Você está na página 1de 21

7

1
/
O
1
/
4
O
O
Na
S
w
V
,oWEBmBmHOÉ Nnu
Projetoal®
hil

ÍNDICE
INSTALAÇÃO...........................................................................................................................
1.1 Métodos de instalação......................................................................................................................
1.1.1 Bandeja Ventilada ......................................................................................................................................
1.1.2 Bandeja Aparafusada .....
1.1.3 Bandeja colada ............................................................................................................................................
1.2 Sentidos de instalação ...............................................................................................................
1.3 Remoção da pelicula protetora...............................................................................................
1.4 Aplicação do silicone .................................................................................................................
1.4.1 Estimativa de rendimento do silicone ...............................................................................................
1.5 Fitas dupla face Dfix ....................................................................................................................
1.5.1 Aplicações e acessorios ..................................
1.5.2 Recomendações de aplicação .................................................
1.5.3 Cálculo de quantidade de fita a utilizar..............................................................................................
1.5.4 Propriedades técnicas ..............................................................................................................................
1.6 Juntas de dilatação.................................................................................
1.6.1 Exemplos de dilatação térmica .............................................................................................................
1.7 Subestrutura .................................................................................................................................
1.8 Conformação ...............................................................................................................................
1.8.1 Ferramentas e acessorios ..............................................................................................................................
1.8.2 Usinagem e dobras ......................................
1.8.3 Serrar.........................................
1.8.4 Corte e contornos ...................................
1.8.5 Curvas ....................................................................................................................................................................
1.8.6 Rebitar......................................................................................................................................................................
1.8.7 Aparafusar..............................................................................................................................................................
E! . i
E Projetoal
ff'mâfi»

GBC BRASIL

1. INSTALAÇÃO
O ACM assim como qualquer outro tipo de material deve ser instalado por profissionais capacitados,
com experiência e conhecimento têcnico sobre o material, estrutura e acessorios.
A Projetoal® indica que seus clientes procure referências sobre o instalador, com arquitetos e
consultores que ja tenha trabalhado junto e citação de instalação de obras de porte similares ao seu
projeto.
É importante salientar que o ACM e' um material de acabamento, portanto deve ser instalado na
ultima etapa da obra para evitar danos durante a construção, causados principalmente por terceiros.
Apos a instalação remova a pelicula protetora do ACM imediatamente, caso seja necessária a
proteção da superficie, e' indicado o recobrimento com lona PVC, plastico ou qualquer outro material
que não seja adesivo ou que contenha cola. É importante salientar que o material para proteção (lona,
PVC, pla'stico, entre outros...) não deve ser completamente fechado de forma a permitir uma
ventilação adequada.
Antes de iniciar o corte das chapas, e' necessario que o instalador instale a estrutura auxiliar e faça um
mapeamento das medidas in loco, para confrontar com o projeto de consultoria (ou arquitetura) e
verificar possiveis ajustes nas medidas da paginação e/ou mapa de corte das chapas.

1.1 Métodos de instalação


Existem basicamente 3 métodos de instalação das chapas de ACM, sendo:

1.1.1 Bandeja Ventilada


Baseado no modelo europeu, o sistema ventilado cria circulação de ar entre os painéis e a superfície
revestida e dispensa a utilização de travessas e acessorios como fitas, tarucel e silicone.
As chapas de ACM são usinadas formando uma bandeja que são encaixadas nos pinos das colunas da
estrutura auxiliar, funcionando como um sistema de encaixe macho-fêmea. Este sistema e' muito
utilizado em retrofit devido a agilidade de instalação, entretanto e' necessário a impermeabilização da
alvenaria. Devido a ausência de selantes entre os modulos, ha a entrada de ar, proporcionando assim
um conforto térmico e resultando em menor consumo de ar condicionado.

Ancoragem
Espaçador

Pino

ACM

CORTE HORIZONTAL
Sem escala

ACM

CORTE VERTICAL PERSPECTIVA


Sem escala Sem escala

(9
GBC BRASIL

1.1.2 Bandeja Aparafusada


Neste sistema, os paine'is de ACM são usinados formando uma bandeja, que são fixadas com
parafusos auto-brocantes e cantoneiras de aluminio na estrutura/ superficie.
Neste sistema sempre haverá uma estrutura auxiliar na medida dos módulos, essa estrutura
contribuirá para o acabamento final da montagem, portanto eI de suma importância que os perfis
sejam totalmente alinhados e bem fixados.
Entre as bandejas, o rejunte de silicone neutro nas juntas de dilatação tem variação de 8 a 15 mm de
largura pela metade da medida de profundidade.

