Você está na página 1de 60

ABNT/CB-03

PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426


FEVEREIRO:2010

Vocabulário eletrotécnico internacional – Parte 426: Equipamentos para


atmosferas explosivas

APRESENTAÇÃO
1) Este 1º Projeto de Revisão foi elaborado pela Comissão de Estudo sobre Graus de proteção de
invólucros (Código IP), invólucros pressurizados (Ex “p”), graus de proteção de máquinas elétricas
girantes, vocabulário para atmosferas explosivas, ambientes ou edificações protegidas por
pressurização, ventilação artificial para proteção de casa de analisadores e equipamentos não
elétricos para atmosferas explosivas (CE-03:031.05) do Comitê Brasileiro de Eletricidade
(ABNT/CB-03), nas reuniões de:

26.05.2009 16.06.2009 18.08.2009

18.09.2009 28.10.2009 25.11.2009

25.02.2010

2) Este 1º Projeto de Revisão é previsto para cancelar e substituir a edição anterior


(ABNT NBR IEC 60050-426:2002), quando aprovado, sendo que nesse ínterim a referida Norma
continua em vigor;

3) Previsto para ser equivalente à IEC 60050-426:Ed. 2.0 (2008);

4) Não tem valor normativo;

5) Aqueles que tiverem conhecimento de qualquer direito de patente devem apresentar esta
informação em seus comentários, com documentação comprobatória;

6) Este Projeto de Norma será diagramado conforme as regras de editoração da ABNT quando de
sua publicação como Norma Brasileira.

7) Tomaram parte na elaboração deste Projeto:

Participante Representante
CEPEL Jorge Carlos Lima Trindade
IME Ricardo Zanata
PETROBRAS Leandro Erthal
PETROBRAS Roberval Bulgarelli
PROYELCO Nicolás M. Minguez
TREXCON Alexandre Garcia
UZEDA ENGENHARIA E SEGURANÇA Rubens Drummond Uzeda

NÃO TEM VALOR NORMATIVO


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

Vocabulário eletrotécnico internacional – Parte 426: Equipamentos para


atmosferas explosivas

International electrotechnical vocabulary – Part 426: Equipment for explosive atmospheres

Palavras-chave: Atmosfera explosiva. Vocabulário. Equipamentos


Descriptors: Explosive atmosphere. Vocabulary. Equipment.

Sumário
Prefácio Nacional 2 
Introdução 2 
Princípios e regras adotadas 2 
1  Escopo 5 
2  Referências normativas 5 
3  Termos e definições 6 
Seção 426-01 – Termos gerais 6 
Seção 426-02 – Fenômenos físicos e químicos 7 
Seção 426-03 – Áreas e zonas 10 
Seção 426-04 – Construção de equipamentos elétricos (generalidades) 14 
Seção 426-05 – Ensaios de equipamentos elétricos 19 
Seção 426-06 – Invólucros à prova de explosão “d” 19 
Seção 426-07 – Enchimento em areia “q” 22 
Seção 426-08 – Segurança aumentada “e” 22 
Seção 426-09 – Pressurização “p” 24 
Seção 426-10 – Imersão em óleo “o” 27 
Seção 426-11 – Equipamentos elétricos intrinsecamente seguros e associados “i” 28 
Seção 426-12 – Encapsulamento “m” 33 
Seção 426-13 – Tipo de proteção “n” 34 
Seção 426-14 – Inspeção e manutenção 37 
Seção 426-15 – Reparo, revisão e recuperação 38 
Seção 426-16 – Proteção por invólucro para poeira “tD” 40 
Seção 426-17 – Proteção por pressurização (poeira) “pD” 40 
Seção 426-18 – Proteção por encapsulamento (poeira) “mD” 40 
Seção 426-19 – Proteção por segurança intrínseca (poeira) “iD” 40 
Seção 426-20 – Aquecimento por traceamento 40 
Bibliografia 45 
Índice 47 

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 1/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

Prefácio Nacional
A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o Foro Nacional de Normalização. As Normas
Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês Brasileiros (ABNT/CB), dos Organismos
de Normalização Setorial (ABNT/ONS) e das Comissões de Estudo Especiais (ABNT/CEE), são
elaboradas por Comissões de Estudo (CE), formadas por representantes dos setores envolvidos, delas
fazendo parte: produtores, consumidores e neutros (universidades, laboratórios e outros).

Os documentos Técnicos ABNT são elaborados conforme as regras das Diretivas ABNT, Parte 2.

Os Projetos de Norma Brasileira, elaborados no âmbito dos ABNT/CB e ABNT/ONS, circulam para
Consulta Nacional entre os associados da ABNT e demais interessados.

Esta Norma é uma adoção idêntica, em conteúdo técnico, estrutura e redação, à IEC 60050-426 –
Ed. 2.0 (2008), que foi preparada pelo Comitê Técnico TC 31 – Equipment for Explosive Atmospheres
da IEC, sob responsabilidade do TC 1 – Terminology, conforme ISO/IEC Guide 21-1:2005.

A aplicação desta Norma não dispensa o respeito aos regulamentos de órgãos públicos que os
equipamentos e as instalações devem satisfazer. Podem ser citadas como exemplos de regulamentos
de órgãos públicos as Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e Emprego e as Portarias
Ministeriais elaboradas pelo Inmetro contendo o Regulamento de Avaliação da Conformidade (RAC)
para equipamentos elétricos para atmosferas explosivas, nas condições de gases e vapores inflamáveis
e poeiras combustíveis.

O Escopo desta Norma Brasileira em inglês é o seguinte:

Scope

This part of ABNT NBR IEC 60050 defines terms specifically relevant to equipment for explosive
atmospheres.

Introdução
Princípios e regras adotadas

Generalidades

O IEV – Vocabulário Eletrotécnico Internacional (Série IEC 60050) é um vocabulário multilinguístico de


utilização geral abrangendo o campo da eletrotécnica, eletrônica e telecomunicações. O IEV contém
cerca de 18 000 artigos terminológicos, cada um correspondendo a um conceito. Estes artigos são
distribuídos em cerca de 80 partes, cada parte correspondendo a um determinado campo de aplicação.

Exemplos:

Parte 161 (IEC 60050-161): Compatibilidade eletromagnética

Parte 411 (IEC 60050-411): Máquinas elétricas girantes


NÃO TEM VALOR NORMATIVO 2/58
ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

Estes artigos terminológicos seguem um esquema de classificação hierárquica tipo


Parte/Seção/Conceito, sendo que os conceitos, dentro das seções são organizados numa ordem
sistemática.

Os termos, definições e notas nos artigos são apresentados em três idiomas da IEC, que são francês,
inglês e russo (principais idiomas do IEV).1)

Em cada artigo, os termos são também apresentados nos idiomas adicionais do IEV (árabe, chinês,
alemão, grego, espanhol, italiano, japonês, polonês, português e sueco).2)

Organização de um artigo terminológico

Cada um dos artigos corresponde a um conceito e compreende:

⎯ um artigo numérico,

⎯ possibilidade de uma letra símbolo para quantidade ou unidade,

⎯ o termo designando o conceito, denominado de “termo preferencial”, possivelmente acompanhado


por sinônimos e abreviações,

⎯ a definição do conceito,

⎯ possibilidade de fonte,

⎯ possibilidade de notas,

⎯ os termos propriamente ditos.

Número do artigo

O número do artigo é composto por três elementos, separados por hífens:

⎯ Número da parte: 3 dígitos,

⎯ Número da seção: 2 dígitos,

⎯ Número do conceito: 2 dígitos (00 à 99).

Exemplo: 131-13-22

1) NOTA DA TRADUÇÂO: Somente o idioma português é utilizado nesta Norma.


2) NOTA DA TRADUÇÂO: Esta Norma não apresenta os idiomas adicionais.

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 3/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

Letras símbolos para quantidades e unidades

Estes símbolos, que são independentes do idioma, são apresentados em uma linha separada, seguindo
o número do artigo.

Exemplo:

131-12-04

símb.: R

resistência

Termos preferenciais e sinônimos

O termo preferencial é o termo que intitula o artigo terminológico, o qual pode ser seguido por
sinônimos. O termo preferencial é apresentado em negrito.

Sinônimos:

Os sinônimos são apresentados em linhas separadas sob o termo preferencial: estes são também
apresentados em negrito, exceto para sinônimos não recomendados, os quais são apresentados com
estilo de fonte normal e seguidos pelo atributo “(não recomendado)”.

Partes que podem ser omitidas:

Algumas partes de um termo podem ser omitidas, tanto no campo sob consideração ou num contexto
apropriado. Tais partes são apresentadas em negrito e colocadas entre parênteses:

Exemplo: emissão (eletromagnética)

Ausência de um termo apropriado:

Quando não existe um termo adequado em um dado idioma, o termo preferencial é substituído por
cinco pontos, tal como “.....” (e desta forma não são apresentados sinônimos).

Atributos

Cada termo (ou sinônimo) pode ser seguido por atributos que fornecem informações adicionais e são
apresentados na mesma linha do termo correspondente, seguindo o mesmo.

Exemplos de atributos:

⎯ utilização específica do termo:

linha de transmissão (em sistemas elétricos de potência)

⎯ informação gramatical:

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 4/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

termoplástico, substantivo

CA, qualificativo

⎯ abreviatura:

EMC (abreviatura)

⎯ não recomendado: entupir (não recomendado)

Fonte

Em alguns casos, foi necessário incluir em algumas partes do IEV um conceito indicado em outra parte
do próprio IEV, ou de algum outro documento de terminologia mandatória (IVM-International Vocabulary
of Metrology, ISO/IEC 2382 etc.), em ambos os casos com ou sem modificações para a definição (e
possivelmente para o termo).

Isto é indicado pela menção desta fonte, impressa com estilo de fonte normal e posicionada entre
colchetes no final da definição.

Exemplo: [131-03-13 MOD]

(MOD indica que uma definição foi modificada)

Termos em idiomas adicionais aos do IEV

Estes termos são posicionados no final de cada artigo, em linhas separadas (uma linha para cada
idioma), precedido por um código de duas letras para o idioma definido na ISO 639 e em ordem
alfabética para este código. Sinônimos são separados por ponto e vírgula.3)

1 Escopo
Esta parte da ABNT NBR IEC 60050 define termos especificamente relacionados a equipamentos para
atmosferas explosivas.

2 Referências normativas
Os documentos relacionados a seguir são indispensáveis à aplicação deste documento. Para
referências datadas, aplicam-se somente as edições citadas. Para referências não datadas, aplicam-se
as edições mais recentes do referido documento (incluindo emendas).

3) NOTA DA TRADUÇÂO: Somente o idioma português é utilizado nesta Norma.

