Você está na página 1de 114

Capítulo

Poliedros
23

CONEXÕES COM ANOTAÇÕES EM AULA 1.5


A MATEMÁTICA
Capítulo 23 – Poliedros
Superfície poliédrica fechada

Uma superfície poliédrica fechada é composta de um


número finito (quatro ou mais) de superfícies poligonais
planas, de modo que cada lado de uma dessas superfícies
coincida com apenas um lado de alguma das outras
superfícies.

É uma superfície poliédrica fechada.

Não é uma superfície poliédrica


fechada.

CONEXÕES COM 1.5


23.1
A MATEMÁTICA
Poliedro

É chamado de poliedro o sólido geométrico formado


pela reunião de uma superfície poliédrica fechada com
todos os pontos do espaço delimitados por ela.

Exemplos

a) b) c)

CONEXÕES COM 1.5


23.2
A MATEMÁTICA
Elementos de um poliedro

face

aresta

vértice

CONEXÕES COM 1.5


23.3
A MATEMÁTICA
Nomenclatura de um poliedro

Poli edro
“várias” “face”

 Um poliedro costuma ser nomeado de acordo com seu


número de faces.

CONEXÕES COM 1.5


23.4
A MATEMÁTICA
Nomenclatura de um poliedro
Exemplos

6 faces
a) hexaedro 8 vértices
12 arestas

14 faces
b) tetradecaedro 16 vértices
28 arestas

12 faces
c) dodecaedro 20 vértices
30 arestas

CONEXÕES COM 1.5


23.4
A MATEMÁTICA
Nomes de poliedros estudados
com maior frequência

Número
4 5 6 7
de faces
Nome do tetraedro pentaedro hexaedro heptaedro
poliedro

Número
8 12 20
de faces
Nome do
octaedro dodecaedro icosaedro
poliedro

CONEXÕES COM 1.5


23.4
A MATEMÁTICA
Poliedro convexo e poliedro não convexo

Se cada plano que contém uma face de um poliedro


posiciona as demais faces em um mesmo semiespaço,
então o poliedro é convexo; caso contrário, é não
convexo (ou côncavo).

Observação:
Um plano  divide o espaço em dois semiespaços de mesma
origem .

CONEXÕES COM 1.5


23.5
A MATEMÁTICA
Poliedro convexo e poliedro não convexo
Exemplos

Poliedros convexos Poliedros não convexos

CONEXÕES COM 1.5


23.5
A MATEMÁTICA
Relação de Euler

V+F–2=A

número de número de número de


vértices faces arestas

CONEXÕES COM 1.5


23.6
A MATEMÁTICA
Relação de Euler
Observe que a relação de Euler é válida para os
poliedros abaixo.

Poliedro V F A V+F V+F−2

8 6 12 14 12

6 6 10 12 10

6 5 9 11 9

CONEXÕES COM 1.5


23.6
A MATEMÁTICA
Relação de Euler
Todo poliedro convexo satisfaz a relação de Euler, mas nem
sempre um poliedro que satisfaz essa relação é convexo.

Observe:

V = 24
F = 14 24 + 14 – 2 = 36
A = 36

não convexo

CONEXÕES COM 1.5


23.6
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R1. Obter o número de arestas de um poliedro convexo que


tem 6 faces e 8 vértices.

Resolução

Como a relação de Euler é válida para todos os poliedros


convexos, temos:
V + F – 2 = A  A = 8 + 6 – 2  A = 12
Portanto, esse poliedro convexo tem 12 arestas.

CONEXÕES COM 1.5


23.7
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R2. Quantos vértices tem um poliedro convexo com 4 faces


triangulares e 5 faces quadradas?

Resolução

Número de faces do poliedro: 4 + 5 = 9.


As 4 faces triangulares têm 12 lados (4  3) e as 5 faces
quadradas têm 20 lados (5  4). Então, o número de arestas é
dado por: (12 + 20) : 2 = 16, pois a ligação de duas faces
consecutivas se dá sempre por uma única aresta. Assim, o
poliedro tem 16 arestas e 9 faces. Logo:
V + 9 – 2 = 16  V = 9
Portanto, esse poliedro tem 9 vértices.
CONEXÕES COM 1.5
23.8
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R3. Um poliedro euleriano (que atende à relação de Euler) de


7 vértices tem 5 vértices nos quais concorrem 4 arestas e
2 vértices nos quais concorrem 5 arestas. Quantas arestas
e quantas faces tem esse poliedro?

Resolução

 5 vértices com 4 arestas: (5  4) arestas = 20 arestas


 2 vértices com 5 arestas: (2  5) arestas = 10 arestas

CONEXÕES COM 1.5


23.9
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R3.
Resolução

Como cada aresta foi contada duas vezes (uma vez em cada
vértice), temos:

A = 20 + 10 = 15
2
Pela relação de Euler, obtemos:

V + F = A + 2  7 + F = 15 + 2  F = 10

Logo, o poliedro tem 15 arestas e 10 faces.

