Você está na página 1de 15

See discussions, stats, and author profiles for this publication at: https://www.researchgate.

net/publication/310113558

Entre subintegração e sobreintegração: a cidadania inexistente

Article  in  Dados · January 1994

CITATIONS READS

17 216

1 author:

Marcelo Neves
University of Brasília
51 PUBLICATIONS   185 CITATIONS   

SEE PROFILE

All content following this page was uploaded by Marcelo Neves on 14 November 2016.

The user has requested enhancement of the downloaded file.


iee-.~.____W
fi ~
9-'-

F!
‹; '_(

.-3

ii' -|-¡IR!

Revista de Ciências Sociais

i
I 1994 I volume 37
l
ai
l
Neste número:
Ciência, Socialismo e Dçmocracia
'
.vf
--- -¬--›‹-¬-›w_i_|¡l:If..i"?líii¿fl

`~;f;f f ez _» A __,__ ___


Vai. 37, as 2, 1994 l

ISSN ooii-5253

fy nevisia DE ciâõícias sociais


I (ISSN 0011-E258) e uma publicacãoquadrimestral do Instituto Uni- ll ~P533
` -
É É3
dê riânriar É~\~'¬l›
-‹- un \.~~n\.nM- ¿\\._,¡.'
l
1 1

l versitário de Pesquisas do Rio de janeiro - Iuperj, órgão de estudos


e pesquisas em Ciências šâociais da Sociedade Brasileira de instrução

i_
_._íx-_._í-iai

.í __! -S81, fundada em 1902, mantenedora, também, da Escola Técnica de


Comércio Candido Mendes, da .Faculdade de Ciências Políticas e Eco-
nomicas do Rio de laneiro e da Faculdade de Direito Candido Mendes. › 'En
lgfzzfzzz _f_

A Legitimaçao da Ciência na Fronteira


Diretor Diretora de Publicações do lupeij Hugo Lovisolo 151
Candido Mendes Eli Diniz
Í O

Conceitos Fora do Lugar: Uma Critica Epistemológica


Editor A
Charles Pessanha das.Principais Teorias Ocidentais sobre os Estados
Socialistas do Leste
Secretaria de Redação Luis Fernandes 179
Beth Cobra, Tema Pechman

Secretária
O Conceito de “Revolução Permanente": Trotsky e o
Cláudia Boccia Elo Micro!Macro
Carlos Eduardo Rebello de Mendonça 221
CONSELHO DE REDAÇÃO '_
Charles Pessanha, Marcus Figueiredo e Ricardo Benzaqiien de Arau1o Entre Subintegração e Sobreiiitegraçãoz CCCCCCCC E J CEE: E
CONSELHO EDITORIAL A Cidadania inexistente
Marcelo Neves 253
Amaury de Souza, Antonio Octávio Cintra, Aspásia Alcântara de Camargo, Bolívar Laniounier, Candido Men-
des, Carlos Estevam Martins, Celso Lafer, Eduardo Diatay B. de Menezes, Fábio lilaiiderley Reis, Femarido Reformas Econômicas e Democracia no Brasil dos Anos 90:
Henrique Cardoso, Francisco Weffort, Guilleniio O'Donnell, Hélgio Trindade, Maria do Carmo Campello de
Souza, Mario Brodmann Machado, Otáiio Guilherme Velho, Roberto DaMatta, Roque de Barros Laraia, Ruth As Câmaras Setoriais como Fórum de Negociação
Correa Leite Cardoso, Simon Schwartzman, Vilmar Faria, Wanderley Guilherme dos Santos. Eli Diniz 277
Os conceitos emitidos em artigos assinados são de absoluta e exclusiva responsabilidade de seus autores. Lobbying, Troca e Definição de Interesses -
Reflexões sobre o Caso Americano
itizoiiciior assiuaruius Gigi Graziano 317
DADOS - Revista de Ciências Sociais
Rua da Matriz, ii? 82 Contents 341
Cep.: 22260-100 - Botafogo
Rio de Ianeiro, Brasil
Tel.: (021) 2869996 Sommaiie E EE E E EE E 7 7 E E C E C C C E E C C E E E 343
Pax; (021) 2859146
Cx. Postal 9091

Programa de Apoio a Publicacões Científicas


O
MCT Qcueq m FiNEP
DADOS - Revista de CĐnoas 5oci'ai`s, Rio de Janeiro, libl. 37, ii? 2, 1994, pp. 157 a 343.
ABSTRACT Entre Subintegração e Sobreintegração: A Cidadania
The Concept of "Permanent RevoIut1'on”: Trotsky and the Micro/Macro
Link ` š* inexistente*
Up until now, the Trotskyist theory of "Permanent Revolution" has been studied as a
type of Marxist analysis ot the process or economic modernization and its relations to
politics, which occurs via the interpenetration of the "modern" and the ”traditional”. Marcelo Neves
However, the fact that Trotsky developed two distinct formulations of this theory suggests
that its conceptual status was altered in-the more n'iature'oftl'i£-two treatments: he moves
from a specific description of a historical peculiar-ity to a sugestion of theory on the basic
determinant mechanisms behind revolutionary phenomena. The article endeavors to
elaborate on this idea.

RÉSUME
ä

Le Concept de 'Revolution Permanente": Trotsky et Ie Lien M1'crioz'Macro Í

]usqu'à présent, la théorie trotskiste dela “Revolution Pe11:nanente" a été étudiée comme INTRODUÇÃO
un cas particulier d'analyse marxiste du processus de modemisation économique et de
ses rapports avec le politique, par la voie de l'interpénétration entre la “modernité" et i
le ”retard". Toutefois, le fait que cette théorie ait reçu deux formulations diffénentes de A ciciadafiia
. - , stituindo
i _ vem se cor ' ' - frequentes
em um dos temas mais -- da re-
la part de son auteur permet de pensar que, dans sa formulation la plus récente, elle tórlca politica
` ce do discui
° so das Ciencias
' -. Sociais
.~ - no Brasil.
. A ampliaçao
. _ do
a probablement change de status conceptual: il ne s'agirait plus seulement alors de la debate “ã° ÍmPlíCa› POYÉHL univocidade do termo Ao contrário quanto mais
description particulière d'une particularité historique mais d'une théorie concemant les 5° fala de Cidadania, mais ambígua se torna a expressão '
mécanismes de base déterminant le phénomène riévolutionnaire lui-même. C'est là ce
que nous nous sommes efforcé de developper. D3 meslflfi mãnêira, a retórica dos direitos dos cidadãos intensifica-se e estende
se quanto menores forem as condições estruturais e conjunturais de sua reali-
zação. Daí porque a cidadania, mesmo quando incorporada ao texto constitu-
cional por meio da abrangência da declaração de direitos é principalmente
um termo-questão de política simbólica.

A Sígitn, rpjrocurarei delimitar semanticamente o sentido de “cidadania” Q 3 sua


t evo u Ç ao. osterornente,
1 , tratarei' da construçao
- e ampliaçao
- - da çidadanu
. . en-
quanto processo de iuridificação, analisando a questão da autonomia do siste-
ma ;urídico como condição de sua realização. Por fim, abordarei o tema centra]
dp presente artigo, a ausência da cidadania a partir das relações de subintegra-
çao e sobreintegraçâo dos indivíduos, especialmente no sistema jurídico-
constitucional, discutindo alguns aspectos específicos do problema

í.í._.í-í_í

* Trabalho apresentado no XVII Encontro Anual da Anpocs, Caxambu, MG, 22 a 25 de


outubro de 1993.

DADOS - tremia de o'êzzzrar safras,Ria`aaJaneiia,va1.37 ne 2 rosa pp 253 s zyó


252 Ififl«iln.yul-ir.|ninqu;_a|n%-u9¡i'z›&-.l~q‹img-sqegmefipgq 253
Do coucuro Esrnrno A coNcEPç.Ão AMPLA DE CIDADANIA gência de direitos coletivos, como o direito de greve e os decorrentes dos dissí-
dios coletivos. Porém, a exigência mais generalizada de integração dos direitos
A noção de "direitos do cidadão", na semântica das revoluções burgueses mo- coletivos à realidade dos Estados é algo que se manifesta somente nas três últi-
dernas, tem um sentido estrito, apontando especificamente para o direito à par- mas décadas (Cappelletti, 1978; Cappelletti e Garth, 1981, pp. 11-4). A impor-
ticipação na forrnação da "vontade" estatal. Assim é que se distinguiam os droits tância dos direitos coletivos e difusos reside no fato de eles viahilizarem ações
de I'ho1nme, enquanto direitos individuais pré-estatais, dos droits du citoyen, concretas e eficazes contra as práticas ilícitas e socialmente danosas das gran-
que só seriam concebíveis a partir da construção do Estado como instituição des organizações impessoais, que se fortificam cada vez mais no mundo de
. _.- . _¡-n I-m

política. A cidadania ficaria restrita aos “direitos políticos”. hoje, o que não seria possível no período individualista dos direitos.
r
¡,»~nl..._ ,_Á:.§_.' jr.-_

