Você está na página 1de 13

Análise físico-química da água da Laguna da Jansen, São Luis, MA

Jonas de Jesus Gomes da Costa Neto (a)*, Laurinda Fernanda Saldanha Siqueira (b),

Ricardo Barbieri (c), Paulo Roberto Saraiva Cavalcante (c), Mariano Oscar Anibal

Ibañez Rojas (d).

(a) Mestrando em Química Analítica, Centro de Ciências Exatas e Tecnologia – CCET,

Laboratório de Pesquisa em Automação Analítica – LPAA, Universidade Federal do

Maranhão, Av. dos Portugueses s/n – São Luis-MA – CEP 65085 – 580. (b) Mestranda

em Sustentabilidade de Ecossistemas, Departamento de Oceanografia e Limnologia,

Universidade Federal do Maranhão, Av. dos Portugueses s/n – São Luis-MA – CEP

65085 – 580. (c) Professores Doutores do Departamento de Oceanografia e Limnologia,

Universidade Federal do Maranhão, Av. dos Portugueses s/n – São Luis-MA – CEP

65085 – 580. (d) Professor Doutor do Departamento de Química, Instituto Federal de

Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão, Av. Getúlio Vargas no 04 Monte Castelo

– São Luis-MA - CEP 65025-001.

*E-mail: Jonas_neto@yahoo.com.br

Palavras-chave: água salobra, descritores físico-químicos, lagoa costeira

Análise de água salobra

ABSTRACT

The Jansen lagoon is an ecosystem which was formed from the construction of

an avenue. Presents characteristics of mangrove and has a communication with the sea through

a stream, that control of exit and entry of water.


Is an ecosystem that is in the process of eutrophication, because the most of the

nutrients that make their present values above the permitted by CONAMA to brackish waters.

Furthermore that, presents high concentrations of phytotoxic metals (aluminum).

RESUMO

A laguna da Jansen é um corpo d’ água que foi represado para a construção

de uma avenida que modificou a dinâmica de seu ecossistema. Possui características de

manguezal devido sua comunicação com o mar por intermédio de um igarapé

responsável pelo fluxo e refluxo de água nesta.

Neste estudo foi realizada a caracterização físico-química e nutricional da

água desta nas estações seca e chuvosa. Os métodos utilizados foram: a espectrometria

do UV-Vis, titulometria e turbidimetria. Nas medidas In situ, usou-se de sensores

multiparâmetro. Os valores de nitrato, nitrito, fosfato, sulfato e oxigênio dissolvido na

água caracterizaram o ambiente da Laguna da Jansen como eutrófico e redutor,

notoriamente impactado pela ação antropica via despejo de esgotos.

1 INTRODUÇÃO

A laguna da Jansen, é um corpo d’água costeiro com características de

mangue, originada pelo represamento do igarapé Ana Jansen, para a construção da

avenida Ana Jansen, fato que alterou significativamente a hidrodinâmica desse

ecossistema, visto que esta antes da intervenção antrópica era uma região de manguezal.

Com essa intervenção a laguna passou a ter uma extensão de 140 hectares, uma

profundidade média de 1,0 metro. (Rabelo Mochel, 1991).

Esta laguna se localiza a noroeste da ilha de São Luis, tendo coordenada

igual a 2°29’08’’ de latitude sul e 44°18’02’’ de longitude oeste, sendo limitada ao norte

com a praia Ponta d’ Areia. (Viegas, 1996). Com isso, esta sujeita a forte irradiação
solar devido sua localização na zona de baixa latitude (BRANCO, 1997), apresentando

uma média de temperaturas oscilando entre 30°C e 24°C, pequenas amplitudes térmicas

anuais, precipitação pluviométrica anual elevada (2.786mm) e umidade relativa do ar

anual de 80% (Branco, 1997).

