Você está na página 1de 4

TERMINOLOGIAS EM BUSCA DE

UMA IDENTIDADE
• Lélia Mendes de Vasconcellol
Maria Crlstlna Fernandes de Mello

A natureza deste trabalho é às práticas urbanas evidencia um elenco


reflexiva: propõe-se a uma agenda para de metáforas. Quais seriam essas? De
debates, posto que temos consciência onde surgiram?
das nossas limitações, frente à amplitude A busca da compreensão dos
da pesquisa necessária para a significados no tempo nos reportou a
abordagem do tema e da impossibilidade Foucault. Segundo o autor, na França
de esgotá-I o no espaço aqui proposto. da segunda metade do século XVIII, o
A variedade de terminologias aplicadas fenômeno da urbanização surgiu como
suporte para a medicina social. Razões
econômicas e políticas levaram à
necessidade da unificação do pode-
urbano, coerente e dependente de um
poder único e regulamentado (1979:86).
o prefixo RE começa a ser empregado nas
Lançou mão a classe burguesa de
novas definições. - renovação, reabilitação, um modelo de "intervenção" urbana-
revitalização, regeneração etc - termo esse metafórico - para atingir os
objetivos de controle do espaço: o
representando referências explícitas às modelo médico e político da quarentena,
preexistências. O RE é uma estratégia que o qual consistia num plano de urgência
a ser aplicado quando a peste ou outra
considera (oufinge considerar) a inclusão doença epidêmica violenta aparecesse.
do Tempo na análise do Espaço, sem Os procedimentos adotados
simultaneamente eram: confinamento,
contudo, explicitar um significado e uma
vigilância, registro centralizado,
metodologia para tal. Aparece aí o desinfecção e esquadrinhamento - o que
sugeria a origem da divisão em bairros.
modismo oportunista, as imprecisões de
A medicina urbana - expressão
definição e da própria metodologia a ser utilizada pelo referido autor - foi um
adotada. aperfeiçoamento da quarentena,
identificada em três grandes objetivos: (1)
anál ise dos lugares de "amontoamento",
confusão e perigo - surgiu, em 1780, o
cemitério com covas individualizadas; (2)
o controle e o estabelecimento da
circulação da água e do ar - o que veio a
justificar a necessidade de abrir largas
avenidas no espaço urbano, para "manter
o bom estado de saúde da população";
(3) organização dos diferentes elementos
• Professoras da Escola de Arquitetura da
necessários à vida comum da cidade
Universidade Federal Fluminense (UFF)
lemv@uol.com.br (esgotos, fontes, caves, cemitérios).
As políticas médicas urbanas, no século XVIII, "põem A Carta de Veneza (1964) amplia o conceito de
aprática médica diretamente em contato com ciências extra- monumento histórico: esse não mais é restrito a exemplos
médicas, fundamentalmente a química." (Ibid, 1979: 92). A isolados, mas estende-se a todo conjunto representativo,
medicina urbana não tratava dos corpos dos homens, mas mesmo modesto, testemunho de evoluções, civilizações ou
dascondições de vida e do meio de existência, surgindo o acontecimentos históricos. O continuum do tecido urbano
desenvolvimento da noção do meio - parece-nos estar aí a aparece como espaços merecedores de valorização. A "era
origem do conceito de meio ambiente. A medicina passou das demolições" começa a chegar ao fim. Surgem ações
da análise do meio à análise dos efeitos do meio sobre o integradas e simultâneas, visando à retomada de atividades
organismo e, finalmente, à análise do próprio organismo. econômicas, a recuperação física dos imóveis e a fixação
Foucault assinalou ainda a importância da noção de da população de origem no seu habitat . Embora nem
salubridade (Ibid: 92,93). sempre bem sucedida', essa atitude de reconhecimento das
Os procedimentos aplicados na medicina urbana pré-existências traz um novo conceito, amplamente difundido
serviram como instrumentos para as intervenções nas até os dias de hoje. Surge, conseqüentemente, um elenco
cidades desse tempo, consolidando-se no século XIX. Com de termos com significados semelhantes: valorização,
o aumento da população, a palavra de ordem era a revitalização e até o termo anteriormente mencionado:
higienização: surgiram os primeiros planos de renovação reabilitação.