Essasemãíritica estrita ultrapassou, porém. os modelos teóricos liberais, tendo Por fim, e como quinta fase no desenvolvimento do conteúdo da cidadania,
sido adotada por Marx na “Questão ]udaica'fl onde ele vai distinguir dos surge a noção de discriminações inversas. Dworkin, por exemplo, analisando
Menschenreafite (direitos humanos), definidos "como os direitos do membro reconstrutivamente a jurisprudência da Corte Suprema norte-americana, ar-
da sociedade burguesa, isto é, do homem egoísta'Í. os direitos politicos, que gumenta no sentido de que tais discriminações positivas em relação aos me-
-gi-__.
mí-_

implicam a participação no Estado como "comunidade política” (Marx, 1988, nos favorecidos podem estar perfeitamente de acordo com o direito - para ele
pp. 361 e ss., esp. 362 e 364). Os droits de I71omme eram vistos criticamente axiomático -- de igual consideração e respeito (Dworkin, 1991, pp. 223-39). Es-
como resultantes da “desagregação do homem” (Idem, p. 357), enquanto os sa orientação vem sendo adotada na práxis de grupos políticos, na jurispru-
droits du citoyen como político‹integ1-ativos. dência e também no âmbito da legislação, dirigindo-se a compensar discrimi-
nações sociais negativas contra minorias étnicas, sexuais e deficientes fisicos.
Tal concepção, que lirnita a cidadania ao direito à participação política, foi, mais As discriminações positivas rompem com a concepção universalista dos direi-
recentemente, perdendo espaço na linguagem das Ciências Sociais, destacando tos dos cidadãos, abrindo-se fragmentariamente às diferenças e condições par-
se a contribuição teórica de T. H. Marshall no sentido de sua maior abrangên- ticulares de grupos minoritários, sem que disso resulte negação do princípio
cia semântica. Nessa perspectiva, constata-se a ampliação evolutiva do concei- A-m._-mm-
da igualdade. I-lá apenas a pluralização da cidadania.
to, incluindo os direitos civis, políticos e sociais, cujos periodos de formação
teriam transcorrido, respectivamente, nos sécuios XVIII, XIX e XX (Marshall, CONQUISTA E AMPLIAÇÃO DA CIDADANIA COMO PROCESSO DE ÍURIDIFICAÇÃO
1976, pp. 71 e ss.).1 A igualdade inerente à cidadania só seria alcançada, en-
A ampliação dos temas juridificáveis nos quadros da positivação do Direito
tão, caso se estendesse simultaneamente à liberdade (civil), à participação (po-
(Luhmann, 1981a, p. 129; 1983a, p. 144; 1987a, p. 211) fez da juridificação um
lítica) e às necessidades (sociais). E é nesse sentido abrangente que ela entra-
dos problemas críticos do Estado moderno. Conceituado “para fora” como ex-
ria em "guerra", no século XX, com o sistema de classes capitalista, fundado
pansão do Direito e “para dentro'' como seu detalhamento e especialização (con-
na desigualdade (Marshall, 1976, p. 84).
densação) (Voigt, 1980, p. 16; Habermas, 1982b, vol. II, p. 524; Werle, 1982, p.
4), o fenômeno da juridificação foi, no âmbito de um intenso debate na Ale-
Mas a cidadania, orientada pelo princípio da igualdade, não esgota seu ciclo
manha Ocidental dos anos 80, classificado em três tipos básicos: legalização,
evolutivo nas três fases estudadas por Marshall, nas quais se conquistaram e
burocratização e justicialização (Voigt, 1980, pp. 18-23)? Os efeitos juridifican-
ampliaram direitos cuja titularidade, em última análise, era individual. Os di-
tes sobre a sociedade foram avaliados, por um lado, negativamente (alienação,
reitos políticos clássicos afirmavam a liberdade do indivíduo de participar po-
burocratização, "colonização do mundo da vida"), por outro, positivamente (as-
liticamente no exercido do poder, inclusive de associar-se e reunir-se com ou-
seguramento da liberdade e do status) (Voigt, 1980, p. 30). É quanto ao aspecto
tros indivíduos para esse fim. E mesmo os direitos sociais, enquanto droits-
positivo que se pode sustentar que a conquista e ampliação da cidadania im-
créances em contraposição aos droits-iibertés (Ferry e Renaut, 1992, pp. 26-32).
plicam um processo de juridificação das relações de poder.
referem-se à exigência de uma prestação do Estado em relação ao indivíduo.
Nas últimas décadas, a cidadania tem-se desenvolvido no sentido da conquis- O processo de juridificação desenvolveu-se no Estado moderno em quatro fa-
ta e ampliação dos direitos referentes a interesses coletivos e difusos, os cha- ses (Habermas, 1982b, vol. II, pp. 524 e ss. ; Neves, 1991, pp. 160 e ss.; 1992a,
mados direitos de "terceira geração" (Lafer, 1988, pp. 131 e ss.). É verdade que pp. 31 e ss.), cada uma delas tendo um significado específico para a constru-
durante 0 surgimento da legislação social trabalhista também houve a emer- ção da cidadania. H'

254 255

-'mi
l
--
No primeiro período, a juridificação conduz aos clássicos direitos subjetivos malmente do “mundo da vida", como, por exemplo, o Direito de Familia e a
privados, estando vinculada ao conceito de “Estado burguês” do período ab- legislação do ensino, a juridificação teria efeitos negativos, socialmente desin-
solutista. Na medida em que tais direitos não eram exercíveis perante o sobe- tegradores. Fala-se então de colonização interior do mundo da vida: “A tese
rano, mas apenas diante de outros súditos, não se poderia, a rigor, falar de da colonização interior afirma que os subsistemas econorrua e Estado, em face
cidadania. A relação assimétrica entre soberano e súditos, constituída por po- do crescimento capitalista, tornam-se mais complexos e invadem sempre mais
deres e direitos no pólo superior e de deveres no polo inferior, era incompati- profunda mente a reprodução simbólica do mundo da vida” (Idem, p. 539). O
vel com o princípio de igualdade que informa a noção de cidadania. Direito-meio, expressão sistêmica da racionalidade-com-respeito-a-fins, a ser-
viço da economia e do poder, invadiria a esfera do agir comunicativo, fundada
¿'F2-_.`§r'Í" '
-re-. . “ Na segunda fase, a juridificação conduz à positivação dos direitos subjetivos no entendimento, e, dessa forma, prejudicaria a construção de uma razão in-
públicos de caráter liberal, correspondendo ao Estado burguês de Direito. Os tersubjetiva. q
sujeitos privados passam a dispor de direitos exerciveis contra o ”soberano'Í.
que, por sua vez_. fica obrigado a respeitar-lhes a esfera de ação preestabeleci- Mas Habermas reconhece que a juridificação, também na fase do Estado social
da jurídico-positivamente. A cidadania surge, então, como afirmação das li- e democrático de Direito, teria efeitos positivos quando o Direito como insti-

gi

berdades negativas, na forma dos direitos civis clássicos. tuição desempenhasse um papel regulativo a favor do plexo de ação do mun- _

do da vida, orientado para o entendimento, ou servisse como meio de direção


Posteriormente, com o surgimento do Estado democrático de Direito, tem-se dos sistemas de ação da economia e do Estado (Idem, pp. 536 e ss.).4 É ine-
a emergência dos direitos subjetivos públicos democráticos (juridificação do gáve! também que os direitos sociais, enquanto resultantes da interferência do
processo de legitimação) “na forma de direito de voto geral e igual, assim co- sistema juridico na estrutura econômica e nas relações de classe, têm uma função
mo do reconhecimento da liberdade de organização das associações políticas social-integrativa. Embora lugar comum, é ainda incontestável que sem os di-
e dos partidos" (Habermas, 1982b, vol. II, p. 529). Na linguagem de Rawls, o reitos sociais como droits-créances, os droits-libertés não têm sentido. Portan-
|
i princípio da liberdade igual passa a ser designado, então, "princípio da (igual) to, a cidadania, enquanto integração generalizada nos sistemas sociais, com
participação” (Rawls, 1990, p. 221). A liberdade-autonomia cede espaço à base no Direito, amplía-se significativamente com a conquista dos direitos so-
liberdade-participação (Pedrosa, 1978, p. 193). A cidadania amplia-se afirman- ciais, mesmo que, de um ponto de vista teórico-crítico, eles sejam passíveis
do as liberdades positivas, na forma dos direitos políticosf* de tuna avaliação negativa em face da “lealdade das massas” no Estado de Bem-
Estar.5
Por último, destaca-se o problema da juridificação nos quadros do Estado de-
-n--- w w:-. . ap-z

mocrático e social de Direito, que trouxe consigo a positivação dos direitos so- Além das quatro fases acima referidas, podemos interpretar a instituição dos
ciais, a intervenção compensatória na estrutura de classes e na economia, a direitos coletivosldifusos e das discriminações inversas como um novo momento
política social do Estado e a regulamentação juridica das relações familiares e do processo de juridificação. Quanto aos primeiros, o Direito Positivo respon-
educacionais. É a esta fase que se dirige a critica habermasiêma à juridificação de à incapacidade de ação eficaz dos indivíduos isolados contra a atuação das
(lferrechtlichung), com base na distinção entre Direito como meio (Medium grandes organizações. As ações coletivas e referentes a direitos difusos possi-
Recht) e Direito como instituição. No primeiro caso, “o Direito é combinado bilitam o acesso mais generalizado e eficiente dos indivíduos e grupos aos be-
de tal forma com os meios [Medien] dinheiro e poder, que ele mesmo assume nefícios e vantagens do sistema social, fortificando a cidadania. ]á as discrimi-
o papel de meio de direção [Steuerun,gsmedium]”. como no campo do Direito nações inversas, além de asseguranem juridicamente a integração das mino-
Econômico, Comercial e Administrativo. Por “instituições jurídicas" Habermas rias nos sistemas sociais, institucionalizam o direito de ser diferente. Ao discri-
compreende “normas jurídicas que por meio das referências positivas a proce- minarem juridicamente, orientam-se pelo princípio igualitário da cidadania.
dimentos não podem se tomar suficientemente legitimadas”. Na medida em
que elas pertencem “às ordens legítimas do mundo da vida" (espaço do agir AUIUNOMIA DO SISTEMA JURÍDICO COMO CONDIÇÃO DA CIDADANIA
comunicativo), precisam de “justificação material” (Habermas, 1982b, vol. Il,
p. 536). De acordo com esse modelo analítico, o Direito como meio teria “força Se, de um lado, a conquista e ampliação da cidadania podem ser interpretadas
constitutiva”, o Direito como instituição apenas “função rvegulativa” (Idem, p. como processo de juridificação, por outro, é possível conceber a autonomia do
537). Na medida em que o Direito atuasse como meio na esfera regulada infor- sistema jurídico como condição de sua realizabilidade.

