Você está na página 1de 114

SaúdeeBem-

est
ar

Vol
ume6Númer
o5 Abr
ilde2017
Caro leitor,
É com muito prazer que apresentamos o segundo exemplar da Revista de Iniciação
Científica, Tecnológica e Artística dedicada a Saúde e Bem Estar. Uma grande
oportunidade para jovens pesquisadores, estudantes de graduação e pós-graduação
compartilharem com a comunidade científica os seus trabalhos de conclusão de curso
e iniciação científica.
A edição começa com o texto intitulado “O Paradoxo da saúde pública: a prática de
exercícios físicos e a poluição atmosférica”. O artigo conta um pouco sobre o projeto
interdisciplinar desenvolvido por professores e alunos dos cursos de Educação Física e
Engenharia Ambiental Centro Universitário Senac.
Para esse exemplar recebemos trabalhos com foco em diferentes áreas de atuação
profissional, o que fortalece o caráter multidisciplinar da revista e torna a leitura ainda
mais enriquecedora.

Espero que aproveitem a leitura

Saudações

Everton Crivoi do Carmo.


Fotoenvelhecimento nos diferentes grupos étnicos

Photoaging in different ethnic groups

Rosilene Virgínia Simões Coelho Aguiar1, Claudiana Oliveira1, Natália Barelli1, Bianca de
Melo1, Tatiana Gonçalves1, Geovana Prado Vaz Feitosa2.
1
Graduandas do curso de Tecnologia em Estética e Cosmetologia- Centro Universitário Senac
2
Professora Mestre – Centro Universitário SENAC

(coelhoaguiar@hotmail.com)

Resumo
O envelhecimento é um processo biológico complexo e sucessivo, caracterizado por
alterações celulares e moleculares, é classificado entre envelhecimento intrínseco
(cronológico) e extrínseco (fotoenvelhecimento). O processo de envelhecimento varia de
acordo com a etnia de cada indivíduo, entre suas principais diferenças encontradas na
particularidade da estrutura, no número, tamanho e morfologia dos melanossomas.
Sendo o fotoenvelhecimento o principal fator de diferenciação do envelhecimento
cutâneo em cada grupo étnico, persistem outros fatores que podem influenciar nesse
processo como localização geográfica, ambientais e estilo de vida.

Palavras- chave: envelhecimento cutâneo, grupos étnicos, melanogênese, radicais


livres, fotoenvelhecimento.

Abstract
Aging is a complex and successive biological process, characterized by cellular and
molecular alterations, being classified between intrinsic (chronological) and extrinsic
aging (photoaging). The aging process varies according to the ethnicity of each
individual, among the main differences found in the particularity of the structure, in the
number, size and morphology of melanosomes. Since photoaging is the main
differentiating factor of cutaneous aging in each ethnic group, other factors that may
influence this process, such as geographic location, environment and lifestyle, persist.

Key words: aging skin, ethnic groups, melanogenesis, free radicals, photoaging.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística


Edição Temática em Saúde e Bem estar
Vol. 6 no 5 – Abril de 2017, São Paulo: Centro Universitário Senac
ISSN 2179-474X

Portal da revista: http://www1.sp.senac.br/hotsites/blogs/revistainiciacao/


E-mail: revistaic@sp.senac.br

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial-SemDerivações 4.0
Internacional
19
1- Introdução
A pele é o maior órgão do corpo humano com funções vitais ao organismo, como
revestimento, proteção, controle de temperatura, sensorial, estética, absorção da radiação
solar (UV), síntese de vitamina D, absorção e eliminação de substâncias químicas. A
epiderme e derme são camadas constituintes da pele, a primeira sendo a camada que
reveste o corpo e possui diferentes camadas (basal, espinhosa, lúcida, granulosa e
córnea), onde são produzidos os melanócitos e queratinócitos. A derme fica abaixo da
epiderme, possui vascularização, estímulos nervosos, folículos e glândulas e a sua principal
célula são os fibroblastos que são responsáveis pela síntese de fibras de elastina, colágeno,
reticulares e conteúdo da matriz extracelular (RIBEIRO, 2010).
A variabilidade racial determina diferenças significativas fenotípicas, funcionais, reacionais
e patológicas na pele.
Apesar de a cor ser a principal diferença na determinação das raças, não é somente por
ela que possa haver determinação, mas as fisiológicas respostas aos estímulos químicos
e do meio ambiente específico e peculiares (MAIO, 2011).
Dentre as classificações em termos raciais a mais básica difundida tem três grandes
subdivisões: caucasoide (branca), negroide (negro), e mongoloide (amarelo) (BATISTELA,
et. al, 2007). 
O que deixa ainda mais complicado a definição da cor da pele é a miscigenação que ocorre
praticamente em quase todo o mundo principalmente no brasil. Acontece que em cada
lugar ocorre de maneiras diferentes à definição de cor de pele, sendo em alguns lugares
por auto declaração, e em outros por ancestralidade (ALCHORNE; ABREU, 2008).
Definido por um processo multifatorial que tem influência genética, fatores ambientais, e
comportamentais, de acordo com Maria Paulina Kede, o envelhecimento da pele é um
processo contínuo que afeta não só a aparência, mas também a função cutânea. Nem
todos envelhecem com a mesma velocidade, evidenciando que fatores intrínseco e
extrínseco contribuam para o processo de envelhecimento (RIBEIRO, 2010).
Dentre essas mudanças progressivas que se dá na pele através do envelhecimento a mais
importante é a redução da espessura e das características arquitetônicas dos tecidos,
morfologicamente essas mudanças se manifestam com rugas, flacidez do tecido e
irregularidades da pigmentação (BERARDESCA et.al, 2007).
Algumas teorias tentam explicar porque envelhecemos e porque alguns manifestam esse
processo de forma mais rápida e mais intensa do que outros, dentro dessas teorias
está à cor da pele onde há diferenças do envelhecimento entre raças (RIBEIRO, 2010).
O objetivo desse artigo é fazer uma revisão literária sobre as principais
diferenças fisiológicas e morfológicas do processo de fotoenvelhecimento nos diferentes
grupos étnicos, e é justificado pela importância do conhecimento do comportamento de
cada pele nesse processo.

2- Pele
Sendo o maior órgão do corpo humano, a pele é responsável pelo revestimento de todo o
corpo com efeito protetor representado como uma barreira à troca de fluidos e gases
fazendo a proteção contra microrganismos, radiações térmicas e ultravioletas. A resposta
imune deste órgão se dá pelas células dentrítricas (células de Langerhans) que ativa
resposta imunológica em situações de risco. Com inúmeros nervos existentes a pele
também tem a função de sensibilidade, e através da circulação sanguínea a pele promove
a transpiração que é essencial para o controle térmico (RÖCKEN et al., 2014).

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
20
Como funções estéticas e sensoriais, consideramos a aparência, o toque, a maciez, a
exalação de odores, a coloração e a sensibilidade da pele, responsáveis pela atração física
e social do indivíduo (HARRIS, 2009).
A pele é formada por duas camadas principais de modo que cada uma possui
características e funções específicas. A epiderme que é a camada mais superficial é
formada pelo tecido epitelial, e a derme, a camada mais profunda, formada por tecido
conjuntivo (GUIRRO; GUIRRO, 2004).

EPIDERME

A epiderme é o que vemos quando olhamos no espelho ou quando vemos outra pessoa.
O ciclo de vida das células da epiderme é de mais ou menos quatro semanas. Sua camada
mais interna é formada por células que se multiplicam rapidamente, sendo empurradas
para a superfície conforme a camada basal se multiplica e assim elimando as células mais
superficiais, diferenciadas e mortas (MACEDO, 2001).
Esta camada é divida em cinco subcamadas:
Camada basal que é a camada que une a epiderme à derme e é onde ocorrem à renovação
contínua das células da pele, nela são encontrados algumas de suas principais células, os
queratinócitos e melanócitos células responsáveis pela produção de queratina e melanina
(VAZ et. al. 2008).
Camada espinhosa que apresenta uma camada com junções celulares desmossômicas,
que ao microscópio óptico têm a aparência de pequenos espinhos (RÖCKEN et al.,
2014). Camada granulosa apresenta-se com grande quantidade de grânulos precursores
de queratina, que se revelam ao serem coradas (VAZ et.al. 2008,). Nessa camada ocorre
à produção de ceratina (queratina) e as células se tornam achatadas depois de perderem
seu núcleo (BORGES, 2010).
Camada lúcida que está presente somente na pele glabra (da palma da mão e na planta
dos pés), possui uma substância graxa (eleidina) responsável pela hidratação e
lubrificação das estruturas (VAZ et. al. 2008).
Camada córnea a última camada da epiderme é o resultado final do processo de
diferenciação celular, pelo qual passam os queratinócitos, e que começa na camada
basal (RIBEIRO, 2010,). É a camada mais superficial da pele, as células que a compõe são
células mortas e achatadas (semelhantes a escamas) que se soltam, descamam. Tem
como função oferecer proteção, pois forma uma barreira contra o meio externo (BORGES,
2010).

Junção Dermo Epidérmica

A membrana basal ou junção dermo epidérmica faz a união entre a derme e a epiderme, a
sua estrutura e composição molecular a faz diferente dos tecidos vizinhos. Os
queratinócitos são fixados na membrana basal através dos hemidesmossomos, na região
mais profunda encontra-se uma rede de colágeno com fibras longitudinais, apresentando
estruturas emaranhadas com aberturas para os canais sudoríferos e para
os infundíbulos dos folículos polissebáceos. A face epidérmica do bloco dérmico é
papilomatosa, apresentando grandes cílios que separam as estruturas das papilas, sendo
essa estrutura mantida por uma rede de colágeno da membrana basal. Apresenta grande
quantidade de antígenos que ajudam no processo de defesa de microrganismos. É
constituída por quatro regiões principais: membrana celular dos queratinócitos da camada
basal; lâmina lúcida, lâmina densa; lâmina fibrosa sub-basal (rede fibroreticular) (HARRIS,
2009).

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
21
Derme

A Derme é a camada que dá sustentação a pele. É parte vital, onde muitos sinais de
mudanças se manifestam. É composta de elastina, que dá tônus e elasticidade a pele,
colágeno, proteína responsável pela estrutura e alongamento, vasos sanguíneos, que
liberam os nutrientes essenciais e removem as toxinas; nervos, que fazem da pele um
dos órgãos mais sensíveis do corpo, glândulas sebáceas, que a lubrificam, glândulas
sudoríparas, que regulam as oscilações de temperatura do corpo (MACEDO, 2001).
Apresentada por duas camadas: a papilar que são formadas por fibroblastos, e fibras
colágenas, que fornece o suporte para a camada da epiderme (DAL GOBBO, 2010). A
camada inferior da derme, a camada reticular, possui fibras bem tramadas, formando o
tecido conjuntivo denso, com menor número de capilares, com exceção daqueles que
nutrem os anexos que se aprofundam no local (GUIRRO; GUIRRO, 2004).

4-Raças e etnias
A definição de cor da pele é um assunto um tanto complicado para a sua classificação
efetiva. Existem alguns estudos e teorias que ajudam a definir a cor da pele, mas é preciso
levar em conta os fatores de raça e etnia. O conceito de raça é compreendido pelas
características morfológicas comuns de um povo (cor da pele, tipo de cabelo, confirmação
cranial e facial, ancestralidade, genética e etc.), desenvolvidas num processo de adaptação
a determinado espaço geográfico e ecossistemas ao longo de várias gerações (BATISTELA,
et. al, 2007). 
As peles étnicas têm a sua classificação em várias subdivisões, que dentre as principais
incluem: os caucasóides, tendo população representativa os ancestrais europeus,
mediterrâneos e do oeste asiático. São caracterizados pelo formato da face e pela cor da
pele, sendo comumente chamados de “brancos”. Os mongolóides formam um grupo que
se estende pelas condições climáticas extremas do Polo Norte (esquimós) ao Equador
(malásios), incluindo os chineses e os índios sul e norte- americanos. Entram também no
grupo os indianos, paquistaneses, russos, japoneses, coreanos e sudeste- asiático.
Possuem características como região frontal proeminente, malar arredondado, linha
mandibular bem demarcada, olhos amendoados e brilhantes, geralmente com prega
epicantal, tornam o olhar atrativo, sendo a prega supratarsal pouco definida ou ausente
de gordura periorbital abundante (MAIO, 2011).
  Com a miscigenação que há em quase todo mundo, fica ainda mais difícil à determinação
com precisão da cor da pele de uma pessoa, em alguns lugares como no Brasil
é considerado o tom da pele e a aparência física, não a ancestralidade, a população
brasileira se divide em: brancos, pretos, pardos, amarelos e indígenas. O termo pardo é
empregado a miscigenação entre índios, branca e negra, ou seja, pessoas com
ancestralidade indígena, europeia e africana. Nos Estados Unidos a classificação da cor se
dá pela descendência (ALCHORNE; ABREU, 2008).
Embora os tipos de pele pareçam semelhantes do ponto de vista anatômico, funcional e
bioquímico existem variações entre elas, principalmente quando se trata das influências
raciais e para dermatologia ainda não é muito conhecido o determinismo da genética da
pigmentação da pele (BATISTELA, et. al, 2007; ALCHORNE; ABREU, 2008).

5- Sistema pigmentar cutâneo e particularidades da cor da pele


Os melanócitos são células responsáveis pela produção de melanina, corresponde a 10%
das células que estão na camada basal da epiderme, através de seus prolongamentos
verticais e horizontais depositam a melanina nos queratinócitos. As distintas cores da
pele e dos cabelos se devem as diferenças sutis na melanogênese que é onde ocorre à

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
22
síntese do pigmento, elas dependem da estrutura bioquímica da melanina e dos
melanossomos, mas não da quantidade de melanócitos. O conjunto melanócitos e
queratinócitos juntos constitui uma unidade funcional denominada unidade melânico-
epidérmica (RIBEIRO, 2010 apud RÖCKEN et al., 2014).
Há dois tipos básicos de melanina: a eumelanina e a feomelanina, além das melaninas
mistas compostas de frações de ambas. As diferentes tonalidades de pele observadas
entre os tipos étnicos são fruto entre as proporções relativas desses pigmentos: maior
concentração de eumelanina nos indivíduos da pele mais escura e cabelos negros ou
castanhos, e maior concentração de feomelanina em pessoas ruivas e loiras (HARRIS,
2009).
Melanossomas
São organelas complexas constituídas por membranas, proteínas estruturais e
funcionais e tirosinase. É formada no interior dos melanócitos e o processo de melanização
dessas organelas passa por quatro estágios. Existem os eumelanossomas e
os feomelanossomas.
Eumelanossoma no estágio I- início do seu ciclo de vida, forma esférica, sem melanina,
tirosinase ativa e matriz proteica, estágio II- torna-se oval, formação de estruturas de
membranas internas, estágio III- síntese de melanina sobre as membranas formadas no
passo anterior, estágio IV- melanossoma maduro, sem presença da tirosinase ativa,
apresenta-se opaco e carregado de pigmento. Nos feomelanossomas são passam por
todos os estágios, mas ele permanece na forma esférica durante todo o processo
de desenvolvimento. Os melanossomas carregados de pigmento são transferidos para os
queratinócitos, dependendo do tamanho e da forma individualizada ou agregada. Este
processo, por sua vez, tem correlação direta com a intensidade da
pigmentação cutânea (RIBEIRO, 2010).
Melanogênese
A síntese começa pela tirosina que através da enzima tirosinase, é dissociada em dopa e
dopaquinona. Passando por outros produtos intermediários, são produzidas
principalmente duas formas de melanina: a eumelanina (preta-acastanhada) e
feomelanina (vermelho-amarelada) (RÖCKEN et al., 2014).
O elemento inicial do processo biossintético da melanina é a tirosina, um aminoácido
essencial. A tirosina sofre atuação química da tirosinase, complexo enzimático cúprico-
proteico, sintetizado nos ribossomos e transferido, através do retículo endoplasmático
para o Complexo de Golgi, sendo aglomerado em unidades envoltas por membrana, ou
seja, os melanossomas. Os três membros da família relacionada à tirosinase
(tirosinase, Tyrp 1 – tirosinase relacionada à proteína 1 e Dct – dopacromo tautomerase)
estão envolvidos no processo de melanogênese, levando a
produção de eumelanina (marrom-preta) ou feomelanina (amarela-vermelha). Em
presença de oxigênio molecular, a tirosinase oxida a tirosina em dopa (dioxifenilalanina)
e está em dopaquinona. A partir desse momento, a presença ou ausência
de cisteína determina o rumo da reação para síntese de eumelanina ou feomelanina. Na
ausência de cisteína (glutationa), a dopaquinona é convertida
em ciclodopa (leucodopacromo) e está em dopacromo. Há duas vias de degradação
de dopacromo: uma que forma DHI (dopa,5,6 diidroxiindol) em maior proporção; e outra
que forma DHICA (5,6 diidroxiindol-2-ácido carboxílico) em menor quantidade. Este
processo é catalisado pela dopacromo tautomerase (Tyrp 2-Dct). Finalmente,
estes diidroxiindóis são oxidados à melanina. A tirosinase relacionada à proteína 1
(Tyrp 1) parece estar envolvida na catalisação da oxidação da DHICA à eumelanina. Por
outro lado, na presença de cisteína, dopaquinona rapidamente reage com tal substância
para gerar 5-S-cisteinildopa, e, em menor proporção, a 2-S-cisteinildopa. Logo,

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
23
as cisteinildopas são oxidadas em intermediários benzotiazínicos e, finalmente, produzem
feomelanina (MIOT et al., 2009).

6- Particularidades de cada grupo étnico


A intensidade da cor da pele e como consequência as diferenças raciais, não ocorrem em
função do número de melanócitos existentes, mas em função, do tamanho e
morfologia, distribuição e grau de melanização dos melanossomas (BATISTELA, et. al,
2007).  
Na pele caucasiana os melanossomas são pequenos e reunidos por grupos no interior
dos queratinócitos e envoltos por membrana, esses melanossomas são degradados nas
camadas superficiais da epiderme.  A pele dos caucasianos possui maior permeabilidade á
compostos químicos do que na pele negra. Por apresentar uma diferença metabólica na
absorção de substancias do produto (BATISTELA, et.al, 2007).
Os melanossomas nos indivíduos negros são maiores e mais maduros do que nos brancos
e são armazenados mais como unidades do que como grupamentos. Nos queratinócitos,
a degradação dos melanossomas maiores é retardada, o que também contribui para os
níveis mais altos de pigmentação cutânea, nesses casos. Os processos, aos quais se levam
a essa diferença de comportamento, precisam ser
melhores elucidados (MIOT et.al 2009). O teor de melanina confere um fator de
proteção solar naturalmente (FPS) de 13,4% à pele negra, sendo na camada malpighiana o
principal local de filtração da radiação ultravioleta; nos brancos está localizada na camada
córnea (RIBEIRO, 2010). A eumelanina protege as células basais da epiderme dos efeitos
nocivos da radiação UV, isso devido a uma subunidade semiquinona que participa
efetivamente de reações redox tanto como atividades oxidantes redutoras, interagindo
com espécies reativas de oxigênio, radicais livres e outros sistemas químicos
de oxirredução (HARRIS, 2009).
A pele negra estruturalmente diferente da pele caucasoide, pela maior presença de
glândulas sudoríparas (apócrina- écrina), e um maior número de vasos sanguíneos, que
junto com a maior atividade dos melanócitos origina-se uma predisposição a
hiperpigmentação (BATISTELA, et.al, 2007).
O extrato córneo na pele negra contém mais camadas de células do que na pele branca,
porém a espessura de ambas são semelhantes, mostrando-se mais compacto na pele
negra, possivelmente pela maior ligação intercelular, apresentam também maior número
de fibroblastos podendo ser bi ou multinucleados o que lhe confere maior incidência a
quelóides (ALCHORNE; ABREU, 2008 apud MAIO, 2011).
Nos mongolóides os melanossomas se comportam de maneira parecida
dos caucasoides, porém na etnia mongoloide eles estão mais compactados (RIBEIRO,
2010).
Harris (2009) diz, que em peles com padrões intermediários como, por exemplo, nos
indivíduos asiáticos, observa-se uma mistura dos dois tipos de melanina e, quanto maior
a porcentagem de melanossomas isolados, mais escura é a tonalidade da pele.
A pele mongolóide apresenta relativamente pouco teor de melanina, mas uma quantidade
substancialmente maior de betacaroteno, isto explica sua cor amarelada (BATISTELA, et.
al, 2007). 
  O betacaroteno pode ter uma ação protetora à radiação solar devido a sua capacidade de
absorção da luz, e age também como antioxidantes sequestrando espécies reativas de
oxigênio radicais livres (DIAS, 2008).

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
24
A melanina tem por função básica a proteção da pele sobre a ação da radiação ultravioleta
e promoção da absorção dos radicais livres gerados no citoplasma dos queratinócitos,
funções estas que são atribuídas pela eumelanina. A feomelanina sofre degradação devido
à ação dos raios ultravioleta (UV) e consequentemente diminuição da sua capacidade de
absorver este tipo de radiação, podendo levar a formação de radicais livres, contribuindo
para aumento das lesões de pele induzidos pelo UV (RIBEIRO,2010).
Não há consenso, sobre as diferenças entre raças na função da barreira exercida sobre a
pele (ALCHORNE E ABREU, 2008). A perda de água transepidérmica, é um método de
medição da função da barreira da pele, e no momento está definida como a quantidade
total de perda de vapor de água através da pele e anexos em condições de não sudorese.
É a medição objetiva mais estudada para definir as diferenças entre peles de diferentes
etnias tanto em camadas basal quanto na resposta a irritantes tópicos (SAGGAR, WESLEY
E MAIBACH, 2009).
A pele negra, tem maiores taxas de descamação, até 2,5 vezes, e maior perda de água
transepidérmica quando comparada a branca, sugerindo menor resistência da barreira
(BRITZ E KEDE, 2004, SAGGAR, WESLEY, MAIBACH, 2009).
A cor da pele é uma das características mais marcantes que diferenciam indivíduos brancos
e negros, ela depende de quatro pigmentos básicos. Dois deles encontrados na epiderme:
a melanina produzida nos melanócitos, os carotenóidesde produção exógena e cor
amarelada, e ainda sofrem a influência da oxiemoglobina e a hemoglobina encontrada na
derme. Dentre estes a melanina é o principal fator determinante (BRITZ e KEDE, 2004).
De acordo com Steiner (1999), as pessoas negras podem ter até 35 tons de pigmentação,
que vai de creme, passando pelo marrom, até ébano. Portanto, há que se enfatizar que a
cor da pele, e como consequência as diferenças raciais, não ocorrem em função dos
números de melanócitos existentes mais sim em função do tamanho, morfologia,
distribuição e grau dos melanossomas que são grânulos localizados dentro da célula e
formados essencialmente de melanina (SAGGAR, 2009, et al, BATISTELA, CHORILLI,
LEONARDI, 2007).
Segundo Britz e kede (2004), há diferença na velocidade e produção de melanina, entre
as peles brancas e negras. A relação entre síntese de eumelanina e feomelanina é maior
em negros do que em brancos, porém este não é o principal fator de diferenciação.
O tamanho, a densidade e a distribuição dessas estruturas explicam as diferenças de
pigmentação entre várias raças, bem como as nuances de tonalidade dentro de uma
mesma raça (BRITZ E KEDE, 2004).
A pele negra tem melanossomas grandes e não agregados, estão dispersos
individualmente no citoplasma do queratinócitos e apresentam tamanho maior (800 nm),
não sendo degradados e chegando intactos a camada córnea. Na pele branca, tem
melassomas pequenos (400nm) e agrupados entre si em números de três no interior dos
queratinócitos, sendo degradados por enzimas nas camadas superficiais da epiderme
(ALCHORNE E ABREU, 2008, STEINER, 2009).

 7- Envelhecimento cutâneo


O envelhecimento é um processo esperado, inevitável e progressivo. Mas, a qualidade do
envelhecimento depende de fatores e de como cada um conduz seu estilo de
vida (MORASTONE et.al).
O envelhecimento cutâneo começa a se manifestar a partir dos 30 anos, e pode ser
classificado como envelhecimento
intrínseco (cronológico), e extrínseco (fotoenvelhecimento), sendo estes relacionados a
alterações cutâneas causadas pelo fotoenvelhecimento e que se sobrepõe ao
envelhecimento intrínseco (SOUZA, et.al, 2007).

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
25
Durante o envelhecimento ocorrem alterações na composição, na estrutura e nos
processos bioquímicos da pele, de forma que suas propriedades são alteradas e suas
funções prejudicadas. As células ditas senescentes não têm mais a capacidade de
prosseguir com seu processo de replicação, a célula também não entra mais em processo
apoptótico (morte programada), havendo um acúmulo de células com função prejudicada,
que terminam por comprometer todo o tecido (HARRIS, 2009).
Nakano e Yamamura (2005), ainda dizem que existem outros fatores que podem interferir
acelerando o processo de envelhecimento, como características individuais herdadas,
estilo de vida, alimentação, bebidas alcoólicas, cigarro, meio ambiente e, principalmente,
as condições emocionais. Alguns destes fatores podem ser melhorados e com isso, retarda
o processo de envelhecimento (MORASTONE et.al).
Segundo Guirro e Guirro (2004), não se sabe a natureza exata das alterações do
envelhecimento, só se sabe a consequência do mesmo. Porém existem diversas teorias
que tentam explicá-la, como a do relógio biológico, a da multiplicação celular, a das
reações cruzadas de macromoléculas, encurtamento dos telômeros a dos radicais livres,
a do desgaste e a autoimune. Mas, nenhuma dessas teorias ganhou aceitação total pela
comunidade científica como sendo única e definitiva.
Uma das teorias que vem sendo bem comentada é a do encurtamento dos telômeros. Com
o envelhecimento ocorrem várias alterações moleculares que desencadeiam outras
alterações como, por exemplo, a reparação no DNA telomérico. Telômeros são sequências
de repetições nucleopeptídicas presentes no final dos cromossomos. Como o DNA –
polimerase não consegue transcrever a sequência final das bases presentes na fita de DNA
durante a replicação, o tamanho telomérico se reduz a cada mitose. Essa redução do
telômero foi associada ao envelhecimento celular (MONTAGNER; COSTA, 2009).
São várias as teorias que tentam explicar o processo de envelhecimento, em ambas às
classificações sobre o envelhecimento pode observar a ação dos radicais livres, uma das
teorias mais aceitas que foi creditada através de Denham Harman após observação da
irradiação em seres vivos, pois induzia a formação de radicais livres que tinha como
consequência a aceleração no processo de envelhecimento (HARRIS,
2009 apud HIRATA, et.al, 2004).
Radicais livres são moléculas instáveis e muito reativas, pois apresentam um ou mais
elétrons desemparelhados em sua órbita externa, ele tenta se ligar a elétrons de outras
moléculas procurando se estabilizar, fazendo assim com que a molécula de quem ele
pegou um elétron se torne um radical livre e assim provocando uma cadeia de reações
chamada de estresse oxidativo (RIBEIRO, 2010).
A aceleração do envelhecimento através dos radicais livres se dá pelos danos que estes
causam ao DNA, por atuarem na desidrogenação, hidroxilação e na glicação proteica, que
faz com que ocorra a perda das funções biológicas das proteínas, como colágeno e
proteoglicanos que tem como consequência alterações na estrutura da pele e aumento da
flacidez (HIRATA, et.al,2004). Durante o processo de produção de ATP, elétrons são
transportados para dentro da membrana mitocondrial interna, mas uma pequena
porcentagem desses elétrons é perdida e resultam na formação de espécies de oxigênio
reativo, que em concentrações elevadas pode afetar a mitocôndria, ocorrendo então à
redução da produção de ATP, que vai reduzir a energia para manter muitos processos
químicos celulares, levando ao esgotamento energético e degeneração do tecido
(HIRATA, et.al,2004).
A exposição à radiação ultravioleta do sol gera tanto radicais livres de oxigênio como
oxigênio de singlete na epiderme, provocando o envelhecimento cutâneo. Os seres
humanos estão continuamente expostos a radicais livres formados nas próprias células. O
importante é que precisa haver o equilíbrio entre os processos de produção e de eliminação
dos radicais livres. Quando ocorre um desequilíbrio entre esses dois tipos de processos,

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
26
cria-se uma condição de estresse oxidativo, em que predomina a formação de lesões
oxidativas nas células. Os radicais livres atacam os principais constituintes das células
formando a base molecular do envelhecimento, como os lipídios das membranas celulares,
as proteínas estruturais, enzimas e DNA (HARRIS, 2009).
O processo de fotoenvelhecimento corresponde ao grau de exposição solar e a
pigmentação cutânea, o que ocasiona em uma pele amarelada, com pigmentação
irregular, enrugada, atrófica, com telangiectasias e lesões pré-malignas (MONTAGNER;
COSTA, 2009). As alterações induzidas pelo fotoenvelhecimento podem ocorrer bem antes
dos sinais do envelhecimento cronológico e, sem dúvida, dependem de inúmeros fatores,
tais como: tipo de pele, natureza da exposição solar e capacidade individual de reparação
do dano solar (AZULAY; AZULAY, et. al 2013).
Os efeitos bioquímicos da radiação solar sobre a pele são causados, principalmente pelas
radiações UVA e UVB, os diferentes comprimentos de onda interagem sobre as moléculas
orgânicas encontradas na pele e determinam reações fotoquímicas cujo final está
relacionado com a importância do papel biológico das moléculas envolvida. A molécula que
absorve o fóton (unidade de medidas de energia eletromagnéticas) é
denominada cromóforo (AZULAY; AZULAY, et.al 2013).

Os cromóforos absorvem a radiação solar assim que ela penetra na pele, transformando
essa energia em radicais livres. Esses radicais livres atacam os queratinócitos da
epiderme, além de degradar os fibroblastos da derme, podendo lesar as cadeias de DNA,
proteínas, carboidratos, lipídeos e as membranas celulares na parte mais profunda
da epiderme (HIRATA, et.al,2004).
Por serem mais penetrante, os raios UVA atinge a derme profunda e se torna o principal
responsável pelo fotoenvelhecimento. A radiação UVB, apesar da penetração através da
pele ser menor, pode chegar até a derme papilar, provocando uma série de alterações às
fibras de elastina e de colágeno presente nessa região, bem como na atividade metabólica
dos fibroblastos. A UVA longa, diferente das ondas curtas, é pouco absorvida pelo DNA,
mas acredita-se que através da absorção por cromóforos geram radicais livres que podem
atacar o DNA, embora a irradiação UVB também gere radicais livres, ele tem como
principal mecanismo de ação a interação direta com o DNA, causando a sua
destruição (AZULAY; AZULAY, et.al, 2013 apud RIBEIRO, 2010).
A agressão externa está relacionada com a influência do meio ambiente, tais como
radiação UV, tabagismo, vento, exposições a agentes químicos, mas a exposição solar é
sem dúvida, o principal fator contribuinte para o envelhecimento extrínseco, ocasionando
diversas disfunções estéticas (AZULAY; AZULAY, et. al, 2013). Essas alterações são
percebidas nas áreas mais expostas como face, pescoço, e são bem intensas devido à
somatória dos envelhecimentos, mais de 85% das rugas são devido à radiação solar
(RIBEIRO, 2010).
A característica mais proeminente do fotoenvelhecimento é a elastose, nele ocorre um
grande dano ao tecido conjuntivo da derme devido à ação da radiação ultravioleta. Sob a
influência dessa radiação, é possível observar o aumento da síntese de fibras elásticas
anormais. Sob estas condições, a elastina se apresenta espessa, emaranhada, degradada
e finalmente, degenera-se, formando uma massa amorfa que acumula na derme. Os
fibroblastos, sobre ação da radiação ultravioleta, aumentam a síntese de enzimas
proteolíticas, metaloproteinases, que podem degradar o colágeno, elastina e
várias proteoglicanos. A perda de colágeno com concomitante aumento de tecido elatótico,
pobremente funcional, pode resultar uma pele com aparência amarelada, inelástica e
coreácea (RIBEIRO, 2010).

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
27
8- Diferenças em relação ao fotoenvelhecimento
Na pele negra, os melanossomas são maiores e não agregados, ou seja, mais dispersos,
absorvem mais energia e promovem uma coloração mais uniforme e densa que o
observado em peles claras, conferindo assim 3 a 4 vezes mais proteção contra a radiação
UV, diminuindo, absorvendo e retardando a radiação de forma eficiente (BRITZ E KEDE,
2004, ALCHORNE E ABREU, 2008, STEINER, 2009).
Segundo Steiner, 2009 quando no negro a melanina atinge o estrato córneo, esta perde
em grande parte sua capacidade protetora e a razão disto ainda é desconhecida. A
absorção e a difusão dos raios pela melanina dependem da densidade e da distribuição
dos melanossomas no interior dos queratinócitos.
A dose eritematosa mínima, quantidade de radiação para produzir um eritema mínimo,
chega a ser de 15 a 33 vezes maior se comparado a pele branca. Como vermelhidão é
difícil de observar em peles negras, o único índice considerável é a descamação observada
alguns dias após a exposição.
Desta forma, os negroides têm menos chances de desenvolver câncer de pele (não
melanoma) e menor fotoenvelhecimento, em relação aos caucasoides. Porém isto não
dispensa o uso do protetor solar, pois estão mais propensos a manchas (BRITZ E KEDE,
2004 STEINER, 1996, STEINER, 2009).

9- Materiais e métodos
Este artigo trata-se de uma modalidade de pesquisa focado no fotoenvelhecimento em
diferentes grupos étnicos, que foi realizado através da análise de pesquisas científicas,
favorecendo a divulgação do conhecimento produzido, pré - existente em
artigos científicos de publicação online em bases dados como SCIELO e livros que abordam
o assunto.  
Para a identificação dos estudos, realizou-se uma busca online em artigos (original ou
revisão), para a localização dos artigos foram utilizados os descritores: raça, etnia,
envelhecimento cutâneo nos diferentes grupos étnicos, radicais
livres, fotoenvelhecimento. Após a seleção dos artigos e conteúdo abordado nos livros,
foram feitos, interpretação e análise de resultados dos estudos para assim, identificar a
temática central abordada no projeto.  
A literatura é muito escassa no que se refere a envelhecimento em diferentes grupos
étnicos, principalmente relacionado ao envelhecimento em mongolóides.  

10- Considerações finais


Pela observação dos aspectos analisados conclui-se que o principal fator de diferenciação
no envelhecimento cutâneo dos grupos étnicos básicos foi encontrado no
fotoenvelhecimento, onde o que determina o grau de envelhecimento em cada grupo é o
teor de melanina e características dos melanossomos. Os negróides envelhecem de uma
forma mais lenta devido à presença da eumelanina que absorve os raios ultravioletas e
minimiza os seus efeitos da radiação na pele, já uma pele caucasóide tem a sua melanina
degradada com a ação dos UV com isso tendo pouca absorção da radiação, ajudando na
formação de radicais livres, e por isso apresentando uma pele mais envelhecida. Com
tudo é muito importante considerar a região geográfica e o estilo de vida de
cada indivíduo, pois esses aspectos podem contribuir para um maior grau das alterações
da pele no envelhecimento.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
28
11-Referências

ALCHORNE, M.M.; ABREU, M. A. Dermatologia em pele negra. Anais brasileiro de


dermatologia, Sao Paulo, v. 1, n. 83, p.7-20, 21 jan. 2008. Disponível em:
<www.scielo.br>. Acesso em: 20 mar. 2016.

AZULAY, R. D; AZULAY, D. R; AZULAY, A. L. Dermatologia. 5. ed. Rio de Janeiro:


Guanabara Koogan, 2008

BATISTELA, M. A.; CHORILLI, M.; LEONARDI, G. R. Abordagens no estudo do


envelhecimento cutâneo em diferentes etnias. Revista Brasileira de Farmácia, São
Paulo, v. 2, n. 88, p.59-62, 16 out. 2006. Disponível em:
<http://www.rbfarma.org.br/>. Acesso em: 18 mar. 2016.

BERARDESCA, E. et al. Ethnic skin and hair. New York: Informa Healthcare, 2007.

BORGES, F. S. Dermato-funcional: modalidades terapêuticas nas disfunções


estéticas. 2. ed. São Paulo: Phorte, 2010.

DAL GOBBO, P. Estética facial essencial: orientação para o profissional de


estética. São Paulo: Atheneu, 2010.

DIAS, A. M. P. S. P. Nutrição e a pele. 2008. 49 p. Monografia. Faculdade de ciências da


nutrição e alimentação, Universidade do Porto, Porto.

GUIRRO, E.; GUIRRO, R. Fisioterapia dermato-funcional: fundamentos recursos


patologias. 3. ed. Barueri: Manole, 2004.

HARRIS, M. I. N. C. Pele: estrutura, propriedades e envelhecimento. 3. ed. São Paulo:


Senac, 2009. 352 p.

HIRATA, L.L; SATO, M.E. O; SANTOS. C.A.M. Radicais livres e o envelhecimento


cutâneo. Setor de ciências da saúde da universidade federal do Paraná, Brasil, v.23,
p.418- 424 jun.2004. Disponível em: <www.scielo.com.br>. Acesso em: 25 abr. 2016.

MAIO, M. Tratado de medicina estética. 2 ed. São Paulo: Roca, 2011

M.KEDE; SABATOVICH. Dermatologia estética. São Paulo: Atheneu, 2009.

MACEDO, O. R. Segredos da boa pele: preservação e correção. 2. ed. São Paulo:


Senac, 2001.

MICHALUN, N.; MICHALUN, M. Dicionário de ingredientes para cosmética e


cuidados da pele. 3. ed. São Paulo: Senac, 2010.

MIOT, L. D. B. et al. Fisiopatologia do melasma. Anais brasileiros de dermatologia,


São Paulo, v. 6, n. 84, p.623-635, 30 jun. 2009. Disponível em: <www.scielo.com.br>.
Acesso em: 25 abr. 2016.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
29
MONTAGNER, S.; COSTA, A. Bases biomoleculares do fotoenvelhecimento. Anais
brasileiro de dermatologia, São Paulo, v.3, n. 84, p. 263-9, 2009. Disponível em:
<www.scielo.br>. Acesso em: 20 mar. 2016.

PEREIRA, M. F. L. Recursos técnicos em estética. São Caetano do Sul: Difusão, 2013.

RIBEIRO, C. Cosmetologia aplicada a dermoestética. 2. ed. Sao Paulo: Pharma


books, 2010.

RÖCKEN, M. et al. Dermatologia: texto e atlas. Porto Alegre: Artmed, 2014. 406 p.

SAGGAR, S, WESLEY, N. O, MAIBACH, H.I. Variações étnicas nas propriedades da


pele: quo vadis.Cosmetics Toiletries . São Paulo, v. 21, n.3, p.32-40, 2009. Acesso em
15 de fev.2017

SOUZA, S. L. G. et al. Recursos fisioterapêuticos utilizados no tratamento do


envelhecimento facial. Revista Fafibe on line, Bebedouro, Sp, v. 1, n. 1, p.1-6, 3 ago.
2007. Disponível em: <www.unifafibe.com.br/>. Acesso em: 21 abr. 2016.

STEINER, D. Pele negra. Disponível em <HTTP: www.denisesteiner.com.br>

STEINER, D. Produtos étnicos. Cosmetics Toiletries. São Paulo, n.3, p.24, 1999.

VAZ, D. P. Curso didático de estética. São Caetano do Sul: Yendis, 2008

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
30
A importância da padronização dos registros fotográficos da face

The importance of standardizing the photographic records of the face

Nilce Miriam Zonta Dias, Paulo André Jung, Elusa Cristina de Oliveira
Centro Universitário Senac - Santo Amaro
Tecnologia em Estética e Cosmética
(nilcezonta@gmail.com, ajung@ajung.com.br, elusaoliveira@gmail.com)

Resumo. A fotografia é importante para o acompanhamento da evolução de


tratamentos estéticos. Segundo Garcia e Borges (2010) a foto documentação digital está
presente atualmente em diversas áreas da saúde, sendo que a utilização desse recurso
tecnológico veio facilitar em todos aspectos o registro das imagens de interesse. Como
há uma variedade de recomendações, algumas convergentes e outras divergentes, o
projeto se propôs a fazer um levantamento bibliográfico para estabelecer um protocolo
de foto documentação de tratamentos faciais de forma simples, porém, respeitando
princípios básicos de um bom registro fotográfico. O protocolo foi realizado com uma
voluntária e concluiu-se que é fundamental que se estabeleça normatização para registro
fotográfico facial padronizando as posições, ângulos, controle de iluminação e escolha do
equipamento ideal, para a análise da evolução dos tratamentos estéticos de face; e que
seja facilmente aplicado pelos profissionais da área.
Palavras-chave: foto documentação, fotografia digital, protocolos de fotografia,
fotografia na estética.

