Você está na página 1de 9

“O ser humano é aquilo que a educação faz dele.

” - Immanuel Kant

“Eduquem as crianças e não será necessário castigar os homens.” - Pitágoras

"Todos os homens têm, por natureza, desejo de conhecer" - Aristóteles

"O homem nasce livre e por toda parte encontra-se acorrentado" - Jean-Jacques Rousseau

"A vontade geral deve emanar de todos para ser aplicada a todos" - Jean-Jacques Rousseau.

"A história de todas as sociedades até hoje existentes é a história da luta de classes" - Karl Marx

"Aqueles que não conseguem lembrar o passado estão condenados a repeti-lo" - George
Santayana

"Os Estados não são agentes morais; as pessoas são" - Noam Chomsky

"Sem um fim social o saber será a maior das futilidades." - Gilberto Freyre

"A educação tem raízes amargas, mas os seus frutos são doces." - Aristóteles

"A vida deve ser uma constante educação." - Gustave Flaubert

"Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina." - Cora Coralina

"A educação é a arma mais poderosa que você pode usar para mudar o mundo." - Nelson
Mandela

“Se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda." -
Paulo Freire

"Ninguém é sujeito da autonomia de ninguém." - Paulo Freire

“No meio da dificuldade encontra-se a oportunidade” – Albert Einstein

“O homem não é nada além daquilo que a educação faz dele” – Immanuel Kant

“ A cultura forma sábios, a educação, homens” – Louis Bonald

“A liberação da energia atômica mudou tudo, menos nossa maneira de pensar” – Albert Einstein

“A verdadeira tragédia da vida é quando os homens têm medo da luz” – Platão

“A persistência é o caminho do êxito” – Charles Chaplin

“Viver ultrapassa qualquer entendimento” – Clarice Lispector

“A tolerância é a melhor das religiões” – Victor Hugo

“É mais fácil desintegrar um átomo do que um preconceito” – Albert Einstein

“A orientação inicial que alguém recebe da educação também marca a sua conduta interior” –
Platão

“Um país se faz com homens e livros” – Monteiro Lobato

“A única revolução possível é dentro de nós” – Mahatma Gandhi

“O custo do cuidado é sempre menor que o do reparo” – Marina Silva


“Palavras são anões. Exemplos são gigantes” – Pitágoras

“Enquanto as leis forem necessárias, os homens não estarão capacitados para a liberdade” –
Pitágoras

“Aprender é mudar posturas” – Platão

“O começo é a parte mais difícil do tabalho” – Platão

“Na juventude deve-se acumular o saber. Na velhice fazer uso dele.” - Jean-Jacques Rousseau
“Devemos corar por havermos cometido uma falta, e não por a reparar.” - Jean-Jacques
Rousseau
“Quanto mais do mundo vi, menos pude moldar-me à sua maneira.” - Jean-Jacques Rousseau
“O que eu penso, não muda nada além do meu pensamento, o que eu faço a partir disso, muda
tudo!” - Leandro Karnal
“É no conhecimento que existe uma chance de libertação.” - Leandro Karnal
“A violência, seja qual for a maneira como ela se manifesta, é sempre uma derrota.” - Jean-
Paul Sartre

A Grande Depressão

Resumo: A Grande Depressão, também conhecida como Crise de 1929, foi uma
grande depressão econômica que teve início em 1929, e que persistiu ao longo da
década de 1930, terminando apenas com a Segunda Guerra Mundial. A Grande
Depressão é considerada o pior e o mais longo período de recessão econômica do século
XX. Este período de depressão econômica causou altas taxas de desemprego, quedas
drásticas do produto interno bruto de diversos países, bem como quedas drásticas na
produção industrial, preços de ações, e em praticamente todo medidor de atividade
econômica, em diversos países no mundo.

Idade Média

Resumo: A Idade Média teve início na Europa com as invasões germânicas (bárbaras),
no século V, sobre o Império Romano do Ocidente. Essa época estende-se até o século
XV, com a retomada comercial e o renascimento urbano. A Idade Média caracteriza-se
pela economia ruralizada, enfraquecimento comercial, supremacia da Igreja Católica,
sistema de produção feudal e sociedade hierarquizada.
Contexto em que pode ser usado: Temas que envolvam desigualdades
sociais,intolerância religiosa (pesquise sobre As Cruzadas), condições
higiênicas e má gestão da saúde pública (pesquise sobre a Peste).

