Você está na página 1de 162

INSTITUTO DE HUMANIDADES

CURSO DE HUMANIDADES

FILOSOFIA

GUIAS PARA ESTUDO INDIVIDUAL E DE GRUPO

ANTONIO PAIM, LEONARDO PROTA


E
RICARDO VÉLEZ RODRIGUEZ
2

SUMÁRIO

I – CONCEITUAÇÃO E ESTRUTURA DA FILOSOFIA

1. Conceito antigo e conceito moderno


2. Confronto dos dois conceitos
3. Estrutura da filosofia
a) A substância como fundamento do real
b) A vitalidade da perspectiva transcendente
c) Síntese da posição kantiana: a perspectiva transcendental
d) A irreconciliabilidade das perspectivas e sua escolha

II – PLATÃO E ARISTÓTELES

1. Idéia sumária dos principais antecedentes e do processo de recuperação da obra dos


filósofos gregos
2. A elaboração da perspectiva transcendente por Platão
a) Indicações de ordem biobibliográfica
b) Timeu
c) Sétima Carta, Górgias e República
3. A reelaboração da perspectiva transcendente por Aristóteles
a) Idéia geral da obra de Aristóteles
b) Metafísica
c) Física
d) Contribuições inovadoras de Aristóteles
4. Significado do período helenístico
a) Prevalência da inquirição de índole moral na adoção do estoicismo
b) Meditações, de Marco Aurélio
c) A metafísica religiosa e o neoplatonismo de Plotino

III – PRESERVAÇÃO DA PERSPECTIVA TRANSCENDENTE PELA


ESCOLÁSTICA E O RENASCIMENTO COMO FASE DE TRANSIÇÃO

1. O processo de formação da Escolástica


2. Santo Agostinho
a) Dados biográficos
b) Confissões
c) O livre arbítrio
3. São Tomás
a) Dados biográficos
b) A noção de pessoa na Suma Teológica
4. O renascimento como fase de transição para a Filosofia Moderna
a) Temática geral do período
b) A contribuição fundamental do Renascimento segundo Mondolfo
c) Giordano Bruno
d) Galileu Galilei
3

IV – PRINCIPAIS LINHAS DA FILOSOFIA MODERNA

1. Introdução
a) Conceitos e delimitação temporal da Filosofia Moderna
b) Autores, obras e vertentes
c) O ponto de partida: a discussão do conceito de experiência
2. A Filosofia Inglesa e o nascimento da epistemologia
a) Ensaio sobre o entendimento humano, de Locke
b) Inquérito sobre o entendimento humano, de Hume
c) O nascimento da epistemologia
3. A estruturação da perspectiva transcendental na obra de Kant
a) Os pontos de referência de Kant
b) A resposta kantiana
c) Problemas legados à posteridade pela obra de Kant
d) Significado do kantismo
ANEXO – Roteiro para estudo inicial da Crítica da Razão Pura
4. O espiritualismo como herdeiro da Filosofia Antiga
5. Espinosa e a espiritualidade judaica
a) A espiritualidade judaica
b) Razão e Fé em Maimônides, assegurado o primado das crenças fundamentais
do judaísmo
c) Contexto histórico-cultural da obra de Espinosa
d) A espiritualidade judaica e a Filosofia Moderna
6. O idealismo clássico e seus desdobramentos
a) Interpretação da obra de Kant por Fichte
b) Idéia geral da obra de Hegel e sumário dos principais livros
c) Como enfrentar a dificuldade da obra de Hegel
d) A crítica do hegelianismo por Kierkegaard e seu significado
e) A esquerda hegeliana e a obra de Marx
f) Apreciação crítica do marxismo
g) Leitura recomendada: A ideologia alemã, de Carlos Marx

V – A FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA

1. A consolidação do cientificismo
2. A derrota do cientificismo e a emergência da Filosofia Contemporânea
a) Caracterização sumária e modo de aproximação dessa diversidade
b) Situação singular da França
3. Obras básicas restauradoras da filosofia em sua diversidade
a) Nota introdutória
b) A filosofia de Kant por Herman Cohen
c) Duas fontes da moral e da religião, de Henri Bergson
d) A filosofia moral, de Jacques Maritain
e) A ciência e a hipótese, de Henri Poincaré
4. A Filosofia Contemporânea expressa-se através de Filosofia Nacionais
5. As Filosofia Nacionais e a universalidade da filosofia
4

a) As perspectivas são inelutáveis


b) Experiência e cultura, de Miguel Reale

ADENDO – INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES SOBRE


CORRENTES E AUTORES

1. O neokantismo da Escola de Marburgo


2. Culturalismo
a) Idéia geral da corrente
b) O primeiro ciclo e seu desfecho
c) O segundo ciclo: explicitação da problemática culturalista
d) O terceiro ciclo e seus impasses
3. Fenomenologia
4. Existencialismo
a) Ser e Tempo, de Martin Heidegger
b) Jean-Paul Sartre
5. Movimento fenomenológico-existencial
6. Neotomismo
7. A filosofia analítica inglesa e seus desdobramentos
a) A radicalização efetivada por Ayer
b) O retorno ao espírito tradicional na obra de Karl Popper
c) A que tradição filosófica acha-se relacionada a obra de Wittgenstein
5

I – CONCEITUAÇÃO E ESTRUTURA DA FILOSOFIA

1. Conceito antigo e conceito moderno

A disciplina FILOSOFIA e seu entendimento diferenciado aparecem na Grécia


Antiga. Essa conceituação pressupõe naturalmente a existência das outras disciplinas com um
mínimo de ordenação, o que é acontecimento relativamente tardio, atribuído a Aristóteles
(384/322 a.C.).
Etimologicamente, filosofia significa amor do saber ou amor da sabedoria. Nas
discussões iniciais que forneceram o material sobre o qual trabalhou Aristóteles – na definição
e ordenamento das diversas disciplinas – foram chamados de sábios, sofistas, historiadores ou
físicos. Subseqüentemente, estabeleceu-se uma distinção entre aqueles que têm o
conhecimento adquirido por mera curiosidade e os que o possuem pelo amor verdadeiro à
sabedoria. É possível que essa sutil distinção estivesse associada à tese platônica de que a
filosofia é o uso do saber em proveito do homem. Platão observa que de nada serviria possuir
a capacidade de transformar a pedra em ouro a quem não soubesse valer-se do ouro como de
nada serviria uma ciência que tornasse imortal a quem não fosse capaz de utilizar essa
circunstância. Platão tem em vista talvez a sua tese de que os sábios autênticos constituem
uma categoria à parte à qual deve ser entregue o governo da polis.
De todos os modos, foi Aristóteles que lhe atribuiu um objeto precioso.
A definição da filosofia por Aristóteles encontra-se no Livro I (Alfa) da Metafísica.
Cumpre advertir, desde logo, que no momento de sua adoção, pelos discípulos de
Aristóteles, a palavra metafísica significava apenas “depois da física”, isto é, depois do livro
que ele mesmo denominou de Física. Posteriormente é que essa palavra foi tomada como
sinônimo de filosofia.
Na Metafísica, Aristóteles define a filosofia como a ciência das primeiras causas e
dos primeiros princípios.
Como é de seu estilo, considera a questão de um ângulo histórico, isto é, descreve as
suposições daqueles que o antecederam.
Entre os primeiros pensadores gregos – denominados genericamente de
pré-socráticos – aparece a suposição de que todas as coisas surgiram de um corpo material
(fogo, água, terra ou ar). Aristóteles refuta essa hipótese mas retém a idéia da existência de
uma causa material.
Aparece ainda a idéia de que há uma inteligência ordenadora, ou um elemento ideal,
a que Aristóteles chama de causa formal.
Na visão de Aristóteles, Platão somente entreviu as causas material e formal.
Acrescenta a causa eficiente, que é o antecedente imediato do efeito.
Concluiu afirmando que nenhum dos pensadores revisados considerou a finalidade.
Destaca entretanto o que chama de causa final.
Na opinião de Aristóteles, a filosofia considera todas estas quatro causas de um modo
integrado. Ainda na Metafísica Aristóteles irá dizer que o seu objeto seria o ser enquanto ser.
Supostamente essa questão surgiu em decorrência do lugar em que se situaria a filosofia na
classificação e ordenamento a que se propunha. Encontrando-se depois da Física (Metafísica,
6

em grego), teria surgido a necessidade de uma outra definição. O certo é que essa
ambigüidade facilitaria as interpretações que procuraram colocar Aristóteles (e, por essa via, a
filosofia) ao serviço de outros senhores.
Conforme indicamos ao estudar a HISTÓRIA DA CULTURA, a obra de Aristóteles
desapareceu do Ocidente com a derrocada do Império Romano, tendo sido reintroduzida pelos
árabes. No século XIII, notadamente através de São Tomás de Aquino (1225/1274), a Igreja
Católica adota o seu pensamento e o adapta às principais crenças do catolicismo. O
pensamento de Aristóteles é dissociado das obras em que o apresenta e formulado de maneira
autônoma.
Nesse contexto, dá-se preferência à segunda definição de filosofia, a de que seria o
estudo do ser enquanto ser. O objeto da física, para Aristóteles, era o ser enquanto móvel, isto
é, o estudo do movimento. Por analogia, a metafísica assumiu aquela conceituação.
O ser, em Aristóteles, pode ser interpretado de duas maneiras. No primeiro caso, o
ser é aquilo que há de comum e válido para todos os seres (isto é, para todos os existentes),
tendo portanto máxima extensão. No segundo caso, trata-se do ser superior, princípio de todos
os outros. Na interpretação escolástica, foi diretamente identificado com Deus.
O processo de formação da filosofia moderna acha-se associado ao da constituição da
nova ciência da natureza. Como a Escolástica recusou-se a reconhecer o novo tipo de saber, a
investigação filosófica moderna destinava-se a superar a Escolástica e também a Aristóteles já
que a filosofia defendida por Roma dele se tinha apropriado.
Num primeiro momento, a meditação que está direcionada à revisão da física
tradicional (aristotélica) confunde-se com a meditação de cunho filosófico. São
representativos desse momento Francis Bacon (1561/1626), René Descartes (1596/1650) e
Galileu Galilei (1546/1642).
Bacon, na obra Novum Organum (1620), entende que a questão se resume à
elaboração de uma nova lógica, que substitua a de Aristóteles. Esta partia da dedução, o que
considerava seria contrário à efetivação de observações, a partir das quais poder-se-ia obter
elementos sobre fenômenos singulares. Nessa circunstância, o essencial era criar-se a doutrina
da indução rigorosa. A hipótese de Bacon tornou-se o ponto de partida do empirismo inglês,
embora suas indicações de caráter metodológico não hajam sobrevivido.
Descartes também estava preocupado com o método, tema a que dedicou um livro
tornado famoso – Discurso do método (1637). Contudo, fez estudos específicos sobre a física.
Ainda que pretendesse superar a física aristotélica, por considerar que se valia de meras
suposições, como as “virtudes” de que estariam dotadas as várias substâncias, suas
concepções também se revelaram “metafísicas”, no sentido de que não resistiriam à crítica da
medida, isto é, da nova física quantitativa (matemática), que era a novidade trazida pela Época
Moderna ao colocá-la no primeiro plano. Por essa razão não sobreviveu, como físico mas
como filósofo.
Galileu é considerado como um dos fundadores da física moderna e, ao mesmo
tempo, autor de contribuições muito importante para a filosofia, a exemplo do conceito de
experiência, no qual a hipótese ocupa um lugar nuclear.
A ciência estará dissociada da filosofia com a obra de Isaac Newton (1642/1727).
A discussão acerca da nova física, na Época Moderna, girava em torno da causa do
movimento. Newton abandona esse tipo de inquirição com o princípio de inércia, segundo o
qual “todo corpo permanece em seu estado de repouso ou de movimento retilíneo, a menos
7

que atue sobre ele alguma força”. A fórmula de Aristóteles seria: “se não há força atuando,
não há movimento”, enquanto que para Newton, “se não há força atuando, não há mudança de
movimento”. O problema se desloca para a medida dessa mudança de movimento, que estará
associada a outros princípios da física newtoniana (aceleração; ação e reação).
A partir desse ponto, a ciência segue caminho autônomo, enquanto a filosofia conclui
o processo de sua reconceituação.
Para John Locke (1632/1704), o novo objeto da filosofia é a teoria do conhecimento.
A tese está apresentada no Ensaio sobre o entendimento humano (1690). Essa doutrina estava
destinada a produzir uma grande linhagem. Contemporaneamente restringiu o seu objeto ao
conhecimento científico e chama-se epistemologia.
Immanuel Kant (1724/1804) ampliou sobremaneira tal acepção ao conceituá-la como
a disciplina que investiga as “condições de possibilidade dos diversos tipos de saber”.
Na Crítica da Razão Pura (1781) procura responder à seguinte pergunta: como se
constitui a objetividade? Kant estabelece, primeiro, o patamar da objetividade científica e
procura explicar as razões que determinavam a validade universal da física de Newton.
Mas a filosofia kantiana não se limita àquele patamar. Compreende uma investigação
sobre a moralidade (ética), sobre a estética, sobre a religião etc. Mais tarde, para refutar a
ilusão dos positivistas de que, por esse meio, seria possível constituir novas ciências, os
neokantianos explicitaram que a inquirição filosófica não aumenta o conhecimento científico.
Essa é precisamente a sua definição de filosofia (um tipo de saber que não amplia os
conhecimentos adquiridos pela ciência).
Ampliando e tornando mais abstrata a definição kantiana, G.W.F. Hegel (1770/1831)
dirá que consiste no “pensamento do pensamento”.
Tais são as principais conceituações da filosofia, surgidas na Época Moderna, que
procuraram preservar sua autonomia e especificidade. A par destas aparecem as que
pretendem subordiná-la ou identificá-la com a ciência (positivismo, monismo, evolucionismo,
marxismo etc.) ou mantê-la vinculada e subordinada à religião (neotomismo).

2. Confronto dos conceitos antigo e moderno

O conceito aristotélico de filosofia pode e deve ser considerado de modo


independente da interpretação escolástica. Nessa circunstância, as considerações de ordem
geral relativas às causas e ao ser diriam respeito estritamente à elaboração conceitual. Ainda
assim, é fora de dúvida que facilitou a subordinação da filosofia à religião e, por essa via, a
dificuldade na identificação de sua especificidade.
Em contrapartida, o conceito moderno de filosofia permite alcançar o último
objetivo. O postulado neokantiano segundo o qual consistiria num tipo de saber que não
aumenta o conhecimento científico, complementado pela tese hegeliana de que corresponderia
ao "pensamento do pensamento", isto é, à elaboração conceitual, permite distingui-la tanto da
ciência como da religião. Naturalmente, esse fato não impede que continuem existindo
pensadores que admitem uma filosofia católica – onde à filosofia não incumbe a descoberta de
qualquer verdade mas apenas apresentar de forma supostamente filosófica os dogmas da
Igreja. Ainda assim, a partir do mencionado conceito moderno de filosofia é possível
identificar com precisão em que ponto abandonam a sua natureza própria, confundindo-a com
a religião.
8

Por outro lado, o conceito moderno de filosofia abre à investigação filosófica o vasto
campo da criação humana. Senão, vejamos.
A investigação científica começa por limitar o objeto de que se ocupa. Nenhuma das
ciências tem a tarefa de indicar aquilo que seria próprio ao conjunto. Mais precisamente:
nenhuma delas pode responder à pergunta: como se estabelece a objetividade científica, ou
melhor, como se dá que todos saibam do que se está falando? É uma questão adstrita á
linguagem? Estas são perguntas tipicamente filosóficas que não podem ser respondidas a
partir do método de investigação científica.
Na esfera da história e das ciências humanas, em geral, os métodos estatísticos
encontram sucessivas áreas de aplicação. Contudo, tais métodos não podem aplicar-se às
totalidades, tais como a pessoa humana ou a sociedade. A objetividade histórica requer a
presença da filosofia, o que explica tenham sobrevivido diferentes doutrinas historiográficas.
A moral e a religião não podem ser estudadas como se se tratasse de um objeto
redutível a fenômeno de ordem física, isto é, mensurável. Pode-se, naturalmente, negar essa
especificidade.
Na filosofia inglesa apareceram muitos autores pretendendo que os enunciados
morais não teriam qualquer validade porquanto não poderiam ser enquadrados no que
denominaram de "cálculo proposicional". Suas afirmações seriam desprovidas de sentido. Mas
mesmo este tipo de "sábio" acabará um dia esbarrando com problemas desta ordem: concordo
ou não concordo com o casamento de minha filha? Até onde vai a responsabilidade paterna?
Enfim, ali onde se apresenta o valor fixa-se a delimitação entre o saber filosófico e o
saber científico. Esse tipo de delimitação é uma conquista moderna.

3. Estrutura da filosofia

A criação filosófica ocorre em diversos níveis. O primeiro deles – e o mais radical –


consiste no estabelecimento de uma perspectiva, vale dizer, de um ponto de vista último.
A filosofia nasceu justamente vinculada a essa radicalidade. Os primeiros pensadores
gregos, que criaram o tipo de meditação depois denominado de filosofia, queriam saber se
todas as coisas poderiam ser reduzidas a um princípio único. Estavam em busca daquilo que
Aristóteles, como vimos, denominou de causa material do fenômeno.
Depois evoluíram para supor que a permanência que buscavam seria dada pela
substância. A substância é entendida como o sustentáculo daquilo que aparece.
O ponto de vista último da filosofia grega seria fixado por Platão. Com sua doutrina,
criou o que se denomina de perspectiva transcendente.
A perspectiva transcendente se sustenta na crença numa permanência que se situaria
atrás do que aparece.
A perspectiva transcendente manteve-se como a perspectiva filosófica possível até a
Época Moderna. Nesta, adotou-se uma posição diametralmente oposta. Aquilo que se
encontraria atrás do que aparece, como seu sustentáculo e garantia de inteligibilidade, foi
denominado de coisa-em-si, isto é, como seria independentemente da nossa percepção.
O mundo circundante naturalmente não tem sua existência na dependência de ser ou
não percebido. Não se trata disto mas do conhecimento que deles temos. Este conhecimento
9

está comprometido com a experiência humana e não sabemos como seria na ausência desta.
Assim aparece na filosofia a perspectiva que se denominou de transcendental. Aqui a
categoria fundamental é a do fenômeno e não mais a de substância.
A perspectiva transcendental recebeu uma formulação acaba com a obra de Kant.
O curso ulterior da história da filosofia serviu para evidenciar que o simples
aparecimento da perspectiva transcendental não significou o desaparecimento da perspectiva
transcendente. Deu lugar entretanto ao surgimento da necessidade de proceder-se à escolha de
uma ou outra. Essa questão foi abordada, conforme indicaremos, pelo filósofo alemão J. G.
Fichte (1762/1814), contemporâneo de Kant e personalidade destacada do chamado idealismo
alemão.
Cumpre distinguir perspectiva filosófica e sistema filosófico. A primeira tem se
revelado perene enquanto os sistemas são transitórios, mesmo quando sustentados pelo nome
dos fundadores de perspectivas, como Platão e Kant.
O sistema filosófico nutre-se da convicção de que pode estruturar a totalidade do
saber a partir da perspectiva que o sustenta. Essa possibilidade existia de fato na Antigüidade
pela circunstância de que a própria ciência era de índole filosófica. Tornou-se problemática na
época Moderna com a autonomia da ciência.
A história da filosofia conheceu muitos sistemas filosóficos bem sucedidos,
sobretudo os que se elaboraram a partir de perspectiva transcendente, como os platônicos ou
platonizantes, aristotélico e tomista (ou aristotélico-tomista).
Na Época Moderna, os primeiros filósofos sentiam-se instados a conceber sistemas
filosóficos que pudessem substituir ao escolástico, que se combatia e considerava
ultrapassado. Elaborou-se, por exemplo, o sistema Wolf-Leibniz, que Kant denominaria de
metafísica dogmática, porque apoiada na perspectiva transcendente, em oposição à sua
metafísica, que entendia ser crítica porquanto apoiada na perspectiva transcendental.
Entretanto, Kant não chegou a elaborar nenhum sistema, embora acreditasse na sua
possibilidade. Seus sucessores lançaram-se à tarefa, considerando-se que o melhor sucedido
deles seria Hegel. Poder-se-ia dizer que o sistema filosófico resultante da perspectiva
transcendental seria a consideração em conjunto da obra de Kant e Hegel.
A filosofia inglesa, que, como teremos oportunidade de mencionar, constitui-se num
dos ingredientes formadores da perspectiva transcendental, negou desde logo a possibilidade
de serem reconstituídos os sistemas filosóficos.
A criação filosófica, contudo, não se esgota nos dois planos indicados, da perspectiva
e do sistema. Aqueles contribuíram para a formação dos liames mais profundos da história da
filosofia. Ainda assim, são os problemas que impulsionam o seu desenvolvimento, como
Hegel viu muito bem. Desse ângulo, isto é, do ângulo dos problemas suscitados em cada
época, o pensamento filosófico mostra-se como a realização gradual de um processo eterno,
segundo Mondolfo, enquanto os sistemas perecem e são superados. É através dos problemas,
diz ainda o sábio italiano, que tem lugar o aprofundamento progressivo da consciência
filosófica.
Desde modo, a estrutura da filosofia se decompõe em perspectivas, sistemas e
problemas.

a) A substância como fundamento do real (Aristóteles)


10

Até Aristóteles, está ausente da filosofia grega qualquer intenção sistemática. Desde
os primeiros pré-socráticos, debate-se sobretudo problemas. Na medida em que os discutem
vai se dando o que Mondolfo denominaria de aprofundamento da consciência filosófica, isto
é, o afunilamento da discussão, a maior precisão conceitual.
Nesse longo e fecundo diálogo, coube a Platão precisar que a inteligibilidade do real
estaria na idéia, que depois Aristóteles chamou de causa formal. Na verdade, Platão deveria
querer dizer idéia inspiradora, porquanto na sua suposição primeiro aparecem as idéias e
somente depois os fenômenos, as coisas animadas e inanimadas, os homens, enfim, os
simulacros. Esta suposição aparece com clareza no texto que passou à história com a
denominação de "mito da caverna".
Ao proceder à sistematização do debate, Aristóteles dá-se conta de que algum
elemento dessa causa formal deve estar presente no fenômeno a fim de que possa ser
reconhecida. Chamou-a de essência necessária que seria o próprio objeto da ciência (do
conhecimento rigoroso, científico ou filosófico).
Escreve na Metafísica (Livro VII, Cap. 6):
"Temos conhecimento das coisas particulares somente quando conhecemos a
essência necessária das mesmas e acontece para todas as coisas aquilo que acontece para o
bem: se aquilo que é por essência bem não é bem, então nem aquilo que existe por essência
existe, e aquilo que é uno por essência não é uno; e assim de todas as outras coisas".
Aqui Aristóteles está se opondo a Platão no que se refere à admissão da separação
entre a idéia e a coisa. Contudo, a rigor, aceita a sua premissa de que a forma é o cerne da
coisa, o seu fundamento.
A substância constitui a estrutura necessária do ser, na metafísica de Aristóteles.
Admite que todas as espécies de causas são determinações da substância, isto é, entende ser
imprescindível considerá-las em conjunto. Mas privilegia o elemento formal ao dizer que é
eterno e não pode ser produzido nem destruído.
Tecnicamente, portanto, a substância é o que se encontra por baixo das aparências.
Trata-se da permanência que está atrás das qualidades, que são mutáveis. Como fundamento e
permanência, a idéia de substância estabeleceu portanto uma dicotomia no real, separando a
mutação da permanência, o fenômeno, aquilo que aparece, do que seria o seu suporte.
Esta é precisamente a suposição fundamental da perspectiva transcendente.
Tendo em vista que Aristóteles distingue-se de Platão ao negar a separação entre as
causas formal e material, discute-se se não seria o caso de refletir essa distinção no enunciado
da perspectiva transcendental. Para esse fim, dir-se-ia que Aristóteles sustenta uma posição
imanente no interior da perspectiva transcendental.

b) A vitalidade da perspectiva transcendente


Para Kant, denominam-se transcendentes os princípios que ultrapassam a experiência
possível.(1) Na filosofia transcendental de Kant, os princípios de uma experiência possível
são, ao mesmo tempo, leis gerais da natureza, cognoscíveis a priori. A rigor, só concebia a
experiência em relação ao plano da natureza,(1) desde que, para estendê-la ao plano cultural e
ético-político, vê-se na contingência de aproximá-lo do mundo natural.
11

Dessa forma, embora o conceito de experiência careça de maior aprofundamento, a


acepção da transcendência em Kant é extremamente fértil e ampla o bastante para abranger as
diversas nuanças em que se apresenta. Podemos tomá-la como subordinação do real a
parâmetros que se colocam acima de toda experiência humana e envolvem, portanto, um
elemento de crença. O exemplo clássico é constituído pelo mundo das idéias de Platão e, em
geral, pelo aristotelismo, ao menos na forma como o recebemos, isto é, através da mediação
escolástica.
A transcendência não se esgota na mobilização de pressupostos religiosos como
fundamento último de determinada filosofia. Esta seria uma ampliação limitada do conceito,
além de inadequada. Basta tomar ao neotomismo, sobretudo na versão acabada que lhe deu
Maritain. O eminente filósofo francês incorpora uma acepção contemporânea de ciência e
cuida de tomá-la como referencial para invocar a atualidade de uma filosofia da natureza de
inspiração aristotélica. Esse discurso dispensa o socorro de elementos teológicos e mantém-se
no plano puramente lógico. A sua característica distintiva não constitui sequer a invocação de
postulados, desde que a tanto parecem circunscritos todos os discursos. A questão reside no
próprio postulado, que envolve a crença na possibilidade de um acesso à natureza tomada
como totalidade em si mesma, eludindo o problema da objetivação a que se acha adstrita a
condição humana. É portanto a crença na possibilidade de ultrapassá-la que constitui a
peculiaridade essencial de toda perspectiva filosófica transcendente.
Tomar a posição transcendente em seu sentido pleno parece a via adequada para
distinguir o hegelianismo – que se mantém nos marcos kantianos – de certas interpretações
marxistas, sobretudo a denominada ortodoxa.
Ao conceituar a filosofia que professam como a "ciência das leis mais gerais do
desenvolvimento da natureza, do pensamento e da sociedade", os marxistas ortodoxos supõem
a possibilidade de um discurso científico – e portanto de validade universal – a respeito de
coisas em si. Regridem a uma posição pré-crítica. O elemento de crença se evidencia pelo
empenho na defesa do chamado materialismo, isto é, o de colocar na base de sua filosofia o
postulado de que no princípio seria a matéria. Precisamente esse tipo de afirmativa é que
caracteriza a metafísica dogmática, na acepção kantiana. Saber se no princípio era a matéria
ou o espírito transcende das possibilidades racionais e, por isto mesmo, envolve um elemento
de crença.
O neotomismo e o marxismo ortodoxo constituem, pois, filosofias que se atêm a uma
perspectiva transcendente. A primeira, uma das doutrinas melhor elaboradas de nosso tempo,
dá-se conta plenamente dessa posição e a fundamenta a seu modo. A segunda, pela completa
ignorância das fronteiras vigentes entre filosofia e ciência, a ela chega por se manter num
universo fechado, alheio à tradição da cultura ocidental.

c) Síntese da posição kantiana: a perspectiva transcendental


A perspectiva transcendental foi formulada por Kant, a partir da premissa
estabelecida por Hume no que se refere à distinção que cumpre estabelecer entre o nosso
discurso acerca do real e as coisas mesmas. Até então essa distinção não havia sido
estabelecida, razão pela qual Kant proclamou que Hume o despertara do "sono dogmático",
isto é, da crença na metafísica de Wolf, elaborada segundo os pressupostos da perspectiva
transcendente.
Para Hume, "todos os objetos da razão humana ou de nossas investigações podem se
dividir em dois gêneros, a saber, relações de idéias e de fatos".
12

São ciências do primeiro tipo – que estabelecem relações entre idéias – a geometria, a
álgebra e a aritmética. Acham-se constituídas de proposições intuitiva ou demonstrativamente
certas, que se podem descobrir a partir do pensamento, sem depender em nada do que existe
no universo.
Quanto às relações entre fatos, prossegue Hume, o que se pode dizer é que obedecem
ao princípio da causa e efeito. A experiência é o único fundamento de nossas afirmações a
respeito dessa última relação. As conclusões retiradas da experiência partem da suposição de
que o futuro ocorrerá em conformidade com o passado. Não temos portanto maior garantia de
que nossas suposições a esse respeito sejam apoditicamente certas. Locke já havia se
incumbido de mostrar a insustentabilidade da categoria de substância, a partir da experiência
humana. A grande conclusão desse ciclo da Filosofia Moderna é a de que o homem não tem
acesso às coisas como seriam si mesmas, sem referência à experiência.(1)
Partindo da meditação de Hume, Kant estabelece que a pretensão de cuidar de coisas
em si levava ao que denominou de metafísica dogmática, isto é, a um discurso que só
conduzia a antinomias e paralogismos, desde que se propunha a solução de problemas que
estavam acima das possibilidades da razão humana. Ao mesmo tempo, abriu o caminho à
reconstrução da metafísica.
O primeiro patamar dessa reconstrução consistia precisamente na averiguação das
condições de possibilidade da experiência. Tais condições encontram-se na adequada
correlação entre os princípios transcendentais, criados pelo espírito, e o empírico. Todo
conhecimento começa com o elemento empírico mas nem por isto deriva do elemento
empírico. Este corresponde a componente inelutável do processo. Contudo o conhecimento só
adquire validade universal pelos elementos a priori. Na acepção kantiana, a priori
corresponde àquilo que não procede do contato com o empírico.
O filósofo de Koenigsberg imagina que os elementos a priori poderiam ser reduzidos
a uma tábua fixa, completa e exaustiva, que se deduziria das mais simples formas lógicas. Em
sua época o espírito humano ainda não havia amadurecido a idéia da existência do curso
histórico, no qual o homem criou um domínio novo, o da cultura, em cujo seio se inseriam os
princípios transcendentais a priori. Semelhante entendimento é fruto do ciclo posterior,
quando se reafirma a validade da tese kantiana no tocante à capacidade do espírito de criar
sínteses ordenadoras do real mas se descobre, ao mesmo tempo, que isto se dá ao longo da
evolução cultural.
Kant postulara igualmente que as categorias ordenadoras do real situavam-se tão
somente no plano do saber. Ou melhor, que competia renunciar à ontologia. Contudo, abriu
uma via de acesso ao ser do homem, através da praxis, ainda que às custas da formação de
autêntico abismo entre natureza e criação humana. O restabelecimento dessa unidade perdida
e, – à luz da nova circunstância, a reconsideração do tema da ontologia – tornou-se o grande
problema com que se defrontou a meditação posterior. O idealismo absoluto de Hegel
representa uma variante da perspectiva transcendental. Ao sobrepor ao entendimento kantiano
o momento da autoconsciência (consciência de si) e à razão o momento do espírito, Hegel se
lança a um grandioso empreendimento de racionalização, não mais de uma realidade dada
independente do homem e de sua evolução histórica, mas da própria criação humana em seu
conjunto. Embora essa construção só se sustente a partir da crença no progresso integral da
razão, Hegel não viola os princípios da filosofia kantiana nem se propõe a elaboração de
qualquer espécie de metafísica dogmática.
13

d) A irreconciliabilidade das perspectivas e sua escolha

Na primeira das famosas introduções à doutrina da ciência (1797), de Fichte,(1)


aparece a idéia de que se haviam formado as duas perspectivas filosóficas possíveis.
Denominou-as de idealismo e dogmatismo.
Para Fichte, há três tipos de relação entre objeto e sujeito. No primeiro, o objeto
aparece somente como produto da representação da inteligência. Admitindo-se a existência do
objeto sem a intervenção da inteligência, pode-se estabelecer uma relação entre sujeito e
objeto na qual este último já se encontra determinado em sua estrutura; finalmente, uma
terceira hipótese, quando se admite que o objeto, embora existente, seja determinável em sua
estrutura pela livre inteligência. A primeira relação designa um objeto simplesmente
imaginado; a segunda remete a um objeto qualquer da experiência e a terceira a um objeto
único que devemos indicar.
O eu-em-si é o objeto do idealismo. Nesta situação, escreve Fichte, "Sou para mim
mesmo um objeto cuja natureza depende sob certas condições unicamente da inteligência, mas
cuja existência deve ser sempre pressuposta". Não se trata, esclareça-se, de existência no
sentido de produção do objeto mas de "pensá-lo como pressuposto a título de determinável
pela autodeterminação".
O objeto do dogmatismo corresponderia aos da primeira série, isto é, produzidos pelo
pensamento livre, porquanto se trata de coisas-em-si. A coisa-em-si, escreve Fichte, é uma
pura fantasia e não possui nenhuma realidade.
O dogmatismo, na acepção fichteana, pode sem dúvida ser identificado com a
perspectiva transcendente, que repousa numa crença na possibilidade de acesso à permanência
situada por trás daquilo que aparece, vale dizer, na possibilidade de um discurso filosófico
acerca de coisas-em-si. Sua própria posição contudo não poderia ser aproximada da
perspectiva transcendental porquanto enfatiza apenas um de seus aspectos, isto é, o papel
ativo do espírito.
Fichte viu muito bem que as perspectivas filosóficas tornaram-se irreconciliáveis, no
sentido de que não se acham subordinadas ao tribunal da razão e não podem ser refutadas na
esfera puramente conceitual. A esse propósito escreveu: “Nenhum dos dois sistemas pode
refutar diretamente ao que lhe é oposto; com efeito, seu conflito concerne o primeiro
princípio, que não pode ser deduzido de nenhum outro; cada um dos dois sistemas, se lhe
concedemos seu princípio próprio, refuta o outro: cada um nega tudo quanto pertença ao
sistema oposto e não tem qualquer ponto em comum, a partir do qual pudessem
compreender-se mutuamente e unir-se. Quando parecem estar de acordo quanto aos termos de
uma proposição, trata-se de que cada um a toma num sentido diferente”.(2) Por isto mesmo
suscitam o problema da adoção de determinada perspectiva, a ser considerado adiante.
São irreconciliáveis as perspectivas transcendente e transcendental, no sentido de que
tomam pontos de partida diametralmente opostos. Em face deste ou daquele problema podem
incluir-se mutuamente mas se constituem em pontos de vista últimos e irrefutáveis.
Quanto às correntes que circulam nos limites do mesmo pressuposto de ater-se à
condição humana são irreconciliáveis e perspectiva transcendental e a posição de inspiração
humeana assumida contemporaneamente pela filosofia analítica. Esta se propõe retirar
conseqüências inadequadas da hipótese que interdita o discurso acerca de coisas-em-si,
14

estendendo a interdição e aspectos essenciais da criação humana. Equiparam-na ao ser estático


da filosofia grega com o que seus argumentos revelam-se inadequados à nova circunstância.
São redutíveis à mesma perspectiva transcendental as versões que lhe dão Kant e
Hegel. Em primeiro lugar pela circunstância de que o momento Kant-Hegel no pensamento
ocidental forma uma unidade. Sem a crítica, não se compreende o sistema. A par disto, ao
considerar a criação humana como totalidade, nela inserido o pensamento, Hegel deu a chave
para a solução do famoso problema das categorias kantianas. Estas se formaram no curso da
história do pensamento filosófico, mediante afirmações que se contradiziam e geravam
sínteses, a exemplo da tríade ser-nada-devenir. Pode-se, pois, afirmar, que as duas propostas
são complementares, embora essa complementaridade não esteja isenta de dificuldades.
Consideremos agora o problema da escolha de uma perspectiva.
Fichte afirmou: “A filosofia que se escolhe depende do homem que se é; um sistema
filosófico não é, com efeito, um instrumento morto que se poderia aceitar ou rejeitar sem
maior problema; é, ao contrário, animado pelo espírito do homem que o possui". Assim,
pretendeu resolver o problema da escolha recorrendo aos interesses e ao caráter.
Os dogmáticos seriam aqueles que não atingiram a plena consciência de sua
liberdade e possuem uma consciência-de-si dividida, só ascendendo à própria imagem através
das coisas, vendo-se nelas como num espelho. Por isto mesmo não podem abandonar suas
crenças. Os adeptos do idealismo, em contrapartida, o são pelo fato de que têm consciência de
sua autonomia e prescindem das coisas como ponto de apoio. O eu que ele possui e que lhe
interessa suprime esta crença nas coisas; por inclinação acredita em sua autonomia e a
apreende com emoção". E mais “Um caráter fraco por natureza ou enfraquecido graças a uma
mentalidade de escravo, pelo luxo requintado ou pela vaidade, enfim, um caráter deformado
jamais se elevará até o idealismo".(1)
É muito provável que mesmo em se tratando de filosofia, não se possa escamotear a
componente emocional presente às opções nas outras esferas da existência. Contudo,
semelhante indicação remete a um elemento biográfico e, nessa circunstância, não comporta a
generalidade pretendida por Fichte, tornando-se pouco elucidativa.
A escolha se pode justificar invocando-se o caráter próprio da filosofia.
A perspectiva transcendental – da forma como a enunciamos e não apenas a integral
reafirmação das teses kantianas – preserva a especificidade da filosofia, isto é, o valor
heurístico, único elemento apto a justificar a sobrevivência do saber especulativo. Não tivesse
a filosofia, em decorrência do amadurecimento, que proporcionou, da consciência dos grandes
problemas com que se defrontou a humanidade, ao longo da história, contribuído para o
progresso da criação cultural e certamente não se teria preservado porquanto nada acrescenta
diretamente à operação, como a ciência, nem se constitui em elemento apaziguador da
consciência, como a religião. E a operação e o aplacamento da consciência – mais
explicitamente: a eliminação da má-consciência – são as duas componentes mobilizadoras por
excelência da pessoa humana.
15

II – PLATÃO E ARISTÓTELES

l. Idéia sumária dos principais antecedentes e do processo de recuperação da obra dos


filósofos gregos

A Grécia Antiga, embora geograficamente dispersa, formada que era por um grande
número de comunidades independentes – além de localizadas na própria Grécia, achavam-se
espalhadas em vários pontos do Mar Mediterrâneo, desde a Jônia, no Oriente Próximo, até o
Sul da Itália – mantém uma vida cultural relativamente homogênea. Essa homogeneidade se
manifesta na língua comum, em formas de organização política semelhante e nas mesmas
crenças religiosas.
A dispersão é fruto de sucessivas invasões em busca de novas terras cultiváveis.
Nesse conjunto de comunidades independentes, no século VI antes de Cristo, vai se
formando um dos elementos que marcaram o surgimento da racionalidade.
Antes, porém, a Grécia já tinha vivenciado um notável impulso cultural, de que
Homero representa seu ápice e sua vitalidade. Supõe-se que Homero tenha vivido no século X
antes Cristo, porém sua obra é difundida bem mais tarde Ilíada e a Odisséia, a ele atribuídas,
narram acontecimentos que remontam ao período remoto, entre 1260 e 1250 a.C., só chegam
a Atenas por volta do século V a.C. em contexto muito diverso. Mas, é essa época que
consagra Homero como "pai da cultura helênica", porque dele herdou uma idéia predominante
na mitologia grega: o Destino, que comanda a vida dos homens e dos deuses. O que é essa
força do destino que, segundo supunham, domina tudo?
Na época em que foram escritos os poemas homéricos já haviam sido fixados, em
suas linhas gerais, os traços essenciais da mitologia grega. A originalidade de Homero
consiste no fato de ter legado à posteridade uma visão clara do espírito grego, em que a
existência humana é profundamente permeada de presença do divino: cada momento, nenhum
detalhe da vida parece ter sentido sem referência à divindade. O ser divino não representa
explicação, interrupção ou suspensão do curso natural do mundo: é o próprio curso natural.
Homero não se pergunta onde termina o humano e começa o divino, porque a crença grega
fundamenta-se na experiência de que um compreende o outro e ambos coincidem: em lugar de
formulações abstratas existem as imagens do acontecer; a divindade identifica-se com o
mundo e caminha junto com o homem participando de sua vida de emoções.
Na altura do século VI a.C., emergem iniciativas direcionadas para buscar explicação
de outra índole. Não se trata de negar o papel do Destino ou a presença dos deuses na
formação do cerne então dominante da cultura grega, mas de atentar para outros aspectos. O
mundo físico é composto de quatro elementos: terra, água, fogo e ar. Poder-se-ia afirmar que a
natureza provém de um desses elementos, tomado isoladamente? Ocorre também a um desses
inquiridores que poderia ser algo de invisível, abstrato, o que denominou de indeterminado.
No mesmo período surge uma seita religiosa, cultora da matemática. Seus integrantes,
liderados por Pitágoras, acreditam que analisando as características dos números e suas
relações poder-se-ia chegar à explicação da ordem do universo. Outras idéias dão-se no
mesmo período, como a hipótese de que os contrários podem formar uma unidade; ou de que
os contrários jamais podem coexistir. Aparece ainda a suposição de que o mundo seria
composto de átomos, isto é, de um último elemento indivisível.
16

Com Sócrates (470/399) emergirá a preocupação de empreender a busca do conceito.


É esclarecedor dessa postura o seguinte exemplo relatado por Platão, no diálogo Laqués.
Laqués e Nícias são dois famosos generais que travam discussão com dois cidadãos
sobre o exercício militar, se ele serve ou não para formar homens corajosos. Por não chegarem
a uma resposta conclusiva, Sócrates é convidado a tomar parte na conversa, que muda o rumo
da discussão. Para descobrir se a arte militar é útil a fim de formar homens corajosos, deve-se
saber, em primeiro lugar, o que é coragem.
Esse é o tipo de abordagem adotado por Sócrates em todas as conversas e o que se
torna embaraçoso para seus interlocutores: “O que é a coragem?”, “o que é a sabedoria?”, “o
que é a justiça?”, “o que é a virtude?” ... Portanto, Sócrates experimenta um método de
investigação que encaminha o pensamento em direção à essência das coisas, sem se limitar à
descrição dos fatos. Nunca vai diretamente à pergunta “o que é...?”; antes ouve e apresenta
objeções aos argumentos dos outros.
A pergunta “o que é...?” remonta aos tempos dos primeiros filósofos Jônios; só que
eles estavam preocupados com o problema da natureza, enquanto Sócrates pretende indagar o
problema dos valores. Na fase da decadência da democracia ateniense, quando os valores
políticos e morais aparecem sempre mais conflitantes, Sócrates procura algo que constitua a
essência de todas as virtudes particulares, como a coragem, a sabedoria, a justiça, a virtude,
que ele chega a identificar com o Bem, que por sua vez se identifica com a própria Razão.
Essa inquirição baseava-se no seguinte pressuposto: conhecer a Virtude é o objetivo
da ciência, do verdadeiro conhecimento; só pratica o mal quem desconhece o que seja a
Virtude. Quem tem o verdadeiro conhecimento só pode praticar o bem.
Para Sócrates, portanto, o objeto da pesquisa é o universal. "A ciência, para Sócrates
– afirma Mondolfo – é sempre e unicamente ciência do universal permanente; do indivíduo
mutável, só se dá opinião. Mas procurando constituir uma ciência de conceitos, ele, com o seu
método, prepara a doutrina de Platão: se com efeito, somente o conhecimento dos conceitos já
verdadeiro conhecimento, será verdadeira realidade, unicamente, o objeto destes conceitos,
isto é, o mundo das idéias eternas".(1)
Esse material disperso será tomado inicialmente por Platão e depois por Aristóteles,
para ordená-lo num conjunto de disciplinas que iriam marcar a cultura ocidental, embora a
Europa que viria a encarná-la somente tivesse tomado contato com o legado antigo quando só
havia experimentado um grande percurso. Tal se dá entre a segunda metade do século XII e
décadas iniciais do século XIII, da forma adiante resumida.
São as universidades européias – notadamente de Paris, Oxford e Bolonha –, que
tomam conhecimento dos nomes e de parte das obras dos filósofos e escritores da Grécia e
Roma Antigas. Os árabes dominavam o Oriente Médio, onde tal acervo seria preservado e o
reintroduziram na Europa através dos centros culturais que haviam criado na Península
Ibérica, onde se achavam sedimentadas porquanto ali estavam há cinco séculos. Admite-se
que primeiro haja sido vertido para o sânscrito – uma das línguas antigas do Oriente Médio –
e posteriormente ao árabe. Naturalmente esse longo caminho dificultou tanto a sua
reconstituição como o próprio entendimento. A partir de tal reconstituição fixou-se a opinião
de que havia sido preservado o que se conhecia no chamado período helenístico, quando, a
partir de Alexandre, as idéias cultuadas na Grécia foram difundidas no Mediterrâneo. Essa
circunstância exigiu que, sobretudo na Época Moderna, se tentasse separar o que teria sido o
17

curso da meditação grega da versão que a partir de então, isto é, do período helenístico, seria
difundida.
Uma primeira constatação é a de que, na Grécia Antiga, notadamente no período de
maior florescimento cultural (fins do século V ao início do século III antes de Cristo)
coexistiam o que se poderia denominar de investigação filosófica (a busca de uma
classificação do saber das esferas do real, apoiada no empenho de estabelecer a máxima
precisão conceitual); a investigação científica (classificação dos animais e das plantas;
observações atmosféricas; registros do corpo humano, etc.) e o culto do mistério,
sobrevivendo os deuses locais; as festas religiosas; a tradição de consulta aos oráculos, etc.).
No período helenístico, dissociam-se os mencionados segmentos da cultura. A
investigação científica é concentrada no Museu de Alexandria que ainda era uma instituição
de prestígio nos círculos cultos da capital do Império Romano nos primeiros séculos de nossa
Era.
Naquela altura, a filosofia grega encontrava-se não apenas dissociada da investigação
que tinha lugar no Museu de Alexandria como achava-se muito influenciada pelas religiões
orientais, em especial o judaísmo. As correntes mais difundidas eram o platonismo e o
estoicismo. Mesmo esse entendimento, relativo à filosofia antiga que se tornaria familiar aos
romanos, no apogeu do Império, iria desaparecer.
Com a intensificação das invasões bárbaras e o fim do Império Romano, os mosteiros
cristãos tornaram-se os únicos centros de preservação da cultura. Preservaram diretamente a
obra dos pensadores cristãos que se inspiraram na filosofia grega, tendo à frente Santo
Agostinho, que, no que se refere à Grécia, tomara por base o platonismo religioso de seu
tempo (fins do século IV). Assim, quando se dá o reencontro com o pensamento grego, em
pleno florescimento cultural da Idade Média, a grande novidade seria Aristóteles e tratava-se
agora de batizá-lo e colocar a sua meditação a serviço do cristianismo.
No Renascimento, quando ocorre uma espécie de revisita ao pensamento grego,
tampouco emerge a preocupação de estudá-lo de um ponto de vista estritamente acadêmico. O
empenho maior consistirá em valer-se da redescoberta para ver-se livre de Aristóteles, e do
monopólio do saber pela Cúria Romana.
Do que precede, cumpre ter presente que a investigação bibliográfica da filosofia
grega é fenômeno tardio, emergente sobretudo nos séculos XIX e XX. É desse período que
aparece o interesse nos chamados pré-socráticos; têm lugar as chamadas "edições críticas"; a
obra de Platão é traduzida à língua francesa e depois às demais; procede-se à tentativa de
libertar Aristóteles da mediação escolástica; traduz-se e edita-se a versão do estoicismo
cultuada pelos romanos e assim por diante.
A adoção do nome de pré-socráticos resulta da hipótese de que Sócrates constituiria o
grande marco no processo de constituição da filosofia. Nada tendo deixado escrito, seus
ensinamentos foram sistematizados pelos discípulos, dos quais Platão seria o mais eminente.
Dos pré-socráticos dispõe-se apenas de fragmentos, isto é, referências retiradas de
outros autores, notadamente Aristóteles, que pretende tê-los tomado como referência na
construção de suas doutrinas. O estudo desses fragmentos não se inclui entre os propósitos do
Curso de Humanidades. Em vista disto, vamos nos limitar a referi-los brevemente e indicar as
fontes a que podem recorrer os que desejarem deles tomar conhecimento direto.
Os primeiros provêm da colônia grega no Oriente Médio denominada de Jônia, cuja
capital era Mileto, o que se dá no século VI a.C.: Tales, Anaximandro e Anaxímenes.
18

Pitágoras também é originário dessa região embora sua escola haja florescido na chamada
Magna Grécia (Sul da Itália). No século V temos Heráclito e Parmênides. Deste último
preservou-se grande parte do poema Sobre a natureza, de que existe uma primorosa tradução
portuguesa devida ao poeta brasileiro Gerardo Melo Mourão. Os derradeiros, do mesmo
século V, são Empédocles, Anaxágoras; Leucipo e Demócrito. Anaxágoras é o primeiro a
morar em Atenas (487 a.C.) onde desfrutou da amizade de Péricles e do dramaturgo
Eurípedes.
Rodolfo Mondolfo ordenou tematicamente os fragmentos dos autores indicados (O
pensamento antigo). Há diversas edições autônomas entre estas a da Coleção "Os Pensadores"
da Editora Abril Cultural.

2. A elaboração da perspectiva transcendente por Platão

a) Indicações de ordem biobibliográficas

Platão nasceu em Atenas, em 425 ou 427, no seio de uma das famílias importantes,
tendo recebido educação humanista e se encaminhava para a literatura. Por volta dos 20 anos
passa a integrar o círculo de discípulos de Sócrates, o que o leva a redirecionar seus planos.
Sócrates (470/399) era mestre de retórica, atividade muito estimada na época em decorrência
da prática democrática, que exigia, dos que eram considerados cidadãos, a participação no
debate de determinadas questões cuja resolução lhes estava afeta. Aqueles professores eram
denominados sofistas, termo que não tinha a conotação pejorativa que veio a adquirir.
Introduziu mudança radical na filosofia grega ao preferir trazer a debate questões gerais
relacionadas à moral e à política, enquanto os filósofos precedentes ocupavam-se de
desvendar a origem e o curso do mundo físico. Não deixou textos escritos, sendo a obra de
Platão justamente uma das fontes de seu pensamento.
Sócrates foi condenado à morte, acusado de atentar contra a religião da cidade e
corromper a juventude. O evento serviu de comprovação, a Platão, do caráter corrompido do
regime ateniense. Dedicou-se desde então a propor um sistema filosófico que lhe permitisse
formar pessoas capazes de proporcionar novo direcionamento ao mundo grego.

Ainda que haja divergências quanto à exatidão das datas, aos 40 anos (provavelmente
em 388 ou 387), Platão fundou em Atenas uma escola a que deu o nome de Academia.
Tampouco há clareza quanto à sua forma de funcionamento. Contudo, ainda que pudesse
abrigar atividades religiosas, como se supõe, a função precípua seriam os ensinamentos
filosóficos. A Academia sobreviveu ao longo do período de dominação romana e teria sido
fechada pelo Imperador Justiniano, em 529 da nossa Era.

Os textos elaborados por Platão tinham a forma de diálogos, muitos dos quais foram
preservados. Alguns dos que haviam sido arrolados nessa lista, acabaram expurgados por
especialistas. Ascende a 35 os diálogos remanescentes, havendo também cartas que
completam as suas doutrinas.

Discutiu-se muito se poderia ser reconstituída a cronologia dos diálogos sem que se
chegasse a um acordo. Tudo leva a crer que Platão não se lançou à elaboração de uma obra
19

sistemática, a exemplo de Aristóteles. De sorte que o mais adequado parece ser ordená-los de
forma temática.

Assim, haveria um grupo que se limitaria a transmitir o método socrático, através do


que se convencionou denominar de dialética, isto é, a explicitação das contradições. Em
síntese, Sócrates pede ao interlocutor que proponha uma definição e, em seguida, avança as
objeções. Embora este seja o método presente a todos os diálogos, os chamados “socráticos”
não se preocupam em chegar a qualquer resultado. A título de ilustração, toma-se aqui o
diálogo intitulado Laques (ou do valor), que se ocupa da coragem.

Sendo dois os interlocutores de Sócrates (Laques e Nícias), compete ao personagem


que dá nome ao diálogo avançar a primeira definição: “o homem corajoso é aquele que
agüenta firme contra o inimigo”. Sócrates considera-a muito estreita, isto é, abrangeria
número limitado de casos. Então Laques apresenta outra: “a coragem é uma espécie de
firmeza”. Mas, objeta Sócrates, se esta firmeza se baseia na loucura e na ignorância, não pode
ser a coragem. Instado a pronunciar-se, Nícias diz que a coragem é a ciência daquilo que deve
ser temido e daquilo que não deve ser temido. A nova objeção de Sócrates é a seguinte: se a
coragem é uma ciência, então deve ser a ciência de todos os bens e de todos os males; mas
esta definição aplica-se à virtude em geral. Como se vê, o interesse está centrado no processo
– como se processa a elaboração conceitual – ao invés de voltar-se para aquilo que poderia ser
considerado como o desfecho.

Outros diálogos “socráticos” seriam Lisis (trata da amizade); Carmides (da


temperança); Eutrifon (da piedade) e assim por diante.

Os que integrariam a fase platônica propriamente dita são conclusivos e têm


objetivos nítidos, primeiro criticar os rumos seguidos pelo governo da cidade e, ao mesmo
tempo, dispor de uma proposta de forma de governo que não se limite a atender à
circunstância mas corresponde a uma solução definitiva. Neste grupo costumam ser arrolados
cinco diálogos: Górgias, Menon, Banquete, República e Fedro. No conjunto o mais
importante seria República porquanto contém a sua proposta de organização política da
sociedade, considerada como a primeira formulação teórica das formas autoritárias de
exercício do poder. O diálogo Leis consiste numa recompilação dos temas da República.

De certo modo esta parcela da obra de Platão é preparada nos diálogos dedicados à
condenação de Sócrates (Apologia de Sócrates; Criton e Fedon).

O segundo grande objetivo da fase afirmativa (“platônica”) seria apresentar o


conjunto de sua proposta filosófica. Como entretanto não parece dispo-se à elaboração de um
sistema – possibilidade que talvez só a Aristóteles haja ocorrido –, os princípios básicos estão
dispersos. Assim, a chamada “alegoria da caverna” – que toma por base para apresentar a tese
de que haveria um mundo das idéias de que se louvara o Demiurgo para criar o que existe –
encontra-se na República. No Timeu recorre amplamente à mitologia para apresentar uma
espécie de teoria do mundo físico, aparentemente sem se preocupar em compatibilizá-la com
o que poderia ser considerado como “teoria do conhecimento”.

A tese de que haveria a alma incorruptível e eterna, que sobreviveria à morte física,
está dispersa e referida em vários diálogos. A dialética que estrutura os diálogos tem algo a
20

ver com esta doutrina, na medida em que o verdadeiro significado das idéias estaria impressa
na alma, podendo ser reavivado.

Há ainda um grupo de diálogos em que procurou distinguir o filósofo dos sofistas e


do político, personagens que reputa essenciais à vida grega (Parmênides, Sofista e Político).

Os ensinamentos de Platão propiciaram a base a partir da qual Aristóteles lançou-se à


sua vasta obra de sistematização do saber. Ainda assim, o platonismo teve curso autônomo,
influiu em outras escolas gregas e experimentou longa sobrevivência. Os diálogos de Platão
acham-se traduzidos nas principais línguas sendo sucessivamente reeditados e muito
apreciados pela beleza do estilo literário.

b) Timeu

Considera-se que o diálogo Timeu seria expressivo da forma encontrada por Platão
para ultrapassar a chamada “fase socrática” – em que os diálogos pretendem apenas examinar
o processo de elaboração de determinados conceitos – e avançar na formulação de sua própria
doutrina. Com efeito, Timeu corresponde a uma espécie de reapresentação dos grandes mitos
gregos relativos à criação do mundo. Desta forma, o diálogo conteria o que se denominou de
cosmologia. Essa disciplina sobreviveu até a Época Moderna quando teve lugar o
aparecimento da nova física e abandonou-se a busca de um saber da natureza como totalidade,
voltando-se a investigação para fenômenos limitados (físicos, químicos etc.). Posteriormente,
o nome veio a ser adotado para designar hipóteses sobre modelos do chamado “sistema do
mundo”, acerca dos quais os próprios cientistas não chegam a um acordo.(1)

Como em princípio a filosofia grega consistiria justamente num tipo de saber que
abandona a tradição mitológica em prol do conhecimento racional, discutiu-se muito qual teria
sido a intenção de Platão. A chave para a solução do enigma encontrar-se-ia em outro diálogo
– Górgias – onde Platão coloca na boca de Sócrates o seguinte: “Talvez te pareça que isto se
conta como um mito; um conto de fadas e tu o despreza. E não seria estranho que o
depreciaríamos se investigando pudéssemos de algum modo encontrar algo de melhor e
verdadeiro”. O recurso ao mito corresponderia a uma metáfora, isto é, embora a semelhança
com o que se deseja expressar não seja perfeita, corresponde a uma forma válida de manifestar
o que pretendem dizer.

O certo é que a própria doutrina do conhecimento de Platão seria apresentada de


forma mitológica no diálogo República (o chamado “mito da caverna”, isto é, o lugar onde se
encontrariam as idéias cuja visão desaparece ao emergirmos para a claridade). Os seres que se
encontram em nosso mundo seriam criação do Demiurgo, que o fez contemplando os
arquétipos originais. Para Platão as idéias seriam inatas e o método socrático consiste em
torná-las presentes à mente.

A primeira parte do Timeu apresenta o mito da Atlântida, uma civilização muito


evoluída que teria existido numa ilha situada no Atlântico, tragada pelo mar. A conversa teria
se encaminhado nessa direção porque Sócrates partira da afirmação de que, nove mil anos
antes, Atenas disporia de instituições políticas perfeitas. Naquela altura, Atenas teria
defendido a Europa da pretensão dos reis de Atlântida de submetê-la. O cataclisma que se
21

abateu sobre aquela civilização seria posterior à derrota que os atenienses lhe impuseram. A
tese é a de que a cidade ideal existira em outros tempos.

Na outra parte do Timeu descreve-se o que seria a alma do mundo, secionada pelo
demiurgo em determinadas proporções numéricas. Depois disto, criou sete círculos que os
planetas foram obrigados a descrever. Em outras etapas intermediárias, em que intervêm
deuses subalternos, dá-se a criação do homem.
Timeu explica deste modo a sua demarche: “Em todas as matérias, é da mais alta
importância começar pelo começo natural. Por conseguinte, a propósito da imagem e do
modelo, há que fazer as seguintes distinções: as palavras têm um parentesco natural com as
coisas que exprimem. Se exprimem o que é estável, fixo e visível com o auxílio da
inteligência, são estáveis e fixas, e, na medida do possível e em que pertença às palavras
serem irrefutáveis e invencíveis, não devem deixar nada a desejar a esse respeito.
Inversamente se exprimem aquilo que foi copiado deste modelo e que não passa duma
imagem, são verossímeis e proporcionais ao seu objeto, porque a verdade está para a crença
como o ser está para o devir. Então, Sócrates, se houver muitos pormenores em muitas
questões relativas aos deuses e à gênese do mundo acerca dos quais não formos capazes de
fornecer explicações absoluta e perfeitamente coerentes e exatas, não te admires; mas, se
fornecermos explicações que não sejam inferiores a nenhuma em verossimilhança, teremos de
contentar-nos, lembrando de que eu, que falo, e vós que julgais, não passamos de homens e
que, em semelhante assunto, convém aceitar o mito verossímil, sem procurar nada mais
além.”

b) Sétima Carta, Gorgias e República

Como tivemos oportunidade de ver na correspondente disciplina precedente


(Política), a proposta de Platão para o ordenamento político da sociedade encontra-se no
diálogo que se denominou República, onde formula o ideal de um Estado perfeito. Contudo,
os estudiosos entendem que outros textos precisam ser considerados para a plena
compreensão da posição doutrinária a que chegou. Nesse conjunto, costuma-se privilegiar as
cartas nas quais relata suas sucessivas tentativas de influir nos destinos políticos de Siracusa,
que era então a principal cidade da Sicília, exercendo inclusive uma espécie de hegemonia
sobre toda a ilha. Desde o século VIII os gregos dispunham de entrepostos comerciais – e de
colônias habitadas por gregos – em diversos locais da ilha. Nessa parcela do mundo grego, a
partir da metade final do século VI, floresceu a escola fundada por Pitágoras que, além de
haver desenvolvido o conhecimento matemático, tornou-se uma seita esotérica que supunha
estivesse o mundo escrito em linguagem matemática, idéia que Platão incorporou aos seus
ensinamentos e viria a ter grande fortuna quando se deu, no Renascimento, o reencontro com
a sua obra.

Outros ensinamentos que Platão teria adquirido com aquela escola dizem respeito
à imortalidade da alma e também a convicção de que haveria uma ordem harmoniosa no
cosmos, abrangendo o homem. Haveria assim uma justiça providencial, exigente de que a
sociedade seja governada por quem possa dela aperceber-se e praticá-la, isto é, um filósofo
que seja tornado rei. A presença de Siracusa em sua obra prende-se à convicção de que ali
havia encontrado quem daria cabo da incumbência.
22

Platão foi a Sicília, pela primeira vez, em 387, durante o reinado de Dionísio, o
velho. Ainda que a vida fosse ali considerada feliz, diz expressamente que “não me agradou
em absoluto”. E explica a repulsa, desde que era “passada em festins o dia todo, à maneira
itálica ou siciliana, em que a gente se empanturrava de comida, duas vezes ao dia, e só dorme
acompanhada...” Acredita que estados assim estariam condenados a experimentar sem
resultados os regimes existentes (tirania, oligarquia ou democracia). Conheceu entretanto
Dião, irmão de uma das mulheres do tirano e que o compreendeu melhor “do que todos os
jovens com quem então havia convivido”. Depois da morte de Dionísio, o velho (367), Dião
convenceu ao jovem Dionísio, que assumiu o trono, a convidar Platão, o que viria a ocorrer
sem resultado. Dionísio expulsa Dião de Siracusa mas consegue atrair Platão uma terceira vez.
Finalmente, Dião toma o poder em Siracusa, com o apoio dos gregos, mas é morto (3454).
Platão ainda procura influir na política da ilha, dirigindo conselhos aos amigos de Dião. Das
treze cartas de Platão que nos restaram, sete referem-se às suas intervenções na política de
Siracusa. Uma delas tem sido muito divulgada com o título de A sétima carta. Nesta, de certa
forma resume aqueles contatos mas a divulgação deve-se, sobretudo, a que contém a maneira
como Platão entende o processo do conhecimento.
De início, Platão refere a história política de Atenas e expressa a seguinte conclusão:
“... as cidades de nosso tempo são mal governadas por ser quase incurável sua legislação, a
menos que se tomassem medidas enérgicas e as circunstâncias se modificassem para melhor.
Daí ter sido levado a fazer o elogio da verdadeira filosofia com proclamar que é por meio dela
que se pode reconhecer as diferentes formas de justiça política ou individual. Não cessarão os
males para o gênero humano antes de alcançar o poder a raça dos verdadeiros e autênticos
filósofos, ou de começarem seriamente a filosofar, por algum favor divino, os dirigentes das
cidades”.
Numa das cartas dirigidas aos amigos de Dião, Platão expressa desse modo as razões
de sua insistência: “não tinha senão que persuadir suficientemente um único homem e tudo
estaria resolvido”.
Gorgias tem o subtítulo indicativo de que se trataria da retórica. Esta não diria
respeito apenas à capacidade argumentativa, refinada arte cultivada pelos sofistas, isto é, pelos
professores que a tal mister se dedicavam, entre estes o próprio Sócrates. Mais que isto, a
retórica é considerada como instrumento de poder porquanto numa democracia, como se dava
em Atenas, o domínio da palavra e da persuasão era decisivo para impor determinada política.
Por essa via chega-se à moral, ao justo e ao injusto.
Na discussão, Sócrates enfrenta sucessivamente a Gorgias, Polo e Calicles, que diz
serem “os mais sábios entre os gregos da atualidade”. Não obstante, consideram-se derrotados
e retiram-se da cena, um em seguida ao outro. Gorgias sustenta que o conhecimento do justo e
do injusto é alheio ao ensino e ao exercício da retórica. Polo pretendia que o poder, à margem
da justiça, oferece maior segurança. Calicles, por fim, expõe a tese de que a ambição
individual pode saciar-se no poder sem preocupar-se com a injustiça. Sócrates irá defender a
tese de que a justiça é o objetivo da política, que somente o justo pode ser feliz e que é melhor
sofrer a injustiça que cometê-la, embora saiba que as afirmativas dos seus interlocutores
correspondem à posição geralmente aceita. Por isto critica diretamente a política pragmática
da cidade, sem poupar aos governantes mais ilustres, como Temístocles e Péricles,
evidenciando a incompatibilidade entre o exercício do poder em bases morais, e a ordem
democrática. Sócrates chega mesmo a proclamar-se como o único político autêntico.
23

Em que pese o significado tanto das cartas como do diálogo precedente, seria na
República onde Platão formula claramente aquilo a que corresponderia o primeiro modelo de
sociedade fechada, governada de forma não apenas autoritária mas verdadeiramente
totalitária.(1)
Na discussão, Sócrates continua como o personagem principal, embora se trate
evidentemente de uma nova fase dos diálogos, aquela em que Platão formula doutrinas
conclusivas. O tema da República consiste no regime político ideal, ou melhor, qual a melhor
maneira de organizar a vida em sociedade.
O verdadeiro objetivo do diálogo somente aflora quando bem adiantado o Livro II e,
mesmo assim, será sucessivamente entremeado de múltiplas derivações e observações
paralelas, nos Livros subseqüentes. Cuida-se primeiro de indicar o que seria uma cidade, a
começar das necessidades relacionadas à sobrevivência material (alimentação, moradia e
vestuário). Desdobrando-se as formas de atendimento a essas necessidades, chega-se ao
aglomerado que a constitui. A premissa geral é a de que cada um exerça a função para a qual
está habilitado. A defesa exige uma classe especial que descreverá minuciosamente. Deverá
ser sustentada pelos cidadãos, eximindo-se de qualquer outro trabalho senão o preparo para o
fim a que está destinada. Esse grupo social, numa sociedade ideal, deveria viver num regime
tipicamente comunista, nada tendo de próprio.
O espírito que preside à elaboração aparece plenamente na recomendação de que,
sendo imprescindível dispor de um sistema educacional, os responsáveis pela cidade se
esforçarão no sentido de que nada nessa matéria seja alterado sem o seu consentimento. As
novidades são todas discriminadas. O projeto de Platão consiste primeiro em estabelecer o
regime ideal, e, alcançado este, impedir qualquer mudança.
E assim os sucessivos segmentos dessa sociedade, no regime perfeito, seriam
submetidos a uma verdadeira operação de enquadramento.
Platão acreditava francamente na eficácia de uma ditadura dos sábios e esforçou-se
não apenas em concebê-la idealmente mas sobretudo buscou a oportunidade de estabelecê-la
em lugar da democracia ateniense.

