Você está na página 1de 238

INGLÊS

Sumário
Questões do Enem
Arcadismo no Brasil ....................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................... 5
Romantismo no Brasil: 2 geração da poesia romântica a
...................................................................................................................................................................................... 5
Romance urbano ou de costumes ................................................................................................................................................................................................................................................................................................... 5
Romance regionalista .............................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................. 6
Realismo no Brasil ............................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................... 6
Naturalismo .............................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................. 8
Simbolismo em Portugal ............................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................... 8
Simbolismo no Brasil .................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................. 9
Pré-Modernismo ....................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................... 9
Modernismo no Brasil: 1a geração – poesia .............................................................................................................................................................................................................................................. 10
Modernismo no Brasil: 1a geração – prosa e teatro ........................................................................................................................................................................................................ 13
Modernismo no Brasil: 2 geração – consolidação da lírica moderna a
.................................................................................................................. 13
Modernismo no Brasil: 2a geração – romance de 1930 ......................................................................................................................................................................................... 15
Concretismo ....................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................... 16
Prosa contemporânea no Brasil ......................................................................................................................................................................................................................................................................................................... 17
Narrativa psicológica ........................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................... 18
Poesia contemporânea no Brasil ................................................................................................................................................................................................................................................................................................... 18

Questões de vestibular
Tema 1 – A linguagem a serviço de todas as áreas .......................................................................................................................................................................................................... 20
Tema 2 – Origens da literatura portuguesa ..................................................................................................................................................................................................................................................... 35
Tema 3 – Os primórdios da Literatura Brasileira ....................................................................................................................................................................................................................... 49
Tema 4 – O Romantismo ........................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................... 63
Tema 5 – O Romantismo no Brasil ............................................................................................................................................................................................................................................................................................ 81
Tema 6 – Realismo e Naturalismo ........................................................................................................................................................................................................................................................................................ 105
Tema 7 – Parnasianismo e Simbolismo ................................................................................................................................................................................................................................................................ 122
Tema 8 – Pré-Modernismo ............................................................................................................................................................................................................................................................................................................................ 136
Tema 9 – O Modernismo ...................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................... 153
Tema 10 – O Modernismo: 2 geração a
.................................................................................................................................................................................................................................................................... 172
Tema 11 – O Pós-Modernismo I .................................................................................................................................................................................................................................................................................................... 192
Tema 12 – O Pós-Modernismo II ................................................................................................................................................................................................................................................................................................. 212

Gabarito ............................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................ 230

D3_LIT_EM_3010_CA_001_004_ML_LP_M15.indd 4 7/15/15 10:35 AM


Questões do Enem
Arcadismo no Brasil d) “Vendo correr os míseros vaqueiros” (v. 7)
Texto comum às questões 1 e 2. e) “Que, da Cidade, o lisonjeiro encanto,” (v. 11)
1 Torno a ver-vos, ó montes; o destino
Aqui me torna a pôr nestes outeiros, Romantismo no Brasil: 2a geração
Onde um tempo os gabões deixei grosseiros de poesia romântica
4 Pelo traje da Corte, rico e fino.
3. Soneto
Aqui estou entre Almendro, entre Corino, Já da morte o palor me cobre o rosto,
Os meus fiéis, meus doces companheiros, Nos lábios meus o alento desfalece,
7 Vendo correr os míseros vaqueiros Surda agonia o coração fenece,
Atrás de seu cansado desatino. E devora meu ser mortal desgosto!

Se o bem desta choupana pode tanto, Do leito embalde no macio encosto


10 Que chega a ter mais preço, e mais valia Tento o sono reter!... já esmorece
Que, da Cidade, o lisonjeiro encanto, O corpo exausto que o repouso esquece...
Eis o estado em que a mágoa me tem posto!
Aqui descanse a louca fantasia,
13 E o que até agora se tornava em pranto O adeus, o teu adeus, minha saudade,
Se converta em afetos de alegria. Fazem que insano do viver me prive
COSTA, Cláudio Manoel da. In: Domício Proença Filho. A poesia dos E tenha os olhos meus na escuridade.
inconfidentes. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2002, p. 78-9.

1.
Considerando o soneto de Cláudio Manoel da Costa e Dá-me a esperança com que o ser mantive!
os elementos constitutivos do Arcadismo brasileiro, as- Volve ao amante os olhos por piedade,
sinale a opção correta acerca da relação entre o poema
e o momento histórico de sua produção. Olhos por quem viveu quem já não vive!
AZEVEDO, A. Obra completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2000.
a) Os “montes” e “outeiros”, mencionados na primei-
ra estrofe, são imagens relacionadas à Metrópole, O núcleo temático do soneto citado é típico da segun-
ou seja, ao lugar onde o poeta se vestiu com traje da geração romântica, porém configura um lirismo
“rico e fino”. que o projeta para além desse momento específico. O
b) A oposição entre a Colônia e a Metrópole, como fundamento desse lirismo é
núcleo do poema, revela uma contradição viven- a) a angústia alimentada pela constatação da irre-
ciada pelo poeta, dividido entre a civilidade do versibilidade da morte.
mundo urbano da Metrópole e a rusticidade da b) a melancolia que frustra a possibilidade de reação
terra da Colônia. diante da perda.
c) O bucolismo presente nas imagens do poema é c) o descontrole das emoções provocado pela autopie-
elemento estético do Arcadismo que evidencia a dade.
preocupação do poeta árcade em realizar uma re-
d) o desejo de morrer como alívio para a desilusão amo-
presentação literária realista da vida nacional.
rosa.
d) A relação de vantagem da “choupana” sobre a “Ci-
e) o gosto pela escuridão como solução para o sofrimento.
dade”, na terceira estrofe, é formulação literária
que reproduz a condição histórica paradoxalmen-
te vantajosa da Colônia sobre a Metrópole. Romance urbano ou de costumes
e) A realidade de atraso social, político e econômico
do Brasil Colônia está representada esteticamen- 4. “Ele era o inimigo do rei”, nas palavras de seu
Questões do Enem

te no poema pela referência, na última estrofe, à biógrafo, Lira Neto. Ou, ainda, “um romancista
transformação do pranto em alegria. que colecionava desafetos, azucrinava D. Pedro
II e acabou inventando o Brasil”. Assim era José
2.
Assinale a opção que apresenta um verso do soneto de Alencar (1829-1877), o conhecido autor de O
de Cláudio Manoel da Costa em que o poeta se dirige guarani e Iracema, tido como o pai do romance
ao seu interlocutor. no Brasil. Além de criar clássicos da literatura
a) “Torno a ver-vos, ó montes; o destino” (v. 1) brasileira com temas nativistas, indianistas e
históricos, ele foi também folhetinista, diretor
b) “Aqui estou entre Almendro, entre Corino,” (v. 5) de jornal, autor de peças de teatro, advogado,
c) “Os meus fiéis, meus doces companheiros,” (v. 6) deputado federal e até ministro da Justiça. Para

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-001-015-LA-ENEM.indd 5 7/15/15 10:34 AM


ajudar na descoberta das múltiplas facetas desse e) Erico Verissimo, Rachel de Queiroz, Simões Lopes
personagem do século XIX, parte de seu acervo Neto e Jorge Amado são romancistas das décadas
inédito será digitalizada. de 30 e 40 do século XX, cuja obra retrata a pro-
História Viva, n. 99, 2011. blemática do homem urbano em confronto com
a modernização do país promovida pelo Estado
Com base no texto, que trata do papel do escritor Novo.
José de Alencar e da futura digitalização de sua obra,
depreende­‑se que
a) a digitalização dos textos é importante para que Realismo no Brasil
os leitores possam compreender seus romances.
b) o conhecido autor de O guarani e Iracema foi im- 6.
O texto a seguir foi extraído de uma crônica de Ma-
portante porque deixou uma vasta obra literária chado de Assis e refere-se ao trabalho de um escravo.
com temática atemporal. “Um dia começou a guerra do Paraguai e du-
c) a divulgação das obras de José de Alencar, por rou cinco anos, João repicava e dobrava, dobrava
meio da digitalização, demonstra sua importância e repicava pelos mortos e pelas vitórias. Quando
para a história do Brasil Imperial. se decretou o ventre livre dos escravos, João é
que repicou. Quando se fez a abolição completa,
d) a digitalização dos textos de José de Alencar terá
quem repicou foi João. Um dia proclamou-se a
importante papel na preservação da memória lin-
República. João repicou por ela, repicaria pelo
guística e da identidade nacional. Império, se o Império retornasse.”
e) o grande romancista José de Alencar é importante
(MACHADO, Assis de. Crônica sobre a
porque se destacou por sua temática indianista. morte do escravo João, 1897)

A leitura do texto permite afirmar que o sineiro João:


Romance regionalista a) por ser escravo tocava os sinos, às escondidas,
quando ocorriam fatos ligados à Abolição.
5. No decênio de 1870, Franklin Távora defendeu
b) não poderia tocar os sinos pelo retorno do Impé-
a tese de que no Brasil havia duas literaturas in-
dependentes dentro da mesma língua: uma do
rio, visto que era escravo.
Norte e outra do Sul, regiões segundo ele muito c) tocou os sinos pela República, proclamada pelos
diferentes por formação histórica, composição abolicionistas que vieram libertá-lo.
étnica, costumes, modismos linguísticos etc. Por d) tocava os sinos quando ocorriam fatos marcantes
isso, deu aos romances regionais que publicou o porque era costume fazê-lo.
título geral de Literatura do Norte. Em nossos
dias, um escritor gaúcho, Viana Moog, procurou e) tocou os sinos pelo retorno do Império, comemo-
mostrar com bastante engenho que no Brasil há, rando a volta da Princesa Isabel.
em verdade, literaturas setoriais diversas, refle-
tindo as características locais. 7.
No trecho a seguir, o narrador, ao descrever a perso-
CANDIDO, A. A nova narrativa. A educação pela noite nagem, critica sutilmente um outro estilo de época: o
e outros ensaios. São Paulo: Ática, 2003. romantismo.
“Naquele tempo contava apenas uns quinze
Com relação à valorização, no romance regionalista ou dezesseis anos; era talvez a mais atrevida
brasileiro, do homem e da paisagem de determinadas criatura da nossa raça, e, com certeza, a mais
regiões nacionais, sabe-se que voluntariosa. Não digo que já lhe coubesse a
a) o romance do Sul do Brasil se caracteriza pela primazia da beleza, entre as mocinhas do tem-
temática essencialmente urbana, colocando em po, porque isto não é romance, em que o autor
relevo a formação do homem por meio da mescla sobredoura a realidade e fecha os olhos às sar-
de características locais e dos aspectos culturais das e espinhas; mas também não digo que lhe
trazidos de fora pela imigração europeia. maculasse o rosto nenhuma sarda ou espinha,
b) José de Alencar, representante, sobretudo, do ro- não. Era bonita, fresca, saía das mãos da nature-
mance urbano, retrata a temática da urbanização za, cheia daquele feitiço, precário e eterno, que
das cidades brasileiras e das relações conflituosas o indivíduo passa a outro indivíduo, para os fins
secretos da criação.”
entre as raças.
ASSIS, Machado de. Memórias Póstumas
c) o romance do Nordeste caracteriza-se pelo acen- de Brás Cubas. Rio de Janeiro: Jackson,1957.
tuado realismo no uso do vocabulário, pelo temá-
rio local, expressando a vida do homem em face
A frase do texto em que se percebe a crítica do nar-
da natureza agreste, e assume frequentemente o
rador ao romantismo está transcrita na alternativa:
ponto de vista dos menos favorecidos.
a) ... o autor sobredoura a realidade e fecha os olhos
d) a literatura urbana brasileira, da qual um dos às sardas e espinhas
expoentes é Machado de Assis, põe em relevo a
formação do homem brasileiro, o sincretismo reli- b) ... era talvez a mais atrevida criatura da nossa raça ...
gioso, as raízes africanas e indígenas que caracte- c) Era bonita, fresca, saía das mãos da natureza,
rizam o nosso povo. cheia daquele feitiço, precário e eterno, ...

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-001-015-LA-ENEM.indd 6 7/15/15 10:34 AM


d) Naquele tempo contava apenas uns quinze ou de- – Outra de menos...
zesseis anos ... – Outra de menos...
e) ... o indivíduo passa a outro indivíduo, para os fins – Outra de menos...
secretos da criação. – Outra de menos...
O mais singular é que, se o relógio parava,
8. Capítulo III eu dava-lhe corda, para que ele não deixasse de
Um criado trouxe o café. Rubião pegou na bater nunca, e eu pudesse contar todos os meus
xícara e, enquanto lhe deitava açúcar, ia dis- instantes perdidos. Invenções há, que se trans-
formam ou acabam; as mesmas instituições mor-
farçadamente mirando a bandeja, que era de
rem; o relógio é definitivo e perpétuo. O derra-
prata lavrada. Prata, ouro, eram os metais que deiro homem, ao despedir-se do sol frio e gasto,
amava de coração; não gostava de bronze, mas há de ter um relógio na algibeira, para saber a
o amigo Palha disse-lhe que era matéria de hora exata em que morre.
preço, e assim se explica este par de figuras Naquela noite não padeci essa triste sensa-
que aqui está na sala: um Mefistófeles e um ção de enfado, mas outra, e deleitosa. As fanta-
Fausto. Tivesse, porém, de escolher, escolhe- sias tumultuavam-me cá dentro, vinham umas
ria a bandeja, – primor de argentaria, execu- sobre outras, à semelhança de devotas que se
ção fina e acabada. O criado esperava teso e abalroam para ver o anjo-cantor das procissões.
Não ouvia os instantes perdidos, mas os minutos
sério. Era espanhol; e não foi sem resistência
ganhados.
que Rubião o aceitou das mãos de Cristiano; ASSIS, M. Memórias póstumas de Brás Cubas.
por mais que lhe dissesse que estava acostu- Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1992 (fragmento).
mado aos seus crioulos de Minas, e não queria
línguas estrangeiras em casa, o amigo Palha O capítulo apresenta o instante em que Brás Cubas
revive a sensação do beijo trocado com Virgília, ca-
insistiu, demonstrando-lhe a necessidade de
sada com Lobo Neves. Nesse contexto, a metáfora
ter criados brancos. Rubião cedeu com pena.
do relógio desconstrói certos paradigmas românti-
O seu bom pajem, que ele queria pôr na sala, cos, porque
como um pedaço da província, nem o pôde dei-
a) o narrador e Virgília não têm percepção do tempo
xar na cozinha, onde reinava um francês, Jean; em seus encontros adúlteros.
foi degradado a outros serviços.
b) como “defunto autor”, Brás Cubas reconhece a inu-
ASSIS, M. Quincas Borba. In: Obra completa. v. 1. tilidade de tentar acompanhar o fluxo do tempo.
Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1993 (fragmento).
c) na contagem das horas, o narrador metaforiza o
Quincas Borba situa-se entre as obras-primas do autor desejo de triunfar e acumular riquezas.
e da literatura brasileira. No fragmento apresentado, d) o relógio representa a materialização do tempo
a peculiaridade do texto que garante a universaliza- e redireciona o comportamento idealista de Brás
ção de sua abordagem reside Cubas.
a) no conflito entre o passado pobre e o presente e) o narrador compara a duração do sabor do beijo à
rico, que simboliza o triunfo da aparência sobre a perpetuidade do relógio.
essência.
b) no sentimento de nostalgia do passado devido à
substituição da mão de obra escrava pela dos imi- Nesta questão foram trabalhadas:
grantes. Competência de área 5 – Analisar, interpretar e aplicar recursos expres-
c) na referência a Fausto e Mefistófeles, que repre- sivos das linguagens, relacionando textos com seus contextos, mediante
a natureza, função, organização, estrutura das manifestações, de acordo
sentam o desejo de eternização de Rubião.
com as condições de produção e recepção.
d) na admiração dos metais por parte de Rubião, que
Habilidade 15 – Relacionar informações sobre concepções artísticas e
metaforicamente representam a durabilidade dos
procedimentos de construção do texto literário.
bens produzidos pelo trabalho.
e) na resistência de Rubião aos criados estrangeiros,
que reproduz o sentimento de xenofobia. 10. Mal secreto
Se a cólera que espuma, a dor que mora
9. Capítulo LIV – A pêndula
Questões do Enem

N’alma, e destrói cada ilusão que nasce.


Saí dali a saborear o beijo. Não pude dormir; Tudo o que punge, tudo o que devora
estirei-me na cama, é certo, mas foi o mesmo que
nada. Ouvi as horas todas da noite. Usualmen- O coração, no rosto se estampasse;
te, quando eu perdia o sono, o bater da pêndula
fazia-me muito mal; esse tique-taque soturno, Se se pudesse, o espírito que chora,
vagaroso e seco parecia dizer a cada golpe que Ver através da máscara da face,
eu ia ter um instante menos de vida. Imaginava
então um velho diabo, sentado entre dois sacos, Quanta gente, talvez, que inveja agora
o da vida e o da morte, e a contá-las assim: Nos causa, então piedade nos causasse!

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-001-015-LA-ENEM.indd 7 7/15/15 10:34 AM


Quanta gente que ri, talvez, consigo b) Intolerância (não admissão de opiniões diversas das
Guarda um atroz, recôndito inimigo, suas em questões sociais, políticas ou religiosas).
Como invisível chaga cancerosa! c) Exotismo (caráter ou qualidade daquilo que não é
indígena; estrangeiro; excêntrico, extravagante).
Quanta gente que ri, talvez existe, d) Racismo (doutrina que sustenta a superioridade
de certas raças sobre outras).
Cuja ventura única consiste
e) Sincretismo (fusão de elementos culturais diver-
Em parecer aos outros venturosa!
sos, ou de culturas distintas ou de diferentes siste-
CORREIA, R. In: PATRIOTA, M. Para compreender mas sociais).
Raimundo Correia. Brasília: Alhambra, 1995.

Coerente com a proposta parnasiana de cuidado for- 12. Abatidos pelo fadinho harmonioso e nostálgico
mal e racionalidade na condução temática, o soneto dos desterrados, iam todos, até mesmo os bra-
de Raimundo Correia reflete sobre a forma como as sileiros, se concentrando e caindo em tristeza;
emoções do indivíduo são julgadas em sociedade. Na mas, de repente, o cavaquinho de Porfiro, acom-
concepção do eu lírico, esse julgamento revela que panhado pelo violão do Firmo, romperam vibran-
a) a necessidade de ser socialmente aceito leva o in- temente com um chorado baiano. Nada mais que
divíduo a agir de forma dissimulada. os primeiros acordes da música crioula para que
b) o sofrimento íntimo torna-se mais ameno quando o sangue de toda aquela gente despertasse logo,
compartilhado por um grupo social. como se alguém lhe fustigasse o corpo com urti-
c) a capacidade de perdoar e aceitar as diferenças gas bravas. E seguiram-se outras notas, e outras,
neutraliza o sentimento de inveja. cada vez mais ardentes e mais delirantes. Já não
d) o instinto de solidariedade conduz o indivíduo a eram dois instrumentos que soavam, eram lúbri-
apiedar-se do próximo. cos gemidos e suspiros soltos em torrente, a cor-
e) a transfiguração da angústia em alegria é um arti- rerem serpenteando, como cobras numa floresta
fício nocivo ao convívio social. incendiada; eram ais convulsos, chorados em
frenesi de amor: música feita de beijos e soluços
gostosos; carícia de fera, carícia de doer, fazendo
Naturalismo estalar de gozo.
11. Comer com as mãos era um hábito comum na Euro- AZEVEDO, A. O cortiço.
São Paulo: Ática, 1983 (fragmento).
pa, no século XVI. A técnica empregada pelo índio
no Brasil e por um português de Portugal era, aliás, No romance O Cortiço (1890), de Aluízio Azevedo, as
a mesma: apanhavam o alimento com três dedos da personagens são observadas como elementos coleti-
mão direita (polegar, indicador e médio) e atiravam-no vos caracterizados por condicionantes de origem so-
para dentro da boca. cial, sexo e etnia. Na passagem transcrita, o confronto
entre brasileiros e portugueses revela prevalência do
Um viajante europeu de nome Freireyss, de passagem elemento brasileiro, pois
pelo Rio de Janeiro, já no século XIX, conta como “nas a) destaca o nome de personagens brasileiras e omi-
casas das roças despejam-se simplesmente alguns pra- te o de personagens portuguesas.
tos de farinha sobre a mesa ou num balainho, donde
b) exalta a força do cenário natural brasileiro e con-
cada um se serve com os dedos, arremessando, com um sidera o do português inexpressivo.
movimento rápido, a farinha na boca, sem que a míni-
c) mostra o poder envolvente da música brasileira,
ma parcela caia para fora”. Outros viajantes oitocen-
que cala o fado português.
tistas, como John Luccock, Carl Seidler, Tollenare e
Maria Graham descrevem esse hábito em todo o Bra- d) destaca o sentimentalismo brasileiro, contrário à
tristeza dos portugueses.
sil e entre todas as classes sociais. Mas para Saint-Hi-
laire, os brasileiros “lançam a [farinha de mandioca] à e) atribui aos brasileiros uma habilidade maior com
boca com uma destreza adquirida, na origem, dos indí- instrumentos musicais.
genas, e que ao europeu muito custa imitar”.
Aluísio de Azevedo, em seu romance Girândola de Simbolismo em Portugal
amores (1882), descreve com realismo os hábitos de
uma senhora abastada que só saboreava a moqueca Texto comum às questões 13 e 14, a seguir:
de peixe “sem talher, à mão”.
Epígrafe*
Dentre as palavras listadas a seguir, assinale a que
Murmúrio de água na clepsidra** gotejante,
traduz o elemento comum às descrições das práticas
Lentas gotas de som no relógio da torre,
alimentares dos brasileiros feitas pelos diferentes au-
tores do século XIX citados no texto. Fio de areia na ampulheta vigilante,
a) Regionalismo (caráter da literatura que se baseia Leve sombra azulando a pedra do quadrante***
em costumes e tradições regionais). Assim se escoa a hora, assim se vive e morre…

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-001-015-LA-ENEM.indd 8 7/15/15 10:34 AM


Homem, que fazes tu? Para que tanta lida, Os elementos formais e temáticos relacionados ao
Tão doidas ambições, tanto ódio e tanta contexto cultural do Simbolismo encontrados no
[ameaça? poema “Cárcere das almas”, de Cruz e Sousa, são
Procuremos somente a Beleza, que a vida a) a opção pela abordagem, em linguagem simples e
direta, de temas filosóficos.
É um punhado infantil de areia ressequida,
b) a prevalência do lirismo amoroso e intimista em
Um som de água ou de bronze e uma sombra
relação à temática nacionalista.
 [que passa…
c) o refinamento estético da forma poética e o trata-
CASTRO, Eugênio de. Antologia pessoal
da poesia portuguesa.
mento metafísico de temas universais.
d) a evidente preocupação do eu lírico com a realidade
(*) Epígrafe: inscrição colocada no ponto mais alto; tema. social expressa em imagens poéticas inovadoras.
(**) Clepsidra: relógio de água. e) a liberdade formal da estrutura poética que dis-
pensa a rima e a métrica tradicionais em favor de
(***) Pedra do quadrante: parte superior de um relógio de sol. temas do cotidiano.

13. A imagem contida em “lentas gotas de som” (verso 2)


é retomada na segunda estrofe por meio da expressão:
Pré-Modernismo
a) tanta ameaça. 16. Lépida e leve
b) som de bronze. Língua do meu Amor velosa e doce,
c) punhado de areia. que me convences de que sou frase,
d) sombra que passa. que me contornas, que me vestes quase,
e) somente a Beleza. como se o corpo meu de ti vindo me fosse.
Língua que me cativas, que me enleias
14. Nesse poema, o que leva o poeta a questionar deter- os surtos de ave estranha,
minadas ações humanas (versos 6 e 7) é a em linhas longas de invisíveis teias,
a) infantilidade do ser humano.
de que és, há tanto, habilidosa aranha...
b) destruição da natureza. [...]
c) exaltação da violência. Amo-te as sugestões gloriosas e funestas,
d) inutilidade do trabalho. amo-te como todas as mulheres
e) brevidade da vida. te amam, ó língua-lama, ó língua-resplendor,
pela carne de som que à ideia emprestas
Simbolismo no Brasil e pelas frases mudas que proferes
nos silêncios de Amor!…
15. Cárcere das almas MACHADO, G. In: MORICONI, I. (org.).
Os cem melhores poemas brasileiros do século.
Ah! Toda a alma num cárcere anda presa, Rio de Janeiro: Objetiva, 2001 (fragmento).
Soluçando nas trevas, entre as grades
A poesia de Gilka Machado identifica-se com as con-
Do calabouço olhando imensidades, cepções artísticas simbolistas. Entretanto, o texto se-
Mares, estrelas, tardes, natureza. lecionado incorpora referências temáticas e formais
modernistas, já que, nele, a poeta
Tudo se veste de uma igual grandeza a) procura desconstruir a visão metafórica do amor e
abandona o cuidado formal.
Quando a alma entre grilhões as liberdades
b) concebe a mulher como um ser sem linguagem e
Sonha e, sonhando, as imortalidades
questiona o poder da palavra.
Rasga no etéreo o Espaço da Pureza.
c) questiona o trabalho intelectual da mulher e ante-
cipa a construção do verso livre.
Ó almas presas, mudas e fechadas d) propõe um modelo novo de erotização na lírica
Nas prisões colossais e abandonadas, amorosa e propõe a simplificação verbal.
Questões do Enem

Da Dor no calabouço, atroz, funéreo! e) explora a construção da essência feminina, a par-


tir da polissemia de “língua”, e inova o léxico.
Nesses silêncios solitários, graves,
17. Desde dezoito anos que o tal patriotismo lhe ab-
que chaveiro do Céu possui as chaves sorvia e por ele fizera a tolice de estudar inutili-
para abrir-vos as portas do Mistério?! dades. Que lhe importavam os rios? Eram gran-
CRUZ E SOUSA, J. Poesia completa. Florianópolis: des? Pois que fossem… Em que lhe contribuiria
Fundação Catarinense de Cultura / para a felicidade saber o nome dos heróis do Bra-
Fundação Banco do Brasil, 1993. sil? Em nada… O importante é que ele tivesse

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-001-015-LA-ENEM.indd 9 7/15/15 10:34 AM


sido feliz. Foi? Não. Lembrou-se das suas coisas Com a orientação da professora e após o debate sobre
de tupi, de folk-lore, das suas tentativas agríco- o texto de Manuel Bandeira, os alunos chegaram à se-
las… Restava disso tudo em sua alma uma satis- guinte conclusão:
fação? Nenhuma! Nenhuma! a) uma das propostas mais ousadas do Modernismo foi
O tupi encontrou a incredulidade geral, o a busca da identidade do povo brasileiro e o registro,
riso, a mofa, o escárnio; e levou-o à loucura. Uma no texto literário, da diversidade das falas brasileiras.
decepção. E a agricultura? Nada. As terras não
b) apesar de os modernistas registrarem as falas re-
eram ferazes e ela não era fácil como diziam os li-
vros. Outra decepção. E, quando seu patriotismo
gionais do Brasil, ainda foram preconceituosos
se fizera combatente, o que achara? Decepções. em relação às cariocas.
Onde estava a doçura de nossa gente? Pois ele c) a tradição dos valores portugueses foi a pauta te-
não a viu combater como feras? Pois não a via mática do movimento modernista.
matar prisioneiros, inúmeros? Outra decepção. A d) Manuel Bandeira e os modernistas brasileiros
sua vida era uma decepção, uma série, melhor, exaltaram em seus textos o primitivismo da nação
um encadeamento de decepções.
brasileira.
A pátria que quisera ter era um mito; um fan-
e) Manuel Bandeira considera a diversidade dos fala-
tasma criado por ele no silêncio de seu gabinete.
res brasileiros uma agressão à Língua Portuguesa.
BARRETO, L. Triste fim de Policarpo Quaresma. Disponível em:
www.dominiopublico.gov.br. Acesso em: 8 nov. 2011. 19. “Poética”, de Manuel Bandeira, é quase um ma-
nifesto do movimento modernista brasileiro de
O romance Triste fim de Policarpo Quaresma, de Lima 1922. No poema, o autor elabora críticas e pro-
Barreto, foi publicado em 1911. No fragmento desta- postas que representam o pensamento estético
cado, a reação do personagem aos desdobramentos predominante na época.
de suas iniciativas patrióticas evidencia que
a) a dedicação de Policarpo Quaresma ao conheci- Poética
mento da natureza brasileira levou-o a estudar Estou farto do lirismo comedido
inutilidades, mas possibilitou-lhe uma visão mais Do lirismo bem comportado
ampla do país.
Do lirismo funcionário público com livro de
b) a curiosidade em relação aos heróis da pátria le-  [ponto expediente protocolo e manifestações
vou-o ao ideal de prosperidade e democracia que  [de apreço ao Sr. diretor.
o personagem encontra no contexto republicano.
Estou farto do lirismo que para e vai averiguar
c) a construção de uma pátria a partir de elementos  [no dicionário o cunho vernáculo de um
míticos, como a cordialidade do povo, a riqueza [vocábulo
do solo e a pureza linguística, conduz à frustração Abaixo os puristas
ideológica.
...........................................................................
d) a propensão do brasileiro ao riso, ao escárnio,
Quero antes o lirismo dos loucos
justifica a reação de decepção e desistência de Po-
licarpo Quaresma, que prefere resguardar-se em O lirismo dos bêbedos
seu gabinete. O lirismo difícil e pungente dos bêbedos
e) a certeza da fertilidade da terra e da produção O lirismo dos clowns de Shakespeare
agrícola incondicional faz parte de um projeto – Não quero mais saber do lirismo que não é
ideológico salvacionista, tal como foi difundido [libertação.
na época do autor. (BANDEIRA, Manuel. Poesia Completa e Prosa.
Rio de Janeiro. Aguilar, 1974)

Modernismo no Brasil: Com base na leitura do poema, podemos afirmar cor-


1a geração – poesia retamente que o poeta:
a) critica o lirismo louco do movimento modernista.
18. A discussão sobre gramática na classe está “quente”. b) critica todo e qualquer lirismo na literatura.
Será que os brasileiros sabem gramática? A professo- c) propõe o retorno ao lirismo do movimento clássico.
ra de Português propõe para debate o seguinte texto:
d) propõe o retorno ao lirismo do movimento ro-
Pra mim brincar mântico.
Não há nada mais gostoso do que o mim sujeito de e) propõe a criação de um novo lirismo.
verbo no infinito. Pra mim brincar. As cariocas que não
sabem gramática falam assim. Todos os brasileiros de- 20. Leia o poema a seguir e responda às questões.
viam de querer falar como as cariocas que não sabem
gramática. Brasil
– As palavras mais feias da língua portuguesa são O Zé Pereira chegou de caravela
quiçá, alhures e miúde.
E preguntou pro guarani da mata virgem
(BANDEIRA, Manuel. Seleta em prosa e verso. Org: Emanuel de Moraes. 4. ed.
Rio de Janeiro, José Olympio, 1986. Pág. 19) – Sois cristão?

10

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-001-015-LA-ENEM.indd 10 7/15/15 10:34 AM


– Não. Sou bravo, sou forte, sou filho da Morte No poema de Bandeira, importante representante da
Teterê tetê Quizá Quizá Quecê! poesia modernista, destaca-se como característica da
Lá longe a onça resmungava Uu! ua! uu! escola literária dessa época
O negro zonzo saído da fornalha a) a reiteração de palavras como recurso de constru-
ção de rimas ricas.
Tomou a palavra e respondeu
b) a utilização expressiva da linguagem falada em
– Sim pela graça de Deus
situações do cotidiano.
Canhem Babá Canhem Babá Cum Cum!
c) a criativa simetria de versos para reproduzir o rit-
E fizeram o Carnaval mo do tema abordado.
Oswald de Andrade
d) a escolha do tema do amor romântico, caracteri-
Esse texto apresenta uma versão humorística da for- zador do estilo literário dessa época.
mação do Brasil, mostrando-a como uma junção de e) o recurso ao diálogo, gênero discursivo típico do
elementos diferentes. Realismo.
Considerando-se esse aspecto, é correto afirmar que
a visão apresentada pelo texto é 23. Erro de Português
a) ambígua, pois tanto aponta o caráter desconjun- Quando o português chegou
tado da formação nacional, quanto parece sugerir
Debaixo de uma bruta chuva
que esse processo, apesar de tudo, acaba bem.
Vestiu o índio
b) inovadora, pois mostra que as três raças formado-
ras – portugueses, negros e índios – pouco contri- Que pena!
buíram para a formação da identidade brasileira. Fosse uma manhã de Sol
c) moralizante, na medida em que aponta a precarie- O índio tinha despido
dade da formação cristã do Brasil como causa da O português.
predominância de elementos primitivos e pagãos.
ANDRADE, Oswald de. Poesias reunidas.
d) preconceituosa, pois critica tanto índios quanto Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.
negros, representando de modo positivo apenas o
elemento europeu, vindo com as caravelas. O primitivismo observável no poema anterior, de
e) negativa, pois retrata a formação do Brasil como Oswald de Andrade, caracteriza de forma marcante
incoerente e defeituosa, resultando em anarquia e a) o regionalismo do Nordeste.
falta de seriedade. b) o concretismo paulista.
c) a poesia Pau-Brasil.
21. A polifonia, variedade de vozes, presente no poema
resulta da manifestação do d) o simbolismo pré-modernista.
a) poeta e do colonizador apenas. e) o tropicalismo baiano.
b) colonizador e do negro apenas.
c) negro e do índio apenas. 24. Após estudar na Europa, Anita Malfatti retornou
ao Brasil com uma mostra que abalou a cultura
d) colonizador, do poeta e do negro apenas. nacional do início do século XX. Elogiada por seus
e) poeta, do colonizador, do índio e do negro. mestres na Europa, Anita se considerava pronta
para mostrar seu trabalho no Brasil, mas enfren-
22. Namorados tou as duras críticas de Monteiro Lobato. Com a
O rapaz chegou-se para junto da moça e disse: intenção de criar uma arte que valorizasse a cultu-
– Antônia, ainda não me acostumei com o seu ra brasileira, Anita Malfatti e outros artistas mo-
dernistas
 [corpo, com a sua cara.
a) buscaram libertar a arte brasileira das normas
A moça olhou de lado e esperou.
acadêmicas europeias, valorizando as cores, a ori-
– Você não sabe quando a gente é criança e de ginalidade e os temas nacionais.
 [repente vê uma lagarta listrada? b) defenderam a liberdade limitada de uso da cor,
A moça se lembrava: até então utilizada de forma irrestrita, afetando a
– A gente fica olhando... criação artística nacional.
Questões do Enem

A meninice brincou de novo nos olhos dela. c) representaram a ideia de que a arte deveria copiar
O rapaz prosseguiu com muita doçura: fielmente a natureza, tendo como finalidade a
– Antônia, você parece uma lagarta listrada. prática educativa.
A moça arregalou os olhos, fez exclamações. d) mantiveram de forma fiel a realidade nas figuras
retratadas, defendendo uma liberdade artística li-
O rapaz concluiu:
gada à tradição acadêmica.
– Antônia, você é engraçada! Você parece louca.
BANDEIRA, Manuel. Poesia completa & prosa. e) buscaram a liberdade na composição de suas figu-
Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1985. ras, respeitando limites de temas abordados.

11

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-001-015-LA-ENEM.indd 11 7/15/15 10:34 AM


25. Estrada Cara ao Modernismo, a questão da identidade nacio-
Esta estrada onde moro, entre duas voltas do nal é recorrente na prosa e na poesia de Mário de An-
[caminho, drade. Em “O trovador”, esse aspecto é
Interessa mais que uma avenida urbana. a) abordado subliminarmente, por meio de expres-
Nas cidades todas as pessoas se parecem. sões como “coração arlequinal” que, evocando o
Todo mundo é igual. Todo mundo é toda a carnaval, remete à brasilidade.
[gente. b) verificado já no título, que remete aos repentistas
Aqui, não: sente-se bem que cada um traz a nordestinos, estudados por Mário de Andrade em
 [sua alma. suas viagens e pesquisas folclóricas.
Cada criatura é única. c) lamentado pelo eu lírico, tanto no uso de expres-
Até os cães. sões como “Sentimentos em mim do asperamen-
Estes cães da roça parecem homens de te” (v. 1), “frio” (v. 6), “alma doente” (v. 7), como
[negócios: pelo som triste do alaúde “Dlorom” (v. 9).
Andam sempre preocupados. d) problematizado na oposição tupi (selvagem) x
E quanta gente vem e vai! alaúde (civilizado), apontando a síntese nacional
E tudo tem aquele caráter impressivo que faz que seria proposta no Manifesto Antropófago, de
[meditar: Oswaldo de Andrade.
Enterro a pé ou a carrocinha de leite puxada e) exaltado pelo eu lírico, que evoca os “sentimentos
 [por um dos homens das primeiras eras” para mostrar o or-
bodezinho manhoso. gulho brasileiro por suas raízes indígenas.
Nem falta o murmúrio da água, para sugerir,
 [pela voz 27.
dos símbolos,
Que a vida passa! que a vida passa!
E que a mocidade vai acabar.
BANDEIRA, M. O ritmo dissoluto. Rio de Janeiro: Aguilar, 1967.

A lírica de Manuel Bandeira é pautada na apreensão


de significados profundos a partir de elementos do
cotidiano. No poema “Estrada”, o lirismo presente
no contraste entre campo e cidade aponta para
a) o desejo do eu lírico de resgatar a movimentação
dos centros urbanos, o que revela sua nostalgia
com relação à cidade.
b) a percepção do caráter efêmero da vida, possibilitada
pela observação da aparente inércia da vida rural.
c) a opção do eu lírico pelo espaço bucólico como pos-
sibilidade de meditação sobre a sua juventude.
d) a visão negativa da passagem do tempo, visto que
esta gera insegurança.
e) a profunda sensação de medo gerada pela refle-
xão acerca da morte. MUSEU DA LÍNGUA PORTUGUESA. Oswald de Andrade:
o culpado de tudo. 27 set. 2011 a 29 jan. 2012.
São Paulo: Prol Gráfica, 2012.
26. O trovador
Sentimentos em mim do asperamente
O poema de Oswald de Andrade remonta à ideia de
dos homens das primeiras eras…
que a brasilidade está relacionada ao futebol. Quanto
As primaveras de sarcasmo
à questão da identidade nacional, as anotações em
intermitentemente no meu coração arlequinal… torno dos versos constituem
Intermitentemente… a) direcionamentos possíveis para uma leitura críti-
Outras vezes é um doente, um frio ca de dados histórico-culturais.
na minha alma doente como um longo som b) forma clássica da construção poética brasileira.
[redondo…
c) rejeição à ideia do Brasil como o país do futebol.
Cantabona! Cantabona!
d) intervenções de um leitor estrangeiro no exercício
Dlorom…
de leitura poética.
Sou um tupi tangendo um alaúde!
ANDRADE, M. In: MANFIO, D. Z. (Org.) Poesias completas e) lembretes de palavras tipicamente brasileiras
de Mário de Andrade. Belo Horizonte: Itatiaia, 2005. substitutivas das originais.

12

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-001-015-LA-ENEM.indd 12 7/15/15 10:34 AM


Modernismo no Brasil: c) o trabalho quase artesanal com as palavras, des-
pertando sentidos novos.
1a geração – prosa e teatro d) a produção de sentidos herméticos na busca da
perfeição poética.
28. “Precisa-se nacionais sem nacionalismo, (…) mo-
vidos pelo presente mas estalando naquele cio e) a contemplação da natureza brasileira na perspec-
racial que só as tradições maduram! (…). Precisa-se tiva ufanista da pátria.
gentes com bastante meiguice no sentimento,
bastante força na peitaria, bastante paciência no 30. Confidência do Itabirano
entusiasmo e sobretudo, oh! sobretudo bastante Alguns anos vivi em Itabira.
vergonha na cara!
Principalmente nasci em Itabira.
(…) Enfim: precisa-se brasileiros! Assim
está escrito no anúncio vistoso de cores deses- Por isso sou triste, orgulhoso: de ferro.
peradas pintado sobre o corpo do nosso Brasil, Noventa por cento de ferro nas calçadas.
camaradas.” Oitenta por cento de ferro nas almas.
(Jornal A Noite, São Paulo, 18/12/1925 apud LOPES, E esse alheamento do que na vida é porosidade
Telê Porto Ancona. Mário de Andrade: ramais e caminhos.  [e comunicação.
São Paulo: Duas Cidades, 1972)
A vontade de amar, que me paralisa o trabalho,
No trecho anterior, Mário de Andrade dá forma a um vem de Itabira, de suas noites brancas, sem
dos itens do ideário modernista, que é o de firmar a  [mulheres e sem horizontes.
feição de uma língua mais autêntica, “brasileira”, ao E o hábito de sofrer, que tanto me diverte,
expressar-se numa variante de linguagem popular
é doce herança itabirana.
identificada pela(o):
a) escolha de palavras como cio, peitaria, vergonha. De Itabira trouxe prendas diversas que ora te
[ofereço:
b) emprego da pontuação.
esta pedra de ferro, futuro aço do Brasil,
c) repetição do adjetivo bastante. este São Benedito do velho santeiro Alfredo
d) concordância empregada em Assim está escrito. [Duval;
e) escolha de construção do tipo precisa-se gentes. este couro de anta, estendido no sofá da sala
 [de visitas;
este orgulho, esta cabeça baixa...
Modernismo no Brasil: Tive ouro, tive gado, tive fazendas.
2a geração – consolidação Hoje sou funcionário público.
da lírica moderna Itabira é apenas uma fotografia na parede.
Mas como dói!
29. No poema “Procura da poesia”, Carlos Drummond ANDRADE, C. D. Poesia completa.
de Andrade expressa a concepção estética de se fa- Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2003.
zer com palavras o que o escultor Michelângelo fazia
com mármore. O fragmento a seguir exemplifica essa Carlos Drummond de Andrade é um dos expoen-
afirmação. tes do movimento modernista brasileiro. Com
(…)
seus poemas, penetrou fundo na alma do Brasil
e trabalhou poeticamente as inquietudes e os di-
Penetra surdamente no reino das palavras.
lemas humanos. Sua poesia é feita de uma rela-
Lá estão os poemas que esperam ser escritos.
ção tensa entre o universal e o particular, como
(…) se percebe claramente na construção do poema
Chega mais perto e contempla as palavras. “Confidência do Itabirano”. Tendo em vista os
Cada uma procedimentos de construção do texto literário e
tem mil faces secretas sob a face neutra as concepções artísticas modernistas, conclui-se
e te pergunta, sem interesse pela resposta, que o poema anterior
pobre ou terrível, que lhe deres: a) representa a fase heroica do modernismo, devido
Questões do Enem

ao tom contestatório e à utilização de expressões


trouxeste a chave?
e usos linguísticos típicos da oralidade.
Carlos Drummond de Andrade. A rosa do povo.
Rio de Janeiro: Record, 1997, p. 13-14. b) apresenta uma característica importante do gêne-
ro lírico, que é a apresentação objetiva de fatos e
Esse fragmento poético ilustra o seguinte tema cons- dados históricos.
tante entre autores modernistas:
c) evidencia uma tensão histórica entre o “eu” e a
a) a nostalgia do passado colonialista revisitado. sua comunidade, por intermédio de imagens que
b) a preocupação com o engajamento político e so- representam a forma como a sociedade e o mun-
cial da literatura. do colaboram para a constituição do indivíduo.

13

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-001-015-LA-ENEM.indd 13 7/15/15 10:34 AM


d) critica, por meio de um discurso irônico, a posição O fragmento destacado foi transcrito do Romanceiro
de inutilidade do poeta e da poesia em compara- da Inconfidência, de Cecília Meireles. Centralizada no
ção com as prendas resgatadas de Itabira. episódio histórico da Inconfidência Mineira, a obra,
e) apresenta influências românticas, uma vez que no entanto, elabora uma reflexão mais ampla sobre a
trata da individualidade, da saudade da infância seguinte relação entre o homem e a linguagem:
e do amor pela terra natal, por meio de recursos a) A força e a resistência humanas superam os danos
retóricos pomposos. provocados pelo poder corrosivo das palavras.
b) As relações humanas, em suas múltiplas esferas,
31. Verbo ser têm seu equilíbrio vinculado ao significado das
palavras.
QUE VAI SER quando crescer? Vivem per-
guntando em redor. Que é ser? É ter um cor- c) O significado dos nomes não expressa de forma
justa e completa a grandeza da luta do homem
po, um jeito, um nome? Tenho os três. E sou?
pela vida.
Tenho de mudar quando crescer? Usar outro
nome, corpo e jeito? Ou a gente só principia a
d) Renovando o significado das palavras, o tempo
permite às gerações perpetuar seus valores e suas
ser quando cresce? É terrível, ser? Dói? É bom?
crenças.
É triste? Ser: pronunciado tão depressa, e cabe
e) Como produto da criatividade humana, a lingua-
tantas coisas? Repito: ser, ser, ser. Er. R. Que
gem tem seu alcance limitado pelas intenções e
vou ser quando crescer? Sou obrigado a? Posso gestos.
escolher? Não dá para entender. Não vou ser.
Não quero ser. Vou crescer assim mesmo. Sem 33. Olá! Negro
ser. Esquecer.
Os netos de teus mulatos e de teus cafuzos
ANDRADE, C. D. Poesia e prosa.
Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1992. e a quarta e a quinta gerações de teu sangue
[sofredor
A inquietação existencial do autor com a autoimagem
tentarão apagar a tua cor!
corporal e a sua corporeidade se desdobra em ques-
tões existenciais que têm origem E as gerações dessas gerações quando
[apagarem
a) no conflito do padrão corporal imposto contra as
convicções de ser autêntico e singular. a tua tatuagem execranda,
não apagarão de suas almas, a tua alma, negro!
b) na aceitação das imposições da sociedade seguin-
do a influência de outros. Pai-João, Mãe-negra, Fulô, Zumbi,
c) na confiança no futuro, ofuscada pelas tradições e negro-fujão, negro cativo, negro rebelde
culturas familiares. negro cabinda, negro congo, negro ioruba,
d) no anseio de divulgar hábitos enraizados, negli- negro que foste para o algodão de USA
genciados por seus antepassados. para os canaviais do Brasil,
e) na certeza da exclusão, revelada pela indiferença para o tronco, para o colar de ferro, para a
de seus pares. [canga
de todos os senhores do mundo;
32. Ai, palavras, ai, palavras, eu melhor compreendo agora os teus blues

que estranha potência a vossa! nesta hora triste da raça branca, negro!
Olá, Negro! Olá, Negro!
Todo o sentido da vida
A raça que te enforca, enforca-se de tédio,
principia a vossa porta:
[negro!
o mel do amor cristaliza LIMA, J. Obras completas. Rio de Janeiro: Aguilar, 1958 (fragmento).
seu perfume em vossa rosa;
sois o sonho e sois a audácia, O conflito de gerações e de grupos étnicos reproduz,
na visão do eu lírico, um contexto social assinalado
calúnia, fúria, derrota...
por
A liberdade das almas, a) modernização dos modos de produção e conse-
ai! com letras se elabora... quente enriquecimento dos brancos.
E dos venenos humanos b) preservação da memória ancestral e resistência
sois a mais fina retorta: negra à apatia cultural dos brancos.
frágil, frágil, como o vidro c) superação dos costumes antigos por meio da in-
e mais que o aço poderosa! corporação de valores dos colonizados.
Reis, impérios, povos, tempos, d) nivelamento social de descendentes de escravos e
de senhores pela condição de pobreza.
pelo vosso impulso rodam...
MEIRELES, C. Obra poética. Rio de Janeiro: e) antagonismo entre grupos de trabalhadores e la-
Nova Aguilar, 1985 (fragmento). cunas de hereditariedade.

14

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-001-015-LA-ENEM.indd 14 7/15/15 10:34 AM


Modernismo no Brasil: É correto apenas o que se afirma em
a) I.
2a geração – romance de 1930 b) II.
Textos comuns às questões 34 e 35, a seguir. c) III.
Texto I d) I e II.
Agora Fabiano conseguia arranjar as ideias. e) II e III.
O que o segurava era a família. Vivia preso como
um novilho amarrado ao mourão, suportando fer- 35. No texto II, verifica-se que o autor utiliza
ro quente. Se não fosse isso, um soldado amarelo a) linguagem predominantemente formal, para pro-
não lhe pisava o pé não. blematizar, na composição de Vidas Secas, a rela-
(...) Tinha aqueles cambões pendurados ao ção entre o escritor e o personagem popular.
pescoço. Deveria continuar a arrastá-los? Sinha b) linguagem inovadora, visto que, sem abandonar a
Vitória dormia mal na cama de varas. Os meni- linguagem formal, dirige-se diretamente ao leitor.
nos eram uns brutos, como o pai. Quando cres-
c) linguagem coloquial, para narrar coerentemente
cessem, guardariam as reses de um patrão invi-
uma história que apresenta o roceiro pobre de for-
sível, seriam pisados, maltratados, machucados
ma pitoresca.
por um soldado amarelo.
d) linguagem formal com recursos retóricos próprios
RAMOS, Graciliano. Vidas Secas. São Paulo:
Martins, 23. ed., 1969, p. 75. do texto literário em prosa, para analisar determi-
nado momento da literatura brasileira.
Texto II e) linguagem regionalista, para transmitir informa-
ções sobre literatura, valendo-se de coloquialis-
Para Graciliano, o roceiro pobre é um outro,
mo, para facilitar o entendimento do texto.
enigmático, impermeável. Não há solução fácil
para uma tentativa de incorporação dessa figura
no campo da ficção. 36. A velha Totonha de quando em vez batia no
engenho. E era um acontecimento para a meni-
É lidando com o impasse, ao invés de fáceis
nada… Que talento ela possuía para contar as
soluções, que Graciliano vai criar Vidas Secas,
suas histórias, com um jeito admirável de falar
elaborando uma linguagem, uma estrutura ro-
em nome de todos os personagens, sem nenhum
manesca, uma constituição de narrador em que dente na boca, e com uma voz que dava todos os
narrador e criaturas se tocam, mas não se iden- tons às palavras!
tificam. Em grande medida, o debate acontece
porque, para a intelectualidade brasileira na- Havia sempre rei e rainha, nos seus contos,
quele momento, o pobre, a despeito de apare- e forca e adivinhações. E muito da vida, com as
cer idealizado em certos aspectos, ainda é visto suas maldades e as suas grandezas, a gente en-
como um ser humano de segunda categoria, contrava naqueles heróis e naqueles intrigantes,
que eram sempre castigados com mortes horrí-
simples demais, incapaz de ter pensamentos
veis! O que fazia a velha Totonha mais curiosa
demasiadamente complexos. O que Vidas Se-
era a cor local que ela punha nos seus descriti-
cas faz é, com pretenso não envolvimento da
vos. Quando ela queria pintar um reino era como
voz que controla a narrativa, dar conta de uma
se estivesse falando dum engenho fabuloso. Os
riqueza humana de que essas pessoas seriam
rios e florestas por onde andavam os seus per-
plenamente capazes.
sonagens se pareciam muito com a Paraíba e a
Luís Bueno. Guimarães, Clarice e antes. In: Teresa. Mata do Rolo. O seu Barba-Azul era um senhor
São Paulo: USP, n. 2, 2001, p. 254. de engenho de Pernambuco.
José Lins do Rego. Menino de Engenho. Rio de Janeiro:
34. A partir do trecho de Vidas Secas (texto I) e das in- José Olympio, 1980, p. 49-51 (com adaptações).
formações do texto II, relativas às concepções artís- Na construção da personagem “velha Totonha”, é pos-
ticas do romance social de 1930, avalie as seguintes sível identificar traços que revelam marcas do proces-
afirmativas. so de colonização e de civilização do país. Consideran-
I. O pobre, antes tratado de forma exótica e folcló- do o texto, infere-se que a velha Totonha
rica pelo regionalismo pitoresco, transforma-se a) tira o seu sustento da produção da literatura, apesar
em protagonista privilegiado do romance social de suas condições de vida e de trabalho, que denotam
Questões do Enem

de 30. que ela enfrenta situação econômica muito adversa.


