Você está na página 1de 6

30/09/2015

30/09/2015 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS AULA: A CULTURA DO GIRASSOL
30/09/2015 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS AULA: A CULTURA DO GIRASSOL
30/09/2015 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS AULA: A CULTURA DO GIRASSOL

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

COLEGIADO DE AGRONOMIA

30/09/2015 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS AULA: A CULTURA DO GIRASSOL

AULA: A CULTURA DO GIRASSOL

(HELIANTHUS ANNUUS L.)

Feira de Santana BA

30/09/2015

30/09/2015 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS AULA: A CULTURA DO GIRASSOL
ORIGEM
ORIGEM

É uma dicotiledônea domesticada há cerca de 5000 anos.

América do Norte e Central.

Rússia: Início do séc. XVIII como planta ornamental. Escala comercial a partir de 1830.

No Brasil, foi introduzido

no

sul

do

País pelos

imigrantes europeus, devido ao hábito de consumirem suas sementes torradas.

30/09/2015 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS AULA: A CULTURA DO GIRASSOL

Família: Asteraceae;

Gênero: Helianthus;

Nome Científico: Helianthus annuus (do grego Helios = sol, Anthos = flor e annuus = anual);

Nome Popular: Girassol; 49 espécies: 12 anuais e 37 perenes;

CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS Oleaginosa com maior resistência à seca, ao frio e ao calor. Ampla adaptabilidade às
CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS
Oleaginosa
com maior resistência à seca, ao frio e
ao calor.
Ampla adaptabilidade às diferentes condições

edafoclimáticas Rendimento pouco influenciado pelo fotoperíodo.

30/09/2015 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS AULA: A CULTURA DO GIRASSOL

Ciclo vegetativo: 90 a 130 dias, dependendo do cultivar, da data de semeadura e das condições ambientais características de cada região e ano;

Disseminação: Sementes;

30/09/2015 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS AULA: A CULTURA DO GIRASSOL
BOTÂNICA
BOTÂNICA

30/09/2015

30/09/2015 Caule: ereto, geralmente não ramificado, herbáceo e piloso, com altura variando entre 1,0 a 2,5

Caule: ereto, geralmente não ramificado, herbáceo e piloso, com altura variando entre 1,0 a 2,5 m e com cerca de 20 a 40 folhas por planta.

30/09/2015 Caule: ereto, geralmente não ramificado, herbáceo e piloso, com altura variando entre 1,0 a 2,5
30/09/2015 Caule: ereto, geralmente não ramificado, herbáceo e piloso, com altura variando entre 1,0 a 2,5

Fonte:http://www.sbs.utexas.edu/bio406d/images/pics/ast/helianthus_annuus.htm

30/09/2015 Caule: ereto, geralmente não ramificado, herbáceo e piloso, com altura variando entre 1,0 a 2,5

Folhas: ovais a cordiformes, muito pilosas também o que lhe confere uma coloração acinzentada.

30/09/2015 Caule: ereto, geralmente não ramificado, herbáceo e piloso, com altura variando entre 1,0 a 2,5
30/09/2015 Caule: ereto, geralmente não ramificado, herbáceo e piloso, com altura variando entre 1,0 a 2,5

Fonte:http://www.sbs.utexas.edu/bio406d/images/pics/ast/helianthus_annuus.htm

30/09/2015 Caule: ereto, geralmente não ramificado, herbáceo e piloso, com altura variando entre 1,0 a 2,5
30/09/2015 Caule: ereto, geralmente não ramificado, herbáceo e piloso, com altura variando entre 1,0 a 2,5
30/09/2015 Caule: ereto, geralmente não ramificado, herbáceo e piloso, com altura variando entre 1,0 a 2,5
30/09/2015 Caule: ereto, geralmente não ramificado, herbáceo e piloso, com altura variando entre 1,0 a 2,5
30/09/2015 Caule: ereto, geralmente não ramificado, herbáceo e piloso, com altura variando entre 1,0 a 2,5

Inflorescência: tipo capítulo. Podendo atingir 30 cm de diâmetro.

Hermafroditas - abrem antes que os femininos (intervalo de 5 a 10 dias), nos quais deve ser feita a polinização.

As flores tubulares florescem da periferia para o centro do capítulo, em círculos concêntricos e sucessivos.

Normalmente, uma flor leva dois dias para se desenvolver,

O florescimento total do capítulo leva de 5 a 15 dias para se completar, e o ciclo vital de uma flor é de 24 a 36 horas (SEMENTES COTIBRASIL, 1981).

