Você está na página 1de 122

Aula 01

Ética e Filosofia p/ DETRAN-MT


Professor: Rodrigo Barreto
Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

AULA 1

SUMÁRIO PÁGINA
1. Filosofia política 1
1.1. Nicolau Maquiavel 1
1.2. Contratualismo 8
1.2.1. Thomas Hobbes 8
1.2.2. John Locke 12
1.2.3. Jean-Jacques Rousseau 18
1.3. Charles-Louis de Secondat ou Barão de 21
Montesquieu
1.4. Alexis de Tocqueville 24
1.5. John Stuart Mill 25
1.6. O Federalista 27
2. Temas modernos da filosofia política do Estado 30
3. Questões comentadas 42
4. Lista de questões 90
5. Gabarito 120

1. Filosofia política

1.1. Nicolau Maquiavel (1469 – 1527)

Pessoal, ao longo do curso nós já falamos um pouco sobre


Maquiavel, aliás, lembro-me da quela discussão sobre se teria ele
16039

sido o primeiro a usar o termo Estado ou não. Ressalto que a Esaf


considerou que ele foi sim o primeiro a usar o termo, ainda que
autores renomados, como Bobbio, entendam que o termo é anterior
a ele e o que Maquiavel teria feito foi dar-lhe uma acepção
moderna. Depois vocês vão ver que há uma questão com outra
posição.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 1 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

Maquiavel escreveu sobre e vivenciou um contexto histórico de


profundas mudanças no cenário político, social, econômico e
cultural, a União Italiana. Em um primeiro momento, consolidava-se
a urbanização, iniciada ainda na chama Baixa Idade Média, gerando
modificações nos hábitos e no comportamento dos habitantes
italianos que então se urbanizavam, inclusive com o reconhecimento
de classes sociais, sobretudo, a burguesia. Além disso, destaca-se o
crescimento econômico europeu, devido à intensificação comercial,
com a consequente acumulação de riquezas, que passou a ser
medida pelo lucro monetário e não mais pela terra e seus produtos.
Portanto, Maquiavel presenciou um contexto de mudanças
acentuadas, vide o Renascimento, que valorizava a estética
(arquitetônica, plástica e literária) e a laicização do pensamento,
abandonando dogmas da igreja.

Pessoal, foi exatamente nessa época que ocorreu a


centralização do poder, que já vinha, na realidade, se desenhando
desde o século XIII. Esse processo permitiria a criação de uma
nova mentalidade política. Suíça, Portugal e Inglaterra foram os
primeiros, logo depois vieram França e Espanha, formando a
unidade política centralizada, Estado Nacional.

No século XV, a Itália passou por graves problemas políticos e


econômicos, o que comprometeu a independência dos Estados
italianos, muito em razão do fortalecimento dos seus vizinhos e do
medo de invasões. Mesmo sendo a região mais rica da Idade Média,
a Itália teve dificuldades em seu processo de unificação, gerando
grande frustração no século XVI. Com o território desunido, a
população desesperançada e envolta em um clima de decadência

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 2 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

social, os italianos acabavam delegando seus poderes a outros,


como aos mercenários, condottieris. Bom, é aqui que surge um
ponto importante: a quem caberia salvar a Itália? A Bórgia ou a
Medici? E a qual forma de governo? O principado ou a república?
Maquiavel buscou solucionar exatamente essas questões.

A obra teórica de Maquiavel, pessoal, causou uma verdadeira


reviravolta na perspectiva clássica da filosofia grega. Enquanto esta
buscava primordialmente elaborar do que seria o melhor regime
político possível, Maquiavel procurava partir “das condições nas
quais se vive e não das condições segundo as quais se deve viver”,
desse modo ele enchia o pensamento político de realidade. Assim, a
teoria política passava a ser entendida a partir do conhecimento
realista das relações morais, com análises descritivas (factuais) do
cenário político. Na realidade, a obra de Maquiavel é até hoje muito
mal compreendida, pois, o que ele fez, foi retirar a máscara
idealizadora do pensamento grego e jogar o pensamento no que de
mais humano havia, formulando um pensamento novo, livre e laico,
subordinado à razão do Estado.

Maquiavel também se afastou da sistematização medieval,


instituindo as bases de uma nova ciência, rompendo com o
pensamento anterior, por meio da defesa de uma investigação
empírica da política. O objeto das investigações passava a ser a
realidade política, pensada em termos de prática humana concreta e
o fenômeno de seu maior interesse era o da centralização do Poder
em direção ao Estado. Não se tratava de estudar um tipo ideal de
Estado, mas sim de compreender como as organizações políticas
tinham o poder como objeto maior.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 3 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

Dessa maneira, deixava-se de lado da política a moralidade ou


aquilo que devia ser, incorporando na análise o que realmente era.
O próprio Maquiavel dizia não estar percorrendo um caminho
honroso do comportamento ou como a sociedade deveria se
organizar; ele estava simplesmente tratando de como era o
comportamento e como a sociedade se organizava. Maquiavel
esboçou um método indutivo, ou seja, “um processo mental por
intermédio do qual, partindo de dados particulares, suficientemente
constatados, chegava-se a uma verdade geral ou universal, não
contida nas partes examinadas. Fazia observação dos fenômenos,
descoberta das relações entre eles, bem como da generalização dos
fenômenos políticos, ou seja, transformava teoria política em ciência
política”. Ele utilizava ainda o método racional, baseando seu
conhecimento científico em certa quantidade de postulados
genéricos, por exemplo, de que a natureza humana era a mesma
em toda a parte e em todo o tempo.

Como visto acima, o autor florentino acreditava que a natureza


humana era imutável, concluindo que os homens eram
naturalmente egoístas e ambiciosos, só havendo limites em suas
práticas do mal quando detido pela força da lei. Para ela, ainda que
a natureza humana pudesse ser boa e má, a política deveria encará-
la apenas como sendo má. Daí que, no Capítulo XVIII de O Príncipe,
aparece a questão mais discutida atualmente sobre o autor: é
melhor ser temido ou ser amado? Como é difícil sê-los ao mesmo
tempo, era mais seguro para o governante que se fosse temido,
pois assim os homens o respeitariam mais do que se apenas eles o
amassem.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 4 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

Foi em Maquiavel que a operou-se a separação radical entre


política e moral, de maneira que a autonomia política era sua
principal preocupação; portanto, devia-se separar política de ética.
Segundo ele, “a atuação política não estava regrada por aspectos
morais, mas em nome do interesse político, principalmente, na
conservação do poder”, conforme ensina Costa. Não que ele
ignorasse que existia uma intenção mais ou menos moral nos
governantes, mas isso não era para ele importante no fazer político.

Um ponto muito interessante de se ressalta é de que, na


realidade, Maquiavel não discutia as questões do que era o Estado
nem porque ele existia. O importante era o Estado “sendo”, ou seja,
o fato dado de sua existência; preocupando-se com sua
conservação, seu reforço e mesmo sua reforma a fim de conservá-
lo. Portanto, a finalidade era a manutenção, a prosperidade e a
grandeza do Estado, indo para além de discussões entre bem e mal,
certo e errado. Para Costa, “o organismo estatal era o objeto
próprio do interesse político, conquistá-lo e o manter eram as
questões principais dos governantes”.

O Príncipe se inicia afirmando que “todos os Estados, todos os


domínios que tem havido e que havia sobre os homens foram e
eram repúblicas ou principados”, portanto, a primeira discussão da
obra era sobre a forma de governo. Maquiavel substituiu a
tripartição do governo aristotélico, por uma bipartição: o principado
que correspondia ao reino e a república, que englobava a
democracia e a aristocracia. A diferença entre elas, era bem
simples: a questão era se o Estado era governado por poucas ou

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 5 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

muitas pessoas. No principado, o poder residia na vontade de um


só. Nas repúblicas, o poder residia na vontade coletiva, que podia se
manifestar em colegiados ou assembleias restritas (caso das
repúblicas aristocráticas) ou nas assembleias populares (caso das
repúblicas democráticas). Para Maquiavel, a melhor forma
governamental era mista, pois se manteria o equilíbrio e se
protegeria contra os defeitos de uma forma pura de governo. A
solução, portanto, seria um governo no qual houvesse órgãos
distintos dos quais participaria poucos em um deles e muitos em
outro deles. A solução de governo misto passaria para o mundo
atual como democracias representativas.

Filosoficamente, Maquiavel trabalha com dois conceitos


importantes: fortuna e virtu. A fortuna proporcionaria a chave para
o êxito da ação política e constituía parte da vida que não pode ser
controlada pelo indivíduo. A fortuna proporcionaria a ocasião, que
seria ou não aproveitada pela virtu do governante. Assim, o homem
de virtude era aquele que sabia quando e a melhor maneira de agir.
A fortuna daria oportunidade ao livre arbítrio humano, que, se fosse
sábio, a usaria com coragem, energia e eficácia política. A ideia de
Maquiavel era a de que deveria se romper o equilíbrio entre esses
dois fatores, resistindo a fortuna e ampliando a virtu (que afinal era
controlável pelo homem). Era com se ele dissesse para o
governante fugir a sorte das coisas, não dando ocasião ao azar. O
governante deveria agir de forma mais audaciosa do que prudente,
controlando as ocasiões e se aproveitando delas.

O termo maquiavélico ou maquiavelismo acabou incorporando


um aspecto pejorativo, pois Maquiavel fazia uma defesa da dispensa

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 6 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

da moralidade – não esqueçam que ele não trabalhava com o que


deveria ser, mas sim com o que era. A obra de Maquiavel, na
verdade, abriga uma extensa expressão de renovação cultural e
científica, dessacralizando o político, tomando independência frente
ao poder da igreja e dando primazia ao Estado frente a religião.
Desse modo, Maquiavel deu um novo rumo a visão histórica, na
qual a desordem, a desarmonia e o conflito davam o tom das
relações políticas reais. De acordo com Nelson Nery Costa, “a obra
O Príncipe versa sobre o poder, o que não se pode negar, pois
dispões sobre sua aquisição, manutenção e utilização, de forma a
subverter a moralidade tradicional. O autor não fazia a apologia de
que a simples posse do poder resulta em atos que não eram
adequados a moral cristã, mas não lamentava que o príncipe
pudesse agir como não cristão para conservar ou obter governo.
Não procurou justificar os casos em que existia a traição,
assassinato, dissimulação ou outras torpezas que eram condenadas
pelas leis cristãs, pois se faziam necessárias para o exercício da
política”.

1. 2. Contratualismo

Contratualismo é a doutrina segundo a qual o Estado é o


produto da decisão racional dos homens destinada a resolver os
conflitos gerados pelo seu instinto antissocial ou para solucionar os
problemas advindos da convivência. Assim, o contrato é um ato de
lógica política, consistindo numa decisão deliberada e racional. Os
contratualistas têm os seguintes aspectos em comum: (i) partem da
ideia hipotética de que um Estado de natureza, anterior à
constituição de uma sociedade regida por leis positivas e no qual os

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 7 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

indivíduos teriam direitos naturais; (ii) colocam que por meio de um


contrato social os indivíduos decidem constituir uma sociedade civil
regida por leis positivas, dando surgimento ao Estado, a fim de
solucionar problemas do estado de natureza e (iii) estabelecem
diversos tipos de Estado, como o absolutista (Hobbes), o liberal
(Locke) e o democrático (Rousseau). São esses três autores que
estudaremos agora.

1.2.1. Thomas Hobbes (1588 - 1679)

O contexto histórico é o cisma anglicano ocorrido na


Inglaterra, quando o rei Henrique VIII proclama a si o rei do Estado
e ao mesmo tempo da igreja, e as guerras civis que marcaram o
período. Hobbes, surge em um contexto posterior à Revolução de
Crowell, com o Leviatã.

Na obra Leviatã, de acordo com Farias Neto, Hobbes discute


sobre um estado de natureza e um estado político ou civil, definidos
em função da contraposição identificada entre esses estados. Para o
contratualista, o estado de natureza humano significaria uma
estrutura ficcional, vigente entre os seres humanos, que se daria de
forma conflituosa e beligerante, sob um inexorável estado de
guerra. Assim, o estado de natureza proporcionaria o amplo e
irrestrito uso da liberdade, de forma a que esse gozo total da
liberdade daria margem a uns lesarem os outros, invadindo,
usurpando e prejudicando.

Ressalte-se que, em Hobbes, o homem é naturalmente


agressivo e invejoso, devido ao seu desejo de tirar vantagem

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 8 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

quando há um contexto de igualdade. Por essa razão, impera-se no


estado de natureza hobbesiano a guerra de todos contra todos, no
qual cada um se declara com direito a tudo. A agressão de todos
contra todos, em realidade, não seria um objetivo, mas sim um
meio para os seres humanos sustentarem seus direitos a todos os
bens do mundo. Nesse sentido, a formação do Estado limitaria essa
liberdade, disciplinando o egoísmo humano, estabelecendo
restrições com vista à preservação e à harmonia da espécie. Ou
seja, para que não morressem todos, o Estado teria sido
constituído, já que, quando ausente o Estado, os seres humanos
ficam entregues às suas paixões inerentes, com guerra e destruição
generalizada.

A famosa expressão de Hobbes “o homem é lobo do próprio


homem” sintetiza essa situação de conflito generalizado que marca
o estado de natureza para o pensador. Acontece que, no momento
em que a vida humana se sente ameaçada, nenhum outro
empreendimento humano faz sentido. A partir daí, a fim de garantir
ordem, harmonia e estabilidade, os indivíduos cedem seus direitos
de liberdade total e irrestrita, assumindo um contrato social,
limitando-se a fim de garantir a segurança para todos. Para Hobbes,
“durante o tempo em que os homens vivem sem um poder comum
capaz de mantê-los a todos em respeito, eles se encontram naquela
condição a que se chama guerra; e uma guerra que é de todos os
homens contra todos os homens”.

Em Hobbes, a sociedade necessitaria de uma autoridade à qual


seus membros se renderiam, abdicando da liberdade natural, de
modo que a autoridade assegurasse a paz interna. É daí que

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 9 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

resultaria o Estado, como sendo o único impositivo para afastar o


nefasto estado natural dos homens. Apenas o Estado seria capaz de
impor sua vontade, ordem, instaurando um governo comum e
regras comuns, exercendo justiça e soberania diante da sociedade.
Portanto, a submissão ao Estado é a condição por meio do qual os
súditos devem ao soberano por ter-lhes salvado do seu destrutivo
estado de natureza no qual se encontravam. Por meio do contrato
social as pessoas renunciam a liberdade e a ideia de possuírem
todos os direitos, em troca ganham a defesa da paz, da harmonia e
da ordem. Nas palavras de Hobbes, “depois de celebrado um pacto,
rompê-lo é injusto. E a definição de injustiça não é outra senão o
não cumprimento de um pacto. E tudo que não é injusto é justo”.

Para Hobbes, os seres humanos só podem viver em paz se


ficassem submetidos a um poder absoluto e centralizado. Assim, o
Estado e a Igreja cristã deveriam formar um só corpo, dirigido pelo
monarca, com poderes absolutos, que teria inclusive o pleno direito
de interpretação bíblica, decidindo questões religiosas e dirigindo
cultos. Nesse sentido, há uma crítica hobbesiana da livre-
interpretação da Bíblia, proposta pela Reforma Protestante, pois isso
enfraqueceria o poder soberano. Em Hobbes, pessoal, o poder
soberano constituído como monarca ou assembleia seria autoridade
inquestionável identificada pela figura do monstro bíblico Leviatã,
que, no Livro de Jó, representa a solução radical de organização
estatal. Vejam que a ideia hobbesiana é de que a força de todos
consentida em um Estado absoluto limitaria o egoísmo de cada
indivíduo, em favor do bem comum.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 10 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

Para Hobbes o soberano pode ser um monarca ou aristocratas


ou ainda uma assembleia democrática, desde que dotados de poder
e soberania pertencentes ao modelo absolutista estatal. Assim, por
meio das instituições públicas, o Estado teria o poder necessário
para promulgar e aplicar leis, definir e garantir a propriedade
privada, exigir obediência incondicional, punindo os desobedientes,
de maneira a garantir a vida, a paz, a ordem e a harmonia.

Como podemos perceber, Hobbes acredita em uma grande


maioria de vontades a favor do contrato social. De maneira que é
esse pacto que dará ao soberano a possibilidade de estabelecer a
moral e as leis, já que o justo passa a coincidir com a vontade do
soberano. O soberano é o único poder legislativo, o Estado é a única
fonte de Direito, mesmo em assuntos religiosos. A autoridade
máxima é o soberano. Aliás, o soberano também detém a força de
todos de maneira a garantir a repartição pacífica de bens comuns.
Nas palavras de Farias Neto, “o poder político resulta da delegação
racional e voluntária da agressividade individual com a finalidade de
instaurar, artificialmente, a paz e promover o aperfeiçoamento do
convívio humano. (…) a extinção da sociedade assoma como o
alternativo e ameaçador efeito implacável da luta de todos contra
todos, a menos que a força de todos constitua um Estado”.

Por essa razão, justificando a existência do Estado, Hobbes diz


que “o fim último, causa final e desígnio dos homens (que amam
naturalmente a liberdade e o domínio sobre os outros), ao introduzir
aquela restrição sobre si mesmos sob a qual podemos viver nos
Estados, é o cuidado com a sua própria conservação e com uma
vida mais satisfeita. Quer dizer, é o desejo de sair daquela mísera

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 11 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

condição de guerra que é a consequência necessária das paixões


naturais do homem, quando não há um poder visível capaz de os
manter em respeito, forçando-os, por medo do castigo, ao
cumprimento de seus pactos e ao respeito àquelas leis da
natureza”.

1.2.2. John Locke (1632 - 1704)

John Locke foi um médico inglês e um dos principais


expoentes da ciência política moderna, classificado dentro da escola
do direito jusnaturalista (que defende que o direito independe da
vontade humana, existindo antes mesmo do homem e estando
acima do homem, ou seja, o direito é algo natural), tendo
expressado o pensamento político mais importante do período das
Revoluções Inglesa. Locke é ainda considerado o precursor do
liberalismo político, tendo sido fundamental para o empirismo inglês
e um dois mais importantes teóricos do contratualismo.

Locke parte da condição natural humana, ou seja, do estado


de natureza, mas a compreendia de maneira distinta da de Hobbes.
Em Locke, o estado de natureza é um estado de liberdade e de
igualdade, em suas próprias palavras, o estado natural é “um
estado de perfeita liberdade para ordenar-lhe a ação e regular-lhe a
posse e as pessoas conforme acharem conveniente, dentro dos
limites da lei da natureza”. Assim, o estado de natureza de Locke
não é uma guerra virtual de todos contra todos, mas regida por
uma lei natural que obriga a todos.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 12 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

A razão para tal, em Locke, é que o estado de natureza se


trataria da condição na qual o poder executivo da lei da natureza
permanecia exclusivamente nas mãos dos indivíduos, sem se tornar
coletiva. Então, todos os homens participam dessa sociedade
singularista (por mais paradoxal que o termo possa parecer). Assim,
podemos dizer que o estado de natureza era regido por uma lei da
natureza, que ensinava todos os homens, que eram independentes
e iguais, que nenhum deles deveria prejudicar o outro. Cada
indivíduo deveria obedecer a lei natural e os transgressores
deveriam ser punidos.