II. A incorporação do pobre e de outros marginali- b) compõe, em suas histórias, narrativas épicas e
zados indica a tendência da ficção brasileira da realistas da história do país colonizado, livres da
década de 30 de tentar superar a grande distân- influência de temas e modelos não representati-
cia entre o intelectual e as camadas populares. vos da realidade nacional.
III. Graciliano Ramos e os demais autores da déca- c) retrata, na constituição do espaço dos contos, a ci-
da de 30 conseguiram, com suas obras, modi- vilização urbana europeia em concomitância com a
ficar a posição social do sertanejo na realidade representação literária de engenhos, rios e florestas
nacional. do Brasil.

15

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-001-015-LA-ENEM.indd 15 7/15/15 10:34 AM


d) aproxima-se, ao incluir elementos fabulosos nos de idades as mais variadas, desde os nove aos
contos, do próprio romancista, o qual pretende dezesseis anos, que à noite se estendiam pelo
retratar a realidade brasileira de forma tão gran- assoalho e por debaixo da ponte e dormiam, in-
diosa quanto a europeia. diferentes ao vento que circundava o casarão ui-
vando, indiferentes à chuva que muitas vezes os
e) imprime marcas da realidade local a suas narrati-
lavava, mas com os olhos puxados para as luzes
vas, que têm como modelo e origem as fontes da
dos navios, com os ouvidos presos às canções
literatura e da cultura europeia universalizada. que vinham das embarcações…
AMADO, J. Capitães de Areia. São Paulo:
37. Como se assistisse à demonstração de um espe- Companhia das Letras, 2008 (fragmento).
táculo mágico, ia revendo aquele ambiente tão
característico de família, com seus pesados mó- Texto II
veis de vinhático ou de jacarandá, de qualidade À margem esquerda do rio Belém, nos fundos
antiga, e que denunciavam um passado ilustre, do mercado de peixe, ergue-se o velho ingazeiro
gerações de Meneses talvez mais singelos e – ali os bêbados são felizes. Curitiba os conside-
mais calmos; agora, uma espécie de desordem, ra animais sagrados, provê as suas necessidades
de relaxamento, abastardava aquelas qualida-
de cachaça e pirão. No trivial contentavam-se
des primaciais. Mesmo assim era fácil perce-
com as sobras do mercado.
ber o que haviam sido, esses nobres da roça,
com seus cristais que brilhavam mansamente TREVISAN, D. 35 noites de paixão: contos escolhidos.
Rio de Janeiro: BestBolso, 2009 (fragmento).
na sombra, suas pratas semiempoeiradas que
atestavam o esplendor esvanecido, seus mar-
Sob diferentes perspectivas, os fragmentos citados
fins e suas opalinas – ah, respirava-se ali con-
forto, não havia dúvida, mas era apenas uma so-
são exemplos de uma abordagem literária recorren-
brevivência de coisas idas. Dir-se-ia, ante esse te na literatura brasileira do século XX. Em ambos os
mundo que se ia desagregando, que um mal textos,
oculto o roía, como um tumor latente em suas a) a linguagem afetiva aproxima os narradores dos
entranhas. personagens marginalizados.
CARDOSO, L. Crônica da casa assassinada. b) a ironia marca o distanciamento dos narradores
Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002 (adaptado). em relação aos personagens.
O mundo narrado nesse trecho do romance de Lúcio c) o detalhamento do cotidiano dos personagens re-
Cardoso, acerca da vida dos Meneses, família da aris- vela a sua origem social.
tocracia rural de Minas Gerais, apresenta não apenas d) o espaço onde vivem os personagens é uma das
a história da decadência dessa família, mas é, ainda, marcas de sua exclusão.
a representação literária de uma fase de desagrega- e) a crítica à indiferença da sociedade pelos margi-
ção política, social e econômica do país. O recurso nalizados é direta.
expressivo que formula literariamente essa desagre-
gação histórica é o de descrever a casa dos Meneses
como Concretismo
a) ambiente de pobreza e privação, que carece de
conforto mínimo para a sobrevivência da família. 39. O poema abaixo pertence à poesia concreta brasi-
b) mundo mágico, capaz de recuperar o encanta- leira. O termo latino de seu título significa “epitalâ-
mento perdido durante o período de decadência mio”, poema ou canto em homenagem aos que se
da aristocracia rural mineira. casam.
c) cena familiar, na qual o calor humano dos habi- EPITHALAMIUM – II
tantes da casa ocupa o primeiro plano, compen-
sando a frieza e austeridade dos objetos antigos.
d) símbolo de um passado ilustre que, apesar de su-
perado, ainda resiste à sua total dissolução graças
ao cuidado e asseio que a família dispensa à con-
servação da casa.
e) espaço arruinado, onde os objetos perderam seu
esplendor e sobre os quais a vida repousa como
lembrança de um passado que está em vias de de-
saparecer completamente.

38. Texto I
he = ele S = serpens
Logo depois transferiram para o trapiche o
& = e h = homo
depósito dos objetos que o trabalho do dia lhes
proporcionava. Estranhas coisas entraram então She = ela e = eva
para o trapiche. Não mais estranhas, porém, que (Pedro Xisto)
aqueles meninos, moleques de todas as cores e

16

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-001-015-LA-ENEM.indd 16 7/15/15 10:34 AM


Considerando que símbolos e sinais são utilizados c) ocorre, no início do século XXI, promovido pela
geralmente para demonstrações objetivas, ao serem solidificação da cultura nacional, maior reconhe-
incorporados no poema “Epithalamium – II”, cimento do Brasil por ele mesmo, tanto nos aspec-
a) adquirem novo potencial de significação. tos positivos quanto nos negativos.
b) eliminam a subjetividade do poema. d) o Brasil continua sendo, como no século XIX, uma
nação culturalmente mestiça, embora a expressão
c) opõem-se ao tema principal do poema.
dominante seja aquela produzida no eixo Rio-São
d) invertem seu sentido original. Paulo, em especial aquela ligada às telenovelas.
e) tornam-se confusos e equivocados.
e) o novo estilo cultural brasileiro se caracteriza por
uma união bastante significativa entre as diversas
Prosa contemporânea no Brasil matrizes culturais advindas das várias regiões do
país, como se pode comprovar na obra de Paulo
40. Nestes últimos anos, a situação mudou bastan- Coelho.
te e o Brasil, normalizado, já não nos parece tão Textos comuns às questões 41 e 42, a seguir.
mítico, no bem e no mal. Houve um mútuo re-
conhecimento entre os dois países de expressão Texto I
portuguesa de um lado e do outro do Atlântico:
[…] já foi o tempo em que via a convivência
o Brasil descobriu Portugal e Portugal, em um
retorno das caravelas, voltou a descobrir o Bra- como viável, só exigindo deste bem comum, pie-
sil e a ser, por seu lado, colonizado por expres- dosamente, o meu quinhão, já foi o tempo em que
sões linguísticas, as telenovelas, os romances, a consentia num contrato, deixando muitas coisas
poesia, a comida e as formas de tratamento bra- de fora sem ceder contudo no que me era vital, já
sileiros. O mesmo, embora em nível superficial, foi o tempo em que reconhecia a existência escan-
dele excluído o plano da língua, aconteceu com dalosa de imaginados valores, coluna vertebral de
a Europa, que, depois da diáspora dos anos 70, toda ‘ordem’; mas não tive sequer o sopro neces-
depois da inserção na cultura da bossa-nova e da
sário, e, negado o respiro, me foi imposto o sufoco;
música popular brasileira, da problemática eco-
lógica centrada na Amazônia, ou da problemá- é esta consciência que me libera, é ela hoje que
tica social emergente do fenômeno dos meninos me empurra, são outras agora minhas preocupa-
de rua, e até do álibi ocultista dos romances de ções, é hoje outro o meu universo de problemas;
Paulo Coelho, continua todos os dias a descobrir, num mundo estapafúrdio – definitivamente fora
no bem e no mal, o novo Brasil. Se, no fim do de foco – cedo ou tarde tudo acaba se reduzindo a
século XIX, Sílvio Romero definia a literatura bra- um ponto de vista, e você que vive paparicando as
sileira como manifestação de um país mestiço, ciências humanas, nem suspeita que paparica uma
será fácil para nós defini-la como expressão de
piada: impossível ordenar o mundo dos valores,
um país polifônico: em que já não é determinan-
ninguém arruma a casa do capeta; me recuso pois
te o eixo Rio-São Paulo, mas que, em cada região,
desenvolve originalmente a sua unitária e parti- a pensar naquilo em que não mais acredito, seja o
cular tradição cultural. É esse, para nós, no início amor, a amizade, a família, a igreja, a humanidade;
do século XXI, o novo estilo brasileiro. me lixo com tudo isso! me apavora ainda a exis-
STEGAGNO-PICCHIO, L. História da literatura brasileira. tência, mas não tenho medo de ficar sozinho, foi
Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2004 (adaptado).
conscientemente que escolhi o exílio, me bastando
No texto, a autora mostra como o Brasil, ao longo hoje o cinismo dos grandes indiferentes [...].
de sua história, foi, aos poucos, construindo uma NASSAR, R. Um copo de cólera. São Paulo:
identidade cultural e literária relativamente autô- Companhia das Letras, 1992.
noma frente à identidade europeia, em geral, e à
portuguesa em particular. Sua análise pressupõe, Texto II
de modo especial, o papel do patrimônio literário Raduan Nassar lançou a novela Um Copo de
e linguístico, que favoreceu o surgimento daquilo Cólera em 1978, fervilhante narrativa de um con-
que ela chama de “estilo brasileiro”. Diante desse fronto verbal entre amantes, em que a fúria das
pressuposto, e levando em consideração o texto e as palavras cortantes se estilhaçava no ar. O emba-
diferentes etapas de consolidação da cultura brasi- te conjugal ecoava o autoritário discurso do po-
leira, constata-se que der e da submissão de um Brasil que vivia sob o
Questões do Enem

a) o Brasil redescobriu a cultura portuguesa no sécu- jugo da ditadura militar.


lo XIX, o que o fez assimilar novos gêneros artísti- COMODO, R. Um silêncio inquietante. IstoÉ. Disponível em:
cos e culturais, assim como usos originais do idio- www.terra.com.br. Acesso em: 15 jul. 2009.
ma, conforme ilustra o caso do escritor Machado
de Assis. 41. Na novela Um Copo de Cólera, o autor lança mão de
b) a Europa reconheceu a importância da língua por- recursos estilísticos e expressivos típicos da literatu-
tuguesa no mundo, a partir da projeção que poe- ra produzida na década de 70 do século passado no
tas brasileiros ganharam naqueles países, a partir Brasil, que, nas palavras do crítico Antonio Candido,
do século XX. aliam “vanguarda estética e amargura política”. Com

17

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-001-015-LA-ENEM.indd 17 7/15/15 10:34 AM


relação à temática abordada e à concepção narrativa çar pelo início, se as coisas acontecem antes de
da novela, o texto I acontecer? Se antes da pré-pré-história já havia
a) é escrito em terceira pessoa, com narrador onis- os monstros apocalípticos? Se esta história não
ciente, apresentando a disputa entre um homem existe, passará a existir. Pensar é um ato. Sentir
e uma mulher em linguagem sóbria, condizente é um fato. Os dois juntos – sou eu que escrevo o
que estou escrevendo. [...] Felicidade? Nunca vi
com a seriedade da temática político-social do pe-
palavra mais doida, inventada pelas nordestinas
ríodo da ditadura militar.
que andam por aí aos montes.
b) articula o discurso dos interlocutores em torno de
Como eu irei dizer agora, esta história será o
uma luta verbal, veiculada por meio de linguagem resultado de uma visão gradual – há dois anos e
simples e objetiva, que busca traduzir a situação meio venho aos poucos descobrindo os porquês. E
de exclusão social do narrador. visão da iminência de. De quê? Quem sabe se mais
c) representa a literatura dos anos 70 do século XX tarde saberei. Como que estou escrevendo na hora
e aborda, por meio de expressão clara e objetiva mesma em que sou lido. Só não inicio pelo fim que
e de ponto de vista distanciado, os problemas da justificaria o começo – como a morte parece dizer
urbanização das grandes metrópoles brasileiras. sobre a vida – porque preciso registrar os fatos an-
tecedentes.
d) evidencia uma crítica à sociedade em que vivem
os personagens, por meio de fluxo verbal contínuo LISPECTOR, C. A hora da estrela.
Rio de Janeiro: Rocco, 1998 (fragmento).
de tom agressivo.
e) traduz, em linguagem subjetiva e intimista, a par- A elaboração de uma voz narrativa peculiar acompa-
tir do ponto de vista interno, os dramas psicológi- nha a trajetória literária de Clarice Lispector, culminada
cos da mulher moderna, às voltas com a questão com a obra A hora da estrela, de 1977, ano da morte da
da priorização do trabalho em detrimento da vida escritora. Nesse fragmento, nota-se essa peculiaridade
familiar e amorosa. porque o narrador
a) observa os acontecimentos que narra sob uma ótica
42. Considerando-se os textos apresentados e o contexto distante, sendo indiferente aos fatos e às persona-
político e social no qual foi produzida a obra Um Copo gens.
de Cólera, verifica-se que o narrador, ao dirigir-se à b) relata a história sem ter tido a preocupação de in-
sua parceira, nessa novela, tece um discurso vestigar os motivos que levaram aos eventos que a
a) conformista, que procura defender as institui- compõem.
ções nas quais repousava a autoridade do regime
militar no Brasil, a saber: a Igreja, a família e o c) revela-se um sujeito que reflete sobre questões
Estado. existenciais e sobre a construção do discurso.
b) pacifista, que procura defender os ideais libertá- d) admite a dificuldade de escrever uma história em
rios representativos da intelectualidade brasileira razão da complexidade para escolher as palavras
opositora à ditadura militar na década de 70 do exatas.
século passado. e) propõe-se a discutir questões de natureza filosófi-
c) desmistificador, escrito em um discurso ágil e contun- ca e metafísica, incomuns na narrativa de ficção.
dente, que critica os grandes princípios humanitários
supostamente defendidos por sua interlocutora. Nesta questão foram trabalhadas:
d) politizado, pois apela para o engajamento nas Competência de área 5 – Analisar, interpretar e aplicar recursos expres-
causas sociais e para a defesa dos direitos huma- sivos das linguagens, relacionando textos com seus contextos, mediante
nos como uma única forma de salvamento para a a natureza, função, organização, estrutura das manifestações, de acordo
humanidade. com as condições de produção e recepção.
e) contraditório, ao acusar a sua interlocutora de com- Habilidade 16 – Relacionar informações sobre concepções artísticas e
pactuar com o regime repressor da ditadura militar, procedimentos de construção do texto literário.
por meio da defesa de instituições como a família e
a Igreja.
Poesia contemporânea no Brasil
Narrativa psicológica 44. Logia e mitologia
Meu coração
43.
de mil e novecentos e setenta e dois
Tudo no mundo começou com um sim. Uma
molécula disse sim a outra molécula e nasceu a já não palpita fagueiro
vida. Mas antes da pré-história havia a pré-his- sabe que há morcegos de pesadas olheiras
tória da pré-história e havia o nunca e havia o que há cabras malignas que há
sim. Sempre houve. Não sei o quê, mas sei que o
universo jamais começou. cardumes de hienas infiltradas
[...] no vão da unha na alma
Enquanto eu tiver perguntas e não houver um porco belicoso de radar
resposta continuarei a escrever. Como come- e que sangra e ri

18

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-001-015-LA-ENEM.indd 18 7/15/15 10:34 AM


e que sangra e ri TEATRO! Disse no espelho.
a vida anoitece provisória TEATRO! Mais alto, desgrenhada.
centuriões sentinelas TEATRO! E os cacos voaram
do Oiapoque ao Chuí. sem nenhum aplauso.
CACASO. Lero-lero. Rio de Janeiro: 7Letras; Perfeita.
São Paulo: Cosac & Naify, 2002.
PRADO, A. Oráculos de maio. São Paulo: SiciIiano, 1999.
O título do poema explora a expressividade de termos
que representam o conflito do momento histórico vivido Os diferentes gêneros textuais desempenham fun-
pelo poeta na década de 1970. Nesse contexto, é correto ções sociais diversas, reconhecidas pelo leitor com
afirmar que base em suas características específicas, bem como
a) o poeta utiliza uma série de metáforas zoológicas na situação comunicativa em que eles são produzi-
com significado impreciso. dos. Assim, o texto A diva
b) “morcegos”, “cabras” e “hienas” metaforizam as a) narra um fato real vivido por Maria José.
vítimas do regime militar vigente. b) surpreende o leitor pelo seu efeito poético.
c) o “porco”, animal difícil de domesticar, representa c) relata uma experiência teatral profissional.
os movimentos de resistência.
d) descreve uma ação típica de uma mulher sonha-
d) o poeta caracteriza o momento de opressão atra- dora.
vés de alegorias de forte poder de impacto.
e) defende um ponto de vista relativo ao exercício te-
e) “centuriões” e “sentinelas” simbolizam os agentes atral.
que garantem a paz social experimentada.

45. A diva
Nesta questão foram trabalhadas:
Vamos ao teatro, Maria José?
Competência de área 5 – Analisar, interpretar e aplicar recursos expres-
Quem me dera, sivos das linguagens, relacionando textos com seus contextos, mediante
desmanchei em rosca quinze kilos de farinha, a natureza, função, organização, estrutura das manifestações, de acordo
tou podre. Outro dia a gente vamos. com as condições de produção e recepção.

Falou meio triste, culpada, Habilidade 17 – Reconhecer a presença de valores sociais e humanos
atualizáveis e permanentes no patrimônio literário nacional.
e um pouco alegre por recusar com orgulho.

Questões do Enem

19

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-001-015-LA-ENEM.indd 19 7/15/15 10:34 AM


Questões de vestibular
TEMA
A linguagem a serviço de todas as áreas
1

Linguagem e interação Mas a violência não é um fenômeno restrito à cri-


minalidade. A polícia age muitas vezes com uma
violência desproporcional. A vida nas cidades
1.
(Insper-SP) e, cada vez mais, no interior é de uma violência
Não sei onde eu tô indo, inacreditável. O trânsito é uma violência contra
Mas sei que eu tô no meu caminho. a mente humana. O transporte público violenta
dia após dia. Não é um atentado aos direitos hu-
Enquanto você me critica,
manos perder às vezes três horas entre ir e voltar
Eu tô no meu caminho. do trabalho?
Você esperando respostas, A saúde é uma violência contra o usuário. A
Olhando pro espaço, educação violenta, pela sua baixa qualidade, o
natural anseio de ascensão social. A existência
E eu tão ocupado vivendo,
de moradias em zonas de risco é outra violência.
Eu não me pergunto, eu faço! A contaminação do ar mata ou fere de maneira
invisível os habitantes das cidades em que o ní-
Nesses versos, que pertencem a “No fundo do quintal vel de poluição supera o mínimo tolerável.
da escola”, canção de Raul Seixas e Cláudio Roberto, Não adianta, agora, culpar o governo do PT
há predominância da função emotiva da linguagem ou a suposta herança maldita legada pelo PSDB,
por causa: ou os crimes praticados pela ditadura militar ou
a) da repetição dos verbos no presente. a turbulência que precedeu o golpe de 1964. O
b) do discurso direto constante. país foi sendo construído de maneira torta, irres-
ponsável, sem o mais leve sinal de planejamen-
c) das referências à própria linguagem. to, de preparação para o futuro.
d) dos marcadores de conversação. Acumularam-se violências em todas as áreas
e) da ênfase na primeira pessoa. de vida. A explosão no consumo de drogas exa-
cerbou, por sua vez, a violência da criminalidade
2.
(Unimontes-MG) Leia o texto a seguir para responder comum. Não há “coitadinhos” nessa história. Há
delinquentes e vítimas e há a incompetência do
à questão.
poder público.
Não éramos cordiais? É como escreveu, para Carta Capital, esse
Clóvis Rossi impecável humanista chamado Luiz Gonzaga
Belluzzo: “O des­cumprimento do dever de punir
O nível impressionante de violência no coti- pelo ente público termina por solapar a solida-
diano está cada vez mais próximo de uma barbá- riedade que cimenta a vida civilizada, lançando
rie intolerável a sociedade no desamparo e na violência sem
quartel”.
A morte do cinegrafista Santiago Andrade
não configura um atentado à liberdade de im- Antes que o desamparo e a violência sem
prensa, ao contrário do que tantos apregoam. É quartel se tornem completamente descontrola-
muito pior que isso: é um atentado ao convívio dos, seria desejável o surgimento de lideranças
civilizado entre brasileiros, um degrau a mais capazes de pensar na coisa pública em vez de
na escalada impressionante de violência que se dedicarem a seus interesses pessoais, mesmo
está empurrando o país para um teor ainda mais os legítimos. Alguém precisa aparecer com um
exacerbado de barbárie. O incidente com o cine- projeto de país, em vez de projetos de poder. Não
grafista é parte de uma coreografia de violência é por acaso que 60% dos brasileiros querem mu-
danças, ainda que não as definam claramente. A
crescente que se dá por onde quer que se olhe.
encruzilhada agora é entre ideias e rojões.
Nunca se matou com tanta facilidade em
assaltos. Nunca se apertou o gatilho com tanta (Folha de S.Paulo, A18 mundo, quinta-feira,
13 de fevereiro de 2014.)
facilidade. É até curioso que as estatísticas poli-
ciais no Estado de São Paulo apontem uma redu-
ção no número de homicídios dolosos, como se
No 2o parágrafo, pode-se identificar, primordialmen-
fosse um avanço, quando aumenta o número de te, a presença da seguinte função de linguagem:
vítimas de latrocínio, que não passa de homicí- a) Metalinguística – o autor do texto informa o leitor
dio precedido de roubo. sobre o significado de uma palavra.
De fato, em 2013, o número de latrocínios b) Conativa – o autor do texto tenta persuadir o lei-
(379) foi o mais alto em nove anos, com aumento tor acerca dos argumentos que defende, em tom
de 10% em relação aos 344 casos do ano anterior. imperativo.
1. Na função emotiva da linguagem, o emissor revela suas emoções e ­opiniões, utilizando Alternativa b: o discurso direto não é característica determinante de uma função espe-
a primeira pessoa do singular. É o caso dos versos apresentados, nos quais o eu lírico fala cífica.
de si mesmo e sobre suas experiências e emoções. As demais alternativas representam Alternativa c: característica predominante da função metalinguística.
20 características de outras funções da linguagem, não aplicáveis a esse texto, a saber: Alternativa d: característica determinante da função fática.
Alternativa a: característica predominante da função referencial.

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-016-034-LA-M001.indd 20 7/16/15 3:49 PM


2. Por apresentar a definição do termo “latrocínio”, o autor faz uso da função metalinguística, ou seja, Alternativa c: incorreta. A função fática predominaria caso o autor tivesse usado recursos que dialogam
utiliza a linguagem para explicar a própria linguagem. com o leitor, o que não aconteceu nesse parágrafo.
Alternativa b: incorreta. Apesar de ser uma tentativa de convencer o leitor a respeito de um ponto de Alternativa d: incorreta. Não predomina a subjetividade, tampouco uma visão intimista sobre o tema,
vista, o autor não o faz em tom imperativo, sobretudo nesse parágrafo. pois o autor apresenta dados objetivos para exemplificar seu ponto de vista.
c) Fática – o autor do texto dialoga com o leitor, in- plano militar “de ordenamento e uso”, e a nova
tercalando frases específicas para manter esse e iminente desvalorização da moeda (o bolívar)
contato por meio do parágrafo, intentando mais nada mais será do que um “mecanismo cambial
manter a conversa do que informar. alternativo”.
d) Expressiva – o autor expressa, no texto, a subjeti- O delírio chavista se transformou em pura
vidade com que se posiciona sobre os fatos trata- nitroglicerina política. É daquelas situações em
dos, com um teor intimista em que não pode ser cujo epílogo, como costuma dizer Maduro, pode
constatada a objetividade na argumentação. não restar “pó sobre pó”.
(José Casado. Disponível em: http://oglobo.globo.com/
3.
(UERN) mundo/po-sobre-po-11255432.)

Pó sobre pó A linguagem é utilizada com diferentes propósitos,


É da Venezuela o novo recorde mundial de que moldam a maneira como o discurso é construído.
inflação: os preços ao consumidor subiram 56,2% Considerando o objetivo do texto, bem como a for-
no ano passado, informa o Banco Central local. Ou ma como as informações que nele convergem são
seja, avançaram em ritmo nove vezes superior aos articuladas, que função da linguagem predomina
brasileiros no mesmo período. no texto? 3. O autor apresenta dados objetivos a respeito da
Significa forte corrosão da economia, com o a) Fática. economia da Venezuela e faz uma análise desses
consequente empobrecimento da maioria dos 30 dados, emitindo uma opinião a respeito da política
b) Emotiva. do país. A função referencial se caracteriza justa-
milhões de venezuelanos, que habitam um emi- mente por essa exposição de dados objetivos.
rado petrolífero e vivem numa época de petróleo c) Referencial.
vendido a US$ 90 o barril (valia US$ 30 em 2002). d) Metalinguística.
A inflação venezuelana disparou, e em velo-
cidade maior do que se observa em países cujos
4.
(Mack-SP)
ditadores optaram pela guerra civil, na tentativa
de preservar seu poder, como acontece na Síria Poema Tirado de uma Notícia de Jornal
de Bashar al-Assad (49,5%) e no Sudão de Omar
João Gostoso era carregador de feira livre e
al-Bashir (37,1%).
 [morava no morro da
O cenário piora. Esse aumento (56,2%) nos
Babilônia num barracão sem número
preços ao consumidor de 2013 representa quase
o triplo da taxa registrada na Venezuela no ano Uma noite ele chegou no bar Vinte de
anterior (20,1%). É a média geral. Em alimentos e [Novembro
bebidas a alta de preços foi muito maior: 79,3%, Bebeu
na média do setor, conforme dados do Banco
Central. Cantou
É obra da administração Nicolás Maduro. Des- Dançou
de dezembro de 2012, quando o caudilho Hugo Depois se atirou na lagoa Rodrigo de Freitas
Chávez se submeteu a uma cirurgia da qual não se  [e morreu afogado.
recuperou, Maduro conduz o condomínio ditatorial Manuel Bandeira
chavista, em sociedade com Diosdado Cabello,
presidente da Assembleia Nacional. A partir de “Poema tirado de uma notícia de jornal” é
O desastre só é proporcional aos tropeços lin- correto afirmar que:
guísticos do folclórico presidente. Segundo ele, a) o texto poético é formado por frases imperativas,
os empresários “roubam como nós” e o governo típicas do gênero jornalístico.
tem de enfrentar a escassez de alimentos agindo
como Cristo “que multiplicó los penes”. b) a função emotiva da linguagem é predominante no
texto poético, o que amplia a sensação de dor do
A história ensina que a intolerância social
leitor quando da morte de João Gostoso.
com altas taxas de inflação costuma ser mortal
aos governos politicamente falidos. Ensina, tam- c) o poema é composto apenas por um ponto final,
bém, que a única alternativa é a negociação. No indicador do desapego linguístico dos poetas da
caso da Venezuela, tal possibilidade parece cada Primeira Geração do Modernismo brasileiro.
dia mais remota porque seus governantes, como d) o relato dos acontecimentos, de forma impes-
disse Cabello dias atrás, julgam que a palavra soal, aproxima o poema do gênero jornalístico
negociação funciona na política como sinônimo
Questões de vestibular

tradicional.
de capitulação: “Nós não vamos cair na chanta-
e) a função expressiva da linguagem é predominante
gem do diálogo”.
no texto poético, o que reafirma a condição social
Na ausência de Chávez, o mestre da ilusão de João Gostoso.
do “socialismo do século XXI”, Maduro e Cabello
tentam moldar a dura realidade com exercícios
de contorcionismo linguístico sobre a arte da 5.
(Acafe-SC) A alternativa em cujo texto a função esté-
incompetência. Nele, a escassez de alimentos tico-literária prevalece sobre a função referencial é:
em todo o país é resultado da “sabotagem inten- a) “Me pegue pelos cabelos, sinta meu cheiro,
cional e internacional”; os apagões diários nas me jogue pelo ar, me leve pro seu banheiro…”
cidades, prometem, serão derrotados com um acabou de entrar. Sempre usa um provérbio,
4. O texto jornalístico é caracterizado pelo uso da função referencial da linguagem, que, por sua vez, tem como principal objetivo levar informações ao conhecimento do leitor. Ao transpor uma no-
tícia de jornal para o poema, Bandeira experimenta a função referencial na poesia (gênero geralmente caracterizado pela função poética). Importante notar que não há exposição de sentimentos
em relação ao fato ocorrido, mas apenas a sua descrição (o que elimina a alternativa b). São incorretas também a alternativa a (não há frases imperativas no texto), a c (a ausência de pontuação é
uma escolha estilística para denotar a rápida e ininterrupta sequência de fatos) e a e (não há predomínio da função expressiva, embora a ausência dela tenha colaborado para o sentido do texto). 21

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-016-034-LA-M001.indd 21 7/16/15 3:50 PM


5. A função estético-literária está presente no trecho da alternativa a por conter expressões com sentido conotativo, como “Me pegue pelos cabelos, sinta meu cheiro, me jogue pelo ar
[...]”, “um tapa na macaca” e “pra fazer o servicinho”, enfocando, dessa forma, os sentimentos e as emoções de quem está sendo retratado(a). Já nas demais alternativas, predomina
a função referencial – com emprego de palavras no seu sentido habitual, cotidiano –, cuja finalidade é transmitir informações objetivas ao leitor.
trecho de música ou nick sedutores. Adora usar 7.
(UEM-PR)
trechos de funk ou pagode com duplo sentido.
Está há 6 meses sem dar um tapa na macaca O Verbo For
e está doida pra arrumar alguém pra fazer o João Ubaldo Ribeiro
servicinho.
1 Vestibular de verdade era no meu tempo. Já
b) Depois da reforma que atualizou suas estrutura estou chegando, ou já cheguei, à altura da vida
e instalações, e com a proposta de se estabele- em que tudo de bom era no meu tempo; meu e
cer como polo de debate e difusão de cultura e dos outros coroas. […] O vestibular, é claro, ja-
pensamento, o Teatro Ágora reiniciou suas ativi- 5 mais voltará ao que era outrora e talvez até de-
dades no fim de setembro. Para marcar a reinau- sapareça, mas julgo necessário falar do antigo às
guração, o espetáculo inédito “Teatro Nosso de novas gerações e lembrá-lo às minhas coevas (ao
Cada Dia”, com o ator e diretor Celso Frateschi, dicionário outra vez; domingo, dia de exercício).
e o “Homem que Fala”, dos Doutores da Alegria, O vestibular de Direito a que me submeti,
estão na programação. 10 na velha Faculdade de Direito da Bahia, tinha
c) Se você gosta de usar a criatividade na hora de só quatro matérias: português, latim, francês ou
se vestir, chegou a hora de se identificar! Mesmo inglês e sociologia, sendo que esta não consta-
sem ter muito dinheiro, Tatiana Alvim sempre va dos currículos do curso secundário e a gente
teve estilo de sobra! Fã de calças, saias e shorti- tinha que se virar por fora. Nada de cruzinhas,
nhos jeans, a gata deixa a peça básica a sua cara 15 múltipla escolha ou matérias que não interes-
ao combinar tudo com t-shirts de estampas mo- sassem diretamente à carreira. Tudo escrito tão
dernas, unhas coloridas e acessórios descolados. ruybarbosianamente quanto possível […].
Facinho de copiar e usar! Havia provas escritas e orais. […] Tirava-se
o ponto (sorteava-se o assunto) e partia-se para
d) Segundo a sinopse oficial, “Tatuagem” revisita o 20 o martírio, insuperável por qualquer esporte ra-
cinema novo, “flertando com o experimentalis-
dical desta juventude de hoje. A oral de latim
mo do super-8 da década de 70 no Brasil e dialo-
era particularmente espetacular, porque se jun-
gando com o cinema contemporâneo”. A primei- tava uma multidão, para assistir à performance
ra produção ficcional de Hilton Lacerda procura do saudoso mestre de Direito Romano Evandro
jogar luz sobre a história e a cinematografia de 25 Baltazar da Silveira. Franzino, sempre de colete
um país e abrir uma brecha para vislumbrar uma e olhar vulpino (dicionário, dicionário), o mestre
das faces mais interessantes e complexas do Bra- não perdoava.
sil: a história que nasce na marginalidade dos
[…]
acontecimentos.
− Ai, minha barriga! − exclamava ele. − Deus,
30 oh Deus, que fiz eu para ouvir tamanha asnice?
6.
(Unisc-RS) Que pecados cometi, que ofensas Vos dirigi? Sal-
“O POETA (por trás de uma rua minada de vai essa alma de alimária. Senhor meu Pai!
seu rosto perdido nela) Pode-se imaginar o resto do exame. […]
– Só quisera trazer pra meu canto o que pode Comigo, a coisa foi um pouco melhor, eu fala-
ser carregado como papel pelo vento” 35 va um latinzinho e ele me deu seis, nota do mais
alto coturno em seu elenco. […]
(BARROS, Manoel. “A máquina de chilrear e seu
uso doméstico”In: Gramática expositiva do chão. Eu dei show de português e inglês. O de
Rio de Janeiro: Record, 1999.) português até que foi moleza, em certo senti-
do. O professor José Lima, de pé e tomando
Sobre o fragmento do poema, podemos afir- 40 um cafezinho, me dirigiu as seguintes palavras
mar que: aladas:
I. o poema fala do fazer poético ao associar o “can- − Dou-lhe dez, se o senhor me disser qual é
to” à poesia. o sujeito da primeira oração do Hino Nacional!
− As margens plácidas − respondi instanta-
II. o poema expõe o contexto de uma guerra civil,
45 neamente e o mestre quase deixa cair a xícara.
espaço urbano onde o POETA se perde.
− Por que não é indeterminado, “ouviram, etc.”?
III. o “papel” ao “vento” pode ser tomado como me-
táfora das palavras que o poeta recolhe e traz − Porque o “as” de “as margens plácidas”
para o poema. não é craseado. Quem ouviu foram as margens
plácidas. É uma anástrofe, entre as muitas que
IV. há a presença de metalinguagem no poema, pois 50
existem no hino. “Nem teme quem te adora a
ele fala do fazer poético. própria morte”: sujeito: “quem te adora”. Se pu-
Assinale a alternativa correta. sermos na ordem direta…
a) Somente a afirmativa I está correta. − Chega! − berrou ele. − Dez! Vá para a gló-
b) Somente a afirmativa II está correta. ria! A Bahia será sempre a Bahia!
55
c) Somente a afirmativa III está correta. Quis o irônico destino, uns anos mais tar-
de, que eu fosse professor da Escola de Admi-
d) Somente as afirmativas I e III estão corretas. nistração da Universidade Federal da Bahia e
e) Somente as afirmativas I, III e IV estão corretas. me designassem para a banca de português,
6. Afirmativa I: correta. Nesse fragmento, há a associação entre “canto” e “poesia”, aquilo que ele absorve do mundo exterior para compor seus poemas.
tendo em vista que a poesia nasceu da música. No poema, “canto” tem duplo sentido, Afirmativa IV: correta. O poema trata do fazer poético quando o eu lírico declara o que
podendo significar tanto a poesia como o lugar em que o poeta está. deseja trazer para o seu “canto”, ou seja, para sua poesia, caracterizando, assim, a me-
22 Afirmativa II: incorreta. Não há elementos no poema que simbolizem uma guerra. talinguagem.
Afirmativa III: correta. O “vento” que traz o “papel” para o “canto” do poeta representa

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-016-034-LA-M001.indd 22 7/16/15 3:51 PM


7. 01. Falsa. Trata-se de uma informação objetiva, sem apelo às emoções. 08. Falsa. Não há metalinguagem no trecho, especialmente porque o autor não está tratando da
02. Verdadeira. A fala do professor citado revela seus sentimentos, por isso, a função emotiva. construção do próprio texto, mas sim relatando um fato que aconteceu.
04. Verdadeira. O verbo “chega!” está no modo imperativo. Reforçado pelo ponto de exclama- 16. Verdadeira. O autor relata situações que viveu em provas de vestibulares, como aluno e pro-
ção, demonstra uma ordem do professor, caracterizando, portanto, a função conativa ou apelativa. fessor. Os relatos, apesar de fazerem parte da experiência do autor, são narrados objetivamente.

60
com prova oral e tudo. […] Uma bela vez, che-
gou um sem o menor sinal de nervosismo, mui-
Linguagem literária
to elegante, paletó, gravata e abotoaduras vis-
tosas. […] Esse mal sabia ler, mas não perdia 1.
(UEPG-PR)
a pose. Não acertou a responder nada. Então, Prova de amor
eu, carrasco fictício, peguei no texto uma ­frase
65 em que a palavra “for” tanto podia ser do ver- “Meu bem, deixa crescer a barba para me
bo “ser” quanto do verbo “ir”. Pronto, pensei. agradar”, pediu ele.
Se ele distinguir qual é o verbo, considero-o E ela, num supremo esforço de amor, come-
um gênio, dou quatro, ele passa e seja o que çou a fiar dentro de si e a laboriosamente expelir
Deus quiser. aqueles novos pelos, que na pele fechada feriam
70 − Esse “for” aí, que verbo é esse? caminho.
[…] Mas quando, afinal, doce barba cobriu-lhe o
rosto, e com orgulho expectante entregou sua
− Verbo for.
estranheza àquele homem: “Você não é mais a
− Verbo o quê? mesma”, disse ele.
− Verbo for. E se foi.
75 − Conjugue aí o presente do indicativo desse Adaptado de: COLASANTI, Marina. Contos de amor rasgados.
verbo. Rio de Janeiro, Rocco, 1986. p.165.
− Eu fonho, tu fões, ele fõe − recitou ele impá-
vido. − Nós fomos, vós fondes, eles fõem. Com relação ao texto, assinale o que for correto.
Não, dessa vez ele não passou. Mas, se per- 01. Por meio da linguagem literária, a autora cria
80 severou, deve ter acabado passando […], devi- uma situação fictícia para analisar as relações
damente diplomado, ele deve estar fondo para humanas.
quebrar. Fões tu? Com quase toda a certeza, não.
Eu tampouco fonho. Mas ele fõe. 02. O texto é um exemplo de texto literário em prosa.
04. Com o desfecho, mostra-se a decepção do homem
(Esta crônica, ora adaptada, integra o livro O conselheiro come.
Rio de Janeiro: Ed. Nova Fronteira, 2000, disponível em:
com a falta de amor da mulher por ele.
<http://releituras.com/joaoubaldo_overbofor.asp>.) 08. Pela característica idealizada das personagens
do texto, pode-se afirmar que a autora Marina
Colasanti foi uma das principais autoras do
Coevas (coevo): tempo passado, passagens retrógradas.
Romantismo brasileiro.
Coturno: elenco dos melhores dentre um grupo.
Soma: 03 (01 + 02)
Vulpino: relativo à raposa; ardiloso; astuto.

2.
(UERJ)
Sobre as funções de linguagem presentes no texto
de João Ubaldo Ribeiro, assinale a(s) alternativa(s) Por que ler?
correta(s). Certas coisas não basta anunciar, como uma
01. Em “Havia provas escritas e orais” (linha 18), verdade que deve ser aceita por si só. Precisamos
evidencia-se a função poética de linguagem, mar- dizer o porquê. Se queremos fazer os brasileiros
cada expressamente pelo registro do substantivo lerem mais de um livro por ano, essa trágica mé-
“provas”.
5 dia nacional, precisamos de fato conquistar o seu
interesse.
02. Em “Ai, minha barriga!” (linha 29), tem-se a
Listo os três benefícios fundamentais que a
função emotiva da linguagem, expressa pela
leitura pode trazer.
interjeição “Ai” e pelo pronome possessivo
“minha”. O primeiro: ler nos faz mais felizes. É um ca-
10 minho para o autoconhecimento, e o exercício
04. Em “Chega! − berrou ele.” (linha 53), há a fun- constante de autoconhecimento é um caminho
ção conativa ou apelativa da linguagem, ex- para a felicidade. A vida, também no plano indi-
pressa no imperativo da forma verbal “­Chega!”, vidual, é mais intensa na busca. Os personagens
­r eafirmada pelo ponto de exclamação que de um livro de ficção, os fatos de um livro-repor-
­revela uma ordem do professor “José Lima” tagem, as ideias de um livro científico, interagem
Questões de vestibular

15
(linha 39) ao candidato João Ubaldo Ribeiro. com os nossos sentimentos, ora refletindo-os, ora
08. Há uso da função metalinguística de lingua- agredindo-os, e portanto servindo de parâmetro
gem, devido ao uso de figuras de linguagem, para sabermos quem somos, seja por identidade
na sequência “peguei no texto uma frase” ou oposição.
(linha 64). 20 O segundo benefício: ler nos torna amantes
16. A função referencial da linguagem perpassa melhores. Treina nossa sensibilidade para o con-
todo o texto, centrada no assunto “vestibular”. tato com o outro. Amores românticos, amores
carnais, amores perigosos, amores casuais, amo-
res culpados, todos estão nos livros. A sensibili-
Soma: 22 (02 + 04 + 16) 25 dade do leitor encontra seu caminho. E quanto
1. 01. Correta. Por meio da linguagem literária, em que prevalece a subjetividade, a autora cria uma situação 04. Incorreta. É exatamente o contrário: a mulher mostrou-se dedicada ao homem, mudando sua aparência
fictícia – em que uma mulher “gera” uma barba por amor a um homem – para analisar de forma poética as para agradá-lo. Ele é que se decepcionou com o resultado dessa transformação.
relações humanas. 08. Incorreta. Não há idealização das personagens, portanto o texto não é característico
02. Correta. O fragmento de Marina Colasanti é um texto em prosa – por estruturar-se em parágrafos –, além de da escola romântica. 23
ser tipicamente literário, já que emprega a função poética da linguagem, caracterizada pela presença da conotação.

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-016-034-LA-M001.indd 23 7/16/15 3:53 PM


3. Ao escrever “estórias”, a autora invoca aquilo que ela conheceu na infância, pois “estória” está relacionada a uma
2. O autor defende explicitamente no trecho descrito na alternativa b que os livros nos narrativa de cunho popular, geralmente transmitida oralmente de geração a geração, ao contrário de “história”, que
tornam pessoas melhores porque nos dão a chance de observar, do lado de fora do con- seria mais uma enumeração de dados, levantados pela comprovação de sua veracidade. O comprometimento com a
flito, pontos de vista distintos dos nossos, nos ensinando a nos colocar no lugar do outro verdade absoluta, portanto, é da “história” e não da “estória”. (A palavra “estória” é considerada um arcaísmo e,
e consequentemente a praticar a tolerância. embora registrada nos dicionários, está em desuso.)
mais o nosso imaginário estiver arejado pelas 4.
(Cefet-MG) A questão a seguir refere-se ao livro Nova
infinitas opções que as histórias escritas nos antologia poética, de Vinicius de Moraes.
oferecem, sejam elas factuais ou ficcionais, com
mais delícia aproveitamos os bons momentos do Soneto de separação
30 amor, e com mais calma enfrentamos os maus. De repente do riso fez-se o pranto
Por fim: ler nos torna cidadãos melhores. Os Silencioso e branco como a bruma
livros propiciam ao leitor um ponto de vista pri-
E das bocas unidas fez-se a espuma
vilegiado, de onde observa conflitos de interes-
ses. No processo, sua consciência é estimulada E das mãos espalmadas fez-se o espanto.
35 a se posicionar com equilíbrio. Tendem a ga-
nhar forma, então, princípios de “honestidade”, De repente da calma fez-se o vento
“honra”, “justiça” e “generosidade”. Guiado por
Que dos olhos desfez a última chama
estes valores, o leitor pode enfim ultrapassar as
fronteiras sociais, e ver a humanidade presente E da paixão fez-se o pressentimento
40 em todos os tipos, em todas as classes. E do momento imóvel fez-se o drama.
Teríamos menos escândalos de corrupção, se
lêssemos mais; construiríamos uma sociedade
De repente, não mais que de repente
menos injusta, se educássemos melhor os nos-
sos espíritos; eu acredito nisso. Fez-se de triste o que se fez amante
Rodrigo Lacerda. E de sozinho o que se fez contente.
Adaptado de rodrigolacerda.com.br
Fez-se do amigo próximo o distante
O texto do escritor Rodrigo Lacerda sugere que, por
meio da literatura, o leitor pode acompanhar pers- Fez-se da vida uma aventura errante
pectivas diferentes da própria. De repente, não mais que de repente.
O trecho que explicita o contato do leitor com pers- Oceano Atlântico, a bordo do Highland Patriot, a caminho da Inglaterra, setembro de 1938.
pectivas distintas é:
a) A vida, também no plano individual, é mais inten- Sobre os recursos de linguagem empregados na cons-
sa na busca. (L. 12 - 13) trução do poema, afirma-se:
b) Os livros propiciam ao leitor um ponto de vista I. As semelhanças sonoras entre palavras como
privilegiado, de onde observa conflitos de interes- “espalmadas” e “espanto”, “branco” e “bruma”
ses. (L. 32-33) exemplificam o uso de aliterações no texto.
c) Tendem a ganhar forma, então, princípios de “ho- II. A repetição, ao longo do poema, da expressão
nestidade”, “honra”, “justiça” e “generosidade”. “de repente”, acentua a ideia do espanto trazido
(L. 35-37) pela separação.
d) construiríamos uma sociedade menos injus- III. O uso de algumas antíteses no texto demonstra
ta, se educássemos melhor os nossos espíritos; o contraste entre os momentos antes e depois da
(L. 42-44) separação.
IV. No primeiro verso da segunda estrofe, a palavra
“vento” metaforiza a tranquilidade anterior à
3.
(UEG-GO) Leia o excerto abaixo.
separação.
CASA VELHA DA PONTE… Velho documen-
tário de passados tempos, vertente viva de estó- Estão corretas apenas as afirmativas:
rias e de lendas. Gerações de rolinhas fogo-pagô a) I e II.
descantam teus anos jubilosos, desfilando nas b) I e IV.
altas cumeeiras.
c) III e IV.
CORALINA, Cora. Estórias da casa velha da ponte. d) I, II e III.
São Paulo: Global. p. 8-9.
e) II, III e IV.
No contexto da prosa poética praticada por Cora Co-
ralina, a utilização da palavra “estórias” com “e” e 5.
(UEMG)
não com “h” indica que a poetisa: Palavras de amor
a) acredita que o passado só pode ser redescoberto e Contardo Calligaris
reescrito por meio da expressão poética.
b) defende, retomando Aristóteles, que a prática Os sentimentos funcionam como picadas de
­poética é mais completa do que a narrativa histórica. mosquito, que coçamos e recoçamos até que se
tornem feridas infectadas e, às vezes, septice-
c) estabelece que pretende unificar os conceitos de
mias generalizadas (quem sabe fatais). Salvo um
estória, história, lenda e documento por meio
exercício difícil de autocontrole, qualquer picada
de sua poesia. pode adquirir uma relevância desmedida: a gen-
d) pretende enfocar o passado conforme suas memó- te tende a se coçar muito além da conta porque
rias, sem a pretensão de estabelecer uma verdade descobre que se coçar não é um alívio, mas um
absoluta. prazer autônomo em si.
4. Afirmativa I: verdadeira. A aliteração consiste na repetição de sons consonantais, Afirmativa III: verdadeira. A antítese é a figura de linguagem que consiste na apre-
tal como acontece em “espalmada/espanto” e “branco/bruma”. sentação de termos de sentidos opostos, tal como acontece em “riso/pranto”, “cal-
Afirmativa II: verdadeira. “De repente” significa que algo aconteceu de uma hora ma/vento”, “triste/contente” e “próximo/distante”.
24 para a outra, sem que os envolvidos esperassem por isso. Sua reiteração ao longo do
poema reforça o fato de que a separação amorosa aconteceu de forma inesperada.
Afirmativa IV: falsa. A palavra “vento” metaforiza a falta de tranquilidade decorrente
da separação, já que foi empregada em oposição à “calma”.

