Você está na página 1de 22

FCTUC – Departamento de Engenharia Civil

Apontamentos de Betão I
Flexão Composta
Fernanda Freitas
Segundo as lições da Prof. Helena Barros

2007/2008
ÍNDICE

FLEXÃO COMPOSTA

1. PRINCÍPIOS DE CÁLCULO 3
2. CÁLCULO DE SECÇÕES TRANSVERSAIS 3
3. FLEXÃO COMPOSTA 6

4. FLEXÃO COMPOSTA COM TRACÇÃO E COMPRESSÃO 7


5. DIMENSIONAMENTO À FLEXÃO COMPOSTA 8
(DIAGRAMA BLOCO-RECTANGULAR)

6. DIMENSIONAMENTO À FLEXÃO COMPOSTA 15


(ÁBACOS)

ÀBACOS, FLEXÃO COMPOSTA 16


(para ⁄ = )


ÀBACOS, FLEXÃO COMPOSTA 17


(para ⁄ = . )

7. EXEMPLO DE FLEXÃO COMPOSTA 18


8. EXERCÍCIOS PROPOSTOS 21

Betão Armado I 2
FLEXÃO COMPOSTA

FC.1 – PRINCÍPIOS DE CÁLCULO


CÁLCUL

 As secções planas mantêm-se


mantêm planas após a deformação por flexão,
desprezam-se
se as deformações por corte da viga.
 Há compatibilidade entre as deformações das armaduras e do betão
envolvente, isto é, a armadura está aderente ao betão, não se
considera haver escorregamento entre os dois materiais.

FC.2 – CÁLCULO DE SECÇÕES TRANSVERSAIS


T
a) Betão
Para o cálculo de secções transversais admite-se
admite se que no betão:

 As tensões de tracção são nulas,a resistência do betão à tracção


é desprezada.
 As tensões de compressão são definidas pelo diagrama de
rectangulo, parabólico até uma extensão 
= 
 e
parabola-rectangulo,
seguido de um valor constante até à extensão de 
= 
 .

Diagrama parábola-rectângulo
parábola rectângulo para o betão comprimido
As equações que o definem são:
 
      para 0  
 


=
1  1
2

=
para 
  
 


Betão Armado I 3
com:

 – extensão do betão correspondente à resistência máxima

– valor de cálculo da resistência à compressão do betão

 – extensão última
 – expoente

Todos estes parâmetros encontram-se


encontram se definidos no Quadro 3.1 do EC2
em função da classe do betão.

Diagrama bilinear
O EC2 permite o uso de
d um diagrama bilinear (secção
secção 3.1.7.2 do EC2).

Sendo 
 e 
 definidos no quadro 3.1 em função da classe do betão.

Diagrama de bloco rectangular


O EC2 permite também o uso de um outro diagrama (secção
secção 3.1.7.3 do
EC2). Este consiste num diagrama rectangular de tensões com as seguintes
características.
 = 0.8 para
 50 ,-.
!"#$ %&'((
  0.8  para 50 ,-. /
 90 ,-.
)''

*  1.0 para
 50 ,-.

Betão Armado I 4
!"#$ %&'((
*  1.0  para 50 ,-. /
 90 ,-.
''

Diagrama rectangular de tensões

b) Aço

O diagrama tensões extensões idealizado e de cálculo para o aço das


armaduras de betão armado (em tracção ou compressão) é o seguinte:

Onde:

1 – Diagrama idealizado
2 – Diagrama de cálculo
As tensões no aço podem ser definidas por um dos dois diagramas indicados
por B:
 Diagrama elasto-plástico
elasto plástico sem limitação da extensão limite(linha
limite
horizontal);
 Diagrama com endurecimento na fase plástica limitado a uma
extensão limite   0,9 (linha inclinada).

Betão Armado I 5
FC.3 – FLEXÃO COMPOSTA

A flexão composta ocorre principalmente em pilares de edifícios, em


vigas de betão armado e pré-esforçado e em alguns casos dee vigas cujo eixo
não seja rectilíneo.

