Você está na página 1de 8

“Art.

6º São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia, o


lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a
assistência aos desamparados, na forma desta Constituição.” (CRFB/88).

3 MODELOS DE WELFARE STATE segundo Esping-Andersen

1º modelo
REGIME LIBERAL DE WELFARE STATE
Predominam modestos planos de seguridade social, transferências de renda mínima e programas
de assistência realizados mediante a COMPROVAÇÃO DE UMA RENDA MÁXIMA. A atuação do
Estado normalmente é destinada à população mais pobre e às classes trabalhadoras. Atua em
meio a normas tradicionais e éticas: “os limites do bem-estar concedido são iguais à propensão
marginal para optar pelo bem-estar em detrimento do trabalho”. O Estado é um aliado do mercado,
subsidiando iniciativas privadas de geração de bem-estar ao invés de tomando-as ele mesmo. O
nível de descomodificação da economia é o mínimo.
Exemplo no Brasil: Bolsa Família, INSS??, PROUNI

2º Modelo
REGIME CONSERVADOR OU CORPORATIVISTA
Neste regime predomina a intenção de preservar as diferenciações de status da sociedade. Os
direitos, deste modo, estão vinculados à classe ou a categoria de trabalho do indivíduo. O Estado
está disposto a substituir o mercado como provedor de bem-estar, mas a redistribuição a renda é
IRRISÓRIA: não faz parte da intenção deste regime a equalização entre os indivíduos. O seguro
social quase que predominantemente exige que o indivíduo esteja trabalho para receber seus
benefícios. O alcance e o impacto das medidas de proteção social aplicadas pelo Estado variam
sobremaneira entre as diferentes classes sociais e os diferentes grupos de trabalhadores.
Exemplo no Brasil: SUS??, CLT, Seguro-Desemprego, FGTS

3º Modelo
REGIME SOCIAL-DEMOCRATA
Os princípios do universalismo e da descomodificação em seus graus máximos, estendidos a
todas as classes sociais indiscriminadamente. Nesses regimes, os governos buscam criar um
Estado de Bem-Estar Social que promova a igualdade entre os cidadãos nos seus mais altos
padrões, não somente no nível de suas necessidades mínimas. Trabalhadores braçais desfrutam
dos mesmos direitos de políticos ou servidores públicos. “Este modelo constrói uma solidariedade
universal em sua essência, em favor do Welfare State”. Diferentemente do modelo liberal, o
Estado social-democrata não espera o momento em que a capacidade de subsistência das
famílias se estinga para intervir em situações de emergência, mas sim age PREVIAMENTE
dividindo os custos com estas famílias. Deste modo, as transferências Estado-Sociedade ocorrem
de maneira direta, e o Estado toma para sí a responsabilidade pelas crianças e jovens, pelos
idosos e pelos desamparados. A característica mais importante deste regime é o
comprometimento com a manutençao do pleno emprego. Diferentemente do modelo conservador,
as mulheres são convidadas e incentivadas a tomar parte do mercado de trabalho, pois, quanto
mais cidadãos estiverem trabalhando, menor fica o fardo financeiro da seguridade social para o
Estado. Este regime, apesar de representar o Estado de Bem-Estar social em sua forma mais
pura, é também o de menor abrangência no mundo ocidental.

Brasil: não identificado

ASSISTÊNCIA SOCIAL

O que fala a Constituição?

Art.195.A seguridade social será financiada por toda a sociedade, de forma direta e indireta, nos
termos da lei, mediante recursos provenientes dos orçamentos da União, dos Estados, do Distrito
Federal e dos Municípios, e das seguintes contribuições sociais:
I- dos empregadores, incidente sobre a folha de salários, o faturamento e o lucro;
II- dos trabalhadores;

III- sobre a receita de concursos de prognósticos.

Art.203.A assistência social será prestada a quem dela necessitar, independentemente de


contribuição à seguridade social, e tem por objetivos:
I- a proteção à família, à maternidade, à infância, à adolescência e à velhice;

II- o amparo às crianças e adolescentes carentes;


III- a promoção da integração ao mercado de trabalho;

IV- a habilitação e reabilitação das pessoas portadoras de deficiência e a promoção de sua


integração à vida comunitária;

V- a garantia de um salário mínimo de benefício mensal à pessoa portadora de deficiência e ao


idoso que comprovem não possuir meios de prover à própria manutenção ou de tê-la provida por
sua família, conforme dispuser a lei.

