Você está na página 1de 142

UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO

Bruna Andrezza Mendes Gonçalves Almeida

Debora Jesus da Silva

Francisca Ferreira de Carvalho

Luana Beatriz de Oliveira Araújo

Pedro Henrique Araújo de Melo

Rodrigo Rodrigues Da Silva

Tiago Camargo Lara de Jesus

David Jimmy

Projeto Integrador V

São Paulo

2017
Bruna Andrezza Mendes Gonçalves Almeida

Debora Jesus da Silva

Francisca Ferreira de Carvalho

Luana Beatriz de Oliveira Araújo

Pedro Henrique Araújo de Melo

Rodrigo Rodrigues Da Silva

Tiago Camargo Lara de Jesus

David Jimmy

Projeto Integrador V

Relatório técnico apresentado como requisito


parcial para obtenção de aprovação em todas as
disciplinas, Projeto Integrador V, no Curso de
Engenharia Civil na Universidade Nove de Julho.
Realizado pelos alunos do Grupo 8, Sala 109 do
Período manhã. Ministrado pelos Professores:
Daniel Oliveira Frazão da Silva e Hamilton
Aparecido Boa Vista.

São Paulo

2017
3

RESUMO

O presente trabalho tem como objetivo apresentar o planejamento e a programação das etapas de
um projeto de construção civil, onde poderemos acompanhar o desenvolvimento de cada uma delas.

O projeto trata da construção de um complexo de oito edifícios, cada um contendo 24 escritórios


distribuídos em três pavimentos, para utilização com fins comerciais. E conta ainda com área verde,
tendo o intuito de paisagismo e preservação da vegetação.

Serão apresentadas as devidas normas regulamentadoras e legislações vigentes, bem como as


atividades realizadas e os recursos de mão de obra, materiais e equipamentos.

Os planejamentos desses recursos serão aplicados, e definidos dentro de planos de condições de


prazos, custos, qualidade e de riscos.

Através do relatório do projeto, garantiremos a concepção, planejamento, execução e finalização de


todas as atividades que compõe o projeto, e que serão executadas dentro das diretrizes e metas
estabelecidas.

Palavras-Chave: Planejamento, Edifícios, Fins Comerciais, Normas Regulamentadoras.


4

ABSTRACT

The present work aims to present the planning and programming of the stages of a civil construction
project, where we can follow the development of each one of them.

The project deals with the construction of a complex of eight buildings, each containing 24 offices
distributed on three floors, for commercial use. It also has a green area, with the purpose of
landscaping and preservation of vegetation.

Relevant regulatory standards and legislation will be presented, as well as the activities carried out
and the resources of labor, materials and equipment.

The planning of these resources will be applied, and defined within the plans of conditions of terms,
costs, quality and risks.

Through the project report, we will ensure the design, planning, execution and finalization of all the
activities that make up the project, and that will be executed within the established guidelines and
goals.

Keywords: Planning, Buildings, Commercial Purposes, Regulatory Standards.


5

Sumário

INTRODUÇÃO .................................................................................................................................................................. 9
1. Informações Gerais................................................................................................................................................. 10
2. Levantamento do Entorno ..................................................................................................................................... 11
3. Relatório Fotográfico da vizinhança ..................................................................................................................... 12
4. Planta de Situação .................................................................................................................................................. 22
5. Compatibilidade do projeto com legislação vigente (Relatório urbanístico) .................................................. 23
5.1 LEI Nº 16.402, DE 22 DE MARÇO DE 2016 .............................................................................................. 23
5.2 Taxa de Ocupação.......................................................................................................................................... 23
5.3 Coeficiente de Aproveitamento. .................................................................................................................... 24
5.4 Afastamentos ou recuos. ............................................................................................................................... 25
5.5 Taxas de Permeabilidade. ............................................................................................................................. 26
5.6 Área Verde. ...................................................................................................................................................... 26
6. Planta de Implantação............................................................................................................................................ 28
7. Plano de Gerenciamento dos Resíduos da Construção Civil – PGRCC ....................................................... 29
7.1 Identificação do Empreendimento ................................................................................................................ 29
7.2 Responsáveis Técnicos ................................................................................................................................. 29
7.3 Caracterização do Empreendimento............................................................................................................ 31
7.4 Gerenciamento de Resíduos Gerados na Obra ......................................................................................... 31
7.4.1 Gerenciamento de Resíduos gerados na Demolição........................................................................ 32
7.4.2 Classificação dos Tipos de Resíduos Sólidos. ................................................................................... 34
7.4.3 Percentuais de Resíduos Gerados na Construção. .......................................................................... 35
7.4.4 Acondicionamento dos resíduos gerados na obra de acordo com o tipo de material. ................ 36
7.4.5 Estimativa dos resíduos gerados na fase de demolição que serão reutilizados na obra,
segundo a classificação, tipo de material, técnica adotada e a quantidade.................................................. 36
7.5 Volume de Material Gerado na Terraplanagem ......................................................................................... 37
7.6 Gerenciamento de Resíduos Gerados na Construção ............................................................................. 38
7.6.1 Área total a ser construída é de 4.716 m², incluindo áreas computáveis e não computáveis.
Conforme ilustrado na planta de implantação a seguir: .................................................................................... 38
7.6.2 Quantidades de Resíduos Gerados ........................................................................................................... 38
7.6.3 Resíduos Gerados na Fase de Construção. ............................................................................................ 39
7.6.4 Resíduos da Demolição e da Construção........................................................................................... 40
7.7 Caracterização e Destino Final dos Resíduos ........................................................................................... 40
6

8. Estudo de Impacto da Vizinhança (EIV) .............................................................................................................. 42


8.1 Característica do empreendimento .............................................................................................................. 42
8.2 Dimensões do Empreendimento .................................................................................................................. 42
8.2.1 Quadro de Áreas ..................................................................................................................................... 42
8.2.2 Crescimento Populacional ..................................................................................................................... 43
8.2.3 Levantamento Planialtimétrico .............................................................................................................. 44
8.2.4 Estimativa de População do Empreendimento .................................................................................. 45
8.2.5 Indicação de Entradas, Saídas, Geração de Viagens e distribuição no Sistema Viário.............. 45
8.2.6 Delimitação e Caracterização da Área de Vizinhança ...................................................................... 46
8.2.7 Levantamento dos Usos das Construções Existentes na Quadra do Empreendimento ............. 48
8.2.8 Uso e ocupação de solo......................................................................................................................... 52
8.2.9 Sistema Viário Estrutural (Vila Maria) .................................................................................................. 53
8.2.10 Sistema de Transportes ......................................................................................................................... 53
8.2.11 Verificação da Variação da Demanda por Abastecimento de Água, Esgoto e Energia Elétrica 56
8.2.12 Equipamentos urbanos e comunitários ............................................................................................... 56
8.2.13 Descrição dos Prováveis Impactos Ambientais da Implantação e Operação de Atividades ...... 58
8.2.14 Caracterização da Qualidade Ambiental Futura da Área de Influência.......................................... 59
8.2.15 Informação do Destino Final do Material Resultante do Movimento de Terra .............................. 59
8.2.16 Destino Final do Entulho da Obra ........................................................................................................ 59
8.3 Matriz de Impactos.......................................................................................................................................... 61
9 Memorial Descritivo Técnico ................................................................................................................................. 65
9.1 Objetivo ............................................................................................................................................................. 65
9.2 Generalidades ................................................................................................................................................. 65
9.3 Serviços Preliminares ..................................................................................................................................... 65
9.3.1 Placas de Obra ........................................................................................................................................ 65
9.3.2 Instalações do Canteiro de Obra .......................................................................................................... 66
9.3.3 Limpeza e Preparo da Área................................................................................................................... 66
9.4 Normas Técnicas ............................................................................................................................................ 67
9.5 Locação e Desenvolvimento da Obra .......................................................................................................... 67
9.5.1 Execução do Gabarito ............................................................................................................................ 68
9.6 Proteções ......................................................................................................................................................... 68
9.7 Movimentação de Terra (Terraplenagem) .................................................................................................. 70
9.8 Drenagem ......................................................................................................................................................... 71
9.9 Fundação.......................................................................................................................................................... 71
7

9.10 Concreto Armado ............................................................................................................................................ 72


9.11 Impermeabilizações ........................................................................................................................................ 72
9.12 Alvenaria ........................................................................................................................................................... 73
9.13 Cobertura.......................................................................................................................................................... 73
9.14 Esquadrias ....................................................................................................................................................... 73
9.15 Revestimentos ................................................................................................................................................. 74
9.16 Limpeza Final .................................................................................................................................................. 75
9.17 Pisos.................................................................................................................................................................. 75
9.18 Pintura ............................................................................................................................................................... 75
9.19 Proteção contra Incêndios ............................................................................................................................. 76
9.19.1 Norma Regulamentadora NR 23 .......................................................................................................... 76
9.19.2 Decreto Estadual nº 4.909 ..................................................................................................................... 77
9.20 Sistema de Segurança ................................................................................................................................... 78
10. Quantificação de Serviços ................................................................................................................................. 79
10.1 Serviços Iniciais ............................................................................................................................................... 79
10.2 Infraestrutura.................................................................................................................................................... 84
10.3 Alvenaria ........................................................................................................................................................... 86
10.4 Cobertura.......................................................................................................................................................... 87
10.5 Impermeabilização .......................................................................................................................................... 87
10.5 Isolamento Térmico ........................................................................................................................................ 90
10.6 Esquadrias ....................................................................................................................................................... 91
10.7 Sistema Hidráulico .......................................................................................................................................... 93
10.8 Sistemas Sanitários ........................................................................................................................................ 94
10.9 Sistema Combate a Incêndio ........................................................................................................................ 97
10.10 Sistemas Elétricos..................................................................................................................................... 101
10.11 Piso.............................................................................................................................................................. 104
10.12 Revestimento Primário ............................................................................................................................. 105
10.13 Pinturas ....................................................................................................................................................... 106
10.14 Sistemas de Segurança ........................................................................................................................... 106
10.15 Urbanização ............................................................................................................................................... 107
11. Memória de Cálculo .......................................................................................................................................... 109
11.1 Taxa de Ocupação........................................................................................................................................ 109
11.2 Taxa de Permeabilidade .............................................................................................................................. 109
11.3 Cobertura Vegetal ......................................................................................................................................... 109
8

11.4 Área de Drenagem........................................................................................................................................ 109


11.5 Área da Base de cada Prédio ..................................................................................................................... 109
11.6 Área Construída de cada Prédio ................................................................................................................ 110
11.7 Área Total Construída .................................................................................................................................. 110
11.8 Coeficiente de Aproveitamento ................................................................................................................... 110
11.9 Área da Base de todos os Prédios ............................................................................................................. 110
11.10 Área que sobra do Terreno ..................................................................................................................... 110
11.11 Volume de Material Gerado na Terraplenagem ................................................................................... 110
11.12 Calculo de Movimentação do Solo. ........................................................................................................ 111
12. Custos (Unitário, Direto, Indireto), cotação e preço de venda. .................................................................. 112
13. Curva S ............................................................................................................................................................... 114
14. Curva ABC ......................................................................................................................................................... 120
Conclusão ...................................................................................................................................................................... 124
Anexos ............................................................................................................................................................................ 125
1. Passo a Passo do Gabarito Continuo ............................................................................................................ 125
2. Estaca pré-moldada de concreto protendido cravada ................................................................................ 128
3. EPI’s .................................................................................................................................................................... 128
4. Fundação............................................................................................................................................................ 129
5. Alvenaria ............................................................................................................................................................. 133
6. Árvores Ornamentais Flamboyant .................................................................................................................. 138
7. Planilha de Qualificações de Serviços ........................................................................................................... 139
8. Planilha de Matriz de Impacto (EIV)............................................................................................................... 139
9. Planilha da Curva ABC..................................................................................................................................... 139
10. Planilha da Curva S ...................................................................................................................................... 139
REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICA ............................................................................................................................. 140
9

INTRODUÇÃO

O Projeto tem por finalidade a execução da construção no Complexo de Vila Maria. Antes, durante e
depois da construção são realizados vários procedimentos que constam, em detalhes, neste relatório
técnico. Todas as etapas do projeto seguem as suar respectivas normas. As normas de execução
dos serviços deverão seguir o Decreto nº 92.100, de dezembro de 1985.

A obra consiste na construção de 8 prédios de 3 pavimentos cada em uma zona mista, com aceso a
15 vagas normais e 8 vagas preferenciais (4 para deficientes e 4 para idosos).

O local da construção está concentrado nas ruas: Ida da Silva, Rua do Imperador, Rua Cap. Luís
Ramos e Maria Cândida, onde possui 4 716,0 m² de área total, sendo que 358,84 m² de área
construída de cada prédio, totalizando 3 934,0 m² (de área construída de todos os prédios) tendo em
média 3 301,20 m² de área de ocupação.

O projeto prevê e direciona como, quando e por quem as operações serão realizadas. Com o estudo
do projeto de construção da obra, as previsões são mais precisas.

O conhecimento do local, levantamento do entorno, relatório fotográfico, PGRCC, entre outros. São
algumas das etapas efetuadas para a realização do projeto, seguindo suas respectivas normas do
começo ao fim.

O projeto de engenharia é o guia de execução de uma obra. “É importante para que as necessidades
do usuário sejam entendidas e transformadas na melhor solução arquitetônica, o que inclui não só a
estética como as condições de habitação, acesso e conforto”. (Marcia Menezes dos Santos)
10

1. Informações Gerais

A obra consiste na construção de 8 edifícios, cada um deles contendo 24 salas, distribuídas em 3


pavimentos, as salas comerciais possuem área aproximada de 6 m². Estará localizado na rua Maria
Cândida no nº 833, e fará esquina com as Ruas Ida da Silva e Cap. Luiz Ramos, no bairro da Vila
Guilherme.

O empreendimento está localizado nas proximidades das estações: Metro Belém: A Estação Belém
é uma das estações da Linha 3 - Vermelha do Metrô de São Paulo.

O terreno conta com uma área de 4716 m² de extensão e o total de área construída é de 3.934 m²
com zona mista, sendo 3670,72 m² de área destinadas a construção dos edifícios, cada um deles
possui área equivalente a 458,84 m², e o restante destinados a construção das áreas comuns, sendo
589,5 m² de área verde.

Após a realização dos cálculos, a estimativa de população do empreendimento é de 352 pessoas.

As quantidades de vagas automotivas geradas no projeto são de 8 vagas especiais (4 deficientes e


4 idoso) e 15 normais.

A Área verde será composta por um tapete verde para a grama e serão utilizadas árvores
Ornamentais Flamboyant.

O projeto realizado está de acordo com as normas e especificações de cada área.


11

2. Levantamento do Entorno

Consiste no levantamento da área que está ao redor do nosso empreendimento.


12

3. Relatório Fotográfico da vizinhança

Foto 1:

Travessa a Rua Ida da Silva e Rua Maria Cândida - Vila Guilherme – Brasil - SP - 20 de Abril ás
11:11h.
13

Foto 2:

Rua Maria Cândida - Vila Guilherme – Brasil – SP - 20 de Abril 11:11h.


14

Foto 3:

Rua Maria Cândida - Vila Guilherme – Brasil – SP - 20 de Abril 11:12h.


15

Foto 4:

Salão de Cabelereiro Exclusivo - Rua Maria Cândida N° 796 - Vila Guilherme - Brasil – SP - 20 de
Abril 11:12h.
16

Foto 5:

Banco Do Brasil, Rua Maria Cândida N° 827 - Vila Guilherme – Brasil – SP - 20 de Abril 11:13h.

Foto 6:

Mercadinho do Jimy, Rua Maria Cândida N° 835 - Vila Guilherme – Brasil – SP - 20 de Abril 11:15h.
17

Foto 7:

Loja King, Rua Maria Cândida N° 843 e Loja Quadro Novo N° 849 - Vila Guilherme - Brasil – SP -
20 de Abril 11:16h.

Foto 8:

Pizzaria Mama Cora, Rua Luis Ramos N° 857 - Vila Guilherme – Brasil – SP - 20 de Abril 11:16h.
18

Foto 9:

Subida da Rua Luis Ramos - Vila Guilherme – Brasil – SP - 20 de Abril 11:17h.

Foto 10:

Rua Do Imperador N°315 - Vila Guilherme – Brasil – SP - 20 de Abril 11:20h.


19

Foto 11:

Rua Do Imperador - Vila Guilherme – Brasil – SP - 20 de Abril 11:22h.

Foto 12:

Decida da Rua Ida da Sila - Vila Guilherme – Brasil – SP - 20 de Abril 11:23h.


20

Foto 13:

Rua Ida da Sila - Vila Guilherme – Brasil – SP - 20 de Abril 11:24h

Foto 14:

Rua Ida da Sila - Vila Guilherme – Brasil – SP - 20 de Abril 11:24h.


21

Foto 15:

Termino da Rua Ida da Sila - Vila Guilherme – Brasil – SP - 20 de Abril 11:25h.


22

4. Planta de Situação

A planta de situação ou planta de localização tem como finalidade situar o lote ou a terra em relação
aos logradouros e demais terrenos que compõe a quadra. Deve conter as dimensões do terreno, os
afastamentos frontal e laterais e recuos, orientação geográfica (norte), dimensões dos passeios e
ruas, nome dos logradouros, dentre outros elementos.
23

5. Compatibilidade do projeto com legislação vigente (Relatório


urbanístico)

5.1 LEI Nº 16.402, DE 22 DE MARÇO DE 2016

(Projeto de Lei nº 272/15, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo)

Disciplina o parcelamento, o uso e a ocupação do solo no Município de São Paulo, de acordo com a
Lei nº 16.050, de 31 de julho de 2014 - Plano Diretor Estratégico (PDE).

Art. 1º O parcelamento, o uso e a ocupação do solo no território do Município de São Paulo ficam
disciplinados pelas disposições desta lei, de acordo com a Lei nº 16.050, de 31 de julho de 2014 -
PDE, e legislação correlata.

Parágrafo único. Os conceitos utilizados nesta lei constam do Quadro 1 da Lei nº 16.050, de 31 de
julho de 2014 - PDE, complementados pelo Quadro 1 desta lei.

Art. 2º São diretrizes para o parcelamento, uso e ocupação do solo:

I. A qualificação do adensamento demográfico, intensificação das atividades econômicas,


diversificação do uso do solo e qualificação da paisagem ao longo dos eixos de estruturação da
transformação urbana.
II. O reconhecimento, consolidação e estruturação das centralidades ao longo das principais
vias de conexão do Município e em centros e subcentros regionais.
III. A promoção da qualificação ambiental do Município, em especial nos territórios de intensa
transformação, de forma a contribuir na gestão integrada das águas com ênfase na drenagem urbana
e na melhoria da cobertura vegetal.
IV. O incentivo à promoção de construções sustentáveis visando reduzir emissões de gases de
efeito estufa, reduzir o consumo de água e de energia, otimizar a utilização do espaço público e
contribuir para a melhoria das condições ambientais.
V. A preservação e proteção das unidades de conservação, áreas de preservação e
recuperação dos mananciais, áreas de preservação permanente, remanescentes de vegetação
significativa, imóveis e territórios de interesse cultural, da atividade produtiva instalada e bairros de
urbanização consolidada, etc.

5.2 Taxa de Ocupação.

Mostra a porcentagem do terreno que pode ser ocupada pela projeção da edificação. Por isso, não
depende diretamente do número de pavimentos.

Utilizado:
24

➢ T.O. para lotes igual ou superior a 500 m² : 0,70.


➢ Área Total do Terreno: 4.716 m²
➢ Taxa de Ocupação: 4.716*0.7 = 3.301,20 m²

LEI Nº 16.402, DE 22 DE MARÇO DE 2016 Art. 63.

“Art. 63. A taxa de ocupação (TO) máxima do lote não será aplicada à parte dos subsolos utilizados
para estacionamento de veículos ”.

5.3 Coeficiente de Aproveitamento.

Coeficiente de aproveitamento e cota-parte mínima e máxima de terreno por unidade: controlar as


densidades construtivas e demográficas em relação aos serviços públicos e à infraestrutura urbana
existentes e planejados.

Utilizado:

➢ C.A. máximo (m): 2


➢ Taxa de Ocupação: 3.301,20 m²
➢ Coeficiente de Aproveitamento: 3.301,20/2 = 1.835,36 m²

LEI Nº 16.402, DE 22 DE MARÇO DE 2016 Art. 30.

Art. 30. Nas áreas verdes públicas classificadas como AVP-1, aplicam-se as disposições do art. 275
da Lei nº 16.050, de 31 de julho de 2014 - PDE, complementadas pelos parâmetros dos quadros
desta lei.

§ 1º Para efeito de cálculo de Coeficiente de Aproveitamento (CA), Taxa de Ocupação (TO)


e Taxa de Permeabilidade (TP), aplicam-se as definições estabelecidas no Quadro 1 da Lei nº 16.050,
de 31 de julho de 2014 - PDE.

§ 2º Órgão municipal intersecretarial deverá se manifestar quanto à instalação de


equipamentos públicos sociais em AVP-1 e poderá fixar parâmetros distintos dos estabelecidos no
Quadro 3 desta lei e no art. 275 da Lei nº 16.050, de 31 de julho de 2014 - PDE, desde que:

I. Seja demonstrada a necessidade de modificação dos índices de ocupação pelo órgão público
interessado em função da demanda da região.
II. Seja comprovada pelo órgão público interessado a inexistência de Áreas Livres (AL) e de
Áreas Institucionais (AI) passíveis de ocupação, na área de abrangência de implantação do
equipamento pretendido, definida conforme critérios técnicos de localização estabelecidos nas
respectivas políticas setoriais.
III. Seja atendida a contrapartida ambiental fixada no art. 33 desta lei.
25

5.4 Afastamentos ou recuos.

Distância medida em projeção horizontal entre o limite externo da edificação e a divisa do lote e são
definidos por linhas paralelas às divisas do lote, ressalvados o aproveitamento do subsolo e a
execução de saliências em edificações.

Utilizado recuo de:

➢ 5 m: Rua Maria Cândida, Rua Ida da Silva e Rua Cap. Luís Ramos.
➢ 3 m: Rua do Imperador.

LEI Nº 16.402, DE 22 DE MARÇO DE 2016 Art. 67.

“Art. 67. Em ZEU, ZEUa, ZEUP, ZEUPa, ZEM, ZEMP, ZC, ZCa, ZM e ZEIS, os passeios públicos
deverão ter a largura mínima de 5m (cinco metros) ”.