Possui características marinhas devido uma comunicação com o mar através

de um canal de drenagem, controlado por uma comporta, durante a preamar,

notadamente por ocasião das marés de grande amplitude. Com a entrada de água

salgada a laguna possui um teor salino que permite enquadrá-la desde ligohalinos até

eurihalinos, sendo que, se esta tiver um contato com o mar mais intenso, a renovação de

água poderá ocorrer periodicamente por ocasião da preamar nas marés sizígia. (Esteves,

1988)

Seu volume de cotas compreende entre 1,5 e 2,0 metros, com ordem de

1.279.380.000m3 durante o período de estiagem, sendo que o nível normal corresponde

à soleira do vertedouro, isto é, cota de 1,2m, alcançando um volume de apenas

930.000m3. (Branco, 1997)

Apresenta altos teores de nutrientes advindos de processos autóctones e

alóctones, sendo que este último contribui decisivamente com o processo de

eutrofização da laguna, pois muitos esgotos in natura ainda são despejados nesse

ecossistema.

Neste trabalho determinou-se alguns parâmetros físico-químicos da água

(temperatura, pH, salinidade, OD, sulfatos, sulfitos, carbonatos, amônio, fosfatos, nitrito

e nitrato), para se conhecer o nível de eutrofização e fornecer dados químico-ecológicos

para um manejo sustentável desse ecossistema como propõe a Lei Nacional de Recursos

Hídricos n° 9.433 de 08/01/1997.


2 METODOLOGIA

2.1 Coleta das amostras.

As análises da água da Laguna da Jansen foram divididas em duas

campanhas que correspondem ao verão seco e verão chuvoso.

A primeira e segunda campanhas foram realizadas, nas seguintes

coordenadas: 2°30’10,1’’ S e 44°18’10,5’’ N, próximo a várias palafitas, onde o despejo

de material orgânico e lixo são maiores.

Coletaram-se amostras de água com a garrafa Van Dorn e posteriormente

armazenaram-se adequadamente para análise em laboratório. Em campo, avaliaram-se

os parâmetros físico-químicos: pH, salinidade, condutividade e temperatura, através do

termo-salinômetro-condutivímetro (multi-parâmetro).

2.2 Análise em laboratório.

 Oxigênio dissolvido – método de Winkler; (GOMES, 2001)

 Amônia – método de Koroleff; (GOMES, 2001)

 Nitrito e nitrato – método de Mackereth; (GOMES, 2001)

 Fosfato – método de Nanzel e Corvin; (GOMES, 2001)

 Silicato – método Golterman; (GOMES, 2001)

 Ferro - método espectrômetro UV-Vis, utilizando a fenantrolina como

cromóforo; (UFMA, 1985)

 Alumínio - método espectrômetro UV-Vis, utilizando o alaranjado de

xilenol como cromóforo; (CAMPOS, 1999)

 Sulfato - método Turbidimétrico; (PARANHOS, 1996)

 Sulfeto – método de Winkler;


 Cálcio e Magnésio – método da titulação complexométrica;

 Sódio e Potássio – Fotômetro de chamas;

3 RESULTADOS

A água da Laguna da Jansen apresentou, nas duas nas campanhas realizadas

no período seco e chuvoso, temperaturas elevadas, próprias da época e região e pH

alcalino devido ao efeito tampão causado pela entrada de água do mar, variando a

salinidade e condutividade em função dos índices pluviométricos apresentados no

período seco e chuvoso, onde neste último, os valores da salinidade e condutividade

diminuíram consideravelmente em função da forte influência das chuvas. (Tabela 1)

Tabela 1 Características físicas e químicas das águas da Laguna da Jansen, na estação

seca e estação chuvosa e valores estabelecidos pelo CONAMA para águas salobras.

Valores Valores estabelecidos


Descritores Valores obtidos em pelo CONAMA, res. Nº
obtidos em
físico-químicos (Dez/2006) 357 de 17 de março
(Maio/2007)
Temperatura (ºC) 29 27 de
* 2005
-3
Salinidade (10 ) 23 9.5 0.50 - 30
Condutividade 40800 16000 *
Elétrica (μS.cm-1)
Sólidos Totais 8.4 8.4 *
Dissolvidos (mg/L)
pH 8.3 8.9 6.5 – 8,5
* Valores não estabelecidos pelo CONAMA
Quanto aos nutrientes, os valores encontrados nas duas campanhas,

ultrapassaram os valores estabelecidos pela resolução nº 357 de 17 de março de 2005 do

Conselho Nacional de Meio Ambiente - CONAMA para águas salobras, sendo notório

as elevadas concentrações de fosfatos, sulfatos e sulfetos, que caracterizam ambientes

eutróficos. O oxigênio dissolvido apresentou valores menores na estação seca devido a

altas temperaturas (menor solubilidade), baixa renovação das águas (baixa freqüência de

abertura das comportas), baixa profundidade e entrada de esgotos. (Tabela 2)

