares, Ibirité (em implantação), Ouro é nomeado nesse artigo como MDP o qual
Branco, Ouro Preto, Ribeirão das Neves, constitui uma ferramenta sistêmica de apoio
Sabará, Santa Luzia e São João Evangelista, à decisão baseada no conhecimento de
além das unidades conveniadas de Pompéu, especialistas sobre um determinado domínio.
Piumhi, Oliveira, Bom Despacho, João O modelo de engenharia de software
Monlevade. utilizado no desenvolvimento do protótipo é
o ciclo de vida clássico que consiste em
86
Informação & Tecnologia (ITEC): Marília/João Pessoa, 1(1): 81-95, jan./jun., 2014
Gestão da informação como suporte à redução de incerteza no processo decisório: estudo de caso do Instituto
Federal de Minas Gerais - IFMG

planejar, levantar e analisar requisitos, (PRESSMAN, 1987, p.652).


projetar, codificar, testar (validar) e manter

Figura 3 - Ciclo de vida clássico

Fonte: Adaptada de PRESSMAN (1987, p. 652).

O MDP foi desenvolvido com o Server2; possibilitar a importação de projetos


objetivo de prover comunicação entre as de lógica difusa do software MATLAB;
bases de dados e buscar valores das variáveis Possibilitar a cópia de modelos de decisão;
de entrada automaticamente visando a limpar os resultados atuais de um modelo de
interoperabilidade entre sistemas. decisão; executar as regras de inferência pelo
Os requisitos para o MDP incluem: ser método Mamdani3; pesquisar a paginação de
acessível a partir da Web, permitir a leitura resultados em todas as telas de dados; gerar
automática de valores de cada variável de automaticamente os termos linguísticos com
decisão a partir de outros sistemas; base nos valores existentes; normalização
possibilitar a inserção de modelos de tomada dos valores.
de decisão com base nas fases da lógica No desenvolvimento do protótipo foi
difusa; possibilitar meios de visualizar o utilizada uma Interface de Programação de
resultado em tabela; ser multiusuário; Aplicativos-Application Program Interface
permitir a visualização dos modelos de (API4). A API permite conectar com outra
decisão de cada usuário de acordo com a base de dados e fazer relação das alternativas
devida autenticação; permitir ao usuário de decisão com registros externos. O usuário
inserir modelos de decisão, suas alternativas, insere para cada variável de decisão os dados
variáveis de entrada e saída, termos que possibilitem identificar uma variável
linguísticos, regras de inferência, manipular para cada alternativa. O MDP utiliza a API
valores das alternativas e visualizar o que busca automaticamente os dados, mas
resultado; possibilitar as funções de também permite a inserção manual dos
pertinência da lógica difusa; utilizar as dados para cálculo do processamento da
funções de pertinência trapezoidais e lógica difusa.
triangulares1; permitir o cálculo da
desfuzificação gerando resultados 2
MS SQL Server é um Sistema Gerenciador de Banco de Dados –
quantitativos; possibilitar a configuração de SGBD, relacional desenvolvido pela Microsoft.
acessos a outros bancos de dados que possui 3
Método Mandani junto com o Método de Sugeno são as duas
opções do Fussy Logic toolbox do MATLAB de método de
integração completa com o banco SQL inferência. O método de inferência define quais são os conectivos
lógicos usados para estabelecer a relação fussy que modela a base
1
Função de pertinência caracteriza um conjunto fussy de regras.
definido no universo de discurso X a qual mapeia os 4
Application Program Interface – API – Interface de programação
elementos de X para o intervalo [0,1]. Reflete a intensidade de aplicativos é um conjunto de rotinas que podem ser utilizadas
com que o objeto pertence ao conjunto fussy. no desenvolvimento do sistema.
87
Informação & Tecnologia (ITEC): Marília/João Pessoa, 1(1): 81-95, jan./jun., 2014
Gestão da informação como suporte à redução de incerteza no processo decisório: estudo de caso do Instituto
Federal de Minas Gerais - IFMG

