Você está na página 1de 67

Envelhecimento e saúde da pessoa

idosa

Profa Ma Bruna Siqueira


Envelhecimento
• “Um processo sequencial, individual, acumulativo,
irreversivel, universal, não patologico de
deterioração de um organismo maduro, proprios a
todos os membros de uma especie, de maneira que o
tempo o torne menos capaz de fazer frente ao
estresse do meio ambiente e, portanto, aumente a
sua possibilidade de morte”
Envelhecimento
• Declínio funcional fisiológico
Ex. a sarcopenia , a osteopenia, a redução do conteúdo de água
corporal, redução da capacidade aeróbica, dificuldade de
manter a homeostasia, sistemas orgânicos não funcionam com
a eficiência
Normalmente não traz restrição da participação social
do indivíduo, apesar de caracterizarem uma
deficiência.

Lentificação global no desempenho das tarefas do


cotidiano (limitação das atividades).

Efeitos minimizados por estilo de vida ativo


Envelhecimento e saúde da pessoa
idosa
• A pessoa é considerada saudável quando é capaz de
realizar suas atividades sozinha, de forma
independente e autônoma, mesmo que tenha
doenças.
AVD

• Avaliação funcional determinará, necessariamente, o


grau de dependência da pessoa idosa e os tipos de
cuidados que vão ser necessários;
Envelhecimento e saúde da pessoa
idosa
AVD BÁSICAS (Índice de Katz)

Banhar-se Alimentar-se Vestir-se Trasnferência Continência

AVD INSTRUMENTAIS (Escala de Lawton-Brody)


Cuidar dos
Arrumar a Cuidar das Preparar
medicamento Usar telefone
casa finanças alimentos
s

AVD AVANÇADAS (Individualizada)


Atividades Atividades Atividades Direção Uso de
produtivas recreativas sociais veicular tecnologias
Classificação da gravidade do declínio
funcional nas AVD:

Independência - autocuidado
Semidependência – comprometimento de pelo
menos 1 (alimentar-se, vestir-se, usar banheiro)
Dependência incompleta – comprometimento
de pelo menos 1 (incontinência/transferência)

Dependência completa
AVD

Autonomia Independência

• Capacidade de • Capacidade de
decidir realizar as
atividades pelos
próprios meios
• Cognição • Mobilidade
• Humor • Comunicação

Tais domínios devem ser rotineiramente avaliados nas consultas


Memória Gnosia
Função Função
executiva visuoespacial
Linguagem Praxia
Política Nacional de Saúde da Pessoa
Idosa - Diretrizes
Promoção do envelhecimento ativo e
saudável;

Atenção integral, integrada à saúde da


pessoa idosa;

Estímulo à participação e fortalecimento do


controle social;

Estímulo as ações intersetoriais

Formação e educação permanente dos


profissionais de saúde do SUS na área de
saúde da pessoa idosa;
Um idoso de 67 anos, mora com a família, tem o hábito de convidar
amigos para passear na rua, diariamente, caminhando sem auxílio,
acompanhado por sua filha. Devido à alteração dos horários de
trabalho desta, passou a fazer esta atividade somente aos domingos,
para não desagradar à filha, que fazia questão de acompanhá-lo. Ao
final de seis meses, os familiares perceberam que o mesmo tem
permanecido muito tempo sentado e caminha com muita
dificuldade, somente dentro de casa. Nesta situação, de acordo com
o MS (2007), durante a vigência da caminhada diária, este idoso
apresentava

a) incapacidade funcional e ausência de autonomia.


b) dependência física para esta atividade, decorrente da capacidade
funcional prejudicada.
c) desempenho satisfatório e incapacidade funcional.
d) incapacidade funcional, apesar da autonomia preservada.
e) autonomia e capacidade funcional preservadas.
Avaliação clínica
• A presença de dependência funcional deve
desencadear uma ampla investigação clínica,
buscando doenças que, em sua maioria, são total ou
parcialmente reversíveis.

Cardiovascular Alterações
DM
HAS sensoriais

Afecção
Déficit cognitivo
osteoarticular
Mobilidade
• A instabilidade postural e alteração da marcha é
frequente nos idosos e tem como complicações as
quedas e a imobilidade.

