Você está na página 1de 38

Módulo Inicial

Matemática I

Margarida Macedo
Módulo Inicial

Índice

1. Cálculo ................................................................................................................... 2

1.1. Desigualdades e enquadramentos ................................................................... 2

1.2. Potências de expoente real .............................................................................. 3

1.3. Valor Absoluto ou Módulo ............................................................................. 4

1.4. Função quadrática ........................................................................................... 5

1.5. Polinómios ...................................................................................................... 7

1.6. Expressões Algébricas .................................................................................... 10

2. Funções .................................................................................................................. 11

2.1. Função exponencial ........................................................................................ 10

2.2. Função logarítmica ......................................................................................... 10

2.2. Modelos funcionais ......................................................................................... 13

3. Derivação ............................................................................................................... 15

3.1. Definição de derivada ..................................................................................... 15

3.2. Interpretação geométrica de derivada ............................................................. 15

3.3. Regras de derivação ........................................................................................ 16

4. Funções trigonométricas inversas .......................................................................... 23

4.1. Definições ....................................................................................................... 23

4.2. Derivadas das funções trigonométricas inversas ............................................ 26

Exercícios propostos ....................................................................................... 33

Teste diagnóstico ............................................................................................ 34

Margarida Macedo – Catolica Porto Business School 1


Módulo Inicial

1. Cálculo

1.1. Desigualdades e enquadramentos

a, b, c   , tem-se:

a  bb  c  a  c

a bc  d a+c b+d

a  b  c  0  ac  bc

a  b  c  0  ac  bc

a b ac bc

a  0 a  0
ab  0   
b  0 b  0

a  0 a  0
ab  0   
b  0 b  0

Exemplos:

1 7
1) − 4  2 x − 3  4  −4 + 3  2 x  4 + 3  −  x 
2 2

3 1 3 1 1 3 3 1
2)  x +1   −1  x  −1  −  x  −  −  x  −
4 4 4 4 4 4 4 4

x
3) − 1  −  0  −3  − x  0  0  x  3
3

1 7 7 1
4) − 4  −2 x − 3  4  −4 + 3  −2 x  4 + 3  −  − x   −  x 
2 2 2 2

Margarida Macedo – Catolica Porto Business School 2


Módulo Inicial

5) Da relação a < b, resulta que:

a) − 2a  −2b

b) a + 2  b + 2

c) 6a  6b

1 1
d) 
a b

e) a − 4  b − 4

f) 4 − a  4 − b

g) − 3b  −3a

a b
h) +2 +2
4 4

1.2. Potências de expoente real

x, y, m, n, p   , tem-se: x  , n, p   , tem-se:

x m x n = x m+ n p
x n = n xp
m
x
n
= x m−n
x n
x = a  x = an
(xy)n = xn yn
 xn  n par
(− x )n = 
n
x xn
  = 
− x  n ímpar
n
 y yn

(x ) n p
= x np  1  n par
(− 1)n = 
− 1  n ímpar
x0 = 1
1
x −n =
xn

Margarida Macedo – Catolica Porto Business School 3


Módulo Inicial

Exemplos:

3x 2 3x 2
1) (3x)2 3 x = 9 x 2 x1/ 3 = 9 x 7 / 3 2) = = 3x 2−3 / 2 = 3x1/ 2
( x) 3
x 3/ 2

3)
5x 4 5x 4
= 6 = 5 x −2 ( )
4) x −1 2 x 2 = 2 x −1+2 = 2 x
(x )
2 3 x

1.3. Valor Absoluto ou Módulo

Definição:

 a a0  f ( x)  f ( x)  0
 
a = ou, na generalização: f ( x) = 
− a  a  0 − f ( x)  f ( x)  0

(a  )

Propriedades:

a, b   , tem-se:

a 0

a =0a=0

a = −a

ab = a  b

a = b  b  0  a = b

a  b  b  0  −b  a  b

a  b  a  −b  a  b

Margarida Macedo – Catolica Porto Business School 4


Módulo Inicial

Exemplos:

2x −1  2x −1 2x −1 
1) =1  = −1  = 1  x  0
x  x x 

 (2 x − 1 = − x  2 x − 1 = x )  x  0  x =  x = 1
1
3

x −1
2) = 0  x −1 = 0  2x 2 − 2  0  x = 1  x  1 (a equação é impossível)
2x − 2
2

3) 2x − 1 = −1 (a equação é impossível)

x−3
4)  5  x − 3  10  x − 3  −10  x − 3  10  x  −7  x  13
2

3 3 3 2x − 3 3
5) 1 −  1  1 −  −1  1 −  1   0−  0 
x x x x x

3
x - 0 +  3
2  x  0 x  x 0
 2
2x - 3 - - - 0 +
x - 0 + + + 3
x
2
2x − 3
+ ss - 0 +
x

1.4. Função quadrática

y = ax 2 + bx + c a, b, c   , a  0

 = b 2 − 4ac é o binómio discriminante, que permite identificar o número de zeros da função


sem a resolver. Assim:

Margarida Macedo – Catolica Porto Business School 5


Módulo Inicial

 − b  b 2 − 4ac
  0  x = (tem 2 raízes reais distintas )
 2a

ax 2 + bx + c = 0   = 0  x = −
b
(tem 1 raíz real dupla )
 2 a


  0  a equação é impossível (não tem raízes reais )

O gráfico de uma função quadrática é uma parábola; esta terá concavidade voltada para cima
se a > 0 ou para baixo se a < 0. Conhecidas as raízes, o estudo do sinal é feito de acordo com o
quadro seguinte:

Sinal: a>0 a<0

+ + r1 + r2
0 r1 - r2 - -

+ + + r
=0 - - -
r

0 O trinómio tem sempre o sinal de a

Lei do anulamento do produto:

Um produto é igual a zero se e só se algum dos fatores é zero, ou seja:

ab = 0  a = 0  b = 0

Margarida Macedo – Catolica Porto Business School 6


Módulo Inicial

1.5. Polinómios

Casos notáveis da multiplicação:

(a + b )2 = a 2 + 2ab + b 2
(a − b )2 = a 2 − 2ab + b 2
(a + b )(a − b ) = a 2 − b 2

Igualdade de polinómios:

Dois polinómios são iguais se e só se os coeficientes dos termos do mesmo grau são iguais.

Exemplo:
𝑃(𝑥) = 𝑥 2 + 3𝑥 + 9 e 𝑄(𝑥) = (𝑎 + 𝑏)𝑥 3 + (𝑎 − 𝑏)𝑥 2 + 𝑐𝑥 + 𝑑 em que a, b, c e d são
parâmetros reais. Nessas condições, é possível determinar os parãmetros em causa, através da
resolução do sistema:

1
𝑎+𝑏 =0 𝑎=2
𝑎−𝑏 =1 1
⟺ 𝑏 = −2
𝑐=3
𝑐=3
𝑑=9
{ {𝑑 = 9

Divisão de polinómios:

Teorema do Resto:
O resto da divisão de um polinómio P(x) por x – a é igual a P(a).