Na primeira etapa de planejamento do Objetivo: Verificar o número de alunos que


modelo foram utilizadas técnicas de estão deixando determinado curso
3) Relação de alunos/docente
Brainstorming em reuniões de definição e Cálculo: Quociente do número de
proposta tabela de inferência. Foi realizado professores efetivos pelo número de alunos
um levantamento estrutural com a equipe ativos em 2013. Esse número é exibido em
Pró-Reitoria de Ensino (PROEN) do percentual
Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG). Objetivo: Verificar o número de alunos
atendidos em média pelos docentes daquele
Durante as reuniões de Brainstorming, foram curso
levantados critérios de avaliação dos cursos, 4) Índice de titulação do corpo docente
variáveis e regras de inferência com a equipe Cálculo: Verifica-se a titulação dos docentes
da PROEN. Essas reuniões apresentaram que ministraram aula naquele curso em
como resultado levantamento de aspectos 2013.
A titulação é calculada atribuindo uma
como a modalidade de ensino a ser avaliada, pontuação conforme abaixo: Doutor ou
o período de avaliação, as unidades, os acima: 5 pontos; Mestrado: 4 pontos;
indicadores e os termos linguísticos. A tabela Especialista: 3 pontos; Graduado: 1 ponto
de Inferência com a intenção de representar Objetivo: Verificar se a titulação dos
o conhecimento dos especialistas da PROEN docentes está influenciando o processo de
ensino
foi elaborada uma tabela de inferências para Índice de retenção do fluxo escolar
montar as regras de inferência da lógica Cálculo: Quociente do número de alunos
difusa. retidos em pelo ao menos uma disciplina
A proposta é avaliação com base nos pelo número de alunos ativos no ano de
indicadores de processo como opção para 2013. Esse número é apresentado em
percentual
instituição avaliar, monitorar e tomar Objetivo: Verificar o índice de reprovação de
decisões corretivas e preventivas. Os determinado curso
indicadores de resultado formam outra opção 5) Média nota final
de avaliação. Cálculo: Média final das notas de
Os indicadores desse trabalho foram fechamento obtidas pelos anos no ano de
2013 em determinado curso
obtidos com base na experiência da equipe Objetivo: Verificar a média da nota final dos
da PROEN do IFMG e com base no Acórdão cursos
2.267/2005 do Tribunal de Contas da União
(TCU), que é um documento com proposta A segunda etapa de execução inclui o
de indicadores de avaliação voltado Cadastro de Modelo de Decisão para
exclusivamente para a Rede Federal – EPCT. Avaliação e Monitoramento de Cursos do
Os indicadores de avaliação e IFMG. O modelo de avaliação de cursos do
monitoramento de cursos são considerados IFMG é inserido no MPD com todos os
variáveis de entrada no MPD. Os indicadores indicadores e regras de inferência. Os
que foram utilizados para avaliação de indicadores são compostos das variáveis
cursos superiores no IFMG, com base nessa utilizadas nos critérios de escolha, os termos
reunião com a PROEN, foram os seguintes: são as classificações possíveis das variáveis
e as regras de inferência formam a base de
1) Relação candidato/vaga conhecimento para gerar o resultado. As
Cálculo: Quociente do número de Inscrições
do Vestibular Pagas pelo número de vagas
alternativas são apresentadas e consideradas
ofertadas de cada curso no ano de 2013 opções de escolha na tomada de decisão.
Objetivo: Verificar se a demanda do curso Em seguida, com o modelo já
está coerente com a área que o curso é cadastrado, todos os indicadores de
ofertado ou recursos investidos avaliação dos cursos foram cadastrados. No
2) Evasão
Cálculo: Quociente do número de alunos que
MPD, esses indicadores são cadastrados em
deixaram o curso pelo número de alunos Variáveis de Decisão. Os indicadores são
ativos naquele curso no início de 2013. Esse cadastrados como variáveis de entrada. A
número é exibido em percentual
88
Informação & Tecnologia (ITEC): Marília/João Pessoa, 1(1): 81-95, jan./jun., 2014
Gestão da informação como suporte à redução de incerteza no processo decisório: estudo de caso do Instituto
Federal de Minas Gerais - IFMG

