Você está na página 1de 8

REVISÃO Revista Brasileira de Ciências da Saúde

Revision DOI:10.4034/RBCS.2014.18.02.12 Volume 18 Número 2 Páginas 167-174 2014


ISSN 1415-2177

Riscos ocupacionais no Atendimento


Pré-Hospitalar Móvel: produção científica
em periódicos online
Occupational risks in the Mobile Pre-Hospital Care:
scientific production in on-line journals

ALANA TAMAR OLIVEIRA DE SOUSA1


EUDES RODRIGUES DE SOUZA2
ISABELLE CRISTINNE PINTO COSTA3

RESUMO ABSTRACT
Objetivo: Esta pesquisa teve como objetivos identificar a Objective: This study aimed to identify the scientific production
produção científica sobre riscos ocupacionais no atendimento on occupational risks in mobile pre-hospital care (MPC) from
pré-hospitalar (APH) móvel, no período de 2000 a 2011, e 2000 to 2011, and to investigate in the retrieved articles the
investigar, nos artigos analisados, os enfoques sobre os approaches on occupational risks present in the activities of
riscos ocupacionais presentes na atividade de profissionais professionals working in the MPC. Material and Methods:
de APH móvel. Material e métodos: Trata-se de uma pesquisa This was a documental research carried out in the electronic
documental, realizada por meio de busca eletrônica nas bases databases LILACS and SciELO. The sample consisted of
de dados LILACS e SciELO. Fizeram parte da amostra onze eleven articles, all categorized as field research. In order to
artigos, todos pesquisas de campo. Para explorar o material, explore the data, the thematic content analysis technique
elegeu-se a técnica de análise de conteúdo temática. was used. Results: A higher number of publications were
Resultados: Observou-se uma maior publicação em 2008. found in 2008. Among the occupational risks, biological,
Dentre os riscos ocupacionais, foram encontrados os ergonomic as well as those referring to chemical,
biológicos, ergonômicos, de acidentes, químicos, psychosocial and physical accidents were the ones found.
psicossociais e físicos. Esses profissionais enfrentam These professionals face several difficulties that contribute
inúmeras dificuldades que contribuem para o adoecimento, to illness, accident and even death. Conclusion: There is a
acidente e, até, morte. Conclusão: Ressalta-se que foi need for health policies addressing this aspect and decent
averiguada a necessidade de políticas de saúde voltadas working conditions, with the purpose of mitigating
para essa área, em particular, e condições de trabalho digno, insalubriousness of the mobile pre-hospital care.
com o escopo de amenizar a insalubridade do APH móvel.

DESCRITORES DESCRIPTORS
Riscos ocupacionais. Serviços médicos de emergência. Occupational risks. Emergency medical services.
Emergência. Enfermagem. Emergencies. Nursing.

1 Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa/PB, Brasil. Docente do
Curso de Graduação em Enfermagem da Universidade Federal da Campina Grande (UFCG), Campina Grande/PB, Brasil..
2 Graduado em Enfermagem.
3 Doutoranda em Enfermagem pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa, Paraíba, Brasil. Docente do Curso de Graduação em
Enfermagem da Faculdade Ciências Médicas da Paraíba (FCM), João Pessoa/PB, Brasil.

http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rbcs
SOUSA et al.

