Você está na página 1de 6

A Província Carajás é delimitada por dois domínios, o Domínio Rio Maria e o

Domínio Carajás (VASQUEZ; ROSA-COSTA, 2008; SANTOS, 2003).


Vasquez; Rosa-Costa (2008) apresenta que o Domínio Rio Maria é formado por:
Greenstone Belts; Complexos Máfico-Ultramáficos; Granitóides e Ortognaisses TTG
(Tonalito- Trondhjemito-Granodiorito); Granitos de Alto K; Coberturas Sedimentares e
Magmatismo Félsico Intracontinental.
Os Greenstone Belts constituem o Grupo Gradaús (3002 ± Ma)1, Grupo Serra do
Inajá, este composto pelas Formações Quixadá (2988 ± 4 Ma) e Morada da Prata (2,96 e
3,07 Ga), Grupo Babaçu (3046 ± Ma), Grupo Lagoa Seca (2943 ± Ma), Grupo Tucumã
(2868 ± 8 Ma) e Grupo Sapucaia (3 ou 2,87 Ga) (VASQUEZ; ROSA-COSTA, 2008).
O Grupo Gradaús:

“[...] é constituído por duas seqüências: uma inferior, com rochas


metaultramáficas (serpentinitos e talco xistos), metavulcânicas máficas
(metabasaltos, metagabros e metadiabásios), e ácidas (metatufos cineríticos,
metadacitos, metariodacitos pórfiros e metarriolitos), com rochas
metassedimentares químicas subordinadas; e outra superior, de rochas
metassedimentares clásticas e químicas, com metavulcânicas intermediárias e
ácidas (metadacitos, metariodacitos, metarriolitos e metatufos) subordinadas.
As rochas metassedimentares correspondem a quartzosericita filitos, quartzo-
clorita-sericita filonitos, quartzoclorita xistos, metassiltitos e metargilitos,
metarenitos, metacherts, formações ferríferas bandadas, ardósias e
metagrauvacas. As formações ferríferas bandadas de fácies óxido, silicatada e
sulfetada, são encontradas, geralmente, na base do pacote metassedimentar,
enquanto metacherts ocorrem na parte superior, intercalados em metapelitos e
metatufos. As rochas desta unidade apresentam foliação incipiente a
acentuada, por vezes com estruturas primárias preservadas, como laminação e
estratificação plano-paralela” (VASQUEZ; ROSA-COSTA, 2008:114).

Neves (1999) identifica no Grupo Inajá a distinção entre duas áreas, uma de
predomínio de rochas vulcânicas e plutônicas, enquanto outra é perfeita de rochas
sedimentares; sendo elas metamorfizadas na fácies xisto-verde. O Grupo, é subdividido
em Formação Quixadá e Formação Morada da Prata, a primeira constituída por rochas
ígneas plutônicas e vulcânicas com intercalações de formações ferríferas bandadas, e a
segunda, com predominância de metassedimentos, subordinada a rochas vulcânicas e
plutônicas, como supracitado, em ambos os casos, metamorizadas na fácies xisto-verde
(NEVES, 1999).
Segundo Souza et al. (2001) o Grupo Babaçu é constituído por metabasaltos
toleiíticos, maciços, apresentando texturas reliquiares, por vezes, variolíticos e com

