Você está na página 1de 25

MEDIDAS  EXECUTIVAS  ATÍPICAS  NO  NOVO  CÓDIGO  DE  PROCESSO  CIVIL  

 
Barbara  da  Rosa  Lazarotto1  
 
RESUMO  
 
 
O   presente   artigo   visa   tratar   a   respeito   da   atipicidade   das   medidas   executivas,  
instituto  apresentado  no  art.  139,  IV  do  Código  de  Processo  Civil.  Para  tanto,  serão  
analisados   julgados   e   trabalhos   doutrinários   a   respeito   do   tema,   a   fim   de   se  
ponderar,   considerando   os   princípios   gerais   do   processo   civil,   as   possibilidades   de  
aplicação   da   referida   norma.   Também   serão   demonstrados   eventuais   limites   à  
atuação   jurisdicional,   além   de   apresentar   critérios   que   podem   ser   considerados  
pelos  magistrados  na  atuação  jurisdicional.  
 
 
PALAVRAS-­CHAVE:  Medidas  executivas  atípicas,  atividade  jurisdicional,  limitações.  
 
 
ABSTRACT  
 
 
This   article   wishes   to   discuss   about   atypical   nature   of   executive   measures,   an  
institute   presented   on   article   139,   IV   of   Civil   Procedure   Code.   In   order   to   do   this,  
there   will   be   analyzed   precedents   and   reports   about   this   subject   and   will   be  
considered  general  principles  of  Civil  Procedure  and  the  possibilities  of  application  of  
the   mentioned   article.   Also   it   will   be   demonstrated   eventual   limits   to   the   judge’s  
actions,  beyond  presenting  criteria  that  can  be  considered  by  judges  on  their  judicial  
actions.      
 
KEY-­WORDS:  Atypical  nature  of  executive  measures,  judicial  actions,  limits.  
 
 

1  Pós-­Graduanda  em  Direito  Civil  e  Processual  Civil  pelo  Curso  Jurídico  Luiz  Carlos.  Pós-­Graduada  
em   Direito   Contemporâneo   pelo   Curso   Jurídico   Luiz   Carlos.   Pós-­Graduada   em   Estado   Democrático  
de   Direito   pela   Fundação   Escola   do   Ministério   Público   do   Paraná.   Bacharel   em   Direito   pelo   Centro  
Universitário  Curitiba.
1  INTRODUÇÃO  
 
 
  O  Novo  Código  de  Processo  Civil  modificou  muitos  paradigmas  anteriormente  
fixados   pelo   Código   de   1973,   e,   dentre   diversos   aspectos,   estabeleceu   uma   nova  
sistemática,   que   vista   principalmente   a   compatibilidade   do   processo   civil   com   a  
constituição   federal,   com   a   aplicação   de   diversos   princípios   constitucionais,   dentre  
eles   o   princípio   da   efetividade   do   processo,   que   significa   a   capacidade   que   o  
processo  tem  de  assegurar  o  objetivo  a  que  este  se  propõe,  ou  seja,  entregar  o  bem  
de  vida  solicitado.  
  Nessa  lógica,  o  legislador  assentou  no  artigo  139,  IV  a  possibilidade  do  juiz,  
no  caso  concreto  e  à  medida  das  necessidades,  determinar  as  medidas  necessárias  
a  fim  de  que  as  ordens  judiciais  sejam  cumpridas.  Tal  instituto  é  conhecido  como  as  
medidas  executivas,  que  podem  ser  típicas  ou  atípicas.  
  As   medidas   executivas   típicas   são   aquelas   que   estão   listadas   taxativamente  
no  código,  que  são  utilizadas  em  situações  determinadas.  Já  as  medidas  executivas  
atípicas   são   medidas   que   o   magistrado   se   utiliza   a   depender   do   caso   concreto,  
utilizando-­se  de  uma  liberdade  maior  concedida  pelo  legislador.  
Tais   medidas   executivas   também   estavam   de   presentes   no   Código   de  
Processo   Civil   de   1973,   entretanto,   não   tão   amplas   quanto   no   atual   código.  
Atualmente,  tais  medidas  podem  ser  aplicadas  também  às  prestações  pecuniárias,  o  
que  não  era  autorizado  no  código  anterior.    
  Entretanto,   apesar   da   ampla   liberdade   concedida   ao   magistrado   pelo   Novo  
Código,   é   entendimento   uníssono   na   doutrina   de   que   são   necessários   limites   à  
atuação  jurisdicional,  a  fim  de  que  sejam  estabelecidos  critérios  objetivos  na  adoção  
de  medidas  executivas  atípicas,  para  que  se  evitem  graves  consequências  jurídicas  
à   pessoas   estranhas   à   relação   processual   e   eventuais   violações   à   direitos   e  
princípios.  
   
 
 
 
 
 

1
2  PANORAMA  GERAL  DO  CÓDIGO  DE  PROCESSO  CIVIL  DE  2015  
 
 
  Foi   a   lenta   evolução   do   Processo   Civil   brasileiro   que   culminou   na   edição   do  
Código   de   Processo   Civil   de   2015.   Esse   novo   código   se   destaca   pela   busca   de  
sistematização  e  organicidade,  separando  a  codificação  entre  parte  geral  e  especial.  
Isso  se  observa  no  primeiro  artigo  do  código,  que  apresenta  a  necessidade  de  que  o  
processo   seja   ordenado,   disciplinado   e   interpretado   conforme   a   Constituição   da  
República.  
Em   razão   disso,   o   NCPC   tem   grande   preocupação   com   os   princípios  
constitucionais  do  processo  civil,  como  o  do  contraditório,  o  do  acesso  à  justiça,  do  
dispositivo   e   da   irrecorribilidade   das   decisões   interlocutórias.   (GONÇALVES,   2015)  
Grande  exemplo  disso  foi  a  aplicação  do  princípio  da  isonomia  de  forma  inédita,  com  
a   criação   dos   precedentes   e   do   incidente   de   demandas   repetitivas,   instituto   que  
segundo   o   Ministro   Fux   “consiste   na   identificação   de   processos   que   contenham   a  
mesma   questão   de   direito,   que   estejam   ainda   no   primeiro   grau   de   jurisdição,   para  
decisão  conjunta”  (FUX,  2010).  
Quanto   aos   institutos   fundamentais   do   processo   civil,   estes   em   sua   maioria  
continuam  os  mesmos,  apesar  da  supressão  da  possibilidade  jurídica  do  pedido,  que  
deixou   de   existir   para   fundir-­se   com   o   interesse   de   agir.   Nesse   caso   se   a   inicial  
afrontar   o   ordenamento   jurídico,   haverá   indeferimento   sem   julgamento   de   mérito.  
(GONÇALVES,  2015)  
As   medidas   executivas   atípicas   também   foram   uma   grande   modificação  
trazida   pelo   Novo   Código.   Muito   embora   estivessem   previstas   no   código   anterior,  
houve   uma   grande   ampliação   dos   poderes   jurisdicionais,   visando   exatamente   a  
aplicação   efetiva   das   decisões   judiciais   com   objetivo   final   de   garantir   o   direito  
constitucional  da  efetividade.  (GONÇALVES,  2015)  
Outras  mudanças  pontuais  também  podem  ser  vistas,  como  a  oposição  deixar  
de   ser   considerada   intervenção   de   terceiros   e   passa   a   ser   tratada   como   ação  
autônoma.   Acaba   o   foro   privilegiado   da   mulher   casada   em   ações   de   casamento,  
divórcio,  anulação,  que  passa  a  ser  o  foro  do  domicílio  do  guardião  do  filho  incapaz.  
(GONÇALVES,  2015)  
Uma   das   principais   características   do   NCPC   é   a   solução   consensual   dos  
conflitos,  com  a  possibilidade  de  conciliação,  mediação  e  outros  métodos,  devendo  

2
ser   incentivada   e   estimulada   em   qualquer   momento   do   processo.   Por   tal   razão   foi  
determinada   a   criação   de   centros   judiciários   de   solução   consensual   dos   conflitos.  
(GONÇALVES,  2015)  
Desta  forma,  observa-­se  que  ao  longo  da  história  do  Direito  Processual  Civil  
Brasileiro,   o   direito   teve   que   se   adaptar   constantemente   às   mudanças   que   a  
sociedade  teve  ao  longo  dos  anos,  sendo  que  tal  adaptação  foi  o  principal  objetivo  
do   atual   código,   tal   princípio   foi   trazido   principalmente   pela   Constituição   Federal   e  
deve  ser  tratada  sempre  com  primazia  no  direito.  
  Em   razão   disso,   a   atual   fase   do   processo   civil   está   sendo   chamada   de  
constitucionalização   do   direito   processual,   através   da   incorporação   do   texto  
constitucional   nas   normas   processuais   bem   como   do   exame   das   normas  
processuais  infraconstitucionais  sob  a  ótica  constitucional,  se  utilizando  do  repertório  
teórico  dos  constitucionalistas.  (DIDIER,  2017)    
 