CONEXÕES COM 1.5


23.9
A MATEMÁTICA
Poliedros de Platão
Um poliedro é chamado de poliedro de Platão se,
e somente se:
 é convexo e, portanto, satisfaz a relação de Euler;
 todas as faces têm o mesmo número inteiro n de arestas;
 em todos os vértices concorre o mesmo número inteiro m
de arestas.

CONEXÕES COM 1.5


23.10
A MATEMÁTICA
Poliedros de Platão
Exemplo
a) Esse poliedro é de Platão, pois:
 todas as faces têm 4 arestas;
 em todos os vértices concorrem
3 arestas;
 ele é convexo, portanto a relação
de Euler é válida (8 + 6 – 2 = 12).

CONEXÕES COM 1.5


23.10
A MATEMÁTICA
Poliedros de Platão
Exemplo
b) Esse poliedro não é de Platão, pois,
embora seja convexo e em todos os
vértices concorra o mesmo número
de arestas, nem todas as faces têm
o mesmo número de arestas. Há
faces quadrangulares, pentagonais
e uma triangular.

CONEXÕES COM 1.5


23.10
A MATEMÁTICA
As cinco classes de poliedros de Platão

Classe Característica Exemplo

4 faces triangulares, e em
Tetraedro cada vértice concorrem
3 arestas

6 faces quadrangulares,
Hexaedro e em cada vértice
concorrem 3 arestas

8 faces triangulares, e em
Octaedro cada vértice concorrem
4 arestas

CONEXÕES COM 1.5


23.11
A MATEMÁTICA
As cinco classes de poliedros de Platão

Classe Característica Exemplo

12 faces pentagonais, e em
Dodecaedro cada vértice concorrem
3 arestas

20 faces triangulares, e em
Icosaedro cada vértice concorrem 5
arestas

CONEXÕES COM 1.5


23.11
A MATEMÁTICA
Poliedros regulares
Os poliedros regulares têm todas as faces poligonais
regulares e congruentes entre si.
Observações:
 Uma superfície poligonal plana é regular se o polígono que
a compõe é regular;
 Um polígono é regular se tem todos os lados de mesma
medida e todos os ângulos internos congruentes.

pentágono
regular

CONEXÕES COM 1.5


23.12
A MATEMÁTICA
Poliedros regulares
Veja a seguir os cinco poliedros regulares.

tetraedro hexaedro octaedro


regular regular (cubo) regular

dodecaedro icosaedro
regular regular

CONEXÕES COM 1.5


23.12
A MATEMÁTICA
Planificação da superfície de um poliedro
A superfície de um poliedro, que é formada por superfícies
poligonais planas, pode ser projetada sobre um plano, de tal
modo que cada uma das faces do poliedro tenha pelo menos
um lado em comum com outra face.
Obtemos, assim, uma figura plana, que costuma ser chamada
de molde do poliedro, planificação da superfície do
poliedro ou, simplesmente, planificação do poliedro.
As faces de um poliedro podem ser arranjadas de vários
modos, desde que cada face esteja ligada a outra por pelo
menos um de seus lados.

CONEXÕES COM 1.5


23.13
A MATEMÁTICA
Planificação da superfície de um poliedro
Exemplo

CONEXÕES COM 1.5


23.13
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R4. Para o caso do cubo, há 11 diferentes planificações.


Duas delas estão representadas abaixo; desenhar as
outras 9 planificações.

CONEXÕES COM 1.5


23.14
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R4.
Resolução

A resolução fica facilitada se usarmos uma malha quadriculada.


Estas são as outras possibilidades:

CONEXÕES COM 1.5


23.14
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R5. Desenhar duas planificações diferentes da superfície do


tetraedro regular.

Resolução

ou

CONEXÕES COM 1.5


23.15
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R6. Na planificação da superfície


de um cubo, foi assinalado
um ponto A. Marcar nessa
planificação o ponto que
coincidirá com A depois de
o cubo ser montado.

Resolução

CONEXÕES COM 1.5


23.16
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R7. Qual é o número de vértices


do sólido obtido ao dobrarmos
convenientemente as linhas
tracejadas da figura ao lado?

Resolução
O sólido obtido é um heptaedro, logo o número de faces é 7.

Como há 5 faces quadrangulares e 2 faces pentagonais, o


número de arestas é: A = 5  4 + 2  5 = 15
2
Como vale a relação de Euler, temos:
V = 15 – 7 + 2 ou V = 10

CONEXÕES COM 1.5


23.17
A MATEMÁTICA
Prismas
Vamos considerar dois
planos paralelos,  e , uma
região poligonal P contida
em  e uma reta r que
intercepta os planos  e .