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-016-034-LA-M001.indd 24 7/16/15 3:54 PM


Por isso mesmo, em geral, não confio nos sen- Lancelote venera seu rei Artur, mas se apaixo-
timentos – nem nos meus, nem nos dos outros. na pela rainha. E, em geral, os poetas do amor
Não é que eu supunha que os humanos mintam cortês amam damas casadas (e frequentemente
quando amam, odeiam ou se desesperam no fiéis a seus senhores, aliás).
luto. Nada disso. A França é, para Yalom, a pátria do amor. Não
Apenas verifico que os sentimentos, em ge- só pela riqueza de sua literatura, mas justamen-
ral, são condições autoinduzidas: transtornos te porque, na cultura francesa, do amor cortês
ou desvios produzidos pelos próprios indivídu- do século 12 até as conversas das preciosas nos
os, que, se não procuram sarnas para se coçar salões parisienses do século 17 (que Molière ridi-
(como diz o ditado), no mínimo adoram coçar as cularizava, mas também admirava), amar é, an-
sarnas que eles têm. Detalhe: coçando, aumenta tes de mais nada, uma arte de dizer, de ser efeito
o prurido, assim como aumentam a vontade e o das próprias palavras que usamos ao declarar e
prazer de se coçar. descrever nosso sentimento.
Tomemos o exemplo do amor. Eu encontro, Alguns acham que falta amor em sua vida.
conheço ou vislumbro de longe alguém que pre- Como Emma Bovary ou Anna Kariênina (extraor-
enche algumas condições básicas para que eu dinária a tradução de Rubens Figueiredo, pela Co-
goste dela. Sussurrando entre quatro paredes ou sac Naify), temem que, sem amor, sua vida nunca
gritando em praça pública, anotando no meu di- chegue a ter a dignidade de um romance. A eles,
ário ou escrevendo para grandes editoras, passo recomendo paciência: os tempos mudam, e talvez
a encher o ar ou as páginas com as descrições se afirme hoje, aos poucos, uma retórica nova,
da beleza inigualável de minha amada e com as menos sentimental, capaz de dar valor literário a
declarações hiperbólicas de meu sentimento. uma vida sem amores e paixões.
Claro, minha prosa ou poesia poderão, quem Outros se queixam dos estragos que o exces-
sabe, conquistar meu objeto de amor, mas esse so de amor faz em sua vida. Aqui a cura é sim-
é um efeito colateral. O efeito mais importante ples: eles não vão acreditar, mas basta se calar
(e esperado) de minhas palavras de amor não um pouco, assim como é suficiente não se coçar
é tanto o de seduzir o objeto de meus sonhos, para que as picadas de mosquito parem de in-
mas o de eu me apaixonar cada vez mais. Pois comodar.
a intensidade do meu amor será diretamente
(www.folha.uol.com.br/colunas. Acesso: 9/8/2013.)
proporcional à insistência e virulência de minhas
declarações. A passagem a seguir foi retirada da obra A mão e a
Em linguística, chamamos performativas luva, de Machado de Assis.
aquelas expressões que, ao serem proferidas, Estêvão, que não tirava os olhos dela, men-
constituem o fato do qual elas falam. Exemplo talmente pedia ao céu a fortuna de a ter mais
clássico: um chefe de Estado dizendo “Declaro próxima, e ansiava por vê-la chegar à rua que lhe
a guerra” – essa frase é a própria declaração de ficava diante. Contudo, era difícil que lhe pare-
guerra.
cesse mais formosa do que era, vista assim de
Dizer que sou apaixonado, que odeio ou que perfil, a escapar por entre as árvores. O jovem
me desespero no luto talvez não sejam propria- bacharel, para não perder o sestro dos primeiros
mente performativos. Mas se trata, no mínimo, tempos, avocava todas as suas reminiscências
de semiperformativos, ou seja, talvez os senti- literárias; a desconhecida foi sucessivamente
mentos existam antes de serem declarados, mas comparada a um serafim de Klopstock, a uma
eles só crescem e tomam conta da gente na hora fada de Shakespeare, a tudo quanto na memória
de serem ditos, descritos e contados – na hora de dele havia mais aéreo, transparente, ideal.
sua declaração, pública ou privada.
A situação narrada nessa passagem corrobora as
Há três razões pelas quais o amor é absoluta-
ideias defendidas no texto Palavras de amor, na me-
mente indissociável da literatura amorosa. A pri-
meira é que a gente aprende a amar e a declarar
dida em que:
o amor pela literatura. A segunda é que o amor a) evidencia que as palavras de amor distanciam o
se tornou relevante em nossa vida à força de ser amante do objeto de seus sonhos.
descrito e idealizado pela literatura. A terceira b) contém uma retórica nova, capaz de dar valor lite-
é que o amor, como sentimento, é um efeito das rário a uma vida sem amores.
palavras que o expressam: a literatura nos insti-
ga a amar tanto quanto nossas próprias declara-
c) contesta a ideia de que obras literárias fazem alu-
são a histórias de amor não correspondido.
Questões de vestibular

ções amorosas.
Acabo de terminar a prazerosa leitura de d) exemplifica que o amor se vincula a descrições e
“Como os Franceses Inventaram o Amor” (edi- idealizações presentes na literatura.
tora Prumo). Nele, Marilyn Yalom percorre a lite-
ratura francesa e revela que ela é um repertório 6.
(UERJ)
completo do amor.
A coisa começa com o triângulo amoroso, que Porque a realidade é inverossímil
não é um acidente ou um imprevisto do amor; Escusando-me1 por repetir truísmo2 tão
ao contrário, o amor começa, mil anos atrás, com martelado, mas movido pelo conhecimento de
o triângulo amoroso. Tristão escolta Isolda, a que os truísmos são parte inseparável da boa
futura esposa de seu tio, e se apaixona por ela. retórica narrativa, até porque a maior parte
5. Segundo Calligaris,os sentimentos só podem ser, de fato, sentidos quando são “colocados para fora”, ou seja, quando são expressos por meio de pala-
vras, e aponta que “o amor, como sentimento, é um efeito das palavras que o expressam”. Essa ideia também está presente no fragmento de A mão e a luva, de
Machado de Assis, quando o personagem Estêvão recorre a “reminiscências literárias” para que seja capaz de admirar toda a beleza de sua amada.
25

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-016-034-LA-M001.indd 25 7/16/15 3:55 PM


6. A resposta encontra-se no último período do texto, quando o autor diz que
lemos ficção “porque o absurdo da vida é insuportável para a vastidão dos desva-
lidos que povoa a Terra”.
das pessoas não sabe ler e é no fundo muito de São Paulo. Weiss cresceu comparando o ros-
ignorante, rol no qual incluo arbitrariamente to do pai ao desenho pendurado na sala de casa.
você, repito o que tantos já dizem e vivem Mas logo Joe Shuster, que foi seu principal de-
repetindo, como quem usa chupetas: a rea- senhista, acabaria cedendo espaço para novos
lidade é, sim, muitíssimo mais inacreditável cartunistas, que adaptaram a figura aos fatos
do que qualquer ficção, pois esta requer uma correntes.
certa arrumação falaciosa 3, a que a maioria dá “Essa mudança é o segredo do Superman.
o nome de verossimilhança. Mas ocorre preci- Cada época precisa de um herói só seu, e ele
samente o oposto. Lê-se ficção para fortalecer sempre pareceu ser o cara certo”, diz Larry Tye,
a noção estúpida de que há sentido, lógica, considerado o maior estudioso do personagem.
causa e efeito lineares e outros adereços que “Nos anos 1930, ele tiraria a América da Grande
integrariam a vida. Lê-se ficção, ou mesmo Depressão. Nos anos 1940, era duro com os na-
livros de historiadores ou jornalistas, por in- zistas. Nos anos 1950, lutou contra a onda ver-
segurança, porque o absurdo da vida é insu- melha do comunismo.” E foi mudando de cara
portável para a vastidão dos desvalidos que de acordo com a função.
povoa a Terra.
Invenção dos judeus Jerry Siegel e Joe
João Ubaldo Ribeiro. Diário do Farol. Rio de Janeiro: Shuster, Superman também é visto como um
Nova Fronteira, 2002. paralelo da história de Moisés, a criança exilada
que cresce numa terra estrangeira e depois se
1 
escusando-me − desculpando-me. apresenta como um salvador. A aparência é um
misto do também personagem bíblico Sansão,
2
 truísmo − verdade trivial, lugar comum. do deus grego Hércules e de acrobatas de circo.
3
 falaciosa − enganosa, ilusória. Mas há quem atribua, até hoje, a dualidade do
personagem, que se alterna entre o nerd3 indefe-
O título do texto soa contraditório, se a verossi- so, tímido e de vista fraca (como Joe Shuster) e
um super-herói possante, à origem judaica dos
milhança for tomada como uma semelhança com
seus criadores.
o mundo real, com aquilo que se conhece e se
compreende. “É o estereótipo judeu do homem fraco, tími-
do e intelectual que depois se revela um grande
Essa contradição se desfaz porque, na interpretação herói”, diz Harry Brod, autor do e-book Superman
do autor, a ficção organiza elementos da vida, en- Is Jewish? (Superman é judeu?), lançado nos
quanto a realidade é considerada como: E.U.A. em novembro passado. “Ele é a versão
a) linear. moderna de Moisés: um bebê de Krypton envia-
b) absurda. do à Terra, que desenvolve superpoderes para
salvar o seu povo.”
c) estúpida.
Segundo Brod, a analogia é tão nítida que
d) falaciosa. os nazistas chegaram a discutir a suposta re-
lação em revistas de circulação interna do re-
7.
(UERJ) gime. Mas, para ele, Hollywood e o tempo su-
avizaram o paralelo, transformando Superman
Superman: 75 anos
numa releitura de Jesus Cristo. “Sua figura
Não era um pássaro nem um avião. O foi se tornando mais cristã com o tempo”, diz
verdadeiro Superman era um pacato conta- Brod. “Não importa a religião. A ideia de um
dor passando férias num resort1 ao norte de fracote que se torna um herói não deixa de ser
Nova York. uma fantasia universal.”
Joe Shuster, um dos criadores do persona- Silas Martí. Adaptado de folha.uol.com.br, 03/03/2013.
gem, junto com Jerry Siegel, descansava na
colônia de férias quando encontrou Stanley 1 
resort − hotel com área de recreação.
Weiss, jovem de rosto quadrado e porte atléti-
co, que ele julgou ser a encarnação do herói. Lá
2
 púbere − adolescente.
mesmo, pediu para desenhar o moço que servi- 3
 nerd − pessoa muito estudiosa.
ria de modelo para os quadrinhos dali em dian-
te. Só neste ano, esses desenhos estão vindo “Não era um pássaro nem um avião.” (l. 1)
à tona nos E.U.A., como parte das atividades
comemorativas dos 75 anos do personagem. A primeira frase do texto remete às perguntas feitas
Embora tenha mantido a aparência de rapa- por personagens que observavam intrigados o voo
gão musculoso, Superman não foi o mesmo ao do Super-homem em suas muitas histórias: É um
longo dos anos. Nos gibis, oscilou entre mais e pássaro? É um avião? Não! É o Super-homem!
menos sarado. Na TV, já foi mais rechonchudo, Essa primeira frase configura um recurso da lingua-
até reencarnar como o púbere2 Tom Welling, gem conhecido como:
7. A intertextualidade é a relação que
da série de TV “Smallville”. a) ironia. se estabelece entre um texto e outro
“Desde pequeno eu sabia que Superman b) designação.
por meio de elementos comuns aos dois.
não existia. Mas também sabia que meu pai era No caso, a retomada de expressões dos
c) verossimilhança. quadrinhos evoca a figura do Superman,
o verdadeiro Superman”, brincou David Weiss, servindo de introdução para um texto
filho do modelo do herói, em entrevista à Folha d) intertextualidade. que vai falar sobre o herói.

26

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-016-034-LA-M001.indd 26 7/15/15 10:35 AM


Funções e gêneros da literatura quando muito, os pontos cardeais, e a terra só
lhe prende a atenção, quando algum sinal mais
particular pode servir-lhe de marco miliário na
1.
(FGV-RJ) estrada que vai trilhando.
Quando Bauer, o de pés ligeiros, se apode-
TAUNAY, Visconde de. Inocência. Disponível em:
rou da cobiçada esfera, logo o suspeitoso Naran- <www.dominiopublico.gov.br/download/texto/bn000002.pdf>.
jo lhe partiu ao encalço, mas já Brandãozinho, Acesso em: 20 set. 2012.
semelhante à chama, lhe cortou a avançada. A
tarde de olhos radiosos se fez mais clara para
contemplar aquele combate, enquanto os agu-
dos gritos e imprecações em redor animavam os Texto 2
contendores. A uma investida de Cárdenas, o de Na planície avermelhada, os juazeiros alarga-
fera catadura, o couro inquieto quase se foi de- vam duas manchas verdes. Os infelizes tinham
positar no arco de Castilho, que com torva face o caminhado o dia inteiro, estavam cansados e
repeliu. Eis que Djalma, de aladas plantas, rom- famintos. Ordinariamente andavam pouco, mas
pe entre os adversários atônitos, e conduz sua como haviam repousado bastante na areia do rio
presa até o solerte Julinho, que a transfere ao seco, a viagem progredira bem três léguas. Fazia
valoroso Didi, e este por sua vez a comunica ao horas que procuravam uma sombra. A folhagem
belicoso Pinga. […] dos juazeiros apareceu longe, através dos galhos
pelados da caatinga rala.
Assim gostaria eu de ouvir a descrição do
jogo entre brasileiros e mexicanos, e a de to- Arrastaram-se para lá, devagar, Sinhá Vitória
dos os jogos: à maneira de Homero. Mas o estilo com o filho mais novo escanchado no quarto e o
atual é outro, e o sentimento dramático se orna baú de folha na cabeça, Fabiano sombrio, cam-
de termos técnicos. baio, o aió a tiracolo, a cuia pendurada numa cor-
reia presa ao cinturão, a espingarda de pedernei-
Carlos Drummond de Andrade,
Quando é dia de futebol. Rio: Record, 2002. ra no ombro. O menino mais velho e a cachorra
Baleia iam atrás.
Ao narrar o jogo entre brasileiros e mexicanos “à ma- Os juazeiros aproximaram-se, recuaram, su-
neira de Homero”, o autor adota o estilo: miram-se. O menino mais velho pôs-se a chorar,
a) épico. sentou-se no chão.
b) lírico. 1. Carlos Drummond de Andrade – Anda, condenado do diabo, gritou-lhe o pai.
adotou o gênero épico, caracteriza-
c) satírico. do pela narração em linguagem re- Não obtendo resultado, fustigou-o com a bai-
buscada de feitos gloriosos de heróis nha da faca de ponta. Mas o pequeno esperneou
d) técnico.
com qualidades quase divinas. acuado, depois sossegou, deitou-se, fechou os
e) teatral. olhos. Fabiano ainda lhe deu algumas pancadas
e esperou que ele se levantasse. Como isto não
2.
(PUC-RJ) acontecesse, espiou os quatro cantos, zangado,
praguejando baixo.
Texto 1 A caatinga estendia-se, de um vermelho in-
Espalham-se, por fim, as sombras da noite. deciso salpicado de manchas brancas que eram
O sertanejo que de nada cuidou, que não ossadas. O voo negro dos urubus fazia círculos
ouviu as harmonias da tarde, nem reparou nos altos em redor de bichos moribundos.
esplendores do céu, que não viu a tristeza a – Anda, excomungado.
pairar sobre a terra, que de nada se arreceia, O pirralho não se mexeu, e Fabiano desejou
consubstanciado como está com a solidão, para, matá-lo. Tinha o coração grosso, queria res-
relanceia os olhos ao derredor de si e, se no la- ponsabilizar alguém pela sua desgraça. A seca
gar pressente alguma aguada, por má que seja, aparecia-lhe como um fato necessário – e a obs-
apeia-se, desencilha o cavalo e reunindo logo tinação da criança irritava-o. Certamente esse
uns gravetos bem secos, tira fogo do isqueiro, obstáculo miúdo não era culpado, mas dificul-
mais por distração do que por necessidade. tava a marcha, e o vaqueiro precisava chegar,
Sente-se deveras feliz. Nada lhe perturba a não sabia onde.
paz do espírito ou o bem-estar do corpo. Nem
RAMOS, Graciliano. Vidas Secas.
sequer monologa, como qualquer homem acos- Rio de Janeiro: Record, 1986, p. 9-10.
tumado a conversar.
Questões de vestibular

Raros são os seus pensamentos: ou reme-


mora as léguas que andou, ou computa as que Texto 3
tem que vencer para chegar ao término da Toda viagem é interior
viagem. embora
No dia seguinte, quando aos clarões da au- por fora
rora acorda toda aquela esplêndida natureza,
se vista o carro ou o trem
recomeça ele a caminhar, como na véspera,
como sempre. e se aprenda a nadar
Nada lhe parece mudado no firmamento: as com o navio
nuvens de si para si são as mesmas. Dá-lhe o Sol, e a voar

27

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-016-034-LA-M001.indd 27 7/15/15 10:35 AM


pelos ares, com as bombas b) Determine o gênero literário predominante no
e os aviões; texto 3, justificando a sua resposta com aspectos
toda viagem que o caracterizam.
se faz por dentro O gênero literário predominante no texto 3 é o lírico, o que pode ser
como as estações
comprovado pela presença do eu lírico, que em tom intimista revela
se fabricam, invisíveis
a partir do vento sentimentos e produz sensações.
silenciosas

como quando um pensamento
muda de tempo e de marcha 
distraído de si, e entra 
em outro clima

com a cabeça no ar:
psiu, míssil, além do som 
e de qualquer mapa

ou guia que desenrolo
míope, sobre a estrada
3.
(PUC-RJ)
que passa
Coração numeroso
sob meu pé-pneumático
Foi no Rio.
sob o célere céu azul
Eu passeava na Avenida quase meia-noite.
do meu chapéu;
Bicos de seio batiam nos bicos de luz estrelas
toda viagem
[inumeráveis.
avança e se alimenta
Havia a promessa do mar
apenas de horizontes
e bondes tilintavam,
futuros, infinitos, vazios
abafando o calor
e nuvens:
que soprava no vento
toda viagem é anterior.
e o vento vinha de Minas.
FREITAS FILHO, Armando. Longa vida.
Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1982, p. 115-6.
Meus paralíticos sonhos desgosto de viver
a) Tomando como base a leitura comparativa dos (a vida para mim é vontade de morrer)
textos 1, 2 e 3, determine o sentido da palavra
faziam de mim homem-realejo imperturbavel-
“viagem” em cada um deles. [mente
na Galeria Cruzeiro quente quente
No texto 1, a palavra “viagem” tem o sentido de deslocamento espacial,
e como não conhecia ninguém a não ser o doce
representando para o personagem a passagem por diferentes paisagens.  [vento mineiro,
nenhuma vontade de beber, eu disse: Acabemos
No texto 2, “viagem” representa a fuga de um lugar hostil, em que se
 [com isso.
espera encontrar um lugar melhor para sobreviver. No texto 3, o sentido
Mas tremia na cidade uma fascinação casas
de “viagem” associa-se ao plano do imaginário, ao interior do indíviduo,
[compridas
ao descobrir-se a si mesmo diante dos diversos lugares visitados durante autos abertos correndo caminho do mar
voluptuosidade errante do calor
a vida.
mil presentes da vida aos homens indiferentes,
 que meu coração bateu forte, meus olhos inúteis
[choraram.


 O mar batia em meu peito, já não batia no cais.


 A rua acabou, quede as árvores? a cidade sou eu
a cidade sou eu

sou eu a cidade
 meu amor.

 ANDRADE, Carlos Drummond de. Reunião.


Rio de Janeiro: José Olympio, 1973, p. 15-6.

28

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-016-034-LA-M001.indd 28 7/15/15 10:35 AM


a) O poema de Carlos Drummond de Andrade nos 4.
(PUC-RJ)
mostra a relação entre a cidade e o eu poético por
meio de uma perspectiva intimista e confessional. Recordação
A partir dessa constatação, determine o gênero Agora, o cheiro áspero das flores
literário predominante no texto, transcrevendo leva-me os olhos por dentro de suas pétalas.
exemplos que justifiquem a sua resposta.
Eram assim teus cabelos;
O texto é representativo do gênero lírico por demonstrar uma relação
tuas pestanas eram assim, finas e curvas.
sentimental do eu poético com o mundo, o que pode ser comprovado

em versos como “Meus paralíticos sonhos desgosto de viver / (a vida As pedras limosas, por onde a tarde ia aderindo,
tinham a mesma exalação de água secreta,
para mim é vontade de morrer)”, “que meu coração bateu forte, meus de talos molhados, de pólen,
olhos inúteis choraram”, “O mar batia em meu peito, já não batia no de sepulcro e de ressurreição.

cais.”.
E as borboletas sem voz
 dançavam assim veludosamente.


Restitui-te na minha memória, por dentro das
 [flores!
Deixa virem teus olhos, como besouros de ônix,

tua boca de malmequer orvalhado,
 e aquelas tuas mãos dos inconsoláveis mistérios,
com suas estrelas e cruzes,

e muitas coisas tão estranhamente escritas
 nas suas nervuras nítidas de folha,
 – e incompreensíveis, incompreensíveis.
MEIRELES, Cecília. Obra poética.
 Rio de Janeiro: José Aguilar Editora, 1972, p.154.

b) Contraste a primeira e a última estrofe do poema a) O poema de Cecília Meireles caracteriza-se pela
no que diz respeito à relação entre o eu poético e a visão intimista do mundo, a presença de associa-
cidade. ções sensoriais e a aproximação do humano com
a natureza. A memória é a fonte de inspiração do
Houve entre a primeira e a última estrofe uma transformação do eu poético. A partir dessas afirmações, determine
o gênero literário predominante no texto, justifi-
sentimento do eu lírico em relação à cidade. Na primeira estrofe, está
cando sua resposta com suas próprias palavras.
presente um sentimento de estranhamento, de não pertencimento do
O texto pertence ao gênero lírico, pois trata de uma perspectiva pessoal
eu poético em relação à cidade, o que pode ser comprovado pelo verso
do eu lírico a respeito de seus próprios sentimentos.
“Foi no Rio.”, como se a cidade fosse algo externo e estranho a ele. No

decorrer das estrofes, vai ocorrendo gradualmente um processo de 
adaptação do eu poético com o alheio e finalmente, na última estrofe, 

há a construção de um novo “eu”, de uma nova identidade, da qual a 

cidade passa a fazer parte, fusão que fica clara no verso “a cidade sou 
Questões de vestibular

eu”. 

 

 

 

 

 

29

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-016-034-LA-M001.indd 29 7/15/15 10:35 AM


b) Observa-se no poema a utilização de inúmeras no colégio, na oficina,
figuras de linguagem como recurso expressivo. território de homens livres
Destaque do texto um exemplo de prosopopeia e que será nosso país
outro de sinestesia.
e será pátria de todos.
Prosopopeia: “borboletas sem voz” (atribui característica humana a um
Irmãos, cantai esse mundo
animal).
que não verei, mas virá
Sinestesia: “cheiro áspero das flores” (mistura de sensações do olfato um dia, dentro em mil anos,
e do tato). talvez mais… não tenho pressa.
Um mundo enfim ordenado,

uma pátria sem fronteiras,
 sem leis e regulamentos,
uma terra sem bandeiras,

sem igrejas nem quartéis,
 sem dor, sem febre, sem ouro,

um jeito só de viver,
mas nesse jeito a variedade,

a multiplicidade toda
5. 01. Verdadeira. O eu lírico pede aos poetas que virão depois dele para que

cantem as coisas boas do mundo, e demonstra na segunda estrofe uma profunda
que há dentro de cada um.
esperança de que o mundo será um lugar melhor. Uma cidade sem portas,
 Ao destacar na segunda estrofe sua crença de que um dia o mundo
02. Verdadeira.
de casas sem armadilha,
se libertará de diversas características negativas, o eu lírico demonstra esperança
no futuro.  um país de riso e glória
04. Falsa. Ao declarar que “O que eu escrevi não conta./O que desejei é tudo.”, o como nunca houve nenhum.
 que a poesia não é o único meio de se transmitir bons sentimentos
eu lírico revela
aos outros. Este país não é meu
 O tom evocativo encontra-se no pedido para que outros retomem
08. Verdadeira. nem vosso ainda, poetas.
suas palavras.

16. Verdadeira. A afirmação é confirmada pelo trecho “um jeito só de viver,/mas
Mas ele será um dia
nesse jeito a variedade,/a multiplicidade toda/que há dentro de cada um.”. o país de todo homem.
 O eu lírico transmite uma mensagem de esperança para que todos
32. Verdadeira.
tenham no futuro um mundo melhor. ANDRADE, Carlos Drummond de. A rosa do povo. In: COUTINHO, Afrânio (Org.).
64. Falsa. Aatitude do eu lírico é a de esperança por um mundo melhor. Carlos Drummond de Andrade: obra completa: poesia. Rio de Janeiro:
Aguilar, 1964. p. 194-5. (Biblioteca Luso-Brasileira. Série Brasileira).

5.
(UFBA) Assinale as proposições verdadeiras, some os
números a elas associados e marque o resultado. Analisando-se a manifestação do sujeito poético nes-
se poema, conclui-se que ele:
Cidade prevista 01. aconselha outros poetas a dar continuidade à
Guardei-me para a epopeia sua arte a serviço de um mundo em que tudo
que jamais escreverei. encontre a sua ordem, o seu lugar.
Poetas de Minas Gerais 02. almeja um novo mundo em que as relações so-
e bardos do Alto-Araguaia,
ciais se estabeleçam de forma transparente, con-
tínua e harmoniosa.
vagos cantores tupis,
04. vê a linguagem poética como meio único de pas-
recolhei meu pobre acervo, sar bons sentimentos aos outros seres.
alongai meu sentimento.
08. expressa, por meio de um tom evocativo, um
O que eu escrevi não conta. desejo de que a sua obra sirva de base para
O que desejei é tudo. outras obras.
Retomai minhas palavras, 16. sonha com um outro mundo em que o homem
meus bens, minha inquietação, viva sem convenções sociais e preserve a sua
singularidade interior.
fazei o canto ardoroso,
cheio de antigo mistério
32. deseja que sua obra ganhe um sentido que
abra um novo mundo ao homem e o homem
mas límpido e resplendente. a si mesmo.
Cantai esse verso puro, 64. assume uma atitude de temor em face da preca-
que se ouvirá no Amazonas, riedade da existência, transportando-se para um
na choça do sertanejo imaginário de reflexões íntimas.
e no subúrbio carioca,
no mato, na vila X, Soma: 59 (01 + 02 + 08 + 16 + 32)

30

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-016-034-LA-M001.indd 30 7/15/15 10:35 AM


6. No poema, o eu lírico retrata um momento familiar de um passado recente, em que ouviu seus filhos, já adultos, adentrarem na sua casa e em seu antigo escritório, com uma alegria e um alvoroço próprios do tempo
em que ainda eram crianças. Ao se lembrar da cena, lamenta não ter dado mais atenção a esse momento fugaz em que os seus filhos retornaram por instantes à infância perdida.
Alternativa a: incorreta. O concretismo é uma escola literária em que as palavras que formam o poema adquirem uma dimensão espacial, ou seja, quase se transformam em objetos representativos do próprio poema,
o que não acontece nesse caso.
Alternativa b: incorreta. O poema apresenta justamente o contrário: uma aproximação do sujeito lírico com os fatos descritos, tendo em vista que ele fala de suas memórias.
Alternativa c: incorreta. O gênero épico retrata feitos grandiosos de heróis e histórias de aventuras, temas que não estão presentes no poema de Gullar, representativo do gênero lírico.
6.
(UFU-MG) Leia o poema seguinte e assinale a alter- descrita nele. Desta forma, ao descrever o sonho,
nativa correta. pode-se afirmar que o gênero épico prevalece nes-
se poema.
Filhos
d) O olhar do poeta Ferreira Gullar contempla gran-
A meu filho Marcos des acontecimentos universais, pequenos fatos do
Daqui escutei cotidiano, cenas da vida doméstica, não raro, im-
primindo sobre esses episódios a consciência da
quando eles
efemeridade da vida. Nesse poema, a lembrança
chegaram rindo de um passado familiar provoca a reflexão dessa
e correndo consciência.
entraram
na sala 7.
(Vunesp) A questão a seguir toma por base um p
­ oema
e logo de Tomás Antônio Gonzaga (1744-1810).
invadiram também 18
o escritório Não vês aquele velho respeitável,
(onde eu trabalhava) que à muleta encostado,
num alvoroço apenas mal se move e mal se arrasta?
e rindo e correndo Oh! quanto estrago não lhe fez o tempo,
se foram o tempo arrebatado,
com sua alegria que o mesmo bronze gasta!

se foram Enrugaram-se as faces e perderam


seus olhos a viveza:
Só então voltou-se o seu cabelo em branca neve;
me perguntei já lhe treme a cabeça, a mão, o queixo,
por que nem tem uma beleza
não lhes dera das belezas que teve.
maior
atenção Assim também serei, minha Marília,
se há tantos daqui a poucos anos,
e tantos que o ímpio tempo para todos corre.
anos Os dentes cairão e os meus cabelos.
não os via Ah! sentirei os danos,
crianças que evita só quem morre.
já que
agora Mas sempre passarei uma velhice
estão os três muito menos penosa.
com mais Não trarei a muleta carregada,
de trinta anos. descansarei o já vergado corpo
Ferreira Gullar. Melhores poemas. na tua mão piedosa,
a) O poeta Ferreira Gullar é um escritor contempo- na tua mão nevada.
râneo que participou de vários movimentos de
restauração da poesia, o que significa renovar sua As frias tardes, em que negra nuvem
estrutura, sua linguagem. Neste poema, a lingua-
os chuveiros não lance,
gem prosaica, os versos livres e a emoção espontâ-
irei contigo ao prado florescente:
Questões de vestibular

nea são conquistas do concretismo.


b) Ferreira Gullar passa por várias experiências poé- aqui me buscarás um sítio ameno,
ticas, encontrando a razão do poema na comoção onde os membros descanse,
lírica. Em acordo com os preceitos da essência líri- e ao brando sol me aquente.
ca, o poema apresenta distanciamento e objetivi-
dade do sujeito lírico com os fatos descritos.
Apenas me sentar, então, movendo
c) Em entrevista à revista Língua portuguesa (São
os olhos por aquela
Paulo: Editora Segmento, 2006, n. 5), o poeta de-
clara que esse poema é fruto de uma circunstân- vistosa parte, que ficar fronteira,
cia, de um impulso, pois sonhou com a s­ ituação apontando direi: – Ali falamos,

31

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-016-034-LA-M001.indd 31 7/16/15 3:56 PM


7. O eu lírico reconhece que passará o tempo e que ele, tal como o velho que está obser- Alternativa c: incorreta. A durabilidade do amor é certamente no que ele mais acredita, já
vando, vai sentir os efeitos da velhice, mas nada disso importa, pois com o amor de Marília, que sente que Marília estará ao seu lado até os momentos finais de sua existência.
e ao lado dela, nada o fará sofrer. Alternativa d: incorreta. Ele nem sequer cita o Criador em sua fala, e também não protesta
Alternativa a: incorreta. Não se trata de desânimo perante a existência, mas de reconheci- a respeito da própria existência.
mento de que a velhice chegará para todos. Alternativa e: incorreta. Ele aceita o envelhecimento, desde que tenha Marília ao seu lado.
ali, ó minha bela, e) dirige-se à pessoa amada para expressar seu en-
te vi a vez primeira. tendimento a respeito dos aspectos contraditórios
do sentimento amoroso.
9. Ao dizer que os poemas não têm pouso nem porto, o eu
Verterão os meus olhos duas fontes, lírico está afirmando que a interpretação da poesia é subje-
nascidas de alegria; 9.
(UERJ) tiva, dependendo do diálogo que cada leitor, de acordo com
suas vivências, estabelecerá com o poema.
farão teus olhos ternos outro tanto; Os poemas
então darei, Marília, frios beijos Os poemas são pássaros que chegam
na mão formosa e pia, não se sabe de onde e pousam
que me limpar o pranto. no livro que lês.
Quando fechas o livro, eles alçam voo
Assim irá, Marília, docemente como de um alçapão.
meu corpo suportando Eles não têm pouso
do tempo desumano a dura guerra. nem porto
Contente morrerei, por ser Marília alimentam-se um instante em cada par de mãos
quem, sentida, chorando e partem.
meus baços olhos cerra. E olhas, então, essas tuas mãos vazias,
Tomás Antônio Gonzaga. Marília de Dirceu e mais poesias. no maravilhado espanto de saberes
Lisboa: Livraria Sá da Costa Editora, 1982.
que o alimento deles já estava em ti…
A leitura atenta deste poema do livro Marília de Dir- MÁRIO QUINTANA. Poesia completa.
ceu revela que o eu lírico: Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2005.

a) sente total desânimo perante a existência e os sen- Eles não têm pouso
timentos.
nem porto (v. 6-7)
b) aceita com resignação a velhice e a morte ameni-
zadas pelo amor. Os versos acima podem ser lidos como uma pressupo-
sição do autor sobre o texto literário.
c) está em crise existencial e não acredita na durabi-
Essa pressuposição está ligada ao fato de que a obra
lidade do amor.
literária, como texto público, apresenta o seguinte
d) protesta ao Criador pela precariedade da existên- traço:
cia humana. a) é aberta a várias leituras.
e) não aceita de nenhum modo o envelhecimento e b) provoca desejo de transformação.
prefere morrer ainda jovem. c) integra experiências de contestação.
8. O eu lírico promove uma reflexão, dirigindo-se direta-
mente à amada por meio do pronome “vós”, a respeito d) expressa sentimentos contraditórios.
8.
(Mack-SP) de como o amor pode ser contraditório mesmo quando
Reinando Amor em dois peitos, 10. (Unicamp-SP) Leia o poema, de Manuel António
tece tantas falsidades, Pina, importante nome da lírica portuguesa contem-
que, de conformes vontades, porânea:
faz desconformes efeitos. Agora é
Igualmente vive em nós; Agora é diferente
mas, por desconcerto seu, Tenho o teu nome o teu cheiro
vos leva, se venho eu, A minha roupa de repente
me leva, se vindes vós. ficou com o teu cheiro
Camões

No texto, o eu lírico: Agora estamos misturados


a) chama a atenção do leitor para as artimanhas que No meio de nós já não cabe o amor
as mulheres apaixonadas costumam tramar a fim Já não arranjamos
de conquistar os homens.
lugar para o amor
b) dirige-se ao deus Amor, manifestando seu desconten-
tamento com relação às falsas atitudes da amada.
Já não arranjamos vagar
c) manifesta poeticamente a ideia de que o Amor,
atendendo a diferentes vontades, produz diferen- para o amor agora
tes efeitos. isto vai devagar
d) declara que, embora o amor esteja presente em to- Isto agora demora
das as pessoas, nem todos o aceitam, fato que gera Manuel António Pina, Poesia Reunida (1974-2001).
desentendimentos dolorosos. Lisboa: Assirio & Alvim, 2001, p. 49.
correspondido (“Reinando Amor em dois peitos”), já que promove desencontros (“vos leva, se venho eu/me leva, se vindes vós”).
Alternativa a: incorreta. O eu lírico não trata de artimanhas de mulheres ou homens, mas sim das contradições do próprio amor.
Alternativa b: incorreta. Não há descontentamento em relação à amada, mas sim uma constatação de que o próprio amor é contraditório.
Alternativa c: incorreta. Não se trata de diferentes vontades, mas sim de que o amor, mesmo atendendo às mesmas vontades, por seu caráter contraditório, pode produzir
32 efeitos desconformes, provocando o desentendimento amoroso.
Alternativa d: incorreta. Na verdade, o eu lírico declara que o próprio amor é contraditório, e não as atitudes das pessoas que se amam.

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-016-034-LA-M001.indd 32 7/16/15 4:50 PM


11. O eu lírico expressa a visão de que as palavras, pelo seu poder de denominar todas as coisas que existem no universo, são a ferramenta para organizar o caos.
Alternativa b: incorreta. O eu lírico não aspira ao anonimato, pelo contrário, ele sente que, por conhecer o poder das palavras, é muito importante, por isso as utiliza para organizar o universo.
Alternativa c: incorreta. O sentimento do eu lírico é de superioridade, já que ele julga ter o poder de organizar o mundo com as palavras.
Alternativa d: incorreta. O eu lírico se declara “radiante” ao realizar sua tarefa.
Alternativa e: incorreta. O eu lírico não está revoltado, mas sim “recôndito e radiante” por conseguir trazer ordem ao universo.
a) O poema trata de uma transformação. Explique‑a. E não estremunha aterrado o mundo?
Assim à idade da razão
O poema fala da transformação do amor existente entre duas pessoas.
Vazei os olhos cegos dos arúspices e,
Ao dizer o que ocorre “agora” com a relação de amor (“Agora estamos Fazendo rasos seus templos devolutos,
Desde então eu designo no universo vão
misturados/No meio de nós já não cabe o amor”), o eu lírico aponta o
As coisas e as palavras plenas.
desgaste provocado pelo tempo, que tornou a relação sem espaço para Só
o amor e tediosa (“isto vai devagar”). No final, o tempo parece não Com elas
Recôndito e radiante ao sopro dos tempos
passar mais (“Isto agora demora”).
Falo e digo
 Dito e decoro
O caos arreganhado a receber-me incontinente.

Antônio Cícero

Arúspice: Sacerdote romano que fazia presságios consul-

tando as entranhas das vítimas.

Nos versos, a postura assumida pelo eu lírico em rela‑
ção ao mundo revela:
b) Que palavra marca essa transformação?
a) confiança no poder da palavra, capaz de organi‑
A palavra “agora”, que invoca uma situação anterior àquela que se vive zar o caos do universo em que o eu lírico se insere.
b) aceitação de seu anonimato, visto que seus dons
no momento. não estão ao alcance de serem compreendidos no
universo.

c) sentimento de inferioridade diante da incerteza
 de poder nomear os acontecimentos do universo.
 d) insegurança em relação à tarefa a que se sente
destinado: organizar o caos do universo.
 e) revolta por perceber sua própria incapacidade de
alterar o mundo à sua volta.


 12. (Vunesp) A questão a seguir aborda um poema de


Raul de Leoni (1895-1926).
c) Qual a diferença introduzida por essa transforma‑ A alma das cousas somos nós…
ção no tratamento convencional dado ao tema?
Dentro do eterno giro universal
O amor costuma ser retratado de forma idealizada, como um sentimento Das cousas, tudo vai e volta à alma da gente,
Mas, se nesse vaivém tudo parece igual
puro, livre de aspectos negativos. No poema, o eu lírico mostra que o
Nada mais, na verdade,
amor pode se desgastar com o tempo e acabar. Nunca mais se repete exatamente…

Sim, as cousas são sempre as mesmas na corrente

Que no-las leva e traz, num círculo fatal;
 O que varia é o espírito que as sente
Que é imperceptivelmente desigual,

Que sempre as vive diferentemente,
E, assim, a vida é sempre inédita, afinal…
Questões de vestibular

11. (Insper-SP)
Falar e dizer Estado de alma em fuga pelas horas,
Não é possível que portentos não tenham ocorrido Tons esquivos e trêmulos, nuanças
Ou visões ominosas e graves profecias Suscetíveis, sutis, que fogem no Íris
Quando nasci. Da sensibilidade furta-cor…
Então nasce o chamado E a nossa alma é a expressão fugitiva das cousas
Herdeiro das superfícies e das profundezas então E a vida somos nós, que sempre somos outros!…
Desponta o sol Homem inquieto e vão que não repousas!

33

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-016-034-LA-M001.indd 33 7/16/15 4:50 PM


12. O título do poema é uma síntese de seu conteúdo. Nele, o eu lírico divaga sobre a natureza das coisas, que podem ter significados diferentes dependendo do momento
em que cada indivíduo vive. Dessa forma, não há um significado único para as coisas: elas dependem do significado que atribuímos a elas. Estão incorretas a alternativa a
(o título é a tese a ser confirmada no poema); a b (o eu lírico não se mostra como um ser em decadência), a d (não se reconhece a supremacia do homem, mas o “espírito
efêmero” das coisas) e a e (o eu lírico defende a capacidade de transformação do homem).
Para e escuta: sido comprada por algum mercador, ou algum
Se as cousas têm espírito, nós somos soldado, e no entanto tive a sorte de vir a per-
tencer a Xantós.
Esse espírito efêmero das cousas,
CLEIA: – Achas isto um consolo?
Volúvel e diverso,
MELITA: – Uma honra. Um filósofo, Cleia!
Variando, instante a instante, intimamente,
CLEIA: – Eu preferia que ele fosse menos
E eternamente, filósofo e mais marido. Para mim os filósofos
Dentro da indiferença do Universo!… são pessoas que se encarregam de aumentar o
número dos substantivos abstratos.
Luz mediterrânea, 1965.
MELITA: – Xantós inventa muitos?
Uma leitura atenta do poema permite concluir que CLEIA: – Nem ao menos isto. E aí é que está
seu título representa: o trágico: é um filósofo que não aumenta o voca-
a) a negação dos argumentos defendidos pelo eu lírico. bulário das controvérsias. Já terminaste?
b) a confirmação do estado de alma disfórico do eu MELITA: – Quase. É bom pentear teus cabe-
lírico. los: meus dedos adquirem o som e a luz que eles
têm. Xantós beija os teus cabelos? (Muxoxo de
c) a síntese das ideias desenvolvidas pelo eu lírico.
Cleia.) Eu admiro teu marido.
d) o reconhecimento da supremacia do homem no CLEIA: – Por que não dizes logo que o amas?
mundo. Gostarias bastante se ele me repudiasse, te tor-
e) uma afirmação prévia da incapacidade do homem. nasse livre e se casasse contigo…
MELITA: – Não digas isto… Além do mais,
13. (Vunesp) A questão toma por base um fragmento de Xantós te ama…
uma peça do teatrólogo Guilherme Figueiredo (1915- CLEIA: – À sua maneira. Faço parte dos bens
1997). dele, como tu, as outras escravas, esta casa…
A raposa e as uvas MELITA: – Sempre que viaja te traz presentes.
(Casa de Xantós, em Samos. Entradas à D., CLEIA: – Não é o amor que leva os homens
E., e F. Um gongo. Uma mesa. Cadeiras. Um “clis- a dar presentes às esposas: é a vaidade; ou o
mos*”. Pelo pórtico, ao fundo, vê-se o jardim. Es- remorso.
tão em cena Cleia, esposa de Xantós, e Melita, MELITA: – Xantós é um homem ilustre.
escrava. Melita penteia os cabelos de Cleia.) CLEIA: – É o filósofo da propriedade: “Os ho-
MELITA: – (Penteando os cabelos de Cleia.) mens são desiguais: a cada um toca uma dádiva
Então Rodópis contou que Crisipo reuniu os dis- ou um castigo”. É isto democracia grega… É o
cípulos na praça, apontou para o teu marido e direito que o povo tem de escolher o seu tirano:
exclamou: “Tens o que não perdeste”. Xantós é o direito que o tirano tem de determinar: dei-
respondeu: “É certo”. Crisipo continuou: “Não xo-te pobre; faço-te rico; deixo-te livre; f­aço-te
perdeste chifres”. Xantós concordou: “Sim”. escravo. É o direito que todos têm de ouvir Xan-
Crisipo finalizou: “Tens o que não perdeste; não tós dizer que a injustiça é justa, que o sofrimento
perdeste chifres, logo os tens”. é alegria, e que este mundo foi organizado de
modo a que ele possa beber bom vinho, ter uma
(Cleia ri.) Todos riram a valer.
bela casa, amar uma bela mulher. Já terminaste?
CLEIA: – É engenhoso. É o que eles chamam
MELITA: – Um pouco mais, e ainda estarás
sofisma. Meu marido vai à praça para ser insulta-
mais bela para o teu filósofo.
do pelos outros filósofos?
CLEIA: – O meu filósofo… Os filósofos são
MELITA: – Não; Xantós é extraordinaria-
sempre criaturas cheias demais de palavras…
mente inteligente… No meio do riso geral, disse
a Crisipo: “Crisipo, tua mulher te engana, e no
*Espécie de cama para recostar-se.
entanto não tens chifres: o que perdeste foi a
vergonha!” E aí os discípulos de Crisipo e os de (Guilherme Figueiredo. Um deus dormiu lá em casa, 1964.)
Xantós atiraram-se uns contra os outros…
CLEIA: – Brigaram? (Assentimento de Meli- A leitura deste fragmento da peça A raposa e as uvas
ta.) Como é que Rodópis soube disto? revela que a personagem Cleia:
MELITA: – Ela estava na praça. a) aprecia, orgulhosa, Xantós como homem e como
filósofo.
CLEIA: – Vocês, escravas, sabem mais do
que se passa em Samos do que nós, mulheres b) tem bastante orgulho pelas vitórias do marido nos
livres… debates.
MELITA: – As mulheres livres ficam em casa. c) manifesta desprezo pelo marido, mas valoriza sua
De certo modo são mais escravas do que nós. sabedoria.
CLEIA: – É verdade. Gostarias de ser livre? d) demonstra grande admiração pela cultura filosó-
MELITA: – Não, Cleia. Tenho conforto aqui, e fica de Xantós.
todos me consideram. É bom ser escrava de um e) preferiria que Xantós desse mais atenção a ela que
homem ilustre como teu marido. Eu poderia ter à Filosofia.
13. O trecho que confirma a resposta é “Eu preferia que ele fosse menos filósofo
e mais marido”. Cleia demonstra não admirar Xantós tanto como homem quanto
como filósofo, invalidando as demais alternativas.
34

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-016-034-LA-M001.indd 34 7/15/15 10:35 AM


1. O crítico citado declara que o amor cortês fez parte do processo civilizador, assim, os valores morais da literatura tornaram-se extraliterários, ou seja, passaram para a
realidade das pessoas, conforme se afirma em d. As demais estão incorretas, pois: a: cantigas de amor, embora fossem mais elaboradas e demonstrassem erudição, não
representavam os ambientes das cortes. b: é a literatura que moldou a realidade, e não o contrário. c: vilão, nesse contexto, era o habitante das vilas, por isso, um homem
simples, distante do ambiente das cortes. e: apenas os homens submetem-se, as mulheres não.
2. Não havia exploração da sensualidade nas cantigas, como se
TEMA afirma em a. O antropocentrismo só seria de fato presente nas
Origens da literatura portuguesa artes a partir da Renascença, movimento que procurou renegar
2 os conceitos estéticos e ideais da arte medieval, ao contrário
do que se afirma em b e c. A arte medieval não se inspirou em
conceitos greco-romanos, como se afirma em e.

Poesia e música na Idade Média mais ora quero fazer um cantar


em que vos loarei toda via
1. (UEPA) e vedes como vos quero loar:
A literatura do amor cortês, pode-se acres- dona fea, velha e sandia!
centar, contribuiu para transformar de algum
modo a realidade extraliterária, atua como com- Assinale a informação correta a respeito do trecho de
ponente do que Elias (1994)* chamou de pro- João Garcia de Guilhade:
cesso civilizador. Ao mesmo tempo, a realidade a) É cantiga satírica.
extraliterária penetra processualmente nessa b) Foi o primeiro documento escrito em língua por-
literatura que, em parte, nasceu como forma de tuguesa (1189).
sonho e de evasão.
c) Trata-se de cantiga de amigo.
(Revista de Ciências Humanas, Florianópolis, EDUFSC, v. 41,
n. 1 e 2, p. 83-110, abril e outubro de 2007, p. 91-92) d) Foi escrita durante o Humanismo (1418-1527).
(*) Cf. ELIAS, N. O Processo Civilizador. Rio de Janeiro: Zahar, 1994, v. 1. e) Faz parte do Auto da Feira.
Interprete o comentário acima e, com base nele e em
seus conhecimentos acerca do lirismo medieval gale- 4. (ESPM-SP) O amor cortês foi um gênero praticado
go-português, marque a alternativa correta: desde os trovadores medievais europeus. Nele a de-
voção masculina por uma figura feminina inacessível
a) as cantigas de amor recriaram o mesmo ambiente
foi uma atitude constante. A opção cujos versos confir-
palaciano das cortes galegas.
mam o exposto é: 4. Única alternativa em que o eu lírico se declara devoto a
uma figura feminina inacessível, afirmando que sofre por ela
b) “a literatura do amor cortês” refletiu a verdade so- a) e quer dela apenas o direito de segui-la por toda a parte.
bre a vida privada medieval.
Eras na vida a pomba predileta
c) a servidão amorosa e a idealização da mulher foi [...] Eras o idílio de um amor sublime.
o grande tema da poesia produzida por vilões. Eras a glória, – a inspiração, – a pátria,
d) o amor cortês foi uma prática literária que aos O porvir de teu pai!
poucos modelou o perfil do homem civilizado. (Fagundes Varela)

e) nas cantigas medievais mulheres e homens sub- b)


metem-se às maneiras refinadas da cortesia. Carnais, sejam carnais tantos desejos,
Carnais sejam carnais tantos anseios,
2. (Mack-SP) Assinale a afirmativa correta com relação Palpitações e frêmitos e enleios
ao Trovadorismo. Das harpas da emoção tantos arpejos...
a) Um dos temas mais explorados por esse estilo de (Cruz e Sousa)
época é a exaltação do amor sensual entre nobres
c)
e mulheres camponesas.
Quando em meu peito rebentar-se a fibra,
b) Desenvolveu-se especialmente no século XV e Que o espírito enlaça à dor vivente,
refletiu a transição da cultura teocêntrica para a
Não derramem por mim nenhuma lágrima
cultura antropocêntrica.
Em pálpebra demente.
c) Devido ao grande prestígio que teve durante toda
(Álvares de Azevedo)
a Idade Média, foi recuperado pelos poetas da Re-
nascença, época em que alcançou níveis estéticos d)
insuperáveis. Em teu louvor, Senhora, estes meus versos
d) Valorizou recursos formais que tiveram não E a minha Alma aos teus pés para cantar-te,
apenas a função de produzir efeito musical, E os meus olhos mortais, em dor imersos,
como também a função de facilitar a memori-
Questões de vestibular

Para seguir-lhe o vulto em toda a parte.


zação, já que as composições eram transmitidas
(Alphonsus de Guimaraens)
oralmente.
e) Tanto no plano temático como no plano expressi- e)
vo, esse estilo de época absorveu a influência dos Que pode uma criatura senão,
padrões estéticos greco-romanos. entre criaturas, amar?
amar e esquecer
3. (Mack-SP) amar e malamar,
Ai dona fea! foste-vos queixar amar, desamar, amar?
porque vos nunca louv’em meu trobar (Manuel Bandeira)
3. Trata-se de uma cantiga satírica, como se afirma em a, pois o eu lírico dirige uma crítica a alguém a quem ele chama de fea, velha e sandia. As demais estão incorretas,
pois o primeiro texto escrito em língua portuguesa de que se tem registro é a “Cantiga da Ribeirinha” ou “da Giarvaia”, diferente do que se afirma em b. Não se trata de
cantiga de amigo por não apresentar eu lírico feminino e não dialogar com o “amigo”, invalidando c. Trata-se de uma cantiga medieval, dada a sua linguagem, de temática
satírica, e escrita, portanto, durante o Trovadorismo, não Humanismo (ao qual pertence o Auto da feira), tornando incorretas d e e. 35

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-035-054-LA-M002.indd 35 7/15/15 10:35 AM


5. O eu lírico deixa explícito na última estrofe que se contenta em servir à amada, mesmo que seu 7. Analisando as alternativas: a: os poemas são feitos para serem cantados e não encenados.
amor não seja correspondido. b: têm temática satírica, de ridicularizar alguém (explicitamente ou não). c: correta, essas
Ele se sente seguro quanto aos próprios sentimentos, tanto que sua certeza o faz oferecer sua vida
a ela, mas seu objetivo não é conquistá-la e sim passar a vida servindo a ela, embora em nenhum cantigas caracterizam-se pelo eu lírico feminino. d: as cantigas de amigo são as mais simples
momento ela tenha declarado que o ama também. E essa amada é tão poderosa que exerce estruturalmente, com paralelismo e versos curtos. e: as cantigas de amor têm origem nas
tamanho fascínio sobre ele. cortes e são estruturalmente mais complexas, indicando que não são populares.
5.
(IFSP) e) amor, pois o eu lírico feminino não consegue en-
xergar o amor que sente por seu amigo.
Cantiga de amor
Afonso Fernandes
7. (EsPCEx-SP) É correto afirmar sobre o Trovadorismo
Senhora minha, desde que vos vi, que:
lutei para ocultar esta paixão a) os poemas são produzidos para ser encenados.
que me tomou inteiro o coração; b) as cantigas de escárnio e maldizer têm temáticas
mas não o posso mais e decidi amorosas.
que saibam todos o meu grande amor, c) nas cantigas de amigo, o eu lírico é sempre fe­
a tristeza que tenho, a imensa dor minino.
que sofro desde o dia em que vos vi. d) as cantigas de amigo têm estrutura poética com-
Já que assim é, eu venho-vos rogar plicada.
que queirais pelo menos consentir e) as cantigas de amor são de origem nitidamente
popular.
que passe a minha vida a vos servir [...]
(www.caestamosnos.org/efemerides/118. Adaptado)
8.
(Vunesp)
Observando-se a última estrofe, é possível afirmar
Cantiga
que o apaixonado:
Bailemos nós já todas três, ai amigas,
a) se sente inseguro quanto aos próprios sentimentos.
So aquestas avelaneiras frolidas,
b) se sente confiante em conquistar a mulher amada.
E quem for velida, como nós, velidas,
c) se declara surpreso com o amor que lhe dedica a
Se amigo amar,
mulher amada.
So aquestas avelaneiras frolidas
d) possui o claro objetivo de servir sua amada.
Verrá bailar.
e) conclui que a mulher amada não é tão poderosa
quanto parecia a princípio.
Bailemos nós já todas três, ai irmanas,
6. (IFSP) Leia atentamente o texto abaixo. So aqueste ramo destas avelanas,
Com’ousará parecer ante mi E quem for louçana, como nós, louçanas,
o meu amigo, ai amiga, por Deus,
e com’ousará catar estes meus Se amigo amar,
olhos se o Deus trouxer per aqui, So aqueste ramo destas avelanas
pois tam muit’há que nom veo veer
Verrá bailar.
mi e meus olhos e meu parecer?
(Com’ousará parecer ante mi, de Dom Dinis. Fonte:
<http://pt.wikisource.org/wiki/Com%27ousar%C3%A1_parecer_ante_mi>. Por Deus, ai amigas, mentr’al non fazemos,
Acesso em: 05.12.2012.) So aqueste ramo frolido bailemos,
E quem bem parecer, como nós parecemos
Per: por.
Tam: tão. Se amigo amar,
Nom: não. So aqueste ramo so lo que bailemos
Veer: ver. Verrá bailar.
Mi: mim, me. Airas Nunes, de Santiago. In: SPINA, Segismundo. Presença da
Literatura Portuguesa - I. Era Medieval. 2. ed. São Paulo:
Parecer: semblante. Difusão Europeia do Livro, 1966.

Sobre o fragmento anterior, pode-se afirmar que per- Frolidas: floridas.


tence a uma cantiga de: Velida: formosa.
a) amor, pois o eu lírico masculino declara a uma Aquestas: estas.
amiga o sentimento de amor que tem por ela.
Verrá: virá.
b) amigo, pois o eu lírico feminino expressa a
uma amiga a falta de seu amigo por quem sente Irmanas: irmãs.
amor. Aqueste: este.
c) amor, pois o eu lírico é feminino e acha que seu Louçana: formosa.
amor não deve voltar para os seus braços. Avelanas: avelaneiras.
d) amigo, pois o eu lírico masculino entende que só Mentr'al: enquanto outras coisas.
Deus pode trazer de volta sua amiga a quem não
Bem parecer: tiver belo aspecto.
vê há muito tempo.
6. Dois indícios fortes apontam para uma cantiga de amigo: a simples referência ao “amigo”, pelo qual o eu lírico (feminino) sofre por não estar ao lado, e a presença do
vocativo “ai amiga”, identificando seu interlocutor (em cantigas de amor, o eu lírico é masculino e o interlocutor é a amada, e nas cantigas satíricas o interlocutor é a pessoa
36 satirizada).