Consequência:
P(x) é divisível por x – a  P(a) = 0

Margarida Macedo – Catolica Porto Business School 7


Módulo Inicial

Regra de Ruffini

Permite dividir qualquer polinómio ordenado e completo por um polinómio do tipo x – a,


conforme o exemplo seguinte:

Dividendo: 3x 4 − x − 10 x 2 + 1
Divisor: x + 2

3 0 -10 -1 1 Quociente: 3x 3 − 6 x 2 + 2 x − 5
-2 -6 12 - 4 10 Resto: 11
3 -6 2 -5 11

Algoritmo da divisão de polinómios:

Possível quando o grau do dividendo é maior ou igual ao grau do divisor; ambos devem estar
ordenados e o dividendo tem que estar completo.

O algoritmo é ilustrado pelo exemplo seguinte:

Dividendo: x 5 + x − 1

Divisor: x 3 − x 2

x5 + 0x 4 + 0x3 + 0x 2 + x − 1 x3 − x 2
− x5 + x 4 x2 + x +1
x 4 + 0x 3
− x 4 + x3
x 3 + 0x 2
Quociente: x 2 + x + 1
− x3 + x 2
x2 + x −1 Resto: x 2 + x − 1

Dividendo Resto
Dividendo = Divisor  Quociente + Resto  = Quociente +
Divisor Divisor

Margarida Macedo – Catolica Porto Business School 8


Módulo Inicial

Exemplos:

Determine, se existirem, os parâmetros reais

−5 k
(1) k e h para os quais a função f ( x) = é da família de y = .
3 − 2x x+h

Resolução:

5
−5 5 5 2 5 3
𝑓(𝑥) = 3−2𝑥 = 2𝑥−3 = 3 = 3 ; logo, 𝑘 = 2 e ℎ = − 2.
2(𝑥− ) 𝑥−
2 2

(2) a, k e h para os quais a função f ( x) = x2 − 4 x + 5 tem expressão analítica da forma

y = a(x − h)2 + k .

Resolução:
𝑓(𝑥) = 𝑥 2 − 4𝑥 + 5 = 𝑥 2 − 4𝑥 + 4 + 1 = (𝑥 − 2)2 + 1 ; logo, 𝑎 = 1, ℎ = 2 e 𝑘 = 1.

2x − 3 b
(3) a, b, c e d de modo que f ( x) = se possa escrever na forma y = a + .
x+3 cx + d

Resolução:
2𝑥−3 −9
𝑓(𝑥) = = 2 + 𝑥+3 ; logo, 𝑎 = 2, 𝑏 = −9, 𝑐 = 1 e 𝑑 = 3.
𝑥+3

𝑥−1 𝑎 𝑏𝑥+𝑐
(4) a, b e c de modo que
(𝑥+1)(𝑥 2 +1)
= + .
𝑥+1 𝑥 2 +1

Resolução:

𝑥 − 1 = 𝑎(𝑥 2 + 1) + (𝑏𝑥 + 𝑐)(𝑥 + 1) ⟺ 𝑥 − 1 = 𝑎𝑥 2 + 𝑎 + 𝑏𝑥 2 + 𝑏𝑥 + 𝑐𝑥 + 𝑐 ⟺


⟺ 𝑥 − 1 = (𝑎 + 𝑏)𝑥 2 + (𝑏 + 𝑐)𝑥 + 𝑎 + 𝑐 ⟺

𝑎+𝑏 =0 𝑎 = −1
⟺ {𝑏 + 𝑐 = 1 ⟺ {𝑏 = 1
𝑎 + 𝑐 = −1 𝑐=0

Margarida Macedo – Catolica Porto Business School 9


Módulo Inicial

1.6. Expressões Algébricas

Eis algumas regras de cálculo básicas, bem como incorreções frequentemente cometidas na
utilização das mesmas:

a+b a b 6+ x x
= + = 3+
c c c 2 2
a a a 2 2 2
 +  +
b+c b c x+5 x 5
ab b a 3x 3
= a = b = x
c c c 5 5
ab a b 3x 3 x
   
c c c 5 5 5

a 2
b = ad 3 = 10
c bc 1 3
d 5
a 1
b = a 2 =1
c bc 3 6
a 2
c =a 3 =2
b b 5 5
c 3

√𝑎2 + 𝑏 2 ≠ 𝑎 + 𝑏 √4 + 𝑥 2 ≠ 2 + 𝑥

Margarida Macedo – Catolica Porto Business School 10


Módulo Inicial

2. Funções

2.1. Função exponencial ( a x )

a>1 a<1
y y

1 1

0 x 0 x

2.2. Função logarítmica ( log a x )

a>1 a<1
y y

0 1 x 0 1 x

Regras operatórias: log a x = b  x = a b

loga ( xy ) = loga x + loga y log a a x = x


x log a 1 = 0
log a = log a x − log a y (x > 0 e y > 0)
y
ln x
log a x y = y log a x log a x =
ln a

Margarida Macedo – Catolica Porto Business School 11


Módulo Inicial

Exemplos:

1 a
1) ln a − ln = ln = ln (2a )
2 1
2

2) a ln e3 = ln e 3 ( ) a
= ln e 3a = 3a

10 10 10 10  e x
3) = = x =
1 + 3  e−x 1 + 3 e + 3 ex + 3
ex ex

4) Sendo k = log a c , resulta:

2𝑘
a) log √𝑎 𝑐 = log √𝑎 (𝑎𝑘 ) = log √𝑎 (√𝑎) = 2𝑘

1 −𝑘
b) log 1 𝑐 = log 1 (𝑎𝑘 ) = log 1 (𝑎) = −𝑘
𝑎 𝑎 𝑎

c
c) log a   = log 𝑎 𝑐 − log 𝑎 𝑎 = 𝑘 − 1
a

d) log a ( ) 1 1
a c 2 = log 𝑎 √𝑎 + log 𝑎 𝑐 2 = 2 log 𝑎 𝑎 + 2log 𝑎 𝑐 = 2 + 2𝑘

1
e) log a   =log 𝑎 1 − log 𝑎 𝑐 = 0 − 𝑘 = −𝑘
c

Note-se que k = log a c ⟺ 𝑐 = 𝑎𝑘

Margarida Macedo – Catolica Porto Business School 12


Módulo Inicial

2.3. Modelos funcionais para aplicações à Economia e Gestão

Exemplo 1)

Numa determinada empresa, o custo total da produção em unidades monetárias (u.m.) de q


unidades de um certo bem é dado pela função C (q) = q3 − 30 q 2 + 400 q + 500 .

O custo da produção de 20 unidades, é 𝐶(20) = 203 − 30 × 202 + 400 × 20 + 500 = 4500 𝑢. 𝑚.

O custo da produção da 20ª unidade é dado por 𝐶(20) − 𝐶(19) = 371 𝑢. 𝑚.