Chama-se prisma o poliedro formado por todos os


segmentos de reta paralelos a r tais que uma de suas
extremidades é um ponto da região P e a outra
extremidade é um ponto no plano .

CONEXÕES COM 1.5


23.18
A MATEMÁTICA
Prismas
Exemplos

a) b)

c)

CONEXÕES COM 1.5


23.18
A MATEMÁTICA
Elementos de um prisma
Considerando o prisma ao lado, temos:
 bases: são as regiões poligonais
P e P', congruentes e situadas
em planos paralelos ( e ,
respectivamente);
 faces laterais: as regiões poligonais AA’BB’, BB’CC’ etc.;
 arestas das bases: os segmentos AB, BC, ..., A’B’, B’C’ etc.;
 arestas laterais: os segmentos AA’, BB’, CC’ etc.;
 altura do prisma: a distância h entre os planos das
bases ( e ).

CONEXÕES COM 1.5


23.19
A MATEMÁTICA
Classificação dos prismas
1o critério
Consideramos a inclinação da reta r em relação aos planos
 e  que contêm as bases:

 se a reta r é  se a reta r não é


perpendicular aos planos perpendicular aos planos
e prisma reto e prisma oblíquo

faces laterais
são retângulos
faces laterais
são paralelogramos
prisma reto prisma oblíquo

CONEXÕES COM 1.5


23.20
A MATEMÁTICA
Classificação dos prismas
2o critério
Consideramos o polígono que determina as bases:

 se esse polígono é um triângulo


prisma triangular

 se é um pentágono
prisma pentagonal,
e assim por diante.

 se é um quadrilátero
prisma quadrangular

CONEXÕES COM 1.5


23.20
A MATEMÁTICA
Prisma regular

Um prisma é regular se, e somente se, é reto e suas


bases são superfícies poligonais regulares.

Exemplos

Este prisma é regular, Este prisma não é regular,


pois ele é reto e as suas pois as suas bases não são
bases são quadradas. polígonos regulares.

CONEXÕES COM 1.5


23.21
A MATEMÁTICA
Paralelepípedo
Entre os prismas quadrangulares, aqueles que têm bases em
forma de paralelogramos são chamados de paralelepípedos.
Esses prismas podem ser retos ou oblíquos.

Exemplos

Paralelepípedo Paralelepípedo cubo


oblíquo reto-retângulo ou
bloco retangular

CONEXÕES COM 1.5


23.22
A MATEMÁTICA
Medida da diagonal de um
paralelepípedo reto-retângulo

Diagonal de um paralelepípedo é todo segmento


cujas extremidades são vértices desse paralelepípedo
que não pertencem a uma mesma face.

d=

CONEXÕES COM 1.5


23.23
A MATEMÁTICA
Medida da diagonal de um
paralelepípedo reto-retângulo

d=

CONEXÕES COM 1.5


23.23
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R8. Calcule a medida da diagonal


do paralelepípedo ao lado.

Resolução

Sabemos que: d =
Substituindo a, b e c, respectivamente, por 3, 4 e 5, temos:
d= = = ⇒
⇒ d=
Logo, a diagonal mede cm.

CONEXÕES COM 1.5


23.24
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R9. Calcule a medida da aresta de um cubo cuja diagonal


excede em cm a diagonal da base.

Resolução

Sendo d a medida da diagonal do cubo e


f a medida da diagonal da base, temos, pelos
dados do problema:
d=f+ ⇒d–f=
Também temos:

CONEXÕES COM 1.5


23.25
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R9.
Resolução

Por se tratar de um cubo, sabemos que: d =


Assim: d – f =

Portanto: = cm

CONEXÕES COM 1.5


23.25
A MATEMÁTICA
Representações planas de prismas
Observe, a seguir, a planificação da superfície de um prisma.

Por meio dela, identificamos muitas características desse


prisma. Veja:
 tem 7 faces, já que a planificação de sua superfície apresenta
7 regiões poligonais;

CONEXÕES COM 1.5


23.26
A MATEMÁTICA
Representações planas de prismas
 tem bases pentagonais, pois faces pentagonais não podem
ser faces laterais de um prisma, que devem ser
necessariamente quadriláteros;
 tem 5 faces laterais (ou faces retangulares), já que as
pentagonais são bases;
 tem 10 vértices, uma vez que cada base contém metade dos
vértices do prisma;
 é um prisma reto, pois suas faces laterais são retangulares;
 tem altura igual ao comprimento de uma aresta lateral, já
que é reto.

CONEXÕES COM 1.5


23.26
A MATEMÁTICA
Área da superfície de um prisma
Área da base (Abase): área da face que é base;
Área lateral (Alateral): soma das áreas das faces laterais;
Área total (Atotal): soma da área lateral com as áreas das
duas bases, ou seja:

Atotal = Alateral + 2 ⋅ Abase

CONEXÕES COM 1.5


23.27
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R10. Calcular a área total da superfície


de um paralelepípedo reto-retângulo
de dimensões a, b e c (medidas
dadas em uma mesma unidade).

