Você está na página 1de 23

Governo do Estado do Pará Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos

PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES

Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos

SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos Pará: Terra de
SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos Pará: Terra de
SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos Pará: Terra de

Pará: Terra de Direitos

1

Apresentação

A Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos – SEJUDH, órgão da administração direta do Poder Executivo do Estado do Pará, tem por missão institucional promover o pleno exercício da cidadania, a defesa dos direitos humanos e do irrestrito acesso à justiça, assim como a reparação pelos respectivos danos causados à pessoa humana, em conformidade ao Programa Nacional de Direitos Humanos, de respeito à vida, justiça, liberdade, igualdade, educação, saúde e assistência social, trabalho, moradia, meio ambiente saudável, cultura e lazer, conscientização, mobilização e inserção em programas de proteção e geração de renda e autonomia econômica e social.

Dessa forma, enquanto Órgão Estadual responsável pela Defesa e Promoção da Cidadania e dos Direitos Humanos, através de sua Diretoria de Direitos Humanos, tem como um dos eixos de ação intersetorial o Programa de enfrentamento da violência sexual infanto- juvenil, o qual visa fortalecer e articular a rede de enfrentamento à exploração sexual e tráfico de pessoas dentro do Estado do Pará.

Como resposta a esse quadro social preocupante, no dia 18 de maio de 2007 no município de Santarém – PA representantes do Governo Federal, Governo do Estado do Pará, Gestores dos municípios que integram a BR-163, assinaram o Pacto de Santarém, o qual prevê ações integradas das três esferas de governo contra a exploração sexual às margens daquela rodovia, com medidas de enfrentamento permanentes deste problema social naquela região.

Dentre suas ações, antecipando-se a possíveis impactos decorrentes dos investimentos de pavimentação da rodovia, em particular, na realidade da população infanto- juvenil moradora da região, objetivando combater as graves violações aos Direitos Humanos, especificamente a violência sexual contra crianças e adolescentes, o Governo do Estado do Pará percebeu a urgência em estender para o todos os 143 municípios ações de enfrentamento a este tipo de violência. Apresentando assim, o Protocolo de Compromissos do Estado do Pará no Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes, subscrito por gestores públicos que integrarão o Comitê Intersetorial 1 para elaboração do Plano Estadual de Enfrentamento da violência sexual contra Crianças e Adolescentes, sendo coordenado pela Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos na implantação do Plano com ações prioritárias de prevenção e combate ao abuso e exploração sexual infanto- juvenil.

A partir do mês de junho deste ano, iniciaram as reuniões com o Comitê Intersetorial no qual foi decidido que seu caráter seria deliberativo, baseado no Plano Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual Infanto-Juvenil, para construção do Plano Estadual para a construção das ações conforme os seis eixos nacionais de combate à violência sexual contra crianças e adolescentes, levando em consideração a análise do primeiro plano construído anteriormente como eixo norteador. Como instrumento de trabalho, foi realizado um seminário no mês de setembro do corrente ano para construção das ações por cada eixo com participação de entidades governamentais e não governamentais no qual foi possível diagnosticar o perfil das atividades realizadas por cada entidade.

1 Órgãos que compõem o Comitê Intersetorial: Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos, Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social, Secretaria de Estado de Saúde Pública, Secretaria de Estado de Segurança Pública, Secretaria de Estado de Educação, Secretaria do Estado de Transportes, Agência de Regulação e Controle de Serviços Públicos no Estado do Pará, Polícia Militar do Pará, Polícia Civil do Estado do Pará, Companhia Paraense de Turismo, Centro de Perícias Científicas "Renato Chaves", Corpo de Bombeiros Militar, Fundação da Criança e do Adolescente do Pará, Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, Defensoria Pública, Departamento de Trânsito do Estado do Pará, Tribunal de Justiça do Estado, Ministério Público do Estado do Pará, Sociedade Paraense de Pediatria, Conselho Regional de Serviço Social e Conselho Regional de Psicologia.

2

A partir deste momento, o Comitê Intersetorial teve como agenda de trabalho reuniões semanais para a revisão do material construído durante o seminário e construção de novas ações com todas as secretarias de governo e entidades da sociedade civil.

3

SUMÁRIO

1)

Apresentação

02

2)

Prefácio

03

3)

Contextualização

05

4)

Diretrizes

06

5)

Eixos:

6)

Análise da Situação

07

7)

Mobilização e articulação

8)

Defesa e Responsabilização

9)

Atendimento

10) Prevenção

11) Protagonismo juvenil

12) Anexos

4

Objetivos

Geral:

Estabelecer ações articuladas que permitam intervenções técnica, política e financeiras na efetivação de políticas públicas de enfrentamento à violência sexual contra crianças e adolescentes no Estado do Pará.

