Você está na página 1de 7

A TEORIA DO PODER

Pelo termo poder eu acho que devemos primeiro entender a multidão de relações
de poder que existem no lugar onde eles são praticados e são de sua organização: o jogo
que através de lutas incessantes e você os agita, transforma-os, fortalece-os, inverte-os
(Foucault 1978: 115-6).

O que define uma relação de poder é uma maneira de agir que não funciona

direta e diretamente aos outros, mas age em suas próprias ações (Foucault, 1991:
91).

Ao definir as relações de poder como "ação sobre a ação", é lógico escritor é


levado a uma percepção do poder como onipresente. O poder não só está acima da
sociedade como um externo e opressivo mas é inerente a todo relacionamento social, não
como algo estático, mas como algo que flui incessantemente, levando à formação de uma
cadeia composta de múltiplas relações de poder. O campo das relações de poder não é tão
Estado, mas todos os pontos em que as relações sociais são formadas.

Deve-se notar, no entanto, que Foucault não afirma que as estruturas não são áreas
de poder. O que ele mais quer mostrar é que a busca das relações de poder não pode ser
limitado ao que chamamos de "política" ou "Estado". E o mais importante: para Foucault,
é a existência e o funcionamento dos relacionamentos poder no nível micro que torna
possível cristalizar o poder em estruturas ou instituições.

Neste ponto, chegamos a outro importante princípio metodológico que ele formula
o filósofo: ver o poder de baixo para cima. Foucao sugere um "Análise ascendente do
poder", em oposição aos estudos que tiveram até agora seu modelo em Leviathan
(Foucault 1991: 108). Sua microfísica poder nos sugere analisar estruturas a partir de
relações de poder para microplano e não vice-versa. Tomando como exemplo a
dominação do urbano ordem na sociedade moderna, Foucault argumenta que o
estabelecimento de seu poder tornou-se possível devido à existência e operação de uma
série de poderes mecanismos em várias micro-áreas (família, medicina, sexualidade), que
e adotado quando ele entendeu sua utilidade econômica e política:

... não foi a burguesia que pensou que a loucura tinha que
sexualidade fechada ou infantil suprimida. Pelo contrário o que aconteceu na realidade
foi que seus mecanismos de exclusão loucura e vigilância da sexualidade parto começou,
por um certo ponto, e por razões que precisam ser estudadas, para revelar sua utilidade
política e contribuir para a lucro econômico, e, portanto, de repente veio a colonizar
para ser mantido e mantido por mecanismos esféricos e pelo conjunto
o sistema estatal "(Foucault 1991: 110).

Embora as relações de poder sejam propositais, isto é, elas são sempre exercidas
em direção a uma certa propósito, no entanto, seu poder analítico, como sugerido por
Foucault, não deve centrar-se nas intenções dos envolvidos estados de potência. O que
Foucault está interessado não é aprender os propósitos aqueles que exercem o poder, mas
para identificar seu ponto de aplicação e quais resultados, em outras palavras, "um estudo
de poder orientado para o exterior do rosto "(Foucault 1991: 106). Além disso, como
veremo então, então soberano a preocupação do autor é como "o poder é exercido, através
de quais métodos, e não

'Por que' é exercido ou por 'quem'.

Toda análise política, por Marx e depois, inevitavelmente lida com, entre
outros, e a questão da ideologia. Mas isso não se aplica à sua teoria
o poder de Foucault, em que o conceito de ideologia foi substituído pelo de "Verdade".
Se para o marxismo qualquer sistema de poder é acompanhado por um sistema ideologia
que, através da produção da falsa consciência, por um lado, esconde e por outro legaliza
a ordem existente das coisas, para Foucault todo sistema o poder é seguido por um sistema
de conhecimento. O Foucault nega seu significado ideologia, como afirma alguma forma
de conhecimento "puro". O que em O fato é que toda prática fortalecedora desencadeia
mecanismos de conhecimento. Por exemplo, durante a transição de
feudalismo na sociedade capitalista, o controle da população que caiu contra centenas de
milhares de grandes centros industriais urbanos, exigiu a abertura de novos campos do
conhecimento, como estatística, medicina, demografia. Em geral, de acordo com
Foucault, toda relação de poder é entrelaçada com um campo de conhecimento, e
todo conhecimento pressupõe, mas também constitui uma relação de poder (Foucault
2011: 37).

Finalmente, uma análise das relações de poder não pode deixar de lidar com a
questão da resistência. Se o poder vem de todos os lugares e está em toda parte, existem
margens de resistência a ele? Existe uma maneira de sair deste jogo sem fim relações de
poder ou o homem está condenado a ficar preso nele a rede de energia? Geralmente a
resistência é mostrada para trabalhar consigo mesma como funciona e poder. Nós
poderíamos reescrever este capítulo substituindo a palavra "poder" por "resistência". Mas
estaremos satisfeitos alguns pontos importantes.