Resolução
Nesse caso, quaisquer pares de faces paralelas podem ser as
bases do prisma. Assim, a área total é a soma das áreas de
seis retângulos congruentes dois a dois:
Atotal = 2ab + 2ac + 2bc ⇒ Atotal = 2(ab + ac + bc)

CONEXÕES COM 1.5


23.28
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R11. Calcular a área total da superfície de um cubo


de aresta a.

Resolução
Como o cubo é um paralelepípedo
reto-retângulo de arestas congruentes, temos:
Atotal = 2(a a + a a + a a)
Atotal = 6a2

CONEXÕES COM 1.5


23.29
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R12. Calcular a área total da superfície do prisma hexagonal


regular abaixo.

CONEXÕES COM 1.5


23.30
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R12.
Resolução

Como vimos, um prisma regular é um prisma reto e, portanto,


suas faces laterais são retangulares e congruentes, de
dimensões a e h.
Assim, a área lateral é dada por: Alateral = 6 ⋅ a ⋅ h

A base do prisma é uma região hexagonal regular de lado a.

Sabemos que um hexágono regular pode ser decomposto em


seis triângulos equiláteros. A área de um triângulo equilátero
de lado ℓ é dada por: A =

CONEXÕES COM 1.5


23.30
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R12.
Resolução

Assim, a área de um hexágono regular de lado ℓ é:

A=

Portanto, a área da base do prisma é dada por:

Abase =

Logo, a área total da superfície desse prisma hexagonal é:

Atotal = Alateral + 2 ⋅ Abase = 6ah + 2 ⋅

⇒ Atotal = 3a(2h + a )

CONEXÕES COM 1.5


23.30
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R13. Determinar a área total da superfície de um prisma


triangular reto, de altura 12 cm, sabendo que as
arestas da base formam um triângulo retângulo de
catetos que medem 6 cm e 8 cm.

Resolução
O prisma tem base triangular. Assim:

Abase = = 24

CONEXÕES COM 1.5


23.31
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R13.
Resolução

A área lateral é dada pela soma das áreas das faces


retangulares que compõem a superfície lateral. Calculando a
medida da hipotenusa do triângulo retângulo da base, temos:
x2 = 62 + 82 ⇒ x = 10
Portanto: Alateral = 6 ⋅ 12 + 8 ⋅ 12 + 10 ⋅ 12 = 288
Logo, a área total é dada por:
Atotal = Alateral + 2 ⋅ Abase
Atotal = 288 + 2 ⋅ 24 = 336
Portanto, a área total da superfície do prisma é de 336 cm2.

CONEXÕES COM 1.5


23.31
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R14. Determinar a área total da superfície


do prisma oblíquo de base quadrada
representado ao lado, sabendo que
as faces laterais são congruentes.

Resolução
O prisma tem base quadrada. Assim:
Abase = 102 ⇒ Abase = 100
Para calcular a área de uma das faces laterais, vamos obter
a altura h.

CONEXÕES COM 1.5


23.32
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R14.
Resolução

sen 60º =

Assim:
Alateral = 4 ⋅ (10 ⋅ 15 ) = 600
área do paralelogramo

Logo:
Atotal = Alateral + 2 ⋅ Abase
Atotal = 600 + 2 ⋅ 100
Atotal = 200 (1 + 3 )
Portanto, a área total da superfície do prisma é 200 (1 + 3 )cm2.
CONEXÕES COM 1.5
23.32
A MATEMÁTICA
Volume de um prisma

O volume de um prisma corresponde a um único


número real V positivo obtido pela comparação da
porção do espaço ocupado pelo prisma com a porção do
espaço ocupado por uma unidade de medida de volume.

 A unidade de medida de volume que usualmente


consideramos é o volume de um cubo unitário (aresta 1 u),
sendo u certa unidade de comprimento. O volume desse cubo
unitário é 1 u3.
 Se a aresta do cubo unitário mede 1 m  V = 1 m3
 Se a aresta do cubo unitário mede 1 mm  V = 1 mm3

CONEXÕES COM 1.5


23.33
A MATEMÁTICA
Volume de um prisma
Exemplo
Vamos calcular quantas vezes o cubo unitário de aresta 1 cm cabe em
um paralelepípedo reto-retângulo de dimensões 4 cm, 2 cm e 3 cm.

