Você está na página 1de 2

Disciplina: Direito Constitucional

Prof.: Barbara
Aula:05
Monitoria: Barbara

MATERIAL DE APOIO - MONITORIA

I. Questões de Prova - Ditado

1) O fenômeno da recepção dispõe que a atual ordem constitucional irá revogar totalmente a
Constituição anterior (ab-rogação). Contudo, a nova Constituição tem o poder de
recepcionar normas infraconstitucionais compatíveis materialmente com a atual
Constituição, consequentemente as normas infraconstitucionais não recepcionadas
serão consideradas normas caducas (Princípio da Caducidade / Não Recepção).
Observe, que uma norma infra não recepcionada não pode ser considerada
inconstitucional, pois o ordenamento jurídico brasileiro não admite a possibilidade de
inconstitucionalidade superveniente. A norma infraconstitucional que foi devidamente
recepcionada poderá ser objeto tão somente de ADPF pois estamos diante de uma lei
ou um de um ato normativo anterior à Constituição Federal.

2) O candidato não pode confundir a recepção com a desconstitucionalização, pois este


fenômeno o ordenamento jurídico brasileiro veda. A desconstitucionalização é a
possibilidade de se recepcionar normas constitucionais com eficácia de norma
infraconstitucional, em outras palavras, a atual ordem constitucional retira da
Constituição anterior o princípio da supremacia e a recepciona como se fosse uma mera
lei ordinária.

3) Temos ainda o fenômeno da constitucionalização que tem previsão no §3º do art. 5 da CF.
Vejamos:

§ 3º Os tratados e convenções internacionais sobre direitos humanos que forem


aprovados, em cada Casa do Congresso Nacional, em dois turnos, por três quintos dos votos
dos respectivos membros, serão equivalentes às emendas constitucionais (A CRFB/88 ADOTA
EXPRESSAMENTE A CONSTITUCIONALIZAÇÃO).

4) Se qualquer Constituição Estadual ou a Lei Orgânica do Distrito Federal vier a violar o texto

1
constitucional caberá ADI genérica pois segundo o STF a Lei Orgânica do DF tem
natureza jurídica de constituição estadual.

5) Se a Lei Orgânica de qualquer município violar o texto constitucional NÃO CABERÁ


nenhuma das ações do controle concentrado, pois lei orgânica municipal tem natureza
jurídica de ato administrativo, logo, não há que se falar em controle de
constitucionalidade, mas sim EM CONTROLE DE LEGALIDADE.

6) Se qualquer Lei Municipal violar o texto constitucional será caso de ADPF

7) Nos termos do §1º do art. 32 da CF/88 o Distrito Federal é titular da competência


legislativa reservada, logo, compete ao DF elaborar leis ou atos normativos de natureza
estadual e municipal. Se a lei ou ato normativo do DF tiver natureza jurídica estadual,
será objeto de ADI se vier a violar o texto constitucional. Em contrapartida, se a lei ou
ato normativo do DF tiver natureza jurídica municipal, será objeto de ADPF se vier a
violar o texto constitucional.

Art. 32, § 1º da CF/88. Ao Distrito Federal são atribuídas as competências legislativas reservadas
aos Estados e Municípios.

8) Como sabemos, a ADPF tem previsão constitucional (Art. 102, §1º da CF). Sem prejuízo, o
dispositivo citado foi devidamente regulamentado pela Lei 9.882/99.

Art. 102. Compete ao Supremo Tribunal Federal, precipuamente, a guarda da Constituição,


cabendo-lhe:

§ 1º A argüição de descumprimento de preceito fundamental, decorrente desta Constituição, será


apreciada pelo Supremo Tribunal Federal, na forma da lei.

É certo também que conforme o caput do Art. 102 a ADPF será processada e julgada
originariamente pelo STF, mas, é também possível a propositura da ADPF perante o Tribunal de
Justiça local, DESDE QUE A CONSTITUIÇÃO ESTADUAL AUTORIZE EXPRESSAMENTE E INDIQUE
CABALMENTE O SEU CABIMENTO.