Específicos

-Realizar pesquisa científica para compreender , analisar, subsidiar, monitorar e qualificar a execução das ações de enfrentamento.

-Garantir o atendimento especializado a crianças e adolescentes em situação de violência sexual.

-Promover ações de prevenção, articulação e mobilização em torno da violência sexual.

-Fortalecer os sistemas de defesa e de responsabilização.

-Propiciar e fortalecer o protagonismo juvenil enquanto agentes multiplicadores de direitos sexuais como direitos humanos.

5

Contextualização:

A exploração sexual comercial é uma grave violência, e consiste numa forma de opressão do trabalho infantil provocando nestes seres humanos irreparáveis danos em sua saúde física e mental, além da gravidez precoce e o risco de adquirirem doenças sexualmente transmissíveis e diversos traumas psicológicos. Este tipo de violência tem sido difícil de enfrentar por estar inserida em um contexto histórico social marcado por preconceitos e estigmas em relação à sexualidade infanto-juvenil. Esta discussão vem sendo pautada em todos os debates nacionais e internacionais, inclusive na Organização Internacional do Trabalho, a qual trata este crime como uma das piores formas de exploração do trabalho. De forma geral, tal situação envolve uma relação de poder desigual, ou seja, redes de exploração com alto poder econômico contrastando com populações de baixa ou de baixíssima renda, legitimando ao longo dos anos, violências entre gerações, submetendo crianças e adolescentes a uma condição, ainda que temporária, de opressão e dominação hierárquica. No ano de 2006 foram registrados mais de mil casos de violência sexual pelo serviço Propaz Integrado, o que demonstra uma realidade alarmante e uma demanda de atendimento que muitas vezes não é oferecida em todos os municípios do Pará. Negando assim, os direitos humanos de crianças e adolescentes e o acesso mínimo a serviços especializados de atendimento nos casos de violência sexual. Os dados levantados pela Polícia Rodoviária Federal divulgada no mês de maio de 2007 apontam que nas estradas paraenses existem um total de 135 pontos de exploração sexual de crianças e adolescentes, os quais são considerados vulneráveis à ocorrência de casos de exploração sexual infanto-juvenil. A exploração sexual comercial de crianças e adolescentes nas rodovias é um problema complexo. É impossível pensar em crescimento econômico sustentável sem levar em consideração à temática das desigualdades sociais e do respeito aos direitos humanos. Dentre os desafios desta década está o investimento em políticas públicas que compreendam melhorar os indicadores deste fenômeno. Portanto, foi necessário avançar nas estratégias de enfrentamento da exploração sexual contra crianças e adolescentes estabelecendo metodologias amplas e sistemáticas de articulação e mobilização pela criação de políticas públicas efetivas e conseqüentes na promoção de direitos sociais, sobretudo voltado às famílias em situação de vulnerabilidade social e que se encontram a mercê das mais diversas formas de violações dos direitos humanos presentes na problemática social que é a violência sexual, muitas vezes velada, sofrida por crianças e adolescentes. A elaboração de um Plano Estadual para o enfrentamento para enfrentar esta violência iniciou-se há quatro anos com uma primeira proposta pelas organizações da sociedade civil que acumularam experiência durante anos no enfrentamento desta problemática em parceria com as secretarias de Secretaria de Desenvolvimento Social e a Secretaria de Educação. No ano de 2007 esta discussão foi retomada principalmente pela urgência de concretizar o Plano Estadual através da Secretaria de Justiça e Direitos que apresenta este presente documento que se constitui no resultado de articulação e esforços de um Comitê Intersetorial e grupos de trabalhos divididos por eixos conforme o Plano Nacional na busca de firmar uma política de repulsa a exploração sexual e tráfico de seres humanos. A realização destas ações planificadas significa construir uma forma participativa de enfrentamento não só a violência sexual e a responsabilização dos agressores e violadores , mas principalmente, sobre a cultura do silencio que provoca uma “naturalização” de um processo que deve ser denunciador destas violações sendo elemento indispensável para toda e qualquer estratégia de intervenção.

