Você está na página 1de 236

Escola de Memória

Manual do GMS.

Copyright 2006 por Ruslans. Mescerjakovs. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste livro pode ser reproduzida ou transmitida de qualquer forma, por qualquer meio (eletrônico, fotocópia, gravação ou outro) sem a prévia permissão por escrito do autor ou Ruslans Mescerjakovs. Nenhuma responsabilidade é assumida com relação ao uso das informações contidas. Embora todas as precauções tenham sido tomadas, o autor

não assume nenhuma responsabilidade por erros ou omissões. Nenhuma responsabilidade é assumida por danos resultantes do uso das informações aqui contidas. 2 ÍNDICE. Direito autoral

Conteúdos

aprimorados pelo GMS®

GMS ®

1 Tabela de

13 Recursos

15 Restrições do

16 Ordem de

Dominar o Sistema de Memorização

que é o GMS®?

16 O

17 A

Olhe dentro da cabeça do usuário GMS®

20 Mnemônicos de Muitos Lados

Para os Alunos

Professores

Na vida cotidiana

auto-educação

oradores públicos

empresários

saúde

30

30.

30.

31. Para

31. Para

31. Para

32. Para

33.

Parte 2: Mecanismos de Memória

34.

Memória - um Domínio dos Paradoxos

atividade cerebral

34. Um resultado da

34. Objetos do

Mundo Circundante

34. Conexões, conexões e nada além de conexões…

35. A Reação do Cérebro a Diferentes Tipos de Informação

39. Imagens, Informação Textual, Informação do Sinal

Memória e Memorização

não intencional

intencional

39.

45. Memorização

45. Memorização

45 Memorização

Intensiva (Meta-memória) 46 Memória no Sistema de Processos Psíquicos

“memória”

processo de “atenção”

46 O processo

47 O

92 92 O Conceito de "Mensagem de Informação"

Criando Associações

Regras para Criar Conexões

93

96

99 Qual é a Base de Associação Escolhida?

100

Códigos Figurativos e Memorização de Velocidade

Regras para Manipulação de Códigos Figurativos

Processo de

102 Como Regular o 165 O método

Cícero + Sequência bem fixada + Selecionando

partes da imagem

Estudo da Escola de Fenomenal Memória® 168 Esta versão do livro está registrada para: Versão Pública . TERMOS DE USO. Você deve aceitar este acordo para ler este livro! Este livro é copyright 2006, com todos os direitos reservados. É ilegal copiar, distribuir ou criar trabalhos derivados deste livro, no todo ou em parte, ou contribuir para a cópia, distribuição ou criação de trabalhos derivados deste livro. Se você

deseja usar este material para fins comerciais ou para outros fins que não aqueles permitidos sob uso justo, entre em contato conosco. Licenciamos material para uso em instrução, treinamento, educação e organizações comerciais. Acordo de Termos de Uso Este é um acordo legal entre os leitores e Ruslans Mescerjakovs (Escola de Memória Fenomenal®). Se você não concordar com algum dos termos de uso, não leia este livro. Se você não entender este acordo, procure aconselhamento jurídico profissional. Se o país no qual você compra ou usa este livro não permite nenhuma parte deste contrato, o editor não oferece este livro para venda ou uso em seu país. Você deve destruir o livro ou devolvê-lo ao local de

166 Curso de

compra para um reembolso. Os principais termos do acordo incluem: Este livro contém idéias, opiniões, dicas e técnicas para melhorar o desempenho de aprendizado. O autor e o editor pretendem fornecer material útil e útil sobre os assuntos abordados neste livro. O autor e a editora não estão fornecendo assistência médica, de saúde, ou qualquer outro serviço profissional pessoal. Você deve procurar o conselho de seu médico, profissional de saúde ou outro profissional competente antes de tentar ou usar as informações contidas neste livro. É de sua responsabilidade manter todos os requisitos legais, regulatórios, da empresa e outros aplicáveis ao usar (ou tentar usar) qualquer parte do material deste livro. Estes podem ser requisitos relevantes para sua qualificação, a atividade que você está realizando ou o equipamento que você está usando. Você concorda em não manter, nem tentar responsabilizar o autor, o editor ou seus agentes por qualquer perda, responsabilidade, reivindicação, demanda, dano ou despesa (incluindo taxas legais) em relação à compra, uso, uso indevido ou incapacidade. para usar este material. Você também indeniza o autor e o editor das ações de outras pessoas afetadas por suas atividades. Isso inclui os casos em que o autor ou o editor omitiu informações ou incluiu informações incorretas. INTRODUÇÃO. Bem vinda! Obrigado pelo seu interesse em nossa Escola e no “Sistema

de Memorização Giordano. " Este livro foi criado para ajudar os alunos de nossa escola a entender como funcionam a memória e nosso sistema de memorização. O “Manual GMS” é a base teórica do “Giordano Memorization System®”. Você aprenderá todas as técnicas básicas que usamos e por que o GMS. é tão eficiente. Melhore seu sucesso, sua criatividade, sua vida à medida que aprende a memorizar todos os tipos de informações, incluindo dados numéricos, novos idiomas, rostos, textos e muito mais! Por favor, note que algumas das informações são cobertas parcialmente, como requer uma combinação de explicações técnicas avançadas e experiência prática para compreensão completa. Todas as explicações adequadas e treinamento abrangente estão disponíveis no Curso GMS da School of Phenomenal Memory®. O curso GMS é uma disciplina de estudo comprovada e sólida. Nosso curso é único e não pode ser comparado com outros sistemas ou produtos de melhoria de memória. O Curso consiste em mais de 400 páginas de exercícios práticos - todos projetados para construir sua habilidade de memorização. O domínio de habilidades sérias requer tempo, esforço e um plano de treinamento adequado com um treinador. Nós não temos limite de tempo quando se trata de ajudar você! Ensinamos e trabalharemos com você até conseguir o resultado: - Memória Fenomenal real. Você não pode andar de bicicleta sem o

treinamento e a prática adequados, usando apenas conhecimentos teóricos. De maneira semelhante, você não pode ler as informações deste livro e, de repente, maximizar sua memória instantaneamente. Com o domínio da Memória Fenomenal, você pode se tornar o que quiser! Você pode aprender qualquer coisa! Se você tem habilidades avançadas de memorização, não há limites para você. Uma vez que essas habilidades sejam adquiridas, você não precisará estudar em uma universidade por cinco anos para se tornar, digamos, um programador. Você será capaz de memorizar manuais inteiros sobre programação - e implementar esse conhecimento! Por favor, visite www.Pmemory.com para obter mais informações sobre o GMS® e a School of Phenomenal Memory®. Você também é bem-vindo para participar do nosso fórum, onde você pode se comunicar com nossos alunos direta e livremente para obter respostas a quaisquer perguntas possíveis. Ruslan Mescerjakovs, fundador da Escola de Memória Fenomenal® 1 1 PARTE 1:

ARTIGOS INTRODUTÓRIOS. O SISTEMA DE MEMORIZAÇÃO GIORDANO (GMS®) Bem-vindo ao "Giordano Memorization System", um sistema criado em 1990 por Vladimir A. Kozarenko. É o sistema mais desenvolvido, abrangente e prático para o domínio da memorização. Ele é especificamente projetado para memorização eficiente de informações úteis do dia a dia,

incluindo as informações que encontramos durante

o estudo de assuntos diferentes. Ao contrário de

outros sistemas de memorização, o GMS® é livre de procedimentos excessivos e técnicas ineficientes. O GMS® é o resultado eficiente e eficiente da extensa pesquisa sistemática. Sua base prática aplica princípios de mnemônicos clássicos com elementos do sistema de memorização Giordano Bruno. O fundamento teórico do GMS é um modelo original de memória que foi desenvolvido com base em uma concepção moderna da natureza quase-holográfica do trabalho do cérebro. Após essa compilação e pesquisa, sistematizamos e refinamos as técnicas mnemônicas usadas por diferentes sistemas de memorização e escolas em todo o mundo e as integramos em um sistema completo que atende aos três principais critérios de domínio:

simplicidade, universalidade e eficiência. “Simplicidade” significa que os métodos de memorização são simples e fáceis de dominar no que diz respeito à compreensão dos princípios de seu uso. Por “universalidade”, queremos dizer que

o sistema permite que um estudante memorize

quase qualquer tipo de informação. Finalmente, o aspecto “eficiência” garante que um profissional terá controle total sobre o processo de memorização e armazenamento de informações no cérebro. O GMS® visa principalmente a memorização de informações logicamente

interconectadas que, por exemplo, podem ser números de telefone e endereços, nomes, datas precisas e localizações geográficas, anedotas e dados enciclopédicos, textos e palestras e discursos escritos. O sistema também permite que você se lembre de informações aparentemente não relacionadas e ilógicas - conjuntos de palavras, números aleatórios, mapas e qualquer combinação de letras. A maioria das pessoas não entende que as técnicas mnemônicas são apenas uma pequena parte do escopo necessário para que uma pessoa possa verdadeiramente memorizar de maneira eficiente. As coisas importantes são: formar a habilidade de memorização, obtida através do domínio metódico de cada técnica individual; realização de exercícios psicotécnicos auxiliares destinados ao desenvolvimento do pensamento visual e melhoria do tempo de atenção; e ganhando controle meticuloso da nutrição, que influencia não apenas a capacidade da mente de trabalhar, mas também a saúde geral da pessoa. Um dos equívocos mais comuns sobre a prática da mnemônica é que é fácil sobrecarregar o cérebro com muita informação. "Um pequeno livro sobre uma vasta memória", de AR Luria, contribuiu para a propagação dessa opinião errônea. Escrito pelo jovem psicólogo, o livro descreve as capacidades de memória do praticante de mnemónica Shereshevsky. Ele supostamente sofria de dores de cabeça constantes devido a ter que se

concentrar constantemente na riqueza de dados que ele estava memorizando. O motivo real para essas dores de cabeça agora seria muito difícil de diagnosticar. Certamente, nossos cérebros não podem ser sobrecarregados com informações: as informações que memorizamos só parecem ocupar espaço em nosso cérebro quando estão realmente sendo lembradas. Em outras palavras, a menos que esteja sendo lembrado, ele não existe. A fadiga que pode aparecer durante o processo de exercícios mentais não é resultado de uma sobrecarga de memória, mas é, em vez disso, devido ao cansaço geral que nossos corpos sentem naturalmente após realizar qualquer ação que requeira uma certa quantidade de esforço e gasto

de

conhecimento de como a informação se torna 'fixa', permanece o cérebro do cérebro, é impossível criar um sistema de memorização eficiente. Uma descrição dos mecanismos de memória é fornecida no GMS®. Dois mecanismos de fixação de conexão pelo cérebro são destacados, a saber:

“memória elétrica” e “memória reflexa”. Um

entendimento da mecânica da informação escrita e oral é descrito e um esquema simples de imagem reprodutiva é fornecido. Acredita-se que o pensamento visual (figurativo) seja a base do processo mental humano. O discurso real é visto como um meio de comunicação com um objetivo de “saída” de informação de um cérebro e passando-o

VALIDADE CIENTÍFICA Sem o

para a “entrada” de outro cérebro. O uso do pensamento de fala (voz interna) não é recomendado porque as construções automáticas de fala geralmente contêm falsas interligações que levam a conclusões errôneas. O raciocínio é lento e na verdade impede a memorização. Além disso, o sistema GMS® introduz o conceito de informação “precisa” ou “sinal”, que ainda não é distinguida na psicologia acadêmica. Finalmente, vamos cobrir a reação do cérebro a diferentes tipos de informação:s para recusar a memorização. ASPECTOS FILOSÓFICOS A palavra “lógica” é especificamente examinada. Toda conexão que fazemos, seja criada automaticamente pelo cérebro ou conscientemente estabelecida, é considerada lógica. Um conceito de “informação” é explicado de uma maneira específica. Dois tipos de informação são distinguidos: um “para uma pessoa” e outro “para o cérebro”. Em geral, a informação abrange uma variedade infinita de combinações de elementos repetidos, muitos dos quais podem ser limitados e simplificados. Um conceito de “senso de memorização” é esclarecido como sendo uma conseqüente conexão de elementos de informações separadas. A palavra "compreensão" é explicada como uma representação de um grupo espacialmente organizado de figuras visuais na imaginação. SISTEMAS DE MEMORIZAÇÃO Diferentes técnicas de memorização são sistematizadas e unificadas. Todo tipo de

informação é memorizado usando uma combinação de um número limitado de técnicas. Novos métodos (sequências de exercícios separados) e técnicas de memorização são construídos a partir desses métodos originais. O processo de memorização é dividido em quatro etapas: 1. Codificando os elementos da informação em imagens visuais; 2. O processo de memorização em si; 3. Lembrando a seqüência de informações; 4. Fixação da informação no seu cérebro. As técnicas para toda a memorização são sistematizadas de acordo com essas quatro etapas. Um conceito de “associação” é apresentado como um grupo de imagens que serve para codificar informações. No GMS®, o conceito de “associação” difere do conceito de “conexão de imagens”. A principal operação de pensamento que leva à ativação consciente do processo de memória é claramente definida. Chamamos isso de “conexão de imagens”. Duas formas possíveis de memorizar uma seqüência de informações são descritas: 1) Códigos figurativos são amplamente usados como instrumentos de memorização de velocidade. O sistema de codificação de números em imagens é baseado no seguinte código alfanumérico: 1 - N, 2 - THZ, 3 - B, 4 - WVK, 5 - FR, 6 - JPX, 7 - SD, 8 - GQL, 9 - C , 0 - M. Códigos figurativos para números de dois e três dígitos são fornecidos em um livro de referência. 2) As criações de códigos, tais como FRASES criativas, SENTENÇAS e HISTÓRIAS

para auxiliar no processo de memorização não são usadas no GMS®. Além disso, o sistema GMS® não usa técnicas de manipulação emocional, mas mantém a postura de que as emoções nada têm a ver com a memorização e, de fato, apenas complicam ainda mais o processo de memorização. De modo a construir um sistema de imagens de suporte auxiliares, são utilizadas combinações de dez técnicas de memorização de sequência diferentes. Os textos reais não são memorizados de cor em detalhes e na totalidade, mas muito próximos do texto original, com sequência de parágrafos e todas as informações precisas. Os textos são lembrados de acordo com um princípio “de uma parte para o todo”. Quanto mais precisos os dados contidos em um texto, mais precisamente ele pode ser memorizado. Os textos mais adequados e fáceis de memorizar são aqueles relacionados a campos não técnicos. O conceito de “habilidade de memorização” é apresentado como uma dinâmica dos processos de pensamento visual

e atenção. Um teste de computador está

disponível, o que permitirá que você verifique o seu

progresso. O teste permite uma comparação da

habilidade de memorização de diferentes pessoas com considerável dispersão de velocidade, volume,

e confundir parâmetros. A habilidade de

memorização é medida pelo aumento do praticante em “habilidades de memorização” em comparação com a pessoa comum, não treinada. Formas de

levar informação ao nível reflexo da lembrança são elaboradas, explicadas e validadas. Uma pessoa deve usar esses métodos para memorizar palavras estrangeiras, novos alfabetos e códigos figurativos. O sistema oferece um método para verificar seu progresso e avaliar suas habilidades de memorização reflexa. Um padrão escolar de memorização de códigos figurativos é introduzido: 6 segundos para memorizar um elemento. Isso permite o cálculo do tempo padrão necessário para memorizar diferentes tipos de informações. Assim, para memorizar um número de telefone, um aluno deste curso de estudo precisa de 24 segundos. Também vamos explicar a memorização de maiores quantidades de informação, a que nos referimos como o “volume” de dados memorizados de cada vez. Trata-se de dados que são memorizados em uma tomada, sem quebras, nem possibilidade de perceber elementos repetidamente, nem com a consequente interferência homogênea (exercícios abstractivos que incluem elementos dos dados memorizados) após a memorização. CAPACIDADES MELHORADAS PELO GMS® O sistema ensina você a acumular centenas e milhares de mensagens informativas separadas (números de telefone não relacionados, datas históricas, termos com suas definições, etc.) com a possibilidade de recuperação seletiva consecutiva e instantânea. O sistema orienta você a encontrar informações que

contenham elementos iguais ou semelhantes no cérebro, por exemplo, todas as datas relacionadas a um número. Sua velocidade de memorização depende de quão bem cada pessoa é treinada e do nível de complexidade da informação em si. Ao memorizar códigos figurativos (imagens fixas de números de dois dígitos), é fácil alcançar uma velocidade média de 3 segundos por número de dois dígitos após um curto período de treinamento. Isso significa que o tempo necessário para memorizar 100 números de dois dígitos seria de 5 minutos. Um padrão para iniciantes para memorizar 100 números de dois dígitos é de 10 minutos (ou 6 segundos por imagem visual). Normalmente, os dados memorizados são apagados automaticamente após um determinado período de tempo. Graças a uma técnica especial de fixação de informações que compartilharemos, é possível regular o tempo que os dados podem ser armazenados no cérebro - variando de 1 hora a uma vida inteira. Existe também a opção de sobrescrever as informações em seu cérebro (substituição de números de telefone, mudanças nos elementos do cronograma). Os dados desenvolvidos para o nível reflexo não requerem repetição e são mantidos por toda a vida. Um método para acumular um número de frases no cérebro (incluindo línguas estrangeiras) e trazê-las para a automação, o uso reflexo também é analisado. Este método baseia-se em imagens

visuais e leva algum tempo para memorizar e afixar. RESTRIÇÕES DE GMS® O volume de dados memorizados é limitado por: Um número de imagens auxiliares auxiliares (previamente memorizadas); ? A velocidade de memorização de uma pessoa em particular; ? Qualquer cansaço que inevitavelmente apareça durante o processo de memorização; ? A necessidade de corrigir e repetir dados previamente memorizados. A memorização rápida só é possível se os códigos figurativos de cada elemento dos dados memorizados forem previamente aprendidos de cor. A velocidade de memorização de informações aleatórias é consideravelmente mais lenta devido à necessidade de uma codificação meticulosa em imagens. Toda a memorização no GMS® é baseada em operações de pensamento que utilizam imagens visuais em sua imaginação. ORDEM DE DOMINAR O SISTEMA DE MEMORIZAÇÃO Primeiro, é necessário conhecer as questões teóricas da psicologia da memória e os princípios gerais de memorização no sistema atual. Em seguida, segue-se um estágio bastante monótono: o estágio de dominar técnicas separadas, métodos de memorização e formar a habilidade de memorização voltada para informações logicamente não relacionadas (uma sequência de palavras, números e letras). Ao mesmo tempo, deve-se desenvolver um sistema de imagens auxiliares de suporte, bem como um

sistema de códigos figurativos para os elementos mais freqüentemente encontrados (números de dois e três dígitos, nomes de meses, dias, semanas e nomes próprios, como nomes, lugares etc.). ). Diferentes técnicas de memorização para diferentes tipos de informação (números de telefone, datas, nomes e sobrenomes, termos e explicações, palavras estrangeiras e similares) também são estudadas. Embora todas as técnicas de memorização compartilhem os mesmos princípios, memorizar um determinado tipo de informação tem suas especificidades. Durante esses estágios iniciais, os alunos também devem usar seu tempo livre para exercitar e praticar o domínio das técnicas em sua vida cotidiana: em uma rua, durante as compras, no trabalho ou na escola. O próximo estágio é um estágio especial. Você pode escolher um tipo de informação e focar seu treinamento em torno dela. Você precisará fazer exercícios especiais, dependendo do tipo de dados escolhido e do volume. A última etapa envolve a implementação do GMS® para lembrar informações difíceis, como um resumo do livro, sobre os principais conceitos de um manual, relatório ou palestra. A este respeito, o GMS® é gradualmente transformado em retórica e conecta você com outros campos da psicologia. Mecanismos de memória são universais. Não só eles dão uma compreensão dos princípios da memorização, mas também se expandem para

outras áreas, tais como: psicologia aplicada,

hipnose, psicologia dos processos de pensamento

e formação / mudança de identidade. Mecanismos

de memória também podem levar a um melhor entendimento da parapsicologia. Certos fenômenos neste campo são facilmente realizados usando técnicas GMS®. O QUE É GMS®? O GMS® é baseado em mnemônicos. "Mnemônica" significa uma técnica de memorização. É derivado de uma palavra grega “mnemonikon” - uma arte de

memorização. Acredita-se que Pitágoras de Samos inventou a palavra no século 6 aC A arte de memorização é chamada de "mnemonikon" após uma deusa grega da memória, Mnemosine, a mãe de nove musas. As primeiras obras sobreviventes sobre mnemônica datam de 86-82 aC e pertencem

a Cícero e Quintiliano (ver “História da

mnemônica”). Enciclopédias modernas definem mnemônicos de maneiras diferentes: Mnemônicos - uma arte de memorização, um conjunto de métodos e técnicas que facilitam o processo de memorização e ajudam a aumentar o volume de memória criando associações artificiais. Técnicas mnemônicas: 1) o mesmo que mnemônicos; 2) circo ou um truque de palco baseado na arte de memorização (adivinhando números, coisas, datas, ou nomes). O truque é executado por dois artistas usando um código especialmente desenvolvido. A mnemônica também é definida de uma maneira que reflete os mnemônicos modernos com mais

precisão. Mnemônica - um sistema de escrita interna que produz a capacidade de registrar informações consecutivamente no cérebro, transformando as informações em uma combinação de imagens visuais. A mnemônica faz uso de mecanismos naturais de memória e possibilita o controle total dos processos de memorização, armazenamento e recuperação. Inicialmente, a mnemônica apareceu como parte integrante da arte retórica e visava lembrar longos discursos. A mnemônica moderna - ou GMS® - evoluiu teoricamente e tecnicamente, tornando possível não apenas fixar uma sequência de material de texto no cérebro, mas também memorizar qualquer quantidade de informação precisa que é normalmente considerada impossível de lembrar com precisão. Exemplos destes últimos seriam:

listas de números de telefone, tabelas cronológicas, várias tabelas de números, dados de questionários

e textos de estudo sofisticados que contêm uma

grande quantidade de terminologia, dados numéricos, etc. Dominar GMS® equivale a dominar uma habilidade baseada em instrumento . Aprender

a usar o GMS® pode ser comparado ao

aprendizado de taquigrafia. Obviamente, para desenvolver qualquer habilidade, é preciso praticar

e fazer exercícios. É impossível dominar o GMS®

sem fazer exercícios. Depois que uma habilidade foi alcançada, uma pessoa pode escolher usá-la ou não. A informação em si não será memorizada.

Para memorizar qualquer coisa, é necessário usar

a habilidade de memorização formada, pratique a

sequência de operações mentais que leva à fixação

de informações no cérebro. A qualidade da memorização pode ser comparada à cópia de arquivos em pastas diferentes em um computador. Ainda assim, o volume de cada “pasta mnemônica”

é restrito - de um a dez números de telefone, por

exemplo. Os dados memorizados podem ser reproduzidos em ordens diretas, inversas e aleatórias, sem recordar todas as informações contidas na memória. A duração do armazenamento de informações é totalmente controlável. É possível memorizar dados por apenas uma hora ou salvá-los por toda a vida. Memorizar os dados mais recentes sobre os mais antigos pode apagar os dados mais antigos do cérebro, sobrescrevendo intencionalmente os dados anteriormente salvos de propósito. Os psicólogos costumavam comparar a memória de uma pessoa à memória de dispositivos técnicos. Agora, eles inverteram essa visão. Os criadores de computadores e softwares modernos geralmente

encontram novas idéias para uma melhor tecnologia no estudo da neurofisiologia. Como resultado, os computadores tornam-se cada vez mais inteligentes. O conhecido software de reconhecimento de texto, Fine Reader, serve como um exemplo notável desse processo: ele opera por meio de princípios analíticos visuais, semelhantes

aos humanos, escritos em sua programação. Pode- se prever que, num futuro próximo, os neuroprogramas - aqueles que modelam a memória associativa de uma pessoa - serão criados para possuir uma memória ilimitada e até poderão pensar. Isso é possível porque os processos de memória associativa são também os processos mentais humanos fundamentais. A informática tem sido o advento de uma quantidade ilimitada de acesso a fontes de informação. Você pode comprar

um CD com milhares de fotos nele. Um disco pode conter 15 mil obras literárias. Livrarias literalmente têm pilhas de livros com informações disponíveis

para nós, MAS

cerebral permanecem as mesmas; a maioria das pessoas simplesmente não pode receber nem reter tanta informação. Isso não é por falta de dinheiro, mas por causa e incapacidade de trabalhar com informações, de ler rapidamente e reter ou memorizar. Um fosso desastroso entre o desenvolvimento tecnológico das tecnologias e a capacidade do cérebro humano para assimilar a riqueza resultante de novas informações foi

observado nos últimos anos. O GMS® aumentará consideravelmente sua capacidade de estudar novos assuntos, aprimorar sua capacidade de retê- los e fornecer a você a oportunidade de acompanhar o progresso tecnológico. Assim, o que é o GMS®? É a capacidade de acumular grandes quantidades de informações precisas em seu

nossa capacidade e capacidade

cérebro. Conserva o tempo durante a memorização porque o processo é totalmente controlado. Ele armazena dados memorizados em sua memória - você não terá que memorizar o que você memorizou anteriormente. Envolve intenso treinamento de sua atenção e pensamento. Dá a seus alunos uma chance real de dominar vários ofícios de uma só vez e o potencial para se tornar um verdadeiro profissional em seu campo de trabalho. O GMS® permite que você tenha a possibilidade de usar informações, sempre que necessário, - ao seu alcance, é o que o GMS® promete: você pode usar as técnicas que lhe damos para melhorar sua vida. Fato: só se pode utilizar o conhecimento que reside em sua cabeça, corrigir? Imagine a vantagem que você tem contra

o mercado e acima dos outros

finalmente, houvesse uma forma de ginástica avançada para o cérebro. E, afinal, o cérebro precisa ser estimulado e treinado para não atrofiar

e se tornar irrelevante, não? O GMS® oferece a

você a oportunidade de elevar as apostas, garantindo que suas qualificações sejam um pouco acima das demais. Sherlock Holmes, um conhecido intelectual, adorou repetir esta frase: “A mente mais perfeita do mundo enferruja quando não tem nada para fazer.” UM OLHAR DENTRO DA CABEÇA DO USUÁRIO GMS® A fim de ajudá-lo a entender o que esperar quando você toca na misteriosa arte de dominar a memória, descreverei o que acontece

É como se,

no cérebro de uma pessoa que sabe controlar os processos de memorização e recuperação. Começarei com a anamnese (o processo de

recuperação)

sua frente, toneladas de informações escritas em suas páginas. Na opinião do homem comum, é geralmente impossível memorizar tudo nele: dados de referência, tabelas, extratos de textos difíceis, nomes, tabelas cronológicas, listas de nomes geográficos, termos e conceitos. Agora, imagine

que você está segurando este livro em suas mãos,

e um homem está na sua frente. Ele insiste que

pode recitar todo o conteúdo do livro, sem um único erro, mantendo a ordem correta de dados nele. Então, com certeza, bem na frente de seus olhos,

esse homem, um usuário do GMS®, realmente o recita com precisão. Você segue em frente e não percebe um único erro; dados numéricos no livro- texto são reproduzidos com precisão de até um milésimo. Primeiro, Você acha que esse homem deve ter vários anos para memorizar o livro. Também ocorre a você que essa quantidade de informação parece completamente impossível de memorizar palavra por palavra. Não é poesia. Um pouco mais tarde, quando um usuário do GMS® lê

o conteúdo do livro ao contrário (literalmente,

dizendo tudo em ordem inversa), você provavelmente chega à conclusão de que o homem tem uma memória fenomenal. As palavras “memória fotográfica” vêm à mente; você imagina

Imagine que você tenha um livro à

como deve ser para ver o conteúdo literal de cada página em sua mente. No entanto, você ainda suspeita que o cavalheiro passou vários anos em preparação para este truque, anos envolvendo estudos intermináveis, recontando as mesmas informações. No entanto, quando o homem pede para você escrever 200 números aleatórios em uma folha de papel, para mostrar que ele pode memorizá-los ali mesmo? E ele faz. O usuário do GMS® memoriza todos os 200 em questão de 5 a 10 minutos e os reproduz em ordem direta e

inversa…. e depois por colunas

suas suspeitas começam a desaparecer - e você tem certeza de que o homem à sua frente tem uma memória fenomenal. É importante notar que um usuário GMS® não vê páginas com texto ou números em sua imaginação, como na chamada “memória fotográfica”. É muito mais simples. Vamos dar uma olhada dentro de sua cabeça e ver como as informações são armazenadas: O usuário GMS® reproduz uma imagem de um rádio em sua mente e examina-o, destacando suas partes separadas: cinta de rádio, antena, alto-falante,

escala de sintonia e afinação lidar com. Não há informações escritas nessas imagens. Essas imagens são auxiliares. Agora, ele imagina uma grande imagem da tira, aumenta em tamanho e uma nova imagem aparece em sua mente - um ônibus, outra imagem auxiliar. O usuário do GMS® olha para o ônibus e vê as seguintes imagens: um

Neste ponto,

horário em um farol, o chapéu de Napoleão em uma janela, um conjunto de cores no volante, um haltere em uma sela, um conjunto de livros sobre primeiros socorros . Em seguida, o usuário do GMS® vê um monitor no teto do barramento. Ao reproduzir as imagens em sua imaginação, ele está dizendo em voz alta: “… um cronograma para a segunda-feira - matemática, história, desenho, treinamento físico e literatura.” Em seguida, sua atenção é direcionada para o alto-falante de rádio. Ele vê um lêmure com uma lata na boca, aipo azul, incenso e elixir. Ele diz em voz alta: “Em 1938, Timur invadiu a Índia e ocupou a cidade de Delhi. Ele volta sua atenção para a escala de afinação e vê um haltere na ponte levadiça. Ele diz: "St. Petersburgo foi fundada em 1703. ”Na alavanca de afinação, ele vê uma imagem de uma escala, a bandeira americana e uma salada. Ele se lembra de uma data usando essas imagens: 1787 - O ano da adoção da constituição dos EUA. O usuário do GMS® recupera todas as informações em ordem direta, digitalizando as imagens da esquerda para a direita. Para reproduzi-lo em ordem inversa, ele simplesmente precisa lê-los da direita para a esquerda. Esse processo de recuperar informações do seu cérebro lembra muito a visualização de fotos na tela do computador. Com um clique de um botão, você pode ver rapidamente as imagens. Mas você também pode fixar sua atenção em uma foto em particular e estudá-la com mais profundidade.

Imagens que um usuário do GMS® não é tão simples assim. Aqui estão alguns exemplos de uma combinação bastante peculiar de imagens: patins em um alto-falante, rosquinha em um sapato, um par de compassos, um gráfico e um violino. Aqui está como os números de telefone se parecem na interpretação GMS®: Sala de cinema “Ward” - 339- 26-00. Um usuário do GMS® relembra o número como uma combinação de quatro imagens. Um "tanque" com imagens de um "bobcat", "fita" e duas "urnas". "Ankar" cinema 123-77-58. Um usuário do GMS® lembra uma imagem de um “hangar” e imagens de um “notebook”, um “prato” e “filme”. O cinema “Paraíso” - 309-54-35. Um usuário do GMS® vê o número do telefone como um “coqueiro”, com “ratos de bronze”, um “ancinho” e “cerveja”. “Por que todas essas dificuldades e absurdos?”, Você pode perguntar. “Você não consegue simplesmente lembrar esses números de telefone de uma maneira normal?” A teoria da memória e a experiência de vida provam que você geralmente não consegue. O cérebro não se lembra de combinações puramente numéricas. Você pode não ter percebido isso porque nunca foi forçado a perceber. Se você não acredita, basta escrever um conjunto de 100 números em um pedaço de papel e tentar memorizá-los todos dentro de um período de tempo razoável. Codificar informações memorizadas em imagens visuais é uma necessidade. O cérebro não pode memorizar

nada, exceto imagens visuais. Você está acostumado a codificar sons de fala em palavras - combinações de 26 letras. Toda pessoa que está no processo de masterização do GMS® rapidamente se acostuma a codificar informações em associações - combinações de imagens visuais simples. Assim, os usuários do GMS® codificam informações em imagens visuais e conectam essas imagens entre as datas de memorização. Basicamente, é um registro direto de informações no cérebro, mas sim por meio de imagens visuais. Cada imagem representa algo, um número de dois ou três dígitos ou uma combinação de várias imagens. Durante a anamnese (recuperação de informações), um usuário do GMS® reproduz uma combinação de imagens visuais e as lê como se lesse um livro. Como você verá mais adiante, o GMS® ajuda você a lembrar grandes quantidades de informações e tem um conjunto de outros benefícios positivos. Por exemplo, quando você memorizou 200 números de telefone e pode facilmente reproduzi-los em ordens diretas e inversas, você instantaneamente recuperará um número por nome e um nome por número. Você também será capaz de responder à pergunta:

“Quais números de telefone têm 25 neles?” Se você seguir e memorizar as lições GMS® corretamente, sua memória exibirá instantaneamente todas as informações contendo 25. Isso pode parecer impossível, mas é uma fato

comprovado. Isso também é um resultado natural dos princípios holográficos do cérebro. Há uma enorme quantidade de imagens visuais na cabeça do usuário do GMS®. Alguns são auxiliares e ajudam a encontrar a informação correta; enquanto outros codificam dados precisos, primeiro e último nome e números. Visualizar informações no cérebro é como visualizar slides. A anamnese mnemônica é uma espécie de “história por fotos” - um exercício escolar familiar. A única diferença é que as imagens mnemônicas corrigem as informações necessárias com muita precisão. Um grande número de imagens visuais sobrecarregará sua memória? A resposta é simples: não. Uma combinação não existe em seu cérebro, a menos que seja lembrada. Imagens aparecem apenas quando são reproduzidas. Esta é a maneira artística em que nosso cérebro opera. As pessoas que dizem que há um perigo de sobrecarga de memória estão totalmente enganadas. A memória é praticamente impossível de sobrecarregar, já que números, imagens e palavras não são realmente memorizados pelo cérebro. Isso parece paradoxal; no entanto, na verdade, tudo é bem simples. Os artigos a seguir ajudarão você a entender os mecanismos simples, mas paradoxais, da memória humana. MNEMÔNICA DE MUITOS LADOS Atualmente, existem vários ramos da mnemônica que podem ser identificados. Livros sobre treinamento de memória tendem a misturar esses

diferentes e muitas vezes incompatíveis ramos da mnemônica. O resultado é uma espécie de salada - uma mistura de técnicas de memorização que um leitor despreparado acha difícil juntar num sistema coerente. Outra desvantagem dos muitos livros sobre treinamento de memória é a completa ausência de base teórica para as técnicas de memorização oferecidas. Sem teoria, é difícil criar um sistema mnemônico eficiente. Qualquer declaração em que um autor alega ter inventado o método Cicero ou mesmo a própria mnemônica deve ser tomada com muita ceticismo. As técnicas mnemônicas são tão difundidas que muitos nem sequer as reconhecem, devido à sua universalidade e uso geral na vida cotidiana. Eu distingui seis ramos mnemônicos: 1. Mnemônicos populares; 2. mnemônica clássica; 3. mnemônica pedagógica; 4. mnemônica do circo; 5. Mnemônica do esporte; 6. mnemônica moderna. Vamos dar uma olhada mais de perto em cada um desses ramos. MNEMÔNICOS POPULARES. Este ramo da mnemónica contém técnicas de memorização tão comuns que muitas pessoas nem sequer as notam - as técnicas ensinadas nas escolas e jardins de infância, muitas das quais são recomendadas por professores e professores. Durante toda a vida, as pessoas normalmente desenvolvem seu próprio método para uma memorização adequada. Mnemônica é bem antiga; Muitos métodos e técnicas estão literalmente

embutidos em nós desde a mais tenra idade. Se você olhar para a tela do seu computador, verá muitas imagens visuais. Graças à visualização das informações, até mesmo uma criança que não sabe ler sabe que deve clicar no ícone do disquete para gravar em um disquete. Sinais de trânsito também são bons exemplos de integração de técnicas mnemônicas em nossas vidas diárias. Uma pessoa é incapaz de compreender mensagens textuais a uma velocidade rápida. Sinais de trânsito (que são apenas símbolos que representam leis) são rapidamente percebidos. Um alfabeto simples também é uma técnica mnemônica. Nas escolas, os jovens estudantes aprendem a ligar os sons aos seus símbolos correlacionados. As letras são codificadas em combinação de pontos e traços (código Morse) é mais um exemplo de mnemônica. O cérebro humano não pode memorizar dados numéricos. É por isso que todos tentam inventar suas próprias técnicas para memorizar números de telefone. No entanto, estas técnicas são principalmente muito semelhantes. Palavras e terminologia estrangeiras são frequentemente lembradas por consonância. Muitas vezes, inconscientemente usamos um método de conectar as informações a outros dados ou encontrar um padrão em novos elementos. O número de técnicas na mnemônica popular é limitado, embora geralmente muito semelhante. Parece que isso pode ser devido ao fato de que todos nós fomos

ensinados a usá-los por nossos pais, nas escolas e até mesmo no jardim de infância. As técnicas utilizadas geralmente não são muito claras; sua eficiência é muito baixa; eles não têm uma base científica nem compreendem um sistema. Ainda assim, eles ajudam na memorização. Cada pessoa pode se lembrar de várias datas históricas, nomes, endereços e números de telefone. Tais coisas são lembradas usando as técnicas mnemônicas populares. MNEMÔNICOS CLÁSSICOS A mnemônica clássica é o primeiro ramo da mnemônica já reconhecido. Acredita-se que existiu no Egito Antigo. Acredita-se que as tribos maias ensinaram seus filhos a usar a mnemônica - um sistema de letras internas; No entanto, não há documentos para provar isso. Os primeiros trabalhos conhecidos sobre mnemônica remontam a 86 aC Essa data é considerada a data de nascimento da mnemônica clássica. A mnemônica clássica apareceu como parte da arte retórica e foi usada como auxiliar para lembrar uma ordem na qual os discursos eram realizados. O conjunto de técnicas na mnemônica clássica é limitado. Os mecanismos da memória foram entendidos intuitivamente, mas corretamente. No momento, era impossível explicar os princípios do funcionamento da memória devido ao conhecimento limitado do mundo circundante. O método Cicero é um exemplo perfeito da mnemônica clássica: escolher um objeto na rua ou em um ambiente familiar e

usá-lo como um "rack" para os dados memorizados. Outros exemplos de conceitos do Cicero ainda estão em uso. Assim, os mnemônicos clássicos recomendavam a memorização de informações previamente transformadas em imagens. As próprias imagens consistiam em dois grupos: os que ajudavam a fixar uma sequência de imagens e as que codificavam a própria informação. A mnemônica clássica reconhecia que era possível memorizar e apagar imagens. Mnemônicos clássicos acabaram se dividindo em dois ramos. Alguns (Cícero) eram perfeitos para memorizar usando códigos figurativos. Outros (Quintilian) não recomendaram o uso de códigos figurativos para esse propósito. Segundo os historiadores, as pessoas que rejeitavam as técnicas mnemônicas clássicas eram aquelas que tinham problemas com o pensamento visual. Eles não podiam imaginar imagens visuais e manipulá- las em sua imaginação. Devido a restrições fisiológicas, técnicas mnemônicas clássicas eram inaceitáveis para essas pessoas; eles foram forçados a criar seus próprios sistemas alternativos de memorização, que dependiam menos do pensamento visual. Mesmo nas obras de Quintiliano, podemos ver as primeiras sementes da mnemônica pedagógica, para aquelas pessoas que eram incapazes de pensar visualmente. No entanto, a mnemônica pedagógica não evoluiu até o século XVI. MNEMÔNICA PEDAGÓGICA Petrus