Já na estação chuvosa o oxigênio dissolvido aumentou devido uma maior

freqüência de abertura da comporta permitindo (renovação da água), não estando

relacionado ao incremento de esgotos, que permaneceu constante. (Tabela 2)

Porém esse aumento não pode ser considerado significativo, pois a

concentração de oxigênio dissolvido permaneceu abaixo da concentração estabelecida

pela resolução nº 357 de 17 de março de 2005. (Tabela 2)

Tabela 2. Dados comparativos entre os valores do O.D e nutrientes obtidos nas estações

seca e chuvosa, com os valores estabelecidos pelo CONAMA para águas salobras.

Valor estabelecido pelo


Parâmetros físico- Estação Estação
CONAMA, res. n° 357 de
químicos (mg/L) seca chuvosa
17 de março de 2005
Oxigênio dissolvido (O.D) 0.14±0.01 0,33±0.01 ≥5
Nitrato (NO3-) 0.023±0.01 0,10±0.01 0.70
Nitrito (NO2-) 0.089±0.009 0,039±0.012 0.2
Amônio (NH4+) 0.005±0.01 0,18±0.01 0.70
Silicato [Si(OH)4] 3.41±0.011 9,20±0.008 *
Fosfato inorgânico (PO4-3) 1.67±0.01 0,68±0.012 *
Fosfato orgânico (PO4-3) 2.96±0.01 2,46±0.012 *
Fosfato total (PO4-3) 4.54±0.01 3,14±0.011 0.186
Sulfeto (S-) 1.16±0.009 0,43±0.01 *
Sulfato (SO42-) 44.6±0.008 30,9±0.01 *
Sódio (Na+) 7100±0.01 3770±0.01 *
Potássio (K+) 5700±0.01 180±0.01 *
Cálcio (Ca2+) 2590±0.01 640±0.01 *
Magnésio (Mg2+) 1835±0,01 1272±0.01 *
Alumínio total dissolvido 0.147±0.018 0.148±0.017 0.1
Ferro total dissolvido 0.064±0.012 0.063±0.011 0.3
* Valores não estabelecidos pelo CONAMA

Em relação aos nutrientes nitrogenados, amônio (NH4+), nitrito (NO2-) e

nitrato (NO3-) apenas o nitrito apresentou concentrações maiores na estação seca (Figura

1) devido às características redutoras da água, ou seja, baixíssimas concentrações de

oxigênio dissolvido que não permitem que o nitrito, resultado da oxidação do amônio

liberado pela respiração dos organismos fotossintéticos, se oxide em nitrato, deixando

este em baixas concentrações e dificultando o desenvolvimento de algas e fitoplanctons,

uma vez que o nitrato é forma nitrogenada preferida dos organismos autótrofos. (Melo,

1993) Na estação chuvosa o nitrito diminuiu, devido a uma maior oxigenação da água

em função da entrada de água do mar e aumento de entrada de materiais alóctones

decorrente de processos de carreamento causados pela incidência de chuvas. Em

conseqüência desses fatores, a concentração de nitrato e amônio aumentou, (Figura 1)

devido à oxidação do nitrito e aumento da respiração dos organismos aquáticos, uma

vez que sua biomassa aumentou devido a uma maior comunicação entre a laguna e o

mar através da entrada freqüente de água pela comporta. As concentrações desses

nutrientes apresentaram-se dentro dos valores permitidos pela resolução nº 357 do

CONAMA para águas salobras (Tabela 2).


Figura 1. Variação das concentrações de O.D e nutrientes na estação seca e na estação

chuvosa.

Quanto as frações do fosfato (PO43-), o fato da laguna apresentar pH’s entre

8.3 e 8.9, como foi visto na estação seca e chuvosa respectivamente, influenciou na

formação das seguintes formas inorgânicas: H2PO4- e HPO42- sendo maior a fração

orgânica devido ao excesso de matéria orgânica despejada via esgotos nessa Laguna.