 
2.1.  Princípios  gerais  do  processo  civil  
 
 
Os  princípios  são  de  certa  forma  uma  bússola  no  momento  da  aplicação  das  
regras   processuais.   Segundo   Humberto   Ávila   “os   princípios   instituem   o   dever   de  
adotar   comportamentos   necessários   à   realização   de   um   estado   das   coisas   ou,  
inversamente,  instituem  o  dever  de  efetivação  de  um  estado  de  coisas  pela  adoção  
de  comportamentos  a  ele  necessários”.  (ÁVILA,  2006)  
Os   princípios   em   razão   de   sua   maior   abstração   com   relação   às   regras,  
exercem   uma   função   interpretativa,   ou   seja,   servem   para   que   as   normas   sejam  
interpretadas   de   acordo   com   os   fins   visados   pelos   princípios.   Além   disso,   também  
exercem   uma   função   bloqueadora,   que   evitam   a   aplicação   de   textos   normativos  
incompatíveis  com  o  estado  das  coisas  que  os  princípios  visam  promover.  (DIDIER,  
2017)  
O   Direito   processual   civil   tem   diversos   princípios   norteadores,   bem   como   a  
Constituição   Federal   elenca   diversos   também   aplicáveis   à   relação   processual   civil  
tendo   em   vista   a   constitucionalização   do   direito.   Os   princípios   processuais   podem  
ser   considerados   como   subprincípios,   que   tem   uma   amplitude   menor,   porém   se  
relacionando  com  princípios  mais  amplos,  como  os  constitucionais.  (DIDIER,  2017)  

3
Localizado   no   art.   1o   do   NCPC,   a   constitucionalização   do   direito   processual  
civil  dispõe  que  o  processo  civil  será  “ordenado,  disciplinado  e  interpretado  conforme  
os   valores   e   normas   estabelecidos   na   Constituição   da   República   Federativa   do  
Brasil”,   este   foi   um   grande   diferencial   em   relação   ao   código   de   1973,   que   não  
dispunha  de  uma  ligação  tão  forte  com  a  Carta  Magna,  em  razão  de  ter  sido  editado  
antes  da  sua  promulgação,  em  um  ambiente  de  ditadura  militar.  
Um  dos  princípios  constitucionais  basilares,  o  da  igualdade  e  isonomia,  listado  
no  art.  5o  da  Carga  Magna,  garante  a  igualdade  de  todos  perante  a  lei,  é  aplicável  no  
processo   civil   sob   o   viés   que   as   partes   se   acham   sob   pé   de   igualdade   no   litígio,  
tendo   as   mesmas   oportunidades   de   manifestação   ao   longo   do   processo  
(COUTURE,  1958).  Esse  princípio  pode  ser  observado  na  necessidade  de  respeito,  
com   exceções,   à   ordem   cronológica   de   conclusão   processual,   evitando   assim   o  
favorecimento   processual.   Os   precedentes   judiciais   também   são   uma   forma   de  
respeitar   a   isonomia,   dando   uma   solução   isonômica   para   casos   idênticos.  
(GONÇALVES,  2015)  
Importante  ressaltar  que  há  possibilidade  de  tratamento  formalmente  desigual  
na  busca  da  isonomia  real,  são  aparentes  privilégios  que  visam  de  fato  alcançar  uma  
igualdade   de   fato,   como   prazos   em   dobro,   reexame   necessário,   foro   privilegiado  
para   o   detentor   da   guarda   do   filho   menor,   dentre   outras   hipóteses.   (GONÇALVES,  
2015)  
O  princípio  do  contraditório  está  intimamente  ligado  ao  princípio  da  igualdade  
e  isonomia,  estabelecido  no  art.  5o,  LV  da  CF,  e  dispõe  que  os  litigantes  têm  direito  
de   manifestar-­se   sobre   os   atos   praticados   no   processo   e   decorre   da   máxima   que  
ninguém  pode  ser  alvo  de  condenação  senão  no  processo  em  que  foi  chamado.    
No  NCPC  pode-­se  dizer  que  há  uma  primazia  do  efetivo  contraditório,  o  art.  7o  
sustenta  que  o  contraditório  não  deve  ser  apenas  formal,  e  sim  substancial,  ou  seja,  
deve  ter  capacidade  de  influenciar  efetivamente  o  magistrado  e  não  ser  apenas  uma  
formalidade  processual.  (NEVES,  2015).  
O  complemento  inexorável  do  princípio  do  contraditório  é  o  da  ampla  defesa,  
que   dispõe   que   a   defesa   deve   ser   a   mais   ampla   possível   dentro   do   regramento  
jurídico.  
O   principio   do   devido   processo   legal,   também   um   dos   pilares   do   direito  
brasileiro,   diz   respeito   a   necessidade   de   todos   os   personagens   da   relação  

4
processual  seguirem  regras  preexistentes  que  afirmam  também  a  igualdade  entre  as  
partes,  evitando  a  modificação  das  regras.  
Os   princípios   da   imparcialidade   e   da   motivação   das   decisões   diz   respeito  
diretamente   ao   magistrado,   determinando   que   este   deverá   ser   imparcial   e   motivar  
suas  decisões  com  base  no  ordenamento  jurídico,  bem  como  nos  princípios  deste.    
O  princípio  da  efetividade,  por  sua  vez,  diz  respeito  aos  jurisdicionados  e  ao  
seu   direito   de   ter   a   entrega   adequada   do   bem   de   vida   perseguido   através   do  
processo   jurisdicional.   Guilherme   Marinoni,   afirma,   sob   uma   nova   ótica,   que   o  
referido  princípio  é  um  direito  fundamental:  
   
“Tal   direito   não   poderia   deixar   de   ser   pensado   como   fundamental,  
uma  vez  que  o  direito  à  prestação  jurisdicional  efetiva  é  decorrência  
da   própria   existência   dos   direitos   e,   assim,   a   contrapartida   da  
proibição   de   autotutela.   O   direito   à   prestação   jurisdicional   é  
fundamental   para   a   própria   efetividade   dos   direitos,   uma   vez   que  
estes  últimos,  diante  das  situações  de  ameaça  ou  agressão,  sempre  
restam   na   dependência   da   sua   plena   realização.   Não   é   por   outro  
motivo  que  o  direito  à  prestação  jurisdicional  efetiva  já  foi  proclamado  
como   o   mais   importante   dos   direitos,   exatamente   por   constituir   o  
direito  a  fazer  valer  os  próprios  direitos”  (MARINONI,  2004)  
 
 
Esse   princípio   está   intimamente   ligado   ao   princípio   da   duração   razoável   do  
processo,  localizado  no  art.  4o  do  NCPC,  que  determina  que:  “as  partes  têm  direito  
de   obter   em   prazo   razoável   a   solução   integral   do   mérito,   incluída   a   atividade  
satisfativa”.   Segundo   esse   princípio,   além   de   uma   duração   razoável,   que   combate  
ritos   intermináveis,   o   referido   artigo   visa   uma   resposta   de   mérito,   que   inclua   a  
entrega   do   bem   da   vida   pleiteado,   não   apenas   uma   decisão   favorável.  
(GONÇALVES,  2015)  
O  principio  da  inafastabilidade  da  jurisdição,  também  chamado  de  princípio  do  
acesso   à   justiça,   está   previsto   no   art.   3o   do   NCPC,   assegura   a   proteção   judicial  
efetiva   e   também   está   presente   na   Constituição   Federal.   O   referido   artigo   dispõe  
que  o  Estado  promoverá  a  solução  consensual  dos  conflitos  por  meio  da  conciliação,  
mediação  e  outros  métodos.    
Segundo  Nelson  Nery,  o  referido  dispositivo  determina  que  o  acesso  à  justiça  
deve   ser   facilitado   pelo   Estado,   bem   como,   caso   uma   questão   seja   posta   para  
resolução   ao   Estado   este   não   poderá   negar-­lhe   a   resolução,   respeitando  
determinadas   regras   (NERY   JÚNIOR,   1992).   O   acesso   à   justiça   é   amplo,   ou   seja,  
5
significa  o  dever  do  Estado  de  dar  uma  resposta  aos  requerimentos  a  ele  dirigidos,  
isso   não   significa   que   a   resposta   deve   ser   favorável   à   quem   a   solicita,   mas   deve  
haver  uma  resposta.  (GONÇALVES,  2015)  
 