A análise destes elementos estruturais deve ser feita em:

Estados limites de utilização (SLS) considerando


 Secção não fendilhada (comp. Linear)
 Secção fendilhada (comp. Linear)

Estados limites últimos (ULS) considerando


 Rotura da secção
s (comp. não linear)

os estados limites de utilização 767, seguem


erificações dos
As duas primeiras, verificações
um processo de cálculo idêntico ao de Flexão Simples. Na última,
última verificação
os estados limites últimos 567 , há que considerar as extensões admissíveis
dos
descritas na fig.6.1 – EC2,
EC2 reproduzidas na figura seguinte.
C2

Domínio 1 – Tracção Simples ou Composta (Caso 0)


Domínio 2 – Flexão Simples ou Composta (Caso 1-4)
Domínio 3 – Compressão Simples ou Flexão Composta (Caso 5)

Betão Armado I 6
FC.4 – FLEXÃO COMPOSTA COM TRACÇÃO E COMPRESSÃO

Nas figuras seguintes mostra-se como evolui a deformada de rotura da


secção a partir de um esforça axial centrado e aumentando a excentricidade
e.
a) Tracção simples ou composta (pequena excentricidade, e).

e
NeM
A e
1 encurtamento
3

alongamento C
B

b) Flexão composta c/tracção (tracção de grande excentricidade, e).

A
A

B
C
B

Betão Armado I 7
FC.5 – DIMENSIONAMENTO À FLEXÃO COMPOSTA
(DIAGRAMA BLOCO-RECTANGULAR)
Para o cálculo de secções transversais neste capítulo será usado o
diagrama de bloco-rectangular e deduzem-se as equações de
dimensionamento.

F.5.2 – FLEXÃO COMPOSTA COM TRACÇÃO ELEVADA SECÇÃO TODA


TRACCIONADA E 8 = ′8

Força no aço em compressão (o aço está em cedência): :; = 1; <


Força no aço em tracção (o aço está em regime elástico): :′; = 1′; σ′>
As equações de equilíbrio escrevem-se:

?@ = :′; + :; (1)
C
,@ + ?@ B − .D = :; !ℎ − 2.( (2)


da equação (2) temos:


C  C
,@ = 2 1; < B − .D − ?@ B − .D ⇔ ,@ = 2 1; < !0.5ℎ − .( − ?@ !0.5ℎ − .(
  
seja:
,@ !1; + A′> ( < ?RS !0.5 ℎ − .(
G= ; J = ; Q = ; T = ; 1U = 1′U
Hℎ
KLMNO
Hℎ
Hℎ

temos:
,@ 2 1; < !0.5 ℎ − .( ?@ !0.5 ℎ − .(
= −
Hℎ

 Hℎ
ℎ Hℎ

então:

G
G = !J KLMNO − Q( T VW JKLMNO = +Q
T

Betão Armado I 8
FC.5.3 – FLEXÃO COMPOSTA -SECÇÃO PARCIALMENTE COMPRIMIDA, AÇO DA
ARMADURA INFERIOR EM CEDÊNCIA E 8 = ′8

Pode ocorrer com esforço axial de tracção com momento flector baixo ou
então esforço axial de compressão com elevado momento flector.

Caso Betão Rotura Aço Rotura


II 
= 
 ;
=
 < ≤ ; ≤  ; ; ≥ <
III 
 ≤ 
≤ 
 ;
=
∗ ; =  ; ; ≥ < 
IV 
< 
 ;
<
∗ ; =  ; ; ≥ < 

Força no betão (resultante do bloco-rectangular): :


= 0,8 Z H

Força no aço em compressão (o aço está em regime elástico): :′; = 1′; σ′>
Força no aço em tracção (o aço está em cedência): :; = 1; <

As equações de equilíbrio escrevem-se:

