Você está na página 1de 29

DOR : O QUINTO SINAL VITAL

Comissão de Dor
Comissão de Dor da SBGG
2018
COMISSÃO DE DOR DA SBGG Diogo Kallas Barcellos (MG), Presidente
Fânia Cristina Santos (SP)
Bianca Figueiredo Barros (SE)
Karol Bezerra Thé (SP)
Fernanda Gazoni (SP)

DIRETORIA DA SBGG José Elias Soares Pinheiro (RJ), Presidente


(GESTÃO 2016-2018)
Carlos André Uehara (SP), Vice-presidente
Claudia Fló (SP), Presidente do departamento de gerontologia
Jarbas de Sá Roriz (CE), Diretor científico
Tassio José Carvalho Silva (SP), Diretor de defesa profissional
Daniel Lima Azevedo (RJ), Secretário geral
Ruth Losada de Menezes (DF), Secretária adjunta
Rodolfo Augusto Alves Pedrão (PR), Tesoureiro

EDITORES Diogo Kallas Barcellos


Karol Bezerra Thé

DESIGN GRÁFICO Elvis Benicio (elvisbenicio.com)

2 Dor: o quinto sinal vital


SUMÁRIO

1 Introdução 4

2 Avaliação da dor no idoso 6

2.1 Escalas de dor 8

2.1.1 Unidimensionais 8

2.1.2 Multidimensionais 10

3 Tratamento não farmacológico da dor 16

4 Alterações farmacocinéticas e farmacodinâmicas 17


no envelhecimento

5 Tratamento farmacológico da dor 18

6 Considerações finais 26

7 Referências bibliograficas 27

SBGG 3
1. INTRODUÇÃO

A população mundial envelhece rapidamente, causando grandes


repercussões nos sistemas de saúde e previdenciário em vários países, tornando
o envelhecimento populacional objeto de tema de grande discussão nos dias
atuais.

Frente a esta realidade, desafios assistenciais se impõem, uma vez que, essa
parcela da população é portadora de inúmeras doenças crônico-degenerativas,
são grandes consumidoras de serviços de saúde e altamente susceptíveis a
desequilíbrios sociais. Dentre as patologias que repercutem negativamente no
equilíbrio deste indivíduo podemos citar aquelas associadas a dor.

Estima-se que 20 a 50% dos idosos provenientes da comunidade têm


importantes problemas dolorosos e esse número aumenta para 45 a 80% em
pacientes institucionalizados, podendo ser ainda maior nos hospitalizados, com
a dor sendo sub reconhecida e sub tratada em grande parte dos casos. Estudos
mostram que mais de 50% destes não recebem o controle adequado da dor e
mais de 25% morrem sem obter o seu controle. Em idosos com demência, o
diagnóstico e tratamento da dor pode tornar-se um problema ainda maior, o
que, em parte, se justifica pela maior dificuldade em sua avaliação . Estes dados
reforçam a necessidade de considerar a dor como o “ quinto sinal vital”, com
necessidade de abordagem ativa e sistemática em toda avaliação clínica, seja
no nível ambulatorial, hospitalar ou em Instituição de Longa Permanência (ILP).

Dentre as principais causas de dor no idoso podemos citar as doenças


osteomusculares, principalmente as degenerativas; com a mesma magnitude, temos
ainda: a osteoporose e suas consequências, as fraturas, doença vascular periférica,
neuropatias periféricas ( ex. Neuropatia diabética), neuralgia pós herpética, síndrome
dolorosa pós acidente vascular encefálico (particularmente os que afetam as
estruturas do trato espinotalâmico), dor do membro fantasma, polimialgia reumática,
lombalgias, doenças neoplásicas e outras desordens musculoesqueléticas.

4 Dor: o quinto sinal vital


É comum encontrarmos síndromes dolorosas crônicas, que acarretam outras
repercussões ao indivíduo idoso, como isolamento social, ansiedade, transtornos
depressivos, alterações no sono e memória, distúrbios funcionais e risco de
quedas. O idoso com dor crônica apresenta comprometimento significativo
na qualidade de vida devido ao prejuízo da funcionalidade global, aumenta
a demanda por serviços de saúde, tem risco aumentado de polifarmácia
e processos iatrogênicos, maior risco de institucionalização e aumento na
mortalidade.

