Você está na página 1de 20

Crase

1 Regra única
A crase, indicada pelo uso do acento grave (`), é a fusão da preposição
a com outra letra a, que pode ser um artigo feminino, pronome
demonstrativo, a letra inicial de aquele e variações ou ainda o a do
pronome relativo a qual.
Embora se tente memorizar a maior quantidade possível de regras de
crase, trata-se de uma só regra: preposição a e um segundo a que
normalmente é artigo definido feminino. De tal sorte, só se registrará
o acento indicativo de crase se houve a fusão de duas vogais a.
Isso implica afirmar que, na prática, o que se deve fazer é verificar a
existência dos dois elementos formadores da crase. Se, por exemplo,
não houver a preposição a, é impossível a ocorrência de crase. Vejam-
se as seguintes frase.
O corregedor visitará as unidades administrativas na próxima semana.
Conhecendo as agruras da profissão, ele se resignou.
O Supremo Tribunal Federal julgou a lei inconstitucional.

Nos exemplos apresentados, é natural que não se registre o acento


grave por uma razão simples: os verbos visitar, conhecer e julgar não
são seguidos da preposição a, que é o pressuposto para se pensar em
ocorrência de crase.
Também não há de se cogitar ocorrência de crase se já tiver sido
utilizada outra preposição no contexto - a preposição a normalmente
não se combina com outras preposições.
Ante a impossibilidade de acordo, o processo de separação foi litigioso.
O servidor só deixava o posto de trabalho após as 18 horas.
Desde as 5 horas, o ritmo intenso de trabalho era imposto a todos.

Nos exemplos, é impossível se pensar em crase, visto que a presença


das preposições ante, após e desde impede a utilização da preposição
a.
Isso implica afirmar que o uso do acento grave pressupõe a verificação
da presença dos dois pressupostos da crase. De tal forma, a seguir,
apresentam-se dois métodos para tal conferência.

Tome nota!
Como se vê, a simples presença de preposição diversa da
preposição a inviabiliza a ocorrência de crase. Assim, convém que
sempre se tenha à mente as preposições essenciais: a, ante, após, até,
com, contra, de, desde, em, entre, para, per, perante, por, sem, sob,
sobre, trás.
2 Método prático
A crase é um fenômeno eminentemente feminino, dado que implica
normalmente a presença da preposição a e um artigo definido feminino
logo em seguida.
O método prático se baseia na substituição da palavra feminina (antes
da qual se tem dúvida acerca da ocorrência de crase) por uma palavra
masculina de sentido aproximado. A preposição a é invariável e não
sofrerá alteração alguma; já o artigo assume a forma masculina o.
Desse modo, a crase (à) equivale à forma ao, no masculino.
O atendimento a demanda não é possível neste momento.
(Ocorre crase?)
O atendimento ao pedido não é possível neste momento.
O atendimento à demanda não é possível neste momento.
(Com crase no feminino.)

A lei garante o acesso do fiscal as instalações internas da empresa.


(Ocorre crase?)
A lei garante o acesso do fiscal aos ambientes internos da empresa.
A lei garante o acesso do fiscal às instalações internas da
empresa. (Com crase no feminino.)

Quanto a não regulamentação do artigo, ... (Ocorre crase?)


Quanto ao não conhecimento, ... / Quanto ao não regulamento, ...
Quanto à não regulamentação do artigo, … (Com crase no feminino.)

Em vista do exposto, utilize o método prático para verificar a ocorrência


de crase nas frases seguintes.
1. A exposição das gestantes a poluição pode afetar a saúde do bebê.
2. Não se verifica, desse modo, afronta a previsão do regulamento
nem as garantias constitucionais.
3. É garantido a testemunha, em tal caso, a possibilidade de não revelar
sua identidade as pessoas que integram a comissão.
Confira suas respostas
1. A exposição das gestantes à poluição pode afetar a saúde do bebê.
1. A exposição das gestantes ao produto pode afetar o bem-estar do
bebê.

2. Não se verifica, desse modo, afronta à previsão do regulamento


nem às garantias constitucionais.
2. Não se verifica, desse modo, afronta ao previsto no regulamento
nem aos princípios constitucionais.

