Você está na página 1de 4

Número 1 Maio 2006

Q
• APREΣENTAÇÃO • P

A SIGMA é uma produção bimestral do grupo de


matemática TEOREMA que tem como objetivos
acompanhar os olı́mpicos durante o ano letivo e ajudá-los
M X Y N

com nossos artigos e problemas propostos. Aproveitamos


a oportunidade para convidar todos a enviar soluções de
problemas, artigos e qualquer outra forma de ajuda para Q′
os editores. Tenham certeza que estaremos aguardando
ansiosos por seus e-mails e suas cartas. Além disso, seja X um ponto variável sobre r e entre os
Esperamos que vocês gostem do nosso primeiro número pontos M e N de modo que M X = x. Desse modo, veja
e que aprendam bastante com os artigos e se divirtam ten- que f pode ser escrita sob a forma:
tando resolver os problemas propostos.
Os editores, f (x) = P X + XQ,
Fortaleza 2006
ou seja, queremos achar o ponto X sobre r que minimiza
a soma P X + XQ. Com esses fatos em mãos, podemos
• ÁLGEBRA=GEOMETRIA? • escrever nossa solução:
Bruno Holanda
Solução. Seja Q′ o simétrico de Q em relação a r. Afir-
mamos que o ponto que minimiza f é o ponto de encontro
É muito comum ver alunos dizerem: “Adoro Geometria de Q′ P com r. De fato, se Y e um outro ponto qualquer
mas, odeio Álgebra.” e vice-versa. A disjunção destes sob r, pela desigualdade triangular, temos:
dois ramos da matemática chega a ser tão grande que a
maioria das escolas separam um professor para ensinar P X + XQ = P X + XQ′ = P Q′
apenas álgebra e outro, apenas geometria. Este artigo veio < P Y + Y Q′ = P Y + Y Q.
para provar que a “distância” entre álgebra e geometria
não é tão grande assim. Para concluir o problema, basta fazer algumas continhas:
Como os triângulos P M X e Q′ XN são semelhantes,
Exemplo 1. Qual o menor valor da função real temos:
x b−x
p p = ,
f (x) = a2 + x2 + (b − x)2 + c2 , a c

onde a, b, c são reais positivos? ab


uma equação de 1◦ grau com raiz x0 = . Logo, o
a+c
Os aficcionados por cálculo poderiam dizer: Basta valor mı́nimo de f é:
derivar! Sim, é possı́vel resolver o problema usando p
derivação. Porém, a prova fica muito mais atraente se f (x0 ) = (a + c)2 + b2 .

pensarmos geometricamente:

Seja r uma reta no plano e P e Q pontos num mesmo Exemplo 2. Sejam a, b, c reais positivos. Mostre que:
semi-plano dos que r determina tais que as distâncias p p p
destes pontos à reta r sejam a e c, respectivamente. c a2 − ab + b2 + a b2 − bc + c2 ≥ b a2 + ac + c2 .
Suponha ainda que a distância entre as suas projeções M
e N seja b. Solução. Construa um quadrilátero ABCD onde AB = a,
BC = c, BD = b e ∠ABD = ∠DBC = 60◦ .

www.grupoteorema.mat.br/sigma 1 jornal.sigma@gmail.com
A B Porém, esta última igualdade é equivalente à:
60◦ √
60◦ xy + 2yz + 3zx = 24 3.


Problemas:
C
1. Sejam a1 , a2 , ..., an reais positivos cuja soma é 17. De-
termine o menor valor de
D
n q
X
Usando a lei dos cosenos, obtemos que: (2k − 1)2 + a2k .
k=1
 √
 AD = √a2 − ab + b2
Determine também os valores de n tais que a soma
DC = √ b2 − bc + c2
seja inteira.
AC = a2 + ac + c2

