Você está na página 1de 76

ANTIBIÓTICOS

LEONARDO CALDAS VIEIRA


ANTI  CONTRA
BIOS  VIDA

Fármacos usados contra


infecções bacterianas
ANTIBIÓTICOS
• PRINCÍPIOS

– Sensibilidade do microrganismo;
– Exposição prévia do hospedeiro ao antibiótico;
– Idade;
– Função hepática e renal;
– Sítio da infecção;
– Interações medicamentosas;
– Gravidez;
– Comprometimento imune.
QUIMIOTERÁPICOS

• Compostos químicos sintéticos capazes de


destruir agentes infecciosos

– Antibióticos
– Antiparasitas
– Antivirais Antimicrobianos
– Antifúngicos
– Antineoplásicos
QUIMIOTERÁPICOS
ANTIBIÓTICOS

LEONARDO CALDAS VIEIRA


QUIMIOTERÁPICOS

• ESCOLHA

– Espectro, monoterapia vs terapia combinada;


– Gravidade e seriedade da infecção;
– Condição geral do paciente;
– Aspectos de segurança e circunstâncias especiais;
– Conveniência, conforto e custo.
QUIMIOTERÁPICOS

• PROPRIEDADES REQUERIDAS

– Parasitotropia máxima
• Tóxico para os parasitas

– Organotropia mínima
• Preserva as células do organismo
QUIMIOTERÁPICOS
• Bactericida
– Mata as bactérias

• Bacteriostático
– Impede o crescimento populacional bacteriano

• As bactérias podem desenvolver resistência se


forem administradas fórmulas ou doses
inadequadas de antibióticos
ESPECTRO

• Estreito
– Poucas espécies são sensíveis ao agente.

• Estendido
– Espectro intermediário.

• Amplo
– Vasta variedade de microorganismos, patogênicos e
não patogênicos.
MICRORGANISMOS
INFECÇÕES X INFESTAÇÕES

• CÉLULAS
– Procariotas
• Sem núcleo (bactérias)
– Eucariotas
• Com núcleo (helmintos)
– Vírus
• Não são células. Não possuem mecanismos bioquímicos
próprios
– Células cancerosas
• Células que “escaparam” dos processos reguladores
QUIMIOTERÁPICOS

• Síntese ou Ação do Folato


• Beta Lactâmicos
• Síntese de Proteínas

• Topoisomerase II

• Diversos
SÍNTESE OU AÇÃO DO FOLATO

SULFONAMIDAS

• Anos 1930
• Demonstração por Dr. Domagk
• Várias sulfonamidas
• Vários grupos importantes de drogas por
modificação estrutural
– Diuréticos, tuberculostáticos, anti-hanseníase
e hipoglicemiantes orais
SÍNTESE OU AÇÃO DO FOLATO

• Exemplos:
– Sulfodiazina
– Sulfadimitidina
– Sulfametopirazina
– Sulfasalazina
– Sulfametoxazol
SÍNTESE OU AÇÃO DO FOLATO

• Análogo ao Ác. P-aminobenzóico (PABA)


Síntese do Ác. Fólico
• Competição com o PABA

• Inibição de síntese de DNA e RNA


• Bacteriostático

• Em pus não há atividade  timidina e purina


usados como ác. fólico
SÍNTESE OU AÇÃO DO FOLATO

PABA  diidroteroato sintetase  folato

folato  diidrofosfato redutase  tetraidrofolato

síntese timidilato, etc  DNA


SÍNTESE OU AÇÃO DO FOLATO

FARMACOCINÉTICA

• Absorção rápida em TGI


• Concentração máxima em 4 – 6 horas
• Metabolismo hepático
• Excreção na urina
• Não usado topicamente por risco de reações
SÍNTESE OU AÇÃO DO FOLATO

EFEITOS INDESEJÁVEIS

• Náuseas, vômitos e cefaléia


• Cianose devido a metemoglobinemia
• Efeitos graves como hepatite,
hipersensibilidade, depressão da medula óssea
e cristalúria
SÍNTESE OU AÇÃO DO FOLATO
• Cotrimoxazol (Sulfametoxazol + Trimetropin)
(Bactrin):
Pneumocistose (primeira escolha)
Otite Média Crônica
Pac
Paracoccidiodomicose
Itu
Febre Tifóide
Shiguelose
• Sulfadoxina
Paracoccidiodomicose
Malária (profilaxia)
Pneumocistose (profilaxia)
• Sulfadiazina
Toxoplasmose
Nocardiose
SÍNTESE OU AÇÃO DO FOLATO
• ESPECIALIDADES

Medicamentos Genéricos

– Trimetropina

– Cotrimoxazol  Trimetropina + Sulfametoxazol


(Bactrin, Espectrin, Infectrin, Septra)