Art.204.As ações governamentais na área da assistência social serão realizadas com recursos
do orçamento da seguridade social, previstos no art. 195, além de outras fontes, e organizadas
com base nas seguintes diretrizes:
I- descentralização político-administrativa, cabendo a coordenação e as normas gerais à esfera
federal e a coordenação e a execução dos respectivos programas às esferas estadual e
municipal, bem como a entidades beneficentes e de assistência social;

II- participação da população, por meio de organizações representativas, na formulação das


políticas e no controle das ações em todos os níveis.
Programas atuais:
Bolsa Família:
Participa quem vive em situação de pobreza e extrema pobreza. Limite de renda: Todas as
damílias com renda por pessoa de até R$89,00 mensais; Famílias com renda por pessoa entre
R$89,01 e R$178,00 mensais, desde que tenham crianças ou adolescentes de 0 a 17 anos.O
Bolsa Família é dinâmico, isto é, todos os meses, há famílias que entram e outras que saem do
programa.

SUAS – sistema único de assistência social.


Divide em Proteção Social Básica: destinada à prevenção de riscos sociais e pessoais, por meio
da orfeta de programas, projetos, serviços e benefícios a indivíduos e famílias em situação de
vulnerabilidade social.
Proteção Social Especial: destinada a famílias e indivíduos que já se encontram em situação de
risco e que tiveram seus direitos violados por ocorrência de abandono, maus-tratos, abuso sexual,
uso de drodas, entre outros.
PAIF – serviço de proteção e atendimento integral à famíla. Para todos mas dá prioridade a
participantes de programas de transferência de renda.
PAEFI – serviço de proteção e atendimento especializado a famílias e indivíduos – para todos.
Etc.etc.

CRAS
CREAS

SAÚDE
O que fala a constituição?
Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e
econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal
e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação.
Art. 197. São de relevância pública as ações e serviços de saúde, cabendo ao poder público
dispor, nos termos da lei, sobre sua regulamentação, fiscalização e controle, devendo sua
execução ser feita diretamente ou através de terceiros e, também, por pessoa física ou jurídica
de direito privado.
Art. 198. As ações e serviços públicos de saúde integram uma rede regionalizada e
hierarquizada e constituem um sistema único, organizado de acordo com as seguintes diretrizes:
I - descentralização, com direção única em cada esfera de governo;

II- atendimento integral, com prioridade para as atividades preventivas, sem prejuízo dos serviços
assistenciais;

III - participação da comunidade.

Parágrafo único.O sistema único de saúde será financiado, nos termos do art. 195, com
recursos do orçamento da seguridade social, da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos
Municípios, além de outras fontes.

Art.199.A assistência à saúde é livre à iniciativa privada.


§1ºAs instituições privadas poderão participar de forma complementar do sistema único de
saúde, segundo diretrizes deste, mediante contrato de direito público ou convênio, tendo
preferência as entidades filantrópicas e as sem fins lucrativos.

§2ºÉ vedada a destinação de recursos públicos para auxílios ou subvenções às instituições


privadas com fins lucrativos.

§3ºÉ vedada a participação direta ou indireta de empresas ou capitais estrangeiros na


assistência à saúde no País, salvo nos casos previstos em lei.

§4ºA lei disporá sobre as condições e os requisitos que facilitem a remoção de órgãos, tecidos e
substâncias humanas para fins de transplante, pesquisa e tratamento, bem como a coleta,
processamento e transfusão de sangue e seus derivados, sendo vedado todo tipo de
comercialização.

Art.227.É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança e ao adolescente, com


absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à
profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e
comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração,
violência, crueldade e opressão.

§1ºO Estado promoverá programas de assistência integral à saúde da criança e do adolescente,


admitida a participação de entidades não governamentais e obedecendo aos seguintes preceitos:
Art.230.A família, a sociedade e o Estado têm o dever de amparar as pessoas idosas,
assegurando sua participação na comunidade, defendendo sua dignidade e bem-estar e
garantindo-lhes o direito à vida.

§1ºOs programas de amparo aos idosos serão executados preferencialmente em seus lares.