 
2.2  Princípios  gerais  da  execução  
 
 
Quanto  aos  princípios  relacionados  à  execução,  cabe  a  esse  artigo  mencionar  
apenas   os   princípios   gerais   da   execução,   juntamente   com   aqueles   que   são  
interessantes  ao  tema  apresentado.  
Um  dos  princípios  mais  importantes  da  execução  é  o  do  exato  adimplemento,  
que  significa  que  a  execução  objetiva  atribuir  ao  credor  a  mesma  vantagem  que  ele  
teria   caso   o   devedor   tivesse   cumprido   voluntariamente   a   obrigação.   Isso   significa  
que   o   Estado   terá   que   tentar   determinar   o   cumprimento   da   obrigação   das   mais  
diversas   formas,   somente   convertendo   em   perdas   e   danos   em   situações  
excepcionais.  (GONÇALVES,  2014)  
Outro   princípio   fundamental   é   o   da   menor   onerosidade,   que   estabelece   a  
necessidade   de   o   magistrado   atuar   de   forma   que   suas   ações   sejam   as   menos  
onerosas   possíveis   ao   executado.   O   direito   deve   ser   satisfeito,   a   decisão   judicial  
deve  ser  cumprida,  entretanto  de  forma  adequada,  razoável  e  proporcional,  levando  
em  conta  o  princípio  basilar  da  dignidade  da  pessoa  humana  que  é  fundamento  da  
República   Federativa   do   Brasil.   (THEODORO   JÚNIOR,   2005)   Segundo   Marcus  
Vinicius   Gonçalves,   não   se   pode   perder   de   vista   que   o   objetivo   da   execução   é   a  
satisfação   do   credor   e   não   pode   ser   usada   por   ele   para   impor   incômodos  
desnecessários,   humilhações   ou   ofensas   ao   devedor.   Sendo   assim,   defende   o  
doutrinador  que  cabe  ao  magistrado  a  condução  do  processo  na  busca  da  satisfação  
do  credor  mantendo  os  direitos  do  devedor.  (GONÇALVES,  2014)  
  Importante   ressaltar   que   o   princípio   do   contraditório   também   é   entendido  
como   um   princípio   da   execução,   muito   embora   haja   muita   discussão   no   âmbito   da  
doutrina  a  respeito  de  sua  aplicação,  entende-­se  que  muito  embora  ele  seja  menos  
amplo   que   no   processo   de   conhecimento,   o   devedor   poderá   acompanhar   a  
execução   e   ser   ouvido.   Desta   forma,   cai   por   terra   o   entendimento   anterior   da  

6
doutrina   que   sustentava   que   o   não   havia   contraditório   no   âmbito   da   execução.  
(GONÇALVES,  2014)  
 
 
 
 
3.  DA  JURISDIÇÃO  E  OS  PODERES  JURISDICIONAIS  
 
 
  A  jurisdição,  historicamente  foi  conceituada  por  Liebman,  como  a  função  que  
o   Estado   detém   para   formular   soluções   e   aplicar   as   regras   jurídicas   às   situações  
postas  para  sua  deliberação.  (LIEBMAN,  1968)  Ela  surge  a  fim  de  se  evitar  que  as  
partes   exerçam   “a   justiça   com   as   próprias   mãos”,   ou   seja,   ela   substitui   a   vontade  
das  partes,  realizando  coercitivamente  uma  atividade  como  terceiro  imparcial.  
Segundo  essa  definição  histórica,  a  jurisdição  somente  atuará  nos  casos  em  
que  há  conflitos  de  interesses,  ou  seja,  em  que  haja  a  presença  da  lide.  Conforme  
afirma   o   doutrinador   Didier   Jr,   a   jurisdição   sempre   atuará   sobre   uma   situação  
concreta,  ou  seja,  um  problema  que  é  levado  ao  órgão  jurisdicional.  (DIDIER,  2017)  
  Atualmente,  tal  determinação  de  jurisdição  foi  modificada.  Dentro  do  contexto  
do  processo  civil  sob  o  prisma  constitucional  a  jurisdição  não  é  mais  apenas  aplicar  
regras   jurídicas   aos   casos   concretos,   e   sim   busca   implementar   valores  
constitucionais   ao   caso   concreto,   trabalhando   como   um   mecanismo   de  
implementação  da  supremacia  constitucional  com  relação  ao  ordenamento  jurídico.  
(MARINONI,  2005)  
  Humberto  Theodoro  Júnior  alega  que  a  concepção  atual  de  jurisdição  não  se  
refere  à  ela  como  uma  apenas  aplicação  da  literalidade  de  algum  enunciado  legal  ao  
caso  concreto,  mas  concretizar  a  vontade  da  lei  em  um  aspecto  mais  amplo,  levando  
em   consideração   uma   visão   sistemática   do   ordenamento   conjuntamente   com   seus  
princípios  e  valores.  (THEODORO  JÚNIOR,  2014)  
  O  objetivo  da  jurisdição  é  a  entrega  da  prestação  jurisdicional  requerida  pelas  
partes,   levando   em   consideração   a   vontade   da   lei   como   instrumento   de   segurança  
jurídica   bem   como   a   causa   material   solicitada   pela   parte   solicitante.   (THEODORO  
JÚNIOR,  2014)  

7
  As   principais   características   da   jurisdição   são   a   o   caráter   substitutivo,   a  
inércia,   a   exclusividade,   definitividade,   imutabilidade   de   suas   decisões   e   a   função  
criativa.  
  O   caráter   substitutivo   da   jurisdição   advém   do   fato   de   que   ela   se   apresenta  
como   uma   atividade   estatal   secundária,   pois   o   Estado   realiza   coercitivamente   uma  
atividade   que   deveria   ter   sido   exercida   pelas   partes   espontaneamente.   Em   razão  
disso,  a  jurisdição  deve  se  ser  imparcial.  (THEODORO  JÚNIOR,  2014)  
  A   inércia   diz   respeito   a   necessidade   de   a   jurisdição   ser   iniciada   por   aquele  
que  invoca  a  sua  proteção,  somente  assim  o  estado  poderá  se  manifestar  a  respeito  
de   determinado   assunto,   apesar   de   posteriormente   se   desenvolver   por   impulso  
oficial  (BAPTISTA,  2010).  Importante  ressaltar  também  que  a  inércia  é  também  vista  
sob  a  ótica  de  que  a  atuação  jurisdicional  ficará  restrita  aos  pedidos  formulados  pela  
parte,  ou  seja,  fica  restrita  ao  que  estas  solicitam.  
A   definitividade   refere-­se   ao   atributo   de   caber   à   própria   jurisdição   dar   a  
solução   final   para   o   problema   apresentado,   sem   interferência   dos   demais   poderes,  
sendo   somente   controlada   por   ela   própria,   através   da   jurisdição   de   um   órgão  
superior.   Fato   que   irá   eventualmente,   resultar   na   coisa   julgada,   a   característica   de  
imutabilidade  das  decisões  jurisdicionais.  (DIDIER,  2017)  
  Uma  das  propriedades  mais  importantes  da  jurisdição  é  a  função  criativa.  Ao  
magistrado  cabe  interpretar,  construir  e  aplicar  o  direito  ao  caso  concreto,  portanto,  o  
juiz  vai  além  da  aplicação  da  norma  ao  caso,  é  necessário  que  ele  compreenda  as  
peculiaridades,  assumindo  uma  postura  mais  ativa  a  fim  de  encontrar  uma  solução  
que  esteja  em  conformidade  com  as  disposições  e  as  normas  (MARINONI    2006).  É  
aqui  que  se  encaixam  as  medidas  executivas  atípicas,  pois  caberá  ao  magistrado  a  
devida   ponderação,   diante   do   caso   concreto,   de   determinar   quais   medidas   são   as  
mais  adequadas.  
  Tendo   em   vista   o   estado   detém   o   monopólio   da   jurisdição,   são   os  
magistrados   que   poderão   a   exercer   como   representantes   estatais,   e   em  
consequência   disso,   detém   determinados   poderes.   Segundo   Humberto   Theodoro  
Júnior,   caberá   ao   magistrado,   em   posse   dos   referidos   poderes,   dar   solução   à   lide,  
resolver  os  incidentes  que  surgirem  durante  o  processo  e  conduzir  o  feito  segundo  o  
devido  processo  legal.  (THEODORO  JÚNIOR,  2014)  

