Você está na página 1de 25

LÍNGUA PORTUGUESA

FONEMA

1 FONEMA
1.1 DEFINIÇÃO
FONÉTICA: é a parte da gramática que estuda, analisa e classifica os sons de uma língua e suas
articulações.

FONOLOGIA: é o estudo do sistema de sons de uma língua, suas alternâncias, transformações e


modificações.

FONEMA: é a menor¹ unidade sonora capaz de estabelecer distinção² entre palavras de uma língua e
também tem a função de formar palavras, pois a combinação de diferentes fonemas permite a formação de
novas palavras com diferentes sentidos.

¹menor: não há outro elemento que possa ser dividido além dele.
²distinção: a simples mudança de um fonema faz surgir outra palavra de significado totalmente diferente.

A partir das diferentes unidades sonoras, conseguimos diferenciar as palavras:

FILA MAL

VILA MAR

1.2 LETRA
• A letra é um símbolo que representa um som: é a representação gráfica dos fonemas da fala.

O alfabeto português é composto por 26 letras:

A–B–C–D–E–F–G–H–I–J–K–L–M–N–O–P–Q–R–S–T–U–V–X–Y–Z

Vogais: 5
na escrita!
Consoantes: 21

• Para representar graficamente os fonemas, contamos também com as notações léxicas: acentos gráficos,
cedilha, til, trema.

1.3 ALFABETO FONÉTICO


• Sempre que há necessidade de registro dos fonemas, utilizamos a transição fonética.
• O Alfabeto Fonético Internacional pode ser utilizado para a transcrição de qualquer língua, com certas
adaptações diante do sistema sonoro peculiar de cada idioma.
• Os fonemas são representados pelas letras do alfabeto ou por certos sinais diacríticos, mas essa
representação não reflete com exatidão o fonema ou a sequência de fonemas que o falante produz durante o
ato da fala.
• Os fonemas são indicados entre barras oblíquas. Por exemplo, o fonema /p/ é uma consoante bilabial, pois
para a sua realização há um contato completo dos lábios.
• O registro dos sons da fala, isto é, a transcrição fonética, é sempre representado entre colchetes. Por
exemplo: a palavra sal é transcrita ['saw], observando-se a pronúncia corrente da maioria dos brasileiros.
• O sinal diacrítico [ ' ] que aparece nos colchetes indica que a sílaba que se segue é tônica.

1
LÍNGUA PORTUGUESA
FONEMA

1.4 O SISTEMA SONORO


O sistema sonoro do português consiste em 8 vogais, 2 semivogais e 19 consoantes.

1.4.1 VOGAIS (8)

• São fonemas sonoros produzidos mediante a livre passagem do ar pela boca.


• São mais tônicas, possuem a pronúncia mais forte do que as semivogais.
• Quanto à função silábica (outro critério de distinção) cabe salientar que as vogais são sempre o centro da
sílaba, ao passo que as consoantes são fonemas marginais: só aparecem na sílaba junto a uma vogal.
• O fonema representado pela letra A sempre será vogal e nunca semivogal.
• Podem ser:
◦ Orais (timbre aberto ou fechado); ou
◦ Nasais, onde a nasalização das vogais é indicada:
a) Pela superposição de um til sobre as letras A e O:

MAÇÃ – SABÃO – MÃOS – PÃES – SAB ÕES

b) Com as letras M ou N seguindo as vogais:

BO MBA

• Se o acento agudo ou circunflexo estiver sobre E, I, O ou U, tais fonemas serão vogais.


• Os fonemas vocálicos representados pelas letras E e O são pronunciados, respectivamente, como / i / e / u /
quando terminam palavra. No sul do país, a pronúncia altera-se:

PENTE (penti) OVO (ovu)

Vogais Exemplos
/a/ pá – gato
/α/ cama
/ε/ pé – ferro
/e/ medo
/ͻ/ pó – cola
/o/ morro
/i/ vir – corre
/u/ bambu – caro

2
LÍNGUA PORTUGUESA
FONEMA

1.4.2 SEMIVOGAIS (2)


• São os fonemas sonoros /y/ e /w/ que, quando juntos de uma vogal, formal com ela uma única sílaba.
• São menos tônicos que as vogais.
• Sua articulação assemelha-se à das vogais, mas não funcionam como base da sílaba, apoiando-se sempre
em uma vogal.
• São representados pelas letras: I – U – E – O – M – N – W – Y.

mais comuns

PAI /y/ MOU – RO MÃE /y/


VSV VSV /w/ VSV
PÃO /w/ CAN – TAM /w/ DAN – CEM /y/
VSV VSV V SV
HÍ – FEN /y/ GLU – TENS WIND – SUR – FE
VSV VSV /y/ SVV /w/
OFFICE-BOY /y/
VSV

Semivogais Exemplos
/y/ pai – feito – vário – mãe
/w/ pau – água – mão

3
LÍNGUA PORTUGUESA
FONEMA

1.4.3 CONSOANTES (19)


• São fonemas resultantes do fechamento ou estreitamento do canal vocal em determinado ponto.
• Os fonemas consonantais só conseguem formar sílabas quando acompanhados de vogal.
• Esses fonemas são representados pelas letras consoantes e pelos dígrafos consonantais.