2. Ache o menor valor da expressão
Desse modo, a desigualdade que queremos provar é p p
equilavente à desigualdade de Euler-Ptolomeu: (x + 1)2 + (y − 1)2 + (x − 1)2 + (y + 1)2
p
AB · DC + BC · AD ≥ BD · AC. + (x + 2)2 + (y + 2)2 ,

onde x, y ∈ R. [Vietnam - 1998]
Não vá pensando que essa idéia serve apenas para resolver
problemas de desigualdades! Para finalizar, vamos resolver 3. Seja Fn+1 = Fn + Fn−1 (n ≥ 2), F1 = F2 = 1 a
2
um problema bastante conhecido. seqüência de Fibonacci. Prove que Fn+1 = 4Fn Fn−1 +
2
Fn−2 .
Exemplo 3. Sejam x, y, z reais positivos tais que: q
2 , n ≥ 1, onde {F } é a
4. Seja Vn = Fn2 + Fn+2 n
y2

2 seqüência de Fibonacci. Mostre que, para todo inteiro
 x + xy + 3 = 25



positivo n, Vn , Vn+1 e Vn+2 são lados de um triângulo
y2
+ z2 = 9 de área 1/2. [OBM - 1997]
3



 2
z + zx + x2 = 16 5. Sejam x1 , x2 , ..., xn reais positivos cuja soma é 3 e a
Determine o valor de xy + 2yz + 3zx. soma dos quadrados é maior do que 1. Prove que
podemos escolher três destes números cuja a soma seja
Solução. Construa um triângulo ABC, retângulo em C e maior que 1.
com AC = 3 e BC = 4 como na figura a seguir: Referências:
[1] Arthur Engel, Problem-Solving Strategies, Springer-
A
Verlag, 1998
[2] Ross Honsberg, In Polya’s Footsteps, AMS, 1997

P
• O TEOREMA DE KRONECKER •
Samuel Barbosa
B
C

Seja P um ponto no seu interior tal que ∠CP B = 120 √
e ∠CP A = 90◦ . Além disso, suponha que P A = t = y 3 3 , Leopold Kronecker foi um matemático do século XIX
P B = x e P C = z. Veja que usar lei dos cosenos nos que realizou importantes contribuições em Teoria dos
triângulos AP B, BP C e CP A é equilavente às condições Números e Análise. Tentaremos falar um pouco de suas
iniciais do problema. Por outro lado, temos a seguinte idéias e de algumas aplicações interessantes em problemas
identidade de áreas: de olimpı́adas. Comecemos com um problema que nos
servirá de motivação:
[AP B] + [BP C] + [CP A] = [ABC].
Exercı́cio 1. Prove que para qualquer natural a > 1
com mdc(a, 10) = 1 e qualquer sequência de dı́gitos