(UFMA, 1991) Na estação seca o fosfato total apresentou valores elevadíssimos,

ultrapassando o valor permitido pelo CONAMA resolução nº 357 de 17 de março de

2007 para águas salobras (Tabela 2), indicando um ambiente eutrófico, uma vez que o

fosfato é um agente limitante de produtividade. Essas concentrações elevadíssimas estão

vinculadas ao lançamento excessivo de esgotos na laguna, que trazem em si diversos

compostos fosfatados. Além disso, o fosfato do excesso de matéria orgânica,

provenientes dos esgotos, que devem se precipitar no sedimento, voltam à coluna

d’água devido aos grandes processos de decomposição consumindo grande parte do

oxigênio dissolvido na água. Este processo deixa o ambiente anóxico, não permitindo o

desenvolvimento da película superficial do sedimento, decorrente da oxidação pelo O2,

que funciona como barreira para liberação do fosfato na interface sedimento/água. Na

estação chuvosa, a concentração do fosfato total diminuiu, porém não vinculados à


diminuição da carga de esgotos, mas ao aumento do volume da coluna d’água devido a

uma maior incidência de chuva e entrada de água do mar através da comporta.(Figura

1).

Outro fator vinculado aos processos eutróficos, são os teores de sulfeto (S-)

e sulfato (SO42-) que incrementados pelo despejo de esgotos. O sulfato apresentou

concentrações elevadas concentrações, principalmente na estação seca devido às baixas

concentrações de oxigênio dissolvido. (Figura 2) Isto ocorreu devido à falta de

renovação das águas e elevados consumos de O2 pelos microorganismos

decompositores, ocasionando a sulfatorredução. Em decorrência desse processo e da

liberação de gás sulfídrico, que é resultado do processo de decomposição, as

concentrações de sulfeto aumentaram vertiginosamente indicando características

anaeróbicas na água da laguna (Figura 1). Já na estação chuvosa a concentração de

sulfato e conseqüentemente de sulfeto diminuíram, devido à entrada mais freqüente de

água do mar pela comporta, mas não havendo diminuição significativa, pois a

concentração de sulfeto na estação chuvosa como na estação seca apresentaram valores

que ultrapassam os valores muito altos. (Gomes, 2001).

Já silicato [Si(OH)4] apresentou concentrações maiores na estação chuvosa

o que indica grandes populações de diatomáceas e solos ricos em silicato

(aluminossilicatos). Na estação seca obtiveram-se valores menores (Figura 1), mas

ambas dentro do esperado para águas com pH alcalino, ou seja, 134.7 mg/L (Esteves,

1998), pois o silicato não funciona como limitante num ambiente aquático.
Figura 2. Variação das concentrações dos nutrientes na estação seca e na estação

chuvosa.

Em relação ao sódio (Na+), potássio (K+), magnésio (Mg2+) e Calcio (Ca2+),

notou-se uma maior concentração desses na estação seca devido as elevadas

temperaturas que aumentaram o processo de ebulição da água da laguna, deixando-a

mais rasa e concentrada com relação a esses íons. Já na estação chuvosa mesmo com

uma entrada mais freqüente de água do mar, a incidência de chuvas foram essenciais

para que as concentrações desses nutrientes diminuíssem, em função de um maior

volume de água ocasionando diluições. (Figura 2)

Quanto aos metais alumínio total (Al3+) e ferro total (Fe2+), o ferro se

encontrou dentro do permitido pela Res. nº 357 do CONAMA, porém o alumínio

possuindo as mesmas concentrações nas duas estações apresentou valores superiores ao

permitido pela resolução supracitada (Tabela 2), sendo preocupante sua elevada

concentração, pois o alumínio é fitotóxico e facilmente bioacumulado, podendo

prejudicar toda cadeia trófica do ecossistema aquático da laguna. Esse excesso de

concentração pode estar vinculado aos compostos fosfatados do esgoto, que ao serem
precipitados no sedimento liberam o Alumínio devido às condições anóxicas e de baixo

pH (hipolimnio) por causa do excesso de gás sulfídrico.