Ramus pode ser considerado o fundador da mnemônica pedagógica. Durante o século 16 na Inglaterra, na Universidade de Cambridge, ambos os mnemônicos clássicos (Giordano Bruno) e pedagógicos (P. Ramus) foram ensinados. Acontece apenas que a mnemônica pedagógica, que não se baseava no pensamento visual, era mais aceitável para um grupo maior de alunos. O que é mais importante é que eles não tentaram manter um padrão tão alto quanto o da mnemônica clássica. Simplificando, mnemônicos pedagógicos se recusaram a usar imagens visuais para memorizar, o que levou a diminuir sua eficiência e reduziu os padrões acadêmicos. A mnemônica pedagógica não forçou os alunos a memorizar tabelas cronológicas; os alunos simplesmente não precisavam fazer isso. A mnemônica pedagógica enfatiza a memorização natural associada à intensa e frequente repetição de material estudado. Por exemplo: leitura repetitiva do mesmo texto, pronunciação repetitiva de um texto, reescrever textos de livros, copiando ilustrações de livros, abordando estudos como um jogo e criando um grande número de materiais auxiliares. No século 16, a mnemônica pedagógica era a líder absoluta em comparação com a forma clássica. Métodos mnemônicos pedagógicos ainda estão sendo usados no sistema educacional oficial. Tanto a mnemônica clássica quanto a pedagógica têm suas vantagens e desvantagens. A mnemônica clássica

é, sem dúvida, muito mais eficiente do que a pedagógica, embora os métodos de mnemônica pedagógica sejam incomparavelmente mais simples e claros para a maioria das pessoas. A motivação dos professores é óbvia: você tem que ser capaz de ensinar a todos, não apenas pessoas com um pensamento visual desenvolvido. MNEMÔNICOS CIRCOSOS A mnemônica circense utiliza princípios mnemônicos clássicos. O que é típico da mnemônica do circo é uma preparação meticulosa da informação de codificação. As informações podem ser codificadas em qualquer coisa: gestos, posturas, expressões faciais, tons de voz ou a ordem das palavras em uma frase. Muitas vezes, nada realmente precisa ser lembrado quando se apresenta uma memória fenomenal. Os mestres da técnica simplesmente transmitem informações usando o código que apenas os dois conhecem. O principal é passar a informação de assistente para performer (graças a vários truques). Assim, a mnemônica do circo faz uso de apenas uma parte das técnicas mnemônicas. Durante essas apresentações, os usuários da mnemônica tentam não expor sua capacidade de memorizar. É

por isso que a ilusão da telepatia e a verificação de coisas diferentes são baseadas em uma memória bem treinada. Você deve se lembrar do fato de que os usuários de mnemônicos no circo são

inicialmente artistas de circo

seja, trapaça e ilusão são considerados como a

onde trapacear, ou

norma. MNEMÔNICA ESPORTIVA. Você pode encontrar usuários mnemônicos verdadeiramente profissionais e honestos em competições mnemônicas. Tais competições são realizadas regularmente - por exemplo, na Universidade de Cambridge desde 1997. A mnemônica do esporte tem suas próprias características específicas. Primeiro, cada participante é especializado em um tipo específico de informação. Alguns pretendem bater recordes na memorização de números de dois dígitos; outros se especializam em campeonatos de memorização de cartas de jogar; alguns treinaram-se para memorizar números falados de dois ou três dígitos. Você não vai surpreender muito poucos com a sua capacidade de memorizar as coisas em tais competições. Participar, você precisa passar por um estágio de seleção onde terá que provar sua habilidade de memorização antes de poder competir. Registros pertencentes a campeões atingem sua imaginação, especialmente se você não estiver familiarizado com os princípios da mnemônica. Ainda assim, mesmo um usuário treinado em mnemônicos sente um grande respeito pelos defensores de tais eventos, pois eles sabem, por experiência própria, o que é preciso para memorizar eficientemente. A faceta mais difícil da competição é geralmente a memorização de números falados. Isso envolve uma competição quando o usuário mnemônico é apresentado apenas com o número que ele teve

que memorizar uma vez. Na mnemônica esportiva, como em qualquer outra competição, os participantes buscam os melhores resultados possíveis. Os participantes do evento mnemônico competem em dois critérios principais: velocidade de memorização e o volume de dados lembrados ao mesmo tempo. MNEMONICS MODERNO OU GMS® GMS® pertence à moderna técnica mnemônica. Enquanto isso, existem muitos sistemas cujos autores não se limitam a ler livros antigos, mas também tentam entender os mistérios da mente e entender seus princípios de funcionamento. A característica distintiva do GMS® é o seu theofundação retical. Com base na teoria da memória, os autores desenvolvem e unem os métodos de memorização conhecidos em um sistema de memorização estrito, destinado a resolver problemas precisos. Existem também sistemas especializados cujo objetivo é estudar línguas estrangeiras. O GMS® é feito sob medida para lembrar informações PRECISAS - informações que não podem ser lembradas perto de sua forma original, informações que as pessoas, consequentemente, tendem a abster-se de memorizar. O GMS® é sobre memorizar informações não memorizáveis. O GMS® é mais focado em utilizar os resultados da pesquisa neurofisiológica e os métodos exatos de testar a eficiência de qualquer técnica de memorização. Abaixo está uma lista dos principais princípios do

GMS®, facetas que o tornam tão diferente de outros sistemas de memorização. Ao usar esses conceitos, seguir o link para o site da “School of Phenomenal Memory®” (http://www.Pmemory.com) e o GMS® é absolutamente necessário. O conceito de “memória elétrica” é introduzido - um processo de conexões entre a fixação simultânea de células de trabalho pelo cérebro. Este é o processo pelo qual o nosso cérebro chega às conexões, formando-as entre as células nervosas que funcionam simultaneamente. A principal operação pensante que leva à memorização eficiente é definida como a - “conexão de imagens”. Um conceito de “senso de memorização” é introduzido:

uma conexão consecutiva de elementos em uma mensagem de informação. Um conceito de “informação precisa” é introduzido; isso inclui informações cujos elementos não invocam nenhuma imagem visual quando são inicialmente percebidos. A principal técnica de memorização usada no GMS® é a criação de associações que contêm uma base e seus elementos. Este método de memorização é o único método possível e correto, e é uma conclusão lógica do conceito de “sentido de memorização” e do esquema de criar uma conexão elétrica. Este método não foi descrito anteriormente na literatura mnemônica. Também é apresentado um conceito de “códigos figurativos fixos”. Códigos figurativos fixos são imagens de substituição para os elementos mais comuns de

informação que devem ser únicos e permanecer inalterados. O conceito de um "sistema de estimulação cerebral interna" é introduzido. É um sistema de imagens previamente memorizadas que - do ponto de vista neurofisiológico - são filtros de freqüência espacial. Associações criadas estão vinculadas a elas. Com a ajuda deles, a varredura do cérebro é realizada, juntamente com a leitura / revisão de combinações de imagens previamente compostas. Sistemas de imagem de suporte multinível são colocados em uso. Tais sistemas são baseados em combinações de dez técnicas de memorização de sequência principal. Conectar quaisquer dois códigos figurativos juntos é proibido. O uso de códigos figurativos como imagens de suporte também é proibido. O conceito de “habilidade de memorização” é introduzido; um teste de formação de habilidades de memorização baseado em computador é desenvolvido. Certos padrões para aqueles que estudam técnicas de memorização com a ajuda do GMS® são introduzidos. O conceito de "códigos figurativos fonéticos", usado para memorizar rapidamente palavras estrangeiras, é apresentado. Um "link lógico" é definido como qualquer link criado na imaginação entre imagens visuais. "Entendimento" é um conceito de imagens visuais espacialmente organizadas na imaginação de uma pessoa. Conceitos de “canais de imaginação reprodutiva” e “canais do operador espacial” são introduzidos. Um

esquema de função de imaginação reprodutiva é fornecido. Quatro estágios principais de memorização são nitidamente definidos:

codificação elementar em imagens (conexão de imagens), memorização (imagens conectadas), fixação de seqüência de associação (diretamente ou usando imagens de suporte) e conexão de fixação no cérebro (três métodos de repetição mental). Poderíamos ter ido mais longe com a enumeração de novidades no “Sistema de Memorização Giordano”, mas apenas listar os conceitos acima mencionados é suficiente para você entender que tem uma nova forma de mnemônica à sua frente. Não só isso não tem nada em comum com qualquer outro sistema, contradiz- los em todos os sentidos. QUEM PRECISA DE GMS®? PARA ESTUDANTES Os alunos costumam fazer "folhas de fraude" antes dos exames. O GMS® possibilita memorizar essas folhas de dicas. Agora você pode copiar as respostas da sua própria memória durante um exame, o que é muito mais seguro. Se você quiser, as informações podem ser armazenadas por toda a vida na sua memória. Isso pode ser necessário se você quiser se tornar um especialista de alta classe ou um profissional em seu campo. Observe também que isso não envolve realmente trapaça. Se está na sua cabeça, então você sabe disso. Isso é exatamente o que os professores querem alcançar. O GMS® reduzirá significativamente o

tempo necessário para se preparar para um exame. Se você usar o GMS® durante o ano letivo, dificilmente terá que se preparar para os exames. Você vai simplesmente lembrar o conteúdo de seus livros. (Recomenda-se que você memorize em pequenas quantidades durante todo o ano letivo.) PROFESSORES Não se esqueça que a mnemônica apareceu pela primeira vez como parte da arte retórica. As técnicas de memorização usadas para reter uma sequência de material do curso são literalmente as mais simples do sistema. Que efeito isso terá em seus alunos quando um professor precisar fazer referência a suas próprias anotações? Como ele poderá ensinar se não conhece o material? Além disso, você memorizará

o material do curso apenas uma vez - e nunca mais

terá que gastar tempo preparando-se para uma aula ou sessão. Enquanto seus colegas releram suas palestras pela zionésima vez, você pode se entregar a uma boa conversa com uma xícara de café. NA VIDA DIÁRIA Toda pessoa tem que memorizar uma certa quantidade de dados precisos. Estamos acostumados a escrever essas informações em nossos cadernos. Ensine-se, em vez disso, a registrar as informações necessárias diretamente em seu cérebro. Você será

completamente independente de baterias de celular

e notebooks eletrônicos. Você nunca mais perderá

informações. Não pode ser roubado; ninguém ligará

seu computador e poderá usar suas contas

bancárias. Você não precisará procurar na memória do celular para encontrar informações. Tente usar sua memória todos os dias. Lembrar tudo o que você precisa é prático e não é difícil! Um bônus escondido é que você pode gravar informações no cérebro muito mais rápido do que em um notebook. PARA AUTO-EDUCAÇÃO. Imagine que você acabou de ler um livro "300 técnicas para fazer as pessoas te amarem". Em algumas semanas, talvez apenas cinco dessas técnicas permaneçam em sua memória. Dentro de um mês, você terá que ler o livro novamente. Depois de um ano, você sentirá que está lendo o livro pela primeira vez. Você não pode usar informações a menos que elas residam em sua cabeça. Memorize conceitos básicos de um livro cujas informações você precisa e use. Agora, o resumo do livro está na sua cabeça e as informações estão disponíveis 24 horas por dia. Além disso, se você memorizar as informações usando o GMS®, memoriza-as em seu cérebro. A informação é automaticamente "incorporada" às suas perspectivas. Seu comportamento mudará de acordo com os dados memorizados. Se você decidir estudar programação, então você pode fazer isso de várias maneiras. Você pode aprender programação usando um livro de referência. Você pode estudar a disciplina por 5 anos para que os comandos básicos sejam memorizados espontaneamente. Você também pode passar algumas semanas memorizando uma linguagem de

programação e escrever um programa - sem uma folha de cola - como faria um programador profissional. PARA COLUNAS PÚBLICAS Um palestrante deve simplesmente conhecer o GMS®. A oração de arte parece sem sentido sem tal conhecimento. Palestrantes públicos profissionais, como teólogos, estudam mnemônicos em seminários; É por isso que seus discursos são proferidos com tanta fluência. Você já viu um ministro que leu um sermão de um caderno? Todos os ministros dominam mnemônicos até certo ponto. PARA OS HOMENS DE NEGÓCIOS Os empresários possuem uma ampla gama de contatos. Muitas vezes, quando não temos o número de telefone de alguém, não podemos buscar uma transação desejável; isso pode resultar em perda de receita. Memorize informações sobre pessoas com quem você mantém relações. Consiga entrar em contato com eles o tempo todo, ou você pode perder um acordo. O GMS® não é apenas uma boa memória, é também um meio de criar diferentes ilusões. Pode ser por isso que muitas vezes é exibido em circos e no palco. Como você cria uma ilusão? É muito simples. As pessoas tendem a julgar os outros pelos seus próprios padrões. Todos pensam que são mais inteligentes, se não mais poderosos. Quando você vê o seu parceiro de negócios e o chama pelo nome, lembre-se dos números de telefone da sua casa e do trabalho, pergunte sobre seus parentes e

pergunte se ele conseguiu chegar a tempo para

uma reunião em uma determinada

data.

.? Seus

pensamentos fluirão aproximadamente da seguinte maneira: A reunião era rotineira e você não podia refrescar sua memória usando um notebook - então, você realmente se lembrava dessas informações sobre ele. Ele vê isso como prova de que você está realmente interessado nele. Normalmente, habilidades intelectuais mais desenvolvidas (capacidade de memorização) não são consideradas. Na sua opinião, todos têm a mesma memória que ele; mas, em sua mente, ele percebe que você acha que ele é importante, especial. Digamos que, antes de assinar um acordo, você saiba que seu parceiro gosta de peixes de aquário, o GMS® o ajudará a se preparar para a reunião. Você pode simplesmente ler um livro sobre peixes de aquário - e memorizar uma centena de espécies diferentes. Os termos que você usa irão assegurar-lhe que você passou pelo menos 10 anos aproveitando o mesmo hobby. Isso criará uma ilusão de sua sinceridade. Seu parceiro estará mais apto a assinar o contrato só porque ele

poderia falar sobre seu hobby com você. Você foi capaz de se apresentar como um excelente especialista nessa esfera; Portanto, você é uma pessoa interessante. A avaliação de parceiros, com base no que eles falam, é vista a partir desses exemplos. O GMS® ajuda a derrubar percepções comuns criando uma ilusão de especialização em

determinadas áreas. O aspecto interessante disso é que, quando você aprende e memoriza fatos sobre peixes, você realmente começa a ser um especialista nesse campo, especialmente se você se esforçar para reter o conhecimento em sua memória. PARA SAÚDE Os mecanismos de memória são universais. Tudo no corpo humano e no cérebro funciona de acordo com as mesmas leis. A natureza opera pelas mesmas leis universais. Tudo o que não é usado em nosso corpo, começa a atrofiar. Imagine uma pessoa que passou um ano no elenco. O que você acha que vai acontecer com seus músculos? Eles se tornam fracos e finos. O que acontecerá se uma pessoa não usar sua memória? A memória começará a deteriorar-se. Razões para doenças súbitas que se espalham pela sociedade informatizada em alguns países ainda são desconhecidas. As pessoas começaram a perder a memória. Muitas pessoas com mais de 40 anos são acometidas pela doença de Alzheimer. Esta doença é apresentada pela primeira vez como um distúrbio de memória. Mais tarde, a doença atinge seções maiores do cérebro; eventualmente, uma pessoa morre (cerca de 5 anos a partir do início dos primeiros sintomas). Nenhum vírus interno é encontrado em corpos falecidos: células nervosas de um órgão responsável pela memória, o hipocampo, são simplesmente substituídas por albúmen simples; isto é, eles param de funcionar. Ao realizar

exercícios com GMS®, assim como com a ginástica, você manterá sua memória em perfeita forma nos próximos anos. Segue-se que, se os processos de memória em seu cérebro funcionam normalmente, os outros sistemas cerebrais são mais propensos a funcionar normalmente também. PARTE 2: MECANISMOS DE MEMÓRIA. MEMÓRIA - UM DOMÍNIO DOS PARADOXOS Os princípios da memória são muito simples. A incompreensão de seus mecanismos está ligada à falta de compreensão do que nosso cérebro vê como informação. Examinei vários livros sobre psicologia e neurofisiologia do cérebro. O que mais me surpreende é que ninguém conseguiu localizar onde a informação reside em seu cérebro. Ninguém pode explicar de maneira simples e clara como e onde as informações são armazenadas. Seguindo uma lógica simples, cheguei à conclusão de que, se ninguém consegue encontrar a área de armazenamento, a informação simplesmente não é armazenada no cérebro! Este é o principal segredo de memória. O cérebro nunca memoriza o que normalmente chamamos de “informação”. O cérebro realmente memoriza algo que geralmente falhamos em reconhecê-lo. Vamos esclarecer diferentes tipos de informação: RESULTADO DA ATIVIDADE CEREBRAL Existe informação que é resultado do funcionamento cerebral. Tal informação é criada pelo cérebro e não existe na natureza. Não existe sem homens. O que é essa

informação? Primeiro de tudo, são palavras. O cérebro pode criar palavras; você pode escrever essas palavras em um pedaço de papel, combiná- las como livros, arquivos e registros. O cérebro também é capaz de criar imagens. Você pode definir imagens criadas pelo cérebro no papel, com uma caneta ou tinta. Então, as gerações futuras serão capazes de ver os resultados do funcionamento do seu cérebro. Alguns cérebros são capazes de criar música. Para salvar música, pode-se anotá-la usando notação (music print) ou gravá-la diretamente em uma fita ou em um disco compacto. Aquilo a que normalmente nos referimos como informação para aprender também pertence a esta categoria… conteúdos de livros de estudo, cadernos, etc. Alguém apresentou textos, datas e fórmulas; Toda essa informação é resultado de muitos cérebros funcionando juntos. A informação acima não está fixada no cérebro. Não existe em seu cérebro sob qualquer forma - não em palavras ou imagens, nem em forma de impulsos elétricos. OBJETOS DO MUNDO ENVOLVENTE Outro tipo de informação consiste em objetos no mundo circundante. Tais objetos irradiam SINAIS FÍSICOS e QUÍMICOS no espaço que afetam nossos cérebros através de outros canais de percepção (olhos, ouvidos, etc.). Esse tipo de informação também não é memorizado pelo cérebro. Quando você olha para um objeto, você vê (reflete), mas o objeto em si não é percebido pelo cérebro. Eu

entendo que isso pode parecer paradoxal e pode causar ceticismo ou mesmo indignação. Você pode fechar os olhos e lembrar de inúmeras imagens! Minhas declarações contradizem sua experiência. Isso é o que é chamado de domínio de um paradoxo. Lembre-se do título deste artigo. Meu objetivo é provocar uma verdadeira revolução em sua cabeça com este pequeno artigo. O fenômeno da memória é de fato muito paradoxal, na medida em que contradiz o que você sente e o que foi ensinado durante a escola ou mesmo em uma aula de psicologia. Para examinar e compreender conceitos de memória e GMS®, você precisará quebrar essa barreira psicológica de mal- entendidos. Por favor não faça nenhuma conclusão ainda, e continue lendo. CONEXÕES, CONEXÕES

E NADA, MAS CONEXÕES

Há também um

terceiro tipo de informação que as pessoas tendem a esquecer. Quando antigos magos (cientistas já foram referidos dessa forma) diriam que a informação existe em todo lugar, sempre e sobre tudo, eles não estavam se referindo a palavras, imagens, números de telefone, e datas - nem significam objetos que nossos cérebros refletem. O que eles queriam dizer com o termo “informação” era de fato “CONEXÕES”. Assim, o terceiro tipo de informação é conexões: as conexões formadas entre objetos, fenômenos e eventos mundiais circundantes. De fato, tal informação existe em todos os lugares, sempre e em tudo que se possa

imaginar, independentemente do que os filósofos ou psicólogos pensam a respeito. Folhas crescem em galhos de árvores; o sol está sempre no céu; peixes nadam no mar. Quando houver relâmpago, espere trovão. Se chover, suas roupas ficarão

molhadas. A construção da fala “se

então…”

reflete o tipo de informação analisada - conexões. "Se galho, então sai." "Se açúcar, então doce." “Se fogo, então fume. Esse tipo de informação é muito importante para nós, pois nosso cérebro memoriza

apenas esse tipo específico de informação. Seu cérebro memoriza as conexões. Quando você vê um vaso com uma rosa em uma mesa, seu cérebro lembra a conexão entre “vaso”, “rosa” e “mesa”. O cérebro não memoriza as imagens sozinhas. De onde vem nosso cérebro? Ainda nos lembramos de palavras ou imagens? Encontramos exemplos simples de princípios de memória todos os dias em uma cozinha. Por que você remove sua mão de uma chaleira quente? Que pergunta boba, você pode dizer. Essa reação não acontece apenas - é o calor que age sobre nossos receptores de pele, resultando em uma CONEXÃO que nos faz puxar a mão automaticamente. A reprodução de imagem funciona da mesma maneira. Quando você vê um vaso, ele age sobre os seus olhos, em seguida, um resultado da CONEXÃO e seu cérebro produz as imagens “rosa” e “mesa”. Quando você ouve “gato”, ele age em seus ouvidos, depois ocorre uma CONEXÃO e você vê um gato em sua mente. O

cérebro não é o depósito de informações que achamos que é. O cérebro só pode gerar CONEXÕES. Com relação a qualquer outro tipo de informação (palavras, imagens, músicas, números de telefone, etc.), o cérebro é apenas um gerador de informações. Um "gerador de informação" soa peculiar, mas é exatamente o tipo de dispositivo que temos em nossas cabeças. Analogicamente, ninguém jamais tentará encontrar eletricidade em um gerador elétrico. Nós todos sabemos que um gerador cria energia elétrica. Uma tentativa de encontrar imagens, palavras ou números de telefone no cérebro é hilária - eles não estão na sua mente; seu cérebro os gera. Para o gerador elétrico criar energia elétrica, ele precisa ser girado. Para o cérebro começar a criar imagens e palavras, ele precisa receber sinais (estímulos). Estímulos muito diversos vão para o cérebro e agitam conexões anteriormente criadas de acordo com o que o cérebro cria (gera) como informação: imagens, palavras ou movimentos. O tipo mais primitivo de conexão, um reflexo, é familiar para todos nós. Para um reflexo funcionar, um estímulo é necessário. A memória humana funciona de acordo com o princípio “Reação de Estímulo” (SR). A partir deste exemplo simples, você pode ver que uma tentativa de memorizar números de telefone e datas históricas em sua aparência comum é uma coisa absolutamente sem sentido para fazer. O cérebro não é capaz de fazer isso em grandes

quantidades. É necessário aprender a memorizar as conexões existentes em números de telefone e datas históricas. Usando essas conexões, nosso cérebro irá gerar os dados necessários. Os tipos de informação descritos - objetos do mundo circundante (como números de telefone) são resultados do funcionamento cerebral usando tais conexões. Uma maçã, um número de telefone e uma data histórica contêm essas conexões. O que é primário - um objeto ou as conexões nele? Essa é uma questão filosófica difícil, então teremos que deixar para outra hora. O que é essencial saber é que o cérebro só conserta e retém conexões. O resto não tem importância para memorização. Podemos chegar a uma conclusão com base no fato de que o cérebro só é capaz de consertar conexões: se não houver sinal estimulante de entrada, então um cérebro não gerará informações - tornando, assim, impossível o processo de anamnese. O reflexo de puxar sua mão não funcionará a menos que você toque em algo quente. Você não vai espirrar a menos que tenha uma partícula de poeira perto do nariz. Você pode não ter ideia dos programas inatos de reação genética que você tem, a menos que encontre uma certa situação estimulante. Vamos descrever em detalhe dois mecanismos de fixação de conexões cerebrais. No entanto, mesmo agora, é importante notar que os estímulos provenientes do corpo humano e de seus órgãos internos têm um efeito

muito forte nas conexões. Esses estímulos são uma frequência de fundo com a qual qualquer outro sinal estimulante entrante se mistura. Teoricamente, isso significa que qualquer mudança na sensibilidade do corpo fará com que a geração de informações, usando conexões criadas em circunstâncias normais, seja inadequada. Se a sensibilidade de um corpo é drasticamente alterada, então a pessoa sofre de perda de memória. Se alguém não controla a quantidade de álcool consumida em uma festa, os sentimentos e percepções de seu corpo mudarão dramaticamente. Quando ele ficar sóbrio, provavelmente não conseguirá lembrar muito do que estava acontecendo na festa. Conexões são reações a estímulos. No entanto, uma pessoa não pode obter os mesmos estímulos sóbrios que quando estava sob influência do álcool. Conexões não podem reagir sem estímulos. A pessoa sofre de amnésia básica, um apagão. Para lembrar a informação esquecida, é imperativo colocar o corpo na mesma condição - ou neste exemplo - para se embriagar novamente. O mais interessante sobre a amnésia é que quase todo mundo está sujeito a essa perda ocasional de memória. No entanto, não percebemos quando isso acontece, pois não conseguimos nos lembrar do próprio esquecimento em si. O núcleo do sistema Stanislávski baseia-se na conexão entre a memória e os sentimentos corporais. Ele chamou isso de “método de ação

física”. Para se livrar de um comportamento inútil e substituí-lo por um novo, ou para mudar um aspecto de sua identidade, Stanislavski recomenda envolver-se em atividades físicas relevantes porque elas levam a uma rápida mudança na sensibilidade do corpo. Então, o corpo começa a enviar sinais para o cérebro. Devido à mudança de estímulos, outras conexões começam a ocorrer em reação, e camadas de memória previamente bloqueadas são ativadas. Outras camadas, agora não necessárias, são bloqueadas por sua vez. Para mudar seu temperamento, hábitos e atitude em relação a outras pessoas, basta fazer alguns exercícios físicos, exercícios de força e treinamento de força. As mudanças serão tão consideráveis que as pessoas ao seu redor perceberão; conseqüentemente, seu relacionamento com outras pessoas também mudará. Entender o que são as CONEXÕES - e que o cérebro memoriza apenas conexões - é a chave para a técnica correta de memorização e também explica perdas temporárias e permanentes de memória, mudanças drásticas de personalidade e princípios de doenças da memória. Uma faceta da "memória" é o conceito-chave da psicologia. Compreender a fixação de conexões cerebrais e a geração de informações sob o efeito de mecanismos de estímulo oferece uma oportunidade de entender outros processos que ocorrem em seu cérebro também, por exemplo, formação de personalidade e atividades mentais.

Não apenas a “memória” é um conceito-chave da psicologia, mas também um princípio universal que orienta todos os processos em nosso mundo físico. Não só a natureza abrangente da memória se estende aos nossos processos físicos e psicológicos, ela é, de fato, seu princípio orientador - cuja importância nunca deve ser subestimada. Freqüentemente, você pode encontrar um reconhecimento do fato de que a psicologia cobre mecanismos de memória. De fato, a psicologia pura negligencia esse assunto. A memória só pode ser entendida com a ajuda das ciências vizinhas:

neurofisiologia, neurofarmacologia, física e matemática. Agora podemos resumir isso em uma tabela. O que é lembrado pelo cérebro? Informações Tipo Cérebro Informações como resultado da atividade do cérebro (palavras, datas, números de telefone) Não lembra, gera. O mundo ao redor objetos (imagens) não lembra, gera. Conexões entre eventos, fenômenos Se lembra de dois modos. O essencial: 1. O cérebro só pode lembrar de conexões. 2. O processo de criação de conexões é “memória”. 3. O cérebro é um gerador de informações. O processo de geração (anamnésia) acontece por meio de conexões fixas depois de um estímulo apropriado. 4. Sem estimulação, o cérebro não pode criar informações. O isolamento dos sentidos (privação sensorial) leva à suspensão da memória e ao distúrbio da atividade cerebral. A REAÇÃO DO CÉREBRO A

DIFERENTES TIPOS DE INFORMAÇÕES Nesta seção, também vamos discutir informações. A fim de evitar confusão entre diferentes interpretações da palavra, vamos definir quais informações vamos abordar. O cérebro conserta apenas conexões. O cérebro lembra esse tipo de informação, as conexões. O processo que nos ajuda a fazer isso é chamado de “memória”. Também estamos acostumados a tentar recordar informações que nosso cérebro não é capaz de lembrar, os objetos tangíveis existentes no mundo circundante. É isso que estudamos na escola ou na universidade e o tipo de informação que vamos examinar agora. Deixe-nos, em primeiro lugar, deixar claro como um cérebro reage a objetos reais, informação de texto e um tipo muito particular de informação, informação precisa. Esses tipos de informação:

objetos reais, textos, números de telefone e similares não podem ser memorizados pelo nosso cérebro. No entanto, a experiência diz que podemos de alguma forma lembrar algumas dessas coisas. Como é que memorização e anamnese desses objetos podem acontecer? IMAGENS, INFORMAÇÃO TEXTUAL, INFORMAÇÕES DE SINA Primeiro, analisaremos a reação do cérebro em objetos existentes. Como o cérebro consegue reproduzi-los quando nenhum pesquisador consegue encontrar provas de imagens visuais dentro dele? A natureza realizou isso em seu próprio caminho ardiloso. Todo objeto existente tem

suas conexões internas. O cérebro é capaz de

perceber e memorizar essas conexões. Você já pensou por que os humanos precisam de vários

sentidos

ouvir? Os objetos existentes irradiam sinais físicos

e químicos para o espaço. Estas são leves

(refletidas ou irradiadas), vibrações de ar. Um objeto também pode ter sabor e suas moléculas podem voar bem longe dele. Se tivéssemos apenas um órgão sensorial, a memória reflexa não seria capaz de memorizar nada - porque a memória reflexa sugere a presença de vários analisadores. Um campo de informação integral proveniente de um objeto é dividido em vários constituintes; a informação chega ao cérebro através de vários

canais de percepção. Um analisador visual percebe uma silhueta de um objeto (como uma maçã). Um

analisador de audição percebe os sons do objeto:

quando você morde uma maçã, você ouve um crack específico. Um analisador de cheiros percebe

o cheiro: seu nariz é capaz de pegar moléculas

irradiadas por uma maçã a uma distância de vários metros. A informação é trazida ao seu cérebro através das mãos (percepção tátil). Como resultado da quebra da informação em várias partes, o cérebro é capaz de criar conexões. Essas conexões ocorrem naturalmente. Tudo o que está em nossa mente em um determinado momento do tempo está conectado e, portanto, memorizado. Consequentemente, enquanto examinamos uma

por que podemos cheirar, provar, ver e

maçã, a transformamos em nossas mãos, provamos, nosso cérebro distingue diferentes características específicas do objeto e cria automaticamente conexões entre elas enquanto ainda estamos estudando-o. Nenhum dos recursos é memorizado, como está, separadamente. Apenas as conexões estão sendo lembradas. Mais tarde, quando nosso nariz pega o cheiro de uma maçã, o cérebro recebe um estímulo de entrada e as conexões criadas anteriormente reaparecem em nossa mente e fazem com que os outros recursos reapareçam junto com eles. Nós memorizamos a imagem completa da maçã. O mecanismo de memorização natural é tão óbvio que parece estranho descrevê-lo. Tais métodos de memorização nos permitem RECONHECER objetos próximos através de apenas uma parte da informação disponível. Quando você ouve um som estridente lá fora, você pode dizer que há um corvo perto de você, não um ganso. Quando você cheira um cheiro específico, você pode dizer que seu vizinho está fazendo frango com alho para o jantar. Você pode facilmente dizer uma guitarra de um violino por seu som, um avião de um carro e uma chaleira de um moedor de café. Conexões internas que existem entre objetos reais são distinguidas pelo cérebro e lembradas automaticamente. Mais tarde, nosso cérebro cria uma imagem integral de um objeto. Nem o objeto nem suas características são registradas pelo cérebro. Como o principal

sistema analítico humano é um sistema visual (não confundir com os principais sistemas de percepção da PNL), quando falamos de objetos reais, falamos principalmente de imagens visuais. São imagens visuais que nos fornecem as principais informações sobre o mundo circundante. Imagens visuais também têm outra característica significativa:

quando uma pessoa pode controlar imagens visuais em sua imaginação. As conexões que acabamos de descrever (conexões baseadas em diferentes sistemas analíticos) são chamadas de conexões heterodimodais. Modalidade é um órgão de sentido. Conexões heteromodais são criadas automaticamente pelo cérebro quando você estuda um objeto. Toda experiência humana depende de conexões heteromodais, embora eles não sejam adequados para o estudo de dados científicos. Nós os usamos apenas para poder reconhecer objetos rapidamente e nos orientar no espaço. Ninguém pode te ensinar isso. Esse processo acontece de maneira natural e espontânea. O cérebro de um animal tem a mesma e, mais ainda, capacidade desenvolvida. No entanto, a análise de objetos verdadeiramente percebidos ainda não está concluída neste momento. A experiência nos diz que podemos nos lembrar de uma única imagem visual de um objeto quando a informação chega ao nosso cérebro através de apenas um canal, o visual. Então, como o nosso cérebro consegue criar conexões neste caso? É aqui que a parte mais

interessante começa. O cérebro pode criar conexões mesmo se a informação estiver vindo de apenas um analisador. Esse processo será examinado posteriormente no livro. Nesta fase, nós lhe diremos apenas que o seu sistema analítico visual divide um objeto em vários componentes, cada um dos quais é enviado para o seu cérebro separadamente. Como resultado, achamos que vemos uma maçã. Em seu cérebro, a maçã é dividida em partes, o que possibilita ao cérebro criar CONEXÕES entre as partes percebidas da maçã. A anamnese ocorre como já foi descrito anteriormente: estímulo - reação, de acordo com o esquema que você já conhece. Assim, você só precisará ver uma parte de uma maçã para as conexões já criadas reagirem ao cérebro para reproduzir uma imagem visual integral de uma maçã. Essas conexões (quando nosso cérebro quebra imagens visuais em partes e cria conexões entre as partes do mesmo objeto) são chamadas de conexões mono-modais. Conexões monomodais são assim rotuladas porque as conexões são criadas devido a um sistema analítico - neste caso,

o sistema analítico visual. Conexões mono-modais

são criadas pelo cérebro automaticamente, de maneira natural. Você não precisa fazer nada. A memorização de conexões entre partes da imagem

e entre imagens diferentes ocorre sem nenhum

esforço da sua parte. É por causa das conexões

mono-modais que você se lembra da sua maneira

de trabalhar ou da colocação de objetos em seu apartamento. Ligações mono-modais e heterodimodais serão examinadas separadamente de acordo com a forma como são usadas no GMS®. Agora, vamos apenas explicar o mais importante que mencionamos. Conexões existentes entre o mundo circundante e objetos nele são automaticamente memorizadas no cérebro. Geneticamente, o cérebro está sintonizado para distinguir diferentes características desses objetos e criar conexões entre eles. O cérebro cria conexões heterodimodais (entre sinais de diferentes sistemas analíticos), bem como conexões mono-modais (vindas do mesmo sistema analítico). No entanto, a mecânica desses dois tipos de conexão é diferente. A anamnese (geração, reprodução de uma imagem integral em sua imaginação) só ocorre quando há um sinal estimulante que faz parte do objeto previamente percebido. Se o estímulo percebido não ativa nenhuma conexão no cérebro, uma pessoa não pode identificar o objeto, e uma imagem integral do objeto não aparece. Tais sinais inevitavelmente atraem sua atenção (o reflexo “O que é isso?”). Uma pessoa quer estudar o objeto e o sinal desconhecido em mais detalhes, para distinguir suas partes separadas e criar conexões entre elas. Aqueles que gostam de atrair atenção podem especificamente querer anotar isso. Faça sons pouco nítidos, use roupas extravagantes, se

comporte de maneira não convencional, e você estará no centro da atenção de todos. Mas não fique superexcitado; você não quer atrair a atenção das instituições de aplicação da lei. O próximo tipo de informação que tentamos memorizar é a informação textual ou de fala. Um humano pode perceber informações verbalmente. Nesse caso, a informação de fala entra pelos ouvidos e vai para o analisador de fala. Podemos também perceber informações de fala através de textos; Neste caso, a informação chega ao analisador de fala através dos nossos olhos. Tal informação é chamada informação verbal. É mais difícil para o nosso cérebro memorizar informações textuais. Entendimento de um texto ou um discurso acontece devido ao mecanismo reprodutivo da nossa imaginação. Revisaremos esse mecanismo mais tarde em mais detalhes, mas, neste ponto, deixe- me ilustrá-lo usando o seguinte exemplo: “Uma libélula está sentada em uma maçã”. Como entender essa mensagem? A conexão entre a palavra “maçã” e a imagem de uma “maçã”, assim como a conexão entre a palavra “libélula” e sua imagem correspondente, foram previamente geradas pelo cérebro de maneira natural. Essas conexões são reproduzidas automaticamente quando você percebe as palavras e sua imaginação mostra suas imagens visuais correspondentes. Quando você ouve esta frase, você vê uma combinação de imagens em sua

mente, e essa é a razão pela qual você pode entendê-la. Se você ouvir uma frase com conexões previamente não registradas, você não verá nada em sua imaginação e, subsequentemente, não a entenderá. Leia isto: “Anatawa gakusei des ka?” Você entende isso? Os mecanismos de compreensão da fala também são bastante simples. A compreensão da fala é realizada por meio de um sistema analítico visual, utilizando as conexões previamente criadas entre palavras e imagens visuais. A informação textual (fala) é mais difícil de memorizar do que a informação da imagem. Imagens visuais que aparecem na imaginação sob o efeito estimulante das palavras não são tão vividas quanto os objetos efetivamente percebidos. Nem toda palavra lida faz com que uma imagem visual apareça, e alguma quantidade de informação textual nunca é transformada em imagens visuais. Se não houver imagem, o cérebro não pode criar conexões e, conseqüentemente, não consegue memorizar a informação. Além disso, o cérebro humano não conseguiria memorizar uma sequência de informações. Esta é mais uma razão pela qual a informação textual pode ser tão difícil de lembrar. Se você investigar cuidadosamente como se lembra de um texto que acabou de ler, verá que resumir equivale a recontar a história por fotos. É um grupo de imagens que aparecem em sua imaginação e que você se lembra, e essas imagens serão transformadas de volta na fala. Há

mais um tipo de informação, uma que é fundamentalmente diferente da informação visual e da fala. Curiosamente, os psicólogos não conseguiram categorizá-lo. A psicologia

contemporânea apenas distingue informações verbais e não verbais (ou seja, informações de fala

e não fala). As informações de sinal geralmente são

vistas como informações verbais ou de fala, o que é errado. Este é um tipo muito particular de informação. A particularidade é que o cérebro humano é absolutamente incapaz de memorizar essa informação. O que é essa informação? São números de telefone, datas históricas, nomes, termos e conceitos. É o primeiro e último nomes. São fórmulas e valores constantes. São longas filas

de números ou sílabas sem sentido. São endereços

e números de carros VIN e afins. Tudo o que

costumamos chamar de informação educativa pertence a esta categoria. Se o cérebro humano pudesse memorizar tal informação, os estudantes nunca precisariam usar folhas de fraude. Se você pudesse memorizar um número de telefone, não precisaria de uma lista telefônica. Se você tem um,