256 257
_ ___ _ _ .,__ ___ __ __ * '_\ _ _¬..m.. _ iii _ _. ‹ mt: . ' i i __ _ r - _ V- _ _ . ,_..I_.. . ...__ c . _ n'|_.i _. -_,,__,_____ :_____ _ __v..___ _ __* ___ _ ~.- Y _ _ -- . _ _ ___ _ _ -
_
---~.:...., - “___ ,_ _ Á_ _ *_
- EE---`*T*Ê%§`Êã'P¡'-41.1-r_ƒ"É;=¶z - --- o.
' ' " '*"=~'f-f-=;`*`í"I; ;*:_.^-. ' ¬- › . _
' Í- Í ' ' ' ':"7'À--l À.Í;"_,Í-

l
i _
:.`|
i,

_ A questão da autonomia do Direito vem sendo tratada de forma mais radical l.


l°8íSlfi¢ã‹› e jurisdição
_ garantem formação imparcial de ' 1 li
1
pela teoria sistêmica. Nessa perspectiva, a positivichade é definida como "auto- e, por esse caminho, proporcíc _ _ JU Samento e vontade, z

determinidade" do Direito, ou seja, autonomia operacional do sistema jurídi- gresso, igualmente, no Direito tag; Íšlišia racläp-na_l:_iade ético-procedimental in- .. o'

co em relação às determinações do seu "meio ambiente" (Luhmann, 1981a, pp. democracia real.. Id ca. ao autonomia do Direito sem
‹ Em, 1987, P. 16; 1992, esp. pp 571 e .
419 e ss.; 1983b; 1985; 1988; Neves, 1992a, pp. 34~e ss.). Reconstrói-se, então, -Q~'-wa-4.__._-.
_ r_É"ÊA'¬-' \-›‹+ -‹ -_.
o conceito de "autopoiese", originário da teoria biológica (Maturana e Varela, Nesse sentido susten
1980, pp. 73 e ss.; 1987, esp. pp. 55-60; Maturana, 1982, esp. pp. 141 e ss., 157 f fa que a positiva ão " ° ~ - - . lH .
._lll
i _

mática da fundamentação d Ç na° 5¡8n1flCa elimmaçao da proble- i


i

e ss., 279 e ss.),° e afirma-se que o Direito Positivo (moderno) se reproduz pri- VOL ___ p_ 359)_ z m‹'=-IS 0 eslocamento de seus problemas (Idem, 1982b. nll

mariamente de acordo com os seus próprios critérios e código de preferência .ll _l |

flfil š.
(lícito/ilícito) (Luhmann, 1986; 1993, pp. 165 e ss.). Assim como em relação aos
outros sistemas sociais diferenciados, não se trata aqui de autarquia, (quase) Entretanto embora '
. f haja concepçoes
“ teoricas
' - -
diferenc' d
privação de meio ambiente (Idem, 1983a, p. 69; Teubner, 1982, p. 20). O Direi- Sistema lurídicof uma de carate
' ét . _ - la as da fiUf0Homia do
to é visto como "um sistema normativamente fechado, mas cognitivamenle aber- funcional, não só Habermas vlgncílqo procedimental, outra de base sistêmico- fia ~
a a autonomia do D' ' . Ji-z_,
to" (Luhmann, 1983b, p. 139). Ao mesmo tempo em que o Direito Positivo fa- Para Luhmann , a dem ocracia° no sistema 1' - lrelto à dem°°raC1a ~
, lllr'
, .i ..:i _
lllvl' _r

torializaria a auto-referência por meio de conceitos, ele construiria sua hete- ,|


dade 9° Dífeiffl
. (Luhmann' 19s1af p- 147lm.I5mC0 E preSSuP°Sl°
. m ambas as teo ' da positivi-
-
›ll\l.li
.H`“'~. lj
!_:l:.
z`¡=`
'
rorreferência mediante a assimilação de interesses (Idem, 1990a, p. 10,° 1993, a autonomia do Direita . nas/ P0I`Íã11to .í šlilflâ
_
c_dadan_a_ Em HabermasPode
isso ser
im vist
Hc a cotmo Pré _requisito
- - de reahzaÇão
_ da' .lui _5___¡ 1

pp. 393 e ss.). O fechamento auto-referencial, a normatividade para o sistema


1 a ' -
llf.*fj¡.flâr,*l¿i"
juríclico, não constituiria finalidade em si' do sistema,
` ` con d'iça"o de
antes seria autonomia pública ou Seja dir; __ aühonomia privada em conexão com l il zríli u
' . ei os u . ll
abertura (Idem, 1987b, p. 606; 1993, p. 76). pressupondo-se reciprocamente (Habermas ln9;g°S 9 soberania do POVO '›_ _¬ _ ›

.l=~*:li *1lg.
›l rl l
luhmanniano, a cidadania Pode ser lida I I pp. 111 e SS.) No modelo
..l mlli l ll l
Nesse contexto, o sistema jurídico pode assimilar, de acordo com seus próprios ,, _ _ como inclus` d _ ¡Hl_,l¡;š¡.l `
Ha prestacao dos sistemas sociais" ou se'a ao e toda a P0Pulaçao .t 1 .Illllljr'«'_'.
critérios, os fatores do meio ambiente, não sendo diretamente influenciado por benefícios, vantagens e regras (Lu____;_an llgšlzcesso/dependencia aos seus
estes. A vigência jurídica das expectativas normativas não é determinada ime- bida estaria indissoci n' I PP- 25 e ss.). Assim conce-
i ¡l:_I_._¡_l
i`..¡
..i l

' avelmente vinculada à ^ - . ll


ll
›r1*l'. i
, i .
i._, __..
diatamente por interesses econômicos, critérios políticos, representações éti- hzfico . , _ auto-referencia dos sistemas - vw _
e juridico (Idem, pp. 26 e 55,, 35_ 113)_ P0 ___,_l_.l i

cas, nem mesmo por proposições científicas (Idem, 1985, p. 17; 1990b, pp. 593 .Fsl,':l:`ií 'l
ill ll l ll
e ss. e 663 e ss.); ela depende de processos seletivos de filtragem conceitual
Portanto1 definindo -se a cidadania
' como auton ' ' mffl.l,¿~~!1,l_j|l__i~
no interior do sistema jurídico.7
-
mo inclusao - ela ~ . mma pu blica 9 P1`1Vfidã
' ou co-
f Pfessllpoe autonomia do ' - f - ;lj¡jj___¿_ll_

Especi'almente nesses ponto, emergem as divergências entre a teoria luhman- der concreto de indivíduos e oz-ganizaÇ_ Sistema juridico em relação ao po. ll,llj_lllll_`lj

ms; O - ' n _ ,.ÍÂl,*f_.l¡M


4,l,›,
niana da positividade e a concepção ético-procedimental do Direito proposta requer o desintrincamento de Direito Pod u selâze sua conquista e amphaçao l` ll\lllll_l¡
l

~ significa
nao - - . que o "¢am ,. - , . ' ef 9 Sã I' (Lefortz 1981 z P. 64). Isso
por Habermas. Para Luhmann, à positividade do Direito é inerente não ape- _ Po juridico não se' ' '
trucos e políticos, mas tão-só que a Cidad la Cé0I1d1c1onado.por fatores econô- Âll lil l l l âl.
nas a supressão da determinação imediata do Direito pelos interesses, vonta- an ' f . ,. _ ;'; §»`_`lfl l(.
des e critérios políticos dos "donos do poder", mas também a neutralização bloqueantes e destrutivas de Particularism Ia lncompahvel com mgerenclas 'il‹'›l'lti›f:l¡ll_\1à
H_jlil*'
; .,,_,,.

duçao ._ do Direito.
_ As influências políticas OS o it'
e 5Con1f°s_ ^ -
9 economicos na repr0_
w l,i_i
.ÚUÍ
l l

moral do sistema jurídico. Habermas reconhece que as fronteiras entre Direito 1§f\'i|\~Ê.¡Í`'
sub0__d¿nam_se aos Critério omicas no sistema jurídico i l
Í.,mlllllíl
|~,5__j_›_
r

e Moral existem, por considerar que a racionalidade procedimental do discur- _ S estabelecidos el - - . , _ llli ll 'il

so moral não regulado juridicamente é incompleta, argumentando que nele implâzâ generalização mcluâeme de roda a P0 oulfrófmo slslema '“nd*“°' Is” .i_l._.llllll_lj'_l
.jr , r
¡.Ull|.l.l
lillrl]
- inexiste um terceiro (Unbeteüigte) encarregado de decidir as questões entre as tanto acesso aos seus benefícios e vantagení P a¢ãodno Direito, significando -l_,jl_-'Wi '
partes (Habermas, 1992, p. 565). Mas, embora não negue a autonomia do sis- . .
aos seus critérios Ou se' - c. z quanto ependência ' em relaçao
- .i¡.| ›. _l
I. '.:
i

z_`1_Tl!,ll'
_ _ ' laz a cidadania ress “ ~ . l|l`lliíl1~
tema jurídico, atribui-lhe uma fundamentação ética: direitos, mas também a igualdade de dívereupll)/I? não apenas a Igualdade de vll
l,l1›l_l l
I s ( aishall, 1976, pp. 112 e ss.).
E essa bipolaridade
' só ef possível se o sistema
' 'u ' '
"Um sistema jurídico adquire autonomia não apenas para si sozinho. Ele é au mente. J ndlco se repmdul âufonoma-
tônomo apenas na medida em que os procedimentos institucionalizados para
l

258 I

259 i

l
f -v

MOMENTOS IURIDICO-POLÍTICOS DA CONQUISTA E AMPLIACAO DE DIREITOS e sobreintegração no sistema constitucional, tal corno ocorre nos países perifé-
-w-. iwwao
flnl-¬ ^-HI