?@ = :
+ :′; − :; (1)
C C 
,@ − ?@ B − .D = −:
!0.4Z − .( + 2:; B − .D (2)
  

com:
,@ !1; + A′> ( < ?RS !0.5 ℎ − .(
G= ; J = ; Q = ; T = ; 1U = 1′U
Hℎ
KLMNO
Hℎ
Hℎ

da equação (2) temos:

Betão Armado I 9
,@ ?@ !0.5 ℎ − .( 0.8 Z H
2 1; < !0.5 ℎ − .(
− = ! . − 0.4 Z ( +
Hℎ
Hℎ
ℎ Hℎ
Hℎ

0.8 Z 0.8 Z . Z
⇔G− QT= !. − 0.4 Z( + J KLMNO T ⇔ G = Q T + J KLMNO T + B − 0.4 D
ℎ  ℎ ℎ ℎ

se:
!0.5 ℎ − .( .
T= ⇒ = 0.5 − T
ℎ ℎ
logo:

0.8 Z Z
G = Q T + J KLMNO T + B0.5 − T − 0.4 D
ℎ ℎ

]
Nesta equação falta determinar que se obtem da equação (1) fazendo
C
sucessivamente:

?@ = :
+ :  ; − :; ⇔

?RS 1 ;  ; 0.8 Z H
1; <
= + − ⇔
Hℎ
Hℎ
Hℎ
Hℎ

?@ 1′ U ′ U 0.8 Z 1U ^S 1′U ^S 1′U ^S


⇔ = + − − + ⇔
Hℎ S Hℎ S ℎ Hℎ S Hℎ S Hℎ S

?@ 1′ U ′ U 0.8 Z 1U ^S 1′U ^S 1′U ^S


⇔ = + −_ + `+ ⇔
Hℎ S Hℎ S ℎ Hℎ S Hℎ S Hℎ S

logo:

1 ;  ; 1′; < 0.8 Z 1 ;  ; J KLMNO 0.8 Z


Q= + + − J KLMNO ⇔ Q = + + − J KLMNO ⇔
Hℎ
Hℎ
ℎ Hℎ
2 ℎ

JaVb.c ′ U JaVb.c 0.8 Z


⇔Q= _ `+ + − JaVb.c
2 ^S 2 ℎ

Betão Armado I 10
temos então:

0.8 Z J KLMNO ; 0.8 Z J KLMNO ;


Q= − _1 − ` VW =Q+ _1 − `
ℎ 2 < ℎ 2 <

O valor de  ; tem de ser obtido usando a lei de Hooke  ; = d;  ; e pelas


equações de compatibilidade das extensões:

; 
; 

= e =
S−Z Z Z−. Z
FC.5.4 – FLEXÃO COMPOSTA -SECÇÃO PARCIALMENTE COMPRIMIDA, ROTURA
PELO BETÃO E 8 = ′8

Caso Betão Rotura Aço Rotura


I 
= 
 ;
=
 ; < < ; ; < <

Força no betão (resultante do diagrama não linear): :


= 0.8 Z H

Força no aço em compressão (o aço está em cedência): :′; = 1′; <
Força no aço em tracção (aço em regime elástico): :; = 1; ;

As equações de equilíbrio:

?@ = :
+ :′; − :; (1)
C C 
,@ + ?@ B − .D = :
!ℎ − . − 0.4Z( + 2 :′; B − .D (2)
  

Betão Armado I 11
seja:

,@ !1; + A′> ( < ?RS !0.5 ℎ − .(


G= ; J = ; Q = ; T = ; 1U = 1′U
Hℎ
KLMNO
Hℎ
Hℎ

da equação (2) temos:

,@ ?@ !0.5 ℎ − .( 0.8 Z H
!ℎ − . − 0.4 Z( 2 1′; < !0.5 ℎ − .(
+ = +
Hℎ
Hℎ

 ℎ Hℎ
ℎ Hℎ

0.8 Z ℎ . Z
G+ QT=  − − 0.4  + J KLMNO T
ℎ ℎ ℎ ℎ

se:
!0.5 ℎ − .( .
T= ⇒ = 0.5 − T
ℎ ℎ

então:
0.8 Z Z
G+ QT= B1 − !0.5 − T( − 0.4 D + J KLMNO T
ℎ ℎ

logo:

Z Z
G = J KLMNO T + 0.8 B0.5 + T − 0.4 D − Q T
ℎ ℎ

]
Nesta equação falta determinar que se obtem da equação (1) fazendo
C
sucessivamente:

?@ = :
+ :  ; − :; ⇔

?RS 0.8 Z H
1 ; < 1; ; ?RS 0.8 Z 1 ; < 1; ;
= + − ⇔ = + −
Hℎ
Hℎ
Hℎ
Hℎ
Hℎ
ℎ Hℎ
Hℎ

logo:
0.8 Z J KLMNO J KLMNO ;
Q= + − _ `
ℎ 2 2 <

Betão Armado I 12
temos então:

0.8 Z J KLMNO ; 0.8 Z J KLMNO ;


Q= + _1 − ` VW =Q− _1 − `
ℎ 2 < ℎ 2 <

O valor de ; tem de ser obtido usando a lei de Hooke ; = d; ; e pelas

equações de compatibilidade das extensões:

; 
; 

= e =
S−Z Z Z−. Z

FC.5.5 – FLEXÃO COMPOSTA - SECÇÃO TOTALMENTE COMPRIMIDA E


8 = ′8

Força no betão (resultante do diagrama não linear): :


= H ℎ

Força no aço superior (o aço está em cedência): :′; = 1′; <
Força no aço inferior (aço em regime elástico): :; = 1; ;

As equações de equilíbrio são:

?@ = :
+ :′; + :; (1)
C C C 
,@ + ?@ B − .D = :
B − .D + 2 :′; B − .D (2)
   

seja:
,@ !1; + A′> ( < ?RS !0.5 ℎ − .(
G= ; J = ; Q = ; T = ; 1U = 1′U
Hℎ
KLMNO
Hℎ
Hℎ

da equação (2) temos:

Betão Armado I 13
,@ ?@ !0.5 ℎ − .( Hℎ
!0.5 ℎ − .( 2 1′; < !0.5 ℎ − .(
+ = +
Hℎ
Hℎ
ℎ Hℎ
ℎ Hℎ

se:
!0.5 ℎ − .( .
T= ⇒ = 0.5 − T
ℎ ℎ
então:
G + Q T = T + J KLMNO T

logo:

G = !1 + J KLMNO − Q( T

Neste caso não é necessário calcular a posição do eixo neutro. A equação (1)
permite obter o valor ; fazendo sucessivamente:

?@ = :
+ :′; + :;

?RS Hℎ
1 ; < 1; ; ?RS 1 ; < 1; ;
= + + ⇔ =1+ +
Hℎ
Hℎ
Hℎ
Hℎ
Hℎ
Hℎ
Hℎ

logo:
J KLMNO J KLMNO ;
Q =1+ + _ `
2 2 <

temos então:

J KLMNO ;
Q =1+ _1 + `
2 <

A posição do eixo neutro Z pode ser obtida das equações de

compatibilidade das extensões:

; 
; 

= e =
S−Z Z Z−. Z

Betão Armado I 14
FC.6 – DIMENSIONAMENTO À FLEXÃO
FL COMPOSTA - ÁBACOS

O dimensionamento à flexão composta é feito normalmente com base


em Ábacos ou tabelas. Em geral é necessário fazer a verificação para várias
combinações de esforços !?; , ,; ( pois não sabemos qual será a
combinação que irá dar a maior área de armadura.

?@
f
H E

,@
G
H E

1; <
J
H E

vê-se que:

 Fixando um valor de esforço axial ?; um aumento do momento


produz sempre um aumento de armadura.
armadura
 Para o momento flector fixo isso não sucede. Do lado de ?"NgLhNgiO a
área de armadura diminui com o aumento de ? .