A confecção da bandeja segue basicamente 4 passos, apresentados abaixo.


Corte da chapa somando a medida das abas, que geralmente varia entre 20 a 30 mm;
Usinagem no perímetro do modulo;
Retirada dos cantos;
Dobra das abas e fixação das cantoneiras para travamento da peça e fixação na estrutura auxiliar.

í
Dimensão do painel - face visivel Dimensão dO painel - face visivel

Painel bruto Painel com Bandeja pronta


os cantos para instalação
removidos com cantoneiras

O espaçamento mais utilizado entre bandejas eI 10 mm, essa distância é necessaria para que a
parafusadeira entre no vão e consiga fixar a peça subsequente, entretanto pode variar conforme o
tamanho e a exposição do painel ao sol (dilatação).
Para dar acabamento nas juntas e ocultar os parafusos e colocado o tarucel, que devera ter diâmetro
30% maior que a junta, por exemplo, se a junta for de 10 mm (largura), o tarucel devera ter 13 mm
(diâmetro).
O tarucel tem a finalidade de economizar o silicone neutro e também impedir que o silicone tenha
contato com uma terceira superficie (perfil), isso possibilita que o material comprima e dilate
diariamente sem o surgimento de trincas.
Apos o tarucel encaixado no vão entre bandejas, o silicone neutro e aplicado na junta, dando
acabamento e vedação para o revestimento.

((9
Projetoal®
lili nr.

GBC BRASIL

- V UTLTU > Concreto


W

Afastamento
50 a 100 mm
E
¬
-U
(D

I Tarucel
_ Cantoneira
I \

| G) `

ACM Silicone neutro

Corte horizontal
Sem escala

1.1.3 Bandeja colada


Este tipo de fixação permite juntas menores e mais 'rasas' entre os módulos de ACM. Os painéis são
usinados sem abas de fixação, é realizada a usinagem de topo no perímetro do painel que e' colado
diretamente sobre a superficie / estrutura possibilitando menor distanciamento entre o painel e o
perfil da estrutura.
Este sistema exige o processo de preparo da superficie, sendo:
1) Limpeza da área a ser instalada (com alcool isopropilico);
2)Utilização do primer nas áreas a ser aplicada a fita, inclusive no verso do ACM;
3)55cm2 de fita por kg de força estática (consultar fita especifica para cada tipo de chapa/ instalação);

Silicone neutro
ACM

Perfil
Corte horizontal
Sem escala

(6
Projetoal®
lili GBC BRASIL

1.2 Sentidos de instalação


Para a instalação das chapas de ACM o profissional de instalação deve-se atentar ao sentido da seta
impressa no filme protetor do ACM, esta serve como orientação para evitar a rotação de peças numa
mesma composição.
Este erro pode prejudicar a este'tica do revestimento principalmente nas chapas com texturas
especiais e/ou com pinturas metálicas, que por conta da refração da luz incidente podem aparentar
tonalidades diferentes do restante.

1.3 Remoção da película protetora


A titulo de contribuir com as melhores praticas de instalação este manual fornece algumas
recomendações sobre a remoção da película de proteção, a fim de evitar que a cola da película torne-
se aderente no painel apos a instalação.
° A película devera ser removida imediatamente apÓs a instalação, caso não seja possível, dentro de
um prazo maximo de 15 dias apÓs a instalação.
° A película deve ser puxada para fora e não para baixo, ou seja, o ângulo entre a película de proteção
e o painel deve ser inferior a 909 (aproximadamente na altura da cabeça do profissional que está
promovendo a remoção).
~ Evite qualquer puxão ou força brusca para remover, a remoção devera ser de maneira suave e
constante.
~ Caso encontre qualquer resíduo de cola ou sujeira nos painéis, recomenda-se testar a aplicação de
gasolina utilizada em aviação, que funciona na grande maioria das cores, entretanto, algumas
cores ainda poderão apresentar manchas ou outros problemas com a reação da cola.