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-035-054-LA-M002.indd 36 7/16/15 4:52 PM


9. Ondas do mar de Vigo é o vocativo, a quem o eu lírico se dirige. Percebe-se que esse eu lírico é feminino por perguntar ao mar sobre o “amigo/amado”. Não se trata de
cantiga de amor porque sua estrutura é simples, paralelística e em redondilhos maiores (sete sílabas poéticas). Em toda cantiga de amigo, o eu lírico é feminino.
Confessor Medieval 9. (Mack-SP)
(1960) Ondas do mar de Vigo,
Irias à bailia com teu amigo, se vistes meu amigo!
Se ele não te dera saia de sirgo? (sirgo = seda) E ai Deus, se verrá cedo!

Se te dera apenas um anel de vidro Ondas do mar levado,


Irias com ele por sombra e perigo? se vistes meu amado!
E ai Deus, se verrá cedo!
Irias à bailia sem teu amigo, Martim Codax
Se ele não pudesse ir bailar contigo?
Verrá: virá.

Irias com ele se te houvessem dito Levado: agitado.

Que o amigo que amavas é teu inimigo? Assinale a afirmativa correta sobre o texto.
a) Nessa cantiga de amigo, o eu lírico masculino ma-
Sem a flor no peito, sem saia de sirgo, nifesta a Deus seu sofrimento amoroso.
Irias sem ele, e sem anel de vidro? b) Nessa cantiga de amor, o eu lírico feminino dirige-
-se a Deus para lamentar a morte do ser amado.
Irias à bailia, já sem teu amigo, c) Nessa cantiga de amigo, o eu lírico masculino ma-
E sem nenhum suspiro? nifesta às ondas do mar sua angústia pela perda
do amigo em trágico naufrágio.
Cecília Meireles. Poesias completas de Cecília Meireles –
v. 8. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1974. d) Nessa cantiga de amor, o eu lírico masculino diri-
ge-se às ondas do mar para expressar sua solidão.
Tanto na cantiga como no poema de Cecília Meireles e) Nessa cantiga de amigo, o eu lírico feminino diri-
verificam-se diferentes personagens: um eu poemáti- ge-se às ondas do mar para expressar sua ansieda-
co, que assume a palavra, e um interlocutor ou inter- de com relação à volta do amado.
locutores a quem se dirige. Com base nesta informa-
ção, releia os dois poemas e, a seguir:
a) indique o interlocutor ou interlocutores do eu O Humanismo e o teatro vicentino
poe­mático em cada um dos textos.
1.
(Unicamp-SP) Os excertos abaixo foram extraídos do
O primeiro texto apresenta um vocativo, ai amigas, indicando que o eu Auto da barca do inferno, de Gil Vicente.
[...] FIDALGO: Que leixo na outra vida
lírico (feminino) fala com suas amigas a respeito de seus amados
quem reze sempre por mi.
(amigos). No segundo texto, apesar da ausência de vocativo, pode-se DIABO: [...] E tu viveste a teu prazer,
identificar o interlocutor como alguém do sexo feminino pelas perguntas: cuidando cá guarecer
por que rezem lá por ti!...[...]
o eu lírico questiona diretamente se iria à bailia (baile, dança) com o
ANJO: Que querês?
amigo. As perguntas são sempre sobre elementos ligados ao mundo FIDALGO: Que me digais,
pois parti tão sem aviso,
feminino (saia de sirgo, anel).
se a barca do paraíso
 é esta em que navegais.
 ANJO: Esta é; que me demandais?
FIDALGO: Que me leixês embarcar.

sô fidalgo de solar,
b) identifique, em cada poema, com base na flexão é bem que me recolhais.
dos verbos, a pessoa gramatical utilizada pelo eu ANJO: Não se embarca tirania
poemático para dirigir-se ao interlocutor ou in- neste batel divinal.
Questões de vestibular

terlocutores.
FIDALGO: Não sei por que haveis por mal
No primeiro texto, trata-se da primeira pessoa do plural (nós): bailemos. Que entr’a minha senhoria.

No segundo texto, é a segunda pessoa do singular (tu): irias.


ANJO: Pera vossa fantesia
 mui estreita é esta barca.
 FIDALGO: Pera senhor de tal marca
nom há aqui mais cortesia? [...]

ANJO: Não vindes vós de maneira

37

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-035-054-LA-M002.indd 37 7/16/15 4:52 PM


pera ir neste navio. b) Além das faltas específicas desses personagens, há
Essoutro vai mais vazio: uma outra, comum a ambos e bastante praticada
a cadeira entrará à época, que Gil Vicente condena. Identifique essa
falta e indique de que modo ela aparece em cada
e o rabo caberá um dos personagens.
e todo vosso senhorio.
Vós irês mais espaçoso Os dois personagens condenados praticam a religião de maneira vã; o
com fumosa senhoria, fidalgo conta com pessoas rezando em seu lugar e o sapateiro, além de
cuidando na tirania
ter escondido que morreu excomungado, alega ter ouvido missas e
do pobre povo queixoso;
e porque, de generoso, confessado.
desprezastes os pequenos,

achar-vos-eis tanto menos
quanto mais fostes fumoso. […] 


SAPATEIRO: [...] E pera onde é a viagem?

DIABO: Pera o lago dos danados.
SAPATEIRO: Os que morrem confessados, 
onde têm sua passagem?
DIABO: Nom cures de mais linguagem! 2.
(Unicamp-SP) Na seguinte cena do Auto da Barca do
Inferno, o Corregedor e o Procurador dirigem-se à
Esta é a tua barca, esta!
Barca da Glória, depois de se recusarem a entrar na
[...] E tu morreste excomungado: Barca do Inferno.
não o quiseste dizer. Corregedor: Ó arrais dos gloriosos,
Esperavas de viver, passai-nos neste batel!
calaste dous mil enganos...
tu roubaste bem trint’anos Anjo: Ó pragas pera papel,
o povo com teu mester. [...] pera as almas odiosos!
SAPATEIRO: Pois digo-te que não quero! Como vindes preciosos,
DIABO: Que te pês, hás-de ir, si, si! sendo filhos da ciência!
SAPATEIRO: Quantas missas eu ouvi,
não me hão elas de prestar? Corregedor: Ó! habeatis clemência
DIABO: Ouvir missa, então roubar, e passai-nos como vossos!
é caminho per’aqui.
(Gil Vicente, Auto da barca do Inferno, em Cleonice Berardinelli (org.), Joane (Parvo): Hou, homens dos breviairos,
Antologia do teatro de Gil Vicente. Rio de Janeiro: Nova Fronteira;
Brasília: INL, 1984, p. 57-59 e 68-69.) rapinastis coelhorum
et perniz perdiguitorum
a) Por que razão específica o fidalgo é condenado a
seguir na barca do inferno? E o sapateiro? e mijais nos campanairos!

O fidalgo era um sujeito arrogante e presunçoso, que havia sustentado Corregedor: Ó! Não nos sejais contrairos,
sua riqueza com a exploração do povo; além disso, considerava levar Pois nom temos outra ponte!

consigo todas as suas posses para o céu, daí o comentário do anjo que
Joane (Parvo): Beleguinis ubi sunt?
na outra barca a cadeira entrará / e o rabo caberá / e todo vosso Ego latinus macairos.

senhorio. Já o sapateiro roubava de seus fregueses, como fica explícito Pera: para.
na fala do diabo (tu roubaste bem trint’anos / o povo com teu mester ). Habeatis: tende.
Homens dos breviairos: homens de leis.

Rapinastis coelhorum / Et perniz perdiguitorum:
 Recebem coelhos e pernas de perdiz como suborno.
 Beleguinis ubi sunt?: Onde estão os oficiais de justiça?
Ego latinus macairos: Eu falo latim macarrônico.

(Gil Vicente, Auto da Barca do Inferno. São Paulo:

Ateliê Editorial, 1996, p. 107-109.)

38

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-035-054-LA-M002.indd 38 7/15/15 10:35 AM


4. Seguindo a estrutura de uma carta, o texto deve apresentar: local e data da escrita; vocativo indicando o interlocutor; desenvolvimento do conteúdo; assinatura.
Quanto ao conteúdo, podem ser analisadas notícias em que se vejam exemplos da mesma prática (juízes que beneficiam alguém em troca de dinheiro ou favores). Interessan-
te também é a constatação de que uma prática como essa na sociedade brasileira contemporânea tem origem antiga, e que, portanto, valores que deveriam ser defendidos
acabam sendo esquecidos. Outro ponto que pode ser abordado é se a responsabilidade por esses crimes pertence ao sistema judiciário (que pouco mudou desde então e
oferece essa possibilidade a quem quer ser desonesto) ou aos indivíduos obcecados pelo poder.
a) De que pecado o Parvo acusa o homem de leis a) ser um teatro de louvor e litúrgico em que o sagra-
(Corregedor)? Este é o único pecado de que ele é do é plenamente respeitado.
acusado na peça? b) não se identificar com a postura anticlerical, já
que considera a igreja uma instituição modelar
O parvo o acusa de receber suborno (o coelho e a perdiz representam
e virtuosa.
os “presentes” que ele recebia) e de desrespeitar a Igreja (“mijar” nos c) apresentar estrutura baseada no maniqueís-
mo cristão, que divide o mundo entre o Bem e
campanários). Ele também é acusado de enriquecer às custas dessa
o Mal, e na correlação entre a recompensa e o
prática. castigo.
d) apresentar temas profanos e sagrados e revelar­‑se
 radicalmente contra o catolicismo e a instituição

religiosa.
e) aceitar a hipocrisia do clero e, criticamente, justi-
 ficá-la em nome da fé cristã.

4.
(UFES) Um dos pontos comuns na crítica sobre o
b) Com que propósito o latim é empregado pelo Cor- Auto da barca do inferno, do dramaturgo português
regedor? E pelo Parvo? Gil Vicente, é a atualidade da representação dos pro-
blemas sociais e morais de sua época, 1517. Por meio
O Corregedor procura usar o latim como uma demonstração de de personagens de diversas ordens sociais, como o
Fidalgo, o Frade ou a Alcoviteira, o autor tipifica e
conhecimento, de forma arrogante. Além disso, o latim é uma forma que
alegoriza, sobretudo, os vícios.
ele tinha de ludibriar aqueles que o procuravam: dominando essa língua, A partir da cena a seguir entre o Diabo e o Correge-
dor (“magistrado que tem jurisdição sobre todos os
ele poderia dizer coisas sem que os outros o entendessem e assim
outros juízes de uma comarca, e que tem a função
convencê-los, estratégia que ele acha válida para enganar o anjo e o de fiscalizar a distribuição da justiça, o exercício da
advocacia e o andamento dos serviços forenses” –
diabo. O Parvo ironiza esse tipo de comportamento ao usar o latim, já Dicionário eletrônico Houaiss da língua portuguesa),
elabore uma carta dirigida a Gil Vicente, em que
que é um homem sem instrução, e, portanto, não deveria conhecer a
seja observada a permanência, na realidade brasi-
língua (como de fato admite ao dizer que fala “latim macarrônico”). leira contemporânea, de problemas que ele apontou
satiricamente.
 DIABO [...] Entrai, entrai, corregedor!
 CORREGEDOR Hou! Videtis qui petatis!
Super jure majestatis

tem vosso mando vigor?
 DIABO Quando éreis ouvidor
non ne accepistis rapina?

Pois ireis pela bolina
como havemos de dispor...
3.
(PUC-SP) Gil Vicente, criador do teatro português,
realizou uma obra eminentemente popular. Seu Oh! Que isca esse papel
Auto da Barca do Inferno, encenado em 1517, apre- para um fogo que eu sei!
senta, entre outras características, a de pertencer CORREGEDOR Domine, memento mei!
ao teatro religioso alegórico. Tal classificação justi- DIABO Non est tempus, Bacharel!
fica-se por:
Imbarquemini in batel
quia judicastis malicia.
(VICENTE, Gil. Auto da barca do inferno. In: ______. O velho da horta.
Questões de vestibular

Auto da barca do inferno. Farsa de Inês Pereira. Ed. Segismundo Spina.


32. ed. São Paulo: Atelier, 1998, p. 155-156.)

Videtis qui petatis: vede o que reclamais.


Super jure majestatis: acima do direito de majestade.
Non ne accepistis rapina: acaso não recebestes roubo.
Bolina: cabo de sustentação da vela do barco.
Domine, memento mei: Senhor, lembra-te de mim.
Quia judicastis malicia: porque sentenciastes com malícia.
3. A divisão entre o bem e o mal e o castigo e a recompensa ocorre na presença
das duas barcas, cada uma representando apenas um lado. Não há louvor e litur-
gia, pois não se trata de teatro em homenagem a símbolos religiosos, e o clero (e
não a religião ou a fé) é duramente criticado por sua postura hipócrita. 39

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-035-054-LA-M002.indd 39 7/16/15 4:53 PM


8. Há igualdade métrica nos versos, todos são redondilhas maiores (sete sílabas
poéticas). O esquema de rimas também segue um padrão ABBA CDDC. Esse aspec- 9. Como todo texto de Gil Vicente, a peça tem fundo moralizante. O fato de Maria
to formal é próprio de textos populares, inclusive era bastante praticado na lírica Parda procurar desesperadamente por alguém que lhe dê vinho e, na impossibili-
trovadoresca, pois facilita o entendimento e a memorização. dade de obtê-lo, resolver se matar, é uma crítica ao hábito.
5.
(UFRGS-RS) A cena do embarque do frade Babriel é 8.
(PUC-SP) O teatro de Gil Vicente caracteriza-se por
uma das mais importantes do Auto da Barca do Infer- ser fundamentalmente popular. E essa característica
no, de Gil Vicente. Numere as seguintes ações de Ba- manifesta-se, particularmente, em sua linguagem
briel de acordo com a ordem em que elas ocorrem na poética, como ocorre no trecho a seguir, de O Auto da
referida cena. Barca do Inferno.
( ) O frade utiliza-se do hábito na tentativa de al- Ó Cavaleiros de Deus,
cançar a salvação. A vós estou esperando,
( ) O frade, ao se encontrar com o Diabo, está acom- Que morrestes pelejando
panhado de Florença. Por Cristo, Senhor dos Céus!
( ) O frade dirige-se à Barca da Glória. Sois livres de todo o mal,
( ) O frade é recebido pelo parvo Joane. Mártires da Madre Igreja,
( ) O frade, acompanhado da mulher, acolhe a Que quem morre em tal peleja
sentença.
Merece paz eternal.
A sequência correta de preenchimento dos parênte-
ses, de cima para baixo, é: No texto, fala final do Anjo, temos no conjunto dos
a) 2 - 1 - 4 - 3 - 5. 5. Todos os personagens da peça se dirigem versos:
antes ao Diabo e, ao descobrirem que ele os
b) 3 - 4 - 2 - 5 - 1. levará, vão procurar o Anjo, tentando con- a) variação de ritmo e quebra de rimas.
vencer esse de que merecem ir para o céu b) ausência de ritmo e igualdade de rimas.
c) 2 - 1 - 3 - 4 - 5. (com exceção dos cavaleiros, que vão direto
d) 5 - 3 - 2 - 1 - 4. à barca do Paraíso, pois morreram lutando c) alternância de redondilha maior e menor e sime-
nas Cruzadas, em nome da fé cristã). O Par- tria de rimas.
e) 5 - 2 - 3 - 4 - 1. vo fica ao lado do anjo, recepcionando todos
que chegam. d) redondilha menor e rimas opostas e emparelha-
6.
(UFRGS-RS) Considere as seguintes afirmações, re- das.
lacionadas ao episódio do embarque do fidalgo, da e) igualdade de métrica e de esquemas das palavras
obra Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente. que rimam.
I. A acusação de tirania e presunção dirigida ao
fidalgo configura uma crítica não ao indivíduo, 9.
(UFPA) O monólogo dramático O pranto de Maria Par-
mas à classe a que ele pertence. da, de Gil Vicente, é um desses textos emblemáticos da
II. Gil Vicente critica as desigualdades sociais ao produção de um dos mais respeitáveis autores portu-
apontar o desprezo do fidalgo aos pequenos, aos gueses. A peça dispõe de um conteúdo pelo qual per-
desfavorecidos. passam variados sentidos, ligados a problemas sociais,
III. No momento em que o fidalgo pensa ser salvo por a preconceito, à paródia, ao grotesco, enfim, nela se
haver deixado, em terra, alguém orando por ele, encontra uma espécie de mosaico de informações de
evidencia-se a crítica vicentina à fé religiosa. toda ordem. A riqueza de questões suscitadas no mo-
nólogo ainda hoje pode ser considerada, como é da na-
Quais estão corretas?
tureza do texto vicentino, de atualidade indiscutível.
a) Apenas I.
6. A afirmativa III erra em considerar que a críti- Com base no comentário acima, é correto afirmar,
b) Apenas I e II. ca era à fé religiosa, tanto que os cavaleiros cris-
relativamente à linguagem e ao conteúdo da peça de
c) Apenas I e III. tãos, que morreram lutando pela fé, vão direto
para a barca do Paraíso. Na verdade, a crítica era Gil Vicente, que:
d) Apenas II e III. à postura hipócrita daqueles que dizem ter fé, a) a linguagem da peça é rica de lamentos, pra-
mas não praticam boas ações.
e) I, II e III. gas, pedidos, promessas e muitas exclamações
apelativas.
7.
(PUC-SP) Gil Vicente escreveu o Auto da Barca do b) os taberneiros de Lisboa constituem uma espécie
Inferno em 1517, no momento em que eclodia na Ale- de coro, na peça, com a função de comentar os la-
manha a Reforma Protestante, com a crítica veemen- mentos expressos nas falas de Maria Parda.
te de Lutero ao mau clero dominante na igreja. Nesta
c) há, na peça, uma enfática oposição ao uso de vi-
obra, há a figura do frade, severamente censurado
nho, manifesta no discurso de sacerdotes, escu-
como um sacerdote negligente. Indique a alternativa
deiros e barqueiros.
cujo conteúdo não se presta a caracterizar, na referi-
da peça, os erros cometidos pelo religioso. d) Gil Vicente cria um personagem com as caracte-
a) Não cumprir os votos de celibato, mantendo a rísticas referidas aqui: doente, envelhecida, “sem
concubina Florença. gota de sangue nas veias”, de corpo “tão seco”.
b) Entregar-se a práticas mundanas, como a dança. e) Maria Parda – mestiça, atrevida e sexualmente li-
vre – é um personagem que representa a base da
c) Praticar esgrima e usar armamentos de guerra, pirâmide social lisboeta da época.
proibidos aos clérigos.
d) Transformar a religião em manifestação formal, 10. (PUC-SP) A farsa “O Velho da Horta” revela surpreen­
ao automatizar os ritos litúrgicos. dente domínio da arte teatral. Segundo seus estudio-
e) Praticar a avareza como cúmplice do fidalgo, e sos, Gil Vicente utiliza-se de processos dramáticos
a exploração da prostituição em parceria com a que se tornarão típicos em suas criações cômicas.
alcoviteira. Não condiz com as características de seu teatro
7. O frade se apresenta com uma moça, dizendo explicitamente que ela é sua companhei- 10. Nas peças de Gil Vicente, o fator tempo não é rigorosamente respeitado, ten-
ra, e com material de esgrima, fazendo até uma demonstração de suas habilidades. Ele do em vista que muitas vezes as cenas são isoladas e sem encadeamento direto
chega ao diabo dançando, numa felicidade quase ingênua pela certeza de que iria para o umas com as outras, o que não compromete, no entanto, a unidade das peças.
40 céu apenas por vestir o hábito. Ele não tem nenhuma relação com os motivos que levaram Em O Velho da horta, as cenas se passam muito mais na cabeça do personagem
o fidalgo ou a alcoviteira a serem condenados (na peça, eles nem sequer interagem). principal, que já é senil.

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-035-054-LA-M002.indd 40 7/16/15 4:53 PM


a) o rigoroso respeito à categoria tempo, delinea- b) A que se deve o castigo imposto a Branca Gil?
do na justa sucessão do transcorrer cronológico
das ações. Branca Gil, a alcoviteira, decide ajudar o velho em troca de dinheiro. A
b) a não preparação de cenas e entrada de persona- punição dela se deve ao fato de que seu único objetivo era extorquir o
gens, o que provoca a precipitação de certos qua-
dros e situações. velho com falsas promessas.
c) o realismo na caracterização social, psicológica e

linguística de seus personagens.
d) o perfeito domínio do diálogo e grande poder de 
exploração do cômico.

e) o pouco aparato cênico, limitado ao necessário
para sugerir o ambiente em que decorre a peça. 


11. (Unicamp-SP) Leia os diálogos abaixo da peça O Ve-
lho da Horta de Gil Vicente: 
(Mocinha) – Estás doente, ou que haveis?

(Velho) – Ai! não sei, desconsolado,
Que nasci desventurado. 
(Mocinha) – Não choreis;
c) Diante do castigo, Branca Gil adota uma atitude
mais mal fadada vai aquela.
paradoxal. Por quê?
(Velho) – Quem?
(Mocinha) – Branca Gil. A contradição presente no comportamento dela é a de ser açoitada em
(Velho) – Como? público e ainda “ter bom coração” e andar por aí de cabeça erguida.
(Mocinha) – Com cent’açoutes no lombo,
Isso acontece porque ela já está acostumada aos castigos, de tanto
e uma corocha por capela*.
E ter mão; tempo que pratica essas ações.
leva tão bom coração,**

como se fosse em folia.
Ó que grandes que lhos dão!*** 

*Corocha: cobertura para a cabeça própria das alcoviteiras 

*por capela: por grinalda. 


**Caminha tão corajosa.

***Ó que grandes açoites que lhe dão!

(Gil Vicente, O Velho da Horta, em Cleonice Berardinelli (org.), Antologia do Teatro de
Gil Vicente. Rio de Janeiro: Nova Fronteira/Brasília, INL, 1984, p. 274). 
a) A qual desventura refere-se o Velho neste diálogo

com a Mocinha?

Ao fato de o velho amar uma moça sem ser correspondido, pedindo à 12. (PUC-SP) A respeito da obra “Farsa do Velho da Hor-
ta”, escrita em 1512 por Gil Vicente, pode afirmar-se
alcoviteira que o ajudasse, mas esta também não tem sucesso.
que:
 a) peca por não apresentar perfeito domínio do di-
álogo entre as personagens, resvalando, muitas
 vezes, por monólogos desnecessários.
 b) sofre da ausência de exploração do cômico, já
que, tematicamente, permanece na esfera do
Questões de vestibular

 amor senil.
 c) utiliza pouco aparato cênico para sugerir o am-
biente em que decorre a peça, já que a pobreza
 cenotécnica é uma de suas características.
d) falha por falta de unidade de ação provocada por

longas digressões, como a ladainha mágica da al-
 coviteira.
e) obedece rigorosamente ao tratamento do tempo e

respeita as normas que dele a tradição consagrou.
12. Não se pode falar de minimalismo, mas as peças de Gil Vicente usavam so-
mente o aparato cênico necessário para sugerir aos espectadores o cenário real.
As grandes qualidades comumente apontadas nas obras de Gil Vicente são os
diálogos, o equilíbrio de comicidade e a unidade das peças, que sempre apresen- 41
tam um fundo moral.

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-035-054-LA-M002.indd 41 7/15/15 10:35 AM


13. Os detalhes das peças de Gil Vicente são meticulosamente pensados para dar 14. O grotesco da cena é a “caganeira” relatada pelo personagem, e sua fala usa termos populares,
a elas um fundo moralizante, e os personagens sempre representam alegorica- como se espera da cena retratada. Gil Vicente não é representante do movimento Renascentista/Clas-
mente uma classe social que ele procura criticar. A dissimulação, desta forma, é sicista (por isso as alternativas a, b e d são incorretas), e tem uma visão católica sobre a fé que prega
expressa nos nomes dos personagens, representando a crítica. que a salvação da alma vem das boas ações, e não apenas da fé (por isso a alternativa e é incorreta).
13. (Unifesp) Esta questão baseia-se em fragmentos de 14. (UEL-PR) Em Farsa de Inês Pereira (1523), Gil Vicen-
um autor português. te apresenta uma donzela casadoura que se lamenta
Auto da Lusitânia das canseiras do trabalho doméstico e imagina casar­
‑se com um homem discreto e elegante. O trecho a
(Gil Vicente - 1465?-1536?)
seguir é a fala de Latão, um dos judeus que foi em
Estão em cena os personagens Todo o Mundo
busca do marido ideal para Inês, dirigindo-se a ela:
(um rico mercador) e Ninguém (um homem vesti-
do como pobre). Além deles, participam da cena Foi a coisa de maneira,
dois diabos, Berzebu e Dinato, que escutam os tal friúra e tal canseira,
diálogos dos primeiros, comentando-os, e ano- que trago as tripas maçadas;
tando-os.
assim me fadem boas fadas
Ninguém para Todo o Mundo: E agora que que me soltou caganeira...
 [buscas lá? para vossa mercê ver
Todo o Mundo: Busco honra muito grande. o que nos encomendou.
Ninguém: E eu virtude, que Deus mande
que tope co ela já. Friúra: frieza, estado de quem está frio.
Berzebu para Dinato: Outra adição nos acude: Maçadas: surradas.
Escreve aí, a fundo, que
Fadem: predizem.
busca honra Todo o
Mundo, e Ninguém busca (VICENTE, Gil. Farsa de Inês Pereira. 22. ed. São Paulo: Brasiliense, 1989. p. 95.)
[virtude.
Ninguém para Todo o Mundo: Buscas outro mor Sobre o trecho, é correto afirmar:
 [bem qu’esse? a) Privilegia a visão racionalista da realidade por Gil
Todo o Mundo: Busco mais quem me louvasse Vicente, empregada pelo autor para atender as
tudo quanto eu fizesse. necessidades do homem do Classicismo.
Ninguém: E eu quem me repreendesse
b) É escrito com perfeição formal e clareza de racio-
em cada cousa que errasse.
cínio, pelas quais Gil Vicente é considerado um
Berzebu para Dinato: Escreve mais.
mestre renascentista.
Dinato: Que tens sabido?
Berzebu: Que quer em extremo grado c) Retrata uma cena grotesca em que se notam traços
Todo o Mundo ser louvado, da cultura popular, o que não invalida a inclusão
e Ninguém ser repreendido. de Gil Vicente entre os autores do Humanismo.
Ninguém para Todo o Mundo: Buscas mais, d) Sua linguagem é característica de um período já
 [amigo meu? marcado pelo Renascimento, o que se evidencia
Todo o Mundo: Busco a vida e quem ma dê. pela referência de Gil Vicente a figuras mitológi-
Ninguém: A vida não sei que é, cas clássicas, como as “boas fadas”.
a morte conheço eu. e) Revela em Gil Vicente uma visão positiva do ho-
Berzebu para Dinato: Escreve lá outra sorte. mem de fé que se liberta da doença pelo recurso à
Dinato: Que sorte? divindade.
Berzebu: Muito garrida:
 Todo o Mundo busca a vida,
e Ninguém conhece a morte. Camões e o Classicismo em
(Antologia do Teatro de Gil Vicente) Portugal
A ironia, ou uma expressão irônica, consiste em, in- 1.
(UEPA) A questão estética, na passagem de um esti-
tencionalmente, dizer o contrário do que as palavras lo para o outro, pode conter certo tipo de violência
significam, no sentido literal, denotativo. Lendo-se o simbólica. A estética em vigor costuma não admitir a
fragmento de Gil Vicente, percebe-se que o autor iro- utilização das formas da anterior. Porém o Classicis-
niza a sociedade: mo Português em Camões consegue a superação des-
a) no nome dado a Berzebu que, no Novo Testamen- se procedimento ao utilizar a medida velha em seus
to, significa o “príncipe dos demônios”. poemas. Diante do exposto, examine as alternativas e
b) no comportamento humilde do personagem Todo marque aquela que demonstre tal afirmação.
o Mundo. a)
c) na dissimulação contida nos nomes dos perso- Agora Tu, Calíope, me ensina
nagens e suas caracterizações: Todo o Mundo O que contou ao Rei o Ilustre da Gama;
(= um rico mercador) e Ninguém (= um homem
Inspira imortal, canto e voz divina
vestido como pobre).
b)
d) no pedido que Berzebu faz a Dinato: “Escreve lá
outra sorte.” Fita de cor de encarnado,
e) no comportamento obstinado do personagem Tão linda que o mundo espanta.
Ninguém. Chove nela graça tanta,
1. É a única alternativa que apresenta versos de sete sílabas poéticas (medida
velha). Nos demais, os versos são decassílabos.
42

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-035-054-LA-M002.indd 42 7/16/15 4:53 PM


c) b) Explique o verso Tuas aras banhar em sangue hu-
Pois Meus olhos não cansam de chorar mano, relacionando-o à história de Inês de Castro.
Tristezas, que não cansam de cansar-me O verso alude ao deus do amor, que dispara flechas nos corações
Pois não abranda o fogo em que abrasar-me
humanos para fazer as pessoas se apaixonarem. Em seus altares, Eros
d)
Três fermosos outeiros se mostravam, exigiria sangue humano dos amantes, sacrificados em sua homenagem.
Erguidos com soberba graciosa, Inês de Castro morreu em decorrência do amor que o príncipe Pedro
Que de gramíneo esmalte lhe adornavam,
tinha por ela.
e)
Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades 
Muda-se o ser, muda a confiança;

Todo mundo é composto de mudança.

2.
(Fuvest-SP)

Tu, só tu, puro amor, com força crua,
Que os corações humanos tanto obriga, 
Deste causa à molesta morte sua, 
Como se fora pérfida inimiga.

Se dizem, fero Amor, que a sede tua
Nem com lágrimas tristes se mitiga, 
É porque queres, áspero e tirano,

Tuas aras banhar em sangue humano.
(Camões, Os Lusíadas – episódio de Inês de Castro)
3.
(Fuvest-SP)
Oh! Maldito o primeiro que, no mundo,
Molesta: lastimosa; funesta.
Nas ondas vela pôs em seco lenho!
Pérfida: desleal; traidora.
Digno da eterna pena do Profundo,
Fero: feroz; sanguinário; cruel.
Se é justa a justa Lei que sigo e tenho!
Mitiga: alivia; suaviza; aplaca. Nunca juízo algum, alto e profundo,
Ara: altar; mesa para sacrifícios religiosos. Nem cítara sonora ou vivo engenho,
Te dê por isso fama nem memória,
a) Considerando-se a forte presença da cultura da
Mas contigo se acabe o nome e a glória.
Antiguidade Clássica em Os Lusíadas, a que se
pode referir o vocábulo “Amor”, grafado com (Camões, Os Lusíadas)
maiús­cula, no 5o verso? a) Considerando este trecho da fala do velho do Res-
telo no contexto da obra a que pertence, explique
O Amor, grafado com maiúscula, é uma referência a Eros, o deus do
os dois primeiros versos, esclarecendo o motivo
amor grego (Cupido para os romanos). Era de interesse da cultura da maldição que, neles, é lançada.

renascentista recuperar os valores artísticos da cultura greco-romana, O velho amaldiçoa aqueles que inventaram as embarcações para explorar

por isso são constantes essas referências. o mar porque isso faz que os homens arrisquem as vidas em busca de

 riquezas. Isso pode ser verificado nos versos Maldito o primeiro que [...]

 nas ondas vela pôs em seco lenho, ou seja, maldito aquele que inventou

 a embarcação.
Questões de vestibular

 

 

 

 

 

 

43

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-035-054-LA-M002.indd 43 7/15/15 10:35 AM


4. O movimento literário romântico surgirá três séculos depois. Além disso, o
Romantismo valoriza o sentimento e os argumentos emocionais, ao contrário da 6. A fala do velho é crítica, é a voz que faz a contraposição entre o plano de
estética classicista, que valoriza o racionalismo. Ambos dão vazão a um orgulho engrandecimento da nação, que seria obtido pela exploração dos mares, e a ma-
nacionalista, mas respeitando esses princípios estéticos. nutenção da sociedade tal como ela era.
b) Nos quatro últimos versos, está implicada uma 6.
(UFSCar-SP) A questão baseia-se no poema épico Os
determinada concepção da função da arte. Iden- Lusíadas, de Luís Vaz de Camões, do qual se reprodu-
tifique essa concepção, explicando-a brevemente. zem, a seguir, três estrofes.

A função da arte expressa nesses versos é a perpetuação da memória


Mas um velho, de aspeito venerando, 
 [(= aspecto)
dos grandes feitos humanos. Neste caso, o velho deseja que os nomes Que ficava nas praias, entre a gente,
Postos em nós os olhos, meneando
dos marinheiros nunca sejam lembrados pela arte; sua crítica se estende,
Três vezes a cabeça, descontente,
portanto, aos feitos desses homens que navegaram pelo mar em nome A voz pesada um pouco alevantando,
da exploração de novas terras. Que nós no mar ouvimos claramente,
C’um saber só de experiências feito,

Tais palavras tirou do experto peito:

“Ó glória de mandar, ó vã cobiça

Desta vaidade a quem chamamos Fama!
 Ó fraudulento gosto, que se atiça
C’uma aura popular, que honra se chama!

Que castigo tamanho e que justiça
 Fazes no peito vão que muito te ama!
Que mortes, que perigos, que tormentas,
4.
(UFJF-MG) Com os versos Cantando espalharei por Que crueldades neles experimentas!
toda a parte, / Se a tanto me ajudar o engenho e a arte.,
Camões explica que o propósito de Os Lusía­das é di- Dura inquietação d’alma e da vida
vulgar os feitos portugueses. Sobre esse poema épico,
Fonte de desamparos e adultérios,
só é incorreto afirmar que:
Sagaz consumidora conhecida
a) se trata da maior obra literária do quinhentismo
português. De fazendas, de reinos e de impérios!
b) Camões sofre a clara influência dos clássicos gre- Chamam-te ilustre, chamam-te subida,
co-latinos. Sendo digna de infames vitupérios;
c) há forte presença do romantismo, devido ao Chamam-te Fama e Glória soberana,
nacionalismo. Nomes com quem se o povo néscio engana.
d) como epopeia moderna, há momentos de crítica à
nação e ao povo. Os versos de Camões foram retirados da passagem
e) louva não apenas o homem português, mas o ho- conhecida como “O Velho do Restelo”. Nela, o velho:
mem renascentista. a) abençoa os marinheiros portugueses que vão atra-
vessar os mares à procura de uma vida melhor.
5.
(PUC-SP) Dos episódios “Inês de Castro” e “O Velho b) critica as navegações portuguesas por considerar
do Restelo”, da obra Os Lusíadas, de Luiz de Camões, que elas se baseiam na cobiça e busca de fama.
não é possível afirmar que: c) emociona-se com a saída dos portugueses que vão
a) “O Velho do Restelo”, numa antevisão profética, atravessar os mares até chegar às Índias.
previu os desastres futuros que se abateriam sobre d) destrata os marinheiros por não o terem convida-
a Pátria e que arrastariam a nação portuguesa a do a participar de tão importante empresa.
um destino de enfraquecimento e marasmo.
e) adverte os marinheiros portugueses dos perigos
b) “Inês de Castro” caracteriza, dentro da epopeia que eles podem encontrar para buscar fama em
camoniana, o gênero lírico porque é um episódio outras terras.
que narra os amores impossíveis entre Inês e seu
amado Pedro. 7.
(Fuvest-SP) Responda às seguintes questões sobre Os
c) Restelo era o nome da praia em frente ao templo Lusíadas, de Camões:
de Belém, de onde partiam as naus portuguesas a) Identifique o narrador do episódio no qual está in-
nas aventuras marítimas. serida a fala do Velho do Restelo.
d) tanto “Inês de Castro” quanto “O Velho do Reste-
lo” são episódios que ilustram poeticamente dife- Vasco da Gama é o narrador do episódio. Trata-se do Canto IV, no qual
rentes circunstâncias da vida portuguesa.
os navegantes estão na praia do Restelo, prestes a partir. Em meio à
e) o Velho, um dos muitos espectadores na praia,
engrandecia com sua fala as façanhas dos navega- multidão que os observa, o velho faz seu discurso.
dores, a nobreza guerreira e a máquina mercantil

lusitana.
5. Ao contrário do que se afirma em e, o velho amaldiçoa (e não engrandece) os
navegadores e todos aqueles que se aventuram pelo mar em busca de fama e de
riquezas.
44

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-035-054-LA-M002.indd 44 7/15/15 10:35 AM


b) Compare, resumidamente, os principais valores Nas estrofes anteriores, extraídas do episódio do
que esse narrador representa, no conjunto de Adamastor, observamos o amor entre o Gigante e Té-
Os Lusíadas, aos valores defendidos pelo Velho do tis, a “Princesa das Águas”. A partir disso, responda:
Restelo, em sua fala. a) Como se manifesta, no texto, o amor do gigante,
e como Tétis reage a esse amor?
O navegador representa a ânsia pela conquista de outras terras, o avanço
O amor do gigante é um desejo carnal (A vontade senti de tal maneira
econômico e a modernidade. Já o velho representa a tradição retrógrada,
/ Que inda não sinto cousa que mais queira), que, por não ser
que se prende ao passado e não admite experiências modernizadoras.
correspondido por Tétis, faz que ele se sinta no direito de tomá­‑la à

força. Tétis, por sua vez, reage questionando sua própria capacidade de

corresponder a esse amor (Qual será o amor bastante / De ninfa, que

sustente o dum gigante?).

8. (Fuvest-SP) Considere as seguintes afirmações sobre 


a fala do Velho do Restelo, em Os Lusíadas:

I. No seu teor de crítica às navegações e conquistas,
encontra-se refletida e sintetizada a experiên- 
cia das perdas que causaram, experiência esta já
acumulada na época em que o poema foi escrito. 

II. As críticas aí dirigidas às grandes navegações e às 


conquistas são relativizadas pelo pouco crédito
atribuído a seu emissor, já velho e com um “saber 
só de experiências feito”.

III. A condenação enfática que aí se faz à empresa
das navegações e conquistas revela que Camões b) Quem é, no poema de Camões, o gigante Adamastor?
teve duas atitudes em relação a ela: tanto criticou
o feito quanto o exaltou. O gigante Adamastor é o Cabo das Tormentas (atual Cabo da Boa

Está correto apenas o que afirma em: Esperança), que fica ao sul da África, entre os oceanos Atlântico e Índico.
a) I. 8. A afirmativa II está incorreta porque as críticas às
navegações não são relativizadas pelas características 
b) II. do emissor. Naquela época, navegar era tão perigoso
quanto viajar pelo espaço e muitas vidas foram perdi-
c) III. das, por isso a necessidade de fazer ouvir essa voz que 
d) I e II. diz “não ao progresso” e que aparece para reafirmar
ainda mais a coragem dos que se aventuram pelo mar. 
e) I e III.

9.
(UFJF-MG) Leia o fragmento a seguir e responda ao 
que se pede.
Amores da alta esposa de Peleu 
Me fizeram tomar tamanha empresa. 
Todas as deusas desprezei do céu,
Só por amar das águas a princesa.
10. (Vunesp) A questão seguinte toma por base a oitava
Um dia a vi co’as filhas de Nereu, estrofe do “Canto VI” de Os Lusíadas, de Luís de Ca-
Sair nua na praia: e logo presa mões (1524?-1580).
A vontade senti de tal maneira
Os Lusíadas, VI, 8
Que inda não sinto cousa que mais queira.
No mais interno fundo das profundas
Como fosse impossíbil alcançá-la
Questões de vestibular

Cavernas altas, onde o mar se esconde,


Pela grandeza feia de meu gesto, Lá donde as ondas saem furibundas,
Determinei por armas de tomá-la Quando às iras do vento o mar responde,
E a Dóris este caso manifesto. Netuno mora e moram as jucundas
De medo a deusa então por mi lhe fala; Nereidas e outros Deuses do mar, onde
Mas ela, c’um fermoso riso honesto, As águas campo deixam às cidades
Respondeu: “Qual será o amor bastante Que habitam estas úmidas Deidades.
De ninfa, que sustente o dum gigante?”
(In: CAMÕES, Luís de. Os Lusíadas. Lisboa:
Camões – Os Lusíadas Imprensa Nacional, 1971. p. 195.)

45

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-035-054-LA-M002.indd 45 7/15/15 10:35 AM


O poema épico de Camões, entre outros ingredientes 11. (Unicamp-SP) Leia o seguinte soneto de Camões:
da epopeia clássica, apresenta o chamado maravilho-
so, que consiste na intervenção de seres sobrenatu- Oh! Como se me alonga, de ano em ano,
rais nas ações narradas. Quando tais seres pertencem a peregrinação cansada minha.
ao universo da Mitologia Clássica, diz-se maravilhoso Como se encurta, e como ao fim caminha
pagão; quando pertencem ao universo do Cristianis-
este meu breve e vão discurso humano.
mo, diz-se maravilhoso cristão. Com base nesta infor-
mação:
a) identifique o tipo de maravilhoso presente na Vai-se gastando a idade e cresce o dano;
oita­va de Os Lusíadas; perde-se-me um remédio, que inda tinha.
Se por experiência se adivinha,
O maravilhoso consiste na referência aos deuses gregos que habitam o
qualquer grande esperança é grande engano.
interior dos oceanos.

 Corro após este bem que não se alcança;


no meio do caminho me falece,

mil vezes caio, e perco a confiança.

Quando ele foge, eu tardo; e, na tardança,

se os olhos ergo a ver se inda parece,
 da vista se me perde e da esperança.
 a) Na primeira estrofe, há uma contraposição ex-
pressa pelos verbos “alongar” e “encurtar”. A qual

deles está associado o cansaço da vida e qual deles
 se associa à proximidade da morte?

 Alongar está ligado ao cansaço da vida, que a cada ano é maior, e

 encurtar está ligado à proximidade da morte, que, diante dos anos, vai

 chegando para o eu lírico.


b) comprove sua resposta com exemplos da própria
estrofe. 

Netuno mora e moram as jucundas 

Nereidas e outros Deuses do mar, onde 

As águas campo deixam às cidades 

Que habitam estas úmidas Deidades. 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

46

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-035-054-LA-M002.indd 46 7/15/15 10:35 AM


b) Por que se pode afirmar que existe também uma 12. (UFSCar-SP)
contraposição no interior do primeiro verso da se-
gunda estrofe? Os bons vi sempre passar
No Mundo graves tormentos;
A contraposição é entre os verbos gastar e crescer, antagônicos no
E pera mais me espantar
contexto considerado. Os maus vi sempre nadar
Em mar de contentamentos.

Cuidando alcançar assim
 O bem tão mal ordenado,

Fui mau, mas fui castigado,
Assim que só pera mim
 Anda o Mundo concertado.
 (Luís de Camões: Ao desconcerto do Mundo.
In: Rimas. Obra Completa. Rio de Janeiro:
 Aguilar Editora, 1963, p. 475-6.)

 Este curto poema de Camões compõe-se de partes


correspondentes ao destaque dado às personagens
 (o eu poemático e os outros). Quanto ao significado,
o poema baseia-se em antíteses desdobradas, de tal

maneira trançadas que parecem refletir o “desconcer-
 to do mundo”. Posto isso:
a) identifique a antítese básica do poema e mostre os
 seus desdobramentos.
 A antítese apresentada no poema é a das “pessoas boas que sempre

 passam por dificuldades” versus “as pessoas más que sempre têm

 sucesso no que fazem”. O eu lírico, observando essa contradição, tentou

 ser mau, mas no caso dele a antítese não se confirmou e ele foi castigado

por isso.
c) A que termo se refere o pronome “ele” da última
estrofe? 

Refere-se ao bem do primeiro verso da terceira estrofe.  

 

 

 

 

 

 

 

 

 
Questões de vestibular

 

 

 

 

 

 

47

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-035-054-LA-M002.indd 47 7/15/15 10:35 AM


14. Analisando as alternativas: a: incorreta. É o texto II que se inspira no I e não o contrário. b: incorreta. Não se nega em nenhum dos textos a concepção carnal do amor,
procura-se apenas uma definição para o sentimento. c: incorreta. Como o texto II contesta o I, eles não são convergentes. d: correta. O texto II já começa com uma pergunta
contestando o que foi afirmado no texto I, e segue contestando as demais afirmações. e: incorreta. O esquema de rimas e a contagem de sílabas poéticas de cada verso não
é igual nos dois textos.
b) Explique a composição do texto com base nas 14. (Mack-SP) Assinale a alternativa correta.
rimas. a) O texto I, com sua regularidade formal, re-
cupera do texto II o rígido padrão da estética
O esquema de rimas é ABAAB CDDCD, ou seja, dez versos, com quatro clássica.
diferentes sons finais, e rimas alternadas e paralelas. b) Os dois textos, ao negarem uma concepção carnal
do amor, enaltecem o platonismo amoroso.

c) O texto I e o texto II são convergentes no que se
 refere à concepção do sentimento amoroso.
d) O texto II contesta o texto I no que se refere ao

ponto de vista sobre o amor.
 e) Os dois textos convergem quanto à forma e à lin-
guagem, mas divergem quanto ao conteúdo.


 15. (Insper-SP)
Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,
13. Embora trate de um sentimento, o eu lírico o define racionalmente, por meio
muda-se o ser, muda-se a confiança;
do equilíbrio da forma, sem dar vazão a sentimentos subjetivos. O texto também
não trata do amor correspondido ou não correspondido e usa vários substantivos todo o mundo é composto de mudança,
abstratos para defini-lo (contentamento, dor, não querer etc.) tomando sempre novas qualidades.
Textos para as duas próximas questões:
Texto I Continuamente vemos novidades,
Amor é fogo que arde sem se ver; diferentes em tudo da esperança;
É ferida que dói e não se sente; do mal ficam as mágoas na lembrança,
É um contentamento descontente; e do bem (se algum houve), as saudades.
É dor que desatina sem doer.

O tempo cobre o chão de verde manto,


É um não querer mais que bem querer;
que já coberto foi de neve fria, e, enfim,
É solitário andar por entre a gente;
É nunca contentar-se de contente; converte em choro o doce canto.
É cuidar que se ganha em se perder.
Camões E, afora este mudar-se cada dia,
outra mudança faz de mor espanto,
Texto II que não se muda já como soía*.
Amor é fogo? Ou é cadente lágrima? Luís Vaz de Camões
Pois eu naufrago em mar de labaredas
Que lambem o sangue e a flor da pele acendem *Soía: Imperfeito do indicativo do verbo soer, que significa
Quando o rubor me vem à tona d’água. costumar, ser de costume.

E como arde, ai, como arde, Amor, Assinale a alternativa em que se analisa corretamen-
Quando a ferida dói porque se sente, te o sentido dos versos de Camões.
E o mover dos meus olhos sob a casca a) O foco temático do soneto está relacionado à ins-
Vê muito bem o que devia não ver. tabilidade do ser humano, eternamente insatisfei-
to com as suas condições de vida e com a inevita-
Ilka Brunhilde Laurito
bilidade da morte.
b) Pode-se inferir, a partir da leitura dos dois terce-
13. (Mack-SP) Assinale a alternativa correta sobre o tex- tos, que, com o passar do tempo, a recusa da ins-
to I. tabilidade se torna maior, graças à sabedoria e à
a) Expressa as vivências amorosas do “eu” lírico em experiência adquiridas.
linguagem emotivo-confessional. c) Ao tratar de mudanças e da passagem do tempo,
b) Apresenta índices de linguagem poética marcada o soneto expressa a ideia de circularidade, já que
pelo racionalismo do século XVI. ele se baseia no postulado da imutabilidade.
c) Conceitua o amor de forma unilateral, revelando d) Na segunda estrofe, o eu lírico vê com pessimismo
o intenso sofrimento do coração apaixonado. as mudanças que se operam no mundo, porque
d) Notam-se, em todos os versos, imagens poéticas constata que elas são geradoras de um mal cuja
contraditórias, criadas a partir de substantivos dor não pode ser superada.
concretos. e) As duas últimas estrofes autorizam concluir que a
e) Conceitua positivamente o amor correspondido e, ideia de que nada é permanente não passa de uma
negativamente, o amor não correspondido. ilusão.
15. Analisando as alternativas: a. Incorreta, não se fala de insatisfação quanto às mudanças; b. Incorreta, os tercetos revelam que as mudanças vão se tornando menos
frequentes, não que há recusa em aceitá-las; c. Incorreta, ele se baseia no postulado da mutabilidade; d. Correta, o poema valoriza a mudança contínua, que se observa tanto
na natureza quanto na vida individual. Na segunda estrofe, porém, o eu lírico declara que essas mudanças, mesmo quando boas, deixam sempre marcas negativas;
48 e. Incorreta, a mudança é real, mas se torna menos frequente com o tempo.

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-035-054-LA-M002.indd 48 7/15/15 10:35 AM


TEMA
Os primórdios da literatura brasileira
3

Literatura sobre o Brasil deixar de encobrir suas vergonhas do que de


mostrar a cara. Acerca disso são de grande
inocência. Ambos traziam o beiço de baixo
1.
(UFMG) Leia estes trechos: furado e metido nele um osso verdadeiro, de
Trecho 1 comprimento de uma mão travessa, e da gros-
sura de um fuso de algodão, agudo na ponta
Colombo sabe perfeitamente que as ilhas já
como um furador.
têm nome, de uma certa forma, nomes naturais
(mas em outra acepção do termo); as palavras […]
dos outros, entretanto, não lhe interessam muito, Foram-se lá todos; e andaram entre eles.
e ele quer rebatizar os lugares em função do E segundo depois diziam, foram bem uma lé-
lugar que ocupam em sua descoberta, dar-lhes gua e meia a uma povoa­ção, em que haveria
nomes justos a nomeação, além disso, equivale nove ou dez casas, as quais diziam que eram
a tomar posse. tão compridas, cada uma, como esta nau ca-
TODOROV, Tzevetan. A conquista da América, São Paulo:
pitânia. E eram de madeira, e das ilhargas de
Martins Fontes, 1993. p. 27. tábuas, e cobertas de palha, de razoável altu-
ra; e todas de um só espaço, sem repartição
alguma, tinham de dentro muitos esteios; e
Trecho 2
de esteio a esteio uma rede atada com cabos
[…] e a quarta-feira seguinte, pela manhã, em cada esteio, altas, em que dormiam. E de
topamos aves a que chamam fura-buxos e neste baixo, para se aquentarem, faziam seus fogos.
dia, a horas de véspera, houvemos vista de terra, E tinha cada casa duas portas pequenas, uma
a saber: primeiramente dum grande monte mui numa extremidade, e outra na oposta. E diziam
alto e redondo, e de outras serras mais baixas ao que em cada casa se recolhiam trinta ou qua-
sul dele, e de terra chã com grandes arvoredos: renta pessoas, e que assim os encontraram; e
ao qual monte alto o Capitão pôs nome o Monte que lhes deram de comer dos alimentos que
Pascoal, e à terra a Terra da Vera Cruz. tinham, a saber muito inhame, e outras semen-
CAMINHA. Pero Vaz de. Carta ao Rei Dom ManueI. Belo Horizonte: tes que na terra dá, que eles comem.
Crisálida, 2002. p. 17. […]
Eles não lavram nem criam. Nem há aqui boi
Explicite, comparando os dois trechos, a relação exis-
ou vaca, cabra, ovelha ou galinha, ou qualquer
tente entre os atos de nomear e tomar posse.
outro animal que esteja acostumado ao viver do
Nomear algo é dar significação àquilo que, de determinado ponto de vista, homem. E não comem senão deste inhame, de
que aqui há muito, e dessas sementes e frutos
não tinha definição e por isso o nomeador se torna “dono” (toma posse) que a terra e as árvores de si deitam.
[…]
daquilo que “achou”. É isso que o texto de Todorov deixa claro: “se eu
Até agora não pudemos saber se há ouro
nomeei algo, logo aquilo me pertence, pois eu achei”. O fato é que os ou prata nela, ou outra coisa de metal, ou ferro;
nem lha vimos. Contudo a terra em si é de muito
colonizadores decidiram nomear uma terra que já estava nomeada pelos bons ares frescos e temperados como os de En-
tre-Douro-e-Minho, porque neste tempo d’agora
nativos, mas que, sob o ponto de vista dos colonizadores, não tinha nome. assim os achávamos como os de lá. Águas são
muitas; infinitas. Em tal maneira é graciosa que,
Como eles a “descobriram”, então cabia a eles nomeá-la e tomá-la; sendo querendo-a aproveitar, dar-se-á nela tudo; por
causa das águas que tem!
uma forma também de introduzir aos habitantes nativos a língua dominante.
A CARTA de Pero Vaz de Caminha. Disponível em:
 <http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/ua000283.pdf.>.
Acesso em: 03 set. 2011.

