Você está na página 1de 25

2ª edição

Ampliada e Revisada

Capítulo 10
Demonstração das Origens
e Aplicações de Recursos
Tópicos do Estudo
 Demonstração das Origens e Aplicações de
Recursos (Doar).
 Uma primeira tentativa de estruturar a DOAR.
 Origens de Recursos.
 Aplicações de Recursos.
 Dados para elaboração da DOAR.
 Notas Explicativas como dados para elaborar a
DOAR.
 Técnicas de elaboração da DOAR.
 Contas do não circulantes .

10  Estrutura da Doar.

2
Demonstração das Origens e Aplicações de
Recursos (Doar)

O artigo 188, da Lei nº 6.404/76, a Demonstração das


Origens e Aplicações de Recursos (DOAR) evidencia a
figura do Capital Circulante Líquido no início e no final do
exercício, indicando as mutações na posição financeira da
companhia decorrentes da política financeira da entidade
ou da diretoria.

Quem está obrigado a elaborar a DOAR


• Toda Companhia aberta
• Toda a grande Companhia Fechada (S.A)

10 3
Demonstração das Origens e Aplicações de
Recursos (Doar)
Conceitos Preliminares
Ativo Circulante
Capital Circulante Líquido – CCL
(-)
(Capital de Giro Próprio a Curto Prazo)
Passivo Circulante

Onde: AC = Ativo Circulante e PC = Passivo Circulante

Quando o AC > PC = CCL

Capital Circulante Negativo – CCN Passivo Circulante

(Capital de Giro Negativo a Curto Prazo) (-)


Ativo Circulante

Quando o PC>AC = CCN

10 No Balanço Patrimonial temos os grupos de contas


separados, os ativos e passivos circulantes do ativo e
passivo não circulantes. 4
Demonstração das Origens e Aplicações de
Recursos (Doar)

Como exemplo, vamos utilizar o Balanço Patrimonial da


empresa Cia. Jundiaí S.A, onde apresenta as seguintes
informações apurarmos o Capital Circulante Líquido.
Situação em 20X1
Ativo Circulante – AC= R$ 376.000
Passivo Circulante - PC = R$ 245.000
Então:
AC R$376.000 (-) PC R$245.000 = CCL de R$131.000
Situação em 20X2
Ativo Circulante – AC = R$ 505.000
Passivo Circulante – PC = R$ 437.000
Então: AC R$ 505.000 (-) PC 437.000 = CCL DE R$ 68.000

10
Neste exemplo tivemos um capital circulante líquido
positivo de R$ 131.000 em 20X1 e R$ 68.000 em 20X1,
também positivo.
5
Uma 1ª tentativa de estruturar a DOAR

Demonstraremos que a causa da variação do Capital


Circulante Líquido –CCL é uma aplicação de R$ 63.000 de
recursos (dinheiro) por meio da compra de imobilizado.
DEMONSTRAÇÃO DE ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS – DOAR
No exercício X
Origem de Recursos
(-) Aplicações de Recursos
- Aquisição de ativo imobilizado 63.000
= Redução CCL (63.000)
Balanço Balanço Aumento
Modificações na Posição Financeira
20X1 20X2 ou (redução)

Ativo Circulante 376.000 505.000 129.000


(-) Passivo Circulante (245.000) (437.000) (192.000)

10
Capital Circulante 131.000 68.000 (63.000)

6
Uma 1ª tentativa de estruturar a DOAR
A base para elaborar essa demonstração são os Balanços
Patrimoniais, as Demonstrações do Resultado do Exercício
e as Demonstrações de Lucros ou Prejuízos Acumulados
ou Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido,
do exercício anterior e atual.
Além das Demonstrações acima, são necessárias outras
informações para que consigamos elaborar o
demonstrativo:
• Valor dos bens baixados no Ativo Permanente
• Valor dos bens adquiridos no Ativo Permanente
• As mutações no Capital Social e Reserva de Capital

10
• As origens de recursos de terceiros, originários do
Passivo Exigível a Longo Prazo, e outras.