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 5/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

IEC 60079-1-1:2002, Electrical apparatus for explosive gas atmospheres – Part 1-1: Flameproof enclosures 'd' –
Method of test for ascertainment of maximum experimental safe gap

IEC 60079-6:1995, Electrical apparatus for explosive gas atmospheres – Part 6: Oil-immersion 'o'

ABNT NBR IEC 60079-11:2009, Atmosferas explosivas – Parte 11: Proteção de equipamento por segurança
intrínseca “i”

ABNT NBR IEC 60079-15:2007, Equipamentos elétricos para atmosferas explosivas – Parte 15: Construção,
ensaio e marcação de equipamentos elétricos com tipo de proteção “n”

IEC 60079-17:2002, Electrical apparatus for explosive gas atmospheres – Part 17: Inspection and maintenance of
electrical installations in hazardous areas (other than mines)

ABNT NBR IEC 60079-18:2007, Equipamentos elétricos para atmosferas explosivas – Parte 18: Construção,
ensaio e marcação do tipo de proteção para equipamentos elétricos encapsulado “m”

ABNT NBR IEC 60079-25:2009, Equipamentos elétricos para atmosferas explosivas – Parte 25: Sistemas
intrinsecamente seguros

IEC 60296:2003, Fluids for electrotechnical applications – Unused mineral insulating oils for transformers and
switchgear

IEC 60529:1989, Degrees of protection provided by enclosures (IP Code) Amendment 1 (1999)

ABNT NBR IEC 62013-2:2009, Lanternas para capacetes para utilização em minas sujeitas grisu – Parte 2:
Desempenho e outros requisitos relacionados com segurança

3 Termos e definições

Seção 426-01 – Termos gerais

426-01-01
equipamentos elétricos para atmosferas explosivas
equipamentos elétricos construídos de forma a não provocar a ignição de uma atmosfera explosiva ao
seu redor, sob condições específicas

426-01-02
tipo de proteção
conjunto de medidas específicas aplicadas aos equipamentos elétricos para evitar a ignição de uma
atmosfera explosiva ao seu redor

426-01-03
grupo do equipamento
sistema de classificação de equipamentos elétricos referente a uma atmosfera explosiva para o qual os
mesmos são destinados a serem utilizados

NOTA A ABNT NBR IEC 60079-0 define dois grupos de equipamentos:

Grupo I, equipamentos elétricos destinados para utilização em minas sujeitas a grisu.


NÃO TEM VALOR NORMATIVO 6/58
ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

Grupo II equipamentos elétricos para utilização em locais com uma atmosfera explosiva de gás ou vapor outra que
não minas susceptíveis ao grisu.

426-01-04
máxima temperatura de superfície
temperatura mais elevada que é atingida em serviço sob as condições mais adversas (porém dentro
das tolerâncias especificada pela norma do seu tipo de proteção) por qualquer parte ou superfície de
um equipamento elétrico em contato com uma atmosfera explosiva capaz de causar sua ignição.

NOTA As condições de operação mais adversas incluem sobrecargas e qualquer outra condição de falha
estabelecida na Norma específica para o tipo de proteção em questão.

426-01-05
classe de temperatura
sistema de classificação de equipamentos elétricos, baseado na sua máxima temperatura de superfície,
relacionada com a atmosfera explosiva específica para a qual o equipamento é destinado

426-01-06
atmosfera explosiva
mistura com o ar, sob condições atmosféricas, de substâncias inflamáveis ou combustíveis na forma de
gás, vapor, poeira, fibras ou partículas em suspensão, as quais, após a ignição, permite a propagação
auto-sustentada

426-01-07
atmosfera explosiva de gás ou vapor
mistura com o ar, sob condições atmosféricas, de substâncias inflamáveis na forma de gás ou vapor, as
quais, após a ignição, permite uma propagação auto-sustentada

426-01-08
atmosfera explosiva de poeira
mistura com o ar, sob condições atmosféricas, de substâncias combustíveis na forma de poeira, fibras
ou partículas em suspensão, as quais, após a ignição, permite uma propagação auto-sustentada

Seção 426-02 – Fenômenos físicos e químicos


426-02-01
temperatura de ignição de uma atmosfera explosiva de gás ou vapor
menor temperatura de uma superfície aquecida que, sob condições específicas, pode causar a ignição
de uma substância inflamável na forma de uma mistura de gás ou vapor com o ar

NOTA As condições específicas são apresentadas na IEC 60079-4.

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 7/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

426-02-05
mistura explosiva de ensaio
mistura explosiva especificada utilizada para o ensaio de equipamentos elétricos para atmosferas
explosivas de gás ou vapor

426-02-06
concentração de gás ou vapor com energia mínima de ignição
mistura que, sob condições especificadas, requer a menor energia elétrica para a sua ignição

426-02-07
mistura de maior pressão de referência
mistura que, sob condições especificadas, apresenta a maior pressão de explosão após uma ignição

426-02-08
mistura de maior velocidade de propagação
mistura, cuja chama, sob condições específicas, transmite mais facilmente uma ignição através de uma
junta

426-02-09
limite inferior de explosividade
LIE (abreviatura)
concentração de gás ou de vapor inflamável no ar, abaixo da qual uma atmosfera explosiva de gás ou
vapor não é susceptível de ser inflamada

426-02-10
limite superior de explosividade
LSE (abreviatura)
concentração de gás ou de vapor inflamável no ar, acima da qual uma atmosfera explosiva de gás ou
vapor não é susceptível de ser inflamada

426-02-11
máximo interstício experimental seguro
MESG (Maximum Experimental Safe Gap) (abreviatura)
máximo interstício de uma junta de 25 mm de comprimento que impede qualquer transmissão de uma
explosão durante 10 ensaios realizados sob condições especificadas na IEC 60079-1-1

426-02-12
corrente mínima de ignição
MIC (Minimum Ignition Current) (abreviatura)
corrente mínima capaz de causar a ignição de uma concentração de gás ou vapor em um equipamento
de centelhamento padrão sob condições especificadas,

NOTA A IEC 60079-1-1 padroniza o equipamento de centelhamento padrão.

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 8/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

426-02-13
explosão (de uma atmosfera explosiva)
elevação súbita da pressão e da temperatura devido a oxidação ou outra reação exotérmica

426-02-14
ponto de fulgor
menor temperatura de um líquido na qual, sob determinadas condições normalizadas, o líquido emana
vapores em quantidade tal que é capaz de formar uma mistura inflamável de vapor e ar porém com
combustão não sustentável

426-02-15
pré-compressão
resultado de uma ignição, em um compartimento ou subdivisão de um invólucro, de uma mistura pré-
comprimida de gás ou vapor, por exemplo, devido a uma ignição anterior em um outro compartimento
ou subdivisão

426-02-16
tensão mínima de ignição
tensão mínima de circuitos capacitivos capaz de causar a ignição de uma concentração de gás ou vapor
em um equipamento de centelhamento padrão sob condições especificadas

426-02-17
poeira
termo genérico incluindo as poeiras e partículas combustíveis em suspensão

426-02-18
poeira combustível
pequenas partículas sólidas, de tamanho nominal de 500 µm ou menor, que podem estar suspensas no
ar, que se depositam sob o efeito de seu próprio peso, e que podem queimar ou se incandescer no ar
em condições normais de temperatura e pressão

NOTA 1 Isto inclui poeira e partículas, de acordo com as definições da ISO 4225.

NOTA 2 O termo partículas sólidas é destinado a especificar partículas na fase sólida e não nas fases de gás,
vapor ou líquida, mas não exclui partículas ocas.

426-02-19
poeira condutiva
poeira combustível com resistividade elétrica igual ou menor que 103 Ω⋅m

NOTA A IEC 61241-2-2 contém o método de ensaio para a determinação da resistividade elétrica de poeiras.

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 9/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

426-02-20
temperatura mínima de ignição de uma camada de poeira
menor temperatura de uma superfície quente na qual ocorre a ignição de uma camada de poeira de
espessura especificada sobre esta superfície quente

426-02-21
temperatura mínima de ignição de uma nuvem de poeira
mínima temperatura da parede interna quente de um forno na qual ocorre a ignição de uma nuvem de
poeira no ar contida dentro do forno

426-02-22
mistura híbrida
mistura de substâncias inflamáveis em diferentes estados físicos, com o ar
NOTA Um exemplo de uma mistura híbrida é uma mistura de metano, poeira de carvão e ar.

426-02-23
substância pirofórica
substância que entra em combustão espontaneamente na exposição com o ar (por exemplo o fósforo)
ou com a água (por exemplo o potássio ou sódio)

426-02-24
grisu
mistura inflamável de gases que naturalmente ocorrem em uma mina subterrânea de carvão

NOTA Grisu consiste principalmente de gás metano, porém sempre contendo pequenas quantidades de outros
gases, tais como nitrogênio, dióxido de carbono e hidrogênio e, em alguns casos, etano e monóxido de carbono.
O termo grisu e metano são utilizados freqüentemente na prática em minas de carvão como sinônimos.

426-02-25
partículas em suspensão, combustíveis
partículas sólidas, incluindo fibras e partículas em suspensão, com tamanho nominal maior que 500 µm
que podem estar suspensas no ar e que podem assentar sob seu próprio peso

NOTA Exemplos de fibras e partículas em suspensão incluem rayon, algodão (incluindo refugo de algodão e
sobras de algodão), sisal, juta, cânhamo, fibra de cacau, estopa e sobras de paina.

Seção 426-03 – Áreas e zonas

426-03-01
área classificada

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 10/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

área na qual uma atmosfera explosiva está presente, ou sua presença é previsível, em quantidades tais
que requeiram precauções especiais para projeto, fabricação, instalação e utilização de equipamentos
elétricos

NOTA 1 A ABNT NBR IEC 60079-10-1 apresenta a classificação de áreas contendo atmosfera explosiva de gás
ou vapor (ver 426-03-03, 426-03-04 e 426-03-05).

NOTA 2 A ABNT NBR IEC 61241-10 apresenta a classificação de áreas contendo atmosferas de poeiras
combustíveis (ver 426-03-23, 426-03-24 e 426-03-25).

426-03-02
área não classificada
área na qual não é prevista a presença de uma atmosfera explosiva em quantidade tal que requeiram
precauções especiais para projeto, fabricação, instalação e utilização de equipamentos elétricos

426-03-03
zona 0
área na qual uma atmosfera explosiva de gás ou vapor está presente continuamente, por longos
períodos ou freqüentemente

426-03-04
zona 1
área na qual uma atmosfera explosiva de gás ou vapor pode estar presente eventualmente em
condições normais de operação

426-03-05
zona 2
área na qual uma atmosfera explosiva de gás ou vapor não é esperada ocorrer em operação normal,
porém, se ocorrer, permanece somente por um curto período de tempo

NOTA 1 Nesta definição, o termo “permanece” significa o tempo total para o qual pode existir a presença da
atmosfera explosiva. Isto normalmente inclui o tempo total de liberação, acrescido do tempo requerido para a
atmosfera explosiva dispersar, após a liberação ter cessado.

NOTA 2 Indicações de freqüência da ocorrência e duração podem ser obtidos em normas ou códigos
relacionados com indústrias ou aplicações específicas

426-03-06
fonte de liberação
um ponto ou local a partir do qual um gás, vapor ou líquido inflamável pode ser liberado para a
atmosfera de tal forma que uma atmosfera explosiva de gás ou vapor pode ser formada

NOTA A ABNT NBR IEC 60079-10-1 apresenta a classificação das fontes de liberação.

426-03-07

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 11/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

ventilação natural
movimentação do ar e sua renovação com ar limpo devido aos efeitos do vento e/ou gradientes de
temperatura

426-03-08
ventilação artificial geral
movimentação do ar e sua renovação com ar limpo através de meios artificiais, por exemplo
ventiladores aplicados numa área geral

426-03-09
ventilação artificial local
movimentação do ar e sua renovação com ar limpo através de meios artificiais aplicados numa fonte
particular de liberação ou numa área local

426-03-10
grau de liberação contínua
liberação que é prevista ocorrer continuamente, por longos períodos de tempo ou freqüentemente

426-03-11
grau de liberação primária
liberação que é prevista ocorrer eventualmente durante operação normal

426-03-12
grau de liberação secundária
liberação que não é prevista ocorrer em operação normal e, se ocorrer, provavelmente será somente de
forma ocasional e somente durante curtos períodos de tempo

426-03-13
taxa de liberação
quantidade de gás ou vapor inflamáveis emitidas por unidade de tempo a partir da fonte de liberação

426-03-14
ventilação
movimentação do ar e sua renovação com ar limpo devido aos efeitos do vento, gradientes de
temperatura ou meios artificiais (por exemplo ventiladores ou exaustores)

426-03-15
densidade relativa (de um gás ou de um vapor)
razão entre a densidade de um gás ou de um vapor e a densidade do ar na mesma temperatura e
pressão

NOTA A densidade relativa do ar é igual a 1.

