Você está na página 1de 16

REVISTA DE EDUCAÇÃO

AVALIAÇÃO PSICOPEDAGÓGICA INSTITUCIONAL


E POLÍTICAS EDUCACIONAIS

Lucas de Andrade Carvalho – Governo do Estado de São Paulo


Rosemeire Gomes de Abreu – Faculdade Anhanguera de Piracicaba

RESUMO: O artigo pretende justificar por meio de exemplos práticos e revisão literária PALAVRAS-CHAVE:
a presença de um psicopedagogo em cada Unidade Escolar (U.E.), ou outra instituição psicopedagogia institucional,
políticas educacionais e avaliação
onde haja o preceito de ensino aprendizagem, os exemplos práticos foram levantados psicopedagógica.
pela observação direta de salas de aula onde funcionam o Programa Intensivo de
Ciclo (PIC) em uma U.E. da rede estadual de ensino na cidade de Piracicaba e também
pela entrevista dos professores responsáveis pelas tais salas. Na teoria buscou-se KEYWORDS:
argumentação que desse respaldo a intenção primeira em teóricos, leis e projetos de institutional psychopedagogy,
leis que circulam por algumas câmaras legislativas do país, em especial a do estado de education politics and
psychopedagogy evaluation.
São Paulo, foi feito ainda um breve levantamento histórico das políticas educacionais
voltadas a sanar os problemas relacionados ao fracasso escolar, principalmente na rede
pública do estado. A princípio baseando-se nas informações levantadas a presença
de um Psicopedagogo no âmbito escolar se faz necessário na intenção de atenuar os
problemas ligados ao fracasso escolar.

ABSTRACT: The article intends to justify through practical examples and literary revision
the presence of a psychoeducator in each School Unit (S.U.), or other institution where
there is the precept of teaching learning, the practical examples were lifted up for the
direct observation of classrooms where working the Intensive Program of Cycle (IPC)
in an S.U. of the state net of teaching in the city of Piracicaba and also for the responsible
teachers’ interview for the such rooms. In the theory argument was looked for that of
that backrest the first intention in theoretical, laws and projects of laws that circulate
for some legislative cameras of the country, especially the one of the state of São Paulo,
it was still made a brief historical rising of the education politics cured the problems
related to the school failure again, mainly in the public net of the state. At first basing
on the lifted information the presence of a Psychoeducator in the school extent it is
done necessary in the intention of lessening the linked problems to the school failure.

Artigo Original
Recebido em: 11/08/2011
Avaliado em: 17/09/2011
Publicado em: 30/05/2014

Publicação
Anhanguera Educacional Ltda.

Coordenação
Instituto de Pesquisas Aplicadas e
Desenvolvimento Educacional - IPADE

Correspondência
Sistema Anhanguera de
Revistas Eletrônicas - SARE
rc.ipade@anhanguera.com

v.14 • n.18 • 2011 • p. 87-102


Avaliação psicopedagógica institucional e políticas educacionais

1. INTRODUÇÃO
A idéia inicial foi estabelecer os parâmetros essenciais para o diagnóstico psicopedagógico,
feito por um psicopedagogo institucional, no intuito de tornar a existência deste profissional
do dia-a-dia da unidade escolar, mais compreensível para aqueles que ainda não se deram
conta da nova realidade da educação deve estar atenta a pluralidade. Entre outros profissionais
este é um caminho facilitador na solução de problemas em instituições de ensino, ou em
qualquer outra onde exista algum tipo de ensino, que obviamente é passível de surgirem
problemas no processo de aprendizado, alvo central da prática psicopedagógica.
Para cumprirmos o objetivo inicial, utilizamos as teorias de Sánchez-Cano & Bonals
(2008) e Gazineu (2007), estes autores falam amplamente sobre o papel e a postura do
Psicopedagogo Institucional ou ainda Assessor Institucional, como se refere o primeiro
teórico. Segundo eles é evidente que um profissional desta natureza deve, antes de qualquer
coisa, estar intimamente relacionado ao processo ensino-aprendizagem, interessado no
desenvolvimento “escolar” do aluno. Com relação à postura do psicopedagogo, deve ser
de mediação, entre o surgimento de um problema e as possíveis respostas de solução, além
de sistematizar avaliações das ações, no intuito de discutir com os envolvidos possíveis
correções, até o momento da “alta”, onde tutor e tutorado estejam autônomos em suas
condutas. É relevante lembrar que principalmente Sánchez-Cano & Bonals (2008), definem
bem o momento em que o caso deve ser encaminhado a outro especialista para que o
entendimento possa ser mais amplo e consequentemente a intervenção mais eficaz.
Os autores deixam muito claro que o papel do psicopedagogo institucional é
efetivamente relacionado ao que ocorre dentro da instituição, parece redundante, mas é
valioso reforçar esta condição. O psicopedagogo tem acesso as mais diferentes relações
dentro de uma instituição educacional, apesar de estar mais atento naquelas em que exista
o processo de ensino aprendizado, algumas outras demandas chegam ao seu conhecimento.
Pela própria característica peculiar destes profissionais de serem bons ouvintes, muitos outros
problemas, demanda (queixa), surgem a partir das relações interpessoais do professor com
algum membro do corpo gestor, ou qualquer outra área, onde a atuação do psicopedagogo
deve estar atenta da relevância daquela demanda para o processo ensino aprendizagem.
(SÁNCHES CANO & BONALS, 2008).
Além da revisão bibliográfica foram realizadas entrevistas e observações em uma
Unidade Escolar da rede pública de São Paulo em Piracicaba, durante a implantação do
Programa Intensivo de Ciclo (PIC). Procuramos argumentos da realidade escolar para
justificar a necessidade da presença de um Psicopedagogo neste ambiente dando, aos
demais profissionais, maior comodidade e segurança no fazer pedagógico ou de outras
áreas da instituição. Esta parte do trabalho durou de fevereiro de 2009 até o final do primeiro