2. A reelaboração da perspectiva transcendente por Aristóteles

a) Idéia geral da obra de Aristóteles

Pela obra monumental que realizou, no sentido do ordenamento geral do saber, é a


figura central do período histórico chamado “milagre grego”, que compreende
aproximadamente de meados do século V antes de Cristo, quando se inicia o governo de
Péricles em Atenas, aos fins do século IV, quando a Grécia perde a independência para a
Macedônia. Costuma-se indicar que Aristóteles teria nascido no ano de 384, em Estagira, na
Macedônia (sendo por isto às vezes chamado de “o Estagirita”). Tornou-se discípulo de
Platão, em Atenas, durante cerca de vinte anos. Quando este faleceu (em 348), viajou pela
Ásia Menor, estabelecendo-se finalmente na Corte do rei Felipe da Macedônia, onde foi
preceptor de seu filho Alexandre, conquistador do mundo conhecido em sua época, graças ao
que seria denominado de O Grande. Em 335, Aristóteles regressou a Atenas, onde fundou a
sua própria escola, o Liceu. Em 323 foi obrigado a abandonar a cidade, devido à perseguição
24

que lhe moviam os inimigos do ocupante macedônio. Faleceu no ano seguinte, com
presumíveis 62 anos de idade.
Com a perda de independência da Grécia, primeiro para os macedônios e depois para
Roma, vitimada também pelas subseqüentes invasões bárbaras, a obra de Aristóteles
virtualmente desaparece. Os árabes é que se ocuparam de sua reconstituição, reintroduzindo-a
na Europa através da Espanha. A tradução de textos gregos ao latim inicia-se no século XI,
pelas obras relacionadas à medicina. A versão de textos aristotélicos começa no século XII,
em Toledo. Por volta de 1165, chega àquela cidade Geraldo de Cremona, de quem se sabe
pouco além do fato de que, sozinho, traduziu 71 textos gregos de Aristóteles, Euclides,
Arquimedes, Galeno e outros. A familiaridade adquirida com a filosofia aristotélica por
pensadores árabes e judeus obrigaria finalmente aos cristãos a dela tomar conhecimento. Tal
se dá sobretudo a partir do século XIII.
Enfrentando todos esses percalços, a obra de Aristóteles acabaria perdendo-se em
grande medida. Assim, por exemplo, sabe-se que colecionou 158 constituições mas somente
se preservou os comentários que fez à Constituição de Atenas. Ainda assim, conseguiu-se uma
idéia bastante precisa do conjunto. Neste sentido muito contribuiu o erudito escocês William
David Ross (1877/1971), professor em Oxford (Inglaterra), que traduziu, editou e comentou
longamente os textos de Aristóteles. Como uma espécie de coroamento desse trabalho,
deixou-nos esta classificação do conjunto: I) Obras destinadas a um público relativamente
extenso; II) coleções de materiais, provavelmente compilados por seus discípulos sob a sua
direção e, finalmente, III) obras filosóficas e científicas redigidas – ou apresentadas em forma
de aulas – por ele mesmo.
Dos textos do primeiro tipo conservaram-se sobretudo notícias ou fragmentos.
Alguns deles seriam em forma de diálogo, destinando-se a familiarizar o público com o
conteúdo de algumas disciplinas (filosofia, política, etc.) e também com as idéias de Platão.
Nas coleções de materiais – segundo grupo – estariam as mencionadas Constituições.
Acredita-se que tenha havido outras compilações científicas e históricas também não
preservadas.
O terceiro grupo compreende o denominado Corpus Aristotelicum propriamente dito.
Seria integrado por estes textos:
a) Obras lógicas que constituem o chamado Organon. Subdivide-se em seis livros,
que se considera tenham sido praticamente preservados em sua inteireza (Categorias; Da
interpretação; Analítica, em dois livros; Tópica e Sofística).
b) Filosofia natural: Física; Do céu; Da geração e da corrupção; Meteorológica.
Nesse conjunto há um livro (Do mundo) que os estudiosos entendem não teria sido elaborado
por Aristóteles.
c) Psicologia: (Da alma; Dos sentidos e da sensibilidade; Da memória e da
reminiscência; Do sono e alguns outros).
d) Biologia: (História dos animais e algumas seções específicas tratando do
comportamento; da geração, etc.).
e) Metafísica, denominação que foi dada aos textos do curso que se seguia à Física.
f) Ética. Preservaram-se três livros, sendo o primeiro a Ética a Eudêmono; o segundo
A Grande Ética e o terceiro Ética a Nicômaco. Os estudiosos concluíram que o primeiro
25

corresponderia à exposição do pensamento de Platão e somente o último equivaleria ao


entendimento que Aristóteles tinha da questão. A Grande Ética seria uma mistura dos dois.
g) Política e Economia. Da grande massa de textos que teria dedicado a estas
questões, preservou-se o que costuma ser editado com a denominação de A política.
h) Retórica e Poética. A obra que abrange essa temática veio a ser popularizada pelo
livro O nome da rosa, de Umberto Ecco, que também deu lugar a um filme muito bem
sucedido. Seria o texto que o bibliotecário do mosteiro quer evitar seja do conhecimento dos
monges, porquanto, a seu ver, enfraqueceria o caráter.
Há várias edições das Obras de Aristóteles, tanto em latim como nas principais
línguas latinas, em inglês e alemão. Em português, lamentavelmente, não é o caso. Inexiste
uma tradução completa de A Metafísica. Os textos lógicos acham-se traduzidos do mesmo
modo que a Ética a Nicômaco.
c) Metafísica

A Metafísica de Aristóteles inclui-se entre os livros que exerceram maior influência


na formação da cultura ocidental. Trata-se de um esforço sistemático de impulsionar o exame
das questões tendo por escopo alcançar o máximo de generalidade. Tratando das causas dos
eventos, está interessado em saber o que se pode dizer das causas em geral. Achando-se o
mundo povoado de seres, não se detém nesta constatação. Quer saber o que se poderia dizer
do ser em geral.
A Metafísica foi organizada pelos discípulos de Aristóteles, não se incluindo entre as
obras que editou diretamente. Tomando por base, provavelmente, aulas expositivas há no
livro muita repetição e também temas que deram origem a controvérsias. Subdivide-se em 14
livros de tamanho desigual e contendo, como se mencionou, algumas repetições.
O Livro I trata das causas. Deve-se ter presente que Aristóteles define a filosofia
como a ciência teórica dos primeiros princípios e das primeiras causas, entendendo que há
quatro causas: material, formal, eficiente e final. A ciência moderna ocupa-se do que
Aristóteles chamou de causa eficiente, isto é, o antecedente temporal do fenômeno estudado.
A causa material diz respeito ao que contemporaneamente denominaríamos de estrutura física
ou química dos corpos. Na Grécia, a investigação desse aspecto era de natureza filosófica. Os
seres teriam componentes materiais e uma essência unificadora. Essa essência unificadora
também pode ser chamada de substância e era sempre de natureza qualitativa. Assim, não se
enveredou pelo caminho da medida, a exemplo do que ocorreria na Época Moderna. A idéia
de causa final seria retomada contemporaneamente para distinguir a ação humana dos
processos físicos.
O Livro II consiste num texto relativamente reduzido onde Aristóteles busca precisar
o conceito de filosofia, distinguindo-a de outras formas de conhecimento existentes em seu
tempo. O Livro III, um pouco mais extenso, corresponde à continuação da mesma temática.
Aqui aparecem alguns conceitos que são melhor estudados na Lógica, a exemplo da
classificação dos seres em espécies – diríamos, contemporaneamente, identificar conjuntos de
indivíduos muito semelhantes entre si e aos ancestrais – para, em seguida, agrupá-los em
gêneros (diz-se que a espécie é a unidade biológica fundamental, que não se pode misturar por
cruzamento, de forma durável, com outras espécies). Contudo, o propósito consiste ainda em
precisar o conceito de filosofia como ciência das primeiras causas e dos primeiros princípios.
26

No Livro IV, Aristóteles avança um outro entendimento da metafísica ao defini-la


como a ciência do ser enquanto tal. Presumivelmente quer distingui-la da física que é definida
como a ciência do ser enquanto móvel. Tenha-se presente que, nos cursos de Aristóteles, a
temática considerada na Metafísica (literalmente depois da Física) devia seguir-se à
considerada nesta última disciplina. No Livro V define os diversos temas que vem
empregando (causa, elemento, natureza, necessário, unidade, ser, substância, etc.).
O Livro VI aponta quais são as ciências teóricas: a física, a matemática e a teologia.
Cumpre ter presente que a sua noção de teologia não tem muito a ver com o que por isto
entendemos na tradição judaica-cristã (um único Deus, correspondendo basicamente a um ser
espiritual etc.). Aristóteles esbarra com o problema ao tratar do movimento, já que, para
harmonia lógica de sua teoria, precisa daquilo que chamará de Primeiro Motor, que define
como sendo um ser imóvel que move sem ser movido. O tema do Primeiro Motor é objeto do
Livro Sétimo, onde procura também precisar a noção de substância e das relações entre as
partes e o todo. De um modo geral, os últimos aspectos estão relacionados com o assunto que
versou em suas obras lógicas, conforme menciona expressamente. O Livro Oitavo contém
uma recapitulação das observações relativas à substância.
No Livro IX, Aristóteles aborda uma questão importante no seu sistema, a saber: as
idéias de ato e potência. Esta doutrina de certa forma está relacionada a uma dificuldade
proveniente da idéia de primeiro motor, de onde decorre a noção de “potência motriz”, isto é,
capacidade de mover. Tratando-se de uma teoria geral relativa ao ser, este terá que dispor de
virtualidades que podem atualizar-se ou não, isto é, a potência de vir a tornar-se ato.
Finalmente, nos Livros X, XII, XIII e, no último, XIV, Aristóteles volta à maioria dos
conceitos que abordou especificamente no Livro V, sempre com a sua interface com os temas
lógicos. Distingue-se dessa parte final o Livro IX onde procura apontar e esclarecer as
dificuldades da filosofia, se bem que em seus últimos capítulos insista no tema das ciências
teóricas e nas noções de acidente e movimento. Mais uma vez, o propósito de Aristóteles ao
voltar à noção de filosofia consiste em enfatizar a sua generalidade, frontalmente oposta aos
pontos de vista particulares.

c) Física

Na ordem da exposição, a Física deveria preceder à Metafísica. De modo que a


coincidência de alguns temas (como a questão das causas, abordada nos Livros I e II desta
última obra e a do Primeiro Motor, contida no Livro VIII) não deve ser considerada como
repetição, tratando-se, ao contrário, do ponto de partida da consideração do tema, isto é, a sua
abordagem inicial. O tipo de saber contido na Física – do mesmo modo que em outras obras
de Aristóteles, a exemplo Do céu – corresponde ao que foi denominado de Filosofia Natural,
isto é, uma inquirição de caráter especulativo acerca da natureza. Essa denominação era muito
popular ainda no século XVIII, quando o novo tipo de saber acerca da natureza (a física
moderna) ainda não se havia consolidado. O livro básico de Newton, aparecido em 1687,
chamou-se de Princípios matemáticos da Filosofia Natural. Na reforma pombalina de 1772,
introduzida justamente para fazer circular em Portugal a nova física, a Universidade foi
reestruturada em torno do estabelecimento que se denominou de Faculdade de Filosofia
Natural.
A Filosofia Natural procede a uma análise conceitual. Nela a experiência não tem
papel decisivo, embora não se possa dizer de Aristóteles que desdenhasse a observação. Neste
27

sentido, difere fundamentalmente da física newtoniana, cuja base é a medida. A física de


Aristóteles é de caráter qualitativo. As substâncias distinguem-se umas das outras por suas
qualidades.
O Livro I insere uma grande digressão acerca dos primeiros princípios da natureza,
preocupando-se com o seu número e discutindo as teorias precedentes. Basicamente trata das
causas material e formal. Ao leitor moderno parecerá estranho alguns de seus exemplos,
retirados da vida em sociedade. Cabe ter presente, contudo, que Aristóteles parte de uma
classificação geral dos seres cujo cerne é a pressuposição da existência de espécies fixas e
imutáveis, vale dizer, na física aristotélica não ocorre a idéia de evolução. Os três ramos
fundamentais da Física são 1º) as coisas incapazes de movimento; 2º) as coisas em movimento
mas indestrutíveis e, 3º) as coisas destrutíveis. De sorte que a hierarquização dos seres
partindo dos inorgânicos para as substâncias complexas e os fenômenos psicológicos, que é
básica no seu pensamento, não chega a ser referida.
O Livro II prossegue na digressão de caráter geral, procurando elucidar o sentido da
expressão “por sua natureza”. Além das causas, avança aqui a distinção entre mudança (ou
transformação) e movimento. Há quatro espécies de mudanças, dizendo todas respeito à
geração e destruição da substância. O movimento não interfere na natureza da substância. O
Livro II trata ainda das condições da mudança (transformação). Discute também a noção de
finalidade na natureza.
O cerne da Física corresponde aos Livros III a VII, onde discute a questão do
movimento e das noções a este vinculadas, a saber: o infinito; o lugar; o vazio e o tempo.
Aristóteles precisa que não há seres sensíveis infinitos. A noção de infinito aplica-se ao tempo
e ao movimento. A noção de lugar está relacionada à de espaço, cuja dificuldade de
entendimento advém da tendência natural à recusa em conceituá-lo como ente de razão, isto é,
que não existe objetivamente. Aristóteles levanta esta dificuldade ao abordar questões como
esta: podem dois corpos ocupar o mesmo lugar? Daí a discussão em torno do vazio. Para
Aristóteles a natureza não pode admiti-lo. Em relação ao tempo, Aristóteles esclarece as
noções a este relacionadas, como agora, antes, depois, etc.
A classificação das mudanças (transformações) e dos movimentos é apontada nos
Livros V e VI.
No Livro VII aparece a tese geral de que aquilo que é movido é movido por algo. É a
preparação do tema do Primeiro Motor, que move sem ser movido, suscitada no Livro VIII, ao
qual voltará na Metafísica.

d) Contribuições inovadoras de Aristóteles

A lógica, que investiga as regras do raciocínio e as formas de se exprimir o


pensamento através de linguagem, é uma das principais contribuições de Aristóteles.
Parmênides já havia formulado o princípio de identidade, quer dizer a
impossibilidade de se afirmar algo além de “o ter é” e “não-ser não é”. Aristóteles avança
nessa indagação chegando a formular esse princípio da seguinte forma: “É impossível que o
mesmo atributo pertença e não pertença ao mesmo sujeito e sob a mesma relação”.
Esse princípio é conhecido como Princípio de contradição, e constitui uma das
regras básica para verificar se as proposições afirmam a verdade. Juntamente com o princípio
de contradição, Aristóteles elabora outras regras inerentes à estrutura do raciocínio, que ele
28

chama de silogismo. Exemplo clássico de silogismo: Todo homem é mortal; Sócrates é


homem; logo, Sócrates é mortal.
No silogismo usa-se a dedução; de duas premissas conhecidas, conclui-se uma
terceira.
Há regras precisas que definem a estrutura do silogismo; referem-se à sua forma. Por
esse motivo, a lógica aristotélica recebe hoje o nome de lógica formal. A lógica moderna, sem
tirar o mérito da grandeza da contribuição aristotélica, investiga outras possibilidades,
utilizando outros métodos, além da dedução.
Contudo, a lógica não é conhecimento, mas instrumento do conhecimento.
Além de ter formalizado a Lógica, Aristóteles contribuiu para delimitar as diversas
esferas do saber, tanto no que se refere à filosofia como àquilo a que denominamos de
ciências naturais. Classificou e reuniu as informações existentes relativas ao clima, aos
animais e ao próprio corpo humano. Essa parcela de sua obra acabaria sendo considerada de
modo separado da filosofia, no Museu de Alexandria.
Ainda assim, sua grande contribuição cifra-se na reelaboração da perspectiva
transcendental, que serviu para assegurar-lhe grande fortuna.
Como já mencionamos, coube a Platão precisar que a inteligibilidade do real estaria
na idéia, que depois Aristóteles chamou de causa formal. Contudo, Aristóteles é o primeiro e
grande sistematizador dessa perspectiva filosófica.
Nesse seu intento, Aristóteles deu-se conta que algum elemento dessa causa formal
deve estar presente no fenômeno. A esse algo, ele chamou de essência necessária ou essência
primeira ou de substância. A essência necessária é o próprio objeto do conhecimento. Assim,
Aristóteles opõe-se a Platão no que se refere a separação entre a idéia e a coisa, mas aceita a
premissa de que a forma é o cerne da coisa, o seu fundamento. A estrutura necessária do ser,
na metafísica de Aristóteles, é constituída pela substância. As quatro causas são determinadas
pela substância. Elas devem ser consideradas em conjunto. Contudo, Aristóteles privilegia o
elemento formal ao dizer que é eterno e não pode ser produzindo nem destruído.
A substância, portanto, é o que se encontra por baixo das aparências.
A substância constitui a permanência que está por baixo das qualidades, que não são
mutáveis.
A idéia de substância estabelece uma dicotomia no real, separando o que muda
daquilo que permanece, quer dizer, o fenômeno (o que aparece) daquilo que lhe dá suporte.
Assim, Aristóteles eliminou da perspectiva transcendente de Platão toda reminiscência mítica,
colocando-a no plano racional: o elemento permanente em Platão é dado fora do fenômeno,
fora da coisa; o elemento permanente em Aristóteles é dado na própria coisa, no real, e se
apreende mediante o processo mental da abstração. As formas não estão separadas das coisas
do mundo sensível, mas são exatamente elas que lhes dão existência efetiva, fazendo com que
a matéria (que por si só é indiferente) seja esta ou aquela coisa.
A forma é inerente (ou imanente) as coisas.

4. Significado do período helenístico


29

a) Prevalência da inquirição de índole moral na adoção do estoicismo

A partir de meados do século IV a.C., após a criação do Império Macedônico, a


cultura grega se difunde no Mediterrâneo, tendência que se reforça com o estabelecimento
sucessivo da hegemonia romana sobre essa região. O Museu de Alexandre firma-se como um
centro de investigação do que hoje chamaríamos de ciências exatas. Registra-se a
sobrevivência da Academia Platônica mas, a julgar pelas indicações que nos foram legadas
acerca desse período, a filosofia sofre crescente influência das religiões orientais, notadamente
do judaísmo circunstância que irá criar a possibilidade do cristianismo dela apropriar-se,
mesmo antes de sua transformação em religião oficial, no século IV de nossa era.
Devido talvez à mencionada influência religiosa as duas principais filosofias
aparecidas no período – estoicismo e epicurismo –, que se acrescentam ao platonismo,
estruturam-se em torno de regras de bem viver, embora seu ensinamento abranja igualmente a
lógica e a física. Vamos nos limitar à primeira dessas correntes porquanto seria muito
influente nos primeiros séculos do Império, em Roma.
A moral estóica baseia-se em número reduzido de princípios, tendentes todos a
discriminar, no curso dos acontecimentos, aquilo que independe de nossa vontade. Tais
eventos são indiferentes, ou melhor, não devem afetar a nossa maneira de ser. A grande figura
dessa corrente, Epiteto (nascido no ano 50 da nossa era e falecido entre 125 e 130) diz, em
suas Máximas, que dependem de nós "a opinião, a tendência, o desejo, a aversão, numa
palavra, tudo que é obra nossa; não dependem de nós o corpo; a riqueza não é obra nossa".
Em tais circunstâncias, sobre ao homem escolher a virtude e renegar o vício, já que este é o
único dano que se pode causar a própria alma.
O segredo da sabedoria reside em nos representarmos como indiferente tudo o que
não depende de nós, postura que garante, a quem a possui, o desconhecimento de toda aflição
e angústia. Mesmo sendo escravo, terá sua liberdade assegurada porquanto a verdadeira
escravidão somente reside no império das paixões. Alcançar semelhante estado de espírito é
tarefa das mais difíceis. Requer a aceitação passiva do que venha a ocorrer e nada esperar do
futuro. Não se trata apenas de moderar a paixão, mas de eliminá-la de vez. A moral estóica se
fundamenta na crença de que há uma ordem no mundo, do qual somos parte, cabendo-nos
apenas encaminhar nossa vontade naquela direção. Ao mesmo tempo, não consiste num fundo
pessimismo mas, por paradoxal que pareça, num verdadeiro otimismo, porquanto não se
cultiva o amor cego do destino mas a fé na Providência. Epiteto escreveria que “Se o homem
de bem pudesse prever o futuro, ele próprio cooperaria para sua doença, para a morte, para a
mutilação, porque teria consciência de que, em virtude da ordem do mundo, essa tarefa é
determinada”.
Embora a filosofia estóica seja atribuída a Zenão de Cício (322/262), que teve
seguidores gregos, o que se conservou de seus ensinamentos encontra-se na obra de autores
romanos. Além do mencionado Epiteto, Sêneca (nascido por volta do início da era cristã e
falecido em 65) e Marco Aurélio (121/180, que foi imperador, coroado em 161).
Recomendamos a leitura das Meditações de Marco Aurélio por se tratar de um dos
textos que melhor caracterizam o sentido da pregação estóica. Desse texto, inserimos a breve
notícia adiante.

b) Meditações, de Marco Aurélio


30

As Meditações, do imperador Marco Aurélio (121/180) são consideradas como


magistral expressão da atitude estóica diante da vida, atitude essa que passou a constituir uma
faceta da cultura ocidental.
Marco Aurélio pertencia às famílias ilustres de Roma e tornou-se Imperador a partir
de 161. Expoentes da elite imperial nutriam simpatias pelas teses estóicas. Cícero (106/43
antes de Cristo), que se considera como o principal divulgador da filosofia grega – além de ser
político e orador renomado –, ordenou as informações relativas ao estoicismo atribuindo-lhe,
primordialmente, o caráter de uma doutrina afirmativa do conhecimento, que contrapõe ao
ceticismo. Desde então, a familiaridade com a cultura grega, de que a elite romana iria
jactar-se, incluía o estoicismo e não apenas a versão do platonismo mais influente. Sêneca,
que assume diretamente a condição de seu adepto, pertencia á mais alta hierarquia do Império,
tendo sido importante membro do governo de Nero (Imperador de 54 a 68). A exceção é
Epicteto que era estrangeiro, tendo chegado a Roma como escravo. Liberto, revelou ser pessoa
dotada de grande erudição e que viria a encantar os romanos ilustres em suas palestras, cujo
conteúdo se preservou graças aos discípulos, já que não deixou obra escrita.
A par de se constituir numa doutrina moral, o estoicismo romano revestiu-se de uma
outra feição que também há de ter contribuído para torná-lo atrativo, naquele tipo de
sociedade. Aspirava tornar-se uma seita fechada, inicialmente constituída apenas pelos sábios,
isto é, aqueles que, pelo saber, se haviam destacado da massa de insensatos que, segundo essa
visão, constituiriam a quase totalidade. Com o desenvolvimento da doutrina, admitiu-se a
existência de uma categoria intermediária, integrada por aqueles que, ao se aproximarem da
corrente, dispunham-se a aprofundar o seu entendimento, na verdade, uma prática existencial,
como se indicará. Por isto mesmo não deve soar estranho que a obra de um Imperador
Romano se tenha transformado num texto capaz de expressar um tipo de atitude que
complemente e ilustre o caráter ocidental.
A principal máxima do estoicismo é a seguinte: cultivar a impassibilidade diante da
dor e do infortúnio. Para ilustrar esse traço característico, a apresentação do volume dedicado
aos estóicos que integra a Bibliothéque de la Plêiade,(1) destaca que seu organizador, o prof.
Emile Brehier, seria o protótipo do estóico. No Prefácio á obra referida, o prof. Pierre Máxime
Schuhl – tarefa de que se incumbiu devido à morte do organizador antes de concluir o
trabalho – diz o seguinte: "Mas não basta dizer que Emile Brehier interessava-se pelo
estoicismo; pode-se dizer que era um estóico, pela maneira verdadeiramente estóica com que
suportou a amputação do braço esquerdo, a que teve de submeter-se devido a ferimento de
guerra, amputação que sofreu sem jamais lamentar-se."
Como Imperador, Marco Aurélio teve que enfrentar sucessivas revoltas em diversas
províncias do Império e, governando em fins do segundo século, já teria que se defrontar com
invasões bárbaras. Estas, como se sabe, mais tarde iriam provocar a derrocada do Império.
As Meditações constituem um diálogo do autor consigo mesmo. Muitas das
inquietações ali suscitadas advêm de acontecimentos dramáticos que presenciara, a .exemplo
de sua participação em campanhas militares. Contudo, não se atem ao acontecimento nem se
trata de enfocá-lo a título de registro.
Na verdade, a pretensão do autor consiste em retirar da própria experiência
ensinamentos e comprovações da fecundidade do estoicismo, cujos expoentes não se cansa de
citar, notadamente Epicteto.
31

O curso do mundo obedece a um determinismo contra o qual é inútil lutar. Afirma


taxativamente: "Para cima e para baixo, de um lado para o outro, de roda em roda é este o
monótono e enfadonho ritmo do universo. Tudo o que acontece foi preparado desde toda a
eternidade; a sucessão de causas esteve sempre fiando a tua existência e o que te acontece
(Livro X, 5). E, mais adiante: "E nada pode transgredir a necessidade do destino e de uma
ordem, nem a providência que ouve a súplica, nem um desgovernado caos sem finalidade. Se
a Necessidade nada pode transgredir, porque resistes?" (Livro XII, 40)
O máximo ensinamento estóico acha-se formulado deste modo: "Sê como o
promontório onde as ondas quebram sem cessar mas que permanece firme e ao lado do qual as
águas espumantes acabam por adormecer. Infeliz de mim, a quem isto acontece. Não; feliz de
mim, porque, embora isto aconteça, continuo livre de aflição, nem subjugado pelo presente,
nem temendo o que há de vir." (Livro IV, 9).
Marco Aurélio pretende também que seus ensinamentos ajudem a distinguir o Mal do
Bem e o vício da virtude, do mesmo modo que a cultivar a razão e torná-la um guia para a
ação e, sobretudo, desenvolver a capacidade de enfrentar as intempéries. Ainda que se trate de
meditação de cunho pessoal, é visível a intenção do autor de divulgar o seu texto,
notadamente ao fazer, no Livro I, uma autêntica introdução e, do último (XII), verdadeiro
epílogo.
Hegel valorizou extremamente o estoicismo, que considerou como um momento
destacado do processo de formação do que denomina de consciência de si, tendo em vista a
consciência (ou a cultura) ocidental. Enfatizando este aspecto, o conhecido estudioso de sua
obra Jean Hyppolite afirma: "Para ser uma consciência de si livre (ou melhor, para
descobrir-se como dotado de livre arbítrio) é necessário ser-se estóico, num ou noutro
momento da vida."(1)
A influência alcançada em Roma por uma corrente menor evidencia o fato de que a
aproximação à filosofia grega, nos primeiros séculos do Império, que não se distinguia da
Religião. A maneira como se difundia a partir do século III, adiante caracterizada, explica o
fato de que Santo Agostinho haja adotado o platonismo como modelo para expor a doutrina
cristã.

b)A metafísica religiosa e o neoplatonismo de Plotino

Plotino viveu no século III de nossa era, tendo nascido no ano 205 e falecido em 270.
Foi aluno do platônico Amônio Sakas, em Alexandria, e depois conhece o pensamento persa e
indiano, radicando-se finalmente em Roma, por volta do ano 245. Conseguiu reunir um amplo
círculo de discípulos, aos quais ministra ensinamento oral, recolhido por um deles – Porfírio,
234/305 – numa obra que a denominou de Enéadas (grupos de nove tratados). Plotino daria às
teses do platonismo uma feição eminentemente religiosa, aproximando-o do ambiente de seu
tempo, razão pela qual teria alcançado o mais amplo sucesso. No final de contas, as idéias de
Platão acabariam sendo popularizadas na sua versão. Tão marcante é a influência das religiões
orientais em sua doutrina que alguns autores consideram que ultrapassaria o ciclo
propriamente grego do pensamento helenístico. Brehier, por exemplo, entende que o
misticismo de Plotino dissolve o racionalismo grego, em decorrência de "hábitos mentais
inteiramente novos, nascidos de crenças religiosas cuja origem estava no Oriente, fora do
helenismo".
32

A exemplo de todos os grandes pensadores, Plotino toma as questões nucleares, que


se encontram na filosofia de Platão e na meditação grega de um modo geral, procurando delas
tirar as últimas conseqüências. Estas é que revelariam um outro tipo de influência. Assim, na
questão do primeiro princípio, que atravessa a discussão filosófica de seus primórdios ao
período áureo, Aristóteles cuidara de encaminhá-la na direção da substância, que seria o
sustentáculo daquilo que aparece, tornando-a acessível ao nosso conhecimento pelo processo
abstrativo. Plotino retorna aos termos ambíguos em que se engendra o sensível, prescindindo
da meditação aristotélica. Mas a multiplicidade não seria originária diretamente da unidade
formal porquanto requer-se a matéria e a própria interveniência do Demiurgo.
Plotino passa por cima de toda dualidade e centra a sua inquirição no Uno. Só este é
o Primeiro Princípio. O fato de que engendre a multiplicidade não pode ser pensado em
termos físicos ou biológicos. O Uno não é um ser equiparável aos que conhecemos,
achando-se além daquilo que dele podemos dizer. O Uno se propaga sem sair de si mesmo.
Aqui introduz a idéia de emanação. É por emanação que se desencadeia o processo, fenômeno
que não pode ser concebido no tempo pois o Uno existe desde toda eternidade. A emanação
tampouco deve ser aproximada de qualquer elemento lógico dedutivo. Está mais próxima da
idéia de irradiação ou imobilidade da fonte.
Das emanações resultam hipostasis, que formam uma cadeia até chegar-se ao mundo
sensível. A primeira dessas hipostasis é denominada de Inteligível, Inteligência ou Ser
Inteligível, nascendo da contemplação do Uno. O Inteligível, por sua vez, produz uma outra
hipostasis, a alma do Mundo, que equivale a uma divisão do Inteligível e, ao mesmo tempo,
origem do mundo sensível. A alma anima e unifica todo ser e torna-o partícipe da liberdade
que só o Uno possui. O grau inferior dessa série de emanações é a matéria sensível, que pode
ser equiparada ao indeterminado, ao receptáculo vazio, à sombra e ao não-ser. A pura matéria
sensível é também o mal, o reverso metafísico da medalha em que trilha eternamente o Uno,
perfeito e absolutamente bom.
A par da emanação, ocorre um processo inverso, de conversão. Por esse meio, as
análises dessa época da filosofia grega assumem uma conotação religiosa de que não estavam
originariamente revestidas. Assim, por exemplo, na questão da virtude. Platão afirmara uma
espécie de elemento divino, no sentido de superior, acima das paixões. Aristóteles, como
vimos na Ética Nicômaco, embora preservando-lhe esta característica divina e sublime
relaciona diretamente à vida da cidade e à felicidade terrena. Na meditação de Plotino ocorre
uma grande inversão. Deus não pode ser concebido como virtuoso ou não-virtuoso. A rigor
não tem virtudes. Como pode dar-se, então, que nele nos inspiramos, se não a possui?
Parece-lhe ser a medida e o limite, isto é, quando o homem submete à medida as suas relações
põe harmonia na desordem, numa palavra, a alma virtuosa torna uno o composto, que é Deus
mais ele se torna semelhante ao ser divino, que é sem forma.
Na versão que Porfírio preservou dos ensinamentos de Plotino, este "teria tido
frequentemente a revelação desse Deus que não tem forma nem figura e que se revela
majestoso além da inteligência e de tudo o mundo inteligível". Deste modo, a metafísica de
Plotino encaminha a meditação dessa época romana para a confluência com as religiões
orientais. Era a senda da aproximação ao cristianismo, que seria consumada diretamente por
algumas personalidades destacadas dos próprios cristãos, entre as quais sobressai Santo
Agostinho.
33

III – PRESERVAÇÃO DA PERSPECTIVA TRANSCENDENTE PELA


ESCOLÁSTICA E O RENASCIMENTO COMO FASE DE TRANSIÇÃO

1. O processo de formação da Escolástica

Os primeiros pensadores cristãos recorreram a teses da filosofia grega - na versão que


chegou ao seu conhecimento, como indicamos, submetida à influência das religiões orientais,
o judaísmo em especial – para responder aos ataques que vinham sofrendo e que não
poderiam ser confrontados diretamente a partir dos Evangelhos e das Epístolas. No século II,
por exemplo, no livro O verdadeiro discurso, publicado no ano 178, falando em nome do
platonismo, seu autor, Celso, procura demonstrar que o cristianismo não passa de um conjunto
de superstições e de fanatismo. Clemente de Alexandria, nascido em Atenas por volta do ano
150, convertido ao cristianismo, defende taxativamente a necessidade de uma aliança entre o
pensamento grego e o pensamento cristão. Parece-lhe que o Logos divino sempre iluminou as
almas. Assim, os hebreus tiveram Moisés e os profetas, enquanto os gregos os filósofos. Com
base nessa convicção afirma que a aceitação passiva pela fé não é o ideal; é preciso utilizar-se
da ciência e do raciocínio em harmonia com a revelação.
Ainda assim, tudo isto estava muito longe de corresponder à pretensão de dispor de
um sistema filosófico a serviço da religião. É mais plausível supor-se que a aspiração consistia
em recorrer ao método grego para a elaboração conceitual dos princípios cristãos, a exemplo
de Abelardo (1079/1142), a quem se atribui haver criado o que passou á história com o nome
de disputationes – amplamente utilizadas desde então – e que consistem num procedimento
que recusa todo raciocínio indutivo, não obstante o que serviu para caracterizar o período
escolástico como uma fase de grandes avanços no plano conceitual.
Santo Agostinho (354/430) iria entretanto dar a essa aproximação sentido totalmente
diverso. Agora a filosofia acha-se integralmente a serviço da religião. Não se trata mais de
uma busca, mas da apresentação, de modo supostamente racional, das verdades da revelação.
É certo que Santo Agostinho não logrou formular a sua proposição de modo sistemático.
Entretanto, indicou expressamente como fazer depender da interveniência da divindade (vale
dizer, do cristianismo) desde a ação moral ao entendimento do mundo, a relação entre a alma
e o corpo, enfim, todo o conhecimento.
Santo Agostinho proporcionaria o direcionamento à primeira fase de elaboração da
doutrina – denominada de Patrística – e que consistirá no grande legado que esses primeiros
cristãos iriam deixar à posteridade, que iria corresponder á reconstituição da civilização
européia, após o fim do Império Romano. Este patrimônio seria preservado nos mosteiros,
deslocando-se para as universidades, quando de sua tardia criação. Iria informar o que se
convencionou designar como Escolástica.
Denomina-se Escolástica à filosofia predominante no período compreendido entre os
séculos XI e XIV, ensinada nas escolas, quer dizer, a filosofia cristã da Idade Média.
Ao formular sua doutrina, a Escolástica é uma continuação da Patrística, com base na
consolidação dessa doutrina pelos Concílios. Contudo, a Escolástica inicia um nova fase, bem
distinta da Patrística, enquanto se preocupa em organizar um sistema que reúna a doutrina dos
Padres e dos Concílios, harmonizando-a com os vários ramos do saber.
Nessa tentativa é que surge o problema da relação entre razão e fé, comum a todos os
pensadores, desde Erígena a Duns Scotus. Assim que, de uma harmonia substancial entre
razão, fé e coincidência de resultados, passa-se, no século XIII, a afirmar que a razão e a fé
34

podem conseguir resultados independentes, mas não contrastantes; ao passo que, para o
período pós-tomista, não é excluída a possibilidade de contrastes e de resultados opostos.
Deve-se lembrar, como salienta Sciacca, que "para a Escolástica, o objetivo da
filosofia é esclarecer e confirmar, até onde possível, a verdade revelada, fundamento da
investigação.
Neste sentido, a filosofia é chamada ancilla da teologia, isto é, o dogma é entendido
como princípio regulador da razão, a fim de que esta não desborde e se volte contra a fé; e se
aplique apenas para interpretar os dados dogmáticos ou para construir aquelas verdades que
são de ordem natural".(1)
Os fatos culturais que marcam o século XIII são evidenciados por três circunstâncias
básicas: a criação das Universidades; a atividade cultural das grandes ordens religiosas, a dos
Dominicanos, fundada por São Domingos de Guzmán e dos Franciscanos, por São Francisco
de Assis; a descoberta de Aristóteles.
Entre as Universidades, as que assumem um papel de destaque durante o século XIII
são a de Paris, a de Oxford e a de Bolonha. Os mais notáveis filósofos e teólogos do século
XIII estiveram todos relacionados, como estudantes ou na qualidade de docentes, à
Universidade de Paris, que se constitui a partir do corpo docente e discente da escola da
catedral de Notre-Dame e outras escolas de Paris. Os estatutos da Universidade foram
aprovados por Roberto de Courção, legado pontifício em 1215. Alexandre de Hales, São
Boaventura, São Alberto Magno, Santo Tomás de Aquino, Mateus de Aquasparta, Roger
Marston, Ricardo de Middleton, Roger Bacon, Gil de Roma, Siger de Brabante, Enrique de
Gante, Raimundo Lulio, Duns Scotus... todos estudaram ou ensinaram, ou ambas as coisas, na
Universidade de Paris.
À Universidade de Oxford estão ligados os nomes de Roberto Grosseteste, Roger
Bacon e Duns Scotus. Enquanto Paris assiste ao triunfo do aristotelismo, Oxford abriga a
tradição agostiniana e desenvolve o empirismo.
Bolonha, também assume papel importante no rol das Universidades,
especializando-se em Direito.
Contudo, a influência parisiense é evidente; por seu caráter internacional e sua
expressiva tradição cultural em defesa do cristianismo, mereceu a atenção da Santa Sé, a tal
ponto que essa Universidade representava a intelectualidade da Idade Média em matéria
filosófica e teológica.
De suma importância na vida de Paris e Oxford foram as ordens religiosas, em
particular as ordens dos Dominicanos e Franciscanos.
A primeira estabeleceu-se em Paris em 1217, a segunda, alguns anos mais tarde. As
duas ordens exigiram cátedras de teologia na Universidade, quer dizer que seus estudos de
teologia fossem incorporados à Universidade e que seus alunos pudessem gozar de privilégios
próprios dos universitários. Não obstante as oposições encontradas, os Dominicanos
conseguiram uma cátedra em 1229 e uma segunda em 1231, ano em que os Franciscanos
também alcançaram uma primeira.
Essas ordens religiosas desempenharam um papel muito importante no campo
intelectual e produziram homens de primeira grandeza; tiveram, porém, que enfrentar
dificuldades não indiferentes: não só o fato de não permitirem que os religiosos tivessem mais
de uma cátedra, ao mesmo tempo, mas ataques específicos à própria vida religiosa.
35

Fruto dessa briga entre religiosos e seculares foi a criação do Colégio da Sorbonne,
por parte de Roberto de Sobon, capelão do rei Luís IX, para estudantes de teologia (1253), em
que se admitiam estudantes seculares. Pela criação desse colégio e de outros semelhantes,
procurava-se limitar o prestígio da educação tipicamente destinada a religiosos. Contudo, no
século XIII, formaram-se correntes de pensamento que, iniciadas em ordens religiosas tiveram
influência também em escolas tradicionais: agostiniana, de tipo conservador e de reserva
diante do aristotelismo, própria dos franciscanos e dos primeiros dominicanos, representada
por Grosseteste, Alexandre de Hales e São Boaventura; aristotélica, própria dos dominicanos
e representada em parte por Alberto Magno e, totalmente, por Tomás de Aquino; averroista,
representada por Siger de Brabante; eclética, em que encontramos a Gil de Roma e Enrique de
Gante e finalmente, na virada do século, aparece a figura de Duns Scotus, que fez a revisão da
tradição franciscana à luz do aristotelismo.
O terceiro fator que influenciou muito o pensamento da segunda metade do século
XII e princípio do século XIII foi a descoberta de Aristóteles através da reelaboração efetuada
pelos árabes. De Aristóteles conheciam-se somente os livros da lógica; de Espanha chegam ao
Ocidente suas obras de física, metafísica e ética.
Aristóteles transmitido pelos árabes, é porém um Aristóteles neoplatonizado,
interpretado por comentadores neoplatônicos. Os árabes, tendo conquistado a Pérsia, a
Mesopotâmia e a Síria, no século VII, tiveram oportunidade de entrar em contato com o
mundo grego, em particular a través da Síria.
Os textos aristotélicos foram traduzidos do grego para o siríaco, e depois, do siríaco
para o árabe. Dessa forma, os árabes conservaram o patrimônio da cultura clássica
precisamente durante o período de maior decadência no Ocidente. Após a fundação do
Califado de Córdoba, na Espanha, os textos aristotélicos ficaram conhecidos no mundo latino.
Os maiores representantes da filosofia árabe são Avicena, no Oriente e Averróis de
Córdoba, no Ocidente. Essa interpretação é igualmente de índole religiosa. No caso, o
aristotelismo é colocado ao serviço da doutrina de Maomé.

2. Santo Agostinho

a) Dados biográficos

Aurelius Augustinus, tornado Santo pela Igreja Católica e desde então conhecido
como Santo Agostinho, nasceu em meados do século IV (354) e faleceu em 430, tendo vivido
portanto 76 anos. Convertendo-se ao cristianismo numa idade adulta (32 anos), teve contudo
mais de três décadas para tornar-se o primeiro grande formulador da doutrina cristã, tanto
filosófica como teológica. Nessa elaboração doutrinária, valeu-se amplamente do método
filosófico elaborado pelos gregos, inclusive apresentando diversos de seus textos em forma de
diálogo, seguindo a Platão. Popularizou a consigna de que era necessário compreender para
crer e crer para compreender (Intellige ut credas, crede ut inteligas). Tornar-se-ia uma figura
central nos debates, ocorridos na Época Moderna, de que resultaram a Reforma Protestante e
outras manifestações de descontentamento com o Papado, a exemplo do jansenismo francês.
Nasceu em Tagaste (hoje Souk-Ahrás) no território compreendido atualmente pela
Argélia, no Norte da África, então uma possessão romana. Adquiriu uma grande cultura
humanista e dedicou-se ao magistério. Naquela época, a cultura geral era transmitida pela
36

disciplina chamada Retórica, que compreendia o aprendizado de línguas (grego e latim,


basicamente) e o conhecimento das obras dos pensadores antigos já consagrados. Ensinou
retórica em Cartago, capital da província, e, posteriormente, em Roma. No século em que
viveu Agostinho, havia cessado a perseguição aos cristãos, tendo Constantino (imperador de
312 a 337) liberado o culto, enquanto o Imperador Teodósio torna o cristianismo religião
oficial e, em 391, fecha os templos pagãos e interdita a sua prática.
Na Itália, travou relações com Ambrósio, bispo de Milão, igualmente tornado santo.
Converteu-se em sua estada na Itália e pretendeu criar ali uma comunidade mística mas, pela
interveniência de Valério, bispo de Hispona (Argélia), regressa à província pátria. Torna-se
vigário naquela cidade e, após a morte do protetor, viria a substituí-lo.
Sua obra adquiriu grandes proporções, envolvendo mais de cem títulos. Nessa
circunstância, dificilmente será alcançada uma classificação que reflita todas as nuanças.
Contudo, com essa ressalva e excluindo-se as cartas e os sermões, poderia ser agrupada em
três grandes blocos: obra filosófica; obra teológica e polêmicas. Estas duas últimas abrigam a
maior quantidade de títulos (cerca de cinqüenta). A obra teológica, por sua vez, costuma ser
subdividida em textos apologéticos, dogmáticos, de teologia moral e exegéticos. A obra
filosófica (assim classificados os diálogos, embora envolvam problemas de ordem teológica,
já que Santo Agostinho não se preocupava em separar os dois campos) compreende nove
títulos, dos quais o mais famoso é sem dúvida O livre arbítrio.

b) Confissões

As Confissões, de Santo Agostinho, não constituem propriamente documento


autobiográfico. Trata-se da obra de um bispo católico, convertido ao cristianismo na idade
adulta, aos 32 anos, na qual passa em revista alguns aspectos de sua vida anterior, de uma
visão rigorosamente condenatória, do Livro Primeiro ao Nono. Ao cabo, nos livros restantes,
resume, em termos filosóficos, o que seria o encontro com Deus.
O próprio autor apresenta desta forma o seu relato: "Mas a quem conto eu estes
fatos? Certamente que não a ti meu Deus, mas em tua presença conto estas coisas aos de
minha estirpe, ao gênero humano, ainda que estas páginas chegassem às mãos de poucos. E
para que então? Para que eu, e quem me ler, pensemos na profundeza do abismo de onde
temos que clamar por ti. E que há de mais próximo aos teus ouvidos que o coração constante e
a vida que procede da fé?" (Livro Segundo, capítulo III).
A condenação do próprio passado não estabelece maior diferenciação entre os
diversos planos da vida humana. Assim, é levado a rever a simpatia anterior que nutria em
relação ao maniqueísmo, doutrina que partia da admissão de dois princípios constitutivos, o
Bem e o Mal, equiparando-os. Agostinho compreendeu que minava pela base os fundamentos
da moral e encontrou argumentos para refuta-la que a posteridade soube louvar e incorporar
ao patrimônio comum da cultura ocidental.
Contudo, deixou de estabelecer qualquer nuança em relação a outros planos. Senão,
vejamos.
Agostinho era professor de retórica. Presentemente essa disciplina é definida como
dizendo respeito à argumentação. Na época tinha entretanto maiores atribuições. Correspondia
aproximadamente ao que denominamos de humanidades. Compreendia o ensino do latim e o
conhecimento de outras línguas e dos autores já então considerados clássicos. Naturalmente
não abrangia o estudo dos textos que iriam compor o Novo Testamento. Sendo nestes últimos
37

que Agostinho passou a entender que residia a verdade, deixa de atribuir qualquer mérito ao
seu magistério anterior. Na verdade, não há qualquer incompatibilidade entre a cultura geral e
a doutrina cristã, como a própria Igreja o reconheceu.
Como não poderia deixar de ser, sua opção pelo celibato teria que haver ocorrido
posteriormente à conversão. Mas observe-se como se refere ao fato de que tivera amantes e
até um filho: "Amar e ser amado era para mim a coisa mais doce, sobretudo se podia gozar do
corpo da criatura amada. Deste modo manchava com torpe concupiscência a fonte do amor e
obscurecia seu candor com os vapores infernais da luxuria. E apesar de tão torpe e impuro,
desejava com afã e cheio de vaidade, passar por afável e cortês." A atitude de Santo Agostinho
em relação ao sexo certamente tem muito a ver com a dificuldade da Igreja Católica, ao longo
do tempo, de distinguir, nessa matéria, o comportamento recomendável a quem fez,
voluntariamente, voto de castidade, daquele que seria adequado ao comum dos mortais.
Concretamente, não se pode negar que a moral sexual muda com o tempo. Ao mesmo tempo,
não seria lícito esperar que a Igreja Católica acompanhe essa evolução. Contudo, teria que
escolher com equilíbrio como atuar no sentido de preservar certos valores relacionados à
família, a exemplo da paternidade responsável, circunstância em que o parâmetro não há de
ser quem haja optado pela condição de sacerdote católico.
De modo que o caráter duradouro das Confissões – e do conjunto de sua obra – não
se deve a tais aspectos secundários, mas ao fato de que haja desvendado o significado da vida
interior para a formação da pessoa humana. E, no que se refere à doutrina cristã, tê-la
aproximado em definitivo do método inventado pelos gregos na busca da precisão conceitual.
Os quatro últimos livros (Décimo ao Décimo Terceiro) constituem autêntico tratado
filosófico em que são estudados os sentidos e a memória, para estabelecer a superioridade da
alma, isto é, da atividade espiritual. A par disto, inaugura o procedimento de abordar em
termos racionais os grandes mistérios da Igreja, a Santíssima Trindade, as tábuas da Lei ou a
criação da eternidade.

c) Livre Arbítrio

O Livre Arbítrio tornou-se um dos mais renomados textos de Santo Agostinho.


Acha-se subdividido em três livros. O primeiro está dedicado à comprovação da tese de que o
pecado provém do livre arbítrio; o segundo contém uma demonstração da existência de Deus,
tema que absorveria a atenção da filosofia católica, sobretudo na Idade Média; e, o terceiro em
que se detém na exaltação da obra de Deus e aborda também questões que lhe pareceram
achar-se correlacionadas à ordem divina e que formam uma lista extensa (o que é preciso crer
e que tipos de erros prejudicam a nossa felicidade; a morte prematura das crianças e o
sofrimento que padecem não são contrários á ordem universal; o primeiro pecado do homem e
o demônio; foi o homem criado em estado de sabedoria ou de insensatez; etc.).
Preocupava a Santo Agostinho a questão da existência do Mal. Os maniqueístas, com
cujos princípios simpatizara, afirmavam a existência de dois princípios vitais, de igual
importância: o Bem e o Mal. Em presença deste último, concluíam, os homens não são
culpados de ações classificadas como más. Para refutar essa doutrina, Santo Agostinho irá
partir da tese de que não se deve atribuir a Deus mas ao homem a presença do Mal. Este foi
criado dispondo de livre arbítrio, com direito a fazer uso de sua liberdade. Em conseqüência, o
pecado decorre exclusivamente do livre arbítrio do homem.
38

Santo Agostinho irá explicitar que se trata de moral e não de males físicos (doenças,
sofrimentos e morte). Atendo-se estritamente aos ensinamentos cristãos, entende que os males
físicos são uma decorrência do pecado original. Os sofrimentos experimentados no corpo
correspondem à penalidade imposta à humanidade em decorrência do primeiro pecado.
A tradição grega da qual se louva Agostinho, havia estudado detidamente a natureza
dos atos humanos, isolando aqueles que não correspondem a reações automáticas, instintivas,
e impõem uma escolha. Esta depende da vontade que, para mover-se e impulsionar a ação,
requer ser determinada. Como há muitos bens no mundo, aquela determinação não poderá
prescindir de uma opção. Os gregos, entretanto, não chegaram ao conceito de liberdade,
desenvolvimento que seria da lavra de Santo Agostinho.
Como se indicou, o problema de Santo Agostinho diz respeito às ações de natureza
moral. Dispondo do livre arbítrio, a criatura humana pode optar por bens inferiores. Dessa
verificação não se pode inferir que o livre arbítrio seja um mal. Agostinho enfatiza que ter
recebido de Deus uma vontade livre é para nós um grande bem. O mal é o mau uso desse
grande bem.
Corno se dá que o homem incline-se pela escolha do bem e recuse o mal? No texto
de O livre arbítrio, Agostinho não conseguiu precisar com toda a clareza que a determinação
da vontade, para leva-la à preferência pelo bem, seja uma resultante da interveniência da graça
divina. Tal esclarecimento ocorreria mais tarde. A discussão suscitada pelas teses
agostinianas, em seu próprio tempo, levou-o a abordar muitas delas no texto que intitulou
Retractationes, entre as quais a que diz respeito à determinante no caso do livre arbítrio.
Adotada na Idade Média, a hipótese agostiniana – de que a ação moral supõe a
presença da graça divina – viria a ser recusada pela Filosofia Moderna. A alegação básica
seria a seguinte: sendo externa a intervenção para ocasionar a determinação da vontade,
automaticamente retira o caráter de voluntária à ação daí decorrente. Entre as alternativas
surgidas, sobressai a kantiana. Procurando atender à nova situação, de emergência e
consolidação do pluralismo religioso, Kant formulou uma doutrina independente de todo
suporte religioso, isto é, puramente racional. Trata-se de uma fórmula que permitiria, ao autor
da ação, avaliar de sua moralidade, o que, por si só, naturalmente, não o obrigará a ater-se ao
que estaria em concordância com o princípio moral. Contudo, Kant entende que a verdadeira
liberdade seria correspondente à recusa de ceder às inclinações e escolher a lei moral

3. São Tomás

a) Dados biográficos

Tomás de Aquino nasceu na Itália, em 1225. Pertencia à nobreza; seu pai, de uma
estirpe longobarda, estabelecida na Itália, desde o século VII; sua mãe, de estirpe normanda,
que se fixou na Itália a partir do século XI.
Completados seus estudos de artes liberais (gramática, dialética, retórica, geometria,
aritmética, música astronomia), em Nápoles, entrou na ordem dos Dominicanos, contra a
vontade da família, que só mais tarde deu consentimento. Em seguida, ele deixa a Itália e se
estabelece em Colônia, onde completa seus estudos filosóficos e inicia os teológicos.
Discípulo predileto de Alberto Magno, ao término dos estudos teológicos, Tomás de Aquino é
por ele indicado para lecionar na Universidade de Paris; consegue a cátedra por interferência
39

direta do Papa Alexandre IV, já que os dirigentes da Universidade eram contrários à


concessão de cátedras a religiosos. Nas mesmas circunstâncias obteve sua cátedra São
Boaventura.
Foi durante sua estada em Paris que Tomás de Aquino escreveu os comentários aos
livros de Boécio, De hebdomadibus e De trinitate; Quaestiones de veritate, algumas
Quaestiones quodlibetales e os opúsculos De principiis naturae e De ente et essentia; e
iniciou a Summa contra Gentiles.
Sua autoridade intelectual já era conhecida, tanto que durante o Capítulo Geral da
Ordem, em 1259, Tomás de Aquino foi incumbido de elaborar uma proposta normativa de
estudos para os estudantes da Ordem. Em seguida, enviado para a Itália, passa a ocupar vários
cargos, como o de pregador geral, leitor na corte pontifícia, diretor do Studium no convento de
Santa Sabina, em Roma, onde ficou à disposição da corte pontifícia já que tinha recusado o
arcebispado de Nápoles. Durante essa sua estadia na Itália não teve produção filosófica e
teológica de destaque; ele, porém, aproveitou o tempo para se dedicar à leitura e à meditação,
que iriam permitir sua admirável produção posterior. Contudo, embora não tivesse terminado
a Summa contra Gentiles, além de escrever vários opúsculos, como o De regimine principum,
em 1286 iniciou a Summa Teologiae.
No fim de 1268, foi novamente enviado a Paris com a incumbência de lecionar no
convento de Santiago, para alunos de externado, na tentativa de acalmar a agitação que
novamente invadiu a cidade, reacendendo as brigas entre os docentes seculares e os religiosos,
estes franciscanos e dominicanos. É nessa oportunidade que se manifestam com maior clareza
as diferentes tendências destes últimos: os franciscanos, mais tradicionais e mais místicos,
seguindo a doutrina de Santo Agostinho; os dominicanos mais inovadores e mais
especulativos, seguindo a doutrina aristotélica.
Nessa oportunidade, o aristotelismo dos dominicanos foi confundido com o
aristotelismo averroista, difundido por Siger de Brabante; assim que Tomás de Aquino teve
que se defender tanto dos franciscanos como dos averroistas, e escreveu o De unitate
intellectus contra averroistas.
A atividade intelectual de Tomás de Aquino, neste período, foi extraordinária. Além
de lecionar teologia, teve que debruçar-se sobre as obras de Aristóteles, e, sobretudo, além de
escritos menores, com outras Quaestiones disputatae (De anima, De malo, De virtutibus) e
outras Quaedlibetales, terminou a Summa contra Gentiles e a segunda parte da Summa
Theologiae.
Em 1272, depois da Páscoa, encontrando-se em greve a Universidade de Paris,
Tomás de Aquino foi enviado novamente para a Itália, onde o Capítulo Providencial o
encarregou de organizar o Studium generale, o que aconteceu em Nápoles. Nessa cidade
dedicou-se também ao ensino na Universidade, atendendo o desejo de Carlos de Anjou que
queria reerguer essa instituição. Em Nápoles, Tomás de Aquino pode terminar a Summa
Theologiae e iniciar outros trabalhos, que ficaram incompletos, como De substantiis separatis
e o Compendium Theologiae.
Em 1274, a caminho de Lião, onde ia para participar do Concílio, por desejo do Papa
Gregório X, faleceu na abadia cistercense de Fossanova, onde tinha parado por motivos de
saúde. Tendo gozado sempre de boa saúde, não se encontrou explicação para sua morte
prematura, aos 49 anos.
40

A Universidade de Paris reclamou seu corpo, mas o Papa Urbano V preferiu


prestigiar a Universidade de Tolosa, para onde foi transladado em 1369. Os doutores de Paris
o apelidaram de Doctor Communis, mas o título que vingou foi o que lhe atribuíram os
séculos posteriores, o de Doctor Angelicus.

b) A noção de pessoa na Suma teológica


A Suma Teológica foi estruturada tomando por base os grandes temas do
cristianismo, recorrendo aos autores que os discutiram, notadamente Santo Agostinho. A
grande inspiração é constituída pelas idéias de Aristóteles, filtradas por Alberto Magno. Sua
obra fundamental, Suma Teológica, somente é acessível a especialistas, além de que versa
quantidade imensa de conceitos e temas, estudados de modo autônomo, sem outro fio
condutor além de que dizem respeito á doutrina cristã. Do ponto de vista da cultura geral,
contudo, recomendamos o conhecimento do texto que aparece com o título de Tratado do
homem (Questão XCIII (93), artigos 1 a 9). O próprio São Tomás enuncia-o deste modo:
"devemos considerar o fim ou termo da produção do homem, enquanto é tido como feito à
imagem e semelhança de Deus." O encadeamento adotado, isto é, as questões que vai
considerar, é o seguinte: 1) se no homem está a imagem de Deus; 2) se a imagem de Deus está
nas criaturas irracionais; 3) se a imagem de Deus está mais no anjo que no homem; 4) se a
imagem de Deus está em todo homem; 5) se no homem está a imagem de Deus relativamente
à essência ou a todas as Pessoas divinas, ou a uma só delas; 6) se a imagem de Deus está no
homem, quanto ás potências, ou quanto aos hábitos, ou aos atos; 8) se relativamente a todos
os objetos; 9) a diferença entre imagem e semelhança.
Como se vê, trata-se muito mais de Deus que do próprio homem. Contudo, o Doutor
Angélico indica que, ao participar da natureza intelectual, atributo da divindade, reveste-se de
certa dignidade. O homem é centro da criação, pelo fato de ter sido feito à imagem e
semelhança de Deus. Embora toda criatura seja uma participação de Deus, no entanto somente
o homem e os anjos são possuidores de natureza intelectual, que é causada pelo mesmo Deus.
Esta dignidade abarca, sem distinção, todos os seres humanos. Ainda mais: graças á sua
natureza intelectual, o homem pode humanizar a natureza, mediante o conhecimento dela e
colocando-a ao seu serviço. O homem, mediante a sua inteligência, pode compreender o
mundo e construir uma ampla gama de relações que integram o que posteriormente foi
chamado de cultura. Finalmente, a pessoa, para São Tomás, é imagem da Trindade e
reveste-se de um caráter absoluto, na medida em que é capaz de chegar, pela inteligência, ao
conhecimento de Deus e, pela graça, à clara visão d’Ele.
Em que pese o contexto teológico em que se encontram as considerações de São
Tomás, é fora de dúvida que, ao enfatizar a dignidade da pessoa humana como uma
reivindicação do cristianismo, permitiu que o Renascimento se contrapusesse frontalmente ao
espírito dominante legado pela Idade Média, sem incorrer em heresia, na medida em que era
de todo contraposto à ênfase, de modo unilateral e preferentemente, da vileza da criatura. A
par disto, ao situar o tema como relevante no contexto da meditação filosófica contribuiu para
mantê-lo na ordem do dia na Filosofia Moderna. O imperativo categórico kantiano – que
reivindica para o homem não ser tratado com o meio, mas como fim – seria impensável sem
tais antecedentes.
41

4. O Renascimento como fase de transição para a Filosofia Moderna

a) Temática geral do período

Conforme indicamos na disciplina HISTÓRIA DA CULTURA (Guia de Estudo V),


o Renascimento é um movimento literário, artístico e filosófico, inserido basicamente nos
séculos XV e XVI. Introduziu mudança radical na maneira como se processava o
conhecimento do legado da cultura clássica. Agora quer-se promover a recuperação do
espírito daquela cultura, contrapondo-o frontalmente â circunstância vigente. Assim, o
Renascimento é uma oposição à cultura religiosa consolidada na Idade Média.
O eixo principal de tal contraposição corresponde à reivindicação da excelência do
homem. Se cabe ao cristianismo o mérito de haver introduzido a idéia de pessoa – a que não
chegara a meditação grega, ao estabelecer uma grande diferença entre o Cidadão e o bárbaro,
sem reconhecer que pertenciam à mesma humanidade –, o Renascimento é que a transforma
num valor O Renascimento promove igualmente uma grande renovação na literatura, com a
obra de Rabelais, Montaigne, Shakespeare e Camões. Em matéria de pintura e escultura criou
um novo padrão que iria reinar inconteste até fins do século XIX.
No que respeita à filosofia e à ciência, o Renascimento não logrou instaurar um novo
quadro, embora tenha aberto o caminho do confronto com a Escolástica, de que resultaria, nos
séculos seguintes, a Filosofia Moderna e a nova ciência da natureza. Em matéria de filosofia,
a principal linha do Renascimento consistiu em aproximar-se do neoplatonismo, que é uma
interpretação religiosa da filosofia platônica, segundo os cânones do cristianismo.
O neoplatonismo aparece no século III da nossa era, tendo como maior representante
Plotino (205/270), cujos ensinamentos seriam preservados por Porfírio (234/305) consoante se
referiu no item 4 do cap. II. Põe em circulação a hipótese de que as verdades religiosas,
reveladas ao homem, podem ser defendidas pela filosofia platônica, em resultado do que
aquelas verdades serão redescobertas na idade da consciência.
Em seu Dicionário da Filosofia, Abbagnano resume deste modo as principais teses
do neoplatonismo:
1) a verdade é relativa e de natureza religiosa, manifestando-se tanto nas instituições
religiosas existentes como na reflexão do homem sobre si mesmo;
2) a transcendência divina é absoluta, equivalendo Deus ao Bem, que se situa além
de toda determinação cognoscível, sendo inefável;
3) todas as coisas existentes derivam necessariamente de Deus – doutrina conhecida
com teoria da emanação –, processo através do qual tornam-se cada vez menos perfeitas, na
medida en que se distanciam da divindade, resultando distinção entre o mundo inteligível
(Deus, Intelecto e Alma do Mundo) e o mundo sensível (ou matéria), que é imagem ou
aparência daquele; e,
5) através de progressiva interiorização, o homem (e com ele o mundo) retorna a
Deus, equivalendo à êxtase essa união com Deus.
Vê-se que, com tais pressupostos, o Renascimento podia, de fato, representar uma
esfera de autonomia da filosofia sem hostilizar as verdades da religião.
42

A par disto, o neoplatonismo veio reforçar a convicção de que a natureza estaria


escrita em linguagem matemática, tese que figura no platonismo, ao que se supõe por
influência do pitagorismo. A escola de Pitágoras, embora tenha contribuído para a
formalização da matemática, era sobretudo uma organização místico-religiosa. De todos os
modos, essa inspiração contribuiu para estimular a observação dos fenômenos celestes, que
constitui a ante-sala da física moderna. Nesse particular, sobressaem os movimento dos
planetas, em torno de si mesmo e em torno do Sol. Essa tese marca justamente o início da
superação da teoria geocêntrica.
O principal ingrediente de tais convicção era, contudo, de origem mística,
remontando-se ao encontro dos escritos atribuídos a Hermes Trismegisto (três vezes grande).
Acreditava-se que seriam contemporâneos de Moisés, inspirados pela divindade egípcia Thot,
deus do cálculo e do aprendizado. O hermetismo, como se tornou conhecido, afirmava a
crença na concepção quantitativa do universo e encorajava o uso da matemática para mostrar
relacionamentos e demonstrar verdades essenciais.
Em seu livro, Das revoluções dos corpos celestes, na mesma página em que aparece
a idéia heliocêntrica do universo, Copérnico escreve: "Imóvel, no entanto, no meio de tudo
está o Sol. Pois nesse mais lindo templo, quem poria esse candeeiro em outro melhor lugar do
que esse, do que pode iluminar tudo ao mesmo tempo? Pois o Sol não é inapropriadamente
chamando por alguns povos de lanterna do universo: de sua mente, por outros, e de seu
governante, por outros ainda. (Hermes) o três Vezes Grande chama-o de um invisível, e
Electra de Sófocles, de onivivente."
Giordano Bruno (1548/1600) foi outro partidário do hermetismo, que se ocuparia de
difundir as idéias de Copérnico. Sua morte na fogueira é considerada como uma reafirmação
da Igreja Católica em seu propósito de não transigir com as inovações. Esse endurecimento
levaria à Reforma Protestante e a significativa divisão na Europa, o que acabaria levando os
países protestantes a acolher a nova ciência da natureza. Com a morte de Bruno sela-se a sorte
do Renascimento, que se transforma então em apenas um impulso adicional à emergência da
Época Moderna.

b) A contribuição fundamental do Renascimento segundo Mondolfo

O sábio italiano Rodolfo Mondolfo teve uma longa e profícua existência. Nasceu em
1877 e faleceu às vésperas de completar cem anos, em 1976. Ainda muito jovem, nos
começos do século XX, participou dos debates relacionados ao marxismo, que tivera lugar na
Itália, tendo contribuído para fixar uma interpretação que posteriormente iria contrastar com o
leninismo, porquanto identificada com a tradição humanista ocidental. Tornou-se um dos
principais historiadores da filosofia, retirando-lhe todo caráter arbitrário e estabelecendo
distinções fundamentais em suas várias expressões para destacar o papel dos problemas no seu
desenvolvimento. Teve ainda oportunidade de reordenar a filosofia grega e elaborar textos
destinados a facilitar o seu estudo. Fugindo do fascismo, radicou-se na Argentina onde muito
contribuiu para animar o movimento editorial relacionado à filosofia, no que se refere a
traduções cuidadosas e publicação de revistas especializadas, bem como para a formação de
professores. Com o fim do fascismo recuperou a cátedra que dispunha na Universidade de
Bolonha, mas preferiu continuar residindo na Argentina.
Com o livro Figuras e idéias da Filosofia da Renascença determinou com precisão o
papel do Renascimento na emergência da filosofia e das ciência modernas. Para Mondolfo, o
43

Renascimento proporcionou contribuições definitivas, porém, de um modo geral, deve ser


entendido como uma fase de transição. Entre as primeiras, destaca-se o entendimento da
pessoa humana como um valor, em contraposição ao conceito predominante da Idade Média.
A noção de pessoa corresponde a uma aquisição do cristianismo, porquanto ausente
tanto da tradição religiosa judaica como da meditação filosófica grega. Santo Agostinho
definiu-a como dotada de liberdade, isto é, como um ser que é instado a agir a partir de
escolhas e não como um autômato. Essas idéias seriam desenvolvidas por São Tomas. Tais
indicações, contudo, não contribuíram para atribuir-lhe maior dignidade. Ao contrário, ainda
que possam ser encontradas vozes discordantes, o entendimento vigente era o de um ser
desprovido de qualquer valor, entendimento esse explicitado por Lotario de Segni, elevado ao
trono papal como Inocêncio III (Papa de 1198 a 1216), no livro De contemptu mundi (O
desprezo do mundo), amplamente difundido em forma de sermões e compilações de caráter
popular. O dignatário da Igreja revela o mais solene desprezo não tanto pelo mundo, mas pela
condição humana, colocada mesmo abaixo dos vegetais. Assim, .escreve: "Anda pesquisando
ervas e árvores; estas porém produzem flores, folhas e frutos e tu produzes de ti lêndeas,
piolhos e vermes; elas lançam do seu interior azeite, vinho e bálsamo, e tu, do teu corpo,
saliva, ruína. excrementos". Pregação desse tipo é que deu lugar às barbaridades cometidas
pela Inquisição -- por sinal criada pelo mesmo Inocêncio III--, que se prolongaram, durante a
Época Moderna, tanto na Itália como na Espanha e em Portugal, agora para combater a ciência
e o enriquecimento advindo da nova visão do mundo posta em circulação pelos protestantes.
No seu livro, Mondolfo mostrou que o Renascimento, ao exaltar a pessoa humana,
não deseja apenas repetir um tema clássico, mas valer-se da cultura antiga para contrapor-se
ao entendimento vigente em seu tempo, herança da Idade Média. Indica que, ainda em 1448,
aparece De dignitate et excellentia hominis, de Ginozzo Manetti, escrito para refutar
terminantemente a Inocêncio III. Seguem essa linha Marsílio Ficino (1433/1499); Pico da
Mirandola (1463/1494); Giordano Bruno (1548/1600); Tomás Campánela (1568/1639) e
tantos outros.
Após resumir suas principais teses, conclui Mondolfo: "Esse esclarecimento da
excelência humana como capacidade ilimitada de aperfeiçoamento, que se realiza
paulatinamente, na conquista e ampliação dos conhecimentos, na aquisição do domínio sobre
a natureza, no desenvolvimento dos poderes intelectuais, na criação das artes, das ciências e
de todo o mundo da cultura superior, não era somente uma afirmação da consciência de que o
homem pode e deve ter a sua dignidade, mas, ao mesmo tempo, das exigências que esta
dignidade implica como condições imprescindíveis.”(1)
Assim, não apenas por haver facultado criações imorredouras na arte e na literatura,
mas também por haver reivindicado a dignidade da pessoa humana, o Renascimento ocupa
um lugar destacado na cultura ocidental. Difundiu a idéia de que, pela intensidade que pode
proporcionar ao conhecimento, o homem equipara-se à Divindade. Na espécie, esta somente o
supera pela extensão.(2)
O Renascimento procurou dar a conhecer as idéias de Platão, para contrabalançar o
virtual monopólio alcançado pela filosofia aristotélica, na versão escolástica. Ainda que se
tratasse de uma variante do platonismo permeada pela religiosidade cristã – o chamado
neoplatonismo dos séculos II, III e IV –, permitiu que se difundisse a hipótese, de origem
platônica, de que a natureza estaria escrita em linguagem matemática. Essa hipótese, que se
encontra na raiz da ciência moderna, seria também estimulada por doutrinas místicas,
igualmente postas em circulação. De todos os modos e em que pese os avanços
44

proporcionados por Galileu, em matéria de ciência o Renascimento equivale a transição. O


mesmo ocorrerá na filosofia. Mondolfo mostra que muitas das idéias presentes à meditação
dos maiores pensadores modernos foram antecipadas pelos renascentistas. Mas este impulso
seria insuficiente para originar o que caracteriza a Filosofia Moderna como algo de
plenamente autônomo e diferenciado.