A
palavra risco origina-se do latim risicus, do verbo os profissionais do APH enfrentam, diariamente,
resecare-cortar; significa perigo, dificuldades para atuar em comunidades violentas,
inconveniência, dano ou fatalidade eventual, ambientes mal iluminados, exposição ao calor ou a uma
provável, às vezes, até previsível. O conceito de risco à chuva forte, a presença de curiosos, a constatação do
saúde do trabalhador representa a possibilidade de óbito na residência do paciente, riscos de acidentes de
ocorrer um efeito adverso ou dano, que pode ser morte, trânsito, manejo rápido, entre outros riscos.5
lesões, inaptidão, doenças ou danos ao seu bem-estar Segundo a Norma Regulamentadora NR5 e a
ou ao da comunidade.1 Portaria 3.214/1978 do Ministério do Trabalho e
Observando os aspectos que envolvem o Emprego, os riscos são classificados em cinco grupos:
trabalho, pode-se afirmar que qualquer atividade pode os riscos físicos - ruídos, vibrações, radiações,
apresentar algum grau de risco e, consequentemente, temperaturas extremas, pressão anormal e umidade; os
acidente de trabalho e doenças ocupacionais. No Brasil, riscos químicos: poeira, fumo, névoa, neblina, gases,
em 2009, ocorreu uma morte a cada 3,5 horas, motivada vapores, substâncias compostas ou produtos químicos
pelo risco decorrente dos fatores ambientais do trabalho, em geral; os riscos biológicos: vírus, bactéria,
e cerca de 83 acidentes e doenças do trabalho, protozoários, fungos, parasitas, bacilos; os riscos
reconhecidos a cada uma hora na jornada diária. Nesse ergonômicos (biomecânica): esforço físico intenso,
mesmo ano, houve uma média de 43 trabalhadores/dia levantamento e transporte manual de peso, exigência
que não mais retornaram ao trabalho devido a invalidez de postura inadequada, controle rígido de produ-
tividade, imposição de ritmos excessivos, trabalho em
ou morte.2
turno e returno, jornadas de trabalho prolongadas,
Em relação aos profissionais da área de Saúde, a
monotonia e repetitividade, outras situações causadoras
preocupação surgiu a partir da década de 1980, quando
de estresse físico e/ou psíquico; e riscos acidentais:
foi descoberto o vírus da síndrome da imunodeficiência
arranjo físico inadequado, máquinas e equipamentos
adquirida (SIDA), razão por que foram estabelecidas
sem proteção, ferramentas inadequadas ou defeituosas,
normas para as questões de segurança no ambiente de iluminação inadequada, eletricidade, probabilidade de
trabalho. Nessa mesma época, foi reconhecido o primeiro incêndio ou explosão, armazenamento inadequado,
caso de transmissão do Human Immunodeficiency Vírus animais peçonhentos e outras situações de risco que
(HIV), em consequência de atividade ocupacional, com poderão contribuir para a ocorrência de acidentes.6
uma enfermeira que sofreu picada acidental com uma Além desses, o Ministério da Saúde inclui os
agulha que havia sido usada diretamente na veia de riscos psicossociais, que são aqueles resultantes das
uma paciente com SIDA, internada em um hospital da relações e da organização do trabalho desfavorável ao
Inglaterra.3 trabalhador e que produzem sobrecarga psíquica.
Dentre os trabalhadores da área de Saúde, Geralmente estão contemplados dentro do grupo de
merecem atenção os que trabalham no atendimento pré- riscos ergonômicos.
hospitalar (APH), porque estão expostos aos vários Em 2005, com a Portaria nº 485, os profissionais
fatores de risco acima referidos, presentes no ambiente da área de Saúde foram favorecidos pela NR 32 -
hospitalar, concomitante aos riscos inerentes ao Segurança e Saúde no Trabalho em Estabelecimentos
ambiente externo, incluindo acidente automobilístico, de Saúde. Contudo, essa normatização só foi possível
explosão, agressão física, entre outros encontrados na porque a Associação Nacional de Enfermagem do
comunidade de atendimento. Trabalho (ANENT) e a Fundação dos Trabalhadores de
O atendimento pré-hospitalar pode ser definido Saúde do Estado de São Paulo empreenderam ações no
como: sentido de sensibilizar o Ministério do Trabalho e
Emprego, visto que as estatísticas apontavam que as
Toda e qualquer assistência realizada, direta atividades campeãs em notificações por adoecimento/
ou indiretamente, fora do âmbito hospitalar, acidentes de trabalho eram as da área de Saúde.7
através dos diversos meios e métodos Cumpre assinalar que a exposição dos
disponíveis, com uma resposta adequada à profissionais que atuam no serviço de APH móvel é
solicitação, a qual poderá variar de um simples constante. Um dos mais recentes apresentados na mídia
conselho ou orientação médica ao envio de uma foi a morte de uma enfermeira que prestava socorro a
viatura de suporte básico ou avançado ao local uma vítima de acidente de trânsito, quando a ambulância
da ocorrência, visando à manutenção da vida em que estava foi atingida por uma carreta desgovernada
e/ou à minimização das sequelas.4:381 na BR-381, na altura de Perdões, no Sul de Minas Gerais.
Além dela, um médico e um socorrista ficaram feridos
Devido à atuação fora do ambiente hospitalar, no acidente.8