www.grupoteorema.mat.br/sigma 2 jornal.sigma@gmail.com
M = (a1 a2 . . . ak ), existe um inteiro n tal que os primeiros relação que podemos reescrever como:
dı́gitos à esquerda do número an são (a1 a2 . . . ak ).
loga M < n − m loga 10 < loga (M + 1).
[Olimpı́ada Russa]
Pelo exercı́cio 4, existe um elemento de
Tentaremos agora desenvolver ferramentas para atacar
nosso problema. Y = {n − mα | m, n ∈ N}
no intervalo aberto (loga M, loga (M + 1)). Isto garante a
Exercı́cio 2. Se ξ é um número irracional então existem existência deste natural. 
infinitos números racionais x/y , com mdc(x, y) = 1 tais
que |ξ − x/y| < 1/y 2 Exercı́cio √ 5. Considere a sequência definida por
an = ⌊n 2003⌋ para n ≥ 1. Prove que, para quais-
Dica: Particione o intervalo [0, 1) da seguinte forma: quer inteiros positivos m e p, a sequência contém m
[0, 1/n) ∪ [1/n, 2/n) . . . ∪ [(n − 1)/n, 1). elementos em uma progressão geométrica de razão maior
que p. [Teste de Seleção para IMO - Romênia - 2003]
Considere os números 0, {ξ}, {2ξ}, . . . , {nξ}, onde {x} de-
nota a parte fracionária de x. Pelo Princı́pio da Casa dos √
Solução. Considere o irracional α = 2003. Dado um
Pombos, dois deles devem estar em um mesmo intervalo. inteiro positivo k, como Y = {mα − n | m, n ∈ N} é
Obtenha com isso, x e y tais que |ξ − x/y| < 1/ny e y < n. denso em (0, +∞), considerando o intervalo (0, 1/2k+1 ),
Use o fato que n foi escolhido arbitrariamente e conclua o existem inteiros positivos m e n tais que mα = n + βn
exercı́cio. com 0 < βn < 1/2k+1 . Assim, ⌊2l mα⌋ = 2l ⌊mα⌋ para
l = 0, 1, . . . , k. Então a subsequência bl = a2l m para
Dizemos que um conjunto X ⊂ R é denso em R se todo l = 0, 1, . . . , k é uma progressão geométrica de razão 2
intervalo aberto (a, b) contém algum ponto de X. Intu- com k + 1 termos. Para obtermos progressões de razões
itivamente, a idéia geométrica da densidade é a seguinte: maiores, basta considerarmos uma subprogressão dos bl
para todo ponto x ∈ R, há pontos de X tão próximos de com razão 2r > p, isto é possı́vel pois k pode assumir
x quanto queiramos. Por exemplo, o conjuto dos números valores arbitrários. 
racionais é denso em R (assim como os irracionais).
Exercı́cio 6. Prove que existe um natural n tal que a
Exercı́cio 3. Dado um número natural p > 1, mostre que expansão decimal de n1992 começa com 1992 algarismos
X = {m/pn | m ∈ Z, n ∈ N} é denso em R. iguais a 1. [OBM - 1992]
Mas existem muitos outros exemplos, como mostra a Exercı́cio 7. Seja ǫ um número real positivo arbitrário.
próxima proposição: Com centro em todos os pontos do plano com coordenadas
inteiras, traça-se um cı́rculo de raio ǫ. Prove que toda reta
Proposição 1. (Kronecker) Se α ∈ R\Q então passando pela origem intercepta uma infinidade desses
X = {m + nα |m, n ∈ Z} é denso em R. cı́rculos. [OBM - 2001]
Prova. Suponhamos (a, b) = (x − ǫ, x + ǫ). Pelo exer- Proposição 2. (Versão Geral do Teorema de Kronecker)
cı́cio 2, existem p, q inteiros com q > 1/ǫ tais que Seja α = (a1 , a2 , . . . , an ) ∈ Rn . Suponha que 1, α1 , . . . , αn
|α − p/q| < 1/q 2 , e daı́ 0 < |qα − p| < 1/q < ǫ. Dado sejam linearmente independentes sobre Q. Então o con-
x ∈ R existe k ∈ N tal que x está entre k(qα − p) e junto
(k + 1)(qα − p), donde |x − k(qα − p)| < ǫ. Então o
intervalo aberto (x − ǫ, x + ǫ) contém o ponto kqα − kp de X = {kα + m1 e1 + . . . mn en |k, m1 , . . . , mn ∈ Z}
X. 
é denso em Rn . Onde os ei formam a base canônica do Rn .
Exercı́cio 4. Dado α ∈ R\Q, mostre que o conjunto
Exercı́cio 8. Mostre que existe n ∈ N tal que 2n e 3n
Y = {n − mα | m, n ∈ N} é denso em (0, +∞).
começam com a mesma sequência M = (a1 a2 . . . ak ) de
dı́gitos.
Agora podemos resolver o problema inicial:
Referências:
Solução. Considere α = loga 10. Se α = p/q, com p, q ∈ Z
[1] C.G Moreira, Introdução à Teoria do Números, IMCA,
então ap = 10q . Isto é um absurdo pois mdc(a, 10) = 1.
2002
Logo α é irracional. Queremos garantir a existência de
[2] Olimpı́adas Brasileiras de Matemática 9a a 16a , SBM,
naturais n e m tais que:
2003
M · 10m < an < (M + 1) · 10m ,