3. É garantido à testemunha, em tal caso, a possibilidade de não revelar


sua identidade às pessoas que integram a comissão.
3. É garantido ao voluntário, em tal caso, o direito de não revelar sua
identidade aos indivíduos que integram o grupo.

Tome nota!
Embora o emprego desse recurso seja bastante difundido, convém
ressaltar que - como ocorre com todo método prático - trata-se de uma
simplificação do fenômeno real da crase, de sorte que pode haver
situações em que o procedimento falhe.
Em vista disso, apresenta-se, a seguir, metodologia analítica, a qual é
mais fiel ao processo de formação da crase.
3 Método analítico - Preposição A
O método analítico, conforme o nome sugere, consiste em analisar a
estrutura da frase em busca dos elementos formadores da crase.
COMO IDENTIFICAR A PRESENÇA DA PREPOSIÇÃO A
A preposição é fruto da regência do termo que normalmente antecede
a ocorrência da crase. Quando tal termo regente é um verbo, não se
tem costumeiramente grande dificuldade para se reconhecer a
exigência da preposição. Porém, ao se tratar de um nome, pode haver
dúvidas.
Desse modo, sugere-se que se substitua a estrutura presente após o
suposto termo regente pelo pronome ISSO ou pelo pronome ESSE
acompanhado de um substantivo. Como tais pronomes nunca são
antecedidos por artigo feminino, se ali figurar um A, certamente será
uma preposição.
Veja os exemplos.
Quanto a não regulamentação do artigo,... (Há preposição após
"Quanto"?)
Quanto A isso... / Quanto A esse caso… (A regência da palavra
“Quanto” de fato exige a preposição “a”. Se houver artigo definido
feminino, haverá crase.)

Trata-se de atitude inadequada a filha de qualquer um. (Há preposição


após "inadequada"?)
Trata-se de atitude inadequada A esse rapaz. (A regência da palavra
“inadequada” de fato exige a preposição “a”. Se houver artigo definido
feminino, haverá crase.)

Nas frases seguintes, parta do pressuposto de que há sempre artigo


definido feminino antes da palavra "questão". Assim, verifique a
ocorrência de preposição e, consequentemente, a ocorrência de crase.
1. Relativamente a questão, nada se disse.
2. Referiram-se a questão.
3. Sou favorável a questão.
4. Quanto a questão, nada se disse.
5. Não se abordou a questão durante a reunião.
6. Trouxeram novo enfoque a questão.
7. A questão não se deu importância.

Confira suas respostas


1. Relativamente A isso. ("Relativamente" exige a preposição A; logo, é
possível crase.)
1. Relativamente à questão, nada se disse.

2. Referiram-se A isso. ("Referiram-se" exige a preposição A; logo, é


possível crase.)
2. Referiram-se à questão.

3. Sou favorável A isso. (O termo "favorável" exige a preposição A; logo,


é possível crase.)
3. Sou favorável à questão.

4. Quanto A isso. ("Quanto" exige a preposição A; logo, é possível


crase.)
4. Quanto à questão, nada se disse.

5. Não se abordou isso. Não se abordou esse assunto. (A forma verbal


"abordou" não rege a preposição; logo, é impossível crase.)
5. Não se abordou a questão durante a reunião.

6. Trouxeram novo enfoque A isso. (O verbo trazer, no contexto,


apresenta dois complementos, um deles com a preposição A; logo, é
possível crase.)
6. Trouxeram novo enfoque à questão.