• As complicações mais temidas das quedas são a


fratura de fêmur e o hematoma subdural.
Mobilidade
Fatores que contribuem para mobilidade
reduzida
• Parkinson; neuropatia diabética; cardiovascular;
osteoartrite; osteoporose e déficit sensorial

Quedas
• Alterações visuais, neurológicas, cardiovasculares,
musculoesqueléticas normais do envelhecimento;
Cognitivas; Medicamentos e álcool
Ano: 2017 Banca: FCC Órgão: TRT - 11ª Região (AM e RR)
Prova: Técnico de enfermagem
O profissional de enfermagem adota medidas práticas
para minimizar as quedas e suas consequências na
pessoa idosa. Uma delas é

a) estimular a deambulação em ambientes com móveis


baixos.
b) realizar mudança de decúbito, a cada duas horas.
c) orientar quanto à contraindicação do uso de piso
áspero na área externa de seu domicílio.
d) verificar o uso de medicamentos que podem causar
hipotensão arterial.
e) manter tapetes no início e final da escada.
Ano: 2016 Banca: FCC Órgão: AL-MS Prova: Auxiliar de
Enfermagem
Em um trabalho de conscientização aos idosos sobre a
prevenção de quedas, deve-se recomendar:

a) manter móveis deslizantes nas residências para facilitar


a locomoção.
b) restringir o uso de bengalas e andadores, pois esses
equipamentos limitam a capacidade do idoso.
c) realizar atividades físicas como o treinamento de
equilíbrio, para redução do risco de queda.
d) colocar tapetes no início e fim dos degraus das escadas
de suas residências, facilitando a sinalização.
e) instalar box de vidro liso e transparente nos banheiros
das residências, contribuindo, assim, com a vigilância
durante banho.
Ano: 2016 Banca: FCC Órgão: TRT - 23ª REGIÃO (MT)
Prova: Técnico de enfermagem do trabalho
Ao atender um paciente idoso com história prévia de
queda, considerando os fatores de risco ambientais
na indução de quedas, o profissional de enfermagem
deve adotar medidas preventivas como

a) orientar o uso de barras de apoio.


b) suspender o uso de medicamentos psicoativos.
c) verificar o uso de diuréticos e laxantes.
d) orientar a levantar-se rapidamente antes de sair da
cama.
e) avaliar as condições em que o paciente estiver em
jejum por longo período, como logo ao acordar.
Ano: 2014 Banca: FCC Órgão: TRF - 3ª REGIÃO Prova: Técnico
de enfermagem
Para os idosos com 80 anos e mais, os principais fatores de
risco, que mais se associam às quedas, são:

a) diminuição da visão; baixo rendimento econômico e


sedentarismo.
b) polifarmácia; doença de Parkinson e asma brônquica.
c) marcha lenta com passos curtos; sexo feminino e história
prévia de quedas.
d) fraqueza muscular de membros inferiores; dano cognitivo e
residir na periferia dos grandes centros urbanos.
e) baixa escolaridade; diminuição da audição e ser portador
de doenças alérgicas.
Ano: 2009 Banca: FCC Órgão: TRT - 7ª Região (CE) Prova: Técnico de
enfermagem
A queda representa um grande problema para as pessoas idosas dadas as
suas consequências (injúria, incapacidade, institucionalização e morte)
que são resultados da combinação de alta incidência com alta
susceptibilidade às lesões. (MS)
As medidas práticas que visam minimizar as quedas e suas consequências
entre as pessoas idosas incluem

a) reorganizar o ambiente interno da residência, sem o consentimento da


pessoa idosa e da família.
b) colocar diferenciador de degraus nas escadas e corrimãos bilaterais de
apoio.
c) colocar pisos anti-derrapantes e barras de apoio nos banheiros,
estimulando uso de banheiras.
d) desencorajar o autocuidado, visando à maior segurança do idoso.
e) acomodar os gêneros alimentícios e de outros objetos de uso cotidiano em
locais de difícil acesso.
Prevenção de quedas
• Aumentar a iluminação: lâmpada fluorescentes, cortinas claras,
1 assento do sanitário e pia de cores diferentes do piso

• Banheiro: Tapetes antiderrapantes, cortinas, barras de apoio


2

• Escada: corrimão dos dois lados, fita antiderrapante nos degraus,


3 livre de objetos, interruptor de luz nos dois extremos

• Evitar cama muito baixa e colchão muito macio, bem como o


4 sofá

• Cores de mobília e piso diferentes da cor do animal de estimação


5
Incontinência urinária
• A Incontinência Urinária pode ser definida como “a
perda de urina em quantidade e frequência
suficientes para causar um problema social ou
higiênico”