c) Giordano Bruno

A vida do frade dominicano Giordano Bruno pode ser caracterizada como uma luta
heróica em prol da liberdade de pensamento. A sua preocupação fundamental era a de
conciliar a "nova ciência" com a tradição metafísica clássica não aristotélica e com a revelação
judaico-cristã, conforme observa Eduardo Abranches de Soveral,(1) para quem "A perspectiva
de um cosmo infinito leva-o, naturalmente, à tese da existência de inumeráveis sóis e mundos
(já defendida, aliás, por Nicolau de Cusa, que cita) e a uma doutrina astronômica que
ultrapassa o limitado plano das disputas entre as teorias geocêntricas e heliocêntricas. A visão
da grandeza do homem, 'cidadão' de tal universo, conduz-lo a sentimentos de exaltação no que
tange à sua dignidade, que não deve sofrer limitações. Tais disposições de espírito o
inclinaram compreensivelmente, a não apoiar a linha mais intransigente da Contra Reforma e
a solidarizar-se com todos os movimentos da emancipação e unificação dos Estados
italianos".
Giordano Bruno é autor de extensa bibliografia. Considera-se, entretanto, que sua
obra filosófica fundamental seja Sobre o infinito, o universo e os mundos (1584), que figura,
em tradução portuguesa, na coleção Os Pensadores.
Perseguido sem descanso pelas autoridades eclesiásticas, que o condenaram à
fogueira em 1600, Bruno viveu "uma existência aventurosa e itinerante" que o conduziu,
sucessivamente, a Siena, Milão, Genebra, Lião, Avinhão, Toulouse, Paris, Oxford, Londres,
Wittemberg, Praga, Frankfurt, Zurich, Veneza e Roma. Rodolfo Mondolfo exprimiu assim a
sua admiração diante da luta travada por Bruno em prol da liberdade de pensamento: “Arauto
e mártir da nova e livre filosofia, assim foi chamado por Bertrando Spaventa; e certamente
entre os filósofos da Renascença, que, não obstante, na sua maioria lutaram constante e
vigorosamente em favor da liberdade filosófica contra o tradicional princípio de autoridade,
não há outro que possa merecer tal denominação em grau mais alto. A pesquisa intrépida da
verdade, livre de todo preconceito, constitui para ela uma missão a que se entrega todo, apesar
de ter e manifestar muito amiúde a consciência dos perigos que arrasta por ela e o destino
sombrio que o espera em espreita".
Muitas foram as críticas endereçadas por Bruno contra a falta de liberdade de
pensamento. Apenas para ilustrar a sua posição a respeito, citemos uma: "Nunca deve valer
como argumento a autoridade de qualquer homem, por excelente e ilustre que seja (...). É
sumamente injusto submeter o próprio sentimento a uma reverência submetida a outros; é
digno de mercenários ou escravos e contrário à dignidade humana sujeitar-se e submeter-se; é
suma estupidez crer por costume inveterado; é coisa irracional conformar-se com uma opinião
devido ao número dos que a têm (...). É necessário procurar sempre, em compensação, uma
razão verdadeira e necessária (...) e ouvir a voz da natureza".
No texto anterior, Bruno reivindica o valor do conhecimento da natureza, contrário
ao argumento da autoridade. Em carta endereçada ao Reitor da Universidade de Paris, o nosso
autor defendia a liberdade de pensamento em filosofia, nestes termos: "(...) se alguma razão,
45

por nova que seja, nos estimula ou impele por sua força interior, seja lícito a qualquer um
pensar filosoficamente em filosofia com plena liberdade, e tornar manifesta a sua opinião". O
conhecimento da natureza, a liberdade de pensamento e a conquista da verdade estavam, para
Bruno, em íntima relação, conforme salienta Mondolfo: “(...) Bruno assevera energicamente
que a natureza deve ser lei para a razão humana e não esta para aquela. Acrescenta, porém,
uma exigência complementar, reivindicando a franca manifestação de todo pensamento livre
como condição direta da regra de prudência acomodável, pelo que Bacon considerará
necessário conformar-se com as oportunidades e não se tornar duro e resistente contra o meio
ambiente. Em compensação, Bruno declara que não pode conseguir um conhecimento
genuíno da natureza nem uma conquista da verdade, se não houver liberdade para todos no
exercício e na manifestação do pensamento".
O nosso pensador identificava claramente a função da religião: dar ensejo ao
consenso moral de que a sociedade precisa. Poder-se-ia situar Giordano Bruno como um dos
precursores da religião civil, que a partir do século XVIII se tornaria leitmotiv da filosofia
política. A respeito do papel desempenhado pela religião no pensamento brunense, frisa
Mondolfo: "A tarefa da religião, para Bruno – que por essa razão dá a preferência sobre as
demais igrejas ao catolicismo, que reconhece e afirma o valor e o livre arbítrio – é sobretudo
de caráter moral. A revolução divina, expressa nas Sagradas Escrituras, não quer, conforme a
sua opinião, ministrar ensinamentos teóricos "como se fosse filosofia ", mas fundar e orientar
as normas éticas para todos aqueles – que são em grande maioria – que necessitam de uma
autoridade e uma sensação extremas para observar a lei moral e praticar o bem. O que implica
uma dupla exigência simultânea; primeiro que a religião deva entender-se como princípio de
uma união e vinculação de amor; segundo, os sábios devam praticamente manter-se unidos à
Igreja do país onde vivem, justamente para terem mais profunda consciência do prejuízo que
trazem consigo as discórdias e os cismas".
No entanto, o anterior não significa uma limitação à liberdade de pensamento, na
forma de uma tutoria dos teólogos sobre os filósofos; Bruno reconhece, efetivamente, a
existência de dois planos no conhecimento humano: o teorético (próprio da filosofia) e o
ético-prático (da religião). Essa convicção o levava a afirmar que se "(...) os verdadeiros
filósofos, civis e bem acostumados, sempre favoreceram as religiões (...), por outro lado os
teólogos, cuja doutrina não era inferior à sua religiosidade, jamais quiseram prejudicar a
liberdade dos filósofos".
No que tange à metafísica, Bruno situa-se na linha do neoplatonismo interpretado à
luz da tradição judaico-cristã, se aproximando portanto das posições assumidas por Nicolau
de Cusa e Leão Hebreu. É clara a sua idéia da presença imanentista da mente divina, que
eclode em todos os seres; essa presença tem aspectos orgânicos e progressivos que culminam,
no caso da mente humana, com a união intelectual do sujeito pensante com o objeto (Deus).
Esse ponto de chegada não é, contudo, aniquilação mística, mas exaltação do valor do sujeito.
Toda a natureza é animada por Deus através da alma universal, que enseja á presença de todo
o universo em cada ser particular. Se todas as coisas estão penetradas pela alma universal,
podemos atuar sobre elas relacionando-as, de forma indiscriminada, mediante a prática da
magia. De outro lado, se a natureza é Deus nas coisas, o Universo deve ser infinito; Bruno
quebra, destarte, a imagem do cosmo fechado aristotélico. Se a alma universal, outrossim, é a
forma do Universo, deduz-se a idéia da coincidência da unidade da forma com a unidade da
matéria, dando lugar a uma concepção monística: encontramos aqui a raiz da concepção
espinosana da substância. Ao discutir o problema do uno e do múltiplo, a metafísica de Bruno
lembra a de Nicolau de Cusa, ao sustentar que a unidade da substância infinita que está
46

presente em todas as coisas (complicatio) exige a explicatio, ou relacionamento delas com a


substância infinita.
Já no terreno da ética, podemos definir a moral brunense como consciência e vontade
de uma norma de ação que se traduz em uma lei universal: teria Bruno aqui, no sentir de
Mondolfo, pressentido o universalismo que posteriormente seria tematizado pela moral
Kantiana. Inspirando-se possivelmente em Leão Hebreu, nosso autor reconhece três espécies
de amor (sensual, moral e intelectual), decorrentes do movimento dos entes em direção à alma
universal. Bruno destaca o valor essencial na escala do amor: a unidade universal do ser. A
busca da unidade metafísica pelo homem, através da contemplação intelectual do infinito, não
pode ser êxtase imóvel e quietude de posse, mas consiste em absoluto, propósito ou caçada
metafísica. Decorre daí, para o pensador italiano, a idéia de infinito progresso no curso da
história humana. Neste ponto, frisa Mondolfo, Giordano Bruno "antecipa-se aqui a Vico e
assenta-se o fundamento e o germe de toda a filosofia da cultura. Por essa antecipação da nova
intuição do homem, assim como pela vigorosa afirmação da nova concepção do universo
infinito e da unidade da natureza e do ser universais, Bruno é verdadeiramente o maior
representante da filosofia da Renascença, que abre as portas à filosofia moderna".

d) Galileu, Galilei

Galileu Galilei nasceu em 1564, na cidade italiana de Pisa, numa família intelectual.
O pai era músico e compositor, carreira que foi seguida pelo irmão. Mais tarde a família
mudou-se para Florença, onde os parentes eram influentes na medicina e nos negócios
públicos. Nessa altura foi mandado para um colégio jesuíta, de onde o pai acabou retirando-o.
Tornou-se estudante de medicina na Universidade de Pisa mas desistiu do curso por não se
sentir vocacionado. Revelou então enorme interesse pela matemática. Sua competência na
matéria acabaria reconhecida, sendo admitido como professor da disciplina na Universidade
de Pisa, em 1589, aos 25 anos de idade. Nos começos do novo século já se tornara conhecido
por sua habilidade na confecção de instrumentos científicos e perícia na efetivação de
observações astronômicas. Progressivamente refutou as teorias do movimento adotadas na
época, que constituíam o cerne da física de Aristóteles, encampada pela Escolástica.
Acompanhando a evolução do telescópio, que então ocorria em diversas partes da Europa,
notadamente na Holanda, Galileu dedicou-se a aperfeiçoar o modelo que possuía duas lentes,
uma em cada extremidade do tubo. Através de sucessivas melhorias, aumentou inicialmente
em três vezes o tamanho aparente dos objetos observados, depois para dez vezes e,
finalmente, para trinta. Assim, observou muito mais estrelas do que as visíveis a olho nu.
Registrou que o planeta Júpiter era acompanhado, em sua órbita, por quatro pequenas luas.
Concluiu que, se um planeta podia arrastar os seus próprios satélites, não era correta a
inferência de que se a Terra se movesse, como supunha Copérnico, a Lua seria deixada para
trás.(1) Essa conclusão e mais os resultados dos seus aperfeiçoamentos no telescópio,
sugeriam que as observações herdadas do Museu de Alexandria, no mundo antigo, deixavam
crescentemente a desejar, o que, sem dúvida, favorecia aos partidários da teoria heliocêntrica,
que contrariava frontalmente a geocêntrica, preferida pela Igreja. Deste modo, Galileu
ingressava num terreno deveras perigoso. Admite-se que, tendo presente a circunstância, haja
se decidido a abandonar Florença e radicar-se em Veneza, onde, supunha, contaria com a
proteção da influente casa de Médici. A iniciativa, entretanto, não o salvou de ser denunciado
à Inquisição em 1615, quando se inicia, contra ele, longo processo.
47

Prudentemente, Galileu mantém-se em silêncio, porém, em 1623, publica O


Ensaiador, contendo uma exposição sistemática daquilo que passou à história como o novo
método científico, base da física moderna. Em 1632 deu outro passo expressivo na mesma
direção, publicando Diálogo sobre os dois maiores sistemas do mundo, em que confronta os
sistemas aristotélico e coperniciano. A obra em que Copérnico expõe o sistema heliocêntrico
(Das revoluções dos corpos celestes, 1543) havia sido condenada pela Igreja mas Galileu
entendia que aquela condenação não era absoluta, permitindo que pudesse continuar sendo
considerada desde que não adotada em lugar da geocêntrica – entendimento que era apoiado
por Urbano VIII, Papa de 1623 a 1644, que se admite o protegeria. O Papa teria recomendado
que evitasse qualquer conclusão, naquele confronto; e assim o fez. Em que pese a precaução, a
obra foi condenada pela Inquisição. A condenação compreendia também a sua prisão que não
chegou a efetivar-se, presumivelmente porque nunca foi sancionada pelo Papa. De todos os
modos, foi relegado ao ostracismo, na Itália. Faleceu em 1642, ainda sob o Papado de Urbano
VIII, o que talvez o haja poupado de morrer na prisão.
A condenação de Galileu teve ampla repercussão na Europa. Ainda que não se
pudesse dizer que os protestantes teriam alguma simpatia pela teoria heliocêntrica, o evento
foi tomado como pretexto para mostrar ao mundo a intolerância de Roma. Viu-se cumulado
de honrarias por universidades protestantes e o governo holandês dele fez conselheiro oficial.
Eruditos protestantes traduziram sua obra e incumbiram-se de divulgá-la (em Paris,
Estrasburgo, Heidelberg e outros centros). Na opinião de Joseph Ben-David (1920/1986)
historiador da ciência, esse movimento decorrente da condenação de Galileu serviu para criar
uma clima de simpatia em relação à nova ciência física, nos países que haviam aderido à
Reforma, o que explicaria haja florescido na Inglaterra.
Galileu é considerado como o autor de uma primeira versão das leis do movimento,
que contrariam e derrubam a física do seu tempo, teoria essa que seria plenamente
configurada por Newton. Assim, é uma personalidade central no processo de constituição da
nova física. A par disto, adquiriu também enorme importância na Filosofia Moderna. De certa
forma, reúne num todo harmônico o entendimento expresso por Bacon de por Descartes,
quanto à maneira de proceder às observações dos fenômenos naturais. O primeiro defendia a
primazia da indução. E, como esta achava-se condenada a ser sempre incompleta, imaginava
haver proposto um método capaz de sanar, em definitivo, aquela lacuna. Em contrapartida, o
método de Descartes privilegiava o raciocínio dedutivo. Galileu iria demonstrar que o novo
método compreende os dois aspectos, para usar a sua própria expressão, a “experiência
rigorosa” e a “demonstração necessária”. Os três autores, portanto, encaminham a Filosofia
Moderna no sentido de atribuir especial relevo ao que, posteriormente à sua obra, foi
denominado de gnoseologia (teoria do conhecimento), espécie de carro-chefe da filosofia
inglesa. Kant, por sua vez, deu grande relevo à valorização dos hipóteses em que se baseia o
método científico de Galileu e a maneira como procedeu às experiências, destinadas a
reproduzir fenômenos naturais e, assim, poder observá-los em condições de laboratório,
procedimento que seria universalizado pela ciência moderna.
Considera-se que O Ensaiador (1623) contenha as indicações básicas acerca do
método de investigação da natureza que deu origem à física moderna. A primeira versão dessa
ciência estaria contida no Diálogo sobre os dois maiores sistemas do mundo (1632). Os dois
textos representam o fundamental da contribuição de Galileu.
O Ensaiador não corresponde a uma exposição sistemática. Trata-se da refutação às
críticas que lhe vinham sendo endereçadas e, por isto mesmo, desenvolve-se ao sabor dessa
48

refutação. Contudo, apresenta claramente a diferença do seu método em relação à física de


Aristóteles.
A física de Aristóteles consistia numa consideração dos corpos de um ponto de vista
qualitativo. A análise buscava descobrir qual a qualidade essencial. As substâncias corpóreas
classificavam-se por sua qualidades distintas.
Em contrapartida, em sua investigação Galileu tinha em vista o estabelecimento de
relações mensuráveis. Assim, não se satisfazia com a simples observação. Tratava de
descobrir nos processos físicos aquilo que podia ser reproduzido segundo parâmetros fixados
pelo investigador. Para alcançar tal objetivo, no estudo do movimento, confeccionou objetos e
os fez moverem-se em diferentes circunstâncias, aumentando ou reduzindo a aceleração e
outros componentes, como o peso, medindo sempre seus efeitos. Na base dessas experiências
refutou a impressão errônea, da percepção comum, segundo a qual a velocidade da queda dos
corpos dependeria de suas dimensões (massas), impressão incorporada à física aristotélica. É
da autoria de Galileu a lei da queda livre dos corpos, que deu base às novas formas de
experimentação destinadas a descobrir as leis do movimento.
Tenha-se presente que o Renascimento italiano dos dois séculos anteriores difundira
diálogos de Platão, que foi festejado como uma alternativa a Aristóteles. Havia portanto se
espalhado a crença platônica de que a natureza estaria escrita em linguagem matemática.
Galileu a expressa deste modo: “A filosofia está escrita neste grandíssimo livro que
continuamente está aberto ante nossos olhos (digo: o universo), mas não pode ser entendido se
antes não se procure entender sua linguagem e conhecer os caracteres nos quais está escrita.
Este livro está escrito em linguagem matemática, e seus caracteres são triângulos, círculos e
outras formas geométricas, sem as quais é totalmente impossível entender humanamente uma
palavra e sem as quais nos agitamos de modo vão num labirinto escuro”.
Na crítica a Aristóteles contida em O Ensaiador, Galileu recorre à autoridade de
Euclides. Embora as teses aristotélicas não pudessem ser confrontadas às euclidianas,
porquanto as primeiras diziam respeito à qualidade e as últimas, à quantidade, sua crítica
alcançava grande sucesso e trazia ao ridículo uma personalidade que se tornara uma espécie
de sustentáculo da doutrina da Igreja. De todos os modos, tratando-se de uma discussão
abstrata, foi tolerada, o mesmo não ocorrendo quando o autor confrontou diretamente o
sistema ptolomaico ao copernicano. Tal se deu no Diálogo sobre os dois maiores sistemas do
mundo, aparecido nove anos depois, em 1632. Embora não tome partido expressamente, como
se indicará, desencadeia abertamente os seus problemas com a Inquisição.
O tradutor espanhol do Diálogo sobre os dois maiores sistemas do mundo, Antonio
Beltrão Mari (Madrid, Alianza Editorial, 1994), na introdução faz uma advertência que, por si
só, exprime o significado da obra. Beltrão Mari indica que, embora houvesse numerosas
adesões às teorias de Copérnico, estas achavam-se entremeadas por preocupações de ordem
mística, como é o caso mais expressivo de Giordano Bruno. Ao contrário disto, Galileu quer
dar conta dos problemas exclusivamente físicos que, a seu ver, ainda impediam uma adesão
definitiva à teoria heliocêntrica. E aqueles problemas, como indica Beltrão Mari, eram muito
sérios. Resume-os deste modo: “Uma Terra móvel eliminava toda a física vigente. Em
decorrência, a partir da física e da cosmologia aristotélicas, que eram as doutrinas aceitas, não
era automático o entendimento de que os corpos continuassem caindo na direção do centro da
Terra, se agora não mais se constituía no centro do Universo. Era incrível que, movendo-se a
Terra numa velocidade superior a 1500 km horários, tal fato não produzisse nenhum efeito
perceptível. O heliocentrismo e o movimento terrestre copernicanos poderiam ser aceitos
como recursos matemáticos mas nunca como a descrição do mundo real”. Assim, o mérito de
49

Galileu, com seus experimentos e princípios daí derivados, reside em haver tornado aceitável
o sistema copernicano. Atuam neste sentido a lei da queda dos corpos, antes referida, e
também a relatividade do movimento e o princípio de inércia. O Diálogo, como procura
comprovar Beltrão Mari, preencheu as principais lacunas da teoria de Copérnico. Embora
corresponda à apresentação dos dois sistemas, a superioridade de Copérnico em relação a
Ptolomeu torna-se evidente. Talvez por isto, a Igreja não haja aceito que se tratava de uma
exposição “neutra”, que era o permitido, e a condenasse.
Sabe-se que o compromisso de Galileu com o Papa era o de que exporia os
argumentos em favor do geocentrismo e do heliocentrismo, deixando entretanto a avaliação
em suspenso. Vejamos como Galileu atende àquele compromisso. Na década de vinte tivera
lugar uma polêmica acerca do movimento das marés e, a esse propósito, Galileu divulgara um
texto. É um exemplo expressivo de como, na verdade, Copérnico é que sai fortalecido. Assim,
não defende diretamente o movimento terrestre mas afirma que se a Terra realmente se
movesse o fluxo e refluxo do mar seriam conseqüências necessárias daquele movimento.
A força da argumentação de Galileu constante do Diálogo não reside apenas em que
critica o método e as teses filosóficas de Aristóteles mas o faz invocando exemplos advindos
de seus experimentos. Além disto, não pretende negar a perfeição e a ordem presentes no
Universo, entendidas como prova de sua origem divina. Apenas essa premissa de ordem geral
pode perfeitamente sustentar-se a partir do heliocentrismo. Assim, escreve no Diálogo: “Não
há dúvida de que para manter a disposição ótima e a ordem perfeita das partes do Universo
não existem mais que o movimento circular e o repouso. Quanto ao movimento retilíneo, não
vejo que possa servir mais do que para explicar o posicionamento natural de fragmentos de
algum dos corpos integrais que, por algum acidente, se tivessem separado e desviado seu
sentido”.
O Diálogo sobre os dois máximos sistemas do mundo está estruturado tomando por
modelo ao diálogo platônico – que, já se disse, tem a forma de uma peça de teatro –, no qual
intervêm três personagens. São quatro os “atos” dessa peça, a que chama de “jornadas”. A
Quarta jornada chegou a ser classificada como um “apêndice desconcertante de um trabalho
brilhante”, devido ao fato de ser inconcluso. A crítica perde de vista o contexto histórico. Para
comprovar a sua improcedência, basta ter presente que o autor foi obrigado a desdizer-se, pela
Inquisição, escapando de morrer na prisão, ou queimado na fogueira, por circunstâncias
fortuitas.
50

IV – PRINCIPAIS LINHAS DA FILOSOFIA MODERNA

1. Introdução

a) Conceito e delimitação temporal da Filosofia Moderna

A Filosofia Moderna é a meditação que se erige a partir de determinados fatos


culturais.
O primeiro deles corresponde às descobertas marítimas, que suscitam o problema da
experiência. A Filosofia Medieval desenvolveu sobretudo o conceito. As disputationes
davam-se para ser alcançada a maior precisão conceitual, a identificação de todos os ângulos
possíveis segundo os quais o tema em debate poderia ser encarado. Mas nessa disputa a
ninguém ocorria invocar experiências, exemplos singulares, etc. E também os temas não
tinham muito a ver com a realidade temporal.
As descobertas marítimas criaram uma situação singular como teremos oportunidade
de indicar mais pormenorizadamente. Adiante-se, logo, contudo que abalou o prestígio de
uma das grandes autoridades do saber constituído: Ptolomeu e sua Geografia.
A partir disto, ao longo do século XVII formou-se uma nova física, que derrocava
tanto a física de Aristóteles, que era parte integrante do saber escolástico, como a própria
visão que a Igreja Católica tinha do Universo. A nova ciência é perseguida pela Igreja mas
encontra ambiente favorável a sua constituição na Inglaterra, que se tornara o principal país
protestante, já que a Alemanha ainda não se unificara e a França, que parecia encaminhar-se
na direção da Reforma, ficara a meio caminho.
A nova física substituía integralmente a Filosofia Antiga, desenvolvida pela
meditação escolástica? Ou ainda sobreviveria a Filosofia? Neste caso, qual o seu objeto? A
nova física fornecia o modelo para a filosofia renovada? Eis alguns dos problemas suscitados
pelo curso histórico e que iriam transformar completamente a filosofia.
Finalmente, um outro evento cultural que trazia implicações para a meditação
filosófica era a própria Reforma Protestante. A nova religião, que se alastra pela Europa,
contesta a moralidade tradicional em questão nucleares. Tratava-se de averiguar se isto
implicava em sua simples revogação ou se o problema se resumia apenas à busca de novos
fundamentos. A evolução cultural levanta portanto estes problemas filosóficos basilares:
1°) o do conhecimento, isto é, o de saber-se se provém da experiência e como esta se
conceitua ou se pode estabelecer-se discursivamente, como era da tradição;
2°) o da ciência, isto é, se constituía numa forma de saber auto-suficiente ou se
pressupõe uma fundamentação de índole filosófica e, neste caso, se a isto deve
resumir-se a filosofia, como entendiam muitos autores modernos; e,
3°) o da moralidade, isto é, o de deixar estabelecido se o código moral
judaico-cristão, sob o qual se erigiria a cultura ocidental, estava na dependência
da interpretação católica ou protestante, ou se podia encontrar os seus próprios
fundamentos.
A Filosofia Moderna corresponde a meditação que se debruçou sobre a problemática
indicada e, ao fazê-lo, criou novas tradições.
51

Surgida no século XVII, considera-se que tenha durado até meados ou a segunda
metade do século passado, quando tem inicio a Filosofia Contemporânea. Esta tem pela frente
um novo problema: o de enfrentar o desafio das correntes positivistas que consideram
ultrapassada a metafísica, isto é, a filosofia que não se limite a ser simples caudatária da
ciência.

b) Autores, obras e vertentes


A Filosofia Moderna inicia-se com a obra de Francis Bacon (1561/1626); René
Descartes (1596/1650) e Galileu Galilei (1546/1642). Bacon publica em 1620 o Novum
Organum, Descartes em 1637 o Discurso do Método e Galileu, em 1632, o Diálogo sobre os
sistemas do mundo. Nesse momento ainda não se acham dissociadas a nova física, a discussão
sobre o conhecimento e a hipótese de uma nova lógica, que foi mais tarde batizada de
metodologia. Em 1633, a Inquisição proibiu a obra de Galileu, obrigando-o a retratar-se. A
nova física estava sendo empurrada para refugiar-se na Inglaterra, onde se constitui a Royal
Society, entidade destinada a congregar os homens da ciência e que estaria plenamente
consolidada antes do fim do século.
Enquanto não se formaliza a nova física – que seria basicamente obra de Isaac
Newton (1642/1727) – dão-se tentativas de constituir sistemas alternativos à Escolástica com
base no novo espírito matemático ou geométrico. O principal empreendimento neste sentido
seria obra de Baruch de Spinoza (1632/1677). Nessa mesma linha encontra-se a meditação de
G.W. Leibniz (1646/1716), com base na qual Christian Wolff (1679/1754) elaborou o
denominado sistema Wolf-Leibniz, que se torna a corrente dominante nas universidades
alemãs, na segunda metade do século XVIII.
Com a obra de John Locke (1632/1704), na Inglaterra, formula-se claramente a
proposta de circunscrever-se a inquirição filosófica às origens do conhecimento. O Ensaio
sobre o entendimento humano aparece em 1690, quando seu autor está entre os líderes da
Revolução Gloriosa (1688), sendo reconhecido como o formulador da teoria do governo
representativo. Lock escreveu ainda sobre outros temas como a tolerância religiosa, a
educação, etc. mas evitou ciosamente dar às suas doutrinas qualquer aparência de sistema.
Inaugurava-se, assim, o que se tornaria uma longa tradição anti-sistemática. Esse caminho
seria aberto claramente por David Hume (1711/1776), sobretudo no Inquérito sobre o
entendimento humano (1748).
Immanuel Kant (1724/1804) daria seqüência à meditação de Hume mas para
constituir uma nova perspectiva filosófica, diametralmente oposta à antiga, facultando,
simultaneamente, ao contrario das pretensões dos filósofos ingleses, a construção de novos
sistemas e o florescimento da filosofia em outras esferas alem do conhecimento.
Na França, Nicolas Malebranche (1638/1715) procurou dar continuidade à meditação
de Descartes. Embora haja produzido uma obra volumosa expressiva sobretudo da fase de
transição entre a filosofia antiga e a moderna – vale dizer, quando ainda não se configurara a
plena autonomia da nova física – não fez surgir uma corrente, a exemplo do que se dava na
Inglaterra e na Alemanha. A França do século XVIII, a par de ser o país dos enciclopedistas e
de um tipo de meditação voltada sobretudo para a reforma social e política, em matéria
estritamente filosófica aderiu ao sensualismo, dele produzindo uma versão extremada com a
obra de Condillac (1715/1780). Foram entretanto estes exageros do sensualismo que
ensejaram a meditação de Maine de Biran (1716/1824), através do qual se formara, na
Filosofia Moderna, uma nova vertente, a do espiritualismo.
52

A Escolástica viu-se derrotada em toda a parte. No século XIX, começa um certo


empenho de restaurá-la, cujos frutos somente se farão sentir na Filosofia Contemporânea.
Em resumo, a Filosofia Moderna caracteriza-se sobretudo pela presença das
seguintes linhas de desenvolvimento:
1ª) a que pretende reduzir a meditação filosófica a uma inquirição sobre o
conhecimento. Nessa fase, "trata-se sobretudo de proceder-se a descrições do
processo do conhecimento. Mais tarde – notadamente no período contemporâneo
– restringe-se o objeto ao conhecimento científico e a disciplina denomina-se
epistemologia;
2ª) a constituição da perspectiva transcendental na obra de Kant, que dá nascedouro
ao idealismo alemão, onde se destacam Fichte (1762/1814) e Hegel (1770/1831).
Com essa meditação entroncam a obra de Karl Marx (1818/1883) e Soren
Kierkegaard (1813/1855). Através do neokantismo, essa linhagem marcaria uma
grande presença na Filosofia Contemporânea, porquanto daí decorrem a
fenomenologia, o existencialismo e o culturalismo; e,
3ª) o espiritualismo, que se pretende, simultaneamente, herdeiro da filosofia antiga e
da tradição moderna, esta representada pelo cartesianismo e pelo racionalismo,
em geral, que tem em Maine de Biran e Bergson (1859/1941) – este último já
inserido na Filosofia Contemporânea – seus grandes filósofos.
Estudaremos a Filosofia Moderna através de algumas obras selecionadas, cuja leitura
consiste precisamente num dos objetivos do Curso de Humanidades, itens autônomos,
dedicados respectivamente, à caracterização de suas principais linhas e à leitura da obra de
Locke, Hume e Kant; o seguinte, onde se estudará a obra de Spinoza; e, finalmente, aquele
devotado ao idealismo clássico e seus desdobramentos.

c) Ponto de partida: a discussão do conceito de experiência


O saber escolástico incorporava uma visão mediterrânea do globo terrestre, que se
formulava claramente na obra de Ptolomeu. Não se dispõe de maiores indicações sobre a sua
vida, mas supõe-se que haja trabalhado no Museu de Alexandria no século II de nossa era.
Admite-se que tenha nascido no ano 100 e falecido em 170. É autor do Almagest, que se
considera um compêndio completo dos conhecimentos astronômicos acumulados pelos gregos
e desenvolvidos no Museu até os seus próprios dias.
Acerca de sua Geografia assim se manifestam os autores da História da Ciência da
Universidade de Cambridge: “Sua Geografia ou Geographike syntaxis era uma tentativa de
mapear o mundo conhecido, e maior parte do texto consiste em uma lista de lugares, com suas
latitudes e longitudes, um sistema de coordenadas que já existia pelo menos desde o tempo de
Eudoxio, mas que nunca havia sido tão amplamente aplicado. O livro era acompanhado de
mapas, mas, uma vez que tantos erros podem ser cometidos quando se copia um livro a mão,
como se fazia nos dias anteriores a impressão, Ptolomeu, sabiamente, deu instruções que
permitissem ao copista reconstitui-lo integralmente. Também deu alguns conselhos práticos
corretos sobre a projeção de mapas, isto é, sobre como representar a superfície curva da Terra
em um mapa plano, como talvez devêssemos esperar de alguém que tivesse escrito um texto
matemático sobre o assunto. Certamente, o trabalho continha erros, e os mapas de Ptolomeu
representavam inadequadamente as áreas alem dos limites do Império Romano, mas isso de
53

maneira alguma deprecia o que foi uma compilação monumental, muito mais ampla que
qualquer outra feita antes dela".(1)
A visão dos próprios navegadores não podia, entretanto, ser tão favorável porquanto
a par das observações científicas que incorpora, reuniu também toda uma série de suposições
arbitrárias, como a fixação dos limites acessíveis da terra na altura do cabo Bojador, a
noroeste do deserto de Saara; a inabitabilidade da zona equatorial; a fertilidade do solo e a
vida edênica nas Canárias; a existência de ouro à superfície das praias africanas, etc. As
observações diretas levaram à fixação de novos contornos e, ao mesmo tempo, à crítica do
passado.
É bem representativo do novo estado de espírito o seguinte trecho de uma obra
escrita entre 1480 e fins do século – As relações do descobrimento da Guiné e das ilhas dos
Açores, Madeira e Cabo Verde, de Diogo Gomes; "E estas coisas que aqui escrevemos se
afirmam salvando o que disse o ilustríssimo Ptolomeu, que muito boas coisas escreveu sobre a
divisão do mundo, que porém falhou nesta parte. Pois escreve e divide o mundo em três
partes, uma povoada que era no meio do mundo, e a setentrional diz que não era povoada por
causa do excesso de frio, e da parte equinocial do meio-dia também escreve não ser habitada
por motivo do extremo calor. E tudo isso achamos ao contrário, porque o polo ártico vimos
habitado até além do prumo do pólo e da linha equinocial também habitada por pretos, onde é
tanta a multidão de povos que custa a acreditar... E eu digo com verdade que vi grande parte
do mundo".(1)
Registra-se que, apenas no período indicado, a geografia de Ptolomeu merecera seis
edições em latim – impressas em Bolonha entre 1478 e 1490. Seu prestígio advinha sobretudo
do geocentrismo então consagrado como uma espécie de parcela complementar do sistema
aristotélico.
Que significava precisamente este ver grande parte do mundo? De que valor se
revestiam as observações, solenemente ignoradas na tradição escolástica? Segundo se indicou
na parte deste curso dedicada à CULTURA OCIDENTAL, a tradição preservada no Museu de
Alexandria e que somente seria reconstituída muito mais tarde, deu-se dissociada de toda
investigação de caráter filosófico. Esta acabou privilegiando o raciocínio demonstrativo,
segundo o qual as notas presentes à coisa deduziam-se de seu conceito. Do mesmo modo que
as disputationes e o culto quase sagrado dos textos, em torno dos quais se estruturaram
intermináveis comentários. Agora não mais se podia deixar de enfrentar o problema da
indução.
Esta questão se torna precisamente o ponto de partida da Filosofia Moderna.
No livro Figuras e idéias da Filosofia da Renascença, Rodolfo Mondolfo resume a
posição de Galileu, confrontando-a a Bacon e Descartes. Os três autores esgotam um primeiro
entendimento do conceito de experiência, aquele que pretende circunscrevê-lo à observação
científica. Mais tarde, encontraria outros desdobramentos.
Bacon considera possível fazer com que as observações adquiram validade plena
tornando a indução absolutamente rigorosa. Como a lógica de Aristóteles repousava na
dedução – e todo o conhecimento válido, em seu tempo, deveria revestir-se dessa
característica, isto é, ser deduzido do conceito – imaginou que se tratava de formular uma
nova lógica. Por isso denominou sua obra fundamental de Novum Organum. Os livros lógicos
de Aristóteles estavam sob a denominação geral de Organum.
54

Francis Bacon estudou em Cambridge e ocupou cargos muito importantes na


administração inglesa, inclusive o de Lorde Chanceler, para o qual foi nomeado em 1618. É
autor de obra volumosa, que abrangeu 14 volumes quando se tratou de reuni-la (Works,
London, 1858/1870). Escreveu em latim e em inglês. Seu texto capital é contudo o Novum
Organum, que denominou também de Verdadeiras indicações acerca da interpretação da
natureza. A parte essencial desse livro figura na edição de Os Pensadores.
Segundo seu entendimento, a questão limita-se ao estabelecimento de regras
rigorosas para a efetivação de inferências partindo da observação do particular. Supunha que o
vício sobre o qual repousa a indução incompleta consistia em reduzir-se a uma indução por
simples enumeração, isto é, limitando-se a comprovação da existência de uma qualidade numa
série algo extensa de fenômenos ou objetos, na ignorância dos fatos negativos. Para torná-la
efetiva, preconizava a organização das chamadas tábuas de presença, de ausência e de graus,
no exercício da indução incompleta. Seu fundamento reside na íntima conexão entre a forma
(essência ou lei) e a natureza (propriedade do corpo ou fenômeno). Eis a regra geral por ele
estabelecida: "Todas as vezes em que esta presente uma o mesmo ocorre com a outra" (II, 4) e
"quando falta uma falta outra" (II, 12).
Na tábua de presença devem ser anotados os casos em que se encontra o fenômeno
pesquisado com a segurança de que inserem a correspondente forma. Os casos estudados
devem ser os mais diversos para que sobressaia a nota essencial a ser identificada. A
diversidade de circunstâncias tornara possível a eliminação das notas que somente se achem
em alguns casos. Contudo, a tábua de presenças, por si só, não assegura a legitimidade da
conclusão. Para tanto incumbe uma outra tábua, a das ausências. Nestas serão assinalados os
casos que se assemelham aos anteriores mas nos quais esteja ausente o fenômeno que
investigamos. Finalmente, na terceira tábua, indicar-se-á diferença de graus.
Descartes educou-se no Colégio de La Flèche, dos Jesuítas, que estava entre as mais
famosas de ensino existentes na França, tendo-o concluído em 1614, aos dezoito anos. Em
seguida viajou por diversos países, residindo em Paris entre 1625 e 1628. Neste último ano
mudou-se para a Holanda, ao que se supõe com receio das perseguições religiosas,
permanecendo ali até 1649. Convidado pela rainha Cristine, trasladou-se na Suécia nesse
último ano, vindo a falecer no seguinte, aos 54 anos de idade.
Embora seja mais conhecido pelo seu livro Discurso do método – de que há diversas
edições em português –, Descartes pretendia elaborar uma nova física, contraposta à de
Aristóteles. Ainda que não tenha sido bem sucedido nesse mister – inclusive sua obra
científica só foi divulgada postumamente, devido ao ambiente de perseguição religiosa
vigente no continente –, tornou-se uma figura central dentre os iniciadores da Filosofia
Moderna. É autor das Meditações metafísicas (1641); dos Princípios da Filosofia (1644); As
paixões da alma (1649) e das Regras para a direção do espírito (publicadas após a sua morte,
em 1701).
Descartes entendia que a lógica aristotélica consistia em mera ordenação e
demonstração de princípios já estabelecidos. Seu método, em contrapartida, pretende ser um
caminho para a inserção da descoberta. Ao contrário de Bacon, que se atém ao que depois se
denominou de empirismo (isto é, ao primado da experiência sensível), Descartes inaugura o
chamado racionalismo. O procedimento que recomenda é dedutivista, como o de Aristóteles.
Contudo, não se exerce diretamente sobre a coisa mas sobre a nossa percepção Em sua
meditação, a ordem real é substituída pela que justifica nossas observações sobre as coisas.
Daí os quatro famosos conceitos: 1) não aceitar por verdadeiro senão aquilo que se apresenta
55

clara e distintamente ao espírito; 2) dividir as dificuldades em tantas partes quantas seja


possível para melhor solucioná-las; 3) ordenar os pensamentos dos mais simples para os mais
complexos; e, 4) fazer enumerações completas de sorte a nada omitir.
Como se vê, no caso de Bacon estamos voltados para o exterior. Em Descartes, para
a luz natural da inteligência.
Assim, a questão suscitada pelos navegadores acerca do valor das observações,
encontra em Bacon e Descartes respostas diametralmente opostas. Na visão de Mondolfo,
caberia a Galileu sugerir uma visão integrada. Em síntese, são componentes do método
fundado por Galileu: a observação cuidadosa (esperienza sensata) e a dedução (demostrazione
necessária). A primeira visa o contingente. A segunda deve determinar o necessário. O
entrelaçamento entre os dois aspectos se fez mediante a reprodução, em condições artificiais,
da experiência natural que se deseja examinar: Como observa Mondolfo: "Galileu introduz na
física a exigência exaltada por Kant como uma "revolução feliz", isto é, a exigência de
produzir os fenômenos para demonstrá-los e conhecê-los de verdade.

2. A Filosofia Inglesa e o nascimento da Epistemologia

a) O Ensaio sobre o entendimento humano, de Locke


A figura de John Locke tem estado presente nas anteriores disciplinas deste Curso.
Formado em medicina em 1664, aos 34 anos de idade, passou rapidamente pela diplomacia
mas logo em seguida (1667) colocou-se ao serviço do Conde de Shaftesbury (1621/1683), que
era um dos líderes da oposição ao absolutismo monárquico. Como vimos, devido a esse
engajamento, Locke exilou-se na Holanda (1683). Com a morte de Shaftesbury, assume o seu
lugar nas articulações que levaram à Revolução Gloriosa de 1688. Nesse desfecho,
desempenhou um papel muito importante o livro Segundo Tratado do Governo Civil, que
unificou o ponto de vista da elite quanto à natureza do sistema representativo. Essa obra, que
estudamos na disciplina POLÍTICA, lança os fundamentos daquilo que, posteriormente, foi
denominado de liberalismo.
Depois da Revolução Gloriosa e da volta à Inglaterra, Locke dedica os últimos
quinze anos de sua vida (faleceu em 1704) a dar forma definitiva às suas idéias acerca da
filosofia, da tolerância religiosa, da educação, da teologia, etc. Encontra-se neste caso o
Ensaio sobre o entendimento humano, publicado em 1690 mas que se admite haja elaborado
ainda na década de sessenta. A obra completa mais abrangente apareceu em 1823 (em 10
volumes), tendo sido sucessivamente reeditada. Posteriormente, contudo, foi localizada a sua
correspondência, que se publicou, em 4 volumes, entre 1976 e 1977.
O Ensaio sobre o entendimento humano foi muito bem sucedido no que se refere à
atribuição de uma novo objeto à filosofia, embora não se trate propriamente da aceitação das
teses e da doutrina lockeana. Segundo o seu entendimento, a filosofia resumir-se-ia a uma
teoria do conhecimento. Versão resumida mas que contem o essencial do livro apareceu na
coleção Os Pensadores. A Fondo de Cultura Economica, do México, publicou em espanhol a
versão completa. No período recente dispõe-se da edição completa em português, iniciativa da
Fundação Calouste Gulbekian, de Portugal.
Locke estabelece como premissa geral, no Livro I, a tese de que não há idéias nem
princípios inatos. A suposição de que o homem estaria de posse desse tipo de conhecimento
aparece ainda na Filosofia Antiga. Platão a denomina de anamnese (reminiscência,
recordação) e a define deste modo no dialogo Menon: Como a alma é imortal e nasceu muitas
56

vezes e viu todas as coisas, tanto aqui como no Hades, nada há que ela não tenha apreciado;
de modo que não espanta o fato de que possa recordar, seja em relação à virtude, seja em
relação a outras coisas, o que antes sabia". Essa hipótese foi preservada pelo platonismo e
reaparece no Renascimento, sendo retomada por autores ingleses do século XVII, contra os
quais se volta Locke. Embora lhe dando uma formulação nova, as idéias inatas são admitidas
por Descartes e Leibniz. Para este são inatas as verdades que se revelam imediatamente como
tais à luz natural, sem necessidade de recorrer-se a outra verificação.
O que Locke deseja estabelecer é que não seja reconhecida outra origem do
conhecimento alem da experiência sensível. Essa questão esta estudada no Livro II.
Ao explicitar a sua tese, Locke introduz uma distinção nas qualidades que iria
suscitar grandes discussões entre os sensualistas. A distinção em apreço consiste em indicar
que algumas delas são exteriores e outras interiores. Assim, a dureza e a extensão dos objetos,
isto é, as qualidades que podemos perceber pelo tato ou pela visão, são independentes de
quem as perceba. No que se refere entretanto ao olfato ou ao gosto, as qualidades dos objetos
que lhes estão relacionadas encontram-se na dependência do sujeito.
Às primeiras denominou de qualidades primárias e as últimas de qualidades
secundárias.
Como veremos, para evitar as dificuldades advindas dessa tese de Locke, Hume dirá
que todo o conhecimento vem de fato da experiência sensível mas o que esta fornece é uma
impressão primeira.
No Livro II, Locke estuda ainda algumas idéias que na tradição filosófica foram
chamadas de categorias, justamente porque não se acham vinculadas a seres individuais. São,
por exemplo, as idéias de relação e causa. Obviamente não podem originar-se diretamente da
experiência sensível. Mas Locke passa por cima dessa dificuldade.
No Livro III, estuda as palavras e não acrescenta grande coisa a sua doutrina.
Finalmente, no Livro IV afronta a delicada questão de Deus. Admite-se que dele possamos ter
um conhecimento demonstrativo, o que foi considerado como a grande incoerência de sua
doutrina.
b) O Inquérito sobre o entendimento humano, de Hume
Do mesmo modo que Locke, também David Hume está presente em outras de nossas
disciplinas. Tivemos oportunidade de indicar que lhe coube dar uma formulação acabada à
discussão de índole moral ocorrida na primeira metade do século XVIII. Importa aqui
considerar o aprofundamento que deu à doutrina de Locke. Este denominou seu livro de An
Essay Concerning Human Understanding enquanto Hume denominou ao seu de An Enquiry
Concerning Human Understanding. Entre os dois há aproximadamente cinqüenta anos: sendo
o primeiro de 1690, o segundo editou-se em 1748. No intervalo publicaram-se diversas obras
sobre o tema, ganhando maior nomeada o de Jorge Berkley (1685/1753), que chamou de A
Teatrise Concerning the Principles of Human Knowledge (1710).
Esquematicamente, este é o conteúdo do Inquérito:
1. Todas as percepções de nosso espírito podem ser reduzidas a duas espécies ou classes, por
seu grau de força e vivacidade: as impressões ( que são as apreensões imediatas) e as
idéias (ou pensamentos), que são uma espécie de evocação. Todas as nossas idéias, por
mais gerais que nos pareçam, podem sempre ser reduzidas à impressão da qual tem
origem. Por isto mesmo, tomadas isoladamente, são indistintas e obscuras (Seção II.
Origem das idéias).
57

2. As idéias simples (redutíveis às impressões), compreendidas nas idéias complexas, são


ligadas por princípios idênticos em todos os homens. Tais princípios, denominados de
associação das idéias, reduzem-se aos seguintes: de semelhança; de contigüidade no tempo
e no espaço; e de relação de causa e efeito (Seção III. Associação das idéias).
3. Todos os objetos da razão humana podem ser reduzidos a dois gêneros: as relações de
idéias e os fatos. Do primeiro gênero são a geometria, a álgebra e a aritmética, cujas
afirmativas são intuitivas ou demonstrativamente certas. O estabelecimento dos fatos não
logra alcançar grau idêntico de evidência. Todas as relações entre fatos apóiam-se na
relação de causa e efeito. E não se pode conhecer essa relação a partir de raciocínios "a
priori" mas apenas a partir da experiência (Seção IV. Dúvidas céticas sobre as operações
do entendimento . Primeira parte).
4. O fundamento de todas as conclusões tiradas da experiência consiste na experiência
passada (refere-se a um aqui e a um agora e só em relação a estes dão uma informação
direta e certa), caindo portanto na ordem das probabilidades. (Seção IV. Segunda parte)
5. Todas as conclusões tiradas da experiência são efeito do hábito e não do raciocínio (Seção
V. Solução cética destas dúvidas). É impossível estabelecer-se a existência de conexão
necessária entre fatos e, portanto, de extrapolar-se os dados da experiência para outras
ordens de problemas (Seção VI. Probabilidade. Seção III. A idéia de conexão necessária).
Dizer, por exemplo, que Deus é causa primeira equivale a atribuir-lhe a responsabilidade
pelo mal e o pecado, problema que não pode ser resolvido discursivamente (Seção VIII.
Liberdade e necessidade).
Com as teses antes resumidas, Hume deu uma solução nova à questão da experiência
sensível, tornando plausível sua adoção como fonte do conhecimento. Outra contribuição
importante consiste na distinção entre o mundo real e o discurso. Parece pueril mas é de uma
grande profundidade. Foi precisamente essa distinção que permitiu a Kant fixar o conceito de
experiência possível, contida nos limites da capacidade humana, e, por esse meio, criticar o
sistema Wolf-Leibniz que denomina de metafísica dogmática.
Como vimos, Hume entende que a relação causa e efeito, que é básica para o nosso
conhecimento do mundo sensível, repousa no hábito, vale dizer, no acaso. Com essa
afirmativa, deixa sem explicação o fato de que a física newtoniana tenha alcançado
reconhecimento universal. Desse problema partirá Kant.
Hume avança a tese de que a ciência é de caráter probabilístico. Essa hipótese
achava-se, entretanto, muito acima da compreensão de seu tempo e somente será retomada
neste século, com o aparecimento de outras físicas e a rigorosa fixação dos limites de
aplicabilidade da física newtoniana.

c) O nascimento da epistemologia
Na Inglaterra, em geral, nos países de língua inglesa, a hipótese de Locke, de atribuir
à filosofia um novo objeto, o conhecimento , encontrou uma grande aceitação.
No século XX, esse objeto ganhou maior precisão ao indicar-se que não tem em vista
toda classe de conhecimento mas aquele que seja estabelecido com rigor e mereça o nome de
conhecimento científico. Em conseqüência, denominou-se de epistemologia.
Outra mudança importante consiste no abandono das descrições do conhecimento.
Essas descrições suscitaram muitos debates e conduziram a impasses, a exemplo da tese
lockeana das qualidades primárias e secundárias, a que nos referimos. Agora a epistemologia
58

consiste essencialmente na definição de Lalande, no "estudo crítico dos princípios, das


hipóteses e dos resultados das diversas ciências, destinado a determinar sua origem (não
psicológica), seu valor e sua importância objetiva."
Nos países de língua inglesa, a filosofia não só adotou estritamente esse objeto como
passou a acreditar que a única filosofia válida é aquela que se pretenda tão rigorosa como a
ciência. Por esse caminho acabou atribuindo uma grande importância à linguagem.
Na disciplina introdutória (A CULTURA OCIDENTAL) procurou-se alcançar
alguma familiaridade com esse ponto de vista ao recomendar-se a leitura de Explicações
científicas, de Leônidas Hegenberg.

3. A estruturação da perspectiva transcendental na obra de Kant

a) Os pontos de referência de Kant

Na disciplina MORAL, tivemos oportunidade de dar algumas indicações sobre a obra


de Kant e de proceder à leitura de um de seus livros básicos, a Fundamentação da metafísica
dos costumes, achando-se presente, de igual modo, nas disciplinas POLÍTICA e RELIGIÃO.
Além disto, na Unidade I, procuramos fornecer uma idéia geral do que se deve entender por
perspectiva transcendental. Trata-se agora de aprofundar essa compreensão.
A crítica de Kant está dirigida contra o que chamou de metafísica dogmática. Tinha
em vista o denominado sistema Wolff-Leibniz. Ajudará a compreensão da sua crítica ter-se
uma noção, ainda que sumaria, de tal sistema. Conforme mencionamos, este tornara-se
dominante nas universidades alemãs, na altura dos meados do século XVIII, isto é, no
momento mesmo em que Kant elabora a sua obra.
Para Wolff, a filosofia é um saber escolástico, termo que emprega para indicar que
deveria ser rigorosamente organizado e deduzido de número limitado de princípios.
Basicamente consistem estes nos princípios de contradição e razão suficiente
O princípio da contradição foi formulado na lógica de Aristóteles e consiste em
afirmar que os conceitos devem ser aplicados num único sentido, no raciocínio dado. Se se
relaciona ao real, diz "ser impossível que uma coisa seja e não seja ao mesmo tempo e em
relação ao mesmo aspecto".
O princípio de razão suficiente é atribuído geralmente a Leibniz, pois foi quem o
formulou de modo acabado, embora estivesse presente em outros autores. Segundo este, nada
acontece sem que haja uma razão explicativa.
Em Wolff, tais princípios não se referem apenas ao pensamento mas à própria
realidade. Assim, são idênticos os princípios que regem o real e a matemática. As leis
formuladas com base na experiência fornecem conhecimentos prováveis.
A filosofia trata de todas as coisas possíveis, subdividindo-se em teórica e prática.
A filosofia teórica compreende a ontologia (ciência do ser enquanto que é);
cosmologia (estudo do mundo enquanto formado por entidades compostas); psicologia
(estudo das entidades simples, cuja forma representativa se manifesta nos atos de conhecer e
59

apetecer) e teologia (tendo por objeto a essência de Deus). A exemplo da Escolástica, Leibniz
e Wolff acreditam encontrar a essência de todos os entes – existentes e possíveis –, por uma
simples analise conceitual. De posse desse fio condutor, o saber é rigorosamente ordenado e
sistematizado. As coisas se passam como se a nova ciência da natureza, ao invés de
constituir-se em problema para a filosofia, fornece-lhe um modelo (matemático) para a
reconstrução do sistema. Leibniz, com se sabe, encontra-se entre os grandes matemáticos de
todos os tempos.
A filosofia prática se subdivide em economia e política.
Deste modo, com base nas doutrinas de Leibniz, Wolff reconstitui o sistema, com
toda a grandiosidade da Escolástica. O protestantismo tinha, afinal, uma filosofia, elaborada
em consonância com os tempos modernos.
Acontece que, na mesma época em que o sistema de Wolff se formula e vê-se
consagrado, David Hume, na Inglaterra, estabelece, como vimos, uma diferenciação radical
entre as ciências cujos princípios podem ser deduzidos de suas próprias regras, como a
matemática, e as que se referem às relações entre fatos. A isto precisamente é que Kant atribui
o ter sido despertado do sono dogmático, isto é, da crença nos postulados de Wolff.
Além da distinção fundamental fixada por Hume, na primeira metade do século
XVIII a física de Newton ganha aceitação universal. Quando Wolff estava ocupado em
conceber o novo sistema, a física leibniziana ainda era considerada como uma das alternativas
para substituir a aristotélica. Na verdade, não fora ainda fixada a distinção radical de que a
nova física se revestia em relação à filosofia. Supunha-se que era um saber de índole filosófica
e lidava com realidades absolutas e transcendentes.
Como vimos, a partir de Newton a física se desinteressa das questões tradicionais
acerca da causa do movimento. Trata-se agora de observar e medir a causa da mudança de
movimento. O procedimento de estabelecer relações mensuráveis, passíveis de serem
criticadas e refeitas, vai aos poucos ganhando os círculos científicos europeus. Estão
consolidadas as Academias de Ciências, criadas na Inglaterra e na França no século anterior.
Finalmente, por sua formação religiosa, Kant tem muito presente a crise dos
fundamentos da moralidade cristã, entre outras coisas com a disputa entre católicos e
protestantes acerca dos dez mandamentos; a aceitação e o enaltecimento da riqueza; o debate
da moral social na Inglaterra, etc.
Kant, portanto, tem diante de si pelo menos três problemas da "maior magnitude". O
primeiro consiste em saber se, diante da distinção fixada por Hume e do sucesso da física de
Newton – que soterram em definitivo o sistema Wolff-Leibniz –, ainda há possibilidade de
reconstruir-se a filosofia. E, caso afirmativo, de que filosofia se trata.
O segundo problema consiste em explicar as razões pelas quais a física newtoniana
veio a encontrar aceitação universal.
E, finalmente, o terceiro, a questão da autonomia da moralidade em relação ao seu
fundamento religioso tradicional.

b) A resposta kantiana
Valendo-se da descoberta de Hume, Kant estabelecera uma distinção radical entre as
coisas como seriam em si mesmas e como aparecem para nós (fenômenos). Em nossa
experiência cotidiana lidamos apenas com estas últimas.
60

Essa distinção tem por objetivo evidenciar que os temas clássicos da metafísica
tradicional, ressuscitados por Wolff, não podem ser resolvidos discursivamente, com base na
argumentação racional. Os temas em apreço são os seguintes: 1°) finitude ou infinitude do
mundo ; 2°) sobrevivência da alma; 3°) existência de Deus.
O discurso filosófico tem que estar adstrito à experiência possível. Assim se
estabelece uma nova perspectiva filosófica, um novo ponto de vista último.
Como posso me aproximar da experiência possível? De um modo transcendental.
Dai que a nova perspectiva veio a ser assim denominada.
No ordenamento lógico dos conceitos, Aristóteles chamou de categorias aqueles
termos que se aplicam aos objetos, sendo distintos destes, tais como causa, efeito, relação,
igualdade, etc. Alguns desses termos têm maior grau de universalidade como o verdadeiro e o
bom. A estes últimos denominou-se, na Escolástica, de transcendentais.
Ao empregar o termo, Kant o define deste modo: "chamo transcendental todo
conhecimento que, em geral, não se ocupa tanto dos objetos como de nossos conceitos a
priori dos objetos". A priori para Kant é aquilo que não provém da experiência.
Transcendental é, portanto, uma forma especial de organizar o nosso conhecimento.
Segundo esta, os fenômenos não correspondem à simples apreensão daquilo que nos é dado na
percepção mas a uma organização na qual está presente a contribuição do sujeito que percebe.
Kant tem em vista, sobretudo, o conhecimento científico pois seu problema
resume-se em explicar a validade da física newtoniana. Sua pergunta se formula deste modo:
como se constitui a objetividade, ou, ainda, como se dá a possibilidade de uma ciência como a
física de Newton?
Para Kant, o conhecimento válido universalmente depende de certas categorias que
não provêm da experiência. Assim, por exemplo, o princípio de inércia ou primeira lei da
física ("todo corpo permanece em seu estado de repouso ou movimento uniforme retilíneo, a
não ser que atue sobre ele alguma força") repousa num postulado, o da permanência, que não
vem da experiência. É a categoria de substância que me permite pensar essa permanência. As
afirmações desse tipo Kant chama de "juízos sintéticos a priori". Promoveu também uma
reformulação das categorias de Aristóteles, formulando a sua própria tábua de categorias.
Alem destas, que denominou de categorias do entendimento, a organização do
conhecimento pressupõe formas a priori da sensibilidade (assim chamou os conceitos de
espaço e tempo).
Kant é o primeiro pensador que valorizou devidamente a hipótese. Louvando-se das
experiências levadas a cabo por Galileu, conclui que os homens de ciência, ao invés de se
constituírem em observadores passivos, obrigam "a natureza a responder as suas questões e
não a se deixar por ela conduzir".
Assim, com o procedimento transcendental Kant reformula inteiramente a filosofia
tradicional e para ela estabelece um primeiro nível de inquirição que, mais tarde, seria
batizado de filosofia da ciência ou epistemologia (teoria do conhecimento científico).
Resolvido desta forma o problema da distinção entre a nova física e a filosofia, Kant
irá refutar a metafísica tradicional. Comparou ciosamente as provas e contraprovas da finitude
ou infinitude do mundo, da sobrevivência da alma e da existência de Deus para evidenciar que
essa discussão conduz a paralogismos e antinomias. Essa parcela de sua investigação
denominou de dialética.
61

Conforme tivemos oportunidade de verificar no estudo da MORAL, Kant


lançar-se-ia à investigação de uma outra esfera da experiência, a da moralidade. No livro
Fundamentação da Metafísica dos Costumes aplica à moral o mesmo procedimento efetivado
em relação à física. Conclui pela possibilidade de uma fundamentação racional, tornando-a
independente da religião.
Os estudiosos costumam chamar de Primeira Crítica à investigação que realiza da
experiência natural, na Crítica da Razão Pura (1781) e, de Segunda Crítica, à que leva a cabo
na Fundamentação da Metafísica dos Costumes (1785). Kant realiza ainda uma Terceira
Crítica, na obra que intitulou de Crítica do Juízo (1790). Cuidou ainda de muitos outros
problemas, como a concepção do Estado Liberal de Direito – que estudamos na disciplina
POLÍTICA– e da religião. Na disciplina respectiva, estudamos o livro A religião nos limites
da pura razão (1793).

c) Problemas legados à posteridade pela obra de Kant


Apesar do que pretendeu com a Crítica do Juízo, Kant não conseguiu compatibilizar
os planos da experiência natural e da experiência moral. Essa questão teria enorme
desdobramento, vindo a consistir numa grande presença ainda no período contemporâneo.
Embora o seu esquema de considerar a ciência de ângulo filosófico haja preservado
inteira validade – isto é, o de procurar o justo equilíbrio entre conhecimentos adquiridos pela
experimentação e postulados a que o cientista inevitavelmente recorre para organizá-la e
dar-lhe sentido, como outros princípios norteadores da filosofia da ciência, a exemplo da
valorização da hipótese –, não se sustentou a crença na existência de uma tábua fixa de
categorias, válidas absolutamente. O esforço subseqüente consistiu precisamente em remetê-la
para a experiência cultural concreta. Por esse meio solucionou-se também o problema de
saber-se de onde provêm. São de fato sínteses ordenadoras do real, criadas pelo espírito, mas
em circunstâncias históricas passíveis de serem reconstituídas. Vale dizer: não são inatas,
como perceberam os empiristas ingleses, nem foram criadas à revelia do próprio homem
como imaginavam a filosofia antiga e, em geral, os espiritualistas modernos e
contemporâneos.
A suposição kantiana de que, à crítica, dever-se-ia seguir o sistema, impressionou
sobretudo a geração que lhe seguiu imediatamente, integrando o chamado idealismo alemão.
Esse empreendimento serviu para revelar novos problemas que estavam contidos no kantismo.
Finalmente, a perspectiva transcendental revelou-se como uma conquista eterna da
consciência filosófica.

d) Significação do kantismo
Os denominados idealistas pós-kantianos (Fichte, Schelling e Hegel) abandonaram a
noção de coisa-em-si e buscaram alcançar o plano numenal. Educados na atitude crítica, é
pouco provável, contudo, que tivessem chegado a confundir o saber com o processo real.
Ainda assim, a geração subseqüente – Ludwig Feuerbach (1804/1872), os irmãos Bruno Bauer
(1809/1882) e Edgar Bauer (1820/1886), David Strauss (1804/1872), que é o autor da
classificação dos discípulos de Hegel em direita e esquerda hegelianas, Carlos Marx
(1818/1883), para citar apenas os principais – entendeu haver chegado o momento de
implantar a sociedade racional, achando-se constituído o sistema do saber. Dividiram-se ao
supor uns que a tarefa incumbia ao próprio Príncipe, outros aos funcionários (ao Estado, mais
precisamente) e Marx ao proletariado, porém estiveram quase todos unidos na estruturação do
62

Partido Social Democrata, que se constituiu nos fins da década de sessenta mas requereria
alguns decênios ate se consolidar (Joseph Rovan, História da social democracia alemã,
tradução portuguesa, Lisboa, 1979). De ângulo estritamente filosófico, essa questão acha-se
estudada por François Chatelet – Logos e praxis, tradução portuguesa, Paz e Terra, 1972.
O marxismo destacou-se desse conjunto para constituir-se em corrente autônoma,
através pelo menos de três grandes linhas de interpretação, a saber: italiana: Antônio Labriola
(1893/1904); Antônio Gramsci (1891/1937) e Rodolfo Mondolfo (1877/1976); alemã, com
grande número de teóricos entre os quais desenvolveram obra sistemática Karl Kautsky
(1854/1938) e Gyorgy Luckacs (1885/1971), desdobrando-se na chamada Escola de Frankfurt,
que muitos estudiosos consideram grandemente distanciada de suas origens em especial pela
vinculação à obra de Freud; e a chamada versão ortodoxa, representada pelos soviéticos, que
transforma a doutrina num saber compendiado, expurgado dos problemas que atestavam a sua
viabilidade e mantive a presença do marxismo na Filosofia Contemporânea.
Apesar da reconhecida autonomia, o marxismo é incompreensível sem referência ao
idealismo clássico e à obra de Kant. Em relação a esta última, o princípio "Não explorarás o
trabalho alheio" presente ao marxismo, decorre diretamente do imperativo categórico da
moral kantiana, segundo o qual o homem é um fim em si mesmo e não pode ser usado como
meio. É pouco provável que o conceito de práxis de Marx seja distinto do de Kant.
O kantismo viria a fecundar o pensamento ocidental ainda uma segunda vez, através
do movimento de volta a Kant, iniciado na Alemanha na década de sessenta do século passado
e que se coroa com a obra de Herman Cohen. Graças a isto o neokantismo seria a corrente
dominante na Alemanha de fins do século passado à época da primeira guerra mundial. Do
movimento neokantiano é que iriam destacar-se a fenomenologia, o existencialismo,
pensadores como Scheler e Hartmann. A publicação em que os principais representantes da
filosofia alemã da primeira metade deste século discutiram os grandes temas contemporâneos
chamou-se Kantstudien.
O kantismo ainda não esgotou integralmente suas virtualidades desde que os
postulados de sua ética não foram explorados em sua totalidade. A fecundidade dessa vertente
é comprovada pelas analises que Max Weber (1864/1920) lhe dedicou, com vistas à
constituição do que chamou de ética da responsabilidade. Esta continua sendo uma
possibilidade em aberto.
Considerando a questão do ângulo dos problemas e não apenas das correntes
originadas da meditação de Kant, Miguel Reale dedicou-lhe o primeiro capítulo de
Experiência e Cultura (1977). Parece-lhe que a suposição de que haveria uma tábua fixa e
conclusa de categorias não se sustenta, embora as premissas fundamentais de Kant devam ser
preservadas na consideração do que denominou de condicionalidade histórico-social do
conhecimento. Ao invés de valorizar a dedução de caráter lógico, buscada por Kant, Reale irá
vincular ao kantismo a idéia de mundo da vida (Lebenswelt) de Husserl despojando-a das
implicações que lhe atribuiu seu autor com o propósito de restaurar a intuição intelectual,
negada por Kant.
Outra questão crucial do kantismo é o aparente fosso criado entre natureza e espírito
pela parte da obra de Kant dedicada à moral. Na filosofia contemporânea, esse tema só tem
sido desenvolvido sem menosprezo das premissas kantianas – isto é sem violar as imposições
da perspectiva transcendental – pelos culturalistas brasileiros, em especial o próprio Reale e
Djacir Menezes.
63

ANEXO

Roteiro para o estudo inicial da Crítica da Razão Pura

Apresentação

A Crítica da Razão Pura (1781), de Immanuel Kant (1724/1804), constitui um dos


textos fundamentais do pensamento ocidental. A rigor, todo homem culto, independentemente
de suas pretensões de aprofundar-se no conhecimento da filosofia, precisaria dispor de uma
idéia geral do conteúdo desse livro.
A Crítica da Razão Pura ganhou fama como obra inacessível, o que corresponde a
uma injustiça, se bem que o próprio Kant tenha contribuído nesse sentido ao publicar um
outro livro com a pretensão de explicá-la (Prolegômenos a toda metafísica futura que possa
apresentar-se como ciência, 1783). A dificuldade verdadeira reside na aquisição da atitude
crítica, isto é, em habituar-se a distinguir o discurso (aquilo de que falamos), das coisas
mesmas.
Tampouco o autor se preocupou em produzir texto acessível a grande número. Ao
contrario disto, sua exposição é sobrecarregada com questões não resolvidas ou simplesmente
mal dispostas, ou melhor, antecipadas indevidamente.
Por essa razão justifica-se que nos tenhamos proposto a elaborar o presente roteiro.
A proposta de estudo aqui contida não pretende esgotar a Crítica da Razão Pura e
muito menos o pensamento de Kant. A intenção maior reside em apontar um caminho através
do qual quem o siga chegue a compreender de maneira correta aquilo que se denomina
perspectiva transcendental. Esta perspectiva é uma criação moderna e contrapõe-se
frontalmente à perspectiva clássica, denominada transcendente. Enquanto esta acredita na
possibilidade de acesso às coisas como seriam em si mesmas – donde constitui-se a idéia de
substância na categoria fundamental –, a perspectiva transcendental supõe que temos acesso
apenas aos fenômenos. Questões tais como a existência de Deus, a sobrevivência da alma ou a
infinitude do mundo não podem ser resolvidas de forma racional.
A perspectiva transcendental não pretende refutar a perspectiva transcendente. As
perspectivas filosóficas são em si mesmas irrefutáveis e não prescindem de um elemento
arbitrário de escolha.
Contudo, a familiaridade com a perspectiva transcendental é imprescindível a quem
se disponha a estudar a filosofia moderna e, portanto, as filosofias nacionais, todas posteriores
a esse período. Os idealistas alemães tiveram-na em conta, do mesmo modo que Marx,
Husserl ou Cohen. Os equívocos de muitas das interpretações contemporâneas do marxismo
ou da fenomenologia decorrem precisamente do desconhecimento ou da negligencia em
relação a tal circunstância.
O estudo ora proposto não dispensa o conhecimento integral do livro nem impede ou
dificulta o aprofundamento posterior. De sorte que se recomenda a todos quantos queiram
estudar a Crítica da Razão Pura, como passo inicial capaz de facilitar enormemente a tarefa.

l. Plano geral de leitura


64

Kant dividiu a Crítica da Razão Pura em dois grandes blocos, denominando o


primeiro de Doutrina Transcendental dos Elementos e o segundo de Doutrina Transcendental
do Método. Esta corresponde na verdade a uma espécie de plano para elaboração do sistema.
Kant supunha, como muitos dos filósofos do seu tempo e até posteriores, que a filosofia
precisa ser exposta em forma de sistema. Embora ainda se encontrem partidários dessa
hipótese, semelhante idéia não tem curso no período contemporâneo. De todos os modos não
esclarece grande coisa quanto à perspectiva transcendental podendo ser dispensada a sua
leitura na presente etapa.
A Doutrina Transcendental dos Elementos foi precedida de uma Introdução. Na
segunda edição acrescentou-lhe um Prefácio. Quanto a este, foi elaborado para responder a
questões suscitadas pela publicação do livro e que não caberia antecipar. Por essa razão a
leitura inicial deve começar pela Primeira Parte da Doutrina Transcendental dos Elementos,
denominada Estética Transcendental.
Além desta, o estudo deve concentrar-se na Analítica Transcendental, que é a
primeira divisão da Parte Segunda. Esta denomina-se Lógica Transcendental e no que se
refere à parte introdutória o importante é ter presente a reordenação da lógica clássica
empreendida por Kant, como indicaremos oportunamente.
A segunda divisão da Parte Segunda intitula-se Dialética Transcendental. Nesta
leitura inicial é suficiente formar-se uma idéia geral do seu conceito.
Em resumo, a leitura inicial concentra-se na Estética Transcendental e na Analítica
Transcendental. Da Dialética Transcendental será suficiente o estudo da Introdução.
Recomenda-se a tradução portuguesa, da responsabilidade do prof. Alexandre Morujão,
editada pela Fundação Calouste Gulbenkian (Lisboa, 1985).
Como instrumento auxiliar de leitura recomendamos apenas a consulta a um
dicionário de filosofia. O mais adequado ao caso é o Vocabulaire Technique et Critique de la
Philosophie, de André Lalande, desde que se limita a definir os conceitos na forma como o
entenderam os vários filósofos. Há vários dicionários de filosofia editados em português que
atendem perfeitamente ao objetivo Existe, inclusive, um vocabulário da terminologia kantiana
(Le Vocabulaire de Kant, par Roger Vernaux, Paris, Aubier-Montaigne, 1967), dispensável na
presente etapa.
Sugerimos evitar a consulta às exposições constantes das histórias da filosofia
porquanto se trata, agora, de compreender os conceitos fundamentais apresentados na Crítica
da Razão Pura, questão em geral negligenciada por aquelas histórias. Para ter uma idéia da
obra geral e da evolução do pensamento de Kant o melhor texto é da autoria de Ernst Cassirer,
elaborado como introdução para a edição das Obras Completas (1912-1922, 11 volumes), de
que se dispõe de tradução espanhola Kant, vida y doctrina, Mexico, Fondo de Cultura,
Breviários, vol. 201, sucessivamente reeditado).