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 12/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

426-03-16
material inflamável
material que é inflamável por si mesmo ou é capaz de produzir um gás ou vapor inflamável

426-03-17
líquido inflamável
líquido capaz de produzir um vapor inflamável sob quaisquer condições operacionais previstas

426-03-18
gás ou vapor inflamável
gás ou vapor que quando misturados com o ar, em certas proporções, formam uma atmosfera explosiva
de gás ou vapor

426-03-19
ponto de ebulição
temperatura de ebulição de um líquido na pressão ambiente de 101,3 kPa (1 013 mbar)

NOTA O ponto de ebulição inicial que convém ser utilizado numa mistura de líquidos é o ponto de ebulição
mais baixo entre os líquidos presentes, conforme determinado numa destilação sem fracionamento normalizada
de laboratório.

426-03-20
pressão de vapor
pressão exercida quando um sólido ou líquido está em equilíbrio com seu próprio vapor

NOTA Ela é uma função da substância e de sua temperatura.

426-03-21
extensão de zona
distância, em qualquer direção, a partir da fonte de liberação até o ponto onde a mistura gás e ar tenha
sido diluída pelo ar a um valor abaixo do limite inferior de explosividade

426-03-22
gás liquefeito inflamável
material inflamável que é armazenado ou manuseado como um líquido mas que em temperatura
ambiente e pressão atmosférica é um gás inflamável

426-03-23
zona 20
área na qual uma atmosfera explosiva, na forma de uma nuvem de poeira combustível no ar, está
presente continuamente, por longos períodos ou freqüentemente

426-03-24

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 13/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

zona 21
área na qual uma atmosfera explosiva, na forma de uma nuvem de poeira combustível no ar, pode estar
presente eventualmente em condições normais de operação

426-03-25
zona 22
área na qual uma atmosfera explosiva, na forma de uma nuvem de poeira combustível no ar, não é
esperada ocorrer em operação normal, porém, se ocorrer, permanece somente por um curto período de
tempo

426-03-26
confinamento de poeira
partes dos equipamentos de processo destinadas a manipular, processar, transportar ou armazenar
materiais em seu interior, de forma a evitar a liberação de poeira para a atmosfera ao seu redor

426-03-27
fonte de liberação de poeira
ponto ou local a partir do qual a poeira combustível pode ser liberada para a atmosfera

NOTA 1 A fonte de liberação de poeira pode ser a partir de um ponto de confinamento de poeira ou a partir de
uma camada de poeira

NOTA 2 Fontes de liberação de poeira são divididas em graus em função de uma ordem de severidade
decrescente:

a) fonte de grau de liberação contínua de uma nuvem de poeira: locais nos quais uma nuvem de poeira pode
existir continuamente, ou pode ser prevista de permanecer durante longos períodos ou por curtos períodos
freqüentes;

b) fonte de grau de liberação primária: uma fonte que pode eventualmente liberar poeira combustível em
operação normal;

c) fonte de grau de liberação secundária: uma fonte que não é esperada que libere poeira combustível durante
operação normal; se ocorrer, será apenas por curto período de tempo e não freqüente.

Seção 426-04 – Construção de equipamentos elétricos (generalidades)

426-04-01
invólucro (de um equipamento para atmosfera explosiva)
conjunto de paredes que circundam as partes energizadas de equipamentos elétricos, incluindo portas,
tampas, prensa-cabos, hastes, dobradiças e eixos

426-04-02
grau de proteção de invólucro
IP (Ingress Protection) (abreviatura)

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 14/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

classificação numérica de acordo com a IEC 60529, procedida pelo símbolo IP, aplicada ao invólucro de
um equipamento elétrico destinado a fornecer:

⎯ proteção de pessoas contra contatos ou da aproximação com partes energizadas e contra o


contato com partes em movimento (exceto eixos de máquinas rotativas e similares) no interior do
invólucro,

⎯ proteção do equipamento elétrico contra o ingresso de objetos sólidos estranhos, e

⎯ quando indicado pela classificação, proteção do equipamento elétrico contra ingresso prejudicial de
água

426-04-03
dispositivo de respiro
dispositivo que permite uma troca entre a atmosfera no interior de um invólucro e a atmosfera ao seu
redor e que mantém a integridade do tipo de proteção

426-04-04
dispositivo de drenagem
dispositivo que permite o fluxo de líquidos para o exterior de um invólucro e que mantém a integridade
do tipo de proteção

426-04-05
dispositivo de fixação especial
dispositivo de fixação projetado para impedir que pessoas não autorizadas anulem o tipo de proteção de
um equipamento elétrico para atmosferas explosivas

426-04-07
entrada direta (num equipamento elétrico)
método de conexão de um equipamento elétrico com circuitos elétricos externos por meio de
dispositivos de conexão no interior do invólucro principal ou num compartimento reservado aos
terminais, que possui uma passagem livre para o invólucro principal

426-04-08
entrada indireta (num equipamento elétrico)
método de conexão de um equipamento elétrico com os circuitos elétricos externos por meio de uma
caixa de terminais ou de uma conexão tipo plugue e tomada que são externos ao invólucro principal

426-04-09
temperatura ambiente
temperatura do ar ou de um outro meio, nas proximidades do equipamento ou componente

426-04-10
operação normal
operação do equipamento em conformidade elétrica e mecânica com a sua especificação de projeto e
dentro dos limites especificados pelo fabricante
NÃO TEM VALOR NORMATIVO 15/58
ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

426-04-11
regime de serviço
variação repetitiva da carga no qual o tempo do ciclo é muito curto para que o equilíbrio térmico possa
ser atingido no primeiro ciclo

[411-51-07]

426-04-12
distância de isolação
menor distância no ar entre duas partes condutoras

NOTA Esta distância é aplicável somente a partes que estejam expostas à atmosfera e não a partes que
sejam isoladas ou cobertas com por encapsulamento.

426-04-13
distância de isolamento num composto fundido ou moldado
menor distância através de um composto fundido ou moldado entre duas partes condutoras

426-04-14
distância de isolamento numa isolação sólida
menor distância através da isolação sólida entre duas partes condutoras

426-04-15
distância de escoamento
menor distância ao longo da superfície de um material isolante sólido em contato com ar entre duas
partes condutoras

426-04-16
distância de isolamento sob revestimento
menor distância entre partes condutoras ao longo da superfície de um meio isolante recoberto com um
revestimento isolante

426-04-17
bucha de passagem
dispositivo isolante que permite a passagem de um ou mais condutores através de uma parede interna
ou externa de um invólucro

426-04-18
prensa-cabo
dispositivo que permite a introdução de um ou mais cabos elétricos e/ou de fibra óptica para o interior
de um equipamento elétrico, de forma a manter o tipo de proteção aplicável.

426-04-19

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 16/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

dispositivo de fixação (de um prensa-cabo)


elemento de um prensa-cabo destinado a prevenir a tração ou torção em um cabo que seriam
transmitidas para as conexões

426-04-20
dispositivo de compressão (de um prensa-cabo)
dispositivo de um prensa-cabo que atua sobre o anel de vedação para que o mesmo execute sua
função

426-04-21
anel de vedação (de um prensa-cabo)
anel utilizado num prensa-cabo ou numa entrada de eletroduto para assegurar a vedação entre a
entrada e o cabo ou eletroduto

426-04-22
prensa-cabo “Ex”
prensa-cabo ensaiado separadamente do invólucro ao qual será montado mas com certificado próprio e
que pode ser montado no invólucro durante a instalação

426-04-23
certificado
documento que assegura a conformidade de um produto, processo, sistema, pessoa ou organização
com requisitos especificados

NOTA O certificado pode ser tanto a declaração de conformidade de um fornecedor ou o reconhecimento de


um comprador da conformidade ou certificação (como um resultado da ação por uma terceira parte), conforme
definido na ISO/IEC 17000.4

426-04-24
entrada de eletroduto
meio de introduzir um eletroduto em um equipamento elétrico de tal forma a manter o seu tipo de
proteção

426-04-25
dispositivos de conexão
terminais, parafusos ou outras partes, utilizadas para a conexão elétrica de condutores de circuitos
externos

426-04-26
temperatura de operação contínua
COT (Continuous Operating Temperature) (abreviatura)

4
NOTA DA TRADUÇÃO: A legislação brasileira sobre atmosferas explosivas considera somente a certificação de
conformidade de terceira parte, emitida por OCP acreditado pelo Inmetro.

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 17/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

temperatura máxima que assegura a estabilidade e a integridade do material durante a vida útil prevista
do equipamento, ou de sua parte, na aplicação a que se destina

426-04-27
componente “Ex”
parte do equipamento elétrico ou um módulo (exceto prensa-cabo “Ex”), marcado com o símbolo “U”, o
qual não é destinado para ser utilizado de forma independente e requer considerações adicionais
quando incorporado a equipamentos ou sistemas elétricos para utilização em atmosfera explosiva de
gás ou vapor

426-04-28
valor nominal
quantidade atribuída, geralmente pelo fabricante, para condições especificadas de operação de um
componente, dispositivo ou equipamento

426-04-29
características nominais
conjunto de valores nominais e de condições de operação

426-04-30
temperatura de serviço
temperatura atingida quando o equipamento está operando nas condições nominais

NOTA Cada equipamento pode atingir diferentes temperaturas de serviço em suas diferentes partes

426-04-31
símbolo “U”
símbolo utilizado para designar um componente “Ex”

426-04-32
símbolo “X”
símbolo utilizado para informar condições especiais de utilização segura

426-04-33
caixa de terminais
compartimento separado, ou parte de um invólucro principal, comunicando ou não com o invólucro
principal, e contendo dispositivos de conexão

426-04-34
invólucro estanque à poeira
invólucro capaz de evitar o ingresso de quaisquer partículas visíveis de poeira

426-04-35
invólucro protegido contra poeira
NÃO TEM VALOR NORMATIVO 18/58
ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

invólucro no qual a penetração de poeira não é totalmente evitada mas a poeira não deve penetrar em
quantidade suficiente para interferir na operação do equipamento ou prejudicar sua segurança

426-04-36
lanterna de capacete
equipamento formado por um capacete com luminária, cabo, bateria e elementos secundários
recarregáveis conectados entre si, formando um conjunto completo

426-04-37
período útil de trabalho (da luminária de capacete)
período, em horas, durante o qual a fonte de luz principal da luminária do capacete pode ser utilizada
continuamente, através da passagem da corrente especificada pelo fabricante e, em conformidade com
os requisitos mínimos de intensidade luminosa definidos na ABNT NBR IEC 62013-2

Seção 426-05 – Ensaios de equipamentos elétricos

426-05-01
ensaio de tipo
ensaio de conformidade realizado sobre um ou mais itens representativos da produção
[151-16-16]

426-05-02
ensaio de rotina
ensaio de conformidade realizado sobre cada item individual durante ou após a fabricação
[151-16-17]

Seção 426-06 – Invólucros à prova de explosão “d”

426-06-01
invólucro à prova de explosão “d”
tipo de proteção no qual as partes que podem causar a ignição de uma atmosfera explosiva de gás ou
vapor são montadas no interior de um invólucro capaz de resistir a pressão desenvolvida durante uma
explosão da mistura explosiva no interior do invólucro e não propagar os gases quentes oriundos desta
explosão para a atmosfera explosiva externa

426-06-02
junta à prova de explosão
local onde as superfícies sobrepostas de duas partes de um invólucro, ou as partes de encaixe em
comum dos invólucros, são montadas de modo a prevenir a transmissão de uma explosão interna para
uma atmosfera explosiva de gás ou vapor que circunda o invólucro

426-06-03
interstício (de uma junta à prova de explosão)
NÃO TEM VALOR NORMATIVO 19/58
ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

distância entre as superfícies correspondentes de uma junta à prova de explosão quando da montagem
do invólucro do equipamento elétrico

NOTA Para superfícies cilíndricas, formando juntas cilíndricas, o interstício é a diferença entre os diâmetros do
furo e o componente cilíndrico.