4 CONCLUSÃO

Conforme mostram os resultados, a Laguna da Jansen apresenta valores de

alguns nutrientes que a classificam como eutrófica, isto porque nutrientes como o

fosfato,, que são limitantes em ecossistemas aquáticos, encontra-se em concentrações

elevadíssimas, que excedem as concentração permitidas pelo CONAMA, resolução n°

357 de 17 de março de 2005, que é de 0.186 mg/L. Além desse indicador, percebeu-se

que a quantidade elevada de nitrito e sulfeto classifica a laguna como ambiente redutor

,ou seja, anaeróbico, cuja concentração de oxigênio dissolvido é baixíssima, não

havendo oxidação do nitrito, resultado assim, em altas concentrações deste. Portanto a

Laguna da Jansen é um ambiente contaminado, onde a maioria do material encontrado

nela é alóctone, isto é, proveniente do esgoto urbano, que influi decisivamente na

concentração de muitos nutrientes, que por conseqüência atinge a biodiversidade da

laguna e sua oxigenação.

Além desses fatores, outro fato importante é a concentração elevada de

alumínio dissolvido, que excedeu também, a concentração estabelecida pelo CONAMA,

podendo nestas prejudicar toda a cadeia alimentar da laguna, além de causar danos aos

organismos autótrofos, uma vez que o alumínio é fitotóxico.

BIBLIOGRAFIA

BRANCO, W. L. C. R. 1997. Estudo Ecológico Humano da Comunidade da laguna da

Jansen: o núcleo de formação pioneira e sua palafitização. Dissertação (Mestrado em

Políticas Públicas). São Luis. UFMA. 147p.


BRASIL. Portaria nº 554 de 30 de agosto de 1995. Diário Oficial. Brasília, Ministério

do Meio Ambiente. Conselho Nacional de Meio Ambiente. Res. nº 357 de 17 de março

de 2005.

CAMPOS, L. F., TUMANG, C. A., FERNANDES, R. N., REIS, B. F.,

Spectrophotometric determination of aluminium in plants digest using a flow system. J.

Flow Injection Anal., v. 16, n. 2, 1999.

CARMOUZE, R. J. O Metabolismo dos Ecossistemas Aquáticos: fundamentos teóricos,

métodos de estudo e análises químicas. ed. EDGARD BLUCÜER LTDA, São Paulo.

1994

ESTEVES, F. A. Fundamentos de Limnologia. Rio de Janeiro: Interciência,. 2 ed, 602

p, 1998.

GOMES, L. V. 1995. Variação Sazonal e Nictemeral de Parâmetros Físico-Químicos e

Biológicos da Lagoa da Jansen. Dissertação (Especialização em Química do Meio

Ambiente). São Luis: UFMA. 52p.

GOMES, L. V. 2001. Caracterização Física, Química e Microbiológica da Água, do

Pescado e do Camarão da Lagoa da Jansen Impactada por Esgoto Doméstico. São Luis:

UFMA: p. 11-58.

MELO, Odilon Teixeira; ARANHA, Florimar de Jesus. Determinação de parâmetros

físicos e químicos. In: PINHEIRO, Maria do Socorro (coord.). Diagnostico das

condições ambientais da Lagoa da Jansen. Projeto para recuperação ambiental. São

Luis: UFMA, 1993

NAUMANN, F., - Einführung in die Bodenkunde der Seen Die Binnengewässer IX,

Schweizerbart'sche. Verlag. 1930.

PARANHOS, R. 1996. Alguns métodos para Análise da Água. Rio de Janeiro: UFRJ.

200p.
REBELO MOCHEL, F. & MACEDO, L. A. A & REGO, M. M. C. & CUTRIM, M. V.

& KOWARICK, M. A & RODRIGUES, M. S. & CORREIA, M. M. F. 1991.

Diagnóstico dos principais problemas ambientais do Estado do Maranhão. São Luis.

UFMA 193p.

UFMA, 1985. Estruturação do Labohidro para Levantamento e Monitoramento

Ecológico da Lagoa da Jansen de São Luis, Maranhão. Relatório Final. São Luis,

LABOHIDRO. 48p.

UFMA, 1991. Lagoa da Jansen: Recuperação Ambiental – Relatório Preliminar. São

Luis, MA. 58p.

VIEGAS, M. C. P. 1996. Políticas Públicas e o Ecossistema Manguezal: o caso da

Lagoa da Jansen/ São Luis, MA. Manejo de Ecossistema e Mudanças Globais. Brasília:

Universidade de Brasília. In: CONGRESSO DE ECOLOGIA DO BRASIL III.. p.248.

AGRADECIMENTOS: LABOHIDRO/ UFMA, NASQA/CEFET-MA, CNPQ.