2. Estética Transcendental

Kant toma o termo estética no sentido clássico e não no moderno que o popularizou
como teoria do belo. Aisthesis é a denominação dada à sensibilidade pelos filósofos gregos.
A Estética Transcendental trata dos conceitos de espaço e tempo. Kant está
preocupado sobretudo em demonstrar que esses conceitos não vêm da experiência.
65

Muitas pessoas relutam em aceitar que as noções de espaço e tempo não se tenham
formado no contato com as coisas. Para o estudioso da Crítica da Razão Pura é essencial
entretanto dar-se conta de que a questão, no plano conceitual, é bastante complexa. Sugere-se
consultar um dicionário de filosofia a fim de conhecer as hipóteses acerca do problema.
Além disto, nesta parte da obra Kant apresenta um conjunto de conceitos que são
muito importantes. A título de exemplo apresentamos a seguir o tipo de elaboração que
precisaria ser feita em relação a cada um deles, com o propósito de situar o que é de fato
peculiar à acepção kantiana:
Sensibilidade e sensação - Com a noção de sensibilidade Kant não deseja tecer nenhuma
consideração de ordem fisiológica ou psicológica. Quer apenas distingui-la como simples
passividade (capacidade de receber representações), para enfatizar que o espírito tem
outra característica (capacidade de criar sínteses). É o pressuposto inicial do
conhecimento. A sensação será a impressão de um objeto sobre a nossa faculdade
representativa, enquanto somos por ele afetados.
Intuição - Apreensão imediata (sem mediação, portanto; vale dizer: prescindindo de
elementos discursivos).
Descartes emprega esse termo no sentido de evidência, plena clareza intelectual.
Em Kant, a intuição relaciona-se diretamente com o objeto e é singular.
Husserl fala em intuição eidética como um dos instrumentos da fenomenologia mas não
guarda, senão remotamente, relação com as acepções precedentes. Trata-se de um
procedimento.
A acepção em que a toma Kant, tem o mérito de estabelecer de pronto o essencial, isto é,
a intuição intelectual deve provar-se.
"A priori" - Não se trata da anterioridade cronológica. Pressuposto na experiência. A
experiência não explica.
Na Escolástica, consistia no raciocínio que partia da causa (antecedente) ao efeito; do
princípio à conseqüência. No raciocínio "a posteriori", inversamente (das conseqüências à
causa, do que é condicionado por natureza ao que é incondicionado).
Kant toma-o no sentido de formal (na lógica tradicional, a forma é a relação entre dois
termos, abstração feita de que designam, isto é, sem referência a objetos do
conhecimento): leis do pensamento, que estabelecem, entre os dados múltiplos dos
sentidos, relações que permitem percebê-los e compreendê-los.
Compete ao estudioso completar esta relação, com base na leitura da Estética
transcendental e da consulta a um Dicionário de Filosofia.

3. Introdução à 2ª parte da Doutrina Transcendental dos Elementos (Idéia de uma lógica


transcendental)

Na introdução em epígrafe (págs. 88 a 96 da tradução portuguesa), Kant pressupõe


alguma familiaridade com a Lógica Clássica. Embora não seja o caso de interromper a leitura
para adquiri-la, cumpre levar em conta as indicações adiante.
Segundo Kant, a lógica transcendental é uma ciência do entendimento puro,
incumbindo-lhe determinar a origem, a extensão e o valor objetivo do conhecimento.
Para Kant só existe conhecimento em presença de dois elementos: as intuições e os
conceitos. Como a intuição só pode ser sensível, não existe conhecimento a partir,
unicamente, dos conceitos.
66

A estética transcendental estabeleceu as condições segundo as quais são possíveis as


intuições sensíveis, isto é, a partir das formas "a priori" da sensibilidade (o espaço e o tempo).
Trata-se agora de investigar, no plano do entendimento, quais são as suas formas puras. Essa
precisamente a tarefa da Lógica
Kant denominou-a de Lógica Transcendental para distingui-la da lógica clássica – a
partir dele classificada como FORMAL – criada por Aristóteles. Em síntese, Aristóteles partia
da hipótese de que a ciência se constituía de um conjunto de proposições (enunciados),
incontestavelmente válidas e que poderiam ser divididas em duas grandes classes: os
princípios ou axiomas (proposições que prescindem de demonstrações) e os teoremas
(proposições demonstradas). A Lógica Formal ocupa-se daquelas proposições para as quais
seja possível estabelecer as regras da dedução. Tais regras contem três formas perfeitas F1,
F2, e F3, de sorte que sendo verdadeiras F1 e F2, também F3 o será.
A Lógica Formal desinteressa-se inteiramente do conteúdo. Por isto mesmo, não é o
método adequado para averiguar-se a veracidade de qualquer afirmativa mas apenas a forma
correta (lógica) de apresentá-la.
O problema para Kant é inteiramente diverso porquanto sua investigação versa
precisamente sobre as condições e os limites do conhecimento. Assim, ao denominar de
Lógica esta segunda parte de sua pesquisa, teve obrigatoriamente que se defrontar com a
problemática suscitada pela adequada conceituação da lógica clássica.
A primeira questão diz respeito ao conceito de Organon. As obras lógicas de
Aristóteles foram agrupadas sob essa denominação. Bacon chamou de Novum Organum
(1620) o tratado em que procurou estabelecer as regras da indução. Organon seria pois uma
espécie de lógica válida para todas as ciências.
Kant irá invocar o conceito de Canon, ao que se supõe popularizado por Leibniz,
com vistas a dispor de uma noção mais restrita de Organon. Segundo entende, Organon é a
maneira de chegar-se a um conhecimento determinado. Para tanto seria necessário dispor
previamente de uma noção precisa do objeto da ciência em apreço. Deixaria, portanto, de
revestir-se da pretendida generalidade. Para alcançá-la, isto é, para chegar-se a uma
propedêutica de todo o entendimento e da razão em geral, requer-se um Canon, que é uma arte
universal da razão.
Assim, na Crítica da Razão Pura, Kant identifica Lógica de uso geral com Canon e
Lógica de uso particular com Organon. O Canon (Lógica Geral), por sua vez, pode ser Lógica
Pura ou Lógica Aplicada. Esta última poderia ser também denominada psicologia, entendida
como investigação das condições subjetivas empíricas do uso do entendimento. Somente a
primeira seria uma ciência no sentido estrito do termo, porquanto apta a fornecer princípios de
validade universal (necessários). As regras da segunda (psicologia) seriam contingentes.
Tais são as questões do primeiro parágrafo. O segundo contém o conceito de Lógica
Transcendental.
A Lógica Transcendental é uma esfera rigorosamente delimitada da Lógica Geral
(Canon). Esta se aplicaria aos objetos em geral (conhecimentos de razão, empíricos ou puros,
sem distinção) enquanto a Lógica Transcendental é uma ciência do entendimento puro e do
conhecimento racional pelo qual pensamos os objetos completamente "a priori".
67

A Lógica Transcendental comporta, finalmente, a distinção entre Analítica e


Dialética Transcendentais, apresentada no parágrafo IV, distinção que se aplicaria também à
Lógica Geral.
Para estabelecê-la, Kant introduz mais uma noção, isto é, a de limite em que a lógica
transcendental poderia ser aplicada legitimamente. Para tanto, retoma a definição clássica de
verdade (acordo do conhecimento com seu objeto). Infere-se tal limite da própria conceituação
de conhecimento, que requer a interveniência tanto da sensibilidade como do entendimento. A
lógica transcendental considera apenas aquela parcela do conhecimento que tem origem no
entendimento. Mas parte do pressuposto de que os objetos aos quais se possam aplicar sejam
dados na intuição. A dialética transcendental em Kant corresponde à tentativa de fundar
conhecimento a partir dos puros conceitos, equivalendo portanto ao uso ilegítimo da lógica
transcendental.
A rigor, os conceitos lançados nesta introdução somente se esclarecerão ao longo da
Crítica da Razão Pura. É importante compreender a definição kantiana de dialética e os
conceitos a esta vinculados, como as noções de idéia e ideal. Contudo, isto só é possível ao
estudar-se a parte que lhe é especialmente dedicada. E quanto à noção de Canon ou
arquitetônica geral da razão pura, não é essencial porquanto associada à hipótese de
construção de um sistema. O tema só é abordado no bloco final do livro (II. Teoria
transcendental do método), que se considera dispensável nesta primeira leitura.

4. Analítica Transcendental

A Analítica é a parte fundamental da Crítica da Razão Pura. Nesta fica estabelecido


o padrão de investigação que mais tarde se denominou de epistemologia. Kant aparentemente
ainda está preso à antiga gnoseologia – entendida como uma descrição do conhecimento que
seria válida para todas as suas espécies, podendo-se, a esse propósito, estabelecer o paralelo
indicado no Esquema I, a seguir. Contudo, ultrapassa essa postura e inaugura um novo
procedimento, voltado para a análise do discurso, dos enunciados. De certa forma a Analítica
radicaliza a diferença entre saber e ser, entre conhecimento humano e coisa em si.

ESQUEMA I

Empirista Kantiano Hegeliano


Sensação Intuições Intuições puras
+
Percepção(1)
Empíricas (espaço e tempo)
Representação
Consciência com os seguintes
Idéia ou conceito Entendimento – Categorias momentos: certeza sensível,
percepção e entendimento

Unidade “a priori” da percepção Consciência de si

Razão - Idéias Razão


68

Espírito

A Analítica compõe-se de dois livros. No primeiro (Analítica dos Conceitos) procede


a uma reformulação radical das Categorias da Lógica Clássica e no segundo (Analítica dos
princípios) demonstra como os conceitos puros do entendimento é que sustentam a física
newtoniana. .
Requer uma leitura atenta, recomendando-se que seja feita uma caracterização de
todos os conceitos fundamentais, a exemplo do modelo sugerido no item 2. Estética
Transcendental, com a ajuda de um dicionário de filosofia. Nessa leitura cumpre entretanto
levar em conta os aspectos adiante destacados.

4.1. Analítica dos conceitos


Na Analítica dos Conceitos (págs. 101 a 174 da tradução portuguesa ), Kant
apresenta uma nova tábua das categorias, reformulando inteiramente a maneira como
Aristóteles estuda a questão. Além disto, trata da possibilidade da experiência em geral, onde
suscita noções fundamentais como a de síntese, produzidas pelo entendimento, e que
constituem os elementos ordenadores do real (mundo fenomênico e não o das coisas em si).
Para a primeira parte do problema, a fim de prescindir da consulta a algum manual de
lógica, damos a seguir algumas indicações para confronto da lógica clássica e do ordenamento
kantiano. Quanto à temática subseqüente da Analítica dos conceitos, proceder da forma antes
recomendada (separar os conceitos básicos e defini-los, segundo a acepção kantiana, sempre
que possível fixando desde logo em que se distingue de outros filósofos).
Para fundar a Lógica Transcendental, Kant leva a cabo uma crítica à lógica
aristotélica e à sua tábua de categorias. Estabelece em primeiro lugar que não se trata de
decompor os conceitos mas o poder do entendimento (coerentemente com a sua conceituação
e com aquilo que distingue as duas lógicas).
Qual é o poder do entendimento?
Agrupar diversas representações numa representação comum. O entendimento
apoia-se em funções e não em intuições. Função é a unidade do ato que reúne e congrega
representações (síntese, capacidade sintética, em suma). Como as representações não se
relacionam imediatamente mas mediatamente aos objetos, define o juízo como o
conhecimento mediato de um objeto. Os juízos são funções de unidade entre nossas
representações. Na lógica tradicional, o juízo é o lugar da verdade, desde que nesse ato é que
se afirma ou se nega alguma coisa. O termo juízo é reservado a essa operação.
Segundo a Lógica Tradicional, as proposições
podem ser: Em Kant

A) Simplesmente atributivas (de inesse) Juízos de qualidade Afirmativos


Negativos
Indefinidos 2
O homem é racional

Este homem está cheio de dívidas


69

- Proposição predicativa ou categórica ou Categóricos


composta (emprego de outra cópula: e, Juízo de relação Hipotéticos
ou, se) Disjuntivos 3
Denomina-se, então proposição hipotética
Além disto, a Lógica Tradicional estuda as
relações entre as proposições: contrárias,
subcontrárias e contraditórias.
B) As proposições ou são de inesse (afirmam ou Problemáticos
negam) ou são modais: indicam o modo ou a Assertóricos
Juízo da modalidade Apodíticos 4
maneira da relação S a P.
S convém a P. De que modo? São 4 os
modos: possibilidade, impossibilidade,
contingência, necessidade
E, finalmente,
C) Segundo a extensão do sujeito. Desse ângulo, Universais
as proposições podem ser: universais, Particulares
Juízos da quantidade Singulares 1
particulares, singulares e indefinidas.

As demais operações que têm lugar quando se relacionam sujeito e predicado são
denominadas proposições.
A tábua dos juízos de Kant corresponde a uma reordenação das classes de
proposições da Lógica Aristotélica, da forma indicada a seguir.
Kant vai retirar a sua tábua das categorias a partir dessa reordenação da Lógica de
Aristóteles. Ao realizar essa operação (parte final do Cap. I) empreende uma crítica às
categorias de Aristóteles, a meu ver improcedente, desde que se coloca em plano diverso. Para
Aristóteles, as categorias referem-se ao ser. Para Kant, são categorias do saber. Discussão no
mesmo plano é a empreendida por Hegel, cuja "Lógica" corresponde a uma reordenação
crítica da Lógica Transcendental.

4.2. Analítica dos princípios

A Analítica dos Princípios (págs. 175 a 294) contém algumas das partes mais
obscuras da Crítica da Razão Pura. Contudo, essa obscuridade prende-se a uma dificuldade
real.
Kant partiu do pressuposto de que a universalidade da física newtoniana era devida
ao fato de que seu arcabouço fundamental está dado por um conjunto de fórmulas que não
provêm da experiência. Ao invés de simplesmente partir da física de Newton para a
determinação daqueles elementos "a priori", quis, como vimos, dotá-los de prévia consistência
lógica. Depois de imaginar tê-lo conseguido, resolve perguntar-se como pode ocorrer que
esses princípios puros possam aplicar-se à experiência. A rigor, a pergunta era dispensável já
que os encontrara aplicados à experiência, exatamente na física newtoniana.
A dificuldade é portanto real e resulta da circunstância de que não se sabe exatamente
como se dá que a matemática se aplique à experiência e seja a quantificação um método
privilegiado de estabelecer-se determinado nível de objetividade. Kant tinha certamente
presente tais dificuldades, a ponto de ter reescrito e ampliado significativamente essa parte do
livro na segunda edição.
70

A solução kantiana está contida nos capítulos I e II (primeira e segunda seção) e foi
abandonada pelos idealistas pós-kantianos, só tendo sido retomada por Herman Cohen
(1842/1918). No nosso caso, não se trata de aceitá-la ou avaliá-la mas buscar ter dela uma
compreensão apropriada.
A terceira seção do capítulo II (págs. 195 a 242) ache-se associada à física de
Newton. Nos axiomas da intuição e nas antecipações da percepção procura indicar que a
hipótese em que se baseia a física, de que os fenômenos têm uma quantidade (quantidade
extensiva) mas igualmente um grau (quantidade intensiva) não provém da experiência. As
analogias da experiência pretendem identificar o substrato "a priori" das três leis de Newton.
A respeito dessa parte da Crítica da Razão Pura é essencial ter presente as
considerações que seguem.
Tecnicamente, a pergunta kantiana se formula do seguinte modo: como se constitui a
objetividade? Duas são as questões nucleares da sua resposta: I) Valorização da hipótese; e, II)
Reivindicação do papel das sínteses ordenadoras do real.
Quanto ao papel da hipótese, a magnitude que lhe atribui aparece na forma como
avalia o método de investigação de Galileu. Diz, a propósito, no prefácio da 2ª ed. da Crítica
da Razão Pura:
"Quando Galileu fez rolar suas esferas sob um plano inclinado com um grau de
aceleração devido ao peso determinado por sua vontade... foi uma revelação luminosa para
todos os físicos. Compreenderam que a razão não vê senão o que produz ela mesma segundo
seus próprios planos... que ela deve obrigar a natureza a responder às suas questões e não a se
deixar por ela conduzir."
Desta forma, Kant reivindica a significação da hipótese, que a moderna
epistemologia iria consagrar, e o procedimento segundo modelos (tipos ideais, em Weber),
plenamente formalizado contemporaneamente.
Quanto ao papel das sínteses ordenadoras do real, pode ser avaliado à luz do que diz
a respeito da física de Newton. Para compreendê-lo deve-se ter presente as principais leis – ou
princípios fundamentais – da física newtoniana e que são as seguintes:
INÉRCIA - Todo corpo permanece em seu estado de repouso ou de movimento uniforme
retilíneo, a menos que atue sobre ele alguma força.

Fórmula de Aristóteles: "Se não há força atuando, não há movimento".

Fórmula de Newton: "Se não há força atuando não há mudança de movimento".

No primeiro caso, a força é a causa do movimento; no segundo, da mudança de


movimento (aceleração; desaceleração ou mudança de direção).

FORÇA - (aceleração) - Atuando sobre um corpo, uma força comunica-lhe uma aceleração
que lhe é proporcional.
A força é a influência de um corpo sobre outro corpo e não algo que existiria
independente dos corpos.
71

AÇÃO E REAÇÃO - Toda força, agindo sobre um corpo dá origem a outra força que lhe e
igual e contrária.

Os três princípios newtonianos formam uma unidade e visam possibilitar a medida de


movimento. Completam o processo de separação entre física e metafísica. O primeiro
postulado é entretanto indemonstrável, em vista da impossibilidade de dispor de um corpo
sobre o qual não estivesse atuando nenhuma força.
Não é neste sentido, entretanto, que Kant afirma a dependência entre a ciência física
e os "a priori". Trata-se de que:
a) o primeiro princípio não poderia ser pensado sem a categoria de substância (permanência);
b) a idéia de que uma força pode atuar sobre outra sem a categoria de causalidade;
c) o de ação reciproca sem a categoria de comunidade (simultaneidade).
A problemática da Analítica dos Princípios inspira-se portanto na física de Newton.

4.3. O fundamento da distinção entre fenômenos e númenos

O tema considerado acha-se estudado no capítulo III (págs. 257 a 273). Corresponde
a uma questão fundamental no que respeita a perspectiva transcendental. Alguns estudiosos
entendem que a noção de coisa em si seria pré-crítica. Concluída esta, a noção não mais se
sustenta, emergindo em seu lugar a de númeno. Concordando ou não com essa interpretação,
trata-se de um conceito-chave a ser devidamente esclarecido.
O Apêndice e a Nota subseqüentes têm em vista apresentar esclarecimentos
adicionais acerca da natureza do entendimento, que não pode prescindir do elemento empírico
para exercitar-se, ao contrario do que supunham Leibniz e Wolf, cujo sistema reunia as
preferências da maioria em vida de Kant e mesmo no período que de imediato se seguiu à sua
morte.

5. Dialética transcendental

Na cultura grega, a dialética corresponde à arte da discussão. No período medieval


essa arte foi paulatinamente associada às disputationes, que se transformaram talvez na
principal forma de cultuar e preservar o saber em geral. O termo dialética não desaparece mas
está restrito ao emprego lógico que lhe atribuiu Aristóteles.
Aristóteles é o autor da distinção entre Analítica e Dialética. A primeira tem por
objeto a demonstração – dedução a partir de premissas verdadeiras – enquanto a segunda
ocupa-se dos raciocínios apoiados em opiniões prováveis. Kant de certa forma retoma essa
acepção. Na Crítica da Razão Pura são dialéticos todos os raciocínios ilusórios.
Há entretanto um aspecto muito importante a destacar:
Kant atribui papel essencial na cultura às idéias e ideais, embora os problemas que
suscitam não possam ser solucionados em conformidade com as suposições da metafísica
dogmática. Ao proclamar a legitimidade de tais problemas e haver indicado, em sua obra
posterior, novos procedimentos para considerá-los, Kant ultrapassa o plano da epistemologia.
72

Assim, é certamente um dos responsáveis pela tendência a confinar a filosofia ao vetor


epistemológico. Ao mesmo tempo, contudo, abriu o caminho ao renascimento da metafísica.
Para a presente leitura, é suficiente ter clareza quanto aos conceitos fundamentais
(dialética, idéia, ideal, limite da razão, etc.), sem deter-se nas minúcias dos paralogismos,
antinomias, etc.
A dialética em Kant se compõe apenas de tese e antítese. A proposta no sentido de
conduzi-lo até às sínteses é devida a Fichte (1762/1814). Quando apareceu a primeira versão
de seu sistema do saber (Princípios da doutrina da ciência, 1794), o livro se publicou sem
assinatura, tendo sido de inicio atribuído ao próprio Kant.
O tratamento acabado desse novo entendimento da dialética – que seria a forma pela
qual passaria a ser compreendido contemporaneamente – seria obra de Hegel. Segundo esta, o
movimento do pensamento dá-se através da formulação de teses, a emergência de antíteses
que a elas se opõem e, finalmente, o surgimento de sínteses superadoras. No afã de tudo
subordinar a esse princípio, Hegel violou e empobreceu o próprio princípio, que é sem dúvida
de grande fecundidade. Análise conclusiva desse aspecto se contém no livro de Benedetto
Croce – O que é vivo e o que e morto na filosofia de Hegel (1907) – trad. portuguesa,
Coimbra, 1933. Muitas correntes do marxismo contemporâneo confundem a categoria de
síntese com a de ação recíproca, consoante advertência de Mondolfo.

4. O espiritualismo como herdeiro da filosofia antiga

O espiritualismo promoveu a junção de diversas hipóteses que foram sendo semeadas


no transcurso da Filosofia Moderna. Encontra-se neste caso o famoso princípio estabelecido
por Descartes, que está contido no enunciado Penso, logo existo. Da afirmação do
pensamento, em contraposição à natureza, passou-se, por influência da Filosofia Antiga, a
cogitar da hipótese de que a realidade última seria dada pelo espírito. Conforme tivemos
oportunidade de referir, essa busca de um princípio último ou causa primeira – e a crença na
possibilidade de torná-lo acessível ao nosso conhecimento – representa uma das
características mais marcantes do pensamento filosófico tradicional. Talvez seja mesmo a
posição, definidora por excelência, da perspectiva transcendente. Em contrapartida, na
Filosofia Moderna irá amadurecer a compreensão de que a realidade como seria em si mesma
ultrapassa a experiência humana.
Pode-se atribuir a Maine de Biran (1766/1824) o estabelecimento de um fio condutor
a partir do qual foi possível dar uma feição acabada ao espiritualismo, reivindicando, ao
mesmo tempo, sua filiação à perspectiva transcendente. Na disciplina MORAL, no item
dedicado à Ética Eclética, tivemos ocasião de tratar do seu pensamento. Naquela oportunidade
indicamos que através do ato voluntário procurou fundamentar a origem empírica das noções
de eu, causa e liberdade. Em seguida, considerou a experiência mística como indicadora da
possibilidade de acesso à realidade espiritual última.
Coube entretanto a Victor Cousin (1792/1867) a tarefa de formular o programa do
espiritualismo e filiá-lo não apenas à tradição filosófica antiga como ao próprio cristianismo.
Professor de filosofia na Escola Normal de Paris desde 1814, sob Luiz Felipe chegou a reitor
da Universidade e Ministro da Instrução Pública. Durante cerca de vinte anos,
aproximadamente até a revolução de 1848, o sistema filosófico por ele criado e que passaria à
73

história com a denominação de ecletismo espiritualista foi uma espécie de filosofia oficial na
França.
O programa do espiritualismo esta apresentado no livro Du Vrai, du Beau et du Bien
(1853) nos seguintes termos: "A nossa verdadeira doutrina, a nossa verdadeira bandeira é o
espiritualismo, essa filosofia tão sólida como generosa, que começa em Sócrates e Platão, que
o Evangelho difundiu no mundo, que Descartes colocou nas formas severas do gênio
moderno, que foi no século XVII uma das glórias e das forças da pátria, que pereceu com a
grandeza nacional do século XVIII e que no princípio deste século Royer Collard veio
reabilitar no ensino público ao passo que Chateaubriand e Madame de Staël a transportavam
para a literatura e a arte... Essa filosofia ensina a espiritualidade da alma, a liberdade e a
responsabilidade das ações humanas, as obrigações morais, a virtude desinteressada, a
dignidade da justiça, a beleza da caridade; e, além dos limites desse mundo, ela mostra um
Deus, autor e modelo da humanidade, que, depois de tê-la criado, evidentemente para um fim
excelente, não a abandonará no desenvolvimento misterioso do seu destino. Essa filosofia é a
aliada natural de todas as causas justas. Sustenta o sentimento religioso, secunda a arte
verdadeira, a poesia digna desse nome, a grande literatura, e o apoio do direito; rejeita
igualmente a demagogia e a tirania; ensina a todos os homens a respeitar-se e amar-se e
conduz pouco a pouco as sociedades humanas à verdadeira república, este sonho de todas as
almas generosas que, em nossos dias, na Europa, somente a monarquia constitucional pode
realizar" .
No século XIX a corrente espiritualista encontrou partidários ardorosos nos
principais países europeus, notadamente na Itália, na Alemanha e em Portugal. Alcançou,
também uma grande repercussão no Brasil.
No século XX, com a obra de Henri Bergson (1859/1941), a tradição espiritualista
ganhou uma nova dimensão.

5. Espinosa e a espiritualidade judaica moderna

a) A espiritualidade judaica

A religião de Israel caracterizou-se, fundamentalmente, pelo fato de ser uma moral


formulada ao ensejo da exigência de santidade, que decorre da aliança celebrada por Deus
com o povo escolhido. A expressão espiritualidade judaica pretende dar conta da índole da
cultura judaica, naquilo que tem de essencial e mais característico. Singulariza a cultura
judaica o fato de haver criado uma religião de caráter moral. Com efeito, o pacto ou aliança
estabelecida entre Jahvé e o povo de Israel estruturar-se em torno do Decálogo de Moisés. Na
Torah (Pentateuco) Moisés convoca Israel e lhe diz: "Escuta Israel, as leis, os preceitos que
hoje te faço ouvir aprende-os e põe-nos em prática. O Senhor, nosso Deus, firmou uma aliança
conosco no Horeb. Não foi com os nossos pais que o Senhor construiu essa aliança, mas
conosco, que hoje estamos aqui ainda vivos. O senhor falou-nos sobre a Montanha, face a
74

face, do meio do fogo. Eu estava então entre o Senhor e vós para vos transmitir as suas
palavras, porque, enterradas pelo fogo, não vos aproximastes da Montanha".
No Decálogo, todos os mandamentos são de índole moral, mesmo aqueles
expressamente religiosos como o primeiro ("Amar a Deus sobre todas as coisas", na fórmula
consagrada) ou o segundo (na tradição católica; terceiro, na protestante: “Não tomar seu Santo
nome em vão") podem perfeitamente ser aproximados de ideais morais, decorrentes da
Santidade numinosa que emana de Jahvé. Nessa hipótese, o primeiro equivaleria ao ideal de
perfeição, como ápice da moral, remetendo o segundo à invocação da responsabilidade.
O profetismo, que é outro fato capital na história de Israel, serviu sobretudo para
acentuar esse caráter. Em sua pregação, as desgraças advindas ao povo judeu são provocadas
por Jahvé em revide à dissolução dos costumes e ao abandono da religião tradicional.
Resumindo as conclusões de Marx Weber, acerca do fenômeno profético, escreve Reinhard
Bendix: "Livres da magia e das especulações esotéricas, dedicados ao estudo da lei, vigilantes
no esforço de fazer "o que era justo aos olhos do Senhor", na esperança de um futuro melhor,
os profetas estabeleceram uma religião de fé que sujeitava a vida diária do homem aos
imperativos de uma lei moral ordenada por Deus. Deste modo, o judaísmo antigo ajudou a
criar o racionalismo moral da civilização ocidental.(1)
Além do texto consagrado da Torah, os judeus criaram o Talmud, contendo regras de
comportamento. Trata-se de uma obra coletiva, ao longo de quase um milênio, entre 450 a.C.
e 500 d.C. . Seu propósito consistia abranger as necessidades práticas e as novas situações. O
texto integral divide-se em seis ordens (ex.: das festividades; das mulheres; das coisas
sagradas; etc.), que constituem 63 tratados, subdivididos em 525 capítulos. Alguns desses
textos foram utilizados para leitura coletiva, aos sábados, servindo para promover, entre os
judeus, na expressão de J. Guinsburg, "verdadeira impregnação na essência do judaísmo".(2)
A preservação da Torah, como código religioso-moral de santidade revelado por
Jahvé, permitiu ao povo de Israel manter a sua identidade e os mandamentos no confronto
com as outras culturas, como no exílio da Babilônia (a partir de 598 a.C.) e no período da
diáspora (a partir da destruição do Templo de Jerusalém pelos romanos, no ano 70). A
respeito da preservação de Israel, mediante a Torah, durante o exílio de Babilônia, escreve
Georges Auzou:(3) "A Torah era o melhor meio de se distinguir, como grupo étnico e
religioso, dos demais povos com os quais (Israel) devia conviver no desterro. Não comer
exatamente como as outras pessoas, ter regras próprias para distinguir entre o profano e o
sagrado, possuir dias festivos especiais e principalmente o sábado, praticar a circuncisão e ser
estritos quanto às leis da união conjugal: eram outros tantos pontos que traçavam uma linha de
demarcação, e colocaram aos fiéis de Jahvé ao abrigo das contaminações pagãs. De outro
lado, não há dúvida, como observamos nos profetas do exílio, de que os Israelitas sentiam
mais vivamente do que nunca a noção da Santidade de Deus; e que com isso as observâncias
religiosas adquiriam um caráter mais absoluto. A sólida fixação delas significou pura e
simplesmente, para o povo judeu, poder se conservar como tal apesar das circunstâncias
adversas”. Corresponderá especialmente aos profetas e aos sacerdotes explicitar o duplo
caráter transcendente e moral da Torah. Um profeta do ciclo do exílio babilônico, Ezequiel,
apela para a conversão interior que implica a aceitação da Torah, num processo de
interiorização do imperativo moral: “Eu lhes darei um só coração, diz Jahvé, eu colocarei
neles um espírito novo, eu lhes tirarei o seu coração de pedra e lhes darei um coração de
carne... Eles serão o meu povo e eu serei o seu Deus" (EZEQUIEL II, 19-20; CF. 18, 31; 36,
22). Essa profunda renovação interior em nada atenua a responsabilidade comum a todos
75

(EZEQUIEL, 16, 23) e incide diretamente sobre a responsabilidade de cada indivíduo


(EZEQUIEL, 18).
Em relação à preservação da entidade de Israel, mediante a Torah, no período da
diáspora, o exegeta A. Tricot(1) salientou assim o papel unificador do código religioso moral:
"(...) O judaísmo tinha uma superioridade manifesta sobre as religiões do mundo
greco-romano: apresentava uma doutrina muito firme e elevada acerca de Deus, um culto
completamente espiritual, sem imagens da divindade, uma moralidade superior e um código
de regras muito precisas sobre o modo de viver (...)".
Tudo leva a crer que tenha sido justamente o caráter moral da ewspiritualidade
judaica que há de ter contribuído para assegurar a unidade dos judeus, no transcurso da
diáspora. Durante o dilatado período, a sinagoga, além de centro religioso, destinado à prática
do culto, e de um local de estudos, abrigou ainda um tribunal rabínico . Vale dizer: os judeus
dispunham de um instrumento, plenamente autônomo em relação as estruturas
jurídico-administrativas a que estavam submetidos, enquanto cidadãos, capaz de zelar pela
preservação do legado místico como pela observância dos preceitos morais.
Alcançada essa preservação milenar, assegurou-se a plena diferenciação da
espiritualidade judaica em relação à cultura ocidental. Nesta, o contato com a meditação grega
levou, sucessivamente, ao empenho de promover distinções entre moral e religião. Enquanto
na tradição judaica, os grandes eruditos, como Maimonides ou Espinosa, não cogitaram de
empreender esse caminho, mas apenas de proporcionar uma versão do judaísmo adequada à
cultura do seu tempo e nunca de renegá-la no que tinha de essencial: a indissociabilidade, a
verdadeira simbiose, entre moral e religião. Isso sem prejuízo da distinção que se pode
estabelecer no posicionamento deles. Enquanto Maimonides descobre no Antigo Testamento
uma filosofia, Espinosa encontrará nele sobretudo uma religião e uma política.(2)
Presumivelmente, o empenho de Maimonides e Espinosa em difundir uma versão do
judaísmo em consonância com o período histórico em que viveram não provocou nenhum
abalo nas convicções milenares dos próprios judeus. Na medida em que sua obra serviu para
combater interpretações da herança mosaica que enfraqueciam a tradição, Maimonides foi
prestigiado pela comunidade. No caso de Espinosa, entretanto, sua expulsão do meio judaico
não deixa de ser uma resposta ao que seria uma espécie de “empreendimento modernizador”.
Contudo, do ponto de vista da cultura ocidental, essa insistência na possibilidade de que a
unidade indissolúvel entre a moral e religião poderia ser preservada mesmo em face do novo
saber da natureza que está emergindo, como aparece em Espinosa, teve conseqüências
significativas na evolução da Filosofia Moderna.
Na medida em que as religiões se multiplicam e o Código Moral tradicional passa a
comportar diferentes interpretações, o movimento que começa com Pierre Bayle (1647/1707)
tende a estabelecer nítidas distinções entre preceitos morais e preceitos religiosos. A
obediência a estes últimos é uma questão de crença enquanto a observância das regras morais
aceitas pela sociedade provém de circunstâncias que precisam (e podem) ser investigadas. “Os
dogmas são anti-racionais escreve Bayle; em relação a eles, a razão nada tem a fazer, nem pró
nem contra; o homem os recebe por revelação e, como na aceitação ou repúdio da revelação
não intervém a filosofia, a sociedade deve respeitar os homens que em matéria religiosa sejam
antidogmáticos e até ateus”.(1) Dessa distinção entre moral e religião, Bayle saberia tirar as
necessárias conseqüências ao afirmar que se “pode ser religioso sem ser moral; pode-se ser
moral sem ser religioso. Um ateu que vive virtuosamente não é um monstro que suplanta as
forças da natureza". Como vimos na disciplina MORAL, a investigação dessa hipótese teve
76

grandes desdobramentos, entre os quais se destacam a fundamentação teórica da moral de tipo


consensual, empreendida pelos ingleses, a busca de fundamentos racionais para a moral
individual, empreendida por Kant e as retificações que nestas introduziu Marx Weber,
resultando o que denominou de ética de responsabilidade.
A obra de Espinosa criou, entretanto, uma outra possibilidade. Se moral e religião
são indissociáveis mas comportam abordagem racional, o homem pode estabelecer que todas
as religiões têm um substrato racional. Este constituiria o que foi chamado de religião
natural.(2) É de todo plausível a suposição de que a espiritualidade judaica moderna, na
versão que lhe deu Espinosa, encontra-se na raiz desse tipo de meditação que deixou marcas
tão profundas no espiritualismo francês e na filosofia portuguesa.

b) Razão e Fé em Maimonides, assegurando o primado das


crenças fundamentais do judaísmo

No período correspondente ao da Escolástica Ocidental, aparecem muitos eruditos


judeus, vivendo no mundo árabe (Norte da África e Espanha), que se notabilizam pelos
comentários aos filósofos antigos, sobretudo aqueles relacionados ao neoplatonismo.
Valem-se também da forma de argumentação criada pelos gregos para defender a pureza do
judaísmo diante das inevitáveis influências que experimentava no contato com outras culturas.
Considera-se que o primeiro desses pensadores judeus a revelar familiaridade com a
obra de Aristóteles seria Abraão Ibn Daud, que viveu no século XII, na Espanha. Teria
nascido por volta de 1110, em Toledo, sendo morto em 1180, numa das ondas de perseguição
aos judeus que periodicamente eclodiram no mundo islâmico. É autor de obra sobre a cabala,
um texto considerado clássico na historiografia judaica. Em matéria de filosofia, discutiu o
tema do livre arbítrio, buscando compatibilizar as crenças judaicas e a discussão filosófica. A
síntese completa entre a doutrinas peripatéticas e os textos judaicos seria entretanto obra de
Moisés Maimonides. Nasce en Córdoba, em 1135. Aos treze anos, em 1148, a família
emigrou primeiro para Jerusalém e depois para o Egito, devido a perseguições religiosas. No
Cairo Maimonides exerceu com sucesso a medicina e elaborou sua obra de erudito. Faleceu
em 1204.
Maimonides empreendeu uma compilação monumental da tradição moral judaica,
levando em conta as contribuições dos diversos sábios que meditaram sobre as situações
concretas para delas extrair ensinamentos concretos, no espírito da lei mosaica. A essa
compilação Maimonides denominou de Segunda Torá (Mischné Torá). Tornado famoso entre
os judeus e consultado sobre questões doutrinárias, teria oportunidade de elaborar outros
textos com o propósito de sanar "as angustiosas desorientações reinante na coletividade" e
levá-los a "permanecerem fiéis à sua religião, ensinando a seus filhos a grandeza da Revelação
no Sinai e a certeza da salvação derradeira, mas a abandonarem os cálculos vãos sobre o dia
da Redenção e não se deixarem iludir pelos falsos Messias". O ápice dessas meditações seria a
obra a que deu o expressivo título de Guia dos Perplexos, onde se vale de Aristóteles para
enaltecer as crenças fundamentais do judaísmo.
O propósito da obra assim está expresso na Introdução: "O objeto deste tratado é
iluminar o homem religioso que foi educado a crer nas verdades de nossa sagrada lei, que
conscientemente cumpre seus deveres religiosos e morais e que, ao mesmo tempo, foi bem
sucedido em seus estudos filosóficos. A razão humana o atraiu para habitar em sua esfera e ele
encontra dificuldade em aceitar como correto o ensinamento baseado na interpretação literal
77

da lei, e especialmente aquela que ele próprio ou outros derivam das expressões harmônicas,
metafóricas ou híbridas. Daí estar ele perdido em perplexidade e ansiedade. Se for guiado
apenas pela razão, e renunciar a suas concepções anteriores que se baseiam nessas expressões,
há de considerar que rejeitou os princípios fundamentais da lei; e mesmo que conserve as
opiniões derivadas dessas expressões, e se em vez de seguir sua razão, abandonar totalmente a
orientação desta, ainda assim parecia que suas convicções religiosas sofreram perda e injúria.
Pois será então abandonado àqueles erros que deram origem ao medo e ansiedade, ao
constante pesar e grande perplexidade".
O princípio, segundo o qual se valerá de Aristóteles, consiste no primado do religioso
e do especialmente judaico. Alguns exemplos servirão para apreender-se o seu estilo.
Cinqüenta dos setentas e cinco capítulos do Livro Primeiro do Guia dos Perplexos
estão dedicados à apreensão do sentido das palavras, a partir desta advertência: "Não pensais
que só a doutrina secreta há de ser ensinada com avareza ao vulgo e aos não-iniciados.
Reiteradamente temos aluído ao dito dos sábios: "Não interpreteis o capítulo relativo à
Criação em presença de duas pessoas." Este princípio não era privativo de nossos sábios, pois
os antigos filósofos e eruditos de outras nações procuravam tratar também com obscuridade os
principia rerum (princípio das coisas) e se valiam de linguagem figurada para discorrer acerca
de tais questões. ...Pois se aqueles filósofos que nada podiam temer de clara explicação de
tais questões metafísicas costumavam discuti-las mediante figuras e metáforas, enquanto mais
não teremos que fazer, nós que levamos em nosso coração o cuidado do religioso,
abstendo-nos de comunicar claramente ao vulgo o que está acima de sua compreensão, ou
pode ser tomado em sentido contrário ao que nos propomos?"
Eis como Maimonides explica como se diz que Deus tem forma e figura (Livro
Primeiro, cap. III):
"Pode-se pensar que as palavras hebréias temuna e tabnit significam a mesma coisa
mas não é assim. Tabnit significa a figura de uma coisa que foi construída, se é quadrada,
redonda, triangular ou de alguma outra maneira. Diz-se no Êxodo: "A forma (tabnit) do
Tabernáculo e das ânforas"; "a forma de qualquer pássaro" (Deuteronômio); "a forma da
mão"; “a forma do pórtico” ... De modo que a língua hebréia nunca prega a palavra tabnit
quando fala das qualidades de Deus Onipotente.
O termo temuna se usa com três sentidos diferentes na Bíblia. Significa,
primeiramente, o perfil das coisas de que percebemos pelos sentidos. Em segundo lugar, as
formas de nossa imaginação, as impressões que aparecem quando os objetos cessarem de
afetar os sentidos, e em terceiro lugar, a idéia de um objeto, quando unicamente o percebe a
inteligência: é neste terceiro sentido como se aplica a Deus a palavra. Portanto, a sentença: "E
contemplará a imagem do Senhor (Números, 12. 8) quer dizer: "E compreenderá a verdadeira
essência de Deus”.
O problema da criação é outro exemplo da maneira como Maimonides coloca em
primeiro plano os ensinamentos judaicos, sem, entretanto, eliminar a possibilidade de
encará-los racionalmente. Na meditação grega, sistematizada por Aristóteles, não se dá a
possibilidade da criação. Para atestar a validade do ensinamento bíblico, em contraposição a
Aristóteles, Maimonides dividirá a sua argumentação em dois segmentos. No primeiro,
analisa o entendimento de Aristóteles quanto à causalidade mecânica, para mostrar que não
vale como explicação universal. No segundo, refuta a conclusão de que, tendo sido criado pela
vontade de Deus, o mundo seria inteiramente ocasional e arbitrário.
78

A causalidade mecânica, estabelecida por Aristóteles, é válida para o mundo


sublunar, onde a grande variedade das coisas deve ser referida às leis imutáveis que governam
a influência das esferas sobre os seres que se encontram abaixo. Mas não explica a diferença
entre as estrelas, sempre inteligências separadas, conforme a cosmologia
aristotélica-ptolomaica. E como fica, nessa circunstância, o princípio de que de uma causa
simples só pode resultar um efeito simples? Tais dificuldades provenientes dos ensinamentos
aristotélicos sobre causalidade mecânica, imperativo da lei natural e perenidade do universo,
seriam afastadas se fosse admitido, em seu lugar, uma causa inteligente operando com
finalidade”.
Quanto à segunda linha de argumentação escreve o seguinte (Guia dos Perplexos,
cap. XXV):
“Manifestamos assim, claramente, e explicamos nossa opinião, que concorda com
Aristóteles em método de sua teoria. Pois acreditamos que este universo permanece
perpetuamente com as mesmas propriedades com que o Criador o dotou, e nenhuma delas
jamais mudará exceto por via de milagre em alguns casos individuais, embora o Criador tenha
o poder de mudar o universo inteiro, de aniquilá-lo, ou de remover qualquer de suas
propriedades. O universo tem, entretanto, um princípio e começo, pois, quando nada tinha
ainda existência salvo Deus, sua sabedoria decretou que o universo fosse trazido à existência a
um certo tempo, que não deveria ser aniquilado ou mudado com respeito a qualquer de suas
propriedades, salvo em alguns casos; alguns nos são conhecidos. Tal é a nossa opinião e a
base de nossa religião. A opinião de Aristóteles é que o universo, sendo permanente e
indestrutível, é também eterno e sem começo. Já mostramos que semelhante teoria se baseia
na hipótese de que o universo é o resultado necessário da relação casual, e que essa hipótese
inclui certa dose de blasfêmia”.
O Guia dos Perplexos foi traduzido tão logo foi divulgado, acreditando-se que haja
contribuído no sentido de que a Escolástica Ocidental tenha evoluído no sentido de substituir
a influência platônica pela aristotélica.

c) Contexto histórico-cultural da obra de Espinosa

Espinosa nasceu em 1632, na cidade de Amsterdã, e morreu em 1677 em Haia, a 21


de fevereiro. Em novembro do mesmo ano foi publicada a maior parte de suas obras, sob o
título de Obras Póstumas.
O grande pensador e crítico português, Joaquim de Carvalho esclareceu com precisão
as origens judeu-portuguesas de Baruch de Espinosa. Filho de Miguel de Espinosa (natural de
Vidigueira, Portugal) e de Hanna Debora Espinosa, segunda mulher de Miguel. Hanna
Debora, a mãe, muito provavelmente era portuguesa. Tendo falecido quando Baruch contara 5
anos de idade, a educação da criança ficou a cargo da madrasta, Ester de Espinosa, natural de
Lisboa. Embora o nosso autor conhecesse várias línguas, como será mostrado um pouco mais
adiante, foi o português a sua língua familiar. A respeito, escreve Joaquim de Carvalho: "O
hebreu, o latim, e o holandês foram sem dúvida os instrumentos da sua formação filosófica e
científica; mas temos por certo que a língua familiar da puerícia e adolescência foi o
português".
O pai de Baruch emigrou de Portugal e se estabeleceu em Amsterdã, desde fins de
1623 até 28 de março de 1645, data do seu falecimento.
79

Baruch teve duas irmãs, Rebeca e Miriam, sendo que esta, a mais nova, casou com
Samuel Carceres, judeu português, com quem teve um filho, Daniel Carceres, que se
apresentou, junto a sua tia Rebeca, como herdeiro do espólio do Filósofo, segundo foi
informado por Johann Kohler. Era grande o ramo dos Espinosas portugueses (os havia
também espanhóis): ao longo dos séculos XVI e XVII, encontravam-se famílias com esse
sobrenome em Viana do Castelo, Guimarães, Lamego, Leiria, Faro, Açores, Porto, Lisboa e
Évora.
Cristãos-novos, os Espinosas portugueses foram sempre acusados de
cripto-judaísmo. Conforme escreve Joaquim de Carvalho, "(...) em todas as províncias de
Portugal viveram nos séculos XVI e XVII indivíduos de apelido Espinosa – apelido este caiu
em desuso do século XVIII em diante, talvez porque os vitupérios contra o Maledictus
importassem para os seus portadores a suspeita de cripto-judaísmo. Se alguns se apresentavam
como cristãos-velhos, e até enobrecidos pela prosápia dos Espinosas castelhanos, a maioria,
porém, mal pode velar a ascendência israelita e a prática secreta do judaísmo. Miguel de
Espinosa pertencia, sem dúvida, a uma família de marranos, porque só demandavam
Amsterdã os corajosos a quem a forçada dissimulação interiormente vexava e publicamente
aspiravam a invocar o Eterno e a viver segundo a Lei".
Todos os biógrafos de Espinosa concordam nas suas origens judaico-portuguesas e
na sua naturalidade holandesa (Amsterdã), desde os mais antigos como Jean Maximilien
Lucas e o pastor Johann Kohler (Colerus), passando por Wilhelm Meijer. Pierre Bayle,
Freudenthal, Meinsma, Dunin Borkowsky e chegando até os portugueses Antonio Ribeiro dos
Santos, José Agostinho de Macedo e Inocêncio Francisco da Silva. Maximilien Lucas, na Vie
de feu monsieur de Espinosa (1677), esclarece que Baruch era versado no hebreu, no italiano,
no espanhol, no alemão, no flamengo e no português. Johann Kohler, por sua vez, apresenta
Baruch de Espinosa "(...) como descendente de honrados judeus portugueses, os quais viviam
com certa largueza, habitando uma linda casa, onde tinha o seu comércio, no Burewall, perto
da velha Sinagoga portuguesa".
O filósofo freqüentou a Escola da sinagoga de Amsterdã, cuja língua oficial era o
português, se bem que o espanhol era também usado. A influência das obras da literatura
espanhola revela-se na Ética (onde Espinosa dá uma velada referência a Góngora) e no
inventário de sua biblioteca (entre os 161 livros inventariados, encontraram-se 16 em espanhol
e nenhum em português, o que confirma o caráter exclusivamente familiar e religioso desta
língua). Quanto às obras constantes do inventário, é digna de menção a do judeu português:
Aehuda Abravanell (Leão Hebreu), Diálogos de Amor (em espanhol). No entanto, a língua
portuguesa era oficial na sinagoga da Amsterdã. Testemunho esclarecedor acerca da
importância que tinha o português na comunidade judaica de Amsterdã, é fornecido por
Mendes dos Remédios: "(...) a língua portuguesa perdurou durante largo período, não só como
a língua usada pelos literatos e homens cultos, mas ainda no seio das famílias como língua
própria e habitual. Nos livros, como nos seus cartões para não importa que convite de festa ou
de cerimônia, nas inscrições epigráficas dos seus monumentos tumular, a língua que
empregavam era, de fato, a portuguesa". A respeito do mesmo ponto, indica Joaquim de
Carvalho: "Nas lápides tumulares do cemitério de Ouderkerk, nas participações de casamento,
nas resoluções e avisos da comunidade, nos sermões, nas numerosas apologias do judaísmo e
nos escritos destinados a fortalecer a fé dos emigrados empregava-se comumente a língua
portuguesa, e foi em português, e não castelhano, que em 1656, Espinosa foi posto no harém
pelos senhores de Mahamad, nessa sentença que não se lê sem um estremecimento de horror".
80

É realmente de arrepiar o tom da excomunhão de que foi vítima o grande pensador


em 27 de julho de 1656. Eis o teor da mesma, segundo Van Vloten. "Os chefes do Conselho
Eclesiástico fazem saber, por meio da presente, que já tendo certificado das opiniões e atos
maléficos de Baruch de Espinosa, tentaram de diversos modos e por variadas promessas
desviá-lo de sua maléfica. Mas não tendo conseguido convencê-lo a abraçar uma melhor
forma de pensamento; e, pelo contrário, tendo se convencido ainda mais das terríveis heresias
sustentadas e confessadas por ele e da insolência com a qual essas heresias são promulgadas e
espalhadas no exterior, e tendo muitas pessoas dignas de crédito prestado testemunho disso
em presença do dito Espinosa, foi ele considerado plenamente culpado das mesmas. Feito,
portanto, um relatório de todo o assunto diante dos chefes do Conselho Eclesiástico,
decidiu-se, concordando os conselheiros com isso, anatematizar o dito Espinosa e desligá-lo
do povo de Israel, com a seguinte maldição: com o julgamento dos anjos e a sentença do
santos, anatematizados, execramos, amaldiçoamos e expulsamos Baruch de Espinosa, estando
de acordo toda sagrada comunidade, reunida diante dos livros sagrados, contendo seiscentos e
treze preceitos, e pronunciamos contra ele a maldição que Elias lançou sobre os filhos
rebeldes e todas as maldições escritas no livro da Lei. Que ele seja exercido durante o dia e
exercido a noite; seja exercido ao deitar-se e exercido ao levantar-se; exercido ao sair e
exercido ao entrar. Que o Senhor nunca mais o perdoe ou aceite; que a ira e o desfavor do
Senhor, de agora em diante, recaiam sobre este homem. Carreguem-no com todas as
maldições escritas no Livro do Senhor e apaguem seu nome de sob o firmamento; que o
Senhor o afaste de toda as tribos de Israel e o marque para o mal, oprima-o com toda as
maldições do firmamento contidas no livro da Lei, e que todos vós que obedeceis ao Senhor
vosso Deus sejais salvos nesse dia. Por meio desse documento ficais, portanto, todos avisados
de que ninguém poderá manter conversação com ele pela palavra oral, ter comunicação com
ele por escrito; de que ninguém poderá lhe prestar nenhum serviço, habitar sob o mesmo teto
que ele, aproximar-se dele a uma distância de quatro cúbitos e de que ninguém poderá ler
qualquer papel ditado por ele ou escrito por sua mão".
O que terá chocado de tal maneira os responsáveis pela comunidade judaica de
Amsterdã? Provavelmente aquilo mesmo que está contido na obra que publicou sete anos
depois, em 1663: Princípios da filosofia cartesiana.
Sendo profundamente religioso, Espinosa entende que para alcançar serena e eterna
bem-aventurança o homem precisa dispor de um conhecimento correto de Deus. Para indicar
o caminho a ser percorrido na conquista de tal objetivo, vale-se das indicações de Descartes
quanto ao método, a fim de eliminar as representações confusas e chegar a idéias claras e
distintas.
Espinosa afirma que dispomos destes tipos de representações: as que provêm da
simples transmissão verbal; as que nascem por experiência vaga; as originadas pela relação de
um efeito com sua causa; e as que proporcionam um conhecimento intuitivo e direto do objeto
estudado na forma proporcionada pelas verdades matemáticas. Sendo este último o único
conhecimento autêntico, cabe-nos investigar as notas constitutivas do objeto e de modo
análogo a definição das figuras geométricas.
Se estabelecermos deste modo os atributos de Deus, verificaremos que a ordem e
contexto das idéias, como elementos simples e irredutíveis, correspondem à ordem e conexão
das coisas.
Seguindo a Descartes, Espinosa aceita que só tenhamos acesso á extensão e ao
pensamento, mas o corrige ao afirmar que este corresponde a manifestação de uma substância
81

única, Deus. A legalidade natural decorre dessa substância única. Podemos, portanto, ter
conhecimento geométrico (vale dizer, intuitivo e certo) de Deus.
No contexto histórico em que viveu e tendo em vista a sua formação religiosa, tais
afirmativas correspondem ao corolário da idéia de que a natureza está escrita em linguagem
matemática, que constitui um dos elementos impulsionadores da ciência moderna, ainda que,
de origem mística, idéia que há de se ter tornado cara a Espinosa na medida em que tem
familiaridade com o conhecimento místico dos judeus, a Cabala, que repousa justamente na
fixação de relação rigorosamente estabelecida.
A par disto, essa crença na ciência e no poder da matemática era algo de
relativamente difundido na Europa do Norte, em especial na Holanda, do mesmo modo que o
pensamento de Descartes (1596/1650). Este também se refugiara na Holanda, onde viveria por
largo período (de 1628 a 1649). Espinosa conhece com profundidade a sua obra e o seu
primeiro livro, antes referido é um comentário a Renati Descartes Principia philosophiea, que
aparecera em 1644. No decênio anterior, a proibição pela Igreja Romana do Diálogo de
Galileu (1564/1642) fez surgir um grande movimento em seu apoio nos países protestantes.
No caso particular da Holanda, a própria Casa Real prestara-lhe solidariedade. Nesse país era
grande o interesse pela matemática e pelos assuntos relacionados á navegação. Ainda não há
na Europa o que mais tarde ficou conhecido como comunidade científica. Mas já se pode falar
do estabelecimento de uma utopia científica, a propósito do que escreve Ben-David: "Os
criadores dessa tendência foram Peter Ramus e Bernard Palissy, seguidos por Francis Bacon,
Comenius, Samuel Hartlib e outros. Estavam interessados pela educação universal e por
projetos de longo alcance de cooperação científica e tecnológica que, segundo esperavam,
levariam à conquista da natureza e ao aparecimento de uma nova civilização. Acreditavam
numa redenção do mundo que se tornaria possível através da ciência, da tecnologia e de sua
organização e apoio eficientes".(1)
De sorte que as idéias de Espinosa circulam nesse clima. Terá sido a sua visão
"científica" de Deus que chocara aos rabinos de Amsterdã? - Talvez não diretamente, mas o
fato visível de que, em relação a Maimonides, inverte nitidamente as posições. Isto é, os
dogmas agora precisam passar pelo crivo da razão e não simplesmente usar os argumentos da
filosofia para mostrar a superioridade da revelação. No sistema de Espinosa, não tem lugar a
criação do mundo nem os milagres.
Expulso da comunidade, Espinosa viveu uns tempos do comércio herdado de seu pai
e, logo depois, d aprendizado de uma atividade artesanal: o polimento de lentes. Em 1660,
transfere-se de Amsterdã para uma pequena localidade perto de Leiden e, em 1663, para as
proximidades de Haia. Ao longo deste decênio, alcançara nomeada em toda a Europa
protestante. Recebe visitas ilustres, entre estas, o próprio Leibniz.
O sistema de Espinosa compõe-se do Tratado para reforma do entendimento, que é
uma espécie de introdução à metodologia; a Ética, que, ao contrário do que possa sugerir,
consiste numa meditação sobre Deus, se bem daí deduza o que seria a verdadeira liberdade
humana, decorrente do conhecimento de Deus; e Tratado Político, que deixou incompleto,
embora se manifeste sobre temas tradicionalmente considerados nessa disciplinas, isto é, as
formas de governo. Estes livros aparecem na edição das Obras Póstumas, que vieram a luz no
próprio ano de sua morte, em 1677. Por solicitação do regente holandês Jan de Witt, escreveu
o Tratado das Autoridades Teológico-Políticas, que é a defesa da tolerância religiosa, editado
em 1670. Em 1672, tem lugar a derrubada de Witt do poder, passando também a Holanda a
experimentar um ciclo de intolerância e perseguição religiosa. No tempo que lhe restou de
82

vida, além de completar o sistema, Espinosa prepara uma tradução ao holandês do Pentateuco
e uma gramática hebraica, o que é uma indicação expressiva de que não pretendera tocar no
núcleo central da herança de seu povo, consistente na simbiose entre religião e moral, mas
apenas em difundi-lo na linguagem de seu tempo, a exemplo do que fizeram tantos outros
eruditos judeus, em seus respectivos momentos.

d) A espiritualidade judaica e a filosofia moderna

Com sua Ética, Espinosa quer provar que não há pessoas más, sendo assim rotulados
os ignorantes. Se fosse possível esclarecê-las, teriam cada vez maior poder sobre as afecções,
de onde provem as paixões. A felicidade não mais dependeria da capacidade de refreá-las e
consistiria simplesmente no amor de Deus, esclarecido pelo conhecimento geométrico de sua
verdadeira natureza. Tamanha era a convicção de que estava possuído do significado dessa
descoberta que pode afrontar o sofrimento que há de ter experimentado diante da
incompreensão de sua comunidade.
A "descoberta" de Espinosa tem, entretanto, alguns antecedentes muito nítidos. O
primeiro reside naturalmente na própria religião judaica, que é um ensinamento religioso
destinado a nortear o comportamento dos homens. A idéia de que religião e moral poderiam
dissociar-se - que deu origem a potente movimento especulativo ao longo da Época Moderna,
com repercussões no período contemporâneo - não tem qualquer chance de florescer no seio
da tradição judaica.
Seguem-se os ensinamentos de Maimonides. A grande personalidade, cuja obra está
presente na biblioteca de Espinosa, deixará claramente estabelecido que o homem não pode
abandonar a Razão no que respeita ao conhecimento de Deus, sem considerar que estaria
sofrendo "perda e injúria" . E mais, que o "universo permanece perpetuamente com as mesmas
propriedades". Daí para a tese de Espinosa a distância é menor do que parece. Além do que
afirmou na Ética, na parte introdutória do Tratado Político, em que as resume, escreve:"... O
homem não pode de maneira nenhuma ser qualificado como livre, porque pode não existir ou
porque pode não usar a Razão; não o pode ser senão na medida em que tem o poder de existir
e de agir segundo as leis da natureza humana. Portanto, quanto mais consideramos que um
homem é livre, menos podemos dizer que ele não pode usar da Razão e preferir o mal ao bem;
e assim Deus, que é um ser absolutamente livre, conhece e age necessariamente, isto é,
conhece e age por uma necessidade da sua natureza. Não oferece dúvida que Deus aja com a
mesma necessidade com que existe; do mesmo modo que existe em virtude de uma
necessidade da sua própria natureza, age também em virtude de uma necessidade da sua
própria natureza, quer dizer, com uma absoluta liberdade".
A tradição cabalística é outra componente em que se apóia Espinosa para avançar nas
suas conclusões em tão inabalável convicção. Consoante Pinharanda Gomes, conhecido
erudito português, a Cabala sefardita, que floresceu na Espanha nos fins do século XII e
começos do século XIII, e que foi levada à Holanda do tempo de Espinosa, "adquire um cunho
menos pietista, e prima pelo caráter especulativo, o que lhe decorre da convivência nos meios
culturais da cristandade e da islamidade, onde a filosofia especulativa atravessava época
dourada". Adiante, acrescenta: "A filosofia sefardita tende quase toda, no século XIII, à
especulação cabalística, e nem um racionalista aristotélico como Moisés Maimonides
conseguiu sair ileso desse movimento que, em termos de novidade nas ciências teológicas,
constituí um modernismo". Abraão ben Samuel Abufalia (falecido em 1291), discípulo de
Maimonides, produziu diretamente obra místico-profética.
83

O apogeu da Cabala hispânica, segundo ainda Pinharanda Gomes, encontra-se no


Zohar – o livro do esplendor, onde sobressai a doutrina conducente "ao itinerário do
conhecimento de Deus oculto, Ensejo (o Inefável, o Ayin, o Nada), na sua relação com as
criaturas e principalmente com a criatura amada, o homem. Estrutura conceptual expressa
numa estrutura nomenclatural, cada palavra traduz uma idéia, e esta palavra não pode ser
usada fora do seu lugar, para cumprir a missão significativa que a Cabala lhe atribui. Como na
matemática, as palavras são móveis, mas as palavras fixam as idéias num momento da sua
mostração; por isso, o uso das palavras e dos sinais cabalísticos não é arbitrário; supõe um
conhecimento interno da ordem e do rigor cabalísticos. Sistema total, abarca as ciências do
mundo natural e do sobrenatural e, pois, a Física, a matemática, a ontologia, e, em resumo, a
teologia".
Pelas investigações que empreendeu, Pinharanda Gomes está convencido de que o
esquema cabalístico ecoa no pensamento de Espinosa. A conclusão parece pertinente
porquanto sua obra tem nítido sabor iniciático. Do que precede, verifica-se que a meditação de
Espinosa somente adquire sentido quando referida à cultura judaica em que se insere, não
obstante o horror que veio a causar à própria comunidade.
De igual modo, parece supor que a versão da espiritualidade judaica, saída de suas
mãos, seria aquela que maiores desdobramentos encontraria no seio da Filosofia Moderna.
Se Deus é a substância que sustenta a legalidade natural, a partir do momento em que
esta última encontra formulação acabada, na física newtoniana, começa também o movimento
para tornar a religião plenamente racional. Esta encontraria, como vimos na disciplina
RELIGIÃO, sua curva ascendente ao longo do século XVIII. E, mesmo quando se deixou de
acreditar na possibilidade de uma religião racional, tanto no espiritualismo francês como na
filosofia portuguesa, permaneceria como um estilo de averiguação dos atributos da divindade.