Nesse sentido, Locke considerava que todos tinham o direito


de fazer valer a lei natural, considerando que o estado humano
primitivo é a paz, a liberdade e a felicidade. É por isso que todos
tinham o direito de também deter os transgressores, a fim de evitar
que o prejuízo a ordem fosse causado. Nesse ponto, Farias Neto
coloca que esse contrato social vincularia o transgressor da lei
natural, de um lado, assim como o guardião executor da lei que não
foi ainda positivada ou organizada, de outro.

Vejam que, dessa forma, o estado de natureza em Locke é


pacífico – percebam essa contraposição ao estado de natureza de
Hobbes -, dotado de relativa paz, concórdia e harmonia. Segundo
Locke, já nesse estado natural, os seres humanos eram dotados de
razão e desfrutavam da liberdade e dos bens como direitos naturais.
Para ele, o estado civil, que seria estabelecido a partir do contrato
social, surgiria como aperfeiçoamento, melhoramento, do estado
natural e não como a forma de limitação hobbesiana.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 13 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

Claro que Locke não supunha que tudo eram flores no estado
de natureza, já que este não estaria completamente isento de
inconvenientes gerados pela violação da individualidade natural.
Assim, diante da ausência de lei positivada, de juízes imparciais e
da força coercitiva para impor a execução de castigos, os seres
humanos acabariam tendendo, em algum momento, para um estado
de guerra. Portanto, a fim de evitar esse estado de guerra e
também a fim de reduzir a possibilidade de inconvenientes, houve o
estabelecimento de um contrato social, transformando o estado de
natureza em um estado civil.

A passagem do estado de natureza ao estado civil é


conveniente, em Locke, já que quando um homem assume a razão,
adquire também o direito de impor aos demais o seu cumprimento.
Para ele, a razão coincide com a lei e o homem ao interpretá-la para
assuntos particulares, se torna juiz e parte interessada, o que gera
parcialidade no julgamento. Dessa forma, a passagem para o estado
civil, com a positivação das leis e a constituição de um corpo
jurídico, afastaria esse problema da parcialidade jurídica.

Então, a fim de evitar distúrbios e impor aos violadores do


estado de natureza a sanção, os homens entravam, para Locke, na
sociedade civil, política. Abandonavam, dessa forma, o estado de
natureza, aliando-se em comunidades e designando governos para
agir sobre eles como um juiz neutro, protegendo seus direitos à
vida, à liberdade e à propriedade. Para reforçar o que foi dito até
aqui: no estado de natureza o homem já possuía direitos, contudo a
possibilidade de usurpação deles por outrem fazia com que a sua
fruição fosse reduzida. Assim foi necessário estabelecer uma lei

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 14 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

positivada, um juiz competente e imparcial e uma força coercitiva


capaz de impor sanção. Esses elementos resultaram na associação
coletiva que deu forma à sociedade civil.

Segundo Nery Costa, em Locke, “o contrato estabelecido para


resolver esses problemas era operado entre homens livres e iguais,
e não entre governantes e governados. O pacto social não criaria
nenhum direito novo, que viesse a ser acrescentado aos direitos
naturais. O pacto teria apenas um acordo entre indivíduos, reunidos
para empregar sua força coletiva na execução de leis naturais,
renunciando a executá-las pela mão de cada um. Seu objetivo seria
a preservação da vida, da liberdade e da propriedade, bem como
reprimir a violação desses direitos. Em oposição às ideias de
Hobbes, Locke acreditava que, por meio do pacto social, os homens
não renunciariam aos seus próprios direitos naturais, em favor dos
próprios governantes”.

Em Locke tem-se a formação de um Estado Liberal e não de


um Absolutista. O pacto social dividiria a sociedade em governantes
e governados, mas a estes seriam concedidos meios para a escolha
daqueles. A teoria de Locke considerava que o indivíduo possuía
apenas duas alternativas: ou as pessoas desempenhavam sua
atividade cotidiana sob proteção de um governo liberal e
constitucional ou elas se revoltavam contra um governo que em vez
de ser liberal era tirânico, perdendo seu direito à obediência. Dessa
maneira, se o Estado ou o governo não respeitassem o contrato,
este poderia ser desfeito. Para que o contrato continuasse em vigor,
era necessário que os direitos fossem protegidos. Devemos ter em
mente que se o estado civil nasce a partir dos direitos naturais e se

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 15 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

baseia no consenso, entende-se que o poder do estado é


essencialmente limitado; primeiramente, porque não pode violar
direitos naturais; segundo, porque há a necessidade de consenso.

Como vocês puderam perceber, o contratualismo de Locke é


positivo ou otimista, já que se baseia na ideia de paz, liberdade e
igualdade; enquanto que, em Hobbes, o contratualismo é negativo
ou pessimista, já que se baseia na ideia de guerra de todos contra
todos. Em Locke, o indivíduo, ao atuar na vida pública, não perderia
suas prerrogativas naturais de liberdade, paz e felicidade, uma vez
que caberia ao Estado garantir as mesmas, por meio das leis e da
imposição delas.

Não se esqueçam de que Locke é um liberal: ele admitia que a


liberdade pudesse gerar desigualdade entre os indivíduos,
manifestadas de acordo com as capacidades inatas e desenvolvidas.
Acontece que, pela livre iniciativa, cada indivíduo seria capaz de
evoluir na escala social, de acordo com o modelo de Estado liberal.
Por isso, diz Nery Costa que “a filosofia política e jurídica de Locke
evidencia a orientação no sentido de propiciar o máximo de
liberdade para o indivíduo, em vez de propiciar o máximo de
segurança e ordem, conforme a orientação evidenciada pela filosofia
de Hobbes”.

Algo que costuma causa muito problema em Locke é sua


discussão acerca da separação de poderes. Para ele, são três os
poderes: legislativo, executivo e federativo. O legislativo é o poder
supremo, cabendo-lhe governar por meio das leis estabelecidas e já
promulgadas, que não poderiam diferenciar a partir do caso, ou

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 16 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

seja, deveriam ser abstratas e genéricas. No legislativo estava


investido o poder supremo, sendo a alma do corpo político,
representando o consenso social. De suas prerrogativas dependiam
a forma de governo, a democracia, as eleições ou monarquias e as
possíveis combinações. O executivo compreenderia a execução das
leis internas da sociedade dentro dos limites do país com relação a
todos que a ela pertencessem. Este poder estaria subordinado ao
legislativo, pois sua tarefa era dar execução às leis emanadas do
poder ditado ao povo.

Por fim, Locke previa o poder federativo e cuja missão era a


ordem exterior (diante de outros estados), alianças, tratados,
guerras e paz. Como esse poder é bem próximo ao executivo,
alguns cientistas afirmam que em Locke só havia dois poderes, mas
cuidado com essa afirmação. É preferível o entendimento de que
Locke considerava três poderes. Antes que me perguntem, o
judiciário, em Locke, não era um poder específico e constituía parte
das funções executivas do Estado.

1.2.3. Jean-Jacques Rousseau (1712 – 1778)

Rousseau foi um contratualista considerado revolucionário


dentro da Ciência Política, defensor de que a liberdade faz parte da
natureza humana, inspirando diversos movimentos libertários. Ele
concebia as pessoas no estado de natureza como livres, bons e
iguais entre sim, sendo que é a sociedade que as corrompe.
Acontece que, no estado de natureza, existem dificuldades para a
satisfação das necessidades humanas, assim, os indivíduos se
associam, colocando sua vontade a serviço de todos. A esta ele

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 17 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

chama de vontade geral e ao obedecê-la o indivíduo obedece a si


mesmo. O resultado institucional deste contrato é o Estado
Democrático de Direito, representativo, em que o Parlamento é o
instrumento fundamental da vontade geral que se expressa por
meio da lei.

Para Rousseau, o verdadeiro fundado da sociedade civil foi o


ser humano selvagem que configurou e limitou seu espaço
particular, o que acabou sendo acreditado por outros seres humanos
a partir dos laços de convivência. É exatamente essa situação que
marca a primeira situação de desigualdade gerada pelos seres
humanos, ou seja, a primeira desigualdade não autorizada pela lei
natural: demarcar uma propriedade. A ideia de desigualdade, em
Rousseau, não se deu de maneira instantânea na mente do homem,
derivando em função do progresso social ao longo do tempo.

Um ponto interessante e pouco falado: Rousseau afirmava que


o estado de natureza nunca tinha realmente existido, mas era uma
pura ideia da razão. Assim, apenas a partir dessa construção
imaginária de estado de natureza é que se poderia inferir a real
natureza humana, pois essa natureza significa em Rousseau o
desenvolvimento das potencialidades humanas, em que a sociedade
contemporânea é apenas um momento parcial e incompleto.

É interessante ressaltar que em Rousseau há duas expressões


da liberdade: uma que é a natural (ausência de leis positivadas) e a
civil (no sentido de submissão às leis estatais). O homem natural
era livre porque não tinha leis, já o homem civil é livre, pois,
obedece às leis que deu a si. Segundo Nery Costa, “o homem só

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 18 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

podia ser livre se fosse igual, pois assim que surge a desigualdade
entre os homens acabava a liberdade. Referia-se tanto à igualdade
diante de lei, a igualdade jurídica, mas também chegava a
compreender que existia um problema de igualdade econômico-
social”.

Rousseau entendia a propriedade como um ato arbitrário, que


resultou em um direito de domínio. Assim, a propriedade gerou
exclusão e usurpação em razão do direito de excluir. A propriedade
foi ganhando significado e o ser humano ficou sociabilizado e
civilizado com base na propriedade, ou seja, com base na
desigualdade e exclusão. Para o pensador, a desigualdade
empobreceu os que não a detinham, consolidando a dominação por
aquelas que a possuíam, fazendo valer o direito do mais forte,
acentuando a dicotomia entre ricos e pobres. Essa situação teria
transfigurado os seres humanos, perdendo sua real identidade e sua
verdadeira natureza, ficando corrompido e degradado. Percebam
que é a sociedade, baseada na propriedade privada, que corrompe o
homem para Rousseau.

Como eu já disse, o contrato social rousseauniano possui


existência apenas teórica, não correspondendo a uma verdade
empírica. Esse contrato significaria a deliberação conjunta ou o
consenso estabelecido entre os indivíduos no sentido da formação
da sociedade que fundamenta o Estado. É esse contrato que
promoveria a transição do estado de natureza para o estado cívico.
Diz Nery Costa que “o contrato social, assim, era uma livre
associação de seres humanos inteligentes que, deliberadamente,
resolviam formar certo tipo de sociedade, à qual passavam a prestar

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 19 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

obediência. O contrato social seria a única base legítima para uma


comunidade que desejava viver de acordo com os pressupostos de
liberdade humana. O ato coletivo de renúncia não era feito em favor
de um terceiro, mas por cada um em favor de todos, ou seja, por
cada indivíduo para si mesmo. A alienação acontecia em favor da
comunidade inteira, ou do corpo político, do qual era manifestação
suprema a vontade geral”.

Para fecharmos esse tópico, é interessante estudarmos o que


vem a ser o conceito de vontade geral em Rousseau. A vontade
geral indicava as características gerais da soberania, que são: (i)
inalienável, (ii) indivisível, (iii) infalível e (iv) absoluta. A vontade
geral fundaria algo sobreposto a todas as vontades individuais, que
ficariam consolidadas em uma só vontade geral orientada para a
efetivação do bem comum. Isso não significa que a vontade geral só
se dá a partir de unanimidade, na verdade poderia haver
discordância. A vontade geral consistiria no todo, na totalidade de
ideias, opiniões, contribuições e discordâncias integrantes do
sistema. Para Rousseau, o critério para estabelecer a vontade geral
está na participação de todos a fim a formar um consenso da
maioria. Farias Neto define a vontade geral como sendo “uma
vontade pactuada para a preservação dos direitos inatos ao ser
humano, anteriores ao contrato social. A vontade geral evolveria de
modo constante e orientado o que seria o bem comum a todos”.

Mais uma coisa antes de terminar: Rousseau contestava a


ideia de representação, contestando a validade da existência de
partidos políticos ou de qualquer outra maneira de representação.
Para ele não deveria haver intermediário entre o Estado e os

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 20 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

indivíduos. Ele entendia ainda que uma vontade não poderia ser
representada, e, assim ocorrendo, o povo deixaria de ser realmente
livre, porquanto a vontade não seria a geral, mas sim a dos
representantes. Dessa forma, o exercício da representação
significava, para ele, uma sobreposição de vontades e a vontade
delegada não existiria mais, não estando efetivada. Vejam que para
o pensador o fortalecimento de vontades particulares (como no caso
da representação) enfraquece a força do Estado, esvaziando a
vontade geral.

1.3. Charles-Louis de Secondat ou Barão de Montesquieu


(1689 – 1755)

Montesquieu, como é mais conhecido entre nós, foi um


pensador do período iluminista e que propugnava, a exemplo de
Locke, a monarquia constitucional como a melhor forma de governo,
constituída de três poderes: executivo, legislativo e judiciário. O
poder executivo seria responsável pela administração e deveria ser
exercido de modo concentrado pelo monarca. O poder legislativo
seria responsável pela elaboração das leis e representado pelas
câmaras parlamentares. O poder judiciário seria responsável pela
fiscalização do cumprimento das leis e seria exercido por juízes e
magistrados. Assim, Montesquieu consolidou a teoria da tripartição
de poderes, que havia sido preconizada por Locke e, ainda de
acordo com alguns autores, ela já havia sido pensada em termos
mais básicos por Aristóteles anteriormente. Deixo claro que
Montesquieu já falava sobre a necessidade de haver limitação ao
poder do monarca, pois, caso não houvesse, a monarquia
descambaria para o despotismo ou individualismo.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 21 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

O pensador em questão defendeu a existência dos corpos


intermediários entre os indivíduos e o Estado, como a magistratura,
o parlamento e os partidos políticos. Para ele, é necessário que haja
uma constituição, em qualquer Estado, com aqueles três tipos de
poder. Assim, essas funções do Estado (termo tecnicamente mais
adequado) deveriam atuar de forma articulada e sistemática, a fim
de impedir excessos.

Vocês podem perceber, portanto, que para ele a tripartição de


poderes é essencial e só com ela o indivíduo possui segurança e
liberdade frente ao Estado. O autor francês já alertava para o perigo
do acúmulo das funções (de legislar, julgar e executar), colocando
que esse acúmulo representaria não só perigo para a sociedade,
como também para o Estado. Portanto, era necessário, segundo o
próprio Montesquieu, um equilíbrio entre esses poderes (funções),
exaltando o controle que um deveria exercer sobre o outro.

Ressalte-se que Montesquieu nunca defendeu a igualdade de


todos perante a lei. Vejam só: o poder legislativo, convocado pelo
executivo, deveria ser constituído por duas instituições distintas: o
corpo dos comuns (representantes do povo) e o corpo dos nobres
(direito hereditário). O corpo dos nobres teria a faculdade de
impedir (vetar) as deliberações do corpo de comuns. Montesquieu
ressaltou que cada poder deveria se manter autônomo,
constituindo-se por indivíduos e grupos diferentes.

Dessa forma, percebe-se que Montesquieu não defendeu tão


somente uma separação e independência de poderes, mas sim a

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 22 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

combinação e o equilíbrio entre eles, de modo que a limitação


mútua estabelecida entre os poderes impediriam a eventual
usurpação por parte de algum deles.

1. 4. Alexis de Tocqueville (1805 - 1859)

Tocqueville foi um pensador político francês famoso por suas


análises sobre a Revolução Francesa, a democracia norte-americana
e a evolução das democracias ocidentais. Ele é sem dúvida um dos
pensadores mais importante de todos os tempos, destacando-se
com as obras A Democracia na América e O Antigo Regime e a
Revolução.

Ele acreditava que a democracia era uma tendência política


inevitável, natural, pois expressava a própria vontade divina,
aplicada à história da humanidade. Segundo ele todos os
acontecimentos e todos os seres humanos serviriam ao
desenvolvimento da democracia, que resultaria num fim universal e
permanente. Para Tocqueville, impedir a democracia significaria
lutar contra os desígnios de Deus, o que, por óbvio, não teria
eficácia. Mesmo que cada nação evoluísse conforme seu próprio
desenvolvimento democrático, todas as nações caminhariam para
uma situação cada vez mais ampla de igualdade de condições
vigentes entre os seus cidadãos.

Para o pensador francês, há basicamente dois elementos que


podem prejudicar o desenvolvimento da democracia (e que
deveriam ser evitados, portanto): (i) o aparecimento de uma
sociedade de massa que ensejaria a tirania da maioria (ou seja, a

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 23 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

minoria ficaria sempre reprimida diante da vontade da maioria) e


(ii) o surgimento de um Estado autoritário e despótico. Assim, a
cultura igualitária de uma maioria poderia impedir as possibilidades
de manifestação da minoria. Ele criticava ainda o individualismo
capitalista, gerado em função do lucro e da riqueza.

Para impedir que houvesse um Estado autoritário e despótico,


e também que houvesse uma sociedade de massas, Tocqueville
entendia fundamental a participação da sociedade; além da
constituição e manutenção de instituições políticas consolidadas.
Percebam que o Estado despótico seria a consequência de uma
cidadania omissa em relação à política. Tal Estado oprimiria um
povo massificado, ocupado apenas com atividades particulares.

Dessa maneira, Tocqueville acreditava que a garantia da


liberdade seria alcançada a partir da ação intensa dos cidadãos,
somada a capacidade das instituições políticas liberais de defender
os direitos fundamentais. Assim, em Tocqueville, a verdadeira base
da liberdade é a ação política dos cidadãos, sua participação nas
coisas públicas, que se daria basicamente com instituições atuantes
e descentralizadas; organização de associações políticas promotoras
de cidadania e existência de grandes partidos. Portanto, podemos
dizer que a teoria de Tocqueville consistiu em uma apologia da
democracia enquanto promotora da liberdade (mais frágil e que
deve ser sempre vigiada) e da igualdade (mais forte decorrente da
lei natural).

1. 5. John Stuart Mill (1806 - 1873)

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 24 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

Stuart Mill foi defensor da corrente utilitarista, da liberdade e


da representação política, sendo considerado por muitos como o
grande representante do pensamento liberal democrático no século
XIX. Ele era filho do filósofo também utilitarista James Mill, tendo
estado próximo também de outro utilitarista, James Bentham.