Consoantes Exemplos
/b/ boi
/d/ andar
/g/ guarda
/p/ pai
/t/ canto
/k/ casa – que
/m/ mar
/n/ cano
/ɲ/ caminho
/l/ lama
/λ/ lhe
/r/ cores
/R/ roda – carro
/f/ afiar
/v/ uva
/s/ posso – céu – caça – máximo – exceção – descer – desço – subsídio
/z/ azar – casa – exato
/∫/ chave – xarope
/Ʒ/ já – genro

• As letras B – D – F – J – P – T – V têm cada uma sempre o mesmo valor sonoro.


• A letra S em começo de palavra e depois de consoante tem o mesmo valor sonoro do SS:

SOAR – SERVIR – CAN SAR – VAL SA

• A letra R em começo de palavra e depois de consoante tem o mesmo valor sonoro do RR:

ROER – RUA – HON RA – MEL RO

• As letras S e Z só têm valores sonoros diferentes em começo de palavra:

ATRÁS – FAZ – INGLÊS – ACIDEZ – COISA – PAISANA – REIZETE – CACAUZEIRO

• Antes de E e I, as letras C e G têm valores sonoros semelhantes aos do Ç e J:

4
LÍNGUA PORTUGUESA
FONEMA

ACINTE – CAÇAR
GENTE – JEITO

1.5 FONEMA X LETRA


• Não se pode confundir fonemas com letras:
◦ Fonemas são fenômenos acústicos;
◦ Letras são representações gráficas dos fonemas.

• Nem sempre o número de letras corresponde ao número de fonemas.


• Nem sempre cada fonema é representado por uma única letra.

1.5.1 Uma mesma letra pode representar diferentes fonemas:

/∫/ XÍCARA
/z/ EXATO
Letra X pode representar os sons de:
/ks/ TÁXI
/s/ TÊXTIL

• Existem algumas palavras em que se pode pronunciar a letra X como /z/ ou /ks/:

letra X com som de /z/: 8 letras e 7 fonemas


HEXÁGONO letra X com som de /ks/: 8 letras e 8 fonemas

• Na palavra INEXORÁVEL, a letra X tem som de /z/: 10 letras e 10 fonemas.

1.5.2 Diferentes letras podem representar um mesmo fonema:

X EXAMINAR
Fonema /z/ pode ser representado pelas letras: Z ZANGADO
S CASACO

1.5.3 A letra X:
• Em final de palavra sempre terá valor de /xs/: TÓRAX
• Após ditongo, sempre terá valor de /x/: CAI -XA

1.5.4 As vogais E e O devem ser sempre lidas com som aberto:

Letra Lê-se a letra Exemplo Representa o fonema Lê-se o fonema


e é mãe /y/ i
o ó pão /w/ u
e é dedo /e/ ê

5
LÍNGUA PORTUGUESA
FONEMA

e é mel /ε/ é
o ó boba /o/ ô

1.6 LETRA ETIMOLÓGICA: H


• A letra é utilizada de forma simplesmente decorativa.
• Na Língua Portuguesa, isso ocorre com a letra H em início de palavra.
• É assim chamada, pois manteve-se do latim até o português atual, mas não representa som algum.

HOMEM: 5 letras e 4 fonemas


HOJE: 4 letras e 3 fonemas
HABITAÇÃO: 9 letras e 8 fonemas

1.7 DÍFONO
• É o conjunto de 2 fonemas representados por 1 letra.
• Exemplo: fonema /ks/ representado pela letra X.

TÓXICO – COMPLEXO – TÓRAX

1.8 LETRA DIACRÍTICA


• Vem à direta de outra letra para representar 1 fonema só.

1.8.1 Letra H:
• A letra H não representa som algum, mas nesta situação, ajuda-nos a perceber que CH tem som de /∫/

CACHAÇA

1.8.2 Letra U:
• A letra U, seguindo G ou Q pode ser uma letra diacrítica quando não possui som.

Q A QUARTA
O U com valor sonoro QUOCIENTE
E não é diacrítica FREQUENTE
QU I AQUÍFERO
Usava-se trema

E U sem valor sonoro QUENTE


I é diacrítica QUIABO

G
GU A GUARDA
O U com valor sonoro CONTÍGUO
E não é diacrítica ENXÁGUE
Usava-se trema
I LINGUISTA
E U sem valor sonoro GUERRA

6
LÍNGUA PORTUGUESA
FONEMA

I é diacrítica QUINCHO

1.9 ALOFONES
• São as variantes de um fonema.

1.9.1 O fonema /l/ tem uma variante /w/ quando ocorre em posição
intermediária não intervocálica ou em posição final:
ALTO ['awto] MAL ['maw]

1.9.2 O fonema /d/ possui a variante regional /dƷ/:


DIA ['dƷya] SEDE ['sεdƷi]

1.9.3 O fonema /t/ apresenta a variante regional /t'/:


TIPO ['t'ipu] SETE ['sεt'i]

1.10 DÍGRAFO ou DIGRAMA


• É o conjunto de 2 letras que representa um único fonema.
• O dígrafo é um recurso da língua para suprir uma de suas falhas, ou seja, nossa língua não tem letras
suficientes para representar todos os nossos fonemas. Em suma: o português tem mais fonemas que letras.