é inquestionável provar que você não consegue

lembrar os números de telefone! Então, porque é que nas escolas e universidades, eles esperam que as pessoas façam o impossível? Eles exigem que os alunos memorizem coisas que nosso cérebro é incapaz de memorizar por razões fisiológicas? Como alguém passa nos exames? Para fazer isso,

você evita os "ângulos agudos" da memória. Ninguém lhe pede para recuperar uma grande quantidade de dados precisos para os exames. Este é o segredo de bons resultados: ninguém

testa a presença (ou memorização) de informações precisas. O que geralmente é exigido de um aluno

é uma recontagem aproximada de informações, da

qual nossa memória é capaz, pois a informação de fala é mais ou menos facilmente memorizada. Alguém exigiu sua lembrança da tabela de elementos ou de um livro de referência de física? Alguém exigiu que você recontasse as tabelas cronológicas da história? Se alguém começou a testar o conhecimento de tal informação precisa, isso poderia afetar negativamente as estatísticas

dos resultados dos alunos. (O assunto de memória

e educação é totalmente coberto em um de nossos

artigos em:

(http://www.pmemory.com/Fake_Studying_for_Fake _Education.html) Qual é a particularidade da informação precisa (sinal)? Vamos examinar um caso extremo de informação precisa, uma sequência aleatória de números

26475968503984720694874179604866039275067

046378123 Já sabemos que o nosso cérebro memoriza apenas conexões, e que todo o resto é gerado a partir dessas conexões.No entanto, as conexões são criadas entre imagens visuais ou entre sinais de diferentes sistemas analíticos (imagem + palavra + cheiro + sabor). Agora nos

concentraremos nas conexões entre as imagens visuais. Quando percebemos um conjunto de números, nenhuma imagem aparece em sua imaginação. o cérebro não pode criar conexões. Esta informação é fundamentalmente não memorizável. Vamos agora dar uma definição de informação precisa (sinal): INFORMAÇÕES PRECISAS (ASSINAR) SÃO INFORMAÇÕES QUE NÃO CRIAM UMA IMAGEM VISUAL QUANDO PERCEBIDA. Outra particularidade desta informação é que, ao contrário de um texto, não pode ser reproduzido aproximadamente. Imagine que você reproduz um número de telefone ou uma data histórica, a estrutura de um átomo ou uma fórmula matemática aproximadamente! Ou imagine que você se lembrou de um primeiro nome e um sobrenome aproximadamente! Informações precisas precisam ser memorizadas com precisão, e o GMS® realmente permite que você faça isso! Além disso, é a informação precisa que é o principal foco de estudo do GMS®. Aqui está o resumo das informações acima descritas na forma de uma tabela: A reação do cérebro a diferentes tipos de informação (classificados pela figuratividade da informação). Tipo de Informação Reação do Cérebro Informação visual As conexões são fixadas automaticamente. Bem, direitos reservados. http: //www.Pmemor -memorized y.com Informação textual (fala) Facilmente memorizada. Apenas uma pequena porção de palavras é

transformada em imagens. Informações precisas (sinal) Nunca transformadas em imagens. Criar conexões (memorização) é impossível sem treinamento especial. MEMÓRIA E MEMORIZAÇÃO O conceito de "memória" é diferente daquele de "memorização". A memória é um cérebro, um processo psíquico. Os psicólogos distinguem cinco processos psíquicos: memória, atenção, pensamento, sensação e representação. A imaginação é um processo de interação entre pensamento e representação. O processo de memória é responsável pela fixação de conexões entre diferentes sinais que aparecem no mesmo momento. Tudo o que é colocado no cérebro em um momento está conectado, unido. O cérebro pode consertar conexões de maneiras diferentes. A partir deste momento, vamos distinguir entre dois processos de memória - duas maneiras diferentes pelas quais o cérebro conserta conexões. O que deve ser entendido sobre a memorização é que é um processo complexo de acumulação de um sistema de conexões em seu cérebro, através do qual uma pessoa é capaz de reproduzir a informação que precisa. Todos os processos acima mencionados (memória, atenção, pensamento, sensação, representação) ocorrem durante o processo de memorização. Um distúrbio em qualquer um dos processos afetará a memorização, mesmo que o processo de “Memória” seja absolutamente perfeito. Os psicólogos distinguem

entre três tipos: memorização não intencional, memorização intencional e memorização intencional. MEMORIZAÇÃO NÃO INTENCIONAL. Quando você está em sua casa, seu cérebro automaticamente fixa conexões entre objetos percebidos com suas conexões internas. Aqui, a memorização ocorre de forma não intencional e você não precisa fazer nenhum esforço para memorizar. O cérebro está “sintonizado” para fixar as conexões entre os objetos existentes (imagens, gostos, sons e outros). MEMORIZAÇÃO INTENCIONAL. Suponha que você tente memorizar um poema. A memorização intencional implica a presença do estágio de controle (verificação). Depois de ler algumas linhas, você tenta repetir o extrato de cor; Se você falhar, você o lerá repetidas vezes, tentando repeti-lo corretamente a cada vez. Embora você se esforce na memorização, o processo de memorização acontece às cegas. Neste caso, uma pessoa não percebe os mecanismos de memória que ocorrem e não usa técnicas especiais de memorização. MEMORIZAÇÃO SOBRE INTENCIONAL (METAMEMORY) Um exemplo de memorização excessivamente intencional pode ser a memorização de números de telefone. Uma pessoa se familiariza com uma lista (digamos, contendo 50 números de telefone) e afirma que, para memorizar toda a lista, ele precisará de apenas 30 minutos. Neste caso, é necessária uma completa realização

de mecanismos de memória, bem como o uso intencional de técnicas especiais de memorização. Os processos de memorização e armazenamento são totalmente controlados em seu cérebro. Para a maioria das pessoas, a capacidade de memorizar situa-se no nível intencional. O nível de memorização intencional só é possível através do domínio especial das técnicas GMS®. Vale a pena notar (e vamos investigar isso mais adiante no livro) que, em primeiro lugar, a capacidade de lembrar não depende da memória, mas do PENSAMENTO e DA ATENÇÃO. Uma desordem nos dois processos psíquicos tornaria quase impossível a memorização intencional e excessiva. MEMORY Process MEMORIZATION Fixação rápida da conexão Fixação lenta da conexão INTENCIONAL INTENCIONAL OVER-INTENTIONAL Memorização automática, baseada no processo “Memory”. Memorização deliberada, baseada na interação entre vários processos psíquicos, principalmente pensamento e atenção. Realizar processos de memória, uso deliberado de mecanismos de memória e o uso de técnicas especiais para memorizar os dados “não memorizáveis”. MEMÓRIA NO SISTEMA DE PROCESSOS PSÍQUICOS. Como você já sabe, a psicologia reconhece vários processos psíquicos: memória, pensamento, atenção, representação e sensação. O processo de interação entre representação e pensamento é chamado de imaginação. Vamos

agora examinar brevemente esses processos e a maneira como eles influenciam o processo de memorização. Devemos sempre ter em mente que a memorização pode ser de três tipos: não intencional, intencional e intencional. O PROCESSO DA MEMÓRIA Pelo processo de "memória", queremos dizer fixação de conexão pelo cérebro. O cérebro pode consertar conexões de duas maneiras principais - mais sobre isso depois. Tudo o que entra no cérebro a qualquer momento é unido e conectado. É aí que o processo de “memória” termina. A memorização se torna impossível quando há um distúrbio no processo de “memória”. Qualquer tal desordem é considerado como patologia. Os doentes sofrem de um distúrbio de memorização de curta duração (cumprimentando um médico várias vezes ao dia) ou de um distúrbio de memorização a longo prazo (perda gradual de hábitos e habilidades alcançados ao longo da vida - leitura, escrita, habilidades de movimento automáticas e não intencionais). Os distúrbios da memória podem ser reversíveis e irreversíveis. Se você se lembrar do seu nome e dos nomes de seus parentes, provavelmente não terá problemas com o processo de “memória”; qualquer motivo para problemas de memorização deve ser pesquisado como uma possível desordem de outros processos psíquicos, mas não da memória. O PROCESSO DE “ATENÇÃO”. A atenção realiza a seleção de informações

recebidas. Se a atenção se torna extremamente desfocada, a pessoa é incapaz de se concentrar em uma tarefa cognitiva. Tal paciente não será capaz de lembrar uma página de texto devido à sua incapacidade de ler - atenção instável e foco não permitem que ele faça isso. Transtorno do período de atenção e transtorno do déficit de atenção são duas das razões para o mau desempenho escolar. Eles podem se tornar extremos, a tal ponto que o distúrbio de memorização ocorre e a pessoa fica incapaz de pensar propositalmente. Junto com esse comportamento, a realização do programa é prejudicada. Desorganização do comportamento ocorre. A razão para esta disfunção comportamental é evidente quando um indivíduo não consegue completar uma tarefa desejada devido à falta de foco. Por exemplo, um homem pode ir comprar uma caixa de fósforos de manhã e voltar para casa à noite sem fósforos. Na neurofisiologia, o distúrbio de atenção patológica é chamado de “comportamento de campo”. Tais pacientes fazem muitos movimentos desnecessários; seus olhos estão sempre vagando. Por outro lado, um nível extremamente estável de atenção também é visto como patologia. O pensamento de um paciente é “colado” a algo e ele não pode mudá-lo para ações necessárias. Por exemplo, um paciente pode se sentar em sua cama após o despertar e passar várias horas olhando para um ponto. A atenção patológica e controlada

nunca deve ser confundida. No primeiro caso, um paciente não controla o processo; no segundo, uma pessoa concentra intencionalmente sua atenção por um longo período de tempo e então retorna a um estado mental normal, instabilidade de atenção mediana e troca automática de atenção. Psicólogos conectam atenção e vontade. Embora atenção e vontade sejam duas palavras diferentes, elas refletem o mesmo fenômeno. Um homem obstinado tem uma habilidade particular de controlar a direção de sua atenção e praticamente nunca está sujeito a sinais externos aleatórios. Se não existem distúrbios patológicos, a atenção é facilmente treinada. Ao treinar sua atenção, você treina sua capacidade de memorizar, pensar nas direções desejadas, “executar” seus planos e treinar a vontade. Os distúrbios de atenção dolorosa são mais freqüentemente relacionados à irritação química e física (agitação) da formação do tronco encefálico e reticular, os responsáveis pela ativação cerebral geral. O distúrbio químico de atenção pode ser resultado do uso excessivo de estimulantes (chá, café, cigarros). A irritação física pode ser causada por resíduos que aparecem no cérebro como resultado de um trauma (por exemplo, microestresse) na proximidade do tronco cerebral (parte occipital da cabeça). O PROCESSO DE REPRESENTAÇÃO O processo de representação garante a invariância da percepção. Devido a esse processo, uma pessoa pode

reconhecer a letra “A” escrita em milhares de fontes diferentes. Nós reconhecemos um gato qualquer que seja seu tamanho e cor, e de qualquer ângulo. Os criadores de programas de computador obtiveram sucesso na modelagem de funções de representação, uma vez que os mecanismos neuro- fisiológicos do processo são meticulosamente descritos na literatura especializada. A seguinte experiência pode ajudar os outros a entender a essência do processo de representação: Imagine que você tenha mil fotos de homens chineses. Você digitaliza as fotos, gravando cada uma no disco rígido do computador. Em seguida, você escreve ou instala um programa que analisa todas as fotos e encontra apenas os recursos semelhantes nelas. Então, o programa elimina todas as diferenças. Apenas as semelhanças dessas fotos permanecem; é isso que a psicologia define como representação. Em outras palavras, a representação é uma imagem visual bastante generalizada que contém os recursos mais típicos de um grupo de objetos semelhantes. Quando você se lembra de imagens visuais, você se lembra de representações, tipos de protótipos ou “manequins” que você pode fazer o que quiser em sua imaginação. Por que uma pessoa desperta não se lembra de imagens muito vívidas, mas se lembra de representações? Você será capaz de responder a essa pergunta quando se familiarizar com os princípios holográficos de como o sistema analítico

visual funciona. Um distúrbio no processo de representação é uma patologia muito séria. Tais pacientes perdem a capacidade de perceber invariavelmente. Em outras palavras, eles perdem a capacidade de reconhecer imagens visuais. Não há como memorizar intencionalmente e aprender coisas. O PROCESSO DE SENSAÇÃO É esse processo que nos ajuda a entender como estímulos físicos e químicos externos (e internos) são transformados em impulsos elétricos. Tudo o que você percebe - veja, ouve, toca - está codificado em impulsos elétricos. Não há nada retido no cérebro, exceto os impulsos elétricos que passam pelas fibras das células nervosas. Mudanças temporárias no funcionamento do sistema analítico levarão a esquecer o que aconteceu com uma pessoa em estado alterado, isto é, quando o trabalho de um órgão foi prejudicado ou desordenado. Para começar a lembrar, a pessoa precisará de estímulos. Uma pessoa não pode receber os mesmos estímulos que experimentou em um estado alterado, portanto as conexões estão bloqueadas e inacessíveis. Pessoas com certos defeitos de órgãos do sistema analítico ou percepção são capazes de memorizar e aprender, mas essas pessoas têm que participar de programas de estudo especiais. O PROCESSO “PENSAR” Pensar é uma operação intencional que utiliza imagens visuais em nossa imaginação. O pensamento pode ser direto, quando o

gerenciamento de imagem visual ocorre sem assistência vocal. Pensar também pode ser um mediador, quando uma pessoa lida com imagens visuais com a ajuda da fala interior. Para nossos propósitos, os mecanismos de imaginação reprodutiva são usados para transformar automaticamente palavras em imagens. Pensar pode ser intencional: uma pessoa realiza conscientemente operações utilizando imagens visuais. O pensamento também pode ser não intencional: as imagens aparecem aleatoriamente no imaginário sob a influência de diferentes estímulos. Em neuropsicologia, Diz-se que os pacientes com distúrbios do pensamento sofrem de Síndrome do Lobo Frontal e são freqüentemente chamados de “testa doente”. A testa doente não é capaz de memorizar mais de quatro palavras em dez, não importa quanto tempo elas passem. Observe o fato de que o pensamento, na neuropsicologia, é testado por memorização. A memorização intencional está diretamente ligada ao pensamento; sua eficiência depende do nível de desenvolvimento dos processos mentais. Quaisquer outras operações mentais, as chamadas operações lógicas (comparação, análise, generalização, etc.) são baseadas na operação mais simples usando imagens visuais na imaginação. Um distúrbio do processamento mental leva à memorização não intencional, uma memorização automática das conexões percebidas.

Pessoas com distúrbios de processamento podem

se orientar nas ruas e realizar o tipo de trabalho que não envolve habilidades intelectuais sofisticadas. No entanto, a memorização intencional e intencional torna-se praticamente impossível com um transtorno do processo mental.

O sistema de memorização é baseado no

pensamento visual. É com a ajuda de operações mentais que um controle pretendido de memorização e a anamnese com processos de armazenamento de informação são realizados no cérebro. Se não houver patologia, treinar nossos pensamentos é fácil, embora a palavra

“treinamento” não seja realmente apropriada aqui.

O processo de pensamento não é treinado quando

se aprende a memorizar. Uma pessoa é treinada para executar certos algoritmos, sequências de operação na imaginação, que levam à memorização. INTELECT “Intelecto” é uma totalidade de processos de pensamento - algoritmos de ação voltados para a realização de certas tarefas. Você pode ensinar uma pessoa a realizar uma sequência de ações que levam à resolução de uma equação quadrática. Você pode ensinar uma pessoa a jogar xadrez. Obviamente, não se pode desenvolver seu intelecto em geral. Se você aprendeu a resolver palavras cruzadas ou quebra-cabeças, só poderá melhorar a resolução de quebra-cabeças ou palavras cruzadas. Quanto mais programas ou algoritmos de ação colocam no

cérebro humano, mais poderoso o intelecto se

torna. O intelecto não é uma qualidade, mas mais um conceito de quantidade. Vamos compará-lo a

um computador

programa Word instalado em sua memória de disco rígido e nada mais; este computador tem baixo intelecto, mas executa perfeitamente seu trabalho. Outro computador tem centenas de programas profissionais instalados e possui um intelecto superior, já que é capaz de executar centenas de tarefas. Você pode ver agora que o intelecto, ou o "número de programas instalados", depende diretamente da memória. Se um computador não tiver memória suficiente, você não poderá instalar um programa mais ou menos sofisticado nele. Da mesma forma, se uma pessoa não puder memorizar, diferentes programas intelectuais serão “instalados” e funcionarão em um ritmo muito lento, se for o caso. Podemos fazer uma conclusão importante aqui: a habilidade avançada de memorização é uma pré-condição importante para melhorar nosso intelecto. O nível do intelecto humano depende de quão rápido e quão

eficientemente ele é capaz de dominar novos algoritmos (mental ou movimento). Torna-se claro que você não aprenderá a memorizar as coisas resolvendo equações matemáticas. Quando você aprende a memorizar, você não ficará mais rico. Quando você aprender a ganhar dinheiro, você não aprenderá a tocar piano. Você precisa dominar o

Um computador só tem um

GMS® para aprender a memorizar. Para ser rico, você precisa conhecer esquemas e métodos de fazer dinheiro. Para tocar piano, você precisa assistir a aulas de música. Não se pode tornar mais inteligente em geral, em todos os aspectos. Por mais que trabalhe para se desenvolver, você sempre encontrará uma pessoa mais inteligente do que você. IMAGINAÇÃO Imaginação é um processo de modelagem do passado, presente e futuro com base nos processos de “Representação”

e “Pensamento”. Para aprender a “imaginar”, você

precisa colocar uma representação em sua imaginação - digamos, uma imagem generalizada de um copo. Então, você liga o processo de pensamento e começa a alterar a imagem em sua imaginação. Você pode imaginar uma xícara vermelha, azul ou verde, com uma alça ou quatro alças, com leite ou chá ou ambos. Você pode agora “produzir” o resultado da atividade mental do seu cérebro - por exemplo, descrevendo uma figura com suas próprias palavras ou desenhando-a. Se houver um distúrbio nas áreas de pensamento, compreensão e representação da mente, isso

causará uma desordem na imaginação, sua

capacidade de recordar e a capacidade de analisar o presente e prever o futuro. SENSO DE MEMORIZAÇÃO. Imagine uma professora dizendo

a seus alunos: “Crianças, por favor, lembre-se,

verde.” Ou pense em um professor de história dizendo à sua classe para lembrar as datas 863,

1054 e 1302. Ou uma aula de astronomia: “O tema da lição é variável estrelas e o cinturão de Kuiper. Escreva essas palavras e memorize-as ”. Obviamente, há algo faltando nesses exercícios. Existe certo vazio. Todos eles não têm uma certa coisa, uma conexão. Memorização de uma mensagem de um elemento é sem sentido. Não faz sentido lembrar a palavra “verde”. Sense (CONNECTION) aparece somente quando o segundo elemento da mensagem está presente. “Você pode atravessar a rua quando a luz estiver verde.” (Se estiver verde, então ande). Não faz sentido memorizar a data: 1302. Só fará sentido se você a vincular a um evento: “1302 é o ano da cúpula dos Estados Gerais na França.” (Se 1302, então Estados Gerais e França). Memorizar uma mensagem de um elemento é irracional por dois motivos: 1) O cérebro lembra apenas as conexões. Para criar uma conexão, você precisa de dois elementos - então, do ponto de vista teórico, é impossível lembrar de um elemento. 2) O senso de memorização ocorre na própria conexão entre vários elementos de informação. É essencial memorizar não a palavra “polícia”, mas a conexão entre a palavra e o número de telefone da polícia. Somente quando houver mais de um elemento, alguém poderá usar a INFORMAÇÃO, ou seja, fazer uma CONECÇÃO. Para as pessoas que estudam, é vital compreender os princípios simples e óbvios do funcionamento do cérebro humano. A

memória humana funciona de acordo com o princípio geral de “Estímulo-Reação” (SR). Infelizmente, o cérebro conserta todas as conexões - adequadas e inadequadas (corretas e incorretas). Aqui está um exemplo de uma conexão inadequada: “Se você jogar neve no fogo, ele se transformará em gelo.” Conexões falsas tornam o comportamento humano e o pensamento ineficiente. Uma reação falsa segue o sinal percebido. Digamos que você se lembre de uma conexão: "Se um gato preto cruzar seu caminho, a desgraça se seguirá". uma noite, um estímulo entra em seu cérebro: você vê um gato preto. Agindo de acordo com a conexão que você tem em seu cérebro (SR), você se transforma em um beco - e aqui é onde você pode encontrar problemas reais. Antes de memorizar informações (conexões), verifique se as conexões são verdadeiras. Caso contrário, você transformará seu cérebro em um "aterro" de conexões falsas e programas de reação errôneos. A teoria da memória está intimamente ligada ao pensamento humano e às teorias da formação da personalidade. A “teoria do Construtor da Personalidade” de J. Kelly se encaixa perfeitamente aqui. Este cientista percebeu intuitivamente os mecanismos formadores da personalidade, conscientes e subconscientes. Kelly elaborou métodos precisos para expor o SISTEMA DE CONEXÕES no cérebro humano, baseado em como uma pessoa reage a diferentes influências

externas. O clássico J. O método Kelly nos permite determinar a interação entre uma pessoa e a sociedade envolvente. Aqueles de vocês que estão interessados na teoria do construtor de personalidade podem ler livros de Fay Fransella. O método “Repertoire Grate” é muito popular. É freqüentemente usado na prática psicoterapêutica para expor conexões inadequadas (falsas) no cérebro humano, aquelas que causam vários problemas, e corrigi-las mais tarde sob hipnose profunda. Tendo testado várias dezenas de pessoas de acordo com esse método, percebe-se, com grande surpresa, as reações de pessoas diferentes em relação aos eventos. Como os valores e as opiniões das pessoas são tão diferentes uns dos outros - assim também são as suas reações. Entender os mecanismos de memória reais permitirá que você entenda como o método de desvelar global da reação humana é formado e como funciona, ou seja, como sua personalidade e consciência são formadas. As técnicas de memorização funcionam de maneira muito eficiente para manter um número de telefone e uma regra. Se você, usando o GMS®, escrever um certo número de regras semelhantes em seu cérebro, poderá instantaneamente mudar sua atitude em relação às pessoas ao seu redor. Se você ler um livro e não memorizar as regras escritas, você deixará de usar as informações em questão de alguns dias, pois as regras serão

esquecidas. Informação é uma combinação de vários elementos inter-relacionados; cada um pode ser um estímulo ou uma reação. A sensação de memorização está em fazer as conexões entre tais elementos. Basicamente, todas as informações estão nessas conexões, porque elementos separados nunca são memorizados por conta própria. MEMÓRIA ELÉTRICA. distingue duas formas de fixação de conexão no cérebro e, conseqüentemente, dois tipos de memória: o elétrico e o reflexo. A memória elétrica nos ajuda a entender a fixação da conexão. Esse tipo de memória é chamado de elétrico porque não há portador tangível dessa conexão em seu cérebro. Uma conexão é armazenada no cérebro na forma de uma atividade elétrica coordenada de um grupo de células nervosas. CARACTERÍSTICAS TEMPORÁRIAS DA MEMÓRIA ELÉTRICA. O tempo de fixação da conexão varia de 0,8 segundo por conexão (o registro de memorização de velocidade registrado oficialmente) a 6 segundos por conexão (padrão para aqueles que concluíram um curso de treinamento GMS®). Em teoria, o tempo mínimo para criar uma conexão na memória elétrica não pode estar sob o tempo de reação humano (cerca de 0,14 segundo). O tempo de armazenamento da conexão sem ativação repetida (memorização a uma tomada) é de cerca de 40 a 60 minutos. O tempo de armazenamento da conexão com a fixação repetida durante um

período de 3-4 dias é de aproximadamente 1,5 meses. A fixação repetida é realizada por ativação repetida (lembrando informações). Se as conexões criadas e fixas forem ativadas pelo menos uma vez a cada 6 semanas, é possível armazenar essas conexões por toda a vida. As características da memória elétrica são obtidas de várias maneiras:

empiricamente, através da experiência (experimentalmente), comprovada por dados neurofisiológicos / psiquiátricos, etc. Antes de analisarmos o mecanismo de fixação da conexão, você precisará se familiarizar com os seguintes conceitos: holografia, freqüências espaciais, seletividade da direção das células nervosas, conexão reversa (feedback), tipos de atividade celular e algumas outras. HOLOGRAFIA. A holografia é um processo de decompor processos complexos de oscilação em uma série de componentes simples, por meio do registro subsequente desses componentes. Muitas vezes encontramos o fenômeno de decompor uma complexidade em várias partes de nossa vida cotidiana. Você pode decompor acordes de piano em notas. Cada número composto pode ser decomposto em um conjunto de números primos (número que só pode ser dividido por um e o próprio número original). O movimento oscilatório complexo de uma folha de outono pode ser decomposto em uma série de sinusóides simples. Isso funciona nos dois sentidos. Você também

pode obter o número composto que você pode precisar de um conjunto de números primos ou um acorde de piano de um conjunto de notas. 5? 7? 11? 13? 17 = 85085 85085 = 5? 7? 11? 13? 17 ONDA ESTACIONÁRIA. Imagine que há duas jangadas se movendo na superfície de uma água. Ambas as jangadas estão se movendo verticalmente, mas com diferentes freqüências instáveis. As jangadas fazem círculos aparecerem na água. Ondas circulares irão se cruzar e criar um padrão na superfície. Se as frequências de movimento das jangadas forem instáveis, a zona de junção dessas ondas, onde elas se cruzam, mudará constantemente. Portanto, não seremos capazes de distinguir qualquer padrão particular. No entanto, se tornarmos as freqüências de movimento estáveis, constantes, uma onda estacionária aparecerá na zona de junção - um padrão estável que resulta da composição da onda. Ondas estacionárias aparecem quando uma fonte de onda tem uma frequência estável (coerente). HOLOGRAMA Para fazer um holograma, é necessário ter uma fonte de radiação coerente com freqüência estável, especificamente, um laser. Imagine que você tem um laser no seu lado esquerdo e seus raios são direcionados para a direita. No meio de uma mesa há uma placa fotográfica e os raios do laser perfuram. À sua direita, na mesa, há uma chave simples da qual você deseja fazer um holograma. Tendo perfurado

a chapa fotográfica, o raio laser cai sobre a tecla, é refletido e recua na chapa fotográfica. O resultado de um atraso temporário da luz sendo refletida de volta da tecla causa um ligeiro atraso. As ondas de luz que vêm do laser são misturadas com as ondas de luz refletidas pela chave. Uma onda estacionária aparecerá na placa sensível à luz - uma imagem infravermelha que é fixada pela placa. Depois que expomos a placa e a branqueamos, recebemos um holograma - uma cópia exata da luz da chave. Agora, se iluminarmos o holograma com um raio laser da mesma frequência ou o expormos à luz do sol, veremos claramente uma tecla nele. Na verdade, não há imagem real da tecla no holograma. O que você realmente vê é uma série de faixas semelhantes aos padrões em nossos dedos. Você pode virar o holograma e vê-lo de diferentes ângulos. Se dividirmos o holograma em quatro partes, teremos quatro cópias da chave. Vamos ver uma imagem integral da chave em cada um dos quatro hologramas. O mesmo acontecerá se dividirmos um espelho em quatro partes. Teremos quatro espelhos separados com o seu reflexo em cada um deles. FREQUÊNCIA ESPACIAL. Imagine um pedaço fino de papel que é dividido em três partes: o meio é branco e as bordas são pretas. Esta é uma frequência espacial muito baixa. Agora imagine um pedaço de papel dividido em cinco segmentos, três pretos e dois brancos misturados. Preto - branco - preto - branco

- preto. Esta é uma frequência espacial mais alta. Agora imagine um pedaço de papel dividido em

milhares de segmentos preto e branco

uma

frequência espacial muito alta. Freqüência espacial

é um número de mudanças entre o escuro e a luz

por unidade de comprimento. Por que precisamos de freqüências espaciais? São freqüências espaciais que nossos cérebros, nossos sistemas analíticos visuais, utilizam para operar. ANALISADOR VISUAL. Nas fotos abaixo, você pode ver um esquema de sistema analítico visual (foto tirada de “Eye, Brain and Vision” por D. Hubel). Nosso sistema analítico inclui: um olho (com retina que consiste em seis tipos de células), trato óptico, núcleo geniculado lateral, radiação

visual e córtex visual primário (zonas 17 e 18). A imagem à direita mostra a trajetória de um movimento ocular. Um olho executa micro movimentos e recebe dados como resultado deste processo (os micro movimentos são mostrados como linhas em ziguezague na imagem). Em seguida, o olho faz um salto (linha reta); Neste momento, a transferência de dados é interrompida

e o olho fica temporariamente cego. Então, tudo se

repete. Micro-movimentos duram apenas um quarto de segundo. Durante o micro movimento, a informação de oscilação do olho da retina do olho se move para o núcleo geniculado lateral (LGN), marcado com uma seta preta na imagem. Ele filtra freqüências espaciais. Imagine uma foto com uma

rede retangular semelhante a um tabuleiro de xadrez. Com cada micro movimento dos olhos, o núcleo geniculado lateral envia as freqüências espaciais ao córtex visual primário de forma organizada - das freqüências mais baixas às mais altas. Assim, inicialmente, um cérebro recebe uma imagem que é dividida em segmentos (quadrados). No final dos micro-movimentos da retina, o cérebro recebe uma imagem dividida em vários pequenos quadrados. Em um quarto de segundo, o núcleo geniculado lateral rompe a imagem de entrada em cerca de 260 frequências espaciais que são enviadas consecutivamente ao córtex ocular. O processamento de informações continua no córtex ocular. Cada uma das 260 imagens, cada uma com uma resolução diferente, é processada posteriormente. O cérebro analisa regiões com queda de brilho e “corta” os contornos. O resultado de todas essas transformações engenhosas parece aproximadamente o seguinte: quando você vê uma imagem visual, digamos, "um rádio", a imagem é dividida em sub imagens, o cérebro recebe uma imagem dividida em vários pequenos quadrados. Em um quarto de segundo, o núcleo geniculado lateral rompe a imagem de entrada em cerca de 260 frequências espaciais que são enviadas consecutivamente ao córtex ocular. O processamento de informações continua no córtex ocular. Cada uma das 260 imagens, cada uma com uma resolução diferente, é processada

posteriormente. O cérebro analisa regiões com queda de brilho e “corta” os contornos. O resultado de todas essas transformações engenhosas parece aproximadamente o seguinte: quando você vê uma imagem visual, digamos, "um rádio", a imagem é dividida em sub imagens, o cérebro recebe uma imagem dividida em vários pequenos quadrados. Em um quarto de segundo, o núcleo geniculado lateral rompe a imagem de entrada em cerca de 260 frequências espaciais que são enviadas consecutivamente ao córtex ocular. O processamento de informações continua no córtex ocular. Cada uma das 260 imagens, cada uma com uma resolução diferente, é processada posteriormente. O cérebro analisa regiões com queda de brilho e “corta” os contornos. O resultado de todas essas transformações engenhosas parece aproximadamente o seguinte: quando você vê uma imagem visual, digamos, "um rádio", a imagem é dividida em sub imagens, O processamento de informações continua no córtex ocular. Cada uma das 260 imagens, cada uma com uma resolução diferente, é processada posteriormente. O cérebro analisa regiões com queda de brilho e “corta” os contornos. O resultado de todas essas transformações engenhosas parece aproximadamente o seguinte: quando você vê uma imagem visual, digamos, "um rádio", a imagem é dividida em sub imagens, O processamento de informações continua no córtex ocular. Cada uma

das 260 imagens, cada uma com uma resolução diferente, é processada posteriormente. O cérebro analisa regiões com queda de brilho e “corta” os contornos. O resultado de todas essas transformações engenhosas parece aproximadamente o seguinte: quando você vê uma imagem visual, digamos, "um rádio", a imagem é dividida em sub imagens,que variam de contornos muito rugosos a contornos muito precisos de pequenos detalhes. Cada parte de uma imagem é enviada consecutivamente ao cérebro: contornos do próprio rádio, contornos da alça, alto-falante, antena, escala de afinação, marca, letras, números, arranhões e assim por diante. A imagem é então colocada de volta em uma imagem integral em outras partes do córtex cerebral. Ainda assim, vemos essa imagem como estamos acostumados, composta de pequenas partes e detalhes. Se nosso cérebro fosse incapaz de realizar transformações tão astutas com imagens percebidas, veríamos o mundo ao redor como uma série de borrões brilhantes de diferentes cores e intensidade. As imagens visuais a que estamos acostumados - são ilusões criadas pelo sistema analítico visual. Para nós vermos objetos divididos em detalhes precisos, nosso cérebro divide a cor incerta por suas freqüências espaciais, distingue contornos e envia separadamente cada um deles para os departamentos superiores; é lá que a imagem geral é recriada a partir das partes. O cérebro é um

sistema homogêneo. Em qualquer dado momento, só pode haver um contorno no córtex visual primário, apenas uma parte de um objeto percebido. Os sistemas analíticos visuais funcionam em freqüências muito altas (cerca de 800 Hz), de modo que uma pessoa não percebe o processamento consecutivo da informação. A quantidade de freqüências espaciais analisadas é freqüentemente relacionada a diferentes fatores, em especial à iluminação. Em condições de pouca luz, nosso sistema analítico diminui acentuadamente o número de estágios da análise de freqüências espaciais. Como resultado, nosso cérebro recebe apenas freqüências espaciais baixas e só consegue distinguir contornos aproximados. É por isso que uma pessoa não pode ver detalhes exatos no escuro. No caso de desordem do núcleo geniculado lateral, ocorre uma análise de frequências espaciais muito grosseira, e o cérebro recebe apenas baixas frequências. Uma pessoa assim afligida é incapaz de distinguir objetos similares que diferem apenas em pequenos detalhes (faces de pessoas, por exemplo - todas as pessoas parecem “iguais” a tais pacientes). COMENTÁRIOS. Por “feedback” entendemos a capacidade do sistema analítico visual de perceber sinais não apenas da retina ocular, mas também das seções superiores do cérebro. A lógica nos diz que os nervos cerebrais devem estar conectados ao núcleo geniculado lateral. Isto é, os nervos do

cérebro devem entrar no núcleo geniculado lateral. D. Hubel em seu livro “Eye, Brain and Vision” escreve: “Eles (geniculados laterais) recebem fibras não apenas dos nervos ópticos, mas também do córtex cerebral para o qual eles projetam, e da formação reticular do tronco encefálico, que desempenha algum papel na atenção ou excitação ”. Este é o seu“ terceiro olho ”- um órgão da visão interna que muitos não acreditam existir, falhando em observe uma prova inquestionável - sonhos. Como uma pessoa "vê" sonhos, se não com analisadores visuais? A natureza não cria construções superficiais. A informação do cérebro vai para o analisador visual ao nível de um núcleo geniculado lateral. Quando uma pessoa dorme, seus olhos estão fechados e fisiologicamente desligados. O analisador visual está livre de informações externas. À noite, os sinais são meticulosamente analisados e divididos em uma série de freqüências espaciais. É por isso que somos capazes de ver imagens coloridas e muitas vezes em grande detalhe em nossos sonhos. Quando uma pessoa está acordada a informação do cérebro continua a ir para o sistema analítico visual. No entanto, estímulos poderosos e sinais do cérebro enviados pelos olhos são bloqueados. O núcleo geniculado lateral distingue apenas baixas freqüências espaciais do cérebro. Essa é a razão pela qual, quando acordada, uma pessoa pode imaginar (reproduzir, lembrar) imagens apenas

vagamente, como se estivessem na sombra ou através de um nevoeiro. Quando não dormimos, os sinais do cérebro são sobrepostos aos sinais dos nossos olhos (do mundo externo). Podemos tirar uma conclusão importante com base nesse fato. Se você quer aprender a imaginar imagens brilhantes

e precisas, não precisa ficar olhando para um ponto

por horas. Você precisa remover freqüências espaciais baixas do seu cérebro. Isto significa que quando você está imaginando uma imagem visual,

você precisa imaginá-lo o mais detalhadamente possível e tentar perceber os detalhes mais minuciosos. Como resultado de tal exercício, você logo aprenderá a imaginar vividamente. Entender o mecanismo de feedback é essencial para entender

o mecanismo de criação de conexão envolvido na

memória elétrica. Um distúrbio (um colapso) no sistema de feedback deve, teoricamente, levar à incapacidade de uma pessoa para consertar as informações que ele ou ela percebe. Tais doenças realmente existem - por exemplo, síndromes de Alzheimer e Korsakovsky. RESSONÂNCIA Todos estão familiarizados com o fenômeno da ressonância. Imagine que você tenha dois garfos de ajuste idênticos nos dois cantos de uma sala. Como são idênticos, produzirão o mesmo som, a mesma frequência, se forem atingidos por um bastão metálico. Se você apertar um dos garfos de afinação com um pequeno martelo e depois cobrir com o braço, você ouvirá o segundo diapasão