Avaliação dos cursos (IAC) é cadastrada


como variável de saída.
Em seguida, é processada a coleta
automatizada de dados do sistema ERP5. Os
valores de cada indicador foram coletados de
forma automática através da API de
integração com base de dados externa da
base de dados do ERP do IFMG. Esses
dados foram previamente validados e
normalizados pela PROEN. Essa API tem
como principal objetivo tornar o MPD uma
ferramenta dinâmica para tomada de decisão,
sem que o usuário tenha que entrar
novamente com os dados de cada variável
todas as vezes que for necessário.
Foram desenvolvidas consultas SQL
para busca automática dos dados no ERP
Educacional do IFMG com o apoio da
equipe da PROEN e passaram por uma
validação perante os conceitos definidos para
cada indicador. O protótipo possui uma área
para fazer a configuração do banco de dados
externo, nessa parametrização, o usuário
seleciona o tipo de banco de dados, o
endereço IP, o usuário e senha de conexão
com o SGBD e o banco de dados. A Figura 4
mostra uma as telas de interface do
protótipo.

5
Enterprise Resource Planning – ERP – Sistema Integrado de
Gestão empresarial é sistema que integra todos os sistemas de
informação de uma determina organização.
89
Informação & Tecnologia (ITEC): Marília/João Pessoa, 1(1): 81-95, jan./jun., 2014
Gestão da informação como suporte à redução de incerteza no processo decisório: estudo de caso do Instituto
Federal de Minas Gerais - IFMG

Figura 4 - Configuração de banco de dados externo

Fonte: Elaborado pelo autor (2014).

Após o cadastro dos indicadores e quantidade de combinações possíveis:


termos, o próximo passo consiste em QteRegras = 2! ∗   3! =  16 ∗ 9 = 144. As
cadastrar as regras de inferência. Foi criada regras foram criadas para agrupamento da
uma tabela com todas as regras de inferência avaliação de cada indicador, por exemplo: Se
possíveis. A criação dessas regras se baseia Evasão é Baixa E Retenção é Baixa OU
na combinação dos indicadores de avaliação Vestibular é Alta, ENTÃO avaliação do
de cursos e seu resultado de saída. curso é Muito Boa. A Figura 5 mostra a base
Considerando que são 6 indicadores de, 4 de conhecimento cadastrada no protótipo.
deles com 2 classificações e 2 com 3
classificações, a expressão abaixo exibe a

Figura 5 - Base de conhecimento cadastrada

Fonte: Elaborado pelo autor (2014).

90
Informação & Tecnologia (ITEC): Marília/João Pessoa, 1(1): 81-95, jan./jun., 2014
Gestão da informação como suporte à redução de incerteza no processo decisório: estudo de caso do Instituto
Federal de Minas Gerais - IFMG

O próximo passo é a definição dos aplicação e banco de dados). O usuário


cursos a serem avaliados. Essa definição dos realiza as requisições através de um
cursos a serem monitorados ocorreu após navegador, o servidor de aplicação recebe as
uma busca inicial para verificar quais cursos requisições e comunica com o banco de
estavam aptos. Após algumas análises, o dados devolvendo ao usuário a resposta da
corpus utilizado é formado pelos cursos requisição. Os valores são buscados de uma
superiores do IFMG, com dados obtidos no base de dados externa e são gravados no
ano de 2013, nas unidades Bambuí, Formiga banco de dados do MPD. A comunicação
e Congonhas. entre o banco de dados do MPD e o banco de
Cada curso é considerado uma dados externo é realizada pelo servidor de
alternativa dentro do MPD. aplicação. A Figura 6 exibe a arquitetura do
Após definição dos indicadores, regras protótipo.
de inferência e os cursos a serem avaliados
segue a aplicação do MDP com o
processamento difuso do monitoramento de
cursos do IFMG.
O MPD foi desenvolvido utilizando
arquitetura duas camadas (servidor de
Figura 6 - Arquitetura Protótipo MDP

Fonte: Elaborado pelo autor (2014).