Abstract. The photography is important to monitoring the aesthetic treatments


evolution. According to Garcia and Borges (2010), digital photo documentation is present
in several healthcare areas, and the use of this technological resource has facilitated in
all aspects the recording the interest’s images. There are a variety of recommendations,
some convergent, some divergent, therefore this project proposed to make a
bibliographical survey to establish a photo documentation standard procedure of facials
in a simple way, however, respecting basic principles of a good photographic record. The
protocol was performed with one volunteer. It is fundamental to establish
standardization for facial photographic registration to positions, angles, lighting control
and choice of the ideal equipment to analyse the evolution of aesthetic face treatments;
and is easily applied by professionals in the area.
Keywords: photo documentation, digital photography, photography protocols,
photography in aesthetics.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística


Edição Temática em Saúde e Bem estar
Vol. 6 no 5 – Abril de 2017, São Paulo: Centro Universitário Senac
ISSN 2179-474X

Portal da revista: http://www1.sp.senac.br/hotsites/blogs/revistainiciacao/


E-mail: revistaic@sp.senac.br

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial-SemDerivações 4.0
Internacional
31
1. Introdução
A fotografia é um importante instrumento para os tratamentos estéticos, sendo uma
ferramenta fundamental para o acompanhamento da evolução do tratamento, assim como
para a comparação entre os resultados (GARCIA e BORGES, 2010).
O registro através de fotografias vem sendo cada vez mais utilizado entre os profissionais
da estética, pois possibilita a análise comparativa das várias fases do tratamento.
Há uma variedade de recomendações para um bom registro fotográfico na literatura
especializada, sendo algumas convergentes, outras divergentes, o que dificulta o
entendimento por profissionais da área de Estética que são leigos no tema fotografia
profissional.
Segundo Garcia e Borges (2010) para a realização dos registros fotográficos há
necessidade de ter como referência alguns parâmetros indispensáveis para o registro ser
realizado com maior fidelidade, e de forma a não ocasionar diferenças entre as imagens
nos diversos momentos do tratamento, fazendo assim, com que as mesmas sirvam de
instrumentos de verificação da evolução de um determinado tratamento estético.
Para iniciar a tarefa de foto documentação científica é necessário o preparo adequado do
ambiente, mesmo que este seja uma sala improvisada. De acordo com Hocham, Nahas e
Ferreira (2005) é de grande importância que se tenha o controle da iluminação para
obtenção de uma boa fotografia para documentação.
Segundo Diniz (2014) o conhecimento básico sobre alguns tipos de luzes é necessário para
que se obtenha qualidade na fotografia. A luz do flash da câmera, também chamada de
luz dura ou luz frontal, é intensa e não forma sombras suaves, mas sombras duras, com
muito contraste. Este tipo de luz, por exemplo, quando utilizada irá ressaltar sulcos, rugas
e cicatrizes do cliente, o que não favorecerá a análise da sua pele no registro fotográfico.
Para se evitar a formação das sombras duras, pelo flash das câmeras, pode ser criada luz
artificialmente com a utilização de material difusor como uma tela de tecido, papel vegetal
ou mesmo um plástico colocado na frente do flash. Esta luz tem característica suave e o
efeito de sombra é quase imperceptível. Ela se torna difusa ou indireta refletindo em outras
superfícies e mudando sua característica original antes de atingir o objeto a ser fotografado
(DINIZ, 2014).
De acordo com Pinheiro (2013), é fundamental estabelecer inicialmente o balanço de
branco (BB) nas câmeras. O BB é regulado conforme a fonte de luz do ambiente, seja para
lâmpadas fluorescentes, incandescentes, luz do sol, sombra ou utilização de flash,
deixando-a neutra. Nas câmeras amadoras o BB geralmente é regulado de forma
automática.
Além da iluminação, o fundo fotográfico também é um ponto importante a ser considerado
devendo ser de cor neutra e opaca para não haver reflexos como em um fundo de textura
lisa (HOCHMAN; NAHAS; FERREIRA, 2005).
Garcia e Borges (2010) chamam a atenção para que não haja interferência de objetos que
desviem a atenção do observador como cadeiras, mesas e relógio de parede.
Além disso, deve-se tomar cuidado para retirar acessórios e adereços da região da face,
tais como óculos e adornos, assim como os cabelos devem estar presos (KEDE e
SABATOVICH, 2009).
Com relação às câmeras fotográficas, atualmente as mais utilizadas são digitais, sendo
que não precisam ser de última geração para atender às necessidades do registro
fotográfico durante os procedimentos estéticos (MARTINS, 2010).

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
32
Garcia e Borges (2010) relataram que as fotografias podem ter excelente qualidade sem
necessidade de utilizar equipamentos de alto valor monetário, mas para isso é necessário
que se saiba escolher o tipo de equipamento que atenda à necessidade, sendo mais
prudente fazer uso de câmeras convencionais.
Segundo Ang (2012), graças à competição acirrada dos fabricantes pode-se afirmar que
todas as câmeras funcionam bem e são confiáveis dentro de suas especificações, havendo
inúmeros modelos e marcas à disposição no mercado.
Para a escolha do equipamento, o profissional deve se basear no que será fotografado e
qualquer que seja a escolha, é necessário ter conhecimentos básicos das técnicas de
fotografia (PINHEIRO, 2013).
As câmeras digitais amadoras comuns também chamadas de compactas são pequenas,
portáteis e com preços mais acessíveis, indicadas para diversos tipos de fotografias;
possuem configurações prontas que extraem a melhor imagem em situações como dias
de sol, ambientes fechados e retratos individuais, entre outros (BASVITER, 2011).
Há dois tipos de câmeras compactas, segundo Garcia e Borges (2010), a simples e a
avançada. As câmeras simples são as mais utilizadas e mais fáceis de manuseio, pois
possibilitam algum controle criativo sobre a composição e o enquadramento das
fotografias.
A maioria das câmeras compactas possui seletor de uso descomplicado, assim é possível
focar de modo fácil e preciso em qualquer situação. Atendem praticamente quaisquer
necessidades, desde trabalhos instantâneos aos mais especializados (ANG, 2012).
As câmeras compactas diferem das semiprofissionais, pois possuem um sensor menor e
todas as suas funções são automáticas, não precisando de regulagem manual, e seu flash
é embutido e possui menor alcance (ANG, 2012).
Com relação à objetiva, há três tipos: a grande angular usada quando a fotografia exige
maior campo de visão em menor distância; a teleobjetiva que possui um menor campo de
visão, porém alcança maior distância focal e a objetiva classificada como normal que é a
ideal por melhor se adequar a proposta de foto documentação em estética (PINHEIRO,
2013).
A objetiva possibilita um zoom óptico sem distorções na imagem, e a focagem automática
permite a obtenção de imagens de melhor qualidade (MIOT; PAIXÃO E PASCHOAL, 2006).
Em geral, as câmeras avançadas ou monoreflex ou DSRL (Digital Single Lens Reflex) são
capazes de gerar imagens com padrão profissional oferecendo muitos recursos. São
usadas tanto por profissionais como amadores e não existe uma separação rígida quanto
aos modelos. Têm objetivas intercambiáveis que permitem a alteração da distância focal
e o controle sobre a velocidade do obturador e a abertura é quase sempre total, e o
desenho do visor permite que se veja exatamente aquilo que se vai fotografar
(HEDGECOE, 2009).
Nesse caso, o ideal é optar por uma com lente zoom que tenha boa variação de
aproximação e abertura grande de diafragma, pois quanto mais luminosa for essa
abertura, mais fácil será registrar fotografias com uma iluminação fraca (BASVITER,
2011).
De acordo com Costa (2005), deve-se observar qual a resolução da máquina digital
escolhida, pois esta corresponde à sua capacidade de representar os detalhes da imagem
que se quer registrar. A resolução da imagem é dada pelo número de pixels ou megapixels
(MP) que vem descrito na máquina. Para reprodução das fotografias em papel com
imagens de até dez por quinze centímetros, o ideal é que se tenha um equipamento a

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
33
partir de cinco MP para impressão de alta qualidade (quanto maior a quantidade de pixels
melhor será a qualidade final).
O princípio de funcionamento entre uma câmera compacta e uma DSRL é o mesmo, mas
os caminhos que a luz percorre dentro da máquina são diferentes. A natureza analógica
preservada nas DSLR não existe nas máquinas menores do tipo das compactas ou nas
mais modernas. Quando se olha pelo visor analógico de uma Reflex o que se vê é
exatamente o que objetiva está enxergando, refletido por espelhos e um penta prisma
(BASVITER, 2011).
Essa imagem ainda não atingiu o sensor, portanto é totalmente analógica. A luz vai tocar
o sensor apenas quando o botão de disparo for pressionado. O espelho que refletia a
imagem para o visor analógico é levantado, o obturador se abre e a luz atinge o sensor.
Essa imagem então é processada para ser mostrada no visor LCD (liquid crystal display)
(ANG, 2012).
Câmeras digitais DSRL tem opção de operação manual, semiautomático e automático.
Quando em modo automático é só apontar para fazer o registro da fotografia. O modo
automático define a exposição, o ISO1 e o BB adequado (BASVITER, 2011).
O foco nas câmeras digitais compactas, normalmente é automático, afim de facilitar a
obtenção de fotografias com foco mais preciso. O fotógrafo pode focar o objeto antes
pressionando levemente o botão disparo e travar o foco (pré-foco), para então enquadrar
corretamente o mesmo no foco desejado (MIOT, PAIXÃO e PASCHOAL, 2006).
As câmeras DSRL tem sistema de lentes intercambiáveis, sendo possível a troca das
objetivas, o que torna essas máquinas mais versáteis (BAVISTER, 2011). No caso da
obtenção de retratos para foto documentação facial, com câmera DSRL, a utilização de
uma objetiva de cinquenta milímetros é a opção adequada, pois proporciona melhor
qualidade das imagens em forma de retrato não havendo riscos de distorções (MIOT,
PAIXÃO e PASCHOAL, 2006).
Após a escolha da câmera, é necessário a adoção de alguns critérios para escolha da
posição ideal para as fotografias, sendo o primeiro critério evidenciar a área a ser tratada
(STOCCHERO; TORRES, 2005).
O posicionamento da câmara é fundamental, assim como o posicionamento do objeto ou
modelo. De acordo com Garcia e Borges (2010), o modo de posicionar a câmara dependerá
da região do corpo a ser fotografada, vertical ou horizontal, sendo no caso da face o
vertical.
A recomendação é registrar uma fotografia de cada posição: Cefálica Anterior, Cefálica
Oblíqua Anterior Direita, Cefálica Oblíqua Anterior Esquerda, Cefálica Perfil Direito e
Cefálica Perfil Esquerdo, e observar o posicionamento da cabeça. Um posicionamento
inadequado pode alterar o formato do rosto; com isso, a posição deve ser neutra, sendo
o mesmo princípio adotado para fotografias de enquadramento de face oblíquas e perfil
(STOCCHERO E TORRES, 2005).
Garcia e Borges (2010) descreveram que nas fotografias de perfil a pessoa deve
posicionar-se de lado com o ombro próximo ao fundo.

1
ISO (International Standards Organization), é a medida que indica a sensibilidade do sensor da câmera à luz
do ambiente, ou seja, quanto maior o número ISO maior a sensibilidade do sensor à luz, e quanto menor o
número ISO menos luz será percebida pelo sensor da câmera.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
34
Segundo Hochman; Nahas e Ferreira (2005), os enquadramentos face frontal, oblíqua e
de perfil devem somente abranger a circunferência cefálica, desde o cimo do crânio até a
articulação esterno clavicular, estando a câmera na posição vertical.
Kede e Sabatovich (2009) relataram que a posição em pé é a melhor para fotografar a
face. O pescoço e o dorso do modelo devem estar eretos e distantes do fundo, o olhar
direcionado para o horizonte e não devem se apresentar objetos como óculos, joias e
penteados cobrindo a área a ser fotografada. O ideal é usar o mesmo modo de ajeitar os
cabelos em todas as fotos.
É recomendável estabelecer uma distância entre a câmera e o cliente para os
enquadramentos da face, que pode ser de um metro a um metro e dez centímetros. Para
tanto o ideal é que estabeleça essa marcação no piso, segundo Bastos (2004 apud Garcia
e Borges, 2010, p.557).

Como há uma variedade de recomendações, o presente trabalho buscou, através de


revisão bibliográfica, o estabelecimento de um protocolo de foto documentação para
auxiliar os profissionais da área de estética respeitando princípios básicos de fotografia
profissional.

2. PROTOCOLO DE FOTO DOCUMENTAÇÃO


Para o processo de registro fotográfico é fundamental que o profissional siga uma
sequência de orientações com a finalidade de obter a padronização das ações do registro
fotográfico nos diferentes momentos do tratamento estético.
Para tanto foi estabelecido o seguinte protocolo:
1. Escolher um local para tomada dos registros fotográficos que tenha
características tais como: teto e paredes brancas com boa iluminação
(STOCCHERO E TORRES, 2005);
2. Verificar se o espaço escolhido para o posicionamento do modelo não tenha
luz que incida diretamente sobre sua face de modo a produzir sobras;
3. Criar uma luz difusa artificialmente para que não forme sombras na face do
modelo. Para isso utilizar material difusor como um papel vegetal, por
exemplo, colocado na frente da fonte de luz contínua. Havendo condições
para utilização de fonte de luz extra, esta também deverá ser uma luz
contínua. Posicionar essa iluminação extra, uma de cada lado na posição
quarenta e cinco graus em relação ao modelo, sendo que ambas devem
estar na mesma altura e ter a mesma potência de luz. Caso não haja a
possibilidade de se obter fontes de luz extra, o modelo poderá segurar um
pedaço de papel branco ou uma placa de isopor no tamanho de cinquenta
por cem centímetros, levemente inclinado em sua direção, para que a luz
ambiente incida e se reflita na face, melhorando sua iluminação;
4. Utilizar um fundo fotográfico de cor clara, preferencialmente branca, mas
que seja opaco para que não haja reflexos (HOCHMAN, NAHAS e FERREIRA,
2005);
5. Retirar todos os objetos do ambiente próximos da pessoa fotografada
(GARCIA e BORGES, 2010);
6. Antes de cada sessão fotográfica, realizar o procedimento de higienização e
tonificação da pele do modelo, no intuito de retirar qualquer resíduo de
maquiagem e sujidades. É importante salientar que se deve ter um cuidado

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
35
especial com a pele, como não promover esfoliação ou provocar algum tipo
de irritação que cause hiperemia. Para tanto, o ideal é que se utilize apenas
algodão na hora da higienização;
7. Retirar acessórios e adereços da região da face e pescoço, tais como óculos
e adornos, assim como os cabelos devem estar presos (SABATOVICH,
2004);
8. A máquina fotográfica poderá ser compacta (BASVITER, 2011). Nesse caso,
optar por uma com lente zoom que tenha boa variação de aproximação e
abertura grande de diafragma (BASVITER, 2011);
9. Utilizar uma objetiva normal que possibilita um zoom óptico sem distorções
na imagem, e optar pela focagem automática, pois ela permite a obtenção
de imagens de melhor qualidade (MIOT; PAIXÃO E PASCHOAL, 2006).
10. Escolher uma câmera fotográfica com resolução a partir de cinco MP
(COSTA, 2005);
11. Focar o modelo antes do registro da fotografia, pressionando levemente o
botão de disparo e travar o foco, para então enquadrar corretamente o
mesmo no foco desejado (MIOT, PAIXÃO e PASCHOAL, 2006);
12. Para o uso de câmeras com sistema de objetivas intercambiáveis, como no
caso das do tipo DSRL, utilizar uma objetiva próxima de cinquenta
milímetros (BAVISTER, 2011);
13. Não estando a câmara DSRL no modo automático, regular o BB de acordo
com a luz ambiente (PINHEIRO, 2013). Nas máquinas compactas o ajuste
do BB é automático;
14. Usando uma câmera DSRL, colocá-la no modo automático para que sejam
definidos o ISO e o BB adequado (BASVITER, 2011);
15. Caso o ambiente escolhido para tomada de fotografias esteja com
iluminação insuficiente, antes de regular a câmera no modo automático,
selecionar no menu do equipamento ISO mais alto como quatrocentos ou
oitocentos. Isso só deverá ser feito se o ambiente não estiver
suficientemente iluminado;
16. Fazer o enquadramento da face na posição vertical, de modo que a face do
modelo fique centralizada e as distâncias laterais entre o lado esquerdo e o
direito da cabeça estejam iguais (STOCCHERO e TORRES, 2005);
17. Feito o enquadramento, apertar o botão do disparo em meio curso para
fazer o foco, certificar que o posicionamento do modelo está correto e
apertar o botão do disparo até o fim (MIOT, PAIXÃO e PASCHOAL, 2006);
18. As fotografias da face devem ser registradas nas seguintes posições:
Cefálica Anterior; Cefálica Oblíqua Direita e Esquerda, Cefálica Perfil Direito
e Esquerdo (STOCCHERO E TORRES, 2005);
19. A expressão facial do modelo no momento do registro fotográfico dependerá
do tipo de tratamento que esteja sendo realizado na sua pele. No caso do
tratamento de rugas dinâmicas e linhas de expressão, pode-se solicitar ao
modelo que execute contrações dos grupos musculares da face,
fotografando-o em todas as poses, e repetindo depois as mesmas poses
com a face relaxada;

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
36
20. Observar no momento do registro o posicionamento da cabeça. Esta deverá
estar em posição neutra de modo a não alterar o formato do rosto
(STOCCHERO E TORRES, 2005);
21. Para enquadramentos de face na posição oblíqua, solicitar leve rotação
lateral a quarenta e cinco graus à direita e depois à esquerda (STOCCHERO
E TORRES, 2005). Para esta rotação o modelo deve mover o corpo e não
somente a cabeça;
22. Para registros de fotografias de perfil, o posicionamento da cabeça deve ser
neutro com a pessoa posicionada de lado (GARCIA E BORGES, 2010);
23. Os enquadramentos: face frontal, oblíqua e de perfil devem abranger, do
cimo do crânio até a articulação esterno clavicular (HOCHMAN; NAHAS e
FERREIRA, 2005);
24. A posição em pé é a melhor para fotografar a face (KEDE e SABATOVICH,
2009);
25. Os registros fotográficos devem ser tomados com a câmera na posição
frontal em relação ao modelo. Esta não poderá estar inclinada para cima ou
para baixo. Sendo o modelo muito mais alto que o fotógrafo, a melhor
posição é a sentado. No caso de o modelo ser muito mais baixo em relação
ao fotógrafo, este deverá abaixar-se. Nos dois casos posicionar a câmera o
mais frontalmente possível, em linha reta em relação à face do modelo;
26. O pescoço e o dorso devem estar eretos (sem flexão ou extensão da coluna
cervical), e o olhar do modelo deve estar direcionado para o horizonte (KEDE
e SABATOVICH, 2009);
27. O ideal é usar o mesmo modo de ajeitar os cabelos em todas as fotografias
(KEDE e SABATOVICH, 2009);
28. Distanciar a câmera do modelo a um metro, para a tomada de fotografias
da face, estabelecendo para tanto, uma demarcação no piso (BASTOS, 2004
apud GARCIA e BORGES, 2010);
29. Para que o modelo não desvie o centro de gravidade durante as mudanças
de posição, é necessário desenhar um círculo em papel, conforme a Figura
1, que tenha de quarenta a quarenta e cinco centímetros de diâmetro e fixá-
lo no solo. Nele devem ser marcados os ângulos de quarenta e cinco e
noventa graus de cada lado. O uso do círculo em papel como gabarito foi
inspirado em um vídeo da empresa Fabinject Technology2. Este vídeo
mostra como se dá a produção das fotografias científicas, usando um
maquinário giratório de precisão. A diferença no protocolo estabelecido é
que com o uso do papel fixo no solo, o modelo é quem gira em torno do seu
eixo, de forma delimitada pelo círculo. Na Fabinject, quem movimenta o
modelo é a máquina. Cabe lembrar que em ambos os casos, o fotógrafo não
muda de posição, quem muda é o modelo.
Figura 1. Exemplo de círculo para demarcação de posições.

2
Na webpage da Fabinject Technology, consultada em dezembro de 2015, há um vídeo sobre padronização
fotográfica, que exibe uma máquina rotatória onde o modelo permanece parado para a tomada de fotos. Para
obter a angulação necessária, a máquina é movimentada por um auxiliar. Disponível em:
http://www.fabinject.com.br/focco. Acesso em 15 dez 2015.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
37
30. Determinar a partir do centro do círculo a distância de setenta centímetros
do fundo fotográfico;
31. No momento do registro da fotografia, solicitar ao modelo que se mova, sem
sair de dentro do círculo obedecendo o posicionamento de noventa e de
quarenta e cinco graus para as poses de perfil e oblíqua, respectivamente.

3. Objetivo
O objetivo do trabalho foi estabelecer um protocolo para execução de registros fotográficos
da face, após revisão bibliográfica, que permita a análise da evolução dos tratamentos
estéticos, e que seja facilmente aplicado pelos profissionais da área.

4. Materiais e Métodos
Trata-se de uma revisão bibliográfica que utilizou os seguintes critérios de inclusão de
referências: ser original, com texto completo disponível, publicado em português nos
últimos doze anos (2004 a 2016). Foram excluídos: artigos em outros idiomas, publicados
em período superior a doze anos e realizados fora do Brasil.
As bases eletrônicas pesquisadas foram: Google Acadêmico e Scielo, além de pesquisa na
Biblioteca do Centro Universitário Senac – Santo Amaro.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
38
As palavras-chave usadas foram: foto documentação, fotografia digital, protocolos de
fotografia, fotografia na estética. A triagem foi por meio dos resumos e/ou textos
completos.
Após a revisão bibliográfica, foram realizados testes experimentais com o protocolo pré-
estabelecido (executados no Laboratório de Estética do Centro Universitário Senac –
Campus Santo Amaro) contando com a participação de uma voluntária.
Para a execução do protocolo, foi escolhida uma câmera fotográfica semiprofissional
monoreflex da marca Nikon D-90 de boa resolução (12.3 MP). A objetiva escolhida foi de
trinta e cinco - oitenta milímetros (35-80 mm) e a focagem foi automática.
As fotografias foram transferidas da câmera para o computador a fim de centralizar as
imagens, padronizando-as em um corte de dez por quinze centímetros de dimensão, sem
que haja alterações durante esse processo e nenhum comprometimento na qualidade das
imagens.
O padrão de arquivo escolhido para o trabalho foi o JPEG (Joint Photographic Experts
Group).

5. Resultados e Discussão
Na Estética, para fins de demonstrar a evolução de um tratamento, seja ele facial ou
corporal, o uso do registro fotográfico é cada vez mais requisitado pelos profissionais como
instrumento de avaliação das fases do procedimento aplicado (GARCIA e BORGES, 2010).
Atualmente a foto documentação digital está presente em diversas áreas da saúde, sendo
que a utilização desse recurso tecnológico veio facilitar em todos aspectos o registro das
imagens de interesse (GARCIA e BORGES, 2010).
A máquina fotográfica digital se estabelece como uma ferramenta que reduz custos e
aumenta a versatilidade e produtividade, conseguindo fidelizar a imagem mais próxima da
realidade além de facilitar a formatação de arquivos para consultas (MIOT, PAIXÃO e
PASCHOAL, 2006).
A tendência é que cada vez mais o profissional da estética utilize-se dessa técnica como
ferramenta eficaz que contribua para que seu trabalho seja mais eficiente no
acompanhamento da evolução do tratamento que está sendo aplicado (KEDE e
SABATOVICH, 2009).
Apesar de todos os recursos tecnológicos hoje disponíveis nas câmeras digitais, se faz
necessário considerar certos parâmetros indispensáveis para que as fotografias sejam
boas ferramentas para a análise (GARCIA e BORGES, 2010).
Após a revisão bibliográfica e testes experimentais foram reunidos procedimentos com
vistas a se obter a padronização das ações do registro fotográfico. Isso é necessário para
que a comparação do antes e depois não seja afetada por condições diferentes no
momento do registro (KEDE e SABATOVICH, 2009).
Um dos critérios norteadores da revisão de literatura foi a facilidade de o registro
fotográfico ser feito por profissionais com pouca familiaridade com a fotografia científica.
Com isso, foi criado um conjunto de normas a serem seguidas para se estabelecer um
protocolo que pudesse atender aos objetivos de padronização das fotografias faciais com
critérios como: a facilidade de acesso aos materiais e equipamentos, a simplicidade para
se seguir um padrão de posicionamento correto do modelo, bem como o controle do
ambiente no momento do registro fotográfico.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
39
Procurou-se minimizar imprecisões em relação à angulação e a movimentação do modelo
para se obter os registros fotográficos das posições oblíquas e perfil, utilizando um círculo
desenhado em papel, fixado no solo.
Para este trabalho foi feito o círculo em papel, traçando primeiramente o diâmetro de
quarenta centímetros. Marcou-se o meio para estabelecer o raio (vinte centímetros) para
marcação das posições de perfil. Com o uso de um compasso, a partir do raio, o círculo
foi desenhado. Após isso, o círculo foi recortado, foram feitas três dobras, vincando-as,
para demarcar as angulações desejadas. As angulações também podem ser traçadas com
transferidor para maior precisão.
O círculo de quarenta centímetros de diâmetro é do tamanho suficiente para que a pessoa
possa se movimentar dentro deste, sem deslocamento do eixo da cabeça. Para fazer o
gabarito do círculo, além da forma descrita, pode-se obtê-lo usando programas de
computador como o Microsoft Word. Este gabarito pode ser impresso em papel A4 ou
ampliado para A3.
O modelo girou em torno de si dentro do círculo, se posicionando na angulação correta
para o registro da fotografia, de modo a não sair do círculo, e com isso, não mudando o
eixo da cabeça.
O uso da marcação do solo é recomendado por Hocham, Nahas e Ferreira (2005), sendo
que de acordo com esses autores, as fotografias faciais destinadas à medicina são obtidas
pelo uso do seguinte protocolo:

[...] para padronização das fotografias na posição oblíqua ou de


perfil, demarca-se no piso, a 70 cm à frente do fundo fotográfico,
uma linha A paralela ao mesmo, e a partir do meio desta traça-se,
perpendicularmente, uma segunda linha B. Entre ambas as linhas
anteriores demarcam-se, em sentido horário, uma terceira linha C
e uma quarta linha D a 45 graus de cada lado da linha B,
respectivamente.

No entanto, verificou-se a necessidade do cuidado com o deslocamento do eixo da cabeça,


quando o modelo se posicionava nos diferentes ângulos, dentro da metodologia descrita
por Hochman, Nahas e Ferreira (2005).
Além do posicionamento do modelo e do fotógrafo, é fundamental a escolha da câmera
ideal. As câmeras digitais não precisam ser de última geração para atender às
necessidades do registro fotográfico dos procedimentos estéticos (MARTINS, 2010).
Segundo Pinheiro (2013) deve-se escolher o equipamento baseado no que se deseja
fotografar e dentro de seu próprio orçamento, pois nos dias atuais está à disposição
diversos tipos de equipamentos, marcas e preços. O mais importante independente do
avanço da tecnologia é a observação do controle da luz no momento da fotografia a fim
de evitar sombras (MARTINS, 2010).
Nos registros testes para o presente trabalho, foi utilizada uma câmera monoreflex digital
semiprofissional de resolução média, conveniência média, controle criativo de médio a
alto, custo de baixo a alto, de boa resolução (12.3 MP), pelo seu grande número de pixels,
o que permite a ampliação das fotografias bem acima de dez por quinze centímetros para
impressão, arquivamento ou publicação científica sem que haja alterações de resolução.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
40
A objetiva escolhida foi de trinta e cinco - oitenta milímetros (35-80 mm), que possibilitou
um zoom óptico sem distorções na imagem; e a focagem foi automática, pois as câmeras
digitais permitem esse recurso uma vez habilitado pelo usuário, a fim de facilitar antes do
disparo o ajuste automático e travamento da focagem permitindo a obtenção de imagens
de melhor qualidade (MIOT; PAIXÃO E PASCHOAL, 2006).
Escolhida a câmera, é necessário o preparo adequado do ambiente, mesmo que este seja
uma sala improvisada, e prepará-la tomando cuidado com a iluminação e a presença de
objetos que possam atrapalhar os registros.
Segundo Miot, Paixão e Paschoal (2006), as câmeras digitais compactas possuem sistemas
automáticos satisfatórios para compensação de iluminação permitindo a calibragem do BB
a partir de uma folha de papel branco (ou isopor) submetida à iluminação ambiente no
momento da fotografia como foi realizado neste trabalho.
De acordo com Hocham, Nahas e Ferreira (2005) é de grande importância que se tenha o
controle da iluminação para obtenção de uma boa fotografia para documentação. Luz
demais ou de menos interfere no resultado final do trabalho, luz em excesso pode marcar
os sulcos da face, rugas ou cicatrizes ao passo que pouca iluminação poderá gerar a
incidência de sombras acentuando as pregas ou cicatrizes.
Miot, Paixão e Paschoal (2006), recomendaram que o flash deve ser sempre valorizado, e
ao contrário, Garcia e Borges (2010) afirmam que para evitar sombras excessivas ou
claridades na imagem deve-se desligar o flash ajustando a abertura do diafragma. Este é
um exemplo da diversidade de protocolos para registro foto documental.
Segundo Hochman, Nahas e Ferreira (2005), o fundo fotográfico é um outro ponto
importante a ser considerado. Ele deve ser de material opaco para não haver reflexos
como em uma textura lisa sem a interferência de objetos que desviem a atenção do
observador (GARCIA e BORGES, 2010).
No caso de fotografias da face para acompanhamento da evolução de um tratamento se
faz necessário o registro em várias posições. O primeiro critério para escolha destas
posições é evidenciar a área que está sendo tratada (STOCCHERO e TORRES, 2005), sendo
mais apropriado posicionar a câmera para um enquadramento na vertical (GARCIA e
BORGES, 2010).
Conforme a Figura 2 as poses ideais são Cefálica Anterior, Cefálica Oblíqua Direita e
Esquerda, Cefálica Perfil Esquerdo e Direito, respectivamente (STOCCHERO E TORRES,
2005).

Figura 2. Poses para registro da face.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
41
As fotografias da Figura 2 retratam a modelo voluntária e a execução do protocolo descrito no Item
2.

Após o registro, as fotografias foram transferidas da câmera para o computador a fim de


centralizar as imagens, padronizando-as em um corte de dez por quinze centímetros de
dimensão, sem que haja alterações durante esse processo e nenhum comprometimento
na qualidade das imagens.
Para minimizar os efeitos causados pelo fotógrafo, sem alteração da fidelidade da imagem,
o arquivo da câmera foi transferido para o computador a fim de se usar o programa Adobe
Photoshop, que é um programa editor de imagens. Assim, foi possível padronizar as
fotografias em um corte de dez por quinze centímetros de dimensão, centralizá-las de
forma mais precisa e ajustar sua cor, caso fosse necessário, sem que houvesse alteração
da qualidade e fidelidade das imagens durante esse processo (PINHEIRO, 2013). É possível
também fazer esses mesmos ajustes em outros editores de imagens tais como: o Adobe
Photoshop Lightroon e o Corel Photo-Paint.
O padrão de arquivo escolhido para o arquivamento das imagens foi o JPEG (Joint
Photographic Experts Group) pelo fato desse formato permitir que os dados sejam
incorporados ao código do arquivo contendo várias informações relativas ao número de
série da máquina, abertura do diafragma, velocidade do obturador, resolução,
compressão, entre outros (MIOT; PAIXÃO E PASCHOAL, 2006).
Com a padronização dos registros fotográficos através deste protocolo é possível o
comparativo da evolução de tratamentos, tornando fiel a verificação de várias alterações
de pele tais como: alterações pigmentares e vasculares, formações sólidas e líquidas,
lesões, cicatrizes, alterações no crescimento de pelos e na queratinização.
A visualização de óstios dilatados e cicatrizes atróficas também podem ser notadas
acionando o modo zoom do computador, após as fotografias serem salvas ou mesmo no
visor da câmera fotográfica.
O conjunto de recomendações descritas ao longo do trabalho buscou contribuir de forma
efetiva a não ocasionar diferenças entre as imagens registradas nos diversos momentos,
fazendo com que as mesmas sirvam como instrumentos de verificação da evolução de um
determinado tratamento estético.
Mesmo que a câmera digital seja largamente difundida e de uso habitual de muitos,
dispondo de recursos que colaboram de forma prática e efetiva para melhorar a realidade
das imagens, é necessário que se lance mão de um protocolo fotográfico para controlar o
ambiente no momento do registro das imagens, assim como o posicionar o indivíduo a ser
fotografado.

6. Conclusão

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
42
Diante do exposto, considerou-se importante o estabelecimento do protocolo para o
registro da voluntária, padronizando posições e ângulos fotográficos, controlando a
iluminação, distâncias do fotógrafo e fundo, e com equipamento ideal, pois os registros
permitirão a análise comparativa dos resultados durante todo o tratamento.

Referências
ANG, Tom. Fotografia Digital uma introdução. 4ª ed. São Paulo: Senac, 2012.
BAVISTER, Steve. Guia de Fotografia Digital. 1ª ed. São Paulo: Senac, 2011.
COSTA, João Vicente. Fotolog e fotografia Digital. 1ª ed. Rio de Janeiro: Ciência
Moderna, 2005.
DINIZ, Angela. A iluminação na fotografia. Revista Especialize On-Line IPOG.
Goiânia, v.1, n.9, p. 1-17, dez, 2004. Disponível em
https://www.ipog.edu.br/revista-especialize-online/edicao-n8-2014/a-iluminacao-
na-fotografia/. Acesso em 2 de junho de 2016.
GARCIA, Paula Gasparini; BORGES, Fábio dos Santos. Foto documentação em
Fisioterapia dermato-funcional. In: BORGES, Fábio dos Santos. Dermato
funcional: modalidades terapêuticas nas disfunções estéticas. 2ª ed. São
Paulo: Phorte, 2010. p. 558-582.
HEDGECOE, John. O novo manual de fotografia: guia completo para todos os
formatos. 4ª ed. São Paulo: Senac, 2009.
HOCHMAN, Bernardo; NAHAS, Fábio Xerfan; FERREIRA, Lydia Masako. Fotografia
aplicada na pesquisa clínico-cirúrgica. Acta Cirúrgica Brasileira. São Paulo, n.20
(supl. 2), p. 19-25, 2005. Disponível em:
<www.scielo.br/pdf/acb/v20s2/v20s2a06.pdf >. Acesso em 30 de maio de 2016.
KEDE, Maria Paulina Villarejo; SABATOVICH, Oleg. Dermatologia estética. 2ª ed.
São Paulo: Atheneu, 2009.
MARTINS, Nelson. Fotografia: da Analógica à Digital. 1ª ed. São Paulo: Senac,
2010.
MIOT, Helio Amante & PAIXÃO, Maurício; PASCHOAL, Francisco Macedo.
Fundamentos da fotografia digital em Dermatologia. Anais Brasileiros de
Dermatologia. Botucatu, v. 81, n.2, p.174-180, 2006. Disponível em
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0365-
05962006000200010>. Acesso em 2 de junho de 2016.
PINHEIRO, Maria Valéria Bussamara; CONCEIÇÃO, Vila Nova. A fotografia na
cirurgia dermatológica e na cosmiatria: parte I. Surgical and Cosmetic
Dermatology. São Paulo, v.5, n.2, p.101-8, 2013. Disponível em
<http://www.redalyc.org/html/2655/265527948008/>. Acesso em 30 de maio de
2016.
STOCCHERO, Ithamar Nogueira; TORRES, Fabrício Carvalho. Fotografia Digital
em Cirurgia Plástica. 1ª ed. São Paulo: Livraria Médica Paulista, 2005.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
43
Estudo da aplicação do (-)--bisabolol em um corretivo para a
área dos olhos

The study of the application of (-)--bisabolol in a concealer for the eye area skin

Juliana Silva Simon1, Carla Aparecida Pedriali Moraes1


1Faculdade de Tecnologia de Diadema – FATEC Luigi Papaiz, Diadema, SP, Brasil, Curso Superior de
Tecnologia em Cosméticos

juliana_ssimon@hotmail.com,capedriali@hotmail.com

Resumo. O acúmulo de algumas substâncias ou o excesso de melanina é uma das


principais causas da olheira, mas também a espessura da pele da área dos olhos por
ser tão fina pode expor os vasos sanguíneos abaixo dela e trazer uma tonalidade
escura para a pálpebra inferior. O objetivo deste trabalho foi estudar o ativo (-)--
bisabolol e compreender sua aplicação em um corretivo facial para a área dos olhos
trazendo o benefício de minimizar a formação das olheiras. Age como anti-
inflamatório, anti-irritante e na inibição do processo da tirosinase fazendo com que
não ocorra a produção de melanina. Quando o (-)--bisabolol é administrado da forma
correta pode ajudar muito na saúde e bem estar das pessoas. Ele pode combater de
maneira eficaz a olheira do tipo vascularizada, pois possui uma ação anti-inflamatória
e as olheiras do tipo melânicas, pois inibe a atividade da tirosinase.

Palavras-chave: (-)--bisabolol, olheiras, corretivo facial.

Abstract. The accumulation of some substances or the excess of melanin is a major


cause, but also the thickness of the skin of the area of the eyes by being so thin can
expose the blood vessels below it and bring a dark shade to the lower eyelid. The
objective of this work is to study the active (-)--bisabolol and understand their
applications in a facial concealer to the eye area skin, bringing the benefits of
minimizing the formation of dark circles. It acts like an anti-inflammatory and non-
irritant effects and the action of inhibiting the process of tyrosinase causing the
production of melanin not happening. When the (-)--bisabolol is administered
correctly and it can help a lot in the health and welfare of the people. It combat
effectively the dark circle of vascular type, because it has an anti-inflammatory effect
and the dark circles of the melanin type because it inhibits the tyrosinase activity.

Key words: (-)--bisabolol, dark circles, facial concealer.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística


Edição Temática em Saúde e Bem estar
Vol. 6 no 5 – Abril de 2017, São Paulo: Centro Universitário Senac
ISSN 2179-474X

Portal da revista: http://www1.sp.senac.br/hotsites/blogs/revistainiciacao/


E-mail: revistaic@sp.senac.br

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial-SemDerivações 4.0
Internacional
44
1. Introdução

A epiderme é uma camada com profundidade diferente conforme a região do corpo.


Sua espessura na maior parte do corpo está entre 1,5 mm e 4 mm, sendo que na face
é menor, entre 1,3 mm e 0,06 mm (HARRIS, 2016). A pele da área dos olhos não tem
a presença do estrato lúcido e há um desenvolvimento menor do estrato córneo,
portanto qualquer alteração na cor ou na vascularização será muito evidente, fazendo
com que apareçam as olheiras (GUYTON; HALL, 2011; PEREIRA, 2012; MONTANARI,
2015).

As principais causas para as olheiras são: alterações na vascularização, privação de


sono, período menstrual, uso de alguns medicamentos que aumentam o fluxo
sanguíneo, estresse, alergias, má alimentação, consumo excessivo de bebidas
alcoólicas, hiperpigmentação, hereditariedade e hábito de fumar. O envelhecimento
facial pode interferir diretamente no aumento das olheiras, devido a perda de
colágeno tornando a pele da região dos olhos mais fina (PEREIRA, 2012; MONTANARI,
2015).

O (-)--bisabolol é um álcool sesquiterpênico monocíclico insaturado obtido da


destilação direta do óleo de candeia. Ele possui propriedades anti-inflamatórias,
antissépticas, cicatrizantes e também aumenta a penetração transepidérmica. Por
estas razões, ele pode ser utilizado em formulações cosméticas como cremes, loções,
geis e produtos para pele delicada como a área dos olhos (CAMOLESI, 2007). Por ser
muito eficaz e ter melhor estabilidade, ele vem substituindo em algumas formulações,
o azuleno, uma substância ativa da camomila (BORSATO et al, 2008).