QUILO
representa um só fonema: não se ouve o U

• A segunda letra é diacrítica, isto é, existe apenas para ajudar numa determinada pronúncia.

CARO CARR O
/r/ /R/ o segundo R é uma letra diacrítica

• Não se devem confundir consoantes, semivogais e vogais (fonemas) com letras, que são sinais
representativos daqueles sons.

PÊSSEGO
/s/
“SS” não é encontro consonantal, pois as 2 letras representam um só fonema consonantal!

NOTA: Encontro consonantal será visto mais adiante.

• Sempre que uma palavra tiver dígrafo, o número de letras será maior que o número de fonemas.

CHAMPANHA 9 letras e 6 fonemas


/∫/ /am/ /ɲ/

7
LÍNGUA PORTUGUESA
FONEMA

dígrafo dígrafo dígrafo


Há 2 tipos de
consonantal dígrafos:
vocálico consonantal

1.10.1 DÍGRAFO CONSONANTAL


• Ocorre quando 2 letras representam um fonema consonantal.
• GU e QU somente são dígrafos se seguidos de E ou I.
• Sem o trema, algumas palavras podem dificultar a pronúncia:

QU IPROQUÓ LIQU IDIFICADOR

U é pronunciado! U pode ou não


não é dígrafo ser pronunciado!

Dígrafo Fonema Lê-se Exemplos


CH /∫/ xê chave
LH /λ/ lhê velho
NH /ɲ/ nhê sonho
RR /R/ rê (forte) carro
SS massa
SC nascer
SÇ /s/ sê nasça
XC exceto
XS exsudar
GU /g/ guê guerra
QU /k/ kê quilo

• Os dígrafos abaixo não ocorrem depois de ditongo:

CH: mecha – cai-xa


NH: sonho ditongo
LH: calha
RR: morro
SS: massagem

• Os dígrafos abaixo entre letras vogais podem representar o mesmo som que se escreve também por:

SC FLORESCER C AMANHECER
SÇ DESÇA Ç PAREÇA
XC EXCEDER C PRECEDER

• Os dígrafos RR e SS, empregados sempre entre letras vogais para representar os mesmos sons (/R/ e /s/)
que se escrevem com R e S simples no início de palavra:

PRORROGAR ROGAR

8
LÍNGUA PORTUGUESA
FONEMA

ASSIMETRIA SIMETRIA
1.10.2 DÍGRAFO VOCÁLICO ou RESÔO NASAL
• Ocorre quando as letras M e N aparecem no final de sílaba após vogal.
• Nesses casos, indicam que vogal anterior é nasal.

M MEN TA COMUM
VOGAL + ou
N Dígrafo nasalização da vogal Dígrafo nasalização da vogal
vocálico (como um til) vocálico (como um til)
na mesma sílaba

Dígrafo Fonema Exemplos


am / αm / campo
an / αn / canto
em / em / embate
en / en / lento
im / im / limpo
in / in / lindo
om / om / pomba
on / on / conto
um / um / macumba
un / un / mundo

• Deve-se cuidar para não confundir os casos de vogal + m ou n em final de palavra que tratar-se-ão de
ditongo e não dígrafo vocálico, pois o m ou n estão indicando uma semivogal:

FAZEM (=fazẽi)
V SV

1.11 SÍLABA
• É o fonema ou grupo de fonemas pronunciado numa só emissão de voz na enunciação de uma palavra.

A – LE – GRE
• A palavra alegre foi dividida em pequenos elementos sonoros e, em cada um deles, há sempre uma vogal:
◦ Contando-se o número de vogais, teremos o número de sílabas na palavra.
◦ A base da sílaba é a vogal e, sem esta, não há sílaba.

• A sílaba pode ser formada:


a) Por uma vogal, um ditongo ou um tritongo:

É A–Í EU UAI!

b) Por uma vogal, um ditongo ou um tritongo acompanhados de consoantes:

A – PLAU – DIR TRANS – POR U – RU – GUAI

9
LÍNGUA PORTUGUESA
FONEMA

• O conjunto de sílabas forma um vocábulo.


1.11.1 CLASSIFICAÇÃO DA PALAVRA QUANTO AO NÚMERO DE
SÍLABAS

a) MONOSSÍLABAS: formadas por uma única sílaba. Podem ser:

a.1) átonas: não possuem acentuação própria, são pronunciadas, na frase, com pouca intensidade vocal.
O, LHE, ME.
• As monossílabas átonas têm sempre a vogal E pronunciada /y/ e a vogal O pronunciada /w/:

DOR DE DENTE PASSOU POR AQUI


[dy] [pwr]

a.2) tônicas: possuem acentuação própria, são pronunciadas, na frase, com bastante intensidade vocal.
LÁ, PÁ, MIM, PÔS, TU.

Nunca dizemos que uma monossílaba é oxítona! Para uma palavra ser oxítona, deve possuir no mínimo 2
sílabas.

b) DISSÍLABAS: formadas por 2 sílabas.


LI – VRO.

c) TRISSÍLABAS: formadas por 3 sílabas.


CA – NE – TA.

d) POLISSÍLABAS: formadas por mais de 3 sílabas.


MA – RA – CU – JÁ.