A figura abaixo ilustra como devera ser procedida a remoção da película.

<909 >909
ACM ACM

Película

Película

Certo Errado

((9
E! . ®
a Projetoal
GBC BRASIL

1.4 Aplicação do silicone


No tocante aos acessórios de instalação, é importante sempre verificar as recomendações de uso do
fornecedor, entretanto cabe frisar que a aplicação de silicone devera ser prÓprio para uso externo,
resistente a intempérie, sendo monocomponente de cura neutra.
Deverá ser aplicado nas juntas de dilatação entre os modulos de ACM devem seguir, basicamente os
critérios te'cnicos citados abaixo:
Limpar a superficie onde sera aplicado o silicone;
Fazer teste de aderência do silicone a chapa de ACM em uma pequena area, caso não haja
Deve-se aplicar 'Primer'para potencializar a fixação;
As juntas devem obedecer as dimensões mínimas (largura 8 mm)e (profundidade 4 mm);
A partir das dimensões mínimas a proporção da junta deve-se seguir 2X1, ou seja, a largura deve ter
o dobro da profundidade. Recomenda-se como ideal para os silicones juntas de 12mm de largura
por 6mm de profundidade;
A aplicação de silicone em juntas de dilatação de modulos de ACM colados com fita dupla face devem
seguir os critérios técnicos apresentados nesta seção, jamais utilize silicone ace'tico, pois pode
prejudicar a pintura.
Cabe ressaltar que o silicone neutro tem aderência somente nas lâminas de aluminio, ou seja, não
adere ao nucleo de polietileno (PE) ou mineral anti chamas (FR).

Silicone neutro
' não adere ao nucleo

Corte horizontal
Sem escala

O perímetro dos modulos devem ser usinados como exemplificado abaixo.

Opção 01 Opção 02

. Lamma de Usinagem Fresa 909 , Lamma de Usinagem de topo


aluminio externax aluminio externa`\_›
Nucleo de Nucleo de
polietileno ou mineral polietileno ou mineral
Lâmina de Lâmina de
aluminio interna alumínio interna
Lâmina de Lâmina de
aluminio externa aluminio externa

Nucleo de Nucleo de
polietileno ou mineral polietileno ou mineral
Lâmina de Lâmina de
aluminio interna aluminio interna

(0
É Projetoal® à

GBC BRASIL

Exemplo de usinagem para aderência do silicone


Silicone neutro

I ACM I

Fita Dfix

A = largura mínima (8 mm)


B = profundidade minima (4 mm)

Perfil Corte horizontal


Sem escala

2.4.1 Estimativa de rendimento do silicone

Rendimento médio por cartucho 280 ml


Largura da junta (mm)
8
8 1o
10 12
12 15
15 20
20 25
25
m 4
4 7,43
7,43 x
X x
X xX x
X x
X
ÉA 5
5 x
X 4,76
4,76 Xx x
X x
X x
X
'u E
š É 6
6 x
X x
X 3,3
3,3 x
X x
X x
X
'ö d
c -I-l
E š 7,5
7,5 x
X x
X x
X 2,11
2,11 x
X x
X
g "¬ 1o
10 x
X x
X x
X x
X 1,19
1,19 x
X
'1 12,5
12,5 x
X x
X x
X x
X x
X 0,76
0,76
* rendimento médio por metro linear - perda considerada de 15%.

1.5 Fitas dupla face Dfix


A Projetoal® trouxe para o mercado fitas adesivas dupla face da Scapa, lider mundial na fabricação de
fitas adesivas técnicas para aplicações em componentes eletronicos, saude, industria, energia,
construção e transporte.
Presente em 55 paises, e no Brasil, trabalha de acordo com padrões de qualidade mundial, sendo
certificada com ISSO/TS 16949/2009; ISO 9001/2008; ISO 14001/2004; ISO 18001/2007.
A Projetoal® comercializa fitas especificas para aplicação no mercado da construção. São utilizadas
em aplicações internas e externas para fixação de ACM, vidros, uma variedade de plasticos e metais
em geral.