6

7

Diretrizes

Plano Estadual estruturante da política pública tem a finalidade de prevenir, reduzir, combater a impunidade, restaurar direitos e dignidade de pessoas envolvidas em situações de violência, promovendo a inclusão social de crianças e adolescentes vitimizadas. O Plano Estadual deverá estruturar ações que produzam impacto direto no desenvolvimento bio-psico-social e cultural de crianças e adolescentes, de modo a propiciar o desenvolvimento de sua sexualidade livres de abuso e violência e de forma segura e protegida. São esses componentes que vão se opor á violência sexual como construções históricas sociais capazes de alcançar relações sociais civilizadas, baseadas no respeito aos direitos da pessoa humana.

As ações estruturantes fundamentais, intersetoriais e interelacionadas são:

-Criação dos fluxos para o enfrentamento as situações de abuso sexual e exploração sexual comercial de forma diferenciada;

- Criação do Sistema de Justiça Criminal Especializado para os casos de violência sexual contra criança e adolescente;

- Organização e empoderamento das redes de promoção de direitos, cidadania e reparação de danos;

- Criação de mecanismos e estratégias para regionalização e municipalização das ações do Plano Estadual;

- Capacitação para os operadores de direitos e das redes de proteção;

- Estabelecimento dos custos e identificação das fontes de financiamento do Plano Nacional;

- Campanhas de mobilização social e ações educativas e preventivas;

- Disponibilização de canais de denúncia das violências e sua ampla divulgação para a população;

- Criação de parâmetros de resolubilidade na execução das ações;

-Criação de sistemas de informação, monitoramento, avaliação de controle das ações para elaboração de estudos analíticos quantitativos e qualitativos;

O Plano Nacional estabelece um conjunto de diretrizes que permite a intervenção técnica-política e financeira para o enfrentamento do abuso e da exploração sexual respaldando-se em 06 eixos estratégicos. Seguindo estas diretrizes, o Plano Estadual foi construído conforme quadro operativo abaixo.

8

1) ANÁLISE DA SITUAÇÃO: Conhecer o fenômeno da violência sexual contra crianças e adolescentes em todo o país; o diagnóstico da situação do enfrentamento da problemática; as condições e garantia de financiamento do Plano; o monitoramento e avaliação do Plano e a divulgação e informações de todos os dados à sociedade civil brasileira.

ANÁLISE DA SITUAÇÃO

PROJETO /

REGIÕES

RESPONSÁVEIS

PARCEIROS

SITUAÇÃO

PROVIDÊNCIAS

PRAZOS

AÇÃO

MUNICÍPIOS

Criar Banco de dados Estadual Unificado

12

Pólos do

SEDES/SEJUDH/CEDCA

Secretarias Estaduais, Municípios, Ong’s (MRE/CEDECA/JEPIARA, SODIREITOS), ETC.

A ser criado precisando definir as responsabilidade e custos.

- Captação de Recursos - Criação de Grupo de Trabalho para sistematização dos Dados e criação de indicadores sociais

2008

Estado e demais municípios

Garantir a alimentação do banco de dados através do monitoramento da coleta de dados

12

Pólos do

Comitê Intersetorial de Enfrentamento à Violência Sexual

 

A ser realizado

 

2008

Estado e demais municípios

Secretarias Estaduais, Ong’s , entre outros.

Criar o Banco de Dados

Monitorar o Plano estadual a cada 6 meses.

Em todo o Estado

CEDCA

Organizações Não Governamentais

A ser realizado

Criar comissão de monitoramento

2008

Diagnosticar fatores de vulnerabilidade e modalidades de violência sexual contra crianças e adolescentes.

Em todo Estado

SEDES/SEJUDH/CEDCA

Universidades, MRE, , Conselhos Municipais dos Direitos das Crianças e adolescentes Conselho Estadual de assistência, Conselho Tutelar Poder Judiciário, Ministério Publico, Poder Legislativo, Defensoria Pública

A ser realizado

Criar equipe de pesquisadores

2009

9

2) MOBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO: Fortalecer as articulações nacionais, regionais e locais de combate e pela eliminação da violência sexual; comprometer a sociedade civil no enfrentamento dessa problemática; divulgar o posicionamento do Brasil em relação ao sexo turismo e ao tráfico para fins sexuais; pornografia na internet, e avaliar os impactos e resultados das ações de mobilização.

MOBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO

PROJETO

 

REGIÕES/

RESPONSÁVEIS

PARCEIROS

 

SITUAÇÃO

PROVIDÊNCIAS

PRAZOS

AÇÃO

MUNICÍPIOS

 

Fortalecer as ações de articulação dentro do Programa Turismo Sustentável e Infância

06 Pólos de Turismo do Pará ampliando para mais municípios

PARATUR

Secretarias Estaduais, ONGs (Comitê Gestor do Programa Jepiara), entre outros.