Revista de Educação
88
Lucas de Andrade Carvalho , Rosemeire Gomes de Abreu

bimestre de 2010, no dia 30 de maio sendo esta uma parte importantíssima, inclusive para se
compreender melhor a teoria contida neste artigo.
A não resolução do problema, fracasso escolar e distorção idade-série, apesar das
muitas políticas educacionais adotadas desde 1996, quando se passou a tratar tais problemas
como de responsabilidade do sistema educacional. E sendo o Programa Intensivo de Ciclo
(PIC), mais uma destas políticas, este se torna passível de analise de seu desempenho, uma
vez que aparentemente não traz nada de novo se comparada a ações anteriores. Mais uma
vez foi previsto de maneira sistematizada e clara a atuação de uma comissão interdisciplinar
na resolução dos possíveis problemas decorrentes do processo educativo, ou ainda sócio-
psicológico que necessitaria não só do psicopedagogo, mas também de psicólogo e assistente
social. (PLE, 2009)
Procuraremos então analisar o PIC, do ponto de vista da psicopedagogia institucional,
e por meio desta, justificar a presença deste profissional especializado, diariamente na
escola, afim de que os referidos problemas possam ser tratados sistematicamente. Para
tanto deverá ser feita uma conceituação teórica desta área do conhecimento e um breve
levantamento de sua justificativa legal no estado de São Paulo, alem da analise de fatos
ocorridos na prática coletados por observação ou entrevistas de uma Unidade Escolar da
rede estadual em Piracicaba.

2. CONCEITUAÇÃO
Segundo Sanchéz-Cano & Bonals (2008), a avaliação psicopedagógica é uma ferramenta
para tomar decisões que melhorem a resposta educacional do aluno ou grupo de alunos,
mas também para promover mudanças do contexto escolar e/ou familiar. Sendo assim
muitos cuidados são necessários, pois uma ação de mudança mal programada pode ser
desastrosa, principalmente quando se tratar de mudanças no âmbito profissional. No que
tange a formação continuada de professores, que é responsabilidade do estado oportunizar,
que na escola é representado pelo corpo gestor e este pela coordenação pedagógica da
unidade.
Os autores ainda afirmam que já no inicio da avaliação, os avaliados devem tomar
consciência de todo o processo, neste ponto se aproximam de Vygotsky, caso o grupo
avaliado não se relacionar com todo o processo desde o início, no momento da intervenção,
eles poderão se encontrar estanques às novas informações. De fato esta é uma reclamação
constante de professores da rede pública do estado de São Paulo, as mudanças vão e vem
sem grandes explicações, o que as tornam pouco confiáveis, uma vez que banaliza o processo
ensino aprendizagem o utilizando como propaganda política. Normalmente são arbitrárias,
no sentido que não são elaboradas em conjunto com os profissionais diretamente ligados
aos alunos e a realidade escolar APEOESP (2009).
v.14 • n.18 • 2011 • p. 87 - 102
89
Avaliação psicopedagógica institucional e políticas educacionais

Existe outro fator importante que deve ser levado em consideração no primeiro momento
da avaliação, quando se detecta uma necessidade (queixa), nem tudo o que é suscetível de ser
avaliado na situação que se apresenta terá de ser objeto da avaliação. Priorizam-se sempre
os aspectos mais relevantes segundo a proposta, e planejam-se apenas as ações necessárias
para promover mudanças Sánchez Cano & Bonals (2008). Desta forma, podemos começar
a traçar alguns parâmetros para o esboço de um protocolo de avaliação institucional, sim,
pois o modelo propriamente dito, segundo esta teoria só poderia ser feito em uma situação
real, juntamente com os avaliados, e para que estes estejam compromissados ao trabalho,
sua relevância deve ser compreendida.

3. RELEVÂNCIA DA PSICOPEDAGOGIA INSTITUCIONAL


Primeiramente é relevante notarmos nesta área de conhecimento, em se tratando de Brasil,
seu aspecto de novidade, pois é estudada há apenas trinta anos, e por derivar de outras duas
áreas, que são a psicologia e a pedagogia, alguns profissionais ainda não tem claro qual é
a sua atuação na escola. Relevante também é entender que a maioria dos teóricos que são
referências bibliográficas em psicopedagogia tem graduação nas duas áreas, umas antes
pedagogas e outras o inverso. Hoje existe um único curso de graduação em psicopedagogia
reconhecido pelo Ministério de Educação (MEC), justamente é a junção dos dois cursos
citados, mais dois anos da relação entre eles, o que faz a graduação ser de oito anos, e
consequentemente pouco interessante se pensarmos no mercado de trabalho.
Historicamente, a psicopedagogia nasceu para atender às patologias da
aprendizagem, mas ela se tem voltado cada vez mais para uma ação preventiva,
acreditando que muitas dificuldades deste campo, surgem da inadequada atuação
pedagógica, tanto institucional quanto familiar (LIMA, 2009, p. 51).

Sánchez Cano & Bonals (2008) afirma que o psicopedagogo é um personagem


multidisciplinar em seu pensamento, mas profundamente ético ao saber o momento de
fazer seus encaminhamentos aos profissionais especializados, quando o diagnóstico assim
se mostra. Como diz Bombonatto (2009), o psicopedagogo não pode se sentir onipotente
com relação a um caso.
Cabe a cada profissional a maturidade e a consciência de identificar qual teoria se
enquadra melhor em cada caso, e também o momento em que o caso sobrepõe sua
área de atuação (...) (VITORINO, 2009, p 19-28)

Como ainda afirma Pokorski (2009) com relevância sobre este assunto.
O psicopedagogo dentro da escola tem uma função diferente do psicopedagogo
clinico. Dentro da escola ele vai olhar para o processo de ensino aprendizagem,
trabalhando com o professor e com o aluno dentro do grupo. Ele não vai tirar o
aluno para fazer um processo terapêutico, ele vai ver como o aluno esta inserido
naquele grupo, junto com seus pares. O psicopedagogo institucional necessita deste
olhar mais amplo (POKORSKI 2001, p. 19-28).

