Você está na página 1de 14

A TEORIA DA DESOBEDIÊNCIA CIVIL DE JOHN LOCKE

JOHN LOCKE’S CIVIL DISOBEDIENCE THEORY

Luís Gustavo Guadalupe Silveira*


___________________________________________________________________________

RESUMO: O objetivo geral deste trabalho é ABSTRACT: The general aim of this paperwork
apresentar a fundamentação da teoria da is present John Locke’s groundings for his civil
desobediência civil de John Locke. Num primeiro disobedience theory. In first place, it reveals his
momento, explicita o seu conceito de liberdade, freedom concept, relating it to his characterization
relacionando-o com sua caracterização de estado of the nature state, war state and civil state, as well
de natureza, estado de guerra e estado civil, bem as presenting other related concepts, like nature
como apresentando outros conceitos relacionados, law, property etc. In second place, this paperwork
tais como lei de natureza, propriedade etc. Num concentrates in the resistance right, presenting
segundo momento, o trabalho dedica-se ao tema philosopher’s thought about the foundations of the
do direito de resistência, apresentando os political power, the distinction between other
raciocínios do filósofo acerca da fundamentação kinds of power, the sources of social and
do poder político, sua diferença frente a outros governmental degradation, and sovereign’s
tipos de poderes, as causas da degeneração da authority loss with the consequent resistance
sociedade e dos governos e a perda da autoridade legitimacy. This paperwork intent to understand
dos soberanos com a conseqüente legitimidade da how Locke conciliates the apparently
resistência. O trabalho busca compreender como o contradictory ideas of freedom and obedience.
autor concilia as idéias aparentemente Some theoretical innovations of Locke’s thought
contraditórias de liberdade e obediência. São on Political Philosophy are also presented.
apresentadas também algumas novidades teóricas
que Locke introduziu no campo da Filosofia
Política.

PALAVRAS-CHAVE: Locke. Liberdade. Direito KEY WORDS: Locke. Freedom. Resistance


de resistência. Desobediência civil. right. Civil disobedience.

___________________________________________________________________________

O presente trabalho tem como objetivo apresentar a fundamentação da teoria da


desobediência civil em John Locke (1632-1704). Para tanto, num primeiro momento,
explicitará o conceito de liberdade no autor, relacionando-o com sua caracterização de estado
de natureza, estado de guerra e estado civil, bem como apresentando outros conceitos
relacionados, tais como lei de natureza, propriedade etc. A liberdade em Locke ocupará a

*
Mestrando em Filosofia-UFU / Fapemig Contato: emaildoluisgustavo@yahoo.com.br

INTUITIO ISSN Porto Alegre V.1 - No.2 Novembro pp. 218-231


1983-4012 2008
Luís Gustavo Guadalupe Silveira 2
A teoria da desobediência civil de John Locke

primeira parte deste trabalho, sendo a segunda metade dedicada ao tema do direito de
resistência, na qual serão apresentados os raciocínios do filósofo acerca da fundamentação do
poder político, sua diferença frente a outros tipos de poderes, as causas da degeneração da
sociedade e dos governos e a perda da autoridade dos soberanos com a conseqüente
legitimidade da resistência. O trabalho buscará compreender como o autor concilia as idéias
aparentemente contraditórias de liberdade e obediência.
No estado de natureza, de acordo com a teoria lockeana exposta no Segundo Tratado
sobre o Governo, vigora a mais perfeita liberdade: liberdade para agir, para dispor de suas
posses e pessoas, dentro dos limites da lei da natureza, de forma independente da vontade dos
outros homens. É também um estado de igualdade, no qual todo poder de jurisdição é
recíproco, sem sujeição ou subordinação; a igualdade é jurídica: todos são soberanos1. Locke
define liberdade como uma qualidade humana que dá poder para realizar ou não uma ação de
acordo com a determinação da lei ou do pensamento2. Assim, um ato cuja origem é a vontade
ou o impulso não é considerado um ato livre.
Cada indivíduo está obrigado a preservar-se e, quando não houver contradição entre as
obrigações, deve também preservar o resto da humanidade. Só há exceção nos casos de
punição a infratores, quando esses devem ser prejudicados por justiça. Para que a paz
prevaleça, a humanidade seja preservada e a lei da natureza seja respeitada, a responsabilidade
pela execução da lei da natureza pertence a cada indivíduo – todos são os executores desta lei.
Deste modo, o castigo deve ser proporcional à transgressão: delitos são delitos, seja no estado
de natureza, seja numa sociedade política. É lei fundamental da natureza destruir aquilo que
ameaça a pessoa de destruição. Quem se coloca contra a vida de alguém, por palavra ou ação,
se coloca em estado de guerra contra o alvo de sua inimizade. Este agressor não obedece à lei
comum da razão, e pode ser destruído como um animal selvagem. Quem se coloca em estado
de guerra, fazendo uso da força e privando outro indivíduo de sua liberdade, está assumindo o
risco de ser morto pelo agredido. Por conseguinte, mesmo no estado civil, quem tenta colocar
a outros sob seu poder absoluto está em estado de guerra com ele, pois submeter outro ao seu
poder sem seu consentimento é o mesmo que atentar contra sua vida.
Apesar de possibilitar o referido gozo da liberdade, o estado de natureza carece de uma
lei fixa e conhecida, estabelecida mediante consentimento geral, de um juiz conhecido e

1
BOBBIO, Norberto. Locke e o Direito Natural. 2 ed. Brasília: Editora da UnB, 1998. p. 180.
2
SOUZA, Paulo Clinger de. A Dialética da Liberdade em Locke. Londrina: Eduel, 2003. p. 82.