7
Origens de Recursos
Para fins de elaboração da Demonstração das Origens e
Aplicações de Recursos – DOAR, entendemos Origem
como toda operação que aumenta o Capital Circulante
Líquido – CCL.
 São origens de recursos:
• O lucro líquido, devidamente ajustado com as inclusões
e exclusões que não afetam o Capital Circulante Líquido
– CCL, como por exemplo:
a. Provisões de Longo Prazo.
b. Perda na Venda de Imobilizado.
c. Depreciação.
d. Amortização.

10 e. Variações monetárias e cambiais de longo Prazo.


f. Imposto de Renda Diferido no Longo Prazo.
8
Origens de Recursos
• Integralização de Capital.
• Ingresso de Reservas de Capital (ágio na subscrição de
ações, doações recebidas).
• Empréstimos/Financiamentos de longo prazo.
• Redução do Realizável a longo prazo.
• Aumento do Exigível a longo prazo.

10 9
Aplicações de Recursos
Enquanto as origens aumentam o CCL, as Aplicações
diminuem o Capital Circulante Líquido – CCL.

São as aplicações de recursos:


1. Lucros distribuídos (Juros sobre capital próprio ou
dividendos).
2. Aumento do Ativo Realizável a Longo Prazo.
3. Aquisição de bens do Ativo Imobilizado.
4. Aumento do Ativo Diferido.
5. Redução do Passivo não circulante:
– Diminuição de dívida a longo prazo.
– Redução do Patrimônio Líquido.

10 10
Aplicações de Recursos
Representação gráfica:

Máquinas,
Imóveis, Proprietários
(PL),
etc. Fornecedor
Governo,
Bancos

Estoque
Financeiras
, etc.

Caixa

Balanço Patrimonial
Ativo P e PL (Origens)
.

10
De Terceiros
Aplicações
e Próprio

11
Dados para elaboração da DOAR.
BALANÇO PATRIMONIAL
Companhia Jundiaí S.A - CNPJ 43.771.517/0001-80
ATIVO PASSIVO
20X1 20X2 20X1 20X2
CIRCULANTE: 376.000 505.000CIRCULANTE: 245.000 437.000
Disponível: 251.000 352.000 - Fornecedores 75.000 150.000
- Caixa 1.000 2.000 - Empréstimos bancários 100.000 200.000
- Aplicações financeiras 250.000 350.000 - Salários e encargos sociais 12.000 24.000
Direitos realizáveis a curto prazo 125.000 153.000 - Provisão de imposto de renda 5.000 7.000
- Contas a receber – Clientes 100.000 120.000 - Provisão de contribuição social 3.000 6.000
- Baixas de créditos (5.000) (7.000) - Honorários da diretoria a pagar 5.000 10.000
- Impostos a compensar 20.000 25.000 - Outras provisões 15.000 35.000
Estoques 10.000 15.000 - Demais contas a pagar 30.000 5.000
REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 165.000 220.000EXIGÍVEL A LONGO PRAZO 500.000 915.000
- Contas a receber –clientes 15.000 35.000 - Empréstimos e financiamentos 350.000 700.000
- Títulos e valores mobiliários 150.000 185.000 - Provisões de contingências 100.000 150.000
- Demais contas a pagar 50.000 65.000
PERMANENTE 669.000 1.300.000PATRIMÔNIO LÍQUIDO 465.000 673.000
Investimento: 220.000 385.000
- Participações em outras sociedades 150.000 300.000
- Outros investimentos 70.000 85.000 - Capital social 350.000 450.000

10
Imobilizado: 425.000 885.000 - Reserva de capital 10.000 15.000
- Imóveis 400.000 800.000 - Reserva de lucros 105.000 208.000
- Móveis e utensílios 10.000 25.000
- Equipamentos de informática 15.000 50.000
- Veículos 25.000 70.000
Depreciação acumulada (25.000) (60.000) 12
Diferido 24.000 30.000
Dados para elaboração da DOAR.
Lucro Econômico obtido na DRE
DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO
Companhia Jundiaí S. A - CNPJ 43.771.517/0001-80
20X1 20X2
Receitas operacionais bruta
Vendas de mercadorias, produtos e serviços. 2.000.000 3.000.000
Deduções e abatimentos
Vendas anuladas. (10.000) (15.000)
Descontos incondicionais concedidos. (45.000) (70.000)
ICMS sobre vendas. (220.000) (330.000)
PIS sobre o faturamento (alíquota 1,65% - Lei 10.637) (13.200) (19.800)
COFINS (60.000) (90.000)
Receita operacional líquida 1.651.800 2.475.200