8
  Segundo   Marinoni,   os   poderes   dos   magistrados   podem   ser   divididos   em  
jurisdicionais  e  administrativos,  já  segundo  Humberto  Theodoro  Júnior  tais  poderes  
podem  ser  chamados  de  poderes  decisórios  e  não  decisórios.  
  Os   poderes   administrativos   ou   não   decisórios   são   exercidos   ao   longo   do  
processo,   utilizados   para   que   não   haja   perturbações,   assegurando   a   ordem,   o  
decoro  tanto  no  andamento  processual  quanto  em  eventuais  audiências  (MARINONI    
2006).  Esse  é  o  mesmo  entendimento  de  Humberto  Theodoro  Júnior,  que  sustenta  
que  há  apenas  uma  função  administrativa,  que  pode  ser  chamada  de  polícia  judicial.  
(THEODORO  JÚNIOR,  2014)  
  Já   os   poderes   jurisdicionais   ou   decisórios   subdividem-­se   em   poderes-­meio/  
executivos   e   poderes-­fim/decisórios   propriamente   ditos.   Os   poderes   meio   são   os  
que   o   juiz   se   utiliza   para   o   regular   andamento   do   processo,   proferindo   despachos,  
atos   instrutórios,   dentre   outros.   Os   poderes   fim,   subdividem-­se   em   decisórios   e  
executórios.   Os   primeiros   dão   ao   magistrado   o   poder   de   resolver   as   questões   que  
lhe  são  postas,  e  o  segundo,  permitem  que  o  juiz  dê  efetividade  aos  comandos  de  
sua  decisão.  (MARINONI    2006)  
  As   medidas   executivas   atípicas   encontram-­se   nos   poderes   fim   executórios,  
uma   vez   que   visam,   através   das   mais   diversas   formas,   a   efetividade   da   decisão  
judicial  e  a  efetividade  da  jurisdição.  
 
 
 
3.1  Aspectos  gerais  da  execução  
 
 
  Conforme   dito   anteriormente,   a   jurisdição   se   trata   de   uma   função   do   Estado  
que  substitui  a  parte  como  terceiro  imparcial  para  solucionar  conflitos  não  resolvidos  
entre   as   partes.   A   execução   pode   ser   considerada   um   conflito   que   advém   de   um  
inadimplemento,   ou   seja,   um   sujeito   deixa   de   cumprir   espontaneamente   uma  
obrigação.   Tendo   em   vista   que   o   credor   não   pode   se   utilizar   do   emprego   da   força  
para   forçar   o   devedor   a   cumprir   com   a   obrigação,   caberá   ao   Estado,   através   do  
Poder  Judiciário  tomar  as  medidas  necessárias.  (GONÇALVES,  2014)  
  Segundo   Frederico   Marques,   o   processo   de   conhecimento   é   processo   de  
sentença  enquanto  o  processo  executivo  é  processo  de  coação  (MARQUES,  1974).  

9
Por  isso,  a  execução  não  se  trata  de  um  processo  dialético,  e  sim  somente  o  meio  
que   o   devedor   tem   para   determinar   o   cumprimento   de   uma   obrigação   ao   devedor  
inadimplente.  (THEODORO  JÚNIOR,  2014)  
  Apesar  disso,  o  processo  de  execução  não  pressupõe  a  existência  prévia  de  
um   processo   de   conhecimento,   uma   vez   que   existem   títulos   extrajudiciais   que  
permitem   o   acesso   ao   processo   de   execução   sem   uma   determinação   anterior,  
cabendo  somente  a  apresentação  do  titulo.  
Humberto   Theodoro   Júnior   distingue   o   processo   de   execução   da   execução  
forçada,   segundo   o   doutrinador   a   execução   são   atos   coordenados   que   visam   a  
satisfação   do   direito   do   credor.   Já   a   execução   forçada   é   a   realização   material   da  
vontade  da  lei  através  da  vontade  do  Estado.  (THEODORO  JÚNIOR,  2014)  
  Apesar   disso,   o   procedimento   comum   ainda   assim   é   aplicável  
subsidiariamente   ao   processo   de   cumprimento   de   sentença,   conforme   expõe   o   art.  
318  do  CPC.  
  Importante   ressaltar   que   existem   aspectos   condicionais   da   ação   executiva  
como  ocorre  no  processo  de  conhecimento,  por  isso  é  preciso  que  a  pretensão  não  
seja  contrária  ao  ordenamento  jurídico,  não  sendo  possível  que  haja  uma  execução  
ilícita   ou   que   determine   a   morte   ou   cumprimento   contrário   aos   princípios   do  
ordenamento   jurídico.   (GONÇALVES,   2014)   Além   disso,   também   é   necessário   o  
interesse   de   agir,   ou   seja,   para   que   exista   uma   obrigação,   é   necessário   que   haja  
inadimplemento.  (GONÇALVES,  2014)  
  Cumpre   observar   que   nenhum   ato   executivo   será   tomado   sem   a   prévia  
citação   do   devedor   no   cumprimento   de   sentença,   respeitando   assim   o   princípio   do  
contraditório.   Somente   assim   estará   o   Estado   autorizado   a   agredir   o   patrimônio   do  
devedor   e   agir   de   forma   a   realizar   as   sanções   a   que   se   sujeitou   o   inadimplente.  
(THEODORO  JÚNIOR,  2014)  
  Existem  diversos  meios  de  execução,  ou  seja,  de  medidas  que  possam  coagir  
o   devedor   a   cumprir   a   obrigação   e   às   normas   jurídicas   que   serão   abordados   no  
tópico  a  seguir.  
 
 
3.2  Das  medidas  sub-­rogatórias,  mandamentais,  indutivas  e  coercitivas  
 
 

10
  O   magistrado,   com   o   poder   concedido   pelo   Estado   na   atuação   da   jurisdição  
irá  se  utilizar  de  instrumentos  intimidativos  para  que  o  devedor  respeite  as  decisões  
judiciais   e   cumpra   com   seu   dever.   Para   isso,   existem   as   medidas   sub-­rogatórias,  
mandamentais,  indutivas  e  coercitivas,  cada  uma  com  uma  função  respectiva.  
  A  atividade  sub-­rogatória  é  tida  como  a  atividade  típica  jurisdicional,  uma  vez  
que  neste  momento  o  magistrado  está  substituindo  o  obrigado,  praticando  o  ato  que  
este  deveria  ter  praticado  (MEIRELES,  2015).  Segundo  Humberto  Theodoro  Júnior,  
a   execução   forçada   é   a   atuação   dos   meios   de   sub-­rogação,   que   forçam   o  
cumprimento   da   obrigação   mesmo   contra   a   vontade   do   devedor   (THEODORO  
JÚNIOR,  2014).  Existem  diversos  exemplos  de  medidas  subrogatórias,  tais  como  a  
penhora,   o   depósito,   a   busca   e   apreensão,   dentre   outros   atos   que   independem   da  
concordância  do  obrigado.  
  As   medidas   mandamentais   são   normalmente   utilizadas   nas   obrigações   de  
fazer  e  não  fazer  de  natureza  infungível,  uma  vez  que  visa  determinar  que  o  sujeito  
faça   ou   deixe   de   fazer   determinada   coisa.   (MEIRELES,   2015)   Tal   determinação  
judicial,  se  descumprida,  acarretará  na  prática  de  crime  de  desobediência,  em  razão  
disso,   a   utilização   das   medidas   mandamentais   deverá   ser   postergada,   ou   seja,  
somente   utilizada   no   caso   em   que   as   outras   espécies   de   medidas   se   tornarem  
inócuas.    
  As   medidas   indutivas   por   sua   vez   visam   induzir   o   obrigado   concedendo-­lhe  
uma  recompensa  ao  cumprimento  da  decisão  judicial,  pode-­se  citar  como  exemplo  a  
redução  de  honorários  devidos  pelo  devedor  caso  este  efetue  o  pagamento  no  prazo  
de  três  dias.  (MEIRELES,  2015)  
  Por   fim,   as   medidas   coercitivas,   são   medidas   que,   ao   contrário   das  
subrogatórias,   necessitam   da   atuação   do   obrigado   para   que   sejam   concluídas,  
portanto,   visam   induzir   o   obrigado   a   satisfazer   determinada   decisão.   A   legislação  
processual   lista   algumas   medidas   coercitivas,   como   as   astreintes   ou   multas  
cominatórias   e   a   prisão   por   exemplo,   chamadas   nessa   situação,   de   medidas  
coercitivas  típicas,  pois  estão  listadas  expressamente  na  legislação  processual.    
  Entretanto,   existem   situações   em   que   as   medidas   coercitivas   típicas   não   se  
mostram  efetivas  para  obrigar  o  sujeito  a  satisfazer  a  decisão  jurisdicional,  em  razão  
disso,   surgiram   as   medidas   executivas   atípicas.   Estas   são   nada   mais   do   que  
medidas   coercitivas   que   não   estão   expressamente   listadas   no   Código,   podendo,  
portanto,  serem  adaptadas  ao  caso  concreto.  (MEIRELES,  2015)  