SBGG 5
2. AVALIAÇÃO DE DOR NO IDOSO

Por ser uma experiência de caráter multidimensional, a avaliação de


quadros dolorosos em idosos engloba vários domínios, incluindo o sensorial, o
cognitivo, o afetivo, o comportamental e o sociocultural.

Uma anamnese adequada e um exame físico completo são os primeiros


passos para obter um diagnostico preciso para a partir disso, estabelecer o plano
de tratamento.

Numa anamnese, não deve faltar a caracterização da dor, através de:

• Localização, início dos sintomas, irradiação ou distribuição, duração


(aguda ou crônica), extensão, intensidade, qualidade, fatores
desencadeantes, fatores atenuantes ou agravantes e sintomas
associados;

• Compreensão e identificação do tipo de dor (nociceptiva, neuropática,


psicogênica);

• Questionamentos sobre patologias pré existentes ou traumas prévios


que possam estar associado a dor ou a seu gerenciamento, assim como
sobre medicamentos utilizados;

• Análises da dimensão psicoafetiva do paciente e seus familiares. Se a


dor exprime tristeza, depressão, raiva, ansiedade, isolamento social e
mudanças na maneira de apreciar a vida, sendo importante definir a
relação temporal entre a dor e essas alterações

6 Dor: o quinto sinal vital


• Interpretações da dor pelo paciente, e quais expectativas quanto ao
problema e seu tratamento. Considerar que a dor é influenciada por
fatores culturais, étnicos, espirituais, sociais e familiares;

• Detecção de comportamentos dissociados ao componente físico da dor


perante os familiares e o meio em que se vive. Importante considerar a
ocorrência de “ganhos secundários” em algumas situações.

Ainda, como parte da avaliação inicial da dor, um exame físico deve


ser realizado e neste, deve-se proceder a:

• Inspeção e pesquisa de posição antálgica, deformidades,


desalinhamento, atrofia, distúrbio de marcha;

• Palpação no local da dor, tentando-se esclarecer pontos de inflamação,


espasmos musculares e pontos gatilho;

• Avaliação de Sinais neurológicos: testes de sensibilidade, força muscular,


reflexos tendíneos, avaliação de pares cranianos e equilíbrio.

SBGG 7
2.1. ESCALAS DE DOR
Não dispomos de um instrumento-padrão, único e exclusivo para
o idoso, que permite a avaliação global da dor e que seja livre de vieses e de
erros de mensuração. No Brasil, poucos instrumentos já foram traduzidos,
adaptados transculturalmente e validados, considerando especificamente os
indivíduos idosos. Podem ser unidimensionais e multidimensionais.

2.1.1. UNIDIMENSIONAIS
São maneiras simples de avaliar a magnitude da intensidade
dolorosa. Dentre essas medidas encontram-se as escalas de descritores
numéricos verbais ou visuais (quantificam a dimensão sensorial da dor), que
possuem a vantagem de serem fácies e de rápida aplicação.

Escala de Descritores Verbais

8 Dor: o quinto sinal vital


Escala de Faces

Escala Visual Numérica

Em um estudo epidemiológico, descritivo e analítico com uma


amostra de 330 idosos com idade acima de 80 anos, do “Projeto Longevos”
da disciplina de Geriatria e Gerontologia (DIGG) da Universidade Federal
de São Paulo (UNIFESP), em andamento desde 2010, verificou-se que nessa
população de idosos na comunidade sem déficit cognitivo, os instrumentos
de mensuração preferidos foram a escala de faces e Escala Numérica Verbal.

SBGG 9
2.1.2. MULTIDIMENSIONAIS

Medem não apenas a intensidade da dor, mas também outros


aspectos da experiência dolorosa. Os instrumentos multidimensionais ainda
são poucos utilizados em idosos, apesar de especialmente importante para
os mesmos.

Medida de Dor Geriátrica (“Geriatric Pain Measure” – GPMp)


Ver tabela na página 11.