Revista de Educação
90
Lucas de Andrade Carvalho , Rosemeire Gomes de Abreu

Fora do meio acadêmico ou entre aqueles que não atuam diretamente com os conceitos
básicos da educação, são constantes as confusões como de tratar certos termos como iguais,
principalmente na diferenciação da dificuldade do distúrbio de aprendizagem. Confusão
esclarecida assim, a dificuldade não tem uma única causa, pode ser familiar, escolar,
metodológica, não é intrínseca ao aluno, enquanto os distúrbios têm causas próprias do
aluno, Bombonato (2006).
Outros termos podem ser citados por modismo e sem a real compreensão de
seu significado, cabe ao psicopedagogo refletir mais uma vez sobre o processo ensino
aprendizagem, uma vez na instituição, ele não pode dar atenção apenas ao aluno, mas
também aos envolvidos neste processo. Pois o processo educacional, escolar principalmente,
é uma corrente que como tal seus elos devem estar em bom funcionamento para que os
demais cumpram seu papel. O psicopedagogo se vê em constante aprendizado em meio à
estas relações institucionais em seus diversos níveis.
Aprender para conhecer supõe, antes de tudo, aprender a aprender, exercitando a
atenção, a memória e o pensamento. O processo de aprendizagem do conhecimento
nunca está acabado, e pode enriquecer-se com qualquer experiência. A educação
primária pode ser considerada bem sucedida se conseguir transmitir às pessoas o
impulso e as bases que façam com que continuem a aprender ao longo de toda vida,
tanto na escola com fora dela. (DELORS, 1999, p. 12 - 26).

Ou como acrescentaria Nadia Bossa, (2000, p. 34) o professor deverá aprender a


ensinar ensinando, para poder ensinar a aprender, se referindo à visão do professor da sua
relação com o aluno, que deve ser em suma “próxima”. Pois segundo ela, só é possível
aprender a ensinar, a partir do momento em que o educador ou tutor ou psicopedagogo, ou
ainda qualquer outro mediador do aprendizado, tem contato com aquele que deve tomar
conhecimento de algo.
Vitorino (2009), ao falar sobre a psicopedagogia institucional, revela sua preocupação
com o professor, que por seu maior contato com o aluno, estará sujeito e será responsável
por perceber os primeiros indícios, que algo vai mal, entre outras coisas, com relação ao
aprendizado de um aluno. Por conseguinte Sanchéz-Cano e Bonals (2008) citam o mesmo
profissional como principal formulador ou criador de demandas.
Professores em unidades escolares desestruturadas e sem nenhum apoio material
ou pedagógico não terão como tornar real e atraente um conhecimento. É preciso
que o professor, competente e valorizado, encontre prazer em ensinar para que se
possibilite o prazer de aprender. (VITORINO, 2009 p. 51).

A preocupação do professor, com sua atuação, ocorrem principalmente quando seu


aluno não parece aprender, ou não consegue demonstrar este aprendizado em provas
institucionais ou ainda avaliações cotidianas que prezem pela autonomia. Sendo assim
quando não há um apoio técnico pedagógico para esse profissional, os problemas tendem a
piorar e se multiplicar, no entanto, apenas apoio não irá bastar, se a formação do professor é
deficiente ou se sua auto-estima profissional está baixa, Sanchéz-Cano e Bonals (2008). Então

v.14 • n.18 • 2011 • p. 87 - 102


91
Avaliação psicopedagógica institucional e políticas educacionais

o psicopedagogo institucional, deve estar atento a todos os segmentos da educação, para


que estes estejam de acordo, e não possam atrapalhar o processo ensino-aprendizado, cabe a
este profissional se mostrar com tal valor, se instrumentalizando teoricamente e valorizando
sua prática com ética.

4. LEGISLAÇÃO RELACIONADA
Existe a lei que autoriza o Poder Executivo a implantar assistência psicológica e
psicopedagógica em todos os estabelecimentos de ensino básico público, com o objetivo de
diagnosticar e prevenir problemas de aprendizagem. A Lei nº 10.891, DE 20 DE SETEMBRO
DE 2001, deixa a cargo das secretarias municipais e da estadual de educação e órgãos
correlatos, a regulamentação deste atendimento, psicológico e psicopedagógico, o que vem
acontecendo gradativamente ao longo destes anos, na rede estadual. Há hoje Unidades
Escolares estaduais com Psicopedagogos fazendo parte do seu quadro de funcionários
atuando diretamente com os alunos, no entanto, segundo entrevista com estes profissionais
o fato de pertencerem a uma hierarquia deixa sua atuação em nível institucional limitada,
(FABRÍCIO, 2001).
Houve inclusive em 2007 o projeto de lei 442, que tinha o mesmo âmago, segundo
o parecer daquela instituição, com uma diferença básica, que deveria vir a somar com a
primeira lei citada, pois o projeto propunha que existisse em cada Unidade Escolar um
Psicólogo e um Assistente Social. Exatamente a diferença importante, a fez ser rejeitada, mas
a proposta vinha ao encontro da opinião dos próprios psicopedagogos que são unânimes em
dizer que estes três profissionais devem trabalhar diariamente na mesma escola, tratando
do mesmo caso por diferentes ângulos. Segundo eles, assim os resultados seriam muito
mais a contento e a educação ganharia muito, uma vez que o professor seria muito melhor
auxiliado em sua tutoria, e o aluno atendido se perceberia como foco das atenções. (ALESP,
2007).
As leis estão a favor do que pensam os teóricos da área, como ressalta Nívea Fabrício
(2001), ex-presidente da Associação Brasileira de Psicopedagogia (ABPp), a aprovação da Lei
nº 10.891, de 20/09/2001, do deputado Claury Alves, veio ao encontro das aspirações dos
profissionais de psicopedagogia institucional, além de ser o reconhecimento da importância
deste profissional para a educação, para estarem junto às instituições onde existam o processo
de ensino aprendizagem, ajudando como já dito a facilitá-lo tanto para os professores e
alunos como para os gestores.
Vale ainda citar que no estado de São Paulo existiu durante algum tempo uma sala
especial, onde alunos com necessidade educacionais especiais deveriam ser atendidos
e eram ministradas por especialistas de áreas que a Unidade Escolar tivesse demanda.
Posteriormente esta sala foi convertida em salas de recurso, uma vez que legalmente os
Revista de Educação
92
Lucas de Andrade Carvalho , Rosemeire Gomes de Abreu

alunos citados deveriam ser incluídos nas salas regulares, ficaram assim voltadas a dar
apoio à inclusão a ser feita, estruturando o corpo docente, discente, gestor além das famílias
envolvidas, na prática. Muitos dos profissionais atuantes nas salas de recursos tem formação
em psicopedagogia, porém legalmente seu trabalho com discentes não pode estender aos
que estejam apresentando “apenas” dificuldade de aprendizado. (CARVALHO, 2010).