((9
Série Cor Espessura (mm)
A81160 transparente 1
A8127O branca e cinza 1,1
ASlZBO cinza 1,5
A812YO branca 3,0
Dfix ACM branca 2,0

1.5.1 Aplicações e acessorios


As fitas têm sido muito utilizadas como solução de alta performance em adesão para fixação
permanente, podendo substituir pregos, buchas e parafusos, sendo utilizadas em:
- Sinalização;
- Fixação de metais em geral;
- Fixação de frisos;
~ Linhas decorativas;
° Peças eletrônicas;
° Fixação de peças pré pintadas para sinalizações em geral;
° Montagem de painéis para fachadas.

As fitas possuem diversos benefícios, entre eles:


° Alta resistência ao cisalhamento;
. Boa resistência a umidade e plastificantes;
° Resistência a luz ultravioleta;
° Resistência a abrasão, corrosão e umidade;
Aplicação limpa, rapida e segura.
A Projetoal® fornece fitas adesivas Dfix® para diversos usos e situações, com espessuras de 0,64 a 3
mm, transparente, cinza ou branca. Inclusive com possibilidade de corte na largura que for necessaria,
a partir de 5 mm.

Para melhor desempenho da fita, a Projetoal® orienta que o instalador deve ter os acessorios de
instalação abaixo.

Uso obrigatorio para todas superfícies pintadas


ou galvanizadas. Indicado para o uso no ACM.

Rolete de Borracha
Utilizado no pressionamento prévio da fita.

1.5.2 Recomendações de aplicação


- Em todas as aplicações com fitas adesivas, recomenda-se uma excelente limpeza com Alcool
Isopropílico para retirar todos os resíduos do substrato a ser adesivado, utilizando um pano seco que
não solte fiapo (gaze, malha e outros).
- Utiliza-se o Primer DFIX100 quando as superfícies estiverem pintadas ou galvanizadas. Em
superfícies anodizadas, a utilização do Primer é opcional, pore'm sua aplicação aumentará a adesão
da fita em ate' 40%.

(69
GBC BRASIL

- Aplique a fita adesiva a superficie de montagem, fazendo uma pressão firme e va aos poucos
desenrolando a fita e pressionando, sem estica-la, podendo utilizar o Rolete de Borracha para auxiliar
no pressionamento.
- ApÓs a fixação da fita em todo o perímetro, retire o liner que cobre o adesivo e aplique na superfície
que sera unida, sendo a mesma também limpa com Álcool Isopropilico e com a aplicação do primer ja
realizada, quando também pintada ou galvanizada.
- A temperatura de aplicação recomendada para obter melhores resultados eI de 189€ ou superior.

1.5.3 Calculo de quantidade de fita a utilizar


É levado sempre a recomendação de 55 cm2 por Kg de peso estático.
55cm2 = 1 kg de peso estático = 55cm2/Kg x 2Kg (PesoEstatico) = 110cm2 = 110cm2/1,9cm (Largura
daFita) = 58 cm linear.

Portanto, para 2 Kg de peso estático el necessario 58 cm de fita linear de 19 mm de diâmetro.

2.5.4 Propriedades técnicas

..
m DO ROLO
COMPRIM.
coR RESIST. CISALHAMENTO
C, DHXlOmAÇo/AÇO) REsIsr. TEMPERATURA INDICAçAo
FAcHADAs srRUcrURAL
zomm 20 mm CINZA / BRANCA 8,5 Rgf / cmz (50°C à 180°c› Êäâsztnäeclfiãä/Ešè/Íšpãgëoo m
de intemp. artit` (aço/prfv)

aomm 16,5 mm BRANCA 53 Kgr / cmz (50°C à lso°c> LFÊÊHEADAS E'šl ACM

20 mIrS BRANCA 8,5 Kgf / s (130%: á lgoflc) ÉJASÊHADASRNEPO/l ACM


2,0'mm

15mm 20 mim CiNzA 9,1 Rgr/ cmz (50°C à 180°C> ÊAOCKÍAVIDS/üS/ÂÊM ACM'

11mm 20 mim CiNzA / BRANCA 12,2 Rgf / cmz (sqc à 180°c› ÊÊÊÍHÔ/IIÊS/ÊJSAÊM ACM'

Qsmm 20 mm CINZA 12,7 Kgf / cmz (-3o°c à 180°c> ÉÊÊÊOAEšVEÊÊÊzOS

0,64mm 20 mm BRANCA 135 Rgf / cmz (-3o°c à 150°c› Ê/šCH/š/'IDSAUSAÊM ACM'