CONEXÕES COM 1.5


23.34
A MATEMÁTICA
Volume de um prisma
Exemplo
Analisando a figura, observamos que o paralelepípedo é formado
por 4 ⋅ 2 = 8 cubos unitários na base e tem 3 camadas iguais à
camada da base.
Logo, tem 3 ⋅ 8 = 24 cubos unitários no total.
Portanto, o paralelepípedo é formado por 4 ⋅ 2 ⋅ 3 = 24 cubos de
1 cm3 de volume. Dizemos, então, que o volume dele é 24 cm3.

CONEXÕES COM 1.5


23.34
A MATEMÁTICA
Volume de um paralelepípedo
reto-retângulo

Vparalelepípedo = a ⋅ b ⋅ c

Vcubo = a3

CONEXÕES COM 1.5


23.35
A MATEMÁTICA
Secção transversal de um prisma
Um plano intercepta um sólido através de uma superfície
chamada de secção plana. Quando a secção plana é paralela
à base do prisma, ela é denominada secção transversal.

CONEXÕES COM 1.5


23.36
A MATEMÁTICA
Princípio de Cavalieri

Dois sólidos, S1 e S2, apoiados num plano  e contidos


num mesmo semiespaço, terão o mesmo volume V
se todo plano , paralelo a , secciona os dois sólidos
de modo que as secções sejam regiões planas de
mesma área (A).

CONEXÕES COM 1.5


23.37
A MATEMÁTICA
Princípio de Cavalieri
Exemplo
Sobre uma mesa, formamos uma pilha com certa quantidade de
cartões retangulares idênticos. A seguir, modificamos a forma da pilha
sem retirar nem pôr cartão algum. Veja a ilustração de uma possível
situação desse tipo.

CONEXÕES COM 1.5


23.37
A MATEMÁTICA
Princípio de Cavalieri
Exemplo
Observando as pilhas, é possível notar que:
 a altura das duas pilhas é a mesma, pois têm a mesma quantidade
de cartões idênticos;
 os cartões das duas pilhas ficam à mesma altura da mesa e têm
a mesma área, pois são idênticos;
 a segunda pilha tem o mesmo volume da primeira, já que é formada
pelos mesmos cartões e, portanto, ocupa a mesma porção
do espaço.

CONEXÕES COM 1.5


23.37
A MATEMÁTICA
Volume de um prisma qualquer

Vprisma = área da base x altura

CONEXÕES COM 1.5


23.38
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R15. Deseja-se cimentar um quintal de formato quadrado,


com lados medindo 8 m, com 4 cm de espessura de
massa de cimento. Qual é o volume necessário de
massa para revestir essa área?

Resolução

A camada de cimento terá a forma de um paralelepípedo


reto-retângulo de base quadrada, com 8 m de aresta e altura
de 4 cm. Como a espessura do revestimento é de 4 cm ou
0,04 m, o volume de massa é dado por: V = 8 ⋅ 8 ⋅ 0,04 
V = 64 ⋅ 0,04 V = 2,56
Logo, são necessários 2,56 m3 de massa para o revestimento.
CONEXÕES COM 1.5
23.39
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R16. Calcular o volume de ar contido em uma casa que tem


a forma do prisma a seguir.

CONEXÕES COM 1.5


23.40
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R16.
Resolução

Vamos decompor a figura da casa em dois prismas.

1.) Prisma reto-retângulo


V1 = Abase ⋅ altura
V1 = 4 ⋅ 5 ⋅ 3
V1 = 60

CONEXÕES COM 1.5


23.40
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R16.
Resolução

2.) Prisma reto de base triangular


V2 = Abase ⋅ altura
V2 = ⋅5
V2 = 10

Logo, o volume total de ar contido na casa é dado por


V1 + V2, ou seja, 70 m3.

CONEXÕES COM 1.5


23.40
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R17. Um reservatório de água tem a forma do


prisma hexagonal regular da figura ao lado
e está cheio. Se forem consumidos 3.000
litros, quanto baixará, em metro, o nível da
água desse reservatório?

Resolução

Vamos representar por x, em metro, quanto baixará o


nível da água no reservatório, se forem consumidos os litros
indicados. Os 3.000 litros consumidos ocupam o volume de
um prisma hexagonal regular de mesma base do prisma da
figura e altura de x metro.
CONEXÕES COM 1.5
23.41
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R17.
Resolução

A base do prisma é uma região hexagonal


regular de lado 2 m, cuja área é dada por:

Abase = Abase = Abase = 6

Com esse dado, podemos calcular o volume da parte do prisma


correspondente aos 3.000 litros:

V = Abase ⋅ x = 6 ⋅x

CONEXÕES COM 1.5


23.41
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R17.
Resolução

Como 3.000 litros = 3 m3, temos:


6 ⋅x=3 ⇒ x = 0,5
Portanto, o nível da água baixará 0,5 metro.

CONEXÕES COM 1.5


23.41
A MATEMÁTICA
Pirâmides
Vamos considerar um plano , uma região poligonal convexa S
contida em  e um ponto V fora de .