DE CIDADANIA ricos, destacadamente no Brasil. Nesse caso, não se realiza a inclusão como
i acesso e dependência simultâneos ao Direito Positivo. A rigor, porém, não se
A conquista de novos direitos de cidadania e sua ampliação passam por três
trata de relações alopátricas entre grupos humanos no espaço social (l\_Jeves,
momentos jurídico-políticos. Em primeiro lugar, surge a semântica dos direi- pp:

1992a, pp. 94 e ss. e 1:›:› e ss.).


tos humanos, como exigência valorativa do reconhecimento e satisfação de de-
terminadas expectativas normativas que vão emergindo na sociedade e são ava-
Do lado dos subintegrados, generalizam-se as relações concretas em que não
liadas como imprescindíveis à integração social e sistêmica dos indivíduos e
i têm acesso aos benefícios do ordenamento jurídico, embora eles permaneçam
grupos.--A' semantica dos *direitos humanos pressupõe, inegavelmente, evolu-
dependentes de_,g¬1a§_p_re..sgjções iinpositivas. Portanto, os subcidadãos não estão
ção da consciência moral no sentido da construção e ampliação da cidadania,
excluídos. Embora lhes faltem as condições reais de exercer os direitos funda-
como também complexificação e diferenciação sociais.
mentais constitucionalmente declarados, não estão liberados dos deveres e res-
Em um segundo momento, a semântica dos direitos humanos passa a ser reco- ponsabilidades impostos pelo aparelho coercitivo estatal, submetendo-se radi-
nhecida pelo Estado e incorporada ao sistema constitucional na forma de direi- calmente às suas estruturas punitivas. Os direitos fundamentais não desem-
i tos fundamentais. Trata-se, portanto, de uma resposta do sistema jurídico às exi- penham papel relevante no horizonte do seu agir e vivenciar, sequer quanto
1
i
gências de integração social e sistêmica, tornando-as conteúdo de normas cons- à identificação de sentido das respectivas normas constitucionais. Para os subin-
titucionais. Não penso que se excluam as leituras ético-procedimental e sistêmico- tegrados, os dispositivos constitucionais têm relevância quase exclusivamente
funcional dos direitos fundamentais: a primeira procura defini- los como resul- em seus efeitos restritivos das liberdades. E isso vale para o sistema jurídico
tado da abertura dos procedimentos jurídicos à evolução da consciência moral como um todo: os membros das camadas populares “marginalizadas" (a maioria
mm
para o nível pós~convencional (Habermas, 1982b, vol. I, pp. 353 e ss.; 1992, esp. da população) são integrados ao sistema, em regra, como devedores, indicia-
pp. 138 e ss.); a outra interpreta-os como resposta do Direito Positivo à diferen- dos, denunciados, réus, condenados etc., não como detentores de direitos, cre-
ciação da sociedade e à exigência de inclusão nos diversos sistemas sociais dores ou autores. Mas, no campo constitucional, o problema da subintegracão
(Luhmann, 1965, esp. pp. 23-5). Embora as respectivas fundamentações teóri- ganha um significado especial, na medida em que, com relação aos membros
cas sejam antagônicas, as duas leituras complementam~se, avaliando a emergên- das classes populares, as ofensas aos direitos fundamentais são praticadas prin-
cia dos direitos humanos e fundamentais como conquista da modernidade. cipalmente nos quadros da atividade repressiva do aparelho estatal.

Evidentemente, a simples declaração dos direitos fundamentais na Constitui- A subintegração das massas é inseparável da sobreintegração dos grupos pri-
ção não significa a conquista e realização da cidadania. É imprescindível a for- vilegiados, que, principalmente com o apoio da burocracia estatal, desenvol-
ça normativa da Constituição (Hesse, 1984), ou seja, a sua integração ao viven- vem suas ações bloqueantes da reprodução do Direito. É verdade que os so-
ciar e agir dos cidadãos e agentes públicos, na forma de direitos e deveres recí- brecidadãos utilizam regularmente o texto constitucional democrático - em
procos. A cidadania exige, portanto, a concretização das normas constitucio- princípio, desde que isso seja favorável aos seus interesses elou para a prote-
nais referentes aos direitos fundamentais. Ausente tal concretização, perma- ção da “ordem social". Tendencialmente, porém, na medida em que a Consti-
i tuição impõe limites ã sua esfera de ação política e econômica, é posta de lado.
nece o texto, sem o seu significado normativo generalizado. Só quando a. Cons-
tituição é um reflexo da esfera pública (Häberle, 1980, p. 87), existe e desenvolve- Ela não atua, pois, como horizonte do agir e vivenciar jurídico-político dos "do-
se a cidadania; havendo bloqueios do processo de concretização constitucio- nos do poder'Í, mas sim como uma oferta que, conforme a eventual constela-
nal por fatores políticos, econômicos e culturais, a reprodução autônoma do ção de interesses, será usada, desusada ou abusada por eles. Assim sendo,
i Direito não se realiza. E, portanto, a cidadania permanece no texto constitu- a garantia da impunidade é um dos traços mais marcantes da sobrecidadania.
cional como bela fachada de uma construção interiormente em minas.
O chamado princípio da não-identificação da Constituição (Krüger, 1966, pp.
A CIDADANIA 1NEx1srEN'rEz RELAÇÕES DE SUBINTEGRAÇÃO E SOBREINTEGRAÇÃO 178-85; I-Iollerbach, 1969, pp. 52-7), que se vincula estreitamente ao principio
da indisponibilidade do Direito e da imparcialidade do Estado de Direito (Ha-
Definida a cidadania como integração jurídica igualitária na sociedade, pode- bermas, 1987; 1992, pp. 583 e ss.), está ausente no contexto das relações de
se afirmar que ela está ausente quando se generalizam relações de subintegração subintegração e sobreintegração no sistema constitucional (Neves, 1992a,

260 261
_ O

É
pp. 53 e ss. e 95 e ss.). Em certa medida, a Constituição só é concretizada se mas iuridicas atuariam no lugar do Direito Positivo com relação ã solução de
interesses de grupos privilegiados não são comprometidos. Constitucionali- conflitos (Santos, 1977; 1980; 1988). Quanto a essa restrição, deve-se advertir
Iir

¡¬*_'_' dade contra os interesses da sobrecidadania "não é aconselhável", “é inade- que o debate em torno da juridificação e desjuridificaçâo refere-se ao Direito
quada ao meio ambiente”. (Daí não se deve deduzir nenhuma esquematização Positivo como sistema social diferenciado.” As "alternativas" para 0 funciona-
simplista, porque entre os sobrecidadãos ocorrem conflitos jurídicos também mento insatisfatório do Direito Positivo implicam, nas sociedades periféricas,
no plano constitucional, que não raramente são solucionados conforme a "lei tanto um discurso "'ético-social” (Santos, 1988, p. 25). como também a interfe-
fundamental". Mas se o status quo é ameaçado, eles tendem a fórmulas conci- rência não-mediatizada do cridigo do poder e do código econômico nos meca-
liatórias que '_'rompern" ou “escavam" a Constituição.) Reformas sociais dentro nismos de solução de conflitos. O fato de, nesse contexto social, muitas "uni-
da “ordem constitucional” são freqüentemente caracterizadas como subversi- dades soc-iais.-" de uma sociedade supercomplexa disporem de diferentes códi-
vas, tão logo ponham na ordem do dia a abolição de privilégios e/ou a introdu- gos ”lícito1'iiícito” 13 não leva. de forma alguma, a uma racionalidade jurídica
ção eventual de medidas favoráveis à subcidadania. Subjacente à não- tópica, como ocorreria no caso de um Direito pós-moderno (Lacieur, 1985), mas,
identificação formal do texto constitucional estatuído, encontra-se a identida- antes, a uma extrema insegurança jurídica. cuja manutenção está relacionada,
de da realidade constitucional com as classes e grupos privilegiados, de tal ma- contraditoriamente, à conservação de privilégios, sendo, portanto, prejudicial
neira que a institucionalização dos direitos fundamentais é estruturalmente de- sobretudo aos socialmente “deficientes” (os “subintegrados"). Esse tipo de si- mí

turpada. O agir e o vivenciar normativo do subcidadão e do sobrecidadão fa- tuaçâo não representa nenhum pluralismo como alternativa ao IegaIr'smo,13
m

zem implodir a Constituição como ordem básica da comunicação jurídica.” mas sim reações difusas à falta de legalidade. _