10
LÍNGUA PORTUGUESA
FONEMA

1.11.2 CLASSIFICAÇÃO DA SÍLABA QUANTO À TONICIDADE:

a) SÍLABA TÔNICA: alta intensidade na pronúncia dentro da palavra;


b) SÍLABA ÁTONA: baixa intensidade na pronúncia dentro da palavra.

• Sempre há apenas 1 sílaba tônica por palavra e ela se encontra em uma das 3 sílabas finais da palavra.
• Se houver acento agudo ou circunflexo sobre uma das vogais, aí estará a sílaba tônica da palavra.
• Toda palavra tem sílaba tônica, exceto as monossílabas e dissílabas átonas:

MONOSSÍLABAS ÁTONAS DISSÍLABAS ÁTONAS


Artigos o, a, os, as, um, uns uma, umas
Pronomes pessoais e suas me, te, se, lhe, lhes, o, a, os, as, nos, vos
combinações mo, to, lho, etc.
Conjunções e, nem, mas, ou, que, se como, porque
Preposições a, com, de, em, por, sem, sob
do, da, dos, das, no, na, nos, nas, dum, duns, pelo, pela, pelos, pelas
Contrações (prep + artigo)
num, nuns
Crase à, às
Combinações (prep + artigo) ao, aos
Pronome relativo que
Advérbio que antecede verbo não
Formas de tratamento dom, frei, são, seu (=senhor)

MONOSSÍLABOS ÁTONOS X TÔNICOS

a) MONOSSÍLABOS ÁTONOS são aqueles pronunciados fracamente que, na frase, precisam apoiar-se no
acento tônico de um vocábulo vizinho, formando, por assim dizer, uma sílaba deste:

DIGA-ME / O PREÇO / DO LIVRO

b) MONOSSÍLABOS TÔNICOS são aqueles emitidos fortemente.


Por terem acento próprio, não necessitam apoiar-se noutro vocábulo.

CÁ FLOR MAU MÃO MÊS MIM PÔR VOU

11
LÍNGUA PORTUGUESA
FONEMA

1.11.3 CLASSIFICAÇÃO DA PALAVRA QUANTO À POSIÇÃO DA SÍLABA


TÔNICA:

a) OXÍTONAS: o acento tônico recai na última sílaba.

CA – FÉ FU – NIL

b) PAROXÍTONAS: o acento tônico recai na penúltima sílaba.

BA – Í – A ES – CO – LA

c) PROPAROXÍTONAS: o acento tônico recai na antepenúltima sílaba. Todas as palavras proparoxítonas são
acentuadas graficamente, com acento agudo ou circunflexo.

PÊN – DU – LO E – XÉR – CI – TO

➔ Aqui, inserem-se as paroxítonas terminadas em ditongo crescente (ea, eo, ia, ie, io, ao, ua, ue) por se
considerar, para fins de acentuação, que estas palavras são proparoxítonas relativas ou eventuais:

PAROXÍTONAS PROPAROXÍTONAS RELATIVAS OU EVENTUAIS


FÊ – MEA (ditongo crescente) FÊ – ME – A
SVV V V

NÚ – CLEO (ditongo crescente) NÚ – CLE – O


SVV V V

CI – ÊN – CIA (ditongo crescente) CI – ÊN – CI – A


SVV V V

SU – PER – FÍ – CIE (ditongo crescente) SU – PER – FÍ – CI – E


SVV V V

PRÊ – MIO (ditongo crescente) PRÊ – MI – O


SVV V V

MÁ – GOA (ditongo crescente) MÁ – GO – A


SVV V V

Á – GUA (ditongo crescente) Á – GU – A


SVV V V

TÊ – NUE (ditongo crescente) TÊ – NU – E


SVV V V

1.11.3.1 ACENTUAÇÃO BISESDRÚXULA

• Quando se combinam certas formas verbais com pronomes átonos, formando um só vocábulo
fonético, é possível o acento recuar mais uma sílaba (e ficar na quarta sílaba de trás para frente).

AMÁVAMO-LO FAÇA-SE-LHE
a ma ma ba m
a a
m ima
ba ltim últi últi í la últi últi t
la
sí enú pen s n n úl
4ª tep 4ª epe pe
t
an an

12
LÍNGUA PORTUGUESA
FONEMA

1.12 SEPARAÇÃO SILÁBICA


• A separação silábica se faz pela soletração, ou seja, foneticamente.
• Usa-se o hífen para marcar a separação silábica.