Texto 2

Questões de vestibular

Nada mais bucólico que a cidadezinha de


 Chiloé. O tempo ali parece se arrastar. […] As
construções não ultrapassam três andares.
São todas de madeira e ganharam uma suave
2.
(UFSC) Textos para a próxima questão. pátina produzida pelo tempo. Casas com só-
tãos, janelas com cortinas delicadas, jardinei-
Texto 1 ras floridas, pequenos objetos de decoração e
A feição deles é serem pardos, um tanto penachos de fumaça saindo pelas chaminés
avermelhados, de bons rostos e bons narizes, indicam um interior aconchegante. Em toda
bem feitos. Andam nus, sem cobertura al- parte, se sente o perfume da maresia trazida
guma. Nem fazem mais caso de encobrir ou pelos ventos.

49

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-055-074-LA-M003.indd 49 7/15/15 10:35 AM


2. A descrição feita no texto 1, acerca da comunidade indígena e seu modo de vida, deixa claro que Caminha considerava os nativos pessoas inocentes e sem maldade, por
andarem nus, viverem em meio aos animais, ajudarem uns aos outros; da mesma forma é possível observar no texto 2, em que o autor destaca a benevolência dos homens
da comunidade, citando a minga como maior exemplo. As demais assertivas estão incorretas.
Em Chiloé, os homens são do mar, rostos terça-feira das Oitavas de Páscoa, que foram
marcados pelo frio. Vestem-se com agasalhos vinte e um dias de abril, estando da 8dita ilha
surrados e usam boinas bascas, típicas dos mari- obra de 660 léguas, segundo os pilotos diziam,
nheiros espanhóis. […] 1
topamos alguns sinais de terra, os quais eram
A benevolência parece ser a marca registra- muita quantidade de 5ervas compridas, a que os
da desses homens do mar. Nas comunidades 4
mareantes chamam 6botelho […]. E quarta-feira
persiste um dos principais legados da cultura seguinte, pela manhã, topamos aves a que cha-
chilote: a minga, uma forma de trabalho coletivo mam 7fura-buxos. Neste dia, a horas de véspera,
e solidário. […] 2
houvemos vista de terra!
Dia de minga é um dia especial. Participei 9
Primeiramente dum grande monte, mui alto
de um deles, quando um grande número de pes- e redondo […]; ao monte alto o capitão pôs o
soas se reuniu e, com parelhas de bois, arras- nome de 3O Monte Pascoal, e à terra, A Terra de
taram e mudaram de lugar nada menos que a Vera Cruz.
casa inteira de um morador. Falei dessa solida- Carta de Pero Vaz de Caminha ao rei de Portugal
riedade com Efraim, velho pescador do vilarejo
de Queilén, no momento em que ele pintava o Assinale a alternativa correta acerca do texto.
barco do amigo doente. “O mar purifica a arro- a) No contexto em que se inserem, as expressões
gância e lava a prepotência”, ensinou esse ve- “topamos alguns sinais de terra” (ref. 1) “e houve-
lho lobo do mar. mos vista de terra” (ref. 2) têm o mesmo sentido:
REALI, H.; REALI, S. Igrejas de Chiloé. Planeta, “enxergamos o continente americano”.
p. 72-77, set. 2007.
b) As nomeações referidas na carta – “O Monte Pas-
coal” e “A Terra de Vera Cruz” (ref. 3) – refletem
Nota: O texto 1 contém trechos da carta, datada de 1o de maio de
valores ideológicos da cultura portuguesa.
1500, que Pero Vaz de Caminha escreveu ao rei D. Manuel, relatando
os primeiros contatos com a terra e os habitantes do que viria a ser c) “Os mareantes” (ref. 4), por influência da cultura in-
o Brasil. O texto foi adaptado para a ortografia atual. O texto 2, ex- dígena, apelidaram as “ervas compridas” (ref. 5) de
traído de uma reportagem de revista, trata de Chiloé, um arquipélago “botelho” (ref. 6) e as aves de “fura-buxos” (ref. 7).
no sul do Chile. d) A expressão “dita ilha” (ref. 8) indica que os nave-
gantes portugueses confundiram a Ilha de S.Nico-
Com base na leitura dos textos 1, 2 e da nota de roda- lau com o Brasil.
pé, assinale a(s) proposição(ões) correta(s). e) Embora se apresente em linguagem objetiva, o tre-
01. Ambos os textos buscam mostrar aspectos da cho da carta revela, devido ao excesso de adjetiva-
geografia, da arquitetura e da população local, ções (ref. 9, por exemplo), a euforia dos portugueses
em uma linguagem essencialmente objetiva, com ao descobrirem o tão sonhado “Eldorado”.
adjetivação mínima.
02. Tanto no texto 1 quanto no texto 2, a principal 4.
(UnB-DF)
intenção é informar os leitores quanto ao poten- Senhor:
cial econômico do lugar descrito. Posto que o Capitão-mor desta vossa frota, e
04. Apesar da grande distância temporal e geográ- assim os outros capitães escrevam a Vossa Alte-
fica, há pelo menos uma importante semelhan- za a nova do achamento desta vossa terra nova,
ça entre as populações descritas nos textos 1 e que nesta navegação agora se achou, não deixa-
2, que é o forte senso de vida em comunidade, rei também de dar minha conta disso a Vossa Al-
representada na habitação coletiva e na minga, teza, o melhor que eu puder, ainda que – para o
respectivamente. bem contar e falar –, o saiba fazer pior que todos.
08. No texto 1, os indígenas são retratados de forma Esta terra, Senhor, me parece que da ponta
depreciativa, como seres destituídos do senso de que mais contra o sul vimos até outra ponta que
vergonha e incapazes de se engajar em atividades contra o norte vem, de que nós deste porto hou-
vemos vista, será tamanha que haverá nela bem
econômicas que lhes permitiriam um padrão de
vinte ou vinte e cinco léguas por costa. Tem, ao
vida mais elevado, como a agricultura e a criação
longo do mar, nalgumas partes, grandes barrei-
de animais. ras, delas vermelhas, delas brancas; e a terra por
16. Na fala de Efraim, transcrita ao final do texto 2, cima toda chã e muito cheia de grandes arvore-
temos uma prosopopeia: o mar, humanizado, é dos. De ponta a ponta, é tudo praia-palma, muito
mostrado como arrogante e prepotente. chã e muito formosa.
Pelo sertão nos pareceu, vista do mar, muito
Soma: 4 (04) grande, porque, a estender olhos, não podíamos
ver senão terra com arvoredos, que nos parecia
3. (Mack-SP) muito longa.
A partida de Belém, como Vossa Alteza sabe, Nela, até agora, não pudemos saber que haja
foi segunda-feira, 9 de março. […] E domingo, 22 ouro, nem prata, nem coisa alguma de metal ou
do dito mês, às dez horas, pouco mais ou menos, ferro; nem lho vimos. Porém a terra em si é de
houvemos vista das ilhas de Cabo Verde, ou me- muito bons ares, assim frios e temperados, como
lhor, da ilha de S. Nicolau […]. E assim seguimos os de Entre Doiro e Minho, porque neste tempo
nosso caminho por este mar de longo, até que, de agora os achávamos como os de lá.
3. Os termos mencionados por Caminha, que nomearam o monte alto e a terra, são termos de referência dentro da cultura e conhecimento português. Esses nomes se
fundamentam na cultura de Portugal, visto que foi o capitão, que era português, que os escolheu, inspirando-se no catolicismo: Pascoal – de Páscoa; e Vera Cruz fazendo
alusão à cruz de Cristo.
50

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-055-074-LA-M003.indd 50 7/16/15 4:54 PM


4. Verdadeira. A carta de Caminha é o documento com maior valor histórico do Brasil, é o registro que documenta a “descoberta” do Brasil pelos portugueses e que des-
creve a vida dos índios; Falsa. A carta não tem nenhum valor publicitário, mas sim documentário; Verdadeira. Pelo conteúdo da carta, observa-se que Caminha se preocupou
em descrever tudo o que ele via com o intuito de informar ao rei. Assim, é caracterizada como essencialmente descritiva; Falsa. Muitos relatos de viajantes serviram como
norteadores da nova terra, além disso, tem-se a literatura jesuítica, que serviu também a informar sobre a terra recém-descoberta; Falsa. Caminha descreve os habitantes da
terra enaltecendo sua inocência, demonstrando que, ao não encobrirem suas vergonhas (partes íntimas), não o faziam por mal, mas por natureza.
Águas são muitas; infindas. E em tal maneira I. A produção literária no Brasil, no século XVI, era
é graciosa que, querendo-a aproveitar, dar-se-á restrita às literaturas de viagens e jesuíticas de
nela tudo, por bem das águas que tem. caráter religioso.
Porém o melhor fruito, que dela se pode ti- II. A obra literária jesuítica, relacionada às ativida-
rar me parece que será salvar esta gente. E esta des catequéticas e pedagógicas, raramente as-
deve ser a principal semente que Vossa Alteza sume um caráter apenas artístico. O nome mais
em ela deve lançar.
destacado é o do padre José de Anchieta.
A feição deles é serem pardos, maneira de
avermelhados, de bons rostos e bons narizes,
III. O nome Quinhentismo está ligado a um refe-
bem feitos. Andam nus, sem cobertura alguma. rencial cronológico – as manifestações literárias
Não fazem o menor caso de encobrir ou de mos- no Brasil tiveram início em 1500, época da co-
trar suas vergonhas; e nisso têm tanta inocência lonização portuguesa – e não a um referencial
como em mostrar o rosto. estético.
Parece-me gente de tal inocência que, se ho- IV. As produções literárias neste período prendem-
mem os entendesse e ele a nós, seriam logo cris- -se à literatura portuguesa, integrando o conjun-
tãos, porque eles, segundo parece, não têm, nem to das chamadas literaturas de viagens ultramari-
entendem em nenhuma crença. nas, e aos valores da cultura greco-latina.
Eles não lavram, nem criam. Não há aqui boi, V. As produções literárias deste período constituem
nem vaca, nem cabra, nem ovelha, nem galinha, um painel da vida dos anos iniciais do Brasil co-
nem qualquer outra alimária, que costumada lônia, retratando os primeiros contatos entre os
seja ao viver dos homens. Nem comem senão
europeus e a realidade da nova terra.
desse inhame, que aqui há muito, e dessa se-
mente e fruitos, que a terra e as árvores de si Assinale a alternativa correta.
lançam. E com isto andam tais e tão rijos e tão a) Somente as afirmativas I, IV e V são verdadeiras.
nédios que o não somos nós tanto, com quanto b) Somente a afirmativa II é verdadeira.
trigo e legumes comemos.
c) Somente as afirmativas I, II, III e V são verdadeiras.
E nesta maneira, Senhor, dou aqui a Vossa
Alteza conta do que nesta terra vi. E, se algum d) Somente as afirmativas III e IV são verdadeiras.
pouco me alongei, Ela me perdoe, pois o desejo e) Todas as afirmativas são verdadeiras.
que tinha de tudo vos dizer, mo fez pôr assim
pelo miúdo.
6.
(UCS-RS) Com base na Carta do Achamento, de Pero
Beijo as mãos de Vossa Alteza. Vaz de Caminha, considere as seguintes afirmações.
Deste Porto Seguro, da vossa Ilha de Vera Cruz, I. Na Carta, o escrivão Caminha descreve o des-
hoje, sexta-feira, primeiro dia de maio de 1500. cobrimento de uma nova terra, chamando a
Pero Vaz de Caminha (Jaime Cortesão, A carta de Pero Vaz de Caminha. Rio
de Janeiro: Livros de Portugal, 1943, p. 199-241.
atenção para a beleza natural, a fertilidade, a
Coleção Clássicos e Contemporâneos.) cordialidade dos índios e as riquezas.
Evidenciando a leitura compreensiva do texto, julgue II. No texto, é possível perceber um dos objetivos
os itens a seguir. da expansão marítima de Portugal: catequização
dos gentios para a ampliação do mundo cristão.
( V ) Diferentemente de outros documentos do século
XVI acerca da descoberta do Brasil, hoje esque- III. A Carta, um dos relatos que fazem parte da lite-
cidos, a carta de Pero Vaz de Caminha continua ratura informativa sobre o Brasil, é considerada
a ser lida devido à sua importância histórica e, mais um documento histórico do que uma obra
também, por conter elementos da função poética literária.
da linguagem. Das afirmativas acima, pode-se dizer que:
( F ) A carta de Pero Vaz de Caminha é considerada a) apenas I está correta. 6. Todas as afirmativas estão
pela história brasileira o primeiro documento corretas.
b) apenas III está correta.
publicitário oficial do país.
c) apenas I e II estão corretas.
( ) A carta de Caminha é um texto essencialmente
V
d) apenas II e III estão corretas.
descritivo.
e) I, II e III estão corretas.
( ) Pero Vaz de Caminha foi o único português a
F
enviar notícias da descoberta do Brasil ao rei de
Questões de vestibular

Portugal. 7.
(Ufla-MG) Sobre a produção da literatura de infor-
mação, é correto afirmar que:
( F ) Segundo Caminha, os habitantes da Ilha de Vera
Cruz eram desavergonhados. a) a prática do canibalismo e a poligamia dos indí-
genas foram vistas com naturalidade pelos portu-
5.
(Udesc) O movimento literário que retrata as ma- gueses, por considerá-los avessos a qualquer com-
nifestações literárias produzidas no Brasil à época portamento de civilidade.
de seu descobrimento, e durante o século XVI, é b) a “certidão de nascimento” do Brasil – carta es-
conhecido como Quinhentismo ou Literatura de In- crita por Pero Vaz de Caminha – não é considera-
formação. Analise as proposições em relação a este da um documento fidedigno, em razão da forte
período. influência religiosa.
5. A afirmativa IV está incorreta, pois não se pode relacionar a cultura greco-latina 7. A literatura de informação, presente na época do Quinhentismo, é caracterizada
à produção textual no Quinhentismo. por apresentar relatos de viajantes sobre a terra que mais tarde foi denominada
Brasil. A carta de Caminha é o principal exemplo, com descrição detalhada da terra
“encontrada” e suas riquezas. 51

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-055-074-LA-M003.indd 51 7/16/15 4:55 PM


8. A assertiva IV está incorreta, pois Caminha não tece uma crítica aos nativos da
terra por não lavrarem ou criarem gados ou animais; ele apenas diz que os índios
se alimentam daquilo que está disponível a eles, e comenta sobre a inocência
deles e que não fazem parte de crença alguma.
c) os escritos dos cronistas e viajantes tinham caráter IV. Ao afirmar que os habitantes da terra descoberta não
marcadamente descritivo, já que se empenhavam lavram nem criam, alimentam-se do que a natureza
em fazer levantamentos da fauna, flora, rios, gen- lhes oferece, Caminha tece uma crítica à inaptidão
tes do mundo tropical. e inércia daqueles que vivem mal, utilizando, por
d) os primeiros relatos revestiam-se de um caráter desconhecimento, as riquezas naturais da região.
intimista, amistoso. O nativo é descrito como um V. As citações revelam que a Carta do Achamento do
ser humano de grande valor e as diversidades cul- Brasil tem por objetivo descrever a nova terra de
turais são sempre respeitadas e admiradas. modo a atrair os que estão distantes pela riqueza
e beleza de que é possuidora.
8.
(UPE) Estão corretos, apenas:
“Ali ficamos um pedaço, bebendo e folgando, a) I, II e IV. d) II e IV.
ao longo dela, entre esse arvoredo, que é tan- b) I, II, III e V. e) I e II.
to, tamanho, tão basto e de tantas prumagens, c) I, II e III.
que homens as não podem contar. Há entre ele
muitas palmas, de que colhemos muitos e bons
palmitos.”
9.
(UPE)
“Parece-me gente de tal inocência que, se Auto de São Lourenço
homem os entendesse e eles a nós, seriam logo (Primeiro Ato)
cristãos, porque eles, segundo parece, não (Cena do martírio de São Lourenço)
têm, nem entendem nenhuma crença. E, por- Bom Jesus, quando te vejo
tanto, se os degredados, que aqui hão de ficar Na cruz, por mim flagelado,
aprenderem bem a sua fala e os entenderem,
Eu por ti vivo e queimado
não duvido que eles, segundo a santa inten-
Mil vezes morrer desejo
ção de Vossa Alteza, se hão de fazer cristãos
e crer em nossa santa fé, à qual praza a Nosso Pois teu sangue redentor
Senhor que os traga, porque, certo, esta gente Lavou minha culpa humana,
é boa e de boa simplicidade. E imprimir-se-á Arda eu, pois, nesta chama
ligeiramente neles qualquer cunho, que lhes Com fogo do teu amor.
quiserem dar. E pois Nosso Senhor, que lhes O fogo do forte amor,
deu bons corpos e bons rostos, como a bons Ah, meu Deus!, com que me amas
homens, por aqui nos trouxe, creio que não foi
Mais me consome que as chamas
sem causa.”
E brasas, com seu calor.
“Eles não lavram, nem criam. Não há aqui
Pois teu amor, pelo meu,
boi, nem vaca, nem cabra, nem ovelha, nem
galinha, nem qualquer outra alimária, que cos- Tais prodígios consumou,
tumada seja ao viver dos homens. Nem comem Que eu, nas brasas onde estou,
senão desse inhame, que aqui há muito, e dessa Morro de amor pelo teu.
semente e frutos, que a terra e as árvores de si ANCHIETA, José. O auto de São Lourenço. Trad. Walmyr Ayala.
lançam. E com isto andam tais e tão rijos e tão Rio de Janeiro: Ediouro. s.d. p. 110.
nédios, que o não somos nós tanto, com quanto Considerando a leitura do Primeiro Ato do Auto de
trigo e legumes comemos.” São Lourenço, escrito por José de Anchieta, analise as
afirmativas a seguir:
Partindo da leitura das três citações da Carta de Pero
Vaz de Caminha, analise os itens a seguir: I. São Lourenço tem convicção de que seu sacrifício
vale a pena, por ser esse um forte compromisso
I. Trata-se de um documento histórico que exalta religioso, portanto uma prova viva e contundente
a terra descoberta mediante o uso de expressões de amor a Deus, o que se confirma no verso “Mil
valorativas dos hábitos e costumes de seus ha- vezes morrer desejo”.
bitantes, o que, de um lado, revela a surpresa
dos portugueses recém-chegados, de outro, II. O eu lírico demonstra não ter consciência da im-
tem a intenção de instigar o rei a dar início à portância do “Bom Jesus” para a sua vida e para
colonização. a vida de seu povo. Isso fica claro nos versos “Eu
por ti vivo e queimado/ Mil vezes morrer desejo”.
II. Ao afirmar que os habitantes da nova terra não
têm nenhuma crença, Caminha faz uma avalia- III. O Auto de São Lourenço foi escrito por Anchieta,
ção que denota seu desconhecimento sobre a cul- visando à difusão dos preceitos da religião cató-
tura daqueles que habitam a terra descoberta, lica, tendo em vista que uma das principais mis-
pois todos os grupos sociais, primitivos ou não, sões dos jesuítas no Brasil era a catequese dos
têm suas crenças e mitos. povos indígenas brasileiros.
III. Caminha usa a conversão dos gentios como argu- IV. São Lourenço, quando de seu sacrifício a Deus,
mento para atrair a atenção do Rei Dom Manuel demonstra um profundo sentimento de alegria,
sobre a terra descoberta, colocando, mais uma objetivando, com isso, impressionar os povos
vez, a expansão da fé cristã como bandeira dos indígenas brasileiros e ensiná-los como temer
conquistadores portugueses. as ordens divinas.

52

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-055-074-LA-M003.indd 52 7/15/15 10:35 AM


9. As afirmativas II e IV estão incorretas, pois o eu lírico demonstra sim sua devo-
ção ao “Bom Jesus”, como é possível ver nos versos “Bom Jesus, […] Eu por ti vivo
e queimado, Mil vezes morrer desejo”; e não se demonstra nos versos desejo do eu
lírico de querer impressionar os indígenas.
V. Há elementos representativos da linguagem co- O remédio será seguir o imundo
notativa e, embora esse auto de Anchieta, de fun- Caminho, onde dos mais vejo as pisadas,
ção claramente religiosa, não tenha um esquema Que as bestas andam juntas mais ousadas,
de rimas tradicionais como o soneto, observa-se
que nele há um ritmo cadenciado nos versos. Do que anda só o engenho mais profundo.

Está correto o que se afirma em:


a) I, II e III. d) II, III e V. Não é fácil viver entre os insanos,
b) I, III e V. e) III, IV e V. Erra, quem presumir que sabe tudo,

c) II, III e IV. Se o atalho não soube dos seus danos.

O prudente varão há de ser mudo,


O Barroco Que é melhor neste mundo, mar de enganos,
1.
(UPE) Sobre a fundamentação do Barroco no Brasil, Ser louco c’os demais, que só, sisudo.
assinale a alternativa correta. (MATOS, Gregório de. Poemas escolhidos. São Paulo: Cultrix, 1989. p. 253)
a) Tem como marco introdutório a publicação da
O Barroco faz um uso particular de metáforas para
epopeia, referenciada como a maior obra do gê-
concretizar abstrações. No texto, encontram-se vocá-
nero épico da Língua Portuguesa cuja autoria
bulos cujos significados constroem imagens vincula-
é atribuída a Luís Vaz de Camões, publicada em
das à travessia do eu lírico no mundo. Retire do texto
1640, ano em que Portugal e consequentemente o
quatro vocábulos desse campo semântico, sendo dois
Brasil voltam a se tornar autônomos em relação à
verbos e dois substantivos.
dominação espanhola.
b) A poesia barroca de Gregório de Matos e os ser- Uma das principais características do Barroco é o uso de figuras de estilos
mões do Padre Antônio Vieira são, do ponto de vis-
ta estético, distintos, pois o poeta tece críticas fer- na literatura, como antíteses, paradoxos, hipérbatos e metáforas. No poema
renhas à sociedade baiana de seu tempo, ao passo de Gregório de Matos, percebe-se que ele fez uso de metáforas ao construir
que os sermões do religioso se eximem de qualquer
relação com os problemas a ele contemporâneos. a ideia da travessia traçada pelo eu lírico. Os vocábulos que permitem
c) Tanto a poesia satírica de Gregório de Matos
identificar isso são (entre outros possíveis) os verbos ando, seguir, erra; e os
quanto os sermões do Padre Vieira revelam o
envolvimento de ambos os autores com acon- substantivos passadas, vias, caminho, pisadas, atalho.
tecimentos da época. Daí o poeta ser apelidado
de “o boca do inferno”, e o padre jesuíta ter sido 
condenado ao silêncio por dez anos pela Igreja à
qual pertencia. 

d) Um texto barroco bem caracterizado é aquele que 


reflete os anseios de um homem equilibrado, do-
minado pela razão, além de ter como riqueza a
metáfora e a metonímia, as quais tornam a lingua- 3.
(Unifesp) Os versos de Gregório de Matos são base
gem concisa e clara. Tal ocorrência é facilmente para responder à questão.
identificada tanto na poesia conceptista de Gregó-
Neste mundo é mais rico, o que mais rapa:
rio como nos sermões cultistas do Padre Vieira.
Quem mais limpo se faz, tem mais carepa:
e) O Barroco produzido no Brasil se restringiu a
duas personalidades importantes, Gregório de Com sua língua ao nobre o vil decepa:
Matos e Padre Vieira. Por essa razão, Bento Tei- O Velhaco maior sempre tem capa.
xeira, autor de Prosopopeia, não é reconhecido
como poeta lírico, apesar de ter criado sonetos Levando em consideração que, em sua produção
de reconhecido valor estético sobre o amor eróti- literária, Gregório de Matos dedicou-se também à
co, o que lhe rendeu a prisão pela Santa Inquisi- sátira irreverente, pode-se afirmar que os versos se
ção em Olinda. marcam:
a) pelo sentimentalismo, fruto da sintonia do eu líri-
Questões de vestibular

2. (UFRJ) Leia o texto a seguir. co com a sociedade.


b) pela indiferença, decorrente da omissão do eu líri-
Segue neste soneto a máxima de bem viver co com a sociedade.
que é envolver-se na confusão dos néscios
c) pelo negativismo, pois o eu lírico condena a socie-
para passar melhor a vida dade pelo viés da religião.
Carregado de mim ando no mundo,
d) pela indignação, advinda de um ideal moralizante
E o grande peso embarga-me as passadas, expresso pelo eu lírico.
Que como ando por vias desusadas, e) pela ironia, já que o eu lírico supõe que todas as
Faço o peso crescer, e vou-me ao fundo. pessoas são desonestas.
1. Gregório de Matos ficou conhecido por ser um poeta crítico de seu tempo, era 3. Gregório de Matos foi um poeta crítico de seu tempo, crítica essa que aparecia
polêmico e criava obras em tons satíricos e irônicos sobre pessoas públicas da sobretudo em seus poemas satíricos. Nos versos apresentados, observa-se que ele
sociedade e entidades, o que acabou lhe gerando inimigos e o apelido “boca do in- faz uma crítica a pessoas desonestas de falsas aparências, como a oposição entre
ferno”. Padre Vieira se envolveu na causa dos cristãos-novos perante a Inquisição, “nobre” e “vil”, mostrando-se indignado de haver no mundo hipocrisias, contra- 53
além disso permaneceu preso por defender ideias sebastianistas. pondo a seu ideal moralizante de vida.

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-055-074-LA-M003.indd 53 7/16/15 4:55 PM


4. A única afirmativa correta é a V. As restantes apresentam informações caracte-
rísticas do Barroco que não se aplicam aos textos apresentados. No entanto, a du-
alidade entre o santo e o profano, o pecado e a salvação, apontados na afirmativa
V, aparece nos versos citados.
4.
(UPE) O Barroco no Brasil se desenvolveu com base Muitos mulatos desavergonhados,
em duas vertentes: o cultismo e o conceptismo. Na Trazidos pelos pés aos homens nobres;
obra de Gregório de Matos, há aspectos caracterizado- Posta nas palmas toda a picardia.
res de ambas as vertentes, além de uma produção de
temática diversificada. Leia os poemas a seguir:
Estupendas usuras nos mercados;
Texto 1 Todos os que não furtam, muito pobres;
Anjo no nome, Angélica na cara! Eis aqui a cidade da Bahia.
Isso é ser flor, e Anjo juntamente: Gregório de Matos Guerra
Ser Angélica flor e Anjo florente,
Sobre eles, analise as afirmativas a seguir:
Em quem, se não em vós, se uniformara:
I. No que se refere a esses poemas, apesar de os
Quem vira uma tal flor, que a não cortara, três pertencerem a Gregório de Matos, eles não
mantêm relação com o cultismo e o conceptismo,
Do verde pé, da rama florescente;
o que se configura como exceção, além de apre-
E quem um Anjo vira tão luzente; sentarem temáticas e formas diferentes, tendo a
Que por seu Deus, o não idolatrara? cidade da Bahia como cenário.
II. Os três poemas pertencem ao gênero lírico, pois
Se pois se como Anjo sois dos meus altares, tratam do sentimento amoroso numa perspectiva
Fôreis o meu Custódio, e a minha guarda, cultista, característica única da poesia do autor
Livrara eu de diabólicos azares. baiano, cujo eu lírico sempre foi devotado a um
sentimento amoroso, idealizado à moda de Platão.
Mas vejo, que por bela, e por galharda, III. Os textos se caracterizam formalmente como so-
netos, que pertencem a gêneros diferentes. Os dois
Posto que os Anjos nunca dão pesares,
primeiros são satíricos, e o terceiro, lírico amoro-
Sois Anjo, que me tenta, e não me guarda. so, razão pela qual a produção poética de Gregório
Gregório de Matos Guerra de Matos é vista por críticos e historiadores como
retrato da sociedade baiana do século XVII.
Texto 2
IV. Nos três textos, o poeta revela profundo desprezo
Pequei, Senhor; mas não porque hei pecado, por aspectos diferentes: no primeiro, não valo-
Da Vossa alta Piedade me despido: riza a imagem da mulher; no segundo, rejeita
Porque quanto mais tenho delinquido, Deus, uma vez que, na terceira estrofe, o respon-
Vos tenho perdoar mais empenhado. sabiliza pelos pecados humanos. No terceiro tex-
to, critica ardorosamente a sociedade baiana.
Se basta, a vos tanto pecado, V. Gregório de Matos, nos dois primeiros poemas,
apresenta peculiaridades do estilo Barroco. No
A abrandar-vos sobeja um só gemido:
texto 1, “Anjo no nome, Angélica na cara”, há o
Que a mesma culpa, que vos há ofendido, conflito entre o espiritual e o terreno; no texto 2,
Vos tem para o perdão lisonjeado. em “Pequei, Senhor; mas não porque hei pecado”,
há a religiosidade, reveladora de contradição entre
Se uma ovelha perdida, e já cobrada, a vida de pecado e a confissão de arrependimento.
Glória tal e prazer tão repentino Está correto apenas o que se afirma em:
Vos deu, como afirmais na Sacra História: a) I, II e III. d) IV.
b) I, II, III e IV. e) V.
Eu sou, Senhor, a ovelha desgarrada; c) I e IV.
Cobrai-a; e não querereis Pastor Divino,
Perder na vossa ovelha a vossa glória. 5.
(UFSM-RS) Padre Antônio Vieira, em seu Sermão de
Gregório de Matos Guerra
Santo Antônio ou dos Peixes, vale-se da fauna aquática,
especialmente a da costa brasileira, para dar força e
Texto 3 vida às suas palavras, como se vê no fragmento a seguir.
A cada canto um grande conselheiro, Outra coisa muito geral, que não tanto me
Que nos quer governar cabana e vinha: desedifica, quanto me lastima, em muitos de
vós, é aquela tão notável ignorância e cegueira
Não sabem governar sua cozinha que em todas as viagens experimentam os que
E podem governar o mundo inteiro! navegam para estas partes. Tome um homem do
mar um anzol, ata-lhe um pedaço de pano cor-
Em cada porta um bem frequente olheiro tado e aberto em duas ou três pontas, lança-o
por um cabo delgado até tocar na água, e em o
Da vida do vizinho e da vizinha,
vendo o peixe, arremete cego a ele e fica preso
Pesquisa, escuta, espreita e esquadrinha e boqueando até que, assim suspenso no ar, ou
Para o levar à praça e ao terreiro. lançado no convés, acaba de morrer. Pode haver

54

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-055-074-LA-M003.indd 54 7/15/15 10:35 AM


5. Padre Antônio Vieira utilizava seus sermões para trazer aos seus ouvintes lições 6. Gregório de Matos e Aleijadinho foram representantes expressivos do Barroco, sendo o pri-
moralizantes, muitas vezes com caráter educacional. A primeira afirmativa está meiro na literatura e o segundo na arte visual, principalmente na escultura. Os principais temas
incorreta porque não há relação entre a fauna aquática brasileira e a multiplicação para as esculturas de Aleijadinho repousam na religiosidade. Nas obras de Gregório de Matos,
dos peixes. há a presença de várias temáticas, como a religiosa e a satírica.
maior ignorância e mais rematada cegueira que Pequei, Senhor; mas não porque hei pecado,
esta? Enganados por um retalho de pano, perder Da vossa alta clemência me despido;
a vida?
Porque quanto mais tenho delinquido,
Dir-me-eis que o mesmo fazem os homens.
Não vô-lo nego. Dá um exército batalha contra Vos tenho a perdoar mais empenhado.
outro exército, metem-se os homens pelas pon- Obra poética de Gregório de Matos. Rio de Janeiro: Record: 1990.
tas dos piques, dos chuços e das espadas, e por Durante o período colonial brasileiro, as principais mani-
quê? Porque houve quem os engodou e lhes fez festações artísticas, populares ou eruditas, foram, assim
isca com dois retalhos de pano. A vaidade entre como nos demais aspectos da vida cotidiana, marcadas
os vícios é o pescador mais astuto e que mais
pela influência da religiosidade. Nesse sentido, com
facilmente engana os homens. E que faz a vai-
base na análise da presença da religiosidade na obra de
dade? Põe por isca nas pontas desses piques,
desses chuços e dessas espadas dois retalhos de
Aleijadinho e Gregório de Matos, é correto afirmar:
pano, ou branco, que se chama hábito de Malta; a) Ambas são modelos da arte barroca, uma vez que
ou verde, que se chama de Aviz; ou vermelho, se inspiram mais na temática cristã do que em ele-
que se chama de Crista e de Santiago; e os ho- mentos oriundos da mitologia greco-romana.
mens por chegarem a passar esse retalho de pano b) A presença da temática religiosa em ambos deve-se
ao peito, não reparam em tragar e engolir o ferro. à influência protestante holandesa na região da
A partir da leitura do fragmento, assinale verdadeira Bahia e de Minas Gerais.
(V) ou falsa (F) em cada afirmativa a seguir. c) No trecho do poema, tem-se a expressão de um
( F ) A referência aos peixes, no fragmento e no ser- pecador que, embora creia em Deus, não tem cer-
mão como um todo, deve-se ao “milagre da mul- teza de que obterá o perdão divino.
tiplicação dos peixes”, realizado por Jesus Cristo, d) A pobreza estética da obra de Aleijadinho e Matos
o que serve de ponto de partida para o texto de deriva da censura promovida pela Santa Inquisi-
Vieira. ção às obras artísticas no Brasil.
( V ) Por meio da analogia, Vieira compara como os
peixes são pescados e como os homens perdem-se, Leia o trecho do Sermão pelo bom sucesso das armas
ambos vítimas de um engano. de Portugal contra as de Holanda, do Padre Antônio
( V ) Os fatos narrados no fragmento apresentam se- Vieira, e o soneto de Gregório de Matos Guerra para
melhanças com o enredo de uma fábula, no sen- responder às questões 7 e 8.
tido de que seu conteúdo é utilizado para ilustrar Sermão pelo bom sucesso das armas de
um princípio moral. Portugal contra as de Holanda
A sequência correta é: Pede razão Jó a Deus, e tem muita razão de
a) V – F – F d) F – F – V a pedir – responde por ele o mesmo santo que
b) F – V – F e) V – V – V o arguiu – porque se é condição de Deus usar
de misericórdia, e é grande e não vulgar a glória
c) F – V – V que adquire em perdoar pecados, que razão tem,
ou pode dar bastante, de os não perdoar? O mes-
6.
(UEG-GO) mo Jó tinha já declarado a força deste seu argu-
mento nas palavras antecedentes, com energia
para Deus muito forte: Peccavi, quid faciam tibi?
Como se dissera: Se eu fiz, Senhor, como homem
em pecar, que razão tendes vós para não fazer
como Deus em me perdoar? Ainda disse e quis
dizer mais: Peccavi, quid faciam tibi? Pequei,
que mais vos posso fazer? E que fizestes vós, Jó,
a Deus em pecar? Não lhe fiz pouco, porque lhe
dei ocasião a me perdoar, e, perdoando-me, ga-
nhar muita glória. Eu dever-lhe-ei a ele, como a
causa, a graça que me fizer, e ele dever-me-á a
mim, como a ocasião, a glória que alcançar.

A Jesus Cristo Nosso Senhor


Questões de vestibular

Pequei, Senhor, mas não porque hei pecado,


Da vossa piedade me despido;
Porque, quanto mais tenho delinquido,
Vos tenho a perdoar mais empenhado.

Se basta a vos irar tanto um pecado,


A abrandar-vos sobeja um só gemido:
Que a mesma culpa, que vos há ofendido,
Aleijadinho, Cristo do carregamento da Cruz. Enciclopédia Barsa, 1998. Vos tem para o perdão lisonjeado.

55

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-055-074-LA-M003.indd 55 7/16/15 4:56 PM


7. Os textos de cunho religioso tanto de Gregório de Matos como de Padre Antô-
nio Vieira, representantes do Barroco, trazem o perdão como ato de misericórdia
de Deus. Nos textos apresentados, eles fazem uso dos textos bíblicos de Jó e da
ovelha desgarrada como forma de justificar o perdão divino.
Se uma ovelha perdida e já cobrada 9.
(UFSM-RS) Leia o seguinte fragmento, extraído do
Glória tal e prazer tão repentino Sermão de Santo Antônio, de Pe. Vieira.
Vos deu, como afirmais na sacra história, […] o pão é comer de todos os dias, que
sempre e continuamente se come: isto é o que
padecem os pequenos. São o pão cotidiano
Eu sou, Senhor, a ovelha desgarrada: dos grandes; e assim como o pão se come com
Cobrai-a, e não queirais, pastor divino, tudo, assim com tudo e em tudo são comidos os
Perder na vossa ovelha a vossa glória. miseráveis pequenos, não tendo, nem fazendo
ofício em que os não carreguem, em que os não
7.
(UFRGS-RS) Assinale a alternativa correta a respeito multem, em que os não defraudem, em que os
não comam, traguem e devorem […]
dos textos.
a) Os autores, ao remeterem aos exemplos bíblicos No trecho, observa-se que Vieira:
de Jó e da ovelha perdida, elogiam a autoridade I. constrói a argumentação por meio da analogia,
divina capaz de perdoar os pecados, mesmo que à o que constitui um traço característico da prosa
custa de sua glória e de seu discernimento. vieiriana.
b) Jó, de acordo com Vieira, argumenta que há tanta II. finaliza com uma gradação crescente a fim de
glória em perdoar como em não perdoar, enquan- dar ênfase à voracidade da exploração sofrida
to, para Gregório, o perdão concedido ao pecador pelos pequenos.
renitente é a prova da glória de Deus. III. afirma, ao estabelecer uma comparação entre os
c) Os autores, ao remeterem aos exemplos bíblicos humildes e o pão, alimento de consumo diário,
de Jó e da ovelha perdida, inibem a autoridade que a exploração dos pequenos é aceitável por-
divina que se vê constrangida a aceitar os argu- que é cotidiana.
mentos de dois pecadores. Está(ão) correta(s):
d) Jó, de acordo com Vieira, considera que a ocasião a) apenas I. 9. As afirmativas I e II estão corretas, pois são
e a sorte impediram que a graça divina se manifes- características dos textos de Vieira as metáfo-
b) apenas I e II.
tasse, enquanto para Gregório a graça divina não ras e as analogias. Além disso, está claro o uso
sofre restrições. c) apenas III. de crescente gradação na sequência final do
trecho citado (que os não multem, em que os
e) Os autores, ao remeterem aos exemplos bíblicos d) apenas II e III. não defraudem, em que os não comam, tra-
de Jó e da ovelha perdida, reforçam seus argu- e) I, II e III. guem e devorem).
mentos a favor do perdão como garantia da glória
divina. 10. (UFSM-RS) Leia o trecho a seguir.
Por isto são maus ouvintes os de entendimen-
8.
(UFRGS-RS) Considere as seguintes afirmações sobre tos agudos. Mas os de vontades endurecidas ain-
os dois textos. da são piores, porque um entendimento agudo
I. Tanto Padre Vieira quanto Gregório de Matos pode-se ferir pelos mesmos fios e vencer-se uma
dirigem-se a Deus mediante a segunda pessoa agudeza com outra maior; mas contra vontades
do plural (vós, vos): Gregório argumenta que o endurecidas nenhuma coisa aproveita a agude-
Senhor está empenhado em perdoá-lo, enquanto za, antes dana mais, porque quando as setas são
Vieira dirige-se a Deus (E que fizestes vós...) para mais agudas, tanto mais facilmente se despontam
impedir que Jó seja perdoado. na pedra. Oh! Deus nos livre de vontades endure-
cidas, que ainda são piores que as pedras.
II. Padre Vieira vale-se das palavras e do exemplo de
Jó, figura do Velho Testamento, para argumentar (Sermão da Sexagésima, de Pe. Antônio Vieira.)
que o homem abusa da misericórdia divina ao
pecar, e que Deus, de acordo com a ocasião e os Pelo trecho reproduzido, pode-se concluir que o
argumentos fornecidos por Jó, inclina-se para o ­Sermão da Sexagésima trata da:
castigo no lugar do perdão. a) problemática da pregação religiosa, considerando
III. Tanto Padre Vieira como Gregório de Matos ar- as figuras dos pregadores e dos fiéis.
gumentam sobre a misericórdia e a glória divi- b) necessidade do engajamento dos fiéis nas bata-
nas: assim como Jó, citado por Vieira, declara lhas contra os holandeses.
que Deus lhe deverá a glória por tê-lo perdoado;
Gregório compara-se à ovelha desgarrada que, se c) perseguição sofrida pelo pregador em função de
não for recuperada, pode pôr a perder a glória apoio que emprestava a índios e negros.
de Deus. d) exortação que o pregador fazia em favor de seu
Quais estão corretas? projeto de criar a Campanha das Índias Ocidentais.
a) Apenas I. e) condenação aos governantes locais que desobede-
8. Apenas o item III está correto. Em ambos
b) Apenas III. os textos os autores argumentam sobre o
ciam aos princípios do mercantilismo seiscentista.
c) Apenas I e II. perdão divino.
11. (UFSM-RS) A desarmonia e a contradição são ca-
d) Apenas II e III. racterísticas predominantes no Barroco. Observe os
e) I, II e III. fragmentos poéticos de Gregório de Matos, a seguir
10. O Sermão da Sexagésima é obra mais importante de Vieira. Nele, trabalha-se
o tema da palavra de Deus como semente no coração do homem; é um sermão
em que ele trata da arte de pregar, por isso também tem uma característica me-
56 talinguística.

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-055-074-LA-M003.indd 56 7/15/15 10:35 AM


transcritos, e verifique qual(quais) confirma(m) es-
sas características.
I. “Amanheceu o dia prometido, / famoso, alegre,
claro e prazenteiro; / bom dia, disse eu, para
viagem.”
II. “O ódio é da alma infame companhia / a paz dei-
xou-a Deus à cristandade; / mas arrastar por for-
ça uma vontade, / em vez de caridade é tirania.”
III. “De que pode servir falar quem cala? / Nunca
se há de falar o que se sente, / Sempre se há de
sentir o que se fala.”
Está(ão) correta(s):
a) apenas I. Anjo barroco. LISBOA, Antônio Francisco. (Aleijadinho). Ouro Preto. s.d.
11. Apenas os versos dos itens II e III Foto: ROSA, João Marcos. Disponível em: <http:viajeaqui.abril.com.br
b) apenas I e II. /vt/matérias/vt_materia.424898.shtml>. Acesso em: 18 ago. 2011.
apresentam desarmonia e contradição:
c) apenas III. “ódio/paz; falar/calar” etc.
d) apenas I e III.
e) apenas II e III.

12. (UFPR) Considerando a poesia de Gregório de Matos


e o momento literário em que sua obra se insere,
avalie as seguintes afirmativas:
1. Apresentando a luta do homem no embate entre
a carne e o espírito, a terra e o céu, o presente e a
eternidade, os poemas religiosos do autor corres-
pondem à sensibilidade da época e encontram pa-
ralelo na obra de um seu contemporâneo, Padre
Antônio Vieira.
VAREJÃO, Adriana. Luta de guerreiros nus II, 2002. Disponível em:
2. Os poemas erótico-irônicos são um exemplo <http://transitos.zip.net/arch2008-04-13_2008-04-19.html>.
da versatilidade do poeta, mas não são repre- Acesso em: 18 ago. 2011.
sentativos da melhor poesia do autor, por não
apresentarem a mesma sofisticação e riqueza A profusão dos elementos que compõem as imagens
de recursos poéticos que os poemas líricos ou corresponde, nos versos de Gregório de Matos, a uma
religiosos apresentam. linguagem:
a) neologista. 13. A linguagem do Barroco é rebuscada,
3. Como bom exemplo da poesia barroca, a poesia
b) racionalista. extravagante, o que caracterizava o cultismo
do autor incrementa e exagera alguns recursos – jogo de palavras e emprego de figuras de
poéticos, deixando sua linguagem mais rebuscada c) rebuscada. linguagem (hipérbole, metáforas etc.).
e enredada pelo uso de figuras de linguagem raras d) sarcástica.
e de resultados tortuosos.
4. A presença do elemento mulato nessa poesia res- 14. (UFRJ)
gata para a literatura uma dimensão social proble-
mática da sociedade baiana da época: num país de Soneto
escravos, o mestiço é um ser em conflito, vítima e [Moraliza o poeta nos ocidentes do sol
algoz em uma sociedade violentamente desigual. a inconstância dos bens do mundo]
Assinale a alternativa correta.
a) Somente as afirmativas 1 e 2 são verdadeiras. Nasce o Sol, e não dura mais que um dia,
b) Somente as afirmativas 1, 2 e 3 são verdadeiras. Depois da Luz se segue a noite escura,
c) Somente as afirmativas 1, 3 e 4 são verdadeiras. Em tristes sombras morre a formosura,
d) Somente as afirmativas 2 e 4 são verdadeiras. Em contínuas tristezas a alegria.
e) Somente as afirmativas 3 e 4 são verdadeiras.
Questões de vestibular

Porém se acaba o Sol, por que nascia?


13. (UEG-GO) Se formosa a Luz é, por que não dura?
Ofendi-vos, meu Deus, é bem verdade, Como a beleza assim se transfigura?
É verdade, Senhor, que hei delinquido, Como o gosto da pena assim se fia?
Delinquido vos tenho, e ofendido
Ofendido vos tem minha maldade. Mas no Sol, e na Luz, falte a firmeza,
MATOS, Gregório de. Ofendi-vos, meu Deus, é bem verdade. Na formosura não se dê constância,
In: Poemas escolhidos. Seleção, introdução e notas de
José Miguel Wisnik. São Paulo: Cultrix, s.d. p. 299. E na alegria sinta-se tristeza.
12. A assertiva 2 está incorreta porque os poemas eróticos-irônicos de Gregório de
Matos não representam versatilidade em suas composições, mas, sim, os mesmos
recursos que utiliza em poemas líricos e religiosos.
57

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-055-074-LA-M003.indd 57 7/15/15 10:35 AM


Começa o mundo enfim pela ignorância, E suposto que os louvores
E tem qualquer dos bens por natureza em boca própria não valem,
A firmeza somente na inconstância. se tem força esta sentença,
(MATOS, Gregório. Obras completas de Gregório de Matos. mor força terá a verdade.
Salvador: Janaína, 1969, 7 volumes.)
O certo é, pátria minha,
Todo soneto apresenta a estruturação: tese, antí-
tese e síntese. Com base nessa informação, faça o que fostes terra de alarves,
seguinte: e inda os ressábios vos duram
a) Explique de que maneira a síntese do soneto de desse tempo e dessa idade.
Gregório de Matos vincula-se ao projeto estético
do Barroco. Haverá duzentos anos,
nem tantos podem contar-se,
O Barroco centra-se numa problemática: o dualismo entre questões
que éreis uma aldeia pobre
como o santo × profano, pecado × salvação, ou seja, a questão da e hoje sois rica cidade.

ambiguidade, das contradições, dos desequilíbrios de maneira geral. Na


Então vos pisavam índios,
síntese deste poema, isso é, nas últimas estrofes, essas oposições ficam e vos habitavam cafres,
hoje chispais fidalguias,
claras nas duplas “alegria/tristeza; luz/sombra”.
arrojando personagens.

Nota: entenda-se “Bahia” como cidade.
 Gregório de Matos

 Alarves: que ou quem é rústico, abrutado, grosseiro, igno-


rante; que ou o que é tolo, parvo, estúpido.
b) Descreva como a relação entre os sentimentos de
“alegria” e “tristeza” ganha novo sentido no de- Ressábios: sabor; gosto que se tem depois.
senrolar do soneto. Cafres: indivíduo negro.

No início do poema, percebe-se o tratamento individual aos sentimentos Todas as afirmativas sobre a construção estética ou
a produção textual do poema de Gregório de Matos
de tristeza e alegria; depois, podemos ver uma ressignificação nos versos estão adequadas, exceto uma. Assinale-a.
a) Existem antíteses, características de textos no pe-
seguintes, quando o eu lírico considera que ambos os sentimentos
ríodo barroco.
coexistem, como em: “E na alegria sinta-se tristeza”.  b) Há uma personificação, pois a Bahia, ser inanima-
do, é tratada como ser vivo.

c) A ausência de métrica aproxima o poema do Mo-
 dernismo.
d) O eu lírico usa o vocativo, transformando a Bahia

em sua interlocutora.
 e) Há diferença de tratamento para os habitantes lo-
cais e os estrangeiros.
15. (UFF-RJ) Leia o poema a seguir:
Senhora Dona Bahia, O Arcadismo
nobre e opulenta cidade, 1.
(UFSM-RS) A luta é um dos assuntos preferidos da
madrasta dos naturais, literatura épica. Leia o seguinte trecho do poema épi-
e dos estrangeiros madre: co, de Basílio da Gama, que trata desse assunto:
Tatu-Guaçu mais forte na desgraça
Dizei-me por vida vossa Já banhado em seu sangue pretendia
em que fundais o ditame Por seu braço ele só pôr termo à guerra.
de exaltar os que aqui vêm, Caitutu de outra parte altivo e forte
e abater os que aqui nascem? Opunha o peito à fúria do inimigo,
E servia de muro à sua gente.
Se o fazeis pelo interesse Fez proezas Sepé naquele dia.
de que os estranhos vos gabem, Conhecido de todos, no perigo
isso os paisanos fariam Mostrava descoberto o rosto e o peito
com conhecidas vantagens. Forçando os seus co’exemplo e co’as palavras.
15. Não há ausência de métrica no poema, que apresenta vezes em redondilhas
maiores (versos curtos com sete sílabas), exemplo: “se/ tem/ for/ça es/ta/ sen/ten/
ça; mor/ for/ça/ te/rá a/ ver/da/de”.
58

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-055-074-LA-M003.indd 58 7/15/15 10:35 AM


Assinale verdadeira (V) ou falsa (F) em cada uma das Vai-te, Amor, em vão socorres
afirmações relacionadas com O Uraguai. ao mais grato empenho meu:
( V ) O assunto d’O Uraguai é a expedição mista de para formar-lhe o retrato
portugueses e espanhóis contra as missões je- não bastam tintas do céu.
suíticas do Rio Grande do Sul, para executar as
cláusulas do tratado de Madrid, em 1756. Certame: disputa.
( V ) Mesmo se posicionando favoravelmente aos Juno: deusa da mitologia romana, esposa de Júpiter.
vencedores europeus, o narrador de O Uraguai
Palas: deusa da mitologia romana, presidia a guerra.
deixa perceber, em passagens como a citada, sua
simpatia e admiração pelo povo indígena. Deusa de Citera: Afrodite, deusa do amor.
( V ) No fragmento referido, Tatu-Guaçu, Sepé e Páris: príncipe troiano, responsável por escolher a deusa
Caitutu têm exaltadas suas forças físicas e mo- mais bela do Olimpo.
rais, lembrando os heróis épicos da antiguidade.
Relacione as colunas e, na sequência, assinale a alter-
( F ) A análise formal dos versos confirma que Basílio nativa correspondente.
da Gama imita fielmente a epopeia clássica, re-
presentada pelo modelo vernáculo da época: Os 1. Estética barroca
Lusíadas, de Camões. 2. Estética árcade
( V ) A valorização do índio e da natureza brasileira ( 2 ) Apresenta texto poético claro, conciso, objeti-
corresponde aos ideais iluministas e árcades da vo, com estrutura frasal geralmente em ordem
vida primitiva e natural e prenuncia uma tendên- direta.
cia da literatura romântica: o nativismo. ( 1 ) Caracteriza-se por figuras de linguagem, tais
A sequência correta é: como: metáfora, antítese, hipérbole, alegoria.
a) F – V – F – V – V 1. A quarta assertiva traz informações in- ( 1 ) Registra a ambiguidade, valorizando os detalhes,
corretas. O poema em questão de Basílio da
b) F – F – V – V – V Gama é considerado um marco na literatura os jogos de palavras, a tensão entre os opostos e
justamente por se diferenciar do tradicional o conflito exposto pelos contrastes.
c) V – V – V – F – V modelo clássico de poema épico. Diferen-
temente dos dez cantos de Os Lusíadas, ( 2 ) Retoma o ideal de simplicidade, herdado do mo-
d) V – F – V – F – F de Camões, essa obra é composta de cinco delo clássico greco-romano, correspondente à
cantos, com versos sem rima, e narra um tradição do equilíbrio e da racionalidade: a justa
e) V – F – F – F – V episódio recente à época.
medida.
2.
(UFSM-RS) A beleza da forma física feminina consti- A sequência correta é:
tuiu assunto predileto da poesia arcádica brasileira. a) 1 – 1 – 2 – 2 d) 2 – 1 – 2 – 2
Leia as seguintes estrofes da Lira 27 de Marília de Dir- b) 2 – 1 – 1 – 2 e) 1 – 2 – 1 – 2
ceu, de Tomás Antônio Gonzaga:
c) 1 – 2 – 2 – 1
Vou retratar a Marília,
Leia o poema do poeta árcade Cláudio Manuel da
a Marília, meus amores; Costa e responda às questões 3 e 4.
porém como? se eu não vejo
quem me empreste as finas cores: VIII
dar-mas a terra não pode; Este é o rio, a montanha é esta,
não, que a sua cor mimosa Estes os troncos, estes os rochedos;
vence o lírio, vence a rosa, São estes inda os mesmos arvoredos;
o jasmim e as outras flores. Esta é a mesma rústica floresta.