168 R bras ci Saúde 18(2):167-174, 2014


Riscos ocupacionais no Atendimento Pré-Hospitalar Móvel: produção científica em periódicos online

Diante do exposto, observa-se que o serviço de da categorização, com respectivas subcategorias,


APH móvel enfrenta inúmeras dificuldades. Assim, análise e interpretação dos dados.
decidiu-se realizar este estudo, para que gestores,
profissionais da área de Saúde e estudantes possam
conhecer os fatores de riscos ocupacionais (de acidente, RESULTADOS
químicos, biológicos, físicos e as situações não
ergonômicas) da equipe de saúde no APH móvel, para Os resultados apontam que todos os artigos
que tomem conduta de alerta, mudança de compor- foram pesquisas de campo. O ano em que houve mais
tamento e promovam estratégias que possam publicações acerca da referida temática foi em 2008, com
transformar a assistência prestada, para que equipe e quatro artigos, seguido de 2009, com três publicações,
vítima possam ter conforto e segurança. 2010 com duas, e apenas uma em 2000 e outra em 2006.
Nesse contexto, esta pesquisa teve como Nos demais anos, nenhum artigo foi publicado,
objetivos identificar a produção científica sobre riscos seguindo os critérios de inclusão selecionados. No que
ocupacionais no atendimento pré-hospitalar (APH) se refere à base de dados, oito foram encontrados na
móvel, no período de 2000 a 2011, e investigar, nos LILACS e três na SciELO conforme o quadro 1.
artigos analisados, os enfoques sobre os riscos Quanto às categorias de riscos encontradas no
ocupacionais presentes na atividade de profissionais APH móvel, os artigos destacaram riscos biológicos,
de APH móvel. ergonômicos, de acidentes, químicos, psicossociais e
físicos, conforme apresenta a tabela 1, sendo que os
biológicos foram os mais frequentes.
MATERIAL E MÉTODOS Percebe-se que o risco de acidentes com perfuro-
cortantes foi citado, em todos os artigos, como um risco
Trata-se de uma pesquisa documental, presente no APH móvel, envolvendo perfuração com
estruturada a partir da busca de publicações sobre o material contaminado após o procedimento de punção
venosa.
tema riscos ocupacionais no atendimento pré-hospitalar
O contato com fluidos corpóreos foi o segundo
(APH) móvel. Para a seleção do material, foi realizada
mais citado nessa categoria e representa o contato com
uma busca eletrônica na base de dados Literatura
sangue, saliva, vômito, lágrima, urina, fezes com
Latino-americana e do Caribe em Ciências da Saúde −
mucosas ou solução de continuidade da pele.
LILACS e na Scientific Eletronic Library Online − SciELO,
Na categoria de riscos ergonômicos, a
disponíveis no site da Biblioteca Virtual em Saúde (BVS).
subcategoria mais frequente são os equipamentos
Foram realizadas duas buscas no referido site. Na
insuficientes e/ou ineficientes. Além disso, a sobrecarga
primeira, utilizaram-se os descritores em Ciências da
de trabalho foi citada em quatro artigos dos artigos, e a
Saúde “riscos ocupacionais” e “Serviços Médicos de
falta de recursos humanos, em três artigos. Tais aspectos
Emergência”; na segunda, “riscos ocupacionais”,
são considerados fatores de riscos associados, uma vez
“enfermagem” e “emergência”, relativas ao período de
que a falta de pessoal também contribui para a
2000 a 2011. sobrecarga de trabalho.
A coleta de dados ocorreu no mês de janeiro de Os artigos citam que a área física inadequada é o
2012. O universo do estudo foi constituído por dezoito principal fator de risco de acidente para os profissionais
artigos. Desse total, treze publicações estavam do APH.
disponíveis, contudo onze fizeram parte da amostra, para O segundo risco mais frequente relacionado a
cuja eleição foram estabelecidos os seguintes critérios essa categoria é o de colisão automobilística, apontado
de inclusão: que a publicação fosse um artigo, escrito em três dos artigos, já que a ambulância segue em alta
em língua portuguesa, dentro do período acima referido velocidade para socorrer a vítima em menor tempo
e apresentasse o texto na íntegra. possível.
Assim, ao término da seleção dos artigos, com a Nessa categoria de riscos químicos, o contato
exploração do texto, foi preenchido um instrumento para com substâncias químicas foi citado em três artigos,
a coleta de dados, contendo ano de publicação, nome representado pelo hipoclorito de sódio, utilizado para
do periódico, título do trabalho, base de dados e fatores desinfetar o veículo, e glutaraldeído, para desinfetar os
de risco identificados. Portanto, para alcançar os materiais, seguido do contato com agentes provenientes
objetivos propostos, elegeu-se a técnica de análise de da combustão de automóveis.
conteúdo temática, seguindo as etapas de pré-análise, Dentre os riscos psicossociais encontrados, o
que se constitui da leitura flutuante, da classificação e risco de agressão, seja física ou verbal, é outra constante