11
 
 
3.3.  As  medidas  executivas  no  Processo  Civil  Brasileiro  
 
 
  Conforme   dito   no   tópico   anterior,   as   medidas   executivas   atípicas   nada   mais  
são  do  que  medidas  coercitivas  que  não  estão  listadas  expressamente  no  Código  de  
Processo  Civil.  Entretanto,  o  legislador  conferiu  liberdade  para  o  magistrado  adaptar-­
se  ao  caso  concreto.  
  O   Código   de   Processo   Civil   de   1973,   com   relação   às   medidas   executivas  
típicas,  além  de  conceder  a  possibilidade  de  multa  cominatória,  também  listou  como  
alternativa   o   bloqueio   de   valores,   prisão   civil,   dentre   outras   medidas.   Entretanto,   a  
defasagem   com   relação   aos   avanços   da   sociedade   mantinha-­se,   o   que   já   era  
observado  pela  doutrina.  Olavo  de  Oliveira  Neto  mencionou  a  eventual  possibilidade  
de   suspensão   da   licença   para   conduzir   veículos   automotores   como   uma   possível  
medida  executiva  atípica:  
 
“(...)Ora,  quem  não  tem  dinheiro  para  pagar  o  valor  que  lhe  é  exigido  
na   execução,   nem   tem   bens   para   garantir   por   isso,   não   tem   a  
necessidade   de   possuir   habilitação.   Com   isso,   suspender   tal   direito  
só   viria   a   atingir   aqueles   que,   de   modo   sub-­reptício,   camuflam   a  
existência   de   patrimônio   com   o   deliberado   fim   de   fugir   à  
responsabilidade   pelo   pagamento   do   débito”.   (OLIVEIRA   NETO,  
2000)  
 
   
  Com   a   edição   do   Novo   Código   de   Processo   Civil   as   medidas   executivas  
atípicas   receberam   um   maior   destaque,   conforme   sustentou   Bruno   Freire   Silva,   o  
NCPC  “foi  mais  agressivo  e  expressivo  quanto  aos  poderes  do  juiz”.  (SILVA,  2015).  
Essa   tentativa   do   legislador   em   conceder   maior   liberdade   aos   magistrados   foi   uma  
forma  de  manter  o  Código  de  Processo  Civil,  na  medida  do  possível,  atualizado  com  
os  avanços  da  sociedade,  evitando  assim,  a  fossilização  do  dispositivo.  
 
 
 
 
 

12
3.4.  Aspectos  gerais  das  medidas  executivas  atípicas  no  NCPC  
 
 
  As  medidas  executivas  atípicas  no  NCPC  vêm  sendo  chamadas  pela  doutrina  
de  “Poder  geral  de  efetivação  das  decisões  judiciais”.  Elas  estão  localizadas  no  art.  
139   do   NCPC   que   apresenta   os   poderes,   deveres   e   responsabilidades   do  
magistrado.  Segundo  Alexandre  Freitas  Câmara,  esse  dispositivo  é  um  resquício  da  
ideologia  do  protagonismo  judicial,  momento  em  que  se  considerava  o  juiz  o  centro  
do  processo.  (CÂMARA,  2016)  
  Ao   longo   do   artigo   139   do   NCPC   são   apontadas   diretrizes   gerais   para   a  
atuação   do   magistrado,   expondo   a   necessidade   do   juiz   manter   um   tratamento  
isonômico   às   partes,   com   uma   duração   razoável,   bem   como   evitando   atos  
atentatórios  à  dignidade  da  justiça.  (CÂMARA,  2016)  
  Localizadas   no   inciso   IV   do   referido   artigo,   as   medidas   executivas   atípicas  
são   descritas   como   meios   para   assegurar   o   cumprimento   de   uma   ordem   judicial.  
Essa   prerrogativa   advém   do   Poder   Geral   de   Cautela,   previsto   no   art.   461,   §   5o   do  
CPC   de   1973,   que   dispunha   que   o   magistrado   poderia   determinar   as   medidas  
necessárias  para  obter  uma  tutela  específica  de  ofício.    
  Para  Sérgio  Cruz  Arenhart,  Luiz  Guilherme  Marinoni  e  Marcelo  Lima  Guerra  a  
respeito  das  medidas  executivas  atípicas:  
 
 
“Significa   uma   ruptura   paradigmática   no   modelo   processual  
brasileiro.  Ao  passo  que  dá  novo  significado  à  atividade  jurisdicional,  
valorizando   o   imperium   contido   na   decisão   judicial,   confere   novos  
mecanismos   de   proteção   dos   direitos.   A   regra,   ademais,   supre   a  
lacuna   inconstitucional   da   legislação   brasileira,   colocando   a   tutela  
das  prestações  pecuniárias  no  mesmo  nível  que  aquela  oferecida  às  
outras   formas   de   interesses.   (...)”   (MARINONI,   ARENHART   E  
GUERRA,  2015)  
 
 
  Segundo   Câmara,   as   medidas   executivas   atípicas   podem   ser   aplicadas   seja  
qual   for   o   objeto   da   prestação,   inclusive   contra   prestações   pecuniárias   (CÂMARA,  
2016).   Tal   afirmação   também   foi   corroborada   pelo   Enunciado   n.   48   da   ENFAM   –  
Escola  Nacional  de  Formação  e  Aperfeiçoamento  de  Magistrados  e  pelo  Enunciado  
n.  12  do  Fórum  Permanente  de  Processualistas  Civis,  que  sustentam:  

13
 
 

48.   O   art.   139,   IV,   do   CPC/2015   traduz   um   poder   geral   de  


efetivação,  permitindo  a  aplicação  de  medidas  atípicas  para  garantir  
o   cumprimento   de   qualquer   ordem   judicial,   inclusive   no   âmbito   do  
cumprimento   de   sentença   e   no   processo   de   execução   baseado   em  
títulos  extrajudiciais.  

 
“A   aplicação   das   medidas   atípicas   sub-­rogatórias   e   coercitivas   é  
cabível   em   qualquer   obrigação   no   cumprimento   de   sentença   ou  
execução   de   título   executivo   extrajudicial.   Essas   medidas,   contudo,  
serão   aplicadas   de   forma   subsidiária   às   medidas   tipificadas,   com  
observação   do   contraditório,   ainda   que   diferido,   e   por   meio   de  
decisão  à  luz  do  art.  489,  §  1º,  I  e  II.”.  
 