Em geral, as regras que regem a prisão de poder também se aplicam no caso da


resistência. Este último deve ser visto não como um organizado, de um central princípio,
prática, mas como uma ação difundida na sociedade como prática em todo espaço social
que opera as relações de poder. "Onde quer que haja poder, há resistência ... "que é" o
outro termo nas relações de poder "(Foucault, 1991: 119). Em outras palavras, cada ponto
de poder é ao mesmo tempo um ponto de posição. Consequentemente, a resistência, ou
melhor, as resistências, constituem uma rede que penetra todo o corpo social.

Não existe um único sujeito de resistência, e. a festa ou a classe trabalhadora. A


resistência não está sujeita a princípios organizacionais e não tem liderança. Da mesma
forma, não distingue-se pela sua estratégia de transformação global e de longo prazo
sociedade.

Em vez disso, para produzir uma teoria geral do poder, Fouca propõe Veja como
o poder funciona em um período histórico específico, começando nossa análise a partir
do nível micro para descobri-los técnicas materiais particulares de poder, seus métodos,
suas formas, com uma frase, sim nós descobrimos a tecnologia do poder. Esta questão
nos preocupará em próximo capítulo.

DO "PORQUE" AO "COMO" DO PODER

Durante o período da decadência final do sistema feudal (séculos XVII-XVIII)


século há uma transformação radical da "face externa" do poder.
Este último parece abandonar seus métodos violentos. Até esse momento o a punitividade
do poder foi acompanhada por um uso ilimitado e público da força. A tortura pública ou
execuções era um fenômeno do dia-a-dia. No entanto, no moderno sociedade, a vida
cotidiana é livre de tais fenômenos, ou sempre que surge causando desconforto grave, são
tratados como "marginais" e sempre eles são acompanhados por uma convicção moral.
Prednationally, o abuso violento do ser humano corpo não tinha sido submetido a
qualquer código moral ou legal e, consequentemente, a alguém restrição.

Essa realidade muda com a passagem na sociedade industrial. Com os outros


palavras, a transição para o capitalismo marca o surgimento de um novo tipo a
característica dominante de que é a ausência (ou pelo menos o retiro) de violência física.
Foucault tenta uma análise dos métodos e métodos técnicas que compõem este novo tipo
de poder, mas eles não compartilham os gritos morais do progresso e da humanidade
provenientes principalmente de pensadores liberais. A transformação das práticas de
capacitação não foi uma questão de humanidade, mas uma "necessidade histórica" . Com
isso queremos dizer que vários desenvolvimentos sociais e econômicos ocorreram, o que
eles fizeram a velha tecnologia do poder é ineficiente e, portanto, necessária substituição
ou renovação3 Como Barry Smart, um designer de Foucault, também aponta e movendo-
se dentro da estrutura de sua teoria,

"o objetivo das reformas parece ser não é tanto leniência e humanismo como uma
nova economia de punição, um maior eficácia na aplicação das penalidades "(Smart 2008:
181).

Mas quais eram as condições históricas que exigiam nascimento e desenvolver


novos mecanismos e métodos de poder? Estes são dois novos e descobertas sociais
extremamente importantes: a) a descoberta do indivíduo e b) a descoberta da população.
Ambos estão diretamente relacionados à transição de um economia rural tradicional na
economia de mercado. Como sua deslocação o sistema feudal progrediu rapidamente, a
tutela do homem de instituições como a religião, a tradição, o estreito ambiente local,
começaram gradualmente a é removido. Enquanto a função da ordem feudal requeria
"imobilidade" geográfica do homem e sua absorção total em o ambiente em que ele viveu,
a economia capitalista emergente ele precisava de pessoas "livres". A economia de
mercado capitalista exigia livre circulação de todos os bens, incluindo os de poder
(Serapetinidou 2012: 53). Então, pela primeira vez na história moderna, o as pessoas
começam a se perceber como "indivíduos", como autônomos isto é, entidades que se
decidem por seus movimentos geográficos e suas suas atividades econômicas. Em outras
palavras, o capitalismo no primeiro estágio seu desenvolvimento, além da descoberta da
máquina a vapor, levou à descoberta de um novo status social: individualidade.

Juntamente com a abolição da instituição da servidão, a maior parte da população


rural começou a afluir aos então recém-estabelecidos centros industriais urbanos. Mas
como encontrar trabalho não era possível para todos, uma grande porcentagem de ex
escravos e potenciais proletários estava em um estado de contínua vagando, doença e
crime estão fora de controle. Então o conceito de "população" começou a emergir como
uma unidade científica observação e prática de poder. Como definido por ele Foucault:
Existe um fenômeno que ocorre no século XVIII: é a descoberta da população
como sujeito de pesquisa científica. As pessoas começam taxas de nascidos vivos, taxas
de mortalidade e para a população e dizer pela primeira vez que é impossível você chega
a um estado sem conhecer sua população ". (Foucault 1987: 26).