• Cerca de 30% das pessoas idosas não


institucionalizadas apresentam e nem sempre a
referem na avaliação clínica ou por vergonha ou por
acharem ser isso normal no processo de
envelhecimento.
Incontinência Urinárias
Causas transitórias
Mobilidade
Delírio Desidratação
restrita

Inflamação Infecção Medicamentos

Disfunção do assoalho pélvico; hiperatividade do detrusor


(urgência); demência
Segundo o MS (2007), a Incontinência Urinária - IU na pessoa idosa pode ter causas
agudas e crônicas, sendo que há a recomendação da importância de se descartar
as causas agudas, para que não seja realizada uma intervenção sem necessidade.
Portanto, o enfermeiro deve atentar para a possível IU deste idoso, identificando
causas desta condição, tanto agudas como crônicas, a fim de prestar os cuidados
adequados e realizar possíveis encaminhamentos. Algumas dessas causas, mais
comuns da IU, agudas e crônicas, estão, respectivamente, descritas em
Ano: 2015 Banca: FCC Órgão: TRT - 15ª Região (SP) Prova:
Técnico Judiciário
Durante a assistência de enfermagem ao paciente idoso com
incontinência urinária, o técnico de enfermagem, a fim de
monitorar a ingesta e a eliminação, deve, dentre outras
ações,

A) investigar a coloração da pele do paciente, diariamente.


b) priorizar o uso do cateter vesical de demora.
c) encorajar o paciente a inclinar-se para trás, pressionando a
coluna lombar, para promover o esvaziamento ideal da
bexiga.
d) estimar a perda de urina, nas roupas e roupas de cama,
considerando que o diâmetro de 2 cm equivale a,
aproximadamente, 10 mL de urina.
e) garantir que o banheiro seja de difícil acesso para estimular
o controle da bexiga.
Nutrição
• Os valores do IMC aumentam com o passar da idade, uma vez
que a adiposidade aumenta, mesmo com o peso estável;

• A massa muscular e a sarcopenia podem ser avaliadas pela


medida da circunferência da panturrilha (CP).

• CP inferior a 31 cm é considerada, atualmente, o melhor


indicador clínico de sarcopenia e está agregada à
incapacidade funcional e ao risco de queda.
Alimentação da pessoa idosa
Estimular a variação da disposição dos alimentos
nas travessas

A composição da mesa de refeição deve ser


simplificada em detrimento das regras de
etiqueta.

Canecas com tampas e canudos são indicadas


para prevenir o derramamento do conteúdo;

Usar apenas uma colher com cabo mais grosso é


uma das opções quando a atividade motora
limita o uso dos outros talheres.
As toalhas de mesa devem ser preferencialmente
com uma única tonalidade de cor, sem estampas
ou bordados.
Dentre as orientações especiais do Ministério da Saúde (2009) para
auxiliar a autonomia da pessoa idosa, com relação à alimentação,
constam
a) a montagem da mesa de refeição com o máximo de estímulos visuais,
a fim de facilitar o direcionamento da percepção visual da pessoa
idosa para o alimento.
b) a inovação diária na composição da mesa de refeição, com
alternância das regras de etiqueta, para que a pessoa idosa continue
a se sentir estimulada e integrada ao ambiente familiar.
c) a padronagem das toalhas de mesa devem apresentar várias cores,
estampas e bordados, para estimular a pessoa idosa na identificação
dos utensílios.
d) o uso de apenas uma colher de cabo grosso, como uma das opções,
quando a atividade motora limita o emprego dos outros talheres.
e) a utilização de caneca sem tampa e sem canudo, para facilitar o
manuseio de tais utensílios pela pessoa idosa com atividade motora
limitada.
Demência
• Síndrome clínica decorrente de doença ou disfunção
cerebral, de natureza crônica e progressiva, na qual
ocorre perturbação de múltiplas funções cognitivas,
incluindo memória, atenção e aprendizado,
pensamento, orientação, compreensão, cálculo,
linguagem e julgamento.