www.grupoteorema.mat.br/sigma 3 jornal.sigma@gmail.com
A4. O pentágono ABCDE é cı́clico, AC k DE e M é o
• FÓRUM DE PROBLEMAΣ • ponto médio de BD. Prove que se ∠AM B = ∠BM C,
então BE bissecta AC.
A5. Seja n ∈ N e f uma função contı́nua tal que f (0) =
“O coração da Matemática são os seus problemas”
f (n). Prove que a equação f (x) = f (y) tem pelo
Foi esta frase do matemático Paul Halmos que serviu menos n soluções com x − y ∈ N.
de inspiração para a criação desta coluna. É um espaço A6. É dada uma famı́lia finita de intervalos que cobrem
na Sigma reservado para resolver problemas especialmente o intervalo [0, 1]. Mostre que podemos selecionar uma
selecionados para o seu crescimento como olı́mpico. Por subfamı́lia de intervalos dois a dois disjuntos, de modo
isso, você deve ter paciência e muita garra para resolvê- que a soma total de seus comprimentos seja pelo
los. BOA SORTE!
menos 1/2.
Problemas Iniciantes A7. Sejam a1 ≤ a2 ≤ . . . ≤ an = m inteiros positivos.
I1. Quantos são os números de sete algarismos que são Denote por bk o número dos ai para os quais ai ≥ k.
múltiplos de 388 e terminam em 388? Prove que
a 1 + a 2 + . . . an = b 1 + b 2 + . . . b m .
I2. Um quadrado de lado 5 é dividido em cinco partes de
áreas iguais usando cortes paralelos às suas diagonais.
Ache o perı́metro do pentágono BEF GH.
• NÚMEROS CRUZADOS •
I
D C
J F Coloque 13 números de três dı́gitos que são quadrados
perfeitos no tabuleiro abaixo: (a solução é única)
G
E

A B
H
I3. Resolva a equação
√ √ √ √
1− 2+ 3 x+ y
√ √ = ,
1+ 2− 3 2
onde x, y ∈ Z. Grupo Teorema de Matemática:
Presidente: Cı́cero Thiago B. Magalhães
I4. Seja ABCDEF um hexágono com todos os ângulos Vice-Presidente: Onofre Campos S. Farias
internos iguais a 120◦ . Mostre que Tesoureiro: Marcelo Mendes Oliveira
AB − DE = CD − F A = EF − BC. Comitê Editorial da Sigma:
Carlos Augusto David Ribeiro
I5. Qual é o número máximo de cavalos que podemos colo-
Cı́cero Thiago B. Magalhães
car em um tabuleiro de xadrez 5 × 5 de modo que dois
Davi Máximo A. Nogueira
cavalos não se ataquem?

Problemas Avançados Editores Resposáveis:


Antônio Caminha Muniz Neto
A1. Se a > b > c > 0 e a−1 + b−1 + c−1 = 1, prove que Francisco Bruno L. Holanda
4 1 1 4 Samuel Barbosa Feitosa
2
+ + ≥ .
c (a − b)b (b − c)c 3
As soluções para os problemas dos arti-
A2. Ache todos os primos ı́mpares p que dividem o gos e do fórum podem ser enviadas para o
número 1p−1 + 2p−1 + · · · + 2004p−1. e-mail jornal.sigma@gmail.com ou direta-
mente pelo o correio para:
A3. Seja f (x) um polinômio com coeficientes reais de grau
n tal que f (x) ≥ 0 para todo x ∈ R. Defina g(x) := Bruno Holanda
f (x)+f ′ (x)+f ′′ (x)+· · ·+f (n) (x). Mostre que g(x) ≥ 0 Rua Neudélia Monte 440
para todo x ∈ R. 60833-420 Fortaleza-CE

www.grupoteorema.mat.br/sigma 4 jornal.sigma@gmail.com