Você está na página 1de 31

UNIVERSIDADE DE FORTALEZA

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS


DISCIPLINA: GEOTECNIA E FUNDAÇÕES

ASPECTOS GERAIS SOBRE FUNDAÇÕES

PROF. MS. CARLA BEATRIZ COSTA DE ARAÚJO


ASPECTOS GERAIS
- TIPOS DE FUNDAÇÕES
ASPECTOS GERAIS
- TIPOS DE FUNDAÇÕES

 Superficiais ou diretas
 Profundas
ASPECTOS GERAIS
- TIPOS DE FUNDAÇÕES – NBR 6122/2010
 Superficiais ou diretas
 Profundas
ASPECTOS GERAIS
- FUNDAÇÕES SUPERFICIAIS OU DIRETAS
 Blocos;
 Sapatas Isoladas;
 Sapatas Associadas;
 Sapatas Corridas;
 Vigas de Fundação;
 Grelhas;
 Radiês;
ASPECTOS GERAIS
- FUNDAÇÕES PROFUNDAS
 Estaca;
 Tubulão.
ASPECTOS GERAIS
- DIMENSIONAMENTO FUNDAÇÕES SUPERFICIAIS
 Dimensões em planta;
 Cota de assentamento.
ASPECTOS GERAIS
- DIMENSIONAMENTO FUNDAÇÕES PROFUNDAS
 Comprimento e número de estacas.
ASPECTOS GEOLÓGICOS DA CIDADE DE FORTALEZA
 A geologia da Região Metropolitana de Fortaleza é caracterizada pelas
seguintes feições geológicas:
 Rochas cristalinas (metamórficas e ígneas) do complexo nordestino;
 Sedimentos terciários da formação barreiras;
 Dunas edafizadas e móveis
ASPECTOS GEOLÓGICOS DA CIDADE DE FORTALEZA
 ROCHAS CRISTALINAS DO COMPLEXO NORDESTINO:

 Constituição: metassedimentos; gnaisses, xistos, quartzitos e calcários, com


rochas graníticas associadas ao período pré-cambriano;
 Predominam na Região Metropolitana de Fortaleza os gnaisses de coloração
cinza claro, constituídos de quartzo, feldspato e mica;
 Aflora mais no interior (Maracanaú e Maranguape), e na região de Fortaleza
está subjacente à formação do grupo barreiras;
 Exploradas em pedreiras industriais para fornecimento de agregados para a
construção civil.
ASPECTOS GEOLÓGICOS DA CIDADE DE FORTALEZA
 GRUPO DA FORMAÇÃO BARREIRAS:

 Distribui-se como uma faixa sedimentar de largura variável (até 30 km),


acompanhando a linha da costa;

 Parcialmente recoberta junto ao litoral por dunas e areias marinhas;

 Constituição: argilas variegadas e arenitos avermelhados, ricos em cascalho,


apresentando camadas laterizadas e conglomerados grosseiros com cimento
ferruginoso (óxidos de ferro);
ASPECTOS GEOLÓGICOS DA CIDADE DE FORTALEZA
 GRUPO DA FORMAÇÃO BARREIRAS:
 Cuidados especiais: material de baixa resistência abaixo do leito
conglomérico;
ASPECTOS GEOLÓGICOS DA CIDADE DE FORTALEZA
 GRUPO DA FORMAÇÃO BARREIRAS:
 Na Formação Barreiras que aparece
praticamente em toda a cidade já foram
executados os mais diversos tipos de fundação.
Atualmente é preponderante a utilização de
estaca raiz e Hélice Contínua
ASPECTOS GEOLÓGICOS DA CIDADE DE FORTALEZA
 AS DUNAS EDAFIZADAS OU PÁLEO-DUNAS
 Areias bem selecionadas de graduação fina a média, às vezes siltosas,
quartzosas e quartzo-feldspáticas, com coloração amarela, laranja ou
acinzentada;

 Encontram-se sobre a formação barreiras;

 Apresentam boa capacidade de suporte para pequenas construções


(fundações diretas);
ASPECTOS GEOLÓGICOS DA CIDADE DE FORTALEZA
 AS DUNAS EDAFIZADAS OU PÁLEO-DUNAS
 As fundações profundas do tipo estacas raiz, estacas pré-moldadas de
concreto, hélice contínua, apresentam capacidade de carga para
profundidades variando de 5 a 15 metros;