Chama-se pirâmide o poliedro formado por todos os


segmentos de reta cujas extremidades são o ponto V
e um ponto da região S.

CONEXÕES COM 1.5


23.42
A MATEMÁTICA
Elementos de uma pirâmide
Considerando a pirâmide desenhada
ao lado, temos:
 base: a região poligonal S;
 vértice da pirâmide: o ponto V;
 faces laterais: as superfícies
triangulares AVB, BVC, ..., NVA;
 arestas da base: os segmentos AB, BC, ... , NA;
 arestas laterais: os segmentos VA, VB, VC, ... , VN;
 altura da pirâmide: a distância h entre o vértice V e
o plano 

CONEXÕES COM 1.5


23.43
A MATEMÁTICA
Classificação das pirâmides
Consideramos o número de arestas da base:

 se a base tem 3 arestas


pirâmide triangular

 se a base tem 4 arestas


pirâmide quadrangular

 se a base tem 5 arestas


pirâmide pentagonal,
e assim por diante.

CONEXÕES COM 1.5


23.44
A MATEMÁTICA
Representações planas de pirâmides
Até aqui, representamos pirâmides em perspectiva, como
a ilustrada abaixo.

CONEXÕES COM 1.5


23.45
A MATEMÁTICA
Representações planas de pirâmides
Como os demais poliedros, uma pirâmide também pode ser
representada por meio de planificações de sua superfície. Em
um plano, é possível justapor as faces de uma pirâmide de
diferentes modos, desde que cada uma das faces tenha pelo
menos uma aresta em comum com outra. Observe:

ou

CONEXÕES COM 1.5


23.45
A MATEMÁTICA
Pirâmide regular

Uma pirâmide cuja base é uma superfície poligonal


regular e cuja projeção ortogonal P do vértice sobre o
plano da base coincide com o centro O do polígono de
base é chamada de pirâmide regular.

CONEXÕES COM 1.5


23.46
A MATEMÁTICA
Pirâmide regular
Observações:
 O centro de um polígono regular coincide com o centro da
circunferência circunscrita a esse polígono.
 As faces de uma pirâmide regular são determinadas por
triângulos isósceles congruentes. Um importante exemplo
desse tipo de pirâmide regular é o tetraedro regular.

CONEXÕES COM 1.5


23.46
A MATEMÁTICA
Elementos das pirâmides regulares

CONEXÕES COM 1.5


23.47
A MATEMÁTICA
Relações métricas entre os elementos
de uma pirâmide regular

CONEXÕES COM 1.5


23.48
A MATEMÁTICA
Relações métricas entre os elementos
de uma pirâmide regular

CONEXÕES COM 1.5


23.48
A MATEMÁTICA
Relação entre as medidas da aresta da
base e as do apótema da base de
algumas pirâmides regulares

Base Figura Relação

Triângulo ou
equilátero

CONEXÕES COM 1.5


23.49
A MATEMÁTICA
Relação entre as medidas da aresta da
base e as do apótema da base de
algumas pirâmides regulares

Base Figura Relação

Quadrado ou

CONEXÕES COM 1.5


23.49
A MATEMÁTICA
Relação entre as medidas da aresta da
base e as do apótema da base de
algumas pirâmides regulares

Base Figura Relação

Hexágono ou
regular

CONEXÕES COM 1.5


23.49
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R18. Um tetraedro regular tem arestas


medindo 10 cm. Calcular a medida
do apótema da pirâmide (g),
a medida do apótema da base (m)
e a altura da pirâmide (h).

Resolução
No ∆DMA, temos:
Como a base é uma superfície triângular equilátera, vem:

CONEXÕES COM 1.5


23.50
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R18.
Resolução

Agora, no ∆DMO, temos:

Portanto, as medidas são:

cm, cm e cm

CONEXÕES COM 1.5


23.50
A MATEMÁTICA
Área da superfície de uma pirâmide
Área da base (Abase): área da superfície poligonal que forma
a base;
Área lateral (Alateral): soma das áreas das faces laterais
(superfícies triangulares);
Área total (Atotal): soma da área lateral com a área da base,
ou seja:

Atotal = Alateral + Abase

CONEXÕES COM 1.5


23.51
A MATEMÁTICA
Área da superfície de uma pirâmide
Observação:
Se a pirâmide for um tetraedro regular, sua área total, em
função da medida ℓ da aresta, será dada por:

Atotal =

CONEXÕES COM 1.5


23.51
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R19. Determinar a área da superfície de


uma pirâmide regular hexagonal
sabendo que a aresta da base mede ℓ
e a aresta lateral mede a.

Resolução
A base da pirâmide é uma superfície hexagonal
regular de lado ℓ. Portanto, a área da base é dada por:

Abase =

CONEXÕES COM 1.5


23.52
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R19.
Resolução

Como a pirâmide é regular, as faces laterais são formadas por


triângulos isósceles e congruentes, que nesse caso têm base ℓ
e altura g.