§2ºAos maiores de sessenta e cinco anos é garantida a gratuidade dos transportes coletivos
urbanos.

Programas de Saúde Atuais:

- SUS – UNIVERSALIZAÇÃO e integralidade da atenção – descentralização e regionalização da


rede de serviços. Divisao: baixa, média e alta complexidade, com maiores problemas na média
complexidade, depende fortemente de provedores privados e a rede lucrativa tende a se
concentrar em áreas de maior rentabilidade.,

- na CF88 a saúde é considerada livre à iniciativa privada, e esta vem ganhando cada vez mais
dimensão com o ramo de seguros e planos de saúde.

- ANS: para regular preços e garantias de atendimento, regulamentação dos planos privados.

PREVIDÊNCIA

O que fala a Constituição?


Art.201.Os planos de previdência social, mediante contribuição, atenderão, nos termos da lei, a:
I - cobertura dos eventos de doença, invalidez, morte, incluídos os resultantes de acidentes do
trabalho, velhice e reclusão;

II - ajuda à manutenção dos dependentes dos segurados de baixa renda;

III - proteção à maternidade, especialmente à gestante;

IV - proteção ao trabalhador em situação de desemprego involuntário;

V - pensão por morte de segurado, homem ou mulher, ao cônjuge ou companheiro e


dependentes, obedecido o disposto no § 5º e no art. 202.

§1ºQualquer pessoa poderá participar dos benefícios da previdência social, mediante


contribuição na forma dos planos previdenciários.

§2ºÉ assegurado o reajustamento dos benefícios para preservar-lhes, em caráter permanente, o


valor real, conforme critérios definidos em lei.

§3ºTodos os salários de contribuição considerados no cálculo de benefício serão corrigidos


monetariamente.

§4ºOs ganhos habituais do empregado, a qualquer título, serão incorporados ao salário para
efeito de contribuição previdenciária e conseqüente repercussão em benefícios, nos casos e na
forma da lei.

§5ºNenhum benefício que substitua o salário de contribuição ou o rendimento do trabalho do


segurado terá valor mensal inferior ao salário mínimo.

§6ºA gratificação natalina dos aposentados e pensionistas terá por base o valor dos proventos do
mês de dezembro de cada ano.

§7ºA previdência social manterá seguro coletivo, de caráter complementar e facultativo, custeado
por contribuições adicionais.

§8ºÉ vedado subvenção ou auxílio do poder público às entidades de previdência privada com
fins lucrativos.

Art.202.É assegurada aposentadoria, nos termos da lei, calculando-se o benefício sobre a média
dos trinta e seis últimos salários de contribuição, corrigidos monetariamente mês a mês, e
comprovada a regularidade dos reajustes dos salários de contribuição de modo a preservar seus
valores reais e obedecidas as seguintes condições:
I- aos sessenta e cinco anos de idade, para o homem, e aos sessenta, para a mulher, reduzido
em cinco anos o limite de idade para os trabalhadores rurais de ambos os sexos e para os que
exerçam suas atividades em regime de economia familiar, neste incluídos o produtor rural, o
garimpeiro e o pescador artesanal;

II- após trinta e cinco anos de trabalho, ao homem, e, após trinta, à mulher, ou em tempo inferior,
se sujeitos a trabalho sob condições especiais, que prejudiquem a saúde ou a integridade física,
definidas em lei;
III- após trinta anos, ao professor, e após vinte e cinco, à professora, por efetivo exercício de
função de magistério.

§1ºÉ facultada aposentadoria proporcional, após trinta anos de trabalho, ao homem, e após vinte
e cinco, à mulher.

§2ºPara efeito de aposentadoria, é assegurada a contagem recíproca do tempo de contribuição


na administração pública e na atividade privada, rural e urbana, hipótese em que os diversos
sistemas de previdência social se compensarão financeiramente, segundo critérios estabelecidos
em lei.

