Você está na página 1de 16

Ciclo de Carnot

Físico-Química II
Leila Cristina Magalhães Silva
A entropia como função de
Estado
• Para provar que a afirmação:
“A entropia é função de estado”
Temos que mostrar que a integral de dS
não depende do processo, mas
depende somente do estado inicial e
do estado final.

𝑑𝑄𝑟𝑒𝑣
=0
𝑇
Ciclo de Carnot
• Sadi Carnot, Engenheiro Francês, imaginou um ciclo
constituído por quatro processos reversíveis:
Ciclo de Carnot
1 – Expansão Isotérmica Reversível de A até B, a Tq.

• A variação da entropia é:
𝑄𝑞
∆𝑆 =
𝑇𝑞

Onde Qq é o calor fornecido


ao sistema pela fonte quente.
Ciclo de Carnot
2 – Expansão Adiabática Reversível de B até C, na
temperatura Tf.

• Como não há troca de


calor a ΔS é nula.

• Nessa expansão a
temperatura cai de
Tq até Tf (temperatura do
reservatório frio)
Ciclo de Carnot
3 - Compressão Isotérmica Reversível de C até D:
• A energia é liberada, na forma de calor para o
reservatório frio.

• A variação da entropia é:
𝑄𝑓
∆𝑆 =
𝑇𝑓

Onde Qf é o calor liberado


(-) e Tf é a temperatura do
reservatório frio.
Ciclo de Carnot
4 – Compressão Adiabática Reversível de D até A:

• Não há troca térmica,


portanto a variação da
entropia é nula.

• A temperatura se eleva
de Tf até Tq.
Ciclo de Carnot
• A variação total da entropia no ciclo de Carnot é:

𝑄𝑞 𝑄𝑓
𝑑𝑆 = +
𝑇𝑞 𝑇𝑓
Para um gás ideal:

𝑄𝑞 𝑇𝑞
=-
𝑄𝑓 𝑇𝑓
Eficiência
𝑑𝑄𝑟𝑒𝑣
• Temos que mostrar que a equação: =0
𝑇
Se aplica a qualquer substância e não apenas ao gás
ideal.
Introduzimos a eficiência de uma máquina térmica (ɳ):

𝑡𝑟𝑎𝑏𝑎𝑙ℎ𝑜 𝑒𝑓𝑒𝑡𝑢𝑎𝑑𝑜
𝜂=
𝑐𝑎𝑙𝑜𝑟 𝑎𝑏𝑠𝑜𝑟𝑣𝑖𝑑𝑜 𝑑𝑎 𝑓𝑜𝑛𝑡𝑒 𝑞𝑢𝑒𝑛𝑡𝑒

𝑤
𝜂=
𝑄𝑞
Quanto maior o trabalho obtido, maior será a eficiência.
Eficiência
• A eficiência pode ser expressa em termos das trocas térmicas:
Exemplo
• O fluído operante de um Ciclo de Carnot é 1 mol de um gás ideal
monoatômico (Cv = (3/2)R) no estado inicial de 10 atm e 600 K. O gás se
expande isotermicamente até a pressão de 1 atm (etapa 1) e depois
adiabaticamente até a temperatura de 300 K (etapa 2). Essa expansão é
seguida por uma compressão isotérmica (etapa 3) e depois por uma
compressão adiabática (etapa 4) até ser atingido o estado inicial. Calcular o
calor, o trabalho, a variação da energia interna, a variação da entalpia, a
variação da entropia das vizinhanças e a variação da entropia em cada etapa
do ciclo.
Exemplo ETAPA 1
𝑉𝑓
𝑤𝑒𝑥𝑝 = −𝑛. 𝑅. 𝑇 . ln
𝑉𝑖
Ou
𝑝𝑓
𝑤𝑒𝑥𝑝 = 𝑛. 𝑅. 𝑇 . ln
𝑝𝑖
𝒘𝒆𝒙𝒑 = -11,5 kJ

∆𝑈 = 𝑄 + 𝑊
𝑸 = 11,5 kJ
𝑝𝑓
∆𝑆 = −𝑛. 𝑅. 𝑙𝑛
𝑝𝑖
∆𝑺 = 19,14 J/K
∆𝑺𝒗𝒊𝒛 = -19,14 J/K
Transformação isotérmica , ΔU = 0 e ΔH = 0
Exemplo: ETAPA 2
Transformação Adiabática
Q=0
∆𝑼 = -3,74 kJ

∆𝑈 = 𝑊 ∴ 𝑾 = −𝟑, 𝟕𝟒 𝒌𝑱

∆𝐻 = ∆𝑈 + (𝑛. 𝑅. ∆𝑇)
∆𝑯 = -6,23 kJ

∆𝑺 = 𝟎 𝑒 ∆𝑺𝒗𝒊𝒛 = 𝟎
Exemplo: ETAPA 3
Transformação Isotérmica
∆𝑼 = 𝟎 𝑒 ∆𝑯 = 𝟎
𝑇𝑓
𝜂=1 −
𝑇𝑞
𝜼 = 0,50

𝑄𝑓
𝜂 =1+
𝑄𝑞
𝑸𝒇 = −𝟓, 𝟕𝟒 𝒌𝑱

𝑾 = +𝟓, 𝟕𝟒 𝒌𝑱
𝚫𝑺 = −𝟏𝟗, 𝟏 𝑱/𝑲
𝚫𝑺 𝒗𝒊𝒛 = +𝟏𝟗, 𝟏 𝑱/𝑲
Exemplo: ETAPA 4
Transformação Adiabática
Q=0
∆𝑈 = 𝑛. 𝐶𝑣. ∆𝑇
∆𝑼 = +3,74 kJ

∆𝑈 = 𝑊 ∴ 𝑾 = +𝟑, 𝟕𝟒 𝒌𝑱

∆𝐻 = ∆𝑈 + (𝑛. 𝑅. ∆𝑇)
∆𝑯 = +6,23 kJ

∆𝑺 = 𝟎 𝑒 ∆𝑺𝒗𝒊𝒛 = 𝟎
Ciclo de Carnot
Apostila de Exercícios
Capítulo 5:
Resolver os exercícios 1 e 2

Você também pode gostar