Você está na página 1de 8

Oxidação e redução

Desde há séculos que o termo oxidação é associado ao aparecimento de óxidos, como o óxido
de ferro, envolvendo reações com ganho de átomos de oxigénio, e a redução associada a
reações com perda de oxigénio por parte de algumas substâncias, como a redução do óxido de
cobre.

Oxidação do ferro:

4 Fe (s) + 3 O2 (g)→2 Fe2O3 (s)4 Fe (s) + 3 O2 (g)→2 Fe2O3 (s)


Redução do óxido de cobre:

CuO (s) + H2 (g)→Cu (s) + H2O (g)CuO (s) + H2 (g)→Cu (s) + H2O (g)
Com a evolução dos estudos, verificou-se que esta noção de oxidação e de redução era
demasiado restritiva e redefiniram-se os conceitos de oxidação e de redução, permitindo
explicar reações de oxidação e de redução sem o envolvimento de átomos de oxigénio.

Para que aconteça uma oxidação é necessário que ao mesmo tempo aconteça uma redução.

Oxidação
Uma oxidação acontece quando uma espécie química perde um ou mais eletrões, ou
perde influência sobre um ou mais dos seus eletrões.

A espécie que perde eletrões oxida-se (é oxidada), e é uma espécie redutora, porque vai
permitir a redução de uma outra espécie química.

Na oxidação do cobre (CuCu):


Cu (s)→Cu2+ (aq) + 2 e−Cu (s)→Cu2+ (aq) + 2 e−
um átomo de cobre, no estado sólido, perde dois eletrões, formando-se um ião, no estado
aquoso, com carga +2.

Redução
Uma redução acontece quando uma espécie química ganha um ou mais eletrões, ou
ganha influência sobre um ou mais eletrões de outra espécie.

A espécie que capta eletrões reduz-se (é reduzida), e é uma espécie oxidante, permitindo a
oxidação de outra espécie.

Na redução da prata (AgAg):


Ag+ (aq) + e−→Ag (s)Ag+ (aq) + e−→Ag (s)
um ião de prata, com carga +1, no estado aquoso, ganha um eletrão, formando-se prata no
estado sólido.

Agente oxidante e agente redutor


Como os processos de oxidação e de redução são simultâneos, quando uma espécie química
se oxida permite a redução de outra espécie química, pelo que é chamada o agente redutor
dessa reação. Um agente oxidante é a espécie que é reduzida durante o processo, que vai
permitir a oxidação.

Na reação
Zn (s) + Cu2+ (aq)→Zn2+ (aq) + Cu (s)Zn (s) + Cu2+ (aq)→Zn2+ (aq) + Cu (s)
Agente oxidante: Cu2+Cu2+
Agente redutor: ZnZn
Na reação

CuO (s) + H2 (g)→Cu (s) + H2O (g)CuO (s) + H2 (g)→Cu (s) + H2O (g)
Agente oxidante: CuOCuO
Agente redutor: H2H2
Na reação

4 Fe (s) + 3 O2 (g)→2 Fe2O3 (s)4 Fe (s) + 3 O2 (g)→2 Fe2O3 (s)


Agente oxidante: O2O2
Agente redutor: Fe

Reações de oxidação-redução
Quando acontece uma oxidação acontece ao mesmo tempo uma redução. Ao conjunto destes
dois fenómenos simultâneos chama-se reação de oxidação-redução.

Em cada reação de oxidação-redução existem duas semirreações, uma referente à oxidação e


outra referente à redução.

Equação da semirreação de oxidação:

Zn (s)→Zn2+ (aq) + 2 e−Zn (s)→Zn2+ (aq) + 2 e−


Equação de semirreação de redução:

Cu2+ (aq) + 2 e−→Cu (s)Cu2+ (aq) + 2 e−→Cu (s)


A equação que traduz a reação de oxidação-redução entre o zinco e o ião cobre é a somas das
semirreações de oxidação e redução.

Equação global de oxidação-reação quando se juntam zinco sólido e o ião cobre:

Zn (s) + Cu2+ (aq) + 2 e−→Zn2+(aq) + Cu (s) + 2 e−Zn (s) + Cu2+ (aq) + 2


e−→Zn2+(aq) + Cu (s) + 2 e−
que se escreve na forma:

Zn (s) + Cu2+ (aq)→Zn2+(aq) + Cu (s)Zn (s) + Cu2+ (aq)→Zn2+(aq) + Cu (s)


(Há conservação da massa e das cargas em todas as reações químicas.)