– Sulfadozina: Fanasulf
SÍNTESE OU AÇÃO DO FOLATO

• USOS

– Contra certos tipos de malária e


toxoplasmose

– Queimaduras infectadas

– Algumas DSTS
BETA-LACTÂMICOS

• Descoberta acidental em 1928 por Alexander


Fleming

• Fungo do gênero Penicillium - PENICILINA

• Substância extraída e analisada em 1940

• Efeitos demonstrados em 1941 em Oxford em


um policial
BETA-LACTÂMICOS

• Interfere na síntese do peptideoglicano da


parede celular bacteriana

• Ligam-se aos sítios receptores na bactéria

• Inibem enzimas de formação dos


peptideoglicanos

• Inativa um inibidor de enzimas autolíticas nas


bactérias, levando-as à lise  bactericida
QUÍMICA
FARMACOCINÉTICA

• Administração oral tem diferentes graus


de absorção no TGI  de muito boa À
precária
• IM ou IV
• Ampla distribuição  articulação, pleura,
pericárdio, bile, saliva, leite E placenta
• Insolúveis em lipídios  não passa
barreira hematoencefálica
FARMACOCINÉTICA

• Metabolismo hepático

• Eliminação rápida por via renal

• Meia vida plasmática relativamente curta


BETA-LACTÂMICOS
• PENICILINA G CRISTALINA
Meningites bacterianas não adquiridas em ambiente hospitalar
Endocardites (associar aminoglicosídeos)
Abcessos pulmonares
Leptospirose

• PENICILINA G PROCAÍNA
PAC (Pneumonias adquiridas na comunidade)
Infecções de pele (impetigo, erisipela, celulite)
Gonorréia (primeira escolha)
Profilaxia de endocardite infecciosa

• PENICILINA G BENZATINA
Sífilis
Profilaxia de febre reumática

• PENICILINA V
Infecções leves de boca e pele
BETA-LACTÂMICOS
• AMPICILINA
Meningites bacterianas não adquiridas em ambiente hospitalar
Shigueloses
PAC

• AMOXICILINA
Sinusite bacteriana
Otite média aguda
PAC
Salmonelose

• OXACILINA
Endocardites (associar aminoglicosídeos)
Abcessos de pele e pulmonar
Pneumonia estafilocóccica

• CARBOXIPENICILINA E UREIDOPENICILINA
Abcessos abdominais (associar ác. clavulânico)
BETA-LACTÂMICOS

• QUASE INESISTÊNCIA DE EFEITOS


TÓXICOS DIRETOS

• Principal efeito é a hipersensibilidade às


penicilinas
– Erupções cutânes e febre
– Choque anafilático agudo  pode ser fatal
– Vasculite, nefrite e distúrbios hematológicos
BETA-LACTÂMICOS
• Trabalhos com um fungo Cephalosporium
chegaram a 3 tipos de antibióticos.
– CEFALOSPORINA N, C, P, sendo relacionadas à
penicilina

• As cefamicinas são produzidas por


Streptomyces.
– Estão estreitamente relacionadas às cefalosporinas
BETA-LACTÂMICOS
• Muitas cefalosporina e cefamicinas para uso
clínico
– Cefalexina, Cefalotina, Cefazolina, Cefodoxima,
Cefuroxima, Ceftriaxona, Cefotaxima, Ceftazidima
entre muitas outras

• Classificação de acordo com ordem cronológica


– 1ª - similares ou inferiores às Penicilinas G e V;
– 2ª - cocos gram-negativos e bacilos;
– 3ª - bacilos gram-negativos e Pseudomonas;
– 4ª - mais efetivos que a 3ª .
MECANISMO DE AÇÃO

• Idêntico ao das penicilinas


– Interferência na síntese de peptideoglicanos das
paredes externas das bactérias
FARMACOCINÉTICA

• Algumas podem ser administradas por via oral


• Maioria por via parenteral (IM/IV)

• Ampla distribuição pelo corpo

• Metabolismo hepático
• Excreção pelos rins principalmente ou pela bile
em certas drogas
USOS CLÍNICOS

• Septicemia, algumas pneumonias, algumas


meningites, infecção do trato biliar, infecções
urinárias (principalmente durante a gravidez) e sinusites
EFEITOS INDESEJÁVEIS

• Hipersensibilidade semelhante às penicilinas

• Nefrotoxicidade já foi relatada e intolerância ao


álcool

• Diarréia em cefalosporinas orais


SÍNTESE DE PROTEÍNAS
BACTERIANAS
TETRACICLINAS

• São antibióticos de espectro muito amplo


e bacteriostáticos

• Tetraciclina, Oxitetraciclina, Doxiciclina e


Minociclina
TETRACICLINAS

• Maioria das vezes administração oral – cada 6h;


• IV/IM;
• Absorção intestinal irregular – melhor quando
em jejum;
• Leite, alimentos com ferro e antiácidos – pior
absorção;
• Infecções oportunistas.
TETRACICLINAS

• Brucelose, Cólera, Peste e Doença de Lyme;

• Úteis em infecções mistas de vias respiratórias,


infecções do trato urinario e na acne;

• Drogas de 2ª escolha contra muitas infecções.