Tudo cheio de horror se manifesta,


Ah! socorre, Amor, socorre
Rio, montanha, troncos, e penedos;
ao mais grato empenho meu!
Que de amor nos suavíssimos enredos
Voa sobre os astros, voa,
Foi cena alegre, e urna é já funesta.
Traze-me as tintas do céu.
[...]
Questões de vestibular

Oh quão lembrado estou de haver subido


Entremos, Amor, entremos,
Aquele monte, e as vezes, que baixando
entremos na mesma esfera;
Deixei do pranto o vale umedecido!
venha Palas, venha Juno,
Venha a deusa de Citera. Tudo me está a memória retratando;
Porém, não, que se Marília Que da mesma saudade o infame ruído
no certame antigo entrasse, Vem as mortas espécies despertando.
bem que a Páris não peitasse,
(MOISÉS, Massaud. A literatura brasileira através de textos.
a todas as três vencera. São Paulo: Cultrix, 1986.)

59

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-055-074-LA-M003.indd 59 7/15/15 10:35 AM


3. Neste poema de Cláudio Manuel da Costa, um dos representantes do Arcadismo, a natureza é amplamente retratada, haja vista a menção às montanhas, aos rios, mas
serve para nos ambientar em sua solidão; o amor é tratado como algo tirano e perdido, o eu lírico fala como se tudo estivesse em sua memória, são lembranças que ele tinha.
3.
(UFMT) A respeito do texto, assinale a afirmativa Um pouco meditemos
verdadeira. na regular beleza,
a) A antítese Foi cena alegre, e urna é já funesta resu- que em tudo quanto vive nos descobre
me o poema, indicando a passagem do tempo e a
a sábia Natureza.
lembrança do amor perdido.
[...]
b) A natureza é cenário tranquilo, descrita sem levar
em conta o estado de espírito de quem a descreve, Tomás Antônio Gonzaga
como ocorre no Romantismo. Texto 3
c) O poema faz elogio ao pastoralismo, criticando os [...]
males que o meio urbano traz ao homem. Amigo Doroteu, não sou tão néscio,
d) Exemplo típico do Arcadismo, o poema apresenta Que os avisos de Jove não conheça.
a primazia da razão sobre a emoção, revelando a
Pois não me deu a veia de poeta,
influência da lógica iluminista.
Nem me trouxe, por mares empolados,
e) Faz referência à constância da vida, à previsibilidade
do destino, recomendando que se aproveite o dia. A Chile, para que, gostoso e mole,
Descanse o corpo na franjada rede.
4.
(UFMT) A respeito da construção do poema, assinale Nasceu o sábio Homero entre os antigos,
a afirmativa incorreta. Para o nome cantar, do grego Aquiles;
a) A métrica regular e a estrutura do poema, um so- Para cantar, também, ao pio Eneias,
neto, são de inspiração greco-latina.
Teve o povo romano o seu Vergílio:
b) Apresenta vocabulário erudito, com latinismos Assim, para escrever os grandes feitos
próprios à literatura clássica.
Que o nosso Fanfarrão obrou em Chile,
c) O jogo interior X exterior organiza o poema em
Entendo, Doroteu, que a Providência
duas partes: os dois quartetos X os dois tercetos.
Lançou, na culta Espanha, o teu Critilo.
d) Nas duas primeiras estrofes, as rimas são empare-
lhadas e interpoladas; nas duas últimas, cruzadas. [...]
e) Apresenta períodos em ordem indireta, mas sem o Tomás Antônio Gonzaga – Cartas Chilenas
radicalismo da escrita barroca.
Sobre eles, analise os itens seguintes:
5.
(UPE) No Arcadismo brasileiro, encontram-se textos I. Os três poemas são árcades e nada têm que
épicos, líricos e satíricos. Com base nessa afirmação, possamos considerá-los pertencentes a outro
leia os textos a seguir: estilo de época, uma vez que seus autores só
Texto 1 produziram poemas líricos e com características
totalmente arcádicas. Além disso, todos eles tra-
Pastores, que levais ao monte o gado,
zem referências à mitologia clássica mediante o
Vede lá como andais por essa serra; uso de termos tais como “monte”, “Natureza” e
Que para dar contágio a toda a terra, “Jove”, respectivamente, nos textos 1, 2 e 3.
Basta ver-se o meu rosto magoado: II. Tomás Antônio Gonzaga e Cláudio Manuel da
Costa são poetas árcades, embora o primeiro te-
Eu ando (vós me vedes) tão pesado; nha se iniciado como barroco, daí os trechos dos
E a pastora infiel, que me faz guerra, dois poemas de sua autoria revelarem traços desse
momento da Literatura. De outro modo, Cláudio
É a mesma, que em seu semblante encerra
Manuel da Costa, no poema 1, se apresenta pré-ro-
A causa de um martírio tão cansado. mântico, razão pela qual sua produção se encontra
dividida em dois momentos literários.
Se a quereis conhecer, vinde comigo, III. A referência a Critilo, autor textual do poema 3,
Vereis a formosura, que eu adoro; sendo espanhol, é um dado falso que tem por fi-
Mas não; tanto não sou vosso inimigo: nalidade ocultar a nacionalidade do autor mineiro
e, ao mesmo tempo, corroborar a camuflagem da
Deixai, não a vejais; eu vo-lo imploro; autoria, em decorrência do tom satírico e agres-
sivo da epístola em versos. Contudo, o desejo
Que se seguir quiserdes, o que eu sigo,
de ocultação não foi alcançado, porque Tomás
Chorareis, ó pastores, o que eu choro. Antônio Gonzaga foi preso e deportado, por ter
Cláudio Manuel da Costa sido atribuída a ele a autoria das referidas Cartas.
Texto 2 IV. O tema do amor se faz presente nos poemas
[...] 1 e 2. Ambos apresentam bucolismo, carac-
terística do Arcadismo, contudo existe algo
Enquanto pasta alegre o manso gado,
que os diferencia: o pessimismo do eu poético
minha bela Marília, nos sentemos no texto 1 e a reciprocidade do sentimento
à sombra deste cedro levantado. amoroso no 2.
4. A alternativa b está incorreta, pois o poema, de característica árcade, não apre-
senta vocabulário erudito, pelo contrário, preza pela linguagem simples.

60

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-055-074-LA-M003.indd 60 7/16/15 4:56 PM


6. Esse é um poema típico do Arcadismo, no qual se vê a valorização da vida sim- 8. O poema apresenta características tipicamente árcades, como o bucolismo, isto é, a simplicidade
ples, da harmonia da natureza, exaltando suas perfeições, remetendo a temáticas da natureza e do campo. O eu lírico fala do amor remetendo a aspectos da natureza que o rodeia. Na
como o fugere urbem, que é a fuga da cidade para o campo, e o locus amoenus, última estrofe, observamos que o campo, as belezas nele presentes, incitam como inspiração o amor, se
lugar ameno para se viver. maior tristeza o eu lírico teria se não pudesse ver as coisas que agora pode.
V. O texto 3, apesar de satírico, nega, pelos aspectos Leia o poema de Bocage para responder às questões
temáticos e formais, qualquer característica do de números 8 e 9 .
Arcadismo, pois o poeta se preocupa, de modo espe- Olha, Marília, as flautas dos pastores
cial, com os acontecimentos históricos e se exime de
Que bem que soam, como estão cadentes!
preocupação estética, revelando desconhecimento
da produção épica de poetas gregos e latinos. Olha o Tejo a sorrir-se! Olha, não sentes
Estã(ão) correto(s), apenas, o(s) item(ns): Os Zéfiros brincar por entre flores?
a) I, II e III. 5. Apenas a assertiva IV está correta, visto que no texto
1 é possível observar a posição pessimista do eu lírico
b) I e IV. com relação ao amor; já no texto 2, podemos ver que Vê como ali, beijando-se, os Amores
o eu lírico fala do amor como algo recíproco entre ele Incitam nossos ósculos ardentes!
c) II, IV e V. e a bela Marília. Além disso, ambos apresentam o bu-
d) IV. colismo, que é a principal característica da poesia dessa Ei-las de planta em planta as inocentes,
escola – a idealização da natureza, da vida no campo
e) I. e sua simplicidade. As vagas borboletas de mil cores.

6.
(Unifesp) Leia os versos do poeta português Bocage. Naquele arbusto o rouxinol suspira,
Vem, oh Marília, vem lograr comigo Ora nas folhas a abelhinha para,
Destes alegres campos a beleza, Ora nos ares, sussurrando, gira:
Destas copadas árvores o abrigo.
Que alegre campo! Que manhã tão clara!
Deixa louvar da corte a vã grandeza;
Mas ah! Tudo o que vês, se eu te não vira,
Quanto me agrada mais estar contigo,
Mais tristeza que a morte me causara.
Notando as perfeições da Natureza!
Nestes versos: 8.
(Unifesp) A descrição que o eu lírico faz do ambiente
a) o poeta encara o amor de forma negativa por cau- é uma forma de mostrar à amada que o amor:
sa da fugacidade do tempo. a) acaba quando a morte chega.
b) a linguagem, altamente subjetiva, denuncia ca- b) tem pouca relação com a natureza.
racterísticas pré-românticas do autor. c) deve ser idealizado, mas não realizado.
c) a emoção predomina sobre a razão, numa ânsia d) traz as tristezas e a morte.
de se aproveitar o tempo presente.
e) é inspirado por tudo o que os rodeia.
d) o amor e a mulher são idealizados pelo poeta, por-
tanto, inacessíveis a ele.
9.
(Unifesp) O soneto de Bocage é uma obra do Arca-
e) o poeta propõe, em linguagem clara, que se apro- dismo português, que apresenta, dentre suas carac-
veite o presente de forma simples junto à natureza. terísticas, o bucolismo e a valorização da cultura
greco-romana, que estão exemplificados, respecti-
7.
(UPE) No Arcadismo brasileiro, encontramos textos líri- vamente, em:
cos, épicos e satíricos. Sobre isso, é correto afirmar que: a) Tudo o que vês, se eu te não vira / Olha, Marília, as
a) Caramuru e O Uraguai são poemas líricos com tra- flautas dos pastores.
ços de épico, pois, em ambos, o ponto central das
narrativas é a história de amor entre dois casais de b) Ei-las de planta em planta as inocentes / Naquele
culturas diferentes. arbusto o rouxinol suspira.
b) A lira Marília de Dirceu, de autoria de Tomás An- c) Que bem que soam, como estão cadentes! / Os Zé-
tônio Gonzaga, apresenta versos rigidamente me- firos brincar por entre flores?
trificados, tendo como tema o amor entre a musa d) Mais tristeza que a morte me causara. / Olha o
Marília e o jovem pastor Dirceu. Tejo a sorrir-se! Olha, não sentes.
c) As cartas chilenas são poemas satíricos que circu- e) Que alegre campo! Que manhã tão clara! / Vê
laram em Vila Rica pouco antes da Inconfidência como ali, beijando-se, os Amores.
Mineira. As 13 cartas são assinadas por Critilo e
endereçadas a Doroteu. Texto para as questões 10 e 11.
Questões de vestibular

d) Vila Rica é um poemeto épico em que Cláudio Ma- Se das flores a bela contextura
nuel da Costa fala da grandeza do atual Estado de
Minas e alega a necessidade de seus habitantes lu- Esmalta o campo na melhor fragrância,
tarem pela Independência do Brasil, tema central Para dar uma ideia da ventura;
da poesia de todos os poetas ­inconfidentes.
e) A poesia de Tomás Antônio Gonzaga, por tratar do Como, ó Céus, para os ver terei constância,
amor de Dirceu por Marília, foge por completo das Se cada flor me lembra a formosura
normas árcades ao negar o bucolismo e exagerar o
sentimentalismo, característica que fundamenta a Da bela causadora de minha ânsia?
poesia romântica. Cláudio Manuel da Costa
7. As Cartas chilenas, de Gonzaga, caracterizam sua poesia satírica, escrita em 9. O bucolismo, ou seja, a valorização da natureza, está claro no verso “que alegre
versos decassílabos, e são endereçadas a Doroteu e enviadas por Critilo. Circulan- campo! Que manhã tão clara”; já a citação à cultura greco-romana está presen-
do na cidade de Vila Rica, essa obra é caracterizada pela crítica ao governador de te no verso “vê como ali, beijando-se, os Amores” – Amores, aqui, são os seres
Minas Gerais da época. mitológicos. 61

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-055-074-LA-M003.indd 61 7/16/15 4:56 PM


12. O tema fugere urbem, recorrente ao Arcadismo, significa fuga da cidade, uma
10. Nos versos de 4 a 6, podemos ver que o eu lírico indaga à própria natureza resistência dos poetas que acreditam que a vida no campo proporcionava mais
sobre como ele poderia usufruir de toda a beleza da natureza se esta o faz lembrar prazer que a vida na cidade. Isso fica claro no discurso que o eu lírico faz aos
de sua amada, que, por ele, é considerada causadora de sua ânsia. montes, depois de ter voltado da Corte.
10. (Mack-SP) Nos versos anteriormente citados, O campo como locus amoenus, livre de mazelas so-
componentes de um soneto, o eu lírico: ciais e morais, foi o grande tema literário à época
a) associa imagens provenientes de sensações distin- neoclássica, quando a literatura também expressou
tas para cantar a beleza da Natureza, tema princi- uma resistência à Cidade, considerada então violento
pal dos tercetos. símbolo do poder monárquico e da corrupção moral.
b) faz uso de uma estrutura silogística cuja conclu- Interprete as opções abaixo e assinale aquela em que
são nega a proposição inicial acerca da Natureza, se sintetiza o modo de resistência expresso nos versos
manifesta no primeiro terceto. de Cláudio Manuel da Costa transcritos.
a) apego à metrificação tradicional
c) levanta uma hipótese acerca do espaço que o cer-
ca para exaltar as qualidades superiores da Natu- b) bucolismo e paralelismo
reza em relação a qualquer outro ser. c) aurea mediocritas
d) confessa sua incapacidade de ser fiel a qualquer d) inutilia truncat
amor possível, dada a exuberância com que a Natu- e) fugere urbem
reza concede formosura às mais variadas mulheres.
e) confessa desgosto por não usufruir em plenitude a Leia o soneto de Cláudio Manuel da Costa para res-
harmonia da Natureza, cuja imagem ele associa à ponder às questões de números 13 e 14.
da amada distante.
Onde estou? Este sítio desconheço:
11. (Mack-SP) A produção de Cláudio Manuel da Costa, Quem fez tão diferente aquele prado?
poeta brasileiro do século XVIII: Tudo outra natureza tem tomado;
a) retrata um contexto social, político e estético com- E em contemplá-lo tímido esmoreço.
pletamente distinto do representado na obra do
Inconfidente Tomás Antônio Gonzaga.
Uma fonte aqui houve; eu não me esqueço
b) exemplifica o esforço de sua geração poética em
De estar a ela um dia reclinado;
renunciar à expressão da vida sentimental,
em busca da reprodução de objetos decorativos, Ali em vale um monte está mudado:
em versos perfeitos. Quanto pode dos anos o progresso!
c) tem em comum com a de José de Anchieta, Gregó-
rio de Matos e Padre Antônio Vieira o fato de cons- Árvores aqui vi tão florescentes,
tituir manifestação cultural do Brasil Colônia. Que faziam perpétua a primavera:
d) é exemplo da poesia condoreira, de caráter social Nem troncos vejo agora decadentes.
e político, que defendia, sobretudo, a necessidade
da libertação dos escravos.
Eu me engano: a região esta não era;
e) caracteriza-se pela contestação das formas poé-
ticas tradicionais, manifesta, por exemplo, pela Mas que venho a estranhar, se estão presentes
adoção de versos brancos e livres. Meus males, com que tudo degenera!
13. Há antítese nesse poema em: florescentes/decaden- (Obras, 1996.)
tes; o tema repousa na incerteza que transparece no eu
12. (UEPA) Leia o texto a seguir. lírico, revelando certo abalo emocional.
13. (Unifesp) São recursos expressivos e tema presentes
LXII no soneto, respectivamente:
Torno a ver-vos, ó montes; o destino a) metáforas e a ideia da imutabilidade das pessoas e
Aqui me torna a pôr nestes oiteiros; dos lugares.
Onde um tempo os gabões deixei grosseiros b) sinestesias e a superação pelo eu lírico de seus
maiores problemas.
Pelo traje da Corte rico e fino.
c) paradoxos e a certeza de um presente melhor para
o eu lírico que o passado.
Aqui estou entre Almendro, entre Corino,
d) hipérboles e a força interior que faz o eu lírico su-
Os meus fiéis, meus doces companheiros,
perar seus males.
Vendo correr os míseros vaqueiros
e) antíteses e o abalo emocional vivido pelo eu lírico.
Atrás de seu cansado desatino.
14. (Unifesp) No soneto, o eu lírico expressa-se de forma:
Se o bem desta choupana pode tanto, a) introspectiva, valendo-se da idealização da natu-
Que chega a ter mais preço, e mais valia, reza.
Que da cidade o lisonjeiro encanto; b) racional, mostrando-se indiferente às mudanças.
c) contida, descortinando as impressões auspiciosas
Aqui descanse a louca fantasia; do cenário.
E o que ‘té agora se tornava em pranto, d) eufórica, reconhecendo a necessidade de mudança.
Se converta em afetos de alegria. e) reflexiva, explorando ambiguidades existenciais.
11. José de Anchieta, Gregório de Matos e Padre Antônio Vieira são os principais 14. O poema expressa uma reflexão do eu lírico acerca de seus sentimentos, explo-
representantes do período literário colonial, relacionados, respectivamente, ao Qui- rando contrastes e opostos da existência humana, as ambiguidades existenciais,
nhentismo e ao Barroco, assim como Cláudio Manuel da Costa, representante do como mencionado na alternativa e.
62 Arcadismo.

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-055-074-LA-M003.indd 62 7/15/15 10:35 AM


TEMA
O Romantismo
4

O Romantismo em Portugal ja de Santa Maria de Alcáçova. – Há de custar a


achar em tanta confusão.
1. Carlos, filho de Dinis, não assassinou seu próprio pai. (Idem, p. 211.)
1.
(PUC-SP) Carlos tornou-se barão.
– Mas ouço eu... Espera.... é Frei Dinis; co-
a) Os excertos transcritos contrastam dois espaços
nheço-lhe os passos.
organizadores da narrativa. Caracterize e expli-
Mal a velha acabava de pronunciar este que o significado desses espaços para o conjunto
nome, surdiu, de trás de umas oliveiras que fi- do relato ficcional.
cam na volta da estrada, da banda de Santarém,
a figura seca, alta e um tanto curvada de um re- Cada trecho caracteriza um espaço, o primeiro, a natureza, o campo; o
ligioso franciscano que, abordado em seu pau
tosco, arrastando as suas sandálias amarelas e segundo, a cidade – o que compõe lados opostos, contrastando espaços
tremendo-lhe na cabeça o seu chapéu alvadio,
vinha em direção para elas. organizadores da narrativa. No conjunto do relato ficcional, o Vale de

O trecho acima integra o romance Viagens na minha Santarém, primeira descrição, é apresentado como lugar de paz e
terra, de Almeida Garrett. Apresenta o personagem
Frei Dinis, de quem não se pode afirmar que era: harmonia, representando o idealismo romântico; a segunda descrição
a) terrível frade que, nas sextas-feiras, se tornava o diz respeito à cidade Alcáçova, decadente e abandonada por seus
demônio vivo de uma mulher cega, como um vin-
gador sobrenatural. próprios cidadãos. 
b) guardião de São Francisco de Santarém, o frade

mais austero e o pregador mais eloquente daquele
tempo. 
c) Dinis de Ataíde, que se relaciona com uma mulher

casada, com quem tem um filho que será seu pró-
prio algoz e assassino. 
d) assassino do marido e do irmão de sua amante,
quando surpreendido em cilada armada por eles 
para o matarem.
e) pai de Carlos, a quem considera um maldito e en- b) A chegada à cidade de Santarém mostra-se decep-
tre os quais se ergue o abismo todo do inferno. cionante para o narrador viajante. Explique o mo-
tivo dessa decepção, tendo em vista a expectativa
2. (Unicamp-SP) do narrador no início do romance.
O vale de Santarém é um destes lugares
No caminho a Santarém, o narrador enaltece a vila e imagina que
privilegiados pela natureza, sítios amenos e
deleitosos em que as plantas, o ar, a situação, encontrará um lugar importante, conforme descrito no início da narrativa.
tudo está numa harmonia suavíssima e perfei-
ta: não há ali nada de grandioso nem sublime, Ao chegar lá, não “reencontra” o passado monumental de Portugal,
mas há uma como simetria de cores, de sons,
de disposição em tudo quanto se vê e sente, mas sim uma cidade abandonada e em ruínas, significando a decadência
que não parece senão que a paz, a saúde, o
do país. 
sossego do espírito e o repouso do coração de-
vem viver ali, reina ali um reinado de amor e 
benevolência. As paixões más, os pensamen-
tos mesquinhos, os pesares e as vilezas da vida 
não podem senão fugir para longe. Imagina-se
por aqui o Éden que o primeiro homem habitou 
Questões de vestibular

com a sua inocência e com a virgindade do seu


coração. 

(Almeida Garret, Viagens na minha terra. 


São Paulo: Ateliê Editorial, 2012, p.114.)

Entramos a porta da antiga cidadela. – Que
espantosa e desgraciosa confusão de entulhos, 
de pedras, de montes de terra e caliça! Não há
ruas, não há caminhos, é um labirinto de ruínas 
feias e torpes. O nosso destino, a casa do nosso

amigo é ao pé mesmo da famosa e histórica igre-

63

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-075-095-LA-M004.indd 63 7/15/15 10:36 AM


3. O sentimentalismo, sua máxima expressão, marcando a subjetividade, é forte
característica do Romantismo. A visão romântica era a de que, quando se está 4. Em ambas as obras, é possível observar a crítica aos excessos e às idealizações
sofrendo por amor, então se está vivendo. românticas características dessa escola.
3. (PUC-MG) Se acusas os mortais, e os não obrigas,
Este inferno de amar – como eu amo! – Se, conhecendo o mal, não dás a cura,
Quem mo pôs aqui n’alma... quem foi? Deixa-me apreciar minha loucura;
Esta chama que alenta e consome, Importuna Razão, não me persigas.
Que é a vida – e que a vida destrói –
Como é que se veio a atear, É teu fim, teu projeto encher de pejo
Quando – ai quando se há-de ela apagar? Esta alma, frágil vítima daquela
Que, injusta e vária, noutros laços vejo.
(GARRET, Almeida. “Este inferno de amar”. In: MOISÉS, Massaud.
A literatura portuguesa através dos textos.
São Paulo: Cultrix, 2004, p. 252.) Queres que fuja de Marília bela,
Que a maldiga, a desdenhe; e o meu desejo
Almeida Garret é um dos principais nomes do Ro-
É carpir, delirar, morrer por ela.
mantismo em Portugal. No texto acima, de sua auto-
ria, constitui uma importante característica da estéti- (Poesia Arcádica, 1985.)
ca romântica:
A produção poética de Bocage antecipa inúmeras
a) a liberdade formal, manifesta no verso livre e na características do Romantismo. Entre elas, pode-se
ausência de rimas. reconhecer no poema:
b) a religiosidade, alegoricamente indicada pelo “in- a) o emprego do soneto como meio predileto de
ferno de amar”. expressão, característica que nega o formalismo
c) a busca pela compreensão racional das contradi- próprio do Arcadismo.
ções do amor. b) a não contenção dos impulsos subjetivos, o que
d) a expressão sentimental, voltada para a descrição compromete os ideais de objetividade e harmonia
de estados interiores. próprios do Arcadismo.
c) o jogo entre razão e emoção, dado que reitera a
busca do equilíbrio, característico do Arcadismo.
4. (Fuvest-SP) Em Viagens na minha terra, assim como
em: d) o rigor formal na expressão dos sentimentos,
a) Memórias de um sargento de milícias, embora se dado que compromete o racionalismo caracterís-
situem ambas as obras no Romantismo, criticam- tico do Barroco.
-se os exageros de idealização e de expressão que e) a liberdade formal na construção poética, com
ocorrem nessa escola literária. versos brancos e livres, característica herdada do
b) A cidade e as serras, a preferência pelo mundo ru- Barroco.
ral português tem como contraponto a ojeriza às
cidades estrangeiras – Paris, em particular. 6. (FMABC-SP)
c) Vidas secas, os discursos dos intelectuais são vis- – Pois já se acabou a história de Joaninha?
tos como “a prosa vil da nação”, ao passo que a – Não, de todo ainda não.
sabedoria popular “procede da síntese transcen- – Falta muito?
dente, superior e inspirada pelas grandes e eter- – Também não é muito.
nas verdades”.
– Seja o que for, acabemos; que está a gen-
d) Memórias póstumas de Brás Cubas, a prática da di- te impaciente por saber como se concluiu tudo
vagação e da digressão exerce sobre todos os valo- isso, o que fez o frade, o que foi feito da inglesa,
res uma ação dissolvente, que culmina, em ambos Joaninha e a avó que caminho levaram, e o pobre
os casos, em puro niilismo. Carlos se...
e) O cortiço, manifestam-se, respectivamente, tanto No trecho acima de Viagens na minha terra, obra de
o antibrasileirismo do escritor português quan- Almeida Garrett, o narrador indaga sobre o fim que
to o antilusitanismo do seu par brasileiro, assim teriam levado os personagens. Indique nas alter-
como o absolutismo do primeiro e o liberalismo nativas abaixo aquela que não corresponde ao fim
do segundo. aludido.
a) O frade foi morto por Carlos ao descobrir que
5. (Univag-MT) Leia o poema de Manuel Maria Barbosa ele era seu pai e o responsável pela desgraça da
du Bocage. família.
b) A inglesa, cujo nome era Georgina, frustrada por
Importuna Razão, não me persigas amor não correspondido, ingressa num convento,
na Inglaterra, e torna-se abadessa.
Importuna Razão, não me persigas;
c) Joaninha, também chamada a menina dos rouxi-
Cesse a ríspida voz que em vão murmura,
nóis, passa por crise existencial ao saber que ama-
Se a lei de Amor, se a força da ternura, va o homem errado, enlouquece, morre e torna-se
Nem domas, nem contrastas, nem mitigas. um anjo na presença de Deus.
5. A poesia árcade
surgiu com características contrárias às divulgadas pelo Bar-
roco. Bocage compõe poemas, na segunda fase de sua obra, com características 6. O personagem Carlos, mesmo após descobrir que Frei Dinis era seu pai, não
pré-românticas, pois apresenta neles o tom emotivo, confessional, caracterizando o matou.
64 o subjetivismo.

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-075-095-LA-M004.indd 64 7/15/15 10:36 AM


d) A avó, identificada como D. Francisca, demente b) Que tipo de leitor esta forma de narrar procura
e cega, sentada em sua antiga cadeira, continua frustrar, e de que maneira esse leitor é tratado por
dobando, tal como Penélope tecendo sua intermi- ambos os narradores?
nável meada.
Esse tipo de narração frustra o leitor que espera pela narração linear, o
e) Carlos torna-se deputado, enriquece e vira barão.
Escreve uma longa carta a Joaninha, explicando que não acontece nos dois livros, visto que os dois narradores
seu relacionamento emocional com Georgina e
suas duas irmãs ao mesmo tempo. interrompem a história com suas digressões, tornando-a fragmentada.

Almeida Garrett trata seus leitores com uma ironia “respeitável”:


7.
(Unicamp-SP) Leia os seguintes trechos de Viagens na
minha terra e de Memórias póstumas de Brás Cubas: Benévolo e paciente leitor; já Machado de Assis utiliza uma ironia feroz:
Benévolo e paciente leitor, o que eu tenho de-
o maior defeito deste livro és tu, leitor.
certo ainda é consciência, um resto de consciên-
cia: acabemos com estas digressões e perenais 
divagações minhas.
(Almeida Garrett, Viagens na minha terra. São Paulo: 
Difusão Europeia do Livro, 1969, p.187.)

Neste despropositado e inclassificável livro

das minhas Viagens, não é que se quebre, mas
enreda-se o fio das histórias e das observações 
por tal modo, que, bem o vejo e o sinto, só com
muita paciência se pode deslindar e seguir em 
tão embaraçada meada.

(Idem, p. 292.)


Mas o livro é enfadonho, cheira a sepulcro,
traz certa contração cadavérica; vício grave, e
aliás íntimo, por que o maior defeito deste livro 8.
(Unifesp) Leia o poema de Almeida Garrett.
és tu, leitor. Tens pressa de envelhecer, e o livro
anda devagar; tu amas a narração direita e nu- Seus olhos
trida, o estilo regular e fluente, e este livro e o Seus olhos – se eu sei pintar
meu estilo são como os ébrios, guinam à direita O que os meus olhos cegou –
e à esquerda, andam e param, resmungam, ur-
ram, gargalham, ameaçam o céu, escorregam e Não tinham luz de brilhar,
caem... Era chama de queimar;
(Machado de Assis, Memórias póstumas de Brás Cubas, em Romances, E o fogo que a ateou
vol I. Rio de Janeiro: Garnier, 1993, p. 140.)
Vivaz, eterno, divino,
Como facho do Destino.
a) No que diz respeito à forma de narrar, que seme-
lhanças entre os dois livros são evidenciadas pelos
trechos acima? Divino, eterno! – e suave
Ao mesmo tempo: mas grave
Pelos trechos apresentados, observamos que os narradores estabelecem
E de tão fatal poder,
contato direto com o leitor e fazem digressões no meio da história; a Que, um só momento que a vi,
narração está em 1 pessoa; e também há menção direta ao que se
a Queimar toda alma senti...
Nem ficou mais de meu ser,
escreve, recurso metalinguístico, conforme indicado nos trechos:
Senão a cinza em que ardi.
Benévolo e paciente leitor; o maior defeito deste livro és tu, leitor; Neste Da leitura do poema, depreende-se que se trata de
obra do
despropositado e inclassificável livro das minhas Viagens; Mas o livro é
a) Barroco, no qual se identifica o escapismo psico-
Questões de vestibular

enfadonho, cheira [...].  lógico.


b) Arcadismo, no qual se identifica a contenção do
 sentimento.
 c) Romantismo, no qual se identifica a idealização
da mulher.

d) Realismo, no qual se identifica o pessimismo
 extremo.
e) Modernismo, no qual se identifica a busca pela li-
 berdade.
8. A poesia lírica de Garrett, que marcou o Romantismo em Portugal, apresenta
sentimentalismo e emoção. Seus versos demonstram um tom confessional, com
sentimentos contraditórios, ora sua amada é elevada à divindade, ora ela é aquela
que o leva à perdição. 65

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-075-095-LA-M004.indd 65 7/15/15 10:36 AM


9. Nessa obra, Portugal é situado em duas esferas, em seu passado glorioso e no
presente decadente, melancólico. Ao mesmo tempo em que o narrador relata o
trajeto da viagem de Lisboa a Santarém, é apresentado o romance entre Carlos
e Joaninha.
9. (PUC-SP) Do romance Viagens na minha terra, de Al- b) Considerada, agora, do ponto de vista da história
meida Garrett, pode-se afirmar que: literária, o que essa obra de Garrett representa na
a) apresenta como história a paixão de Joaninha dos evolução da prosa portuguesa? Explique resumi-
olhos verdes por seu primo Carlos com quem casa damente.
e vive feliz.
Alguns pontos que caracterizam a obra de Garrett como marco da prosa
b) marca-se por linearidade narrativa e evita digres-
sões capazes de ferir o estilo do autor. portuguesa são: uso da digressão; a não linearidade dos fatos narrativos,
c) faz do tema da viagem motivo para discussão de
uma realidade passada e presente de Portugal e surpreendendo o leitor; linguagem simples; a função metalinguística; o
suporte para o relato de uma história passional.
diálogo com o leitor; digressões. 
d) é uma obra de caráter eminentemente histórico e
jornalístico, limitada à referencialidade dos fatos e, 
por isso, despreza o emprego poético da linguagem.

e) tem as ações da narrativa inteiramente ambienta-
das no Vale de Santarém, lugar ameno, de belos 
olivais e repleto de rouxinóis e de madressilvas.

10. (Fuvest-SP) Embora seja, com frequência, irônico a

respeito do livro e de si mesmo, o narrador das Via-
gens na minha terra não deixa de declarar ao leitor 
que essa obra é, “primeiro que tudo”, “um símbolo”,
na medida em que, diz ele, “uma profunda ideia (...) 
está oculta debaixo desta ligeira aparência de uma
viagenzita que parece feita a brincar, e no fim de con- 
tas é uma coisa séria, grave, pensada (...)”. 
Tendo em vista essas declarações do narrador e con-
siderando a obra em seu contexto histórico e literá- 
rio, responda ao que se pede.

a) Do ponto de vista da história social e política de
Portugal, o que está simbolizado nessa viagem?
11. (Unifesp) Leia os versos de Almeida Garrett e Filinto
A viagem simboliza uma retomada de símbolos lusitanos, como Camões, Elísio para responder à questão.
Uns lindos olhos, vivos, bem rasgados,
em um passado marcado de glórias e vitórias, no entanto, o narrador
Um garbo senhoril, nevada alvura,
também faz contrapontos com o presente decadente de Portugal, com Metal de voz que enleva de doçura,
Dentes de aljôfar, em rubi cravados.
uma sociedade regida por valores extremamente burgueses. A narrativa
Fios de ouro, que enredam meus cuidados,
demonstra também o apego do narrador às raízes de Portugal, com suas Alvo peito, que cega de candura,
tradições, buscando entender a identidade portuguesa – o narrador Mil prendas; e (o que é mais que formosura)
Uma graça, que rouba mil agrados.
relata suas impressões e, em um segundo momento, o amor entre dois
Mil extremos de preço mais subido
personagens, vivido durante a guerra civil travada entre liberais e Encerra a linda Márcia, a quem of’reço
conservadores (há de se levar em conta que o livro foi lançado após o Um culto, que nem dela inda é sabido.
Tão pouco de mim julgo que a mereço,
fim da Guerra Civil Portuguesa).
Que enojá-la não quero de atrevido
 Co’as penas que por ela em vão padeço
Filinto Elísio


 Este inferno de amar



Este inferno de amar – como eu amo!
Quem mo pôs aqui n’alma... quem foi?

Esta chama que alenta e consome,
 Que é a vida – e que a vida destrói –
Como é que se veio a atear,

Quando – ai quando se há-de ela apagar?
 Almeida Garrett

66

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-075-095-LA-M004.indd 66 7/15/15 10:36 AM


Considere as afirmações: b) Identifique, em Viagens na minha terra, o tipo so-
I. No poema de Garrett, o amor é apresentado cial sobre o qual, principalmente, irá recair a crí-
como um sentimento que acontece na vida de tica presente nas reflexões do narrador, no trecho
alguém independentemente de sua vontade. aqui reproduzido. O que, de acordo com o livro,
caracteriza esse tipo social?
II. No poema de Filinto, vê-se que o amor não se
realiza fisicamente; no de Garrett, explora-se o Portugal do presente estava já com sinais de decadência, guiado por
amor pelo seu aspecto físico e sensual.
III. Tanto no poema de Filinto quanto no de Garrett, valores da burguesia. O narrador constrói sua crítica em cima dessa
há uma linha tênue entre o utópico e o real, re-
classe social, que está voltada apenas ao lucro e sucesso próprio.
sultando numa visão de amor sôfrega e intensa,
prestes a tomar formas plenas na realidade vivida 
pelos amantes.
Está correto somente o que se afirma em: 
a) I. 11. Apenas a primeira assertiva está correta, as demais

apresentam características que não são coerentes com os
b) II. poemas apresentados, visto que não há nada sobre o amor
no aspecto físico e sensual em “Este inferno de amar” (as- 
c) III. sertiva II); na poesia de Filinto, a mulher nem sabe que é
d) I e II. cultuada e, na poesia de Garret, não há nenhum indício de 
que o eu lírico seja correspondido, ele simplesmente expla-
e) I e III. na sobre a intensidade do amor que sente (assertiva III).


12. (Fuvest-SP) 

Andai, ganha-pães, andai; reduzi tudo a 


cifras, todas as considerações deste mundo a
equações de interesse corporal, comprai, vendei, 
agiotai. No fim de tudo isto, o que lucrou a espé-
cie humana? Que há mais umas poucas de dú- 
zias de homens ricos. E eu pergunto aos econo-
mistas políticos, aos moralistas, se já calcularam
o número de indivíduos que é forçoso condenar 13. (Unicamp-SP)
à miséria, ao trabalho desproporcionado, à des- Muito me pesa, leitor amigo, se outra coisa
moralização, à infâmia, à ignorância crapulosa, esperavas das minhas Viagens, se te falto, sem o
à desgraça invencível, à penúria absoluta, para querer, a promessas que julgaste ver nesse tí-
produzir um rico? – Que lho digam no Parlamen- tulo, mas que eu não fiz decerto. Querias talvez
to inglês, onde, depois de tantas comissões de que te contasse, marco a marco, as léguas das
inquérito, já deve de andar orçado o número de estradas?
almas que é preciso vender ao diabo, o núme-
(Almeida Garrett, Viagens na minha terra. São Paulo:
ro de corpos que se têm de entregar antes do Ateliê Editorial, 2012, p. 218.)
tempo ao cemitério para fazer um tecelão rico e
fidalgo como Sir Roberto Peel, um mineiro, um No trecho acima, o narrador garrettiano admite que
banqueiro, um granjeeiro – seja o que for: cada traiu as expectativas do leitor. Tal fato deveu-se:
homem rico, abastado, custa centos de infelizes,
a) à descrição pormenorizada da natureza e dos
de miseráveis.
monumentos históricos das cidades portuguesas.
Almeida Garrett, Viagens na minha terra.
b) ao caráter linear do relato ficcional, que se fixou
nos detalhes do percurso realizado durante a via-
a) Destas reflexões feitas pelo narrador de Viagens gem a Santarém.
na minha terra, deduz-se que ele tinha em mente
um determinado ideal de sociedade. O que carac- c) ao caráter digressivo do relato ficcional, que mes-
teriza esse ideal? Explique resumidamente. clou vários gêneros textuais.
d) às posições políticas assumidas pelo narrador,
Considerando o contexto a que a obra faz referência e a situação de que propõe uma visão conservadora da história
de Portugal.
Portugal no século XIX, o narrador demonstra interesse na sociedade
Questões de vestibular

Texto para as questões 14 e 15.


igualitária e justa – sem homens extremamente ricos e homens
Amor de salvação
extremamente pobres –, o que faz menção ao Iluminismo e ao
Escutava o filho de Eulália o discurso de D.
Liberalismo, que marcaram a Europa. José, lardeado de facécias, e, por vezes, atendí-
vel por umas razões que se lhe cravavam fun-
 das no espírito. As réplicas saíam-lhe frouxas e
mesmo timoratas. Já ele se temia de responder
 coisa de fazer rir o amigo. Violentava sua con-
dição para o igualar na licença da ideia, e, por
 vezes, no desbragado da frase. Sentia-se por
13. A obra apresenta a não linearidade, misturando gêneros textuais diferentes
(romance histórico, relato jornalístico, traços biográficos).
67

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-075-095-LA-M004.indd 67 7/15/15 10:36 AM


15. Apenas a alternativa b está correta, visto que as demais apresentam características que fogem
às encontradas na prosa romântica. No texto, encontramos sentimentalismo – se eu hoje te visse,
14. O trecho menciona as relações de Afonso de Teive com seus amigos e com qual foste, ao pé de mim, anjo da minha infância, abraçava-te – e religiosidade, uma vez que há
Teodora, de quem recebe uma carta. referência a Cristo, ao Senhor, anjos etc.
dentro reabrir em nova primavera de alegrias 14. (FGV-SP) O texto trata essencialmente:
para muitos amores, que se haviam de destruir a) Das relações de Afonso com a família.
uns aos outros, a bem do coração desprendido
salutarmente de todos. A sua casa de Buenos
b) De Afonso de Teive e suas relações com seus ami-
Aires aborreceu-a por afastada do mundo, boa gos e com Teodora.
tão somente para tolos infelizes que fiam do c) Do retorno de Afonso a Buenos Aires.
anjo da soledade o despenarem-se, chorando. d) Da vida pregressa de Teodora.
Mudou residência para o centro de Lisboa, en-
tre os salões e os teatros, entre o rebuliço dos
e) Das provocações que Afonso fazia a seus amigos.
botequins e concurso dos passeios. Entrou em
tudo. As primeiras impressões enjoaram-no;
15. (FGV-SP) Certas características da visão que o Ro-
mas, à beira dele, estava D. José de Noronha, mantismo tem da mulher estão presentes na carta
rodeado dos próceres da bizarriz (sic), todos por- enviada por Teodora a Afonso de Teive. Assinale a
fiados em tosquiarem um dromedário provincia- alternativa que confirma essa afirmação.
no, que se escondera em Buenos Aires a delir a) Objetividade e fragilidade.
em prantos uma paixão calosa, trazida lá das b) Sentimentalismo e religiosidade.
serranias minhotas. Ora, Afonso de Teive antes
c) Depressão e agressividade.
queria renegar da virtude, que já muito a medo
lhe segredava os seus antigos ditames, que ex- d) Espontaneidade e altivez.
por-se à irrisão de pessoas daquele quilate. É e) Senso de humor e rebeldia.
verdade que às vezes duas imagens lagrimosas
se lhe antepunham: a mãe, e Mafalda. Afonso 16. (Unifesp) Em 2004, Ronald Golias e Hebe Camargo
desconstrangia-se das visões importunas, e a si protagonizaram na TV uma versão humorística da obra
se acusava de pueril visionário, não emancipa- Romeu e Julieta, de William Shakespeare. Na história
do ainda das crendices do poeta inesperto da do poeta e dramaturgo inglês, Romeu e Julieta são dois
prosa necessária à vida. jovens apaixonados, cujo amor é impedido de concre-
Escrever, porém, a Teodora, não vingaram as tizar-se pelo fato de pertencerem a famílias inimigas.
sugestões de D. José. Porventura, outras mulhe- Impossibilitados de viver o amor, morrem ambos.
res superiormente belas, e agradecidas às suas
Na literatura romântica, as personagens que vivem his-
contemplações, o traziam preocupado e algum
tanto esquecido da morgada da Fervença.
tória semelhante à das personagens de Shakespeare são:
a) Joaninha e Carlos, em Viagens na minha terra, de
Mas, um dia, Afonso, numa roda de mance-
Almeida Garrett.
bos a quem dava de almoçar, recebeu esta carta
de Teodora: b) Iracema e Martim, em Iracema, de José de Alencar.
“Compadeceu-se o Senhor. Passou o fura- c) Simão Botelho e Teresa de Albuquerque, em Amor
cão. Tenho a cabeça fria da beira da sepultura, de perdição, de Camilo Castelo Branco.
de onde me ergui. Aqui estou em pé diante do d) Leonardo Pataca e Maria da hortaliça, em Memó-
mundo. Sinto o peso do coração morto no seio; rias de um sargento de milícias, de Manuel Antônio
mas vivo eu, Afonso. Meus lábios já não amal- de Almeida.
diçoam, minhas mãos estão postas, meus olhos
não choram. O meu cadáver ergueu-se na imo- e) Eurico e Hermengarda, em Eurico, o presbítero, de
bilidade da estátua do sepulcro. Agora não me Alexandre Herculano.
temas, não me fujas. Para aí onde estás, que as
tuas alegrias devem ser muito falsas, se a voz 17. (Mack-SP)
duma pobre mulher pode perturbá-las. Olha... se Amava Simão uma sua vizinha, menina de
eu hoje te visse, qual foste, ao pé de mim, anjo quinze anos, rica herdeira, regularmente bonita
da minha infância, abraçava-te. Se me dissesses e bem-nascida. Da janela do seu quarto é que ele
que a tua inocência se baqueara à voragem das a vira a primeira vez, para amá-la sempre. Não fi-
paixões, repelia-te. Eu amo a criança de há cinco cara ela incólume da ferida que fizera no coração
anos, e detesto o homem de hoje. do vizinho: amou-o também, e com mais serieda-
Serena-te, pois. Esta carta que mal pode fa- de que a usual nos seus anos.
zer-te, Afonso? Não me respondas; mas lê. À Os poetas cansam-nos a paciência a falarem
mulher perdida relanceou o Cristo um olhar de do amor da mulher aos quinze anos, como paixão
comiseração e ouviu-a. E eu, se visse passar o perigosa, única e inflexível. Alguns prosadores
Cristo, rodeado de infelizes, havia de ajoelhar de romances dizem o mesmo. Enganam-se am-
e dizer-lhe: Senhor! Senhor! É uma desgraçada bos. O amor dos quinze anos é uma brincadeira;
que vos ajoelha e não uma perdida. Infâmias, é a última manifestação do amor às bonecas; é a
uma só não tenho que a justiça da terra me con- tentativa da avezinha que ensaia o voo fora do
dene. Estou acorrentada a um dever imoral, te- ninho, sempre com os olhos fitos na ave-mãe,
nho querido espadaçá-lo, mas estou pura. Dever que a está da fronde próxima chamando; tanto
imoral... por que, não, Senhor! Vós vistes que sabe a primeira o que é amar muito, como a se-
eu era inocente; minha mãe e meu pai estavam gunda o que é voar para longe.
convosco.” Teresa de Albuquerque devia ser, porventu-
Camilo Castelo Branco. Amor de Salvação. ra, uma exceção no seu amor.
São Paulo: Martin Claret. 2003, pp. 94-95. Camilo Castelo Branco – Amor de perdição
16. A obra Amor de perdição, de Castelo Branco, característica do Romantismo,
conta história semelhante à de Romeu e Julieta, de Shakespeare. Dois jovens apai-
xonados que são impedidos de ficarem juntos por suas famílias, que são inimigas,
68 e que, por isso, acabam encontrando na morte o refúgio para esse amor.