I. Nas ZEU, ZEUa, ZEUP, ZEUPa, ZEM e ZEMP, o alargamento do passeio público será
obrigatório.
II. Nas ZC e ZCa, o alargamento do passeio público será obrigatório para lotes maiores que
2.500m² (dois mil e quinhentos metros quadrados) e facultativo para os menores.

§ 1º Nos casos em que o passeio público já apresente largura de 5m (cinco metros) ou quando
ocorrer a doação da faixa necessária para seu alargamento, o recuo de frente ficará dispensado.

§ 2º Os potenciais construtivos básicos e máximo do remanescente do lote serão calculados


em função de sua área original e não será cobrada outorga onerosa relativa ao potencial construtivo
adicional previsto para a área transferida à Municipalidade.

§ 3º A obrigatoriedade estabelecida nos incisos I e II do "caput" deste artigo aplica-se somente


às edificações novas e reformas que envolverem a ampliação de mais de 50% (cinquenta por cento)
da área construída total.

§ 4º A doação prevista no "caput" deste artigo deverá preceder a emissão do alvará de


execução da edificação.

§ 5º Reforma de edificação existente em lotes com área menor que 500m² (quinhentos
metros quadrados) fica dispensada da doação prevista no "caput" em ZEU, ZEUa, ZEUP, ZEUPa,
ZEM e ZEMP”.
26

5.5 Taxas de Permeabilidade.

Quota ambiental e taxa de permeabilidade mínima: promover a qualificação ambiental, em especial


a melhoria da retenção e infiltração da água nos lotes, a melhoria do microclima e a ampliação da
vegetação.

Utilizado:

➢ Taxas de Permeabilidade Lote > 500 m²: 0,25


➢ Área Total do Terreno: 4.716 m²
➢ Taxa de Permeabilidade: 4.716*0,25 = 1.179 m²

LEI Nº 16.402, DE 22 DE MARÇO DE 2016 Art. 81.

“Art. 81. Todos os lotes deverão atender as taxas de permeabilidade mínima estabelecidas para cada
Perímetro de Qualificação Ambiental, conforme o Quadro 3A desta lei.

§ 1º Os lotes localizados em ZEPAM, ZPDS, ZCOR, ZPR ou ZER deverão atender as taxas
de permeabilidade específicas para estas zonas, constantes do Quadro 3A desta lei,
independentemente do Perímetro de Qualificação Ambiental em que se localizam.

§ 2º Nos lotes com área superior a 500 m² (quinhentos metros quadrados), que não estejam
localizados em ZEPAM ou ZPDS, a taxa de permeabilidade prevista no "caput" deste artigo poderá
ser reduzida em até 50% (cinquenta por cento), desde que a pontuação da QA prevista no Quadro
3A desta lei para o lote seja majorada na mesma proporção em que a taxa de permeabilidade seja
reduzida.

§ 3º Nos lotes com área menor ou igual a 500 m² (quinhentos metros quadrados), isentos da
aplicação da QA e que não estejam localizados em ZEPAM ou ZPDS, a redução da taxa de
permeabilidade a que se refere o § 2º deste artigo poderá ser aplicada, desde que seja atendida a
pontuação mínima de QA igual a 0,15 (quinze centésimos) ”.

5.6 Área Verde.

Um espaço urbano com predomínio de vegetação, concebido com diversos propósitos. Nesta
categoria, enquadram-se os parques, jardins botânicos, jardins zoológicos, complexos recreativos e
esportivos, hípicas e cemitérios-parques, dentre outros.

➢ Taxa de Permeabilidade: 1.179 m²


➢ Área Verde: 1.179/2 = 589,50 m²
27

LEI Nº 16.402, DE 22 DE MARÇO DE 2016 Art. 46.

Art. 46. As áreas verdes deverão atender às seguintes disposições:

I. A localização de pelo menos 50% (cinquenta por cento) do percentual exigido para áreas
verdes será definida pela Prefeitura ouvido o órgão ambiental competente, devendo tal espaço:

a) ser delimitado em um só perímetro e em parcelas de terreno que, por sua configuração topográfica,
não apresentem declividade superior a 30% (trinta por cento).

b) ter frente mínima de 10m (dez metros) para a via oficial de circulação.

c) ter relação entre a frente e a profundidade da área verde de no máximo 1/3 (um terço).

II. A localização do restante da área exigida para áreas verdes ficará a cargo do interessado e
só será computado como área verde quando nela puder ser inscrito um círculo com raio de 10 m
(dez metros), podendo ser localizado em parcelas de terreno que apresentem declividade superior a
30% (trinta por cento).
28

6. Planta de Implantação

É a representação em planta de todos os elementos arquitetônicos, e todos os elementos existentes


no lote a construir, como muros, vedações, passeios, taludes, árvores, postes, direção
predominantes dos ventos, norte magnéticos, indicação de acesso incluindo escadas e rampas entre
outros.
29

7. Plano de Gerenciamento dos Resíduos da Construção Civil –


PGRCC

O PGRCC é elaborado seguindo as diretrizes da Resolução CONOMA n° 307/2002, decretos, leis e


normas técnicas aplicáveis.

7.1 Identificação do Empreendimento

➢ Do Proprietário:

Razão social: ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL NOVE DE JULHO

Nome fantasia: UNINOVE

Endereço completo: Rua diamantina nº 302

CNPJ: 43.374.768/0001-38

➢ Do Empreendimento:

Empreendimento: Complexo empresarial Vila Guilherme

Endereço: Rua Maria Cândida nº 833

Título da Obra: Complexo empresarial Vila Guilherme

Data de solicitação do alvará para obra: 08 / 05 / 2017

7.2 Responsáveis Técnicos

Nome: Bruna Andrezza Mendes Gonçalves Almeida

Ra: 315110329

Profissão: Estudante de Engenharia Civil

Nome: Débora Jesus da Silva

Ra: 315109292
30

Profissão: Estudante de Engenharia Civil

Nome: Francisca Ferreira de Carvalho

Ra: 315111174

Profissão: Estudante de Engenharia Civil

Nome: Luana Beatriz de Oliveira Araújo

Ra: 315110429

Profissão: Estudante de Engenharia Civil

Nome: Pedro Henrique Araújo de Melo

Ra: 315108997

Profissão: Estudante de Engenharia Civil

Nome: Rodrigo Rodrigues da Silva

Ra: 315110482

Profissão: Estudante de Engenharia Civil

Nome: David Jimmy

Ra: 315110523

Profissão: Estudante de Engenharia Civil

Nome: Tiago Camargo Lara de Jesus

Ra: 315103069

Profissão: Estudante de Engenharia Civil


31

7.3 Caracterização do Empreendimento

✓ Descrição da Tipologia e Finalidade

O empreendimento será constituído por 8 torres, cada uma com 24 salas distribuídas em 3
pavimentos.

As salas comerciais possuem área aproximada de 6 m² cada. Com a finalidade de uso comercial por
parte de empresas interessadas.

✓ Localização

O complexo estará localizado na rua Maria Cândida na altura do nº 833, e fará esquina com as Ruas
Ida da Silva e Cap. Luiz Ramos, no bairro da Vila Guilherme.

✓ Tamanho do Terreno

O terreno conta com uma área de 4.716 m² de extensão. Sendo 3670,72 m² de área destinados à
construção das torres, e o restante destinados à construção das áreas comuns.

7.4 Gerenciamento de Resíduos Gerados na Obra

Resíduos da construção e demolição (RCD) ou Resíduos da construção civil (RCC) é todo resíduo
gerado no processo construtivo de reforma, escavação ou demolição.

Construções, reformas, ampliações e demolições são atividades altamente geradoras de resíduos.

Entulho é o conjunto de fragmentos ou restos de tijolos, concretos, argamassa, aço, madeira e etc.,
provenientes do desperdício na construção, reforma ou demolição de estruturas como prédios,
residências e pontes.

O processo de reciclagem do entulho, para a obtenção de agregados, basicamente envolve a seleção


dos materiais recicláveis e a trituração em equipamentos apropriados.

✓ Desperdícios de Materiais

Na construção civil, em cada uma das etapas de uma obra acontecem perdas e desperdícios de
materiais, gerando RCC tanto na sua concepção quanto na execução e posterior utilização.
32

Na fase de concepção é comum acontecerem diferenças entre as quantidades previstas e as


realmente utilizadas na obra.

A execução e geração de RCC ocorre de duas formas distintas, existindo aqueles que são
descartados e saem das obras, denominados entulho, e os desperdícios que terminam incorporados
à obra, como por exemplo, a sobre-espessura de emboço. Existem estudos que afirmam ser de 50%
a taxa de ocorrência de cada um deles.

A tabela 1 apresenta taxas de desperdício de materiais na qual aparecem diferenças consideráveis


entre os valores de mínimo e máximo, diferenças estas devidas às variações entre metodologias de
projeto, execução e controle de qualidade das obras.

7.4.1 Gerenciamento de Resíduos gerados na Demolição.

A área total construída no terreno onde será implantado o complexo comercial é de 3.934 m²
conforme a imagem anexada.
33

➢ Tabela Indicando as Áreas que serão demolidas.


34

Gerenciamento de Resíduos gerados na demolição


Área Área Volume de Peso de
Nº do Lote ocupada Nº de pavimentos construída Resíduos Resíduos
(m²) (m²) (m³) (kg)
1 250 1 230 115,0 149.500
3 175 1 143 71,5 92.950
4 500 1 370 185,0 240.500
5 500 2 138 69,0 89.700
6 500 2 523 261,5 339.950
7 500 2 437 218,5 284.050
9 500 1 270 135,0 175.500
20 180 1 118 59,0 76.700
26 231 3 450 225,0 292.500
28 286 2 150 75,0 97.500
29 419 2 336 168,0 218.400
30 175 1 390 195,0 253.500
48 250 2 181 90,5 117.650
49 250 2 198 99,0 128.700
Total 4.716 3.934 1.967 2.557.100

Como mostrado no quadro acima o volume gerado na fase da demolição será de 1967 m³ de entulho
e o peso total dos resíduos de 2.557.100 kg/m³.

7.4.2 Classificação dos Tipos de Resíduos Sólidos.

A Classificação dos tipos de resíduos sólidos produzidos pela atividade é feita adotando-se a
classificação das Resoluções CONAMA 307/02 e 348/04.
35

➢ Classificação dos RCC segundo a Resolução 307/2002 e 348/2004 – CONAMA:

7.4.3 Percentuais de Resíduos Gerados na Construção.

De acordo com as especificações supracitadas, foram elaborados os percentuais de resíduos gerado


na demolição, conforme a tabela abaixo.

Qualificação dos Resíduos Sólidos


Classe % Volume (m³) Peso (kg)
Classe A (alvenaria e argamassa) 50% 983,50 1.278.550
Classe A (concreto) 20% 393,40 511.420
Classe B (madeira) 15% 295,05 383.565
Classe B (metais) 5% 98,35 127.855
Classe B (gesso) 3% 59,01 76.713
Classe B (vidros) 3% 59,01 76.713
Classe B (plastico) 2% 39,34 51.142
Classe D (materiais que contenham amianto) 2% 39,34 51.142
36

7.4.4 Acondicionamento dos resíduos gerados na obra de acordo com o


tipo de material.

RESÍDUO
TIPO DE ACONDICIONAMENTO VOLUME (m3)
Classe Tipo
Alvenaria e 1.789.970
A argamassa Caçamba Estacionária, Contêineres.
Concreto
Metais 639.275
Vidros
B Baia (local coberto)
Plásticos
Madeiras
Caçamba Estacionária, Big-Bag, 76.713
Bombas Plásticas – em local coberto
B Gesso (quando destinado a Empresas com
Licenciamento Ambiental para a
reciclagem e/ou reutilização)
Materiais Bombas Plásticas (local coberto e 51.142
D
com amianto com piso impermeável)

Os resíduos gerados na demolição passarão por uma segregação e serão armazenados em


caçambas no canteiro de obras, devidamente identificadas com as classes de cada material.

7.4.5 Estimativa dos resíduos gerados na fase de demolição que serão


reutilizados na obra, segundo a classificação, tipo de material,
técnica adotada e a quantidade.

Tipo de Reutilização Quantidade


resíduo (m³)
37

L Produção de argamassa de assentamento, blocos e


tijolos de vedação
A
Fabricação de mesas e bancos de concreto para as
S Areia praças, manilhas de esgotos
S Pedrisco Obras de drenagem e produção de concreto não 1.789.970

E Brita estrutural

A Tapumes e móveis de decoração de ambientes externos

S Madeira 511.420

S Metais Portas, janelas e fechaduras

7.5 Volume de Material Gerado na Terraplanagem

Vm = Vc – Va

Vm = 10.908,05 – 474,09

Vm = 10.433,96 m³

• Vm: Volume do Material.


• Vc: Volume de Corte.
• Va: Volume de Aterro.
38

7.6 Gerenciamento de Resíduos Gerados na Construção

7.6.1 Área total a ser construída é de 4.716 m², incluindo áreas computáveis
e não computáveis. Conforme ilustrado na planta de implantação a seguir:

➢ O Peso dos resíduos gerados é de 707.400 Kg.


➢ O Volume dos resíduos gerados é de 544,15 m³.

7.6.2 Quantidades de Resíduos Gerados

A estimativa da quantidade de resíduos gerados por classes é demonstrada na tabela a seguir:

Classe % Volume (m³) Peso (kg)


Classe A (alvenaria) 50% 272,08 353.700,00
Classe A (concreto) 20% 108,83 141.480,00
Classe A (argamassa) 5% 27,21 35.370,00
Classe B (madeira) 10% 54,42 70.740,00
Classe B (papéis) 3% 16,32 21.222,00
Classe B (plásticos) 2% 10,88 14.148,00
Classe B (metais) 2% 10,88 14.148,00
Classe B (vidros) 2% 10,88 14.148,00
39

Classe B (gesso) 2% 10,88 14.148,00


Classe C (dry-wall) 2% 10,88 14.148,00
Classe D (tintas, óleos,
solventes) 2% 10,88 14.148,00
Total 100% 544,15 707.400

7.6.3 Resíduos Gerados na Fase de Construção.

Estimativa dos resíduos gerados na fase de construção que serão reutilizados na obra, segundo a
classificação, tipo de material, técnica adotada e a quantidade.

Tipo de Reutilização Quantidade


resíduo (m³)

C Produção de argamassa de assentamento, blocos e


tijolos de vedação
L
Fabricação de mesas e bancos de concreto para as
A praças, manilhas de esgotos
S Areia Obras de drenagem e produção de concreto não
S Pedrisco estrutural 530.550

E Brita

A Tapumes e móveis de decoração de ambientes externos

S Madeira Portas, janelas e fechaduras 295,05

S Metais

B
40

7.6.4 Resíduos da Demolição e da Construção

Os resíduos gerados na fase de demolição e na fase de construção possuem características distintas


e podem ser aproveitados de diferentes formas, os Quadros 1 e 2 visam sintetizar técnicas de
reciclagem e de reutilização para ambas as fases.

Quadro 01 Reutilização de Resíduo

Tipo de Resíduo Reutilização Quantidade (m³)


Classe A

O material separado irá ser reutilizado na confecção de


Classe B

Madeira tapumes no entorno da obra, escoramentos e andaimes 295,05


e palets para o acondicionamento de material (cimento,
cal, pisos)

Quadro 2 Reciclagem de Resíduo

Reciclagem
Tipo de Resíduo Quantidade (m³)
Processo Aplicação

Após triturado o agregado de o concreto será utilizado na


Classe A

concreto reciclado é pavimentação das calçadas e


Concreto misturado com o agregado de na confecçõa de bancos para 478,11
concreto virgem, areia, água e as áreas verdes do
cimento para fazer concreto empreendimento.
fresco.
Classe B

7.7 Caracterização e Destino Final dos Resíduos

Neste item deverá ser indicado o volume de RCC em m³ (metros cúbicos), por classe, tipo e etapa
de obra, e ao final da tabela deverá ser informado o total gerado em cada Classe e a soma final das
quatro Classes (A+B+C+D).

No caso de construção, deverão ser utilizadas, no mínimo, as seguintes etapas construtivas: Serviços
Gerais/Administração, Instalação do Canteiro de Obras, Fundação, Estrutura, Fechamento das
Alvenarias, Instalações Prediais e Revestimento.
41

Quadro 3 - Caracterização e destino Final dos resíduos

QUANTIDADE (m³)
CLASSE MATERIAL Etapa da Obra Destino Final Empresa
Total
Construção Demolição
Argamassa, concreto,
cerâmica, tijolos, blocos 232,95 983,50 1.216,45 aterro de inertes
Classe A

de concreto, entre outros licenciados


Solo (bota-fora) 21590,27 21590,27
TOTAL Classe A 232,95 22.573,77 22.806,72

Empresas de reciclagem de
Plástico, papel/papelão, materiais plásticos, metais
metais, vidros, entre 196,7 196,70 A
e papelão. Depósitos de
outros M
ferros-velhos devidamente
B
licenciado
I
Empresas e entidades que T
Madeira 42,35 295,5 337,85
Classe B

utilizem como energéticos R


ou matéria prima. A
indústria cimenteira, para a N
qual o gesso é um S
ingrediente útil e
Gesso 8,47 59,01 67,48
necessário, que atua como T
retardante de pega do R
cimento. A
TOTAL Classe B 50,82 551,21 602,03 N
Áreas de Transbordo e S
Triagem (ATTs) ou P
Classe C

Dry-wall, entre outros . 8,47 8,47 destinados a aterros O


sanitários preparados para R
seu recebimento. T
TOTAL Classe C 8,47 0 8,47 E
S
os resíduos perigosos
Tintas, óleos, solventes, devem ser encaminhados
materias contaminados para Áreas de Transbordo e
Classe D

(embalagens com restos Triagem (ATTs) ou


8,47 8,47
destes produtos), destinados a aterros
materiais que contenham industriais licenciados para
amianto, tentre outros receber produtos deste
tipo.
Total de residuo gerado 300,71 23124,98 23425,69
42

8. Estudo de Impacto da Vizinhança (EIV)

O Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV) é o documento que apresenta o conjunto dos estudos e
informações técnicas relativas à identificação, avaliação, prevenção, mitigação e compensação dos
impactos na vizinhança de um empreendimento ou atividade, de forma a permitir a análise das
diferenças entre as condições que existirão com a implantação do mesmo e as que existiriam sem
essa ação.

8.1 Característica do empreendimento

Nome do Empreendimento: Complexo Empresarial Vila Guilherme.

Localização: Rua Maria Cândida, n° 833.

Tema: Complexo Empresarial Vila Guilherme.

8.2 Dimensões do Empreendimento

O empreendimento será constituído por 8 torres, cada uma com 24 salas distribuídas em 3
pavimentos.

Com a finalidade de uso comercial por parte de empresas interessadas, as salas comerciais possuem
área aproximada de 6 m² cada.

O terreno conta com uma área de 4.716 m² de extensão. Sendo 3670,72 m² de área destinados à
construção das torres, e o restante destinados à construção das áreas comuns.

A área total construída no terreno onde será implantado o complexo comercial é de 3.934 m², com
zona comercial mista.

8.2.1 Quadro de Áreas

Área construída de cada prédio 458,84 m²


Área construída de todos prédios 3934,0 m²
Área de ocupação 3301,20 m²
Área total 4716,0 m²
43

➢ Figura 1 – Planta de Implantação:

➢ Figura 2 – Local do Empreendimento:

8.2.2 Crescimento Populacional

O crescimento populacional associado ao intenso processo de densificação das cidades ameaça a


disponibilidade dos recursos naturais. A falta do pensamento sustentável quando do planejamento
urbano acaba por desenvolver diversos conflitos organizacionais nas áreas urbanizadas. Diante
44

deste contexto, a implementação da infraestrutura verde pode ser uma solução, pois quando inserida
de forma adequada tente a auxiliar na redução de temperaturas, captura de gás carbônico, aumento
da permeabilidade do solo, manutenção da biodiversidade, barreira acústica e atenuação do
escoamento superficial das águas pluviais. Outra proposta que apresenta bom desempenho a baixo
custo econômico de implantação é o reuso das águas pluviais. No ambiente urbano esta técnica
pode ser utilizada de modo a gerar espaços de lazer e integração social com a implantação de
gramados, assim gerando uma taxa permeável de 25% ou 1179 m².

➢ Figura 3 – Quadro de Taxas:

Taxa de ocupação 3301,20 m² (70%)

Coeficiente de aproveitamento 1835,36 m²

Vagas de automóveis geradas 8 vagas especiais (4 deficientes e 4


idoso) e 15 normais.

8.2.3 Levantamento Planialtimétrico

➢ Planta Planialtimétrica
45

8.2.4 Estimativa de População do Empreendimento

1 Pessoa por m²
2 Escritórios por andar 11 x 2 x 2 x 8 = 352 Pessoas
Área do escritório – 11m²
Prédios = 8

8.2.5 Indicação de Entradas, Saídas, Geração de Viagens e distribuição no


Sistema Viário
46

1: Calçada para movimentação de pedestre.

2: Entrada de veículos e faixa de pedestre.

3: Saída de veículo e faixa de pedestre.

Sistema de viagens:

• 3 viagens por funcionário.


• Modos de transporte: 50% de automóvel os Funcionários e Visitantes, 40% Transporte
Público e 10% a Pé.

8.2.6 Delimitação e Caracterização da Área de Vizinhança

Vila Maria é um distrito localizado na Zona Norte de São Paulo. Boa parte da economia do bairro é
proveniente das atividades relacionadas com logística e transporte de cargas, devido à grande
quantidade de empresas do setor localizadas na região. Foi o primeiro e principal reduto eleitoral do
político e ex-presidente da República do Brasil, Jânio da Silva Quadros. O bairro também é famoso
pela escola de samba Unidos de Vila Maria e mais recentemente a escola de samba caçula do
carnaval paulistano a Acadêmicos Vanguarda Paulistana foi também um dos epicentros do
movimento de renovação musical que marcou a década de 80 em São Paulo, denominado
Vanguarda Paulistana pela jornalista e acadêmica da USP Marilia Pacheco Fiorillo. Centrado no
teatro Lira Paulistana, teve Arrigo Barnabé e Itamar Assunção, dentre seus artistas de destaque. Um
dos pioneiros no movimento, na Vila Maria, foi Dari Luzio com seu LP Bastardo, membro dos
Pracianos, artistas da Vila Maria que se reuniam na Praça Santo Eduardo.

➢ Figura 4 – Dados do Distrito Paulistano de Vila Maria:

Área 11,8 km²


47

População 107.395 hab.