426-06-04
interstício máximo permitido
valor máximo de interstício, definido de acordo com: o grupo e subgrupo do equipamento elétrico, o
volume do invólucro e o comprimento da junta à prova de explosão

426-06-05
simb: L
comprimento da junta à prova de explosão
caminho mais curto através de uma junta à prova de explosão entre o interior e o exterior de um
invólucro

NOTA Esta definição não é aplicável a juntas roscadas

426-06-06
bucha à prova de explosão
dispositivo isolante contendo um ou mais condutores que atravessam as paredes internas ou externas
de um invólucro à prova de explosão sem afetar as propriedades à prova de explosão do invólucro ou
de seus compartimentos

426-06-07
símbolo: l
distância
caminho mais curto, através de uma junta à prova de explosão, quando o comprimento da junta à prova
de explosão L é interrompida por furos destinados a passagem de elementos de fixação para a
montagem das partes do invólucro à prova de explosão

426-06-08
volume (de um invólucro à prova de explosão)
volume interno total de um invólucro

NOTA 1 Entretanto, para invólucros com componentes internos que são essenciais ao serviço, o volume a ser
considerado é o volume livre remanescente.

NOTA 2 Para luminárias, o volume é determinado sem a montagem das lâmpadas.

426-06-09
eixo

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 20/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

parte de seção transversal circular utilizada para a transmissão de movimento de rotação

426-06-10
haste de operação
parte utilizada para a transmissão de movimentos de controle, os quais podem ser rotativos ou lineares
ou uma combinação dos dois

426-06-11
porta ou tampa de fecho rápido
porta ou tampa contendo um dispositivo que permite a abertura ou o fechamento, por uma operação
simples, tal como o movimento de uma alavanca ou a rotação de um volante

NOTA Dispositivo construído de forma que a operação ocorra em duas etapas:

⎯ uma para travar ou destravar;

⎯ outra para abrir ou fechar.

426-06-12
porta ou tampa fixada por elementos de fixação roscados
porta ou tampa para abertura ou fechamento das quais são requeridas o manuseio de um ou mais
elementos de fixação roscados (parafusos, hastes, grampos ou porcas)

426-06-13
porta ou tampa roscada
porta ou tampa que é montada a um invólucro à prova de explosão através de uma junta roscada à
prova de explosão

426-06-14
dispositivo de fechamento “Ex”
dispositivo de fechamento roscado ensaiado separadamente do invólucro do equipamento mas
possuindo certificado de conformidade e que é destinado a ser instalado no invólucro do equipamento
sem considerações adicionais

NOTA 1 Isto não exclui um componente certificado para elementos de fechamento, de acordo com a
ABNT NBR IEC 60079-0.

NOTA 2 Elementos de fechamento não roscados não são equipamentos.

426-06-15
adaptador roscado “Ex”
adaptador roscado ensaiado separadamente do invólucro do equipamento mas possuindo certificado de
conformidade e que é destinado a ser instalado no invólucro do equipamento sem considerações
adicionais

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 21/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

NOTA Isto não exclui os adaptadores roscados certificados como componente, de acordo com a
ABNT NBR IEC 60079-0.

Seção 426-07 – Enchimento em areia “q”

426-07-01
enchimento com areia “q”
tipo de proteção na qual as partes capazes de causar a ignição de uma atmosfera explosiva de gás ou
vapor são instaladas em determinada posição e completamente envolvida por material de enchimento
para prevenir a ignição da atmosfera explosiva externa

NOTA O tipo de proteção não previne a penetração de atmosfera explosiva de gás ou vapor dentro dos
equipamentos, componentes e circuitos que podem causar ignição. Entretanto, devido ao pequeno volume livre no
material de enchimento, e ao arrefecimento da chama que pode propagar através dos caminhos do material de
enchimento, uma explosão externa é evitada.

426-07-02
material de enchimento (areia)
quartzo ou partículas de vidro

426-07-03
distância através do material de enchimento
menor distância através do material de enchimento entre duas partes condutoras

Seção 426-08 – Segurança aumentada “e”

426-08-01
segurança aumentada “e”
tipo de proteção aplicado a equipamentos elétricos aos quais medidas adicionais são aplicadas de
modo a ampliar a segurança do equipamento em relação a possibilidade de ocorrência de temperaturas
excessivas, arcos elétricos e centelhas em serviço normal ou sob condições anormais especificadas

426-08-02
temperatura limite (de um equipamento elétrico de segurança aumentada)
temperatura máxima permissível, de um equipamento elétrico ou partes dele, igual a mais baixa entre
duas temperaturas determinadas:

a) pelo risco de ignição de uma atmosfera explosiva de gás ou vapor;

b) pela estabilidade térmica dos materiais utilizados

426-08-03
símb: tE
tempo de rotor bloqueado

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 22/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

tempo necessário para que o enrolamento do estator ou do rotor, alimentados em corrente alternada,
aqueça até atingir a sua temperatura limite, quando submetido a corrente de partida inicial IA, a partir da
temperatura de equilíbrio em regime nominal e à temperatura ambiente máxima

426-08-04
símb: IA
corrente de partida inicial
maior valor eficaz da corrente absorvida por um motor de corrente alternada alimentado por tensão e
freqüência nominais, quando em repouso ou por um eletroímã de corrente alternada com sua armadura
travada na posição de máximo entreferro

NOTA Fenômenos transitórios são ignorados.

426-08-05
regime normal (de um motor)
operação contínua dentro das características nominais do fabricante (ou conjunto de características
nominais) incluindo condições de partida

426-08-06
simb.: Idyn
corrente dinâmica nominal
valor de pico da corrente, cujo efeito dinâmico o equipamento elétrico pode suportar sem danos

426-08-07
simb.: I th
corrente térmica nominal de curta duração
valor eficaz da corrente requerida para aquecer o condutor dentro de 1 s, a partir da temperatura
alcançada em regime nominal, na temperatura ambiente máxima, para uma temperatura que não
exceda a sua temperatura limite

426-08-08
dispositivo de aquecimento por resistência
parte de uma resistência de aquecimento composta por um ou mais resistores, tipicamente formado por
condutores metálicos ou um composto eletricamente condutivo adequadamente isolado e protegido

426-08-09
unidade de aquecimento resistivo
equipamento compreendendo uma montagem de um ou mais dispositivos de aquecimento por
resistência associados com quaisquer dispositivos necessários para assegurar que a temperatura limite
não seja excedida

NOTA Não é necessário que os dispositivos que asseguram que a temperatura limite não seja excedida,
possuam um tipo de proteção “e” ou qualquer outro tipo de proteção quando os mesmos estão localizados fora de
uma área classificada.

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 23/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

426-08-10
objeto a ser aquecido
objeto ao qual o dispositivo ou unidade de aquecimento por resistência é aplicado

426-08-11
propriedade auto-limitante
propriedade na qual a saída térmica de um dispositivo de aquecimento resistivo, na sua tensão nominal,
decresce à medida que a temperatura ambiente aumenta, até que o elemento alcance a temperatura na
qual sua saída térmica é reduzida para um valor no qual não é mais necessária a elevação da
temperatura do dispositivo

NOTA A temperatura da superfície do elemento é então efetivamente aquela do ambiente.

426-08-12
projeto estabilizado
conceito onde a temperatura de um dispositivo ou unidade de aquecimento por resistência, por projeto
ou utilização, estabilizará a sua temperatura abaixo da temperatura limite, sob as condições mais
desfavoráveis, sem a necessidade de um dispositivo de segurança para limitar a temperatura

426-08-13
Símbolo: IA/IN
relação da corrente de partida
relação entre a corrente de partida IA e a corrente nominal IN

426-08-14
aquecimento por traceamento
utilização de aquecimento através de cabos, placas, painéis e componentes de suporte, aplicados
externamente e utilizados para elevar ou manter a temperatura do material contido por tubulações,
tanques e equipamentos associados

Seção 426-09 – Pressurização “p”

426-09-01
pressurização
tipo de proteção que impede o ingresso de uma atmosfera externa para o interior de um invólucro ou
ambiente interno, através da manutenção de um gás de proteção nos mesmos, à uma pressão acima
da atmosfera externa

426-09-02
invólucro pressurizado
invólucro no qual um gás de proteção é mantido a uma pressão superior àquela da atmosfera externa

426-09-03
NÃO TEM VALOR NORMATIVO 24/58
ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

purga
num invólucro pressurizado, operação que consiste na passagem de uma quantidade de gás de
proteção através do invólucro pressurizado e seus dutos, de modo que a concentração da atmosfera
explosiva de gás ou vapor seja mantida a um nível seguro

426-09-04
gás de proteção
ar ou gás inerte usado para purga e manutenção de uma sobrepressão e, se necessário, para diluição

426-09-05
alarme
parte do equipamento que gera um sinal visual ou sonoro destinado a chamar a atenção

426-09-06
sistema de contenção
parte do equipamento que contém a substância inflamável que pode se constituir numa fonte de liberação interna

426-09-07
diluição
suprimento contínuo de gás de proteção, após purga, numa vazão tal que a concentração da substância
inflamável no interior do invólucro pressurizado seja mantida num valor fora dos limites de
explosividade, para qualquer fonte de ignição potencial (isto é, fora da área de diluição)
NOTA Diluição de oxigênio com gás inerte pode resultar numa concentração de gás ou vapor inflamável acima
do limite superior de explosividade (LSE).

426-09-08
área de diluição
área nas proximidades de uma fonte de liberação interna onde a concentração de uma substância
inflamável não está diluída a uma concentração segura

426-09-09
volume do invólucro (de um invólucro pressurizado)
volume do invólucro vazio sem equipamentos internos. Para máquinas elétricas girantes, é o volume
interno livre acrescido do volume deslocado pelo rotor

426-09-10
substância inflamável
gases, vapores, líquidos ou misturas destes que são capazes de inflamar

426-09-11
dispositivo hermeticamente selado
dispositivo fabricado de tal modo que não permita a entrada da atmosfera externa ao seu interior e no
qual a selagem é obtida por fusão, por exemplo, brasagem, solda ou fusão vidro-metal

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 25/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

426-09-12
equipamento capaz de ser fonte de ignição
ICA (Ignition Capable Aparattus) (abreviatura)
equipamento que em condições normais de operação se constitui numa fonte de ignição para uma
determinada atmosfera explosiva de gás ou vapor.