5. ESBOÇO DE PARÂMETROS PARA AVALIAÇÃO


PSICOPEDAGÓGICA INSTITUCIONAL
A princípio devemos delimitar qual será o alvo ou objeto da avaliação, para tanto é
necessário que seja bem formulada a queixa ou demanda como chama os autores citados
na conceituação, esta queixa pode vir de vários níveis ou setores da instituição. Dos aluno
aos funcionários, não podemos perder de vista que a psicopedagogia esta diretamente
relacionada ao aproveitamento escolar dos alunos e que todo o ambiente escolar está direta
ou indiretamente ligado ao processo educacional.
O primeiro parâmetro a ser levado em consideração é qual a natureza da instituição
educacional, se é publica ou privada, pois existem diferenças essenciais nas hierarquias e
tramites para que qualquer intervenção estrutural seja realizada.
O segundo parâmetro esta relacionado ao nível educacional, que podem ser, infantil,
fundamental 1 e 2, ensino médio, escola técnica, ensino superior, ensino de jovens e adultos
ou ainda cursos de capacitações rotineiros em empresas diversas.
O terceiro parâmetro abrange os recursos humanos, onde se encontram desde o aluno
ao mais alto gestor da instituição, neste caso irá depender dos dois primeiros parâmetros
para se delimitar até onde a avaliação deve ir. Não podendo o psicopedagogo esquecer-
se de manter o foco naquilo que realmente é relevante, pensando que segundo Sanchéz-
Cano & Bonals (2008), realizar e definir o que é relevante dependerá da sensibilidade do
psicopedagogo, diante das primeiras observações, com base na queixa inicial.
Como Gazineu (2007), alerta em seu trabalho, para a necessidade de sistematizar
os mecanismos de avaliação institucional a ser feita pelo psicopedagogo. Utilizando-se
criteriosamente dessa sequência de passos o psicopedagogo terá condições de executar um
trabalho eficiente, com uma prática interventiva que possibilitará resultados promitentes e
úteis para a instituição.
O mesmo autor deixa claro também que a interdisciplinaridade é de grande valor em
uma avaliação institucional e que esta prática deve ser feita de maneira onde cada especialista
se concentre em sua função principal levando em conta sua formação. No entanto, a analise
dos dados deve ser feitas conjuntamente sem que um tenha autoridade diferente do outro,
Sanchéz-Cano & Bonals (2008), apontam ainda, que a avaliação é um processo dinâmico,
contínuo e preventivo, que necessita de técnicas que ajudem a refletir organizadamente a
realidade local.
v.14 • n.18 • 2011 • p. 87 - 102
93
Avaliação psicopedagógica institucional e políticas educacionais

Sobre a atuação do psicopedagogo diretamente na instituição, os autores reforçam que


é muito importante que este profissional esteja atento a algumas questões implícitas nas
relações interpessoais. Uma vez que elas podem responder muitas, das questões essenciais
ao início da avaliação, as demandas, que são anteriores à resposta inicial e muito anterior à
intervenção. Devem ser analisadas friamente pelo psicopedagogo de maneira que preserve
sua epistemologia, expertise e também sua ética profissional, Sanchéz-Cano & Bonals (2008).
Só depois de uma analise sistemática das demandas, que deve ser um exercício
constante para o psicopedagogo e interiorizado de tal forma, para que este nunca seja pego
de surpresa, haverá a reformulação da demanda. A avaliação, como já citado, deve ser em
conjunto com os envolvidos diretamente com o objeto da própria, para só então, formular
a resposta, ou plano de ação, que deverá partir de dois pontos básicos; as avaliações que
devem ser feitas com o objeto da demanda, e aquelas análises que devem ser feitas na
atuação dos profissionais que se envolvem com o mesmo.
Desta forma reforçando o papel do tutor e algumas vezes do tutorado nas mudanças
relacionadas com sua vida discente, reafirmando o já citado segundo a teoria, o que torna as
ações muito mais eficazes, pois na medida em que os envolvidos se interam do processo, os
resultados são mais eficazes. Como profissionais devemos não somente nos ater às técnicas
de avaliação, mas também recorremos à observação direta, organizada e sistemática, que
se mostra ser muito mais abrangente no provimento de dados para análise, que as técnicas
fechadas excludentes, principalmente na intenção é perceber as relações inter e intrapessoal
(SANCHÉZ-CANO & BONALS, 2008).
Exemplo de ações contra o fracasso escolar que não envolvem, em todo o processo,
os personagens, professores, alunos, diretores e coordenadores além de todos os outros
funcionários de uma unidade escolar, em geral, as políticas educacionais que partem de
Secretarias de Educação, tem este perfil. Normalmente não questionam o profissional
envolvido diretamente com a situação e costumam apresentar uma solução única, imediata
e definitiva, como é possível perceber na implantação do PIC do Governo do Estado de São
Paulo.