1
Para referencias, detalhes e técnicas sobre as datações expostas nesse trabalho consultar na
íntegra Vasquez; Rosa-Costa (2008).
pillow lavas. Os autores ainda citam a presença de metatufos, metacherts e komatiítos
piroxeníticos, denominando, na região da cidade de Xinguará-PA, como Greenstone Belts
de Identidade, ressaltando a constituição predominante de rochas metavulcânicas máficas
e félsicas.
O Grupo Lagoa Seca é atribuído para delimitas duas sequências, uma de rochas
metavulcânicas félsicas intercaladas com rochas metassedimentares, e outra na qual as
rochas metassedimentares estão intercaladas por rochas metavulcânicas máficas,
metaultramáficas e níveis de formação ferrífera bandada (NASCIMENTO; BIAGINI,
1988).
O Grupo Tucumã de acordo com Macambira; Vale (1996) é constituído por
sequencias metavulcano-sedimentares, que estão intercaladas por rochas metavulcânicas,
tanto máficas, como também, por félsicas, como ainda, metassedimentos.
Macambira; Vale (1997) definem que o Grupo Sapucaia é formado por rochas
metaultramáticas, metassedimentares e por metadacitos. Os autores apontam para uma
afinidade Komatiítica com textura spinifex.
Vasquez; Rosa-Costa (2008) dividem os Complexos Máfico-Ultramáficos em
Complexo Máfico-Ultramáfico Serra Azul (2970 ± 7 Ma) e Complexo-Ultramáfico
Guara-Pará (2,97 Ga).
O Complexo Máfico-Ultramáfico Serra Azul é constituído por dunitos
cumuláticos, piroxenitos, peridotitos, gabros e anortositos (SOUZA et al.,2001),
enquanto que o Complexo Máfico-Ultramáfico Guara-Pará, em predominâncias,
apresentam olivina gabros, de textura subofíctica (SANTOS, 1995). O primeiro complexo
é um corpo intrusivo aflorante no flanco leste da estrutura de Gradaús (DOCEGEO, 1988,
apud VASQUEZ; ROSA-COSTA 2008), sendo o segundo no flanco sudeste da Serra dos
Gradaús (MACAMBIRA et al., 1986).
Vasquez; Rosa-Costa (2008) apresenta os Granitóides e Ortognaisses TTG como
compostos por Tonalito Arco Verde (2964 ± 2 Ma), Tonalito Caracol (2948 ± 5 Ma),
Granodiorito Rio Maria (2872 ± 5 Ma), Trondhjemito Mogno (2871 Ma), Trondhjemito
Água Fria (2864 ± 21 Ma), Tonalito Parazônia (13 a 18 Ma), Granodiorito Cumaru
(2871± 4 Ma).
O Tonalito Arco Verde é uma unidade formada predominantemente por tonalitos
e trodhjemitos cinzas, apresentando como expressivo um bandamento composicional,
cuja gênese ainda é um tema em aberto (VASQUEZ; ROSA-COSTA 2008).
As rochas do Tonalito Caracol são definidas como granitoides de composição
tonalíticas e thodhjemítica, de coloração cinza clara a escura, com a presença de enclaves
de microtonalitos e de rochas tipo greenstone belts (VASQUEZ; ROSA-COSTA 2008).
O Granodiorito Rio Maria é uma unidade designada por Dall’Agnol et al. (1986)
para rochas essencialmente granodioríticas associadas a tonalitos e contendo enclaves
máficos.
Trondhjemito Mogno “é composto essencialmente por trondhjemitos, e
subordinadamente tonalitos e granodioritos, contendo enclaves máficos e xenólitos de
granodioritos e metabasaltos” (VASQUEZ; ROSA-COSTA 2008:119).
Trondhjemito Água Fria é formado “basicamente de trondhjemito com
subordinados granodioritos, de coloração cinza clara [...] com bandamento composicional
regular e levemente ondulado, de direção NW-SE a WNW-ESSE” (VASQUEZ; ROSA-
COSTA 2008:120).
Tonalito Parazônia é a denominação adotada para stocks e sills intrusivos no
Trondhjemito Mogno, sendo que eles possuem composição tonalíticas (DOCEGEO,
1988, apud VASQUEZ; ROSA-COSTA 2008)
Granodiorito Cumaru “essa unidade ocorre na forma de três pequenos corpos
intrusivos no Grupo Gradaús e em partes recobertos por rochas do Grupo rio Fresco”
(VASQUEZ; ROSA-COSTA 2008:120). Santos (1995) atribui características de
granitoides cálcio-alcalinos do tipo I, com relação com arcos vulcânicos.
Vasquez; Rosa-Costa (2008) cita que os Granitóides de Alto K são o Granito
Guarantã (2930 Ma), Granito Mata Surrão (2881 ± 2 Ma/2868 ±Ma), Granito Xinguara
(2865 ± 1 Ma), Granito Riacho de Deus (2,89 Ga).
O Granito Guarantã é descrito como um monzogranito foliado, expondo coloração
rosada, textura grosseira e evidente lineação mineral (ALTHOFF et al., 2000). Apesar de
intrusivo no Tonalito Arco Verde, não apresenta evidências de efeito termal (VASQUEZ;
ROSA-COSTA 2008).
O Granito Mata Surrão é descrito por Duarte; Dall’Agnol (1996) como uma rocha
granítica potássica com bandamento magmático. Os autores classificam-no como biotita
leucomonzogranitos.
O Granito Xinguara é denominado por Neves (1999) como uma rocha com
gradações de monzogranito a monzogranitos a duas micas, distribuídos na forma de
batólitos e stocks. O autor pormenoriza subordinação com granodioritos, tonalitos e
sienogranitos, como ainda, ressalta a presença de veios e diques.
Vasquez; Rosa-Costa (2008) adota como representação do Granito Rancho de
Deus dois stocks com estiramento na direção E-W, sendo dominante a constituição por
leucomonzogranitos, com subordinação de granodioritos (ALMEIDA et al., 2008).
As Coberturas Sedimentares são constituídas pelo Grupo Rio Fresco, o qual é
dividido em Formação Tocandera e Formação Rio Naja, pelo Grupo Gemaque, o qual é
dividido em Formação Fazenda São Roque e Formação Cachoeirinha, e, pela Formação
Gorotire (VASQUEZ; ROSA-COSTA 2008).
A Formação Tocandera é composta