30/09/2015 Caule: ereto, geralmente não ramificado, herbáceo e piloso, com altura variando entre 1,0 a 2,5
30/09/2015 Caule: ereto, geralmente não ramificado, herbáceo e piloso, com altura variando entre 1,0 a 2,5
30/09/2015 Caule: ereto, geralmente não ramificado, herbáceo e piloso, com altura variando entre 1,0 a 2,5

Frutos: tipo aquênio. 800 a 1700 grãos por capítulo

30/09/2015 Caule: ereto, geralmente não ramificado, herbáceo e piloso, com altura variando entre 1,0 a 2,5
30/09/2015 Caule: ereto, geralmente não ramificado, herbáceo e piloso, com altura variando entre 1,0 a 2,5

Fonte: www.clubesano.com.br/artigos/sementes_aves.htm

30/09/2015

30/09/2015 Fases de Desenvolvimento PRODUÇÃO 3
Fases de Desenvolvimento
Fases de Desenvolvimento
30/09/2015 Fases de Desenvolvimento PRODUÇÃO 3
30/09/2015 Fases de Desenvolvimento PRODUÇÃO 3
30/09/2015 Fases de Desenvolvimento PRODUÇÃO 3
30/09/2015 Fases de Desenvolvimento PRODUÇÃO 3
30/09/2015 Fases de Desenvolvimento PRODUÇÃO 3
30/09/2015 Fases de Desenvolvimento PRODUÇÃO 3
30/09/2015 Fases de Desenvolvimento PRODUÇÃO 3
30/09/2015 Fases de Desenvolvimento PRODUÇÃO 3
30/09/2015 Fases de Desenvolvimento PRODUÇÃO 3
30/09/2015 Fases de Desenvolvimento PRODUÇÃO 3
30/09/2015 Fases de Desenvolvimento PRODUÇÃO 3
30/09/2015 Fases de Desenvolvimento PRODUÇÃO 3
PRODUÇÃO
PRODUÇÃO

30/09/2015

30/09/2015 • É cultivado comercialmente principalmente nos Estados de Mato Grosso, Minas Gerais, Goiás, Rio Grande

É cultivado comercialmente principalmente nos Estados de Mato Grosso, Minas Gerais, Goiás, Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul, Rondônia, Paraná, Bahia e Ceará, principalmente na safrinha, em semeadura direta, especialmente após a cultura da soja.

30/09/2015 • É cultivado comercialmente principalmente nos Estados de Mato Grosso, Minas Gerais, Goiás, Rio Grande
30/09/2015 • É cultivado comercialmente principalmente nos Estados de Mato Grosso, Minas Gerais, Goiás, Rio Grande
USOS E POTENCIALIDADES “Da casca ao caule, tudo é aproveitado”
USOS E POTENCIALIDADES
“Da casca ao caule, tudo é aproveitado”

Paisagismo Óleo comestível: 40-45% Fonte de proteínas para a alimentação animal: Silagem e farelo Grãos para alimentação de pássaros Grãos para confeitaria

Produção de mel Biodiesel

30/09/2015 • É cultivado comercialmente principalmente nos Estados de Mato Grosso, Minas Gerais, Goiás, Rio Grande
Fonte: Ciagri
Fonte: Ciagri
30/09/2015 • É cultivado comercialmente principalmente nos Estados de Mato Grosso, Minas Gerais, Goiás, Rio Grande

Ocupação de espaços em época ociosa:

* Milho após girassol = 30% de aumento de produtividade

* Soja após girassol = 15% aumento * Cana após girassol = 40% aumento no primeiro corte

30/09/2015 • É cultivado comercialmente principalmente nos Estados de Mato Grosso, Minas Gerais, Goiás, Rio Grande
30/09/2015 • É cultivado comercialmente principalmente nos Estados de Mato Grosso, Minas Gerais, Goiás, Rio Grande
30/09/2015 • É cultivado comercialmente principalmente nos Estados de Mato Grosso, Minas Gerais, Goiás, Rio Grande
30/09/2015 • É cultivado comercialmente principalmente nos Estados de Mato Grosso, Minas Gerais, Goiás, Rio Grande

Plana ou de mecanização possível (tratos culturais),

pH = 6,2 (não tolera pH < 5.0),

Não tolera solos encharcados,

Não deve ser solo de baixa fertilidade.