TETRACICLINAS
• Distúrbios gastrintestinais diretos ou por
modificação da flora
• Depositam-se nos dentes, causando manchas,
hipoplasia
• Deformidades ósseas
• Hepatotoxicidade em grávidas
• Altas doses prolongadas podem causar redução
de síntese protêica do hospedeiro e distúrbios
de medula óssea
AMINOGLICOSÍDIOS

• Estrutura química muito complexa;

• Têm semelhanças muito grandes de atividade,


farmacocinética e toxicidade;

• Gentamicina, Estreptomicina, Amicacina,


Neomicina e outros.
AMINOGLICOSÍDIOS

• Inibem síntese de proteína bacteriana;

• Penetração depende de transporte através de


oxigênio – baixa efetividade em anaeróbios;

• São bactericidas;
AMINOGLICOSÍDIOS

• Staphylococcus

• Streptococcus

• Infecções generalizadas em bebês

• Algumas infecções urinárias e por


queimaduras
AMINOGLICOSÍDIOS

• GRAVES efeitos tóxicos relacionados às doses


– OTOTOXICIDADE – Lesão progressiva e destrutiva
das células na cóclea e órgão vestibular. Resultado
irreversível. Vertigens, ataxia e distúrbios auditivos

– NEFROTOXICIDADE – Lesão no túbulos renais.


Reversível. Maior risco em pacientes com doenças
renais

• Menor toxicidade em tratamentos inferiores a 10


dias;
MACROLÍDIOS

• Durante mais de 40 anos somente eritromicina


foi usada.

• Hoje há vários macrolídios;

• Eritromicina, Claritromicina e Azitromicina.


MACROLÍDIOS

• BACTERICIDAS ou BACTERIOSTÁTICOS.

• Inibem síntese de proteína por atuar sobre a


translocação.
MACROLÍDIOS

• Espectro muito semelhante ao da penicilina;

• Alternativa eficaz ao paciente sensível à


penicilina.

• Pouco eficaz contra gram-positivos;

• Pode haver resistência por plasmídios.


MACROLÍDIOS

• Distúrbios do TGI são comuns, não graves e


mais com eritromicina;

• Hipersensibilidade;

• Infecções oportunistas TGI e vaginais.


MACROLÍDIOS
• ERITROMICINA
– 250mg a cada 6 horas em adultos
– Pode ser aumentada até 4g
– Administração por 10 – 14 dias

• CLARITROMICINA
– 500mg a 1g dia doses a cada 12 horas
– Pode chegar a 4g dependendo da gravidade da infecção

• AZITROMICINA
– 1 hora antes ou 3 horas depois das refeições
– 1,5g divididos entre 2 a 5 dias
LINCOSAMIDAS

• CLINDAMICINA
• LINCOMICINA

• Semelhante aos macrolídios


LINCOSAMIDAS

• Infecções de ossos e articulações

• Topicamente em conjuntivites

• TGI, geniturinárias e pneumonias


LINCOSAMIDAS

• Clindamicina – osteomielite e
microorganismos anaeróbios – ótima
difusão óssea;
– 600 – 900mg
– 6 – 8 horas
– Tempo depende da infecção, entre 7 – 10 dias
AGENTES QUE AFETAM
TOPOISOMERASE – II/IV
FLUOROQUINOLONAS

• PRIMEIRA GERAÇÃO
– ÁC. NALIDÍXICO, CINOXACINA, ÁC. OXOLÍNICO
– 1970-80

• SEGUNDA GERAÇÃO
– NORFLOXACINA, CIPROFLOXACINA,OFLOXACINA
– 1986-92

• TERCEIRA GERAÇÃO
– LEVOFLOXACINA, GATIFLOXACINA
– 1997

• QUARTA GERAÇÃO
– TROVAFLOXACINA, MOXIFLOXACINA
FLUOROQUINOLONAS

• Atua sobre a DNA-girase (TOPOISOMERASE-


II/IV)

• Inibe ação da ensima sobre o DNA;

• Não permite espiralamento para transcrição e


duplicação;

• Superespiralamento negativo.
FLUOROQUINOLONAS

• Infecção urinária complicada;


• Infecções respiratórias graves (inferior);
• Otite externa;
• Prostatite;
• Infecções ósseas e articulares no adulto;
• Gonorréia.

• Devem ser evitados em infecções


estreptocócicas.
FLUOROQUINOLONAS

Antiácidos com alumínio e magnésio, antagonistas


h2 e inibidores da bomba de prótons interferem
na absorção
FLUOROQUINOLONAS

• Efeitos indesejáveis raros;


• Leves e desaparecem com interrupção do
fármaco;
• Distúrbios TGI;
• Erupções cutâneas.