Questionário McGill de Dor (MPQ)

Este avalia as dimensões sensoriais, afetivas e avaliativas da dor,


baseando-se em palavras que o paciente seleciona para descrever sua dor.
Inclui um diagrama corporal para localização da experiência dolorosa, uma
escala de intensidade e 78 descritores de dor agrupados em 4 grandes
grupos e 20 subgrupos.

Na tradução para o Brasil foi desenvolvida uma forma reduzida


do questionário, o que aumentou sua utilidade clínica, devido o menor
tempo exigido para aplicação. O mesmo também já foi validado para
uma população idosa, sendo verificado uma boa confiabilidade entre os
examinadores. Pacientes com problemas de comunicação como déficit
auditivo e visual têm muitas dificuldades em completar o MPQ. Ver tabela na
página 12.

10 Dor: o quinto sinal vital


Medida de Dor Geriátrica (“Geriatric Pain Measure” – GPMp)

Iniciais: Nº Ficha médica: Entrevista nº: Data:

Por favor responda cada pergunta, marcando-a: RESPOSTA NOTA

1. Você tem ou acha que teria dor com atividades intensas como correr,
levantar objetos pesados ou participar de atividades que exigem esforço físico? ( ) Não ( )Sim

2. Você tem ou acha que teria dor com atividades moderadas como mudar uma mesa
pesada de lugar, usar um aspirador de pó, fazer caminhadas ou jogar bola? ( ) Não ( )Sim

3. Você tem ou acha que teria dor quando levanta ou carrega sacola de compras? ( ) Não ( )Sim

4. Você tem ou acha que teria dor se subisse um andar de escadas? ( ) Não ( )Sim

5. Você tem ou teria dor se subisse apenas alguns degraus de uma escada? ( ) Não ( )Sim

6. Você tem ou teria dor quando anda mais de um quarteirão? ( ) Não ( )Sim

7. Você tem ou teria dor quando anda um quarteirão ou menos? ( ) Não ( )Sim

8. Você tem ou teria dor quando toma banho ou se veste? ( ) Não ( )Sim

9. Você já deixou de trabalhar ou fazer atividades por causa da dor? ( ) Não ( )Sim

10. Você já deixou de fazer algo que você gosta por causa da dor? ( ) Não ( )Sim

11. Você tem diminuido o tipo de trabalho ou outras atividades que faz devido à dor? ( ) Não ( )Sim

12. O trabalho ou suas atividades já exigiram muito esforço por causa da dor? ( ) Não ( )Sim

13. Você tem problemas para dormir devido à dor? ( ) Não ( )Sim

14. A dor impede que você participe de atividades religiosas? ( ) Não ( )Sim

15. A dor impede que você participe de qualquer outra atividade social ou recreativa
(além dos serviços religiosos)? ( ) Não ( )Sim

16. A dor te impede ou impederia de viajar ou usar transportes comuns? ( ) Não ( )Sim

17. A dor faz você sentir fadiga ou cansaço? ( ) Não ( )Sim

18. Você depende de alguém para te ajudar por causa da dor? ( ) Não ( )Sim

19. Na escala de 0 a 10, com zero significando sem dor e 10 significando


0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
a pior dor que você possa imaginar, como está a sua dor dor hoje?

20. Nos últimos sete dias, numa escala de zero a dez, com zero significando
dor nenhuma e dez significando a pior dor que você consegue imaginar. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Indique o quanto em média sua dor tem sido severa?

21. Você tem dor que nunca some por completo? ( ) Não ( )Sim

22. Você tem dor todo dia? ( ) Não ( )Sim

23. Você tem dor várias vezes por semana? ( ) Não ( )Sim

24. Durante os últimos sete dias, a dor fez você se sentir triste ou depressivo? ( ) Não ( )Sim

PONTUAÇÃO Dê um ponto para cada ‘Sim’ e somar as respostas numéricas

PONTUAÇÃO TOTAL (0 - 42) Pontuação ajustada (Pontuação Total x 2.38) (0-100)

SBGG 11
Questionário McGill de Dor (MPQ)

12 Dor: o quinto sinal vital


PACSLAC (Pain Assessment Checklist for Seniors With Limited Ability to
Communicate)

Este check list de avaliação de dor no idoso com habilidade limitada


para a comunicação foi criado especialmente para aperfeiçoar a avaliação e
mensuração de dor nos pacientes com demência avançada.