No triângulo retângulo VMB, temos:

Dessa forma:

Alateral =

CONEXÕES COM 1.5


23.52
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R19.
Resolução

Portanto:
Atotal = Alateral + Abase =

Logo, a área da superfície da pirâmide regular hexagonal é:

Atotal =

CONEXÕES COM 1.5


23.52
A MATEMÁTICA
Propriedades das pirâmides
1a propriedade: A razão entre a área S’
de uma secção transversal de uma
pirâmide feita a uma altura h’ em relação
ao vértice e a área S da base dessa
pirâmide de altura h é:

2a propriedade: Se duas pirâmides


têm mesma altura e mesma área de
base, elas têm o mesmo volume.

CONEXÕES COM 1.5


23.53
A MATEMÁTICA
Volume de uma pirâmide de base
triangular

Vpirâmide triangular =

CONEXÕES COM 1.5


23.54
A MATEMÁTICA
Volume de uma pirâmide qualquer

Vpirâmide = área da base x altura

CONEXÕES COM 1.5


23.55
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R20. Calcular o volume do octaedro


regular de aresta a.

Resolução
Observe que o sólido é formado
por duas pirâmides quadrangulares
regulares cuja área da base é
Abase = a2.

OB é igual à metade da medida da


diagonal do quadrado da base.

Portanto: OB =

CONEXÕES COM 1.5


23.56
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R20.
Resolução

No triângulo retângulo BOE, temos:

Logo, o volume do octaedro é:

Voctaedro = 2 =2

CONEXÕES COM 1.5


23.56
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R21. Calcular o volume do tetraedro regular de aresta a.


Resolução

A área da base é a área de uma


superfície triangular equilátera de
lado a. Logo: Abase =

A altura h é tal que:

Assim:
Vtetraedro = ⇒ Vtetraedro = ⇒

⇒ Vtetraedro =
CONEXÕES COM 1.5
23.57
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R22. Determinar o volume de uma


pirâmide regular hexagonal cuja
aresta da base mede 12 cm e a
aresta lateral mede 20 cm.

Resolução
Primeiro, vamos calcular a medida g do apótema da pirâmide.

CONEXÕES COM 1.5


23.58
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R22.
Resolução

Agora, vamos determinar a


medida m do apótema da base.
Como a base é um hexágono
regular, temos:

Cálculo da altura h da pirâmide:

CONEXÕES COM 1.5


23.58
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R22.
Resolução

Cálculo da área da base:

Abase = Abase =

Cálculo do volume da pirâmide:

Vpirâmide = Vpirâmide = Vpirâmide =

Portanto, o volume da pirâmide é cm3.

CONEXÕES COM 1.5


23.58
A MATEMÁTICA
Tronco de pirâmide
Vamos considerar uma pirâmide de vértice V, altura H e
base contida em um plano .

CONEXÕES COM 1.5


23.59
A MATEMÁTICA
Tronco de pirâmide
Seccionando essa pirâmide com um plano , paralelo a ,
essa figura é separada em dois sólidos, o que contém o
vértice V, que é uma nova pirâmide de altura h e base
contida no plano , e o que contém a base da pirâmide
maior, denominado tronco de pirâmide, de bases
paralelas.

CONEXÕES COM 1.5


23.59
A MATEMÁTICA
Elementos de um tronco de pirâmide
Considerando o tronco de pirâmide da
figura ao lado, temos:
 base maior: superfície poligonal
ABCDEF;
 base menor: superfície poligonal
A’B’C’D’E’F’;
 faces laterais: superfícies trapezoidais
AA’B’B, BB’C’C etc.;
 altura do tronco (ht): distância entre a
base maior e a base menor (ht = H – h).

CONEXÕES COM 1.5


23.60
A MATEMÁTICA
Tronco de pirâmide regular
No tronco obtido de uma pirâmide regular, observamos que:
 as bases são superfícies poligonais regulares semelhantes;
 as faces laterais são superfícies trapezoidais isósceles e
congruentes;
 a altura de uma face lateral é o apótema do tronco
(de medida p).

CONEXÕES COM 1.5


23.61
A MATEMÁTICA
Área da superfície de um tronco de
pirâmide
Área da base menor (Ab): área
da superfície poligonal que forma
a base menor (A’B’C’D’E’F’).
Área da base maior (AB): área
da superfície poligonal que forma
a base maior (ABCDEF).
Área lateral (Alateral): soma das áreas dos trapézios laterais
(A’ABB’, B’BCC’, C’CDD’, D’DEE’, E’EFF’ e F’FAA’).