R bras ci Saúde 18(2):167-174, 2014 169


SOUSA et al.

170 R bras ci Saúde 18(2):167-174, 2014


Riscos ocupacionais no Atendimento Pré-Hospitalar Móvel: produção científica em periódicos online

171
R bras ci Saúde 18(2):167-174, 2014
SOUSA et al.

no ambiente de trabalho do APH móvel. Esse tipo de subcategoria dos riscos biológicos, que é uma
risco foi apontado em três dos artigos. A agressão pode constante na rotina de trabalho desses profissionais
ser deferida pela própria vítima em estado de agitação. que atuam em situações nas quais o tempo é fator
O único risco físico citado foi o ruído, em dois determinante para a vida do paciente. Ocorre porque,
artigos. nessas circunstâncias, eles precisam retirar rapidamente
a vítima que está presa em ferragens, fazer uma
reanimação cardiopulmonar e punção venosa para repor
DISCUSSÃO volume em um paciente em choque hipovolêmico,
situações que exigem um raciocínio e conduta rápida e
Os riscos de acidentes com perfuro-cortantes que podem gerar um ambiente de risco para o
apontados em todos os artigos da amostra estão trabalhador que está com pouca atenção naquele
diretamente relacionados ao fato de que a ação rápida momento.15
exigida no momento do atendimento leva à distração do A última subcategoria de risco biológico se refere
profissional em desprezar a agulha no recipiente correto ao acondicionamento de lixo durante o atendimento.
ou seu reencape. Outras vezes, a própria dificuldade de Essa problemática ocorre quando a equipe, depois de
puncionar ou a agitação do paciente leva a esse tipo de atender à vítima, não retira o resíduo gerado ou quando
acidente, conforme os artigos investigados. Esses precisa fazer vários atendimentos imediatamente após
dados foram confirmados por pesquisas feitas com a o outro, gerando o acúmulo de resíduo dentro da
equipe de enfermagem.19 ambulância.
O contato com fluidos corpóreos é um tipo de No que se refere ao acondicionamento de lixo
risco que está presente, sobretudo, quando o durante o atendimento, além do acúmulo citado, ocorre
profissional não usa equipamento de proteção a segregação incorreta por parte do trabalhador,21 que,
individual – EPI - adequado (máscara, óculos e luvas), e muitas vezes, despeja lixo infectante em lixo comum,
o fluido corpóreo respinga na mucosa oral ou ocular do com recipientes abertos, expostos a insetos ou caixa
trabalhador, ou entra em contato com pele com dermatite, com perfuro-cortantes superlotada, o que evidencia a
feridas abertas. Nessa circunstância, é extremamente necessidade de mudança de postura desses
necessário usar esses equipamentos e empregar uma profissionais.
conduta preventiva para evitar esse tipo de acidente.19,20 Quanto aos riscos ergonômicos, a falta de
Quanto a falta ou não do uso do EPI, os materiais ou o não funcionamento de alguns contribui