A

ser executado.

Articulação das Entidades e municípios nos Pólos de Turismo e no Comitê Estadual

2008/2011

Captar recursos externos para ampliar as ações na temática

12

Pólos do Estado

Órgãos da

Demais Órgãos e Entidades

 

Em Execução

Captação de Recursos permanente

2008/2011

e

demais

administração Direta e Indireta

 

municípios

 

Integrar as ações de enfrentamento de forma a otimizar os recursos disponíveis nos orçamentos

12

Pólos do Estado

Comitê Intersetorial

Secretarias Estaduais, Organizações Não Governamentais, entre outros.

A

articulação das

Analisar os orçamentos dos órgãos governamentais e não governamentais

2008/2011

e

demais

de Enfrentamento à Violência Sexual

ações está sendo realizada no Comitê Intersetorial

municípios

Promover Campanhas de Mobilização e Sensibilização

12

Pólos do Estado

Comitê Intersetorial

Secretarias Estaduais, ONGs, entre outros

 

Em execução

Articular com os municípios para

2008/2011

e

demais

de Enfrentamento à Violência Sexual

 

municípios

 

estabelecer agenda para

     

2008

Criar agenda de ações integradas de enfrentamento á violência sexual

12

Pólos do Estado

SEGOV (Assessoria

Secretarias Estaduais, Organizações Não Governamentais, entre outros.

 

A ser criada

Articulação para a criação e divulgação da agenda junto à SEGOV

2008/2011

e

demais

de comunicação)

 

municípios

Publicizar as ações de enfrentamento à Violência sexual nos meios de comunicação em geral e sites de órgãos e entidades envolvidos com a temática

12

Pólos do Estado

Comitê Intersetorial

Secretarias Estaduais, Organizações Não Governamentais, entre outros.

A ser realizada

Articulações para

2008/2011

e

demais

municípios

de Enfrentamento à Violência Sexual

publicização dentro do Comitê Intersetorial

10

Avaliar os impactos e os resultados das ações de mobilização de Enfrentamento da violência sexual

12 Pólos do Estado e demais municípios

SEJUDH- GUARANI

Mídia local, Conselhos Estadual e Municipais de Defesa dos Direitos da Crianças e do adolescentes, Fóruns de entidades , Redes de enfrentamento

A ser realizada

Criar mecanismos para a apuração de feedback da sociedade sobre a mobilização em torno das ações do Plano Estadual

2008/2011

11

3)DEFESA E RESPONSABILIZAÇÃO: Atualizar a legislação sobre crimes sexuais (modernizar as leis de procedimentos estaduais); combater a impunidade; disponibilizar serviços de notificação; capacitar os profissionais da área jurídico-policial; implantar e implementar os Conselhos Tutelares; o SIPIA e as Delegacias especializadas de crimes contra crianças e adolescentes.

DEFESA E RESPONSABILIZAÇÃO

PROJETO

REGIÕES

RESPONSÁVEIS

PARCEIROS

SITUAÇÃO

PROVIDÊNCIAS

PRAZOS

AÇÃO

MUNICÍPIOS

Implementar as Promotorias da Infância e Juventude nos pólos que ainda não tem.

Todos os municípios

Ministério Público

 

Municípios sem as Promotorias da Infância e Juventude

Implantar nos

2008-

Municípios

2011

Realizar audiências públicas para discutir questões referentes ao enfrentamento da violência sexual.

Todos os Municípios

Ministério Público

Entidades Governamentais e Não Governamentais

   

2008-

SEJUDH

Ainda não estão acontecendo

Articular junto aos municípios

2011

Articular ou Reordenar as Redes de Enfrentamento da Violência Sexual- PAIR.

Belém, Altamira, Marabá Marituba, Muncpipios da BR-163 e ilha do Marajó (Salvaterra, Soure. Breves e Portel)

SEJUDH SEDES/CRAS 2 /CREAS 3

Prefeituras Locais

Redes de

Reordenar a Rede

2009

enfrentamento

 

inexistentes ou

desarticuladas

Priorizar o atendimento das crianças e adolescentes vítimas de violência sexual através do Projeto Cidadania

Todos os Municípios

SEJUDH

Comitê Gestor do Fundo Estadual

Em Execução

Continuar o

2011

SEDES/REDE

Programa

CIDADANIA

 

PARÁ/CRAS/CREAS

2 Centro de Referência de Assistência Social

3 Centro de Referência Especializado de Assistência Social

12

Implementar o Programa de Proteção a crianças e adolescentes ameaçados de morte.-PPCAM

Em todo o Estado

SEJUDH

Entidades não

Em Processo de

Implantar o Programa

2011

governamentais e

Implantação

secretarias

municipais de

 

assistência social.