Lomm 20 mm TRANSPARENTE 7 Rgf / cmz (50% à lzoflc) ÉSNÊEÊÊÂÊDCOM VISUAL

10mm zo mm BRANCA 4,1 Rgf / s 5/ primer (f4o°c à 100°Cl Hx DE ESPELHOS EM PAREDES'


AZULÉJOS. USO INTERNO

As fitas Dfix são vendidas por rolo, entretanto o cliente pode optar por comprar caixas fechadas corn
as seguintes quantidades:

Largura unidades por caixa


9 mm 20
12 mm 16
15 mm 13
19 mm 10
25 mm 8

QE
Projetoal®
llll p”,

GBC BRASIL
.l

1.6 Juntas de dilatação


As juntas de dilatação são fundamentais na instalação do ACM e devem obrigatoriamente ser
consideradas em qualquer local de instalação (interno e externo), entre todos os módulos.
A variação da largura da junta, entre diversos fatores, se da principalmente pelo coeficiente de
dilatação termica do ACM, considerado basicamente em 2,74 mm por metro linear a 100 g€.
A ausência de juntas entre a modulação pode originar diversos problemas te'cnicos e este'ticos
comprometendo o material instalado.
A imagem abaixo exemplifica uma instalação sem a utilização de juntas e usinagem no perímetro.
Devido a falta de espaço entre os módulos para ocorrer a dilatação, o ACM ondula prejudicando o
material e a instalação técnica e esteticamente, ale'm do silicone não aderir a junta.

1.6.1 Exemplos de dilatação térmica


Para um painel de 1525 x 6096 mm, uma mudança de 329€ na temperatura superfície pode resultar
em expansão ou contração de 7,2 mm ao longo da maior dimensão do painel.

9C
50 ºC 219€
21ºC OQC
0ºC
1525 mm 1525 mm 1524 mm
<_› <_› <_›

E
g E E
N E E
o w m
9.
RO
8
KD
8
Q)

Para um painel de 1220 x 3048 mm, uma mudança de 329€ na temperatura superfície pode resultar
em expansão ou contração de 3,5 mm ao longo da maior dimensão do painel.

9C
50 ºC 219€
21ºC OQC
0ºC
1219,8 mm 1220 mm 1218,4 mm
<_› <_› <_›
mm
mm

mm

3046 5
3048
3050

QG
11
Projetoal®
Iil l
Para um painel de 1220 x 1220 mm, uma mudança de 329C na temperatura superficie pode resultar
em expansão ou contração de 1,5 mm ao longo da maior dimensão do painel.

50 c-*C 219€ OQC


1220 mm 1220,8 mm 1219,4 mm
‹_› <_› <_›

mm

mm
mm

1220,8

1219,4
1220

1.7 Subestrutura
Em todas as aplicações (internas e externas) e indicada a subestrutura (estrutura auxiliar) de aluminio,
mesmo em instalações de estruturas metálicas portantes como marquises, forros, entre outras...
A estrutura auxiliar (subestrutura) deve corrigir imperfeições da estrutura ou sistema construtivo
principal, no tocante a prumo e regularidade de superficie.
A subestrutura deve ser bem fixada e totalmente alinhada com a paginação dos modulos, a fim de
proporcionar apoio para fixação (mecânica ou fita dupla face) do modulo de ACM.
O dimensionamento dos perfis e o me'todo de fixação dependerá das condições da obra, entretanto
cabe ressaltar a importância do ponto de apoio (seção do perfil) suficiente para realizar a fixação dos
modulos.

2.7.1 Reforços e fixação dos modulos


A utilização de reforços estruturais e necessaria nas seguintes condições:
° Quando a área da bandeja for superior a máxima permitida (consultar subseção 2.7);
° Quando o modulo estiver a mais de 20 m de altura em regiões abertas (litorâneas) ou com grande
incidência de ventos (consultar NBR 10821 - isopletas dos ventos);