Exemplo 2)

Numa determinada fábrica, o custo total de produção de q unidades do produto A é dado por
C (q) = q 2 + q + 900 u.m. Num dia normal, q (t ) = 25t unidades são fabricadas durante as t
primeiras horas de trabalho.

O custo total de fabrico em função de t é dado pela função C (t ) = (25t )2 + 25t + 900 .

Até ao fim da 3ª hora de trabalho foram gastas com a produção C(3) = 6600 u.m.

Será atingido o custo total de 11000 u.m. quando C (t ) = 11000 , ou seja ao fim de 4 horas.

Exemplo 3)

O consumidor final de um bem de consumo de preço unitário x, paga 23% de IVA (Imposto de
Valor Acrescentado) na aquisição do referido bem.

O valor pago pelo consumidor final, em função de x, é dado por 1,23 x.

Se o consumidor final paga 1000 u.m. por cada unidade do bem em causa, o preço unitário
1000
sem imposto é aproximadamente igual a = 813 𝑢. 𝑚.
1,23

Exemplo 4)

Uma empresa fabrica o produto A que vende a 110€ a unidade. Em cada lote de produção, o
custo fixo é de 7500€, ao qual é acrescido o custo de 60€ por unidade.

A função lucro para cada lote é 𝐿(𝑥) = 110𝑥 − (7500 + 60𝑥).

Margarida Macedo – Catolica Porto Business School 13


Módulo Inicial

Exemplo 5)

A agência A de aluguer de automóveis aluga um carro de grande cilindrada por 125€ por dia,
cobrando ainda uma taxa de 0,30€ por quilómetro percorrido; a agência B aluga um carro da
mesma gama por 150€ por dia mas cobra uma taxa 0,25€ por quilómetro. Determinar a agência
que apresenta melhores condições para quem pretenda alugar um carro da referida gama apenas
por um dia, depende do número de quilómetros percorridos; com efeito, o preço pago na agência
A é dado por 125 + 0,3𝑥 , enquanto que na agência B o cliente paga 150 + 0,25𝑥, em que x é
o número de quilómetros percorridos.

(Verifica-se facilmente que a agência A é melhor que a B para distâncias inferiores a 500 km).

Exemplo 6)

Uma determinada empresa vende o produto X que lhe custa 3 u.m. por unidade. Vende
mensalmente 200 unidades desse produto a 15 u.m. Pretendendo, no entanto, estimular as
vendas, após um estudo de mercado chegou-se à conclusão que, por cada redução de 1 u.m. ao
preço, são vendidas mais 20 unidades.

Uma expressão do lucro em função da redução x dos preços praticada, é dada por

(
L = 20 − x 2 + 2 x + 120 )
Com efeito, se o desconto é x, a quantidade vendida será 200 + 20x ao preço 15 – x, enquanto
que o preço de custo se mantêm. Ou seja o lucro (Receita – Custo) é dado por

𝐿(𝑥) = (200 + 20𝑥)(15 − 𝑥 − 3) = 20(−𝑥 2 + 2𝑥 + 120)

Exemplo 7)

Quando determinado produto é vendido a p escudos a unidade, a empresa produtora


2
p
disponibiliza unidades e sendo a procura local de 60 − p unidades, o preço de equilíbrio
10
(quando a Procura é igual Quantidade Produzida) é 20 u.m., que corresponde à solução da
𝑝2
equação 10 = 60 − 𝑝.

Margarida Macedo – Catolica Porto Business School 14


Módulo Inicial

3. Derivação

3.1. Definição de derivada

Dada a função f , definida num intervalo real , chamamos derivada de f à função ,

nos pontos em que esse limite existir e for finito.

Notação: A derivada da função f pode ser representada por uma das seguintes formas:

3.2. Interpretação geométrica da derivada

A derivada de uma função num ponto x é o declive da reta tangente ao gráfico da função nesse
ponto, ou seja:

a equação da reta tangente ao gráfico de f no ponto de abscissa 𝑥0 , é dada por

(ou , y = f ' ( x0 )  x + b , em que b se calcula por substituição do ponto P (x0 , f ( x0 )) .

Margarida Macedo – Catolica Porto Business School 15


Módulo Inicial

3.3. Regras de derivação

São fórmulas que permitem calcular a derivada de uma função sem utilizar a definição. Para
cada regra de derivação vão ser apresentados alguns exemplos, que permitirão recordar as
técnicas envolvidas.

y = c  y’ = 0

1) y = -5  y’ = (-5)’ = 0

2) y = 3  y’ = (3)’ = 0

y = k  x  y' = k (k  R)
3) y = 5x  y’ = (5x)’ = 5 (x)’ = 5  1 = 5

4) y = -3x  y’ = (-3x)’ = - 3

5) y = - x  y’ = - 1

y = xn  y' = n  x n−1 , x  0

6) y = x5  y’ = 5 x5-1 = 5x4

7) y = 2 x 4  y ' = 2  4 x 3 = 8 x 3

x3 1 1
8) y = −  y = − x 3  y = − .3x 2 = − x 2
3 3 3

1 1
9) y = = x −1  y' = − x −1−1 = − x − 2 = − 2
x x

1 2
10) y = 2
= x −2  y' = −2 x −3 = − 3
x x

Margarida Macedo – Catolica Porto Business School 16


Módulo Inicial

1
y=n x  y' = , x0
n  n (x )n−1

1
11) y = x  y '=
2 x

1
12) y = 5 x  y' =
55 x 4

8 2
13) y = 84 x  y' = =
4 3 4
4 x x3

y = g1(x)  g2(x)  ...  gn(x)  y’= g1‘(x)  g2‘(x)  ...  gn‘(x)

A derivada da soma (ou diferença) é igual à soma (ou diferença) das derivadas

14) y = 3x2 + 5x + 4  y’ = (3x2 )’+ (5x)’ + (4)’ = 6x + 5 + 0 = 6x + 5

15) y = 4x3 + 5x2 + 3  y’ = 12x2 + 10x

16) y = 3x2 - 5x  y’ = (3x2 )’- (5x)’ = 6x - 5

17) y = 4x3 - 5x2 - 3  y’ = 12x2 – 10

y = uv  y' = u'  v + u  v'

18) y = (2 x − 3)  ( x 2 + 5)  y' = (2 x − 3)  ( x 2 + 5) + (2 x − 3)  ( x 2 + 5) ' =


'

