Você está na página 1de 2

Comparativo entre Ambientes Virtuais de Aprendizagem

O ensino a distância (EaD) tem sido uma realidade da pós modernidade presente
nas mais diversas instituições de ensino. Com base no binômio custo-benefício, na
otimização do processo de ensino e aprendizagem e na ampliação do alcance de
estudantes nos quatro cantos do mundo, o EaD tem crescido cada dia mais e se
consolidado como uma das eficientes ferramentas de transmissão do conhecimento na
era digital na qual vivemos nos dias hodiernos.
Com a dinamicidade da vida e as várias atribuições laborais que circundam o ser
humano, nada melhor que ter a possibilidade de fazer aquele tão almejado curso no
local e na hora que melhor se encaixar na rotina do cotidiano. Buscando atender às
demandas dessa nova modalidade de ensino, foi criado o Ambiente Virtual de
Aprendizagem (AVA), também conhecido como plataforma de ensino a distância, que
é, consoante ensina Consolo (2018, p. 1), “um espaço online de gerenciamento de
alunos que permite troca de informações com objetivo de ensino e aprendizagem.” A
indústria de softwares disponibiliza várias dessas plataformas, como a Amadeus, a
Eureka, a TelEduc e a Moodle que contêm pontos positivos e negativos a serem
considerados quando da sua escolha para o fim a que se destinará.
O AVA Amadeus possibilita a redistribuição ou modificação nos termos da
GNU (General Public License), é orientado por teorias construtivistas ou sócio
interacionistas do desenvolvimento humano e permite a realização da aprendizagem
colaborativa, porém, é inacessível para deficientes auditivos e visuais e só avança com
login e senha. Por sua vez, o Eureka propõe atividade colaborativa, oferece áudio com o
texto e possui alta facilidade de uso. Seus pontos fracos são a inacessibilidade a
deficientes auditivos com parcial acesso aos deficientes visuais (só áudio, sem leitor de
tela) e a sua restrição de uso apenas para a comunidade acadêmica da PUCPR. O
TelEduc, como o AVA Amadeus, permite a redistribuição ou modificação nos termos
da GNU (General Public License), possui alta facilidade de uso e possibilita a
aprendizagem colaborativa, através de grupos de discussão. Todavia, ele não apresenta
princípios pedagógicos bem como nenhuma multimídia, o que prejudica o ensino e a
aprendizagem. Já a plataforma Moodle é um software livre (gratuito), oferece
ferramenta para deficiente visual e permite a emissão de certificados digitais. Contudo,
é parcialmente acessível (só para deficiente visual) e o módulo de relatórios, mesmo
com as atualizações de versão, continua muito reduzido, com poucas opções
(GABARDO; QUEVEDO; ULBRICHT, 2018, p. 7).
Certo é que nenhuma dessas plataformas de ensino, como as demais aqui não
mencionadas, atenderá todas as necessidades educacionais que a uma velocidade luz se
multiplica a cada dia. Daí as suas constantes atualizações e aperfeiçoamentos com vistas
a tornar o processo de ensino e aprendizagem virtual mais acessível e prazeroso, tanto
para os alunos como para os tutores e administradores destes Ambientes Virtuais de
Aprendizagem.

REFERÊNCIAS

CÔNSOLO, Adriane. O que é Ambiente Virtual de Aprendizagem? Disponível em:


<http://www.coachead.com.br/ambiente-virtual-de-aprendizagem/>. Acesso em: 07 dez.
de 2018.

GABARDO, Patrícia; QUEVEDO, Silvia; ULBRICHT, Vânia Ribas. Estudo


comparativo das plataformas de ensino-aprendizagem. Disponível em:
<http://www.abed.org.br/congresso2010/cd/252010140854.pdf>. Acesso em: 07 dez. de
2018.