 
  Em   uma   análise   intensa   do   referido   artigo,   Marcelo   Abelha   Rodrigues  
sustenta   que   o   principal   objetivo   do   magistrado   na   sua   aplicação   deverá   ser   a  
realização  de  um  comportamento  ou  a  punição  por  uma  conduta  indesejada  que  já  
foi  realizada.  Ou  seja,  o  magistrado  detém  liberdade  para  escolher,  segundo  o  caso  
concreto,   as   medidas   que   sejam   adequadas   ao   cumprimento   da   decisão   judicial.  
(RODRIGUES,  2016)  
  Entretanto,   Abelha   Rodrigues   aponta   para   que   se   atente   para   uma   eventual  
confusão,   as   medidas   coercitivas   atípicas   devem   induzir   o   obrigado   a   realizar   a  
determinação  judicial,  fato  que  é  completamente  diferente  da  função  punitiva,  onde  o  
magistrado  pune  o  obrigado  por  agir  contrariamente  a  sua  determinação.  Suscita  o  
doutrinador  que  as  medidas  punitivas,  ao  contrário  das  medidas  executivas  atípicas,  
devem  estar  listadas  pelo  legislador.  (RODRIGUES,  2016)  
 
 
3.5.  Limitações  na  aplicação  das  medidas  executivas  atípicas  
 
  Apesar   da   liberdade   concedida   pelo   legislador   ao   magistrado,   diversos  
doutrinadores   vêm   trabalhando   no   tema   apresentando   diversas   alternativas   e  
eventuais  limitações.  
  Marcelo  Abelha  Rodrigues,  a  título  de  exemplo,  aponta  que  existem  dois  tipos  
de   executados,   o   primeiro   é   o   executado   que   não   honra   seus   compromissos   em  

14
virtude   de   dificuldades   financeiras,   já   o   segundo   tipo   é   aquele   que   esconde   seu  
patrimônio   propositalmente.   Rodrigues   afirma   então,   que   as   medidas   executivas  
atípicas   aplicáveis   ao   primeiro   executado   deveriam   ser   mais   restritas   e   cautelosas  
do   que   no   caso   do   segundo   executado.   Tais   limites,   portanto,   estariam   dentro   do  
escopo  do  princípio  da  proporcionalidade.  (RODRIGUES,  2016)  
  Já   Fabiano   Carvalho   afirma   que   o   magistrado   deverá   pautar-­se   pelos  
princípios  da  razoabilidade  e  da  proporcionalidade,  repelindo  o  excesso  e  atraindo  a  
compatibilidade   das   medidas   ao   caso   concreto.   As   medidas   devem   ser   suficientes  
para   induzir   o   devedor   ao   adimplemento,   mas   adequando-­se   à   capacidade  
econômica  e  o  valor  da  obrigação.  (CARVALHO,  2004)  
  Eduardo  Talamini  por  sua  vez,  sustenta  que  o  Superior  Tribunal  de  Justiça  já  
editou   três   súmulas   que   podem   ser   utilizadas   na   limitação   da   atuação   jurisdicional  
no  tema:  (TALAMINI,  2017)  
 
“É  inadmissível  a  interdição  de  estabelecimento  como  meio  coercitivo  
para  cobrança  de  tributo”  (Sumula  70).    
 
“É   inadmissível   a   apreensão   de   mercadorias   como   meio   coercitivo  
para  pagamento  de  tributos”  (Sumula  323).    
 
“Não  é  licito  à  autoridade  proibir  que  o  contribuinte  em  debito  adquira  
estampilhas,   despache   mercadorias   nas   alfandegas   e   exerça   suas  
atividades  profissionais”  (Sumula  547)    

 
Observa-­se   assim   que   Talamini   dispõe   que   o   magistrado   não   poderá,   na  
aplicação  das  medidas  executivas  atípicas,  impedir  o  devedor  de  atuar,  para  até  que  
eventualmente   este   possa   cumprir   as   medidas   executivas.   Dessa   forma   existe   de  
certa  forma,  limitações  implícitas  na  atuação  jurisdicional.  (TALAMINI,  2017)  
Sérgio   Cruz   Arenhart,   Luiz   Guilherme   Marinoni   e   Marcelo   Lima   Guerra,   por  
sua  vez  afirmam  que  uma  das  possíveis  medidas  executivas  atípicas  é  a  prisão  civil.  
Entretanto,   tais   doutrinadores   afirmam   essa   prisão   não   pode   ser   confundida   com   a  
prisão  por  dívida.  (MARINONI,  ARENHART  E  GUERRA,  2015)  
Isso   significa   que   a   prisão   civil   ocorre   nos   casos   de   descumprimento   de  
ordem   judicial,   e   não   afeta   a   Convenção   Americana   sobre   Direitos   Humanos.  
Portanto,  o  magistrado  poderá  se  utilizar  da  prisão  civil,  no  caso  de  desobediência,  

15
entretanto   não   poderá   se   utilizar   desta   no   caso   de   prisão   por   dívida,   exceto   nos  
casos  de  dívida  por  pensão  alimentícia.  (CARVALHO,  2004)  
  O   Enunciado   n.   12   do   Fórum   Permanente   de   Processualistas   Civis   também  
dispôs  a  respeito  de  uma  eventual  limitação  na  atuação  jurisdicional,  suscitando  que  
as   medidas   executivas   atípicas   seriam   aplicadas   subsidiariamente   às   medidas  
executivas   tipificadas   no   NCPC.   O   mesmo   entendimento   foi   ponderado   pelo   juiz   e  
professor  Fernando  da  Fonseca:  
 
 
(...)   a   prevalecer   a   interpretação   potencializada   do   art.   139,   IV,   do  
CPC/15   –,   o   emprego   de   tais   medidas   coercitivas/indutivas,  
especialmente   nas   obrigações   de   pagar,   encontrará   limite   certo   na  
excepcionalidade  da  medida  (esgotamento  dos  meios  tradicionais  de  
satisfação   do   débito),   na   proporcionalidade   (inclusive   à   luz   da   regra  
da   menor   onerosidade   ao   devedor   do   art.   805   do   CPC/15),   na  
necessidade   de   fundamentação   substancial   e,   especialmente,   nos  
direitos   e   garantias   assegurados   na   CF   (v.g.,   não   parece   possível  
que  se  determine  o  pagamento  sob  pena  de  prisão  ou  de  vedação  ao  
exercício  da  profissão,  do  direito  de  ir  e  vir,  etc.)  (...)    

 
  Outra  possibilidade  de  limitação  ao  magistrado  foi  trazida  à  tona  por  Ricardo  
Alexandre   Silva,   suscitando   o   princípio   da   menor   onerosidade   ao   executado,   uma  
vez  que  o  magistrado  deverá  selecionar  uma  medida  executiva  que  cause  menores  
problemas  ao  executado.  (SILVA,  2015)    
  Por   fim,   Lenio   Luiz   Streck   e   Dierle   Nunes   entendem   que   as   medidas  
executivas   atípicas   não   podem   ensejar   restrição   unilateral   de   direitos   individuais  
para   a   satisfação   de   pretensões   apenas   pecuniárias.   (STRECK   E   NUNES,   2016)  
Sustentam  os  autores  que  a  dignidade  da  pessoa  humana  e  o  direito  de  ir  e  vir  têm  
matriz  constitucional,  sendo  estes  direitos  fundamentais  que  têm  o  mesmo  patamar  
que  o  direito  à  propriedade.  
 
 
3.6.  Jurisprudência  da  aplicação  do  artigo  139,  IV  NCPC.  
 
 
  Uma  das  primeiras  decisões  aplicando  o  art.  139,  IV  do  NCPC  foi,  como  já  era  
de   se   esperar,   polêmica.   Tratava-­se   de   um   caso   que   tramitava   há   anos   no   Foro  

16
Regional   XI   em   Pinheiros   –   SP,   na   qual   a   magistrada   determinou   a   suspensão   da  
Carteira   de   Habilitação   do   devedor,   a   apreensão   de   seu   passaporte   e   o  
cancelamento  de  seus  cartões  de  crédito.  Tal  decisão  foi  tomada  sob  a  justificativa  
de  que  o  devedor  não  apresentou  nenhum  bem  à  penhora,  bem  como  furtou-­se  de  
cooperar  com  a  justiça.2  
  O  devedor  impetrou  habeas  corpus  que  foi  concedido  monocraticamente:  
 
“(...)   Em   que   pese   a   nova   sistemática   trazida   pelo   art.   139,   IV,   do  
CPC/15,   deve-­se   considerar   que   a   base   estrutural   do   ordenamento  
jurídico  é  a  Constituição  Federal,  que  em  seu  art.  5º,  XV,  consagra  o  
direito   de   ir   e   vir.   Ademais,   o   art.   8º,   do   CPC/15,   também   preceitua  
que   ao   aplicar   o   ordenamento   jurídico,   o   juiz   não   atentará   apenas  
para   a   eficiência   do   processo,   mas   também   aos   fins   sociais   e   às  
exigências  do  bem  comum,  devendo  ainda  resguardar  e  promover  a  
dignidade   da   pessoa   humana,   observando   a   proporcionalidade,   a  
razoabilidade   e   a   legalidade.   Por   tais   motivos,   concedo   a   liminar  
pleiteada.   Comunique-­se   à   autoridade   coatora   para   que   providencie  
as   medidas   cabíveis   e   urgentes   para   o   desfazimento   do   ato   por   ela  
praticado,   bem   como   encaminhe   a   este   Tribunal   as   necessárias  
informações.   Após,   os   autos   devem   ser   direcionados   à   douta  
Procuradoria  Geral  de  Justiça”.  
 