profissionais citam que este, muitas vezes, não está para o desgaste psicofísico pelo tempo despendido,
disponibilizado na quantidade suficiente ou, quando pelas idas e vindas para conseguir uma improvisação,
disponível, não é usado em todas as situações em que que frustra o profissional, gera impotência e interfere
são necessárias.9 na qualidade da assistência prestada.23
Sabe-se que o EPI deve ser fornecido ao Os profissionais do APH também se sentem
trabalhador pelo empregador, como estabelece a Norma cansados fisicamente e estressados devido às muitas
Regulamentadora NR-6, e seu uso pelo empregado é atividades, concomitante à necessidade de executar as
obrigatório.6 Em pesquisas, os profissionais relatam que tarefas com mais rapidez, o que pode levar à desatenção
utilizam o EPI, porém, na observação da prática e à falta de planejamento.21
assistencial, geralmente só é utilizada a luva de O distúrbio do sono, encontrado em três artigos,
procedimento. Assim, a equipe se expõe a respingo de está relacionado às tentativas de conciliar vários
sangue em mucosas de olho, boca e nariz.21 empregos, porque os profissionais trabalham também à
Pesquisa realizada com profissionais de noite e perfazem até mesmo escalas contínuas de 24 e
enfermagem em um setor de doenças infectocontagiosas 36 horas de trabalho.
revela que 78,6% desses só começam a adotar as A literatura aponta que a tentativa de sincronizar
precauções padrões após os acidentes, o que se o sono diurno com o ritmo biológico pode causar
configura em uma prática de risco.22 distúrbios neuropsíquicos, cardiovasculares e
No atendimento pré-hospitalar, o contato com gastrintestinais. Após o trabalho noturno, o sono diurno
doenças infecciosas, em pacientes sem um diagnóstico se fragmenta, devido às tarefas indispensáveis no
prévio, é outro fator de risco biológico, e quando se âmbito familiar e social. Os vários empregos e/ou escalas
trata de uma doença infecciosa, como tuberculose, extras acarretam prejuízos no convívio social, familiar e
meningite meningocócica e gripe A1N1, por exemplo, o causam um sentimento de vazio, fragilização dos laços
profissional corre o risco de se expor acidentalmente na afetivos e sacrifício dos momentos de lazer.24
abordagem inicial ao paciente. Essa problemática No que se refere ao levantamento de peso, este
também é frequente em profissionais que atuam em representa o levantamento das vítimas para a maca, no
serviços de emergência, por ser a porta de entrada para momento em que precisam colocar na ambulância ou
o hospital.20 transportá-las de uma maca para outra no atendimento
A necessidade de manejo rápido foi outra intra-hospitalar. Complementando a subcategoria

172 R bras ci Saúde 18(2):167-174, 2014


Riscos ocupacionais no Atendimento Pré-Hospitalar Móvel: produção científica em periódicos online