426-09-13
indicador
componente do equipamento que mostra se a vazão ou a pressão está adequada e é periodicamente
monitorada, em conformidade com os requisitos de sua aplicação

426-09-14
fonte de liberação interna
ponto ou local do qual uma substância inflamável na forma de gás, vapor ou líquido inflamável, pode ser
liberada no interior de um invólucro pressurizado, de modo que, em presença do ar, pode formar uma
mistura explosiva de gás ou vapor

426-09-15
compensação de perdas
fornecimento de uma vazão de gás de proteção suficiente para compensar eventuais liberações do
invólucro pressurizado e seus dutos

426-09-16
sobrepressão
pressão superior à pressão ambiente no interior de um invólucro pressurizado

426-09-17
sistema de pressurização
conjunto de componentes utilizados para a pressurização e a monitoração de um invólucro pressurizado

426-09-18
alimentação de gás de proteção
compressor, ventilador ou vaso de gás comprimido que fornece o gás de proteção a uma pressão
positiva.

NOTA 1 O suprimento inclui as tubulações ou dutos de entrada (sucção), reguladores de pressão, dutos e
tubulações de saída e válvulas de alimentação.

NOTA 2 Os componentes do sistema de pressurização não estão incluídos.

426-09-19
pressurização estática
manutenção de uma sobrepressão dentro de um invólucro pressurizado sem a adição de gás de
proteção em uma área classificada

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 26/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

426-09-20
tipo de pressurização px
pressurização que reduz a classificação no interior de um invólucro pressurizado de zona 1 para área
não classificada ou de grupo I para área não classificada

426-09-21
tipo de pressurização py
pressurização que reduz a classificação no interior de um invólucro pressurizado de zona 1 para zona 2

426-09-22
tipo de pressurização pz
pressurização que reduz a classificação no interior de um invólucro pressurizado de zona 2 para área
não classificada

Seção 426-10 – Imersão em óleo “o”

426-10-01
imersão em óleo “o”
tipo de proteção no qual o equipamento elétrico ou suas partes são imersas em um líquido de proteção,
de forma que uma atmosfera explosiva de gás ou vapor que possa estar acima da superfície do líquido
ou no exterior do invólucro, não possa entrar em ignição.

426-10-02
líquido de proteção
óleo mineral de acordo com a IEC 60296 ou um líquido alternativo que atenda os requisitos
da IEC 60079-6

426-10-03
equipamento selado
equipamento projetado e construído de tal forma a evitar o ingresso de uma atmosfera externa durante
a expansão e a contração do líquido internamente contido durante operação normal, por exemplo, por
meio de vaso de expansão

426-10-04
equipamento não selado
equipamento projetado e construído de tal forma a permitir o ingresso e a saída de uma atmosfera
externa, durante a expansão e a contração do líquido internamente contido, durante operação normal

426-10-05
nível máximo permitido do líquido de proteção

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 27/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

nível máximo que o líquido de proteção pode atingir em serviço normal, levando em consideração os
efeitos da expansão, na pior condição de enchimento especificada pelo fabricante, em uma condição de
carga nominal na temperatura ambiente máxima para a qual o equipamento é projetado

426-10-06
nível mínimo permitido do líquido de proteção
nível mínimo que o líquido de proteção pode atingir em serviço normal, levando em consideração os
efeitos da contração, na pior condição de enchimento especificada pelo fabricante, para a condição de
desligado na temperatura ambiente mínima

Seção 426-11 – Equipamentos elétricos intrinsecamente seguros e associados “i”

426-11-01
circuito intrinsecamente seguro
circuito no qual qualquer centelha ou efeito térmico produzido nas condições especificadas na
ABNT NBR IEC 60079-11, que incluem as condições de operação normal e condições de falhas
previstas, não é capaz de causar a ignição de uma determinada atmosfera explosiva de gás ou vapor

426-11-02
equipamento elétrico intrinsecamente seguro
equipamento elétrico no qual todos os circuitos são intrinsecamente seguros

426-11-03
equipamento elétrico associado
equipamento elétrico que contém circuitos intrinsecamente seguros e não intrinsecamente seguros e é
construído de tal forma que os circuitos não intrinsecamente seguros não podem afetar adversamente
os circuitos intrinsecamente seguros

NOTA Equipamentos associados tanto podem ser:

⎯ equipamento elétrico que possui um outro tipo de proteção listado na ABNT NBR IEC 60079-0 para utilização apropriada
em atmosfera explosiva de gás ou vapor, ou

⎯ equipamento elétrico que não possui tipo de proteção, desta forma não deve ser utilizado em atmosfera explosiva de gás
ou vapor, por exemplo, um registrador que não está instalado em uma atmosfera explosiva de gás ou vapor, mas que se
encontra conectado a um termopar situado em uma atmosfera explosiva de gás ou vapor, onde somente o registrador
possui circuito de entrada intrinsecamente seguro.

426-11-08
sistema elétrico intrinsecamente seguro
montagem de itens interligados de equipamentos elétricos, descritos na documentação técnica na qual
os circuitos ou partes deles, são circuitos intrinsecamente seguros dimensionados para utilização em
uma atmosfera explosiva

426-11-09
componente simples
NÃO TEM VALOR NORMATIVO 28/58
ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

componente elétrico ou combinação de componentes de construção simples com parâmetros elétricos


bem definidos, compatíveis com a segurança intrínseca do circuito no qual são utilizados

426-11-10
barreira de segurança a diodo
montagem incorporando diodos em paralelos ou cadeia de diodos (incluindo diodos Zener) protegidos
por fusíveis ou resistores ou uma combinação destes, fabricados como um equipamento individual ao
invés de parte de um equipamento maior

426-11-11
equipamento de ensaio por centelhamento (para circuitos intrinsecamente seguros)
aparelho utilizado para verificar experimentalmente que as centelhas elétricas de um circuito são incapazes de
causar ignição de uma atmosfera explosiva específica de gás ou vapor

426-11-12
falha
qualquer defeito de qualquer componente, separação, isolamento ou conexão entre componentes, não
definido como infalível pela ABNT NBR IEC 60079-11, do qual depende a segurança intrínseca do
circuito

426-11-13
falha contável
falha que ocorre em partes que afetam adversamente o tipo de proteção do equipamento elétrico
atendendo os requisitos construtivos da ABNT NBR IEC 60079-11

426-11-14
falha não contável
falha que ocorre em partes do equipamento elétrico que não atende os requisitos construtivos da
ABNT NBR IEC 60079-11

426-11-15
símb.: Co
máxima capacitância externa
valor máximo de capacitância que pode ser conectada aos terminais de conexão sem invalidar o tipo de
proteção

426-11-16
símb.: Lo
máxima indutância externa
valor máximo de indutância que pode ser conectada aos terminais de conexão sem invalidar o tipo de
proteção

426-11-17
símb.: Ii
corrente máxima de entrada

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 29/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

valor máximo de corrente (pico ca ou cc) que pode ser aplicado aos terminais de conexão de um
equipamento sem invalidar o tipo de proteção

426-11-18
símb.: Pi
potência máxima de entrada
valor máximo de potência que pode ser aplicado aos terminais de conexão de um equipamento sem invalidar o
tipo de proteção

426-11-19
símb.: Ui
tensão máxima de entrada
valor máximo de tensão (pico ca ou cc) que pode ser aplicado aos terminais de conexão de um
equipamento sem invalidar o tipo de proteção

426-11-20
símb.: Ci
máxima capacitância interna
máxima capacitância equivalente interna de um equipamento que é considerada existente nos terminais
de ligação

426-11-21
símb.: Li
máxima indutância interna
máxima indutância equivalente interna de um equipamento que é considerada existente nos terminais
de ligação

426-11-22
símb.: Io
corrente máxima de saída
corrente máxima (pico ca ou cc) no equipamento que pode ser liberada dos terminais de conexão do
equipamento

426-11-23
símb.: Po
potência máxima de saída
potência elétrica máxima que pode ser liberada pelo equipamento

426-11-24
símb.: Uo
tensão máxima de saída
tensão máxima (pico ca ou cc) que pode aparecer nos terminais de conexão do equipamento na
aplicação de qualquer tensão acima da máxima

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 30/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

426-11-25
símb.: Um
tensão máxima eficaz alternada ou contínua
tensão máxima que pode ser aplicada aos terminais de energia não limitada do equipamento associado
sem invalidar o tipo de proteção

426-11-26
símb.: Lo/Ro
relação máxima entre indutância e resistência externa
valor máximo da relação entre a indutância (Lo) e a resistência (Ro) de qualquer circuito externo que
pode ser conectado aos terminais de conexão de um equipamento elétrico, sem invalidar o tipo de
proteção

426-11-27
símb: Li/Ri
razão máxima entre indutância e resistência interna
valor máximo da relação entre a indutância (Li) e a resistência (Ri) do equipamento que é considerada
existente nos terminais de conexão externa de um equipamento elétrico

426-11-28
componente infalível
componente ou montagem de componentes que podem ser considerados não sujeitos a certos modos
de falha, conforme especificado na ABNT NBR IEC 60079-11

NOTA A probabilidade de tais modos de falha ocorrer em serviço ou armazenagem é considerada como sendo
tão baixa que esta não é considerada

426-11-29
montagem de componentes infalíveis
montagem de componentes que é considerada como não sujeita a certos modos de falha, conforme
especificado na ABNT NBR IEC 60079-11

NOTA A probabilidade de tais modos de falha ocorrer em serviço ou armazenagem é considerada como sendo
tão baixa que esta não é considerada

426-11-30
separação infalível
separação entre partes eletricamente condutivas que é considerada não sujeitas a curto-circuito

NOTA A probabilidade de tais modos de falha ocorrer em serviço ou armazenagem é considerada como sendo
tão baixa que esta não é considerada

426-11-31
separação ou isolamento infalível

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 31/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

separação ou isolamento entre partes eletricamente condutivas que é considerada não sujeita a curto-
circuito

NOTA A probabilidade de tais modos de falhas ocorrerem em serviço ou em armazenagem é considerada tão
baixa que elas não são consideradas.