Criar Programa de Educação em Direitos Humanos

Em todo o Estado

SEJUDH

Grupo de Trabalho

A

ser criado

Implantar o Programa

2011

Reestruturar o Centro de Atendimento Integrado da Polícia Civil

Belém

Polícia Civil

 

Necessitando de

Captar Recursos

2011

estrutura física

 

adequada

Desmembrar a Vara de Crimes contra criança e adolescente, constituindo uma Vara específica de violência sexual

Belém

TJE

 

A Vara atende

Desmembrar a Vara, criando uma específica.

2011

todos os tipos de crimes contra crianças e

adolescentes

 

Fortalecer os Conselhos Tutelares

Em todo Estado

SEJUDH- SEDES- Prefeituras Municipais

       
 

Abaetetuba, Altamira, Ananindeua, Belém, Castanhal, Itaituba, Icoaraci, Marabá, Redenção, Santa Izabel, Santarém, Tucurui.

TJE

   

Em fase

Ampliar as Equipes onde existem Varas da Infância

2011

Ampliar as equipes técnicas interdisciplinares das Varas que atuam com crianças e adolescentes

ampliação

Criar grupo interdisciplinar móvel, integrado por juízes, promotores e técnicos para o enfrentamento da violência sexual

Em todos os municípios

TJE SEJUDH

Prefeituras dos

A

ser criado

Articular entre as diferentes esferas estaduais do Pará

2011

SEDES

Municípios

 

Garantir a continuidade do Programa de Proteção a pessoas sob ameaça de morte, testemunhas de processos criminais – PROVITA

Em todo o Estado

SEJUDH

SDDH

Em execução

Continuar a execução

2011

13

Fortalecer as delegacias nos municípios para atendimento dos crimes de violência sexual contra crianças e adolescentes.

Em todo Estado

SEGUP;

Prefeituras dos

   

2011

Polícia Civil

Municípios

Criar estratégias de investigação com a rede de inteligência sobre exploração sexual em articulação com o CONSEP

Em todo o Estado

CONSEP, SEJUDH

Polícia Civil,

A ser criado

Articular entre as diferentes esferas estaduais do Pará

2011

PROVITA

14

4) ATENDIMENTO: Efetuar e garantir o atendimento especializado, e em rede, às crianças e aos adolescentes em situação de violência sexual e às suas famílias.

 

ATENDIMENTO

PROJETO

REGIÕES

RESPONSÁVEIS

PARCEIROS

SITUAÇÃO

PROVIDÊNCIAS

PRAZOS

AÇÃO

/MUNICÍPIOS

Fortalecer e expandir o Centro de atendimento integrado especializado em Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes

Em todo o Estado

SESPA (SANTA

Organizações não

Em discussão

Formar Grupo de Trabalho para regionalizar e Implantar o Centro Integrado nas 12 regionais.

Janeiro

CASA)

governamentais e

2008

IML

governamentais.

POLICIA CIVIL

Implantar e fortalecer o atendimento dos CREAS para o acompanhamento das vítimas e famílias dos casos encaminhados do Centro de Atendimento Integrado Especializado

Em todo o Estado

SEEDS

Conselhos tutelares

 

Articular com as prefeituras municipais, necessidade de implantação de novos e fortalecimento dos já existentes

2008

a

Atendimento inicial fragilizado

2011

Organizar Seminários para discutir o Fluxo de atendimento de crianças e adolescentes vítimas de Violência Sexual

Em 13 Pólos das regionais de proteção social do Estado

SEDES

MRE

Necessidade de discutir e esclarecer os fluxos de atendimento a crianças e adolescentes vítimas de violência sexual

Formar grupo de trabalho para articular com os pólos regionais de proteção social

Abril de

SEGOV

UNICEF

2008

SEJUDH

UNAMA

IMPLANTAR OS CREAS REGIONALIZADOS

12 REGIONAIS

SEDES/Rede

Organizações não

Inexistência de CREAS nas regiões de porte regionalizado

Reunião com gestores municipais para pactuar a criação dos serviços e estrutura

2008-

Estadual de

governamentais e

2011

 

Enfrentamento

governamentais.