INTUITIO ISSN Porto Alegre V.1 - No.2 Novembro pp. 218-231


1983-4012 2008
Luís Gustavo Guadalupe Silveira 3
A teoria da desobediência civil de John Locke

imparcial e de um poder para apoiar e executar as sentenças. Assim, os homens unem-se em


sociedade para evitar o estado de guerra: se há um juiz comum instituído, cessa o estado de
guerra e as controvérsias são passíveis de resolução. O governo civil é necessário, pois, no
estado de natureza, os homens são juízes em causa própria e isto torna a existência pacífica
insustentável. Somente na sociedade civil existe a possibilidade dos homens viverem segundo
as leis da razão, que coincidem com as leis naturais. Já as leis civis são as leis naturais
somadas ao poder coercitivo que coloca a todos em obediência a elas3. Mas muitos soberanos,
no estado civil, agem em causa própria, como os homens no estado de natureza. Entre o
despotismo e o estado de natureza, o segundo é preferível, pois nele ninguém é obrigado a se
submeter “à vontade injusta de outrem e [...] aquele que julgar erroneamente em causa própria
ou na de qualquer outro terá de responder por isso ao resto da humanidade”4.
Em Locke, o estado de natureza e o estado de guerra (que não são sinônimos) não são
etapas que se superam em definitivo quando se entra no estado civil ou que pertencem
somente ao passado histórico. Enquanto para Hobbes, o problema do estado de natureza é a
ausência de leis, para Locke, é a ausência de um juiz comum5. Por isso, sempre haverá no
mundo um certo número de pessoas no estado de natureza e o risco de se cair no estado de
guerra. Para Locke, o estado de natureza, como estado de paz universal, é hipotético como o
estado de guerra hobbesiano. Mas o estado de natureza corre o risco constante de degenerar
no estado de guerra: é hipoteticamente um estado de paz, mas de fato é um estado de guerra.
Desse estado de fato é que nasce a necessidade do estado civil, e não do hipotético6.
O exercício da liberdade e a propriedade são coisas incertas no estado de natureza,
pois constantemente podem ser violados por outras pessoas. Por isso os homens abdicam
daquela liberdade natural, para melhor conservar “suas vidas, liberdades e bens, aos quais
atribuo o termo genérico de propriedade”7. O conceito de propriedade é de suma importância
política para Locke: “O fim maior e principal para os homens unirem-se em sociedades
políticas e submeterem-se a um governo é, portanto, a conservação de sua propriedade”8.
Esta existe antes mesmo da formação do estado civil: o fruto do trabalho é naturalmente

3
BOBBIO, Norberto; BOVERO, Michelangelo. Sociedade e Estado na Filosofia Política Moderna. São Paulo:
Brasiliense, 1996. p. 91.
4
LOCKE, John. Dois Tratados sobre o governo. São Paulo: Martins Fontes, 1998. §13, p. 392.
5
BOBBIO, Norberto. Locke e o Direito Natural. 2 ed. Brasília: Editora da UnB, 1998. p. 181.
6
BOBBIO, Norberto; BOVERO, Michelangelo. Sociedade e Estado na Filosofia Política Moderna. São Paulo:
Brasiliense, 1996. p. 55.
7
LOCKE, John. Dois Tratados sobre o governo. São Paulo: Martins Fontes, 1998. §123, p. 495.
8
LOCKE, John. Dois Tratados sobre o governo. São Paulo: Martins Fontes, 1998. §124, p. 495.

INTUITIO ISSN Porto Alegre V.1 - No.2 Novembro pp. 218-231


1983-4012 2008
Luís Gustavo Guadalupe Silveira 4
A teoria da desobediência civil de John Locke

propriedade de quem realizou o esforço, independente de cessão ou consentimento de outras


pessoas – algo tão natural quanto a liberdade e a igualdade. Além dos bens que o indivíduo
possui, ele tem a propriedade de sua própria pessoa – só ele, e mais ninguém, tem direito a
ela. Este princípio fundamenta a impossibilidade da sujeição voluntária à vontade alheia que
Locke coloca como um dos empecilhos ao governo arbitrário.
No estado civil, a liberdade não deixa de existir, apesar de ganhar outra compleição.
Nas palavras de Locke:

A liberdade dos homens sob um governo consiste em viver segundo uma


regra permanente, comum a todos nessa sociedade e elaborada pelo poder
legislativo nela erigido: liberdade de seguir minha própria vontade em tudo
quanto escapa à prescrição da regra e de não estar sujeito à vontade
inconstante, incerta, desconhecida e arbitrária de outro homem. Assim como
a liberdade da natureza consiste em não estar sujeito a restrição alguma
senão à da lei da natureza9.