REGRAS:
1.12.1 Separam-se as vogais dos hiatos:

SA – Í – DA RA – I – NHA SA – Ú – DE PA – RA – Í – SO ÁL – CO – OIS AL – CO – ÓIS

1.12.2 Separam-se os seguintes dígrafos:

CAR – REI – RA CAS – SA – ÇÃO NAS – CER EX – SI – CAR DES – ÇA EX – CES – SO

1.12.3 Separam-se duas letras iguais sempre:

VÔ – O CRÊ – EM CA – A – TIN – GA SA – A – RA CO – OR – DE – NA – ÇÃO

1.12.4 Separam-se encontros consonantais que não iniciam imediatamente as palavras:


BN – BS – CÇ – CT – DM – DV – FT – GN – LS – PT – SC – ST – TM

AB – NE – GAR AB – SOR – VER


FIC – ÇÃO IN – TAC – TO
AD – MI – RAR AD – VER – TIR
AF – TA IN – DIG – NO
EX – PUL – SÃO AP – TI – DÃO
IS – CA CRIS – TAL
RIT – MO

12.4.1 Os encontros iniciais perfeitos são sempre inseparáveis:


GNO – MO MNE – MÔ – NI – CO PNEU
PSI – CA – NÁ – LI – SE PTI – A – LI – NA

1.12.5 Quando a palavra for seguida de um conjunto de consoantes, separar-se-á a última da penúltima:

TUNGS – TÊ – NIO FELDS – PA – TO SOLS – TÍ – CIO


TRANS – POR – TE OBS – CU – RO PERS – PI – CAZ
QUART – ZO

Exceção:
ME – TEM – PSI – CO – SE

13
LÍNGUA PORTUGUESA
FONEMA

1.12.6 Separa-se a última consoante dos prefixos quando seguidos de vogal:


BIS – DIS – SUB – CIS – TRANS – SUPER – EX – INTER, etc.

BI – SA – VÓ DI – SEN – TE – RI – A SU – BEM – PRE – GO


CI – SAL – PI – NO TRAN – SA – TLÂN – TI – CO SU – PE – RES – PE – CI – AL
E – XU – MAR IN – TE – RES – TA – DU – AL

1.12.7 NÃO se separa a última consoante dos prefixos quando seguidos de consoante (permanecem como
são):
BIS – DIS – SUB – CIS – TRANS – SUPER – EX – INTER, etc.

BIS – NE – TO DIS – COR – DÂN – CIA SUB – LI – NHAR


CIS – PLA – TI – NO TRANS – POR – TAR SU – PER – HO – MEM
EX – CAR – CE – RAR IN – TER – NA – CI – O – NAL

OBS.: É preciso atenção quando uma palavra PARECE ter prefixo:

• SUBLINHAR: a palavra LINHA existe, então SUB é prefixo.

SUB – LI – NHAR

• SUBLIME: a palavra LIME não existe, então SUB não é prefixo.

SU – BLI – ME

1.12.8 NÃO se separam os seguintes dígrafos:


CH – NH – LH – GU – QU

MAR – CHA BA – NHEI – RA VE – LHO


GUER – RA QUEI – JO

1.12.9 NÃO se separam os ditongos:

CAU – SA DOI – DO A – FEI – TO


PLEU – RA BAI – XA COU – RO
GRA – TUI – TO MEN – TIU

1.12.10 NÃO se separam os tritongos:

PA – RA – GUAI SA – GUÃO EN – XÁ – GUEM


(uẽi)

14
LÍNGUA PORTUGUESA
FONEMA

1.12.11 Muitos dicionários divergem quanto à separação do encontro vocálico IO no meio da palavra.
Analisam ora como ditongo, ora como hiato. Ambas as formas estão adequadas por falta de consenso.

FI – SIO – TE – RA – PI – A
FI – SI – O – TE – RA – PI – A

1.12.12 NÃO se separam consoante + L ou consoante + R:

EM – BLE – MA A – BRA – ÇO RE – CLA – MAR


PRA – TO

OBS.: Nem sempre os grupos formados de consoante + L ou consoante + R formam encontros consonantais
perfeitos. Se o L ou R forem pronunciados separadamente, deverão ficar separados na divisão silábica:

SUB – LIN – GUAL SUB – LE – GEN – DA AB – RUP – TO

1.13 TRANSLINEAÇÃO SILÁBICA


• A translineação silábica trata da separação das sílabas de uma linha para outra em um texto formal, como
em uma Redação Oficial.
• Seguem as normas gramaticais estabelecidas para a divisão silábica em uma redação:

◦ Deve-se evitar que a sílaba constituída de vogal fique isolada no fim ou no início de linha:
úmi-do, e não ú-mido.

◦ Deve-se evitar que a translineação provoque a ocorrência de palavras chulas ou inadequadas:


apósto-lo, e não após-tolo; dispu-ta, e não dis-puta.

◦ O Novo Acordo Ortográfico recomenda, por clareza gráfica, quando o hífen de palavra composta, ou com
prefixo, coincidir com o fim de linha, repeti-lo no início da linha seguinte:

.......................A defesa pleiteou no pedido de habeas corpus a expedição de salvo-


-conduto para que o militar não fosse............................................................................

15
LÍNGUA PORTUGUESA
FONEMA

1.14 ENCONTROS CONSONANTAIS


• É a reunião de 2 ou mais consoantes numa mesma palavra, cada uma delas representando um fonema.
• Pode ocorrer na mesma sílaba ou em sílabas diferentes.

ENCONTROS CONSONANTAIS INSEPARÁVEIS MAIS FREQUENTES:


BL BLO – CO A – BLU – IR GL GLU – TÃO A – GLU – TI – NAR
BR BRAN – CO RU – BRO GR GRAN – DE RE – GRA
CL CLA – RO TE – CLA PL PLA – NO TRI – PLO
CR CRA – VO A – CRE PR PRA – TO SO – PRO
DR DRA – GÃO VI – DRO TL - A – TLAS
FL FLOR RU – FLAR TR TRI – BO A – TRÁS
FR FRAN – CÊS RE – FRÃO VR - PA – LA – VRA

ENCONTROS CONSONANTAIS INSEPARÁVEIS MENOS FREQUENTES:


• Os encontros iniciais são sempre inseparáveis.