Existe uma variedade de corretivos coloridos ou em tons da pele para a área dos olhos
no mercado e são vendidos em apresentações diferentes como pastas, pós, cremes e
bastões. A mistura de pigmentos geralmente varia entre as cores branca, marrom e
amarela, e em alguns casos, vermelha, verde e preto, e pode ter a presença de um
ativo. A principal função do corretivo é de cobrir as olheiras ou manchas na pele. Isso
é possível, pois a quantidade de pigmentos existentes numa formulação promove o
recobrimento da área onde se aplica a maquiagem (ABIHPEC, 2015; BRT, 2012).

A elaboração desta revisão bibliográfica justifica-se pelo fato das olheiras serem um
problema estético na vida de algumas pessoas e necessita-se de uma solução simples
e eficaz, como o uso de corretivos para a área dos olhos que contenham ativos que
ajudem a amenizá-las.

2. Revisão de literatura

2.1 Pele e sua especificidade na região da área do rosto

A pele humana apresenta uma área total de 18.000 a 25.000 cm 2 em um humano


adulto e quando seca pode pesar aproximadamente de 2 a 4 kg. É formada por uma
estrutura complexa exercendo inúmeras funções como: barreira mecânica contra
agressões externas, controle da entrada de microorganismos e das perdas excessivas
de líquidos (HARRIS, 2016; GUYTON; HALL, 2011). É dividida em camadas: epiderme,
derme e hipoderme, sendo que cada camada é constituída por um conjunto diferente
de células exercendo funções diferenciadas (MONTANARI, 2015).

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
45
A hipoderme é a camada mais profunda da pele. Ela promove a sustentação da
epiderme e derme e as une aos órgãos, é um isolante térmico do corpo e acumula
energia para a execução de algumas funções biológicas. É constituída por adipócitos,
sendo que, a espessura da hipoderme muda conforme a formação física de cada ser
humano. A derme, camada intermediária da pele, é constituída principalmente por
elastina, gel coloidal e fibras de colágeno que promovem a elasticidade da pele. Possui
vascularização sanguínea, terminações nervosas, folículos pilosos, glândulas sebáceas
e glândulas sudoríparas. A epiderme é a camada mais externa que fica em contato
com o meio ambiente. Tem como função principal formar uma barreira protetora
contra choques externos e também controlar a entrada de microorganismos, de outras
substâncias e controlar a saída de água do organismo (HARRIS, 2016; GUYTON; HALL,
2011).

A epiderme é subdividida em estrato basal, espinhoso, granuloso, córneo e o estrato


lúcido. A pele fina não possui o estrato lúcido, o qual possui uma das principais
funções a barreira mecânica que controla o fluxo de fluidos no nosso organismo, tanto
a saída de água quanto a entrada de outras substâncias. Este estrato está presente
apenas em regiões onde a pele é mais espessa. Na pele do rosto o estrato córneo é
muito mais fino e o estrato granuloso é pouco desenvolvido também (GUYTON; HALL,
2011; HARRIS, 2016).

A produção de fibroblastos, que são as células grandes e jovens com uma alta
capacidade produtiva presentes no tecido conjuntivo, é menor. Sendo assim, a pele se
torna mais fina com espessura de 0,06 mm na região da área dos olhos (HARRIS,
2016; PEREIRA, 2012; MONTANARI, 2015).

Na epiderme também são encontrados os melanócitos que são células produtoras de


melanina, o principal pigmento responsável pela coloração na pele. Além de ser
originados os anexos da pele como unhas, pelos, glândulas sebáceas e glândulas
sudoríparas (GUYTON; HALL, 2011).

O processo onde se forma a melanina se chama melanogênese e é controlado pela


enzima tirosinase, sendo que inicialmente é encontrada na superfície do retículo
endoplasmático rugoso. Esta enzima é transferida para o complexo de Golgi, onde ao
ser associada ao lisossoma é ativada pela adição de uma cadeia de açúcar antes de
ser secretada para dentro de uma vesícula. É então liberado do complexo de Golgi um
pré-melanossoma que se une a vesícula para formar um melanossoma (onde a
tirosinase transforma a tirosina por um processo de hidroxilação em DOPA em seguida
por uma reação de oxidação em DOPAquinona). Na presença de cisteína a
DOPAquinona se transforma em DOPAcisteína que se oxida e se transforma em
feomelanina (coloração amarelada ou avermelhada) ou em eumelanina (coloração
preta) se a DOPAquinona passar por ciclização, convertendo-a em DOPAcromo, como
apresenta a Figura 1 (NICOLETTI et al., 2002; MONTANARI, 2015; MIOT et al.,
2009).

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
46
Figura 1. Biossíntese de melanina

Fonte: Modificação de NICOLETTI et al., 2002.

Existem três principais fatores que influenciam na melanogênese:

- Fator genético: onde as características dos melanossomas são codificadas pelos


genes de pigmentação;

- Fator hormonal: hormônios como estrogênios e a progesterona provocam a


hiperpigmentação da epiderme na área do rosto e genital.

- Ação dos raios UV: este seria um fator externo onde a ação dos raios ultravioleta B
(UVB) multiplica os melanócitos ativos e estimula a enzima tirosinase (NICOLETTI et
al., 2002; MIOT et al., 2009).

2.2 Olheira

As olheiras podem ser chamadas de hiperpigmentação periorbital ou


hiperpigmentação palpebral ou no inglês, dark eyelids ou dark circles. Tem uma
influência direta na auto-estima de muitas pessoas por se apresentar como uma
diferenciação da cor da pálpebra inferior (LÜDTKE et al., 2013).

As olheiras são causadas por uma combinação de fatores como: o excesso de vasos
sanguíneos e de melanina, a presença de bolsas de gordura, a flacidez, a privação de
sono, o uso de medicamentos vasodilatadores, a ingestão de bebidas alcoólicas, o
tabagismo, as alergias, o desvio de septo, o uso de anticoncepcionais, os
quimioterápicos, os antipsicóticos e o genético. Como a pele ao redor dos olhos é
muito fina possuindo uma média nos seres humanos de 0,4 mm de espessura, os
vasos sanguíneos e qualquer acúmulo de melanina ficam mais evidenciados (LÜDTKE
et al., 2013; STEINER, 2007; HARRIS, 2016).

Existem dois tipos principais de olheiras que podem ser classificadas de acordo com a
sua causa e efeito (LÜDTKE et al., 2013):
Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017
Edição Temática em Saúde e Bem-estar
47
(a) Tipo vascular → não existe mudança da cor da pele, no entanto ela é mais fina e
podem ser visualizados os vasos sanguíneos dilatados. Têm como principal causa a
herança familiar e aparecem muito precocemente, na adolescência ou até mesmo na
infância;

(b) Tipo melânica → é uma mistura de componentes como a melanina e a


hemossiderina. Esta última substância é consequência do excesso de ferro acumulado,
resultante da quebra de hemoglobina (liberação do pigmento amarelo escuro).

A coloração das olheiras também varia de acordo com a substância que está
depositada naquela área como: (a) coloração violeta-esverdeada relacionada a um
excesso de biliverdina (cristais insolúveis com uma coloração verde) que são
produzidos no organismo a partir da hemoglobina ou da bilirrubina; (b) coloração
violeta relacionada a um excesso de hemossiderina; (c) coloração marrom alaranjada
que condiz com a decomposição de ferro e bilirrubina (LÜDTKE et al., 2013;
NICOLETTI et al., 2002).

Cada tipo de olheira possui um tratamento específico, olheiras do tipo vascular são
comumente tratadas com o uso de cremes, que possuem ativos para melhorar a
vascularização da região, a aplicação de esfoliantes suaves e drenagens linfáticas que
estimulam a circulação sanguínea e amenizam a aparência das olheiras. Já a olheira
tipo melânica podem ser tratadas também com o uso de alguns cremes que possuem
ativos específicos ou com a técnica de laser ou luz pulsada, um método moderno que
consiste em destruir o pigmento existente nos vasos sanguíneos (STEINER, 2007).

O (-)--bisabolol tem a capacidade de tratar os dois tipos de olheiras, por possuir uma
ação anti-inflamatória trata a olheira do tipo vascular, não permitindo o inchaço e
melhorando a vascularização da área tratada e por promover a inibição do processo de
tirosinase, evita a produção de melanina e o acúmulo desta (BIOSPECTRUM, 2010).

2.3 Características e propriedades do (-)--Bisabolol

O (-)--bisabolol ou levomenol é proveniente de Candeia, e é constituído por um


álcool sesquiterpênico monocíclico isolado (Figura 2), que é um fluido oleoso
transparente. Por causa da quantidade da produção no momento de extração e
visando ter o mínimo de agressão ao meio ambiente, hoje em dia este óleo essencial é
extraído do tronco da árvore de Candeia (Eremanthus erythropappus), uma espécie de
árvore encontrada na Mata Atlântica brasileira especialmente na Serra do Espinhaço,
além da extração de Smyrniopsis aucheri e Vanillosmopsis species. Esta extração é
feita por processos físicos e obtêm-se 95% de pureza do óleo. Entretanto antigamente
este óleo essencial era extraído das flores da camomila, porém a sua produção era
muito baixa, e a flor continha apenas 30% do ativo (MORI et al., 2009; NOVAES,
2013; KAMATOU; VILJOEN, 2010).

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
48
Figura 2. Estrutura molecular do (-)--bisabolol

Fonte: Modificação de PUBCHEM, 2013.

Existe também o -bisabolol sintético que é uma mistura racêmica de (-)-α-


bisabolol e (+)--bisabolol. O sintético contém somente 85% de Bisabolol sendo
42,5% de pureza referente ao (-)--bisabolol. A eficácia do (-)--bisabolol de origem
botânica é duas vezes maior que o (-)--bisabolol sintético (HALLSTAR, 2009;
NOVAES, 2013; CAMOLESI, 2007).

O (-)--bisabolol está sendo mais estudado e utilizado do que outras substâncias


como o óleo de camomila e o azuleno, por ser mais estável em relação ao
armazenamento por longos períodos, sem perder suas propriedades como alteração da
coloração, da viscosidade e por ser mais eficaz (CAMOLESI, 2007; BORSATO et al,
2008).

Na área cosmética o (-)--bisabolol (NOVAES, 2013) pode ser utilizado em


formulações tópicas como: hidratantes faciais e corporais, sabonetes líquidos,
emulsões de limpeza facial, formulações pós-peeling, pós-barba, pós-depilatório,
lenços umedecidos, desodorantes e antiperspirantes, produtos de proteção solar e
pós-sol, de higiene bucal, de cuidados do bebê, condicionadores de cabelo, produtos
para pele sensível, geis, cremes, maquiagens, entre outros (CAMOLESI, 2007;
FREITAS, 2011). Possui uma faixa ampla de pH entre 3 e 11, é solúvel em álcoois
graxos, etanol, isopropanol, ésteres de glicerina e parafina, insolúvel em água e
glicerina, e nestes casos emprega-se o uso de solubilizantes. O líquido possui baixa
densidade de 0,93 e seu ponto de ebulição é de 153 ºC (CAMOLESI, 2007; KAMATOU;
VILJOEN, 2010; FREITAS, 2011; PAULI, 2006).

Brehm-Stecher e Johnson (2003) descrevem alguns estudos quanto a atividade


antibacteriana do (-)--bisabolol. Este ativo pode atuar numa concentração de 0,5mM
modificando a permeabilidade da barreira da membrana bacteriana aumentando a
susceptibilidade da parede de Gram-positivas, como a Streptococcus aureus quanto a
permeação de solutos exógenos, como alguns antibióticos testados: ciprofloxacino,
clindamicina, eritromicina, gentamicina, tetraciclina. Pauli (2006) já descreve sobre a
a ação antifúngica do (-)--bisabolol, onde pelo qual ele pode inibir o crescimento de
fungos pela via específica da biossíntese do ergosterol, provavelmente por inibir uma
das enzimas responsáveis pela formação do precursor do farnesil pirofosfato (FPP).

Como anti-inflamatório para alívio nos sintomas associados ao eczema, a dermatites e


irritações pronunciadas, o (-)--bisabolol atua inibindo a 5-lipoxigenase (5-LOX). Esta
é uma enzima responsável pela peroxidação do ácido araquidônico em substâncias
pró-inflamatórias como os leucotrienos. Com isto, este ativo interfere no mecanismo
da inflamação que é uma cascata complexa de eventos a partir do ácido araquidônico.
Pelas características físico-químicas do (-)--bisabolol: baixo peso molecular (PM =
222,72) e lipossolubilidade, este tende a se difundir pela epiderme interferindo nas
reações enzimáticas (BAYLAC; RACINE, 2003; RUSSEL; JACOB, 2010).

O (-)--bisabolol também é um inibidor da síntese de melanina por 2 vias: (a)


interfere na ativação do cAMP induzido pelo -MSH (Hormônio Estimulador de
Melanócito) e (b) interfere na expressão do gene da enzima tirosinase, responsável
Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017
Edição Temática em Saúde e Bem-estar
49
pelo início da melanogênese. Em ambas as vias há uma diminuição intracelular dos
níveis de c-AMP (KAMATOU; VILJOEN, 2010).

Destas características do (-)--bisabolol as principais para minimizar as olheiras são:


a inibição da síntese de melanina e a ação anti-inflamatória.

2.4 Corretivo facial


A atual maquiagem tem um papel muito importante na vida de muitas pessoas,
principalmente nas mulheres, o uso de maquiagens traz benefícios psicológicos e
assim melhoram a autoestima deixando-as mais confiantes e atraentes (ABIHPEC,
2015).

Os corretivos faciais existem no mercado para algumas finalidades, a principal delas é


de disfarçar as imperfeições do rosto como cicatrizes, espinhas, manchas, linhas de
expressão e principalmente as indesejáveis olheiras. Eles são apresentados de muitas
maneiras como:

(a) formas cosméticas  bastões, lápis ou caneta, cremes, líquidos;

(b) em tons de pele ou coloridos  verdes, amarelos, vermelhos e roxos. Para


cada tipo de pele existe o corretivo mais indicado como as formulações menos oleosas
para peles oleosas entre outros (ABIHPEC, 2012; BRT, 2012).

Os corretivos faciais mais encontrados hoje em dia possuem uma formulação básica
que é uma emulsão, esta é uma mistura heterogênea no qual dois líquidos imiscíveis
estão homogeneizados e estabilizados por existir um agente emulsificante na
formulação.

3. Objetivo
- Realização de um estudo da utilização do (-)--bisabolol em um corretivo facial para
a área dos olhos, no intuito de maquiar e disfarçar as olheiras.

4. Metodologia
O presente trabalho foi realizado por uma pesquisa bibliográfica nas seguintes bases
de dados: PubMed, Google acadêmico, Revista Cosmetics & Toiletries e PubChem.

Foram selecionados artigos, estudos e trabalhos publicados entre 1991 e 2015


(incluindo aqueles disponíveis online em 2015 que poderiam ser publicados em 2016).

Foram selecionados artigos escritos em inglês e português. Os descritores utilizados


foram: olheiras, (-)--bisabolol, absorção cutânea, corretivo facial, área dos olhos,
(português), dark eyelids, facial concealer, eye area (inglês).

Para a inclusão dos artigos no trabalho foram seguidos alguns critérios como, textos
relacionados aos seguintes temas:

- Pele, abordando as camadas da pele, a pele da área do rosto;

- Olheiras, citando os tipos de olheiras e tratamentos;

- (-)--bisabolol: suas propriedades, aplicações e mecanismos de ação para a


formação das olheiras;
Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017
Edição Temática em Saúde e Bem-estar
50
- Corretivo facial, formatos de corretivos existentes no mercado.

5. Resultados e Discussão

Segundo a literatura, o ativo (-)--bisabolol possui muitas propriedades como ação


anti-inflamatória associada a alterações irritativas e também a de melhoria aos danos
causados na pele por exposição a radiação ultravioleta (UV); e efeitos antioxidante,
antibacteriano e despigmentante por inibir a atividade da tirosinase. Exceto a ação
antibacteriana, todas as outras propriedades podem colaborar para a diminuição dos
efeitos associados às olheiras.

Em um estudo patenteado pela empresa Biospectrum, os pesquisadores Park e


colaboradores (2010) fizeram testes comparativos entre a ação do α-bisabolol e do
Arbutin, um ativo que é conhecido como um inibidor da produção de melanina. Este
teste foi realizado utilizando células de melanoma B16 que foram semeadas e
incubadas, e após o cultivo destas células, o meio (DMEM – Meio Eagle Modificado por
Dulbecco com 10% de FBS – Soro Fetal Bovino), foi removido e as amostras foram
colocadas em um meio diluído a uma concentração adequada e permaneceram por
mais três dias na incubação a 37°C e 5,0% de CO2. O α-bisabolol foi administrado em
diferentes concentrações: 1 ppm, 5 ppm e 10 ppm, após isto, as células foram
recolhidas e contadas. Averiguou-se os resultados como consta na Tabela 1, e foi
observado que a concentração do α-bisabolol mesmo menor à concentração do
Arbutin, foi suficiente para apresentar uma taxa inibitória mais elevada de produção
de melanina. Também foi observado que quanto maior a concentração do α-bisabolol
maior a proporção da taxa inibitória de produção de melanina.

Tabela 1. Inibição da produção de melanina

Fonte: Tabela adaptada do estudo patenteado pela empresa Biospectrum com a


colaboração dos pesquisadores Park et al. (2010).

Neste mesmo estudo discutido anteriormente, seguindo a mesma metodologia pode-


se observar também a ação inibitória da atividade da tirosinase utilizando o (-)--
bisabolol em comparação ao Arbutin. Foi observado que o (-)--bisabolol inibiu
significativamente os efeitos da atividade da tirosinase intracelular sendo que este
efeito foi dependente da concentração do ativo conforme mostrado na Tabela 2
(BIOSPECTRUM, 2010).

Tabela 2. Inibição da atividade de tirosinase intracelular

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
51
Fonte: Tabela adaptada do estudo patenteado pela empresa Biospectrum com a colaboração dos
pesquisadores Park et al. (2010).

O terceiro ensaio realizado dentro do mesmo estudo patenteado pela empresa


Biospectrum (2010) foi avaliar o efeito de clareamento da pele utilizando porcos da
índia marrom (Porco da Guiné). Para induzir a pigmentação foi usada uma folha de
papel alumínio, que continha uma janela 3x3 cm² colocada na pele abdominal do
animal, em seguida foi exposta a luz ultravioleta (UV). Após a radiação UV a folha foi
removida e em 2-3 dias foi possível observar o aumento da pigmentação. Após duas
semanas, observou-se o período em que houve o máximo de pigmentação e foram
aplicados os ativos ((-)--bisabolol ou Arbutin) duas vezes ao dia durante 50 dias. O
grau de pigmentação foi avaliado por meio de um colorímetro para quantificar os
efeitos dos ativos na pele. Os resultados (Tabela 3) mostraram que o (-)--bisabolol
apresentou o efeito de clareamento na região de estudo independente da
concentração aplicada e os efeitos continuam sendo mais elevados que a do ativo
Arbutin, e em nenhum dos testes foi observado irritação cumulativa na pele do animal
(BIOSPECTRUM, 2010).

Tabela 3. Clareamento da pele animal

Fonte: Tabela adaptada do estudo patenteado pela empresa Biospectrum com a colaboração dos
pesquisadores Park et al. (2010).

O mecanismo de ação do (-)--bisabolol envolvido na minimização dos efeitos das


olheiras do tipo melânica (excesso de melanina nas pálpebras inferiores), segundo
estudos de Kim e colaboradores (2008), pode estar relacionado com a inibição do
processo de pigmentação pela interferência na produção de melanina, na atividade da
tirosinase e na expressão da proteína compreendida na melanogênese (PEREIRA,
2012).

Entretanto, as olheiras podem surgir de outras causas, como no caso da espessura da


pele ser muito fina, a ponto que os vasos sanguíneos sejam evidenciados devido ao

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
52
aumento da vascularização por processos inflamatórios. Contudo elas podem ser
tratadas com o uso de alguns ativos, que possuem as ações como antioxidante e anti-
inflamatória (STEINER, 2007; PEREIRA, 2012; HARRIS, 2016).

Baylac e Racine (2003) estudaram 32 óleos essenciais frente à inibição da enzima 5-


lipoxigenase (5-LOX), responsável pela formação de substâncias pró-inflamatórias. Foi
utilizado o ácido nordihidroguaiarético (ANDG) como o inibidor padrão da enzima 5-
LOX numa concentração que variou entre 0,26μM e 44μM. O valor de IC50 encontrado
para este padrão foi de 16,5 ± 1,6 μM. Os resultados obtidos mostraram que os óleos
essenciais que pertenciam à classe dos terpenos e sesquiterpenos, como exemplo o (-
)--bisabolol, foram os que apresentaram valores de inibição de 5-LOX in vitro
próximos ao padrão. O valor referente a inibição enzimática de 5-LOX do (-)--
bisabolol se apresentou na faixa entre 33 μM e 99 μM.

Petronilho e colaboradores (2012) estudaram o efeito anti-inflamatório em extratos


etanólicos e aquosos da camomila (Matricaria recutita L.) em modelo animal (ratos
albinos Wistar). O extrato aquoso suprimiu o efeito inflamatório e a infiltração
leucocitária induzida pelas substâncias carragenina e prostaglandina E1. Num outro
estudo realizado em ratos suíços foi aplicado topicamente o extrato etanólico da
camomila na superfície da orelha dos animais o qual reduziu o edema induzido pela
aplicação da emulsão a 2,5% de óleo de cróton. O extrato aquoso continha 50mg.L -1
de (-)--bisabolol, 450mg.L-1 de óxido de bisabolol A e B, 400mg.L-1 de apigenina e
seus glicosídeos. O extrato etanólico a 0,75mg reduziu de forma similar a 0,45mg de
benzidamina (26,6%) que é um agente anti-inflamatório não esteroidal.

Num estudo realizado por Leite e colaboradores (2011) onde pesquisou-se apenas o
(-)--bisabolol, verificou que este inibiu a dermatite formada na orelha do rato
induzida por agentes tóxicos (ácido araquidônico, fenol e capsaicina).

Segundo estudos realizados por Queiroz (2008), com compostos isolados do óleo de
camomila, administrados via oral e tópica, em modelos farmacológicos padrão de
inflamação (eritema UV, edema de pata de rato induzido por carragenina, granuloma
de bola de algodão, artrite adjuvante em ratos), mostrou que os componentes do óleo
que mostraram ação anti-inflamatória eficaz foram: o chamazuleno e o (-)--
bisabolol.

Em uma pesquisa realizada por Lupo e colaboradores (2007) avaliou-se a eficácia de


uma formulação contendo uma mistura de ativos, como os fatores de crescimento, a
cafeína, (-)--bisabolol, ácido glicirretínico e hialuronato de sódio. Esta formulação foi
distribuída para quarenta mulheres nas idades entre 35 e 65 anos, e as instruíram a
aplicar o produto no rosto na região periorbital (pálpebra inferior) duas vezes ao dia,
em apenas metade do rosto, por seis semanas. Os resultados foram analisados
através de fotografias, avaliações clínicas e questionários de auto-avaliação, e
obtiveram a seguinte resposta, das quarenta mulheres, trinta e sete completaram o
estudo e delas, 14% obtiveram uma melhoria em rugas, 15% em olheiras, 26% em
flacidez da pele periorbitais, 28% na textura da pele e nenhuma delas obteve efeito
adverso. O -bisabolol foi considerado com baixa toxicidade pelo FDA (Food and Drug
Administration). Os fatores de crescimento empregados neste creme foram
responsáveis pela suavização das olheiras e redução da transparência da pele
periorbital por estimularem a síntese de colágeno e o crescimento das células
epiteliais. Além desses benefícios, os outros componentes atuaram na hidratação da
pele (hialuroanto de sódio), na ação antioxidante (cafeína) e anti-inflamatória (ácido
glicirretínico e o (-)--bisabolol).

Neste estudo foi percebido que o extrato hidroalcoolico ou mesmo o óleo da camomila
pode apresentar efeitos mais abrangentes que o (-)--bisabolol isolado, como anti-
tumoral, ansiolítico, antioxidante, espasmolítico, imunoestimulante, anti-inflamatório,
Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017
Edição Temática em Saúde e Bem-estar
53
antibactericida, entre outros (RUSSEL; JACOB, 2010; TSALA, 2013). Isto se deve ao
extrato ou ao óleo apresentar várias classes de bioativos responsáveis pelo efeito
sinérgico entre si, como correlacionados no Quadro I.

Quadro I. Composição contida no extrato e óleo de camomila (Matricaria recutita L.) e suas
funções específicas.

Planta (Matricaria recutita L.) Classe de bioativos e suas funções

Principais constituintes presentes no Apigenina – ansiolítica e sedativa, anti-


extrato hidroalcoolico: tumoral

Sesquiterpenos, flavonoides, coumarinas, Herniarina and umbeliferona –


and poliacetilenos absorvedor de radiação solar,
antioxidante

Ésteres bicíclicos – atividade


espamolítica

Polissacarídeos – imunoestimulantes

Quercetina e rutina – anti-inflamatória,


antivirótica, antioxidante

Ácido clorogênico e ácido cafeico –


atividade em doenças cardiovascular e
dislipidemias

Constituintes dos ativos biológicos Óxidos de bisabolol A (3,1 – 56%)


presentes no óleo essencial: Óxidos de bisabolol B (3,9 – 27,2%) -
anti-inflamatória, antitumoral

(-)--bisabolol (0,1 – 44,2%) –


despigmentante e anti-inflamatória

Chamazuleno (0,7 – 15,3%) – anti-


inflamatória e antioxidante

Fonte: Quadro adaptado com informações da literatura: EDRIS, 2007; GUPTA et al., 2010; ORAV
et al., 2010; SINGH et al., 2011; SRIVASTAVA et al., 2010; TSALA, 2013.

Segundo Steiner (2007) e Pereira (2012), as olheiras podem ser tratadas com o uso
de formas cosméticas (emulsões, geis e óleos) que contenham alguns ativos como,
por exemplo, a camomila. Nesta está presente o (-)--bisabolol que é um ativo isolado
do óleo da camomila e possui uma ação anti-inflamatória, portanto ele também pode
auxiliar no tratamento de olheiras do tipo vascular. Este ativo pode atuar como anti-
inflamatório inibindo a enzima 5-LOX e a coloração dos vasos sanguíneos amenizando
as olheiras.

6. Conclusão

Nesta revisão bibliográfica, demonstrou-se a ação anti-inflamatória e despigmentante


do ativo (-)--bisabolol, e portanto, é possível incorporá-lo a uma formulação
cosmética do tipo corretivo facial, pois ele será capaz de agir para amenizar às

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
54
olheiras, além do corretivo exercer sua função primária de maquiar e disfarçar as
imperfeições do rosto.

Como sugestão de pesquisas futuras, o desenvolvimento de um produto que contenha


ativos, como o (-)--bisabolol, que possui muitas propriedades com ações importantes
para ser utilizado em um corretivo facial e que tenha uma função de prevenção de
rugas e formação de olheiras, além de apenas maquiar. É uma opção inovadora que
atrai e conquista o consumidor brasileiro, pois segundo dados da ABIHPEC (2014), a
procura e utilização de produtos para a pele e rosto estão em constante crescimento.

7. Referências Bibliográficas

ABIHPEC – Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e


Cosméticos. Aumenta procura por produtos para pele. Disponível em:
https://www.abihpec.org.br/2014/05/abihpec-aumenta-procura-por-produtos-para-
pele/. Acesso em: 02 nov. 2015.

BAYLAC, S.; RACINE, P. Inhibition of 5-lipoxygenase by essential oils and other


natural fragrant extracts. The International Journal of Aromatherapy, v.13, n.
2/3, p. 138-142, 2003.

BIOSPECTRUM, INC. Advanced Skin Biotechnology (Gyeonggi-do, Korea South). Deok


Hoon Park; Sae Bom Kim; Jong Sung Lee. Compositions for improving skin
conditions comprising alpha-bisabolol as an active ingredient. Patent number
20100015071, 21 jan. 2010. Disponível em: <http://www.faqs.org/patents/app
/20100015071#ixzz3pzB0Xk d12010)> Acesso em: 07 set. 2015.

BORSATO, A.V.; FILHO, L.D.; CÔCCO, L.C.; PAGLIA, E.C. Rendimento e composição
química do óleo essencial da [Chamomilla recutita (L.) Rauschert] extraído por arraste
de vapor d’água, em escala comercial. Semina: Ciências Agrárias, v. 29, n. 1, p.
129-136, 2008.

BRT. Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas. Dossiê Técnico: Corantes e


Pigmentos. Disponível em:<http://www.respostatecnica.org.br/dossie-tecnico/down
loadsDT/NTcwOA. Acesso em: 02 nov. 2015.

CAMOLESI, J.F. Volumetria e teor alfa bisabolol para a candeia Eremanthus


erythopappus. 2007. 90p. Dissertação (Mestrado em Ciências), Universidade Federal
de Lavras, Minas Gerais, 2007.

EDRIS, A.E. Pharmaceutical and therapeutic potentials of essential oils and their
individual volatile constituents: a review. Phytotherapy Research, v. 21, n.4, p.
308-323, 2007.

FREITAS, L.S. Desenvolvimento, estabilidade e eficácia de formulações


fotoprotetoras contendo extrato de Matricaria chamomilla e seus
componentes isolados. 2011. 25p. Dissertação (Mestrado em Medicamentos e
Cosméticos), Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2011.

GUPTA, V.; MITTAL, P.; BANSAL, P.; KHOKRA, S.L.; KAUSHIK, D. Pharmacological
potential of Matricaria recutita – a review. International Journal of Pharmaceutical
Sciences and Drug Research, v.2, n.1, p. 12-16, 2010.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
55
GUYTON, A. C.; HALL, J.E. Tratado de Fisiologia Médica. 12ª Edição. Rio de
Janeiro: Ed. Elsevier, 2011. 1176p.

HALLSTAR. Informe Técnico sobre Alpha Bisabolol Natural. Disponível em:


<http://www.hallstar.com/pis.php?product=10140>. Acesso em: 30 set. 2016.

HARRIS, M.I.N.C. Pele: do nascimento a maturidade. 1ª edição. São Paulo: SENAC,


2016. 302p.

KAMATOU, G.P.P.; VILJOEN, A.M. A review of the application and pharmacological


properties of -bisabolol and -bisabolol-rich oils. Journal of the American Oil
Chemist´s Society, v.87, p. 1-7, 2010.

KIM, S.; LEE, J.; JUNG, E.; HYH, S.; PARK, J.O.; LEE, J.W.; BYUN, S.Y.; PARK, D.
Mechanisms of depigmentation by alpha-bisabolol. Journal of dermatological
Science, v.52, n.3, p. 219-222, 2008.

LEITE, G.O.; LEITE, L.H.I.; SAMPAIO, R.S.; ARARUNA, M.K.A.; MENEZES, I.R.A.;
COSTA, J.G.M.; CAMPOS, A.R. -bisabolol attenuates visceral nociception and
inflammation in mice. Fitoterapia, v.82, p.208-211, 2011.

LÜDTKE, C.; SOUZA, D.M.; WEBWE, M.B.; ASCOLI, A.; SWAROWSKI, F.; PESSIN, C.
Perfil epidemiológico dos pacientes com hipercromia periorbital em um centro de
referência de dermatologia do Sul do Brasil. Surgical & Cosmetic Dermatology, v.
5, n. 4, p. 302-308, 2013.

LUPO, M.L.; COHEN, J.L.; RENDON, M.I. Novel eye cream containing a mixture of
human growth factors and cytokines for periorbital skin rejuvenation. Journal of
Drugs in Dermatology, v. 6, n. 7, p. 725-729, 2007.

MIOT, L.; MIOT, D.H.A.; SILVA, M.G.; MARQUES, M.E.A. Fisiopatologia do melasma.
Anais Brasileiros de Dermatologia, v.84, n.6, p. 623-635, 2009.

MONTANARI, T. Histologia: texto, atlas e roteiro de aulas práticas. 3ª edição. Porto


Alegre: Ed. da autora, 2015. Disponível em: http://www.ufrgs.br/livrodehisto. Acesso
em: 27 set. 2016.

MORI, C.L.S.O.; BRITO, J.O.; FILHO, M.T.; SCOLFORO, J.R.S.; JUNIOR, F.G. Influência
da idade e altitude nas características anatômicas, químicas e de densidade básica da
madeira de candeia – Eremanthus erythropappus. Floresta, v. 40, n. 4, p. 825-836,
2009.

NICOLETTI, M.A.; ORSINE, E.M.A.; DUART, A.C.N.; BUONO, G.A. Hipercromias:


Aspectos gerais e uso de despigmentantes cutâneos. Cosmetics & Toiletries
(Edição em Português), v.14, p.46-51, 2002.

NOVAES, L.R. Potencialização das atividades biológicas através de


modificações estruturais do α-Bisabolol. 2013. 138p. Dissertação (Mestrado em
Ciências), Universidade de São Paulo, Lorena, 2013.

ORAV, A.; RAAL, A.; ARAK, E. Content and composition of the essential Chamomilla
recutita (L.) Rauschert from some European countries. Natural Product Research,
v.24, n.1, p. 48-55, 2010.

PAULI, A. -Bisabolol from Chamomile – a specific ergosterol biosynthesis inhibitor?.


The International Journal of Aromatherapy, v.16, p.21-25, 2006.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
56
PEREIRA, E.S.P. Condições Perioculares. In: COSTA, A. Tratado Internacional de
Cosmecêuticos. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan, p. 578-582, 2012.

PUBCHEM. Open Chemistry Database. (-)-Alpha-bisabolol. Disponível em:


<http://pubchem.ncbi.nlm.nih.gov/substance/160861813#section= Top> Acesso em:
29 out. 2016.

PETRONILHO, S.; MARASCHIN, M.; COIMBRA, M.A.; ROCHA, S.M. In vitro and in vivo
studies of natural products: a challenge for their valuation. The case study of
chamomile (Matricaria recutita L.). Industrial Crops and Products, v.40, p. 1-12,
2012.

QUEIROZ, M.B.R. Desenvolvimento e estudo da estabilidade de gel com extrato


de Matricaria recutita (L.) e avaliação da atividade antiinflamatória tópica
comparada com gel de diclofenaco sódico. 2008. 121p. Dissertação (Mestrado em
Ciência da Saúde), Universidade de Brasília, Brasília, 2008.

RUSSELL, K.; JACOB, S.E. Bisabolol. Dermatitis, v. 21, n.1, p.57-58, 2010.

SINGH, O.; KHANAM, Z.; MISRA, N.; SRIVASTAVA, M.K. Chamomile (Matricaria
chamomilla L.): an overview. Pharmacognosy Review, v.5, n.9, p. 82-95, 2011.

SRIVASTAVA, J.K.; SHANKAR, E.; GUPTA, S. Chamomile: a herbal medicine of the


past with bright future. Molecular Medicine Reports, v.3, n.6, p. 895-901, 2010.

STEINER, D. Olheiras. Cosmetics & Toiletries (Edição em Português), v.19, n.6,


p. 42, 2007.

TSALA, D.M.; AMADOU, D.; HABTEMARIAM, S. Natural wound healing and bioactive
natural products. Phytopharmacology, v.4, n.3, p. 532-560, 2013.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
57
Desenvolvimento e mecanismo de ação da canície e queda capilar

Development and action mechanism of canicie and fall hair

Camilla Audi, Vanessa Yumi Kataoka, Graziele Jesus da Silva, Melissa Yumi Tatikava,
Thaís Rodrigues e Bianca Cestari Zychar
Centro Universitário Faculdades Metropolitanas Unidas - UniFMU
Departamento de Estética e Cosmetologia
biancazychar@gmail.com

Resumo. O homem tem se preocupado com seus cabelos desde o princípio da


humanidade, que tem como principal função a proteção do crânio contra traumatismo e
exposição solar. Nos dias atuais, onde a estética e beleza tornam-se essencial na
sociedade, assim a preocupação de indivíduos com a canície, comumente conhecida por
“cabelos brancos” e a queda capilar vem crescendo a cada dia e muitos cosméticos e
tratamentos são disponibilizados no mercado a fim de amenizar estes efeitos. Tanto a
canície como a queda capilar estão relacionadas ao envelhecimento natural ou
cronológico, e pode ser potencializada por fatores intrínsecos, como a hereditariedade; e
os fatores extrínsecos, relacionados aos hábitos de vida, exposição à radiação
ultravioleta (RUV). Os desequilíbrios destes fatores podem induzir formação de radicais
livres e despigmentação capilar, ocasionados por alterações melanogênicas. Desta forma,
nosso objetivo foi efetuar a releitura de artigos científicos para compreender o
mecanismo de ação e, consequente, formação de radiais livres para o desenvolvimento
destas disfunções e possíveis tratamentos.
Palavras-chave: Envelhecimento capilar, Canície, Queda capilar, Estética, Cabelos.

