Você está na página 1de 6

ESTADO DE MATO GROSSO

SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO, ESPORTE E LAZER – SEDUC


ESCOLA ESTADUAL NOSSA SENHORA DA GLÓRIA

PROJETO PARA SALA MULTIFUNCIONAL

Proponente: Professora Noeli Helena Freese

SINOP-MT
2017
APRESENTAÇÃO

Escola Estadual Nossa Senhora da Glória


Endereço: BR 163 Km 811
Telefone: (66) 3515-0646
Diretora: Edna Andrade Bezerra
Coordenadoras: Ilza Nunes Polini e Rita de Cácia Texeira

INTRODUÇÃO/JUSTIFICATIVA

Pensar o processo de ensinar nos remete a entender como os estudantes


aprendem e, para isso é necessário identificar o que diz as Orientações Curriculares
para a Educação Básica do estado de Mato Grosso a Educação especial tem por
finalidade garantir o atendimento educacional especializado às pessoas com
necessidades educacionais especiais, definida como uma modalidade que se
responsabiliza pela sistematização de uma proposta pedagógica que assegure
recursos e serviços especializados, organizados para apoiar, suplementar, e em
alguns casos substituir os serviços educacionais comuns, de modo a garantir a
educação escolar e promover o desenvolvimento das potencialidades dos
educandos que apresentam necessidades educacionais especiais em todos os
níveis e modalidades da Educação Básica.

Tendo em vista os novos paradigmas inclusivo/integradores, o atendimento


na sala de recurso multifuncional caracteriza-se por ser uma ação do sistema de
ensino no sentido de acolher a diversidade ao longo do processo educativo,
constituindo-se num serviço disponibilizado pela escola para oferecer o suporte
necessário às necessidades educacionais especiais dos alunos, favorecendo seu
acesso ao conhecimento.

Nesse sentido, o atendimento educacional especializado não pode ser


confundido com atividades de mera repetição de conteúdos Programáticos
desenvolvidos na sala de aula, mas deve constituir um conjunto de procedimentos
específicos mediadores do processo de apropriação e produção de conhecimentos,
contribuindo para a aprendizagem dos conteúdos na sala comum e, utilizando-se
ainda de metodologias e estratégias diferenciadas. Cabe à escola, portanto,
despertar uma nova prática pedagógica, aceitando e respeitando as diferenças,
buscando a transformação para uma Escola Inclusiva, que respeite a diversidade
humana.

OBJETIVO GERAL

Apoiar os professores que tem na sala comum estudantes com necessidades


educativas especiais, bem como atender esses alunos na sala de recurso
multifuncional para aprimorar o seu processo de ensino aprendizagem, desafiando-
os a empreenderem o planejamento de suas atividades.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

 Auxiliar os professores em busca de alternativas para realizar um bom


trabalho com os alunos com NEE.
 Atender individualmente os alunos com NEE para melhorar o seu
desempenho em sala de aula.
 Identificar as potencialidades de cada aluno.
 Realizar trabalho coletivo com todo grupo escolar para que se efetive a
inclusão.
 Produzir recursos pedagógicos considerando as necessidades específicas
dos alunos.
 Construir materiais pedagógicos adaptados às necessidades específicas de
cada aluno.
 Reconhecer e respeitar as características específicas de cada aluno em sua
singularidade e deficiência de modo a auxiliá-lo na superação ou minimização
da mesma.
 Sensibilizar os pais para que reconheçam o potencial de seus filhos e assim
se comprometam com o acompanhamento dos mesmos.

METODOLOGIA

A metodologia de trabalho terá como base os relatórios psicoeducacionais e


as indicações dos procedimentos de intervenções pedagógicas. Para atender a
realização do trabalho serão adotadas metodologias e concepções pedagógicas
diversificadas conforme a necessidade do aluno, visando aprimorar, ampliar seus
conhecimentos e sempre que possível, superar suas limitações.

Para isso, solicitar-se-à quando necessário a realização de exames


neurológicos e participação da família no desenvolvimento do processo educativo
dos alunos. Ainda, a elaboração e/ou de materiais pedagógicos e didáticos diversos,
e/ou específicos para a utilização no processo ensino aprendizagem, visando
possibilitar a construção do conhecimento e o desenvolvimento da coordenação
motora dos aspectos cognitivos, da concentração, a percepção bem como dos
aspectos sensoriais como um todo.

Para tal, serão utilizadas atividades individuais, coletivas, planejar em


consonância com o professor da sala comum orais e escritas, com o uso de
vocabulário, coordenação e ordem textual ,observando: fluência, concordância
verbal, percepção, raciocínio logico e matemático, organização espacial, associação
de quantidades, a memória e os aspectos criativos sempre considerando o grau de
desenvolvimento em que o aluno se encontra, analisando os avanços,
aprendizagem e os desafios educacionais a serem superados, priorizando sempre a
utilização de material pedagógico concreto.