Fascismo

Resumo: Entre as décadas de 1920 e 1940, surgiu e desenvolveu-se, em alguns países


da Europa, o fascismo. Era um sistema político, econômico e social que ganhou força
após a Primeira Guerra Mundial, principalmente nos países em crise econômica (Itália e
Alemanha). Na Itália, o fascismo foi representado pelo líder italiano Benito Mussolini.
Na Alemanha, Adolf Hitler foi o símbolo do fascismo, que neste país ganhou o nome de
nazismo.
Contexto em que pode ser usado: Temas que envolvam estreitamento da liberdade
individual e censura, perseguição política, aceitação do
diferente epreconceito (pesquise sobre o Holocausto) e propaganda e
manipulação da mídia.

Escravidão Colonial

Resumo: Durante o Brasil Colonial, a mão-de-obra escrava foi de suma importância


para a exploração das riquezas. Portugal – pretendendo dar sustentação ao seu modelo
de colonização exploratória – buscou na exploração da força de trabalho dos negros uma
rentável alternativa. Além de viabilizar a exploração das terras brasileiras, o tráfico
negreiro potencializou o desenvolvimento de outras atividades econômicas.

Contexto em que pode ser usado: Temas que envolvam liberdade, preconceito
racial, combate ao trabalho escravo e desigualdades sociais.

República Velha
Resumo: O período que vai de 1889 a 1930 é conhecido como a República Velha. Este
período da História do Brasil é marcado pelo domínio político das elites agrárias
mineiras, paulistas e cariocas. O Brasil firmou-se como um país exportador de café, e a
indústria deu um significativo salto. Na área social, várias revoltas e problemas sociais
aconteceram nos quatro cantos do território brasileiro.

Contexto em que pode ser usado: Temas que envolvam industrialização, fraudes
eleitorais, influência religiosa na política e desigualdades sociais; Combate à fome e
desigualdades (pesquise sobre a Revolta de Canudos); Políticas de saúde pública
(pesquise sobre a Revolta da Vacina); Luta por direitos trabalhistas (pesquise sobre
Revolta da Chibata).

Revolução Industrial

Resumo: A Revolução industrial foi um conjunto de mudanças que aconteceram na


Europa nos séculos XVIII e XIX. A principal particularidade dessa revolução foi a
substituição do trabalho artesanal pelo assalariado e com o uso das máquinas.

Contexto em que pode ser usado: Temas que envolvam desenvolvimento industrial,
consumismo, sustentabilidade, direitos trabalhistas, desemprego e
desigualdade social.

– Diferença sociais, raciais…: Todos são iguais perante a lei e tem direito à
igualdade, sem distinção de qualquer natureza.
– Saúde: é dever do Estado garantir a saúde
– Mortalidade infantil: todos têm direito à vida.
– Liberdade de expressão: é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o
anonimato; é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de
comunicação, independentemente de censura ou licença;
– Qualquer tipo de violência (em geral nas cidades, contra a mulher, contra o
negro…): direito à segurança.
– Intolerância Religiosa: é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo
assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a
proteção aos locais de culto e a suas liturgias;
– Pornô de vingança: são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a
imagem das pessoas, assegurado o direito a indenização pelo dano material ou moral
decorrente de sua violação.
– Direito de ir e vir garantido na Constituição: deficientes
– Vazamento de informações e CIA (EUA): é inviolável o sigilo da
correspondência e das comunicações telegráficas, de dados e das comunicações
telefônicas, salvo, no último caso, por ordem judicial, nas hipóteses e na forma que a lei
estabelecer para fins de investigação criminal ou instrução processual penal;
– Direito autoral: aos autores pertence o direito exclusivo de utilização, publicação
ou reprodução de suas obras, transmissível aos herdeiros pelo tempo que a lei fixar;
– Direito à reivindicações, movimentos e protestos: o direito de petição aos
Poderes Públicos em defesa de direitos ou contra ilegalidade ou abuso de poder
– Racismo: a prática do racismo constitui crime inafiançável e imprescritível, sujeito à
pena de reclusão, nos termos da lei.
– Terrorismo: o terrorismo é um crime inafiançável e insuscetível, por eles
respondendo os mandantes, os executores e os que, podendo evitá-los, se omitirem;
A importância da Constituição/das leis/dos direitos humanos para um país
– A Carta Magna da Inglaterra, que foi criada em 1215, foi um marco na história
mundial, ao passo que é o ponto primordial para que chegássemos ao que hoje
conhecemos como constitucionalismo. Sua criação foi com o intuito de restringir o
poder dos monarcas ingleses, coibindo assim o exercício do poder absolutista, sendo
também o documento a dar direitos (no papel) ao povo inglês.
– A Ditadura Militar Brasileira, ocorrida entre os anos de 1964 e 1985, ou seja,
fazendo esse ano 30 anos de seu fim, foi um período muito complexo da história
brasileira. Esse período foi marcado pelo conhecido “Milagre Econômico”, que foi
mantido pelos empréstimos com o exterior e também pelo triste episódio das torturas
àqueles que eram considerados opositores do governo.