6. O idealismo clássico e seus desdobramentos

a) A interpretação da obra de Kant por Fichte

Johann Gottlieb Fichte (1762/1814) estudou teologia em famosas universidades


alemãs como as de Iena e Leipzig. Em 1790, aos 28 anos de idade, tomou contato com a
filosofia de Kant, fato que o marcou profundamente. Em 1794 ingressou no Corpo Docente da
Universidade de Iena transladando-se, depois, a Berlim. Durante as guerras napoleônicas, em
que os alemães foram inicialmente derrotados, pronunciou alguns discursos patrióticos que
vieram a alcançar enorme repercussão e passaram à história com a denominação de Discursos
à nação alemã (1807/1808). Exerceu as funções de Reitor da Universidade de Berlim.
Suas primeiras obras saíram anonimamente, na década de noventa, sendo atribuídas a
Kant, que ainda vivia. Dizia-se que, afinal, Kant se dispusera a elaborar o sistema, depois de
ter concluído a crítica. Uma das obras de Fichte intitulava-se Fundamentos de toda a teoria da
ciência (1794) e é assim, com o nome de teoria ou doutrina da ciência que aparece o seu
sistema. Não se trata, para nós, nesta oportunidade, de estudá-lo integralmente mas de
ressaltar aquilo que Hegel tomou como ponto de partida, já que seria a este que a posteridade
iria considerar como o maior e mais autêntico representante do idealismo alemão
pós-kantiano. Contudo, abdicaríamos do seu adequado entendimento se nos dispuséssemos a
estudá-lo sem considerar o legado de Fichte, partindo diretamente de Kant.
84

Como vimos, Kant tomara como referência evidências reais: a aceitação da física
newtoniana pelo mundo científico da época e a capacidade dos homens de emitir juízos
morais. Buscou encontrar fundamentos para a ciência da natureza e para a moralidade. Fichte
parte dos impasses e das dificuldades a que chegou a filosofia de Kant e decide-se por uma
construção inteiramente artificial. Declara expressamente que se propõe interpretar o
verdadeiro espírito que anima a obra de Kant e não o que aparece literalmente em seus
escritos. Pretende, enfim, focalizar justamente o que Kant tenha silenciado ou ignorado.
Na época de Kant ainda não fora elaborado o conceito de sociedade. O que de mais
próximo disso aparecera consistia na idéia da vontade geral, aventada por Rousseau. Segundo
este, se os homens fossem deixados inteiramente livres, exprimiriam uma vontade boa e santa,
a que deu aquele nome. Kant impressionou-se por essa proposição e usa expressões tais como
"seres racionais em geral" ou "sujeito transcendental" querendo exprimir o conceito de corpo
social (ou de espírito, como se diz com mais propriedade desde Hegel.) Valendo-se desses
antecedentes, Fichte estabelece como ponto de partida para a sua meditação a existência de
um Eu absoluto, ao qual incumbe reconstruir todo o saber, ou melhor, elaborar o sistema, cuja
possibilidade fora insinuada por Kant.
Além disto, Fichte elimina o conceito kantiano de "coisas em si". Ao usar essa
expressão, Kant tinha em vista indicar que as coisas (o real) aparecem na nossa percepção e
não podemos imaginar como seriam em si mesmas. Conforme indicamos ao estudar sua obra,
queria limitar a investigação filosófica aos marcos da experiência humana, prescindindo da
discussão de temas clássicos como a existência de Deus ou a sobrevivência da alma após a
morte, que não podem ser solucionados discursivamente. Em lugar da "coisa em si", Fichte
coloca um ente de razão que denomina de não-Eu. Partindo de posições absolutas e de posse
desses dois conceitos (Eu e não Eu), o filósofo estabelece o patamar inicial para a
reconstrução do saber (o sistema). Declara expressamente que essa é uma posição idealista,
isto é, que privilegia as idéias no conjunto da ação humana.
Embora abandonando o tom de arbitrariedade – mas partindo de um contato com a
própria história da filosofia – Hegel irá aceitar esse posicionamento de Fichte, isto é, a
suposição de que a costura do processo real é dado pelas idéias. E como não há porque se
preocupar com as coisas como seriam em si mesmas, a construção teórica que toma por base
essa premissa eqüivalerá ao próprio real.
Fichte deu também um outro encaminhamento à dialética kantiana. Conforme
indicamos, a dialética transcendental de Kant ocupa-se de identificar antinomias, isto é,
oposições irreconciliáveis. A Fichte ocorreu que tais oposições poderiam conduzir a uma
síntese. Eis aí mais uma premissa do sistema hegeliano.
Fichte opunha radicalmente o realismo ao idealismo. Quando fala em realismo, tem
presente a empirismo inglês, em sua tentativa de construir o conhecimento exclusivamente a
partir da experiência sensível. O idealismo corresponde à posição kantiana, que embora
recusando a proposta empirista quer tomar o contato com o real como ponto de partida de sua
investigação. Da oposição entre as duas filosofias busca extrair uma síntese, a que chama de
idealismo crítico, equivalente à sua própria posição. Esta considera não apenas a atividade
infinita do Eu, como igualmente sua limitação, fixada pelo não-Eu.
Essa idéia do curso histórico da filosofia como estando marcado por oposições
irreconciliáveis teria grande curso no pensamento alemão, indo repercutir na obra de Marx.
Quando os marxistas opõem materialismo a idealismo como o cerne da história da filosofia,
estão repetindo a Fichte mas construindo a polaridade de modo errôneo. O que se opõe ao
85

idealismo, como indica o autor da hipótese, é o realismo (ou empirismo). A contraposição do


materialismo é o espiritualismo. Essa distinção é de grande importância porquanto
materialismo e espiritualismo poderiam ser rotulados como "metafísicas dogmáticas", isto é, a
adesão a postulados que estão acima da experiência humana. Tanto faz dizer que no princípio
era a matéria como a substituição desta pelo espírito. Ambas são afirmações que não
comportam uma discussão racional, deslizando para a esfera das crenças.
Fichte admitiu uma dedução dos graus do espírito teórico, partindo sucessivamente
da sensação (limitação do Eu ou sua produção pelo não-Eu); da intuição (descoberta do Eu
por si mesmo e de sua própria limitação) e entendimento (consciência do princípio da
limitação). Kant parte da percepção para o entendimento (nível no qual se elabora a filosofia
da ciência) e deste para a razão (que conduz às antinomias da dialética). A ênfase e o
remanejamento dessas etapas é que sugeriu a Hegel o que denomina de fenomenologia do
espírito, vale dizer, uma história da consciência na qual vai construindo etapas sucessivas.
A filosofia de Fichte tem outros desdobramentos. Assim, em matéria de moral, acaba
por restaurar sua subordinação à religião, recusando a autonomia que consistia precisamente
numa das conquistas capitais da Época Moderna, coroada por Kant. Afirma que, assim como
acima do eu empírico existe o eu absoluto, acima deste há o Absoluto, do qual derivam por
emanação os contrários. A posteridade considerou que, por esse caminho, acabou restaurando
a perspectiva transcendente e aproximando-se das idéias de Platão.
Em que pese o resultado final, a meditação de Fichte marca significativamente a
evolução posterior do pensamento alemão, nestes aspectos:
1°) a suposição de que a etapa a ser cumprida, como desdobramento da filosofia kantiana, é a
construção do sistema;
2°) para construir o sistema, o filósofo deve privilegiar o aspecto ideal da cultura,
abandonando toda preocupação com a "coisa em si";
3°) se o método adotado na construção do sistema for adequado, corresponderá à essência do
processo real;
4°) o processo real está marcado por contradições que obrigatoriamente chegarão a sínteses.
Hegel irá partir, como veremos, desses postulados, evitando desembocar na
restauração da perspectiva transcendente e mantendo-se nos marcos da perspectiva
transcendental. Por essa razão, Fichte tornou-se, ao lado de Kant e Hegel, uma figura-chave
do idealismo alemão.
Na década de trinta do século XX, as principais obras de Fichte foram traduzidas ao
espanhol, notadamente Primeira e segunda Introdução à Teoria da Ciência (Madrid, 1934).
Traduziu-se também o que escreveu sobre a universidade (A idéia de universidade, Buenos
Aires, 1959), considerando-se que se encontra entre os que condicionaram a restauração do
prestígio da nação alemã à reconstrução da Universidade, conduzindo ao notável sucesso que
esta veia a alcançar na segunda metade do século XIX, quando torna-se o grande centro
mundial da pesquisa científica. Mais recentemente, o conhecido estudioso francês da filosofia
alemã e tradutor de Kant, A. Philonenko, editou as Introduções à Doutrina da Ciência, 1797
(Paris, Vrin, 1964) e apareceu o estudo de Didier Julia, que lhe é dedicado (La question de
1'homme et le fondement de la philosophie, Paris, Aubier, 1964). Como estudo clássico das
interpretações de Kant pode-se citar L'heritage kantien et la révolution copernicienne - Fichte
- Cohen - Heidegger, de Jules Vuillemin (Paris, PUF, 1954).
86

1. Idéia geral da obra de Hegel e sumário dos principais livros

Georg Wilhelm Friedrich Hegel nasceu em Stuttgart, em 1770. Estudou teologia em


Tubing e trabalhou como preceptor privado, entre 1794 e 1800, em Berna e Frankfurt. Em
1801 ingressou na Universidade de Iena, na condição de livre docente. Entre 1809 e 1916 foi
reitor do Ginásio de Nuremberg, tornando-se, sucessivamente, professor das Universidades de
Heidelberg e Berlim. Na década de vinte ascende à condição de filósofo oficial da Prússia e
dos principados alemães que se encontravam sob a sua licença. Faleceu em 1831, aos 61 anos
de idade.
Considera-se tenha disposto a empreender caminho autônomo já próximo de
completar 40 anos. Até então fazia parte do grupo de autores românticos, entre os quais
também se encontrava Friedrich Schelling (1775/1854), que havia imaginado um sistema
filosófico seguindo a Fichte. Tendo sobrevivido a Hegel, Schelling tornou-se também uma
espécie de filósofo oficial, nos anos quarenta, chamado pela Corte para se contrapor ao
encaminhamento político que os discípulos de Hegel estavam dando aos seus ensinamentos,
tornando-se, por essa razão, uma das figuras destacadas do idealismo alemão. No curso de sua
vida, Schelling esteve afastado das atividades docentes entre 1806 e 1820, tendo se ocupado
de elaborar sucessivos sistemas filosóficos, nenhum dos quais bem sucedido.
Hegel publicou a Fenomenologia do Espírito em 1807, aos 37 anos. Trata-se,
conforme indicaremos mais pormenorizadamente logo a seguir, de uma tentativa de
reconstrução da gênese e do desenvolvimento da consciência (ou da cultura) ocidental,
privilegiando nesta ao saber filosófico mas a este não se limitando. Ao conclui-la, dá-se conta
de que esse caminho pode tornar-se ainda mais abstrato e, no Prefácio, prepara o caminho
para a obra subseqüente, Ciência da lógica.
Hegel escreve a Ciência da Lógica entre 1812 à 1816. Consiste numa reordenação
das categorias kantianas, enriquecidas por suas próprias descobertas e culminando com a idéia
absoluta.
Em 1817, publica a Enciclopédia das Ciências Filosóficas, que é uma espécie de
compêndio do seu sistema. Está dividida em Lógica, Filosofia da Natureza e Filosofia do
Espírito. A lógica corresponde a um resumo esquemático da obra anterior. A Filosofia da
Natureza, a uma aplicação arbitrária de sua terminologia à ciência natural, apenas para atender
às imposições da intenção sistemática. Na Filosofia do Espírito refaz o esquema precedente da
Fenomenologia e nela atribui um grande espaço à sociedade e ao Estado.
No período subseqüente, chamado de Berlim (1818/1830), ainda desenvolve enorme
atividade, publicando Filosofia da História, Estética e Filosofia do Direito. Os seus cursos de
História da Filosofia foram igualmente sistematizados.

Fenomenologia do Espírito

A Fenomenologia do espírito contém a gnoseologia hegeliana. Na tradição desses


estudos, iniciada por Locke, todo o conhecimento provém da experiência sensível. No nível
inicial desta temos separadamente as sensações e a percepção, seguindo-se a representação.
Depois se passa ao plano das idéias onde a grande preocupação é identificar as idéias simples,
87

que estariam mais próximas da experiência sensível inicial. Hume unificou os momentos da
sensação e da percepção, chamando-os de impressões primeiras.
Kant adotou um esquema mais complexo porquanto cuida de identificar em que se
sustentam aqueles planos. Assim, as intuições empíricas iniciais são ordenadas pelas intuições
puras do espaço e do tempo. Segue-se o entendimento, que é o plano da ciência (categorias).
Entre este e a razão (que elabora idéias) introduz a unidade "a priori" da apercepção (o "eu
penso" que acompanha todos os enunciados).
Hegel reelabora esse esquema. Parte da consciência, cuja formação é precedida da
certeza sensível, da percepção e do entendimento, para chegar sucessivamente à
consciência-de-si, à razão e ao espírito. Além disto, inova sobremaneira ao atribuir, a cada um
desses momentos, número limitado de conceitos que seriam formulados pelos filósofos e
homens de ciência no curso de suas vidas. Hegel tinha uma grande familiaridade com a
história da filosofia mas, ao elaborar a Fenomenologia não se preocupa em identificar os
pensadores que tem em vista. Este trabalho deixou aos estudiosos e interpretes. O esquema
completa-se com a suposição de que a elaboração conceitual é dialética, isto é, começa por
uma primeira afirmativa, a que chama de tese, e enfrenta uma negação (antítese), resultando a
síntese final, que, por sua vez, dá seguimento ao processo.
Hegel atribui grande importância à linguagem. Trata-se da primeira forma do
relacionamento do homem com o mundo exterior e também a mais simples forma de
existência de que se adquire consciência. O que o homem se representa, representa-se
interiormente, como falado. As representações pertencem a diversos círculos e são o ponto de
partida para chegar-se ao conceito, que é a forma mais alta desse processo, realizado pela
filosofia. A dialética dos conceitos conduz à idéia, que é universal concreto, a síntese dos
contrários.
A elaboração filosófica começa de um nível muito baixo, o momento que denominou
de certeza sensível. Corresponde ao saber imediato ou saber do imediato, do ente. Aparece
como o conhecimento mais rico e mais verdadeiro. De fato, entretanto, esta certeza se revela
expressamente como a mais pobre e abstrata verdade. Pode dizer apenas o ser é. A coisa é e
ela é apenas porque é. Enquanto relação, a certeza é uma pura relação imediata. A consciência
é um puro este aqui. O singular conhece o singular. O momento da certeza sensível
equivaleria a Parmênides, um dos primeiros pré-socráticos ou talvez ao empirismo inglês.
A dialética da certeza sensível consistirá em afirmar, alternativamente, que a coisa ou
o sujeito seria o essencial. Na afirmação dessa tese e de sua antítese, a certeza sensível
descobre que a essência não está nem no objeto nem no sujeito; ambos são essenciais.
Chega-se deste modo à percepção.
No momento da percepção há uma certa recorrência do ciclo anterior, com maior
grau de elaboração. A primeira etapa seria representada pelo dogmatismo ingênuo, que
equivaleria à afirmação da substância por Spinoza, conduzindo ao criticismo de Locke. No
primeiro a coisa seria em si mesma e para si mesma. No segundo, a coisa é para um outro, que
a percebe e analisa.
A síntese das duas posições seria alcançada por Leibniz com o seu conceito de
mônada. Cada coisa é em si mesma algo de determinado, que se distingue das demais, sendo a
determinação imanente ao indivíduo. Não se trata de que o sujeito que percebe estabeleça a
distinção mas é a própria mônada, que se distingue a si mesma, essencialmente. Pode-se
também fazer uma outra aproximação: neste momento da Filosofia moderna estariam sendo
88

suscitados os elementos que permitiram a Kant estabelecer uma distinção entre coisa em si e
fenômeno.
Seguindo o caminho descrito, a consciência chega à etapa do entendimento, que
corresponderia ao da ciência moderna. Examina-se aqui o que seria a essência do mundo, a
sua lei, o conceito de força.
Para a consciência percipiente, tudo era uma coisa, categoria a que se chega pela
noção de substância. O entendimento eleva-se desta à causa (força).
Para o entendimento tudo é de início uma força. Mas a força não é outra coisa senão
o conceito, o pensamento do mundo sensível, a reflexão do mundo sensível na consciência,
tornando-o para nós (os filósofos). Este pensamento do mundo sensível torna-se interior deste
mundo como um sistema de leis. Estas – leis da experiência – acham-se além do fenômeno e
constituem a sua armadura.
Experimentando as leis da natureza, na busca da sua necessidade é que a consciência
passa do mundo a ela mesma. A tese consistirá na afirmativa de que as leis são tautológicas a
que se segue a antítese que as descobre como sintéticas (corresponderiam ao dinamismo de
Leibniz e à síntese kantiana). O passo seguinte consistirá em dizer que fenômeno e lei se
identificam num único conceito. Neste momento a consciência torna-se consciência-de-si.
A consciência-de-si corresponde à experiência da liberdade, como sempre através de
movimento triádico.
No primeiro momento, tem em vista a parte da Crítica da Razão Pura
correspondente à Analítica. Nesta, Kant descobre que o entendimento quando se depara com a
multiplicidade de leis da natureza imagina conhecer um outro. Mas, pela reflexão verifica que
esse conhecimento de um outro somente é possível pela unidade originariamente sintética, de
tal modo que as condições do objeto sejam as próprias condições do seu conhecimento.
Assim, o mundo é o grande espelho onde a consciência se descobre a si mesma.
Porém, o que o entendimento determina na natureza não é senão o esqueleto, as
condições universais, as regras que fazem com que uma natureza seja uma natureza. A matéria
corresponde à passividade que o entendimento não pode ultrapassar. Imaginando-se infinito o
entendimento esbarra com essa limitação e encontra a si mesmo como finito.
Segue-se a etapa da consciência-de-si como consciência prática. Esta atividade será
inicialmente focalizada como desejo. Em seu desenvolvimento, passará às formas superiores
da consciência prática.
As consciências-de-si afrontam-se no jogo da vida, na luta pelo reconhecimento, no
qual aparece a dialética do senhor e do escravo ou dialética do trabalho.
O escravo contempla a consciência do senhor como ideal. Ao mesmo tempo, pelo
trabalho imprime a forma da consciência-de-si às coisas. Para a consciência escrava, os dois
momentos estão separados. Para o filósofo é a emergência dessa forma universal de
consciência de si que se destaca progressivamente no trabalho do homem. É o momento da
elaboração da noção de forma, pela filosofia clássica.
Do lado do senhor, este descobrirá a sua dependência do escravo. Assim chega-se à
compreensão de que ser livre não é ser senhor nem escravo, encontrar-se diante desta ou
daquela situação; é comportar-se como ser pensante, quaisquer que sejam as circunstâncias.
Através desta dialética chegar-se-á ao que denomina de primeira posição da liberdade; o
estoicismo. Para Hegel o estoicismo não é somente uma filosofia particular mas o nome de
89

uma filosofia universal que pertence à educação da consciência-de-si. A liberdade estóica


dá-se entretanto no plano puro do pensamento, o que ensejará o surgimento da atitude cética.
A relação entre a consciência-de-si estóica e a cética é a mesma que existe entre o
senhor e o escravo. O estóico eleva a consciência-de-si ao pensamento; mas esta é uma
posição abstrata que chega a uma separação: de um lado a forma do pensamento; de outro, as
determinações da vida e da experiência. Conservam ambas seu caráter absoluto. Não são
penetradas pelo eu da consciência-de-si.
Semelhante desfecho permite que o ceticismo penetre em todas as determinações da
vida e mostre o seu nada. O ceticismo que Hegel tem em vista é o antigo.
Enquanto nos momentos precedentes a dialética se dá à revelia da consciência, agora
é obra sua. A consciência sensível via desaparecer a verdade que supunha no ente imediato,
sem compreender como isto ocorria. O mesmo na consciência, percipiente. Agora é a
consciência ela mesma que faz desaparecer este outro pretendente à objetividade.
O ceticismo entretanto não se elevou ainda à consciência dele mesmo. Não é senão a
alegria de destruir, a operação dialética como puramente negativa.
De um lado, nega as situações concretas mas permanece presa dessas situações. Sua
certeza imutável está em contato com a vida que passa; não é senão um freqüentar dessa vida
contingente.
A consciência-de-si é então a dor da consciência da vida que está fora dela e na vida.
A verdade da consciência cética é a consciência infeliz.
A consciência infeliz seria o tema fundamental da Fenomenologia. Em seus
primeiros trabalhos teológicos, Hegel encarava o povo grego como povo feliz da história e ao
judeu como o povo infeliz. O cristianismo corresponderia a uma das grande formas da
consciência infeliz.
Na dialética da consciência infeliz os dois primeiros momentos correspondem ao da
consciência mutável em face da consciência imutável, que seria o momento do judaísmo, e a
figura do imutável para essa primeira forma de consciência universal concreta representada
pelo cristianismo primitivo. A unificação da realidade e da consciência-de-si ocorreria no
trânsito da Idade Média ao Renascimento, quando aflora a razão moderna.
A consciência-de-si, ao mesmo tempo singular e universal, que serve de transição aos
tempos modernos, é a Igreja Medieval. Forma uma vontade geral que nasce da alienação das
vontades particulares. Assim, o eu-singular eleva-se à universalidade. Possui um saber
imediato dos dois extremos (imutável e mutável) e os põe em relação.
Como resultado do desenvolvimento dessa forma de consciência-de-si surge uma
figura nova, a razão, momento particular do desenvolvimento geral da consciência.
Na Renascença e nos Tempos Modernos, o mundo aparece à consciência como
mundo presente e não mais como o lado de lá ou o lado de cá. Neste mundo, a consciência
sabe poder encontrar-se; empreenderá a conquista e a ciência do mundo. Antes, a consciência
buscava salvar-se do mundo.
Hegel irá percorrer de novo o momento do entendimento mas encarando-o de outro
ângulo. Consistirá este em considerar ao idealismo alemão não apenas como uma corrente
filosófica mas como o resultado de um grande caminho da cultura. A questão irá residir no
fato de que, ao surgir como razão, a consciência esquece o longo percurso anterior e aparece
apenas como certeza de sua própria verdade.
90

Esta etapa da Fenomenologia é denominada de "A Razão sob o aspecto


fenomenológico". Para Hegel trata-se de estabelecer a dialética segundo a qual a razão irá
descobrir-se como espírito. O primeiro momento será marcado pela filosofia de Fichte. Ao
colocar o eu como primordial e ao descobrir que, para este eu há um outro que transforma em
essência, a razão volta-se para a observação da natureza. Aqui não mais tem em vista a ciência
newtoniana considerada na etapa do entendimento mas uma filosofia da natureza do tipo da de
Schelling. A razão observa o mundo a fim de justificar a convicção ainda intuitiva de que o
mundo a exprime. Esse instinto a conduz da natureza ao homem. Nessa etapa Hegel
desenvolverá a crítica da psicologia do seu tempo que não se pretende uma ciência empírica,
como na atualidade, mas quer ser a ciência da alma. Desembocará na observação da
individualidade humana esbarrando na contradição de que corresponde à universalidade do
espírito.
Na parte final da Fenomenologia, constituída pelo espírito, as figuras consideradas
não mais podem ser reduzidas a correntes filosóficas. São outras as formas de cultura
consideradas. O iluminismo aparece como um combate das luzes contra a superstição e
conduz à Revolução Francesa. Esta, por sua vez, leva a uma forma de liberdade absoluta que é
o terror. A dialética não se interrompe e tem continuidade.
Aparecem sucessivamente a visão moral do mundo e a religião. A religião tem o
mesmo objeto da filosofia, a substância espiritual, apenas em forma de representação. Essa
descoberta conduzirá ao espírito absoluto.
A complexidade da Fenomenologia advém do fato de que Hegel não pretende apenas
proceder a um reordenamento da filosofia mas quer promover uma espécie de síntese da
educação da consciência ocidental. Além disto, a primeira geração de seus discípulos, após a
sua morte, entendeu que essa elaboração não se dava apenas no plano conceitual, apesar das
advertências do próprio Hegel. Postulou, então, que estando elaborado o sistema, cabia levá-lo
à prática, Isto equivaleria a promover o reconhecimento do homem pelo homem, implantando
uma espécie de sociedade racional. Trata-se naturalmente de um projeto eminentemente
utópico porquanto baseado na suposição de que o homem poderia tornar-se um ser moral. As
tentativas de dar curso a tal projeto terminaram por dar nascedouro a ferozes ditaduras.
Apesar de tais desencontros, a Fenomenologia contém um método que permite
compreender muitos momentos da evolução do saber filosófico. Hegel, na verdade, foi
estimulado a resolver a questão da origem dos a priori, que Kant deixara sem solução, e
proporcionou a chave para a sua compreensão. No curso do desenvolvimento histórico da
cultura, os pensadores foram construindo síntese ordenadoras do real, em grande medida, por
oposição e contradição. Mas Hegel não poderia satisfazer-se com resultado tão modesto,
embora de conseqüências inimagináveis para a história da filosofia. E resolveu transformar
esse projeto num empreendimento para absorver toda espécie de saber e de expressão cultural.
Rodolfo Mondolfo procurou reduzir esse método às suas devidas proporções
apontando para a existência de uma consciência filosófica, resultante do aprofundamento
subseqüente dos problemas. Aplicação magistral do método hegeliano a limites razoáveis
seria efetivada pelo próprio Mondolfo, ao examinar a elaboração do conceito da experiência
nos começos da Época Moderna, que tivemos oportunidade de referir.
Ciência da Lógica

Quando procedia à elaboração da Fenomenologia, Hegel pretendia que


corresponderia à primeira parte do que então se chamava de "Sistema da ciência", isto é, um
91

sistema filosófico com pretensões a durar eternamente, que era a grande ambição dos
pensadores alemães que se seguiram imediatamente a Kant. A Lógica deveria ser a segunda
parte, seguindo-se a Filosofia da Natureza e a Filosofia do Espírito. Ao realizar esse projeto,
na Enciclopédia, não encontrou mais um lugar para situar a Fenomenologia. Esta ter-lhe-á
servido sobretudo para mostrar que poderia chegar a uma formulação ainda mais abstrata do
caminho ali percorrido. Deste modo, a Lógica constitui a metafísica de Hegel, que não teria a
mesma sorte da sua gnoseologia (Fenomenologia). Esta marcaria um momento decisivo na
Filosofia Ocidental enquanto a sua metafísica acabaria inteiramente ultrapassada e esquecida.
A Lógica está subdividida em três grandes seções: a doutrina do ser, a doutrina da
essência e a doutrina do conceito.
Na primeira seção estão consideradas categorias como a qualidade e a quantidade,
além das determinações do ser. Na doutrina da essência estuda a sua relação com a categoria
da existência; o fenômeno e o mundo do fenômeno; conteúdo e forma; relação, substância,
causalidade e ação recíproca. Finalmente, na terceira apresenta o seu entendimento do
conceito e examina temas clássicos como o do juízo, do silogismo, do mecanismo, da
teologia, etc., para chegar à idéia absoluta.
Hegel identifica o pensamento e a coisa pensada. Mais ainda: saber e absoluto se
confundem. O saber absoluto tampouco é diferente do saber imediato, do qual parte a
Fenomenologia, equivalendo à sua tomada de consciência. O discurso da Lógica é, portanto, o
discurso do Absoluto.
Acredita também que a linguagem humana seja a reflexão interna do ser em si
mesmo, fusão do mediato e do imediato. Tem em vista, naturalmente, a linguagem elaborada
filosoficamente. A filosofia ocupa-se de demonstrações intrínsecas; as demonstrações
extrínsecas são do âmbito da matemática.
Embora aceitando a eliminação do "fantasma da coisa em si", efetivada por Fichte,
Hegel não se propõe restaurar a perspectiva transcendente. Em suas mãos, o Absoluto
transforma-se numa grande construção, que não deve ser considerada em seus segmentos
isolados mas na totalidade.

Filosofia do Direito

No esquema da Enciclopédia, o espírito desdobra-se em espírito subjetivo


(Antropologia, Fenomenologia do Espírito e Psicologia); espírito objetivo (Direito,
Moralidade e Moralidade Social) e espírito absoluto (Arte, Religião Revelada e Filosofia). Os
Princípios da Filosofia do Direito (1821) consideram apenas o momento do espírito objetivo,
tendo naturalmente presente a circunstância de que é parte de uma totalidade.
O logos que precede a Filosofia da Natureza desdobra-se no plano puramente lógico,
passando da categoria do ser à essência e ao conceito. Na natureza o espírito encontra-se como
que adormecido e seu despertar verdadeiro ocorre na consciência (Fenomenologia do
Espírito) a que se segue um momento em que é teórico, prático e finalmente livre. Como
adverte Hyppolite, o espírito subjetivo é ainda o espírito individual, sendo o seu momento
mais alto não o conhecimento mas a vontade, à qual incumbe realizar o trânsito entre o
espírito subjetivo e o espírito objetivo.
O ponto de partida da Filosofia do Direito – que pretende ser meditação sobre a
sociedade e o Estado – é pois essa vontade livre que se orienta pelo seu próprio desejo e trata
92

de sobreviver. Talvez se possa pensar aqui no que foi chamado de estado de natureza. Essa
liberdade cifra-se na posse mas não tem por si maior garantia. O espírito busca, por isto
mesmo, um contrato que lhe assegure a propriedade. Locke havia indicado que, embora
plenamente livre no estado de natureza, o homem não tinha qualquer garantia quanto ao
respeito à sua posse, razão pela qual teria abdicado daquela liberdade plena a fim de dispor de
uma lei que o protegesse e à propriedade. Hegel chama a isto de direito abstrato.
Presumivelmente por esta razão define ao direito como "a existência da vontade livre", isto é,
o que assegura a sobrevivência dessa vontade.
Partindo da propriedade e desta ao contrato, instaura-se o direito de punir a quem
desrespeite a regra estabelecida, fixando-se por esse meio um primeiro nível de legalização da
violência. Assim procedendo, o direito não elimina o crime mas apenas permite que seja
punido. Não se trata de instaurar a harmonia entre os homens mas de sancionar uma situação
de fato. A violência se contrapõe à liberdade. Tal verificação leva à descoberta da moralidade
como algo de subjetivo, como dever ser.
Sigamos a Hegel nesse trânsito do direito abstrato à moralidade subjetiva
louvando-nos da indicações de François Chatelet:
"O contrato a ninguém protege efetivamente da injustiça; contenta-se em defini-la.
Estipula que deva ser punido quem não o respeite, voluntária ou involuntariamente. O tribunal
tem por função determinar a culpa e a pena. Ora, a ação do tribunal somente pode ser violenta.
Para manter a paz que deve reinar entre proprietários que se reconheçam uns aos outros em
sua posse legítima, introduz a força. Não existe direito de propriedade sem direito de punir, já
o indicara Locke. Ora, a punição aplica-se ao ser mesmo do criminoso, atinge a sua liberdade,
a golpeia. Apóia-se no fato de que o direito confere ao indivíduo a condição de pessoa; mas
desde que esta é reduzida à sua posse, aplica-se a constrangê-la tão somente em sua
exteriorização.
A verdade do direito privado é a lei do talião; se nos mantivermos nesse nível,
expomo-nos a conceber a relação social como sucessão infinita de "revanches e vinganças".
Trata-se de uma ordem abstrata, que não admite senão uma universalização formal,
constituída de parcialidades e de contradições. A transcendência do direito – a verdade da
propriedade e de seus corolários, o contrato e o delito – é uma falsa transcendência, que
confirma de modo elementar este dado, incontestável mas inconsistente: todo homem pode
possuir o que, correspondendo às suas necessidades, encontra-se nos limites de sua
capacidade de ocupação e de seu trabalho, entender-se provisoriamente com os que
reconhecem um tal direito e instituir tribunais tendo o poder efetivo de impor tal organização.
A paz assim determinada, sem outra função além de tornar aceitável a violência inicial da
posse, tem a força como único fundamento, isto é, o poder dos proprietários.
O império do direito privado é pois ilusoriamente o da liberdade. Desde logo, esta
última reflui sobre si mesma, compreende que corresponde ao seu próprio fundamento e que
não tem porque buscar fora de si o princípio de sua legitimação. A exteriorização na
propriedade, no ter, se opõe logicamente à interiorização moralista... É necessário que o
sujeito seja livre (senão não é mais sujeito): ele deve ser..."(Hegel, Paris, Editions du Seuil,
1968, p. 134/135).
Hegel segue aqui a Kant quando define o direito sem referência à sua característica
essencial – opor-se ao fato e se constituir concretamente de um direito positivo, resultante das
leis escritas ou dos costumes que têm força de lei – mas buscando enfatizar aquilo a que
corresponderia sua natureza primordial. Para Kant o direito compreende as condições
93

necessárias ao acordo das vontades segundo uma lei de liberdade. Esta seria a matéria da
filosofia do direito, que pressupõe o conhecimento do direito propriamente dito. Neste ponto
Hegel acompanha a tradição iniciada no século XVIII, se fizermos abstração do chamado
direito natural, que, embora não se atenha igualmente ao direito positivo, forma nitidamente
uma outra tradição.
No que se refere entretanto à moralidade, Hegel rompe com os cânones consagrados.
Agora a característica essencial e distintiva da moralidade – que reside em seu caráter
subjetivo – transforma-se em seu pecado capital.
Existe naturalmente o problema teórico da relação entre esse caráter (subjetivo) e a
objetividade do código. Quando se transita para o direito (positivo), as regras morais que o
sustentam assumem feição impositiva, coagindo exteriormente. As imposições de ordem legal
distinguem-se claramente daquelas de ordem moral. Os dois planos são permeados,
entretanto, pela incontestável objetividade assumida, no Ocidente, pelo código moral
judaico-cristão. Kant deparou-se com o mesmo problema e solucionou-o resumindo
magistralmente os dez mandamentos no enunciado do imperativo categórico, isto é,
apontando para o fato de que colocaram em circulação um ideal de pessoa humana.
Na seqüência da Filosofia do Direito, em que se dá a passagem da moralidade
subjetiva para a moralidade objetiva, Hegel distingue Moralish de Sittlichkeit. Kant emprega
esta última palavra na acepção usual de costume (a metafísica dos costumes é Metaphysik der
Sitten). Hegel atribuiu-lhe sentido inteiramente distinto. Enquanto a Moralish (moralidade),
como vimos, é a vontade subjetiva (individual ou privada), a Sittlichkeit (que diversos autores
traduziram por eticidade) é a realização do bem em realidades históricas ou institucionais
equivalentes à família, à sociedade civil e ao Estado. Na definição de Hegel, "é o conceito de
liberdade que se tornou mundo existente e natureza da autoconsciência".
A moralidade objetiva (eticidade) corresponde à existência concreta de comunidades
humanas que não se alçaram à reflexão filosófica para fixar as regras de seu funcionamento.
Aqui as coisas são como são e não como deveriam ser. Tornando-as seu objeto, o filósofo
(Hegel, no caso) pode fazer afirmativas de validade universal, isto é, dizer como as coisas são
e não apenas como deveriam ser.
No primeiro nível de realização do bem aparece a família, que se atualiza no
casamento, conduzindo à formação de um patrimônio e ao nascimento dos filhos. Justamente
por intermédio destes tem lugar seu desenvolvimento e superação. Os filhos não permanecem
crianças; crescem e acabam por construir nova família. Assim, não há a família, mas diversas
famílias, restando aquela como uma simples forma. As famílias são instadas a organizar-se
com vistas à luta pela subsistência, dando origem à sociedade civil.
Na tradição liberal iniciada por Locke e Kant, a sociedade civil dá nascedouro ao
Estado de Direito, fixa-lhe regras de funcionamento, subordina-o e, de certa forma, integra-o à
própria sociedade. Em Hegel, a sociedade civil corresponde ao "sistema das necessidades", à
esfera do aparelho produtivo, ao império dos interesses e, portanto, ao predomínio da luta e da
disputa. Não seria o campo próprio para o florescimento da moralidade.
A realização plena da moralidade dá-se com o Estado. Na Filosofia do Direito, Hegel
trata da constituição e do papel dos funcionários que, no seu esquema, são os portadores da
racionalidade.
A questão do endeusamento do Estado por Hegel suscitou longas disputas, alguns
considerando-o partidário do autoritarismo prussiano, outros afirmando a sua condição de
94

liberal. O exame desse aspecto nos distanciaria demasiado de nossos objetivos. Embora seja
possível reconstituir o pensamento político de Hegel e discuti-lo especificamente, não se pode
ignorar que, no seu sistema, procura colocar-se naquele plano que Kant denominou de
numeral, isto é, puramente racional. Quanto às relações desse plano com o processo histórico,
o próprio Hegel, precisamente na Filosofia do Direito, deixou-nos esta advertência explicita:
"Conhecer o que é, eis a tarefa da filosofia, pois o que é equivale à razão. No que se
refere ao indivíduo, cada um é filho de seu tempo; a filosofia, do mesmo modo, resume seu
tempo no pensamento. Seria estúpido imaginar que um filósofo qualquer ultrapasse o mundo
contemporâneo do mesmo modo que um indivíduo salte por cima do seu tempo... Se uma
teoria de fato ultrapassa esses limites, se constrói um mundo tal qual deva ser, este mundo
existe somente em sua opinião, elemento inconsistente que pode assumir não importa que
forma".
Do que se indicou precedentemente, vê-se que a denominada ética hegeliana é algo
de muito ambíguo e impreciso. Enquanto o esforço do pensamento moderno cifra-se em
delimitar com rigor a esfera de sua abrangência, para distingui-la plenamente tanto da religião
como do direito, o esforço de Hegel dá-se na direção oposta, superpondo esses conceitos e
esmaecendo as suas fronteiras. Além do mais, não corresponde a exame específico do tema.
Hegel não considerou o problema teórico da moral social, como o fizeram os
ingleses. Assim, sua "ética" reduz-se a dois postulados: 1°) por seu caráter subjetivo a moral
individual requer ser superada; e 2°) o Estado é ser moral por excelência.
A superação do caráter subjetivo da moral dá-se pelo direito. A questão do trânsito de
uma esfera à outra é naturalmente complexa, pela dificuldade de sua reconstituição, em
decorrência sobretudo do fato de que, em grande parte da história do Ocidente, a moral
confunde-se com a religião. Na Época Moderna, ali onde a moral conquistou sua autonomia,
pode-se dizer que o trânsito para o direito dá-se por consenso. Mas isto não significa que todas
as questões morais venham algum dia experimentar semelhante processo. Quem tem um
mínimo de familiaridade com aquilo que os grandes tratadistas arrolaram para exaltar a
virtude, dá-se conta da impropriedade de semelhante expectativa. Não haverá sociedade da
qual sejam banidas a inveja, a mesquinhez, a falta de grandeza e nenhum direito poderá
enquadrar e punir os invejosos e mesquinhos.
A esse propósito vale lembrar aqui a arguta observação de Benedetto Croce quanto
ao erro em que incide Hegel ao colocar no mesmo plano a evolução do espírito em suas
determinações concretas, a que chama de dialética dos graus e o pensamento dessa evolução
(dialética dos contrários; conceito universal; concreto, idéia). Em Hegel tudo se passa como se
da superação (teórica) da religião pela filosofia resultasse o desaparecimento da primeira ou
que o surgimento do Estado Constitucional eliminasse a moralidade, tanto social quanto
individual. Escreve Croce:
"O espírito individual passa da arte à filosofia e torna a passar da filosofia à arte, do
mesmo modo porque passa de uma forma de arte a outra, ou de um problema de filosofia a
outro: isto é, não por contradições intrínsecas a cada uma dessas formas na sua distinção, mas
pela própria contradição intrínseca ao real, que é devir; e o espírito universal não passa do a a
b e de b a a por outra necessidade que não seja a de sua eterna natureza, que é de ser ao
mesmo tempo arte e filosofia, teoria e prática ou o que mais se queira. Tanto isso é verdade
que, se esta passagem ideal fosse determinada pela contradição que se desenvolveria
intrínseca a um determinado grau, não tornaria a ser possível voltar àquele grau, reconhecido
como contraditório: tornar a ele seria uma degenerescência ou um atraso". (O que é vivo e o
95

que é morto na filosofia de Hegel (1906), trad. portuguesa, Coimbra, Imprensa da


Universidade, 1933, p. 81).
E quanto ao segundo postulado, isto é, à noção de que o Estado possa se constituir no
ser moral por excelência, é daquelas que os juristas denominam de contraditio in adjecto. A
moral não pode louvar-se da força. O Estado, como entreviu Max Weber, é a esfera da
violência legalizada.

c) Como enfrentar a dificuldade da obra de Hegel

O Curso de Humanidades propõe-se a facultar o conhecimento das principais obras


produzidas pela cultura ocidental. Estão neste caso, inquestionavelmente, a Fenomenologia do
Espírito ou Filosofia do Direito, de Hegel, pelos desdobramentos e pelas marcas que deixou
naquela cultura.
Ainda assim, é preciso reconhecer que o seu estudo requer uma formação filosófica
acurada. Por essa razão, queremos deixar aos próprios seguidores do curso a decisão de
aplicar-se a esse estudo e em que medida.
Para conhecimento da Fenomenologia do Espírito há duas hipóteses. A primeira
seria contentar-se com o que está traduzido ao português e figura na edição de Os Pensadores,
isto é, a Introdução e os primeiros momentos da consciência (certeza sensível e percepção).
Contudo, será necessário recorrer a um dicionário de filosofia, porquanto Hegel pautou pela
elaboração de uma terminologia própria. Assim, por exemplo, diz que o conceito é concreto.
Tem em vista a raiz latina desse termo (concrescere), que significa crescer junto,
conglomerar, juntar, aproximadamente o que Kant tem em vista quando fala de síntese. Quer
opor-se a discreto (analítico, abstrato). No desenvolvimento dessa acepção, aparece o termo
universal-concreto ou idéia, que corresponde à síntese dos contrários e dos conceitos
distintos.
A outra hipótese seria dispor-se a estudá-la integralmente. Para tanto seria necessário
acompanhar essa leitura com o mencionado livro de Jean Hyppolite (Gênese et structure etc.)
Há outro texto de Hegel incluído naquela coletânea cuja leitura se recomenda:
Introdução à História da Filosofia.
A Filosofia do Direito é igualmente uma obra fundamental de Hegel, sendo também
de leitura difícil (Tradução francesa, Gallimard, 1940; sucessivamente reeditada). Há um
estudo interessante sobre essa obra, de Eric Weill, que torna acessível o ponto de vista do
autor (Hegel et 1'Etat, Paris, 1950).
A bibliografia sobre Hegel é naturalmente imensa, não tendo sentido tentar aqui
reconstituí-la. Para um conhecimento genérico e não específico dessa ou daquela obra, ler-se-á
com proveito Textos dialéticos de Hegel, antologia traduzida e organizada por Djacir Menezes
(Rio de Janeiro, Zahar, 1969).

d) A crítica do hegelianismo por Kierkegaard e sua significação

Soren Kierkegaard (1813/1855) nasceu em Copenhague e estudou teologia na


Universidade ali localizada, concluindo o curso em 1841, com a elaboração de uma tese sobre
o conceito de ironia. Prosseguiu em seus estudos na Universidade de Berlim, onde freqüentou
as aulas de Schelling.
96

Kierkegaard investiu contra as abstrações do hegelianismo – e do idealismo alemão,


em geral – contrapondo-lhe o caráter concreto da existência singular. Embora distanciado dos
grandes centros universitários e sem sequer dispor de uma cátedra, exclusivamente pelo vigor
de sua mensagem, tornar-se-ia uma presença marcante na filosofia contemporânea, pela
grande influência que suas idéias exerceram nas correntes existencialistas.
Enquanto Hegel e seus seguidores afirmavam que, no homem, age uma força infinita,
de que ele é somente manifestação, incumbindo à filosofia reconstituir esse processo para
chegar ao absoluto, Kierkegaard entende que temos acesso ao homem como uma realidade
finita, que atua por sua própria conta e risco. Se para Hegel é possível reconstituir a
inteligibilidade do real, que nos revelará não só uma ordem como o progresso da razão,
Kierkegaard acredita que o homem está "lançado no mundo" abandonado ao determinismo,
que pode derrotar todas as suas iniciativas. E, quanto ao progresso, não consegue situá-lo em
nenhuma parte.
Para Kierkegaard, as relações do homem com o mundo são dominadas pela angústia,
que resulta da experiência de que o mundo pode destruir todas as suas expectativas, derrotar
qualquer cálculo, cabendo ao homem defrontar-se com o jogo do acaso e das possibilidades
insuspeitadas. A relação consigo mesmo – ao contrário da tradição idealista alemã que pode
entrever a marcha na direção da autoconsciência – é dominada pelo desespero, decorrente da
própria condição do homem que percorre uma possibilidade após outra, sem deter-se,
enquanto o futuro se fecha diante dele.
Mesmo a relação com Deus, que parece facultar ao homem um caminho de salvação
da angústia e do desespero, desde que não oferece quaisquer garantias passa a ser dominada
pelo paradoxo, que impossibilita a certeza e o repouso. O paradoxo encontra-se em
confrontos dessa ordem: a finitude da existência humana e a infinitude de Deus.
Enquanto Hegel parece apostar na fé racional, na medida em que a aproxima da
religião e da filosofia – e diz mesmo que ambas têm o mesmo conteúdo, isto é, o Absoluto –,
Kierkegaard radicaliza o caráter irracional da experiência religiosa. Profundamente crente,
acreditando mesmo que sua família poderia ter sido amaldiçoada, pode-se dizer talvez que se
inclinasse por uma acepção da divindade mais próxima daquela que nos foi transmitida pelos
profetas.
Na visão de Kierkegaard, a existência não depende da essência, como se a primeira
fosse uma determinação da segunda. Sendo ideal, a essência pode ser pensada e defendida. A
existência, ao invés disso, não é ideal mas real, sendo indefinível e, em muitas circunstâncias,
impensável.
Kierkegaard tampouco aceita a equivalência entre ser e razão, realidade e
pensamento, como postulado pelo hegelianismo. Ao invés de consistir no "puro pensamento",
a verdade é subjetividade, equivalendo ao contato com os motivos da angústia, do desespero,
do temor; reside na vivência do pecado, na consciência da própria nulidade, etc. O homem
pode tentar livrar-se de tais problemas e até mesmo explicá-los ou objetivá-los. Mas o que
estará fazendo, de fato, é fugir de si mesmo.
Os problemas reais não se resolvem mediante as sínteses hegelianas, mas por meio de
escolhas dramáticas. Para orientar-se na vida, o homem pode escolher os princípios estético,
ético ou religioso.
Viver segundo o princípio estético é tentar colher o que há de interessante nos vários
instantes, voltando as costas para o banal, o insignificante e o mesquinho. O homem
97

estetizante evita a repetição que implica sempre em monotonia e afasta o interessante dos
eventos mais promissores. O protótipo do estetismo é D. Juan, o sedutor.
Escolher o princípio ético é procurar adequar-se à "boa consciência e, o princípio
religioso ao sofrimento".
Entregar-se ao religioso é o mesmo que entregar-se ao existencial". Essa entrega, ao
contrário do que possa parecer, não engendra a tranqüilidade pois Deus é, simultaneamente, o
absolutamente real e o absolutamente incompreensível. Por isso não se pode falar de Deus ao
modo da teologia. O protótipo dessa relação com Deus é Job: entre o homem e Deus há uma
distância infinita, um abismo.
Os princípios existenciais não se prestam a análises racionais. Não se trata de uma
progressão "sintética", à moda hegeliana, entre o estético, o ético e o religioso. Estão aí para
forçar uma escolha existencial. Ao homem não resta alternativa senão inclinar-se "por um ou
por outro". Quando procede deste modo, a filosofia não é uma especulação mas um modo de
ser incluído no próprio sujeito.
Algumas das obras essenciais de Kierkegaard estão traduzidas ao português: Temor e
tremor; Tratado do desespero e Diário de um sedutor, estando reproduzidas na coleção Os
Pensadores. O estudioso paranaense de sua obra, Ernani Reichman, preparou de seus textos
uma alentada antologia (Curitiba, 1972, 403p.).
Em decorrência do sucesso alcançado pelo neokantismo, no final do século XIX e
nas primeiras décadas deste século, estruturou-se na cultura alemã um clima parecido ao do
período do idealismo clássico, restaurada plenamente a confiança na razão e em sua
capacidade de construir "sínteses ordenadoras do real". Restabeleciam-se as premissas
favorecedoras de uma reação do tipo da preconizada por Kierkegaard, ao reivindicar o papel e
o valor do existente singular. Daí o interesse renovado por sua obra e a amplitude que vieram
a assumir as correntes existencialistas. Aponta-se como expressão notável de sua influência, o
Ser e o Tempo, de Heidegger.

e) A esquerda hegeliana e a obra de Marx

Em seguida à morte de Hegel, formaram-se, na Alemanha, duas vertentes


interpretativas de seu pensamento, em resultado da prevalência do interesse pelas implicações
de sua filosofia na organização da sociedade. Tais tendências foram denominadas, por David
Strauss, um de seus participantes, de esquerda e direita hegelianas, inspirando-se nas divisões
aparecidas no transcurso da Revolução Francesa. A esquerda partia da premissa geral de que,
estando pronto o sistema, o que competia era levá-lo à prática. A chamada direita queria
preservar o caráter filosófico da meditação de Hegel. A interpretação que promoveu iria fazer
com que o tema da critica religiosa assumisse, nesse debate, uma posição destacada.
Hegel havia afirmado que a filosofia e a religião têm o mesmo conteúdo,
expressando-o, porém, de modo distinto: a religião na forma de representação e a filosofia na
de conceito. Ao mesmo tempo, não se manifestara sobre problemas propriamente religiosos
como: Deus, a imortalidade da alma, etc. Não obstante, uma parte dos discípulos, justamente a
que foi batizada de direita, considerava-se fiel ao espírito do mestre utilizando a sua doutrina
para justificar as crenças religiosas tradicionais, com o que não concordava a ala esquerda,
estabelecendo-se, então, prolongada polêmica. Nasce daí a exigência de submeter os textos
bíblicos a uma crítica radical, a que se dedicam os irmãos Bauer – Bruno Bauer (1809/1882) e
Edgard Bauer (1820/1866) – originalmente membros da direita e que passaram a professar o
98

ateísmo; David Strauss (1804/1872) e outros. Entretanto, a personagem central é Ludwig


Feuerbach (1804/1872), que conseguiu estender o âmbito dos problemas em debate ao
procurar explicar as religiões a partir das exigências e necessidades humanas.
Feuerbach estudou teologia em Heidelberg e filosofia em Berlim, com Hegel, em
1824 e 1825, prosseguindo nos estudos em Erlangen, de 1826 a 1828, tornando-se então livre
docente. Quando Hegel morreu em 1831, tinha 27 anos e esperava substitui-lo na cátedra. Mas
jamais conseguiu esse posto, em Berlim ou outra Universidade, ao que se supõe pela
publicação, em 1830, do livro Pensamento sobre a morte e a imortalidade, que constitui
violento ataque a toda teologia especulativa. Mais tarde, em 1841, publicou a Essência do
cristianismo, que é a sua contribuição ao debate antes mencionado.
Retirou-se para Brueckberg e depois para a localidade de Rechenberg, nas
proximidades de Munique. Apesar desse afastamento dos grandes centros, era reconhecido
como o líder da chamada esquerda, inclusive pelo próprio Marx. Encontra-se entre os
fundadores do Partido Social Democrata Alemão, quando Marx e seu grupo decidem tomar
essa iniciativa. Manteve com seus discípulos uma ampla correspondência, achando-se Marx
entre os seus interlocutores.
O próprio Feuerbach explica que seu primeiro pensamento havia sido Deus: o
segundo, a razão, e o terceiro, o homem. Nesse caminho descobriria que o sujeito da
divindade é a razão e o da razão, o homem. A este último é que buscaria ser fiel.
Popularizou entre os meios filosóficos alemães a idéia de que o sistema estava
concluído com Hegel. O passo a ser empreendido, com o que se encerraria o ciclo idealista da
filosofia, seria colocar em primeiro plano o sistema das necessidades. É autor da famosa
máxima, segundo a qual uma existência sem necessidades é uma existência supérflua e sequer
tem necessidade de existir.
Tais colocações de Feuerbach induziram seus seguidores a admitir a possibilidade da
sociedade racional. Sem discutir essa premissa, passaram diretamente a especular qual seria o
agente capaz de proporcionar semelhante desfecho. Na hipótese de Hegel, interpretada
literalmente, seria o funcionalismo. Nesse contexto é que Marx fala de proletariado. Como
não poderia deixar de ser, o debate entre filósofos tinha muito de abstrato e até de fantasioso,
como a ação política concreta iria revelar.
Rodolfo Mondolfo procurou estabelecer o papel de Feuerbach no surgimento da
esquerda hegeliana, notadamente no ensaio "Feuerbach e Marx", incluído no livro Marx e
Marxismo (Ed. espanhola, Fondo de Cultura, 1960).
Karl Marx (1818/1883) estudou na Faculdade de Direito da Universidade de Bonn e,
em seguida, na Universidade de Berlim, onde se doutorou em 1841. Além de ter estudado
com os discípulos de Hegel, em Berlim (Savigny e Edward Gans), freqüentou o grupo dos
jovens hegelianos de esquerda (os irmãos Bauer, Max Stirner, etc.). Além desse ambiente
hegeliano em que formou seu espírito, há duas influências assinaláveis: a do seu amigo Mosse
Hess, socialista radical de Colônia, com o qual colaborou na edição de um jornal, e logo a
seguir, no seu exílio francês, as idéias de Saint-Simon. De Mosse Hess herdaria o cacoete de
que as transformações sociais somente ocorreriam de forma violenta, presente na Liga
Comunista, que funda com Engels, em 1847, e no Manifesto Comunista, que os dois publicam
em 1848. Em 1849, chega a Londres, onde viveria pelo resto da vida.
O pensamento de Marx torna-se incompreensível se não se toma como referência os
postulados de esquerda hegeliana, de que parte, a que se adiciona, subseqüentemente, a
99

crença, haurida em Saint Simon, na possibilidade de uma ciência social de caráter totalizante,
apta a proporcionar uma certeza equiparável à da ciência natural.
Para estabelecer em que pontos se situa a sua divergência com a esquerda hegeliana,
escreve, em 1845 e 1846, a Ideologia alemã, que deixou incompleta mas que corresponde a
texto fundamental.
Nessa obra começa a elaboração do conceito de modo de produção, com que
pretendia englobar o sistema das necessidades hegeliano. No interior daquele haveria uma
contradição entre as relações de produção e as forças produtivas. Para continuar
desenvolvendo-se, estas levam à ruptura daquelas relações, inaugurando um novo modo de
produção. Essa teoria só aparece formulada com mais clareza no texto que denominou de
Crítica da Economia Política (1859). A partir desse postulado é que entenderá a sua obra
como "científica", donde a denominação de "socialismo científico" e a crença em que teria
dado origem a uma doutrina, denominada "materialismo histórico", capaz de fazer da história
uma ciência exata.
Marx nunca conseguiu dar uma formulação acabada de sua teoria do modo de
produção. Em que consistem mesmo as relações de produção e como se distinguem das outras
relações que têm lugar na sociedade? O homem faz parte das forças produtivas e também se
desenvolve, de forma inexorável, como estas últimas? Rodolfo Mondolfo examinou
circunstanciadamente as insuficiências dessa teoria. E, como se considerava marxista
("inserido num clima ocidental de cultura", como fazia questão de esclarecer), procurou
reelaborá-la, substituindo a denominação de modo de produção pela de "momento
econômico".
Marx acreditava também que as relações de produção constituiriam a infra-estrutura
da sociedade, sobre a qual se erigiria uma superestrutura, constituída pela cultura. Esta seria
expressão da classe dominante. Esse aspecto se revelou, de igual modo, primariamente
elaborado. Como grande estudioso da literatura e das artes de um modo geral, o marxista
húngaro Georg Luckacs (1885/1971) procurou dissociar a história de toda idéia de
necessidade, restituindo ao homem, para usar uma expressão consagrada ainda na Grécia
Antiga, a condição de medida de todas as coisas sociais. Luckacs deseja, naquela
oportunidade, ao desenvolver certas premissas do marxismo filosófico, abandonadas pelo
pseudo cientificismo político, ultrapassar o que denomina de "tipologia formal das formas de
aparição da história e da sociedade", seja na forma ingênua de uma "sociologia" procurando
"leis" (do tipo de Comte ou de Spencer) seja na do esforço crítico de Max Weber. Mais
precisamente: pretende superar o relativismo dissociando-o, como diz, do absoluto que
restaria em cada uma de suas manifestações. Não se trata aqui de apreciar os êxitos da
tentativa de Luckacs – empreendida no livro História e Consciência de Classe (1923) mas, de
lembrar que teve o mérito de chamar a atenção para o fato de que a história não é exata, de
que em seu seio comporta quando muito falar de "tendências", de que somente pode haver
ciências exatas ali onde o objeto é constituído de elementos constantes, o que não se dá no
âmago da criação humana que tem lugar na história.
Marx pretendeu, ainda, inspirado na Fenomenologia, elaborar um painel da
consciência humana tomando por base o processo produtivo (o sistema das necessidades). A
essa obra denominou de O Capital mas só conseguiu concluir o primeiro volume. A demarche
é demasiado abstrata a ponto de excluir o meio rural com a sua diversidade e os próprios
serviços urbanos, para ficar exclusivamente com a polaridade burguesia x proletariado, a fim
100

de manter o esquema hegeliano e permitir o aparecimento de uma síntese superadora dessa


contradição.
Em vida Marx só publicou A sagrada família (1845), em colaboração com Engels,
uma polêmica com Bruno Bauer, no espírito da Ideologia Alemã; Miséria da Filosofia (1847),
crítica a Proudhon, que escrevera A filosofia da miséria; a mencionada Crítica da Economia
Política (1859) e o volume I de O Capital (1867), além naturalmente do Manifesto
Comunista. Engels reuniria alguns de seus textos para editar dois outros volumes de O
Capital. A Ideologia Alemã somente foi divulgada em 1832, pelo Instituto Marx-Engels, de
Moscou.
Friedrich Engels (1820/1895), sendo homem de fortuna, ajudou materialmente e
Marx e sua família, ocupou-se também de divulgar as idéias do seu amigo, no que, nem
sempre, foi muito feliz, porquanto praticamente reduziu o marxismo a uma espécie de
"materialismo econômico". É certo que, no fim da vida, reagiu contra essa interpretação, que
havia ajudado a popularizar, e procurou aproximar-se de Antonio Labriola (1843/1904), que
tratou de encaminhar o marxismo nos círculos acadêmicos europeus, como uma corrente de
filosofia. A esse filósofo italiano estão relacionados Antonio Gramsci (1891/1937) e Rodolfo
Mondolfo (1877/1976).

f) Apreciação crítica do marxismo

A importância de algumas idéias de Marx decorrem tanto da circunstância de se


inserirem no momento da esquerda hegeliana como pelo fato de não se estratificarem em
sistema. São mencionadas, desde logo, em forma esquemática. Marx radicaliza um dos
aspectos da filosofia hegeliana – talvez o mais fecundo – trazendo para primeiro plano o
interesse pela criação humana. Ao fazê-lo, efetua, como bem o demonstra Mondolfo, o
trânsito entre o naturalismo Feuerbach e o historicismo. Num certo sentido, tudo isto
corresponde ao desenvolvimento coerente das principais teses da filosofia de Hegel. Ainda
assim, desinteressou-se pela formulação de uma ontologia, o que introduziu em sua meditação
um elemento de arbítrio responsável por muitas de suas contradições.
Coube a Feuerbach o mérito de haver assinalado que é o único princípio que se
poderia contrapor ao idealismo hegeliano era o da vontade (como impulso, como tendência a
algo sensível).
Na necessidade e no impulso encontrará a verdadeira realidade do homem, já que
naqueles reside o princípio da práxis. Dirá Feuerbach na Essência do Cristianismo: "Uma
existência sem necessidade é uma existência supérflua. Quem não tem necessidade tampouco
tem necessidade de existir, que exista ou não é o mesmo, tanto para ele como para os demais".
Na necessidade manifesta-se a oposição entre o ideal a que se aspira e a realidade existente;
manifesta-se o impulso para o desenvolvimento, cujo processo progressivo constitui a
verdadeira realidade. O ideal não permanece como idéia abstrata; transforma-se, como
consciência da oposição entre ser e não ser (que aparece ao mesmo tempo como dever ser),
em força propulsora do devenir, em idéia-práxis.
Por isto mesmo Feuerbach considerava que sua filosofia era a única positiva, síntese
de todas as verdades antitéticas: com o retorno à consciência subjetiva – cuja realidade era
negada pelo materialismo – e com a afirmação do sistema das necessidades, que Hegel havia
desprezado como meios exteriores empregados pela idéia, pretendia superar tanto a tese do
101

materialismo como a antítese do idealismo especulativo, chegando à síntese de ambos os


momentos na realidade concreta do homem e da vida social.
O sistema das necessidades (espirituais e materiais) era para ele, além de um fato
natural, também um processo histórico-social. A consciência humana tem a humanidade e a
vida social como condição de sua própria realidade; as necessidades pertencem menos ao
homem, como indivíduo, que à humanidade como coletividade social, que tem um
desenvolvimento histórico.
Na filosofia da vontade de Feuerbach a massa (a própria humanidade, unificada pela
religião do amor) é a condição na atualização das idealidades (ou seja, o trânsito da idéia à
práxis).
Ao mesmo tempo, Feuerbach preconizava uma instauração da humanidade sem
nenhum compromisso com o passado, o que transforma sua doutrina numa utopia
anti-histórica e antidialética. Seu conceito de necessidade fica assim indefinido. A
humanidade é para ele um todo compacto e indiviso que pode realizar a passagem do ser ao
dever-ser, impulsionada pelo amor.
Segundo Mondolfo, o mérito de Marx consiste em haver operado o trânsito entre o
naturalismo de Feuerbach e o historicismo. Para Marx, as dificuldades, das quais nasce a
consciência das necessidades, não derivam apenas da exterioridade da natureza, mas também
da própria interioridade das condições históricas, da sociedade humana e de suas formas, das
relações e condições com que se constitui. Assim, o impulso para o movimento e a
transformação não vem só de fora, mas também e ainda mais do interior da associação
humana. Desse modo, a necessidade se transforma de exigência natural, em força geradora e
motora da história. Em lugar do homem abstrato da natureza aparece o homem real e vivo na
história: real e vivo enquanto coletividade associada; na história que é obra sua e, ao mesmo
tempo, condição e estímulo contínuo da obra sucessiva.
Resumindo, temos que o momento Kant-Hegel chega a uma fase de plena
configuração com a esquerda hegeliana, em particular com Feuerbach-Marx. Ao invés da
perspectiva platônica (o outro lado das coisas, a permanência, a substância), a perspectiva
kantiana (meditação limitada à dimensão humana) desenvolvida no sentido de apreender o
homem através de tudo quanto criou, não um homem dado e acabado ex-nihil, mas envolvido
no próprio processo de sua criação. A famosa frase de Marx – a existência determina a
consciência - resume, num certo sentido, toda essa etapa.
Marx, entretanto, opera, de modo demasiado abrupto, o trânsito entre o indivíduo e
uma abstração – a classe – que o desenvolvimento ulterior de sua filosofia revelou apresentar
todas as características das famosas entidades hegelianas contra as quais se voltava sua
rebeldia. O homem concreto que só o indivíduo podia dar, por mais penosa e limitada que
pudesse parecer essa busca, foi simplesmente dissolvido num banho de ácido sulfúrico, como
bem o diz Sartre, tão lúcido ao apontar as insuficiências da versão contemporânea do
marxismo quanto apressado em capitular diante delas. A existência que deveria explicar a
consciência pressupondo-a inclusive desde que esta última é ingrediente essencial da primeira
em se tratando da existência humana foi esvaziada da toda a sua riqueza para circunscreve-se
ao conceito equívoco e mal-elaborado de relações de produção. Aqui precisamente é onde se
evidencia que o momento da filosofia coroado com a esquerda hegeliana encaminhava-se
diretamente para uma nova ontologia, no contexto das teses já referidas. A circunstância de
que se tenham desinteressado dessa démarche parece corretamente explicada por Chatelet.
Segundo este, á esquerda hegeliana dispunha da seguinte alternativa: recusar a filosofia
102

política de Hegel em nome das exigências do próprio historicismo hegeliano, em nome da


filosofia entenda como "inteligência do presente e do real, e não a construção de um além que
se encontraria Deus sabe onde". Ao que parece, entretanto, as próprias condições do país
impunham não só um relevo primordial àquela filosofia política, no conjunto do sistema,
como também a exigência de que a intelectualidade não se contentasse apenas com uma
satisfação nos limites do pensamento, mas buscasse realizá-la empiricamente. Esta opção pela
realização prática do ideal de racionalidade envolvia, nos próprios termos em que Hegel
colocara o problema, a superação do sistema hegeliano, entendido como ápice de toda a
meditação filosófica precedente. Para Marx, essa superação significava, de um lado o
reconhecimento de que a transformação social era produto da luta de classes, que independia
da vontade do filósofo ou da coerência do seu discurso. Além disto, a própria luta de classes,
em seu curso histórico, levaria à superação das classes, obstáculo à concretização da
sociedade racional. De outro lado, semelhante descoberta circunscrevia de muito a ambição da
filosofia. Desde logo, devia renunciar a constituir-se em sistema ou a regredir à perspectiva
pré-hegeliana, cabendo-lhe restringir-se aos limites da práxis.
Não obstante a recusa de uma reelaboração da ontologia, Marx contribuiu
enormemente para ampliar a perspectiva pós-kantiana ao reivindicar a possibilidade de uma
filosofia da práxis, entendida como filosofia da atividade que coloca o homem como sujeito
real e ativo, no centro de todo processo cognoscitivo e prático (Mondolfo). Sua crítica acerca
a filosofia que se satisfazia com a conquista de uma satisfação meramente intelectual, vale
sobretudo como denúncia da concepção unilateral do homem como pensamento, envolvendo
o menosprezo pelo seu ser empírico. Implica obrigatoriamente o empenho de superação
simultânea do materialismo e do idealismo. Ainda assim tudo isto resume-se a uma simples
premissa a ser desenvolvida, incapaz de justificar a conclusão de que à filosofia compete
engajar-se na conquista de uma satisfação empírica, vale dizer, na tarefa de organizar
racionalmente a sociedade. Por essa via o centro do interesse desloca-se para as possibilidades
(ou as condições da possibilidade) da organização racional da sociedade, quanto na verdade o
que se pode propor à nova colocação (filosofia da práxis) seria a elucidação do ser do homem
através de sua criação (atividade cognoscitiva e prática). Somente no século XX o problema
seria retomado em toda a sua complexidade com o existencialismo. Não se trata de encampar
ou de exaltar tudo quanto tenha vindo à luz sob esse rótulo, mas simplesmente de
reconhecer-lhe o mérito de ter partido daquela possibilidade desprezada pela esquerda
hegeliana, ainda que sem atribuir, desde logo, às conquistas desta última, a importância
devida. Seria extemporâneo tentar demonstrar o ponto em que se dá essa confluência, questão,
ao que se supõe, suficientemente elucidada na obra de Merleau-Ponty. Seria ademais
ultrapassar de muito os objetivos das presentes notas. No Brasil, toda essa problemática
encontrava desenvolvimento amadurecido na correta culturalista (veja-se A. Paim.
Problemática do culturalismo, Rio de Janeiro, 1977).
Uma coisa, convém precisar, é o reconhecimento da importância filosófica do
momento representado pela esquerda hegeliana e outra bem diversa a situação a que a reduziu
a chamada “versão oficial do marxismo”, isto é, a interpretação russa.

g) Leitura recomendada: A Ideologia Alemã

O livro em epígrafe deve ser lido sem a preocupação de compreender onde se situa a
divergência entre seus autores – Engels também participa de sua elaboração – e os demais
"jovens hegelianos", como são chamados, mesmo porque não há uma análise concatenada das
103

idéias desses últimos. O que importa são os pressupostos dessa análise, que tratarão de
explicitar. Correspondem a conjunto de teses que são insistentemente repetidas.
O mais geral consiste na hipótese de que o efetivamente importante para o curso
histórico é o processo produtivo. No capítulo dedicado a Feuerbach não há sequer menção da
obra deste mas apenas a tentativa de reconstituição daquele processo.
Outra tese básica encontra-se na afirmação de que a burguesia alemã é "atrasada" em
relação à inglesa e à francesa, que teriam feito revoluções anti-feudais enquanto a alemã se
revelara até então incapaz de empreender esse caminho. Tal circunstância seria uma espécie
de descoberta mágica, capaz de explicar toda a filosofia alemã.
Insistem também em que os jovens hegelianos são uma expressão da "pequena
burguesia inconseqüente".
No curso ulterior do pensamento de Marx, essas teses não foram reafirmadas ou
revistas. Tanto ele como Engels repetiram com a maior sem cerimônia esse tipo de correlação
simplista entre a atividade produtiva e a cultura.
Deste modo, em que pese o seu inacabamento, o livro é bem uma expressão das
idéias de Marx e do seu entendimento da filosofia.
104

V. A FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA

1. A consolidação do cientificismo
Quando apareceu a nova física, formalizada na obra de Isaac Newton (1664/1727),
não foi entendida como achando-se limitada aos fenômenos físicos, – comportando, como
veio a ocorrer, uma longa elaboração até que se constituíssem os outros ramos, inicialmente a
química, seguindo-se a biologia – mas como uma nova filosofia, a filosofia natural.
Para institucionalizar-se, a nova ciência teve que estabelecer sério embate com a
Igreja Católica, que, entre outras coisas, promoveu a condenação de Galileu. Tal fato
acarretou grande movimentação na Europa, obedecendo, sobretudo, a inspirações políticas. O
processo em causa, isto é, a institucionalização da ciência, foi estudado pelo conhecido
historiador da ciência, o inglês Joseph Ben-David (1920/1986), entre outras obras no seu livro
O papel do cientista na sociedade (trad. brasileira, São Paulo: Pioneira, 1974).
Ben-David indica que eruditos protestantes em Paris, Estrasburgo, Heidelberg e
Tubing decidiram traduzir a obra de Galileu em latim. Observa que na Universidade de
Tubing, pouco tempo antes, fora recusado a Kepler um diploma teológico, em decorrência de
suas convicções copernicanas. O governo holandês fez de Galileu seu conselheiro e
cumulou-o de honrarias. Estavam lançadas as bases de um movimento de cunho social que
muito contribuiu para a institucionalização da ciência, na segunda metade do século XVII.
Esse movimento floresceu, contudo, na base da suposição de que a ciência tinha amplas
conseqüências sociais e tecnológicas centrando nestas suas atenções, o que acabaria
encaminhando a meditação no sentido da reforma social. Entretanto, na medida em que a
ciência se institucionaliza, os próprios cientistas iriam recusar essa dilatação de objetivos.
Tornaram-se autônomos e dissociaram-se os dois movimentos: a propaganda da ciência como
meio de ordenamento social (movimento que veio a ser denominado de cientificismo) e a
prática científica.
Assim, enquanto a ciência seguiu seu curso, sobretudo na Royal Society inglesa e na
Académie des Sciences francesa, ampliando paulatinamente o seu campo no âmbito do estudo
de fenômenos naturais, o cientificismo ocupou-se preferentemente da sociedade. É o ciclo
histórico em que emerge a crença na sociedade racional. Na França, os "philosophes"
lançam-se na tarefa de constituição de uma ciência capaz de orientar os homens numa reforma
da sociedade que a levasse a eliminar todas as formas de irracionalidade (guerras, violências,
maldade, egoísmo etc.).
A melhor sucedida expressão do cientificismo seria a francesa. Estabelece-se esta
linhagem: Condorcet (1734/1794, que lança suas bases na obra Esquise d'un tableau
historique dés progrés de l'esprit humain. Segue-se o saint-simonismo (Saint-Simon,
1760/1825), cujas teses principais viriam a ser sistematizadas por Augusto Comte
(1798/1857), que teve o mérito de atribuir-lhe um nome de grande fortuna: positivismo.
Em síntese, Comte estabelece a lei do progresso: a humanidade deve percorrer três
estágios, a saber, teológico (ou fictício); metafísico (ou abstrato) e científico (ou positivo). O
real esgota-se em seis ciências: matemática, astronomia, física, química, fisiologia (como
então se denominava o que viria a ser a biologia) e a física social, obra do próprio Comte.
Para tornar operativa sua ciência (a exemplo do que se dava na ciência natural), Comte
concebera política científica. Segundo entende, não se trata mais de promover especulações
sobre o melhor governo possível, nem de discutir questões superadas como o direito divino
dos reis ou a soberania popular. O governo transformou-se num assunto de competência. Ao
105

positivismo, portanto, cabe a missão de implantar uma nova ordem social, tudo segundo o
figurino estabelecido por Saint-Simon.
A publicação de A origem das espécies, por Darwin, em 1859, parecia indicar que o
prognóstico de Comte iria concretizar-se. De modo demolidor, a ciência ia progressivamente
ocupando todos os espaços. Na Inglaterra, o principal representante da filosofia dominante,
John Stuart Mill (1806/1873), iria aceitar a denominação dada por Comte e eliminar suas
incongruências,(1) entroncando o positivismo com a mais arraigada tradição do país, isto é, o
empirismo. Adiante iria tomar a feição adequada ao que se denominava de evolucionismo, já
agora apoiado na hipótese de que a descoberta de Darwin aplicava-se a todos os campos,
desde o processo de formação do universo ao curso histórico da humanidade
Na Alemanha, diante do verdadeiro descompasso representado pela filosofia da
natureza de Hegel, diante do sentido seguido pela ciência, ocorre um surto cientificista, que
chega a assumir formas grosseiras de materialismo.(2)
Na França, retomando o projeto comteano original – isto é, sem a religião da
humanidade –, Emile Littré (1801/1898) consegue tornar o cientificismo a corrente
dominante. O positivismo aplicar-se-ia às artes e à literatura (Hyppolite Taine, 1828/1898) e à
crítica religiosa (Ernest Renan, 1823/1893).
O cientificismo parecia haver alcançado a mais ampla vitória: não haveria mais lugar
para a especulação filosófica.