7. A isso não se deu importância. (O verbo dar, no contexto, apresenta


dois complementos, um deles com a preposição A; logo, é possível
crase.)
7. À questão não se deu importância.
4 Método analítico - Artigo definido feminino
Identificada a presença da preposição A, pode-se pensar em crase.
Mas, antes, é necessário verificar também a existência de artigo
definido feminino.
COMO IDENTIFICAR A PRESENÇA DO ARTIGO DEFINIDO FEMININO
O artigo definido feminino, costumeiramente segundo elemento
constitutivo da crase, normalmente antecede substantivos femininos,
havendo também vários pronomes e numerais femininos que também
o aceitam antes de si.
Contudo, há de se ressaltar que o fato de um vocábulo ser feminino não
garante a anteposição de artigo definido feminino. Por isso, é
fundamental a conferência da presença de artigo A ou AS antes dos
termos femininos para a formação da crase.
Uma forma simples de verificar a presença de tal elemento é iniciar uma
frase com o termo feminino pertinente; se tal palavra aceitar artigo
definido feminino antes de si, ele prontamente se mostrará no início da
construção.
Para que não se necessite elaborar frases diversas a todo momento,
sugere-se utilizar esta: ___________ é importante. Nela, deve-se
substituir o sublinhado pela palavra feminina.
Veja os exemplos.
Quanto a não regulamentação do artigo,... (Há artigo definido feminino
antes de "não regulamentação"?)
A não regulamentação do artigo é importante. (Existe artigo definido
feminino. Assim, visto que a regência da palavra “Quanto” exige a
preposição “a”, ocorre crase.)
Quanto à não regulamentação do artigo,...

Trata-se de atitude inadequada a filha de qualquer um. (Há artigo


definido feminino antes de "filha"?)
A filha de qualquer um é importante. (Existe artigo definido feminino.
Assim, visto que regência da palavra “inadequada” exige a preposição
“a”, ocorre crase.)
Trata-se de atitude inadequada à filha de qualquer um.
Nas frases seguintes, verifique que se utilizou sempre verbo referir-se,
que exige a preposição A. Assim, verifique a existência de artigo
definido feminino e, consequentemente, a ocorrência de crase.
1. Referiram-se a mesma mulher.
2. Referiram-se a esta mulher.
3. Referiram-se a própria mulher.
4. Referiram-se a uma garotinha órfã.
5. Referiram-se a Vossa Excelência.
6. Referiram-se a Senhora.
7. Referiram-se a falar sem parar.
8. Referiram-se a ela.
Confira suas respostas
1. A mesma mulher é importante. (Existe artigo definido feminino.
Assim, em vista da presença da preposição A após "Referiram-se",
ocorre crase.)
1. Referiram-se à mesma mulher.

2. Esta mulher é importante. (Não existe artigo definido feminino. Assim,


apesar da presença da preposição A após "Referiram-se", não ocorre
crase.)
2. Referiram-se a esta mulher.

3. A própria mulher é importante. (Existe artigo definido feminino.


Assim, em vista da presença da preposição A após "Referiram-se",
ocorre crase.)
3. Referiram-se à própria mulher.

4. Uma garotinha órfã é importante. (Não existe artigo definido feminino.


Assim, apesar da presença da preposição A após "Referiram-se", não
ocorre crase.)
4. Referiram-se a uma garotinha órfã.

5. Vossa Excelência é importante. (Não existe artigo definido feminino


antes de pronomes de tratamento iniciado por Vossa ou Sua. Assim,
apesar da presença da preposição A após "Referiram-se", não ocorre
crase.)
5. Referiram-se a Vossa Excelência.

6. A Senhora é importante. (Existe artigo definido feminino. Assim, em


vista da presença da preposição A após "Referiram-se", ocorre crase.)
6. Referiram-se à Senhora.

7. Falar sem parar é importante. (Não é possível existir artigo definido


feminino antes de verbos. Assim, apesar da presença da preposição A
após "Referiram-se", não ocorre crase.)
7. Referiram-se a falar sem parar.

8. Ela é importante. (Não existe artigo definido feminino. Assim, apesar


da presença da preposição A após "Referiram-se", não ocorre crase.)
8. Referiram-se a ela.
Tome nota!
Conforme comentado, o método prático, em algumas situações, pode
não funcionar. Na maioria das vezes, tal falha ocorre por ausência do
artigo feminino na estrutura.
De tal forma, pode-se utilizar o procedimento prático combinado com a
conferência da presença do artigo definido feminino. Isso diminui muito
a incidência de erro no registro do acento grave para quem optar pela
metodologia prática.
5 Casos de crase fixa
Há situações em que a crase é fixa, por fazer parte da estrutura em que
se insere. Isso ocorre nas situações seguintes.
Locuções femininas
Locuções femininas – conjuntivas, prepositivas e adverbiais – nascem
com crase na língua portuguesa. Isso implica afirmar que não se trata
de analisar a estrutura, uma vez que a crase não é formada na
construção da frase, e sim de identificar tais locuções.
As locuções conjuntivas femininas apresentam esta estrutura: à +
substantivo feminino + que.
À medida que o tempo passava, ficávamos mais angustiados.
A qualidade da prestação de serviço aumenta à proporção que se
implementam as mudanças gerenciais.