 
  O  Superior  Tribunal  de  Justiça  de  forma  contrária,  negou  Habeas  Corpus  em  
caso   similar,   uma   vez   que   a   referida   corte   entende   que   a   simples   suspensão   da  
Carteira  de  Habilitação  Nacional  não  tolhe  o  direito  de  ir  e  vir  do  indivíduo,  uma  vez  
que  somente  restringe  o  direito  de  dirigir  do  paciente.3  
  Em   caso   diverso,   a   1a   Câmara   de   Direito   Público   do   Tribunal   de   Justiça   de  
São   Paulo   entendeu   de   forma   distinta,   em   cumprimento   de   sentença   de   ação   de  
responsabilidade  civil  por  ato  de  improbidade  administrativa,  o  Tribunal  determinou  a  
apreensão   da   carteira   de   motorista   e   dos   passaportes   dos   executados   até   o  
pagamento   da   dívida.   Tal   medida   foi   justificada   sob   o   argumento   que   as   medidas  
executivas  típicas  não  surtiram  efeito  uma  vez  que  houve  o  transcurso  de  três  anos  
sem  qualquer  êxito.4  
  Importante   ressaltar   que   o   referido   tribunal   destacou   a   decisão   tomada   no  
habeas   corpus   anteriormente   citado   no   presente   artigo,   entretanto,   alegou   que   a  
natureza  do  crédito  no  caso  em  tela  implicava  tratamento  diferenciado.  

2
TJ-­SP  4001386-­13.2013.8.26.0011
3
STJ  HC  n.  411.519-­SP
4
 TJ-­SP:  2257601-­87.2016.8.26.0000  

17
  O  Tribunal  de  Justiça  do  Paraná,  por  sua  vez,  em  ação  de  execução  de  título  
extrajudicial,  determinou  a  suspensão  do  direito  de  dirigir,  bem  como  do  passaporte  
do  executado  até  o  parcelamento  ou  pagamento  da  dívida  ou  comprovação  cabal  de  
impossibilidade   financeira   e   necessidade   incontestável   dos   direitos   suspensos.5   O  
referido   acórdão   sustentou   que   devedor   mantinha   uma   inadimplência   voluntária,  
com  artifícios  ilícitos  com  o  intuito  de  furtar-­se  da  aplicação  da  lei,  sendo  necessária  
a   aplicação   de   medida   excepcional   já   que   os   meios   habituais   foram   esgotados.  
Inclusive,   o   acórdão   menciona   a   necessidade   da   proporcionalidade   das   medidas  
aplicadas,  sempre  devendo  respeitar  as  peculiaridades  do  caso  concreto:  
 
"(...)   Desta   forma,   considerando   que   situações   excepcionais   exigem  
a   adoção   de   medidas   igualmente   excepcionais,   evidente   que   há  
possibilidade   jurídica   do   pedido   deduzido   pela   parte   agravante,   não  
havendo   mais   que   se   falar,   conforme   entendimento   exarado   na  
decisão   agravada,   que   o   princípio   basilar   da   execução   é   o   do   seu  
caráter  unicamente  real,  podendo  incidir  apenas  e  tão-­somente  sobre  
o  patrimônio  da  parte  executada.”  
 
   
  Nessa   linha,   também   decidiu   o   Tribunal   de   Justiça   do   Rio   Grande   do   Sul,  
confirmando   uma   sentença   de   primeiro   grau,   que   apreendeu   a   carteira   de  
habilitação  de  devedor  inadimplente  por  dívida  alimentar.6  Tal  decisão  foi  em  âmbito  
de   habeas   corpus   impetrado   pelo   devedor,   sob   o   argumento   de   que   houve  
cerceamento  da  sua  liberdade  de  locomoção.  O  Tribunal,  entretanto,  entendeu  que  a  
providência  visava  assegurar  a  efetividade  da  decisão,  tendo  em  vista  a  ineficiência  
da  cobrança  de  alimentos  através  de  medidas  menos  onerosas.  Atentou  ainda  que  
na   seara   alimentar   medidas   mais   drásticas   poderiam   ser   tomadas,   como   a   prisão  
civil,  ato  que  não  tomado  pelo  juízo  a  quo.  
  Em   sentido   contrário,   o   Tribunal   de   Justiça   do   Distrito   Federal   e   dos  
Territórios   entendeu   que,   em   que   pese   as   medidas   atípicas   possam   ser   aplicadas  
aos   processos   de   execução   de   títulos   extrajudiciais,   estas   não   podem   ser  
empregadas   de   forma   indiscriminada,   assim   foi   indeferida   a   suspensão   da   carteira  
de  habilitação  e  do  passaporte  bem  como  o  cancelamento  de  cartões  de  crédito  da  
devedora.7  
 

5
 TJ-­PR:  0041463-­  42.2016.8.16.0000  
6
 TJ-­RS:  0431358-­49.2016.8.21.7000  
7
 TJ-­DFT:  0701964-­59.2016.8.07.0000  

18
 
4.  CONCLUSÃO  
 
 
  Ao   longo   do   presente   trabalho   foi   apresentado   o   instituto   das   medidas  
executivas   atípicas.   Tais   medidas   muito   embora   presentes   no   Código   de   Processo  
Civil   de   1973,   o   NCPC   inovou   ao   conceder   maior   amplitude   de   poderes   ao  
magistrado.  
  Observa-­se   que   tais   medidas   advêm   do   poder   geral   de   cautela,   que   é   um  
poder   concedido   aos   magistrados,   representantes   do   estado   na   execução   da  
jurisdição,   para   tomar   as   medidas   necessárias   a   fim   de   que   haja   efetividade   das  
decisões  jurisdicionais.  
  Apesar   disso,   a   doutrina   vem   debatendo   de   forma   ampla   eventuais   limites   a  
atuação   jurisdicional,   uma   vez   que   os   a   liberdade   concedida   pelo   legislador   não  
pode   ilimitada.   Por   isso,   o   presente   trabalho   apresentou   diversas   ponderações   de  
diversos  doutrinadores  a  respeito  do  tema.    
  A   principal   observação   de   doutrinadores   a   respeito   de   eventuais   limites  
trataram-­se   da   necessidade   de   respeito   aos   princípios   constitucionais   e     gerais   de  
direito,   diante   disso,   as   medidas   executivas   atípicas   devem   ser   proporcionais,  
respeitando   sempre   o   contraditório,   a   ampla   defesa,   a   igualdade   e   a   dignidade   da  
pessoa  humana.  
  Além   disso,   demonstra-­se   ser   unânime   o   entendimento   de   que   para   a  
aplicação  de  medidas  executivas  atípicas  é  necessário,  anteriormente,  a  tentativa  do  
cumprimento  da  decisão  pelo  obrigado  através  dos  métodos  mais  comuns,  ou  seja,  
típicos.  
  Apesar   disso,   a   jurisprudência   pátria   ainda   é   bastante   diversa   em   seus  
posicionamentos,   conforme   apresentado,   determinados   Tribunais   de   Justiça  
entenderam  possível  o  confisco  da  carteira  de  habilitação,  passaporte  e  cartões  de  
crédito   de   devedores,   enquanto   outros   entenderam   a   medida   como   ofensiva   à  
dignidade  da  pessoa  humana.  
  Desta   forma,   entende-­se   que   o   art.   139   IV   do   NCPC   não   concedeu   carta  
branca  aos  magistrados  na  aplicação  das  medidas  executivas  atípicas,  estes  devem  
respeito   a   princípios   e   direitos   dos   devedores.   Apesar   disso,   existem   amplas  

19
possibilidades  de  medidas  que  possam  evitar  que  os  “maus  devedores”  se  furtem  da  
aplicação  da  legislação.  
  Considerando   que   o   NCPC   tem   pouco   tempo   de   vida,   pode-­se   afirmar   com  
certeza   que   o   entendimento   a   respeito   do   tema   terá   desdobramentos,   com  
posicionamentos  das  cortes  superiores  a  respeito  do  tema.  

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

20
REFERÊNCIAS  
 
 
ALVES,   Lucélia   de   Sena   e   RETES,   Tiago   Augusto   Leite.   O   Poder   Geral   de  
Efetivação  das  Decisões  Judiciais  na  execução  de  pagar  quantia  certa:  Uma  análise  
crítica  acerca  do  art.  139,  IV  do  Novo  Código  de  Processo  Civil.  Processo,  jurisdição  
e   efetividade   da   justiça   IV.organização   CONPEDI/   UNICURITIBA.   Florianópolis:  
CONPEDI,  2016.  
 