Mill entendia que a participação política não podia ser


considerada como privilégio de poucos, assim como a aceitação de
que o trato da coisa pública envolveria a todos. Para ele, incorporar
os segmentos populares significava uma forma oportuna de
preservação da liberdade de todos em relação aos interesses
egoístas das classes prósperas. Entendia ainda que o voto não era
um direito natural, mas sim uma forma de poder que deveria ser
facultada aos cidadãos para que pudessem defender seus direitos e
interesses.

Um ponto interessante em Mill é que ele considerava que a


tirania da maioria era tão perigosa quanto a tirania da minoria, já
que em ambas haveria interesses puramente classistas. Para ele era
importante que houvesse um bom governo representativo,
impedindo que se caísse em uma ou em outra tirania. Para tal, ele
apresentou duas proposições: (i) adoção do sistema eleitoral
proporcional e (ii) adoção do voto plural. A adoção do sistema
proporcional garantiria a representação das minorias, mesmo se
dispersa em muitos distritos eleitorais. Já a adoção do voto plural,
com pesos diferentes a partir das condições econômica e cultural,
levaria a tendência de que os interesses privados ficassem
polarizados em dois grupos principais: o dos trabalhadores
assalariados e o dos proprietários. Ressalte-se que, por causa desse

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 25 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

desequilíbrio polarizado, o equilíbrio ficaria estabelecido por um


terceiro grupo de cidadãos eminentes, dotados de condições
específicas, como a moral e o conhecimento.

Para o pensador inglês, a finalidade da vida coletiva seria


alcançar a maior felicidade para o maior número de pessoas e que
só assegurando-se o bem-estar é que se poderia avaliar um
governo ou uma sociedade (dois critérios característicos do
utilitarismo). Entendia ele que a felicidade era o prazer individual ou
a ausência de sofrimento, assim, as ações seriam boas à medida
que proporcionassem felicidade nas pessoas. Portanto, a regra
suprema da moralidade, em Mill, era a conquista da felicidade de
todos os participantes de uma sociedade.

Para Stuart Mill, a liberdade era condição para o


desenvolvimento da humanidade, mas não a considerava um direito
natural (os utilitaristas não aceitam o jusnaturalismo). Ele entendia
que a liberdade era essencial, pois ela possibilitaria a manifestação
da diversidade, ainda que dentro de uma unidade social, tendo em
vista que, para ele, a diversidade e o conflito seriam forças motrizes
determinantes da reforma e do desenvolvimento social.

Ele defendeu o liberalismo como ideal político, no qual o


Estado deveria garantir a diversidade e a manifestação de opiniões,
protegendo legalmente os fracos contra os fortes e o pensamento
individual frente ao coletivo. Defendeu, ainda, a emancipação das
mulheres, entendendo que elas deveriam ter os mesmo direitos que
os homens. Considerou que todo o povo deveria ter participação na
política; que toda participação tivesse utilidade na busca pela

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 26 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

felicidade; que a participação se desse tão ampla quanto compatível


ao desenvolvimento da sociedade e que, para finalizar, que
houvesse possibilidade de acesso de todos a uma parte do poder
soberano do Estado.

1.6. O Federalista

De acordo com Limongi, “entre maio e setembro de 1787,


reuniu-se em Filadélfia a Convenção Federal que elaborou uma nova
Constituição para os Estados Unidos, propondo que esta substituísse
os Artigos da Confederação, firmados em 1781, logo após a
independência. O Federalista é fruto da reunião de uma série de
ensaios publicados na imprensa de Nova York em 1788, com
objetivo de contribuir para a ratificação da Constituição pelos
Estados. Obra conjunta de três autores, Alexander Hamilton (1755 –
1804), James Madison (1751 – 1836) e John Jay (1745 – 1829)”.

Esses três autores e, portanto, o contexto de O Federalista,


estão fortemente relacionados à luta pela independência norte-
americana. Madison e Hamilton, aliás, eram líderes do movimento
que culminou na convocação da Convenção Federal. Madison é
considerado aquele que mais contribuiu na elaboração da
Constituição norte-americana.

Não podemos dizer que houvesse consenso absoluto entre


esses três autores, mas todos trabalharam para a ratificação da
Constituição. Entretanto, eles concordavam que a Constituição
elaborada pela Convenção Federal oferecia um ordenamento político
superior aos Artigos da Confederação. Percebam que, até então, os

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 27 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

Estados norte-americanos constituíam uma Confederação e somente


após a ratificação da nova Constituição é que passaram a ser uma
Federação. Veremos mais adiante as diferenças entre essas formas
de Estado.

Fernando Limongi coloca que a filosofia política de então,


especialmente a proposta por Montesquieu, era evocada pelos
adversários da ratificação questionando o texto proposto, isso, pois,
Montesquieu apontava uma incompatibilidade entre governos
populares e tempos modernos – para o pensador francês a melhor
forma de governo seria a monarquia. Dessa maneira, os
Federalistas tiveram como objetivo teórico desconstruir os
pressupostos de uma longa tradição filosófica, que se iniciava com
Maquiavel e chegava a Montesquieu, tentando demonstrar que o
espírito comercial da época não impedia a constituição de governos
populares e que estes não dependiam da virtude do povo ou da
necessidade de confinamento em pequenos territórios.

O federalismo, então, nasce como um pacto político entre os


Estados, fruto de esforços teóricos e negociações políticas. Um dos
eixos de O Federalista era o ataque à fraqueza do governo central
instituído pelos Artigos da Confederação, já que nesta forma de
Estado o Congresso central não tem poderes para exigir o
cumprimento de suas leis nem punir os que não as cumprissem.

De acordo com O Federalista, a limitação do poder só pode ser


obtida pela contraposição a outro poder, isto é, o poder freando
poder. Nesse sentindo, o Federalista se aproxima de Montesquieu.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 28 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

Essas reflexões, como podemos perceber, embasam a teoria da


separação dos poderes, visto que essa separação não é estanque.

A diferença está em que a teoria da separação de poderes de


Montesquieu é ligada a teoria do governo misto, segundo a qual as
funções do governo devem ser distribuídas por diferentes grupos
sociais (intermediários), de forma que o exercício do poder deixa de
ser prerrogativa exclusiva de qualquer um dos grupos, forçando-os
a colaborar. O governo misto, portanto, difere da separação de
poderes. O governo misto pressupõe um esquema de corpos
intermediários verticais, ou seja, grupos sociais com maior ou
menor força (realeza, nobreza, povo) que devem colaborar entre si;
enquanto que a separação de poderes pressupõe um esquema
horizontal, ou seja, no mesmo nível das três funções do poder
(legislativa, executiva e judiciária), sendo desenvolvidas por órgãos
distintos e autônomos. Um detalhe: Montesquieu acreditava que era
possível haver ao mesmo tempo o esquema vertical e o horizontal,
quando cada grupo social exercesse um poder, caso da Inglaterra
descrita pelo pensador francês.

Em O Federalista, a defesa da separação dos poderes deve ser


construída pautada em medidas constitucionais, garantindo a
autonomia das diferentes funções do poder (exercidas por órgãos
independentes), postos em relação uns com os outros para que
possam se controlar e frear mutuamente. Portanto, a adoção do
princípio de separação dos poderes justifica-se como forma de
evitar a tirania, na qual os poderes se concentram todos em uma só
mão.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 29 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

2. Temas modernos da filosofia política do Estado

Pessoal, para concurso, quando a gente vai falar sobre esse


tema, a primeira coisa que lembramos é que as bancas costumam
diferenciar formas de estado, formas de governo e sistemas de
governo. Forma de Estado se refere a Estado Simples (Unitário) ou
Estado Composto (Federação ou Confederação basicamente). Forma
de Governo diz respeito à Monarquia ou à República. E Sistema de
Governo diz respeito ao Presidencialismo ou ao Parlamentarismo.
Vamos estudar agora as Formas de Estado.

As Formas de Estado comumente estudadas são: o Estado


Simples ou Unitário e o Estado Composto – conforme mencionei
anteriormente. O Estado Unitário pode ser caracterizado pelo
centralismo político-administrativo, pela descentralização
administrativa ou pela descentralização política. Enquanto que
Estado Composto se dividiria em União Pessoal, União Real,
Federação e Confederação. Confesso ter visto pouquíssimo em
provas de concursos as formas União Pessoal e União Real, por isso
falarei brevemente sobre elas. Salvo engano só vi isso em uma ou
outra prova para Promotoria e Magistratura.

No Estado Unitário Centralizado há a centralização política


e o monismo de poder, ou seja, um só polo político detém o poder.
Esse centro de poder é único no território do Estado. Em
consequência dessa centralização, as normas jurídicas são
produzidas por um só órgão legislador. Essa espécie estatal costuma
ser chamado de Estado Unitário Puro e não possui, segundo
Novelino, precedentes históricos, por conta da inviabilidade de se

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 30 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

controlar um território sem que haja ao menos uma


descentralização administrativa.

Já Estado Unitário Descentralizado Administrativamente é


aquela na qual há uma centralização política, porém há também
certa dose de descentralização administrativa visando a uma melhor
gerência das competências delegadas pelo poder centralizado.

E no Estado Unitário Descentralizado Politicamente há


tanto uma descentralização da execução das decisões políticas
quanto da gerência das competências administrativas. Nessa Forma
de Estado ocorre também descentralização dos órgãos legislativos.

Agora no que se refere à Forma de Estado Composto, temos o


seguinte:

Tanto na União Real quanto na União Pessoal temos a


forma de governo monárquica. A diferença é que na União Real o
vínculo entre os estados unidos são definitivos, havendo uma só
pessoa jurídica de direito público internacional. Já na União Pessoal,
os estados unidos permanecem soberanos estando ligados apenas
com figura una do soberano. Vejam: na União Real o vínculo de dá
juridicamente e em pé de igualdade entre os estados, na União
Pessoal o vínculo só exista à medida que existe uma figura
soberana. Não se preocupem muito com essa classificação, pois ela
é raríssima.

Pessoal, só para exemplificar, a França e o Uruguai são


conhecidos exemplos de estados simples (unitários), que constitui,

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 31 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

aliás, a forma de estado padrão, conforme o desenvolvimento


histórico. O Estado Unitário é o tipo padrão de forma de Estado, já
que somente nele as características teóricas da soberania se
aplicam totalmente (unidade, indivisibilidade, inalienabilidade e
imprescritibilidade).

Então, como vimos, na forma estatal centralizada é possível a


ocorrência de uma descentralização político-administrativa, a qual
se dá por meio de delegação. Nesse Estado Unitário existe um só
polo detentor de poder; assim, ainda que haja descentralização,
essa se dará por meio de uma delegação do polo central. Dessa
maneira, o órgão central delega às unidades descentralizadas uma
pequena parcela dessa capacidade política ou administrativa.
Contudo, como em qualquer delegação, aquele que a recebe não a
titulariza. Para fixar: (i) no Estado Unitário descentralizado, essa
descentralização se dá por meio de delegação; (ii) o Estado Unitário
ao delegar não perde a titularidade do poder político nem das
competências administrativas.

Aqui entra o ponto mais importante dos comentários acerca de


Forma de Estado: as características da Federação e da
Confederação.

A Federação é caracterizada por: existência de uma


Constituição do tipo rígida e consequentemente por um controle de
constitucionalidade das leis; os entes federados gozam de
autonomia (e não de soberania); o pacto federativo é indissolúvel,
ou seja, é vedado o direito de secessão; ocorre a repartição
constitucional de competências e a separação de poderes.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 32 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

Já a Confederação se caracteriza por: existência de um


Tratado Internacional; os estados confederados não abrem mão de
sua soberania; é permitido o direito de secessão, ou seja, o vínculo
confederativo é solúvel; há o Congresso Confederal, que é o único
órgão e suas decisões são sempre tomadas por unanimidade dos
Estados, assim os estados confederados possuem o poder
nulificador das decisões.

Uma observação: Sahid Maluf lembra que parte da doutrina


aponta ainda a possibilidade de existência do Estado sui generis,
que seria uma espécie distinta de estado composto. O Reino Unido
seria uma espécie desse estado; não sendo nem Federação nem
Confederação, no qual todos os seus estados gozam de soberania e
independência.

A forma federativa de Estado tem origem norte-americana,


lembrem-se dos Federalistas, e foi idealizada pelos chamados
Constituintes da Filadélfia em 1787. A forma federativa realmente
consiste em uma organização plural. Se observarmos o modelo
norte-americano perceberemos que aqueles Estados outrora
soberanos (quando havia a união deles em uma Confederação), se
uniram abrindo mão de sua soberania em favor de um pacto
federativo. Esse federalismo por agregação certamente é plural,
concordam? Diferente é o caso do Estado Unitário, que não é uma
organização plural. Além disso, da união desses componentes
federativos surge uma entidade diferente dos mesmos, dotada de
soberania. No caso brasileiro, por exemplo, da união dos entes

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 33 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

federativos (União, Estados-membros e Municípios) surge a


República Federativa do Brasil, essa sim dotada de soberania.

Segundo Raul Machado Horta, as características que


identificam a Federação podem não ser encontradas totalmente em
alguns Estados Federais. De modo que a ausência de alguma(s)
dessas características não importa a impossibilidade de um Estado
ser classificado como Federação, mas sim o que ocorre é a falta de
amadurecimento de um Estado. O constitucionalista citado coloca
ainda que essa ausência de características marcantes da Federação
dá lugar a um federalismo incompleto, não autêntico, sem que essa
falta ocasione a rejeição desse Estado no conjunto de Estados
Federais.

Ao contrário do modelo norte-americano, a formação


federalista do Brasil é atípica, pois se dá de dentro para fora
(movimento centrífugo). O movimento federalista típico é aquele
que se dá de fora para dentro (movimento centrípeto).

Lembro que no Federalismo não há hierarquia entre os entes


federativo, de forma que o que ocorre é uma repartição
constitucional de competências. Aí vocês podem questionar: "-
Fessor, mas e no controle de constitucionalidade? A Constituição
Federal não é hierarquicamente superior à Constituição do Estado?
E as Constituições estaduais não são superiores às Leis Orgânicas
Municipais?" Vejam bem, para fins de controle de
constitucionalidade isso realmente ocorre. Mas não há que se falar
em hierarquia entre os componentes da Federação. Não se
esqueçam de que a competência e os bens de cada ente estão

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 34 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

definidos na própria Constituição Federal. Assim, as divergências


são se definem com base na hierarquia, mas no próprio texto
constitucional. Não se esqueçam, ainda, de que a rigidez da
constituição, o controle de constitucionalidade e a repartição de
competências decorrem da própria lógica federativa. Mas sem que
haja hierarquia entre os entes.

Quanto à repartição de competências o federalismo pode ser


classificado como dual, por integração ou por cooperação.

O Federalismo dual se caracteriza pela repartição horizontal de


competências constitucionais entre a União e os Estados,
estabelecendo-se uma relação de coordenação como no federalismo
clássico norte-americano. Nesse modelo, a repartição de
competências é estanque, de forma que não há ingerência de um
ente nas competências de outro. Assim, não há que se falar em
competências comuns ou concorrentes.

O Federalismo por integração possui a característica de que a


União sujeita os Estados-membros, ou seja, há um grande
fortalecimento do poder central na União. Embora esse modelo seja
atribuído à forma estatal federativa, ele muito se aproxima do
Estado Unitário.

Temos ainda o Federalismo por cooperação. Nesse modelo


encontramos a repartição vertical de competências, ou seja,
ocorrem as chamadas competências comuns e as concorrentes.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 35 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

Vejamos agora resumidamente a história do Federalismo no


Brasil.

A forma unitária de Estado foi adotada aqui no Brasil apenas


pela Constituição de 1824 (Carta Imperial). Em 1834,
descentralizou-se o poder com o Ato Adicional do Império. Já em
1891 a Constituição Republicana de então adotou a forma federativa
de Estado. Desde essa Constituição, a forma federativa vem sendo
adotada em todas as constituições brasileiras.

A Constituição de 1934 adotou o chamado federalismo por


cooperação, sendo mais centralizadora do que sua antecessora.
Essa Constituição (1934) ampliou as competências da União,
centralizando o poder. Em 1937, a chamada Constituição do Estado
Novo (época ditatorial de Vargas) adotou um modelo ainda mais
centralizador e passou a adotar a nomeação de interventores no
Estados-membros. Em 1946 a nova Constituição tenta romper com
o modelo centralizador da Carta de 1937. A Constituição de 1946
outorgou uma extensa autonomia aos Municípios e reservou
competências residuais aos Estados-membros.

Já em 1967, durante o regime militar, houve a manutenção do


federalismo de 2º grau (duas esferas de poder: União e Estados).
Nessa Carta ficou assentado um modelo centralizador, o que
prejudicou a autonomia municipal.

E, conforme vimos, a Constituição de 1988 continuou a adotar


a forma de estado federalista. Nessa Carta, restaurou-se a
autonomia dos Municípios, consolidando um modelo de federalismo

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 36 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

de 3º grau (três esferas de poder: União, Estados e Municípios) bem


como um modelo descentralizado. Fiquem espertos aqui: alguns
autores entendem que a CF/88 consagra o federalismo de 2º (por
exemplo, Manoel Gonçalves Ferreira Filho), mas a maior parte dos
estudiosos já entendeu que a CF/88 adota o federalismo de 3º grau.

Diante do exposto, o modelo federalista do Brasil, ao longo da


história, passou de uma Carta centralizadora para um modelo
descentralizador. Ou seja, o poder central que era exercido pelo
Império, por meio de um processo histórico, passou a ser exercido
por vários entes federativos, não foi assim que vimos? Então de um
só polo passamos a ter vários polos de poder político. Esse processo
histórico é chamado de Federalismo por desagregação, porque nele
ocorre a saída do centro para vários outros polos.

Nos Estados Unidos ocorreu um fenômeno diverso. A


Confederação Norte-Americana que fora instituída em 1781,
posteriormente chamada Convenção da Filadélfia, que era um
tratado internacional que instituiu a Confederação, deu lugar a uma
Convenção Constitucional. Assim, os Estados soberanos que
formavam uma Confederação abriram mão de sua soberania e
passaram a formar uma Federação. Assim, de modo inverso ao
brasileiro, vários estados soberanos (unidos apenas pelo vínculo
confederativo) se unem formando um só estado soberano
(federativamente). Esse modelo de federalismo é chamado de
federalismo por agregação.

O Federalismo por agregação é o modelo típico de federalismo,


conforme já conversamos. A experiência brasileira, federalismo por

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 37 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

desagregação, é um fenômeno atípico. Outra observação: os


Estados formados pelo federalismo por agregação são chamados
perfeitos e os formados pelo federalismo por desagregação são
chamados imperfeitos. São exemplos de estados imperfeitos, além
do brasileiro, o estado austríaco e o belga.