• Uso concomitante teofilina e AINES e


patologias SNC  pode causar cefaléia e
tontura e raramente convulsão.
FLUOROQUINOLONAS

• Ofloxacino – causa insônia;


• Ciprofloxacino – fotossensibilidade.

• Não devem ser usados em crianças,


adolescentes, gestantes e lactantes pois
alteram o crescimento das cartilagens e
dos ossos.
Profilaxia
Profilaxia
FUNGOS
• Terapia antifúngica dirigida para destruir
parede celular fúngica.

• Célula humana não possui parede celular


parasitotropia favorável

Apesar dessa seletividade, a maior parte dos


antifúgicos é muito tóxica para as células
humanas
CLASSIFICAÇÃO
• SISTÊMICOS
– ANFOTERICINA
– FLUCITOCINA
– IMIDAZÓLICOS TRIAZÓLICOS
• CLOTRIMAZOL, MICONAZOL, CETOCONAZOL, OXICONAZOL,
ETC
– IMIDAZÓLICOS DIAZÓLICOS
• TERCONAZOL, ITRACONAZOL, FLUCONAZOL
• TÓPICOS
– IMIDAZÓLICOS TRIAZÓLICOS
• CLOTRIMAZOL, MICONAZOL, CETOCONAZOL, OXICONAZOL,
ETC
– IMIDAZÓLICOS DIAZÓLICOS
• TERCONAZOL, ITRACONAZOL, FLUCONAZOL
– POLIÊNICOS
– ALILAMINAS
ANTIBIÓTICOS ANTIFÚNGICOS

• São antibióticos que têm efeitos contra os


fungos

• Anfotericina
• Nistatina
• Griseofulvina
ANFOTERICINA

• Antibiótico macrolídio de estrutura


complexa

• Não tem nenhuma ação contra bactérias

• Liga-se ao ergosterol  principal esterol


da membrana dos fungos
ANFOTERICINA

• Liga-se à membrana celular

• Causa interferência na permeabilidade


das células

• Células perdem k+ e morrem


ANFOTERICINA

• Via intravenosa lenta para uso sistêmico


• Pouco absorvida por via oral
– Essa via só é usada se a infecção for no tgi

• Liga-se às proteínas plasmáticas e é


encontrada em grande concentração nos
exudatos inflamatórios
ANFOTERICINA

• Excretada lentamente na urina  pode


demorar até 02 meses

• A toxicidade renal é comum  mais de


80% dos pacientes
• Hipocalemia, anemia, problema hepático,
trombocitopenia e anafilaxia
ANFOTERICINA

• Início do tratamento causa calfrios, febre,


dores de cabeça e vômitos

• Pode causar tromboflebite,


neurotoxicidade nas injeções e erupções
cutâneas no uso tópico
NISTATINA

• Antibiótico macrolídio semelhante à


anfotericina

• Não é absorvido pelas mucosas e deve


ter seu uso apenas em pele e no TGI
GRISEOFULVINA

• Fungistático

• Dermatomicoses e onicomicoses

• Precisa de tratamento muito prolongado


GRISEOFULVINA

• Via oral

• Induz P450  interações


medicamentosas

• Poucos efeitos colaterais  dispepsia e


cefaléia principalmente
ANTIFÚNGICOS SINTÉTICOS

• Imidazólicos

• Cetoconazol - Nizoral
• Fluconazol
• Itraconazol - Itranax
• Clotrimazol - Canesten
• Miconazol - Daktarin
CETOCONAZOL
• Compromete síntese de ergosterol
• Candidíases e blastomicose

• Via oral
• Deve estar em meio acido para dissolução
• Não usar com alimentos e antiácidos

• Pode causar tonturas, cefaléia, necrose hepática,


ginecomastia e arritmias
FLUCONAZOL

• Inibe P450 do fungo. Lesa membrana por inibição da


síntese do ergosterol
• Histoplasmose, blastomicose, candidíases e criptococose

• VO / IV
• Meia vida longa

• Pode causar tonturas, cefaléia e diarréias


ITRACONAZOL

• Farmacodinâmica igual ao fluconazol


• Usado para as mesmas infecções que o fluconazol, mas
também infecções cutâneas

• VO
• Deve estar em meio acido para absorção

• Pode causar tonturas, cefaléia, necrose hepática,


ginecomastia e arritmias, como o cetoconazol
CLOTRIMAZOL E MICONAZOL

• Farmacodinâmica desconhecida
• Candidíases, infecções cutâneas e o miconazol para
infecções severas

• Clotrimazol - VO
• Miconazol - tópico, vaginal e IV

• Miconazol pode causar cefaléias, prurido febre e náuseas