Para o filósofo, a sociedade civil não é um prolongamento da sociedade natural


(família): a sociedade civil é uma criação dos indivíduos. A sociedade política substitui o
estado de natureza, a família não10. Apenas um acordo mútuo e conjunto com a intenção de
constituir uma comunidade e formar um corpo político põe fim ao estado de natureza. O
filósofo vai além, ao afirmar que somente o consenso é a origem dos governos legítimos.
Segundo Bobbio, para Locke, é bem possível que o contrato social originário tenha sido um
fato histórico – no contexto de sua refutação a Filmer, que defende a monarquia absoluta
recorrendo à história11. De modo geral, o contrato é considerado por Locke como um
instrumento necessário à legitimação do consenso como princípio político. Assim, em algum
momento da história deve ter havido um pacto, se não explícito, pelo menos tácito, entre o
povo e os governantes. Mais que fato histórico, o pacto é uma verdade da razão, pois está
conectado à cadeia de raciocínios que se inicia na hipótese de indivíduos livres e iguais. O
contrato é um fundamento de legitimação e também um princípio explicativo. Diferente do
caso do estado de natureza e do estado de guerra, este consenso não se encontra perdido nos
momentos originais da história humana, mas é um princípio que deve ser constantemente
observado.

9
LOCKE, John. Dois Tratados sobre o governo. São Paulo: Martins Fontes, 1998. §22, p. 403.
10
BOBBIO, Norberto; BOVERO, Michelangelo. Sociedade e Estado na Filosofia Política Moderna. São Paulo:
Brasiliense, 1996. p. 59.
11
BOBBIO, Norberto. Locke e o Direito Natural. 2 ed. Brasília: Editora da UnB, 1998. p. 64.

INTUITIO ISSN Porto Alegre V.1 - No.2 Novembro pp. 218-231


1983-4012 2008
Luís Gustavo Guadalupe Silveira 5
A teoria da desobediência civil de John Locke

Todavia, a transferência dos direitos naturais para o Estado, representada pelo pacto
originário, é parcial. Ao ingressar no estado civil, os indivíduos renunciam a um único direito:
o de fazer justiça por si mesmos. Por outro lado, conservam todos os outros, principalmente o
direito à propriedade, pois, como dito anteriormente, esta já nasce perfeita no estado de
natureza, fruto de uma ação natural, o trabalho, e que não depende do reconhecimento alheio.
A filosofia de Locke é, implicitamente, imbuída de um movimento dialético triádico,
que interpreta o curso da história como um processo composto por afirmação, negação e
negação da negação:

segundo Locke, o processo histórico pode ser reconstruído deste modo: 1) o


estado de natureza, em que nascem os direitos fundamentais do homem tais
como a liberdade, a igualdade e [...] a propriedade (tese); 2) o estado de
natureza real – a que se equipara o Estado despótico –, no qual os direitos
naturais não são garantidos, ou então só são garantidos ao déspota (antítese);
3) o estado civil, no qual o estado da natureza não é suprimido, mas sim
repristinado (síntese)12.

Ainda que historicamente existam casos em que pais tornaram-se monarcas, a


argumentação jusnaturalista de Locke centra-se na proposição de uma nova forma de
legitimação política: nem a sociedade doméstica nem a sociedade senhorial servem de modelo
para a sociedade política13. Com respeito aos inícios históricos das sociedades civis, mesmo
que se admita que a monarquia tenha sido a forma de governo mais comum, isto não
fundamenta os argumentos absolutistas, pois “a continuação da forma de governo numa única
pessoa não se devia a nenhuma consideração ou respeito à autoridade paterna, uma vez que
[...] quase todas as monarquias, foram comumente em sua origem, pelo menos de vez em
quando, eletivas”14. A monarquia foi adequada aos primeiros homens, devido às condições
nas quais se encontravam: necessidade de defesa, poucas querelas e poucas leis, governo
afetivo, governante como líder de guerra etc. Nos primeiros tempos do mundo, os filhos
cederam naturalmente, por um consentimento tácito e inevitável, à autoridade e ao governo do
pai. Isso não decorre de nenhum direito paterno, mas do consentimento dos filhos, do
prolongamento de um hábito: por uma mudança imperceptível, os pais de família se tornaram
monarcas políticos. A necessidade de examinar as origens e os direitos do governo e também

12
BOBBIO, Norberto. Locke e o Direito Natural. 2 ed. Brasília: Editora da UnB, 1998. p. 186.
13
BOBBIO, Norberto; BOVERO, Michelangelo. Sociedade e Estado na Filosofia Política Moderna. São Paulo:
Brasiliense, 1996. p. 60.
14
LOCKE, John. Dois Tratados sobre o governo. São Paulo: Martins Fontes, 1998. §106, p. 478.

INTUITIO ISSN Porto Alegre V.1 - No.2 Novembro pp. 218-231


1983-4012 2008
Luís Gustavo Guadalupe Silveira 6
A teoria da desobediência civil de John Locke

de buscar formas de limitar os excessos e abusos de poder só surgiu quando os governantes