= 2  ( x 2 + 5) + (2 x − 3)  2 x = 2 x 2 + 10 + 4 x 2 − 6 x =
= 6 x 2 − 6 x + 10

Margarida Macedo – Catolica Porto Business School 17


Módulo Inicial

1
19) y = x  (1 − 3x 2 )  y ' = ( x )'(1 − 3x 2 ) + x  (1 − 3x 2 )' =  (1 − 3x 2 ) + x  (−6 x) =
2 x
1 − 3x2
= − 6x x
2 x

y = ku  y' = k  u' (k  R)

x2 − x +1
 y' =  (x 2 − x + 1 )'  y' =  (2 x − 1)
1 1
20) y =
15 15 15

11 − x 2 1 1 2x
21) y = = ( 11 − x 2 )  y' = ( − 2 x) = −
7 7 7 7

u' v − uv'
y=
u
 y' = (v  0)
v v2

1 (1)'x − 1 ( x)' 0 − 1 1
22) y =  y' = 2
= 2 =− 2
x x x x

1 + x2 ( 1 + x 2 )'( 1 − x) − ( 1 + x 2 )( 1 − x)' 2 x(1 − x) − ( 1 + x 2 )( − 1 )


23) y =  y' = = =
1− x ( 1 − x)2 ( 1 − x)2
2x − 2x2 + 1 + x2 1 + 2x − x2
= =
( 1 − x)2 ( 1 − x)2

x ( x) ' .e x − x.(e x )' 1.e x − x.e x e x − x.e x e x (1 − x ) 1 − x


24) y =  y ' = = = = = x
ex (e x ) 2 e2 x e2 x e2 x e

y=un  y' = n  u n−1  u'

(
25) y = x 3 − 5 x 2 )3
 ( ) (
2
)'
( ) (
2
y ' = 3  x 3 − 5 x 2  x 3 − 5 x 2 = 3  x 3 − 5 x 2  3x 2 − 10 x )
Margarida Macedo – Catolica Porto Business School 18
Módulo Inicial

2 '
 x2   x2   x2   x 2  2 x(1 − x) − x 2( − 1 )
26) y =    y' = 2  

  = 2
1− x  1− x 

1− x   =
1− x        ( 1 − x)2
 x2  2x − x2
= 2   

 1 − x  ( 1 − x)
2

27) ( ) ( )( (
y = sen 2 2 x 3 − 1  y ' = 2  sin 2 x 3 − 1  sin 2 x 3 − 1 = ))'

= 2  sin (2 x − 1) cos (2 x )( ) '


3 3
−1 2x3 −1 =
= 2  sin (2 x − 1) cos (2 x
3 3
− 1) 6 x = 6 x sin (4 x
2 2 3
−2 )

u'
y = ln u  y' =
u

(
28) y = ln x 3 − 5 x 2 + 4 )  y' =
( x 3 − 5 x 2 + 4) '
x3 − 5x 2 + 4
=
3x 2 − 10 x
x3 − 5x 2 + 4

'
 x2  2 x(1 − x) − x 2( − 1 )
 
29) y = ln
x2 1 − x 
 y' =  2  =
( 1 − x)2
=
2 x − x 2 (1 − x ) 2 x − x 2
= 2
( )
1− x x x2 x 2( 1 − x)2 x ( 1 − x)
1− x 1− x

y = eu  y' = e u  u'

30) y = e
x 2 − 5x + 4
 y '= e
x 2 −5 x + 4
( )
'
 x 2 − 5x + 4 = e
x 2 −5 x + 4
 (2 x − 5)

31) 𝑦 = 𝑒 cos𝑥 ⟹ 𝑦 ′ = 𝑒 cos𝑥 ∙ (cos𝑥)′ = −sin𝑥 ∙ 𝑒 cos𝑥

Margarida Macedo – Catolica Porto Business School 19


Módulo Inicial

Exercício resolvido 1:

Calcular uma expressão simplificada da função derivada das funções:

4
 2 
1) y =  x   (2 x −3)2
 3 x −1 

2) y = 3x + 3 2 x

( ) ( )
3) y = sen 2 2 x 2 − 3 + 2 cos 3x 3 − 2 x 2 − 1

1
4) y =
cos x + 1

5) y = tg 2 x 4

x+a
6) y = tg
1 − ax

7) y = log 2  tg ( x + e x )

(
8) y = log 2 3x 2 + 1 − x )
ln x
9) y = x ln x +
x

10) y = tg2 x2 + 1 + tg ( cos x )

1 
11) y = 1 + cotg 2  + x 
x 

x2 + 1
12) y = ln
x2 − 1

13) y =
(
ln e x − 1 )
ex −1

Margarida Macedo – Catolica Porto Business School 20


Módulo Inicial

Resolução:

4
 x 2  2 x ( 3x − 1) − 3x 2  x2 
3

1) y' = 4 
 3x −1 
 ( 2 x − 3 ) 
2
+   ( 2 x − 3)  4 =

  ( 3 x − 1) 2

3 x −1

 3x 2 − 2 x x2 
3
 x2 
 3x −1  (
=4  2 x − 3)  ( 2 x − 3 ) + =
   ( 3x − 1)2 3x − 1 
 

 6 x3 − 9 x 2 − 4 x 2 + 6 x + 3x3 − x 2   x2 
3 3
 x2  9 x3 − 14 x 2 + 6 x
 3x −1  (
=4  2 x − 3)  =   ( 8 x −12 )
   ( 3x − 1)2   3x −1  ( 3x − 1)2
 

2 9 3
( 2 x )2 +2
3+
33 ( 2x ) 33 ( 2x ) ( 2 x )2
2 2
9 3
+2
2) y ' = = =
2 3x + 3 2 x 2 3x + 3 2 x 6 3
( 2 x )2 3x + 3 2 x

( ) ( )
3) y ' = 2 sen 2 x2 − 3  cos 2 x 2 − 3  4 x − 2 sen 3x3 − 2 x 2 − 1 9 x 2 − 4 x ( )( )
(
sen 4x 2 −6 )

1
−sen x + 1 
2 x +1 = sen x + 1
4) y ' = −
cos 2
x +1 2 x + 1  cos 2 x + 1

4 x3 8 x3 tg x 4
5) y ' = 2 tg x 4 =
cos 2 x 4 cos 2 x 4

1 − ax + a ( x + a )
(1 − ax )2 =
1 + a2
6) y ' =
x+a x+a
(1 − ax )
2
cos 2 cos 2
1 − ax 1 − ax

1+e x
cos 2 ( x + e x ) (1 + e ) sec ( x + e ) x 2 x
7) y ' = = Nota: sec x =
1
e cosec x =
1
ln2  tg ( x + e )
x
tg ( x + e ) ln 2 x
cos x sen x

Margarida Macedo – Catolica Porto Business School 21


Módulo Inicial

6x
8) y ' = −1
(
ln 2  3x 2 + 1 )

1
 x − ln x
1 x 1 − ln x
9) y ' = ln x + x  + = 1 + ln x +
x x 2
x2

2x
− sen x
10) y ' = 2 tg x 2 + 1  2 2 x +2 1 +
2

cos x +1 cos2 ( cos x )