Nessas condições, a Constituição não atua como mecanismo de autonomia ope-


racional do Direito, sendo deformada durante o processo concretizador por força Não se pode aplicar, nessas condições, o modelo do pós-modernismo jurídico
da sobreposição de injunções políticas particularistas e interesses econômicos (ao qual aderiu Santos (1987) para dar respaldo à sua concepção do pluralismo
especificos. Isso nos põe diante do problema da desjuridificação. jurídico), que, negando a unidade do Direito como cadeia de comunicações
m-~v9\

operacionalmente diferenciada, sustenta que o sistema jurídico se plu-


A DEs]UR1DiricAçAo como NEGAÇÃD DA cIDADANiA ralisticamente como uma malha de comunicações, importando incerteza e ins-
tabilidade (des)construtivas (Ladeur, 1985; 1990; 1991; 1992). O problema da
O debate em tomo da juridificação e desjuridificação nas sociedades periféri-
desjuridificação implica, na situação dos países periféricos, a insegurança des-
cas deve ser enfrentado em perspectiva diversa daquelana qual tem sido de-
trutiva com relação à prática de soluções de conflitos e à orientação das expec-
senvolvido nos países da modernidade central. Partindo-se da distinção de Blan-
tativas normativas.
kenburg (1980, p. 84) entre juridificação no plano das expectativas (emissão de
"mais" regras jurídicas no lugar de regulações informais) e juridificação no plano
A noção de um constitucionalismo pós-moderno refere-se à abertura da
da ação (”mais” eficácia do Direito), poder-se-ia formular que, nos países peri-
Constituição para a fragmentação da sociedade, pressupondo a inexistência
féricos, à juridificação no sentido de aumento na produção de normas jurídi-
de critérios universalistas de regulação da esfera pública. A Constituição
cas positivas estatais opor-se-ia a desjuridificação no plano da direção do com-
vai apresentar-se, então, como mecanismo propulsor da “autonomia do con-
portamento. Desse ponto de vista, a desjuridificação seria considerada apenas
texto" (Teubner e Willke, 1984; Teubner, 1982; 1988; 1989, pp. 81 e ss.) ou
no âmbito do "agir" (eficácia): porém, as tendências desjuridificantes abran-
gem, nas condições de reprodução das sociedades periféricas, principalmente como guia de “redes de relações" entre sistemas tópicos de ações, sem
no tocante ao Direito Constitucional, também o “vivenciar” do Direito (as ex- interferir impositivamente na fixação dos limites do desenvolvimento e re-
94-«_Q..-.-._`
.- w-.¡;g| pectativas de comportamento).° A pretensa filtragem das expectativas de com- produção dos mesmos {Ladeur, 1990). No caso da modernidadeperiférica..
|
1i

portamento mediante a normatização constituinte não é seguida, de maneira não pode haver Constituição promotora do desenvolvimento de contextos
Ê
i alguma, da orientação generalizada das expectativas normativas com base no fragmentários e instáveis do seu meio ambiente social, na medida em que
P
texto constitucional, quer dizer, não é acompanhada da generalização congruen- esse, como condição de seu funcionamento e concretização, atua destrutiva-
|
l
› te das expectativas normativo-constitucionais.1° mente em relação a ela. O problema está na própria falta de realização
de Constituição como espaco jurídico da cidadania ou, como diriam os pós-
Contra a noção de uma realidade constitucional desjuridificante poder-se-ia, modernos, das cidadanias.
nos quadros do pluralismo jurídico, apresentar a objeção de que outras for-

262 263
A FALTA DE IDENTIDADEÍAUTDNOMIA DE UMA ESPERA DA IURIDICIDADE der" e "dinheiro". Tal pretensão "normativa", embora encontre indícios na “mo-
dernidade central", não parece encontrar o mínimo de fundamento nas rela-
já observei que se, de um lado, a conquista e ampliação da cidadania podem ser ções da`“modernidade periférica”. Aqui, a modernidade constrói-se ne-
interpretadas como processo de juridificação, por outro, é possivel conceber a gativamente como desagregação da consciência moral convencional (inclusive
autonomia do sistema jurídico como condição de sua realizabilidade. A contra- da pré-convencional), sem que daí resulte a estruturação da consciência moral
rio sensu, a desjuridificaçâo, enquanto condição negativa da cidadania, impli- pós-convencional e, muitos menos, a autonomia de uma “esfera pública”.
ca falta de autonomia do sistema jurídico. Ou seja, enquanto não se constrói a
identidade da(s) esfera(s) de juridicidade, a partir de uma concretização consti- E mesmo se partirmos para a concepção fragmentária da pós-modernidade,
tucional generalizante, não há espaço para a cidadania. No plano da teoria da ainda assim sua construção nos países periféricos teria um sentido negativo.
sociedade, esse é um dos problemas específicos da modernidade periférica, que É que as principais teorias da pós-modernidade desenvolvem, em contraposi-
pode ser caracterizada como “modernidade negativa", partindo-se tanto da pers- ção à racionalidade sistêmica generalizada e à razão universalista, a noção de
pectiva sistêmica quanto do modelo com pretensão ético-procedimental. racionalidade tópica. Tal situação implicaria interconexões de incertezas
«n - .lr*. ,Ç.'›ç¬¶-
(des)construtivas entre sistemas tópicos de comunicação (Ladeur, 1985; 1990;
De acordo com a teoria dos sistemas, a sociedade moderna resultaria da hiper- 1991; 1992). No caso da (pós)modernidade periférica, as inter-relações entre
complexificação social vinculada à diferenciação funcional das esferas do agir os campos de ação tendem, imprevisivelmente, a intrincamentos bloqueantes
e do vivenciar. Implicaria, portanto, o desaparecimento de conteúdos morais vá- e destrutivos. Essa situação de miscelânea social implica dificuldades na cons-
lidos para todas as conexões de comunicação, e o surgimento de sistemas so- trução da identidade do sistema jurídico, advindas diretamente da falta de au-
ciais operacionalmente autônomos, reproduzidos com base nos seus próprios tonomia da respectiva esfera de ação.
códigos e critérios, embora condicionados pelo seu meio ambiente circundante
¡|.¬_-. wø- (autopoiese) (Luhmann, 1987b). Na modernidade periférica, à hipercomplexi- No que diz respeito à teoria ético-procedimental, já observei que a desagrega-
ficação social e à superação do “moralisrno” fundamentador da diferenciação hie- ção da moral pré-convencional primitiva e convencional pré-moderna não con-
rárquica, não se seguiu a construção de sistemas sociais que, embora interpe- duziu, na modernidade periférica, à construção e ao desenvolvimento da cons-
netráveis e mesmo interferentes, construam-se autonomamente no seu topos ciência moral pós-convencional. Daí porque a fundamentação moral da indis-
específico. Isso nos põe diante de uma complexidade desestruturada 'e deses- ponibilidade e imparcialidade do sistema jurídico, em contraposição à sua ins-
truturante. Daí resultam problemas sociais bem mais complicados do que aqueles trumentalidade sistêmica (Habermas, 1992, pp. 583 e ss.; 1987), não encontra
que caracterizam os países da “modernidade central". As relações entre os "cam- espaço nas relações intersubjetivas em torno do Direito. A tendência é a ins-
pos” de ação assumem formas autodestrutivas e heterodestrutivas, com todas trumentalização política do Direito, seja por meio da mutação casuística das
as suas conseqüências bem conhecidas entre nós. Portanto, a modernidade não estruturas normativas, principalmente durante os períodos autoritários, ou me-
se constrói positivamente, como superação da tradição mediante o surgimento diante o jogo de interesses particularistas bloqueadores do processo de con-
de sistemas autônomos de ação, mas apenas negativamente, como hipercom- cretização normativa. Nesse contexto, a autonomia privada (”direitos huma-
plexificação desagregadora do moralismo hierárquico tradicional. nos") e a autonomia pública (“soberania popular"), embora, em regra, declara-
das no texto constitucional, são rejeitadas mediante os mecanismos de deses-
Conforme a concepção ético-procedimental proposta por Habermas, a moder- truturação política do processo concretízador da Constituição.
nidade resultaria da evolução da consciência moral no sentido da superação
das estruturas pré-convencionais e convencionais com o advento de uma mo- Da mesma maneira, é intransponível o modelo luhmanniano da autopoiese
ral pós-convencional (Habermas, 1982a, esp. pp. 12 e ss.). Isso significa uma à realidade jurídica da modernidade periférica, destacadamente no Brasil. As
clara diferenciação entre sistema e "mundo da vida”,“ este enquanto horizonte sobreposições particularistas dos códigos político e econômico às questões ju-
do "agir comunicativdfl. orientado na busca do entendimento intersubjetivo, rídicas impossibilitam a construção da identidade do sistema jurídico. Em lu-
aquele como espaço de intermediação do "agir-racional-com-respeito-a-fins" gar da autopoiese, está a alopoiese do Direito (Neves, 1991, pp. 163 e ss. ; 1992a,
(instrumental e estratégico).15 Nessa perspectiva, a modernidade exigiria po- esp. pp. 81 e ss. e 182 e ss.; 1992b). Isso significa que não surge uma esfera
sitivamente a construção de uma “esfera pública" (Ôfƒentlidikeit), topos de- de juridicidade apta a, de acordo com seus próprios critérios e de forma con-
mocrático discursivamente autônomo com relação aos "meios" sistêmicos "po- gruentemente generalizada, reciclaras influências advindas do seu contexto

264 265
Ff”-
` nv..
económico e politico, como também daquilo que os alemães denominam de no processo de concretização. Assim sendo, a “cidadania” construída e ampliada
~o,'
. A.
“boas relações”. O intrincamento do(s) código(s) jurídico(s) com outros códi- aparentemente no interior dos textos constitucionais encobre uma realidade
gos sociais atua autodestrutiva e heterodestrutivamente. O problema não resi- de não-cidadania. Excluídos aqui, esquematicamente, os períodos autoritários
de, em princípio, na falta de abertura congnitiva (heterorreferência ou adapta- de negação da cidadania no plano das próprias Cartas e leis constitucionais
ção), mas sim no insuficiente fechamento operacional (auto-referência), que (1937 e 1964), observa-se uma crescente ampliação dos direitos fundamentais
obstaculiza a construção da própria identidade do sistema jurídico. Se tal iden- sem que se verifique, no âmbito da realidade constitucional, uma resposta re-
:idade pode ser vista, eventualmente, no plano da estrutura dos textos norma- levante no sentido da construção da cidadania. Do periodo de restrição dos
tivos, ela é destruída gradativamente durante o processo de concretização ju rí- direitos civis aos ingênuos e libertos na Carta Imperial de 1824 até o amplo
dica.” Assim sendo, não se constrói, em ampla medida, generalização con- reconhecimento dos direitos civis, políticos, sociais e coletivos no texto consti- _
gruente de expectativas normativas a partir dos textos constitucionais e legais. tucional de 1988, teria havido um .processo intenso de conquista e desenvolvi-
.-|
Daí resulta que a própria dišfinção"'e'nÊrë`4lícitó: nê ilícito élâóciâlifiêntëiobnubila- mento da cidadania. Mas essa evolução no cenário do palco constitucional não
` '.- .,.