6. ANALISE DO PROGRAMA INTENSIVO DE CICLO (PIC), DO GOVERNO


DO ESTADO DE SÃO PAULO.
Vimos que ações como esta, vem sendo tomadas há muitos anos, no entanto com preocupações
apenas pedagógicas excluindo do processo inicial de problematização quem mais poderia
contribuir na formulação da demanda, o professor (SÁNCHEZ CANO & BONALS,
2008). De maneira que nunca se levou em consideração uma abordagem multidisciplinar,
envolvendo psicólogos, sociólogos, pedagogos e outras áreas que com certeza deveriam dar
sua contribuição para a melhoria da educação pública, uma vez que esta legalmente deve ser
Revista de Educação
94
Lucas de Andrade Carvalho , Rosemeire Gomes de Abreu

ampla e irrestrita para todos. Tendo em vista a carta magna brasileira, que coloca a educação
como um direito e sua seguridade um dever de toda sociedade, segundo o artigo 6º da
Constituição Federal, reafirmado pela lei 9394/96 Lei das Diretrizes e Bases da Educação
Nacional (LDB), e também na lei 8069/90 Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).
Por meio de observação e de entrevista aberta realizada desde o início do ano letivo,
com as professoras da Unidade Escolar, base da pesquisa, sobre a experiência pessoal e
convivência com outros profissionais da educação, foi possível realizar algumas constatações.
As opiniões e análises críticas com relação às políticas educacionais dos professores foram
feitas por meio de suas observações durante a vida profissional, em geral, os professores
ouvidos, relatam os mesmos problemas para todas as medidas tomadas contra o fracasso
escolar, a partir dos cargos mais autos do poder público.
Desde a implantação das salas de aceleração da aprendizagem em 1996, nunca se
levou em consideração a existência de uma porcentagem de alunos dentre estes, que não
atingem o esperado para a idade e série por terem problemas que não estão ligados ao
ensino. E que suas dificuldades poderiam estar relacionadas a distúrbios e transtornos que
não lhe permitem aprender. Mas para se detectar quais eram estes alunos seria necessária a
presença constante de um psicopedagogo nas atividades diárias da Unidade Escolar.

6.1. Histórico recente de medidas contra o fracasso e evasão escolar.


Há pelo menos vinte e cinco anos, medidas vêm sendo tomadas para corrigir o problema,
que se tornou notório, principalmente após implantação da progressão continuada, que
visava a priori diminuir a evasão escolar. No entanto, a medida, ainda que polêmica, do
Governo do Estado de São Paulo fez com que o número de alunos que abandonariam a
escola pelo fracasso escolar diminuísse consideravelmente.
Com efeito, desde 1995 a Centro de Estudos e Pesquisa em Educação e Ação
Comunitária (CENPEC), vem procurando alternativas para sanar os problemas correlatos
ao fracasso e evasão escolar, partindo da criação das salas de aceleração criadas em 1996 e
que posteriormente migraram para outros estados.
O PIC é uma iniciativa recente do Governo do Estado de São Paulo por meio do
programa Letra e Vida em sua fase “Programa Ler e Escrever” (PLE), a principio é um
programa que visa a correção na distorção idade e série de alunos do ciclo l no estado de
São Paulo, a justificativa para este programa são os resultados insatisfatórios dos alunos no
encerramento deste ciclo em provas institucionalizadas como o Saresp, como aponta o site
do CENPEC (2009).
Dados obtidos em sistemas de avaliação, como os do SARESP de 2005, indicaram que
cerca de 20% dos alunos ainda não sabiam ler ao final do Ciclo I do Ensino Fundamental. Outros
indicadores, como Indicador de Alfabetismo Funcional (Inaf) ou Programa Internacional

v.14 • n.18 • 2011 • p. 87 - 102


95
Avaliação psicopedagógica institucional e políticas educacionais

de Avaliação de Alunos (Pisa), mostram que os alunos que conseguiram concluir o Ciclo
II do Ensino fundamental apresentavam dificuldades na leitura e compreensão de textos.
Intervindo diretamente no cotidiano das escolas e das salas de aula, o Programa Ler e Escrever
vem oferecer os instrumentos necessários para a mudança desse cenário. (CENPEC, 2009)
A idéia da implantação do PIC, é que ele seja emergencial, e sendo o Ler e Escrever
bem aplicado nas séries iniciais do ciclo l, o torne desnecessário, no entanto como veremos
mais a diante, acompanhamentos psicopedagógicos nos moldes apontados por Sánchez-
Cano & Bonals (2008) não vem sendo feitos. Portanto é possivelmente o PIC que hoje tem
caráter emergencial, venha a se tornar uma necessidade constante, pois é fato que certo
número de alunos que não demonstram acompanhar o processo educacional, seja ele qual
for. Observando o que houve historicamente com as outras medidas contra o fracasso escolar
e analisando com base no referencial teórico da avaliação psicopedagógica institucional é
possível perceber que medidas como a do PIC serão ampliadas num futuro próximo.

6.2. A implantação do projeto piloto na Grande São Paulo.


O projeto piloto foi implantado com o a devida atenção e cuidado, a principal medida tomada
na implantação do programa tem relação com a capacitação dos professores que estariam
interessados em assumir as salas de PIC, como explica uma das coordenadoras do programa
(PLE, 2009). Mas, para que toda essa estratégia funcione, é necessário investir também na
capacitação de professores e diretores. Quando sua proposta pedagógica foi implementada
em São Paulo e no Paraná na segunda metade dos anos 1990, o Cenpec reforçou o apelo para
que as escolas garantissem a formação continuada de seu quadro docente. A cada bimestre
eles deveriam se reunir para discutir o material e trocar experiências para aperfeiçoar o
projeto (CENPEC, 2009)
Entre as iniciativas adotadas estão: formação dos professores para atuarem nas turmas
do PIC de 4ª série; organização administrativa e curricular diferenciada para a regência das
turmas; e aplicação de materiais específicos. Assim como o PIC de 3ª série, o projeto tem
caráter emergencial (CENPEC, 2009).
A estratégia para que os alunos assimilem o conhecimento com mais facilidade inclui
o estabelecimento de uma rotina diária de atividades, aulas com turmas reduzidas e a
alternância entre trabalhos coletivos e individuais. Os acertos são sempre valorizados, e,
ao perceberem que estão progredindo, os alunos retomam a confiança na capacidade de
aprender e recuperam sua auto-estima (CENPEC, 2009)
É possível perceber no discurso dos órgãos institucionais que acompanham o
desenvolvimento da educação, no intuito de promovê-la e na busca da “excelência”, que
os mesmos não levam em consideração o que na antropologia se chama de “princípio da
alteridade”. Princípio este que consiste em respeitar cada ser humano como igual e capaz

Revista de Educação
96
Lucas de Andrade Carvalho , Rosemeire Gomes de Abreu

realizar suas próprias construções e reconstruções da realidade, baseado em sua própria


subjetividade, ou seja, considerá-lo igual, justamente por suas diferenças, Daolio (1998). As
medidas contra o fracasso, até hoje, não respeitaram o professor em sua subjetividade, o que
possivelmente pode ser um dos motivos destas medidas serem constantemente reformuladas,
porém sem modificar os métodos de problematização e implantação, causando os repetidos
fracassos das mesmas.