2x tg x2 + 1
=  − sen x  sec2 (cos x)
x + 1 cos
2 2
x +1
2

 1 1 
 − 2 + 
1 
11) y ' = 2 cotg  + x   −
x 2 x  =  2 − 1  cot g  1 + x  cosec2  1 + x 
 2     
x   sen 2  1 + x    x x x  x 
  
 x 

 x2 + 1
' ( )
2x x2 − 1 − 2x x2 + 1 ( )
'
 2
 x −1



(x 2
−1 ) 2

 x 2 + 1   x2 + 1  − 4x
 x +1
2 2 

12) y ' = 
x 2 − 1 
=
2 2
x −1 =
 x2 − 1 
  =
(x
−1 2
=
) 2

x2 + 1 x2 + 1 x +1
2 x2 + 1
2 2
x2 − 1 x2 − 1 x2 − 1 x −1

− 4x x2 − 1 − 2x − 2x
=  == 2 = 4
(x 2
−1 ) 2
(
2  x +1
2
) (
x −1 x +1 x −1
2
)( )

ex
( )
 e x − 1 − e x ln e x − 1 ( )
e x − e x ln e x − 1 e x 1 − ln e x − 1 ( ) ( ( ))
13) y ' = e − 1
x
= =
e −1
x
(2
) e −1
x 2
ex −1
2
( ) ( )

Margarida Macedo – Catolica Porto Business School 22


Módulo Inicial

4. Funções trigonométricas inversas

A periodicidade das funções trigonométricas traduz-se na não injetividade das mesmas o que
tem como consequência a não existência de inversa. Daí a necessidade de convencionar a
definição de restrição principal do domínio de uma função trigonométrica: é uma restrição
que torna a função em causa bijetiva – a qualquer objecto corresponde uma só imagem e a
qualquer imagem corresponde um só objecto. Assim,

  
− a restrição principal do seno é  − , 
 2 2

− a restrição principal do coseno é  0,  

  
− a restrição principal da tangente é  − , 
 2 2

− a restrição principal da cotangente é  0, 

4.1. Definições

(1) A função inversa do seno, arco seno, define-se por

  
arcsin :  −1,1 →  − , 
 2 2
x arcsen x em que y = arcsin x  x = sin y

Margarida Macedo – Catolica Porto Business School 23


Módulo Inicial

(2) A função inversa do co-seno, arco coseno, define-se por

arccos :  −1,1 → 0,  

x arccos x em que y = arccos x  x = cos y

(3) A função inversa da tangente, arco tangente, define-se por


  
arctg : R →  − , 
 2 2
x arctg x em que y = arctg x  x = tg y

(4) A função inversa da co-tangente, arco cotangente, define-se por


arccotg : R → 0,  

x arccotg x em que y = arccotg x  x = cotg y

Margarida Macedo – Catolica Porto Business School 24


Módulo Inicial

Exemplo 1:

√2 𝜋
a) arcsin (− ) = −4
2

1 𝜋 √3
b) cos (arcsin (2)) = cos 6 = 2

√3 𝜋 5𝜋
c) arccos (− ) =𝜋−6 =
2 6

3π 𝜋
d) arcsin (sin ( 4 )) = 4

e) arctg(tg(7π)) = 0
𝜋 3𝜋
f) arccotg(−1) = 𝜋 − 4 = 4

Note-se que em todos os cálculos respeitantes ás funções trigonométricas inversas, devem


ser tidas em conta as restrições principais.

Exemplo 2:

𝑥−1 2√𝑥
Verifica-se que arcsin = arccotg (𝑥−1):
𝑥+1

𝑥−1 𝑥−1 2 √𝑥 2 √𝑥
com efeito, arcsin = 𝑘 ⟺ 𝑥+1 = sin𝑘 ∧ arccotg (𝑥−1) = 𝑘 ⟺ 𝑥−1 = cotg 𝑘
𝑥+1

A relação entre o seno e a cotangente (inverso da tangente) é dada por


1
1 + cotg 2 𝛼 = sin2 𝛼 , ou seja

2
2 √𝑥 1 4𝑥 (𝑥+1)2 𝑥 2 −2𝑥+1+4𝑥 (𝑥+1)2
1 + (𝑥−1) = 𝑥−1 2
⟺ 1 + (𝑥−1)2 = (𝑥−1)2 ⟺ (𝑥−1)2
= (𝑥−1)2 (verdade)
( )
𝑥+1

Exemplo 3:
𝑥 1
Verifica-se que arccos (√1+𝑥 2 ) = arcsin (√1+𝑥 2 ):

Pela relação fundamental da trigonometria, sin2 𝛼 + cos 2 𝛼 = 1, pelo que basta concluir
𝑥 2 1 2 𝑥 2 +1
que (√1+𝑥 2 ) + (√1+𝑥 2 ) = 2 = 1.
(√𝑥 2 +1)

Margarida Macedo – Catolica Porto Business School 25


Módulo Inicial

4.2. Derivadas das funções trigonométricas inversas

Vamos, como exemplo, deduzir a expressão analítica da derivada da função y = arctg x com
recurso à regra da derivada da função inversa, segundo a qual, nos domínios das funções

intervenientes, se f é diferenciável em x 0 , então f −1


é diferenciável em y 0 = f ( x 0 ) , e

( f −1 )  ( y 0 ) = f ' (1x 0 ) .

Assim, sendo f(x) = tg x e y 0 = tg ( x 0 ) , vem f ( −1
) (y0) =
1
1
= cos 2 ( x 0 ) .

cos 2 ( x 0 )

1 1
Mas 1 + tg 2 ( x 0 ) =  cos 2 ( x 0 ) =
cos 2
(x0 ) 1 + tg 2 ( x 0 )


donde resulta que ( f −1 ) (y0) =
1
1+ y 0 2
.

Analogamente podem ser deduzidas as regras de derivação das restantes funções


trigonométricas inversas, cujas regras operatórias são as seguintes:

1 u'
y = arcsen x  y ' = y = arcsen u  y ' =
1− x 2 1− u 2

−1
y = arccos x  y ' = − u'
y = arccos u  y ' =
1− x 2
1− u 2

1
y = arctg x  y ' = u'
1+ x 2 y = arctg u  y ' =
1+ u 2

−1
y = arccotg x  y ' = − u'
1+ x 2 y = arccotg u  y ' =
1+ u 2

Margarida Macedo – Catolica Porto Business School 26


Módulo Inicial

Exercício resolvido 2:

Calcule uma expressão simplificada da função derivada das funções:

1) y = 1 − arccotg x

2) y = arctg ( sen 7 x )

x−3
3) y = arctg 2
1 − 3x

1 − cos 3x
4) y= + arcsen ( 3x )
1 + cos 3x

5) (
y = arctg sen ( x 2 + 1) )
1 cos x
6) y= −
arcsen x arctg x

x+a
7) y = arctg
1 − ax

2x
8) y = arctg x  arccotg
x+3

1 − x2
9) y = x − arctg
1 + x2

1 2x + 1
10) y = arctg
3 3

(
11) y = arctg ln x 2 + 1 )
 x 2 + 1 
12) y = ln  arctg
 x 2 − 1 

Margarida Macedo – Catolica Porto Business School 27


Módulo Inicial

Resolução:

1
1
2 x
1+ x 2 x (1 + x ) 1
1) y ' = = =
2 1 − arccotg x 2 1 − arccotg x 4 x (1 + x ) 1 − arccotg x

ln 7  7 x cos 7 x
2) y ' =
1 + sen 2 7 x

1 − 3 x + 3 ( x − 3)
x−3
−16arctg
(1 − 3x )
2
x−3 1 − 3x
3) y ' = 2 arctg  =
1 − 3x  x−3  (1 − 3x ) + ( x − 3)
2 2 2

1+  
 1 − 3x 

3sen ( 3x )(1 + cos 3x ) + (1 − cos 3x ) 3sen ( 3x ) 3 6sen 3 x 3


4) y ' = + = +
(1 + cos ( 3x ) ) (1 + cos 3x )
2 2
1 − 9x 2
1 − 9 x2

2 x cos ( x 2 + 1)
5) y ' =
1 + sen 2 ( x 2 + 1)

1 1
− − sen x  arctg x − cos x 
1− x − 2
1 + x2 =
6) y ' =
arcsen 2 x arctg 2 x

=
−1
+
(1 + x ) sen x  arctg x + cos x
2

1- x 2 arcsen 2
x (1 + x ) arctg x 2 2

1 − ax + a ( x + a ) 1 − ax + a ( x + a )
(1 − ax ) (1 − ax )
2 2
1 + a2
7) y ' = = = =
 x+a  (1 − ax )  x + a 2 1 − 2ax + a 2 x 2 + x 2 + 2ax + a 2
2 2

1+   + 
 1 − ax  (1 − ax )  1 − ax 
2

1 + a2 1
= =
(1 + a )(1 + x )
2 2
1 + x2

Margarida Macedo – Catolica Porto Business School 28


Módulo Inicial

2 ( x + 3) − 2 x
2x 2x
arccotg
( x + 3) arccotg
2

8) y ' = x + 3 − arctg x  = x + 3 − 6 arctg x


1 + x2  2x 
2
1 + x2 5x2 + 6 x + 9
1+  
 x +3
−2 x (1 + x 2 ) − 2 x (1 − x 2 )

(1 + x ) 2 2

−2 x − 2 x3 − 2 x + 2 x3
1 − x2
9) y ' = 1 −
2
1 + x2 = 1−
(1 + x ) 2 2

=
1 − x2 1 − x2 1 + x2 + 1 − x2
1+ 2 
1 + x2 1 + x2 1 + x2

 (1 + x 2 )
4x

= 1+
(1 + x ) 2 2

= 1+
x
= 1+
x
1 − x2 1 − x2 1 − x4
4
1 + x2
(1 + x 2 ) 1 + x2
2
1 3 2 2
10) y ' =  = = 2
3  2x + 1 
2
3 + 4x + 4x + 1 4x + 4x + 4
2

1+  
 3 
2x
2 x2 + 1

11) y ' =
x2 + 1 =
x
1 + ln 2
x +1
2
(x 2
(
+ 1) 1 + ln 2 x 2 + 1 )
'
 x2 + 1 
 2 
 x −1
 x2 + 1 
'   ( )
2x x2 − 1 − 2x x2 + 1 ( )
  x +1 (x )
2 2
 x2 −1  2 2 −12

 
'   x −1
 arctg x + 1 
2
 x 2 + 1  x 2 + 1 
x2 + 1 x2 + 1 1 + 2 
 x − 1 
2 1+ 2 1+ 2  x − 1  2 x 2 − 1 
 
12) y ' =  = x −1 = x −1 =  =
x2 + 1 x +1
2
x2 + 1 x +1
2
arctg 2 arctg 2 arctg 2 arctg 2
x −1 x −1 x −1 x −1
− 4x
(x 2
−1 ) 2

 2 x 2  x 2 + 1 
 2 
 x − 1  2 x 2 − 1 
   = −1
=
arctg
x2 + 1
x2 − 1
x x 2
− 1
x2 + 1
x2 − 1
 arctg ( ) x2 + 1
x2 − 1

Margarida Macedo – Catolica Porto Business School 29


Módulo Inicial

Exercício1 resolvido 3:

Calcule uma expressão simplificada da função derivada das funções:


11 4 4𝑥+3
1) 𝑦 = − 2(𝑥−2)2 − 𝑥−2 R: 𝑦´ = (𝑥−2)3

1+𝑥 −1
2) 𝑦 = arccotg R: 𝑦 ′ = 1+𝑥 2
1−𝑥

1 3 1 3 3
3) 𝑦 = 8 √(1 + 𝑥 3 )8 − 5 √(1 + 𝑥 3 )5 R: 𝑥 5 ⋅ √(1 + 𝑥 3 )2

𝑥 2 −1 2
4) 𝑦 = arcsin R: 𝑦′ =
𝑥2 𝑥√2𝑥 2 −1

𝑥
5) 𝑦 = 𝑥 √𝑎2 − 𝑥 2 + 𝑎2 arcsen (𝑎 ∈ 𝑅) R: 𝑦 ′ = 2√𝑎2 − 𝑥 2
𝑎

−𝑥
6) 𝑦 = arcsin (1 − 𝑥) + √2𝑥 − 𝑥 2 R: 𝑦 ′ = √2𝑥−𝑥 2

1
7) 𝑦 = ln(𝑥 + √𝑎2 + 𝑥 2 ) (𝑎 ∈ 𝑅) R: 𝑦 ′ = √𝑎2
+𝑥 2

1
8) 𝑦 = ln(𝑎 + 𝑥 + √2𝑎𝑥 + 𝑥 2 ) (𝑎 ∈ 𝑅) R: 𝑦 ′ = √2𝑎𝑥+𝑥 2

𝑥 𝑎2
9) 𝑦 = 2 √𝑥 2 − 𝑎2 − ln(𝑥 + √𝑥 2 − 𝑎2 ) (𝑎 ∈ 𝑅) R: 𝑦 ′ = √𝑥 2 − 𝑎2
2

√𝑎2 +𝑥2 +𝑥 2
10) 𝑦 = ln √𝑎2 (𝑎 ∈ 𝑅) R: 𝑦 ′ = √𝑎2
+𝑥2 −𝑥 +𝑥2

1+√1+𝑥2 1
11) 𝑦 = √1 + 𝑥 2 − ln R: 𝑦 ′ = 𝑥
𝑥

3 𝑥 2 +1 1 𝑥−1 1 𝑥 2 −3𝑥
12) 𝑦 = 4 ln + 4 ln 𝑥+1 + 2 arctg 𝑥 R: 𝑦 ′ =
𝑥 2 −1 𝑥 4 −1

1
Fonte: Demidovitch, B., Problemas e Exercícios de Análise Matemática, McGraw-Hill

Margarida Macedo – Catolica Porto Business School 30


Módulo Inicial

Resolução: (só deve recorrer à resolução depois de esgotar as capacidades de resolução


individual sem sugestões)