tornaram-se corrompidos e os interesses dos príncipes e dos povos passaram a ser distintos.
No Segundo Tratado, Locke se detém longamente na caracterização da autoridade
paterna, a fim de melhor diferenciá-la do poder político e assim contrariar os argumentos de
outros pensadores, em especial Filmer. Primeiramente, o termo mais adequado é pátrio poder
e não poder paterno, pois ele pertence igualmente ao pai e à mãe. Esta afirmação já causa
problemas aos que querem fundar o poder absoluto monárquico no poder, paterno, de uma só
pessoa. Um conceito importante nesta discussão é o de igualdade: ela é o direito que todos
têm igualmente à sua liberdade natural. Entretanto, há diferenças de virtude, capacidade,
mérito, berço, alianças, benefícios etc. entre as pessoas. Se nesse sentido os filhos não nascem
iguais aos adultos, todavia nascem para a igualdade. Assim, o domínio que os pais têm sobre
eles é temporário, somente enquanto durar sua obrigação de conservar, alimentar e educar os
filhos15. Consequentemente, o poder dos pais origina-se do seu dever de cuidar dos filhos
enquanto estes não estão plenamente racionais, gozando de entendimento próprio: “quando
chegar à situação que fez de seu pai um homem livre, o filho será um homem livre também”16.
Segundo Locke, para ser livre é preciso que o indivíduo seja capaz de conhecer a lei: “a
liberdade do homem e a liberdade de agir conforme sua própria vontade baseiam-se no fato
de ser ele possuidor de razão, que é capaz de instruí-lo sobre a lei pela qual ele se deverá
governar e de fazer com que saiba até que ponto pode dar-se à liberdade de sua própria
vontade”17. Após a maturidade, pai e filho se tornam igualmente livres, sem que reste sombra
do domínio paterno sobre a prole (o que ocorre tanto no estado de natureza quanto no estado
civil). Locke possui uma visão anti-paternalista do poder estatal – realiza-se aqui o princípio
Iluminista da maioridade do ser humano, num Estado cujo objetivo é tornar os súditos homens
livres18.
Ainda que o homem nasça livre e racional, o exercício pleno destas faculdades só vem
com a idade. Seguindo este raciocínio, Locke demonstra que não há contradição na idéia de
que a liberdade natural é compatível com a submissão de um filho aos pais. Mesmo os
defensores mais radicais da monarquia por direito de paternidade devem reconhecer isto. Se,
por um lado, os filhos, mesmo livres na maturidade, devem respeito, gratidão, assistência e

15
LOCKE, John. Dois Tratados sobre o governo. São Paulo: Martins Fontes, 1998. §56, p. 432.
16
LOCKE, John. Dois Tratados sobre o governo. São Paulo: Martins Fontes, 1998. §59, p. 435.
17
LOCKE, John. Dois Tratados sobre o governo. São Paulo: Martins Fontes, 1998. §63, p. 438.

INTUITIO ISSN Porto Alegre V.1 - No.2 Novembro pp. 218-231


1983-4012 2008
Luís Gustavo Guadalupe Silveira 7
A teoria da desobediência civil de John Locke

honra a seus pais, por outro, disso não nasce nenhum tipo de autoridade absoluta dos pais. A
tese que Locke deseja defender, principalmente contra Filmer, é a de que o poder paterno e o
poder político são completamente distintos e separados: “o poder paterno não contém
nenhuma parte ou grau do tipo de domínio que um príncipe ou magistrado tem sobre seus
súditos”19.
Assim, nem a sociedade conjugal, nem a sociedade entre pais e filhos, nem a
sociedade entre senhor e servo são sociedades políticas. Só há sociedade política onde todos
os seus membros renunciaram ao poder natural de preservar a propriedade punindo os delitos,
colocando este poder nas mãos de um corpo político. A comunidade passa a ser o árbitro. Já a
monarquia absoluta é incompatível com a sociedade civil, não podendo ser considerada uma
forma de governo civil. Se não há juiz equânime e imparcial a quem apelar para a resolução
de querelas, os homens ainda se encontrarão em estado de natureza, assim como um príncipe
absoluto estará em estado de natureza com relação aos seus súditos. Não há segurança contra
a violência e a opressão do governante absoluto neste tipo de monarquia: só há leis entre os
súditos, já o governante é absoluto e está acima das leis. Isto é contrário ao funcionamento de
uma sociedade civil, na qual “nenhum homem [...] pode estar isento de suas leis”20. Os
homens não são tolos a ponto de abandonarem todos o estado de natureza para viver em
sociedade e deixar que um indivíduo permaneça livre como no estado natural. Todo detentor
do poder supremo deve governar a sociedade política segundo as leis promulgadas pelo povo:
o governo da sociedade civil deve ter como finalidade “a paz, a segurança e o bem público do
povo”21. Ainda que se afirme que os príncipes estejam isentos do cumprimento das leis de seu
país, eles estão certamente sujeitos às leis de Deus e às da natureza.
Segundo Bobbio, Hobbes e Pufendorf haviam confundido o poder político com o
poder despótico e Filmer confundira o poder paterno com o poder político22. Mas, para Locke,
havia profundas diferenças entre esses poderes:

o poder paterno está aquém do poder do magistrado na mesma medida em


que o poder despótico está além; e que o domínio absoluto, onde quer que
esteja situado, está tão longe de ser uma espécie de sociedade civil que é
incompatível com ela, na mesma medida em que a escravidão o é com a

18
BOBBIO, Norberto; BOVERO, Michelangelo. Sociedade e Estado na Filosofia Política Moderna. São Paulo:
Brasiliense, 1996. p. 94.
19
LOCKE, John. Dois Tratados sobre o governo. São Paulo: Martins Fontes, 1998. §71, p. 445.
20
LOCKE, John. Dois Tratados sobre o governo. São Paulo: Martins Fontes, 1998. §94, p. 467.
21
LOCKE, John. Dois Tratados sobre o governo. São Paulo: Martins Fontes, 1998. §131, p. 500.
22
BOBBIO, Norberto. Locke e o Direito Natural. 2 ed. Brasília: Editora da UnB, 1998. p. 216.