• A demência faz parte do grupo das mais importantes


doenças que acarretam declínio funcional
progressivo e perda gradual da autonomia e da
independência.
Demência
• Alterações características: Cognitiva;
comportamental; funcional;

• Causas reversíveis: Abuso de álcool; medicamentos;


distúrbios psiquiátricos, hematomas subdurais,
tumores e hidrocefalia com pressão normal
• Demências irreversíveis: Alzheimer; Vascular;

Estimular o idoso a manter uma mente ativa


pode ser uma medida profilática
Tipos de demência
• Insidioso, perda de memória, declínio
Alzheimer cognitivo lento e progressivo

• Início abrupto, após evento vascular,


Vascular deterioração em degraus, flutuação do
déficit cognitivo, sinais focais

Corpusculo de • Flutuação da cognição, alterações visuais


recente bem formada e parkinsonismo precoce
Lewys
• Início pré-senil (45 anos), alteração de
personalidade, comportamento e linguagem como
Doença de Pick caracteristicas iniciais masrcantes. Alteração do
comportamento sexual; Comprometimento tardio
da memória
Doença de Alzheimer
Degenerativa, progressiva e irreversível de início
insidioso

Perdas graduais das funções cognitivas,


comportamentais e afeto

Comprometimento do córtex cerebral com redução


do tamanho cerebral

Fatores de risco: História familiar de Alzheimer e


sindrome de down
Doença de Alzheimer
Estágio Inicial
• Esquecimento e perda da memória sutil;
• Função cognitiva adequada;

Progressão
• Perde a capacidade de reconhecer objetos, familiares, locais;
• Repete as mesmas estórias
• Desaparece a capacidade de formular conceitos e pensar de forma
abstrata
• Comportamento Impulsivo
• Alteração de personalidade: deprimido, paranóide, hostil, agressivo
• Deterioração da fala e agitação
Doença de Alzheimer
Estágio avançado

Dependência
Imóvel Disfagia Incontinência
total
Doença de Alzheimer

Diagnóstico
• Provável diagnostico: História, exame físico e exames líquor e
sangue (excluir outras causas)
• TC e RM úteis para excluir hematoma, tumor cerebral, AVC,
hidrocefalia
• Confirmação: biopsia cerebral

Tratamento
• Inibidores da acetil colinesterase (Donepezil; Rivastigmina)
Ano: 2010 Banca: FCC Órgão: TRF - 4ª REGIÃO Prova: Analista Judiciário -
Enfermagem
A doença de Alzheimer requer do enfermeiro conhecimentos específicos, a fim
de assegurar uma assistência de qualidade. O profissional deve saber que
essa doença neurológica

a) é caracterizada por perdas graduais da função cognitiva e por


distúrbios comportamentais e afetivos.
b) é degenerativa, reversível e progressiva, com distúrbios
comportamentais.
c) tem início rápido e progressivo, ocasionando perda da memória e,
paradoxalmente, facilidade de pensamento abstrato.
d) estimula a capacidade em formular conceitos e de pensar de
forma abstrata, porém, com a presença de comportamentos
impulsivos.
e) provoca declínio desigual e acentuado na função mental associada
a um incidente vascular, e é também chamada de Demência
Vascular.
Ano: 2007 Banca: FCC Órgão: MPU Prova: Analista de Saúde -
Enfermagem
A doença de Alzheimer é um distúrbio progressivo, afetando
principalmente

a) a transmissão neuromuscular, a coordenação motora e a


capacidade intelectual.
b) a capacidade intelectual e emocional e a coordenação dos
movimentos coreiformes involuntários.
c) os centros cerebrais responsáveis pelo controle e regulação dos
movimentos e bradicinesia.
d) a memória, a cognição e a capacidade de autocuidado.
e) a bainha de mielina, a capacidade intelectual e a transmissão
neuromuscular.
Delirio
• Estado confusional agudo (confusão –
desorientação), podendo ser evidenciado
alucinação, medo, ansiedade, ilusão e paranóia;