Densidade 91,01 hab./há

Renda média R$1.014,48

IDH 0,824

Subprefeitura Vila Maria- Vila Guilherme

Região Administrativa Zona Nordeste de SP

➢ Figura 5 – Evolução Demográfica do Distrito de Vila Maria:

➢ Figura 6 – Localização da Vila Maria no Mapa:


48

➢ Figura 7 – Imagem do Quarteirão no Mapa:

8.2.7 Levantamento dos Usos das Construções Existentes na Quadra do


Empreendimento
49

Banco Do Brasil, Rua Maria Cândida N° 827- Vila Guilherme – Brasil – SP

DD
Mercadinho do Jimy, Rua Maria Cândida N° 835- Vila Guilherme – Brasil – SP
50

dd
Salão de Cabelereiro Exclusivo- Rua Maria Cândida N° 796- Vila Guilherme- Brasil – SP

dd
Loja King, Rua Maria Cândida N° 843 e Loja Quadro Novo N° 849-Vila Guilherme- Brasil– SP
51

dd
Pizzaria Mama Cora, Rua Luis Ramos N° 857- Vila Guilherme – Brasil – SP - 20

Rua Maria Cândida- Vila Guilherme – Brasil – SP


52

8.2.8 Uso e ocupação de solo


53

8.2.9 Sistema Viário Estrutural (Vila Maria)

8.2.10 Sistema de Transportes

O empreendimento está localizado nas proximidades das estações:

➢ Metro Belém: A Estação Belém é uma das estações da Linha 3 - Vermelha do Metrô de São
Paulo.

Endereço: Av. Alcântara Machado.

A estação está a +/- 15 minutos do empreendimento.


54

➢ Metro Tatuapé: A Estação Tatuapé é uma das estações da Linha 3 - Vermelha do Metrô de
São Paulo.

Endereço: Rua Melo Freire

A Estação está a +/- 13 minutos do empreendimento.


55

• Pontos de ônibus:
56

8.2.11 Verificação da Variação da Demanda por Abastecimento de Água, Esgoto


e Energia Elétrica

A demanda do empreendimento por abastecimento de água, de energia elétrica e de coleta de


esgotos estava de acordo com a demanda anterior. Com o novo empreendimento, tendo a
necessidade de fazer adaptações, na parte de abastecimento de energia (com os postes de rede
elétrica), e na coleta de esgoto. O abastecimento de água estava de acordo, não tendo que fazer
nenhuma correção, apenas adaptação para a demanda do abastecimento.

8.2.12 Equipamentos urbanos e comunitários

No raio de 1 km do Empreendimento, encontra- se Quatro escolas e Uma unidade de saúde.


57
58

8.2.13 Descrição dos Prováveis Impactos Ambientais da Implantação e


Operação de Atividades

É possível afirmar que, ao se referir aos impactos ambientais, revelam-se dados e informações que
geralmente passam despercebidos aos olhos do público em geral. Qualquer obra de construção civil
causa impacto ambiental, por mais simples que seja. Este impacto não é apenas físico, e pode afetar
de algum modo a vida de quem reside nas proximidades do local de implantação do empreendimento.

Apesar desta constatação, é possível perceber que existem soluções técnicas adequadas para
minimizar os impactos que uma obra de engenharia causa. Exemplos como a simples organização
de um canteiro de obras, o não desperdício de materiais, e a qualificação da mão de obra já refletem
estes procedimentos. Tecnologias inovadoras desenvolvidas também podem auxiliar na atenuação
destes impactos, tais como a utilização de materiais originados do reaproveitamento de resíduos da
construção, materiais certificados e ecologicamente corretos.
59

No que se refere à legislação ambiental, esta tem como objetivo principal proteger o meio ambiente
e os cidadãos de todo e qualquer impacto, e embora existente, muitas vezes ela não é respeitada
por diferentes motivos, deixando de cumprir a sua função, e colocando a sociedade e o patrimônio
natural à mercê da ganância econômica.

8.2.14 Caracterização da Qualidade Ambiental Futura da Área de Influência

Foram utilizados 589,50 m² de área verde, composta por um tapete verde para a grama e serão
utilizadas árvores Ornamentais Flamboyant.

8.2.15 Informação do Destino Final do Material Resultante do Movimento de


Terra

Foram destinadas a Estação ECOPONTOS. Utilizamos a empresa ECOTERRA Terraplanagem com


a sua disposição de um lote de 75.000 m³, para execução do serviço.

Volume de material gerado na terraplenagem:

Vm = Vc – Va

Vm = 10.908,05 – 474,09

Vm = 10.433,96 m³

• Volume do material (Vm)


• Volume de Corte (Vc)
• Volume de aterro (Va)

8.2.16 Destino Final do Entulho da Obra


60

Quadro 3 - Caracterização e destino Final dos resíduos

QUANTIDADE (m³)
CLASSE MATERIAL Etapa da Obra Destino Final Empresa
Total
Construção Demolição
Argamassa, concreto,
cerâmica, tijolos, blocos 232,95 983,50 1.216,45 aterro de inertes
Classe A

de concreto, entre outros licenciados


Solo (bota-fora) 21590,27 21590,27
TOTAL Classe A 232,95 22.573,77 22.806,72

Empresas de reciclagem de
Plástico, papel/papelão, materiais plásticos, metais
metais, vidros, entre 196,7 196,70 A
e papelão. Depósitos de
outros M
ferros-velhos devidamente
B
licenciado
I
Empresas e entidades que T
Madeira 42,35 295,5 337,85
Classe B

utilizem como energéticos R


ou matéria prima. A
indústria cimenteira, para a N
qual o gesso é um S
ingrediente útil e
Gesso 8,47 59,01 67,48
necessário, que atua como T
retardante de pega do R
cimento. A
TOTAL Classe B 50,82 551,21 602,03 N
Áreas de Transbordo e S
Triagem (ATTs) ou P
Classe C

Dry-wall, entre outros . 8,47 8,47 destinados a aterros O


sanitários preparados para R
seu recebimento. T
TOTAL Classe C 8,47 0 8,47 E
S
os resíduos perigosos
Tintas, óleos, solventes, devem ser encaminhados
materias contaminados para Áreas de Transbordo e
Classe D

(embalagens com restos Triagem (ATTs) ou


8,47 8,47
destes produtos), destinados a aterros
materiais que contenham industriais licenciados para
amianto, tentre outros receber produtos deste
tipo.
Total de residuo gerado 300,71 23124,98 23425,69
61

8.3 Matriz de Impactos

MATRIZ DE IMPACTOS
EMPREENDIMENTO: LOCALIZAÇÃO:
Classificação
Elemento Impacto Cum. Medidas
LT Ação Obs.
impactado potencial Expressão Origem Duração Temporabilid. Reversibilid. E mitigadoras
Sin.
Aden. Populacional
Uso de plantas
nativas para
colaborar de
forma eficiente
Alteração com a
geomorfológica recuperação do
com a equilíbrio do
regularização ecossistema
Paisagismo Terra / Flora da área P D P C IR N local.
Utilização de
Exposição do reciclados da
Aspectos Naturais

solo direta aos construção na


raios solares e pavimentação
Permeabilidade Terra chuvas P D P C R1 N permeável.
Expsansão da
área de
cobertura
Alteração vegetal para
geomorfológica minimizar os
com a efeitos de
regularização alteraões de
Microclima Ar / Flora da área P I P M R1 N temperaturas.
Previsão de
passeios
Exposição do sombreados no
solo direta aos verão e
raios solares e ensolarados no
Área verde Flora chuvas P D P L R2 N inverno.
Acumulo de
degetos nas Rede de esgoto
Esgotamento tubulações de devidamente
sanitário Água esgoto P D P C IR S executada.
Áreas de vivência
permitem utilizar
iluminação e
ventilação
natural.
Infraestrutura

Utilização de
sensores de
presença em
alguns lugares do
canteiro, como
nas áreas de
circulação,
evitando assim
que as luzes se
mantenham
Risco de ligadas durante
choques todo o período
Energia elétrica Rede elétrica eletricos P D P C R2 S de trabalho.
62

Avaliação e
Danos na rede gestão de
Sistema de de sistema de telefonia
telefone telefonia local telefonia P D P C R2 S corporativa.
Prévia
Acumulo de segregação para
Coleta de lixo Terra lixo no entorno P D P C R2 S coleta seletiva.
Utilização de
válvulas
redutoras de
pressão em
pontos de
utilização de
água potável.
Medidores
individualizados
para todas as
áreas da obra de
modo a conhecer
e identificar
possíveis gastos
ou até mesmo
Redução no vazamentos não
sistema de perceptíveis.
abastecimento Utilização de
de água devido água pluvial na
ao seu irrigação de
Abastecimento consumo plantas e limpeza
de água Água execivo P D P C R2 S do canteiro.
Mobilização de
equipamentos
pesados para a
área destinada à
implantação do
empreendimento
em período de
pouca
movimentação
nas rodovias e
Geração de estradas de
ruídos, acesso,
alteração na utilizando-se de
Equip. qualidade do horários de
comunitários Ar ar. P I P M R2 N pouco fluxo.
A água retirada
do terreno, é
depositada em
locais que não
afetam a
escavação, nem
os recursos
freáticos
existentes
Possível (coletores de
ocorrência de esgoto, curso de
Drenagem Terra alagamentos P D P M R2 S água, etc.).
O aumento de Utilizar-se de
viário

movimentação horários de
nas vias menor fluxo nas
Capacidade das principais e vias adjacentes à
Sistema

vias Socioeconômico locais, fazendo N I T C R2 S obra.


Circulação de com que os Utilizar-se de
pedestres Socioeconômico moradores do P D P C R1 S horários de
63

entorno da menor fluxo nas


área em obras vias adjacentes à
fiquem sujeitos obra.
a maiores Utilizar-se de
riscos de horários de
acidentes menor fluxo nas
vias adjacentes à
Entrada e saída Socioeconômico P D T C R1 S obra.
Utilizar-se de
horários de
menor fluxo nas
Geração de vias adjacentes à
viagens Socioeconômico P I T C R1 S obra.
Utilizar-se de
horários de
menor fluxo nas
Transporte vias adjacentes à
público Socioeconômico P I P M R2 S obra.
Utilizar-se de
horários de
menor fluxo nas
vias adjacentes à
Sistetma viário Socioeconômico N I T C R1 N obra.
Redução,
reutilização e
reciclagem
visando a
diminuição do
montante de
resíduos. Além
da p´revia
segregação para
Intensificação destinação
Destino final de processos distinta aos tipos
desaterro Terra erosivos P D T C R2 N de materiais.
A redução, a
reutilização, e a
reciclagem,
quando possível.
Fases da obra

Armazenamento
e transporte de
maneira
adequada.
Utilização de
Intensificação tubos de coletas
Entulho da de processos com caçambas
obra Terra erosivos N D T C IR N basculantes.
A limpeza da
área deverá ser
restrita às áreas
previstas e
estritamente
necessárias, de
forma a impedir
o aumento das
Cobertura Agregação de áreas
vegetal Flora valor à terra N D T L R1 N desmatadas.
Evitar trabalho
noturno;
controlar a
emissão de
Geração de ruídos dos
Ruído Ar ruídos. N D T C R1 N equipamentos
64

Rede de esgoto
Descarte devidamente
irregular dos executada,
Esgotamento degetos conforme NBR
sanitário Água sanitários N I T C R1 N 8160.
Para evitar a
dispersão de
material
particulado são
utilização de
telas de poliéster
de malha fina;
barreira física
como chapa de
madeira;
aspergir água
com mangueiras
de alta vazão
antes e durante a
demolição; o
lançamento de
materiais em
caçambas deve
ser feito da
menor altura
possível,
Deterioração evitando maior
da qualidade dispersão de
do ar devido ao partículas; as
lançamento de rotas de veículos
partículas de devem estar
resíduos na sempre
Qualidade do fase de umedecidas com
ar Ar demolição N D T C R1 N água.
Morfologia urbana
65

9 Memorial Descritivo Técnico

Obra: Complexo Empresarial Vila Guilherme

Loca: Rua Maria Cândida, N° 833

Área Existente: 4716 𝑚2

Área Construída: 3934 𝑚2

Proprietário: Uninove.

9.1 Objetivo

O presente memorial descritivo de construção civil tem por objetivo definir os materiais, acabamentos,
local de aplicação e serviços em geral, que serão executados na construção. Tal documento relata
e define integralmente o projeto executivo e suas particularidades.

9.2 Generalidades

A presente especificação refere-se às obras para implantação do Complexo Empresarial Vila


Guilherme, situado na Rua Maria Cândida N° 833, Bairro Vila Guilherme/ SP. A obra contempla
movimentos de terra, infraestrutura, superestrutura, alvenarias, impermeabilizações, revestimentos,
esquadrias, pavimentações, pintura e complementos. Os serviços serão regidos por profissionais, de
acordo com as Normas Técnicas reconhecidas e aprovadas.

Os materiais especificados serão de primeira qualidade, atendendo os requisitos das Especificações


Brasileiras.

9.3 Serviços Preliminares

9.3.1 Placas de Obra

Segundo o artigo 16 da Lei Federal nº 5.194/66, as Placas de Obra deveram ser instaladas em locais
de boa visibilidade, e têm por finalidade a identificação do exercício profissional das pessoas físicas
e jurídicas nas obras, nas instalações e nos serviços de Engenharia e Agronomia, públicos ou
66

privados. Tem o objetivo de mostrar para a sociedade que os serviços realizados na obra possuem
responsáveis técnicos/profissionais legalmente habilitados. A obra que não possui placa para todas
as atividades técnicas que estão sendo desenvolvidas naquele local está irregular.

As placas de identificação dos responsáveis técnicos deverão conter, no mínimo, as seguintes


informações:

• Nome do profissional.
• Título profissional.
• Nº de registro no CREA.
• Atividade pela qual é responsável técnico.
• Nome da empresa que representa (se houver).
• Número da ART correspondente.
• Dados para contato.

A Placa utilizada nesta obra, vai estar em um local de boa visibilidade, pintada e fixada em estrutura
de madeira, nas dimensões 4x3 m.

9.3.2 Instalações do Canteiro de Obra

O Abrigo provisório para o Alojamento, deposito de Materiais e ferramentas será feito de madeira
com telha de fibrocimento ondulada.

As instalações provisórias de água, esgoto e energia elétrica obedecem às disposições técnicas


exigidas pelos órgãos competentes.

9.3.3 Limpeza e Preparo da Área

Será limpa a área a ser construída, removendo-se a camada vegetal, e obstáculos que prejudiquem
a implantação da obra. Na obra em questão, ocorrera demolição de alvenaria de tijolo comum, com
reaproveitamento.

➢ Demolição

Demolição é o ato de se destruir, de forma medida e calculada, alguma construção para então dar
espaço para a construção de uma nova.

A área total construída, onde será implantado o Complexo Comercial, é de 3934 𝑚2 . E será
necessário fazer a retirada de alguns elementos já existentes que não serão utilizados.
67

9.4 Normas Técnicas

As normas asseguram as características desejáveis de produtos e serviços, como qualidade,


segurança, confiabilidade, eficiência, bem como respeito ambiental. E tudo isto a um custo
econômico.

A execução de todos os serviços que compõem a obra está de acordo com as normas estipuladas.

9.5 Locação e Desenvolvimento da Obra

É a explicação sobre a marcação da obra, indicando os locais onde serão feitas as fundações e
erguidas as paredes, passando do papel do projeto para o terreno real.

Devem ser identificadas as estacas ou outros marcos do terreno, que sejam até mesmo de uma
construção vizinha, uma rua, etc. para que se tenha uma referência do lote e se estabeleça um
alinhamento.

Fixa-se uma linha nas estacas desse alinhamento e se obtém o alinhamento fixo. Loca-se o segundo
alinhamento do terreno (alinhamento móvel) utilizando o procedimento do esquadro. Crava-se uma
estaca e estabelece-se assim o segundo alinhamento. Os demais lados, ou seja, os outros dois
restantes são obtidos da mesma forma sendo que o alinhamento móvel anterior passa a ser o
alinhamento fixo.
68

9.5.1 Execução do Gabarito

Em função da leitura da planta baixa, obtém-se as medidas dos recuos ou afastamentos dos limites
do lote até as paredes externas. Marcam-se os pontos desses recuos nos alinhamentos do terreno
fixando para isto pedaços de barbantes.

Estendem-se linhas passando pelos pontos marcados e cravam-se estacas aprumadas afastadas
de 50cm dessas linhas. Estabelece-se assim o primeiro lado do gabarito

Fixa-se um ripão nas estacas do lado estabelecido nivelando-o a no mínimo 20cm do ponto mais alto
do terreno.
As estacas intermediárias devem estar alinhadas com as das extremidades. Repete-se o mesmo
procedimento para a armação dos outros lados fechando-se o gabarito.

Sobre os ripões do gabarito pronto, faz-se a marcação das faces das paredes:
Estendem-se as linhas de marcação dos recuos passando pelos seus pontos (linha de marcação de
uma parede externa) marcados nos alinhamentos do terreno. Transporta-se para o ripão do gabarito.

As imagens com o Passo a Passo do Gabarito Continuo constam nos Anexos.

9.6 Proteções

Os Equipamentos de Proteção Individual (EPI) protegem a saúde do trabalhador e reduzem os riscos


de acidentes. São indicados, principalmente quando as medidas de proteção coletivas não forem
viáveis, eficientes e suficientes para combater os acidentes ou doenças ocupacionais.
69

O ministério do trabalho atesta a qualidade e eficácia dos EPIs disponíveis no mercado através da
emissão do certificado de aprovação (C.A).

Obrigações do empregador:

• Fornecer os EPIs adequados ás atividades.


• Instruir e treinar os funcionários quanto ao uso do EPIs.
• Fiscalizar e exigir o uso dos EPIs.
• Repor os EPIs quando danificados.

Obrigações do empregado:

• Usar e conservar seus EPIs.

Os tipos de EPIs utilizados podem variar dependendo do tipo de atividade ou de riscos que poderão
ameaçar a segurança e a saúde do trabalhador e da parte do corpo que se pretende proteger, tais
como:

• Proteção auditiva: abafadores de ruídos ou protetores auriculares.


• Proteção respiratória: máscaras e filtro.
• Proteção visual e facial: óculos e viseiras.
• Proteção da cabeça: capacetes.
• Proteção de mãos e braços: luvas e mangotes.
• Proteção de pernas e pés: sapatos, botas, botinas, perneiras e polainas.
• Proteção contra quedas: cintos de segurança e cinturões.
• Proteção contra radiação solar: protetor solar.

O uso dos EPIs é de extrema importância para garantir a segurança no trabalho.


70

9.7 Movimentação de Terra (Terraplenagem)

Terraplenagem é o ato de terraplenar, é escavar ou encher de terra uma área, deixar o terreno
aplainado ou em platôs bem definidos. Há 3 tipos de movimentação de terra: Corte, Aterro e o Misto
(Consiste na ação do corte e do aterro simultaneamente).

Processo deve envolver também o estudo do terreno e planejamento das ações para evitar futuros
problemas

➢ Corte:

Consiste na escavação do terreno. Na retirada de terra de uma determinada área. Quando o


material retirado é de boa qualidade pode ser usado para a construção do aterro.

➢ Aterro:
71

É a colocação de terra ou entulho para nivelar uma superfície irregular. Para o aterro foi utilizado a
terra do corte.

A compactação, que consiste na redução do índice de vazios para o aumento da resistência do solo,
foi realizada através de uma motoniveladora e um rolo compactador estático.

O espalhamento e regularização de terra em camadas no aterro foi realizado através de um trator


sobre esteiras.

9.8 Drenagem

É o ato de escoar as águas de terrenos encharcados, por meio de tubos, túneis, canais, valas e
fossos sendo possível recorrer a motores como apoio ao escoamento. Os canais podem ser Naturais
(Rios ou Córregos) ou Artificiais (de concreto simples ou armado).

O terreno é constituído assim:

• Camada superficial.
• Camada de solo de basalto em alteração e argila.

9.9 Fundação

As Fundações são elementos que têm por finalidade transmitir as cargas de uma edificação para as
camadas resistentes do solo sem provocar ruptura do terreno de fundação.

Para a obra serão feitas Fundações Profundas, com Estaca pré-moldada de concreto protendido
cravada. Que serão cravadas no solo através de Bate estacas.

As fundações profundas são elementos que transmite a carga ao terreno pela base (resistência de
ponta), por sua superfície lateral (resistência de fuste) ou por uma combinação da duas.

O sistema de cravação deve estar sempre bem ajustado e com todas as suas partes constituintes,
tanto estruturais quanto acessórias, em perfeito estado, a fim de evitar quaisquer danos às estacas
durante a cravação, e deve ser dimensionado de modo a levar à estaca até a profundidade prevista
sem danificá-la. Para essa finalidade, o uso de martelos mais pesados e com menor altura de queda
é mais eficiente do que o uso de martelos mais leves e com grande altura de queda.

A folga do martelo e do capacete não deve ser superior a 3,0cm em relação às guias do equipamento.

O topo da estaca, acima da cota de arrasamento, deve ser demolido. A seção resultante deve ser
plana e perpendicular ao eixo da estaca e a operação de demolição deve ser executada de modo a
não causar danos.
72

9.10 Concreto Armado

O concreto utilizado deverá ter resistência característica de 75 MPa, observando as seguintes


normas: NBR 6118/2003; NBR 6120. Os materiais recomendados para serem empregados na obra
devem obedecer às especificações brasileiras da ABNT vigentes, tais como: NBR 5732/91; NBR
7480/85; NBR 7211/82 e NBR 12655/96.

Foi utilizado Concreto estrutural dosado em central, de alto desempenho, com relação água/cimento
de 0,4. E Armaduras de aço CA-25 para estruturas de concreto armado.

Para a contenção do solo será utilizado cortina de placa dupla pré-fabricada, com espessura de 15
cm, distanciamento entre perfis de 1,8 m e com reforço de barra de aço CA-60. Com concreto usinado
de fck 20 MPa e brita 0.

Para a cortina de concreto ou parede estrutural utilizaremos fôrma de madeira, compensado


plastificado e = 12 mm.

As dimensões das fôrmas deverão ser verificadas para que se tenha certeza de que elas
correspondem as peças que deverão moldar. Nas extremidades inferiores dos pilares serão deixadas
aberturas para a limpeza. As fôrmas deverão ser executadas de modo a oferecer resistência ao peso
próprio do concreto que nelas será lançado e às sobrecargas durante o período de construção.

Durante o período de cura o concreto deverá ser molhado, especialmente nas primeiras horas e
primeiro dia seguinte.