Betão Armado I 15
= 1)

FC.6.1 – ÀBACOS, FLEXÃO COMPOSTA
COMPO (para

(SECÇÕES
SECÇÕES RECTANGULARES,
RECTANGULARE C12-C50)

Betão Armado I 16
= 0.5))

FC.6.2 – ÀBACOS, FLEXÃO COMPOSTA
COMPO (para

(SECÇÕES
SECÇÕES RECTANGULARES,
RECTANGULARE C12-C50)

Betão Armado I 17
FC.7 – EXEMPLO DE FLEXÃO COMPOSTA
Considere uma secção em T em betão C25/30 e aço S500 para suportar
um momento positivo de 800KNm e um esforço axial de tracção de 600KN,
esforços localizados a meia altura. A viga está em ambiente exterior carregada
aos 60dias, cimento de presa normal. Calcule a armadura longitudinal 1; e
verifique as disposições construtivas.

Resolução:
H = 1.0 j; Hk = 0.25 j; ℎ = 0.88 j; ℎ" = 0.13 j; S = 0.8 j; . = 0.10j
então:
ℎ" 0.13 H 1.0
= ≅ 0.16; = = 4.0
S 0.8 Hk 0.25
0.88
,n ; = 800 − 600  − 0.08 = 584o?. j
2
,n ; 584 × 10
Gn ; =  = ≅ 0.055
HS
1 !0.80( 16.67 × 10r

para Gn ; = 0.055 (tabela 9) retiramos Js,; = 0.057.

s
A área de armadura será dada pela expressão: 1n = vJs,; H
+ ?; w
"tu
1
1n hix = !0.057!1.0(!0.8(16.67 × 10r + 600 × 10 ( = 31.27j
435 × 10r
1n yhLg = 34.4j !7z25(

Betão Armado I 18
Considerando a seguinte disposição de varões:

1
zi = z X 6jj \ zi  8jj
4 O
S@iNO X S{;M|}N L
25 25 1
.  35 A 8 A ~5 p A 2 25 A …  62.64jj
2 2 7
S@iNO  E  .  0.88  0.0626  0.8174j X S{;M|}N L  0.80 j ˆ‰!

zixg  25 A 25 A 25  43.3 jj


U}|}  j.€V‚ zixg ; Sƒ A 5jj; 20 jj†  43.3 jj
1
U  !250  2 p 35  2 p 8  5 p 25(  19.5 jj ‡ zixg  43.3 jj ‰ˆ!
2
„ Não vamos poder usar esta disposição de varões! Uma solução é colocar as
armaduras em duas camadas.

7j !12z20(
Considerando a seguinte disposição de varões: 1n yhLg  37.7

zixg  20 A 20  28.28 jj


U}|}  j.€V‚ zixg ; Sƒ A 5jj; 20 jj†  28.28 jj

Betão Armado I 19
≥ zixg = 28.28 jj
28.28
. = 35 + 8 + 2 × 20 +  = 97.14jj
2
S@iNO = ℎ − . = 0.88 − 0.0971 = 0.7829j ≱ S{;M|}N L = 0.80 j ‰ˆ!
∴ Vamos ter que refazer os cálculos para um S{;M|}N L inferior ao valor
considerado anteriormente, S{;M|}N L = 0.77j .
. = 0.88 − 0.77 = 0.11j
0.88
,n ; = 800 − 600  − 0.11 = 602o?. j
2
,n ; 602 × 10
Gn ; =  = ≅ 0.061
HS
1 !0.77( 16.67 × 10r
para Gn ; = 0.061 (tabela 9) retiramos Js,; = 0.063.

s
A área de armadura será dada pela expressão: 1n = vJs,; H
+ ?; w
"tu
1
1n hix = !0.063!1.0(!0.77(16.67 × 10r + 600 × 10 ( = 32.38j
435 × 10r
1n yhLg = 37.7j !12z20(

zixg = 20 + 20 = 28.28 jj


U}|} = j.€V‚ zixg ; Sƒ + 5jj; 20 jj† = 28.28 jj
28.28
. = 35 + 8 + 2 × 20 +  = 97.14jj
2
S@iNO = ℎ − . = 0.88 − 0.0971 = 0.7829j ≥ S{;M|}N L = 0.77 j ˆ‰!