Originalmente validado na língua inglesa, já foi traduzido e validado,


também, na França e Holanda. Nesse último país, é o mais utilizado por
enfermeiros e, ainda, considerado o mais promissor entre os instrumentos
já propostos para a abordagem da dor na demência. Enfermeiras que,
rotineiramente, utilizaram o PACSLAC também demonstraram um menor
nível de estresse e burn out que outras que apenas preencheram checklists
irrelevantes.

No Brasil, já teve sua tradução, adaptação transcultural e validação


concluídas, demonstrando ser confiável e válida como ferramenta importante
na avaliação e gerenciamento da dor em idosos com habilidade limitada na
comunicação.

SBGG 13
14 Dor: o quinto sinal vital
PAINAID- Br

Foi originada em 2003 a partir da adaptação da escala Discomfort


Scale-Dementia of the Alzheimer’s Type (DS-DAT) e da Face, Legs, Activity,
Cry, Consolability (FLACC) para uso na avaliação de dor em idosos.

É composta pelos indicadores: respiração, vocalização, expressão


corporal e consolabilidade, cada um deles pontuando de 0 a 2 pontos, numa
escala métrica de zero a dez pontos. Pontuação maior é indicativa de maior
intensidade da dor.

Abrange apenas três dos seis indicadores comportamentais de


dor descritos pela Sociedade Geriátrica Americana. Os resultados revelam
boa concordância inter avaliadores e consistência interna. É de fácil
aplicabilidade, requerendo menos de 5 minutos para seu preenchimento.
A versão brasileira já teve as propriedades psicométricas de validade,
confiabilidade e concordância inter avaliadores analisadas.

SBGG 15
3. TERAPÊUTICA NÃO FARMACOLÓGICA
DA DOR NO IDOSO:

O tratamento da dor crônica não deve ser focado exclusivamente no uso de


medicações, sendo a abordagem multidisciplinar de fundamental importância para
o tratamento bem-sucedido. Muitas evidências demonstram que a combinação de
métodos farmacológicos e não farmacológicos para controle da dor a longo prazo
proporciona efeito analgésico melhor do que o emprego isolado de cada um deles.

O tratamento não farmacológico tem como vantagens: o baixo


custo financeiro, o fato de ser não invasivo e apresentar pouco ou nenhum
efeito colateral, além de poder ser utilizado de forma coadjuvante à terapia
farmacológica, contribuindo para reduzir as doses de analgésicos, dessa forma,
reduzindo o risco de efeitos colaterais.

Segue algumas das estratégias não farmacológicas de tratamento da dor:

Auto gerenciamento da dor Exercícios fisicos

Psicoterapia Massagem

Acupuntura Meditação

Musicoterapia Atividades sociais e de lazer

Arteterapia Reabilitação fisioterapêutica

Terapia ocupacional Hidroterapia

Yoga Abordagens de neuromodulação

Tai chi Biofeedback

16 Dor: o quinto sinal vital


4. ALTERAÇÕES FARMACOCINÉTICAS E
FARMACODINÂMICAS NO ENVELHECIMENTO

Muitas alterações fisiológicas ocorridas durante o processo de


envelhecimento podem alterar de modo significativo a forma como o
organismo do idoso metaboliza os fármacos administradas. Essas alterações
tornam o idoso especialmente suscetível a efeitos adversos, principalmente
na presença de doenças crônicas e polifarmácia.

O idoso apresenta menor reserva funcional dos órgãos e sistemas,


portanto, a farmacocinética e farmacodinâmica das drogas a serem
empregadas devem ser bastante valorizadas. Em idosos, são comuns: maior
sensibilidade aos analgésicos, meia-vida mais longa e aumento do risco de
interação medicamentosa (tabela 1).