“na base de conglomerados polimíticos com matriz arenítica


ferruginosa, seixos mal selecionados, angulosos a subangulosos, de formações
ferríferas, metacherts, metabasaltos e metapelitos. Estes gradam para
conglomerados oligomíticos com seixos de quartzo e chert” (VASQUEZ;
ROSA-COSTA 2008:122).
.
A Formação Rio da Naja é formada por “folhelhos, folhelhos carbonosos,
argilitos, siltitos, arenitos arcoseanos, quartzo arenitos e brechas intraformacionais com
fragmentos angulosos de siltitos e argilitos com cimento manganesífero” (VASQUEZ;
ROSA-COSTA 2008:122).
A Formação Fazenda São Roque, segundo Vasquez; Rosa-Costa (2008) é a base
do Grupo Gemaque sendo “composta essencialmente por arenitos ortoquartzíticos,
seguidos por quartzo grauvacas, para e ortoconglomerados (poli e oligomíticos),
sublitarenitos conglomeráticos e brechas polimíticas, bem como folhelhos avermelhados
subordinados” (VASQUEZ; ROSA-COSTA 2008:122).
A Formação Cachoeirinha segundo Vasquez; Rosa-Costa (2008) é o topo do
Grupo Gemaque, sendo “constituída por siltitos e argilitos rosados com ondulações
cavalgantes, intercalados com arenitos finos com marcas onduladas e estratificação
cruzada acanalada, bem como folhelhos [...] subordinados” (VASQUEZ; ROSA-COSTA
2008:122).
Segundo Barbosa et al. (1966) apud Vasquez; Rosa-Costa (2008) a Formação
Gorotire é uma “uma seqüência de arenitos arcoseanos alterados (caulínicos) [...] e
quartzo arenitos (ortoquartzíticos) [...], com intercalações de arenitos finos, lentes de
concentrados de ilmenita e níveis de seixos [...] de quartzo, quartzito e jaspelitos” (p.123).
Por fim, o Magmatismo Félsico Intracontinental de acordo com Dall’Agnol et al.
(2005) pode ser entendido como corpos graníticos tipo-A oxidados. Os autores
denominam de forma genérica como Suíte Granítica Jamon, sendo ela composta pelos
granitos Jamon, Bannach, Choeirinha, Gradaús, Manda Saia, Marajoara, Musa,
Redenção, São João e Seringa, existe outros, que ainda carecem de denominação formal.
Vasquez; Rosa-Costa (2008) explicita que eles são “principalmente sienogranitos,
monzogranitos e álcali-feldspato granitos” (p.124). Desses, segundo apenas 4 foram
datados (Seringa, Redenção, Musa e Jamon), apresentando idades entre 1893 ± 15 Ma e
1870 ± 68 Ma (VASQUEZ; ROSA-COSTA 2008).

ALMEIDA, José Arimatéia Costa; OLIVEIRA, Marcelo Augusto de; MOURA,


Cândido Augusto Veloso; OLIVEIRA, DAVIS Carvalho de; ALTHOFF, Fernando
Jacques; COSTI, Hilton Túlio; BORGES, Régis Munhoz Kráz. Geologia da Folha
Marajoara SB-22-Z-C-V, Sistema de informações geográficas, Escala 1:100.000.
Levantamentos Geológicos Básicos. Nota explicativa. Pará: CPRM/UFPA, 2008. 110 p.
il. 1 CD-ROM. (Série Programa Geologia do Brasil – PGB).

ALTHOFF, Fernando; BARBEY, Pierre; BOULLIER, Anne-Marie. 2.8-3.0 Ga


plutonism and deformation in the SE Amazonian craton: the Archean granitoids of
Marajoara (Carajás Mineral Province, Brazil). Precambrian Research, v. 104, p. 187-
206, 2000.

