Você está na página 1de 3

Universidade Estadual da Paraíba

Aluno: Antonio Evangelista Duarte Sobrinho Matrícula: 171541422

Disciplina: Língua Portuguesa I Prof.(a): Iara

3.CONCEPÇÃO DE GRAMÁTICA

3.1. Conceito de gramática

“[...] entende por gramática e de acordo com a cada concepção, o que seria
saber gramática e o que é ser gramatical.”

“Há basicamente três sentidos para essas expressões, [...]”

“No primeiro a gramática é concebida como um manual com regras de bom


uso da língua a serem seguidas por aqueles que querem se expressar
adequadamente. [...] normalmente é rotulada de gramática normativa [...]. Dessa
forma, gramatical aqui será aquilo que obedece, que segue as normas de bom uso
da língua, configurando o falar e o escrever bem.”

“Nesse primeiro sentido afirma-se que a língua é só a variedade dita padrão


ou culta e que todas as outras formas de uso da língua são desvios, erros,
deformações, degenerações da língua, [...]. A gramática só trata da variedade de
língua que se considerou como norma culta, fazendo uma descrição dessa
variedade e considerando erro tudo o que não está de acordo com o que é usado
nessa variedade de língua.”

“Portanto, estão embutidos nessa concepção de gramática vários modos de


perceber e definir a chamada norma culta que mobilizam argumentos de diferentes
ordens para incluir na norma culta ou excluir dela formas e usos [...]. Os argumentos
são sobretudo de natureza: estética, elitista ou aristocrática, política, comunicacional
e histórica.”

“A segunda concepção de gramática é a que tem sido chamada de


gramática descritiva, porque faz, na verdade, uma descrição de estrutura e
funcionamento da língua, de sua forma e função. Gramatical será então tudo o que
atende às regras de funcionamento da língua de acordo com determinada variedade
linguística. O critério é propriamente linguístico e objetivo, [...]”

“A terceira concepção de gramática é aquela que, considerando a língua


como um conjunto de variedades utilizadas por uma sociedade de acordo com o
exigido pela situação de interação comunicativa em que o usuário de língua está
engajado, percebe a gramática como o conjunto das regras que o falante de fato
aprendeu e das quais lança mão ao falar. Ou, como diz Franchi (1991:54),
“Gramática corresponde ao saber[...]”. Nesse caso “saber gramática não depende,
pois, em princípio de escolarização, ou de quaisquer processos de aprendizado
sistemático,[...]. Não existe livros dessa gramática, pois ela é o objeto de descrição,
[...] gramática internalizada.”

“Nessa concepção de gramática, não há o erro linguístico, mas a


inadequação da variedade linguística utilizada em uma determinada situação de
interação comunicativa, [...].”

3.2 Tipos de gramática

“Os três conceitos de gramáticas vistos anteriormente já deixam clara a


existência de três tipos de gramática, que apresentamos a seguir.”

1) “A gramática normativa, que é aquela que estuda apenas os fatos da


língua padrão, da norma culta de uma língua, norma essa que se tornou
oficial. Baseia-se, em geral, mais nos fatos da língua escrita e dá pouca
importância à variedade oral da norma culta, que é vista,
conscientemente ou não, como idêntica à escrita. Essa gramática
considera apenas uma variedade de língua como válida, como sendo a
língua verdadeira.”
2) “A gramática descritiva é a que descreve e registra para uma
determinada variedade da língua em um dado momento de sua
existência as unidades e categorias linguísticas existentes, [...]. Portanto
a gramática descritiva trabalha com qualquer variedade da língua e não
apenas com variedade culta e dá preferência para a forma oral desta
variedade.”
3) “A gramática internalizada ou competência linguística internalizada do
falante é o próprio “mecanismo”, o conjunto de regras que é dominado
pelos falantes e que lhes permite o uso normal da língua (cf Perini, 1976:
20 e 22).”

“Além desses três tipos de gramática derivados de concepção que se tem de


gramática, trabalhamos também com outros três tipos cujo critério de proposição
está ligado à explicitação da estrutura e do mecanismo de funcionamento da língua.
São eles: gramática implícita, gramática explícita ou teórica e gramática reflexiva.”

“Outros tipos de gramática comumente citados e que são definidos pelos


seus objetos de estudo e por seus objetivos são os especificados a seguir.”
(gramática contrastiva ou transferencial, gramática geral, gramática universal,
gramática histórica e gramática comparada.)

Referência Bibliográfica

TRAVAGLIA, L.Carlos. gramática e interação: uma proposta para o ensino da


gramática no 1°e 2°grais.São Paulo: Cortez, 2003, p.24-37.

Obs.: Professora venho por meio deste, lhe informar que as partes grifadas do texto
correspondem em boa parte a análise feita por minha pessoa. Em razão disso, peço
que não interprete mal as partes que a senhora grifou; pois, utilizei algumas partes
que seria imprescindível para a compreensão deste fichamento.

Você também pode gostar