30/09/2015 • É cultivado comercialmente principalmente nos Estados de Mato Grosso, Minas Gerais, Goiás, Rio Grande

Cuidado com compactação: ameaça a produtividade,

30/09/2015

30/09/2015 ÉPOCA DE PLANTIO Observar condições climáticas: CENTRO-OESTE Início Jan – 15 de Fev SÃO PAULO
ÉPOCA DE PLANTIO
ÉPOCA DE PLANTIO

Observar condições climáticas:

 

CENTRO-OESTE

Início Jan 15 de Fev

 

SÃO PAULO

Fevereiro - Março

 

RIO GRANDE DO SUL PARANÁ

Julho - Agosto Agosto - Outubro

 

Cavasin, 2001

30/09/2015 ÉPOCA DE PLANTIO Observar condições climáticas: CENTRO-OESTE Início Jan – 15 de Fev SÃO PAULO

Densidade do plantio:

 

ESPAÇAMENTO (cm)

EM 1M LINEAR

POP. FINAL

 

ENTRE LINHAS

ENTRE PLANTAS

PLANTAS/ha

PLANTAS/ha

 
  • 70 2,8

  • 36 40000

 
   
  • 70 3,2

  • 31 45000

   
  • 80 3,2

  • 31 40000

  • 80 3,6

  • 28 45000

  • 90 3,6

  • 28 40000

  • 90 4,0

  • 25 45000

Considerando 85% de germinação, com reserva de 25% para perdas

Cavasin, 2001

CULTIVARES CULTIVAR TIPO CICLO PORTE ÓLEO PRODUÇÃO/ha M 738 Híbrido Tardio Med-Alto 47% 1600 a 3000
CULTIVARES
CULTIVAR
TIPO
CICLO
PORTE
ÓLEO
PRODUÇÃO/ha
M 738
Híbrido
Tardio
Med-Alto
47%
1600
a 3000 Kg
CONTIFLOR 3
Híbrido
Tardio
Alto
47%
DK190
Híbrido
Tardio
Alto
47%
Até 3100 Kg
Até 3000 Kg
CARGILL 11
Híbrido
Méd-Tard
Médio
48%
1500
a 2900 Kg
EMBRAPA 22
Não-Hib.
Precoce
Médio
47%
1300
a 2800 Kg

Semente barata: R$1,50/Kg Custo de Implantação: R$ 165,00/Kg (+ barato que Híbrido) Usado como Adubo Verde (40 ton/ha) Barato e de boa qualidade Colheita Mecanizada silo e grão

30/09/2015 ÉPOCA DE PLANTIO Observar condições climáticas: CENTRO-OESTE Início Jan – 15 de Fev SÃO PAULO
COLHEITA
COLHEITA

Deve ser feita de acordo com uso da planta.

Realizada 100 a 130 dias após o plantio.

A planta deve apresentar uma coloração castanha,

Teor de umidade ao redor de 15%.

Intenso ataque de pássaros, antecipa-se a colheita;

Quando mecanizada rigor na regulagem das mesmas.

Atraso na colheita pode ocasionar perdas.

30/09/2015 ÉPOCA DE PLANTIO Observar condições climáticas: CENTRO-OESTE Início Jan – 15 de Fev SÃO PAULO
30/09/2015 ÉPOCA DE PLANTIO Observar condições climáticas: CENTRO-OESTE Início Jan – 15 de Fev SÃO PAULO
30/09/2015 ÉPOCA DE PLANTIO Observar condições climáticas: CENTRO-OESTE Início Jan – 15 de Fev SÃO PAULO
30/09/2015 ÉPOCA DE PLANTIO Observar condições climáticas: CENTRO-OESTE Início Jan – 15 de Fev SÃO PAULO
30/09/2015 ÉPOCA DE PLANTIO Observar condições climáticas: CENTRO-OESTE Início Jan – 15 de Fev SÃO PAULO
30/09/2015 ÉPOCA DE PLANTIO Observar condições climáticas: CENTRO-OESTE Início Jan – 15 de Fev SÃO PAULO

30/09/2015

30/09/2015 Aquénio: fruto proveniente de um gineceu monocarpelar e uniovulado. Possui uma semente (monospérmico) que não

Aquénio: fruto proveniente de

um

gineceu

monocarpelar

e

uniovulado.

Possui

uma

semente

(monospérmico)

que

não

está

aderente

ao

pericarpo.

30/09/2015 Aquénio: fruto proveniente de um gineceu monocarpelar e uniovulado. Possui uma semente (monospérmico) que não
30/09/2015 Aquénio: fruto proveniente de um gineceu monocarpelar e uniovulado. Possui uma semente (monospérmico) que não
30/09/2015 Aquénio: fruto proveniente de um gineceu monocarpelar e uniovulado. Possui uma semente (monospérmico) que não
30/09/2015 Aquénio: fruto proveniente de um gineceu monocarpelar e uniovulado. Possui uma semente (monospérmico) que não

OBS:

TODO

MATERIAL

CONTIDO

NESTA

AULA (CONTEÚDO,

FOTOS,

IMAGENS

E

ETC)

FOI

EXTRAIDO

DE

DIFERENTES

FONTES, NÃO CABENDO

DESTA FORMA

UMA ÚNICA AUTORIA, UMA VEZ QUE NEM

SEMPRE

FOI

POSSIVEL OBTER

INFORMAÇÃO

SOBRE

TODOS

OS

AUTORES.