lã da, seja por falta de institucionalização (consenso) ou de identificação do sen- teve significado relevante na práxis político-jurídica (Neves, 1992a, esp. pp. 110
ia' ,; 1.'
tido das normas.” A conseqüência mais grave é a insegurança destrutiva nas e ss., 1994, pp. 153 e ss.).
.. relações de conflitos de interesses. hm
m

:-3. Indaga-se, portanto, qual seria o sentido das declarações constitucionais de di- _
›.
Â'

O último recurso seria afirmar a autonomia/identidade de esferas jurídicas plu- reitos de cidadania, se lhes resta um grau muito reduzido de eficácia jurídica.
ralistas de ação, na perspectiva pós-moderna do Direito. Contudo, nesse caso, A resposta parece-me que se encontra na sua importância político-simbólica.
pressupõe-se racionalidade jurídica a partir da congruência tópica de expecta- Paradoxalmente, na medida em que se reduz a eficácia jurídico-normativa das
tivas normativas, como também compatibilização (des)construtiva do dissen- declarações constitucionais de direitos, fortifica-se sua função simbólica. Ocorre
É'
4.,:_.¿"_
so entre sistemas locais de ação. E são exatamente as incongruências autodes- como que uma hipertrofia da sua dimensão político-simbólica em detrimento
trutivas das expectativas normativas e as incompatibilidades heterodestrutivas
.¿|

AI'
r.- -
de sua função jurídico-normativa (Neves, 1992a, pp. 61-5 e 104-6; 1994).
5:
de dissensos entre campos de ação que impedem a construção da identidade
¡1

de esfera(s) de juridicidade na modernidade periférica. Nesse contexto, a cidadania surge como topos simbólico do discurso constitu-
4-f§1=":*.
:n

nf
cionalista. Do lado dos “donos do poder", as declarações constitucionais de
Nesse contexto de falta de direitos congruentemente generalizados, ou, no mí- direitos de cidadania desempenham o papel de um álibi (Neves, 1994, pp. 37-40
l
l
nimo, topicamente congruentes, não é possível a construção e ampliação da e 92-5). O Estado e os respectivos legisladores ou governantes apresentam-se,
e'-
cidadania. Esta significa exatamente a integração jurídica igualitária na socie- retoricamente, identificados com os valores da cidadania, sendo atribuídos à
le
i_ dade, implicando direitos neutralizadores das eventuais desigualdades econô- "sociedade" os obstáculos da sua não-realização. Do lado dos críticos do sta-
i
-1.
micas e políticas. Se isso não ocorre, prevalecem as relações de subcidadania tus quo, a declaração de direitos de cidadania serve como referencial simbóli-
e sobrecidadania destrutivas da identidade do sistema jurídico. co do discurso pela transformação das relações reais de poder. Ao proporem
D'
e defenderem textos constitucionais com elencos mais abrangentes de direitos
¡-
FUNÇÃO Porínco-siusóucà DA DEcuuuçÃo coNsrmJc1oNA¡. DE Dmmos fundamentais, justificam simbolicamente ao público sua atividade no sentido
i
1
FUNDAMENTAIS NA EXPERIENCIA yuitímca BRASILEIRA da conquista da cidadania. De ambos os lados, a cidadania enquanto topos
simbólico permanece como algo do discurso. E tanto mais dela se fala na esfe-
1
Já observei anteriormente que para a conquista e ampliação da cidadania não ra política, quanto mais se intensificam os obstáculos à sua realização.
é suficiente a adoção da semântica valorativa dos direitos humanos no texto
l
constitucional, na forma de direitos fundamentais. À realização da cidadania Em certa medida, o discurso simbólico da cidadania serve para encobrir o fato
é imprescindível a concretização das normas constitucionais referentes aos di- de que os problemas estruturais da subintegração e sobreintegração na socie-
reitos fundamentais. dade, ou seja, as situações de subcidadania e sobrecidadania, estão indisso-
ciavelmente vinculados às posições e relações dos respectivos agentes políti-
l'

Na experiência jurídico-política brasileira, a ampliação dos dispositivos consti- cos. O álibi simbólico do “discurso cidadão'' transfere para um outro os obstá-
I'

tucionais concernentes aos direitos fundamentais não teve grande relevância culos à cidadania e dificulta, de certa maneira, o desenvolvimento de uma au-

266 267 É
-.-'_'u...LIIl-

toc;-ífica efetiva de indivíduos e grupos a respeito de suas posições nas tela- NOTAS:
ções de sobrecidadania e subcidadania. Nessa perspectiva, 0 topos simbólico
~ 1. Acompanhando-o, ver Bendix (1969, pp. 92 e ss.).
e ideológico “cidadania” pode servir mais à manutençao do status quo do que
Werle (1982, pp. 5 e ss.) defende a limitação do conceito de juridificação ao aumento
à integração jurídica generalizada e igualitária na sociedade, isto é, atuar con-
de leis e decretos em um determinado periodo. Contra essa posição, ver Voigt (1983,
tra a própria realização da cidadania.
pp. 18 e ss.;, considerando os “aspectos qualitativos" da juridificação.
Sobre a distinção entre liberdades negativas e positivas, ver Passerin D'Entrèves (1969,
CONCLUSÃO
pp. 249-73).
Assim sendo, justifica-s-e a crítica de Nahamowitz (1985, esp. p. 42) a Teubner e Vlfill-
No âmbito das Ciências Sociais e dos estudos jurídicos com pretensão socioló-
ke, na medida em que estes, em uma tentativa de unir a ética do discurso haberma-
gica que se vêm desenvolvendo correntemente no Brasil, liá uma tendência
siana à teoria dos sistemas de Luhmann, tiraram conseqüências neoliberais da con-
a contrapor-se um Estado forte, orientado no legalismo, à fragilidade da “so-
cepção de juridificação de Habermas (Teubner e Willke, 1984, pp. 24 e 29; 'l`eul~ner,
ciedade civil" e da cidadania. A essa compreensão do problema subjaz a idéia 1982, pp. 26 e ss. e 41-4), o qual modificou mais tarde a sua posição (Teubner, 1989,
equivocada de que a ordem jurídica estatal, também no caso brasileiro, auto- pp. 81 e ss. e 85 e ss.).
reproduz-se consistentemente por meio da legalidade generalizada das ativi-
Sobre a concepção de “lealdade das massas” no welfare state, ver Nan' e Offe (1975).
dades dos seus agentes. Ao contrário, é exatamente o pressuposto jurídico mí-
Na linha de Offe, Preuss (1989, p. 2) refere-se à “domesticação da luta de classes por
nimo de construção da cidadania, a legalidade como generalização includente meio da juridificação da luta trabalhista". A noção de “lealdade das massas" está es-
do Direito, que está ausente. Nas relações de poder, generaliza-se então a ile- treitamente vinculada à concepção de Bendix (1969, p. 89) de que as lutas das :nas-
galidade da práxis dos agentes estatais, grupos sociais e indivíduos, privile- sas nos países ocidentais desenvolvidos se arientaram, antes, pela busca de integra-
giando, sobretudo, a sobrecidadania e prejudicando os subcidadãos. ção (“participação") no sistema do que por uma “nova ordem social", podendo ser
caracterizadas como expressão de um espírito conservador. Crítico em relação à con-
Parece-me claro que, em tal contexto de ausência de autonomia operacional cepção de "lealdade das massas”, Luhmann (1981b, p. 10) enfatiza a constante mu-
da ordem jurídica estatal, não cabe falar de Estado forte contrapondo-se à cons- dança das motivações dos indivíduos no Estado de Bem-Estar.
trução da cidadania. O Estado é permanentemente bloqueado pelos particula- ' 6. Quanto à reconstrução sociológica, ver, sobretudo, Luhmann (1987b); Haferkamp e
rismos dos interesses econômicos e políticos concretos, a partir tanto dos pri- Schmid (1987); Baecker et aih' (1987, esp. pp. 394 e ss.). Para a crítica à recepção
vilégios da sobrecidadania quanto das premências da subcidadania. Não se científico-social do conceito de autopoiese, Bühl (1989), com referência especial ao
constrói de forma consistente a própria identidade de uma esfera do Estado paradigma luhmanniano (pp. 229 e ss.); e em uma perspectiva mais abrangente so-
em contraposição aos particularismos privados; isso porque não ocorre a fil- bre a teoria sistêmica de Luhmann, Krawietz e Walker (1992). Para a leitura crítica
a partir da teoria do discurso, ver Habermas (1992, pp. 573 e ss.; 1988a, pp. 30 e ss.;
tragem constitucional e legal das interferências da economia e do poder na ação
1988b, pp. 426 e ss.). Definindo a autopoiese como paradigma ideológico conserva-
estatal. Assim sendo, os códigos generalizados “dinheiro” e “poder” não ape-
dor, Zolo (1986). Em outro contexto, ver Neves (1992b).
nas condicionam o Direito, sobrepõem-se-lhe destrutivamente.
"Desenvolvimentos externos" - enfatiza Teubner (1982, p. 21) - “não são, por um
lado, ignorados, nem, por outro, convertidos diretamente, conforme o esquema
Portanto, a conquista e ampliação da cidadania, no caso brasileiro, passa pela
'estímulo-resposta', em efeitos internos". Nesse sentido, adverte o mesmo autor: “Au-
construção de um espaço público da legalidade que, de um lado, promova a
tonomia do Direito refere-se à circularidade de sua auto-reprodução e não à sua in-
identidade do Estado perante os interesses privados e, de outro, possibilite a dependência causal do meio arnbiente" (1989, p. 47).
¬¡.¬-.»-¡-.i1-«¢›g._pwu
integração jurídica igualitária de toda a população na sociedade.
Observe-se que prefiro os termos ”subcidadão" e ”sobrecidadão" do que as ex-
pressões “cidadãos de primeira, segunda e terceira classes" (Velho, 1980, p. 362;
(Recebido para publicação em novembro de 1993) Weffort, 1981, pp. 141-4), que podem levar à idéia equivocada de que só os subin-
tegrados são carentes de cidadania. Por outro lado, a distinção conceitual que
proponho, embora análoga, se diferencia nitidamente dos conceitos antropológi-
cos de subcidadão e supercidadão a que se refere Dalviatta (1991, p. 100), asso-
ciando o primeiro ao espaço sem direitos da "rua" e o segundo à esfera dos
n -¿-of-«mr
privilégios (”direitos sem deveres") domésticos (”universo da casa"). Parece-me ex-

268 269

-i.-›¬luw-oøu-nifna-ir-'
í
` 'Í' i
I. -É'
.__ à

._,.

