Você está na página 1de 20

Técnicas de Manipulação Asséptica

Glossário
Sepse:

Presença de toxina ou organismo patogênico no sangue e nos tecidos.

Antissépico: É um germicidapara uso em pele ou mucosa.

Assepsia: Ausência de contaminação por organismos indesejáveis.

Desinfecção:

Qualquer tratamento usado em um objeto inanimado para matar ou


inibir o crescimento de micro-organismos; a substancia química
utilizada é chamada de desinfetante.
Esterilização: Remoção de todos os micro-organismos, incluindo
endosporos.
Esterilização comercial:
Processo de tratamento de produtos enlatados com o objetivo
de eliminar endosporos do Clostridium botulinum.
Técnicas de Manipulação Asséptica

Conjunto de procedimentos usados para a manutenção de


culturas, meios de cultura ou soluções estéreis, isentos de
contaminação (micro-organismos estranhos) quando de sua
manipulação.

Os micro-organismos são unidades microscópicas facilmente


dispersos no ar na forma de suspensão; As suspensões resultam
da agitação das culturas líquidas, quebra de recipientes contendo
culturas, centrifugação em tubos abertos ou mesmo através de
poeiras carreadas de áreas contaminadas.

A manipulação de meios estéreis ou de culturas puras deve ser


feita em condições que minimizem a possibilidade de
contaminação do objeto em estudo.
Procedimentos a serem executados:

1. Higienizar as mãos com água e sabão/detergente e fazer a


antissepsia (p.ex. com álcool 70% m/m)

2. Desinfetar a superfície das bancadas de trabalho

3. Manipular sob proteção da chama.

4. Evitar correntes de ar (Manter portas fechadas, etc.) 30 cm

5. Esterilizar previamente qualquer material que possa ser


utilizado para a realização das análises microbiológicas.
6. Manter fechado os recipientes com culturas ou soluções estéreis;
Flambar à chama sempre que for abrir e fechar os recipientes.

7. Pipetar esterilmente;

8. Evitar contato do material estéril com superfícies não-estéreis

9. Manipular rápido (É aceitável um pequeno erro de volume)

10. Não espirrar, tossir ou falar sobre o material sob manipulação.

11. Ter cuidado com materiais já contaminados (incinerar alças à


chama, descartar pipetas em soluções desinfetantes...)
EVITE TRABALHAR SOZINHO
ANOTAR NO CADERNO AS OBSERVAÇÕES IMPORTANTES
EM CADA DIA DE ANÁLISE.

ARRUMAR TODOS OS MATERIAIS E REAGENTES ANTES DAS


ATIVIDADES.

DESTINAR ADEQUADAMENTE
OS MATERIAIS USADOS
DURANTE E AO FINAL DO
PROCEDIMENTO
MICROBIOLÓGICO.
UTILIZAR PROCEDIMENTO S OPERACIONAIS PADRÃO
(POP’s) / FICHAS DE REGISTROS DE ATIVIDADES

IFPE/CACTQ Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco - Campus Recife


Departamento Acadêmico de Sistemas, Processos e Controles Industriais
Lab. nº 12
Coordenação Acadêmica do Curso Técnico de Química Industrial
POP nº: 02 Laboratório de Microbiologia (Lab. nº 12)

UTILIZAÇÃO DA AUTOCLAVE VERTICAL PHOENIX/LUFERCO


MODELO AV/SD 30

Elaboração: Eduardo Alécio


Revisão nº: 02 Data: 09/03/2016 Revisão: Dulce Lins
Aprovação: Eduardo Alécio
LAVAGEM DE VIDRARIA NÃO CONTAMINADA COM
MICRO-ORGANISMOS

SEQÜÊNCIA

Enxague
Resíduo
H2O Potável
(2 x)

DETERGENTE

Secagem : Enxague Enxague


Escorredor
ou Estufa H2O Purificada H2O Potável
(3x) (5 - 8 x)
NÍVEIS DE BIOSSEGURANÇA

NÍVEL DE BIOSSEGURANÇA 1 - Baixo risco individual e baixo


risco para a comunidade - organismo que não cause doença ao
homem ou animal.

Acetobacter acetii
Bacillus subtilis ATCC 6633
Enterobacter clocae
Escherichia coli ATCC 8739
Stapylococcus epidermidis

Aspergillus niger ATCC 16404


Candida albicans ATCC 10231
Sacharomyces cerevisae
Cuidados Pessoais:

Higienizar as mãos com água e detergente


Não comer
Não fumar
Não se maquiar
Não roer unhas, colocar material à boca, etc.
Proteção: EPC’s / EPI’s
Cuidados Pessoais:

Realizar Anti-sepsia das mãos antes e após o trabalho microbiológico


Controle do Ambiente:

Desinfecção do laboratório / Contagem microbiana


(índice de contaminação)

Desinfecção de Bancadas / Cabines


Pipetas contaminadas:

-Nunca deixar sobre a bancada de


trabalho (descartar em desinfetante)

Respingos ou materiais contaminados:

- Colocar papel absorvente sobre o resíduo.

-Aplicar sobre o papel o desinfetante adequado (NaOCl,


Clorexidina, Álcool 70%+Iodo 0,5%).

-Deixar em contato por 30 a 60 minutos.

-Descartar em saco vermelho próprio para residuo


infectante.

- Autoclavar o saco.
Alças e Agulhas inoculadas:

Esterilizar à chama.
Material Contaminado:

RDC nº 306, 7/12/2004: Regulamento


Técnico para o gerenciamento de resíduos de
serviços de saúde.

CAPÍTULO II - ABRANGÊNCIA

Aplica-se também a laboratórios analíticos de produtos para saúde

1.6 TRATAMENTO

1.6.1 - O processo de autoclavação aplicado em laboratórios para


redução de carga microbiana de culturas e estoques de micro-
organismos está dispensado de licenciamento ambiental, ficando
sob a responsabilidade dos serviços que as possuírem, a garantia
da eficácia dos equipamentos mediante controles químicos e
biológicos periódicos devidamente registrados.
NÍVEL DE BIOSSEGURANÇA 2

Risco individual moderado e risco limitado para a comunidade

Escherichia coli
Staphylococcus aureus ATCC 6538
Streptococcus pneumoniae
S. Pyogenes
Salmonella enterica, sorotipo typhimurium ATCC 14028
Aspergillus flavus
Candida albicans
Aplicar todas as recomendações do Nível 1

Uso de cabine de fluxo laminar Classe IIA ou B quando


manipular micro-organismos isolados.
NÍVEL DE BIOSSEGURANÇA 3 e 4

3 - Risco individual elevado e risco limitado para a comunidade

4- Risco individual e para a comunidade elevados.


SEMPRE MANTER O BOM SENSO E
EVITAR BRINCADEIRAS