Custo das vendas e dos serviços prestados (991.000) (1.485.000)


Lucro Bruto 660.800 990.200
Despesas operacionais
Despesas com vendas (250.000) (150.000)
Despesas administrativas (226.709) (443.048)
Despesas financeiras, líquidas (27.000) (83.000)
Lucro (prejuízo) Operacional 157.091 155.066
(Despesas) receitas não operacionais
Perda na venda de imobilizado (5.000) (1.000)

10
Outras 7.000 2.000
2.000 1.000
Lucro (prejuízo) antes do imposto de renda e contribuição 159.091 156.066
social
Imposto de Renda e Contribuição Social - (Alíquota 34%) (54.091) (53.066)
Lucro líquido 105.000 103.000
13
Notas Explicativas como dados para
elaborar a DOAR
Mutações ocorridas nas contas de Investimento,
Imobilizado, Diferido e Empréstimos e Financiamentos
(Curto Prazo de Longo Prazo).
• Investimentos:
Compra de ações da Empresa Cia. Araraquara Ltda, valor
de R$ 150.000,00.
Compra de um terreno (não utilizado na operação da
Cia.), valor de R$ 15.000,00.
• Imobilizado:
Perda na baixa de ativo imobilizado, valor de R$ 5.000,00.
Despesas com Depreciação, valor de R$ 35.000,00.

10 Aquisições de bens do ativo imobilizado, valor de R$


490.000,00.
14
Notas Explicativas como dados para
elaborar a DOAR
• Diferido:
Despesas com amortização, valor de R$ 9.000,00.
Novos projetos de desenvolvimento de produtos, valor de
R$ 15.000,00.

• Empréstimos e Financiamentos
Juros e taxas provisionados, valor de R$ 100.000,00.
Variações monetárias e cambiais, valor R$ 50.000,00.
Captações de novos empréstimos e financiamentos, valor
R$ 350.000,00.

10 Amortizações de principal, valor R$ 50.000,00.

15
Notas Explicativas como dados para
elaborar a DOAR
Demonstração de Lucro e Prejuízos Acumulados – DLPA
DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO - DMPL
Empresa ­ Cia. Jundiaí S. A.

Reserva de Capital Reservas de Lucros

Lucros
Movimen- Capital Outras
Ágio na Lucros Acumu- Total
tações Realizado Reservas Estatu- P/contin- Orça-
Emissão Legal a lados
de tária gência mentária
de Ações Realizar
Capital
Saldo em
350.000 0,00 10.000 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 105.000 465.000
20X1

Integralizaçã
105.000 105.000
o Capital

Reserva de
(5.000) 5.000 0,00
Capital

Lucro do
103.000 103.000
Exercício

10
Saldo em
450.000 0,00 15.000 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 208.000 673.000
20X2

16
Técnicas de elaboração da DOAR.
Como já observamos, o primeiro passo é separar o
Circulante do Não Circulante.
Essa etapa, é indispensável como o modelo da Lei das
Sociedades por Ações, posto que a estrutura do Balanço
Patrimonial já discrimina os Ativos Circulantes e Passivos
Circulantes dos não circulantes.

BALANÇO PATRIMONIAL
ATIVO PASSIVO
Circulante Circulante

(Os demais grupos serão não (Os demais grupos serão não
circulantes) circulantes)

10 Realizável a Longo Prazo

Permanente
Exigível a Longo Prazo

Patrimônio Líquido 17
Técnicas de elaboração da DOAR.
Dessa maneira poderemos calcular o Capital Circulante
Líquido (CCL) subtraindo do Ativo Circulante o Passivo
Circulante.
O segundo passo será analisar as contas do Não
Circulante que interferem no Capital Circulante Líquido, Já
identificamos que operações Circulantes X Circulantes
não modificam o valor do CCL.
As operações Não Circulantes X Não Circulantes, de
maneira idêntica, não afetam o CCL. Portanto, sobram
apenas as operações Não Circulantes X Circulante que são
alvo de nossa análise, pois essas operações afetam o CCL.
Assim, faremos um estudo detalhado do grupo Não
Circulante, destacando as variações do Não Circulantes.