O adensamento será cuidadoso de forma que o concreto ocupe todos os espaços da fôrma. Serão
adotadas precauções para evitar a vibração da armadura, de modo a não formar vazios ao seu redor,
nem dificultar a aderência com o concreto. A vibração será apenas o suficiente para que apareçam
bolhas de ar e uma fina película de água na superfície do concreto.

A retirada das fôrmas será feita sem choques e de forma cuidadosa. O prazo mínimo é de três dias
para as laterais de pilares e vigas, 14 dias para as faces inferiores das vigas, deixando-se em todos
os casos escoras suficientemente espaçadas, e vinte e oito dias para o descimbramento total.

9.11 Impermeabilizações

A impermeabilização protege as estruturas contra a ação nociva da água. Cumpre a função de formar
uma barreira física que contém a propagação da umidade e evitam infiltrações. É um sistema
responsável por selar, colmatar ou vedar os materiais porosos e suas falhas, sejam elas motivadas
por momentos estruturais ou por deficiências técnicas de preparo e de execução.

Consiste na aplicação de produtos específicos com o objetivo de prevenir também o aparecimento


de manchas de bolor, desplacamento de azulejos, surgimento de goteiras e corrosão de armaduras.
73

A impermeabilização da alvenaria de embalsamento com argamassa de cimento e areia com traço


1:3, será realizada com aditivo impermeabilizante (e= 2 cm) e plastificante em pó para argamassa.

As calhas, viga-calha e jardineiras serão impermeabilizadas através de impermeabilizante estrutural


e proteção mecânica.

As paredes sujeitas a umidade do solo serão impermeabilizadas com aditivo hidrófugo e tinta
asfáltica. A impermeabilização dos pisos sujeitos a umidade de terra será com aditivo hidrófugo.

9.12 Alvenaria

A alvenaria deve ser realizada em uma superfície plana, já impermeabilizada e com os vergalhões
posicionados nos pontos estratégicos.

A alvenaria estrutural da obra será com blocos de concreto, 19 x 19 x 39 cm, espessura da parede
de 19 cm, juntas de 10 mm com argamassa mista de cimento, cal hidratada e areia sem peneirar,
com traço 1:0, 25:3.

Tudo é previamente organizado para que as peças se encaixem de forma alternada, instalando de
forma simultânea todos os sistemas elétricos e hidrossanitários.

Quando devidamente planejada, a alvenaria estrutural deve ser capaz de suportar todas as cargas; a
de seu próprio peso, lajes, coberturas. Além disso, é resistente a intempéries externas, como chuvas
e ventos.

9.13 Cobertura

A cobertura será com telha cerâmica tipo Plan, com inclinação de 35 %.

As telhas cerâmicas foram uma das primeiras formas de cobertura no nosso país e, até hoje, são
muito utilizadas. São famosas e conhecidas popularmente por “telhas coloniais”.

Os telhados cerâmicos proporcionam conforto térmico e beleza ao edifício. As principais


características das telhas plan para telhados e coberturas são: O design simples, o fácil encaixe no
ripamento e o seu excelente isolamento térmico.

9.14 Esquadrias

As esquadrias são utilizadas como elemento de fechamento de vãos, principalmente através das
janelas, portas persianas e venezianas. Estes componentes asseguram a proteção quando a
74

penetração de intrusos, da luz natural e da água. Com a sua evolução, as esquadrias deixaram
apenas de proteger e adquiriram também o lugar de decoração de fachadas.

A janela será de aço 1,2 x 1,5 m, padronizada, de correr com quatro folhas, sem bandeira com vidro
liso. O portão será de madeira em chapa compensada para tapume, de 3 m de largura e 2 m de
altura.

9.15 Revestimentos

Na construção civil, revestimento é denominado a camada externa que cobre a alvenaria (camada
externa das estruturas das paredes ou piso que se utilizam de cal, cimento ou gesso). O revestimento
tradicional, que será usado na obra, compõe-se de três camadas:

• Chapisco Tradicional: Camada inicial para aumentar a aderência da mistura que é feita de cal,
cimento ou gesso.

É realizado o lançamento vigoroso de uma argamassa fluida sobre a base, utilizando-se uma colher
de pedreiro. A textura final deve ser a de uma película rugosa, aderente e resistente. A argamassa
fluida utilizada será pré-fabricada.

• Emboço Paulista: Camada intermediária que ajuda a cobrir irregularidade da mistura que é
feita de cal, cimento ou gesso.
75

O emboço atua como base para a aplicação do reboco, normalmente constituído de uma mistura de
areia, cimento e cal, devendo promover a boa ancoragem com ele e possuir uniformidade de
absorção para que haja boa aderência entre as duas camadas Só deverá ser iniciado depois de
embutidas todas as canalizações nas paredes. A espessura deve ser de 1cm a 2,5cm (massa grossa).

É aplicado uma camada de argamassa única sobre o chapisco, cumprindo as funções de emboço e
reboco. Sem proteção de outro revestimento, usualmente protegido por película de menos de 1mm
(sistema de pintura)

• Reboco: Camada final de acabamento.

Na obra será realizado o reboco para as paredes internas e externas com argamassa pré-fabricada,
base para epóxi, borracha clorada, massa corrida acrílica e colagem de laminados e= 5 mm.

9.16 Limpeza Final

Deverá ser removido todo o entulho existente, sendo cuidadosamente limpos todos acessos,
havendo particular cuidado em remover salpicos de argamassa e tintas.

9.17 Pisos

O piso cerâmico esmaltado tem alta resistência, durabilidade, fácil colocação, beleza e diversidade,
além de antialérgico e da versatilidade. Cerâmicas esmaltadas tem sua aparência e limpabilidade
determinadas por seu esmalte intacto.

Além de compor o ambiente com desenhos e estampas, o piso cerâmico ajuda a manter o ambiente
fresco no verão, por conta das propriedades da cerâmica.

O piso será cerâmico esmaltado assentado com argamassa mista de cimento, cal hidratada e areia
sem peneirar, traço 1:0 e 5:5.

9.18 Pintura

Antes de aplicar a tinta deve-se corrigir falhas, bem como lixa-las a fim de se obter uma superfície
mais homogênea, e com melhor acabamento.

Tintas Utilizadas: As paredes em alvenaria receberão uma demão de selador acrílico e duas demãos
de tinta látex acrílico. Os detalhes em madeira serão pintados com duas demãos de tinta a óleo,
sendo os detalhes em metal pintados com duas demãos de tinta esmalte.
76

As cores serão definidas pelo proprietário, em comum acordo com o responsável técnico.

9.19 Proteção contra Incêndios

9.19.1 Norma Regulamentadora NR 23

É a norma do Ministério do Trabalho que trata da proteção contra incêndios nos ambientes de
trabalho.

Esta norma se relaciona intensamente com outros dispositivos legais e normativos, como normas
brasileiras (NBR), legislações federais e locais e instruções normativas do Corpo de Bombeiros, que
apesar de serem muito semelhantes, apresentam algumas diferenças conforme o Estado onde a
instalação está localizada.

Na norma são especificados pontos referentes à infraestrutura como:

• Saídas de emergência: Devem ter largura mínima de 1,20 m, tanto as portas quanto
corredores de acesso a elas. É necessário estarem identificadas, sinalizadas e desobstruídas.
• Portas: Devem ser as adequadas ao local, sempre sob liberação de autoridade competente
em segurança do trabalho, e nunca devem estar trancadas ou presas durante a execução dos
trabalhos.

Portas verticais, de enrolar ou giratórias não podem ser utilizadas em ambientes internos. Um detalhe
importante a ser observado é que as portas devem abrir no sentido da saída, não impedindo a
circulação de pessoas nas vias de passagem.

• Escadas, ascensores e portas corta-fogo: A NR 23 define que esses equipamentos devem


ser resistentes ao fogo, e no caso das portas corta-fogo devem fechar-se automaticamente em caso
de incêndio.

Está expresso na norma que todos os estabelecimentos ou locais de trabalho só devem ser utilizados
extintores de incêndio que obedeçam às normas brasileiras ou regulamentos técnicos.

Para entender como a NR 23 classifica e trabalha o tema dos extintores de incêndio, é preciso
analisar o tipo de fogo ao qual o empreendimento está sujeito.

Para isso, recorremos ao item 23.9.1 da norma, que traz as classificações de tipo de fogo, e que
serve como referência para os itens seguintes, que por sua vez afetam diretamente os extintores de
incêndio adequados.

De acordo com essa classificação:


77

➢ Tabela Prática de Classes de Fogo x Extintores:

9.19.2 Decreto Estadual nº 4.909

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS - de 18 outubro 1994

Art. 16 - Nas edificações COMERCIAIS:

I. Com área superior a 50 m² ou com carga de fogo igual ou superior a 25 kg/ m², deverão dispor
de Proteção por Extintores.
II. Com 4 ou mais pavimentos ou área total construída igual ou superior a 750 m², será exigido
Sistema Hidráulico Preventivo.
III. Independente da altura ou da área total construída, quando funcionarem instalações que
utilizem aparelho técnico de queima, será exigido Gás Centralizado.
IV. Serão exigidas Saídas de Emergência.
V. Com área construída igual ou superior a 200 m², desde que não existam saídas e/ou
aberturas dando diretamente para o exterior, será exigida a instalação de Iluminação de Emergência.
VI. Com 4 ou mais pavimentos ou área total construída igual ou superior a 750 m², será exigida
proteção por Para-Raios.
VII. Com área igual ou superior a 750 m², deverão dispor de Sistema de Alarme, Sinalização para
Abandono de Local e Iluminação de Emergência nos ambientes, nas áreas de circulação e nas
saídas de emergência.
VIII. Com mais de 20 m de altura deverão dispor de pontos para Ancoragem de Cabos.
78

IX. Que se destinarem ao armazenamento, manipulação e manutenção de recipientes de GLP


ficam sujeitas, ainda às determinações em capítulos específicos.
X. Destinadas à distribuição, abastecimento ou venda a varejo de combustíveis e de lubrificantes
para qualquer fim, ficam sujeitas a outras determinações especificadas em capítulo próprio.

9.20 Sistema de Segurança

Sistemas de segurança é concebido para gerenciar aspectos de risco de segurança operacional,


de segurança contra atos ilícitos e de segurança contra a saúde. Certas estruturas regulatórias e
de fiscalização são aplicáveis.

Serão instalados Sirenes Eletrônicas com alcance de 2000 m. E suportes em aço carbono com
pintura epóxi preto para TV/DVD com inclinação vertical de 15°.
79

10. Quantificação de Serviços

Consiste na atribuição de todos os serviços utilizados. A unidade, classificação, preço unitário,


preço total e o consumo de cada um.

Na realização deste Projeto foi utilizado como base de Quantidade 80.

10.1 Serviços Iniciais

Preço
ódigo Descrição Un. Clas. Coef. Total (R$) Consumo
Unit.(R$)
Abrigo provisório de madeira para
2.001.000001.SER alojamento e/ou depósito de M²
materiais e ferramentas
1.007.000001.MOD Carpinteiro H MOD 6,70 5,90 5929,50 1005,00
1.021.000001.MOD Pedreiro H MOD 0,40 5,90 354,00 60,00
1.026.000001.MOD Servente H MOD 7,50 4,85 5456,25 1125,00
Concreto preparado na obra, controle
4.002.000038.SER "A", brita 1, fck 15 MPa, abatimento M³ SER 0,07 328,44 3448,58 10,50
8±1 cm
Chapa de madeira compensada
8.002.000004.MAT M² MAT 1,18 12,92 2287,21 177,00
resinada 1,10 x 2,20 m # 12 mm
8.005.000003.MAT Pontalete de cedro 3a 7,5 x 7,5 cm M MAT 4,39 2,22 1459,63 658,50
8.005.000018.MAT Tábua de cedrinho 1" x 6" M² MAT 2,11 12,83 4059,65 316,50
8.005.000024.MAT Viga de peroba 6 x 12 cm M MAT 1,37 19,56 4018,55 205,50
Cumeeira articulada inferior para telha
3.004.000014.MAT de fibrocimento tipo vogatex ou Un MAT 0,25 3,36 126,09 37,50
fibrotex
Telha de fibrocimento ondulada esp. 4
3.004.000035.MAT M² MAT 1,19 7,86 1402,64 178,50
mm / largura útil 45 cm
Prego com cabeça 15 x 15, 34,5 mm x
5.007.000008.MAT Kg MAT 0,20 6,28 188,42 30,00
Ø 2,4 mm
Prego com cabeça 18 x 27, 62,1 mm x
5.007.000009.MAT Kg MAT 0,80 5,41 648,60 120,00
Ø 3,4 mm

Total s/ Taxa
M.O: 11741,89 29379,12
(Unit.) :
Outros: 17637,23 Valor LS: 0,00
Valor BDI: 56%
Valor Total c/
29379,12
Taxa:

Consideram-se mão de obra e material para execução do abrigo, sendo o piso em concreto simples,
ONTEÚDO DO
preparado na obra com betoneira. Fechamentos, janelas e portas em chapa compensada, telhado com
RVIÇO
telhas de fibrocimento suportadas por estrutura de madeira.
80

RITÉRIO DE
Área construída.
EDIÇÃO
ORMAS NR18 - Condições e meio ambiente de trabalho na indústria da construção -18.13 - Medidas de
ÉCNICAS proteção contra quedas de altura.

Preço
Código Descrição Un. Clas. Coef. Total (R$) Consumo
Unit.(R$)
Ligação provisória de água para obra
02.001.000009.SER e instalação sanitária provisória, Un
pequenas obras - instalação mínima
01.001.000005.MOD Ajudante de encanador H MOD 4,00 4,85 19,40 4,00
01.007.000001.MOD Carpinteiro H MOD 8,00 5,90 47,20 8,00
01.010.000001.MOD Encanador H MOD 8,00 5,90 47,20 8,00
01.021.000001.MOD Pedreiro H MOD 8,00 5,90 47,20 8,00
01.026.000001.MOD Servente H MOD 8,12 4,85 39,38 8,12
03.001.000008.MAT Areia média lavada M³ MAT 0,0189 99,63 1,88 0,0189
Tijolo cerâmico comum para alvenaria
05.004.000006.MAT Un MAT 30,00 0,27 8,16 30,00
6 x 9 x 19 cm
08.005.000003.MAT Pontalete de cedro 3a 7,5 x 7,5 cm M MAT 25,00 2,22 55,42 25,00
08.005.000020.MAT Tábua de cedrinho 1" x 12" M MAT 8,00 4,41 35,30 8,00
Tubo de aço galvanizado com costura
14.001.000330.MAT M MAT 30,00 12,48 374,38 30,00
Ø 3/4"
14.001.001088.MAT Tubo cerâmico para esgoto Ø 100 mm M MAT 5,00 10,34 51,68 5,00
Hidrômetro multijato para medição
14.006.000057.MAT em entrada de água residencial Ø 3/4" Un MAT 1,00 111,73 111,73 1,00
vazão 3 m³/h
Reservatório d' água de fibra de vidro
14.015.000007.MAT Un MAT 1,00 264,70 264,70 1,00
cilíndrico (capacidade: 1000 l)
Mictório individual de louça tipo bacia
15.005.000018.MAT Un MAT 1,00 170,89 170,89 1,00
turca
Prego com cabeça 15 x 15, 34,5 mm x
25.007.000008.MAT Kg MAT 1,00 6,28 6,28 1,00
Ø 2,4 mm

Total s/
M.O: 200,38 Taxa 1280,80
(Unit.) :
Outros: 1080,42 Valor LS: 0,00
Valor BDI: 56%
Valor
Total c/ 1280,80
Taxa:

Materiais e mão de obra para ligação provisória de água e esgotos em pequenas obras, que
CONTEÚDO DO SERVIÇO normalmente não possuem estes itens definidos em projeto. Para obras em situação diversa da
considerada, as ligações provisórias deverão ser objeto de projetos e quantificação específicos.
CRITÉRIO DE MEDIÇÃO Unidade construída.
81

Preço
Un
Código Descrição Clas. Coef. Unit.(R$ Total (R$) Consumo
.
)
Ligação provisória de luz e força para obra -
02.001.000010.SER Un
instalação mínima
01.001.000004.MO
Ajudante de eletricista H MOD 24,00 4,85 116,40 24,00
D
01.009.000001.MO
Eletricista H MOD 24,00 5,90 141,60 24,00
D
Poste de aço galvanizado
ELETROPAULO/BANDEIRANTES/ELEKTRO/CPF
07.022.000002.MAT Un MAT 1,00 348,40 348,40 1,00
L para entrada de energia h = 6 m, Ø 4", # 5
mm
16.006.000104.MAT Fio rígido 6 mm² isolamento em PVC, 750 V M MAT 27,00 1,73 46,74 27,00
Caixa de entrada de energia modelo K padrão
16.015.000014.MAT ELETROPAULO em chapa de aço para 2 Un MAT 1,00 234,80 234,80 1,00
medidores 50 x 60 x 27 cm

Total s/
258,0
M.O: Taxa 887,94
0
(Unit.) :
Outros 629,9
Valor LS: 0,00
: 4
Valor
56%
BDI:
Valor
Total c/ 887,94
Taxa:

Destina-se a pequenas obras que normalmente não possuem estes itens definidos em projeto. Para
CONTEÚDO DO
obras em situação diversa da considerada, as ligações provisórias deverão ser objeto de projetos e
SERVIÇO
quantificação específico.
CRITÉRIO DE
Unidade construída.
MEDIÇÃO

Preço Unit.
Código Descrição Un. Clas. Coef. Total (R$) Consumo
(R$)
Demolição de
alvenaria de tijolo
02.002.000001.SER M³
comum, com
reaproveitamento
01.021.000001.MOD Pedreiro H MOD 0,60 5,90 6963,18 1180,20
01.026.000001.MOD Servente H MOD 6,00 4,85 57239,70 11802,00

Total s/ Taxa
M.O: 64202,88 64202,88
(Unit.) :
Outros: 0,00 Valor LS: 0,00
Valor BDI: 56%
82

Valor Total c/
64202,88
Taxa:

CONTEÚDO DO Mão de obra para demolição e deposição do material ao lado (proximidades em raio de
SERVIÇO 5 m).
CRITÉRIO DE
Volume demolido.
MEDIÇÃO
Preço
ódigo Descrição Un. Clas. Coef. Total (R$) Consumo
Unit.(R$)
Raspagem mecanizada
do terreno até 40 cm
2.003.000004.SER de profundidade M²
utilizando trator sobre
esteiras
Trator sobre esteiras,
H
6.014.000204.EQH com lâmina, capacidade EQH 0,00338 185,31 2953,82 15,94008
Prod
3,93 m³ 185 HP 138 kW

Total s/ Taxa
M.O: 0,02 2953,82
(Unit.) :
Outros: 2953,80 Valor LS: 0,00
Valor BDI: 56%
Valor Total c/
2953,82
Taxa:

Raspagem superficial de terreno sem vegetação com trator de esteiras em solo de primeira
ONTEÚDO DO SERVIÇO
categoria, topografia plana ou levemente ondulada.
RITÉRIO DE MEDIÇÃO Área executada.

Preço
Total
ódigo Descrição Un. Clas. Coef. Unit. Consumo
(R$)
(R$)
Locação da obra, execução de
2.004.000001.SER M²
gabarito
1.007.000001.MOD Carpinteiro H MOD 0,13 5,90 2531,87 429,13
1.026.000001.MOD Servente H MOD 0,13 4,85 2081,28 429,13
Arame galvanizado 16 BWG, Ø
7.009.000003.MAT Kg MAT 0,02 7,02 463,30 66,02
1,60 mm, 0,016 kg/m
Pontalete de cedro 3a 7,5 x 7,5
8.005.000003.MAT M MAT 0,04 2,22 292,68 132,04
cm
8.005.000019.MAT Tábua de cedrinho 1" x 9" M² MAT 0,09 12,36 3672,03 297,09
Prego com cabeça 18 x 27, 62,1
5.007.000009.MAT Kg MAT 0,012 5,41 214,10 39,612
mm x Ø 3,4 mm

Total s/
M.O: 4613,15 Taxa 9255,26
(Unit.) :
Outros: 4642,11 Valor LS 0,00
83

Valor
56%
BDI:
Valor
Total c/ 9255,26
Taxa:

Preço
Código Descrição Un. Clas. Coef. Unit. Total (R$) Consumo
(R$)
02.005.000005.SER Compactação de aterro M³
01.026.000001.MOD Servente H MOD 0,015 4,85 62,27 12,84
Grade de disco rebocável, H
36.014.000061.EQH EQH 0,01 1,37 11,71 8,56
faixa de trabalho 2,65 m Prod
Motoniveladora 135 hp 101 H
36.014.000078.EQH EQH 0,005 163,95 701,72 4,28
kW, lâmina de 3,66 m Prod
Rolo compactador vibratório
com pneus de tração e cilindro
H
36.014.000156.EQH pé-de-carneiro em aço 150 HP EQH 0,005 113,19 484,45 4,28
Prod
112 kW, peso operacional
11,6t
Rolo compactador estático,
H
36.014.000173.EQH com pneus 99 HP 74 kW, peso EQH 0,005 88,26 377,74 4,28
Prod
operacional 6 t
Trator sobre pneus 88 HP 66 H
36.014.000246.EQH EQH 0,01 68,78 588,80 8,56
kW Prod
Caminhão tanque 8.000 L, com
H
36.015.000027.EQH irrigador, 174 hp 130 kW, vida EQH 0,01 113,30 969,83 8,56
Prod
útil 12.000 h

Total s/
M.O: 62,47 Taxa 3196,52
(Unit.):
Outros: 3134,05 Valor LS: 0,00
Valor BDI: 56%
Valor Total
3196,52
c/ Taxa:

Preço
Código Descrição Un. Clas. Coef. Unit.(R$) Total (R$) Consumo
Espalhamento e regularização de terra em
camadas no aterro utilizando trator sobre
02.005.000006.SER esteiras M³
Trator sobre esteiras, com lâmina, H
36.014.000204.EQH capacidade 3,93 m³ 185 HP 138 kW Prod EQH 0,0053 185,31 840,7 4,5368
84

Total s/
Taxa
M.O: 0,03 (Unit.) : 840,7
Outros: 840,67 Valor LS: 0,00
Valor
BDI: 56%
Valor
Total c/
Taxa: 840,7

CONTEÚDO DO Considerou-se material de 1a. categoria sem


SERVIÇO ocorrência de lama ou excesso de umidade.
CRITÉRIO DE Volume movimentado cubado em projeto
MEDIÇÃO ou calculado no local.