• Início agudo e inesperado – secundário a inúmeras


causas
• Doença física
• Intoxicação medicamentosa
• Desnutrição
• Infecção
• Trauma de crânio
Ano: 2012 Banca: FCC Órgão: TJ-PE Prova: Técnico Judiciário
Em diversas situações, a demência e o delírio são observadas em
idosos:
I. O delírio pode ser decorrente de intoxicação medicamentosa,
desidratação, infecção e traumatismo craniano.
II. A demência caracteriza-se por alterações cognitivas,
funcionais e comportamentais.
III. A doença de Alzheimer é o tipo de demência mais comum,
seguida da demência vascular ou por multi-infarto.
Está correto o que se afirma em
a) I, II e III.
b) II e III, apenas.
c) I e II, apenas.
d) I e III, apenas.
e) II, apenas.
Ano: 2015 Banca: FCC Órgão: TRT - 15ª Região (SP) Prova: Técnico
Judiciário
Dentre as condições emergenciais que podem ser encontradas nos
idosos, está a confusão aguda e o delírio. A equipe de enfermagem,
com o objetivo de reduzir o estado confusional do paciente, ao
prestar a assistência, deve, dentre outras medidas,

a) limitar o número de pessoas da equipe que presta o cuidado.


b) palpar o abdome do paciente quanto à rigidez muscular e à
sensibilidade.
c) realizar a Manobra de Heimlich.
d) colocar vendas nos olhos e fazer restrições no posicionamento,
ambos do paciente.
e) imobilizar os membros e controlar a flacidez muscular, ambos do
paciente.
Catarata
• Turvação ou opacidade da lente
• Principal causa de cegueira no mundo;
• Principal causa é o envelhecimento;

Fatores de Risco relacionadas ao envelhecimento


Perda da Captação Diminuição de
Aumento de
transparência diminuída de vit C, proteína
sódio e cálcio
do cristalino O2 e glutatião
Catarata
Fatores de Risco relacionado a doenças sistêmicas

Distúrbios no
Distúrbios Síndrome de
DM metabolismo
renais down
lipídico

Fatores de Risco nutricionais

Níveis
Nutrição
reduzidos de Obesidade
deficiente
antioxidantes
Catarata
Manifestações clínicas

Visão turva > Acuidade Sensível ao Diplopia


indolor visual ofuscamento monocular

Alteração na
Desvio
coloração Astigmatismo
mióptico
(marrom)

Achados diagnósticos

Acuidade Exame
Oftalmoscopia
visual - Snellen biomicroscópico
Catarata

Tratamento clínico
• Não cura nem impede a catarata relacionada a idade
• Prevenção

Tratamento cirúrgico
• Substituição da lente, implante de lente intraocular
• Cirurgia ambulatorial;
• Dois olhos acometidos: não realizar a cirurgia ao mesmo
tempo
• Acuidade visual: após cicatrização 6-8 semanas
Ano: 2014 Banca: FCC Órgão: TCE-PI Prova:
Enfermeiro
A catarata é uma das principais causas
geradoras de algum grau de dificuldade visual
nos idosos. A doença caracteriza-se pela

a) degeneração da mácula.
b) irregularidade na curvatura da córnea.
c) elevação da pressão intraocular.
d) opacificação ou turvação do cristalino.
e) oclusão vascular da retina.
Ano: 2010 Banca: FCC Órgão: TRF - 4ª REGIÃO Prova: Analista
Judiciário - Enfermagem
Os fatores de risco para a formação da catarata são múltiplos,
dentre eles, fatores relacionados ao envelhecimento e às
síndromes e doenças sistêmicas. Os fatores de risco e suas
causas correspondentes estão correta e respectivamente
descritos em:
Fator de risco ligado ao Fator de risco relacionados a
envelhecimento síndromes e doenças sistêmicas
a) Captação aumentada de oxigênio Hipotiróidismo
b) Tabagismo Fibrose cística
c) Constipação crônica Lupus
d) Captação reduzida de oxigênio Diabetes melitus
e) Níveis aumentados de Leucemia
antioxidantes
Doença de Parkinson
• Distúrbio neurológico degenerativo e lentamente
progressivo, que afeta os centros cerebrais
responsáveis pelo controle e pela regulação do
movimento.