começar a soar. O primeiro som alcançou o segundo diapasão pelo ar, atravessou a sala e fez com que ele zumbisse devido à agitação de ressonância. Objetos diferentes que têm a mesma frequência são capazes de ressoar e agitar um ao outro. Se nada incomoda a ressonância, então uma característica mais específica é exposta - a ressonância leva à amplificação espontânea da amplitude do movimento oscilatório. Ressonância não é apenas útil, mas também é uma coisa perigosa. Um caso descrito na mídia relembrou um evento em que a velocidade de rotação de uma das máquinas de uma fábrica coincidia com a freqüência de construção; isso leva à ressonância e auto-amplificação da amplitude de oscilação - e a construção se desintegrou! Quando você afina uma guitarra, você ajusta as cordas para soar em consonância, ou seja, para ressoar entre si. Ressonância acaricia nossos ouvidos, e ouvimos um batimento lento de freqüências. Se você mover um microfone próximo a um alto-falante, ouvirá um som estridente, que é outro caso de ressonância de freqüência. Objetos vivos e não-vivos podem ressoar. Se houver algum processo oscilatório (cíclico e com freqüência estável) - a ressonância é possível. Além disso, a ressonância é capaz de “puxar” em outros processos de oscilação com frequência próxima e instável, puxando sistemas inteiros em um único ritmo de oscilação. O “Tempo dos Relógios Biológicos”, de Arthur T. Winfree, é

dedicado a esse assunto. Esta é uma sinopse popular brilhante de um fenômeno muito complicado e interessante - singularidade de fase. O FILTRO DE FREQUÊNCIA ESPACIAL Usamos os filtros de frequência espacial para extrair imagens do nosso cérebro. Não, você não terá que comprá-los em uma loja! Você aprenderá a fazer você mesmo. Você não será capaz de memorizar nada sem eles. Primeiro, vamos desenhar um paralelo simples com um piano. Imagine que todas as teclas do piano foram arrancadas e as cordas foram perdidas. Como você encontra uma string que soa em uma freqüência de 440 Hz? Você já deve ter adivinhado - você precisará de um diapasão que soe na freqüência de 440 Hz. Se estivermos perto do piano com este diapasão e batermos nele com um martelo, uma corda com a mesma frequência começará a soar. Você até verá a vibração com seus olhos. Útil, não é? Você não precisa verificar cada string. Além disso, esse método permite encontrar a seqüência correta instantaneamente, sem verificar cada um deles. Lembre-se do holograma chave. Imagine uma centena de chaves à sua frente, sendo a configuração das bordas sua única diferença. De uma distância de poucos metros, nosso olho é incapaz de distingui-los. Como você encontra rapidamente a chave do holograma? É simples:

você precisa expor a tabela com as chaves de um raio laser e examiná-las através do holograma

chave. O que vai acontecer? Um ponto brilhante aparecerá, como se estivesse dizendo: aqui está o caminho certo. Mais uma vez, não precisamos verificar todas as chaves e podemos executar instantaneamente nossa pesquisa. Um filtro de freqüências espaciais, o holograma chave, nos ajudou. Como os filtros de frequência espacial são relacionados ao GMS®? Diretamente. Toda imagem visual percebida ou imaginada é um filtro de freqüência espacial para o seu cérebro. Para extrair algo do cérebro, é necessário usar um filtro apropriado. Vamos ver se isso é verdade. Imagine uma "máscara de natação e um snorkel". O que seu cérebro reproduziu? Tenho 99% de certeza que é o oceano, um lago ou uma piscina. Alguns minutos atrás, você nem estava pensando em nenhum desses e provavelmente não pensaria em fazê-lo neste momento até que o STIMULUS aleatório fez você pensar sobre isso. SELECTIVIDADE DIRECIONAL Essa combinação de palavras difícil e aparentemente incompreensível, na verdade, representa um fenômeno muito simples. Como os cientistas provaram, as células nervosas do sistema analítico visual não reagem a tudo o que vêem. Cada célula é geneticamente sintonizada para reagir a certos estímulos visuais. Uma célula nervosa começa a funcionar apenas quando um olho vê uma linha vertical. Se você virar a linha em 6 graus, outra célula entra em jogo e a anterior pára de reagir. Se

um olho vê uma linha horizontal, uma célula responsável pela linha horizontal reage. Existem células responsáveis por linhas de comprimento particular, células responsáveis por ângulo particular, e células responsáveis por imagens de arco. Analisadores visuais têm muitas células nervosas; a maioria deles só reage com os estímulos visuais mais simples. Se um olho vê um triângulo, três células reagem, pois um triângulo consiste em três linhas com diferentes ângulos. Duas células reagem em uma imagem de um círculo, uma vez que é composta de duas semicolferências e assim por diante. Também é interessante que, para uma imagem visual aparecer na imaginação de uma pessoa, você não precisa mostrá-la a um olho. Se você agitar artificialmente as células ajustadas para reagir a uma imagem triangular (digamos, por eletricidade), elas começarão a funcionar e uma imagem que elas GERAR aparecerá na sua imaginação. Em outras palavras, o cérebro é capaz de reagir a toda imagem visual percebida, ligando uma combinação de células nervosas sintonizadas para reagir aos detalhes primitivos da imagem. É importante entender que uma pessoa não vê o mundo através de seus olhos como faria através de um olho mágico em uma porta. Mesmo a comparação com uma câmera e uma tela está incorreta. Pense no fato de que as imagens que você vê dormindo e sonhando, ou quando você está acordado, são

geradas pelas células nervosas. Pode parecer que

a realidade é difícil de separar de um sonho. Há

sonhos tão brilhantes quanto a realidade, na medida em que uma pessoa que dorme nem percebe que está dormindo. Tudo é natural:

imagens, sons, cheiros, sabores. É somente quando você desperta que você percebe que estava dormindo. E se você não acordou? Nós acreditaríamos que vivemos na realidade? O fato de que a “imagem” que você vê não é um reflexo da realidade, mas é gerada pelas células nervosas, foi comprovada por meio de experimentos com pessoas sob hipnose profunda. Uma pessoa sob hipnose, sentado em uma pequena sala com algumas pessoas, pode ser convencido de que ele

não está dormindo. Além disso, ele agirá como se não estivesse dormindo. Ele falará com as outras

pessoas; ele os verá e responderá suas perguntas. No entanto, se uma pessoa nova entra na sala, ela

é invisível para a pessoa sob hipnose; ele não será

visto nem ouvido por ele, nem notado mesmo se tocar o ombro da pessoa. A pessoa em estado hipnótico olhará para o hipnotizador e lhe dirá que

ele sentiu como se alguém o tivesse tocado. Se o

seu cérebro refletisse a realidade, tais truques seriam impossíveis. O cérebro gera, cria imagens. Ele os cria com base nos sinais vindos dos olhos de uma pessoa enquanto ele não está dormindo. Quando dormimos, o cérebro cria imagens com

base em sinais vindos de

bem, talvez até vindo

de outro cérebro. Por exemplo, conectado com fios elétricos, as pessoas costumam ver sonhos “estrangeiros” com lugares e pessoas desconhecidos. Este assunto cai um pouco fora do campo de pesquisa científica oficialmente reconhecido, mas vamos investigar isso no entanto. Faremos isso em uma seção especial do site www.Pmemory.com (veja “Parapsicologia”). A coisa mais importante a lembrar sobre a seletividade direcional é que não nos lembramos das imagens. É o cérebro que gera, cria imagens. Além disso, qualquer pessoa pode controlar o processo de geração de imagens em sua própria imaginação. Imagens não são armazenadas no cérebro. O cérebro gera imagens quando um sinal entra nele. O sistema analítico do cérebro é capaz de criar imagens visuais de qualquer nível de complexidade de milhões de elementos primitivos gerados automaticamente por células nervosas geneticamente ajustadas para isso. Aqui está mais uma prova simples: um limite de imaginação, volume de consciência. Tudo o que você vê na sua imaginação é criado por um conjunto limitado de células nervosas. Uma pessoa não consegue lembrar dois números de telefone simultaneamente; ele não consegue imaginar dez imagens visuais no mesmo momento. Para lembrar uma nova imagem, ele primeiro terá que apagar a anterior e liberar as células nervosas. A informação é gerada em pequenas porções. Uma comparação com o

brinquedo "Lego" é muito apropriada aqui. Diga, você tem 600 peças de Legos das quais você pode construir uma casa. Para criar outra construção - digamos, um avião - primeiro você terá que desconstruir a casa para liberar algumas das peças (já que seu número é limitado, embora muito grande). Para construir um carro, precisaríamos desconstruir o avião e assim por diante. Principalmente, podemos construir um número ilimitado de construções a partir do número limitado de peças, mas, a cada vez, teremos que decompor construções anteriores. Assista seu trabalho de imaginação - é assim que funciona. Isso é óbvio. Nenhuma memória seria suficiente para armazenar

a infinita variedade de objetos existentes. É muito mais simples não salvá-los, mas criar se tal necessidade aparecer. Muitas vezes, encontramos uma declaração em livros de psicologia dizendo que o volume de memória de curto prazo equivale a cinco a nove unidades. Essas “5-9 unidades” não estão relacionadas à memória; esse é o volume da consciência humana: o número de imagens que o cérebro pode gerar em qualquer momento dado; memória não tem nada a ver com isso. Ao estudar

o GMS®, você compreenderá que cada pessoa,

após um período de treinamento, poderá memorizar dezenas e centenas de imagens de uma só vez. Não existe o “volume de memória de curto prazo. Um dos registros recentes é de 2.750 números em 30 minutos! ATIVIDADE DE FUNDO

DE CÉLULA NERVOSA. Mesmo em seu estado calmo, uma pele externa de uma célula nervosa tem potencial. O potencial dentro e fora da célula difere em 1/10 de um volt - o exterior tem mais potencial. O valor exato é de cerca de 0,07 volts ou 70 milivolts. Não é constante e seu valor flutua. ATIVIDADE DE TRABALHO DE CÉLULA NERVOSA. Quando uma célula nervosa é ligada, o que acontece quando um olho percebe um estímulo ou um sinal de outras células, há uma atividade de trabalho que aparece nele. Uma região invertida aparece em sua fibra. Fora desta região, o potencial é de cerca de 40 milivolts com um sinal de menos antes dele. Na região invertida, o potencial muda sua polaridade e valor: de +70 milivolts para 40 milivolts. Essas regiões invertidas "correm" ao longo das fibras nervosas e agitam outras células nervosas. Uma fibra nervosa pode ter apenas um impulso em um dado momento. Antes que este impulso chegue ao fim da fibra nervosa, o próximo não aparecerá. A frequência de geração de impulsos pelas células nervosas não excede 1000 Hz (1.000 vezes por minuto). Muitas células cerebrais são capazes de gerar impulsos mesmo quando os sinais estimulantes não os influenciam mais. Esse tipo de atividade é chamado de “transferência sináptica lenta”. SINAPSES. As células nervosas não são conectadas diretamente, como fios elétricos. Há um pequeno espaço onde as células se juntam - um espaço sináptico, uma

pequena ponte a ser atravessada. Quando um impulso atinge o final da fibra, as células nervosas emitem substâncias diferentes para a zona das sinapses. Estas substâncias têm um impacto na célula vizinha e um impulso elétrico aparece nela. Transmissões de sinal acontecem eletroquimicamente. Os impulsos percorrem a fibra das células nervosas e as células “conversam” umas com as outras com substâncias químicas. Se você está particularmente interessado no funcionamento do cérebro, você pode ler o “Olho, Cérebro e Visão” de D. Hubel. Vamos examinar o processo de fixação de conexão em um esquema simplificado que permite a compreensão do princípio geral (esquema). 1). Que haja três células nervosas geneticamente ajustadas para reagir através da atividade de trabalho nos seguintes estímulos: um triângulo, um quadrado e uma circunferência. Quando um olho percebe o estímulo “quadrado”, a célula nervosa apropriada reagirá a ele, e uma imagem de um quadrado aparecerá na imaginação. Se você remover o estímulo, a atividade da célula será interrompida e parará de gerar a imagem quadrada no cérebro. Se esta célula estiver artificialmente agitada (com uma agulha ou eletricidade), ela começará a gerar impulsos; a imagem aparecerá na imaginação, mesmo que não exista nem exista estímulo. Através da imaginação (o grande círculo no topo da imagem), as células nervosas estão trancadas em

si mesmas. Isto é pensado para acontecer por causa do núcleo geniculate lateral. Existe alguma freqüência de fundo em cada célula nervosa, mas sua amplitude não é suficiente para ligar a célula e, assim, fazer com que uma imagem apareça na imaginação. Para clareza, marcaremos as células com números: 3, 5 e 7. Observe o fato de que a frequência de fundo e de trabalho de uma célula pode mudar, mas a imagem gerada pela célula permanece intocada. Este é o "truque". Agora, temos todos os dados necessários para explicar como uma conexão é fixada na memória elétrica. Suponhamos novamente que um olho perceba uma figura que consiste em vários elementos primitivos:

um triângulo, um quadrado e uma circunferência (esquema 2). A imagem visual percebida é decomposta em imagens simples e cada imagem é enviada ao cérebro. As células nervosas ajustadas para reagir a essas imagens são ativadas e começam a gerar suas imagens. Graças ao canal de feedback, diferentes freqüências de células que trabalham simultaneamente se misturam, e as combinações de frequência em cada célula de trabalho se tornam idênticas. Isso é basicamente isso. Ocorreu uma sincronização das frequências das células em funcionamento simultâneo - e as células responsáveis por diferentes imagens, memorizadas conexões entre elas, estão agora sincronizadas. Fórmula: A fixação da conexão na memória elétrica é realizada pela sincronização das

freqüências das células nervosas em funcionamento simultâneo. Obviamente, a reprodução da informação dentro desse sistema de memória só é possível quando há um sinal estimulante. Vamos agora analisar o processo de anamnese (geração de informação pelo cérebro) no esquema 3. Quando uma imagem triangular está na entrada de um analisador visual, ela liga uma célula nervosa e começa a gerar impulsos para criar uma imagem do triângulo na Mas, se houver células ativas trabalhando em segundo plano com a mesma frequência, a amplitude da pulsação aumentará e as células começarão a gerar suas imagens devido ao princípio da ressonância de freqüência - isto é, imagens quadradas e circunferenciais. Parece que nos lembramos da combinação de imagens que memorizamos. Fórmula: A anamnese de imagem (geração) na memória elétrica é realizada devido à ressonância de freqüência quando um sinal estimulante (processo de geração de ativação) está presente. CONCLUSÕES: Imagens visuais não são lembradas pelo cérebro. O processo de anamnese ao qual você está acostumado é, na verdade, um processo de geração de imagens em sua imaginação. A contiguidade temporal de vários estímulos é um fator necessário para a memorização. A informação (conexões) é armazenada na memória como uma atividade elétrica harmonizada de um grupo de células

nervosas. O processo de geração de informação só

é possível se houver um estímulo de entrada na

entrada do sistema. Uma célula nervosa pode ter conexões de ressonância elétrica com muitas outras células nervosas e pode conter uma grande quantidade de combinações simples de frequência. O modelo de memória descrito é perfeito para explicar tudo o que é "estranho" na memória humana. Este modelo é direto; qualquer um pode implementar e testar. Ao memorizar usando

métodos baseados neste modelo de memória, 100% de reprodução é garantida. Se você "quebra"

o canal de feedback no esquema de fixação de

conexão, o cérebro pára de sincronizar as células responsáveis pelos estímulos percebidos. Isso significa que uma pessoa deixará de corrigir as informações percebidas e poderá cumprimentá-lo dez vezes por dia, cada vez que ele vir você. Ele também será incapaz de contar dinheiro. A doença se expressará de maneira diferente e terá nomes diferentes de acordo com o local da ruptura do canal de feedback, seja doença de Alzheimer (lesão no hipocampo) ou síndrome de Korsakovsky (dano no trato neural). O modelo de memória descrito demonstra mecanismos dessas doenças - ruptura do canal de feedback e a incapacidade relacionada de sincronizar a atividade elétrica das células nervosas, ou seja, a incapacidade de criar uma conexão. MEMÓRIA REFLEX. Um ser humano tem a mesma quantidade de sistemas

analíticos que os órgãos sensoriais. Você já está familiarizado com o sistema analítico visual. Além do analisador visual, o cérebro também tem analisadores de audição, fala, paladar, olfato e movimento, além de outros sistemas analíticos. Supostamente, todo sistema analítico tem um mecanismo de memória elétrica. Estamos interessados principalmente no sistema analítico visual, uma vez que o método de memorização primária no GMS® é a memorização através de representações visuais. São as representações visuais que todos podem mais facilmente, conscientemente controle em sua imaginação. Outras representações do sistema analítico são mais difíceis de controlar internamente. Existem zonas de associação no córtex cerebral. Estas são zonas onde as fibras nervosas de diferentes sistemas analíticos se cruzam. Outros tipos de conexões são estabelecidos em zonas de associação: conexões reflexas. Nota: células de diferentes sistemas analíticos estabelecem conexões reflexas. Para criar um reflexo, é preciso haver contiguidade de tempo e múltiplas repetições (ativação). CARACTERÍSTICAS DE TEMPO DE CONEXÕES DE REFLEXO. A conexão reflexa é formada em cerca de 3-4 dias; quando armazenado, dura por toda a vida. Conexão Reflex funciona automaticamente. Não é necessário lembrar-se voluntariamente da informação. Em GMS®, o uso de uma conexão reflexa é necessário

para memorizar palavras estrangeiras, desenvolvimento de um sistema de sinais para uma língua estrangeira e para memorização de vários códigos figurativos. Qualquer outra informação (números de telefone, endereços, nomes, etc.) é memorizada através da base do mecanismo de memória elétrica e é reproduzida como uma combinação de imagens visuais. Essas imagens precisam ser codificadas em formas familiares - números e palavras. Para uma conexão reflexa entre as células nervosas a serem criadas, as células nervosas têm que trabalhar intensivamente por um certo período de tempo. É somente nesse caso que os apêndices que terminam com os nervos literalmente começam a crescer e se estendem para outros apêndices desse tipo. Obviamente, isso requer tempo. A conexão reflexa direta entre as fibras nervosas só pode ser criada quando as fibras nervosas já estão muito próximas umas das outras. As células nervosas estão interligadas criando uma zona de sinapse. Esta é uma zona de transmissão química, onde ocorre um impulso químico de uma célula para outra. Se você estiver interessado nos detalhes da transmissão sináptica, talvez queira ler um artigo sobre os homenageados do Prêmio Nobel de 2000 na seção “Artigos científicos sobre memória”. Semelhante à conexão elétrica, a conexão reflexa é reproduzida somente quando há um sinal estimulante de entrada. Quando você toca em uma panela quente,

seu braço automaticamente se afasta. Este é um exemplo de reflexo incondicional, geneticamente “incorporado” ao seu cérebro. Quando você ouve a palavra “telefone”, sua imaginação sugere instantaneamente uma imagem de um telefone. Este é um exemplo de um reflexo incondicional formado através da experiência de vida. Devido ao fato de que nossa percepção de palavras é tão rápida, as imagens aparecem muito rapidamente em sua imaginação. Muitas pessoas nem percebem a natureza reflexiva da compreensão da fala escrita e oral. Se você perceber palavras que não têm conexão com imagens visuais em seu cérebro, você não as entenderá. Por exemplo: inu, mise, teiburu. Você não entende essas palavras - não porque você não as conheça, mas porque a conexão entre essas palavras e as imagens apropriadas ainda não foi estabelecida em seu cérebro. No GMS®, todo tipo de informação é lembrado pela primeira vez através do mecanismo de memória elétrica; é somente então que os dados necessários são desenvolvidos em um reflexo (estado automático) se necessário. Um distúrbio (bloqueio) das conexões sinápticas (memória reflexa) leva a uma destruição temporária ou permanente de habilidades automáticas estáveis, como movimentos intencionais e automáticos na fala, na escrita e na leitura. Para ver um efeito da destruição temporária do reflexo constante, deixe alguém consumir algumas bebidas de bebidas

destiladas. Mecanismos de memória em analisadores de fala e movimento têm suas próprias características específicas, mas também são totalmente explicados pelos conceitos de memória elétrica e reflexa. Essas características específicas estão fora da esfera de interesse do GMS®. Apenas os métodos de memorização de dados educacionais são examinados nas páginas deste livro. DIFERENÇAS ENTRE AS CONEXÕES ELÉTRICAS E REFLEXAS Em primeiro lugar, esses dois tipos de memória diferem no tempo de criação da conexão. Uma conexão elétrica é criada muito rapidamente - em poucos segundos; enquanto uma conexão reflexa é criada lentamente - ao longo de alguns dias. Uma conexão reflexa vai de mão única, com um impulso percorrendo a fibra nervosa apenas em uma direção. Se você tocar em um ferro quente, seus músculos do braço se contraem. Se você flexionar intencionalmente seus músculos, você não terá a sensação de ferro quente. Uma conexão elétrica é uma conexão bidirecional: se você conectar duas imagens em sua imaginação, cada uma delas pode ser um estímulo para a outra. A reação é que você vê as duas imagens - o estímulo e a imagem conectada - simultaneamente. A memória elétrica é intrínseca em certos sistemas analíticos. Enquanto isso, conexões reflexas são criadas entre as células nervosas de diferentes sistemas analíticos. Você não pode criar instantaneamente uma conexão

entre uma imagem e sua representação mútua (uma palavra) ou entre um som e um cheiro. Conexões elétricas são muito flexíveis. Eles podem ser rapidamente apagados ou alterados, mas também podem ser armazenados por um longo tempo. As conexões reflexas permanecem inalteradas e não requerem nenhuma manutenção especial. IMAGINAÇÃO REPRODUTIVA A imaginação reprodutiva é um processo em que se transforma a fala verbal ou escrita (palavras) em imagens visuais, usando uma organização espacial das imagens na imaginação. Com esta conexão, tenha em mente que o seu pensamento pode ser não intencional (automático) ou intencional (consciente). Quando você conscientemente manipula imagens visuais em sua imaginação - amplie, gire ou desmonte - isso é chamado de pensamento consciente arbitrário. Quando você percebe uma declaração oral e as imagens se organizam automaticamente em sua imaginação, isso é chamado de pensamento não intencional ou automático. Em outras palavras, o discurso de outra pessoa alterna sua imaginação (um exemplo:

um corvo segura um pedaço de queijo em seu bico). O pensamento pode ser direto ou indireto. O pensamento direto ocorre quando você opera imagens visuais em sua imaginação em perfeito silêncio. Se você usa a fala, interna ou vocal, para organizar essas imagens em sua imaginação, você não as opera diretamente, mas usando a fala como

um mecanismo de sua imaginação reprodutiva. O pensamento direto é muito mais eficiente simplesmente porque é mais rápido. Quando você opera imagens usando sua fala interior, sua velocidade de pensamento é limitada pela velocidade de sua fala. Esta é a primeira grande desvantagem do “pensamento verbal”. Outra desvantagem do pensamento verbal é a possível presença de erros nas frases que você aprendeu de cor. Conexões falsas, muitas vezes chamadas de "preconceito" ou "equívoco" ou "preconceito", muitas vezes são "congeladas" em frases que você aprende quando criança; Noções preconcebidas - verdadeiras ou falsas podem limitar a memória. Pessoas que verbalizam a maior parte do seu pensamento podem privar-se de compreender fenômenos óbvios. Enciclopédias pesadas explicando milhares de “equívocos” (falsas conexões “congeladas” no subconsciente de milhões de pessoas por meio de expressões fixas e definidas) - muitas vezes graças a um jornalista com um bom senso de humor - são vendidas diariamente. Ok, de volta ao tópico em questão. Dois canais paralelos podem ser distinguidos na imaginação reprodutiva. O primeiro é o canal de transformação reflexa de palavras (substantivos) em imagens visuais. O segundo é o canal de organização da imagem espacial na imaginação ou no canal do operador espacial. Substantivos são transformados em imagens visuais em um nível

reflexo: uma mesa, uma cadeira, uma caneta, uma maçã ou uma camisa. Verbos, adjetivos, sufixos, preposições, declinações são todos operadores espaciais. Sua tarefa é operar as imagens (substantivos) em sua imaginação. Uma taça está em pé sobre uma mesa; um gato está deitado debaixo da mesa; Gato preto; e copo vermelho. Apenas quatro combinações podem ser obtidas dos dois canais, quatro variações possíveis do trabalho imaginativo reprodutivo. Observe cuidadosamente como funciona sua imaginação e analise o que influencia a compreensão da fala e como isso ocorre. A primeira variante: compreensão completa. A informação passa por ambos os canais de imaginação reprodutiva: um vaso com uma rosa vermelha está sobre uma mesa. A segunda variante: compreensão incompleta. O canal de operadores espaciais está desligado: uma colher, uma folha. (O cérebro não sabe organizar espacialmente os objetos). A terceira variante:

compreensão incompleta. O canal de transformação reflexa de palavras em imagens visuais está desativado: O cérebro está pronto para organizar espacialmente as imagens, mas não há imagens para organizar. A quarta variante:

completa incompreensão da fala. Ghturh tyu nahj kiopl treyud. (Ambos os canais de imaginação reprodutiva estão bloqueados - não há palavras de imagem nem operadores espaciais). O cérebro não reage a esta mensagem de discurso. Você não

será capaz de repeti-lo corretamente. A memorização não intencional e a anamnese da fala (ou texto) são realizadas com base na memória elétrica. Quando você ouve um discurso, não apenas as palavras do discurso fazem com que imagens apareçam em sua imaginação, mas também as CONECTAM. Criação de conexão entre imagens visuais (memória elétrica) acontece automaticamente. Um exemplo: em vez de folhas, doces pendem nos galhos de uma bétula pintada de vermelho. As palavras do texto não apenas criaram imagens em sua imaginação, mas também as conectaram em uma imagem espacialmente organizada. É devido à conexão automática de imagens que você memorizou a imagem. A anamnese da fala acontece ao contrário. Você se lembra (gera) imagens visuais por conexões fixas e depois as “traduz” para a fala. É por isso que a informação textual é sempre lembrada dessa maneira. SENSE é uma imagem espacialmente organizada que aparece na sua imaginação. Quando uma pessoa diz: "Sua afirmação não faz sentido", isso significa que o cérebro não conseguiu gerar uma combinação espacialmente organizada de imagens. Se mudarmos a ordem das palavras na frase: “um vaso vermelho está sobre uma mesa” e diga “há um vaso, que é vermelho, sobre uma mesa”, o SENSE, uma combinação espacialmente organizada de imagens visuais , não mudará. O treinamento em GMS® é uma ferramenta muito

poderosa para desenvolver sua atenção e pensamento visual, a capacidade de imaginar e operar imagens em sua mente. O pensamento visual é o alicerce da COMPREENSÃO. Se uma pessoa não tem imagens em sua imaginação ao ler um livro, então ele NÃO ENTENDE o texto. É um fato bem conhecido que pessoas treinadas para memorizar, freqüentemente trabalham como diretores de arte ou científicos devido a uma capacidade quase paranormal de entender informações textuais e ver erros e incoerências no texto. Albert Einstein, sem dúvida um homem pensante, disse uma vez: “Aparentemente, as palavras de linguagem em sua forma escrita ou oral não desempenham nenhum papel no mecanismo de pensamento. Essências psíquicas que provavelmente atuam como elementos do pensamento, são sinais particulares e imagens mais ou menos claras que se podem reproduzir e combinar intencionalmente… palavras simples e outros sinais têm que ser procurados com grande esforço apenas na segunda fase, quando a associação mencionada é estável e pode ser reproduzida de propósito ”. Em outras palavras, a fala, em um determinado estágio do pensamento, é apenas um mecanismo de saída e inserção de informações em outro cérebro. Durante a memorização com a ajuda das técnicas GMS®, você verá que a fala só deve ser ativada quando houver a necessidade de transmitir informações

para outra pessoa. Muitas imagens usadas como imagens auxiliares na memorização muitas vezes não precisam ser rotuladas ou ter um nome, uma vez que nunca saem do cérebro; você só precisa vê-los em sua imaginação. Na minha opinião, A psicologia acadêmica exagera o papel da fala no processo de pensamento. Além disso, parece suspeito quando as pessoas pensam em voz alta e falam consigo mesmas. PARTE 3: CONCEITOS BASIC GMS ®. DO TODO PARA SEPARAR PEÇAS. Tudo consiste em partes. Palavras consistem em letras; frases são feitas de palavras; parágrafos são criados a partir de sentenças. Qualquer substância da natureza contém um número limitado de elementos. Uma peça musical é um conjunto de combinações e sequências de apenas 7 notas. Quaisquer dados numéricos são apresentados com dez cifras. Combinando um conjunto limitado de elementos simples, alterando CONEXÕES entre os elementos e sua SEQUÊNCIA, pode-se obter uma diversidade infinita de COMBINAÇÃO DE ELEMENTOS, isto é, novas informações. A INFORMAÇÃO é uma COMBINAÇÃO DE ELEMENTOS PRIMÁRIOS. Informações não podem conter apenas um elemento. A informação deve, pela sua própria natureza, contém pelo menos dois elementos RELACIONADOS. A sensação de memorização está em recordar, sendo capaz de reproduzir essas conexões. Para aprender a memorizar dados

difíceis - tabelas, listas e textos - você primeiro precisará aprender a memorizar os elementos mais simples encontrados em todas as informações. Você não poderá memorizar números de telefone se não souber como memorizar cifras individuais separadas ou memorizar listas de nomes geográficos sem saber como memorizar nomes. Você precisa memorizar elementos simples dentro de um texto para lembrar as informações textuais com precisão. O princípio principal do GMS® é que a memorização vai do todo para partes separadas. Para memorizar uma lista de números de telefone, primeiro você precisa memorizar números separados, em seguida, separar os números de telefone e, finalmente, uma lista de números de telefone. Quando você memoriza um texto, você primeiro fixa uma sequência de parágrafos em seu cérebro e depois memoriza dados precisos em cada um dos parágrafos. É por isso que, antes de estudar técnicas de memorização para diferentes tipos de informação, você precisa dominar os métodos de transformação para os elementos mais simples que são inerentes a todo tipo de informação. São números de dois e três dígitos, sílabas, palavras e combinações de letras sem sentido, nomes, nomes de meses e dias da semana, termos, conceitos e muito mais. Somente transformando os elementos simples em imagens visuais teremos a chance de memorizá-las, isto é, criar conexões. ASSOCIAÇÕES NATURAIS

Associações naturais são conexões que realmente existem entre objetos percebidos. Graças ao fato de que essas conexões já existem, nosso cérebro as memoriza automaticamente. Uma conexão existente entre objetos é um sinal para memorizá- los. Associações naturais são usadas nas seguintes técnicas de memorização: O Método Cícero. Nesse método, somente conexões entre objetos encontrados em situações familiares ou em suas configurações familiares são usadas para memorização. Essas conexões não precisam ser criadas; isto é, eles não precisam ser memorizados. Eles são criados automaticamente em nosso cérebro, devido à percepção múltipla e regular dos objetos de sua casa, sala ou rua. O método de associação livre. Um ser humano nunca memoriza uma imagem isolada. As imagens têm conexões estáveis entre elas e essas conexões são lembradas automaticamente se forem percebidas regularmente. Por exemplo, uma xícara está sempre conectada com uma colher de chá. Um monitor de computador está sempre conectado com um teclado e um mouse. Um armário está sempre conectado com placas. O método de separar partes de objetos. Mesmo quando vemos um único objeto, o cérebro “reage” a suas partes e automaticamente fixa as conexões internas do objeto. Cada imagem consiste em partes (sub imagens). Um receptor de rádio consiste em um corpo, uma antena, uma escala de sintonização,

um regulador, uma alça e um alto-falante. O método de destacar as partes invisíveis de um objeto. As pessoas freqüentemente desmontam os dispositivos para saber o que está dentro deles. Como os diferentes elementos internos dos objetos estão inter-relacionados, essas relações são automaticamente fixadas pelo cérebro. Por exemplo, onde há um alto-falante, existem fios, baterias, transistores, resistores e condensadores. Nota: as associações naturais NÃO DEVEM SER MEMORIZADAS COM OBJETIVOS, DELIBERADAMENTE. Eles já existem no cérebro. O objetivo das técnicas mencionadas é criar um sistema para todas as conexões em nosso cérebro, para que elas possam ser usadas para memorizar outros tipos de informação. O método de encontrar um recurso distinto. O mecanismo de criação de associação natural pode ser usado conscientemente. Em particular, você conhecerá este método através da técnica de “memorização de faces”. O método de “memorização de rostos” é muito simples. Você precisa examinar uma foto por alguns segundos e prestar atenção aos recursos DISTINTIVOS que você vê. Nenhuma outra ação especial é necessária. Seus olhos percebem as imagens que já estão conectadas devido à fixação automática de conexão. Seu cérebro irá reproduzir a imagem do rosto com base em características distintas. É tão simples assim. Pode-se também memorizar ilustrações em um livro usando o

mesmo mecanismo de memorização automática de inter-relações percebidas. Basicamente, no GMS®, as associações naturais são usadas para formar um grande número de imagens auxiliares (de suporte) em nossa memória, que mais tarde nos ajudarão a memorizar e lembrar de qualquer outro tipo de informação. ASSOCIAÇÕES ARTIFICIAIS Associações artificiais podem ser monomodais e heteromodais, assim como associações naturais. A associação monomodal é uma conexão apenas entre imagens visuais, uma conexão criada dentro do sistema analítico visual. Associações heteromodais em GMS® são conexões entre

diferentes sistemas analíticos. Como você já sabe,

a conexão entre diferentes sistemas analíticos é

automática e é chamada de reflexo. É por isso que tais conexões são criadas intencionalmente apenas ao memorizar certos tipos de informação: palavras estrangeiras, sinais e códigos figurativos. Essas conexões são criadas usando “entrada” intencional de sinais de analisadores visuais, analisadores de fala e analisadores de movimento em um determinado momento. Outros analisadores

(modalidades) não estão sendo utilizados na

memorização intencional. A associação artificial é uma conexão artificial. Qualquer um pode controlar

o processo de gravação em seu cérebro. Se

tomarmos imagens visuais como exemplo, só precisamos conectar duas ou mais imagens visuais para ativar o processo de "Memória". Neste

momento, muito rápido, trabalhando simultaneamente “sincronização de atividade elétrica de células nervosas” ocorre, com as células gerando as imagens em sua imaginação. O tempo necessário para criar associações artificiais é igual ao tempo necessário para consertar conexões na memória elétrica, aproximadamente de 1 a 6 segundos. Preste atenção ao fato de que as associações artificiais não têm nada artificial nelas. Um mecanismo natural (e exclusivo) de fixação de conexão rápida é usado. Quando você cria uma conexão entre imagens em sua imaginação, você simplesmente IMITA o processo natural de percepção de imagens conectadas. Você os imagina como se estivessem conectados anteriormente. O cérebro é “enganado”, porque não se importa se você realmente vê os objetos conectados ou os conecta em sua imaginação. Lembre-se, sabemos que isso é possível por causa de nossos sonhos quando estamos dormindo. Em ambos os casos, um sinal é colocado em um analisador visual. A presença de tais conexões entre diferentes contornos é um sinal para memorizar a conexão. Associações artificiais heteromodais são usadas para memorizar palavras estrangeiras, sinais e códigos figurativos. Para criar uma conexão entre sinais de diferentes sistemas analíticos, esses sistemas precisam funcionar simultaneamente por cerca de 3-4 dias. Assim, quando você imagina uma imagem visual, precisa

rotulá-la e escrever seu nome na própria imagem. O conceito de “associação artificial” é o conceito chave no GMS®. Normalmente, apenas as conexões entre as imagens visuais são criadas para memorizar as coisas. O GMS® lhe dá uma vantagem ao dar mais um passo a mais. Pode-se ler facilmente sobre conexões lógicas e ilógicas em livros sobre treinamento de memória. Os autores afirmam que, para aumentar as habilidades de memorização, você precisa criar conexões ilógicas. Aparentemente, eles não entendem a palavra “lógica” corretamente. Como você sabe, toda conexão é lógica. A lógica é a conexão: uma coisa que leva ou resulta de outra. Outra coisa é que existem conexões COMUNS que vemos entre os objetos do mundo circundante e as conexões UNCOMMON que não encontramos no decorrer de um dia normal. Um sanduíche é um exemplo de uma conexão comum (pão e queijo); Um ovo frito com unhas é um exemplo de uma conexão incomum. Uma conexão pode ser correta (adequada) e incorreta (falsa), mas isso está relacionado à educação prévia à experiência de vida e até mesmo à cultura. Por exemplo, "Se um gato cruza seu caminho, algo ruim vai acontecer" é uma conexão falsa. Talvez seja esse o sentido que os autores colocam em suas palavras quando escrevem sobre conexões lógicas e ilógicas? Talvez o que eles entendem por “ilógico” seja falso, incorreto? Fica bastante confuso, não é?