anterior, 18,2% acrescentam a postura corporal neuropsíquicos mais frequentes são a falta de memória,
inadequada durante as atividades. O levantamento de atenção e concentração e alterações de movimento do
peso, como condição repetida do trabalho, é causa de tipo parkinsonismo.27
problemas osteomusculares, como, por exemplo, dores Na categoria de risco psicossocial, o
lombares e nos membros inferiores.25 enfrentamento de agressões físicas é mais recorrente
No que concerne aos riscos de acidente, a área em comunidades perigosas, onde há tentativa de
fisica inadequada se refere às instalações da própria homicídio. Um dos artigos cita casos em que a vítima foi
unidade de apoio e aos locais de atendimento que são exterminada dentro da viatura.12 Logo, são situações que
pouco iluminados e de difícil acesso. Pesquisa ressalta geram grande sentimento de ansiedade, medo e
que ocorre o mau funcionamento de algumas viaturas e frustração.
pontos de apoio de Unidades de Suporte Básico Profissionais revelam que a agressão física por
inadequados, que não oferecem segurança aos parte da vítima acontece, geralmente, por rebaixamento
profissionais.5 do nível de consciência e ingestão de bebida alcoólica.20
Os atritos corporais, risco encontrado em três O ambiente estressante, citado como risco em 3
dos artigos, estão, de certo modo, relcionados ao risco dos artigos, refere-se à exposição a um cenário
de colisão porque, mediante a velocidade da viatura, o imprevisível, onde pode ocorrer até mesmo risco para o
corpo do profissional pode colidir contra o próprio socorrista. Pesquisa realizada com a equipe militar de
veículo, por causa das energias cinéticas decorrentes resgate pré-hospitalar revela que o toque da sirene, o
das acelerações ou desacelerações ou com algum deslocamento para as ocorrências, o estado de alerta
equipamento no interior dele.11 Um dos artigos revela contínuo, a violência dos casos atendidos, assim como
que já houve lesões de pele como escoriações e o envolvimento com crianças, idosos e familiares são
hemantomas18 e ressalta a importância de se utilizar o causas de fatores estressantes.28
cinto de segurança dentro das viaturas. O desvio de função não está evidente quanto ao
A inexperiência, referida nos artigos, pode ser seu significado nos artigos investigados. Porém,
um fator de risco tanto para a equipe quanto para a conceitualmente, representa a execução de atividades
vítima atendida. Em eventos de grande magnitude, há que correspondem a outro cargo, diferente daquele para
prejuízos no controle emocional até mesmo da própria o qual ele foi contratado, sujeitando-se, contudo, à
equipe que está prestando socorro. São situações de percepção da mesma renda salarial.29
estresse acentuado, que exigem alto grau de iniciativa e Segundo os artigos investigados quanto ao risco
discernimento dos socorristas durante o atendimento. físico, o nível de ruído elevado, gerado pelos locais de
Por isso a experiência é fundamental no planejamento atuação e pela viatura, contribui para gerar estresse
das ações a serem tomadas.26 mental. Apesar de não causar perda auditiva, para que
As quedas e os escorregões são situações que seja considerado um risco, como prevê a legislação atual,
podem ocorrer na cena do acidente, em decorrência de contribui para gerar reação de alarme, perturbação,
buracos ocultos na grama, queda em canaleta de água e irritação e ansiedade.30
durante a saída da base pela presença de tapete e piso
molhado. 18 São circunstâncias comuns para o
atendimento pré-hospitalar, principalmente em locais CONCLUSÕES
escuros, onde não pode se observar o que há no solo.
Antes de socorrer a vítima, a primeira Esta investigação identificou que o risco
preocupação da equipe deve ser com a segurança da ocupacional mais frequente é o biológico, causado pela
cena, para evitar que um acidente, ou que o paciente exposição a perfuro-cortantes. Vale ressaltar também a
sofra maiores danos. Essa atitude livra-o de qualquer presença de riscos peculiares a essa atividade, como
situação perigosa para iniciar o atendimento. Assim, o colisões automobilísticas, quedas, atritos corporais,
socorrista deve avaliar todos os perigos possíveis da ambientes perigosos e exposição a agentes
cena, como, por exemplo, fogo, linhas elétricas caídas, provenientes da combustão.
explosivos, materiais perigosos, incluindo fluidos Observou-se, ainda, que os profissionais
corporais, tráfegos de veículos, inundações e armas. precisam mudar sua postura quanto ao uso de EPI,
Na categoria de risco químico, o contato com o descarte de lixo no recipiente correto e observação
monóxido de carbono é muito frequente. Este é o quanto ao limite de preenchimento do recipiente para
principal gás gerado da combustão incompleta de perfuro-cortantes.
veículos que utilizam gasolina e óleo diesel, é um gás Com base nos resultados da pesquisa, pode-se
extremamente tóxico, que se liga, de modo irreversível, inferir que esses profissionais enfrentam inúmeras
à hemoglobina, com afinidade cerca de 240 vezes maior dificuldades que contribuem para o adoecimento,
que com o oxigênio. A exposição crônica a baixos níveis acidentes e até mesmo morte. Nesse contexto, é de
desse gás leva a anormalidades cardiovasculares, como extrema importância o desenvolvimento de políticas
hipertensão, arritmias e sinais de isquemia. Os prejuízos voltadas para essa área, com o objetivo de proporcionar