INTUITIO ISSN Porto Alegre V.1 - No.2 Novembro pp. 218-231


1983-4012 2008
Luís Gustavo Guadalupe Silveira 8
A teoria da desobediência civil de John Locke

propriedade. O poder paterno existe apenas enquanto a menoridade torna o


filho incapaz de gerir sua propriedade; o político, quando os homens têm a
propriedade à sua disposição; e o despótico, sobre aqueles que não possuem
propriedade alguma23.

Neste contexto, o Segundo Tratado buscou “demonstrar que o que distingue as três
formas de sociedade é o diferente fundamento da autoridade e, portanto, da obrigação de
obediência, ou seja, o diverso princípio de legitimidade”24. São três as formas de obediência:
do filho para com o pai, baseada na natureza; do escravo para com o senhor, baseada em um
delito ou castigo; e a obrigação do súdito com o soberano, nascida de um contrato. Por isso, o
soberano precisa de consentimento para que sua autoridade tenha valor (ao contrário do pai e
do senhor). Um soberano que governa como um pai (Estado paternalista) ou como um senhor
de escravos (Estado despótico) não tem legitimidade e os súditos não têm obrigação de
obedecer25.
Como explicado anteriormente, o poder paterno é um governo natural, não alcança a
propriedade do filho, cessa assim que este atinge a maturidade e tem por finalidade a
assistência, instrução e conservação da prole. Já o poder político é o poder que todo homem
tem no estado de natureza e que passa às mãos da sociedade através de pacto (consentimento
mútuo), a fim de conservar sua propriedade (vida, liberdade e posses): não pode ser um poder
arbitrário e absoluto, mas deve elaborar leis e executar penalidades. No governo civil, a
maioria tem o direito de agir e deliberar por todos. Já o poder despótico é o poder absoluto e
arbitrário, que não é concedido nem pela natureza nem por pacto. Ele surge da perda do
direito à própria vida que o agressor ocasiona ao colocar-se em estado de guerra com outra
pessoa ou grupo. Ao contrário de Hobbes, Locke considera o despotismo um mal extremo,
originado da má conduta do soberano26. Ao fazer da força sua regra de direito, o déspota
coloca-se em posição de ser destruído por quem ofende e pelo resto da humanidade. A única
exceção diz respeito aos prisioneiros de guerras justas, os únicos que podem estar sujeitos a
um poder despótico, por se encontrarem num estado que é continuação do estado de guerra.

23
LOCKE, John. Dois Tratados sobre o governo. São Paulo: Martins Fontes, 1998. §174, p. 541.
24
BOBBIO, Norberto; BOVERO, Michelangelo. Sociedade e Estado na Filosofia Política Moderna. São Paulo:
Brasiliense, 1996. p. 61.
25
BOBBIO, Norberto; BOVERO, Michelangelo. Sociedade e Estado na Filosofia Política Moderna. São Paulo:
Brasiliense, 1996. p. 62.
26
BOBBIO, Norberto; BOVERO, Michelangelo. Sociedade e Estado na Filosofia Política Moderna. São Paulo:
Brasiliense, 1996. p. 62.

INTUITIO ISSN Porto Alegre V.1 - No.2 Novembro pp. 218-231


1983-4012 2008
Luís Gustavo Guadalupe Silveira 9
A teoria da desobediência civil de John Locke

De modo diverso, “aquele que conquista numa guerra injusta não poderá, com isso, ter
nenhum direito à sujeição e obediência dos conquistados”27.
Tudo aquilo que é tomado à força continua sendo direito do prejudicado, seja um bem,
a liberdade, um poder ou a vida. Ocorre uma usurpação quando alguém se apodera daquilo a
que outro tem direito; são usurpações todos os atos que prejudicam ou obstruem o bem
público. Segundo Locke, o soberano que estende seu poder para além daquilo que é direito
dos governantes, em proveito próprio, instaura uma tirania, que “é o exercício do poder além
do direito, a que ninguém pode ter direito”28. A definição deste conceito é muito importante
para a teoria do direito de resistência de Locke:

Todo aquele que alcance o exercício de qualquer parte do poder por qualquer
meio que não o prescrito pelas leis da comunidade não tem direito a ser
obedecido, mesmo que a forma da sociedade política seja conservada – já que
não se trata da pessoa que as leis designaram e, consequentemente, não é a
pessoa a quem o povo consentiu29.

Infelizmente, todas as formas de governo estão sujeitas à tirania. O tirano age sem
autoridade e pode então ser combatido, como qualquer um que invada o direito alheio por
meio da força. O tirano pode ser tanto o alto quanto o baixo funcionário do governo, mas é
sempre pior quando é o soberano.
Segundo Bobbio, o “problema mais difícil para uma teoria racional (ou que pretende
ser racional) do Estado é o de conciliar dois bens a que ninguém está disposto a renunciar e
que são (como todos os bens últimos) incompatíveis: a obediência e a liberdade”30. A solução
apresentada por Locke é a da obediência relativa, condicionada ao respeito do soberano aos
limites preestabelecidos ao seu poder supremo. Existem, pois, limites tanto para a obediência
quanto para a desobediência. O limite e a regulação da obediência estão no poder legislativo.
A obediência ao poder legislativo (supremo) é indispensável. Todavia, o poder legislativo não
pode ser arbitrário – não pode exceder os poderes individuais que as pessoas tinham no estado
de natureza e transferiram à sociedade política através do pacto. O poder legislativo “limita-se
ao bem público da sociedade”31.