Para se compreender quais as espécies químicas que numa reação perdem ou ganham eletrões,
ou influência sobre eletrões, calcula-se o número de oxidação dessa espécie.

Número de oxidação
O número de oxidação (n.o.) de um átomo é a carga que este teria se os eletrões de cada
ligação fossem apenas do átomo mais eletronegativo, e podem ser calculados a partir das
seguintes regras:

O n.o. de um átomo numa substância elementar é zero:

para o caso do H2H2, n.o. (HH) = 0;


O n.o. do ião monoatómico é igual à carga do ião:

para o caso do ião Na+Na+, n.o. (NaNa) = +1;


A soma dos números de oxidação dos átomos de uma molécula é igual a zero:

para o caso da molécula H2OH2O, 2 ⨯ n.o. (HH) + n.o. (OO) = 0;


A soma dos números de oxidação de um ião poliatómico é igual à carga do ião:

para o caso do ião OH−OH−, n.o. (HH) + n.o. (OO) = -1;


O n.o. do hidrogénio é +1 quando combinado com um elemento mais eletronegativo:

para o caso do HClHCl, n.o. (HH) = +1;


O n.o. do hidrogénio é -1 quando combinado com um elemento menos eletronegativo:

para o caso do NaHNaH, n.o. (HH) = -1;


O n.o. do oxigénio é -2:

n.o. (OO) = -2;


O n.o. do oxigénio é -1 nos peróxidos:

para o caso do H2O2H2O2, n.o. (OO) = -1;


O n.o. do oxigénio é -½ nos superóxidos;

O n.o. do oxigénio é +1 ou +2 quando combinado com o flúor;

O n.o. do flúor é -1 nas substâncias compostas:

para o caso do HFHF, n.o. (FF) = -1.


Uma espécie química que numa reação aumente o seu número de oxidação (porque perde
eletrões) está a sofrer uma oxidação (é oxidada).

Uma espécie química que numa reação diminua o seu número de oxidação (porque ganha
eletrões) está a sofrer uma redução (é reduzida).

Aplicação dos números de oxidação a uma reação


Aplicando a leitura dos números de oxidação à reação:

Zn (s)Zn Cu (s)Cu
++Cu2+ (aq)Cu2+ (aq)→→Zn2+( aq)Zn2+( aq)++
(s) (s)

Números de oxidação
0 +2 +2 0
(n.o.)

O zinco sólido, ZnZn, passa do n.o. = 0 para o n.o. = +2, o que demonstra que está a sofrer
uma oxidação, transformando-se no ião Zn2+Zn2+.
O ião cobre, Cu2+Cu2+, passa do n.o. = +2 para o n.o. = 0, sofrendo uma redução e tornando-
se cobre sólido, CuCu.

Par conjugado oxidação-redução


Um par conjugado oxidação-redução é representado pelo conjunto espécie oxidada/espécie
reduzida, indicando sempre em primeiro lugar a espécie em que o átomo em causa apresenta
maior número de oxidação.

Na reação

Zn (s) + Cu2+ (aq)→Zn2+ (aq) + Cu (s)Zn (s) + Cu2+ (aq)→Zn2+ (aq) + Cu (s)
Pares oxidação-redução:

Zn2+ / ZnZn2+ / Zn
Cu2+ / CuCu2+ / Cu
Na reação

CuO (s) + H2 (g)→Cu (s) + H2O (g)CuO (s) + H2 (g)→Cu (s) + H2O (g)
Pares oxidação-redução:

CuO / CuCuO / Cu
H2O / H2H2O / H2
Na reação

4 Fe (s) + 3 O2 (g)→2 Fe2O3 (s)4 Fe (s) + 3 O2 (g)→2 Fe2O3 (s)


Pares oxidação-redução:

Fe2O3 / FeFe2O3 / Fe
O2 / Fe2O3

Dismutação
Uma dismutação é uma reação de oxidação-redução em que átomos de um mesmo elemento
químico de uma espécie são, ao mesmo tempo, oxidados e reduzidos.

