Você está na página 1de 3

SEGURANÇA SOCIAL quer encafuar 1500 trabalhadores num

edifício repleto de AMIANTO

Há cerca de um ano e meio o Fundo de Estabilização da Segurança Social (uma


reserva para o pagamento da pensões) gerido pelo Instituto de Gestão de Fundos de
Capitalização da Segurança Social (IGFCSS), comprou ao Fundo de Pensões da
CGD, por € 50 milhões, um volumoso edifício, em grande parte devoluto, na esquina
da Avenida de Berna com a Avenida 5 de Outubro, em Lisboa.

Foi declarada pelo governo a concentração ali dos serviços de atendimento da


Segurança Social e outros que vêm ocupando 13 edifícios espalhados pela capital.
Tudo parece um arejado acto de gestão mas… algo de criminoso e que vem sendo
ocultado, retira-lhe todo o brilho.

Sabe-se que não se pode tocar nas paredes do edifício, com um parafuso que seja,
porque foi ali utilizado, na construção, amianto; que, é conhecido, tem propriedades
cancerígenas, sobretudo para quem esteja por perto em parte substancial da sua vida.
E, claro, ninguém nas lideranças da Segurança Social, mormente do Instituto de
Segurança Social (ISS) alguma vez falou no assunto… com desprezo total pela saúde
dos trabalhadores que já deveriam ter sido para lá deslocados em junho último; uma
data que foi adiada para fevereiro próximo.

Curiosamente, entre as deslocações para o edifício contaminado, consta que o


Conselho Diretivo… vá mesmo para lá morar. Num antigo país de marinheiros, os
comandantes do navio em perigo, não se separam da tripulação; ou, são demasiado

grazia.tanta@gmail.com 26/04/2017 1
ignorantes para saber o que é o amianto e os danos para a saúde pública que lhe
estão subjacentes.

Em outubro de 2010 a CGD vendeu ao Fundo de Pensões da CGD o referido edifício
– já esvaziado - por € 251.8 milhões, revelando uma mais-valia de € 103.7 milhões,
um valor próximo dos lucros do banco público no primeiro semestre daquele ano.
Depois, até recentemente, o edifício continuou desocupado, excepto na parte onde
esteve instalada a Caixa Geral de Aposentações, que gere as pensões dos
funcionários públicos e, que sempre funcionou na órbita da CGD; para além do próprio
Fundo de Pensões da CGD que passou a viver em casa própria.

Em 2017, o mesmo Fundo vende por € 50 milhões um edifício pelo qual pagara €
251.8 M, sete anos antes. Estranho, não?

Numa conjuntura de crescimento dos preços do imobiliário em que qualquer pardieiro


passa a habitação para turistas; quando se evidencia a falta de espaços para
escritórios na parte central da cidade de Lisboa (veja-se a apetência pelos terrenos da
antiga Feira Popular), um edifício projetado por Tomás Taveira e com uma menção
honrosa pela sua qualidade arquitetónica deveria, hoje, valer algo mais do que os €
251.8 milhões da transação de 2010, quando se anunciava o fracasso dos planos de
austeridade – os célebres PEC que vieram a atapetar a chegada da troika. Porque
será, então, que em 2017 o prédio foi vendido pela quinta parte do seu custo em
2010?

Há várias pistas a explorar em tanta estranheza:

 Será que em 2010, a CGD enganou a sua “sucursal” – o Fundo de Pensões dos
trabalhadores do banco público, gerido então por João Eduardo Gamito Faria -
com um valor exagerado do imóvel para lhe permitir encontrar uma origem para
metade dos lucros semestrais do banco?

 Nesse caso, os responsáveis de Fundo de Pensões, em 2010, foram


verdadeiros imbecis ou foram “comprados” pela administração da CGD, com
óbvio prejuízo para os aposentados atuais e futuros do grupo CGD.