27
LOCKE, John. Dois Tratados sobre o governo. São Paulo: Martins Fontes, 1998. §176, p. 545.
28
LOCKE, John. Dois Tratados sobre o governo. São Paulo: Martins Fontes, 1998. §199, p. 561.
29
LOCKE, John. Dois Tratados sobre o governo. São Paulo: Martins Fontes, 1998. §198, p. 560.
30
BOBBIO, Norberto; BOVERO, Michelangelo. Sociedade e Estado na Filosofia Política Moderna. São Paulo:
Brasiliense, 1996. p. 83-4.
31
LOCKE, John. Dois Tratados sobre o governo. São Paulo: Martins Fontes, 1998. §135, p. 505.

INTUITIO ISSN Porto Alegre V.1 - No.2 Novembro pp. 218-231


1983-4012 2008
Luís Gustavo Guadalupe Silveira 10
A teoria da desobediência civil de John Locke

Sobre a organização do poder e ainda a fim de evitar a corrupção do governo, Locke


afirma que o Legislativo deve ser separado do Executivo e deve ser composto de um grupo de
homens para evitar que os elaboradores das leis se furtem a obedecê-las ou que elaborem leis
em proveito próprio. Os poderes executivo e federativo (fazer alianças, guerra e paz, pactos e
transações com pessoas e sociedades políticas externas) são diferentes, mas devem ser
depositados nas mãos das mesmas pessoas a fim de evitar “desordem e ruína”32.
Mas a lei não é perfeita e não abrange todas as situações possíveis dentro de uma
sociedade civil. Dessa forma, o poder do governante em agir pelo bem público, nos lugares
onde a lei se cala ou até mesmo contrariamente à lei escrita, é chamado de prerrogativa.
Quem será o juiz sobre o uso correto da prerrogativa, os súditos ou o soberano? Como a
prerrogativa é função do Executivo e o Legislativo depende deste poder para se reunir, não
existe “juiz sobre a Terra” nesta questão. Se o legislativo ou o executivo se dedicarem a
destruir o povo, também não haverá juiz. Ironicamente, o único remédio é o apelo aos céus.
Segundo Souza, a soberania popular em Locke “assenta-se no seguinte conceito: todo
poder emana do povo e em seu nome será exercido”33. Sobre a relação entre a soberania
popular e o direito de resistência, Locke afirma que

a sociedade política [o povo] conserva perpetuamente um poder supremo de


salvaguardar-se das tentativas e propósitos de qualquer pessoa, mesmo de
seus próprios legisladores, sempre que estes sejam tolos ou perversos o
bastante para conceber e levar a cabo planos contrários às liberdades e
propriedades dos súditos. Pois, não tendo homem algum ou sociedade alguma
de homens o poder de ceder a própria conservação, ou, consequentemente, os
meios para tal, à vontade absoluta e ao domínio arbitrário de outrem, sempre
que qualquer um tente conduzi-los a uma tal condição de escravidão, terão
sempre o direito de conservar aquilo que não tinham o poder de ceder e de
livrar-se daqueles que transgridam essa lei fundamental, sagrada e inalterável
da autoconservação, pela qual entraram em sociedade34.

Para Locke, o Estado despótico não é uma sociedade civil, mas uma recaída no estado
de natureza. Nesse caso, para sair do estado de natureza não é preciso instaurar o Estado, mas
destruí-lo – uma inversão do modelo jusnaturalista35. Quando o governo é dissolvido, o povo
é o poder supremo; desse modo, o filósofo atribui o poder supremo da sociedade a uma

32
LOCKE, John. Dois Tratados sobre o governo. São Paulo: Martins Fontes, 1998. §148, p. 517.
33
SOUZA, Paulo Clinger de. A Dialética da Liberdade em Locke. Londrina: Eduel, 2003. p. 116.
34
LOCKE, John. Dois Tratados sobre o governo. São Paulo: Martins Fontes, 1998. §149, p. 518-9.
35
BOBBIO, Norberto; BOVERO, Michelangelo. Sociedade e Estado na Filosofia Política Moderna. São Paulo:
Brasiliense, 1996. p. 99.

INTUITIO ISSN Porto Alegre V.1 - No.2 Novembro pp. 218-231


1983-4012 2008
Luís Gustavo Guadalupe Silveira 11
A teoria da desobediência civil de John Locke

instância não institucionalizada36. Entretanto, enquanto persistir alguma forma de governo, o