2. A derrota do cientificismo e a emergência da Filosofia Contemporânea

a) Caracterização sumária e modo de aproximação dessa diversidade

A Filosofia Contemporânea surge como resultado da reconstituição da investigação


filosófica e a derrota das teses positivistas nesse plano.
A superação da interdição positivista à filosofia deu-se inicialmente na Alemanha,
através do neokantismo. Nos próprios meios científicos emerge a aspiração resumida no
slogan "é necessário voltar a Kant". Na. década de setenta do século XIX, a cátedra de
filosofia da Universidade de Marburgo, na pessoa de Friedrich Albert Lange (1828/1875), é
ganha para esse movimento. Forma-se a Escola de Marburgo, chefiada por Herman Cohen
(1842/1918). Na .altura da Primeira Guerra Mundial, o neokantismo é a filosofia dominante
na Alemanha e volta a florescer a discussão filosófica, surgindo diversas vertentes, as mais
importantes das quais seriam a fenomenologia, o existencialismo e o culturalismo.
Na França, o movimento de superação do positivismo proporcionaria resultados
aparentemente retumbantes mas efêmeros, capitaneado por Henri Bergson (1859/1941). na
opinião de Sciacca, Bergson valeu-se do anti-intelectualismo que entende estar presente na
cultura francesa, .ao lado da exaltação racionalista A par disto, louvou-se também da tradição
iniciada por Maine de Biran, na primeira metade do século XIX, de valer-se do próprio
desenvolvimento científico para evidenciar a presença do espírito. Assim, Bergson é um
evolucionista, como quase todo mundo em Paris do seu tempo. É ainda Sciacca quem
esclarece tal posicionamento: “Por isso é preciso ter presente: 1) que o anti-intelectualismo de
Bergson tem um fortíssimo aspecto polêmico, com um objetivo preciso, como uma crítica de
um particular intelectualismo (o cientista) e não como uma crítica ou negação de qualquer
forma de conhecimento intelectivo e racional; 2) que sobre a base da crítica ao intelectualismo
cientista ele constrói uma filosofia (e uma metafísica) que, sem repelir as exigências legítimas
106

do positivismo, reivindica contra ele, precisamente, o sentido concreto e a realidade dos


valores espirituais, cognoscitivos, morais e religiosos. Como dissemos, o positivismo era,
acima de tudo, um "método"; o problema de Bergson é, pois, antes de tudo o do método.
Demonstra a abstração do método positivista (intelectualista) e indica um método novo de
filosofar, que renova o ambiente filosófico francês tradicionalmente racionalista (cartesiano).
Bergson (como Blondel em outro sentido e outros pensadores franceses contemporâneos) é a
desforra da consciência contra a raison. Intuicionismo, mas não irracionalismo: a intuição não
exclui uma racionalidade concreta. É preciso distinguir entre o Bergson e o "bergsonismo "de
alguns seus seguidores, inclinados a anti-intelectuais de diletantes".(1)
Inicialmente partidário de Bergson, depois de convertido ao catolicismo e interessado
na restauração do tomismo, Jacques Maritain (1882/1973) conseguiria também algum sucesso
na superação da interdição positivista à investigação filosófica. Tornar-se-ia mesmo uma
personalidade mundial do neotomismo, na medida em que viria a ser bem sucedido no
propósito de abrir um espaço para a ciência moderna, ainda que preservando a supremacia da
teologia.
Contudo, essas filosofias não sobreviveram ao segundo pós-guerra, como teremos
oportunidade de referir.
O cientificismo recebeu também um golpe proveniente do curso empreendido pela
própria ciência desde o início do século XX. Esquematicamente, esse processo pode ser
caracterizado como segue.
Em decorrência dos avanços na investigação científica, na passagem do século, a
hipótese de que o átomo seria indivisível cai por terra e começa a identificação de seu
conteúdo. O primeiro elemento de que agora se fala denomina-se elétron. Mais tarde,
descobriu-se multiplicidade de partículas, existência de núcleo atômico e formulam-se os
primeiros modelos diversificados de átomos. Trabalhando nesse tipo de pesquisa desde aquela
época, entre 1905 e 1915, Albert Einstein (1879/1955) apresenta a teoria da relatividade, que
iria reduzir o campo de aplicação da física newtoniana.
Assim, ao invés de marchar na direção de oferecer uma idéia unitária do
conhecimento, impondo mesmo o desaparecimento da especificidade da filosofia,
evidencia-se que a ciência é um corpo vivo em crescimento e transformação. No período
anterior à Primeira Guerra, há mais de uma física, a investigação atômica faculta aos
investigadores conceber modelos diferentes de átomos – sendo que um não revoga o outra, na
medida em que se revelam operativos – e, de fato, desaparece a matéria como era entendida
no século XIX. Entre os próprios homens de ciência, não há consenso quanto à definição de
conceitos básicos tais como espaço, tempo e massa. Deste modo, os cultores da filosofia que,
objetivamente, haviam aceito uma posição secundária, são instados a colaborar com os
cientistas, em pé da igualdade, no exame dessas questões. Semelhante propósito acabaria
sendo formalizado, em fins dos anos vinte, com a denominação de Círculo de Viena. Não se
trata de que os alemães passariam a ditar as regras em matéria de filosofia da ciência. No
impulso inicial, encontra-se um cientista francês de grande nomeada, Henri Poincaré
(1854/1912), justamente a pessoa que teria o mérito de chamar a atenção para a necessidade
de abandonar o conceito oitocentista de ciência na obra A ciência e a hipótese, que viria a
tornar-se um marco no processo de superação das simplificações de positivismo.
Ainda que o Círculo de Viena tivesse alcançado uma posição relevante na nova
feição que viria a assumir a filosofia da ciência, os balizamentos não poderiam deixar de ser
proporcionados pelos ingleses, devido à larga tradição em matéria de teoria do conhecimento.
107

Teriam que explicitar – como de fato o fizeram – que não mais se trata do conhecimento em
geral, mas especificamente do conhecimento científico.
Na Inglaterra, a reação contra o positivismo foi desencadeada por Bertrand Arthur
William Russel (1972/1970), iniciando uma corrente filosófica que, mais tarde recebe o nome
de Neopositivismo.

b) Situação singular da França

O segundo pós-guerra iria evidenciar que, na França, a predominância do


cientificismo não chegou a ser abalada pelo bergsonismo ou pelo neotomismo, ainda que
tivesse que se defrontar com a vertente que Leonardo Prota batizou de racionalismo
equilibrado, adiante caracterizado.
Na Alemanha encontrar-se-ia uma fórmula de investigação sociológica
reconhecedora do papel dos valores na vida social, ao estabelecer que o investigador deve
reconhecer tal circunstância e cuidar de não misturar, com essa investigação, a avaliação,
positiva ou negativa, que inevitavelmente fará dos valores ali presentes.(1) Nada disto
verificou-se na França. Ali vigorou o denominado reducionismo.
Ainda que haja contribuído para encaminhar a pesquisa sociológica na direção das
relações sociais concretas, para delas retirar inferências limitadas ao fenômeno estudado ao
invés de "leis gerais" como queria Comte –, Emile Durkheim (1858/1917) abriu a porta ao
reducionismo ao definir a religião como uma "representação mitológica das estruturas
sociais". Escapou-lhe integralmente a possibilidade de que o sagrado tivesse algum papel na
constituição da pessoa humana - e no próprio encaminhamento que deu à busca de orientação
no universo circundante.(2) Entre os seus principais discípulos encontra-se Marcel Maus
(1872/1950), que levou a investigação sociológica a dar preferência ao que se convencionou
designar estruturas permanentes alheias ao valor. Essa busca desembocou no denominado
estruturalismo que, em simbiose com a vulgata marxista, tornou-se a corrente dominante no
último pós-guerra. A simplificação do marxismo que geralmente se denomina de vulgata
resume-se ao seguinte:
I) A economia capitalista insere uma contradição radical, que consiste na
contraposição entre socialização do processo produtivo e apropriação privada dos meios de
produção. As relações de produção capitalista impedem o desenvolvimento das forças
produtivas, o que inevitavelmente os levará à derrocada. Toda a riqueza provém do trabalho.
O capital se forma pela expropriação de parte do trabalho realizado pelo proletariado,
excedente denominado de mais-valia.
II) A classe operária é fundamentalmente homogênea, vigorando a mais absoluta
comunidade de interesses. A única força capaz de defender consequentemente esses interesses
é o Partido Comunista. Os outros partidos que se dizem representantes da classe operária
estão na verdade a serviço da burguesia. Contra eles é que deve ser dirigido o golpe principal,
porquanto na verdade dedicam-se a desviar o proletariado do caminho revolucionário.
III) A história humana é a história da luta de classes, sendo inevitável a substituição
de um modo de produção pelo outro. São cinco os modos de produção: comunismo primitivo,
escravagismo, feudalismo, capitalismo e socialismo (ou comunismo).
Salta às vistas a inconsistência de semelhante arrazoado, não obstante o que a
intelectualidade francesa não só a aceitou sem reservas mas revelando o maior entusiasmo. De
108

tudo isto resultou uma autêntica esterilização do pensamento, o que levaria ao florescimento
de doutrinas niilistas, singularizadas pela superficialidade. Nietzsche (1844/1900) seria o pai
do niilismo, que ele mesmo define do modo adiante, no livro que reúne os seus fragmentos,
cujo título veio a ser traduzido como Vontade de potência:
"O niilismo não é somente um conjunto de considerações sobre o tema Tudo é vão;
não é somente a crença de que tudo merece morrer, mas consiste em colocar a mão na massa,
em destruir [...]. É a atitude dos espíritos fortes e das vontades fortes, que não podem
satisfazer-se apenas com o juízo negativo: a negação ativa corresponde melhor à sua natureza
profunda".
O principal corifeu do niilismo francês, no pós-guerra, seria Jean Paul Sartre
(1905/1980).(1) A par disto, dois autores são declaradamente caudatários do niilismo
nietcheano: Michel Foucault (1926/1984) e Jacques Derrida (1930). Foucault também
procurou contestar os valores da tradição, centrando suas análises em fenômenos como a
loucura e a sexualidade. Derrida formulou uma hipótese de desmonte da racionalidade, a que
chamou de "desconstrução da Razão". Por esse meio poder-se-ia, como diz; "decapitar a
filosofia" e mesmo "vomitá-la".
É duvidoso se da tentativa de recompor o niilismo, na França, se tenha traduzido
nalguma forma de enriquecimento da filosofia francesa. Progressivamente abandonados em
seu país de origem, tais autores parecem ter encontrado solo fértil nos Estados Unidos. De
todos os modos, permanece o desafio que Albert Camus (1913/1960) endereçou a Sartre e
Malraux em fins de 1956: "E que tal se nós, que vimos todos do nietzscheanismo, do niilismo
e do realismo histórico, que tal se anunciássemos publicamente que estávamos enganados; que
existem valores morais e que daqui para a frente faremos o que for necessário para os
estabelecer e ilustrar?"(2)
Ao cientificismo francês opõe-se o que Leonardo Prota definiu como Racionalismo
equilibrado e caracteriza como segue:
“A vertente que aqui estamos denominando de racionalismo equilibrado talvez
corresponda ao que há de autêntico e específico na filosofia francesa. O processo de sua
constituição abrange, a rigor, cerca de 150 anos, a partir de meados do século passado. Suas
notas distintivas poderiam ser resumidas como segue.
Em primeiro lugar, assume a tradição racionalista que é, sem dúvida, uma dimensão
inelutável e a contribuição maior da França desde Descartes.
Em segundo lugar, procura recuperar o entendimento que se formou na França acerca
do kantismo, desde Mme. de Staël e Vìllers, no início do século XIX, passando pelos cursos
de história da filosofia ministrados por Cousin, adequando aquele entendimento de modo a
torná-lo apto a fornecer o parâmetro capaz de permitir a valorização das criações do espírito,
sem o risco de cair no espiritualismo. Este perdeu a sua razão de ser na medida em que os
católicos conseguiram fazer, desde as últimas décadas da passada centúria, com que a tradição
escolástica lograsse conviver com a ciência moderna.
Em terceiro lugar, traz para primeiro plano a especificidade do saber de índole
filosófica, direcionando-o para a elaboração conceitual que privilegie a temática decorrente da
pessoa humana, da sua convivência em sociedade e da criação cultural.
Em quarto lugar, consolida a autonomia da filosofia, evitando que seja caudatária da
política ou da religião. Finalmente, deixa de considerar que o racionalismo seja obrigado a
109

hostilizar a religião, admitindo não só a convivência com o mistério mas reconhecendo no


culto do sagrado uma dimensão inelutável da pessoa humana.
Esse conjunto de proposições não saiu pronto e acabado da cabeça de nenhum dos
grandes filósofos que, desde Renouvier a Ricoeur, passando por Brunschvicg, Poincaré e
Aron, procuram constituir o que seja a contribuição efetiva da França à filosofia moderna.”(1)

3. Obras básicas restauradoras da filosofia em sua diversidade

a) Nota introdutória

Não cogitando de formar especialistas mas proporcionar cultura geral, o CURSO DE


HUMANIDADES indica para estudo apenas alguns livros que facultam a possibilidade de
orientar-se diante da diversidade filosófica tradicional, que se conseguiu recuperar na
Filosofia Contemporânea. Roteiros para seu estudo são inseridos adiante.
A par disto, ao fim do capítulo, consta uma informação genérica sobre as principais
correntes contemporâneas, destinada a permitir a consulta relativa a obras e autores com os
quais possam esbarrar ou se proponham deles dispor de uma primeira aproximação.
No caso de Herman Cohen, levando em conta que suas obras filosóficas
fundamentais não foram traduzidas em qualquer língua, referimos a apresentação que Ernest
Cassirer faz de sua interpretação de Kant, com base em autor brasileiro, como se indica em
seguida.

b) A Filosofia de Kant por Herman Cohen

Herman Cohen (1842/1918), com pouco mais de 30 anos de idade, ingressou no


corpo docente da Universidade de Marburgo . Em 1876, substituiu a Lange, que, como
mencionamos anteriormente, incumbira-se de trazer para a Universidade o movimento de
volta a Kant, iniciado por alguns cientistas. Cohen tornou-se a principal figura do
neokantismo, a que deu uma feição própria, e talvez mesmo da filosofia alemã dos fins do
século à época da primeira guerra mundial.
Resumimos, aqui, a análise de Rosa Mendonça de Brito.(2)
Dos fins da década de setenta ao início do século, publicou alguns livros, entre os
quais O princípio do infinitesimal e sua história (1883). Todavia, sua obra madura aparece a
partir da publicação do primeiro volume do sistema de filosofia, intitulado Lógica do
conhecimento puro (1902), a que se seguem Ética da vontade pura (1904) e Estética do
sentimento puro (1912). Depois de haver concebido o sistema , refundiu uma de suas obras da
primeira fase e que viria a tornar-se mais conhecida, A teoria da experiência de Kant.
Cohen teve em Ernest Cassirer um de seus mais próximos colaboradores, responsável
pela difusão de suas idéias no exterior. Os três primeiros volumes do livro de Cassirer, O
Problema do Conhecimento constitui uma exposição do ponto de vista de Cohen acerca da
filosofia de Kant, seus antecedentes e conseqüência. Herman Cohen faleceu em 1918.
Cohen, inicialmente, é partidário do método psicológico. Mas desde 1871, quando
publica a sua primeira obra sobre Kant (Kants Theorie de Erfahrung) começa a reelaboração
do método transcendental, que considera essencial no kantismo. No desenvolvimento de seu
pensamento, procura mostrar a estreita relação entre as ciências e a filosofia transcendental,
110

insistindo principalmente sobre a significação do cálculo infinitesimal. Propondo-se


desenvolver até as últimas conseqüências o método transcendental kantiano, atem-se mais ao
espírito que a letra do kantismo. Sua orientação fundamental acha-se determinada pelo
propósito de considerar filosoficamente o conjunto da cultura, que para ele se resume na
ciência (saber natural, física e matemática), na estética e na ética, religadas pela unidade da
consciência.
Adota Cohen o suposto kantiano de que o verdadeiro conhecimento científico se
encontra nas ciências físico-matemáticas, devendo, por isso mesmo, todo e qualquer
conhecimento acomodar-se à sua estrutura. Assim , a teoria da ciência ou física será para ele o
fundamento e a primeira parte da filosofia. Isto porque, na sua concepção, é a física que tem
como órgão a matemática, que lhe fornece o ponto de partida sem o qual o código é levado à
desviação psicológica, ao misticismo ou ao ceticismo.
Entende, por outro lado que, em filosofia, a história e a teoria são de fato
indissociáveis. A história fornece à teoria problemas a elucidar, soluções a serem
experimentadas; a teoria seleciona entre a massa das obras do passado e os problemas
decisivos e as soluções importantes; por isso, a filosofia não tem que começar do zero em
cada cabeça, mas reatar-se ao esforço anterior, tratando dos problemas e dos métodos em
função de novos dados. O kantismo realiza esta ligação e, o neokantismo, este reatamento.
Com este pensamento e tendo como princípio metodológico fundamental a ligação
sistemática dos problemas históricos e teóricos – visto que uma oposição de princípios levaria
à incompreensão e ao erro histórico – Cohen propõe na sua Teoria da experiência de Kant,
nascida das polêmicas entre Trendelemburgo e Kuno Fischer, uma nova interpretação da
Crítica da razão pura, na qual desenvolve a noção do a priori procurando mostrar a sua
natureza e o seu estabelecimento, tal como fora feito por Kant. Esta posição decorre, segundo
Dussort, do entendimento de que as soluções encontradas até então pelos estudiosos do
assunto são insuficientes, falsas, ou partem de formulações baseadas em contra-sensos, seja na
tentativa de estabelecer sua própria metafísica em detrimento de Kant, ou contra ele
(Schopenhauer, Trendelemburgo, Kuno Fischer); seja desenvolvendo uma antropologia ou
uma psicologia julgadas insuficientes em Kant (Fries, Bona Meyer); seja viciado na base pela
teoria das faculdades (Herbart).
A unidade entre os pensadores acima referidos, no particular da natureza do a priori,
parece evidente. Eles entendem, segundo Cohen, que o a priori kantiano é um modo de
representação inata ao ser humano que só conhece a realidade tal como ela se apresenta e não
como ela é, e que se lhe afigura erro metodológico de princípio.
Por isso, o edifício kantiano deve ser percorrido desde o detalhe até o todo e
vice-versa, seguindo o curso que Kant tomou. Se ele é um todo, só pode ser examinado como
tal, sob pena de reeditarem-se os mesmos erros.
No entendimento de Cohen, Kant distingue os diversos a priori pela análise
psicológica da experiência interna, não pela compreensão indutiva, mas por uma reflexão
abrangente sobre os elementos necessários e universais da experiência humana, cabendo à
dedução transcendental a tarefa de prová-los. Kant age em três tempos para estabelecer
sucessivamente o que podemos denominar os três degraus do a priori: 1) a constatação de um
fato ; 2) o estabelecimento de sua forma (lei de produção do conteúdo); 3) a condição formal
sine qua non da possibilidade da experiência.
Ainda na exposição de sua tese sobre a noção de a priori kantiano, Cohen insistirá na
importância da distinção entre o a priori metafísico e o a priori transcendental elaborado por
111

Kant na segunda edição da Razão Pura, sendo a priori transcendental causa final, verdade
última do a priori metafísico.
Para Cohen, os diversos momentos do a priori de Kant não devem ser separados uns
dos outros à mercê das orientações metafísicas. Todo os seus momentos devem totalizar-se e
unificar-se no princípio supremo de todos os juízes sintéticos .
E explica Cohen: se o a priori transcendental é a causa final, a verdade última do a
priori metafísico, são então os princípios que justificam as categorias, ao mesmo tempo no
conjunto e no detalhe. Ainda que afirmemos que sobre o plano do a priori metafísico a tábua
dos julgamentos é o fio condutor da descoberta de um estágio preparatório (o da origem), é a
nível propriamente transcendental que a tábua dos princípios é a justificação da tábua das
categorias. Do mesmo modo que a priori metafísico não é totalmente compreensível sem
ajuda do a priori transcendental, a Estética tampouco o é sem a lógica.
Essa possibilidade, segundo Cassirer, constituiu o triunfo do pensamento, capaz de
construir o real e determiná-lo. É neste movimento de integração que se verifica a tomada de
consciência da experiência. A análise transcendental não procura descobrir novas leis ou
novos princípios, mas tão somente tematizar pelo movimento da unificação o sentido da
experiência. O essencial na Crítica da Razão Pura, segundo Cohen, é o ponto no qual se
totalizam concretamente os momentos do a priori. Não é a forma do pensamento ou a função
da unidade nos juízos que nos permite afirmar a categoria, mas inversamente. Da mesma
maneira, não se vai das categorias aos princípios, mas dos princípios às categorias. É o
desenvolvimento efetivo das ciências que fornece os princípios que a teoria transcendental
deve levar à consciência da sua possibilidade. Deste modo, o que comanda e determina a
possibilidade da experiência não é a lógica aristotélica, mas a lógica transcendental. A tal
ponto que a validade da lógica formal, naquilo que ela pode colaborar para a edificação do
sistema da ciências, é decidida pela lógica transcendental.
Deste modo, afirma Cohen, o conceito de coisa em si é definido por Kant como
conceito problemático e delimitante, possuindo: 1) a limitação da sensibilidade que não pode
nos dar objetos independentes do nosso modo de intuí-los (Estética); 2) a representação da
tarefa de ascender através de uma simples atividade do entendimento, a um conhecimento
independente da sensibilidade (Analítica); 3) a representação da possibilidade de se exercer
esta tarefa (Dialética);
Uma vez desfeitas as ilusões do emprego dos conceitos da razão como determinante,
visto que a causalidade só é princípio determinante para os aparecimentos, para as sucessões e
não para as coisas em si mesmas, podemos procurar a chave de seu emprego legítimo ( como
princípio da procura, como axiomas reguladores) formulando a priori os princípios
reguladores do processo indefinido do conhecimento dos seres, que asseguram a ligação entre
as leis gerais e particulares da natureza.
O sentido comum acha que encontra os fatos, a realidade sólida nas coisas; a reflexão
crítica mostra nestas coisas simples aparecimentos, que são radicalmente diferentes de puras
aparências na medida em que são submetidas às leis universais. A necessidade de uma
realidade encontra a sua satisfação legítima, não imediatamente nas coisas, mas nas leis,
afirma Cohen. Os princípios (leis supremas) são os únicos a garantir as coisas, ou seja, os
aparecimentos enquanto dados. Não que as leis criam o existente, mas o instalam, o instituem
no seu ser, na sua validade objetiva. Não é a existência que é proclamada na lei , mas o ser da
existência; o real sensível fica sendo da lei. Daí porque a lei é entendida por Cohen como a
primeira significação da coisa em si; a primeira garantia da objetividade.
112

Depois de garantir a experiência e mostrar sua contingência, a coisa em si irá


procurar uma finalidade, uma causa última, da série indefinida, nunca totalizável e portanto
contingente, dos efeitos e das causas. Se a causalidade tivesse um valor absoluto,
independente das condições da experiência, esta finalidade não seria possível. Como isto não
acontece, pois a causalidade só é um princípio a priori determinante para os aparecimentos,
para as sucessões múltiplas e não para as coisas, os seres eles mesmos podem pelo menos
conceber um outro tipo de produção dos fenômenos além da causalidade. Se denominarmos
de liberdade este outro modo de produção, a teoria da experiência poderá, no máximo, o que é
logicamente, jamais o efetivamente possível.
Como tal possibilidade é puramente lógica, o estudo teórico da razão nada mais
poderá dizer. Ao opor-se à interpretação da idéia como ser, Cohen nos diz que a idéia é antes
de mais nada hipótese, não no sentido psicológico, de suposição mais ou menos contingente,
mas no sentido de pressuposição necessária do conhecimento do ser, do existente; no sentido
de que é fundação; como princípio diretor dos julgamentos científicos.
Entretanto, para que a idéia possa desempenhar o seu papel de validade, é necessário
que não haja abismo entre o sensível e o inteligível, mas uma mediação permanente que , no
entender de Cohen, é realizada pela matemática. De um lado, diz ele, o mensurável, o
matematizável, o que permite discernir dentro do sensível o que é inteligível ao pensamento e,
através disso, à validade objetiva – despertador do pensamento. De outro lado, a meditação
sobre o método matemático, dedução a partir de hipóteses, análises supondo conhecido o que
não é conhecido.
O fio condutor para a compreensão retrospectiva não é para Cohen a intuição
intelectual no sentido fichteano, mas a intuição pura no sentido kantiano.
Na exposição da teoria da ciência, Cohen afirma que o método transcendental só
poderá produzir todos os seus frutos e atingir todo o seu rigor a partir da ciência da realidade,
da física-matemática, e que sua pedra fundamental é a aptidão para esclarecer e legitimar os
conceitos fundamentais da física. No entanto, afirma Cohen, seria uma tarefa bastante longa
dar conta do problema em seu conjunto. Talvez seja possível começar por um deles, mas qual
escolher? Interroga no princípio do Método infinitesimal e sua história (1883).
Cohen decide-se pelo conceito infinitamente pequeno. A escolha deste conceito,
além de lhe parecer propícia para mostrar concretamente tanto a superioridade, como a certeza
do método transcendental sobre o método metafísico, apresenta três vantagens:
1) não retorna historicamente, como quase todos os outros conceitos fundamentais, à
antigüidade; por conseguinte é susceptível de maior clareza histórica;
2) manifesta o abismo que separa a concepção empírica do real, fundada sobre a
sensação e, a concepção crítica, sobre um princípio científico. O que é empiricamente dado
(em aparência) não oferece nenhuma garantia;
3) permite esclarecer o sentido e a relação mútua da intuição e do pensamento; é ao
mesmo tempo condição de determinação da intuição pura e da construção física.
Segundo Cohen, foi justamente na crítica infinitesimal que Hegel naufragou, mas
apesar disso, teve o mérito de ressaltar a importância da qualidade – do momento qualitativo
da quantidade – para este conceito.
Como o princípio é apresentado pela ciências, é dele que devemos partir na busca do
conhecimento. Daí porque o método transcendental inicia a sua procura na ação da ciência
113

matemática da natureza. E, se os problemas que ele descobre e suscita são um fio condutor
para o estudo da pré-história da análise superior (desde Galileu, Leibniz e Newton),
reciprocamente os seus problemas levam à correção do pensamento kantiano e da teoria do
conhecimento em geral, à dupla relação da sensibilidade e do pensamento por um lado, e do
espaço e do tempo no interior da sensibilidade pura, por outro.
As primeiras pesquisas matemáticas sobre o infinitamente pequeno, no entender de
Cohen, foram confusas e obscuras.
Somente com o aparecimento de um novo problema, o do movimento, e de uma nova
ciência, a mecânica, a partir de Galileu, a ambigüidade e a dificuldade puderam ser
levantadas. As dificuldades passadas são esclarecidas e uma notável transposição se opera, e
Kant será o primeiro, no campo filosófico, a tomar consciência disso. Não há dúvida, afirma
Cohen, de que a física pressupõe a matemática como órgão , mas esta só lhe é útil porque já
está trabalhada por problemas físicos; a matemática pura deve ser intrinsecamente aplicável;
sua liberdade, em relação a física, está no oposto de uma indiferença.
Ao distinguir o extensivo do intensivo, Galileu livra o infinitesimal de sua
significação negativa, colocando-o positivamente como aquilo que produz o movimento. A
quantidade, objeto tradicional da matemática, possa a ser uma espécie de grandeza. Uma
matemática do enquanto intensivo passa a ser possível. Tal concepção torna-se madura em
Leibniz e Newton, e Kant tirará conclusões.
Leibniz ressalta a importância do princípio de continuidade como fundamento do
conhecimento. Newton, por sua vez, deriva, depois de Galileu, as grandezas espaciais das
grandezas temporais, instaurando aí, o ponto de vista transcendental: em vez de pressupor que
o espaço e as grandezas extensivas sejam dadas pela experiência, ele as prima por variação,
por acréscimo contínuo. O corpo ou coisa em mudança parece pressuposto, mas a pesquisa
mostra que ele também deve ser produzido, objetivado. Só o tempo é pressuposto, daí porque
o idealismo de Cohen é um sistema científico de pensamento que não aceita como dado
justamente aquilo que o sentido comum, a consciência pré-crítica acredita ser dado, ou seja,
tudo adquirido e possuindo uma objetividade absoluta. Se a natureza fosse toda feita, a
aplicabilidade da matemática seria um mistério.
Como então, indaga Cohen, a física-matemática, que é fato para o filósofo e não a
rapsódia cintilante das impressões sensíveis, pode ser possível? Responde: é um só e mesmo
processo de produção, de constituição que estabelece o meio de conhecimento como válido e
seu objetivo como real. A física utiliza a matemática porque esta já é, em quase todos os seus
aspectos, uma antecipação da física. O pensamento do real, a categoria da realidade –
ingrediente indispensável ao princípio das grandezas intensivas – já se encontra no seio da
intuição pura onde se determinam as grandezas extensivas.
Daí o entendimento de Cohen de que a ordem de apresentação seguida por Kant na
crítica não é e em absoluto uma ordem hierárquica decrescente; ao contrário, há uma primazia
do pensamento sobre a intuição , do tempo sobre o espaço no plano da determinação. No
entretanto, afirma ele, não podemos efetuar esta transposição sob pena de correr o risco de
conduzir a um idealismo especulativo.
No entender de Cohen, Kant determina a natureza da ciência através do estudo das
ciências da natureza e não in-abstrato, na atmosfera da especulação. Empenha-se
obstinadamente na abordagem da produção científica como filosofia da ciência, a partir de
uma reflexão construída sobre a ciência. E sentencia: até ele existia uma metafísica como arte,
somente com ele passa a existir uma metafísica como ciência.
114

A descoberta do método transcendental por Kant encerra, segundo Cohen, a longa


trajetória empreendida a partir de Platão e abre caminho para novas conquistas. Ele é o fio
condutor de todo empreendimento crítico; é a partir e em função dele que devemos
compreender e apreciar os desenvolvimentos e os resultados alcançados. É o método que
dirige as pesquisas em Kant em todas as questões. Nele reside, principalmente, a originalidade
e a missão de Kant.
A partir de tais pressupostos, Cohen tentará, do mesmo modo que os intérpretes de
Kant que o antecederam, construir um sistema que coroasse a crítica. Assim, constituiu com
grande sucesso uma epistemologia calcada no conhecimento científico. No que se refere,
entretanto, à separação entre razão analítica e razão prática, que era o grande problema do
Kantismo, não se considera que haja sido igualmente bem sucedido. Tampouco na
determinação do a priori na Ética.

c) Duas fontes da Moral e da Religião, de Henri Bergson


Henri Bergson nasceu em Paris em 1859, numa família judia estabelecida e culta,
tendo revelado desde cedo grande interesse pela matemática. Seria aluno destacado dos
melhores colégios, tendo concluído o curso universitário na tradicional École Normale
Supérieure, em 1881, aos 22 anos, onde adquiriu sólida formação filosófica. Seguiu a carreira
de professor de filosofia no ensino secundário (Liceu). Ao longo das duas décadas seguintes,
chegou a algumas conclusões que soube comunicar ao público, permitindo-lhe tornar-se
professor do Collège de France, a partir de 1900, onde conquistou crescente renome. Naquele
período publicou dois livros em que apresenta essa novidade (Essai sur lês données
immédiates de la conscience e Matiére et mémoire).
Bergson entendeu que a matematização do processo natural, efetivada pela ciência
moderna, se proporcionara extraordinários progressos materiais e ampliação sem precedentes
do conhecimento daquela realidade, deixou escapar algo de essencial. A matematização
obrigou à espacialização do tempo, o que torna incompreensível a vida humana. O tempo real,
que é o tempo vivido, não se fragmenta em pedaços estanques. Chamou-o de duração, para
distinguí-lo do tempo medido (espacializado), com o qual lida a ciência. A seu ver, algo de
parecido dava-se com o entendimento mecânico da natureza. Impediu que se vislumbrasse,
nas descobertas efetivadas pelo evolucionismo, a presença de algo que em última instância o
sustenta e explica, a força do espírito, por ele batizada de élan vital. Sendo um notável
expositor, tendo suficiente habilidade para tornar suas idéias acessíveis, preservando as
conquistas da ciência e, simultaneamente, restaurando a dignidade da pessoa humana, passou
a figurar entre as pessoas mais famosas da França, no início do século XX, no período que
antecedeu a Primeira Guerra Mundial. Suas aulas alcançavam estrondoso sucesso, provocando
entusiasmo entre professores, estudantes e no público em geral, atraindo até mesmo turistas.
Em 191 l, o Collége de France é conhecido como a "Casa de Bergson".
L'evolution créatrice, que publicou em 1907, apresentando de forma brilhante o
conjunto de sua filosofia, teve idêntica fortuna, vindo a ser traduzido nos principais países. A
Igreja Católica, que mantinha a recusa de reconhecer a teoria da evolução – embora estivesse
atenuando suas restrições à ciência moderna tomada em conjunto – colocou a obra de Bergson
no Index das leituras proibidas aos católicos.
A eclosão da guerra levou-o a dedicar-se a missões diplomáticas. Após o término da
conflagração, teve uma atuação destacada na Liga das Nações.
115

No pós-guerra publicou dois outros livros que igualmente encontraram ampla


acolhida junto ao público: L’énergie spirituelle (19l 9) e Durée et simultanéité. A propos de la
théorie d Einstein (1921).
A exemplo do que aconteceu com grande número de intelectuais, Bergson ficaria
chocado com a mortandade verificada durante a guerra. Isto o levaria a buscar uma forma de
dar à moralidade ocidental um fundamento que, sem se vincular diretamente a essa ou àquela
religião, preservasse esse vínculo. A tentativa, embora correspondesse à sua plena
identificação com a longa tradição do espiritualismo filosófico francês, não teve a mesma
sorte dos livros anteriores.
Tendo decidido permanecer no país após a eclosão da guerra em 1939, bem como
depois .da derrota experimentada pela França, Bergson teve dificuldades com o ocupante
alemão e com o governo de Vichy. Em fins de 1940 registrou-se como judeu, submetendo-se
a todas as restrições que a condição então impunha. Faleceu logo depois, a 3 de janeiro de
1941, aos 82 anos de idade.
Bergson foi agraciado com o Prêmio Nobel em 1927.
Com As Duas Fontes da Moral e da Religião (1932), Bergson retoma a investigação
iniciada por Biran e explora uma de suas intuições básicas, como indicaremos.
Segundo Bergson, se bem que a sociedade seja constituída de vontades livres, isto é,
que o homem preserve o livre arbítrio, transforma o hábito em algo semelhante ao que a
necessidade representa para aqueles organismos que agem por instinto. O sistema de hábitos
pressiona a vontade de cada um dos membros da sociedade de modo que acabam por fazer
com que esta última imite aquelas plenamente instintivas, de que o formigueiro é um exemplo
típico. Os caminhos traçados pela sociedade tornam-se imanentes a cada um de seus
membros, sem que cheguemos a nos dar conta. E quando nos encontramos diante de uma
situação exigente de decisão pessoal, a sociedade é mobilizada dentro de nós, fazendo com
que emirja o que Bergson denomina de totalidade da obrigação, que define deste modo:
“extrato concentrado, a quintessência que contraímos, no sentida de obedecer a milhares de
exigências particulares da vida social." Engendra-se desse modo o que classifica como moral
fechada. A convivência social, ao contrário do que supunha Augusto Comte, não engendra o
amor da humanidade mas o amar ao grupo social ao qual cada um se integra.
Mas eis que na sociedade surgem os santos, criando a possibilidade de uma outra
moral, a que chama de aberta. "Os santos não precisam exortar. Basta-lhes existir. Sua
existência é um apelo” – escreve. É a alma se integra a uma nova espécie de sociedade, "uma
sociedade que é a humanidade inteira, amada no amor daquilo que é o seu princípio."
Henri Bergson (1859/1941) coroa o processo de estruturação da espiritualismo
francês, cujas bases seriam lançadas por Maine de Biran (1766/1824). A partir de Descartes, a
filosofia francesa reivindica a superioridade do espírito, reivindicação que acabaria sendo
contestada pelo empirismo radical, emergente ainda no século XVIII, e que viria a nutrir uma
longa tradição cientificista. Biran iria estabelecer que o empenho de compreender a realidade
espiritual não poderia prescindir da experiência nem da ciência. Em suma, postula que o
espiritualismo acompanharia o desenvolvimento científico – ao invés de recusá-lo como fizera
a Escolástica e a filosofia católica que a sucedeu, posição que somente seria revista em fins do
século XIX. Nem por isto, entretanto, deixou de ter seus pontos de vista ignorados pela
tradição cientificista.
116

Desde Kant, ficara estabelecido que as categorias que servem para ordenar o
conhecimento da realidade – e constituem uma espécie de ossatura da ciência – não provêm
da experiência e Hegel tentou provar que haviam sido criadas no confronto entre filósofos
desde a Grécia Antiga. Biran tentará fundar na experiência algumas delas, notadamente
aquelas que poderiam ratificar a autonomia do espírito, frontalmente negada pelo empirismo
francês. Numa investigação que o seu tempo considerou como rigorosamente adstrita ás
regras da pesquisa científica, pelo exame acurado do ato voluntário (por exemplo: quando
movo o meu braço sem qualquer incitamento externo), Biran demonstrará a realidade do
espirita e a maneira pela qual este cria noções tais como eu, causa e liberdade. Mas encontrou
dificuldade em fazê-lo no que se refere à idéia de Bem, elemento de que carecia para colocar
também a moral sob a égide da experiência, sem negar a espiritualidade como se dava na
visão dos empiristas.
Nessa investigação, Biran irá sugerir que a vivência dos místicos, para a humanidade
tomada em seu conjunto, seria equivalente ao que o ato voluntário representava para os
indivíduos isolados, ao abrir espaço a uma outra realidade. Bergson segue esse caminho,
procurando integrar a experiência mística á meditação filosófica, do mesmo modo como fizera
em relação ao evolucionismo.
Sendo judeu, Henri Bergson não se propunha separar a moral da religião. Deixou-a,
portanto, na dependência dessa última, quando a sociedade ocidental moderna, tendo
incorporado a pluralidade religiosa, exigia que se buscasse outros fundamentos para o que
Max Weber denominou de moral social de tipo consensual.

d) A Filosofia Moral, de Jacques Maritain

Francês de nascimento (1882), Jacques Maritain chocou-se com o ambiente


cientificista predominante da Universidade (Sorbonne) no começo do século XIX e passou a
simpatizar com o pensamento filosófico de Bergson, na medida em que este procurava inserir
o espírito no âmago das teorias científicas, retirando-lhes o caráter puramente mecanicista. Na
Universidade teve uma colega de origem russa (Raissa), com a qual casou-se em 1904. Dois
anos depois ambos se converteram ao catolicismo. Maritain então rompe com o bergsonismo.
Iniciou carreira como professor de filosofia no ensino secundário e no Instituto Católico.
Nas décadas de vinte e trinta tornar-se-ia um dos principais filósofos católicos, então
empenhados em promover o renascimento tomista. Durante a guerra, Maritain ensinou em
universidades americanas. Com o término da conflagração, seria nomeado Embaixador da
França no Vaticano (de 1945 a 1948). Em seguida, voltou à Universidade de Princenton
(Estados Unidos), na qual permaneceu até I960. Em 1963, obteve o Grande Prêmio Nacional
de Letras da França.
Maritain publicou mais de 50 livros. Reordenou a filosofia tomista, criando espaço
para a ciência, tema que ocupa um lugar central em sua obra, considerado em Distinguir para
unir. Os graus do saber (1932), Ciência e saber (1935) e Os graus do conhecimento (1937).
Suas exposições do tomismo alcançaram grande sucesso (São Tomás, 1921; Elementos de
filosofia (1923); Prioridade do espírito (1927); O Doutor Angélico (1929); Filosofia da
natureza e Filosofia moral, estes últimos aparecidos em 1960. Ocupou-se também da política,
para defender o entendimento de que o catolicismo seria fiel à democracia (Cristianismo e
democracia, 1948; Reflexão sobre a América, 1948 e O homem e o Estado (1951.
Faleceu em 1973, aos 91 anos de idade.
117

A Filosofia Moral apareceu em 1960.(1) Passa em revista os principais sistemas


morais, desde os gregos até o idealismo alemão e o positivismo mas não se trata, como
adverte o autor, de análise histórica, sendo de intenção eminentemente doutrinária. Seu
objetivo é proporcionar a "tomada de consciência e de renovação intelectual, que parece ser a
missão de nosso tempo." Pretendendo fazê-lo do ponto de vista católico, parte do
reconhecimento de que São Tomás legou à Igreja a teologia moral. Entende que a tarefa de
considerar a filosofia moral como autenticamente filosófica até então não havia sido efetivada.
Do longo percurso empreendido no livro, Maritain recolhe a convicção de que o
problema moral a ser enfrentado por qualquer doutrina é o da relação do homem com a
condição humana ou de sua atitude perante a condição humana.
Parte do seguinte pressuposto: a condição humana "é a de um espírito unido à carne
em sua substância, e engajado no universo da matéria. É uma condição infeliz. Ela é de si
mesma tão miserável que o homem sempre sonhou com uma idade de ouro em que ele estava
mais ou menos dela libertado, e que, no plano da revelação, a religião cristã ensina que a
humanidade foi criada com a graça adâmica, numa condição superior, em que se encontrava
livre do pecado, da dor, da escravidão e da morte, e de onde ela decaiu por sua própria culpa.
A tradição judaica cristã professa também que após o fim da história, e num mundo novo, a
condição humana será transfigurada sobrenaturalmente. Aqueles que não crêem nem no
estado de inocência nem no pecado original, situam a idade de ouro no fim da história, não em
seu princípio, e imaginam que o homem a ela chegará na última etapa de sua aventura
terrestre, pelo seu próprio esforço libertador, graças à ciência e às transformações sociais
radicais; outros que não querem ilusões consoladoras, tentam escapar do espetáculo deste
planeta pela entrega a alguma paixão poderosa que dia após dia os distraia deles mesmos e do
mundo, ou pelo ardor de uma piedade desesperada que aplaque de qualquer modo o seu
coração, embora o corroendo pouco a pouco."
Maritain entende que, diante deste "vale de lágrimas em que nos encontramos",
aparecem duas tentações. A primeira consistirá na pura e simples recusa à condição humana.
E, a segunda, em aceitá-la, sem mais.
Ao adquirir consciência das exigências naturais de seu espírito, o homem civilizado
sentir-se-á inclinado a recusar a condição humana. No caso extremo, chegará á conclusão de
que melhor era não ter nascido. Ou então buscar evadir-se por algum meio extraordinário nas
pegadas do doutor Fausto.
A maneira adequada de aceitar, sem reservas, a condição humana, seria ter presente
que a vida envolve não só alegras mas sofrimentos, enfermidades e humilhações. O risco está
em perder todo referencial, ceder à animalidade e viver sob o temor das sanções que toda
sociedade adota para proteger-se.
A solução proposta por Maritain é a seguinte: "o que se pede ao homem não é que
aceite pura e sirnplesmente, nem que recuse a condição humana. É que a transcenda."
Que significa transcender-se no entendimento do filósofo católico? Consiste na
superação das limitações da condição humana pelo que corresponderia de fato a uma espécie
de exaltação espiritual. Segundo Maritain, haveria duas formas de fazê-lo: pelo que denomina
de "solução hindu-budista" e de "solução evangélica".
O ente humano que haja conseguido a negação do que se considera formas de ilusão
nas quais decorre a nossa vida, seguindo os ensinamentos do budismo, levará o seu Eu a
acha-se exclusivamente em contato consigo mesmo. Escreve Maritain: "O liberto vivo
118

conquista uma espécie de onipotência interior, refugiando-se em si mesmo e separando-se de


todo o humano. Entra ele em uma solidão incomparavelmente mais profunda que a solitude
do ermitão". Conclui que, ainda que não se trate de um ato de revolta, corresponde a uma
recusa implícita da condição humana.
Na visão de Maritain, no cristianismo a transcendência equivale certamente ao
empenho de ultrapassar a condição natural do homem. Acha que somente por essa via aquele
empenho verdadeiramente se realiza porque abandona as tentativas de alcançá-lo
exclusivamente por meio do homem. O Cristo transcenderá a condição humana pela graça de
Deus. Em síntese: "Ruptura com a condição humana quanto ao pecado, aceitação da condição
humana quanto à contingência radical e quanto ao sofrimento, mas também quanto às alegrias
que essa condição comporta: isso é exigido pela razão, mas só é devidamente possível pela
configuração, pela graça d'Aquele que é a própria Santidade por ser O Verbo encarnada. Essa
aceitação da condição humana cessa, ao mesmo tempo, de ser uma simples submissão á
necessidade. Torna-se consentimento ativo e por amor".
A nosso ver; para Maritain a moral não se reveste de qualquer especificidade. Não
parece haver comprovado que aquilo que apresenta como "solução evangélica" seja a única
capaz de propiciar ao "homem uma atitude para com a condição humana que seja
autenticamente racional.” Sobretudo quando fixa a seguinte ressalva: "É inútil observar que
não nos referimos aqui ao comportamento médio da massa de denominação cristã. Falamos
das exigências do cristianismo, tais como propostas a cada um de nós, e só quase
completamente realizadas nos santos".

d) A Ciência e a hipótese, de Henri Poincaré

O livro em epígrafe foi publicado em 1905, tendo se tornado um ponto de referência


fundamental no combate ao cientificismo. Embora este não haja chegado a desaparecer do
pensamento francês – mantendo, ao contrário, uma grande vitalidade –, a obra de Poincaré
permitiu que se estabelecesse uma nova linhagem, em matéria de filosofia da ciência,
propondo-se alcançar a superação do conceito oitocentista de ciência, em que se baseou a
formulação do positivismo. Esse movimento fixou-se não apenas na França, tendo repercutido
amplamente em outros países, notadamente em Portugal e no Brasil.
Em A ciência e a hipótese, Poincaré estabelece uma distinção fundamental entre
física experimental e física matemática. É certo que a experiência é a fonte única da verdade;
que somente ela pode nos ensinar algo de novo e, ainda, apenas ela pode proporcionar-nos
certezas.
Acontece que não basta observar; acumular observações. É necessário generalizá-las.
Faz-se ciência com fatos do mesmo modo que se faz uma casa com tijolos. Mas a acumulação
de fatos não chega a constituir-se em ciência do mesmo modo que um monte de tijolos não
corresponde a uma casa.
Além disto, a ciência deve ser capaz de fazer previsões. E, sem generalizar, as
previsões seriam impossíveis. Semelhante imperativo é que acabaria levando à crescente
sofisticação dos instrumentos matemáticos empregados no ordenamento das experiências.
Esta é uma forma de corrigi-los.
Tais ordenamentos e correções deverão facultar-nos a possibilidade de prever outros
tantos fatos. Adverte: “Somente não nos devemos esquecer que apenas os primeiros são certos
enquanto todos os outros são prováveis. Por mais sólida que possa parecer-nos uma previsão,
119

jamais estaremos absolutamente seguros de que a experiência não possa desmenti-la; jamais
estaremos absolutamente seguros de que a experiência não a desmentirá, se nos decidimos a
verificá-la. Mas a probabilidade é com freqüência suficientemente grande para que possamos
nos contentar na prática. Mais vale prever sem certeza do que nada prever”. As verificações
nem sempre são exeqüíveis a nível de laboratório, sendo mais das vezes negligenciável o seu
número, razão pela qual cabe sobretudo valorizar o aumento do rendimento da máquina
científica.
Escreve: “Permitam-me comparar a ciência a uma biblioteca que deve crescer
incessantemente; o bibliotecário não dispõe para as suas compras de créditos suficientes; deve
esforçar-se por usá-los com parcimônia.
A física experimental encarrega-se das compras; somente ela pode enriquecer-nos a
biblioteca. Quanto à física matemática, terá por missão esboçar o catálogo. Se o catálogo for
bem feito, a biblioteca não ficará mais rica. Mas poderá ajudar o leitor a servir-se destas
riquezas”. Em suma, a física matemática deve promover a generalização de modo a aumentar
o rendimento científico.
É preciso levar em conta também que a generalização não se efetiva sem
pressupostos. Louva-se da crença na unidade e na simplicidade da ciência. O primeiro aspecto
não suscita controvérsias. No segundo, entretanto, supõe-se que a crença na simplicidade
possa levar a equívocos. Mas corrigíveis, como se tem verificado, cabe ter presente.
A partir da própria física newtoniana tornou-se patente que a simplicidade de suas
leis do movimento encobriam realidades complexas, segundo determinadas dimensões do
universo. Em que pese a circunstância, Poincaré entende que o cientista não pode renunciar,
no processo de generalização e de ordenação dos fatos observados, àquela busca porque se
trata de uma condição de progresso do conhecimento.
Esclarece: “Sem dúvida, se nossos meios de investigação tornam-se cada vez mais
penetrantes, descobriremos o simples sob o complexo; depois o complexo sob o simples;
depois novamente o simples sob o complexo, sem que possamos prever o último passo.
Contudo é necessário deter-se em algum ponto; para que a ciência seja possível, é necessário
deter-se quando a simplicidade for encontrada”. Adianta ainda que não seria apropriado
recusar uma lei simples que haja sido observada em muitos casos particulares; podemos
admitir legitimamente que seja verdadeira em casos análogos. Não fazê-lo seria atribuir ao
acaso um papel inadmissível. Tal é precisamente, segundo enfatiza, a função da crença na
simplicidade. Resta fixar o papel da hipótese.
O ordenamento (a generalização) dos fatos obtidos pela experimentação somente
pode efetivar-se a partir da hipótese que preside a investigação. Assim, a hipótese desempenha
papel primordial. Naturalmente está sujeita à verificação e, se não a suporta, deve ser
abandonada sem relutância. O cientista não deve fazê-lo de mau humor.
Em geral, as hipóteses são suficientemente amadurecidas, levam em conta todos os
fatores conhecidos que poderiam intervir no fenômeno. Se não é comprovada, por certo há de
ter surgido algo de inesperado e extraordinário. Aparece o novo e o desconhecido. Nessa
circunstância, pode dar-se o caso de que produza melhores resultados que a situação anterior.
Corresponde antes de mais nada à chamada experiência decisiva com a qual nem sempre se
pode contar.
Quanto às regras para a formulação das hipóteses, Poincaré recomenda que se deve
evitar aquelas que pareçam tácitas porquanto podemos estar sendo influenciados
120

inconscientemente. Hipóteses desse tipo são difíceis de abandonar, mas, desde que nos demos
conta de que correspondem a tais casos, devemos recusá-las sem quaisquer remorsos.
Cumpre ainda evitar que as hipóteses sejam desnecessariamente multiplicadas. As
teorias não podem ser construídas sobre hipóteses múltiplas pois assim, se condenadas pela
experiência, não sabemos qual deva ser abandonada ou alterada. Tampouco sua verificação
simultânea poderia ocorrer.
Quanto ao fato de que as teorias científicas tenham vida relativamente efêmera, não
justifica a conclusão precipitada de que tal fato traduziria o fracasso da ciência. Trata-se do
que denomina de “ceticismo superficial”, resultante da incompreensão de qual seja o
verdadeiro papel das teorias científicas.
A teoria de Fresnel (1788/1827) que atribuía à luz os movimentos do éter foi
abandonada pela de Maxwell (1831/1879). Isto não quer dizer que a obra de Fresnel tenha
sido em vão. Fresnel não pretendia saber se existe realmente o éter, se este é ou não formado
de átomos, se estes átomos realmente se movem neste ou naquele sentido. Seu objetivo
consistia em prever os fenômenos óticos. Ora, prossegue, a teoria de Fresnel sempre permite
fazê-lo, do mesmo modo que antes de Maxwell. O aprimoramento proporcionado pela obra
deste último consiste em precisar melhor o que na teoria de Fresnel chamou-se de movimento.
Maxwell permitir compreender que se trata de corrente elétrica. Tal refinamento não significa
que nossas imagens possam substituir os objetos reais que a natureza nos esconderá
eternamente. Conclui: “As verdadeiras relações entre estes objetos reais são a única realidade
que podemos alcançar, com a exclusiva condição de que haja as mesmas relações entre estes
objetos que as que estabelecemos entre as imagens que somos forçados a colocar em seu
lugar. Se estas relações nos são conhecidas, pouco importa se julgamos cômodo substituir
uma imagem por outra”.
A física, observa Poincaré, marcha no sentido de integrar número cada vez maior de
fenômenos. Evolui, assim, no sentido da unidade e da simplicidade. Ao mesmo tempo, a
observação nos revela sempre novos fenômenos. Nos fenômenos que nos são conhecidos,
tornam-se acessíveis detalhes cada vez mais variados. Aquilo que supomos simples, revela-se
complexo. Na medida em que triunfa a primeira tendência a ciência é possível. Contudo, não
podemos “a priori” supor que os novos fenômenos dispersos poderão sempre ser integrados à
síntese geral. Resta-nos comparar a ciência de nossos dias com a precedente. O certo é que,
embora as novas conquistas signifiquem progresso, envolvem também sacrifícios.

4. A Filosofia Contemporânea expressa-se através de Filosofias Nacionais

Não há nenhuma evidência de que, do processo de formação das Nações e da quebra


da unidade lingüística da Europa, devesse resultar o surgimento de Filosofias Nacionais. Tudo
indica que o elemento desencadeador desse processo tenha sido a recusa da Igreja Católica em
aceitar a ciência moderna. No século XVII consuma-se uma nova forma de aproximação à
realidade natural. O novo tipo de saber não está interessado em determinar a causa do
movimento – que era o tema de Aristóteles, assumido pela Escolástica – mas em fixar os
princípios da mudança de movimento, medindo-o. A possibilidade, então entrevista, de ampla
utilização da matemática no estudo da natureza abria sucessivos campos de investigação. O
modelo de organização capaz de congregar os novos cultores do saber seria facultado pela
Royal Society inglesa. Logo formaram-se estruturas congêneres nos demais países.
121

O posicionamento filosófico diante do fenômeno acabou diversificando-se. O fator


de unidade que vigorava, a Escolástica, passou a ser francamente recusado nos países
protestantes e achava-se bastante combalido nos demais. Na linha fixada por Bacon, os
ingleses recusam todo e qualquer sistema e deram um novo e exclusivo objeto à filosofia: a
teoria do conhecimento. Na Alemanha, o empenho de reconstituir o sistema, ainda que se haja
consumado na obra de Hegel, veio a ser francamente contraditado graças aos sucessos
alcançados pela ciência. Na França, o empenho cifrava-se em levar ao reconhecimento do
papel do espírito sem contraditar as conquistas científicas. Em meio a tudo isto cabe registrar
a presença, sobretudo na Itália e nos demais países onde o protestantismo não alcançou
maioria, as tentativas de restauração do que agora se denomina filosofia católica.
É nesse contexto que tem lugar o empenho descrito de superação do positivismo, a
partir de fins do século XIX. No desdobramento daquela superação irá consumar-se este
fenômeno: ao longo do século XX, a Filosofia Contemporânea irá expressar-se como
Filosofias Nacionais.
Não chegará a firmar-se sistema capaz de proporcionar uma unificação expressiva,
ainda que tanto o neokantismo, como o bergsonismo ou a fenomenologia repercutiram por
toda parte no Ocidente, granjeando adeptos e cultores.
As Filosofias Nacionais distinguem-se umas das outras pela preferência que dão a
determinados problemas.
Na Inglaterra, vigora o entendimento dominante de que a filosofia resume-se á
epistemologia, isto é, à teoria do conhecimento científico. Os mais radicais consideram que as
disciplinas que não conseguem formular-se segundo as regras fixadas para os enunciados
científicos não mereceriam consideração. Os enunciados morais, por exemplo, seriam
desprovidos de sentido. Essa radicalização implica ainda no desinteresse pela história da
filosofia. Nos Estados Unidos considera-se que este tipo de filosofia tenderia a desaparecer.
Retoma-se a tradição de considerar legítimas tanto a experiência moral como a experiência
religiosa.
Essa denominada filosofia anglo-saxã ignora solenemente o que designam como
"filosofia continental", isto é, o que ocorre nessa matéria nos demais países europeus.
Na França, como vimos, o cientificismo continua gozando de grande popularidade,
embora não haja conseguido eliminar de todo a melhor tradição filosófica, que revelou estar
dotada de objeto próprio, centrado no culto de um racionalismo que evita exageros e pauta-se
pelo equilíbrio.
Na Alemanha, o processo de reconstituição cultural, no último pós-guerra, foi
dificultado por duas razões: lª) os expoentes dos vários ramos do saber exilaram-se ou haviam
morrido, de sorte que foi necessário restaurar a formação de quadros partindo praticamente do
zero; e, 2ª) o país achava-se dividido, com ao agravante de que o Leste nutria-se de uma
filosofia, o marxismo, com pretensões a abolir todas as outras correntes e teve relativo sucesso
no seu aparente arejamento através da Escola de Frankfurt. Talvez em conseqüência dessa
situação traumática, ao retomar o problema que os mobiliza ao longo da Época Moderna, a
reconstituição do sistema, o faz ignorando a trajetória do neokantismo, no período
imediatamente anterior – ainda que a démarche se faça em seu nome. A principal figura desse
movimento, Dieter Henrich (nascido em 1927, professor da Universidade de Munich)
pretende que aquele projeto (a reconstituição do sistema) deva apoiar-se na arquitetônica
esboçada pelo próprio Kant, na prática ignorando as importantes contribuições do
122

neokantismo precedente, no que se refere ao enfrentamento das dificuldades teóricas que o


grande mestre havia legado á posteridade.
Nos demais países a situação não é diversa, isto é, a investigação filosófica que não
se limita à difusão de uma ou outra das filosofias nacionais prestigiosas da Europa, centra-se
num problema que tipifica a sua singularidade.