 Se o valor da transação efetuada em 2010 foi o correto, o que aconteceu no


edifício para que em sete anos o seu valor corresponda apenas a 1/5 do que foi
considerado em 2010? O que aconteceu para tão enorme desvalorização? Como
diria Fausto “E assim vai Portugal, uns vão bem e muitos mal”.

Tudo indica que na CGD sempre se soube que o edifício estava contaminado pelo
amianto e que não poderia ser vendido no “mercado” pois qualquer avaliador
observaria as caraterísticas do edifício e, na sequência, desistiria da compra; ou
comprá-lo-ia por um valor desinteressante para a CGD, que obrigaria o banco a
registar um vultuoso prejuízo.

grazia.tanta@gmail.com 26/04/2017 2
Por isso, a CGD procedeu a uma venda contida na sua órbita de gestão – o Fundo de
Pensões – transitando o imóvel empestado por um valor muito acima do seu valor
comercial, com os futuros prejuízos a cavar fundo nas poupanças dos reformados
atuais e futuros da CGD. Um brilhante acto de gestão…da administração de um Faria
de Oliveira, afeto ao PSD.

Em 2017 surgiu a solução salvadora, na procura do prejuízo mínimo por parte do


Fundo. Uma vez que no mercado imobiliário nunca surgiria um saloio endinheirado
que pagasse o valor que o Fundo de Pensões teria no balanço (mais ou menos os tais
€ 251.8 milhões), haveria de encarar uma venda com prejuízo, como veio a acontecer.
Os trabalhadores da CGD, no ativo ou na reforma, viriam a ver desaparecer (€ 251.8-
50= € 201.8 milhões) do seu pecúlio contabilizado (mas não real) com a venda do
imóvel ao Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social (FEFSS), gerido
pelo Instituto de Gestão de Fundos de Capitalização da Segurança Social, (IGFCSS)
cujo presidente é Manuel Baganha.

Afinal, sempre havia o tal saloio endinheirado – o FEFSS – para adquirir o prédio. E,
naturalmente, que a decisão não foi somente do Baganha. Envolveu um Rui Fiolhais,
presidente do ISS que logo iniciou os preparativos para se enfiar, ele e mais 1500
trabalhadores, no edifício contaminado e vender ou evacuar os já referidos 13 locais
ainda afetos os trabalhadores do ISS. A Secretária de Estado Cláudia Joaquim, logo
exultou com as “reduções em comunicações, serviços de limpeza, segurança,
condomínios e manutenção”. Ter-se-á esquecido de referir os negócios que, na boa
tradição corrupta portuguesa, se irão desenvolver com as vendas dos imóveis
devolutos. E claro, nunca referiu o amianto que adorna o requintado edifício e, menos
ainda os enormes riscos para a saúde de todos os irão para lá ser encafuados1. Como
é evidente nada disto é estranho ao ministro Vieira da Silva que assim coloca mais
uma nódoa no currículo; propicia uma panóplia de negócios imobiliários em torno dos
prédios devolutos, a juntar ao seu envolvimento na Raríssimas; o que foi um fait divers
perante a invenção do factor de sustentabilidade, ainda no tempo de Sócrates, que
retirou aos trabalhadores portugueses muitos milhares de anos de direitos na reforma.

A gestão pública, na paróquia lusa, em todo o seu esplendor…

Este e outros textos em:

http://grazia-tanta.blogspot.com/
http://www.slideshare.net/durgarrai/documents
https://pt.scribd.com/uploads

1
Dizemos encafuar porque se pensa reproduzir em grandes espaços abertos a lógica das tradicionais
salas de aula, com os trabalhadores e suas secretárias dispostos em linhas e colunas com o chefe de
frente para controlar a malandragem. Só faltará um retrato, não diremos de Salazar mas do
incontinente ex-leitor de contracapas e uma cruz na parede.
grazia.tanta@gmail.com 26/04/2017 3

Interesses relacionados