legislativo é o poder supremo. O poder cedido pelos indivíduos ao entrar em sociedade não
pode retornar a eles enquanto houver sociedade, assim como o legislativo não pode retornar
ao povo enquanto durar o governo. Se alguma força impedir o legislativo de atuar para a
segurança e preservação do povo, este tem o direito de removê-la pela força. Se o legislativo
transgredir sua função de mantenedor da propriedade, perderá o direito ao poder que o povo
lhe instituiu, sendo esse poder devolvido ao povo, que pode estabelecer um novo legislativo
para garantir sua segurança.
O soberano que, contrariando o poder supremo por ele representado, desrespeita a lei,
perde o direito à obediência, “pois que não devem os membros [do corpo político] obediência
senão à vontade pública da sociedade”37. Entretanto, só a força injusta e ilegítima deve ser
resistida. O direito de resistência não oferece perigo para os governantes justos por quatro
motivos: 1º. O Caráter Sagrado que o soberano possui o isenta de muitos inconvenientes,
assim como é baixa a probabilidade de um príncipe sozinho causar grande dano à sociedade a
ponto de perturbar a segurança e a paz pública. 2º. A resistência não se concentra somente
contra a pessoa do soberano, mas volta-se contra qualquer membro do governo que infringir a
lei. 3º. A força só deve ser usada se alguém for impedido de recorrer à lei. A única força hostil
e ilegítima é aquela que impede tal apelo. 4º. Os casos em que a resistência se faz necessária e
vale quiçá a vida dos resistentes são muito raros. Não é possível que um ou mais homens
oprimidos perturbem um governo se não houver interesse coletivo na querela. Mas se os
malefícios da tirania atingirem a maioria da sociedade, direta ou indiretamente, o direito à
resistência contra a força ilegal se fará presente; este direito é um inconveniente que está
presente em todos os governos, mas que, segundo Locke, é fácil de evitar.
A hipótese de que o povo pode instaurar um novo legislativo caso o antigo tenha
violado o encargo nele depositado, não é um incitamento a rebeliões, pois: 1º. Com ou sem o
conhecimento desta hipótese, um povo maltratado irá agir dessa forma. 2º. O povo é muito
tolerante e revoluções só tomarão lugar se ocorrer uma série de abusos. 3º. Esta hipótese é a
melhor defesa contra a rebelião e o melhor meio de evitá-la. A rebelião ocorre contra as
autoridades e não contra as pessoas. Os tiranos é que são os verdadeiros rebeldes, pois são
eles que promovem novamente o estado de guerra pelo uso ilegítimo da força ou pela

36
SPITZ, Jean-Fabien. John Locke et les fondements de la liberté moderne. Paris: Presses Universitaires de
France, 2001. p. 327.

INTUITIO ISSN Porto Alegre V.1 - No.2 Novembro pp. 218-231


1983-4012 2008
Luís Gustavo Guadalupe Silveira 12
A teoria da desobediência civil de John Locke

alteração/supressão do legislativo. A maior tentação dessa rebeldia ocorre naqueles que detêm
mais poder e é neles que devem se concentrar as preocupações. Os malefícios que resultarem
da resistência aos verdadeiros rebeldes não podem ser creditados aos defensores da própria
liberdade. Se o fim do governo é o bem da humanidade, não pode haver tolerância à tirania:

todo aquele que, governante ou súdito, pela força empreende invadir os


direitos do príncipe ou do povo e lança as bases para a derrubada da
constituição e da estrutura de qualquer governo justo, é culpado do maior
crime, penso eu, que um homem é capaz de cometer, devendo responder por
todos os malefícios de sangue, rapinagem e desolação que o desmoronamento
de um governo traz a um país38.

Locke vai mais longe, afirmando que o delito de um magistrado que atenta pela força
contra a propriedade alheia é maior que o de um súdito ou estrangeiro que assim fizesse,
devido ao poder que lhe foi investido pela sociedade. Tendo assim colocado seu raciocínio, o
filósofo conclui que, “desde que em alguns casos é permitido resistir, nem toda resistência
aos príncipes é rebelião”39. Por isso é muito importante saber como se defender dos déspotas
e saber quando é lícito desobedecer40. Locke chama a atenção para o fato de que “os homens
nunca poderão estar protegidos da tirania se não houver meios para escapar dela até a ela
estarem inteiramente submetidos. E, portanto, é por isso que eles têm não só o direito de se
livrarem dela, como também o de evitá-la”41.
Segundo Bobbio, o exame de Locke sobre a dissolução do governo com respeito à
teoria da resistência e da desobediência civil é o trecho “mais importante e historicamente
decisivo”:

As últimas páginas do Segundo tratado constituem uma peroração fervorosa


em defesa dos oprimidos e contra os opressores, em favor da liberdade e
contra a ordem, bem como uma advertência aos governantes honestos, um
desafio aos desonestos, uma afirmação da soberania do povo, embora por
‘povo’ Locke entendesse a sociedade dos proprietários42.

37
LOCKE, John. Dois Tratados sobre o governo. São Paulo: Martins Fontes, 1998. §151, p. 520.
38
LOCKE, John. Dois Tratados sobre o governo. São Paulo: Martins Fontes, 1998. §230, p. 587-8.
39
LOCKE, John. Dois Tratados sobre o governo. São Paulo: Martins Fontes, 1998. §232, p. 589.
40
BOBBIO, Norberto; BOVERO, Michelangelo. Sociedade e Estado na Filosofia Política Moderna. São Paulo:
Brasiliense, 1996. p. 81.
41
LOCKE, John. Dois Tratados sobre o governo. São Paulo: Martins Fontes, 1998. §220, p. 579.
42
BOBBIO, Norberto. Locke e o Direito Natural. 2 ed. Brasília: Editora da UnB, 1998. p. 243-245.