Absorção Distribuição

Redução Redução
• Fluxo sangüíneo esplâncnico • Volume do plasma (8%)
• Secreção gástrica • Débito cardíaco
• Superfície de absorção • Água corporal (25%)
• Motilidade gastrointestinal • Albumina plasmática (20%)
• Substituição da massa muscular por gordura (30%
Aumento do Ph gastrointestinal a 40%)

Metabolismo Excreção

Redução Redução
• Massa hepática • Massa renal
• Fluxo sanguíneo hepático (40%)
• Número de néfrons funcionais
Alteração na atividade enzimática (citocromo P450) • Fluxo sanguíneo renal (1% a 2% ao ano, chegando a
50% na idade avançada)
Alteração na fase I do metabolismo (hidroxilação, oxi- • Filtração glomerular (30% a 50%)
dação, hidrolise e n-demetilação)
• Aumento na incidência de esclerose glomerular
espontânea

Tabela 1 - Alterações farmacológicas com o envelhecimento

SBGG 17
5. TRATAMENTO FARMACOLÓGICO
DA DOR NO IDOSO
Para a escolha consciente e eficaz do fármaco a ser utilizado, é
imprescindível que se conheça o mecanismo de ação de cada droga, suas
interações medicamentosas, sinergismos e efeitos colaterais. O objetivo final
deve sempre ser tratar a dor e as condições associadas, tais como depressão,
ansiedade e distúrbios do sono. Não há lugar para placebos na avaliação ou
no tratamento da dor.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) sugeriu a ordenação e


padronização do tratamento analgésico baseado em uma escada de quatro
degraus, de acordo com a intensidade da dor que o paciente apresenta. Os
princípios da farmacoterapia propostos pela OMS podem ser resumidos nos
tópicos:

• Pela escada: o uso sequencial dos medicamentos está esquematizado


na Figura 1. Inicia-se pelo primeiro degrau, correspondente a dor fraca
(EVN= 1 a 3), que consiste em analgésicos simples e anti inflamatórios
não hormonais (AINES). Quando não ocorrer alívio dos sintomas,
adiciona-se um opioide fraco para a dor de intensidade moderada
(EVN=4 a 6). Quando esta combinação falhar, deve-se substituir este
opioide fraco por um forte, para dor de intensidade alta (EVN ≥7). Os
medicamentos adjuvantes devem ser associados em todos os degraus
da escada, de acordo com as indicações especificas (antidepressivos,
anticonvulsivantes, neurolépticos, relaxantes musculares etc.). Há ainda
um quarto degrau, indicado para dor refratária à farmacoterapia e no
qual estão indicados procedimentos intervencionistas (ex: epidural,
bombas infusoras implantadas, neuroestimuladores medulares).

18 Dor: o quinto sinal vital


• Via oral: sempre que possível, os analgésicos devem ser administrados
por via oral proporcionando ao paciente maior grau de independência
e conforto. Deve-se evitar a via intramuscular por ser dolorosa e estar
relacionada a complicações.

• Intervalos fixos: os analgésicos devem ser administrados a intervalos


regulares de tempo. A dose subsequente precisa ser administrada antes
que o efeito da dose anterior tenha terminado, respeitando a meia-vida
da droga.

• Individualização: não existem doses padronizadas para os opioides. A


dose correta é aquela que causa alivio da dor com o mínimo de efeitos
adversos.

• Atenção: Atentando-se aos detalhes, reavaliando frequentemente


presença e características da dor, para adequar o tratamento.

Escada Analgésica da OMS (Modificada)

4
3 Métodos Invasivos

Analgésico +
2 Opióide forte +
Coadjuvante +
Analgésico +
Terapia não-
Opióide fraco +
1 farmacológicas
Coadjuvante +
Analgésico + Terapias
Coadjuvante + não-farmacológicas
Terapias não-
farmacológicas
DOR

Figura 1

SBGG 19
Após o início do tratamento, a dor deve ser avaliada e caso persista
ou piore, deve-se aumentar a dose do fármaco utilizado ou subir um degrau
na escada analgésica associando-se ou trocando por outro fármaco.

Analgésicos Não Opióides (ver tabela 2):

• Entre eles: analgésicos não anti inflamatórios (flupirtina, viminol,


dipirona, acetaminofeno) e analgésico anti inflamatórios não hormonais
(AINE).

• A Sociedade Americana de Geriatria (AGS), em suas diretrizes, recomenda


que o acetaminofeno deva ser considerado para o tratamento inicial e
contínuo de dor persistente em idosos.