A fixação da bandeja de ACM na estrutura devera ser feita por cantoneiras de aluminio especificas
para ACM com abas desencontradas ou cantoneira "simples" com medidas inferiores as abas.
Os reforços deverão ser fixados por silicone ou fita dupla face Dfix® e não precisam necessariamente
encostar-se as extremidades da largura da bandeja.
Para bandejas de ate 2,5 m de comprimento, serão necessarios 2 reforços fixados diretamente no
ACM, para manter a rigidez, modulos com medidas superiores, os reforços devem ser fixados na
estrutura auxiliar para evitar o excesso de peso sobre a usinagem.
O afastamento das cantoneiras com relação o canto dos modulos devera ser, preferencialmente em
media 10 cm.
O reforço podera ser um tubo de aluminio de seção retangular, perfil tipo ""T, ou cantoneira.
Fixação reforço
or silicone ou fita dupla face Dfix®

PERSPECTIVA DA BANDEJA
Sem escala

QE
GBC BRASIL

Recomendável 10 cm de afastamento ou cantoneirõl especifica para instalação


l
Sem necessidade de encostar na extremidade do módulo

Reforço
Perfil seção retangular. cantoneira ou tipo 'T'.

DETALHE CANTO DA BANDEJA


sem escala ä
0 ri m n n h ‹›

.p
N
O

E EI

800 [à
O

E EI

.is
N
O

0 Ial IQI Igl Id Id o

380
VISTA SUPERIOR DA BANDEJA
sem escala

1.8 Conformação

A chapa de ACM e' considerada um material "bruto", ou seja, para a instalação eI necessario, no
minimo, usinar a chapa ale'm da utilização de acessorios.
Dentre os diversos trabalhos de conformação, com o ACM e' possivel:
Calandrar (arredondar):
Dobrar em diversos ângulos;
Curvas a frio;
Cortar (com estilete);
Serrar;
Puncionar;
Rebitar;
Aparafusar; e
Colar.

(E
1.8.1 Ferramentas e acessorios
O ACM Projetoaluminio® pode ser facilmente cortado, utilizando-se lâminas de vidia, serra circular
manual ou de mesa de corte, serra vertical, tico-tico, rounters e lâminas especiais para cisalhamento.
Os materiais podem ser fresados utilizando fresa especifica para ACM de 90*2 a 1359.
Tupia manual Fresa 90g

iw
;\\\\\`\"r š

'fz' @
90° v ,mz a
'ÊÍ
lfiz í
'vg'
Fresa 1359
Serra circular manual

Cortadora manual
*k Router com mesa Tico-tico
Estilete

Os acessorios de instalação dependerá do me'todo adotado, os principais são:


f aer Rolete de borracha Fitas dupla face Dfix
dO_L

g
..
,a
A
N06?

Parafuso
Cantoneira de Aluminio auto bmcante
Silicone Neutro Fita; crepe

QE
E! . i
E Projetoal

1.8.2 Usinagem e dobras


A usinagem e' realizada desbastando-se a lamina de aluminio inferior do ACM e parte do núcleo de
polietileno (PE) ou mineral (FR). O canal executado deve ter uniformidade na profundidade para se
obter uma dobra alinhada.

Exemplos de dobras (abas).

QE
m
Projetoal®
GBC BRASIL

Medidas da usinagem, por se'rie e tipo de fresa.

Dobra em 90g Dobra em 559


Lâmina
externa A .
a fl-amma Lâmina interna
À . . intema \
Lâmina mtema Usinagem com fresa 909 0'50 mm Usinagem com fresa 1359
0,50 mm
' ¬4 .................. l
A
3,3 m
Y

| LLâmina externa Variação | | | k_Lâmina externa Variação LLâmina |


0,50 mm de 0,1 a 0,2 mm 0,50 mm de 0,1 a 0,2 mm externa

SÉRIE 4500 SÉRIE 4500


Sem escala Sem escala

Dobra em 90g Dobra em 55e


Lâmina
externa _ _ . .
a Lamma Lâmina interna
interna 0,30 mm
Lâmina interna Usinagem com fresa 90g Usinagem com fresa 1359

' O'Sommfl vvvvvvvvvvvvv '

| L Lâmina Variação | | | L Lâmina externa Variaçao LLâmina


externa 0,30 mm de Ofl a s mm 0,30 mm de 011 a 012 mm externa

SÉRIE 4300 SÉRIE 4300


Sem escala Sem escala

Dobra em 90e Dobra em 559


Lâmina
externa¬`
g Lâmina ~ -
Lâmina i
interna `
\
Lâmina Interna Usina 9 em com fresa 909 interna 0,30 mm Usinagem
' com fresa 135 Q I
I
I