6.3. A realidade na Diretoria de Ensino de Piracicaba.


Durante a implantação do programa em 2009 houve um equívoco na formação das salas de
PIC, houve uma dúvida quanto a quais alunos poderiam compor estas salas. A principio
elas foram compostas por alunos que ainda não estavam alfabetizados no final do ano
letivo anterior, 2008, nas turmas de 2ª série e 3ª série para montar os PIC de 3ª série e 4ª
série respectivamente, e por alunos repetentes de 3ª e 4ª séries. Isto ocorreu na prática,
porém o sistema da estatal onde estes dados são registrados eletronicamente, a Empresa de
Processamento de Dados do Estado de São Paulo (PRODESP), não aceitou, pois as salas só
poderiam ser compostas por alunos repetentes das respectivas séries do PIC. Este problema
foi solucionado para o ano letivo de 2010.
Além disto, a prerrogativa de capacitar professores no ano anterior para assumirem as
novas salas não foi seguida, pois as professoras foram informadas sobre a existência do PIC
no dia da atribuição de aulas, no final do mês de janeiro. Logo a preparação pedagógica,
específica para o programa, do corpo docente não houve. O resultado é que as professoras,
as quais as salas de PIC foram atribuídas, trabalharam apenas com seus conhecimentos
prévios ainda que vasto devido à experiência, contradizendo a idéia inicial do programa,
que era de dar atendimento diferenciado àqueles alunos.
Quando as professoras foram informadas da existência das salas de PIC, foi feito
uma campanha para que as salas fossem atribuídas com rapidez, foram ressaltadas
algumas vantagens de se pegar tais turmas. Entre elas, é que as salas teriam menos alunos,
aproximadamente a metade das salas normais; o material didático será diferenciado e que
as professoras participariam de mais Horas de Trabalho Pedagógico Coletivo (HTPC’s)
remunerado, por conta da capacitação, formação esta que deveria ter iniciado no ano anterior.
Durante a observação e entrevistas com as professoras envolvidas, percebemos que a
propaganda feita pelo corpo gestor funcionou, pois as salas foram atribuídas rapidamente,
às professoras mais bem classificadas para a escolha na Unidade Escolar. Após o início do
ano letivo, o apoio pedagógico na formação continuada iniciou-se aproximadamente um
mês atrasado, e até o final do ano letivo de 2009 houve inúmeras reclamações por parte
das professoras neste sentido. As professoras não obtiveram acesso ao projeto base do
programa, elas receberam o mesmo material didático das salas regulares, sem nenhuma
grande mudança das práticas pedagógicas.

v.14 • n.18 • 2011 • p. 87 - 102


97
Avaliação psicopedagógica institucional e políticas educacionais

6.3.1 Situação Atual


Em um primeiro olhar, alguém mais desatento, diria que o PIC, esta funcionando muito
bem, pois em números o programa caminhou bem desde sua implantação, na escola
observada, o aproveitamento de aprendizado dos alunos nestas salas mais que dobrou de
fevereiro a agosto de 2009. No entanto, o que os números não mostram é o desgaste das
professoras, onde das três, duas tiraram “licença prêmio” declaradamente devido à sala e a
outra, afirmou durante o ano não tirar “licença prêmio” por não ter direito, mas foi afastada,
pelo médico, antes do final do ano letivo de 2009. Como já foi dito anteriormente, o poder
público mediante os órgãos responsáveis dão muito valor ao ensino e pouco aos aspectos
que influenciam o aprendizado, pois ainda hoje nenhuma atenção é dada ao fato de que um
grupo interdisciplinar deve acompanhar o dia-a-dia da escola, especialmente programas
como o PIC.
É possível observar no discurso da coordenadora do PROGRAMA LER E ESCREVER
(PLE) a diferença sobre o que ocorreu no projeto piloto e o que vem acontecendo em sua
ampliação para o estado. “Nós orientamos os professores a escolher e preparar o conteúdo.
Nosso objetivo era que eles também fossem autores e tivessem mais autonomia”. (SÃO
PAULO/PLE, 2009).
Assim sendo, não há ato em seu âmbito de atuação que não deva ser intencionalmente
educativo e mesmo nas relações cotidianas entre diretores, coordenadores,
professores, Assistente Técnico Pedagógico (ATP), Supervisores e demais técnicos
deve prevalecer esse princípio quando se quer propagá-lo por todo o sistema. A
Secretaria do Estado de Educação (SEE) está, portanto, buscando promover o
diálogo educador entre todos os seus atores, seja naquelas situações explícitas de
ensino e aprendizagem com alunos, seja na educação continuada de seus quadros,
ou em qualquer outra espécie de ação, incluindo as administrativas (SÃO PAULO/
PLE, 2009)

Porém quando a informação chega à escola, ela está carregada pela subjetividade
daquele que a reporta aos professores, isto deveria ser um ponto positivo na construção do
conhecimento. No entanto, algumas vezes a pessoa que esta na coordenação e é responsável
pela formação continuada do professor tem certa preocupação em manter o distanciamento
de sua função para com os demais, do que trocar informações, tratando a informação como
instrumento de poder.
Ressaltemos que o acompanhamento psicopedagógico não vem sendo feito e que
as professoras do PIC, e problemas maiores surgem quando envolvem o comportamento
dos alunos. Durante as observações percebemos a desmotivação das professoras, falando
constantemente em aposentadoria. Presenciamos inclusive alguns desabafos como: “eu
estou me sentindo como gado indo pro abate, cada vez que tenho que entrar em sala”, um
deles chamou muita nossa atenção, em que a professora gritava pelos corredores da escola:
“ninguém ajuda, ninguém faz nada”, referindo-se ao comportamento de um aluno que não lhe
permitia dar aula.