O Sistema de Gerenciamento de Banco cross-browser6 (múltiplos navegadores)


de Dados (SGBD) para gestão de dados e permitindo a aplicação funcionar de modo
informações é o MySQL. O banco é igual em todos os navegadores. Permite o
projetado utilizando integridade referencial, usuário a utilização do mesmo modelo em
requisito fundamental para manutenção da diferentes contextos para tomada de decisão.
integridade dos registros. A Figura 7 mostra um esboço da interface do
A interface do MDP permite que o protótipo.
usuário faça o cadastro das alternativas de
decisão, variáveis de entrada e saída, base de
conhecimento (regras de inferência). A
interface foi desenvolvida com o conceito
6
Capacidade do site suportar múltiplos navegadores,
desenvolvido com tecnologias para suportar qualquer
navegador Web e especificações do W3C.
91
Informação & Tecnologia (ITEC): Marília/João Pessoa, 1(1): 81-95, jan./jun., 2014
Gestão da informação como suporte à redução de incerteza no processo decisório: estudo de caso do Instituto
Federal de Minas Gerais - IFMG

Figura 6 - Interface do MDP

Fonte: Elaborado pelo autor (2014).

O processamento geral do MDP ocorre validação do protótipo perante o estudo de


na seguinte sequencia: o gestor insere as caso do IFMG.
variáveis de entrada que incluem os critérios
de seleção (variáveis de entrada), os termos 4 Resultados
de decisão (conjuntos difusos) e as regras de
O usuário pode visualizar dentre um
inferência. Após a inserção das alternativas,
universo de alternativas possíveis, qual
o usuário pode entrar com os dados
alternativa obtém o melhor resultado perante
manualmente ou podem ser carregados
as variáveis, termos e regras de inferência
automaticamente a partir de uma base de
cadastradas.
dados externa. O protótipo busca um valor
Os resultados obtidos servem de
para cada alternativa para cada variável.
suporte para tomada de decisão referente a
Após a definição das variáveis aciona o
cursos.
processo de “Processar Lógica Difusa”, para
Foi utilizada uma metodologia de
cada alternativa, o sistema verifica o grau de
análise de conteúdo para verificar o
pertinência de cada valor em relação aos
resultado final da pesquisa junto à equipe da
termos e gera o resultado difuso baseando
PROEN do IFMG.
nas regras de inferência. Em seguida, o MPD
Após a aplicação do modelo e do
retorna ao usuário um ranking ordenado por
protótipo no IFMG é apresentado o ranking
melhores resultados de acordo com o
final com o resultado de cada alternativa em
processamento difuso, representando em
ordem decrescente de valor, sendo que o
primeiro lugar a alternativa que é mais
maior valor representa a melhor opção para o
coerente com o modelo de decisão proposto.
modelo de decisão. Conforme Tabela 1, o
Após a definição dos indicadores,
sistema permite que o usuário faça pesquisas
obtenção dos valores, normalização dos
na tela de resultado através da função
valores e geração dos termos linguísticos, o
pesquisa.
MPD estaria apto a executar o processo de
A Tabela 1 apresenta os resultados da
avaliação de cursos superiores do IFMG. Os
avaliação de cursos.
resultados aqui exibidos representam a

92
Informação & Tecnologia (ITEC): Marília/João Pessoa, 1(1): 81-95, jan./jun., 2014
Gestão da informação como suporte à redução de incerteza no processo decisório: estudo de caso do Instituto
Federal de Minas Gerais - IFMG