Monitorar e avaliar os programas de média complexidade

36 Municípios

SEDES

SEJUDH

Acompanhamento sistemático nos municípios que já possuem CREAS implantados

Continuar os

2008

a

monitoramentos

2011

15

Capacitar e sensibilizar os operadores da Rede Sócio- assistencial da Proteção especial da média complexidade e os agentes de Saúde para o atendimento de crianças e adolescentes vítimas da violência sexual

Em 13 Pólos das regionais de proteção social do Estado

SEDES

MRE

A ser executado

Formar grupo de trabalho, agendar formações.

2008

a

SEGOV

SÓDIREITOS

2011

SEJUDH

IPAS

SESPA

RÁDIO

 
 

MARGARIDA

Redimensionar a estrutura fisco e de recursos humanos nas Unidades Básicas de Saúde criando espaços especializados de atendimento as vítimas da violência sexual

Em 13 Regionais de proteção social do Estado

SESPA

Prefeituras Municipais, CRAS, CREAS

Em Fase de implantação em 04 municípios

Expandir para os demais municípios do Estado

2008

a

2011

Criar e implementar espaços de acolhimento às crianças e adolescentes vítimas da Violência Sexual e fortalecer os espaços já existentes

Em todo o Estado

SEDES

Entidades Não

A necessidade de ampliar o atendimento que é insuficiente

Fortalecer a retaguarda

2008

a

Governamentais

2011

SEJUDH

Garantir o acompanhamento sistemático por uma equipe especializada a Crianças,

Em todo o Estado

SEDES

Entidades Não

A ser realizado

Fortalecer e qualificar o atendimento.

2008

a

Governamentais

2011

SEJUDH

 

adolescentes e de suas famílias das vítimas da Violência Sexual

.

Priorizar o atendimento das famílias de crianças e adolescentes na inserção de programas de transferência de Renda e sustentabilidade econômica e de habitação

Em todo o Estado

SEDES/ SETER

Entidades

A ser realizado

Garantir o atendimento especializado e encaminhamento das famílias.

2008

a

SEGOV

Governamentais,

2011

estaduais e

municipais,

entidades não

 

governamentais

16

5) PREVENÇÃO: Assegurar ações preventivas contra a violência sexual, possibilitando que as crianças e adolescentes sejam educados para o fortalecimento da sua auto defesa; atuar junto à Frente Parlamentar no sentido da legislação referente à INTERNET.

PREVENÇÃO

PROJETO / AÇÃO

REGIÕES

RESPONSÁVEIS

PARCEIROS

SITUAÇÃO

PROVIDÊNCIAS

PRAZOS

MUNICÍPIOS

Implantar e implementar ações preventivas de forma integrada de enfrentamento a violência sexual junto a crianças e adolescentes

Todos os municípios do Estado do Pará

Entidades governamentais e não-governamentais; SEDES/CRAS/CREAS; Polícia militar (CIEPAS, CIPOE, CIPTUR); Polícia Civil (DATA); SEJUDH; CREAS Municipais; PRF.

Entidades não

Atividades preventivas isoladas e desarticuladas e ausência de recursos específicos para expansão do trabalho de abordagem.

Integrar e fortalecer a rede de enfretamento a violência sexual contra crianças e adolescentes; Captação de recursos para expansão do trabalho de abordagem.

2010

governamentais e

prefeituras

 

municipais.

Implantar as ações preventivas do PAIR

Belém;

SEJUDH

Rede existente nos municípios onde as ações serão implantadas.

Em processo de implantação com previsão de ampliação.

Ampliar e fortalecer o PAIR.

2010

Marituba;

 

Altamira;

 

Marabá

Fortalecer o Programa Saúde e Prevenção nas Escolas.

Região Metropolitana de Belém e 70 escolas do interior do Estado.

SEDUC;

SESPA; UNICEF;

Em fase de replanejamento.

Ampliar as ações do programa

2010

SEDES

UFPA; TXAI

SEJUDH

JOVEM

   
 

SESPA

(CEDECA-

EMAÚS / MRE)

Capacitar os profissionais da rede no enfrentamento da violência sexual contra crianças e adolescentes.

Belém, Marituba, Marabá, Altamira e municípios da BR 163, e municípios do Marajó.

SEJUDH

SEDES; SESPA;

Necessidade de

Realizar ações de capacitação em caráter de urgência.

2010

JEPIARA; UFPA;

realização de

UEPA; UNAMA;

capacitação

IESP.

continuada.

 

Realizar oficina de Nivelamento Técnico envolvendo 30 profissionais da Coordenação da Área Técnica Saúde do Adolescente, outros profissionais e jovens

Região

SESPA

Entidades não

Em fase de implementação da ação.