426-11-32
fiação interna
fiação e conexões elétricas que são executadas pelo fabricante no interior do equipamento

426-11-33
sistema elétrico intrinsecamente seguro certificado
sistema elétrico intrinsecamente seguro para o qual um certificado tenha sido emitido, confirmando que
o sistema elétrico está de acordo com a ABNT NBR IEC 60079-25

426-11-34
sistema elétrico intrinsecamente seguro não certificado
sistema elétrico intrinsecamente seguro para o qual o conhecimento dos parâmetros dos itens de um
equipamento elétrico intrinsecamente seguro certificado, equipamento associado certificado,
equipamento simples e o conhecimento dos parâmetros físicos e elétricos da fiação de interconexão
permitem a inequívoca verificação de que a segurança intrínseca é preservada

426-11-35
documentação descritiva do sistema
documentação na qual os itens dos equipamentos elétricos, seus parâmetros elétricos e os parâmetros
da fiação de interconexão são especificados

426-11-36
projetista do sistema
pessoa responsável pela documentação descritiva do sistema, com a competência necessária para
realizar as tarefas pertinentes e autorizado assumir as responsabilidades em nome do empregador

426-11-37
símb.: Cc
capacitância máxima do cabo
capacitância máxima do cabo de interligação que pode ser conectada a um circuito intrinsecamente
seguro sem invalidar a segurança intrínseca

426-11-38
símb.: Lc
indutância máxima do cabo
indutância máxima do cabo de interligação que pode ser conectada a um circuito intrinsecamente
seguro sem invalidar a segurança intrínseca

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 32/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

426-11-39
símb.: Lc/Rc
relação máxima entre indutância e resistência do cabo
valor máximo da relação entre a indutância (Lc) e a resistência (Rc) do cabo de interligação que pode ser
conectada a um circuito intrinsecamente seguro sem invalidar a segurança intrínseca

426-11-40
fonte de alimentação linear
fonte de alimentação cuja corrente de saída disponível é determinada por um resistor. A tensão de
saída diminui linearmente com o aumento da corrente de saída

426-11-41
fonte de alimentação não linear
fonte de alimentação onde a tensão e a corrente de saída possuem uma relação não-linear

426-11-42
segurança intrínseca “i”
tipo de proteção baseada na restrição da energia elétrica dentro de equipamentos e da fiação de
interconexão exposta a um nível abaixo do qual pode causar ignição por centelhamento ou por efeitos
de aquecimento

Seção 426-12 – Encapsulamento “m”

426-12-01
encapsulamento “m”
tipo de proteção no qual as partes que são capazes de provocar ignição de uma atmosfera explosiva
por centelhamento ou aquecimento, são encapsuladas em um composto de tal modo que a atmosfera
explosiva não possa sofrer ignição sob condições de operação ou instalação

426-12-02
composto
qualquer termofixo, termoplástico, resina epóxi ou material elastomérico com ou sem enchimentos ou
aditivos, em seu estado sólido

426-12-03
faixa de temperatura do composto
faixa de temperatura dentro da qual as propriedades do composto, em operação ou armazenagem,
permite o atendimento dos requisitos da ABNT NBR IEC 60079-18

426-12-04
temperatura de serviço contínuo de um composto
COT (Continuous Operating Temperature) (abreviatura)
temperatura interna na qual as propriedades do composto durante a operação, de acordo com as
informações fornecidas pelo fabricante, satisfazem os requisitos da ABNT NBR IEC 60079-18, de modo
permanente, durante a vida útil prevista do material

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 33/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

426-12-05
encapsulamento
processo de aplicação do composto de forma a envolver algum dispositivo elétrico por meios
adequados

426-12-06
superfície livre
superfície do composto exposta à atmosfera explosiva

426-12-07
bolha
espaço não intencional criado como conseqüência do processo de encapsulamento

426-12-08
espaço livre
espaço criado intencionalmente ao redor de componentes ou espaços no interior de componentes

426-12-09
interruptor de contato
contato mecânico projetado para estabelecer e interromper um circuito elétrico

426-12-10
aderência
agregar estanqueidade permanente de um composto contra gás e umidade sobre uma superfície de
separação

Seção 426-13 – Tipo de proteção “n”

426-13-01
tipo de proteção “n”
tipo de proteção aplicada a equipamento elétrico tal qual, em operação normal e em certas condições
anormais especificadas, não é capaz de provocar ignição em uma atmosfera explosiva ao seu redor

NOTA 1 Adicionalmente, os requisitos da ABNT NBR IEC 60079-15 pretendem assegurar que uma falha capaz
de causar ignição não é esperada de ocorrer.

NOTA 2 Um exemplo de uma condição anormal especificada é uma luminária com lâmpada queimada.

426-13-02
dispositivo não centelhante “nA”
dispositivo construído para minimizar o risco da ocorrência de arcos elétricos ou centelhas capazes de
criar um risco de ignição em condições normais de operação

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 34/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

NOTA Operação normal não considera a remoção ou inserção de componentes com o circuito energizado.

426-13-03
dispositivo encapsulado “nC”
dispositivo que pode conter ou não espaços vazios, e construído de modo que seja totalmente imerso
dentro de um composto selante para evitar a entrada de uma atmosfera externa

NOTA Um dispositivo encapsulado é considerado uma forma particular de dispositivo selado. Não fornece
proteção equivalente a equipamentos encapsulados construídos em conformidade com a
ABNT NBR IEC 60079-18

426-13-04
dispositivo de interrupção encapsulado “nC”
dispositivos que incorporam contatos elétricos, construídos para resistir sem sofrer danos a explosões internas de
gases ou vapores inflamáveis que podem entrar no invólucro, sem permitir danos ou propagação das explosões
internas à atmosfera externa de gás ou vapor

426-13-05
dispositivo hermeticamente selado “nC”
dispositivo fabricado de tal modo que não permita a entrada da atmosfera externa ao seu interior e no
qual a selagem seja obtida por fusão, por exemplo, brasagem, solda, ou fusão vidro-metal

426-13-06
componente não acendível “nC”
componentes que têm contatos que estabelecem ou interrompem um circuito com capacidade de
ignição, mas com mecanismo do contato construído de forma que o componente não seja capaz de
causar a ignição de uma atmosfera explosiva específica

NOTA O invólucro do componente não acendível não tem o objetivo de excluir a atmosfera explosiva ou
confinar uma explosão.

426-13-07
dispositivo selado “nC”
dispositivo construído de forma que não pode ser aberto durante operação normal e é efetivamente
selado para impedir a entrada de uma atmosfera externa

426-13-08
equipamento de energia limitada “nL”
equipamento elétrico com circuitos e componentes construídos de acordo com o conceito de limitação
de energia

426-13-09
componentes associados de energia limitada “[nL]” ou “[Ex nL]”

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 35/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

equipamentos elétricos que contêm tanto circuitos de energia limitada como circuitos de energia não
limitada e que são construídos de forma que os circuitos de energia não limitada não afetem
adversamente os circuitos de energia limitada.

NOTA Equipamentos associados com energia limitada podem ser:

a) equipamento elétrico que possui um método de proteção alternativo incluído na ABNT NBR IEC 60079-15 para utilização
apropriada em atmosfera explosiva de gás ou vapor [nL];

b) equipamento elétrico que possui um tipo de proteção alternativo listado na ABNT NBR IEC 60079-0 para utilização
apropriada em atmosfera explosiva de gás ou vapor [nL];

c) equipamento elétrico não protegido, e que portanto não deve ser utilizado em uma atmosfera explosiva de gás ou vapor,
por exemplo, um registrador não específico para aplicação em atmosfera explosiva de gás ou vapor, mas que esta
conectado a um termopar situado dentro de uma área com atmosfera explosiva de gás ou vapor, onde somente o circuito
de entrada do registrador é de energia limitada [Ex nL].

426-13-10
equipamento de energia limitada auto protegido “nA nL”
equipamentos que contêm contatos centelhantes com energia limitada, circuitos (incluindo componentes
e dispositivos limitadores de energia) que fornecem potência com energia limitada para estes contatos,
bem como fontes de energia não limitadas que alimentam o circuito

426-13-11
invólucro de respiração restrita “nR”
invólucro projetado para restringir a entrada de gases, vapores e névoas

426-13-12
caixa de selagem de cabo
invólucro auxiliar utilizado especificamente para selagem do isolamento de um cabo (por exemplo, cabo
com isolamento a óleo) conectado a um equipamento.

NOTA O invólucro pode também ser utilizado para conexão de veias separadas de cabo para o cabo.

426-13-13
dispositivo de selagem
dispositivo para evitar o fluxo de gás ou líquido entre equipamento e um eletroduto pela utilização de
selagem

426-13-14
limitação de energia
conceito aplicável a circuitos nos quais nenhuma centelha ou efeito térmico produzido nas condições de
ensaio prescritas na ABNT NBR IEC 60079-15 seja capaz de causar a ignição de um determinado gás
ou vapor inflamável

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 36/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

Seção 426-14 – Inspeção e manutenção

426-14-01
manutenção
combinação de quaisquer ações efetuadas para manter um item, ou restaurar, as condições
compatíveis com os requisitos das especificações aplicáveis de modo a executar suas funções originais

426-14-02
inspeção
ação que compreende um exame criterioso de um item, realizado com ou sem desmontagem, ou com
desmontagem parcial, se necessário, complementado por meios tais como medição, de forma a se
chegar a uma conclusão confiável das condições de um item

426-14-03
inspeção visual
inspeção que identifica, sem a utilização de equipamentos de acesso ou ferramentas, aqueles defeitos
que são evidentes visualmente, como por exemplo, ausência de parafusos

426-14-04
inspeção apurada
inspeção que engloba os aspectos cobertos pela inspeção visual e, além disso, identifica defeitos como
parafusos soltos, que somente são detectáveis com o auxílio de equipamentos de acesso, como
escadas (onde necessário), e ferramentas

NOTA Inspeções apuradas não requerem normalmente que o invólucro seja aberto, nem que o equipamento
seja desenergizado.

426-14-05
inspeção detalhada
inspeção que engloba os aspectos cobertos pela inspeção apurada e, adicionalmente, identifica defeitos
como terminais frouxos, que somente são detectáveis com a abertura do invólucro ou utilização, se
necessário, de ferramentas e equipamentos de ensaios

426-14-06
inspeção inicial
inspeção de todos os equipamentos, sistemas e instalações elétricas, antes que estes sejam colocados
em serviço

426-14-07
inspeção periódica
inspeção de todos os equipamentos, sistemas e instalações elétricas, realizada em intervalos
pré-estabelecidos

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 37/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

426-14-08
inspeção por amostragem
inspeção de uma parte de um equipamento, sistema ou em instalações elétricas

426-14-09
supervisão contínua
presença freqüente, inspeção, serviços, cuidados e manutenção da instalação elétrica, realizados por
pessoal qualificado que tenha experiência na instalação específica e no ambiente local, de forma a
manter as características específicas das instalações para áreas classificadas em condições adequadas

426-14-10
pessoal qualificado
pessoa que atende os requisitos para a qualificação de pessoal de acordo com 4.2 da IEC 60079-
17:2002

426-14-11
pessoa técnica com função gerencial
pessoa que gerencia tecnicamente o pessoal qualificado, possuindo conhecimento adequado sobre
equipamentos para áreas classificadas, possuindo familiaridade com as condições locais e com as
instalações e que tenha responsabilidade e controle geral dos sistemas de inspeção para equipamentos
elétricos em áreas classificadas

Seção 426-15 – Reparo, revisão e recuperação

426-15-01
condição de serviço
condição que permite uma substituição ou recuperação de um componente para ser utilizado sem
prejuízo do desempenho ou aspectos do tipo de proteção do equipamento, em relação aos requisitos da
certificação conforme aplicável, no qual tal componente é utilizado

426-15-02
reparo
ação de restaurar um equipamento defeituoso à suas condições de serviço e de acordo com as normas
aplicáveis

NOTA As “normas aplicáveis” significam as normas de acordo com as quais o equipamento foi originalmente
projetado.

426-15-03
manutenção
ações de rotina realizadas para preservar plenamente as condições de serviço do equipamento
instalado

426-15-04

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 38/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

componente
um item indivisível

NOTA A montagem de tais itens pode formar um equipamento.

426-15-05
recuperação
meios de reparo envolvendo, por exemplo, a remoção ou adição de material para recuperar
componentes que tenham sofrido danos permanentes de forma a restaurar tais componentes à
condição de serviço, de acordo com a norma aplicável

NOTA A “norma aplicável” significa a norma utilizada originalmente para fabricação dos componentes.