As locuções prepositivas femininas apresentam esta estrutura: à +


substantivo feminino + de.
Fiquei à espera de ajuda durante horas.
Era uma mulher à frente de seu tempo.
Permaneça à direita da faixa.
Estou à disposição de todos.

As locuções adverbiais femininas apresentam esta estrutura: à +


substantivo feminino ou às + substantivo feminino plural.
Como dispunha de dinheiro, comprei tudo à vista.
Às vezes, à noite, ele sai à surdina, às escondidas.

Tome nota!
A locução a distância só será antecedida por crase quando
determinada.
Eles permaneciam a distância.
Eles permaneciam à distância de cem metros.
À moda de
A expressão à moda de determina a forma com que se faz algo,
implicando o emprego de crase fixa, mesmo que o termo não se
apresente expresso na frase. Além disso, vale ressaltar que tal locução
associa-se à indicação do lugar em que se desenvolveu a moda ou
maneira, ou ainda à indicação da pessoa que criou a moda ou a
maneira.
Comeu-se arroz à grega. (Arroz à moda da Grécia.)
Usava cabelos à Carlinhos Brown. (Cabelos à moda de Carlinhos
Brown.)

Horas determinadas
Na indicação de números de horas determinadas, também ocorre
registro de crase fixa.
O trem chegará à uma hora.
Sairemos às 21h.

Tome nota!
Não ocorrerá crase em situações nas quais o horário indicado já vem
antecedido de outra preposição e em certos casos de paralelismo.
Ele saía após as 19 horas.
Ele trabalha desde as 5h sem parar.
A reunião foi marcada para as 14h30.
Ele trabalhava das 13h às 19h.
Ele trabalhava de 13h a 19h.

O mesmo raciocínio pertinente ao paralelismo das horas se aplica a


outras situações em que se têm duas estruturas que trazem indicações
de mesma natureza.
Os alunos da 1.ª à 3.ª série participarão da gincana.
Atendimento de segunda a sexta-feira.
Do domingo à quarta-feira da próxima semana, haverá...
Tome nota!
Apesar de os gramáticos apresentarem as três situações como
ocorrências apartadas, a expressão "à moda de" é uma locução
prepositiva feminina, e as indicações de horas determinadas são
locuções adverbiais femininas. Em outras palavras, a primeira
ocorrência abarca as outras duas.
Ainda assim, mantêm-se aqui as situações separadas, em vista do fato
de "à moda de" normalmente ficar subentendida e de haver situações
de exceção para as indicações de horas.
6 Casos de crase facultativa
A crase será considerada facultativa quando um dos seus elementos
for facultativo. Isso ocorrerá normalmente em três situações: antes de
possessivos femininos, após a palavra até e antes de nomes de
mulheres.
Pronomes possessivos adjetivos femininos
Pronomes possessivos adjetivos são aqueles que acompanham
nomes. Caso tais pronomes substituam um nome, são denominados
pronomes possessivos substantivos.
Preocupe-se com a sua vida, não com a minha.

No exemplo, "sua" é pronome possessivo adjetivo, pois acompanha o


nome "vida"; já "minha" é pronome possessivo substantivo, uma vez
que substitui a referência ao nome "vida", que fica subjacente à
estrutura.

Antes de pronomes possessivos adjetivos, o uso do artigo definido é


indiferente.
Suas atitudes não são condizentes com suas palavras.
As suas atitudes não são condizentes com as suas palavras.

Assim, no caso de haver a preposição A antes de um pronome


possessivo adjetivo feminino, como o artigo feminino é facultativo, a
crase também o será.

Veja os exemplos a seguir. (Neles, apresentam-se também estruturas


correspondentes no masculino para que se visualize mais claramente
a presença facultativa do artigo.)
Refiro-me a sua irmã. (Refiro-me a seu irmão.)
Refiro-me à sua irmã. (Refiro-me ao seu irmão.)