Exemplo:

2 Cl2 (g) + 4 OH− (aq)→2 Cl− (aq) + 2 ClO− (aq) + 2 H2O (l)2 Cl2 (g) + 4
OH− (aq)→2 Cl− (aq) + 2 ClO− (aq) + 2 H2O (l)
em que um átomo de ClCl do Cl2Cl2 (n.o.(ClCl) = 0) é oxidado na
espécie ClO−ClO− (n.o.(ClCl) = +1) e outro é reduzido para a espécie Cl−Cl− (n.o.(ClCl) = -
1).

Força relativa de oxidantes e de redutores


A reação

Zn (s) + Cu2+ (aq)→Zn2+ (aq) + Cu (s)Zn (s) + Cu2+ (aq)→Zn2+ (aq) + Cu (s)
acontece espontaneamente mas o contacto entre o ião zinco e cobre sólido

Zn2+ (aq) + Cu (s)Zn2+ (aq) + Cu (s)


não produz qualquer produto. Pode-se então concluir que o ZnZn tem maior poder redutor
(oxida-se mais facilmente) do que o CuCu. O ião Cu2+Cu2+ tem maior poder oxidante do que
o Zn2+Zn2+.
Com a conjugação de resultados de reações semelhantes é possível ordenar espécies químicas
pelo seu poder redutor ou oxidante - a série eletroquímica (Potenciais padrão de redução).

Quanto maior for o poder oxidante de uma espécie química, menor é o seu poder redutor.

Previsão de reações de oxidação-redução


Com a série eletroquímica é possível prever a ocorrência, ou não, de determinada reação de
oxidação-redução. Para prever a viabilidade da reação tem que ser comprada a força relativa de
oxidante e redutor.

Exemplos:

Juntando Zn (s)Zn (s) e Cu2+ (aq)Cu2+ (aq):


a semirreação Cu2+ + 2 e−→CuCu2+ + 2 e−→Cu (sentido em que se tenta a reação)
está acima da semirreação Zn2+ + 2 e−→ZnZn2+ + 2 e−→Zn (sentido contrário)
indicando que acontece a seguinte reação:

Zn (s) + Cu2+ (aq)→Zn2+ (aq) + Cu (s)Zn (s) + Cu2+ (aq)→Zn2+ (aq) + Cu (s)
Juntando Cu (s)Cu (s) e Zn2+ (aq)Zn2+ (aq):
a semirreação Zn2+ + 2 e−→ZnZn2+ + 2 e−→Zn (sentido em que se tenta a reação)
está abaixo da semirreação Cu2+ + 2 e−→CuCu2+ + 2 e−→Cu (sentido contrário)
indicando que nada acontece.

Juntando Ag+ (aq)Ag+ (aq) e Fe2+ (aq)Fe2+ (aq):


a semirreação Ag+ + e−→AgAg+ + e−→Ag (sentido em que se tenta a reação)
está acima da semirreação Fe3+ + e−→Fe2+Fe3+ + e−→Fe2+ (sentido contrário)
indicando que acontece a reação:

Ag+ (aq) + Fe2+ (aq)→Ag (s) + Fe3+ (aq)Ag+ (aq) + Fe2+ (aq)→Ag (s) + Fe3+ (aq)
Juntando Ag (s)Ag (s) e Cu2+ (aq)Cu2+ (aq):
a semirreação Cu2+ + 2 e−→CuCu2+ + 2 e−→Cu (sentido em que se tenta a reação)
está abaixo da semirreação Ag+ + e−→AgAg+ + e−→Ag (sentido contrário)
indicando que nada acontece.

Potenciais padrão de redução


Agente oxidante Agente redutor E0 (V)

F2 (g) + 2 e- → 2 F- (aq) +2,87


↑ O3 (g) + 2 H+ (aq) + 2 e- → O2 (g) + H2O (l) +2,07 ↓

Poder S O 2- (aq) + 2 e- → 2 SO42- (aq) +2,01 Poder


2 8

oxidante redutor
Co3+ (aq) + e- → Co2+ (aq) +1,82
crescente crescente
H2O2 (aq) + 2 H+ (aq) + 2 e- → 2 H2O (l) +1,77
↑ ↓
PbSO2 (s) + 4 H+ (aq) + SO42- (aq) + 2 → PbSO4 (s) + 2 H2O (l) +1,70
e-
Ce4+ (aq) + e- → Ce3+ (aq) +1,61