10
A técnica consiste em comparar o saldo do exercício
anterior com o saldo do exercício atual das contas do Não
Circulante.
18
Contas do não circulantes
• Exemplos:
– Investimentos:

Companhia Jundiaí S. A
20X1 20X2
Títulos e Valores Imobiliários
150.000 185.000

Neste grupo de contas do Balanço Patrimonial da


empresa Cia. Jundiaí S.A.n houve uma variação de R$
35.000 de 20X1 para 20X2, Isto significa que “nossa
empresa” comprou ações de outra empresa . Ora, se
houve novas aquisições, a “nossa empresa” tirou recursos
do Ativo Circulante (Caixa/Bancos) para aplicá-los no Não

10
Circulante. Portanto, temos uma Aplicação de Recursos
R$ 35.000.

19
Contas do não circulantes
Observe se o saldo do grupo de contas Títulos e Valores
Imobiliários diminuir, significa que a “nossa empresa”
vendeu os terreno, como compensação, estará entrando
recursos (dinheiro) no Ativo Circulante. E nesta hipótese
teremos Origem de Recursos.

Aliás, poderíamos, aqui, estabelecer uma regra para as


variações do Realizável a Longo Prazo:

Aumento do Realizável a Longo Prazo = Aplicação de


Recursos

Diminuição do Realizável a Longo Prazo = Origem de


Recursos

10 20
Contas do não circulantes
• Permanente
Neste grupo exige-se um cuidado maior, pois as contas do
Permanente aumentam sem significar que houve
Aplicações de Recursos.
As contas deste grupo podem sofrer Reavaliação e, no caso
de Investimentos Relevantes em Coligadas e Controladas,
os acréscimos derivados de resultados (lucro) obtidos nas
investidas.
Exemplo: “Nossa Empresa” Cia Jundiaí S.A em 31.12.20X1.

Investimentos 220.000
Permanente Imobilizado 425.000

10 Diferido 24.000

21
Contas do não circulantes
Se, numa situação extrema, tivéssemos Reavaliação nos
itens do Permanente, e ainda, acréscimo na contas
investimentos de R$ 165.000 por Equivalência Patrimonial,
sendo a Reavaliação nos itens do Imobilizado de R$
460.000, ficaríamos com os seguintes saldos em
31.12.20X2.

10 22
Estrutura da Doar.
DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS (DOAR)
Cia. Jundiaí S.A
20X2
ORIGENS DE RECURSOS
Das Operações -
Lucro líquido (prejuízo) do exercício 103.000
Despesas (receitas) que não afetam o capital circulante
Depreciações 30.000
Amortização 9.000
Perda na baixa de bens do ativo imobilizado 5.000
Provisões para contingências/outras 65.000
Juros e variações monetárias do exigível a longo prazo:
Empréstimos e financiamentos 50.000
262.000
Dos Acionistas -
Integralizações de Capital 100.000
100.000
De Terceiros -

10
Redução do realizável a longo prazo -
Empréstimos e financiamentos de longo prazo 300.000
Variação no exigível a longo prazo 300.000

TOTAL DAS ORIGENS 23


662.000
Estrutura da Doar.
APLICAÇÕES DE RECURSOS
Variação no realizável a longo prazo (55.000)
No ativo permanente:
Investimentos (165.000)
Imobilizado (490.000)
Diferido (15.000)

TOTAL DAS APLICAÇÕES (725.000)

Aumento ou (redução) do Capital Circulante Líquido (63.000)

VARIAÇÃO DO CAPITAL CIRCULANTE LÍQUIDO


Ativo circulante
No final do exercício 376.000
No início do exercício 505.000
129.000
Variação do ativo circulante
Passivo circulante
No final do exercício 245.000

10
No início do exercício 437.000
Variação do passivo circulante 192.000

Aumento ou (redução) do Capital Circulante Líquido (63.000)


24
Exercícios

10 25