10.2 Infraestrutura

Preço Total
Código Descrição Un. Clas. Coef. Consumo
Unit.(R$) (R$)
Armadura de aço CA-25 para estruturas de
04.001.000002.SER concreto armado, Ø >12,5 mm até 25,0 Kg
mm, corte, dobra e montagem
01.001.000002.MOD Ajudante de armador H MOD 0,2282 4,85 88,54 18,256
01.011.000001.MOD Armador H MOD 0,1304 5,90 61,55 10,432
Espaçador plástico para armadura de peças
06.003.000010.MAT Un MAT 1,82 0,09 13,10 145,60
de concreto com cobrimento 3 cm
Aço CA-25 Ø 25,0 mm, em barra, massa
07.007.000019.MAT Kg MAT 1,10 3,73 327,94 88,00
nominal 4,00 kg/m
Arame recozido 18 BWG, Ø 1,25 mm, 0,010
07.009.000007.MAT Kg MAT 0,03375 6,37 17,19 2,70
kg/m
Dobradora para ferro, elétrica, 5 HP 3,7 kW,
H
36.004.000009.EQH capacidade de dobra, CA-25 até Ø 32 mm e EQH 0,0978 14,53 113,70 7,824
Prod
CA-50 até Ø 25 mm

Total
s/
M.O: 150,56 622,02
Taxa
(Unit.):
Valor
Outros: 471,46 0,00
LS:
Valor
56%
BDI:
Valor
Total
622,02
c/
Taxa:
85

Código Descrição Un. Clas. Coef. Preço Unit.(R$) Total (R$) Consumo
Concreto estrutural dosado em
04.002.000005.SER central, de alto desempenho, fck M³
75 MPa, relação água/cimento: 0,4
Concreto dosado em central de alto
desempenho relação
06.004.000013.MAT M³ MAT 1,05 745,41 62614,44 84,00
água/cimento: 0,4 (resistência: 75
MPa)

Total s/
M.O: 0,00 Taxa 62614,44
(Unit.) :
Outros: 62614,44 Valor LS: 0,00
Valor
56%
BDI:
Valor
Total c/ 62614,44
Taxa:

ódigo Descrição Un. Clas. Coef. Preço Unit.(R$) Total (R$) Consumo
Contenção de solo com cortina de
placa dupla pré-fabricada, empuxo
de 5,5 t/m², espessura de 15 cm,
4.003.000010.SER tipo de perfil i 10", distanciamento M²
entre perfis de 1,8 m, com reforço
de barra de aço ca-60, Ø=6,30 mm a
cada 15 cm
1.021.000001.MOD Pedreiro H MOD 0,825 5,90 389,40 66,00
1.026.000001.MOD Servente H MOD 0,825 4,85 320,10 66,00
Placa dupla de concreto pré-moldado
para cortina de contenção, # 15 cm,
6.001.000063.MAT M² MAT 1,00 84,60 6768,00 80,00
empuxo 5,5 t/m², para vão de 1,8 m
entre perfis
Concreto usinado fck 20 MPa brita 0,
6.004.000003.MAT M³ MAT 0,09 304,78 2194,42 7,20
abatimento 24±2 cm
Aço CA-50 Ø 6,3 mm, em barra,
7.007.000008.MAT Kg MAT 1,63 3,65 475,44 130,40
massa nominal 0,245 kg/m

Total s/
M.O: 709,50 Taxa 10147,36
(Unit.):
Outros: 9437,86 Valor LS: 0,00
Valor BDI: 56%
Valor
Total c/ 10147,36
Taxa:
86

ódigo Descrição Un. Clas. Coef. Preço Unit.(R$) Total (R$) Consumo
Forma de madeira para cortina de
4.007.000004.SER concreto ou parede estrutural, M²
compensado plastificado e = 12 mm
Forma de madeira para cortina de
concreto ou parede estrutural,
4.007.000014.SER M² SER 1,00 105,63 8450,62 80,00
compensado plastificado e = 12 mm -
fabricação
Forma de madeira para cortina de
concreto ou parede estrutural,
4.007.000019.SER M² SER 1,00 5,24 419,04 80,00
compensado plastificado e = 12 mm -
montagem
Forma de madeira para cortina de
concreto ou parede estrutural,
4.007.000024.SER M² SER 1,00 1,60 127,93 80,00
compensado plastificado e = 12 mm -
desmontagem

Total s/
M.O: 14,79 Taxa 8997,59
(Unit.) :
Outros: 8982,80 Valor LS: 0,00
Valor BDI: 56%
Valor
Total c/ 8997,59
Taxa:

ódigo Descrição Un. Clas. Coef. Preço Unit.(R$) Total (R$) Consumo
Estaca pré-moldada de concreto
4.008.000021.SER protendido cravada, seção 23,5x23,5 M
cm, carga admissível até 82 t
1.001.000001.MOD Ajudante H MOD 0,40 4,85 155,20 32,00
Estaca pré-
moldada concreto protendido seção
1.002.000020.SET M SET 1,08 84,00 7257,60 86,40
quadrada 23,5 x 23,5 cm, carga 82
t, cravada

Total s/ Taxa
M.O: 155,20 7412,80
(Unit.) :
Outros: 7257,60 Valor LS: 0,00
Valor BDI: 56%
Valor Total
7412,80
c/ Taxa:

10.3 Alvenaria
87

Código Descrição Un. Clas. Coef. Preço Unit.(R$) Total (R$) Consumo
Alvenaria estrutural com blocos de
concreto, 19 x 19 x 39 cm,
espessura da parede 19 cm, juntas
06.001.000008.SER M²
de 10 mm com argamassa mista
de cimento, cal hidratada e areia
sem peneirar traço 1:0,25:3
01.021.000001.MOD Pedreiro H MOD 0,85 5,90 5,02 0,85
01.026.000001.MOD Servente H MOD 0,57 4,85 2,76 0,57
Bloco de concreto para alvenaria
05.001.000019.MAT Un MAT 13,50 2,59 34,98 13,50
estrutural 19 x 19 x 39 cm
Argamassa mista de cimento, cal
06.003.000063.SER hidratada e areia sem peneirar M³ SER 0,0236 428,58 10,11 0,0236
traço 1:0,25:3

Total s/
M.O: 8,92 Taxa 52,87
(Unit.) :
Outros: 43,95 Valor LS: 0,00
Valor BDI: 56%
Valor
Total c/ 52,87
Taxa:

10.4 Cobertura

Preço
Código Descrição Un. Clas. Coef. Total (R$) Consumo
Unit. (R$)
Cobertura com telha
09.005.000003.SER cerâmica tipo Plan, M²
inclinação 35%
01.001.000008.MOD Ajudante de telhadista H MOD 0,50 4,85 2211,60 456,00
01.029.000001.MOD Telhadista H MOD 0,25 5,90 1345,20 228,00
23.004.000033.MAT Telha Plan Un MAT 28,00 1,68 42806,00 25536,00

Total s/ Taxa
M.O: 3556,80 46362,80
(Unit.) :
Outros: 42806,00 Valor LS: 0,00
Valor BDI: 56%
Valor Total c/
46362,80
Taxa:

10.5 Impermeabilização
88

Código Descrição Un. Clas. Coef. Preço Unit.(R$) Total (R$) Consumo
Impermeabilização de
alvenaria de embasamento
10.001.000002.SER com argamassa de cimento e M²
areia traço 1:3, com aditivo
impermeabilizante, e=2 cm
01.021.000001.MOD Pedreiro H MOD 0,75 5,90 354,00 60,00
01.026.000001.MOD Servente H MOD 0,95 4,85 368,60 76,00
03.001.000008.MAT Areia média lavada M³ MAT 0,0243 99,63 193,67 1,944
04.002.000002.MAT Cimento CP-32 Kg MAT 9,72 0,48 371,69 777,60
Aditivo impermeabilizante e
12.003.000012.MAT plastificante em pó para Kg MAT 0,10 8,97 71,79 8,00
argamassas

Total s/
M.O: 722,60 Taxa 1359,75
(Unit.) :
Outros: 637,15 Valor LS: 0,00
Valor BDI: 56%
Valor
Total c/ 1359,75
Taxa:

Preço
Código Descrição Un. Clas. Coef. Total (R$) Consumo
Unit.(R$)
Impermeabilização de calha, viga-
calha e jardineira com
10.002.000001.SER M²
impermeabilizante estrutural e
proteção mecânica
01.021.000001.MOD Pedreiro H MOD 0,60 5,90 283,20 48,00
03.001.000008.MAT Areia média lavada M³ MAT 0,026 99,63 207,22 2,08
04.002.000002.MAT Cimento CP-32 Kg MAT 5,36 0,48 204,97 428,80
Véu de poliéster (densidade: 75 g/m²
10.001.000036.MAT M² MAT 1,00 4,10 327,80 80,00
/ malha: 2x2 mm)
10.001.000041.MAT Impermeabilizante base acrílica Kg MAT 1,60 7,92 1013,58 128,00
Impermeabilizante estrutural de
10.008.000001.MAT Kg MAT 2,00 2,09 334,77 160,00
base cimentícia
12.022.000001.MAT Emulsão adesiva Kg MAT 0,15 8,17 97,99 12,00

Total s/
M.O: 283,20 Taxa 2469,53
(Unit.) :
Outros: 2186,33 Valor LS: 0,00
Valor
56%
BDI:
Valor
Total c/ 2469,53
Taxa:
89

Código Descrição Un. Clas. Coef. Preço Unit.(R$) Total (R$) Consumo
Impermeabilização de parede
sujeita a umidade de solo
10.008.000021.SER M²
com aditivo hidrófugo e tinta
asfáltica
01.021.000001.MOD Pedreiro H MOD 1,60 5,90 755,20 128,00
01.026.000001.MOD Servente H MOD 0,90 4,85 349,20 72,00
03.001.000008.MAT Areia média lavada M³ MAT 0,0265 99,63 211,21 2,12
04.002.000002.MAT Cimento CP-32 Kg MAT 11,00 0,48 420,64 880,00
10.001.000039.MAT Tinta asfáltica L MAT 0,60 6,65 319,33 48,00
12.003.000008.MAT Aditivo hidrófugo L MAT 0,56 3,61 161,85 44,80
Emulsão adesiva para
12.003.000009.MAT L MAT 0,30 7,47 179,31 24,00
argamassa

Total s/
M.O: 1104,40 Taxa 2396,74
(Unit.) :
Outros: 1292,34 Valor LS: 0,00
Valor BDI: 56%
Valor Total
2396,74
c/ Taxa:

Código Descrição Un. Clas. Coef. Preço Unit.(R$) Total (R$) Consumo
Impermeabilização de piso
10.009.000022.SER sujeito à umidade de terra M²
com aditivo hidrófugo
01.021.000001.MOD Pedreiro H MOD 1,60 5,90 755,20 128,00
01.026.000001.MOD Servente H MOD 0,50 4,85 194,00 40,00
03.001.000008.MAT Areia média lavada M³ MAT 0,0265 99,63 211,21 2,12
04.002.000002.MAT Cimento CP-32 Kg MAT 11,00 0,48 420,64 880,00
12.003.000008.MAT Aditivo hidrófugo L MAT 0,56 3,61 161,85 44,80
Emulsão adesiva para
12.003.000009.MAT L MAT 0,30 7,47 179,31 24,00
argamassa

Total s/
M.O: 949,20 1922,21
Taxa (Unit.):
Outros: 973,01 Valor LS: 0,00
Valor BDI: 56%
Valor Total
1922,21
c/ Taxa:
90

10.5 Isolamento Térmico

Preço
Código Descrição Un. Clas. Coef. Total (R$) Consumo
Unit.(R$)
Isolamento térmico de
parede interna com painel
11.002.000007.SER flexível de fibra de vidro, M²
e=5 cm, fixados com
adesivo hidro asfáltico
01.001.000001.MOD Ajudante H MOD 0,15 4,85 58,20 12,00
01.002.000002.MOD Aplicador de revestimento H MOD 0,15 5,90 70,80 12,00
09.001.000004.MAT Emulsão hidro-asfáltica Kg MAT 0,80 6,18 395,32 64,00
Painel de lã de vidro
11.001.000005.MAT flexível # 5 cm densidade M² MAT 1,02 16,46 1343,14 81,60
20 kg/m³

Total s/
M.O: 129,00 Taxa 1867,46
(Unit.) :
Outros: 1738,46 Valor LS: 0,00
Valor BDI: 56%
Valor
Total c/ 1867,46
Taxa:

Preço Total
Código Descrição Un. Clas. Coef. Consumo
Unit.(R$) (R$)
Porta corta-fogo, de correr,
com trilho, tranca, rolete,
roldana, batedor, contrapeso,
12.004.000003.SER M²
caixa de tela, cabo de aço e
fusível automático, instalada
em viga de concreto
01.007.000001.MOD Carpinteiro H MOD 0,25 5,90 1,48 0,25
Porta corta-
fogo industrial automática, de c 5921,3
01.012.000055.SET M² SET 1,00 5921,33 1,00
orrer, com contrapeso, 3
instalada, área até 2,5 m²
01.021.000001.MOD Pedreiro H MOD 2,00 5,90 11,80 2,00
01.026.000001.MOD Servente H MOD 2,00 4,85 9,70 2,00
03.001.000008.MAT Areia média lavada M³ MAT 0,021 99,63 2,09 0,021
03.002.000011.MAT Brita 1 M³ MAT 0,0226 88,82 2,01 0,0226
04.002.000002.MAT Cimento CP-32 Kg MAT 10,10 0,48 4,83 10,10
08.005.000022.MAT Tábua de cedrinho 3a 1" x 12" M² MAT 0,52 15,10 7,85 0,52
91

Total s/
M.O: 22,98 Taxa 5961,09
(Unit.) :
Outro 5938,1 Valor
0,00
s: 1 LS:
Valor
56%
BDI:
Valor
Total c/ 5961,09
Taxa:

Preço
Código Descrição Un. Clas. Coef. Total (R$) Consumo
Unit.(R$)
Porta de alumínio, de
12.004.000007.SER correr, duas folhas, M²
uma fixa
01.021.000001.MOD Pedreiro H MOD 1,50 5,90 8,85 1,50
01.026.000001.MOD Servente H MOD 2,50 4,85 12,13 2,50
03.001.000008.MAT Areia média lavada M³ MAT 0,0029 99,63 0,29 0,0029
04.002.000002.MAT Cimento CP-32 Kg MAT 1,17 0,48 0,56 1,17
Porta de correr de
alumínio com duas
13.005.000029.MAT M² MAT 1,00 318,06 318,06 1,00
folhas em perfil linha
25

M.O: 20,98 Total s/ Taxa (Unit.) : 339,89


Outros: 318,91 Valor LS: 0,00
Valor BDI: 56%
Valor Total c/ Taxa: 339,89

10.6 Esquadrias

Código Descrição Un. Clas. Coef. Preço Unit.(R$) Total (R$) Consumo
Janela de aço 1,20 x 1,50 m,
padronizada, de correr, com
12.003.000005.SER Un
quatro folhas, sem bandeira,
com vidro liso
01.021.000001.MOD Pedreiro H MOD 1,80 5,90 84,96 14,40
01.026.000001.MOD Servente H MOD 0,825 4,85 32,01 6,60
03.001.000008.MAT Areia média lavada M³ MAT 0,00578 99,63 4,61 0,04624
04.002.000002.MAT Cimento CP-32 Kg MAT 2,33 0,48 8,91 18,64
Janela de correr em chapa de
aço, acabamento pintado, 2
13.002.000008.MAT Un MAT 1,00 456,90 3655,20 8,00
folhas fixas e 2 folhas móveis
com vidro liso 1,50 x 1,20 m
92

Total s/
M.O: 116,97 Taxa 3785,69
(Unit.) :
Outros: 3668,72 Valor LS: 0,00
Valor BDI: 56%
Valor
Total c/ 3785,69
Taxa:

Preço Unit.
Código Descrição Un. Clas. Coef. Total (R$) Consumo
(R$)
Portão de madeira em chapa
02.001.000011.SER compensada para tapume, Un
largura 3 m e altura 2 m
01.001.000003.MOD Ajudante de carpinteiro H MOD 6,00 4,85 29,10 6,00
01.007.000001.MOD Carpinteiro H MOD 6,00 5,90 35,40 6,00
01.026.000001.MOD Servente H MOD 0,80 4,85 3,88 0,80
Chapa de madeira
08.002.000002.MAT compensada resinada 1,10 x M² MAT 1,00 7,52 7,52 1,00
2,20 m # 6 mm
Chapa de madeira
08.002.000003.MAT compensada resinada 1,10 x M² MAT 6,60 10,31 68,05 6,60
2,20 m # 10 mm
Pontalete de cedro 3a 7,5 x
08.005.000003.MAT M MAT 4,00 2,22 8,87 4,00
7,5 cm
08.005.000006.MAT Ripa de peroba 5 x 1 cm M MAT 8,00 2,13 17,05 8,00
Ferragem tipo gonzo para
13.001.000003.MAT Kg MAT 0,50 3,85 1,92 0,50
portão
Trinco deslizante de aço
13.017.000003.MAT Un MAT 1,00 4,00 4,00 1,00
zincado 4" para portão
Dobradiça de aço pino solto
13.017.000004.MAT Un MAT 3,00 8,51 25,52 3,00
para porta 3" x 2 1/2"
13.017.000033.MAT Cadeado em latão 40 mm Un MAT 1,00 12,63 12,63 1,00
Prego com cabeça 18 x 27,
25.007.000009.MAT Kg MAT 1,50 5,41 8,11 1,50
62,1 mm x Ø 3,4 mm

Total s/
M.O: 68,38 Taxa 222,05
(Unit.) :
Outros: 153,67 Valor LS: 0,00
Valor BDI: 56%
Valor
Total c/ 222,05
Taxa:
93

CONTEÚDO DO
Material e mão de obra para portão de tapume, inclusive ferragens e fecho e cadeado.
SERVIÇO
CRITÉRIO DE MEDIÇÃO Unidade construída.

10.7 Sistema Hidráulico

Preço
Código Descrição Un. Clas. Coef. Total (R$) Consumo
Unit.(R$)
Aquecedor de
13.001.000001.SER Un
acumulação, a gás
01.001.000005.MOD Ajudante de encanador H MOD 4,00 4,85 19,40 4,00

01.010.000001.MOD Encanador H MOD 4,00 5,90 23,60 4,00


Aquecedor à gás de
acumulação para
14.004.000024.MAT aquecimento de água Un MAT 1,00 2580,09 2580,09 1,00
vitrificado (capacidade:
150,00 l)

Total s/ Taxa
M.O: 43,00 2623,09
(Unit.):
Outros: 2580,09 Valor LS: 0,00
Valor BDI: 56%
Valor Total c/ Taxa: 2623,09

Preço
Código Descrição Un. Clas. Coef. Total (R$) Consumo
Unit.(R$)
13.007.000002.SER Tubo de CPVC Ø 22 mm M
01.001.000005.MOD Ajudante de encanador H MOD 0,12 4,85 46,56 9,60
01.010.000001.MOD Encanador H MOD 0,12 5,90 56,64 9,60
14.001.000835.MAT Adesivo para CPVC Kg MAT 0,00044 134,40 4,73 0,0352
Tubo CPVC soldável Ø 22
14.001.000872.MAT M MAT 1,01 11,02 890,25 80,80
mm

Total s/ Taxa
M.O: 103,20 998,18
(Unit.):
Outros: 894,98 Valor LS: 0,00
Valor BDI: 56%
Valor Total c/ Taxa: 998,18
94

Preço
Código Descrição Un. Clas. Coef. Total (R$) Consumo
Unit.(R$)
Tubo de cobre, inclusive
13.008.000007.SER conexões, Ø 15 mm M
(1/2")
01.001.000005.MOD Ajudante de encanador H MOD 0,33 4,85 128,04 26,40
01.010.000001.MOD Encanador H MOD 0,33 5,90 155,76 26,40
Pasta para soldar cobre e
14.001.000711.MAT Kg MAT 0,0003 42,33 1,02 0,024
bronze
Tubo de cobre soldável
14.001.000758.MAT M MAT 1,10 9,96 876,90 88,00
Classe E Ø 15 mm
25.012.000003.MAT Estanho 50x50 para solda Kg MAT 0,0021 33,13 5,57 0,168

Total s/ Taxa
M.O: 283,80 1167,29
(Unit.):
Outros: 883,49 Valor LS: 0,00
Valor BDI: 56%
Valor Total c/ Taxa: 1167,29

Preço
Código Descrição Un. Clas. Coef. Total (R$) Consumo
Unit.(R$)
Válvula de descarga
metálica com registro
13.009.000001.SER acoplado e canopla, Ø 32 Un
mm (1 1/4") ou 40 mm (1
1/2")
01.001.000005.MOD Ajudante de encanador H MOD 2,00 4,85 77,60 16,00
01.010.000001.MOD Encanador H MOD 2,00 5,90 94,40 16,00
Tubo de aço galvanizado
14.001.000333.MAT M MAT 0,60 30,35 145,69 4,80
com costura Ø 1 1/2"
Fita de vedação para
tubos e conexões
14.001.000668.MAT M MAT 1,88 0,16 2,39 15,04
roscáveis, rolo de 50 m x
18 mm
Válvula de descarga com
14.006.000021.MAT Un MAT 1,00 138,16 1105,25 8,00
registro interno Ø 1 1/2"

Total s/ Taxa
M.O: 172,00 1425,33
(Unit.):
Outros: 1253,33 Valor LS: 0,00
Valor BDI: 56%
Valor Total c/ Taxa: 1425,33