DALL´AGNOL, Roberto. VIEIRA, Eduardo Angelim de Pontes; SÁ, CARLOS


AUGUSTO SENA; MEDEIROS, Hamilton de; GASTAL, Maria do Carmo Pinto;
TEIXEIRA, Nilson Pinto. Estado atual do conhecimento sobre as rochas granitóides da
porção sul da Amazônia Oriental. Revista Brasileira de Geociências, v. 16, n. 1, p. 11-
23, 1986.

DALL´AGNOL, Ronaldo; TEIXEIRA, Nilson Pinto; RÃM,


Tapani; MOURA, Candido Augusto Veloso; MACAMBIRA, Moacir Joel
Buenano; DAVIS; Carvalho de. Petrogenesis of the Paleoproterozoic rapakivi A-type
granites of the Archean Carajás metallogenic province, Brazil. Lithos, v. 80, p. 101-129,
2005.

DUARTE, K.D.; DALL´AGNOL, R. Geologia e geoquímica do leucogranito


arqueano potássico Mata Surrão, Terreno Granito-Greenstone de Rio Maria, Pará.
Boletim do Instituto de Geociências da USP, São Paulo, v. 18, p. 113-115, 1996. (Série
Publicações Especiais, 18).

MACAMBIRA, Edésio Maria Buenano; VALE, Armínio Gonçalves. Aspectos


geológicos e metalogenéticos do “greenstone belt” de Tucumã – Sul do Pará. Salvador
1996. In: Anais..., SBG, Congresso Brasileiro de Geologia, 39, Salvador, Anais, 3 230-
232.

MACAMBIRA, Edésio Maria Buenano; VALE, Armínio Gonçalves. São Félix


do Xingu: folha SB.22-Y-B, Estado do Pará, escala 1:250.000. Texto Explicativo.
Programa Levantamentos Geológicos Básicos do Brasil (PLGB). Brasília: CPRM, 1997.
344 p., il.
MACAMBIRA, Moacir Joel Buenano; KOTSCHOUBEY, Basile; SANTOS,
Márcio Dias; MOURA, Cândido Augusto Veloso; RAMOS, José Francisco da Fonseca.
Estratigrafia e mineralizações primárias de ouro da aba sul do sinclinório de Gradaús –
sul do Pará. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE GEOLOGIA, 34., 1986, Goiânia.
Anais... Goiânia: SBG, 1986. v. 5, p. 1956-1968.

NASCIMENTO, J.A.S.; BIAGINI, D.O. 1988. Conhecimento atual da jazida de


ouro de Lagoa Seca, sul do Pará. In: CONGR. BRÁS. GEOL., 35. Belém, 1988.
Anais...Belém, SBG, v. "Província Mineral de Carajás -Litoestratigrafia e Principais
Depósitos Minerais", p. 143-157

NEVES, Agildo Pina. Programa Levantamentos Geológicos Básicos do Brasil.


Re denção, Folha SC.22-X-A, Escala 1:250.000. Esta dos do Pará e Tocantins.
Organizado por Agildo Pina Neves e Armínio Gonçalves Vale. – Brasília: CPRM, 1999

SANTOS, João Oreste Schneider. Geotectônica do Escudo das Guianas e Brasil-


Central. In: BIZZI, L.A. et al. (Ed.). Geologia, tectônica e recursos minerais do Brasil:
texto, mapas e SIG. Brasília: CPRM-Serviço Geológico do Brasil, 2003.p. 169-226, il.

SANTOS, M.D. O papel dos granitóides na gênese dos depósitos de ouro tipo
lode arqueano: caso da jazida do Cumaru-PA. 1995. 157 f. Tese (Doutorado) -
Universidade de Brasília, Brasília, 1995.

SOUZA, Zorano Sérgio; POTREL, Alain; LAFON, Jean-Michel; ALTHOFF,


Fernando Jacques; PIMENTAL, Márcio Martins; DALL’AGNOL, Roberto; OLIVEIRA,
Claudinei Gouveia de. Nd, Pb and Sr isotopes in the Identidade Belt, an Archaean
greenstone belt of the Rio Maria region (Carajás Province, Brazil): implications for the
Archaean geodynamic evolution of the Amazonian Craton. Precambrian Research, v.
109, p. 293–315, 2001.

VASQUEZ, Marcelo Lacerda; ROSA-COSTA, Lúcia Travassos da. Geologia e


Recursos Minerais do Estado do Pará: Sistema de Informações Geográficas – SIG:
texto explicativo dos mapas Geológico e Tectônico e de Recursos Minerais do Estado
do Pará. Organizadores, Marcelo Lacerda Vasquez, Lúcia Travassos da Rosa-Costa.
Escala 1:1.000.000. Belém: CPRM, 2008.