R bras ci Saúde 18(2):167-174, 2014 173


SOUSA et al.

condições de trabalho digno para essas pessoas, com riscos ocupacionais presentes no APH, visto que se
redução de carga horária, recursos humanos e materiais trata de uma temática pouco explorada, razão por que
adequados. Tal conquista contribuirá para amenizar a deve ser disseminada entre gestores, profissionais da
insalubridade identificada na realidade do APH móvel. área de Saúde, estudantes e pesquisadores desse campo
Espera-se, portanto, que esta pesquisa possa do saber.
subsidiar novas investigações que contemplem os

REFERÊNCIAS

1. Trivellato GC. Metodologias de reconhecimento e 17. Almeida Filho AJ, Sauthier J. Liberdade e compromisso
avaliação qualitativa de riscos ocupacionais. São Paulo: ético do enfermeiro frente às situações de risco de
Editora Fundacentro; 1998. contaminação. Esc. Anna Nery Rev. de Enferm. 2000;
2. Brasil. Ministério da Previdência Social. Saúde e 4(2): 171 – 17.
Segurança Ocupacional. Disponível em: <http:// 18. Soerensen AA, Moriya TM, Soerensen R, ROBAZZI MLCC.
www.mps.gov.br/conteudoDinamico.php?id=39>. Acesso Atendimento pré-hospitalar móvel: fatores de riscos
em: 29 nov. 2011.a ocupacionais. Rev. enferm. UERJ. 2008; 16(2):187-92.
3. Moura JP, Gir E, Canini SRMS. Acidentes ocupacionais
com material perfurocortante em um hospital regional 19. Alves SSM, Passos JP, Tocantins FR. Acidentes com
de Minas Gerais, Brasil. Cienc. Enferm. 2006; 12(1): 29- perfurocortantes em trabalhadores de enfermagem: uma
37. questão de biossegurança. Rev. enferm. UERJ. 2009;
4. Lopes SLB, Fernandes RJ. Uma breve revisão do 17(3):373-7.
Atendimento Médico Pré-Hospitalar. Medicina. 1999; 32: 20. Sousa ATO, Vasconcelos JMB. Acidentes de trabalho
381-387. vivenciados por profissionais de enfermagem em uma
5. Fernandes LGG, Pereira CDFD, Ribeiro JLS, Medeiros unidade de emergência: aspectos legais. Tem. Saúde.
PD, Castro GLT, Tourinho FSV. Atuação da equipe de 2009; 9(1):5-10.
enfermagem em um serviço de atendimento pré- 21. Florêncio VB, Rodrigues CA, Pereira MS, Souza ACS.
hospitalar móvel: experiência de graduandas. Rev enferm Adesão às precauções padrão entre os profissionais da
UFPE on line. 2012; 6(2):469-73. equipe de resgate pré-hospitalar do Corpo de Bombeiros
6. Brasil. Ministério do Trabalho e Emprego. Normas de Goiás. Rev. eletrônica Enferm. 2003; 5(1).
Regulamentadoras. Disponível em: http:// 22. Campos SF, Vilar MSA, Vilar DA. Biossegurança:
portal.mte.gov.br/legislacao/normas-regulamentadoras- conhecimento e adesão às medidas de precauções
1.htm. Acesso em: 29 nov. 2011.b padrão num hospital. Rev. Bras. Ciênc. Saúde. 2011;
7. Oliveira IM. A norma regulamentadora dos trabalhadores 15(4): 415-20.
de saúde, Revista Emergência. 2006; 1(2). 23. Santos JM, Oliveira EB, Moreira AC. Estresse, fator de
8. EPTV. COM. Enfermeira morre durante socorro na Fernão risco para a saúde do enfermeiro em centro de terapia
Dias. Terça-feira, 30 de agosto de 2011. Disponível em: intensiva. R Enferm UERJ. 2006; 14(4): 580-5.
h t t p : / / e p t v. g l o b o . c o m / n o t i c i a s / 24. Medeiros SM, Ribeiro LM, Fernandes SMA, Veras VSD.