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-075-095-LA-M004.indd 68 7/16/15 4:58 PM


17. O texto não pertence ao Realismo, apesar de apresentar certas características, ele é enquadrado no Roman-
tismo; o amor entre ambos existe e é correspondido, mas eles são impedidos de ficar juntos; não há linguagem 2. No poema de Gonçalves Dias, o eu lírico vê a morte como algo honroso a partir
rebuscada por parte do narrador, e Camilo C. Branco não apresenta estilo clássico. Ao criticar os poetas que do momento em que ela é decorrente de um ideal pelo qual se valha a pena lutar,
definem o amor juvenil como inconsequente e perigoso, ele busca obter a credibilidade do leitor; portanto, a portanto, é semelhante em sentido ao conteúdo da alternativa e, E, se um dia ele
alternativa b é a correta. cai, cai bem!.
Assinale a alternativa correta. Assim morre o forte!
a) A divergência do narrador com relação à concep- No passo da morte
ção de amor veiculada pela ficção é prova de que Triunfa, conquista
o texto pertence ao Realismo.
Mais alto brasão. (...)
b) No contexto, a crítica a poetas e prosadores fun-
ciona como estratégia para o narrador obter cre- (Gonçalves Dias)
dibilidade dos leitores.
c) A temática do amor não correspondido, implícita Texto 2
no texto, revela-nos um ponto de vista narrativo
comprometido com a fidelidade aos fatos da reali- Berimbau
dade. Quem é homem de bem não trai
d) O estilo romântico do texto é comprovado pela O amor que lhe quer seu bem.
linguagem rebuscada com que o narrador comen- Quem diz muito que vai não vai
ta a fragilidade do amor entre Simão e Teresa.
E, assim como não vai, não vem.
e) O aproveitamento de temática amorosa nos mol-
Quem de dentro de si não sai
des de Romeu e Julieta, de Shakespeare, atesta o
estilo clássico de Camilo Castelo Branco. Vai morrer sem amar ninguém,
O dinheiro de quem não dá
É o trabalho de quem não tem,
Brasil: a 1ª geração de poesia Capoeira que é bom não cai
romântica E, se um dia ele cai, cai bem!
(Vinicius de Moraes e Baden Powell)
1.
(Unioeste-PR) Com base no poema “Canção do exí-
lio”, de Gonçalves Dias, assinale a alternativa impro-
cedente. 2. (Insper-SP) O modo como a morte é figurativizada
no fragmento de Gonçalves Dias é semelhante ao se-
a) Escrito em Coimbra, à época em que o poeta lá es-
guinte verso da canção de Vinicius e Baden:
tudava, o poema apresenta certa lusofobia.
a) “O amor que lhe quer seu bem”
b) A valorização da pátria e da natureza fazem de
Gonçalves Dias e Olavo Bilac parceiros do mesmo b) “Vai morrer sem amar ninguém”
estilo de época. c) “O dinheiro de quem não dá”
c) Mesmo sendo um texto de louvor e exaltação à d) “É o trabalho de quem não tem”
pátria, observa-se, no poema, a total ausência de e) “E, se um dia ele cai, cai bem!”
adjetivos qualificativos.
d) Produzido na primeira fase do Romantismo brasi- 3.
(Insper-SP) No fragmento poético de Gonçalves Dias,
leiro, o poema deixa evidente uma época marcada um pai explica ao filho como se comporta um guer-
por um forte sentimento nativista. reiro no momento da morte. Esse conselho demons-
e) Entre os recursos rítmicos usados estão a redondi- tra que os românticos viam os índios:
lha maior (verso de sete sílabas) e a utilização de a) como retrato de uma sociedade em crise, pois eles
rimas oxítonas, com vogais abertas. estavam sendo dizimados pelos colonizadores eu-
ropeus, que tinham grande poder militar.
Textos para as questões 2 e 3. b) de modo cruel, uma vez que, em lugar de criticar
as constantes lutas entre tribos rivais, eles prefe-
Texto 1 riam falar dos aspectos positivos da violência.
Canção do tamoio c) de modo idealizado, com valores próximos aos
(...) Porém se a fortuna, das Cruzadas europeias, quando era nobre morrer
Traindo teus passos, por uma causa considerada justa.
Te arroja nos laços d) como símbolos de um país que surgia, sem ne-
Do inimigo falaz! nhuma influência dos valores europeus e cele-
brando apenas os costumes dos povos nativos da
Na última hora
Questões de vestibular

América.
Teus feitos memora,
e) com base no mito do “bom selvagem”, mostrando
Tranquilo nos gestos, que eles nunca entravam em conflitos entre si.
Impávido, audaz.
4. (PUC-RS) Leia o trecho a seguir.
E cai como o tronco Minha terra tem palmeiras,
Do raio tocado, Onde canta o Sabiá;
Partido, rojado As aves que aqui gorjeiam
Por larga extensão; Não gorjeiam como lá. (...)
1. A alternativa está incorreta, pois Olavo Bilac é o principal representante do Par- 3. O poema idealiza a forma como o índio guerreiro deve morrer, ou seja, de-
nasianismo, que cultuava a forma em detrimento do conteúdo na poesia, portanto monstrando-o forte e sem temor, o que é considerado como algo nobre – tal fato
pode ser relacionado ao modo como os participantes da Cruzada enfrentavam esse
não possui semelhança com Gonçalves Dias.
período de guerra e conquista. 69

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-075-095-LA-M004.indd 69 7/16/15 4:59 PM


4. “Canção do exílio” é um dos poemas mais famosos de Gonçalves Dias, expoen-
te do Romantismo, expressando, nesta obra, saudade da pátria, o que caracteriza
suas poesias ufanistas.
Não permita Deus que eu morra, Onde tinha danças e lindas meninas!
Sem que eu volte para lá; Eu vivo hoje em dia, sem ter alegria,
Sem que desfrute os primores O mundo judia, mas também ensina.
Que não encontro por cá; Estou contrariado, mas não derrotado,
Sem qu’inda aviste as palmeiras, Eu sou bem guiado pelas mãos divinas.
Onde canta o Sabiá.
Os versos do famoso poema “Canção do Exílio” evi- Pra minha mãezinha, já telegrafei,
denciam um grande amor à pátria, simbolizada por Que já me cansei de tanto sofrer.
sua natureza. Criado por e pertencente à Nesta madrugada, estarei de partida
escola , o poema revela, em tom , Pra terra querida que me viu nascer;
um eu lírico que exterioriza sua .
Já ouço sonhando o galo cantando,
A alternativa correta para o preenchimento das lacu- O inhambu piando no escurecer,
nas acima é:
A lua prateada, clareando a estrada,
a) Gonçalves de Magalhães – árcade – bucólico –
solidão A relva molhada desde o anoitecer.
b) Gonçalves Dias – romântica – ufanista – saudade Eu preciso ir, pra ver tudo ali,
Foi lá que nasci, lá quero morrer.
c) Gregório de Mattos – barroca – contraditório –
ironia (Goiá em duas vozes – o compositor interpreta suas músicas.
Discos Chororó. CD nº 10548, s/d.)
d) Casemiro de Abreu – indianista – regionalista –
nacionalidade Tendo em mente o fato de que é usual a retomada de
e) Castro Alves – condoreira – emancipatório – liber- um mesmo tema por artistas de épocas diferentes, ex-
dade plique o que há de comum entre a letra de “Saudade
de minha terra” e a “Canção do Exílio”, do poeta ro-
5. (Vunesp) A questão a seguir toma por base a letra mântico Gonçalves Dias, cujos primeiros versos são:
de uma guarânia dos compositores sertanejos Goiá Minha terra tem palmeiras / onde canta o sabiá. / As
(Gerson Coutinho da Silva, 1935-1981) e Belmonte aves que aqui gorjeiam, não gorjeiam como lá.
(Pascoal Zanetti Todarelli, 1937-1972).
O poema “Canção do exílio” é marcado por expressar em seus versos
Saudade de minha terra
De que me adianta viver na cidade, saudades da pátria e ao mesmo tempo exaltação da natureza brasileira – os
Se a felicidade não me acompanhar? advérbios aqui e lá fazem esse jogo de lugares em relação à terra natal. Já
Adeus, paulistinha do meu coração,
a canção “Saudade de minha terra” faz intertextualidade com o poema, uma
Lá pro meu sertão eu quero voltar;
Ver a madrugada, quando a passarada, vez que o eu lírico também expressa saudades de sua terra natal, no caso, o
Fazendo alvorada, começa a cantar.
sertão, demonstrando que a vida nova na cidade deixa-o com vontade de
Com satisfação, arreio o burrão,
Cortando o estradão, saio a galopar; partir de volta, como citam os versos [...] estarei de partida / Pra terra querida
E vou escutando o gado berrando, que me viu nascer; / [...] Foi lá que nasci, lá quero morrer.
Sabiá cantando no jequitibá.

Por Nossa Senhora, meu sertão querido,

Vivo arrependido por ter te deixado.
Nesta nova vida, aqui da cidade, 

De tanta saudade eu tenho chorado; 


Aqui tem alguém, diz que me quer bem,

Mas não me convém, eu tenho pensado,
E fico com pena, mas esta morena 
Não sabe o sistema em que fui criado.

Tô aqui cantando, de longe escutando,
Alguém está chorando com o rádio ligado. 


Que saudade imensa, do campo e do mato,
Do manso regato que corta as campinas. 
Ia aos domingos passear de canoa 
Na linda lagoa de águas cristalinas;

Que doces lembranças daquelas festanças,

70

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-075-095-LA-M004.indd 70 7/15/15 10:36 AM


6. (UFG-GO) Leia o trecho a seguir. b) Que efeito produz a sentença “Meninos, eu vi!”,
repetida duas vezes no poema?
Um velho Timbira, coberto de glória,
Guardou a memória A repetição da expressão “eu vi” enfatiza o que é dito pelo índio, como
Do moço guerreiro, do velho Tupi!
forma de dar mais veracidade ao que ele conta, por estar presente no
E à noite, nas tabas, se alguém duvidava
Do que ele contava, momento em que tudo ocorreu. 
Dizia prudente: – “Meninos, eu vi!” 

“Eu vi o brioso no largo terreiro 

Cantar prisioneiro 
Seu canto de morte, que nunca esqueci:

Valente, como era, chorou sem ter pejo;
Parece que o vejo, 
Que o tenho nest’hora diante de mi.


“Eu disse comigo: que infâmia d’escravo! 

Pois não, era um bravo; 


Valente e brioso, como ele, não vi!

E à fé que vos digo: parece-me encanto
Que quem chorou tanto, 
Tivesse a coragem que tinha o Tupi!”


Assim o Timbira, coberto de glória, 

Guardava a memória 
Do moço guerreiro, do velho Tupi!

E à noite nas tabas, se alguém duvidava
Do que ele contava, 
Tornava prudente: “Meninos, eu vi!”

DIAS, Gonçalves. I-Juca Pirama seguido de Os Timbiras.
Porto Alegre: LP&M Pocket, 2007. p. 28. 

A respeito do canto transcrito, correspondente à parte


7. (UEPG-PR)
final de I-Juca Pirama, de Gonçalves Dias, responda:
a) Por que o guerreiro Tupi, prisioneiro dos Timbiras Canto IX – I Juca Pirama
no passado, parece ainda mais heroico na fala do ve- O guerreiro parou, caiu nos braços
lho que narra a história do que ao longo do poema?
Do velho pai, que o cinge contra o peito,
Tupi, o último descendente de sua tribo, foi aprisionado por uma tribo Com lágrimas de júbilo bradando:
“Este, sim, que é meu filho muito amado!
inimiga, Timbira, e um dos nativos dessa tribo narra a história do
E pois que o acho enfim, qual sempre o tive,
guerreiro Tupi, de forma a evidenciar sua honra e coragem e, assim, Corram livres as lágrimas que choro,
concedendo mais valorização ao índio.  Estas lágrimas, sim, que não desonram”.
(Gonçalves Dias. “Poesias Americanas”)

Com relação à obra indianista de Gonçalves Dias, e
 sobre este poema em particular, assinale o que for
Questões de vestibular

correto.

01) O herói do poema não é apenas um índio tupi:
 representa todos os índios brasileiros ou ainda
todos os brasileiros, uma vez que o índio foi du-
 rante o Romantismo o representante de nossa

nacionalidade.
02) O poeta, ao pôr em discussão profundos valores
 e sentimentos humanos, como a bondade filial
e a honra, supera os limites da abordagem pura-

mente indianista e ganha universalidade.
7. Todas as assertivas estão corretas, o poema, que narra a história de um guer-
reiro aprisionado pela tribo inimiga Timbira, trata não apenas de um índio em si,
mas também de valores e qualidade de todos os índios, inclusive como referência
aos brasileiros – marca também do Romantismo de cunho nacionalista ufanista. 71

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-075-095-LA-M004.indd 71 7/15/15 10:36 AM


8. A poesia de Gonçalves Dias exalta a terra natal, pois mostra a natureza brasileira
de forma idealizada e demonstra saudosismo quanto à pátria.
04) O índio de Gonçalves Dias diferencia-se do de Gonçalves Dias consolidou o romantismo no Brasil.
Joaquim Norberto e Gonçalves Magalhães, não Sua “Canção do exílio” pode ser considerada tipica-
pela questão de autenticidade do índio, mas por mente romântica porque:
ser mais poético, como vemos em “I-Juca Pirama”. a) apoia-se nos cânones formais da poesia clássica
O deslumbramento sem vulgaridade do herói in- greco-romana; emprega figuras de ornamento,
dígena traduz a poesia do poeta, malabarista de até com certo exagero; evidencia a musicalidade
ritmos nos sentimentos de heroísmo, dignidade, do verso pelo uso de aliterações.
generosidade, bravura, maldição e tradição.
b) exalta terra natal; é nostálgica e saudosista; o
08) Quanto aos aspectos formais, em “I-Juca Pirama” tema é tratado de modo sentimental, emotivo.
Gonçalves Dias variou a métrica de trecho em
c) utiliza-se do verso livre, como ideal de liberdade
trecho. Teoricamente, o poeta teria desprezado
a metrificação. No entanto, do ponto de vista criativa; sua linguagem é hermética, erudita; glo-
expressivo, a variação métrica utilizada produz rifica o canto dos pássaros e a vida selvagem.
a iconicidade sonora do texto, construindo plas- d) poesia e música se confundem, como artifício sim-
ticamente o poema como um significante rítmico bólico; a natureza e o tema bucólico são tratados
do ritual narrado. com objetividade; usa com parcimônia as formas
16) I-Juca Pirama significa “aquele que é digno de pronominais de primeira pessoa.
ser morto”; o poema conta a história de um guer- e) refere-se à vida com descrença e tristeza; expõe
reiro tupi, aprisionado pelos Timbiras, que vai o tema na ordem sucessiva, cronológica; utiliza-se
morrer em um festim canibal. do exílio como o meio adequado de referir-se à
evasão da realidade.
Soma: 31 (1 + 2 + 4 + 8 + 16)
9. (UFG-GO) Os gêneros textuais circulam no mundo
8. (Unifesp) com características próprias e exercem determinadas
funções sociais, em conformidade com as quais os
Canção do Exílio
gêneros literários se transformam e se reconfiguram.
(...) Nesse sentido, em I-Juca Pirama, de Gonçalves Dias,
Minha terra tem palmeiras, a função social do gênero épico de exaltar um povo
Onde canta o Sabiá; ou retratá-lo em sua totalidade deixa de se realizar
As aves, que aqui gorjeiam, plenamente porque:
Não gorjeiam como lá. a) o protagonista do poema, o prisioneiro Tupi, re-
presenta ideais ainda presentes no século XIX.
b) os escritores do século XIX já não se dedicam a
Nosso céu tem mais estrelas,
longas narrativas em versos.
Nossas várzeas têm mais flores,
c) o tempo do poema, no enredo narrado, desenvol-
Nossos bosques têm mais vida, ve ações em sentido linear.
Nossa vida mais amores.
d) o espaço representado – as selvas tropicais
brasileiras – expressa valores de uma cultura
Em cismar, sozinho, à noite, extinta.
Mais prazer encontro eu lá; e) os leitores do século XIX já não se sentem repre-
Minha terra tem palmeiras, sentados em narrativas heroicas.
Onde canta o Sabiá.
Textos para as questões 10 e 11.
Minha terra tem primores, Oh! quem foi das entranhas das águas,
Que tais não encontro eu cá; O marinho arcabouço arrancar?
Em cismar – sozinho, à noite – Nossas terras demanda, fareja...
Mais prazer encontro eu lá; Esse monstro... – o que vem cá buscar?
Minha terra tem palmeiras, Não sabeis o que o monstro procura?
Onde canta o Sabiá. Não sabeis a que vem, o que quer?
Vem matar vossos bravos guerreiros,
Não permita Deus que eu morra, Vem roubar-vos a filha, a mulher!
Sem que eu volte para lá; Vem trazer-vos crueza, impiedade –
Sem que desfrute os primores Dons cruéis do cruel Anhangá;
Que não encontro por cá;
(O Canto do Piaga, de Gonçalves Dias)
Sem qu’inda aviste as palmeiras,
Onde canta o Sabiá.
Anhangá: deus indígena maligno
(Antônio Gonçalves Dias, Primeiros Cantos)
9. O índio de I-Juca-Pirama, poema épico-dramático, é apresentado de forma semelhante aos cavaleiros medievais, mas a narrativa segue um tema romântico, que tem como
valores honra, coragem, bravura, luta até a morte, entre outros, idealizando, dessa forma, o índio brasileiro. Apesar disso, os leitores da época não sentiam essa semelhança
com os heróis apresentados nessas narrativas.
72

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-075-095-LA-M004.indd 72 7/16/15 4:59 PM


10. As demais alternativas estão coerentes com o que é apresentado nos textos,
como a linguagem comum utilizada por Oswaldo de Andrade, sendo o texto de
Gonçalves Dias mais formal, apresentando rimas, o que não é encontrado no texto
2, tampouco métrica, são versos livres, o que torna a alternativa incorreta.
O Zé Pereira chegou de caravela o poema tenha sido inspirado em meus olhos,
E preguntou pro guarani da mata virgem que ele via verdes mas infelizmente são da cor
do mel, um mel turvo, quase verdes quando olho
– Sois cristão?
a luz, o mar quando viajávamos na costa do Ce-
– Não. Sou bravo, sou forte, sou filho da Morte ará, Natalícia admitiu que meus olhos estavam
Teterê Tetê Quizá Quizá Quecê! verdes. Desejo acreditar no que diz Maria Luíza,
Lá longe a onça resmungava Uu! ua! uu! mas acredito apenas em meu coração, sei quan-
to fel pode haver no coração de uma romântica.
(...) Talvez ele tenha confundido meus olhos com as
(Brasil, de Oswald de Andrade) vagens do feijão verde e com as paisagens que
ele tanto ama de palmeiras esbeltas e cajazei-
ros cobertos de cipós, talvez estivesse apenas
10. (ESPM-SP) Quanto aos aspectos formais, assinale a ensaiando o grande amor que iria sentir na sua
opção errada: vida adulta, quando escreveria tantos poemas,
a) O vocabulário usado no texto de Oswald de An- dos mais dedicados, apaixonados, melancólicos,
drade é comum, aproxima-se do coloquial. dos mais saudosos, e ao pensar nisso uma triste-
b) Os versos de Gonçalves Dias apresentam medida za funda, inexprimível, o coração me anseia.
regular, o fragmento está metrificado. MIRANDA, Ana. Dias e dias. São Paulo:
Companhia das Letras, 2002. p. 19.
c) A seleção léxica, de escolha das palavras, é muito
mais formal, culta, no primeiro texto. Tendo em vista que Gonçalves Dias foi um poeta ro-
d) O fragmento de Gonçalves Dias demonstra certa mântico da chamada primeira geração, indique a que
preocupação com as rimas, especialmente nos características da poesia dessa fase os fragmentos a
versos pares. seguir se referem:
e) O segundo texto apresenta versos brancos, sem a) “... com as paisagens que ele tanto ama de palmei-
rima, mas com mesmo número de sílabas poéticas. ras esbeltas e cajazeiros cobertos de cipós,”

11. (ESPM-SP) Considere as seguintes afirmações: Há elementos que remetem à natureza, à paisagem, como palmeiras e

I. O texto de Gonçalves Dias apresenta o ponto de cajazeiros, o que caracteriza o nacionalismo, exaltação da natureza
vista indianista de que o europeu é invasor e,
em busca de riquezas, destrói a vida regular do brasileira, o que deixa em evidência o amor à pátria, característica dessa
nativo brasileiro.
geração.
II. Oswald de Andrade, em seu poema, ironiza o
contato do europeu com o índio brasileiro no 
choque entre suas respectivas ideologias.

III. Gonçalves Dias usa um tom sentencioso em seu
texto; Oswald de Andrade prefere um tratamento 
mais jocoso.

Está(ão) correta(s): 11. Todas estão corretas. Gonçalves Dias
apresenta uma poesia em que idealiza
a) I e II, apenas. o índio brasileiro, por sua vez, assume 
b) I e III, somente. a posição de que o europeu é o invasor.
Em seu texto, Dias trabalha o tom sen- 
c) I, II e III. tencioso, isto é, de seriedade, já o poe-
ma de Oswald de Andrade é jocoso, ao 
d) II e III, apenas. reforçar as diferenças entre o índio e o
e) I, somente. colonizador.


12. (UFRRJ) Este texto é um capítulo da obra Dias e Dias, 


de Ana Miranda, publicado em 2002, que reconstitui

a vida de Antônio Gonçalves Dias. É, portanto, um ro-
mance histórico “escrito no século XXI” que retrata o 
século XIX.

O fluido elétrico
Questões de vestibular

Quando chegava perto de Antonio alguma 


endiabrada moça requebrando e seduzindo-o

com palavras, com os gestos, com os olhos e com
os modos, ele confessa numa carta que sentia 
um fluido elétrico a correr pela medula da sua
coluna vertebral, então por que não sentiria isso 
também por mim? Antonio é fraco para com as
mulheres e nunca sincero com elas, nem consigo 
mesmo, sincero apenas com Alexandre Teófilo e
com a poesia, sua Musa, por isso acredito que 

73

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-075-095-LA-M004.indd 73 7/15/15 10:36 AM


b) “quando escreveria tantos poemas, dos mais de- a) configura as personagens do poema a partir de
dicados, apaixonados, melancólicos, dos mais seu convívio com os Timbira.
saudosos,” b) retrata a história dos índios antes da coloni-
zação, ampliando a informação dos livros dos
Esse fragmento remete à característica do subjetivismo, pois faz
viajantes.
referência a elementos subjetivos presentes na poesia, como a c) recupera princípios da conduta dos Timbira, do-
cumentando a imagem cotidiana dessa nação in-
melancolia, o amor, a dor etc.
dígena.
 d) representa o povo Timbira, compondo um mundo
entre o real e o ficcional.

e) reproduz o quadro de costumes dos índios que vi-
 viam no Brasil em sua época.

 14. (UFG-GO) Leia os trechos apresentados a seguir.



As tribos vizinhas, sem força, sem brio,
 As armas quebrando, lançando-as ao rio,
O incenso aspiraram dos seus maracás:

Medrosos das guerras que os fortes acendem,
 Custosos tributos ignavos lá rendem,
 Aos duros guerreiros sujeitos na paz.


No centro da taba se estende um terreiro,
 Onde ora se aduna o concílio guerreiro
Da tribo senhora, das tribos servis:

Os velhos sentados praticam d’outrora,

E os moços inquietos, que a festa enamora,
 Derramam-se em torno de um índio infeliz.
[…]


 Acerva-se a lenha da vasta fogueira,


 Entesa-se a corda da embira ligeira,
Adorna-se a maça com penas gentis:

A custo, entre as vagas do povo da aldeia
 Caminha o Timbira, que a turba rodeia,
Garboso nas plumas de vário matiz.

DIAS, Gonçalves. I-Juca Pirama. Porto Alegre:
 LP&M Pocket, 2007. p. 11-12.

 maracás: chocalho usado pelos indígenas em solenidades

 ignavo: fraco, covarde


adunar: reunir

embira: cipó usado para amarração
 maça: bastão ou porrete com que se sacrifica o prisioneiro

 garboso: elegante, distinto

 O poema I-Juca Pirama se destaca por representar


um painel da cultura indígena. Nos versos transcri-
 tos, o elemento desse painel que se evidencia é:
a) o confronto entre povos inimigos.
13. (UFG-GO) A literatura se articula à realidade, à his- b) o modo de vida cotidiano.
tória e aos fatos, na medida em que ela cria, e até fun-
c) a preparação de um ritual.
da, mundos imaginados. Gonçalves Dias, em I-Juca
Pirama, ao criar um passado indígena para a nação d) a caracterização dos papéis tribais.
brasileira, e) a relação com a natureza.
13. Gonçalves Dias, em I-Juca-Pirama, retrata a história de um índio tupi que foi 14. O texto faz referência a uma tradição indígena de ritual de sacrifício de um pri-
prisioneiro de uma tribo inimiga, denominada Timbira. Nessa obra, ele relaciona sioneiro, como se observa nos versos: E os moços inquietos, que a festa enamora,
o mundo real, ao apresentar alguns costumes dos indígenas, como o canibalismo / Derramam-se em torno de um índio infeliz.
74 e rituais, com o mundo ficcional, ao representar o índio de forma idealizada, com
grande honra e coragem.

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-075-095-LA-M004.indd 74 7/15/15 10:36 AM


1. A única alternativa que apresenta a saudade como tema é a c, na qual o eu lírico
relembra a infância: naquele tempo / brincava....

Brasil: 2a e 3a gerações de poesia Em relação aos poemas de Cacaso e Casimiro de


Abreu, assinale o que for correto.
romântica 01. O poema de Cacaso retoma o romantismo – mais
especialmente desenvolvido por Casimiro de
1.
(Unifesp) Leia o texto para responder à questão a seguir. Abreu; a paródia denota um tom meio cruel ao
Casimiro de Abreu pertence à geração dos referenciar os “negros verdes anos”, ou seja, os
poetas que morreram prematuramente, na casa anos 70.
dos vinte anos, como Álvares de Azevedo e ou-
02. Os dois poemas pertencem à estética romântica,
tros, acometidos do “mal” byroniano. Sua poe-
cuja característica principal é a busca pela per-
sia, reflexo autobiográfico dos transes, imaginá-
feição formal.
rios e verídicos, que lhe agitaram a curta exis-
tência, centra-se em dois temas fundamentais: a 04. Os poetas pertencem, respectivamente, aos mo-
saudade e o lirismo amoroso. Graças a tal fundo vimentos literários árcade e simbolista.
de juvenilidade e timidez, sua poesia saudosista 08. A evasão no tempo marca os poemas; em Cacaso
guarda um não sei quê de infantil. como forma de crítica e em Casimiro de Abreu
(Massaud Moisés. A literatura brasileira através dos textos, corresponde à nostalgia do passado.
2004. Adaptado.)
Soma: 9 (1 + 8)
Os versos de Casimiro de Abreu que se aproximam
da ideia de saudade, tal como descrita por Massaud
3. (UFF-RJ) Leia os textos a seguir:
Moisés, encontram- se em:
a) Minh’alma é triste como a flor que morre / Pendida Texto I
à beira do riacho ingrato; / Nem beijos dá-lhe a vi-
Nenhum cartão de Natal é mais bonito que o
ração que corre, / Nem doce canto o sabiá do mato! som da sua voz.
b) Tu, ontem, / Na dança / Que cansa, / Voavas / Co’as “Eu te amo, te adoro, morro de saudade.”
faces/ Em rosas / Formosas / De vivo, / Lascivo /
“Este ano a gente não vai poder ir, mas no
Carmim; / Na valsa / Tão falsa, / Corrias, / Fugias,
ano que vem é certeza.”
/ Ardente, / Contente,/ Tranquila, / Serena, / Sem
pena / De mim! “A coisa que eu mais queria era estar perto
de você.”
c) Naqueles tempos ditosos / Ia colher as pitangas, /
“Seria tão bom que você estivesse aqui.”
Trepava a tirar as mangas, / Brincava à beira do
mar; / Rezava às Ave-Marias, / Achava o céu sem- Frases como estas, é sempre melhor ouvir do
pre lindo, / Adormecia sorrindo / E despertava a que ler.
cantar! Nenhum cartão de Natal, por mais bonito que
seja, vai conseguir comunicar o carinho, o amor,
d) Oh! não me chames coração de gelo! / Bem vês: traí-me
a saudade que a voz da gente transmite.
no fatal segredo. / Se de ti fujo é que te adoro e
muito, / És bela – eu moço; tens amor, eu – medo!... Este ano, passe a mão no telefone e use o
DDD como extensão do seu afeto, do seu abraço,
e) Se eu soubesse que no mundo / Existia um coração, do seu calor humano, do seu beijo.
/ Que só por mim palpitasse / De amor em terna ex-
Telefone existe pra isso mesmo.
pansão; / Do peito calara as mágoas, / Bem feliz eu
era então! TELAMAZON
“Clube de Criação de São Paulo” (Adaptação)
2.
(UEPG-PR Adaptada)
E com vocês a modernidade Texto II
Pra ti, formosa, o meu sonhar de louco
Meu verso é profundamente romântico.
E o dom fatal, que desde o berço é meu;
Choram cavaquinhos luares se desenterram
 [e vai Mas se os cantos da lira achares pouco,
por aí a longa sombra de rumores e ciganos. Pede-me a vida, porque tudo é teu.
Ai que saudade que tenho dos meus negros
 [verdes anos! Se queres culto – como um crente adoro,
Questões de vestibular

(Cacaso) Se preito queres – eu te caio aos pés,


Se rires – rio, se chorares – choro,
Meus oito anos E bebo o pranto que banhar-te a tez.
Oh! Que saudades que tenho
Da aurora da minha vida, Vem reclinar-te, como a flor pendida,
Da minha infância querida Sobre este peito cuja voz calei;
Que os anos não trazem mais! Pede-me um beijo... e tu terás, querida,
(Casimiro de Abreu) Toda a paixão que para ti guardei.
2. As assertivas 2 e 4 estão incorretas. A perfeição formal era o principal obje-
tivo dos parnasianos e não da estética romântica; Cacaso fez parte da Geração
Mimeógrafo ou Poesia Marginal, enquanto Casimiro de Abreu, do Romantismo.
75

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-075-095-LA-M004.indd 75 7/15/15 10:36 AM


4. O poeta possui um estilo mais gracioso, fazendo uso de linguagem simples e
juvenil; sua poesia retrata temas da infância e apresenta musicalidade devido à
estruturação dos versos, em redondilhas maiores.
Do morto peito vem turbar a calma, 4. (Unifesp) Para responder à questão, leia os versos do
Virgem, terás o que ninguém te dá; poeta romântico Casimiro de Abreu.
Em delírios d’amor dou-te a minha alma, Meus Oito Anos
Na terra, a vida, a eternidade – lá! Oh! que saudades que tenho
Casimiro de Abreu. Obras de Casimiro de Abreu. Da aurora da minha vida,
Da minha infância querida
a) Nos textos I e II os autores se dirigem a um leitor
Que os anos não trazem mais!
virtual. Aponte, em cada texto, pelo menos uma
comprovação de que isto efetivamente ocorre. Que amor, que sonhos, que flores,
Justifique sua resposta em pelo menos duas frases Naquelas tardes fagueiras
completas. À sombra das bananeiras,
Debaixo dos laranjais!
No texto I, há presença do pronome você, que é usado pelo autor para

se dirigir ao leitor, à pessoa com quem se fala, assim como os pronomes


O estilo dos versos de Casimiro de Abreu:
possessivos seu, sua, como é possível verificar nos trechos: seu afeto, a) é brando e gracioso, carregado de musicalidade
nas redondilhas maiores.
seu abraço, seu calor humano, seu beijo. Já no texto II, há o emprego
b) traduz-se em linguagem grandiosa, por meio das
de pronomes que se dirigem à segunda pessoa do singular, tu, além do quais estabelece a crítica social.
c) é preciso e objetivo, deixando em segundo plano o
uso de vocativos formosa, querida e virgem. subjetivismo.
 d) reproduz o padrão romântico da morbidez e me-
lancolia.

e) é rebuscado e altamente subjetivo, o que o
 aproxima do estilo de Castro Alves.

 5. (UFRJ)
 Texto 1
 Happy End
 (Cacaso)

 O meu amor e eu
nascemos um para o outro


b) Justifique, em pelo menos uma frase completa, agora só falta quem nos apresente
por que o texto II pertence ao Romantismo.

No texto II, observa-se a presença de subjetivismo, com o eu lírico se Texto 2

declarando a sua amada, o que caracteriza o tom confessional Adeus, meus sonhos!

característico do Romantismo. (Álvares de Azevedo)

 Adeus, meus sonhos, eu pranteio e morro!


Não levo da existência uma saudade!

E tanta vida que meu peito enchia
 Morreu na minha triste mocidade!


Misérrimo! votei meus pobres dias
 À sina doida de um amor sem fruto,
 E minh’alma na treva agora dorme
Como um olhar que a morte envolve em luto.


 Que me resta, meu Deus? morra comigo


 A estrela de meus cândidos amores,
Já que não levo no meu peito morto

Um punhado sequer de murchas flores!

76

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-075-095-LA-M004.indd 76 7/15/15 10:36 AM


O poema de Álvares de Azevedo (texto II), assim As questões 6 e 7 tomam por base um fragmento de
como o de Cacaso (texto I), trabalha com o par dese- Glória moribunda, do poeta romântico brasileiro
jo/realidade. Com base nessa afirmação, demonstre, Álvares de Azevedo (1831-1852).
a partir de elementos textuais, que “Adeus, meus so-
nhos!” constitui forte ilustração da poética da segun- É uma visão medonha uma caveira?
da geração romântica, à qual pertence o autor. Não tremas de pavor, ergue-a do lodo.
Foi a cabeça ardente de um poeta,
A segunda geração romântica, período denominado Ultrarromantismo, ficou
Outrora à sombra dos cabelos loiros.
conhecida por apresentar obras com forte apelo sentimental, cujas Quando o reflexo do viver fogoso
Ali dentro animava o pensamento,
características eram a temática da morte, sofrimento amoroso, pessimismo
Esta fronte era bela. Aqui nas faces
e tom melancólico. O verso Adeus, meus sonhos, eu pranteio e morro Formosa palidez cobria o rosto;
evidencia o tom melancólico e mórbido.  Nessas órbitas – ocas, denegridas! –
Como era puro seu olhar sombrio!


 Agora tudo é cinza. Resta apenas


A caveira que a alma em si guardava,

Como a concha no mar encerra a pérola,
 Como a caçoula a mirra incandescente.


Tu outrora talvez desses-lhe um beijo;
 Por que repugnas levantá-la agora?
Olha-a comigo! Que espaçosa fronte!

Quanta vida ali dentro fermentava,
 Como a seiva nos ramos do arvoredo!
E a sede em fogo das ideias vivas

Onde está? onde foi? Essa alma errante
 Que um dia no viver passou cantando,
 Como canta na treva um vagabundo,
Perdeu-se acaso no sombrio vento,

Como noturna lâmpada apagou-se?
 E a centelha da vida, o eletrismo
Que as fibras tremulantes agitava

Morreu para animar futuras vidas?

Sorris? eu sou um louco. As utopias,

Os sonhos da ciência nada valem.
 A vida é um escárnio sem sentido,
Comédia infame que ensanguenta o lodo.

Há talvez um segredo que ela esconde;
 Mas esse a morte o sabe e o não revela.
 Os túmulos são mudos como o vácuo.
Desde a primeira dor sobre um cadáver,

Quando a primeira mãe entre soluços
 Do filho morto os membros apertava
Questões de vestibular

Ao ofegante seio, o peito humano



Caiu tremendo interrogando o túmulo...
 E a terra sepulcral não respondia.
 (Poesias completas, 1962.)

 6.
(Vunesp)
 E a centelha da vida, o eletrismo
No contexto em que é empregado, o termo eletrismo,

que não consta dos dicionários, significa:
6. Ao considerar que eletrismo deriva das palavras eletricidade, elétrico, pode-se
entender que seu significado, nesse contexto, representa energia de vida, no ser
vivo – é o que dá dinamismo ao organismo.
77

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-075-095-LA-M004.indd 77 7/15/15 10:36 AM


7. O termo como está empregado sugere a possibilidade de dar vida a algo, a
alguém; nesse caso, reencarnar em outras vidas.
a) o fato de a morte ter sido por choque elétrico. Quantos anos, contudo, já passaram!
b) o dinamismo presente em todos os tecidos do ser Não olvido porém amor tão santo!
vivo. Guardo ainda num cofre perfumado
c) a característica de quem é versado nas belas O lenço dela que molhava o pranto...
-letras. [...]
d) o resultado do longo processo de letramento. (AZEVEDO, Álvares de. Lira dos Vinte Anos.
e) a existência eletrizante dos poetas românticos. São Paulo: Martins Fontes,
1996. Coleção Poetas do Brasil)

7. (Vunesp) Interprete os Textos I e II e, a seguir, relacione-os às


afirmativas abaixo:
Morreu para animar futuras vidas?
I. O amor na concepção do poeta romântico mos-
No verso em destaque, sob forma interrogativa, o eu tra-se capaz de conciliar, em sua abrangência,
lírico sugere com o termo animar que: componentes materiais e espirituais.
a) a morte de uma pessoa deve ser festejada pelos II. Bilac se junta à tradição antirromântica ao tratar
que ficam. o desejo como o que há de mais humano e terre-
b) o verdadeiro objetivo da morte é demonstrar o no nas relações homem/mulher.
desvalor da vida. III. Sendo a forma de composição uma violenta ma-
c) a vida do poeta é mais consistente e animada que neira de demarcar a oposição entre as estéticas,
todas as outras. os autores utilizam métricas diferentes nos versos
acima.
d) a alma que habitou o corpo talvez possa reencar-
nar em novo corpo. IV. Nos versos de Álvares de Azevedo a experiência
afetiva é espiritual e intimamente ligada a uma
e) outras pessoas passam a viver melhor quando um
culpa que violentamente simboliza e reprime o
homem morre.
desejo.
De acordo com as afirmativas acima, a alternativa
8. (UEPA) Leia os Textos I e II para responder à questão. correta é:
a) I e II 8. Estão incorretas as assertivas III e IV, visto que os au-
Texto I tores utilizam versos decassílabos; o poema de Álvares
b) III e IV de Azevedo, poeta romântico, não apresenta culpa que
[…] reprime o desejo, mas sim versos que sugerem sensua-
c) III lidade, amor carnal.
Não me basta saber que sou amado, d) II, III e IV
Nem só desejo o teu amor: desejo e) IV
Ter nos braços teu corpo delicado,
Ter na boca a doçura de teu beijo. 9. (UEPA) A literatura, ao longo dos anos, tem sido
veículo de comunicação entre o sujeito e o mun-
do. A poesia de Castro Alves intitulada condoreira
E as justas ambições que me consomem é uma forte representante do poder comunicativo
Não me envergonham: pois maior baixeza exercido pela palavra através da literatura. Com
Não há que a terra pelo céu trocar; base nesta afirmação, marque a alternativa em
que os versos demonstrem este caráter condoreiro
da comunicação do poeta fundamentado no uso da
E mais eleva o coração de um homem hipérbole.
Ser de homem sempre e, na maior pureza, a) Oh, Eu quero viver, beber perfumes
Ficar na terra e humanamente amar. Na flor silvestre, que embalsama os ares;
(BILAC, Olavo. Antologia: Poesias. São Paulo: Ver minh’alma adejar pelo infinito,
Martin Claret, 2002. p. 37-55: Via-Láctea. Qual branca vela n’amplidão dos mares,
Coleção a obra-prima de cada autor).
b) Tu és, ó filha de Israel formosa...
Tu és, ó linda, sedutora Hebreia...
Texto II
Pálida rosa da infeliz Judeia
Quando, a primeira vez, da minha terra Sem ter orvalho, que do céu deriva.
Deixei as noites de amoroso encanto, c) (...)
A minha doce amante suspirando Ó mar, por que não apagas
Volveu-me os olhos úmidos de pranto. co’a esponja de tuas vagas
Um romance cantou de despedida, de teu manto este borrão?...
Mas a saudade amortecia o canto! Astros! Noites! Tempestades!
Lágrimas enxugou nos olhos belos... Rolai das imensidades,
E deu-me o lenço que molhava o pranto. Varrei os mares, tufão!
9. A poesia condoreira é uma poesia de caráter libertário, abolicionista; os versos
da alternativa c apresentam o uso de hipérbole.
78

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-075-095-LA-M004.indd 78 7/15/15 10:36 AM


10. O eu lírico declara eu sei que vou morrer, isso indica que ele se sente próximo
da morte, devido a um mal que está destruindo sua vida – a tristeza.
d) Canta, criança, és a ave da inocência. Porque eu pequei... e do pecado escuro
Tu choras porque um ramo de baunilha Tu foste o fruto cândido, inocente,
Não pudeste colher, – Borboleta, que sai do – lodo impuro...
Ou pela flor gentil da granadilha*? – Rosa, que sai de – pútrida semente!
*o mesmo que maracujá
e) Se a natureza apaixonada acorda Filho! Bem vês... fiz o maior dos crimes
Ao quente afago do celeste amante, – Criei um ente para a dor e a fome!
Diz!... Quando em fogo o teu olhar transborda, Do teu berço escrevi nos brancos vimes
Não vês minh’alma reviver ovante? O nome de bastardo – impuro nome.

10. (UFSM-RS) A literatura romântica é conhecida por Por isso agora tua mãe te implora
representar as doenças da alma. O poeta românti-
co não tenta controlar, esconder seus sentimentos, E a teus pés de joelhos se debruça.
como fazia o poeta clássico. Ao contrário, ele con- Perdoa à triste – que de angústia chora,
fessa seus conflitos mais íntimos. Por isso, predo- Perdoa à mártir – que de dor soluça!
minam no Romantismo o desespero, a aflição, a [...]
instabilidade, a sensação de desamparo que leva a (www.dominiopublico.gov.br. Acessado em 07/10/2011)
maioria dos poetas a pensar na morte, como aconte-
ce no fragmento do poema “Mocidade e morte”, de A fala do sujeito poético exprime uma das formas da
Castro Alves: violência simbólica denunciada por Castro Alves. No
poema, mais do que os maus-tratos sofridos fisica-
E eu sei que vou morrer... dentro em meu peito mente, é denunciada a consequência:
Um mal terrível me devora a vida: a) da humilhação imposta pelos algozes que tortu-
Triste Ahasverus*, que no fim da estrada, ram a mulher chicoteando-a.
Só tem por braços uma cruz erguida. b) da subordinação da mulher negra que serve aos
Sou o cipreste, qu’inda mesmo flórido, desejos sexuais do senhor de engenho.
Sombra de morte no ramal encerra! c) do erotismo livre que leva a mulher a realizar seus
Vivo – que vaga sobre o chão da morte, desejos sem pensar em consequências.
Morto – entre os vivos a vagar na terra. d) do excesso de religiosidade que leva a mulher ne-
gra a uma confissão de culpa.
*Ahasverus: Jesus ter-lhe-ia amaldiçoado, condenando-o a e) da tortura psicológica que obriga a mãe a abando-
vagar pelo mundo sem nunca morrer. nar o filho.
Texto para as questões 12 e 13.
Qual o estado sentimental do sujeito lírico nessa estrofe?
Ontem a Serra Leoa,
a) Sente-se muito próximo da morte, devido aos ma-
les causados por uma grave doença física. A guerra, a caça ao leão,
O sono dormido à toa
b) Deseja a morte, pois só na eternidade seria capaz
de encontrar a paz do espírito. Sob as tendas d’amplidão!
c) Sente-se muito próximo da morte, devido à triste- Hoje... o porão negro, fundo,
za profunda que lhe devora a alma. Infecto, apertado, imundo,
d) Sente-se totalmente morto, pois não lhe resta ne- Tendo a peste por jaguar...
nhum sinal de vida. E o sono sempre cortado
e) Sente-se muito próximo da morte, pois não é ca- Pelo arranco de um finado,
paz de lutar pela vida. E o baque de um corpo ao mar...

11. (UEPA) Leia o texto para responder à questão.
Ontem plena liberdade,
Mãe Penitente A vontade por poder...
Ouve-me, pois!... Eu fui uma perdida; Hoje... cúm’lo de maldade,
Questões de vestibular

Foi este o meu destino, a minha sorte... Nem são livres p’ra morrer...
Por esse crime é que hoje perco a vida, Prende-os a mesma corrente
Mas dele em breve há de salvar-me a morte! – Férrea, lúgubre serpente –
Nas roscas da escravidão.
E minh’alma, bem vês, que não se irrita, E assim roubados à morte,
Antes bendiz estes mandões ferozes. Dança a lúgubre coorte
Eu seria talvez por ti maldita, Ao som do açoite... Irrisão!...
Filho! sem o batismo dos algozes! (Castro Alves. Fragmento de O navio negreiro – tragédia no mar.)
11. A poesia de Castro Alves é marcada por um caráter de denúncia social, como a
escravidão. No poema, o eu lírico – uma escrava – teve um filho com seu senhor de
engenho e clama por perdão do próprio filho, que dessa relação recebeu a alcunha
de bastardo – revelando-se aí a violência abordada pelo autor. 79

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-075-095-LA-M004.indd 79 7/15/15 10:36 AM


13. O paralelismo se dá na segunda estrofe, continuando com as oposições da primeira estrofe. Os animais presentes na poesia são usados da seguinte forma: leão – de-
notativa, jaguar – metafórica e serpente – metafórica. Um dos temas abordados pelas poesias de Castro Alves é a abolição da escravidão, uma forma de lutar em favor do
seu fim e demonstrar à sociedade sua indignação – perceptível pelo vocabulário adotado (infecto, imundo, “cúmulo” de maldade). O poema em questão é estruturado em
redondilhas maiores.
12. (Unifesp) Considere as seguintes afirmações. ’Stá vazio o mundo inteiro;
I. O texto é um exemplo de poesia carregada de E tu não queres qu’eu fique
dramaticidade, própria de um poeta-condor, Solitário nesta vida...
que mostra conhecer bem as lições do “mes-
Mas por que tardas, querida?...
tre” Victor Hugo.
Já tenho esperado assaz...
II. Trata-se de um poema típico da terceira fase ro-
mântica, voltado para auditórios numerosos, Vem depressa, que eu deliro
em que se destacam a preocupação social e o Oh! minh’amante, onde estás?...
tom hiperbólico.
III. É possível reconhecer nesse fragmento de
Estrela – na tempestade,
um longo poema de teor abolicionista o
gosto romântico por uma poesia de recursos Rosa – nos ermos da vida,
sonoros. Íris – do náufrago errante,
Está correto o que se afirma em: Ilusão – d’alma descrida!
a) I, apenas. 12. Todas as afirmativas estão corretas. Os poetas Tu foste, mulher formosa!
do Condoreirismo, a exemplo de Castro Alves, da
b) II, apenas. 3a geração romântica, tinham sua maior inspira- Tu foste, ó filha do céu!...
ção no escritor Victor Hugo, buscando, assim como
c) III, apenas. ele, lutar em favor de um bem, no caso do Brasil, ... E hoje que o meu passado
d) I e II, apenas. oeram
fim da escravidão; algumas das características
a poesia voltada para grandes públicos, car-
Para sempre morto jaz...
e) I, II e III. regadas de figuras de linguagem, como hipérbo- Vendo finda a minha sorte,
les, aliterações etc.
Pergunto aos ventos do Norte...
13. (Unifesp) Nesse fragmento do poema, “Oh! minh’amante, onde estás?”
a) o poeta se vale do recurso ao paralelismo de (CASTRO ALVES, A. F. Espumas flutuantes.
construção apenas na primeira estrofe. São Paulo: Companhia Editora
Nacional, 2005. p. 84-85.)
b) o eu poemático aborda o problema da escravi-
dão segundo um jogo de intensas oposições.
c) os animais evocados – leão, jaguar e serpente – 14. (UEL-PR) Pode-se afirmar que são temas de Espu-
têm, respectivamente, sentidos denotativo, de- mas flutuantes, de Castro Alves:
notativo e metafórico. a) a culpa, a religiosidade e a morte.
d) o tom geral assumido pelo poeta revela um
b) a religiosidade, o fazer poético e o indianismo.
misto de emoção, vigor e resignação diante da
escravidão. c) a morte, o fazer poético e o amor.
e) os versos são constituídos alternadamente por d) o indianismo, a pátria e o amor.
sete e oito sílabas poéticas. e) a pátria, a culpa e a melancolia.

Texto para as questões 14 e 15. 15. (UEL-PR) Sobre o poema, considere as afirmativas
a seguir.
“Onde estás”
I. Na primeira estrofe, o eu lírico dirige-se ao
É meia-noite... e rugindo vento frio do deserto; na segunda, dirige-se
Passa triste a ventania, à amada distante.
Como um verbo de desgraça, II. O eu lírico pergunta ao vento sobre o paradeiro
Como um grito de agonia. de sua amada, revelando a dor pela distância
E eu digo ao vento, que passa que os separa.
Por meus cabelos fugaz: III. O eu lírico acusa os ventos do Norte, que pas-
“Vento frio do deserto, sam como gritos de agonia, por ter finda sua
Onde ela está? Longe ou perto?” sorte e estar morto seu passado.
Mas, como um hálito incerto, IV. “Estrela” e “rosa” são usadas pelo eu lírico para
Responde-me o eco ao longe: designar sua agonia; “íris” e “ilusão” referem-se
à ventania.
“Oh! minh’amante, onde estás?...”
Assinale a alternativa correta.
Vem! É tarde! Por que tardas? a) Somente as afirmativas I e II são corretas.
São horas de brando sono, b) Somente as afirmativas I e III são corretas.
Vem reclinar-te em meu peito c) Somente as afirmativas III e IV são corretas.
Com teu lânguido abandono!... d) Somente as afirmativas I, II e IV são corretas.
’Stá vazio nosso leito... e) Somente as afirmativas II, III e IV são corretas.
14. A obra Espumas flutuantes contém a poesia lírica de Castro Alves; nela, o amor 15. Apenas as assertivas III e IV são incorretas, pois o eu lírico se dirige a elemen-
deixa de ser impossível e pode passar a ser consumado, o amor sem culpa está tos da natureza como forma de dialogar com eles acerca da saudade que sente de
presente. A morte está presente quando o eu lírico se mostra preocupado ao não sua amada; as palavras citadas na assertiva IV são características positivas dadas
80 ter notícias da amada E hoje que o meu passado / Para sempre morto jaz... / Vendo à amada pelo eu lírico.
finda a minha sorte / Pergunto aos ventos norte... / “Oh! minh’amante, onde estás?”.

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-075-095-LA-M004.indd 80 7/15/15 10:36 AM


TEMA
O Romantismo no Brasil
5

Romance urbano calçava chinelo Charlote, vestia calça boquinha,


camiseta de linha colorida confeccionada por
presidiários. Porém, quando apontou na extremi-
1.
(PUC-RJ) dade direita da praça da Quadra Quinze, em seu
coração de policial, nos passos que lhe apresen-
Texto 1
tavam a imagem do corpo de Francisco, um ner-
A primeira vez que vim ao Rio de Janeiro foi vosismo brando foi num crescente ininterrupto
em 1855. até virar desespero absoluto. O presunto era de
Poucos dias depois da minha chegada, um um trabalhador.
amigo e companheiro de infância, o Dr. Sá, le- LINS, Paulo. Cidade de Deus. São Paulo:
vou-me à festa da Glória; uma das poucas fes- Companhia das Letras, 2002, p. 55-56.
tas populares da corte. Conforme o costume, a
grande romaria desfilando pela Rua da Lapa e a) O romance Lucíola, publicado em 1862, é conside-
ao longo do cais serpejava nas faldas do outeiro rado uma das mais importantes obras de José de
e apinhava-se em torno da poética ermida, cujo Alencar. Cite três aspectos que marcam o estilo de
âmbito regurgitava com a multidão do povo. época a que se filia o autor, tendo como referência
Era ave-maria quando chegamos ao adro; o fragmento selecionado.
perdida a esperança de romper a mole de gente
que murava cada uma das portas da igreja, nos Podem ser citados os seguintes aspectos que caracterizam a obra como
resignamos a gozar da fresca viração que vinha
romântica: valorização da cultura nacional (Todas as raças, desde o
do mar, contemplando o delicioso panorama da
baía e admirando ou criticando as devotas que caucasiano sem mescla até o africano puro [...] ), descrição minuciosa
também tinham chegado tarde e pareciam satis-
feitas com a exibição de seus adornos. do ambiente e a visão subjetiva da realidade ([...] todas as posições,
Enquanto Sá era disputado pelos numerosos
desde as ilustrações da política, da fortuna ou do talento, até o proletário
amigos e conhecidos, gozava eu da minha tran-
quila e independente obscuridade, sentado co- humilde e desconhecido [...] desfilaram em face de mim [...] ), como se
modamente sobre a pequena muralha e resolvi-
do a estabelecer ali o meu observatório. Para um todas as classes sociais convivessem em harmonia. 
provinciano recém-chegado à corte, que melhor
festa do que ver passar-lhe pelos olhos, à doce 
luz da tarde, uma parte da população desta gran-
de cidade, com os seus vários matizes e infinitas 
gradações?

Todas as raças, desde o caucasiano sem
mescla até o africano puro; todas as posições, 
desde as ilustrações da política, da fortuna ou
do talento, até o proletário humilde e desconhe-
b) Os Textos 1 e 2 são narrativas urbanas que têm
cido; todas as profissões, desde o banqueiro até
como cenário o Rio de Janeiro. Compare os tre-
o mendigo; finalmente, todos os tipos grotescos
da sociedade brasileira, desde a arrogante nuli-
chos dos dois romances anteriormente trans-
dade até a vil lisonja, desfilaram em face de mim, critos, estabelecendo diferenças em relação à
roçando a seda e a casimira pela baeta ou pelo percepção da cidade e suas personagens e à lin-
algodão, misturando os perfumes delicados às guagem utilizada pelos respectivos autores.
impuras exalações, o fumo aromático do havana
Enquanto Alencar apresenta as diferenças socioeconômicas entre os
às acres baforadas do cigarro de palha.
ALENCAR, José de. Lucíola. São Paulo: Editora Ática, 1988, p. 12. habitantes do Rio de Janeiro de forma idealizada, poética, Paulo Lins

descreve essa disparidade de forma crua e realista, expondo-a como a


Texto 2
Questões de vestibular

Quando a manhã chuvosa nasceu, as pessoas causa principal da violência nas grandes cidades.
que passavam para o trabalho se aproximavam

dos corpos para ver se eram conhecidos, se-
guiam em frente. Lá pelas nove horas, Cabeça de 
Nós Todo, que entrara de serviço às sete e trinta,
foi ver o corpo do ladrão. Ao retirar o lençol de 
cima do cadáver, concluiu: “É bandido”. O de-
funto tinha duas tatuagens, a do braço esquerdo 
era uma mulher de pernas abertas e olhos fecha-

dos, a do direito, são Jorge guerreiro. E, ainda,

81

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-096-122-LA-M005.indd 81 7/15/15 10:36 AM


2. Todas as características – com exceção da relacionada no item V – podem ser atribuídas a Mesmo antes de tornar-se um homem rico – o que ocorre depois do casamento com Aurélia –,
Seixas, mas as que o definem como herói romântico são apenas as presentes nos itens I e II. Seixas é descrito como um rapaz bonito, refinado, elegante – em contraposição à aparência hu-
Fernando Seixas, embora ambicioso, era um homem preocupado com a família, que viu na oportu- milde de sua mãe e irmãs – , de belos traços e gestos graciosos. Esse conjunto de características
nidade de se casar com Aurélia – a mulher que amava – a salvação para os problemas financeiros idealizadas conferiam a ele um ar de nobreza e elegância, que o tornavam o homem perfeito
da mãe e da irmã (causados por ele, já que havia gastado o dinheiro da familia no jogo). segundo os padrões da elite.
2. (UPE) No romance Senhora, de José de Alencar, as substância caprichosa da sua fantasia de moça
características que fazem de Fernando Seixas um he- ignorante e viva a explicação de tudo que lhe
rói romântico são: não ensinaram a ver e sentir.
I. a preocupação com a família, quando esta lhe […]
solicitou o dinheiro que lhe foi confiado para Pombinha, só com três meses de cama franca,
poupança e ele havia gastado em seu próprio fizera-se tão perita no ofício como a outra; a sua
benefício. Martirizou-se por saber que a irmã
infeliz inteligência nascida e criada no modesto
dependia desse dinheiro para se casar. Não
lodo da estalagem, medrou admiravelmente na
tendo outra saída, sentiu-se obrigado a acei-
lama forte dos vícios de largo fôlego; fez maravi-
tar a proposta de Aurélia para se casar com ela
lhas na arte; parecia adivinhar todos os segredos
pelo dote de cem contos de réis, sem nada lhe
revelar. daquela vida; seus lábios não tocavam em nin-
guém sem tirar sangue; sabia beber, gota a gota,
II. a elegância excessiva de Fernando Seixas que o pela boca do homem mais avarento, todo dinheiro
caracteriza como personagem idealizada.
que a vítima pudesse dar de si.
III. o fato de trair Aurélia devido a um casamento
que lhe oferecia mais vantagens. (AZEVEDO, Aluísio. O cortiço. SP: Editora Ática, 1997.)