Tome nota!
Tratando-se de pronomes possessivos substantivos, o artigo não pode
ser dispensado. Assim, se houver preposição A anterior, a ocorrência
de crase se impõe.
A sua vida lhe oferece oportunidades que não são pertinentes à minha.
(O seu estilo de vida lhe oferece oportunidades que não são
pertinentes ao meu.)
Observe-se que não seria possível, no masculino, utilizar
"oportunidades que não são pertinentes A meu".

Até
A palavra até é objeto de discussão entre os estudiosos da Língua. Para
alguns, trata-se de uma preposição; para outros, tem valor adverbial,
sobretudo nas indicações de limite temporal e espacial.
Se for considerada preposição, até não pode combinar-se com a
preposição A, e tal fato impediria a formação de crase. Por outro lado,
se for considerada advérbio, aceita ser seguida da preposição A.
Essa oscilação de percepção explica a faculdade de emprego da crase
com tal palavra.
Veja os exemplos a seguir. (Neles, apresentam-se também estruturas
correspondentes no masculino para que se visualize mais claramente
a presença facultativa da preposição A.)
Ele foi até a janela. (Ele foi até o portão.)
Ele foi até à janela. (Ele foi até ao portão.)

Pedro trabalhava até as 20 horas. (Pedro trabalhava até o meio-dia.)


Pedro trabalhava até às 20 horas. (Pedro trabalhava até ao meio-dia.)

Tome nota!
Nos exemplos apresentados, pode-se facultativamente utilizar o acento
grave em vista da possibilidade de uso da preposição oferecida pela
forma verbal "foi" e pela locução adverbial feminina para indicação de
tempo. Naturalmente, em estruturas em que não houver termo regente
que exija a preposição A, é impossível ocorrência de crase.
Ele vendeu até a geladeira. (Ele vendeu até o sofá.)
Até a diretora veio! (Até o diretor veio!)
Nomes femininos de pessoas
Semelhantemente aos pronomes possessivos, nomes de femininos de
pessoas também podem ser facultativamente antecedidos de artigo
definido feminino.
Assim, no caso de haver a preposição A antes de um nome de mulher,
como o artigo feminino é facultativo, a crase também o será.
Veja os exemplos a seguir. (Neles, apresentam-se também estruturas
correspondentes no masculino para que se visualize mais claramente
a presença facultativa do artigo.)
Fizeram alusão a Cristina. (Fizeram alusão a Pedro.)
Fizeram alusão à Cristina. (Fizeram alusão ao Pedro.)

Tome nota!
1. Naturalmente, em estruturas em que não houver termo regente que
exija a preposição A, é impossível ocorrência de crase, embora o uso
do artigo feminino permaneça facultativo.
Encontrei a Cristina no mercado. (Encontrei o Pedro no mercado.)
Encontrei Cristina no mercado. (Encontrei Pedro no mercado.)

2. Embora não gere efetivamente alteração de sentido, o uso do artigo


antes de nomes de pessoas denota intimidade. Em vista disso,
costuma-se omitir o artigo antes de nomes de pessoas famosas ou
personalidades públicas.
Em entrevista ao vivo, Gilmar Mendes, ministro do Supremo Tribunal
Federal, afirmou...
7 Casos particulares
Normalmente a crase é resultado da fusão da preposição A com o artigo
definido feminino A ou AS. Mas há situações em que o segundo
elemento da fusão tem origem pronominal. Nesta seção, serão vistos
tais casos.
Pronomes demonstrativos aquele(s), aquela(s) e aquilo
Ocorre crase com os demonstrativos aquele(s), aquela(s), aquilo nas
situações em que o termo regente exige a preposição A.
Falamos agora àqueles que imaginam que o trabalho por nós realizado
é simples.
Aspiro àquilo tudo que se viu.
Fizeram alusão àquelas pessoas que costumam ser pessimistas.

Tome nota!
Um recurso prático que pode ser utilizado para o caso é a substituição
do pronome aquele e variações por este (ou esse) e variações. Caso a
estrutura modifique-se para A este (A esse) ou variações, haverá
crase e, consequentemente, o acento grave.
Entreguei aquele garoto aqueles livros ontem, aquela hora da noite.
(Ocorre crase?)
Entreguei A este garoto estes livros ontem, A esta hora da noite.
Entreguei àquele garoto aqueles livros ontem, àquela hora da noite.