GN GNO – MO GNU
MN MNE – MÔ – NI – CO MNE – MO – TES – TE
PN PNEU PNEU – MO – NI – A
PS PSI – CA – NÁ – LI – SE PSIU
PT PTI – A – LI – NA PTI – LO – SE

• Quando mediais, em pronúncia tensa, podem ser articulados numa só sílaba ou sem sílabas diferentes:
A – PTO ou AP – TO DI – GNO ou DIG – NO

• Na linguagem coloquial há, porém, uma acentuada tendência de destruir esses encontros de difícil
pronúncia pela intercalação da vogal I ou E:

DÍ - GUI – NO RÍ – TI – MO

• Na palavra substantivo há 3 consoantes juntas: um encontro consonantal próprio (BS) e um encontro


consonantal impróprio (S – T):
ec próprio

SUBS – TAN – TI – VO
ec impróprio

• Na palavra abscissa há um encontro consonantal (BSC) e dois dígrafos (SC) e (SS):


dígrafo dígrafo

ABS – CIS – SA
encontro consonantal

16
LÍNGUA PORTUGUESA
FONEMA

1.14.1 ENCONTRO CONSONANTAL X DÍGRAFO


• No encontro consonantal, pronunciamos mais de um som.
• No dígrafo, pronunciamos um único som.

PISCINA ESCOLA
dígrafo consonantal encontro consonantal
/s/ /s/ + /k/

1.14.2 SINAL DE NASALIZAÇÃO


• Há casos em que as consoantes M e N funcionam como sinal de nasalização da vogal anterior,
equivalendo a um til (~):

PONTO CAMPO
dígrafo vocálico dígrafo vocálico
(=põto) (=cãpo)

1.14.3 CLASSIFICAÇÃO DO ENCONTRO CONSONANTAL


a) Inseparável: ocorre na mesma sílaba. Chama-se perfeito.

BLU – SA CRA – VO

b) Separável: ocorre em sílabas diferentes. Chama-se imperfeito.

AS – PEC – TO RIT – MO

1.15 ENCONTROS VOCÁLICOS


• Quando vogais e semivogais aparecem agrupadas em determinadas palavras formam os seguintes
encontros vocálicos: ditongo, tritongo e hiato.
• Para saber qual fonema vocálico é vogal ou semivogal, pode-se substituir as vogais por valores de
intensidade:

A=3 1 2
E=2 VÁCUO
SVV
I=1
O=2
U=1

• Pode-se colocar um acento agudo hipotético em cima desses fonemas:

GRA – TÚI – TO
VSV

17
LÍNGUA PORTUGUESA
FONEMA

1.15.1 DITONGO
• É formado por uma vogal e uma semivogal em uma mesma sílaba.
• Onde houver 1 semivogal haverá necessariamente um ditongo.
• Nunca afirme que é o encontro de 2 vogais numa sílaba, pois cada vogal forma uma sílaba.
• Como a semivogal não pode originar sílaba sozinha, agrega-se à vogal legítima, donde se deduz que o
ditongo é indivisível silabicamente.
• Os ditongos podem ser:
◦ Decrescentes e crescentes; e
◦ Orais e nasais.

1.15.1.1 DITONGO DECRESCENTE (V + SV)

• A vogal vem antes da semivogal na mesma sílaba.


• Decresce do forte para o fraco.

PAI CÉU MUITO


V SV V SV V SV

• Normalmente, se representam por i e u as semivogais dos ditongos orais.

Exceções:

1 Verbos terminados em -oar na 1ª, 2ª e 3ª pess. do singular do presente do subjuntivo e a 3ª pess.


do singular do imperativo escrevem-se com -oe e não -oi:

ABENÇOE AMALDIÇOES PERDOE


V SV V SV V SV

2 Verbos terminados em -uar, nas mesmas pessoas, escrevem-se com -ue e não -ui:

CULTUE HABITUES PRECEITUE


V SV V SV V SV

1.15.1.2 DITONGO CRESCENTE (SV + V)

• A semivogal vem antes da vogal na mesma sílaba.


• Cresce do fraco para o forte.

GLÓ – RIA TÊ – NUE


SVV SVV

➔ Note que tanto nos ditongos crescentes como nos decrescentes, a vogal é, via de regra, o fonema de
maior abertura.

18
LÍNGUA PORTUGUESA
FONEMA

DITONGO ORAL
• Ao ocorrer a realização fonética, o ar tem passagem exclusivamente pela boca.

DITONGO ORAL DECRESCENTE DITONGO ORAL CRESCENTE


VSV Exemplos(s) V SV Grafia Exemplo (s)

ay pai ya ea – ia férrea – indolência


ey lei ye ie série
aw pau – ao yo eo – io térreo – lírio
εy papéis wa ao – ua mágoa – água
ew seu we ue tênue
εw véu wo uo vácuo
iw viu
oy boi
ͻy herói
uy azuis

DITONGO NASAL
• O ar tem passagem pelas cavidades bucal e nasal simultaneamente.