10.8 Sistemas Sanitários


95

Preço
Código Descrição Un. Clas. Coef. Total (R$) Consumo
Unit.(R$)
Caixa de areia 50 x 50 cm
14.001.000004.SER em alvenaria para águas Un
pluviais.
01.001.000002.MOD Ajudante de armador H MOD 0,38 4,85 1,84 0,38
01.001.000003.MOD Ajudante de carpinteiro H MOD 0,62 4,85 3,01 0,62
01.007.000001.MOD Carpinteiro H MOD 0,62 5,90 3,66 0,62
01.011.000001.MOD Armador H MOD 0,38 5,90 2,24 0,38
01.021.000001.MOD Pedreiro H MOD 3,61 5,90 21,30 3,61
01.026.000001.MOD Servente H MOD 7,23 4,85 35,07 7,23
03.001.000004.MAT Areia grossa lavada M³ MAT 0,972 102,40 99,54 0,972
03.002.000014.MAT Brita 2 M³ MAT 0,042 92,00 3,86 0,042
04.001.000001.MAT Cal hidratada CH III Kg MAT 4,63 0,43 1,99 4,63
04.002.000002.MAT Cimento CP-32 Kg MAT 31,84 0,48 15,22 31,84
Tijolo cerâmico comum
05.004.000006.MAT para alvenaria 6 x 9 x 19 Un MAT 70,00 0,27 19,05 70,00
cm
Aço CA-60 Ø 4,20 mm,
07.007.000016.MAT em barra, massa nominal Kg MAT 0,71 3,63 2,58 0,71
0,109 kg/m
Arame recozido 18 BWG,
07.009.000007.MAT Kg MAT 0,0124 6,37 0,08 0,0124
Ø 1,25 mm, 0,010 kg/m
08.005.000016.MAT Tábua de pinus 1" x 12" M² MAT 0,39 14,74 5,75 0,39
Aditivo
impermeabilizante e
12.003.000012.MAT Kg MAT 0,464 8,97 4,16 0,464
plastificante em pó para
argamassas
Prego com cabeça 18 x
25.007.000009.MAT Kg MAT 0,096 5,41 0,52 0,096
27, 62,1 mm x Ø 3,4 mm

Total s/ Taxa
M.O: 67,12 219,87
(Unit.):
Outros: 152,75 Valor LS: 0,00
Valor BDI: 56%
Valor Total c/ Taxa: 219,87

Preço
Código Descrição Un. Clas. Coef. Total (R$) Consumo
Unit.(R$)
Curva cerâmica 90°, Ø
14.002.000001.SER Un
100 mm (4")
01.001.000005.MOD Ajudante de encanador H MOD 0,41 4,85 1,99 0,41
01.010.000001.MOD Encanador H MOD 0,41 5,90 2,42 0,41
Asfalto para vedação de
09.004.000002.MAT Kg MAT 1,80 4,76 8,56 1,80
encanamentos
Curva 90º cerâmica curta
14.001.001072.MAT Un MAT 1,00 10,83 10,83 1,00
PB para esgoto Ø 100 mm
96

Estopa alcatroada para


14.001.001077.MAT Kg MAT 0,13 6,80 0,88 0,13
vedação tubos cerâmicos

Total s/ Taxa
M.O: 4,41 24,68
(Unit.):
Outros: 20,27 Valor LS: 0,00
Valor BDI: 56%
Valor Total c/ Taxa: 24,68

Preço
Código Descrição Un. Clas. Coef. Total (R$) Consumo
Unit.(R$)
Ponto de esgoto
primário, com tubo de
14.003.000001.SER Un
PVC branco e conexões,
Ø 100 mm
01.001.000005.MOD Ajudante de encanador H MOD 3,50 4,85 135,80 28,00
01.010.000001.MOD Encanador H MOD 3,50 5,90 165,20 28,00
Joelho 90º PVC PBV para
14.001.000947.MAT Un MAT 2,00 4,60 73,60 16,00
esgoto Ø 100 mm
Junção 45º PVC PBV para
14.001.000955.MAT esgoto com redução Ø Un MAT 1,00 13,52 108,14 8,00
100 mm x 75 mm
Tê 90º PVC PBV para
14.001.000987.MAT Un MAT 1,00 8,12 64,96 8,00
esgoto Ø 100 mm
Tubo PVC PBV para
14.001.000991.MAT M MAT 6,00 8,04 386,08 48,00
esgoto Ø 100 mm

Total s/ Taxa
M.O: 301,00 933,78
(Unit.):
Outros: 632,78 Valor LS: 0,00
Valor BDI: 56%
Valor Total c/ Taxa: 933,78

Preço
Código Descrição Un. Clas. Coef. Total (R$) Consumo
Unit.(R$)
Tubo cerâmico Ø 100
14.004.000001.SER M
mm (4")
Ajudante de
01.001.000005.MOD H MOD 0,32 4,85 124,16 25,60
encanador
01.010.000001.MOD Encanador H MOD 0,32 5,90 151,04 25,60
Asfalto para vedação
09.004.000002.MAT Kg MAT 0,90 4,76 342,49 72,00
de encanamentos
Estopa alcatroada para
14.001.001077.MAT vedação tubos Kg MAT 0,06 6,80 32,64 4,80
cerâmicos
97

Tubo cerâmico para


14.001.001088.MAT M MAT 1,01 10,34 835,07 80,80
esgoto Ø 100 mm

Total s/ Taxa
M.O: 275,20 1485,40
(Unit.):
Outros: 1210,20 Valor LS: 0,00
Valor BDI: 56%
Valor Total c/ Taxa: 1485,40

Considera material e mão de obra para execução do serviço. Não inclui conexões. Os tubos
CONTEÚDO DO cerâmicos são fabricados em comprimentos variáveis: 0,60; 0,80; 1,0; 1,5 e 2,0 m, em função
SERVIÇO do diâmetro. O assentamento de tubos cerâmicos compreende cortes, junção da tubulação e
perdas.
CRITÉRIO DE MEDIÇÃO Pelo comprimento de tubulação instalado.

10.9 Sistema Combate a Incêndio

Preço
ódigo Descrição Un. Clas. Coef. Total (R$) Consumo
Unit.(R$)
Central de alarme de
5.001.000002.SER Un
incêndio para 24 pontos
1.001.000004.MOD Ajudante de eletricista H MOD 2,00 4,85 77,60 16,00
1.009.000001.MOD Eletricista H MOD 2,00 5,90 94,40 16,00
Central de alarme de incêndio
6.001.000035.MAT 24 pontos tensão de saída 24 Un MAT 1,00 413,50 3308,00 8,00
V CC

Total s/ Taxa
M.O: 172,00 3480,00
(Unit.):
Outros: 3308,00 Valor LS: 0,00
Valor BDI: 56%
Valor Total c/ Taxa: 3480,00

Preço
ódigo Descrição Un. Clas. Coef. Total (R$) Consumo
Unit.(R$)
Abrigo para hidrante em
chapa de aço carbono, com
5.002.000001.SER Un
mangueira de Ø 65 mm (2
1/2") x 15 m
1.001.000005.MOD Ajudante de encanador H MOD 4,65 4,85 1804,20 372,00
1.010.000001.MOD Encanador H MOD 4,65 5,90 2194,80 372,00
Mangueira contra incêndio
1.055.000003.MAT com união e engate rápido Ø Un MAT 1,00 340,54 27243,20 80,00
2 1/2" compr. 15 m
98

Fita de vedação para tubos e


4.001.000668.MAT conexões roscáveis, rolo de M MAT 1,41 0,16 17,94 112,80
50 m x 18 mm
Adaptador em latão para
4.005.000006.MAT mangueira de incêndio Ø 2 Un MAT 1,00 41,14 3290,93 80,00
1/2"
Esguicho com engate rápido
4.005.000007.MAT para mangueira de incêndio Un MAT 1,00 129,45 10356,00 80,00
Ø 2 1/2" x Ø 5/8"
Chave de engate rápido para
4.005.000008.MAT conexões tipo stortz Ø 1 1/2" Un MAT 1,00 10,54 842,88 80,00
e Ø 2 1/2"
Abrigo de hidrante externo
em chapa de aço carbono,
4.005.000009.MAT Un MAT 1,00 181,93 14554,20 80,00
profundidade 17 cm, largura
60 cm, altura 90 cm
Registro globo angular 45º
4.005.000010.MAT Un MAT 1,00 93,17 7453,80 80,00
para hidrante Ø 2 1/2"
Tampão cego de latão com
4.005.000011.MAT corrente para hidrante Ø 2 Un MAT 1,00 46,98 3758,00 80,00
1/2"

Total s/ Taxa
M.O: 3999,00 71515,95
(Unit.):
Outros: 67516,95 Valor LS: 0,00
Valor BDI: 56%
Valor Total c/ Taxa: 71515,95

Preço
ódigo Descrição Un. Clas. Coef. Total (R$) Consumo
Unit.(R$)
Extintor de gás carbônico,
5.003.000001.SER Un
capacidade 6 kg
1.021.000001.MOD Pedreiro H MOD 0,40 5,90 18,88 3,20
1.026.000001.MOD Servente H MOD 0,40 4,85 15,52 3,20
Extintor de incêndio com
4.005.000001.MAT Un MAT 1,00 330,45 2643,62 8,00
carga CO2, 6 kg
Bucha de nylon Ø 8 mm com
parafuso auto-atarraxante
5.011.000002.MAT Un MAT 2,00 0,16 2,60 16,00
cabeça panela fenda simples
Ø 4,8 mm x 50 mm

Total s/ Taxa
M.O: 34,40 2680,62
(Unit.):
Outros: 2646,22 Valor LS: 0,00
Valor BDI: 56%
Valor Total c/ Taxa: 2680,62
99

Preço
ódigo Descrição Un. Clas. Coef. Total (R$) Consumo
Unit.(R$)
Extintor de água
5.003.000002.SER pressurizada, capacidade 10 Un
litros
1.021.000001.MOD Pedreiro H MOD 0,50 5,90 23,60 4,00
1.026.000001.MOD Servente H MOD 0,50 4,85 19,40 4,00
Extintor de incêndio com
4.005.000002.MAT Un MAT 1,00 140,00 1120,00 8,00
água pressurizada, 10 litros
Bucha de nylon Ø 8 mm com
parafuso auto-atarraxante
5.011.000002.MAT Un MAT 2,00 0,16 2,60 16,00
cabeça panela fenda simples
Ø 4,8 mm x 50 mm

Total s/ Taxa
M.O: 43,00 1165,60
(Unit.):
Outros: 1122,60 Valor LS: 0,00
Valor BDI: 56%
Valor Total c/ Taxa: 1165,60

Preço
ódigo Descrição Un. Clas. Coef. Total (R$) Consumo
Unit.(R$)
Extintor de pó químico
5.003.000004.SER pressurizado, capacidade 8 Un
kg
1.021.000001.MOD Pedreiro H MOD 0,40 5,90 18,88 3,20
1.026.000001.MOD Servente H MOD 0,40 4,85 15,52 3,20
Extintor de incêndio com
4.005.000004.MAT carga de pó químico seco, 8 Un MAT 1,00 117,63 941,05 8,00
kg
Bucha de nylon Ø 8 mm com
parafuso auto-atarraxante
5.011.000002.MAT Un MAT 2,00 0,16 2,60 16,00
cabeça panela fenda simples
Ø 4,8 mm x 50 mm

Total s/ Taxa
M.O: 34,40 978,05
(Unit.):
Outros: 943,65 Valor LS: 0,00
Valor BDI: 56%
Valor Total c/ Taxa: 978,05

Preço
ódigo Descrição Un. Clas. Coef. Total (R$) Consumo
Unit.(R$)
Hidrante com registro globo
5.004.000002.SER angular 45°, Ø 65 mm (2 Un
1/2")
100

1.001.000005.MOD Ajudante de encanador H MOD 1,15 4,85 44,62 9,20


1.010.000001.MOD Encanador H MOD 1,15 5,90 54,28 9,20
Fita de vedação para tubos e
4.001.000668.MAT conexões roscáveis, rolo de M MAT 1,41 0,16 1,79 11,28
50 m x 18 mm
Adaptador em latão para
4.005.000006.MAT mangueira de incêndio Ø 2 Un MAT 1,00 41,14 329,09 8,00
1/2"
Registro globo angular 45º
4.005.000010.MAT Un MAT 1,00 93,17 745,38 8,00
para hidrante Ø 2 1/2"
Tampão cego de latão com
4.005.000011.MAT corrente para hidrante Ø 2 Un MAT 1,00 46,98 375,80 8,00
1/2"

Total s/ Taxa
M.O: 98,90 1550,96
(Unit.):
Outros: 1452,06 Valor LS: 0,00
Valor BDI: 56%
Valor Total c/ Taxa: 1550,96

Preço
igo Descrição Un. Clas. Coef. Total (R$) Consumo
Unit.(R$)
Registro de recalque no
005.000003.SER Un
passeio, Ø 65 mm (2 1/2")
001.000005.MOD Ajudante de encanador H MOD 1,15 4,85 44,62 9,20
010.000001.MOD Encanador H MOD 1,15 5,90 54,28 9,20
021.000001.MOD Pedreiro H MOD 3,00 5,90 141,60 24,00
026.000001.MOD Servente H MOD 5,20 4,85 201,76 41,60
001.000008.MAT Areia média lavada M³ MAT 0,08 99,63 63,76 0,64
002.000011.MAT Brita 1 M³ MAT 0,0211 88,82 14,99 0,1688
001.000001.MAT Cal hidratada CH III Kg MAT 4,91 0,43 16,89 39,28
002.000002.MAT Cimento CP-32 Kg MAT 22,30 0,48 85,28 178,40
Tijolo cerâmico comum para
004.000006.MAT Un MAT 90,00 0,27 195,91 720,00
alvenaria 6 x 9 x 19 cm
Fita de vedação para tubos e
001.000668.MAT conexões roscáveis, rolo de M MAT 1,41 0,16 1,79 11,28
50 m x 18 mm
Adaptador em latão para
005.000006.MAT mangueira de incêndio Ø 2 Un MAT 1,00 41,14 329,09 8,00
1/2"
Registro globo angular 45º
005.000010.MAT Un MAT 1,00 93,17 745,38 8,00
para hidrante Ø 2 1/2"
Tampão cego de latão com
005.000011.MAT corrente para hidrante Ø 2 Un MAT 1,00 46,98 375,80 8,00
1/2"
101

Tampa de ferro-fundido com


017.000004.MAT identificação de combate à Un MAT 1,00 245,67 1965,36 8,00
incêndio 0,60 x 0,40 m

Total s/ Taxa
M.O: 442,26 4236,51
(Unit.):
Outros: 3794,25 Valor LS: 0,00
Valor BDI: 56%
Valor Total c/ Taxa: 4236,51

10.10 Sistemas Elétricos

Preço
Código Descrição Un. Clas. Coef. Total (R$) Consumo
Unit.(R$)
Entrada de energia em poste
particular da edificação com
16.001.000011.SER Un
potência instalada de 20 a 25
KW
01.001.000004.MOD Ajudante de eletricista H MOD 15,00 4,85 582,00 120,00
01.009.000001.MOD Eletricista H MOD 15,00 5,90 708,00 120,00
Poste de concreto tronco-
06.001.000030.MAT Un MAT 1,00 431,50 3452,00 8,00
cônico Ø 32 cm x 8 m
Conjunto de cabeçote de
16.001.000032.MAT plástico para entrada de Un MAT 1,00 3,90 31,20 8,00
telefone em poste
Alça com isolador de porcelana
16.004.000088.MAT Un MAT 1,00 1,40 11,20 8,00
padrão TELESP
Armação secundária com 3
16.004.000089.MAT Un MAT 1,00 31,46 251,64 8,00
isoladores
Cabo semi-rígido isolado em
16.006.000069.MAT M MAT 20,00 10,40 1663,98 160,00
PVC 35 mm² 450 a 750 V
Curva 90° de aço galvanizada a
16.011.000014.MAT Un MAT 1,00 2,90 23,20 8,00
fogo para Eletroduto Ø 3/4"
Curva 90° de aço galvanizada a
16.011.000043.MAT Un MAT 2,00 19,87 317,93 16,00
fogo para Eletroduto Ø 2"
Eletroduto de aço com costura
16.012.000015.MAT M MAT 5,00 23,97 958,84 40,00
galvanizado a fogo Ø 2"
Eletroduto de aço com costura
16.012.000030.MAT M MAT 5,00 10,00 400,00 40,00
galvanizado a fogo Ø 3/4"
Fita de aço perfurada chapa #
25.021.000005.MAT Un MAT 2,00 15,75 252,00 16,00
14 3 m x 38 mm para poste

M.O: 1290,00 Total s/ Taxa (Unit.): 8651,99


Outros: 7361,99 Valor LS: 0,00
Valor BDI: 56%
102

Valor Total c/ Taxa: 8651,99

Preço
Código Descrição Un. Clas. Coef. Total (R$) Consumo
Unit.(R$)
Cabo isolado em PVC seção 25
16.006.000007.SER M
mm² - 750 V - 70°C - flexível
01.001.000004.MOD Ajudante de eletricista H MOD 0,17 4,85 65,96 13,60
01.009.000001.MOD Eletricista H MOD 0,17 5,90 80,24 13,60
Cabo flexível isolado em PVC
16.006.000008.MAT M MAT 1,02 7,47 609,27 81,60
25 mm² 450 a 750 V

M.O: 146,20 Total s/ Taxa (Unit.): 755,47


Outros: 609,27 Valor LS: 0,00
Valor BDI: 56%
Valor Total c/ Taxa: 755,47

Preço
Código Descrição Un. Clas. Coef. Total (R$) Consumo
Unit.(R$)
Interruptor, uma tecla simples
16.007.000002.SER e duas teclas paralelo 10 A - Un
250 V
01.001.000004.MOD Ajudante de eletricista H MOD 0,69 4,85 26,77 5,52
01.009.000001.MOD Eletricista H MOD 0,69 5,90 32,57 5,52
Interruptor de embutir 1 tecla
16.035.000017.MAT simples 2 paralelos (corrente Un MAT 1,00 18,26 146,12 8,00
elétrica: 10 A / tensão: 250 V)

M.O: 59,34 Total s/ Taxa (Unit.): 205,46


Outros: 146,12 Valor LS: 0,00
Valor BDI: 56%
Valor Total c/ Taxa: 205,46

Preço
Código Descrição Un. Clas. Coef. Total (R$) Consumo
Unit.(R$)
Luminária fluorescente
completa para forro metálico
16.008.000002.SER Cj
com uma lâmpada de 40 W,
sistema interlocking
01.001.000004.MOD Ajudante de eletricista H MOD 1,10 4,85 426,80 88,00
103

01.009.000001.MOD Eletricista H MOD 1,10 5,90 519,20 88,00


Luminária interna para forro
de alumínio interlocking HD2
16.037.000005.MAT 100 com aleta com 1 lâmpada Un MAT 1,00 109,00 8720,00 80,00
para lâmpada fluorescente
tubular (potência: 40 W)
Lâmpada fluorescente tubular
16.037.000019.MAT Un MAT 1,00 3,31 264,64 80,00
40 W
Reator de partida rápida com
16.037.000029.MAT baixo fator de potência para 1 Un MAT 1,00 16,79 1343,50 80,00
lâmpada 40 W
Soquete simples em
16.037.000032.MAT termoplástico para lâmpada Un MAT 2,00 1,02 163,73 160,00
fluorescente

M.O: 946,00 Total s/ Taxa (Unit.): 11437,87


Outros: 10491,87 Valor LS: 0,00
Valor BDI: 56%
Valor Total c/ Taxa: 11437,87

Preço
Código Descrição Un. Clas. Coef. Total (R$) Consumo
Unit.(R$)
Quadro de distribuição de luz
em chapa de aço de embutir,
16.009.000001.SER até 28 divisões modulares, Un
dimensões externas 522 x 360
x 100 mm
01.001.000004.MOD Ajudante de eletricista H MOD 3,00 4,85 116,40 24,00
01.009.000001.MOD Eletricista H MOD 3,00 5,90 141,60 24,00
Barramento neutro para
16.004.000086.MAT Un MAT 1,00 8,02 64,17 8,00
quadro de luz padrão europeu
Barramento principal para
16.004.000090.MAT Un MAT 1,00 60,74 485,88 8,00
quadro de luz padrão europeu
Barramento terra para quadro
16.004.000092.MAT Un MAT 1,00 8,42 67,33 8,00
de luz padrão europeu
Quadro em chapa de aço de
distribuição de luz de embutir
para 28 disjuntores padrão
16.015.000023.MAT Un MAT 1,00 198,16 1585,28 8,00
europeu (comprimento: 522
mm / largura: 360 mm /
profundidade: 100 mm)

M.O: 258,00 Total s/ Taxa (Unit.): 2460,66


Outros: 2202,66 Valor LS: 0,00
Valor BDI: 56%
Valor Total c/ Taxa: 2460,66
104

Preço
Código Descrição Un. Clas. Coef. Total (R$) Consumo
Unit.(R$)
Caixa de ligação estampada
16.003.000002.SER em chapa de aço, quadrada, Un
dimensões 4 x 4"
01.001.000004.MOD Ajudante de eletricista H MOD 0,15 4,85 58,20 12,00
01.009.000001.MOD Eletricista H MOD 0,15 5,90 70,80 12,00
Caixa 4" x 4" em chapa de aço
16.015.000012.MAT esmaltado estampada em Un MAT 1,00 2,77 221,33 80,00
chapa # 18

M.O: 129,00 Total s/ Taxa (Unit.): 350,33


Outros: 221,33 Valor LS: 0,00
Valor BDI: 56%
Valor Total c/ Taxa: 350,33

10.11 Piso

Preço
Código Descrição Un. Clas. Coef. Total (R$) Consumo
Unit.(R$)
Piso cerâmico esmaltado assentado
com argamassa mista de cimento, cal
22.003.000002.SER hidratada e areia sem peneirar traço M²
1:0,5:5; dimensão: 30 x 30 cm /
espessura: 2,5 cm
01.003.000001.MOD Azulejista H MOD 0,40 5,90 6456,96 1094,40

01.026.000001.MOD Servente H MOD 0,15 4,85 1990,44 410,40

04.002.000002.MAT Cimento CP-32 Kg MAT 1,30 0,48 1700,15 3556,80


Argamassa mista de cimento, cal
06.003.000064.SER hidratada e areia sem peneirar traço M³ SER 0,025 341,01 23324,98 68,40
1:0,5:5
Placa cerâmica esmaltada 30 x 30 cm x
18.006.000009.MAT M² MAT 1,10 23,61 71053,65 3009,60
8 mm resistência a abrasão 3

Total s/
M.O: 8448,61 Taxa 104526,18
(Unit.) :
Outros: 96077,57 Valor LS: 0,00
Valor BDI: 56%
Valor Total
104526,18
c/ Taxa:
105

10.12 Revestimento Primário

Preço
Código Descrição Un. Clas. Coef. Total (R$) Consumo
Unit.(R$)
Chapisco para parede interna com
argamassa de cimento e areia sem
20.001.000005.SER M²
peneirar traço 1:3, e = 5 mm - com
mão de obra empreitada
Chapisco em parede interna, mão de
03.015.000002.MOE M² MOE 1,00 3,40 272,00 80,00
obra para execução
Argamassa de cimento e areia sem
06.003.000027.SER M³ SER 0,005 402,35 160,94 0,40
peneirar traço 1:3