Independentemente, eles não se incomodam em explicar sua compreensão da “lógica”. A essência das conexões lembradas não tem absolutamente nenhum significado para o seu cérebro. O sistema analítico visual distingue e fixa as conexões. Se houver uma conexão, ela será corrigida. Nenhuma conexão = nada para memorizar. Autores de livros sobre treinamento de memória costumam escrever sobre emoções. Eles afirmam que quanto mais emocionante o material que você memoriza, melhor e mais rápido ele será memorizado. Isso está incorreto. Quando você memoriza uma sequência de cem números, não terá tempo para pensar em emoções. Cada distração do processo diminuirá drasticamente a velocidade e a qualidade da memorização. Toda emoção (que na verdade é uma distração de atenção) tem que ser suprimida ao memorizar. Esqueça as conexões “lógicas” e “ilógicas”, bem como emoções ao memorizar - são subjetivas. Ao memorizar, seu cérebro só se preocupa com conexões. HABILIDADE DE MEMORIZAÇÃO. O cérebro pode lembrar as conexões de forma não intencional e automática. Em tais casos, uma pessoa não precisa fazer nenhum esforço para memorizar. O caminho de volta para casa ou o arranjo do interior de uma casa é automaticamente memorizado, assim como as conexões internas desses objetos. Conexões entre imagens e palavras são criadas involuntariamente devido a múltiplas repetições

durante a nossa vida. No entanto, quando falamos sobre memorizar informações de sinal (precisas), isso não faz com que nenhuma imagem visual apareça em nossa imaginação. A memorização automática e não intencional não se aplica. Se não houver imagem, o cérebro não cria conexões. Durante o processo de memorização intencional, uma pessoa deve fazer um esforço para memorizar, realizando alguma ação interna para transformar a informação do signo em forma de imagem. Ele pode, talvez, repetir pequenos fragmentos da informação várias vezes até que ela seja memorizada - o chamado aprendizado de cor ou "método mecânico". Quando falamos de habilidade de memorização, entendemos a memorização intencional, ou seja, a memorização de informações que nosso cérebro não percebe automaticamente. É por isso que, mais adiante neste artigo, quando falo sobre habilidade de memorização, vou me referir à memorização de informações precisas para as quais o cérebro não sugere imagens visuais. Assim, a memorização excessivamente intencional envolve uma ação, uma ação que requer atenção, concentração e gasto de energia. É trabalho. Informações precisas nunca são memorizadas “como estão”, mesmo que você conheça as técnicas GMS®. Habilidade de memorização, quatro nossos propósitos, é definida como a automação de operações mentais que levam à memorização. Se a habilidade de

memorização não for desenvolvida o suficiente,

essas operações serão lentas e de baixa qualidade. Desenvolver as ações de memorização para o nível de automação desejado ou desejado resultará em melhor velocidade de memorização e maior qualidade, com menos esforço e problemas durante

a coleta. Um exemplo disso é que a escrita pode

estar usando um teclado de computador. Um iniciante acha difícil digitar, já que a velocidade é baixa e há muitos erros. Quando a habilidade de

digitar é desenvolvida, a mesma pessoa pode digitar mais rapidamente, cometer menos erros e descobrir que o processo de digitação não causa nenhuma dificuldade. Além disso, a pessoa fica satisfeita de implementar e desenvolver sua habilidade. Um datilógrafo profissional que tenha obtido uma habilidade desenvolvida e automática pode digitar e falar ao telefone ao mesmo tempo e nem precisa entender o material digitado. É o mesmo com o GMS®. Quando a habilidade de memorização é automática, ela não apenas funciona de forma eficiente e rápida, mas também garante boa memorização e proporciona satisfação

à pessoa que usa sua habilidade. A habilidade de

memorização inclui vários componentes: Ter códigos figurativos em seu cérebro que permitem codificação rápida de informações. ? Ser capaz de codificar rapidamente dados e imagens memorizados em associações. ? Ser capaz de conectar rapidamente imagens em sua

imaginação? Ser capaz de armazenar imagens conectadas por cerca de uma hora na sua memória. ? Desfrutar de uma alta estabilidade de atenção que permite realizar operações de memorização e anamnese com eficiência e por um longo tempo sem deixar vestígios de cansaço. ? Ser capaz de repetir grandes quantidades de dados lembrados para consertá-los na memória. ? Ter uma presença de imagens de suporte (estimulantes) que permitem memorizar informações consecutivas. É importante entender a diferença entre a memorização GMS® (intencional)

e simples (intencional). A memorização do GMS® é

a memorização de 100 a 200 elementos de

informação de uma só vez. Por exemplo, uma pessoa sem treinamento especial é capaz de memorizar apenas cinco elementos de informação, se ele os ler apenas uma vez. Certamente, a fixação precisa da sequência de dados lembrada é esperada. MEMORIZATION SKILL CONTROL A qualidade da habilidade de memorização formada pode ser avaliada com alta precisão, até 1/100. Com o surgimento de um sistema preciso de

avaliação de habilidades de memorização, os tempos de incerteza, quando as pessoas acreditavam que o tópico da memória era um vasto campo para propor concepções filosóficas porque ninguém sabia exatamente como a memória funcionava e como medi-la, acabaram. Agora, qualquer um que reivindique a capacidade de

memorizar as coisas pode se sentar na frente de um computador e ser testado. Graças à existência de um sistema preciso de controle de habilidades de memorização no GMS®, ele pode ser transferido do status de “educação suplementar” para a categoria “disciplinas precisas”. A padronização das técnicas GMS® e a implementação de métodos de “controle preciso de resultados” está se tornando vital. Abaixo está uma breve descrição do programa “Memorization Master”. Você pode baixá-lo gratuitamente em:

http://www.pmemory.com/improve_memory_softwar e.html A DESCRIÇÃO “MEMORIZATION MASTER”. O programa de exame “Memorization master” é utilizado para um controle preciso dos resultados da memorização. Isso pode ser usado: ? Como uma ferramenta de treinamento de técnica de memorização; ? Para determinar se uma pessoa que seguiu um curso especial de memorização, possui as habilidades de memorização apropriadas; ? Determinar a habilidade primária de memorização de um recém-chegado; ? Certificar e atestar as capacidades dos conferencistas dos cursos destinados a desenvolver capacidades gerais de memorização; ? Para organizar competições GMS®. Usando o programa, você também pode comparar suas capacidades de velocidade de memória com os resultados registrados oficialmente. O programa testa: Volume de memorização; ? Confiabilidade de memorização; ?

Velocidade de memorização. Essas características são automaticamente resumidas no índice “aumento de habilidade de memorização” (e comparado com a norma). O teste é realizado usando números de dois dígitos sugeridos aleatoriamente pelo programa. A informação numérica é o tipo mais simples de informação para memorização usando técnicas GMS®. Uma entrada de um número não requer nenhuma habilidade especial de digitação. (Nota: o programa é projetado para trabalhar com qualquer tipo de informação.) O “Memorization Master” possui três modos de trabalho: "Teste introdutório"? "Treinamento"? "Teste de exame" "TESTE INTRODUTÓRIO" A quantidade de informação memorizada é constante e equivale a 20 números de dois dígitos. Os números aparecem automaticamente na velocidade de 6 segundos por número. habilidade de memorização de um recém- chegado (uma pessoa que não tenha sido treinada para usar as técnicas GMS®). Acesso ao teste de exame. Pessoas treinadas para usar técnicas de memorização devem passar por um teste introdutório (com uma nota de 3,6 a 4) antes de seguir em frente. “TREINAMENTO” A quantidade de informações memorizadas consiste em 20 números de dois dígitos (de sua escolha). A aparência dos números é controlada manualmente, pressionando o botão “Next” com um mouse ou o botão “Space” no teclado. Não há limites estritos

para velocidade de memorização e número de erros. Ele simplesmente exibe os resultados da memorização (volume, velocidade, erros). A avaliação que você obtiver nesse modo (treinamento) só será avaliada se sua taxa de erros for menor que 10%. USO: Dominar diferentes métodos e técnicas de memorização. Possível aumento gradual do volume de memorização e velocidade. Fixação do sistema de imagens de suporte na memória. “EXAME” A quantidade de informação memorizada consiste em 20 números de dois dígitos (de sua escolha). A aparência dos números é controlada manualmente pressionando o botão “Next” com um mouse ou o botão “Space” no teclado. Limites rígidos na velocidade de memorização e no número de erros são introduzidos. O teste mostra o seu índice de “aumento de habilidade de memorização” (comparado com a norma) e coloca uma marca de acordo com o índice obtido (veja a tabela abaixo). Marcar dependendo do volume: Marca do índice Número mínimo de números memorizados 0 - 3,6 2 0 3,7 - 11,3 3- 18 11,4 - 18,8 3 57 18,9 - 28,4 4-95 28,5 - 37,8 4 143 37,9 - 47,4 5- 190 47,5 - 56,9 5 238 57 e mais Mestre 285 ÍNDICES NORMATIVOS “Norma” é definido como um coeficiente de aumento da capacidade de memorização, igual a 1 (memorizando 5 números de 20). Este é um resultado médio no “Teste Introdutório” para pessoas que não estão familiarizadas com técnicas

de memorização. “Volume de memorização” é a quantidade de números de dois dígitos que você “encomenda” antes do teste. “Confiança de memorização” é a quantidade de erros na digitação de números. Quanto menos erros você cometer, maior será o índice de confiabilidade. “Velocidade de memorização” é o tempo médio gasto na memorização de um número de dois dígitos. “Norma de velocidade de memorização” é igual a 6 segundos por um número de dois dígitos. Se sua velocidade for superior a 6 segundos, o programa diminuirá seu índice; se sua velocidade for inferior a 6 segundos, o índice será aumentado. “Marcar dependendo do índice”: o intervalo de 0 a 60 é dividido em partes iguais, cada uma estimada com uma marca, de “2” a “Mestre”. Referência dos dados da marca dependendo do volume de informação memorizada na tabela . "Marcar dependendo dos erros cometidos": os erros cometidos durante a memorização (dentro de 10%) diminuirão o seu índice. Limites do tempo de memorização: se você exceder a velocidade média em mais de 6 segundos, o programa interrompe o teste sem reportar os resultados ("O teste não está concluído. Você está memorizando muito devagar!"). Limites de erros: se a sua taxa de erro se tornar superior a 10% durante o teste, o programa interrompe o teste sem reportar os resultados (“Teste não está concluído. Muitos erros!”). O “mestre de memorização” é um software

especializado e só pode ser usado para testar a capacidade de memorização de pessoas que tenham concluído um curso especial de estudo GMS®. Os índices normativos foram obtidos através do teste e aprovação do sistema incorporado no programa em um grande número de pessoas. Quase todos que concluíram o nosso curso de estudo de memorização podem receber um “4”. Para obter melhores resultados, os alunos devem demonstrar perseverança na realização de tarefas difíceis. O índice “normal” (coeficiente 1) é facilmente examinado no teste introdutório. Claro, pessoas que não estão familiarizadas com o GMS® não serão capazes de memorizar números muito bem. Eles também não serão capazes de memorizar sequências de termos, números de telefone, datas históricas e dados precisos semelhantes quando exibidos apenas uma vez. O presente programa testa a habilidade de memorização formada em sua forma pura (o estágio de codificação em imagens é omitido) e reflete a dinâmica do pensamento, bem como os processos de pensamento visual. Como uma operação mental, a “Conexão de imagens”, é a base de toda técnica de memorização, a capacidade de memorizar eficientemente um conjunto de números de uma só vez prova que os outros tipos de informação podem ser memorizados com a mesma eficiência. É necessário notar que os índices normativos incorporados ao programa são

bastante rígidos. Eu acho que, após uma primeira conclusão do curso GMS®, o aluno precisa receber um “5” que pode ser considerado como “perfeito”. Um instrutor de um bom nível deve obter um “Mestre” no teste. Se uma pessoa obtiver a nota mais alta possível no teste “Memorization master”, ele certamente poderá participar da primeira rodada da competição mnemônica de Cambridge; as notas mais altas em nosso teste correspondem ao teste introdutório para o campeonato mundial mnemônico (tipo de competição: recordando números pronunciados). VERIFICANDO A VELOCIDADE DE RECONHECIMENTO (VERIFICANDO O REFLEXO) Ao memorizar imagens visuais, sinais, símbolos, e palavras estrangeiras, a mera anamnese não é suficiente. A anamnese tem que ser automática em relação a esses elementos. Por exemplo, ao perceber uma seqüência de números de dois dígitos, as imagens correspondentes devem aparecer em sua imaginação muito rapidamente e sem esforço de sua parte - semelhante à sua mão se afastando de um ferro quente, independentemente de você querer ou não . Para verificar o reconhecimento, são usados cartões especiais de treinamento e softwares especiais que mostram códigos figurativos em ordem aleatória e determinam a velocidade do reconhecimento (aparição da imagem na consciência). Ao verificar a velocidade de reconhecimento, os códigos figurativos devem

aparecer em ordem aleatória para evitar qualquer inter-relação adicional criada durante a memorização primária de códigos figurativos (em uma sequência). Para determinar a velocidade de reconhecimento através do uso de cartões, você controla o início e o fim do seu reconhecimento de código figurativo. Então, você divide esse tempo pelo número de cartões. O teste é usado para autocontrole; ninguém aumentará artificialmente os resultados, já que enganar a si mesmo não faz sentido. Ao avaliar a qualidade de memorizar códigos figurativos, você pode se orientar no tempo igual a 0,35 segundos. Este é o tempo médio necessário para a aparição de imagens ao perceber números de dois dígitos. Para uma pessoa que esteja a caminho de dominar o GMS®, a velocidade de reação é de cerca de 0,14 segundo. IMAGENS, UMA FERRAMENTA DE MEMORIZAÇÃO Todo mundo realiza constantemente a codificação e decodificação de informações. A fala oral é transformada em fala escrita, fala escrita em fala oral. As regras de direção são codificadas em sinais de trânsito. Os sons são codificados em letras, a música em notas. Você pode enviar cartas por meio de fios se elas forem codificadas usando o código Morse. As informações podem ser codificadas em gestos e todas as pessoas entendem a linguagem corporal. Para gravar informações na memória do computador, elas precisam ser transformadas em

símbolos “0” e “1”. Matemática, física e química são codificadas de tal forma que uma pessoa tem que estudar vários anos para entender o sistema de codificação de conceitos matemáticos. Estudar um sistema de codificação específico é, na verdade, um processo de estudo de várias disciplinas. Para dominar qualquer sistema de código, é preciso fazer um esforço e dedicar algum tempo a ele. Todo tipo de dados memorizados é codificado na linguagem cerebral do GMS®. A linguagem cerebral consiste em imagens visuais. O cérebro não será capaz de memorizar dados numéricos a menos que seja codificado em imagens visuais que

o cérebro possa entender. O cérebro não consegue memorizar números. O mesmo pode ser dito sobre

qualquer outro tipo de informação de sinais. Deixe- me agora lembrá-lo de que, no GMS®, a informação do signo é qualquer tipo de informação que o cérebro não é capaz de transformar em imagens visuais. Essa é a única razão pela qual esses dados não são memorizados. Para aprender

a memorizar esses dados eficientemente, você

precisa transformar os elementos que compõe em imagens visuais. Imagens visuais perdem sua racionalidade no GMS®; eles não são nada além de uma ferramenta de memorização, como um conjunto de chaves para um encanador, o sistema binário para um programador ou o código Morse para um telegrafista. Para que as conexões entre as imagens sejam bem lembradas, as imagens

precisam ser CONFORTÁVEIS PARA MEMORIZAR. Eles também têm que cumprir certos requisitos. COMO AS IMAGENS VISUAIS NÃO PODEM ESTAR EM SUA IMAGINAÇÃO Não é necessário memorizar imagens excessivamente simplificadas. Conexões entre tais imagens são difíceis ou impossíveis de memorizar. Aqui estão alguns exemplos de imagens não-conducentes à memorização: um triângulo, um quadrado, uma circunferência, qualquer letra de qualquer alfabeto. ? A imagem não deve ser clara, como se estivesse escrita em uma folha de papel. ? Imagens super- complicadas que contêm um grande número de outras imagens dentro delas não são adequadas para memorização (exemplos: uma rua, uma floresta, uma praia, uma sala, etc.). COMO AS IMAGENS PRECISAM SER? Imagens têm que ser grandes. Todas as imagens visuais devem ser do mesmo tamanho, sejam quais forem suas dimensões reais. Se você imaginar uma formiga, ela deve ser aumentada para o tamanho de uma melancia. Se você imaginar um avião, ele precisa ser do mesmo tamanho. Você nunca deve imaginar imagens pequenas, porque as conexões entre essas imagens são muito difíceis de corrigir. As imagens devem ter VOLUME, dimensão. Um exemplo de tal imagem é uma imagem holográfica ou uma imagem criada usando software 3D. Tais imagens podem ser giradas e examinadas de diferentes ângulos. As imagens devem estar em

cores. Se você imaginar uma folha em uma árvore, ela deve ser verde e a árvore, um marrom escuro. Se você imaginar luzes da rua, tente imaginar luzes verdes, vermelhas e amarelas. Algumas pessoas vêem cores muito bem, algumas - não tão bem. Qualquer que seja o seu caso, tente imaginar a cor. Esta é uma habilidade fácil de desenvolver. Não- fumantes não costumam ter problemas com a representação de cores. Os fumantes, por outro lado, são conhecidos por terem um menor tempo de atenção. Fumar, ao contrário do que os fumantes podem reivindicar, não acalma; de fato,

excita o cérebro

de oxigênio dele! Ambos levam a um menor tempo de atenção, e muito menos à redução do desejo de estar atento e memorizar em primeiro lugar. Imagens que você vê na sua imaginação devem ser DETALHADAS. Se você imaginar um "telefone", precisará examiná-lo em sua mente e ver de que partes ele consiste. Se for um telefone celular, você pode distinguir uma antena, um monitor, botões, uma alça, uma capa e um compartimento de bateria. Todas as imagens

visuais que você codifica DEVEM cumprir esses requisitos. As imagens devem ser: GRANDES, TRIDIMENSIONAIS, EM COR e DETALHADAS. As imagens adequadas para a memorização são imagens que você pode segurar literalmente em suas mãos, como um lápis, uma borracha, um livro, um telefone, um mouse e coisas do gênero. Esses

enquanto remove o suprimento

itens são representados por palavras que possuem conexões estáveis e simples com imagens visuais que já existem na sua cabeça. A OPERAÇÃO MENTAL QUE DESLIGA O PROCESSO DE “MEMÓRIA” É fácil ligar intencionalmente o processo “Memória”; as pessoas sabem como fazer isso há séculos. No entanto, só recentemente o entendimento de como ele funciona foi alcançado (ver os seguintes artigos: “Memória - uma esfera de paradoxos” e “Memória Elétrica”). A operação mental primária no GMS ® é a “Conexão de imagens”. Como você pode ver, a memorização não é realizada usando memória, mas usando o pensamento controlado. Toda vez que você conecta duas imagens em sua imaginação, você força seu cérebro a lembrar dessa conexão - você controla e gerencia intencionalmente o processo de memorização. Quando você conecta duas imagens em sua imaginação, você imita a percepção natural das imagens já conectadas. E a conexão entre imagens conectadas artificialmente é lembrada tão bem quanto (ou até mesmo melhor que) uma conexão entre as imagens conectadas realmente percebidas. Imagens podem ser criadas de diferentes maneiras. Isso depende do método de memorização escolhido. Em todos os casos, lembre-se da seguinte regra: Qualquer que seja o tipo de informação que você memorizar, seja qual for o método usado, apenas duas imagens podem ser conectadas à sua imaginação em um momento.

OUTRAS OPERAÇÕES MENTAL O GMS® examina e usa apenas operações de pensamento visual. O pensamento de fala (ou lógico) é considerado como sendo derivado do pensamento visual (imagem) intencional. O pensamento de fala (verbalizado) é secundário, lento e menos eficiente. Além disso, muitas vezes interrompe a resolução de tarefas lógicas, já que conexões falsas são “construídas” em muitas construções de fala. O pensamento visual, ao contrário da verbalização (que é uma espécie de meio), é direto. A principal tarefa da fala real é a saída de informação do cérebro para a forma oral ou escrita, de modo a poder transferi-la para outra pessoa ou desencadear o pensamento de outra pessoa. Quando uma pessoa usa a fala interior para operar imagens visuais, ele faz uso dos mecanismos de imaginação reprodutiva. Assim, o pensamento de fala é um processo de operar imagens visuais usando a fala interior com base no mecanismo de imaginação reprodutiva. Todas as chamadas operações lógicas (comparação, abrangência, análise, resumo, classificação, etc.) são baseadas nas operações mais simples do pensamento visual e não são possíveis sem elas. Se o pensamento visual de uma pessoa não for desenvolvido suficientemente bem, tanto a compreensão da fala como a expressão das próprias declarações nas formas oral e escrita sofrerão. Tal pessoa freqüentemente usa palavras inapropriadas porque

ele não vê (entende) seu significado. É por isso que

a causa do transtorno de COMPREENSÃO deve

ser procurada na desordem da capacidade de imaginar imagens visuais e operá-las na imaginação. Como a função de memorização está conectada com o desenvolvimento do pensamento visual, quando uma pessoa estuda as técnicas

GMS®, a função de entender a informação da fala

é melhorada. Memorização é impossível sem

entendimento. Eles são praticamente um e o mesmo. As seguintes operações mentais são usadas em nossa técnica de memorização:

OPERAÇÃO DE “AMPLIAÇÃO DE IMAGENS - MINIMIZAÇÃO” Essa operação mental pode ser considerada como o ato de operar conscientemente

o filtro de freqüência espacial. Quando você

imagina um pequeno telefone celular, só vê seus contornos gerais. Quando você aumenta a imagem em sua imaginação, outras partes do telefone também ficam disponíveis para a percepção. Quando você volta sua atenção para uma parte específica do telefone e o imagina em detalhes, você tende a destacar uma frequência espacial específica e aumentar sua amplitude (tamanho). Ao ampliar uma imagem, você tem a chance de destacar sub-imagens de uma imagem integral (lembre-se da analogia com os números primos 3 x 5 x 7). Quando você minimiza a imagem, você basicamente mistura as freqüências de sua montagem em uma frequência comum (analogia

com números primos: você obtém 105). OPERAÇÃO DE “ROTAÇÃO DE IMAGEM” Girando uma imagem visual em sua imaginação, você é capaz de examiná-la de diferentes lados e ângulos. Graças a esta operação, você pode destacar um grande número de suas sub-imagens de componentes de uma imagem integral. É interessante notar que, com a ajuda do treinamento, você pode conseguir uma rotação de imagem não intencional em sua imaginação. A experiência mostra que exercitar o pensamento visual quando você não está dormindo resulta na capacidade de operar as imagens que você vê nos seus sonhos intencionalmente, como nos sonhos lúcidos. Essa é uma semelhança entre o GMS® e a psicologia com o ramo da parapsicologia, já que os sonhos lúcidos controlados são um dos assuntos em parapsicologia. Mais informações estão disponíveis em uma seção especialmente dedicada do site www.Pmemory.com (ver: “Parapsicologia”). OPERAÇÃO DE “CONEXÃO DE IMAGENS” Você se familiarizou com esta operação mental na seção anterior. Vamos agora concentrar nossa atenção no principal. Começamos com a premissa de que, a qualquer momento, nossa imaginação pode unir apenas duas imagens. Essas imagens devem ser grandes, isto é, ocupar todo o volume de sua imaginação; eles também devem ser o mais detalhados possível, já que a clareza ou a natureza vívida das imagens que você vê dependem disso.

As conexões são os “gatilhos” que tornam possível eles também devem ser o mais detalhados possível, já que a clareza ou a natureza vívida das imagens que você vê dependem disso. As conexões são os “gatilhos” que tornam possível eles também devem ser o mais detalhados possível, já que a clareza ou a natureza vívida das imagens que você vê dependem disso. As conexões são os “gatilhos” que tornam possívele para você ligar o processo “Memory”. Operação “SUB-IMAGE SINGLING OUT” Essa operação mental é usada para “desconstruir” uma imagem integral em seus vários componentes e obter uma quantidade maior de imagens simples. Por exemplo, uma imagem de um “gravador de fita” pode ser desconstruída em seus componentes e cada parte representada separadamente: um botão, um regulador, um botão, uma fita, etc. OPERAÇÃO DE “MODIFICAÇÃO DE IMAGEM” Uma palavra pode corresponder a diferentes imagens visuais . Por exemplo, “uma lâmpada” pode ser representada em diferentes versões. Pode ser uma simples lâmpada elétrica, uma lâmpada de néon, uma lâmpada halógena e assim por diante. Esta operação é usada para criar uma variedade de imagens durante a memorização. As imagens podem ser usadas várias vezes para memorizar informações repetitivas. Imagens podem ser usadas para memorização de longo prazo. Nesse caso, nada pode ser memorizado sobre as imagens

ocupadas e já conectadas. É aí que uma operação de “modificação de imagem” é usada. OPERAÇÃO DE “TRANSFORMAÇÃO DE IMAGEM” Esta operação tem o mesmo objetivo que a anterior:

criação de uma variedade de imagens visuais. Um exemplo de uma imagem transformada de um “lápis”: lápis simples, lápis curto e longo, ou lápis fino e grosso, um lápis espiral (como uma broca), um lápis dobrado em um círculo, um lápis torcido em um nó, etc Quando você usa modificação e transformação, você deve entender que o cérebro presta atenção principalmente a um CONTORNO. É por isso que uma mudança na cor de um objeto não deve ser considerada uma transformação ou modificação. TAMANHOS DE OBJETOS RELATIVOS Quando memorizados, as imagens se unem em associações, em combinações de imagens visuais. Dependendo do método de memorização usado, as imagens podem ter tamanhos diferentes dentro de uma associação. Três tamanhos principais são distinguidos:

pequeno, médio e grande. Imagine um gato na sua imaginação. Esta é uma grande imagem composta de várias partes: "orelhas", "costas" e "cauda". Agora, imagine imagens de "um cubo", "uma bola" e "um parafuso". Crie as seguintes conexões em sua imaginação: “orelhas - um cubo” (um cubo nos ouvidos do gato), “uma parte de trás - uma bola” (uma bola na parte de trás do gato), e “uma cauda - um parafuso” (um parafuso no gato) rabo). Quando

você cria conexões entre as imagens em sua imaginação, você deve imaginar apenas as imagens conectadas: "orelha - cubo", "bola de trás" e "cauda - parafuso". Primeiro, olhe para o gato em geral. A imagem do gato é grande nessa associação, mas as imagens “cubo”, “bola” e “bolt” são de tamanho médio em relação à imagem do gato. Agora, encontre um pequeno detalhe na imagem do gato, digamos, uma garra. Imagine esta imagem como “grande” usando a operação “Ampliação da imagem”. Crie uma conexão “uma garra - um bolo”. Ambas as imagens devem ser grandes e ocupar todo o volume de sua imaginação. Imagine o gato mais uma vez. Nesta associação, o gato é uma imagem grande; as imagens “cubo”, “bola” e “parafuso” são de tamanho médio; e a imagem "bolo" é pequena em comparação com a imagem do gato. Observe mais uma vez que, quando você une duas imagens, as imagens conectadas devem ser grandes, independentemente de seu tamanho em relação umas às outras. Para imaginar o que deve acontecer em seu cérebro durante o aumento da imagem, imagine que a imagem do gato esteja na tela do seu computador. Para destacar as orelhas da imagem integral, você precisa escolher a parte necessária com um quadro e ampliá-la. Agora o ouvido ocupa todo o espaço livre na tela. O resto da imagem não deve ser visto na tela. Isso é exatamente o que acontece em sua imaginação

quando você destaca uma parte de uma imagem. Assim como na tela do computador, as imagens conectadas devem ocupar todo o espaço livre da sua mente, sua imaginação; o resto das imagens é deixado de fora. IMAGENS DE APOIO (ESTIMULANTES) Imagens de suporte ou estimulantes são imagens adicionais que ajudam a encontrar informações no cérebro. Deixe-me lembrá-lo da analogia com as cordas do piano. Como você encontra rapidamente a string que você precisa entre muitas strings similares? Você precisa de um diapasão sintonizado com a frequência da string. Se você apertar o diapasão e aproximá-lo das cordas, o cordão com a frequência que queremos será agitado por ressonância e começará a soar; você poderá até ver vibrando. Não há lugar preciso de localização para conexões lembradas no cérebro. Todas as conexões são sempre encontradas na mesma área - o córtex é o dispositivo que lembra tudo. A única maneira de extrair a conexão que você precisa do seu cérebro é mostrar uma das imagens anteriormente memorizadas para o cérebro. Se memorizar um ou dois números de telefone, você poderá facilmente lembrá-los sem usar nenhuma técnica especial. Mas se você memorizar dezenas de números de telefone, cada um deles codificado em uma combinação de imagens visuais, é praticamente impossível lembrá-los. A anamnese sempre acontece quando certos estímulos, que ativam o

processo de geração de informações, entram no cérebro. Os sinais de suporte (estimulantes) são simplesmente imagens visuais que uma pessoa pode lembrar facilmente na mesma ordem. Quaisquer dados memorizados são INEVITAVELMENTE fixados em imagens de suporte. Isto é verdade mesmo que você memorize apenas um número de telefone por dia, já que você terá 30 números armazenados em seu cérebro dentro de um mês. Posteriormente, ocorre a anamnese da informação, utilizando as imagens de suporte auxiliares. Do ponto de vista neurofisiológico, as imagens de suporte são FILTROS ESPACIAIS DE FREQUÊNCIA. Quando você lembra e imagina esses filtros em sua imaginação, o mecanismo para encontrar as informações necessárias em seu cérebro é semelhante ao exemplo do piano e do garfo do sintonizador. Uma imagem de suporte é uma espécie de diapasão no cérebro, com o próprio cérebro sendo semelhante a um conjunto aleatório de cordas. Como resultado de uma ressonância, as imagens de suporte localizam e produzem rapidamente a “frequência” que procuram, bem como todos os objetos previamente conectados a elas. Ao lembrar consecutivamente as imagens de suporte que você aprendeu antes, você faz seu cérebro gerar informações na ordem em que foram memorizadas. Isso permite precisão absoluta ao lembrar dados previamente memorizados. O

sistema de imagens de suporte permite mover-se livremente entre as informações contidas em seu cérebro, como se estivesse navegando por arquivos e pastas em um computador. Formar um sistema de imagem de suporte em sua memória pode ser comparado ao processo de formatação de um disco rígido de computador. Se um disco não estiver formatado, nada poderá ser gravado nele. Se a memória não tiver imagens de suporte, você não poderá memorizar e lembrar informações consecutivamente. Então, como você memorizou informações antes, já que você não tinha essas imagens de suporte em seu cérebro? A resposta é simples: você não memorizou a informação da maneira como ela é memorizada pelo cérebro, ou seja, sem falhas e em grandes quantidades. Os sistemas de imagem de suporte são baseados em uma combinação de diferentes métodos de memorização para uma seqüência de imagens. Você encontrará uma descrição mais detalhada de onze métodos de memorização para memorizar uma sequência na seção “Memorizando uma sequência”. Devido ao fato de que imagens de suporte são auxiliares, não há necessidade de produzi-las do cérebro durante a memorização. Essas imagens não precisam ser transferidas para outras pessoas. Consequentemente, o pensamento pode ser (e deve ser) totalmente desligado durante as operações com imagens de suporte auxiliar. As imagens de suporte não precisam de palavras

precisas, mesmo no nível da fala interna. A fala interna pode, é claro, ser adicionada, mas levará apenas a uma diminuição na velocidade de memorização; essa memorização não terá resultados positivos. DOIS TIPOS DE IMAGEM. Imagens visuais são divididas em dois tipos no GMS®. O primeiro é um tipo de imagem de suporte. Essas imagens não contêm nenhuma informação. Eles servem para ajudar a memorizar e lembrar informações consecutivamente, bem como para a memorização do sistema. Uma seqüência de imagens de suporte é bem fixada na memória de antemão; A anamnese de qualquer informação acontece através do sistema de imagem de suporte. O segundo tipo, associações, denota uma combinação de imagens visuais que codificam os dados memorizados: números de telefone, endereços, nomes, datas históricas e outras informações precisas. Associações e os dados codificados nelas podem ser lembrados sem usar imagens de suporte e sem percorrer todas as seqüências. Nesse caso, uma reprodução de uma associação só ocorre quando o cérebro percebe um dos elementos de associação (várias questões dos dados memorizados). Do ponto de vista do GMS®, qualquer questão é uma dica direta, uma vez que ativa AUTOMATICAMENTE a associação que contém tanto a pergunta quanto a resposta no cérebro. Nesse tipo de conexão, parece que se pode limitar seu cérebro a memorizar associações

porque elas são reproduzidas como uma reação a uma questão. Isso está incorreto. A memorização de seqüências baseada em um sistema de imagens

de suporte é necessária, devido ao fato de que as conexões criadas de novo são apagadas espontaneamente. O sistema de imagem de suporte é usado não apenas para permitir a anamnese consecutiva, mas também para permitir

a ativação uniforme compulsória de todos os dados

memorizados para AFINAR no cérebro. O conceito de "MENSAGEM DE INFORMAÇÃO". Uma mensagem de informação é um grupo de elementos de informação primária que possuem inter-relação interna. A sensação de memorizar qualquer tipo de informação é expor essas conexões em mensagens informativas e, posteriormente, memorizá-las. Uma mensagem de informação consiste em vários elementos de mensagem de informação. Não pode conter um único elemento porque não faria sentido. Uma conexão só pode ser criada se pelo menos dois elementos existirem. Aqui estão alguns exemplos de mensagens informativas: A cachoeira Angel está

localizada na América do Sul; sua altura é de 1054 metros. ? Temperatura crítica Quicksilver é 1460 graus. ? O número de telefone do cinema "Ocean"

é 337-26-00. ? John Michael Jackson ? 40 Palm

Street, apartamento # 2. ? Número da matrícula do carro pertencente a Anthony Lee Smith é l232PR. ? Batalha de Crecy ocorreu em 26 de agosto de

1346. ? O número ordinal de alumínio na tabela de elementos é 13; sua massa atômica é igual a 27. Qualquer informação precisa (sinal) pertence ao conceito de “mensagem de informação”. Se uma pessoa não puder memorizar as informações do sinal, a memorização será superficial. De que adianta uma memória incapaz de reproduzir informações precisamente? Todos os dados memorizados contêm várias mensagens informativas. Se for uma tabela das cachoeiras do mundo, memorizar essa tabela exigirá memorizar várias mensagens informativas. Se for uma lista de 50 números de telefone, será necessário memorizar 50 mensagens de informação para corrigi-lo em seu cérebro. Qualquer texto educacional (geografia, história, anatomia, farmacologia, programação, etc.) contém um grande número de mensagens informativas separadas. Em letras, praticamente não há dados precisos. Na ficção científica, um pequeno número de dados precisos geralmente está presente. A literatura científica e educacional contém a maior quantidade de informações precisas, ou seja, mensagens de informação separadas. O GMS® permite memorizar não apenas dados precisos organizados por tema (tabelas cronológicas, listas de números de telefone), mas também textos de qualquer nível de complexidade. Quanto mais difícil o material textual é do ponto de vista da memória normal, mais precisamente ele é memorizado, uma

vez que a memorização do texto é realizada de acordo com o mesmo princípio: do todo para as partes. Peças são mensagens de informação separadas. Quanto mais mensagens houver, mais

completamente o texto é memorizado. O sentido e

o objetivo da memorização são fáceis de ilustrar

com o conceito de “mensagem de informação”. Vamos ver as seguintes informações como exemplo: a cachoeira Angel está localizada na América do Sul; sua altura é de 1054 metros. O que significa “memorizar” essa mensagem? Você já sabe que o cérebro não memoriza nomes e números (nada além de conexões). A sensação de memorização é conectar PARTES SIGNIFICATIVAS (elementos) de uma mensagem informativa. No exemplo que temos, seria: Ángel, América do Sul, 1054. Devemos saber que “Anjo” está relacionado à América do Sul, não a qualquer outro continente, e ao número 1054, não a qualquer outro número. Se uma conexão for corrigida incorretamente, isso resultará em informações falsas. Quando elementos de mensagens de informação são transformados em imagens visuais

e interligados, a anamnese é possível de duas

maneiras: ou usando as imagens de suporte auxiliares que fixam todas as mensagens de informação memorizadas, ou quando um estímulo de pergunta entra no cérebro. Assim, se lhe perguntarem, “Qual cachoeira tem 1054 metros de altura?”, O número percebido ligará a imagem

correspondente em seu cérebro; as conexões criadas previamente reagirão; e outras imagens, as que codificam “Angel” e “South America”, aparecerão em sua imaginação. Se não houver dúvidas, você pode ativar intencionalmente as conexões criadas usando um sistema de imagens de suporte (estimulando). Nos exemplos de mensagem informativa acima mencionados, serão destacadas PARTES SIGNIFICATIVAS das mensagens, ou seja, ELEMENTOS sujeitos a conexão (memorização), em negrito. A cachoeira Angel está situada na América do Sul; sua altura é de 1054 metros. Temperatura crítica Quicksilver é 1460 graus. O número de telefone do cinema "Ocean" é 337-26-00. John Michael Jackson 40 Palm Street, apartamento 2. Número da matrícula do carro pertencente a Anthony Lee Smith é l232PR. Batalha de Crecy teve lugar em 26 de agosto de 1346. Número ordinal de alumínio na tabela de elementos é 13, sua massa atômica é igual a 27. • O principal método de memorização em GMS® é a criação de uma associação artificial. Associações podem conter de 2 a 6 imagens. Uma mensagem informativa é corrigida em uma associação. CRIANDO ASSOCIAÇÕES Qualquer mensagem de informação é fixada na forma de uma associação no cérebro, como uma combinação de várias imagens visuais. Em um dado momento, apenas duas imagens visuais, vistas (ampliadas) no cérebro para ocupar todo o

espaço de sua imaginação, podem ser conectadas. Imagine uma melancia pendurada no ar a um metro de distância de você. Imagine todas as imagens tão grandes quanto essa melancia ou ainda maiores. Uma ilustração de como você deve criar uma associação artificial é fornecida nas imagens. Vamos imaginar que precisamos conectar quatro imagens em uma única associação: um boné, um cubo, um sorvete e um caderno. Precisamos escolher uma BASE DE ASSOCIAÇÃO usando essas imagens. A BASE DE ASSOCIAÇÃO é uma imagem grande que representa a parte principal da mensagem informativa que estamos tentando memorizar. Códigos figurativos não podem ser uma base de associação. Outras imagens serão ELEMENTOS DE ASSOCIAÇÃO. ELEMENTOS DE ASSOCIAÇÃO são outras imagens que representam o resto dos elementos da mensagem informativa. Normalmente, estes são códigos figurativos diferentes (números, nomes de meses, dias da semana, sobrenomes, etc.). Em relação à base de associação, os elementos de associação são imagens de TAMANHO MÉDIO. Neste caso, TRÊS CONEXÕES SEPARADAS devem ser criadas. Para fazer isso, as imagens necessárias são unidas na imaginação e são mantidas juntas por cerca de 3-6 segundos. Após a criação consecutiva de três conexões, precisamos imaginar a associação como um todo. Imagens que representam a mensagem de informação estão

diretamente ligadas a ela. Preste atenção ao fato de que a criação de associações é um registro direto de informações (conexões) no cérebro. Abaixo está uma representação esquemática de uma associação artificial que será usada para ilustrar diferentes técnicas de memorização. Quando você precisar memorizar não apenas conexões, mas também suas ordens, isso será simples de fazer. Os elementos de associação são sempre “pendurados” em uma base de associação na mesma direção: da esquerda para a direita, de cima para baixo, como geralmente escrevemos ou lemos. Recomenda-se criar conexões consecutivamente em todos os momentos, mesmo que a ordem de conexão não seja importante para

a memorização. REGRAS PARA CRIAR

CONEXÕES. Representações visuais devem ser

simples e precisas. Você deve aprender a ver as imagens da forma mais precisa possível no espaço imaginado dentro de um metro ao seu redor. Se seus olhos estão abertos ou fechados neste momento não é importante. Aqueles que aprendem

a usar o GMS® preferem criar conexões entre

imagens com os olhos abertos e fixos em uma superfície monótona. As imagens produzidas devem ser grandes o suficiente, mas também devem estar ajustadas para ampliar (aumentar o zoom) ou minimizar (diminuir o zoom). Se você vinculou uma imagem a alguma parte de outra imagem, não poderá vincular uma terceira imagem

a essa parte. Neste caso, a imagem anterior será apagada da memória (consulte “Efeito de apagamento da associação” para mais detalhes). As imagens devem ser conectadas de tal forma que possam ser circundadas por uma linha contínua. Em outras palavras, as imagens devem ter pontos comuns entre si. Se as imagens são difíceis de conectar, você deve tentar ajustá-las usando operações mentais como rotação, ampliação ou minimização, modificação ou simplificação. Você pode conectar qualquer imagem em sua imaginação. Todas as partes devem estar claramente visíveis em uma associação criada por você. Você não pode esconder uma imagem atrás ou dentro de outra. Ao criar uma conexão, as imagens podem estar constantemente em movimento em sua imaginação. Após as imagens terem sido conectadas, interrompa as manipulações mentais com elas e fixe sua atenção na imagem obtida. O tipo de foto que você adquire (engraçado - triste, burro - inteligente, gentil - mal etc.) não tem nenhum impacto no processo de memorização. O cérebro só reage às conexões. O cérebro distingue apenas um contorno geral. O QUE É A BASE DE ASSOCIAÇÃO ESCOLHIDA? A base de associação é uma imagem grande com partes conectadas a outras imagens de associação de tamanho médio. Uma imagem que é uma base de associação é uma imagem em que as partes mais significativas da mensagem memorizada são

codificadas. Por exemplo, quando você memoriza um número de telefone do cinema “Palmeira”, 301- 90-83, você certamente levará a imagem da palmeira como a base da associação. Outras imagens que representam os dígitos do número de telefone serão elementos dessa associação, de tamanho médio. Códigos figurativos (imagens visuais fixas que representam elementos altamente comuns, ou seja, números, nomes, nomes de meses, dias da semana, etc.) nunca devem ser usados como uma base de associação. Toda associação criada deve sempre ter uma base de associação que esteja em conformidade com esses conceitos principais. A associação é montada em uma base de associação como se fosse semelhante ao uso de uma estrutura. Outras imagens de associação são conectadas com imagens que são partes (sub-imagens) da base de associação. A técnica de criação de conexão, ao destacar uma base de associação, permite a memorização das mesmas imagens visuais várias vezes. No entanto, eles nunca são misturados e são lembrados perfeitamente. Por exemplo, o número 26 (uma fita) pode estar presente em dezenas de números de telefone e ter conexões com dezenas de imagens diferentes. Qualquer outro método de criação de conexão de imagem não possibilita a memorização de informações com elementos repetidos com freqüência. Devemos observar aqui que somente o entendimento dos

princípios de fixação da conexão de memória elétrica permite a utilização da técnica correta de memorização para memorizar informações com elementos repetidos com frequência (por exemplo, números de dois dígitos são freqüentemente encontrados em números de telefone europeus). Uma sequência de associações é lembrada por sua base. Apenas duas variações são possíveis aqui:

ou as bases de associação são conectadas com imagens estimulantes adicionais ou as bases de associação são conectadas diretamente umas às outras. CÓDIGOS FIGURATIVOS E MEMORIZAÇÃO DE VELOCIDADE Elementos de qualquer mensagem informativa devem ser transformados em imagens visuais simples e fáceis de usar antes que a memorização possa ocorrer. A transformação do elemento de mensagem de informação em uma imagem visual é realizada por meio de um processo chamado codificação. A velocidade de memorização depende da velocidade de codificação. Aqueles que acabaram de começar a estudar o GMS® encontram inúmeras dificuldades durante o estágio de codificação. Códigos figurativos diferentes permitem aumentar a velocidade de memorização de diferentes tipos de informação. • As principais funções dos códigos figurativos são eliminar um longo estágio de codificação no processo de memorização e permitir uma maior velocidade de memorização de informações. Como você já sabe, diferentes tipos

de informações geralmente consistem em elementos idênticos, com esses elementos sendo repetidos muitas vezes. Por exemplo, ao memorizar números de telefone, você o fará com uma alta frequência de números de dois ou três dígitos. Se, toda vez que você memorizar, você procurar novas imagens visuais para esses números de dois e três dígitos, o processo de memorização será demorado e extenuante. É muito melhor encontrar uma imagem para cada número de dois e três dígitos apenas uma vez, aprenda-os de cor e utilize as mesmas imagens ao memorizar os números correspondentes. • Um código figurativo é uma imagem visual confortável que representa um elemento repetitivo de informação. Os seguintes elementos de mensagens informativas pertencem à categoria de códigos figurativos no GMS®:

Números de dois dígitos (00 - 99); ? Números de três dígitos (000 - 999); ? Nomes de meses (janeiro, fevereiro, março, etc.); ? Dias da semana (segunda, terça, quinta…); ? Letras do alfabeto

Inglês (A, B, C

)?