MnO4- (aq) + 8 H+ (aq) + 5 e- → Mn2+ (aq) + 4 H2O (l) +1,51

Au3+ (aq) + 3 e- → Au (s) +1,50

Cl2 (g) + 2 e- → 2 Cl- (aq) +1,36

Cr2O72- (aq) + 14 H+ (aq) + 6 e- → 2 Cr3+ (aq) + 7 H2O (l) +1,33

MnO2 (s) + 4 H+ (aq) + 2 e- → Mn2+ (aq) + 2 H2O (l) +1,229

O2 (g) + 4 H+ (aq) + 4 e- → 2 H2O (l) +1,23

Br2 (l) + 2 e- → 2 Br- (aq) +1,065

NO3- (aq) + 4 H+ (aq) + 3 e- → NO (g) + 2 H2O (l) +0,96

H2O2 (l) + 2 e- → 2 OH- (aq) +0,95

Hg22+ (aq) + 2 e- → 2 Hg (l) +0,85

Ag+ (aq) + e- → Ag (s) +0,799

Fe3+ (aq) + e- → Fe2+ (aq) +0,770

O2 (g) + 2 H+ (aq) + 2 e- → H2O2 (aq) +0,68

MnO4- (aq) + 2 H2O (l) + 3 e- → MnO2 (s) + 4 OH- (aq) +0,59

I2 (s) + 2 e- → 2 I- (aq) +0,536

O2 (g) + 2 H2O (l) + 4 e- → 4 OH- (aq) +0,40

Cu2+ (aq) + 2 e- → Cu (s) +0,327

AgCl (s) + 2 e- → Ag (s) + Cl- (aq) +0,22

SO42- (aq) + 4 H+ (aq) + 2 e- → SO2 (g) + 2 H2O (l) +0,20

Cu2+ (aq) + 2 e- → Cu+ (s) +0,15

Sn4+ (aq) + 2 e- → Sn2+ (aq) +0,13

2 H+ (aq) + 2 e- → H2 (g) +0,00

CrO42- (aq) + 4 H2O (l) + 3 e- → Cr(OH)3 (s) + 5 OH- -0,12


(aq)

Pb2+ (aq) + 2 e- → Pb (s) -0,126


Sn2+ (aq) + 2 e- → Sn (s) -0,136

Ni2+ (aq) + 2 e- → Ni (s) -0,25

Co2+ (aq) + 2 e- → Co (s) -0,28

PbSO4 (s) + 2 e- → Pb (s) + SO42- (aq) -0,31

Cd2+ (aq) + 2 e- → Cd (s) -0,40

Fe2+ (aq) + 2 e- → Fe (s) -0,44

Ni(OH)2 (s) + 2 e- → Ni (s) + 2 OH- (aq) -0,72

Cr3+ (aq) + 3 e- → Cr (s) -0,74

Zn2+ (aq) + 2 e- → Zn (s) -0,763

2 H2O (l) + 2 e- → H2 (g) + 2 OH- (aq) -0,83

Mn2+ (aq) + 2 e- → Mn (s) -1,18

Al3+ (aq) + 3 e- → Al (s) -1,66

Be2+ (aq) + 2 e- → Be (s) -1,85

H2 (g) + 2 e- → 2 H- (g) -2,25

Mg2+ (aq) + 2 e- → Mg (s) -2,37

Na+ (aq) + e- → Na (s) -2,714

Ca2+ (aq) + 2 e- → Ca (s) -2,87

Sr2+ (aq) + 2 e- → Sr (s) -2,89

Ba2+ (aq) + 2 e- → Ba (s) -2,90

K+ (aq) + e- → K (s) -2,93

Li+ (aq) + e- → Li (s) -3,05

Valores a 25 °C.

Pilha de Daniell
As barras de zinco e de cobre são os elétrodos. O zinco sofre a oxidação, sendo por isso o
elétrodo negativo. Os iões Cu2+Cu2+captam esse eletrões e tornam-se cobre metálico. O
cobre metálico é o elétrodo positivo.
A ponte salina serve para que haja eletroneutralidade das soluções.
Exemplo:

A pilha é representada por:

Zn (s) | Zn2+ (aq) || Cu2+ (aq) | Cu (s)Zn (s) | Zn2+ (aq) || Cu2+ (aq) | Cu (s)
em que:

|| - representa as interfases
|||| - representa a ponte salina