urbana. O exemplo clássico foi o da reforma de Paris, Esse último, no sentido de origem, significa o
realizada por Haussmann (1851-1870), que organizou a restabelecimento dos direitos. Najurisprudência, é "a ação
cidade em arrondissements (bairros). Foram abertas largas de recuperar a estima e a consideração" (CHOAY, 1988:573).
avenidas, estendendo-se os limites do território urbanizado Segundo DIAZ-BERRIO e ORIVE (1974: 11), o termo
edestruindo-se grande parte da estrutura preexistente. No reabilitação vinha se consolidando até configurar-se como
Brasil, assim como outras capitais latino-americanas, um dos aspectos fundamentais da conservação e, no texto
exemplos semelhantes - guardadas as proporções de escala da Convenção da UNESCO de 1972, substitui praticamente
- são encontrados, como a reforma Passos no Rio de Janeiro o termo restauração, aplicado tanto em arquitetura como
(1903-1906), então capital do país. em urbanismo. CHOAY considera reabilitação uma
Segundo Choay e Merlin (1988:580), a crítica desse operação mais avançada do que simples melhorias no habitat.
modelo coloca-se no plano social, uma vez que ele desfaz o Menos custosa que a restauração, supõe trabalhos delicados,
laço dos habitantes da área "renovada", quando são que freqüentemente desencorajam as ações do poder público
removidos para outros lugares. Com relação à morfologia, (CHOAY,1988:573).
rompe brutalmente as características do tecido urbano A Carta de Lisboa apresenta o conceito de reabilitação
anterior e a relação de vizinhança. Essa atitude modelo é como estratégia de gestão urbana e induz à compreensão
própria das idéias modernistas, como as implícitas na Carta de seu significado como sinônimo de requalificação. A
de Atenas (CIAM, 1933) e reforçadas por Le Corbusier, 10 seguir, aproxima esse conceito da definição de revitalização.
anos depois, influenciando várias gerações de urbanistas, Tanto num como noutro caso, vem explícita a importância
as quais justificam a seleção de conjuntos arquitetônicos a de trazer novas atividades econômicas e, com elas, "dar
serem conservados ou demolidos. Curiosamente, a Carta nova vida" às áreas "decadentes" da cidade.2 Na redação
de Lisboa (outubro, 1995) define o conceito de renovação dos dois artigos, a diferença é o fato de o primeiro exigir a
para ser aplicado em tecidos urbanos "degradados", manutenção da identidade e das características, enquanto
demolindo-se estruturas morfológicas e tipológicas, para que o segundo admite que esse mesmo procedimento pode
substituí-Ias por tipologias arquitetônicas contemporâneas. ser adotado em zonas "com ou sem identidade". Em nenhum
Curiosamente ainda, essa definição está incluída ali como momento, porém, parece haver uma preocupação de definir
uma das técnicas utilizadas para reabilitação urbana. o significado de identidade - seria essa a qualidade de
Antes, porém, de discutir esse termo, é necessário idêntico? Ou a "relação de igualdade válida para todos os
retomar o período pós-guerra e refletir sobre as inovações valores das variáveis envolvidas"? (HOLANDA
ocorridas a partir da década de 1960. Após as reconstruções FERREIRA:738). Se for possível não encontrar identidades
das cidades européias, o surgimento de novas capitais, e características próprias de um lugar - como "dar nova
construídas de acordo com os preceitos de Corbusier vida" ao mesmo?
(Brasília, Chandigard), a construção das new towns inglesas A Carta Italiana deI Restauro (1972), nas instruções
e tantos outros exemplos, passou-se a rever os paradigmas para tutela dos centros históricos, define, como uma das
até então consagrados nos princípios ditados pelo urbanismo principais ações a reestruturação urbanística. Essa
modernista. aborda especialmente as relações, sobretudo do ponto de
vista funcional, t6cnológico e de uso, entre o território, a transmiti-Ia integralmente ao futuro ..." (Carta Italiana dei
cidade e o "centro histórico". Restauro 1972). Na Carta de Lisboa, dois graves equívocos
É possível localizar, nesse tempo, a origem dos planos contradizem procedimentos e instruções anteriormente
de estruturação urbana. Tomando como exemplo o Rio de estabelecidos. Quando admite "reposição da totalidade", isso
Janeiro, na década de 1980, esses planos atendiam a implica a criação de um falso histórico e, ainda, quando
reivindicações das comunidades quanto às questões seleciona "partes correspondentes aos momentos mais
especulativas, de uso, proteção ambiental e cultural, significativos de sua história", desconsidera, a priori, que
envolvendo o sistema viário e planos de massa em uma toda a duração de uma obra é a sua história. 5
escala de bairro.3 Ao refletir sobre os significados da terminologia
Em abril de 1998, ocorreu, no Rio de Janeiro, um evento analisada, é possível delinear algumas considerações.