INTUITIO ISSN Porto Alegre V.1 - No.2 Novembro pp. 218-231


1983-4012 2008
Luís Gustavo Guadalupe Silveira 13
A teoria da desobediência civil de John Locke

Locke preserva a liberdade do indivíduo frente à lei civil, ao fazer da “razão individual
– que conhece uma lei de natureza irredutivelmente exterior a ele – o juiz da legitimidade da
autoridade política à qual lhe é exigido que se submeta”43.
As regras que regulamentam o poder de cada indivíduo no estado de natureza balizam
também o exercício do poder no estado social: o que é abuso e crime em um, também o é no
outro. A fundamentação desses estados como construções do intelecto dá a eles validade
supra-histórica, e ajudam a dar base à teoria da resistência de Locke. Assim como é lícito
resistir àquele que atenta contra mim no estado natural, também é legítimo resistir a quem
usar de violência contra o povo nos casos em que as leis artificialmente criadas pelos homens
para fomentar a convivência pacífica em sociedade não puderem resolver a querela. Os
soberanos não podem agir como pais ou senhores do povo, já que os poderes pátrio e
senhorial não são poderes políticos, por não se fundarem em pacto consensual e por não se
basearem no princípio da igualdade. Os casos em que a desobediência civil se aplica são raros
e Locke chama a atenção dos seus leitores e opositores para o fato de ser mais importante
preocupar-se com os magistrados (cujo poder lhes atribui mais responsabilidades políticas) do
que se preocupar com as rebeliões populares.
Para Spitz,

A afirmação do direito de resistência em Locke será assim o resultado de um


longo movimento intelectual de secularização, que irá levar a representar o
governo e a sociedade política como instrumentos práticos (ou utilitários) que
os homens que formam as comunidades civis usam para colocar-se em
condição de satisfazer seus desejos44.

De acordo com J. H. Salmon, os Tratados Sobre o Governo de Locke introduzem uma


série de inovações filosóficas no campo das teorias do direito de resistência45. A teoria
lockeana não naturaliza o povo e não recorre às teorias organicistas (o povo como um corpo
harmonioso), sendo, ao contrário, afim da concepção mecânica da união voluntária dos
indivíduos. São seis inovações apontadas por Salmon: 1ª. Construir sua teoria no contexto das
premissas individualistas e não no contexto das metáforas organicistas, dando valor ao povo
ao afirmar que este tem poder e direitos. 2ª. Abandonar a idéia de uma ordem natural inscrita

43
SPITZ, Jean-Fabien. John Locke et les fondements de la liberté moderne. Paris: Presses Universitaires de
France, 2001. p. 326. Tradução nossa.
44
SPITZ, Jean-Fabien. John Locke et les fondements de la liberté moderne. Paris: Presses Universitaires de
France, 2001. p. 276. Tradução nossa.

INTUITIO ISSN Porto Alegre V.1 - No.2 Novembro pp. 218-231


1983-4012 2008
Luís Gustavo Guadalupe Silveira 14
A teoria da desobediência civil de John Locke

nas coisas para insistir nos direitos do indivíduo às custas da estrutura coletiva que deverá uni-
los. A resistência é sempre ligada à defesa dos direitos individuais e não à manutenção de uma
ordem objetiva baseada na natureza ou na racionalidade. 3ª. A introdução da dupla estado de
natureza-contrato social, que era praticamente ausente nas obras anteriores sobre o direito de
resistência. Os indivíduos no estado de natureza possuem um senso de obrigação moral que se
dirige a eles mesmos, a Deus e aos seus semelhantes. Por estar em acordo com esse senso de
obrigação moral é que a resistência é exercida na sociedade civil constituída. 4ª. Colocar o
contrato social em primeiro plano, relegando ao segundo plano o contrato de governo, que
ocupa o centro das atenções nos modelos monarquistas. O poder do governo advém da
maioria – essa “concepção puramente quantitativista da maioria é uma inovação essencial”46.
5ª. Se, por um lado, o direito de resistência pertence ao povo como coletividade, por outro, os
direitos da consciência individual são preservados, em especial quando os direitos dos
indivíduos são ameaçados. As tradições anteriores não reconheciam o direito individual de
resistência. 6ª. A reconstrução da idéia de soberania popular. Na divisão do poder elaborada
por Locke, o povo não possui um poder legislativo, mas um poder soberano no sentido de ser
o responsável por limitar e fiscalizar o Legislativo.

Referências
BOBBIO, Norberto. Locke e o Direito Natural. 2 ed. Brasília: Editora da UnB, 1998.
______; BOVERO, Michelangelo. Sociedade e Estado na Filosofia Política Moderna. São Paulo: Brasiliense,
1996.
LOCKE, John. Dois Tratados sobre o governo. São Paulo: Martins Fontes, 1998.
SOUZA, Paulo Clinger de. A Dialética da Liberdade em Locke. Londrina: Eduel, 2003.
SPITZ, Jean-Fabien. John Locke et les fondements de la liberté moderne. Paris: Presses Universitaires de France,
2001. (Fondements de la politique)

45
SPITZ, Jean-Fabien. John Locke et les fondements de la liberté moderne. Paris: Presses Universitaires de
France, 2001. p. 279.
46
SPITZ, Jean-Fabien. John Locke et les fondements de la liberté moderne. Paris: Presses Universitaires de
France, 2001. p. 280. Tradução nossa.

INTUITIO ISSN Porto Alegre V.1 - No.2 Novembro pp. 218-231


1983-4012 2008