N V ~ N _ ~
I k- Lâmina Vanaçao I I | L Lâmina externa VanaÇaO LLâmina |
externa 0,30 mm de 0,1 a Ozz mm 0,30 mm de 011 a 0,2 mm externa
sÉRlE 3300 sÉRIE 3300
Sem escala Sem escala

Dobra em 90E Dobra em 559


Lâmina
externaN
~ \
¡Lamma Lâmina interna `
Usinagem com fresa 909 interna O'Zl mm Usinagem Com frega 1359
Lâmina interna
| 0,21mm |
E N
` . ~ N . ~
I m Lâmina Vanaçao I I | LLâmina externa Vanaçao LLâmina |
externa 0,21 mm de 0,1 a 0,2 mm 0,21 mm de 0,1 a 0.2 mm externa

sÉRlE 321o sÉRIE 321o


Sem escala Sem escala

QE
E! . i
a Projetoal

1.8.3 Serrar
O ACM Projetoaluminio® com nucleo mineral (FR) ou de polietileno (PE) pode ser cortado com serra
circular, vertical ou pendular.

Lâminas: serra circular para metal duro


Geometria da lâmina: espessura dos dentes aprox. 2 - 4 mm, fora para dentro e' lapidada mais fina para
evitar que aperte
Geometria dos dentes: dente trape'zio - dente plano
Espaço entre dentes: 10 - 12 mm
Ângulo de abertura: 15°
Ângulo de corte: 10° positivo
Avanço maximo: 20 m/min
Observação: No ACM Projetoaluminio® nucleo FR (anti chamas) utilizam-se lâminas de serra com a
qualidade de metal duro KOl. A rotação tem que ser reduzida para metade.
Lâminas da serra circular de metal duro para serras circulares de placas Holz-her® e Striebig®.
Lâminas da serra circular dente plano trape'zio, dentes planos 45° chanfrados para bordos sem
rebarbas.
O da lâmina da serra: D = 300 mm (para serras de placas Striebig® padrão II
Numero de dentes: Z = 72
O da lâmina da serra = 250 mm (para serra de placas Holz-her® 1255 nucleo FR - anti chamas)
Numero de dentes = Z= 60
O do furo: D = 30 mm
Espessura do dente = 3,2 mm

1.8.4 Corte e contornos


O ACM Projetoaluminio® nucleo FR (anti chamas) ou de polietileno (PE) pode ser cortado em
contornos com serras pendulares, centros de processamento CNC.
Se utilizar serras pendulares, aplique as lâminas da serra para madeira e plasticos.
Para cortar contornos em centros de processamento CNC são utilizadas fresas de corte de incisão. É
importante sempre realizar testes em retalhos antes de realizar o corte oficial.

1.8.5 Curvas
O ACM Projetoaluminio® pode ser facilmente remodelado com maquinas de dobrar de três e quatro
cilindros. É importante observar o raio de curvatura minimo de 80 mm das chapas de 4mm de
espessura com nucleo PE (polietileno) e 200 mm com nucleo FR (anti-chama) (ASTM D790).
Os cilindros alimentadores não devem pressionar com força demasiada. Os cilindros de dobrar, que
também são utilizados para arredondar outros metais, têm de ser limpos de qualquer limalha de ferro
antes de serem utilizados com ACM Projetoaluminio®. É recomendado cilindros polidos.
Para evitar danos na superficie, a pelicula protetora deve permanecer sobre a superficie do ACM. Ale'm
disso, a area visivel pode ser ainda protegida por um calço de plastico com 1 - 2 mm de espessura.
Para produção em série, fazer testes em amostras.
Nota: Ao dobrar o ACM Projetoaluminio® com superficie anodizada a área dobrada fica mais clara.

QE
Projetoal®
hil

A = Carimbo
B = Película de proteção
C = Matriz
D = Largura do molde
r = Raio

1.8.6 Rebitar
O ACM Projetoaluminio® e' rebitado com os habituais aparelhos e rebites ou rebites cegos. Nas
aplicações no exterior e importante verificar as dilatações das placas e se necessario utilize um calibre
para rebites.
As placas de ACM Projetoaluminio® podem ser unidas umas as outras ou a outros materiais atrave's
dos habituais tipos de rebites em aluminio. Normalmente são utilizados rebites cegos em alumínio,
com mandril em aço inoxidável no exterior e em espaços húmidos, para evitar corrosão. Se utilizar
rebites cegos em aluminio com mandril em aço, o mandril devera sair depois da rebitagem (versão de
ruptura da cabeça).