Veja com os exemplos anteriores.


Falamos agora A esses que imaginam...
Aspiro A isso tudo...
Fizeram alusão A essas pessoas...

Pronomes demonstrativos a e as
O artigo definido feminino A antecede substantivo expresso. Se este
último fica implícito, o A ou AS passam a ter valor de AQUELA ou
AQUELAS, ou seja, passam a atuar como pronomes demonstrativos.
A garota de preto é minha prima. A de branco eu não conheço. (Aquela
de branco eu não conheço.)
Nesse contexto, haverá crase com os pronomes demonstrativos a (=
aquela) e as (= aquelas) nas situações em que o termo regente exigir a
preposição A.
A sugestão anterior à que você deu era melhor.
Minha opinião é igual à de todos.

Tome nota!
O método prático também é recurso válido para a verificação da
ocorrência de crase com os demonstrativos a e as.
O palpite anterior ao que você deu era melhor.
Meu palpite é igual ao de todos.

Pronomes relativos a qual e as quais


Ocorre crase com os pronomes relativos a qual e as quais nas
situações em que o termo regente exige a preposição A.
Cabe ressaltar ainda que os pronomes relativos sempre iniciam as
orações nas quais se encontram seus termos regentes; por isso, a
preposição será, em regra, exigida por um termo que se encontra após
o pronome.
Nos exemplos, destaca-se o termo regente de cada pronome relativo.
Fica lá a casa à qual me referi.
As irregularidades às quais o procurador fez alusão já foram sanadas.
As cláusulas às quais se aplica a lei devem ser revogadas.

Tome nota!
O método prático é recurso válido para a verificação da ocorrência de
crase com a qual e as quais.
Fica lá o lugar ao qual me referi.
Os problemas aos quais o procurador fez alusão já foram sanada.
Os artigos aos quais se aplicam a lei devem ser revogadas.
8 Particularidades semânticas do emprego da crase
Conforme já comentado, a crase normalmente é resultado da fusão da
preposição A e o artigo definido feminino A ou AS.

Ocorre que o uso do artigo definido normalmente gera um efeito


semântico que determina à construção sentido contextualmente
específico, e a ausência de tal vocábulo em sua anteposição típica com
relação ao substantivo produz a este alteração generalizante do
sentido.

Observe as frases seguintes.


1. Nossos produtos atendem às determinações internacionais.
2. O procurador fez menção às várias testemunhas do processo.

Naturalmente a ocorrência de crase demonstra ali a presença da


preposição A e do artigo definido femininos AS. Contudo, tais frases
poderiam ser reescritas de outra maneira.
3. Nossos produtos atendem a determinações internacionais.
4. O procurador fez menção a várias testemunhas do processo.

As quatro construções apresentam-se gramaticalmente corretas;


contudo, nas frases 1 e 2, a presença do artigo definido feminino no
plural denota sentido de totalidade. Trata-se, em 1, de todas as
determinações internacionais e, em 2, de todas as testemunhas do
processo.

Já nas frases 3 e 4, em vista da ausência do artigo definido feminino,


perde-se a noção de totalidade e passa-se à percepção indefinida de
algumas determinações, em 3, e de algumas testemunhas, em 4.

Embora não seja tão nítido quanto com estruturas no plural, fenômeno
semelhante também pode ocorrer com o uso da crase no singular.
5. Todos no combate à fome.
6. Todos no combate a fome.
A presença da crase - e também do artigo definido feminino - na frase
5 traz para a palavra fome sua definição típica: carência alimentar. Já
na frase 6, a ausência da crase denuncia a ausência do artigo. Sem
artigo definido, sem definição: o sentido torna-se aberto, vago - trata-se
de fome qualquer (fome de alimentos, de direitos, de justiça, de
educação...).

Por fim, cabe ressaltar que não se trata de situação de crase facultativa,
pois ocorre variação de sentido. O que se tem são duas possibilidades
de construção igualmente corretas, e a opção por uma ou por outra
dependerá da intenção do redator da frase, conforme queira denotar
sentido definido ou indefinido.