Mobilização das entidades governamentais e não governamentais para participarem deste momento.

2008

Metropolitana

governamentais

17

dos movimentos

           

comunitários.

Realizar oficina formativa de 30 multiplicadores da área de saúde, educação e lideranças juvenis do Projeto SPE – Comissão Gestora Estadual,

 

SESPA

     

2008

Realizar uma oficina para as equipes das Unidades Básicas com a participação de 25 profissionais da Saúde e 05 jovens representantes do Controle Social

Santarém,

SESPA

IPAS Brasil

Em fase de implementação da ação.

 

2008

Altamira, Belterra,

Novo Progresso,

Trairão e

 

Rurópolis.

Desenvolver campanhas educativas de sensibilização em portos, estradas, rodoviárias e aeroportos.

 

SEGOV; SEJUDH.

PRF, PRE, INFRAERO, Capitania dos Portos e Sindicato de bares, hotéis, motéis e similares

 

Realização de campanhas de forma articulada com os diversos atores que compõe a rede.

2010

Em todo Estado do Pará

PRF

Campanhas isoladas e insuficientes.

Ampliar a ação educativa do PROERD (Programa Educacional de Resistência a violência e as drogas) com foco em enfrentamento da violência sexual contra crianças e adolescentes.

Em todo Estado do Pará.

Polícia Militar

Entidades não- governamentais da rede e prefeituras.

Ações pontuais executadas através de trabalho voluntário.

Ampliar e fortalecer as ações através de captação de recursos.

2010

18

6) PROTAGONISMO JUVENIL: Promover a participação ativa de crianças e adolescentes pela defesa de seus direitos e compromete-los com o monitoramento da execução do Plano Nacional.

PROTAGONISMO INFANTO JUVENIL

PROJETO

REGIÕES

RESPONSÁVEIS

PARCEIROS

SITUAÇÃO

PROVIDÊNCIAS

PRAZOS

AÇÃO

/MUNICÍPIOS

Realizar um mapeamento estadual para identificar as entidades que trabalham com o protagonismo infanto- juvenil com a participação dos CREAS, CRAS, conselhos tutelares e ONG´s

 

SEJUDH

MRE-TXAI- JOVEM Comitê Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes, ASIPAG.

Mapeamento

Criar grupo de trabalho Sistematizar a experiência e produzir uma publicação

2008

a

Em todo o Estado do Pará

SEEDES

inexistente

2010

Realizar um encontro estadual para socializar as experiências identificadas, garantindo a participação de jovens.

 

SEJUDH

Organizações não governamentais, Comitê Nacional, Rede Estadual e Rede Municipal de enfrentamento a violência sexual, CEDCA, Prefeituras municipais.

A

ser

Mobilização das entidades para realização do mapeamento Criar grupo de trabalho. Agendar a data do seminário

2008

a

Em todo o Estado do Pará

SEEDS

realizado

2010

Investir em plano de formação continuada para adolescentes e jovens na perspectiva de se tornarem agentes de direito.

Em todo o Estado do Pará

SEJUDH Plano estadual de educação em Direitos Humanos

ONGs, Comitê Nacional, Rede Estadual, Rede Municipal CEDCA, Prefeituras municipais.

A

ser

Criar grupo de trabalho

2008

a

realizado

2010

Sensibilizar os movimentos de juventude e populações tradicionais (quilombolas, indígenas) para o protagonismo juvenil na rede estadual e no monitoramento das políticas públicas.

 

SEJUDH

ONGs, Comitê Nacional, Rede Estadual, Rede Municipal, CEDCA, Prefeituras municipais.

A

ser

 

2008

a

Em todo o Estado do Pará

SEEDS

realizado

Criar grupo de trabalho

2010

19

Inserir a temática nas conferencias municipais, estadual e nacional de juventude.

Em todo o Estado do Pará

SEJUDH-Coordenadoria da Juventude

ONG’s, Comitê Nacional, Rede Estadual, Rede Municipal, CEDCA, Prefeituras municipais.

A

ser

Criar grupo de trabalho

2008

a

realizado

2010

Sensibilizar e envolver adolescentes, jovens atendidos nos programas sócias de governo.

Em todo o Estado do Pará

SEJUDH- (Coordenadoria da Juventude) SEDES/REDE CIDADANIA/CRAS/CREAS

ONG’s, Comitê Nacional, Rede Estadual, Rede Municipal, CEDCA, Prefeituras municipais.

A

ser

Criar grupo de trabalho

2008

a

realizado

2010

Articular com órgãos e entidades que atuam na formação de jovens multiplicadores de conhecimento, enfatizando o espaço comunitário.