11 4 ′ 11
1) 𝑦 ′ = (− 2(𝑥−2)2 − 𝑥−2) = − ∙ (−2)(𝑥 − 2)−3 − 4 ∙ (−1)(𝑥 − 2)−2 =
2
11 4 4𝑥+3
= (𝑥−2)3 + (𝑥−2)2 = (𝑥−2)3

1−𝑥+1+𝑥
1+𝑥 ′ −
(1−𝑥)2 2 −1
2) y′ = (arccotg ) = 1+𝑥 2
= − (1−𝑥)2 +(1+𝑥)2 = 1+𝑥 2
1−𝑥 1+( )
1−𝑥

1 3 1 3 ′
3) 𝑦 ′ = (8 √(1 + 𝑥 3 )8 − 5 √(1 + 𝑥 3 )5 ) =

5 2
1 8 1 5
= 8 ∙ 3 ∙ (1 + 𝑥 3 )3 ∙ 3𝑥 2 − 5 ∙ 3 ∙ (1 + 𝑥 3 )3 ∙ 3𝑥 2 =

2
1 3
= 3 ∙ 3𝑥 2 (1 + 𝑥 3 )3 (1 + 𝑥 3 − 1) = 𝑥 5 ⋅ √(1 + 𝑥 3 )2

′ 2𝑥3 −2𝑥3 +2𝑥 2 2


′ 𝑥 2 −1 𝑥4 𝑥3 𝑥3 2
4) 𝑦 = (arcsin ) = = = =
𝑥2 4 4 2 −1 √2𝑥2 −1 𝑥√2𝑥 2 −1
2 2 √ 𝑥 −𝑥 +2𝑥
√1− (𝑥 −1) 𝑥4 𝑥2
4 𝑥

′ 1
′ 2 𝑥 2𝑥 2 2
5) 𝑦 = (𝑥 √𝑎2 − 𝑥2 + 𝑎 arcsen ) = √𝑎2 − 𝑥2 − +𝑎 ∙ 𝑎
=
𝑎 2√𝑎2 −𝑥2 √1−𝑥2
2
𝑎

𝑥2 𝑎2 𝑎2 −𝑥 2 −𝑥2 +𝑎2 2(𝑎2 −𝑥 2 )


= √𝑎2 − 𝑥 2 − √𝑎2 2
+ √𝑎2 = = = 2√𝑎2 − 𝑥 2
−𝑥 −𝑥 2 √𝑎2 −𝑥 2 √𝑎2 −𝑥2

′ −1 2−2𝑥 −1+1−𝑥 −𝑥
6) 𝑦 ′ = (arcsin (1 − 𝑥) + √2𝑥 − 𝑥 2 ) = + = = √2𝑥−𝑥 2
√1−(1−𝑥)2 2√2𝑥−𝑥 2 √2𝑥−𝑥 2

2𝑥 √𝑎2 +𝑥2 +𝑥
′ 1+
′ 2√𝑎2 +𝑥2 √𝑎2 +𝑥2 1
7) 𝑦 = (ln(𝑥 + √𝑎2 + 𝑥 2 )) = = = √𝑎2
𝑥+√𝑎2 +𝑥 2 𝑥+√𝑎2 +𝑥2 +𝑥2

Margarida Macedo – Catolica Porto Business School 31


Módulo Inicial

2𝑎+2𝑥 √2𝑎𝑥+𝑥2 +𝑎+𝑥


′ 1+
′ 2√2𝑎𝑥+𝑥2 √2𝑎𝑥+𝑥2 1
8) 𝑦 = (ln(𝑎 + 𝑥 + √2𝑎𝑥 + 𝑥 2 )) = = = √2𝑎𝑥+𝑥 2
𝑎+𝑥+√2𝑎𝑥+𝑥 2 𝑎+𝑥+√2𝑎𝑥+𝑥 2


′ 𝑥 𝑎2
9) 𝑦 = (2 √𝑥 2 − 𝑎2 − ln(𝑥 + √𝑥 2 − 𝑎2 )) =
2

2𝑥 √𝑥2 −𝑎2 +𝑥
1+
1 𝑥 2𝑥 𝑎2 2√𝑥2 −𝑎2 𝑥 2 −𝑎2 +𝑥 2 𝑎2 √𝑥2 −𝑎2
= 2 √𝑥 2 − 𝑎2 + 2 ∙ − ∙ = − ∙ =
2√𝑥 2 −𝑎2 2 𝑥+√𝑥 2 −𝑎2 2√𝑥 2 −𝑎2 2 𝑥+√𝑥 2 −𝑎2

2𝑥 2 −𝑎2 −𝑎2 𝑥 2 −𝑎2


= = √𝑥 2 = √𝑥 2 − 𝑎2
2√𝑥 2 −𝑎2 −𝑎2

′ ′
√𝑎2 +𝑥 2 +𝑥
10) 𝑦 ′ = (ln √𝑎2 ) = (ln(√𝑎2 + 𝑥 2 + 𝑥) − ln(√𝑎2 + 𝑥 2 − 𝑥)) =
+𝑥 2 −𝑥

2𝑥 2𝑥
+1 −1
2√𝑎2 +𝑥2 2√𝑎2 +𝑥2 1 1 2
= − = √𝑎2 + √𝑎2 = √𝑎2
𝑥+√𝑎2 +𝑥 2 √𝑎2 +𝑥 2 −𝑥 +𝑥2 +𝑥 2 +𝑥 2

′ ′
1+√1+𝑥2 2𝑥
11) 𝑦 ′ = (√1 + 𝑥 2 − ln ) = − (ln(1 + √1 + 𝑥 2 ) − ln𝑥) =
𝑥 2√1+𝑥2

2𝑥
𝑥 2√1+𝑥2 1 𝑥 𝑥 1
= √1+𝑥 2 − + 𝑥 = √1+𝑥 2 − √1+𝑥 2 +𝑥 =
1+√1+𝑥 2 (1+√1+𝑥 2 )

𝑥 2 (√1+𝑥2 +1)−𝑥 2 +√1+𝑥2 (√1+𝑥 2 +1) 𝑥 2 √1+𝑥2 +√1+𝑥 2 +𝑥 2 +1


= = =
𝑥√1+𝑥 2 (√1+𝑥 2 +1) 𝑥√1+𝑥 2 (√1+𝑥2 +1+𝑥2 )

2
𝑥 2 √1+𝑥2 +√1+𝑥 2 +(√𝑥2 +1) √1+𝑥 2 (𝑥 2 +√1+𝑥 2 +1) 1
= = =𝑥
𝑥√1+𝑥 2 (√1+𝑥2 +1+𝑥 2 ) 𝑥√1+𝑥 2 (√1+𝑥 2 +1+𝑥 2 )