Betão Armado I 20
FC.8 – EXERCÍCIOS PROPOSTOS

Exercício 1:

Considere uma secção em I em betão C30/37 e aço S500 para suportar um


momento negativo de 1650KNm e esforço axial de tracção de 300KN,
esforços localizados a meia altura. A viga está em ambiente exterior
carregada aos 60dias, cimento de presa normal.
a) Dimensione a secção e faça um desenho a escala conveniente.
Verifique as disposições construtivas.
b) Efectue as verificações em serviço supondo que o momento para
combinações raras é 1120KNm, frequentes 900KNm, quase
permanentes é 750KNm e que em todos os casos N=0. Considere o
efeito da fluência nos casos em que esta possa agravar as tensões.
c) Use o bloco de tensões no cálculo da área de aço efectuado na alínea
a).

f cd = 20 MPa; f yd = 435MPa;

a)
h = 0.96m; d = 0.81m; b = 1.05m; b/bw = 3; h f /d = 0.16
M Sds = 1551KN.m
Tabela 9
µ = 0.113; ϖ 1s = 0.12;α = 0.15; x = 0.12m
A S = 53.8cm 2 ;11φ 25 (A S = 54.0cm 2 )

b)
α e ρ = 0.04; b / bw = 3.; h f / d = 0.16 com abaco S10 temos : C C = 7.2; C S ρ = 1.075
σ C ,Cr = 11.7 MPa ≤ 0.6 f ck = 18MPa; σ S ,Cr = 276MPa ≤ 0.8 f ck = 400MPa
σ C ,cqp = 7.8MPa ≤ 0.45 f ck = 13.5MPa

c)
FC = (0.8 x)((20000)(1.05) = 16800 x; FC (0.81 − 0.4 x) = 1551;
x = 0.12m (no banzo); FC = 2016 KN
AS = (2016 + 300) / 435000 = 53.2cm 2

Betão Armado I 21
Exercício 2:

Considere uma secção em I em betão C35/45 e aço S600 para suportar um


momento negativo de 1550KNm e esforço axial de tracção de 300KN, esforços
localizados a meia altura. A viga está em ambiente exterior carregada aos
90dias, cimento de presa normal.
a) Dimensione a secção e faça um desenho a escala conveniente. Verifique
as disposições construtivas.
b) Efectue as verificações em serviço supondo que o momento para
combinações raras é 1120KNm, frequentes 900KNm e que em ambos os
casos N=0. Considere o efeito da fluência nos casos em que esta possa
agravar as tensões.
c) Use o bloco de tensões no cálculo da área de aço efectuado na alínea a).

f = 23.3MPa; f = 522MPa;
cd yd

a)
h = 0.96m; d = 0.86m; M = 1436KN.m; b = 1.00m; b/bw = 3.33
Sds
h /d = 0.15
f

Tabela 9
µ = 0.08; ϖ 1s = 0.084; α = 0.107; A S = 38cm 2 ;8φ 25 (A S = 39.27cm 2 )

b)
α e ρ = 0.03; b / bw = 3.33; h f / d = 0.15 com abaco S9 e S10 temos : α = 0.225; C C = 10.2;
C S ρ = 1.08; σ C ,Cr = 15.4MPa ≤ 0.6 f ck = 21MPa; σ S ,Cr = 358MPa ≤ 0.8 f ck = 480MPa

c)
FC = (0.8 x)((23300)(1.00) = 18640 x; FC (0.86 − 0.4 x) = 1436;
x = 0.094m (no banzo); FC = 1752 KN

AS = (1752 + 300) / 522000 = 39.3cm 2

Betão Armado I 22