Tabela 1 - Resultado Avaliação de Cursos IFMG


Alunos
/ Resultad
Posi Vestibul Evasã Titulaçã Retençã Docent MediaN o Difuso
-ção Curso ar o o o e F
1 Congonhas - Engenharia - 67.2721
Produção 2,8729 1,2296 -0,7051 -2,1544 1,6909 0,7449
2 - 42.3374
Congonhas – Física -0,9150 0,8853 -0,4542 -1,0397 -1,3314 0,9617
3 - 30.0073
Formiga - Engenharia Elétrica 0,6779 0,7992 0,3824 -0,2529 0,2087 -1,5207
4 - 29.7478
Bambuí – Administração 0,5853 0,1967 1,0517 -0,7119 1,1736 1,4252
5 - 29.5628
Bambuí – Agronomia 0,2427 1,1435 0,1315 -0,1218 -0,0672 0,2538
6 Bambuí - Engenharia de - 25.7093
Produção 0,3538 0,0246 0,8844 -0,6463 -0,0566 0,9452
7 - 22.7927
Bambuí – Zootecnia -0,0167 0,0246 2,1393 0,7306 -0,8531 0,5356
8 - 22.4665
Formiga - Gestão Financeira 0,0945 0,1107 -0,8724 -0,0562 1,0027 -0,2649
9 Formiga – Matemática -0,6094 0,2336 -0,7888 0,1405 0,6915 -0,4494 22.3189
10 Formiga – Administração -0,2575 0,0615 -0,4542 0,0749 0,2313 -0,0551 20.2451
11 Bambuí – Biologia -0,8687 0,7500 -1,3744 -0,0562 -0,1800 -0,8530 18.5822
12 Bambuí – Física -0,8761 2,6436 -0,4542 1,6486 -1,6309 0,2748 16.3146
13 Bambuí – Alimentos -0,8965 1,0082 1,2190 1,2552 -1,3333 0,1963 14.9536
14 - 9.75600
Formiga – Computação -0,3871 0,2828 -0,7051 1,1896 0,4547 -2,1943
Fonte: Elaborado pelo autor (2014).
vaguidade nas classificações dos critérios
5 Conclusão que balizam uma determinada decisão,
principalmente onde naturalmente permeia a
Essa pesquisa apresenta uma
presença de aspectos vagos e incertos.
contribuição para a melhoria do processo
A qualidade de um curso, conforme
decisório que ocorre na avaliação e
aponta a literatura, é um conceito bem mais
monitoramento de cursos do IFMG
complexo que exige a análise conjunta de
conforme os resultados técnicos e a análise
indicadores de processo, de resultado e ainda
de conteúdo.
a avaliação da comunidade acadêmica e
A gestão da informação e do
sociedade.
conhecimento com planejamento da
A avaliação de cursos proposta no
arquitetura da informação por meio de
modelo desenvolvido e protótipo MPD
levantamento de processos e padronização
proporciona aos avaliadores um instrumento
são premissas para obter o resultado de um
gerencial para monitoramento dos resultados
modelo para tomada de decisão baseada em
e se torna indispensável do ponto de vista
modelo racional.
técnico.
A lógica difusa mostra-se como um
A análise de cursos através do MPD
instrumento importante na redução da
constitui uma avaliação constante baseada
93
Informação & Tecnologia (ITEC): Marília/João Pessoa, 1(1): 81-95, jan./jun., 2014
Gestão da informação como suporte à redução de incerteza no processo decisório: estudo de caso do Instituto
Federal de Minas Gerais - IFMG

em regras de desempenho e programas de e a imprecisão advinda da própria falta de


monitoramento, com a redução de possíveis consenso.
pontos de imprecisão inerentes às avaliações Para medir ou acompanhar a eficiência e
educacionais advindas da falta de consenso e qualidade dos serviços desenvolvidos,
subjetividade nessa área. As limitações de principalmente em instituições públicas é
dados existentes não diminuem a importante traçar metas, mecanismos de
potencialidade do protótipo, pois, o fato de avaliação eficientes, e,
existir uma base de dados maior para análise Naturalmente, passem por constantes
só enriquece a avaliação e as características programas de avaliação de desempenho.
básicas dos indicadores de processo. Para superar os desafios inerentes aos
A tomada de decisão é um processo processos de decisão é evidente a
complexo por envolver um ambiente necessidade de desenvolvimento de
político, com constante conflito de interesses mecanismos que possam contribuir com o
ideológicos, partidários, sindicais, e processo.
pensamento coletivo. Prevalece a incerteza O MPD apresenta uma opção com a devida
sobre os objetivos e metas, incerteza técnica validação por avaliação de cursos superiores
e poder ser aplicado em diferentes contextos.
Information management for reducing decision-making
uncertainty: Federal Institute of Minas Gerais - IFMG
Abstract
We are traversing the process of increasing production and availability of information in parallel with
the processing speed and transmission which increases the need to develop and improve
methodologies and processes for managing information in various contexts. Theoretical background
consists of classical concepts of information management, information architecture, information
retrieval and concepts of fuzzy logic to support the decision process. It is an applied research with the
proposal of a model for the reduction of uncertainty in the process of decision making based on fuzzy
logic. Presents the results obtained through the validation of this model in a case study at the Federal
Institute of Minas Gerais (IFMG), including the problem of monitoring university courses with
process indicators. We conclude that the model gives evaluators an option to monitor the results, is
means for a constant evaluation based on performance rules and monitoring programs. These
parameters have the premise to propose to reduce the points of imprecision inherent to the evaluation
of educational systems.
Keywords: Information Management. Information Organization. Information Retrieval. Information
Architecture. Decision-making Process.
BARACHO, R. M. A. Sistema de
Referências recuperação de informação visual em
desenhos técnicos de engenharia e
ALVARENGA, L. Representação do arquitetura: modelo conceitual, esquema de
conhecimento na perspectiva da Ciência da classificação e protótipo. 2007. 273 f. Tese
Informação em tempo e espaço digitais. Enc. (Doutorado em Ciência da Informação) -
Bibli: R. Eletr. Bibliotecon. Ci Inf., Escola de Ciência da Informação,
Florianópolis, n. 15, 1o sem. 2003. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo
Horizonte, 2007.
BAEZA Y. R.; RIBEIRO-NETO, B. Modern
Information Retrieval - The Concepts and BARBOSA, R. R. Gestão da informação e
Technology behind Search. 2nd Edition, do conhecimento: origens, polêmicas e
Pearson, 2011. perspectivas. Inf. Inf., Londrina, v.13, n.esp,
p. 1-25, 2008.
94
Informação & Tecnologia (ITEC): Marília/João Pessoa, 1(1): 81-95, jan./jun., 2014
Gestão da informação como suporte à redução de incerteza no processo decisório: estudo de caso do Instituto
Federal de Minas Gerais - IFMG