Abstract. The man has been concerned with their hair since the beginning of humanity,
that has as main function the skull protection against concussion and sun exposure. In
the present day, where the beauty and become essential in society, so the concern of
individuals with the canície, commonly known as "white hair" and a capillary, is growing
every day and many cosmetics and treatments are available in the market in order to
mitigate these effects. Canície so much as the hair fall are related to natural aging or
chronology, and can be increased by intrinsic factors such as heredity; and extrinsic
factors, related to life habits, exposure to ultraviolet radiation (UVR). The imbalances of
these factors can induce formation of free radicals and hair depigmentation, caused by
changes melanogênicas. In this way, our objective was to carry out a review of scientific
articles to understand the mechanism of action and, consequently, formation of radial
free for development of these disorders and possible treatments.
Key words: Aging hair, Canicie, Hair fall, Aesthetics, Hair.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística


Edição Temática em Saúde e Bem estar
Vol. 6 no 5 – Abril de 2017, São Paulo: Centro Universitário Senac
ISSN 2179-474X

Portal da revista: http://www1.sp.senac.br/hotsites/blogs/revistainiciacao/


E-mail: revistaic@sp.senac.br

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial-SemDerivações 4.0
Internacional
2
1. Introdução
O sistema tegumentar é composto por pele e tela subcutânea, acompanhado de anexos
cutâneos onde o tegumento é a parte que recobre toda a superfície do corpo formando a
porção epitelial, epiderme e a derme. Abaixo e em continuidade com a derme está a
hipoderme, que serve de suporte e união da derme com os órgãos subjacentes. Além de
permitir à pele uma considerável amplitude de movimento, embora tenha a mesma
origem e morfologia da derme, alguns autores sugerem uma nova classificação, da qual
a hipoderme passa a se chamar tela subcutânea não fazendo parte da pele (Guirro &
Guirro, 2004; Junqueira & Carneiro, 2009).
A epiderme é dividida em quatro camadas distintas da mais profunda para a mais
superficial:
 Camada Basal: é uma camada que está afixada à lâmina basal, que limita a
epiderme do tecido conectivo frouxo da derme adjunta, agente da
renovação celular. Nesta camada, encontram-se os melanócitos que
produzem a melanina, proteína encarregada da pigmentação da pele, e os
queratinócitos responsáveis pela produção de queratina, proteínas de
proteção da pele (Vaz et al, 2014; Martini, 2009);
 Estrato Espinhoso: camada onde ocorre a diferenciação das células tornando-
se um queratinócito que estão ligados entre si por desmossomos (máculas
de adesão). É constituída por vários filamentos finos de proteínas que se
acomodam de um lado ao outro da célula. Estes fascículos são chamados
de tonofilamentos que conectam os queratinócitos nas células adjuntas.
Nesta camada estão presentes as células de Langerhans e os melanócitos
(Vaz et al, 2014; Martini, 2009);
 Camada Granulosa: são pequenos grânulos de queratina, responsáveis pela
impermeabilização da pele, formada por queratinócitos deslocados do
estrato espinhoso (Martini, 2009);
 Estrato Córneo: é a camada mais superficial constituída por um revestimento
protetor de células mortas anucleadas instaladas na parte superficial da
epiderme, cujo número de camada é variável de acordo com a região. A
absorção de cosmecêuticos de uso tópico ocorre nesta camada (Vaz et al,
2014; Peyrefitte, 1998).
Por sua vez, a derme é composta por duas porções (derme papilar e derme reticular) as
quais estão localizadas abaixo da epiderme onde se encontram os anexos cutâneos,
como a glândula sudorípara, écrina e apócrinas, além dos folículos pilos-sebáceos (Costa,
2012).
 Derme papilar: constituída por tecido conjuntivo frouxo, camada de fibras de
colágeno, fibras elásticas, e um grande número de fibroblastos, possui
contato direto com a epiderme e a sua principal função é o intercâmbio
nutritivo (Vaz et al, 2014; Rivitti, 2014; Sampaio, 2008);
 Derme reticular: camada mais espessa que fica em contato com o tecido
subcutâneo (também chamado de tela subcutânea). É composta por feixes
de colágeno e possui menor quantidade de fibroblastos quando comparado
à derme papilar (Vaz et al, 2014; Rivitti, 2014; Sampaio, 2008).
A pele representa cerca de 12% de peso total de um indíviduo e sua aparência depende
de vários fatores: idade, alimentação, sexo, clima e estado de saúde do indivíduo. Além
disso, têm como função exercer papel de barreira de proteção entre o meio externo e
interno (Guirro, 2004).
Como citado anteriormente, a pele é composta por anexos constituídos por ramificações
da epiderme na derme, sendo elas: pêlos, glândulas sebáceas, glândulas sudoríparas,
Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017
Edição Temática em Saúde e Bem-estar
3
unhas e cabelo. Entre eles, os cabelos são uma parte muito valorizada desde a
antiguidade até os dias de hoje, pois transmite personalidade, estilo de vida e serve
como moldura do rosto de um indivíduo (Halal, 2011).
Historicamente, na antiguidade os primitivos necessitavam do cabelo para fins de
aquecimento e proteção, embora atualmente não seja necessário para a sobrevivência,
ainda sofre um grande impacto psicológico na sociedade, sendo de extrema importância
para a autoestima e afirmação pessoal (Halal, 2011).
Os estudos mais antigos sobre os cabelos derivam do Grego Aristóteles, no qual,
percebeu que os eunucos nunca perdiam cabelos. Após milhares de anos, Júlio César
aprovou a utilização da coroa em tempo integral como forma de disfarçar a calvície tanto
para a população quanto para a Cleópatra (Halal, 2011). No entanto é possível observar
que a problemática da queda capilar ocorre desde a antiguidade como um fator de abalo
social.
Ainda, segundo os autores Guirro, 2004 e Halal, 2011, os cabelos produzem impacto
muito grande nos indivíduos dentro da sociedade com relação à estética visual e
cuidados pessoais. E com isso, grande parte dos estudos estão sendo realizados para
reverter danos e consequências além de diversos métodos implementados para a saúde
e vitalidade dos cabelos.
O cabelo é formado pela haste capilar, camada externa do cabelo; raiz e/ou Bulbo:
camada interna, localizados no couro cabeludo que contêm grupos de 1 a 4 fios de
cabelo envoltos por um anel de tecido conjuntivo que as protege, com inervação e
circulação próprias, e também com glândulas sebáceas que dão oleosidade natural ao
couro cabeludo (Marieb e Hoehn, 2007, Rakowska et al., 2009). Em média, o couro
cabeludo apresenta mais de 100.000 folículos pilosos e em cada folículo crescem cerca
de 20 novas fibras de cabelo durante a vida. Cada fio de cabelo cresce em média 6 anos
antes de cair e ser substituído por um novo (Bhushan, 2010). O crescimento é regular,
cerca de 1,3 milímetros por dia, ou seja,1cm por mês (Barata, 2002).
Os cabelos são veículos das glândulas sebáceas e apócrinas além de servirem para
proteção contra radiações solares (cabelos e sobrancelhas), barreira mecânica
(sobrancelha, cílios e pelos nasais), aumento na superfície de evaporação do suor
(axilas), auxilia na função sensorial cutânea e contribui com os caracteres sexuais
secundários, além de ser uma ferramenta estética de reconhecimento individual e de
atração sexual (Simplicio, 2013; Pereira, 2001). Importantíssimo para a estética,
sexualidade humana e também na diferenciação pessoal dada as colorações, cortes e
penteados que permite ao individuo mostrar suas características e personalidade.

Anatomia do couro cabeludo e suas estruturas


O primeiro dermatologista a incentivar o estudo dos cabelos foi Unna de Hamburgo em
1876, na qual Engman, estudante de Unna, desenvolveu um estudo mais aprofundado
do folículo piloso. Seu trabalho foi promovido por Danforth, Trotter, e Cady, que
publicaram o trabalho de base em formação de cabelo em 1925 (Mello, 2010; Draelos,
2000).
O crescimento dos cabelos se dá a partir da raiz do couro cabeludo, na epiderme em
direção à derme, formando o folículo piloso e suas ramificações. Este folículo encontra-se
inclinado a cerca de 2,0 a 2,5mm em relação à superfície cutânea e suas extremidades,
sendo denominadas de bulbo capilar com penetração na camada mais profunda da
derme (Chilante et al, 2010) (Figura 1).

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
4
Figura 1 – Anatomia do couro cabeludo e suas estruturas

Fonte: Dângelo & Fattini, 2000.

Após sair do couro cabeludo, o cabelo não sofre nenhum tipo de alteração biológica, por
ser considerada uma estrutura queratinizada morta e os danos causados nesta estrutura
ao longo do seu crescimento tendem a ser cumulativos (Nogueira, 2003).
Quando ocorre o processo de diferenciação o cabelo se divide em dois principais
componentes (Figura 2):
 Haste capilar: camada externa do cabelo;
 Raiz / Bulbo: camada interna e ativa do cabelo localizada na derme.
A haste capilar é uma porção localizada na superfície da pele, já a raiz está inserida na
mesma e sua origem se dá por uma invaginação tubular da epiderme mais conhecida
como folículo piloso. Sendo que, a haste capilar possui três subdivisões, tais como:
cutícula, córtex e medula (Figura 2).

Cutícula

A cutícula (Figura 2) compõe cerca de 10% da fibra capilar e suas escamas, que são
sobrepostas, tem a função de proteger o cabelo e são formadas por células cuticulares,
que contém uma fina membrana externa, a epicutícula e mais duas camadas internas, a
endocutícula e exocutícula.
Endocutícula: encontradas na parte mais interna do fio, feitas de material não
queratinoso, rica em proteínas, enzimas, vitaminas e íons (Chilante et al,
2010);
Exocutícula: encontradas na parte mais externa do fio, sendo formadas por 6
a 10 camadas de células justapostas no comprimento da fibra. Sua
composição se dá por material protéico e disforme, responsável pela
Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017
Edição Temática em Saúde e Bem-estar
5
proteção das células corticais que controla a entrada e a saída de água
para conservação de suas propriedades físicas (Chilante et al, 2010).
Figura 2 – Estrutura interna da haste capilar.

Fonte: Costa, 2012.

Estas escamas são transparentes e opacas e quanto mais fechadas, mais brilho é notado
no cabelo, se as mesmas se abrem, o cabelo fica poroso e sem brilho. Por isso a
importância que a cutícula se encontre em boas condições para que o cabelo permaneça
saudável (Chilante et al, 2010).
As células cuticulares se sobrepõem, formando ‘telhas’ e junções entre as células
adjacentes e subjacentes. A cutícula e córtex são geralmente planos, podendo contribuir
para o estiramento mecânico da cutícula (Mello, 2010).
Estas diferentes partes são constituídas de material protéico onde são ricos em enxofre
quanto mais externamente se localizam. Do ponto de vista bioquímico a cutícula é muito
estável e resiste às forças físicas e químicas e quando ocorre a degradação da cutícula o
cabelo perde uma camada protetora ficando muito frágil e exposto a danos externos
(Bolduc, 2001).

Córtex

O cortéx (Figura 2) representa cerca de 80% do cabelo e é envolvido pela cutícula. É a


principal estrutura da fibra capilar, pois é ele que embasa as propriedades fundamentais
dos fios como a solidez, elasticidade e permeabilidade. É formado por células
constituídas de material protéico com um nível elevado de organização, que são
sobrepostas umas sobre as outras e orientadas no sentido da haste do fio do cabelo
(Bouillon e Wilkinson, 2005). Ainda, é constituída de proteínas queratinizadas,
protofibras e cadeias de queratina que são resistentes e dão cor ao pêlo, formando
pontes cistínicas e salinas onde se compõe de dois átomos de enxofre, ligações químicas
bastante resistentes (Chilante et al, 2010).

A célula cortical é fusiforme medindo em média de 2 a 5 µm e comprimento de


aproximadamente 100 µm, é constituído de fibras conhecidas como macrofibrilas. É no
córtex onde se encontra a produção de melanina realizada por um processo bioquímico
denominado melanogênese (Mello, 2010).

Medula

A medula (Figura 2) é um feixe cilíndrico e fino localizado no centro do fio de cabelo que
possui um elevado teor de lipídeos e pobre em cistina. Sua função ainda não está
completamente esclarecida, embora suas células possam desidratar-se e os espaços
possam ser preenchidos com ar, afetando a cor e o brilho nos cabelos. No cabelo
Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017
Edição Temática em Saúde e Bem-estar
6
humano, no entanto, pode ser contínua, descontínua ou mesmo ausente. Não é objeto
de muito estudo por não ter funções de maior importância (Mello,2010; Dawber, 1996;
Tolgyesi et al, 1983).
A medula é um dos principais responsáveis pela consistência do fio e demonstram
propriedades termorreguladoras na fibra capilar (Tambosetti, 2008).
Em cabelos saudáveis estas três camadas se apresentam completamente seladas devido
suas proteínas, onde há ceramidas e gordura que são produzidas naturalmente pelos
fios, compondo assim o cimento intercelular. Ocorrendo a deficiência de algum desses
componentes, as escamas começam a se abrir deixando o fio frágil (Caleffi et al, 2010).

Segundo Caleffi et al (2010), Tambosetti et al (2008) e Nogueira (2008), existem fatores


químicos e físicos que podem alterar a haste capilar, tais como os xampus que obtém
grande teor de tensoativos aniônicos com carga negativa considerável, faz com que
ocorra a abertura das cutículas deixando o cabelo embaraçado, ressecado, além dos
processos de alisamento, relaxamento, tintura, descolorações e cloro de piscina, que
danificam ainda mais a estrutura capilar. Já os fatores físicos estão relacionados com a
idade, onde ocorre despigmentação dos fios com aparição dos fios brancos devido perda
da atividade do melanócito na fase de crescimento.

Estrutura morfológica capilar

O cabelo é composto por cerca de 91% de proteína, sendo a queratina a proteína mais
abundante, além de todos os aminoácidos presentes, inclui também com grande
importância a cistina, que é o aminoácido de maior quantidade presente nos fios,
equivalente a 18% do peso total, com a principal função de proporcionar elasticidade e
fixação do permanente (Nogueira, 2003).
A estrutura capilar é constituída principalmente por queratina, proteína fibrosa, formada
por cerca de 21 aminoácidos, principalmente do aminoácido sulfurado denominado
cisteína. É queratinizada e secretada no folículo piloso com contínua produção, com o
acumúlo destas células ocorre produção da haste capilar (fio do cabelo) (Figura 1)
(Chilante et al, 2010).
A densidade do cabelo mede a quantidade de fios por centímetro quadrado do couro
cabelo e sua média é cerca de 2,2 fios por cm², este fator indica se o fio é fino ou grosso.
Porém esta condição varia de acordo com etnias, cuidados diários e patologias presentes
(Halal, 2011).
Os fatores que determinam a densidade dos cabelos são:
 Aumento durante a gravidez;
 Menor em mulheres do que em homens;
 Diminui após atingir os 50 anos de idade;
 Maior em jovens;
 Maior em fios loiros;
 Menor em fios ruivos.
O sistema de pigmentação em humano está baseado em dois tipos celulares,
melanócitos e queratinócitos, os quais interagem como uma unidade funcional
denominada unidade melanina-epidermal, cuja atividade funcional é o fator
determinante da coloração da pele (Guirro e Guirro, 2009).
A melanina é produzida por um processo fisiológico denominado melanogênese, tendo a
função de proteção da pele dos prejuízos induzidos pela radiação solar via absorção da
luz ultravioleta (RUV) e remoção das espécies reativas de oxigênio (Kede e Sabatovich,
2009).
Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017
Edição Temática em Saúde e Bem-estar
7
A melanina produzida no córtex surge em forma de grânulos cujo tipo, tamanho e
quantidade são responsáveis pela cor dos cabelos e pela sua fotoproteção. Mudanças nas
propriedades mecânicas do cabelo são atribuídas a mudanças na estrutura do córtex
(Nogueira, 2003).

Melanogênese

A melanogênese é um processo fisiológico resultante da síntese dos pigmentos de


melanina no interior dos melanócitos. A melanina é o pigmento que protege a pele da
ação da radiação ultravioleta (RUV) e lhe confere cor. Em seu citoplasma contêm
organelas especializadas denominadas melanossomas, onde ocorrem produção e
deposição da melanina através do armazenamento da enzima tirosinase, complexo
cúprico-protéico sintetizando nos ribossomos (Junqueira e Carneiro, 2008).
Inicialmente, a tirosina sofre atuação química da enzima tirosinase, sintetizada nos
ribossomos e transferida através do retículo endoplasmático para o Complexo de Golgi,
sendo acumuladas no melanossoma. Na presença de oxigênio molecular a tirosinase
oxida a tirosina em Dopa (dioxifenilanina) e esta, em dopaquinona. Através da cadeia
reacional surgem os dopacromose, sendo convertida finalmente no composto tirosina-
melanina que, combinando-se com proteínas, origina as melanoproteínas que, por
polimerização, constituem a melanina (Junqueira e Carneiro, 2008).
O pigmento melânico compreende dois tipos de melaninas misturadas: a eumelanina e a
feomelanina.
 Eumelanina, pigmento marrom derivado da conversão da tirosina, sendo a
pigmentação natural responsável pela coloração escura dos fios pretos e
castanhos;
 Feomelanina, que constitui em um pigmento natural responsável pela
coloração de fios louros e avermelhados, também originada da tirosina, em
um composto intermediário, a dopaquinona, que se combina com os
aminoácidos cisteína ou glutationa, formando a cistenildopa.
Tanto a eumelanina e a feomelanina possuem pigmentos, minerais e proteínas em sua
composição (Bailer et al, 2009).
A pigmentação ocorre por meio de uma série de eventos que envolvem os melanócitos e
queratinócitos adjacentes para a formação de melanina, não havendo evidências de
diferentes processos na pele e nos cabelos (Junqueira e Carneiro, 2008). A distribuição
da melanina se faz para os queratinócitos e por eles fagocitados pelos receptores
protease-ativados nos queratinócitos e distribuídos pelas camadas epidermais por meio
de transporte ativo (Bailer et al, 2009).
O principal precursor na rota biossintética da melanina é a L-tirosina, um aminoácido não
essencial obtido do meio extracelular ou produzido no citosol pela hidroxilação da L-
fenilalanina. A L-tirosina presente no citosol é então transportada para dentro dos
melanossomos, iniciando-se a melanogênese (Kede e Sabatovich, 2009).
A tirosina é convertida a L-Dopa por um processo catalisado tanto pela tirosina
hidroxilase como pela tirosinase (principal enzima envolvida) e que se constitui na etapa
determinante da velocidade do processo. Uma vez formada a L-Dopa, as demais etapas
envolvem reações de oxidoredução e rearanjos intermoleculares que podem ocorrer
espontaneamente em função das condições do ambiente intracelular (Kede e Sabatovich,
2009).
Assim como o fototipo da pele depende da concentração de melanina, os cabelos
também dependem deste fator, onde a pigmentação dos cabelos se encontra no córtex e
esta é distribuída aleatoriamente, ocorrendo a determinação da cor dos cabelos pela
presença dos pigmentos naturais nos fios. Existe uma correlação da classificação do grau

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
8
de pigmentação da pele, dos cabelos e dos olhos segundo Fitzpatrick (Tabela 1),
permitindo uma subdivisão em 6 fototipos de pele (Kede e Sabatovich, 2009).
A melanina é representada por 3% da massa capilar e formada especificamente por
células que se localizam no bulbo capilar denominada de melanócito (Nogueira, 2003).
Quanto à sua formação, quantidade e tipo de melanina são determinados geneticamente
e podem vir a sofrer influências hormonais, ambientais, inflamatórias e até mesmo pelo
sexo e idade do indivíduo. Sua distribuição tem diferença na quantidade e no tamanho
dos grânulos de melanina que são as principais causadoras da variação da cor nos
cabelos mais do que a sua diferenciação na composição química. Até os dias de hoje não
se obteve um consenso geral referente qual a quantidade de melanina e o tipo presente
nos fios (Nogueira, 2003).

Tabela 1. Classificação de fototipos segundo escala de Fitzpatrick


Fototipo Cabelo Pigmentação Sarda Queimadura Bronzeado
Zero Branco Albina Ausente Sempre Zero
I Ruivo Leitosa Ampla Sempre Zero
II Loiro Clara Alta Sempre Leve
III Castanho Clara/Parda Pouca Frequente Claro/Médio
IV Escuro Parda Zero Rara Escuro
V Escuro Morena Zero Muito rara Muito escuro
VI Negro Negra Zero Ausente Negro
Adaptado de: Kede e Sabatovich, 2009

Segundo alguns estudos os cabelos pretos têm em sua composição aproximadamente


99% de eumelanina e 1% de feomelanina; cabelos loiros e castanhos tem cerca de 95%
de eumelanina e 5% de feomelanina; cabelos ruivos possuem cerca de 65% de
eumelanina e 35% de feomelanina (Tabela 2). Esses pigmentos são encontrados no
córtex e estão localizados no eixo do cabelo, sendo que, o branco é a cor real da
queratina sem a influência da melanina (Nogueira, 2008).

Tabela 2: Distribuição e tipo de melanina

Cor dos cabelos Eumelanina Feomelanina

Pretos 99% 1%

Loiros e castanhos 95% 5%

Ruivos 65% 35%


Adapatado de Nogueira, 2008

Existem três fatores que determinam as cores naturais dos cabelos:


 Textura;
 Número e tamanho dos grânulos do pigmento;
 A proporção de eumelanina em relação à feomelanina.
O número de grânulos afeta a cor do cabelo, como também, pode-se tornar a mudança
de cor mais fácil ou mais difícil.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
9
Envelhecimento Capilar

O envelhecimento capilar é gradual como no envelhecimento cutâneo, sendo


potencializado por fatores extrínsecos, que são alterações cutâneas provocadas pela
exposição excessiva ao sol, má alimentação, tabaco, álcool e poluição do ar; e os
intrínsecos, também chamado de envelhecimento cronológico são considerados naturais
ou hereditários e com o tempo faz com que o organismo perca suas funções normais
(Puizina-ivic, 2008).
Suas manifestações se iniciam com perda da densidade máxima do cabelo, da espessura
e da cor natural que leva aos “cabelos brancos” (Halal, 2011).
É possível observar com a perda de densidade e espessura a carência do pigmento de
melanina nos fios, acarretando no embranquecimento dos mesmos.
Além das consequências de “cabelos brancos”, existe também a diminuição e
encurtamento dos fios na cabeça, e este encurtamento ocorre na fase de crescimento do
fio, e com o passar do tempo os folículos terminais (pêlos grossos) transformam-se pêlos
velus (pelos finos) (Halal, 2011).
A partir dos 70 anos de idade, estudos demonstraram redução no crescimento capilar de
ambos os sexos com média de aproximadamente 0,33 mm ao dia. A diferenciação
desses padrões da rarefação é normal da idade, assim como, a alopecia androgenética,
um padrão de calvície masculina, porém podendo ocorrer com ambos os sexos (Halal,
2011).
Outras doenças do couro cabeludo que fazem evoluir a queda do cabelo, são conhecidas
por alopecia areata, eflúvio telógeno, líquen plano pila e as alopecias cicatriciais. Se
diagnosticado algumas dessas patologias é aconselhável procurar um dermatologista
para saber se há alguma associação à doença ou somente se trata de uma rarefação
normal da idade (Wichrowski, 2007).

Canície

O nome canície é dado quando ocorre a despigmentação dos cabelos, que aparece aos
poucos após a terceira década de vida juntamente com a idade avançada, podendo
surgir antes dos 20 anos de idade, sendo de determinação racial ou hereditária. Em etnia
de pele branca, ela pode surgir em torno dos 30 anos e em negra por volta de 40 anos,
pois contém maior concentração e quantidade de melanócitos, sendo assim, maior
capacidade de manutenção da cor. Doenças autoimunes como hipertireoidismo,
hipotireoidismo e anemia perniciosa, bem como fatores hereditários podem levar ao
grisalhamento prematuro (Wichrowski, 2007).
Quando a quantidade dos grânulos de pigmento diminui de forma natural, os fios
brancos tornam-se perceptíveis, sendo comum acontecer entre os 28 e 42 anos de idade.
Foi estimado que cerca de 50% das mulheres tendem a ter cabelos brancos até os 50
anos (Halal, 2011).
Os cabelos grisalhos indicam que os melanócitos ficam lentos e produzem uma
quantidade menor de melanina. Pesquisas recentes comprovam que a produção de
melanina é interrompida durante algumas fases do ciclo de crescimento natural do
cabelo (Halal, 2011).
Como dito anteriormente, a produção da pigmentação acontece pela ação de uma
enzima chamada tirosinase sobre a tirosina e a DOPA, a diminuição da enzima tirosina
leva a canície. O envelhecimento capilar é um dos principais fatores que podem afetar a
participação desta enzima, além da predisposição genética que pode adiantar ou atrasar
este aparecimento (Wichowski, 2007).
Outro fator que deve ser levado em consideração é o estresse oxidativo que pode
avançar o processo da canície, uma vez que as formações dos radicais livres interagem
Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017
Edição Temática em Saúde e Bem-estar
10
com a tirosina desestabilizando-a induzindo a diminuição de sua atividade (Guaratini,
2007; Hirata et al, 2004).
O combate aos radicais livres tem grande importância no sistema capilar, uma vez que o
bom funcionamento da unidade pilossebácea, assim como a saúde do couro cabeludo,
possui relação à diminuição de patologias e proporcionam boa qualidade ao cabelo.

Queda capilar
O couro cabeludo é uma pele com grande quantidade de folículos pilosos e glândulas
sebáceas cuja epiderme troca-se rapidamente. Em cada fio de cabelo, milhares de
cadeias de alfa-queratina estão entrelaçadas em espiral, sob a forma de placas que se
sobrepõem, transformando-se em um longo e fino “cordão” proteico. Essas proteínas
interagem entre si de várias formas, resultando no aspecto característico de cada cabelo:
liso, ondulado e encaracolado (Scacheti, 2011).
O folículo piloso passa por três principais estágios no decorrer de seu desenvolvimento:
fase anágena, fase catágena e fase telógena, com regeneração em sucessivos ciclos. No
couro cabeludo normal a fase anágena dura de dois a sete anos, a catágena cerca de
duas semanas, e a telógena aproximadamente três meses (Figura 3) (Brenner, 2011).
As características das fases de crescimento são:
 Anágena: Neste período o crescimento ocorre em média 0,3-0,4 mm/dia
(0,9-1,2 cm/mês), os capilares sanguíneos envolvem o folículo gerando
nutrientes entre outras substâncias exógenas que são incorporadas ao longo
do fio do cabelo (De Lima et al, 2007);
 Catágena: fase de transição entre o seu crescimento ativo e a fase de
repouso, a raiz é queratinizada e se forma com uma única estrutura que se
separa do bulbo (De Lima et al, 2007);
 Telógena: fase onde o crescimento do cabelo cessa sendo chamada de fase
de repouso dos pelos. Neste período podem ser facilmente removidos se
forem puxados, começando assim o processo de crescimento de um novo fio
de cabelo onde é expulso o fio que estava em repouso (De Lima et al, 2007).
Na unidade capilar pode-se encontrar uma variedade de componentes que fazem com
que os fios permaneçam fortes e saudáveis. Porém existem muitos fatores (internos e
externos) que podem acabar por danificar as fibras. Sabendo disso, a queda capilar pode
se desenvolver a partir pela somatória destes fatores e se acentuar com decorrer da
idade.
É sabido que fatores extrínsecos tais como uso de produtos químicos, xampus,
secadores, “chapinhas”, colorações em geral e a exposição à RUV causa danos a fibra
capilar, podendo deixar os cabelos secos, com força reduzida, textura áspera, perda da
cor, diminuição do brilho, rigidez e fragilidade e consequentemente queda capilar
(Nogueira e Joekes, 2004; Qiong et al, 2013).
Já os fatores intrínsecos estão relacionados diretamente a hereditariedade, fatores
hormonais e levam a doenças do couro cabeludo, que podem afetar diretamente o
mecanismo de crescimento do cabelo resultando na estagnação do mesmo e
consequente queda capilar, podendo ocasionar calvice em ambos os sexos (Nogueira e
Joekes, 2004; Qiong et al, 2013).
Sendo assim, a queda capilar pode ser ocasionada por estes fatores isolados ou pela sua
ação conjunta, e intensificar-se no decorrer dos anos.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
11
Figura 3 – Fases de crescimento do cabelo.

Fonte: Abraham et al, 2009

Tratamentos Capilares
A formação de radicais livres é um processo contínuo e fisiológico, gerado nas
mitocôndrias, citoplasma ou na membrana celular (Franzen et al ,2013; Ferreira e
Matsubara, 1997). Algumas espécies reativas agem diretamente no DNA, proteínas e
lipídios, podendo gerar mutações e alterações funcionais, como desidrogenação
(eliminação de hidrogênio (H)), hidroxilação (acréscimo ou substituição de grupo
hidroxila) e glicação proteica, que consiste em uma reação na qual, carboidratos como a
frutose e a glicose, fazem ligação covalente a um grupo proteico ou a um lipídeo sem a
atuação de uma enzima. Com isso a glicação é um processo aleatório que prejudica o
funcionamento das biomoléculas refletindo o processo de envelhecimento, porque
afeta ácidos nucleicos e proteínas, como o colágeno, que, quando modificados, podem
gerar erros funcionais ou estruturais no organismo. E ainda são responsáveis por induzir
uma resposta inflamatória, além de fibrose e a esclerose ao degradar proteínas do tecido
conjuntivo (Guaratini, 2007; Hirata et al, 2004).
No cabelo, as melaninas possuem função de proteção fotoquímica às proteínas do
mesmo, mais comum em baixos comprimentos de onda, no qual tanto os pigmentos
quanto as proteínas absorvem luz (254 a 350 nm). Os pigmentos operam absorvendo e
filtrando a energia recebida, sucessivamente dissipando esta energia na forma de calor.
A melanina dissipa mais de 99,9% da energia UV absorvida como calor, trabalhando
como um desativador químico de radicais livres, fazendo com que a geração de radicais
livres se mantenha no mínimo previnindo o transporte de espécies deletérias para a
matriz da queratina. Contudo, ao proteger as proteínas do cabelo da luz, os pigmentos
são degradados ou oxidados (Nogueira, 2008).
O organismo humano dispõe de alguns mecanismos endógenos de defesas contra os
radicais livres como:
 Antioxidante primário: são enzimas que eliminam os radicais livres no local
de sua formação, como a enzima superóxido dismutase (SOD) (Guaratini,
2007; Kede e Sabatovich, 2009);
 Antioxidante secundário: são as vitaminas e minerais que combatem as
lesões celulares causadas pelos radicais livres tais como as vitaminas C e E
(Guaratini, 2007; Kede e Sabatovich, 2009);
 Antioxidante terciário: ajuda o organismo a formar substância para
regenerar as células destruídas pelos radicais livres como, por exemplo, as
Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017
Edição Temática em Saúde e Bem-estar
12
proteínas de choque térmico quando temos febre (Guaratini, 2007; Kede e
Sabatovich, 2009).
Existem diversas substâncias antioxidantes que podem ser utilizados nos tratamentos
capilares podendo amenizar ou retardar estes efeitos, tais como: superóxido dismutase,
catalase, glutationa, vitamina C e E, betacaroteno, minerais com zinco, cobre,
manganês, selênio, enxofre, magnésio, coenzima Q10, ácido lipóico e os flavonoides
extraídos de plantas (Wood et al, 2009). Existem, também, diversos princípios ativos
que combinados ao veículo correto, tais como xampus, tônicos, máscaras e até capsulas
nutritivas via oral, visam melhorar o aspecto do cabelo e até mesmo diminui a queda
capilar.
Estudos sugerem, também, o tratamento de laser de baixa potência associado com
loções tópicas manipuladas. O laser de baixa potência possui propriedades terapêuticas
importantes como indução de efeitos trófico-regenerativos, antiinflamatórios, analgésicos
e estimulação de síntese de colágeno e fibroblastos (Lopes, 1999).
Além de tratamentos estéticos não invasivos como o laser de baixa potência, existem
dermoscosméticos que, associados à massagem capilar, microagulhamento e
dermopuntura, auxiliam no retardo da queda capilar e estimula o crescimento de cabelo.
Assim, associando as técnicas estéticas juntamente com comescêuticos é possível
amenizar tanto a canície como a queda capilar, melhorando a qualidade de vida e a
autoestima das pessoas.
Com isso, o objetivo do presente trabalho foi efetuar a releitura de artigos científicos
com a finalidade de compreender os principais mecanismos de ação para o
desenvolvimento da canície e queda capilar, bem como, a utilização de possíveis
tratamentos para retardar estes efeitos.

2. Metodologia
Realizou-se uma revisão bibliográfica de artigos cujos assuntos/temas fossem Canície e
Queda Capilar nos bancos de dados do Google Acadêmico, Pubmed e Scielo. Para a
referida busca utilizou-se os seguintes descritores no idioma português: canície, queda
capilar, envelhecimento capilar, cabelos. Os critérios utilizados para a seleção dos artigos
foram: idioma português e inglês, artigos completos sem um limite temporal, mas
priorizando-se estudos dos últimos 12 anos.

3. Resultados
Para a conclusão desta revisão bibliográfica selecionamos 28 artigos no idioma português
e inglês, além de 14 livros didáticos que abordam a respeito dos mecanismos e
desenvolvimento da canície e queda capilar, finalizando-se, então, um total de 42 obras
utilizadas na elaboração do presente trabalho que também se encontram listadas nas
"Referências Bibliográficas" ao término do mesmo.
O envelhecimento capilar é gradual como no envelhecimento cutâneo, sendo
potencializados por fatores extrínsecos, que são alterações cutâneas provocadas pela
exposição excessiva ao sol, má alimentação, tabaco, álcool e poluição do ar; e os
intrínsecos, também chamado de envelhecimento cronológico são considerados naturais
(Puizina-ivic, 2008).
Suas manifestações se iniciam com perda da densidade máxima do cabelo, da espessura
e da cor natural que leva aos “cabelos brancos” (Halal, 2011). É possível observar com a
perda de densidade e espessura a ausência do pigmento de melanina nos fios,
acarretando no embranquecimento dos mesmos.
A partir dos 70 anos de idade, estudos demonstraram redução no crescimento capilar de
ambos os sexos com média de aproximadamente 0,33 mm ao dia. A diferenciação
desses padrões da rarefação que são normais da idade como a alopecia androgenética
Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017
Edição Temática em Saúde e Bem-estar
13
pode ser considerada um padrão de calvície masculina podendo ocorrer também em
mulheres (Halal, 2011).
O processo de crescimento dos folículos ocorre em padrão de mosaico no couro cabeludo.
Cada folículo possui uma ferramenta de controle individual, ditado por diversas
substâncias como hormônios, citocinas, fatores de crescimento e influências do meio
ambiente como deficiências nutricionais e RUV. Os mecanismos que controlam o ciclo do
pêlo estão posicionados no próprio folículo e são resultado da interação de moléculas
reguladoras e seus receptores. Estudos sugerem que a papila dérmica e seus fibroblastos
influenciam no crescimento do folículo, especialmente na proliferação e diferenciação
celular da matriz folicular (Brenner, 2011).
Outras doenças do couro cabeludo que fazem evoluir a queda do cabelo, são conhecidas
por alopecia areata, eflúvio telógeno, líquen plano pila e as alopecias cicatriciais. Se
diagnosticado algumas dessas patologias é aconselhável procurar um dermatologista
para saber se há alguma associação a doença ou somente se trata de uma rarefação
normal da idade (Wichrowski, 2007).
Ainda, com o envelhecimento capilar, é comum o aparecimento de canície, que aparece
aos poucos após a terceira década de vida juntamente com a idade avançada, sendo que
podem surgir desde cedo, antes dos 20 anos, podendo ser de tipo racial. Doenças como
hipertireoidismo, hipotireoidismo e anemia perniciosa, bem como fatores hereditários
podem levar ao grisalhamento prematuro (Wichrowski, 2007).
Quando a quantidade dos grânulos de pigmento diminui de forma natural, os fios
brancos tornam-se perceptíveis, sendo comum acontecer entre os 28 e 42 anos de idade.
Foi estimado que cerca de 50% das mulheres tendem a ter cabelos brancos até os 50
anos (Halal, 2011).
Ainda, Segundo Halal (2011), cerca de 90% dos cabelos encontra-se na fase anágena,
9% na fase telógena e 1 % na fase catágena. Estima-se que o couro cabeludo contenha
aproximadamente 100.000 fios em média, sendo que uma quantidade maior para fios
louros e uma quantidade menor para fios ruivos. A estimativa para a perda de cabelos
era de 100 a 150 fios por dia, porém recentes pesquisas indicam que a troca média varia
de 35 a 40 fios diariamente, isso para uma perda normal, sem nenhuma patologia.
Os cabelos grisalhos indicam que a produção de melanócitos fica lenta e produz uma
quantidade menor de melanina, assim como, pesquisas realizadas comprovam que a
produção de melanina é interrompida durante as fases catágena e telógena do ciclo de
crescimento natural do cabelo (Halal, 2011).
Outro fator que deve ser levado em consideração é o estresse oxidativo que pode
avançar o processo da canície, uma vez que a formação dos radicais livres interage com
a tirosina desestabilizando-a induzindo a diminuição de sua atividade.
A formação dos radicais livres acelera o processo de envelhecimento, essa liberação se
dá a partir de reações bioquímicas no organismo, com aumento de moléculas ânions
superóxido, induzindo lesões decorrentes a liberação de 21 espécies reativas de oxigênio,
causando a diminuição da capacidade antioxidante natural do organismo. Os
antioxidantes neutralizam as lesões causadas pelos radicais livres (Costa, 2012;
Dolinsky, 2009; Ferreira e Matsubara, 1997).
É sabido que os principais responsáveis na síntese das espécies reativas de oxigênio é a
exposição da pele a RUV (Costa, 2012; Hirata, 2004). As principais fontes que causam os
radicais livres além da RUV são: elementos ricos em gordura, álcool, tabaco e o estresse
oxidativo. O acúmulo de formação de radicais livres provoca um desequilíbrio no
processo oxidativo e no antioxidativo natural, fazendo com que o organismo saia da
homeostase.
O equilíbrio e a reposição com antioxidantes parece ser um recurso mais racional para os
tratamentos capilares (Wood et al, 2009). Ainda estudo recente demonstrou que a
utilização de antioxidantes interrompe o processo de embranquecimento dos cabelos, por
Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017
Edição Temática em Saúde e Bem-estar
14
remover o peróxido de hidrogênio encontrado nos fios, sendo este um descolorante que
retira a cor natural dos fios. Este estudo foi publicado pela Federação da Sociedade
Americana de Biologia Experimental pela revista especializada Faseb (Wood et al, 2009).
O combate aos radicais livres tem grande importância no sistema capilar, uma vez que o
bom funcionamento da unidade pilossebácea, assim como a saúde do couro cabeludo,
possui relação à diminuição de patologias e proporcionam boa qualidade ao cabelo.
Desta forma este trabalho teve como embasamento apenas o mecanismo e
desenvolvimento da canície e queda capilar.

4. Considerações Finais
Nos dias atuais, onde a estética e beleza tornam-se essenciais na sociedade, o cabelo
aparece como um acessório fundamental em todos os tempos e em todas as culturas,
pois eles transmitem sensualidade e é uma poderosa arma de sedução, além de mostrar
a personalidade de cada indivíduo, tanto no corte, na forma e na coloração. Desta forma,
é natural estudos sobre saúde e manutenção capilar.
Sabe-se que o envelhecimento capilar, está relacionado aos fatores extrínsecos
provocados por exposição excessiva ao sol, má alimentação, tabaco, álcool e poluição do
ar; e os intrínsecos, considerados naturais ou hereditários e com o tempo faz com que o
organismo perca suas funções normais. A necessidade de prevenção ou reparação destes
processos leva os indivíduos a busar soluções através do ramo da estética e
cosmetologia.
Dentre as fisiopatologias capilares, a canície é caracterizada pela despigmentação dos
cabelos e aparece aos poucos após a terceira década de vida, podendo ser hereditária ou
não, já a queda capilar pode ser gradual e potencializada por motivos extrínsecos, visto
que, ocorre num processo de envelhecimento natural e progressivo.
Sabe-se que a formação de radicais livres pode estar envolvida neste mecanismo,
podendo até mesmo ser um acelerador deste processo. Nas condições de pesquisa para
confecção deste trabalho é possível concluir que a canície e queda capilar são as
principais desordens envolvidas neste processo na maioria das pessoas desde a
antiguidade. Os neutralizadores de antioxidantes mostrou ser um grande aliado para
retardar estes efeitos, do mesmo modo que, alguns tratamentos estéticos associados
como o laser de baixa potência podem auxiliar no estímulo celular evitando a queda,
além de cosméticos específicos com ativos catiônicos capazes de promover a
reestruturação capilar. Para tanto, incentivamos a pesquisa de estudos de caso visando
encontrar o fator determinante destas disfunções gerando futuras discussões para a
elaboração de tratamentos eficazes com resultados significativos. Desta forma
poderemos proporcionar benefícios e autoestima elevada para os indivíduos que
procuram maneiras de adiar estes efeitos.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
15
Referências
Abraham, L.S.; Moreira, A.M.; Moura, L.H; Gavazzoni, M.F.R.; Addor, F.A.S.;
Tratamentos estéticos e cuidados dos cabelos: uma visão médica (parte
2), Sociedade Brasileira de Dermatologia , volume 1, n4 2009.
BAILER, A.C.; DOGNINI, L; MOSER K.D.; "Coloração Sintética Capilar: Uma
abordagem sobre os conceitos, classificação e suas funções”, (2009)
Disponível em: http://Siaibib01.univali.br/pdf/Ana Claudia Bailer e Luana
Dognini.pdf. Acesso em: 02/05/2015.
BARATA, E.; Cosméticos - Arte e Ciência. Lisboa, Lidel (2002).
BRENNER, F.M., SEIDEL, G., HEPP, T.;Entendendo a alopecia androgenética,
Surg Cosmet Dermatol;3(4):329-37(2011).
BOLDUC, J SHAPIRO. Hair care products: waving, straightening,
conditioning, and coloring, Clinics in Dermatology 19 (4): 431-436, (2001).
B. BHUSHAN, W. TAN.; Nanomechanical characterization of skin and skin
cream, Journal of Microscopy,Vol.240,Pt2,pp.135–14(2010)
BOUILLON, J WILKINSON. The science of hair care, 2ª. Edição, Taylor &
Francis Group, Estados Unidos, 1-76 e 201-227, (2005).
CALEFFI, R.; HEIDEMANN, R. T.; MOSER, K.D.; Cloreto de sódio: Análise de
sua função na formulação de xampus para manutenção de cabelos
quimicamente tratados (2009). Disponível em:
http://siaibib01.univali.br/pdf/Rubia%20Caleffi%20e%20Thais%20Rodrigues%20
Heidemann.pdf Acesso: 20/04/2015.
CHILANTE, J. A.; VASCONCELOS O. B. L.; SILVA, D.: "Análise dos princípios
ativos do protocolo destinado a reestruturação capilar” (2010). Disponível
em:
http://siaibib01.univali.br/pdf/Jucemara%20Chilante,%20Leonardo%20Vasconcel
os.pdf Acesso: 21/04/2015.
COSTA, A.; Tratado Internacional de Cosmecêuticos, Rio de Janeiro, Ed.
Guanabara Koogan (2012).
DÂNGELO, J.G & FATTINI, C.A. Anatomia humana sistêmica e segmentar:
para o estudante de medicina. 2ª Ed. São Paulo: Editora Atheneu, (2000).
DAWBER. Hair: Its structure and response to cosmetic
preparations,Clinics in Dermatology 14 (1): 105-112, (1996).
DE LIMA, C. E.; DA SILVA, C. L.; Cabelo como Matriz Analítica Alternativa
para a determinação de drogas de abuso (2007). Disponível em:
http://www.researchgate.net/profile/Elizabete_De_Lima2/publication/228446704
_Cabelo_como_Matriz_Analtica_Alternativa_para_a_determinao_de_drogas_de_a
buso/links/0046351a66911b7737000000.pdf. Acesso em: 04/06/2015.
DOLINSKY, M.; Nutrição funcional. São Paulo: Roca (2009).
DRAELOS, Z.D.;The biology of hair care, Dermatologic Clinics, 18(4): 651-658
(2000).
FERREIRA, A. L. A.; MATSUBARA L. S.; Radicais livres: conceitos, doenças
relacionadas, sistema de defesa e estresse oxidativo; Ver. Ass. Med. Brasil;
43(1): 61-8, (1997).
GUARATINI, T.; MEDEIROS, M. H. G.; COLEPICOLO, P.; Antioxidantes na
manutenção do equilíbrio redox cutâneo: uso e avaliação de sua eficácia;
Quim. Nova, Vol. 30, No. 1, 206-213, (2007).