Pouco comentada, mas importante, a chamada lei da


participação é núcleo do Estado Federado; segundo essa lei os
componentes da federação devem participar da formação da
vontade estatal. Essa tal lei de participação na verdade corresponde
a um princípio, segundo o qual a manutenção da unidade federativa
estaria condicionada a uma efetiva participação dos componentes da
federação na formação da vontade estatal. Em nosso ordenamento
jurídico, essa participação na formação da vontade do Estado
federal se dá por meio da eleição dos senadores. Não podemos
esquecer que o Senado Federal representa os interesses dos
estados-membros, enquanto que os deputados representam os
interesses do povo.

Da mesma forma, há a chamada lei da autonomia, que


também é um princípio, segundo a qual há competência
constitucional primária para organizar e gerir o ordenamento
federativo, dentro dos limites constitucionais. Esses dois princípios,
segundo Scelle, embasam a forma federativa de Estado.

Contudo, podemos falar ainda em alguns outros princípios


federativos. O princípio da coordenação é aquele segundo o qual é
necessário certo nível de coordenação política para que a repartição
constitucional de competências seja respeitada e concretizada. Além

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 38 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

disso, para que a Federação se mantenha íntegra é necessário que


os seus entes coordenem suas ações e políticas públicas a fim de
solucionar problemas comuns: fome, violência, inflação etc.

O princípio da separação se relaciona com a necessidade


federativa de que a Constituição Federal reparta as competências.
Assim, segundo esse princípio, as competências legislativas de cada
ente devem estar previstas no texto constitucional.

O princípio da simetria decorre da nossa própria lógica


federativa. Segundo esse princípio certas matérias são de
reprodução obrigatória na Constituição Estadual. Por exemplo, o
processo legislativo obedece ao princípio da simetria naquilo que
couber. Dessa maneira, não poderia um Estado-membro prever um
quórum diferente de maioria absoluta para a aprovação das leis
complementares ou uma tramitação distinta para o processo
legislativo sumário previsto na Constituição Federal – é claro que
nos Estados-membros o processo não será bicameral. Assim, se
uma determinada matéria obedece ao princípio da simetria, ela
deve se dar da mesma forma nos entes federativos.

O Federalismo é caracterizado pela repartição constitucional de


competências, como vocês sabem. A Constituição de 1988 manteve
as linhas gerais das constituições anteriores no que se refere à
repartição de competências, mas trouxe algumas inovações. A
CF/88 adotou o princípio da predominância do interesse.

Dessa maneira, a competência para tratar de assuntos de


interesse nacional é da União. Já nos assuntos de interesse

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 39 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

predominantemente local a competência será dos Municípios. Em


relação aos Estados-membros, há uma competência residual para
tratar de assuntos de maior interesse regional. O Distrito Federal
por sua vez possui uma competência híbrida, em razão de sua
natureza, tratando dos assuntos locais e regionais.

Segundo o constitucionalista Raul Machado Horta, na CF/88


houve um amadurecimento do sistema de repartição de
competência, já que essa Carta consagra a possibilidade de o
Estado-membro ingressar na competência privativa da União, além
da repartição tributária (o que fortalece a capacidade administrativa
dos entes federados). Ainda conforme esse autor, são pontos
essenciais da federação: (i) a autonomia constitucional do Estado-
membro; (ii) a organização peculiar do Poder Legislativo Federal,
permitindo a participação dos Estados na formação da vontade; (iii)
previsão da intervenção federal, que é mecanismo de manutenção
da ordem federativa e espécie de controle de constitucionalidade;
(iv) e a repartição constitucional de competências, reservando aos
estados poderes não delegados.

Devemos perceber que a competência residual dos Estados


não é delegada pela União, embora a CF/88 consagre a
possibilidade dessa delegar competências legislativas sobre
questões específicas àqueles. Ficou confuso? Vamos devagar então.

(a) Os Estados possuem competência residual outorgada


diretamente pela CF.

(b) Essa competência residual independe da vontade da União.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 40 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

(c) A União (CF, art.22) pode autorizar os Estados a legislarem


sobre questões específicas das matérias sobre as quais a União
legisla privativamente.

(d) Essa delegação se dá por meio de lei complementar.

(e) A delegação somente pode ser concedia a todos os Estados


e ao DF.

(f) A União não pode delegar essas competências aos


Municípios.

(g) A autorização pela União não impede que ela a retome


posteriormente. Essa revogação da autorização também deverá se
dar por lei complementar.

(h) Os Estados e o DF não podem exceder a competência para


legislar somente sobre questões específicas.

3. Questões comentadas

1) A organização política da República Federativa do Brasil


compreende a União, os Estados-membros, o Distrito Federal
e os Municípios, todos soberanos, nos termos da Constituição
Federal.

Nosso Estado adotou o seguinte: (a) Forma de Governo


Republicana; (b) Forma de Estado Federativa. Assim nossos

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 41 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

governantes devem ser responsáveis (prestam contas), são


investidos em cargo político por meio de eleição e neles
permanecem por um dado período de tempo. E os entes federativos
que compõem nosso Estado (União, Estados-membros, Municípios e
o Distrito Federal) gozam de autonomia de governo, organização,
legislação e administração. Porém, esses entes não gozam de
soberania. E olha que isso vive caindo em prova. Vou mostrar para
vocês. Questão errada.

2) (CESPE - OFICIAL DE CHANCELARIA - MINISTÉRIO DAS


RELAÇÕES EXTERIORES – 2006 ) No Estado federal, cada
componente da Federação detém soberania e
autodeterminação
para desempenhar relações de direito público internacional.

Os componentes da Federação possuem autonomia e não


soberania. Quem possui soberania é a República Federativa do
Brasil. Embora a União represente a República Federativa do Brasil
no plano internacional, nem mesmo esse ente possui soberania. A
União, assim como os demais componentes da Federação, possui
tão somente autonomia. Questão errada.

3) (CESPE – MPS - 2010) O Estado federado nos moldes do


brasileiro é caracterizado pelo modelo de descentralização
política, a partir da repartição constitucional de
competências entre entidades federadas autônomas que o
integram, em um vínculo indissolúvel, formando uma
unidade.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 42 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

Vejam só que enunciado bonitão! Ele está todo correto. O


Estado
Federado é descentralizado (lembram que há vários entes com
capacidade política e administrativa?). Como já vimos são
características da Federação: a repartição de competências,
autonomia
dos entes e o vínculo indissolúvel. Percebem que embora nós
tenhamos quatro espécies de entes federados (União, Estados-
membros, Municípios e Distrito Federal), há uma unidade entre eles
formando um só Estado soberano? Os entes conjuntamente formam
a República Federativa do Brasil. Questão correta.

4) (CESPE – ADVOGADO – IPAJM - 2010) A União, por ser


soberana, poderá editar normas específicas aplicáveis aos
estados-membros e ao DF que não serão passíveis de
controle de constitucionalidade.

Agora ninguém pode errar! Nós já vimos que no Brasil os


entes federativos são autônomos, mas não soberanos. Soberana é a
República Federativa do Brasil e não a União. Vocês tão vendo como
cai, né? Não me erra isso não ein! Outra coisa: que lei é essa que
não vai ser passível do controle de constitucionalidade? Só se for a
lei de Deus né. Questão errada.

5) (CESPE – AJAA – STF - 2008) A organização político-


administrativa da República Federativa do Brasil restringe-se
aos estados, aos municípios e ao DF, todos autônomos, nos
termos da CF.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 43 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

Quais são os componentes da Federação? União, Estados-


membros, Distrito Federal e Municípios. Então cadê a União no
enunciado? Questão errada.

6) (CESPE – Técnico – TJ – RJ - 2008) Os municípios não


integram a estrutura federativa brasileira em razão da
limitação de sua autonomia pela CF.

Coitados dos nossos queridos municípios! Eles integram sim a


estrutura federativa brasileira inclusive possuindo autonomia.
Questão errada.
7) (CESPE – Promotor – MPE – RN -2009) O federalismo
brasileiro, quanto à sua origem, é um federalismo por
agregação.

O modelo federalista do Brasil passou de uma Carta


centralizadora para um modelo descentralizador. Ou seja, o poder
central que era exercido pelo Império, por meio de um processo
histórico, passou a ser exercido por vários entes federativos, não foi
assim que vimos? Então de um só polo passamos a ter vários polos
de poder político. Esse processo histórico é chamado de Federalismo
por desagregação, porque nele ocorre a saída do centro para vários
outros polos. Questão correta.

8) (FCC – Defensor Público – DP – SP - 2009) O princípio


republicano, que traduz a maneira como se dá a instituição
do poder na sociedade e a relação entre governantes e
governados, mantém-se na ordem constitucional mas hoje

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 44 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

não mais protegido formalmente contra emenda


constitucional.

Voltemos ao papo sobre Forma de Governo. Como


conversamos anteriormente saber qual é a Forma de Governo
responde à seguinte questão: como se dá a aquisição do poder e o
exercício do mesmo? E ainda: como se dá a relação entre
governantes e governados? Paulo Bonavides aponta três critérios
para que se possa definir a Forma de Governo: (a) o do número de
titulares do poder soberano; (b) o da separação de poderes, com
rigoroso estabelecimento ou fixação de suas respectivas relações; e
(c) o dos princípios essenciais que animam as práticas. Em regra,
tem se adotado como critério o do número de titulares do poder
soberano.

Para fins de concurso público, as formas de governo que mais


aparecem são a república e a monarquia. Não custa relembrar que a
forma de governo republicana tem como características a
responsabilidade dos governantes, a eletividade como forma de
aquisição do poder e a periodicidade do exercício desse.
Certamente, a forma de governo do nosso Estado é a republicana.

Contudo, para que vocês "matassem" essa questão, só


precisariam saber de uma coisa: que o princípio republicano não é
protegido contra emenda constitucional. O princípio republicano é
tão somente um princípio constitucional sensível, ou seja, sua
violação enseja a possibilidade de intervenção federal. Dessa
maneira, caso houvesse violação de um princípio republicano (por

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 45 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

exemplo, a periodicidade de mandato político) em um Estado-


membro, a União poderia nele intervir.

Não se pode confundir essa história com o fato de a Forma de


Estado ser uma cláusula pétrea, portanto protegido contra o Poder
Constituinte Derivado Reformador. Assim, não pode o Congresso
Nacional promulgar uma PEC modificando a nossa Forma de Estado,
pois isso violaria uma limitação material ao poder de reforma
constitucional. Questão certa.

9) (CESPE – Analista – SERPRO - 2008) O conceito de Estado


possui basicamente quatro elementos: nação, território,
governo e soberania. Assim, não é possível que haja mais de
uma nação em um determinado Estado, ou mais de um
Estado para a mesma nação.

Primeiramente nação vem a ser um conceito sociológico que


se
refere a um conjunto humano ligados naturalmente por traços
culturais, religiosos, costumes, linguísticos etc. semelhantes. Esse
agrupamento humano, portanto, seria portador de certa
homogeneidade unido histórica e culturalmente. Assim, podemos
entender que um Estado pode possuir várias nações. Sim. Como?
Um só Estado pode abrigar em seu território nações judaicas,
ciganas, indígenas, afro descendentes, etc. E é exatamente isso que
ocorre com o Brasil. No território Brasileiro há várias nações, porém
um só Estado.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 46 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

Da mesma forma, é possível que uma grande nação (a árabe, por


exemplo) esteja dividida em vários Estados. Portanto, a questão
está errada.

10) (CESPE – Promotor – MPE – AM - 2008) O vocábulo


nação é bastante adequado para expressar tanto o sentido
de povo, quanto o de Estado.

Povo é o conjunto de indivíduos submetidos a um mesmo


Estado por meio dos vínculos jurídicos de nacionalidade e de
cidadania. Nação não é adequado para expressar o sentido de povo
e de Estado. Questão errada.

11) (ESAF – AFT - 2006) Segundo a doutrina, "distinção de


funções do poder" e "divisão de poderes" são expressões
sinônimas e, no caso brasileiro, é um dos princípios
fundamentais da República Federativa do Brasil.

Pessoal, existe uma ligeira distinção conceitual entre "distinção


de funções do poder" e "divisão de poderes". Alguns autores têm
apontado a incorreção do termo "divisão de poderes", já que o
poder é uno e indivisível. Assim, o que ocorreria na realidade é uma
divisão entre as funções do poder. Devemos entender que o que se
divide não é o poder, mas as funções exercidas por órgãos distintos.
Tenham em mente que o poder é uno e indivisível, emanado do
povo. Embora haja essa distinção a própria CF/88 utiliza o termo
"poderes" no lugar de funções. No art.2º a CF dispõe: "São Poderes
da União, independentes e harmônicos entre si, o Legislativo, o

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 47 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

Executivo e o Judiciário". Por isso, deve-se entender a expressão


Poder nesses casos como referente a órgão. Questão errada.

12) (ESAF – AFTE – RN – 2005) A adoção do princípio de


separação de poderes, inspirado nas lições de Montesquieu e
materializado na atribuição das diferentes funções do poder
estatal a órgãos diferentes, afastou a concepção clássica de
que
a unidade seria uma das características fundamentais do
poder político.

Segundo Montesquieu cada uma das funções do Estado deve


ser exercida por um órgão distinto, não podendo se concentrar num
só órgão mais de uma função. Também já comentamos que ocorre
certa imprecisão ao falarmos em divisão de poderes, pois o poder é
uno e indivisível. Agora olhe a parte final da assertiva. Reparou que
a questão coloca que a concepção de Montesquieu afasta a ideia da
unidade do poder político? Nós não vimos exatamente o contrário?
Portanto, muita calma nessa hora. A divisão de funções de poder
não afasta a ideia da unidade do poder político, pois, este é
indivisível. Questão errada.

13) (CESPE – PGE – AL - 2008) A CF, atenta às discussões


doutrinárias contemporâneas, não consigna que a divisão de
atribuições estatais se faz em três poderes: Legislativo,
Executivo e Judiciário.

Vocês certamente nem fizeram esforço para perceber que essa


questão está completamente errada. Como é que a CF não consigna

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 48 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

que a divisão de atribuições estatais se faz naqueles três poderes? A


CF diz que são exatamente essas as três funções em seu art.2º.
Esse examinador deve ter fumado um boldo no Sol. Sério mesmo...
Questão errada.

14) (CESPE – SEJUS – ES - 2009) A vontade do Estado é


manifestada por meio dos Poderes Executivo, Legislativo e
Judiciário, os quais, no exercício da atividade administrativa,
devem obediência às normas constitucionais próprias da
administração pública.

Exatamente. Isso se dá porque num Estado de Direito, como a


República Federativa do Brasil, a própria vontade estatal observa as
normas legais. Dessa forma, não poderiam os órgãos desse Estado
violar as normas constitucionais. Questão correta.

15) (Cespe – MS – Técnico de Contabilidade) De acordo com


o princípio federativo adotado no Brasil, os estados-membros
possuem autonomia administrativa e política, sendo vedado
a
eles o direito de secessão.

Já vimos que na Forma de Estado Federação os entes não são


dotados de soberania, mas sim de autonomia. Além disso, é
característica do modelo federativo a indissolubilidade do vínculo
federativo, ou seja, é vedado o direito de secessão. Questão
correta.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 49 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

16) (Cespe – 2009 – TRT – 1ª região – Analista Judiciário –


Área Administrativa) A separação dos Poderes no Brasil
adota o sistema norte-americano checks and balances,
segundo o qual a separação das funções estatais é rígida,
não se admitindo interferências ou controles recíprocos.

A questão peca ao dizer que a separação das funções estatais


é rígida. Questão errada.

17) (Cespe – 2010 – MPU – Analista Processual) As


capacidades de auto-organização, autogoverno,
autoadministração e autolegislação reconhecidas aos estados
federados exemplificam a autonomia que lhes é conferida
pela Carta Constitucional.

Essas quatro capacidades são exatamente aquelas que


exemplificam a autonomia concedida aos componentes da
Federação pela CF. É o chamado auto-GOLA : autogoverno, auto-
organização, autolegislação e autoadministração. Questão correta.

18) (Cespe – MS – 2010 – Analista Técnico Administrativo –


PGPE) Os estados-membros não possuem a soberania,
entretanto gozam de autonomia ilimitada.

Certamente vocês já perceberam que essa autonomia é


limitada. A própria CF limita a autonomia dos entes em diversos
momentos. O sistema check and balance, a intervenção federal nos
estados e a estadual nos municípios, a repartição constitucional de

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 50 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

competências, são exemplos dessa limitação da autonomia dos


entes federativos. Questão errada.

19) (Cespe – IRB – Diplomacia – 2009) No exercício de sua


autonomia política e legislativa, os estados não estão
obrigados a seguir compulsoriamente as regras do processo
legislativo
federal. Por essa razão, pode o constituinte estadual adotar
normas acerca da formação das espécies normativas que não
guardem simetria com o modelo básico previsto na
Constituição Federal.

Anteriormente comentei o tal princípio da simetria e usei como


exemplo exatamente o processo legislativo. Vamos raciocinar: se o
processo legislativo obedece ao princípio da simetria, isso quer dizer
que as regras da CF sobre esse tema são de reprodução obrigatória
nas CE. Então, pode o constituinte estadual adotar normas acerca
da formação das espécies normativas sem que haja simetria? Claro
que não! Se guarda simetria, deve adotar as mesmas normas, não é
verdade!? Questão errada.

20) (Cespe – Agente Administrativo – AGU – 2010) O Brasil,


desde a Constituição de 1946, tem adotado o
presidencialismo com forma de governo. Assim, a atividade
executiva está concentrada na figura do Presidente da
República, que é, ao mesmo tempo, chefe de Governo, chefe
de Estado e chefe da Administração Pública.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 51 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

Vocês já devem ter percebido o erro da questão: o


presidencialismo não é forma de governo, é sistema de governo.
Com apenas essa conhecimento já seria possível acertar a questão.
Mas eu gostaria de tecer alguns comentários.

O primeiro deles: desde 1946 o Brasil tem adotado o sistema


presidencialista? Não. Houve um curto período de tempo no qual o
Brasil adotou o parlamentarismo. O parlamentarismo no Brasil foi
aprovado em 2 de setembro de 1961 e foi nosso sistema de
governo de 7 de setembro de 1961 a 6 de janeiro de 1963. Durante
esse período, Tancredo Neves, Brochado da Rocha e Hermes de
Lima foram os Primeiros-ministros. Anteriormente, durante o
Império, de 1887 a 1889, já havia vigorado esse sistema.

Essa alteração de sistema de governo do presidencialismo para


o parlamentarismo se deu a partir da EC nº4, que também previa
que o Presidente da República seria eleito pelo Congresso Nacional
por maioria absoluta de votos. Isso aconteceu por conta do contexto
político da época na tentativa de se contornar uma crise e não como
uma vontade da sociedade. Agora vejam que interessante: o que
isso teria a ver com o impeachment de Fernando Collor? Tudo.