DITONGO NASAL DECRESCENTE DITONGO NASAL CRESCENTE


DITONGO FONÉTICO

V SV Grafia Tipo Exemplos(s) SV V Grafia Exemplos


αy ãe – ãi mãe – cãibra wα ua quanto
ão não we ue frequente
αw
am verbo amaram wi ui pinguim
verbo cantem
em
não-verbo também
substantivo glúten
ey en
com sufixos trenzinho
verbo conténs
en (s)
não-verbo hifens
oy õe anões
uy ui muito

1 Nas palavras sol e tal não há ditongo, pois o L em final de sílaba soa U apenas como variante.
Porém, Celso Cunha, Sacconi e outros gramáticos consideram a letra L como uma semivogal em final
de sílaba.

19
LÍNGUA PORTUGUESA
FONEMA

2 Nas palavras papagaio, meia e meio não há tritongo, pois não há SV + V + SV: há um ditongo e,
posteriormente, um hiato. E esse hiato é formado por SV + V.
ditongo ditongo ditongo

PA – PA – GAI – O MEI – A MEI – O


SV V SV V SV V
hiato hiato hiato

3 Nas palavras iaiá e ioiô há um hiato formado por V + SV:

IA – IÁ IO - IÔ
V SV V SV

1.15.2 TRITONGO
• É a união de SV + V + SV na mesma sílaba.
• Onde houver 2 semivogais haverá necessariamente um tritongo.

QUAIS AVERIGUEI URUGUAI ENXAGUOU


SVVSV SVVSV SV VSV SV V SV

De acordo com a natureza (oral ou nasal) de seus componentes, classificam-se também em orais ou
nasais:

TRITONGO ORAL TRITONGO NASAL

SV V SV Exemplo SV V SV Exemplos
way Paraguai wαw saguão – enxaguam
wey enxaguei wẽy enxáguem
wiw arguiu wõy saguões
É uma semivogal!
wow apaziguou
SA – GUÃO EN – XÁ – GUAM
SV V SV SV V SV

EN – XÁ – GUEM É uma semivogal!


SV V SV

SA – GUÕES
SV V SV

OBS.: Essas palavras abaixo são TRITONGOS! Cuidado!

SE – QUOI – A RA – DIOU – VIN – TE


SV VSV SVV SV

20
LÍNGUA PORTUGUESA
FONEMA

1.15.3 HIATO
• É o encontro de 2 vogais que acabam ficando em sílabas separadas (V – V), pois só pode haver uma
vogal por sílaba, com as vogais guardando sua individualidade fonética.
• Há mais de uma emissão de voz.
• As vogais têm a mesma intensidade.

RA – IZ SA – Ú – DE MO – I – NHO
V V V V V V

1 No ditongo, existe apenas 1 vogal (soa mais forte), a outra, que soa mais fraca é a semivogal.

HIATO: DITONGO:
PA – ÍS PAIS
V V VSV

2 Hiatos são acentuados: i e u quando sozinhos.

SA – Ú – DE

Exceções: RA – I – NHA MO – I – NHO

3 Os ditongos crescentes finais são vistos pela NGB (Nomenclatura Gramatical Brasileira) e por muitos
gramáticos como possíveis hiatos de palavras proparoxítonas acidentais ou eventuais;
• É comuníssima a 1ª análise: ditongos crescentes:

-IA -IE -IO


-OA
- UA -UE
-UO

GLÓ – RIA CÁ – RIE VÁ – RIO


SVV SVV SVV
MÁ – GOA
SVV
Á – GUA TÊ – NUE
SVV SVV
ÁR – DUO
SV V

• Porém, podem ser emitidos com separação dos dois elementos, formando um hiato:

GLÓ – RI – A CÁ – RI – E VÁ – RIO – O
V V V V V V

OBS.: Na escrita, em hipótese alguma, os elementos desses encontros vocálicos se separam no fim da
linha.

21
LÍNGUA PORTUGUESA
FONEMA

4 As palavras abaixo são dissílabas, pois apresentam hiato:

RI - O CI – O MI – A TI – A
V V V V V V V V

5 Em palavras com a sequência V + SV + V, ocorre um falso hiato, vulgarmente falando. Ocorre um


fenômeno chamado glide: a palavra apresenta 2 ditongos pois a semivogal se prolonga até a sílaba
seguinte:

PRAI – A MEI – O
VSV V V V
PRAI – IA MEI – IO
V SV SVV VSV SVV

6 Na palavra TABUINHA existe um hiato, pois os elementos vocálicos u e i soam igualmente, sendo
vogais.

TA – BU – I – NHA
V V

7 Na palavra TUIUIÚ existem um ditongo (UI), um hiato (I – U), um ditongo (UI) e outro hiato (I – Ú):
ditongo ditongo

TUI – UI – Ú
hiato hiato

22
LÍNGUA PORTUGUESA
FONEMA

1.16 ORTOEPIA ou ORTOÉPIA


• A palavra ortoépia se origina da união dos termos gregos orthos, que significa “correto” e hépos, que
significa “palavra”. Assim, a ortoépia se ocupa da correta produção oral das palavras.
• Nas questões de concurso, para confundir o candidato, escrevem-se incorretamente (com acento
indevido, por exemplo) certos termos.
• Listamos a seguir alguns casos frequentes de pronúncias corretas e errôneas, de acordo com o padrão
culto da língua portuguesa no Brasil