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
16
GUIRRO, O. C. E.; GUIRRO, J. ; ROBERTO, R. Fisioterapia: dermato funcional.
3ª ed. Rio de Janeiro: Manole (2004).
HALAL, J.; Tricologia e a Química Cosmética Capilar. São Paulo. Editora
Cengage Learning (2011).
HIRATA L. L.; SATO M. E. O.; SANTOS A. M.; Radicais Livres e o
Envelhecimento Cutâneo, Acta Farm. Bonaerense 23 (3): 418-24, (2004).
JUNQUEIRA, L.C; CARNEIRO, J. Biologia Celular e Molecular 8ª Ed. Artmed,
Porto Alegre (2009).
JUNQUEIRA, L.C; CARNEIRO, J. Histologia Básica. 11ª Ed. Rio de Janeiro -
Guanabara Koogan (2008).
KEDE, M. P. V., SABATOVICH, O.; - 2 ed. Ver e ampl –São Paulo: Editora
Atheneu (2009).
LOPES, L.A. Análise in vitro da Proliferação Celular de Fibroblastos de
Gengiva Humana Tratados com Laser de Baixa Potência Universidade Vale
do Paraíba (1999) Disponível em:
http://143.107.206.201/restauradora/laser/Luciana/fibroblasto.html
MARIEB E. N.; HOEHN K.; Human anatomy & physiology, 7th ed. San
Francisco Pearson Benjamin Cummings (2007)
MARTINI, F.; TIMMONS, M.; TALLITSCH, R.; Anatomia Humana – Editora
Artmed, Porto Alegre, 6ª ed. (2009).
MELLO, M.; - A evolução dos tratamentos capilares para ondulações e
alisamentos permanentes UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL
FACULDADE DE FARMÁCIA (2010).
NOGUEIRA, A. C. S.; Efeito da radiação ultravioleta na cor, na perda
protéica e nas propriedades mecânicas do cabelo, Universidade Estadual
de Campinas, São Paulo, (2003). Disponível em:
http://biq.iqm.unicamp.br/arquivos/teses/vtls000305300.pdf. Acesso em:
20/04/2015.
NOGUEIRA, A.C.S.; JOEKES, I.; Hair color changes and protein damage
caused by ultraviolet radiation, Departamento de Fısico-Quımica, Instituto de
Química, Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP C. P. 6154, 13084-971
Campinas, SP, Brasil(2004).
NOGUEIRA, A. C. S.; Foto-degradação do cabelo: influência da pigmentação
da fibra. Diss. Tese de Doutorado, Instituto de Química, UNICAMP (2008).
Disponível em: http://biq.iqm.unicamp.br/arquivos/teses/000446257.pdf. Acesso
em: 21/04/2015.Portal Educação - Canície Capilar. Disponível em:
http://www.portaleducacao.com.br/estetica/artigos/54973/canicie-capilar. Acesso
em:18/06/2015.
PEREIRA, J.M.; Propedeutica das doenças dos cabelos e do couro cabeludo.
São Paulo, Atheneu (2001).
PUIZINA-IVIC, N.; Skin.aging, Acta Dermatovenerol. Alp. Panonica
Adriat.,v.17,n.2,p 47-54, (2008).
QIONG L.I,; CHEN, Y; ZHANG, W.; CUI, J.; WU, X.; Effects of honeysuckle
extract of color protection of human hair exposed to sun light radiation,
(2013).
RAKOWSKA, A., SLOWINSKA, M., KOWALSKA-OLEDZKA, E., ET AL. Dermoscopy
in female androgenic alopecia: method standardization and diagnostic
criteria. Int J Trichology, 1 (2), pp. 123-30 (2009)

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
17
SCACHETI, L.F., MATOS, N.C. , MALAFFATI, L. , NAVARRO, F.F.; Controle de
qualidade e análise sensorial em voluntários de xampu exfoliante com
extrato hidroalcoólico de Capsicum frutescens L. (Solanaceae), São Paulo
(2011).
SIMPLICIO, P.C.; MEJIA, D.P.M.; Carboxiterapia no tratamento da alopecia;
Pósgraduação em Fisioterapia Dermato-Funcional – Faculdade Ávila (2013).
TAMBOSETTI, F.; Máscaras de Hidratação Capilar utilizadas em um salão de
Balneário Camboriú (2008). Disponível em:
http://siaibib01.univali.br/pdf/Francieli%20Tambosetti%20e%20Vania%20Rodrig
ues.pdf. Acesso em: 20/04/2015.
TOLGYESI, D W COBLE, F S FANG, E O KAIRINEN. A comparative study of
beard and scalp hair, Journal of the Society of Cosmetic Chemists 34:
361-382, (1983).
TRICOLOGIA MÉDICA - O Uso de Antioxidantes nos Cuidados com a Queda
Capilar. Disponível em: http://www.blogtricologiamedica.com.br/2015/03/o-uso-
de-antioxidantes-nos-cuidados-com.html. Acesso em: 19/06/2015.
VAZ, D. P; OLIVEIRA, A. L; PEREZ, E.; Curso didático de estética: volume 1/
organização Ligia Marini Lacrimanti, Maria Goreti de Vasconcelos, Érika Perez. –
2. Ed. – São Caetano do Sul, SP: Yendis, (2014).
WICHROWSKI, L.; Terapia capilar uma abordagem complementar. Porto
Alegre: Editora Alcance (2007).
WOOD, J. M. et al. Senile hair graying: H2O2-mediated oxidative stress
affects human hair color by blunting methionine sulfoxide repair. The
FASEB Journal, v. 23, n. 7, p. 2065-2075, (2009). Disponível em:
http://www.fasebj.org/content/23/7/2065.long Acesso em: 19/06/2015.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
18
Efeitos de diferentes fotoprotetores durante a prática de
exercício físico ao ar livre

Effects of different sunscreens during outdoor exercise

Victor Mielli de Castro, Nayla Aparecida Alves de Araujo, Silvia Midori Izumi
Morimoto, Celio Takashi Higuchi, Everton Crivoi do Carmo

Centro Universitário Senac – Santo Amaro- Senac –SP


Curso de Educação Física
Curso de Tecnologia em Estética e Cosmética
victormielli0@gmail.com; nayla_ap@hotmail.com;silvia.mimorimoto@gmail.com;
celio.thiguchi@gmail.com; everton.ccarmo@sp.senac.br

Resumo. A prática de exercícios ao ar livre expõe os seus adeptos aos efeitos da


radiação solar, sendo esses facilmente evitados pela utilização de fotoprotetores.
No entanto, a ação desses produtos parece ser prejudicada pela sudorese. Assim, o
estudo teve como objetivo comparar os efeitos de fotoprotetores orgânicos e
inorgânicos, associado à prática de exercício físico ao ar livre, sobre os danos na
pele. Dez voluntários foram avaliados entre às 11h00 e 13h00 horas. Os
fotoprotetores foram aplicados de forma randomizada nos braços direito e esquerdo
e medidas do eritema (E) e melanina (M) realizadas no dorso das mãos e nos
antebraços antes e após 20 minutos de corrida ao ar livre. Foi observada menor
razão E/M após o exercício com o fotoprotetor inorgânico (p=0,004). Entretanto,
não foram observadas diferenças entre os fotoprotetores quando a ANCOVA foi
empregada. Assim, podemos concluir que não há diferença entre os fotoprotetores
quando associados à prática de exercícios físicos ao ar livre.

Palavras-chave: pele, fotoproteção, eritema, melanina.

Abstract. Outdoor exercises expose their fans to the effects of solar radiation,
which might be avoided by sunscreens. However, the sunscreens’ actions would be
impaired by sweating. Thus, the aim was to compare the effects of organic and
inorganic sunscreens, associated with outdoor exercise, on the skin damage. Ten
volunteers were evaluated between 11h00 a.m and 1h00 p.m. The sunscreens were
applied randomly on right and left arms. Erythema (E) and melanin (M)
measurements were made on the backs of hands and forearms before and after 20
minutes of outdoor running. It was observed lower ratio E/M after exercise with
inorganic sunscreen (p=0.004). However, there weren’t differences when ANCOVA
was applied. Thus, we would conclude that there are no differences between the
sunscreens when combined with physical exercise outdoors
Key words: skin, sunscreen, erythema, melanin.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística


Edição Temática em Saúde e Bem estar
Vol. 6 no 5 – Abril de 2017, São Paulo: Centro Universitário Senac
ISSN 2179-474X

Portal da revista: http://www1.sp.senac.br/hotsites/blogs/revistainiciacao/


E-mail: revistaic@sp.senac.br

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial-SemDerivações
4.0
Internacional
58
Introdução

A prática regular de exercícios físicos tem sido fortemente recomendada para a


melhora do sistema cardiorrespiratório e também uma das principais ferramentas
no combate as doenças crônicas degenerativas (Carpio-Rivera, Moncada-Jiménez et
al., 2016; Colberg, Sigal et al., 2016; Middleton, Moxham et al., 2016). Nesse
cenário, o número de atletas amadores tem aumentado muito nos últimos anos,
incluindo o número de pessoas que praticam atividade física ao ar livre, o que
acaba expondo os seus adeptos a radiação solar e aos seus efeitos deletérios sobre
a pele (Lawrence, Al-Jamal et al., 2016; Meyer, Beasley et al., 2016).
A pele humana é o meio de proteção e comunicação do meio interno com o meio
externo, sendo diariamente exposta a diferentes agentes físicos e químicos, entre
eles, os raios ultravioletas (UV). Apesar de a exposição solar ser extremamente
importante na produção de vitamina D (Marques, Dantas et al., 2010), o seu
excesso tem sido associado a danos cutâneos (Purim e Leite, 2010). Os efeitos da
exposição solar excessiva são bem definidos, tendo como maior agravante o
desenvolvimento do câncer de pele (Sociedade Brasileira De Dermatologia, 2006) e
o desencadeamento do fotoenvelhecimento (Landau, 2007). Dessa forma,
indivíduos que praticam exercícios físicos ao ar livre acabam sendo mais expostos a
radiação solar e aos seus efeitos deletérios sobre a pele (Zastrow, Groth et al.,
2008; Darvin, Haag et al., 2010). De fato, tem sido verificado em atletas que
permanecem mais tempo expostos ao sol maior risco de desenvolvimento de
problemas cutâneos (Purim e Leite, 2010).
O risco da exposição solar excessiva associada à prática de atividades físicas ao ar
livre poderia ser facilmente reduzido pela utilização adequada de fotoprotetores. No
entanto, um ponto bastante preocupante diz respeito a real eficácia desses
produtos, que muitas vezes não realizam o seu papel de maneira adequada
(Sociedade Brasileira De Dermatologia, 2006). Para atletas engajados em
atividades físicas de média a longa duração a sudorese poderia reduzir o tempo de
ação dos fotoprotetores, agravando ainda mais esse quadro (Sociedade Brasileira
De Dermatologia, 2006).
Existem duas classes de filtros solares, os orgânicos (barreira química) e os
inorgânicos (barreira física). Os compostos orgânicos protegem a pele pela
absorção da radiação, enquanto os inorgânicos pela reflexão (Flor, Davolos et al.,
2007). No entanto, a eficácia desses produtos quando expostos ao suor excessivo
decorrente da prática de exercícios físicos ainda é desconhecida. Assim, o presente
estudo tem como objetivo comparar os efeitos dos fotoprotetores orgânicos e
inorgânicos, associado à prática de exercício físico ao ar livre, sobre a razão
eritema/melanina (E/M), um marcador de dano na pele.

Metodologia

Participantes
Participaram do estudo 10 voluntários do sexo masculino, com idade de 30 ± 10
anos. Todos eram praticantes regulares de exercícios físicos e não apresentavam
qualquer problema de saúde. Como critério de inclusão, não poderiam fazer ou ter
feito uso de medicamentos fotossensibilizantes ou qualquer outro
produto/tratamento que pudesse alterar as características biofísicas da pele, por
pelo menos 60 dias antes dos procedimentos experimentais. O estudo foi aprovado
pelo comitê de ética de acordo com a Declaração de Helsinki e todos os voluntários
assinaram um Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) informando os
benefícios e riscos do estudo.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
59
Desenho experimental
As coletas foram realizadas em uma única sessão, entre às 11h00 e 13h00 horas,
com temperatura no horário da coleta de 33oC e Indíce Ultravioleta (IUV), o qual
representa a intensidade da radiação solar, em nove em uma escala de 11 pontos,
o que indica nível muito alto de radiação.
Ao chegarem ao laboratório os participantes foram mantidos em repouso, com
temperatura e umidade relativa do ar controlada (25ºC e 50%). Após foram
realizadas as medidas do eritema e da melanina em ambos os dorsos das mãos e
nos antebraços (50% da distância entre o olécrano e o processo estilóide da ulna).
Para isso, foi utilizado o equipamento Mexameter (Mexameter MX 18, Courage &
Khazaka, Aca Derm, Menlo Park, CA), onde a um sensor foi posicionado
verticalmente sobre a área determinada e levemente pressionado. Foram realizadas
três coletas em cada região e a média utilizada para a análise dos dados.
Imediatamente após a medição foram aplicados dois diferentes fotoprotetores
(orgânico e inorgânico) com fator de proteção solar (FPS) 30, nos antebraços e nos
dorsos das mãos, sendo essa realizada de forma randomizada e balanceada (braço
direito e esquerdo) e nas quantidades preconizadas pelo fabricante. Após 20
minutos da aplicação novas medidas de eritema e melanina foram realizadas nos
dorsos das mãos a fim de verificar um possível efeito do fotoprotetor sobre o
eritema. Os participantes foram direcionados a pista de corrida, onde realizaram 20
minutos de corrida ao ar livre, com intensidade moderada e controlada pela PSE de
Borg (Borg, 1982) entre 13 e 15 (ligeiramente cansativo e cansativo). Após a
corrida os participantes retornaram ao laboratório, o suor foi retirado com toalha de
algodão e mais 20 minutos de repouso foram respeitados antes das novas
medições do eritema e melanina.

Análise estatística

Os dados são reportados como média e desvio padrão. Como medida do dano da
pele os valores de eritema foram corrigidos pela melanina, sendo utilizada a razão
eritema/melanina (E/M). Para a comparação entre os fotoprotetores após o
exercício foi realizado um test T de Student para amostras independentes.
Adicionalmente, foi realizada uma Análise de Covariância (ANCOVA), tendo como
fatores os fotoprotetores (orgânico e inorgânico) e como covariável os valores pré-
exercício sem fotoprotetor. Como nível de significância foi aceito um p<0,05.

Resultados

Foi observada redução de 4,5% na razão E/M quando comparados os valores pré e
pós aplicação dos fotoprotetores. Adicionalmente, os valores da razão E/M no pré
sem fotoprotetor (1,37 ± 0,18) e no pré com fotoprotetor (1,3 ± 0,19) foram iguais
ou menores os valores observados no pós exercício físico.
Quando comparados apenas os valores do pós teste, foi observada diferença
significante na razão E/M entre os fotoprotetores orgânico e inorgânico para as
medidas do dorso da mão (p=0,004). Entretanto, não foram observadas diferenças
entre os fotoprotetores para as medidas no antebraço (p=0,4).
Uma vez que a interferência dos fotoprotetores sobre a razão E/M no pré exercício
pode influenciar consideravelmente os resultados do estudo, esses foram utilizados
como covariável em uma segunda análise. Não foram observadas diferenças
significantes para o dorso da mão (p=0,08) ou para o antebraço (p=0,6) entre os
fotoprotetores. Os valores da Razão E/M no dorso da mão e no antebraço pré e pós
exercício com diferentes fotoprotetores podem ser observados na Tabela 1.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
60
TABELA 1. Razão eritema/melanina no dorso da mão e no antebraço pré e
pós exercício físico ao ar livre.

Razão E/M
Dorso Antebraço
Pré SP Pós Org. Pós Inorg. Pré SP Pós Org. Pós Inorg.

1,37+0,18 1,39+0,24 1,27+0,19 1,34+0,24 1,33+0,22 1,3+0,22*


Razão E/M – eritema/melanina, um indicador de dano na pele. SP – sem protetor.
Org – fotoprotetor orgânico. Inorg – fotoprotetor inorgânico. * diferença
significante (p=0,004) em relação ao orgânico após o exercício

Discussão
Os principais resultados do estudo mostram que, quando associado a prática de
exercício físico, não há diferença entre os fotoprotetores orgânico e inorgânico
sobre a razão E/M.
O estrato córneo da pele atua como um fator protetor contra a ação da radiação
UV, sendo sua capacidade de absorção diretamente influenciada pela hidratação da
pele. De fato, em peles mais hidratadas há um aumento da sensibilidade aos raios
UV (Owens e Knox, 1978). Nesse cenário, o suor provocado pela prática de
exercícios, associado ao maior tempo de exposição UV tem sido mostrado por
aumentar o risco de danos na pele (Moehrle, Koehle et al., 2000). Esse risco
poderia ser inibido pela utilização adequada de fotoprotetores. Por outro lado, o seu
uso inadequado de fotoprotetores pode gerar falsa sensação de proteção. Pesquisas
mostram que o fotoprotetor não protegeu o usuário em 55% das vezes. Quando
associado à prática de exercício esse número pode aumentar ainda mais devido a
sudorese. No entanto, as únicas recomendações encontradas são para que os
fotoprotetores sejam aplicados mais vezes durante o exercício (Purim e Leite,
2010). Não há informações sobre a sua eficácia nessas condições.
Para a comercialização de um filtro solar na sua composição são necessários dois
componentes básicos, os ingredientes ativos, orgânicos ou inorgânicos e os
veículos. Em relação aos veículos utilizados, existem diversas opções, desde as
mais simples até as mais complexas. Nessas composições, substâncias com efeitos
“calmantes” ou suavizantes sobre o grau de eritema da pele podem ser
encontradas (Flor, Davolos et al., 2007). Dessa forma, para verificar uma possível
interferência do fotoprotetor sobre os valores de eritema foram realizadas medidas
no dorso das mãos antes e após 20 minutos da aplicação dos produtos. De fato, os
resultados mostraram redução de 4,5% na razão E/M do pré para o pós aplicação
dos fotoprotetores, o que pode ter ocorrido devido a ação de substâncias como o
extrato de arctium, extrato de althéia, vitamina B3 e vitamina E, encontrados na
composição dos fotoprotetores. Adicionalmente, os valores da razão E/M no pré
sem fotoprotetor e no pré com fotoprotetor foram iguais ou menores os valores
observados no pós exercício físico. Esses resultados sugerem ainda uma possível
ação tempo dependente dessas substâncias sobre o eritema.
Durante o exercício os locais mais vulneráveis e de maior exposição direta
ao meio ambiente são a face, o pescoço, a área superior do tórax, os dorsos das
mãos e os braços. Dessa forma, avaliamos os efeitos dos foprotetores no dorso da
mão e antebraço. Os resultados não mostraram diferenças significantes entre os
fotoprotetores, sugerindo que ambos os produtos (orgânicos e inorgânicos)
oferecem proteção semelhante à pele durante o exercício ao ar livre. Vale a pena
ressaltar que apesar de não termos observado diferenças estatísticas significantes,
Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017
Edição Temática em Saúde e Bem-estar
61
observamos uma tendência para a maior eficácia dos fotoprotetores inorgânicos em
relação aos orgânicos. Assim, nossos resultados devem ser vistos com cautela e
mais estudos são necessários com um maior número de participantes e com maior
duração do exercício, condição na qual o papel do suor poderia ser mais
pronunciado e as possíveis diferenças observadas de maneira mais claras.

Conclusões
Com base nos resultados podemos concluir que não há diferença em relação a
proteção da pele, avaliada pela razão E/M, entre fotoprotetores inorgânicos e
orgânicos quando associados prática de exercícios físicos ao ar livre. No entanto, os
dados apresentaram uma leve tendência a maior eficácia dos fotoprotetores
inorgânicos, sendo mais estudos necessários para verificar a real diferença entre os
diferentes fotoprotetores.

Referências bibliográficas
BORG, G. A. Psychophysical bases of perceived exertion. Medice and science and
sports exercercise, v. 14, n. 5, p. 377-381, 1982. ISSN 0195-9131.
CARPIO-RIVERA, E. et al. Acute Effects of Exercise on Blood Pressure: A Meta-
Analytic Investigation. Arquivos brasileiros de cardiologia, n. AHEAD, p. 0-0,
2016. ISSN 0066-782X.
COLBERG, S. R. et al. Physical Activity/Exercise and Diabetes: A Position
Statement of the American Diabetes Association. Diabetes Care, v. 39, n. 11, p.
2065-2079, 2016. ISSN 0149-5992.
DARVIN, M. et al. Radical production by infrared A irradiation in human tissue.
Skin pharmacology and physiology, v. 23, n. 1, p. 40-46, 2010. ISSN 1660-
5535.
FLOR, J.; DAVOLOS, M. R.; CORREA, M. A. Protetores solares. Química Nova, v.
30, n. 1, p. 153, 2007. ISSN 0100-4042.
LANDAU, M. Exogenous factors in skin aging. In: (Ed.). Environmental Factors in
Skin Diseases: Karger Publishers, v.35, 2007. p.1-13. ISBN 3318014966.
LAWRENCE, K. et al. Clinical and Biological Relevance of Visible and Infrared
Radiation. In: (Ed.). Principles and Practice of Photoprotection: Springer,
2016. p.3-22.
MARQUES, C. D. L. et al. A importância dos níveis de vitamina D nas doenças
autoimunes. Revista Brasileira de Reumatologia, v. 50, n. 1, p. 67-80, 2010.
MEYER, T.; BEASLEY, D.; HANSON, K. Augmenting Skin Photoprotection Beyond
Sunscreens. In: (Ed.). Principles and Practice of Photoprotection: Springer,
2016. p.439-460.
MIDDLETON, R.; MOXHAM, L.; PARRISH, D. Diabetes, older people and exercise:
recommendations for health promotion programs. Australian Nursing and
Midwifery Journal, v. 23, n. 9, p. 32, 2016. ISSN 2202-7114.
MOEHRLE, M. et al. Reduction of minimal erythema dose by sweating.
Photodermatology, photoimmunology & photomedicine, v. 16, n. 6, p. 260-
262, 2000. ISSN 1600-0781.
OWENS, D. W.; KNOX, J. M. Influence of heat, wind, and humidity on ultraviolet
radiation injury. National Cancer Institute monograph, n. 50, p. 161-167,
1978. ISSN 0083-1921.
PURIM, K.; LEITE, N. Fotoproteção e exercício físico. Revista Brasileira, 2010.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
62
SOCIEDADE BRASILEIRA DE DERMATOLOGIA, S. Análise de dados das campanhas
de prevenção ao câncer da pele promovidas pela Sociedade Brasileira de
Dermatologia de 1999 a 2005. Anais brasileiros de dermatologia, v. 81, n. 6, p.
533-539, 2006. ISSN 0365-0596.
ZASTROW, L. et al. The missing link–light-induced (280–1,600 nm) free radical
formation in human skin. Skin pharmacology and physiology, v. 22, n. 1, p. 31-
44, 2008. ISSN 1660-5535.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
63
Exercício físico em pacientes com polimiosite e dermatomiosite:
uma revisão sistemática

Physical exercise in patients with polymyositis and dermatomyositis: a systematic review

Angelo Corrêa de Lima Miliatto, Gabriel William de Souza, Carla Silva-Batista


Escola de Educação Física e Esporte - EEFEUSP
Laboratório de Adaptações Neuromusculares ao Treinamento de Força
angelomiliatto@hotmail.com, anjinho_fut@yahoo.com.br, csilvabatista@usp.br

Resumo. O objetivo desta revisão foi verificar na literatura científica os efeitos do


exercício físico nos desfechos clínicos de pacientes com polimiosite e dermatomiosite
em especial na fraqueza muscular. Para tanto foi realizada uma busca nas bases de
dados PubMed/Medline, Scielo, Bireme/BVS, se utilizando dos seguintes descritores:
polimiosite, dermatomiosite, treinamento de força, treinamento aeróbico,
alongamento, qualidade de vida, dor, força muscular e área de secção transversa do
músculo esquelético. Foram encontrados vinte e dois estudos que utilizaram como
intervenção o exercício físico, e apenas quatro estudos atenderam aos critérios de
inclusão. Diante dos resultados encontrados, o exercício físico em conjunto com o
tratamento farmacológico é seguro e eficaz em melhorar os desfechos clínicos
analisados desses pacientes. Tanto o treinamento aeróbico de maneira isolada e o
treinamento de força combinado com o treinamento aeróbico devem ser fortemente
recomendados para pacientes portadores de polimiosite e dermatomiosite.
Palavras-chave: força muscular, atividade física sistematizada, miopatias
inflamatórias, qualidade de vida.

Abstract. The objective of this review was to verify in the scientific literature the
effects of physical exercise on clinical outcomes of patients with polymyositis and
dermatomyositis especially in muscle weakness. Thus a research was carried out in
PubMed / Medline, Scielo, Bireme / BVS, using the following key words: polymyositis,
dermatomyositis, strength training, aerobic training, stretching, life quality, pain,
muscle strength and skeletal muscle cross-sectional area. Twenty-two studies were
found using exercise as an intervention, and only four studies met the inclusion
criteria. Considering the results, exercise along with pharmacological treatment is safe
and effective in improving the clinical outcomes analyzed in these patients. Both
isolated aerobic exercise and strength training combined with aerobic exercises might
be strongly recommended for patients with polymyositis and dermatomyositis.
Key words: muscle strength, systematized physical activity, inflammatory
myopathies, quality of life.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística


Edição Temática em Saúde e Bem estar
Vol. 6 no 5 – Abril de 2017, São Paulo: Centro Universitário Senac
ISSN 2179-474X

Portal da revista: http://www1.sp.senac.br/hotsites/blogs/revistainiciacao/


E-mail: revistaic@sp.senac.br

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial-SemDerivações 4.0
Internacional
64
1. Introdução
Polimiosite (PM) e dermatomiosite (DM) fazem parte de um grupo de doenças raras,
denominadas miopatias idiopáticas inflamatórias. Essas miopatias acometem
indivíduos jovens e adultos, sendo caracterizadas por um quadro inflamatório crônico
levando à fraqueza muscular e degeneração muscular progressiva (DALASKAS;
HOHLFELD, 2003; MAMMEM, 2010). Esse quadro de degeneração e fraqueza muscular
leva o paciente a ter uma dificuldade em realizar as atividades da vida diária e uma
baixa qualidade de vida quando comparados com indivíduos saudáveis (DALASKAS;
HOHLFELD, 2003; MAMMEM, 2010; SULTAN et al., 2002; REGARDT et al., 2011).
O tratamento com glicocorticóides e agentes imunossupressores tem se mostrado
eficaz em conter alguns dos sintomas da doença, mesmo assim, alguns pacientes
continuam a desenvolver uma sustentada incapacidade física (MARIE et al., 2001). Por
outro lado, o exercício físico era desencorajado para esses pacientes, devido ao medo
de uma exacerbação da doença e uma agravação do quadro clínico desses indivíduos
(ALEXANDERSON; LUNDBERG, 2005). Atualmente o exercício físico concomitante ao
tratamento farmacológico, tem se mostrado bem tolerado, seguro e eficaz em
melhorar vários dos desfechos clínicos desses pacientes, como a força muscular, a
qual será o desfecho primário desta revisão de literatura e outros desfechos
secundários, tais como a capacidade aeróbia, mobilidade, níveis de creatina quinase
(CK), entre outros (ALEXANDERSON; LUNDBERG, 2005; ALEXANDERSON; LUNDBERG,
2012; de SALLES PAINELLI et al., 2009; HABBERS; TAKKEN, 2011; LUNDBERG;
VENCOVSKY, 2014).
Desta forma, o exercício físico coadjuvante ao tratamento farmacológico torna-se de
fundamental importância para esses pacientes, em especial por melhorar o quadro de
fraqueza e degeneração muscular e, consequentemente, a qualidade de vida desses
pacientes (ALEMO MUNTERS et al., 2014). No entanto, ainda não está claro na
literatura quais os principais tipos de exercício físico para esta população. Nesse
sentido, o objetivo dessa revisão será verificar quais os efeitos do exercício físico sobre
os desfechos clínicos de pacientes com PM e DM. Visto que a doença causa um quadro
de fraqueza e degeneração muscular, nós hipotetizamos que exercícios físicos
progressivos que contenham um componente de força muscular, como por exemplo, o
método de treinamento de força muscular progressivo pode ser mais efetivo para
esses pacientes.

2. Método
O presente trabalho realizou uma revisão bibliográfica sobre os efeitos do exercício
físico nos desfechos clínicos de pacientes com PM e DM. Para tanto foi realizada uma
busca em todas as bases de dados PubMed/Medline, Scielo, Bireme/BVS, utilizando os
seguintes descritores em português: dermatomiosites, polimiosites, treinamento de
força, treinamento aeróbico, alongamento, treinamento de força com restrição do
fluxo sanguíneo, inflamação, funcionalidade, qualidade de vida, dor, força muscular e
área de secção transversa do músculo esquelético, e em inglês: dermatomyositis,
polymyositis, strength training, aerobic training, stretching, strength training with
blood flow restriction, inflammation, function, life quality, pain, muscle strength and
skeletal muscle cross-sectional área.
Não houve delimitação de data de publicação para inclusão de artigos, no entanto,
foram utilizados preferencialmente artigos originais que verificaram a efetividade do
exercício físico na força muscular (desfecho primário) e em outros desfechos clínicos
secundários, quando comparado com um grupo controle ou com outro tipo de
exercício físico, devido ao fato de que, o tratamento farmacológico ter por função
atenuar a inflamação e restaurar algumas funções neuromusculares (força muscular),
Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017
Edição Temática em Saúde e Bem-estar
65
fato que poderia mascarar os efeitos do exercício físico. Também foram excluídos da
revisão todos os estudos que não utilizaram como intervenção principal, o exercício
físico.
Dois pesquisadores realizaram de maneira independente cada etapa do processo de
busca e revisão, caso houvesse divergência no processo de inclusão e exclusão dos
estudos, era realizada uma reunião de consenso entre os pesquisadores e na presença
de qualquer dúvida um terceiro pesquisador era consultado para uma decisão final ser
dada após todo o texto ter sido analisado.

3. Resultados e Discussão
Vinte e dois estudos foram encontrados na literatura sobre os efeitos do exercício
físico na PM e DM (Figura 1), no entanto, apenas quatro estudos atenderam aos
critérios de inclusão, os quais estão expostos na Tabela 1.

22 estudos
Triagem

encontrados que
envolveram exercício
físico e PM e DM
Elegibilidade

22 estudos 14 estudos
completos avaliados excluídos por não
e analisados possuírem um
grupo controle

3 estudos excluídos
Elegibilidade

por não avaliarem a


8 estudos completos força de muscular
avaliados e
analisados

1 estudo excluído
por não utilizar o
exercício físico
como intervenção
4 estudos principal
Inclusão

atenderam aos
critérios de inclusão
e foram incluídos na
revisão

Figura 1. Fluxograma ilustrando os detalhes da estratégia de busca, triagem dos resultados


potencialmente qualificados, a seleção dos estudos incluídos e as razões para exclusão.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
66
Tabela 1. Efeito dos exercícios físicos nos desfechos clínicos de pacientes com PM e DM.
Autor e Sujeitos Programa de Treinamento Desfechos clínicos Principais resultados
ano

Wiesinger et 14 indivíduos GE: 1 hora de TA, realizado em uma bicicleta PTI (isocinético) GE ↑29% do PTI, ↑20% nas AVD, ↑12% do VO2máx,
al. (1998a) GE 3 homens e 4 estacionária, adicionado de exercício de step VO2máx ↔CK e aldolase.
mulheres, 2 PM e 5 DM, aeróbico. Intensidade de 60% da FCmáx. Houve FASQ (AVDs)
56 (44-68 anos) sobrecarga progressiva conforme o tolerado. CK e aldolase GC↔11% do PTI, ↔3% nas AVD, ↔-3% VO2máx,
GC 2 homens, 5 GC: não realizou nenhuma intervenção ↔CK e aldolase.
mulheres, 2 PM e 5 DM, Duração da intervenção, 12-18 sessões, 2-3x na
40 (24-70) anos semana, 6 semanas.
Wiesinger et 13 indivíduos GE: 1 hora de TA, foi realizado bicicleta PTI (isocinético) GE ↑34% no PTI, ↑11% nas AVD; ↑27% no VO2máx,
al. (1998b) GE 3 homens e 5 estacionária adicionado de exercício de step VO2máx ↔CK e aldolase.
mulheres, 2 PM e 6 DM, aeróbico. Intensidade de 60% da FCmáx. Houve FASQ (AVDs)
47±14 anos sobrecarga progressiva conforme o tolerado. CK e aldolase GC, ↓-42% no PTI, ↔-13% nas AVD, ↔
GC 2 homens e 3 GC: não realizou nenhuma intervenção -12% no VO2máx, ↔CK e aldolase.
mulheres, 5 PM/DM, Duração da intervenção, 26-78 sessões, 1-3x na
50±18 anos) semana, 26 semanas.
Varjú et al. 21 indivíduo GE: TF realizado para o corpo todo e próximo a Força Isométrica GE ↑MC da força; ↔6% FIM; ↑-22% HAQ; ↓-17%
(2003) 5 homens e 16 fadiga, adicionado peso caso o indivíduo fosse (dinamômetro) VAS fadiga; ↔-34% VAS dor; ↑FR, ↔CK, ESR e
mulheres capaz. Utilizado treinamento em suspensão se FIM PCR
GE 4 PM e 6 DM, 51±14 fosse necessário. Leve alongamento após a HAQ
anos sessão de treinamento. VAS GC ↑MC da força; ↔0% FIM; ↑-16% HAQ; ↓-61%
GC 5 PM e 6 DM, 44±15 GC: similar ao grupo experimental FR VAS fadiga; ↔-38% VAS dor; ↔FR, ↔CK, ESR e
anos Duração da intervenção, 15 sessões, 5x na CK, ESR e PCR PCR
semana, 3 semanas.

Alemo 21 indivíduos GE: TA em forma de ciclismo a 70% VO2máx por Força (5RM) GE ↑3.8% na força 5RM, ↑MC do SF-36, ↑4% do
Munters et GE 1 homem e 10 30 minutos adicionado de 20 minutos de TF para SF-36 MACTAR, ↑MC do MAP, ↑0.17% VO2máx, ↓IMACS.
al. (2013) mulheres, 5 PM e 6 DM, os extensores do joelho com uma intensidade de MACTAR GC ↔1.2 % na força 5RM, ↔SF-36, ↔2% MACTAR,
62±16 anos 30%-40% de 1RM. MAP ↔MAP, ↔-0.09% VO2máx, ↔IMACS.
GC 4 homens e 6 GC: não realizou nenhuma intervenção VO2máx Após as 52 semanas
mulheres, 4 PM e 6 DM, Duração da intervenção, 36 sessões, 3x na Atividade da doença GE ↑5.7% na força 5RM, ↑MC SF-36, ↔-3.7%
60±15 anos semana, 12 semanas, +52 semanas de (IMACS) MACTAR, ↔MAP.
acompanhamento. GC ↔-0.65% na força 5RM, ↔SF-36, ↔-2.2%
MACTAR, ↔MAP.