5. A universalidade da filosofia

a) As perspectivas filosóficas são inelutáveis

Da caracterização precedente verifica-se que a Filosofia Contemporânea representa


desfecho de certa forma inusitada ao expressar-se na forma de filosofias nacionais muito
diferentes umas das outras. Não só na Inglaterra, como na França ou na Alemanha, em certos
momentos da mencionada evolução chegam a aparecer pensadores que supõem que somente o
seu modo de filosofar seria legítimo. A filosofia analítica inglesa é, por certo, o caso extremo.
Mas neokantianos alemães e estruturalistas franceses também manifestaram idêntica
pretensão.
Torna-se portanto inevitável a pergunta:. desapareceu a universalidade da filosofia e
esta consiste apenas numa forma de elucidação conceitual ou dispõe de algum conteúdo
positivo universal?
A perplexidade advém do fato da radicalização dos remanescentes da Escolástica na
sua recusa da ciência moderna. Essa posição fomentou o empenho em encontrar saídas,
tomando por base o mesmo diapasão, isto é, o sistema. A crise na Igreja Católica serviu para
acirrar os ânimos. Assim, a Filosofia Moderna caracteriza-se basicamente pela busca de
sistemas alternativos. Embora diversos, os sistemas emergentes lograram constituir uma
espécie de tessitura universal, em determinados ciclos históricos. O cartesianismo interessou a
pensadores dos diversos países, o mesmo ocorrendo, sucessivamente, com o empirismo, com
o kantismo, com o hegelianismo e com o positivismo.
Se admitirmos que o ponto de partida da Filosofia Contemporânea consiste nos
diversos movimentos em prol da superação do positivismo, verificamos que o neokantismo,
vitorioso na Alemanha na altura da Primeira Guerra, já não interessou à França. Parecia que,
ali, o positivismo seria superado pelo que depois se chamou de "reação espiritualista", o que
não vingou, conforme tivemos oportunidade de demonstrar. Os textos da Escola de Marburgo
sequer foram traduzidos ao francês.(1) À primeira vista, a descendência do neokantismo,
como a fenomenologia e o existencialismo teriam melhor fortuna, no início do segundo
pós-guerra. Mas a recusa pública de Heidegger da interpretação de seu pensamento realizada
por Sartre reduziu de muito essa expectativa, embora nem todos tenham se dado conta de que
se tratava de uma disputa entre filosofias nacionais. Na anedota que se inventou em relação a
Cousin, Hegel teria dito que a sua filosofia "não podia ser traduzida em linguagem popular e
muito menos em francês. A divulgação da correspondência entre os dois(2) desautoriza
semelhante versão. Na disputa Heidegger/Sartre, o filósofo alemão nega francamente a
possibilidade de que sua filosofia seja traduzida nos moldes da tradição filosófica francesa. O
sucesso da fenomenologia seria devido em grande medida à espetacular transferência dos
arquivos de Husserl para a Universidade de Louvaina. Houve, certamente, em muitos países,
movimentos fenomenológicos. Mas estiveram, muito longe de constituir um sistema filosófico
unificador no ocidente. Ambos, Husserl e Heidegger, transformaram-se em autores clássicos
123

com os quais figuras destacadas das filosofias nacionais entretêm diálogos, sem que se trate de
que influam no sentido de superar a predominância daquelas.
Em síntese, contemporaneamente não há mais sistemas filosóficos, isto é, propostas
filosóficas que se proponham abrigar em seu seio a totalidade do saber. A fenomenologia
parece ter sido a última tentativa de constituição de uma forma de sistema filosófico que
abrangesse as diversas modalidades do saber, através das chamadas ontologias regionais. Esse
projeto, como se sabe, não chegou a concretizar-se.
Ao mesmo tempo, dois pensadores que se notabilizaram como grandes historiadores
da filosofia, um alemão (Nicolai Hartmann - 1882/1950) e outro italiano (Rodolfo Mondolfo -
1877/1976) incumbiram-se de proclamar a morte dos sistemas. Adicionalmente, ambos
estabeleceram que a perenidade da filosofia se constituía através dos problemas.
Outro passo importante seria dado por Miguel Reale (nascido em 1910) ao indicar
que caberia dos sistemas dissociar as perspectivas filosóficas a partir das quais buscou-se
constituí-los.
Deste modo, mantém-se a universalidade da filosofia por intermédio das perspectivas
filosóficas que são inelutáveis, do mesmo modo que através dos problemas a que as diversas
filosofias nacionais têm dado preferência, como destacamos.
Os dois aspectos merecem análise mais detida.

b) Experiência e cultura, de Miguel Reale

Miguel Reale é considerado como o maior filósofo brasileiro do século XX (nasceu


em 1910). Descendente de italianos, tornou-se professor da tradicional Faculdade de Direito
de São Paulo e também ocupou altos cargos adrninistrativos em seu estado natal, entre estes o
de reitor da Universidade. Fundou em 1950 o Instituto Brasileiro de Filosofia (IBF),
instituição que passou a abrigar representantes de todas as correntes filosóficas, fato sem
precedentes porquanto, até então, as sociedades desse tipo congregavam apenas os
participantes de uma única tendência. Granjeou reconhecimento internacional para a filosofia
brasileira do direito. Ao completar 80 (1990), 85 (1995) e 90 anos (2000) promoveram-se
eventos em sua homenagem.
Na vasta bibliografia de Miguel Reale, selecionamos o livro Experiência e cultura
(1977) por representar uma contribuição essencial na identificação do que têm de comum, no
presente, as principais filosofias nacionais do Ocidente. Com efeito, no século XX coroa-se o
processo de constituição de filosofias nacionais autônomas, iniciado ainda no século XVIII.(1)
Essa circunstância transmite a idéia da mais ampla fragmentação, sobretudo quando
desapareceram os grandes sistemas que, embora conflitantes, promoviam a impressão de
existir uma certa unidade. A filosofia contemporânea, expressa através de filosofias nacionais,
dá preferência aos problemas teóricos, ao contrário do passado quando estes, ainda que
responsáveis pela continuidade da investigação, viam-se obscurecidos diante da intenção
sistemática.
Experiência e cultura demonstra, em primeiro lugar, que a perspectiva
transcendental,(1) criada por Kant, preserva inteira validade, em que pese as lacunas e as
questões controversas que o grande filósofo legou à posteridade. Além disto, cumpre restaurar
a descoberta dos neokantianos relativa à diferenciação dos objetos com que lidamos, que não
se esgotam, como se supunha, em naturais e ideais, existindo ainda uma terceira esfera, a dos
124

objetos referidos a valores. Trata-se da cultura, ou melhor, da criação humana. Reduzindo-se a


objetos ideais tudo quanto não aparecia como objeto natural, equiparava-se os entes
matemáticos, pura criação do espírito, aos temas da moralidade, nos quais estamos todos
envolvidos.
A partir desses dois princípios – perspectiva transcendental e admissão de uma
terceira esfera de objetos, resultantes da criação humana mas diferentes dos entes ideais –
lança-se uma nova luz sobre a filosofia contemporânea. A fenomenologia (Husserl) muito
enriqueceu o entendimento do processo de elaboração das categorias ordenadoras do real, que
Kant não soube dizer de onde provinham e Hegel, apesar de ter comprovado serem, como
queria Kant, livres criações do espírito – descobrindo a sua gênese em determinados filósofos
apresentou essa descoberta de uma forma inaceitável. Mas Husserl não conseguiu criar uma
nova perspectiva filosófica nem restaurar a antiga, o que ratifica a permanência da proposta
kantiana, o mesmo podendo dizer-se de Heidegger e do existencialismo.
Assim, Experiência e cultura reordena a meditação filosófica ocidental de nosso
tempo e restaura o entendimento que se trata de alcançar uma compreensão cada vez mais
aprofundada da pessoa humana e de sua criação. Livros posteriores, como O homem e seus
horizontes (1980; 2ª edição, 1997); Verdade e conjetura (1983; 2ª edição, 1996) e Introdução
à filosofia (1988; 2ª edição, 1989) aprofundam e esclarecem os aspectos essenciais aqui
considerados.
Em síntese, o eixo principal da obra filosófica de Miguel Reale consiste em
compreender o homem em sua integralidade, reconhecendo-o antes de mais nada como
singularidade intocável, sem regredir à irredutibilidade do eu mas também sem dissolvê-lo em
qualquer das entidades transpessoais. Ao homem é inerente as condição de ser pessoa, que
corresponde a uma estrutura a priori, transcendental, condição de possibilidade da sociedade e
do mundo da cultura. A sociedade, ao invés de constituir um fator originário e supremo, é
condicionada pela sociabilidade do homem.
125

ADENDO

1. Neokantismo da Escola de Marburgo

Da análise anterior sobre o pensamento de Herman Cohen, pode-se perceber a


característica e a importância da Escola de Marburgo, que pode ser situada, historicamente, de
1871, com a obra de Cohen, até 1933, quando Ernest Cassirer deixa a Alemanha rumo aos
Estados Unidos, após a ascensão de Hitler ao cargo de Chanceler. Na década de 90, do século
XIX, a Escola de Marburgo tornou-se a principal escola de filosofia da Alemanha; é
impossível compreender os movimentos filosóficos que, cronologicamente, sucederam-lhe,
como a fenomenologia e o existencialismo, sem um adequado conhecimento da Escola de
Marburgo. De fato, Husserl formou-se freqüentando os cursos de Natorp e Brentano, e
Heidegger foi discípulo de Husserl e de Natorp.
À Escola de Marburgo, onde formou-se também Nicolai Hartmann, pertencem A.
Gorland, W. Kinkel, D. Gawronsky, A. Buchenam e, entre os defensores de uma interpretação
socialista do kantismo, estão K. Vorlander, Bernstein e F. Standinguer. As figuras mais
representativas para um conhecimento adequado do pensamento da Escola, além de Cohen,
são Paul Natorp e Ernest Cassirer.

a) Paul Natorp (1854/1924)

É tarefa específica da filosofia, no entender de Paul Natorp, o estudo do processo do


pensamento, não do ponto de vista psicológico, mas lógico, entendendo-se por lógica não a
formal, mas a transcendental, no sentido kantiano; essa lógica que esclarece uma estrutura a
priori, condição de toda experiência possível do real. Por sua vez, o real não se apresenta
como algo independente do pensamento, como pretende o dogmatismo, mas surge unicamente
no pensamento e pelo pensamento.
O real é o dado de fato, tomado em seu sentido absoluto, que o conhecimento trata de
esclarecer em sua pureza objetiva, sem, contudo, conseguir essa tarefa de forma perfeita: é
essa a eterna incógnita do conhecimento. O real, que continua sendo sempre uma hipótese, um
problema, ocupa o lugar da coisa-em-si kantiana negada por Natorp, por constituir um resíduo
dogmático: representa, porém, um desenvolvimento do objeto transcendental kantiano.
Em sua obra sobre os fundamentos lógicos das ciências exatas, Natorp procura
encontrar a fundação das matemáticas em um sentido essencialmente kantiano, atenuando,
porém, a distinção entre a intuição pura e o pensamento e insistindo mais no aspecto lógico do
que no intuitivo. Entre matematicidade e lógica não há, de fato, diferença de campo de
pesquisa, mas simplesmente de finalidade. As matemáticas propõem-se o desenvolvimento de
categorias lógicas e a lógica se preocupa em sistematizá-las. O número, que Natorp analisa em
suas diferentes espécies, não passa de um conceito de relação, e pode constituir-se
independentemente da intuição do espaço e do tempo. Espaço e tempo não constituem
estruturas logicamente necessárias nem são dados meramente empíricos; são condições da
possibilidade da experiência. De fato, possibilitam relacionar, de maneira funcional, os
fenômenos com o devir. A passagem das estruturas espaço-temporais, como elemento físico,
realiza-se mediante o conceito de energia, que toma o lugar das forças motoras na filosofia da
natureza de Kant, visto que muda no espaço e no tempo, não pode ser espaço e tempo, mas
algo essencial, cujas determinações específicas são as diferentes entidades que aparecem nas
fórmulas da física. Porém esse algo essencial, que nunca nos é dado diretamente na
126

experiência, não deve ser entendido como coisa, mas como simples suporte de referência às
funções matemáticas que se dão nas fórmulas da física.
A energia, portanto, no entender de Natorp é algo semelhante à possibilidade de
relação matemática. A tentativa de substantivá-la em uma força ou em uma eficácia real que
possibilite um trabalho físico, nos levariam a um mito ou a um círculo vicioso. De forma
análoga, após as ciências naturais, Natorp passa a analisar a ética, a estética e a religião.

b) Ernst Cassirer (1874 - 1945)

Igualmente Cassirer parte do estudo do conhecimento. Em sua análise sobre o


pensamento moderno, centraliza sua atenção na mensuralidade do dado sensível, quer dizer,
na sua transformação em símbolo numérico; na comparação dos conceitos de substância e de
função, verifica a grande importância da função do número sobretudo na física moderna.
Desde Hamilton até a física quântica, há um processo de progressiva aritmetização da física.
No entende de Cassirer, o simbolismo algébrico constitui a base das ciências, que seguem,
pois, um determinismo não metafísico mas metodológico. Os símbolos algébricos
transcendem a realidade sensível, alteram-na e a reconstróem: é esta a função da matemática
nas ciências.
O conceito de função abriu caminho a Cassirer para uma interpretação mais ampla;
da física, estendeu sua análise a todas as atividades humanas, que são, a ser ver, criações de
símbolos. Desenvolve esse conceito, em modo especial, em sua obra principal, Filosofia das
formas simbólicas, que é uma espécie de filosofia crítica ampliada, que visa analisar a
natureza psíquico-espiritual das categorias; não só das ciências, mas da cultura e da arte.
Cassirer usa, a esse respeito, o termo fenomenologia seja no sentido hegeliano, de exposição
lógica, seja no sentido husserliano, de exposição transcendental.
Cassirer combate a gnoseologia objetivista, negando a existência de essências reais
puramente externas; para ele, é a função que cria o objeto, de modo que o conceito função
precede, real e idealmente, o objeto. Para determinar o caráter específico de qualquer forma de
atividade espiritual é necessária uma avaliação tomando por medida sua própria unidade, que
deriva unicamente das distinções intrínsecas da espontaneidade espiritual. Tais distinções
eram transformadas pela gnoseologia objetivista, em divisões rígidas do ser, a exemplo das
classificações de realidade interna e externa, psíquica e física, mundo das coisas e mundo das
representações. Cassirer, ao contrário, afirmava do ponto de vista transcendental, que o
espírito capta a si mesmo e à própria oposição ao mundo objetivo enquanto aplica aos
fenômenos determinadas diferenças (quer dizer, modos de considerar).
O homem distingue-se do animal pelo fato de este possuir somente um conhecimento
sensível e receptivo, de caráter essencialmente prático, enquanto o homem desenvolve uma
atividade simbólica. Graças a essa atividade, a linguagem humana não é simplesmente
emotiva, mas enunciativa e objetiva, designando mediante símbolos. Essa atividade humana
cria, pois, um mundo de símbolos, que é o mundo da cultura. Esse mundo se desenvolve em
um espaço e em um tempo puramente abstrato, qualitativamente diferenciados do tempo e do
espaço, naturais. Nesse tempo e nesse espaço, trabalha a memória simbólica, que reconstitui e
unifica em formas coerentes a dispersão dos dados sensíveis.
O símbolo é puramente formal, pois o conteúdo é dado pelos sentidos; o símbolo
supera a exterioridade do dado sensível e liberta o homem daquele dado. Por isso, a unidade
que reúne todas as atividades do homem e faz dele uma pessoa, não deve ser procurada numa
127

hipotética substância metafísica unitária, que constitua o substrato da psique humana, mas na
unidade funcional que liga e reúne as atividades simbólicas do homem.(1)
Em síntese, a Escola de Marburgo caracteriza-se por uma interpretação logicista do
kantismo, investigando as condições lógico-transcendentais das ciências; estende o kantismo à
ética e à estética e tende a absorver a religião na moral; constitui um vínculo estreito dos
estudos históricos e teóricos visando uma r ampliação dos interesses humanos.
A Escola de Marburgo, de acordo com Rui Verlaine Oliveira Moreira,(2) aparece
como repensar da história da filosofia. A partir da idéia de filosofia como filosofia
transcendental, refutando ao mesmo tempo os dois desvios da metafísica especulativa e do
empirismo antropológico. Para ela, o retorno a Kant, é uma retomada do projeto de Kant, que
serve de fio condutor para julgar as teses particulares do próprio Kant, à luz de suas própria
normas e sobretudo para captar, através da linguagem freqüentemente psicológica de Kant, o
pensamento que elimina o psicologismo.
Quanto ao antropologismo, a Escola de Marburgo esclarece que o a priori não
significa uma estrutura psíquica inerente, mas uma expressão abreviada de um processo de
determinação, de um método em sentido lato, de uma hipótese que determina e condiciona um
domínio de objetos, isto é, de investigações – assinala Rui Moreira. Com relação ao
Fichteismo, ele continua – é sublinhada a condição sine qua non do método transcendental: o
Faktun científico. Sem dúvida, a filosofia não se reduz á lógica, nem ao resumo, de estilo
positivista, dos resultados da ciências em uma determinada época. As ciências permanecem
como ponto de ancoragem sem o qual a filosofia se torna um barco sem destino. E,
finalmente, quanto ao hegelianismo como pretensão ao saber absoluto, a Escola de Marburgo
opõe o conceito limite, limitativo e polêmico da coisa em si. Este conceito tem por função
prescrever duas tarefas: uma positiva, de determinação teórica da experiência como processo
infinito; e outra negativa, lembrando que este processo jamais é definitivamente concluído,
que os resultados científicos e os progressos sociais permanecem sempre inadequados às
exigências da razão teórica e prática.

2. Culturalismo

a) Idéia Geral da Corrente

O culturalismo é uma corrente que emerge do neokantismo por divergir da feição que
veio assumir através da obra de Cohen e da chamada Escola de Marburgo (Natorp, Cassirer,
etc.). Trata-se de movimento muito complexo e que teve vida relativamente longa na própria
Alemanha, de onde se expraiou para outros países entre os quais o Brasil.
Na prática de origem, experimentou sucessiva ampliação de sua esfera de interesse, o
que é perfeitamente compreensível. Assumindo a perspectiva transcendental e propondo-se
solucionar os problemas que Kant deixara em aberto – e não enfrentados pelo neokantismo –
acabou criando a possibilidade de reestudar toda a cultura, a partir daquele ponto de vista
último.
Duas circunstância interferiram em seu curso histórico, correspondendo a primeira à
própria situação política vivida pelo país.
A Alemanha envolveu-se na primeira guerra mundial e dela saiu derrotada em 1918.
Seguiu-se um longo ciclo de instabilidade representada pela república de Weimar, que não
128

obstante, experimentou notável florescimento cultural, sobretudo na literatura. A ascensão do


nazismo ao poder em 1933, virtualmente destroçou os principais centros culturais, com a
emigração em massa de professores e pesquisadores. Terminada a guerra, o país teve que se
reconstruir, com o agravante de que a cortina do totalitarismo desabou sobre parcela
significativa de seu território, inclusive metade de Berlim, na qual justamente se encontrava
sua tradicional universidade. Nessa vasta região, o marxismo tornou-se a filosofia e a religião
oficiais.
A segunda circunstância decorre da própria tradição filosófica do país, desde Leibniz
e Wolff valorativa do sistema. De sorte que nem mesmo os culturalistas resistiram a
semelhante tentação, que equivale a violação significativa do essencial de seu espírito.
De todos os modos , a Escola Culturalista marcou uma grande presença na cultura do
país desde a década de noventa do século passado, experimentando pelo menos três grandes
ciclos, nos quais sobressaem distintas personalidades. Ao último ciclo acha-se associado o
nome de Nicolai Hartmann, falecido em 1950.
Com a queda do muro de Berlim e a franca desmoralização do marxismo – de cuja
propaganda e recursos colocados a serviço de sua difusão não escapou sequer a própria
Alemanha Ocidental – é provável que venhamos a assistir a novo florescimento do kantismo
de inspiração culturalista.

b) O primeiro ciclo e seu desfecho

O primeiro ciclo do culturalismo dura aproximadamente até a época da primeira


guerra mundial. Nessa fase, o interesse predominante consiste em estabelecer princípios
seguros, capazes de fixar a singularidade das ciências culturais e da história. Na década de
noventa, as figuras catalisadoras são Wilhelm Windelband (1848/1915) e Heinrich Rickert
(1863/1936).
Windelband considerava que existiram dois tipos de ciências. Denominou as
primeiras de nomotéticas e as segundas de idiográficas.
As ciências nomotéticas ocupam-se de formular leis capazes de refletir o
comportamento de fenômenos individuais agrupados sob determina classe. As ciências
idiográficas têm a ver com os fenômenos particulares. As primeiras são a física, química, a
biologia, etc. e as segundas, as culturais (historiografia, direito, etc.).
O enunciado de Windelband não pretende tipificar classes de objetos, como se dará
adiante. Entende que se trata de uma divisão epistemológica e metodológica. Os dois tipos de
ciências tem uma base comum desde que ambas constituem criações culturais. Enquanto
manifestações culturais incorporam valores e valorações. Nessa altura, propõe um novo objeto
para a metafísica: a descoberta dos valores de validade universal. Na sua visão, os valores tem
caráter transcendental, no sentido kantiano do termo, isto é, estabelecem as condições de
possibilidade de todo conhecimento, tanto nometético, como idiográfico.
Windelband ensinou em Zurich, Friburgo, Estrasburgo e, finalmente Heidelberg,
onde ficou de 1903 até a morte em 1915. Granjeou nomeada com a publicação da História da
Filosofia Moderna (1878/1880) – a que se seguiram outras partes da mesma obra – mas o
texto básico em que sistematiza o seu culturalismo é o livro História e ciência natural (1894).
Nessa mesma linha publicou um artigo considerado importante, intitulado "Filosofia da
Cultura e Idealismo Transcendental" (Logos, 1910). Como Heidelberg fica na região alemã de
129

Baden, nesse ciclo inicial o culturalismo foi também denominado de Escola e Baden.(*)
Ferrater Mora arrola diversos nomes relacionados a essa Escola: Bruno Bauch (1877/1942),
que dirigiu a publicação Kantstudien, fundada em 1896 e que desempenhou grande papel na
evolução da filosofia contemporânea, dedicando ainda parte substancial de seu tempo a
difusão da filosofia de Kant (Kant e Lutero, 1904; História da Filosofia Moderna até Kant,
1908, entre outros livros), além de se ter ocupado especificamente de temas culturalistas;
Georg Mehlis (1878/1942); E. Troeltsch (1865/1923) e o próprio Max Weber. No ciclo ora
considerado sobressaem entretanto Rickert e Lask.
Rickert substituiu a Windelband em Heidelberg, depois de ser ensinado em Friburgo
(de 1891 a 1916). No ciclo que ora procuramos destacar, adota posições muito próximas das
de Windelband. Assim, considera que a ciência natural abstrai dos casos particulares leis
gerais ao tempo em que a ciência cultural ocupa-se do individual. Enquanto a primeira
desenvolve-se independente dos valores, a ciência cultural a estes se acha intimamente
relacionada. Os valores são objetivos e universais, realizando-se na história. Seu livro básico
desta fase é Ciência cultural e ciência natural (1899).
Resumindo as implicações da doutrina de Rickert sobre o conhecimento histórico,
escreve Raymond Aron:
"A história existe como ciência se ela é validada universalmente. Importa pois que as
mesmas realidades sejam para todos essenciais ou desprezíveis, noutros termos, que os
valores utilizados sejam universalmente válidos. Ora, estes valores não são suscitados pelo
arbítrio do historiador, mas destacados da própria matéria. A ciência histórica somente é
possível quando o mundo passado nos revela valores aceitos por todos os "centros históricos".
Mas os valores universais, a observação nos mostra, são necessariamente valores humanos,
mais precisamente, valores sociais.
Com efeito, para obter o assentimento de todos, os valores devem ser
supra-individuais... Somente os valores que dizem respeito a todos os indivíduos de uma
coletividade elevam os homens acima da animalidade e do egoísmo vital. Assim, o objeto da
história se precisa: se chamamos de cultura ao conjunto de valores criados pela vida coletiva
(técnica, igreja, Estado, nação, família) a história se define como a ciência da evolução única
das sociedades humanas e de sua cultura.
Formalmente, a história é ciência dos indivíduos significativos. Materialmente, é a
ciência da cultura. A dedução da definição material a partir da definição formal repousa na
idéia seguinte: a curiosidade das individualidades não se separa do interesse pelos valores;
como estes implicam seres capazes de realizá-los, a história do singular incide sempre sobre
um acontecimento ao mesmo tempo imenso e único, o devir dos homens em sociedades".(1)
A discussão dos pontos-de-vista da Escola de Barden proporcionou dois desfechos
diversos: o primeiro consiste no encaminhamento propiciado por Max Weber (1864/1920).
Este, na verdade, emancipou a sociologia de qualquer tutela filosófica e indicou que o
conhecimento dos fatos sociais só alcança validade científica quando o investigador não toma
posição diante dos valores que se acham implicados naqueles fatos. As discussões sobre
avaliação transcendem o plano científico. A essa doutrina denominou de neutralidade
axiológica. O próprio Weber aplicaria de modo magistral o seu método ao estudo da religião,
da economia, do direito, etc.
Ao mesmo tempo, o âmbito da discussão filosófica seria tornado mais preciso por
Emil Lask (1875/1915), acerca do qual Gurvitch escreveria o seguinte:
130

"A carteira de Lask, que foi aluno de Rickert e Wìndelbland, e, de 1905 a 1914,
professor da universidade de Heidelberg, decorreu antes da primeira guerra mundial, à época
do predomínio quase absoluto da filosofia neokantiana, à qual manteve-se sempre fiel. Com
apenas quarenta anos de idade morreu na frente russa, uma das miseráveis vítimas da guerra,
repousando sobre ele, segundo constatação unânime de seus necrologistas, as melhores
esperanças da filosofia alemã, o talento filosófico mais forte e original de sua geração. Autor
de duas obras sistemáticas muito significativas: A Lógica da filosofia (1912) e Teoria do juízo
(1913), que precedeu uma tese muito importante sobre O idealismo de Fichte e a história
(1902) e dois ensaios: "A filosofia do direito" (1905) e "É admissível o primado da razão
prática” (1908). Emil Lask não teve tempo de concluir sua obra; a direção que deveria tomar
seu original sistema de filosofia estava marcada, mas a morte o levou antes que pudesse
desenvolver todas as forças imanentes que viviam em suas obras. Não obstante, a influência
de suas idéias foi muito grande, sobretudo após a sua morte, no período de sucesso da
filosofia fenomenológica e sobre os adeptos desta última. Assim, as obras de Lask foram
reeditadas em 1923 em três volumes, contendo o último suas obras póstumas".(1)
Lask entendia ser necessária uma lógica da lógica, isto é, uma disciplina que se
dispusesse a justificar a própria lógica transcendental. Por ter recuado diante do imperativo de
construi-la, Kant manteve-se caudatário do preconceito de que o domínio de aplicação das
formas categorias acha-se limitado à esfera dos dados da intuição sensível.
A lógica faz remontar, portanto, à dedução das categorias.
A rigor, pode-se dizer que Hegel cuidara de solucionar o problema através de uma
fundamentação histórica das categorias. Mas ao pretender simultaneamente dar feição acabada
(no sentido de conclusão) a essa investigação, revestiu-a de certo caráter arbitrário. Lask
propõe-se abertamente suprir essa insuficiência do hegelianismo e proclama mesmo que seu
princípio de diferenciação categorial é "puramente empirista" e "diretamente oposto à dedução
dialética de Hegel".(2)
A contribuição específica de Lask consistirá, de um lado em correlacionar de modo
estrito sujeito e objeto e em proclamar que o "conhecimento em sua essência mesma não é
precisamente nem idealismo nem realista, mas ideal-realista".(3) E, de outro lado, em haver
distinguido, no processo de constituição da objetividade, a esfera da cultura, como dando
lugar a juízos referidos a valores. Nesse particular, consoante assinala Cabral de Moncada,
transpôs para a filosofia as idéias de Rickert relativas ao entendimento das ciências da cultura.
Desenvolvendo essa doutrina no plano do direito Gustv Radbruch (1878/1949) afirmaria:
"Entre a categoria juízo de existência e a categoria juízo de valor, é preciso estabelecer ainda
uma categoria intermediária: a dos juízos referidos a valores; assim, como correspondente,
entre as categorias de natureza e ideal, é preciso dar lugar à categoria da cultura". O fato
cultural, conclui, é uma realidade referida a valores.(4)
Radbruch ensinou em Heidelberg desde 1923, de onde foi afastado pelos nazistas,
tendo sido Ministro da Justiça da República de Weimar. Sua filosofia do direito (1914;
sucessivamente reeditada) abriu uma alternativa para os estudiosos da disciplina, ao formular
uma hipótese diferenciada, tanto em relação ao formalismo de Kelsen, que provém da Escola
Neokantiana de Marburgo, como em relação aos cultores do direito natural. Desde então, a
corrente culturalista constitui uma das vertentes fundamentais da Filosofia do Direito.
Com a obra de Lask estava aberto o caminho para a reconquista da unidade do
espírito, mediante a legitimação da experiência ética, jurídica ou cultural, e não apenas da
131

experiência natural. No ciclo subseqüente, o culturalismo cuidará de explicitar toda a


problemática envolvida na nova colocação.

c) O segundo ciclo: explicitação da problemática culturalista

A guerra de 1914-1918 destroçou os principais liames culturais. Na vida de cada um


erguia-se uma questão monopolizadora. Max Weber abandona seus afazeres intelectuais para
dirigir hospitais militares em Heidelberg. Lask, segundo se indicou, alistou-se como
combatente e morreu na frente russa. A propósito dessa reação da intelectualidade alemã, o
biógrafo de Thomas Mann observa o seguinte:
"Tantos dos mais ilustres pensadores, acadêmicos e artistas responderam
"patrioticamente'' à irrupção da primeira guerra mundial que seria equivocado enxergar
alguma coisa de extraordinário na reação de Thomas (Mann). Ele não desejara nem esperava a
guerra: entretanto ela chegou para ele quase como uma libertação física e lhe permitiu
sentir-se de novo integrado ao destino de seu país. A pátria estava rodeada de países que a
desprezavam e não podiam esconder sua ansiedade para assistir à sua fragmentação e queda.
Pois bem, a Alemanha lutaria! Thomas deu um passo à frente como quase porta-voz cultural
do Reich da herança literária alemã. Há poucos meses se demitiria do Conselho de Censura e
recusara a presidência de uma nova Sociedade Artística, argumentando que não se ajustava à
atividade política, mesmo na arte e que de qualquer modo tais responsabilidades conflitavam
demais em seu trabalho. Mas quando soube que Richard Dehmel, o poeta que primeiro o
"descobrira" quase vinte anos antes, alistara-se e estava lutando no front, sentou-se em agosto
de 1914 para escrever seu primeiro trabalho de "propaganda alemã": "Pensamentos em tempo
de guerra" publicado oito semanas depois na Neure Rundschau de Fischer".(1)
A derrota na última ofensiva alemã, em agosto de 1918, provocou a queda da
monarquia, no mês de novembro, e o país esteve ameaçado de sucumbir a uma revolução
bolchevista, como desdobramento dos acontecimentos verificados na Rússia no ano anterior,
formando-se o poder paralelo dos "conselhos" (sovietes, em russo) de soldados, ao lado da
República constituída pelos partidos políticos. As eleições para a Assembléia Constituinte
ocorreram em janeiro de 1919, isolando os bolchevistas que fracassariam no intento de
apossar-se do poder pelas armas. Nos anos vinte está estabelecida a normalidade, embora as
indenizações fixadas no Tratado de Versalhes criassem para o país uma situação insuportável,
que acabaria levando ao poder, na década seguinte, aos nacionais socialistas de Hitler.
A retomada dos liames culturais, no plano filosófico, dá-se em novas circunstâncias.
Transladando-se a Berlim, em 1912, Cohen volta-se para o estudo de questões judaicas. Sua
morte, em 1918, coincide com o declínio da influência neokantiana. Nesse momento, a
fenomenologia aparece como principal alternativa. Mas, na década de vinte, tem lugar a
sucessiva explicitação da problemática específica do culturalismo.
Do ângulo da nova corrente, estão constituídas três esferas específicas de objetos:
naturais, ideais e referidos a valores, ou objetos culturais. Era necessário a partir de uma
reconceituação da experiência unificar todos esses campos. Husserl, como veremos adiante,
buscava fazê-lo mas sem se ater à perspectiva transcendental.
Rickert desinteressa-se dessa paciente reconstituição, e vai se ocupar de conceber um
sistema, tendo como referência o caráter universal, objetivo e absoluto dos valores. Imagina
fazê-lo através de um amplo ordenamento categorial, embora reconheça a impossibilidade de
abarcar todas as ciências.
132

O primeiro volume de seu Sistema Filosofia – compreendendo a fundamentação


geral – aparece em 1921. Posteriormente, abordaria a lógica, a ontologia e a antropologia.
Antes de falecer, 1936, teria oportunidade de proceder à avaliação do papel de Kant e da
Escola de Baden, (Kant como filósofo da cultura moderna, 1924, e A tradição de Heidelberg
na filosofia alemã, 1931).
Considera-se que o empenho em fixar o novo âmbito que decorreria de uma corrente
eqüidistante simultaneamente, do neokantismo de Cohen e da fenomenologia de Husserl,
encontre-se nos livros O formalismo na ética e a ética material dos valores, de Max Scheler,
aparecido em 1921, e a Ética, de Nicolai Hartmann, publicada em 1926.
Max Scheler (1874/1928) adquiriu familiaridade com as questões relacionadas à
especificidade das ciências do espírito, na segunda metade da década de noventa, quando
conclui a sua formação acadêmica. Refletem essa familiaridade seus primeiros escritos:
"Contribuições à determinação das relações entre os princípios lógicos e éticos, 1899, tese de
doutoramento; O método transcendental e o método psicológico, 1900 e O sentido moral,
1912. Ao longo dos dois primeiros decênios do século, Scheler esteve inicialmente sob a
influência de Husserl, experimentando em seguida, sobretudo na época da guerra, uma espécie
de crise religiosa que o leva a converter-se ao catolicismo, sendo judeu de nascimento e
formação. Depois da guerra, afasta-se sucessivamente da Igreja Católica e busca uma posição
filosófica independente. É nesta fase, até a morte, que se considera haja proporcionado
significativas contribuições para explicitar o que seria a problemática própria do culturalismo,
isto é, de uma posição filosófica que buscasse superar o neokantismo de Cohen sem
desconhecer o legado do próprio Kant.
No livro O formalismo na ética, Scheler parte do reconhecimento de que a ética
kantiana marca um ponto alto na meditação que o tema mereceu no Ocidente. Dá razão a Kant
quando recusa como falsa toda ética que se proponha alcançar a felicidade. A esse tipo de
encaminhamento chamou de "ética de bens e fins". Se os bens fossem os fundamentos últimos
das distinções morais, não haveria critério para criticá-los devendo nos inclinar diante do
curso histórico. Contudo, como entrevia Kant, encontramo-nos em condições de avaliá-los,
devendo portanto existir outro critério.
Na investigação deste, continua Scheler, Kant avançou a suposição de que a
alternativa para uma ética de bens e de fins seria uma ética formal – no sentido de que recusa
a experiência – louvando-se da crença de que toda ética material seria necessariamente
empírica, vale dizer, sem validade universal. Para Scheler, os valores constituem uma outra
possibilidade.
Sendo fenômenos de caráter último, não podem ser definidos. Mas correspondem a
qualidades que todos conhecemos: agradável, bom, mau, valente, trágico, etc. Formam, na
visão de Scheler, uma esfera de objetos com conexões e relações especiais. Acham-se
ordenados segundo uma hierarquia a priori, independente dos bens em que aparecem. Não são
abstrações das coisas nem suas propriedades. São dados intuitivamente .
Na apreensão de um objeto, o que se encontra primariamente ao nosso alcance é o
seu valor; só subsidiariamente nos são dadas suas essência e propriedades.
Além de distinguir-se da coisa, o valor tampouco se confunde com os bens. Cada
bem corresponde a uma constelação de valores, fundada num valor central nos bens, os
valores se realizam, razão pela qual são objetivos e reais. Mas, prossegue Scheler, os valores
como tais são objetos ideais. Graças a isto, conclui-se que nenhuma teoria dos valores pode
133

pressupor bens ou coisas, mas também que é possível encontrar uma série material de valores
e uma ordem completamente independente e a priori frente aos bens.
Seguindo a Kant e traduzindo-o na sua linguagem, Scheler diz que tem razão quanto
sustenta que os valores morais não podem ser meios para fins mas considera ilegítima a
inferência de que os valores materiais somente existem com referência a um querer que se
coloca determinados fins. Scheler distingue fins de objetivos e tendências. As tendências estão
associadas aos objetivos. Mas estes podem ser secionados em componente-valor e
componente-representativo, o que nos permite verificar que o valor se dê originariamente num
sentir mas este não produz a tendência ou constitui o seu objetivo. Não é o sentimento que se
torna o objetivo imediato da tendência mas o valor que o sustenta. Afirma mesmo que a
tendência não é ao prazer pelo prazer mas ao valor a que corresponde o prazer.
As tendências e os objetivos são independentes da vontade, o que não ocorre com o
fins. Estes correspondem a conteúdos de tendências que são representados. Quando aparecem
certas tendências dirigidas a valores e passam a constituir conteúdos de representação, a
minha vontade pode então optar. Nesse encaminhamento, o fim torna-se o objetivo escolhido.
Desse modo, a análise da experiência pode guiar-nos até os valores morais (e também
de outra índole), hipótese recusada por Kant. A essa nova postulação é que Scheler denomina
de ética material, mais precisamente, a ética material admite partir da experiência, o que fora
recusado por Kant. Como o problema reside em dispor de um núcleo inicial que assegure a
unidade do espírito e permita mantê-la diante da singularidade da experiência moral frente à
experiência natural, Scheler fere aqui uma questão nuclear do kantismo.
Nicolai Hartmann, em sua Ética, segue a Scheler em seus enunciados básicos, o que
leva o próprio Scheler a afirmar que "sob o plano propriamente ético, tivemos a grande
satisfação de ver confirmado o valor efetivo de nossas teses por um pensador da importância,
da originalidade e do espírito científico de um Nicolai Hartmann". Nessa mesma oportunidade
(Prefácio à 3ª edição de O formalismo em ética, 1926), Scheler explicita suas divergências, a
principal das quais reside no fato de que Hartmann teria dado margem a que caracterização
dos valores como objetos idéias permitisse aproximá-la do platonismo. Vê-se, assim, forçado
a rejeitar "um céu de idéias e de valores que deveriam existir de modo completamente
independente da essência e da realização possível dos : atos vivos de caráter espiritual –
independentes não só do homem e da consciência humana, mas da essência e da realização de
um espírito vivo, qualquer que seja". (1)
De todos os modos, a remessa dos valores para o plano dos objetos ideais – fazendo
caso omisso da grande contribuição de Lask ao distingui-los como uma esfera especial de
objetos –, juntamente com a matemática e a lógica, envolve obrigatoriamente o risco que
Scheler quer evitar. A par disto, a conceituação do a priori nos moldes estritamente kantianos,
sem levar em conta a solução ensejada por Hegel, determinou que a análise da experiência
ética tivesse prosseguimento.(2)
Scheler entende também que a experiência ética é de caráter emocional. A emoção
seria o fundamento de seu apriorismo. Seria esta a sua hierarquia : valores religiosos, valores
espirituais, valores vitais e valores sensíveis.
Nessa matéria, o culturalismo evoluiu no sentido de fazer renascer a idéia da esfera
dos objetivos referidos a valores, buscando dela tirar as conseqüências possíveis.
Nos livros que publicou depois de 1921, Scheler apresentou muitas contribuições
para o desenvolvimento do culturalismo. Entre estas sobressai a distinção que estabelece entre
134

saber e conhecimento, bem como as formas do saber que procurou identificar e que seriam as
seguintes:
1 - o mito e a lenda;
2 - o saber implícito na linguagem natural do povo;
3 - o saber religioso;
4 - o saber místico;
5 - o saber filosófico-metafísico;
6 - o saber positivo das ciências e,
7 - o saber tecnológico.
Entre os seu últimos livros destacam-se os seguintes: Essência e formas da simpatia
(1923); Sociologia do saber (1924). O lugar do homem no cosmo (1928) e Idealismo e
realismo em filosofia (1927).

d) O terceiro ciclo e seus impasses

Em seguida à morte de Scheler em 1928, aumenta a instabilidade do país cujo


desfecho seria a vitória eleitoral do Partido Nacional Socialista, em 1933, que abre o caminho
â longa noite do totalitarismo que se abateu sobre a Alemanha , ameaçando impor-se à Europa
Ocidental do mesmo modo como se impusera na Rússia, desde os fins da primeira guerra.
A transferência clandestina do espólio filosófico de Husserl,(1) após o seu
falecimento em 1938, é bem um exemplo da situação a que se vira constrangida, sob os
nazistas, a cultura de um modo geral e a investigação filosófica em particular. Seja por ter
compromissos públicos com uma posição liberal seja pela origem judaica, muitos intelectuais
exilaram-se em outros países. A circunstância desorganizou a Escola Culturalista na própria
Alemanha. Contudo, seus remanescentes facultaram um grande avanço na determinação da
problemática específica da posição culturalista, permitindo que essa investigação tivesse
continuidade em outros países, a exemplo da obra de Ortega y Gasset, (1883/1955), na
Espanha, de Miguel Reale, no Brasil, de Garcia Maynes, no México, entre outros. Os avanços
em causa podem ser identificados através da análise da obra de Nicolai Hartmann
(1822/1950), compreendida no período de que se trata.
Nicolai Hartmann formou seu espírito na Escola de Marburgo, tendo estudado com
Cohen e Natorp. Nessa Universidade concluiu o doutorado. Seus trabalhos iniciais, do período
imediatamente anterior à Primeira Guerra Mundial, estão elaborados segundo os cânones
daquela Escola.
A exemplo de grande número de intelectuais, interrompeu a atividade acadêmica
durante a conflagração para desta participar. Em 1922, substituiu a Natorp na cadeira de
filosofia em Marburgo e estava destinado a ser o continuador do neokantismo, na forma que
ali assumiu. Contudo, nessa mesma época, em 1921, concluí os Fundamentos da metafísica
do conhecimento, onde já são visíveis as suas divergências com Cohen e Natorp. Entrevê
desde então a possibilidade de uma ontologia ainda que não lhe fixando uma diretriz, o que
contrariava frontalmente os ensinamentos da Escola de Marburgo ao propugnar a manutenção
da filosofia nos marcos da gnoseologia.
135

Na década de vinte, além da Ética (1926), a que se aludiu, publicou A Filosofia do


Idealismo Alemão, em dois volumes – o primeiro sobre Fichte, Schelling e os românticos,
aparecido em 1923, e o segundo sobre Hegel, editado em 1929.
Não parece sustentar-se a hipótese de que haja sofrido influência de Husserl,
porquanto este, desde o ponto de partida inicial de sua obra, busca encontrar uma fórmula que
lhe permita ultrapassar a perspectiva transcendental, propósito que nunca esteve presente à
obra de Nicolai Hartmann. A necessidade de abandonar as interdições de Cohen à ontologia
há de ter se apresentado, à nova geração de filósofos em 1914, Scheler tem 40 anos,
Hartmann, 32 e, o mais jovem deles, Heidegger, 25; e Husserl, se bem que mais velho, com
55 anos , só no período imediato Husserl estava transitando da psicologia descritiva para a
fenomenologia transcendental, como um autêntico imperativo da própria evolução da ciência,
na medida em que desaparece o caráter unívoco dos conceitos básicos da física. Não se pode
perder de vista, também, que divergências fundamentais com a Escola de Marburgo vinham
sendo sustentadas – e sucessivamente ampliadas –, pela Escola Alemã do Sul e não se
resumem a um fenômeno da época da Primeira Guerra Mundial. Deste modo, a
fenomenologia não corresponde ao primeiro impulso de superação do neokantismo, tendo
sido precedida pelo culturalismo, o que parece ter marcado significativamente a meditação de
Hartmann. Certamente é o seu referencial predominante nos anos trinta.
Em 1933, Hartmann publicou dois livros, oportunidade em que suscita temas que
preservaram renovada atualidade no culturalismo: Auto-exposição sistemática, na qual elabora
a sua doutrina acerca da natureza especial dos problemas filosóficos; e O problema do ser
espiritual, onde suscita a questão do ser do homem, possibilidade entrevista por Kant mas que
não fora investigada.
Hartmann indica na Auto-exposição sistemática, que não mais existe condições para
que o pensador, louvando-se de elementos que permitam uma visão do mundo, tomá-los como
referencial a fim de construir um sistema. Em nossa época não mais estamos diante de um
caos de fenômenos requerendo uma primeira ordenação, mas diante de uma ciência que
avança sempre.
Escreve: "Os sistemas construtivos colocavam como fundamento um esquema
antecipado no nexo do mundo. Não o investigavam senão que supunham conhecê-lo de
antemão. Por isto tratavam de descobrir os fenômenos desde aquele esquema, rechaçavam o
que não encaixavam e generalizavam o que lhes convinha. Como conseqüência, recusavam os
problemas. Mas, que sucede quando uma teoria se equivoca ao rechaçar o irrecusável? Quem
se coloca no erro, aniquila-se a si mesmo. O idealismo estrito rechaçou a questão de como se
forma a consciência a partir do inconsciente; esqueceu que em cada criança recém nascida se
efetua precisamente de modo absoluto esse modo absoluto de formação. O materialismo
rechaçou a questão sobre a estrutura própria do espírito, ainda a do existente singular; passou
por alto sobre essa estrutura própria que se encontra diante de nós num sem número de
fenômenos e que não pode ser captada unicamente a partir das leis do material. O
pragmatismo rechaça o problema da verdade absoluta; não adverte que em suas próprias
colocações suscita precisamente a pretensão da própria verdade absoluta. O psicologismo
rechaçou a questão sobre a legalidade própria do lógico; mas ele mesmo servia-se em suas
deduções, precisamente dessa legalidade. A tragicomédia da recusa dos problemas pode ali ser
apalpada com as mãos, Estas teorias voltam-se contra si mesmas pois derrubam as próprias
suposições. E disso não se apercebem por simples inconseqüência".
136

Para Hartmann formaram-se, nitidamente, na história da filosofia, duas grandes


linhas: a do pensamento sistemático construtivo e a do pensamento problemático investigador.
Ainda assim, os próprios construtores de sistemas deixaram à posterioridade, como herança
espiritual, problemas abertos, realizando, nesse particular, trabalho de valor muito objetivo. A
história passa por cima do pensamento sistemático construtivo, que é "refugado, superado e,
finalmente esquecido". E prossegue: "Como regra geral, o sistema mostra-se, já em meio ao
trabalho ordinário do investigador, como demasiado estreito para o tesouro problemático. Os
problemas, examinados puramente em si, saltam de entre as mãos do autor e revelam a
insuficiência de seu pensamento. No que se refere ao epígono, a diferença é ainda mais
flagrante. Para ele, o tesouro intelectual dos grandes mestres divide-se no efêmero e no
duradouro, no simplesmente histórico, pertencem ao pensamento sistemático, o
supra-histórico e o vital. Em troca, no pensamento problemático puro se encontram as
aquisições da história do pensamento".
Exemplifica com vários filósofos modernos como Kant, Leibniz ou Descartes, mas
sugere que a obra de Platão é a mais rica em exemplos. De uma investigação dos seus
diálogos, entendeu-se que o núcleo da filosofia platônica encontrava-se em outra parte e foram
buscá-la numa doutrina, a das idéias, cujo quadro sistemático foi encontrado em seus escritos
de modo muito imperfeito e variando dentro de visões sempre novas. Ainda assim, suas
investigações problemáticas permanecem vivas enquanto a metafísica das idéias apresentou-se
em todas as épocas como "visão ilusória de sonhadores". Enxerga em Aristóteles vigência
mais concentrada do pensamento problemático, lembrando que cada uma de suas
investigações começa pelo desenvolvimento das aporias enquanto tais.
Como se explica, pergunta Hartmann, que o subseqüente desmoronamento dos
sistemas e simultânea vitalidade dos problemas não tenha, de uma vez por todas,
desmoralizado a intenção sistemática, que mantém o seu prestígio? A seu ver, o fato decorre
1- da impaciência natural de descobrir a todo custo soluções, o que é compreensível
tendo em vista que a vida humana é curta e lenta a marcha dos problemas através da história;
e
2- da crença instintiva de que os problemas que não se podem resolver são
filosoficamente infrutíferos. Essa crença é entretanto improcedente desde que, embora os
problemas filosóficos mais relevantes não hajam sido solucionados – como os da substância,
do fundamento, da liberdade, da possibilidade e da realidade, da vida – o conhecimento
filosófico progride, ainda que isto não signifique que em algum tempo venha a se encontrar
uma resposta capaz de satisfazer a todos os espíritos.
A persistência da crença no sistema tem enfrentado outra fonte mais significativa que
entende encontrar-se na confusão entre conteúdos problemáticos e atitudes problemáticas de
um lado, e o desconhecimento do sentido objetivo de perguntas irrecusáveis do outro. A
vigência dos problemas não decorre de uma atitude deliberada do investigador. Ao contrário,
a este se impõem. Se são recusados numa forma, aparecem em outra e não se trata de que
hajam sido suscitados com referência à possibilidade de serem solucionados.
Prossegue Hartmann: encontra-se em jogo, sempre em última instância, a
enigmaticidade do mundo, tal como é. Esta enigmaticidade não foi criada pelo homem e não
pode ser suprimida por ele. Não pode transformar o mundo, tal como é. Tem que enfrentar os
enigmas que este coloca. Pode, evidentemente, ignorá-lo, pode viver à sua margem; nem
todos necessitam, sem dúvida, ser filósofo. Mas não pode mudá-lo, se é que chega a
dedicar-lhes atenção. Este é o sentido da palavra de Kant acerca das perguntas irrecusáveis
137

mas que não podem ser contestadas. Tais perguntas constituem o destino do homem,
exatamente como o seu encontrar-se inserido neste mundo. E, por certo, trata-se do duradouro
e historicamente ininterrupto destino do homem. Enquanto a existência humana permaneça
amarrada a este mundo, também sua reflexão e buscas filosóficas permanecerão amarradas a
estas perguntas enigmáticas, quer possa respondê-las ou não".
Por essa razão que cumpre distinguir a maneira como os problemas são colocados de
seus próprios conteúdos. Em relação ao primeiro aspecto, acha-se condicionada tanto histórica
como individualmente. Há problemas que só puderam ser suscitados num determinado tempo
histórico, na dependência da maturidade adquirida pela compreensão do mundo. Embora o
que haja sido ressaltado na história da filosofia consista na presença dos sistema, há conteúdos
problemáticos eternos e irrecusáveis. Entretanto, Hartmann não nega a presença de aporias
artificiais e dificuldades que não têm essa característica, resultantes, em geral dos próprios
sistemas especulativos.
Dessa última espécie, Hartmann exemplifica como idealismo de Fichte e Schelling
que, ao suprimir o fenômeno, postulando-o como aparência, viram-se forçados a lidar com
este como se resultasse de uma produção inconsciente. A presença dos fenômenos é algo de
irrecusável, não pode ser ignorada. Por isto atribui uma grande importância ao movimento que
encarecera a volta às coisas mesmas, como uma das reações ao neokantismo de Cohen mas
critica a pretensão da fenomenologia de que possa passar diretamente à "descrição da
essência", com vistas â reintrodução do sistema.
Hartmann concebe um esquema que compreende essas etapas: Fenomenologia,
aporética e teoria. "Os dois primeiros graus, escreve, tomados cada um por si, são um amplo
domínio de trabalho, uma ciência inteira. E precisamente porque nenhum dos dois é definitivo
e verdadeiro, coloca-se sobre eles a maior ênfase. Seu domínio de trabalho é aquele onde os
sistemas construtivos pecaram. Precisamente, estes permaneceram sempre demasiados curtos,
razão pela qual as teorias encontram-se sobre bases débeis".
Na conceituação do terceiro grau, Hartmann abre o flanco para a possibilidade do
sistema que parecia haver enterrado em definitivo. Eis como o define: "Teoria que dizer
"contemplação". Isto quase foi esquecido hoje. Como contemplação pura foi entendida por
Aristóteles. Seu sentido, por conseguinte, não é nem doutrina, nem sistema, talvez nem
explicação ou fundamentação. Seu sentido é apenas o penetrante contemplar propriamente
dito, a intelecção pura como tal, enquanto que com base num amplo olhar em torno ou num
procedimento cauteloso vê mais que a visão ingênua. Teoria, no sentido eminente, é a visão
panorâmica do contemplado na unificadora entrega à multiplicidade do objeto. Em tal sentido,
há nela, indubitavelmente, uma tendência natural para o sistema. Mas apenas uma tendência,
não a antecipação; tampouco a garantia de que o pensamento finito chegue a alcançar um
sistema" (1)
O problema do ser espiritual é um livro extremamente denso e aqui procuraremos
referir apenas aqueles momentos que, a nosso ver, seriam mais expressivos do aspecto que se
deseja destacar, isto é, a possibilidade de alcançar um conhecimento que poderia conceituar-se
como correspondendo ao ser do homem, dizendo respeito a estruturas que expressam a sua
essencial maneira de ser.(1)
Para Hartmann, o problema do ser espiritual não é outro senão o da filosofia da
história. O homem é o único ser espiritual. O ser a-espiritual não tem história. Acha que
contemporaneamente dá-se muito mais atenção à filosofia da história do que ao tema do ser
138

espiritual, o que corresponderia a um desvio. Segundo supõe, são três os problemas


envolvidos pela questão:
1° - Por meio das fontes, conhecemos apenas uma parte do processo total. Como se
desenvolve o processo da história em sua totalidade? Tem a história suas próprias leis?
Obedece a determinadas metas?;
2° - Nosso conhecimento do que é longínquo não é apenas lacunoso mas inadequado, à vista
de preconceitos e erros habituais. Como deve trabalhar a historiografia que pretenda
alcançar validade científica? e,
3° - Nossa vida e nossa consciência desenvolvem-se no meio histórico. Nós o conhecemos
ingenuamente e só em sua imediatez. Tomamos por absolutas as suas formas e a nós
mesmos como juízes objetivos. Em que medida nossa maneira de compreender acha-se
historicamente condicionada? Qual é a estrutura ôntica de nossa historicidade? E como
superar nossa condicionalidade histórica?
As respostas que foram tentadas são arroladas por Hartmann como "metafísica da
história", no sentido que Kant atribui à palavra, e tangenciam a questão.
A seu ver, a visão teleológica da história, sobre a qual modelou-se a teoria do
idealismo alemão, provém de Santo Agostinho, que deu forma ao conceito de acesso como
realização e expansão do reino de Deus na terra. Em Kant aparece a idéia de um objetivo final
da história, de caráter moral. Os sistemas especulativos subseqüentes tampouco seriam melhor
sucedidos. Exemplifica com Hegel e Marx.
Afirma Hartmann que, se confrontarmos a filosofia da história de Hegel e de Marx
veremos que uma afirma o que a outra nega. Ambas as teorias pressupõem uma relação
unívoca de dependência. Ambas procuram compreender a totalidade do ser histórico a partir
de um único grupo de fenômeno. Se indicarmos o ser espiritual como estrato superior e o
econômico como o inferior, pode-se reduzi-las a esta fórmula: Hegel procura compreender o
todo a partir do alto e Marx a partir do baixo. Ambos afirmam uma dependência unilateral e
irreversível.
Hartmann irá empreender outro caminho visando identificar qual é o resíduo
metafísico da questão.
O fenômeno complexo do mundo, enquanto possa ser impenetrável, mostra de um
modo irrecusável seu caráter estratificado. As implicações dessas estruturas estratificadas são
óbvias e podem ser resumidas como segue:
1° - Cada extrato tem suas próprias leis. No reino das categorias não há estrutura monística;
2° - Na estrutura estratificada do mundo, o estrato inferior sempre conduz ao superior. Sem
natureza material não há vida. Sem vida, não há consciência. As categorias inferiores são
as mais fortes;
3° - A dependência do estrato superior em relação ao inferior não prejudica a sua autonomia.
O estrato inferior é apenas a sua base. Dispõe de limitada possibilidade de configuração
própria tanto o animal em relação ao orgânico como o espiritual em relação ao animal
mas corresponde ao novo, expressam a liberdade da categoria superior. Se as categorias
inferiores são as mais fortes, as superiores são as mais livres.
As leis da força e da liberdade formam uma relação indissolúvel e unitária.
Constituem uma única lei categorial de dependência. Todas as teorias filosóficas se ocuparam
da dependência mas ignoraram a autonomia na dependência. O enunciado fecha a porta a toda
139

tentativa de solução unilateral de cima ou de baixo. Assim Hartmann refuta a hipótese de


Hegel e de Marx, que vê em simbiose.
Nessa altura Hartmann irá perguntar-se se a sua proposta poderia ser aplicada à
história e em que medida. Observa que a história tem de fato em comum estrutura
pluri-estratificada. Assim, é um processo econômico e espiritual. As condições geográficas e
climáticas têm significado do mesmo modo que as idéias e os valores, os erros, de igual modo
que as prevenções ideológicas e filosóficas. Em que pese esse reconhecimento, que faculta
descrição e análise, cabe logo reconhecer que a busca de uma razão na história não encontra
solução. Assim, o problema fundamental da filosofia da história tem em comum com os
grandes problemas filosóficos o fato de que não é exaurível, comporta um resíduo irracional,
sendo por isto mesmo um autêntico problema metafísico, na maneira como o define
Hartmann.
Hartmann entende que há, entretanto, um segundo grupo de questões que podem ser
resolvidas, porquanto não ultrapassam a experiência histórica, inserindo-se no âmbito da
investigação propugnada por Kant, isto é, a experiência possível. Podemos de fato saber se é
história do indivíduo ou dos organismos superiores; se a história é universal concreto que não
seja um simples coletivo; se trata de aparições únicas e irrepetíveis; enfim, se a história é
condicionada – e em que medida – pela consciência histórica, se pode considerá-la como
"fator determinante" ou se encontram em ação recíproca. Na visão de Hartmann, a resposta
pressupõe a análise do ser espiritual. Essa análise nos conduzirá à compreensão do espírito
pessoal, do espírito objetivo e do espírito objetivado. Antes de empreendê-la Hartmann fere
ainda algumas questões que parecem muito esclarecedoras, razão pela qual nelas nos
deteremos.
A história não é um simples suceder mas uma interdependência de tipo especial. O
passado não é completamente passado. Continua vivo no presente. Não é repetição mas
conservação, prolongamento. Esse prolongamento é, antes de mais nada, tácito desde que está
presente sem que o sintamos. Vale para as instituições religiosas e políticas, abrange
preconceitos e superstições, etc.
O segundo modo é o prolongamento perceptível. Todo homem tem o seu passado,
qualquer coisa que fala como vindo dali.
Os dois tipos se completam e formam o passado histórico de um povo. A escrita tem
o dom especial de fazer emergir o que não está presente, por isto deve ser considerada de
modo especial. Não se dá por acaso a dependência da historiografia em relação a esta fonte.
Além do prolongamento, há também transformação, a superação do passado.
Consuma-se com maior facilidade o que corresponde a uma necessidade constante, a uma
inclinação geral. As épocas históricas distinguem-se pelos dois aspectos antes enunciados: ou
são tradicionalistas ou antitradicionalistas. Pode-se dizer que são representadas, em seus
extremos, pela religião e pela técnica. Esta tem uma história mas não uma consciência
histórica. O velho aparece-lhe apenas como uma sobrevivência enquanto o novo é que é o
verdadeiro.
O peso do passado está presente nas normas jurídicas, na estrutura social, na língua.
A ciência natural, não se interessa pelo próprio passado, embora de fato cuide de preservar as
conquistas alcançadas.
140

Outro pressuposto da análise do ser espiritual por Nicolai Hartmann consiste em que
se deve evitar desde logo identificá-lo com certas conceituações tradicionais, a exemplo da
autoconsciência, da vida, etc.
O conceito da vida ressuscita a velha oposição entre espírito e matéria; Na doutrina
de Hartmann, os fenômenos vitais correspondem a um estrato profundo da realidade mas não
dão a ser espiritual.
Sua identificação com a consciência equivale a transferir o problema do ser espiritual
para a psicologia. Não é verdade, ademais, que todas as atividades do espírito sejam
conscientes nem o ser espiritual se reduz ao psíquico, que insere as duas dimensões: o
consciente e o inconsciente.
No que se refere à identificação com a autoconsciência, Hartmann afirma que
Aristóteles foi o primeiro a definir o espírito como pensamento de si mesmo, definição que foi
acolhida por Kant (eu penso, que acompanha todas as afirmações, a que chamou também de
unidade "a priori", da apercepção) e subseqüentemente por Hegel. Acha que convém de certo
modo ao problema do espírito, como aquilo de mais alto que conhecemos.
Contudo, o espírito, como veremos mais detidamente, corresponde a uma
autoconsciência muito imperfeita. Certamente que deve ser capaz de autoconsciência, mas seu
domínio não começa com esta, não sendo verdade que saiba sempre o que seja. Finalmente,
não é um traço essencial do espírito que é muito mais consciência do mundo que de si mesmo.
Também lhe parece equívoca a identificação com a razão. A racionalidade é um dos
caracteres do espírito mas está longe de alcançá-lo em sua plenitude. Recusa também o
conceito antropológico do espírito, que supõe saibamos o que seja o homem. Não se pode
chegar ao ser do espírito a partir de um conceito do homem, podendo do homem mesmo
extrairmos os caracteres do espírito. E mais: enquanto não dispusermos de um conceito de
espírito não apreenderemos no homem o que é especificamente humano.
Quanto à identificação da vida espiritual com seus efeitos (atividade), envolve muitas
contradições. O ser espiritual tem uma mobilidade toda especial, achando-se, num certo
sentido, sempre em atividade; um espírito quieto está morto. A verdadeira questão é saber
como entender esse desenvolvimento para que aquilo que se desenvolve não venha a tornar-se
o seu princípio.
Hartmann considera ainda infundida a ênfase no que denomina de espírito flutuante
(que seria em si) porquanto resume-se em apelar para o conteúdo espiritual daquilo que não é
o espírito mas o seu objeto (o matemático; o geral; a essência; a lei). Abandona-se o terreno
fecundo da experiência e o espírito é levado a perder os liames com o terreno no qual cresce.
O grande enfoque de sua análise observará as seguintes regras:
a - só conhecemos o "espírito empírico", tendo que nos limitar a experiência possível,
segundo os ensinamentos kantianos;
b - toda forma de espírito é temporalmente determinada; e
c - só conhecemos o espírito pairante e não conhecemos nenhum ser espiritual que
não seja sustentado por um ser psíquico.
No mundo real não há espírito suspenso mas aquele que se eleva ou paira sobre o
nível inferior. A par disto, os fenômenos espirituais são muito complexos mas não são
compostos, isto é, redutíveis aos níveis mais baixos, constituindo unidade sólida, totalidades
sui generis, que somente podem ser compreendidas a partir de si mesmas. O espírito, ainda
141

que acolha determinações do estrato inferior (como temporalidade, finitude, compatibilidade,


etc.), preserva autonomia desde que a verdadeira matéria que o constitui são as suas
determinações fundamentais (intersubjetividade, espontaneidade, etc.). Hartmann insiste em
que o ser espiritual é fundado, mas autônomo. Considera tratar-se de preconceito supor que a
fundação contradiga a autonomia, não se admitindo que possam as duas determinações
coexistir; contudo, a característica fundamental da experiência humana consiste precisamente
na dependência constante de um conjunto de circunstância sem que nos esgotemos nelas e
deixemos de ser independentes. A dependência e a independência andam juntas. Do ponto de
vista formal tampouco há contradição: autonomia não significa desvinculamento, do mesmo
modo que ser conduzido não corresponde a compor-se de elementos do condutor.
Como se vê, Hartmann revela extremo cuidado em preservar a sua análise do vezo
especulativo que encontra nos sistemas metafísicos tradicionais, razão pela qual trata de
desbastar o terreno antes de nele abrir a sua própria senda.
O ponto de partida de consideração do espírito pessoal é o conceito de espírito
vivente, que corresponde à síntese entre o espírito pessoal e o espírito objetivo. É a maneira
pela qual temos acesso a estes últimos porquanto é dotado de realidade. Essa realidade é
difícil conceituar, cumprindo compreendê-la à luz da estrutura estratificada proposta, sem
concessões ao naturalismo que identifica "realidade" com "realidade material". É a
individualidade que nos conduz à realidade buscada. Assim, o espírito vivente não é mais um
simples conceito geral nem uma pura essência. Ao mesmo tempo, não corresponde a uma
característica isolada do espírito pessoal, abrangendo igualmente o espírito histórico, enquanto
singularidade irreversível.
O conceito de espírito vivente permite-nos superar a suposição, que “vigorou durante
tanto tempo, segundo o qual o espírito era considerado como um ser do outro mundo”. E, ao
mesmo tempo, conduz-nos ao indivíduo espiritual, cuja descrição fenomenológica nos
permitirá apreender quais as categorias que lhe convém, ou, mais expressamente, quais as suas
características ou notas básicas. Nessa descrição, a certeza da própria existência, que nos é
dada pelo cogito, logo se traduz numa desvantagem ao transformar-nos em objeto de análise,
correspondendo a uma distorção que pode nos desviar do essencial, porquanto a direção
cognoscitiva natural do sujeito dá-se no sentido do que tem defronte. De todos os modos, sem
pressupor um conhecimento do qual não estamos de posse, podem ser dados os passos
seguintes.
O indivíduo espiritual desenvolve-se do mesmo modo que o indivíduo orgânico. Mas
enquanto este submete-se a norma evolutiva que o domina e condiciona, o indivíduo espiritual
deve, antes de tudo, fazer-se aquilo que é. Esse fazer-se não deve ser compreendido no sentido
metafísico, a exemplo da hipótese de Hegel segundo a qual deve realizar uma idéia. O sentido
da expressão é muito mais simples: quer dizer expressamente que a configuração própria do
espírito não cai do céu, devendo ser forjada e conquistada.
Hartmann distingue esse desenvolvimento esperado do que se verifica em relação ao
psiquismo. Este, embora não seja hereditário, desenvolve-se segundo uma configuração
instintiva, o que não ocorre com o espírito. Além de ser instado a fazer-se, o espírito
individual corre o risco da autodestruição, da perda do sentido a que corresponde o encarar a
vida como simples desfrute. A par disto, o homem não pode viver como homem sem
impregnar-se intensamente do espiritual.
A categoria pessoa, individualidade, personalidade, pressupõe a autoconsciência.
Mas o homem, só muito raramente, tem consciência do que é. Para fundamentar essa tese,
142

Hartmann distingue consciência espiritual da não espiritual, que estaria presente nos animais
superiores. A caracterização da pessoa também pode conduzir a desvios, provenientes de
generalizações indevidas. A par disto, confronta subjetividade e objetividade.
A autoconsciência expõe-se às maiores mistificações, decorrentes do auto-engano ou
da presunção, requerendo depurar-se. Esta depuração corresponde a encargo do ethos, sendo
um fruto tardio e raramente alcança a plena maturidade.
O processo de aquisição da autoconsciência é também o processo através do qual,
pelo comportamento em relação a outra pessoa, o homem reconhece o próprio valor ou
desvalor. A isto se denomina de experiência de si mesmo, na qual se apreende como poder
escolher-se.
A mobilidade que o homem dispõe no mundo é limitada, por achar-se localizado
espacial e temporalmente. Contudo, podendo relacionar-se intuitivamente com o espaço e o
tempo, abstrai-se daquela limitação e constrói o mundo do espirito, dos valores, do belo e do
eterno. O lado prático deste fenômeno é muito importante porquanto permite a antecipação
temporal, graças ao que o homem é capaz de "providenciar" (ou de previdência). Essa
capacidade é certamente limitada mas preserva margem decisiva para sua posição enquanto
pessoa no mundo.
Se o espírito não fosse de alguma forma providente e estivesse privado de toda
liberdade de movimento no tempo intuitivo – ou o mundo fosse tal que não permitisse
nenhuma providência – o homem não seria capaz de agir e muito menos de querer, estaria
privado da dimensão ética e não saberia o que escolher nem do que é responsável. Justamente
a providência faculta ao homem superar a consciência não-espiritual, prisioneira do presente.
A providência é, pois, o ponto de Arquimedes a partir do qual o espírito começa a
mover o mundo. O homem se revela aqui como capaz com vistas a conquistar determinados
fins, mobilizando os meios necessários à realização de sua obra. Para a pessoa, a capacidade
de agir segundo fins é de relevância fundamental pois é o que faz determinar-se e acrescentar
algo de exclusivamente seu no curso do mundo real.
A potência do espiritual sobre o não-espiritual é equiparada ao que Hegel denominou
de "artifício da razão". De certa forma, o homem "engana" as forças naturais e coloca-as a seu
serviço, por meio da técnica.
A história das instituições nas quais o homem vive é a história da sua inventividade
no agir com vistas a fins. O espírito é radicalmente fundado sobre a natureza; mas no curso de
seu desenvolvimento consegue ampliar a própria base que o conduz, constrangendo sempre
novas potências naturais a submeter-se à vida que expande no mundo. O homem
contemporâneo transformou totalmente aquela parte do mundo da qual se assenhoreou.
Na atividade com vistas a fins, o homem revela a capacidade fundamental de ver e
apreender valores. Qualquer que seja a natureza própria dos valores, podemos reconhecer a
função que têm com respeito ao espírito. Tudo quanto no mundo lhe diz respeito aparece ao
espírito como referido a valores, merece a sua estima, aprovação, admiração, entusiasmo, ou,
ao contrário, desapreço, antipatia, indignação. Na vida prática, e a tudo com que entra em
contato a sua sensibilidade, a pessoa responde com um determinado conteúdo interior, que
corresponde ao índice do que tem ou do que não tem valor.
No agir, o homem revela sua essência. Aparecemos como incapazes de nos
dirigirmos expressamente a algo de repugnante ao valor. O homem não é um ser satânico. Um
143

homem deste gênero não entra em nosso conhecimento empírico, embora sua idéia não seja
contraditória e sempre haja estado presente ao pensamento religioso.
Quando o homem quer o mal, não visa o desvalor pelo desvalor; tem em vista, ao
contrário, um valor. Não se deseja uma coisa para causar dano a outra. Mesmo na ação,
motivada pela inveja emerge sempre o valor do próprio prazer. Trata-se, certamente, de um
valor de baixo grau, nisto consistindo o seu desvalor moral. O bem consiste em impregnar-se
do sentido dos valores superiores.

Enquanto pessoa moral, podemos definir o ser espiritual como aquela criatura cuja
atividade com vistas a fins só pode dirigir-se a meta que lhe apareça dotada de valor. Não se
trata de que seja predestinado ao bem; mas é livre para escolher entre valores.

Essa escolha é conflituosa. O reino do espírito é do conflito moral, desconhecido para


a natureza . O homem somente pode resolvê-lo se é capaz de decisão independente. Não pode
aspirar a nenhuma classe de conciliação; deve pronunciar a sua sentença. Assim, o espírito
pessoa é não apenas dotado de providência, predeterminação e sensibilidade aos valores mas
também de capacidade de decidir-se. Se o homem "devesse" obedecer ao valor sentido,
alcançaria a perfeição mas isto não equivaleria de modo algum à perfeição moral, que supõe
uma escolha. Só aquele que decide livremente é um ser moral. Neste sentido, a liberdade
moral é um enigma metafísico, que alimenta sempre novas teorias filosóficas e não se deixa
demonstrar ou contraditar de forma unívoca. Entretanto, é incontestável a imensa riqueza dos
fenômenos morais, os quais – se tudo não é vã ilusão – convergem unicamente para a
liberdade.

A pessoa é, pois, o portador imediato do espírito. Mas há outro ser espiritual que não
pertence à pessoa individual mas à comunidade existente, a uma sociedade temporal, a um
povo. Ainda que sustentado por um conjunto de pessoas individuais, o espírito coletivo é não
obstante unidade e totalidade e que, por sua vez, sustenta o indivíduo, sendo também o
portador da história. O indivíduo tem vida curta e passa a segundo plano nos grandes
desenvolvimentos históricos. O espírito coletivo lhe sobrevive.

A linguagem comum incorpora a noção de que há um “espírito” do Renascimento ou


do Barroco. Do mesmo modo, fala-se de “espírito de um povo” para distingui-lo de um outro.
São evidências demasiado concretas para serem recusadas. São indícios eloqüentes do que
Hartmann denomina de espírito objetivo. Ao empregar essa denominação, critica a acepção
hegeliana que o entende como uma substância, em relação à qual os indivíduos se
conduziriam como simples inerências, quando, na verdade, é o contrário que se dá, os
indivíduos é que sustentam o espírito objetivo.