ADEQUADO INADEQUADO ADEQUADO INADEQUADO


Admissão Adimissão Fragrância Fragância
Absoluto Abissoluto Fratricídio Fatricídio
Adivinhar Advinhar Freada Freiada
Advogado Adevogado Frustração Frustação
Aforismo Aforisma Intitular Entitular
Aleijar Alejar Lagartixa Largatixa
Apropriado Apropiado Lagarto Largato
Aterrissagem Aterrizagem Manteigueira Mantegueira
Bandeja Bandeija Mendigo Mendingo
Basculante Vasculante Meritíssimo Meretíssimo
Bebedouro Bebedor Meteorologia Meterologia
Beneficente Beneficiente Mortadela Mortandela
Bochecha Buchecha Murchar Muchar
Boteco Buteco Pneu Peneu
Braguilha Barguilha Prazerosamente Prazeirosamente
Bueiro Boeiro Privilégio Previlégio
Bugiganga Buginganga Problema Pobrema/Poblema
Cabeleireiro Cabelereiro Proprietário Propietário
Caranguejo Carangueijo Próprio Própio
Creolina Criolina Prostrar Prostar
Cutucar Cotucar Psicologia, psicólogo Pissicologia, pissicólogo
Descarrilar Descarrilhar Reivindicar Reinvidicar
Disenteria Desinteria Salsicha Salchicha
Digladiar Degladiar Seja Seje
Eletricista Eletrecista Sobrancelha Sombrancelha
Empecilho Impecilho Superstição Supertição
Engajamento Enganjamento Supetão Sopetão
Esteja Esteje Tábua Talba
Estourar Estorar Tóxico Tóxico (ch)
Estupro Estrupo Umbigo Imbigo
Etimologia Etmologia Verruga Berruga

23
LÍNGUA PORTUGUESA
FONEMA

1.17 PROSÓDIA
• A prosódia ocupa-se da correta emissão de palavras quanto à posição da sílaba tônica, segundo as normas
da língua culta.
• Há uma lista de vocábulos que, quando proferidos, acabam tendo o acento prosódico deslocado.
• Ao erro prosódico dá-se o nome de silabada.

1. São OXÍTONAS
aloés Gibraltar Nobel ruim
cateter Gulbenkian novel sutil
Cister masseter (tér) recém ureter (tér) pl.: ureteres (té)
condor mister (=necessário) (tér) refém

2. São PAROXÍTONAS
acórdão dúplex ibero pletora
alanos edito (lei) ímpio (cruel) policromo
âmbar efebo inaudito Pólux
ambrosia exegese (z-gé) látex pudico
austero Epifania leucemia quiromancia
avaro erudito maquinaria recorde
avito estalido matula refrega
aziago êxul misantropo rubrica
barbaria filantropo mercancia Salonica
batavo fluido (ui ditongo) nenúfar simulacro
cânon fortuito (ui ditongo) necropsia táctil
caracteres gólfão Normandia têxtil
cartomancia grácil onagro Tibulo
ciclope gratuito (ui ditongo) opimo tulipa
decano hosana Pandora
diatribe Hungria pegada

24
LÍNGUA PORTUGUESA
FONEMA

3. São PROPAROXÍTONAS
ádvena antídoto cânhamo farândola páramo
aeródromo antífona Cérbero férula Pégaso
aerólito antífrase condômino fíbula périplo
ágape antístrofe cotilédone gárrulo plêiade
álacre areópago díptero hégira prístino
álcali aríete écloga hipódromo prófugo
alcíone arquétipo édito (ordem judicial) idólatra protótipo
álcool autóctone Éfeso ímprobo quadrúmano
alcoólatra azáfama égide ínclito revérbero
álibi azêmola êmbolo iníquo sátrapa
alvíssaras barbárie epíteto ínterim Tâmisa
âmago bátega épsilon invólucro trânsfuga
amálgama bávaro escâncaras leucócito vândalo
ambrósia bígamo Ésquilo lêvedo végeto
anátema bímano etíope munícipe zéfiro
andrógino bólido (-e) êxodo Niágara zênite
anêmona brâmane fac-símile númida
anódino cáfila fagócito ômega

4. Dupla prosódia
abóbada ou abóboda Enfarte ou enfarto ou infarte ou infarto
acróbata ou acrobata Geodésia ou geodesia
ambrósia ou ambrosia Hieróglifo ou hieroglifo
anidrido ou anídrido Homília ou homilia
arteriosclerose ou aterosclerose Oceânia ou Oceania
Assobiar ou assoviar Ortoépia ou ortoepia
Aterrissar ou aterrizar Percentagem ou porcentagem
Autópsia ou autopsia Projétil ou projetil
Biópsia ou biopsia Réptil ou reptil
Boêmia ou boemia Sóror ou soror
Crisântemo ou crisantemo Xérox ou xerox (prefira-se a 1ª, como as paroxítonas term. em -x: látex)
Diabete ou diabetes Zângão ou zangão
Elétrodo ou eletrodo

25