Nomes (James, Robert, John

)?

Nomes de assunto (álgebra, geometria,

história, física…); ? Sinais de transcrição (transcrição fonética internacional); ? Sons do alfabeto da sílaba (hiragana japonesa); ? Seno, cosseno, tangente, mais, menos… (ao memorizar fórmulas matemáticas); ? Valores constantes (constante de Avogadro, constante de gravidade, etc. )? Unidades de medida (polegadas, pés,

jardas, milhas ou centímetros, metros, quilômetros

? Nomes geográficos (continentes, países,

);

estados, cidades e vilas

figurativos também podem ser formados. Não há necessidade de aprender todos os códigos de uma só vez. A maioria dos códigos mencionados é introduzida gradualmente, de acordo com a frequência de um elemento na informação memorizada. Ainda assim, existem aqueles códigos figurativos que são absolutamente essenciais para aprender antes que você possa começar a usar a maioria das técnicas GMS®. Estes são os códigos figurativos de números de dois dígitos (de 00 a 99). É obrigatório aprendê-las de cor e dominá-las a um nível de automação (reflexo). Outros códigos figurativos podem ser aprendidos gradualmente, usando o livro de referência do código figurativo ou inventando-os de acordo com as regras acima mencionadas. REGRAS PARA O MANUSEIO DE CÓDIGOS FIGURATIVOS Códigos figurativos não devem se repetir. Todo código de imagem é único. Códigos figurativos devem ser corrigidos. Cada elemento deve sempre ser representado com a

mesma imagem visual. Por exemplo, o número 26 é designado com uma imagem de “fita”. Isso lhe dará a possibilidade de encontrar informações que contenham elementos idênticos em seu cérebro instantaneamente. Você será capaz de lembrar todos os eventos que se referem a uma data específica ou todos os números de telefone que

).

Outros códigos

contenham o número "26". Você deve sempre imaginar a imagem da "fita" de forma idêntica. Códigos figurativos nunca devem ser uma base de associação - este é um erro de memorização muito comum. Nada é registrado em códigos figurativos. Códigos figurativos são sempre elementos de uma associação. Códigos figurativos são registrados em uma base de associação. Os códigos figurativos NÃO DEVEM SER CONECTADOS EM SI. Isso leva à autodestruição de informações já no estágio de memorização. Assim, você não deve memorizar um número de telefone ao conectar consecutivamente imagens que representam números (outro erro comum). Os códigos figurativos são sempre memorizados por meio de uma imagem intermediária. Geralmente, esta é uma base de associação. Se uma mensagem informativa não contém um elemento que pode ser uma base de associação (por exemplo: para números), então uma base de associação é introduzida de forma compulsória - qualquer imagem aleatória. Se códigos figurativos estão presentes na informação textual, então, no processo de memorização desses textos, os códigos figurativos são memorizados separadamente (técnica combinada: “técnica de retorno”). Qualquer código figurativo pode representar uma imagem visual aleatória. Portanto, você pode pegar milhares de imagens aleatórias e enumerá-las com seus códigos figurativos (de 001

a 999). Como resultado, você terá um sistema

estruturado de imagens. Você só pode memorizar outras imagens sobre códigos figurativos na fase de execução de exercícios especiais (a menos que você precise de uma memorização de longo prazo). COMO REGULAR O PROCESSO DE MEMORIZAÇÃO O processo de memorização é totalmente controlado. Você pode memorizar com precisão de 100% ou não memorizar a todos; memorize por algumas horas ou para sempre; você pode apagar os dados memorizados e sobrescrevê-los. Você pode ver como regular o processo de memorização na tabela abaixo. Vamos imaginar que você precisa memorizar uma matriz de números aleatórios de dois dígitos. 25 47 38 56

47

68 57 69 39 46 58 79 36 47 12 98 46 37 04 27

40

98 47 12 42 59 54 Ação Resultado

Simplesmente observe os números. Os últimos 5-7 números serão memorizados e serão esquecidos em poucos minutos. (Eles são memorizados devido

à alta inércia do analisador de voz - a chamada “memória de eco”). Transforme números em imagens e memorize sua ordem. Todos os

números serão lembrados; em cerca de uma hora,

a maioria deles será perdida (apagamento

espontâneo de conexões). Repita os números memorizados algumas vezes, extraindo-os da memória. Ou seja, tente lembrar-se deles. Os números são armazenados por um longo período (cerca de 6 semanas com uma fixação repetida

após 3-4 dias). Conecte os números a um sistema de imagens de suporte e garanta sua lembrança periódica (pelo menos uma vez a cada dois meses). Os números estão disponíveis para lembrar a qualquer momento. Armazenamento vitalício. Quando você simplesmente visualiza as informações (digamos, uma lista de números de telefone), você não as memoriza. Para que seja memorizado, você transforma os dados em forma de imagem e cria associações. Memorização é um processo ativo que exige atenção e esforço de pensamento. Depois de memorizar os dados em um formulário de imagem, ele será armazenado em sua memória por algum tempo. Se você não retornar a ele, será apagado. Se você repetir / revisar as informações, elas serão armazenadas por um longo período. EFEITOS MNEMOTÉCNICOS As regularidades do funcionamento da memória tornam-se óbvias quando se usa o sistema GMS® para memorizar. O conhecimento dessas regularidades permite evitar erros durante a memorização e torna o processo mais eficaz. EFEITO DE ERASE DE ASSOCIAÇÃO Isto é expresso de duas formas: Primeiro, quando uma associação criada não é ativada, ela é apagada espontaneamente. Assim, conexões criadas apenas uma vez começam a desconstruir após cerca de uma hora. Este efeito permite a realização de um grande número de exercícios de treinamento. Todos os dados memorizados

(conexões) são automaticamente apagados. Em segundo lugar, apenas uma conexão pode ser criada com uma imagem. Se você puder memorizar 60 números aleatórios em 60 objetos de suporte e, no dia seguinte, memorizar outros 60 números nas mesmas imagens, você não se lembrará dos primeiros. Se você quiser mais detalhes sobre este efeito interessante, você precisará examinar o esquema de criação de conexão elétrica. O ponto é que as conexões anteriores não são apagadas; eles simplesmente ficam indisponíveis para lembrar. Na realidade, uma imagem pode ser conectada a dezenas de outras imagens. No entanto, para ler essas conexões, você precisará usar técnicas especiais de memorização e anamnese. Para ler estas múltiplas conexões de uma imagem, uma técnica de associação especial para destacar uma base de associação (a técnica principal do sistema atual) e a técnica de memorização de “Matriz” foram desenvolvidas. Mesmo assim, o efeito de apagamento espontâneo permanece em vigor e os dados memorizados devem ser fixados na memória. A informação é apagada espontaneamente ou sob a influência de outras informações no cérebro. O efeito é fácil de observar ao memorizar 30 ou mais unidades de informação. Este efeito é usado no curso de estudo GMS®. Como resultado desse efeito, é possível memorizar novos dados em exercícios conectando- os a uma das mesmas imagens de suporte. A

informação anterior é apagada. Para uma memorização de longo prazo, você precisa manter esse efeito em mente - e evitar usar imagens de suporte já ocupadas. A CADEIA ASSOCIATIVA QUE TORNA O EFEITO Este efeito é observado durante a anamnese. Se, durante o processo de memorização, uma pessoa estiver distraída, ela não será mais capaz de lembrar o local onde parou e, portanto, precisará voltar ao ponto inicial da sequência. Às vezes, flashes rápidos de imagens podem ser vistos na imaginação quando uma pessoa é perturbada. A cadeia de imagens, depois de ter revolvido, pára na última imagem. Durante uma memorização atrasada, depois de um ou dois meses, (se uma pessoa não teve o objetivo de repetir as coisas intencionalmente), quando uma pessoa se lembra da primeira palavra de uma cadeia, as duas ou três primeiras palavras são geralmente lembradas também, com apenas algumas das últimas palavras. Outras imagens em cadeia nunca são lembradas novamente (mesmo quando é dada uma dica). Enquanto isso, após a memorização, um aluno pode reproduzir o conjunto de imagens (60-100) sem esforço. Este efeito é um pouco semelhante ao descrito no livro “Efeito de Borda” de H. Ebbinghaus. Neste caso, é observado durante a memorização atrasada. Na minha opinião, a importância do efeito é muito mais significativa do que geralmente se acredita. Isso pode dificultar a memorização intencional, uma vez

que uma exclusão das imagens gravadas anteriormente ocorre. O efeito de apagamento é fácil de neutralizar, no entanto. Quebrar uma sequência de informações em pequenos pedaços de não mais de 5 imagens em cada, em vez de memorizar longas sequências de imagens, é suficiente. No “Sistema de Memorização Giordano”, a memorização de sequências longas não é usada. O principal método de memorização é criar associações. Em uma associação, qualquer sequência é limitada a duas imagens. O cérebro não sacrifica informações em vão. Acredito que esse efeito seja um dos mecanismos que ajuda o cérebro a formar automaticamente programas de reação desligada (como o tipo “Se… então…”). Os links intermediários entre “if” e “then” são apagados para acelerar a reação de resposta. Graças a esse mecanismo, o cérebro pode formar construções (J.Kelly's theory ofPersonality Constructs) que se organizam em sistemas de construção hierárquicos complicados e, basicamente, compreendem um programa de reação global pelo qual uma pessoa constrói seu comportamento de acordo (conscientemente e inconscientemente). ). Eu também acho que a parte principal de recusar as cadeias associativas é realizada pelo cérebro durante o sono. A compressão ocorre em todo sistema analítico separadamente; é um fato bem conhecido que, durante o sono, tanto os analisadores de fala como os visuais são

separados e funcionam separadamente - os pensamentos serpenteiam e se misturam quando uma pessoa adormece). O cérebro mostra os resultados da compressão da informação como sonhos. Uma das nossas funções de sonho pode ser a gravação da informação “arquivada” no cérebro. EFEITO DA PRIMEIRA IMAGEM Dúvidas sobre a escolha da imagem aparecem frequentemente durante a memorização. O correto é geralmente o primeiro a aparecer, mesmo que você tenha certeza de que é uma imagem incorreta. EFEITO DA ANAMÉSIA IMEDIATA Primeiro, a informação é captada pelo cérebro como uma combinação de imagens visuais. Mais tarde, se você usar o método de repetição ativa, os dados memorizados serão lembrados na forma em que foram percebidos quando memorizados pela primeira vez. É extremamente importante obter esse efeito ao estudar línguas estrangeiras e seus sistemas de sinais. EFEITO DA ANAMÉSIA ASSOCIATIVA Este efeito é fácil de observar:

torna-se evidente no fato de que uma imagem percebida instantaneamente faz com que informações adicionais apareçam, de acordo com as conexões criadas anteriormente. A possibilidade de lembrar todas as mensagens informativas que contêm um elemento estimulador (por exemplo, o número 35) também deve estar relacionada a esse efeito. O GMS® demonstra que a memória humana funciona de acordo com um princípio: “Estímulo -

Reação”. Uma reação a um estímulo pode ser uma imagem separada, uma associação ou um pequeno programa, isto é, uma seqüência de reações, como uma frase. CARACTERÍSTICAS DO PROCESSO DE MEMORIZAÇÃO. VELOCIDADE DE MEMORIZAÇÃO. Este é o tempo médio gasto na memorização de um elemento de informação (criação de uma conexão). Se você memorizou 40 números em 4 minutos, sua velocidade de memorização é igual a 6 segundos por um número de dois dígitos memorizado como uma imagem. LEMBRANDO (ANEMNÉSIA) VELOCIDADE. Esta é a velocidade média de lembrar informações. Se você conseguir reproduzir 40 números em 1 minuto, sua velocidade de lembrança (anamnese) será de 1,5 segundo por número. A informação memorizada pode ser lembrada muito rapidamente, muito mais rapidamente do que é memorizada. QUALIDADE DE MEMORIZAÇÃO Essa característica reflete a quantidade de respostas corretas que você dá imediatamente após a memorização. Se você se lembra de 90 números de 100, sua qualidade de memorização é igual a 90%. VOLUME DE MEMORIZAÇÃO. Esta é a quantidade de informação que você pode memorizar de uma só vez, sem interrupções. Por exemplo, se você memorizou 60 números com três tentativas, seu volume de memorização é igual a 20. O volume de memorização é semelhante a flexões. Obviamente, somente o número de flexões

feitas em um conjunto tem algum significado, não a soma de todas as flexões que você faz durante um dia. CONFIABILIDADE DE MEMORIZAÇÃO. Este

é o número de respostas corretas que você dá

após um considerável período de tempo após a memorização - por exemplo, 2 meses. A confiabilidade da memorização reflete sua capacidade de armazenar informações no cérebro. Se você reproduzir todas as palavras estrangeiras que precisa saber em um exame de língua

estrangeira, receberá um "A." No entanto, isso não importará, pois você provavelmente esquecerá tudo

o que sabia no exame em alguns dias, a menos

que você saiba como anexar as novas informações. QUATRO ESTÁGIOS DE MEMORIZAÇÃO. O processo de memorização é dividido em quatro etapas no GMS: codificação, memorização, memorização da ordem de informação e fixação. CODIFICAÇÃO. Qualquer mensagem informativa que você memorize consiste em elementos. Para conectar elementos de uma mensagem de informação, cada elemento deve ser transformado em uma imagem visual. Por favor, note que a codificação da informação em imagens visuais NÃO equaciona a memorização. É apenas um estágio preliminar de memorização. A codificação de elementos de mensagem informativa em imagens visuais é obtida por meio de vários métodos de codificação que são descritos detalhadamente na seção “Técnicas de

codificação”. Você também verá vários métodos familiares entre os descritos na seção. Durante anos, você pode tê-los usado para memorização com frequência, mesmo sem perceber que você usa os elementos da técnica GMS®. Por exemplo, digamos que você precise transformar as seguintes informações: “A batalha de Crecy ocorreu em 26 de agosto de 1346” em imagens. Você precisa destacar as partes das informações que precisam ser transformadas em imagens: Crecy, 346, 26, agosto - apenas quatro elementos. Eles são transformados nas seguintes imagens visuais: um caranguejo fofo, uma víbora de bronze, uma fita e mostarda (de acordo com o sistema de códigos figurativos aceitos neste sistema de memorização). Agora a informação está preparada para ser memorizada, e você pode passar para a próxima etapa - a própria memorização. MEMORIZAÇÃO. Memorização é a criação de conexões entre elementos de uma mensagem informativa. Quando você transforma elementos em imagens visuais, tem a chance de realizar gravações diretas dessas conexões, já que as imagens visuais são fáceis de conectar diretamente na sua imaginação. Antes de conectar imagens à sua imaginação, você precisará destacar uma base de associação. O código figurativo não pode ser usado como uma base de associação. Entre os elementos memorizados, os códigos figurativos são: 346, 26, agosto. Apenas a imagem “caranguejo” é deixada e é a imagem que

devemos tomar para a base da associação. Imagine um caranguejo em sua imaginação. Destaque suas três partes: garra, cabeça e casca. Em seguida, você deve criar consecutivamente três conexões separadas: “garra + víbora de bronze”, “cabeça + fita” e “casca + mostarda”. Depois de criar três conexões separadas, imagine a associação integral. Na associação, o “caranguejo” é uma imagem grande; o restante das imagens é de tamanho médio quando comparado à imagem de "caranguejo". A informação é memorizada. Qualquer uma dessas imagens de associação irá desencadear a lembrança de toda a associação em sua imaginação. De acordo com os padrões “Giordano Memorization System”, é preciso 18 segundos para criar três conexões (6 segundos por cada conexão). MEMORIZAÇÃO DE SEQUÊNCIAS. Vamos supor que você precise memorizar não apenas uma única data histórica, mas uma tabela cronológica contendo 50 datas. Consequentemente, você terá que criar 50 associações separadas. É praticamente impossível lembrar essa quantidade de associações sem uma dica (uma pergunta). Além disso, se você não se lembra deles regularmente, eles serão apagados; isto é, as conexões que você criou serão dessincronizadas gradualmente. Você se lembrará do "caranguejo", mas não conseguirá lembrar o restante das imagens conectadas a ele. É por isso que a fixação da sequência de associação é o

próximo estágio obrigatório de memorização. A sequência de associação é fixada de duas maneiras: 1. Cada base de associação (o “caranguejo” no nosso caso) está conectada a uma imagem adicional de suporte (estimulante). Consequentemente, para consertar 50 associações, você precisará de 50 imagens de suporte, cuja sequência você memoriza sem erros. 2. Base de associação pode ser conectada diretamente a outra base. Nesse caso, está formando um BLOCO DE INFORMAÇÕES. Um bloco de informações é um grupo de dados monotípicos coletados “em uma pilha” e fixados em uma imagem de suporte. As associações são conectadas diretamente em um bloco de informações, de acordo com sua base (imagens grandes). Quando você conecta cada associação a uma imagem de suporte, será possível lembrar de todas as datas históricas que você memorizou sem sugestões e na ordem correta. Para isso, você precisará lembrar consecutivamente as imagens de suporte que aprendeu de cor, então eles vão "puxar" as associações criadas que codificam datas históricas específicas para fora da sua memória. FIXAÇÃO DA CONEXÃO NO CÉREBRO. Quando você conecta imagens visuais, a memória elétrica é utilizada. Essas conexões são criadas rapidamente, mas também são desconstruídas com a mesma rapidez em seu cérebro. Para armazenar informações no cérebro, as conexões criadas

precisam ser ativadas - processadas intencionalmente na imaginação de acordo com um sistema específico. Essa técnica de fixação de informações é chamada de “Método de Repetição Ativo” no GMS®. Ele será examinado na seção “Fixação de Informações”. Depois de corrigir as informações, os dados serão armazenados em seu cérebro. Você é capaz de lembrá-los não apenas consecutivamente, mas também de forma seletiva, sem ter que percorrer todas as informações. Qualquer pergunta sobre os dados previamente memorizados ajudará você a lembrar da associação completa em sua imaginação. Por exemplo, se você for perguntado: "O que aconteceu no dia 26?", Você será capaz de responder instantaneamente: a batalha de Crecy aconteceu no dia 26 de agosto de 1346. Você também poderá lembrar de todas as outras datas conectadas. para

o dia 26, se essas datas foram fixadas em seu

cérebro. O estágio de codificação é o mais longo e

o mais difícil de todos os estágios de memorização

descritos. Sua velocidade de memorização depende da velocidade da codificação de informações em imagens visuais. A habilidade de codificar em imagens visuais é treinada e rapidamente se torna automática. É por isso que você não deve sentir pena do tempo gasto na execução de exercícios que ajudarão a automatizar

a habilidade de codificação para diferentes tipos de dados. A seção “Técnicas de codificação” é

totalmente dedicada a este tópico. PARTE 4:

CODIFICAÇÃO DE TÉCNICAS O CÓDIGO ALFANUMÉRICO (AC) O código alfanumérico no GMS® é usado para transformar números de dois e três dígitos em palavras. Cada cifra é representada por consoantes: 1 - N, 2 - THZ, 3 - B, 4 - WVK, 5 - FR, 6 - JPX, 7 - SD, 8 - GQL, 9 - C, 0 - M O número 25 é assim codificado da seguinte maneira: 25 - THZ FR. O número 390 é codificado com uma combinação de letras: BC M. Você deve então encontrar as palavras que representam as imagens visuais pelas consoantes que também são fáceis de memorizar: 35 = B FR = BeeR. SELEÇÃO DE PALAVRA COM BASE DE LETRAS CONSONENTES. Depois de ter transformado um número de dois ou três dígitos em uma combinação de letras consoantes, você precisa escolher a variante entre todas as combinações possíveis que permitem criar uma palavra contendo todas as letras necessárias. Letras significativas devem ser as primeiras em uma palavra. O resto das letras é ignorado. 25 = THZ FR - HR = HaRe 828 = GQL- THZ-GQL = GZL = GaNeL 444 = WVK-WVK-WVK = WaVe De Madeira Você pode frequentemente encontrar uma combinação que torne impossível criar uma palavra apropriada. Diga, WVK-WVK- WVK (444). Neste caso, você precisa encontrar uma imagem visual representada por duas palavras - um adjetivo e um substantivo. Abaixo, a primeira letra do adjetivo e as duas primeiras letras do

substantivo serão significativas. 444 = WVK-WVK- WVK = WaVe de madeira. 470 = WVK-SD-M = Madeira SaMurai. Em casos raros, quando aparece uma combinação de letras consoantes absolutamente inconveniente, os métodos de codificação não padrão são aceitáveis. Tais imagens devem ser simplesmente aprendidas de cor. 502 = FR-M-THZ = REMOVER NÚMEROS DE TRANSFORMAÇÃO PARA IMAGENS. Quaisquer dados numéricos devem ser transformados em uma imagem visual antes de serem memorizados. Isto é realizado usando um código figurativo. Uma palavra é escolhida de acordo com os números correspondentes, uma palavra que resulta em uma imagem conveniente para a memorização ocorrer na imaginação. Transformando números de 01 a 09 em imagens: nesses casos, “0” é ignorado durante

a memorização e é adicionado somente no estágio de memorização. O ponto é que números de um dígito são praticamente nunca encontrados em memorização. Assim, se você memorizar um número de telefone: 356-09-90, precisará memorizar 09 ou 90. (0) 1 = 1 = N = Nariz = a

imagem visual de um nariz (0) 4 = 4 = WVK = Wvk

= W = Baleia = a imagem visual de uma baleia (0) 9

= 9 = C = Biscoito = o imagem visual de um cookie Transformando números de 10 a 99 em imagens 10

= NM = aNiMal = a imagem visual animal 35 = B FR

= B fR = BR = BeeR = a imagem visual da cerveja Transformando números de 000 a 999 em imagens

006 = MM -JPX = MM jPx = Maple de mármore 228

= THZ-THZ-GQL = tHz thZ gqL = HaZeLnut 238 =

THZ-B-GQL = Thz B gqL = TaBe 612 = JPX-N-THZ

= jPx N Thz = PaNTies O processo de transformar

números de dois e três dígitos em imagens visuais é demorado e requer muito esforço. É por isso que os alunos usam o “Livro de referência de códigos figurativos”, que fornece código figurativo para cada número de dois e três dígitos, além de todas as letras do alfabeto inglês, nomes dos meses e dias

da semana. O livro de referência fornecido pela School of Phenomenal Memory® é único. Criado por Ruslans Mescerjakovs, fundador da Escola de Memória Fenomenal, é a única lista de códigos de imagem para números de três dígitos oferecidos em inglês hoje. CÓDIGOS FIGURATIVOS PARA NÚMEROS DE DOIS DÍGITOS (00-99) Cada número de 01 a 99 é conectado a uma palavra correspondente de acordo com um código figurativo. Zero em números de 01 a 09 não é codificado em letras. Esses números são correspondentemente lembrados como 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8 e 9. O zero é adicionado durante a anamnese. 01 = 1 = N = Nariz, mas 10 = NM = eNeMa 02 = 2 = THZ = tHz = Cabelo, mas 20 = TBZ-M = Tbz M = aTM Em outros números de 10 a 99, ambas as cifras são codificadas: 45 = WVK-FR

= Wvk fR = WR = WeRewolf 99 = CC = CaCao Aqui

estão algumas regras para o uso de códigos figurativos para números de dois dígitos. ? Ao

memorizar números de telefone, apenas o segundo e o terceiro números são memorizados por códigos figurativos de dois dígitos: 365-99-45. ? Números de quatro dígitos são memorizados dividindo-os em

dois números de dois dígitos: a altura da cachoeira Angel é de 1054 (10 + 54) metros. ? Ao memorizar datas precisas com esses códigos, o dia de um mês é lembrado: a batalha de Crecy aconteceu em

26 de agosto de 1346.? Ao memorizar endereços,

os códigos figurativos ajudam a memorizar um número de uma casa, um bloco e um apartamento:

Ocean Street, 19, bloco 3, apartamento 89.? Uma longa série de números é memorizada dividindo-se em números de dois dígitos:

34762387549864758358 = 34 - 76 - 23 - 87 - 54 -

98 - 64 - 75 - 83 - 58.? Códigos figurativos de

números de dois dígitos, como qualquer outro código figurativo, não devem ser conectados uns aos outros. Isso leva à destruição da conexão (o efeito de apagamento da associação). Por exemplo, se você memorizar consecutivamente as

imagens 54 - 43 - 54 - 87 - 32 - 54 - 65 - 43 - 54 -

87 - 64

vermelho será esquecida, você se lembrará da última conexão com a imagem de 54: 54 - 87 - 64… Pela mesma razão, é impossível memorizar consecutivamente números de um número de

telefone. Se algum número se repetir, as conexões recém-criadas irão destruir as anteriores. 356 - 34 -

, a parte da seqüência escrita em

em vermelho serão reproduzidos incorretamente, porque serão sobrescritos pela última conexão - 34 - 23. O efeito de apagamento da associação (assim como outros) é observado ao tentar memorizar uma grande quantidade de informações e durante a anamnese tardia. Isso pode ocorrer, por exemplo, quando memorizar uma sequência de 50 números de dois dígitos (dentro do tempo de 50 - 6 segundos = 300 segundos = 5 minutos) e quando a percepção repetida não for permitida. CÓDIGOS FIGURATIVOS PARA NÚMEROS DE TRÊS DÍGITOS (000-999) Preste atenção ao fato de que

a codificação de números de três dígitos em

códigos figurativos também começa com zero: 01 = N = Nariz 001 = MMN = eMúsculo de MaNdarin 02

= THZ = tHz = H = Cabelo 002 = MM-THZ = MM

Thz = iMage da MeaT Em códigos figurativos de números de três dígitos, todos os números são codificados - sem exceção. Existem 1000 imagens meticulosamente escolhidas na lista que define o código figurativo. Abaixo estão alguns exemplos de códigos figurativos com três dígitos: Um ano em datas históricas: 15 de junho de 1389 - batalha no

campo de Kosovo (389 - uma imagem visual de um Blackberry). Datas de vida das pessoas famosas:

Newton (1643 - 1727) - códigos figurativos são JaWBone e SHoeString. Memorização do número da placa do veículo: l 244 código indicativo é HaWK. Memorização da sequência numérica:

019025 = 019 - 025 = MoNoCle - MeTeoR.

Memorização de números de três algarismos em um número de telefone: 8 - 911 - 735 - 65 - 35 - códigos figurativos são CaNNon e sabre. Memorização de artigos em Códigos Criminais e Civis. Memorização de quaisquer outros dados numéricos. Os códigos figurativos com números de três dígitos, como qualquer outro código figurativo, são proibidos de serem conectados uns aos outros, pois isso levará ao apagamento de outros dados. UMA SEQÜÊNCIA NUMÉRICA ENCODING EM IMAGENS Qualquer sequência numérica é considerada como uma mensagem informativa e deve ser dividida em elementos de números de

dois e três dígitos. 5 1 0 4 7 0 4 5 7 5 4 2 510 + 470

+ 457 + 542 oRNaMento + madeira SaMurai +

oVeRShoe + RiVeT 5 1 0 4 7 0 4 5 7 5 4 2 51 + 04

+ 70 + 45 + 75 + 42 FiN + Baleia + DoMino +

WeRewolf + DRagon + WaTermelon Se o número de numerais em um conjunto for desigual, esse conjunto será dividido em uma combinação de números de dois e três dígitos. Ao memorizar, deve-se sempre tentar minimizar o número de elementos na informação memorizada; é por isso que dividir um array numérico em três dígitos é mais racional e preferível. Quebrar uma matriz de números em números de um ou quatro dígitos é sem sentido. No primeiro caso, você só obteria dez imagens que correspondessem a dez números. Isso resultaria em alta frequência das mesmas imagens em associação, o que, por sua vez,

tornaria quase impossível memorizar informações numéricas. No segundo caso, a escolha de palavras apropriadas torna-se extremamente complicada. É quase impossível encontrar uma palavra que corresponda a quatro números. Você precisaria criar mais de 10.000 palavras, e esse número de imagens de palavras simplesmente não existe em nenhum idioma. Você também deve ter em mente que, para codificar números, apenas substantivos simples são adequados, como “mapa”, “lápis” e “ferro”. Outras palavras, como “correr”, “confortável” e “surpreendente”. , ”Não são convenientes para codificar números. Tais palavras exigem uma transformação extra porque elas mesmas precisam ser transformadas em imagens simples e fáceis de memorizar. CÓDIGOS FIGURATIVOS PARA OS NOMES DOS MESES Os códigos figurativos para os nomes dos meses são escolhidos usando o método de Simbolização ou o método Conexão à Informação Familiar. Esses códigos figurativos são usados para memorizar os nomes dos meses em datas precisas, bem como em algumas outras técnicas. Por exemplo, na técnica “Calendário”, a fixação de eventos de cada dia na memória torna possível memorizar datas por eventos e eventos por suas datas. 01 JaneiroChampanha (31 Dezembro) 02 Fevereiro Urso Polar (Dia Nacional do Urso Polar) 27 de fevereiro 03 de março Ovos (Páscoa) 27 de março 04 de abril Queda 05 de maio Memorial da Guerra

Civil (Memorial Day) 30 de maio 06 de junho Bandeira americana ) 14 de junho 07 de julho Fogo de artifício (Dia da Independência) 14 de julho 08 de agosto Mostarda (Dia Nacional da Mostarda) 6 de agosto 09 de setembro Transferidor (01 de setembro de escola) 10 de outubroIce (primeiro gelo aparece) 11 de novembro Boneco de neve (primeira neve cai) 12 de dezembro Árvore de Natal A presença de códigos figurativos por meses em uma associação permite instantaneamente entender que tipo de informação está codificada na conexão da imagem. Obviamente, se uma associação que você vê tiver o código figurativo de um mês, essa é uma data precisa, um horário ou um feriado. • Você não pode representar meses com códigos figurativos de números de dois dígitos (01-12) - isso leva a confusão ao lembrar e é um erro muito grave. CÓDIGOS FIGURATIVOS DA WEEKDAY Os códigos figurativos dos dias úteis são úteis para memorizar diferentes horários e horários. Por exemplo: currículo escolar ou universitário, horário de treinamento, horário de ônibus, etc. Esses códigos figurativos podem ser usados para memorizar seus próprios planos para a semana. Deixe-me lembrá-lo de que a informação pode apagar espontaneamente em seu cérebro; Isso permite que você edite horários em seu cérebro, como faria em um arquivo de computador ou em um organizador eletrônico. Um horário que se tornou inútil será apagado automaticamente,

simplesmente porque você não o usa mais. Os códigos figurativos do dia da semana são escolhidos de acordo com as abreviações conhecidas: Seg, Ter, Quarta, Qua, Sex, Sáb, Dom. Você precisa escolher qualquer palavra que contenha ambas as consoantes de uma abreviação. MoNday MN MoNitor Terça-feira, TS ToaSt WeDnesday WD WooDpile QUARTA-FEIRA THermos FRiday FR FRUTA (por exemplo:

dragoeiro) SATurday ST STarfish SuNdaySN SNowmobile Códigos figurativos diferentes (dias da semana, nomes de meses, números e letras) NÃO DEVEM CONTER CÓDIGOS FIGURATIVOS IDÊNTICOS. Ou seja, o sistema de códigos figurativos deve ser organizado e organizado. Por exemplo, se você usar o Sol para representar o domingo, essa imagem não poderá ser usada para representar números como 70 ou 710. Outras palavras devem ser escolhidas para esses números: 70 - DoMino e 710 - DyNaMite. Como você vê, a criação de um SISTEMA DE CÓDIGOS FIGURATIVOS é uma tarefa complicada. Você pode criar seu próprio sistema de códigos figurativos. No entanto, é muito mais fácil usar nosso livro de referência como base e substituir quaisquer palavras que você não entende por outras mais adequadas para você. CÓDIGOS FIGURATIVOS PARA LETRAS ALFABETAS Códigos figurativos para letras do alfabeto podem ser criados ao seu gosto. O principal com eles não

é intercruzá-los com outros códigos figurativos. Assim, os códigos figurativos que você usa para codificar letras do alfabeto inglês não devem ser usados para codificar números de dois e três dígitos em imagens. O princípio usado para escolher as palavras apropriadas é muito simples. Você simplesmente escolhe uma palavra que começa com a letra necessária. A - Arco B - Urso V - Vampiro G - Gum Usa os códigos figurativos para as letras do alfabeto inglês: • Memorização de combinações complicadas de letras em números de matrículas de automóveis. • Memorização de informações em ordem alfabética. • Memorização de letras encontradas em códigos e senhas. CÓDIGOS FIGURATIVOS FONÉTICOS Os códigos figurativos fonéticos são usados para uma memorização rápida e muito precisa da pronúncia de novas palavras estrangeiras. Códigos figurativos fonéticos podem se cruzar com outros códigos figurativos, já que a memorização que os utiliza é temporária. Quando a pronúncia da palavra é fixada na memória de longo prazo, os códigos figurativos que fornecem uma sugestão à pronúncia tornam-se inúteis. Para memorizar a pronúncia de uma nova palavra estrangeira, é usada uma combinação de três métodos diferentes, um dos quais é o método dos códigos figurativos fonéticos. Exemplos da escolha das palavras: Japonês (I) Tinta (E) Cotovelo (?) Oceano (KA) KAyak (KI) KIosk (SU) SUgar (NA) NApkin (MU) Mostarda

OUTROS CÓDIGOS FIGURATIVOS O código figurativo é uma linguagem GMS® . Sem o conhecimento desse sistema, a arte da memorização se transforma rapidamente em sofrimento. Toda vez que você tentar sem ele, você vai sofrer com a escolha de uma imagem para memorizar um elemento de informação. Os códigos figurativos previamente memorizados tornam este processo rápido e agradável. Existem outros elementos de informação, além dos já descritos acima, que não estão incluídos no livro de referência de códigos figurativos. Qualquer um pode (e deve) escolher códigos figurativos para tais elementos de forma independente. QUALQUER ELEMENTO DE MENSAGEM DE INFORMAÇÕES FREQUENTEMENTE ENCONTRADO está sujeito

à codificação em imagens visuais. Você não pode

dizer de antemão que códigos figurativos lhe serão particularmente úteis. Se você é um advogado, você terá que criar códigos figurativos para os conceitos judiciais mais comuns. Se você é químico, provavelmente precisará encontrar códigos figurativos para substâncias químicas. Se

você é um matemático, precisará de códigos

figurativos para conceitos e ações matemáticas comuns. Se você estudar geografia, codifique continentes, países, estados e cidades em imagens. Para memorização mais rápida de nomes

e sobrenomes, você precisará encontrar códigos

figurativos apropriados para nomes masculinos e

femininos. Somente códigos figurativos necessários

a uma pessoa, independentemente de seu

trabalho, estão sujeitos a memorização obrigatória.