• O acetaminofeno é considerado analgésico seguro, sem efeitos


colaterais significativos, no entanto seu potencial de hepatotoxicidade é
amplamente conhecido, principalmente quando há superdosagem (>4g)
ou quando administrado a indivíduos com patologia hepática.

• Os AINE, seletivos ou não-seletivos, devem ser raramente considerados e,


quando o forem, deve-se ter cautela.

• Podem ser usados isoladamente no tratamento da dor leve ou associados


aos opioides na dor moderada ou grave.

• Apresentam efeito teto, ou seja, possuem dose máxima a partir da qual


não é possível obter maior analgesia.

• Os anti inflamatórios hormonais possuem os mesmos riscos citados para


os AINE. Lança-se mão dessa medicação, principalmente, em infiltrações
intra-articulares, sendo contraindicada para tratamentos concomitantes
com os AINE.

20 Dor: o quinto sinal vital


Fármacos Apresentação Dose Efeito (início/ Efeito teto Potência
e dose terapêutica/ pico/fim)
intervalo
Dipirona Amp/2ml/500mg/ml 500 a 1000mg 30’/2h/ 8h 6g 1
Frs. 10ml/500mg/ml 4/6 horas
Cp 500mg e 1000mg

AAS Cp 500mg 500 a 1250mg 30’/2h/ 8h 5g 1


4/6horas

Paracetamol Cp 500mg e 750mg 500 a 1000mg 30’/2h/8h 6g 1


4/6 horas

Diclofenaco Cp 50mg 500 a 100mg 15’/3h/10h 200mg >1


6/8 horas

Tabela2 - Analgésicos não-opióides

Analgésicos Opióides (ver tabela 3):

• Usados para dor moderada a intensa.

• Opioides fracos: codeína e tramadol.

• Opioides fortes: morfina, metadona, oxicodona, fentanil e buprenorfina.

• O tramadol tem sido o mais recomendado, pois além de sua importante


ação analgésica mediada pelo receptor opioide, apresenta ação mediada
pela inibição da recaptação de serotonina e também atua na modulação
da dor.

• Entre os efeitos colaterais comuns estão: náuseas, vômito, prurido,


tontura, xerostomia, obstipação, retenção urinária, sonolência, confusão
mental e euforia.

SBGG 21
• Especialmente em indivíduos dependentes de outras substâncias
psicoativas e portadores de doenças psíquicas, devemos atentar ao risco
de abuso, mau uso e vício aos opioides.

• A metadona deve ser particularmente considerada em nosso meio, pois


além de sua grande efetividade (ação em receptor opioide e em receptor
n-metil-D-aspartato (NMDA), apresenta baixo custo. Porém, deve-se
enfatizar os devidos cuidados na manipulação das dosagens em idosos
(apresenta meia-vida longa, podendo haver acumulo de dose e aumento
nos efeitos adversos), sendo assim, reservado para os profissionais com
maior experiência no tratamento da dor.

• De maneira geral, os opioides possuem um bom perfil de segurança


e apesar do medo da depressão respiratória, essa complicação é
considerada rara mediante uma prescrição cuidadosa.

• Sempre deve ser iniciada a menor dose possível e aumentando a


mesma até se atingir a melhor resposta sobre a dor, com menos efeitos
adversos. Efeitos adversos comuns como constipação, sonolência, boca
seca, náusea e vômito exigem profilaxia e tratamento concomitantes a
prescrição do opioide.

22 Dor: o quinto sinal vital


Fármaco Apresentação Dose terapêutica / Efeito (inicio/ Potência
e dose intervalo pico/fim)
Codeína Cp 30 e 60mg 75 a 120mg 30’/2h/8h 1/10
Sol. oral 3mg/ml 4/6 horas

Tramadol Cp 50 e 100mg 50 a 100mg 30’/2h/8h 1/5


Sol.oral 100mg/ml 4/8 horas
Amp. 2ml/50mg/ml

Tramadol SR Cp 50 e 100mg 50 a 200mg 30’/2h/12h 1/5


12 horas
Morfina Cp 10 e 30mg 5 a 200mg 15’/2h/4h VO 1;
Sol.oral 10mg/ml 4 horas SC 1/2;
Amp. 1ml-10mg/ml (dose oral) IV 1/3

