Você está na página 1de 11
IInnttrorodduçuçããoo aa MMececâânniicaca ddosos FluidosFluidos AbelAbel RouboaRouboa UTADUTAD –– DeptDept
IInnttrorodduçuçããoo aa MMececâânniicaca ddosos
FluidosFluidos
AbelAbel RouboaRouboa
UTADUTAD –– DeptDept dasdas EngenhariasEngenharias
IntroduIntroduçção:ão: MecânicaMecânica dosdos FluidosFluidos PLANOPLANO 11 -- ProgramaPrograma 22 ––
IntroduIntroduçção:ão: MecânicaMecânica dosdos FluidosFluidos
PLANOPLANO
11
-- ProgramaPrograma
22
–– NormasNormas dede avaliaçavaliaçããoo
33 -- BiblioBiblioggrafiarafia
44 –– OO meiomeio continuocontinuo
55
–– SólidoSólido,, LiquidoLiquido ee GásGás :: MassaMassa volumicavolumica
66
-- UnidadesUnidades
ProProggramarama I- Generalidades I-1 Líquidos e gases. A hipótese do meio contínuo I-2 Massa específica.
ProProggramarama
I- Generalidades
I-1 Líquidos e gases. A hipótese do meio contínuo
I-2 Massa específica. Peso específico. Densidade
I-3 Fluidos incomressiveis e fluidos compressiveis
I-4 Viscosidade dum fluido
I-5 Tensões em mecânica dos fluidos
ProProggramarama II- Estática dos Fluidos II-1 Lei hidrostática de pressões II-2 Calcule de pressão II-2-a
ProProggramarama
II- Estática dos Fluidos
II-1 Lei hidrostática de pressões
II-2 Calcule de pressão
II-2-a Para os fluidos incompresiveis
II-2-b Para os fluidos compressiveis
II-3 Forças de pressão
II-3-a Em coordenadas cartesianas
II-3-b Em coordenadas cilíndricas
II-4 Manómetros
ProProggramarama III- Dinâmica dos Fluidos III-1 Introdução III-2 Escoamento laminar e turbulento. Experiência de
ProProggramarama
III- Dinâmica dos Fluidos
III-1 Introdução
III-2 Escoamento laminar e turbulento. Experiência de Reynolds
III-3 Continuidade em escoamentos. Caso geral da equação da continuidade
III-5 Aceleração de uma partícula de fluído
III-6 Variação de uma propriedade M ao longo do movimento
III-7 Equação de Bernoulli
III-8 Medição em escoamentos
III-8-a Tubo de Pitot
III-8-b Tubo de Pitot estático
III-8-c Venturi
III-8-d Diafragma
ProgramaPrograma IV- Equação de energia e da quantidade de movimento IV-1 Equação da energia em
ProgramaPrograma
IV- Equação de energia e da quantidade de movimento
IV-1 Equação da energia em escoamento permanente ao longo de uma linha de corrente
IV-2 Equação da energia para escoamento permanente numa tubagem
IV-3 Equação da energia com trabalho ao veio
IV-4 Equação da quantidade de movimento em escoamentos permanentes
ProgramaPrograma V- Escoamento em tubagens e canais V-1 Coeficiente de atrito superficial e número de
ProgramaPrograma
V- Escoamento em tubagens e canais
V-1 Coeficiente de atrito superficial e número de Reynolds
V-2 Escoamento laminar em tubagens
V-3 Escoamento turbulento em tubagens lisas
V-4 Escoamento turbulento em tubagens rugosas
V-5 Linhas de energia e piezométrica
V-6 Escoamento uniforme em canais
V-7 Perdas localizadas e distribuídas
ProgramaPrograma VI- Análise dimensional aplicada à mecânica de fluidos VI-1 Princípios VI-2 Força exercida por
ProgramaPrograma
VI- Análise dimensional aplicada à mecânica de fluidos
VI-1 Princípios
VI-2 Força exercida por um escoamento num corpo nele imerso
VI-3 Significado físico dos números de: Reynolds, Froude, Euler, Cauchy, Mach e Weber
VI-4 Perda de pressão num escoamento em tubagem
VI-5 Potência de accionamento de um ventilador
VI-6 Notas
ProgramaPrograma VII- Escoamento em superficies livres VII-1 Princípios VII-2 Força exercida por um escoamento num
ProgramaPrograma
VII- Escoamento em superficies livres
VII-1 Princípios
VII-2 Força exercida por um escoamento num corpo nele imerso
VII-3 Significado físico dos números de: Reynolds, Froude, Euler, Cauchy, Mach e Weber
VII-4 Perda de pressão num escoamento em tubagem
VII-5 Potência de accionamento de um ventilador
VII-6 Notas
VII-6-a Linhas de energia e piezométrica
VII-6-b Escoamento uniforme em canais
VII-6-c Perdas localizadas e distribuídas
NormasNormas dede avaliaçãoavaliação A avaliação dos alunos na disciplina de ‘Fluidos I’ encontra-se repartida
NormasNormas dede avaliaçãoavaliação
A avaliação dos alunos na disciplina de ‘Fluidos I’ encontra-se repartida em provas escritas, testes
e/ou exames, e a execução de um trabalho prático de grupo.
As provas escritas constituem oitenta por cento (80%) do valor da nota final. Os alunos podem
optar por fazer testes (2) durante o decorrer do semestre. Os alunos que não conseguirem obter um
resultado superior a 8.5 valores nos teste, podem fazer a primeira ou a segunda chamada da prova
final. Os testes têm duração máxima de duas horas e as provas finais até três horas. Os testes e as
provas finais (1ª e 2ª chamadas) abrangem toda a matéria leccionada.
A avaliação do trabalho prático tem em conta o relatório escrito e a sua apresentação e constitui
vinte por cento da nota final (20%).
BibliBibliooggrarafifiaa FrankFrank M.M. White,White, "Mecânica"Mecânica dosdos Fluidos",Fluidos",
BibliBibliooggrarafifiaa
FrankFrank M.M. White,White, "Mecânica"Mecânica dosdos Fluidos",Fluidos", EDTEDT McGrawMcGraw--HillHill Science.Science.
Francisco de Assis A. Bastos, “Problemas de Mecânica dos
Fluidos”, Edt Guanabara Koogan.
S. Candel, “Problemes resolus de Mecanique des fluides”, Edt DUNOD.
J. F. Douglas, “Problemas resueltos de mecanica de fluidos”,
Volumen1,
Edt Bellisco.
J. F. Douglas,“Problemas resueltos de mecanica de fluidos,
Volumen2,
Edt Bellisco.