' à
iu I' _
,__ 4
cesso antropológico vincular; na realidade brasileira, o espaço doméstico dos subin- REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
1 '
.ir - tegrados (marginalizados) à noção de privilégios e desconhecer que o "mundo da
._
..
rua" pode constituir-se em espaço de privilégios dos sobreintegrados. BAECKER, Dirk et aih' (orgs.). (1987), `I`heor.íe als Passion: N¡'.¡<Ias Luhmann zum 60. Ge-
a

burtstag. Frankfurt am Main, Suhrkamp.


'L
É 9. Quanto à distinção entre “agir” e “vivenciar", ver Luhmann (1991). A respeito da cor-
il respondente diferenciação entre direção da conduta (condução do comportamento) BENDIX, Reinhard. (1969), Nauon-Building and Citizenship. Studies of Our Changing
Q

fun*
e as59811 ramento das exPefia tivas normativas como funções do Direito, ver Luhmann Sofia! Order. Garden City, Nova Iorque, Anchor.
Õ

(1981a, pp. 73-91). BLANi(EÍ~JBURG, Erhard. (1980), "Recht als gradualisiertes Kovzept - Begriffsdimen-
10. Sobre o conceito de Direito como “congruente generalização de expectativas norma- sionen der Diskussion um Verrechtlichung und Entrechtlichung", in E. Blankenburg
tivas de comportamentdfl ver Luhmann (1987a, pp. 94406). et alii (crgs ), Alternative Rechtsformen und Alternativen zum Recht Uahrbuch für
Rechtssoziolcgie und Rechtstheorie 6). Oplade-n, Westdeutscher Verlag.
11 VerVoigt (1983, p. 20); Habermas (1982b, vol. H, p. 524), que usa, porém, a expressão
"direito escrito”. BÚHL, Walter I-. (1989), ”Grenzen der Autopoiesis". Kölner Zeischn`r'tfr1ir Soziologie
4-

una' Sozialpsychologíe 39, Opladen, Westdeutscher Vbrlag.


12 Santos (1980, p. 116) usou a expressão “privatização possessiva do direito".
CAPPELLETTI, Mauro. (1978), “Forrnaciones Sociales e Intereses de Grupo frente a la
13. 'ver-, em sentido diverso, Santos (1977, pp. 89 e ss.; 1988, p. 25).
Iusticia Civil". Bolefih Affexicano de Derecho Comparado (Nova Série), ano XI, n? 31-32,
14. 'läl diferenciação vai ser definida por Habermas (1982b, vol. H, pp. 229 e ss.) como México, UNAM.
processo de evolução social. _í e GARTH, Bryant. (1981), “Access to justice and the Welfare State: An Intro-
vl _
15. A respeito, ver, em diferentes fases de desenvolvimento da “teoria do agir comuni- duction", in M. Cappelletti et aIIi (orgs.), Access to justíce and the Vlelƒare State. Al-
Cãli\'0". Habermas (1969, pp. 62-5; 1973, pp. 9 e ss.; 1%2b, vol. I, esp. pp. 384 e ss.; phen aan den Rijn. Sijthoffllšruxelles, B1-uylantIStuttgart, Klett-Cotta/Firenze, Le
1982b, vol. II, pp. 182 e ss.; 1986; 1988a, pp. 68 e ss.). Quando me refiro ao sistema Monnier.
como espaço de intermediação do agir-racional-com-respeito-a-fins, não desconhe- DAMATTA, Roberto. (1991), A Casa & a Rua (49 ed.). Rio de Ianeiro, Guanabara Koogan.
O
i ço que, no modelo habermasiano, o plano sistêmico e a esfera da ação se distinguem
_ i
DWORKIN, Ronald. (1991), Taking Rights Seriously (69 ed.). Londres, Duckworth.
i
claramente, tendo um sentido figurado a noção de racionalidade sistêmica: “Mudanças
do estado de um sistema auto-regulado podem ser compreendidas como quase-ações, FERRY, Luc e RENAUT, Alain. (1992), Philosophie Politique 3 - Des Droits de ¡'Homme
como se nelas a capacidade de ação de um sujeito se manifestasse” (Habermas, 1982a, à Ndee Républicaine. Paris, Presses Universitaires de France.
p. 261). Mas é inegável que, na obra de Habermas, a noção de sistema está vinculada I-IÃBERLE, Peter. (1980), Die lc-rfassung des Pluralismus: Sludien zur DE-Ifassurrgstheorie
estreitamente à racionalidade-com-respeito-a-fins e, portanto, aos conceitos de agir der ot`r'enen Gesellschaƒi. KõnigsteinlTs., Athenäum.
instrumental e estratégico (ver, p. ex., Habermas, 1969, pp. 63-5; 1982a, p. 261; 1986,
I߂Ihvlql'
'I IHrII*

n IIABERMAS, lürgen. (1969), ”Technik und Wissenschaft als 'lde0logie'", in I. Haber-


pp. 578 e ss.), enquanto a concepção de “mundo da vida” se associa intimamente
|
a
v-flírwww-
flvln-|¶Ç'U-í.ú- -H›1
----

mas, 'Iechnik und Wíssenschaƒt als 'Ideo¡og1'e'. Frankfurt am Main, Suhrkamp. Em


Ei à de agir comunicativo (ver, p. ex., Habermas, 1982b, vol. H, esp. p. 182; 1986, esp.
p. 593).
português (1980), "Técnica e Ciência como 'Ideologia' ", in W. Benjamin et alii, Textos
Escolhidos. São Paulo, Abri] (Col. Os Pensadores).
16 O conceito kelseniano de autoprodução do Direito (Kelsen, 1960, esp. pp. 73, 228 e
____. (1973), Legítƒmationsprobleme fm Spãtkapitalismus. Frankfurt am Main.
283) permanece no plano estrutural hierárquico do ordenamento normativo-juridico.
Suhrkamp.
Portanto, ao contrário do que propõe Ost (1986, pp. 141-4), não cabe vincula-lo ao
R
paradigma autopoiético, que se refere primariamente ao nível operacional e à circu- _______. (1982a), Zur Rekonstruktion des Historischen Materiaüsmus (35 ed.). Frank-
laridade da reprodução do Direito. Dai porque o primeiro pode ser abstratamente furt am Main, Suhrkamp.
transportado a diferentes Estados, enquanto o segundo exige certas condições so- í. (1982b), Theoríe des Kommunikatírfen Handelns (25 ed.). Frankfurt am Main,
ciais concretas
I Suhrkamp, 2 vols.
17. A institucionalização e a identificação de sentido, além da normatização, são defini-
1'
________. (1986), “Erläuterungen zum Begriff des kommunikativen Handelns (1982)".
i
das por Luhmann (198'7a, pp. 94 e ss.) como mecanismos de generalização do Direito. in ]. Habermas, lbrstudien und Eigânzungen zur Theorie des Kommurúkafiven Han-
delns (2? ed.). Frankfurt am Main, Suhrkamp. ~

. (1987), ”V\fIe ist Legitimität durch Legalität Mõglich?". Kritrlscheƒustiz 20, Baden-
Baden, Nomos. z

270 271
v

__,___. (1988a), Nachmetaphysisches Denken: phiiosophisdie Aufsätze. Frankfurt am m. (l981b), Politische Theorie im Ifvbhiƒahrtsstaat. München, Olzog.
Main, Suhrkamp.
_______. (1983a), Legitimation durch 1›'ertai¬.~ren. Frankfurt am Main, Suhrkamp.
um_.
uai _* (1988b), Der Philosophische Diskurs der Modeme. Frankfurt am Main,
Suhrkamp. .im (1983b), "Die Einheit des Rechtssystems". Rechtstheorie 14, Berlim, Duncker
1

& Humblot.
í-- (1992). Fãkfflífäf Und Geltung: Beiàwíge zur Diskurstheoiíe des Rechts und
des demokratischen Rechtsstaats. Frankfurt am Main, Suhrkamp. _______. (1985), ”Einige Probleme mit 'reflexivem Recht' Zeitschriƒt ft`irRechtssoz1`o-
aaa.uuz.-|_.u-¿_.\¿.'
Iogie 6, Opladen, Westdeutscher Verlag.
H-^-FERKAMP. HHHS 6 SCHMÍD, Michael (orgs.). (1987), Silrin, Kommunilkaãon und soziâle
Diƒferenzierung: Beiträge zu Luhmanns flieorie soziaier Systeme. Frankfurt am Main, í____. (1986), “Die Codierung des Rechtssysterns". Rechtstheoiie 17, Berlim, Duncker
Suhrkamp. F & I-iumblot.