Legenda: GE, grupo experimental; GC, grupo controle; PTI, pico de torque isométrico; FC máx, frequência cardíaca máxima; VO2máx, volume máximo de oxigênio;
FASQ; Functional Assessment Screening Questionnarie; AVDs, atividades da vida diária; VAS, Visual Analogue Scale; CK, creatina quinase; TF, treinamento de
força; FIM, Functional Independence Measure; HAQ, Health Assessment Questionnarie; FR, função respiratória; MC, múltiplos componentes; RM, repetições
máximas; ESR, eritrócitos; PCR, proteína C reativa; SF-36, Short Form-36; MACTAR, McMaster Toronto Arthritis Patient Preference Disability Questionnary; MAP,
Myositis Activities Profile, IMACS, International Myositis Assessment and Clinical Studies; ↑ aumento; ↓diminuição; ↔ nenhuma alteração significante.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
67
Dos quatro estudos investigados que compuseram este artigo de revisão de literatura
nós observamos que, um estudo utilizou como intervenção o TF adicionado de
alongamento (VARJÚ et al., 2003), dois estudos utilizaram o treinamento aeróbico (TA)
de forma isolada (WIESINGER et al., 1998a; WIESINGER et al., 1998b) e um estudo
utilizou o TF combinado com o TA (ALEMO MUNTERS et al., 2013).
Destes estudos investigados, a intervenção que utilizou o TF associado com alongamento
apresentou uma melhora em seu desfecho clínico primário (força muscular) e em alguns
desfechos clínicos secundários avaliados, como a realização das atividades da vida diária
e uma diminuição nos níveis de fadiga, o quadro de dor, o índice de independência e os
parâmetros laboratoriais dos marcadores inflamatórios avaliados não apresentaram
nenhuma alteração significante em relação ao início do estudo (VARJÚ et al., 2003).
Os estudos que utilizaram o TA de forma isolada, apresentaram uma melhora em todos
os desfechos clínicos que foram analisados, dentre eles estão a força muscular, as
atividades da vida diária e o volume máximo de oxigênio (VO2máx), além disso, não
houve nenhuma alteração significante nos níveis séricos de CK e aldolase (WIESINGER et
al., 1998a; WIESINGER et al., 1998b).
O protocolo de treinamento que utilizou o TF associado com o TA também apresentou
uma melhora em todos os desfechos clínicos analisados, dentre eles destaca-se a força
muscular como desfecho clínico primário, e os demais desfechos clínicos secundários
como a qualidade de vida, as atividades da vida diária, o VO2máx e a atividade da doença
(ALEMO MUNTERS et al., 2013).
Devido à escassez de dados na literatura e baseado nos resultados encontrados nesses
estudos que utilizaram o exercício físico como intervenção não farmacológica para o
tratamento de miopatias, não podemos apontar qual melhor estratégia de exercício físico
para esses pacientes, no entanto, tanto o TF quanto o TA, deve ser fortemente
recomendado para esses pacientes em associação com o tratamento farmacológico
necessário.
Dentre estes estudos analisados, torna-se difícil a comparação das intervenções e
resultados, devido às diversas diferenças metodológicas e a falta de força estatística que
estudos apresentam, no entanto, algumas ressalvas podem ser feitas em relação às
estratégias de treinamento utilizadas.
Devido ao fato da inflamação causar uma degeneração progressiva e diminuir os níveis
de força muscular desses pacientes, estratégias que busquem aumentar a força muscular
são cruciais para melhorar esse desfecho clínico desses pacientes (de SALLES PAINELLI
et a., 2009). Sendo assim, Varjú et al. (2003), utilizaram um protocolo de TF voltado
para o corpo todo e realizado até próximo a fadiga, e encontraram um aumento
significante na força muscular isométrica de vários grupamentos musculares analisados.
Surpreendentemente os estudos iniciais que utilizaram o TA também demonstraram um
grande aumento na força muscular (WIESINGER et al., 1998a; WIESINGER et al.,
1998b). Wiesinger et al. (1998a), utilizaram o TA em uma bicicleta estacionária, e
encontraram um aumento significante no pico de torque isométrico, porém esse fato não
foi discutido pelos autores. Considerando o estado clínico que esses pacientes
apresentam e o baixo nível de atividade física diária, pode-se esperar que o TA promova
uma melhora inicial nos níveis de força muscular desses pacientes. Sendo assim, nossa
hipótese inicial de que o TF é a estratégia mais eficaz para melhorar os níveis de força
muscular em indivíduos portadores de PM e DM não foi confirmada com base nesses
estudos analisados, e seria até inviável fazermos esse tipo de comparação, uma vez que,
não foram encontrados estudos que comparem diretamente essas estratégias de
treinamento. Portanto, estudos que verifiquem diferentes estratégias de TF e de TA entre
si ou em associação, ainda se fazem necessários para esclarecer qual a melhor estratégia
de treinamento para aumentar a força muscular desses pacientes.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
68
Em relação ao quadro de dor e fadiga excessiva que são características marcantes
nesses pacientes, Varjú et al. (2003), encontraram uma diminuição significante nos
níveis de fadiga, verificada pelo VAS (do inglês Visual Analogue Scale), mas também
vale ressaltar que houve uma tendência a diminuição nos níveis de dor, mas esta não
alcançou significância estatística. As atividades da vida diária também apresentaram
uma melhora, conforme analisado pelas diferentes ferramentas de mensuração dos
estudos analisados (ALEMO MUNTERS et al., 2013; VARJÚ et al., 2003; WIESINGER et
al., 1998a; WIESINGER et al., 1998b). Alemo Munters et al. (2013), encontraram uma
melhora em múltiplos componentes do teste SF-36 (do inglês Short Form Health
Survey), o qual avalia a qualidade de vida. A capacidade aeróbia desses pacientes
também se mostrou aumentada em todos os estudos que utilizaram o TA como
intervenção (WIESINGER et al., 1998a; WIESINGER et al., 1998b; ALEMO MUNTERS et
al., 2013). Alemo Munters et al. (2013), ainda sugerem fortemente estratégias que
aumentem o VO2máx, devido ao fato de haver uma forte correlação entre estado de
saúde e aumento do VO2máx.
Esses dados indicam que o exercício físico deve ser encorajado para esses pacientes,
uma vez que, tanto o treinamento de força quanto o treinamento aeróbico têm se
mostrado eficaz, seguro e bem tolerado.
Em relação a atividade da doença, recentes trabalhos têm sugerido como instrumento
de avaliação o IMACS (do inglês International Myosistis Assessment and Clinical
Studies), que é um conjunto de medidas fundamentais para avaliação da atividade da
doença, sendo uma ferramenta válida, confiável e consistente para essa mensuração
(ALEXSANDERSSON; LUNDBERG, 2012; ISENBERG et al., 2004; MILLER et al., 2001).
No entanto, apenas 1 estudo analisado utilizou essa ferramenta para avaliar a
atividade da doença. Alemo Munters et al. (2013), verificaram em 12 semanas que um
TA realizado em um cicloergometro a 70% do VO2máx, adicionado de um TF realizado a
30-40% de 1RM, promoveu uma melhora no perfil da doença em 7 dos 11 pacientes
avaliados pelo IMACS, os autores sugerem que esse fato pode ter sido mediado
através do aumento do VO2máx, uma vez que eles encontraram uma forte correlação
entre aumento do VO2máx e o estado de saúde desses pacientes. Baseado nos dados
encontrados torna-se difícil fazer uma análise de qual a melhor intervenção para
atenuar a atividade da doença, uma vez que os protocolos de força e aeróbio foram
utilizados em conjunto, desta forma, futuros estudos deveriam investigar os efeitos de
estratégias de treinamento realizadas de maneira isolada e combinada na força
muscular, na atividade da doença e em outros desfechos clínicos, para se confirmar
tais hipóteses.
O que vale ressaltar é até que ponto o exercício físico pode ter um poder anti-
inflamatório para esses pacientes. Petersen e Pedersen (2005), em sua revisão de
literatura ilustraram os possíveis efeitos de alguns marcadores induzidos pelo exercício
físico nos mecanismos anti e pro-inflamatório. Vale destacar o papel que a
interleucina-6 parece ter em mediar a resposta imune após o exercício, dentre eles, a
indução de outras interleucinas anti-inflamatórias como a interleucina-10 que tem
como mecanismo de ação atenuar a produção de citocinas pro-inflamatórias e
quimiotáticas, como a interleucina-8, que tem por função induzir a ativação de Células
T e B, que são as responsáveis histológicamente por se infiltrarem nos tecidos ativos
desses pacientes e causar a degeneração (LUNDBERG, 2014; PETERSEN; PEDERSEN,
2005; VENALIS; PRETOLANI, 1999). Portanto, estudos que busquem analisar os
efeitos do exercício nesses mecanismos seriam de grande interesse, uma vez que,
seria relevante ilustrar até que ponto o exercício físico pode ter em atenuar a
progressão da doença.
Portanto, estudos que busquem comparar diferentes métodos de treinamento de força
entre si e com associação ou não do treinamento aeróbico, ainda se fazem necessários
para enriquecer o conhecimento sobre o assunto. Quanto a real efetividade do
exercício físico seriam necessários estudos que comparem intervenções com e sem o
Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017
Edição Temática em Saúde e Bem-estar
69
uso da medicação, para se ilustrar quais os reais efeitos do exercício físico e até que
ponto essa intervenção não farmacológica tem potencial terapêutico para melhorar os
desfechos clínicos desses pacientes.

4. Limitações dos estudos encontrados


A principal limitação da presente revisão de literatura é a escassez de estudos
randomizados e controlados que utilizaram como intervenção o exercício físico,
principalmente protocolos de maneiras isoladas (e.g., treinamento de força isolado)
para melhorar os desfechos clínicos desses pacientes, além de um menor poder
estatístico que esses estudos possuem devido à raridade da doença.

5. Aplicações práticas
Esta revisão colabora para o campo prático do tratamento das miopatias. Devido à
escassez de dados na literatura e baseado nos resultados encontrados nesse estudo
que utilizaram o exercício físico como intervenção não farmacológica e coadjuvante
para o tratamento de miopatias, tanto o TF quanto o TA, devem ser fortemente
recomendados para esses pacientes em associação com o tratamento farmacológico
necessário. Parece que as diferentes estratégias de treinamento utilizadas de maneira
isolada, levam os indivíduos às adaptações desejadas, mas a melhor estratégia de
treinamento ainda permanece obscura.
Devido ao fato da inflamação causar uma degeneração progressiva e diminuir os
níveis de força muscular desses pacientes, estratégias que busquem aumentar a força
muscular são cruciais para melhorar esse desfecho clínico desses pacientes. O TF
realizado até próximo a fadiga e em associação com o alongamento se mostrou seguro
e eficaz em aumentar os níveis de força muscular desses pacientes, tanto na fase
crônica quanto na fase ativa da doença, portanto, essa pode ser uma estratégia de
treinamento utilizada para esses pacientes (VARJÚ et al., 2003). O TA realizado a 60%
da FCmáx ou a 70% do VO2máx, também se mostrou seguro e eficaz em melhorar vários
dos desfechos clínicos desses pacientes, e também pode ser utilizado como
intervenção (ALEMO MUNTERS et al., 2013; WIESINGER et al., 1998a; WIESINGER et
al., 1998b).
Sendo assim, pode-se sugerir que a combinação do TF com o TA possa ser a
intervenção ideal para se maximizar as adaptações e até diminuir a atividade da
doença, conforme parece ter ocorrido no trabalho de Alemo Munters et al. (2013).

6. Conclusão
O exercício físico em conjunto com o tratamento farmacológico é seguro e eficaz em
melhorar os desfechos clínicos analisados desses pacientes. A melhor estratégia de
treinamento ainda permanece obscura, no entanto, o treinamento aeróbico de
maneira isolada e o treinamento de força combinado com o treinamento aeróbico
devem ser fortemente recomendados para pacientes portadores de PM e DM, de
acordo com os estudos encontrados nesta revisão. Portanto, novas investigações sobre
a temática para um melhor esclarecimento de pontos não elucidados sobre a aplicação
do treinamento de força e aeróbico para indivíduos acometidos por essas doenças
ainda são necessários para elucidar o assunto.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
70
Referências
ALEMO MUNTERS, L. et al. Improvement in health and possible reduction
disease activity using endurance training in patients with established
polymyositis and dermatomyositis: a multicenter randomized controlled trial
with a 1-year open extension follow up. Arthritis Care Res. 2013; 65: 1959-
1968.
ALEMO MUNTERS, L. et al. New insights into the benefits of exercise for muscle
health in patients with idiopathic inflammatory myositis. Curr Rheumatol
Rep. 2014; 16: 429.
ALEXANDERSON, H.; LUNDBERG, I. E. Exercise as a therapeutic modality in
patients with idiopathic inflammatory myopathies. Curr Opin Rheumatol.
2012; 24: 201-207.
ALEXANDERSON, H.; LUNDBERG, I. E. The role of exercise in the rehabilitation
of idiopathic inflammatory myopathies. Curr Opin Rheumatol. 2005; 17:
167-171.
DALAKAS, M. C.; HOHLFELD, R. Polymyositis and dermatomyositis. Lancet.
2003; 362: 971-982.
de SALLES PAINELLI, V. et al. The possible role of physical exercise on the
treatment od idiopathic myopathies. Autoimmun Rev. 2009; 8: 355-359.
HABERS, G. E. A.; TAKKEN, T. Safety and efficacy of exercise training in
patients with an idiopathic inflammatory myopathy – a systematic review.
Rheumatology (Oxford). 2011; 50: 2113-2124.
ISENBERG, D. A. et al. International consensus measures for patients with
idiopathic inflammatory myopathies. Development and initial validation of
myositis activity and damage indices in patients with adult onset disease.
Rheumatology. 2004; 43: 49-54.
LUNDBERG, I. E.; VENCOVSKY, J.; Alexanderson, H. Therapy of myositis:
biological and physical. Curr Opin Rheumatol. 2014; 26: 704-711.
MAMMEM, A. L. Dermatomyositis and polymyositis: clinical presentation,
autoantibodies, and pathogenesis. Ann N. Y. Acad. Sci. 2010; 1184: 134-153.
MARIE, I. et al. Polymyositis and dermatomyositis: short term and long term
outcome, and predictive factors of prognosis. J Rheumatol. 2001; 28: 2230-7.
MILLER, F. W. et al. Proposed preliminary core set measures for disease
outcome assessment in adult juvenile idiopathic inflammatory myopathies.
Rheumatology. 2001; 40: 1263-1273.
PETERSEN, A. M. W.; PEDERSEN, B. K. The anti-inflammatory effect exercise. J
Appl Physiol. 2005; 98: 1154-1162.
PRETOLANI, M. Interlukin 10: an anti-inflammatory cytokine with therapeutic
potential. Clin Exp Allergy. 1999; 29: 1164-1171.
REGARDT, M. et al. Patients with polymyositis or dermatomyositis have
reduced grip force and health-related quality of life in comparison with
reference values: an observation study. Rheumatology (Oxford). 2011;
50:578-585.
SULTAN, S. M. et al. Outcome in patients with idiopathic inflammatory
myositis: morbidity and mortality. Rheumatology (Oxford). 2002; 41: 22-
26.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
71
VARJÚ, C. et al. The effect of acute disease exacerbation in patients with
dermato/ polymyositis. Clin Rehabil. 2003; 17: 83-87.
VENALIS, P.; LUNDBERG, I. E. Immune mechanisms in polymyositis and
dermatomyositis and potential tagets for therapy. Rheumatology (Oxford).
2014; 53: 397-405.
WIESINGER, G. F. et al. Improvement of physical fitness and muscle strength
in polymyositis/ dermatomyositis patients by a training programme. BR J
Rheumatol. 1998a; 37: 196-200.
WIESINGER, G. F. et al. Benefits of 6-months long-term physical training in
polymyositis/ dermatomyositis patients. BR J Rheumatol. 1998b; 37: 1338-
1342.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
72
Ativação muscular durante o exercício de agachamento em
superfícies estáveis e instáveis: uma revisão sistemática
Muscular activation during the squat exercise in stable and unstable surfaces: a
systematic review

Jumes Leopoldino, Dennis Akira, Carla Silva-Batista


Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo- EEFE-USP
Laboratório de Adaptações ao Treinamento de Força
jumeslira@usp.br, deakira12@gmail.com, csilvabatista@usp.br

Resumo. O objetivo desta revisão de literatura foi analisar a ativação muscular


durante o exercício de agachamento em superfícies estáveis e instáveis. Para isso, foi
realizada a busca sistemática PICO (population, intervention, control or comparison
and outcomes) nas plataformas: Embase, Medline, Pubmed, Bireme e Scielo. Após a
utilização dos critérios de inclusão, oito estudos de caráter transversal foram
considerados. Apenas um estudo não apresentou diferença entre as superfícies. Três
estudos demonstraram maior ativação dos músculos do tronco e da coxa quando o
exercício de agachamento é realizado em bases instáveis. Quatro estudos
demonstraram que quando o exercício de agachamento é realizado em superfícies
estáveis com altas sobrecargas, principalmente acima de 75% de uma repetição
máxima, também há diferenças de ativação nesses músculos. Logo, superfícies
instáveis com baixa sobrecarga tornam-se uma boa estratégia para ativar os músculos
do tronco e da coxa. Assim, estes dados são de suma importância para o meio prático,
servindo de base para uma melhor prescrição de exercícios.
Palavras-chave: raiz quadrada média, treinamento de força, exercício multiarticular,
instabilidade, estabilidade.

Abstract. The aim of this review was to analyze the muscular activation during the
squat exercise on stable and unstable surfaces. For this purpose, it was realized
systematic search PICO (population, intervention, control or comparison and
outcomes) at platforms: Embase, Medline, PubMed, Bireme and Scielo. After inclusion
criteria, eight transversal studies were considered. Only one study did not demonstrate
difference between the surfaces. Three studies demonstrated higher trunk and thigh
muscular activity when the squat exercise was realized on unstable surface compared
to stable surface. Four studies demonstrated when squat exercise was performed on
stable surfaces with high overload, mainly above 75% of one repetition maximum,
there are differences in those muscles as well. Hence, stable surfaces with low
overload become a good strategy to activity trunk and thigh muscles. Thus, these
findings are important to the practical application, can serve of base to improve
exercise prescription.
Key words: root mean square, strength training, multi-joint exercise, instability,
stability.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
Vol. 6 no 5 – Abril de 2017, São Paulo: Centro Universitário Senac
ISSN 2179-474X

Portal da revista: http://www1.sp.senac.br/hotsites/blogs/revistainiciacao/


E-mail: revistaic@sp.senac.br

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial-SemDerivações 4.0
Internacional

73
1. Introdução

O exercício de agachamento é muito utilizado em modalidades esportivas (HALES;


JOHNSON; JOHNSON, 2009) e requisitado em atividades da vida diária por ser um
exercício multiarticular que envolve grandes grupos musculares dos membros
inferiores. Assim, este exercício é constantemente utilizado em prescrições de
treinamentos onde o objetivo é a melhora na performance em modalidades coletivas
que requerem saltos e agilidade de membros inferiores (WISLØF; CASTAGNA;
HELGERUD; JONES; HOFF, 2004) e, também, utilizado na área da reabilitação física
(SILVA-BATISTA; CORCOS; ROSCHEL, 2016) onde o objetivo é o aumento da força
dos músculos que compõe o quadríceps, tais como o vasto medial (VM), que irá
contribuir para uma boa estabilização patelar (BEVILAQUA-GROSSI; FELICIO;
SIMÕES; COQUEIRO; MONTEIRO-PEDRO, 2005). Ainda, o exercício de agachamento é
bastante requisitado no meio prático para avaliação da força de membros inferiores,
como no teste de uma repetição máxima (1 RM) (BROWN; WEIR, 2001), e no teste de
sentar e levantar (JONES; RIKLI; BEAM, 1999). É esperado que no exercício de
agachamento sejam ativadas as musculaturas primárias e secundárias envolvidas no
movimento (CATERISANO; MOSS; PELLINGER ET AL., 2002), (ESCAMILLA; FLEISIG;
ZHENG; LANDER ET AL., 2001), (GULLET; TILLMAN; GUTIERREZ; CHOW, 2008). No
entanto, por este exercício ser tão praticado e eficiente, difundiram-se variações
durante a execução do mesmo em diferentes superfícies (LI; CAO; CHEN, 2013),
(MCBRIDE; LARKIN; DAYNE; HAINES; KIRBY, 2010), (ROELANTS; VERSCHUEREN;
DELECLUSE; LEVIN; STIJNEN, 2006); (WAHL; BEHM, 2008); (ANDERSEN; FIMLAND;
BRENNSET ET AL., 2014); (HYONG; KANG, 2013), tais como estável e instável, assim,
é necessário entender se o padrão de atividade das musculaturas primárias e
secundárias são as mesmas, se são maiores em meio instável, ou se são diferentes
quando comparados diferentes protocolos.
Uma das maneiras de mensurar a ativação muscular é por meio da técnica de
eletromiografia (EMG). Nesta técnica é analisada a atividade elétrica (integração dos
potenciais de ação captados pelos eletrodos de superfície) dos músculos através de
eletrodos colocados na superfície da região muscular a qual se quer analisar (GULLET;
TILLMAN; GUTIERREZ; CHOW, 2008). Análises de EMG são consideradas um bom
padrão para observar a atividade muscular, sensíveis e de baixo custo quando
comparadas com outras técnicas (MORITANI; YOSHITAKE, 1998). Considerando que a
força e a ativação muscular são boas indicadoras de ativação neural (BIGLAND;
LIPPOLD, 1954) e, a EMG fornece resultados de amplitude desta ativação em
diferentes músculos dos membros inferiores e do tronco, é possível sugerir dois
pontos: 1) quando o exercício de agachamento for realizado em superfícies instáveis,
a ativação muscular principalmente de musculaturas relacionadas com o controle
postural (e.g., eretor espinhal, musculaturas abdominais e sóleo) apresentará uma
maior amplitude quando comparado com superfícies estáveis, devido ao desequilíbrio
que superfícies instáveis geram; 2) quando o exercício de agachamento sobre
superfícies instáveis for realizado com sobrecarga adicional (peso externo), a ativação
muscular apresentará uma maior amplitude e/ou será potencializada quando
comparado sem sobrecarga adicional, pois o indivíduo terá que ativar um maior
número de unidades motoras para superar essa carga adicional (BEHM; DRINKWATER;
WILLARDSON; COWLEY, 2010), (ANDERSON; BEHM, 2005). Tomados em conjunto,
esclarecer se há diferenças na ativação muscular durante a realização do exercício de
agachamento em diferentes condições (i.e., estável vs. instável) contribuirá na
progressão e prescrição de métodos de treinamento e em programas de reabilitação
física (KRAEMER; RATAMESS, 2004).
Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017
Edição Temática em Saúde e Bem-estar
74
Portanto, o objetivo desta revisão foi comparar na literatura científica a ativação
muscular durante o exercício de agachamento em superfícies estáveis e instáveis. Nós
hipotetizamos que, quando o exercício de agachamento for realizado em superfícies
instáveis haverá maior ativação dos músculos em torno da coxa, perna e tronco
quando comparado em superfícies estáveis.

2. Métodos

O presente trabalho realizou uma revisão bibliográfica utilizando buscas nas bases de
dados: PubMed, Embase, Scielo, MedLine e Bireme. Foi utilizado como busca nas
bases de dados a estratégia PICO (Population, Intervention, control or comparation
and outcomes) (METHLEY; CAMPBELL; CHEW-GRAHAM; MCNALLY; CHERAGHI-SOHI,
2014), com os seguintes descritores: adults, young adult, young adults, young
healthy, adults healthy, healthy participants, healthy participant, healthy subjects,
healthy subject, healthy, subjects, human volunteers, human volunteer, volunteer,
human volunteers, human, normal volunteers, normal volunteer, normal; unstable
surface, different surface, different surfaces, unstable coating, unstable coatings,
squat, basic squat, Bosu squat, electromyographic, EMG, EMGs, electromyography,
electromyographies, surface electromyography, surface and surface
electromyographies. Foram encontrados 45 artigos.
Foram utilizados como critérios de inclusão: artigos com desenho experimental
transversal, ativação muscular durante o exercício de agachamento como variável
dependente, diferentes superfícies (estável e instável) como variável independente e
população entre 18 a 40 anos de idade. Não houve delimitação da data de publicação.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
75
3. Resultados e Discussão

Após a estratégia de busca PICO foram incluídos oito artigos (Figura 1).

Busca dos artigos conforme a


sistemática PICO

45

Filtro dos artigos: conforme os


critérios de inclusão

Análise dos 8 artigos que


atenderam aos critérios de
inclusão

Montagem da Tabela 1
com as informações dos artigos

Figura 1: Fluxograma sobre organização da seleção dos artigos, conforme a busca


sistemática PICO. Retângulo arredondado - início e fim do processo, retângulo - ação central do
processo, losango - tomada de decisão. Adaptado do fluxograma Centro Paula Souza (RAMAL;
RAMAL, 2007)

Desses oito artigos, apenas um estudo não mostrou diferença entre as bases8.
Entretanto, os sete artigos restantes (LI; CAO; CHEN, 2013), (HYONG; KANG, 2013),
(ANDERSON; BEHM, 2005), (SAETERBAKKEN; FIMLAND, 2013), (MAIOR; SIMÃO;
SALLES; MIRANDA; COSTA, 2009), (MCBRIDE; CORMIE; DEANE, 2006), (BRESSEL;
WILLARDSON; THOMPSON; FONTANA, 2009) demonstraram diferenças entre os
protocolos, três desses relataram uma maior ativação dos músculos estabilizadores do
tronco quando o exercício de agachamento é realizado em bases instáveis comparado
com bases estáveis (Tabela 1). Assim, mesmo que a hipótese proposta pelo estudo foi
parcialmente comprovada, realizar o exercício agachamento em bases instáveis com
cargas baixas comparado com bases estáveis com cargas baixas, produz maior
ativação da musculatura estabilizadora do tronco e da perna, o que pode ser explicado
pela grande exigência de atividade neural para manutenção do equilíbrio durante o
movimento, acionando assim musculaturas estabilizadoras (ANDERSON; BEHM,
2005). Por outro lado, um ponto curioso é que quando o exercício de agachamento em
Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017
Edição Temática em Saúde e Bem-estar
76
condições estáveis é realizado com um percentual alto de 1 RM comparado com a
condição instável, onde o percentual de 1 RM é baixo, mas o grau de instabilidade é o
maior para aquela condição, foi observada uma maior ativação dos músculos
estabilizadores do tronco, reto femoral (RF), VM e sóleo (SO), o que também pode ser
explicado pelo maior estímulo mecânico que exige maior recrutamento de unidades
motoras, já que os indivíduos ao realizarem o exercício de agachamento em bases
instáveis não conseguem levantar a mesma sobrecarga pelo fato de se manterem
equilibrados sobre superfícies instáveis. No entanto, mais estudos são necessários
para comprovar estes resultados, uma vez que os protocolos utilizados nos mesmos
que compuseram esta revisão de literatura foram bastante variados. Abaixo a
discussão dos estudos.
Li et al. (2013) mostraram diferenças apenas para o nível de sobrecarga levantada,
possivelmente pelo fato de que a plataforma utilizada para a o treinamento, a Reebok
Core Board, possuía um nível de instabilidade pequeno, até mesmo no nível dois de
instabilidade.
Saeterbakken e Fimland (2013) mostraram uma tendência do SO para a superfície
instável quando comparado com a superfície estável, e apenas diferença para o RF na
condição estável quando comparado com a instável. Isso pode ser explicado pelo fato
de que o SO tem função de estabilização e que quando realizado o exercício de
agachamento em superfícies instáveis, o indivíduo prioriza tais musculaturas
(ANDERSON; BEHM, 2005). Já para o RF, isso pode ser explicado pelo fato de que em
superfícies estáveis as musculaturas agonistas no exercício de agachamento são
priorizadas enquanto em superfícies instáveis as estabilizadoras são priorizadas, e que
quando realizado o exercício de agachamento em superfície instável, o indivíduo não
fleti efetivamente o quadril com a flexão de joelho pelo fato de que poderia aproximar
o seu centro de gravidade de sua base de suporte que lhe traria mais facilidade para
manutenção do equilíbrio. Assim, isso explica o fato de que o RF é um flexor de
quadril e extensor de joelho o que poderia dividir tarefas potencializando sua ação
(YAVUZ; ERDAG; AMCA; ARITHAN, 2015).
Por outro lado, o estudo de Maior et al. (2009), que comparou o agachamento smith
na condição estável e instável, mostrou maior ativação do VM, vasto lateral (VL) e RF
na condição instável e sem sobrecarga, colaborando com os achados de Anderson e
Behm (2005) e de Hyong et al. (2013). No entanto, no trabalho de Mc Bride et al.
2006), o maior pico de força estava relatado para a condição estável, o que pode ser
explicado pelo fato de que quando realizado o movimento de agachamento em
condições instáveis, os músculos estabilizadores do tronco parecem ser mais
acionados para maior estabilização postural. Assim, as musculaturas agonistas do
exercício de agachamento têm um trabalho secundário quando realizado o movimento
com sobrecargas baixas em superfície instável, o que prioriza a condição estável para
que os indivíduos gerem maior força sem se preocupar em manter o equilíbrio, isso
corrobora com os resultados encontrados por Mc Bride et al. (2010) e Bressel et al.
2009)
Para Willardson et al. (2009), o oblíquo interno (OI) e o transverso abdominal (TA)
são músculos muito selecionados no exercício de agachamento em bases instáveis,
pois promovem uma maior ativação para a estabilização espinhal. Em contrapartida,
no mesmo estudo foi descrito que quando os indivíduos realizam o exercício de
agachamento com base estável a 75% de 1 RM, o OI e o TA são ativados na mesma
magnitude, o que explica que altas sobrecargas podem ser semelhantes na ativação
desses músculos de estabilização postural (2009). Sendo assim, parece que quando o
exercício de agachamento é realizado em bases instáveis com indivíduos jovens e
experientes em treinamento de força, a sobrecarga também muda a ativação
muscular. Com sobrecargas mais elevadas têm-se ativação dos músculos
estabilizadores, bem como em bases instáveis com baixa sobrecarga, sendo um

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
77
mecanismo de adaptação para a manutenção postural durante o exercício de
agachamento.
É importante ressaltar outros pontos que não fazem parte do objetivo desta revisão,
mas que são de extrema relevância para a discussão do mesmo e de futuras
investigações. O primeiro ponto é que o treinamento do core tem sido bastante
utilizado para melhoria do equilíbrio, sendo o meio instável uma boa estratégia para
ativação do mesmo (BEHM; DRINKWATER; WILLARDSON ET AL., 2011). Para a
diminuição da prevalência de dor lombar, o treinamento com instabilidade tem se
mostrado eficaz no aumento de força e reabilitação da região lombar (BEHM;
DRINKWATER; WILLARDSON ET AL., 2011). Logo, esses achados far-se-ão relevantes,
uma vez que atividades da vida diária exigem prolongadas flexões posturais lombares,
tendo uma grande relação com desordens cumulativas lombares (BEHM;
DRINKWATER; WILLARDSON ET AL., 2011), (SILVA; FASSA; VALLE, 2004). Dessa
forma, o treinamento com instabilidade pode ser uma ótima estratégia para
fortalecimento da região lombar, e consequentemente uma boa solução de tratamento
para indivíduos com dores lombares. O segundo ponto é que os ajustes posturais
antecipatórios também parecem se beneficiar com o treinamento com instabilidade,
podendo ser uma estratégia interessante para indivíduos que tem déficit nesses
mecanismos de ajustes, tais como idosos portadores da doença de Parkinson (SILVA-
BATISTA, 2016). Os indivíduos ativam ainda mais os músculos estabilizadores para
manter o equilíbrio durante o exercício de agachamento com superfície instável, o que
possivelmente os impedem de trabalhar com sobrecargas elevadas quando comparado
com o exercício de agachamento com superfície estável. Segundo hipóteses de Behm
et al. (2010), isso poderá leva-los a uma não significante adaptação hipertrófica por
trabalharem com sobrecargas relativamente menores.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
78
Tabela 1. Protocolos dos estudos

Autor e ano Sujeitos Protocolo Músculos Principais resultados


avaliados
Anderson e 14 homens Exercício de agachamento em três VL, BF, Diferenças significantes no
Behm (2005) atletas e níveis de estabilidade: muito estável SO, EE, EE e no SO na condição
experientes (máquina Smith), relativamente EA. relativamente instável
em estável (livre) e relativamente instável comparada com as demais e
treinamento (balance discs); e com três níveis de na dos EA com o muito
de força. sobrecarga: peso corporal, 29.5 Kg estável.
(peso da barra do Smith) e 60% do Diferença significante no VL
peso corporal (completar o movimento na condição muito estável
nos balance discs de maneira segura). comparado com as demais.
Hyong e 14 indivíduos Exercício de agachamento em três VMO, VL. Diferença significante no
Kang (2013) (5 homens e 9 superfícies (hard plates, foam pads e VMO na superfície rubber air
mulheres) rubber air discs) sem sobrecarga. disc comparada com as
saudáveis. demais.
Maior et al. 20 homens Exercício de agachamento na máquina RF, VL, Diferenças significantes em
(2009) experientes Smith em duas superfícies (chão e VM. todos os músculos avaliados
em Reebok Core Board Training) sem na superfície Reebok Core
treinamento sobrecarga adicional. Board Training comparado
de força. com o chão.
Li et al. 13 homens Exercício de agachamento em duas SO, VL, Diferenças significantes no
(2013) experientes superfícies (chão e Reebok Core VM, RF, SO, no VM, no GMa e no
em Board) com três sobrecargas (peso BF, GMa, EEL a cada incremento na
treinamento corporal, 30% de 1 RM e 60% de 1 GMe, EEL. sobrecarga.
de força. RM). Diferenças significantes no
VL (30% de 1 RM
comparado com o peso
corporal), RF (60% de 1 RM
comparado com as demais)
e GMe (60% de 1 RM
comparado com as demais).
Mc. Bride et 10 homens Exercício de agachamento em duas VL, BF, EE. Diferenças significantes na
al. (2010) recreacionalm superfícies (force plate e inflated disc) superfície force plate nas
ente treinados com seis sobrecargas (relativas: 70% condições relativas: VL e BF
em força. de 1 RM, 80% de 1 RM e 90% de 1 (apenas na condição de
RM; absolutas: 59 Kg, 67 Kg e 75 Kg). 90% de 1 RM); e nas
condições absolutas: VL
(exceto na condição 75 Kg).
Mc Bride et 9 homens Exercício de agachamento em duas VL, VM, BF Diferenças significantes no
al. (2006) atletas superfícies (force plate e inflated e GA. VL e no VM na superfície
familiarizados balance disk) sem sobrecarga force plate comparada com
com adicional. a inflated balance disk.
treinamento
de força.
Bressel et al. 12 homens Exercício de agachamento em quatro RA, OE, Diferenças significantes:
(2009) recreacionalm condições (no chão, com 50% de 1 TR, EE. condição BOSU comparado
ente treinados RM; em um BOSU, com 50% de 1 RM; com 50% de 1 RM no OE;
em força. no chão, com 75% de 1 RM; no chão, condição 75% de 1 RM
com 50% de 1 RM e instrução verbal). comparado com 50% de 1
RM no OE e comparado com
as demais condições no EE;
condição instrução
comparado com as demais
condições no EO e no TR e
comparado com o BOSU no
RA.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
79
Saeterbakken 15 homens Exercício de agachamento em quatro RF, VM, Diferença significante no RF
e Fimland com superfícies (chão, power board, BOSU VL, BF, no chão comparado com as
(2013) familiaridade e balance cone) com uma barra SO, EE, demais e no balance cone
no exercício Olímpica. OE, RA. comparado com o BOSU, e
de uma tendência no SO no
agachamento. BOSU comparado com o
chão.
Legenda: compilação dos estudos selecionados quanto à amostra, protocolo de intervenção e resultados; bíceps
femoral (BF); eletromiografia (EMG); eretor espinhal (EE); eretor espinhal lombar (EEL); estabilizadores do abdômen
(EA); glúteo máximo (GMa); glúteo médio (GMe); oblíquo externo (OE); 1 repetição máxima (1RM); reto abdominal
(RA); reto femoral (RF); sóleo (SO); vasto lateral (VL); vasto medial (VM); vasto medial oblíquo (VMO).

4. Limitações dos estudos encontrados

Três limitações foram observadas nos estudos encontrados que compuseram esta
revisão de literatura.
A primeira limitação é em relação a um grande desafio encontrado nos estudos
analisados, o de manter a progressão da sobrecarga em bases instáveis. Os autores
alegaram a segurança e a técnica como fatores limitantes (LI; CAO; CHEN, 2013),
(ANDERSON; BEHM, 2005), (BRESSEL; WILLARDSON; THOMPSON; FONTANA, 2009).
Com isso, eles tentaram compensar a progressão da sobrecarga aumentando a
instabilidade. Saber se essa compensação foi efetiva traria maior confiabilidade aos
resultados desses estudos.
A segunda limitação é devido a não padronização dos estudos referente ao grau de
instabilidade. Por exemplo, Anderson e Behm (2005) utilizaram os termos: “base
estável, relativamente estável e relativamente instável”. A escolha das bases nesses
estudos não foi explicada, alguns autores até referem uma progressão de
instabilidade: balance pad, dyna discs, balance discs, BOSU®, wobble board e Swiss
ball (SILVA-BATISTA; CORCOS; ROSCHEL, 2016), (WAHL; BEHM, 2008). Já
Saeterbakken e Fimland (2013) sugerem que quanto mais dimensões e menor o
contato da base com o chão, maior será a instabilidade.
A última limitação é devida a técnica de EMG. Por mais que esta técnica é considerada
padrão ouro, validada (MORITANI; YOSHITAKE, 1998), (BIGLAND; LIPPOLD, 1954),
(ENOKA; DUCHATEAU, 2015), e apresenta baixo custo quando comparada a outras
técnicas; a amplitude do sinal aumenta com o número de motoneurônios envolvidos
na ação e os mesmos estão ligados à distribuição das fibras musculares, o que impede
que a análise de EMG seja uma boa medida de taxa média de descarga (HECKMAN;
ENOKA, 2012), (ENOKA; DUCHATEAU, 2015), (ESCAMILLA; BABB; DEWITT ET AL.,
2006). Segundo Enoka e Duchateau (2015), o sinal de EMG não é bem captado em
ações musculares voluntárias máximas, pois a amplitude do sinal aumenta mais do
que a força produzida e em ações musculares baixas, pois o sinal é dificultado pelo
número de ruídos. Assim, futuros estudos deveriam verificar a ativação muscular com
outras técnicas para comparar com a de análise de EMG durante o exercício de
agachamento em superfícies estáveis e instáveis.

5. Aplicações práticas

Esta revisão colabora para o campo prático trazendo informações sobre a ativação
muscular durante o exercício de agachamento em base estável e instável como uma
estratégia para um melhor entendimento na prescrição de treino para indivíduos com
objetivos específicos, o que para Kramer e Ratamess (2004) é de suma importância,
pois ter conhecimento sobre a ativação muscular é uma das características para uma

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
80
boa prescrição e progressão do treinamento, principalmente para indivíduos que
almejem otimizar as adaptações neuromusculares.

6. Conclusão

Dos oito artigos analisados, apenas um deles não mostrou diferenças entre os
protocolos, apresentando diferença apenas para a variação da sobrecarga; três deles
mostraram diferenças significantes na ativação muscular durante o exercício de
agachamento para as condições instáveis nos músculos do tronco e da coxa. Já para
as condições estáveis, quatro demostraram diferenças significantes na ativação
muscular durante o exercício de agachamento com altas sobrecargas, mostrando
maior ativação de OE, TR, e EE com 75% de 1 RM, e até mesmo na produção de força,
sinal de EMG do VL e VM. Logo, é perceptível que em altas sobrecargas as
musculaturas estabilizadoras do tronco têm uma maior atividade. Entretanto, no
exercício de agachamento com sobrecarga mais baixa, a instabilidade pode ser uma
boa estratégia para progressão do treinamento, pois ativará significantemente os
músculos estabilizadores do tronco; posteriormente recomendamos a utilização de alta
sobrecarga em bases estáveis pela falta de estudos que analisaram alta sobrecarga
em bases instáveis. Essa alta ativação dos músculos do tronco em bases instáveis com
baixas sobrecargas e em bases estáveis com altas sobrecargas é um importante tópico
para uma prescrição de treinamento mais específica, podendo ser mais apropriados à
realidade de cada indivíduo.

7. Agradecimentos

Agradecemos ao Prof. Doutorando Ricardo Berton da EEFE-USP pelas sugestões que


melhoraram substancialmente o artigo. Declaramos que não temos qualquer conflito
de interesse.