Os rebites escareados são apropriados apenas para interior.

Indicações para aplicações no exterior:


Em uniões de rebites no exterior utilizam-se rebites cegos em aluminio aprovados para construção
com haste de diâmetro de 5 mm e cabeça de apoio de diâmetro de 11 ou 14 mm.
Deve considerar a dilatação térmica da placa (2,74 mm/m/100°C). Para evitar uma contenção, a folga
do furo na placa deve ter o tamanho da dilatação esperada.
A cabeça de apoio do rebite deve cobrir o bordo do furo em l mm quando a haste do rebite se
encontra no bordo do furo.
Para poder fazer os furos centralizados na placa e na subconstrução, e poder colocar o rebite no
centro, são utilizadas brocas escalonadas ou bocais/calibres de perfuração com diametro
correspondente.
Corn tubeiras articuladas (calibres para rebites), os rebites cegos são colocados sem contenção com
urna folga de 0,3 mm. O rebite e a tubeira deviam ser do mesmo fabricante uma vez que a altura da
cabeça de apoio pode ser diferente segundo DIN 7337.

QE
ff'mâfi»

GBC BRASIL

A espessura de aperto resulta da soma do material a rebitar e um valor a adicionar de 2 mm, para
garantir que a cabeça de fecho fique bem formada. Com esta espessura de aperto e determinado, nas
tabelas do fabricante, o respectivo comprimento da haste do rebite (lmin = 14 mm).

Importante:
Uma vez que na rebitagem ha varios fatores que podem influenciar a folga exata do rebite de 0,3 mm
(por ex. tolerância da cabeça do rebite), recomenda-se fazer primeiro uma experiência numa placa de
fachada. Antes de rebitar e' recomendável retirar a pelicula de proteção na area de rebitagem.

1.8.7 Aparafusar
Parafusos para instalação externa
Em uniões com parafusos no exterior deve ter em conta a dilatação térmica da placa. Para evitar
contenções a folga do furo na placa deve ter o tamanho da dilatação esperada.
As uniões por parafusos sem contenção podem ser fabricadas através de parafusos de fachadas em
aço inoxidável aprovados para instalação com anilhas.
Os parafusos têm de ser adequados à respectiva subconstrução (observar os dados do fabricante). Os
parafusos devem ser apertados com chave dinamométrica, de modo que a anilha para vedar o furo se
encontre sobre a placa sem exercer pressão sobre a mesma.
Para poder fazer os furos, centralizados, na placa e na subconstrução e poder colocar os parafusos no
centro, são utilizadas brocas escalonadas ou bocais/calibres de perfuração com diâmetro
correspondente.
Importante: Antes de aparafusar eI recomendável retirar a película de proteção na respectiva area.

Parafusos para instalação interna


Os parafusos de chapa e de madeira com diferentes formas de cabeça podem ser utilizados na
instalação interna. Os parafusos de cabeça escareada podem entrar na placa se forem
tradicionalmente descidos e se a chapa de cobertura recolher. Ouando a chapa de cobertura recolhe
o furo na placa tem de ser maior que o diâmetro do parafuso para absorver a dilatação.

Os desenhos ilustrativos da página seguinte exemplificam a instalação com alguns tipos de parafusos.

QE
Arruela baixa pressão sobre Arruela
de borracha o ACM de borracha

Dist. borda
mín 15 mm

baixa pressão
sobre o ACM

Dilatação

baixa pressão
sobre o ACM

Dilatação

(ê)
Projetoafo
III

MATRIZ + FÁBRICA
sÃo JosÉ Do RIO PRETO sP
17 4009 8200

FILIAIS
sÃo PAULO sP
11 2181 1100
GUARULHOS SP
11 2181 1100
BAURU SP
14 4009 4600
vITÓRIA Es
27 3434 4000
CURITIBA PR
41 3296 9600
RECIFE PE
81 3878 1300

PROJETOALCOMBR