Total s/ Taxa
M.O: 0,24 432,94
(Unit.) :
Outros: 432,70 Valor LS: 0,00
Valor BDI: 56%
Valor Total c/
432,94
Taxa:

Preço
Código Descrição Un. Clas. Coef. Total (R$) Consumo
Unit.(R$)
Reboco para parede interna ou
externa, com argamassa pré-
20.004.000001.SER fabricada, base para epóxi, borracha M²
clorada, massa corrida acrílica e
colagem de laminados e=5 mm
01.021.000001.MOD Pedreiro H MOD 0,50 5,90 236,00 40,00
01.026.000001.MOD Servente H MOD 0,50 4,85 194,00 40,00
Argamassa pré-fabricada para
04.004.000030.MAT Kg MAT 7,50 1,09 652,14 600,00
revestimento interno e externo
Misturador de argamassa, elétrico, H
36.003.000021.EQH EQH 0,0017 6,87 0,93 0,136
potência 3 hp 2,2 KW, 3,5 m³/h Prod

Total s/
M.O: 430,01 1083,07
Taxa (Unit.):
Outros: 653,06 Valor LS: 0,00
Valor BDI: 56%
Valor Total
1083,07
c/ Taxa:
106

10.13 Pinturas

Preço
Código Descrição Un. Clas. Coef. Total (R$) Consumo
Unit.(R$)
Pintura com tinta látex acrílico
em parede externa com duas
24.003.000002.SER M²
demãos, sem massa corrida -
com mão de obra empreitada
Pintura em tinta látex em duas
03.009.000002.MOE demãos, mão de obra para M² MOE 1,00 16,50 1320,00 80,00
execução
Líquido preparador de superfícies
21.001.000023.MAT L MAT 0,12 9,86 94,62 9,60
lata com 18 litros
21.001.000032.MAT Aguarrás mineral L MAT 0,05 7,89 31,55 4,00
21.004.000003.MAT Tinta látex acrílica fosca L MAT 0,17 12,59 171,18 13,60
Lixa grana 100 para superfície
21.006.000005.MAT Un MAT 0,25 1,05 21,00 20,00
madeira/massa

Total s/ Taxa
M.O: 0,00 1638,35
(Unit.):
Outros: 1638,35 Valor LS: 0,00
Valor BDI: 56%
Valor Total c/ Taxa: 1638,35

10.14 Sistemas de Segurança

Preço
Código Descrição Un. Clas. Coef. Total (R$) Consumo
Unit.(R$)
Sirene eletromecânica,
28.001.000001.SER Un
alcance 2000 m
01.001.000004.MOD Ajudante de eletricista H MOD 0,61 4,85 23,67 4,88
01.009.000001.MOD Eletricista H MOD 0,61 5,90 28,79 4,88

Sirene eletromecânica rotativa


16.001.000034.MAT Un MAT 1,00 476,20 3809,60 8,00
110 V / alcance 2000 m

Total s/ Taxa
M.O: 52,46 3862,06
(Unit.) :
Outros: 3809,60 Valor LS: 0,00
Valor BDI: 56%
Valor Total
3862,06
c/ Taxa:
107

Preço
Código Descrição Un. Clas. Coef. Total (R$) Consumo
Unit.(R$)
Suporte metálico para
28.002.000004.SER Un
TV / DVD, 14" a 21"
01.007.000001.MOD Carpinteiro H MOD 0,25 5,90 11,80 2,00
01.026.000001.MOD Servente H MOD 0,25 4,85 9,70 2,00

Suporte em aço carbono


com pintura epóxi preto
16.002.000015.MAT Un MAT 1,00 41,37 330,99 8,00
para TV/DVD 14" a 21"
inclinação vertical 15°

Total s/ Taxa
M.O: 21,50 352,49
(Unit.) :
Outros: 330,99 Valor LS: 0,00
Valor BDI: 56%
Valor Total
352,49
c/ Taxa:

10.15 Urbanização

Preço
Código Descrição Un. Clas. Coef. Total (R$) Consumo
Unit.(R$)
Árvore ornamental flamboyant com
30.004.000051.SER altura 1,5 a 2 m; em cava de 80 x 80 x Un
80 cm

01.014.000001.MOD Jardineiro H MOD 0,23 3,64 18,42 5,06

01.026.000001.MOD Servente H MOD 1,18 4,85 125,91 25,96


03.001.000008.MAT Areia média lavada M³ MAT 0,0064 99,63 14,03 0,1408
03.002.000012.MAT Calcário dolomítico Kg MAT 0,80 0,23 4,09 17,60
24.001.000005.MAT Terra vegetal preta M³ MAT 0,205 71,67 323,22 4,51
Adubo mineral NPK com formulação 10
24.001.000006.MAT Kg MAT 0,80 2,01 35,29 17,60
- 10 - 10
24.001.000007.MAT Adubo orgânico curtido - esterco M³ MAT 0,05 122,50 134,75 1,10
Árvore ornamental flamboyant,
24.001.000054.MAT Un MAT 1,00 23,75 522,50 22,00
DELONIX REGIA, altura 1,5 a 2 m
24.001.000075.MAT Fosfato de rochas Kg MAT 0,80 0,13 2,29 17,60

Total s/
M.O: 144,33 Taxa 1180,50
(Unit.) :
Outros: 1036,17 Valor LS: 0,00
108

Valor BDI: 56%


Valor
Total c/ 1180,50
Taxa:

CONTEÚDO DO SERVIÇO Considera material e mão de obra para execução do serviço descrito.
CRITÉRIO DE MEDIÇÃO Por unidade plantada.
109

11.Memória de Cálculo

Área Total do Terreno = 4716 m²

11.1 Taxa de Ocupação

Área Total do Terreno x Porcentagem Estipulada na Tabela

4716 x 0,70 = 3301,20 m²

11.2 Taxa de Permeabilidade

Área Total do Terreno x Porcentagem Estipulada na Tabela

4716 x 0,25 = 1179 m²

11.3 Cobertura Vegetal

Taxa de Permeabilidade x Porcentagem Estipulada na Tabela

1179 x 0,5 = 589,50 m²

11.4 Área de Drenagem

Taxa de Permeabilidade x Porcentagem Estipulada na Tabela

1179 x 0,5 = 589,50 m²

11.5 Área da Base de cada Prédio

Largura x Comprimento

7,73 x 14,84 = 114,71


110

11.6 Área Construída de cada Prédio

Área da Base de casa Prédio x Número de Pavimentos

114,71 x 4 = 458,84 m²

11.7 Área Total Construída

Área Construída de cada Prédio x Número de Prédios

458,84 x 8 = 3670,72 m²

11.8 Coeficiente de Aproveitamento

Área Total Construída / 2

3670,72
2
= 1835,36 m²

11.9 Área da Base de todos os Prédios

Área da Base de casa Prédio x Número de Prédios

114,71 x 8 = 917,68 m²

11.10 Área que sobra do Terreno

Área do Terreno – Área da base – Taxa de Permeabilidade

4716 – 917,68 – 1179 = 2619,32 m²

11.11 Volume de Material Gerado na Terraplenagem

Vm = Vc – Va
111

Vm = 10.908,05 – 474,09

Vm = 10.433,96 m³

• Volume do material (Vm)


• Volume de Corte (Vc)
• Volume de aterro (Va)

11.12 Calculo de Movimentação do Solo.

➢ Corte (Vc)

Vc = Área do Terreno onde será realizado o Corte

Vc = 78,53 x 79,80

Vc = 10.908,05 m³

➢ Aterro (Va)

Va = Área do Terreno onde será realizado o Aterro

Va = 4,76 x 99,60

Va = 474,09 m³
112

12. Custos (Unitário, Direto, Indireto), cotação e preço de venda.

Custo se refere ao sacrifício total ou parcial de um recurso no decurso de uma atividade económica.
Este conceito difere de pagamento ou despesa, uma vez que se refere à utilização de um fator de
produção.

O BDI (ou Benefícios e Despesas Indiretas) é um índice que ajuda a compor orçamentos melhores,
chegando em um preço de venda adequado para cada obra.

É um elemento orçamentário que ajuda a compor o preço de venda adequado levando em conta os
custos indiretos (os não relacionados a materiais, mão-de-obra, etc.).

Cada obra ou serviço deve ter um BDI próprio, pois as condições de cálculo e o preço de venda são
específicos para cada caso.

Nos orçamentos, dois componentes determinam o preço final de um serviço: os Custos Diretos e o
BDI (Benefícios e Despesas Indiretas).

Custos diretos são aqueles que ocorrem especificamente por causa da execução do serviço objeto
do orçamento em análise. Portanto, todos os insumos incluídos em uma composição de custo unitário
de serviço são considerados custos diretos.

Custos indiretos são os que não são incorporados ao produto final, mas contribuem para a formação
do custo total:

• Administração Central da Empresa.


• Custo Financeiro do Contrato.
• Seguros.
• Garantia.
• Tributos sobre a Receita.

Chamamos custo unitário o conjunto de custos (fixos, variáveis, reais, atribuídos, específicos e não
específicos) a ser imputados a uma atividade por cada unidade de fator de produção utilizada ou de
produto produzido. O cálculo de custos unitários poderá não ser tão direto como o cálculo do custo
médio a partir dos preços de compra em determinadas ocasiões.

Os cálculos dos custos, dos impostos e do BDI foram feitos diretamente na tabela a seguir.
113
114

13. Curva S

São comumente chamadas de Curva S do projeto. Os gráficos para acompanhamento de valores


financeiros, percentuais de avanço em projetos, medições físicas de progresso e tantas outras que
fazem uma relação entre o “Planejado x Realizado” e trabalham com valores acumulados em projetos.

Consta nos Anexos a Planilha da Curva S.


CRONOGRAMA FINANCEIRO
MESES
DISCRIÇÃO DOS SERVIÇOS TOTAL %
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12
R$ 33.254,64 R$ 24.940,98 R$ 24.940,98
Serviçoes iniciais R$ 83.136,60 20,78%
40% 30% 30%
R$ 31.505,66 R$ 23.629,25 R$ 23.629,25
Infraestutura R$ 78.764,16 19,68%
40% 30% 30%
R$ 6.634,33 R$ 6.634,33
Alvenaria R$ 13.268,67 3,32%
50% 50%
R$ 5.523,53 R$ 5.523,53 R$ 11.047,07
Cobertura R$ 22.094,13 5,52%
25% 25% 50%
R$ 1.017,77 R$ 1.017,77 R$ 508,88 R$ 2.544,42
Impermeabilização R$ 5.088,83 1,27%
20% 20% 10% 50%
R$ 1.599,10 R$ 1.599,10 R$ 1.599,10 R$ 1.599,10 R$ 1.599,10
Isolamento Térmico R$ 7.995,48 2,00%
20% 20% 20% 20% 20%
R$ 1.146,72 R$ 764,48 R$ 382,24 R$ 764,48 R$ 764,48
Esquadrias R$ 3.822,39 0,96%
30% 20% 10% 20% 20%
R$ 461,19 R$ 461,19 R$ 461,19 R$ 461,19 R$ 461,19 R$ 461,19
Sistema Hifráulicos R$ 4.611,89 1,15%
10% 10% 10% 10% 10% 10%
Sistemas Sanitários R$ 2.016,00 0,50%

Sistema combate a incendio R$ 70.783,73 17,69%

R$ 2.103,32 R$ 2.103,32
Sistemas Eletricos R$ 21.033,24 5,26%
10% 10%
Piso R$ 80.526,18 20,12%

Revestimento Preimarios. R$ 1.085,76 0,27%

Pinturas R$ 1.638,35 0,41%

Sistemas de Segurança R$ 3.100,59 0,77%

Urbanização R$ 1.180,50 0,30%

R$ 400.146,50
TOTAL PARC. R$ 33.254,64 R$ 25.958,75 R$ 57.464,41 R$ 24.138,13 R$ 39.930,62 R$ 13.756,96 R$ 13.107,35 R$ 3.207,00 R$ 2.824,76 R$ 843,43 R$ 3.328,99 R$ 3.328,99

ACUM. R$ 33.254,64 R$ 59.213,39 R$ 116.677,80 R$ 140.815,93 R$ 180.746,55 R$ 194.503,51 R$ 207.610,86 R$ 210.817,87 R$ 213.642,63 R$ 214.486,06 R$ 217.815,05 R$ 221.144,04
115
CRONOGRAMA FINANCEIRO

MESES
DISCRIÇÃO DOS SERVIÇOS TOTAL %
13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24
Serviçoes iniciais R$ 83.136,60 20,78%

Infraestutura R$ 78.764,16 19,68%

Alvenaria R$ 13.268,67 3,32%

Cobertura R$ 22.094,13 5,52%

Impermeabilização R$ 5.088,83 1,27%

Isolamento Térmico R$ 7.995,48 2,00%

Esquadrias R$ 3.822,39 0,96%

R$ 461,19 R$ 461,19 R$ 461,19 R$ 461,19


Sistema Hifráulicos R$ 4.611,89 1,15%
10% 10% 10% 10%
R$ 604,80 R$ 403,20 R$ 1.008,00
Sistemas Sanitários R$ 2.016,00 0,50%
30% 20% 50%
R$ 14.156,75 R$ 14.156,75 R$ 14.156,75 R$ 14.156,75 R$ 14.156,75
Sistema combate a incendio R$ 70.783,73 17,69%
20% 20% 20% 20% 20%
R$ 2.103,32 R$ 2.103,32 R$ 2.103,32 R$ 2.103,32 R$ 2.103,32 R$ 2.103,32 R$ 2.103,32 R$ 2.103,32
Sistemas Eletricos R$ 21.033,24 5,26%
10% 10% 10% 10% 10% 10% 10% 10%
R$ 32.210,47 R$ 8.052,62 R$ 32.210,47 R$ 8.052,62
Piso R$ 80.526,18 20,12%
40% 10% 40% 10%
R$ 542,88 R$ 542,88
Revestimento Preimarios. R$ 1.085,76 0,27%
50% 50%
R$ 327,67 R$ 327,67 R$ 327,67 R$ 327,67 R$ 327,67
Pinturas R$ 1.638,35 0,41%
20% 20% 20% 20% 20%
R$ 930,18 R$ 930,18 R$ 930,18 R$ 310,06
Sistemas de Segurança R$ 3.100,59 0,77%
30% 30% 30% 10%
R$ 236,10 R$ 236,10 R$ 236,10 R$ 236,10 R$ 236,10
Urbanização R$ 1.180,50 0,30%
20% 20% 20% 20% 20%
R$ 400.146,50
TOTAL PARC. R$ 3.169,31 R$ 2.967,71 R$ 3.572,51 R$ 2.564,51 R$ 16.260,07 R$ 16.260,07 R$ 16.496,17 R$ 16.823,84 R$ 48.404,05 R$ 10.089,45 R$ 33.704,42 R$ 8.690,35

ACUM. R$ 224.313,35 R$ 227.281,06 R$ 230.853,58 R$ 233.418,09 R$ 249.678,16 R$ 265.938,23 R$ 282.434,40 R$ 299.258,24 R$ 347.662,29 R$ 357.751,73 R$ 391.456,15 R$ 400.146,50
116
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12
Serviçoes iniciais
R$ 33.254,64 R$ 58.195,62 R$ 83.136,60 R$ 83.136,60 R$ 83.136,60 R$ 83.136,60 R$ 83.136,60 R$ 83.136,60 R$ 83.136,60 R$ 83.136,60 R$ 83.136,60 R$ 83.136,60
Infraestutura
R$ - R$ - R$ 31.505,66 R$ 55.134,91 R$ 78.764,16 R$ 78.764,16 R$ 78.764,16 R$ 78.764,16 R$ 78.764,16 R$ 78.764,16 R$ 78.764,16 R$ 78.764,16
Alvenaria R$ - R$ - R$ - R$ - R$ 6.634,33 R$ 13.268,67 R$ 13.268,67 R$ 13.268,67 R$ 13.268,67 R$ 13.268,67 R$ 13.268,67 R$ 13.268,67
Cobertura R$ - R$ - R$ - R$ - R$ 5.523,53 R$ 11.047,07 R$ 22.094,13 R$ 22.094,13 R$ 22.094,13 R$ 22.094,13 R$ 22.094,13 R$ 22.094,13
Impermeabilização R$ - R$ 1.017,77 R$ 2.035,53 R$ 2.544,42 R$ 5.088,83 R$ 5.088,83 R$ 5.088,83 R$ 5.088,83 R$ 5.088,83 R$ 5.088,83 R$ 5.088,83 R$ 5.088,83
Isolamento Térmico R$ - R$ - R$ - R$ - R$ 1.599,10 R$ 3.198,19 R$ 4.797,29 R$ 6.396,38 R$ 7.995,48 R$ 7.995,48 R$ 7.995,48 R$ 7.995,48
Esquadrias R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ 1.146,72 R$ 1.911,20 R$ 2.293,43 R$ 3.057,91 R$ 3.822,39
Sistema Hifráulicos R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ 461,19 R$ 922,38 R$ 1.383,57 R$ 1.844,76 R$ 2.305,95 R$ 2.767,13
Sistemas Sanitários R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ -
Sistema combate a incendio R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ -
Sistemas Eletricos R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ 2.103,32 R$ 4.206,65
Piso R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ -
Revestimento Preimarios. R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ -
Pinturas R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ -
Sistemas de Segurança R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ -
Urbanização
R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ -
ACUMULADO R$ 33.254,64 R$ 59.213,39 R$ 116.677,80 R$ 140.815,93 R$ 180.746,55 R$ 194.503,51 R$ 207.610,86 R$ 210.817,87 R$ 213.642,63 R$ 214.486,06 R$ 217.815,05 R$ 221.144,04
117
13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24
Serviçoes iniciais
R$ 83.136,60 R$ 83.136,60 R$ 83.136,60 R$ 83.136,60 R$ 83.136,60 R$ 83.136,60 R$ 83.136,60 R$ 83.136,60 R$ 83.136,60 R$ 83.136,60 R$ 83.136,60 R$ 83.136,60
Infraestutura
R$ 78.764,16 R$ 78.764,16 R$ 78.764,16 R$ 78.764,16 R$ 78.764,16 R$ 78.764,16 R$ 78.764,16 R$ 78.764,16 R$ 78.764,16 R$ 78.764,16 R$ 78.764,16 R$ 78.764,16
Alvenaria R$ 13.268,67 R$ 13.268,67 R$ 13.268,67 R$ 13.268,67 R$ 13.268,67 R$ 13.268,67 R$ 13.268,67 R$ 13.268,67 R$ 13.268,67 R$ 13.268,67 R$ 13.268,67 R$ 13.268,67
Cobertura R$ 22.094,13 R$ 22.094,13 R$ 22.094,13 R$ 22.094,13 R$ 22.094,13 R$ 22.094,13 R$ 22.094,13 R$ 22.094,13 R$ 22.094,13 R$ 22.094,13 R$ 22.094,13 R$ 22.094,13
Impermeabilização R$ 5.088,83 R$ 5.088,83 R$ 5.088,83 R$ 5.088,83 R$ 5.088,83 R$ 5.088,83 R$ 5.088,83 R$ 5.088,83 R$ 5.088,83 R$ 5.088,83 R$ 5.088,83 R$ 5.088,83
Isolamento Térmico R$ 7.995,48 R$ 7.995,48 R$ 7.995,48 R$ 7.995,48 R$ 7.995,48 R$ 7.995,48 R$ 7.995,48 R$ 7.995,48 R$ 7.995,48 R$ 7.995,48 R$ 7.995,48 R$ 7.995,48
Esquadrias R$ 3.822,39 R$ 3.822,39 R$ 3.822,39 R$ 3.822,39 R$ 3.822,39 R$ 3.822,39 R$ 3.822,39 R$ 3.822,39 R$ 3.822,39 R$ 3.822,39 R$ 3.822,39 R$ 3.822,39
Sistema Hifráulicos R$ 3.228,32 R$ 3.689,51 R$ 4.150,70 R$ 4.611,89 R$ 4.611,89 R$ 4.611,89 R$ 4.611,89 R$ 4.611,89 R$ 4.611,89 R$ 4.611,89 R$ 4.611,89 R$ 4.611,89
Sistemas Sanitários R$ 604,80 R$ 1.008,00 R$ 2.016,00 R$ 2.016,00 R$ 2.016,00 R$ 2.016,00 R$ 2.016,00 R$ 2.016,00 R$ 2.016,00 R$ 2.016,00 R$ 2.016,00 R$ 2.016,00
Sistema combate a incendio R$ - R$ - R$ - R$ - R$ 14.156,75 R$ 28.313,49 R$ 42.470,24 R$ 56.626,98 R$ 70.783,73 R$ 70.783,73 R$ 70.783,73 R$ 70.783,73
Sistemas Eletricos R$ 6.309,97 R$ 8.413,30 R$ 10.516,62 R$ 12.619,94 R$ 14.723,27 R$ 16.826,59 R$ 18.929,92 R$ 21.033,24 R$ 21.033,24 R$ 21.033,24 R$ 21.033,24 R$ 21.033,24
Piso R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ 32.210,47 R$ 40.263,09 R$ 72.473,56 R$ 80.526,18
Revestimento Preimarios. R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ 542,88 R$ 1.085,76 R$ 1.085,76 R$ 1.085,76
Pinturas R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ 327,67 R$ 655,34 R$ 983,01 R$ 1.310,68 R$ 1.638,35
Sistemas de Segurança R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ 930,18 R$ 1.860,35 R$ 2.790,53 R$ 3.100,59
Urbanização
R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ - R$ 236,10 R$ 472,20 R$ 708,30 R$ 944,40 R$ 1.180,50 R$ 1.180,50
ACUMULADO R$ 224.313,35 R$ 227.281,06 R$ 230.853,58 R$ 233.418,09 R$ 249.678,16 R$ 265.938,23 R$ 282.434,40 R$ 299.258,24 R$ 347.662,29 R$ 357.751,73 R$ 391.456,15 R$ 400.146,50
118
119

R$450.000,00
Serviçoes iniciais
R$400.000,00
Infraestutura
R$350.000,00
Alvenaria
R$300.000,00 Cobertura
R$250.000,00 Impermeabilização

R$200.000,00 Isolamento Térmico


Esquadrias
R$150.000,00
Sistema Hifráulicos
R$100.000,00
Sistemas Sanitários
R$50.000,00 Sistema combate a incendio

R$- Sistemas Eletricos


1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24
120

14. Curva ABC

A curva ABC é um orçamento organizado de modo a destacar os itens - insumos, mão de obra e
equipamentos - que mais pesam no custo total de uma obra ou de um serviço. Assim, os elementos
mais relevantes da tabela aparecem logo nas primeiras linhas, facilitando sua visualização e controle.