Revista de Educação
98
Lucas de Andrade Carvalho , Rosemeire Gomes de Abreu

O fato é que a maneira que o corpo docente vinha sendo tratado em sua formação
continuada era, no mínimo ofensivo, por não respeitar uma diretriz básica, do conceito de
ensino aprendizagem aceito hoje em dia, “Devemos aprender a ensinar ensinando, para
podermos ensinar a aprender” (Bossa, 2000), e muitos outros antes dela disseram o mesmo,
inclusive o ex-Secretário de Educação do Estado de São Paulo, Paulo Freire, que todos
gestores dizem respeitar tanto.
Levando em consideração esta impressão geral dos professores de uma Unidade
de Ensino, vemos também que as ações do poder público com relação à educação, são
inconstantes e pontuais se mostrando ineficazes na resolução dos problemas relacionados
à evasão e ao fracasso escolar. Este tipo de atitude por parte de quem dita os rumos da
educação no estado, causa muita insegurança naqueles que deveriam ter em mente apenas
o ensino aprendizagem dos alunos. Segundo a Associação Paulista do Ensino Oficial do
Estado de São Paulo (APEOESP), as ações governamentais surgem como solução definitiva
para o problema, sempre com o argumento de que os professores são mal capacitados e
não se dedicam o suficiente na educação pública, dando assim, muita ênfase ao papel do
professor. Uma opção demonstrada neste trabalho seria disponibilizar a esses profissionais
um apoio e acompanhamento multidisciplinar, como a participação de um psicopedagogo
no dia-a-dia da Unidade Escolar.
A capacidade, dos teóricos e a relevância do arcabouço teórico que definem as
políticas educacionais é inegável, no entanto, por meio da observação da prática, devemos
ressaltar que os projetos originais não chegam às mãos dos professores. Estes ficam presos à
subjetividade de gestores que nem sempre estão preparados para compreender o âmago das
teorias abordadas, logo ao repassá-las aos que vão diretamente utilizá-las a construção do
conhecimento se torna medíocre ou não existente, pois onde não há troca, acaba existindo
imposição. A formação continuada do professor acaba assim, se tornando apenas uma
questão burocrática, perdendo-se a oportunidade impar de ensino aprendizagem entre os
profissionais da educação, o que as HTPC’s, deveriam ser.
Durante a observação no ano letivo de 2009, um exemplo deste caráter meramente
burocrático das “ordens” que chegam ao professor, foi representado por um equívoco, grave,
que demonstra a preocupação dos gestores em cumprir ordens e repassá-las. Todo o ano, nas
escolas públicas, realiza-se o dia do “Agita Galera”, que pretende por meio da motivação e
da conscientização diminuir no estado de São Paulo os índices de doenças relacionadas ao
sedentarismo da população. O “equivoco” foi detectado no material para aplicação do dia
D do programa, que chegou com um mês de atraso, dois dias antes do evento e com erros
grotescos em seu planejamento. O material era um CD com aproximadamente 20 músicas
totalizando mais de uma hora e as instruções que o acompanhavam era para que fosse

v.14 • n.18 • 2011 • p. 87 - 102


99
Avaliação psicopedagógica institucional e políticas educacionais

utilizado na integra, mas as atividades do dia D do Agita Galera devem ser realizadas em
apenas meia hora, respeitando as características fisiológicas do grupo envolvido.
O ano letivo de 2010 iniciou sem os equívocos ocorridos durante a implantação,
consequentemente o caminhar da professora com os alunos estava sendo muito melhor, uma
vez que a sala de aula ficou com número de alunos ainda mais reduzido, cerca de 12 alunos,
que realmente foram retidos na 4ª série. Devemos lembrar que um aluno em defasagem
idade/série, nesta série, encontra-se justamente num período maturação fisiológica
acelerada (puberdade), este também é um fator que deve ser levado em consideração, pois
especificidades são encontradas. Segundo a professora da sala, aparentemente os alunos
estão mais preparados para superar as dificuldades que vinham apresentando até hoje,
de fato o aproveitamento destes alunos até o final do 1º bimestre, em relação aos de sala
equivalente no ano passado é muito melhor. A conclusão da análise com relação ao programa
(PIC) é que ele é possível e necessário.
Porém, uma variável fora acrescentada e não tivemos tempo hábil para analisá-
la, a coordenadora pedagógica da Unidade não é a mesma desde abril de 2010, mas em
entrevista com os mesmos professores ouvidos em 2009, o trabalho está diferente e muito
mais produtivo.

7. CONSIDERAÇÕES FINAIS
Pensando nas teorias abordadas, principalmente nos autores, Sanchéz-Cano & Bonals
(2008), a ação de avaliar uma instituição de ensino ou ainda uma política educacional, é
muito mais que uma ferramenta para a educação, é uma condição para que ela ocorra de
forma embasada teoricamente e consequentemente mais fácil para os envolvidos. Como na
primeira parte do livro dos referidos, onde eles reforçam que a presença do psicopedagogo
no dia-a-dia da instituição é uma prática que deve ser cada vez mais real e desejável para
que o andamento do processo ensino-aprendizagem tenha um ponto a mais para se garantir
em qualidade.
Lembrando que em vários momentos, a relevância da avaliação psicopedagógica foi
colocada de forma clara e evidente, essencialmente quando da postura do assessor, assessor
psicopedagógico ou simplesmente psicopedagogo. Sendo assim, a proposta deste trabalho
não é criar um protocolo de avaliação institucional, pois conforme a teoria aponta, a confiança
de todos os envolvidos na educação, na figura do psicopedagogo, requer uma relação de
tempo e espaço inversamente proporcional, para que seja conquistada, e só depois ele seja
verdadeiramente capaz conduzir a elaboração dos parâmetros mais adequados àquela
situação.
A analise proposta neste trabalho, foi necessário antes uma pesquisa ampla as
políticas educacionais desde a Constituição Federal de 1988, onde a educação passou a
Revista de Educação
100
Lucas de Andrade Carvalho , Rosemeire Gomes de Abreu