IV. a importância dada por Fernando Seixas aos pra- Os textos I e II, apesar de pertencerem a movimentos li-
zeres e às futilidades da época. terários diferentes, assemelham-se ao pôr em destaque:
V. o desfrute da riqueza oferecida por Aurélia sem a) a miséria em que a jovem se encontra.
nenhuma preocupação.
b) a juventude da personagem.
Somente está correto o que se afirma em: c) a ambição da jovem.
a) I e II. d) o caráter caprichoso e audacioso da moça.
b) I e III. e) a sagacidade da personagem descrita.
c) II e IV.
d) III e V. 4.
(UFBA)
e) IV e V. No altivo realce de cabeça e no enlevo das
feições cuja formosura se toucava de lumes es-
3.
(Insper-SP) Utilize os textos abaixo para responder à plêndidos, estava-se debuxando a soberba ex-
questão. pressão do triunfo, que exalta a mulher quando
consegue a realidade de um desejo férvido e lon-
Texto I gamente ansiado.
[…] No lampejo de seus grandes olhos par- Os convidados, que antes lhe admiravam a
dos brilhavam irradiações da inteligência. […] O graça peregrina, essa noite a achavam deslum-
princípio vital da mulher abandonava seu foco brante, e compreen­diam que o amor tinha colo-
natural, o coração, para concentrar-se no cére- rido com as tintas de sua palheta inimitável, a já
bro, onde residem as faculdades especulativas tão feiticeira beleza, envolvendo-a de irresistível
fascinação.
do homem.
– Como ela é feliz! diziam os homens.
[…]
– E tem razão! acrescentavam as senhoras
Era realmente para causar pasmo aos estra- volvendo os olhos ao noivo.
nhos e susto a um tutor, a perspicácia com que
Também a fisionomia de Seixas se ilumina-
essa moça de dezoito anos apreciava as ques-
va com o sorriso da felicidade. O orgulho de
tões mais complicadas; o perfeito conhecimen-
ser o escolhido daquela encantadora mulher
to que mostrava dos negócios, a facilidade com ainda mais lhe ornava o aspecto já de si nobre
que fazia, muitas vezes de memória, qualquer e gentil.
operação aritmética por muito difícil e intrinca-
Efetivamente, no marido de Aurélia podia-se
da que fosse.
apreciar essa fina flor da suprema distinção,
Não havia porém em Aurélia nem sombra do que não se anda assoalhando nos gestos pre-
ridículo pedantismo de certas moças, que tendo tensiosos e nos ademanes artísticos; mas reverte
colhido em leituras superficiais algumas noções do íntimo com uma fragrância que a modéstia
vagas, se metem a tagarelar de tudo. busca recatar, e não obstante exala-se dos seios
d’alma.
(ALENCAR, José de. Senhora. SP: Editora Ática, 1980.)
ALENCAR, José de. Senhora. In: José de Alencar: ficção completa e outros
escritos. 3. ed. Rio de Janeiro: Aguilar, 1965, v. 1, p. 709.
Texto II
Aquela pobre flor de cortiço, escapando à Analisando-se o fragmento transcrito, contextualiza-
estupidez do meio em que desabotoou, tinha do na obra, é correto afirmar:
de ser fatalmente vítima da própria inteligência. 01. O adjetivo “altivo” (l. 1) e o substantivo “orgulho”
À míngua de educação, seu espírito trabalhou (l. 17) distanciam as personagens ao marcarem
à revelia, e atraiçoou-a, obrigando-a a tirar da temperamentos individualistas.
3. Nos dois textos, exaltam-se as qualidades intelectuais das personagens, que, apesar de jovens, foram capazes de aprender de maneira rápida e eficaz aquilo que precisavam
(no caso de Aurélia, administrar a fortuna herdada, e, no caso de Pombinha, satisfazer as vontades sexuais dos homens com quem se prostituía).
Alternativa a: incorreta. Aplica-se ao segundo texto, não ao primeiro.
82 Alternativa b: incorreta. A juventude é apresentada, mas o que está em destaque é a inteligência delas.
Alternativa c: incorreta. Os textos não destacam a ambição das jovens, mas a sagacidade delas.
Alternativa d: incorreta. Capricho e audácia estão mais associados a atitudes, comportamentos, o que não foi destacado nos dois trechos.

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-096-122-LA-M005.indd 82 7/16/15 5:23 PM


4. 01. Incorreta. O adjetivo altivo marca certo individualismo de Aurélia, que se sentia vitoriosa ao se casar com Seixas, dando prosseguimento ao seu plano de vingança. Entretanto, o substantivo orgulho
não comprova o temperamento individualista de Seixas, mas sim a felicidade que sentiu por ter sido escolhido pela mulher amada, a quem tanto admirava.
02. Correta. As pessoas viam Aurélia como uma noiva feliz, sem imaginar que na verdade ela estava concretizando um plano de vingança.
04. Correta. Ao revelar os comentários dos que estavam presentes à festa, o narrador expõe a superficialidade deles, visto que eram incapazes de enxergar além das aparências.
08. Correta. Embora não tenha sido no decorrer do romance uma heroína tipicamente romântica – por ter sido dominada pelo ódio e pelo desejo de vingança –, Aurélia se “redime” no final, após Seixas
quitar a dívida material que tinha com ela, curvando-se diante do amor que sentia pelo marido.
02. A ideia que as pessoas da sociedade carioca fa- 6.
(UFPR) Na segunda parte de Senhora, de José de
ziam de Aurélia confirma o dito popular de que Alencar, o narrador faz a seguinte descrição dos va-
“as aparências enganam”. lores morais de Fernando Seixas:
04. O autor, nesse fragmento e na obra, põe em re- Para o leão fluminense, mentir a uma senho-
levo a superficialidade do ambiente da Corte. ra, insinuar-lhe uma esperança de casamento,
trair um amigo, seduzir-lhe a mulher, eram pas-
08. Aurélia, como personagem romântica, reforça,
ses de um jogo social, permitidos pelo código da
no final da narrativa, o estereótipo da mulher
vida elegante. A moral inventada para uso dos
que se curva diante do amor.
colégios nada tinha que ver com as distrações da
16. A imagem que as convidadas constroem em re- gente do tom.
lação a Seixas espelha conflitos íntimos entre a Faltar porém à palavra dada; retirar sem moti-
personagem e a sociedade. vo uma promessa formal de casamento era, no con-
32. O narrador, nesse fragmento, apresenta Seixas ceito de Seixas, ato que desairava um cavalheiro.
e Aurélia como dois vencedores e, na obra, é a
mulher quem empreende a busca e a conquista. Em um texto de no máximo 10 linhas, demonstre que
a descrição acima oferece elementos para entender o
Soma: 46 (02 + 04 + 08 + 32) fato de Seixas deixar-se comprar por Aurélia, ao mes-
mo tempo que revela os valores que lhe permitirão
5.
(UFBA) resgatar sua própria honra e o amor de Aurélia.
Daí o terror que sentia ao ver-se próxima des-
se abismo de abjeções, e o afastamento a que O narrador afirma que, para a sociedade da época, a mentira, a traição
se desejava condenar. Bem vezes revoltavam-lhe
amorosa e a insinuação de casamento, embora não fossem condutas
a alma as indignidades de que era vítima, e até
mesmo as vilanias cujo eco chegava a seu obs- corretas, eram permitidas, pois faziam parte do jogo social. O que não
curo retiro. Mas que podia ela, frágil menina, em
véspera de orfandade e abandono, contra a for- poderia ser feito, de modo algum, era faltar com a palavra. Seixas deixou-
midável besta de mil cabeças?
Quando a riqueza veio surpreendê-la, a ela -se comprar por Aurélia justamente porque não havia feito promessas
que não tinha mais com quem a partilhar, seu
a ela, e, no conceito dele, ela sabia disso. Ao casar-se com Aurélia, e
primeiro pensamento foi que era uma arma.
Deus lha enviava para dar combate a essa so- descobrir o que ela queria, ele faz uma promessa de devolver a ela o
ciedade corrompida, e vingar os sentimentos no-
bres escarnecidos pela turba dos agiotas. dote (o dinheiro que as famílias das mulheres pagavam aos homens por
Preparou-se pois para a luta, à qual talvez a
ocasião do casamento), e cumpre sua palavra ao final do romance,
impelisse principalmente a ideia do casamento
que veio a realizar mais tarde. Quem sabe, se liquidando sua dívida material com ela e abrindo o caminho para que
não era o aviltamento de Fernando Seixas que
ela punia com o escárnio e a humilhação de to- ela o amasse incondicionalmente.
dos os seus adoradores?

ALENCAR, José de. Senhora. In: COUTINHO, Afrânio et al. (Org.). José de Alencar:
ficção completa e outros escritos. 3. ed. Rio de Janeiro: Aguilar, 1965. v. I, p. 742.
(Biblioteca Luso-Brasileira. Série Brasileira). 

A partir da leitura do romance e de acordo com o 


fragmento transcrito, pode-se concluir: 5. 01. Incorreta. Aurélia, por ter sido sempre pobre, não se aterrorizava diante da

miséria. Diversas vezes, sentia-se revoltada com as humilhações que sofria devido
01. Aurélia se sente aterrorizada diante da possibi- a sua condição, mas via-se impotente diante de seu destino, o que pode ser com-
lidade de viver na miséria. provado pelo trecho Mas que podia ela, frágil menina, em véspera de orfandade e
02. O dinheiro, para Aurélia, funciona como instru- abandono, contra a formidável besta de mil cabeças?.
02. Correta. Justamente por ter sido pobre e rejeitada por muitos quando não
mento de combate à torpeza de um meio social tinha dinheiro, decidiu usar sua herança para se vingar de quem a humilhou: Quan-
sem valores éticos. do a riqueza veio surpreendê-la, a ela que não tinha mais com quem a partilhar,
04. O texto prenuncia a mudança de atitude da per- seu primeiro pensamento foi que era uma arma. Deus lha enviava para dar com-
sonagem, que se submete ao poder da fortuna. bate a essa sociedade corrompida, e vingar os sentimentos nobres escarnecidos
pela turba dos agiotas.
08. Aurélia, ao rejeitar o assédio de seus pretenden-  Aurélia não se submete ao poder da fortuna porque a utiliza apenas
04. Incorreta.
Questões de vestibular

tes, está desdenhando o homem a quem ama. para atingir seu objetivo principal: vingar-se de Seixas.
08. Correta. Aurélia projetava em seus pretendentes a raiva e a mágoa que sentia
16. Existe um contraste entre a visão que Aurélia tem
de Seixas, o que fica claro no trecho Quem sabe, se não era o aviltamento de
da sociedade carioca e os princípios morais que 
Fernando Seixas que ela punia com o escárnio e a humilhação de todos os seus
ela defende. adoradores?.
32. O narrador, falando de Aurélia, antecipa fatos 16. Correta. Para Aurélia, a alta sociedade carioca era corrompida moralmente,
condição oposta ao seu modo de encarar a vida, pautado nos princípios morais
que se concretizarão no futuro.  caráter.
e nobreza de
64. Aurélia, desiludida com a crueldade do mundo, 32. Correta. O narrador cita nesse trecho o casamento de Aurélia e Seixas, que se
decide afastar-se do convívio social.  adiante.
realizaria mais
64. Incorreta. Pelo contrário, Aurélia decide fazer cada vez mais parte da sociedade
Soma: 58 (02 + 08 + 16 + 32) que condena  para concretizar sua vingança.

4. 16. Incorreta. As convidados viam Seixas como um homem feliz, não percebendo nenhum conflito íntimo do personagem.
32. Correta. Seixas sente-se vencedor porque concretizou seu objetivo, que era o de se casar com a mulher que ama e ainda resolver o seu problema financeiro. Aurélia, por sua vez,
também se considera vitoriosa porque ao se casar com Seixas está concretizando seu plano de vingança. 83

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-096-122-LA-M005.indd 83 7/16/15 5:24 PM


7. Antes de enfocar a protagonista, o narrador, em primeira pessoa, admira a mescla de raças presente na festa da Glória, ressaltando a “prodigalidade verdadeiramente brasileira”, ou seja, o
cenário sociocultural brasileiro. Alternativa b: incorreta. É justamente o contrário: o narrador exalta a metrópole (Rio de Janeiro), afirmando que aprendeu mais em meia hora na festa da Glória
do que em cinco anos em Olinda. Alternativa c: incorreta. Em um primeiro momento, Paulo não reconhece a condição social de Lúcia, vendo-a como uma mulher elegante e inocente, sem saber
que era uma cortesã. Alternativa d: incorreta. A questão racial é apresentada de forma idealizada, sem questionamento ou denúncia, o que seria próprio do Naturalismo. Alternativa e: incorreta.
No romantismo brasileiro ainda há os romances regionalistas e indianistas, dos quais Alencar também é representante.
7.
(UFJF-MG) Leia, com atenção, o fragmento a seguir 3. O romance de Alencar coloca a literatura em re-
para responder à questão. levo, através das obras citadas, da crítica de Lúcia
Todas as raças, desde o caucasiano sem à Dama das Camélias e da referência às leituras
mescla, até o africano puro; todas as posições, permitidas às mulheres.
desde as ilustrações da política, da fortuna ou do 4. O abandono da vida anterior não é purificação sufi-
talento, até o proletário humilde e desconheci- ciente, razão pela qual o corpo manchado pelo vício
do; todas as profissões, desde o banqueiro até o deve morrer junto com o fruto do amor impossível.
mendigo; […] Assinale a alternativa correta.
É uma festa filosófica essa festa da Glória! a) Somente as afirmativas 1 e 2 são verdadeiras.
Aprendi mais naquela meia hora de observação b) Somente as afirmativas 1, 2 e 3 são verdadeiras.
do que nos cinco anos que acabava de esperdi- c) Somente as afirmativas 2, 3 e 4 são verdadeiras.
çar em Olinda com uma prodigalidade verdadei-
d) Somente as afirmativas 3 e 4 são verdadeiras.
ramente brasileira.
e) As afirmativas 1, 2, 3 e 4 são verdadeiras.
A lua vinha assomando pelo cimo das mon-
tanhas fronteiras; descobri nessa ocasião, a
9.
(UFC-CE) José de Alencar e Carlos Heitor Cony são
alguns passos de mim, uma linda moça, que
dois nomes representativos da Literatura brasileira,
parara um instante para contemplar no horizon-
de épocas diferentes. Leia os textos abaixo para res-
te as nuvens brancas esgarçadas sobre o céu
ponder à questão.
azul e estrelado. Admirei-lhe do primeiro olhar
um talhe esbelto e de suprema elegância. […] Texto 1
Ressumbrava na sua muda contemplação doce Eis a minha vida. O que se passava em mim é
melancolia, e não sei que laivos de tão ingênua difícil de compreender, e mais difícil de confessar.
castidade, que o meu olhar repousou calmo e Eu tinha-me vendido a todos os caprichos e extra-
sereno na mimosa aparição. vagâncias; deixara-me arrastar ao mais profundo
(José de Alencar - Lucíola) abismo da depravação; contudo, quando entrava
em mim, na solidão de minha vida íntima, sentia
A partir do fragmento, e considerando o romance que eu não era uma cortesã como aquelas que me
como um todo, pode-se afirmar que: cercavam. Os homens que se chamavam meus
amantes valiam menos para mim do que um ani-
a) a cena amorosa, em Alencar, é sempre emoldura-
mal; às vezes tinha-lhes asco e nojo. Ficaram gra-
da pela matéria sociocultural brasileira.
vados no meu coração certos germes de virtude…
b) pode-se observar, nessa cena, a superioridade da Essa palavra é uma profanação nos meus lábios,
província sobre a metrópole. mas não sei outra. Havia no meu coração germes
c) desde o primeiro momento Paulo percebe a condi- de virtude, que eu não podia arrancar e que ainda
ção social de Lúcia. nos excessos do vício não me deixavam cometer
d) a referência à questão racial comprova o natura- uma ação vil. Vendia-me, mas francamente e de
lismo dessa obra. boa-fé; aceitava a prodigalidade do rico; nunca a
ruína e a miséria de uma família.
e) o romance urbano, como é o caso de Lucíola, é o
único cultivado no romantismo brasileiro. Aquele esquecimento profundo, aquela alhea-
ção absoluta do espírito, que eu sentira da primei-
ra vez, continuou sempre. Era a tal ponto que de-
8.
(UFPR)
pois não me lembrava de coisa alguma; fazia-se
Incompreensível mulher! / A noite a vira ba- como que uma interrupção, um vácuo na minha
cante infrene, calcando aos pés lascivos o pudor vida. No momento em que uma palavra me cha-
e a dignidade, ostentar o vício na maior torpeza mava ao meu papel, insensivelmente, pela força
do cinismo, com toda a hediondez de sua beleza.
do hábito, eu me esquivava, separava-me de mim
A manhã a encontrava tímida menina, amante
mesma, e fugia deixando no meu lugar outra mu-
casta e ingênua, bebendo num olhar a felicida-
lher, a cortesã sem pudor e sem consciência, que
de que dera, e suplicando o perdão da felicidade
que recebera. eu desprezava, como uma coisa sórdida e abjeta.
(José de Alencar, em Lucíola) Mas horrível era quando nos braços de um
homem este corpo sem alma despertava pelos
Em relação ao romance Lucíola, considere as seguin- sentidos. Oh! Ninguém pode imaginar! Queria
tes afirmativas: resistir e não podia! Queria matar-me trucidan-
1. Para Lúcia, a prostituição funciona como autopuni- do a carne rebelde! Tinha instintos de fera! Era
ção, na medida em que reforça o sentimento de cul- uma raiva e desespero, que me davam ímpetos
pa pela pureza perdida e valorizada. de estrangular o meu algoz. Passado esse su-
2. O idealismo romântico convive com a aguda per- plício restava uma vaga sensação de dor e um
cepção da importância da posição social, do con- rancor profundo pelo ente miserável que me ar-
flito entre dinheiro e virtude e com o realismo das rancara o prazer das entranhas convulsas!
descrições sem reticências. ALENCAR, José de. Lucíola. São Paulo: Ática, 1992, 16a ed. p. 111.
8. Afirmativa 1: Lúcia, apesar de ser cortesã, ou seja, amante dos ricos e poderosos, não se orgulhava de sua posição, pois a considerava indigna. Entregar-se aos desejos dos homens,
portanto, era a punição dela, que na essência ainda era uma menina pura. Afirmativa 2: O idealismo romântico é o do amor que supera todos os obstáculos, e das virtudes do herói. Em
Lucíola, a personagem principal segue esse idea­lismo enfrentando a sua posição social, a de cortesã, questionando-se sobre esse luxo que recebia dos homens ricos. Afirmativa 3: Ao
84 longo do romance, são citadas obras clássicas da literatura universal nas quais se fazem presentes a figura da cortesã, que tratam do conflito entre a aparência e a essência, tal como a
Dama das Camélias, de Alexandre Dumas. Afirmativa 4: Lúcia encontra em Paulo o amor que pode salvá-la da vida de cortesã. No entanto, sente-se culpada por ter cedido seu corpo aos
prazeres e luxos da carne, e o único meio de se tornar livre novamente, segundo essa concepção, é com a morte.

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-096-122-LA-M005.indd 84 7/16/15 5:25 PM


Texto 2 10. (Unicamp-SP) Em uma passagem célebre de Memó-
Rosa Maria fechou o diário. Estava com sono. rias de um sargento de milícias, pode-se ler, a respeito
E, estranhamente, sentia um mal-estar que raras da personagem de Leonardo Pataca, que “o homem
vezes a incomodava. Um pouco de medo, não sabia era romântico, como se diz hoje, e babão, como se
de quê e, com absoluta certeza descobria um pou- dizia naquele tempo”. (Manuel Antônio de Almeida,
co de nojo em si mesma, nojo por ela – mais nojo Memórias de um sargento de milícias. Rio de Janeiro:
que pena, mais medo que nojo. Não sabia definir,
Livros Técnicos e Científicos, 1978, p. 19.)
mas eram nojo, pena e medo, numa ordem e pro- a) De que maneira a passagem acima explicita o lu-
porção que não podia – nem queria – estabelecer. gar peculiar ocupado pelo livro de Manuel Antô-
Começara a escrever o diário talvez para nio de Almeida no Romantismo brasileiro?
isso: contar ali tudo o que acontecia, o medo, o
Apesar de situar-se cronologicamente no Romantismo, Memórias de um
nojo e a pena. Mas começara a mentir para ela
própria. Medo de quê? O nojo vinha às vezes – sargento de milícias não se enquadra nesse movimento literário
mas ela achava que todo mundo era capaz de,
um dia, por algum motivo, sentir nojo de tudo. principalmente por causa da caracterização não idealizada de seus
Pena – bem, ela já não perdia tempo em lamen-
personagens e na construção da história. Isso fica claro, por exemplo,
tar o que podia ter sido e o que não era. Sobra-
va o medo – medo de que Lobianco, por exem- quando ao mencionar o “romantismo” de Leonardo Pataca, o autor
plo, pegasse o diário e soubesse que ela saíra
com Luís, que não esquecia André… e, por isso refere-se a ele como “babão”. 
mesmo, nem mesmo para o diário contava ou

admitia o que realmente era: uma moça que se
deixara levar, e agora, que já avançara demais, 
não adiantava recuar.

CONY, Carlos Heitor. Rosa, Vegetal de Sangue. RJ: Ediouro, s/d, 6a ed. p. 97.


A partir da leitura das passagens abaixo, em que se re-
velam as personagens Lúcia e Rosa Maria, analise as 
afirmações I, II e III e, a seguir, assinale a alternativa
correta. 

Lúcia Rosa Maria b) Como essa peculiaridade do livro se manifesta, de


maneira geral, na caracterização das personagens
No momento em que Um pouco de medo, e na construção do enredo?
uma palavra me cha- não sabia de quê e,
mava ao meu papel, com absoluta certeza Essa pecularidade já se revela na escolha da classe social dos
insensivelmente, pela descobria um pouco de personagens: as camadas populares do Rio de Janeiro do século XIX,
força do hábito, eu me nojo em si mesma, nojo
esquivava, separava-me por ela – mais nojo que em contraposição à elite burguesa, representada nas obras tipicamente
de mim mesma, e fugia pena, mais medo que
românticas. Além disso, os personagens não possuem grande beleza,
deixando no meu lugar nojo. Não sabia definir,
outra mulher, a cortesã mas eram nojo, pena nem nobreza de caráter, praticando pequenas contravenções morais e
sem pudor e sem cons- e medo, numa ordem
ciência, que eu despre- e proporção que não éticas quando necessário. Quanto à construção do enredo, o livro inova
zava, como uma coisa podia – nem queria
pela estrutura de crônica de costumes, dividida em diversos episódios
sórdida e abjeta. – estabelecer.
cômicos, marcados pela irreverência e pela ridicularização das
I. a autoconsciência de Lúcia lhe permite destacar- instituições. 
-se da cortesã.
II. a autoavaliação de Rosa Maria lhe permite estar 
Questões de vestibular

consciente de seus sentimentos. 9. Afirmativa I: correta. Maria da Glória tornou-se a cortesã Lúcia por contingên-
cias da vida – entre elas, a necessidade de salvar seus familiares da doença e da
III. o desdobramento da personagem em duas ima- miséria – e não por ter um caráter dissoluto. No fundo, mesmo se prostituindo,
gens de si mesma se evidencia em ambas as continuava mantendo uma pureza de alma, que a fazia sentir-se culpada pela vida
passagens. que levava. Era como se existissem duas pessoas: a mulher honrada, consciente
 e a cortesã, de vida impura e indigna. Afirmativa II: correta. Rosa
a) apenas I é verdadeira. de seus erros,
Maria, no trecho destacado, revelou que tinha consciência de seus sentimentos
b) apenas II é verdadeira. 
mais profundos – nojo, pena e medo – procurando compreendê-los, embora não
c) apenas I e II são verdadeiras. tenha conseguido ou desejado estabelecer uma ordem ou proporção entre eles.
 correta. As personagens demonstram ter consciência do papel que
Afirmativa III:
d) apenas II e III são verdadeiras. interpretam, como se na realidade projetassem duas imagens independentes, o
e) I, II e III são verdadeiras. que pode ser comprovado pelos trechos: No momento em que uma palavra me
chamava ao meu papel, insensivelmente, pela força do hábito, eu me esquivava,
separava-me de mim mesma. / Um pouco de medo, não sabia de quê e, com abso-
luta certeza descobria um pouco de nojo em si mesma, nojo por ela.
85

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-096-122-LA-M005.indd 85 7/15/15 10:36 AM


11. (Fuvest-SP) Leia o excerto de Memórias de um sargen- 12. (UFSC)
to de milícias, de Manuel Antônio de Almeida, para Fora Leonardo algibebe em Lisboa, sua pá-
responder ao que se pede. tria; aborrecera-se porém do negócio, e viera ao
Brasil. Aqui chegando, não se sabe por proteção
Caldo Entornado de quem, alcançou o emprego de que o vemos
A comadre, tendo deixado o major entregue 5 empossado, e que exercia […] desde tempos re-
à sua vergonha, dirigira-se imediatamente para motos. Mas viera com ele no mesmo navio, não
a casa onde se achava Leonardo para felicitá sei fazer o quê, uma certa Maria da hortaliça,
-lo e contar-lhe o desespero em que a sua fuga quitandeira das praças de Lisboa, saloia rechon-
tinha posto o Vidigal. […] A comadre, segundo chuda e bonitona. […] Ao sair do Tejo, estando a
seu costume, aproveitou o ensejo, e depois que 10 Maria encostada à borda do navio, o Leonardo fin-
se aborreceu de falar no major desenrolou um giu que passava distraído por junto dela, e com o
sermão ao Leonardo, […]. O tema do sermão foi ferrado sapatão assentou-lhe uma valente pisade-
a necessidade de buscar o Leonardo uma ocu- la no pé direito. A Maria, como se já esperasse por
pação, de abandonar a vida que levava, gostosa aquilo, sorriu-se como envergonhada do gracejo,
sim, porém sujeita a emergências tais como a 15 e deu-lhe também em ar de disfarce um tremen-
que acabava de dar-se. A sanção de todas as leis do beliscão nas costas da mão esquerda. Era isto
que a pregadora impunha ao seu ouvinte eram uma declaração em forma, segundo os usos da
as garras do Vidigal. terra: levaram o resto do dia de namoro cerrado;
ao anoitecer passou-se a mesma cena de pisadela
Você concorda com as afirmações que seguem? Justi-
20 e beliscão, com a diferença de serem desta vez
fique suas respostas. um pouco mais fortes; e no dia seguinte estavam
a) Vê-se, no excerto, que a comadre procura incutir os dois amantes tão extremosos e familiares, que
em Leonardo princípios morais destinados a cor- pareciam sê-lo de muitos anos.
rigir o comportamento do afilhado. Quando saltaram em terra começou a Maria
25 a sentir certos enojos: foram os dois morar jun-
Não. A comadre não tinha a conduta moral e ética necessária para incutir tos; e daí a um mês manifestaram-se claramente
os efeitos da pisadela e do beliscão; sete meses
em Leonardo bons princípios que objetivassem de fato uma depois teve a Maria um filho, formidável menino
de quase três palmos de comprido, gordo e ver-
transformação de caráter. Na verdade, desejava apenas que o afilhado
30 melho, cabeludo, esperneador e chorão; o qual,
abandonasse a vida que levava para que escapasse das “garras do logo depois que nasceu, mamou duas horas se-
guidas sem largar o peito. E este nascimento é
Vidigal”, o que fica claro no trecho O tema do sermão foi a necessidade certamente de tudo o que temos dito o que mais
nos interessa, porque o menino de quem falamos
de buscar o Leonardo uma ocupação, de abandonar a vida que levava, 30 é o herói desta história.
ALMEIDA, M. A. Memórias de um sargento de milícias. 3. ed.
gostosa sim, porém sujeita a emergências tais como a que acabava de São Paulo: FTD, 1996. p. 16-17.

dar-se. Com base no texto citado e no romance Memórias de


um sargento de milícias e levando em consideração o
 contexto do Romantismo brasileiro, marque a(s) pro-
posição(ões) correta(s).
b) No sermão que prega a Leonardo, a comadre ma- 01. O namoro entre Leonardo e Maria respeita os
nifesta a convicção de que o trabalho é fator deci- cânones do amor romântico, que é puro, ingênuo
sivo na formação da personalidade de um jovem. e até infantil.
Não. Na verdade, a comadre quer apenas que Leonardo arrume emprego
02. Leonardo Pataca, o pai, emprega-se no Brasil
como meirinho, profissão que lhe vale o respeito
para acalmar os ânimos, mas não porque acredite que o trabalho é fator de Maria e que, por duas vezes, impede que ele
seja preso pelo major Vidigal.
decisivo para a formação dele.
04. Mesmo pertencendo temporalmente ao Romantismo
 brasileiro, Memórias de um sargento de milícias apre-
12. 01. Incorreta. Há certa ironização do amor romântico, à primeira vista, e não há senta várias características que o diferenciam de ou-
pureza nele porque se manifestam ali os desejos carnais dos dois, que logo tiveram tros romances urbanos do período, como o fato de a
um filho. obra enfocar o cotidiano da classe baixa.
 Maria da Hortaliça não tinha respeito por Leonardo Pataca, tanto que o
02. Incorreta.
08. Já ao nascer, Leonardo é chamado pelo narrador
abandona para ficar com outro homem. Quem o impediu de ser preso foi a Comadre.
04. Correta. As obras do Romantismo preferiam retratar os conflitos das classes de “herói” (linha 30), o que prenuncia impor-
mais ricas, e quando representava as classes mais pobres era de forma idealizada, tantes características que marcarão mais tarde
diferente do que acontece no romance Memórias de um sargento de milícias. o caráter desse personagem: nobreza, coragem
08. Incorreta. O autor se refere a Leonardo como “herói” de forma irônica, tendo e alto valor moral.
em vista que ele não possui nenhum traço de caráter que o classificaria como tal.
Pelo contrário, Leonardo representa a figura do anti-herói. 16. A relação entre Maria e Leonardo é marcada por
 Maria é quem traía o marido. Por fim acaba fugindo com outro
16. Incorreta. sucessivas traições do marido à esposa. Por fim,
homem, abandonando marido e filho. Maria foge com o capitão de um navio, levando
32. Correta. O autor opta por colocar as vírgulas, mas elas são facultativas. consigo o filho do casal.

86

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-096-122-LA-M005.indd 86 7/15/15 10:36 AM


13. O primeiro trecho corresponde à descrição do anti-herói (3), pois investe nos defeitos e na falta de caráter de Leonardo.
O segundo trecho corresponde à ausência de idealização da personagem feminina (1), pois a sobrinha de Dona Maria é descrita como feia e digna de risos.
O terceiro trecho sugere um triângulo amoroso (4), porque mostra a desconfiança de Leonardo Pataca a respeito das possíveis traições amorosas de Maria da Hortaliça.
O final feliz, evidenciado nos nomes dos últimos capítulos (2), é um traço da prosa romântica presente no texto.
32. Nas linhas 2, 5, 11 e 15, observa-se a anteposição
de uma vírgula à conjunção “e”. Segundo as re- ( ) A obra se encerra com um “final
gras atuais de pontuação, essas vírgulas poderiam 4. Possível feliz”, o que se observa já no
ser omitidas, porque em cada caso o sujeito da triângulo título dos dois últimos capítu-
oração introduzida por “e” é o mesmo da oração amoroso los: “A morte é juiz” (cap. 47) e
anterior. “Conclusão feliz” (cap. 48).

Soma: 36 (04 + 32) Assinale a alternativa correta, de cima para baixo.


a) 1 – 3 – 4 – 2
13. (Udesc) Relacione as colunas abaixo, em relação ao 14. No romance Memórias de um sargento de
b) 2 – 4 – 3 – 1 milícias, o narrador não se posiciona criticamente
romance Memórias de um sargento de milícias, de Ma-
c) 2 – 3 – 1 – 4 em relação às atitudes dos personagens, que não
nuel Antonio de Almeida. são heróis nem vilões, e praticam o bem e o mal
d) 4 – 1 – 2 – 3 de acordo com a necessidade e as circunstâncias.
e) 3 – 1 – 4 – 2
( ) “Em certas casas os agregados
eram muito úteis, porque a 14. (Fuvest-SP) Texto para a próxima questão.
família tirava grande proveito Todo o barbeiro é tagarela, e principalmente
de seus serviços, e já tivemos quando tem pouco que fazer; começou portanto
ocasião de dar exemplo disso a puxar conversa com o freguês. Foi a sua salva-
quando contamos a história do ção e fortuna.
finado padrinho de Leonardo;
O navio a que o marujo pertencia viajava para
outras vezes, porém, e estas
1. Ausência a Costa e ocupava-se no comércio de negros; era
eram em maior número, o
de traço um dos combóis que traziam fornecimento para
agregado, refinado vadio, era
o Valongo, e estava pronto a largar.
idealizante um verdadeiro parasita que se
feminino prendia à árvore familiar, que – Ó mestre! disse o marujo no meio da con-
lhe participava da seiva sem versa, você também não é sangrador?
ajudá-la a dar os frutos, e o que – Sim, eu também sangro…
é mais ainda, chegava mesmo – Pois olhe, você estava bem bom, se quises-
a dar cabo dela, […] Em qual se ir conosco… para curar a gente a bordo; mor-
dos dous casos estava ou viria re-se ali que é uma praga.
a estar em breve o nosso amigo
– Homem, eu da cirurgia não entendo muito…
Leonardo? O leitor que o decida
pelo que se vai passar”. (p. 85) – Pois já não disse que sabe também sangrar?
– Sim…
– Então já sabe até demais.
( ) “Leonardo ao entrar lançou logo
os olhos para a sobrinha de Dona No dia seguinte saiu o nosso homem pela
Maria; porém, sem saber por quê, barra fora: a fortuna tinha-lhe dado o meio, cum-
não teve desta vez mais vontade pria sabê-lo aproveitar; de oficial de barbeiro
de rir-se; entretanto, a menina dava um salto mortal a médico de navio negrei-
2.  Traço da continuava a ser feia e esquisita; ro; restava unicamente saber fazer render a nova
prosa nesse dia estava ainda pior do posição. Isso ficou por sua conta.
romântica que os outros. Dona Maria tinha Por um feliz acaso logo nos primeiros dias de
tido pretensões de asseá-la; viagem adoeceram dois marinheiros; chamou-se
vestira-lhe um vestido branco o médico; ele fez tudo o que sabia… sangrou os
muito curto, pusera-lhe um lenço doentes, e em pouco tempo estavam bons, per-
de seda encarnado ao pescoço, e feitos. Com isto ganhou imensa reputação, e co-
penteara-a de bugres”. (p. 54) meçou a ser estimado.
Chegaram com feliz viagem ao seu destino;
tomaram o seu carregamento de gente, e volta-
Questões de vestibular

( ) “Afinal de contas a Maria sempre ram para o Rio. Graças à lanceta do nosso ho-
era saloia, e o Leonardo começa- mem, nem um só negro morreu, o que muito con-
va a arrepender-se seriamente de tribuiu para aumentar-lhe a sólida reputação de
3.  O an- tudo que tinha feito por ela e com entendedor do riscado.
ti-herói, o ela. E tinha razão, porque, diga-
Manuel Antônio de Almeida, Memórias de um sargento de milícias.
picaresco mos depressa e sem mais cerimô-
nias, havia ele desde certo tempo Neste trecho, em que narra uma cena relacionada ao
concebido fundadas suspeitas de tráfico de escravos, o narrador não emite julgamento
que era atraiçoado”. (p. 13) direto sobre essa prática. Ao adotar tal procedimento,
o narrador:
14. Alternativa a: incorreta. O narrador não emite opinião sobre a existência do mercado negreiro, mas apenas relata uma situação ocorrida em um navio que traficava escravos.
Alternativa b: incorreta. Embora a objetividade seja própria da prosa realista-naturalista, ela não aboliu os julgamentos de ordem social, política e moral. Além disso, embora o
romance Memórias de um sargento de milícias se diferencie das obras românticas da época por não conter personagens idealizados, não antecipa os métodos do Realismo-Natura-
lismo, pois se configura como uma crônica de costumes e não como uma obra cujo objetivo seja a denúncia dos problemas sociais da época.
Alternativa c: incorreta. A poesia abolicionista de Castro Alves era declaradamente contra o tráfico de escravos, e, no trecho, o narrador não se posiciona a respeito. 87
Alternativa e: incorreta. O foco do narrador não é sobre a questão do tráfico negreiro, mas contar como o barbeiro se tornou médico do navio negreiro.

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-096-122-LA-M005.indd 87 7/16/15 7:47 PM


a) revela-se cúmplice do mercado negreiro, pois fica b) Essa condição foi alcançada por mérito de Leonar-
subentendido que o considera justo e irrepreensível. do? Justifique.
b) antecipa os métodos do Realismo-Naturalismo, o
qual, em nome da objetividade, também abolirá Não, Leonardo teve a ajuda da Comadre, que pediu à Maria-
os julgamentos de ordem social, política e moral.
-Regalada que intercedesse junto a seu amante, Major Vidigal, em favor
c) prefigura a poesia abolicionista de Castro Alves,
que irá empregá-lo para melhor expor à execração dele, livrando-o da prisão e ainda promovendo-o a sargento de milícias.
pública o horror da escravidão.

d) contribui para que se constitua a atmosfera de au-
sência de culpa que caracteriza a obra. 
e) mostra-se consciente de que a responsabilidade

pelo comércio de escravos cabia, principalmente,
aos próprios africanos, e não ao tráfico negreiro. 

15. (Unicamp-SP) O excerto a seguir é o trecho final de 


Memórias de um sargento de milícias, de Manuel An-

tonio de Almeida.
O segredo que a Maria-Regalada dissera ao
ouvido do major no dia em que fora, acompanha-
da por D. Maria e a comadre, pedir pelo Leonar-
Romance indianista
do, foi a promessa de que, se fosse servida, cum-
priria o gosto do major. 1.
(UCS-RS) José de Alencar, um dos mais importantes
ficcionistas brasileiros do século XIX, escreveu ro-
Está pois explicada a benevolência deste
mances históricos, regionais, urbanos e indianistas.
para com o Leonardo, que fora ao ponto de não
só disfarçar e obter perdão de todas as suas fal- Leia o fragmento do romance O Guarani, de José de
tas, como de alcançar-lhe aquele rápido acesso Alencar.
de posto. Caía a tarde.
Fica também explicada a presença do major No pequeno jardim da casa do Paquequer,
em casa da Maria-Regalada. uma linda moça se embalançava indolentemen-
Depois disto entraram todos em conferência. te numa rede de palha presa aos ramos de uma
O major desta vez achou o pedido muito justo, acácia silvestre […].
em consequência do fim que se tinha em vista. Os grandes olhos azuis, meio cerrados, às ve-
Com a sua influência tudo alcançou; e em uma zes se abriam languidamente como para se em-
semana entregou ao Leonardo dois papéis: – um beberem de luz […].
era a sua baixa de tropa de linha; outro, sua no- Os lábios vermelhos e úmidos pareciam uma
meação de Sargento de Milícias. flor da gardênia dos nossos campos, orvalhada
Além disto recebeu o Leonardo ao mesmo pelo sereno da noite […].
tempo carta de seu pai, na qual o chamava para Os longos cabelos louros, enrolados negli-
fazer-lhe entrega do que lhe deixara seu padri- gentemente em ricas tranças, descobriam a fron-
nho, que se achava religiosamente intacto. te alva, e caíam em volta do pescoço presos por
Passado o tempo indispensável do luto, o uma rendinha finíssima de fios de palha cor de
Leonardo, em uniforme de Sargento de Milícias, ouro. […]
recebeu-se na Sé com Luizinha, assistindo à ceri- Esta moça era Cecília.
mônia a família em peso.
(ALENCAR, José de. O Guarani. 25. ed. São Paulo: Ática, 2001. p. 32.)
(Manuel Antonio de Almeida, Memórias de um sargento de milícias.
Cotia: Ateliê Ed., 2000)
Em relação à obra O Guarani, ou ao fragmento acima
a) Que diferença significativa pode ser estabelecida descrito, assinale a alternativa correta.
entre a condição inicial do herói do romance e sua a) Neste trecho, a descrição de Cecília revela um ideal
condição final, reproduzida no trecho apresentado? de beleza típico da sociedade do Brasil colonial.
No decorrer da narrativa, Leonardo sempre foi um típico vadio (não b) A visão de mundo realista está posta no retrato
harmonioso entre a beleza da jovem e a beleza da
gostava de estudar nem de trabalhar e vivia metido em encrencas). No natureza brasileira.
final da história, acaba vitorioso: é solto da prisão, recebe baixa da tropa c) No romance, um dos triângulos amorosos é for-
mado por Cecília, Loredano e Isabel.
de linha, é promovido a sargento de milícias e casa-se com Luizinha, d) No fragmento, a languidez dos olhos de Cecília
sugere um certo erotismo, desvinculando a obra
moça de boa condição social, tornando-se, assim, um homem respeitável
do movimento romântico.
na sociedade. e) Na obra, além da idealização da mulher, há ele-
mentos da idealização do índio, personificado na

figura de Peri.
1. Em O Guarani, Alencar idealiza o índio – personificado na figura de Peri – como herói romântico e autêntico representante da identidade nacional. Peri, modelo de bravura
e nobreza de caráter, apaixona-se por Ceci, filha de um nobre, e se coloca em relação a ela em posição de vassalagem amorosa, na qual se submete a tudo pela felicidade
da amada. Evidencia-se também no romance a idealização da mulher na figura de Ceci, descrita como um ser puro e de uma beleza angelical, como pode ser comprovado
88 no trecho Os longos cabelos louros, enrolados negligentemente em ricas tranças, descobriam a fronte alva, e caíam em volta do pescoço presos por uma rendinha finíssima
de fios de palha cor de ouro.

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-096-122-LA-M005.indd 88 7/16/15 5:26 PM


3. Afirmativa I: correta. Dom Antônio de Mariz é um homem que teve sua honra moldada pela guerra, em nome da exploração portuguesa na colônia, portanto representa os valores do
homem branco, que herda as terras pela força de seu sangue. Afirmativa II: correta. A aproximação de Dom Antônio com a vida da natureza surge de sua história como explorador de terras,
em nome da Coroa portuguesa, pois ele era alguém que lutou frente a frente contra os índios dentro do território deles, para conquistar reconhecimento e honra. Afirmativa III: incorreta.
Alencar não pinta os índios apenas como vilões, tampouco os brancos somente como heróis, mas mostra os embates existentes entre eles durante a colonização.
2.
(ITA-SP) Texto para a próxima questão. II. Para dar força ao herói, Alencar costuma apro-
De um dos cabeços da Serra dos Órgãos des- ximá-lo da vida da natureza, prática que dialoga
liza um fio de água que se dirige para o norte, e com as próprias raízes dos valores românticos.
engrossado com os mananciais, que recebe no
seu curso de dez léguas, torna-se rio caudal. III. Ao pintar portugueses como heróis e índios como
vilões, Alencar tem em conta agradar o Marquês
É o Paquequer: saltando de cascata em cas-
de Pombal e sua política anti-indianista.
cata, enroscando-se como uma serpente, vai
depois se espreguiçar na várzea e embeber no Está(ão) correta(s):
Paraíba, que rola majestosamente em seu vasto a) apenas II.
leito. b) apenas I e II.
Dir-se-ia que, vassalo e tributário desse rei c) apenas III.
das águas, o pequeno rio, altivo e sobranceiro
contra os rochedos, curva-se humildemente aos d) apenas I e III.
pés do suserano. Perde então a beleza selvática; e) I, II e III.
suas ondas são calmas e serenas como as de um
lago, e não se revoltam contra os barcos e as ca- 4.
(UFC-CE) Leia os textos que seguem.
noas que resvalam sobre elas: escravo submis-
so, sofre o látego* do senhor. Texto 1
Não é neste lugar que ele deve ser visto; sim Álvaro fugia e evitava Isabel; tinha medo
três ou quatro léguas acima de sua foz, onde é desse amor ardente que o envolvia num olhar,
livre ainda, como o filho indômito desta pátria da dessa paixão profunda e resignada que se curva-
liberdade. va a seus pés sorrindo melancolicamente. Sen-
tia-se fraco para resistir, entretanto o seu dever
Aí, Paquequer lança-se rápido sobre o seu
mandava que resistisse.
leito, e atravessa as florestas como o tapir, espu-
mando, deixando o pelo esparso pelas pontas do Ele amava, ou cuidava amar ainda Cecília;
rochedo, e enchendo a solidão com o estampido prometera a seu pai ser seu marido; e, na si-
de sua carreira. De repente, falta-lhe o espaço, tuação em que se achavam, aquela promessa
foge-lhe a terra; o soberbo rio recua um momen- era mais do que um juramento, era uma neces-
to para concentrar as suas forças, e precipita-se sidade imperiosa, uma fatalidade que se devia
de um só arremesso, como o tigre sobre a presa. cumprir.
(José de Alencar. O Guarani.) (ALENCAR, José de. O Guarani. Fortaleza:
Edições UFC, 2006, p. 240.)
*látego: chicote
Texto 2
No contexto da obra, a personificação da natureza: Loura e morena: duas faces do feminino
I. descreve um cenário fiel ao ambiente natural.
Duas donzelas são responsáveis pela repre-
II. exibe a grandiosidade da natureza do país. sentação do feminino em O Guarani: Cecília, a
III. antecipa as características determinantes dos loura; e Isabel, a morena. Mais do que simples
dois protagonistas masculinos. traço de distinção física entre ambas, os atribu-
tos “loura” e “morena” são marcas de diferença
Está correto o que se afirma apenas em:
racial e social e, acima de tudo, apontam para
a) I. dois polos opositivos e complementares na con-
b) I e II. figuração do feminino na trama romanesca.
c) I e III. (SCHMIDT, Simone Pereira. “As relações feminino/masculino
em O Guarani”. In: Revista Letras de hoje. Porto Alegre:
d) II. PUCRS, v. 30, no 1, março 1995, p. 64.)
e) II e III.
Texto 3
3.
(UFSM-RS) ENSAIO – É um texto literário breve, em pro-
Dom Antonio de Mariz, homem de valor, expe- sa, situado entre o poético e o didático, caracte-
rimentado na guerra, ativo, afeito a combater os rizado pela liberdade crítica e pelo tom pessoal
índios, prestou grandes serviços nas descobertas assumido pelo autor, que expõe suas ideias, crí-
e explorações do interior de Minas e Espírito San- ticas e reflexões a respeito de um tema. Consiste,
Questões de vestibular

to. Em recompensa do seu merecimento, o gover- portanto, na defesa de um ponto de vista pessoal
nador Mem de Sá lhe havia dado uma sesmaria de e subjetivo sobre um tema. Difere do artigo, prin-
uma légua com fundo sobre o sertão. cipalmente, no que tange à forma de expressão
Na passagem de O Guarani, destacam-se aspectos das ideias: enquanto no artigo são expressas opi-
encontrados na ficção de José de Alencar. A respeito niões, no ensaio pressupõe-se o amadurecimento
disso, leia as proposições. de convicções, ou seja, o autor apresenta uma ar-
I. Nos romances nativistas, o selo da nobreza gumentação convincente, resultado de uma refle-
é dado pela força do sangue, o que tanto vale xão baseada em dados.
para os índios como para a estirpe do colonizador (Texto elaborado com base em MOISÉS, Massaud. Dicionário de
branco. termos literários. São Paulo: Cultrix, 2004, p. 175-178.)
2. Afirmativa I: incorreta. O uso de metáforas e prosopopeias – personificando a floresta tropical – faz que a descrição dela não seja um retrato fiel, mas uma visão idealizada do
cenário natural.
Afirmativa II: correta. As figuras de linguagem utilizadas procuram valorizar a figura do rio e, consequentemente, a grandiosidade da natureza nacional.
Afirmativa III: incorreta. A descrição grandiosa do rio prenuncia as características de Peri, índio que detém o poder sobre a natureza. O outro protagonista masculino, Dom Antônio 89
de Mariz, representa a força da civilização e os valores da corte portuguesa, portanto não é representado nessa descrição.

D0-LIT-EM-3013-CA-VU-096-122-LA-M005.indd 89 7/16/15 5:26 PM


A Academia Cearense de Letras está compilando di- O excerto apresenta uma descrição do ambiente que
versos ensaios para organizá-los em uma obra intitu- corrobora a principal intenção dos romances india-
lada Personagens Femininas de José de Alencar. nistas. Que intenção é essa e quais elementos presen-
Produza um ensaio em folha à parte no qual você tes no texto a reforçam?
analisa o antagonismo abordado por José de Alen-
A principal intenção do romance indianista é valorizar a cor local, ou seja,
car, em O Guarani, através das personagens Cecília
e Isabel. Lembre-se de que seu texto deve apresentar os elementos da natureza brasileira representados na cena por materiais
a descrição das duas personagens e a reflexão acerca
do enfoque dado por Alencar à oposição entre elas. como resinas aromáticas, perfumes e óleos (já utilizados na Europa, porém

Podem ser abordadas duas questões fundamentais a respeito do antagonismo produzidos com matérias-primas locais).

presente na obra. A primeira questão enfoca a dualidade representada pelas 

personagens Cecília e Isabel. Cecília representa a pureza e Isabel representa 

o desejo carnal. Sobre essa dualidade paira a dúvida de Álvaro: embora tenha 

uma forte paixão por Isabel, sente-se na obrigação de se casar com Cecília 

(acreditando que ela o ama), e mudar de ideia é manchar a honra dos dois. 

A segunda questão, também sobre a dualidade: Cecília representa a origem 

europeia e a alta posição na hierarquia colonial, enquanto Isabel é uma 

mulher brasileira, miscigenada, que vive à sombra da cultura europeia. 

 

 


6.
(UFF-RJ)

Quando me ajoelho ali, se esvai a certeza.
 Penso, sinto e sei que meu lugar é do lado de
cá, ajoelhado e chorando, jamais do lado de lá,
 ouvindo, compreendendo, perdoando em nome
de Deus. Mas Deus e a Virgem me hão de aju-
 dar. Amanhã pode vir a luz. Hoje, quem sabe, na
missa da tarde.

Meu dia virá, eu sei. Dele sairei transfigura-
 do, andando entre os homens como quem leva
em si a bênção divina, esquecido de minha cara,
liberto dessa louca ideia de minha essência es-
5. Isabel interrompeu o enlevo de sua contempla- púria. Sou um filho de Deus. N’Ele sou homem,
ção para chegar-se de novo à cômoda, onde se um homem qualquer. N’Ele sou gente e não ape-
viam algumas conchas de mariscos tintas de ná- nas mairum ou, pior ainda um mairum conver-
car que se apanham nas nossas praias, e uma so, civilizado, transpassado, evadido. Evadido,
cesta de palha matizada. mas carregando dentro de mim, s