Neste tipo de apresentação do orçamento, a coluna mais importante é a que mostra o preço total
dos itens descritos na tabela. Com base nesse critério, os elementos são distribuídos em ordem
decrescente - os valores maiores em cima e os menores embaixo.

Tabela mostra quais são os itens que mais pesam no orçamento da obra. Dados ajudam na escolha
de insumos, mão de obra e equipamentos

➢ Grupo A

Situada no alto da tabela, é o grupo de materiais e serviços que mais pesam no orçamento - somados,
seus preços totais equivalem à metade (50%) do custo da obra. O gerente da obra deve ter
participação ativa na compra ou contratação desses itens. Descontos mínimos podem implicar
grandes economias na obra.

➢ Grupo B

É o grupo intermediário, que representa 30% do custo total da obra. Negociar descontos nesses
produtos e serviços rende economias menos significativas, mas ainda relevantes, no orçamento.

➢ Grupo C

Em geral, o gestor da construção pode delegar a compra e contratação desses itens a quem lida
com o dia-a-dia da obra. Variações de preço desses itens são menos relevantes no orçamento.

Preço Unitário Porcentagem Porcentagem


Código
(R$)
Total (R$) Classificação
Individual Acumulada
15.002.000001.SER R$ 854,66 R$ 71.515,95 17,87% 17,87% A
02.002.000001.SER R$ 10,75 R$ 64.202,88 16,04% 33,92% A
04.002.000005.SER R$ 745,41 R$ 62.614,44 15,65% 49,57% A
09.005.000003.SER R$ 12,43 R$ 46.362,80 11,59% 61,15% A
02.001.000001.SER R$ 415,53 R$ 29.379,12 7,34% 68,49% A
16.008.000002.SER R$ 140,87 R$ 11.437,87 2,86% 71,35% A
04.003.000010.SER R$ 403,78 R$ 10.147,36 2,54% 73,89% A
02.004.000001.SER R$ 37,76 R$ 9.255,26 2,31% 76,20% A
04.007.000004.SER R$ 112,47 R$ 8.997,59 2,25% 78,45% A
16.001.000011.SER R$ 561,90 R$ 8.651,99 2,16% 80,61% B
04.008.000021.SER R$ 88,85 R$ 7.412,80 1,85% 82,46% B
12.004.000003.SER R$ 5.961,09 R$ 5.961,09 1,49% 83,95% B
15.005.000003.SER R$ 638,25 R$ 4.236,51 1,06% 85,01% B
121

22.003.000002.SER R$ 375,85 R$ 4.236,51 1,06% 86,07% B


28.001.000001.SER R$ 486,95 R$ 3.862,06 0,97% 87,04% B
12.003.000005.SER R$ 567,76 R$ 3.785,69 0,95% 87,98% B
15.001.000002.SER R$ 424,25 R$ 3.480,00 0,87% 88,85% B
02.005.000005.SER R$ 553,70 R$ 3.196,52 0,80% 89,65% B
02.003.000004.SER R$ 185,31 R$ 2.953,82 0,74% 90,39% C
15.003.000001.SER R$ 341,36 R$ 2.680,62 0,67% 91,06% C
13.001.000001.SER R$ 2.580,09 R$ 2.580,09 0,64% 91,70% C
10.002.000001.SER R$ 128,29 R$ 2.469,53 0,62% 92,32% C
16.009.000001.SER R$ 286,09 R$ 2.460,66 0,61% 92,94% C
10.008.000021.SER R$ 128,59 R$ 2.396,74 0,60% 93,54% C
10.009.000022.SER R$ 121,94 R$ 1.922,21 0,48% 94,02% C
11.002.000007.SER R$ 33,39 R$ 1.867,46 0,47% 94,48% C
24.003.000002.SER R$ 47,89 R$ 1.638,35 0,41% 94,89% C
15.004.000002.SER R$ 192,20 R$ 1.550,96 0,39% 95,28% C
14.004.000001.SER R$ 32,65 R$ 1.485,40 0,37% 95,65% C
13.009.000001.SER R$ 179,42 R$ 1.425,33 0,36% 96,01% C
10.001.000002.SER R$ 119,83 R$ 1.359,75 0,34% 96,35% C
02.001.000009.SER R$ 710,35 R$ 1.280,80 0,32% 96,67% C
30.004.000051.SER R$ 328,41 R$ 1.180,50 0,30% 96,96% C
13.008.000007.SER R$ 96,17 R$ 1.167,29 0,29% 97,25% C
15.003.000002.SER R$ 150,91 R$ 1.165,60 0,29% 97,54% C
20.004.000001.SER R$ 18,71 R$ 1.083,07 0,27% 97,82% C
13.007.000002.SER R$ 156,17 R$ 998,18 0,25% 98,06% C
15.003.000004.SER R$ 128,54 R$ 978,05 0,24% 98,31% C
14.003.000001.SER R$ 45,03 R$ 933,78 0,23% 98,54% C
02.001.000010.SER R$ 887,94 R$ 887,94 0,22% 98,76% C
02.005.000006.SER R$ 185,31 R$ 840,70 0,21% 98,97% C
16.006.000007.SER R$ 18,22 R$ 755,47 0,19% 99,16% C
04.001.000002.SER R$ 35,47 R$ 622,02 0,16% 99,32% C
06.001.000008.SER R$ 441,92 R$ 441,92 0,11% 99,43% C
20.001.000005.SER R$ 432,94 R$ 432,94 0,11% 99,54% C
12.004.000007.SER R$ 428,92 R$ 428,92 0,11% 99,64% C
28.002.000004.SER R$ 52,12 R$ 352,49 0,09% 99,73% C
16.003.000002.SER R$ 13,52 R$ 350,33 0,09% 99,82% C
14.001.000004.SER R$ 266,95 R$ 266,95 0,07% 99,89% C
02.001.000011.SER R$ 72,18 R$ 222,05 0,06% 99,94% C
16.007.000002.SER R$ 29,01 R$ 205,46 0,05% 99,99% C
14.002.000001.SER R$ 24,68 R$ 24,68 0,01% 100,00% C
Total R$ 400.146,50
122

Classe Corte

A 80%
B 90%
C 100%

Código Descrição
15.002.000001.SER Abrigo para hidrante em chapa de aço carbono, com mangueira de Ø 65 mm (2 1/2") x 15 m
02.002.000001.SER Demolição de alvenaria de tijolo comum, com reaproveitamento
04.002.000005.SER Concreto estrutural dosado em central, de alto desempenho, fck 75 MPa, relação água/cimento: 0,4
09.005.000003.SER Cobertura com telha cerâmica tipo plan, inclinação 35%
02.001.000001.SER Abrigo provisório de madeira para alojamento e/ou depósito de materiais e ferramentas
16.008.000002.SER Luminária fluorescente completa para forro metálico com uma lâmpada de 40 W, sistema interlocking

Contenção de solo com cortina de placa dupla pré-fabricada, empuxo de 5,5 t/m², espessura de 15 cm, tipo de
04.003.000010.SER
perfil i 10", distanciamento entre perfis de 1,8 m, com reforço de barra de aço ca-60, Ø=6,30 mm a cada 15 cm

02.004.000001.SER Locação da obra, execução de gabarito


04.007.000004.SER Forma de madeira para cortina de concreto ou parede estrutural, compensado plastificado e = 12 mm
16.001.000011.SER Entrada de energia em poste particular da edificação com potência instalada de 20 a 25 KW
04.008.000021.SER Estaca pré-moldada de concreto protendido cravada, seção 23,5x23,5 cm, carga admissível até 82 t

Porta corta-fogo, de correr, com trilho, tranca, rolete, roldana, batedor, contrapeso, caixa de tela, cabo de aço e
12.004.000003.SER
fusível automático, instalada em viga de concreto

15.005.000003.SER Registro de recalque no passeio, Ø 65 mm (2 1/2")


Piso cerâmico esmaltado assentado com argamassa mista de cimento, cal hidratada e areia sem peneirar traço
22.003.000002.SER
1:0,5:5 dimensão: 30 x 30 cm / espessura: 2,5 cm
123

28.001.000001.SER Sirene eletromecânica, alcance 2000 m


12.003.000005.SER Janela de aço 1,20 x 1,50 m, padronizada, de correr, com quatro folhas, sem bandeira, com vidro liso
15.001.000002.SER Central de alarme de incêndio para 24 pontos
02.005.000005.SER Compactação de aterro
02.003.000004.SER Raspagem mecanizada do terreno até 40 cm de profundidade utilizando trator sobre esteiras
15.003.000001.SER Extintor de gás carbônico, capacidade 6 kg
13.001.000001.SER Aquecedor de acumulação, a gás
10.002.000001.SER Impermeabilização de calha, viga-calha e jardineira com impermeabilizante estrutural e proteção mecânica
Quadro de distribuição de luz em chapa de aço de embutir, até 28 divisões modulares, dimensões externas 522 x
16.009.000001.SER
360 x 100 mm
10.008.000021.SER Impermeabilização de parede sujeita a umidade de solo com aditivo hidrófugo e tinta asfáltica
10.009.000022.SER Impermeabilização de piso sujeito à umidade de terra com aditivo hidrófugo
Isolamento térmico de parede interna com painel flexível de fibra de vidro, e=5 cm, fixados com adesivo hidro
11.002.000007.SER
asfáltico
Pintura com tinta látex acrílica em parede externa com duas demãos, sem massa corrida - com mão de obra
24.003.000002.SER
empreitada
15.004.000002.SER Hidrante com registro globo angular 45°, Ø 65 mm (2 1/2")
14.004.000001.SER Tubo cerâmico Ø 100 mm (4")
13.009.000001.SER Válvula de descarga metálica com registro acoplado e canopla, Ø 32 mm (1 1/4") ou 40 mm (1 1/2")
Impermeabilização de alvenaria de embasamento com argamassa de cimento e areia traço 1:3, com aditivo
10.001.000002.SER
impermeabilizante, e=2 cm
02.001.000009.SER Ligação provisória de água para obra e instalação sanitária provisória, pequenas obras - instalação mínima
30.004.000051.SER Árvore ornamental flamboyant com altura 1,5 a 2 m; em cava de 80 x 80 x 80 cm
13.008.000007.SER Tubo de cobre, inclusive conexões, Ø 15 mm (1/2")
15.003.000002.SER Extintor de água pressurizada, capacidade 10 litros

Reboco para parede interna ou externa, com argamassa pré-fabricada, base para epóxi, borracha clorada, massa
20.004.000001.SER
corrida acrílica e colagem de laminados e=5 mm

13.007.000002.SER Tubo de CPVC Ø 22 mm


15.003.000004.SER Extintor de pó químico pressurizado, capacidade 8 kg
14.003.000001.SER Ponto de esgoto primário, com tubo de PVC branco e conexões, Ø 100 mm
02.001.000010.SER Ligação provisória de luz e força para obra - instalação mínima
02.005.000006.SER Espalhamento e regularização de terra em camadas no aterro utilizando trator sobre esteiras
16.006.000007.SER Cabo isolado em PVC seção 25 mm² - 750 V - 70°C - flexível
04.001.000002.SER Armadura de aço CA-25 para estruturas de concreto armado, Ø >12,5 mm até 25,0 mm, corte, dobra e montagem

Alvenaria estrutural com blocos de concreto, 19 x 19 x 39 cm, espessura da parede 19 cm, juntas de 10 mm com
06.001.000008.SER
argamassa mista de cimento, cal hidratada e areia sem peneirar traço 1:0,25:3

Chapisco para parede interna com argamasa de cimento e areia sem peneirar traço 1:3, e=5 mm - com mão de
20.001.000005.SER
obra empreitada
12.004.000007.SER Porta de alumínio, de correr, duas folhas, uma fixa
28.002.000004.SER Suporte metálico para TV / DVD, 14" a 21"
16.003.000002.SER Caixa de ligação estampada em chapa de aço, quadrada, dimensões 4 x 4"
14.001.000004.SER Caixa de areia 50 x 50 cm em alvenaria para águas pluviais.
124

02.001.000011.SER Portão de madeira em chapa compensada para tapume, largura 3 m e altura 2 m


16.007.000002.SER Interruptor, uma tecla simples e duas teclas paralelo 10 A - 250 V
14.002.000001.SER Curva cerâmica 90°, Ø 100 mm (4")

Conclusão

O desenvolvimento do presente estudo possibilitou uma análise completa de como é elaborado um


projeto dentro da construção civil, tendo em vista todas as diversas etapas, chegamos à afirmação
de que até mesmo para o projeto sair da planta e começar a ser construído passa por diversos
estágios, do começo ao fim, para que seja concluído com êxito e entregue dentro do prazo estimado.

Um projeto bem sucedido é aquele que contém todas as informações claras, objetivas e complexas.
Para começar é necessário o conhecimento do local ao todo onde será realizado o projeto,
levantamento do entorno, vizinhança e todas as situações adversas.

A partir do conhecimento entramos na parte financeira onde engloba todos os aspectos necessários
para o projeto que vem a ser erguido, valores (taxas), gerenciamento, localização, características do
terreno (área, extensão etc.). Resumindo tudo envolve cálculos que devem ser revido, analisado e
cuidadosamente aplicado.

Cálculos que resultam diversos fatores como, áreas a serem demolidas, resíduos, quantidade de
matérias, quantidade de trabalhadores, tempo necessário para o termino no projeto, tudo é feito em
tabelas através de cálculos executado pelos responsáveis da construção.

Conhecimento do local inclui o estudo do EVI, dimensões do empreendimento, pontos de acesso


acessíveis aos futuros morados da área ser construída, estimativa da população, conceitos que
levam ao projeto a ser aprovado.

Mesmo com todos os tópicos é mais que necessário para a aprovação de um projeto que ele esteja
dentro das leis existentes na construção Civil (NR 23), contento placas de obra, instalações, limpeza,
normas técnicas, proteções (em todas a funções), etc.

Dentro das normas o projeto deve ser bem apresentável a execução, o acabamento (pavimentação,
limpeza final, vidros, pinturas...), a verificação final, proteção contra incêndios, sistema hidráulico,
elétricos, fatores que levam a valorização do projeto.

Revisando de todos os ângulos, o projeto desenvolvido na área concentrada nas ruas: Ida da Silva,
Rua do Imperador, Rua Cap. Luís Ramos e Maria Cândida onde possui 4 716,0 m² de área total,
sendo que 358,84 m² de área construída de cada prédio, totalizando 3 934,0 m² de área construída
de todos os prédios tendo em média 3 301,20 m² de área de ocupação, tem todos os requisitos
necessários para ser um projeto aprovado e trazer um conforto benefícios aos futuros donos.
125

Anexos

1. Passo a Passo do Gabarito Continuo


126
127
128

2. Estaca pré-moldada de concreto protendido cravada

3. EPI’s
129

4. Fundação
130
131
132
133

5. Alvenaria
134
135
136
137
138

6. Árvores Ornamentais Flamboyant


139

7. Planilha de Qualificações de Serviços

Plhanilha de
Qualificações de Seriços.xlsx

8. Planilha de Matriz de Impacto (EIV)

MATRIZ DE
IMPACTOS.xlsx

9. Planilha da Curva ABC

Plhanilha da Curva
ABC.xlsx

10. Planilha da Curva S

Planilha da Curva
S.xlsx
140

REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICA

FARIA, Renato; VENTURINI, Jamila. Curva ABC. 2011. Disponível em


<http://equipedeobra.pini.com.br/construcao-reforma/36/curva-abc-tabela-mostra-quais-sao-os-
itens-que-216021-1.aspx> Acesso em 09 de março de 2017.

HENRIQUE, Claudio. Curva ABC Analise de Pareto.2010. Disponível em


<http://www.sobreadministracao.com/o-que-e-e-como-funciona-a-curva-abc-analise-de-pareto-
regra-80-20/> Acesso em 10 de março de 2017.

LM AMBIENTE. Plano de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil. Disponível em


<http://www.lmambiente.com.br/plano-de-gerenciamento-de-residuos-da-construcao-civil/> Acesso
em 27 de abril de 2017.

LIMA, Rosimeire Suzuki; LIMA, Ruy Reynaldo Rosa. Guia para a Elaboração do PGRCC. Disponível
em <http://cuiaba.mt.gov.br/upload/arquivo/cartilhaResiduos_web2012.pdf> Acesso em 27 de abril
de 2017.

BUENO, Paulo. Memorial Descritivo. 2016. Disponível em


<https://www.slideshare.net/PauloBueno/memorial-descritivo-spda-ifal> Acesso em 28 de abril de
2017.

POZZER, Fernando Luiz; VACARI, Giovani. Memorial Descritivo. Disponível em


<http://www.ebah.com.br/content/ABAAAe_hEAH/memorial-descritivo-obra> Acesso em 29 de abril
de 2017.

GUARIENTI, Luciane de Proença. Memorial Descritivo. 2010. Disponível em


<http://portal.cnm.org.br/sites/9400/9430/MEMORIALVILAASSIS.pdf> Acesso em 29 de abril de
2017.

CORTEZ, Aloísio. Memorial Descritivo. 2012. Disponível em


<http://www.sertao.ifrs.edu.br/site/midias/arquivos/201282516387211_memorial_descritivo.pdf>
Acesso em 06 de maio de 2017.

KURIMOR, Francisco. Placa de Obra, Serviços e Instalações. Disponível em


<http://www.creasp.org.br/biblioteca/wp-content/uploads/2015/05/placa-obras21.pdf > Acesso em 06
de maio de 2017.

ESCOLA ENGENHARIA. Tipos de Demolição. 2016. Disponível em


<https://www.escolaengenharia.com.br/tipos-de-demolicao/> Acesso em 06 de maio de 2017.

ABNT. Importância/Benefícios. 2014. Disponível em <http://www.abnt.org.br/normalizacao/o-que-


e/importancia-beneficios> Acesso em 07 de maio de 2017.
141

ECIVIL. Planta de Situação. 2007. Disponível em <http://www.ecivilnet.com/dicionario/o-que-e-


planta-de-situacao.html> Acesso em 08 de maio de 2017.

MASTER AMBIENTAL. Estudo de Impacto de vizinhança. 2005. Disponível em


<https://www.masterambiental.com.br/consultoria-ambiental°eiv-riv/estudo-de-impacto-de-
vizinhanca/> Acesso em 08 de maio de 2017.

PEREIRA, Roberta Cordeiro. Normas de Segurança contra Incêndios. 1992. Disponível em


<http://www.cbm.sc.gov.br/dat/nsci/NSCI_94_-_Ate_CAP_IV.pdf> Acesso em 10 de maio de 2017.

CAMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO. Lei N° 16.402. 2016. Disponível em


<http://documentacao.camara.sp.gov.br/iah/fulltext/leis/L16402.pdf> Acesso em 10 de maio de 2017.

CHAVES, André. NR 23 Proteção contra Incêndios. 2016. Disponível em <http://areasst.com/nr-23-


protecao-contra-incendios/> Acesso em 10 de maio de 2017.

GUSTAVO, Leandro. Alvenaria e Revestimento. 2016. Disponível em


<http://www.ebah.com.br/content/ABAAAgGS4AH/aula-3-alvenaria-revestimento> Acesso em 12 de
maio de 2017.

FARIA, Renato; VENTURINI, Jamila. Curva ABC. 2011. Disponível em


<http://equipedeobra.pini.com.br/construcao-reforma/36/curva-abc-tabela-mostra-quais-sao-os-
itens-que-216021-1.aspx> Acesso em 29 de maio de 2017.

CONSTRUÇÃO FACIL RJ. Locação de Obra passo a passo. 2014. Disponível em


<https://construfacilrj.com.br/guia-completo-sobre-locacao-de-obra/> Acesso em 01 de junho de
2017.

DUARTE, J. Renato. Locação de Obras Gabarito. Disponível em


<http://www.jrrio.com.br/construcao/inicio-da-obra/gabaritos.html> Acesso em 01 de junho de 2017.

LAMBRECHT, Elizabeth. Cartilha do Pedreiro. 2013. Disponível em


<https://pt.slideshare.net/ElizabethLambrecht/cartilha-pedereiro> Acesso em 01 de junho de 2017.

ESCOLA ENGENHARIA. Noções básicas de Fundações. 2016. Disponível em


<https://www.escolaengenharia.com.br/nocoes-basicas-de-fundacoes/> Acesso em 01 de junho de
2017.
142

IMTEP. Saude do Trabalho Conscientização e Uso de EPI’s e EPC’s. 2010. Disponível em


<http://www.imtep.com.br/site/servicos/cursos-e-treinamentos/palestras/saude-do-trabalho-
conscientizacao-e-uso-de-epis-e-epcs/> Acesso em 02 de junho de 2017.

BIZERRIS, Rosimery. Tipos de Fundação. 2013. Disponível em <http://blog.construir.arq.br/estacas-


pre-moldadas-concreto/> Acesso em 03 de junho de 2017.

CONSTRUÇÃO FACIL RJ. Alvenaria Estrutural passo a passo. 2013. Disponível em


<https://construfacilrj.com.br/alvenaria-estrutural-passo-passo/> Acesso em 04 de junho de 2017.

TELHADOS. Telhas Plan. 2012. Disponível em <http://www.telhados.srv.br/telhas-plan/> Acesso em


04 de junho de 2017.

AGRO GESTÃO. Custo Total e Custo Unitário. 2007. Disponível em


<http://agrogestao.com/pgfga2/CD/index.html?bt3_custo_total_e_custo_unitario.htm> Acesso em
04 de junho de 2017.

THOMÉ, Brenda Bressan. BDI na Construção Civil. 2016. Disponível em


<https://www.sienge.com.br/blog/bdi-na-construcao-civil-o-que-e-como-usar/> Acesso em 04 de
junho de 2017.

FERREIRA, Romário. Conhecendo os Impermeabilizantes. 2012. Disponível em


<http://equipedeobra.pini.com.br/construcao-reforma/44/conhecendo-os-impermeabilizantes-veja-
quais-sao-os-sistemas-de-245388-1.aspx> Acesso em 05 de julho de 2017.

PORTAL EDUCAÇÃO. Esquadrias na Construção Civil. 2013. Disponível em


<https://www.portaleducacao.com.br/conteudo/artigos/iniciacao-profissional/esquadrias-na-
construcao-civil/40711> Acesso em 05 de julho de 2017.

REMAL. Cerâmica Esmaltada. Disponível em <http://www.remal.com.br/paginas/Ceramica-


Esmaltada.html> Acesso em 05 de julho de 2017.