Esses são os códigos figurativos para números de dois e três dígitos, nomes de meses, dias da semana e letras do alfabeto. Quando você estuda uma língua estrangeira, precisa memorizar códigos figurativos fonéticos para essa língua. Outros códigos figurativos específicos podem ser encontrados gradualmente, de acordo com sua popularidade na informação memorizada. Se você começar a criar uma lista de alguns códigos figurativos especializados, poderá compartilhar os resultados do seu trabalho com outros usuários das técnicas do GMS®, publicando-os nas páginas do site www.Pmemory.com na seção “Fórum”. Assim,

o site irá acumular e oferecer um grande número de

informações adicionais que você poderá usar no futuro. Eu, como autor, gerente e principal especialista do site, mantenho os direitos de editar, enviar para arquivo, e exclua os materiais da seção "Fórum". As descobertas e materiais tecnológicos de maior sucesso no GMS® serão publicados nas

páginas do site. Se você contribuiu, isso será feito com você, citado como autor, com o seu consentimento e com o desejo de compartilhá-lo. REPRESENTAÇÃO DE PALAVRA COM UMA IMAGEM Quando você percebe palavras, elas automaticamente fazem com que imagens visuais apareçam em sua imaginação, de acordo com

associações previamente criadas. Por exemplo, você entende as palavras “cachorro”, “corvo” ou “combinar”, porque as imagens correspondentes aparecem como reflexos quando são percebidas. As imagens que aparecem geralmente são muito fracas, tão fracas que muitas pessoas nem sequer compreendem que a compreensão de palavras ocorre como resultado de imagens visuais. As pessoas pensam que entendem palavras sem imagens visuais. Você pode verificar facilmente se uma conexão entre uma imagem e uma palavra não foi criada antes: você não entenderá o significado da palavra. Compare: hito, akai, utau e mise com um homem, vermelho, cantar, uma loja. Essas palavras representam as mesmas imagens visuais. A imagem que aparece na sua imaginação é o SENTIDO DA PALAVRA. O senso de imagem é uma base comum para todos os idiomas. As pessoas falam idiomas diferentes, mas vêem as mesmas imagens visuais em sua imaginação. Uma representação simples de imagens não oferece o suficiente para que possamos memorizar bem. Imagens que aparecem aleatoriamente na imaginação devem ser intencionalmente amplificadas e transformadas, para que possam ser memorizadas. Uma imagem não deve ser muito simples nem muito complicada (imagens de plotagem complexas). As imagens devem ser grandes, tridimensionais, coloridas e detalhadas. Um bom exemplo de como as imagens visuais

devem ser memorizadas é mostrado usando gráficos de software tridimensionais (3D Studio MAX). TÉCNICA DE SIMBOLIZAÇÃO A técnica de simbolização é usada para transformar palavras abstratas em imagens visuais. Uma palavra abstrata é uma palavra que não tem nenhum sentido visual. Símbolos estão ao nosso redor. As letras do alfabeto inglês simbolizam (representam) sons da fala. Sinais de trânsito simbolizam regras específicas. Ícones de computador representam funções e comandos específicos. Existem símbolos que são fixados na consciência de massa, isto é, na consciência da maioria das pessoas. Tais símbolos são promovidos pela mídia de massa e são claros para qualquer um: “Dove” é um símbolo de paz; “Tartaruga” - um símbolo de lentidão; "Caveira" - um símbolo da morte; "Coroa" - um símbolo de poder; “Palmeira”, “mar” e “iate” são símbolos de recreação, resort ou feriados. Enquanto isso, durante a memorização, quaisquer palavras abstratas devem ser transformadas em imagens visuais, e não apenas aquelas que possuem imagens fixas. Em tais casos, cada pessoa deve encontrar seu próprio conjunto de imagens de acordo com o conteúdo de sua memória. Para alguns de nós, “ciúme” é um lenço molhado, para outros - uma cadeira quebrada. Alguns imaginam a riqueza como uma sacola cheia de dinheiro; outros como um grande número de amigos; outra pessoa - como uma enorme

biblioteca. Abaixo estão alguns exemplos de seleção de imagens para palavras abstratas: Cold - ice; Quente - copo de água quente; Doença - termômetro; Eternidade - pirâmides egípcias; Infinito - signo matemático do infinito; Separação - trem; Tempo - relógios; Outono - folha de plátano; Inverno - flocos de neve; Verão - patins. Ao escolher um símbolo apropriado para uma palavra abstrata, você deve escolher uma imagem que seja útil para você memorizar. Na maioria das vezes, a imagem que foi a primeira a aparecer em seu cérebro deve ser tomada como a imagem a ser escolhida. Se você achar difícil escolher uma imagem para se adequar a uma palavra, você ainda não entende a palavra - e seu significado para você não é claro. Usando a técnica de simbolização, você pode automaticamente sistematizar as coisas em seu cérebro e entender precisamente o significado das palavras que você usa. Além disso, você verá que as pessoas costumam usar as mesmas palavras para significar coisas diferentes. Se uma pessoa diz: "Eu te amo", é preciso descobrir exatamente o que ela ama: seu corpo, sua alma, sua casa, suas conexões, seu dinheiro, todos vocês? LIGAÇÃO À TÉCNICA DE INFORMAÇÃO FAMILIAR As pessoas que não estão familiarizadas com o GMS® utilizam frequentemente conceitos como “um número de telefone fácil de memorizar” ou “um número difícil de memorizar”. Muitas empresas de

telecomunicações telefónicas vendem números de telefone fáceis de memorizar. Vamos analisar as razões desse fenômeno que faz com que as pessoas pensem que os números de telefone são “fáceis” ou “difíceis” de memorizar. Aqui está um exemplo com dois números de telefone: 492-39-45 e 746-83-57. Obviamente, o primeiro pertence ao tipo de números que são facilmente memorizados. Por quê? Porque os elementos que compõem o número de telefone são familiares: 492, 39 e 45. O que significa “familiar” neste caso? Isso significa que IMAGENS VISUAIS aparecem quando esses elementos são percebidos. Quando você vir o número 492, você se lembrará que Colombo descobriu a América em 1492, e uma imagem do navio aparecerá em sua imaginação. Quando você perceber o número 39, você se lembrará do começo da Segunda Guerra Mundial e uma imagem da suástica poderá aparecer na imaginação. 45 irá lembrá-lo do fim da Segunda Guerra Mundial e uma imagem do desfile pode aparecer em sua imaginação. Quando você percebe o segundo número de telefone, as imagens não aparecem prontamente em sua imaginação; Por causa disso, é difícil memorizar o número. O cérebro só é capaz de memorizar conexões se houver alguma imagem correspondente; nenhuma imagem e as conexões não podem ser estabelecidas. Se os elementos da mensagem de informação memorizada são

automaticamente transformados em imagens visuais, estas imagens são as que serão usadas para memorização. Nenhuma transformação especial das imagens é necessária. Aqui estão alguns exemplos de informações que fazem com que imagens visuais apareçam e, portanto, fácil de memorizar. SONY - aparece uma imagem de algum dispositivo criado por esta empresa. Estado de Washington - uma imagem de uma cédula de um dólar (com a imagem de George Washington sobre ela). Estado de Colorado - uma imagem do besouro de Colorado aparece. Número 110 - uma imagem de um plugue elétrico aparece. Planeta Marte - uma imagem da barra de chocolate “Marte”. Vênus - uma imagem da estátua de Vênus. Informações familiares são informações que contêm elementos que fazem com que imagens visuais apareçam na imaginação quando percebidas. O método acima mencionado NÃO É UTILIZADO PARA MEMORIZAÇÃO DE NÚMERO. Essa técnica é usada principalmente para transformar nomes e sobrenomes em imagens. O método deve ser usado somente quando um elemento percebido faz com que uma imagem apareça espontaneamente em sua imaginação. Em outros casos, você deve passar a usar outras técnicas de codificação. CODIFICAÇÃO POR TÉCNICA DE CONSONANCE Muitas palavras, nomes e termos estrangeiros são semelhantes aos existentes em nossa própria língua, por isso facilmente os

imaginamos como representações visuais. Essa técnica de transformação de palavras é fácil de ilustrar com os seguintes exemplos: Fator - trator; Kami (japonês para cabelo) - camelo; Kubi (japonês para pescoço) - cubo. Ao lembrar cada imagem e pronunciá-las internamente, você se lembra facilmente do som de uma nova palavra, termo, conceito ou sobrenome. CRIANDO UMA PALAVRA A PARTIR DA TÉCNICA DE SÍMBOLAS Essa técnica, assim como os códigos figurativos para números de dois dígitos, é uma técnica “vital” do GMS® porque é usada com muita frequência para transformar nomes, conceitos ou palavras estrangeiras em imagens visuais. Qualquer sílaba pode ser desenvolvida em uma palavra com um significado. Você pode adicionar elementos a uma palavra à sua direita, esquerda ou de ambos os lados. CAM - CAMEL, CAL - CALCULADORA, KNI - KNIfe. SOR - SORT, AKI - fAKIr, NIC - NICotine. NIG - kNIGht, ISK - whisker, MAG - MAGic. Suponhamos que precisamos transformar a palavra MACHBASRUL em uma imagem visual. Primeiro, precisamos dividi-lo em elementos: MACH + BAS + RUL. Em seguida, cada sílaba deve ser completa para se tornar uma palavra-imagem: MACHINE, BASket, RULER, Uma base deve ser escolhida para esses elementos - uma imagem grande, à qual outras imagens de associação (elementos) serão conectadas. Deixe a “máquina” (automóvel) ser a base. Duas partes devem ser escolhidas

neste caso: câmbio de marchas e porta-luvas. Crie as seguintes associações: “alavanca de mudanças - cesta” e “porta-luvas - régua”. Imagine a associação integral. Esta é uma máquina com uma cesta no câmbio e uma régua dentro do porta- luvas. Agora, MACHBASRUL tornou-se fácil de ler através desta associação. A palavra é lida através de imagens visuais. Claro, se você memoriza apenas algumas palavras por dia, essa técnica pode parecer excessiva para você; mas, se você memorizar dezenas de novos termos por dia, este método, juntamente com outras técnicas, permite que a memorização seja rápida e eficiente. Mais importante ainda, garante o armazenamento a longo prazo dos dados memorizados. Aqui está como o nome WISCONSIN deve ser memorizado:

Divida o nome em três elementos: WIS + CON + SIN. Complete cada sílaba para que ela se torne uma palavra-imagem: WISent + CONdom + SINker. Escolha a base da associação: WISENT. Destaque duas sub-imagens na imagem da WISENT: chifre e boca. Crie conexões: “Horn + condom” e “mouth + sinker.” Como resultado, “WISCONSIN” será codificado na seguinte imagem: Wisent com um preservativo em um de seus chifres e com uma chumbada na boca. O nome do estado é fácil de ler com esta associação. Observe que, nessa técnica, o método de criação de uma conexão associativa também é usado. Ou seja, simultaneamente à transformação de imagens, também as

memorizamos (criamos conexões). MÉTODO DE Crights reservados. http: //www.Pmemor LUE ASSOCIATIONS y.com O método de associações de pistas (MCA) inclui uma combinação de cinco técnicas: técnica de simbolização (amor - coração); Codificação por consonância (Fator - Trator); Conexão com a técnica de informação familiar (planeta Marte - barra de chocolate de chocolate “Mars”); Desenvolver uma palavra de uma sílaba (NIC - NICotine); Método de criação de associação (todas as imagens criadas são unidas em uma associação integral). Todos esses métodos são usados espontaneamente sem preparação prévia. O uso de qualquer método depende da palavra memorizada e do conteúdo da sua memória. Uma palavra pode ser transformada em imagens visuais usando métodos diferentes. Esse processo é chamado de “Método de Clue Associations” porque palavras novas e desconhecidas são codificadas em uma associação (uma combinação de imagens visuais), que oferece uma pista para a pronúncia da nova palavra. Por que você precisa disso? Nosso analisador de fala não consegue memorizar muitas palavras rapidamente, apenas cinco palavras por dia em média. Além disso, não há garantia de preservação a longo prazo. O analisador visual pode memorizar até dezenas e centenas de palavras rapidamente e na seqüência correta. Inicialmente, uma lista de novos termos é lida com a ajuda de imagens visuais que aparecem na

imaginação. Depois de alguns dias, novos nomes são completamente fixados no cérebro e são facilmente reproduzidos sem as imagens. Usando tEle "Método de Clue Associations", você pode memorizar consecutivamente todos os estados dos EUA e todas as cidades em todos os estados. Todos os termos usados nos livros de estudo de farmacologia são facilmente memorizados em poucos dias; consequentemente, o livro de estudo em si é também memorizado. O “Método das Clue Associations” é um dos mais complicados e difíceis de dominar no GMS®. Muitos estudantes parecem gastar muito tempo transformando nomes separados em combinações de imagens visuais. É por isso que recomendo usar algum tipo de livro de referência, por exemplo, um livro de referência de substâncias medicinais, para treinar o cérebro a memorizar nomes de curas na ordem em que aparecem no livro. A habilidade pode ser desenvolvida para se tornar automática e não causará mais impedimentos. Aqui estão vários exemplos de transformação de nomes em imagens usando este método: Estado do Alabama Divida a palavra em duas partes: ALA e BAM. Transforme cada parte em uma palavra: ALA - ALArm (consonância) - despertador (simbolização), BAM - BAMboo. Criar associação: o despertador (base) possui ponteiros de minutos feitos de bambu (elemento). Alaska State Alaska - salmão (simbolização). Estado do Arizona Divida a palavra

em duas partes: ARI e ZON. Transforme cada parte em uma palavra: ARI - ARIa, ZON - ZONe. Aria - uma peça de música. Zona - cercada por arame farpado. Criar associação: Um pedaço de papel de música embrulhado em arame farpado. Estado do Arkansas Divida a palavra em duas partes: ARK e ANSA. Transforme cada parte em uma palavra:

ARK - ARK, ANSA - NASA. Criar associação: na entrada principal de uma arca há um ônibus espacial da NASA. California State California - prancha de surf (simbolização). CODIFICANDO IMAGENS NOS SONS. Para memorizar consecutivamente os sons de um novo alfabeto, você precisa codificar os sons em imagens. As imagens escolhidas devem cumprir dois requisitos. Primeiro, eles precisam ser úteis para memorizar. Em segundo lugar, uma parte de cada imagem deve ser pronunciada como um som de alfabeto correspondente. Como exemplo, o alfabeto hiragana japonês é usado. (?) Artista (I) Tinta (E) Cotovelo (?) Oceano (KA) KAyak (KI) KIosk (SU) SUgar (NA) NApkin (MU) MUstard Ao memorizar a sequência dessas imagens, você poderá reproduzir a seqüência de som. CODIFICAÇÃO DE SINAIS EM IMAGENS. Sinais são muito fáceis de transformar em imagens. Cada parte de um sinal deve ser imaginada como uma imagem tridimensional. Se um sinal é complexo, ele deve ser dividido em elementos com cada elemento representado como uma imagem tridimensional.

Memorização de qualquer alfabeto é, na verdade, memorização de combinações de “som + sinal”. Quando você transforma a pronúncia e a gravação de um sinal em uma imagem, essa conexão é fácil de lembrar. Isso é feito diretamente na imaginação:

uma imagem representando um som é conectada a uma imagem representando a escrita. As associações que você recebe são memorizadas usando qualquer método de memorização de seqüência de imagens que funcione melhor para você. O alfabeto japonês “Hiragana”, composto por 46 imagens, pode ser memorizado desta maneira em apenas uma hora e na ordem exata! Porém, você precisará de uns 3-4 dias para consertar os sinais, esta fixação é realizada sem quaisquer livros de estudo ou folhas de dicas; os sinais são lembrados usando nada além de sua memória. A TÉCNICA DE RECURSO DISTINTIVO Este método é usado para memorizar objetos monotípicos, isto é, objetos que são muito semelhantes em contornos gerais e diferem apenas em detalhes - pessoas, por exemplo. Cada um de nós tinha um apelido na escola. Um deles foi "Joker", outro - "Donut", outros - "Ice Queen" ou "Professor". Todos esses "Jokers", "Donuts", "Ice Queens" e "Professores" são considerados como tendo características distintas. As crianças geralmente não gostam do sobrenome e do primeiro nome, pois são difíceis de memorizar. Apelidos não são os mesmos; eles são individuais,

então podemos entender instantaneamente de quem é que estamos falando. Um apelido reflete a coisa mais importante em uma personalidade, aparência ou nos lembra de um sobrenome em um formato mais curto. É muito importante que um apelido seja geralmente uma palavra que seja fácil de representar como uma imagem visual familiar e, portanto, fácil de memorizar. FUNÇÕES DE RECURSO DISTINTIVAS. Uma característica distintiva permite lembrar uma pessoa em particular. Qualquer informação precisa sobre uma pessoa está ligada a características distintivas:

nome e sobrenome, endereço, número de telefone, número da placa do automóvel, etc. Características distintas são facilmente memorizadas em determinada ordem, o que torna possível lembrar consecutivamente informações sobre um grupo de pessoas. pessoas. SINGLING A DISTRITIVE RECURSO EM UMA FOTOGRAFIA. Uma característica distintiva percebida simultaneamente com uma foto, é uma associação natural e, conseqüentemente, é memorizada automaticamente. Assim que você vê uma característica distinta, uma imagem geral da pessoa aparece em sua imaginação. Uma característica distintiva em uma foto pode ser qualquer coisa: elementos de vestuário, corte de cabelo, defeitos de aparência, uma semelhança com outra pessoa. Mesmo um elemento de um fundo pode ser uma característica distintiva.

Identificar uma característica distintiva em uma fotografia pode ser útil para memorizar informações sobre cientistas, escritores, músicos ou políticos de destaque. Métodos analógicos podem ser usados para memorizar uma sequência de qualquer grupo de imagens, incluindo uma seqüência de ilustrações em um livro de estudo. Aqui está um exemplo de destacar uma característica distinta em uma fotografia: digamos, você vê uma foto de uma menina com um brinco estranho em seu ouvido. Neste caso, a imagem “brinco” pode ser escolhida como um recurso distinto. Quando você examinar a foto e prestar atenção à característica distintiva que encontrou, seu cérebro irá automaticamente fixar a conexão entre a característica distintiva e seu rosto. Memorização é AUTOMÁTICA. Você não precisa pensar nisso, pois as imagens já estão conectadas. Um breve exemplo de destacar uma característica distintiva de uma ilustração é quando você estuda um livro sobre peixes de aquário e precisa memorizar os nomes comuns e científicos e a aparência do peixe. Você precisa escolher um recurso distintivo em uma ilustração. Digamos, um peixe é fotografado com uma concha incomum no fundo. Nesse caso, esse shell pode ser escolhido como um recurso distinto; Mais tarde você pode conectar o (s) nome (s) do peixe a esta imagem. SELECIONANDO UM RECURSO DISTINTIVO DE UMA PESSOA QUE VOCÊ CONHECE BEM. Mesmo que você conheça uma pessoa muito bem,

provavelmente precisará memorizar algumas informações adicionais sobre ela: elas podem ter o hábito de mudar o número do celular todos os meses. Neste caso, uma característica distintiva é encontrada com base em seu trabalho, hobbies, bons ou maus hábitos, idiossincrasias, maneira de andar, falar, vestir, ou seus traços de caráter. Se o seu conhecido é um policial, você pode associá-lo ao distintivo dele. Se ele coleciona selos, sua característica distintiva pode ser “uma lupa”. Você não deve se lembrar de uma imagem de uma pessoa ao memorizar informações sobre ele. Todas as pessoas são iguais para o seu cérebro. Cada pessoa deve ser marcada com uma imagem visual individual durante a memorização. SELECIONANDO UM RECURSO DISTINTIVO DE UMA PESSOA DESCONHECIDA EM FRENTE A VOCÊ (SITUAÇÃO DA “REUNIÃO”) Durante a primeira reunião, uma pessoa geralmente confia em sua memória; depois de alguns minutos, ele percebe que esqueceu o nome da pessoa que acabou de conhecer. Essa situação é muito comum. Se você sabe que vai encontrar alguém novo, tente olhar para essa pessoa e selecionar um recurso distintivo de antemão. Quando ele abrir a boca para se apresentar, uma imagem deve estar pronta em seu cérebro. Em seguida, você conectará suas associações à imagem obtida do nome. Alguma vez você já se perguntou por que é apenas um nome que é sempre esquecido? Parece

que as informações que você acabou de receber são excluídas automaticamente. A verdade é que uma única palavra não é memorizada, porque é uma mensagem de informação de um elemento; assim, o cérebro não tem nada para conectá-lo. Quando você tiver preparado um recurso distintivo com antecedência, você terá o que precisa para criar uma conexão - um nome e um recurso distintivo. Não se esqueça do principal paradoxo da memória: o cérebro só pode memorizar conexões. Não é fácil destacar uma característica distintiva de uma pessoa desconhecida. Você deve se treinar para fazer isso. Tente destacar esses recursos para dez pessoas aleatórias em um metrô ou em um ônibus. Assim como qualquer outro processo de codificação, esta operação levará muito tempo para ser executada. Você precisa aprender a encontrar recursos distintos e ser capaz de encontrá-los rapidamente. SELECIONANDO UMA CARACTERÍSTICA DISTINTIVA DE UMA PESSOA COM IMAGEM QUE SEJA DESCONHECIDA PARA VOCÊ. Nesse caso, você só precisa memorizar o sobrenome de uma pessoa e depois destacar o recurso distintivo. Se o sobrenome é Wolf, então, obviamente, a pessoa pode ser representada com a imagem de um “Lobo”. Se o sobrenome de uma pessoa for McLoud, ele pode ser marcado com a imagem de um “alto-falante”. é Jordan, ele pode ser representado com uma imagem de um "basquete" (Michael Jordan).

SINGLING OUT UMA CARACTERÍSTICA DISTINTIVA DE UM INTERIOR. Muitas vezes é suficiente simplesmente observar um elemento do interior onde uma pessoa vive ou trabalha. Assim, no consultório de um dentista, pode ser uma poltrona especial. Em um hospital, é uma janela na recepção. As associações conectam os dados necessários aos objetos que você selecionou. Uma característica distinta em uma sala pode ser destacada quando você precisar memorizar um número de telefone de uma organização se os nomes da equipe ou de um médico não forem de seu interesse. SINGLING OUT UMA CARACTERÍSTICA DISTINTIVA EM UM CARRO. Muitas vezes, é necessário memorizar o número da matrícula de um carro, por exemplo, se você testemunhou um acidente de carro, um atropelamento e uma corrida e deseja fornecer informações. Todos os carros são semelhantes; se você tentar memorizar o número da placa do carro separadamente, sem conectá-lo a nada, você não poderá fazê-lo de maneira confiável (o cérebro esquece a informação, porque nenhuma conexão foi criada). Escolhendo um recurso distintivo permitirá que você não apenas conecte um número

a

ele, mas também para lembrar a marca do carro -

e

até mesmo a aparência do motorista. Olhe dentro

do carro e localize algum dispositivo nele; os motoristas gostam de decorar seus carros tanto do lado de fora como do lado de dentro. ATENÇÃO:

CARACTERÍSTICAS DISTINTAS FALSAS E PADRÃO. Quando você tentar encontrar um recurso distinto, tente não escolher os que são difíceis de memorizar. Tente observar se uma pessoa é vesga. Se ele tem um dente de ouro, orelhas grandes, uma cicatriz, mãos suadas, piercings, unhas ruins. Uma tatuagem pode ser temporária e não é uma característica distintiva segura. Não preste atenção a roupas, corte de cabelo e outras características externas e mutáveis; estas são apenas máscaras - e algumas pessoas usam essas máscaras com apenas um objetivo:

para evitar sua atenção ou simplesmente se perder na multidão. Um exemplo de uma característica distintiva falsa é um revestimento reversível (um que pode ser usado em ambos os lados e tem duas cores diferentes), ou uma tampa brilhante que pode ser retirada. Um exemplo de uma característica distintiva padrão é um corte de cabelo curto, embora se todos fossem carecas, seria impossível encontrar o que você precisa. O comportamento humano em si é uma característica distinta e não confiável. Muitos vigaristas são atores talentosos; como Shakespeare uma vez disse: “Todo o mundo é um palco… e todos os homens e mulheres são meramente jogadores”. O MÉTODO DA COMPRESSÃO DA INFORMAÇÃO. Esse método é usado para codificar as extrações de texto curto em imagens visuais: anedotas, dados de enciclopédia ou parágrafos de texto separados. Os

resultados de experiências com memorização de informação textual (F. Bartlett, “A Mente no Trabalho e Brincar” provam que a informação textual é apagada após um período de tempo (como se estivesse comprimida). Em essência, uma pessoa pode inicialmente reproduzir um texto de maneira mais ou menos precisa e completa; depois de algumas semanas, sua memória retém apenas algumas frases de cada página de dados textuais. O GMS® não requer uma memorização precisa de informações textuais. Deveria ser, neste momento, óbvio que uma pessoa reproduza dados textuais pelas imagens que ele lembra. Quando você lê um livro, a imaginação reprodutiva traduz automaticamente palavras em imagens visuais e cria CONEXÕES entre elas. Graças a esse processo, você memoriza algo como quadros separados de um "filme visualizado" que o texto faz aparecer em sua imaginação. O processo de recordar uma história é semelhante a recontar uma história por fotos. Você já sabe que as conexões criadas entre as imagens visuais apenas uma vez são rapidamente desconstruídas. É por isso que, mesmo uma hora depois de ler um texto, apenas uma parte das conexões criadas permanece em sua imaginação. Consequentemente, seu cérebro gerará apenas uma parte das imagens visuais - e, como restam menos fotos, a história que você conta também diminui de tamanho. Como a informação textual é “comprimida” de qualquer

maneira (desconstruída ao longo do tempo), GMS® ensina a concentrar seu esforço não na memorização literal precisa de um texto, mas na formação de uma habilidade para excelente memorização das imagens que refletem os pensamentos principais do texto e , então, formando uma habilidade para gerar declarações de fala baseadas nessas imagens lembradas. Codificar um texto em imagens e memorizar essa sequência não são as partes mais difíceis. É muito mais difícil aprender a construir seu discurso com base em imagens visuais. Para formar esta habilidade, exercícios especiais são fornecidos no curso “Informações Textuais”. Muitas vezes, um aluno é incapaz de responder a uma pergunta não porque não conhece as informações, mas por causa de sua incapacidade de traduzir pensamentos / imagens em uma declaração verbal. O principal problema, ao estudar línguas estrangeiras, é o mesmo: ausência de automação da fala. O método de compactação de informações

é muito simples. Vamos dizer, você precisa

memorizar o seguinte texto: Leanne Cox, uma estudante da Universidade da Califórnia, estabeleceu um novo recorde mundial. Atravessou

o estreito de Magellan, 3,3 quilômetros de largura,

em 1 hora e 2 minutos, apesar da água fria. A primeira operação que você deve executar é distinguir a base de associação. Você precisa aprender a “capturar” rapidamente a ideia principal

de um fragmento de texto. Imagine que você é um editor-chefe de uma revista e sua tarefa é ler grandes quantidades de textos curtos e dar a cada um deles um TÍTULO (títulos). Este artigo merece o tile de “Record Set on Water”. No entanto, não podemos memorizar as combinações de palavras automaticamente. Imagine que existem centenas desses nomes. Como você vai memorizar sua sequência? Uma pessoa só pode criar conexões entre imagens visuais. Essa é a razão pela qual a próxima operação mental é marcar a base de associação com o VISUAL-SUPPORT. Suporte visual é uma palavra de imagem que é fácil de memorizar usando diferentes métodos associativos. Neste caso, a “medalha” de apoio visual é adequada para representar a base de associação “registro fixado na água”. Portanto, um extrato textual é “comprimido” em uma imagem compacta e informativa; então, essas imagens podem ser memorizadas em grandes quantidades e na ordem necessária. O esquema “Information compression method” é o seguinte: Extração textual - sense- support (nome) - visual-support (imagem) Consequentemente, se um texto contém 20 parágrafos, cada parágrafo deve ser marcado com uma imagem visual; então é preciso memorizar a sequência dessas imagens. Mais tarde, ao recordar a sequência de imagens, você recontará o texto sem quebrar a sequência. Os textos podem conter um grande número de dados precisos, um texto de

um livro de história, por exemplo. As informações textuais também podem não conter dados precisos (anedotas ou textos de ficção científica para crianças). A memorização das informações de texto será examinada mais de perto no curso “Informações textuais”. Para agora, Apenas lhe diremos que o GMS® possibilita a memorização qualitativa de quaisquer dados textuais - de anedotas e relatórios a textos educacionais complicados (para os quais foi originalmente inventado). A mnemônica é o principal componente da retórica, uma arte de apresentações orais. Agora você está familiarizado com os métodos básicos de transformar elementos de mensagem de informação em imagens visuais. Os métodos descritos podem ser usados para codificar quase todos os dados em imagens. A próxima etapa de memorização no GMS® é a FIXAÇÃO DA CONEXÃO ENTRE IMAGENS VISUAIS NO CÉREBRO, imagens visuais que representam os elementos da informação memorizada. PARTE 5:

MEMORIZAÇÃO DE TRÊS MÉTODOS DE CONEXÃO DE IMAGEM. Agora, avançamos para o exame detalhado do segundo estágio de memorização - a própria memorização. Durante o primeiro estágio (o estágio de codificação), elementos da mensagem de informação memorizada são transformados em imagens visuais: a informação é preparada para memorização. O processo de memorização envolve

a conexão de elementos da mensagem informativa. Vamos examinar três métodos de conexão de imagem: Conectando duas imagens; ? Criação de associação; ? Conectando as associações. Você deve entender que as imagens estão sempre conectadas da mesma maneira na imaginação. Seja qual for a técnica que você usa, é tudo sobre como conectar duas imagens em sua imaginação. As duas imagens devem ser imaginadas em tamanho grande, de modo que ocupem todo o espaço da imaginação. O processo de conexão de imagens e o conceito de associação são frequentemente misturados. Lembro-lhe que, no sistema atual, uma associação é um grupo de imagens conectadas que codificam uma certa mensagem informativa. Conectar duas imagens não está criando uma associação. É apenas um meio de criar associações. Associações - mensagens de informação diferentes - precisam ser memorizadas consecutivamente. Isso é feito de duas maneiras: ou uma associação é fixada em imagens de suporte auxiliar (imagens estimulantes) ou é conectada diretamente a outra associação. Neste caso, grandes imagens de associações (bases de associação) são conectadas usando o método “Boneca Russa”. Quando temos um grupo de associações conectadas diretamente, falamos sobre um “Bloco de Informações” - um grupo de dados monotípicos (tabelas cronológicas, uma lista de números de telefone ou uma sequência de

parágrafos em um texto). Para aprofundar esses métodos, é preciso lembrar o que é "tamanho relativo". Lembro-lhe que um tamanho pode ser pequeno, médio ou grande. Os métodos de conexão de imagem são bastante simples, embora suas regras devam ser sempre observadas durante a memorização. É melhor aprender a memorizar corretamente desde o começo. Erros (habilidades formadas incorretamente) são sempre mais difíceis de corrigir. CONECTANDO DUAS IMAGENS. Imagens estão sempre conectadas em pares. Qualquer imagem conectada deve ser vista em tamanho grande, em detalhes, em cores e em três dimensões, se possível. Mesmo ao conectar duas imagens, deve-se observar uma sequência estrita de conexões para poder dizer qual imagem de um determinado par é a primeira e qual é a segunda. Vamos concordar que a segunda imagem de qualquer par penetrará (penetrará) na primeira imagem do par. Ou a segunda imagem será colocada em cima da primeira. A segunda imagem do par também deve estar situada à direita da primeira imagem. A posição da segunda imagem do par em relação ao primeiro depende das imagens conectadas. Conecte-os da maneira que for mais confortável para você. Gire-os em sua imaginação; examine-os de lados diferentes; faça- os se encaixarem, para obter a conexão que você precisa e que é fácil de usar. Como mencionado, o tipo de conexão criada não tem importância para

você. Se você acha que as conexões familiares são mais fáceis de memorizar - crie conexões familiares. Se você acha que não é familiar, conexões estranhas são mais fáceis de memorizar, crie conexões que você nunca viu antes. O principal é que as imagens conectadas devem se tocar, que elas podem ser circundadas por uma linha contínua. Seu cérebro está interessado no contorno geral. Qualquer que seja o tamanho relativo das imagens conectadas, você deve esquecer tudo ao criá-los e concentrar sua atenção em APENAS DOIS imagens conectadas e imaginá- las em tamanho GRANDE. As imagens podem diferir em tamanho na vida real, mas, quando você as conecta em sua imaginação, elas devem ser do mesmo tamanho. Se na vida real uma formiga é pequena, sua imagem deve ser ampliada. Um avião é grande; consequentemente, sua imagem deve ser minimizada. Quando você conecta essas duas imagens à sua imaginação, elas devem ser do mesmo tamanho. Esse método de conexão de imagem é chamado de método "Chain" no GMS®. CRIANDO UMA ASSOCIAÇÃO A associação é um grupo de imagens que codificam informações específicas. Há sempre uma base em qualquer associação - o principal elemento da mensagem informativa. Outras imagens são chamadas de associação ELEMENTS. Qualquer código figurativo é sempre um elemento de associação; Códigos figurativos nunca são usados como uma base de

associação. Associações podem conter de 2 a 6 imagens. Os elementos de associação estão sempre situados na mesma ordem em uma base de associação - da esquerda para a direita e de cima para baixo. As associações são formadas pela conexão consecutiva de várias imagens. O tempo padrão para conectar duas imagens é de 6 segundos. Se uma associação contiver 4 elementos, você precisará de 18 segundos para conectá-los. Uma BASE DE ASSOCIAÇÃO é sempre uma IMAGEM GRANDE em qualquer associação; ELEMENTOS DE ASSOCIAÇÃO são sempre de tamanho MÉDIO. Quando você cria conexões, as imagens são sempre grandes. Por exemplo, memorize as seguintes informações: A assinatura numérica é 56059079. Esta mensagem informativa contém quatro partes. Vamos destacá- los: assinatura numérica, 560, 59 e 079. Tomaremos a imagem representando a assinatura numérica para uma base de associação (por exemplo, um "Lápis"). Em seguida, transformaremos os números de dois dígitos e três dígitos em imagens de acordo com códigos figurativos: palma, tubo, moedor de carne. Lápis - palma - tubo - moedor de carne. Os elementos são traduzidos para a linguagem cerebral, para que possamos começar a DIRECTING MEMORIZATION, direcionando a conexão dos elementos de informação na imaginação. Uma associação é criada pela combinação de três pares

de imagens na imaginação: chumbo - palma, lápis - tubo, borracha - moedor de carne. Hora de conectar o primeiro par de imagens (6 segundos). Hora de conectar o segundo par de imagens (6 segundos). Hora de conectar o terceiro par de imagens (6 segundos). Você precisará de mais 6 segundos para conectar as ASSOCIAÇÕES a uma imagem de suporte ou outra associação. Tal método de criação de associação permite a fixação de informações com elementos frequentemente repetidos (imagens semelhantes). Os mesmos elementos podem aparecer inúmeras vezes em diferentes bases. É por isso que mesmo a memorização de uma seqüência aleatória de números de dois dígitos, contendo apenas combinações de quatro elementos: 00, 01, 10, 11 (códigos figurativos: barris, nariz, enema, cebola), é possível.