1. Prioridade e relevância
Esses conectores são muito usados no início das frases para apresentar uma ideia. Eles
também podem oferecer relevância ao que está sendo apresentado.
Em primeiro lugar; antes de mais nada; antes de tudo; em princípio; primeiramente; acima de
tudo; principalmente; primordialmente; sobretudo; a priori; a posteriori; precipuamente.
Exemplo: Primeiramente devemos atentar ao conceito de pluralidade cultural.

2. Tempo, frequência, duração, ordem ou sucessão


Esses conectivos situam o leitor na sucessão dos acontecimentos ou das ideias. Por esse
motivo, são muito explorados em textos narrativos.
Então; enfim; logo; logo depois; imediatamente; logo após; a princípio; no momento em que;
pouco antes; pouco depois; anteriormente; posteriormente; em seguida; afinal; por fim;
finalmente; agora; atualmente; hoje; frequentemente; constantemente; às vezes; eventualmente;
por vezes; ocasionalmente; sempre; raramente; não raro; ao mesmo tempo; simultaneamente;
nesse ínterim; nesse meio tempo; nesse hiato; enquanto, quando; antes que; depois que; logo
que; sempre que; assim que; desde que; todas as vezes que; cada vez que; apenas; já; mal; nem
bem.
Exemplo: Logo após sair da aula, Bianca teve um encontro com Arthur.

3. Semelhança, comparação ou conformidade


Para estabelecer uma relação com uma ideia ou um conceito que já foi apresentado
anteriormente no texto, utilizamos esse tipo de conectivos. Além disso, podem ser utilizados
para apontar ideias de outro texto (intertextualidade).
Igualmente; da mesma forma; assim também; do mesmo modo; similarmente;
semelhantemente; analogamente; por analogia; de maneira idêntica; de conformidade com; de
acordo com; segundo; conforme; sob o mesmo ponto de vista; tal qual; tanto quanto; como;
assim como; como se; bem como.
Exemplo: De acordo com as ideias de Darcy Ribeiro, o povo brasileiro é muito diverso.

4. Condição ou hipótese
Esses termos são utilizados em situações circunstanciais que podem oferecer hipóteses para
uma situação futura.
Se; caso; eventualmente.
Exemplo: Caso chova essa tarde, não iremos na academia.

5. Continuação ou adição
Para acrescentar algo ao texto, e que esteja relacionado com o que anteriormente foi
apresentado, usamos os conectivos de continuação ou adição.
Além disso; demais; ademais; outrossim; ainda mais; por outro lado; também; e; nem; não só;
como também; não apenas; bem como.
Exemplo: Suzana foi professora na Universidade de Minas Gerais no período da Ditadura
Militar. Além disso, foi coordenadora do Departamento de Artes vinculado à Secretaria de
Cultura do município de Belo Horizonte.
6. Dúvida
Para inserir no texto uma dúvida ou probabilidade utilizamos esses conectivos.
Talvez; provavelmente; possivelmente; quiçá; quem sabe; é provável; não certo; se é que.
Exemplo: É provável que Tomás não venha trabalhar hoje.

7. Certeza ou ênfase
Quando queremos ressaltar algo que temos certeza ou mesmo para enfatizar uma ideiano
texto, utilizamos esses elementos de coesão.
Por certo; certamente; indubitavelmente; inquestionavelmente; sem dúvida; inegavelmente;
com certeza.
Exemplo: Certamente Cecília esteve envolvida no caso de roubo.