 
BAPTISTA,   Ovidio   A.   da   Silva.   Teoria   Geral   do   Processo   Civil.   São   Paulo:   Editora  
RT.  6  ed.  2010.  
 
 
BUZAID,   Alfredo.   Exposição   de   motivos   do   Código   de   Processo   Civil   de   1973.  
Disponível   em:  
<http://www.senado.gov.br/senado/novocpc/pdf/CPC_ANTEPROJETOS.pdf>.  
Acesso  em:  21  agosto  2017.    
 
 
CAMARA,  Alexandre  Freitas.  O  novo  processo  civil  brasileiro.  2ed.  São  paulo.  Atlas,  
2016.  
 
 
CARVALHO,   Fabiano   Aita.   Execução   da   multa   (astreintes)   prevista   no   art.   461   do  
CPC.  Revista  de  Processo,  vol.  114/2004,  p.  208  -­  222,  Mar  -­  Abr  /  2004.  
 
 
COSTA,  Moacyr  Lobo  da.  Breve  noticia  histórica  do  direito  processual  brasileiro  e  de  
sua  literatura.  São  Paulo:  Rev.  dos  Tribunais,  1970.  
 
 
COUTURE,  Eduardo  J.  Fundamentos  del  Derecho  Procesual  Civil,  4  ed.  Montevideo:  
B  de  F,  2007.  
 
 
DIDIER   JR,   Fredie.   Curso   de   Direito   Processual   Civil.   V1   19   ed.   Salvador.   Ed   Jus  
Podivm,  2017.  
 
 
DINAMARCO,   Candido   Rangel.   A   reforma   do   código   de   processo   civil.   4.   ed.   São  
Paulo:  Malheiros,  2001.    
 
 
FREITAS   CÂMARA,   Alexandre.   Lições   de   Direito   Processual   Civil.   Rio   de   Janeiro:  
Lumen  Juris,  2008,  vol.  III.  
 
 

21
FUX,  Luiz.  Exposição  de  motivos  do  código  de  processo  civil.  In.  GUEDES,  Jefferson  
Carús.  et  al.  Código  de  processo  civil:  comparativo  entre  o  projeto  do  novo  CPC  e  o  
CPC  de  1973.  Belo  Horizonte:  Fórum,  2010.    
 
 
GAJARDONI,   Fernando   da   Fonseca.   Tribunais   Começam   a   Suspender   Passaporte  
de  Devedor.  Disponível  em:  <https://jota.info/justica/tribunais-­comecam-­a-­suspender-­
passaporte-­de-­devedor-­24042017>.  Acesso  em:  20  abr.  2017.  
 
 
GONÇALVES,  MARCUS  VINICIUS  RIOS.  Direito  Processual  Civil  Esquematizado.  5  
ed.  São  Paulo.  Saraiva.  2015.  
 
 
GONÇALVES,   Marcus   Vinicius.   Novo   curso   de   direito   processual   civil:   execução   e  
processo  cautelar  :  volume.  7.  ed.  São  Paulo:  Saraiva,  2014.  
 
 
LIEBMAN,Enrico   Tullio.   Manuale   di   Diritto   Procesuale   Civile,   ristampa   da   2a.   ed.,  
1968,  v.  I,  no.  1.  
 
 
MARINONI,   Luiz   Guilherme;;   ARENHART,   Sérgio   Cruz.   Curso   de   Processo   Civil,  
volume   3:   execução.   2   ed.   rev.   e   atual.   3.   tir.   -­   São   Paulo:   Editora   Revista   dos  
Tribunais,  2008.  
 
 
MARINONI,   Luiz   Guilherme.   ARENHART,   Sérgio   Cruz.   MITIDIERO,   Daniel.   Novo  
Código   de   Processo   Civil   comentado.   –   2.   Ed.   Rev.,   atual.   E   ampl.   –   São   Paulo:  
Editora  Revista  dos  Tribunais,  2016.    
 
 
MARINONI,  Luiz  Guilherme.  Curso  de  Processo  Civil:  Teoria  Geral  do  Processo.  São  
Paulo:  RT,  2006.  
 
 
MARINONI,   Luiz   Guilherme.   Técnica   processual   e   tutela   dos   direitos.  São   Paulo:  
Revista  dos  Tribunais,  2004.  
 
 
MARINONI,   Luiz   Guilherme.  A   jurisdição   no   Estado   contemporâneo.   Estudos   de  
direito  processual  civil.  São  Paulo:  RT,  2005.  
 
 
MARQUES,   Frederico.   Manual   de   Direito   Processual   Civil,   São   Paulo,   Saraiva,   1ª  
ed.,  1974.  
 
 
NERY   JÚNIOR,   Nelson.   Princípios   do   Processo   Civil   na   Constituição   Federal.   São  
Paulo:  Revista  dos  Tribunais,  1992.  

22
 
 
 
NEVES,   Daniel   Amorim   Assunção.   Novo   Código   de   Processo   Civil   –   Lei  
13.105/2015.  Ed.  Método,  São  Paulo,  2015.  
 
 
NUNES,   Dierle;;   STRECK,   Lênio   Luiz.   Como   interpretar   o   artigo   139,   IV,   do   CPC?  
Carta   branca   para   o   arbítrio?   Disponível   em:   <   http://www.conjur.com.br/2016-­ago-­
25/senso-­  incomum-­interpretar-­art-­139-­iv-­cpc-­carta-­branca-­arbitrio  >.  Acesso  em:  20  
de  setembro  de  2017.    
 
 
OLIVEIRA   NETO,   Olavo   de.   ÁVILA,   Humberto.   Teoria   dos   Princípios.   5a   ed.   São  
Paulo:  Malheiros.  Ed.  2006.  
 
 
PACHECO,   José   da   Silva,   Evolução   do   Processo   Civil   Brasileiro,   2a   ed.,   Rio   de  
Janeiro:  Renovar,1999.  
 
 
REZENDE   FILHO,   Gabriel   de.   A   reforma   processual   e   o   anteprojeto   do   Código   de  
Processo  Civil  e  Comercial.  Revista  Forense,  Rio  de  Janeiro,  v.78,  abr.  1939.    
 
 
RODRIGUES,   Marcelo   Abelha.   O   que   fazer   quando   o   executado   é   um   “cafajeste”?  
Apreensão   de   passaporte?   Da   carteira   de   motorista?   Disponível   em:   <  
http://www.migalhas.com.br/dePeso/16,MI245946,51045<O+que+fazer+quando+o+e
xecutado+e+um+cafajeste+Apreensao+de+passaporte   >.   Acesso   em:   10   de   agosto  
de  2017.    
 
 
SILVA,   Bruno   Freire   e.   O   novo   CPC   e   o   processo   do   trabalho   I:   parte   geral.   São  
Paulo:  LTr,  2015.  
 
 
SILVA,   Ricardo   Alexandre.   Atipicidade   dos   meios   executivos   na   efetivação   das  
decisões   que   reconheçam   o   dever   de   pagar   quantia   certa   no   Novo   CPC.   In:  
MACÊDO,  Lucas  Bueril  et.  al.  (Orgs.).  Novo  CPC.  Doutrina  Selecionada.  Volume  5:  
Execução.  Salvador:  JusPodium,  2015.  
 
 
TALAMINI,   Eduardo.   Poder   Geral   de   adoção   de   medidas   executivas   atípicas   e  
execução  por  quantia  certa.  Informativo  Justen,  Pereira,  Oliveira  e  Talamini.  Curitiba.  
N.   121,   março   de   2017,   disponível   em   <http://www.justen.com.br/informativo>  
Acesso  em:  20  de  agosto  de  2017.  
 
 

23
THEODORO   JÚNIOR,   Humberto,   Curso   de   Direito   Processual   Civil:   Processo   de  
Execução   e   Processo   Cautelar,   vol.   2,   37ª   ed.,   Rio   de   Janeiro,   Editora   Forense,  
2005.    
 
 
THEODORO  JÚNIOR,  Humberto.  Curso  de  Direito  Processual  Civil  -­  Vol.  I  -­  56ª  Ed.  
2015,  Saraiva,  2015.  
 
 
VIANNA,   Ataliba.   Inovações   e   obscuridades   do   Código   de   Processo   Civil   e  
Comercial  Brasileiro.  São  Paulo:  Livraria  Martins,  1940.    
 
 
ZOLLINGER,   Marcia   Brandão.   Proteção   Processual   aos   Direitos   Fundamentais.  
Salvador:  JusPODIVM,  2006.  
 

   

24