CONEXÕES COM 1.5


23.62
A MATEMÁTICA
Área da superfície de um tronco de
pirâmide
Área total (Atotal): soma da área lateral com as áreas das
bases menor e maior, ou seja:

Atotal = Alateral + Ab + AB

CONEXÕES COM 1.5


23.62
A MATEMÁTICA
Razão de semelhança

 = ... =

Observação:
Em geral, usa-se a letra k para representar a razão de
semelhança entre dois segmentos.

CONEXÕES COM 1.5


23.63
A MATEMÁTICA
Volume de um tronco de pirâmide

Vtronco = VVABCDE – VVA’B’C’D’E’

ou

Vtronco =

Observação:
Essa fórmula também é válida para pirâmides oblíquas.

CONEXÕES COM 1.5


23.64
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R23. Um tronco de pirâmide reta tem bases quadradas de


lados 4 cm e 10 cm e altura de 6 cm. Calcular as áreas
das bases e o volume do tronco.

Resolução
AB = 102 = 100
Logo: AB = 100 cm2
Ab = 42 = 16
Logo: Ab = 16 cm2
Vtronco =
Vtronco = 2(100 + 40 + 16) = 312
Logo, o volume do tronco é 312 cm3.

CONEXÕES COM 1.5


23.65
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R24. Um tetraedro regular de 4 cm de altura tem 64 cm3 de


volume. Calcular o volume v da pirâmide obtida pela secção
feita por um plano paralelo à base e à altura de 2 cm.

Resolução
Se duas pirâmides de alturas h e H são semelhantes na razão k,
então a razão entre seus volumes é:

Logo, o volume da nova pirâmide é 8 cm3.

CONEXÕES COM 1.5


23.66
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R25. Um tronco de pirâmide regular tem


a aresta lateral medindo dm
e bases quadradas cujos lados
medem 4 dm e 10 dm. Calcular
a área de cada base, a área lateral
e o volume do tronco.

Resolução

 Cálculo da área de cada base:


Ab = 42 = 16; logo: Ab = 16 dm2
AB = 102 = 100; logo: AB = 100 dm2

CONEXÕES COM 1.5


23.67
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R25.
Resolução

 Cálculo da área lateral:


Para calcular a área lateral, precisamos
da medida de M’M indicada na figura.
Vamos destacar a face lateral BB’C’C.
Pela figura ao lado, temos:

A área de cada face lateral


(trapézio BB’C’C) é:

ABB’C’C =
CONEXÕES COM 1.5
23.67
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R25.
Resolução

A área lateral do tronco de pirâmide é:


Alateral = 4 ⋅ 35 Alateral = 140;
logo: Alateral = 140 dm2
 Cálculo do volume do tronco:
Para calcular o volume, precisamos
determinar a altura do tronco de pirâmide.
Observe o trapézio O’M’MO destacado:
Pela figura, temos:
h2t + 32 = 52 ht = 4

CONEXÕES COM 1.5


23.67
A MATEMÁTICA
Exercício resolvido

R25.
Resolução

Portanto:

Vtronco =

Vtronco =

Vtronco = 208
Logo, o volume do tronco é 208 dm3.

CONEXÕES COM 1.5


23.67
A MATEMÁTICA
ANOTAÇÕES EM AULA
Coordenação editorial: Juliane Matsubara Barroso
Edição de texto: Ana Paula Souza Nani, Adriano Rosa Lopes, Enrico Briese Casentini, Everton José Luciano,
Juliana Ikeda, Marilu Maranho Tassetto, Willian Raphael Silva
Assistência editorial: Pedro Almeida do Amaral Cortez
Preparação de texto: Renato da Rocha Carlos
Coordenação de produção: Maria José Tanbellini
Iconografia: Daniela Chahin Barauna, Erika Freitas, Fernanda Siwiec, Monica de Souza e Yan Comunicação
Ilustração dos gráficos: Adilson Secco

EDITORA MODERNA
Diretoria de Tecnologia Educacional
Editora executiva: Kelly Mayumi Ishida
Coordenadora editorial: Ivonete Lucirio
Editores: Andre Jun, Felipe Jordani e Natália Coltri Fernandes
Assistentes editoriais: Ciça Japiassu Reis e Renata Michelin
Editor de arte: Fabio Ventura
Editor assistente de arte: Eduardo Bertolini
Assistentes de arte: Ana Maria Totaro, Camila Castro e Valdeí Prazeres
Revisores: Antonio Carlos Marques, Diego Rezende e Ramiro Morais Torres
© Reprodução proibida. Art. 184 do Código Penal e Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998.
Todos os direitos reservados.

EDITORA MODERNA
Rua Padre Adelino, 758 – Belenzinho
São Paulo – SP – Brasil – CEP: 03303-904
Vendas e atendimento: Tel. (0__11) 2602-5510
Fax (0__11) 2790-1501
www.moderna.com.br
2012

CONEXÕES COM
A MATEMÁTICA