 Estacas metálicas geralmente não apresentam nega nesta camada, sendo


necessário atingir as camadas mais profundas (formação barrerias ou
complexo cristalino)
ASPECTOS GEOLÓGICOS DA CIDADE DE FORTALEZA
ELEMENTOS NECESSARIOS AO PROJETO
 Topografia da área
 Levantamento topográfico (planialtimetrico);
 Dados sobre taludes e encostas no terreno (ou que possam atingir o terreno);
 Dados sobre erosões e sua evolução
ELEMENTOS NECESSARIOS AO PROJETO
 Dados sobre construções vizinhas
 Levantamento topográfico
(planialtimetrico);
 Número de pavimentos, carga
media por pavimento;
 Tipo de estrutura e fundações;
 Desempenho das fundações;
 Existência de subsolo;
 Possíveis consequências de
escavações e vibrações provocadas
pela nova obra.
ELEMENTOS NECESSARIOS AO PROJETO
 Dados geológico-geotécnicos
 Investigação do subsolo (as
vezes em duas etapas:
preliminar e complementar);
 Outros dados geológicos e
geotécnicos (mapas, fotos
aéreas e de satélite,
levantamentos
aerofotogramétricos, artigos
sobre experiências anteriores na
área etc.).
ELEMENTOS NECESSARIOS AO PROJETO
 Dados da estrutura a construir
 Tipo e uso que terá a nova obra;
 Sistema estrutural (hiperestaticidade, flexibilidade etc.);
 Sistema construtivo (convencional, pré-moldado etc.);
 Cargas (ações nas fundações).
REQUISITOS DE PROJETOS
 Deformações aceitáveis sob as condições de trabalho

 ELS (Estado Limite de Serviço)


REQUISITOS DE PROJETOS
 Deformações aceitáveis sob as condições de trabalho

 ELS (Estado Limite de Serviço)


REQUISITOS DE PROJETOS
 Segurança adequado ao colapso do solo de fundação ou estabilidade
externa

 ELU (Estado Limite de Último) - Solo


REQUISITOS DE PROJETOS
 Segurança adequada ao colapso dos elemetos estruturais

 ELU (Estado Limite de Último) – Elemento Estrutural da Fundação


REQUISITOS DE PROJETOS

Prédio na China
REQUISITOS DE PROJETOS

Prédio na China
REQUISITOS DE PROJETOS
REQUISITOS DE PROJETOS
(1) Uma garagem subterrânea estava
sendo escavada no lado sul, a uma
profundidade de 4,6 metros.
(2) O material escavado estava sendo
empilhado no lado norte, a uma
altura de 10 metros.
(3) As fundações do edifício sofreram
uma pressão lateral desigual do sul
e norte.
(4) Isto resultou em uma pressão que
foi maior do que as estacas
poderiam tolerar. Assim, o edifício
tombou na direção sul.
DEFINIÇÕES DE DESLOCAMENTOS
 RECALQUES: Deslocamento para baixo;

 LEVANTAMENTO: Deslocamento vertical para cima;

 RECALQUE DIFERENCIAL (dw): Diferança de recalques entre dois pontos da


estrutura;

 RECALQUE DIFERENCIAL ESPECÍFICO OU DISTORÇÃO ANGULAR: É a diferença de


recalques entre dois pontos dividida pela distância entre os mesmos;
DEFORMAÇÕES LIMITES
 CASO a: Danos estéticos e nos elementos de ligação externos (tubulações de
esgoto, água, etc);
 CASO b: Danos estéticos e funcionais;
 CASO c: Danos estéticos e funcionais e estruturais;
ESCOLHA DO TIPO DE FUNDAÇÕES
Tipo Uso Características do solo

Sapatas isoladas, sapatas corridas, sapatas Colunas individuais, grupos de colunas e Qualquer tipo de solo com capacidade de
associadas e vigas de fundação paredes. suporte adequada ao carregamento aplicado.
Pode-se empregar sobre uma camada rígida
sobreposta a uma camada mole, e vice-versa,
sendo em qualquer caso necessário fazer-se a
verificação dos recalques

Radiês Várias linhas de colunas paralelas, elevadas Solos com baixa capacidade de suporte e
cargas nas colunas, etc. Empregadas para susceptíveis a elevados recalques
reduzir recalques diferenciais. diferenciais.

Estacas Em situações diversas, colunas, grupos de Quando as camadas superficiais do subsolo


colunas, etc. apresentam baixa capacidade de suporte, ou
quando se deseja apoiar a estrutura em
camadas mais rígidas, e, portanto, menos
deformáveis, que se encontram a elevadas
profundidades
Tubulões Cargas elevadas. Mesmas considerações expostas para as
fundações em estacas