A Lei nº 1.079, que prevê os Crimes de Responsabilidade, foi


promulgada em 10 de abril de 1950, portanto antes daquela
emenda parlamentarista. E o que isso significa? A Lei dos Crimes de
Responsabilidade é um instrumento para o Legislativo julgar os atos
do Presidente da República como Chefe de Governo. Com a
modificação do sistema de Governo de presidencialista para

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 52 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

parlamentarista, a chefia de Governo passa a ser exercida pelo


Primeiro-Ministro.

Então, o que em tese deveria acontecer com a lei 1079/50?


Ela deveria ser dada como revogada, já que uma norma superior
(EC nº4) revoga as normas inferiores em contrário. “Professor, e
daí?”, vocês me perguntam. E eu lhes respondo: e daí que se a lei
1079/50 foi revogada, Collor não poderia sofrer processo de
impeachment.

O advogado do ex-presidente, Evaristo de Moraes, apresentou


essa tese ao STF e argumentou que nem mesmo com a revogação
da emenda parlamentarista haveria a repristinação da lei 1079/50,
pois a Lei de Introdução ao Código Civil da época previa que só
haveria repristinação se essa se desse de forma expressa, o que
não foi o caso.

Assim, de acordo com esse raciocínio, a lei 1079/50 foi


implicitamente revogada pela EC nº4 e não ocorreu a repristinação
dela, pois isso somente ocorreria de forma expressa. Logo, não
haveria lei para que Collor fosse julgado por Crimes de
Responsabilidade. Contudo, como vocês sabem, o STF não
concordou com essa tese, por motivações de ordem política, e assim
Fernando Collor deixou a Presidência.

Esse comentário foi só pra vocês se ligarem no professor! ;-D

Questão errada.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 53 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

21) (Cespe - Defensor Público – PI – 2009) Na medida em


que as autoridade e órgãos da União representam a
República Federativa do Brasil nos atos e nas relações de
âmbito internacional, a União é o único ente federativo que
possui personalidade jurídica de direito internacional.

Na verdade não é bem assim não. A União realmente


representa a República Federativa do Brasil, mas isso não significa
ter personalidade jurídica de direito internacional. Como já vimos
dez mil vezes, os entes federativos gozam de autonomia, enquanto
a RFB é quem possui soberania. Dessa forma, o correto é afirmar
que, embora a União a represente, a RFB é quem possui
personalidade jurídica de direito internacional.

22) (ESAF – MRE - 2004) É característica fundamental do


poder político do Estado ser ele divisível, o que dá origem às
três funções que serão atribuídas a diferentes órgãos.

De cara essa questão possui um erro. O poder político do


Estado é indivisível. Lembram aquela discussão dos termos
separação de poderes ou de funções? Então, de certa forma ela
aparece nessa questão novamente. O poder político do Estado não
se divide formando outros poderes, o que se divide são as funções
do Poder. Assim, há um só poder que se manifesta por meio do
Legislativo, do Executivo e do Judiciário. Tenham cuidado com essas
pegadinhas na hora da prova. Questão errada.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 54 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

23) (ESAF – MRE - 2004) O exercício de uma das funções do


poder político do Estado por um determinado órgão se dá sob
a
forma de exclusividade, com vistas à preservação do
equilíbrio
no exercício desse poder.

Mais um questãozinha que vocês não podem errar. Nós já


vimos que o exercício de uma função não se dá de forma estanque,
rígida. Vimos que os Poderes (funções) possuem funções típicas e
atípicas. Se os Poderes possuem funções típicas e atípicas, como é
que a questão pode afirmar que o exercício se dá de forma
exclusiva? Questão errada.

24) (CESPE – ANAC - 2009) Ofende o princípio constitucional


da separação e da independência dos poderes a intimação de
magistrado para prestar esclarecimentos perante comissão
parlamentar de inquérito acerca dos atos de natureza
jurisdicional por ele praticados.

Pessoal, o Poder Legislativo possui duas funções típicas: inovar


o ordenamento jurídico e fiscalizar. As Comissões Parlamentares de
Inquérito nada mais são do que o Legislativo exercendo a sua
função típica fiscalizadora.

Em relação à questão, eu lhes pergunto: uma CPI pode


convocar magistrado para prestar esclarecimento? Sim! Não há
ofensa alguma à separação dos poderes se um magistrado for
convocado para prestar esclarecimentos.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 55 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

Agora vejam só essa outra pergunta: uma CPI pode convocar


magistrado para prestar esclarecimento sobre atos de natureza
jurisdicional por ele praticados? Não! Porque aí haveria uma invasão
do Legislativo em uma função típica do Judiciário. Seria o mesmo de
um parlamentar ser responsabilizado criminalmente por propor
determinado projeto de lei. Portanto, se essa convocação se der em
razão de ato de natureza jurisdicional, realmente haverá ofensa.
Questão correta.

25) (AOCP – GESTOR – BA -2010) Relacione as colunas e


depois
assinale a alternativa que apresenta a sequência correta

A. Estado Unitário.

B. Estado Federativo.

C. Estado Regionalizado.

( ) Mais controle público.

( ) Nele, as regiões recebem autonomia administrativa e


relativa autonomia política e possuem estatutos próprios,
geralmente estatutos orgânicos regionais outorgados pelo
poder central.

( ) Na sua forma desconcentrada não possui diferentes níveis


de poder.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 56 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

( ) Por este sistema, os norte-americanos foram beneficiados


pelas tradições inglesas de descentralização e
parlamentarismo, enquanto os latino-americanos foram
prejudicados pelo autoritarismo centralizado, o familismo e o
clientelismo que herdaram da Espanha medieval.

(A) A - B - A - C.

(B) B - C - A - C.

(C) C - A - B - B.

(D) C - B - C - A.

(E) B - C - A - B.

O que poderia causa alguma dúvida é a forma de estado


regionalizada, da qual a Espanha é o melhor exemplo. O Estado
Regionalizado (de Autonomias) é considerado um intermediário,
pois possui um estado único, mas com tendência a descentralização.
Nesse estado, as regiões autônomas elaboram estatutos políticos
(posteriormente submetidos ao poder central); não há participação
da regiões autônomas por meio de representantes na vontade
central e não existe representação parlamentar dessas regiões
autônomas. Letra “e”.

26) (ESAF – AFC – STN -2002) Por motivos geográficos,


culturais, históricos e políticos, vigorou no Brasil, durante

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 57 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

muitas décadas, um federalismo de direito, mas não de fato.


Esta situação vem sendo alterada gradativamente desde
1988, porém há diversos aspectos ainda não consolidados no
pacto federativo brasileiro. Sobre a questão do federalismo
no Brasil, marque a opção incorreta.

a) O pacto federativo brasileiro poderia ser beneficiado pela


formação e fortalecimento de partidos regionais, capazes de
introduzir maior transparência e competitividade no processo
político, e de opor-se às tradicionais coalizões entre
oligarquias decadentes e grupos corporativos que se
beneficiam da centralização política e administrativa.

b) A dimensão continental do país é um elemento estrutural


e cultural importante na definição das funções do Estado,
exigindo o fortalecimento das funções de integração que dão
visibilidade, poder e influência ao poder central, também
chamado de União.

c) O Brasil é o único país do mundo no qual o município foi


constitucionalmente consagrado como “entidade federativa”,
o que traz diversas implicações práticas, ainda não
resolvidas, quanto ao exercício do princípio da autonomia
financeira e de autogoverno.

d) As relações entre as diversas instâncias devem pautar-se


pelo princípio da subsidiariedade, que determina que sempre
que uma determinada função puder ser exercida pela

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 58 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

instância hierarquicamente inferior, não deverá ser assumida


pela que lhe está acima.

e) Um dos aspectos mais delicados do debate sobre o pacto


federativo no Brasil é o sistema de representação regional na
Câmara dos Deputados, já que a sub-representação penaliza
os estados economicamente mais poderosos, enquanto a
super-representação tende a privilegiar de maneira muito
desigual os estados de grandes espaços, população rarefeita
e baixo desenvolvimento econômico.

Na realidade, o fortalecimento se daria por meio dos partidos


nacionais, já que a formação de partidos regionais só faria criar (ou
fortalecer) as elites locais. Letra “a” é incorreta.

27) (ESAF – APO – MPOG -2003) No que se refere ao pacto


federativo e às relações intergovernamentais, objeto de
grande parte das discussões em torno das reformas das duas
últimas décadas no Brasil, são corretas todas as assertivas
que se seguem, exceto:

a) O federalismo caracteriza-se pela difusão dos poderes de


governo entre muitos centros, nos quais a autoridade não
resulta da delegação de um poder central, mas é conferida
por sufrágio popular.

b) Os sistemas federais moldam formas peculiares de


relações intergovernamentais, constitutivamente

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 59 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

competitivas, e modalidades de interação necessariamente


baseadas na negociação entre instâncias de governo.

c) O federalismo centralizado comporta diversos graus de


intervenção do poder federal nas unidades subnacionais e se
caracteriza por formas de ação conjunta entre instâncias de
governo, nas quais essas unidades guardam significativa
autonomia decisória e capacidade própria de financiamento.

d) A maneira como são gerados, distribuídos e apropriados,


entre as esferas de governo, os recursos fiscais e parafiscais
define, em boa medida, as características próprias dos
diferentes arranjos federativos.

e) As feições e a operação efetiva dos arranjos federativos


são fortemente condicionadas pelas características das
instituições políticas, especialmente os sistemas partidários
e eleitorais, a dinâmica parlamentar e as organizações de
interesses.

A letra “c” descreve um sistema descentralizado ao dizer que


comporta diversos graus, ação conjunta em instâncias de governo e
unidades com autonomia. O erro é que ela falou em federalismo
centralizado no início. Está errada, portanto. Letra “c”.

28) (ESAF – EPPGG – MPOG -2005) Os Estados federais


apresentam, quanto à sua estrutura, alguns aspectos
constantes, independentemente dos casos concretos:

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 60 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

( ) Divisão de poderes entre União e unidades federadas


mantendo-se vínculos de coordenação e autonomia.

( ) Preeminência da Constituição Federal sobre o


ordenamento jurídico das unidades federadas, sendo as
alterações na primeira sujeitas a ratificação pelas unidades
federadas.

( ) Limitações à descentralização a fim de preservar a


unidade jurídica nacional.

( ) Soberania do Estado Nacional perante os demais Estados


Nacionais e Organismos Internacionais, soberania de que
não gozam as unidades federadas.

( ) Articulação entre unidade e pluralidade. As afirmações


acima se referem a esses aspectos constantes.

Indique se são verdadeiras (V) ou falsas (F) e assinale a


opção correta.

a) V, V, V, V, V

b) F, F, F, F, F

c) V, F, V, V, V

d) V, V, F, F, V

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 61 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

e) V, F, F, F, V

São características da Federação: divisão de poderes, atendido


o princípio da autonomia e coordenação; vínculo indissolúvel;
autonomia dos entes federados e articulação entre eles. Dessa
maneira, letra “c” é a resposta.

29) (ESAF – APO – MPOG - 2008) As mudanças no plano


mundial enterraram a era liberal e promoveram o Estado
corporativo, voltado para estimular a cooperação entre o
capital e o trabalho. De acordo com Camargo (2001), no
Brasil, no final do séc. XX, criou-se um novo federalismo
democrático trino (presente nos três níveis de governo), que
nasceu com a Constituição Federal de 1988, como um novo
tipo de federalismo cooperativo.

São características desse tipo de federalismo, exceto:

a) comprometido com parcerias entre os três níveis de


governo.

b) comprometido com a melhoria das políticas públicas no


nível local.

c) comprometido com a redução das desigualdades sociais.

d) comprometido com as oligarquias e o fortalecimento da


classe política.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 62 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

e) comprometido com o fortalecimento da sociedade civil e


da cidadania.

Sério... NÃO ME ERREM ESSA QUESTÃO! Quem errou lê a aula


inteira sete vezes setenta. Como que o federalismo vai ser
comprometido com as oligarquias? Pelo menos em tese não é não.
Não viagem em questão de concurso. Objetividade! Letra “d” é a
errada.

30) (ESAF – AFC – CGU – 2012) O Federalismo brasileiro


surgido da Constituição de 1988 apresenta uma série de
características que o distingue do existente na maioria das
demais nações federativas. Indique qual das características
enunciadas a seguir está incorreta.

a) É um federalismo economicamente assimétrico porque


existe grande diferença de poder econômico entre seus entes
federados.

b) É um federalismo caracterizado pela sobrerrepresentação


política de alguns dos pequenos entes federados.

c) É um federalismo que reproduz, em todos os seus entes


federados, a divisão de poderes existente no governo central.

d) É um federalismo que distribui competências entre os


diversos entes federados.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 63 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

e) É um federalismo que permite e regulamenta o aumento


do número de entes federados.

Município tem poder judiciário? Não. Então, não podemos dizer


que o federalismo reproduz a divisão de poderes do governo central
em todos os níveis. Letra “c”.

31) (ESAF – APO – MPOG -2010) A problemática do


Federalismo e das relações entre esferas de governo tem
chamado cada vez mais a atenção dos formuladores de
políticas públicas, particularmente no Brasil. De acordo com
um autor de destaque, que tem se dedicado ao assunto,
Pierson (1995), o Federalismo e suas instituições estimulam
diferentes dinâmicas. Apresente, abaixo, o que não é uma
característica ou dinâmica associada ao Federalismo.

a) O Federalismo gera, nas políticas públicas, uma relação de


autonomia e interdependência entre as esferas de governo, o
que, por sua vez, estimula uma alta coordenação das
políticas, reduzindo a fragmentação e a competição entre as
diferentes unidades da Federação e gerando uma
harmonização dos interesses regionais e uma tendência
centrípeta.

b) O Federalismo influencia as preferências políticas, as


estratégias, e a ação dos atores sociais.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 64 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

c) O Federalismo e suas instituições estimulam a


participação de importantes atores, institucionais, quais
sejam, as próprias unidades da federação.

d) O Federalismo gera dilemas previsíveis de formulação de


políticas associadas com a tomada de decisão compartilhada.

e) O Federalismo caracteriza-se pela existência de uma dupla


soberania, a qual, por ser uma característica central de
Estados federativos, acaba por produzir, por sua vez,
diversas consequências para o sistema político e para a
produção de políticas públicas como um todo no país.

O Federalismo aparece a partir de uma diversidade entre os


entes, tendo em vista o aumento da fragmentação e a disputa (por
exemplo, por recursos) entre aqueles. Dessa forma, letra “a” está
errada.

Aproveitando o ensejo, coloco alguns trechos de Fernando


Abrúcio, que é um autor importante para a Esaf e fala exatamente
sobre essa problemática:

“A essência da definição de federalismo aparece na própria


constituição da palavra, derivada do latim foedus, que significa
pacto. Trata-se de um acordo capaz de estabelecer um
compartilhamento da soberania territorial, fazendo com que
coexistam, dentro de uma mesma nação, diferentes entes
autônomos e cujas relações são mais contratuais do que
hierárquicas. O objetivo é compatibilizar o princípio de autonomia

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 65 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

com o de interdependência entre as partes, resultando numa divisão


de funções e poderes entre os níveis de governo. Os países adotam
o modelo federativo quando há uma situação federalista,
caracterizada por duas coisas. A primeira é a existência de
heterogeneidades numa determinada nação, vinculadas à questão
territorial (grande extensão e/ou enorme diversidade física), a
diferenças étnicas e/ou linguísticas, a disparidades socioeconômicas,
ou então a diversidades culturais e políticas entre as regiões de um
país. A segunda condição que leva à escolha do federalismo é a
ação política baseada no ideal da unidade na diversidade, capaz de
concomitantemente manter unidas e autônomas as partes de um
mesmo território.

(...) Portanto, tomando como base as características da


Federação, conclui-se que o sucesso das políticas públicas num
Estado federal depende da capacidade de instaurar mecanismos de
controle mútuo e de coordenação entre os níveis de governo. Este
aspecto ficará mais ressaltado no estudo do caso brasileiro. A
criação do modelo federativo no Brasil ocorreu de maneira oposta à
experiência norte-americana. Não resultou de um pacto entre
unidades autônomas, mas de um processo de descentralização de
poder do centro para os estados, uma vez que em suas primeiras
décadas – quase 70 anos – o País fora regido por um Império
bastante centralizado. Apesar das diferenças históricas entre as
duas nações, as estruturas institucionais adotadas foram bastante
semelhantes. Os resultados, no entanto, foram diversos. Os estados
se fortaleceram e a União foi enfraquecida, gerando um modelo
centrífugo bem diferente dos Estados Unidos. Por esta razão,
enquanto nos EUA o pacto federativo significou a criação de um

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 66 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

Poder Central até então inexistente, no vocabulário político


brasileiro federalismo é sinônimo de descentralização. Além disso,
as instituições federativas brasileiras fortaleceram sobremaneira o
Executivo estadual, que exercia seu poder num jogo político
basicamente oligárquico – novamente ao contrário dos EUA, em que
o poder local foi a base do republicanismo. Soma-se a isso o fato de
que os governadores se tornaram grandes líderes nacionais.

(...) Em linhas gerais, há atualmente cinco aspectos centrais


na relação entre federalismo e políticas públicas que precisam ter
um melhor equacionamento:

1) Fortalecimento das condições de governança democrática


no plano subnacional. Neste ponto, é essencial a modernização da
burocracia de estados e municípios, bem como a democratização do
poder local.

2) Criação de mecanismos que favoreçam a cooperação entre


os níveis de governo. Figuras como os Consórcios já têm atuado
neste sentido, mas é preciso atuar também no plano das políticas
públicas que não tenham formas de coordenação bem definidas – o
que ocorre na maior parte dos casos. A despeito da definição de um
federalismo mais cooperativo no âmbito das competências
constitucionais, o federalismo brasileiro na prática é muito
compartimentado e pouco entrelaçado, o que atrapalha as políticas
públicas, tanto em termos de eficiência como de responsabilização.

3) Repensar os marcos políticos territoriais do país,


reformulando as formas de governança regional. Em destaque,

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 67 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

deve-se reformar a governança metropolitana e a macro-regional,


que estão em crise desde o final da década de 1980. Atuar neste
front significa desmistificar a ideologia municipalista, segundo a qual
os municípios devem ser a unidade básica da provisão e
planejamento dos serviços públicos.

4) Os papéis de coordenação e indução do Governo Federal e


dos estados precisam ter uma melhor definição. Políticas nacionais
não são antinômicas em relação à descentralização, de modo que
setores como Segurança Pública e Políticas urbanas necessitam de
forte atuação da União. Na mesma linha de raciocínio, os governos
estaduais têm de encontrar o seu nicho de atuação, pois a
indefinição de suas funções é um dos maiores problemas do
federalismo brasileiro.