Possíveis fatores causais

Infecções Traumatismo
Genética Aterosclerose
virais craniano
Doença de Parkinson
• Resulta da redução da dopamina na substância nigra;
• Desequilíbrio neurotransmissores excitatórios e
inibitórios – movimento voluntário

Sinais

Instabilidade
Tremor Rigidez Bradicinesia
postural
Doença de Parkinson
Outras características

Retenção
Sudorese Hipotensão
gástrica e
excessiva ortostática
urinária

Depressão Alucinações
Constipação Demência auditivas e
Delírio visuais

Expressão
Micrografia facial Disfonia
“máscara”
Doença de Parkinson

Diagnóstico
• História clínica + pelo menos dois sinais (tremor, bradcinesia,
rigidez e alteração postural)
• TC por emissão de pósitrons (PET) ou de fóton único (SPECT) têm
sido úteis para a compreensão da doença e os avanços no
tratamento

Tratamento
• Lovodopa
• Agentes anticolinérgicos, para o controle dos tremores e da rigidez
• Agonistas da dopamina - estágios iniciais da doença
Ano: 2010 Banca: FCC Órgão: TRF - 4ª REGIÃO Prova: Analista Judiciário -
Enfermagem
A doença de Parkinson está entre as doenças neurodegenerativas mais
comuns. Analise:
I. A rigidez muscular é caracterizada pela resistência ao movimento passivo.
II. A taquicinesia é a característica mais comum da doença de Parkinson, que
ocasiona a rapidez exacerbada dos movimentos ativos.
III. Níveis séricos elevados de dopamina estão associados à Doença de
Parkinson.
IV. A instabilidade postural e o tremor estão entre as manifestações clínicas
principais.

É correto o que consta em


I, II e III, apenas.
A) I, II, III e IV.
B) I e IV, apenas.
C) I e III, apenas.
D) I e II, apenas.
Saúde do Homem

Profa Ma Bruna Siqueira


PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE
AGOSTO DE 2009
• Visa promover a melhoria das condições de saúde
da população masculina brasileira, contribuindo, de
modo efetivo, para a redução da morbidade e da
mortalidade dessa população, por meio do
enfrentamento racional dos fatores de risco e
mediante a facilitação ao acesso, às ações e aos
serviços de assistência integral à saúde.
PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE
AGOSTO DE 2009
Princípios:
• I - universalidade e equidade;
• II - humanização e qualificação da atenção à saúde do
homem;
• III - corresponsabilidade quanto à saúde e à qualidade de
vida da população masculina, implicando articulação
com as diversas áreas do governo e com a sociedade; e
• IV -orientação à população masculina, aos familiares e à
comunidade sobre a promoção, a prevenção, a proteção,
o tratamento e a recuperação dos agravos e das
enfermidades do homem.
A Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (Brasil, 2009) tem como
diretriz promover ações de saúde que contribuam significativamente para a
compreensão da realidade singular masculina nos seus diversos contextos
socioculturais e político-econômicos, respeitando os diferentes níveis de
desenvolvimento e organização dos sistemas locais de saúde e tipos de gestão
de Estados e Municípios. Em relação a essa Política, considere as seguintes
afirmativas:

I. A Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem, instituída por meio da


Portaria GM/MS nº 1.944, de 27/08/2009, está direcionada à população
masculina com idade compreendida entre 20 e 65 anos.
II. A Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem deve considerar a
heterogeneidade das possibilidades de ser homem. As masculinidades são
construídas histórica e sócio culturalmente, como um processo em permanente
transformação.
III. A Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem tem como objetivo
geral promover a melhoria das condições de saúde da população masculina do
Brasil, contribuindo, de modo efetivo, para a redução da morbidade e
mortalidade através do enfrentamento racional dos fatores de risco e mediante a
facilitação ao acesso, às ações e aos serviços de assistência integral à saúde.
A Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (Brasil, 2009) tem como diretriz
promover ações de saúde que contribuam significativamente para a compreensão da
realidade singular masculina nos seus diversos contextos socioculturais e político-
econômicos, respeitando os diferentes níveis de desenvolvimento e organização dos
sistemas locais de saúde e tipos de gestão de Estados e Municípios. Em relação a essa
Política, considere as seguintes afirmativas:I

V. Uma das diretrizes da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem está
em entender a Saúde do Homem como um conjunto de ações de promoção,
prevenção, assistência e recuperação da saúde, executado nos diferentes níveis de
atenção.
V. Cabe aos municípios a responsabilidade de fomentar técnica e financeiramente a
implementação e acompanhar em seu território a implantação da Política Nacional
de Atenção Integral à Saúde do Homem;
Assinale a alternativa em que (todas) a(s) afirmativa(s) está(ão) INCORRETA(S):
a)Apenas I.
b)Apenas II, III.
c)Apenas III, IV
d)Apenas II, III, IV.
e)I, II, III, IV, V.
Câncer de próstata
• É o mais comum em homens (excluindo o câncer de
pele não melanoma)
• Os homens afro-americanos têm probabilidade duas
vezes maior de morrer por câncer de próstata
• Alta taxa de sobrevida – diagnóstico precoce