CHOO, C.W.; ROCHA, E. A organização PRESSMAN, R. S. Software Engineering a


do conhecimento: como as organizações practioner's aproach. First Edition.
usam a informação para criar Singapore: McGraw-Hill, 1987.
conhecimento, construir conhecimento e
tomar decisões. São Paulo: SENAC, 2006. SARACEVIC, T. Ciência da informação:
origem, evolução e relações. Perspectivas
DAVENPORT, T. H.; PRUSAK, L. em Ciência da Informação, Belo Horizonte,
Conhecimento Empresarial: Como as v. 1, n. 1, p .41-62, jan./jun. 1996.
organizações gerenciam o seu capital
intelectual. São Paulo: Elsevier, 1998. Cap. SOUZA, R. R. Sistemas de recuperação de
7. informações e mecanismos de busca na web
: panorama atual e tendências. Perspectivas
JACOB, R. C. G. Avaliação Institucional e em Ciência da Informação (Impresso), Belo
Indicadores de Qualidade nos Cursos Horizonte, v. 11, n.2, p. 161-173, 2006.
Superiores. Programa de Pós-Graduação em
Engenharia da Produção, Florianópolis, TURBAN, E. Administração de Tecnologia
2003. da Informação: teoria e prática. Rio de
Janeiro: Campus. 2003.
LANCASTER, F.W. Vocabulary control for
information retrieval. 2th ed. Arlington: VICTORINO, M.C.; BRÄSCHER, M.
Information Resources Press, 1986. Organização da informação e do
conhecimento, engenharia de software e
______. Indexação e resumos: teoria e arquitetura orientada a serviços: uma
prática. Tradução de Antonio Agenor abordagem holística para o desenvolvimento
Briquet de Lemos. Brasilia: Briquet de de sistemas de informação
Lemos, 1993. computadorizados. DataGramaZero –
Revista de Ciência da Informação, v. 10, n.3,
LIMA-MARQUES, M.; MACEDO, F. L. O. jun, 2009. Disponível em:
de. Arquitetura da informação: base para a <http://www.dgz.org.br/jun09/F_I_art.htm>.
gestão do conhecimento. In: Acesso em: 20 maio 2014.
TARAPANOFF, K. O. (Ed.). Inteligência,
informação e conhecimento. Brasília: IBICT, ZADEH, L. A. The role of fuzzy logic in
2006. p. 241-255. modeling, identification and
control.University of California, Berkeley.

95
Informação & Tecnologia (ITEC): Marília/João Pessoa, 1(1): 81-95, jan./jun., 2014