5) Por fim, uma tarefa urgente diz respeito aos fóruns


federativos. Isto é, as instituições que congregam os atores
intergovernamentais devem ser reforçadas, em prol da
democratização e maior efetividade de suas ações. Neles podem ser
decididos os principais dilemas de coordenação federativa das
políticas públicas.

Ressaltar o papel dos fóruns federativos e da ação mais


entrelaçada dos níveis de governo é fugir do improdutivo debate
centralização versus centralização. Ir por outra linha, a da
coordenação federativa, traz mais frutos e favorece a articulação
dos recursos governamentais disponíveis – financeiros,
administrativos e de atuação

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 68 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

conjunta com a sociedade. Num País com tantas carências sociais e


fragilidades do Poder público, o federalismo tem de ser uma
alavanca para o sucesso das políticas públicas, e não mais um dos
vários obstáculos à boa governança que emperram a modernização
da gestão pública. E, não por acaso, as experiências administrativas
bem sucedidas que existem no Brasil se ampliaram a outros locais
e/ou se consolidaram em suas esferas à medida que houve o melhor
equacionamento dos dilemas intergovernamentais”.
(http://www.defesasocial.rn.gov.br/contentproducao/aplicacao/sear
h_escola/arquivos/pdf/paper-federalismo-fernando-abrucio.pdf)

32) (AOCP – GESTOR – BA - 2010) “Transferência mútua de


direitos” (Thomas Hobbes). O termo, além de específico,
define um(a)

(A) intermediação de interesses.

(B) conceito básico de ciência política, a legitimidade.

(C) direito político.

(D) forma de manutenção da ordem política.

(E) contrato social.

Pessoal, essa é a acepção de contrato social. Sem discussões.


Letra “e”.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 69 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

33) (ESAF – EPPGG – MPOG- 2000) Para Rousseau, o estado


de natureza seria dominado pela

a) Razão, abundância e paz

b) Paixão, discórdia e guerra

c) Liberdade, sossego e ócio

d) Lógica, ética e democracia

e) Liberdade, consenso e paz

Eu não cheguei a citar isso, mas para Rousseau no estado de


natureza haveria um clima geral de sossego e ócio, além da já
comentada liberdade. Letra “c”.

34) (ESAF – EPPGG – MPOG -2000) Uma das principais


contribuições de Maquiavel ao pensamento político foi:

a) Sugerir a ideia de um Príncipe moderno, ciente de seus


poderes e de sua soberania.

b) A separação entre política e moral.

c) A ideia de soberania limitada, absoluta e arbitrária.

d) A separação entre Igreja e mercado.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 70 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

e) A ideia de interesse estatal.

Falei bastante sobre isso: Maquiavel separa a política da


moral. Letra b.

35) (ESAF – AFC – CGU -2012) A relação entre liberdade e lei


foi uma preocupação constante entre os clássicos do
pensamento político. Os enunciados a seguir se referem a
essa relação.

I. A existência de lei é contraditória com a liberdade porque,


como dizia Hobbes, liberdade significa a existência de
impedimentos externos.

II. Ao afirmar que somos servos da lei com o fim de poder


ser livres, Cícero apontava a impossibilidade da coexistência
entre liberdade e lei.

III. Ao dizer que onde não há lei não há liberdade, Locke


afirmava que liberdade e lei são indissociáveis nas
sociedades políticas.

Quanto a esses enunciados, indique a opção correta.

a) Apenas o I está correto.

b) Apenas o II está correto.

c) Apenas o III está correto.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 71 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

d) Todos estão corretos.

e) Nenhum está correto.

Item I está errado, pois para Hobbes a liberdade significa a


falta de impedimentos (limites). Sobre o item II, eu acredito que
ninguém tenha estudado Cícero, mas sabendo que ele escrevia em
uma Roma republicana, ficaria mais plausível imaginar que ele não
apontava impossibilidade de coexistência entre lei e liberdade. Item
II, errado. Item III está correto, pois Locke realmente relacionava
lei e liberdade. Letra “c” é o gabarito.

36) (ESAF – ANA - 2009) Acerca das chamadas teorias


contratualistas do Estado, é incorreto afirmar:

a) podem ser explicadas sob os enfoques antropológico,


filosófico ou político.

b) em sentido amplo, vem o fundamento do Estado em um


contrato, aceito pela maioria dos indivíduos, assinalando o
fim do estado natural e o início do estado social.

c) algumas de suas correntes foram utilizadas para justificar


o absolutismo, ao passo que outras o foram para contradizê-
lo.

d) têm por expoente máximo a obra legada por Nicolau


Maquiavel.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 72 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

e) em comum, nas teorias contratualistas, encontra-se a


ênfase no caráter racional e laico da origem do poder.

Maquiavel não é contratualista, pessoal. Letra “d”.

37) (ESAF – EPPGG – MPOG - 2008) Embora não seja a única


abordagem sobre a origem do Estado moderno, o
contratualismo tem destacada importância para a reflexão
sobre a ordem democrática. Examine os enunciados abaixo
sobre essa corrente da ciência política e marque a resposta
correta.

1. Todos os contratualistas veem no pacto um instrumento


de emancipação do indivíduo e de sua transformação de
súdito em cidadão.

2. Todos os contratualistas apontam a obediência como


elemento central para a manutenção da ordem política, mas
também reconhecem o direito de rebelião contra o poder
tirânico.

3. Do mesmo modo que consideram o contrato uma relação


obrigatória entre as partes, todos os contratualistas também
indicam as sanções para quem o infringe.

4. Para os contratualistas, a constituição da ordem política


não altera a estrutura social, nem a racionalidade individual,
nem a sociabilidade da sociedade civil.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 73 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

a) Todos os enunciados estão corretos.

b) Estão corretos os enunciados 1, 3 e 4.

c) Somente o enunciado 1 está correto.

d) Somente o enunciado 2 está correto.

e) Somente o enunciado 4 está correto.

Os itens 1, 2 e 3 eu já marcaria errado só porque falam em


“todos”. Todos é muita gente! De qualquer maneira, os itens 1 e 2
não estão de acordo com Hobbes e o item 3 não está de acordo com
Rousseau. Apesar de generalizar também, o item 4 está correto; no
contratualismo, o contrato social não diz respeito às questões
sociais ou de racionalidade, mas sim à organização política. Letra
“e” é a resposta.

38) (ESAF – PSS - 2008) Um dos temas centrais da discussão


em torno da formação do Estado Moderno, sobre o qual
existem algumas correntes teóricas bem definidas, é a
origem da autoridade e os fundamentos da obediência. Entre
as teorias existentes, destaca-se aquela que defende a
formação contratual do Estado. Identifique, entre os
enunciados abaixo, aquele que não é característico dessa
vertente teórica.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 74 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

a) Uma generalizada condição de liberdade, entendida como

independência, domínio de si próprio.

b) Uma história e uma cultura comuns, como fundamento


dos pactos entre os homens.

c) A capacidade dos homens de realizar escolhas racionais.

d) Uma situação de vida coletiva.

e) Uma generalizada capacidade de uso da força, que torna


os homens relativamente iguais.

Não há como haver uma cultura ou uma história comum,


sendo que os Estados tem características completamente diferentes
nesse aspecto. Letra “b”.

39) (ESAF – EPPGG – MPOG - 2008) Um dos objetos de


grande atenção do pensamento e da teoria política moderna
é a constituição da ordem política. Sobre essa temática, uma
das tradições de reflexão mais destacadas sustenta que a
ordem tem origem contratual. Todos os elementos abaixo
são comuns a todos os pensadores da matriz contratualista
da ordem política, exceto:

a) o estado de natureza.

b) a existência de direitos previamente à ordem política.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 75 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

c) um pacto de subordinação.

d) um pacto de associação.

e) a presença de sujeitos capazes de fazer escolhas


racionais.

Apenas para Hobbes há essa subordinação. Letra “c”.

40) (ESAF – EPPGG – MPOG – 2002) No pensamento político


do século XIX destaca-se Stuart Mill, que distingue dois tipos
de obrigações morais: as perfeitas e as imperfeitas. Indique
a relação correta entre tais obrigações morais e a justiça
para Stuart Mill.

a) As obrigações morais perfeitas não são exigíveis por meio


da justiça, mas as imperfeitas sim.

b) Ambas as obrigações morais perfeitas e as imperfeitas são


exigíveis por meio da justiça.

c) Nem as obrigações morais perfeitas nem as imperfeitas


são exigíveis por meio da justiça.

d) As obrigações morais perfeitas são exigíveis por meio da


justiça, mas as imperfeitas não.

e) Algumas obrigações morais imperfeitas são exigíveis por


meio da justiça, mas as perfeitas não.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 76 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

A resposta correta é a letra “d”. As obrigações exigíveis por


meio da justiça são somente as perfeitas. Por exemplo, não matar
ou não roubar são obrigações perfeitas, pois se relacionam aos
direitos à vida ou à propriedade. A caridade, por exemplo, é uma
obrigação moral, para o autor, mas é imperfeita, já que ninguém
pode entrar na justiça obrigando o outro a ser caridoso. Letra “d”.

41) (ESAF – AFC – STN - 2002) Um dos principais expoentes


da vertente de pensamento conhecida como liberalismo
político foi, sem dúvida, John Stuart Mill, ao qual não se pode
atribuir a seguinte proposição:

a) A única justificativa legítima para qualquer ordem política


é a plena realização dos direitos do indivíduo, os quais
devem ser protegidos contra todo abuso do poder político.

b) O que faz com que as sociedades mudem é a livre


manifestação dos gênios, que se distinguem das massas,
cuja principal característica é a conformidade.

c) A verdadeira liberdade consiste em assegurar ao indivíduo


a possibilidade de escolher, manifestar e difundir seus
valores morais ou políticos a fim de realizar a si próprio.

d) A verdadeira liberdade existe unicamente no Estado que,


ao mesmo tempo, concretiza a ordem e é portador de um
valor ético que se traduz na emancipação e autorrealização
do indivíduo.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 77 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

e) A burocracia, que a todo tempo se expande, tudo controla


e em tudo interfere, representa uma das maiores ameaças
que a moderna ordem política impõe à liberdade dos
indivíduos.

A liberdade, segundo Stuart Mill, existe independentemente do


Estado. Letra “d”.

42) (ESAF – AFC – STN – 2002) Thomas Hobbes, pensador da


escola contratualista do século XVII, sustentava que os
indivíduos voluntariamente optaram pelo estabelecimento de
uma ordem civil. A fim de efetuar o contrato que dá origem
ao Estado, os indivíduos abririam mão de um amplo leque de
direitos naturais. Segundo esse autor, o que levaria
indivíduos livres e racionais a abdicar de parte importante de
suas liberdades em favor da criação do Estado seria:

a) o medo da morte, resultante da ausência de uma parte


capaz de regular e julgar conflitos entre os indivíduos os
quais frequentemente os colocavam diante de confrontos
solucionáveis apenas por meio do extermínio de uma das
partes.

b) o interesse econômico, já que a ausência de um corpo


imparcial, capaz de dirimir conflitos e garantir os contratos
tornava praticamente inviável o estabelecimento de qualquer
atividade econômica regular.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 78 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

c) o senso de justiça, que está presente em todo homem e


que deriva da compaixão.

d) o sentido de nação, resultante da agregação espontânea


de indivíduos segundo características e laços comuns, como
a língua, a etnia, o parentesco etc.

e) a necessidade de estabelecer uma autoridade imparcial,


que deriva da noção comum aos homens racionais de que
todos são igualmente incapazes de servir como juízes
imparciais nas causas em que estiverem envolvidos.

Lembram-se da história da guerra de todos contra todos? Pois


então, se o medo da guerra faz com que haja o contrato social, em
outras palavras, podemos dizer a criação do Estado resulta do medo
da morte, já que não há limites e controle. Letra “a”.

43) (ESAF – EPPGG – MPOG - 2005) Os jusnaturalistas


marcaram o pensamento político da Idade Moderna. Entre
seus principais autores temos Hobbes, Locke e Rousseau. Em
relação às obras desses autores, julgue as sentenças abaixo:

I. Locke e Rousseau, inseridos no contexto do Iluminismo,


resgatam o pensamento clássico aristotélico, no qual
concebem o Estado como um prosseguimento natural da
sociedade familiar.

II. Rousseau e Hobbes defendem que o estado de natureza -


onde os indivíduos são iguais e donos de sua liberdade – é

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 79 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

melhor que o Estado de Direito, visto que a desigualdade


entre os homens surge com a criação deste e com o direito
de propriedade.

III. Locke e Rousseau guardam semelhanças em suas


descrições sobre o estado de natureza, no qual os indivíduos
viviam em relativa paz. Porém para Locke, o direito de
propriedade é natural, entanto que, para Rousseau, não era
natural e apenas consolidou a desigualdade entre os homens.

IV. Os três autores defendem a existência de um estado de


natureza que precede o Estado de Direito, este criado por
meio de um contrato firmado entre os indivíduos. Entretanto,
as motivações que levaram os indivíduos a fundarem o
Estado, são distintas em cada autor.

Estão corretas:

a) As afirmativas I e III.

b) As afirmativas I e IV.

c) As afirmativas II e III.

d) As afirmativas II e IV.

e) As afirmativas III e IV.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 80 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

Uma dica que pode ser útil: transformem os enunciados, itens


e letras corretas da Esaf em informações, façam um resuminho
delas, porque a possibilidade dessas proposições voltarem a cair é
muito grande. Por exemplo, o enunciado já fala que Hobbes, Locke
e Rousseau eram jusnaturalistas – anotem isso na borracha e levem
para a prova.

O item I está errado, pois aqueles autores não defendem a


teoria da origem familiar, mas sim contratualista. O item II está
errado, pois Hobbes tem uma visão negativa do estado de natureza
e, por isso, é necessário a criação do Estado. Já os itens 3 e 4 estão
corretos. Letra “e”.

44) (ESAF – EPPGG – MPOG - 2002) Montesquieu é


amplamente conhecido por seu livro clássico “O Espírito das
Leis”. Para este pensador, a verdadeira origem das leis deve
ser buscada

a) no costume.

b) na natureza das coisas.

c) na moral.

d) na economia.

e) nas instituições.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 81 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

Eu não falei sobre isso na parte teórica, mas para o pensador


francês a origem das leis está na própria natureza das coisas, ou
seja, nas relações naturais que engloba tanto a realidade humana
quando a divina. Letra “b”.

45) (ESAF – AFC – STN – 2002) Pensador que primeiro


reconhece a política como esfera de atividade própria,
Maquiavel representa um marco no pensamento político.
Acerca das proposições desse autor, marque a opção correta.

a) A Virtù equivale à Fortuna: é a capacidade de escapar ao


caos, elevar-se acima do tempo e construir a ordem política.

b) Ao separar política e religião, Maquiavel descarta o mito


de que a história humana é regida pela Providência Divina.

c) Ao definir “Razão de Estado”, Maquiavel a contrapõe à


razão privada, ou seja, distingue a esfera pública, a política e
a economia, dos interesses particulares.

d) Para Maquiavel a natureza humana e a política estão em


constante transformação, daí a necessidade da figura do
Príncipe como elemento de estabilidade.

e) A origem do Estado e a legitimidade do Príncipe resultam


do pavor dos homens à insegurança da ordem feudal.

A alternativa correta é a letra “b”, pois, conforme vimos,


Maquiavel separa a política da moral e da religião. Letra “b”.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 82 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

46) (ESAF – APO – MPOG - 2010) A discussão sobre os temas


centrais da Teoria Clássica formaram a base da moderna
Ciência Política. Assinale a opção correta.

a) No mundo antigo, a ética estava inextricavelmente


atrelada à política, pois que o pressuposto diretor desta era
aquele que apontava a associação humana em comunidades
políticas, como algo teleologicamente natural. A divisão
entre esfera pública e privada, no campo político, não estava
muito clara, uma vez que a política era considerada uma
extensão dos assuntos particulares.

b) A filosofia política clássica, sobretudo interpretada pelo


sistema teórico platônico, comporta que a finalidade da
política é um preceito oriundo da natureza humana,
distinguível pelo logos, em cumprir a excelência virtuosa, por
meio de opções e escolhas que permitam se alcançar o bem
comum, sem se preocupar com a essência das coisas.

c) No Renascimento, o rompimento com o ideal da política


clássica se dá com Spinoza, quando este rechaça a moral
cristã como fundamento e finalidade da política, teorizando a
construção de uma “moral própria” da natureza “passional”
humana aplicada ao “como” manter a unidade e logro de um
“poder externo” que preveja e conserve os homens em certa
direção, evitando o supremo mal da aglutinação irracional de
uns contra outros.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 83 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

d) Bodin justifica que a instabilidade do conviver humano


deve ser erradicada por um poder soberano, indivisível, uno
e inalienável, que tenha o condão de evitar o sumo malus;
mas que, sobretudo, seja forte o suficiente de modo a evitar
a anarquia para ele, a ameaça de prevalecer as condições
objetivas do que denomina Estado de natureza. Bodin
denomina tal Estado de Leviatã.

e) Os contratualistas Hobbes e Rosseau, bem como o


precursor da ciência política, Karl Marx, tiveram seus
pensamentos aplicados na estrutura das convenções
modernas e, sobretudo, foram responsáveis pelo projeto
político sob o qual se vive hoje. A concepção de direito
natural, no que toca a um código de preceitos dados ao
homem pela razão de assim ser, justificam os limites do
império das legislações normativas contemporâneas,
notadamente as Constituições.

Pessoal, essa é uma das questões que eu considero mais


difíceis da Esaf em Ciência Política, mas, se vocês olharem com
calma e tiverem confiança, dá para matar, porque a alternativa
correta é bem simples. A alternativa correta é a “a”, vejam que a
ética realmente está ligada a política no mundo antigo, tanto é
assim que Aristóteles escreveu duas obras fundamentais: Política e
Ética. No mundo antigo os temas se relacionam (moral, religião,
filosofia, ética, direito, etc.). É Maquiavel quem muda isso,
separando a política da moral. Letra “a”.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 84 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

47) (ESAF – EPPGG – MPOG - 2005) Maquiavel inicia “O


Príncipe” com a seguinte afirmação:

“Todos os Estados, todos os governos que tiveram e têm


autoridade sobre os homens foram e são ou repúblicas ou
principados. Os principados são: ou hereditários, quando seu
sangue senhorial é nobre há já longo tempo, ou novos. Os
novos podem ser totalmente novos, como foi Milão com
Francisco Sforza, ou o são como membros acrescidos ao
Estado hereditário do príncipe que os adquire, como é o reino
de Nápoles em relação ao rei da Espanha.”