Referências

1. Hales ME, Johnson BF, Johnson JT. Kinematic analysis of the powerlifting style
squat and the conventional deadlift during competition: is there a cross-over
effect between lifts? Journal of Strength and Conditioning Research. 2009;
23 (9): 2574-2580.
2. Wisløf U, Castagna C, Helgerud J, Jones R, Hoff J. Strong correlation of
maximal squat strength with sprint performance and vertical jump height in
elite soccer players. Br J Ports Med. 2004; 38: 285-288.
3. Silva-Batista C, Corcos DM, Roschel et al. Resistance training with instability for
patients with parkinson's disease. Medicine & Science in Sports & Exercise.
2016.
4. Bevilaqua-Grossi D, Felicio LR, Simões R, Coqueiro KRR, Monteiro-Pedro V.
Avaliação eletromiográfica dos músculos estabilizadores da patela durante
exercício isométrico de agachamento em indivíduos com síndrome da dor
femoropatelar. Rev Bras Med Esporte. 2005; 11 (3): 159-163.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
81
5. Brown LE, Weir JP. Procedures recommendation I: accurate assessment of
muscular strength and power. Journal of Exercise Physiology. 2001; 4 (3):
1-21.
6. Jones CJ, Rikli RE, Beam WC. A 30-s chair-stand test as a measure of lower
body strength in community-residing older adults. The American Alliance for
Health. 1999; 70 (2): 113-119.
7. Caterisano A, Moss RF, Pellinger TK et al. The effect of back squat depth on the
EMG activity of 4 superficial hip and thigh muscles. Journal of Strength &
Conditioning Association. 2002; 16 (3): 428-432.
8. Escamilla RF, Fleisig GS, Zheng N, Lander JE et al. Effects of technique
variations on knee biomechanics during the squat and leg press. Medicine &
Science in Sports & Exercise. 2001; 33 (9): 1552-1566.
9. Gullet JC, Tillman MD, Gutierrez, Chow JW. A biomechanical comparison of
back and front squats in healthy trained individuals. J Strength Cond Res.
2008; 23 (1): 284-292.
10. Li Y, Cao C, Chen X. Similar electromyographic activities of lower limbs
between squatting on a Reebok Core Board and ground. Journal of Strength
and Conditioning Research. 2013; 27 (5): 1349-1353.
11. McBride JM, Larkin TR, Dayne AM, Haines TL, Kirby TJ. Effect of absolute and
relative loading on muscle activity during stable and unstable squatting.
International Journal of Sports Physiology and Performance. 2010; 5:
177-183.
12. Roelants M, Verschueren SMP, Delecluse C, Levin O, Stijnen V. Whole-body-
vibration-induced increase in leg muscle activity during different squat
exercises. Journal of Strength & Conditioning Association. 2006; 20 (1):
124-129.
13. Wahl MJ, Behm DG. Not all instability training devices enhance muscle
activation in highly resistance-trained individuals. Journal of Strength and
Conditioning Association. 2008; 22 (4): 1360-1370.
14. Andersen V, Fimland MS, Brennset Ø et al. Muscle activation and strength in
squat and Bulgarian squat on stable and unstable surface. Int J Sports Med.
2014; 35: 1196-1202.
15. Hyong IH, Kang JH. Activities of the vastus lateralis and vastus medialis
oblique muscles during squats on different surfaces. J. Phys. Ther. Sci. 2013;
25: 915-917.
16. Fridlund AJ, Cacioppo JT. Guidelines for human electromyographic
research. 1986; 23 (5): 567-589.
17. Moritani T, Yoshitake Y. The use of electromyography in applied physiology.
Journal of Electromyography and Kinesiology. 1998; 8: 363-381.
18. Bigland B, Lippold OCJ. The relation between force, velocity and integrated
electrical activity in human muscles. J. Physiol. 1954; 123: 214-224.
19. Behm DG, Drinkwater EJ, Willardson JM, Cowley PM. The use of instability to
train the core musculature. Appl. Physiol. Nutr. Metab. 2010; 35: 91-108.
20. Anderson K, Behm DG. Trunk muscle activity increases with unstable squat
movements. Can. J. Appl. Physiol. 2005; 30 (1): 33-45.
21. Kraemer WJ, Ratamess N. Fundamentals of resistance training: progression
and exercise prescription. Med. Sci. Sports Exerc. 2004; 36 (4): 674-688.
22. Methley AM, Campbell S, Chew-Graham C, McNally R, Cheraghi-Sohi S. PICO,
PICOS and SPIDER: a comparison study of specicity and sensitivity in three
search tools for qualitative systematic reviews. Health Services Research.
2014; 14:579.
23. Ramal AC, Ramal SA. Administração empresarial gestão de pequenas
empresas secretariado e assessoria. 1a edição. Rio de Janeiro: Editora
Roberto Marinho; 2007.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
82
24. Saeterbakken AH, Fimland MS. Muscle force output and electromyographic
activity in squats with various unstable surfaces. National Strength and
Conditioning Association. 2013; 27 (1): 130-136.
25. Maior AS, Simão R, Salles BF, Miranda H, Costa PB. Neuromuscular activity
during the squat exercise on an unstable platform. Brazilian Journal of
Biomotricity. 2009; 3 (2): 121-129.
26. McBride JM, Cormie P, Deane R. Isometric squat force output and muscle
activity in stable and unstable conditions. National Strength & Conditioning
Association. 2006; 20 (4): 915-918.
27. Bressel E, Willardson JM, Thompson B, Fontana FE. Effect of instruction,
surface stability, and load intensity on trunk muscle activity. Journal of
Electromyography and Kinesiology. 2009; 19: 500-504.
28. Yavuz HU, Erdag D, Amca AM, Arithan S. Kinematic and EMG activities during
front and back squat variations in maximum loads. Journal of Sports
Sciences. 2015; 33 (10): 1-9.
29. Willardson J, Fontana FE, Bressel E. Effect of surface stability on core muscle
activity for dynamic resistance exercises. International Journal of Sports
Physiology and Performance. 2009; 4: 97-109.
30. Behm DG, Drinkwater EJ, Willardson JM et al. The role of instability
rehabilitative resistance training for the core musculature. National Strength
and Conditioning Association. 2011; 33 (3): 72-81.
31. Silva MC, Fassa AG, Valle NCJ. Dor lombar crônica em uma população adulta
do sul do Brasil: prevalência e fatores associados. Cad. Saúde Pública. 2004;
20 (2): 377-385.
32. Silva-Batista C. Efeitos do treinamento de força e do treinamento de força com
instabilidade sobre os sintomas, funcionalidade, adaptações neuromusculares e
a qualidade de vida de pacientes com doença de Parkinson: um estudo
controlado e randomizado. Tese [doutoramento em ciências] - Escola de
Educação Física e Esporte, 2016.
33. Bouisset S, Richardson J, Zattara M. Do anticipatory postural adjustments
occurring in different segments of the postural chain follow the same
organizational rule for different task movement velocities, independently of the
inertial load volume? Exp Brain Res. 2000; 132: 79-86.
34. Heckman CJ, Enoka RM. Motor unit. Compr Physiol. 2012; 2: 2629-2682.
35. Enoka RM, Duchateau J. Inappropriate interpretation of surface EMG signals
and muscle fiber characteristics impedes understanding of the control of
neuromuscular function. J. Appl Physiol. 2015; 119: 1516-1518.
36. Escamilla RF, Babb E, DeWitt et al. Electromyographic analysis of tradicional
and nontradicional abdominal exercises: implications for rehabilitation and
training. Physical Therapy. 2006; 86: 656-671.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
83
A influência do esporte profissional na iniciação esportiva

The influence of professional sport in the sport initiation

André Rímoli Costi, Ana Carolina Trincado Henrique, Cristiane Tiemi Nakamura dos Santos
Tamagusko, Jean Victor Leal da Silva, Tiago Sertorio Rossi
Universidade Paulista - UNIP
(andrerimoli@gmail.com,caroltrincado@hotmail.com; tiemi.nak@gmail.com; jeanvictor.leal@gmail.com;
tiago.sertorio@hotmail.com)

Resumo. O presente trabalho teve como objetivo verificar quais os aspectos positivos e
negativos do esporte profissional e sua influência na iniciação desportiva através de uma
pesquisa bibliográfica com autores referenciados. Compreender o que é esporte profissional,
iniciação desportiva, assim como as fases de aprendizagem, os tipos de jogos e brincadeiras
e a maneira como são aplicados e, entender o processo de iniciação desportiva pode ajudar
na didática das aulas, influenciar no desenvolvimento total da criança e no interesse dela
pelo esporte, além de aumentar o número de interessados na prática esportiva. A
participação e conhecimento do profissional de educação física se torna fundamental nesse
processo.

Palavras-chave: iniciação desportiva, esporte profissional, fases de aprendizagem.

Abstract. This study's aim was to analyze the positive and negative aspects of professional
sports its influence on sport initiation, using bibliographic references with reliable scientific
articles. Understand what is professional sports, sports initiation, as well as the stages of
learning, kinds of games and activities and how they are applied, and know the sport
initiation process can help in teaching classes, influence the overall development of the child
and her interest in the sport, as well as increase the number of people interested in it.
Participation and knowledge of physical education professional becomes essential in this
process.

Key-words: sport initiation, professional sports, learning phases.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística


Edição Temática em Saúde e Bem estar
Vol. 6 no 5 – Abril de 2017, São Paulo: Centro Universitário Senac
ISSN 2179-474X

Portal da revista: http://www1.sp.senac.br/hotsites/blogs/revistainiciacao/


E-mail: revistaic@sp.senac.br

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial-SemDerivações 4.0
Internacional
84
Introdução

O presente trabalho reúne informações sobre o processo de aplicação esportiva introduzida


na primeira infância iniciado pelas brincadeiras despretensiosas, seguida por jogos, partindo
para uma prática esportiva, que por fim, explora e gera habilidades específicas de programa
de treinamento de alto rendimento e performance profissional.
Avaliando esse processo é necessário entender até que ponto as crianças estão preparadas
para assumir esse compromisso e ainda assim permanecerem crianças em suas outras
atividades, preservando sua essência social e familiar. Encontrar um ponto de equilíbrio
para que as cobranças internas e externas não reflitam no seu dia a dia fora do
compromisso esportivo.
Para desenvolver esse panorama foi realizado uma pesquisa bibliográfica entre diversos
autores que discutem sobre os aspectos positivos e negativos que o esporte profissional
pode gerar no processo de iniciação esportiva e se esse processo é realmente saudável para
as crianças e, principalmente qual o momento certo de acelerar e ou brecar esses
processos, levando em consideração as fases e a individualidade de cada criança, que deve
ser preservada em todo o momento de exploração de suas habilidades.

1. Desenvolvimento – definições terminológicas abordadas nesta obra


Neste capítulo abordaremos os elementos pesquisados em nosso trabalho com base nos
autores referenciam e dão suporte para nossa argumentação.
Para melhor compreensão do tema é importante saber a definição de iniciação esportiva,
brincadeira, grandes e pequenos jogos, esporte, esporte profissional e fases de
aprendizagem e desenvolvimento motor.
Fases de aprendizagem e desenvolvimento motor
Dentre as teorias sobre as fases de desenvolvimento motor e aprendizagem motora, as
explicações de Gallahue e Ozmun e de Jean Piaget são algumas das mais conhecidas na
literatura.
Segundo Piaget (2010) existem quatro estágios de desenvolvimento, sendo eles: estágio
sensório-motor (de 0 a 2 anos); estágio pré-operatório (de 2 a 7 anos); estágio das
operações concretas (operacional concreto – de 7 a 12 anos) e estágio das operações
formais (lógico-formal – de 12 anos a fase adulta).
Para Gallahue e Ozmun (2005), o desenvolvimento é divido também em quatro fases,
porém subdivididas em vários estágios, sendo elas: fase motora reflexa (até 4 meses:
estagio de codificação de informações - de 4 meses à 1 ano: estágio de decodificação de
informações); fase de movimentos rudimentares (até 1 ano: estágio de inibição de reflexos
- de 1 à 2 anos estágio de pré-controle); fase de movimentos fundamentais (de 2 à 3 anos:
estágio inicial - de 4 à 5 anos: estágio elementar - de 6 à 7 anos: estágio maduro); fase de
movimentos especializados (de 7 a 10 anos: estágio transitório - de 11 a 13 anos: estágio
de aplicação - de 14 anos em diante: estágio de utilização permanente).
Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017
Edição Temática em Saúde e Bem-estar
85
Há controvérsias com relação à idade ideal para a iniciação esportiva da criança, porém,
Oliveira e Paes (2004), leva em consideração o desenvolvimento da criança, relacionando
suas idades biológica, cronológica e escolar. A divisão foi feita em três fases, sendo elas:
- Fase de iniciação esportiva I (entre 7 e 10 anos): Atividades desportivas com caráter
lúdico, participativo e alegre, porém oportunizando ensino de técnicas desportivas e
estimulando pensamento tático, mas não especializadas em nenhum esporte.
- Fase de iniciação esportiva II (de 11 a 13 anos): início à aprendizagem de diversas
modalidades esportivas, dentro de suas particularidades.
- Fase de iniciação esportiva III (de 13 a 14 anos): automatização e refinamento dos
conteúdos aprendidos anteriormente e aprendizagem de novos conteúdos, fundamentais
nesse momento de desenvolvimento esportivo.
Ter uma boa autoestima não indica que o indivíduo confia em sua capacidade de realizar
algo. A autoconfiança indica que o indivíduo acredita poder realizar determinada tarefa, seja
de natureza mental, física ou emocional. Pessoas autoconfiantes acreditam que podem fazer
com que as coisas aconteçam de acordo com seus desejos. (GALLAHUE; DONNELLY, 2008).
Um estudo sobre características e comportamentos de acordo com a faixa etária e
adequação de atividades constatou abaixo que, nas idades aproximadas:
- 0 a 2 anos: característica principal egocentrismo, sensório-motor
(tato, movimento, formas, pesos, texturas, reproduzir sons,
engatinhar, andar, abrir, fechar, empilhar, encaixar, puxar, empurrar,
comunicação). Atividades adequadas: brincadeiras referentes a
educação sensório-motora (sentir/executar), exploração, canto,
perguntas e respostas, esconder.
- 2 a 4 anos: permanecem as características anteriores com
acréscimo da fantasia, invenção e criatividade. Atividades:
brincadeiras sem e com poucas regras simples, utilização das formas
básicas de movimento (andar, correr, saltar, rolar, etc.), estimulação,
representação (imitações de situações conhecidas: escolinha,
casinha).
- 4 a 6 anos: características principais muita movimentação, começa
a aceitar regras e a compreendê-las, maior atenção e concentração,
interesse por números, letras, palavras e seus significados, o grupo
começa a ter importância. Atividades adequadas: brincadeiras com ou
sem regras, atividades de muita movimentação, representação.
- 6 a 8 anos: características muita movimentação, boa discriminação
visual e auditiva, atenção e memória, aceita regras, convive bem em
grupo, começa a definir seus próprios interesses, despertar natural da
competitividade. Atividade adequada: brincadeiras, alguns pequenos
jogos, atividades em equipes, desafios (com os outros e consigo
mesmo), atividades de muita movimentação.
- 8 a 10 anos: característica principal: o grupo é cada vez mais
importante, memória plenamente desenvolvida, raciocínio concreto e
aquisição do raciocínio abstrato, capacidade de reflexão (medir
consequências). Atividade adequada: brincadeiras, pequenos jogos,
atividades em equipes, atividades que envolvam estratégias,
atividades de raciocínio, atividades de desafio.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
86
- 10 a 12 anos: características gerais: separação dos sexos,
compreensão da sexualidade, início das diferenças de habilidades
motoras entre os sexos e maturidade (meninas na pré-puberdade e
meninos mais infantis), isolam-se em pequenos grupos. Atividades
adequadas: pequenos jogos em potencial, grandes jogos
simplificados, atividades de integração social (aproximação) e
atividades em equipes.
- 12 a 14 anos: características: revalorização do sexo oposto,
supervalorização da competição, grande discrepância de habilidades e
de maturidade entre os sexos, necessidade de autoafirmação, falta de
percepção dos limites sociais, grandes conflitos de personalidade, são
altamente influenciáveis. Atividades adequadas: pequenos jogos em
pequena escala e grandes jogos em potencial.
- 14 a 18 anos: características gerais: identificação plena com o sexo
oposto, grande diferença de habilidade entre os sexos, aceitação e
discussão das diferenças de habilidades entre os sexos, ainda
apresenta necessidade de autoafirmação, começa a supervalorizar a
estética, desprezo pela atividade motora (idade da preguiça), visão
da atividade lúdica não só como atividade física, valorização das
atividades sociais e culturais. Atividades adequadas: esporte
propriamente dito, gincanas de múltiplas dificuldades, grandes jogos
com grande complexidade de regras, atividade junto a Natureza,
modismo, cinema, teatro, shows, dança, festas, reuniões, bate-papo,
passeios e viagens.
- Adultos: revalorização da atividade física, valorização da atividade
lúdica, aceitação do sexo oposto na atividade lúdica, supervalorização
da estética (em maior intensidade), visão da atividade lúdica não só
como atividade física, preferência pela atividade lúdica em grupo,
dificuldade de se expor, por medo do ridículo, dificuldades para se
aproximar de outros indivíduos para a atividade lúdica, aceita a
derrota e a vitória (com exceções). Atividades adequadas: esporte
propriamente dito, atividades em grupo, grande enfoque aos jogos de
salão e de mesa, jogos de sorte e azar: apostas, modismos, cinema,
teatro, shows, dança, festas, reuniões, bate-papo, gincanas,
atividades culturais, passeios e viagens, flanar, vagar, contemplar,
“nada-fazer”. (CAVALLARI; ZACHARIAS, 2007, P. 62).
Brincadeira, grandes e pequenos jogos, esporte
Pequenos e grandes jogos são definidos pelas suas características. Segundo Cavallari e
Zacharias (2007), os pequenos jogos são mais simples, possuem menos regras, sendo mais
flexíveis e o professor/instrutor atua apenas como um orientador da atividade. Enquanto
que nos grandes jogos, há um maior número de regras, muito mais complexas que são
rigorosamente cobradas, e o professor/instrutor atua quase como um juiz. Mas como saber
se determinada atividade é um jogo ou uma simples brincadeira entre as crianças? Para os
autores, as brincadeiras nem sempre apresentam evolução regular porque são mais livres,
podem ou não ter regras, podem ser modificadas a qualquer momento de acordo com o
interesse e motivação dos participantes, seu fim pode ocorrer pela intervenção de um
adulto, fim do tempo livre, chuva etc., as consequências são imprevisíveis, muitas vezes
não têm um ápice e não apresentam um vencedor. Ao contrário das brincadeiras, os jogos
apresentam uma evolução regular por possuírem início, meio e fim, obrigatoriamente tem

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
87
regras, tem final previsto (pontos, tempo, tarefas cumpridas), tem sempre um ápice, as
modificações desejadas não são aleatórias (partem da interrupção, seguida da inserção da
modificação e reinício), as consequências podem ser previstas e sempre há um vencedor.
A importância em entender a diferença entre brincadeira e jogos (grandes e pequenos) é no
momento de aplicar uma determinada atividade à um público específico, ou seja, saber
escolher o tipo de atividade a ser empregada de acordo com as características do grupo e
faixa etária. Podendo transformar uma brincadeira em jogo, um pequeno jogo em um
grande jogo ou vice-versa, adaptando-a ao grupo. (CAVALLARI; ZACHARIAS, 2007).
O termo Esporte possui diversos significados, de acordo com suas práticas e personagens,
seja ele mercadológico, recreativo, educacional, de reabilitação ou representativo. O
importante é compreender que hoje o esporte não é mais uma pratica singular, mas sim um
fenômeno sociocultural de múltiplas possibilidades, porque além do atleta temos dentro
deste contexto as crianças, adolescentes, adultos, idosos, portadores de necessidades
especiais, ou seja, todos os tipos de pessoas, a prática pode ser aprendida e realizada em
diversos ambientes. (PAES, MONTAGNER; FERREIRA, 2009).
Iniciação desportiva
A educação física infantil é o primeiro contato que a criança terá com a atividade física e
esse contato se dá por meio de desafios corporais, cognitivo, afetivo e motor. A criança não
aprende apenas a explorar seu corpo, como também é o início da sociabilização e o corpo se
torna a entrada para o avanço de suas habilidades através de ações motoras que geram
diferentes desafios e contribuem para esse desenvolvimento.
Segundo Paes, Montagner e Ferreira (2009, p. 9), “a iniciação esportiva é o primeiro
contato do indivíduo com a prática esportiva de forma orientada, organizada e
sistematizada”. Neste momento o contato com o esporte deve ser prazeroso, com propósito
educativo, participação efetiva, sem incitar a especialização precoce, preocupando-se com a
diversificação de movimentos e estímulos.
A iniciação esportiva é a introdução de uma atividade física através de um esporte,
portanto, não deve ser rigorosa e nem exigir perfeição. Deve ser uma prática saudável,
prazerosa, que explore a criatividade, desenvolva as habilidades motoras, a sociabilidade e
principalmente agradável para que o indivíduo seja estimulado a praticar uma atividade
física. Um exemplo distorcido do que é iniciação esportiva é o que acontece em escolinhas
de futebol e/ou algumas escolas e colégios, as modalidades esportivas oferecidas aos alunos
não só apresentam os conceitos e técnicas, como propõe exercícios específicos com a
finalidade de obter resultados positivos em competições e campeonatos promovidos pelas
mesmas, normalmente pela iniciativa e incentivo dos pais, clubes e colégios. A prática livre
com fins didático-pedagógico, visando o bem-estar, autoestima, sociabilização, coletividade,
alegria, desenvolvimento da criança é esquecida. (GREGÓRIO; SILVA, 2014).
Corroborando com Paes e Balbino (2005), entre os propósitos da iniciação esportiva
podemos apontar as questões intrapessoais, o desenvolvimento psicocognitivo geral, a
aquisição de habilidades motoras e a sociabilização. É um fenômeno complexo carregado de
sensibilidade que permite a fixação e uma quantidade generosa de implicações que se inter-
relacionam e interferem no processo de desenvolvimento humano da criança esportista.
Segundo Kröger e Roth (2006), em seu livro “Escola da bola”, afirmam que antigamente a
iniciação esportiva era vivenciada nas brincadeiras de rua. E toda a familiarização com a
bola e o esporte “em geral” acontecia de uma forma bem mais tranquila e desacelerada do
que nos dias de hoje, onde este processo ocorre dentro de clubes onde já se tem um
esporte relacionado. Afirmam ainda que o esporte tem sido apresentado antes mesmo da
própria descoberta da bola, ou seja, a criança tem sido apresentada a bola já com um
Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017
Edição Temática em Saúde e Bem-estar
88
esporte determinado atrelado a ela criando assim uma conexão precoce que muitas vezes
tira a escolha da criança de poder exercer outro esporte.
A prática da iniciação esportiva, dentro de uma proposta pedagógica, poderá ocorrer em
diferentes ambientes como: escola, clubes, academias entre outros, sendo que em uma
visão da prática mais abrangente, deve ser norteada por uma proposta pedagógica que leva
em conta quatro pontos fundamentais para a sua sustentação: Diversidade, Inclusão,
Cooperação e Autonomia. A diversidade está relacionada a uma proposta com “base na
pluralidade de movimentos e diversidade de situações-problema para quem se inicia a
prática em uma modalidade”, se tornando uma ferramenta facilitadora no processo de
crescimento e desenvolvimento. A inclusão está relacionada ao fator de diferenciação de
competência profissional (recurso que o professor utiliza visando promover as
transformações desejadas) sem distinção entre pessoas e o tipo físico. Os jogos coletivos
favorecem o trabalho da cooperação pois, a prática e ambientes favoráveis melhoram a
compreensão do significado de cooperação (ter como um princípio no processo de
educação). A instrumentalização do aluno está presente para proporcionar-lhe autonomia
para convivência com a modalidade, sem focar na busca, reconhecimento e treinamento de
talentos. (DE ROSE JUNIOR; TRICOLI, 2005, p. 18).
Para Gohn (2001), a base da aprendizagem na iniciação desportiva é por meio da troca de
experiências durante o trabalho social coletivo inserido num contexto específico (situações-
problema), e não pela sistematização prévia com o objetivo de ser aprendido. Ressalta-se
que a educação não formal é vivida e concretizada em um grupo, mesmo que o resultado da
aprendizagem final seja absorvido individualmente.
Esporte profissional
Práticas inglesas de tempo livre deram origem ao esporte, que foi sofrendo constantes
modificações e adaptações conforme o decorrer do tempo e a época, sendo disseminado e
internacionalizado. E o esporte profissional veiculado aos meios de comunicação, ficaram
mais evidentes, ganhando maior popularidade e visibilidade, atingindo a população em
massa. Consequentemente, o esporte tornou-se uma mercadoria de governos capitalistas.
Os meios de comunicação somado ao capitalismo modificaram a representação real do que
é o esporte, influenciando na relação estabelecida com o consumidor. Levando em conta
esse contexto, e a particularidade da relação entre o esporte e o praticante, torna-se
fundamental entender que tipo de associação se estabelece na iniciação esportiva e no
esporte profissional. (SILVA, 2009).
Paes, Montagner e Ferreira (2009) contextualizam o esporte profissional fundamentalmente
para fins mercadológicos, tratando-se de uma opção profissional, destacando a necessidade
de entender como essa manifestação pode interferir nos praticantes, qual a importância na
sociedade moderna e os seus reflexos em outras manifestações esportivas.
Segundo Nista-Piccolo (1999), o esporte profissional quando bem divulgado pela mídia,
pode despertar nas crianças a vontade de chegar ao topo esportivo. Acrescenta ainda que, o
ensino de uma modalidade esportiva vai além do professor saber praticar tal modalidade,
porque é necessário saber adaptar as habilidades a exercícios educativos.
O esporte profissional é direcionado para os treinamentos especializados, no qual o
treinamento das capacidades técnicas e os conhecimentos teóricos sobre a modalidade
escolhida são minuciosamente aperfeiçoados. Nesse período de aprofundamento e
aproximação ao treinamento adulto, os atletas deverão estar com uma base sólida,
constituída pelas fases anteriores. (PAES; BALBINO, 2005).
O esporte profissional, recruta do atleta a mobilização das suas reais capacidades
competitivas e as relaciona com fatores técnico-tático.
Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017
Edição Temática em Saúde e Bem-estar
89
Greco (1997) considera o esporte profissional como uma fase em que enfatiza a modalidade
escolhida, por meio do aperfeiçoamento técnico e tático, desenvolvendo comportamentos
táticos de alto nível competitivo com aumento da participação em competições.
A formação profissional do esporte abre as portas para inseguranças e medos, ansiedades e
estresses, agressões humanas e somatizações. O atleta vive sempre na fronteira do
desequilíbrio emocional, e a performance de um atleta depende muito deste equilíbrio e em
esportes coletivos a vitória está diretamente relacionada ao esforço individual e de todos,
simultaneamente. E ele aprende desde cedo que deve deter-se na execução vitoriosa dos
fundamentos de sua modalidade desportiva. Isso além de requerer uma boa experiência
cognitiva, de aprendizagens, demanda constantemente um alto nível de concentração.
(RUBIO, 2000).
Segundo Neto (1997), o esporte profissional é um imenso palco em que aparecem, em
primeiro plano, o atleta, o treinador e o dirigente. E nos bastidores, um time respeitável de
médicos, fisiologista, fisioterapeuta, preparador físico e nutricionistas.
Ferreira (2008) define o esporte profissional como a prática sistemática de atividades
adequadamente planejadas e orientadas. Com o objetivo de que os gestos motores tornem-
se gradualmente mais consistentes e que, a execução das técnicas específicas seja realizada
com mais dinamismo, precisão, eficácia e economia de função.
Ferreira (2001) define Escola de Esportes como toda a atividade educacional organizada,
sistemática, executada fora do quadro formal educacional, ou seja, não formal, para
oferecer modalidades esportivas selecionadas a determinados subgrupos da população
escolar. O autor diz tratar-se de uma rede complexa de cruzamentos que se abrem na
nossa frente e onde cada um vai encontrar na modalidade escolhida aquilo que, no
momento, mais interessa e convém para a sua personalidade, querendo então participar da
atividade.
Para Tubino (1992), as atividades esportivas podem contribuir para o desenvolvimento
integral harmonioso da criança e do adolescente, observando-os em sua plenitude e
atentando-se a maneira como eles estão sendo iniciados, se está ou não de acordo com seu
estágio de desenvolvimento.

2. Discussão
A influência do esporte profissional na iniciação esportiva pode ser, tanto positivo, quanto
negativa. Isto dependerá de como o conceito será apresentado e quais cobranças recaem
sobre cada aprendiz.
Segundo Paes e Balbino (2005), o esporte profissional pode ser positivo para o iniciante,
servindo como espelho, incentivo e entretenimento para a prática, porém, se na iniciação
esportiva os exercícios aplicados forem os mesmos de atletas profissionais as consequências
seriam negativas, como a falta de “experimentação motora variada e diversificação de
estímulos cognitivos, afetivos e sociais”.
Os sentimentos que as crianças têm de si mesmas é fortemente determinado pelas
experiências que elas adquirem com brincadeiras, tanto bem-sucedidas quanto as
fracassadas. (GALLAHUE; DONNELLY, 2008).
As crianças submetidas a treinamentos diários sujeitam-se a regras já estruturadas e sem
questionamentos. Essas crianças possuem uma rotina apenas para adequação e
aprimoramento de habilidades específicas, não importando seus interesses e necessidades
pois, subentende-se sendo o esporte da área da saúde a criança deve cumprir seu papel.
Dependendo do repertório psicológico de cada criança o fracasso pode se tornar um grande

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
90
motivador de tentar novamente, porém, em um ambiente altamente competitivo onde as
habilidades, o destaque, a superação e a competição são inevitáveis, o fracasso não é visto
como uma virtude, uma oportunidade de acerto e ajuste, mas sim como uma falha.
Respeitar a condição natural humana é o princípio para o equilíbrio interior e interpessoal.
Por esses motivos a iniciação esportiva deve ter, por quem a oriente, uma atenção
cuidadosa no que se refere a seus objetivos e métodos, pois da mesma maneira que pode
ser um excelente instrumento para a criança começar a aprender com experiências que
envolvem confiança, autoimagem e autopercepção, entre outras, caracterizando seu
processo de sociabilização, pode funcionar como um instrumento alienante para se liderar
com essas questões. (RUBIO, 2000).
Para Nista-Piccolo (1999), a criança dever ter seus direitos respeitados, precisa brincar,
mesmo que seja brincar de praticar esportes. As crianças podem sofrer altos prejuízos em
relação a saúde (que não se mostram a curto prazo) devido as consequências de
treinamentos rigorosos que forçam a especialização precoce. Por este motivo, muitas
crianças perdem a infância e poucas se tornam atletas. Acrescenta ainda que os processos
pedagógicos devem se adequar à realidade que encontramos, isto é, características do
desenvolvimento da criança, vivência anterior, dificuldades e necessidades básicas de cada
faixa etária.
Ensinar a praticar esporte é preparar o aluno para executar
determinadas habilidades por meio da descoberta do prazer de se
exercitar. É conscientizá-lo de suas capacidades e limitações. É
mostrar diferentes maneiras de aprender um movimento. A
ludicidade da proposta pode ser o caminho dessa conscientização.
(NISTA-PICCOLO, 1999, p. 11).
Segundo Tubino (1992) ao se ensinar qualquer prática esportiva, existe a possibilidade de o
aluno a carregar ao longo de sua vida. Sendo assim, se bem ensinado, o aluno aproveitará
dessa aprendizagem esportiva diante de dois caminhos: tornando-se especialista ou
consumidor passivo, pois saberá assumir uma posição crítica defronte do fenômeno
esportivo. O autor ainda afirma que, os sentidos educativos e o bem-estar social está se
tornando uma nova perspectiva da prática do esporte.
Tem-se, com este novo conceito de esporte, uma abrangência em três áreas de
manifestações distintas e interdependentes:
a) Manifestação esporte - performance – objetivo; alto rendimento;
b) Manifestação esporte - participação – objetivo; promover o bem-estar, recreação, e o
esporte-lazer para todos;
c) Manifestação esporte - educação - com objetivos claros de formação, norteada por
princípio sócio- educativos, preparando seus praticantes para a cidadania.
Mas Ferreira (2001) se preocupa em ressaltar que o esporte só tem um sentido educativo,
quando tem por finalidade passar um conhecimento ao aluno, tanto em nível técnico
esportivo, quanto em valores culturais que o levarão a um desenvolvimento global. O global
deve abranger também os aspectos: cognitivos, afetivos e motores. Pois, a eficácia será
consequência dos aspectos:
-Cognitivos - compreender o que faz tomar consciência conhecer-se, saber reconhecer as
exigências de uma situação, decidir;
-Afetivos - investimento, controle das emoções, evitando a degradação do comportamento,
ousar fazer, aceitar os desequilíbrios, mostrar-se; e
-Motores - execução, ajustamentos oportunos, fatores suficientes de execução, coordenação
e marcação.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
91
3. Considerações finais
No contexto geral o esporte recebe hoje grande popularização quando relacionado à saúde e
bem-estar. A sociedade de forma global o tornou algo grandioso e de interesse coletivo,
dessa forma por estar relacionado a área da saúde, muitos acreditam que o esporte se
apresenta com a finalidade de preparar a criança para ser um atleta que possa ser capaz de
lidar com inúmeras questões inclusive as emocionais pelo simples fato de realizar uma
atividade esportiva.
O esporte não é prejudicial para o desenvolvimento, mas dependendo da forma que ele é
explorado e aplicado pode trazer prejuízos psicológicos para as crianças, principalmente as
atividades competitivas que visam o alto rendimento, por possuírem uma estrutura muito
complexa para ser compreendida pelas crianças.
A iniciação esportiva está gradativamente perdendo seu lugar para a especialização
precoce. Isto quer dizer que, a descoberta de novos talentos e a especialização está se
tornando o objetivo principal ao invés do desenvolvimento integral da criança, da dissipação
da modalidade e a prática livre. Considerando também que um adulto ou idoso podem
iniciar uma prática esportiva.
Com isso os jovens estão ingressando nesse processo sem perceber, levados pelas
brincadeiras muitas vezes com um apelo competitivo e aos poucos adquirindo o interesse
pelo esporte, nesse momento alguns se destacam por suas habilidades e/ou características
e são estimulados a iniciar um treinamento eficiente e objetivo.
A especialização esportiva precoce vem sendo cada vez mais comum entre professores de
clubes e escolas. Isso reflete bem o interesse das instituições por status na sociedade.
Certamente a preocupação é em desenvolver as crianças no contexto imediatista cercado de
parâmetros competitivos e respaldado em resultados forçando ainda mais as crianças
adeptas a praticarem uma atividade física e um esporte de sua preferência.
As crianças possuem de média a baixa capacidade de concentração e, os jogos devem
respeitar essa realidade e serem introduzidos de uma maneira lenta e gradual aos grupos
de crianças. A característica especializada deverá estar inserida no contexto do segundo
ciclo escolar (melhor fase do desenvolvimento motor).
A especialização precoce pode influenciar negativamente o desenvolvimento motor, pois
definem uma pratica intensa, sistematizada e regular de crianças e jovens antes das idades
consideradas normais, promovendo rápido desenvolvimento desportivo nas fases iniciais e
esgotamento prematuro da capacidade de rendimento levando à falta de vivência em outras
modalidades e diminuindo o repertório motor. Por isso o ideal é que a especialização ocorra
o mais tarde possível, para que a criança possa se desenvolver integralmente, respeitando
seus limites e dificuldades individuais e possa participar de atividades, brincadeiras e jogos
do mundo infantil onde pertence, para não afetar de forma negativa seu futuro, evitando
traumas que causem desistências, arrependimentos e frustrações posteriores.
Por isso cabe ao professor oferecer atividades variadas que possibilitem ganhos no
repertório motor e que contribua para o desenvolvimento de uma maneira ampla.
É importante identificar até que ponto a criança está preparada para assumir tal
comprometimento e responsabilidade de desenvolver suas habilidades físicas, psíquicas,
sociais e ainda assim continuarem sendo crianças.
A participação do profissional de educação física se torna assim muito mais importante, para
que ele não pule nenhuma etapa e preserve o desenvolvimento integral do seu aluno.
Devendo explorar as especificidades de cada fase do desenvolvimento e respeitar as

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
92
individualidades de cada aluno, sem exagerar na intensidade dos treinamentos e cobranças
pela busca de resultados.

Referências
CAVALLARI, Vinícius Ricardo; ZACHARIAS, Vany. Trabalhando com recreação. 9ª ed.
São Paulo: Ícone, 2007.
DE ROSE JUNIOR, Dante; TRICOLI, Valmor (Orgs.). Basquetebol: uma visão integrada
entre ciência e prática. Barueri: Manole, 2005.
FERREIRA, N. T. Trabalho, educação e desporto. In: VARGAS, A. Desporto e tramas
sociais. São Paulo: Sprint, 2001.
FERREIRA, Ricardo Lucena. Futsal e a iniciação. 7ª ed. Rio de Janeiro: Sprint, 2008.
103 p.
GALLAHUE, David L.; DONNELLY, Frances, Cleland. Educação física
desenvolvimentista para todas as crianças. 4ª ed. São Paulo: Phorte, 2008.
GALLAHUE, David L.; OZMUN, John C. Compreendendo o Desenvolvimento Motor:
bebês, crianças, adolescentes e adultos. 3ª ed. São Paulo: Phorte, 2005.
GOHN, M. G. Educação não formal e cultura política. 2. Ed. São Paulo: Cortez,
2001.
GRECO, Pablo Juan. I. D. U. Fase central do sistema de formação e treinamento
desportivo. Belo Horizonte: Health, 1997.
GREGÓRIO, Karla Mello; SILVA, Thaise da. Iniciação esportiva X especialização
esportiva precoce: quando iniciar estas práticas?. Disponível
em:http://www.periodicos.ufgd.edu.br/index.php/horizontes/article/viewFile/3127/2052.
Acesso em: 28 de abril de 2016.
KRÖGER, Christian; ROTH, Klaus. Escola da bola: um ABC para iniciante nos jogos
esportivos. 2ª ed. São Paulo: Phorte, 2006.
NETO, Turíbio Leite de Barros. Exercício, Saúde e Desempenho Físico. São Paulo:
Atheneu, 1997.
NISTA-PICCOLO, Vilma Lení. Pedagogia dos esportes. Campinas: Papirus, 1999.
OLIVEIRA, V; PAES, R.R. A pedagogia da iniciação esportiva: um estudo sobre o
ensino dos jogos desportivos coletivos. Disponível em:
http://www.efdeportes.com/efd71/jogos.htm. Acesso em: 07 de maio de 2016.
PAES, Roberto Rodrigues; BALBINO, Hermes Ferreira. Pedagogia do esporte:
contextos e perspectivas. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005.
PAES, Roberto Rodrigues; MONTAGNER, Paulo Cesar; FERREIRA, Henrique Barcelos.
Pedagogia do esporte: Iniciação e treinamento em basquetebol. Rio de Janeiro:
Guanabara Koogan, 2009.
PIAGET, Jean. A formação do símbolo na criança: imitação, jogo e sonho, imagem e
representação. 4ª ed. Rio de Janeiro: LTC, 2010.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
93
RUBIO, Katia. Psicologia do Esporte: Teoria e Prática. Coleção Psicologia do Esporte.
São Paulo: Casa do Psicólogo Livraria e Editora Ltda., 2003.
RUBIO, Katia. Psicologia do Esporte: Interfaces, Pesquisa e Intervenção. São Paulo:
Casa do Psicólogo Livraria e Editora Ltda., 2000.
RUBIO, Katia. Encontros e Desencontros: Descobrindo a Psicologia do Esporte. São
Paulo: Casa do Psicólogo Livraria e Editora Ltda., 2000.
SILVA, Ylane Pinheiro Gonçalves da. Pedagogia do esporte: um estudo sobre as
interpelações entre a iniciação esportiva e o esporte profissional. O caso do basquetebol
feminino do estado de São Paulo na visão do técnico. 2009. Dissertação (Mestrado) –
Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Educação Física, Campinas, São
Paulo, 2009. Disponível em:
http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=000442954. Acesso em: 08
de maio de 2016.
TUBINO, Manoel José Gomes. Dimensões sociais do esporte. São Paulo: Cortez:
Autores Associados, 1992.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
94
Mini voleibol: Uma estratégia de iniciação esportiva para
crianças e jovens entre 7 e 14 anos.

Mini volleyball: A sports initiation strategy for children and young people between 7
and 14 years.

Leandro Régis da Silva1, André Rímoli Costi2


1 Estudante de bacharelado em Educação Física da Universidade Paulista – UNIP
2 Docente da Universidade Paulista – UNIP
Instituto de Ciências da Saúde – ICS
lsilva06@hotmail.com , contato@arcsports.com.br

Resumo. Nossa intenção foi colaborar com o processo de conhecimento do


método teórico/prático do mini voleibol, destacando a importância desta ferramenta
para o profissional de educação física que desenvolve o esporte tanto na área
escolar, quanto em clubes e instituições. O jogo apresenta regras simplificadas e
direcionadas as diferentes faixas etárias e conta com espaço de prática reduzido,
onde cada jogador tem oportunidade de tocar diversas vezes na bola, e as áreas
que ele terá para proteger serão menores e mais adequadas para o seu nível de
desenvolvimento. Durante as pesquisas notou-se que, as regras adotadas para o
trabalho com mini voleibol podem ser flexíveis de acordo com a realidade
encontrada pelos profissionais. Concluiu-se que dentro das fases do
desenvolvimento motor infantil e no processo de iniciação esportiva, esta
ferramenta de ensino se encaixa perfeitamente nos padrões estabelecidos por
diversos autores.

Palavras-chave: mini voleibol, voleibol, desenvolvimento motor, iniciação


esportiva.

Abstract. Our intention is to collaborate with the process of knowledge of the


theoretical method / practical mini volleyball, highlighting the importance of this
tool for the professional physical education that develops the sport both in school
area, as in clubs and institutions. It features simplified rules, targeted different age
groups, and has reduced play space where each player touches the ball often, and
distances it will cover will be smaller, logically most appropriate to their level of
development. During the research, it was noted that the rules adopted to work with
mini volleyball can be flexible according to the reality encountered by professionals.
It was concluded that within the stages of child development and motor sports
initiation process, this teaching tool fits perfectly on the standards set by several
authors.

Keywords: mini Volleyball, volleyball, motor development, sports initiation.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística


Edição Temática em Saúde e Bem estar
Vol. 6 no 5 – Abril de 2017, São Paulo: Centro Universitário Senac
ISSN 2179-474X

Portal da revista: http://www1.sp.senac.br/hotsites/blogs/revistainiciacao/


E-mail: revistaic@sp.senac.br

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial-SemDerivações
4.0
Internacional
95
1.Introdução

A procura por programas de iniciação ao voleibol no Brasil cresce a cada ano. A


sucessão de resultados expressivos alcançados pelas seleções nacionais, a evolução
nas regras e a tecnologia, vem despertando o interesse do público pelas partidas e
trazendo ao esporte um elemento determinante: a televisão. A exposição dos
atletas em propagandas, a transmissão de campeonatos nacionais e internacionais
pelas emissoras de TV também vem aumentando. Tudo isso contribui
decisivamente para a popularidade, investimento de empresas no esporte e faz com
que crianças e jovens se inspirem e sonhem em um dia alcançar o lugar mais alto
do pódio nas competições como seus ídolos de hoje (Benetti, 2005.; Morales,
2009).