HESSE, Konrad. (1984), "Die normative Kraft der Verfassung'Ç in K. Hesse, Ausgewãhl- __í_. (1987a), Rechtssozi`oFogie (31 ed.). lffpladen, Westdeutischer Verlag.
te Schriften. Heidelberg, Müller.
_____. (1987b), Soziale Systeme: Crundri.-ss einer a_‹'igenrei`nen Theone. Frankfurt am
HOLLERBACI-I, Alexander. (1969), ”Ideologe und Verfassung", in W. Maihofer (org.), Main, Suhrkamp.
Ideologie und Recht. Frankfurt am Main, Klostermann.
________. (1988), ”Positiv1tät als Selbstbestimmtheit des Rechts". Rechtstheorie 19, Ber-
í KELSEN. Hans. (1960), Reine Rechtslehre (2? ed.). Wien, Franz Deuticke (reimpressão lim, Duncker 8: I-Iumblot.
I
inalterada - 1983). Em pormguêâ (1974), reoz-.fz Pura do Dàzim (39 ed). coimbra, ________. (1990a), “interesse und Interessenjurisprudenz im Spannungsfeld von Gesetz-
Arménio Amado.
J
gebung und Rechtsprechung”. Zeitschrift für Neueie Reditsgeschichte 12, Wien, Mana.
i

KRAWIEI2.. “ema e wEu<ER, Mâzhzei (‹›zgs.). (1992), Kzfài dez nzeaaê ââziziez syste- ____. (1990b), Die Wissenschaft der Gesellschaft. Frankfurt am Main, Suhrkamp.
me: Auseinandersetzungen mit Luhmanns Hauptwerk (29 ed.). Frankfurt am Main
i a

Suhrkamp. .if (1991), ”Erleben und Handeln", in N. Luhmann, Soziologische Auƒklärung


3 (ZÉ ed.). Opladen, Westdeutscher Verlag.
KRUGER, Heúzerz. (19óó),Ai1geme¡ze si.-.-.m1‹zizzz›(2e ea). smugaú/Bezunixõin/Mainz,
Kohlhammer Vbrlag. í___. (1993), Das Recht der Geseilschaft. Frankfurt am Main, Suhrkamp.

Í-ADEUR, Karl-Heinz. (1985), "Perspekri\nen einer post-modemen Rechtstheorie: Zur Aus- MARSHALL, T. H. (1976), Class, Citi`zenshin, and Social' Development. Westport, Con-
einandersetzung mit N. Luhmann Konzept der 'Einheit des Rechtssystems'”. Rechts- necticut, Greenwood Press.
theorie 16,8 Berlim, Duncker 8: I-Iumblot.
MARX, Karl (1988), “Zur Iudenfrage”, in K. Marx e F. Engels, I/'zerke (15€ ed.). Berlim,
*__ (1990), ”Selbstorganisation sozialer Systeme und Prozedmalisierung des Rechts: Dietz Vbrlag, vol. I.
Von der Schrankenziehung zur Steuerung von Beziehungsnetzen”, in D. Grimm e
MATURANA, Humberto R. (1982), Erkennen: Die Organisation und lierkörperung von
E. Hagenah (orgs.), Wachsende Staatsaugaben - sinkende Steuerungsfäiugkeit des
Wirklichkeit. Ausgewählte Arbeiten zur biologischen Epistemologia Braunschweigl
Rechts. Baden-Baden, Nomos.
Wiesbaden, Vieweg.
--_-- (1991), "Gesetzinterpretan`on, 'Richterrecht' und Konventionsbildung in Ko- e VARELA, Francisco ]. (1980), Autopoiesis and Cognition: The Realization of
gnitivistischer Perspektive - Handeln unter Ungewissheitsbedingimgen und richterli-
the Living. Dordrecht, D. Reidel Publishing Company.
ches Entscheiden”. Archiv für Rechts - und Sozialphüosophie 77, Stuttgart, Steiner.
ëa- _;-
_ (1987), Der Baum der Erkenntnis (39 ed.). Bem/München/VV1en, Scherz.
_-___.. (1992), Postmodeme Rechtstheorie. Berlim, Duncker & I-Iumblot.
NAHAMOWITZ, Peter. (1985), “Reflexives Recht': Das unmögliche Ideal eines post-
LAFER, Celso. (1988), A Reconstrução dos Direitos Humanos: Um Diálogo com o Pen-
¬--.f-f _‹,.¡-mí. -‹¬u- .¬-_Ii¡,.
interventionistischen Steuerungskonzepts". Zeitschrift fiir Rechtssoziologie 6, Opla-
samento de Hannah Arendt. Säo Paulo, Companhia das Letras.
- -_-_
l
den, Westdeutscher Verlag.
T

i
Í-EFORT, Claude. (1981), "D1-oits de l'Homme et Politique”, in C. Lefort, Iflnvention Dé- NARR, Wolf-Dieter e OFFE, Claus (org). (1975), Wohlfahrtsstaat und Massenloyalitãt.
mocratique: Les Limites de ia Domination Totalitaire. Paris, Fayard.
|
Köln, Kippenheuer & Witsch. _
¡-UHMANN, Niklas. (1965), Grundrechte als Institution: Ein Beitrag zur politischen NEVES, Marcelo. (1991), "A Crise do Estado: Anotações a partir do Pensamento Filosófi-
l
Soziologie. Berlim, Duncker & I-{umb10¿_
co e Sociológico Alemão”. Anais do Congresso dos Tribunais de Contas do Brasil.
mà (19316). Ausdiƒƒerenzierung des Rechts. Frankfurt am Main, Suhrkamp. Recife, Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco, vol. 1.

fA-
.._. . -.4_. 272 273

. _.
_- ___. (1992a). Verfassung und Positii-'itat des Rechts in der peripheren Modem-_ iferreclitlibh ung; Analvsen zu Funktion und ltirkung von Parlamentalisierung. Buro-
Eine theoretische Betrachtung und eine Interpretation des Falls Brasilien. Berlina. kratisierung und ƒustizialisierung sozialer, politischer und Ókonomischer Pmzesse.
Duncker 8: I-Iurnblot. Königstein, Athenäum. `

___-. (1992b), "Da Autopoiese a Alopoiese do Direito”. Anuário do A/Iestrado crf: (1983), ”Gegentendenzen zur Verrechtlichung: Eerrechtlichung und Entrecht-
Direito, n? 5, Recife, Editora UniversitárialUFPe. lichung im Kontext der Diskussion um den Wohlfahrtsstaat", in R. Voigt (org),
Ciegenrencienzen zur lenechtlich ung (lahrbuch fur Rechtssoziologie und Rechtstheorie
___. (1994), A Constitucionalizacão Simbólica. Guarulhos, SP, Acadêmica
9). Oplader. Westdeutscher Verlag.
OST. Fran‹;o.s. (1986), “Entre Ordre et Desordre: Le ]eu du Droit. Discussion du Para
WEFFORT, Francisco Corrêa. (1981), ”A_Cidadania dos Trabalhadores", in B. Lamounier
digma Autopoiétique Appliqué -au Droit". -Archives de Philosophie du Droit 31. Pa-
"' _. . . . ' et alli (orgs), D.ireito,' Cidadania e Participação. São Paulo, T. A. Queiroz.

i * 9 "' ris. Sir€}›Í`~'~z- -. _. " ' .. -_ .. "

PASSERlN D' ENTREVES, Alexandre. (1969), La Nation de i"Etat. Paris, Sirey, vol. ll

PEDROSA, Bernardette. (1978), "Estado de Direito e Segurança Nacional”. Anais da il.-'


WERLE, Raymund. (1982), “Aspekte der \‹i=:rrechtlichung”. Zeitschrift fiir Rechtssoziologie
3, Opladen, Westdeutscher Verlag.

ZOLO, Danilo. (1986), “Autopoiesisz L`n Paradigma Conservatore". Micro Mega. nt? 1
1 Conferencia Nacional da Ordem dos Advogados do Brasil. Curitiba. PR.
.l Roma, Periodici Culturale. _

l PREUSS. Ulrich K. (1989), “Perspektiven von Rechtsstaat und Demokratie Kritische jusnz gi:

l 22, Baden-Baden, Nomos. _


il
RAWLS, Iohn. (1990), A Theory ofƒustice (li ed. 1972). Oxford, Oxford University Press
Em português (1981), Uma Teoria da justiça, Brasília, Editora da UnB.
Ji-_

SANTOS, Boaventura de Souza. (1977), "The Law of the Oppressed: The Construction
¿'L1 1 and Reproduction of Legality in Pasargada". Law & Society Reviews: nf* 12, Denver
1

. ._ ___. (1980), “Notas sobre a Historia Iundico-Social de Pasargada in C. Santc t


Í ]. Falcao (orgs), Sociologia e Dilreito: Leituras B.-:isica.s de Sociologia Iundica. São Paulo
» Pioneira. _

R ____. (1987), “Lawz A Map of Misreading. Toward a Postmodern Conception of Law".


Ioumal of Law and Society, n? 14, Oxford.

______. (1988), O Discurso e o Poder: Ensaio sobre a Sociologia da Retórica juridica

stats
Porto Alegre, Fabris.

TEUBNER, Gunther. (1982), “Reflexives Redat: Entwicklungsmodelle des Rechts in ver-


gleichender Perspektive". Archiv fiir Rechts-und Sozialphilosophie 68, Wiesbaden
¬u_.-i1flfiløífln¢r-uI ¢t-ku1

_) Steiner.

publication
j _______. (1988), ”Gesellschaftsordnung durch Gesetzgebungslärm? Autopoietische
_ Õ
Geschlossenheit als Problem für die Reci-itssetzuiigfi. in D. Grimm e W. Maihofer (orgs.),
Gesetzgebungstheorie und Rechtspolitilc (jahrbuch fur Rechtssoziologie und Rechts
theorie 13). Opladen, Westdeutscher Verlag.
ea-___,u__.-vam.

~ ¡ ______. (1989), Recht als autopoietisches System. Frankfurt am Main, Suhrkamp.

' g ___ e WILLKE, Helmut. (1984), ”Konte×t und Autonomie: Gesellschaftliche Selbst-
' steuerung durch reflexives Recht”. Zeitschnƒt für Rechtssoziologie 6. Opladen, West-
deutscher \/erlag.

View
VELHO, Gilberto. (1980), "Violência e Cidadania". Dados, vol. 23, n*? 3.

VOIGT, Rüdiger. (1980), 'Wkrrechtlichuhg in Staat und Gesellschaftfi in R. Voigt (org).

274 275

3
_ _ _ _ _