Indique qual das afirmações abaixo está correta.

a) O Termo “Estado” foi criado por Maquiavel.

b) O Estado surgiu com as repúblicas ou principados da


Itália.

c) A originalidade de Maquiavel consiste em estabelecer


prescrições sobre como o detentor do poder deve exercer o
poder.

d) O que se inicia com o uso que dá Maquiavel ao termo


Estado é a reflexão sobre as formações políticas surgidas da
decomposição da sociedade medieval.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 85 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

e) Maquiavel demonstrou, em Discursos sobre a Primeira


Década de Tito Lívio, que o Estado surgiu em Roma ao tratar
da História de Roma.

Essa Esaf é muito doida! Sério mesmo, eu fico indignado,


porque às vezes me parece falta de respeito com o candidato.
Vimos que realmente Maquiavel não criou o termo Estado, conforme
ensina, Bobbio, mas naquela prova da CGU de 2012 a Esaf disse o
contrário. Agora, nessa questão ela diz que Maquiavel não criou o
termo, ou seja, a letra “a” está errada. Bom, pessoal, eu
particularmente levaria para a prova a informação de que Maquiavel
não criou o termo “estado”, mas também ficaria escaldado e, caso
isso volte a cair, daria uma boa olhada nas outras opções para
poder fazer eliminação. E a letra “d” complementa a informação
corretamente, pois Maquiavel deu acepção moderna ao termo em
questão. Letra “d”.

48) (ESAF – APO – MPOG -2005) A teoria da propriedade


teve grande importância no desenvolvimento do pensamento
liberal. John Locke em sua obra “O Segundo Tratado Sobre o
Governo” (1690) discorre acerca do direito de propriedade.
Selecione a opção que apresenta corretamente
características do pensamento desse autor.

I. O estado de natureza é marcado por uma paz relativa,


onde os indivíduos são dotados de razão e desfrutam do
direito de propriedade, além da liberdade e igualdade.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 86 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

II. Compartilha com Hobbes a noção de que o direito de


propriedade é legitimado e garantido pelo Estado, tendo esse
a prerrogativa de intervenção na propriedade.

III. O direito da propriedade, que inicialmente era limitado


pelo trabalho de cada indivíduo, passou a ser ilimitado a
partir do advento da moeda e da consequente possibilidade
de acumulação.

IV. Apesar da sofisticação da teoria da propriedade, essa não


fazia menção à posse de bens móveis, pois no século XVII a
riqueza estava diretamente ligada à posse de terra e não a
de bens de consumo.

Estão corretas:

a) as afirmativas I e IV.

b) as afirmativas I e III.

c) as afirmativas II e III.

d) as afirmativas II e IV.

e) as afirmativas III e IV.

Os incorretos são o II e o IV. O II está, porque Hobbes não


defendeu que o direito à propriedade é legitimado pelo Estado e o

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 87 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

IV está equivocado, pois Locke defendeu o direito aos dois tipos de


bens (imóveis e móveis). Letra “b”.

49) (ESAF – EPPGG – MPOG - 2002) Acerca do pensamento


de Locke, assinale a opção correta.

a) O poder político tem origem em Deus, por isso nada


autoriza a rebelião dos homens contra o Estado, seja qual for
a justificativa da sua revolta.

b) No estado de natureza, ou na sociedade pré-estatal, reina


a anarquia, a desordem, a violência: há total liberdade e total
terror.

c) O contrato que dá origem à comunidade política é feito por


homens racionais, livres e soberanos, e dá origem a um
poder limitado, não arbitrário.

d) A liberdade consiste em que cada homem dependa da


vontade dos outros homens formando um contrato, que pode
ser rompido por qualquer parte.

e) No estado de natureza, o encarregado de velar pelo


cumprimento da lei é o Estado, onde o governo é livremente
eleito.

A única correta é a letra “c”, guardem essa afirmativa para a


prova: para Locke, o contrato social que dá origem à comunidade

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 88 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

política é feito por homens racionais, livres e soberanos, dando


origem a um poder limitado, não arbitrário. Letra “c”.

50) (ESAF – EPPGG – MPOG -2002) Focalizando o


pensamento de Rousseau, assinale a única assertiva
incorreta.

a) Os males dos quais os homens sofrem não derivam da


natureza humana, mas sim de cursos errôneos de evolução
da sociedade.

b) O homem que pensa é um animal degenerado; o homem


natural era um ser pré-racional, um selvagem errante,
dotado apenas de necessidades naturais e do sentimento de
compaixão.

c) Numa sociedade que tenha repudiado o contrato iníquo,


constitui-se uma vontade – a vontade geral – que pertence
imediatamente à ordem cívica, posto que representa mais
que a soma das vontades particulares.

d) O contrato social é o único meio pelo qual os direitos se


tornam possíveis, repousando estes sobre o abandono por
cada um de sua soberania, sua transferência para o corpo da
coletividade e sobre a recusa de submeter-se a uma outra
pessoa.

e) Devido à necessidade de distinguir o ato pelo qual um


povo faz a escolha de um governo e o ato pelo qual ele se

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 89 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

constitui em soberano é indispensável admitir a existência do


direito natural e do pacto de sujeição.

Tenham cuidado para não confundirem as razões do contrato


social. Em Rousseau não há pacto de sujeição, essa ideia é de
Hobbes. Letra “e”.

Pessoal, há ainda algumas questões da Esaf sobre os tópicos


que eu ainda não coloquei nas aulas, mas são se preocupem. Eu
tenho um controle das questões que tenho usado e no momento
oportuno veremos as demais questões. Também não quero tornar
as aulas mais fatigantes do que elas já são. Bons estudos.

4. Lista de questões

1) A organização política da República Federativa do Brasil


compreende a União, os Estados-membros, o Distrito Federal
e os Municípios, todos soberanos, nos termos da Constituição
Federal.

2) (CESPE - OFICIAL DE CH ANCELARIA - MINISTÉRIO DAS


16039

RELAÇÕES EXTERIORES – 2006 ) No Estado federal, cada


componente da Federação detém soberania e
autodeterminação
para desempenhar relações de direito público internacional.

3) (CESPE – MPS - 2010) O Estado federado nos moldes do


brasileiro é caracterizado pelo modelo de descentralização
política, a partir da repartição constitucional de

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 90 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

competências entre entidades federadas autônomas que o


integram, em um vínculo indissolúvel, formando uma
unidade.

4) (CESPE – ADVOGADO – IPAJM - 2010) A União, por ser


soberana, poderá editar normas específicas aplicáveis aos
estados-membros e ao DF que não serão passíveis de
controle de constitucionalidade.

5) (CESPE – AJAA – STF - 2008) A organização político-


administrativa da República Federativa do Brasil restringe-se
aos estados, aos municípios e ao DF, todos autônomos, nos
termos da CF.

6) (CESPE – Técnico – TJ – RJ - 2008) Os municípios não


integram a estrutura federativa brasileira em razão da
limitação de sua autonomia pela CF.

7) (CESPE – Promotor – MPE – RN -2009) O federalismo


brasileiro, quanto à sua origem, é um federalismo por
agregação.

8) (FCC – Defensor Público – DP – SP - 2009) O princípio


republicano, que traduz a maneira como se dá a instituição
do poder na sociedade e a relação entre governantes e
governados, mantém-se na ordem constitucional mas hoje
não mais protegido formalmente contra emenda
constitucional.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 91 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

9) (CESPE – Analista – SERPRO - 2008) O conceito de Estado


possui basicamente quatro elementos: nação, território,
governo e soberania. Assim, não é possível que haja mais de
uma nação em um determinado Estado, ou mais de um
Estado para a mesma nação.

10) (CESPE – Promotor – MPE – AM - 2008) O vocábulo


nação é bastante adequado para expressar tanto o sentido
de povo, quanto o de Estado.

11) (ESAF – AFT - 2006) Segundo a doutrina, "distinção de


funções do poder" e "divisão de poderes" são expressões
sinônimas e, no caso brasileiro, é um dos princípios
fundamentais da República Federativa do Brasil.

12) (ESAF – AFTE – RN – 2005) A adoção do princípio de


separação de poderes, inspirado nas lições de Montesquieu e
materializado na atribuição das diferentes funções do poder
estatal a órgãos diferentes, afastou a concepção clássica de
que
a unidade seria uma das características fundamentais do
poder político.

13) (CESPE – PGE – AL - 2008) A CF, atenta às discussões


doutrinárias contemporâneas, não consigna que a divisão de
atribuições estatais se faz em três poderes: Legislativo,
Executivo e Judiciário.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 92 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

14) (CESPE – SEJUS – ES - 2009) A vontade do Estado é


manifestada por meio dos Poderes Executivo, Legislativo e
Judiciário, os quais, no exercício da atividade administrativa,
devem obediência às normas constitucionais próprias da
administração pública.

15) (Cespe – MS – Técnico de Contabilidade) De acordo com


o princípio federativo adotado no Brasil, os estados-membros
possuem autonomia administrativa e política, sendo vedado
a
eles o direito de secessão.

16) (Cespe – 2009 – TRT – 1ª região – Analista Judiciário –


Área Administrativa) A separação dos Poderes no Brasil
adota o sistema norte-americano checks and balances,
segundo o qual a separação das funções estatais é rígida,
não se admitindo interferências ou controles recíprocos.

17) (Cespe – 2010 – MPU – Analista Processual) As


capacidades de auto-organização, autogoverno,
autoadministração e autolegislação reconhecidas aos estados
federados exemplificam a autonomia que lhes é conferida
pela Carta Constitucional.

18) (Cespe – MS – 2010 – Analista Técnico Administrativo –


PGPE) Os estados-membros não possuem a soberania,
entretanto gozam de autonomia ilimitada.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 93 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

19) (Cespe – IRB – Diplomacia – 2009) No exercício de sua


autonomia política e legislativa, os estados não estão
obrigados a seguir compulsoriamente as regras do processo
legislativo
federal. Por essa razão, pode o constituinte estadual adotar
normas acerca da formação das espécies normativas que não
guardem simetria com o modelo básico previsto na
Constituição Federal.

20) (Cespe – Agente Administrativo – AGU – 2010) O Brasil,


desde a Constituição de 1946, tem adotado o
presidencialismo com forma de governo. Assim, a atividade
executiva está concentrada na figura do Presidente da
República, que é, ao mesmo tempo, chefe de Governo, chefe
de Estado e chefe da Administração Pública.

21) (Cespe - Defensor Público – PI – 2009) Na medida em


que as autoridade e órgãos da União representam a
República Federativa do Brasil nos atos e nas relações de
âmbito internacional, a União é o único ente federativo que
possui personalidade jurídica de direito internacional.

22) (ESAF – MRE - 2004) É característica fundamental do


poder político do Estado ser ele divisível, o que dá origem às
três funções que serão atribuídas a diferentes órgãos.

23) (ESAF – MRE - 2004) O exercício de uma das funções do


poder político do Estado por um determinado órgão se dá sob
a

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 94 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

forma de exclusividade, com vistas à preservação do


equilíbrio
no exercício desse poder.

24) (CESPE – ANAC - 2009) Ofende o princípio constitucional


da separação e da independência dos poderes a intimação de
magistrado para prestar esclarecimentos perante comissão
parlamentar de inquérito acerca dos atos de natureza
jurisdicional por ele praticados.

25) (AOCP – GESTOR – BA -2010) Relacione as colunas e


depois
assinale a alternativa que apresenta a sequência correta

A. Estado Unitário.

B. Estado Federativo.

C. Estado Regionalizado.

( ) Mais controle público.

( ) Nele, as regiões recebem autonomia administrativa e


relativa autonomia política e possuem estatutos próprios,
geralmente estatutos orgânicos regionais outorgados pelo
poder central.

( ) Na sua forma desconcentrada não possui diferentes níveis


de poder.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 95 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

( ) Por este sistema, os norte-americanos foram beneficiados


pelas tradições inglesas de descentralização e
parlamentarismo, enquanto os latino-americanos foram
prejudicados pelo autoritarismo centralizado, o familismo e o
clientelismo que herdaram da Espanha medieval.

(A) A - B - A - C.

(B) B - C - A - C.

(C) C - A - B - B.

(D) C - B - C - A.

(E) B - C - A - B.

26) (ESAF – AFC – STN -2002) Por motivos geográficos,


culturais, históricos e políticos, vigorou no Brasil, durante
muitas décadas, um federalismo de direito, mas não de fato.
Esta situação vem sendo alterada gradativamente desde
1988, porém há diversos aspectos ainda não consolidados no
pacto federativo brasileiro. Sobre a questão do federalismo
no Brasil, marque a opção incorreta.

a) O pacto federativo brasileiro poderia ser beneficiado pela


formação e fortalecimento de partidos regionais, capazes de
introduzir maior transparência e competitividade no processo
político, e de opor-se às tradicionais coalizões entre

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 96 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

oligarquias decadentes e grupos corporativos que se


beneficiam da centralização política e administrativa.

b) A dimensão continental do país é um elemento estrutural


e cultural importante na definição das funções do Estado,
exigindo o fortalecimento das funções de integração que dão
visibilidade, poder e influência ao poder central, também
chamado de União.

c) O Brasil é o único país do mundo no qual o município foi


constitucionalmente consagrado como “entidade federativa”,
o que traz diversas implicações práticas, ainda não
resolvidas, quanto ao exercício do princípio da autonomia
financeira e de autogoverno.

d) As relações entre as diversas instâncias devem pautar-se


pelo princípio da subsidiariedade, que determina que sempre
que uma determinada função puder ser exercida pela
instância hierarquicamente inferior, não deverá ser assumida
pela que lhe está acima.

e) Um dos aspectos mais delicados do debate sobre o pacto


federativo no Brasil é o sistema de representação regional na
Câmara dos Deputados, já que a sub-representação penaliza
os estados economicamente mais poderosos, enquanto a
super-representação tende a privilegiar de maneira muito
desigual os estados de grandes espaços, população rarefeita
e baixo desenvolvimento econômico.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 97 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

27) (ESAF – APO – MPOG -2003) No que se refere ao pacto


federativo e às relações intergovernamentais, objeto de
grande parte das discussões em torno das reformas das duas
últimas décadas no Brasil, são corretas todas as assertivas
que se seguem, exceto:

a) O federalismo caracteriza-se pela difusão dos poderes de


governo entre muitos centros, nos quais a autoridade não
resulta da delegação de um poder central, mas é conferida
por sufrágio popular.

b) Os sistemas federais moldam formas peculiares de


relações intergovernamentais, constitutivamente
competitivas, e modalidades de interação necessariamente
baseadas na negociação entre instâncias de governo.

c) O federalismo centralizado comporta diversos graus de


intervenção do poder federal nas unidades subnacionais e se
caracteriza por formas de ação conjunta entre instâncias de
governo, nas quais essas unidades guardam significativa
autonomia decisória e capacidade própria de financiamento.

d) A maneira como são gerados, distribuídos e apropriados,


entre as esferas de governo, os recursos fiscais e parafiscais
define, em boa medida, as características próprias dos
diferentes arranjos federativos.

e) As feições e a operação efetiva dos arranjos federativos


são fortemente condicionadas pelas características das

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 98 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

instituições políticas, especialmente os sistemas partidários


e eleitorais, a dinâmica parlamentar e as organizações de
interesses.

28) (ESAF – EPPGG – MPOG -2005) Os Estados federais


apresentam, quanto à sua estrutura, alguns aspectos
constantes, independentemente dos casos concretos:

( ) Divisão de poderes entre União e unidades federadas


mantendo-se vínculos de coordenação e autonomia.

( ) Preeminência da Constituição Federal sobre o


ordenamento jurídico das unidades federadas, sendo as
alterações na primeira sujeitas a ratificação pelas unidades
federadas.

( ) Limitações à descentralização a fim de preservar a


unidade jurídica nacional.

( ) Soberania do Estado Nacional perante os demais Estados


Nacionais e Organismos Internacionais, soberania de que
não gozam as unidades federadas.

( ) Articulação entre unidade e pluralidade. As afirmações


acima se referem a esses aspectos constantes.

Indique se são verdadeiras (V) ou falsas (F) e assinale a


opção correta.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 99 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

a) V, V, V, V, V

b) F, F, F, F, F

c) V, F, V, V, V

d) V, V, F, F, V

e) V, F, F, F, V

29) (ESAF – APO – MPOG - 2008) As mudanças no plano


mundial enterraram a era liberal e promoveram o Estado
corporativo, voltado para estimular a cooperação entre o
capital e o trabalho. De acordo com Camargo (2001), no
Brasil, no final do séc. XX, criou-se um novo federalismo
democrático trino (presente nos três níveis de governo), que
nasceu com a Constituição Federal de 1988, como um novo
tipo de federalismo cooperativo.

São características desse tipo de federalismo, exceto:

a) comprometido com parcerias entre os três níveis de


governo.

b) comprometido com a melhoria das políticas públicas no


nível local.

c) comprometido com a redução das desigualdades sociais.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 100 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

d) comprometido com as oligarquias e o fortalecimento da


classe política.

e) comprometido com o fortalecimento da sociedade civil e


da cidadania.

30) (ESAF – AFC – CGU – 2012) O Federalismo brasileiro


surgido da Constituição de 1988 apresenta uma série de
características que o distingue do existente na maioria das
demais nações federativas. Indique qual das características
enunciadas a seguir está incorreta.

a) É um federalismo economicamente assimétrico porque


existe grande diferença de poder econômico entre seus entes
federados.

b) É um federalismo caracterizado pela sobrerrepresentação


política de alguns dos pequenos entes federados.

c) É um federalismo que reproduz, em todos os seus entes


federados, a divisão de poderes existente no governo central.

d) É um federalismo que distribui competências entre os


diversos entes federados.

e) É um federalismo que permite e regulamenta o aumento


do número de entes federados.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 101 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

31) (ESAF – APO – MPOG -2010) A problemática do


Federalismo e das relações entre esferas de governo tem
chamado cada vez mais a atenção dos formuladores de
políticas públicas, particularmente no Brasil. De acordo com
um autor de destaque, que tem se dedicado ao assunto,
Pierson (1995), o Federalismo e suas instituições estimulam
diferentes dinâmicas. Apresente, abaixo, o que não é uma
característica ou dinâmica associada ao Federalismo.

a) O Federalismo gera, nas políticas públicas, uma relação de


autonomia e interdependência entre as esferas de governo, o
que, por sua vez, estimula uma alta coordenação das
políticas, reduzindo a fragmentação e a competição entre as
diferentes unidades da Federação e gerando uma
harmonização dos interesses regionais e uma tendência
centrípeta.

b) O Federalismo influencia as preferências políticas, as


estratégias, e a ação dos atores sociais.

c) O Federalismo e suas instituições estimulam a


participação de importantes atores, institucionais, quais
sejam, as próprias unidades da federação.

d) O Federalismo gera dilemas previsíveis de formulação de


políticas associadas com a tomada de decisão compartilhada.

e) O Federalismo caracteriza-se pela existência de uma dupla


soberania, a qual, por ser uma característica central de

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 102 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

Estados federativos, acaba por produzir, por sua vez,


diversas consequências para o sistema político e para a
produção de políticas públicas como um todo no país.

