Você está na página 1de 3

REFERÊNCIAS

BANDEIRA, Lourdes. A contribuição da crítica feminista à ciência. Revista de Estudos


Feministas, Florianópolis, 16(1): 288, janeiro-abril/2008. Disponível em:
http://www.scielo.br/pdf/ref/v16n1/a20v16n1.pdf. Acesso em 15 de maio de 2014.

BARROSO, Carmen Lucia de Melo; MELLO, Guimar Namo de. O acesso da mulher ao
ensino superior brasileiro. Cadernos de Pesquisa/15. Fundação Carlos Chagas. 1975.
Disponível em: < http://www.fcc.org.br/pesquisa/publicacoes/cp/arquivos/278.pdf> Acesso
em 20 de outubro de 2016.

BLAY, Eva Alterman; CONCEIÇÃO, Rosana R. da. A mulher como tema nas disciplinas
da USP. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n° 76, fev. p. 50-56, 1991.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Tradução Maria Helena Kuhner. Rio de


Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é educação. São Paulo: Brasiliense, 2007. Coleção
Primeiros Passos, 20.

BRASIL. Censo da Educação Superior. MEC/INEP.2014. Disponível em:


http://portal.inep.gov.br/superior-censosuperior-sinopse. Acesso em 21 de novembro de
2017.
_______. Matrículas de estudantes com deficiências nas IES. Brasil – 2000-2008.
MEC/INEP.2010
______. Decreto nº 6.096 de 24 de abril de 2007.
Institui o Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades
Federais - REUNI. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo,
Brasília, DF, 25 abr. 2007.
______. Decreto nº. 3.298 de 20 de dezembro de 1999.
Regulamenta a Lei no 7.853, de 24 de outubro de 1989, dispõe sobre a Política Nacional para
a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, consolida as normas de proteção, e dá outras
providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília,
DF, 12 dez. 1999.
______. Lei 13.409/2016 de 28 de dezembro de 2016. Altera a Lei no 12.711, de 29 de agosto
de 2012, para dispor sobre a reserva de vagas para pessoas com deficiência nos cursos técnico
de nível médio e superior das instituições federais de ensino. Diário Oficial da República
Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 28 dez. 2016

CHAUÍ, Marilena. A Universidade Pública sobre nova perspectiva. Conferência na sessão


de abertura da 26ª Reunião Anual da ANPEd, realizada em Poços de Caldas, MG, em 5 de
outubro de 2003b.Disponível em www.anped.org.br. Acesso em 15 de outubro de 2008.

CUNHA, Luiz Antônio. Ensino Superior e Universidade no Brasil. In: 500 Anos de
Educação no BRASIL. (Org.) 3ed. Belo Horizonte: Autêntica,2007.

DARCOLETO, Carina Alves da Silva. Contribuições de István Mészáros para a educação:


uma análise da categoria da mediação. In: SCHLESENER, Anita Helena. MASSON, Maria
José Dozza (Orgs.) Marxismo (s) e Educação. Ponta Grossa: Ed. UEPG, 2016.
GUEDES, Moema de Castro. A presença feminina nos cursos universitários e nas pós-
graduações: desconstruindo a ideia da universidade como espaço masculino. História,
Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v.15, supl., p.117-132, jun. 2008.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Censo


Demográfico de 2010. Disponível em: http://www.ibge.gov.br. Acesso em 03 de dez. de
2012.

KOSIK, Karel. Dialética do concreto. 2ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1976.

LIMA, Rita de Lourdes. Os assistentes sociais e a questão da subalternidade profissional:


reflexões acerca das representações sociais do “ser mulher” e do Serviço Social. Recife, PE.
Programa de Pós-Graduação em Serviço Social (Tese de Doutorado). Universidade Federal de
Pernambuco,2005.

MELO, Flávia Augusta S. de. Educação e Acessibilidade: um estudo sobre estudantes com
deficiência em Universidade Pública do estado de Sergipe. São Cristóvão. Programa de Pós-
Graduação em Educação (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Sergipe,2011.

MÉSZÁROS, Istiván. A educação para além do capital. Tradução de Isa Tavares. 2ed. São
Paulo: Boitempo, 2008.

OLIVEIRA, João Danilo B. O ensino superior no Brasil: como anda o acesso e a


permanência das pessoas com deficiência? UFBA, 2006.

PERROT, Michelle. Minha história das mulheres. São Paulo: Contexto. 2007.

RIBEIRO, Arilda Ines Miranda. Mulheres educadas na colônia. In: 500 Anos de Educação
no BRASIL. (Org.) 3ed. Belo Horizonte: Autêntica,2007.

ROSSI, Paolo. O nascimento da ciência moderna na Europa. Tradução de Antonio


Angonese. Bauru, SP: EDUSC, 2001.

SAFFIOTI, Heleieth. A mulher na sociedade de classes – mitos e realidade. 3 ed. São Paulo:
Expressão Popular, 2013.

SCHIEBINGER. Londa. O feminismo mudou a ciência? Bauru, SP: EDUSC, 2001.

SHIROMA, Eneida Oto; MORAES, Maria Célia Marcondes de; EVANGELISTA, Olinda.
Política Educacional. Rio de Janeiro: Lamparina, 2007. 4ed.

TELES, Maria Amélia de. Breve história do feminismo no Brasil. São Paulo: Brasiliense,
1999. Coleção tudo é história 145.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE - UFS. Conselho de Ensino, Pesquisa e


Extensão. Resolução Nº80/2008 Institui o programa de ações afirmativas para garantia de
acesso de grupos menos favorecidos à Universidade Federal de Sergipe.
_____. Departamento de Apoio Didático e Pedagógico – DEAPE. Demonstrativo de
discentes com deficiência matriculados na UFS no primeiro semestre de 2014. Acesso por
solicitação .2014.
_____. Relatório de Gestão 2015. Disponível em:
https://daffy.ufs.br/uploads/page_attach/path/1304/Relat_rio_de_Gest_o_2015-_Atualizado-
_Para_ASCOM.pdf. Acesso em 10 de dezembro 2016.

_____. Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas. Matrículas de estudantes


com deficiência na graduação. Acesso interno em outubro de 2013.
______. UFS em números 2015-2016. Pró-Reitoria de Planejamento. PROPLAN. 2017

VANIN. Iole Macedo. As damas de branco na biomedicina baiana (1879-1949): médicas,


farmacêuticas e odontólogas. Salvador, BA. Programa de Pós-Graduação em História (Tese
de Doutorado). Universidade Federal da Bahia.2008.