realizado pelo British Council, denominado "Cidade 2000 Em primeiro lugar, é mister recuperar as hipóteses
- Regeneração Urbana para o Milênio", com um seminário apontadas por Foucault, no início deste trabalho, sobre a
e uma exposição de um grupo de arquitetos britânicos. Os medicina urbana. Os procedimentos utilizados, na prática
projetos expostos mostravam a produção recente desse país, do urbanismo, obedecem à mesma seqüência do tratamento
constando de complexos arquitetônicos e design de terapêutico então proposto: o isolamento (confinamento),
interiores, sempre colocando como uma nova forma de ou seja, o recorte do objeto de estudo, a anamnese (história),
recuperar ou "revitalizar" setores "deteriorados" nos centros a observação, o exame e a análise dos dados, o diagnóstico
urbanos. Ao ser perguntado a um dos arquitetos desse grupo e, finalmente, a aplicação do "remédio" ou terapia. Segundo
qual seria o significado da palavra regeneração e qual a SANTOS (1988:31), "É nesse período que se dá a evolução
diferença dessa para a revitalização, ele respondeu não modelarmente bem sucedida da medicina, alçada de parente
ter uma definição precisa sobre o seu significado, maldita das feitiçarias, a saber legitimado, conforme
acreditando que isso não passava de mais um modismo. demonstram Foucault (1972) e IIIich (1987) (...] Registra-
Esse termo também foi utilizado na reconstrução das docas se uma verdadeira 'corrida do ouro' científico ... " A
de Londres, onde grandes complexos arquitetônicos foram observação do autor corrobora a hipótese de que o método
edificados ao longo da década de 1980, sem nenhuma científico postulado pela medicina serve como paradigma
preocupação de continuidade com o tecido urbano para outros campos do conhecimento que se pretendem
remanescente. reconhecer como ciência, tais como o urbanismo e a
Vimos que a arquitetura estende-se da tradicional obra restauração do patrimônio.
isolada ao ambiente urbano, aberto, crescente e jamais Croce (ln: ABBAGNANO, 1988:55) chama de
completo. A discussão do ecossistema atinge, na década de anamnese o processo de conhecimento histórico e das fontes
1990, a questão do meio ambiente e o desenvolvimento da história, uma chamada à recordação.
sustentável (Carta do Rio, 1992), buscando-se uma coesão Quando a renovação urbana abre espaço para a
de conceitos universais relativos ao sistema ambienta\. Essa reabilitação (revitalização regeneração etc.), as práticas
compreensão rompe fronteiras territoriais e elabora definições urbanísticas, seguindo o método científico, incorporam essa
precisas, relativas à preservação e à conservação. análise inicial (anamnese), reconhecendo o valor da história
A preservação é uma ação global voltada para a na cidade e do homem como ser cultural, reconhecimentos
proteção de um bem cultural na sua totalidade, contra até então considerados desnecessários pelas ações das
qualquer dano ou degradação, através de instrumentos legais. "terras arrasadas".
No vocabulário do meio ambiente, a conservação é a Essa prática passa a ser identificada nas próprias
utilização racional de um bem, garantindo sua exploração terminologias que apontam para "voltar a" - refazer uma
econômica. Esse é um conceito cuja origem se reporta às relação temporal. O prefixo re começa a ser empregado
definições relativas ao patrimônio histórico. A conservação, nas novas definições, representando referências explícitas
no que se refere ao patrimônio, é um termo abrangente para às preexistências. O re é uma estratégia que considera (ou
definir tipos de medidas destinadas a manter ou restabelecer finge considerar) a inclusão do Tempo na análise do Espaço,
a "saúde" física de edifícios. Existem vários graus de sem, contudo, explicitar um significado e uma metodologia
intervenção conservativa, o mais leve é a manutenção para tal. Aparece aí o modismo oportunista, as imprecisões
preventiva e o mais sofisticado é a restauração.4 de definição e da própria metodologia a ser adotada.