PÚBLICO ALVO

Alunos que apresentam necessidades educacionais especiais, pertencentes à


Escola Estadual Nossa Senhora da Glória.

SUGESTÕES DE MATERIAIS E RECURSOS

Entre a grande variedade de materiais e recursos pedagógicos que podem


ser utilizados para o trabalho na sala de recursos multifuncionais, destacam-se:

 jogos pedagógicos que valorizam os aspectos lúdicos, a criatividade e


o desenvolvimento de estratégias de lógica e pensamento. Os jogos e
materiais pedagógicos podem ser confeccionados pelos professores da
sala de recursos e devem obedecer a critérios de tamanho, espessura,
peso e cor, de acordo com a habilidade motora e sensorial do aluno.
São muito úteis as sucatas, folhas coloridas, fotos e gravuras, ímãs,
etc.
 jogos pedagógicos adaptados para atender às necessidades
educacionais especiais dos alunos, como aqueles confeccionados com
simbologia gráfica, utilizada nas pranchas de comunicação
correspondentes à atividade proposta pelo professor, ou ainda aqueles
que têm peças grandes, de fácil manejo, que contemplam vários temas
e desafios para escrita, cálculo, ciências, geografia, história e outros.
 livros didáticos e paradidáticos impressos em letra ampliada, digitais
em Libras, com simbologia gráfica e pranchas de comunicação
temáticas correspondentes à atividade proposta pelo professor; livros
de histórias virtuais, livros falados, livros de histórias adaptados,
dicionário.
 recursos específicos como guia de assinatura, material para desenho
adaptado, lupa manual, calculadora sonora, caderno de pauta
ampliada, caneta ponta porosa, engrossadores de lápis e pincéis,
suporte para livro (plano inclinado), tesoura adaptada, softwares,
brinquedos e miniaturas para o desenvolvimento da linguagem,
reconhecimento de formas e atividades de vida diária, e outros
materiais relativos ao desenvolvimento do processo educacional.

CRONOGRAMA

O cronograma de atendimento será elaborado pelo professor da Sala


Multifuncional, junto com o professor da classe comum e equipe pedagógica da
escola, em consonância com a indicação dos procedimentos de intervenção
pedagógica que constam no relatório da avaliação psicoeducacional realizada no
contexto escolar no ano de 2017. Conforme tabela a ser construída a partir da
demanda dos alunos.
AVALIAÇÃO

O processo avaliativo se dará através de registro individual diário e contínuo


no qual serão descritos os avanços acadêmicos obtidos no período, bem como
outras situações eventuais envolvendo o educando, como dizia Piaget, nascemos
para aprender. Todo ser humano é dotado de um potencial de aprendizagem, ou
seja, de adaptação e de organização em níveis racional, emocional e psíquico. O ato
de aprender é um processo de transformação, de preencher uma função de
crescimento e desenvolvimento.

REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALVES, Denise de Oliveira. Sala de Recursos Multifuncionais: espaços para


atendimento educacional especializado. Ministério da Educação, Secretaria de
Educação Especial. Brasília, 2006.

CARVALHO, Rosita Edler. Educação inclusiva: com os pingos nos “is”. Porto
Alegre: Mediação, 2004.

FILHO, Teófilo Alves Galvão; DAMASCENO, Lucian Lopes. Tecnologias


Assistivas para autonomia do aluno com necessidades educacionais
especiais. Inclusão: Revista da Educação Especial, Brasília, v.1, p. 25-32,
ago/2006.

MATO GROSSO, Secretaria de Estado de Educação. Escola ciclada de Mato


Grosso: novos tempos e espaços para ensinar-aprender: a sentir, ser e fazer.
Cuiabá. Seduc. 2001.

___________. Secretaria de Estado de Educação. Orientações Curriculares:


concepções para a Educação Básica. Secretaria de Estado de Educação de Mato
Grosso. Cuiabá: Print, 2012.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. BRASIL. Diferentes Diferenças: Educação de


qualidade para todos. São Paulo: Editora Publisher Brasil, 2006.

MORIN, Edgar. Os Sete Saberes necessários à Educação do Futuro. 6° ed. São


Paulo: Cortez: Brasília, DF: UNESCO, 2002.

PERRENOUD, Philippe. Pedagogia Diferenciada: Das intenções à ação. Porto


Alegre. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

SASSAKI, Romeu Kazumi. Inclusão: Construindo uma sociedade para todos.


Rio de Janeiro: WVA, 1997.