Idade Mutação
História familiar
(mais de 50a) BRCA1 e BRCA2

Androgênio Carne vermelha,


derivados do
estrogênio leite
Câncer de Próstata

Manifestações clínicas

Nódulo Endurecimento Disfunção


palpável extenso sexual
Câncer de Próstata

Estágio avançado

dificuldade e
Lesão dura e retenção
frequência da
fixa urinária
micção

sangue na
ejaculação
urina ou
dolorosa
sêmen
Câncer de próstata

Triagem

Toque retal PSA

O diagnóstico é confirmado pelo exame histológico do tecido


removido cirurgicamente
Câncer de próstata

Manejo clínico
• A prostatectomia radical é considerada o
tratamento de primeira linha para tumores
limitados à próstata;
• Consiste na remoção da próstata, glândulas
seminais, extremidades do ducto deferente e, com
frequência, tecido adiposo, nervos e vasos
sanguíneos adjacentes
• É comumente seguida de impotência sexual e
vários graus de incontinência urinária
Câncer de próstata

Outras terapias
• Terapia hormonal - privação androgênica
– castração cirúrgica ou clínica;
• Radioterapia (teleterapia/braquiterapia);
• Quimioterapia;
• Crioterapia;
Câncer de testículo
• É o mais comum em homens entre 15 e 35 anos de
idade e o segundo câncer mais comum em homens
de 35 a 39 anos;
• Altamente tratável, boa taxa de sobrevida (95-99%)

Fatores de risco

História
História
Criptorquidia pessoal de ca
familiar
testicular
Câncer de testículo

Seminoma
Evolução lenta
Germinativo
(90%)
Não seminoma
Câncer
Evolução rápida
Não
germinativo
Câncer de testículo
Manifestação clínica
• Massa ou nódulo no testículo;
• Aumento indolor do testículo;
• Sensação de peso na bolsa escrotal;
• Dor na região lombar, dor abdominal, perda de peso e fraqueza
- Metástase

Manejo clínico
• Orquiectomia do testículo afetado e a dissecção dos linfonodos
retroperitoneais
• Quimioterapia;
• Radioterapia
Ano: 2012 Banca: FCC Órgão: TRT - 6ª Região (PE)
Prova: Técnico Judiciário - Enfermagem

Na ginecomastia puberal ocorre aumento do tecido

a) glandular mamário no sexo masculino.


b) adiposo nas mamas no sexo feminino.
c) conjuntivo dos testículos.
d) muscular liso do útero.
e) conjuntivo e do colágeno dos ovários.
Ano: 2011 Banca: FCC Órgão: TRT - 24ª REGIÃO (MS)
Prova: Técnico Judiciário - Enfermagem

Em relação às ações para a prevenção do câncer de próstata,


compete ao técnico de enfermagem

a) coletar sangue para análise de PSA e orientar a importância


do toque retal.
b) encaminhar para litotripsia e avaliação de marcadores
tumorais CD 4+ e CPK.
c) coletar sangue para análise de ureia e esteatorreia.
d) posicionar o cliente e coletar fragmentos de tecido para
análise histopatológica da próstata.
e) proceder a braquiterapia para implantação secundária de
sementes radioativas.
Ano: 2010 Banca: FCC Órgão: TRF - 4ª REGIÃO Prova: Técnico Judiciário -
Enfermagem

Devido ao alto índice de câncer de próstata, é imperativa a


conscientização da população masculina para a detecção precoce da
doença por meio das seguintes ações:

I - orientar a importância da dosagem de PSA, realizado com uma


amostra de urina.
II - incentivar a realização do toque retal que garante a detecção de
todos os tipos de câncer de próstata.
III - encorajar a realização de biópsia da próstata, quando indicada, para
a análise histopatológica.
É correto o que consta em
a) III, apenas.
b) II, apenas.
c) I, apenas.
d) II e III, apenas.
e) I, II e III.