A necessidade de subtrair a individualidade e controle dos errantes (e não) da


população levou ao surgimento de uma nova forma de poder que Foucault chamado
"poder disciplinar" (Foucault 2011). Mecanismos disciplinares de poder vieram substituir
os mecanismos tradicionais de controle social que não são era (ou pouco) útil para a nova
classe social. A disciplina do livre sujeitos, mas também a vigilância de populações
inteiras exige que eles sejam colocados em operar novas técnicas de potência, distintas
das antigas para eficácia e eficiência.

A partir do exercício da autoridade disciplinar, não há uso de violência física ou


abertura repressão. Os objectivos da autoridade disciplinar, nomeadamente o controlo e
gestão de um pessoas diferentes e a imposição de um padrão particular (normalização),
não são servidos por violência física. Ela a nova forma de poder que surge com o alvorecer
do capitalismo industrial baseia-se principalmente na existência e operação de sistemas
de vigilância individuais.

ENTRE EXECUTIVO E CRÍTICO

De acordo com alguns crítica da análise de Foucault parece quase metafísica esse
poder vem de todos os lugares, que é antes de qualquer campo particular, e que também
existe em todo relacionamento social. Esta "exponencial" filosófica como resultado, o
poder sempre pertence a si mesmo. Como ele apropriadamente observa Nikos Poulantzas,
"para Foucault, a relação de poder nunca tem uma base diferente da ela mesma
"(Pulantzas 2008: 2013).

Quão diferente é, em última instância, o ponto de vista identifica poder com o


estado, que identifica poder com o Poder?

Desta forma, as análises de Foucault ocupam mais de um descritiva, em vez de


explicativa ou determinista. Isso não é nada estranho se levarmos em conta que Foucault
escreve num momento em que o clássico exemplo epistemológico recebe ataques fortes
e o princípio do determinismo começa a perder sua primazia. Foucault é um deles poucos
pensadores (junto com Poulanza) que se opunham a uma percepção instrumental do
poder, de acordo com o qual o poder é uma "coisa" que se pode para possuir.

Pelo contrário, ele tentou destacar o conteúdo relacional do poder e nossa


incapacidade de entender se não nos concentrarmos em como exercê-lo. Também é
extremamente radical que a sua posição é que o poder pode funcionar sem assunto,
mostrando que a estrutura do próprio espaço pode ativar empoderamento de
relacionamentos e mecanismos.

No entanto, Foucault refere-se a um tipo específico de autoridade com dados


históricos claros limites. Não tenta uma análise super-histórica do poder. Sua
preocupação é detecta os métodos dominantes usados em um determinado período de
tempo da história humana (século XVII-XVIII).

O relações de poder nem sempre aparecem sob a forma de poder disciplinar e com
as técnicas que o distinguem. "O poder não é disciplina, a disciplina é uma um possível
modo de poder do poder "(Foucault 1987: 130).

E o mais importante: poder para Foucault é produtivo, e sua produtividade só pode


prosperar para libertar e não "encadear" pessoas.

Mas o que significa "poder produtivo"? Se é verdade que alguns deles técnicas de
poder disciplinar não são exercidas diretamente sobre o indivíduo, mas sua área de ação,
igualmente verdade é que o ponto final do exercício de relacionamentos poder é o corpo.
O poder é produtivo porque é baseado em um conjunto mecanismos que não limitam
apenas o indivíduo, mas o constituem como tal.

A uma visão correta captura o poder em uma perspectiva negativa, como um força
que tudo que ele faz é dizer "não" 10, criar limitações e fazer impede que o indivíduo faça
alguma coisa. Pelo contrário, Foucault emerge um "positivo" conceituação de poder no
sentido de que o poder em um determinado momento histórico não só age
repressivamente contra o homem, mas se assume Sua "criação".

A relação entre práticas de empoderamento e sujeito é também o eixo central dos


estudos de Foucault. Sua preocupação não é estudar o fenômeno do poder mas capturá-
lo em relação ao assunto e analisá-lo Ação "positiva", criativa-transformadora das
relações de poder sobre ela assunto. poder é uma força que não apenas proíbe ", mas os
cruza coisas, produz coisas, traz prazer, formas de conhecimento, produz a razão
"(Foucault 1987: 21). Consequentemente, o próprio sujeito é entendido como resultado
de relacionamentos autoridade não os precede. Poder em geral é entendido como o criador
poder da própria realidade.