426-15-06
modificação
alteração no projeto do equipamento que afeta o material, ajuste, forma ou função

426-15-07
fabricante
produtor do equipamento (que pode ser também o fornecedor, o importador ou o representante) cujo
nome, eventualmente, é registrado na certificação do equipamento

426-15-08
usuário
usuário do equipamento

426-15-09
reparador
reparador do equipamento que pode ser o fabricante, o usuário ou uma terceira parte (oficina de reparo)

426-15-10
certificação
certificação que pode levar à emissão de um certificado de conformidade por uma terceira parte

426-15-11
referências do certificado
um número de referência de um certificado pode estar relacionado a um projeto único ou a uma família
de equipamentos de projeto similar

NOTA O sufixo “X”, quando adicionado ao número do certificado indica condições especiais de utilização e
que os documentos do certificado necessitam ser analisados antes de tal equipamento ser instalado, reparado,
revisado, recuperado ou modificado.

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 39/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

426-15-12
reenrolamento
processo através do qual um enrolamento é total ou parcialmente substituído por um outro, cujas
características e propriedades são no mínimo tão boas quanto as do enrolamento original

Seção 426-16 – Proteção por invólucro para poeira “tD”

426-16-01
proteção do tipo “tD” contra ignição de poeiras
tipo de proteção segundo a qual todo equipamento elétrico é protegido por um invólucro para evitar a
ignição de uma camada ou nuvem de poeira

Seção 426-17 – Proteção por pressurização (poeira) “pD”

426-17-01
tipo de proteção “’pD”
tipo de proteção segundo a qual um gás de proteção é aplicado a um invólucro de forma a evitar a
formação de uma atmosfera explosiva de poeira no interior do invólucro, através da manutenção de
uma sobrepressão em relação à atmosfera externa

426-17-02
pressurização (poeira)
técnica de proteção utilizada contra o ingresso da atmosfera de poeira externa, que pode ser explosiva,
para o interior de um invólucro pela manutenção do gás de proteção com uma pressão acima da
atmosfera externa

Seção 426-18 – Proteção por encapsulamento (poeira) “mD”

426-18-01
encapsulamento “mD”
tipo de proteção segundo a qual as partes que sejam capazes de causar ignição de uma atmosfera
explosiva, tanto por centelha ou por aquecimento, são enclausuradas em um composto de tal forma a
evitar a ignição de uma camada ou nuvem de poeira sob condições de instalação ou de operação

Seção 426-19 – Proteção por segurança intrínseca (poeira) “iD”

426-19-01
segurança intrínseca “iD”
tipo de proteção baseado na restrição de energia elétrica no interior do equipamento, e da fiação de
interconexão exposta a atmosferas explosivas, a um nível abaixo daquele que possa causar a ignição
tanto por centelha ou por efeito térmico

Seção 426-20 – Aquecimento por traceamento

426-20-01

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 40/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

temperatura ambiente (aquecimento por traceamento)


temperatura envolvendo o objeto sob consideração

NOTA Onde as resistências de traceamento elétrico estiverem envolvidas em um isolante térmico, a


temperatura ambiente é a temperatura externa do isolante térmico.

426-20-02
circuito de derivação
parte da fiação da instalação entre o dispositivo de proteção por sobrecorrente do circuito e a unidade
ou unidades da resistência de traceamento

426-20-03
conexão fria
condutor ou condutores eletricamente isolados para conectar a resistência de traceamento ao circuito
de derivação, e projetado de tal forma a não produzir um aquecimento significativo

426-20-04
conexão terminal
terminação que pode produzir aquecimento, aplicada na extremidade oposta a alimentação elétrica de
uma resistência de traceamento

426-20-05
terminal de alimentação
terminal aplicado à extremidade de uma resistência de traceamento, ao qual a alimentação elétrica é
fornecida

426-20-06

conexão elétrica das resistências de traceamento, em série ou paralelo, para acomodar um “tê” ou uma
derivação

426-20-07
apêndice de referência (“dead-leg’’)
segmento da tubulação de processo separado do seu fluxo normal, com o propósito de ser referência
da perda de calor

426-20-08
carga de projeto
potência mínima que atende aos requisitos de projeto, nas piores condições, levando-se em
consideração as tolerâncias de tensão e de resistência, bem como os fatores de segurança
considerados

426-20-09

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 41/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

montagem em fábrica
resistência de traceamento, incluindo as terminações e conexões necessárias, montada em unidades
ou conjuntos

426-20-10
montagem em campo
resistência de traceamento fornecida em bobinas, com os acessórios de terminação a ser montada no
campo

426-20-11
perda de calor
fluxo de energia da tubulação, vaso ou equipamento para o ambiente externo

426-20-12
dissipador de calor
parte de uma peça que conduz ou dissipa calor

NOTA Exemplos típicos de dissipador são suportes de tubulações e itens de grande massa, tais como
atuadores de válvulas ou corpos de bombas.

426-20-13
auxiliares de transferência de calor
materiais termicamente condutivos, tais como folhas metálicas ou compostos de transferência,
utilizados para aumentar a eficiência da transferência de calor da resistência de traceamento para o
objeto considerado

426-20-14
placa de aquecimento
resistência de traceamento formada por elementos conectados em série, ou em paralelo, que possuem
flexibilidade suficiente para se moldar a forma da superfície a ser aquecida

426-20-15
painel de aquecimento
resistência de traceamento, não flexível, formada por elementos conectados em série, ou em paralelo,
fabricados para se moldar a forma geral da superfície a ser aquecida

426-20-16
limite de temperatura máxima
temperatura máxima permitida do sistema, incluindo tubulação, fluido e sistema de aquecimento

426-20-17
temperatura ambiente máxima

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 42/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

temperatura máxima do ambiente na qual a resistência de traceamento opera de acordo com os


requisitos especificados

426-20-18
temperatura máxima suportável
temperatura máxima de operação ou temperatura de exposição que não irá afetar adversamente a
estabilidade térmica da resistência de traceamento e de seus componentes

426-20-19
capa metálica
capa ou malha metálica utilizada para proporcionar proteção mecânica a resistência de traceamento ou
um caminho elétrico de aterramento

426-20-20
temperatura ambiente mínima
temperatura mínima do ambiente, especificada onde a resistência de traceamento opera de acordo com
os requisitos especificados e na qual são baseados os cálculos da perda de calor

426-20-21
tensão de operação
tensão aplicada a resistência de traceamento quando em serviço

426-20-22
sobrecapa
camada contínua de material isolante aplicada externamente a cobertura, malha ou armação metálica
para proteção contra corrosão

426-20-23
densidade de potência
potência dissipada, expressa em watts por metro linear dos cabos e unidades de cabos da resistência
de traceamento, e em watts por metro quadrado para placas de resistência de traceamento e para
painéis de traceamento

426-20-24
potência nominal
potência total ou potência por unidade de comprimento ou potência por unidade de área da resistência
de traceamento, na tensão, temperatura e comprimento nominais, que é normalmente expressa em
watts, watts por metro ou watts por metro quadrado

426-20-25
tensão nominal
tensão na qual as características de desempenho e de operação da resistência de traceamento se
referem

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 43/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

426-20-26
resistência(s) de traceamento em série
elementos de aquecimento conectados eletricamente em série através de único circuito e com uma
resistência específica numa dada temperatura para um determinado comprimento

426-20-27
capa (de uma resistência de traceamento)
cobertura externa, metálica ou não metálica, uniforme e contínua utilizada para revestir a resistência de
traceamento para protegê-la contra a influência do ambiente (corrosão, umidade, etc.)

426-20-28
temperatura da capa
temperatura da cobertura contínua externa que pode estar exposta ao ambiente

426-20-29
projeto estabilizado
conceito onde a temperatura de uma resistência de aquecimento irá por projeto e utilização estabilizar
abaixo do limite de temperatura sob as condições mais desfavoráveis, sem a necessidade de um
sistema de proteção para limitar a temperatura

426-20-30
corrente de partida
corrente da resistência de traceamento imediatamente após a desenergização

426-20-31
documentação do sistema (de um sistema de traceamento elétrico)
informação dada pelo fornecedor para permitir o entendimento satisfatório, instalação e utilização
segura de um sistema de traceamento elétrico

426-20-32
dispositivo de alarme de temperatura
envia um alarme sonoro quando o sensor de temperatura indica um valor fora de uma faixa especificada

426-20-33
dispositivo de controle de temperatura
mantém uma dada temperatura dentro de uma faixa especificada

426-20-34
controlador de temperatura
dispositivo ou uma combinação de dispositivos que incorporam os recursos de medição de temperatura
e de controle de potência da resistência de traceamento

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 44/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

426-20-35
dispositivo de limite de temperatura
dispositivo que desliga a alimentação elétrica da resistência de traceamento para prevenir que a
temperatura limite exceda a máxima temperatura de superfície permissível, por exemplo, num cenário
de fallha

426-20-36
isolamento térmico (de um sistema de traceamento elétrico)
material que possui cavidades preenchidas com ar ou gás, espaços vazios ou superfícies refletoras de
calor, o qual quando devidamente aplicado retarda a transferência de calor

426-20-37
resistência de traceamento
dispositivo projetado com a finalidade de produzir calor pelo princípio da resistência elétrica e
tipicamente composto de um ou mais condutores metálicos ou material eletricamente condutivo
convenientemente isolado e protegido

426-20-38
unidade de resistência de traceamento
conjunto de resistências de traceamento
cabo de traceamento em série, cabo de traceamento em paralelo, placa ou painel de traceamento
adequadamente terminado em conformidade com as instruções do fabricante

426-20-39
aquecimento por traceamento
utilização de cabos de resistência de traceamento elétrico, placas, painéis e componentes de suporte,
aplicados externamente e utilizados para aumentar ou manter a temperatura do interior de tubulações,
tanques e equipamentos associados

426-20-40
proteção contra intempéries
material que quando instalado sobre uma outra superfície de isolamento térmico protege contra água ou
outros líquidos, de danos físicos causados por gelo, vento ou fadiga mecânica e da deterioração
causada por radiação solar ou poluição atmosférica

426-20-41
objeto de trabalho (“workpiece”) (aquecimento por traceamento)
peça na qual o aquecimento por traceamento é aplicado
Bibliografia

IEC 60050-411, International electrotechnical vocabulary – Chapter 411: Rotating machinery


IEC 60079-0:2004, Electrical apparatus for explosive gas atmospheres – Part 0: General requirements

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 45/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

IEC 60079-4:1975, Electrical apparatus for explosive gas atmospheres. Part 4: Method of test for ignition
temperature
IEC 60079-10:2002, Electrical apparatus for explosive gas atmospheres – Part 10: Classification of
hazardous areas
IEC 61241-2-2:1993, Electrical apparatus for use in the presence of combustible dust – Part 2: Test
methods – Section 2: Method for determining the electrical resistivity of dust in layers
IEC 61241-10:2004, Electrical apparatus for use in the presence of combustible dust – Part 10:
Classification of areas where combustible dusts are or may be present
ISO/IEC 17000, Conformity assessment – Vocabulary and general principles
ISO 4225:1994, Air quality – General aspects – Vocabulary

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 46/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