Programas PREVIDÊNCIA
- INSS:
- RGPS – Regime Geral de Previdência Social: caráter contributivo e OBRIGATÓRIO. Quem
contribui: empregadores, empregados assalariados, domésticos, autônomos, individuais e rurais.
O que é a previdência? garante a renda do contribuinte e de sua família em casos de doença,
acidente, prisão, morte e velhice.
Benefícios?
Aposentadoria por idade
Aposentadoria por invalidez
Aposentadoria por tempo de contribuição
Aposentadoria especial
Auxílio-doença
Auxílio-acidente
Auxílio-reclusão
Pensão por morte
Pensão especial (Síndrome da Talidomida)
Salário-maternidade
Salário-família
Quem pode se inscrever?
Todo trabalhador com carteira assinada é automaticamente filiado à Previdência. Quem trabalha
por conta própria precisa se inscrever e contribuir mensalmente para ter acesso aos benefícios
previdenciários.

- PGBL (plano Gerador de Benefícios Livres) planos privados abatam até 12% da base de cálculo
de imposto de renda. “criado para desonerar os orçamentos previdenciaários desbalanceados.
- FGTS
- COFINS
- Seguro Desemprego
- PIS Programa de Integração Social
- CSLL
- Fator previdenciário – desestimular aposentadorias precoces;

EDUCAÇÃO
O que fala a Constituição?
Art.205.A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e
incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu
preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho.
Art.206.O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios:
I- igualdade de condições para o acesso e permanência na escola;

II- liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar o pensamento, a arte e o saber;

III- pluralismo de idéias e de concepções pedagógicas, e coexistência de instituições públicas e


privadas de ensino;

IV- gratuidade do ensino público em estabelecimentos oficiais;

V- valorização dos profissionais do ensino, garantido, na forma da lei, plano de carreira para o
magistério público, com piso salarial profissional e ingresso exclusivamente por concurso público
de provas e títulos, assegurado regime jurídico único para todas as instituições mantidas pela
União;

VI- gestão democrática do ensino público, na forma da lei;

VII- garantia de padrão de qualidade.

Art.208.O dever do Estado com a educação será efetivado mediante a garantia de:
I- ensino fundamental, obrigatório e gratuito, inclusive para os que a ele não tiveram acesso na
idade própria;

II- progressiva extensão da obrigatoriedade e gratuidade ao ensino médio;

III - atendimento educacional especializado aos portadores de deficiência, preferencialmente na


rede regular de ensino;

IV - atendimento em creche e pré-escola às crianças de zero a seis anos de idade;

V - acesso aos níveis mais elevados do ensino, da pesquisa e da criação artística, segundo a
capacidade de cada um;
VI - oferta de ensino noturno regular, adequado às condições do educando;

VII - atendimento ao educando, no ensino fundamental, através de programas suplementares de


material didático-escolar, transporte, alimentação e assistência à saúde.

§1ºO acesso ao ensino obrigatório e gratuito é direito público subjetivo.

§2ºO não-oferecimento do ensino obrigatório pelo poder público, ou sua oferta irregular, importa
responsabilidade da autoridade competente.

§3ºCompete ao poder público recensear os educandos no ensino fundamental, fazer-lhes a


chamada e zelar, junto aos pais ou responsáveis, pela freqüência à escola.

Art.209.O ensino é livre à iniciativa privada, atendidas as seguintes condições:


I- cumprimento das normas gerais da educação nacional;

II- autorização e avaliação de qualidade pelo poder público.

Art.214.A lei estabelecerá o plano nacional de educação, de duração plurianual, visando à


articulação e ao desenvolvimento do ensino em seus diversos níveis e à integração das ações do
poder público que conduzam à:
I - erradicação do analfabetismo;

II - universalização do atendimento escolar;


III - melhoria da qualidade do ensino;

IV - formação para o trabalho;

V - promoção humanística, científica e tecnológica do País

Programas?

Prouni – Programa universidade para todos


conceder bolsas de estudo integrais e parciais a estudantes de BAIXA RENDA em instituições de
ensino superior privadas, com ou sem fins lucrativos. Em contrapartida, elas ficam isentas do
pagamento de tributos federais, isenção esta calculada na proporção da ocupação efetiva das
bolsas devidas. Esta isenção de tributos significa perda de arrecadação. Mas conceder isenção de
tributos é muito menos oneroso do que conceder bolsas.
Críticas ao programa? Transferência de recursos para o privado ocorre em DETRIMENTO da
expansão da rede pública. Alguns se referem à POLÍTICA ASSISTENCIALISTA, promove o
acesso mas NÃO A PERMANÊNCIA no ensino superior (alta evasão dos beneficiários do
programa)

Você também pode gostar