O voleibol foi idealizado por William George Morgan na ACM de Holioke,


Massachusetts, em 1895, quando aceitou o desafio de criar um jogo menos
exaustivo que o basquete para os associados mais velhos da ACM. Ele inspirou-se
no tênis, pelo formato do campo e pela rede suspensa ao meio para evitar o
contato físico e o chamou de "mintonette" que deu origem ao voleibol praticado nos
dias de hoje (Mezzaroba, 2011).

O esporte a princípio foi criado respeitando as necessidades da elite, quando a


burguesia emergente americana necessitava de uma atividade que conservasse os
homens de negócios entre 40 e 50 anos de idade dos contatos mais agressivos do
basquete, das atividades pouco recreativas da calistenia e das mudanças climáticas
do rigoroso inverno americano (Mezzaroba, 2011.; Marchi Junior, 2001.;
Matthlessen, 1994).

A quadra de "mintonette" tinha 15,24 cm de comprimento por 7,62 cm de largura.


A rede ficava a 1,98 cm de altura, com 0,61 cm de largura e 8,23 cm de
comprimento. O número de jogadores era ilimitado, só tinha de ser igual para
ambos os lados da rede e já se usava o sistema de rotação para que todos os
jogadores passassem pelo saque.

Numa conferência na Universidade de Springfield, entre diretores de educação física


dos Estados Unidos, duas equipes de Holyoke fizeram uma demonstração do
esporte, que agradou os professores presentes. Sua apresentação causou boas
impressões na conferência e motivou discussões animadas.

Lá, o Dr. Alfred Thompson Halstead, sugeriu o nome de volleyball, já que a bola
precisava ser conservada no alto através de constantes voleios (volley, em inglês)
sobre a rede (Bizzochi, 2013.; Mezzaroba, 2011).

O esporte ao longo dos anos foi evoluindo e criando características únicas. Todos os
jogadores devem aprender a respeitar o rodízio e suas posições na quadra. Para
cada posição é exigida uma postura, habilidade técnica e física diferente e tudo
exige extrema habilidade.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
96
O jogo é uma atividade de desafios constantes, uma vez que não existe momento
de descontração e relaxamento para ambas as equipes durante o raly. O contato
com a bola precisa ser rápido, preciso e deve respeitar as regras, exigindo do
jogador raciocínio, tomada de decisão e inúmeros deslocamentos rápidos para
interceptá-la (Muller, 2009).

Além disso, o jogo apresenta uma série de dificuldades motoras como: habilidade
de salto, velocidade e destreza. Estabelece também conhecimento tático para
organizar as jogadas, características estas que podem afastar muitos que começam
a jogar tardiamente (Ripka, 2009). Inúmeros atributos tornam o voleibol um
esporte atrativo e belo em sua plasticidade. Os mesmos atributos e suas
dificuldades técnicas transformam o seu ensino em uma tarefa árdua e paciente
para seus técnicos e professores.

Uma das maiores dificuldades do aprendizado está no fato de envolver habilidades


não naturais ou construídas, baseadas em gestos específicos também chamados de
fundamentos. Este fator limita a evolução do aprendiz pelo fato de não conseguir
executar as ações fundamentais para jogar, levando-o a frustração e a possível
falta de motivação (Bizzochi, 2013).

O medo de rejeição e a exigência de todas essas habilidades pode atrapalhar um


iniciante, o que justifica a organização do conteúdo para que a aprendizagem
aconteça de forma progressiva e considere os diferentes níveis de ensino,
relacionando o oferecimento de atividades compatíveis com o desenvolvimento dos
indivíduos e uma iniciação lúdica ao jogo antes da forma clássica e mais complexa
(Ripka, 2009).

Desta forma este trabalho tem o objetivo de realizar pesquisas bibliográficas com o
intuito verificar a importância do mini voleibol como estratégia de iniciação
esportiva para crianças e jovens entre 7 e 14 anos.

2.Revisão de literatura

Características do desenvolvimento motor da faixa etária

O desenvolvimento motor é o estudo das mudanças que ocorrem no


comportamento motor humano durante as várias fases da vida. É considerado um
processo sequencial de mudanças cumulativas na vida de um sujeito e relacionado
à idade, mas não depende somente dela, nem todos estarão com as condições
idênticas apenas por apresentar a mesma idade biológica. As habilidades motoras
serão adquiridas e irão avançando de movimentos simples e desorganizados para
movimentos organizados e mais complexos. Podemos observar diferenças
desenvolvimentistas no comportamento motor provocadas por fatores próprios do
indivíduo, do ambiente e da tarefa em si. Os indivíduos se encaixam em padrões
previsíveis de desenvolvimento motor, mas a velocidade com que isto acontece é
individual (Willrich, 2008).

Todo esse processo contínuo de mudanças ocorre de acordo com crescimento do


Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017
Edição Temática em Saúde e Bem-estar
97
indivíduo, sofrendo influências dos estímulos e experiências motoras vivenciadas
por ele, que se iniciam na sua concepção e cessam somente na morte. Ao longo da
vida envolve uma permanente adaptação às mudanças nas capacidades de
movimento por meio do esforço para atingir e manter o controle motor.

Dentre os modelos que procuram explicar o desenvolvimento motor ao longo da


vida, destaca-se o de Gallahue, que utiliza a ampulheta para descrever as fases e
estágios. Neste modelo, a hereditariedade e o ambiente influenciam o indivíduo. A
hereditariedade é fixa, já esta determinada quando o bebê nasce. O ambiente não,
durante a vida características vão sendo acrescentadas dependendo do contexto
em que ele vive (Gallahhue, 2013).

O desenvolvimento motor infantil consiste em quatro fases: reflexiva, que vai dos 4
meses a 1 ano de idade, rudimentar, de 1 a 2 anos, fundamental, de 2 a 7 anos e
especializada que se estende dos 7 aos 14 anos de idade. Por volta dos 6 anos,
grande parte das crianças já possui uma potencialidade de desenvolvimento para
operar em grande parte das habilidades de movimento do estágio fundamental
podendo iniciar a transição para a fase de movimentos especializados.

A fase de desenvolvimento motor fundamental é a base para habilidades motoras


globais e finas, sendo que as crianças aumentam consideravelmente seu repertorio
motor e adquirem os modelos de coordenação do movimento essenciais para
posteriores performances habilidosas, é o pré-requisito para a incorporação bem
sucedida das habilidades motoras especializadas (Papalia, 2000.; Gallahue,
2013).

Dentro deste contexto, destacaremos em nosso estudo a fase motora especializada


(aproximadamente dos 7 aos 14 anos de idade) que tem como características o uso
dos movimentos fundamentais e a combinação dos mesmos.

É o período em que se começa a utilizar as habilidades fundamentais para o


desempenho dos movimentos mais complexos no esporte, em atividades
recreativas, brincadeiras, jogos e em situações da vida diária. Esta fase é divida em
três estágios.

Estágio das habilidades transitórias (7 a 10 anos), que contêm os mesmos


componentes das fundamentais, porém agora demonstram mais precisão, controle
e forma, além disso, a expansão do desenvolvimento depende da interação do
organismo, do ambiente e da tarefa. A criança vivência movimentos ligados às
habilidades esportivas, sem se preocupar com a modalidade, proporcionando
experiência e descobrimento geral.

Estágio de aplicação (11 a 13 anos), período em que o indivíduo torna-se mais


consciente de suas qualidades e limitações no aspecto motor e, assim, aponta seu
foco para determinados tipos de atividades ou esportes, competitivos ou
recreacionais.

Estágio utilização permanente (14 anos e acima), estágio em que os indivíduos


geralmente reduzem suas procuras e experimentações atléticas pela escolha de
Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017
Edição Temática em Saúde e Bem-estar
98
atividades para praticar regularmente em situações competitivas, recreativas ou do
dia-a-dia (Gallahue, 2005).

Iniciação desportiva de acordo com a faixa etária

O processo de iniciação desportiva é definido quando ocorre o primeiro contato do


indivíduo com alguma modalidade e para tal iniciação é recomendado sempre
respeitar as fases do desenvolvimento motor (Paes, 2001).

Toda proposta que visa ao planejamento da prática esportiva deve priorizar o


desenvolvimento dos seus praticantes em fases que são percorridas desde a
iniciação até o profissionalismo. Com isso, o processo de iniciação esportiva pode
ser dividido em fases I, II e III. Cada uma dessas fases possui características e
objetivos específicos a serem trabalhados, respeitando-se idade biológica e o
desenvolvimento motor.

Dos 7 aos 10 anos de idade, a criança encontra-se na fase de iniciação esportiva I,


que deverá ser de caráter lúdico, alegre e participativo oportunizando o ensino de
técnicas esportivas a fim de estimular o pensamento tático. Brincadeiras variadas e
mini jogos podem colaborar para desenvolver nas crianças algumas habilidades
básicas para futuras especializações, como agilidade, mobilidade, equilíbrio e ritmo,
e também capacidades físicas como coordenação, velocidade e flexibilidade.

Deve-se evitar a preocupação com os erros de execução do gesto técnico, pois cada
execução diferente de movimento em relação ao padrão técnico deve ser tolerada,
deixando para as fases posteriores às exigências em relação à gestos motores
apurados.

As brincadeiras e os jogos na fase de iniciação esportiva I, objetivam à


aprendizagem da manipulação de bola e recepção, e no domínio corporal, o
equilíbrio, o ritmo, a agilidade e a mobilidade, dando início ao aperfeiçoamento das
capacidades físicas coordenação, à formação tática, flexibilidade e velocidade, que
constituem as bases para as fases de iniciação esportiva II e III.

Na fase de iniciação esportiva II, (aproximadamente dos 11 aos 13 anos) os jovens


vivenciam a aprendizagem das modalidades esportivas coletivas. Assim, acontece a
ampliação do acervo motor do sujeito por meio de diversas atividades variadas,
porém, não é momento de ocorrer a especialização de nenhum esporte.

Na ultima fase, denominada iniciação esportiva III, (aproximadamente dos 14 aos


15 anos) busca-se trabalhar com os adolescentes a automatização e o refinamento
do gesto motor aprendido nas fases anteriores, além da aprendizagem de novos
movimentos. O principal objetivo nessa fase é que ele consiga executar no
subconsciente, de forma automatizada e com menor gasto energético, todas as
conquistas que ocorreram de forma consciente e com um enorme gasto de energia
na etapa anterior (Oliveira, 2002).

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
99
Mini voleibol

O mini vôlei é uma metodologia simples e ajustada às necessidades das crianças


para a aprendizagem do voleibol e praticado por equipes com menos de seis
jogadores em cada time. É o resultado de reflexões didáticas onde as ações
complexas e refinadas do jogo formal se transformam em ações simplificadas
(Gotsch, 1991).

Seu lançamento se deu a partir de 1975, quando em um congresso realizado na


Suécia, pela Federação Internacional de Volley-Ball (FIVB), especialistas se
reuniram com a finalidade de elaborar estratégias para facilitar o aprendizado do
esporte, de forma que um maior número de jovens viesse a praticar a modalidade.

A intuito era criar um método que utilizasse mini jogos como fator motivacional e
que conseguisse utilizar espaços menores do que os do jogo convencional, para que
os jogadores tocassem na bola diversas vezes, participando das ações de forma
mais efetiva percorrendo distâncias mais adequadas para seu grau de
desenvolvimento, além de proporcionar uma transição positiva para o jogo formal.

Entre as principais características do mini voleibol estão à redução do tamanho da


quadra de jogo e as possibilidades de ser adaptado em espaços reduzidos. Pode ser
praticado 1x1, 2x2, 3x3 ou 4x4. Utilizando-se bolas de menor circunferência e mais
leves, como as de borracha ou de plástico que se adaptam as mãos e a força das
crianças, e a rede deve ser posicionada a uma altura mais baixa do que a do jogo
formal (Gotsch, 1991.; Baacke, 1989).

O mini voleibol busca facilitar o aprendizado do voleibol, reduzindo os movimentos


complexos que são particularidades da modalidade a gestos simples, fazendo com
que o aprendiz simpatize mais depressa ao esporte. Além disso, é indicado como
forma de lazer e iniciação para jovens e adultos que começam a jogar tardiamente
e como treinamento para atletas e jogadores mais avançados (Maciel, 2011).

Pode ser dividido em 4 fases, em que cada uma delas expõe uma habilidade
particular do voleibol que precisa ser bem desenvolvida para se passar à fase
seguinte.

Base para o mini voleibol (7 – 8 anos)

Nesta fase a criança precisa familiarizar-se com a bola, a quadra e a rede. Deve
conseguir lançar diferentes tipos de bolas (plástico, borracha, vôlei), segurar,
arremessar e lançar a bola para si mesmo e através de toque para a quadra
adversária, aprender posturas básicas de movimentação na quadra e praticar
diferentes tipos de pequenos jogos para desenvolver qualidades físicas como
velocidade, agilidade e força. Nesta fase o jogo o jogo deve ser de preferência 1x1.
Campo de Jogo: (+ / – ) 4x2 metros. Altura da rede (ou corda): 2,00 metros.

Introdução ao mini voleibol (9 – 10 anos)

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
100
Ocorrida a fase de familiarização com a bola, o aprendiz já pode começar a
preparar-se para a manchete, o toque e o saque por baixo, possibilitando um jogo
simples 2x2. O principal objetivo é lançar a bola sobre a rede. Quem recebe a bola
realiza o passe para o companheiro, que logo executa o levantamento cooperando
com o parceiro que em seguida ataca em toque com salto. Deve ser ressaltada
também a leitura dos adversários, posicionamento, bem como contínua ampliação
da preparação física básica, através de movimentos rápidos em direção a bola e
deslocamentos de diferentes formas. Jogo preferencialmente 2x2. Campo de Jogo:
6 x 3 metros. Altura da rede (ou corda): 2,00 metros.

Mini voleibol - sem regras (11 – 13 anos)

Durante esta fase, o objetivo do trabalho é o alcance dos gestos técnicos básicos:
saque por baixo, manchete, toque e ataque em toque. Procura-se o
aperfeiçoamento da manchete para uma possível situação de defesa e para a
recepção do saque. Na preparação física, se introduz os saltos, agilidade e
flexibilidade, favorecendo o processo de aprendizagem do bloqueio e do ataque.
Nesta fase o mini jogo pode ser 3x3, sem se atentar as regras, o senso de
coletividade é a principal intenção. Coloca-se o ataque com e sem salto,
aperfeiçoamento do levantamento, diferentes variações de ataque e de habilidades
de defesa com queda, com contínua preparação física. Jogo preferencialmente 3x3.
Campo de Jogo: 9 x 4,5 metros. Altura da rede (ou corda): 2,10 metros.

Mini voleibol (14 anos e acima)

Iniciação da defesa e do bloqueio, melhora das habilidades técnicas e táticas.


Aperfeiçoamento em todos os fundamentos, novas variações e aprender o saque
tipo tênis. Continuação da preparação física geral e o aprimoramento de todas as
habilidades referentes aos fundamentos.

Pode-se fazer exercícios básicos de tática, como passe e primeiro ataque;


recuperação da bola e contra-ataque; cobertura das jogadas e dos espaços vazios.
Campo de jogo: 12 x 6 metros. Altura da rede (ou corda): 2,10 metros. Após esta
etapa inicia-se então o jogo formal 6x6 (Junior, 2007).

Todas as medidas podem ser feitas de acordo com o local para a prática, podendo
ser adaptadas à realidade de cada local e a necessidade para um melhor
aprendizado.

3.Discussão

A inserção de crianças em modalidades esportivas que são delimitadas por regras


deve obedecer um planejamento criterioso e coerente, para que seja coroada com
êxito. Desde que sejam respeitados os limites impostos pelo estágio de
desenvolvimento em que se localiza o aprendiz, a prática esportiva pode apresentar
formidáveis benefícios físicos, motores, psicológicos e sociais, dentre outros, no
processo maturacional.
Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017
Edição Temática em Saúde e Bem-estar
101
Ao se propor um programa destinado à iniciação esportiva, o profissional deve se
atentar em explorar as habilidades motoras essenciais à modalidade, promover o
alcance dos recursos técnicos que compõem estas habilidades e escolher técnicas
aplicáveis às situações de jogo.

O mini voleibol se encaixa em uma vertente de aprendizado que alguns autores


relatam ser lúdica e, que permite ao jovem aprender uma modalidade complicada
de uma forma recreativa e prazerosa. Ele pode fazer com que o aprendiz assimile
as técnicas do voleibol de acordo com a lógica do próprio esporte e não como é
ensinado atualmente através do exercício de técnicas isoladas, com bola e quadra
de dimensões oficiais, para iniciantes de todas as idades, o que pode tornar o jogo
pouco motivante (Maciel, 2011).

O mini voleibol pode ser um excelente método para introduzir o jogo e aprender os
fundamentos. Através dos mini jogos, as distâncias que cada jogador terá de cobrir
serão menores e ele toca na bola diversas vezes durante a partida. Além da sua
importância pedagógica, o jogo da a chance de desenvolver o interesse pelo
esporte e levar as crianças a descobrir e apreciar este tipo de jogo por toda a vida,
jogadores ou espectadores (Ripka, 2009).

É preciso que o aprendiz tenha constante entendimento da modalidade que está


sendo trabalhada, aqui o voleibol, demonstrando que ele compreenda a
necessidade da cooperação entre os companheiros de jogo; possibilitando resolver
os problemas exigidos pela modalidade (Sanches, 2013).

Esta metodologia de ensino que pode auxiliar no processo de aprendizagem do


voleibol para crianças. Esta sugestão apresenta alguns benefícios, como a facilidade
de adequação de local e de materiais, envolvimento de um grande número de
alunos nas aulas, o fato do aluno ter maior contato com a bola durante o jogo,
possibilidade de trabalhar com turmas mistas e com grau de desenvolvimento
diferente, flexibilização das regras, entre outras (Maciel, 2011).

O jogo, sempre que possível, deve estar presente nas sessões de prática esportiva,
já que o mesmo é um simplificador, pois possibilita a simulação lúdica da realidade
e estimula respostas criativas (individuais e coletivas). Além disso, estimula à
motivação, a participação e a alegria, a cooperação e as construções para o jogo e
para a vida. Também, aperfeiçoa o entendimento da lógica técnico-tática nos jogos
coletivos, permite a vivência de aspectos físicos, técnicos e táticos, proporciona
gosto pela prática e é imprevisível e desafiador (Gallahue, 2005).

No jogo aparecem constantemente problemas, que estimulam respostas criativas


individuais e coletivas, o que facilita a cooperação e importantes construções para o
futuro jogador e cidadão. Permite ainda ao indivíduo, compreender a complexidade
dos jogos coletivos de forma autônoma, inclusiva e diversificada. O ensino pelo
jogo é muito dinâmico, pois permite uma série de adequações e intermináveis
experiências de acordo com os objetivos traçados com a modificação, adaptação e
alteração de regras, do espaço, do número e da atuação dos jogadores, das
especificações dos materiais (dimensões, textura, oficiais e não oficiais), do tempo,
Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017
Edição Temática em Saúde e Bem-estar
102
do número de materiais (variação do número de bolas), das ações (restringir ou
favorecer determinadas ações do jogo), e da emoção e envolvimento dos
participantes (Tani, 2006.; Paes, 2005.; Teodorescu, 1984).

4.Conclusão

Desta forma, a partir da adesão da criança ao mini voleibol necessitamos


considerar que toda a oportunidade de desenvolvimento do seu acervo motor deve
ser explorada completamente. Tal medida favorecerá a criação de um repertório
motor amplo, que será capaz de servir como alicerce para um futuro uso no
esporte, contribuindo assim para a formação de um jogador mais completo.

Assim, entendemos que seria interessante utilizar estratégias como a valorização


dos profissionais que nele atuam, criação de competições sistemáticas, seguindo a
um planejamento prévio, escolinhas que utilizem o mini voleibol como método de
inserção para crianças, entre outras. Estas medidas podem ser importantes aliadas
para a maior prática do mini voleibol, contribuindo consequentemente, para o
surgimento de novos valores para o esporte.

Esclarecidos de que a prática do mini voleibol pode ser um instrumento de inclusão


de atletas ao alto rendimento, encerra-se ressaltando a importância da pratica
como instrumento de apresentação e disseminação do esporte para as crianças e
jovens.

5.Referências

BAACKE, H. Mini-volleyball. In: Federation Internationale de Volleyball, Coaches


Manual I, Lausanne, 1989.

BENETTI, G.; SCHNEIDER, P.; MEYER, F. Os benefícios do esporte e a


importância da treinabilidade da força muscular de pré-puberes atletas de
voleibol. Revista Brasileira de Cineantropometria e desempenho Humano, v. 7, n.
2, p. 87/93, 2005

BIZZOCHI, C. O voleibol de alto nível: da iniciação à competição. Barueri:


Manole, 2013.

GALLAHUE, D. L.; OZMUN, J.C. Compreendendo o desenvolvimento motor:


bebês, crianças, adolescentes e adultos. 3.ed. São Paulo: Phorte, 2005.

GALLAHUE, D. L. Compreendendo o desenvolvimento motor – bebês,


crianças, adolescentes e adultos, 7. ed. Porto Alegre: AMGH, 2013.

GOTSCH, W. Minivoleibol. Editora Stadium S. R. L, 1991.

JUNIOR, P. K. Q.; et al. Proposta metodológica para o mini voleibol: uma


Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017
Edição Temática em Saúde e Bem-estar
103
estratégia para iniciação esportiva de crianças. Revista digital, Ano 12, N°
110, Buenos Aires. Julho de 2007. Disponível em <
http://www.efdeportes.com/efd110/proposta-metodologica-para-o-mini-
voleibol.htm > Acesso em Outubro de 2016.

MACIEL, R. N. Mini-voleibol como estratégia de ensino do voleibol. Revista


Perspectivas online, Vol. 5, Num.17, 2011.

MARCHI JÚNIOR, W. “Sacando” o voleibol: do amadorismo à


espetacularização da modalidade no Brasil (1970-2000). Campinas: 2001.
267 f. Tese (Doutorado em Educação Física) – Faculdade de Educação Física,
Universidade Estadual de Campinas. Disponível em: <
http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=vtls000237846> acesso
em Outubro de 2016.
MATTHLESEN, S. Q. Um estudo sobre o voleibol: em busca de elementos
para sua compreensão. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Florianópolis:
CBCE, vol. 15, nº 2, p.194-199, 1994.

MEZZAROBA, C.; PIRES, G. L. Breve panorama histórico do voleibol: do seu


surgimento à espetacularização esportiva. Atividade Física Lazer & Qualidade
de Vida. Revista de Educação Física, Manaus, v.2, n.2, p.3-19, jul./dez. 2011.

MORALES, A. P.; AZEVEDO, M. M. A.; MACIEL R. N.; BARCELOS, J. L.; ARÊAS


NETO, N. T.; SILVA, V. F. Eficácia do processamento mental em jogadores
de voleibol com níveis metacognitivos diferenciados. Revista da Educação
Física. ,v. 20, p.43 - 50, 2009.

MULLER, A. J. Voleibol: Desenvolvimento de jogadores. Florianópolis. Visual


Books. 2009.

OLIVEIRA, T. P.; SANTOS, A. M. C.; ANDRADE, M. C.; AVILA A. O. V.


Controle postural de crianças praticantes e não praticantes de atividade
física regular. Revista Brasileira de Biomecânica; 9(16): 41-6, 2008.

OLIVEIRA, V. O processo de ensino dos jogos desportivos coletivos: um


estudo acerca do basquetebol. Campinas: Universidade Estadual de
Campinas,2002. Disponível em:
http://www.pedagogiadobasquete.com.br/tese/mestra.pdf. Acesso em: Setembro
de 2016.

PAES, R. R. Educação física escolar: o esporte como conteúdo pedagógico


do ensino fundamental. Canoas: Ed. Ulbra, 2001.

PAES, R. R.; BALBINO, H. F. Pedagogia do esporte: conceitos e


perspectivas. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005.

PAPALIA, D.; OLDS, S. W. Desenvolvimento Humano. Porto Alegre: Artes


Médicas Sul, 2000.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
104
RIPKA, W. L.; MASCARENHAS, L. P. G.; HRECZUCK, D. V.; LUZ T. G. R.;
AFONSO CA. Estudo comparativo da performance motora entre crianças
praticantes e não-praticantes de minivoleibol. Fitness e Performance Journal,
v. 8, n. 6, p. 412-416, nov/dez 2009. Acesso em: <
http://www.fpjournal.org.br/painel/arquivos/238604_Mini_volleyball_Rev6_2009_P
ortugues.pdf > acesso em Setembro de 2016.

SANCHES, W. R. Minivoleibol Uma Estratégia Para Iniciação No Voleibol:


Métodos Técnicos E Práticos. 2014. 42 de folhas. Monografia (Especialização em
Educação: Métodos e Técnicas de Ensino). Universidade Tecnológica Federal do
Paraná, Medianeira, 2013.

TANI, G.; BENTO, J. O.; PETERSEN, R. D. S. Pedagogia do desporto. Rio de


Janeiro: Guanabara Koogan, 2006.

TEODORESCU, L. Problemas de teoria e metodologia nos jogos desportivos.


Lisboa: Livros Horizonte, 1984.

WILLRICH, A. AZEVEDO, C. F.; FERNANDES, O. J.; Desenvolvimento motor


na infância: influência dos fatores de risco e programas de intervenção.
Revista de Neurociências, v. InPres, p. 1, 2008. Disponível em <
http://services.epm.br/dneuro/neurociencias/226_revisao.pdf > acesso em
setembro de 2016.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
105
O Paradoxo da saúde pública: a prática de exercícios físicos e a
poluição atmosférica

The public health paradox: physical exercise and air pollution


Nayla Aparecida Alves de Araujo, João Paulo Correia Gomes; Silvia Fazzolari Corrêa,
Everton Crivoi do Carmo
Centro Universitário Senac – Santo Amaro
Grupo de Saúde e Bem-Estar; Bacharelado em Educação Física

nayla_ap@hotmail.com;joao.pcgomes@sp.senac.br;silvia.fcorrea@sp.senac.br;
everton.ccarmo@sp.senac.br

Resumo. A prática regular de exercícios físicos tem sido fortemente recomendada para a
melhora da saúde e qualidade de vida da população. Existem atualmente grandes
incentivos do poder público para a realização de atividades físicas, como a implantação
de praças de exercícios e o aumento da quilometragem de ciclovias. No entanto, grande
parte dos locais públicos destinados à prática de atividades físicas são áreas abertas e,
principalmente no município de São Paulo, sujeitas a altos níveis de poluição
atmosférica, o que pode ser um problema. Deste modo, fica a indagação: quanto do
benefício na saúde advindo da prática regular de exercícios físicos é perdido em razão da
poluição atmosférica?

Palavras-chave: poluição; atividade física; ambiente, saúde.

Abstract. Regular physical exercises have been recommended to health and quality of
life to the population. Nowadays, there are several governmental strategies to stimulate
the regular physical activities such exercise equipment in public squares and increasing
in bike paths mileage. However, most of these public places are at outdoors areas and,
mainly in São Paulo city, exposed to high level of air pollution, which may be a problem.
Thus, the question is: how much of the health benefits induced by regular physical
activity is lost due the air pollution?
Keywords: air pollution; physical activity; environment, health.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística

Edição Temática em Saúde e Bem estar


Vol. 6 no 5 – Abril de 2017, São Paulo: Centro Universitário Senac
ISSN 2179-474X

Portal da revista: http://www1.sp.senac.br/hotsites/blogs/revistainiciacao/


E-mail: revistaic@sp.senac.br

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial-SemDerivações 4.0
Internacional
106
1. O problema
Desde a segunda metade do século XX tem-se observado o crescimento no
número de casos de pessoas acometidas pelas doenças crônicas não transmissíveis
(DCNTs), como as doenças do aparelho circulatório, diabetes, obesidade, dislipidemia,
entre outras. Uma das principais causas para esse crecimento está relacionada ao
estilo de vida da população, com destaque para o sedentarismo, um dos principais
fatores de risco para as DCNTs. Uma vez que o sedentárismo é um fator de risco
modificável e passível de gerenciamento, esse problema seria aparentemente fácil de
ser resolvido. Entretanto, a simples informação sobre o risco do comportamento
sedentário vem se mostrando insuficiente na promoção de mudanças sustentáveis de
comportamento e estilo de vida (BARRETO et al., 2005). Nesse sentido, políticas
públicas a fim de promover o maior acesso da população a prática de exercícios físicos
vem sendo adotadas para a redução do sedentarismo.
Especificamente no município de São Paulo há diferentes propostas para a
promoção de exercícios físicos, entre elas a diponibilização de equipamentos de
ginástica em praças públicas (PORTAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA, s.d.) e a implantação
das ciclovias e ciclo faixas de lazer (SÃO PAULO, Prefeitura, 2014), as quais, além de
serem uma importante alternativa para a mobilidade urbana, também promovem um
estilo de vida mais ativo (MALATESTA, 2012). Por outro lado, a maior parte dos
equipamentos públicos são em ambientes abertos e sujeitos às condições atmosféricas
locais. Consequentemente, quando pensamos na cidade de São Paulo, os
frequentadores desses locais são expostas a altos níveis de poluição.
Estudos têm evidenciado os malefícios da poluição atmosférica à saúde,
relacionando sobretudo os níveis de material particulado (MP 2,5 e 10) e ozônio (O3)
aos índices de morbidade e mortalidade em consequência de doenças
cardiorrespiratórias (KÜNZLI et al., 2000; GOUVEIA et al., 2003; TOLEDO &
NARDOCCI, 2011). Segundo estimativas da Organização Mundial da Saúde (2014),
cerca de sete milhões de pessoas em todo o mundo tiveram morte prematura
relacionada à poluição atmosférica. Nesse sentido, a prática de exercícios, a qual
aumenta a demanda do sistema cardiorrespiratório, em ambientes poluídos poderia
agravar ainda mais esse quadro.
No Brasil, alguns estudos exploraram essa temática, entre eles, Déa Jr (2003)
verificou diferenças significantes em indicadores de saúde em pessoas expostas a
poluição atmosférica durante a prática de exercícios físicos em um parque na cidade
de São Paulo. Arbex et al. (2012) observaram redução da função pulmonar a longo
prazo em pessoas que praticavam exercícios em ambientes poluídos. No entano,
Santos (2010) realizou um levantamento bibliográfico sobre a questão e constatou a
pequena representatividade destas pesquisas, sendo necessários maiores estudos
sobre a temática.
Dessa forma, o cenário atual nos mostra uma condição complexa em que ao
mesmo tempo que se observa o aumento de equipamentos públicos para a prática de
exercícios físicos, esses são em ambientes abertos, expondo os seus usuários aos altos
níveis de poluição da cidade de São Paulo. Com isso, surge a seguinte questão:
quanto dos benefícios a saúde advindos da prática regular de exercícios físicos poderia
ser perdido em razão da poluição atmosférica?
Buscando responder essa questão estamos desenvolvendo o projeto de
pesquisa intitulado “O meio ambiente e o esporte”. O projeto tem como objetivo
verificar os efeitos da prática de exercícios físicos ao ar livre e em horários de maior
poulição na região de Santo Amaro na cidade de São Paulo. Em um primeiro momento
mostraremos o mapeamento dos equipamentos públicos localizados no subdistrito de
Santo Amaro e os índices de qualidade do ar monitorados pela Companhia de
Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb) durante o ano de 2015.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
107
2. Os equipamentos públicos no subdistrito de Santo Amaro
Foram mapeadas as áreas destinadas a práticas de exercícios físicos localizadas
no subdistrito de Santo Amaro, região sul da cidade de São Paulo. O subdistrito de
Santo Amaro é composto pelos bairros de Campo Grande, Campo Belo e Santo Amaro,
totalizando uma área total de 37,50 km² e com cerca de 6350 habitantes por km².
Foram listadas as Academias de Saúde, os Clubes Escolas, as áreas de ciclovia
e os parques e/ou praças em que tenham sido colocados equipamentos para a prática
de exercícios físicos. A região conta com dois parques, e dez equipamentos públicos
destinados ao lazer e exercício físico. A Figura 1 demonstra a localização desses
equipamentos públicos.

Figura 1: Mapa topográfico da Região de Santo Amaro. Fonte: Google Maps, 2015. =
equipamentos públicos administrados pela subprefeitura de Santo Amaro; = Clubes da

Comunidade (CDC´s); = Campos de futebol; = Clubes Escola.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
108
Na Figura 2 podemos observar a estrutura cicloviária na região da subprefeitura de Santo
Amaro.

Figura 2: Estrutura Cicloviária (Fonte: Google Maps, 2015). 1 = Ciclovia do Rio Pinheiros (21,5
km); 2 - Ciclovia Chácara Santo Antônio - trecho 1 ( 2,4 km); 3 - Ciclovia Chácara Santo Antônio
- trecho 2 (0,8 km); 4 - Ciclovia Visconde de Taunay (1,0 km); 5 - Ciclovia Jardim Cordeiro (0,9
km); 6 - Ciclorrota Brooklin (16,8 km)

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
109
O mapa georreferenciado dos parques da região de Santo Amaro pode ser observado na Figura
3.

Figura 3: Mapa Georreferenciado das áreas ambientais de São Paulo. Fonte: Atlas Ambiental do
Município de São Paulo (2012). Em destaque (circulo amarelo) o Parque Severo Gomes.

3. Os níveis de qualidade do ar
Diante do crescimento urbano, industrial e automobilístico é importante que se
analise a qualidade ambiental a qual a população está inserida. Dessa forma, foram
verificadas as duas redes de monitoramento de ar da Cetesb localizadas no subdistrito
de Santo Amaro, sendo uma no bairro de Campo Grande e a outra em Santo Amaro.
As análises compreenderam verificar dados máximos mensais da qualidade do ar,
considerando-se os parâmetros do O3 (Figura 4A) e MP (Figura 4B), no período de
janeiro a outubro de 2015.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
110
Figura 4: Dados máximos mensais do Ozônio (A) e Material Particulado (B), no período de
janeiro a outubro de 2015. Fonte: Cetesb (2015).

Durante o período analisado verificou-se a partir dos valores máximos, que


dentre a estrutura de índice de qualidade do ar proposto pela Cetesb, a qualidade foi
de moderada a muito ruim. Foram verificados altos níveis de O3 e MP, ultrapassando
os níveis aceitáveis pela CETESB, para todo o período analisado, sendo observados
níveis classificados como “ruim” e “muito ruim” nas concentrações de MP, enquanto
que os níveis de O3 foram classificados como “ruim”, “muito ruim” e “péssimo”. Dentro
desse período, podemos destacar o mês de outubro como o mês com piores índices de
O3 e MP.
Conforme o Relatório Anual da Cetesb, os índices do MP no mês de outubro de
2015 estão relacionados aos níveis de precipitação pluviométrica baixa, alcançando
apenas 50% do esperado para a época do ano. Ainda assim, os níveis de MP
obtiveram “melhora” na dispersão, por conta de programas e incentivos em relação à
emissão dos poluentes veiculares. Adicionalmente, de acordo com a CETESB (2015) o
O3 apresenta distribuição diferenciada em relação aos poluentes primários. Sua
formação depende de reações fotoquímicas dependentes da radiação solar, sendo as
maiores concentrações observadas nos meses de janeiro a março e outubro a
dezembro.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
111
4. Considerações e etapas futuras
Com base no levantamento apresentado, pode-se supor a baixa qualidade de
ar nas áreas destinadas a práticas de atividades físicas na região da subprefeitura de
Santo Amaro. Ironicamente, o ar como sendo um dos elementos indispensáveis ao
homem e sua qualidade de vida, tem se tornado um grande inimigo devido às altas
taxas de poluentes dos quais diariamente são inalados, por conta da dispersão de
poluentes por veículos, processos industriais, queimadas, entre outros. Dessa forma,
além de disponibilizar espaços para a prática de exercícios, é necessário propiciar
ambientes sadios que remetam a qualidade de vida da população. .
A preocupação com a saúde de esportistas ou praticantes de exercícios físicos
expostos a poluentes atmosféricos é recente e carece ainda de maior investigação.
Portanto uma análise mais aprofundada está sendo desenvolvida, a fim de se obter
interpretações das reações fisiológicas frente à exposição à poluição do ar durante a
prática de exercícios físicos e, quem sabe responder ao menos em parte o nosso
questionamento: quanto dos benefícios à saúde advindos da prática de exercícios
físicos é perdido em razão da poluição atmosférica?

Referências
ARBEX, M. A. et al. A poluição do ar e o sistema respiratório. Jornal
Brasileiro de Pneumologia. 2012, vol.38, n.5, pp.643-655.
BARRETO, S. M. et al. Análise da Estratégia Global para Alimentação, Atividade Física e
Saúde, da Organização Mundial da Saúde. Epidemiologia e Serviços de Saúde 14(1):
41-68, 2005.
CETESB. Padrões de qualidade do ar. Disponível em
<http://ar.cetesb.sp.gov.br/padroes-de-qualidade-do-ar/ > Acessado em
Outubro de 2015.
______. Consultas e relatórios do QUALAR. Disponível em <
http://ar.cetesb.sp.gov.br/qualar/> Acessado em Novembro de 2015.
DEA JR.; DALLA, I. Avaliação da Frequência Cardíaca, da Pressão Arterial
e do Volume Expiratório Forçado no Primeiro Segundo (VEF1), Pré e Pós
Atividade Física Aeróbia, num Grupo de Indivíduos Expostos à Poluição
Atmosférica no Parque do Ibirapuera em São Paulo, SP. Dissertação de
Mestrado, Faculdade de Saúde Pública, USP. São Paulo, 2003.
GOUVEIA, N. et al. Poluição do ar e efeitos na saúde nas populações de
duas grandes metrópoles brasileiras. Epidemiologia e Serviços de Saúde
.2003, vol.12, n.1, pp.29-40.
KÜNZLI, N. et al. Public-health impact of outdoor and traffic-related air
pollution: a European assessment. The Lancet. 2000, vol.356, pp.795-801.
MALATESTA, M.E. A história dos estudos de bicicletas na CET. Companhia
de Engenharia de Tráfego. Boletim Técnico 50. São Paulo, 2012.
ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (WORLD HEALTH ORGANIZATION). 2014.
7 million deaths annually linked to air pollution. News Release. Disponível
em <http://www.who.int/phe/health_topics/outdoorair/databases/en/>
Acessado em 2015.
PORTAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA (s.d.). Riscos e vantagens dos aparelhos de
ginástica em praças públicas. Disponível em
<http://www.educacaofisica.com.br/index.php/fitness/canais-

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
112
fitness/academias/23364-riscos-e-vantagens-dos-aparelhos-de-ginastica-em-
pracas-publicas > Acessado em 2015.
SANTOS, B.M. Poluição atmosférica e exercício físico em grandes centros
urbanos. Trabalho de Conclusão de Curso de Educação Física. Universidade
Federal do Rio Grande do Sul, 2010.
SÃO PAULO (Prefeitura) ATLAS AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SÃO
PAULO. Carta Imagem. São Paulo, 2002. Disponível em <
http://atlasambiental.prefeitura.sp.gov.br/pagina.php?id=20&B=mapas>
Acessado em 2015.
__________ Serviços para o cidadão. Disponível em
<http://www.capital.sp.gov.br/portal/secoes/cidadao> Acessado em 2015.
SÂO PAULO, Secretaria Executiva de Comunicação. 2014. São Paulo terá 400
quilômetros de ciclovias até o final de 2015. Disponível em
<http://www.capital.sp.gov.br/portal/noticia/3525> Acessado em 2015
TOLEDO, G.I.F.M.; NARDOCCI, A.C. Poluição veicular e saúde da
população: uma revisão sobre o município de São Paulo (SP), Brasil.
Revista Brasileira de Epidemiologia. 2011, vol.14, n.3, pp.445-454.

Iniciação - Revista de Iniciação Científica, Saúde e Bem-estar - Vol. 6 no 5 – Abril de 2017


Edição Temática em Saúde e Bem-estar
113