NOT,4,183,366113,Enfermeira+morre+enquanto+fazia+socorro+em+rodovia+Fernao+Dias.aspx. Condições de trabalho e enfermagem: a transversalidade
Acesso em: 04 dez 2011. do sofrimento no cotidiano. Rev. eletrônica Enferm. 2006;
9. Lopes ACS, Oliveira AC, Silva JT, Paiva MHRS. Adesão 8(2): 233-40.
às precauções padrão pela equipe do atendimento pré- 25. Mauro MYC, Veiga AR. Problemas de saúde e riscos
hospitalar móvel de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. ocupacionais: percepções dos trabalhadores de
Cad. Saúde Pública. 2008; 24(6):1387-1396. enfermagem de unidade materna infantil. Rev. enferm.
10. Dalri RCMB, Robazzi MLCC, Silva LA. Riscos UERJ. 2008; 16(1): 64-9.
ocupacionais e alterações de saúde entre trabalhadores 26. Almir Júnior P. Manual de atendimento pré-hospitalar
de enfermagem brasileiros de unidades de urgência e do corpo de bombeiros do Paraná. Curitiba: Corpo de
emergência. Cienc. Enferm. 2010; 16 (2): 69-81. Bombeiros do Paraná; 2006.
11. Soerensen AA, Moriya TM, HAYASHIDA M, Robazzi 27. Tellez J, Rodriguez A, Fajardo Á. Contaminación por
MLCC. Acidentes com material biológico em profissionais Monóxido de Carbono: un Problema de Salud Ambiental.
do atendimento pré-hospitalar móvel. Rev. enferm. UERJ. Rev. salud pública. 2006; 8(1): 108-117.
2009; 17(2): 234-9. 28. Aguiar KN, Silva ALAC, Faria CR, Lima FV, Souza PR,
12. Zapparoli AS, Marziale MHP. Risco ocupacional em Stacciarini JMR. O estresse em uma equipe militar de
unidades de Suporte Básico e Avançado de Vida em resgate pré-hospitalar. Rev. eletrônica Enferm. 2000; 2(2).
Emergências. Rev. bras. enferm. 2006; 59(1): 41-46. 29. Creuz LRC, Villarreal GHF. Comentário – desvio funcional
13. Simão SAF, Soares CRG, Souza V, Borges RAA, Cortez à luz do Direito Administrativo. Revista Jus Vigilantibus,
EA. Acidentes de trabalho com material perfurocortante Sábado, 17 de março de 2007. Disponível em: http://
envolvendo profissionais de enfermagem de unidade jusvi.com/artigos/23788. Acesso em: 24 maio 2012.
de emergência hospitalar. Rev. enferm. UERJ. 2010; 30. Oliveira EB, Lisboa MTL. As representações sociais do
18(3):400-4. ruído pelos trabalhadores de enfermagem de um centro
14. Silveira MM, STUMM EMF, Kirchner RM. Estressores e de terapia intensiva. R Enferm UERJ. 2007; 15(4): 495-
coping: enfermeiros de uma unidade de emergência 501.
hospitalar. Rev. eletrônica Enferm. 2009; 11(4):894-903.
15. Mafra DAL, Fonseca IC, Viana JX, Santana JCB, Silva
MP. Percepção dos enfermeiros sobre a importância do Correspondência
uso dos equipamentos de proteção individual para riscos
biológicos em um serviço de atendimento móvel de Alana Tamar Oliveira de Sousa
urgência. Mundo Saúde. 2008; 32(1):31-38. Endereço: Rua Manoel Pereira Diniz, nº 655, Apto. 304,
16. Toledo AD, Oliveira AC. Situação vacinal e sorológica Bl. A. Jardim Cidade Universitária.
para Hepatite B entre trabalhadores de uma unidade de João Pessoa – Paraíba – Brasil - CEP: 58.052-520
emergência Hepatitis B. R Enferm UERJ. 2008; 16(1):95- E-mail: alanatamar@gmail.com
00.

174 R bras ci Saúde 18(2):167-174, 2014

Você também pode gostar