ser direito de todos, foi percebido que em nenhum dos casos a Psicopedagogia teve uma
grande importância, nem na formulação das mesmas, nem na de programas desenvolvidos
com base nelas, e também não foi usada como mecanismo para apoiar o processo ensino
aprendizagem.
Há vinte anos, até que seria aceitável a Psicopedagogia não demonstrar grande
relevância no referido cenário, mas há três anos quando o PIC foi concebido e aplicado
dois anos depois como projeto piloto, e neste ano como programa validado em todo
o estado de São Paulo, não se justifica a falta de participação efetiva da Psicopedagogia
no planejamento, implementação, apoio e obviamente avaliação de um programa que se
propõe a ser a resolução dos problemas relacionados ao fracasso escolar, distorção idade
série e consequente evasão escolar.
Entretanto, a idéia é que as ações devem contribuir de forma real para que o problema
seja solucionado, ao sugerir os princípios da atuação, programas de resolução do problema,
fracasso escolar, entre outras como formação continuada de professores e gestores, tendo
como foco o processo ensino-aprendizado, lembrando que tratam-se de pessoas, para que
estas possam se tornar emancipadas na solução de problemas parecidos, tanto tutores,
quanto tutorados.
A proposta é que se estude uma maneira de alocar uma equipe multidisciplinar
somando à coordenadora pedagógica, que deve ser pedagoga, um assistente social e um
psicopedagogo em cada Unidade Escolar, objetivando um processo relativamente preventivo
na resolução dos problemas relacionados à cima. Tornar programas emergenciais, como o
PIC, desnecessários, como se propõe os coordenadores do “Ler e Escrever”, deve realmente
ser o objetivo das políticas educacionais, que devem para isto possuir um caráter de
perenidade ao mesmo tempo em que é constantemente avaliada. E que tal avaliação seja
realizada como Sánchez-Cano & Bonals preconizam, envolvendo todos os envolvidos no
processo ensino aprendizagem dentro da instituição. Parece-nos claro que a presença de tal
equipe interdisciplinar no cotidiano escolar, tornaria mais rápida a resolução de problemas
relacionados ao aprendizado tanto dos alunos como dos professores e gestores.

REFERÊNCIAS
ALESP - Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo. PARECER Nº 3347, DE 2008 DA
COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA SOBRE O PROJETO DE LEI Nº 442, DE 2007.
Disponível em: http://webspl1.al.sp.gov.br/internet/download?poFileIfs=12292904&/Par3347.
doc%22. Acesso em: 24 de setembro de 2010.
APEOESP Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo, Medidas contra o
fracasso escolar. Disponível em: http://apeoespsub.org.br/ acesso em 09 de dezembro de 2009.
BOMBONATTO, Quézia; Entrevista cedida à revista direcional escolas em 18/06/2006, pela então
ex-vice-presidente da ABPp. Disponível em http://www.direcionalescolas.com.br/EDUCADOR/
Edicoes/Edicao%2018/Entrevista%20Quezia%20Bombonatto.htm. Acesso em 09 de dezembro de

v.14 • n.18 • 2011 • p. 87 - 102


101
Avaliação psicopedagógica institucional e políticas educacionais

2009 às 19h 56min.


BOSSA, Nádia A. A Psicopedagogia no Brasil: Contribuições a partir da prática. 2. ed. Porto Alegre:
Artes Médicas Sul, 2000.
BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação
Nacional. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, DF, v. 134, n. 248, 23 dez.
1996. Seção 1, p. 27834-27841.
BRASIL, Lei nº 8069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente
e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF. Disponível
em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L8069.htm. Acesso em 24 de setembro de 2010.
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF. Disponível em:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constitui%C3%A7ao.htm. Acesso em: 24 de
setembro de 2010.
CARVALHO, Lucas A. Estágio Supervisionado Psicopedagogia Institucional. Piracicaba,
Faculdade Anhanguera de Piracicaba, 2010.
CENPEC. Projetos Pedagógicos para sanar a defasagem idade e série. 2009. Disponível em: http://
www.cenpec.org.br/modules/xt_conteudo/index.php?id=5. Acesso em 09 de setembro de 2009 às
20h20min.
DOLIO, J. Da cultura do corpo – Campinas, SP: Papirus, 1998. (Coleção Corpo e Motricidade)
DELORS, Jacques. Os Quatro Pilares da Educação; 1999. Disponível em: http://4pilares.net/text-
cont/delors-pilares.htm. Acesso em: 16 de dezembro de 2009.
FABRÍCIO, Nívea. Entrevista dada à revista Psicopedagogia online em 12/11/2001. Disponível
em - http://www.psicopedagogia.com.br/entrevistas/entrevista.asp?entrID=4. Acesso em 09 de
dezembro de 2009 às 19h52min
GAZINEU, Rosangela dos Santos Franco. Intervenção Psicopedagógica na Escola: Uma Analise
Crítica, 2007. Disponível em www.abpp.com.br/resenha/03.htm. Acesso em 20 de agosto de 2009
às 20h00min.
LIMA, Terezinha Bazé de; A Formação Do Psicopedagogo e sua Atuação no Contexto Educacional.
Disponível em: www.baze.hpg.com.br/texto_aula_psicop.doc. Acesso em 20 agosto de 2009 às
20h00min
POKORSKI, Maria Melania Wagner F. A Psicopedagogia Institucional e a Educação Infantil.
Disponível em: http://www4.fapa.com.br/ciencialeletras/pdf/revista43/artigo21.pdf. Acesso em
01 de setembro de 2009 às 13h15min.
SÃO PAULO/PLE. Programa Ler e Escrever. Histórico do programa. Disponível em: http://
lereescrever.fde.sp.gov.br/Programa.aspx. Acesso em 09 de setembro de 2009.
SÁNCHEZ-CANO, Manuel; BONALS, Joan e Colaboradores. Avaliação Psicopedagógica. Porto
Alegre: Artmed, 2008.
VITORINO, Janete Leony. O Trabalho Psicopedagógico e a Aprendizagem segundo a Abordagem
Vygotskyana. A Teoria Vygotskyana e a Prática Psicopedagógica. Disponível em: HTTP://www.
pedagobrasil.com.br/pedagogia/otrabalhopsicopedagogico. Acesso em 20 de agosto de 2009 às
20h00min

Revista de Educação
102