01.10.10.01.11.00.11.10.11.01.01.10.01.01.00.10.1

1.10.10.11.11.10.11.00.01. Para memorizar esta seqüência de zeros e uns (transformados em imagens visuais de números de dois dígitos), você precisará de 5 imagens de suporte (5 bases de associação) e 2 minutos e 30 segundos (25 imagens multiplicadas por 6 segundos = 150 segundos). Este é o padrão para nossos alunos. CONEXÃO DE ASSOCIAÇÃO Uma sequência de associações é memorizada de duas maneiras. Primeiro, uma base de associação é conectada a uma imagem de suporte auxiliar. Em segundo

lugar, você também pode conectar várias bases de associação diretamente entre si. Vamos agora olhar para o segundo método: conectar associações diretamente. As associações são conectadas quando é necessário memorizar dados precisos que são organizados por assuntos, por exemplo, se você memorizar uma lista de números de telefone. A informação do monótipo é conectada em um bloco que é então fixado em uma imagem de suporte. Ao conectar duas bases de associação, você deve usar o método “Boneca Russa”, o que significa que, em qualquer par determinado, a primeira imagem é maior e a segunda é menor (referência: tamanhos relativos de objetos). Mas quando você cria uma conexão, ambas as imagens conectadas são representadas em grande parte. Quando você reproduz uma base de associação (imagem grande), você pode ler informações dele (imagens médias). Então, nós procuramos a próxima base de associação (imagem pequena), e ampliamos isto em nossa imaginação. Como resultado do pequeno aumento de imagem, os elementos da próxima associação (mensagem informativa) estão disponíveis para leitura. Montar os dados memorizados em um bloco de informações é uma técnica mais complicada para memorizar uma sequência de associações do que memorizá-las usando imagens de suporte. No entanto, os blocos de informações permitem economizar imagens de suporte, reunindo os dados

do monótipo. É racional e eficiente usar esse método ao memorizar dados da tabela. PARTE 6:

MEMORIZAÇÃO DA SEQUÊNCIA O MÉTODO CICERO. O método Cícero é baseado em associações naturais, isto é, conexões que foram criadas naturalmente no cérebro, durante a percepção regular de imagens visuais inter- relacionadas. Todas as pessoas observam regularmente as mesmas imagens visuais. São objetos em uma sala, um escritório, nas ruas em que andamos. Como as conexões entre objetos que são percebidos regularmente já existem em seu cérebro, tais conexões não precisam ser memorizadas: você já se lembra delas. Para formar imagens de suporte usando o método Cicero, você só precisa corrigir uma seqüência de imagens familiares em sua memória. Isto é conseguido por múltiplas repetições de tais dados. SINGLING OUT SUPPORT IMAGES USANDO O MÉTODO CICERO. Defina a sequência de quartos em sua casa ou apartamento, escritório ou casas de seus amigos. Por exemplo, sempre memorize os quartos na seguinte ordem: corredor, banheiro, cozinha, sala pequena e sala de jantar. Concentre sua atenção em um quarto particular. Dizer, seu corredor. Caminhe ao redor do corredor em sua imaginação (sempre na mesma direção - no sentido horário) e lembre-se de 10 objetos diferentes. Faça o mesmo com outras salas do seu apartamento. Escolha 10 imagens no banheiro, na cozinha, na

pequena sala e na sala de jantar. Como resultado, você terá 50 imagens. Primeiro, você se lembra de 10 imagens no corredor, então - 10 imagens na cozinha e assim por diante. Corrigir as 50 imagens e sua ordem na sua memória usando vários LEMBRANDO. Isso é importante! As imagens selecionadas NÃO DEVEM REPETIR-SE. Apenas nomes de objetos podem ser repetidos. Destaque as imagens lembrando-as. Você precisa extrair as conexões que já estão presentes no cérebro. Escolha as imagens que mais tarde permitirão destacar mais 5 imagens delas. Usar: O método Cicero é usado para formar um sistema de suporte (estimulando) as imagens. O sistema de imagem de suporte é formado através de uma combinação de diferentes técnicas de memorização de sequências. As imagens selecionadas com o método Cicero geralmente são imagens de PRIMEIROS NÍVEIS no sistema de imagens de suporte. Se desenharmos paralelos com um computador, eles são um diretório pai ou um catálogo raiz, através do qual você chega a outras imagens de suporte. O MÉTODO DE ASSOCIAÇÃO LIVRE. Uma pessoa quase nunca percebe os objetos separadamente um do outro. A maioria dos objetos tem constantes inter-relações que são automaticamente fixadas reflexivamente pelo cérebro. Por exemplo, uma colher de chá é normalmente conectada a uma xícara. Um copo está relacionado com um pires. Um pedaço de bolo

é geralmente deitado em um pires. A imagem de um “bolo” pode fazer com que uma imagem da caixa em que foi vendida apareça na imaginação. Esta imagem irá lembrá-lo de uma vitrine que você viu, e assim por diante. O método de recepção de associação livre é muito fácil. Você só precisa se lembrar de uma seqüência de imagens que tenham inter-relações naturais. Esta seqüência de imagens pode ser usada como suporte (estimulando) imagens para memorização de informações. Isso é importante! Ao destacar imagens usando esse método, você não deve tentar alternar para as imagens do método Cicero. Em outras palavras, as imagens desse método devem ser omitidas quando você escolher as imagens para o método Cicero. Nenhuma imagem de suporte deve ser repetida. Mesmo se você tiver cem mil imagens em seu sistema de imagens de suporte, elas devem ser todas diferentes, únicas, independentemente do método usado para criá-las. Uso: O método de associações livres é usado para aprimorar outras técnicas de memorização. É particularmente útil quando você precisa criar rapidamente imagens de suporte adicionais. SINGLING OUT PARTS DE UMA IMAGEM. Praticamente todos os objetos consistem em partes. Essas partes estão inevitavelmente conectadas ao próprio objeto. Além disso, essas conexões, se percebidas regularmente, são automaticamente fixadas pelo cérebro. Consequentemente, o método de separar

partes da imagem é baseado em associações naturais, isto é, conexões criadas naturalmente quando se percebe um objeto. Você deve sempre destacar (escolher) imagens de um objeto na mesma ordem: da esquerda para a direita e de cima para baixo (como geralmente lemos ou escrevemos). Qualquer sub-imagem selecionada deve ser representada separadamente e em grande parte na imaginação. As imagens escolhidas são imagens de suporte (estimulantes); como em qualquer imagem de suporte, elas nunca devem ser repetidas. Usar: Imagens selecionadas usando este método são normalmente imagens finais no sistema de imagens de suporte. As associações que codificam dados memorizados específicos são diretamente conectadas a elas. O MÉTODO DA “CHAIN” Imagens são conectadas em pares usando este método. Tamanhos relativos de todos os objetos são os mesmos: grandes. A primeira e a segunda imagem de qualquer par de imagens devem ser estritamente diferenciadas. A segunda imagem penetra na primeira. A segunda imagem está acima da primeira. A segunda imagem está à direita da primeira. Uso: Este método é usado para formar sequências curtas de imagens de suporte (estimulando). A seqüência de imagens pode ser corrigida facilmente através de múltiplas repetições. A seqüência é então usada para formar um sistema de imagens de suporte, se combinado com outras técnicas de memorização

de seqüência. Sequências de imagens longas não são usadas no GMS®, porque qualquer sequência longa será desconstruída ao longo do tempo (o “efeito de eliminação da conexão”). Apenas o primeiro e o último elemento de uma longa seqüência permanecem na memória (mesmo que você seja capaz de reproduzir toda a sequência sem falhas e completamente depois de tê-la memorizado). A memorização de uma seqüência longa de imagens com o método Chain pode ser usada durante exercícios de treinamento, quando a preservação de conexões a longo prazo não é importante para você. Em tais casos, o número de imagens conectadas é praticamente ilimitado; pode-se conectar dezenas e centenas de imagens entre si. O MÉTODO DA "BONECA RUSSA". Quando você memoriza uma seqüência de imagens usando o método “Boneca Russa”, as imagens são inseridas uma na outra, como no famoso conjunto de bonecas russas, onde uma pequena boneca está aninhada em uma boneca de tamanho médio, Ambas as quais, então, se aninharam em um boneco maior. Tamanhos relativos das imagens conectadas em cada par:

grande + pequeno. Na realidade, uma pequena imagem (imaginada em grande parte) e uma parte da grande imagem (grande na imaginação) estão conectadas. Uma explicação deste método é a seguinte: cada elemento memorizado permanece livre; outras imagens (de tamanho médio) podem

ser escritas posteriormente:? A memorização de uma sequência de imagens usando o método “Boneca Russa” estabiliza as imagens na imaginação quando são lembradas. A próxima imagem não aparecerá em sua imaginação - a menos que você intencionalmente aumente de tamanho uma parte da primeira imagem. Uso: Este método é usado para memorizar uma seqüência de várias associações, caso as associações sejam conectadas diretamente, evitando imagens estimulantes. Os dados do monótipo são então reunidos para formar um bloco de informações (uma lista de números de telefone, tabelas cronológicas, etc.) que é então fixada em uma imagem de suporte estimulante. MEMORIZANDO POR NÚMEROS ORDINAIS. Memorizar por números ordinais dificilmente é usado para memorizar informações cotidianas ou informações educacionais reais, pois isso contradiz os princípios básicos do GMS® explicados acima. Quando é necessário numerar os dados memorizados (por exemplo, artigos de constituição), é utilizado o método de numeração de imagens com códigos figurativos. Lembro-lhe das regras de manipulação de códigos figurativos: 1) Nada é registrado em códigos figurativos. 2) Eles não devem estar conectados uns aos outros. É por isso que você pode usar o método de memorização descrito abaixo: Para treinamento; Para diferentes tipos de demonstrações e truques; Para memorização

temporária. Suponha que você precisa memorizar os seguintes números ordinais: 43 - Mágico 65 - Riqueza 78 - 706 (avião) 87 - Mágicas truques 503 - 773 (boneco do bebê) As imagens representando números ordinais (43, 65, 78, 87, 503) são representadas tão grande (bases de associação, contrárias às regras básicas de memorização). As imagens que representam as palavras ou números memorizados são representadas como de tamanho médio na sua imaginação. Para memorizá-los, você precisa criar conexões entre uma parte de uma imagem grande e uma imagem média. Quando você se lembra de um número ordinal (cada pessoa é capaz de lembrar uma seqüência de números sem erros), você se lembra de uma imagem que a representa e “pega” a imagem previamente memorizada dela. Como você distingue imagens- palavras e imagens-números? Muito simplesmente:

imagens que representam números têm que ser memorizadas bem antes, após o que eles são facilmente reconhecidos. Este método não é adequado para memorização a longo prazo das informações necessárias. Imagens representando números não podem ser usadas como bases de associação; fazer isso seria um erro grosseiro. Essa é uma das técnicas de memorização usadas na mnemônica do esporte, quando grandes quantidades de informações aparentemente sem sentido (números, cartões, palavras etc.) devem ser memorizadas rapidamente. MEMORIZANDO-SE

NA ORDEM ALFABÉTICA. No caso mais simples, a memorização em ordem alfabética é idêntica à memorização por números ordinais. No entanto, existem apenas algumas letras em um alfabeto, portanto, só é possível memorizar 26 unidades de informação usando-as. O esquema prático de memorização em ordem alfabética está representado na figura abaixo. Para formar um sistema de imagens de suporte, as combinações de várias técnicas são usadas: Códigos figurativos das letras do alfabeto inglês; Uma pequena seqüência de imagens aleatórias (memorizadas usando o método "Chain"); O método de destacar partes da imagem (5 imagens geralmente destacadas). A informação memorizada em si (números de telefone, por exemplo) é formada em uma associação com antecedência; então, uma base de associação de cada associação (cada número de telefone) é fixada com uma conexão a partes de uma imagem aleatória. Esse diretório de telefone alfabético pode ser aprimorado facilmente aumentando o número de células de informações. Para fazer isso, novas imagens aleatórias são adicionadas à seqüência atual de imagens aleatórias. Haverá apenas algumas imagens para cartas raramente encontradas, muitas dessas imagens para letras “populares”. Números de telefone memorizados usando este método podem ser lembrados consecutivamente, por letras do alfabeto sem ter que percorrer toda a lista, ou por

qualquer elemento de um número de telefone (último nome, primeiro nome ou um dos números). Naturalmente, todas as conexões criadas são meticulosamente fixadas por sua ativação repetida (recontada de cor). O MÉTODO DE RETORNO Para garantir um armazenamento de conexões no cérebro mais seguro e de longo prazo, os códigos figurativos não devem estar conectados uns aos outros. O método de retorno é uma combinação dos métodos “Chain” e “Singling out image parts” e permite memorizar códigos figurativos separadamente. O método de retorno é usado para

a memorização de longo prazo de extratos textuais

difíceis que contêm muitos códigos figurativos repetidos com frequência (números de dois e três dígitos, nomes próprios, sobrenomes e assim por diante). As imagens que representam dados precisos são memorizadas usando a técnica “Chain”: assim que um código figurativo é encontrado, ele é conectado não com a imagem anterior, mas com a sua parte. Quando os códigos figurativos são imagens isoladas, a conexão é continuada usando o método "Chain". O uso deste

método será examinado com mais detalhes durante

a análise da técnica de memorização de

informações factográficas. SEQÜÊNCIA FIXA. Qualquer imagem escolhida aleatoriamente e facilmente memorizada pode ser usada como imagens de suporte. Se você conectar uma pequena sequência de 5 imagens criadas com o

método "Chain" a qualquer uma das 10 imagens escolhidas usando o método "Cicero", você terá 50 imagens de suporte em vez de 5 imagens. Um sistema de imagens de suporte é formado com antecedência e é facilmente fixado no cérebro usando várias repetições. A melhor maneira de corrigir imagens de suporte é usá-las para memorização. Você pode memorizar números nas imagens de suporte formadas. Você não precisa corrigir essas informações depois. • Qualquer imagem de suporte pode ser usada várias vezes, literalmente como um disquete. Quando você memoriza novos dados em imagens de suporte, apaga automaticamente as informações gravadas anteriormente. PEÇAS DE IMAGEM INVISÍVEIS. As pessoas, particularmente os homens, muitas vezes desmantelam as coisas; É por isso que muitas vezes sabemos o que há dentro de um rádio, uma TV, um automóvel, uma máquina de lavar roupa e outros objetos. Objetos encontrados dentro de outros objetos podem ser usados como imagens de suporte. Essa técnica de formação de imagens de suporte é extremamente confiável, porque as conexões externas não influenciam as conexões internas. Objetos externos podem ser conectados usando o método “Chain”; associações contendo algumas informações precisas são conectadas às partes internas. Essa técnica de formação de imagens de suporte também pode ser usada para memorização de longo prazo de

diversas informações. O método Invisible Image Parts é bom porque também lhe dá a capacidade de reconstruir sistemas de imagem de suporte em seu cérebro. Assim, dentro da imagem “rádio”, você pode consertar 5 números de telefone; em seguida, ao mover essa imagem para o sistema de imagens de suporte, você move automaticamente todas as informações contidas nela. Uma imagem aleatória é usada como um contêiner. A informação é armazenada no interior e é facilmente movida, juntamente com a imagem. Além disso, partes externas da imagem também podem fixar informações (o método de destacar partes da imagem). NUMERAÇÃO COM CÓDIGOS FIGURATIVOS Você já está familiarizado com o conceito de “código figurativo”. Essa é uma imagem visual que representa elementos de informações frequentes: números de dois e três dígitos, nomes de meses, dias da semana, etc. Qualquer imagem visual tomada aleatoriamente pode ser marcada com um código figurativo criando uma conexão. Você pode marcar uma imagem aleatória com códigos figurativos de dias da semana. É fácil memorizar vários horários nos dias úteis usando esta abordagem. Quando você marcar imagens aleatórias com códigos figurativos de nomes de meses, você formará imagens de suporte permitindo que você memorize celebrações e aniversários. Ao numerar imagens com códigos figurativos numéricos, você obtém um sistema de

imagens numeradas. Como a lembrança de tais imagens de suporte acontece? A anamnese é baseada no fato de que qualquer pessoa pode lembrar facilmente uma série de números ou uma sequência de nomes de meses. Assim, quando você se lembra de números, você se lembrará de seus códigos figurativos; por sua vez, eles farão com que as imagens aleatórias que você conectou anteriormente com elas apareçam em seu cérebro. A técnica de destacar partes da imagem é conveniente para usar em combinação com o método de numeração. Nesse caso, você obtém 5 imagens de suporte em uma imagem numerada aleatória. As imagens podem ser numeradas com vários códigos figurativos, por exemplo, vários códigos figurativos de números de três dígitos, tornando assim possível formar um sistema de imagem de suporte sem fim na memória. Lembre- se: Qualquer sistema de imagem de suporte formado no cérebro deve ser cuidadosamente fixado por múltiplas repetições mentais. Exemplos:

Imagine uma imagem grande de um “automóvel” e coloque uma imagem de “monitor” em cima dela (código figurativo para segunda-feira). Agora você pode fixar seu horário de estudo para segunda-feira nas diferentes partes do automóvel. Anexar o código figurativo de "35" (cerveja) para o topo de uma imagem "scanner". Agora você tem a imagem de suporte para o número 35. Coloque três cóccix em uma imagem de lata - você obtém uma imagem

de suporte para 999 999 999. PARTE 7: FIXAÇÃO DA CONEXÃO NO CÉREBRO O MÉTODO DE REPETIÇÃO ATIVA Conexões entre imagens visuais , criado naturalmente ao ler um texto ou intencionalmente ao conectar imagens na imaginação, é apagado muito rápida e espontaneamente. Para armazená-los no cérebro, os dados devem ser repetidos. O processo de conectar múltiplas ativações inclui um mecanismo para manter tais conexões, para que elas possam existir no cérebro por um período de tempo relativamente longo. Se as conexões forem ativadas regularmente (pelo menos uma vez em 6 semanas), elas podem ser armazenadas para sempre. No GMS®, repetição é um processo que difere da definição usual da palavra. As pessoas geralmente definem “repetição” como uma percepção múltipla de informação. Por exemplo, ler um texto ou uma lista de números de telefone várias vezes. O processo de percepção múltipla é absolutamente inútil no que diz respeito à informação de sinais (que não faz imagens visuais aparecerem no cérebro). Não importa quantas vezes você examine uma matriz de números aleatórios contendo apenas zeros e uns, esses dados não serão memorizados. Em GMS®, dizendo “repetição”, queremos dizer um processo de recordação múltipla (recordação) de informação. Os dados só podem ser repetidos lembrando-se primeiro. Se uma pessoa não é especialmente

treinada para memorizar dados precisos, ela não consegue se lembrar desse tipo de dados e, conseqüentemente, conseguir consertá-lo em seu cérebro. Você deve notar que a repetição GMS® não é executada para memorização, mas para a real fixação de informações em seu cérebro. UM REGIME DE REPETIÇÃO APROXIMADO: Depois de memorizar as informações usando as técnicas GMS®, deve-se realizar LEMBRANÇA DE TESTE. Se você memorizou 30 números de telefone, eles devem ser escritos em uma folha de papel ou gravados em uma fita Dictaphone. Depois, as informações registradas devem ser comparadas com as informações da fonte. Esse teste deve sempre ser executado para garantir que você não cometa erros durante o estágio de codificação e crie conexões falsas. Se você descobriu um erro ou omitiu parte da informação durante a memorização do teste, você deve re-memorizar os dados perdidos até que esteja correto e completamente. Após a lembrança do teste e correção de erros, Você tem certeza de que as informações podem ser reproduzidas em volume total e sem erros. É somente após esse estágio que você pode começar a corrigir as informações no cérebro, repetindo-as várias vezes. Por favor note que, após a fase de memorização, você não pode dizer se você se lembra da informação ou não porque não há nenhuma informação ainda fixa em seu cérebro. É criado pelo cérebro em pequenas quantidades

pelas conexões fixadas pelo processo de memória. É por isso que a lembrança de testes é absolutamente necessária em todos os casos. É a única maneira de garantir que você tenha se lembrado de todas as informações corretamente. Com que frequência e após qual período (s) de tempo os dados memorizados devem ser ativados? Não há uma resposta única para esta questão, pois depende da complexidade e do volume dos dados memorizados, bem como a habilidade de memorização de uma pessoa em particular. Isso também é influenciado pela sua condição funcional:

obviamente, se uma pessoa está doente, a memorização e os processos de anamnese são mais difíceis de realizar. Só podemos recomendar um esquema de repetição temporária aproximado que seja o seguinte; A primeira lembrança deve ser feita após 40 a 60 minutos após a memorização. É durante esse período que as conexões criadas uma vez são destruídas na memória elétrica. A segunda lembrança deve ser feita após cerca de três horas após a primeira. O terceiro deve ser realizado cerca de 6 horas depois disso; o quarto deve acontecer na manhã seguinte. Esse número de repetições é essencial. Geralmente, o número de repetições aumenta proporcionalmente ao nível de complexidade dos dados e ao volume de informações. Quanto mais você se lembra dos dados, melhor fica fixo em seu cérebro. Independentemente disso, quaisquer novos dados

devem ser lembrados intensivamente nos primeiros três a quatro dias após a memorização primária. Após essa fixação de conexão, os dados podem ser armazenados por aproximadamente seis semanas em seu cérebro, mesmo que você não retorne à informação. Após seis semanas, os dados gradualmente começarão a ser apagados. Isso significa que, para o armazenamento da vida útil, as informações devem ser lembradas pelo menos uma vez a cada seis semanas. Se você memorizar as informações necessárias que são usadas regularmente em um processo de estudo ou no trabalho, o uso das informações o manterá automaticamente em sua memória. Se você memorizou informações potencialmente necessárias, mas raramente usadas, esses dados precisam ser lembrados com regularidade para garantir seu armazenamento a longo prazo no cérebro. Todos os fenômenos acima mencionados dizem respeito à memória elétrica. Os dados memorizados podem ser repetidos através de métodos diferentes. Mais sobre isso abaixo. VISUALIZANDO IMAGENS DE SUPORTE E BASES DE ASSOCIAÇÃO NA IMAGINAÇÃO. Esse método de repetição é aplicado às informações já fixadas e é usado quando você precisa repetir rapidamente grandes volumes de dados. Informações potencialmente importantes que não são usadas dentro de um período de seis semanas devem ser repetidas dessa maneira. As imagens de

suporte são uma sequência de imagens auxiliares que ajudam a corrigir uma sequência de associação. Dados precisos são codificados em associações. Uma base de associação, uma imagem grande à qual as partes, imagens médias (elementos de associação) estão conectadas, é sempre distinguida em qualquer associação. Quando você repete informações usando esse método, você deve intencionalmente suprimir a pronúncia interna / fala interna em relação às imagens visuais. É obrigatório ver as imagens de suporte e as bases de associação ligadas a elas. A supressão da pronúncia interna permite um notável aumento na velocidade de visualização da informação. 10 números de telefone podem ser vistos em 5-10 segundos na sua imaginação. Se você começar a dizer para si mesmo, a velocidade de visualização será igual à sua velocidade de fala. Normalmente, conexões reflexas entre os direitos reservados. As imagens e palavras são tão estáveis que uma pessoa do y.com acha difícil distinguir a atividade de diferentes sistemas analíticos. No entanto, diferentes sistemas analíticos podem funcionar separadamente uns dos outros, até mesmo paralelos uns aos outros. Assim, um digitador profissional pode conversar com um amigo ao telefone enquanto digita um texto. Ela não entende o significado do que está digitando, mas, ainda assim, não comete erros. Nesse caso, a habilidade de movimento é totalmente automática.

Analisadores visuais e de fala também podem

trabalhar de forma independente. A fim de suprimir

a fala interna enquanto estamos lembrando de

imagens, nosso analisador de fala precisa ser ocupado. Por exemplo, durante a visualização de imagens, você pode ler um poema que conhece bem ou contar em voz alta ou para si mesmo. Seu analisador de fala não poderá nomear imagens e ler um poema simultaneamente. Ao fazer este exercício, você gradualmente aprenderá a ver as

imagens em completo silêncio. Se você leu obras de Castaneda, provavelmente se lembra que os mágicos mexicanos chamavam tal habilidade de “grande silêncio”. Por “grande silêncio”, significavam a capacidade de uma pessoa pensar diretamente em imagens, quando lenta, desajeitada, e muitas vezes errônea fala pensamento-pronúncia é completamente bloqueada. Quando você estuda a velocidade de leitura, a supressão da fala interior é uma das técnicas metódicas mais importantes. Durante a leitura da velocidade, um livro é percebido da mesma maneira que um filme. Olhos percorrem as páginas, mas apenas cenas e imagens piscam em nossa imaginação. REPETIÇÃO COM DECODIFICAÇÃO COMPLETA Repetição com

decodificação completa é usada durante a fixação dos dados memorizados no cérebro 3 a 4 dias após

a memorização. Informações diversas são fixadas

como associações no cérebro. Cada associação é

fixada em uma imagem de suporte auxiliar. A repetição com decodificação completa é semelhante à seguinte: suponha que você tenha uma imagem de uma “lata com medicamentos” representando uma drogaria fixada em uma imagem de suporte de “porta”. Imagens de “carpete”, “aranha, ”E“ chá ”são fixados com conexões em diferentes partes da lata. Este é o número de telefone da farmácia: 389-53-04. Ao ativar essa combinação de imagens visuais em sua imaginação, você também precisa ativar seu analisador de fala para traduzir várias imagens de associação em uma declaração oral. Em outras palavras, quando você se lembra desta foto, você precisa dizer: “Uma farmácia - número de telefone:

trezentos e oitenta e nove, cinquenta e três, zero quatro”. Note que você não deve dar nomes comuns a imagens. Você tem que ver imagens em sua imaginação, mas diga NUMBERS em voz alta. Particularmente, termos e nomes que são memorizados repetidamente requerem repetição com decodificação completa. Nestes casos, se você se lembra de wisent, preservativo e chumbada - você não precisa nomear essas imagens, mas lembre-se do nome do estado - Wisconsin. A anamnese é semelhante à leitura de um livro no GMS®: a única diferença é que você não vê um texto; em vez disso, você vê imagens que representam certos elementos de informação em sua imaginação. A informação é literalmente “lida”

da imaginação, como se fosse um livro com ilustrações e você sabe o que cada ilustração representa. TÉCNICAS DE DESENHO INTERNO E DESENHO INTERNO A repetição usando fala mental e desenho mental é usada para os tipos de informação que precisam ser fixados na memória antes de se tornar um reflexo. Estes incluem vários códigos figurativos, palavras estrangeiras e caracteres de um novo alfabeto. Qual é a diferença entre imaginar uma imagem visual e desenhá-la mentalmente? Quando você imagina uma imagem visual, ela deve ser representada como: grande, detalhada, tridimensional e colorida. O desenho mental (interno) envolve um movimento ocular (memória de movimento). Imagine que você escreve algo com giz em um quadro negro ou com tinta em uma parede - isso é mais ou menos o que é o desenho mental. Você precisa desenhar mentalmente sinais desconhecidos, novas palavras estrangeiras da maneira como são escritas. As conexões reflexas são criadas lentamente e entre diferentes sistemas analíticos. Fixar informações em um nível de reflexo é criar uma conexão reflexa entre diferentes sistemas analíticos, principalmente entre os analisadores visuais, de fala e de movimento. CÓDIGOS FIGURATIVOS DE FIXAÇÃO. Lembre-se da imagem de “cerveja” que representa o número 35. Guarde-a em sua imaginação por algum tempo. Lentamente, desenhe “35” na própria imagem ou no fundo.

Repita a operação várias vezes todos os dias durante 3 a 4 dias. Como resultado da imaginação simultânea da imagem visual e do movimento ocular correspondente, o cérebro consertará essa conexão. Mais tarde, quando se lembrar da imagem da cerveja, ela ativará automaticamente o movimento dos olhos e desenhará “35” em sua imaginação. Enquanto isso, parece que você se lembrou automaticamente do número. FIXAÇÃO DE PALAVRAS ESTRANGEIRAS. Lembre-se de uma imagem que represente uma palavra russa. Diga, uma imagem de uma casa. Leia as dicas de imagem que representam sons da língua inglesa:

“domino” - | dom | som. Graças à alta inércia do analisador de fala, você poderá manter a pronúncia de | dom | em sua consciência por muito tempo. Então faça várias ações ao mesmo tempo: imagine uma casa; pronuncie mentalmente seu nome | dom |; e desenhe como está escrito: DOM. Você verá que essa combinação de processos é bastante comum em livros de língua estrangeira que prometem ensinar espanhol, francês, inglês, etc. muito rapidamente; elas envolvem ler, ver e escrever. Quanto mais sistemas envolvidos na conexão, mais rápida será a recuperação do reflexo. Como resultado de repetido. ativação de uma vez de células nervosas de três sistemas analíticos diferentes, uma conexão reflexo estável será criada entre eles. Imagem visual - analisador visual. Pronúncia de palavras - analisador de fala.

Palavra ortografia e escrita - analisador de movimento. FIXAÇÃO DE NOVOS SINAIS. Lembre-se de usar uma imagem que lhe dê uma dica sobre a pronúncia da palavra. Leia uma imagem dela que implique sua ortografia. Em seguida, desenhe o sinal em sua imaginação enquanto pronuncia em voz alta ou para si mesmo. Se você precisar armazenar uma imagem que implique a pronúncia do sinal em sua memória, você deve desenhar e pronunciar o sinal no fundo desta imagem. As conexões reflexas levam muito tempo para serem criadas. Quando você memorizar palavras estrangeiras, não se engane. Se você memorizou uma palavra à noite e recebeu um “A” pela manhã, isso não significa

necessariamente conhecimento verdadeiro. Se as palavras estrangeiras não estiverem fixas no nível do reflexo, elas serão completamente esquecidas. Então, você só terá um diploma depois de um curso

de idiomas

VERIFICAR O NÍVEL DE REFLEXO DA MEMORIZAÇÃO. O princípio é muito simples. Se uma conexão reflexa for criada, ela terá que funcionar muito rápida e automaticamente. Lembre- se da maneira como sua mão é puxada para longe de um ferro quente - isso é um reflexo, embora incondicional, um geneticamente "incorporado" ao seu cérebro. Para verificar a qualidade da memorização de palavras estrangeiras, escreva as palavras nos cartões. Isso é necessário para obter

obrigado pelas memórias. COMO

rapidamente uma sequência aleatória de elementos. Agora, coloque os cartões em uma mesa, um por um, e traduza as palavras do japonês para o inglês ou vice-versa. Preste atenção à sua velocidade de tradução. Se você traduzir uma palavra aleatória em um segundo, a palavra será fixada na memória e não será esquecida. Se você precisar de tempo para pensar em uma palavra, ela ainda não está consertada e será esquecida em breve. Esta é também a maneira que você pode verificar quais os sinais e códigos figurativos que podem estar mal fixados em seu cérebro. Assim, a qualidade da memorização de palavras estrangeiras é testada pela velocidade de reconhecimento. O uso simples dessas palavras é uma ilusão de memorização. Lembre-se disso ao estudar uma língua estrangeira. Você pode facilmente examinar o que compreende uma memorização reflexa. As letras do alfabeto da sua língua nativa são fixadas no nível do reflexo em seu cérebro. Agora leia as letras desta frase: ecnetnes sith ni sletter eht daer ganhou. Novos sinais, códigos figurativos e palavras estrangeiras devem ser lidos com a mesma facilidade. Um reflexo reage sem demora - e, se houver um atraso, ainda não é um reflexo. Observe que o desenvolvimento da habilidade de repetição de informações para fixá-la em sua memória é tão importante quanto formar a habilidade de memorização de informações usando imagens visuais. Você deve treinar-se para repetir

as informações - tão meticulosamente quanto você treina para memorizá-las. FORMANDO UM SISTEMA DE IMAGEM DE SUPORTE. Diferentes sistemas de imagens de suporte podem ser criados através da combinação das técnicas de memorização de sequência de imagem descritas. Um sistema de imagens de suporte deve ser criado antecipadamente; deve ser consertado por recordações repetidas de suas imagens por vários dias seguidos, até que um "paging" automático das imagens seja alcançado em sua imaginação. As imagens de suporte são bem fixas se você usá-las. Os exercícios de treinamento podem ser gravados várias vezes em um sistema de imagem de suporte recém formado - por exemplo, uma sequência de números de dois e três dígitos. Toda vez que você memorizar novos números, os anteriores serão automaticamente apagados das imagens de suporte. Ao realizar exercícios de treinamento, você não precisa corrigir os dados memorizados em sua memória. Você memoriza as imagens de suporte, lembra-as e nunca mais volta para elas. Neste caso, as imagens de suporte serão automaticamente apagadas após cerca de uma hora. Vamos examinar várias das combinações mais comuns usadas para formar um sistema de imagens de suporte. A variante mais simples. Crie um sistema de imagem de suporte em sua memória que contenha apenas os objetos selecionados usando o método “Cicero”. Se você formar uma

sequência de 100 imagens, já poderá começar os exercícios de treinamento. Essas imagens podem ser usadas várias vezes para memorizar palavras, números, combinações de letras e outros exercícios de treinamento. Uma combinação do método Cicero e o método de destacar partes da imagem. Se você selecionar imagens mais meticulosamente de acordo com as instruções fornecidas no livro, você poderá destacar 5 sub- imagens (partes da imagem) de cada imagem criada usando o método Cicero. Um exemplo:

suponha que uma de suas imagens seja uma geladeira. Conscutivamente desconstrua esta imagem em sua imaginação e imagine cada parte separadamente: compartimento de pão, porta de geladeira, freezer, prateleiras e compartimento de frutas. Se você fizer o mesmo com cada uma das 100 imagens que você chegou com o método Cicero, sua cabeça conterá um sistema de imagem de suporte que contém 500 elementos. Consequentemente, as capacidades de volume de memória aumentarão drasticamente porque o volume de informações memorizadas é limitado apenas pela velocidade de criação de conexão e pela presença de um número suficiente de imagens de suporte na memória. O MÉTODO CICERO + SEQUÊNCIA FIXA BEM + SINGLING PARTES IMAGEM. Você selecionou 5 sub-imagens em cada uma das 100 imagens criadas com o método Cicero, então você tem 500 imagens de suporte.

Agora, associe uma sequência curta de imagens aleatórias (contendo apenas 5 imagens conectadas usando o método "Chain") a cada uma das 500 imagens e, em cada uma dessas novas imagens, selecione mais 5 componentes. Vamos agora calcular o número de imagens de suporte que temos. Parece que agora temos 12 conjuntos de 500 imagens de suporte. Claro, seria extremamente difícil criar essa quantidade de imagens de suporte de uma vez, então crie-as gradualmente. O principal obstáculo é que nenhuma das imagens de suporte deve ser repetida. Para um usuário do GMS®, as imagens de suporte são iguais ao volume do disco rígido de um computador. As imagens de suporte são portadoras de informações na cabeça de um usuário do GMS. Você pode dividir seu sistema de imagens de suporte em diferentes seções. Uma seção de imagem será usada apenas para memorização de curto prazo, como exercícios de treinamento ou para demonstrar truques de memória. Outras imagens de suporte podem ser reservadas para memorização de informações diárias (números de telefone, endereços e assim por diante). No entanto, outra parte das imagens será usada para memorizar informações educacionais. Se você corrigir as informações necessárias sobre imagens de suporte, essas imagens de suporte não estarão disponíveis para uso repetido. Caso contrário, os dados armazenados neles seriam excluídos. Por

outro lado, uma sequência estrita de imagens de suporte permitirá visualizar as informações nelas fixadas, o que, por sua vez, garantirá o armazenamento de informações em seu cérebro. Eu aconselho você a criar um sistema de imagens de suporte e fazê-lo antes de fazer qualquer outra coisa. Uma pessoa sem imagens de suporte é como um computador sem um disco rígido que não tenha nada além de memória operacional. Principalmente, Um sistema de imagens de suporte é um sistema de estimulação interna do cérebro que torna sua memória independente de influências externas estimulantes. Você sempre precisará de acesso instantâneo às informações necessárias, independentemente de estímulos externos. Olhe para as pessoas ao seu redor; observe-os. Muitos não têm um sistema de estimulação interna do cérebro. Sua memória e pensamento são facilmente desviados por qualquer influência externa. É o suficiente para oferecer um tópico de conversa, outro, e depois o terceiro para que tal pessoa esqueça as coisas que ele inicialmente queria dizer. Depois de entender os mecanismos da memória humana, você será capaz de dominar os mecanismos da psicologia neurolinguística. • Lembre-se de uma regra importante: toda técnica de memorização é tão eficiente quanto o seu domínio dela. Você pode pensar que sabe como criar um sistema de imagens de suporte. Ainda, uma coisa é saber como e outra coisa ter um

sistema de imagens de suporte contendo centenas ou até milhares de imagens em sua memória. Os usuários de mnemônicos da Idade Média poderiam “formatar” sua memória e criar até 300.000 imagens de suporte nela. Como você vê, teoricamente, o segredo da memória fenomenal é simples, mas apenas teoricamente. Se você estudou o material deste livro de perto o suficiente, você pode se tornar um estudante da nossa escola. O Curso de Estudo de Treinamento Remoto consiste em cinco cursos e exercícios diferentes, mas interconectados, que proporcionam um aumento gradual de volume e complexidade de materiais memorizados. Abaixo, você encontrará a breve descrição de cada curso de estudo. ESCOLA DO CURSO DE ESTUDO DA MEMÓRIA FENOMENAL®. Treinamento Intensivo (curso de introdução, 12 lições) Estudo detalhado de técnicas separadas de memorização. Os alunos podem esperar um aumento gradual no volume de informações que podem ser memorizadas em um determinado momento; até 100 elementos. Eles também ganharão uma poderosa estabilidade de atenção. Os exercícios deste curso de estudo são projetados para ajudá-lo a desenvolver as habilidades iniciais de memorização, sem as quais o estudo de outros cursos é impossível. Primeiro Banco de Dados (curso básico, 12 aulas) Aprendizagem das técnicas de memorização de 25 tipos básicos de informação (números telefônicos,

datas históricas, valores constantes, horários, nomes, fórmulas, etc.), com possibilidade de recuperação e realocação seletiva de informação na memória. Você trabalhará com cem exemplos de informações não memorizáveis. Você será capaz de recordar a pedido de forma consistente e seletiva com absoluta precisão. É impossível memorizar de forma mais eficaz. Exame final no final deste curso. Línguas Estrangeiras (curso especial, 11 lições) Treinamento na memorização de estrangeiros e frases. O material do curso é baseado no idioma russo. (Qualquer linguagem pode ser usada por analogia.) A aplicação complexa de GMS® é considerada palavras durante o trabalho independente com lições do tutorial (memorizando e afixando novas palavras, gramática, frases, memorização de texto palavra por palavra, modelos de estrutura, áudio cursos, preparação de diálogos e afins na memória de longo prazo). Informação textual (curso especial, 16 lições) De piadas e contos até livros inteiros e tutoriais contendo terminologia complexa. Textos complexos são usados como exercícios. Como você pode memorizar um parágrafo de um livro de texto no menor tempo possível? Como você pode memorizar o conteúdo de um livro inteiro? Como você pode se lembrar de um conteúdo do seu discurso ou uma palestra para sempre? A resposta é simples: com a ajuda do GMS®. (Os textos não são lembrados palavra por palavra, mas são

reproduzidos usando suas próprias palavras, preservando a seqüência de parágrafos e as informações exatas.). Códigos e senhas (curso especial, 8 lições) O curso ensina como manter

dados numéricos confiáveis em sua memória. De sites e endereços de e-mail a números de cartão de crédito, pinnumbers, números de contas bancárias

e várias informações de login

informações podem ser armazenadas na memória. Nós vamos te mostrar como! Para mais detalhes, consulte:

http://www.pmemory.com/memory_training_online. html O livro está disponível na página da Web “School of Phenomenal Memory®”, desde 29 de março de 2006 em sua versão original. A tradução inglesa foi editada por Andre Kozlovsky e Keaston Alberts. Bem-vindo à Escola de Memória Fenomenal®! Ver. 5,00 sem foto

todas essas