A restauração é uma operação de caráter excepcional, Misturam-se os conceitos, pois esses foram transportados
aplicada somente em edifícios ou conjuntos particularmente de um campo de conhecimento para outro.
prestigiados. Obedece a rigorosos preceitos que visam a Concomitantemente, o poder público e as classes
"... colocar a obra em eficiência, facilitar sua leitura e dominantes colaboram para essa confusão, legitimando
novostennos, para manter o privilégio de definir que culturas
devemser selecionadas e valorizadas.
Afinal, qual é a cultura que vale mais? ABBAGNANO, Nicola 1982 Dicionário de Filosofia. São Paulo: editora
Mestre Jou
BERRIO, Salvador Díaz y ORIVE B., Olga 1974. Terminologia general en
materia de conservacion dei Patrimônio Cultural Prehispanico.
Mimeo. Roma: ICCROM
BRANDI, Cesare 1981 Teoria deI Restauro. Torino, Einaudi.
INão é preciso lembrar que grandes obras viárias ocorrem entre as décadas de
Carta da Reabilitação Urbana Integrada. 1995. Lisboa,
1950a 1970. em várias cidades, cuja atitude foi semelhante à dos planos de
renovação, ou seja, a destruição da morfologia urbana existente com remoção CESCHI, Carlo 1970 Teoria e storia dei Restauro. Roma: Buizoni.
dos moradores. CHOA Y, Françoise 1992 L'aIlégorie du Patrimoine. Paris: Seuil
1 Carta de Lisboa: "(b) reabilitação urbana - é uma estratégia de gestão CHOAY, Françoise e MERLlN, Pierre 1988 Dictionnaire de L'urbanisme et
urbana que procura requalificar a cidade existente através de intervenções
L 'Aménagement. Paris: Presses Universitaires de France
múltiplas destinadas a valorizar as potencialidades sociais, econômicas e
funcionais a fim de melhorar a qualidade de vida das populações residentes; FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Dicionário da Língua Por-
isso exige o melhoramento das condições físicas do parque construído pela tuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira
sua reabilitação e instalação de equipamentos, infra-estruturas, espaços FOUCAULT,Michel 1977 Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Graal
públicos, mantendo a identidade e as características da área da cidade a que
dizem respeito. (c) revitalização urbana - engloba operações destinadas a GUATTARI, Felix 1992 "Restauração da Cidade Subjetiva" in Caosmose. Rio
relançar a vida econômica e social de uma parte da cidade em decadência. de Janeiro: Editora 34
Esta noção, próxima da reabilitação urbana, aplica-se a todas as zonas da Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia 1995 Celltro Histórico
cidade sem ou com identidade e características marcadas." de Salvador, programa de recuperação. Salvador
PEU - Plano de Restruturação Urbana, Rio de Janeiro. CURY, Isabelle (coord) 1995 Cartas Patrimoniais Brasília: IPHAN/MINC
4 Na Carta de Veneza (1964), encontramos uma definição com significado
NEVES, Estela e TOSTES, André 1992 Meio Ambiente, a Lei em suas
amplo: "A conservação implica em uma atividade permanente"(artA) e "a
mãos. Petrópolis: Vozes
restauração é uma operação excepcional" (art.9), sendo a restauração um
caso limite de conservação (DlAZ BERRIO Y ORIVE,1974). Salvaguarda PORTAS, Nuno 1996 "Urbanismo e Sociedade: Construindo o Futuro", in
é qualquer providência conservativa que não implique a intervenção direta VASCONCELLOS E.M. e MACHADO, D.P (org.) Cidade e Imaginação.
sobre a obra, portanto bastante semelhante ao conceito de preservação. Rio de Janeiro: PROURB FAU/UFRJ
'São proibidas remoções ou demolições que cancelem a passagem da obra SANTOS, CarIos Nelson F. dos 1988 A Cidade como um Jogo de Cartas.
através do tempo, salvo limitadas alterações deturpantes (Carta dei Restauro São Paulo: EDUFF/Projeto ed.
1972, art 6, item 2)

Você também pode gostar