Índice

adaptador roscado “Ex” 426-06-15

alarme 426-09-05

alimentação de gás de proteção 426-09-18

anel de vedação (de um prensa-cabo) 426-04-21

aquecimento por trancamento 426-08-14 / 426-20-39

área classificada 426-03-01

área de diluição 426-09-08

área não classificada 426-03-02

atmosfera explosiva 426-01-06

atmosfera explosiva de gás ou vapor 426-01-07

atmosfera explosiva de poeira 426-01-08

auxiliares de transferência de calor 426-20-13

barreira de segurança de diodo 426-11-10

bolha 426-12-07

bucha à prova de explosão 426-06-06

bucha de passagem 426-04-17

caixa de selagem de cabo 426-13-12

caixa de terminais 426-04-33

capa (de uma resistência de traceamento) 426-20-27

capa metálica 426-20-19

capacidade máxima de cabo 426-11-37

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 47/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

características nominais 426-04-29

carga de projeto 426-20-08

certificação 426-15-10

certificado 426-04-23

circuito de derivação 426-20-02

circuito intrinsecamente seguro 426-11-01

classe de temperatura 426-01-05

compensação de perdas 426-09-15

componente 426-15-04

componente “Ex” 426-04-27

componente infalível 426-11-28

componente não acendível “nC” 426-13-06

componente simples 426-11-09

componentes associados de energia limitada “(nL)” ou “(Ex nL)” 426-13-09

componente de junta à prova de explosão 426-06-05

composto 426-12-02

concentração de gás ou vapor com energia mínima de ignição 426-02-06

condição de serviço 426-15-01

conexão fria 426-20-03

conexão terminal 426-20-04

confinamento de poeira 426-03-26

conjunto de traceamento 426-20-38

controlador de temperatura 426-20-34

corrente de partida 426-20-30

corrente térmica nominal de curta duração 426-08-07

corrente máxima de entrada 426-11-17

corrente máxima de saída 426-11-22

corrente dinâmica nominal 426-08-06

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 48/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

corrente de partida inicial 426-08-04

corrente mínima de ignição 426-02-12

densidade de potência 426-20-23

densidade relativa (de um gás ou vapor) 426-03-15

diluição 426-09-07

dispositivo de alarme de temperatura 426-20-32

dispositivo de aquecimento por resistência 426-08-08

dispositivo de compressão (de um prensa-cabo) 426-04-20

dispositivos de conexão 426-04-25

dispositivo de controle de temperatura 426-20-33

dispositivo de interrupção encapsulado “nC” 426-13-04

dispositivo de drenagem 426-04-04

dispositivo de selagem 426-13-13

dispositivo de fixação (de um prensa-cabos) 426-04-19

dispositivo de fixação especial 426-04-05

dispositivo de limite de temperatura 426-20-35

dispositivo de fechamento “Ex” 426-06-14

dispositivo de respiro 426-04-03

dispositivo encapsulado “nC” 426-13-03

dispositivo selado “nC” 426-13-07

dispositivo hermeticamente selado 426-09-11

dispositivo hermeticamente selado “nC” 426-13-05

dispositivo não centelhamente “nA” 426-13-02

dissipador de calor 426-20-12

distância 426-06-07

distância de escoamento 426-04-15

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 49/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

distância de isolação 426-04-12

distância de isolamento num composto fundido ou moldado 426-04-13

distância de isolamento numa isolação sólida 426-04-14

distância através do material de enchimento 426-07-03

distância de isolamento sob revestimento 426-04-16

documentação do sistema (de um sistema de traceamento elétrico) 426-20-31

documento descritivo do sistema 426-11-35

eixo 426-06-09

encapsulamento 426-12-05

encapsulamento “m” 426-12-01

encapsulamento “mD” 426-18-01

enchimento com areia “q” 426-07-01

entrada de eletroduto 426-04-24

entrada direta (num equipamento elétrico) 426-04-07

entrada indireta (num equipamento elétrico) 426-04-08

ensaio de rotina 426-05-02

ensaio de tipo 426-05-01

equipamento capaz de ser fonte de ignição 426-09-12

equipamento de energia limitada “nL” 426-13-08

equipamento de energia limitada auto-protegido “na nL” 426-13-10

equipamento de ensaio por centelhamento 426-11-11

equipamento elétrico associado 426-11-03

equipamento intrinsecamente seguro 426-11-02

equipamentos elétricos para atmosferas explosivas 426-01-01

equipamento selado 426-10-03

equipamento não-selado 426-10-04

espaço livre 426-12-08

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 50/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

explosão (de uma atmosfera explosiva) 426-02-13

extensão de zona 426-03-21

fabricante 426-15-07

faixa de temperatura do composto 426-12-03

falha 426-11-12

falha contável 426-11-13

falha não contável 426-11-14

fiação interna 426-11-32

fonte de alimentação linear 426-11-40

fonte de alimentação não-linear 426-11-41

fonte de liberação 426-03-06

fonte de liberação de poeira 426-03-27

fonte de liberação interna 426-09-14

gás de proteção 426-09-04

gás liquefeito inflamável 426-03-22

gás ou vapor inflamável 426-03-18

grau de liberação contínua 426-03-10

grau de liberação primária 426-03-11

grau de liberação secundária 426-03-12

grau de proteção de invólucro 426-04-02

grisu 426-02-24

grupo do equipamento 426-01-03

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 51/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

haste de operação 426-06-10

indicador 426-09-13

indutância máxima de cabo 426-11-38

inspeção 426-14-02

inspeção para amostragem 426-14-08

inspeção apurada 426-14-04

inspeção detalhada 426-14-05

inspeção inicial 426-14-06

inspeção periódica 426-14-07

inspeção visual 426-14-03

interstício (de uma junta à prova de explosão) 426-06-03

interstício máximo permitido 426-06-04

Interruptor de contato 426-12-09

invólucro (de um equipamento para atmosfera explosiva) 426-04-01

invólucro à prova de explosão “d” 426-06-01

invólucro pressurizado 426-09-02

invólucro de respiração restrita “nR” 426-13-11

invólucro estanque à poeira 426-04-34

invólucro protegido contra a poeira 426-04-35

imersão em óleo “o” 426-10-01

isolação infalível 426-11-31

isolamento térmica (de um sistema de traceamento) 426-20-36

junta à prova de explosão 426-06-02

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 52/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

lanterna para capacete 426-04-36

limitação de energia 426-13-14

limite inferior de explosividade; LIE (abreviatura) 426-02-09

limite superior de explosividade; LSE (abreviatura) 426-02-10

líquido de proteção 426-10-02

líquido inflamável 426-03-17

manutenção 426-14-01

manutenção 426-15-03

material inflamável 426-03-16

material de enchimento (areia) 426-07-02

máxima capacidade externa 426-11-15

máxima capacidade interna 426-11-20

máxima indutância externa 426-11-16

máxima indutância interna 426-11-21

máxima temperatura de superfície 426-01-04

maximo interstício experimental seguro 426-02-11

mistura explosiva de ensaio 426-02-05

mistura híbrida 426-02-22

mistura de maior pressão de referência 426-02-07

mistura de maior velocidade de propagação 426-02-08

modificação 426-15-06

montagem 426-20-09

montagem de componentes infalíveis 426-11-29

montagem no campo 426-20-10

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 53/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

nível máximo permitido do líquido de proteção 426-10-05

nível mínimo permitido do líquido de proteção 426-10-06

objeto a ser aquecido 426-08-10

objeto de trabalho (de um traceamento) 426-20-41

operação normal 426-04-10

painel de aquecimento 426-20-15

partículas em suspensão combustíveis 426-02-25

perda de calor 426-20-11

período útil de trabalho (capacete da luminária) 426-04-37

pessoa técnica com função gerencial 426-14-11

pessoal qualificado 426-14-10

placa de aquecimento 426-20-14

poeira 426-02-17

poeira combustível 426-02-18

poeira condutiva 426-02-19

ponto de ebulição 426-03-19

ponto de fulgor 426-02-14

porta ou tampa roscada 426-06-13

porta ou tampa de fecho rápida 426-06-11

porta ou tampa fixada por elementos de fixação roscados 426-06-12

potência máxima de entrada 426-11-18

potência máxima de saída 426-11-23

potência nominal 426-20-24

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 54/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

pré-compressão 426-02-15

prensa-cabos 426-04-18

prensa-cabo “Ex” 426-04-22

pressão de vapor 426-03-20

pressurização 426-09-01

pressurização (poeira) 426-17-02

pressurização estática 426-09-19

projetista do sistema 426-11-36

projeto estabilizado 426-08-12

projeto estabilizado 426-20-29

propriedade auto-limitante 426-08-11

purga 426-09-03

proteção contra intempéries 426-20-40

proteção do tipo “tD” contra ignição de poeiras 426-17-01

razão máxima de indutância e resistência interna 426-11-27

recuperação 426-15-05

reenrolamento 426-15-12

referências do certificado 426-15-11

regime de serviço 426-04-11

regime normal (de um motor) 426-08-05

razão da corrente de partida 426-08-13

relação máxima entre indutância e resistência de cabo 426-11-36

relação máxima entre indutância e resistência externa 426-11-26

reparador 426-15-09

reparo 426-15-02

resistência de traceamento 426-20-37

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 55/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

resistências de traceamento em série 426-20-26

respirador 426-04-03

segurança aumentada “e” 426-08-01

segurança intrínseca “i” 426-11-42

segurança intrínseca “iD” 426-19-01

separação ou isolamento infalível 426-11-31

separação infalível 426-11-30

símbolo “U” 426-04-31

símbolo “X” 426-04-32

sistema de contenção 426-09-06

sistema de pressurização 426-09-17

sistema elétrico intrinsecamente seguro 426-11-08

sistema elétrico intrinsecamente seguro


certificado 426-11-33

sistema elétrico intrinsecamente seguro


não-certificado 426-11-34

sobrecapa 426-20-22

sobrepressão 426-09-16

substância inflamável 426-09-10

substância pirofórica 426-02-23

superfície livre 426-12-06

supervisão contínua 426-14-09

taxa de liberação 426-03-13

tê 426-20-06

temperatura ambiente 426-04-09

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 56/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

temperatura ambiente (aquecimento por traceamento) 426-20-01

temperatura ambiente máxima 426-20-17

temperatura ambiente mínima 426-20-20

temperatura da capa 426-20-28

temperatura de ignição de uma atmosfera explosiva de gás ou vapor 426-02-01

temperatura de operação contínua 426-04-26

temperatura de serviço 426-04-30

temperatura de serviço contínua de um composto 426-12-04

temperatura limite (de um equipamento elétrico de segurança aumentada) 426-08-02

temperatura máxima 426-20-16

temperatura mínima de ignição de uma camada de poeira 426-02-20

temperatura mínima de ignição de uma nuvem de poeira 426-02-21

temperatura máxima suportável 426-20-18

tempo de rotor bloqueado 426-08-03

tensão de entrada máxima 426-11-19

tensão máxima de saída 426-11-24

tensão máxima eficaz alternada ou continua 426-11-25

tensão mínima de ignição 426-02-16

tensão nominal 426-20-25

tensão de operação 426-20-21

tipo de pressurização “px” 426-09-20

tipo de pressurização “py” 426-09-21

tipo de pressurização “pz” 426-09-22

tipo de proteção 426-01-02

tipo de proteção “n” 426-13-01

tipo de proteção”pD” 426-17-01

trecho morto (“dead leg”) apêndice de referência 426-20-07

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 57/58


ABNT/CB-03
PROJETO REVISÃO ABNT NBR IEC 60050-426
FEVEREIRO:2010

unidade de aquecimento resistivo 426-08-09

unidade de resistência de traceamento 426-20-38

usuário 426-15-08

valor nominal 426-04-28

ventilação 426-03-14

ventilação artificial geral 426-03-08

ventilação artificial local 426-03-09

ventilação natural 426-03-07

volume (de um invólucro à prova de explosão) 426-06-08

volume do invólucro (de um invólucro pressurizado) 426-09-09

zona 0 426-03-03

zona 1 426-03-04

zona 2 426-03-05

zona 20 426-03-23

zona 21 426-03-24

zona 22 426-03-2

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 58/58