Você está na página 1de 3

Este é o cache do Google de http://cultura.estadao.com.br/noticias/geral,karnal-voce-e-comunista,70002197099.

Ele é um
instantâneo da página com a aparência que ela tinha em 27 fev. 2018 15:07:21 GMT.
A página atual pode ter sido alterada nesse meio tempo. Saiba mais

Versão completa Versão somente texto Ver código-fonte


Dica: para localizar rapidamente o termo de pesquisa nesta página, pressione Ctrl+F ou ⌘-F (Mac) e use a barra de localização.

PUBLICIDADE

COLUNISTA

Leandro Karnal

Karnal, você é comunista?


Clássicos seminais são criadores de novos mundos (nem sempre bons)

Leandro Karnal, O Estado de S.Paulo


21 Fevereiro 2018 | 02h00

Há pessoas que apresentam uma percepção dualista do espectro político. Se você pertence a esse grupo,
evite ler a crônica, ela nada vai acrescentar ao seu saber. Se você funciona na polaridade atual, já
conclua antes de ler: Leandro Karnal é um legítimo representante do pensamento conservador
neofascista e/ou neoliberal coxinha PSDB/PMDB ou... o exemplo de intelectual comunista que só quer
destruir o mundo civilizado-cristão e apoiador do PT como todo petralha. Pronto! Você não precisa ler:
você está certo! Sim, você está certo: sou o que você desejar porque o que está em questão é sua lente e
não o meu objeto. Porém, se você consegue pensar além dessa caixinha de areia, prossiga.

Em 21 de fevereiro de 1848, surgiu o Manifesto do Partido Comunista, de Karl Marx e Friedrich Engels.
O texto chega hoje aos 170 anos com a fama, justificável, de ser um clássico do século 19. O que é um
clássico?

O ano de 1848 foi de grande agitação política. Por coincidência mais do que por causalidade, os dias
seguintes à publicação do Manifesto presenciaram a derrubada do rei-burguês, Luís Filipe D’Orléans.
Surgia a Segunda República em Paris. Os ventos de mudança se espalharam de Viena até o Recife. Era a
chamada Primavera dos Povos descongelando o sistema construído pelo conservador Congresso de
Viena de 1815. Os grandes representantes da ordem reacionária, como o austríaco Metternich, estavam
encurralados. Marx o cita nominalmente, junto ao ministro Guizot da França.

O Manifesto é uma peça de análise histórica a partir do nascente ideário marxista. É também um
panfleto de propaganda e um programa de ação. Seu sucesso está na sua simplicidade narrativa e
vastidão analítica. Ele se parece com o curto texto de Emmanuel Joseph Sieyès às vésperas da
Revolução Francesa de 1789: O que é o Terceiro Estado? A fórmula que levou o francês a ser tão
importante é a mesma de Marx/Engels: perguntas com respostas diretas e aplicáveis de forma universal
na compreensão dos autores.

PUBLICIDADE

Replay

inRead invented by Teads

NEWSLETTER Cultura
Receba no seu e-mail conteúdo de qualidade

 Digite seu e-mail ASSINAR

O Manifesto nasceu da Liga Comunista que tinha se reunido em Londres, em 1847. Apesar de começar
falando que o comunismo era o grande espectro do mundo de 1848, isso era pouco sólido. O medo dos
impérios da Áustria e Rússia eram os nacionalismos desagregadores. A questão que vinha agitando a
Grã-Bretanha estava, há uma década, no Cartismo, programa de reforma eleitoral que incluía o voto
universal. Republicanos conservadores e liberais de todas as espécies eram mais incômodos ao governo
orleanista de Paris do que as agitações operárias que espocavam em Lyon, por exemplo. O Manifesto
faz crer que o “fantasma do comunismo” era bem maior do que ele realmente se apresentava. Sim, os
socialismos cresceriam, mas 1848 não era a aurora vermelha que o Manifesto fez crer.

O texto elabora uma lógica universal da História, a luta de classes, conclamando o proletariado à união.
Do mundo antigo ao contemporâneo, o motor do mundo, na visão dos autores, tinha sido a história da
luta de classes. Criando uma teleologia, ou seja, um sentido de história determinado por um fim, que
seria a marca da sua obra posterior, Marx tenta construir uma lógica científica politicamente oposta à
do positivismo, mas igualmente dirigida por um vetor e por um sentido de transformação quase
inevitável. Aliás, Augusto Comte, o conservador, teria sido o pioneiro no uso da palavra proletário.

Mais curto e esquemático do que as páginas d’O Capital, o Manifesto seria, de longe, a obra mais
conhecida dos autores. Há traços da economia política inglesa, do pensamento socialista utópico
francês e da reflexão filosófica alemã, tudo fundido e ressignificado por um grande erudito como Marx.
Como o movimento russo de 1917, o chinês de 1949 e tantos outros invocaram o texto e os autores,
diríamos que nunca uma obra intelectual esteve tão presente entre projetos de governo. Tal como
Catarina e Frederico recorreram a Voltaire como conselheiro, Marx, já morto, inspirou Lenin e Mao e
muitos outros militantes. Similar aos déspotas esclarecidos, a condição de assimilação das obras era sua
deformação. O comunismo defendido no Manifesto, a sociedade sem classes e sem Estado, nunca
surgiu na prática. O paraíso proletário insistia em não acontecer. Nenhum país do mundo guiado por
ideias socialistas deu um passo decisivo para a dissolução do Estado. Assim, a hipertrofia do Estado foi
o oposto perfeito do comunismo.

As ideias de Marx tinham muito da metafísica alemã, como acusou o clássico conservador Rumo à
Estação Finlândia (1940), de Edmund Wilson. O norte-americano chega a comparar o processo às
brumas que passam sob a soleira do castelo sólido do materialismo de Marx e Engels. Se acusamos com
razão, que Marx foi pessoalmente incoerente com seus ideais por ser sustentado por um industrial e por
ser um canalha no caso com uma empregada, também rejeitaríamos a imensa influência de Rousseau
sobre a maneira de tratar crianças, apesar do genebrino ter sido um imbecil em relação aos filhos que
gerou.

O Manifesto continua fundamental. Um obra clássica não depende do seu gosto. Ler Adam Smith ou
Machado de Assis não é como se manifestar sobre coentro ou a bossa nova. Clássicos seminais são
criadores de novos mundos (nem sempre bons) e que continuam no foco das atenções. Marx criticou
injustiças graves do século 19 e colaborou para criar ditaduras abomináveis no século 20.

Utopias, movimentos históricos e sangue correram em torno das ideias do Manifesto Comunista.
Passados 170 anos, ainda estamos aqui pensando na obra e em como resolver as desigualdades do
mundo. Isso é um clássico. Respondi à pergunta do título? Não importa, sua resposta diz respeito ao
seu universo e nada diz de mim. Você já sabia se eu era comunista ou não antes de ler qualquer coisa.
Pensar é árduo e etiquetar é fácil. Boa semana para todos nós.

Mais conteúdo sobre: Leandro Karnal Karl Marx François Marie Arouet Voltaire

Adam Smith Machado de Assis

Encontrou algum erro? Entre em contato

SIGA O ESTADÃO

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Você também pode gostar