Morfina LC Cap 30, 60 e 100mg 30 a 100mg 1h/6h/14h 1


8/12 horas
Metadona Cp 5 e 10mg 10 a 50mg 1h/12h/25h *
Amp. 10mg/ml 6/ 12 horas
Oxicodona Cp 10, 20 e 40mg 10 a 40mg 1h/8h/25h 1,5
12 horas
Fentanil Adesivo 25; 50; 75 25 a 100mcg/h 24h/72h 100150
e 100mcg 72 horas

Tabela 3 - Analgésicos opioides

A buprenorfina é a uma das mais recentes no mercado farmacêutico.


É um agonista parcial opioide indicado por via transdérmica para idosos. A
dose usual do adesivo varia de 5 a 20mg, e deve ser trocado a cada 7 dias.
Demora cerca de 72 horas para alcançar efeito máximo e não precisa de
ajuste de dose para pacientes com alteração de função renal, apresentando
um bom perfil de segurança .

Medicações Adjuvantes:
• Classe de drogas cujos efeitos primários não consistem em analgesia,
mas que, em associação com as medicações analgésicas, potencializam
a ação desses e previnem e tratam sintomas concomitantes que
exacerbam a dor. Podem ser usados em todos os degraus da escada
analgésica da OMS.

• Auxiliam na prevenção e no tratamento de sintomas concomitantes e


que exacerbam a dor, como depressão, ansiedade e distúrbios de sono.

SBGG 23
• Os principais fármacos incluídos nesta categoria são: antidepressivos
(amitriptilina, nortriptilina, duloxetina e venlafaxina), anticonvulsivantes
(carbamazepina, gabapentina, pregabalina, lamotrigina), neurolépticos
(clorpromazina, levopromazina, quetiapina, risperidona, olanzapina),
relaxantes musculares (ciclobenzaprina, baclofeno, carisoprodol,
tizanidina) e analgésicos tópicos (capsaicina e lidocaína).

• A carbamazepina e a oxcabazepina, bastante usada no passado, foi


substituída por novos anticonvulsivantes, com evidências superiores e
menor frequência de interações medicamentosas.

Dose inicial
recomendada Comentários

Antidepressivos

Desipramina 10mg a noite Risco significativo de efeitos adversos: efeitos


Nortriptilina anticolinérgicos. Idosos raramente toleram
Amitriptilina acima de 75 a 100mg/dia
Duloxetina 20mg/dia Monitorar PA, tontura e efeitos sobre a cognição

Venlafaxina 37,5mg/dia Monitorar PA e FC. Atenção para cefaleia,


náusea, sudorese, sedação, convulsões.

Anticonvulsionantes

Gabapentina 100mg a noite Monitorar sedação, ataxia e edema

Pregabalina 50mg a noite Monitprar sedação, ataxia, edema

Lamotrigina 25mg a noite Monitorar sedação, ataxia, edema

Relaxante muscular

Baclofeno 5mg 3vezes ao dia Monitorar fraqueza muscular, função renal,


efeitos cognitivos e sedação
Ciclobenzaprina 5mg a noite Monitorar tontura, efeitos cognitivos e sedação

24 Dor: o quinto sinal vital


A lidocaína é um anestésico local que pode ser utilizado em gel ou
patch a 5% recomendada para dor neuropática localizada ( ex.na neuropatia
pós herpética). A capsaicina é um neuropeptídeo natural derivado de plantas
da família das solanáceas que produz uma efetiva analgesia seletiva por
afetar a síntese, o armazenamento, transporte e liberação da substância
P, principal mensageiro químico dos impulsos da dor periférica para o
sistema nervoso central. Indicada para dor bem localizada, principalmente
pós herpética ou em osteoartrite de joelhos. Pode acarretar sensação de
aumento da dor inicialmente com queimação, que indica a necessidade de
uso de anestésicos tópicos antes de sua aplicação. Apresenta-se na forma de
creme ou gel de 0,025% a 0,075% três vezes ao dia.