8. Surpresa ou imprevistos
Esses elementos enfatizam uma surpresa ou mesmo algo que não estava previsto acontecer.
São muito utilizados em textos descritivos e narrativos.
Inesperadamente; de súbito; subitamente; de repente; imprevistamente; surpreendentemente.
Exemplo: De repente vimos o dono da empresa nas galerias de arte.
9. Ilustração ou esclarecimento
Como forma de esclarecer algum conceito ou ideia apresentados no texto, utilizamos esses
conectivos.
Por exemplo; isto é; ou seja; aliás.
Exemplo: Os estudantes poderão utilizar diversos locais da faculdade durante o evento, ou seja,
o anfiteatro, a biblioteca, o refeitório e o pátio.

10. Propósito, intenção ou finalidade


Nesse caso, o produtor do texto tem um propósito ou uma finalidade definida. Ou seja, ele
quer apresentar o objetivo relacionado com o que almeja alcançar.
Com o fim de; a fim de; como propósito de; com a finalidade de; com o intuito de; para que; a
fim de que; para; ao propósito.
Exemplo: Com o intuito de ganhar mais votos para as eleições, Joaquim divulgou muito seu
trabalho.

11. Lugar, proximidade ou distância


Advérbios de lugar e pronomes demonstrativos são algumas classes gramaticais que envolvem
esses conectivos. Eles são utilizados para indicarem a distância entre algo.
Perto de; próximo a ou de; justo a ou de; dentro; fora; mais adiante; aqui; além; acolá; lá; ali;
este; esta; isto; esse; essa; isso; aquele; aquela; aquilo; ante, a.
Exemplo: Eles viveram muitos anos próximos da Catedral, no centro da cidade.

12. Conclusão ou resumo


Muito comum serem utilizados na conclusão de um parágrafo ou mesmo de uma redação, para
resumir as ideias que foram apontadas no texto.
Em suma; em síntese; enfim; em resumo; portanto; assim; dessa forma; dessa maneira; desse
modo; logo; pois; assim sendo; nesse sentido.
Exemplo: Em resumo, podemos notar o aumento das taxas alfandegárias durante o período
apresentado.

13. Causa, consequência e explicação


Esses elementos conectivos servem para explicar as causas e consequências de uma ação, um
fenômeno, etc.
Por consequência; por conseguinte; como resultado; por isso; por causa de; em virtude de;
assim; de fato; com efeito; tão; tanto; tamanho; que; porque; porquanto; pois; já que; uma vez
que; visto que; como (no sentido de porquê); portanto; que; de tal forma que; haja vista.
Exemplo: O aquecimento global tem afetado diretamente o ser humano e os animais. Como
resultado, temos a extinção de muitas espécies.

14. Contraste, oposição, restrição, ressalva


Os conectivos de oposição, como o próprio nome indica, servem para opor ideias ou
conceitos num período.
Pelo contrário; em contraste com; salvo; exceto; menos; mas; contudo; todavia; entretanto; no
entanto; embora; apesar de; ainda que; mesmo que; posto que; ao passo que; em
contrapartida.
Exemplo: Embora o Brasil seja um país diverso, podemos encontrar singularidades em muitas
regiões do país.

15. Ideias alternativas


Nesse caso, usamos os conectivos quando queremos citar mais de uma opção.
Ou...ou; quer...quer; ora...ora.
Exemplo: Ou enfrentamos o problema, ou não poderemos mais trabalhar juntos.

Tipos Conjunções Exemplos

e, mas ainda, mas também, Gosta de


Aditivas
nem serra, mas também de mar.

contudo, entretanto, mas, não Tem carta de


Adversativas obstante, no entanto, porém, motorista, entretanto, não
todavia dirige.

já…, já…, ou, ou…, ou…, Não entendia, ou fingia não


Alternativas
ora…, ora…, quer…, quer… entender.

assim, então, logo, pois


Vou a sua
(depois do verbo), por
Conclusivas casa, logo saberei o que
conseguinte, por isso,
aconteceu.
portanto

Terminarei
pois (antes do verbo),
Explicativas amanhã porque estou
porquanto, porque, que
atrasado.

“Nunca deixe que lhe digam que não vale a pena


acreditar no sonho que se tem,ou que seus planos nunca vão dar certo, ou que você nunca vai ser alguém
[...] Se você quiser alguém em quem confiar, confie em si mesmo. Quem acredita sempre alcança!”

– Renato Russo.

Você também pode gostar