O espírito objetivo tem algumas esferas que lhe são peculiares, embora não se possa
descrever um quadro completo, desde que comportam ulteriores subdivisões. De todos os
modos, compreendem estes segmentos: a linguagem; a produção e a técnica; os costumes
existentes; o direito vigente; os valores mais difusos; a moral dominante; a forma tradicional
de educação e da cultura; o tipo mais comum de conduta sentimental e humana; o gosto
prevalente; a tendência da arte e da crítica de arte; o estado da consciência científica; a visão
do mundo dominante, compreendido em todas as suas formas, como mito, religião ou
filosofia. Tais segmentos não são apenas de diversa espécie, mas igualmente de diferente
importância e valor. Além disso, um ou outro passa a primeiro plano em determinado tempo.
Num outro povo, uns podem sobressair enquanto outros permanecem na sombra. Em que pese
144

todas essas diferenças, comportam uma análise fundamental, apta a ressaltar o que há de
comum no heterogêneo.

Hartmann detém-se no estudo da vida e do espírito da língua; do conhecimento e da


ciência; da moral válida e da moral individual; da esfera da arte e do estilo de vida; bem como
das outras esferas da vida espiritual. Embora essa análise contenha ensinamentos valiosos e
naturalmente forneçam elementos para o aprofundamento da compreensão do homem, pode
ser omitida sem prejuízo da compreensão do essencial, notadamente à luz do que diz sobre a
natureza peculiar da autoconsciência do espírito objetivo.
O espírito objetivo não possui uma consciência adequada. Não se trata de que seja
absolutamente espírito sem consciência mas de que essa consciência é unicamente dos
indivíduos. E esta é sempre limitada. Do mesmo modo como não existe uma cabeça científica
capaz de estar de posse, em sua inteireza da ciência do seu tempo, ou um homem de Estado
que abarque adequadamente a vida política, também a totalidade da criação humana é
inacessível às individualidades, por mais destacadas que sejam.
A tragédia do espírito objetivo reside neste aspecto. Tem que agir mas não sabe
precisamente que rumo tomar. À luz do que nos ensina a história, vê-se que as coletividades
atuam através de seus caudilhos, soberanos, homens de Estado ou demagogos. A multidão
limita-se a segui-los. Aquelas personalidades são pois representantes da consciência que falta
ao espírito objetivo. Todos permanecem entretanto como individualidades humanas,
limitadas, incapazes de representar o espírito objetivo em sua inteireza. Abarcam, em geral,
um segmento prevalente da vida espiritual, achando-se incapacitadas a incorporar,
simultaneamente, ainda que do ponto de vista do segmento prevalente em que se situa, o
político, o intelectual e o moral. Não podem substituir a consciência que falta ao espírito do
tempo e ao espírito do povo.
Hartmann estuda, finalmente, o objetivado, que corresponde àquela parte da obra
humana que sobrevive e persiste, com um caráter naturalmente muito diverso daquela que
apresentava no momento de sua aparição. Detém-se sobretudo na análise da obra de arte.
Embora não tenhamos a pretensão de termos logrado transmitir, em toda a sua
riqueza, a análise empreendida por Nicolai Hartmann, admitimos ter evidenciado que logrou
captar algumas estruturas fundamentais da pessoa humana, conhecimento esse que poderia
legitimamente ser arrolado como ontológico, vale dizer como de natureza absoluta, embora
isto não queira dizer que após essa palavra deva reinar o silêncio. Como o próprio Hartmann
demonstrou, o saber filosófico é de natureza problemática, formula-se para fecundar o espírito
e permitir o aprofundamento da consciência filosófica.
A partir desse resultado inconteste, Hartmann avança a hipótese de que o
conhecimento ontológico não se limitaria ao trato direto com a realidade da forma que se
descreveu - e que resume como correspondendo à "concepção moral do mundo". Poderia ser
alcançado, igualmente, a partir do material recolhido pela ciência e , finalmente, pela própria
reelaboração da ontologia tradicional. Ainda que se haja lançado a tal empreendimento com o
0 pressuposto de respeitar o princípio kantiano de ater-se à experiência possível – e que
corresponde a uma exigência do que denominamos de perspectiva transcendental –, parece
óbvio que se deixou contagiar pela idéia do sistema , que corresponde, sem dúvida, ao
leitmotiv da Filosofia Alemã. Essa tradição foi iniciada por Wolff e dela não escaparam Kant e
qualquer dos outros grandes filósofos. Com evidentes intenções sistemáticas, Hartmann
publicou nos anos que lhe restaram de vida, em que pese as dificuldades da situação política e
145

da própria guerra, cerca de três mil páginas dedicadas à ontologia, com a pretensão de abarcar
as diversas esferas do saber.
A mencionada parcela de sua obra desdobra-se como segue; Ontologia - I.
fundamentos (1935); Ontologia - II. Possibilidade e efetividade (1938); Ontologia – III. A
fábrica do mundo real (1940); Ontologia – IV. Filosofia da natureza (1950) e Ontologia V. O
pensamento teteológico (ed. póstuma, 1954). Como diz bem o estudioso argentino de seu
pensamento, Emílio Estiú, a mensagem contida nessa ontologia "está obscurecida pelo
tecnicismo do virtuoso que sufoca a inspiração". Assim, existiriam quatro leis categorias
(axiomas da vigência, coerência, estratificação e dependência) que, por sua vez, desdobram-se
cada uma em quatro outras leis, formando um conjunto tão amplo quanto artificial.(1)
Escreveu também uma estética, que apareceu depois de sua morte.
Apesar dessa intenção sistemática – que de certa forma contradiz o espírito da
doutrina que ajudou a criar –, com a obra de Hartmann e através, em geral da Escola
Culturalista, a filosofia Alemã experimentou um momento de grande criatividade, embora nos
haja legado diversos problemas o que também é parte do processo histórico do saber
filosófico.
Antes de passar à enumeração daqueles problemas que a Escola Culturalista legou à
consciência filosófica, cabe registrar que Ernst Cassirer (1874/1495), o único dos neokantistas
de Marburgo que sobreviveu até o ciclo aqui considerado, de alguma maneira reconheceu que
a construção de Cohen não se sustentava diante da quebra da unidade do conceito de espaço
vigente na ciência, com a teoria da relatividade de Einstein, embora tivesse, nos anos vinte e
começos da década de trinta, tentando encontrar uma alternativa. Posteriormente buscou
inserir-se na meditação de nítido caráter culturalista, com o que publicou nos Estados Unidos,
para onde se transferiu em decorrência da guerra. Acham-se neste caso A lógica das ciências
da cultura (1942); Ensaio sobre o homem (1945; que se traduziu ao espanhol como
Antropologia filosófica) e o livro editado postumamente, a que deu o título de O mito do
Estado (1947).
A Escola Culturalista Alemã – no período descrito, porquanto não se exclui a
possibilidade de que volte a adquirir vigor, na própria Alemanha, tratando-se de desenvolver
plenamente a perspectiva transcendental, conquista imorredoura da Época Moderna – legou à
posterioridade um conjunto de problemas que impulsionaram subseqüentemente a meditação,
em diversos países, sobressaindo de modo especial os seguintes:
a) ausência de continuidade na concepção de uma teoria geral dos objetos, substituída pelo
empenho de elaboração ontológica, com óbvias intenções sistemáticas;
b) o abandono da hipótese de Lask, relativa à esfera de objetos referidos a valores, e a
tentativa de arrolar a estes últimos entre os objetos ideais;
c) de certa forma decorrente dos anteriores mas com autonomia e âmbito próprio, a suposição
de que em seguida ao reconhecimento da correlação essencial entre sujeito e objeto possa
seguir-se saber de natureza ontológica, quando a investigação do objeto não pode desde
logo prescindir daquela correlação essencial;
d) não se sustenta a hipótese de que a experiência moral poderia identificar-se com a
experiência dos valores. Estes encontram-se numa certa hierarquia (ainda que não se trate
de algo "a priori" se por isto entendemos criação sem referência à evolução cultural,
levando-se em conta as nítidas distinções existentes entre Oriente e Ocidente) mas
igualmente em situação conflituosa, como entreviu Max Weber. Há uma inegável tensão
146

entre moral e política; conflito entre regras morais consagradas numa sociedade e
princípios de algumas seitas religiosas, etc. Além disto, as distinções que Scheler fixou
entre tendência, objetivos e fins não parecem suficientes para fundar a experiência moral;
e) não se preservou o conceito de espírito objetivo, dando se preferência ao da cultura (ou da
criação humana) – "cabedal de bens objetivadas pelo espírito humano na realização de seus
fins específicos" Miguel Reale – não só por ser menos polêmico mas por comportar uma
distinção mais consentânea em relação aos objetos naturais e ideais;
f) embora extremamente fecunda, a doutrina sobre os tipos de saber não foi integralmente
explorada ao deixar de ser correlacionada com os tipos de objetos, o que apresentaria a
vantagem adicional de permitir avaliação específica quanto à possibilidade (e o interesse)
de disciplinas do tipo da filosofia da natureza; e,
g) a possibilidade de um conhecimento ontológico acerca do ser do homem pressupõe a plena
explicitação de categorias tais como "espírito do povo"; e "espírito do tempo"; "tradições
culturais"; etc., em sua expressão histórico concreta.
A perspectiva transcendental está longe de haver merecido elaboração consentânea
com as suas virtualidades. Talvez pelo fato de que, em termos de história do saber filosófico,
possa ser considerada como relativamente jovem, desde que tem pouco mais de dois séculos.
Ao afirmá-lo temos em vista que a perspectiva transcendente – obra de Platão e Aristóteles –
sobrevive há quase vinte e cinco centúrias e parece mesmo estar destinada à vida eterna . E tal
parece ser, precisamente, o destino da perspectiva filosófica.

3. Fenomenologia

A fenomenologia representa uma das correntes mais importantes do pensamento


contemporâneo; surge na Alemanha no início do século XX, por obra de Husserl, e tem
vitalidade até nossos dias não só enquanto escola mas sobretudo quanto à sua influência em
outros sistemas filosóficos, como o existencialismo, e muitas formas de pensar do mundo
atual.
Etimologicamente, a palavra fenomenologia deriva do grego Phainómenon, que
significa o que aparece, manifesta-se ou se revela. Os antigos gregos definiam o fenômeno
como manifestação do ser, significando estreita conexão ou unidade entre o ser e o aparecer; a
aparência indica sempre algo que se manifesta. Logo em seguida, porém, o termo fenômeno
passou a significar uma aparência enganosa, contraposta à realidade do ser, em Platão. Com
Husserl, o termo fenômeno pretende recuperar seu significado primitivo dos gregos antigos.
A fenomenologia se apresenta, fundamentalmente, como uma atitude metódica,
método de investigação radical. Propõe um metodologia intuitiva em que a vivência da
consciência desvela as diversas modalidades e os diferentes sentidos que encerra. Esse método
abrange duas fases: uma negativa, pela exclusão de preconceitos; dogmatismos ou esquemas
científicos e de linguagem que possam falsificar os dados; outra positiva pelo uso da intuição
imediata como único meio capaz de captar a realidade em toda sua pureza. Trata-se de uma
leitura descritiva e originária do fenômeno para poder captar sua essência, o ser como ele se
manifesta.
O clima intelectual em que surge a fenomenologia é o do auge do neokantismo.
Durante cerca de quarenta anos, a filosofia neokantiana predominou nas universidades e na
produção filosófica alemã. Ainda em 1912, um ano antes da publicação das Idéias de Husserl,
147

por ocasião do 62° aniversário de Cohen, todas as revistas filosóficas alemãs consideravam o
neokantismo como o mais importante movimento da filosofia contemporânea alemã. É nesse
clima que nasce e se desenvolve o pensamento fenomenológico, logo centralizado nas
Universidades de Gottingen e Munique e, posteriormente, em Berlim, Colônia e Friburgo.
Edmund Husserl (1859/1938) doutorou-se em matemática, na Universidade de
Viena, onde também estudou e trabalhou seu contemporâneo Freud. Na mesma universidade,
no biênio 1884/86, freqüentou as aulas de Brentano, tendo como resultado sua completa e
entusiasta dedicação aos estudos filosóficos.
Habilitou-se ao magistério na Universidade de Halle, passando, em seguida, à
Universidade de Gottingen e, finalmente, à de Friburgo, onde lecionou até sua aposentadoria
(1928), sem deixar, contudo, suas pesquisas e publicações, até a morte, aos 79 anos.
Acreditando que um trabalho científico deve ser realizado em grupo, rodeou-se de
discípulos e colaboradores, entre eles, Koyré, Hering, Edith Stein, Max Scheler, Heidegger.
Os resultados das pesquisas do grupo eram recolhidos e publicados em Anais, em cujo
primeiro volume aparece a primeira parte de seu Idéias para uma fenomenologia pura,
juntamente com uma parte de O formalismo na ética, de Scheler. Nos Anais de 1927, uma
parte de Ser e Tempo, de Heidegger juntamente com trabalhos de Hartmann. Essas
publicações reuniam os mais famosos pensadores da época, na Alemanha.
Quanto à religião, judeu de nascença, não foi praticamente na infância. Ao ler a
Bíblia, aos 17 anos, empolgou-se com o Novo Testamento na interpretação dos protestantes
liberais. Não acreditava na divindade de Cristo, a quem considerava a maior figura da história.
Convertido ao luteranismo, aos 27 anos, pouco a pouco se aproximou do catolicismo,
em particular depois da conversão de Edith Stein e diante da perseguição nazista. Durante os
últimos meses de sua existência insistia para que lessem o Evangelho. Dizia que se tivesse
quarenta anos menos teria abraçado o catolicismo. Não o fazia por honestidade: precisaria de
cinco anos para meditar cada dogma católico e não dava mais tempo para isso. Em carta a
Edith Stein confessava o grande risco de ter eliminado Deus de seu pensamento científico,
mas que se sentia intimamente ligado a Deus e cristão sincero. No final da vida
manifestava-se profundamente religioso. Momentos antes de morrer pediu caneta e papel para
fazer uma revelação importantíssima; só que, ao chegar a enfermeira, já o encontra sem vida.
Além da concepção rigorosa de filosofia como ciência, Husserl tomou de Brentano
(1838/1917) o conceito de intencionalidade, embora mais tarde critique o seu mestre quanto à
ênfase na psicologia. Brentano era especialista na obra de Aristóteles e de São Tomás,
achando-se empenhado na restauração da perspectiva transcendente, projeto que Husserl iria
adotar, buscando um caminho próprio.
Precisamente em sua obra, Psicologia, Brentano expõe o seu pensamento sobre a
intencionalidade. A psicologia desempenha em Brentano o papel de ciência fundamental,
assim como será, logo em seguida, em Husserl, a teoria dos objetos. Por isso ela teve
influência em toda a investigação fenomenológica. Trata-se da psicologia do ponto de vista
empírico, quer dizer, de uma investigação descritiva e análise dos fatos da consciência. Em
seus escritos mais filosóficos, Brentano se ocupa da alma como substância espiritual e de
origem divina.
Objeto da psicologia são os fenômenos psíquicos, enquanto que o das ciências
naturais são os fenômenos físicos. O caráter essencial de todo fenômeno psíquico é a
intencionalidade, quer dizer a direção a um objeto.
148

A relação intencional da consciência não é a mesma em todos os fenômenos


psíquicos.
Brentano inspira-se em Descartes para a classificação das formas da
intencionalidade: idéias, juízos e afetos. As idéias são representações; os juízos, por sua vez,
não são simples associação de idéias, mas atos originais com nova referência intencional, de
aceitação ou de recusa das idéias; os sentimentos refletem a bipolaridade de amar e odiar,
atração e repulsão. Essa bipolaridade, que falta às idéias e aos juízos, abre a possibilidade de
erro , de algo ser justo ou injusto, correto ou incorreto.
Acompanhando-se o caminho seguido pela meditação de Husserl ver-se-á quão
poderosa seria a influência de Brentano.
A evolução do pensamento de Husserl poderia ser dividida en três grandes períodos.
No primeiro – década de 90 do século XIX e primeiros anos do seguinte – volta-se para a
elaboração de uma psicologia pura, apta a fundar tanto a matemática como a lógica. No
segundo, a fenomenologia é concebida como fenomenologia transcendental, fundamento de
todas as ciências e apreensão do modo absoluto de ser. Esse desenvolvimento acha-se
expresso nas conferências pronunciadas na Universidade de Gottinga, em 1907, e nas “Idéias”
(I-1913). No terceiro período verifica-se uma nova ampliação das ambições do filósofo,
surgindo uma subjetividade constitutiva (“Lógica Formal e Lógica Transcendental”, 1929) e,
como decorrência, uma doutrina da intersubjetividade (“Meditações cartesianas”, 1931). Na
análise da evolução do pensamento de Husserl, Quentin Lauer (“Phénoménologie de Husserl”,
Epiméthée, 1955) considera que se trata do desenvolvimento de certas implicações presentes
desde “A Filosofia da Aritmética” (1891) e sobretudo nas “Investigações Lógicas” (1900).
Assim, as mudanças, as posições novas adotadas pelo filósofo ao longo dos três primeiros
decênios deste século não seriam surpreendentes mas perfeitamente legítimas.
No Epílogo de Idéias-I(1) Husserl indica que seu objetivo é restaurar a primitiva
idéia da filosofia, “como a ciência que parte de fundamentos últimos”, “mediante a elaboração
sistemática do método que pergunta retroativamente pelos últimos supostos concebíveis do
conhecimento”. Abrirá um novo campo de experiência, o da subjetividade transcendental.
Trata-se tão somente de uma introdução (“o começo do começo”), que se mantém
rigorosamente adstrita ao eu transcendental, deixando de lado ou explorando
insuficientemente as seguintes perspectivas: a) a temporalidade essencial da consciência, o
tempo interior como modo inevitável da intencionalidade, para a completa elucidação da
distinção entre idealismo dinâmico e o idealismo estático das matemáticas; b) o a priori
universal contido no ego, ou seja, o problema do fundamento (constituição) da objetividade; e,
c) a intersubjetividade como última garantia da objetividade. Observa Lauer que a tarefa de
Idéias-I consistia tão somente em levantar os problemas da fenomenologia e não em
resolvê-los (obra citada, pág. 222).
Vejamos pois, ainda que sumariamente, as principais etapas desse "começo do
começo" (Idéias-I).
A fenomenologia representa o abandono da atitude natural (ingênua) em relação ao
mundo e a conquista de uma atitude nova, através dos seguintes instrumentos:
a) Ideação (passagem do mundo do factual ao mundo de essências)
b) Epoquê (para afastar a posição ingênua em face do mundo)
149

c) Reduções (para chegar, através de graus diversos de pureza, á subjetividade


transcendental)
d) Intuição (objetiva e constitutiva)(2)
O fio condutor de todo esse processo é a intencionalidade da consciência, graças à
qual Husserl escapa ao puro solipsismo. Inspira-se amplamente em Brentano mas introduz
modificações básicas na perspectiva desse último. A prioridade que atribui ao conhecimento
de puras essências explica-se não apenas pela sua formação de matemático como sobretudo
pela influência de Bolzano (1781/1848), professor na Universidade de Praga nos começos do
século – cuja obra fora grandemente valorizada pela Escola de Brentano – que afirma a
existência em si das proposições lógicas e das representações, que dispensariam um sujeito
pensante, efetivamente existente. A epoquê fenomenológica e as sucessivas reduções
distinguem-se radicalmente de qualquer dúvida quanto à existência da realidade e significam
o desenvolvimento conseqüente do postulado de que ser é ter um sentido (afastamento da
possibilidade de isolar o sujeito do objeto e vice-versa).
A intuição em Husserl não é uma experiência mística mas um método laborioso que
parte da definição de essência como o que permanece constantemente idêntico em meio a
uma multiplicidade de variações. Assim, a análise ou intuição eidética levada à prática por
Husserl (nas “Investigações Lógicas” como em Idéias-I) compreende as seguintes etapas:
a) tomar um ato simples de consciência como exemplo;
b) submetê-lo a uma série de “livres “ variações;
c) fixar o núcleo idêntico (essência pura) de todas as variações possíveis.
Partindo da posição de Brentano, isto é, da tese de que ter consciência é ter
consciência-de, Husserl suprime entretanto a diferença entre percepção interna e percepção
externa. Ao invés desta, introduz a diferença entre percepção imanente e percepção
transcendente, a partir da qual fundamentará não só a viabilidade como a superioridade do
conhecimento imanente.
A consciência transcendente, em Husserl, focaliza o ser da realidade numa série de
aspectos que só parcialmente representam o objeto. Sua essência é de ser inadequada. Em
contrapartida, a essência da consciência imanente (por representar o abandono do inessencial
para conservar a essência) é de ser adequada. Daí que um conhecimento absoluto só possa ser
reflexivo.
O propósito das reduções fenomológicas consiste justamente em fazer do objeto da
filosofia única e exclusivamente o objeto da reflexão, reduzir o mundo ao fenomenal, o que
em Husserl significa reduzir a realidade à realidade visada, representada, pensada
conceptualmente. Assim, ser é ser um objeto, é ter um sentido para um sujeito. Não se trata do
sujeito na medida em que pode ser objeto de experiência nem de Deus enquanto
transcendente. Busca a subjetividade transcendental apta a permanecer na pura imanência.
Desse modo, a epoquê e as reduções – que eliminam o universo da atitude natural, o sujeito
contingente, Deus enquanto transcendente – representam tão somente o abandono do que não
tem significação para a filosofia como ciência rigorosa.
Se a redução pode introduzir toda a objetividade na esfera da imanência, é possível
reduzir toda experiência à reflexão. A reflexão modifica de certo modo seu objeto, admite
Husserl. Mas não afeta a essência do ato (vivido intencional). Distingue-se da introspecção
150

por eliminar o factício e o existencial (contingente) de seu objeto. Na verdade, a reflexão é o


único meio de apreender o essencial no vivido.
Depois de afastar tudo mais para ater-se exclusivamente à reflexão do vivido
intencional, Husserl não se detém e prossegue na busca da essência dessa imanência pura. A
reflexão do puro vivido intencional comporta uma análise em duas perspectivas, a da noesis
(consciência) e a da noema (de qualquer coisa). O momento noético (subjetivo) fundamental é
a função de doação de sentido (animação primitiva da hilé sensível). Este sentido (objetivo)
do objeto intencional é um núcleo a partir do qual se elabora uma estrutura noemática. Assim,
a cada estrutura noética corresponde una estrutura noemática. Mas, também, a cada forma da
objetividade corresponde uma maneira de ter consciência-de.(1) O eidos do noema implica o
eidos da consciência. São, eideiticamente, inseparáveis. Esta união, entretanto, não é
identidade. O noema não é um simples reflexo da consciência noética. A propósito observa
Lauer que, confrontada com as “Investigações Lógicas” (que se ocupa exclusivamente das
estruturas noéticas), Idéias-I representa uma tomada de consciência de que o principal
elemento da consciência é o elemento objetivo.(2)
O estudo da objetividade torna-se o estudo das diferentes formas de normas, os
modos de ser dado que possam modificar o “sentido objetivo” idêntico ao núcleo noemático.
O mundo (colocado entre parêntesis para revelar seu sentido) é uma infinidade de
objetividades (individuais, ideais). Devem ser descobertas nos noemas individuais com suas
diversas intencionalidades. É necessário, ao mesmo tempo, ligar entre si as várias formas de
visar subjetivo. Comenta Lauer que esta era uma tarefa gigantesca a que Husserl lançar-se-ia
em Idéias II e III (a I é apenas a introdução) mas demandaria um grupo de sábios dedicados a
análises semelhantes, durante anos a fio. A fenomenologia, entretanto, trilhou outros
caminhos.

5. Movimento fenomenológico existencial

Com a obra de Husserl, do mesmo modo que com a de Heidegger, aconteceu um


fenômeno deveras curioso: sua ampla difusão nos principais países do Ocidente, sobretudo
neste pós-guerra, situação que contrasta flagrantemente com o desconhecimento e a solene
ignorância da obra de Hermann Cohen e, em geral, da Escola de Marburgo.
Tudo leva a crer que esse desfecho deve-se a um conjunto de circunstância fortuitas,
constatação que, naturalmente, não corresponde a qualquer espécie de desmerecimento
daqueles pensadores.
Parece ter sido Georges Gurvitch (1894/1965) quem primeiro chamou a atenção para
a fenomenologia, fora da área de influência germânica direta, no livro Les tendances actuelles
de la philosophie allemande, Paris, 1930. Ao mesmo tempo, Ortega y Gasset (1883/1955),
que estudara com Hermann Cohen em Marburgo, não só acompanhava o desdobramento do
neokantismo na Alemanha como, através sobretudo da revista de Ocidente e seu programa
editorial, muito contribuiu para torná-los conhecido na América Espanhola e Portuguesa.
Assim, apareceu, em 1929, a tradução espanhola das Investigações Lógicas, realizada por dois
eruditos de renome, Manuel Garcia Morente e José Gaos. Com o desfecho da guerra civil
espanhola, muitos intelectuais ligados à Revista de Ocidente emigraram para o México, onde
deram continuidade àquela atividade. Ali publicou-se, em 1941, La filosofia de Husserl: una
Introducción a la fenomenologia, de Joaquim Xirau (1895/1946). A importância da obra de
Husserl seria igualmente assinalada pelo filósofo argentino Francisco Romero (1891/962), no
151

livro Filosofia Contemporânea – estudios e notas, Buenos Aires, 1941, obra que teve grande
circulação no Brasil e em outros países americanos. José Gaos (1900/1969), por sua vez,
ocupou-se da tradução de Heidegger.
Contudo, a circunstância decisiva para a popularidade alcançada pela fenomenologia
em todo o Ocidente deve-se à perseguição que os nazistas moveram a Husserl, levando a que
seus discípulos mais imediatos promovessem a espetacular retirada da Alemanha de seus
escritos inéditos, organizando, na Universidade de Louvaina, Bélgica, em 1939, os Arquivos
Husserl, sob a direção de H. L. Van Breda. Dessa iniciativa resultou o início da publicação
das Obras completas de E. Husserl, destinada a ocupar, pelo menos 40 volumes. Os estudos
específicos sobre os diversos aspectos da meditação do criador da fenomenologia,
patrocinados pelos estudiosos que se agregaram ao projeto dos Arquivos, passaram a
constituir bibliografia das mais extensas. Assim, rompeu-se o bloqueio da língua, que sempre
se constitui num dos obstáculos ao acesso à filosofia alemã. Cabe lembrar que a repercussão
alcançada pelo idealismo alemão deve-se sobretudo â insistência com que pensadores
franceses, desde Mme. de Staël, nos começos do século XIX, até Cousin, nas décadas
subseqüentes, chamaram a atenção para o seu significado e popularizaram suas principais
teses.
No mundo da língua inglesa, estruturam-se duas instituições que levaram à criação de
múltiplos centros de estudos da fenomenologia, a saber: a International Phenomenological
Society, nos Estados Unidos, que, desde 1940, publica a revista Philosophy and
Phenomenological Research; e a British Society for Phenomenology.
Coube a Jean-Paul Sartre (1905/1980) associar, de forma ruidosa, o existencialismo à
fenomenologia, fazendo com que, na esteira de Husserl, fosse despertado o interesse para a
obra de Heidegger.
De um modo geral, o movimento fenomenológico-existencial subdivide-se em dois
ciclos muito nítidos. O primeiro corresponde à difusão das obras ou idéias desses autores. O
segundo, distingue-se pelo que se convencionou denominar de diálogo com Husserl ou
diálogo com Heidegger. Isto é, as principais correntes estruturadas em cada país debruçam-se
sobre aquelas teses para refutá-las ou acolhê-las, neste último caso, incorporando-as à sua
própria meditação. De sorte que embora a fenomenologia e o existencialismo registrem uma
grande presença fora do seu círculo de influência direta, isto é, os países de língua alemã,
perde cada vez mais as características de correntes estruturadas nos diversos países,
tornando-se sobretudo pontos de referência para inquirições autônomas.

6. Neotomismo

Entende-se por neotomismo a revalorização do aristotelismo de Tomás de Aquino,


aberto ao diálogo com as demais correntes da filosofia contemporânea.
Dois equívocos devem ser evitados ao falar de neotomismo: primeiro, não deve se
confundir com neo-escolástica; esta, além dos tomistas, abrange os discípulos de Duns Scotus
e de Francisco Suarez; segundo, o neotomismo não nasceu por decreto, da encíclica Aeterni
Patris de Leão XIII (1879); esta o confirmou, estimulou e abriu-lhe novos horizontes, mas o
neotomismo já tinha nascido espontaneamente. De fato, o movimento neotomista, em sua
primeira fase, pode-se situar entre 1736 e 1879. A partir desta última data (1879),
manifesta-se uma evolução histórica desse movimento, de uma postura ainda de tendência
tradicionalista, marcada pela defesa das teses fundamentais do Aquinate, a uma postura
152

progressista. Esta tendência progressista caracteriza-se pela abertura ao pensamento moderno


e contemporâneo, por uma atitude crítica e ao mesmo tempo, por um constante esforço de
assimilação às teses tomistas das conquistas do pensamento contemporâneo. Essa fase do
neotomismo manifesta-se claramente a partir de 1945.
Para uma análise adequada dessa evolução histórica, remetemos ao estudo de
Fernando Arruda Campos, Tomismo hoje, São Paulo, ed. Loyola, 1989.
A renovação do tomismo manifestou-se em todos os países, onde se estruturaram
centros de estudos, que veiculam suas idéias revistas especializadas. Em Roma, por exemplo,
podemos lembrar os nomes de M. de Maria (m. 1913), V. Remer (m. 1910), P. de Mandato
(m. 1914), na Universidade Gregoriana; no Angelicum (universidade de São Tomás),
‘destaca-se o nome de R. Garrigon-Lagrange (m. 1914). Merecem destaque, também, as
Universidades Lateranense e de propaganda Fide, o Centro de Estudos Filosóficos de
Gallarate e, em particular, a Universidade del Sacro Cuore, de Milan, a quem estão ligados os
nomes de Chiocchetti (m1951), Zamboni (m.1950), Mas novo (m. 1955), Olgiati (1962);
Podovani (1968) e a Revista de Filosofia Neo-escolástica, iniciada por Gemelli, em 1909.
Na Espanha, os centros mais atuantes são dirigidos por dominicanos (Salamanca) e
Jesuítas, e, em Portugal, pelo Grupo de Braga . Na França devem-se mencionar os Institutos
Católicos de Angers, Lyon, Lille, Toulouse e Paris, onde lecionaram A. Sertillages (m. 1948)
e J. Maritain (m. 1972). Na Bélgica, alcançou grande fama o Instituto Superior de Filosofia de
Lovania, fundado por D. Mercier (m. 1926); dignos de serem mencionados são, igualmente, a
Universidade Católica de Nimega, na Holanda, e a de Friburgo na Suíça, além de notáveis
trabalhos desenvolvidos na Alemanha por Baumker (m. 1924), Ehrle (m. 1934) e Grabmam
(m. 1949).
No Canadá, além das Universidades Católicas de Quebec, Montreal e Ottawa,
destaca-se o Instituto de Estudos Medievais, fundado por E. Gilson, em 1929. Entre as
Universidades Católicas dos Estados Unidos, destacam-se a de Washington e, nos países
latino-americanos, as de Chile, Colômbia e Brasil. Sem dúvida, porém, os representantes mais
influentes e renomados do neotomismo são Mercier e Maritain.
A atuação filosófica de Mercier (1851/1926) situa-se entre 1877 e 1914, e mais
intensamente no período de 1882 a 1906, quando professor de filosofia na Universidade de.
Louvaina, onde fundou (1894), organizou e dirigiu o Instituto Superior de Filosofia. A
orientação que Mercier imprimiu à Universidade foi de uma estreita relação entre filosofia
tomista e as ciências, procurando corrigir a fragmentação das especialidades científicas pela
procura da síntese filosófica. Para Mercier, a filosofia é a ciência da universidade das coisas
pelas causas supremas. “Ora – afirma Leonardo Van Acker –, antes de chegar às causas
supremas, é evidente ser preciso passar pelas causas próximas, investigadas nas ciências
particulares. A filosofia forma, assim, um todo com estas últimas, sendo-lhes o complemento
ou desenvolvimento natural. Apropriando-se das conquistas da ciência, a filosofia há de ser
ciência e não apenas prolongamento hipotético e imaginativo do conhecimento científico. O
espírito humano não está regido por duas leis opostas: uma só lei o domina sempre, qualquer
que lhe seja o objeto: observação e análise dos fenômenos; investigação das causas;
explicação daquelas por estas. De modo que entre filosofia e ciências não existe distinção
natural, senão apenas divisão artificial, embora necessária, do trabalho, reclama pela limitação
das nossas forças intelectuais e físicas. Mas, depois de cumprirem em separado a sua missão ,
cientistas e filósofos devem juntar as suas contribuições para o tesouro comum do saber,
aspirando a contemplar todos os resultados da observação e da reflexão numa unidade
153

superior, em que se apagam as transições entre causas imediatas e últimas e se confundem os


limites das ciências e da metafísica.''
Mercier teve que abordar todos os problemas filosóficos que aparecem em sua época
e, entre as várias obras, suas lições foram agrupadas sob o título de Curso de filosofia de
Santo Tomás de Aquino.
Se, por um lado, o Cardeal Desiré Mercier é o sacerdote, descansado na fé, nutrido de
teologia, acolhendo com entusiasmo a ciência profana , Jacques Maritain, por outro lado, é o
leigo, desenganado do saber profano, procurando esteio na fé e inspiração filosófica na
teologia sagrada – de acordo com a opinião de Von Acker – "A filosofia de Mercier é
tentativa otimista de sistematização superior das ciências positivas; a cosmovisão de Maritain
é empresa "desesperada" de justificação e realidade da vida e dos valores humanos. Mercier é
um filosofo científico; Maritain, um humanista cristão".
Vasta é a obra de Maritain, tratando de metafísica, teoria do conhecimento, arte,
educação e problemas político-sociais. É, porém com sua Filosofia Moral (1960) que ele
alcança maior notoriedade.

7. Existencialismo

a) Ser e Tempo, de Martin Heidegger

A obra em epígrafe, de Martin Heidegger, aparecida na Alemanha, em 1927, é


considerada como sendo representativa de uma corrente de filosofia que durante certo tempo,
após a Segunda Guerra, tornou-se muito ruidosa. Tratando-se de uma obra muito hermética, a
circunstância deve ser atribuída ao grande sucesso alcançado pelo chamado existencialismo
francês, neste pós-guerra, transformado num verdadeiro código de comportamento da
juventude que se auto-intitulava rebelde. Embora tivesse desautorizado a interpretação de seu
pensamento por Sartre – que viria a ser o grande corifeu da mencionada vertente da filosofia
existencialista –, Heidegger teve seu nome associado a tal movimento.
Martin Heidegger (1889-1976) nasceu em Messkirch, pequena cidade na zona
chamada de “Serra Negra”, na Alemanha e estudou na Universidade de Friburgo, onde
concluiu o doutorado (1914). Tornou-se professor titular de filosofia na Universidade de
Marburgo (1923) transferindo-se para Friburgo em função equivalente (1928). Em 1933 foi
nomeado reitor dessa última Universidade, em decorrência de suas notórias vinculações com o
Partido Nazista. Ainda sob esse regime deixou a reitoria mas manteve a sua cátedra. Com a
derrota do nazismo e a ocupação aliada, foi afastado da Universidade. Esse afastamento durou
até 1952. Embora autorizado a reassumir as suas funções docentes, dedicou-se a esse mister
de forma intermitente até o falecimento.
Na fase em que conclui a formação acadêmica e dá início à atividade docente, a
filosofia alemã já havia superado a interdição positivista que negava a possibilidade de um
tipo de conhecimento diverso daquele exercido pela ciência. Esse feito seria devido àqueles
que promoveram o retorno à meditação de Kant, por isto mesmo denominados de
neokantianos, tendo a frente Hermann Cohen (1842/1918). No novo clima de liberdade
quanto à investigação filosófica, as preferências encaminham-se na direção do estudo da
cultura (surgimento da corrente posteriormente denominada de culturalista) e da reelaboração
da teoria do conhecimento, com a corrente denominada de fenomenologia. Heidegger
pretende inovar conduzindo a meditação no sentido do homem (do existente singular) mas o
154

faz numa linguagem absolutamente hermética, inventando palavras que sequer conseguiu-se
verter para algum dos conceitos tradicionais e até mesmo dividindo termos clássicos.
A noção de ser ressuscitada por Heidegger remonta a Aristóteles. Este empreendeu
grande esforço sistemático no sentido de impulsionar o exame das questões tendo por meta
alcançar o máximo de generalidade. Assim, por exemplo, no tocante às causas dos eventos,
Aristóteles está interessado em saber o que se pode dizer das causas em geral. O mundo está
povoado de seres. Aristóteles não se detém nessa constatação. Quer saber o que se poderia
dizer do ser em geral. Nesse particular, durante a Idade Média a noção de ser foi aproximada
do Ser Supremo pela filosofia da época (a Escolástica). Com o empenho da Época Moderna
de criticar a filosofia medieval – pela razão de que seus remanescentes católicos recusaram a
ciência moderna – e também de evitar discussões que pudessem desembocar na identificação
com essa ou aquela derivação religiosa – tendo em vista o fim do monopólio da Igreja
Católica e os desdobramentos da Reforma Protestante –, verificou-se grande desinteresse pelo
tema. Desaparece virtualmente a parte da filosofia que se ocupava do assunto (ontologia).
No livro Ser e Tempo, Heidegger não se propõe superar a fase de “esquecimento do
ser” remontando à tradição aristotélica ou escolástica mas promover a reconstrução desse
conceito a partir de uma nova investigação. Deste modo, abandona a ontologia (o ser em
geral) para ocupar-se do que denomina de ôntico (os entes). Parte da categoria de Dasein (que
nunca se conseguiu traduzir direito significando ora existência, ora realidade humana ora “o
estar”) que, de alguma forma, seria uma estrutura genérica mas que não pode ser postulada,
devendo ser reconstruída através de minuciosa análise do ser-aí e do ser-no-mundo. Essa
análise estaria contida no (primeiro) livro em apreço e deveria ser continuada no segundo,
então anunciado, mas que nunca chegou a ser elaborado.
Além das novas formas de apresentar o problema, Heidegger ocupou-se sobretudo de
dividir conceitos consagrados. Assim, ao invés de dizer claramente o que seria existência tece
intermináveis considerações sobre ex-istência. O mesmo no tocante a presença que se torna
pre-sença. Tudo isto fomentou o aparecimento de variadas interpretações. Achando-se em
moda, no início do pós-guerra, o chamado “existencialismo”, sobretudo na França – corrente
que postulava a gratuidade da existência, achando-se francamente associado à tragédia a que
correspondeu a Segunda Guerra, tanto que desapareceu – seus porta-vozes, sobretudo Sartre,
tentaram identificar a filosofia de Heidegger com a espécie de humanismo por eles
preconizada, o que Heidegger recusou franca e ruidosamente.
Ortega y Gasset indicou que “a clareza é a gentileza do filósofo”. Em contrapartida,
alguns filósofos alemães parecem supor que a possibilidade de alcançar notoriedade acha-se
diretamente relacionada à capacidade de expressar o próprio pensamento da forma a mais
hermética possível. No caso particular de Heidegger, em que pese o seu hermetismo, o
empenho de conduzir a investigação no sentido do existente singular estimulou diversos
autores que, a partir de suas indicações, souberam enriquecer o entendimento da pessoa
humana. Graças sobretudo a isto, assegurou a sua presença na filosofia contemporânea, o que
por si só não explica seja considerado autor representativo da cultura universal, que o estudo
das chamadas humanidades busca preservar.

b) Jean-Paul Sartre
Jean-Paul Sartre nasceu em Paris em 1905 e faleceu nessa mesma cidade, aos 75
anos, em 1980. Tornou-se uma das mais poderosas influências nas décadas iniciais do
pós-guerra. Depois de trabalhar como professor do Liceu, de haver estudado em Berlim a obra
155

de Heidegger e de ter sido prisioneiro dos alemães durante a guerra, fundou (1945), em Paris,
Temps Modernes, revista que conseguiu granjear enorme prestígio e reunir intelectuais de
renome. De início, Sartre tentou popularizar a sua interpretação do pensamento de Heidegger,
através de artigos e ensaios mas sobretudo na obra O ser e o nada (1943). Diante da rejeição
do próprio Heidegger, avançou versão autônoma no livro O existencialismo é um humanismo
(1946) e passou a divulgá-la através de obras literárias, em especial peças de teatro. Essa
proposta exauriu-se rapidamente e, em 1960, proclamou que o marxismo era o saber de nosso
tempo, cabendo ao existencialismo um pequeno segmento para investigação (Crítica da razão
dialética). Antes dessa mudança, Sartre iniciara o rompimento com a proposta ontológica
centrada no indivíduo singular pelo projeto de redenção social através da mediação do
proletariado. A inconsistência teórica dessa autêntica boutade seria cabalmente demonstrada
por Maurice Merleau-Ponty (1908-1961) na obra Les aventures de la dialectique (1955).
A capitulação de Sartre diante do marxismo não alterou a posição dos comunistas em
relação a ele. O PCF continuou criticando-o com a dureza de sempre.
Os estudiosos consideram que o verdadeiro feito sartreano consiste em haver
reabilitado o niilismo.
A melhor definição de niilismo seria devida a Friedrich Wilhelm Nietzsche
(1844-1900). Embora a sua obra haja sido dedicada à difusão de uma atitude existencial que
correspondesse àquele entendimento, uma definição clara somente aparece nos fragmentos
reunidos sob a denominação de Der Wille zur Macht – que no Brasil veio a ser traduzida
como Vontade de potência – publicados nas Obras Completas, cuja edição foi iniciada ainda
em vida do autor mas concluída apenas na primeira década do século.
É a seguinte a definição de que se trata: “O niilismo não é somente um conjunto de
considerações sobre o tema tudo é vão; não é somente a crença de que tudo merecer morrer,
mas consiste em colocar a mão na massa, em destruir ... É a atitude dos espíritos fortes e das
vontades fortes, que não podem satisfazer-se apenas com o juízo negativo: a negação ativa
corresponde melhor à sua natureza profunda”.
Diversas circunstâncias acabaram por permitir a ampla difusão do niilismo na
Alemanha. O Super-Homem nietzscheano foi cantado em prosa e verso, levando à adesão
maciça dos alemães ao projeto que levou à Primeira Guerra Mundial. A derrota fez nascer um
profundo ressentimento que conduziu ao totalitarismo nazista, cuja virulência chocou a
opinião pública européia. À derrota militar de Hitler deveria ter correspondido a derrota do
niilismo no plano cultural, o que não ocorreu, entre outras coisas, pela difusão que veio a
merecer na França, graças sobretudo a Sartre.
Assim, as novas gerações foram levadas a esquecer o desastre a que conduziu a
Alemanha. Essa reabilitação teve um plano teórico de difícil compreensão por haver
consistido no acréscimo de certas noções, muito herméticas, ao conceito de dasein (existente
singular) de Heidegger, que traduziu como ser-em-si. Mas foi amplamente difundido através
de peças teatrais, muito bem sucedidas no seio da juventude.
Como em Heidegger, o existente singular teria uma estrutura sustentadora. Em Sartre
seria o ser-em-si. Este carece entretanto de todo relacionamento e o nosso acesso limita-se ao
ser-para-si (espécie de equivalente ao ser-no-mundo heideggeriano). A estrutura fundamental
será descoberta pelo exame do ser-para-o-outro, isto é, do existente singular voltado seja para
as coisas seja para os outros existentes singulares. No referido exame revela-se a estrutura
essencial e fundamental do ser-para-si. Trata-se do fato de sua necessária liberdade.
Sucessivamente o ser-para-si será reduzido ao seu próprio projeto que terminará
156

inevitavelmente no fracasso. Como Deus, o homem está igualmente só em sua angústia. Deve
exercitar a sua liberdade sem qualquer ponto de referência. Essa gratuidade do projeto
humano torna-se mais clara nas peças de teatro, como As moscas ou O diabo e o bom Deus.
Sartre declara expressamente que sua ontologia não pode dar lugar a prescrições
morais. Mais do que isso, cuida de relativizar a noção de mal.
A melhor avaliação da consistência teórica da ontologia sartreana seria devida a
Nicola Abbagnano na obra História da Filosofia.(1)
No entendimento de Abbagnano, a conclusão fundamental da ontologia de Sartre
poderia ser resumida deste modo: equivalência de todas as atitudes humanas posto que
nascem de uma eleição absolutamente livre. Prossegue afirmando que a tese de que a eleição é
absolutamente livre significa: 1º) que não se subordina a qualquer norma, intrínseca ou
pressuposta: 2º) que todo valor nasce só dela (da eleição) e por ela, valendo apenas nos limites
do projeto concreto que dela surge; e, 3º) que a eleição é responsável do mundo, neste não
havendo portanto situações desumanas, situações que possa considerar estranhas a mim,
homem, que as elegi.
Na visão de Abbagnano, por seu caráter incondicional, a eleição de Sartre recorda a
postura dos filósofos românticos dos começos do século XIX, padecendo dos mesmos
defeitos, isto é, a suposição de que a eleição e a liberdade seriam infinitas e infinitamente
criadoras. O próprio Sartre o torna explícito ao dizer que o projeto fundamental do homem é
ser Deus.
É certo que supõe ser o homem um ser fracassado – acrescenta, prosseguindo do
modo adiante resumido. É difícil compreender, não obstante, a possibilidade do fracasso na
filosofia de Sartre. Os pressupostos românticos introduzem o seguinte dilema: ou minha
eleição é absolutamente livre e o mundo tal qual o projetei, ou então sou responsável e não
existe fracasso; ou o fracasso acompanha todas as minhas eleições e ao próprio projeto
fundamental e então não sou responsável.
Concluindo Abbagnano escreve que Sartre pretendeu, de acordo com a tradição
filosófica francesa, afirmar a liberdade contra a negativa de sua possibilidade efetivada por
Heidegger. Mas não se deu conta de que a liberdade absoluta coincide com a necessidade.
Dizer que o mundo é, em todos os casos, tal qual o elegi, significa dizer: 1º) que todas as
eleições são equivalentes; 2º) que a eleição é o fato de eleger; 3º) que todos os fatos se
justificam como eleições e, finalmente, 4º) que é impossível escolher entre os fatos. A eleição
absoluta equivale à impossibilidade de escolher. E a impossibilidade não é liberdade.
Como se evidencia da brilhante análise de Abbagnano, do ponto de vista teórico a
ontologia sartreana, restauradora do niilismo, carece de qualquer consistência. Entretanto, teve
sucesso retumbante entre a juventude que, com a rebelião de 1968, tentou a negação absoluta
da realidade, para reconstituí-la a partir do nada. Como em Nietzsche, o niilismo, por sua
própria natureza, leva à destruição efetiva, factual e não apenas no plano do pensamento.
Como pôde ocorrer uma tal enormidade exige que se tenha presente a fragilidade revelada
pelas instituições do sistema representativo, na França do pós-guerra, bem como a
instabilidade política reinante.
É duvidoso que a tentativa de recompor o niilismo, na França, se haja traduzido em
alguma forma de enriquecimento da filosofia francesa. Progressivamente abandonados em seu
país de origem, os autores que fomentaram tal atitude parecem haver encontrado solo fértil
nos Estados Unidos. De todos os modos, permanece o desafio que Albert Camus (1913-1960)
157

endereçou a Sartre e Malraux em fins de 1956: “que tal se nós, que vimos todos do
nietzscheanismo, do niilismo e do realismo histórico, que tal se anunciássemos publicamente
que estávamos enganados; que existem valores morais e que daqui para a frente faremos o que
for necessário para os estabelecer e ilustrar?”(1)

7. A filosofia analítica (inglesa) e seus desdobramentos

a) A radicalização efetivada por Ayer

Sobretudo em decorrência do desenvolvimento experimentado pela ciência – ao


frustrar a expectativa dos evolucionistas de que se marchava na direção de uma verdadeira
simbiose entre filosofia e ciência – o tradicional empirismo inglês vê-se constrangido a
adquirir uma certa "especialização". Agora não mais terá por objeto o conhecimento em geral,
mas o conhecimento científico em particular. O nome de gnoseologia será substituído pelo de
epistemologia.
Nesse processo, talvez em conseqüência do simultâneo – e também tradicional –
vezo anti-metafísico, a filosofia inglesa acabaria manietada em suas preocupações de índole
moral, circunscrevendo a sua análise àquelas proposições cujo significado pudesse ater-se ao
tipo de universalidade postulada pela ciência. Desse modo, não seguiu integralmente a lição
de Hume, cujo empirismo não o impediu de descobrir um princípio importantíssimo no
cumprimento da lei moral pelo comum dos mortais, o princípio de simpatia, que produziu
uma obra de fôlego como The Theory of Moral Sentiments (1759), de Adam Smith. Em vão,
Alfred Sidgwick (1850/1943) procurou mostrar a inadequação da tese de que a filosofia deve
ficar adstrita ao raciocínio lógico formal. Assim, o empirismo inglês no século XX iria
diferenciar-se de seu irmão siamês norte-americano, na medida em que este, ao criar o
pragmatismo, manteve o interesse pelo conjunto das manifestações do espírito, notadamente a
moral e a religião.
O desfecho em causa pode ser atribuído aos vínculos com o Círculo de Viena de
onde provém o prestígio alcançado por Wittgenstein, apesar de que tangencia abertamente a
tradição inglesa, como procuraremos demonstrar em Adendo ao fim do capítulo, mas
igualmente ao direcionamento proporcionado por Alfred Ayer (1910/1989), sobretudo com a
sua obra Language, Truth and Logic, publicada em 1936. Entre 1946 e 1959, Ayer ensinou na
Universidade de Londres, transferindo-se em 1960 para a Universidade de Oxford. O
neopositivismo ou positivismo lógico, em grande parte do século, acabou associado ao seu
nome.
Ayer estabeleceu uma rígida distinção entre enunciados lógicos e enunciados
empíricos. Na consideração destes, recusa qualquer análise interior, reduzindo-os aos
fenômenos de que dão conta. Por este meio, quer aproximar toda a meditação precedente
sobre a percepção ao conceito de enunciado protocolar, isto é, ao resultado da observação
produzida em laboratório. Quanto aos enunciados lógicos, são tautológicos, isto é, dedutíveis.
Em ambas os casas, precisam ser formulados com todo o rigor, a ponto de permitir a adoção
do chamado cálculo proposicional. E, assim, o grosso das afirmações humanas perdem o
sentido.
A proposta de Ayer completa-se pelo princípio da verificabilidade. As proposições
não passíveis de verificação não merecem ser consideradas.
158

O neopositivismo ou positivismo lógico, assim considerado teve amplo sucesso em


grande parte deste pós-guerra. O fenômeno, entre outras coisas, é atribuído à circunstância de
que muitos dos integrantes do Círculo de Viena emigraram para os Estados Unidos, em
conseqüência do nazismo e da própria conflagração, ocupando cátedras importantes naquele
país. De tudo isto resultou um notável amesquinhamento da filosofia. Conhecido líder político
norte-americano expressou essa circunstância dizendo que, durante a formação das pessoas de
sua geração, nos anos vinte, trinta e quarenta, qualquer um podia citar o nome de importantes
filósofos americanos J)ames, Dewey, Hook e tantos outros), prerrogativa de que não mais
dispunham as gerações das décadas iniciais do pós-guerra.
Como não poderia deixar de ser, semelhante radicalismo teria que provocar
inevitavelmente natural reação. Esta começou nos Estados Unidos, ainda nos anos oitenta, e
fez desde então uma trajetória de êxitos. Seu principal resultado parece ser a formação da
corrente filosófica denominada neopragmatismo. Um de seus mais destacados representantes,
Hilary Putman, chegou a afirmar: "A filosofia analítica realizou grandes coisas, mas todas elas
negativas." No 88° Congresso da American Philosophical Association (dezembro, 1991,)
registrou-se a completa perda de influência do positivismo lógico nas universidades
americanas.
Na própria Inglaterra, o radicalismo de Ayer acabou por não se sustentar. Ele mesmo
procuraria reformular o princípio da verificabilidade, atribuindo-lhe um "sentido débil", isto é,
mais flexível no livro The Central Questions of Philosophy (1974), cuja tradução brasileira
seria editada pela Zahar (Rio de Janeiro, 1975). Contudo, a abertura de novas perspectivas à
filosofia inglesa, mantida a fidelidade ao espírito anti-metafísico e à valorização da
experiência, seria proporcionada por Karl Popper.

b) O retorno ao espírito tradicional na obra de Karl Popper

Karl Popper (1902/1994) nasceu em Viena e estudou na Universidade e no Instituto


Pedagógico da capital austríaca. Doutorou-se em 1928 com uma tese versando o método da
psicologia. Desde essa época, jovem ainda, embora comungando do espírito anti-metafísico
dos círculos científicos e valorizando o empirismo, opunha-se ao projeto que veio a assumir o
Círculo de Viena. Partindo, como vimos, de um problema real, a falta de uniformidade na
conceituação de categorias básicas, entre os próprios cientistas, chegara a um projeto de
unificação de toda a linguagem, de nítida inspiração matemática, que esvaziava
completamente a inquirição filosófica a pretexto de que lhe faltava "significado". Popper
dava-se conta da impropriedade dessa busca e, sobretudo, de sua incapacidade de estabelecer
uma nítida distinção entre ciência e metafísica. De todos os modos, a solução do problema
ainda não amadurecera integralmente em sua mente. Os acontecimentos políticos da Europa
dos anos trinta acabariam empurrando-o para a emigração. Fixou-se na Nova Zelândia entre
1937 e 1945, passando a viver na Inglaterra desde essa época, integrado à London School of
Economics. Tendo completado 92 anos, acabaria residindo mais da metade de sua vida na
pátria por adoção que para ele se tornaria a ilha britânica.
As noções fundamentais da doutrina alternativa às propostas do Círculo de Viena –
popularizadas na Inglaterra por Ayer e simbolizadas em sua pureza por Wittgenstein seriam
formuladas em estudos específicos ao longo dos três lustros subseqüentes ao pós-guerra, se
bem que na década de trinta já tivesse apresentado a maneira correta de entender-se o método
científico no livro A lógica da investigação científica. Contudo, somente viriam a constituir
um todo coerente na obra de 1963 a que deu o sugestivo título de Conjecturas e Refutações.
159

Ainda que as universidades tradicionais, sobretudo Oxford, estivessem engajadas no


positivismo lógico, cada vez mais reduzido à análise da linguagem, a doutrina de Popper
estava destinada a expressar de forma mais adequada o autêntico espírito do tradicional
empirismo inglês e, por isto mesmo, a alcançar o mais amplo sucesso tanto na Inglaterra como
nos principais países ocidentais. A parcela fundamental de sua obra dedicada à filosofia da
ciência seria traduzida ao português por Leônidas Hegenberg. Conjecturas e refutações foi
publicado pela Editora da Universidade de Brasília.
Popper começa por refutar que os princípios fundamentais da busca da validade do
conhecimento sejam a verificabilidade e a busca do significado. Demonstra cabalmente como
é fácil obter confirmações ou verificações para quase toda teoria, "desde que as busquemos",
acrescenta. A busca do significado encaminha a pesquisa na direção errada.
A verdadeira teoria científica deve demarcar com precisão seus limites de
aplicabilidade, a fim de que possa ser refutada. Teoria irrefutável não é teoria científica.
As observações podem contribuir no sentido de refutar hipóteses errôneas. Contudo,
as teorias científicas não se apóiam na indução, como se acreditava.
Popper mobilizou muitos argumentos contra a indução como método para o
estabelecimento de verdades científicas. O mais expressivo encontra-se em Lógica da
investigação científica (1935) e acha-se expresso nestes termos: "De um ponto de vista lógico,
dista muito de ser óbvio que estejamos justificados ao inferir enunciados universais, partindo
de enunciados singulares, por mais elevado que seja o seu número; pois toda conclusão a que
cheguemos deste modo corre sempre o risco de resultar um dia falsa; assim; qualquer que seja
o número de exemplares de cisnes brancos que haja observado, não está justificada a
conclusão de que todos os cisnes sejam brancos".
O caminho da formulação da hipótese científica está indicado desde modo: "Todo
enunciado descritivo emprega nomes (ou símbolos ou idéias) universais e tem o caráter de
uma teoria, de uma hipótese. Não é possível verificar o enunciado 'aqui existe um copo de
água' por nenhuma experiência com caráter de observação, pela mesma razão de que os
universais que ali aparecem não podem ser subordinados a nenhuma experiência sensível
concreta (toda 'experiência imediata' está 'dada imediatamente' de uma só vez; é única); com a
palavra 'copo', por exemplo, designamos os corpos físicos que apresentam certo
comportamento legal, o mesmo acorrendo com a palavra 'água'. Os universais não podem ser
reduzidos a classes de experiências, não podem ser constituídos". E mais: "Uma vez
apresentada a título provisório uma nova idéia, ainda não justificada - seja uma antecipação,
uma hipótese, um sistema teórico ou o que se queira dela são extraídas conclusões por meio
de uma dedução lógica".
Finalmente, não existem teorias científicas irrefutáveis.
Até a teoria científica melhor estabelecida, como a teoria da gravidade de Newton ou
a teoria da luz de Fresnel, podem ser modificadas ou corrigidas, como demonstrou Einstein.
Em conseqüência, até a teoria científica melhor estabelecida continua sempre sendo uma
hipótese, uma conjectura.
E, assim, Popper derrotou o radicalismo e as simplificações que na verdade
tangenciavam inteiramente o sentido do tradicional empirismo inglês. Além de sua obra como
filósofo da ciência, Popper popularizou o conceito de "sociedade aberta" como sendo a grande
criação da humanidade concretizada no Ocidente e mostrou a inconsistência teórica de
reforma social preconizada por Marx. Indicou também que a importância do estudo do mundo
160

da cultura. E assim, a tradicional filosofia inglesa reconquista o valor heurístico que revelou
ao longo de mais de três séculos.

c) A que tradição filosófica acha-se relacionada a obra de Wittgenstein

Ludwig Wittgenstein nasceu em Viena em 1889 e estudou engenharia em Berlim,


seguindo para a Inglaterra com o propósito de continuar tais estudos. Decidiu-se entretanto
pela matemática, passando a concentrar-se nessa disciplina na época imediatamente anterior à
Primeira Guerra. Com a eclosão desta, foi soldado do exército austríaco, acabando como
prisioneiro. Finda a conflagração, renunciou à sua fortuna pessoal e tornou-se professor do
ensino secundário. No fim década de vinte, fixou-se em Cambridge, como docente. Em 1939,
assumiu uma cátedra, à qual também renunciou. Faleceu em 1951, logo após completar 62
anos.
A obra Wittgenstein não se acha diretamente relacionada à problemática da filosofia
das ciências, na primeira metade do século, mas às questões decorrentes do desenvolvimento e
do empenho de formalização da matemática.
Quando se deu o aparecimento da física moderna, com a obra de Isaac Newton
(1632/1727), a filosofia escolástica, que era dominante e exclusiva, entrou em crise, devido ao
fato de que se apoiava no aristotelismo. A física aristotélica era qualitativa, enquanto a nova
formulou-se de modo a permitir a medida. A seguinte consideração do estudioso inglês da
filosofia da ciência esclarece plenamente o assunto: "A lei da inércia, base da nova física, foi
parcialmente estabelecida por Galileu, mas é justo continuar chamando-a de primeira lei
newtoniana do movimento. A lei afirma que todo corpo permanece em seu estado de repouso
ou de movimento uniforme retilíneo, a menos que atue sobre ele alguma força. A fórmula se
não há força atuando não há movimento é substituída pela fórmula se não há força atuando
não há mudança de movimento. A palavra acrescida constitui uma novidade radical.
Aristóteles, com efeito, definia a força como a causa do movimento; Newton define-a como a
causa das mudanças de movimento".(1)
Por motivos estritamente religiosos, a Escolástica recusou a nova física, ensejando
que fosse tentada a elaboração de uma nova filosofia. Nessa investigação, primeiro supôs-se
que não haveria mais razão para outra "filosofia" que não a de Newton (sua obra fundamental
chamou-se Princípios matemáticos da filosofia da natureza). Mas em seguida foram fixadas as
imprescindíveis distinções entre filosofia e ciência, firmando-se o entendimento de que
inclusive haveria uma filosofia das ciências. O conteúdo desta (basicamente uma teoria do
conhecimento) foi estabelecido ao longo dos séculos XVIII e XIX, chegando-se a uma certa
acomodação.
Entretanto, com o aparecimento da teoria da relatividade, da investigação do interior
do núcleo atômico (até então supunha-se que o átomo seria indivisível) e o reconhecimento de
que a física newtoniana não se aplicava universalmente, fala-se cada vez mais em "crise da
física", porquanto não havia acordo sobre a melhor definição de conceitos básicos como
espaço, massa, .energia; etc.: (A título de exemplo: quando da passagem de Einstein pelo Rio
de Janeiro, em 1925; o catedrático de Mecânica Racional da Escola Politécnica do Rio de
Janeiro, brindou-o com um artigo intitulado A relatividade imaginária, isto é, contrariando
frontalmente a física clássica, não era aceita em muitos círculos científicos). Das discussões
então verificadas, chegou-se à constituição, como indicamos em fins da década de vinte, do
161

denominado Círculo de Viena, integrado por cientistas e filósofos, com o propósito de sanar
as divergências. Como tivemos igualmente oportunidade de demonstrar, alcançou-se mais
tarde o estabelecimento das linhas básicas de uma nova filosofia das ciências, que reconhece
não serem aquelas indutivas, como se pensava, mas lógico-dedutivas, introduzindo-se a idéia
de que suas teses valem somente enquanto não refutadas; tem caráter probalístico, ao invés de
determinístico, etc. Para o adequado equacionamento de todas essas novas teses, contribui
decisivamente Karl Popper (1902/1994), sendo de sua autoria a obra fundamental da
contemporânea filosofia das ciências: Conjecturas e refutações. O desenvolvimento do
conhecimento científico (1963).
A obra de Wittgenstein não está vinculada aos temas antes enumerados, mas ao
programa que estabeleceu Gottlob Frege (1848/1925), professor de matemática na
Universidade de Iena (Alemanha). Frege acreditava que a dificuldade de fundamentar certos
postulados matemáticos – criando o paradoxo de que fornecendo a base para a fundamentação
das ciências não conseguia fundamentar-se a si mesma seria superada, se fosse reduzida a
fórmulas lógicas (com o emprego de letras, ao invés de números). Assim, imaginou que todas
as proposições precisariam ser reduzidas a uns quantos modelos, podendo mesmo
introduzir-se o que chamou de cálculo proposicional. Ao contrário do que pretendia Frege, a
formalização sugerida não eliminou os paradoxos. Ao invés disto, estabeleceram-se inúmeros,
entre estes o mais o mais grave desde que consistia em afirmar que (logicamente) não era
possível provar a verdade ou a falsidade de proposições de determinado tipo. Os próprios
matemáticos colecionaram exemplos de variada espécie de paradoxos.
O Tractatus Lógico Philosophicus (1921), de Wittgenstein, está elaborado em forma
de proposições numeradas, supostamente encadeadas de modo rigoroso. Assim, a proposição
2.01 desdobrar-se-á em cinco outras sucessivamente numeradas até 2.01231. A tese geral está
formulada nestes termos: "o que se pode em geral dizer, pode-se dizer claramente; e sobre
aquilo que não se pode falar, deve-se calar". Além disto, supõe que o livro trate de "problemas
filosóficos".
"Dizer claramente" para o autor .significa ser passível de formalização com validade
científica. Nesse passo, identifica filosofia e ciência. Acontece que este tipo de identificação é
improcedente, além de que não há um único modelo de ciência, variando segundo seja a
natureza dos fatos de que deve dar conta. A ciência ocupa-se de relações entre fatos, havendo
uma distinção que Wittgenstein procura ignorar, entre fatos naturais, fatos ideais e fatos
culturais, cada um dos quais requer procedimentos de investigações de diversa índole.
Se estivesse de fato inserido na problemática da filosofia da ciência, como se dava
por exemplo com Max Weber, jamais poderia fazer caso omisso da discussão acerca da
possibilidade e das características das ciências sociais, notadamente tomando conhecimento
do conceito weberiano de neutralidade axiológica, isto é, que não podem ser objeto de
conhecimento científico, as avaliações valorativas. Justamente acerca destas é que
Wittgenstein afirma que a ciência deve calar-se. Se estivesse de fato lidando com filosofia da
ciência, sua afirmativa seria simplesmente arrolada como pueril. Assim, as proposições de
número 6.4 partem do pressuposto de que no mundo não há valor. donde esta inferência:
"6.42. É por isso que tampouco, pode haver proposições na ética”. Teria que especificar:
proposições de caráter científico. Mas arbitrário é que misture valores éticos e questões
religiosas, arrolando-as na rubrica mística.
O livro de Wittgenstein não parece ter contribuído para o avanço da pretendida
formalização dos enunciados matemáticos e os próprios matemáticos, talvez por entender que
se tratava mesmo de "obra filosófica", dele não tomaram conhecimento. Em Cambridge,
162

alguns seguidores procuraram tornar menos hermética – e também mais limitada – a sua
identificação entre filosofia e ciência. A filosofia da ciência propriamente dita continuou
entretanto ocupando-se dos temas herdados do Círculo de Viena e de Karl Popper. Como
muitos desses autores, em decorrência da guerra, radicaram-se nos Estados Unidos, acabaram
de certa forma isolados naquele país, cuja tradição empirista distinguia-se notadamente da
inglesa, porquanto interessada em compreender tanto a experiência moral como a religiosa,
,que a teoria clássica do conhecimento havia retirado do seu horizonte. A nova geração que os
substituiu nas cátedras que haviam conquistado estão regressando à tradição (a filosofia
americana chamou-se pragmatismo e agora quer ser conhecida como neopragmatismo).
Wittgenstein era uma pessoa problemática e, apesar de muito inteligente, revelou-se
incapaz de manifestar um mínimo de disciplina em sua elaboração teórica. O Tractatus
corresponde às anotações que tomou durante a primeira guerra – esse conjunto de sentenças
mal chega a oitenta páginas impressas – e nunca as revisou devidamente nem procurou
atender às objeções. Ao invés disto, deixou outras quantas notas, no mesmo estilo, procurando
quebrar o monólito que estabelecera, em relação às proposições (a rigor matemáticas),
distinguindo-as pelos seus usos, provavelmente elaboradas numa fase em que viveu como
nômade, peregrinando por vários países entre 1947 e o ano da morte (1951). Essas notas
foram publicadas postumamente em 1953. O autor não correlacionou o que chama de usos
com as chamadas esferas de objeto, o que teria permitido inserir sua nova meditação nalguma
das tradições filosóficas. Mas, por uso, entende este tipo de pergunta: 1) que é x ou qual é a
essência de x (que seria uma "pergunta metafísica"); 2) que significa o termo x ("pergunta
analítica" querendo com isto significar o tipo de análise conceitual que se praticava na
filosofia inglesa) e, finalmente: 3) quais são os usos do termo x ("pergunta pragmática").
Enfim, tratou-se de uma investigação de índole semântica que viria a ser uma espécie de
gramática sofisticada. Mas tudo isto no plano formal, dizendo respeito à forma de expressão e
não diretamente aos conteúdos, que seria a maneira de fazer com que semelhante investigação
se revestisse de índole científica ou filosófica, conforme o caso. De sorte que, em que pese os
seus seguidores, em Cambridge, tenham-se empenhado em verter para a filosofia as
considerações do autor, não parece que tal empenho tenha alterado os rumos seguidos pela
filosofia das ciências, cujo centro na Inglaterra, desde Popper, passou a ser a London School of
Economics.