SBGG 25
6. CONSIDERAÇÕES FINAIS

No Brasil, apesar de as referências sobre diversos instrumentos de


avaliação da dor no idoso, validados, terem aumentado nos últimos anos, a
subavaliação e o subtratamento pelos profissionais de saúde ainda é uma
realidade. Esse fato corrobora o controle inadequado da dor, deixando o
idoso vulnerável a consequências decorrentes da perda da funcionalidade
secundária ao subtratamento da dor. Através de educação em dor poderemos
minimizar as fragilidades na avaliação e manejo inadequados da dor no idoso.

26 Dor: o quinto sinal vital


7. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Santos, FC, Souza, PMR. Força Tarefa na dor em Idosos. São Paulo: Ed Moreira
Jr. 2011

Santos FC. Manejo da dor. In: Guia de Geriatria e Gerontologia. Série guias de
medicina ambulatorial e hospitalar da UNIFESP/EPM. Barueri: Manole, 2005
Chopra, A. Pain management in the older patient. Clinical Geriatrics 2006;
14(3): 40-46.

AGS panel on persistent pain in older persons. Pharmacological management


of persistent pain in older persons. J Am Geriatri Soc 2009; 57: 1331-1346.
Hunt L J, Civinsky K E, Yaffe K et al. Pain in Community-Dwelling Older Adults
with Dementia: Results from the National Health and Aging Trends Study. J
Am Geriatr Soc. 2015 August ; 63(8): 1503–1511.

McCleane G. Pharmacological pain management in the elderly patient.


Clinical interventions in aging, 2007. 2(4): 637-643.

Pimenta CAM, Teixeira MJ. Questionário de Dor de McGill: Proposta de


adaptação para a língua portuguesa. Revista da Escola de Enfermagem da
USP. 1996; 30:473-83.

Ferrel BA, Stein WM, Beck JC. The geriatric pain measure: validity, reability and
factor analysis. JAGS. 2000; 48:1669-73.

Lorenzet IC, Santos FC, Souza PMR, et al. Avaliação da dor em idosos com
demência: tradução e adaptação transcultural do instrumento PACSLAC para
a língua portuguesa. RBM 2011;68 (4):129-33.

Pinto MC, Minson FP, Lopes ACL, Laselva CR. Adaptação cultural e validação
da reprodutibilidade da versão em português (Brasil) da escala de dor Pain
Assessment in Advanced Dementia (PAINAD-Brasil) em pacientes adultos não
comunicantes. Einstein. 2015;13(1):14-9.

SBGG 27
Scascighini L, Toma V, Dober-Spielmann S, Sprott H. Multidisciplinary
treatment for chronic pain: a systematic review of interventions and outcomes.
Rheumatology (Oxford) 2008; 47:670.

Tirado,M.G.A.; Barreto, K.M.L.; Leite, V.M.M. Terapia Ocupacional, dor e cuidados


paliativos no processo de envelhecimento. In: De Carlo, M.M.R.P.; Queiroz, M.E.G.
Dor e Cuidados Paliativos - Terapia Ocupacional e Interdisciplinaridade. São
Paulo: Roca, 2008: 288-306.

Stanos SP, McLean J, Rader L. Physical medicine rehabilitation approach to pain.


Med Clin North Am 2007; 91:57.

Gay C, Chabaud A, Guilley E, Coudeyre E. Educating patients about the benefits


of physical activity and exercise for their hip and knee osteoarthritis. Systematic
literature review. Ann Phys Rehabil Med. 2016;59(3):174-83.

Bajwa ZH, Warfield CA. Overview of the treatment of chronic pain. In: UpToDate,
Basow, DS (Ed), UpToDate, Waltham, MA, 2009.

Cardoso, M.G.M. Controle da Dor. Manual de Cuidados Paliativos. Associação


Nacional de Cuidados Paliativos. 2009; 86-103.

Chau DL, Walker V, Pai L et al. Opiates and elderly: Use and effects. Clinical
Interventions in Aging. 2008, 3; 273-277.

Coelho, SA. Abordagem da dor osteoarticular. In: Santos, FC, Souza, PMR. Forca-
tarefa na dor em idosos. São Paulo: Grupo Editorial Moreira Jr, 2011, 57-69

28 Dor: o quinto sinal vital


Organização

www.sbgg.org.br

Apoio