32) (AOCP – GESTOR – BA - 2010) “Transferência mútua de


direitos” (Thomas Hobbes). O termo, além de específico,
define um(a)

(A) intermediação de interesses.

(B) conceito básico de ciência política, a legitimidade.

(C) direito político.

(D) forma de manutenção da ordem política.

(E) contrato social.

33) (ESAF – EPPGG – MPOG- 2000) Para Rousseau, o estado


de natureza seria dominado pela

a) Razão, abundância e paz

b) Paixão, discórdia e guerra

c) Liberdade, sossego e ócio

d) Lógica, ética e democracia

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 103 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

e) Liberdade, consenso e paz

34) (ESAF – EPPGG – MPOG -2000) Uma das principais


contribuições de Maquiavel ao pensamento político foi:

a) Sugerir a ideia de um Príncipe moderno, ciente de seus


poderes e de sua soberania.

b) A separação entre política e moral.

c) A ideia de soberania limitada, absoluta e arbitrária.

d) A separação entre Igreja e mercado.

e) A ideia de interesse estatal.

35) (ESAF – AFC – CGU -2012) A relação entre liberdade e lei


foi uma preocupação constante entre os clássicos do
pensamento político. Os enunciados a seguir se referem a
essa relação.

I. A existência de lei é contraditória com a liberdade porque,


como dizia Hobbes, liberdade significa a existência de
impedimentos externos.

II. Ao afirmar que somos servos da lei com o fim de poder


ser livres, Cícero apontava a impossibilidade da coexistência
entre liberdade e lei.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 104 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

III. Ao dizer que onde não há lei não há liberdade, Locke


afirmava que liberdade e lei são indissociáveis nas
sociedades políticas.

Quanto a esses enunciados, indique a opção correta.

a) Apenas o I está correto.

b) Apenas o II está correto.

c) Apenas o III está correto.

d) Todos estão corretos.

e) Nenhum está correto.

36) (ESAF – ANA - 2009) Acerca das chamadas teorias


contratualistas do Estado, é incorreto afirmar:

a) podem ser explicadas sob os enfoques antropológico,


filosófico ou político.

b) em sentido amplo, vem o fundamento do Estado em um


contrato, aceito pela maioria dos indivíduos, assinalando o
fim do estado natural e o início do estado social.

c) algumas de suas correntes foram utilizadas para justificar


o absolutismo, ao passo que outras o foram para contradizê-
lo.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 105 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

d) têm por expoente máximo a obra legada por Nicolau


Maquiavel.

e) em comum, nas teorias contratualistas, encontra-se a


ênfase no caráter racional e laico da origem do poder.

38) (ESAF – PSS - 2008) Um dos temas centrais da discussão


em torno da formação do Estado Moderno, sobre o qual
existem algumas correntes teóricas bem definidas, é a
origem da autoridade e os fundamentos da obediência. Entre
as teorias existentes, destaca-se aquela que defende a
formação contratual do Estado. Identifique, entre os
enunciados abaixo, aquele que não é característico dessa
vertente teórica.

a) Uma generalizada condição de liberdade, entendida como


independência, domínio de si próprio.

37) (ESAF – EPPGG – MPOG - 2008) Embora não seja a única


abordagem sobre a origem do Estado moderno, o
contratualismo tem destacada importância para a reflexão
sobre a ordem democrática. Examine os enunciados abaixo
sobre essa corrente da ciência política e marque a resposta
correta.

1. Todos os contratualistas veem no pacto um instrumento


de emancipação do indivíduo e de sua transformação de
súdito em cidadão.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 106 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

2. Todos os contratualistas apontam a obediência como


elemento central para a manutenção da ordem política, mas
também reconhecem o direito de rebelião contra o poder
tirânico.

3. Do mesmo modo que consideram o contrato uma relação


obrigatória entre as partes, todos os contratualistas também
indicam as sanções para quem o infringe.

4. Para os contratualistas, a constituição da ordem política


não altera a estrutura social, nem a racionalidade individual,
nem a sociabilidade da sociedade civil.

a) Todos os enunciados estão corretos.

b) Estão corretos os enunciados 1, 3 e 4.

c) Somente o enunciado 1 está correto.

d) Somente o enunciado 2 está correto.

e) Somente o enunciado 4 está correto.

38) (ESAF – PSS - 2008) Um dos temas centrais da discussão


em torno da formação do Estado Moderno, sobre o qual
existem algumas correntes teóricas bem definidas, é a
origem da autoridade e os fundamentos da obediência. Entre
as teorias existentes, destaca-se aquela que defende a

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 107 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

formação contratual do Estado. Identifique, entre os


enunciados abaixo, aquele que não é característico dessa
vertente teórica.

a) Uma generalizada condição de liberdade, entendida como


independência, domínio de si próprio.

b) Uma história e uma cultura comuns, como fundamento


dos pactos entre os homens.

c) A capacidade dos homens de realizar escolhas racionais.

d) Uma situação de vida coletiva.

e) Uma generalizada capacidade de uso da força, que torna


os homens relativamente iguais.

39) (ESAF – EPPGG – MPOG - 2008) Um dos objetos de


grande atenção do pensamento e da teoria política moderna
é a constituição da ordem política. Sobre essa temática, uma
das tradições de reflexão mais destacadas sustenta que a
ordem tem origem contratual. Todos os elementos abaixo
são comuns a todos os pensadores da matriz contratualista
da ordem política, exceto:

a) o estado de natureza.

b) a existência de direitos previamente à ordem política.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 108 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

c) um pacto de subordinação.

d) um pacto de associação.

e) a presença de sujeitos capazes de fazer escolhas


racionais.

40) (ESAF – EPPGG – MPOG – 2002) No pensamento político


do século XIX destaca-se Stuart Mill, que distingue dois tipos
de obrigações morais: as perfeitas e as imperfeitas. Indique
a relação correta entre tais obrigações morais e a justiça
para Stuart Mill.

a) As obrigações morais perfeitas não são exigíveis por meio


da justiça, mas as imperfeitas sim.

b) Ambas as obrigações morais perfeitas e as imperfeitas são


exigíveis por meio da justiça.

c) Nem as obrigações morais perfeitas nem as imperfeitas


são exigíveis por meio da justiça.

d) As obrigações morais perfeitas são exigíveis por meio da


justiça, mas as imperfeitas não.

e) Algumas obrigações morais imperfeitas são exigíveis por


meio da justiça, mas as perfeitas não.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 109 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

41) (ESAF – AFC – STN - 2002) Um dos principais expoentes


da vertente de pensamento conhecida como liberalismo
político foi, sem dúvida, John Stuart Mill, ao qual não se pode
atribuir a seguinte proposição:

a) A única justificativa legítima para qualquer ordem política


é a plena realização dos direitos do indivíduo, os quais
devem ser protegidos contra todo abuso do poder político.

b) O que faz com que as sociedades mudem é a livre


manifestação dos gênios, que se distinguem das massas,
cuja principal característica é a conformidade.

c) A verdadeira liberdade consiste em assegurar ao indivíduo


a possibilidade de escolher, manifestar e difundir seus
valores morais ou políticos a fim de realizar a si próprio.

d) A verdadeira liberdade existe unicamente no Estado que,


ao mesmo tempo, concretiza a ordem e é portador de um
valor ético que se traduz na emancipação e autorrealização
do indivíduo.

e) A burocracia, que a todo tempo se expande, tudo controla


e em tudo interfere, representa uma das maiores ameaças
que a moderna ordem política impõe à liberdade dos
indivíduos.

42) (ESAF – AFC – STN – 2002) Thomas Hobbes, pensador da


escola contratualista do século XVII, sustentava que os

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 110 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

indivíduos voluntariamente optaram pelo estabelecimento de


uma ordem civil. A fim de efetuar o contrato que dá origem
ao Estado, os indivíduos abririam mão de um amplo leque de
direitos naturais. Segundo esse autor, o que levaria
indivíduos livres e racionais a abdicar de parte importante de
suas liberdades em favor da criação do Estado seria:

a) o medo da morte, resultante da ausência de uma parte


capaz de regular e julgar conflitos entre os indivíduos os
quais frequentemente os colocavam diante de confrontos
solucionáveis apenas por meio do extermínio de uma das
partes.

b) o interesse econômico, já que a ausência de um corpo


imparcial, capaz de dirimir conflitos e garantir os contratos
tornava praticamente inviável o estabelecimento de qualquer
atividade econômica regular.

c) o senso de justiça, que está presente em todo homem e


que deriva da compaixão.

d) o sentido de nação, resultante da agregação espontânea


de indivíduos segundo características e laços comuns, como
a língua, a etnia, o parentesco etc.

e) a necessidade de estabelecer uma autoridade imparcial,


que deriva da noção comum aos homens racionais de que
todos são igualmente incapazes de servir como juízes
imparciais nas causas em que estiverem envolvidos.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 111 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

43) (ESAF – EPPGG – MPOG - 2005) Os jusnaturalistas


marcaram o pensamento político da Idade Moderna. Entre
seus principais autores temos Hobbes, Locke e Rousseau. Em
relação às obras desses autores, julgue as sentenças abaixo:

I. Locke e Rousseau, inseridos no contexto do Iluminismo,


resgatam o pensamento clássico aristotélico, no qual
concebem o Estado como um prosseguimento natural da
sociedade familiar.

II. Rousseau e Hobbes defendem que o estado de natureza -


onde os indivíduos são iguais e donos de sua liberdade – é
melhor que o Estado de Direito, visto que a desigualdade
entre os homens surge com a criação deste e com o direito
de propriedade.

III. Locke e Rousseau guardam semelhanças em suas


descrições sobre o estado de natureza, no qual os indivíduos
viviam em relativa paz. Porém para Locke, o direito de
propriedade é natural, entanto que, para Rousseau, não era
natural e apenas consolidou a desigualdade entre os homens.

IV. Os três autores defendem a existência de um estado de


natureza que precede o Estado de Direito, este criado por
meio de um contrato firmado entre os indivíduos. Entretanto,
as motivações que levaram os indivíduos a fundarem o
Estado, são distintas em cada autor.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 112 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

Estão corretas:

a) As afirmativas I e III.

b) As afirmativas I e IV.

c) As afirmativas II e III.

d) As afirmativas II e IV.

e) As afirmativas III e IV.

44) (ESAF – EPPGG – MPOG - 2002) Montesquieu é


amplamente conhecido por seu livro clássico “O Espírito das
Leis”. Para este pensador, a verdadeira origem das leis deve
ser buscada

a) no costume.

b) na natureza das coisas.

c) na moral.

d) na economia.

e) nas instituições.

45) (ESAF – AFC – STN – 2002) Pensador que primeiro


reconhece a política como esfera de atividade própria,

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 113 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

Maquiavel representa um marco no pensamento político.


Acerca das proposições desse autor, marque a opção correta.

a) A Virtù equivale à Fortuna: é a capacidade de escapar ao


caos, elevar-se acima do tempo e construir a ordem política.

b) Ao separar política e religião, Maquiavel descarta o mito


de que a história humana é regida pela Providência Divina.

c) Ao definir “Razão de Estado”, Maquiavel a contrapõe à


razão privada, ou seja, distingue a esfera pública, a política e
a economia, dos interesses particulares.

d) Para Maquiavel a natureza humana e a política estão em


constante transformação, daí a necessidade da figura do
Príncipe como elemento de estabilidade.

e) A origem do Estado e a legitimidade do Príncipe resultam


do pavor dos homens à insegurança da ordem feudal.

46) (ESAF – APO – MPOG - 2010) A discussão sobre os temas


centrais da Teoria Clássica formaram a base da moderna
Ciência Política. Assinale a opção correta.

a) No mundo antigo, a ética estava inextricavelmente


atrelada à política, pois que o pressuposto diretor desta era
aquele que apontava a associação humana em comunidades
políticas, como algo teleologicamente natural. A divisão
entre esfera pública e privada, no campo político, não estava

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 114 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

muito clara, uma vez que a política era considerada uma


extensão dos assuntos particulares.

b) A filosofia política clássica, sobretudo interpretada pelo


sistema teórico platônico, comporta que a finalidade da
política é um preceito oriundo da natureza humana,
distinguível pelo logos, em cumprir a excelência virtuosa, por
meio de opções e escolhas que permitam se alcançar o bem
comum, sem se preocupar com a essência das coisas.

c) No Renascimento, o rompimento com o ideal da política


clássica se dá com Spinoza, quando este rechaça a moral
cristã como fundamento e finalidade da política, teorizando a
construção de uma “moral própria” da natureza “passional”
humana aplicada ao “como” manter a unidade e logro de um
“poder externo” que preveja e conserve os homens em certa
direção, evitando o supremo mal da aglutinação irracional de
uns contra outros.

d) Bodin justifica que a instabilidade do conviver humano


deve ser erradicada por um poder soberano, indivisível, uno
e inalienável, que tenha o condão de evitar o sumo malus;
mas que, sobretudo, seja forte o suficiente de modo a evitar
a anarquia para ele, a ameaça de prevalecer as condições
objetivas do que denomina Estado de natureza. Bodin
denomina tal Estado de Leviatã.

e) Os contratualistas Hobbes e Rosseau, bem como o


precursor da ciência política, Karl Marx, tiveram seus

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 115 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

pensamentos aplicados na estrutura das convenções


modernas e, sobretudo, foram responsáveis pelo projeto
político sob o qual se vive hoje. A concepção de direito
natural, no que toca a um código de preceitos dados ao
homem pela razão de assim ser, justificam os limites do
império das legislações normativas contemporâneas,
notadamente as Constituições.

47) (ESAF – EPPGG – MPOG - 2005) Maquiavel inicia “O


Príncipe” com a seguinte afirmação:

“Todos os Estados, todos os governos que tiveram e têm


autoridade sobre os homens foram e são ou repúblicas ou
principados. Os principados são: ou hereditários, quando seu
sangue senhorial é nobre há já longo tempo, ou novos. Os
novos podem ser totalmente novos, como foi Milão com
Francisco Sforza, ou o são como membros acrescidos ao
Estado hereditário do príncipe que os adquire, como é o reino
de Nápoles em relação ao rei da Espanha.”

Indique qual das afirmações abaixo está correta.

a) O Termo “Estado” foi criado por Maquiavel.

b) O Estado surgiu com as repúblicas ou principados da


Itália.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 116 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

c) A originalidade de Maquiavel consiste em estabelecer


prescrições sobre como o detentor do poder deve exercer o
poder.

d) O que se inicia com o uso que dá Maquiavel ao termo


Estado é a reflexão sobre as formações políticas surgidas da
decomposição da sociedade medieval.

e) Maquiavel demonstrou, em Discursos sobre a Primeira


Década de Tito Lívio, que o Estado surgiu em Roma ao tratar
da História de Roma.

48) (ESAF – APO – MPOG -2005) A teoria da propriedade


teve grande importância no desenvolvimento do pensamento
liberal. John Locke em sua obra “O Segundo Tratado Sobre o
Governo” (1690) discorre acerca do direito de propriedade.
Selecione a opção que apresenta corretamente
características do pensamento desse autor.

I. O estado de natureza é marcado por uma paz relativa,


onde os indivíduos são dotados de razão e desfrutam do
direito de propriedade, além da liberdade e igualdade.

II. Compartilha com Hobbes a noção de que o direito de


propriedade é legitimado e garantido pelo Estado, tendo esse
a prerrogativa de intervenção na propriedade.

III. O direito da propriedade, que inicialmente era limitado


pelo trabalho de cada indivíduo, passou a ser ilimitado a

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 117 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

partir do advento da moeda e da consequente possibilidade


de acumulação.

IV. Apesar da sofisticação da teoria da propriedade, essa não


fazia menção à posse de bens móveis, pois no século XVII a
riqueza estava diretamente ligada à posse de terra e não a
de bens de consumo.

Estão corretas:

a) as afirmativas I e IV.

b) as afirmativas I e III.

c) as afirmativas II e III.

d) as afirmativas II e IV.

e) as afirmativas III e IV.

49) (ESAF – EPPGG – MPOG - 2002) Acerca do pensamento


de Locke, assinale a opção correta.

a) O poder político tem origem em Deus, por isso nada


autoriza a rebelião dos homens contra o Estado, seja qual for
a justificativa da sua revolta.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 118 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

b) No estado de natureza, ou na sociedade pré-estatal, reina


a anarquia, a desordem, a violência: há total liberdade e total
terror.

c) O contrato que dá origem à comunidade política é feito por


homens racionais, livres e soberanos, e dá origem a um
poder limitado, não arbitrário.

d) A liberdade consiste em que cada homem dependa da


vontade dos outros homens formando um contrato, que pode
ser rompido por qualquer parte.

e) No estado de natureza, o encarregado de velar pelo


cumprimento da lei é o Estado, onde o governo é livremente
eleito.

50) (ESAF – EPPGG – MPOG -2002) Focalizando o


pensamento de Rousseau, assinale a única assertiva
incorreta.

a) Os males dos quais os homens sofrem não derivam da


natureza humana, mas sim de cursos errôneos de evolução
da sociedade.

b) O homem que pensa é um animal degenerado; o homem


natural era um ser pré-racional, um selvagem errante,
dotado apenas de necessidades naturais e do sentimento de
compaixão.

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 119 de 120


Ética e Filosofia para Detran/MT
Teoria e exercícios comentados
Prof. Rodrigo Barreto Aula 1

c) Numa sociedade que tenha repudiado o contrato iníquo,


constitui-se uma vontade – a vontade geral – que pertence
imediatamente à ordem cívica, posto que representa mais
que a soma das vontades particulares.

d) O contrato social é o único meio pelo qual os direitos se


tornam possíveis, repousando estes sobre o abandono por
cada um de sua soberania, sua transferência para o corpo da
coletividade e sobre a recusa de submeter-se a uma outra
pessoa.

e) Devido à necessidade de distinguir o ato pelo qual um


povo faz a escolha de um governo e o ato pelo qual ele se
constitui em soberano é indispensável admitir a existência do
direito natural e do pacto de sujeição.

5. Gabarito

1 – 2 – 3– C 4 – 5 – 6 – 7– C 8-C 9-E 10-E


E E E E E
11-E 12-E 13-E 14-C 15-C 16-E 17-C 18-E 19-E 20-E
21-E 22-E 23-E 24-C 25-E 26-A 27-C 28-C 29- 30-C
D
31-A 32-E 33-C 34-B 35-C 36- 37-E 38-B 39-C 40-
D D
41- 42-A 43-E 44-B 45-B 46-A 47- 48-B 49-C 50-E
D D

Prof. Rodrigo Barreto www.estrategiaconcursos.com.br 120 de 120

Você também pode gostar