 

SEJUDH- (Coordenadoria da Juventude) SEDES/REDE CIDADANIA/CRAS/CREAS

ONG’s, Comitê Nacional, Rede Estadual, Rede Municipal, CEDCA, Prefeituras municipais.

A

ser

 

2008

-

Em todo o Estado do Pará

realizado

Criar grupo de trabalho

2011

20

Anexos:

Entidades Participantes na Construção do Plano Estadual:

Governamentais:

Secretaria de Estado de Governo – SEGOV

Secretaria de Estado de Segurança Pública - SEGUP

Secretaria de Estado da Saúde Pública – SESPA

Saúde da Criança/DASE/DT/SESPA

Secretaria de Estado de Educação - SEDUC

Secretaria de Estado de Assistência e Desenvolvimento Social – SEDES

Policia Militar – PM

Policia Civil - PC

Companhia Independente Especial de Policia Assistencial - CEIPAS/PM

Fundação da Criança e do Adolescente do Pará - FUNCAP

Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos – SEJUDH

Corpo de Bombeiros Militar do Pará - CBM/Pa

Divisão de Atendimento á Criança e ao Adolescente – DATA

Delegacia Geral da Policia Civil/ DATA

Agência de Regulamentação e Controle de Serviços Públicos – ARCON

Companhia Paraense de Turismo – PARATUR

Departamento de Trânsito do Estado do Pará – DETRAN

Defensoria Pública Geral do Estado do Pará

Tribunal de Justiça do Estado – TJE

Procuradoria Geral de Justiça do Ministério Público

Promotoria de Justiça da Infância e Juventude

21

Câmara Municipal de Belém DPRF – MJ

Fundação João Paulo XXI – FUNPAPA Conselho Tutelar V

Programa de Enfrentamento à Exploração Sexual – Bragança

Assembléia Legislativa do Estado do Pará – ALEPA

Comissão de Direitos Humanos – ALEPA

Núcleo de atendimento à Criança e ao Adolescente – NAECA

Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social – SEMADS/ Marituba

Projeto Lumiar – SEMADS/Marituba

Câmara Setorial de Políticas Sociais – CSPS/SEGOV

Policia Rodoviária Federal – PRF

Coordenadoria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial – COPIR/SEJUDH

Centro de Referência Especializado da Assistência Social – CREAS/Parauapebas

Secretaria Municipal de Assistência Social – SEMAS/Paragominas

2ª Vara da Infância e Juventude – TJE

Centro de Atendimento Psico-Social - CAPS/SESMA/Ananindeua

Casa de Passagem – SEMADS/Marituba

Projeto Cidadania – SEJUDH

Coordenadoria de Pessoas com Deficiência e Sofrimento Psíquico- CODESP/SEJUDH

Centro de Atendimento e Prevenção ao Usuário de Drogas e outros Danos - CENPREN/SEJUDH

Diretoria de Direitos Humanos – DDH/SEJUDH

Núcleo de Planejamento - NUPLAN/SEJUDH

Coordenadoria Proteção à Livre Orientação Sexual – CPLOS/SEJUDH

Coordenadoria Indígena – SEJUDH

Coordenadoria de Educação em Direitos Humanos – COEDH/SEJUDH

22

Não Governamentais:

Fórum Municipal de Enfrentamento da Violência Sexual. Universidade da Amazônia – UNAMA Fundo das Nações Unidas pela Infância – UNICEF Movimento República de Emaús - MRE Centro de Defesa da Criança e do Adolescente – Cedeca /Emaús Rede Txai Jovem – Cedeca/Emaús – MRE Centro de Valorização da Criança Raio de Luz - CVC União de Negros pela Igualdade- UNEGRO Movimento Nacional de Meninos e Meninas de Rua – MNMMR Grupo de Mulheres do Brasileiras – GMB Sociedade Paraense de Pediatria Projeto Arte de Viver/ Pólo Jurunas – MRE Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente – CEDCA Rádio Margarida Projeto Rede Vitória Régia – UNICEF Conselho Regional de Psicologia Associação Curumins – Fortaleza/Ce Amazônia Jornal – ORM Sociedade de Defesa dos Direitos Sexuais da Amazônia – SODIREITOS Instituto Brasileiro de Administração para o Desenvolvimento-IBRAD Grupo de Mulheres Prostitutas do Estado do Pará – GEMPAC Associação Paraense de Comunidades Carentes – APACC Movimento de Promoção à Mulher - MOPROM

23