−4𝑥
2
′ 2
′ 3 𝑥 2 +1 1 𝑥−1 1 3 (𝑥2 −1) 1 (𝑥+1)2 1 1
12) 𝑦 = (4 ln + 4 ln 𝑥+1 + 2 arctg 𝑥) = 4 ∙ 𝑥2 +1
+4∙ 𝑥−1 + 2 ∙ 𝑥 2 +1 =
𝑥 2 −1
𝑥2 −1 𝑥+1

3 −4𝑥 1 2 1 1
= 4 ∙ (𝑥 2 −1) (𝑥 2 +1) + 4 ∙ (𝑥+1)(𝑥−1) + 2 ∙ 𝑥 2 +1 =

−12𝑥+2(𝑥 2 +1)+2(𝑥 2 −1) −12𝑥+2𝑥 2 +2+2𝑥 2 −2 𝑥 2 −3𝑥


= = =
4(𝑥 2 −1) (𝑥 2 +1) 4(𝑥 2 −1) (𝑥 2 +1) 𝑥 4 −1

Margarida Macedo – Catolica Porto Business School 32


Módulo Inicial

Exercícios propostos:

1) Sendo y = 3sinx + cosx, mostre que y''' + y'' + y' + y = 0.

2) Sendo y = e x  cos x , mostre que y'' - 2y' + 2y = 0.

3) Sendo y = a cos ( x) + b sin ( x), mostre que y ''+  2 y = 0 .

4) Sendo y = ( x 2 − 5 )  e3 x , determine os valores de a, b e c reais de modo que

ay ''+ by '+ cy = 4e3 x .

 x 
5) Sendo f ( x) = 1 +   sen (kx) (k  R \ 0) mostre que f ''( x) + k 2  f ( x) = cos(kx) .
 2k 

6) Seja f uma função contínua e diferenciável em R e g uma função de domínio R + , definida


f ( 2 + 3ln x )
por g ( x) = , com f(2) = f ´(2) = 1. Calcule g’( 1 ) .
x

1 x
7) Sendo f ( x) = arccos e g ( x) = arcsen , mostre que, para x > 0, é válida a
1 + x2 1 + x2
igualdade f '( x) − g '( x) = 0 .

 x2 1  x
8) Se f ( x) =  −   arcsen x + 1 − x 2 , mostre que f '( x) = x arcsen x .
 2 4 4

9) Verifique que y =
arcsenx
satisfaz a equação (1 − x )  y '− xy = 1 .
2

1− x 2

Soluções:

4. a = 2, b = −12 e c = 18

6. 2

Margarida Macedo – Catolica Porto Business School 33


Módulo Inicial

Teste diagnóstico

Para cada uma das questões que se seguem, são indicadas quatro alternativas, das quais apenas
uma está correta. Assinale-a com o símbolo .

1. Considerando as afirmações seguintes:


( i ) Sendo n inteiro, o grau do polinómio quociente de x n+7 + x 5 por x 7 + 2 é n.

( ii ) A equação x 2 − x − 2 = 0 admite pelo menos uma raiz real.


( iii) O polinómio x 2 + 1 admite 2 raízes reais.

Podemos concluir que:


(A) As três afirmações são verdadeiras
(B) Apenas uma das afirmações é falsa
(C) Apenas uma das afirmações é verdadeira
(D) As três afirmações são falsas

2. Verifica-se que:

(A) 1+ x2 = 1+ x
x3 + 5 5
(B) =−
x −2
3
2
x 1 x
(C) = +
x +2 x 2
2

(D) Nenhuma das afirmações anteriores é verdadeira

3. Dadas as igualdades:

x1/ 2 + x1/ 3 = x1/ 6


1 1 1
= −
x2 − x
1/ 2
x2 x
1
x −3/ 5 =
3 5
x
x1/ 2  x1/ 3 = x5 / 6

Margarida Macedo – Catolica Porto Business School 34


Módulo Inicial

(A) São todas falsas


(B) São todas verdadeiras
(C) As verdadeiras são em maior número
(D) As falsas são em maior número

4. Dadas as funções f ( x) = e x + 5 e g ( x) = ln( x + 6) ,


(A) f e g admitem o mesmo número de zeros
(B) Existe um número real a tal que g( a ) = 1
(C) f (0)  g (0) e f ' (0) = 5  g ' (0)
(D) As três afirmações anteriores são falsas

5. Relativamente às igualdades seguintes,


( i ) ln(a + e) = ln a + 1

( ii ) ln a = ( ln a )
0,5

1
( iii ) ln a − ln = ln ( 2a )
2

( iiii) a ln e 3 = 3a

Podemos afirmar que:


(A) ( ii ) e ( iiii) são verdadeiras
(B) ( ii ) e ( iii) são falsas
(C) ( i ) é verdadeira e ( iiii ) é falsa
(D) ( iii) e ( iiii ) são verdadeiras

6. A expressão 53log5 x é, para x > 0, equivalente a:


(A) 3x
x2
(B) 5

(C) 5x 3

(D) x 3

Margarida Macedo – Catolica Porto Business School 35


Módulo Inicial

( )
x
7. A equação 3x = 98 ,

(A) Admite 4 como única solução


(B) Não tem solução
(C) Tem duas soluções, 2 e 8
(D) Nenhumas das afirmações anteriores é verdadeira

ln( x − 2)
8. Relativamente à função f ( x) = , podemos afirmar que, no seu domínio:
x − 1 e x −3

(A) O domínio é R \ 1


+

1
(B) f (3) =
2
(C) Não tem zeros
(D) x  3  f ( x)  0

9. Seja f uma função cujo gráfico é

-1 0 1 x

Então um esboço do gráfico de f  será

-1 1
-1 1 -1 1 -1 1
-1
(A) (B) (C) (D)

Margarida Macedo – Catolica Porto Business School 36


Módulo Inicial

10. Em 2015, o preço da anuidade de um health club era 500 €. O preço aumenta 5% ao ano. O

valor da anuidade em 2017 será:

(A) 550 €
(B) 497 €
(C) 551,25 €
(D) 510 €

11. Sendo f(x) = ln(x+k) e g(x) = lnx + 3, o valor de k de modo que f ( x) = g ( x) para todo
o x pertencente simultaneamente ao domínio das duas funções, é:
(A) k = 0
(B) k = 3
(C) não existe
(D) nenhum dos anteriores

12. Seja f uma função contínua e diferenciável em R e g uma função de domínio R + , definida
f (2 + 3 ln x )
por g ( x) = , com f(2) = f ´(2) = 1. O valor de g’( 1 ) é:
x
(A) 0
(B) 2
(C) 
(D) não existe

13. Na Universidade APRENDETUDO, reprovaram 121 dos 1786 alunos inscritos no 1º ano.
A percentagem dos aprovados, com aproximação às décimas, é
(A) 6,8%
(B) 103,6%
(C) 93,3%
(D) nenhuma das anteriores

Soluções:
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13
B D D B D D D D D C A B D

Margarida Macedo – Catolica Porto Business School 37